Você está na página 1de 9

O MONÔMITO DE BATMAN

Batman é, entre os heróis de ficção contemporâneos, provavelmente o mais humano. Ao contrário de muitos outros, cujos poderes provêm de estrangeiros (Superman) ou o resultado de um acidente científico (Spiderman), ou um gene genético mutação (X-Men), os poderes de Batman são os resultados de suas próprias virtudes, tais como seus esforços físicos e intelectuais, seu uso da ciência e tecnologia, e o poder econômico que ele tem para financiar suas atividades.

Desde a sua criação nos anos trinta, até a conclusão da trilogia cinematográfica de "The Dark Knight" em 2012, as narrativas sobre Batman - em quadrinhos, novelas gráficas, séries de televisão, filmes de cinema e videogames - tornou-se um dos heróis mais bem sucedidos em termos de popularidade e vendas. Suas aventuras formaram um poderoso imaginário, um quadro de imagens, símbolos, mitos, estereótipos e arquétipos que ultrapassou as próprias narrativas e tornou-se presente em contemporâneo vida, criando intertextualidades que foram além da imediata significado desses elementos simbólicos.

A trilogia Dark Knight - Batman Begins (2005), The Dark Knight (2008) e The Dark Knight Rises

(2012) - escrito e dirigido por Christopher Nolan, apresenta o herói durante três momentos de sua trajetória:

sua origem, seu pico e seu renascimento. A estrutura narrativa é caracterizada como um "monomyth" (Campbell), contando a história do herói clássico viagem, revelando um Batman que é violento, angustiado e que vive no vantagem de sanidade, mas quem, apesar de tudo isso, é um personagem virtuoso.

Este artigo procura analisar os principais elementos do imaginário construído e compartilhado pela trilogia, e usar a crítica do mito de Durand para identificar os arquétipos e mitos dominantes desse imaginário. Arquétipos e mitos que, de acordo com essa hipótese, podem ter contribuído fundamentalmente para o sucesso da série (os três filmes estavam entre os melhores dez globais em números de bilheteria em seus respectivos anos de lançamento).

Imaginário como um caminho antropológico e "cimento social"

Michel Maffesoli (2001, p.76) considera o imaginário como um "social cimento "que liga o indivíduo ao coletivo. Em contemporâneo sociedade, produção cinematográfica, especialmente aquela que consegue um grande sucesso popular (mainstream), é um dos fenômenos que contribui para "o cimento essencial de toda a vida social "(ibid, p. 51). Está no reino de imaginários que são construídos, reproduzidos e compartilhados por filmes bem sucedidos que uma parcela significativa de indivíduos estabelece seus processos de identificação com personagens, trajetórias, visões de mundo, comportamentos, estilos de vida

e padrões estéticos.

O universo dos super-heróis - que aparecem e se desenvolvem no histórias de quadrinhos, como uma atualização do arquétipo do herói, especialmente em Sociedade americana sob os efeitos da Grande Depressão da década de 1920 e 1930, e a Segunda Guerra Mundial - tem sido uma fonte de imaginários que permeia gerações em diferentes culturas e línguas, em quadrinhos livros e videogames. Desde o início do século 21, estes Os imaginários foram atualizados e ganharam força comunicacional.

como super-heróis se tornam um tema importante, e uma fonte de sucesso da indústria cinematográfica. Os filmes de super-heróis de 2001 a 2013, de acordo com Box Office Mojo, estavam entre os maiores sucessos mundiais de bilheteria. Spider-Man (2002), Spider-Man 3 (2007), The Dark Knight (2008) e The Avengers (2012), por exemplo, obteve a maior bilheteria global números dos anos em que foram lançados.

Mas, como esses imaginários, que são amplamente irrealistas, são capazes? de seduzir uma

audiência?

Uma maneira de entender esse fenômeno é analisá-lo a partir do perspectiva de como as funções imaginárias, de acordo com as ideias de Gilbert Durand (1921-2012). Este pensador francês vê o imaginário como o resultado de atitudes imaginativas produzidas por humanos em um "conhecimento antropológico". trajetória ", que relaciona as características biológicas do indivíduo para a cultura e vice-versa. É durante a trajetória antropológica que os elementos simbólicos, como arquétipos, imagens, símbolos, estereótipos, e os mitos são produzidos. Esses elementos simbólicos surgem da interação de características bio-psicológicas humanas básicas (dominante reflexos posturais, digestivos e copulativos e esquemas psicológicos e estruturas derivadas desses reflexos) com elementos do natural e ambiente social. Ao longo desta rua de dois sentidos, cada dominante A reflexão está conectada a esquemas e estruturas específicos, o que resulta em símbolos e imagens arquetípicas.

Os esquemas e estruturas foram agrupados e classificados por Durand (2002) em dois regimes de imagens: durante o dia e a noite. Durante o dia, existem estruturas heróicas que estão relacionadas ao gesto postural e são governou a lógica de oposição (antítese), ascensão, virilidade, separação, e polêmicas, representando a "vitória" sobre a morte e o tempo essencial ansiedades humanas. No regime noturno, existem estruturas míticas, derivado do gesto digestivo, e estruturas sintéticas derivadas do gesto copulativo, que procuram construir harmonia e unidade (fusão) governado pela lógica do mergulho íntimo, quietude, alegria, calor, o cíclico e a progressão do tempo. Essas estruturas representam a eufemização nocturna e a reversão dos significados simbólicos da morte e do tempo.

O imaginário é um "produto de imperativos biopsíquicos através da convocação da média

"(DURAND, 2002, p.41), e é assim compostada por um conjunto de imagens, símbolos, mitos, arquétipos e estereótipos (degradação de arquétipos) e a conexão desses elementos com entre si.

Nesta concepção, o papel do arquétipo nos processos de identificação O indivíduo com a imaginação coletiva é destacado.

Com base na hipótese junguiana do arquétipo como uma "imagem primordial" isso é universal

e ahistórico, a perspectiva durandiana vê a processos para atualizar e fundamentar os

arquétipos como base para o mito desenvolvimento. Assim, é através da conclusão feita por um particular cultura, em um momento histórico particular das matrizes arquetípicas, que as narrativas mitológicas se desenvolvem - narrativas entendidas como resultado de racionalização dos arquétipos e da combinação de imagens e símbolos - que compõem um imaginário específico.

O arquétipo substancial dos heróis (relacionado aos arquétipos epítetos de leve, alto e puro),

foram completados e atualizados por diferentes Mitos ao longo do tempo, como Hércules, entre os antigos gregos, Momotaro, entre os japoneses do século 17, e Superman, ao longo do

mundo desde o século XX. Durand (2004) acredita que os mitos fundadores - como o Dioniso e

o Apollo grego - estão sempre circulando em sociedades sob sua influência, com

predominância de alguns em a produção cultural em certos momentos - como com o mito

Promethean, que reina durante o Iluminismo e no auge da ciência racionalismo:

Por exemplo, a partir do final do século 18 até meados do século XIX século, o legado do Iluminismo, o choque da Revolução Francesa, colocar em primeiro plano entre todos os autores, de Maistre a Marx - como mostrou R. Trousson - o uso do mito de Prometheus, o irritado e Titã blasfemo que rouba o fogo divino para oferecê-lo à humanidade (DURAND,

2004, p. 12).

Do desenvolvimento da idéia de "comunidade emocional" (Max Weber) para explicar o fenômeno das tribos urbanas em contemporâneo vezes, Maffesoli (2010, pp. 35-66) vê o imaginário coletivo como um atmosfera ou, adotando a idéia de Walter Benjamin, como uma "aura". Mais especificamente, o imaginário é o vetor para o que é emocionalmente comum para um grupo, o vetor para um ethos compartilhado, onde a estética (o sentimento em comum) cria uma relação ética (o vínculo coletivo) e a partir daí, os costumes são estabelecidos (usos comuns que permitem que um grupo reconhecem-se como estão). Assim, diferentes imaginários permeiam sociedade - especialmente através dos arquétipos e seus mitos dominantes. A imagem é, neste caso, um campo em que criadores e público compartilhar visões mundiais, aderindo fluentemente a um determinado ethos.

Assim, as narrativas de Batman podem trazer arquétipos e mitos com o potencial para estabelecer a identificação da audiência com o imaginário que emerge deles, e seu sucesso pode expressar a penetração Avaliar e alcançar sua imaginação no contexto sociocultural.

Com base na proposta metodológica de Durand para fazer uma crítica de produtos culturais, analisando seus mitos - o mito-crítica - nós vamos tentar identificar algumas das principais matrizes arquetípicas e algumas das os mitos dominantes na trilogia do filme "The Dark Knight" (não há intenção neste artigo fornecer uma análise exaustiva que aponte todos os arquétipos e mitos presentes na trilogia).

CRÍTICA DO MITO DA TRILOGIA "THE DARK KNIGHT"

A crítica

especificamente os mitos:

A crítica do mito aborda o próprio ser do "trabalho" no confronto entre o universo mítico, o gosto moldado ou o compreensão do leitor e do universo mítico que emerge de lendo este trabalho específico. É nesta junção, entre o que é lido e o leitor, que o centro gravitacional está localizado para esse método que Você tenta respeitar as contribuições das diferentes abordagens que Delimite o triedro do conhecimento crítico (ibid, ibidem).

Baseado em arquétipos - e os arquétipos podem ser identificados apenas através de os efeitos que produzem (Shelburne, 1988, p.37) - crítica do mito, como metodologia para o estudo científico do imaginário, tem poder para faça uma análise dos processos comunicacionais e culturais que supera qualquer consideração focada nas intenções dos criadores, a leitura oblíqua da audiência, ou o rigoroso socioeconômico e determinismo materialista, que são tão

simbólicas,

mística

proposta

por

Durand

(1985,

p.

252)

centra-se

na

formas

questionáveis. O mito- -critique é, portanto, um método para identificar o conteúdo ético e ético que é potencialmente compartilhada no imaginário coletivo.

Barros (2009, p. 6) explica que a crítica do mito visa verificar os temas ou metáforas obsessivas presentes em obras culturais em geral. Sua importância está em colaboração para entender um trabalho quando:

O

mito é de alguma forma a matriz "modelo" de um discurso inteiro, estruturado por padrões

e

arquétipos fundamentais da psique de sapiens sapiens, nosso próprio. É, portanto,

necessário pesquisar quais mitos ou mitos, que são mais ou menos explícitos (ou latentes!) encoraja a expressão de um segundo, "linguagem não mítica". Por quê? Porque um trabalho e autor, ou uma época - ou pelo menos um "momento" dentro de uma época - está obcecado (cap. Mauron), de forma explícita ou implícita, para um (ou mais) mito que, em moda

(Durand,

paradigmática, toma consciência de suas aspirações, desejos, dúvidas, e medos 2002, p.131).

Para Iranzo (2001, p.7), "a crítica do mito é feita analisando o arquétipo dimensões do objeto ou produto cultural, identificando suas unidades mínimas, "mythemes" e comparando-as com uma versão ideal do mito a que estão relacionados ".

O primeiro passo para aplicar a crítica do mito é a trilogia "The Dark Knight". para mapear

temas, motivos e os arquétipos mais recorrentes ("obsessivo") nos filmes da trilogia. Este mapeamento revela os elementos mais redundantes identificados e sua convergência (Tabela 1), de acordo com suas funções na narrativa, a um dos regimes de imagens estabelecidos por

Durand:

 

Regime diurno

Regime noturno

Vigilante Hero (função: ascensão - derrota o mal e seja vitorioso. Exp: Batman, Comissário Gordon, Robin)

Cidade escura (função: aconchego - crie um sombrio paisagem de decadência e corrupção - Gotham City - como uma "casa" apropriada para as ações dos heróis e vilões)

 

Vilão

Fraternidade (função: unidade - casa e proteja a membros de uma organização secreta ou não - League of Shadows, Mafia, Polícia)

(função: oposição - derrota o herói e conquista Gotham City, impondo o reinado de medo ou destruindo a cidade. Exp: O Joker, Ra's Al Ghul, Bane, Miranda Tate /

Talia Al Ghul)

 

Pais Assassinados

Amigo / aliado (função: unidade - suporte heróis e vilões. Exp: Rachel Dawes)

(função: separação - alimentação e sustentar

o

Sensação órfã (desprotegida) do herói

seu desejo de vingança e crime lutando - Thomas e Martha Wayne)

e

 

Vingança

Refúgio (função: aconchego - lugar onde os heróis e os vilões escondem e preparam suas

(função: ascensão / oposição - vingar morte dos pais pela luta contra o crime)

 

atividades. Exp: Bat Cave, League of Shadows refúgio no Himalaia)

Courage vs fear

Caos (função: mix / fusível - desorganizar o mundo, confunda o herói. Exp: The Joker, Scarecrow, Bane, Miranda Tate / Talia Al Ghul)

(função: ascensão / oposição - superar

e

usar o medo é um elemento-chave no

construção da coragem do herói e sua ações contra criminosos)

Riqueza material

Bastão (função: unidade - criatura noturna que, Em primeiro lugar, assusta o herói e depois se torna sua inspiração, tornando-se seu principal símbolo: homem Morcego)

(função: ascensão - tornar o herói poderoso

e

apoiar a sua dupla vida como

empresário, playboy e filantropo)

A Tabela 1 mostra que a trilogia "The Dark Knight" tem uma presença predominante de

elementos simbólicos que convergem para as estruturas heroicas do regime de imagem diurna. Os filmes têm um tom beligerante, baseado em Disputas entre pólos opostos (herói vs vilão, mentor vs seguidor), o uso de armas de alta tecnologia para derrotar e eliminar inimigos, divisões e separações (comportamento sano / insano, personalidade social / secreta) e especialmente na ascensão do herói.

Embora a trilogia seja predominantemente "diurna", está profundamente embebida em imagens "noturnas", com fundos sombrios de Gotham City que servem como um "lar" para heróis e vilões, o simbolismo do morcego que se funde com o protagonista, e mergulhos internos nos sentimentos ocultos de o herói. Isto mergulha na intimidade do protagonista, revelando o seu luta contra o medo, a culpa e a dúvida, também mostra a linha fina entre "Virtuosos" e "viciosos", que são expostos em questões éticas geradas durante a jornada do herói.

O foco da trilogia está no caminho de Batman para a salvação - a salvação de Gotham City e

também de si mesmo - e esta jornada, ciência, tecnologia e a ética desempenha um papel central no imaginário construído pelo filmes. Nesta perspectiva, a combinação dos mais recorrentes motivos, temas e arquétipos que foram mapeados (Tabela 1) fornece alguns dos principais mitos da trilogia (Tabela 2):

Um científico, tecnológico, deontológico e vigilante herói O poder e as funções desempenhadas pelo mythemes para o científico herói e papel da tecnologia no imaginário do "The Dark Knight" A trilogia pode estar relacionada ao fato de que parte da ciência moderna e as filosofias do Iluminismo são o resultado de imaginativas Atitudes derivadas das estruturas heróicas do imaginário (dia regime). Os esquemas de ascensão e separação têm sido dominantes, em Menos desde o século 19, quando o pensamento positivista estabelece uma grande influência sobre ciência e tecnologia, com o (idealista e autista) idéias de progresso, controle e o domínio sobre a natureza pelo homem.

Como Durand disse tão bem, o mito Promethean é paradoxalmente o que guia a filosofia

positivista:

Auguste Comte, como Saint-Simon antes dele na Religião Industrial, quer para superar e destruir o obscurantismo do mito, mas através de outro mito, outra teologia que não é nova

Portanto, há uma espécie de "inversão" causal, porque lutar contra o obscurantismo a era dos mitos e Imagens "teológicas", enfatizamos uma mitologia progressiva onde a mito de Prometeu triunfa, e especialmente onde vislumbramos os "amanhãs" que cantam »do reino final do Espírito Santo (Durand, 2004 pp. 10-11).

[

]

Na trilogia "The Dark Knight", os principais mythemes apontam para um positivista atualize o mito Promethean - o filho dos titãs que enganou os deuses em favor dos homens para roubar

o fogo e as artes dos imortais e os oferecer aos mortais para "iluminar" suas vidas, resultando em conhecimento, progresso e avanço tecnológico para a humanidade.

Os mythemes mostram que o conhecimento científico e o que ele gera (tecnologia, truques, métodos) são os grandes aliados do herói. Mas eles também são um dos seus maiores inimigos, afinal, a tecnologia aparece como não só como salvação, mas também uma maldição.

É

através da tecnologia que os inimigos de Batman Deseja destruir sua "casa" - Gotham City - e

o

próprio Batman.

A

este respeito, os mythemes também se referem ao mito de Fausto, que era um atualização

de vários mitos, incluindo o mito de Prometeu e outros como Daedalus e Ícaro, mitos que expressam os riscos da imoderação (hubris) do homem em relação ao conhecimento e à tecnologia. O mitológico A história de Fausto revela a aliança feita por um certo doutor Fausto

com Mephistopheles que, em troca da alma do médico, daria ele acesso ao conhecimento superior ao de seu tempo. O faustiano O mito representa o homem moderno que, assumido pela hybris, tenta superar Deus e dar sentido à vida, decifrando os mistérios de o mundo através da ciência e o controle da natureza através da tecnologia.

No mundo moderno, "o mito de Faustian se torna um" mito vivo ", um história que fornece um modelo para o comportamento humano "(Heise, 2001).

Em vez de questionar a ética daqueles que manipulam a tecnologia, Na trilogia, esses mithemes revelam a dupla face da ciência e tecnologia - lembrando que o "duplo" é um dos arquétipos mais comumente presente no mito de Batman. Refere, portanto, a distinção que o filósofo alemão Martin Heidegger (1889-1976) feito sobre o relacionamento que os seres humanos estabeleceram com a tecnologia, especialmente nos tempos modernos. Na conferência "Serenity", apresentada em 1955, Heidegger desenvolve a idéia de que a tecnologia pode aprisionar como bem como livre um homem, essencialmente dependendo de

como ele foi projetado, seja apenas como um "pensamento calculador" - que vê o mundo como um objeto em forma pelos cálculos e predições, e que é um design tão eficiente que corre o risco de permanecer lá - ou inclui um reflexão meditativo sobre ele. Para Heidegger, esse último tipo de pensamento pensa sobre a essência da tecnologia e do ser humano e impede o homem de se tornar um prisioneiro do ciclo tecnológico virtuoso e vicioso. Um aspecto da trilogia nolana é que as tecnologias parecem similares à realidade humana, como Heidegger tem mostrado, pensou predominantemente em "pensamento calculista" que faz heróis, vilões e pessoas de Gothamhostages de objetos técnicos, especialmente armas de alta tecnologia. Nesse sentido, o pensamento calculista descrito por Heidegger é um modo de pensar "autista", que está consistentemente relacionado com a imagem do dia regimethat que domina a jornada do herói em Batman. Assim, o papel "heróico" da ciência e da tecnologia no imaginário construído por " The Dark Knight ", contribui para a construção das qualidades do herói protagonista. Entre as qualidades deste herói Promethean que emerge da imaginação da trilogia de Nolan, sua ética se destaca. BATMAN é um" vigilante ", um tipo de herói que não faz acredite na capacidade e honestidade das autoridades e instituições (policia, governo, juízes) e lutas contra o crime de acordo com suas próprias regras e crenças. O vigilante, como todos os arquétipos, traz carências complexas e paradoxais. Para Gary Hoppenstand (1992, p. 51), a personificação do vigilante é um indivíduo que renuncia aos mecanismos burocráticos do sistema jurídico para alcançar a "justiça" com suas próprias mãos, por isso estão desiludidos com a ineficiência do sistema, tornando-se júri, júri e carrasco. Ele desafia a lei para defender os ideais da lei. Este paradoxo não é visto como contraditório pelo vigilante, porque o percebe como o único meio viável para proteger os interesses da sociedade. Hoppenstand entende isso como a definição "positiva" do vigilante.

Mas também há uma concepção "negativa", que é quando o vigilante é visto como um membro de um grupo que abusa a lei de praticar atos de vingança, sem se preocupar moralmente se eles são justos ou não. Este tipo de encarnação do vigilante é, segundo Hoppenstand, parte de a mentalidade das máfias locais e muitas vezes é o pior tipo de violência em uma contexto real ou fictício. Hoppenstand vê o herói vigilante como um dos os mais poderosos arquétipos da cultura americana.

Na trilogia "The Dark Knight", a trajetória de Batman mostra que ele cai predominantemente na definição "positiva" do vigilante, e até mesmo acrescenta valores virtuosos, uma vez que ele abdica o papel de juiz, jurado e executor, na maioria dos casos. Ele é um vigilante que age predominantemente de acordo com a um conjunto de éticas deontológicas (no sentido kantiano), como a maioria Super-heróis. Uma ética humanista em que o julgamento moral de um ato está confinado ao ato em si, e não necessariamente às conseqüências para Deontólogo os fins nunca justificam os meios. Assim, abster-se de O assassinato é um imperativo categórico. Na trilogia, Batman não mata, exceto em defesa própria (dele ou Gotham), embora (de um utilitário ponto de vista) matar o palhaço significa a prevenção da morte de várias pessoas - devemos lembrar que o Joker atualiza o Dioniso mito, um mito que significa a "necessidade de levar em consideração tudo isso, na verdade, é contrário a esta

ordem [cosmológica], diferente ou mesmo oposta

chance, confusão, contingência, dilacções

e outros imperfeições do mundo humano "(FERRY, 2012, p. 413). A disputa entre Batman e o Joker, em última análise, recupera a disputa entre o Apolônio-Promethean e o Dionisiano, que exerce grande influência sobre a cultura ocidental.

Mas há pelo menos um aspecto "negativo" deste arquétipo vigilante no Batman de Nolan:

Vengeance. É uma vingança que alimenta a inicial personagem vigilante no herói, um sentimento que Bruce Wayne nutre desde a infância, quando viu seus pais serem assassinados. Herdeiro de um imensa fortuna que vai financiar a existência de Batman, ele prometeu para vingar a morte dos pais lutando contra criminosos em sua cidade. Em "Batman

Começa "(2005), que mostra como o jovem Wayne transforma em Batman na idade adulta, o arquétipo de herói como vigilante é cumprido, em sua profundidade e complexidade, como diferentes facetas de positivo e negativo Os aspectos desse arquétipo são revelados, de acordo com a definição de Hoppenstand.

O arquétipo do vigilante é exercido não só Batman, mas também o personagem Ra's Al Ghul, o

líder da Liga das Sombras, um organização que prepara Bruce Wayne para se tornar um vigilante, e também pelo personagem Carmine Falcone, o mafioso principal em Gotham. Ao

longo da trilogia, a aparente dicotomia entre "positivo" e os aspectos "negativos" do arquétipo vigilante são diluídos, notadamente por revelando as intenções éticas subjacentes às ações daqueles que são considerados heróis e aqueles que são considerados vilões. Em "Batman Começa ", o personagem responsável pela preparação de Wayne para se tornarum vigilante, Ra Al Ghul acredita que a luta contra o crime justifica a destruição de uma cidade inteira (Gotham) - que ele considera irremediavelmente condenado pela corrupção que já infectou todos os seus cidadãos. Mas, como apontado por Mark White (2008, página 34), os super- heróis geralmente não são utilitário. Eles não atravessam a fronteira ética que aceita a morte de alguns para salvar muitos. Em oposição a este utilitarismo de Al Ghul quem vê na aniquilação de Gotham a única maneira de parar um posto avançado criminoso - Batman tem um ponto de vista deontológico kantiano, onde o direito (o imperativo categórico "não mata",

a menos que em autodefesa), leva precedência sobre o que pode ser "bom" (matar alguns para salvar muitos).

Nolan atualiza o arquétipo do herói com o rosto do vigilante, mas tão paradoxal quanto parece, como um vigilante humanista. Afinal, o Mito Promethean presente na apreciação do conhecimento científico e a tecnologia em Batman é, mais do que qualquer outra coisa, uma apreciação da busca do ser humano pela salvação, entendida como boa e justa vida baseada na liberdade e na felicidade. A ética deontológica de O herói é, neste sentido, uma afirmação desse humanismo.

Observações finais

O mito-crítica da trilogia "The Dark Knight" desenvolvido aqui, embora não exaustivo, usou

alguns dos principais mythemes e seus funções para apontar a força em aspectos do mito Prometeo (incluindo suas atualizações e antíteses, como o Fausto e Dionísio mitos) na orientação imaginária que emerge das narrativas sobre Batman, desenvolvido no trabalho de Christopher Nolan.

Analisado sob a perspectiva durandiana, foi possível encontrar indicações nos filmes que a força do mito Promethean em sociedade moderna - com suas características diurnas e heróicas - manifesta-se no imaginário da trilogia em pelo menos dois dos três principais mythemes da narrativa: "herói científico e tecnológico" e "Tecnologia e maldição e salvação". Além disso, o tema da "lógica, ordem e justiça, em oposição a o sentimento, o caos e a

injustiça ", em conjunto com outros, revela que o arquétipo do herói em Batman está cheio de imagens de um vigilante, herói científico, tecnológico e ético.

O poder do mito Promethean e o arquétipo do herói vigilante, com essas características,

desempenham um papel essencial na construção de um imaginário que é compartilhado com

o público através do trabalho de Nolan. Depois de todos, os elementos dos mitos de

Prometheus, Faust e Dionysus, e o herói vigilante, também compõe algumas das principais matrizes que estimulam a imaginação contemporânea. Entre outros fatores, é talvez isso alinhamento do conjunto mítico - racionalização predominantemente diurna arquétipos e esquemas - entre o imaginário construído pelo série de filmes e os mitos dominantes na

sociedade que podem atuar como um vetor do processo de sedução da audiência e do sucesso

da trilogia "The Dark Cavaleiro."