Você está na página 1de 230

O LIVRO DE ATOS EM SEU PRIMEIRO SÉCULO

VOLUME 1

O Livro dos Atos em Seu Antigo Ambiente


Literário

Editado por

Bruce W. Winter e Andrew D. Clarke

WILLIAM B. EERDMANS EDITORA


GRAND RAPIDS, MICHIGAN
THE PATERNOSTER PRESS
CARLISLE

Copyright © 1993 por Wm. B. Editora Eerdmans


255 avenida de Jefferson. SE, Grand Rapids, Michigan 49503
Publicado pela primeira vez em 1993 em conjunto
nos Estados Unidos por
Wm. B. Editora Eerdmans
e no Reino Unido por
The Paternoster Press,
PO Box 300, Carlisle, Cumbria CA3 0QS

Todos os direitos reservados

Eerdmans ISBN 0-8028-2433-1

Catalogação da Biblioteca Britânica em Dados de Publicação


Livro de Atos em Seu Antigo Ambiente Literário.—
(Livro de Atos em Séries do Cenário do Primeiro Século)
I. Clarke, Andrew D. II. Inverno, Bruce W. III. Series. 226
ISBN 0-85364-563-9

O LIVRO DE ATOS EM SEU PRIMEIRO SÉCULO

I. O Livro dos Atos em Seu Antigo Ambiente Literário


II. O Livro dos Atos em Seu Cenário Greco-Romano
III O livro de Atos e Paulo em Roman Custody
IV. O Livro dos Atos em Seu Cenário Palestino
V. O Livro de Atos em Sua Definição de Diáspora
VI. O Livro dos Atos em Seu Cenário Teológico

Bruce W. Winter
Editor da série

I. Howard Marshall • David Gill


Editores de Consultoria

Fragmento de papiro, parte do P91, é um dos mais antigos fragmentos sobreviventes do


livro de Atos
Cortesia da Universidade Macquarie, Sydney, Austrália

ÍNDICE
PREFÁCIO
1 ATOS E A ANTIGA MONOGRAFIA HISTÓRICA
Darryl W. Palmer
2 ATOS E BIOGRAFIA INTELECTUAL ANTIGA
LCA Alexander
3 ATOS E HISTÓRIA BÍBLICA
Brian S. Rosner
4 O MOTIVO DE CUMPRIMENTO E O PROPÓSITO DE LUCAS-ATOS
David Peterson
5 OS ATOS DE PAULO COMO SEQUÊNCIA DOS ATOS
Richard Bauckham
6 ATOS E HISTÓRIAS ECLESIÁSTICAS SUBSEQUENTES
Alanna Nobbs
7 ATOS E O 'ANTIGO TRATADO'
I. Howard Marshall
8 ATOS E O PAULINE CORPUS
I: PARALELOS LITERÁRIOS ANTIGOS
T. Hillard, A. Nobbs e B. Winter
9 ATOS E O PAULINE CORPUS
II. A EVIDÊNCIA DE PARALELOS
David Wenham
10 FALAR EM PÚBLICO E CONTAS PUBLICADAS
Conrad Gempf
11 PROCESSOS OFICIAIS E DISCURSOS FORENSES EM ATOS 24–26
Bruce W. Winter
12 ATOS CONTRA O PANO DE FUNDO DA RETÓRICA CLÁSSICA
Philip E. Satterthwaite
13 ATOS E MODERN LITERARY APPROACHES
F. Scott Spencer
APÊNDICE
ATOS E O PROBLEMA DE SEUS TEXTOS
Peter Head
ÍNDICES
Referências Bíblicas
Autores Antigos
Autores Modernos
assuntos
LISTA DE COLABORADORES
O Dr. Loveday Alexander é professor no Novo Testamento do Departamento de
Estudos Bíblicos da Universidade de Sheffield. Ela tem doutorado na Universidade de
Oxford, onde lia clássicos e história antiga como estudante de graduação e publicou O
prefácio ao Evangelho de Lucas: Convenção literária e contexto social em Atos 1: 1–4
e Atos 1: 1 (1993) e imagens editadas de Império: o Império Romano em fontes
judaicas, cristãs e greco-romanas (1991). Ela presidiu os seminários Lucas-Atos e O
Mundo Social dos Textos do Novo Testamento das Conferências Anuais Britânicas do
Novo Testamento.
Professor Richard Bauckham ocupa a cadeira de Estudos do Novo Testamento, St
Mary's College, da Universidade de St. Andrews, na Escócia e publicou
recentemente Jude e os parentes de Jesus na Igreja Primitiva (1990), A Teologia do
Livro do Apocalipse (1993) e o clímax da profecia: estudos sobre o livro do
Apocalipse (1993). Ele leu a história como um estudante de graduação na Universidade
de Cambridge, onde posteriormente obteve seu doutorado.
O Dr. Conrad Gempf fez seu primeiro diploma no Gordon College e seu MTS na
Universidade de Boston. Seu trabalho de doutorado na Universidade de Aberdeen foi
sobre "Adequabilidade histórica e literária nos discursos da missão em Atos" e,
subsequentemente, ele completou e editou o último manuscrito do Dr. Colin Hemer, O
Livro de Atos no Cenário da História Helenística (1989), antes de assumir o
cargo. Cargo de Docente em Estudos do Novo Testamento no LBC Center for
Undergraduate and Postgraduate Theological Studies, Londres.
O Sr. Peter Head é professor no Novo Testamento, Oak Hill College, em Londres. Ele
é Bacharel em Teologia pelo Australian College of Theology e tem mestrado em
Hermenêutica Bíblica pelo LBC Center for Undergraduate and Postgraduate
Theological Studies, em Londres. Ele publicou artigos no campo da crítica textual e é
co-autor de um livro sobre o método na crítica textual do Novo Testamento de 1500 a
1850 com o Dr. P. Satterthwaite.
A Dra. TW Hillard é Professora de História Antiga, Escola de História, Filosofia e
Política, Universidade Macquarie, com interesses especiais em história e historiografia
da Roma republicana, bem como história grega clássica e arqueologia subaquática. Ele
obteve seu doutorado na Universidade Macquarie.
Professor I. Howard Marshall ocupa a cadeira de Exegese do Novo Testamento,
King's College, Aberdeen University, onde leu clássicos e divindade como um estudante
de graduação. Ele escreveu extensivamente sobre Lucas e Atos com um comentário
sobre o texto grego de Lucas (1978) e sobre o texto em Inglês de Atos (1980) Lucas:
Teólogo e Historiador (ed. 3, 1988) e Atos dos Apóstolos: Novo Guias do
Testamento (1992).
A Dra. Alanna Nobbs é Professora Sênior em História Antiga, Escola de História,
Filosofia e Política, Universidade Macquarie, Sydney, que publica no campo da
Historiografia Greco-Romana na Antiguidade Tardia e no período bizantino
primitivo. Ela realizou seus estudos de doutorado em latim na Universidade de Syndey.
Sr. Darryl Palmer , que possui um mestrado de Melbourne, BD de Drew e um
Th.M. de Harvard, é conferencista sênior em clássicos, Universidade de Newcastle,
Newcastle, Austrália. Seu interesse central de pesquisa é no cristianismo primitivo e no
mundo greco-romano, sobre o qual ele publicou numerosos artigos.
O Dr. David Peterson é Chefe do Departamento de Ministério, Faculdade Teológica de
Moore e Professor de Divindade, Universidade de Sydney. Ele publicou Hebreus e
Perfeição (1982) e Engajar com Deus: uma Teologia Bíblica da Adoração (1992). Ele
se formou nas Universidades de Sidney e Londres e obteve seu doutorado na
Universidade de Manchester.
O Dr. Brian S. Rosner é formado pela Sydney University e Dallas Theological
Seminary e completou seus estudos de doutorado na Cambridge University. Ele é
atualmente professor no Novo Testamento, Universidade de Aberdeen e publicou sobre
a influência do AT no NT. Sua dissertação sobre Paulo, Escritura e Ética está em
processo de publicação.
Dr. Philip E. Satterthwaite leu hebraico e aramaico na Universidade de Cambridge
depois de se formar em clássicos na Universidade de Oxford. Ele obteve seu doutorado
em OT na Universidade de Manchester e foi professor de clássicos da Universidade de
Transkei, na África do Sul. Ele está concluindo o trabalho sobre retórica nos Pais da
Igreja Primitiva. Ele é bolsista da Tyndale House e é professor associado da Faculdade
de Estudos Orientais da Universidade de Cambridge.
O Dr. S. Scott Spencer é Professor Associado de Religião, Wingate College, Carolina
do Norte. Ele é graduado em história pela Universidade do Texas e seu doutorado foi
assegurado pela Durham University. Seu livro O retrato de Philip em Atos: um estudo
de papéis e relações foi publicado em 1992.
Dr. David Wenham é graduado pela Universidade de Cambridge, onde lia teologia; ele
obteve seu doutorado na Universidade de Manchester. Ele é professor no Novo
Testamento, Wycliffe Hall, Oxford e membro da Faculdade de Teologia da
Universidade de Oxford. Ele publicou recentemente sobre As Parábolas de Jesus:
Pictures of Revolution (1989) e está atualmente realizando uma importante obra sobre
Jesus e Paulo.
Dr. Bruce W. Winter leu política e estudos bíblicos na Universidade de Queensland e
obteve seu doutorado na Universidade Macquarie, em Sydney. Ele é Warden, Tyndale
House, Cambridge e membro da Divinity Faculty, Universidade de Cambridge. Seus
interesses estão na interseção do Novo Testamento com o mundo greco-romano. Seu
livro sobre Philo e Paul e o movimento sofista do primeiro século está sendo publicado
em 1994.

PREFÁCIO
Este é o primeiro volume de uma série de seis partes proposta que examinará o Livro de
Atos. A intenção é colocá-lo em seu cenário do primeiro século, na medida em que a
evidência existente permita. Para isso, é necessária uma abordagem multifacetada,
porque os Atos dos Apóstolos pertencem aos ambientes literário, regional, cultural,
ideológico e teológico do início do Império Romano. Assim, os volumes abrangerão
Atos em seus vários cenários: seu antigo cenário literário (ed. AD Clarke e BW Winter),
o mundo greco-romano (ed. D. Gill e C. Gempf), a prática custodial romana em relação
ao aprisionamento de Paulo. (B. Rapske), Palestina (ed. R. Bauckham), Judaísmo da
Diáspora (I. Levinskaya) e finalmente seu lugar na teologia cristã primitiva (Edd IH
Marshall e D. Peterson).
Os estudos do século XIX em Atos foram em grande parte retomados com questões
históricas. A Escola Tübingen do FC Baur e os seus sucessores adoptaram uma opinião
algo negativa. Um mais positivo foi adotado por WM Ramsay, que investigou
especialmente o mundo romano em que Paulo trabalhou e usou-o para lançar luz sobre
sua carreira como registrado em Atos e em sua carta aos Gálatas.
Esta fase de estudo foi resumida no primeiro volume de um trabalho massivo
intitulado The Beginnings of Christianityem 1920. Os cinco volumes que constituíam a
Parte I de um projeto pretendido seriam prolegômenos a uma história da ascensão do
cristianismo primitivo. De fato, somente este estudo preliminar de Atos deveria ser
completado, com o último volume aparecendo em 1933. Seria certo dizer que a
abordagem era histórica e não teológica, desde que a referência desses termos fosse
cuidadosamente definida. Os autores estavam interessados não tanto na teologia
expressa pelo autor de Atos como no valor histórico de Atos como fonte de pesquisa
sobre a teologia da igreja primitiva que (supunha-se) estava refletida no livro. Assim,
enquanto as questões teológicas não eram negligenciadas, a teologia em questão não era
a de Lucas, e a obra tinha um objetivo histórico, a saber:
Cerca de 25 anos depois, viu o aparecimento de um comentário em Atos por E.
Haenchen, que estabeleceu o clima para uma nova fase de estudo. Para Haenchen, a
questão-chave era "O que Lucas estava tentando fazer?", Enquanto abria o caminho
para uma consideração de Atos como uma composição literária destinada a promover os
interesses de seu autor. O estudo da história da redação de Atos havia começado, e uma
geração de estudiosos deveria estar ocupada com o estudo de Lucas como teólogo. 4
O progresso do estudo acadêmico é, por vezes, comparado com as oscilações de um
pêndulo de um extremo ao outro. Há algo a ser aprendido dos estudiosos em ambas as
extremidades do arco, e também daqueles na nova periferia dos subsequentes
movimentos do pêndulo, pois é impossível para o pêndulo voltar exatamente onde ele
estava antes ou para os estudiosos ignorarem. suas varreduras.
Pode-se dizer que as questões literárias e teológicas levantadas por Haenchen e
aqueles que seguiram sua abordagem estão em uma extremidade do arco da
erudição. Eles são claramente importantes e frutíferos, e nenhum estudioso de Lucana
gostaria de ignorá-los ou ignorá-los. Mas igualmente pode-se argumentar que qualquer
apego exclusivo a eles não coloca os Atos tão plenamente como deveria em seu
ambiente do primeiro século. Os interesses culturais e históricos dos estudiosos do outro
lado do arco também ressurgiram recentemente - mas, por causa da oscilação do
pêndulo, estão sendo feitos de forma frutuosa, de novas maneiras, à luz dos estudos
literários e teológicos.
Um grupo internacional de historiadores antigos e estudiosos do Novo Testamento
da Austrália, Estados Unidos da América, Canadá e Rússia, assim como o Reino Unido,
reuniram-se em Cambridge para uma consulta sobre este projeto no final de março de
1993. Isto provou ser um estimulante experiência como novas abordagens foram
experimentadas e conhecimento foi compartilhado entre as disciplinas. Dos capítulos
deste primeiro volume, cerca de nove foram discutidos na consulta, e os remanescentes
foram contratados como resultado do nosso encontro em conjunto. Outras contribuições
encontrarão seu caminho nos volumes subseqüentes.
Neste encontro interdisciplinar, os historiadores da Antigüidade sentiram que é
preciso haver uma abordagem muito mais rigorosa dos eruditos bíblicos para o estudo
dos aspectos do mundo antigo que afetam o Novo Testamento. Isso envolvia tomar nota
das discussões em curso sobre fontes literárias antigas e seu gênero ao relacioná-las a
Atos. As deliberações medidas de epigrafistas e papirologistas sobre o corpo cada vez
maior de inscrições e papiros recém-descobertos podem se mostrar tão importantes
quanto as citações reais desse material nos estudos sobre Atos. Além disso, de tempos
em tempos, há mudanças significativas no modo como os aspectos do mundo antigo são
interpretados. Por exemplo, há percepções modificadas da Grécia Romana e da Ásia
Menor pelos historiadores clássicos que têm uma influência significativa na imagem da
vida no crescente geográfico, onde muitas das atividades registradas do cristianismo
primitivo ocorreram. Atos estudos precisam tomar nota destes.
No entanto, os dias se passaram quando era possível que um estudioso do Novo
Testamento acompanhasse a mais recente discussão de fontes primárias e tendências
interpretativas sobre o início do Império Romano, bem como o prolífico trabalho que
está sendo feito em Atos. Há historiadores antigos que estão ansiosos para trabalhar ao
lado de estudiosos de Atos, a fim de se unirem em uma parceria benéfica
ou συγκους . Eles podem ajudar a colocar o Livro de Atos com mais confiança em
determinadas configurações do primeiro século. E o tráfego provou não ser todo um
caminho, como Atos ilustra ou complementa aspectos da vida no primeiro século para
os historiadores. A consulta em Cambridge ilustra claramente isso.
Agradecimentos especiais devem ser dados ao Dr. Andrew Clarke pela produção de
cópias prontas para fotografar, a Heather Richardson, que digitou manuscritos no
computador e a Nicole Beale, Orlando Saer, Lyn e Elizabeth Winter, que trabalharam
tanto nos índices deste primeiro volume.
Finalmente, fomos muito encorajados pelo entusiasmo de Bill Eerdmans Jr., o
presidente da Wm. Eerdmans Publishing Company para este projeto e Paternoster Press
por sua pronta parceria neste empreendimento. Prevê-se que os cinco volumes restantes
sejam publicados nos próximos dois anos.
David WJ Gill
I. Howard Marshall
Bruce W. Winter
Setembro de 1993 [1]

CAPÍTULO 1
ATOS E A ANTIGA MONOGRAFIA HISTÓRICA
Darryl W. Palmer

Resumo
No estudo moderno, a frase "monografia histórica" é aplicada aos escritos gregos e romanos
antigos que lidam com uma questão ou período limitado e que também podem ser limitados em
extensão. Na discussão antiga, Políbio contrasta a monografia histórica com sua história
universal. Sallust escreve a história romana "seletivamente". As cartas de Cícero revelam seu
conceito de várias características da monografia histórica. Alguns escritos judaicos
helenísticos correspondem ao mesmo padrão. Atos não é um romance (Pervo), uma "história
apologética" (Sterling) ou um tratado técnico (Alexander). Em seu comprimento, escopo, foco e
características internas, Atos é uma breve monografia histórica

I. Introdução
Nos últimos anos, considerável atenção tem sido dada à classificação dos escritos do
Novo Testamento de acordo com os gêneros literários gregos e romanos. A questão do
gênero dos Atos dos Apóstolos continua a ser discutida. Alguns estudiosos têm se
preocupado particularmente em tratar o Evangelho de Lucas e Atos como uma única
obra literária. Mesmo assim, as visões do trabalho combinado variaram. R. Maddox viu
Lucas-Atos "em certa medida moldado pelo estilo e técnica da historiografia
grega"; mas 'as melhores analogias para o trabalho de Lucas são as obras históricas do
Antigo Testamento, e talvez histórias judaicas pós-Antigo Testamento como as de
Macabeus'. O gênero de Lucas-Atos é designado como "história teológica". Mais
recentemente, a GE Sterling propôs que, no período helenístico, existia um tipo de
história cujas narrativas "relatam a história de um povo em particular, deliberadamente
helenizando suas tradições nativas". De acordo com Sterling: "É exatamente isso que o
Lucas-Atos faz". E para o gênero, ele usa o termo "historiografia apologética". A
investigação da LCA Alexander sobre os prefácios de Lucana levou-a a compreender os
Atos-Lucas no contexto de tratados técnicos. Ela vê "Lucas como um escritor
estabelecido firmemente dentro do contexto da tradição científica ... A tradição
científica fornece a matriz dentro da qual podemos explorar tanto os aspectos sociais e
literários da obra de Lucas, tanto o próprio homem quanto a natureza de seus
escritos". CH Talbert interpretou Lucas-Atos como uma mistura de dois sub-tipos de
biografia greco-romana.
No entanto, a biografia tem sido mais geralmente considerada como um gênero
apropriado para o Evangelho de Lucas, juntamente com outros evangelhos, e além de
Atos. É só porque Aune não está disposto a separar Lucas de Atos, que ele não pode
aceitar Lucas como uma biografia. Mas parece melhor permitir que "Lucas e os Atos
sejam diferentes em tipos, mesmo quando concedemos sua unidade e continuidade
essenciais". Atos, quando considerados separadamente de Lucas, tem sido mais
comumente considerado como uma escrita histórica. E, em particular, vários estudiosos
recentes analisaram a categoria da monografia histórica. Uma outra visão também deve
ser reconhecida. R. Pervo enfatizou a dimensão divertida dos episódios aventureiros de
Atos. Seu estudo fez com que ele classificasse Atos entre os romances históricos da
antiguidade. Sua discussão merece uma resposta mais extensa do que pode ser tentada
aqui. Em suma, dificilmente é possível distinguir a história, e particularmente a
monografia histórica, do romance com base no valor de entretenimento dos dois
gêneros. Como Gabba disse no contexto de seu tratamento de monografias históricas,
biografias e antologias: “no mesmo clima da literatura paradoxo-gráfica [ou seja,
antológica] o“ romance ”nasce e se desenvolve; o romance na antiguidade é, de fato,
uma forma de história ”. 'no mesmo clima da literatura paradoxo-gráfica [ou seja,
antológica] o “romance” nasce e se desenvolve; o romance na antiguidade é, de fato,
uma forma de história ”. 'no mesmo clima da literatura paradoxo-gráfica [ou seja,
antológica] o “romance” nasce e se desenvolve; o romance na antiguidade é, de fato,
uma forma de história ”.
II. O termo 'Monografia Histórica'
A frase "monografia histórica" é moderna, com alguma base na terminologia antiga. Na
discussão moderna, a frase é comumente aplicada a escritos históricos antigos que lidam
com uma questão ou período limitado sem levar em conta a duração dos livros em
si. Assim, os "dois primeiros trabalhos de Sallust" foram descritos como "monografias
preocupadas com temas limitados de interesse especial". Novamente, a tarefa do escritor
em potencial de uma monografia histórica foi expressa como "a interpretação de um
período especial". Tal conceito, quando aplicado à evidência disponível, significa que
"Tucídides de Atenas ... é o historiador da Guerra do Peloponeso e, portanto, o criador
da monografia histórica". (O trabalho incompleto de Tucídides é composto por oito
livros.)
Por outro lado, o termo "monografia" pode ser usado para designar escritos
históricos antigos limitados em extensão e escopo. Assim, Bellum Catilinae e Bellum
Iugurthinum, de Sallust, são freqüentemente citados como monografias, a fim de
distingui-los dos fragmentos de suas Historiae em pelo menos cinco livros. Goodyear
permite que Sallust seja criticado, 'em sua Catilinapelo menos, pelo volume
desproporcional de matéria introdutória em uma composição comparativamente curta
”. E Paul observa "uma característica aparentemente intrigante da monografia. Em uma
obra que trata ostensivamente da conspiração, a quantidade de espaço atribuída aos
discursos de César e Cato e a comparação entre eles podem parecer excessivos; o
equilíbrio interno do trabalho não está em perigo? Ou, como disse Syme com uma
característica sucinta: "uma monografia, exigindo concentração, implicava omissões".
Mas mesmo no caso dos escritos de Sallust, as questões de comprimento e alcance
tornam-se um pouco confusas. A monografia de Sallust sobre a guerra de Jugurthine
trata dos anos 118 a 105 aC com alguns esboços de antecedentes anteriores. Os
fragmentos existentes das Historiae abrangem apenas o período entre 78 e 67 aC,
embora alguns estudiosos postulem que Sallust pretendia continuar seu
tratamento. Sallust é reconhecido como o primeiro historiador romano a usar a forma da
monografia, uma vez que foi introduzido na historiografia latina por Coelius Antipater
após 121 aC Mas Coelius escreveu sobre a Segunda Guerra Púnica (218-201 aC)
em sete livros.
Uma antiga monografia histórica no sentido mais restrito (isto é, limitada tanto no
escopo quanto no comprimento) consiste em um único livro ou volume. No entanto, um
volume único nem sempre pode ter sido contido em um pergaminho. Cada monografia
de Sallust compreende um único volume, mas um é quase o dobro do comprimento do
outro. O Evangelho de Lucas e Atos estão próximos ao comprimento máximo normal
de um Pergaminho Grego. Bellum Catilinae de Sallust teria se encaixado
confortavelmente em um pergaminho; mas o Iugurthinum Bellum , sendo muito longo
para um único pergaminho, provavelmente teria sido acomodado em dois pergaminhos
mais curtos do que o comprimento médio.

III Vistas de Políbio


Na discussão antiga, Políbio (século II aC) distinguiu com firmeza sua própria história
"universal" das "monografias" de outros historiadores. Nesse contexto polêmico, ele não
manteve um conceito consistente de história universal. E suas observações sobre
monografias carregam diferentes ênfases em várias passagens. Ao designar a
monografia, Políbio usa as frases orπὶ μέρους ou, mais frequentemente, κατὰ
μέρος(literalmente, "em parte") em uma série de construções gramaticais. A última frase
também tem outros usos em Políbio ("em particular"; "em detalhes"). Por outro lado, as
frases ainda não são usadas em Heródoto, Tucídides ou Xenofonte com referência à
monografia histórica; nem são posteriormente usados em Diodoro da Sicília, Dionísio
de Halicarnasso, Josefo ou Dio Cássio. Ao discutir os méritos da história geral ( τὰς
κοινὰς ἱστορίας , DS 1.1.1 .), Diodoro apenas menciona de passagem a maioria dos
historiadores que "descreveram as guerras separadas de uma única nação ou cidade"
( ἑνὸς ἔθνους ἢ μιᾶς πόλεως αὐτοτελεῖς πολέμους ἀνέγραψαν , DS 1.3.2 ).
A frase isπὶ μέρους é usada apenas duas vezes em Políbio. Em ambas as ocorrências
é usado adjetivamente (entre artigo e substantivo) em conexão com 'histórias
particulares'. Em 3.31-32, Políbio tem uma digressão historiográfica, da qual pelo
menos parte pertence a uma segunda edição. A frase final desta passagem refere-se a
'composições particulares' ( τῶν ἐπὶ μέρους συντάξεων , 3.32.10 ), pelo qual Políbio
significa escritos históricos relacionados com guerras particulares
( πολέμους , 3.32.8 ). Seu próprio trabalho agora está completo em quarenta livros
( 3.32.2 ); mas as histórias particulares, sobre as quais ele se queixa, são muitas vezes
mais longas ( πολλαπλασίους ,3.32.4 ). Assim, de acordo com Políbio, uma
"monografia" pode ser muito mais longa do que uma "história universal". Dentro de
uma breve digressão historiográfica em 7.7.6–8, Políbio menciona “aqueles que
descrevem ações particulares” ( 7.7.6 , em inglês)(το τὰς ππομενους γράφοντες
πράξεις, 7.7.6 ). Esses escritores, afirma ele, expandem seus assuntos ( 7.7.1 ) e
aumentam sua importância ( 7.7.6 ). Os relatos da queda de Hieronymus ( 7.7.1 ),
tomados como exemplos, são monografias multi-volume (τὰς βύβλους, 7.7.7 ).
A maioria das ocorrências da frase κατὰ μέρος , quando usada para denotar histórias
particulares, é adjetival. A frase pode qualificar o assunto da história ou
a própria escrita histórica . Há referência, por um lado, a guerras ( πόλεμοι , 1.4.3 ) ou
ações ( πράξεις , 1.4.3 ; 9.44.2 ; 16.14.1 ); e, por outro lado, à história
( , στορία , 1.4.7 , 10 ; 8.2.2 pl.) ou composições ( συντάξεις , 8.2.5 ). Os vários
exemplos da frase em1.4 ocorrem dentro da introdução historiográfica de Políbio a todo
o seu trabalho ( 1.1-4 ). Nesta seção, Políbio indica suas próprias razões para
empreender sua tarefa, incluindo a alegação de que nenhum de seus contemporâneos
escreveu uma história universal ( 1.4.2 ). Mas somente assim se pode obter uma visão
sinótica do todo e a inter-relação de suas partes - algo que não é possível com base em
histórias particulares ( 1.4.6 , 7 , 10-11 ). O próprio Políbio não menciona os nomes de
quaisquer autores de histórias particulares em 1.4 ; 8,1-2 ; ou o
fragmentário 9.44 . No 16.14 Ele começa uma digressão criticando os historiadores
"particulares" Zeno e Antístenes de Rodes. Zeno provavelmente escreveu em quinze
livros; o escopo e a duração do trabalho de Antístenes são desconhecidos.
Em dois contextos que já foram considerados, Políbio também usa a frase κατὰ
μέρος adverbially. Literalmente, ele se refere a "aquelas histórias particularmente
escritas" ( τῶν κατὰ μέρος γραφόντων τὰς ἱστορίας , 1.4-6 ) e "as composições daqueles
que escrevem particularmente" ( τὰς τῶν κατὰ μέρος γραφόντων
συντάξεις , 3.32.3 ). Em ambos os casos, uma paráfrase referente a "histórias
particulares" é desejável em inglês. Em certa ocasião, Políbio constrói um substantivo
que denota 'a composição de particular (histórias)' ( τῆς τῶν κατὰ μέρος
συντάξεως , 8.2.11 ). Aqui, no final da introdução do livro 8, a frase é fortemente
contrastada com a "história universal e geral" ( τῆς καθολικῆς καὶ κοινῆς ἱστορίας ).
Em outra digressão historiográfica em 29.12 , Políbio repete suas críticas a
historiadores "particulares", alegando que eles expandem seu tratamento e exageram a
importância de seus sujeitos (cf. 7.7 ). Neste contexto, a monografia é indicada por
referência ao seu «objecto único e unitário» ( ἁπλᾶς καὶ μονοειδεῖς…
ὑποθέσεις , 29.12.2 ). Como Políbio reclama da "multiplicidade de livros" ( τῷ πλήθει
τῶν βύβλων ), está claro que ele prevê monografias em vários volumes como
em 3.32 e 7.7 . Políbio já havia usado o termo "unitário" na introdução historiográfica
do livro 9. Lá, no entanto, designa a natureza unitária de sua própria história universal
( 9.1.2 ). Pois, ao contrário de quase todos os outros escritores, que lidam com todos os
ramos ( μέρος ) da história, Políbio evita não só a mitologia, mas também contas da
colonização, fundação de cidades e relações familiares; em vez disso, ele se concentra
apenas nas 'ações das nações, cidades e governantes' ( τὰς πράξεις τῶν ἐθνῶν καὶ
πλλεων καὶ δυναστῶν , 9.1.4). Em resumo, Políbio freqüentemente distingue entre
história universal e história particular ou monografia. As monografias lidam com um
problema específico dentro de um período limitado. No entanto, eles podem adotar uma
perspectiva mais ampla e geralmente são mais longos que a história universal de
Políbio.

IV. Teoria e Prática de Sallust


Após uma carreira política e militar de sucesso e fracasso, Sallust (c. 86 - c. 35 aC)
resolveu que o resto de sua vida deveria ser gasto longe dos assuntos públicos
( Cat. 4.1 ). Mais especificamente, ele diz: "Eu decidi escrever um relato das ações do
povo romano seletivamente, como cada (tópico) parecia digno de registro". A referência
a 'ações' ( res gestae ) corresponde ao grego πράξεις e se tornou padrão na historiografia
latina. O motivo do que é digno de registro também é tradicional. Se o termo
"seletivamente" ( carptimalude à monografia, que seguiria o padrão das discussões de
Políbio. O termo é, de fato, freqüentemente entendido nesse sentido. Ramsey, por
exemplo, explica o termo como significando "em monografias ou ensaios separados em
um período limitado, em vez de uma história contínua de R. desde a fundação". E
Woodman na verdade parafraseia o latim de Sallust: "Decidi escrever uma monografia
histórica sobre um tema romano".
Há dificuldades na interpretação dessa passagem sallustiana além, mas não
desconectada, do significado de carptim. Nos prólogos de ambos os seus monogramas,
Sallust desenvolve um esquema de habilidade, excelência, realização e glória. O
esquema é aplicável não apenas à humanidade em geral como distinta dos animais, mas
também aos historiadores em particular, bem como aos homens de ação. Sallust usa a
frase idiomática res gestae apenas nos prólogos (duas vezes em cada monografia) e uma
vez na primeira digressão delineando a história anterior de Roma em Cat. 5,9–
13,5 . Em Cat. 3.2 Sallust antecipa 4.2falando da dificuldade da tarefa do historiador em
escrever um relato de 'ações' ( arduom uidetur res gestas scribere ). Em Cat. 8.2 ele
reconhece a natureza impressionante e magnífica das "ações" dos atenienses
( Atheniensium res gestae ). A frase memoria rerum gestarum é usada duas vezes
em Iug. 4 , mas em sentidos ligeiramente diferentes em cada ocorrência. O 'registro' de
ações é particularmente útil ( Iug. 4.1 ); enquanto a 'memória' de ações acendeu no
coração de homens notáveis uma chama que não se extinguiu até que sua excelência se
igualasse à fama e glória de seus ancestrais ( Iug. 4.6). Essas instâncias da frase res
gestae acabaram de ser traduzidas de maneira neutra como 'ações'. Mas os contextos
sallustianos sugerem um significado mais positivo das "conquistas".
Este ponto deve ser mantido em mente quando a sequência do pensamento
em Cat. 4.2–3 é considerado. 'Eu decidi escrever um relato das ações (conquistas) do
povo romano, seletivamente ... Por isso vou descrever brevemente a conspiração de
Catilina da forma mais sincera possível…' No entanto, a conspiração de Catilina não é
uma 'conquista' do Povo romano, no sentido que Sallust estabeleceu para res gestae. Em
vez disso, como Sallust imediatamente diz, é uma ação, ou até mesmo um delito, o que
é especialmente memorável em razão da natureza sem precedentes do crime e da
ameaça. Sallust também não escreve uma série de monografias "seletivas": apenas
o Iugurthinum Bellum , depois o Historiae.E para o tema de sua segunda monografia,
Sallust retrocede no tempo. Além disso, apesar da semelhança dos prólogos das duas
monografias, não há nenhum equivalente de carptim no Iugurthinum de Bellum. Por
outro lado, apesar das digressões relativamente breves em Iug. 17–19 (geográfica) e 41–
42(política), não há nada sobre o alcance ou a extensão da chamada arqueologia e a
digressão central do Bellum Catilinae . É em geral notável quanto do material do Bellum
Catilinaenão é realmente narrativa da conspiração. E, em particular, se este escrito
pretende focar seletivamente no período limitado da própria conspiração, é perceptível
que o esboço da história anterior de Roma ocupa cerca de oito capítulos ( Cat. 5.9-13.5 )
e é continuado pelo político. digressão em Cat. 36,4–39,5 .
Sallust gosta de advérbios terminados com -im , uma característica arcaizante. Na
literatura latina existente, o carptim ocorre primeiramente em Cat. 4,2 ; e é usado
somente aqui nos escritos existentes de Sallust. Sua posição na ordem de palavras desta
sentença é enfática. McGushin afirma que o termo é empregado "no mesmo sentido que
é usado por Plínio, Ep. 8,4,7 ; Tácito [ sic ], Hist. 4.46.4 '. Mas nem estes nem os outros
exemplos clássicos ajudam muito a elucidar o significado de Sallust. Tácito refere-se a
pessoas que foram 'demitidas por falta, mas separadamente ( carptim) e individualmente
'. Plínio usa o advérbio quase como um substantivo, para se referir a "seleções" de um
esboço da história da guerra dácia. Mais perto do uso de Sallust está Pliny Paneg. 25. l:
'seria mais respeitoso deixar as coisas não ditas e implícitas em nossos corações, do que
percorrer (as ações do imperador) de maneira seletiva e breve' ( carptim
breuiterque ). A última citação envolve pelo menos uma seleção de eventos históricos a
serem incluídos em uma composição literária.
Segundo alguns estudiosos, Sallust entendeu a conspiração catilinar como
sintomática do declínio de Roma. Esta visão se encaixa muito bem com o uso de Sallust
do termo carptim. Para Sallust, não basta selecionar um período da história romana para
tratamento em uma monografia. E o latim carptim não é simplesmente um equivalente
do grego κατὰ μέρος . Em vez disso, Sallust retrata a história do povo romano por meio
de uma pesquisa (a 'arqueologia') combinada com um exemplo particular (Catilina e sua
conspiração) que simboliza o todo. Desta forma, Sallust 'dá conta das ações do povo
romano seletivamente': res gestas populi Romani carptim ... perscrere, Cat. 4,2. A conta
contém um aviso relevante no momento da composição, cerca de vinte anos após os
principais eventos descritos. O foco seletivo da escrita é apropriado para uma
monografia. A promessa de que o tópico será tratado "brevemente" ( paucis, Cat. 4.3 ) é
cumprida e justifica a designação da escrita como uma breve monografia histórica. No
prólogo do Iugurthinum de Bellum , Sallust não menciona nem brevidade nem
seletividade. E, embora ele não repita uma história geral de Roma, seu segundo trabalho
cresce mais que o primeiro. No entanto, também se qualifica como uma breve
monografia histórica.

V. Conceito do Cícero
É uma familiar ironia que a monografia, que Cícero (106–43 aC) queria que fosse
escrita sobre seu próprio papel glorioso na supressão da conspiração catilinariana, não
apareceu durante sua vida. Provavelmente, Sallust compôs ou publicou sua monografia
logo após a morte de Cícero. O foco de atenção não está em Cícero nem em qualquer
outro herói, mas no culpado Catiline. Cícero não tinha um termo específico para a
monografia histórica; mas sua correspondência fornece evidências para seu conceito de
várias características do gênero.
Em 15 de março de 60 aC, Cícero enviou a Atticus um "esboço" ( commentarius ,
sg.) De seu consulado em grego. Naquele estágio, ele também estava pensando em
produzir uma versão latina dele. Em uma carta escrita em algum momento depois de 12
de maio de 60 aC, ele se refere a esse texto como um "livro" ( liber ). Em 1 de junho de
60 aC Ele recebeu de Atticus um esboço equivalente, que Atticus havia composto em
grego. Cícero aparentemente havia enviado outra cópia de sua própria composição para
Posidônio; isso ele designa pelo título grego ὑπόμνημα('memorando', 'nota',
'rascunho'). O objetivo ostensivo era que Posidônio trabalhasse o material de Cícero em
algo mais elaborado e polido. Mas Posidônio já havia respondido que ele foi dissuadido,
e não estimulado, para tal tarefa. Cícero já havia feito um trabalho completamente
cosmético: "Agora, meu livro esgotou todo o gabinete de perfume de Isócrates,
juntamente com todas as pequenas caixas de perfume de seus alunos, e alguns dos tons
de vermelho de Aristóteles ... Eu não deveria ter ousado enviá-lo para você, exceto após
a revisão de lazer e fastidious '.
Quase cinco anos depois, Cícero ainda tentava persuadir alguém a escrever um
relato elogioso de seu consulado. Lucceius estava se aproximando do final da
composição de sua "História das Guerras Italianas e Civis". Ele é perguntado por Cícero
se ele prefere incluir o envolvimento do último com o resto dos eventos, ou 'separar a
conspiração civil das guerras com inimigos e estrangeiros'. As analogias de Cícero para
o tratamento separado são gregas: Callisthenes, Phocian War ; Timeu, Guerra dos
Piros ; Políbio, Guerra Numantina.É possível que o trabalho de Callisthenes consistisse
em apenas um livro; mas é provável que o Timeu contenha mais. Cícero prevê que
Lucceius se concentre em um tema e uma pessoa. Mas o escopo desejado da monografia
agora foi ampliado: "Desde o início da conspiração até nosso retorno, parece-me que
um volume de tamanho moderado poderia ser composto". Shackleton Bailey comenta
que o uso de corpus ( 'volume') é 'excepcional de uma única liber'. Mas talvez Cícero o
esteja deixando aberto, se deveria haver um livro ou mais, especialmente em vista do
escopo ampliado da monografia proposta. Em vez do ano de seu cônsul, Cícero
provavelmente está pensando em um período que vai de 66 aC a 57 aC. Cícero conclui
sua carta a Lucceius esperando uma resposta positiva e oferecendo notas preliminares
sobre todos os eventos. Essas notas ( commentarii ) presumivelmente diferem pouco do
esboço ( commentarius, liber , ὑπόμνημα ), que Cícero havia composto alguns anos
antes.
Em suma, Cícero tem um conceito de escrita histórica de comprimento e alcance
limitados. Suas várias designações são modestas: esboço, livro, memorando, volume
( commentarius, liber , ὑπόμνημα , corpus ). Mesmo para o mesmo tópico, o escopo é
variável (um ano, ou oito a nove anos). As analogias gregas confirmam o conceito de
Cícero, mesmo que seus exemplos reais não sejam inteiramente adequados. Tal trabalho
requer concentração em um tema e, no caso de Cícero, uma pessoa. E, embora seu
rascunho ostensivo seja suficientemente polido para dissuadir outros, Cícero, no
entanto, quer que alguém tente a tarefa.

VI. Evidência Fragmentar


Se os escritos judaicos forem excluídos, nenhuma monografia histórica de volume único
em grego ou latim sobreviverá do período anterior a Sallust. O mesmo pode ser dito
para o período entre Sallust e a composição de Atos. Testemunhos e fragmentos de
escritos perdidos deixam indeciso se tais monografias existiram uma vez. Depois de
tratar os três exemplos do Cic. Fam. 5.12.2, Plümacher menciona mais três instâncias
"instrutivas". Destes, no entanto, Fileno escreveu na Primeira Guerra Púnica em pelo
menos dois livros; a extensão dos escritos de Délio sobre a Guerra Parta de 36-35 aC é
desconhecida; o mesmo acontece com Crito na Guerra Dácia de Trajano. Walbank,
comentando as observações introdutórias de Políbio sobre histórias gerais e particulares,
menciona catorze "exemplos de escritores contemporâneos de histórias
particulares". Para alguns desses trabalhos, as evidências indicam mais de um
livro; para outros, a evidência não é clara. Em um dos casos, é possível que a escrita
composta por um único volume: Baton de Sinope é citado ἐν τῷ περὶ τῆς τοῦ Ἱερονύμου
τυραννίδος . A interpretação da duração do trabalho depende do que substantivo deve
ser entendido com o artigo τῷ . E seβιβλίῳ deve ser entendido, depende se o termo se
refere a um único livro de um trabalho em vários volumes ou a um trabalho em vários
volumes como um todo. A palavra pode ter qualquer significado. De qualquer forma,
essa amostra da evidência fragmentária indica que, antes dos monogramas históricos de
volume único de Sallust, eram raros, se é que existiam. É igualmente claro que as
monografias curtas e longas da tradição grega e romana tratam regularmente de guerras.

VII. 'Historiografia apologética'


Sterling ( Historiography ; ver n. 3 acima) se propõe a encontrar um gênero para Lucas-
Atos. O gênero deve ser definido por uma análise do "conteúdo, forma e função de um
texto" (p. 14).
A aplicação deste modelo de gênero revelou a presença da historiografia apologética ...
Usando o modelo, tornou-se evidente que havia um grupo de textos que contavam a história
de um grupo particular de pessoas (conteúdo), reformulando textos nativos em um molde
mais palatável em o mundo greco-romano (forma). Todos os autores eram nativos ou
"internos" que relataram a história de seu próprio grupo em um esforço para oferecer uma
autodefinição desse grupo (função) ... Os trabalhos são, portanto, apologéticos, mas podem
ser direta ou indiretamente apologéticos, dependendo de o público principal. (pp. 16-17).

Sterling tenta traçar o desenvolvimento da etnografia grega desde suas origens até o
tempo de Josefo e Lucas. Os principais escritores primitivos, Hecatae de Mileto e
Heródoto, eram ambos gregos que viajavam em partes estrangeiras. Mais tarde, Hecatae
de Abdera e Megasthenes eram gregos que viviam nas terras que eles descreveram. Na
etapa seguinte, escritores nativos deram conta de sua terra e cultura. Exemplos de tais
escritos são a Babilônia de Beroso e a Aegyptiaca.de Manethon. "O maior corpus
literário que temos que reflete a tentativa de um grupo étnico de apresentar sua própria
história dentro do mundo helenístico é judeu" (p. 137). Os fragmentados historiadores
judeus helenísticos Demetrius, Artapanus, pseudo-Eupolemus e Eupolemus são
tratados. "As obras serviram para dar ao povo judeu uma nova identidade em um novo
mundo" (pp. 224-25).
Mas o principal historiador judeu helenístico é Josefo. Não é a história
contemporânea da Guerra Judaica que serve ao propósito de Sterling, mas
as Antiguidades Judaicas. As declarações programáticas de Josephos deixam claro que
ele considera BJ e AJ pertencentes a duas tradições historiográficas diferentes; é o
último que "está em uma tradição do Oriente Próximo de historiografia que enfatiza as
tradições nativas" (p. 245). Em resumo:
Em sua essência, o Antiquitates oferece uma autodefinição do judaísmo em termos
históricos. Apresentou o judaísmo ao mundo grego em uma tentativa de derrubar equívocos
e estabelecer uma imagem mais favorável. Apresentava o judaísmo ao mundo romano com
a esperança de que o status favorável do judaísmo continuasse inabalável. Finalmente,
apresentou o judaísmo aos próprios judeus na forma que Josefo achava que serviria melhor
como base para um judaísmo reconstruído.
Josefo conscientemente colocou a si mesmo e seu trabalho na categoria da historiografia
oriental, ou seja, historiografia apologética. (p. 308).

Sterling considera que Lucas e Atos pertencem a um único trabalho e, portanto, ao


mesmo gênero, história (p. 339). 'É a história do cristianismo, isto é, de um povo. Nesse
sentido, é uma reminiscência de obras históricas que relatam a história de um povo em
particular ”(p. 349). Lucas-Atos é considerado devedor da LXX na linguagem, no
conceito de história e em algumas formas literárias (p. 363). Concluindo sua discussão
sobre a influência Septuaginta, Sterling escreve:
Mais importante do que isso é a percepção de que nosso autor concebeu seu trabalho como
a continuação da LXX. Sua composição deliberada no grego Septuagintal e a convicção de
que sua história era o cumprimento das promessas do Antigo Testamento implicam que,
como continuação, Lucas-Atos representa a narrativa sagrada. (p. 363).

Essas conclusões parecem ir além da evidência da discussão anterior de Sterling. No


entanto, ambos os pontos são retomados, quando Sterling compara Lucas-Atos com
Josefo.
Ambos os autores tentaram contar a história de um determinado povo através da reescrita de
textos de dentro de seu grupo. Tecnicamente eles diferiam em escopo: Josephos recontou
toda a história; o autor de Lucas-Atos foi um continuador. No entanto, de outra forma,
ambos concordam: ambos contam a história de seu pessoal desde o início de seus
registros. Mais importante, ambos enfatizam a antiguidade de seu movimento: Josephos
através de uma avaliação cronológica e Lucas-Atos, insistindo que o cristianismo não era
novo, mas uma continuação. Ligada ao seu uso e compreensão da LXX está a convicção de
que suas narrativas são história sagrada. (pp. 368-69).

Na opinião de Sterling, a função de Lucas-Atos era "definir o cristianismo em termos de


Roma (politicamente inocente), judaísmo (uma continuação) e em si ( traditio
apostolica )" (p. 386).
O extenso tratamento de Sterling (310 páginas) do pano de fundo clássico e
helenístico do gênero postulado da "historiografia apologética" pode ser aceito em nome
da discussão. (Questões podem ser levantadas sobre sua definição do gênero; em
particular, pode ser perguntado se o propósito apologético é constitutivo deste gênero e
limitado a ele). Como indicado na Introdução a este capítulo e na Seção IX , não parece
necessário ou desejável considerar Lucas e Atos como pertencentes a um único trabalho
ou a um único gênero. O cristianismo como retratado em Atos não é um país estrangeiro
e os cristãos não são um grupo étnico. Não está claro se Lucas pretendia escrever uma
continuação da Bíblia judaica grega ou "narrativa sagrada" no sentido de escritura. O
paralelo entre oAntiguidades judaicas de Josefo e Lucas-Atos são forçadas, quando se
afirma que "ambos contam a história de seu povo desde o início de seus registros" (p.
368). E a antiguidade do cristianismo (do ponto de vista de Lucas) só pode ser mantida
alegando que "o cristianismo não era novo, mas uma continuação" do judaísmo (p.
369). (Este é um ponto separado do conceito de Lucas-Atos como uma 'continuação' da
LXX.)
A questão da autodefinição foi proeminente no recente estudo sociológico do
cristianismo primitivo e sua matriz judaica. Na maior parte, a autodefinição é uma
função implícita de escritos que têm algum outro propósito ostensivo. Atos podem ter a
função implícita de definir o cristianismo como sugere Sterling (p. 386), mas sua função
ostensiva é dar uma conta seletiva da missão a judeus e gentios de Jerusalém a Roma. A
definição de judaísmo é pelo menos mais explícita em Josefo, antiguidades judaicas ,
do que a definição do cristianismo em Atos.
Sterling está tentando traçar o desenvolvimento de um gênero, não para fornecer
uma série de paralelos exatos ao livro de Atos. É difícil avaliar a extensão e o alcance de
alguns dos escritos fragmentários que ele considera. Outros escritos não correspondem a
Atos em um aspecto ou outro. Os megastênicos gregos escreveram na índia em três ou
quatro livros; os nativos Berossus e Manethon escreveram sobre Babilônia e Egito,
respectivamente, em três livros cada. Os fragmentados escritores judaicos helenísticos
geralmente cobriam um escopo mais amplo do que Atos: Demétrio (Adão a Ptolomeu
IV), Artapano (Adão a Moisés), Eupolemo (Adão a 158/7 aC). Comparado com os
Atos, as Antiguidades Judaicas de Josefo são muito mais extensas tanto em extensão
quanto em extensão: trata o período entre a criação e a guerra judaica em vinte livros.
A questão da monografia histórica recebe muito pouca atenção no tratamento de
Sterling. A distinção entre monografia e história universal, conforme discutida por
Políbio e Diodoro da Sicília, é brevemente citada (pp. 5, 7). Entre os escritos judaicos
helenísticos, 2 Macabeus é excluído da consideração, alegando que "pertence a um
gênero literário diferente da historiografia, uma vez que abrange um período de apenas
vinte anos ou mais" (p. 141, n. 19). No entanto, nas duas últimas páginas de seu texto,
Sterling expressa a questão de forma mais positiva. "Em particular, penso que os
Macabeus podem se mostrar um importante trabalho para comparar com os Atos de
Lucas." 'Eu não colocaria II Macc. na categoria de historiografia apologética, já que seu
escopo é muito estreito, mas acho que compartilha uma série de preocupações
historiográficas com Lucas-Atos (p. 387, n. 380). Certamente, tanto o comprimento
quanto o alcance de 2 Macabeus são comparáveis aos Atos e apropriados a uma breve
monografia histórica. Sterling está principalmente preocupado em colocar Lucas-Atos
na área geral da historiografia, quando ele reconhece as opiniões dos estudiosos
modernos, que consideram os Atos como pertencentes aoGattung of history '(p. 317) ou
como sendo especificamente uma monografia histórica (p. 318). Sterling rejeita essa
classificação. No entanto, enquanto Atos pode ter uma função implícita de apologia ou
autodefinição, seu comprimento, escopo, foco e características formais se encaixam no
padrão de uma breve monografia histórica.

VIII. Historiografia judaica helenística


Tanto o Evangelho de Lucas e Atos refletem o conhecimento do autor da Bíblia judaica
grega. A influência da "história bíblica" em Atos será tratada em outro capítulo deste
volume. Na presente seção deste capítulo, não se pretende considerar a historiografia
judaica helenística fragmentada, mas apenas aquelas obras que sobrevivem como livros
completos. Com efeito, isso significa os três escritos "apócrifos", 1 Esdras e 1 e 2
Macabeus.
Existem muitas incertezas sobre a natureza e os objetivos de 1 Esdras. Pode-se
supor que deriva de um período em meados do século II aC Embora sua língua original
seja incerta, o trabalho existente é grego. Se a duração atual da obra é deliberada e não
acidental (cf. 9:55), é cerca de dois terços do comprimento de Atos. É, portanto, de um
comprimento possível para uma breve monografia histórica. Embora sua cronologia seja
confusa, o livro abrange um período de mais de 200 anos, de 622 até o final do quinto
ou início do século IV aC As evidências até agora consideradas indicam que este é um
período anormalmente longo para uma breve monografia histórica. No entanto, a
extensão do período coberto pode ser determinada pelo foco seletivo em um tema
específico. 'O fato de que o trabalho apresenta um quadro da continuidade entre os
antigos e os novos templos pode indicar que ele foi projetado para desempenhar algum
papel na polêmica do segundo século entre o templo de Jerusalém e seus rivais ...' O
livro começa quase como abruptamente como termina: não tem prólogo. A forma do
todo é narrativa de eventos passados.3: 18–24 ; 4: 2–12 , 14–32 , 43–46 ; 8: 74–90 ,
sermão de oração de Esdras), citou cartas ( 2: 17–24 , 26–29 ; 6: 8–22 ; 8: 9–24 ) e
decreta se oral ou escrita ou ambas ( 2: 3– 7 ; 6: 24–26 , registro de um decreto; cf.
relatório das cartas de instrução do rei em 4: 47–57). Em suma, a escrita é um volume
único de comprimento limitado e foco unitário, embora cubra (seletivamente) um
período prolongado; e contém narrativa, discursos e cartas e decretos citados, mas não
tem prólogo. Tem, portanto, muitas, mas não todas, as características da curta
monografia histórica concebida por Cícero e Sallust. Seu assunto religioso antecipa os
Atos dos Apóstolos.
É geralmente aceito que o texto grego de 1 Macabeus é derivado de um original
hebreu perdido. O livro foi provavelmente escrito por volta do começo do primeiro
século aC É um pouco mais longo do que o de Atos (cerca de 20% ou mais), mas mais
curto que o Bellum Iugurthinum de Sallust . O trabalho lida com as quatro décadas dos
eventos que levaram à revolta dos Macabeus e as campanhas subsequentes (175-134
aC). O extenso primeiro capítulo serve como uma introdução ao livro, tratando os
antecedentes históricos (Alexandre, o Grande, os Sucessores e Antíoco Epifânio); mas
não há prólogo como tal. "O estilo é sobrenaturalmente narrativo segundo a maneira da
escrita histórica do Antigo Testamento." O livro contém numerosos discursos mais
curtos e longos, incluindo os de Judas e Jônatas antes da batalha (3: 18–22 , 58–60 ; 4:
8–11 ; 9: 44-46 ), o discurso de despedida de Matatias ( 2: 49-68 ), o discurso dos
enviados judeus ao senado romano ( 8: 20-32 ), a exortação de Simão ao povo de
Jerusalém ( 13: 3 –6 ) e outros ( 2: 7–13 , 17–18 , 19–22 ; 6: 10–13 , 22–27 , 57–59 ; 9:
29–30 ; 12: 44–45 ; 15: 33– 35 ; 16: 2–3 ). As cartas citadas também são frequentes ( 1:
44–49 e 50indireta, em seguida, fala direta; 5: 10-13 ; 8: 31-32 ; 10: 18-20 , 25-45 ; 11:
30-37 , 57 ; 12: 5–18 , 20–23 ; 13: 36-40 ; 14: 20-23 ; 15: 2–9 , 16–21 ). Há outros
relatos de mensagens ( 7:27 ; 10: 52–54 , 55–56 , 70–73 ; 11: 9–10 , 42–43 ; 13: 15–
16 ; 15: 28–31 ), presumivelmente orais. exceto no caso de 11:57; e referências a cartas
não citadas ( 1:41 ; 10: 3 , 7 , 59 ; 11:22 ; 12: 2 , 4 ; 16:18 ). O livro é, portanto, um
volume único de duração limitada, cobre um período limitado e tem um foco claro nas
campanhas dos Macabeus. Tem um capítulo introdutório, mas nenhum prólogo; e sua
narrativa contém discursos e citações. Dando tanta atenção às guerrasdos Macabeus, o
livro compartilha o assunto habitual de monografias curtas e longas da tradição grega e
romana. Ao mesmo tempo, a perspectiva religiosa do escritor e dos principais
participantes judeus em sua narrativa corresponde, antes, à historiografia judaica
anterior e, novamente, antecipa Atos.
A fonte subjacente de 2 Macabeus é a história grega de cinco volumes composta por
Jasão de Cirene. O corpo da escrita ( 2:19 até o final) identifica-se como um epítome
desse trabalho anterior ( 2:23 , 26, 28 ). O sumarizador conseguiu produzir um único
volume comparável em comprimento a Atos. Abrange um período de pelo menos
quinze anos a partir de um ponto dentro do reinado de Seleuco IV (187-175 aC) para
161 aC Em comparação com 1 Macabeus, ele começa em um estágio anterior dos
eventos que levaram à revolta macabeus e pára em o ponto anterior da vitória de Judas
sobre o general selêucida Nicanor. É possível que o epítome tenha sido composto em
124/3 aC, a data mencionada na primeira letra prefixada ao corpo da escrita (1: 1–
9 ); no entanto, datas posteriores anteriores a 63 aC também foram sugeridas. A data
anterior faria 2 Macabeus antes de 1 Macabeus.
Enquanto os primeiros capítulos de 2 Macabeus revelam rivalidades internas
judaicas, a ênfase principal é sobre a helenização opressiva pelos governantes selêucidas
da Síria. A retirada de Judas Macabeu e seus companheiros é brevemente relatada
às 5:27 . Contudo, o relato da opressão prossegue um pouco mais ( 6: 1-11 ), até que o
escritor faça uma digressão teológica explícita ( 6: 12-17 ). Seguem-se os relatos do
martírio dos idosos Eleazar ( 6: 18–31 ) e dos sete irmãos e sua mãe ( 7: 1–42 ). O
restante do livro está preocupado principalmente com as campanhas de Judas; uma
conclusão editorial arredonda o livro ( 15: 37-39). O arranjo do conteúdo é um pouco
desigual. E o escritor tem certos interesses temáticos, como a pureza e a ressurreição do
templo, como recompensa pelos mártires que morrem obedientes à lei. Mas esses
fatores não perturbam a estrutura cronológica geral: a opressão síria atinge um pico nos
martírios, mas é derrubada pelas campanhas bem-sucedidas de Judas. O trabalho pode,
portanto, ser considerado como tendo um foco consistente.
As letras prefixadas ao corpo de 2 Macabeus em 1: 1 a 2: 18 são claramente
secundárias, qualquer que seja a data de sua adição. Se estes são separados, a escrita
começa com um prólogo ( 2: 19-32 ). A narrativa de eventos passados contém discursos
e cartas citadas. Após os discursos de Eleazar ( 6: 24–28 , 30 ), seis dos sete irmãos
fazem breves discursos antes de seus martírios na passagem 7: 2–19 ; seguem-se
discursos de sua mãe ( 7: 22–23 , 27–29 ) e seu irmão mais novo ( 7: 30–38 ). O único
outro discurso relatado diretamente é o de Alcimus para o rei Demétrio ( 14: 6-
10 ); cf. 14:33 (juramento); 14: 35–36 e 15: 22–24 (orações). Mas as duas exortações de
Judas são relatadas basicamente no discurso indireto ( 8: 16-20 ; 15: 8-16 ). As cartas
são citadas às 9: 19–27 ; 11: 16–21 , 22–26 , 27–33 , 34–38 .
Em resumo, 2 Macabeus é um volume único de duração moderada, cobrindo um
período limitado e tendo um foco consistente. Além das letras prefixadas, contém um
prólogo, narrativa, discursos, cartas citadas e uma conclusão editorial. O tema das
guerras religiosas corresponde ao conteúdo de 1 Macabeus. E a inclusão dos relatos do
martírio antecipa mais especificamente o martírio de Estêvão em Atos 7 .

IX. O gênero de atos à luz de seu prefácio


Em seu livro recente ( Prefácio ; ver n. 4 acima), Loveday Alexander está
principalmente preocupado em estabelecer o contexto social do escritor e dos leitores à
luz das implicações dos prefácios de Lucana. A discussão a seguir é restrita à relevância
direta e indireta de algumas das investigações do autor para o gênero de
Atos. Alexander faz uma forte defesa da visão de que o prefácio do Evangelho de Lucas
é mais semelhante aos prefácios de uma ampla gama de tratados técnicos. O prefácio de
Atos recebe apenas tratamento limitado e subordinado (pp. 142-46). Apenas o primeiro
verso de Atos é considerado como constituindo seu prefácio. Reconhece-se que as
palavras iniciais lembram as recapitulações encontradas em muitos estudos científicos e
outros.textos ”(p. 143, ênfase adicionada). E afirma-se que "Lucas é apenas incomum
porque não consegue completar o resumo com uma descrição do conteúdo da obra
atual: seu τὸν μὲν πρῶτον λόγον é deixado sem o esperado νῦν δέ e mergulhamos
diretamente na narrativa" ( p. 143).
No entanto, existem três tipos de prólogo que podem ser usados pelos escritores
gregos helenísticos para livros seqüenciais: (1) resumo retrospectivo de livro (s) anterior
(es) e resumo prospectivo do livro atual; (2) apenas resumo retrospectivo; (3) resumo
prospectivo apenas. O segundo tipo aparece nos controversos prólogos de Anabasis de
Xenofonte (em 2.1.1 ; 3.1.1 ; 4.1.1-4 ; 5.1.1 ; 7.1.1 ; da data helenística?),
Em Antiguidades Judaicas de Josefo (em 8.1 ; 13.1 ) e na História Herodiana
do Império (em 3.1.1 ; 4.1.1 ; 5.1.1; 6.1.1 ; 7.1.1 ; 8.1.1 ; início do século III
dC). Políbio tem um resumo prospectivo (tipo 3) de todo o seu trabalho dentro da
introdução geral no Livro 1 (em 1.3.1-2 ). Há um bom exemplo de resumo retrospectivo
e prospectivo (tipo 1) em 4.1.1–4 . Em um exemplo mais complexo em 3.1.1-3, ele faz
referência ao resumo prospectivo do Livro 1 e às razões dadas para a redação dos
Livros 1 e 2 , e em seguida fornece um resumo prospectivo para o Livro 3 (tipo 1). À
primeira vista, o começo do livro 2 também parece conter um prefácio do primeiro tipo:
"No livro anterior nós deixamos claro ... Mas agora vamos tentar de uma maneira
resumida ( κεφαλαιωδῶς ) mostrar os eventos que seguem estes ..." ( 2.1.1–4 ). Mas
aqui o termo "de maneira resumida" refere-se ao tratamento esboçado usado nos
Livros 1 e 2 . Portanto, este prefácio é mais apropriadamente considerado como
pertencente ao segundo tipo. O prefácio de Atos também parece pertencer a esse tipo.
É, portanto, dificilmente "incomum" que Lucas não tenha um resumo prospectivo
no começo de Atos. Outros escritores históricos gregos também podem "mergulhar
diretamente na narrativa" após um resumo retrospectivo. Além disso, o τὸν μὲν πρῶτον
λόγον de Lucas não espera necessariamente um seguinte νῦν δέ . Desde os tempos
clássicos o mevn solitarium tinha sido usado especialmente com alguma forma
de πρῶτος . E havia "uma tendência ... de abrir uma obra, ou parte de uma obra,
com μέν , com ou sem uma antítese expressa ou implícita, talvez para mitigar a dureza
do inevitável asyndeton". Por outro lado, o uso de μέν e δέno início de um livro não se
limita ao primeiro tipo de prefácio com resumo retrospectivo e prospectivo. Todas as
passagens citadas acima de (pseudo-) Xenofonte, Josefo e Herodiano têm
uma estrutura μέν… δέ ; e todos têm apenas um resumo retrospectivo antes de passar
diretamente para a narrativa. Se os prefácios Xenophontic não são autênticos, em
seguida, um editor tem em cada caso prefixado um μέν- frase para um livro que
originalmente começou com uma δέ- sentença. Mas tal editor deve ter considerado a
estrutura resultante como aceitável para os leitores.
Alexander afirma:
A prática de iniciar cada novo livro com uma recapitulação é estranha aos historiadores
gregos e romanos clássicos (ver acima no cap. 3 ). Alguns historiadores helenísticos usam
recapitulações, mas apenas em pontos específicos e para propósitos específicos. (p. 143; n.
47 segue).

Neste ponto, Atos 1: 1está em discussão. E a implicação é que Atos é diferente das
histórias gregas e romanas clássicas, já que ele tem um prefácio recapitulatório. No
entanto, é geralmente reconhecido que o Grego Efórico Helenístico começou a prática
de dividir seu próprio trabalho em livros individuais. Os clássicos do século V,
Heródoto e Tucídides (os principais exemplos de Alexandre no cap. 3: 23) ainda não
faziam tais divisões, como observa a própria Alexander (p. 25). Os historiadores do
"grego clássico", portanto, não tiveram a oportunidade de "começar cada novo livro
com uma recapitulação", já que suas obras não estavam divididas em livros. Os
escritores gregos helenísticos, especialmente os historiadores, usaram a recapitulação
nos prefácios do tipo 1 e do tipo 2. Os escritores incluem Políbio, Diodoro Sículo, Filo,
Josefo e Eusébio para o tipo 1, bem como (pseudo-) Xenofonte, Políbio,
Não parece apropriado considerar o prefácio de Atos como terminando no meio de
uma sentença no final de Atos 1: 1 (pp. 142-46). Além disso, o resumo ostensivamente
retrospectivo é complicado pelo uso de Lucas de dois relatos da ascensão. Assim, o
resumo que se estende desde o início do ministério de Jesus até sua ascensão ( Atos 1:
1-2 ) não apenas volta para Lucas 24, mas também aponta para Atos 1: 9-11 . E em Atos
1: 3–8, Lucas continua a resumir as aparições pós-ressurreição e o ensino de
Jesus. Correspondendo à tensão entre resumo retrospectivo e prospectivo, o estilo inicial
'eu' ( Atos 1: 1 ) dá lugar ao discurso relatado de Jesus ( 1: 4), que é convertido em fala
direta no final do mesmo verso. Lucas deliberadamente borrou a transição do prólogo
para a narrativa.
Nas palavras iniciais de Atos, o escritor fala na primeira pessoa
(singular). Alexander cita paralelos (singular e plural) apenas de escritores técnicos (pp.
144-45). Anteriormente, havia sido mencionado que a autodenominação do autor na
terceira pessoa era "uma característica de muitos tipos de literatura no período inicial ...,
foi adotada por Heródoto e Tucídides e permaneceu uma característica reconhecível da
escrita histórica muito depois de ter sido usada." desapareceu em outros gêneros ... '(p.
24). Por outro lado, diz-se que na literatura posterior a "forma arcaica de terceira pessoa
e a posição nas palavras de abertura não eram ... geralmente retidas ..." (p. 26). A
implicação da declaração anterior é que Atos não se encaixa no padrão de prefácios
históricos, enquanto a última afirmação sugere que sim. A qualquer
custo,Plb. 2.1.1 ; J. AJ 8.1 ; 13,1 ; Hdn. 7.1.1; cf. J. Ap. 2.1 (singular).
Como o título indica, o prefácio do evangelho de Lucas é a principal preocupação de
Alexandre. Há alguma ambivalência quanto a se, e em que medida, esse prefácio se
aplica tanto aos Atos quanto ao evangelho (pp. 2, n. 1; 206). Essa ambivalência é
transportada para a questão do gênero de Lucas e Atos (pp. 3, 9, 200, 206). Parece que
Alexandre gostaria de resolver essa ambivalência da seguinte maneira: os prefácios de
Lucas e Atos são mais semelhantes aos dos tratados técnicos; biografias antigas podem
ser consideradas como parte da tradição técnica (pp. 202–04); Lucas e até Atos podem
ser considerados biográficos; e o "paralelo com a literatura científica [...] poderia ser
buscado não em conteúdo ou forma, mas em práxis literária" (p. 205), na transmissão da
tradição. Este esquema ilustra um dos principais problemas com a tese de Alexandre:
A própria Alexander prefere a visão de que "as duas obras de Lucas devem ser
consideradas como duas partes de um único todo" (p. 2, n. 1); e ela considera essa visão
como tendo "predominância" (p. 206 ). Entretanto, é reconhecido que dois grandes
comentaristas, Haenchen e Conzelmann, vêem em Lucas 1: 1–4 como se aplicando
somente ao evangelho ( ibid. ). O prefácio retrospectivo de Atos pode parecer confirmar
a visão de Alexandre. No entanto, nos prefácios de tratados científicos "encontramos
regularmente uma certa quantidade de informação sobre ... a relação do livro com outras
do mesmo autor" (p. 49). Além disso:
nem todas as recapitulações indicam uma unidade literária próxima do tipo pressuposto no
estudo atual de Lucas-Atos. O crítico que encontra uma concepção unitária nos próprios
textos pode, de fato, encontrar confirmação para essa unidade nos dois prefácios. Mas
também é necessário afirmar claramente que o crítico que acha que as duas obras, embora
se complementem, não deixa de ser muito diferente na concepção, não precisa achar que os
prefácios sejam uma pedra de tropeço. A conexão entre duas obras sucessivas de um corpus
ligado por recapitulações nem sempre é tão apertada quanto poderíamos esperar. (p. 146).

A documentação de Alexander para este ponto está limitada a tratados técnicos (p. 49 e
páginas anteriores). Entretanto, referências cruzadas a outros escritos dentro do corpus
de um autor ocorrem em outro lugar. O tratado de Philo On Dreams 1.1 refere-se à
"escrita anterior a esta" (não existente) sobre uma classe diferente de sonhos. Sua Vida
de Joseph 1 declara: 'Desde que descrevi a vida desses três, (…) continuarei a série
descrevendo uma quarta vida, a do estadista'. Misturando gêneros, Philo escreve
em Sobre o Decálogo 1 : 'Tendo relatado nos tratados anteriores as vidas daqueles a
quem Moisés julgou serem homens de sabedoria, (…) agora procederei no devido
tempo para dar descrições completas das leis escritas'.Sobre as Leis
Especiais 1.1 refere-se ao "tratado anterior",Sobre o Decálogo. Cf. Nas
Virtudes 1 ; Que cada bom homem é livre 1 , referindo-se ao 'primeiro tratado' (não
existente) sobre o tema oposto (observado por Alexander em outra conexão, p
158.); Sobre a Vida Contemplativa 1 , referindo-se à discussão prévia dos essênios. No
início de suasAntiguidades( 1.4 ), Josefo remete à suaguerra judaica; e no começo de
seu escritoAgainst Apion( 1.1 ), ele se refere àsAntiguidades. No final de
sua vida ( 412 ), Josefo se refere ao leitor de sua guerra judaica para certos
episódios. Esses escritos não são estritamente "históricos"; mas também não são
"técnicas" ou "científicas". O prefácio recapitulatório de Atos não implica
necessariamente que Lucas esteja escrevendo o segundo volume de um único
trabalho. Isso não implica necessariamente que os Atos pertençam à tradição
científica. E isso não implica necessariamente que Atos devem ser do mesmo gênero
que o Evangelho de Lucas.
Em grande parte, o estudo de Alexander consiste em uma comparação de
características formais de Lucana e de prefácios científicos. Talvez o tópico funcional
mais significativo dentro dessa discussão seja a questão da tradição. Nos prefácios
científicos, a 'tradição' recebida é um dos componentes das 'qualificações do autor' (esp.
Pp. 82-85). Mas tais afirmações autorais implicam que o conteúdo principal de seus
livros será uma explicação da tradição recebida (por exemplo, p. 82). No prefácio do
evangelho ( Lucas 1: 2), o autor afirma ser o destinatário da tradição (pp. 116-117). E o
conteúdo de ambos, Lucas e Atos, pode ser considerado como uma explicação do
material tradicional (pp. 203–06). Essa análise parece fornecer um forte paralelo duplo
entre os Atos Lucas e os tratados técnicos. Por outro lado, parece haver uma diferença
substancial entre a tradição empírica da perícia técnica no artesanato e as tradições
escritas ou orais sobre Jesus e as figuras apostólicas de Atos. O paralelo formal entre a
menção da tradição em Lucana e os prefácios científicos permanece. Mas o maior
paralelo entre o conteúdo dos tratados científicos e Lucas-Atos não é tão atraente,
afinal. Consequentemente, os fundamentos para ver Atos no contexto de tratados
técnicos, e não de historiografia, são enfraquecidos.

X. Conclusão
Os comentários de Políbio fornecem alguma base para o uso do termo "história
particular" ou "monografia histórica". No entanto, Políbio estava pensando em obras em
vários volumes, que podem ser ainda maiores que sua própria história universal. As
observações de Sallust sobre seletividade e brevidade dão uma indicação de seu
conceito do gênero. As discussões de Cícero sobre a extensão, o escopo e o foco de uma
possível monografia também ajudam a definir esse tipo de escrita. A evidência
fragmentária de numerosas monografias gregas e uma em latim confirma a existência do
gênero, mas não dá uma imagem de como era um exemplo individual. Além dos
escritos judaicos, para uma monografia curta do período anterior a Atos, é necessário
olhar para Sallust. Seus trabalhos estão em conformidade com os requisitos teóricos
para uma breve monografia: cada um deles compreende um único volume, abranger um
período histórico limitado e concentrar-se em um tema e, em uma extensão
significativa, em uma pessoa. E os componentes literários constituintes doBellum
Catilinae inclui um prólogo ( 1-4 ), narrativa, discursos ( 20 , 51 , 52 , 58 ) e um citado
'despacho' ( mandata , 33 ) e duas 'letras' ( litterae , 35 ; 44,5). O Iugurthinum de
Bellum não só tem os mesmos componentes principais, mas também cita no discurso
direto a 'essência' ( sententia ) de duas 'cartas' ( litterae , 9.1–2 ; 24.1–10 ).
Os escritos históricos judaicos helenísticos, 1 Esdras e 1 e 2 Macabeus,
correspondem em muitas de suas características à teoria e prática de Cícero e
Saliva. Eles são de comprimento aceitável para um único volume. 1 e 2 Macabeus têm
um escopo cronológico apropriado. 1 Esdras cobre um período extraordinariamente
extenso, mas isso pode ser devido ao foco do autor no tema particular da "continuidade
entre o antigo e o novo templo" (nº 66 acima). De fato, todos os três escritos têm um
foco unitário no tema escolhido. Apenas 2 Macabeus tem um prólogo
adequado. Narrativa de eventos passados é o método básico de todos os três escritos. E
todos eles contêm discursos e cartas citadas. Como monografias gregas e romanas, 1 e 2
Macabeus estão amplamente preocupados com as guerras. No entanto, eles também têm
uma perspectiva religiosa, que é visivelmente faltando pelo menos em Sallust. Essa
perspectiva é compartilhada com 1 Esdras e com a "história bíblica". Os três escritos
judaicos helenísticos são anteriores a Cícero e Sallust. Mas eles talvez apontem para a
herança greco-romana que está por trás de Cícero e Sallust, por um lado, e para o meio
da "história bíblica", por outro. De fato, eles fornecem uma ligação entre esse duplo
passado no passado e a futura composição dos Atos.
Além das características formais que já foram consideradas, esses escritos judaicos
helenísticos também tendem a se concentrar em uma figura principal, ou pelo menos em
um de cada vez. Em comparação com o material canônico ao qual está relacionado, 1
Esdras minimiza o papel de Neemias em grande parte por omissão. O resultado é dar
maior destaque a Esdras; e isto é reforçado pela designação mais elevada de Esdras em
1 Esdras. Em 1 Macabeus há uma divisão bastante estrita entre os períodos de liderança
de Judas ( 3: 1-9: 22 ), Jônatas ( 9: 23-12: 53 ), Simão ( 13: 1-16: 17 ) e João ( 16: 18–
24 ); veja especialmente 9:22O resto da história de Judas, suas guerras, façanhas e
realizações - todas eram tão numerosas que não foram escritas (NEB). Por causa da data
em que o autor escolheu terminar sua conta, Judas é o único líder dos Macabeus em 2
Macabeus.
Entre os escritores romanos, foi Cícero quem levantou a questão da concentração
em uma pessoa em uma monografia ( Fam. 5.12.2 ; n. 50 acima); e Cícero estava
pensando em si mesmo. Sallust fez de Catiline o principal foco pessoal de atenção em
sua monografia sobre a conspiração catilinariana. Com relação ao Iugurthinum Bellum ,
Levene permite uma maior variação de foco entre diferentes figuras. '... Eu examinarei
como os protagonistas, Jugurta, Metellus, Marius e Sulla, se encaixam no trabalho ... o
principal objeto no retrato de Sallust desses quatro personagens, é mostrar-lhes ligados
uns aos outros em uma única cadeia de pessoal e degeneração moral geral. Essa
compreensão de "personagens principais ... ligados uns aos outros em uma única
cadeia" fariaBellum Iugurthinum um paralelo mais próximo de Atos que o Bellum
Catilinae. Pois, em contraste com o seu Evangelho, Lucas não se concentra em um
indivíduo em todo o Atos. Mas ele costuma retratar um líder missionário de cada vez
(Peter, Stephen, Philip, Paul) a serviço do tema principal.
Os Atos dos Apóstolos consistem em um único volume de duração
moderada. Abrange um período histórico limitado de cerca de trinta anos. Seu alcance
geográfico não é universal, mas restrito a seu tema. Há um foco consistente, pelo menos
do ponto de vista do autor, sobre a única questão do progresso da missão cristã. E Lucas
tende a retratar uma figura principal de cada vez a serviço desse tema. Os componentes
literários de Atos incluem um prólogo, narrativa, discursos e cartas citadas ( 15: 23–
29 ; 23: 26–30 ). Até mesmo o levantamento da história da salvação ( Atos 7: 2-53 ),
embora apresentado não em narrativa, mas em um discurso, tem comparação com a
"arqueologia" de Salustão ( Cat. 5,9-13,5). A história de um movimento religioso
incipiente é um assunto sem precedentes para uma antiga monografia. Mas o caminho
foi preparado pelo conteúdo religioso das monografias históricas judaicas
helenísticas. E a combinação de comprimento, escopo, foco e características literárias
internas indica que Atos merece consideração como uma breve monografia histórica.
De fato, pode ser parte da abordagem de Atos apresentar uma 'sucessão de histórias
interessantes e repletas de ação'. Isso alinharia Atos com o tipo dramático de
monografia histórica, que Cícero tinha em mente. Mas isso não significaria que Atos é
uma escrita romântica e não histórica. "Os historiadores da antiguidade
conseguiram delectatio usando matéria que era garantidamente de interesse para o seu
público ..." Mesmo Políbio, ao apoiar os méritos da história universal, acredita que o
leitor deve "derivar da história ao mesmo tempo lucro e deleite".

CAPÍTULO 2
ATOS E BIOGRAFIA INTELECTUAL ANTIGA
LCA Alexander

Denn so ist es, Herr: dem Sokrates gaben sie ein Gift uu trinken, und unsern Herrn Christus
schlugen sie an das Kreuz!
Theodor Storm, Der Schimmelreiter

Resumo
A comparação sugerida por Charles Talbert entre Lucas-Atos e as vidas dos filósofosde
Diógenes Laércio tem vários pontos de potencial significado para o leitor de Atos. No nível
narrativo, no entanto, a comparação mostra tantas diferenças quanto semelhanças, e é difícil
acreditar que qualquer trabalho desse tipo pudesse ter sido o modelo literário de Lucas. Para
fazer a comparação funcionar no nível do texto literário, temos que assumir que a tradição por
trás de Diógenes (sobre a qual Lucas também se baseou, nessa hipótese) era radicalmente
diferente da vida que ele apresenta; mas isso não parece ter sido o caso. No entanto, as
tradições escolares subjacentes aos textos literários são de grande importância para Atos, e a
última seção deste artigo argumenta que a narrativa paulina é continuamente informada e
moldada pelo modelo fornecido pela tradição biográfica referente a Sócrates.

I. Introdução
Já se passaram quase vinte anos desde que Charles Talbert apresentou a brilhante
proposta de que a chave para a estrutura dupla de Lucas-Atos seria encontrada no
compêndio da biografia filosófica sob o nome de “ Vida dos Filósofos ”, de Diógenes
Laércio. . Não que Diógenes Laércio pudesse ser, em qualquer sentido direto, o modelo
literário de Lucas - a data provável do compêndio é o início do terceiro século dC -, mas
ele atesta uma longa tradição de escrever as vidas de grandes professores e de um
interesse sucessão "pelo qual uma tradição particular foi passada e desenvolvida a partir
do professor fundador para uma série de discípulos. Diógenes Laércio cita uma
variedade de fontes, a maior parte delas datando do período helenístico, ou seja, III-I
aC: e é entre essas fontes, postula Talbert, que o modelo para a obra de dois volumes de
Lucas se encontra:
As semelhanças entre as vidas dos fundadores das escolas filosóficas apresentadas por
Laércio e Lucas-Atos são notáveis. Em primeiro lugar, quanto ao conteúdo … Lucas-Atos,
assim como Diógenes Laércio… tem pelo seu conteúdo (a) a vida de um fundador de uma
comunidade religiosa, (b) uma lista ou narrativa dos sucessores do fundador e outros
discípulos selecionados e (c) um resumo da doutrina da comunidade. Em segundo lugar,
na forma de Lucas-Atos, como a Vida de Diógenes Laércio , a vida de um fundador é a
primeira unidade estrutural, seguida de uma segunda, a saber, a narrativa dos sucessores e
dos outros discípulos selecionados ... Existe ainda uma semelhança de propósito entre
Lucas-Atos e a Vida de filósofos seguindo este padrão, sejam coleções ou vidas
individuais. Ambos estão preocupados em dizer onde a verdadeira tradição deve ser
encontrada no presente ... [...] a conclusão parece inescapável. Lucas-Atos, assim como
Diógenes Laércio, derivou o padrão para o seu trabalho, (a) + (b), desde o seu uso
generalizado desde os tempos pré-cristãos em retratar a vida de certos filósofos. Se assim
for, então Lucas-Atos, em certa medida, deve ser considerado como pertencente ao gênero
da biografia greco-romana, em particular, àquele tipo de biografia que tratava da vida dos
filósofos e seus sucessores. ([1974] 125-34).

A maior parte do interesse recentemente revivido na antiga biografia foi centrado,


naturalmente, nos Evangelhos, e a maioria dos leitores provavelmente concordaria com
a afirmação careta de Aune de que Lucas não pertence a um tipo de biografia antiga,
pois pertence a Atos, e Atos não podem ser forçados a um molde biográfico ”. No
entanto, acredito que o leitor de Atos tenha muito a aprender com o estudo da antiga
biografia; e a proposta de Talbert é um bom ponto de partida de várias maneiras.
Em primeiro lugar, a estrutura da "sucessão" lida precisamente e nitidamente com o
problema de Aune da estrutura do duplo trabalho de Lucas (e incidentalmente nos
permite evitar a situação potencialmente ridícula na qual Mateus, Marcos e João podem
ser considerados biografias, mas Lucas não pode ). Isso não implica tentar "forçar Atos
a um molde biográfico", mas significa levar a sério até que ponto a narrativa de Atos é
estruturada em torno de uma série de apóstolos individuais e, em particular, até que
ponto uma linha da história, a de Paul, progressivamente domina a partir de sua
primeira introdução discreta às 7:58 . Paulo é de fato o único herói da narrativa do
capítulo 13 ao capítulo 28, ou seja, para mais da metade do livro, e Atos transmite muito
mais informações sobre Paulo do que sobre qualquer outro apóstolo. Na verdade, essa é
uma das dificuldades em classificar os Atos como uma "história da igreja" ou até
mesmo como "Os Atos dos Apóstolos": ela é muito desequilibrada para se sentar
confortavelmente com qualquer título. Atos não é apenas uma biografia de Paulo,
mas contém uma biografia paulina da mesma forma que os livros de Samuel contêm a
narrativa da sucessão davídica, ou Gênesis contém a história de José - e essa história
pode ser estudada exatamente da mesma forma. caminho. Mas a hipótese de Talbert
também nos alerta a olhar para o modo como a linha narrativa paulina está inserida na
narrativa mais ampla, particularmente no modo como as relações com os outros
apóstolos são tratadas.
Em segundo lugar, a proposta de Talbert nos encoraja a focar em uma área
particular da antiga biografia. A biografia antiga é um campo notoriamente confuso para
entender, especialmente porque nunca alcançou o status dos gêneros reconhecidos pela
retórica clássica. Mas há muito a ser dito para limitar nossas explorações a uma área que
pode ser vagamente definida como "biografia intelectual", ou seja, biografia de
indivíduos distinguidos por suas proezas no campo intelectual (filósofos, poetas,
dramaturgos, médicos) e não em a arena política ou militar (reis, estadistas,
generais). Isso nos dá a vantagem inicial de limitar o campo aos textos gregos, já que a
maior parte da biografia política data do período romano. Também limita o campo ao
núcleo central da escrita biográfica indiscutível da era helenística, que, como Gigon
apontou, foi em grande parte confinado a heróis literários e filosóficos e, portanto, à
esfera da vida privada, em vez da pública. Esta é claramente a esfera à qual Paulo
pertence e, de fato, os paralelos mais óbvios são com o material biográfico ligado aos
mestres filosóficos. No entanto, a biografia filosófica é, em muitos aspectos, apenas um
subgrupo da biografia intelectual e, embora seja um subgrupo importante que pode
muito bem ter características únicas, compartilha muitas características formais com o
grupo maior.
Dentro deste campo mais amplo, restringir nossas linhas de investigação à
“literatura de sucessão” filosófica destacada por Talbert seria estreita demais,
especialmente porque a maioria dos exemplos do gênero está perdida; e, de fato, o
próprio Talbert aponta para vários outros aspectos da biografia filosófica que são
potencialmente esclarecedores para o leitor de Atos. Em seu principal artigo
da ANRW, ele sugeriu uma classificação quíntupla da biografia de acordo com a função
social:
R: Para fornecer aos leitores um padrão para copiar.
B: Para dissipar uma imagem falsa e fornecer uma verdadeira para seguir.
C: Para desacreditar pela exposição.
D: Para indicar onde a verdadeira sucessão será encontrada.
E: Validar e / ou fornecer uma chave hermenêutica para a doutrina de um
professor.
Além do Tipo D, o interesse na "sucessão" de discípulos de um grande professor que já
mencionamos, dois deles indicam áreas de interesse na antiga tradição biográfica que
são de particular importância para o leitor de Atos.
(i) Tipo E: a 'chave hermenêutica'. A descrição da biografia como fornecendo uma
"chave hermenêutica" à doutrina do professor sublinha o fato de que muitas biografias
intelectuais são auxiliares de um corpo de escritos independente e preexistente. Para
colocá-lo mais logicamente, muito biografia intelectual toma seu ponto de partida do
fato de que seu assunto é independentemente conhecido como um autor; é por isso que
ele ou ela é escrito em primeiro lugar. A esse respeito, como sugeri em outra ocasião, o
modelo de Talbert funciona melhor para Atos do que para o Evangelho. O relato de
Lucas sobre as atividades missionárias de Paulo poderia ser visto como um apêndice
biográfico / hagiográfico do corpus de epístolas genuínas e deuterino-paulinas, reunidas
como um acompanhamento desse corpo pré-existente de ensinamentos paulinos.
(ii) Tipo A: o professor como exemplum. A ideia de que o estilo de vida (bios) dos
grandes professores é tão importante na educação de seus alunos quanto seus ditos ou
escritos é bem atestada na antiguidade: Seneca fornece um bom exemplo do primeiro
século:
Cleanthes nunca teria sido a imagem de Zenão se ele tivesse apenas o ouvido falar; ele vivia
com ele, estudava sua vida particular, observava-o para ver se ele vivia de acordo com seu
próprio princípio. Platão, Aristóteles e uma série de outros filósofos, todos destinados a
tomar caminhos diferentes, derivavam mais do caráter de Sócrates do que de suas
palavras. Não foi a escola de Epicuro, mas viver sob o mesmo teto de Epicuro que
transformou Metrodoro, Hermarco e Poliaeno em grandes homens.

De Lucian Life of Demonax fornece uma expressão clássica deste ideal na forma de
biografia:
Agora é apropriado contar sobre Demonax por duas razões - que ele pode ser retido na
memória por homens de cultura até onde eu posso fazer isso, e que jovens de bons instintos
que aspiram à filosofia podem não ter que se moldar por apenas precedentes antigos, mas
podem ser capazes de estabelecer um padrão [ κανών ] de nosso mundo moderno e copiar
[ ζηλοῦν ] aquele homem, o melhor de todos os filósofos de quem eu
conheço. ( Lucian, Demonax 2 , LCL).

Aqui, a Vida existe não para fornecer informação auxiliar a um corpo pré-existente de
escritos, mas para agir como um "modelo" para os leitores modelarem suas próprias
vidas. A importância desta função na antiga biografia é amplamente reconhecida,
especialmente entre os estudantes da biografia do Império posterior, pagãos e
cristãos. Leitura Atos ao longo destas linhas nos encorajaria a explorar as formas em
que Paulo é apresentado como um padrão de imitação, uma extensão narrativa do
processo já visível no corpus epistolário pelo qual, nas palavras de Conzelmann, "com a
morte de Paulo não só o seu ensino mas também a imagem de sua obra se torna o
conteúdo da tradição ”.
A hipótese de Talbert oferece o potencial adicional de ancorar a comparação
literária a um contexto social específico, o das escolas helenísticas. No estudo de 1974,
citado em n. 3, ele associa explicitamente a coleção e a manutenção da vida dos
filósofos e seus discípulos aos interesses das escolas como comunidades. “A
semelhança mais notável… é aquela entre a função de Lucas-Atos e a vida individual
dos filósofos com um padrão (a) + (b). Ambos são documentos de culto destinados a
serem lidos e usados dentro da comunidade que os produziu e no interesse de sua vida
contínua ”([1974] 134). O compromisso do discipulado (seja qual for a configuração
formal) é pressuposto ainda mais fortemente onde a biografia também tem a função de
expor o sábio como um padrão a ser imitado. A possibilidade de usar as escolas
helenísticas (filosóficas e outras) para fornecer um modelo social para a igreja primitiva
é uma que despertou crescente interesse ao longo dos anos. Especialmente em conexão
com a coleção e publicação das cartas paulinas, sugere um cenário concreto muito
necessário para toda uma gama de atividades literárias “deutero-paulinas” (colecionar e
editar letras genuínas, produção de pseudo-epígrafes, narração biográfica), todas que
pode ser paralelo entre os filósofos (Sócrates, Platão, Epicuro) e em outras tradições
técnicas. Mas apenas uma comparação detalhada pode revelar quão bem a analogia
funciona na prática. Especialmente em conexão com a coleção e publicação das cartas
paulinas, sugere um cenário concreto muito necessário para toda uma gama de
atividades literárias “deutero-paulinas” (colecionar e editar letras genuínas, produção de
pseudo-epígrafes, narração biográfica), todas que pode ser paralelo entre os filósofos
(Sócrates, Platão, Epicuro) e em outras tradições técnicas. Mas apenas uma comparação
detalhada pode revelar quão bem a analogia funciona na prática. Especialmente em
conexão com a coleção e publicação das cartas paulinas, sugere um cenário concreto
muito necessário para toda uma gama de atividades literárias “deutero-paulinas”
(colecionar e editar letras genuínas, produção de pseudo-epígrafes, narração biográfica),
todas que pode ser paralelo entre os filósofos (Sócrates, Platão, Epicuro) e em outras
tradições técnicas. Mas apenas uma comparação detalhada pode revelar quão bem a
analogia funciona na prática.
O contexto da "escola" também se liga à minha própria investigação a longo prazo
das convenções empregadas no prefácio de Lucana, o que me levou à conclusão de que
a teia de expectativas estabelecida pela linguagem altamente convencional do prefácio
levaria o antigo leitor esperar, não um trabalho de historiografia nos moldes clássicos de
Tucídides, Políbio ou Josefo, mas um tratado técnico que emana (a qualquer que seja a
remoção) de algum tipo de cenário escolar. De fato, Diógenes Laércio, embora não
tenha figurado no estudo original por causa de sua data, contém um breve prefácio que
se assemelha a muitas das características encontradas nos prefácios técnicos que
formaram o objeto deste estudo e, portanto, cai amplamente dentro do mesmo categoria
literária. Colocar Atos neste contexto também forneceria uma solução possível para um
problema literário levantado pelo prefácio de Lucana. No nível superficial, a mensagem
mais óbvia é que o autor promete atuar como um canal fiel para o material
tradicional. Isso é fácil de entender para o Evangelho, menos para os Atos: os estudos
recentes têm relutado em atribuir um grande papel à tradição na composição de Atos
(embora a possibilidade tenha recebido nova atenção ultimamente no trabalho de Jervell
e Lüdemann). ). Olhar o papel desempenhado pelas tradições biográficas nas escolas
helenísticas poderia nos ajudar a compreender melhor não apenas a função de tais
tradições, mas também de sua formação: como elas são estruturadas e o que é
narrado. Finalmente, note que meu uso do termo "helenístico" não deveria ser
considerado como uma forte distinção entre "helenismo" e "judaísmo". Muitas das
perguntas feitas aqui sobre o papel da biografia nas escolas helenísticas também
poderiam ser feitas às academias rabínicas - e de fato eu acredito que uma verdadeira
apreciação do modelo social da 'escola' como uma ferramenta para entender o
Cristianismo primitivo só surgem de um exercício de “comparação e contraste”,
estabelecendo as primeiras estruturas sociais cristãs juntamente com as “escolas”
helenísticas e rabínicas. Apenas limitações de espaço impedem que eu siga o paralelo
aqui. Muitas das perguntas feitas aqui sobre o papel da biografia nas escolas helenísticas
também poderiam ser feitas às academias rabínicas - e de fato eu acredito que uma
verdadeira apreciação do modelo social da 'escola' como uma ferramenta para entender
o Cristianismo primitivo só surgem de um exercício de “comparação e contraste”,
estabelecendo as primeiras estruturas sociais cristãs juntamente com as “escolas”
helenísticas e rabínicas. Apenas limitações de espaço impedem que eu siga o paralelo
aqui. Muitas das perguntas feitas aqui sobre o papel da biografia nas escolas helenísticas
também poderiam ser feitas às academias rabínicas - e de fato eu acredito que uma
verdadeira apreciação do modelo social da 'escola' como uma ferramenta para entender
o Cristianismo primitivo só surgem de um exercício de “comparação e contraste”,
estabelecendo as primeiras estruturas sociais cristãs juntamente com as “escolas”
helenísticas e rabínicas. Apenas limitações de espaço impedem que eu siga o paralelo
aqui.

II. Lucas-Atos e Diógenes Laércio: uma comparação narrativa


O paralelo entre Diógenes Laércio (DL) e Lucas-Atos (LA), então, é aquele que por
muitas razões eu gostaria de fazer o trabalho. O problema é que quanto mais nos
aproximamos da comparação em termos literários, mais óbvio parece que DL é um
"ajuste ruim", pelo menos para Atos. A dificuldade mais óbvia para a comparação é que
Diógenes Laércio data do início do século III dC e, portanto, é tarde demais para agir
em qualquer sentido direto como um modelo literário para Lucas-Atos. A comparação
de Talbert não é entre Lucas-Atos e Diógenes Laércio, mas entre Lucas-Atos e as fontes
de Diógenes: “Lucas-Atos, assim como Diógenes Laércio, derivou o padrão para seu
trabalho… do uso difundido dele desde os tempos pré-cristãos em retratando a vida de
certos filósofos. Não há nada errado com este procedimento em princípio, já que
Diógenes cita um grande número de fontes, a maioria delas do período helenístico; mas
teve o efeito de desviar a atenção do texto de Diógenes para um corpo de material que
sobrevive, se tanto, apenas na forma de epítomes e citações, para muitos dos quais o
próprio Diógenes é a nossa melhor testemunha. Os estudiosos começaram recentemente
a questionar a opinião consensual sobre as fontes de Diógenes: ninguém duvida que elas
existiram, mas a dificuldade de determinar sua forma e extensão precisa provavelmente
foi subestimada. Para os nossos propósitos, essa preocupação de ficar "por trás" de
Diógenes mascarou uma série de diferenças óbvias entre os dois textos no nível da
narrativa.

1. A agenda narrativa
A primeira pergunta a fazer é simples: o que é narrado? O que Lucas, por um lado, e
DL, por outro lado, acham que seus leitores deveriam ser contados? Para simplificar,
uso aqui uma lista das características típicas das vidas de DL citadas por Ingemar
Düring. Düring salienta que nem todos os itens aparecem sempre: se a informação não
estava disponível, DL não a incluiu. Mas a lista é um indicador útil dos tipos de
informação que DL queria transmitir a seus leitores: e não pode depender apenas da
quantidade de material disponível para DL de suas fontes, pois há alguns casos, como
Xenofonte e Sócrates, onde sabemos que DL tinha muito mais informação disponível
sobre o personagem de fontes literárias do que é dado aqui.
1. Origem, pedigree ( genos )
2. Relação com uma escola filosófica; scholarchate, διαδοχή
3. Educação
4. Personagem, muitas vezes ilustrado por anedotas e apophthegms
5. Eventos importantes da vida
6. relato anedótico de sua morte, geralmente seguido por um epigrama
7. ἀκμή (período em que o filósofo "floresceu") e dados cronológicos relacionados
8. Obras (lista de títulos de livros)
9. Doutrinas
10. Documentos particulares, testamentos, cartas
11. Homônimos (outras pessoas do mesmo nome)
Um resumo tabular irá mostrar como isso funciona na prática (usando o exemplo de
Düring da biografia Aristóteles em Diogenes): ver Tabela I . Será prontamente
observado que a ordem dos tópicos não é preservada nem mesmo neste exemplo
('Caráter', e mesmo 'eventos da vida' realmente vêm após 'morte' neste caso), mas é
amplamente aceito que a ordem varia amplamente em Diógenes. O que é importante, e
geralmente é concordado, é que a lista representa razoavelmente o alcance narrativo da
Vida de Diógenes; uma leitura superficial confirma a constante recorrência da maioria
desses itens, embora nem todos ocorram em qualquer Vida, e mesmo que haja melhores
formas de classificar o material.
É claro que Diógenes tinha muito pouca informação sobre muitos de seus filósofos
menores, e que (não surpreendentemente) as Vidas mais plenas são aquelas dos
fundadores das escolas. Também está claro que algumas informações estavam
disponíveis apenas para certas escolas: por exemplo, os testamentos figuram
principalmente na Vidas dos principais Peripatéticos. 'Educação' não figura na Vida de
Aristóteles, e é difícil distinguir em geral do item (2): mas muitas das Vidas contêm
uma breve nota sobre a ocupação do filósofo antes de ele entrar na vida filosófica, e
algumas pelo menos dessas tradições podem ter a função de apontar um contraste com a
vida filosófica. A lista de obras aparece em quase todas as vidas, mas a seção principal
sobre doutrinas tende a ser anexada aos fundadores das principais escolas.

Tabela I: Tópicos Narrativos em Diógenes Laércio


ARISTOTLE ( DL bk. V ) PAULO (Atos)

1. Genos (origem, pedigree) 5,1 22: 2f , 28 ; 21:37 , 39f. ; 23:


6 , 34

2. Escola5,2 CH. 9 ?
(scholarchate, διαδοχή )

3. Educação … 22: 3 ; 23: 6 ; 26: 4f .

4. Personagem (anedotas e5,17–21 …


apotegmas)

5. Eventos da vida 5,3–11 chs. 13-19

6. Morte (epigrama) 5,6 5,6 chs. 20–28 …

7. Cronologia ( ἀκμή ) 5,6 , 9–10 11:28 ; 12:18

8. Obras 5,21–27 …

9. Doutrinas 5,28–34 discursos?

10. Documentos5,7–8 ; 5,11-16 discursos? 20: 18–35


(testamentos, cartas)

11. Homônimos 5,35 …

Nota: capítulo nos. em DL não correspondem aos versos do NT em comprimento. Cada capítulo
representa cerca de 12 linhas do grego.

Mesmo em uma rápida olhada, é evidente que existem semelhanças e diferenças


aqui. Por um lado, sob ' Genos'DL inclui informações sobre cidade de origem,
parentesco (se conhecido) e conexões familiares; como Atos (e ao contrário do
Evangelho de Lucas) ele raramente mostra qualquer interesse em histórias de
nascimento, milagrosas ou não. Por outro lado, Atos nunca faz qualquer comentário
explícito sobre o caráter de Paulo, e o material anedótico que é usado para ilustrar o
caráter em DL (e há muito disso) não é fácil de ser paralelo na tradição paulina. A
história de Paulo é muito menos anedótica do que a de Jesus, como uma comparação
entre o Evangelho de Lucas e os Atos deixa claro. A outra lacuna importante é "Obras":
notoriamente, Lucas nunca menciona as cartas de Paulo, e a erudição freqüentemente
trabalha com a suposição de que ele não as conhecia. Se ele não o fez, então outro
paralelo possível será removido: pois a maneira mais fácil de fazer paralelo à seção de
"Doutrinas" em DL é pensar em Atos como uma introdução biográfica às epístolas, que
então representaria as "doutrinas" do apóstolo. Mas se Lucas conhecesse as Epístolas,
então (no modelo de Diógenes), esperávamos que ele as mencionasse. Os discursos
paulinos em Atos podem, em teoria, ser entendidos como equivalentes, mas isso nos
traz contra outra dificuldade, que merece uma seção separada.

2. Modo narrativo
Se não é fácil defender uma boa correspondência entre Atos e Diógenes no nível da
agenda - isto é, em termos de tópicos abordados - torna-se francamente difícil quando
voltamos nossa atenção para o modo da narrativa, ou seja, não apenas para o que é
contada (conteúdo informativo), mas como é contada. Isso significa prestar atenção a
vários fatores concretos que afetam a estrutura da narrativa de maneira significativa.
1. Genos . Este é sempre o primeiro item de informação em Diógenes, transmitido
diretamente pelo narrador nas palavras de abertura. O assunto da Vida é normalmente o
assunto gramatical da primeira sentença. Em Atos, a escassa informação que nos é dada
sobre as origens de Paulo (e não inclui os nomes de seus pais, como é normal em
Diógenes) é transmitida indiretamente, numa fase tardia da história, e vem dos lábios do
próprio Paulo. Costuma-se dizer que "Lucas nos diz que Paulo era um cidadão romano":
na verdade, Lucas, o narrador, não "nos diz isso", mas permite que seu personagem
Paulo nos diga em seu lugar.
2. Afiliações escolares . Isso normalmente é transmitido juntamente com as informações
iniciais sobre nome e parentesco em Diógenes, e forma claramente um dos principais
princípios organizadores da coleção. Mais informações podem ser fornecidas no
segundo parágrafo. No caso de Paulo, não há dificuldade com a sugestão de Talbert de
que essa idéia de manter a "sucessão" correta da "voz viva" possa ser acompanhada nas
lutas de Paulo com os apóstolos de Jerusalém e que o mesmo tipo de preocupação esteja
por trás do conceito de Paulo. do seu próprio apostolado (cf. esp. Gal. 1–2 ). O
problema é com a expressãoda ideia na narrativa de Lucas. Onde Diógenes é direto e
não ambíguo, Lucas é indireto e ambivalente. Por um lado, a comissão de Paulo do
Jesus ressuscitado (a base para a afiliação cristã de Paulo em Gal. 1 ) é narrada
integralmente pelo menos três vezes, uma vez nas palavras do narrador (cap. 9 ) e duas
vezes em Paulo. Como Ronald Witherup apontou recentemente, isso certamente indica
que o episódio é importante para a narrativa de Lucas. Por outro lado, porém, Lucas
(notoriamente) difere de Paulo ao fazer parecer que Paulo teve algum contato com os
apóstolos de Jerusalém logo após sua conversão ( 9:27).), que alguns têm visto como
uma tentativa de implicar dependência de Jerusalém (este pensamento sustenta a visão
de Talbert de Atos como "narrativa de sucessão"). Mas, na verdade, Lucas evita
cuidadosamente dizer que Paulo recebeu qualquer ensinamento dos apóstolos sobre isso
ou a qualquer momento: se ele quer transmitir algum tipo de 'sucessão', ele o faz de
forma indireta e alusiva, muito diferente da de Diógenes
3. Educação . Novamente, essa informação em Atos é transmitida indiretamente pelo
personagem Paulo, não diretamente pelo narrador. Mas, como vimos, esse item não
figura muito na agenda de Diógenes: como em Atos, há pouco ou nenhum traço do tema
"brilho infantil" associado a uma biografia mais romântica. O que encontramos em
Atos, como nas Epístolas, é antes um contraste, não entre Paulo, o fariseu, e Paulo, o
cristão, mas entre o perseguidor e o seguidor de Jesus. Diversas biografias filosóficas
ressaltam similarmente a natureza dramática do primeiro encontro com a filosofia (que
pode muito bem ser estruturada como uma "conversão") e a inadequação anterior do
sujeito à vida filosófica.
4. Character . Já mencionamos as óbvias diferenças formais (uma das maiores
dificuldades na maneira de ler qualquer narrativa bíblica em termos de biografia greco-
romana) que Diógenes descreve diretamente o ethos de seus personagens e depois cita
várias anedotas para provar ponto, enquanto Lucas transmite indiretamente através da
própria história. É claro que é uma questão importante em si mesma até que ponto os
escritores bíblicos compartilham a preocupação do romancista moderno com o
"caráter", mas tudo o que nos interessa imediatamente é a diferença formal.
5. Eventos da Vida . De fato, este item na agenda é difícil de distinguir de (4), e pode ser
melhor simplesmente dizer que Diógenes tende a preencher uma seção de suas vidas
com anedotas desconexas, alguns ilustrativos de caráter e alguns preenchendo a história
da vida. do herói. Em muitos casos, esta informação era claramente muito escassa: mas
vale a pena notar que parece ter formado uma parte relativamente sem importância da
agenda, mesmo quando mais informação poderia facilmente ter sido colocada: o
Xenofonte, por exemplo, recebe apenas um tempo muito curto. narrativa aqui, apesar do
fato de que seus próprios escritos forneceram muitas informações para o biógrafo
( DL II.48-59). A vida de Paulo, pelo contrário, recebe tratamento narrativo completo e
detalhado em Atos. A diferença é visível em todos os níveis. Onde Diógenes usa a
anedota bruscamente formulada como matéria-prima para sua narrativa, Lucas usa
episódios totalmente narrados, repletos de detalhes irrelevantes do tipo que a forma-
chria foi projetada para eliminar. Como os escritores do Evangelho, mas em um grau
muito maior, Lucas fornece uma narrativa conectada em Atos com detalhes completos
de viagem para cimentar a ligação entre um episódio e outro. Esta é uma narrativa
'espessa' se alguma coisa é: o contraste dificilmente poderia ser maior com as breves
declarações resumidas de Diógenes.
6. Morte . Diógenes parece ter tido interesse em cenas de morte, que podem ser
rastreadas até a tradição biográfica helenística. Mas seus relatos (muitas vezes
múltiplos) das mortes de seus filósofos são formulados da mesma maneira sucinta e
factual que o resto de sua narrativa, e tratados com uma mistura desconcertante de
ironia e Schadenfreude.A morte de Sócrates é narrada com a reverência esperada do
protótipo do mártir da tradição filosófica, mas outros filósofos morrem de uma
variedade de causas indignas: gota, dedo quebrado e queda sobre um penico, por sua
vez, drasticamente narrados e celebrados. com os pequenos epigramas compostos (como
ele orgulhosamente nos conta) pelo próprio Diógenes. Lucas, ao contrário, notoriamente
não narra a morte de seu herói, portanto, estritamente falando, este item não deve
aparecer sob Atos. Por outro lado, como Robert Maddox aponta, o julgamento e a morte
iminente de Paul dominam os últimos capítulos do livro em um grau notável. O
julgamento e a viagem a Roma ocupam um pouco mais de espaço narrativo do que a
missão e são responsáveis por cerca de 23. 5% do texto de Atos e 12% do total de
Lucas-Atos (uma proporção comparável com o tempo narrativo dedicado à paixão de
Jesus no Evangelho). Se tomarmos a narrativa paulina em paz e incluirmos o
capítulo20 , o ponto em que é claramente estabelecido que Paulo deve morrer ( 20:25 ),
a "morte" de Paulo ocupa mais da metade do tempo dedicado à sua história. Este é um
importante ponto estrutural ao qual retornaremos.
7. Cronologia . Como seria de se esperar em uma coleção tão compacta, a cronologia,
relativa e absoluta, é importante para Diógenes e geralmente recebe uma declaração
direta para si mesma. É muito menos importante para Lucas: o Evangelho começa com
uma datação comparativa adequada ( 3: 1-2 ), mas Atos não contém nenhum paralelo a
isso. Critérios externos de datação, como a morte de Herodes ou a expulsão dos judeus
por Cláudio, são mencionados como parte da narrativa, não atribuídos a declarações
separadas. Cronologia relativa é notoriamente vaga em Atos.
8. Obras e 9. Doutrinas . Ambas já foram mencionadas: novamente, mesmo admitindo
os discursos ou as cartas como equivalentes a esses itens na Diógenes Vidas , não há
paralelo formal com o método de sua introdução. O discurso direto em Diógenes é
limitado aos apophthegms (one-liners) ou aos hinos, poemas e letras que às vezes são
citados. A doutrina é resumida por Diógenes em sua própria voz, não expressa em fala
direta colocada nos lábios dos próprios filósofos. E a listagem de títulos de livros é uma
parte importante da agenda.
10. Documentos . As vontades citadas por Diógenes ocorrem principalmente, como já
foi dito, nas Vidas Peripatéticas; outros documentos, como cartas, são ocasionalmente
incluídos (por exemplo, Epicurus). É tentador ler o discurso de despedida de Paulo
em Atos 20: 18-35 como algum tipo de "Testamento", mas isso não o torna um paralelo
formal ao Testamento de Aristóteles: as vontades citadas por Diógenes são reais,
documentos legais em questão com a disposição de propriedade e arranjos familiares,
não construtos ideológicos como os da tradição bíblica. Por outro lado, os documentos
citados por Lucas (como a carta de Cláudio Lísias em Atos 23: 26-30 ) fazem parte da
narrativa.
11. Homônimos . Atos não oferece paralelo a esta característica bastante estranha do
compêndio de Diógenes. Ele claramente deriva de uma das muitas fontes helenísticas
citadas por ele e expressa bem a preocupação com a catalogação que domina grande
parte dessa literatura.
Pode-se observar a partir dessa análise que mesmo onde há paralelos no conteúdo entre
Atos e a Vida de Diógenes Laércio, o exame detalhado no nível do modo narrativo
aponta tantos contrastes quanto semelhanças. Atos usa narrativa completa, onde
Diógenes faz declarações sumárias; Atos usa narrativa indireta (informação transmitida
pelos personagens) e caracterização indireta, onde Diógenes sempre dá os
fatos; episódios da vida do herói são estruturados de uma maneira completamente
diferente. Atos nos dá uma narrativa 'espessa', onde Diógenes nos dá 'magreza'. De fato,
pode-se duvidar se a história de Diógenes pode ser digna com o nome 'narrativa':
poderia ser melhor dizer que Lucas conta sua história em 'modo narrativo', enquanto
Diógenes 'está muito mais próximo do' modo analítico ' . Lucas fala com a voz unificada
de um narrador. O trabalho de Diógenes, em contraste, contém uma forte presença
autoral que repetidamente chama a atenção para uma pluralidade de narradores, alguns
anônimos ("eles dizem"), outros nomeados. Do ponto de vista formal, o que é
interessante não é a identificação dessas “fontes”, mas a atitude de Diógenes para com
elas. Ele repetidamente chama a atenção para sua existência, às vezes citando o capítulo
e o versículo (corretamente). Isso mantém uma distância constante entre o autor
implícito e o que ele narra e cria um senso de desapego que é aumentado nas ocasiões
não raras em que Diógenes aponta um conflito em suas fontes. Lucas faz uso de uma
voz autoral similar em seus prefácios ( contém uma forte presença autoral que
repetidamente chama a atenção para uma pluralidade de narradores, alguns anônimos
("eles dizem"), outros nomeados. Do ponto de vista formal, o que é interessante não é a
identificação dessas “fontes”, mas a atitude de Diógenes para com elas. Ele
repetidamente chama a atenção para sua existência, às vezes citando o capítulo e o
versículo (corretamente). Isso mantém uma distância constante entre o autor implícito e
o que ele narra e cria um senso de desapego que é aumentado nas ocasiões não raras em
que Diógenes aponta um conflito em suas fontes. Lucas faz uso de uma voz autoral
similar em seus prefácios ( contém uma forte presença autoral que repetidamente chama
a atenção para uma pluralidade de narradores, alguns anônimos ("eles dizem"), outros
nomeados. Do ponto de vista formal, o que é interessante não é a identificação dessas
“fontes”, mas a atitude de Diógenes para com elas. Ele repetidamente chama a atenção
para sua existência, às vezes citando o capítulo e o versículo (corretamente). Isso
mantém uma distância constante entre o autor implícito e o que ele narra e cria um
senso de desapego que é aumentado nas ocasiões não raras em que Diógenes aponta um
conflito em suas fontes. Lucas faz uso de uma voz autoral similar em seus prefácios
( Ele repetidamente chama a atenção para sua existência, às vezes citando o capítulo e o
versículo (corretamente). Isso mantém uma distância constante entre o autor implícito e
o que ele narra e cria um senso de desapego que é aumentado nas ocasiões não raras em
que Diógenes aponta um conflito em suas fontes. Lucas faz uso de uma voz autoral
similar em seus prefácios ( Ele repetidamente chama a atenção para sua existência, às
vezes citando o capítulo e o versículo (corretamente). Isso mantém uma distância
constante entre o autor implícito e o que ele narra e cria um senso de desapego que é
aumentado nas ocasiões não raras em que Diógenes aponta um conflito em suas
fontes. Lucas faz uso de uma voz autoral similar em seus prefácios (Lc 1: 1–4 , Atos 1:
1 ), mas essa voz nunca se intromete na narrativa. Mesmo as "passagens-nós", eu
argumentaria, não constituem uma brecha na estrutura narrativa de Atos: o narrador
simplesmente (e estranhamente) torna-se um personagem temporário em sua própria
narrativa, mas não há consciência de uma pluralidade de narradores, muito menos de
narrativas conflitantes, como existe em Diógenes.

III Por trás de Diógenes Laércio: Biografia nas escolas helenísticas


Fica claro a partir dessa comparação que, embora Lucas e Diógenes Laércio
compartilhem um certo número de preocupações narrativas, eles diferem
consideravelmente em sua maneira de expressão. Uma resposta a isso é enfatizar a
catolicidade do gênero, assim como Talbert e Burridge de maneiras diferentes; mas isso
é para diminuir a utilidade do gênero-descrição como um distintivo, e tem o efeito de
desfocar precisamente os detalhes de apresentação que constituem a individualidade de
um tipo de contar história contra o outro. Se quisermos usar a categoria de biografia
intelectual de alguma forma para auxiliar nossa compreensão e apreciação da narrativa
de Atos, vale a pena persistir com a comparação; mas é claro que devemos nos mover
por trás do próprio Diógenes para a tradição biográfica helenística em que ele desenhou.
A comparação entre Lucas e DL pressupõe tacitamente esse movimento, como
vimos anteriormente; mas também supõe que a tradição que subjaz à obra de Diógenes
era diferente de maneira significativa da coleção como a temos agora. Essa suposição
está em sintonia com os estudos recentes sobre Diógenes, que começou a enfatizar sua
própria contribuição como autor, em contraste com uma bolsa de estudos anterior que o
viu simplesmente como um compilador; os epigramas, as seções doxográficas e talvez
outros elementos da estrutura geral da obra provavelmente deviam ser creditados ao
próprio Diógenes. Além disso, há evidências dos papiros de que uma narração
biográfica anterior era menos comprimida que a de Diógenes. Mas há um limite para o
que pode ser descoberto sobre o modo narrativo de fontes perdidas ou fragmentadas, já
que é precisamente a estrutura da superfície que tende a desaparecer no processo de
sintetizar e extrair; e parece haver um padrão constantemente recorrente de dados
biográficostopoi muito semelhante ao da Vida de Diógenes, tanto entre suas fontes
quanto em outras formas de biografia intelectual.
Realizar um levantamento completo da agenda narrativa e do modo narrativo em
todas as biografias que podem ser datadas antes do segundo século dC está fora do
escopo deste artigo. Mas é necessário que a comparação com os Atos compreenda algo
da natureza da tradição helenística e, para esses fins, a questão da função é
crucial. Começamos selecionando três funções possíveis para a biografia dentre aquelas
propostas pela hipótese de Talbert, que poderiam ser úteis para a compreensão de
Atos. Pelo menos dois deles, o tipo "sucessão" e o tipo "exemplar", pressupõem uma
postura de compromisso com uma escola ou professor em particular; e a hipótese de um
cenário de 'escola' também depende de tal postura. Mas é precisamente esse senso de
compromisso que está ausente de Diógenes Laércio no nível do modo narrativo; e, de
fato, é difícil ver como um compêndio que narra a vida de filósofos de todas as escolas
concorrentes da filosofia grega poderia servir aos interesses de qualquer escola desse
modo. O próprio Diógenes é descrito por Ingemar Düring como "um amador erudito,
isolado e sem conexões pessoais com as escolas contemporâneas de aprendizagem" - e,
como vimos, essa estimativa é confirmada por um estudo detalhado do trabalho de
Diógenes. Mas o próprio ato de compilação distancia o biógrafo do compromisso com
qualquer professor. Para fazer o paradigma funcionar, temos que assumir que, por trás
de uma coleção como a de Diógenes, existem várias Vidas (e sucessões) únicas,
originadas nas diferentes escolas.
É aí que reside o nosso primeiro problema, pois a maioria das vidas individuais
empenhadas citadas por Talbert são em data pós-cristã ( Secundus , Demonax de
Lucian ), algumas delas substancialmente (Filóstrato, Porfírio). Para as vidas pré-
cristãs , dependemos amplamente de citações e alusões em autores posteriores, ou de
restos biográficos (principalmente fragmentários) nos papiros. Claramente há a
necessidade de um estudo minucioso de todas as evidências aqui: mas, parece evidente
das evidências que temos (e do próprio Diógenes Laércio) que a única e comprometida
Vidas do tipo postulada por Talbert seria a exceção ao invés de a regra na tradição
biográfica helenística.
As Sucessões da SçãoUm dos predecessores mais importantes de Diógenes, datado
de meados do século II aC, traçou "a lista de professores e alunos em uma série contínua
desde os primeiros tempos até seus dias": como o trabalho de Diógenes, parece ter sido
um estudo imparcial e desinteressado de todas as escolas filosóficas. Fraser argumenta
que o Sotion extraiu a maior parte da substância para seu trabalho de "um trabalho mais
elaborado de Teofrasto": "Essas" sucessões "já eram conhecidas em linhas gerais para
Platão e Aristóteles e foram muito elaboradas por Teofrasto, de quem aparentemente
Sotion extraiu o biográfico. e descartou os elementos puramente filosóficos '. A
elaboração de "sucessões" pode, assim, ser vista como parte do interesse peripatético na
elaboração de uma história universal da vida intelectual. "Sucessões" dedicadas ao
trabalho de uma única escola eram "aparentemente muito menos populares"; Mejer cita
oito exemplos conhecidos, dos quais dois são de Plutarco e dois de Galeno.
O outro predecessor principal de Diógenes, Hermipo de Esmirna, era
contemporâneo ou ligeiramente anterior ao Sotion. Seu trabalho era ainda mais amplo:
'Hermippus' Lives continha biografias de homens eminentes, organizados de acordo
com seu campo de atividade: dos Sete Sábios, de ilustres legisladores, filósofos e
outros. As vidas suplementaram assim a informação basicamente bibliográfica
encontrada em Callimachus ' Pinakes '. Hermipo (cujo trabalho é descrito por Fraser
como "não confiável e escandaloso") parece dever menos aos ideais
de imitação filosóficado que aos trabalhos bibliográficos de Callimachus, envolvidos na
catalogação da biblioteca de Alexandria: é um tipo de biografia que foi apropriadamente
chamado de "pinacográfico". Mais uma vez, esse tipo de biografia parece ter sido de
origem compilatória: a Vida dos Trágicos , mais elaborada de Sátiro , da qual
só sobrevive a Vida de Eurípides , foi também uma compilação, e a tradição continua
até a Vida dos Poetas.e outros chamados "biógrafos menores". É este fato que leva
Mejer à conclusão: “É de fato difícil encontrar qualquer diferença entre as biografias de
filósofos e de outros tipos de personalidades, exceto, talvez, que as primeiras continham
mais apotegmas e anedotas envolvendo ditos. Que houve pouca ou nenhuma diferença é
também indicado pelo fato de que os autores mais prolíficos de biografias não eram
filósofos ... Assim, não temos razão para supor que a motivação para escrever biografias
de filósofos era diferente do motivo geral da biografia helenística. sc. o desejo de
retratar ἦθος e πράξεις 'de uma personalidade famosa. Mesmo entre os biógrafos que
podem mais adequadamente ser designados para a escola peripatética, com seu interesse
nas qualidades morais associadas à vida filosófica, muito do material do qual dispomos
de evidências parece ser mais compa- lativo e comparativo do que individual. O título
típico é περὶ βίων , e não βίος τοῦ δεῖνου : Sobre os tiranos da Sicília, Sobre os
socráticos, sobre poesia e poetas : o todo é visto por Stuart como uma subdivisão do
impulso helenístico à "polimatia". Tal material poderia ser usado nas polêmicas entre as
diferentes escolas, mas seu caráter era em muitos aspectos tudo menos filosófico:
A biografia helenística era muito mais elaboradamente erudita que qualquer composição
biográfica anterior. Também era muito mais curioso sobre detalhes, anedotas, atitudes e
excentricidades. Na medida em que apoiou uma filosofia contra outra e ajudou seus leitores
a entenderem escritores e artistas, pode-se dizer que ela perseguiu objetivos profissionais ...
Mas ... os homens não escreviam biografias porque eram filosóficos ou porque estavam
engajados em alguma tipo de controvérsia intelectual ou política. O homem educado do
mundo helenístico estava curioso sobre a vida de pessoas famosas.

Há, portanto, pouca evidência para apoiar a suposição de que Diógenes Laércio colocou
sua coleção em conjunto a partir de uma série de biografias originalmente separadas,
originárias de diferentes escolas. O que parece estar por trás de Diógenes (como é de
fato perfeitamente claro a partir de suas próprias alusões às suas fontes) são mais
compilações, mostrando toda a variedade de interesses da erudição helenística. Parte do
material deve voltar aos arquivos das escolas individuais: as letras e as vontades caem
mais obviamente nesta categoria. Alguns são extraídos diretamente de fontes literárias
conhecidas (Xenophon, Platão). Avisos cronológicos remontam à bíblia da cronologia
helenística, Apollodorus ' Chronica; as listas de "Homônimos" que encerram cada Vida
vêm, como diz Diógenes, de um tratado sobre "Homens do Mesmo Nome". As notas
fofoqueiras sobre a vida amorosa bissexual dos filósofos podem voltar, em alguns
casos, a uma fonte polêmica como a biografia hostil de Sócrates, de Aristóxeno, mas o
próprio Diógenes atribui-lhes um tratado "Sobre o luxo dos antigos", que deve ter feito
leitura frutada. Não é de admirar que, em um seminário que realizei recentemente em
Diógenes, um participante sugeriu que seu trabalho parece "um tipo de livro de mesa de
centro, com apenas a informação que a pessoa educada precisa saber": esse personagem
deve ser vista em grande parte como um reflexo preciso da tradição biográfica
helenística em que ele desenhou.
Assim, as origens da biografia "heróica" do filósofo parecem tão fugidias quanto as
da chamada "aretalogia do sábio divino" que, em muitos aspectos, se assemelha. Por
trás das compilações enciclopédicas do início do Império estão, na maior parte, Vidas
individuais, mas mais séries e coleções. Atrás deles, e alimentando essa atividade
literária em todas as fases, parece ser a moeda real da biografia nas escolas helenísticas:
seqüências e catálogos, anedotas e ditados flutuantes, um nome ligado a um professor,
um nome ou uma história ligada a ele. uma doutrina ou descoberta, coleções de cartas
ou testamentos. O processo pode ser ilustrado brevemente, observando a escassa
informação biográfica preservada pela tradição sobre Hipócrates de Quios, não o
famoso médico, mas um matemático do século V aC
Björnbo, no artigo da RE que leva seu nome, argumenta que a tradição biográfica
sobre esse Hipócrates repousa em três evidências:
a) um aviso em Proclus, acredita-se voltar para Eudemo, que coloca H. em uma
seqüência cronológica: "Depois de Pitágoras ... veio Anaxágoras e Oinopides, que era
mais jovem que Anaxágoras ... e depois deles Hipócrates de Quios, que descobriu a
quadratura de a lua e Teodoro ...
b) Aristóteles, Meteoro. I.342b35ff. : "Hipócrates de Quios e seus discípulos tinham
opiniões semelhantes a isso".
c) Aristóteles, Eth. Eud. VIII.2.5 1247a17-20 : os homens são bem-sucedidos por causa
da sabedoria? não, por exemplo, Hipócrates era habilidoso em geometria, mas era
considerado estúpido e insensato em outros assuntos, e diz-se que, em uma viagem
devido à insensatez, ele perdeu uma grande quantia de dinheiro que lhe foi tirada pelos
colecionadores. dois por cento de imposto em Bizâncio ».
Aqui temos três detalhes biográficos isolados, ligados (a) à sequência cronológica, (b) a
uma hipótese científica particular e (c) a um ponto ético. O último pertence claramente a
uma bem conhecida classe de anedotas sobre a loucura de filósofos e matemáticos, de
um tipo que Jaeger chama de "astrônomo distraído". Os três ilustram nitidamente,
embora em um estágio muito inicial da tradição, os três principais locais de interesse
biográfico nas escolas helenísticas: sequenciamento e cronologia; doxografia /
bibliografia; e ética. No último, que alude claramente a uma narrativa mais completa
cujos detalhes já podem ter sido perdidos quando Aristóteles citou o exemplo, temos um
tipo de paradigma moral expresso na forma de uma anedota biográfica.ethos do que
mais tarde foi chamado de "vida teórica", e fez-se uma espécie de símbolo para ele nos
pronunciamentos impressionantes dos sábios da antiguidade ". É aqui que chegamos
mais perto da biografia do sábio como paradigma para a vida filosófica, mas essa
função é inerente à anedota isolada: não há biografia como tal. Obviamente, somos em
grande parte dependentes de fontes literárias, algumas das quais no período posterior
são biográficas, para a preservação da maioria dessas anedotas "flutuantes"; mas a
evidência dos papiros, assim como a existência de anedotas independentes como essa,
confirma que eles também circularam independentemente.
Em termos do "desenvolvimento" da biografia intelectual, então, o que parece que
temos não é a progressão esperada
Anedota - vida - vidas coletadas

mas um que perde o estágio intermediário:


Anedota -… - coleção

Mas a coleção pode ser uma série de anedotas ( Chriae ) ou uma série sobre um tópico
como uma coleção de bioi. Quando e por que esse padrão mudou para encorajar a
composição da vida individual, permanece um mistério. Seria um erro considerá-lo
como um desenvolvimento inevitável: a tradição da escola rabínica, com um repertório
essencialmente semelhante de catálogos e anedotas, nunca desenvolveu uma biografia
individual. Qualquer que seja a explicação, parece ser o fato de que os passos cruciais
foram dados em várias áreas adjacentes por volta da virada das eras: A Vida de
Aristóteles deAndronicus (talvez), a Vida Epicurista de Philonides (P. Herc. 1044 ), Vita
Mosis de Philo, os Evangelhos e Atos, e depois os exemplos do segundo século
como Secundus the Silent Philosopher e Lucian. Talvez devêssemos lembrar a famosa
advertência de Ben Perry sobre a busca pelo "desenvolvimento" do romance: "O
primeiro romance foi deliberadamente planejado e escrito por um autor individual, seu
inventor. Ele concebeu em uma tarde de terça-feira em julho '.
IV. O gênero de atos
É hora de retornar a Atos e perguntar como esse material pode nos ajudar a ler a
composição de Lucas. Em face disso, a biografia intelectual no período helenístico não
fornece um modelo literário claro para Atos, pelo menos se por isso queremos dizer
uma biografia completa comprometida com uma escola individual e descrevendo a vida
do professor de tal maneira a fornecer uma paradigma moral da imitação. Textos
biográficos desse tipo, amplamente difundidos no período da antiguidade tardia,
parecem estar longe de ser típicos da tradição helenística. Mas se ampliarmos nossa
definição de biografia para incluir não apenas os textos biográficos completos, mas
também as tradições subjacentes e os padrões de pensamento, não é difícil ver muitos
pontos de interesse para Atos.
A tradição da escola helenística oferece uma clara evidência do agrupamento de
interesse biográfico em torno de três focos: cronologia e sucessão; doxografia e
bibliografia; e o paradigma do sábio. Este interesse é expresso em anedotas biográficas
e avisos que circulam independentemente e podem ser combinados em uma variedade
de diferentes "coleções". Eu sugeriria que a existência desses variados focos de
preocupação biográfica é de considerável interesse para os estudantes de Atos. Em
todos os anos de debate sobre a existência ou não de 'fontes' ou 'tradições' por trás da
narrativa de Atos, poucos fizeram uma pausa para perguntar que tipo de contexto social
poderia fornecer uma matriz para a produção ou preservação de tal material. Parece-me
que a tradição da escola helenística fornece exatamente uma matriz social cujo valor
ainda não foi explorado para os Atos. Paralelos que valem a pena ser explorados
incluem: a preservação de anedotas isoladas sobre professores famosos; o interesse
(como Talbert viu corretamente) no arranjo de professores díspares em uma
"sucessão"; preocupação pela cronologia e sequência; e a tendência de extrair detalhes
biográficos dos trabalhos de um escritor (especialmente letras), por falta de informações
biográficas externas. E esse interesse não se limitou às escolas filosóficas; a preservação
das cartas prefabricadas de Arquimedes e Apolônio de Perge, a pseudepígrafa
hipocrática e as Vidas que aparentemente inspiraram, e as "autobiografias"
bibliográficas de Galeno sugerem que interesses semelhantes, se menos freneticamente
expressos, existia nos círculos matemáticos e médicos. Como argumentamos acima, o
próprio fato de que toda essa atividade "histórica" estava acontecendo nas escolas tem
relevância para o gênero de Atos, o que não se encaixa facilmente nos padrões da
historiografia política.
Nesta seção final, eu gostaria de explorar um modelo particular do repertório da
biografia filosófica helenística que eu acho que exerceu alguma influência sobre a
estruturação da narrativa paulina de Lucas, e esse é o paradigma imensamente - talvez
unicamente - influente de Sócrates. Sócrates, embora ele figure como um filósofo entre
outros em Diógenes Laércio, está na verdade em uma posição bastante diferente da
maioria dos assuntos da biografia filosófica. Os historiadores do gênero discutem se os
escritos socráticos de Platão e Xenofonte devem ou não ser classificados como
"biografia". O que é importante para os nossos propósitos, entretanto, é que o que está
por trás da tradição, neste caso, não é uma série de anedotas desconexas ou avisos
doxográficos, mas um corpo substancial de textos escritos operando em um nível de
complexidade literária que Diógenes Laércio não possui. Aqui, como em nenhum outro
lugar na tradição biográfica helenística, há narrativa detalhada e discurso de primeira
pessoa; mesmo se descontarmos a maior parte dos diálogos platónicos, os menos
ambiciosos de XenophonAs Memorabilia descrevem os encontros socráticos com muito
mais detalhes do que os rriados de Diógenes Laércio. Além disso, sabemos que essa
não era uma tradição literária fossilizada. Anedotas socráticas (não derivadas de Platão
ou Xenofonte) são quase tão comuns quanto a chriae relativo aos Diógenes Cínicos de
Sinope; Diógenes Laércio conhece alguns deles, e alguns são reunidos em P. Hibeh 182.
Uma vigorosa atividade de escrever cartas se agrupou em torno do sábio do quarto
século e de seus discípulos, provavelmente datando da era augusta. Sócrates é citado
como um paradigma moral pelos escritores do primeiro século como Sêneca, Dio
Crisóstomo e Epicteto. E, talvez o mais significativo para nós, episódios de sua vida (e
ainda mais, sua morte) forneceram um modelo para descrever a vida de outros em
vários textos que datam do primeiro século e do começo do segundo.
1. A chamada divina . A história do "chamado" de Paulo ocupa uma posição
privilegiada no início de sua biografia em Atos (cap. 9 ), e sua dupla repetição nos
capítulos 22 e 26 a mantém na vanguarda da atenção dos leitores. Similarmente, a
missão de Sócrates começa com um oráculo de Delfos ( Platão, Ap. 20e-22a ) que
inspira sua missão e que ele considera à luz de uma comissão militar: 'o Deus me deu
uma posição, como eu acreditei e entendi, com ordens para dedicar minha vida à
filosofia e ao examinar a mim mesmo e aos outros ( Platão, Apol. 28e , LCL;
cf. Epicteto I.9). Este oráculo aparece proeminentemente no relato de Diógenes Laércio,
onde é descrito como "universalmente conhecido" ( II.37 , Yonge); também forneceu
um modelo para várias outras histórias de "ligações" ligadas à vida dos filósofos. Note-
se que a principal expressão literária deste apelo está na apologia em primeira
pessoa em que Sócrates, em julgamento por sua vida, defende sua própria obediência à
mensagem divina: compare o relato duplo de primeira pessoa de Paulo de seu chamado
em sua própria apologia , Atos 22 e 26 .
2. A missão . O chamado divino de Paulo aponta diretamente para sua missão, que
forma a seção central de sua biografia ( Atos 13-19 ). Também para Sócrates, o oráculo-
chaerephon é o começo de um compromisso vitalício: “portanto, eu ainda continuo
procurando e investigando por ordem de Deus, seja cidadão ou estrangeiro ... e em razão
dessa ocupação não tenho lazer para atender a qualquer um dos assuntos do estado
digno de menção, ou do meu, mas estou em grande pobreza por causa do meu serviço
ao Deus '( Platão, Apol. 23b LCL; cf. DL II.21-22 ) . Dio Crisóstomo modela sua
própria missão em Sócrates no De Fuga ( Or. XIII). Como a missão de Sócrates, Dio
começa com uma investigação ao oráculo ( 422R , 243.1-12 Teubner); ao contrário de
Sócrates, envolve viajar "até que você chegue à parte mais distante da Terra" (243.10-
11), um estilo de vida odissêmico suportável apenas sob ordens diretas de Deus
(243.12-17). O raciocínio detalhado desta missão é apresentado como "algum discurso
antigo, dito ser por um certo Sócrates, que ele nunca deixou de proclamar, gritando e
levantando a voz em todos os lugares e diante de todos, tanto nas palasras e no Liceu e
perante a lei tribunais e no mercado, como um deus ex machina , como alguém disse
'(244.17-22).
3. O daimonion . Uma das acusações contra Sócrates é a de 'introduzir novos deuses
( καινὰ δαιμόνια ) nos quais a cidade não acredita' ( Platão, Apol. 24b , DL II.40 ). A
acusação surge da afirmação de Sócrates de receber orientação divina a cada passo de
seu próprio daimonion (Xenofonte, Mem. I.2-5 ; DL II.32 ). A identidade
desse daimonion estava recebendo atenção renovada no final do primeiro
século; Sócrates também estava adquirindo uma reputação mantica reforçada como um
"profeta". Paulo também experimentou orientação divina direta em momentos
desconcertantes (por exemplo, 16: 6-10), e foi acusado (em Atenas) de introduzir novos
deuses ( ξενὰ δαιμόνια : Atos 17:18 ). A escolha de palavras de Lucas é interessante
aqui. Esta é a única ocasião no Novo Testamento onde δαιμόνια é usada em um sentido
não-pejorativo: por implicação, a palavra refere-se a 'Jesus e a ressurreição', e a
acusação nunca é negada. Note também que em Diógenes Laércio o Areópago é
regularmente o cenário para o julgamento de um filósofo.
4. Tribulations . A missão é descrita por Sócrates como envolvendo trabalhos
"hercúleos". A metáfora de Hércules é expandida na tradição cínica, mas outras
conhecem extensos catálogos dos "trabalhos" de Sócrates: os comentaristas há muito
suspeitam que esse tipo de lista forneceu o modelo para o catálogo de Paulo de seus
trabalhos em 2 Coríntios 10-13 . Seneca, Ep. 104.27-8 fornece um bom exemplo de tal
catálogo:
Se, no entanto, você deseja um padrão ( exemplum ), pegue Sócrates, um velho sofrido, que
foi jogado no mar em meio a todas as dificuldades e ainda foi invicto tanto pela pobreza
(que seus problemas em casa tornaram mais onerosos) como pela labuta. ( laboribus ),
incluindo o trabalho penoso do serviço militar. (LCL)

Sócrates não é o único exemplo citado, no entanto. Como Lucian ( Demonax 2 ) ,


Seneca sente a necessidade de apresentar uma exemplum mais perto de casa, então ele
segue o catálogo de Sócrates problemas com uma lista paralela de Cato de que, 'tanto
quanto Sócrates, declarou lealdade à liberdade em meio a escravidão ”(§§ 29–33 ). O
fato de as circunstâncias reais das duas vidas serem bem diferentes não afeta o paralelo.
5. A perseguição . Para Sócrates, a obediência ao chamado divino é acompanhada desde
o início pela hostilidade e perseguição de seus concidadãos ( Platão, Ap 22 e 23a ); na
verdade, muito da Apologia éuma expansão sobre esse tema. Diógenes Laércio liga os
dois diretamente:
muitas vezes, enquanto discutia e discutia os pontos que surgiam, ele foi tratado com grande
violência e espancado, puxado e rido e ridicularizado pela multidão. Mas ele suportou tudo
isso com grande equanimidade. De modo que uma vez, quando ele foi chutado e
esbofeteado, e suportou tudo pacientemente, e alguém expressou sua surpresa, ele disse:
'Suponha que uma bunda tivesse me chutado, você teria me feito uma ação contra
ele?' ( DL II.21 , tr. Yonge).

A ligação é feita ainda mais explicitamente em Atos, onde o apelo do apóstolo é tanto à
perseguição quanto à missão ( 9:16 ; 22:18 ; 26:17 ) e a narrativa dedica tanto tempo ao
primeiro quanto ao último.
6. Julgamento . O culminar de anos de hostilidade, e o ponto focal da tradição de
Sócrates, é o julgamento que leva à sua morte: os acidentes da história literária
significam que uma quantidade desproporcional de biografia socrática toma a forma
de apologia , ou seja, seu próprio discurso de defesa falado na primeira pessoa. Para
Paulo, também, a série de julgamentos que encerra Atos adota uma quantidade
aparentemente desproporcional de espaço narrativo (abaixo) e envolve uma quantidade
substancial de apologia em primeira pessoa . Note aqui novamente a escolha de palavras
de Lucas: ἀπολογία e seu verbo cognato ocorrem sete vezes neste contexto, mais do que
em qualquer outro lugar no Novo Testamento. Sócrates era, naturalmente, o mártir
filosófico por excelência, o protótipo de uma longa linhagem de sábios confrontando
tiranos: "o primeiro filósofo que foi condenado à morte e executado" ( DL II.20 tr.
Yonge), mas não o último. Epicteto gosta particularmente de citar Sócrates como um
paradigma de oposição corajosa à tirania. John Darr, em um livro recente, chama a
atenção para a escalação de Herodes Agripa por Lucas no papel de 'tirano' nos relatos
evangélicos do julgamento de Jesus: há vários candidatos a esse papel em Atos, mas não
pode haver dúvida de que a parte de o herói filosófico cai proeminentemente para Paulo.
7. Prisão . "Quando lemos Atos como um todo, em vez de seletivamente, Paulo é o
prisioneiro ainda mais do que Paulo, o missionário, a quem devemos nos
lembrar." Como cenário dramático para dois dos mais famosos diálogos de Platão, a
prisão inevitavelmente aparece tão grande na biografia de Sócrates. Dois motivos
ligados são relevantes aqui. Sócrates, como Paulo, canta hinos na prisão: esse pequeno
detalhe do relato de Platão ( Fédon 60d ) é mencionado por Diógenes Laércio ( II.42 ),
que cita as palavras reais do hino em questão. Nas mãos de Epicteto, no entanto, o
episódio não se torna uma oportunidade para pedantismo, mas um padrão de constância
filosófica:
Uma plataforma e uma prisão são, cada uma, um lugar, uma alta ( ὑψηλός ), outra baixa
( ταπεινός ); mas seu propósito moral pode ser mantido o mesmo, se você quiser manter o
mesmo, em qualquer lugar. E então estaremos imitando ( ζηλωταί ) Sócrates, quando
formos capazes de escrever paeans na prisão. ( II.vi.27 , cf. IV.iv.23 ).

O tema pode ser um desenvolvimento de uma passagem mais longa no Fédon , onde
Sócrates compara seus discursos do leito de morte com as canções dos cisnes que
"quando sentem que devem morrer, cantam mais e melhor em sua alegria que devem ir
para o Deus cujos servos eles são '( 84e-85b ). Uma leitura socrática de Atos sugere que
podemos ver a determinação de Paulo em continuar "pregando e ensinando" em sua
prisão romana ( Atos 28: 23-30 ) sob a mesma luz.
8. morte . O paradigma socrático era, acima de tudo, um paradigma para enfrentar a
morte: nas palavras de Sêneca ( Ep. 104.22 ), Sócrates mostrará a você como morrer se
necessário. Epicteto enfatiza inúmeras vezes: a convicção de Sócrates de que seus
acusadores "podem me matar, mas eles não podem me prejudicar" é citada em várias
ocasiões nos Discursos e é o lema escolhido para fechar o Enchiridion ( 53.4 ). Sua
morte, além disso, foi explicitamente comparada com a dos mártires contemporâneos
entre a oposição estóica sob Nero e Domiciano: com Helvídio Prisco ( Epígrafe
IV.i.123 ), com Cato e outros heróis romanos de uma época anterior
( Seneca Ep. 98.12, 104,27-33 ). O próprio Sêneca parece ter modelado
conscientemente sua própria morte em relação a Sócrates, e parece claro que o relato
escrito de Tacitus sobre o episódio tem em vista o paradigma socrático, seguindo o
precedente de Thrasea Paetus, Junius Rusticus e outros biógrafos estóicos que
padronizaram sua interpretação. mortes dos sujeitos sobre a de seu antecessor mais
famoso.
E quanto aos atos? Como vimos, os últimos nove capítulos de Atos são estruturados
em torno de um evento que nunca é narrado diretamente, a morte iminente de
Paulo. Nas palavras de Maddox, "já que temos em outros fundamentos toda razão para
julgar que Lucas compõe com um olhar atento ao movimento dramático e equilíbrio de
seu trabalho, podemos considerar esta longa e final seção como pretendida pelo autor
para levar uma ênfase e para formar, pelo menos em algum grau, o objetivo e o clímax
de sua composição ”. Uma leitura socrática de Atos pode fornecer pelo menos uma
explicação parcial para essa estrutura notável. Os capítulos 20 e 21 desempenham aqui
um papel crucial: a insistência renovada na prontidão de Paulo para enfrentar
'aprisionamento e aflições' ( 20: 22-24 ), repetidas profecias de desastre ( 20:23).; 21:
10–11 ) e as despedidas chorosas ( 20: 36–37 ; 21: 5 ; 21: 12–13 ), que nada fazem para
quebrar a determinação de Paulo ( 21: 13–14 ). Note o súbito aparecimento de 'esposas
e filhos' em 21: 5 , e a implícita inclusão das filhas de Filipe entre 'as pessoas ali'
em 21:12 : isto é muito mais uma 'cena de mulheres' na tradição socrática, baseada em a
remoção da choradeira de Xantipa no Fédon 60a e a recusa de Sócrates de ser
influenciada pelas alegações de esposa e filhos ( Crito 45cd ). O fato de que esta é uma
'nós-seção' aumenta o efeito socrático (a narrativa do Fédoné também na primeira
pessoa do plural): a cena final ( 21: 12-14 ) lembra fortemente o choro dos amigos de
Sócrates no Fédon 65-67 , e suas palavras de aceitação a Crito: 'se esta é a vontade dos
deuses , que assim seja'.

V. conclusão
O paradigma socrático que esbocei aqui não existe desta forma em nenhuma biografia
conhecida de Sócrates. Não é um "gênero" ou um "modelo literário", mas sim um
padrão narrativo familiar a uma ampla gama de escritores no primeiro século dC, e
usado por eles em uma ampla variedade de estilos e literaturas Gattungen.. Nestes
textos e em outros como eles podemos ver a vida de Sócrates sendo usada como um
modelo para descrever eventos cruciais em suas próprias vidas ou nas vidas de heróis
mais imediatos, particularmente por aqueles escritores preocupados em registrar as
mortes de filósofos que haviam enfrentado martírio sob Nero e Domiciano. Nas
palavras de um romancista moderno, “a maioria das pessoas gosta de se encaixar em
uma história que já conhece; faz com que eles se sintam uma parte maior da vida do que
eles são '. Eu sugeriria que esse paradigma socrático estava disponível aos leitores de
Lucas e lhes oferecia a possibilidade de encaixar a história de Paulo - e por implicação -
em uma "história que eles já conheciam", que poderia funcionar ao lado do paradigma
do profeta usado por Lucas. a tão bom efeito no Evangelho e na primeira metade de
Atos. Nas palavras de Storm, 'entãoist es, Herr '; é assim que é , esta história do passado
nos diz algo sobre nossas próprias vidas: 'dem Sokrates Gaben sie ein presente trinken
zu, und unsern Herrn Christus schlugen sie an das Kreuz'.

CAPÍTULO 3
ATOS E HISTÓRIA BÍBLICA
Brian S. Rosner

Resumo
Uma olhada em Atos e no Antigo Testamento explica muitos aspectos de Atos. Há evidências de
que, ao escrever Atos, Lucas usou a linguagem e os modelos bíblicos. Atos e o Antigo
Testamento têm muitos temas em comum, compartilham certas técnicas literárias e subscrevem
o mesmo entendimento teológico da história. As Escrituras judaicas exerceram profunda
influência não apenas sobre a teologia de Atos, como é amplamente reconhecido, mas também
sobre seu caráter como uma obra literária. Esta descoberta lança luz sobre o gênero e o
propósito do livro.

I. Introdução
O Antigo Testamento é de importância central para o livro de Atos. Nas palavras de CK
Barrett, "o uso de Lucas do Antigo Testamento [em Atos] é co-extensivo à maioria dos
objetivos e interesses que ele incorporou em seu livro".
Atos cita as Escrituras judaicas umas trinta e cinco vezes. No entanto, a dívida dos
Atos para o Antigo Testamento se estende bem além das muitas citações e alusões que
apimentam o documento. Estudiosos reconheceram a influência da Bíblia na linguagem
de Lucas, técnicas literárias, estilo narrativo e emprego de vários temas.
A dependência de Lucas das Escrituras em Atos tem sido usada para estudar vários
assuntos, tais como a cristologia, o problema do texto ocidental, a relação entre Atos e
Josefo, a terminologia médica em Atos, a questão de Paulo em Atos e Paulo em suas
cartas e a teologia do cumprimento de Lucas. Ele ainda tem relevância para definir a
data de Atos de acordo com CH Dodd e JC O'Neill.
O interesse deste capítulo está na questão de saber se a relação íntima de Atos com
as Escrituras pode nos dizer algo sobre o gênero de Atos. Em particular, pode nos ajudar
a responder a pergunta? Lucas pretendia escrever história? Determinar o gênero de uma
obra literária é obviamente um passo importante na avaliação de seu valor como fonte
histórica. Por exemplo, RI Pervo acredita que Atos deve ser identificado com romances
antigos e M. Dibelius que o autor de Atos escreveu contos ( Novellen ). Tais visões
naturalmente levam ao ceticismo sobre a intenção histórica de Atos.
A questão do gênero de Atos geralmente é abordada procurando-se por um
precedente contemporâneo, algum trabalho análogo do primeiro século. Há, é claro,
legitimidade para essa busca e isso esclareceu a estratégia de composição de Lucas (veja
o capítulo de D. Palmer). No entanto, um caso pode ser feito para considerar as
Escrituras como um possível ponto de comparação. Não era inédito no mundo antigo
modelar uma obra em um trabalho ou autor muito anterior. Além disso, as Escrituras
judaicas, especialmente na tradução grega, eram na verdade literatura do primeiro
século, num sentido vital: não escritas, mas amplamente lidas no primeiro
século. Finalmente, como candidato ao modelo literário de Lucas, as Escrituras têm uma
vantagem distinta sobre as obras contemporâneas. As muitas citações bíblicas em Atos
provam que Lucas não apenas conhecia as Escrituras, mas estava positivamente
inclinado a elas.
Este capítulo argumenta que Atos é conscientemente modelado nos relatos da
história encontrados no Antigo Testamento. Uma olhada em Atos e nas Escrituras nos
leva à conclusão de que Lucas pretendia escrever história, história bíblica. Ao escrever
Atos, Lucas usou a linguagem bíblica, temas, modelos e técnicas literárias. Mais
importante ainda, seu próprio conceito de história parece derivar da Bíblia. Grande parte
do trabalho sobre a influência do Antigo Testamento em Lucas-Atos se concentrou na
história deuteronomista. No entanto, não há razão para limitar a presente investigação a
um segmento das Escrituras judaicas. A "história bíblica" é usada como um rótulo para
os livros históricos do Antigo Testamento em geral (que compartilham certas
características; ver seções II-VI ).

II. Língua
É amplamente reconhecido que grande parte da linguagem dos Atos, suas expressões
idiomáticas e sintaxe, tem uma certa coloração semítica. Exemplos claros
de hebraísmos incluem ἐγένετο δέ ('e aconteceu'), ἐν τῷ com o infinitivo (por
exemplo, 2: 1 ), συνέθετο συλλαβεῖν (por exemplo, 12: 3 ) e ἀποκριθεὶς… εἶπεν (por
exemplo, 8:24). Continua a ser uma questão de algum debate se tais características são
principalmente devido à tradução, fontes subjacentes, a influência da sinagoga oral
grego, ou uma imitação da linguagem da LXX. Depois, há a tarefa de distinguir os
hebraísmos, devido à tradução do hebraico ou à influência da LXX, dos aramaicos, que
podem ser atribuídos às fontes aramaicas. Tudo isso é complicado pelo fato de as
pessoas estarem operando em um ambiente bilíngüe, se não trilíngue.
As questões são muito complexas. Embora respostas precisas afirmadas com certeza
possam não ser possíveis, há muito a ser dito sobre a visão de Faíscas do HFD de que a
presença de Semitismos em Atos geralmente se deve à influência da LXX. Não
diferentemente do impacto da AV / KJV no estilo de muitos escritores ingleses desde
1611, ao compor Atos, Lucas usou o idioma "bíblico". Eckhard Plümacher comparou a
imitação de LXX da linguagem e do estilo da LXX, especialmente nos discursos, com a
mítica clássica e a considera consistente com suas tendências gerais de arcaísmo. Lucas,
ele acredita, adota a prática comum no mundo helenístico de imitar modelos
literários. Ele escolheu dar seu trabalho, 'uma atmosfera bíblica' (para usar as palavras
de JA Emerton).
Um forte desafio para essa explicação foi montado por Max Wilcox em seu
livro, The Semitisms of Atos , no qual ele argumenta que enquanto alguns semitismos
são explicáveis como Septuagintalismos Lucana, a maioria dos exemplos só pode ser
explicada em alguma teoria de fontes aramaicas e hebraicas subjacentes ao
composição. O trabalho de Wilcox foi objeto de uma extensa revisão por JA
Emerton. Emerton contestou com sucesso (a meu ver) os dois principais pontos de
Wilcox: que há citações do Antigo Testamento em Atos (em dezessete versos) que
diferem tão marcadamente da LXX, de modo a sugerir fontes que continham citações
originalmente em hebraico ou aramaico; e que existem semitismos em Atos que não
podem ser explicados como Septuagintalismos.
O trabalho de Raymond A. Martin desconta a influência da LXX menos do que a
Wilcox. Ele foca no posicionamento de conjunções, preposições e artigos e argumenta,
talvez mais convincentemente do que Wilcox, que enquanto não se pode ignorar a
influência septuagintal sobre certas frases em Atos, algumas características sintáticas
semíticas apontam para fontes semíticas. Em qualquer caso, a disputa se concentra no
número e não na presença dos Septuagintalismos em Atos.
Uma questão permanece. Por que é que nem todas as partes dos Atos são igualmente
septuagintais? A maioria, embora não todos, dos semitismos é encontrada nos
capítulos 1–15 . A distribuição desigual pode ser devida ao "histórico e ao sentido
dramático" de Lucas. Faíscas observaram que os Septuagintalismos em Lucas-Atos
estão mais intensos em Lucas 1–2 , o advento do Messias, “para todos os efeitos, uma
cena do Antigo Testamento”. Da mesma forma, a primeira parte dos Atos, sendo
estabelecida na Palestina, recebe um selo mais semítico do que o segundo. Para as
viagens de Paulo, os Septuagintalismos, embora não desapareçam, são menos
predominantes.

III Temas
Com o pano de fundo helenístico em vista, Darryl W. Palmer conclui corretamente que,
apesar dos muitos pontos de contato entre os Atos e a historiografia grega antiga, "o
assunto [de Atos] é inédito". Por outro lado, muitas das preocupações dos Atos têm uma
relação próxima com o Antigo Testamento. No capítulo seguinte, David Peterson
observa a substancial sobreposição de assunto entre Atos e o Antigo Testamento e
concebe a conexão em termos de promessa / profecia e cumprimento. Outros tópicos
que não se encaixam nesse padrão também são mencionados. W. Ward Gasque
observou que o centro da história em Lucas e Atos é o foco de grande parte da história
do Antigo Testamento, Jerusalém. Considerando que o fluxo do evangelho é em direção
a Jerusalém, o movimento em Atos está longe da cidade (cf. 1.8 ).), embora Jerusalém
nunca esteja longe de ser vista em Atos (ver caps. 1–7 ; 15 ; 18:22 ; 19:21 ; 20: 6 ; 21:
11–14 ; 21: 17–23: 22 ; 25: 1 –3 ; 26:10 , 20 ). Para Lucas, a cidade de Jerusalém e seu
templo são representativos de Israel. Gasque tira o provável significado do interesse de
Lucas em Jerusalém: "Jerusalém fornece uma ponte entre Israel e a igreja e, portanto,
um elo entre o que uma geração posterior de cristãos se referiria como o Antigo
Testamento e o Novo". A atitude basicamente positiva dos Atos ao povo judeu e a Lei
pode ser vista sob uma luz similar.
JT Sanders, por outro lado, descreveu o retrato de Lucas sobre os judeus como
crítico, até mesmo anti-semita. Talvez Atos considere temas do Antigo Testamento, mas
de maneira negativa? O julgamento de Sanders é muito severo. Ele exagera a
hostilidade de Lucas aos judeus. Certos caracteres judeus são excluídos de sua análise -
os profetas Ana e Simeão ( Atos 2:25 , 36 ), o líder da sinagoga Jairo ( Atos 8:40 ) e a
pobre viúva ( Atos 21: 2 ) - todos os quais são retratado em termos positivos. Sanders
também minimiza os sucessos missionários entre os judeus em Atos. Se os mesmos
padrões fossem aplicados, muitos dos profetas hebreus seriam considerados
antijudaicos.

IV. Modelos
Estudiosos sugeriram que, ao compor vários episódios em Atos, Lucas seguiu padrões
baseados no Antigo Testamento. David P. Moessner afirma que Lucas apresenta Paulo
em Atos 19: 21-28: 31 no “molde profético à Ia Deuteronômio do Profeta como
Moisés”. Ele também vê Peter e Stephen como desempenhando um papel similar. A
avaliação dessas afirmações nos levaria muito longe, pois a teoria de Moessner é
baseada no argumento de que nos capítulos centrais do Evangelho de Lucas Jesus é
retratado como um profeta como Moisés, que é rejeitado pelo povo e viaja através do
deserto até o terra prometida.
Em um terreno mais seguro, podemos apresentar a visão de que Lucas modelou a
conversão de Paulo em certos padrões do Antigo Testamento. Gerhard Lohfink aponta
para Atos 9: 4b-6 como uma conversa de aparência que tem analogias no Antigo
Testamento (por exemplo, Gn 31: 11-13 ; 46: 2f .; Êxodo 3: 2–10 ). Este formulário tem
três partes: (1) endereço ou chamada; (2) responder com pergunta; e (3) introdução com
carga. Uma visão complementar é a de K. Stendahl, J. Munck e AF Segal, que
comparam o relato de Lucas da conversão de Paulo ao chamado dos profetas do Antigo
Testamento; Atos 9recorda as experiências vívidas de Isaías, Jeremias e, especialmente,
Ezequiel. Quando Ezequiel contemplou a glória de Deus, ele relata: 'Eu caí sobre o meu
rosto e ouvi a voz de alguém que falou ( Ezequiel 1:28 ). Então o Senhor disse: “Põe-te
em pé, e eu falarei contigo ... Eu te envio ao povo de Israel” ( 2: 1 ). Tanto Paulo (de
acordo com Atos) e Ezequiel recebeu uma revelação, ouviu uma voz e caiu no chão. A
diferença marcante é que a acusação de Paulo é ir aos gentios e não apenas aos judeus.
Antecedentes do Antigo Testamento para outras cenas em Atos também foram
sugeridos. Em um estudo que examinou tanto o ambiente judaico como o greco-romano
de Atos 1 , DW Palmer argumenta que a cena de despedida e a ascensão empregam
várias características típicas dos modelos bíblicos e judaicos anteriores. WKL Clarke
sugeriu que o encontro de Filipe com o eunuco etíope em Atos 8 ecoa versos em
Sofonias e outros textos do Antigo Testamento. D. Daube afirma que Atos 6 foi escrito
com Moisés nomeando juízes em Êxodo 18 / Deuteronômio 1 em mente. A narrativa
de Atos 27: 1 e segs.talvez seja outro exemplo desse tipo de modelagem. FF Bruce
afirma que o relato do naufrágio "mostra alguma dependência do relato da Septuaginta
sobre a abortiva viagem mediterrânea de Jonas ( Jonas 1: 4 e ss )."
Qual foi o propósito de Lucas ao empregar tais modelos para suas narrativas? Pode
ser possível sugerir diferentes finalidades caso a caso. Por exemplo, conectar a
conversão de Paulo ao chamado dos profetas do Antigo Testamento pode servir para
melhorar seu status, especialmente aos olhos dos cristãos judeus. No entanto, pode ter
havido um objetivo mais importante em mente.
James L. Kugel descreve um fenômeno literário da historiografia tardia da Bíblia
(Antigo Testamento) e muitos escritos pós-bíblicos pelos quais 'o presente é encorajado
a se tornar parte da história bíblica ... descrevendo eventos atuais, por assim dizer, a
perspectiva da Bíblia'. A extensão da história bíblica até o presente pode ser ilustrada a
partir do livro de Ester. Kugel explica:
[Ester] narra a divertida história da derrubada de um cortesão malvado e a salvação dos
judeus de tal forma que soa como os grandes acontecimentos do passado - particularmente a
história de José na corte do Faraó na qual parte de sua linguagem é modelado.

O estudo de Sangra Berg sobre os motivos, temas e estrutura de Esther coincide com os
comentários de Kugel. Ela descreve a história de Joseph como constituindo o "modelo
literário de Ester". É possível que o uso de modelos bíblicos de Lucas seja projetado
para produzir um efeito semelhante. Juntamente com o uso de Septuagintalismos
deliberados, tais modelos sugerem que Lucas pretende criar um "efeito bíblico" para os
leitores de Atos familiarizados com a Bíblia.
Que implicações a influência dos modelos do Antigo Testamento sobre os Atos leva
ao valor histórico de Atos? MD Goulder conclui que o recurso de Lucas a tais modelos
revela sua falta de informação histórica. Goulder lamenta:
Às vezes, especialmente nos primeiros capítulos [de Atos], podemos ser levados a pensar
que ele inferiu o curso detalhado da ação divina a partir das escrituras em que deveríamos
preferir que ele confiasse na evidência do testemunho pessoal.

De fato, Goulder acredita que, onde nenhum tipo do Antigo Testamento ou a vida de
Jesus pode ser visto em Atos, lá Lucas está escrevendo história: "onde não há tipos,
Atos pretende ser factual".
Em resposta a Goulder, é importante notar uma distinção entre a seleção de dados e
a invenção de dados para se encaixar em um padrão. O Antigo Testamento pode
simplesmente ter influenciado a escolha do material de Lucas e a maneira como ele é
apresentado. Não segue necessariamente que, para escrever com um propósito e com
seletividade, não se deve escrever com séria intenção histórica. Como Bruce afirma,
"um escritor pode ser, ao mesmo tempo, um historiador sadio e um teólogo capaz".
A conversão de Paulo serve como um exemplo. O relato de Lucas é em grande parte
não histórico devido à sua apresentação altamente estilizada? Sua historicidade
essencial pode ser estabelecida com referência às cartas de Paulo. Gerd Lüdemann
aponta que Atos e Paulo estão em acordo básico sobre o evento, incluindo a cristofania
e a proximidade de Damasco. Ainda mais decisivo contra a possibilidade de que Lucas
tenha inventado seu relato da conversão de Paulo com os materiais do Antigo
Testamento em mente é a observação de Segal que Paulo também parece fazer a
conexão entre sua conversão e o chamado de Ezequiel. Paulo associa o termo 'glória'
com Cristo ( Filipenses 3:21 ; 1 Coríntios 2: 8 ; Romanos 6: 4 ; 9:23 ; Filipenses
4:19 ;Ef. 1:18 ; 3:16 ; Col. 1:27 ) e fala da "glória do Senhor" ( 2 Coríntios 3: 16-4: 6 )
nos lugares onde ele descreve sua própria conversão. Ser transformado em "a imagem
de Cristo" ( Romanos 8:29 ; 1 Coríntios 15:49 ) também lembra a linguagem de
Ezequiel ("a aparência da semelhança da Glória do Senhor"; Ez 1:28 ; cf. Atos
22:11 onde a cegueira de Paulo é devida à 'glória daquela luz').
Podemos também considerar Atos 27 . FF Bruce não duvida da precisão de Lucas
em Atos 27, apesar do possível paralelo com Jonas. Ele observa o impressionante
conhecimento da antiga marinha que o capítulo mostra e a genuinidade dos detalhes do
navio e da rota. O fato de o relato ser dado na primeira pessoa do plural, constituindo
uma das assim chamadas seções "nós", sugere a Bruce que se baseia na "lembrança
pessoal".

V. Técnicas Literárias
Muitos estudiosos assumem que as técnicas literárias de Atos são de origem
helenística. É possível que as tradições gregas da história da escrita possam estar em
dívida com os antigos modelos do antigo Oriente Próximo, o meio do Antigo
Testamento. Não é necessário tratar os modelos greco-romanos e bíblicos / judeus para
os Atos como alternativas estritas. Ambos, sem dúvida, exerceram alguma
influência. Essas técnicas também têm paralelos no Antigo Testamento?
Várias técnicas literárias caracterizam as obras históricas do Antigo Testamento,
especialmente, embora não exclusivamente, a assim chamada história deuteronomista
(Dt.-2 Ki.). Muitos desses mesmos dispositivos são usados em Atos.
Primeiro, a repetição de uma fórmula ou padrão definido como um conectivo é
usada, por exemplo, em 1 e 2 Reis para mover de um rei para outro (veja 1 Reis 14: 19-
20 , 31 ; 15: 8 , 24 , etc.). ). Um dispositivo semelhante pode ser visto em Atos na série
de declarações sumárias, que, embora não idênticas, todas relatam o progresso da igreja
( 6: 7 ; 9:31 ; 12:24 ; 16: 5 ; 19:20 ; 28 : 31 ).
Em segundo lugar, nas obras históricas do Antigo Testamento, discursos de grandes
figuras ou comentários editoriais são usados para introduzir ou resumir o tema de uma
unidade ou para servir como uma transição para a próxima unidade. Esta prática atinge
um acorde óbvio com os muitos discursos e orações em Atos. Um exemplo específico é
a oração em Atos 4: 24–30 , que interpreta o curso dos acontecimentos de maneira
similar a 1 Reis 8: 22–53 .
Em terceiro lugar, a periodização da história, com o encaixe de eras e temas, é outra
técnica difundida. Van Seters encontra três desses períodos na história deuteronomista
baseados em 1 Samuel 8: 8 ; 10: 18-19 ; 12: 6ss. : o êxodo e a conquista, a idade dos
juízes e a ascensão da monarquia. Os estudantes de Lucas-Atos notaram frequentemente
uma periodização da história. Conzelmann dividiu Lucas-Atos nos três períodos de
Israel, Jesus e a igreja. CH Talbert descobriu quatro etapas envolvendo a lei e os
profetas, Jesus, a era apostólica e a era pós-apostólica. Uma promessa simples (o Antigo
Testamento) - o esquema de cumprimento (Jesus em Lucas e a igreja em Atos) é
certamente aparente.
Uma quarta técnica da historiografia do Antigo Testamento é a escrita de uma
narrativa através de uma série de personagens principais, como é o caso de Atos. Martin
Hengel argumenta que "o modelo para a coleção e apresentação literária" dos materiais
que encontramos nos evangelhos e Atos é:
o relato da história pode ser encontrado no Antigo Testamento e no Judaísmo, que em
grande parte são compostos de seções "biográficas" ... Uma característica comum da
maioria desses complexos biográficos do Antigo Testamento e da tradição judaica é que
eles são compostos de narrativas individuais. que contêm cenas impressionantes ou
anedotas.
Este é o caso, por exemplo, em Gênesis com os patriarcas (Abraão, Jacó e José), Êxodo
a Deuteronômio com Moisés, na conquista com Josué, e com Davi e Elias-Eliseu nos
livros de Samuel e Reis. É também o caso dos Atos que, embora tradicionalmente
intitulados "os Atos dos Apóstolos", seriam mais acurados, ainda que de maneira menos
atraente, "Certos Atos de Certos Apóstolos". Atos concentra sua atenção principalmente
em Pedro e Paulo, com Estêvão e Filipe ocupando importantes apartes.
Deve-se ter cautela ao avaliar a importância desses recursos comuns. Como Van
Seters afirma, tais dispositivos literários foram amplamente usados tanto no antigo
Oriente Médio em geral quanto na antiga prosa grega, para não mencionar a
historiografia grega contemporânea de Lucas. Por exemplo, vários dos dispositivos
voltam até Heródoto. No entanto, a sobreposição com o Antigo Testamento não deve
ser ignorada.
As assim chamadas passagens em Atos, narração em primeira pessoa, representam
um dispositivo estilístico que recebeu várias explicações. Um trabalho recente de Jürgen
Wehnert vê uma base bíblica / judaica para o procedimento de Lucas. Há exemplos em
textos bíblicos (por exemplo, Isaías, Jeremias, Oséias) e pós-bíblicos (por exemplo, 3
Esdras, Tobias, 1 Enoque) de uma personalidade narrativa que alterna entre a fala da
primeira e da terceira pessoa. Por exemplo, Daniel 6: 28-10: 1 , Wehnert acredita, é uma
analogia exata da estrutura de Atos 16: 8–18 . Ambos os textos começam na terceira
pessoa ( DN 6:28 / Atos 16: 8 ); apresentar o relatório de uma visão ( 7: 1–28a / 16:
9 ); mudar para a primeira pessoa ( 7: 28b-9: 27 /16: 10–17 ); e, em seguida, regressar
ao ponto de vista do autor ( 10: 1 / 16:. 18ss ). Wehnert conclui que as passagens em
Atos são uma imitação deliberada do estilo bíblico. Por mais atraente que essa
conclusão seja para a tese deste capítulo, não é sem dificuldades. A duração e o
conteúdo do modelo de Daniel não se encaixam muito com o Atos 16 . Além disso, os
alegados exemplos judaicos de narração em primeira pessoa não usam a forma
plural. Mais trabalhos sobre o dispositivo em fontes literárias greco-romanas não
judaicas são necessários para ver se os paralelos que Wehnert apresentou são de fato
distintos.

VI. Compreensão Teológica da História


Uma área final e crucial do endividamento de Lucas ao Antigo Testamento em Atos são
as pressuposições que parecem subjacentes à sua concepção de história. Gregory
Sterling faz a pergunta: como as obras históricas do Antigo Testamento influenciaram
Atos? Sua alegação é que "em primeiro lugar, eles forneceram ao autor sua
compreensão do que é a história".
A noção do controle de Deus sobre a história humana é básica para todo o Antigo
Testamento. Gênesis para Números está em um nível Deus está trabalhando com as
promessas feitas a Abraão e seus descendentes. A história deuteronomista é mantida
unida teologicamente pela convicção de que Deus abençoa os justos e pune os ímpios,
definidos em termos de relação de aliança (por exemplo, Dt 28 ; Jos 1: 12-18 ; Jz 2: 10-
23 ; 2 Sa 7: 5–15 , 1 Rs 15: 3–4). A história do Cronista enfatiza os atos soberanos de
eleição de Deus como determinantes do progresso dos eventos. A idéia de um Deus
pessoal e soberano que pretende cumprir suas promessas de aliança para seu povo e
cumpre castigos por falha moral (comum ao Antigo Testamento e aos Atos) deve ser
distinguida da do destino na historiografia grega, onde o julgamento é mais caprichoso.
e individualista.
Como as Escrituras judaicas, Atos subscreve uma compreensão teológica da
história. Certos termos-chave tornam isso aparente. Estes incluem: (1) ἡ βουλὴ τοῦ
θεοῦ ('a vontade / conselho de Deus') - 2:23; 4:28 ; 13:36 ; 20:27 ; cf. também 5: 36-
37 ). Lucas teria concordado com Isaías 46:10 : 'declarando o fim desde o princípio e
desde os tempos antigos ainda não cumpridos, [Deus diz] “Meu conselho
(LXX: βουλὴ ) permanecerá, e eu cumprirei todo o meu propósito”'. (2) θελημα ('will')
é um termo relacionado - veja 13:22 ; 21:14 ; 22:14com referência à vontade
divina. (3) δεῖ ('é necessário') ocorre 22 vezes em Atos (101 vezes em todo o Novo
Testamento; 6 em Marcos; 8 em Mateus; 18 em Lucas). Não se refere, em Lucas-Atos, a
uma compulsão por causa do destino (uma noção comum no pensamento grego), mas à
"necessidade divina que impulsiona os eventos históricos". Para Lucas, esses eventos
são a vida e a morte de Jesus ( Lucas 2:49 ; 4:43 ; 9:22 ; 13:33 ; 17:25 ; 22:37 ; 24:
7 , 26 , 44 ; Atos 3:21 ) e o curso da vida de Paulo ( Atos
19:21 ; 23:11 ; 27:24, 26 ). Três verbos denotam a direção da história de Deus em Atos:
(4) ὁρίζω ('designar antecipadamente / preordenar') -
2:23 ; 10:42 ; 17:31 . (5) προορίζω ('predestino') - 4:28 . (6) προοράω ('prever') -
2:31 . Como Gasque observa, "Atos enfatiza muito a presciência, a vontade, o
propósito e o plano de Deus". O Senhor da história nunca é pego de surpresa, mas está
levando seus propósitos ao clímax em Cristo.
Os principais eventos em Atos são narrados como a ação de Deus. É Deus e Jesus
que derramam o Espírito nos capítulos 2 , 8 e 10 (veja 10:47 ; 11:17 ; 15: 8 que deixam
isso claro). Os movimentos dos missionários são dirigidos pelo Espírito de Deus
(ver 16: 6–7 ). Como no Antigo Testamento os anjos operam para executar a vontade de
Deus, assim em Atos os anjos abrem as portas da prisão para libertar os apóstolos
( 5:19 ), dão instruções a Filipe ( 8:26 ), aparecem em uma visão para Cornélio
( 10:30 ), vigília e tirar Pedro da prisão ( 12: 7-10 ), matar Herodes Antipas ( 12:23) e
proteja Paulo no mar ( 27:23).
A noção de Deus dirigindo os assuntos da humanidade para trazer a Sua vontade
vem através do mais claramente no tema do cumprimento (veja o capítulo de D.
Peterson ). Mesmo neste ponto, Atos é comparável aos trabalhos históricos do Antigo
Testamento. De Gênesis 12 em diante, o Pentateuco é sobre o modo como as promessas
de Deus a Abraão são cumpridas. Na história deuteronomista, o padrão de profecia e
realização é especialmente proeminente. O discurso de Moisés em Deuteronômio 28 ,
por exemplo, pinta com uma pincelada ampla um quadro da história da nação
antecipadamente.

VII. Conclusão
Uma olhada em Atos e no Antigo Testamento explica muitos aspectos de Atos. O
elenco semítico do livro é melhor explicado em termos da influência lingüística da
LXX, isto é, o uso de Septuagintalismos deliberados. Muitos dos temas de Atos,
incluindo sua preocupação com Jerusalém, os judeus e a Lei de Moisés, são
preocupações do Antigo Testamento. Alguns de seus episódios são sutilmente
modelados em modelos do Antigo Testamento. Atos tem em comum com a história do
Antigo Testamento certas técnicas literárias. Finalmente, tanto os Atos quanto o Antigo
Testamento sustentam uma compreensão teológica da história na qual Deus está no
controle dos assuntos humanos. Esses elos são ainda mais impressionantes quando se
nota que eles envolvem diferentes níveis da composição de Atos: o Antigo Testamento
parece ter influenciado a linguagem, a forma, o conteúdo e as pressuposições de Atos.
Lucas pretendia escrever história? O fato de Atos ter tantas características em
comum com as obras históricas do Antigo Testamento sugere fortemente que Lucas
estava escrevendo o que ele concebeu como uma obra histórica. A conclusão que Lucas
escreveu como historiador não resolve, é claro, a questão de saber se ele era um escritor
confiável. Isso dependeria do estado de suas fontes, da integridade de seu julgamento
histórico e assim por diante. No entanto, esse achado tem implicações para várias
questões no estudo de Atos, incluindo o gênero e o propósito do livro.
É possível que Lucas se tenha visto escrevendo as Escrituras? Isto certamente não é
normalmente reivindicado para os documentos do Novo Testamento. No entanto, vários
autores sugeriram isso para Atos (com menos provas do que as que foram reunidas
neste capítulo). Gregory Sterling afirma:
Nosso autor concebeu seu trabalho como a continuação da LXX. Sua composição
deliberada no grego Septuagintal e a convicção de que sua história era o cumprimento das
promessas do Antigo Testamento implicam que, como continuação, Lucas-Atos
representa a narrativa sagrada (itálico original).

Ward Gasque concorda:


As narrativas de ... o nascimento da igreja [Atos] são marcadas pelo renascimento do dom
de profecia, trazido pela vinda do Espírito sobre os indivíduos, e assim sugerem que o
tempo de silêncio em Israel está agora terminado e que É hora de a história da redenção ser
retomada. Essas observações levam muitos escritores a concluir que o autor continua a
história de Israel de onde parou. Isto é, ele pretende escrever uma narrativa bíblica (itálico
original).

É certamente verdade que Lucas considerava o Antigo Testamento como um livro que
apontava para a frente e, em certo sentido, estava incompleto. Atos lida com os grandes
temas não resolvidos do Antigo Testamento: as esperanças messiânicas e as
expectativas apocalípticas; a questão do que aconteceu e vai acontecer com Israel; e a
questão de como Deus está cumprindo suas promessas da aliança.
Quer ou não Lucas tenha visto a si mesmo como Escritura, a evidência deste
capítulo indica que Atos está integralmente relacionado às Escrituras consideradas pelos
judeus como normativas e não simplesmente um documento trazido para uma relação
artificial com o Antigo Testamento pela Igreja Cristã posterior.
Isso leva ao assunto do propósito de Atos. Ao se apresentar para relatar os eventos
do passado para fornecer um fundamento para a fé e sua extensão, Atos é uma
reminiscência dos livros de Samuel e Reis e das Crônicas, que refletem sobre a história
sagrada para o benefício de suas respectivas comunidades. Como em Atos, a questão
nesses livros do Antigo Testamento é de continuidade com o passado: Qual é o nosso
relacionamento com o antigo Israel? O que Deus fez com as promessas da aliança?
O material ensaiado neste capítulo sugere que Lucas em Atos não está apenas
preocupado em estabelecer um elo entre o tempo de Jesus e o tempo da igreja primitiva,
como é comumente notado, mas também entre o tempo de Israel e o tempo de Jesus e
Sua igreja. Atos insiste que o Deus que estava trabalhando na história de seu povo
antigo, Israel, trazendo-lhes salvação, é o mesmo Deus que está trabalhando na igreja.

CAPÍTULO 4
O MOTIVO DO CUMPRIMENTO E O PROPÓSITO
DE LUCAS-ATOS
David Peterson

Resumo
Com o motivo do cumprimento, o autor de Lucas-Atos proclama e explica a realização dos
propósitos de Deus na vida e no ministério de Jesus e dos primeiros cristãos. Essa perspectiva
teria atraído tanto os leitores judeus e gentios no primeiro século. A crença era generalizada de
que uma necessidade divina controla a história humana e que a história cumpre certos
oráculos. O foco de Lucas é o cumprimento das profecias do Antigo Testamento, bem como as
profecias de figuras contemporâneas como Jesus e Paulo ou mensageiros angélicos. Por este
meio, ele mostra aos leitores cristãos como interpretar os eventos que ele registra, para extrair
apropriadamente as implicações e para fazer um apelo confiante aos seus contemporâneos.

Mesmo o leitor casual de Lucas-Atos deve perceber até que ponto o autor emprega a
terminologia de realização em toda a sua narrativa e se concentra em como o plano
divino de salvação está sendo realizado. Muitas das referências ao cumprimento das
Escrituras ou à realização de eventos significativos no plano de Deus ocorrem em
materiais especiais de Lucas no Evangelho ou em acréscimos de Lucas ao material
comum. Tendo gerado certas expectativas em seu primeiro volume, Lucas tem vários
meios de demonstrar a realidade de realização nos discursos e eventos que ele registra
em Atos. Mas como pode um estudo deste motivo nos levar a uma melhor compreensão
do Livro de Atos no seu primeiro século?
O interesse de Lucas por esse tema é parte de uma ênfase mais ampla no controle
divino ou na orientação da história sagrada, uma perspectiva particularmente familiar
àqueles que conheciam as Escrituras judaicas. De fato, como Brian Rosner argumentou,
Lucas parece ter modelado seu trabalho até certo ponto nos livros históricos do Antigo
Testamento. Lá, "a história passada é considerada como expressando o propósito de
Deus, e a história futura é o objeto da profecia dos homens com uma percepção das
intenções de Deus". Mas na antiguidade mediterrânea, em geral, a crença também era
generalizada de que uma necessidade divina controla a história humana. A Providência
foi um tema central na historiografia helenística, onde muitas vezes teve uma aplicação
apologética ou religiosa. O conceito de oráculos cumpridores da história, escritos ou
orais, também era comum na literatura helenística. Assim,
quer a comunidade de Lucas fosse composta de ex-judeus ou pagãos - ou ambos - seus
leitores originais não teriam encontrado surpresas no tema do curso da história sendo
determinado pelo cumprimento de oráculos / profecias.

Neste estudo, um breve levantamento dos dados lingüísticos será seguido por uma
análise de algumas das expressões mais significativas em seu contexto literário e
teológico. Isso envolverá uma discussão progressiva sobre o modo como Lucas entende
que as Escrituras foram cumpridas. Uma atenção considerável é dada ao ensino do
Evangelho de Lucas, no entendimento de que isso é essencial para interpretar os Atos
dos Apóstolos. Será mostrado que o uso de Lucas do Antigo Testamento não se limita a
um simples esquema de prova de profecia ou promessa e cumprimento. Uma seção
conclusiva considerará o propósito de Lucas ao destacar este tema e o efeito que sua
apresentação pode ter tido sobre os leitores de Gentile, bem como sobre os antecedentes
judaicos.
I. A Linguagem de Cumprimento
πληρόω é a palavra mais comumente usada neste campo semântico. É encontrado 9
vezes no Evangelho de Lucas e 16 vezes nos Atos dos Apóstolos. Fundamentalmente,
expressa a noção de preenchimento , seja literalmente ( Lucas 3: 5 ; At 5,28 ), ou
sentido figurado, para que Lucas possa descrever pessoas sendo preenchidas com
qualidades ou emoções particulares ( Lucas 2:40 ; Atos 2:28 , 5: 3 , 13:52 ) ou ser cheio
do Espírito Santo ( Atos 13:52 ). Para nosso propósito, o uso mais interessante está
relacionado com o preenchimento ou a conclusão de certos períodos de tempo ( Lucas
21:24 ;Atos 7:23 , 30 ; 9:23 ; 24:27 ) ou de certos eventos e atividades ( Lucas 7:
1 ; 9:31 ; 22:16 ; Atos 12:25 ; 13:25 ; 14:26 ; 19:21 ). O mais importante de tudo é a
referência de Lucas à conclusão ou cumprimento da revelação divina na pessoa e obra
de Jesus e na experiência dos que estão associados a ele ( Lucas
1:20 ; 4:21 ; 24:44 ; Atos 1:16 ; 03:18 ; 13:27 ).
O composto συμπληρόω tem um uso mais limitado. Além de uma referência ao
enchimento de um barco com água ( Lucas 8:23 ), este verbo marca a conclusão ou
cumprimento de dois momentos críticos da história da salvação em Lucas 9:51 e Atos 2:
1 . O composto isκπληρόω é encontrado somente em Atos 13:33 , onde funciona como
um meio adicional de expressar a noção de que as promessas de Deus na Escritura
foram cumpridas (cf. ἐκπλήρωσις em Atos 21:26 ). Outro termo comum para 'preencher'
em Lucas-Atos é πίμπλημι que, juntamente com o composto ἐμπίμπλημι, é encontrado
15 vezes no Evangelho e 5 vezes em Atos. O uso se assemelha ao de πληρόω em
relação ao preenchimento de um sentido físico ( Lucas 1:53 ; 5: 7 ; 6:25 ), bem como o
preenchimento de certas emoções ou qualidades ( Lc 4:28 ; 5:26 ; 6 : 11 ; Atos
3:10 ; 5:17 ; 13:45 ; 14:17 ; 19:29 ) ou com o Espírito Santo ( Lucas 1:15 , 41 , 67 ; Atos
2: 4 ; 4: 8 , 31 ; 09:17 ;13: 9 ). No entanto, πιμπλήμιé empregado apenas uma vez com
referência ao cumprimento das Escrituras ( Lucas 21:22 ).
Embora πιμπλήμι seja ocasionalmente usado para descrever o cumprimento ou a
conclusão de períodos de tempo ( Lucas 1:23 , 57 ; 2: 6 , 21 , 22 ), ele não é usado para
a realização de eventos ou atividades. Lucas reserva vários outros verbos para esse
propósito, a saber, τελέω ( Lucas 2:39 ; 12:50 ), συντελέω ( Lucas 4: 2 , 13 ; Atos
21:27 ), ἐκτελέω ( Lucas 14:29 , 30 ), ἀποτελέω ( Lucas 13:32 ), τελειόω( Lucas
2:43 ; 13:32 ; Atos 20:24 ) e πληροφορέω ( Lucas 1: 1 ). τελέω é também usado em
conexão com o cumprimento das Escrituras ( Lucas 18:31 ; 22:37 ; Atos 13:29 )
e τελείωσις é similarmente aplicado ao cumprimento da revelação divina ( Lucas 1:45 ).
Algumas outras observações linguísticas são relevantes para este estudo. Lucas-Atos
contém várias referências ao plano ou vontade de Deus. βουλή é o termo usado
em Lucas 7:30 ; Atos 2:23 ; 4:28 ; 5: 38-9 ; 13:36 ; 20:27 ; e θελημα em Lucas 11:
2 ; 22:42 ; Atos 21:14 ; 22:14 (cf. Atos 1: 7 ). Outras expressões falam que Deus
predeterminou as coisas que aconteceram ( Lucas 22:22 ; Atos
10:42 ; 17:31; 22:14 ; 26:16 ). A nota da soberania de Deus e do cumprimento de seu
plano de salvação é enfatizada ainda mais pelo uso extensivo de δεῖ ou ἔδει ('é
necessário') em Lucas 2:49 ; 4:43 ; 9:22 ; 13:33 ; 17:25 ; 19: 5 ; 21: 9 ; 22:37 ; 24:
7 , 26 , 44 ; Atos 1:16 , 21 ; 3:21 ; 4:12 ; 5:29 ; 9: 6 , 16; 14:22 ; 15: 5 ; 16:30 ; 17:
3 ; 19:21 ; 20:35 ; 23:11 ; 24:19 ; 25:10 ; 27:24 . Novamente, Lucas usa
regularmente γραφή no singular ou no plural ( Lucas 4:21 ; 24:27 , 32 , 45 ; Atos
1:16 ; 8:32 , 35 ; 17: 2 , 11 ; 18:24 , 28 ) e o verbo γράφω ( Lucas 2:23; 3: 4 ; 4:
4 , 8 , 10 , 17 ; 7:27 ; 10:26 ; 18:31 ; 19:46 ; 20:17 , 28 ; 21:22 ; 22:37; 24:44 , 46 ; Atos
1:20 ; 7:42 ; 13:29 , 33 ; 15:15 ; 23: 5 ; 24:14) com referência às Escrituras. Essas
passagens mostram o quanto os eventos de sua narrativa devem ser entendidos e
interpretados à luz do Antigo Testamento e suas expectativas.

II. O Padrão de Cumprimento


1. O Evangelho de Lucas
O Evangelho começa com um prefácio no estilo dos prólogos literários helenísticos,
fazendo uma impressionante declaração de abertura que é brevemente ecoada na
introdução aos Atos dos Apóstolos. Continua o debate sobre a tradição literária
particular com a qual esse prólogo deve ser identificado, mas "Lucas está evidentemente
reivindicando alguma relação entre seu próprio trabalho e trabalhos literários
publicados, e especialmente, históricos de sua época". O estilo secular do prefácio tem
sido freqüentemente observado, mas o uso absoluto de ὁ λόγος ('a palavra') e o emprego
de πληροφορέω na expressão τῶν πεπληροφορημένων ἐν ἡμῖν πραγμάτωνsão
indicadores da maneira como Lucas vê seu assunto. Com Fitzmyer, deveríamos ir além
da tradução branda "as coisas que foram realizadas entre nós" (RSV) e tornar a frase "os
eventos que se realizaram entre nós". Os eventos em questão são os do ministério de
Jesus e da igreja primitiva, inseridos no contexto da história contemporânea romana e
palestina, mas relacionados também ao plano divino de salvação. Assim, o motivo da
realização é sinalizado desde o início do trabalho de Lucas.
Termos de cumprimento são amplamente utilizados nas narrativas da infância
( Lucas 1:20 , 23 , 45 , 57 ; 2: 6 , 21 , 22 , 39 , 43 ), onde Lucas introduz alguns dos
principais temas do seu Evangelho. Aqui há uma transição da história de Israel para a
história de Jesus, com personagens piedosos proclamando a realização das esperanças
de Israel com o nascimento de João Batista e Jesus o Messias. Revelações angélicas ( 1:
11-20 , 26-37 ; 2: 9-14 ) combinam com declarações proféticas por aqueles 'cheios do
Espírito Santo' ( 1: 41-5 [1: 46–55 ], 1: 67–79 ; 2: 25–35 , [ 2: 36–8 ]) para explicar o
significado dos grandes eventos a seguir. Esses capítulos se assemelham em alguns
aspectos à interpretação inspirada pelo Espírito de Jesus e seu ministério encontrados
nos discursos de Atos. De várias maneiras, Lucas 1–2usa a profecia do Antigo
Testamento para proclamar a messianidade de Jesus, mas não à maneira de uma simples
apologética “prova da profecia”.
Duas referências críticas mostram como Deus está falando diretamente ao seu povo
novamente, confirmando as promessas dos profetas e exigindo absoluta confiança em
suas palavras. Zacarias é repreendido pelo anjo porque ele não acreditou nas boas novas
sobre o nascimento de um filho e o ministério especial que Deus lhe daria. Estamos
certos de que as palavras do anjo, que são particularmente inspiradas pela profecia de
Malaquias, serão realmente 'cumpridas em seu tempo' ( 1:20 , πληρωήήονται εἰς τὸν
καιρὸν αὐτῶν ). No devido tempo, quando ele está cheio do Espírito Santo, o próprio
Zacarias concorda com essas promessas e revela algo mais do elo entre o Batista e o
Messias no plano redentor de Deus ( 1: 67–79).). Em contraste, Isabel abençoa Maria,
"que acreditava que haveria um cumprimento daquilo que lhe foi dito do Senhor"
( 1:45 , τελείωσις τοῖς λελαλημένοις αὐτῇ παρὰ κυρίου ). Essa palavra foi novamente
mediada pelo anjo Gabriel. A própria Maria prossegue proclamando que a concepção de
seu filho é o sinal da intenção de Deus de cumprir seus propósitos salvadores para Israel
( 1: 46–55 ).
Dentro deste quadro de pensamento, o tempo para o nascimento do Batista é
solenemente anunciado ( 1:57 , andπλήσθη ὁ χρόνος τοῦ τεκεῖν αὐτήν ) e então o tempo
para o nascimento do Messias é declarado em termos semelhantes ( 2: 6 ). O
verbo πιμπλήμι poderia simplesmente denotar a conclusão do tempo da gravidez aqui,
'mas na narrativa de Lucana, que faz muito do cumprimento, o tom harmônico é
inconfundível'. 'O momento de dar à luz' em ambos os casos é um momento
significativo na realização do plano salvífico de Deus, como previamente anunciado e
explicado pela revelação divina. A expressão'τε ἐπλήσθησαν (αἱ) ἡμέραι ('quando os
dias foram cumpridos'), que introduz 2:21 e 2:22significa simplesmente que o tempo
definido para essas atividades foi "preenchido". No entanto, esta cláusula funciona para
ligar estes versos com 2: 6 e sugere que tudo ocorreu de acordo com a vontade de Deus
(cf. 1:23 [ ἐπλήσθησαν ]; 2:39 [ ἐτέλεσαν ]).
O ministério público de Jesus é apresentado com a nota de que ele veio para a
Galiléia "no poder do Espírito" e ensinou em suas sinagogas ( 4: 14-15 ). Lucas, então,
ilustra o ministério da sinagoga e as respostas que gerou em Nazaré e Cafarnaum ( 4:
16-44 ). A cena de Nazaré parece ter sido apresentada pelo evangelista (cf. Marcos 6: 1-
6 = Mt 13: 53-8 ) para destacar aspectos importantes do ministério de Jesus desde o
princípio. Mais significativamente para nossos propósitos, o relato de Lucas registra a
leitura de Isaías 61: 1–2 (acrescida de uma frase de Isaías 58: 6 ) e a declaração “Hoje
esta escritura foi cumprida em vossa audição” ( Lucas 4:21). ,πεπλήρωται ). No mínimo,
isso aponta para Jesus como o profeta escatológico, que traz liberdade para Israel cativo
e oprimido. Este anúncio corresponde ao anúncio de Jesus em Marcos
1:15 ( πεπλήρωται ὁ καιρὸς καὶ ἤγγικεν ἡ βασιλεία τοῦ Θεοῦ ), mas com um foco mais
explicitamente cristológico. Na narrativa de Lucas, mesmo antes da frase "o reino de
Deus" aparece em seus lábios ( Lucas 4:43 ),
Jesus proclamou que ele e sua pregação são o cumprimento de algo mencionado nas
Escrituras do passado associado à salvação de Deus. Em sua pessoa e em sua pregação, ele
inaugura o ano do favor de Deus mencionado em Isaías 61: 1–2 .

Para os leitores do Terceiro Evangelho, uma indicação de que Jesus é aquele que
cumpre a profecia Isaianic já foi dada em afirmações sobre a sua unção com o Espírito
no seu batismo ( 3: 21-2 ; cf. 4: 1 , 14 ; Atos 10:38 ). Mais uma confirmação é dada com
outra alusão a Isaías 61 na resposta de Jesus aos discípulos de João Batista em Lucas 7:
18-23 . Isso resume e explica a atividade de Jesus nos capítulos intermediários. Lucas 4:
16–30 torna-se um paradigma do que Jesus diz e faz e da oposição que ele recebe,
culminando em sua crucificação. A rejeição de suas graciosas palavras por seu próprio
povo, com uma demanda por sinais confirmatórios, leva à sua partida e à sugestão de
que ele poderia encontrar uma recepção melhor entre os gentios. Neste nível, a
passagem também se torna um paradigma da missão de seus discípulos, como retratada
em Atos (cf. Atos 13: 44-52 ; 28: 23-8 ).
Como nos outros Evangelhos sinópticos, o ministério galileu de Jesus é culminado
pela revelação de que ele é o Filho do homem que deve 'sofrer muitas coisas, ser
rejeitado pelos anciãos e principais sacerdotes e escribas, e ser morto, e no terceiro dia.
dia amanhece '( Lucas 9:21 = Marcos 8:31 = Mt 16:21 ). Ainda mais explicitamente do
que nos outros Evangelhos, a transfiguração de Jesus é então uma revelação da glória
que o espera, além de seu sofrimento e morte previstos ( Lucas 9: 28-36 = Marcos 9: 2-
8 = Mt 17 : 1–8 ). A confirmação da sua verdadeira identidade e da necessidade de
continuar a ouvir o seu extraordinário ensinamento é dada pela voz do céu ( Lucas
9:35).). No entanto, nesse material comum, Lucas insere uma importante cláusula
interpretativa. Jesus estava falando com Moisés e Elias sobre "sua partida, que ele
estava prestes a realizar em Jerusalém" ( 9:31 , τὴν ἔξοδον αὐτοῦ ἥν ἤμελλεν πληροῦν
ἐν Ἰερουσαλήμ ). No nível mais básico, sua "partida" referir-se-ia à sua morte, já
que ἔξοδος é tão usado em Sabedoria 3: 2 ; 7: 6 ; 2 Pedro 1:15 . No entanto, a 'ascensão'
celestial de Jesus também deve ser realizada em Jerusalém ( Lucas 9:51 , ἀναλήμψις ;
cf. Atos 1: 2 , 11 , 22 ) e, assim, vários escritores argumentaram queἔξοδος significa
'todo o seu trânsito para o Pai, terminando na ascensão'.
Um evento , ao invés de uma profecia, deve ser realizado ou cumprido de acordo
com Lucas 9:31 (cf. o batismo de Jesus em 12:50 ; a Páscoa em 22:16 ). Mas fica claro
a partir do que se segue que tais eventos são preordenados no plano salvífico de Deus,
para serem cumpridos como as Escrituras direcionam e como o próprio Jesus delineia
(por exemplo, Lucas 18:31 ; 22:37 ; 24: 25-7 , 44-6). ). A idéia de que Jerusalém é a
cidade do destino de Jesus é retomada em 9:51 . Lá, a chamada "narrativa de viagem"
começa de maneira sonora: "quando os dias se aproximavam para ele ser recebido
(heγένετο δὲ ἐν τῷ συμπληροῦσθαι τὰς ἡμέρας τῆς ἀναλήμψεως αὐτοῦ ), ele colocou
seu rosto para ir a Jerusalém '. A expressão Lucana para o 'preenchimento de dias'
significa que 'os dias que levaram ao seu' assumir 'estavam sendo cumpridos': o plano
de salvação de Deus através de Jesus estava se movendo para um novo estágio de
realização. O fim do Evangelho e o começo de Atos mostram como tudo aconteceu.
Quatro vezes em Lucas-Atos, o verbo τελέω está associado à idéia de que Jesus é o
consumador da história redentora. Na predição mais detalhada da paixão de todos os
Jesus insiste que "tudo o que está escrito do Filho do homem pelos profetas será
realizado" ( Lucas 18:31 , τελεσθήσεται ). O passivo freqüentemente aponta para a
atividade de Deus, mas neste contexto também é colocada ênfase no que Jesus irá
suportar nas mãos humanas (vs. 32-3 ). Mesmo os detalhes da traição e do sofrimento
de Jesus são considerados um cumprimento do que está escrito na Escritura (cf. Lc
22:22 , 37 ; At 1:20 ; 2:23 ; 3: 17-18 ;4: 24-8 ). No entanto, a aceitação voluntária de
Jesus do plano divino e sua determinação em fazer o que é exigido dele é revelada em
uma passagem como Lucas 12:50 . Lá, a provação que se aproxima é descrita como "um
batismo com o qual se batizar", e Jesus é "constrangido" ou "angustiado" até que seu
trabalho "seja realizado" (ἕως ὅτου τελεσθῇ). Na sala superior, ele diz aos discípulos,
em termos mais enfáticos, que "esta escritura ( Is 53:12 ) deve ser cumprida em mim"
( Lucas 22:37 ,τοῦτο τεγραμμένον δεῖ τελεσθῆναι ἐν ἐμοί), para "o que está escrito
sobre mim tem o seu cumprimento '(τὸ περὶ ἐμοῦ τέλος ἔχει). A mesma perspectiva é
encontrada no sermão da Antioquia da Pisídia, onde Paulo proclama que aqueles que
vivem em Jerusalém e seus governantes "cumpriram tudo o que foi escrito de (Jesus)"
( Atos 13:29 , ἐτέλεσαν πάντα περὶ αὐτοῦ γεγραμμένα ).
A predição de Jesus da queda de Jerusalém ( Lc 21: 20-4 ) contém duas referências
interessantes para o cumprimento, que não são encontradas nos paralelos
sinóticos. 'Dias de vingança' estão prestes a vir sobre Jerusalém, 'para cumprir tudo o
que está escrito' (v. 22 , τοῦ πλησθῆναι πάντα τὰ γεγραμμένα ). Este julgamento sobre a
cidade e seu povo continuará 'até que os tempos dos gentios sejam cumpridos'
(v. 24 , ἄχρι οὗ πληρωθῶσιν καιροὶ ἐθνῶν). Se isto é uma reescrita de Marcos ou
material extraído de outra tradição do ensinamento de Jesus, contém temas e ênfases
que são particularmente importantes para Lucas. O texto da passagem alude a vários
contextos do Antigo Testamento, sugerindo uma comparação com um julgamento
anterior sobre a cidade nas mãos dos babilônios. O cumprimento implicado é, portanto,
uma repetição da experiência anterior de Israel, embora agora em um contexto
escatológico. No entanto, até mesmo o período de dominação gentia sobre a cidade tem
um limite, ou seja, o cumprimento de um tempo concedido, aqui chamado "os tempos
dos gentios". Este período dará lugar à vinda do Filho do homem ( Lucas 21: 25-8 ).
Em Lucas 22:16, Jesus proclama que a refeição da Páscoa deve ser 'cumprida no
reino de Deus' ( πληρωθῇ ). Uma vez que a Páscoa "reúne em si mesma um grande
número de várias vertentes de promessa-aliança", falar de sua plena realização no reino
de Deus é implicar que toda a estrutura de pensamento e atividade associada à Páscoa
encontra o seu pleno e expressão final no tempo final. O significado dificilmente pode
ser que a Páscoa tenha seu cumprimento no que mais tarde é chamado de "Ceia do
Senhor" (cf. 1 Coríntios 11:20 ). O referente deve ser o banquete messiânico da profecia
do Antigo Testamento (cf. Is 25: 6-7 : Lucas 22: 29-30), representando a comunhão da
nova criação de Deus, assegurada aos crentes pela morte redentora de Jesus. Dito de
outra forma, a Páscoa tinha um significado tipológico e o que ela representava deveria
ser 'cumprido' por meio do sacrifício de Jesus, inaugurando 'a Nova Aliança' ( Lucas
22:20 ).
As referências conclusivas ao cumprimento das Escrituras no Terceiro Evangelho
continuam a destacar a necessidade do sofrimento de Jesus e a se preparar para o ensino
de Atos. Ambos os volumes estão preocupados em mostrar que a rejeição e o
sofrimento de Jesus não foram um acidente da história, mas parte do plano de Deus,
conforme revelado em passagens específicas como Isaías 53 (cf. Lucas 22:37 ; Atos 8:
26-35). ), e no Antigo Testamento mais geralmente (cf. Atos 2:23 ; 3:18 ; 17: 3 ; 26: 22–
3 ). Embora os discípulos na estrada para Emaús considerassem Jesus como 'um profeta
poderoso em obras e palavras', que poderia 'redimir Israel' ( Lc 24: 19-21 ; cf. At 7:22),
ele expande sua compreensão, revelando-se como o Messias sofredor, de quem Moisés
e todos os profetas haviam escrito (vv. 25-7 ). Mais tarde, ele diz aos onze apóstolos
que tudo o que foi escrito sobre ele 'na lei de Moisés e nos profetas e nos salmos deve
ser cumprido' ( Lucas 24:44 , δεῖ πληρωθῆναι ). Em ambas as passagens, o canon do
Antigo Testamento como um todo está em vista. Há muitas vertentes da Escritura que
precisam ser interligadas para uma compreensão plena de Jesus e seu ministério. No
entanto, fica claro a partir do que se segue que a necessidade de o Cristo sofrer e
ressuscitar dos mortos é mais uma vez o cerne do que Jesus estava ensinando a eles
( 24: 45-6 ).
Esses incidentes paralelos em Lucas 24 deixam o leitor com a impressão de que uma
visão global do Antigo Testamento e suas promessas é necessária para entender o plano
escatológico e o propósito de Deus. Longe de desqualificar Jesus como o Messias de
Israel e salvador de todos, sua morte e ressurreição tornam possível que o
arrependimento e o perdão dos pecados sejam "pregados em seu nome a todas as
nações, começando por Jerusalém" ( Lucas 24: 46-7). ). Com esta última cláusula, a
missão que está comprometida com os discípulos também está relacionada ao
cumprimento das Escrituras. O desdobramento dos eventos no segundo volume de
Lucas é, portanto, destinado a ser visto no contexto das expectativas do Antigo
Testamento e das próprias previsões de Jesus.

2. Os Atos dos Apóstolos


Os versículos iniciais de Atos recapitulam as ênfases de Lucas 24 e descrevem o que
deve ser seguido. As aparições da ressurreição são o contexto no qual Jesus ensina os
apóstolos e as comissiona, assegurando-lhes que logo serão “batizados com o Espírito
Santo” ( Atos 1: 1–5 ). O tema central do ensinamento de Jesus continua a ser 'o reino
de Deus' (por exemplo, Lucas 4:43 ; 11:20 ; 17: 20–1 ; 22:16 , 18 , 29–30 ), mas com
um novo ênfase. Do relato paralelo em Lucas 24: 25–7 , 44–9É claro que Jesus estava
ensinando seus discípulos a interpretar sua morte e ressurreição à luz das Escrituras,
demonstrando como esses eventos estão no cerne do plano de Deus para Israel e as
nações. Ao fazê-lo, ele estava delineando para eles como entender as Escrituras
cristologicamente e em termos do "reino de Deus", um modo abreviado de se referir à
esperança de Israel por uma manifestação decisiva do governo de Deus na história
humana. Este tema permanece no coração da pregação apostólica em Atos (por
exemplo, 8:12; 19: 8 ; 28:23 , 31 ), onde "pregar o reino" ( 20:25 ) é na verdade
equacionado em um ponto com a declaração " todo o conselho 'ou plano de Deus
( 20:27 ,πᾶσαν τὴν βουλὴν τοῦ Θεοῦ ). Pregar o reino é também uma questão de pregar
Jesus e sua ressurreição no contexto da profecia bíblica (cf. Atos 2: 14–36 ; 13: 16–
41 ; 20: 20–1 ; 28:31 ).
Atos 1: 6-8 sugere que a soberania de Deus, que foi decisivamente manifestada
através da morte e ressurreição de Jesus, seria demonstrada através da pregação do
evangelho e da vinda de homens e mulheres de todas as nações sob o governo de Deus
pelo poder de Deus. seu Espírito. A frase 'para a extremidade da terra', que é tão crítica
no comissionamento de Jesus dos apóstolos em 1: 8 (ἕως ἐσχάτου τῆς γῆς), parece ser
uma alusão a Is 49: 6 (cfr . Lc 2: 29-32 ). Este texto é realmente citado por Paulo
em Atos 13:47como uma justificativa para seu padrão de pregação aos judeus primeiro
e depois voltando-se para os gentios. Assim, está implícito em Atos que existem
aspectos do ministério do Servo do Senhor que devem ser levados a cabo pelos
discípulos de Jesus. Seu "cumprimento" do papel do Servo em sua morte e ressurreição
não exaure o significado e aplicação das Canções Servas para a era messiânica. Atos 1:
8 é uma previsão do modo pelo qual o plano divino será cumprido por meio do
testemunho dos apóstolos. O resto do livro mostra como isso aconteceu, primeiro em
Jerusalém (capítulos 2–7 ), depois em toda a Judéia e Samaria (capítulos 8–11 ) e, de
maneira tradicional, “até os confins da terra” (capítulos 13–28).). Em outras palavras, a
seleção de eventos em Atos ilustra o começo do cumprimento da promessa fundamental
de Jesus.
Pedro é o primeiro a usar a linguagem real de cumprimento em Atos, afirmando que
'a escritura tinha que ser cumprida, que o Espírito Santo falou de antemão pela boca de
Davi a respeito de Judas, que guiava aqueles que prenderam a Jesus' ( 1:16). , ἔδει
πληρωθῆναι ). A passagem em vista é o Salmo 69:25 (LXX 68:26 ), que é introduzido
após uma descrição do destino de Judas com as palavras "pois está escrito"
( γέγραπται , 1:20 ). Salmo 109: 8 (LXX 108: 8) é então adicionado a isso, como uma
justificativa escriturística para a eleição de outro apóstolo para tomar o lugar de
Judas. Isso tem sido descrito como um tratamento midrasic das Escrituras: 'o que foi
dito de falsos companheiros e homens iníquos geralmente se aplica, um minore ad
majorem , especificamente para Judas, aquele que se provou unicamente falso e
mau'. No entanto, um grau de tipologia deve ser permitido aqui também, uma vez que
ambos os salmos são atribuídos especificamente a Davi e o Espírito Santo é dito ter
feito essas coisas conhecidas antes de sua última expressão na vida do Messias.
Como as coisas ditas de Davi ou o justo sofredor nos salmos eram interpretados pelos
cristãos com referência a Jesus, assim os inimigos de Davi ou o justo sofredor poderiam ser
vistos como prenúncios dos inimigos de Jesus.

Atos 2: 1 anuncia a chegada de um outro grande momento na realização do plano


salvífico de Deus com a expressãoἐν τῷ συμπληροῦσθαι τὴν ἡμέραν τῆς
πεντηκοστῆς(lit. 'quando o dia de Pentecostes estava sendo
cumprida'). συμπληροῦσθαιé usado para indicar o 'preenchimento' de um período de
tempo em Lucas 9:51 , mas aqui significa a vinda real do dia marcado. A importância
teológica deste Pentecostes em particular foi antecipada nos ensinamentos de Jesus
sobre a promessa do Pai e ser 'batizado com o Espírito Santo' ( Atos 1: 4-5).). No fluxo
da narrativa, o que acontece é claramente o cumprimento da predição de Jesus, bem
como o cumprimento da profecia do Antigo Testamento. A importância total do evento
é desenvolvida no sermão de Pedro, que começa com a afirmação de que "é isso que foi
dito pelo profeta Joel" ( Atos 2:16 ).
O que se segue em Atos 2 tem sido chamado de 'uma pesher interpretação das
Escrituras', porque Pedro está identificando uma parte do Antigo Testamento como
pertinente à Era Messiânica e explicando-a 'de acordo com a tradição e os princípios de
Cristo'. Mas a questão é mais complicada do que isso. Mais importante ainda, o sermão
continua ligando o cumprimento de Joel 2: 28–32 (LXX 3: 1–5 ) com a ressurreição e
ascensão de Cristo ( 2: 22–36 ), usando citações de Salmos 16: 8–11. e 110: 1 para
desenvolver o argumento. Jesus é aquele que derramou o Espírito Santo prometido
(v. 33) e ele é "o Senhor" sobre quem Israel deve pedir a salvação no julgamento
vindouro do "dia do Senhor" (v. 36 ; cf. Joel 2:32 ). Lucas vê a Escritura cumprida em
termos de certas profecias particulares e em termos da reintrodução e cumprimento dos
"padrões" do Antigo Testamento que apontam para a presença da salvação escatológica
de Deus em Jesus. As Escrituras do Antigo Testamento são usadas para proclamar o
verdadeiro significado de Jesus e o que ele realizou. O chamado de Pedro por
arrependimento e batismo em nome de Jesus traz consigo as promessas da Nova
Aliança: perdão dos pecados e recepção do dom do Espírito Santo ( 2:38 ;
cf. Js 31:34 ; Ez. 36: 25–7). Com esta proclamação, o cumprimento do plano de missão
de Jesus começa em Jerusalém (cf. Lc 24,47 ; Atos 1: 8 ).
O discurso de Pentecostes de Pedro é fundamental em Atos porque interpreta esse
grande evento à luz das Escrituras, do ensinamento de Jesus e de sua exaltação
celestial. Além disso, faz uma declaração teológica que explica "os atos subseqüentes
dos apóstolos nos esforços missionários da nova comunidade que crescerá na igreja
cristã familiar a Lucas e seus contemporâneos". Em discursos posteriores há pouca
menção do Espírito (embora 11: 15-18 ; 15: 8-9 ) e nada é basicamente acrescentado ao
que já foi ensinado em Atos 2 . No entanto, a teologia do Espírito desenvolvida nesse
capítulo domina todo o livro. Além disso, "extensões" do evento pentecostal são
registradas em 8: 14-17 ; 10: 44–6; 19: 1–6 , com o objetivo de atender às necessidades
especiais e marcar o progresso do evangelho até os confins da Terra. Dada a natureza
programática do sermão em Atos 2 , há uma declaração implícita de cumprimento toda
vez que Lucas descreve tais eventos. A profecia de Joel continua a ser cumprida ou
implementada à medida que a mensagem da salvação é proclamada e recebida em uma
variedade de contextos.
O sermão de Pedro no recinto do templo ( 3: 12–26 ) faz outra afirmação
significativa sobre o cumprimento das Escrituras. 'O que Deus predisse pela boca de
todos os profetas, para que o seu Cristo sofresse, ele assim cumpriu' (v. 18 , ἐπλήρωσεν
οὕτως ). A referência é à negação de Jesus como 'o Santo e Justo' pelos governantes e
povo de Jerusalém, quando o entregaram a Pilatos para ser morto e pediu que um
assassino fosse libertado em seu lugar (vv. 13– 15 , 17 ). O que está implícito na
afirmação do v. 18 é que o padrão da rejeição e sofrimento de Cristo deve ser
encontrado em muitas partes das Escrituras proféticas. ' Tudoos profetas podem ser
hiperbólicos (cf. 3:24 ; 10:43 ). Mas, seguindo o exemplo do próprio Jesus, trechos de
uma variedade de livros do Antigo Testamento foram tomados pelos primeiros cristãos
como tipológicos ou proféticos dos sofrimentos do Messias. Um exemplo disso é
encontrado na oração dos discípulos em Atos 4: 24–8 . O Salmo 2: 1–2 , no qual se diz
que o Espírito Santo falou “pela boca de nosso pai Davi”, é tomado como uma previsão
da rejeição do Messias por “Herodes e Pôncio Pilatos, com os gentios e com o povos de
Israel '. Foi tudo parte do 'plano' (v. 28 , βουλή ), que Deus predestinou a realizar e que
ele havia revelado de antemão nas Escrituras.
O sermão em Atos 3: 11–26 também introduz um fator que é importante em
discursos posteriores para o público judeu. Pedro apresenta uma visão geral teológica da
história de Israel, começando com a declaração do propósito salvador de Deus a Abraão
( 3:25 , citando Gn. 12: 3 ; 22:18 ; cf. Lc 1:55 ). O testemunho dos profetas de Moisés
em diante foi que o plano final de Deus para Israel e as nações seria cumprido no
levantamento de um indivíduo em particular, aqui identificado como um profeta como
Moisés ( 3: 22-4 , citando Dt. 18:15). –16). No discurso de Estevão, o quadro é
preenchido, especialmente em conexão com o papel de Moisés e o impacto que sua
história tem sobre a rejeição de Jesus e seus representantes na era messiânica ( 7: 1–
53 ). A história sagrada é usada para dar sentido aos eventos atuais.
Assim como a cristologia de Atos se torna inteligível através do uso do Antigo Testamento,
este princípio de interpretação é usado no momento em que o autor retoma o problema que
ele iniciou nos capítulos 1-5 : a rebeldia judaica em relação à palavra de Deus.

Em suma, a Escritura é usada de maneira polêmica, contra os oponentes judeus do


evangelho, bem como de maneira positiva, para expor o significado de Jesus e sua obra
salvadora.
O sermão de Paulo na sinagoga da Antioquia da Pisídia oferece outra pesquisa sobre
a história da salvação ( 13: 16-41 ). Mais atenção é dada a Davi e à promessa de Deus
de manter a realeza davídica, trazendo a Israel de sua posteridade "um Salvador, Jesus,
como prometido" (vs. 22-3 , 32-7 ; cf. Lc. 1: 32-3 ; At 2: 25-36 ). No argumento deste
sermão, três termos de cumprimento sinônimos são empregados. Aqueles que moravam
em Jerusalém e seus governantes não entendiam 'as declarações dos profetas que são
lidos todos os sábados' e 'cumpriam estes' condenando Jesus
(v. 27 , ἐπλήρωσεν). 'Quando eles cumpriram tudo o que foi escrito a respeito dele, eles
o tiraram da árvore e o colocaram em um túmulo' (v. 29 , ἐτέλεσαν ). Mas, por causa da
ressurreição de Jesus, Paulo pode trazer as boas novas aos judeus em todos os lugares
que 'o que Deus prometeu aos pais, isso ele nos cumpriu seus filhos, levantando a Jesus'
(v. 33 , ἐκπλήρωκεν). Aqui encontramos uma ênfase familiar no cumprimento da
profecia na rejeição de Jesus por seu povo e nos detalhes de seu sofrimento. No entanto,
um interesse mais amplo no modo como a teologia bíblica alcança seu clímax em Jesus
é revelado no padrão do sermão como um todo e na referência particular ao
cumprimento do "que Deus prometeu aos pais" na ressurreição do Messias.
Este exemplo crítico da pregação da diáspora de Paulo termina com uma citação
de Habacuque 1: 5 , alertando a audiência da sinagoga para não ser contada entre os
escarnecedores, que rejeitam as obras de Deus com incredulidade e assim perecem ( 13:
40-1 ). No sábado seguinte, quando alguns dos judeus contradizem Paulo e o insultam,
ele indica sua intenção de voltar-se para os gentios, usando Isaías 49: 6 como a
justificativa bíblica para esse movimento ( 13: 44–7 ; cf. 18: 6 ). . Em Atos 13 ,
portanto, vemos o cumprimento do tema da profecia usado para destacar duas questões-
chave na apresentação de Lucas: as antigas intenções de Deus a respeito da morte e
ressurreição do Messias e seu plano de trazersalvação aos gentios.
As citações da escritura e as afirmações de cumprimento estão amplamente
confinadas aos primeiros capítulos de Atos e aos encontros com o público judeu. No
entanto, a alegação de que as esperanças de Israel são cumpridas na ressurreição do
Messias se torna uma nota dominante nos discursos de julgamento de Paulo ( 23: 6 ; 24:
14-15 ; 26: 22-3 ). Aqui, a defesa de Paulo de seu chamado e atividade missionária
também faz parte da ampla desculpa de Lucas para a missão dos gentios. Além disso, o
próprio Paulo aparece como profeta em Atos 20: 22–5 , 28–30 ; 27:10 , 21–6, e vários
aspectos da narrativa são usados para mostrar o cumprimento dessas previsões. Mais
uma vez o efeito é mostrar como tudo ocorreu de acordo com o plano de Deus. A cena
final é de Paulo testificando aos judeus em Roma sobre o reino de Deus e 'tentando
convencê-los a respeito de Jesus tanto da lei de Moisés quanto dos profetas'
( 28:23 ). Isaías 6: 9-10 é citado como aplicável a muitos dos judeus encontrados por ele
na realização de seu ministério e como razão suficiente para levar a palavra de salvação
aos gentios ( 28: 24-8 ). Assim, o trabalho de Lucas termina onde começou, com uma
declaração do cumprimento das Escrituras nos eventos que ele registra (cf. Lc. 1: 32-
3 , 46-55 , 68-79).; 2: 29-32 ). Acima de tudo, "ele vê a extensão mundial do evangelho
como o cumprimento da auto-revelação de Deus progressivamente transmitida nos
primeiros dias por meio de um trabalho poderoso e de uma palavra profética, conforme
registrado nas escrituras hebraicas".

III O objetivo de Lucas em destacar o tema da realização


O interesse de Lucas no cumprimento da profecia é parte de uma preocupação mais
ampla em demonstrar o soberano cumprimento de Deus de seu plano para a salvação de
judeus e gentios, em face de um julgamento iminente, universal e final. Promessas
divinas e advertências são expressas em citações da Escritura ou por profetas vivos
como João Batista, o próprio Jesus, algumas das figuras nos capítulos iniciais do
Evangelho, juntamente com pregadores e profetas no livro de Atos. Quase sempre, as
revelações contemporâneas são um desenvolvimento ou expansão de promessas ou
temas das escrituras antigas. Os seres celestiais são outra fonte de revelação divina,
como em Lucas 1–2 ou Atos 27: 23–4.. Em particular, "os dois eventos cruciais da
história de Lucas, a saber, a paixão de Jesus e a missão aos gentios, são autorizados e
guiados por profecias dadas em formas escritas e orais".
JA Fitzmyer observa com razão:
Lucas tem uma consciência clara de que uma nova era da história humana começou no
nascimento, ministério, morte e ressurreição de Jesus. Ele não o expressa da mesma forma
que Mateus (por exemplo, com citações de fórmulas), mas vez após vez ele chama a atenção
para a realização. Essas alusões implicam pelo menos tanta preocupação com o início de
uma nova era quanto as citações de Matthean.

Em primeiro lugar, o Antigo Testamento é usado em Lucas-Atos para expor uma


cristologia apropriada. O lugar de Jesus nos planos de Deus para Israel e as nações, em
cumprimento de suas promessas da aliança a Abraão, também vem à frente. As
Escrituras são usadas para explicar o que Deus está fazendo no mundo, como Lucas
registra o progresso triunfante do evangelho em face de muita oposição e rejeição. A
escatologia, a soteriologia e a eclesiologia são todas desenvolvidas à luz da revelação do
Antigo Testamento. As Escrituras fornecem uma perspectiva teológica para entender as
atividades e eventos que Lucas registra. Tudo isso teria sido vital para os leitores
cristãos, por mais bem instruídos que fossem, para capacitá-los a interpretar e proclamar
os grandes eventos do evangelho e a extrair apropriadamente as implicações. A
renovação da própria profecia,
Em vários pontos ao longo deste ensaio, expressei concordância com a tese de DL
Bock de que quando Lucas usou o Antigo Testamento para expor a cristologia, ele não
estava primariamente empenhado em uma apologética defensiva, mas proclamando o
verdadeiro significado de Jesus e de sua obra. No entanto, o próprio Bock sugere que
Lucas estava escrevendo
para qualquer um na igreja que esteja sofrendo dúvida e que, como um crente em luta, vê na
perseguição da igreja o possível julgamento de Deus ou por atribuir a Jesus uma posição
que não é legitimamente sua ou por estender a oferta de salvação diretamente àqueles que
antigamente eram consideradas fora da promessa de Deus.

Além de seus interesses cristológicos, Lucas usa o Antigo Testamento para justificar a
missão aos gentios e para explicar e desafiar a oposição experimentada por Jesus e seus
seguidores. Portanto, uma dimensão apologética de Lucas-Atos não pode ser descartada,
mesmo que Lucas esteja escrevendo especificamente para os cristãos. Sua abordagem
teria tido força considerável para aqueles envolvidos em debates com judeus ou aqueles
como Paul, que tiveram que defender o cristianismo perante as autoridades gentílicas à
luz das acusações judaicas.
Mas como a ênfase de Lucas na soberania de Deus e no cumprimento da profecia
impressionou os que estão fora especificamente dos círculos cristãos? O que eles
considerariam que Lucas estava tentando alcançar? Tanto os pagãos como os judeus
helenistas pensavam que a história se desdobrava de acordo com uma necessidade ou
compulsão divina. CH Talbert cita Políbio I.4.1-2 e Josefo, Antiguidades10.8.2–33 , 42,
como dois exemplos óbvios. JT Squires explora mais extensivamente os paralelos entre
o trabalho de Lucas e as histórias helenísticas. Ambos os estudiosos argumentam que a
abordagem de Lucas teria tido um apelo considerável para aqueles familiarizados com
essa abordagem da historiografia. O conceito de oráculos satisfatórios da história,
escritos ou orais, era uma característica particular desse gênero. Talbert chama a atenção
para Alexander, o Falso Profeta , de Lucian , que mostra como uma nova religião
poderia emergir como resultado de uma profecia oral e de duas profecias escritas. E Ass
Dourado De Apuleioregistra como um Lucius foi iniciado no culto Isis depois de
receber um oráculo da deusa que ele seguiu exatamente e experimentou
'salvação'. Nesses exemplos pagãos, o cumprimento dos oráculos legitimava a
autoridade religiosa da pessoa a quem a profecia se referia ou do deus que a
dava. Squires mostra como as histórias de Diodoro e Dionísio são marcadas por
numerosos reconhecimentos da orientação divina dos assuntos humanos por meio de
pronunciamentos oraculares inspirados. Josefo demonstra como 'uma perspectiva
basicamente judaica da profecia pode ser apresentada de uma maneira totalmente
helenística, sem dano a nenhum ponto de vista'.
Na era helenística, também era comum que um povo tentasse traçar suas próprias
origens até a antiguidade mais remota (por exemplo, Josefo, Contra
Apion 2.152 ; Diodorus, 1.44.4 ; 1.96.2). Portanto, é provável que Lucas tenha
enfatizado as raízes do Antigo Testamento no cristianismo e o cumprimento das
Escrituras nos eventos que ele registra por razões mais do que religiosas. Sua
abordagem teria dado aos cristãos de língua grega a chance de apelar para um
argumento da antiguidade, permitindo que eles se sentissem "nem um pouco inferiores
aos pagãos com suas reivindicações culturais e religiosas alegadamente enraizadas na
antiguidade". Em um nível, portanto, o tema do cumprimento da profecia é "um
dispositivo de legitimação" na narrativa de Lucas, assim como na antiguidade
mediterrânea em geral. Em um contexto social em que tais assuntos eram considerados
importantes, oferecia aos cristãos uma base confiante para abordar seus
contemporâneos.
Squires conclui que o trabalho de Lucas é uma espécie de "tradução" cultural, uma
tentativa de explicar e defender o cristianismo para os cristãos helenizados. Várias
técnicas familiares aos leitores educados das histórias contemporâneas estão
incorporadas na história de Lucas-Atos para mostrar como o evangelho se relacionava
com seu mundo de pensamento. O apelo de Lucas é para "pessoas de dentro", usando as
categorias fornecidas por "pessoas de fora". Embora a audiência primária para a qual
Lucas escreve seja a comunidade cristã, seu método apologético ofereceu aos cristãos
uma "ferramenta missionária", para ajudá-los no evangelismo. Até mesmo a
proeminência das Escrituras Hebraicas e as práticas insistentemente judaicas de Jesus e
os primeiros cristãos em Lucas-Atos reforçam a noção (essencial no contexto
helenístico) de que o cristianismo não era mera novidade, mas foi capaz de reivindicar
uma longa antiguidade. em Israel'.
Estas breves observações sobre o propósito de Lucas devem ser lidas à luz do debate
complexo que continua sobre esta questão. Nenhuma tentativa foi feita para pesquisar e
criticar a gama de opiniões acadêmicas que existe sobre este tópico. No entanto, minha
pesquisa sobre o uso que Lucas faz do motivo de satisfação confirma-me na opinião de
que seus dois volumes foram escritos primariamente como um trabalho de edificação
para uma audiência cristã, em vez de um pedido direto de desculpas para os
incrédulos. No entanto, Talbert e Squires expuseram com grande utilidade o potencial
apologético da abordagem de Lucas aos cristãos no mundo helenístico do primeiro
século. Enquanto debatiam com seus contemporâneos, os leitores de Lucas teriam sido
encorajados a afirmar que Deus estava verdadeiramente trabalhando em seu movimento,
cumprindo seus propósitos salvadores finais para as nações.

CAPÍTULO 5
OS ATOS DE PAULO COMO UM SEQUEL PARA
AGIR
Richard Bauckham

Resumo
Argumenta-se que os Atos de Paulo eram uma narrativa no período final da vida de Paulo,
após o final de Atos. O autor usou 2 Timóteo, 1 e 2 Coríntios e 1 Clemente, como fontes de
informação que ele desenvolveu com a imaginação histórica à maneira da exegese judaica
antiga e de alguma biografia antiga. O gênero dos Atos de Paulo não é o romance, mas se
assemelha à biografia romanesca. Com os outros Atos apócrifos, constitui um novo gênero ou
subgênero, os atos de um apóstolo, que, embora influenciados pelos Atos de Lucas, são mais
biográficos e mais fictícios do que Atos.

Quando as discussões sobre o gênero dos Atos dos Apóstolos não fazem referência aos
Atos apócrifos, é porque eles estão em dívida com uma forte tradição de erudição que
distinguiu nitidamente o gênero dos Atos apócrifos daqueles dos Atos canônicos. No
entanto, uma recente proposta quanto ao gênero de Atos ataca esse consenso, enfatiza a
semelhança entre o trabalho de Lucas e os Atos apócrifos, e propõe que eles pertencem
ao mesmo gênero. Além disso, o interesse vivo e produtivo nos Atos apócrifos nos
últimos anos, especialmente na erudição suíça e americana, faz com que seja oportuno
abordar novamente a questão do gênero dos Atos apócrifos.
Os cinco Atos Apócrifos mais antigos (os Atos de André , os Atos de João , os Atos
de Paulo , os Atos de Pedro e os Atos de Tomé ) têm muito em comum, mas trabalhos
recentes também enfatizaram as diferenças significativas e a individualidade de
cada. Uma vez que muitas discussões sobre a relação entre os Atos apócrifos e os Atos
canônicos foram baseadas em generalizações perigosas sobre os Atos apócrifos como
um corpus de literatura, parece provável que o progresso agora é mais provável de ser
feito tomando o espaço para investigar as características específicas de um desses
trabalhos. Para este propósito, os Atos de Paulo foi escolhido como aquele que exibe as
mais semelhanças com os Atos canônicos.
Os Atos de Paulo é uma narrativa sobre Paulo. Para determinar que tipo de narrativa
sobre Paulo é - como seu autor a concebeu e esperava que fosse lida - é essencial
determinar sua relação com outras literaturas por ou sobre Paulo, em particular os Atos
dos Apóstolos e o corpus paulino. de cartas. Isso não é feito facilmente. Dois dos
aspectos mais intrigantes dos Atos de Paulosão as suas relações com os Atos dos
Apóstolos e com as Epístolas Pastorais, ou melhor, para colocar o ponto mais
precisamente, a sua aparentemente completa falta de relação com o relato de Paulo nos
Atos dos Apóstolos e a sua relação evidentemente próxima com a informação sobre
Paulo nas pastorais, especialmente 2 Timóteo. Estes dois enigmas receberam uma
variedade de soluções propostas, mas geralmente foram tratados separadamente. A
seguir, vou argumentar que há essencialmente uma solução única para ambos os quebra-
cabeças. Eu apresentarei uma tese sobre os Atos de Paulo, que explicará tanto a falta de
relação com os Atos dos Apóstolos quanto a relação próxima com 2 Timóteo. A solução
também envolverá outros dois - muito menos discutidos - relacionamentos literários: a 1
Clement e à correspondência coríntia de Paulo. Essa discussão também iluminará a
maneira pela qual os Atos de Paulo usam suas fontes para construir uma narrativa sobre
Paulo, e gerará alguns novos insights com os quais, finalmente, olharemos novamente
para a questão do gênero.

I. Os Atos de Paulo e os Atos dos Apóstolos


Em um sentido geral, os Atos de Paulo se assemelham à parte dos Atos Lucana que
relata as viagens missionárias de Paulo. Ele toma a forma de uma narrativa de viagem,
dentro da qual as atividades de Paulo em cada lugar que ele visita são contadas de uma
maneira essencialmente episódica. As viagens de Paulo cobrem a mesma área
geográfica dos Atos de Lucana e, como nos Atos de Lucana, terminam em Roma. O
conteúdo dos episódios é em muitos aspectos semelhante aos dos Atos Lucana: Paulo
prega aos incrédulos, ensina crentes, realiza milagres, encontra oposição de judeus e
pagãos, é preso, aprisionado e chega perto da morte. Existem diferenças de ênfase -
nos Atos de PauloPelo menos nas partes existentes do texto, os judeus são muito menos
proeminentes do que nos Atos dos Apóstolos, há mais ênfase no ensino de Paulo aos
cristãos e menos na sua evangelização dos incrédulos, o milagroso é mais proeminente.
episódios em particular tendem a ser narrados em maior extensão - e alguns tipos de
conteúdo que não podem ser comparados nos Atos Lucana, como a inclusão de
correspondência (uma carta da igreja de Corinto para a resposta de Paulo e Paulo: os
chamados "3 Coríntios"). ') e o relato do martírio de Paulo, que conclui os Atos de
Paulo. Mas as semelhanças gerais são suficientemente fortes e óbvias para que a falta
de paralelos específicos seja notável e necessite de explicação.
Em primeiro lugar, o itinerário que Paulo segue nos Atos de Paulo não pode ser
correlacionado com o dos Atos dos Apóstolos. O estado incompleto de nossos textos
dos Atos de Paulotorna impossível conhecer o itinerário completo, mas há duas
seqüências de lugares dos quais podemos estar virtualmente certos. Estas são: (1)
Antioch-Iconium-Antioch-Myra-Sidon-Tyre Pisidian; e (2) Esmirna-Éfeso-Filipos-
Corinto-Roma. O que precedeu a primeira dessas sequências é desconhecido, embora
pareça que não pode ter sido muito extenso. Alguns fragmentos muito pequenos,
referindo-se a eventos em Damasco e Jerusalém, geralmente são pensados para vir do
início perdido do trabalho, no pressuposto de que o fragmento sobre Damasco se refere
à conversão de Paulo, após o que ele visitou Jerusalém. No entanto, a referência à
conversão de Paulo é bastante duvidosa (como veremos mais adiante), e esses
fragmentos podem muito bem pertencer à porção que falta do texto entre as duas
seqüências.Atos de Titonarra uma visita de Paulo e Tito a Creta (capítulo 5 ). Uma vez
que tudo o mais sobre Paulo nos Atos de Tito certamente deriva dos Atos canônicos ou
dos Atos de Paulo , é provável que a narrativa sobre Creta derive do segundo. Assim,
pode ser que, no texto original dos Atos de Paulo , Paulo viajou de Tiro (no final da
primeira seqüência existente) para Damasco e Jerusalém, e então partiu (provavelmente
de Cesaréia) para Creta e, por um caminho só podemos conjecturar, chegou a Smyrna.
A maioria dos lugares neste itinerário também são visitados por Paulo nos Atos
canônicos, mas o próprio itinerário em cada caso é bem diferente. Nenhuma sequência
de mais de dois lugares corresponde. Além disso, a segunda diferença marcante é que
nem um único incidente específico ocorre em ambos os trabalhos. Existem algumas
semelhanças, mas sem identidade. Em Antioquia da Pisídia, de acordo com os Atos de
Paulo , Paulo encontra tal oposição que ele é expulso da cidade e de sua região (cf. 5-6),
como em Atos 13:50 , mas os eventos que levam a isso são bem diferentes. em cada
caso. Em Éfeso, de acordo com os Atos de Paulo , Paulo novamente encontra severa
oposição do povo da cidade (PG; PH 1), como ele faz em Atos 19: 23–31.e a menção
específica dos ourives (PH 1) pode ser comparada com o papel de Demetrius, o ourives
e seus colegas artesãos, em Atos 19: 24-27 . Mas aí a semelhança termina. Enquanto
nos Atos Lucana, Paulo nem mesmo é preso, nos Atos de Paulo, o governador o coloca
na prisão e o lança aos animais selvagens no anfiteatro (PH 1–5). Em Filipos, de acordo
com os Atos de Paulo , Paulo está preso, como ele está em Atos 16: 16-40 , mas as
razões de seu aprisionamento (3 Coríntios 2: 2) e os eventos que levaram à sua
libertação (Phid 41 –42, 44) são totalmente diferentes. Durante a parte final da jornada
de Paulo, de acordo com os Atos de PauloPaulo sabe que ele está viajando para a morte,
e os profetas cristãos, inspirados pelo Espírito, profetizam o que vai acontecer com ele
(PH 6-7). Existe aqui uma semelhança geral com os Atos de Lucas (cf. Atos 20: 22-
24 ; 21: 10-14, embora em Atos a morte de Paulo não seja prevista), mas as pessoas e
circunstâncias específicas diferem. Finalmente, talvez a semelhança mais
impressionante seja que ambos os trabalhos contam a história de um jovem que está
sentado em uma janela enquanto Paulo está falando com um cristão, cai da janela, é
levado para morrer, mas retorna à vida. No entanto, em Atos 20: 9-12, isso acontece em
Troas a um homem chamado Êutico, enquanto nos Atos de Paulo acontece em Roma a
Pátroclo, copeiro de Nero (MP 1).
Em terceiro lugar, quase não há correlação entre as pessoas que aparecem nos Atos
de Paulo e aqueles que aparecem nos Atos dos Apóstolos. As únicas pessoas que
aparecem tanto no relato de Lucas das viagens missionárias de Paulo quanto no relato
nos Atos de Paulo são Áquila e Priscila. É interessante, como possível evidência menor
que o autor deste último conhecia os Atos de Lucas, que ele usa a forma do nome de
Priscila que é usada em Atos, ao invés da forma (Prisca) que é usada através das letras
paulinas (incluindo 2). Timóteo). Mas a informação que a igreja em Éfeso encontrou em
sua casa (PG) deve derivar de 1 Coríntios 16:19.ao invés de Atos, e assim a
coincidência com Atos não é impressionante. Simão Mago, que encontra Pedro em
Samaria em Atos 8: 9-24 , também aparece, junto com Cleobius, como um fornecedor
de ensinamentos gnósticos na igreja de Corinto nos Atos de Paulo (3 Coríntios 1: 2),
mas Simão foi uma figura bem conhecida, independentemente de Atos, na igreja do
segundo século. Lembrando sua visita a Damasco no tempo de sua conversão, Paulo,
nos Atos de Paulo (PG), refere-se a Judas, o irmão do Senhor. Provavelmente este é o
Judas de Atos 9:11 , que foi secundariamente identificado com o irmão do Senhor
daquele nome. Finalmente, 'Barsabas Justus dos pés chatos' aparece, como um cristão
que era um dos principais homens de Nero, nos Atos de Paulo. conta dos
acontecimentos em Roma que levaram ao martírio de Paulo (MP 2). Se ele pretende ser
idêntico ao José ou Justus Barsabbas, que aparece em Atos 1:23 como um dos
discípulos nomeados para substituir Judas Iscariotes entre os doze parece bastante
duvidoso, e há algo a ser dito para a sugestão de que os Atos Aqui, Paulo depende mais
da tradição sobre Justus Barsabbas que Papias registrou ( ap. Eusébio, Hist.
Eccles. 3.39.9 ). Dado o grande número de pessoas nomeadas que aparecem nos Atos de
Paulo e no relato de Lucas das viagens missionárias de Paulo, a quase completa
ausência de pessoas comuns a ambos é bastante notável.
Assim, os Atos de Paulo parecem contar uma história bastante diferente daquela
contada nos Atos canônicos, embora com algumas semelhanças com as últimas. Se o
autor conhecesse os Atos canônicos, então pareceria que ele escolheu ignorar o relato de
Lucas sobre Paulo e escrever uma versão alternativa da carreira missionária de
Paulo. Talvez ele conhecesse as tradições locais sobre Paulo que ele desejava preservar
e que ele preferia ao relato de Lucas. No entanto, neste caso, não se esperaria
um totalfalta de correspondência com os Atos Lucana. Seria de se esperar que, de
tempos em tempos, algumas informações dos Lucana Atos pudessem informar sua
conta. Alternativamente, talvez o autor conhecesse e respeitasse Atos, mas estava
deliberadamente escrevendo uma espécie de romance histórico sobre Paulo. Com a
liberdade de um escritor de ficção, ele não sentia nenhuma responsabilidade para com a
evidência histórica, e até, podemos supor, deliberadamente evitou misturar a história (a
narrativa de Lucas) com sua própria ficção. Isso pode ser plausível, não fosse o fato de
que, ignorando Atos, ele não ignora as cartas paulinas. Como veremos, enquanto
praticamente nada que ele escreve corresponde a Atos, muito do que ele escreve
corresponde às informações nas cartas coríntias e pastorais. Essa diferença não é
explicada pela hipótese de que ele estava escrevendo ficção.
É possível, então, que o autor dos Atos de Paulo não conhecesse Atos? Há um
pequeno número de casos de frases verbalmente idênticas ou muito semelhantes nas
duas obras, que provavelmente são mais facilmente explicáveis como reminiscências de
Atos pelo autor dos Atos de Paulo. Mas eles não são suficientes para provar a
dependência, e por isso é possível que Rordorf argumente que Atos não era conhecido
do autor dos Atos de Paulo. Datando os Atos de Paulo em meados do segundo século e
os Atos dos Apóstolos na primeira metade do segundo século, ele pode considerar isto
como crível. Semelhanças como as duas histórias de Êutico em Atos e Pátroclo nos Atos
de Pauloele atribui à tradição antiga comum, que já assumiu formas divergentes antes
de ser usada pelos dois autores. Rordorf considera as estreitas semelhanças entre os Atos
de Paulo e as Pastorais, como também devido não à dependência literária, mas ao uso
independente da tradição comum. Mas se, como vou argumentar na próxima seção,
os Atos de Paulo dependerem das Pastorais, então pode ser que o autor dos Atos de
PauloConhecendo as cartas paulinas (incluindo as Pastorais), mas não conhecendo
nenhum relato narrativo escrito das viagens missionárias de Paulo, construiu um relato
das viagens de Paulo unicamente com base nas informações que ele encontrou nas
cartas paulinas, junto com algumas tradições locais. A maioria dos lugares que podem
ser conhecidos das cartas paulinas a serem visitadas por Paulo ocorrem no itinerário
dos Atos de Paulo , e não seria difícil postular uma visita a Tessalônica - a omissão mais
óbvia - na porção que faltava texto.
Esta é uma explicação possível da aparente falta de relacionamento entre os Atos de
Paulo e os Atos dos Apóstolos. Depende de datar o primeiro com antecedência
suficiente e o último o bastante para que a ignorância dos Atos dos Apóstolos pelo autor
dos Atos de Paulo seja plausível. No entanto, desejo propor uma explicação alternativa,
que seja mais coerente com outras evidências ainda a serem apresentadas. Isso é que
os Atos de Paulo foram planejados como uma continuação dos Atos Lucana,
continuando a história da vida de Paulo até seu martírio. Em outras palavras, a jornada
missionária que descreve é para ser datada após o final da narrativa de Lucas. Na
próxima seção, argumentarei que a relação entre os Atos de Pauloe as Pastorais são
melhor explicadas por essa hipótese. Mas há duas considerações que podem ser
apresentadas em seu suporte imediatamente.
Em primeiro lugar, na medida em que os textos existentes dos Atos de Paulo nos
permitem dizer, Paulo não está representado como um missionário pioneiro,
estabelecendo igrejas pela primeira vez nos lugares que visita. Igrejas já existem em
Icônio (embora não seja impossível que isso tenha sido fundado por Tito, que parece ter
estado em Icônio antes da chegada de Paulo: A 2–3 ), Perga e outras partes da Pisídia e
Panfília (Fate 35). Além disso, as visitas de Paulo a Éfeso e Corinto, conforme relatadas
nos Atos de Paulo , certamente não são as primeiras a esses lugares. Ele já conhece os
cristãos que encontra na casa de Áquila e Priscila em sua chegada em Éfeso (PG). A
correspondência apócrifa entre Paulo e os coríntios, incluída noOs atos de Paulo antes
da visita de Paulo a Corinto, que ele relata, referem-se ao estabelecimento da igreja de
Paulo em Corinto em uma visita anterior (3Co 1: 4-6; 3: 4). É claro, é possível postular
visitas anteriores a esses lugares nas porções perdidas dos Atos de Paulo , mas é mais
fácil supor que os Atos de Paulo pressupõem a narrativa de Lucas sobre o trabalho
missionário pioneiro de Paulo e pretendem descrever uma jornada devotada
primariamente. para revisitar as igrejas que Paulo fundou anteriormente.
Uma segunda indicação de que a narrativa dos Atos de Paulo pretende seguir a dos
Atos Lucana pode ser encontrada no relacionamento de Atos de Paulo com 1
Clemente. Durante a visita de Paulo a Corinto nos Atos de Paulo Cleobius profetiza seu
martírio vindouro em Roma: 'agora Paulo deve cumprir toda a sua designação, e subir
até o <...> da morte <...> em grande instrução e conhecimento e semeadura da palavra e
deve sofrer inveja ( ζηλωθέντα ) e sair do mundo '(PH 6). A atribuição da morte de
Paulo à inveja - explicada como a inveja do diabo - é recorrente na narrativa que leva ao
martírio de Paulo (MP 1). Este tema deve resultar da dependência de 1 Clemente 5: 5,
no contexto de toda uma seção dedicada a exemplos de sofrimento e morte causados
pela inveja ( ζῆλος ), os sofrimentos de Paulo, culminando em seu martírio, são
atribuídos à inveja ( διὰ ζῆλον καὶ ἔριν ). No entanto, se o autor dos Atos de Paulo usou
essa passagem sobre Paulo em 1 Clemente como fonte, ele também terá notado que o
catálogo de Clemente dos sofrimentos de Paulo inclui a informação de que "ele estava
sete vezes preso " ( ἑπτάκις δεσμὰ φορέσας ). . Acontece que há apenas três ocasiões
nos Atos dos Apóstolos, nos quais se diz que Paulo foi amarrado em cadeias: em Filipos
( 16: 23-26 : δεσμά ), Jerusalém e Cesaréia ( 21:33 :δεθῆναι ἁλύσεσι ) e Roma
( 28:20 : ἅλυσιν ). Mas os Atos de Paulo registram outras quatro ocasiões: em Icônio (A
17-18: δεσμά ), Éfeso (PH 3: δεσμά ), Filipos (3 Coríntios 3:35: δεσμά ; cf. 2: 2; 3: 1 ) e
Roma (MP 3: δεδέμενος ). Além disso, parece claro que, ao fazê-lo, ele tinha em mente
o resumo de Clemente dos sofrimentos de Paulo, pois certamente em três dessas quatro
ocasiões - e provavelmente também no quarto - é a inveja ( ζῆλος ) que leva à
escravidão e sofrimentos de Paulo. A inveja de Demas e Hermogenes
( AThe 4 : ἐζήλωσαν ) e a inveja de Thamyris (AThe 15: πλησθεὶς ζήλον ) levam à
prisão de Paulo em Icônio (A 17–18). Inveja resultante da conversão de muitos de Paulo
à fé cristã leva à sua prisão e prisão em Éfeso (PG), onde o ciúme ( ζηλοῖν )
de Diofhantes , porque sua esposa está gastando todo o seu tempo com Paulo, ajuda a
garantir que Paulo seja jogado os animais no estádio (PH 2). Em Roma, é a inveja do
diabo do amor dos irmãos que causa a morte de Pátroclo (MP 1) e, portanto, o cativeiro
e o martírio de Paulo. O relato do que levou à prisão de Paulo em Filipos está perdido,
mas desde que foi "por causa de Stratonice, a esposa de Apolópanes" (3 Coríntios 2: 2),
é razoável supor que os ζῆλος de Apolópio estavam envolvidos.
Portanto, parece muito provável que o autor dos Atos de Paulo , lendo 1 Clemente e
Atos, concluísse que deve ter havido mais quatro ocasiões após o fim de Atos, quando
Paulo foi colocado em grilhões, e começou a registrá-los. Isso já pode sugerir que ele
quis dizer, não apenas para completar a história de Paulo, que os Atos deixaram
incompleto, mas também para utilizar, ao fazê-lo, qualquer informação que ele pudesse
encontrar sobre a vida de Paulo depois de Atos 28 . Como veremos, ele também
encontrou essa informação em algumas das cartas paulinas.
Uma razão pela qual a maioria dos estudiosos não considerou a possibilidade de que
toda a narrativa dos Atos de Paulo pretendesse seguir a narrativa de Lucas em Atos é,
sem dúvida, a crença de que os Atos de Paulo começaram com um relato da conversão
de Paulo em Damasco. Isto certamente não é provado pelo discurso de Paulo em Éfeso,
no qual ele se lembra de sua conversão em Damasco e eventos imediatamente
subseqüentes (PG). Este discurso não contém nenhuma indicação de que os eventos em
questão já tenham sido narrados em um ponto anterior nos Atos de Paulo. É totalmente
auto-explicativo como está. No entanto, há também o fragmento copópico Rylands, que
parece vir dos Atos de Paulo., embora isso não possa ser considerado inteiramente certo,
e certamente registra uma visita de Paulo a Damasco. Paulo foi informado por oradores
que não podem ser identificados no estado fragmentário do texto para ir a Damasco e
depois a Jerusalém. Ouvindo isso, Paulo "foi com grande alegria a Damasco", onde
encontrou (presumivelmente ou a comunidade cristã ou judaica) observando um
jejum. Uma referência a "seus pais" pode indicar que Paulo era então representado
como pregador para judeus ou cristãos judeus. Mas apesar da confiança de Schmidt de
que o contexto desse fragmento era uma narrativa da conversão de Paulo paralela a Atos
9 , de fato não contém nada que corresponda de maneira alguma à maneira pela qual a
conversão de Paulo e eventos relacionados são registrados em Atos, Gálatas ou Atos. de
Paulem si (na lembrança de Paulo em Éfeso: PG). Não parece haver razão para que o
fragmento não se refira a visitas posteriores de Paulo a Damasco e a Jerusalém. Pode ser
facilmente colocado na parte que falta do itinerário entre Tiro e Esmirna, como na seção
de abertura perdida dos Atos de Paulo.

II. Os Atos de Paulo e as Epístolas Pastorais


Que existe uma relação próxima entre os Atos de Paulo e as Pastorais tem sido
freqüentemente observado e tem sido explicado de várias maneiras. As comparações
dos Atos de Paulo com as Pastorais geralmente têm sido tratadas com as Pastorais como
um todo, mas para nosso argumento será importante notar que a maioria dos pontos de
contato são especificamente com 2 Timóteo.
Com relação ao itinerário de Paulo, é claro que as Pastorais não fornecem um
itinerário, mas elas se referem a vários lugares de modo a afirmar ou sugerir que Paulo
esteve lá. Os lugares mencionados em 2 Timóteo são Roma ( 1:17 ), Éfeso ( 1:18 ),
(Pisidian) Antioquia, Icônio, Listra ( 3:11 ), Trôade ( 4:13 ), Corinto e Mileto ( 4:20). ),
1 Timóteo acrescenta a Macedônia ( 1: 3 ) e Tito acrescenta Creta ( 1: 5 ) e Nicópolis
( 3:12 ). Esta lista de onze lugares inclui seis dos treze lugares que estavam certamente
no itinerário de Paulo nos Atos de Paulo(Antioquia, Icônio, Éfeso, Macedônia [Filipe],
Corinto, Roma) enquanto um sétimo (Creta) era muito provavelmente, como vimos,
visitado por Paulo (junto com Tito, como em Tito 1: 5 ) nos desaparecidos parte do
itinerário dos Atos de Paulo entre Tiro e Esmirna. Não seria difícil postular visitas aos
quatro lugares restantes em partes perdidas do texto dos Atos de Paulo : Listra na seção
de abertura imediatamente antes de Antioquia, Mileto e Nicópolis na brecha entre Tiro e
Esmirna, Troas a caminho de Éfeso para Filipos. Mas se todos ou apenas a maioria dos
lugares aos quais as Pastorais referem-se ocorreu no itinerário de Paulo nos Atos de
Paulo , faria sentido pensar que o autor dos Atos de Paulo, como muitos leitores das
Pastorais ao longo dos séculos, descobriram que as referências a lugares e eventos nelas
(especialmente em 2 Timóteo e Tito) não correspondiam ao relato de Lucas das viagens
missionárias de Paulo e concluíram que elas deveriam se referir a um período após a fim
de Atos, que ele mesmo propôs descrever de tal maneira a explicar essas referências nas
Pastorais.
A evidência de pessoas comuns aos Atos de Paulo e das Pastorais (ou melhor, neste
caso, somente 2 Timóteo) aponta na mesma direção, e contrasta com a falta de tal
evidência no caso dos Atos de Pauloe do Atos dos Apóstolos Há sete pessoas que não
só aparecem pelo nome em ambos os Atos de Paulo e 2 Timóteo, mas têm
características comuns em ambas as obras: Áquila e Priscila, Demas e Hermógenes,
Onesíforo, Lucas e Tito. Destes, Áquila e Priscila, encontrados em Éfeso em ambas as
obras (PG; 2 Timóteo 4:19 ), são os menos significativos, uma vez que, como já
notamos, as informações nos Atos de Pauloque a igreja em Éfeso se reuniu em sua casa
provavelmente deriva de 1 Coríntios 16: 9 . Demas e Hermógenes aparecem nos Atos de
Paulo como discípulos de Paulo que, em Icônio, rejeitam e se opõem a ele
( At 1 , 4 , 11-16 ). Demas, enquanto ele aparece também em Colossenses 4:
4 e Filemon 24 , aparece como um companheiro infiel de Paulo no Novo Testamento
somente em 2 Timóteo 4:10 , enquanto Hermógenes é mencionado, unicamente no
Novo Testamento, em 2 Timóteo 1 : 15 , como um daqueles na Ásia que se afastou de
Paul. Onesíforo, cuja esposa e dois filhos são nomeados ( AThe 3), repetidamente
mencionado (AT 23, 26) e duas vezes descrito como seu 'lar' ( οἶκος : AT 4 , 23)
nos Atos de Paulo , aparece no Novo Testamento somente em 2 Timóteo ( 1: 16-18 ; 4:
19), onde também é feita referência repetida ao seu 'lar' ( ôἶκος : 1:16 ; 4:19 ). Nos Atos
de PauloPaulo, em sua chegada a Roma, encontra Lucas e Tito à sua espera. Lucas é
dito ter vindo da Gália e Tito da Dalmácia (MP 1); eles permanecem em Roma até
depois do martírio de Paulo (MP 7). Tito, que nunca é mencionado em Atos, aparece em
Gálatas e 2 Coríntios, assim como em Tito, mas somente em 2 Timóteo ele é associado
com a Dalmácia ( 4:10 ) em um contexto no qual a referência é então imediatamente
feita também a Lucas, como presente com Paulo em Roma ( 4:11 ; para Lucas em
Roma, cf. também Col. 4:15 ; Fl. 24 ).
Mais uma vez, esta evidência parece ser explicável no pressuposto de que o autor
dos Atos de Paulo pretendia contar a história de Paulo após o fim dos Atos de
Lucas. Ele, portanto, absteve-se de desenhar personagens em sua história a partir de
Atos, mas atraiu um número deles de 2 Timóteo, já que ele acreditava que os eventos
aos quais 2 Timóteo alude devem ter ocorrido após o final de Atos. Neste ponto,
podemos também mencionar as evidências que ele tirou em 1 e 2 Coríntios. Já que não é
fácil encaixar os eventos e viagens aos quais Paulo alude nessas cartas na narrativa de
Atos, especialmente se alguém assume que Lucas não teria omitido eventos e
movimentos significativos de sua narrativa, o autor dos Atos de Paulo.Sugiro que as
duas cartas coríntias devem ter sido escritas durante as viagens de Paulo após sua
libertação do primeiro cativeiro romano, ou seja, durante o mesmo período ao qual 2
Timóteo e Tito se referem. Pessoas e eventos de 1 e 2 Coríntios, portanto, ocorrem na
narrativa dos Atos de Paulo. Estéfanas ( 1 Coríntios 1:16 ; 16:15 , 17 ), que parece ser
proeminente na liderança da igreja de Corinto na época da escrita de 1 Coríntios,
aparece nos Atos de Paulo como presbitério ou bispo presidente da igreja em Corinto (3
Coríntios 1: 1). Porque 1 Coríntios se refere a 'Áquila e Prisca, juntamente com a igreja
em sua casa' ( 16:19 ), noAtos de Paulo a igreja de Corinto encontra-se na casa de
Áquila e Priscila (PG). O fato de que, de acordo com os Atos de Paulo , Tito
obviamente havia precedido Paulo em Icônio ( AThe 2 ), pode ser devido ao papel que
Tito parece desempenhar em 2 Coríntios, sendo enviado por Paulo à sua frente para
lugares que o próprio Paulo pretende para visitar mais tarde ( 2 Co 8: 16-18 , 23-
24 ; 12:18 ; cf. 2:13 ). Finalmente, no que diz respeito às pessoas, a informação nos Atos
de Paulo de que um cristão coríntio havia sido batizado por Pedro (PH 7) é, sem dúvida,
baseada em 1 Coríntios 1: 12-17 .
Nos Atos de Paulo, Paulo visita a igreja em Éfeso na época de Pentecostes (PG; PH
1), é condenado à morte pelo governador, jogado aos animais selvagens no anfiteatro,
mas, escapando desta séria ameaça à sua vida (PH 1–5), velas para a Macedônia (PH 5),
onde ele visita Filipos, está aprisionado lá e, enquanto na prisão, recebe e responde a
uma carta da igreja em Corinto (3Cor). Escapando do trabalho forçado em Filipos, ele
segue para Corinto (Fate 41–42, 44, 43, 51–52; PH 6–7). Grande parte deste itinerário e
os eventos que ocorrem correspondem intimamente à informação em 1 e 2 Coríntios, na
qual Paulo escreve que ele pretende permanecer em Éfeso até Pentecostes ( 1 Co 16: 8 ),
que ele lutou com animais selvagens em Éfeso ( 1 Coríntios 15:32e que na Ásia ele
passou por uma experiência na qual ele se desesperava da vida e achava que tinha
recebido a sentença de morte, mas foi resgatado por Deus ( 2 Coríntios 1: 8-10 ), e que
ele pretende ir para a Macedônia e depois para Corinto ( 1 Co 16: 5-6; cf. 2 Coríntios
2:13 ; 7: 5 ; 9: 2 ; 12:14 ). É digno de nota que esta pretensa visita a Corinto seja a sua
terceira visita ( 2 Coríntios 12:14 ): o autor dos Atos de Paulo pode ter contado duas
visitas a Corinto na narrativa dos Atos Lucana ( 18: 1 –17 ; 20: 2–3) e pretendia gravar
esta terceira visita subseqüente. Ele certamente também pretendia '3 Coríntios', escrito
'em aflição', quando Paulo, tendo recebido as notícias angustiantes de Corinto, tinha
começado 'a derramar muitas lágrimas e lamentar', lamentando que 'tristeza após tristeza
viesse sobre mim' (3 Coríntios 2: 2-5), para ser a carta que Paulo em 2 Coríntios disse
que ele havia escrito "por muita angústia e angústia de coração e com muitas lágrimas"
( 2 Coríntios 2: 4 ). A prática de preencher uma lacuna observável em uma
correspondência autêntica escrevendo uma carta pseudo-epigráfica é uma antiga prática
literária atestada.
Finalmente, em apoio à opinião de que o autor dos Atos de Paulo leu tanto 2
Timóteo quanto as cartas em coríntios como se referindo ao mesmo período da vida de
Paulo, podemos notar que o incidente central na história que ele conta sobre Paulo no
anfiteatro em Éfeso é um encontro com um leão. Ele conectou 1 Coríntios 15:32 ('Eu
lutei com animais selvagens em Éfeso') com 2 Timóteo 4:17 ('Eu fui resgatado da boca
do leão') como se referindo ao mesmo evento.
No entanto, meu argumento de que as Pastorais - ou pelo menos 2 Timóteo e Tito -
foram usadas pelo autor dos Atos de Paulo como uma fonte a partir da qual reconstruir
os eventos no período final da vida de Paulo precisa ser defendida diante de um hipótese
bastante diferente sobre a relação entre os Atos de Paulo e as Pastorais. Esta é a tese de
DR MacDonald em seu livro curto, mas engenhoso e persuasivo, The Legend and the
Apostle.MacDonald faz parte de um grupo de estudiosos americanos que deram atenção
especial às características dos Atos apócrifos que podem ser descritos como socialmente
radicais. Em particular, as mulheres que são frequentemente proeminentes nos Atos
apócrifos são emancipadas das estruturas patriarcais da sociedade ao se recusarem a
casar, ou (se viúvas) permanecerem solteiras, ou (se casadas) recusando-se a coabitar
com seus maridos, em conseqüência do casamento. a pregação dos apóstolos da
continência sexual, que é uma característica proeminente do ideal ascético da vida cristã
promovida nos Atos apócrifos, incluindo os Atos de Paulo. Nos Atos de PauloHá, em
particular, a história de Tecla, que recusa o casamento, condenada duas vezes à morte
em conseqüência de sua determinação de permanecer celibatária, adotar a vestimenta
masculina e é comissionada por Paulo para trabalhar como missionário cristão,
ensinando a palavra de Deus. . Em contraste com SL Davies, que considera que os Atos
de Paulo devem ter sido escritos por uma mulher, MacDonald aceita a afirmação de
Tertuliano ( De bapt. 17.5 ) de que seu autor era um presbítero masculino, mas postula
contadores de histórias cristãs como a fonte da oralidade. lendas que ele argumenta
foram incorporadas nos Atos de Paulo. Identificando características da narrativa oral nas
principais narrativas dos Atos de Paulo, ele é capaz de argumentar que seu autor
dependia de tradições orais que também eram conhecidas do autor das
Pastorais. Embora os Atos de Paulo tenham sido escritos depois das Pastorais, não
dependem deles. Em vez disso, o autor das Pastorais conhecia as mesmas lendas orais
sobre Paulo que eram contadas por grupos de mulheres cristãs socialmente radicais e
mais tarde foram incorporadas nos Atos de Paulo.
Três aspectos da visão de MacDonald da relação entre os Atos de Paulo e as
Pastorais são importantes para a presente discussão. Em primeiro lugar, ele aponta as
pessoas comuns aos Atos de Paulo e as Pastorais, mas também que existem diferenças
nas informações sobre eles nas duas obras. Por exemplo, nos Atos de Paulo, os dois
discípulos que se voltam contra Paulo são chamados Demas e Hermógenes, o latoeiro
( AThe 1 ), enquanto que em 2 Timóteo não é Hermógenes, mas outro oponente de
Paulo, Alexandre, que é chamado de latoeiro ( 2 Tim. 4:14 ). Nos Atos de PauloDemas
e Hermogenes são creditados com a doutrina de que a ressurreição já ocorreu (AT 14),
enquanto em 2 Timóteo essa visão é atribuída mais a Himeneu e Fileto ( 2 Timóteo
2:18 ). Nos Atos de Paulo , quando Paulo chega a Roma, ele espera por ele Lucas da
Gália e Tito da Dalmácia, enquanto 2 Timóteo 4: 10-11 diz: 'Crescente foi para a
Galácia [ou Gália], Tito para a Dalmácia. Só o Lucas está comigo. Tais combinações de
semelhança e diferença que MacDonald argumenta são melhor entendidas como os
tipos de variação que surgem na tradição oral.
Em segundo lugar, bem como as coincidências de nomes pessoais, MacDonald
sustenta que as Pastorais também aludem a episódios que são recontados nos Atos de
Paulo. Por trás da referência em 2 Timóteo 3:11 às perseguições que Paulo
experimentou em Antioquia, Icônio e Listra, encontram-se as histórias sobre Paulo e
Tecla, que os Atos de Paulo localizam em Icônio e Antioquia. Da mesma forma, 2
Timóteo 4: 16–18 alude à história da experiência de Paulo em Éfeso nos Atos de Paulo ,
que é uma daquelas mostras de MacDonald com características narrativas orais. Assim,
enquanto eu propus que tais textos em 2 Timóteo foram a base a partir da qual o autor
dos Atos de Paulodesenvolveu algumas de suas histórias, MacDonald argumenta que
esses textos pressupõem as histórias que foram posteriormente registradas nos Atos de
Paulo.
Em terceiro lugar, MacDonald sustenta que as Pastorais, em alusão ao mesmo corpo
de lendas orais sobre Paulo como preserva os Atos de Paulo , tinham um propósito
polêmico. As Pastorais retratam um Paulo socialmente conservador, a fim de contrariar
o socialmente radical Paulo das lendas. Esse contraste entre a atitude social dos dois
corpos da literatura é certamente real, mesmo que MacDonald tenda a exagerá-lo, e é
especialmente notável em relação às mulheres. 1 Timóteo proíbe as mulheres de ensinar
( 2:12 ), mas os Atos de Paulo retratam Tecla como comissionada por Paulo para
ensinar a palavra de Deus (E 41). O Paulo de 1 Timóteo teria viúvas mais jovens casar e
ter filhos ( 5:14 ), enquanto o Paulo dos Atos de Paulo inspira Thecla a permanecer
solteira ( A 5–10 ). Em Tito, Paulo exige que as mulheres se submetam aos seus
maridos ( 2: 5 ), mas nos Atos de Paulo encoraja as virgens a não se casarem e se
casarem com mulheres que se recusam a coabitar com seus maridos ( A 5–6 , 9 ;
provavelmente 3 Cor. 2: 1). Os falsos mestres que, de acordo com 1 Timóteo 4: 3 ,
proíbem o casamento e exigem abstinência de alimentos, parecem suspeitosamente com
o Paulo dos Atos de Paulo , que não apenas desencoraja o casamento, mas também usa
água em vez de vinho na eucaristia (PH 4 ) e parece ser um vegetariano
(A25). MacDonald aponta corretamente que o ensino ascético doOs atos de Paulonão
são apresentados polemicamente, como se estivessem deliberadamente contrariando a
diferente imagem de Paulo encontrada nas Pastorais, como pensavam RA Lipsius e J.
Rohde. As Pastorais, por outro lado, são claramente polêmicas. MacDonald sugere que,
quando Paulo conclama Timóteo a "não ter nada a ver com mitos profanos do tipo que
as mulheres idosas contam" ( 1 Timóteo 4: 7 : τοὺς δεβήλους καὶ γραώδεις παραιτοῦ ),
o autor das Pastorais está realmente se referindo ao Lendas paulinas propagadas por
grupos de mulheres cristãs liberadas. Com base nesta tese sobre os Atos de Pauloe as
Pastorais, MacDonald desenvolve o argumento mais amplo de que no período pós-
paulino a tradição paulina se bifurcou e produziu duas imagens opostas de Paulo: o
socialmente radical Paulo das lendas por trás dos Atos de Paulo e o socialmente
conservador Paulo das Pastorais.
Esta fascinante tese explica uma característica importante dos Atos de Paulo : que,
apesar de seus muitos contatos com 2 Timóteo, seu ensinamento sobre o ascetismo
sexual é inspirado em 1 Coríntios 7 e não nas Pastorais, e parece contrariar os fortes das
Pastorais. ênfase na instituição do casamento. Pode, no entanto, ser mais preciso dizer
que os Atos de Paulo se opõem às relações sexuais no casamento, em vez do próprio
casamento. Cristãos casados com outros cristãos - Onesíforo e Lectra ( AT 2 , 23),
Trasímaco e Aline, Cleon e Chrysa (Fiá 35), Áquila e Priscila (PG) - aparecem nos Atos
de Paulo.sem indicação de que não deveriam se casar, presumivelmente porque esses
maridos 'têm esposas como se não as tivessem' ( AThe 5 ). Não a estrutura patriarcal do
casamento como tal, mas maridos ou noivos não convertidos que insistirão em relações
conjugais são o problema. Este ponto não remove o contraste com as Pastorais, mas
coloca o contraste de uma forma significativamente diferente. A diferença é importante
porque se torna possível ver que, supondo que o autor dos Atos de Paulo conhecesse as
Pastorais, ele teria achado 1 Timóteo inconsistente com suas visões, mas não 2 Timóteo
(que não contém nada relevante para esse assunto) ou necessariamente Tito Ele poderia
ter lido Tito 2: 4–6 consistentemente com sua crença na abstinência sexual dentro do
casamento cristão. As exortações para que as jovens casadas sejam autocontroladas e
castas ( σώφρονας, ἁγνας ) e que os rapazes exercitem o autocontrole ( σωφρονεῖν )
poderiam facilmente ser interpretadas dessa forma encratítica. 1 Timóteo, por outro
lado, está em clara contradição com os pontos de vista dos Atos de
Paulo (especialmente 1 Tim. 2: 11–15 ; 4: 3 ; 5:14 ). Mas não devemos supor que um
escritor antigo tenha de pensar nas cartas pastorais como um grupo indissolúvel de
três. Foi possível discriminar entre as Pastorais. Taciano, contemporâneo do autor
dos Atos de Paulo, que tinha opiniões semelhantes sobre a sexualidade, parece ter
rejeitado 1 Timóteo, mas aceitou Tito. O autor dos Atos de Paulo pode ter aceitado e
usado 2 Timóteo e Tito como autenticamente paulino, mas ignoraram ou rejeitaram 1
Timóteo. De fato, praticamente todos os pontos de correspondência entre os Atos de
Paulo e as Pastorais - em lugares, nomes e informações circunstanciais - estão entre
os Atos de Paulo , por um lado, e 2 Timóteo e Tito, por outro. Não há, portanto,
necessidade de postular uma relação polêmica entre os Atos de Paulo e as Pastorais.
No entanto, permanece a questão se as correspondências entre os Atos de Paulo , por
um lado, e 2 Timóteo e Tito, por outro, são melhor explicadas pela tese de MacDonald
da tradição oral comum, que é também a posição de Rordorf, ou por a visão que a
maioria dos estudiosos tem tomado: que o autor dos Atos de Paulo usou essas duas
cartas pastorais como fonte. O paralelo com o modo como ele usou 1 e 2 Coríntios, o
que já notamos, apóia a última visão. Mas há também dois pontos específicos de
correspondência entre os Atos de Paulo e 2 Timóteo, que são muito mais facilmente
explicados pela dependência literária do que pela tradição oral comum.
A primeira é a relação entre 2 Timóteo 4:17 e a história do encontro de Paulo com o
leão em Éfeso (PG; PH 4–5). A maioria dos comentaristas de 2 Timóteo entendeu a
afirmação: "Eu fui resgatado da boca do leão" ( 2 Timóteo 4:17 ) para ser
metafórico. Há uma boa razão para fazê-lo, uma vez que as palavras ( ἐρρύσθην ἐκ
στόματος λέοντος ) são um eco verbalmente exata do Salmo 22: 20-21 (LXX 21: 20-
21 : ῥυσαι ἀπὸ ῥομφαίας τὴν ψυχήν μου ... σῶσων με ἐκ στόματος λέοντος ) , onde a
imagem é inequivocamente metafórica. MacDonald ignora a alusão ao salmo e não faz
referência à possibilidade de um sentido metafórico em 2 Timóteo 4:17.Mas, à luz da
alusão, parece mais provável, não que 2 Timóteo alude à história contada nos Atos de
Paulo , mas que a história está em uma relação exegética com o texto de 2 Timóteo. O
autor dos Atos de Paulo tratou 2 Timóteo 4:17da maneira como os exegetas judeus
estavam acostumados a tratar o Antigo Testamento. Encontrando uma referência
aparente a um episódio na vida de Paulo que não foi realmente contado no texto, ele
forneceu uma história imaginativa para explicar a referência. Sua compreensão literal de
uma expressão metafórica pode ser acompanhada de outros exemplos de exegese
judaica e cristã, em que as metáforas bíblicas são tomadas literalmente e às vezes se
tornam a fonte de uma história. Com esse fenômeno, Hilhorst também faz uma
comparação de interesse particular no contexto de nossa discussão atual: ele se refere ao
estudo de Lefkowitz das antigas vidas gregas dos poetas, nas quais ela mostrou que
muito do material biográfico dessas vidas resulta de interpretações erradas de passagens.
na poesia por ou sobre esses poetas, muitas vezes tomando referências metafóricas
literalmente.Pyth. 10.45 ) resultou em uma anedota em que uma abelha constrói um
favo de mel em sua boca. Um exemplo semelhante com referência a um escritor de
prosa é a história de que Lucian foi morto por cães: parece ser baseado em sua própria
declaração: "Eu estava quase dilacerado por cínicos, pois Actaeon era de cães ou seu
primo Pentheus era de mulheres" ( Peregr. 2 ). Parece que o autor dosAtos de
Paulousou um método estabelecido de derivar informações biográficas sobre o assunto
a partir dos textos disponíveis, que podem ser comparados tanto na exegese judaica e
cristã das escrituras quanto na biografia helenística.
Ele também seguiu a prática exegética judaica na interpretação de vários textos em
conexão uns com os outros. Evidentemente e muito naturalmente, ele relacionou 2
Timóteo 4:17 a 1 Coríntios 15:32como se referindo ao mesmo evento, e tomou o último
texto como literalmente como o primeiro. Além disso, ele provavelmente notou o
paralelo verbal bastante próximo entre 2 Timóteo 4: 17-18 ( ἐρρύσθην… ῥύσεταί με )
e 2 Coríntios 1:10 ( ἐρρύσατο ἡμᾶς καὶ ῥύσεται ), e usou o princípio exegético judaico
de gezerâ shawâ (segundo o qual passagens em que as mesmas palavras ocorrem podem
ser usadas para interpretar uma a outra) para se referir a 2 Coríntios 1: 8-10também para
o mesmo evento. É possível que uma história baseada nessas referências nas letras
paulinas tenha se originado em primeiro lugar na narrativa oral, mas as características
do estilo oral que MacDonald encontra na história não exigem necessariamente
isso. Um escritor familiarizado com a narrativa oral, talvez um praticante dela,
provavelmente empregará características do estilo oral ao compor uma história por
escrito.
Uma segunda instância em que uma relação exegética dos Atos de Paulo com 2
Timóteo é mais plausível do que o uso comum de tradições orais é a referência que
ambas as obras fazem ao falso ensino de que a ressurreição já ocorreu ( 2 Timóteo
2:18 : τὴν ἀνάστασιν ἤδη γεγονέναι ). Nos Atos de PauloEste ensinamento está
relacionado com a história de Paulo e Tecla. Thamyris, noiva de Thecla, a quem ela
rejeitou em favor de permanecer solteira, conversa com Demas e Hermogenes, os
companheiros de Paul que se voltaram contra ele. Eles explicam que Paulo ensina que
permanecer celibatário é uma condição de participação na ressurreição por vir (AT
12). Opondo o ensinamento de Paulo, Demas e Hermogenes interpretam a ressurreição
de um modo que, longe de exigir a abstinência do casamento, exige positivamente o
casamento: 'nós lhe ensinaremos sobre a ressurreição que ele diz que virá, que já
aconteceu ( ἥν λέγει οὗτος ἀνάστασιν γενέσθαι, ὅτι ἤδη γέγονεν) nas crianças que
temos '(Ae 14). Ao passo que a referência a esse falso ensino em 2 Timóteo pode ser
prontamente entendida como aludindo a uma visão corrente atual - uma visão
espiritualizada da ressurreição como ocorrendo na experiência presente - este não é o
caso com os Atos de Paulo. Que a ressurreição ocorre na geração de filhos, certamente
não é uma visão que estava sendo proposta pelos mestres cristãos, mas é antes uma
interpretação engenhosa do significado de 2 Timóteo 2:18 ocasionada por um desejo de
situar este ensino no contexto da história de Paul e Thecla. Além disso, a atribuição
deste ensinamento a Demas e Hermogenes (a quem não é atribuído em 2 Timóteo) pode
ser entendida como uma conseqüência da descrição de Demas como "apaixonada pelo
mundo atual" (2 Tim. 4:10 ). Já que ele está apaixonado pelo mundo atual, a
ressurreição no mundo vindouro não tem utilidade para ele e, portanto, ele afirma que
isso ocorre neste mundo através da atividade totalmente mundana de gerar filhos. Que o
amor do mundo presente de Demas está em vista nesta passagem dos Atos de
Paul também é mostrado pelo fato de que Thamyris compra o conselho de Demas e
Hermógenes com provisão abundante de dinheiro e comida e vinho (AThe 11 ,
13). Tudo isso é mais facilmente entendido se 2 Timóteo 2:18 é a versão original da
afirmação de que a ressurreição já ocorreu, enquanto a história nos Atos de Paulo é uma
exegese dela.
Se esses exemplos contam contra a teoria da tradição oral comum de MacDonald,
então outra explicação deve ser encontrada para o fato de que existem diferenças, bem
como semelhanças, nas informações sobre pessoas em 2 Timóteo e os Atos de
Paulo. Uma vez que o autor dos Atos de Paulo parece ter trabalhado de perto com o
texto de 2 Timóteo, não é muito plausível invocar o mero descuido ou a falta de
memória. Em vez disso, a explicação deve ser buscada na exegese deliberada de 2
Timóteo pelo autor dos Atos de Paulo.
Tomaremos, como primeiro exemplo, o caso de Demas e Hermogenes. Em 2
Timóteo há três pares de discípulos apóstatas ou falsos mestres:
2 Tim. 1:15 Phygelus e Hermógenos

se afastou de mim

2 Tim. 2:17 Himeneu e Fileto

desviado da verdade alegando que a ressurreição já


tomado lugar

2 Tim. 4:10 , 14 Demas (e) Alexandre, o latoeiro

Demas, apaixonado pelo mundo atual, me abandonou


Alexandre me fez muito mal, fortemente se opôs à nossa
mensagem

(O terceiro par não é estritamente um par no texto de 2 Timóteo, onde Demas e


Alexandre são separados por três versos, mas são as duas pessoas na passagem de quem
as coisas depreciativas são ditas.) O autor dos Atos de Paulo parece ter identificado o
primeiro e o terceiro desses pares. Chamando o seu par de falsos discípulos Demas e
Hermogenes, o latoeiro '( AThe 1 ) ele deliberadamente rola os dois pares em um. Sem
dúvida, sua base para isso é que o que é dito sobre Phygelus e Hermogenes - que eles se
afastaram de Paul - é equivalente ao que se diz de Demas - que ele abandonou
Paul. Como vimos, o autor dos Atos de Paulo também atribuiu a Demas e Hermogenes
o ensinamento que em 2 Timóteo é atribuído ao segundo dos três pares: Himeneu e
Fileto. Mais uma vez, isso é explicável. Dizem que Alexandre, o latoeiro, opôs-se
fortemente à mensagem de Paulo ( 2 Timóteo 4:15 ), e assim (o autor dos Atos de
Paulo provavelmente argumentou) ele deve ter ensinado o único item do falso ensino ao
qual 2 Timóteo se refere: a ressurreição já passou. Além disso, já sugerimos que esse
ensinamento é apropriadamente atribuído a Demas, que se diz "apaixonado pelo mundo
atual" ( 2 Timóteo 4:10 ). Talvez o autor dos Atos de Paulo Simplesmente achava
apropriado que Demas e Hermógenes ensinassem o mesmo falso ensinamento de
Himeneu e Fileto. Mais provavelmente, ele os identificou com Hymenaeus e Philetus,
rolando assim todos os três pares em um. Dois comentários podem ser feitos em apoio
da plausibilidade deste como seu procedimento exegético. Em primeiro lugar, colapsar
os três pares em um é uma técnica eficaz de contar histórias. Permite que uma história
seja contada sobre eles. Em segundo lugar, é um exemplo de uma espécie de técnica
exegética que era comum na exegese judaica. Personagens escriturísticos que parecem
ao leitor moderno pessoas bastante distintas poderiam ser exegeticamente identificados
com base em algum tipo de ligação exegética feita entre eles. Provavelmente, o exemplo
mais conhecido é a identificação de Finéias e Elias,Nu 25: 10-13 ; 1 Kgs. 19:10 , 14 ).
Em um segundo caso, o de Tito e Lucas, o autor dos Atos de Paulo pode ter
encontrado uma dificuldade no texto de 2 Timóteo e deliberadamente corrigido. 2
Timóteo 4:10 poderia parecer paralelo a Tito com Demas, como se Tito, como Demas,
tivesse desertado. O autor dos Atos de Paulo , naturalmente infeliz com essa implicação,
leu o texto para significar que Tito tinha estado na Dalmácia, mas agora estava com
Paulo em Roma. Para evitar o paralelo entre Demas e Titus, ele criou um paralelo entre
Tito e o único discípulo que, de acordo com 2 Timóteo 4:11., certamente foi fiel a Paulo
no final: 'Estavam aguardando Paulo em Roma, Lucas da Gália e Tito da Dalmácia' (MP
1). Se isso parece mais uma contradição de 2 Timóteo do que a exegese de 2 Timóteo,
devemos lembrar que a exegese judaica era bastante capaz de corrigir efetivamente o
claro significado do texto hebraico do Antigo Testamento quando esse significado era
inaceitável.

III As Fontes e Composição dos Atos de Paulo


Nesta seção, resumiremos nossas descobertas com relação à maneira pela qual o autor
dos Atos de Paulo fez uso da literatura anterior de e sobre Paulo, e acrescentar algumas
observações adicionais sobre a maneira como ele compôs sua narrativa. Comparações
com outras literaturas serão feitas no decorrer desta discussão, mas o objetivo ainda não
é discutir explicitamente o gênero dos Atos de Paulo , mas preparar o caminho para uma
discussão do gênero na próxima seção.
O autor dos Atos de Paulo conhecia os Atos dos Apóstolos e as cartas paulinas, e a
partir da leitura dele concluiu que a história de Paulo em Atos estava incompleta, não
apenas porque não registrou seu martírio, mas também porque Após os eventos
registrados em Atos, Paulo se envolveu em novas viagens missionárias no Mediterrâneo
oriental antes de retornar a Roma e sofrer o martírio. Ele concebeu seu trabalho,
portanto, como uma espécie de sequela de Atos, dando continuidade à história da
carreira missionária de Paulo e terminando com seu martírio.
Como fontes de sua narrativa, ele usou, em primeiro lugar, aquelas cartas paulinas
que ele entendia terem sido escritas neste período da vida de Paulo (1 e 2 Coríntios, 2
Timóteo, Tito) e que, portanto, lhe forneceram referências a lugares visitados. por
Paulo, pessoas associadas a Paulo, e eventos da vida de Paulo neste período. Ele
também fez uso cuidadoso do breve resumo de Clemente sobre os sofrimentos de Paulo
( 1 Clem 5: 5-7 ). Seu uso dessas fontes mostra que ele estava preocupado em
conformar sua explicação, tanto quanto possível, ao que poderia ser aprendido com
fontes que ele certamente teria considerado como boas fontes históricas. No entanto,
essas fontes, como tais, forneciam apenas fatos mínimos, tais como que Paulo foi
perseguido em Antioquia, Icônio e Listra ( 2 Timóteo 3:11).ou que ele estava em
ligações quatro vezes durante o período coberto pelos Atos de Paulo. Eles não
forneceram as histórias que o autor exigia para relatar narrativamente o período final da
vida de Paulo. Em parte, portanto, seu trabalho consiste em histórias que ele, um
habilidoso contador de histórias, criou para dar conta das referências em suas fontes
textuais. Sua história das experiências de Paulo em Éfeso, por exemplo, deve ter lhe
parecido o tipo de coisa que deve ter acontecido para explicar o que Paulo diz em 1
Coríntios 15:32 ; 2 Coríntios 1: 8-10 e 2 Timóteo 4: 16–18 .
Esse tipo de exegese criativa pode ser acompanhado, como já notamos, tanto na
biografia helenística quanto na exegese das escrituras judaicas. Os antigos biógrafos de
escritores, confrontados com uma escassez de informações biográficas sobre os seus
assuntos, foram muitas vezes reduzidos a deduções fantasiosas de alusões nos próprios
escritos do sujeito, criando por vezes uma história completa com base numa breve
referência. Da mesma forma, antigos exegetas judeus freqüentemente se envolviam em
narrativas criativas para explicar aspectos do texto bíblico ou para satisfazer a
curiosidade sobre os personagens bíblicos. Para dar um exemplo menor, a fim de
explicar o fato de que, em Números 22: 6 , Balaque parece já estar familiarizado com a
eficácia da maldição de Balaão, Pseudo-Filo, LAB 18.2cria uma breve história da
atividade de Balaão antes de sua aparição na narrativa bíblica. Esta não é uma narrativa
inventiva por si só, mas uma espécie de conjectura histórica imaginativa. Um exemplo
mais conhecido, que fornece um bom paralelo à história de Paulo no anfiteatro de Éfeso,
são as várias histórias da fuga de Abraão do fogo. Exegetas judaicos
lidosem Gênesis 11:28 , 31 ; 15: 7 como "fogo" em vez de "Ur". Interpretando Gênesis
11:28 desta forma ('Haran morreu ... no fogo dos caldeus'), Jubileus 12: 12-14 conta
uma história em que Abraão ateou fogo à casa dos ídolos, seu irmão Haran apressou-se
em resgatar os ídolos e pereceram no fogo (veja também Tg. Ps.-Jon. Gên. 11:28 ). No
Apocalipse de Abraão, a história diz respeito à fuga de Abraão do fogo ( Gn 15: 7 ):
assim como Abraão obedece ao mandamento de Deus de deixar a casa de seu pai
( Gênesis 12: 1 , entendida literalmente), o fogo do céu queima A casa de Tera e tudo
nela, inclusive o próprio Terá ( 8: 4–6). A história mais elaborada ocorre em LAB 6 , na
qual Abraão é milagrosamente resgatado por Deus de uma grande fornalha de fogo
(cf. Gn 15: 7 , que Tg. Ps.-Jon. 15: 7 diz: 'Eu sou o SENHOR que te tirou da fornalha de
fogo dos caldeus '). Outras versões dessa história ocorrem na literatura judaica posterior
(Gn Rab. 38:13; 44:13; b. Pes. 118a ; b. 'Erub. 53a ; Tg. Ps.-Jon. Gn. 11:28 ; Sefer ha-
Yashar 6–9). A variedade de histórias criadas para explicar os mesmos textos pode
indicar que elas não foram levadas a sério, mas entendidas como exercícios de
imaginação histórica.
Uma história desse tipo não é necessariamente criada ex nihilo. Outras histórias
forneceriam modelos e motivos. Assim, a história mais popular de Abraão e do fogo foi
em parte inspirada na história dos três jovens na fornalha ardente em Daniel 3 , da qual
emprestou grandes motivos. Da mesma forma, ao construir uma história de Paulo em
Éfeso para explicar as alusões paulinas, o autor dos Atos de Paulomodelou sua história
no conto popular de Androcles e do leão. Em sua descrição dos eventos que levaram à
prisão e condenação de Paulo aos animais selvagens (PG; PH 1), ele também foi
inspirado em Atos 19: 23–27., embora sem criar simplesmente uma duplicata do relato
de Lucas. Finalmente, solicitado pelo aparente atribuição de cativeiro de Paulo de
'ciúme' (de Clemente 1 Clem 5: 5-6 ), ele trabalhou em uma subtrama sobre a mulher do
procônsul Artemilla e esposa de seu liberto Eubula, que são batizados por Paulo e
despertar seus maridos 'Raiva por sua devoção a ele (PH 2–5). Esta subtrama é uma
versão de um motivo comum nos Atos apócrifos (cf. a história de Maximilla e Iphidama
nos Atos de André , e a história de Xantipa nos Atos de Pedro ).
Temos notado vários exemplos de como o autor dos Atos de Paulo emprega práticas
exegéticas que pertencem à tradição da exegese judaica da Escritura e caracterizam a
literatura conhecida como a "Bíblia reescrita". Outro exemplo ocorre na reminiscência
de Paulo de sua conversão, na qual ele se refere ao "abençoado Judas, o irmão do
Senhor" (PG). O Judas em cuja casa Paulo ficou em Damasco, de acordo com Atos
9:11 , foi aqui identificado com o irmão do Senhor de mesmo nome. A identificação
permitiu que o autor dos Atos de Paulosupor que Judas, o irmão do Senhor, deve ter
introduzido Paulo na comunidade dos cristãos em Damasco, e assim expandir e elaborar
a informação dada em Atos sobre a introdução de Paulo à fé cristã. É um exemplo da
prática exegética judaica regular de iluminar a identidade de personagens bíblicos
obscuros, identificando-os com personagens mais conhecidos que possuem nomes
iguais ou semelhantes. A mesma prática em relação aos caracteres do Novo Testamento
é bem evidenciada na literatura cristã do segundo século.
É claro que nem todas as histórias sobre Paulo nos Atos de Paulo estão intimamente
relacionadas com as informações que o autor extraiu das cartas paulinas e de Clemente,
embora um número surpreendentemente grande delas esteja, de fato, ligado à estrutura
fornecida por essas fontes. Algumas das outras (como a história de Artemilla e Eubula
já mencionadas) são variações de modelos narrativos fornecidos por outras obras sobre
os apóstolos. Assim, a história de Pátroclo (MP 1) é inspirada na história de Lucas de
Êutico ( At 20: 7-12 ), enquanto a visão de Paulo, a caminho de Roma, de Jesus
informando que ele deve ser crucificado novamente ( PH 7) é modelado no famoso 'Quo
vadis?' história nos Atos de Pedro ( Ato. Ver. 35). Esse tipo de repetição de motivos e
padrões narrativos parece artificial para os leitores modernos. Essas histórias tendem a
perder sua credibilidade quando reconhecemos sua semelhança com os outros. Mas esta
é uma reação moderna. O uso de motivos e padrões familiares é constante em todas as
formas de literatura narrativa antiga. Os leitores antigos devem ter sentido que, por
exemplo, a história de Pátroclo era o tipo de coisa que poderia ter acontecido a Paulo
precisamente porque esse tipo de evento era familiar na história de Lucas de Êutico. Até
mesmo a história de Paulo e do leão provavelmente ganhou mais do que perdeu a
credibilidade através de sua semelhança com o conhecido folktale. Quanto mais
histórias de milagres da ressurreição realizadas pelos apóstolos os leitores ouviram,
mais eles esperariam tais histórias e não se surpreenderiam com a freqüência deles
naAtos de Paulo Isso não quer dizer que tais histórias seriam necessariamente aceitas
como fatos históricos, mas sim que seriam credíveis, pelo menos, como exercícios de
imaginação histórica (realistas, se não reais).
A história de Tecla é de especial interesse porque é a única parte dos Atos de
Paulo em que um personagem diferente de Paulo ocupa o centro do palco e porque tem
uma relação muito próxima com os temas dos romances gregos que contam a história de
dois amantes (como Chaereas e Callirhoe de Chariton , e Ephesiaca de Xenophon). Até
certo ponto, a história de Artemilla e Eubula (PH 2-5), como outras histórias nos Atos
apócrifos de mulheres que abandonam seus maridos ou negam direitos conjugais a seus
maridos para seguir os ensinamentos do apóstolo, também emprega um tema erótico.
reminiscente dos romances gregos e provavelmente pretendia atrair os leitores,
especialmente as mulheres, que desfrutavam de tal literatura. Mas o tema da castidade
não é explicitamente desenvolvido na história de Artemilla e Eubula, como está na
história de Tecla, enquanto o segundo tem tantas semelhanças com o romance grego que
deve ser realmente considerado como um equivalente deliberado em pequena escala.
para tal romance. Tecla, como as heroínas dos romances, é uma bela jovem que
preserva sua castidade e permanece fiel a sua amada através de provações e perigos nos
quais ela chega perto da morte, mas experimenta a libertação divina. Thamyris e
Alexander são pretendentes indesejáveis, como aparecem nos romances. Ao contrário
das heroínas dos romances, é claro que a castidade de Tecla não é temporária, mas
permanente, e representa sua total devoção a Deus. Mas a sua devoção a Deus é também
devoção ao seu apóstolo Paulo, e o autor não hesita em descrever esta devoção em
termos que, embora não pretendam ser sexuais, são paralelos ao erótico (cf.AThe 8-10,
18-19). Como no caso dos heróis e heroínas dos romances, o enredo parte em parte da
separação de Paulo e Tecla, sua busca e reencontro com ele (At 21-25, 40-41). A oferta
de Tecla de cortar o cabelo para seguir Paulo aonde ele for (25:25) e a adoção de roupas
masculinas quando ela viaja em busca de Paulo (A 40) podem não ser sinais de sua
libertação das estruturas patriarcais, como MacDonald e outros os interpretam, tanto
quanto os ecos do tema romanesco de uma mulher viajando disfarçada para escapar da
detecção. Os ricos círculos de classe alta em que a história se passa, incluindo a figura
histórica do parente do imperador, Tryphaena, também são consoantes com o caráter
dos romances gregos. Parece claro que a história de Tecla foi diretamente modelada nos
temas da novela erótica grega,
Uma base histórica para a história de Tecla, que tem sido frequentemente postulada,
não precisa ser totalmente negada, mas é improvável que seja muito mais substancial do
que o tipo de base na exegese das cartas paulinas que o autor tinha para outras
histórias. Que Tecla era uma pessoa histórica, um discípulo de Paulo que se engajou no
trabalho missionário em Selêucia (A 43), é provavelmente tudo o que o autor dos Atos
de Paulo conhecia da tradição oral. Como ele evidentemente viveu na Ásia Menor
(Tertuliano, De batismo 17 ), ele pode ter feito uso de algumas outras tradições locais
sobre Paulo, mas há muito pouco para indicar isso.
Se o elemento erótico nos Atos de Paulo , especialmente a história de Tecla, é
devido à influência do romance, o mesmo não deve ser dito do tema da viagem, pelo
qual toda a narrativa é estruturada como um relato das viagens de Paulo. . Como a
viagem é proeminente em alguns, embora não em todos, dos Atos apócrifos e é
igualmente proeminente na maioria, embora não em todos, dos romances eróticos
gregos, tem sido frequentemente considerada como uma característica romanesca dos
Atos apócrifos. Mas a função da viagem é bem diferente nos Atos de Paulo, de sua
função nos romances, onde serve ao enredo separando os amantes. As viagens de Paulo
nos Atos de Paulo são os de um apóstolo encarregado de uma missão de evangelização
e cuidado de suas igrejas, e não há necessidade de procurar seu modelo em nenhum
outro lugar que não seja nos Atos de Lucas. É digno de nota que as viagens apostólicas
são mais proeminentes nos Atos de Paulo do que em qualquer outro grupo mais antigo
de Atos apócrifos, com exceção dos Atos de André (na medida em que é possível
reconstruir a forma original deste trabalho). Nos Atos originais de Pedro , parece que
Pedro fez apenas uma viagem: de Jerusalém a Roma. Nos Atos de Tomé , há apenas
algumas notas breves e inespecíficas de viagem: elas não estruturam toda a narrativa
como as referências a viagens fazem nos Atos de Paulo.Viajar é mais importante
nos Atos de João , mas o apóstolo permanece por grande parte do trabalho em Éfeso: ele
não está constantemente em movimento, como Paulo está nos Atos de Paulo. A
diferença é explicada simplesmente pelo fato de que o autor dos Atos de Paulo modelou
a forma de sua narrativa sobre os relatos de Lucas sobre as viagens de Paulo. Nesse
sentido, a estrutura dos Atos de Paulo deriva de seu caráter como uma sequela dos Atos
canônicos. Segue-se o modelo de Lucas de uma narrativa episódica estruturada por
avisos de viagem, e diverge apenas no final da história, em seu relato do martírio de
Paulo e dos eventos que se seguem imediatamente.
Uma característica única para os Atos de Paulo entre os textos existentes dos Atos
apócrifos é a inclusão de uma descrição física do Paul ( AThe 3). Tais descrições foram
uma característica padrão da biografia grega e romana. São muitas vezes convencionais
em algum grau, refletindo as teorias das fisionomias, que eram populares no segundo
século e compreendiam características físicas como reveladoras de caráter e
aptidões. As descrições físicas de Suetônio dos imperadores, por exemplo, são
determinadas tanto pela teoria da fisionomia quanto pelas aparições reais dos
imperadores, mesmo quando estas estavam prontamente disponíveis na forma de
estátuas e imagens em moedas. A descrição de Paulo é em grande parte convencional (e
certamente não desfavorável, como parece aos leitores modernos): admiração e as
sobrancelhas de reunião eram admiradas, o nariz em gancho era um sinal de
magnanimidade, e uma estatura moderadamente pequena indicava rapidez de
inteligência (uma vez que o sangue fluía mais rapidamente em torno de uma pequena
área e atingia mais rapidamente o coração, a sede da inteligência). Apenas a cabeça
careca é surpreendente e pode refletir uma reminiscência histórica.
Finalmente, os relatos do ensinamento de Paulo nos Atos de Paulo são, em grande
parte, inspirados pelas cartas paulinas, às quais há alusões verbais. Claro, eles também
refletem a própria teologia do autor. Seu Paulinismo é uma interpretação idiossincrática
de Paulo, mas é claro que ele fez uma tentativa genuína de atribuir temas Paulinos e
linguagem ao seu Paulo. Os discursos de Paulo em Atos são menos obviamente
refletidos, mas pode ser que o discurso de Paulo à igreja de Filipos (PH 6) tenha sido
inspirado, de maneira geral, pelo discurso de Paulo aos anciãos efésios
(especialmente Atos 20: 18-24), e que o padrão do sermão de Paulo ao chegar à Itália
(PH 8; Fate 79–80), ao lembrar tanto a história do Antigo Testamento de Israel como o
ministério de Jesus, foi modeladoAtos 13: 16–41 .

IV. O gênero dos atos de Paul


As discussões do gênero dos Atos apócrifos trabalharam no passado com dois
conceitos: a aretalogia e o romance (ou romance). Há sérios problemas em definir
ambos como gêneros de literatura nos quais os Atos apócrifos podem ser incluídos. Os
problemas podem ser ilustrados pelos fatos que Reitzenstein, que classificou os Atos
apócrifos como aretalogias religiosas populares, o fizeram postulando um gênero que
não foi transmitido em forma pura exceto no caso dos Atos apócrifos; Rosa Söder, que
muito influentemente colocou os Atos apócrifos dentro de uma categoria muito
amplamente definida de literatura romanesca, também os via, até certo ponto, sui
generis, derivado de uma tradição popular de contos de aventura, milagres e amor, que
também influenciou o romance grego, mas não foi preservado; e, finalmente, que
Richard Pervo, em sua tentativa de classificar os Atos apócrifos e canônicos como
romances históricos, define o romance de maneira tão ampla a ponto de incluir qualquer
tipo de ficção narrativa (incluindo obras que misturam história com ficção). Em todos
esses casos, parece que nos resta realmente o reconhecimento de que, embora os Atos
apócrifos se assemelhem a vários tipos de literatura contemporânea de várias maneiras,
eles também não são como qualquer outra coisa. Portanto, não surpreende que as
discussões mais recentes tendam a considerar os Atos apócrifos um novo gênero ou
subgênero (dada a fluidez do conceito de gênero, essa diferença não é necessariamente
real) da literatura, endividados a uma variedade de modelos literários, incluindo talvez
os Atos dos Apóstolos. Há também uma tendência a enfatizar as diferenças entre os
vários Atos apócrifos, em reação contra a tendência, nas discussões do gênero, a
oferecer generalizações sobre os Atos apócrifos que não são de fato verdadeiros em
Atos particulares. Esses desenvolvimentos, embora compreensíveis e necessários,
dificilmente são uma conclusão satisfatória para a discussão do gênero, uma vez que, a
menos que o novo (sub) gênero seja especificado com mais precisão e sua relação com
os gêneros existentes definidos, ficamos sem a ajuda interpretativa que o conceito de
gênero deve fornecer: ou seja, alguns insights sobre o tipo de expectativas que os
primeiros leitores teriam tido quanto ao tipo de literatura que eles estavam lendo e as
funções que executaria para eles. incluindo talvez os Atos dos Apóstolos. Há também
uma tendência a enfatizar as diferenças entre os vários Atos apócrifos, em reação contra
a tendência, nas discussões do gênero, a oferecer generalizações sobre os Atos apócrifos
que não são de fato verdadeiros em Atos particulares. Esses desenvolvimentos, embora
compreensíveis e necessários, dificilmente são uma conclusão satisfatória para a
discussão do gênero, uma vez que, a menos que o novo (sub) gênero seja especificado
com mais precisão e sua relação com os gêneros existentes definidos, ficamos sem a
ajuda interpretativa que o conceito de gênero deve fornecer: ou seja, alguns insights
sobre o tipo de expectativas que os primeiros leitores teriam tido quanto ao tipo de
literatura que eles estavam lendo e as funções que executaria para eles. incluindo talvez
os Atos dos Apóstolos. Há também uma tendência a enfatizar as diferenças entre os
vários Atos apócrifos, em reação contra a tendência, nas discussões do gênero, a
oferecer generalizações sobre os Atos apócrifos que não são de fato verdadeiros em
Atos particulares. Esses desenvolvimentos, embora compreensíveis e necessários,
dificilmente são uma conclusão satisfatória para a discussão do gênero, uma vez que, a
menos que o novo (sub) gênero seja especificado com mais precisão e sua relação com
os gêneros existentes definidos, ficamos sem a ajuda interpretativa que o conceito de
gênero deve fornecer: ou seja, alguns insights sobre o tipo de expectativas que os
primeiros leitores teriam tido quanto ao tipo de literatura que eles estavam lendo e as
funções que executaria para eles. Há também uma tendência a enfatizar as diferenças
entre os vários Atos apócrifos, em reação contra a tendência, nas discussões do gênero,
a oferecer generalizações sobre os Atos apócrifos que não são de fato verdadeiros em
Atos particulares. Esses desenvolvimentos, embora compreensíveis e necessários,
dificilmente são uma conclusão satisfatória para a discussão do gênero, uma vez que, a
menos que o novo (sub) gênero seja especificado com mais precisão e sua relação com
os gêneros existentes definidos, ficamos sem a ajuda interpretativa que o conceito de
gênero deve fornecer: ou seja, alguns insights sobre o tipo de expectativas que os
primeiros leitores teriam tido quanto ao tipo de literatura que eles estavam lendo e as
funções que executaria para eles. Há também uma tendência a enfatizar as diferenças
entre os vários Atos apócrifos, em reação contra a tendência, nas discussões do gênero,
a oferecer generalizações sobre os Atos apócrifos que não são de fato verdadeiros em
Atos particulares. Esses desenvolvimentos, embora compreensíveis e necessários,
dificilmente são uma conclusão satisfatória para a discussão do gênero, uma vez que, a
menos que o novo (sub) gênero seja especificado com mais precisão e sua relação com
os gêneros existentes definidos, ficamos sem a ajuda interpretativa que o conceito de
gênero deve fornecer: ou seja, alguns insights sobre o tipo de expectativas que os
primeiros leitores teriam tido quanto ao tipo de literatura que eles estavam lendo e as
funções que executaria para eles. oferecer generalizações sobre os Atos apócrifos que
não são de fato verdadeiros em Atos particulares. Esses desenvolvimentos, embora
compreensíveis e necessários, dificilmente são uma conclusão satisfatória para a
discussão do gênero, uma vez que, a menos que o novo (sub) gênero seja especificado
com mais precisão e sua relação com os gêneros existentes definidos, ficamos sem a
ajuda interpretativa que o conceito de gênero deve fornecer: ou seja, alguns insights
sobre o tipo de expectativas que os primeiros leitores teriam tido quanto ao tipo de
literatura que eles estavam lendo e as funções que executaria para eles. oferecer
generalizações sobre os Atos apócrifos que não são de fato verdadeiros em Atos
particulares. Esses desenvolvimentos, embora compreensíveis e necessários,
dificilmente são uma conclusão satisfatória para a discussão do gênero, uma vez que, a
menos que o novo (sub) gênero seja especificado com mais precisão e sua relação com
os gêneros existentes definidos, ficamos sem a ajuda interpretativa que o conceito de
gênero deve fornecer: ou seja, alguns insights sobre o tipo de expectativas que os
primeiros leitores teriam tido quanto ao tipo de literatura que eles estavam lendo e as
funções que executaria para eles.
À luz deste estado atual de discussão, procederemos, não definindo um gênero no
qual incluir os Atos apócrifos em geral ou os Atos de Paulo em particular, mas
comparando os Atos de Paulo em particular com aquelas categorias de antigos literatura
para a qual tem alguma relação clara. Começamos com os Atos dos Apóstolos, uma vez
que nossa discussão anterior mostrou que os Atos de Pauloestá em uma relação
intencional muito definida com os Atos Lucana. Continua a história de Paulo, que Atos
deixa inacabada. Em consequência, sua estrutura geral - uma narrativa de viagem
episódica - é modelada nos relatos das viagens missionárias de Paulo em Atos e, em
certa medida, os tipos de conteúdo dados a cada episódio também seguem o modelo de
Atos. O fato de que alguns episódios (como o 'romance' de Paulo e Tecla ou a
correspondência entre Paulo e os coríntios) não se conformam ao modelo de Atos não
nega a observação de que a estrutura geral é modelada em Atos e não por si só é
suficiente para distinguir o gênero dos Atos de Paulo do de Atos. Nem a afirmação de
que os Atos de PauloA falta da concepção teológica (salvação-histórica) que rege a obra
de Lucas necessariamente indica uma diferença de gênero, desde que os Atos de
Paulo tenham sua própria perspectiva histórico-salvífica, o que certamente tem.
No entanto, existem diferenças genericamente significativas em relação a Atos. Em
primeiro lugar, os Atos de Paulotem um caráter mais biográfico do que os Atos dos
Apóstolos, embora o ponto precise ser colocado com bastante cuidado para não ser
enganoso. Apesar da concentração virtualmente exclusiva de Lucas na história de Paulo
na segunda metade de Atos, o fato de que ele termina sua história no ponto em que ele
demonstra demonstra que seu interesse por Paulo estava subordinado a um conceito não
biográfico de seu trabalho como um todo. No entanto, seu próprio trabalho estimulou
um interesse nas histórias individuais dos principais apóstolos que aparecem em Atos
que, quando combinados com os interesses fortemente biográficos da época, tornaram
difícil para os cristãos do segundo século entender por que ele não continuou essas
histórias. . O autor do cânone Muratoriano se perguntou por que Lucas não registrou
eventos que ele conhecia (talvez dos Atos de Pedro) não ocorreu muito depois do fim de
Atos - a jornada de Paulo para a Espanha e o martírio de Pedro - e só pôde concluir que
Lucas se limitou a registrar eventos dos quais ele era uma testemunha ocular. O autor
dos Atos de Paulocompartilhou essa preocupação biográfica que fez com que Atos
parecessem inacabados porque não continuava a história de Paulo até a sua morte. Sua
inclusão de uma descrição física de Paulo ( A 3 ) é a característica que mais obviamente
alinha seu trabalho com a biografia greco-romana de uma maneira que não é verdadeira
em Atos.
Naturalmente, os Atos de Paulo não são uma biografia de Paulo, uma vez que
abrange apenas o último período final da vida de Paulo, e assim seu título, seja original
ou não, usa o termo πράξεις , mas não βίος . Além disso, o interesse biográfico não deve
ser considerado como implicando uma mudança de interesse do propósito de Deus na
história da salvação para Paulo considerado em si mesmo como um θεῖος ἀνήρ ou
homem santo. O interesse em Paul é unicamente em Paul como apóstolo-ou 'servo de
Deus, a título preferencial nas Actos de Paul ( AThe 4 ; PHeid 31; PH 6, 7; 28 PHeid) -
sent por Deus a realizar o seu plano ( οἰκονίμία) (PG; cf. PH 4, 6, 7). É a atividade
salvadora de Deus através da pregação e dos milagres de Paulo , que é a preocupação
dos Atos de Paulo , mas a partir dessa perspectiva, a história de Paulo tem seu próprio
significado especial no propósito de Deus. Assim, os Atos de Paulo participam, à sua
maneira, da tendência ao biográfico que caracteriza a historiografia séria e outras
formas de escrita histórica nesse período. Embora em certa medida se possa dizer que os
Atos Lucana já participam dessa tendência, a relação mais próxima entre os Atos de
Paulo e a biografia representa uma mudança de identidade genérica.
Em segundo lugar, há a questão da historiografia e da ficção. Aune segue a distinção
genérica que costuma ser feita quando ele diz que "O autor dos Atos canônicos
apresenta sua obra como história , enquanto é claro que os autores dos atos apócrifos
estavam basicamente escrevendo ficção". Mesmo aqueles que consideram os Atos de
Lucas como uma história altamente tendenciosa ou imprecisa ainda distinguiram
nitidamente seu gênero, como algum tipo de historiografia, dos Atos apócrifos, como
algum tipo de ficção. Só recentemente Pervo dissolveu toda distinção ao classificar os
Atos Lucana e os Atos apócrifos como romances históricos. No entanto, nossa presente
discussão sobre os Atos de Paulo exige que reabramos a questão, não do gênero dos
Atos Lucana, mas da relação dos Atos de Paulo com a historiografia. O autor dos Atos
de Pauloparece longe de simplesmente indiferente à realidade histórica. Ele usa as
fontes que lhe estão disponíveis e, por mais escassas que sejam, espreme toda a
informação que puder, antes de permitir que sua imaginação criativa assuma o
controle. Se seus talentos eram para contar histórias, em vez de julgamento ou análise
histórica, o mesmo poderia ser dito de muitos historiadores antigos. Isto não é para
sugerir que podemos colocar seu trabalho na mesma categoria que o de Lucas. Suas
fontes e métodos, como os descrevemos, são bem diferentes dos de Lucas, em qualquer
demonstração. Mas a diferença - embora certamente uma diferença genérica - não é
entre historiografia e simples ficção. É uma diferença entre uma forma de historiografia
que, por mais que suas convenções permitissem mais licenças para o uso da imaginação
do que as convenções historiográficas modernas, no entanto, dependia extensamente de
fontes plausivelmente confiáveis, e uma forma de escrever sobre pessoas e eventos
históricos que, sem negligenciar fontes históricas, faziam uso liberal da imaginação. De
fato, havia muitos trabalhos antigos do último tipo, com misturas muito variadas de
história e ficção. Mas não ajuda muito classificá-los todos como "romances
históricos". Será mais útil chamar a atenção para algumas categorias específicas que
podem estar relacionadas Mas não ajuda muito classificá-los todos como "romances
históricos". Será mais útil chamar a atenção para algumas categorias específicas que
podem estar relacionadas Mas não ajuda muito classificá-los todos como "romances
históricos". Será mais útil chamar a atenção para algumas categorias específicas que
podem estar relacionadasAtos de Paulo
Devemos começar com o romance (ou romance) propriamente dito, ou seja, o
romance erótico que conta a história de dois amantes que permanecem fiéis uns aos
outros através de separações, ensaios e aventuras perigosas, antes de chegar a uma
reunião feliz e final. Este é um gênero que pode ser fácil e estritamente definido, e em
um campo onde a definição de gêneros é difícil, devemos nos alegrar com esse fato e
não confundir as questões alegando que outras obras de narrativa imaginativa em prosa
são as mesmas que indubitavelmente pertencem a este gênero. Que foi, como Van
Uytfanghe coloca, felizmente, "simbiose" entre o romance e a biografia é verdade, mas
não faz romances de biografias. O romance, definido nesse sentido, era pura ficção, mas
muitas vezes se apresentava como historiografia, devido ao fato de que a ficção
narrativa em prosa derivada em algum sentido (seja por evolução ou decisão criativa é
contestada) da escrita histórica. A pose era sem dúvida transparente, mas era até certo
ponto intrínseca ao gênero, e foi cuidadosamente cultivada por alguns romancistas,
como Heliodoro. É o caso extremo que nos alerta para o fato de que as fronteiras entre
historiografia e ficção na literatura antiga não são simples.
Os Atos de Paulo não são um romance. Além de qualquer outra consideração, os
romances relacionam "as aventuras ou experiências de um ou mais indivíduos em suas
capacidades privadas e do ponto de vista de seus interesses e emoções particulares",
enquanto Paulo nos Atos de Paulo é uma figura pública, cumprindo uma missão de
Deus que pertence ao propósito de Deus para o mundo e afeta populações inteiras de
cidades e regiões. Mas os Atos de Paulo contém, na história de Paulo e Tecla, uma
seção imitativa do gênero romance. Nós já discutimos porque este empréstimo de temas
do romance, que parece ter estado no auge de sua popularidade no momento em que
os Atos de Paulofoi escrito, deveria ter sido feito. Quando fazemos uma comparação
estrita com o romance erótico propriamente dito, em vez de absorver tanto os Atos
apócrifos como o romance próprio em uma categoria muito mais ampla e menos
definida da chamada literatura romanesca ou romântica, é fácil ver tanto que os Atos de
Paulo não é em si um romance e que uma parte dele é deliberadamente imitativa do
romance. Os temas gerais de viagem e aventura, embora sejam característicos do
romance, não são de forma alguma exclusivos dele, e nos Atos de Pauloderivam das
fontes do trabalho para a vida de Paulo, especialmente Atos. Mas os temas eróticos da
história de Paul e Tecla são distintivos do romance, ao passo que não têm paralelo nos
Atos Lucana. Essa relação com o romance, portanto, nos permite entender um ponto em
que os Atos de Paulo se afastam do modelo fornecido por Atos.
Temos notado até que ponto os Atos de Paulo empregam técnicas de exegese
criativa características da literatura exegética judaica. Isto sugere que a relação entre os
Atos apócrifos e aquele corpo considerável de literatura judaica que reconta a história
bíblica com todo tipo de expansões criativas (por exemplo, Jubileus, Liber Antiquitatum
Biblicarum , Artapanus) ou conta, em grande parte, histórias extra-bíblicas sobre a
Bíblia. personagens (por exemplo, Joseph e Aseneth, Jannes e Jambres, 4 Baruch)
merecem mais atenção do que receberam. Grande parte dessa literatura foi lida por
cristãos que não a consideravam canônica. Poderia muito bem sugerir como os escritos
do cânone emergente do Novo Testamento também poderiam ser estendidosAtos de
Paulo, Atos de Pedro ) ou suplementados (por exemplo, Atos de João, Atos de André )
por histórias extra-canônicas sobre os apóstolos. Algumas dessas obras judaicas usam a
exegese do texto bíblico como ponto de partida e estímulo para exercícios na
imaginação histórica, outras são mais puramente ficcionais.
Finalmente, as afinidades entre os Atos de Paulo e a biografia, já notadas, tornam
importante observar que, como comenta Momigliano,
A fronteira entre ficção e realidade era mais fina na biografia do que na historiografia
comum. O que os leitores esperavam na biografia provavelmente era diferente do que
esperavam na história política. Eles queriam informações sobre a educação, os casos de
amor e o caráter de seus heróis. Mas essas coisas são menos facilmente documentadas do
que guerras e reformas políticas. Se os biógrafos quisessem manter seu público, eles teriam
que recorrer à ficção.

Já percebemos que isso se aplica à vida dos poetas gregos. O comentário de


Momigliano precisa de qualificação, no sentido de que algumas biografias eram tão
escrupulosamente históricas quanto a melhor historiografia antiga. De fato, pode-se
falar do surgimento, no tempo da escrita dos Atos de Paulo , de dois gêneros de
biografia: o histórico, que permaneceu próximo ao bom método histórico, e o (por falta
de uma palavra melhor) romanesco, que, ao usar fontes, permitiu mais ou menos
liberdade à imaginação criativa. É instrutivo comparar as obras de um contemporâneo
mais jovem do autor dos Atos de Paulo , Filóstrato. Sua vida dos sofistas, dependente de
fontes orais, sem dúvida compartilham as limitações das fontes, mas nestes Philostratus
não se entregam em livre invenção. Muito diferente é a sua vida de Apolônio de
Tiana. Aqui, o ponto em que a criatividade romanesca toma conta da história é
impossível de determinar, e os estudiosos discordam se a suposta fonte de Filóstrato,
Damis, é uma invenção romanesca.
Também é instrutivo notar quão difíceis são os estudiosos para
classificar genericamente a Vida de Apolônio . Lo Cascio conclui que é uma
combinação de biografia com o romance, o ὑπομνήματα , o panegírico e a
aretalogia. Reardon coloca-o a meio caminho entre a biografia e o romance, tendendo
ao último. Levantando a alternativa da biografia ou romance, Anderson afirma que
"Philostratus gosta de ter as duas coisas, e não tem que se esforçar muito para produzir
uma sobreposição entre os gêneros". No entanto, em vez de confundir o gênero com o
do romance propriamente dito, seria melhor dizer que esse exemplo de biografia
romanesca toma emprestados temas do próprio romance, assim como os Atos de
Paulo.faz. O modo pelo qual as subtramas eróticas são incluídas na história do asceta
Apolônio, presumivelmente para apelar para o mesmo tipo de público que gostava dos
romances, é paralelo a, embora não seja o mesmo que o modo como os temas eróticos
são introduzidos nos Atos de Paulo. e os outros atos apócrifos. A biografia semi-
ficcional ou novelística pode ser influenciada pelo romance propriamente dito, mas não
é essa influência que a torna semi-ficcional. É, de qualquer modo, um gênero semi-
ficcional, romanesco à sua maneira.
A Vida de Apolônio , escrita provavelmente algumas décadas depois que os Atos de
Paulo , conta a história de um filósofo do primeiro século de uma forma que é baseada
na história, mas também é livremente imaginativa. Outro exemplo, talvez mais
contemporâneo dos Atos de Paulo , é a Vida de Secundus, o Filósofo. Secundus, morto
por Adriano por manter seu voto de silêncio, desafiando a ordem do imperador para
falar, também viveu mais ou menos na mesma ordem cronológica de sua biografia,
como Paulo fez com os Atos de Paulo.A história claramente romanesca contada para
explicar seu voto de silêncio é plausivelmente entendida como "uma história romântica
e sensacional" tecida em torno do fato histórico do silêncio do filósofo, que sem dúvida
estaria de fato ligado ao ascetismo pitagórico. Estamos aqui no mesmo reino de
histórias desenvolvidas para explicar fatos históricos mínimos, como estamos nos Atos
de Paulo. Que Secundus é retratado, como Paul, como um mártir também ilustra como
neste período as histórias de mortes heróicas por princípio filosófico ou religioso
atraíram tanto pagãos quanto cristãos.
Resumindo a visão de Lo Cascio sobre o gênero da Vida de Apolônio , usei a
palavra aretalogia, que tem sido aplicada com pouca frequência à Vida de
Apolônio. Quando a imensa confusão causada pelas formas em que o conceito de
arqueologia foi usado nos estudos do século XX foi dissipada, o que a aplicação desse
conceito aos Atos apócrifos realmente significa é a sugestão de uma comparação com
essas vidas. dos filósofos que os retratam como θείοι ἄνδρες , exercendo poderes
miraculosos. Este foi um tipo de biografia filosófica que estava apenas começando a ser
escrita na época dos Atos de Paulo , e que inclui a Vida de Apolônio.Há um sentido
geral em que o Paulo dos Atos de Paulo pode ser visto como comparável a esses
filósofos, embora não pareça haver, como em alguns casos em outros Atos apócrifos,
empréstimos específicos de motivos da vida de os filósofos. (É tentador conectar a cena
quando Paulo, após seu martírio, aparece a Nero para provar que "não estou morto, mas
vivo em meu Deus" [MP 6, cf. 4] com a aparição de Apolônio após sua morte para
provar a imortalidade da alma [ Vida de Apolônio 8,31]. O motivo pode ser encontrado
em outro lugar, mas é sugestivo que Paulo aparece para Nero quando 'muitos filósofos'
estavam com ele.)
Contudo, o Paulo dos Atos de Paulo não é θεῖος ανήρ . Não há interesse nele como
modelo de imitação, mas apenas sua função missionária como trazer uma mensagem de
salvação de Deus. Seus milagres - certamente mais abundantes e mais notáveis que os
de Paulo nos Atos de Lucas - demonstram e atestam sua mensagem. Seu poder é de
Deus, não inerente a ele (Fide 31; PH 6). Ele é "o servo de Deus" a quem "grandes
obras" são "concedidas" para a salvação das pessoas e o louvor de Deus (PH 6). Por
isso, é enganador falar dos Atos de Paulo como sendo aretológicos. A semelhança com
as vidas dos filósofos é uma ampla semelhança de gênero, não uma semelhança
específica de assunto.
A partir deste levantamento de semelhanças com outros tipos de literatura, é
instrutivo observar como características dos Atos de Paulo - seu interesse biográfico em
Paulo, seu uso de motivos narrativos eróticos (ou pseudo-eróticos), seu deleite em fugas
milagrosas e feitos miraculosos, sua descrição do martírio de Paulo - referem-se às
correntes literárias precisamente da segunda metade do segundo século em que se
originou e aos gêneros literários que estavam atingindo o auge de sua popularidade
naquele tempo ou se tornando populares para a época. primeira vez: o romance erótico,
obras biográficas em geral, a biografia romanesca e em particular a vida do filósofo
como θεῖος ανήρ, martirologia (emergindo como um elemento na biografia e como um
gênero distinto). Essas relações nos ajudam a ver como um autor, pretendendo continuar
a história de Lucas de Paulo e modelar a narrativa de Paulo sobre Lucas, também estava
sujeito a uma variedade de influências literárias contemporâneas que explicam as
diferenças entre os Atos de Lucana e seus próprios atos. Paulo. A descrição física de
Paulo não faz dos Atos de Paulo uma biografia. O uso de motivos eróticos não o torna
um romance. Mas tais elementos tomaram seu lugar em um trabalho hospitaleiro para
influenciar de uma variedade de gêneros. Essa hospitalidade, deve-se notar, é
característica do gênero que chamamos de biografia romanesca.
Sugiro que três grandes influências genéricas contribuíram para o surgimento de um
novo gênero ou subgênero. Primeiro, os Atos dos Apóstolos determinaram
significativamente a forma, estrutura e conteúdo dos Atos de Paulo. Porque é uma
sequela de Atos, os Atos de Paulolida apenas com a última parte da vida de Paulo, é
estruturada como uma narrativa de viagem episódica, muitos de seus episódios paralelos
aos tipos de conteúdo que a narrativa de Atos das viagens de Paulo contém, e sua
apresentação de Paulo é informada por uma teologia da salvação histórica. perspectiva
que, embora não seja a mesma que a de Lucas, é semelhante à de Lucas. Em segundo
lugar, a literatura judaica do tipo freqüentemente chamada de "Bíblia reescrita" forneceu
um modelo - assim como métodos exegéticos - para o uso de textos das escrituras como
pontos de partida para o desenvolvimento de narrativas não-escriturais sobre um caráter
escriturístico. Em terceiro lugar, a biografia romanesca oferece um gênero bastante
flexível, no qual o genuíno interesse pela história e pela liberdade da imaginação
histórica não está em tensão, mas vai naturalmente junto.Atos de Paulo compartilha essa
hospitalidade. Todos esses três precedentes genéricos teriam ajudado a determinar a
compreensão dos primeiros leitores sobre o tipo de trabalho que estavam lendo quando
leram os Atos de Paulo - sem dúvida, em graus variados, de acordo com sua própria
experiência literária.
O resultado é uma obra de caráter biográfico romanesco (não estritamente uma
biografia) adequada para contar a história de um tipo particular de figura histórica: o
apóstolo cristão. Podemos considerar isso como um novo gênero ao lado da biografia
romanesca ou como um subgênero da biografia romanesca.
Essa conclusão não pode, naturalmente, ficar sem alguma referência aos outros atos
apócrifos. Apesar da individualidade de cada um dos cinco Atos apócrifos mais antigos,
que a discussão recente enfatizou e que a presente discussão tenderia a confirmar, as
semelhanças são tão óbvias que qualquer conclusão que os Atos de Paulo representa um
novo gênero ou subgênero que não é aquele ao qual os outros Atos apócrifos também
pertencem, seria difícil de defender. A questão é grandemente complicada, no entanto,
pelo fato de que não podemos, no presente estado de pesquisa, estar certos da ordem
cronológica em que os Atos apócrifos foram escritos ou das relações literárias entre
eles. Assim, não sabemos quais autores estavam compondo de acordo com um gênero já
estabelecido para eles pelos outros Atos apócrifos que conheciam. No entanto, gostaria
de sugerir, como uma ajuda heurística para um estudo mais aprofundado dos Atos
apócrifos em comparação uns com os outros, que as mesmas três grandes influências
genéricas determinaram o gênero dos Atos de Paulo. Fizemos a elaboração dos outros
atos apócrifos, embora em graus variados e não diretamente em todos os casos. Assim,
pode ser que, embora os Atos de Tomé não tenham sido significativamente modelados
nos Atos dos Apóstolos, foram escritos de acordo com um gênero do qual exemplos
anteriores, conhecidos pelo autor dos Atos de Tomé , haviam sido influenciados por
Atos.
Não há dúvida de que os Atos de Paulo se assemelham mais aos Atos dos Apóstolos
do que a qualquer outro dos Atos apócrifos, pelo menos em seus textos existentes. (Até
que ponto a seção inicial perdida dos Atos de Pedro , estabelecida em Jerusalém,
assemelhou-se aos primeiros capítulos de Atos, ou se o início dos Atos de João foi
estabelecido em Jerusalém e tinha ligações com Atos, não podemos saber.)
característica de ser uma sequela da história contada em Atos se aplica a um outro texto:
os Atos de Pedro, não em sua forma original, que parece ter contado a história de Pedro
desde o Pentecostes, mas em sua forma (provavelmente do terceiro século) redigida
como a temos nos Atos Vercelli. Lá a história começa com a libertação de Paulo do
cativeiro em Roma e a partida para a Espanha, antes da chegada de Pedro a Roma: uma
abertura claramente projetada para ligar o texto ao fim de Atos. É claro que não
poderíamos esperar que os Atos de André ou os Atos de Tomé fossem escritos como
seqüências de Atos. Mas há uma maneira importante em que os Atos Lucana
determinaram o gênero de todos os Atos apócrifos. Embora a maioria, não sendo
seqüelas de Atos, mas mais como narrativas paralelas aos Atos, cobrem muito mais da
vida de um apóstolo do que os Atos de Paulo.Não, até onde sabemos, nenhum começa a
narrativa antes da ressurreição. O gênero dos atos de um apóstolo é definido como a
narrativa da atividade missionária de um apóstolo subseqüente ao ministério, morte e
ressurreição de Jesus. Ao contar a história de um único apóstolo no que diz respeito ao
seu martírio (ou, no caso único de João, à morte), eles manifestam o interesse biográfico
que é intrínseco ao gênero. Mas ao excluir a narração da vida do apóstolo antes e
durante o ministério de Jesus, o gênero foi determinado pela divisão literária da história
da salvação representada pelos dois volumes de Lucas e reforçada pela classificação do
segundo século do Evangelho de Lucas com outros Evangelhos. e conseqüente
tratamento de Atos como um trabalho totalmente separado.
Os Atos apócrifos não são tão diferentes dos Atos como o mainstream da erudição
supôs, nem tão semelhantes aos Atos como Pervo argumentou. O novo gênero ao qual
pertencem tem sido decisivamente influenciado por Atos, mas é mais biográfico e mais
fictício. Suas diferenças em relação aos Atos têm muito a ver com as correntes literárias
populares do final do segundo e do início do terceiro século em que se originaram.

CAPÍTULO 6
ATOS E HISTÓRIAS ECLESIÁSTICAS
SUBSEQUENTES
Alanna Nobbs

Resumo
Eusébio no prefácio de sua História Eclesiástica reivindica originalidade por sua tentativa de
escrever uma história narrativa da igreja desde o tempo de Jesus. Seus principais temas são
expostos em sua introdução e perseguidos durante todo o trabalho. Embora ele esteja
claramente familiarizado com os Atos, tanto como Escritura quanto como fonte para a escrita
da história da igreja no início do período apostólico, ele não modela conscientemente sua
história da igreja sobre Atos. No entanto, os temas que ele seleciona e sua interpretação de
como Deus trabalha na história estão, em muitos aspectos, próximos de Atos. Seus sucessores
no gênero seguem a mesma linha.

O livro de Atos nos fornece uma história narrativa e literária dos primeiros dias da
Igreja Cristã, cobrindo um período de quase trinta anos desde a ascensão de Cristo até o
ministério de Paulo em Roma. Eusébio de Cesaréia (c. 263 a c. 340) estava intimamente
familiarizado com o livro de Atos, que ele cita apenas em sua História Eclesiástica ,
não menos que 85 vezes. No entanto, as alegações de originalidade feitas no prefácio de
sua História EclesiásticaParece sugerir que ele se viu escrevendo a primeira narrativa e
história literária da igreja. O presente artigo examinará a visão do gênero da história
eclesiástica tomada por Eusébio e seus sucessores, com o objetivo de determinar a
influência de Atos sobre as histórias eclesiásticas subsequentes. No presente caso, o
âmbito será restrito principalmente a Eusébio, mas com alguma referência a Sócrates,
Sozomen, Theodoret e Philostorgius, ou seja, aqueles historiadores eclesiásticos que
escreveram em grego no quinto século, em certa medida na continuação e imitação da
obra de Eusébio.
Primeiro, é necessário olhar mais de perto a alegação de Eusébio, e então comparar
seu tema, como ele define, com o do livro de Atos. No início do século IV, Eusébio
estava relembrando aproximadamente 300 anos de história desde seu ponto de partida
"a primeira dispensação de Deus a respeito de nosso Salvador e do Senhor Jesus Cristo"
( HE 1.1.2 ). Dado este período de tempo, ele teve que ser seletivo sobre quais temas ele
escolheria seguir e estes são claramente definidos em suas palavras de abertura ( HE
1.1.1 ) como:
(i) a sucessão dos santos apóstolos;
(ii) o número e a natureza das transações registradas na história da igreja;
(iii) aqueles que foram distinguidos como líderes da igreja nas províncias mais
notáveis;
(iv) aqueles que foram embaixadores de Deus em fala ou escrita;
(v) uma enumeração de hereges;
(vi) o destino da nação judaica;
(vii) um relato de perseguições e martírios.
Eusébio havia dedicado considerável preparação a essa tarefa, elaborando extensas
listas cronológicas compiladas das "memórias dispersas" ( HE 1.1.4 ) de escritores
anteriores. No entanto, ele afirma ter sido o primeiro a reunir tal material em uma
narrativa conectada. Comparando-se a um viajante em um caminho inexplorado, ele diz
que é o primeiro a entrar nesse empreendimento ( ὑπόθεσις , HE 1.1.3 ). Isto é
amplificado em 1.1.5 , onde ele afirma que a tarefa é necessária porque ele não tem
conhecimento de nenhum escritor eclesiástico que até este momento tenha prestado
atenção a este tipo de escrita. É importante ter clareza sobre os termos exatos de sua
reivindicação. É uma história narrativa detalhada da igreja que é o aspecto novo.
Eusébio, em seguida, lança diretamente em seu assunto, começando ( HE 1.1.7 )
com a dispensação de Deus e a dupla natureza de Cristo, um tópico de violenta
controvérsia entre atanásio e ariano.
O prefácio de Eusébio, deve ser notado, não faz alusão ao livro de Atos e, no
entanto, ele certamente não era ignorante de seu conteúdo. Isto é revelado não apenas
nas citações de Atos ao longo da História Eclesiástica e nos outros escritos de Eusébio,
mas também especificamente no uso que ele faz de Atos como fonte para a história da
igreja primitiva, como o seguinte exame atento de seu texto demonstrará . Daí se verá
que Eusébio conhecia bem e respeitava profundamente o livro de Atos (e é, aliás, uma
grande autoridade para sua autoria de Lucana).
O primeiro livro de Eusébio trata da vida de Jesus e, portanto, não faz uso extensivo
do livro de Atos. Eusébio, entretanto, inclui em sua discussão sobre a revolta de Judas, o
Galileu, uma comparação do relato de Atos ( Atos 5:37 ) com o de Josefo, em termos
que mostram sua familiaridade com o livro de Atos ( HE 1.5.3 ).
No segundo livro Eusébio começa com a vida dos apóstolos após a ascensão de
Cristo. Embora ele faça uso de Atos, não é sua única fonte e Clemente, Philo, Tertuliano
e Josefo são nomeados como referências principais. No caso de Filo e Josefo, a
comparação de pontos particulares é feita com Atos.
A ordem de Eusébio de tratamento de eventos não é idêntica à de Atos, embora a
sequência de Atos seja amplamente seguida. A história de Eusébio não é uma réplica de
nenhuma de suas fontes, mas envolve que ele faça um julgamento próprio sobre as
várias opiniões e selecione o material de acordo com os critérios estabelecidos no
prefácio.
Há muitos episódios no segundo livro de Eusébio, onde Atos é citado ou seguido de
perto. A seleção de Matias para substituir Judas ( Atos 1: 23-6 ) está relacionada na
seção de abertura ( HE 1.12.3 ). Há menos ênfase no papel de Pedro no estabelecimento
da igreja no relato de Eusébio do que em Atos. Eusébio segue Atos ao notar a nomeação
de Estêvão para administrar o fundo comum, e o modo e as conseqüências de sua morte,
embora a longa fala seja omitida, neste caso como em outros. A atitude de Eusébio aos
discursos de sua história, em qualquer caso, diferia da de Atos.
A conversão de Paulo no relato de Eusébio não entra em nenhum dos detalhes sobre
sua visão. Em HE 2.1.9 , a perseguição de Paulo aos cristãos após a morte de Estêvão é
mencionada ( Atos 8: 3 ). De sua conversão, Eusébio simplesmente diz que ele foi
escolhido através da revelação de Jesus ( HE 2.1.14 ). No caso deste e de outros eventos
significativos, onde a conta de Eusébio é mais breve do que a de Atos, o leitor realmente
precisa da conta de Atos para preencher a imagem. O público-alvo de Eusébio teria sido
considerado familiarizado com o relato bíblico, com o qual Eusébio certamente não está
se colocando em conflito.
Outros episódios de Atos que Eusébio elege cobrir são a visita de Filipe a Samaria
( HE 2.9-10 ; At 8: 5-13 ) e a história de Filipe e do eunuco etíope ( HE 2.1.13 ; Atos 8:
26-38 ). Eusébio ( HE 2.3.3 ) repete a informação dada em Atos 11 que o nome
"Cristão" foi usado pela primeira vez em Antioquia, e observa que Atos e Filo
comentam sobre o modo como os primeiros cristãos compartilhavam suas posses ( HE
2.17.6 ; Atos 2: 4 , 5 ).
A heresia de Simão Mago é significativa para Eusébio, já que a detecção e a punição
da heresia eram aspectos importantes de seu tema ( SE 2.1.12 ; 13.1-15.1 ; At 8: 18-
23 ). O conto de Simão Mago é retomado duas vezes por Eusébio e relatado com muito
mais detalhes do que em Atos, com referências adicionais aos escritos de Justino e
Irineu.
Novamente, Eusébio entra em mais detalhes do que Atos sobre a retribuição visitada
por Deus em Herodes pela morte de Tiago. Eusébio cita Atos ( HE 2.8.2 ; Atos 12:
1 , 2 ). Ele também adiciona informações de Clemente e Josefo, dando detalhes sobre a
morte do rei, embora ele tenha que explicar o nome diferente do rei em Josefo.
Após essa amplificação do relato de Atos sobre a morte de Herodes, Eusébio não
aborda com tantos detalhes o material de Atos, embora continue se referindo aos Atos, e
compare Josephus quando possível. Por exemplo, em 2.11.1, ele compara Josephus AI
20.197-8 com Atos 5: 34-6 em relação a Theudas; ele então observa ( 2.12.1 ) que
Josefo ( AI 20.101 ) concorda com o relato de Atos da fome no tempo de Cláudio,
quando a comida foi enviada via Barnabé e Paulo da comunidade cristã em Antioquia
para o alívio da Judéia ( Atos 11: 29-30 ).
Os capítulos 16–18 do Livro 2 de Eusébio seguem os escritos de Filo e os
relacionam com a igreja primitiva. Eusébio narra como Áquila e Priscila vieram para
ficar com Paulo ( HE 2.18-19 ; Atos 18: 2 , 18-19 , 23 ). O relato da prisão de Paulo é
preenchido com a discussão dos relatos de Josefo sobre as disputas entre os judeus e não
repete grande parte do relato de Atos ( HE 2.21-23 ). Eusébio é de fato breve onde Atos
é detalhado ( HE 2.22.1 ; Atos 25: 8-12 ; 27: 1 ) e assume que seu leitor está bem
familiarizado com o fim de Atos ( HE 2.22.1). Eusébio se esforça para acrescentar
informações de histórias tradicionais sobre as atividades de Paulo após a visita a Roma
mencionada no final de Atos. Eusébio de fato argumenta que Paulo não foi martirizado
nesta ocasião ( HE 2.22.7 ).
Novamente, Eusébio preenche consideravelmente a narrativa de Atos em seu relato
da morte de Tiago, o irmão de Jesus ( HE 2.23 ; Atos 23: 13-15 ; 25: 3 ). Este martírio
elaborado é uma parte importante do tema de Eusébio; daí o longo e literário
tratamento.
Parece claro, então, que em relação à forma e concepção de sua obra, Eusébio não
reconhece uma dívida com o primeiro relato do desenvolvimento da igreja, embora ele
faça um reconhecimento específico de assuntos de conteúdo. Claramente ele conhecia
Atos muito bem, então é apropriado buscar a influência de Atos na concepção de
Eusébio e apresentação da história eclesiástica.
Enquanto o período de cerca de 300 anos obviamente trouxe diferenças profundas
entre a visão de Eusébio e a de Atos, vários dos principais temas de Eusébio já estão
presentes, alguns de maneira incipiente, no livro de Atos, e nessa medida Atos devem
ser vistos como tendo contribuído para definir a noção de história eclesiástica. Tomando
individualmente os temas declarados de Eusébio, como enumerados acima, podemos
ver como cada um deles tem um precursor em Atos.
(i) a sucessão de apóstolos: uma das primeiras preocupações de Atos;
(ii) transações registradas na história da igreja: quase todos os eventos se
enquadram nessa categoria;
(iii) os que se distinguem como líderes da igreja: Atos enfocam particularmente o
papel da liderança primeiro de Pedro, depois de Paulo;
(iv) embaixadores de Deus, em fala ou escrita: Pedro, Estêvão e Paulo se
enquadram nessa categoria em Atos;
(v) hereges: Simão Mago;
(vi) o destino da nação judaica: a destruição de Jerusalém está fora do período de
tempo de Atos, mas há referências à preocupação com o destino dos judeus;
(vii) perseguição e martírio: vários relatos em Atos, incluindo a prisão de Pedro e
Paulo e o martírio de Tiago, irmão de João.
Esses vários temas recebem um peso diferente nas duas obras, em grande parte por
causa dos diferentes tempos em que foram escritos. Por exemplo, há
compreensivelmente mais ênfase na disseminação do evangelho em Atos, embora
Eusébio o trate sob o título de embaixadores. A sucessão apostólica é de particular
interesse para Eusébio por causa da necessidade de provar a continuidade doutrinária
através da sucessão apostólica.
Em um nível mais fundamental, a visão da natureza da história em Atos se
assemelha à de Eusébio em sua História Eclesiástica.Há semelhança no final e na
mensagem subjacente das duas obras. Ambos terminam com uma nota de otimismo. No
caso de Atos, o verso final deixa o ministério de Paulo em Roma em pleno vôo. No caso
de Eusébio, a igreja triunfa sobre seus antigos perseguidores. A mão de Deus é
responsável pelo triunfo final de Constantino sobre Licínio e, portanto, da Igreja sobre
seus inimigos. Ao longo do livro de Atos, Deus está claramente no controle. A obra do
Espírito Santo permeia o relato de Atos. O tema da providência de Deus é
fundamental. A mão de Deus é vista em ambas as obras expressas através de
milagres. Essas visões similares do propósito da história não precisam ser, e de fato
muito provavelmente não são, devido à influência direta de Atos em Eusébio, mas sim a
influências comuns a ambos os autores.
A dívida do Livro de Atos ao Antigo Testamento é prontamente aparente,
especialmente nas citações nos discursos. Uma interpretação teocrática da história é
fundamental, por exemplo, para 1 e 2 Reis, onde a retribuição atinge aqueles como
Omri, que se afastou do caminho do Senhor. Tal visão da história era inerente às
escrituras judaicas, por isso não é surpreendente encontrar a retribuição divina exigida
de Herodes em Atos. Ao longo de seu décimo livro, Eusébio apresenta o triunfo de
Constantino sobre Licínio como o triunfo de Deus sobre o mal.
A mão orientadora de Deus em toda a história humana é o foco tanto do livro de
Atos como da História Eclesiástica de Eusébio . Isso contribui para um ponto de vista
consistente, ao contrário das intervenções às vezes caprichosas do destino ou da fortuna
encontradas extensivamente, embora não universalmente, na tradição historiográfica
greco-romana.
Se nos voltarmos agora para uma comparação entre a forma de Atos e a de Eusébio,
vemos uma semelhança, inicialmente, em que ambos, da maneira comum aos
historiadores greco-romanos, começam com um prefácio. Há, no entanto, uma
importante diferença de forma em relação a uma característica literária da historiografia
grega. Uma grande partida da História Eclesiástica de Eusébiodas histórias clássicas
está o uso extensivo feito por Eusébio da citação literal de documentos, especialmente
cartas. Historiadores gregos e romanos geralmente parafraseavam discursos com maior
ou menor floreio retórico, para assegurar consistência estilística. Nas circunstâncias
polêmicas sob as quais Eusébio escrevia, a exatidão absoluta era necessária para que
seus argumentos fossem convincentes. Em dois casos, a precisão da citação de Eusébio
de um documento foi confirmada pela descoberta de uma inscrição ou de um papiro. Os
sucessores de Eusébio, Sócrates, Sozomen e em particular Teodoreto no quinto século
continuaram esta prática. É geralmente, embora não sem controvérsias contínuas,
concordar que os discursos de Atos, embora retenham a substância do que foi dito, são
em certa medida adaptados (e abreviados). Nos discursos de Atos, freqüentemente é
feito apelo às Escrituras para argumentar e convencer os ouvintes. Tal é o caso, por
exemplo, do discurso de Pedro (Atos 2: 14–40 ) e o discurso de Estêvão ( Atos 7: 1–
53 ). Esse é o mesmo tipo de apelo a fontes específicas que subjazem à partida
eusebiana do mainstream da tradição historiográfica. Era também uma característica da
apologética cristã. Não é o caso que os historiadores greco-romanos nunca citaram
documentos verbatim, mas eles raramente o fizeram. Apresentar um contraste excessivo
entre historiadores eclesiásticos e classicistas ou seculares nesse ponto pode ser
enganador. Por exemplo, o historiador tradicional Amiano Marcelino, escrevendo em
latim no final do século IV, citou em grego as inscrições em um obelisco que havia sido
levado a Roma.

Conclusão
Há semelhanças de fato entre o modo como a história da igreja primitiva está escrita no
livro de Atos e o modo como a história da igreja, ao longo de trezentos anos, foi escrita
por Eusébio. Algumas delas são devidas à experiência comum dos autores sobre o modo
como a história foi apresentada no Antigo Testamento e com as tradições gregas de
escrita histórica. No entanto, a familiaridade de Eusébio com os Atos e seu uso como
fonte principal influencia sua apresentação de episódios na vida da igreja primitiva. O
uso de Eusébio de Filo e Josefo para corroborar a evidência de Atos mostra seu desejo
de convencer os outros de sua veracidade. Em um nível mais profundo, Atos como
escritura (juntamente com o restante do Novo Testamento) moldou sua visão da obra de
Deus na história. O resultado é que, para ambos os escritores, Deus está totalmente no
controle dos eventos;
Atos nos fornece uma narrativa conectada e literária dos primeiros dias da igreja
cristã, de uma espécie que Eusébio afirmou que seus antecessores não haviam
dado. Não devemos deixar de considerar os Atos como história eclesiástica
simplesmente porque isso não é reivindicado, enquanto Eusébio afirma estar iniciando
um novo caminho. Mas então nem devemos censurar imediatamente Eusébio por falhar
em reconhecer que ele tinha em alguns aspectos seu predecessor no campo. Não há
dúvida de que, uma vez que Atos era escritura, ele não viu seu próprio trabalho em uma
categoria semelhante. Era importante que Eusébio definisse sua nova abordagem ao seu
gênero porque estava partindo da tradição histórica clássica e também dos escritos de
seus predecessores cristãos mais imediatos. Seu prefácio foi particularmente dirigido
àqueles que esperariam um ou outro desses tipos de escrita sobre o passado. A definição
de sua tarefa, que Eusébio dá em seu prefácio, é apropriada à sua audiência projetada e
vinculada à sua renúncia (convencional) sobre suas próprias habilidades.
Os antigos distinguiram nitidamente a crônica da história, e foi principalmente essa
distinção que Eusébio tinha em mente quando afirmou que seu caminho era
inexplorado. Sua confiança em sua abordagem foi (podemos ver em retrospecto)
justificada, uma vez que ele inspirou vários historiadores posteriores a continuar sua
história eclesiástica de maneira semelhante à sua, e citando documentos. No entanto, ele
havia coberto tão completamente seu terreno escolhido que nenhum de seus sucessores
nos deixou uma tentativa de relatar a história da igreja nos primeiros três
séculos. (Sozomen alude a uma versão anterior de sua história, agora perdida.)
As principais histórias eclesiásticas existentes no quinto século começaram a partir
do reinado de Constantino. Sócrates, Sozomen e Theodoret estavam principalmente
preocupados com o desenvolvimento da controvérsia ariana durante o reinado de
Constantino. Isso está fora do escopo da História Eclesiástica de Eusébio, embora não
de sua posterior Vida de Constantino.Philostorgius, o historiador eunomiano cujo
trabalho é preservado apenas em forma fragmentária, também começou com
Constantino e refere-se com aprovação a Eusébio. Historiadores eclesiásticos extensos,
posteriores a Eusébio, enquanto modificaram alguns elementos de seu tratamento, em
particular o equilíbrio entre eventos eclesiásticos e seculares, não voltaram à igreja
primitiva e retrabalharam sua história diretamente de Atos e outras fontes como Eusébio
havia feito. Suas afinidades com os Atos, além de sua familiaridade geral com as
Escrituras, são mediadas por aquelas características que Eusébio adotou, consciente e
inconscientemente.
Uma característica persistente, comum a toda a historiografia eclesiástica a partir de
Atos, é o tema da direção da história de Deus. Sua intervenção às vezes ocorre através
de milagres, às vezes através de eventos naturais, como terremotos. No caso dos
escritores ortodoxos, são os arianos que são visitados com retribuição divina. Para o
neo-ariano ou eunomian Philostorgius, o favor de Deus é retirado dos imperadores que
perseguem os arianos. Todos esses historiadores eclesiásticos do quinto século se unem
na condenação de Juliano, o Apóstata, e veem a mão de Deus em sua morte inesperada
durante sua campanha persa. Este fio comum, rastreável ao Antigo Testamento antes de
Atos, é interpretado de acordo com as visões individuais do historiador. Philostorgius
tem um tom apocalíptico mais sombrio em sua visão do julgamento de Deus na história.
O assunto do gênero da história eclesiástica, como definido no prefácio de Eusébio,
mas seguindo em vários aspectos de perto, como temos argumentado, o assunto de
Atos, permaneceu a substância do gênero até o sexto século. Na época de Evágrio,
escrevendo no final do reinado de Justiniano, tornara-se impossível separar a política
eclesiástica da política imperial, à medida que se fundiam na pessoa do imperador. É
neste ponto que o tipo particular de história eclesiástica iniciado por Eusébio, e
influenciado da maneira que vimos, pelo livro de Atos, não se torna mais um veículo
apropriado para a história da igreja na antiguidade posterior.

CAPÍTULO 7
ACTOS E 'EX-TRATADO'
I. Howard Marshall

Resumo
A relação literária entre o Evangelho de Lucas e os Atos dos Apóstolos foi avaliada de várias
formas: são obras separadas ou partes de um todo integrado? Depois de uma pesquisa de bolsa
de estudos, o ensaio argumenta que os prólogos dos dois livros indicam que eles devem ser
lidos como uma história conectada, que vários pequenos traços nas narrativas apontam na
mesma direção e que o fim do Evangelho aponta para um sequela. Esta hipótese levanta
questões frutíferas sobre a relevância do prólogo do Evangelho para a compreensão de Atos, o
possível gênero do trabalho como um todo, e a relação estrutural dos dois livros.

Nossa tarefa neste ensaio é mais um aspecto de colocar o Livro de Atos em seu
ambiente literário. Esse cenário inclui manifestamente o fato de que, como nós temos,
Atos é apresentado como o segundo "tratado" por seu autor em relação à sua obra
anterior, o Evangelho. Qual é precisamente a relação entre esses dois tratados e como
isso afeta nossa compreensão do segundo deles?

I. Teorias da Relação entre o Evangelho e os Atos


A relação entre o Livro de Atos e o Evangelho de Lucas foi entendida de várias
maneiras diferentes, e há um grande conjunto de possibilidades com implicações
significativas para nossa compreensão. Talvez a maioria dos estudiosos hoje assuma
que estamos lidando com uma única obra literária, convenientemente designada por
'Lucas-Atos'; típico da abordagem atual é o trabalho de RC Tannehill cujo trabalho de
dois volumes se destina a "enfatizar a unidade de Lucas-Atos", mostrando como é uma
unidade narrativa. Tannehill está ciente das objeções que podem ser levantadas para
essa suposição, mas parte de seu objetivo é defendê-lo chamando a atenção para um
conjunto completo de ligações cruzadas, paralelos e outros fenômenos literários que
tendem a confirmá-lo.
Mas a suposição é realmente justificada? É a reclamação de MC Parsons e RI Pervo
que não é mais que uma suposição, e que os estudiosos não a testaram
adequadamente; eles procedem a produzir alguns argumentos que, em sua opinião,
sugerem que não é tão bem fundamentado como as pessoas pensam, embora hesitem em
dizer que o deixaram cair alto. De fato, tem havido várias teorias diferentes sobre a
relação entre o Evangelho e os Atos.
1. Trabalhos separados de dois autores diferentes
Os dois livros são trabalhos separados de dois autores diferentes, os últimos
supostamente emulando deliberadamente o estilo e a teologia do primeiro. Embora JC
Hawkins oferecesse uma defesa da unidade lingüística dos dois livros, listando suas
características comuns, ele também notou algumas diferenças interessantes entre
eles. Essas diferenças foram exploradas por AC Clark em 1933 para desenvolver um
processo contra a autoria comum com base em evidências lingüísticas, mas ele não
encontrou seguidores imediatos. A questão foi reaberta por AW Argyle em 1974, que
forneceu uma lista completa das diferenças linguísticas entre as duas obras e parece ter
concluído que Atos era um trabalho anônimo; 'o autor, sendo muito tímido para escrever
em seu próprio nome, se abrigou sob um nome mais conhecido'. A força do caso de
Argyle foi que ele mostrou como o autor de Atos usou outras palavras como sinônimos
de itens no vocabulário do Evangelho. O argumento foi submetido a críticas
devastadoras por BE Beck, que mostrou (a) que os pares de palavras citadas por Argyle
não são frequentemente sinônimos precisos, (b) que algumas das diferenças no
vocabulário podem ser devidas ao uso de fontes, e (c) que dentro do Evangelho e dos
Atos tomados individualmente o uso de sinônimos é comum. No entanto, Beck não
abordou o problema do significado das outras diferenças lingüísticas inegáveis. Que tais
diferenças podem ser estabelecidas entre os dois trabalhos é claro. Podemos nos referir
em particular à alta freqüência relativa de que mostrou (a) que os pares de palavras
citadas por Argyle não são frequentemente sinônimos precisos, (b) que algumas das
diferenças no vocabulário podem ser devidas ao uso de fontes, e (c) que tanto no
Evangelho quanto nos Atos tomados individualmente, o uso de sinônimos é comum. No
entanto, Beck não abordou o problema do significado das outras diferenças lingüísticas
inegáveis. Que tais diferenças podem ser estabelecidas entre os dois trabalhos é
claro. Podemos nos referir em particular à alta freqüência relativa de que mostrou (a)
que os pares de palavras citadas por Argyle não são frequentemente sinônimos precisos,
(b) que algumas das diferenças no vocabulário podem ser devidas ao uso de fontes, e (c)
que tanto no Evangelho quanto nos Atos tomados individualmente, o uso de sinônimos
é comum. No entanto, Beck não abordou o problema do significado das outras
diferenças lingüísticas inegáveis. Que tais diferenças podem ser estabelecidas entre os
dois trabalhos é claro. Podemos nos referir em particular à alta freqüência relativa
de diferenças lingüísticas inegáveis. Que tais diferenças podem ser estabelecidas entre
os dois trabalhos é claro. Podemos nos referir em particular à alta freqüência relativa
de diferenças lingüísticas inegáveis. Que tais diferenças podem ser estabelecidas entre
os dois trabalhos é claro. Podemos nos referir em particular à alta freqüência relativa
deτε em Atos comparados com o Evangelho (9: 145), com as variações no uso
da construção impessoal ἐγονετο , e com as frequências relativas de μετά + genitivo
(51:36) e σύν (23:51). Essas diferenças de estilo podem ser consideradas
suficientemente significativas para exigir alguma explicação, mesmo na hipótese de
autoria comum. Alguns argumentam que são fatais para essa hipótese.

2. Trabalhos separados do mesmo autor


Beck observa que JC Hawkins sugeriu uma lacuna no tempo entre a composição dos
dois trabalhos. Teríamos então uma base para a hipótese de que o Evangelho e os Atos
são obras separadas do mesmo autor.
Tem sido ocasionalmente sugerido que Atos foi escrito antes do Evangelho. G.
Bouwmann acha estranho que Atos não remeta ao Evangelho e argumenta que sua
teologia é mais primitiva. Nenhum ponto é convincente.
A outra possibilidade, mais realista, é que Lucas escreveu o Evangelho primeiro
sem pensar em uma sequência, e depois escreveu Atos muito mais tarde. Nesta visão,
certamente seria inevitável que o autor considerasse Atos como uma continuação do
Evangelho. Se assim for, surgem questões sobre se o Evangelho passou por alguma
revisão à luz da composição de Atos. Essas revisões podem estar em qualquer uma das
três áreas:
(1) Primeiro, há o prólogo do Evangelho. Nós temos o prólogo original, ou ele foi
alterado em vista da continuação? Ou é o prólogo a ser entendido em qualquer caso
como se aplicando apenas ao Evangelho? Pode-se dizer imediatamente que não há
evidência textual ou outra que nos permita reconstruir uma forma anterior do
prólogo. As opiniões divergem consideravelmente sobre se o prólogo, como o temos
agora, deve ser entendido como se referindo apenas ao Evangelho ou aos dois tratados
considerados como uma composição única.
(ii) O autor fez alguma mudança no conteúdo geral do Evangelho? Por exemplo, há
aspectos no Evangelho que apontam para Atos, sejam sugestões tomadas posteriormente
ou material deixado de fora de suas fontes às quais ele fornece um equivalente em Atos?
(iii) O autor fez alguma mudança na conclusão do Evangelho, de modo que se tornou o
final de uma parte da história e, com efeito, um convite para ler mais, em vez de um
final final?
Se fizermos respostas afirmativas a qualquer uma dessas três perguntas, estaremos,
de fato, dizendo que, embora os dois tratados fossem compostos em um intervalo, no
entanto, na intenção final do autor, eles deveriam ser considerados como pertencentes
em algum tipo de unidade.
Essa visão, então, oferece um espectro de possibilidades do que chamaremos de
visão (2a), de que os dois livros eram substancialmente independentes um do outro, ao
que podemos chamar de visão (2b), que, por muito tempo transcorrido entre sua
composição, eles foram assimilados uns aos outros, de modo a se tornarem, de fato, um
trabalho de duas partes.
Uma proposta específica que foi oferecida em conexão com uma escala de tempo
prolongada para a composição de Lucas-Atos é a de CSC Williams, que propôs que
Lucas produziu originalmente um Evangelho mais curto composto de material de Q e
suas próprias fontes especiais ('Proto-Lucas ') seguido de Atos, e depois passou a fazer
uma versão revisada do Evangelho pela inclusão do material de Marcos. O significado
dessa teoria foi que ela permitiu que Williams fizesse justiça às evidências que, na sua
opinião, apontavam para uma data de composição para Atos antes da morte de Paulo e
para uma data de composição para o Evangelho como a temos após a publicação de
Marcos que deveria ser datado por volta de 70 dC A hipótese do Proto-Lucas não
encontrou aceitação entre os estudiosos subseqüentes - com a notável exceção de
GB Caird - e a teoria de Williams claramente paira ou cai nessa hipótese. Não obstante,
há em minha opinião bons motivos para acreditar que o material no Evangelho que é
extraído das tradições usadas em comum com Mateus (Q) e das fontes especiais de
Lucas (L) foi reunido antes de ser combinado com o material de Marcos. . Se isso foi
feito pelo próprio Lucas, isso fortalece a visão de um longo período de composição para
o Evangelho e, portanto, para a visão de que Lucas poderia estar trabalhando em Atos
ao mesmo tempo.
Uma abordagem um pouco diferente para o problema foi tomada por MC Parsons e
RI Pervo. Esses dois estudiosos argumentam que, desde que HJ Cadbury defendeu a
unidade do Evangelho e os Atos como um único trabalho, os estudiosos tendem a tratá-
lo como uma suposição não testada e base para um estudo mais aprofundado. Eles
alegam que deve ser considerado mais como uma questão em aberto, e eles apontam
para várias diferenças entre os dois trabalhos que impedem uma resposta simples. Em
particular, eles listam três áreas de diferença: a. Os gêneros variados dos dois
trabalhos. Tentativas de encontrar um único gênero para cobrir o trabalho de duas partes
até agora não foram bem-sucedidas, e os dois trabalhos parecem variar de gênero um
para o outro. b. diferenças na narrativa. É feita uma distinção entre a narrativa (a
história) e o discurso (a maneira como é contada), e argumenta-se que as formas de
discurso mostram algumas variações sutis que são maiores do que as variações dentro
de qualquer uma das partes componentes. c. diferenças na teologia. Argumentando que
os estudos da teologia de Lucas-Atos tendem a concentrar a atenção no Evangelho, eles
começam com Atos e consideram sua antropologia. Eles encontram uma continuidade
entre os deuses e a humanidade e uma unidade dentro da raça humana. Certamente, não
está imediatamente claro se eles encontram diferenças significativas entre o Evangelho
e os Atos neste ponto. Em vez disso, o ponto deles é que um quadro diferente pode
emergir se começarmos com Atos e vermos se o Evangelho se encaixa
nele. Argumentando que os estudos da teologia de Lucas-Atos tendem a concentrar a
atenção no Evangelho, eles começam com Atos e consideram sua antropologia. Eles
encontram uma continuidade entre os deuses e a humanidade e uma unidade dentro da
raça humana. Certamente, não está imediatamente claro se eles encontram diferenças
significativas entre o Evangelho e os Atos neste ponto. Em vez disso, o ponto deles é
que um quadro diferente pode emergir se começarmos com Atos e vermos se o
Evangelho se encaixa nele. Argumentando que os estudos da teologia de Lucas-Atos
tendem a concentrar a atenção no Evangelho, eles começam com Atos e consideram sua
antropologia. Eles encontram uma continuidade entre os deuses e a humanidade e uma
unidade dentro da raça humana. Certamente, não está imediatamente claro se eles
encontram diferenças significativas entre o Evangelho e os Atos neste ponto. Em vez
disso, o ponto deles é que um quadro diferente pode emergir se começarmos com Atos e
vermos se o Evangelho se encaixa nele.
O trabalho de Pervo e Parsons, por mais tentativamente que seja apresentado,
expressa a principal defesa contemporânea de uma visão que insistiria que a unidade
deve ser argumentada ao invés de presumida e que há evidência prima facie para ver o
Evangelho e os Atos como dois separados, embora trabalhos relacionados.

3. Um trabalho de duas partes, composto como um todo


Uma terceira possibilidade é que temos um trabalho de duas partes que foi composto
como um todo, dividido em duas partes desde o seu início e cuidadosamente planejado
de acordo. Essa visão é fortemente avançada pelo R. Pesch, em contraste com as
possibilidades de que uma ou outra parte foi composta antes e independentemente da
outra.
Nesse caso, teríamos que perguntar como essa unidade de composição se manifesta
tanto em relação aos fatores inconscientes (o estilo comum de escrita) quanto aos
objetivos conscientes. Deveríamos querer saber se o autor pretendeu e alcançou a
unidade estrutural e, em caso afirmativo, de que tipo. Tal unidade pode aparecer na
forma de tipos similares de estrutura, ou uma estrutura cobrindo todo o trabalho, ou
paralelismos deliberados entre as duas partes.

4. Um trabalho contínuo, depois separado em duas partes


Uma quarta possibilidade é que os dois livros que temos agora foram escritos
originalmente como uma obra contínua que foi então separada em duas partes e Lucas
24: 50-3 e Atos 1: 1–5 acrescentados para concluir a primeira parte e introduzir a
segunda parte. parte, respectivamente. Essa teoria, com razão, não encontrou favor com
os estudiosos contemporâneos.
Se deixarmos de lado as visões 1 e 4 como não merecendo apoio sério entre os
estudiosos contemporâneos, as duas possibilidades listadas como 2a e 3 representam os
dois extremos em um espectro de possibilidades. No que diz respeito à visão 2b, pode-
se argumentar que não há muita diferença entre dois livros compostos em um intervalo
mais longo, mas com o primeiro revisado em vista do fato de que agora ele tinha uma
sequência e dois livros compostos desde o início. como partes de um único
trabalho. Novamente, pode ser que Lucas tenha escrito o Evangelho sem pensar em uma
sequência, mas depois decidiu no decorrer da composição - ou talvez depois que foi
concluído (um pedido de Teófilo?) - escrever um segundo volume. Assim, a visão 2b é
quase indistinguível, no que diz respeito ao resultado final, da visão 3.
Neste contexto, uma palavra precisa ser dita sobre 'publicação'. Poder-se-ia afirmar
que não há provas firmes da publicação separada do Evangelho à parte e antes de Atos,
mas devemos então perguntar se é significativo falar em “publicação”. A "publicação"
no sentido moderno abrange amplamente a produção de um documento e sua
disponibilização aos leitores, seja em uma ou várias cópias. Sem dúvida, uma vez que o
Evangelho (desacompanhado de Atos?) Chegasse a Teófilo, poderia ser dito que estava
no domínio público. Não há, no entanto, nenhuma razão para que uma cópia revisada ou
cópias não possam ser feitas pelo autor. O que não sabemos é se o Evangelho circulou
por si mesmo por um tempo e / ou se circulou separadamente de Atos, uma vez que este
último foi escrito:
A principal evidência para a circulação separada é a afirmação de que o cânon de
Marcion aparentemente consistia no Evangelho e nas Epístolas Paulinas, mas sem
Atos. J. Knox perguntou por que Marcion deveria ter omitido Atos se soubesse disso, e
concluiu que os Atos não existiam nesse ponto. Sua datação extremamente posterior de
Atos, com razão, não encontrou favor entre os estudiosos em geral. A questão está
ligada à canonização dos dois livros. Assim, BS Childs sustenta que "Lucas foi primeiro
atribuído a uma santidade canônica e só posteriormente os Atos adquiriram um status
semelhante". No entanto, esta canonização prévia do Evangelho terá acontecido porque
foi separada dos Atos e fez parte da coleção de quatro evangelhos, e não diz nada sobre
o relacionamento composicional dos dois livros.
Portanto, temos duas opções principais antes de nós. O primeiro é que o Evangelho
foi escrito antes e independentemente de Atos. A outra é que Lucas produziu os dois
livros como duas partes da obra, com alguma modelagem e adaptação de cada uma em
um processo que agora não pode ser reconstruído em detalhes. No primeiro desses
pontos de vista, podemos perguntar que relação os atos têm com o trabalho anterior,
tanto intencional quanto não pretendido; no caso do Evangelho, qualquer
relacionamento que exista em sua sequência seria inteiramente devido ao efeito de criar
um trabalho subsequente, assim como um objeto pintado em uma cor particular pode
parecer diferente quando um fundo fresco é pintado em volta dele, enquanto em No
caso dos Atos, haveria inevitavelmente alguma tentativa deliberada de relacioná-lo ao
que aconteceu antes. Se, no entanto, os dois trabalhos foram criados como parte de um
empreendimento, e então cada um deles teria sido modelado em certa medida à luz do
outro. CK Barrett colocou a questão sobre qual volume é de importância primordial: há
a opinião de que o evangelho é primário e Atos serve ao evangelho confirmando-o; a
contrapartida disso é que Atos é primordial e o evangelho serve a Atos, introduzindo-o
”. Ele acha que essas duas proposições são corretas e complementares.
Por um lado, então, nossa escolha entre essas opções afeta a questão de como nos
aproximamos e compreendemos o Evangelho. Se temos um trabalho unificado, então o
Evangelho não deve ser entendido puramente por conta própria. É para ser visto como
uma história inacabada, pelo menos até certo ponto, na medida em que conduz a uma
sequência. Portanto, não basta chegar ao significado do Evangelho simplesmente
comparando-o com seus companheiros sinóticos; também deve ser visto em
comparação com os Atos. Perguntas devem ser feitas até que ponto contém uma história
e uma mensagem próprias, em comparação com a parte de uma história e uma
mensagem.
Por outro lado, as mesmas questões também surgem com a nossa compreensão de
Atos - é para ser entendido por si próprio e é um trabalho completo em si mesmo? Ou
precisa entender o Evangelho para compreendê-lo? Claramente, o escritor pressupõe
algum conhecimento do que precedeu - e deliberadamente aponta seus leitores para trás
- mas é isto a mesma coisa que dizer que os leitores devem ter um conhecimento do
Evangelho real? Mais uma vez, uma "teologia de Atos" é um exercício significativo em
oposição a uma "teologia de Lucas-Atos"? Nós falhamos em fazer justiça ao Evangelho
ou aos Atos, tratando-os juntos? Estamos certos em nos ater ao princípio de que o
Evangelho e os Atos devem ser considerados como componentes de uma obra de duas
partes, com tudo o que isso implica para compreendê-los?

II. A unidade dos atos de Lucas


Em nossa opinião, a visão de que o Evangelho e os Atos devem ser lidos como duas
partes de um, o trabalho unificado deve ser preferido por razões como as seguintes:

1. A evidência dos prólogos dos dois livros


O prólogo de Atos, que lembra a linguagem do prólogo do Evangelho, estabelece que,
em sua forma atual, temos duas partes de uma só obra. Em seu estudo do prefácio (s) L.
Alexander afirma que o uso do prefácio re-capitulatório não exige que os dois tratados
estejam necessariamente intimamente ligados: as evidências dos antigos prefácios
indicam que poderíamos ter duas obras que 'enquanto complementando um ao outro,
são, no entanto, muito diferentes na concepção ». Contra Alexander, no entanto, deve
ser observado que mais frequentemente do que não a recapitulação é usada onde as
obras estão intimamente ligadas, e ainda que a semelhança em tema entre o Evangelho e
Atos, bem como a estreita relação cronológica tornam extremamente provável que
Lucas viu Atos como estando intimamente ligados ao Evangelho,
Isso tornaria surpreendente se o prólogo do evangelho não fosse concebido como
referindo-se a todo o trabalho, embora deva ser permitido que um prólogo se referisse
apenas ao primeiro volume de uma série. Alexandre novamente observa que o prefácio
do Evangelho "se aplica muito mais diretamente ao Evangelho do que a Atos". Mas a
frase crucial aqui é "muito mais" e, portanto, a questão vital é se há algum aspecto do
prólogo que exija uma referência aos Atos ou que encontre uma explicação melhor e
mais completa se incluir uma referência aos Atos.
É significativo, então, que Lucas se refira às "coisas" que "se realizaram" entre
"nós". Admitindo que o "nós" se refere aos cristãos em geral, a frase é mais facilmente
explicada se se refere ao que aconteceu na experiência dos leitores e, portanto, inclui o
crescimento e o estabelecimento das igrejas cristãs. O uso de 'coisas' no plural é uma
maneira estranha de se referir simplesmente à história da vida de uma pessoa. E o uso
de 'cumprir' também pode sugerir mais do que simplesmente a vida de Jesus,
especialmente porque o próprio Jesus falou de coisas que ainda estavam para serem
cumpridas na atividade de seus seguidores ( Lc 24: 47-9 ).
O verso 2, claro, se refere à atividade na igreja. No entanto, surge a questão de por
que a frase "desde o início" teve que ser incluída. Esta referência temporal não implica
que os eventos em questão tenham sido levados "desde o início" a um ponto não
especificado. A nota de Alexandre de que o próprio Paulo é descrito em Atos 26:16 em
termos quase idênticos como "uma testemunha e um servo" pode sugerir que Lucas o
considerasse como um dos grupos em cujas evidências ele confiava, e ela mesma
permite essa conclusão.
Então, no versículo 3, há o célebre problema do particípio que pode ser traduzido
como 'estando completamente familiarizado', ou talvez 'tendo seguido todos', sc. como
fontes '. Isso novamente está aberto à interpretação de que o próprio Lucas tinha uma
familiaridade pessoal com o que havia acontecido, mas isso é um pouco mais fraco.
Finalmente, há o ponto no versículo 4 de que a instrução cristã provavelmente
abrangeu muito mais do que o conteúdo dos Evangelhos e incluiu algo da pregação
apostólica - e concebivelmente de seu funcionamento e efeitos.
Esses pontos sugerem cumulativamente que o prólogo não é apenas amplo o
suficiente para incluir os Atos, mas também é melhor compreendido contra esse pano de
fundo mais amplo. Certamente podemos dizer, no mínimo, que não há nada em Atos
que seja inconsistente com a descrição de todo o trabalho dado aqui. Alexander sustenta
que haveria um problema se não pudéssemos "mostrar que Atos também é uma
explicação do material tradicional". Um estudo recente indica que existe uma
substancial base tradicional para os Atos.

2. A evidência do material no Evangelho como um todo


Isso cai em várias categorias.
uma. Somos capazes de demonstrar que, em vários lugares, o material do Evangelho,
tomado das fontes, parece ter sido redigido à luz do que se seguiria em Atos.
R. Pesch sugere que a mudança de 'nuvens' em Marcos 13:26 para 'nuvem' em Lucas
21:27 é para se adequar à 'nuvem' (canto) em Atos 1: 9-11 que prefigura a parousia. Ele
também observa que a adição de 'prisão' à profecia em Lucas 21:12 reflete os eventos
em Atos. Ele também pode ter notado a mudança correspondente em Lucas 22:33, que
aponta para a história em Atos 12 .
b. Há casos em que Lucas não retomou material de suas fontes no Evangelho, mas há
um equivalente em Atos.
Aqui podemos notar a omissão do material em Marcos 7 sobre a pureza e a cura de
um gentio - um tema que está reservado para Atos 10–11 .
Lucas não tem paralelo no Evangelho de Marcos 13:32 , mas há um equivalente
em Atos 1: 7 .
Lucas omite o 'templo dizendo' no julgamento de Jesus - que é reservado para o
julgamento de Estêvão.
c. Há algum material no Evangelho que é profético do que está para acontecer em Atos
(esta categoria se sobrepõe à categoria a). CK Barrett oferece uma lista de exemplos
possíveis desse tipo e faz uma seleção cautelosa daqueles que são mais plausíveis. Sua
seleção inclui Lucas 3: 6 ; 3:15 ; 11:49 ; 14: 15-24 ; 21: 12-19 ; 22: 31-34 .
Aqui nós notamos especialmente as instruções relativas à missão dos discípulos
depois da Páscoa em Lucas 24 . O detalhe dado aqui é significativo e, acima de tudo, o
fato de que ele vem no final do livro e prepara o caminho para o que vem a seguir.
d. Há alterações no Evangelho que refletem o conhecimento das tradições atestadas em
Atos. Pesch afirma que a definição do julgamento do Sinédrio por dia e não à noite
mostra o conhecimento do procedimento das tradições encontradas em Atos 4–5 . Da
mesma forma, Lucas 21:15 difere de Marcos 13:11 à luz do processo de julgamento,
e Lucas 22:54 difere de Marcos 14:53 em sua referência a Jesus sendo 'preso' de acordo
com Atos 1:16 .

3. O fim do Evangelho
Há a questão de saber se o final do Evangelho mostra sinais de adaptação de uma forma
anterior para permitir uma sequência e se, de qualquer forma, o final se prepara para
uma continuação. (A questão é complicada pela possibilidade de que os escribas possam
ter alterado a redação tanto do fim do Evangelho quanto do começo de Atos, quando as
duas obras foram separadas umas das outras por inclusão em um cânon que interpôs
João como o quarto Evangelho antes de Atos. .)
O fim do Evangelho e o começo de Atos foram amplamente discutidos por MC
Parsons. Ele justamente argumentou que não há evidência de interpolação em nenhuma
das passagens, e ele mostra como Lucas usou a história da ascensão para fornecer o
fechamento do Evangelho e o início da narrativa para Atos; a repetição serve para
amarrar os dois volumes juntos. Onde Parsons, no entanto, não é tão claro é se o final é
um 'fechamento incompleto', encorajando o leitor a acreditar que ele chegou a um
término temporário e ainda há mais por vir. No geral, ele parece aceitar essa visão:
... o conflito é resolvido apenas para ser reaberto em Atos - o destino de Israel ainda
indeciso pelo fim de Lucas. Muitas profecias e predições não encontram cumprimento
dentro do tempo narrativo do Evangelho. A jornada de Jesus terminou; mas
sua analempsis é "continuada" no Livro II.

Neste ponto, temos que levar em conta os elementos proféticos do Evangelho que
apontam para os Atos, e que são encontrados especialmente nas seções finais. Não há
dúvida de que esse recurso é fortemente enfatizado em Lucas. Lucas 24:49, em
particular, está em tensão com o versículo 53 e convida à resolução. A história não está
terminada - mas é a narrativa? Afinal, os outros Evangelhos concluem com comandos
cujo cumprimento não é registrado, e não temos motivos para suspeitar de um segundo
volume em nenhum desses casos. Na melhor das hipóteses, então, esse ponto está na
natureza de um passo em um argumento cumulativo.
O peso dessas considerações aponta fortemente em nossa opinião para a hipótese de
que o Evangelho foi publicado como a primeira parte de uma composição de dois
volumes, seja qual for o processo pelo qual chegou à sua forma atual. Em outros
lugares, argumentei que a justificativa de Lucas para sua nova tentativa de dar conta das
“coisas que ocorreram entre nós” estava no fato de que seus predecessores haviam
tratado apenas o material contido no Evangelho e não chegado ao presente. outro
material comparativamente importante sobre a propagação do evangelho. Sua história
estava incompleta. Lucas viu corretamente que uma história que contava apenas o que
Jesus começou a dizer e a fazer precisou ser levada mais longe, se a igreja entendeu seus
princípios e suas ordens de marcha corretamente.
III As conseqüências para entender Atos:
1. A aplicabilidade do prólogo
Se o prólogo do evangelho abrange ambas as partes do trabalho, o que se segue?
uma. O material em Atos pertence à categoria "as coisas realizadas entre nós" e "nós"
refere-se ao autor e a um amplo grupo de pessoas. Este ponto é significativo - 1. a
história da igreja primitiva é parte do que foi profetizado e foi levado à realização; 2.
pode haver uma sensação de conclusão em que a vinda da salvação foi plenamente
realizada.
b. O material de Atos, assim como o do Evangelho, foi transmitido pelas testemunhas e
servos da palavra. Isso não precisa se aplicar a todo o material; deixa margem para o
conhecimento pessoal do autor.
c. A reivindicação de Lucas de composição cuidadosa se estende a Atos. Isso não quer
dizer que Atos seja necessariamente uma narrativa confiável. É para dizer que Lucas faz
as mesmas reivindicações por uma composição confiável em Atos como para o
Evangelho, e seu trabalho deve ser avaliado em termos do que ele pretendia fazer.
d. O material em que Teófilo fora instruído incluiria pelo menos alguns aspectos da
história pós-Páscoa. Isso se encaixa com a visão de que a proclamação do evangelho
incluía alguma referência ao desenvolvimento da igreja.

2. O gênero de Lucas-Atos
Se o Evangelho e os Atos são considerados trabalhos independentes, então a questão do
gênero surge de uma forma diferente de quando eles são partes do mesmo trabalho.
Em seu primeiro ponto de vista, o gênero do Evangelho é uma questão a ser
considerada por si só, e a conclusão mais provável é que o Evangelho é uma obra do
mesmo tipo que seu conhecido predecessor, o Evangelho de Marcos. As semelhanças na
estrutura e conteúdo são bastante óbvias. Igualmente, o gênero de Atos é uma questão a
ser considerada por si só.
Se, no entanto, vemos o Evangelho e os Atos como duas partes de um trabalho,
então a questão é a do gênero de Lucas-Atos como um todo. Ainda devemos ter que
perguntar se alguém pode ter um todo que contenha dois tipos diferentes de partes (caso
em que estamos de volta com o modo anterior de fazer a pergunta).
Estudiosos que consideram que Lucas-Atos é uma peça unificada ou que discutiram
o gênero de Atos por si só tenderam a pensar em termos de uma monografia histórica -
uma categoria útil que pode ser distinguida de uma história universal. Essa visão foi
desenvolvida especialmente por DE Aune, que faz uma pesquisa valiosa sobre os
diferentes tipos de história antiga e descobre que os Atos de Lucas como um todo se
encaixam nessa categoria. Isso concorda de forma essencial com a visão de D. Palmer
em outras partes deste volume, embora ele não vincule o Evangelho e os Atos tão
firmemente juntos como dois volumes de uma única obra, mas sim como duas obras
relacionadas de um único autor. Outra visão é que Atos é um romance histórico ou
ficção histórica. Essa última visão pode ser descartada por vários motivos; aqui é
apropriado simplesmente comentar que é uma caracterização improvável da seqüência
de um Evangelho que é comprovadamente baseado em grande medida em fontes que
foram redigidas mas não renovadas. Uma terceira possibilidade, que Atos é uma
aretalogia, não ordenou nenhum seguimento.
Aqui temos de ter em conta a teoria da CH Talbert que Lucas-Atos parece com o
tipo helenístico de 'narrativa sucessão', uma biografia ou bios que lida com a vida de um
filósofo e sua influência posterior. Aune e Alexander notaram uma série de dificuldades
com esta proposta. DL Barr e JL Wentling também apontaram problemas na abordagem
de Talbert. Eles admitem que o Evangelho mostra algumas características biográficas,
mas não pensam que os Atos possam ser satisfatoriamente explicados dessa
maneira. No entanto, Alexander observa que o lugar da biografia dentro da tradição da
escola precisa de mais investigação.
A tese de L. Alexander é que a obra de Lucas pertence à categoria do tratado
científico - e isso é discutido principalmente no prólogo do Evangelho (que pode ou não
cobrir ambas as partes do trabalho; entretanto, parece que o autor consideraria a
descrição como também ajustando Atos, mesmo se o prólogo se destina simplesmente a
introduzir o Evangelho). Se assim for, precisaríamos perguntar com mais detalhes que
tipo de obras se enquadravam na categoria de tais tratados - a lista de tipos é bastante
extensa e não inclui nada desse tipo. O trabalho de Alexander não vai além de
argumentar que o prólogo se enquadra em um gênero específico: as implicações para o
gênero da obra como um todo não são levantadas. Em particular, a questão das
características do trabalho que são típicas do gênero histórico não é discutida. Neste
contexto, pensa-se particularmente nos discursos. Pode ser, é claro, que os estudiosos do
passado tenham sido alvos na avaliação dos discursos em comparação com os
historiadores. Sua função é, em parte, exemplificar a pregação da igreja e, em parte,
oferecer defesa dos apóstolos e sua tarefa. Proclamação e defesa resumem suas funções.
Parece até agora que nenhuma proposta para explicar Lucas-Atos em termos de
gêneros conhecidos foi bem-sucedida. Mesmo dentro do contexto cristão, não há nada
que corresponda a isso: os cristãos produziram evangelhos apócrifos e Atos apócrifos,
mas não apócrifos Evangelhos-Atos. Toda a obra demonstra afinidades tanto para
monografias históricas como para biografias, mas parece representar um novo tipo de
trabalho, do qual é o único exemplo, no qual sob a forma de um "tratado científico"
Lucas produziu uma obra que trata com "os primórdios do cristianismo". Pode-se, é
claro, argumentar com Parsons e Pervo que a dificuldade de criar um gênero para
"Lucas-Atos" é uma indicação de que estamos realmente lidando com duas obras
separadas, cada uma com seu próprio gênero,

3. A estrutura de Lucas-Atos
Se Atos é considerado a continuação do Evangelho, questões importantes surgem a
respeito de como os conteúdos dos dois livros estão relacionados. Alguns estudiosos
viram uma semelhança geral entre a estrutura dos dois livros. Propostas anteriores
foram reunidas em uma lista abrangente de paralelos de CH Talbert, que defendia "uma
correspondência frouxa de conteúdo e sequência entre pessoas e eventos no Terceiro
Evangelho e os dos Atos". Talbert lista cerca de 32 correspondências gerais que
ocorrem na mesma ordem em ambos os livros e, em seguida, observa algumas
correspondências entre Lucas 24 e Atos 1 e entre Lucas 9: 1–34 e Atos 1: 1–12.. Não é
muito difícil encontrar tais ecos e semelhanças. De fato, podemos esperar que elas
aconteçam, uma vez que as experiências e ensinamentos de Jesus e seus seguidores
inevitavelmente mostrariam semelhanças.
Um aspecto particular foi desenvolvido em grande detalhe por W. Radl, que traça
semelhanças detalhadas entre as imagens de Jesus e Paulo, particularmente em relação
aos seus sofrimentos e à compreensão teológica desses eventos. Essa semelhança foi
desenvolvida de maneira redacional por Lucas, ao custo da fidelidade às tradições que
ele usou - e, portanto, à custa da historicidade. Radl afirma que muito do que Lucas
escreve é uma invenção livre com pouca ou nenhuma base histórica, e assim ele teve a
liberdade de moldar o relato para trazer um paralelo entre Paulo e Jesus.
Para Radl, então, a unidade de Lucas-Atos está ligada a um veredicto de não-
historicidade em certas seções de Atos. No entanto, a atitude negativa de Radl em
relação à historicidade não depende de sua visão da unidade das duas obras. Em vez
disso, o julgamento de que uma seção da narrativa não é baseada diretamente na história
ou tradição, mas mostra sinais de criação ou modificação de Lucana livre é o que lhe
permite ir em busca de um Tendenz em particular , ou seja, a modelagem da narrativa
para dar um paralelo com o Evangelho. Ainda seria justo afirmar que Lucas viu
paralelos entre as histórias de Jesus e Paulo e chamou a atenção para eles sem trabalhar
no pressuposto da não-historicidade, embora possamos querer avaliar a extensão
da Tendenz.um pouco diferente. Podemos questionar uma das pressuposições de Radl
sem necessariamente negar totalmente a validade de uma hipótese parcialmente
construída sobre fundamentos duvidosos.
O Evangelho, assim, em certa medida, constitui a matriz para Atos na medida em
que estabelece a primeira parte da história e define o programa para o que se segue, ou
seja, a maneira pela qual as boas novas se espalharam e abraçaram os gentios. Atos
conta a história de como os seguidores de Jesus deram testemunho dele e dos obstáculos
que tiveram que superar ao fazê-lo. E traz à tona o modo pelo qual a tarefa deles e o
modo como eles a cumpriam seguiam um padrão semelhante ao do próprio Jesus.
Mas as duas histórias são contadas da mesma maneira? Aqui devemos interagir
brevemente com a consideração apresentada por Parsons e Pervo ao afirmar que as
histórias são contadas de maneira diferente e, portanto, talvez sejam histórias
diferentes. Há, com certeza, algumas diferenças manifestas entre o Evangelho e os Atos,
que podem ser amplamente explicados em termos do fato de que Lucas tinha pelo
menos um modelo existente para o Evangelho e dependia de um conjunto de tradições
que tinham um status peculiar. dentro das igrejas primitivas, enquanto a situação de
origem dos Atos era um pouco diferente. Há também o fato de que Lucas se apresenta
como tendo participado pessoalmente de alguns dos episódios em Atos, ao passo que
ele não faz tal afirmação para o Evangelho. Parsons e Pervo chamam a atenção para o
fato de que os personagens em Atos não imitam o ensinamento de Jesus, mas há amplas
evidências de que o primeiro kerygma não foi, de fato, uma tentativa de repetir o que
Jesus havia dito e, portanto, uma explicação literária do argumento é
inadequada. Outros pontos que eles fazem não são particularmente convincentes. No
geral, parece que eles não prestaram atenção suficiente ao lugar peculiar que a tradição
de Jesus ocupava na igreja primitiva.

Conclusão
Nosso estudo foi confinado à relação literária entre o Evangelho e os Atos. Está além do
escopo deste volume discutir em detalhes a teologia de Atos. Consequentemente,
questões como a que G. Bouwmann levantou acima sobre o caráter supostamente mais
primitivo da teologia de Atos ou a questão da antropologia de Lucas levantada por
Parsons e Pervo devem ser postas de lado para possível tratamento em outro lugar. Por
enquanto, basta ter declarado nossa opinião de que os Atos devem ser vistos em íntima
associação literária com o Evangelho. Eles formam duas partes de um trabalho,
concebido em sua forma final como uma unidade, independentemente de a composição
original do Evangelho ter ocorrido independentemente do plano de produzir o trabalho
em duas partes. Embora existam outros exemplos de composições literárias em duas
partes (Josefo,Contra Apionem , é um dos paralelos mais próximos de Lucas-Atos no
tempo e contexto cultural), a obra de Lucas parece ser única entre os escritos cristãos e
não ter precedentes seculares estreitos em sua combinação das histórias de um líder
religioso e de seus seguidores .

CAPÍTULO 8
ATOS E O CORPO PAULINO
I: PARALELOS LITERÁRIOS ANTIGOS
T. Hillard, A. Nobbs e B. Winter

Resumo
O objetivo deste capítulo composto é apresentar estudos de caso sobre Cícero, Favorinus e
Juliano, alguns dos restos literários que possuímos, além de material biográfico por seus
contemporâneos ou contemporâneos próximos. Estas estão sendo examinadas para testar as
implicações para o estudo da relação entre Atos e o corpus paulino. Colocar o último nesta
perspectiva literária mais ampla ajuda a esclarecer questões relativas ao tratamento de Paulo
em Atos.

I. Introdução
Em um punhado de exemplos da antiguidade greco-romana, o historiador antigo tem
documentos em primeira mão (por exemplo, cartas ou discursos) escritos por uma figura
particular, juntamente com um relato histórico quase contemporâneo dessa mesma
figura. Essa combinação de fontes fornece uma visão rara de nossa compreensão do
passado.
É ainda mais raro que os documentos escritos pela figura em questão sejam
acompanhados por um relato histórico escrito por um historiador que esteve
pessoalmente envolvido nos eventos relacionados e que estava com ele em algumas das
principais expedições. Existem pelo menos três exemplos - um da República Romana,
outro do início do Império Romano e um do Império Romano.
A primeira diz respeito a Cícero e à conspiração catilinarna em que Cícero era
protagonista e depois registrou discursos feitos durante os eventos tumultuosos de 63 aC
em Roma. Sallust, um historiador contemporâneo, escreveu sobre ele em seu Bellum
Catilinae após a morte dos principais participantes.
O segundo, Favorinus, foi um dos principais sofistas do início do segundo século dC
cujos restos remanescentes consistem em três orações e sobre quem há informações e
discursos no trabalho de Gellius. Como seu aluno e amigo, ele foi um companheiro de
Favorinus e ouviu alguns de seus discursos que ele traduziu para o latim. Uma breve
entrada biográfica sobre Favorinus pode ser encontrada em Lives of the Sophists, de
Filóstrato, que foi escrito cerca de oitenta anos após sua morte.
Por fim, havia o imperador Juliano, o Apóstata, cujas orações e cartas são muitas e
de quem o historiador Amiano Marcelino escreve em suas Res Gestae. Este último dá
relatos de testemunhas oculares de alguns eventos a partir de 353 dC em diante.
Esses estudos de caso serão tratados em ordem cronológica pelos três autores e as
conclusões tiradas no final do capítulo ajudarão a colocar Atos e o corpus paulino no
contexto desses antigos paralelos literários.

II. Cicero e Sallust (T. Hillard)


O ano 64 aC havia visto uma pressão sem precedentes em Roma para alívio da
dívida. Marcus Tullius Cicero, cuja eleição para o cargo de diretor-executivo de Roma
desanimou a elite dominante de Roma, era um defensor convicto das classes
proprietárias. Na campanha eleitoral para cônsules do ano seguinte, o patrício Lucius
Sergius Catilina (Catilina) surgiu como um campeão dos devedores. Seu discurso
eleitoral foi desculpa suficiente para Cícero, como presidente, adiá-los. A defesa de
Catiline antes do Senado já era suficiente para garantir que Catiline perdesse a eleição
(quando foi finalmente realizada). Catilina havia sido frustrada em várias missões para o
consulado e ele também perdera as eleições do ano anterior (quando em competição
com Cícero).
O descontentamento em várias partes da Itália continuou (sem dúvida exacerbado
pela derrota de Catiline nas urnas). O Senado aprovou um decreto de emergência e
ofereceu uma recompensa por informações relacionadas a qualquer sedição. Quando as
notícias chegaram a Roma sobre uma insurreição na Toscana, Cícero atacou Catilina no
Senado, alegando inteligência secreta de uma conspiração e que ele (isto é, Catiline)
estava por trás de toda a agitação e uma frustrada tentativa de assassinato contra a vida
de Cícero na manhã anterior. . Catilina deixou Roma para comandar os rebeldes em
Faesulae (Fiesole). Mensageiros foram presos carregando cartas que envolviam vários
cidadãos proeminentes em sedição e colaboração com Catiline. Cícero se dirigiu ao
povo, alegando que os "conspiradores" planejavam incendiar a cidade de Roma. De
acordo com Sallust, Os partidários das pessoas aprisionadas agora percorriam as ruas
procurando agitar os seguidores e garantir sua libertação. O Senado executou
devidamente os envolvidos (Cícero foi o diretor executivo) naquela noite. No início de
janeiro do ano seguinte (62), Catiline morreu em batalha contra as forças consulares
romanas. Os erros e acertos do caso (e incluindo alguns detalhes descritos acima)
imediatamente se tornaram uma questão de intenso debate público.
Esses eventos tumultuados de 63 aC são registrados por um dos principais
participantes, Cícero, em seus discursos e pelo historiador Sallust. Para o ano 63, Cícero
deixou discursos em abundância. Não eram, estritamente falando, os documentos
primários que, à primeira vista, poderiam parecer. Como tantos discursos antigos
publicados pelo autor, eles foram retrabalhados; neste caso, uns bons três anos após o
evento. O próprio Cícero fornece algumas informações sobre o contexto (ver pp. 188 e
segs. ).
Duas décadas depois, Caio Sallustius Crispus (Sallust), relembrando uma carreira
pública mal empregada, voltou-se para a escrita da história como uma forma de
consertar as coisas, para si mesmo - e para o público. Ele escolheu começar por publicar
um relato dos eventos de 63 como um enfoque que poderia fornecer edificação para
uma geração perdida:
É minha intenção dar um breve relato, tão preciso quanto possível, da conspiração de
Catilina, um empreendimento criminoso que considero especialmente memorável como
sendo sem precedente em si mesmo e repleto de perigos sem precedentes para Roma.
Assim, Sallust deixa claro desde o início de que lado da cerca ele está. Se houve debates
sobre os méritos da posição de Catiline (ou sobre a natureza exata de seus planos) e
sobre a propriedade da ação executiva em 63, eles não influenciaram Sallust. Catilina
era um mal; aqueles que o suprimiram haviam servido a Roma. Em termos históricos
mais amplos, sua descrição não será diferente da de Cícero.

1. Cícero
Cícero deixou para trás sua versão de eventos em uma multiplicidade de
formas. Numerosas referências aos eventos surgem em sua correspondência
pessoal. Discursos relevantes (que pretendem ser discursos proferidos durante e após a
crise) ainda existem. Ele também escreveu um poema de Consulatu Suo (do qual apenas
fragmentos sobrevivem), elogios versos de suas ações consulares em grego e latim, um
poema de Temporibus Suis ('On His Times') e uma história secreta que foi ou tão
honesta ou tão difamatório que ele deixou instruções para não ser publicado durante sua
vida. Foi mais tarde circulando entre os historiadores. (O último pode ou não estar
disponível para Sallust.) Certamente não havia escassez.
Todo esse material estava disponível para Sallust se ele tentasse alcançar a
compreensão mais completa possível dos eventos - e os desígnios de um dos princípios
históricos. Os escritos de outros dos principais atores históricos também estavam
disponíveis. Do mesmo modo, pode-se esperar que um cronista das missões de Paulo se
beneficiasse das próprias composições de Paulo, se estivessem disponíveis.
uma. Cartas
Cartas escritas em Roma poderiam muito bem ter sido uma arte (mesmo na época de
Cícero), epideitica por intenção, e na época de Plínio, o Jovem (o outro grande escritor
de cartas da Roma pagã cuja produção foi preservada) a carta como gênero literário
havia se tornado independente. As cartas dão toda a impressão de serem ensaios
polidos. Isso não acontece com a correspondência de Cícero, que parece muito do
momento e freqüentemente oferece revelações íntimas.
Mas no que diz respeito à crise de 63, a correspondência nos serve pouco: há
algumas cartas para Titus Pomponius Atticus, seu confidente mais próximo, antes
dos 63 anos, nenhum em 62, mas seis em 61 (quando Cícero muitas vezes lança um
olhar para trás sobre esses eventos. ), uma troca de cartas com o procônsul da Gália
Cisalpina em 62 de janeiro, uma carta ao famoso general de Roma Pompeu em abril do
mesmo ano, uma carta a um certo Sestio em meados ou final de 62 e uma carta ao seu
ex-consular colega, Gaius Antonius em dezembro. Há muito pouco aqui.
b. Discursos
Os discursos publicados por Cícero tratam muito mais completamente (para não dizer
de maneira colorida) dos acontecimentos. Eles foram destinados ao consumo
público. Como eles devem ser abordados? Quando se trata de seu uso como evidência
histórica, é a questão de seu propósito original que primeiro vem à mente do
historiador. A intenção do autor provavelmente levaria a uma distorção dos fatos?
Uma escola de pensamento recente veria os discursos como publicados para uso
escolar; como estudos de caso para treinamento oratório; como livros didáticos em falar
em público (e a satisfação de Cícero como derivada da associação com obras-primas do
discurso persuasivo). Por outro lado, a erudição moderna tem tido a tendência de vê-los
como panfletos políticos. As implicações de qualquer classificação para o estudioso
moderno serão claras. Se didático, eles podem parecer menos problemáticos para o
investigador moderno (embora isso não seja necessário); se política, a cautela deve
prevalecer. E cada item do conteúdo deve ser pesado contra a possível vantagem
política a ser obtida pelo autor.
Claro, eles podem ser ambos. Um propósito poderia ser nominal, o outro óbvio. Ou
seja, exemplos específicos poderiam ser liberados para o propósito relativamente
"inocente" da educação, mas apenas se fosse por conveniência política do autor e
certamente não se fosse provável que ele provasse sua desvantagem. Mesmo que o
propósito didático fosseo principal, o uso histórico dos discursos não é simples, pois
eles podem, de fato, estar mais próximos de documentos não contaminados de um
momento histórico - mas também podem ter sido "melhorados" (no interesse, claro, de
fornecer o melhor possível amostras para estudantes!) e, mesmo que não modificadas,
carregavam consigo o argumento político tendencioso ou tendencioso que pode ter
marcado o original. Este original, no caso de um discurso forense ou político, nunca
teve a intenção de contar toda a história, mas de ser persuasivo.
Em 60 aC, a política estava se aquecendo e havia nuvens no horizonte de Cícero, em
que a crítica da gravidade da ação executiva em 63 estava ameaçando tornar-se mais
uma questão política do que Cícero poderia ter desejado. Quando ele escreveu para
Atticus no início de junho daquele ano, ele anunciou:
Vou enviar meus pequenos discursos, tanto aqueles que você pede como outros, pois parece
que você também encontra prazer nessas apresentações, que o entusiasmo de meus jovens
admiradores me leva a colocar no papel. Lembrando que show brilhante seu compatriota
Demosthenes fez em suas chamadas Philippicse como ele se afastou desse tipo de oratória
argumentativa, forense, para aparecer no papel mais elevado do estadista, achei que seria
uma boa coisa para mim também fazer alguns discursos em meu nome, que poderiam ser
chamados de "consulares". Eles são: (1) entregues no Senado nos Calendários de
janeiro; (2) à Assembléia, sobre o direito agrário; (3) em Otho; (4) em defesa de
Rabirius; (5) nos filhos de pessoas proscritas; (6) entregue quando renunciei publicamente
minha província; (7) quando enviei Catilina para fora de Roma; (8) à Assembléia no dia
seguinte ao vôo de Catilina; (9) em uma reunião pública no dia em que os Allobroges
transformaram informantes; (10) no Senado sobre as Nonas de dezembro. [Sete deles
sobrevivem.] Há mais duas pequenas peças, digamos, da lei agrária. Eu vou ver você pegar
todo o corpoe desde que você goste dos meus escritos, bem como dos meus feitos, as
mesmas composições irão mostrar a você tanto o que eu fiz como o que eu disse. Caso
contrário, você não deveria ter perguntado - eu não estava me forçando em você.

Estas são fontes úteis para qualquer historiador que pretenda posteriormente reconstruir
eventos. É evidente que qualquer protagonista histórico desejaria que esse material
documental generosamente fornecido fosse de ajuda para os cronistas posteriores. Diz-
se que César forneceu seus comentários como a matéria-prima a partir da qual os
historiadores posteriores desenhariam. A elegância aparentemente despretensiosa de sua
própria composição dissuadiu retrabalhos.
Assim foi com Cícero. Na mesma carta citada acima, ele reconhece o recebimento
de um esboço da celebração de suas realizações, um esboço em grego do Atticus. Ele
professa prazer nisso, mas nas entrelinhas há um forte indício de que ele ficou
desapontado com sua sutileza. "Agora, meu livro esgotou todo o gabinete de perfume de
Isócrates, junto com todas as outras pequenas caixas de perfume de seus alunos, e
alguns dos tons de vermelho de Aristóteles também." (Aqui Cícero está falando de
'Cosméticos de Clio', os retoques aplicados à História - para dar a cor da musa.) '...
Poseidonius já escreveu de Rhodes que quando ele leu este ébauchemeu, que eu havia
lhe enviado com a idéia de que ele poderia compor algo mais elaborado sobre o mesmo
tema, até agora ele foi estimulado a composição, ele estava assustado. O fato é que
confundi toda a comunidade grega, de modo que as pessoas que me pressionavam por
todos os lados para lhes dar algo para se vestir não me importunam mais. Se você gosta
do livro, por favor, veja que ele é disponibilizado em Atenas e outras cidades
gregas. Acho que isso pode acrescentar algum brilho às minhas conquistas.
Cícero estava ansioso para entender como as coisas haviam acontecido no registro,
mas parece ter tido dificuldade em induzir os cronistas a lançar as bases para que ele
desfrutasse durante sua vida.

2. Saliva
O relato histórico que mais faria imortalizar os eventos de 63, o de Sallust, surgiu após a
morte de Cícero. Sallust não tinha ligação próxima conhecida com os eventos de 63,
mas escreveu dentro de uma geração do evento (que ocorreu durante sua vida). Ele pode
ser estilizado, portanto, como contemporâneo; mas sua conta não pode. Foi escrito por
volta de 43 quando todos os principais protagonistas estavam mortos. Mesmo assim, a
abordagem de Sallust para a tarefa pode ser utilmente analisada.
Como ele pesquisou o assunto - ou lembrou-se? Ele tinha vinte e três anos em 63. O
material de Cícero estava disponível. Ele pode ter usado isso. (Costuma-se supor que
ele estava familiarizado com ele desde que ele se refere a ele.) Outras cartas também
estavam disponíveis. Ele fez use isso. Ele cita e cita cartas de Catiline e outros
"conspiradores". Outros discursos e documentos estavam disponíveis. Cícero assegurara
cautelosamente que o interrogatório e as respostas das testemunhas que se apresentavam
para denunciar os "conspiradores" (e possivelmente todos os discursos proferidos
naqueles dias fatídicos de 4 a 5 de dezembro) foram retirados por quatro "estenógrafos"
senatícios especialmente selecionados; esta não foi uma ocorrência comum, uma vez
que as deliberações senatoriais não foram relatadas regularmente até 59 aC Cícero
alegou que tinha essa evidência difundida em toda a Itália e, de fato, em todas as
províncias. O discurso crucial no debate final de Cato o Jovem foi, ao que parece,
publicado e disponível para pesquisadores posteriores. Um discurso contra Catiline pelo
orador Lucceius sobreviveu para ser usado mais tarde na literatura acadêmica.
Uma coisa é certa: "documentos" (ciceronianos ou não) de maneira alguma
forneciam o núcleo de sua pesquisa. O material ciceroniano também não é usado de
nenhuma maneira dramática que pareça, aos olhos modernos, feita sob medida. Para dar
um exemplo óbvio, o discurso do primeiro catilinarista de Cícero de 8 de novembro foi,
de qualquer modo, um momento crucial no drama que se desdobrava. Abre de forma
pungente e direta: Por quanto tempo, Catilina, você abusará de nossa paciência? Por
quanto tempo sua insanidade nos fará de tolos? Outros momentos retóricos memoráveis
seguem. O tempora, o mores abre o próximo parágrafo. Sallust evita a oportunidade de
pedir eloqüência, ou de competir, fornecendo sua própriaversão do discurso (tal como
era o costume de alguns historiadores). "Cícero", diz Sallust, "ou temendo a presença
continuada de Catiline ou da ira", fez "um discurso substancial de serviço ao Estado,
que depois escreveu e publicou". Isso é tudo. Segue-se um longo gloss da resposta fútil
de Catiline à tour-de-force de Cícero , culminando com o relato de que a infeliz Catilina
estava uivando quando ele teria continuado seu protesto. Pode-se quase suspeitar, como
tem sido sugerido, que Sallust (por diversas razões especuladas) intencionalmente se
propõe a rebaixar o papel de Cícero. No geral, o trabalho é uma defesa do estande da
Cicero. Cicero é chamado otimus consul ('excelente cônsul'). Mas não há tanto aqui
quanto Cícero esperava em sua vida. É Catiline, o anti-herói, que é o centro do palco.
Sallust prefere suas próprias fontes mais gerais de informação: boca a boca, relatório
geral e boato. A memória geral encontrou um lugar em sua coleta de informações. Que
ele deu grande importância a isso é indicado pela sua retenção de sua autoridade de
crenças específicas. - Alguns, eu sei, acreditam que os jovens que recorreram à casa de
Catiline praticavam a lascívia antinatural; mas esse boato foi creditado, em vez disso,
porque o resto de sua conduta fez com que parecesse uma inferência provável do que
porque alguém sabia que era assim. Em outras ocasiões também, seu relato do que
geralmente se acreditava na época indica que ele pessoalmente se recusa a conceder a
história em particular. Em outros lugares, ele oferece rumores variados. Ele poderia
recorrer às lembranças de alguns dos principais atores e de seu conhecimento pessoal
(em que grau de familiaridade não podemos saber) com esses homens. No48.9 ele relata
sua própria audição de uma afirmação de Marcus Licinius Crassus, um dos homens
mais influentes de Roma na época, que havia sido implicado por informantes na
"conspiração": "Depois, eu realmente ouvi Crasso declarar que esse grande contumente
tinha sido feito contra ele por Cícero '. Sallust procuraria, então, a confirmação de itens
que aumentassem sua credulidade ou sobre os quais ele estivesse ciente (ou admitisse)
controvérsia. A análise documental parece não ter se oferecido como uma solução.
Aqui podemos notar brevemente o uso quase decorativo ao qual foi colocada a
correspondência de Catiline. Quanto estava disponível? Nós não podemos saber. Este
item único foi preservado e tornado público pelo destinatário. Sallust apresenta seu
único exemplo relatando que Catiline, na véspera de sua partida final de Roma,
escreveu para vários líderes da cidade, reivindicando sua posição e afirmando sua
inocência e vitimização. O anúncio da citação de Sallust parece formalmente decretar
sua autenticidade. Earum exemplum infra scriptum est. 'Abaixo está escrito uma cópia
da carta' ( 34.3). Vale a pena ler na íntegra. Ele tem todas as características de um
documento genuíno e é geralmente aceito pelos acadêmicos como tal. O estilo da letra
não é sallustiano, e um certo número de palavras e frases que não são encontradas em
outro lugar na prosa característica de Sallust ocorrem aqui.
O que é notável nessa carta é a imagem de Catilina que emerge. Nós ouvimos o
próprio homem. E a imagem, talvez não surpreendentemente, é muito diferente daquela
oferecida por Sallust (e outros detratores de Catiline na antiguidade, que de outra forma
tinham o ouvido da história). O ponto é que Sallust parece não ter sentido nenhuma
restrição para moldá-lo mais suavemente em sua narrativa. Parece ter sido apresentado
como uma relíquia e não como uma evidência e não desempenhou nenhum papel
apreciável na formação da visão de Sallust sobre Catilina; nem Sallust sente qualquer
obrigação de explicar seu impacto paradoxal. O gosto ou o design, então, afastou a
composição de Sallust da evidência documental.
O historiador antigo, a avaliação de Ronald Syme do relato de Sallust, considera
Sallust crédulo em seu uso, particularmente de Cícero. Escrever a história recente foi,
obviamente, difícil, devido à "grande quantidade de evidências". Sallust, diz Syme,
estava ciente do viés nos discursos de Cícero, mas na verdade aceitou sua versão de
Catilina como vilão (e pior). No entanto, Sallust alegou não estar escrevendo de maneira
partidária ( Sallust, Cat. 4.2 ). Como um caso particular, Syme argumenta que Sallust
deu credibilidade a uma suposta, mas duvidosa "primeira conspiração catilinigráfica".
A conspiração catilinigráfica de 63 foi superestimada pela posteridade, devido a sua
importância para Cícero e a ênfase que ele colocou em seus discursos. Syme julga que o
principal defeito de Sallust como historiador é o modo como ele aceitou a concepção de
Cícero sobre o caso. O resultado para os historiadores tem sido uma dificuldade séria
em reconstruir a versão pró-catilinariana (ou mesmo neutra) dos eventos desse material
partidário.

Conclusões
Que opções os historiadores antigos têm para lidar com essas fontes? De um modo
geral, há quatro opções: (1) integrar as duas contas (tradicionalmente, a abordagem
favorecida), usando a narrativa de Sallust como base e inserindo detalhes do material
existente de Cícero, discrepâncias que racionalizam o tempo todo; (2) escolher Sallust
como o guia favorecido por causa da maior coerência de sua conta ( não uma linha de
pensamento particularmente defensável na crítica de origem) e (mais defensável) por
causa de uma relutância em confiar no partidarismo manifesto de Cícero e dentro da
evidência de Cícero; (3) dar preferência à evidência de Cícero sempre que conflitar com
Sallust como "evidência documental"; ou (4) desconfiar de ambos contas por
discrepâncias e contradições internas.
A Abordagem (3) pode ser dividida em uma abordagem que confia na informação
de Cícero e, para ir além, a vê como endossada, pelo menos como algo que deve ter
parecido credível na época, por sua recepção pública (que não pode ser presumida) ; e a
abordagem mais crítica que trataria a evidência de Cícero como documentário, mas com
cautela, considerando a recepção pública como uma validação vaga.
Esta terceira abordagem é frequentemente alimentada ou alimentada por uma linha
de pensamento que demonstra pouca fé na veracidade da "versão ciceroniana"; isto é,
desconfiar de Sallust precisamente porque, independente de Cícero embora ele possa ser
(e embora ele indique uma certa independência crítica, quase inadvertidamente, com sua
venda de histórias contadas contra Catiline), ele compartilha a mesma visão básica, isto
é, alguns receberam interpretação. ou "linha" do caso catilinar, e mostra pouca
apreciação das profundas divisões de opinião na sociedade contemporânea em relação
aos eventos. Sallust aceitou uma certa interpretação de eventos e depois aplicou suas
habilidades à apresentação mais eficaz desse quadro. Sua não foi uma análise crítica.
A quarta abordagem parece-me a mais recomendada, dado o grau comprovado pelo
qual escritores antigos podem jogar rápido e solto com o fato de melhorar a
apresentação. Isso deixa o historiador antigo com a necessidade de trabalhar com
Cícero eSallust (que continuam a ser as principais fontes) e a elaborar uma estratégia de
trabalho para que qualquer tentativa de reconstruir os eventos seja feita. Seria pura
tolice descartar um ou outro, mesmo se forem descritas manifestações de imprecisão ou
falsidade (e comprovadas para satisfação de um historiador). Assim como nos assuntos
cotidianos, não há uma visão única da realidade - uma versão pura da história pode ser
satisfatória, mas é improvável que esteja além do desafio. De fato, as discrepâncias são
valiosas precisamente porque elas soam como sinos de alerta, sinos que não seriam
tocados se tivéssemos apenas uma conta. Eles levantam questões que nunca teriam sido
perguntadas se tivéssemos possuído apenas uma ou outra das fontes.

III Favorinus, Gellius e Filostratus (B. Winter)


As orações existentes de Favorinus (dC c. 90 - meados do segundo século) e de Gellius
(dC c. 125 - 8 - c. 180) fornecem um importante paralelo literário aos Atos e ao corpus
paulino. Favorinus é referido por Gellius como seu professor e amigo. O trabalho de
Gellius contém referências a experiências compartilhadas, bem como discursos
relatados de Favorinus de ocasiões em que ambos jantaram juntos; há também uma
entrada biográfica relativamente curta sobre ele no trabalho prolongado sobre Vidas dos
Sofistas 489-92, de Filóstrato (AD c. 170-c. 249), que foi escrito c. 230. Esta é uma
evidência interessante que fornece uma oportunidade para avaliar a informação
autobiográfica com o perfil contemporâneo de Gellius e uma breve biografia de
Philostratus escrita cerca de oitenta anos após sua morte.
1. Favorinus
Das obras literárias de Favorinus, possuímos uma oração por ele entregue aos coríntios,
por ocasião de sua terceira visita àquela colônia romana c. 110 dC Ele os censura por
causa de seu movimento injusto em relação a uma estátua de bronze que eles ergueram
como nenhuma pequena honra a suas grandes habilidades retóricas como o completo
helenófilo nesta colônia romana altamente prestigiosa e poderosa na qual os próprios
gregos ricos disputavam honras. Ele apresenta seu caso contra os coríntios em uma
oração muito hábil, queixando-se de que eles 'baniram [a estátua] não apenas sem
realizar qualquer julgamento, mas também sem ter qualquer acusação para trazê-lo
contra ele ”(16). Seu impacto na Grécia romana é refletido em partes do texto da
inscrição no pedestal que foi resolvido pelo Conselho e pelo povo que autorizou a
construção da estátua, preservada na oração. Ele era 'o mais nobre entre os gregos' e
operava para 'o bem da cidade e para todos os gregos' (22-23 ). Ele fornece uma breve
descrição autobiográfica informando aos coríntios que ele era:
um romano, não uma das massas, mas da ordem eqüestre, aquele que afetou, não apenas a
língua, mas também o pensamento e as maneiras e o vestuário dos gregos, e que também
com tal mestria e sucesso manifesto como ninguém entre os dois. os romanos dos primeiros
dias ou os gregos de sua época, devo dizer, alcançaram ... ele se inclina em direção ao grego
[como contra os oradores gregos que foram a Roma para buscar sua fortuna] e para esse fim
está sacrificando tanto sua propriedade e sua posição política e absolutamente tudo, com o
objetivo de conseguir uma coisa à custa de tudo o mais, ou seja, não apenas para parecer
grego, mas para ser grego também ... ( 25 ).

Mesmo admitindo um exagero, Favorinus causou um enorme impacto não apenas em


Roma e nos Celtas (ele nasceu em Arelate), mas também na Grécia, onde ressuscitou o
"helenismo" entre os gregos - "todo o olhar para esse homem" ( 27 ).
Ele faz alusão à calúnia a que foi submetido e argumenta em sua defesa que isso não
é incomum, já que os homens na arena pública no passado foram submetidos a
acusações infundadas semelhantes. Ele os chama para lembrar que, no meio da moral
frouxa dos gregos, ele "vivera uma vida decente", como eles sabiam, e o que o levaria a
mudar seu comportamento quando vivia sob o nariz do imperador em Roma. Um
informante anônimo é responsável por essa injusta acusação ( 31-35 ). Dessa acusação,
Filóstrato aponta o paradoxo e a ironia da acusação de que, embora fosse um eunuco,
ele foi "julgado por adultério" ( Vidas dos sofistas, p. 489).
Favorinus informa o público das solicitações feitas por seus serviços por várias
cidades. Sofistas no início do império preencheram um importante papel político na
política local e em embaixadas para governadores em nome das cidades. Ele foi enviado
'aqui e ali' e seu sucesso resulta na construção de estátuas em várias cidades em
apreciação por seus serviços ( 37 ). Ele conclui com um movimento peroratio onde ele
fala "palavras de conforto para meu amigo, minha estátua" e depois de citar Hesiod
afirma que ele será ressuscitado e colocado no recinto da deusa, presumivelmente da
fama, onde ninguém será capaz de rasgar para baixo '- não terremoto ou vento ou neve
ou chuva ou ciúme ou inimigo' ( 47). Esta é uma oração muito polida com alusões
literárias, precedentes históricos que foram muito habilmente apresentados com o
propósito de brincar com as emoções, montando um caso 'legal' contra eles a fim de
envergonhá-los para restaurar sua honra, re-erguendo sua estátua. Ele produz detalhes
autobiográficos dentro do contexto da oração da mesma forma que Paulo faz em suas
cartas aos coríntios, em particular, à medida que procura persuadi-los a respeito da
atitude que alguns adotaram em relação a ele.
Seu segundo trabalho sobre a fortuna revela suas convicções religiosas como ele
defende o papel providencial desta deusa, Τύχη , sobre os assuntos de homens e
mulheres ( Or. 64 ). Ele vê a deusa reprovada por todas as calamidades que ocorrem e
pelos problemas que a humanidade experimenta - fraquezas emocionais e perigos
físicos na terra e no mar. A fortuna também controla o que é atribuído - oratório ou
geral, rico ou pobre, velho ou jovem ( 26 ) e dá as coisas boas da vida ( 7).). Ele leva
Diógenes, o cínico, a se repreender contra a fortuna. Ele alegou que, embora "ela tivesse
atirado muitas flechas contra ele como alvo, ela não poderia atingi-lo" (18). A fortuna o
atingiria se quisesse, afirma Favorinus. Ele então enumera os eixos que atingiram
Diógenes. 'Ela te fez um exilado; ela trouxe você para Atenas ... se a equipe e a carteira
e um modo de vida simples e escasso servirem a você como um manto de afeição, você
tem a Fortune de agradecer até mesmo por essas coisas, pois é pela graça da Fortuna
que você pratica a filosofia ". ). Aqui e em outros lugares da oração há um sentimento
de um testemunho pessoal de como ele mesmo lidou com as fortunas e infortúnios de
sua própria vida, especialmente durante o período de seu rebaixamento de Roma.
Sua terceira oração é sobre este mesmo tema do exílio, De Exilio , que usa vários
motivos estóicos e cínicos. O trabalho tem uma estrutura quadruplicada que discute
como o exílio traz a perda de pátria, parentes, reputação e riquezas e, finalmente, a
liberdade que ele considera a mais importante. Alguns autores modernos duvidam que
Favorinus tenha realmente passado pelo exílio. No entanto as referências reais
espalhadas por todo o extenso trabalho iria sugerir o contrário-'For mim, mesmo antes
do meu exílio forçado, ἐμοὶ δὲ ᾧ καὶ πρὸ τῆς ἀναγκαίας φυγῆς , a maioria da minha
vida foi gasto em muitas partes da terra e do mar, na companhia de estrangeiros, longe
de casa '( 11: 8ff.). 'Desaparecer a família e os amigos, além de amar o país, é definido
como uma segunda batalha em adição a essa, pois lembra a própria origem e a educação
comum, indo à escola juntos e passando o tempo da mesma maneira no mundo.
ginásios, bons tempos com os contemporâneos e amigos íntimos, estes são como um
feitiço, uma isca seduzindo a alma ”( 12: 39ff.). O lugar de sua "relegação", em vez de
"exílio", era aparentemente Quios (14.39ss). Foi por meio de sentimentos estóicos e
cínicos que algo da dor e da dificuldade do exílio é tratado por Favorinus, que é ao
mesmo tempo filósofo e sofista. Que ele levanta as questões da maneira como ele faz
revela a experiência pessoal deste período no deserto antes de sua restauração a Roma
sob Antonius Pius, onde ele continua a funcionar nos círculos imperiais até sua
morte. Outro detalhe pessoal que emerge desse trabalho é sua devoção pessoal à irmã,
mencionada em referência aos pais ( 11: 22-24 ).
Embora nenhuma das orações tenha sido planejada como trabalho autobiográfico,
elas fornecem informações substanciais sobre o Favorinus. Enquanto a oração coríntia
foi escrita para envergonhar e persuadir os ouvintes porque a honra pessoal de
Favorinus estava em jogo, forneceu grandes insights sobre a vida e o caráter deste
orador virtuoso do segundo século. As outras duas orações revelam muito a respeito de
seu testemunho de como, como filósofo, lidou com a adversidade pessoal.

2. Gellius em Favorinus
Holford-Strevens começa seu capítulo sobre Favorinus em seu recente livro sobre
Gellius com a observação "De nenhum contemporâneo Gellius fala tão freqüentemente
ou tão calorosamente como de Favorinus ... Gellius se apegou a deixar as escolas de
retórica; mesmo depois ele o amou como amigo e o reverenciou como professor ”. Que
retrato biográfico emerge de sua caneta?
Gellius Attic Nights grava várias ocasiões quando eles jantaram ou discutiram
problemas com outras pessoas. O próprio Gellius aprecia essas ocasiões: "Sua conversa
encantadora deixou minha mente encantada e eu o acompanhei aonde quer que ele
fosse, como se fosse realmente prisioneiro por sua eloquência; a tal ponto ele
constantemente me deleitava com seu discurso mais agradável ”( 16.3.1 ). Enquanto
Filóstrato o coloca no molde do sofista de se envolver em conflitos com outros oradores
( Vidas dos Sofistas 490-91), Favorinus emerge das páginas de Gellius como um
observador atento do problema quando amigos não tomam o lado onde a reconciliação é
necessária.
O filósofo Favorinus achava que este mesmo caminho deveria ser adotado também com
irmãos, ou amigos em conflito ... aqueles que são neutros e gentis com ambas as partes, se
eles tiveram pouca influência em trazer a reconciliação porque eles não fizeram suas
amizades. sentimentos evidentes, devem então tomar partido, alguns e alguns o outro, e
através desta manifestação de devoção pavimentar o caminho para restaurar a
harmonia. "Mas, como está", disse ele, "a maioria dos amigos de ambos os partidos tem o
mérito de abandonar os dois disputantes, deixando-os à mercê de conselheiros mal-
dispostos ou gananciosos, que, animados pelo ódio ou pela avareza, acrescentam
combustível para a sua luta e inflamar as suas paixões '( 2.12.5 ).

Em público, ele é colocado como árbitro na discussão entre um estoico e um


peripatético sobre o papel da virtude na determinação da vida feliz e se a felicidade era
dependente de circunstâncias externas ( 18.1 ). "Que Favorinus, com seu charme
pessoal, a invenção de seu retor, e o estoque de temas e informações de seu poli-
monista, poderia tomar conta do processo é totalmente crível", conclui Holford-
Strevens, comentando sobre o 4.18 . Sua discussão, por exemplo, dos ventos revela seus
interesses semânticos, assim como seu conhecimento de autores antigos cujos trabalhos
são regularmente citados ao longo de suas obras, como se esperaria de um homem de
sua educação. Sobre o significado de uma passagem da Catilina de Sallustnós o
encontramos buscando as visões dos outros, oferecendo uma sugestão e comentando
negativamente sobre a visão do outro porque deturpou a obra de um autor antigo
( 3.1.6 , 14 ). Seu costume era ter um escravo em pé à mesa, lendo literatura grega ou
latina enquanto jantava com amigos ( 3.19 ). Ele surge como alguém que pertenceu a
um círculo literário animado. Quando ele leu uma passagem de uma história, sua mente
foi agitada e afetada por não menos emoção e excitação do que se ele próprio fosse uma
testemunha ocular de sua disputa ( 9.13.5 ).
O relato da visita de Favorinus que foi acompanhado por Gellius ao famoso Fronto
mostra algo da medida do nosso filósofo. Em um debate sobre palavras coloridas em
grego e latim Favorinus admite a derrota e reconhece a erudição de Fronto ( 2.26.20 ).
Nos discursos gravados surgem características interessantes. Apenas um é um
monólogo. A maioria surge do contexto das refeições na convenção do simpósio. Há um
discurso de Favorinus no qual ele insiste que uma mulher de posição deve alimentar
seus filhos e não permitir que uma ama de leite a faça ( 12,1). O contexto é a visita a um
amigo para regozijar-se no nascimento de uma criança e a visão impressa pela avó de
que sua filha não deve ser restringida por ter que alimentar o bebê. No final, Gellius
escreve: “Ouvi Favorinus fazer esse endereço na língua grega. Eu reproduzi seus
sentimentos, tanto quanto pude, por causa de sua utilidade geral, mas a elegância,
riqueza e riqueza de suas palavras dificilmente qualquer poder de eloquência latina
poderia igualar, muito menos minhas humildes realizações ”( 12.1. 24 ). Como observa
Baldwin, "Gellius normalmente apresenta, com modéstia adequada sobre seu estilo,
uma paráfrase latina". No final de um jantar de discussão, Gellius escreve: "É isso que
Favorinus nos contou em sua própria mesa ... com extrema elegância de dicção e em um
estilo delicioso por toda parte" (2.22.27 ). Ele acrescenta um comentário sobre a
discussão que Favorinus pode ter acrescentado em retrospecto. Há uma observação
adicional não atribuída a Favorinus ( 2.22.31 ). No segundo, o editor observa que
"Gellius, como às vezes faz em outro lugar, refere-se à declaração de Favorinus como se
fosse sua".
Favorinus ao discutir um silogismo que ou você se casa com uma mulher bonita ou
feia indica que há uma terceira possibilidade, isto é, casar com uma mulher "normal",
ou seja, com uma beleza moderada e modesta que ele chamou de "conjugal" ( 5.11.8-
13 ) . As seções 1–7 citam um autor e comentário antigos de Gellius. Segue-se o
discurso direto e indireto atribuído ao Favorinus, onde este é apresentado de forma
resumida. Que conclusões podem ser tiradas sobre os discursos verbais e os resumos
dos discursos de Gellius? Ele pretendia relatá-los com cuidado, às vezes na fala direta e
em outras ocasiões como resumos no discurso indireto.
Em conclusão, Gellius produz um retrato de Favorinus que endossa a entrada
de Suda , elogiando seu aprendizado e sua lista de publicações das quais apenas três
existem. "Suas constantes palestras sobre pontos linguísticos e fundos de conhecimento
recôndito condizem com o polímata autor de uma enciclopédia." Ele é um filósofo e
regularmente apresentado como tal e não é retratado como um sofista por Gellius.

3. Filóstrato em Favorinus
Os detalhes pessoais sobre a natureza e as atividades de Favorinus, que surgem da
amizade pessoal e do contato, encontrados em Gellius, contrastam fortemente com a
entrada biográfica de Filóstrato, que escreve sobre ele cerca de oitenta anos após sua
morte. O que se pode dizer dessa curta biografia e do papel que desempenha neste
trabalho ampliado sobre a vida dos sofistas e suas fontes?
Filóstrato discute três aspectos da vida de Favorino a quem chama de "filósofo" e
apresenta-lhe com o elogio que ele foi proclamado sofista em razão do "charme e beleza
de sua eloqüência". Seu conflito público com outro famoso sofista, Polemo, na Ásia e
depois em Roma, onde atraiu a imaginação do público. É discutido em uma sentença e
depois segue observações gerais sobre a natureza humana e rivalidade, especialmente
entre os sofistas. Suas declamações eram tais que, em Roma, mesmo aqueles que não
compreendiam o grego se apinhavam para ouvir, por causa de sua entrega cativante e do
ritmo de seus discursos. Ele 'cantou' o peroratio de suas orações que era um novo
modismo em seu dia. A menção de sua relação com Herodes Atticus, que é a figura
central naA vida dos sofistas é feita, pois ele sintetizou o sofista em seu auge, conhecido
como o segundo sofista.
Ele repete o conhecido comentário de Favorinus de que, embora fosse um gaulês,
ele viveu a vida de um heleno, um eunuco, foi acusado de adultério e, apesar de ter
brigado com um imperador, viveu. Seu status elevado é revelado com a referência à sua
nomeação como "sumo sacerdote", ou seja, presidente dos jogos e obrigado a patrociná-
los às suas próprias custas. O lançamento de sua estátua em Atenas "como se ele fosse o
mais amargo inimigo do imperador" é referido, mas não o incidente semelhante em
Corinto. Seu comentário eirênico em face do incidente anterior reflete seu caráter
paciente. Se seu estilo de eloqüência era descuidado na construção, era "aprendido e
agradável" (491). Filóstrato conclui que Favorinus foi um dos que perseguiram a
filosofia, mas adquiriram a reputação de um sofista (492).
Favorinus tem um papel em que ele fornece Philostratus com a oportunidade de
anunciar seu aluno, Herodes Atticus. O retrato está incompleto, se não for
distorcido. Reflete falta de informação, pois após alguns comentários sobre sua vida,
Philostratus procede a generalizações.

Conclusões
Como historiadores antigos avaliaram este material autobiográfico e biográfico sobre o
Favorinus?
A biografia mais recente sobre Filóstrato faz as seguintes observações sobre seu
tratamento do Favorinus em um capítulo retomado com a discussão mais curta de
sofistas de Filóstrato antes de alcançar a figura central da Vida., Herodes
Atticus. Anderson acha que seu tratamento é "tão eclético" quanto foi com Dion
Crisóstomo. A apresentação da discussão com o Polemo é considerada "igualmente mal
digerida". Em outros assuntos, o biógrafo está ocupado com "trivialidades". Anderson
especula sobre por que isso acontece. Ele pergunta se foi relutância da parte de
Filóstrato mencionar certos assuntos ou ignorância de sua parte. CP Jones sugere que a
omissão de qualquer referência ao seu exílio pode ser contabilizada com Filóstrato que
não registra nem o exílio de Dio Crisóstomo nem Favorinus, seu pupilo, pois "isso é
uma mancha que Filóstrato não gosta de admitir em seus heróis". '.
Anderson forma a opinião de que Filóstrato "pode ter conhecido apenas o suficiente
sobre seu assunto [Favorinus] para poder incluir o material mais colorido; e a escolha
dele pode ter sido novamente determinada por seu próprio interesse como biógrafo
”. Ele mostra que Filóstrato "fica aquém de outra contagem: Favorinus representa uma
parte muito mais completa na vida intelectual do segundo século do que Filóstrato está
disposto ou capaz de lhe dar". Esta é uma deficiência muito substancial, dada a dupla
descrição de filósofo e sofista do próprio Filóstrato.
Como nos casos de Dio e Favorinus, Filóstrato parece submergir problemas
substanciais sob uma série de encontros cintilantes. Anderson conclui sua discussão
com o comentário de que "muito de ... Favorinus é, no entanto, não mencionado e,
portanto, não podemos ter confiança sobre a natureza e extensão de suas omissões,
intencionais ou não, nos breves avisos".
Em uma comparação de passagem com a entrada biográfica do filósofo G. Anderson
comentários sobre Gellius,
Mesmo em uma amostra aleatória de material preservado no ingênuo e indiscriminado
Gellius [sic.], Ele pode às vezes emergir como um erudito sensível e responsável, em vez de
um pedante arcanizante ... Gellius dá uma impressão surpreendente da erudição bilíngüe de
Favorinus e de sua filosofia profissional e filosófica. interesses religiosos.

O auto-retrato de Favorinus é transformado em uma estátua pelo comentário


animado de Gellius e insights em sua personalidade e pensamento registrados em seus
discursos e diálogos. Se a entrada biográfica de Filóstrato era tudo o que existia sobre
essa importante figura no Oriente e no círculo imperial, como é o caso de outros
sofistas, até mesmo o esboço poderia nos deixar uma impressão imprecisa em detalhes
dessa figura do século II.

IV. Juliano e Amiano Marcelino (Alanna Nobbs)


Poucas figuras da antiguidade são tão bem documentadas como o imperador Juliano e
numerosas biografias foram escritas como resultado. Das principais fontes
contemporâneas, primeiro temos os escritos do próprio imperador. Estes compreendem
oito orações, duas cartas principais (para Themistius e para o Senado e Povo de Atenas),
duas sátiras ( Misopogon e The Caesars ) e mais de setenta partes de correspondência
junto com alguns fragmentos mais curtos, uma variedade de epigramas e um tratado
contra o Galileus, acompanhados de miscelânea.
Outras fontes contemporâneas incluem discursos do sofista Libanius (favorável a
Julian), uma invectiva contra ele por Gregory of Nazianzus, um panegírico de Claudius
Mamertinus e evidência de inscrições e moedas.
O historiador Amiano Marcelino Res Gestae é uma narrativa, história analítica da
maneira clássica recontando eventos desde o reinado de Nerva (96 dC) até a morte de
Valente (378 dC). Para os eventos de 353 em diante (onde os livros sobreviventes
começam) ele deu um relato parcial de testemunhas oculares, e de fato serviu no
exército enquanto Juliano estava na Gália como César e também na expedição persa. A
história não foi escrita imediatamente, no entanto. Amiano mais tarde viveu em Roma,
onde publicou seu trabalho em c. 392
Para este breve estudo, vamos nos concentrar primeiramente em dois estudos de
caso relacionados aos problemas da carreira de Julian, usando suas próprias cartas e a
história de Amiano, e deixar de lado as outras fontes, contemporâneas e posteriores,
para fazer um paralelo com o caso. de Paulo em suas cartas e em Atos.

1. Nomeação de Juliano como César na Gália


Em meados do século IV, as fronteiras do Império Romano estavam ameaçadas em
várias áreas. A fronteira persa era instável e Constâncio herdara uma guerra do pai
Constantino. As fronteiras do Danúbio e do Reno estavam ameaçadas e, em 353, houve
uma tentativa de usurpação. A tarefa de Juliano, como César, era principalmente
defender a Gália e impedir ataques bárbaros, enquanto Constâncio como Augusto
(imperador sênior) se concentrava no Oriente. Os historiadores debatem a natureza
precisa da tarefa confiada a Juliano e o grau de confiança nele depositado por
Constâncio.
As duas fontes que veremos de perto dão essencialmente a mesma versão, mas
(naturalmente) a sua própria inclinação. Quando Julian marchou para o leste para
confrontar Constâncio, tendo sido proclamado Augusto pelas tropas, ele escreveu uma
série de cartas públicas (realmente manifestos) para Roma, Esparta, Corinto e Atenas,
explicando e justificando o curso de ação que ele estava tomando. Apenas a carta ao
Senado e ao povo de Atenas sobrevive. Atenas foi particularmente significativa para
Juliano por causa de sua educação e sua paixão pela cultura grega, então ele teria feito
todos os esforços para apresentar sua causa sob uma luz favorável.
Amiano, na época em que escreveu em Roma, no final da década de 380, escrevia, a
essa altura, sobre acontecimentos de sua própria vida e que, em alguns casos,
experimentara pessoalmente. Assim como suas próprias anotações e memórias, ele já
tinha acesso a relatos escritos incluindo, entre muitos outros, os escritos de Julian e
provavelmente o trabalho de seu quase contemporâneo, o historiador grego
Europius. No entanto, Amiano oferece seu próprio julgamento distinto, bem pensado e
em grande parte sóbrio, apesar de sua admiração por Juliano, o homem, e pelo que seu
reinado significou.
De ambas as fontes podemos ver que, apesar das dificuldades que enfrentou, Julian
cumpriu sua missão na Gália com sucesso. O relato de Juliano ( Ep. Ath. , 279-289 dC),
embora tendencioso em reclamar que lhe foi negado um triunfo, já que era
procedimento padrão para o imperador romano reivindicar as vitórias de seus generais,
mostra que ele havia conseguido assegurar o fronteiras por sua vitória. Amiano coloca
um discurso na boca de Constâncio ( 15.8.5-8 ) em que se afirma que as incursões dos
bárbaros tornaram necessário proteger suas fronteiras e, portanto, a nomeação de
Juliano. Julian afirma ainda que sua aceitação do compromisso perigoso foi o resultado
de sua própria obediência aos deuses ( Ep. Ad. Ath.277A). Em sua carta pública, Julian
enfatiza sua crença e submissão aos antigos deuses. Amiano é mais sutil e
circunspecto. Embora ele subscrevesse a visão geral de que todas as mudanças na
fortuna humana são obra de Fortuna (ou Nêmesis para os gregos, 14.11.29-34 ), ele não
enfatiza um motivo religioso em seu relato da elevação de Juliano na Gália. Em vez
disso, ele escreve obliquamente de Julian citando calmamente Homero durante a
cerimônia imperial: "Pela morte púrpura eu sou tomado e o destino supremo"
( 15.8.7 ). Este capítulo finaliza com uma profecia de uma velha cega que seria Juliana
quem repararia o templo dos deuses ( 15.8.22 ).
Assim, dessas duas fontes diferentes, chegamos, neste caso, a um quadro coerente
de eventos. Juliano, enviado para a Gália para derrotar os invasores e garantir as
fronteiras, alcançou o propósito declarado de Constâncio, enquanto acreditava ser
guiado pelos deuses. No entanto, os diferentes motivos e apresentação das fontes devem
ser descobertos primeiro.

2. A proclamação de Juliano como augusto


Após a exigência de Constâncio de que Julián lhe enviasse tropas no oriente, Julián
relutava em enviar os soldados bárbaros voluntários, aos quais se dizia que não
precisariam servir além dos Alpes ( Amiano, 20.4.4 ). Tanto Amiano quanto Juliano em
sua Carta aos atenienses referem-se à decisão de enviar os homens, mas apenas
Amiano registra o jantar dado aos nobres líderes, após o qual uma revolta "espontânea"
irrompeu, como resultado da qual Juliano foi persuadido. pelas tropas para aceitar o
título de imperador sênior (Augusto).
A falha de Julian em mencionar este encontro (embora ele chame Zeus, Hermes,
Ares, Atena e todos os outros deuses para testemunhar que ele não tinha suspeita do
plano de declará-lo Augusto até aquela noite [ Ep. Ad. Ath. 284A]) é certamente
"falso". Amiano, pelo menos na superfície, esforça-se para enfatizar a falta de iniciativa
de Juliano no assunto, e seu eventual cumprimento relutante com a vontade das tropas
( 20.4.17-18 ). Em outros aspectos, Amiano e Juliano estão em amplo acordo sobre o
evento, a reação de Constâncio e as negociações subseqüentes.
Em outras palavras, Amiano parece confirmar a versão dada por Juliano e, na
verdade, a versão de outros defensores de Juliano, como Libânio (que também enfatiza
a relutância de Juliano, mas é ainda mais enfático quanto ao papel dos deuses). No
entanto, Amiano havia sido um soldado profissional ( 14.9.1 ; 31.16.9 ) e, além disso,
havia sido enviado em uma missão anterior sob o comando do Ursicinus de Constantino
para acabar com a usurpação de Silvano na Gália ( 15.5.1-35 ). Enquanto em geral
admitindo que um imperador legítimo tinha o direito de proteger seu poder imperial, já
que como um soldado ele sabia que a anarquia resultaria de outra forma, ele censura
Constâncio por manter seu poder com tal crueldade ( 21.16.12). Uma sugestão do grau
de sutileza na apresentação de Amiano da versão Juliana de sua proclamação pode ser
descoberta em seu último obituário de Juliano, onde entre outras qualidades admiráveis
ele enfatiza a habilidade de Juliano de controlar seus soldados, mesmo sem pagamento
( 25.4.12 ) . Amiano certamente se perguntou, embora seja suprimido em sua narrativa,
o que aconteceu com o controle na noite da proclamação. Para Amiano também, embora
a vontade dos deuses não fosse enfatizada na narrativa real, sua liderança deveria ser
levada em conta.
Conclusão
Nesses dois estudos de caso, temos o julgamento ponderado de um contemporâneo
favorável, escrevendo mais tarde como um historiador analítico e a própria versão dos
assuntos de Julian escrita como uma apologia para sua própria conduta. Uma análise
mais extensa, estendendo-se ao longo da carreira de Julian, daria uma imagem muito
melhor. No entanto, a partir de uma perspectiva moderna, somos capazes de formar uma
imagem do caráter e dos motivos de Julian, como ele próprio desejou que fossem vistos
e como outro os julgou. As duas versões são complementares, e revelam que o
espectador, o historiador, foi capaz de fazer julgamentos sutis com base em seu
conhecimento em primeira mão da figura em questão e de sua vida e tempos.

V. Conclusões
Quais são algumas das conclusões que podem ser tiradas dos três estudos de caso
diferentes apresentados neste capítulo?
No caso de Cícero, um ator importante na rebelião catilinariana, o conhecimento de
quando e por que ele publicou seus discursos fornece uma perspectiva importante para
avaliá-los. O fato de ele participar desses eventos não significa que seu registro escrito
não tenha uma Tendenz específica .ou que o significado de "salvar" Roma não seria
julgado por alguns de seus contemporâneos como exagero político. Mas nenhum
material escrito é sem seu viés. Quando isso surge de comentários explícitos do autor, é
mais fácil para os historiadores antigos fazerem julgamentos e avaliar interpretações
antigas e modernas. A participação em eventos não implica em imparcialidade ao
registrá-los por escrito. A revelação do propósito em registrar os eventos
subsequentemente fornece uma perspectiva para o historiador antigo para capacitá-lo a
apreciar o Tendenz do autor .
O relato de Sallust é particularmente interessante, pois destaca o fato de que o
acesso a fontes "primárias" como as de Cícero não significa que ele as usou em seu
tratamento da conspiração, ou que, no caso da carta de Catilina, ele tirou dela a
julgamentos que um historiador antigo do presente século sente que é possível
fazer. Este estudo de caso alertou os estudiosos do Novo Testamento para o fato de que
eles talvez estivessem prontos demais para assumir que existe um único
empreendimento com regras acordadas chamado "historiografia antiga". Eles podem ser
mais diversos em abordagens e no uso e não uso de fontes. O fato de que Sallust
compôs sua história após a morte dos principais atores não permite, por si só, concluir
que a obra é ipso facto menos crível naquilo que se propõe a fazer.
Cicero e Sallust levantam a questão das fontes e a questão da dependência da
história sobre as cartas e os discursos. Há cerca de 200 anos, o Dr. William Paley
levantou essa questão em um projeto semelhante sobre Atos e o corpus
paulino. Observando as possibilidades de que "as letras" de Paul fossem inventadas a
partir da "história" de Atos, ou "a história" fosse inventada a partir das "letras" ou que
fossem independentes umas das outras, Paley cunhou uma frase do vocabulário de
interesses na categoria de "design" de sua apologética - "o undesignedness da
evidência". Não é a "prova" de Paley do "undesignness" que é pertinente aqui, mas sim
o estímulo que seu insight proporciona ao ponderar as alternativas na discussão de
qualquer antigo paralelo literário.
Os detalhes autobiográficos de Favorinus e os dados biográficos registrados por
Gellius e Philostratus apresentados acima fornecem outro parâmetro para a discussão de
Atos e do corpus paulino. O uso que é feito do paralelo pode depender de julgamentos
feitos sobre se Lucas foi por algum tempo parte da missão paulina. Se Lucas era um
associado paulino, então o primeiro pode ter muito mais em comum com Gélio do que
Filóstrato. Aqueles que detêm essa posição reconheceriam que o retrato de Paulo em
Atos foi pintado de um ângulo particular. Todos os retratos são necessariamente
pintados de um certo ponto de vista. A assinatura na apresentação particular de Paulo
em Atos é, obviamente, a do autor.
Se pudesse ser demonstrado a partir da evidência existente que Lucas não era um
companheiro de viagem ou que seu trabalho pertence a um gênero que uma audiência
antiga seria automaticamente supõem ser um romance, em seguida, o julgamento sobre
a relação entre Atos e Paul pode ser que Lucas tem mais em comum com a apresentação
sucinta e, portanto, "incompleta" das entradas biográficas mais curtas de Lives of the
Sophists, de Filóstrato . Mas todas as apresentações são incompletas e, se parte de um
trabalho maior, elas são claramente criadas para um propósito específico, como é o caso
de Atos.
O relato cuidadosa por Gellius de Favorinus' discursos, quer na íntegra ou em
discurso indireto deve nos alertar para o fato de que nem sempre pode ser pertinente
para avaliar todos ou alguns dos discursos dos Atos em que os estudiosos do Novo
Testamento popularmente consideram ser o 'Thucydidean 'tradição.
O uso do termo 'Lucana Paul' pode ser visto por alguns como mais apropriado se o
paralelo literário Filostro é usado porque eles concluem que o autor não tinha nenhuma
relação com um dos atores centrais na disseminação do cristianismo primitivo. No
entanto, na reflexão, "Lucana Paul" é um termo equivocado e, pode-se acrescentar, não
um dispositivo que os historiadores da antiguidade usariam quando discutissem uma
pessoa antiga. L. Holford-Strevens produziu um capítulo extraído de fontes existentes
em Favorinus e, embora seja avaliador em seu uso de material primário, em nenhum
lugar ele fala do "Favorinus filostrateano". Os estudos do Novo Testamento operam a
partir de uma pequena quantidade de material primário comparado com aquele
disponível de outros autores do mesmo período.
Nos dois exemplos citados, no estudo de caso de Julian e Amiano, verificou-se que
temos o julgamento ponderado de um contemporâneo favorável, escrevendo mais tarde
como um historiador analítico e a própria versão de Julian escrita como
uma apologia de sua própria conduta. As duas versões foram concluídas para ser
complementares, e para revelar que o espectador, o historiador, foi capaz de fazer
julgamentos sutis com base em seu conhecimento em primeira mão da figura em
questão e de sua vida e tempos.
Para alguns, a questão de Atos e o corpus paulino é vista como uma questão
controversa para os estudos de Atos. Muitos historiadores antigos acolheriam o tipo de
evidência apresentada por Atos e o corpus paulino. Onde há incertezas sobre certos
aspectos entre os relatos, eles os veriam fornecendo o estímulo para examinar o assunto
a partir de ângulos que podem não ter ocorrido a eles, se não houvesse apenas uma
perspectiva biográfica ou autobiográfica. Espera-se que, quando os estudiosos se
voltarem para Atos e para o corpus paulino, os contornos dessa discussão possam
parecer diferentes, como resultado dos três estudos de caso que constituem antigos
paralelos literários. Quando Jerome perguntou Quid facit cum apostolo Cicero?"O que
Cicero tem a ver com Paul?" Ele pouco percebeu como essa pergunta poderia ser
estimulante para esse aspecto importante da pesquisa sobre os Atos.
CAPÍTULO 9
ATOS E O CORPO PAULINO
II. A EVIDÊNCIA DOS PARALELOS
David Wenham

Resumo
Mais da metade do livro de Atos é dedicado a descrever o ministério de Paulo. Para o
estudante de Atos, portanto, as cartas paulinas, sendo uma expressão de primeira mão e
reflexão desse ministério, são um recurso imensamente importante. Este capítulo examina os
paralelos entre Atos e as cartas em ordem, começando do plano de fundo até a conversão de
Paulo e prestando particular atenção ao relacionamento de Gálatas 2 com Atos 11 e 15 . O
capítulo não chega a conclusões definitivas, mas descreve as evidências e explica as avaliações
acadêmicas amplamente divergentes das evidências. A comparação das duas tradições é vista
como tendo grande potencial para iluminar textos particulares e para a avaliação de Atos
como um trabalho literário e histórico.

Introdução
Qualquer estudioso que deseje avaliar o livro de Atos como obra literária e histórica tem
um recurso extraordinariamente importante nas cartas de Paulo. Mas o que exatamente
as letras nos dizem? O Paulo das cartas é reconhecidamente a mesma pessoa que Paulo
de Atos? Ou os Atos oferecem um relato tendencioso e historicamente enganoso? Ou a
verdade está em algum lugar entre os dois? A resposta a essas perguntas obviamente
terá relação com outras questões importantes relacionadas a Atos, tanto questões
históricas (por exemplo, o autor de Atos era companheiro de Paulo, e / ou ele conhecia
as cartas de Paulo?) Quanto literárias (por exemplo, Atos). um romance histórico ou
monografia?).
Ao comparar Atos e as cartas paulinas, é possível, por um lado, fazer amplas
questões sobre o retrato de Paulo e sua teologia nas duas tradições. O perigo dessa
abordagem é que ela pode ser relativamente subjetiva: o retrato de Lucas de Paulo e o
próprio retrato de Paulo de si mesmo podem ser interpretados de todas as maneiras e
têm sido interpretados dessa maneira. É possível, por outro lado, tentar um exame
histórico mais detalhado de possíveis paralelos de pontos de contato e pontos de
tensão. Essa abordagem também tem seus perigos, uma vez que os detalhes devem, em
última análise, ser vistos não isoladamente, mas em seu contexto amplo, e ainda assim é
preferível começar com algumas das bases detalhadas antes de proceder a análises mais
ambiciosas. Este capítulo tenta fazer algumas dessas bases,

I. Os Primeiros Anos de Vida e Conversão de Paulo e suas


Consequências Imediatas
1. Antes da conversão
No livro de Atos, Paulo aparece pela primeira vez em cena como um "jovem" no
assassinato de Estêvão ( Atos 7:58 ). Atos nos dá muito pouca informação sobre o seu
passado; mas nós nos reunimos que ele tinha um nome hebraico e romano (Saul e
Paulo, respectivamente). Nascido em Tarso, ele era cidadão daquela cidade ( 21:39 ; 22:
3 ) e também cidadão romano de nascimento ( 16:38 ; 22:26 , 27 ). Por profissão, ele era
fabricante de tendas (ou operário de couro) ( 18: 3 ). 'Fariseu e filho de fariseus', ele
treinou em Jerusalém sob Gamaliel, 'educado estritamente de acordo com nossa lei
ancestral, sendo zeloso de Deus' ( 22: 3 ; 23: 6).). Ele era fluente em hebraico / aramaico
( 22: 2 ), mas aparentemente associado às sinagogas de fala grega de Jerusalém (a julgar
pelo seu envolvimento com Estêvão, cf. 6: 9 e também 9:29 ).
A informação a ser obtida das cartas do próprio Paulo sobre esse período é
modesta. Mas em Filipenses 3: 5 , 6 Paulo fala de sua origem judaica ortodoxa,
'circuncidado ao oitavo dia, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus, conforme a lei
fariseu ... como justiça sob a lei irrepreensível'. Em Gálatas 1:14 ele descreve como "eu
progredi no Judaísmo além de muitos dentre o meu povo da mesma idade, pois eu era
muito mais zeloso pelas tradições de meus ancestrais". Paulo não se refere
especificamente ao seu comércio de fabricação de tendas em suas cartas, mas ele
descreve como ele trabalhou para não sobrecarregar suas congregações ( 1 Ts 4:11 ; 1
Coríntios 9 ). Seu bilinguismo é claro o suficiente de suas cartas.
A evidência de Atos e as epístolas sobre este período é completamente
compatível. As epístolas não mencionam o nome hebraico de Paulo "Saul", mas é um
nome bastante provável para um judeu da tribo do rei Saul. Eles não mencionam sua
origem Tarsan, mas referem-se a sua extensa obra missionária na Ásia Menor, incluindo
a área de Tarso ('Cilicia' em Gal. 1:21 ).
Foram levantadas questões sobre a referência em Atos ao treinamento de Paulo em
Jerusalém sob Gamaliel, com base em que Paulo fala em Gálatas 1:22 de ser
'desconhecido de vista' para as igrejas da Judéia depois de sua conversão. O mesmo
texto foi usado para contradizer a descrição de Atos de Paulo perseguindo a igreja em
Jerusalém. Mas isso é provavelmente para pressionar Gálatas 1:22 - um comentário de
Paulo sobre seu postContato de conversão com Jerusalém - longe demais. Paulo
certamente não quer dizer que ninguém nas igrejas de Jerusalém ou da Judéia o
conhecesse: ele poderia muito bem ter sido treinado sob Gamaliel e até ter sido um dos
principais perseguidores da igreja de Jerusalém em seus primeiros dias sem ser um rosto
familiar para a grande maioria. dos membros das igrejas judias de rápido crescimento,
alguns anos depois. É muito provável que o fariseu entusiasta de Tarso tivesse estudado
em Jerusalém com um importante rabino, como Gamaliel, e que sua perseguição aos
cristãos tenha começado em Jerusalém.
Perguntas também foram levantadas sobre se Paulo é provável que tenha sido tanto
um judeu estrito, um "fariseu filho de fariseus", e também um da elite social em Tarso
como cidadão da cidade e cidadão romano. Tal combinação de qualificações pode ter
sido incomum, mas que Paulo era incomum em sua formação e "qualificações" não é
difícil de acreditar.

2. conversão de Paulo
Atos tem três relatos da conversão de Paulo, sendo o primeiro a descrição de Lucas
(cap. 9 ), sendo os outros dois nos próprios lábios de Paulo, um antes da multidão
judaica (cap. 22 ), o segundo antes do rei Agripa (cap. 26 ) . Os três relatos são bastante
semelhantes, descrevendo a campanha violenta de Paulo contra os cristãos, sua jornada
(autorizada pelas autoridades de Jerusalém) a Damasco para aprisionar cristãos, sua
experiência perto de Damasco de ser atingida por uma luz brilhante e depois de falar
com o Cristo ressuscitado. ('Saulo, Saulo, por que você está me perseguindo?' Etc.) e
sua entrada em Damasco, um homem convertido.
Existem certas diferenças entre as contas, com Atos 9 sendo muito mais completo
do que os outros e Atos 26 sendo o mais breve. Em 9: 7 , diz-se que os companheiros de
viagem de Paulo ouvem a voz celestial, mas não vêem ninguém; em 22: 9 eles vêem a
luz, mas não ouvem a voz "daquele que estava falando comigo". Em Atos 26, a Paulo é
dito na estrada de Damasco que ele deve ter uma missão aos gentios; nos
capítulos 9 e 22, ele é simplesmente instruído a ir a Damasco, onde receberá suas
instruções. Em Atos 9é Ananias quem tem uma visão sobre o futuro ministério de Paulo
aos gentios; nada é dito sobre Paulo receber essa informação, mas Atos 22 diz a
Ananias que diga a Paulo que "você será minha testemunha para todas as pessoas".
Lucas aparentemente não estava preocupado com essas pequenas divergências. Isso
pode ser visto como uma evidência da falta de interesse de Lucana na precisão
histórica. Por outro lado, pode ser que Lucas tivesse fontes diferentes e preferisse
permitir que os relatos levemente divergentes estivessem do que harmonizá-los. E / ou
poderia ser que Lucas tivesse explicado ou harmonizado as narrativas em algumas das
maneiras sugeridas pelos estudiosos modernos. Nossa preocupação, no entanto, é com a
maneira como os relatos de Lucas se comparam às referências de Paulo à sua conversão.
Paulo em suas cartas não conta a história de sua conversão, mas ele se refere a
ela. Em primeiro lugar, ele fala em várias ocasiões de sua experiência de ter "visto o
Senhor" de uma maneira que o coloca em pé de igualdade com os apóstolos ( 1 Co 9:
1 ; 15: 8 ). Lucas concorda que a experiência de Paulo foi a de "ver o Senhor". Mas
então, em segundo lugar, Paulo se refere mais detalhadamente à sua conversão
em Gálatas 1: 13-17 : ele conta como 'eu estava perseguindo violentamente a igreja de
Deus e estava tentando destruí-la' (um ponto confirmado em Filipenses 3: 5 ). Então ele
descreve como Deus, por sua graça, "se agradou de revelar seu Filho a mim", sendo o
propósito de Deus "para que eu o proclame entre os gentios" ( 1:15 , 16). Paulo não se
refere especificamente à localidade de Damasco como o lugar de sua conversão, mas
isso está implícito quando ele fala de ir embora para a Arábia e, em seguida, "depois
voltei para Damasco" ( 1:17 ).
Não há nada aqui para contradizer os relatos de Atos, e vários pontos se encaixam
bem neles. Uma exceção pode ser seu comentário de que "eu não concordei com
nenhum ser humano (carne e sangue)" ( 1:16 ), já que Atos deixa claro que Ananias era
um ator importante no drama da conversão de Paulo. No entanto, seria literalmente
absurdo levar a observação de Paulo em Gálatas 1:16Quer dizer que ele não teve nada a
ver com nenhum cristão em Damasco quando se converteu. A observação deve ser vista
no contexto de uma discussão polêmica sobre o relacionamento de Paulo com os
apóstolos de Jerusalém, onde Paulo está respondendo à acusação de que ele é um
apóstolo de segunda classe com uma mensagem de segunda mão. Ele responde que seu
evangelho não era de origem humana; porque eu não recebi de uma fonte humana, nem
fui ensinado, mas eu a recebi através de uma revelação de Jesus Cristo
'( 1:11 , 12).). Ele continua enfatizando sua falta de contato com os apóstolos de
Jerusalém imediatamente após sua conversão. Neste contexto, o significado provável de
sua observação sobre não conferir com carne e sangue é que ele não teve uma consulta
oficial com nenhum apóstolo ou representante dos apóstolos.

3. O rescaldo da sua conversão


É na descrição do que seguiu sua conversão que há divergência significativa entre Atos
e Paulo. Em Atos 9 diz-se que Paulo após a sua conversão e batismo estava com os
discípulos lá "alguns dias" ( ἡμέρας τινάς ), e que ele imediatamente começou a
proclamar Jesus nas sinagogas, dizendo: "Ele é o Filho de Deus" (v . 21 ). Continua
falando de seu ministério em Damasco se tornando cada vez mais poderoso. Então
continua: "Quando muitos dias foram completados" ( ς δὲ ἐπληροῦντο ἡμέραι ἱκαναί )
os judeus conspiraram para matá-lo ... mas os seus discípulos o derrubaram através do
muro num cesto "(vv. 23-25). Em seguida, refere-se a sua vinda a Jerusalém e a
Barnabé, apresentando-o aos "apóstolos". Ele então entra e sai de Jerusalém 'sendo
ousado em nome do Senhor' e falando e discutindo com os helenistas. Então, diante de
outra trama em sua vida, os irmãos o levam para Cesaréia e o levam para Tarso (vs. 26-
29 ). Os relatos dos Atos 22 e 26 não acrescentam significativamente a esta imagem:
eles concordam que Paulo foi de Damasco a Jerusalém, e Atos 26 fala dele ministrando
em Jerusalém e 'em todo o campo da Judéia'.
Gálatas 1 conta uma história diferente. Depois de dizer que ele não conferiu
ninguém após sua conversão, Paulo prosseguiu 'nem subi a Jerusalém para os que eram
apóstolos antes de mim, mas parti imediatamente para a Arábia e depois voltei para
Damasco. Então, depois de três anos, subi a Jerusalém para visitar Cefas e fiquei com
ele quinze dias, mas não vi outro apóstolo senão Tiago, o irmão do Senhor. No que
estou escrevendo para você, diante de Deus, não minto! Então eu fui para as regiões da
Síria e da Cilícia, e eu era (ainda) desconhecido pelas igrejas da Judéia; eles só ouviram
dizer: “Aquele que anteriormente estava nos perseguindo agora está proclamando a fé
que ele uma vez tentou destruir…” '.
As diferenças entre os relatos de Lucana e Pauline incluem: (a) Atos não mostram
nenhum conhecimento sobre a visita pós-conversão de Paulo à Arábia. (b) A impressão
que recebemos de Atos é que Paulo foi a Jerusalém pouco depois de sua conversão,
enquanto Gálatas permitiu um lapso de tempo de três anos. (c) Atos descreve Barnabé
apresentando Paulo aos 'apóstolos', enquanto Paulo diz que em sua primeira visita pós-
conversão a Jerusalém ele encontrou somente Pedro e Tiago, o irmão do Senhor. (d)
Atos descreve Paulo tendo um ministério ousado em Jerusalém (e no cap. 22 na
Judéia); em Gálatas, Paulo afirma que ele permaneceu desconhecido das igrejas da
Judéia.
Assim como Gálatas 1 , 2 Coríntios 11:32 , 33 é um provável paralelo à narrativa de
Atos, uma vez que Paulo escreve: 'Em Damasco, o governador sob o rei Aretas guardou
a cidade de Damasco para me prender, mas fui deixado em uma cesta através de uma
janela na parede, e escapou de suas mãos '. Esta referência pode dar algum apoio ao
relato de Atos, mas também nos apresenta uma nova discrepância entre Atos e Paulo, na
qual Paulo culpa o governador do rei Aretas pela trama, em vez dos judeus, que são
culpados por Lucas.
As disparidades entre o relato das experiências pós-conversão de Paulo em Gálatas
1 e Atos 9são tais que convencem muitos críticos de que Lucas está seriamente mal
informado e significativamente enganador neste momento em sua narrativa. Lucas,
sugere-se, era ignorante da visita e missão pós-conversão de Paulo à Arábia. Como
resultado, ele recebe várias coisas erradas. Primeiro, ele atribui a conspiração contra
Paulo em Damasco (da qual Lucas sabe) a seus oponentes judeus por causa de seu
ministério aos judeus em Damasco, em vez de ao rei Aretas por causa de seu ministério
na Arábia. Então, em vez de mandá-lo para a Arábia, Lucas faz com que Paulo faça a
coisa óbvia logo após sua conversão, ou seja, suba a Jerusalém para estabelecer suas
credenciais com os "apóstolos". Porque Paulo está indo para Jerusalém logo após sua
conversão, Lucas pode retratar Barnabé (o colega mais tarde de Paulo) como
apresentando Paulo aos apóstolos suspeitos, algo que dificilmente seria necessário se a
visita a Jerusalém fosse vários anos depois da conversão de Paulo (como era!). A idéia
de Lucas de ter um ministério público poderoso em Jerusalém é pura suposição de
Lucana sobre o que teria acontecido, claramente contrário ao que realmente aconteceu
(Gal. 1:22 , 'Eu ainda era desconhecido ... para as igrejas da Judéia').
É difícil evitar a conclusão de que o relato de Lucas sobre o que se seguiu à
conversão de Paulo é historicamente impreciso em vários aspectos. E, no entanto, os
argumentos não são tão fortes ou claros quanto podem parecer à primeira vista. Os
seguintes pontos adicionais são dignos de nota:
(a) Lucas recebe alguns dos fatos salientes sobre a primeira visita pós-conversão de
Paulo correta. Ele sabe que Paulo esteve em Damasco; ele sabe que Paulo deixou
Damasco com vergonha por meio de uma cesta; ele sabe que Paulo veio de Damasco
para Jerusalém; ele sabe que Paulo foi de Jerusalém para Tarso. Então, se Lucas é
impreciso nesta seção, ele ainda está trabalhando dentro de uma estrutura histórica.
(b) As referências em Atos 9 à permanência de Paulo em Damasco não implicam
necessariamente que a permanência dele na cidade tenha sido muito curta: Atos se
referem a ele ficar “alguns dias”, depois a “muitos dias sendo completados”. Seria
insensato argumentar que Lucas pressupõe a visita da Arábia entre os "alguns dias" e os
"muitos dias", já que Lucas não dá nenhuma indicação direta disso. Mas a redação de
Lucas e sua referência a Paulo sendo desiludido dos muros de Damasco por "seus
discípulos" pelo menos permitem uma permanência mais longa e ministério em
Damasco do que poderíamos à primeira vista inferir. Pode ser que a visita de Paulo à
Arábia tenha sido de curta duração e que, de fato, a maioria dos "três anos" entre sua
conversão e sua primeira visita a Jerusalém tenha passado em Damasco.
(c) A explicação de Lucas de que Paulo escapou de Damasco para evitar os judeus
poderia ser a construção teológica de Lucas ou a suposição desinformada. Mas é
inteiramente possível - e até provável - que o convertido Paulo tenha testemunhado aos
judeus em Damasco quando retornaram da Arábia (se não na Arábia), e é bem provável
que eles tenham respondido com hostilidade. Postular alguma colaboração entre o
etnátrico de Aretas e a comunidade judaica de Damasco não é de forma alguma
fantasiosa: eles poderiam muito bem ter feito uma causa comum.
(D) É certamente verdade que nós naturalmente tomaríamos 'os apóstolos' a quem
Barnabé introduz Paulo em Atos 9 como mais do que apenas Pedro e Tiago, mas é uma
declaração generalizante, e Lucas não precisa ter nos intencionado a imaginar uma
reunião de todo o colégio apostólico.
(e) Quanto a Barnabé, é verdade que o relato de Atos de Barnabé introduzindo Paulo
e explicando sua conversão aos discípulos que 'não acreditavam que ele fosse um
discípulo' faz sentido se a visita ocorreu logo após o evento de conversão. No entanto, é
bem possível que a suspeita extrema do arquiinimigo, que havia sido supostamente
convertido e que agora se apresentava como um líder cristão (como parecia), pudesse ter
persistido entre os cristãos de Jerusalém; seu fracasso em reportar-se a Jerusalém depois
de sua conversão e seu desaparecimento na Arábia por um tempo poderia ter alimentado
suspeitas. Também é bem possível que alguém com o espírito generoso
tradicionalmente associado a Barnabé tenha assumido a liderança no acolhimento do ex-
perseguidor. Gálatas não tem nenhuma menção de Barnabé estar envolvido nesta
visita, e Lucas poderia tê-lo trazido para a história porque ele sabe de sua colaboração
posterior. No entanto, essa colaboração posterior deve ter começado em algum lugar e
de alguma forma, e o relato de Atos que eles encontraram em Jerusalém neste momento
e que Barnabé mais tarde chamou Paulo para ajudá-lo em Antioquia não é implausível.
(f) Quanto ao comentário de Paulo, que ele era desconhecido face às 'igrejas da
Judéia' ( Gl 1:22).), isso parece entrar em conflito com o relato de seu ministério em
Jerusalém em sua visita pós-conversão. No entanto, a declaração é uma generalização
da parte de Paulo, provavelmente sobre o período após a sua visita, em vez de um
comentário sobre a visita. Paulo provavelmente significa que ele permaneceu uma
figura relativamente desconhecida na cena cristã da Judéia (contraste entre os apóstolos
e outros), não que nenhum cristão judeu o conhecesse durante (ou antes) sua visita pós-
conversão a Jerusalém. Embora sua visita tenha sido curta e especificamente para
conhecer Pedro, não há nenhum indício em Gálatas de que a visita era secreta e não
havia probabilidade de que os únicos cristãos que encontrasse fossem Pedro e Tiago; a
implicação é, se alguma coisa, o oposto - isto é, que ele conheceu outras pessoas além
de apóstolos.
A sugestão em Atos que ele se envolveu em discussão com os judeus durante a sua
visita, embora não confirmada por Gálatas, é bastante provável. É difícil ver como ele
poderia ter evitado tais discussões em sua primeira visita a Jerusalém, a menos que sua
visita fosse deliberadamente secreta. Martin Hengel observa que em Romanos
15:19 Paulo se refere a ter pregado o evangelho “de Jerusalém” e tão longe quanto
Ilírico, e conclui que: “Paulo parece estar se referindo à proclamação missionária na
própria Jerusalém, por mais breve que tenha sido '. É bem possível que a ocasião em
mente tenha sido sua visita pós-conversão.
A descrição de Atos do enredo resultante contra Paulo não é improvável. Existe uma
possível referência a isso em 1 Tessalonicenses 2:15, onde Paulo fala dos judeus que
'mataram o Senhor Jesus e os profetas e nos expulsaram ...' Paulo pode estar se referindo
aqui aos judeus expulsando-o de Tessalônica; mas (a) ele tem falado no contexto
imediatamente precedente dos judeus da Judéia, e (b) ele pode estar repetindo uma frase
de Jesus que foi associada (pelo menos na tradição) com os oponentes judaicos de Jesus
(compare Mt. 23: 29-36 / Lucas 11: 45–54 ).
Um outro ponto a favor da história de Atos sobre uma trama contra Paulo pode ser o
longo intervalo entre as primeiras e segundas visitas de Paulo após a conversão
( Gálatas 2: 1 'depois de catorze anos): foi a hostilidade que Paulo encontrou? na
primeira visita que o manteve longe de Jerusalém por tanto tempo?
O que podemos concluir sobre o relato de Paulo a respeito de Atos imediatamente
após sua conversão? (1) Pode bem ser o caso que Lucas não soubesse todos os detalhes
do que se seguiu à conversão de Paulo, e ainda assim ele tem uma quantidade
significativa de informação que concorda com o que Paulo nos diz. (2) O relato de
Lucas é condensado: em Atos 9 ele simplesmente descreve a conversão em si e depois a
recepção de Paulo de volta a Jerusalém; ele não começa a contar a história de Paulo em
detalhes até a vinda de Paulo a Antioquia em seu capítulo 11.. (3) O relato de Lucas
pode ser historicamente enganoso em certos aspectos (por exemplo, na referência a
Paulo encontrando 'os apóstolos' e talvez na sugestão de que a igreja de Jerusalém
precisava de informação de Barnabé sobre a conversão de Paulo). (4) Mas não há
nenhuma discrepância significativa e comprovada entre Atos e as epístolas paulinas, e
as adições de Lucas ao relato dos gálatas são historicamente possíveis.

II. Segunda e terceira visitas de Paulo a Jerusalém


É o relato de Lucas da segunda e terceira visitas de Paulo a Jerusalém, que levanta as
questões mais complicadas vis-à-vis a evidência das cartas de Paulo.
Neste caso, será útil começar com Gálatas. Em Gálatas 2, Paulo descreve como
"depois de quatorze anos" ele fez outra visita a Jerusalém. Ele foi com Barnabé e Tito,
em resposta a uma revelação de algum tipo. Lá, em uma reunião privada, ele colocou
diante dos "líderes reconhecidos" - Pedro, João e Tiago, o irmão do Senhor - o
evangelho que ele pregou aos gentios - "a fim de assegurar que eu não corresse ou não
corresse em vão". '(v. 2 ). A discussão, evidentemente, teve alguma influência sobre a
questão dos gentios sendo circuncidados (vv. 3-5). O resultado foi o reconhecimento do
ministério de Paulo aos gentios, os três líderes em Jerusalém, dando a Paulo e Barnabé a
destra do companheirismo, apenas pedindo-lhes que se lembrassem dos pobres, que era
realmente o que eu estava ansioso para fazer (v. 10) . ). Apesar deste reconhecimento da
liberdade gentia e do ministério de Paulo e Barnabé, os problemas não desapareceram,
pois Paulo descreve como mais tarde em Antioquia teve que confrontar Pedro, quando
sob pressão de pessoas de Tiago, ele e até Barnabé se retiraram de comer com os
gentios, "por medo da facção da circuncisão" (vv. 11-13 ). Também a carta de Gálatas é
testemunha do fato de que o problema judaizante não havia desaparecido.
Em Atos, a segunda visita pós-conversão a Jerusalém é a chamada "fome-alívio"
de Atos 11: 27-30 . Atos descreveu o influxo de 'helenistas', evidentemente incluindo
gentios, na igreja de Antioquia; Barnabé foi enviado de Jerusalém presumivelmente
para supervisionar a nova situação, e ele traz Paulo de Tarso para ajudá-lo. Paulo e
Barnabé se reuniram com a igreja "por um ano inteiro" e "ensinaram muitas pessoas, e
foi em Antioquia que os discípulos foram chamados pela primeira vez de" cristãos ""
( 11:26).). Atos, em seguida, passa a se referir aos profetas vindos de Jerusalém para
Antioquia e para um Ágabo prevendo que haveria uma fome severa sobre todo o
mundo, e nos diz que 'isso aconteceu durante o reinado de Cláudio'; em resposta a esta
previsão, os discípulos decidiram enviar alívio aos crentes na Judéia, e 'isso eles
fizeram, enviando-a aos anciãos por Barnabé e Saulo' ( 11:29 ). Atos então prossegue no
capítulo seguinte para se referir à execução de Herodes Agripa de Tiago, o apóstolo, à
prisão de Pedro e subsequente fuga "para outro lugar" e depois para a morte de
Herodes; o capítulo termina com o comentário de que 'depois de completar sua missão,
Barnabé e Saulo voltaram a Jerusalém e trouxeram com eles, João, cujo outro nome era
Marcos' ( 12:24 ).
É imediatamente óbvio que os gálatas relatam a segunda visita de Paulo, com sua
descrição de consultas em Jerusalém sobre a missão dos gentios, é bem diferente do
relato de Atos da missão de socorro à fome. No entanto, Atos continua no
capítulo 15 para descrever uma consulta sobre os gentios.
Em Atos 15, Paulo e Barnabé retornaram à Antioquia da Síria após a chamada
“primeira jornada missionária”, na qual tiveram notável sucesso entre os gentios e
encontraram significativa oposição dos judeus. Então 'certos indivíduos desceram da
Judéia e estavam ensinando os irmãos,' a menos que você seja circuncidado de acordo
com o costume de Moisés, você não pode ser salvo '( 15: 1).). A controvérsia é aguda, e
Paulo e Barnabé são designados para ir a Jerusalém para discutir o assunto com os
apóstolos e anciãos. Eles recebem uma recepção calorosa, exceto de alguns cristãos
farisaicos que insistem na necessidade de os gentios guardarem a lei. Há um longo
debate entre os apóstolos e anciãos, em que Pedro se refere à sua experiência com
Cornélio e afirma firmemente a liberdade dos gentios; então Paulo e Barnabé relatam o
que Deus havia feito entre os gentios e, finalmente, Tiago resume e julga 'que não
devemos incomodar os gentios que estão se voltando para Deus, mas devemos escrever
para eles se absterem somente das coisas poluídas por ídolos e fornicação e de tudo o
que foi estrangulado e de sangue. Pois em toda cidade, por gerações passadas, Moisés
teve aqueles que o proclamam ... 'Esta decisão é aceita por toda a igreja e é levada para
a igreja em Antioquia por Paulo, Barnabé e dois nomeados da igreja de Jerusalém,
Judas e Silas. A notícia é motivo de grande alegria; Paulo e Barnabé continuam em
Antioquia, mas se separaram para as próximas viagens missionárias, Barnabé levando
Marcos (a quem Paulo não confia) e Paulo levando Silas.
Há toda uma gama de pontos de vista diferentes sobre como Gálatas 2 se relaciona
com as duas passagens de Atos. Provavelmente, a maioria dos estudiosos identifica a
segunda visita de Gálatas ( Gálatas 2: 1-10 ) com o Concílio de Atos 15 ; mas uma
minoria significativa argumenta que a visita de Gálatas 2: 1–10 é a visita de socorro à
fome dos Atos 11 e 12 . Descreveremos o caso a favor e contra cada visualização.

1. Gálatas 2: 1–10 = Atos 15


a) Argumentos a favor. Os principais argumentos a favor são as correspondências entre
as visitas, conforme descrito em Gálatas 2 e Atos 15 .
(i) Acordo no assunto. A questão da missão de Paulo e dos gentios e da lei judaica
está na agenda em Gálatas 2 e Atos 15 , enquanto que em Atos 11 o propósito da visita
é o alívio da fome.
(ii) Acordo sobre os participantes envolvidos. Os participantes da discussão
em Gálatas 2 e Atos 15 são Barnabé e Paulo de Antioquia, e Pedro e Tiago o irmão do
Senhor de Jerusalém. Atos diz que Paulo e Barnabé foram de Antioquia; Gálatas não
especifica isso, embora possa ser pressuposto, já que há menção de Paulo estar na Síria
e Cilícia antes da visita e de ele e Barnabé estarem em Antioquia depois ( 1:21 ; 2: 11–
13 ).
Gálatas também menciona Tito como acompanhando Paulo e Barnabé e o apóstolo
João envolvido na consulta: Atos 15 não menciona nenhum destes, mas se refere a
Paulo e Barnabé sendo acompanhados por 'alguns dos outros' (v. 2 ) e aos 'apóstolos' em
geral envolvidos nas discussões (vv. 2 , 6 ). Atos 11, por outro lado, menciona somente
Paulo e Barnabé indo a Jerusalém e a eles encontrando 'os anciãos'; não dá indícios de
que Paulo e Barnabé tenham conhecido Pedro, João ou Tiago (a menos que Tiago esteja
incluído nos "anciãos").
Não somente Atos 15 tem as mesmas pessoas envolvidas como Gálatas 2 , mas os
respectivos papéis do povo parecem corresponder: Tiago é mencionado primeiro
em Gálatas 2: 9 à frente de Pedro e João, embora Pedro seja obviamente uma figura-
chave ( 2: 7 , 9 ); similarmente em Atos 15, Tiago é aquele que finalmente resume e
expressa a conclusão da reunião, mas Pedro é um importante contribuinte para o
debate. Pedro fica ao lado de Paulo e Barnabé em Atos 15 e o faria em Gálatas, exceto
pela pressão dos "homens de Tiago". Tiago em Atos 15vai com Paul e outros sobre a
questão da circuncisão, mas propõe arranjos dietéticos para atender algumas
preocupações judaicas; similarmente em Gálatas ele dá a mão direita de comunhão a
Paulo e Barnabé, mas tem alguma conexão com os judaizantes.
(iii) Acordo sobre o resultado. O resultado das discussões é amplamente semelhante
ao fato de o evangelho de Paulo ser reconhecido e concordar com o princípio
fundamental de que os gentios não precisam ser circuncidados.
(b) Problemas com a identificação. O caso parece bastante forte. No entanto, existem
problemas.
(i) Atos 11:30 precisando ser explicados. Se Gálatas 2 = Atos 15 , o que deve ser
feito da visita de alívio da fome de Atos 11 ? Existem duas possibilidades: ou Paulo
falhou em mencioná-lo em Gálatas 2 . Isso parece um pouco improvável, já que ele está
detalhando com muito cuidado e especificamente seus contatos com Jerusalém, a fim de
refutar as acusações ( 1:18 , 20 ; 2: 1 ); mas é apenas possível que, se na visita de alívio
da fome, ele e Barnabé apenas encontrassem 'os anciãos' referidos por Atos e nenhum
dos apóstolos, então ele poderia ter considerado a visita sem importância para seu
argumento em Gálatas 2 .
A explicação alternativa é que Lucas é impreciso: ou ele poderia estar totalmente
enganado sobre o envolvimento de Paulo na visita de alívio da fome, ou ele poderia ter
confundido várias das visitas de Paulo. Um ponto de vista é que Atos 11:30 e Atos
15 são, de fato, a mesma visita, e que Lucas os separou erroneamente, sem dúvida por
causa da confusão sobre suas fontes de informação.
(ii) reunião privada ou pública. A descrição das visitas em Gálatas 2 e Atos 15 é
diferente. Paulo especificamente diz que sua reunião foi uma consulta privada ( Gálatas
2: 2 ) com apenas os chamados "pilares" da igreja de Jerusalém, Tiago, Pedro e João,
enquanto Atos 15 descreve uma reunião plenária oficial da liderança de Jerusalém. a
igreja de Jerusalém ('os apóstolos e anciãos').
Duas observações diminuem a força desse argumento. (1) Apesar da referência de
Paulo à privacidade, a reunião descrita em Gálatas foi uma reunião com pessoas
importantes discutindo importantes questões políticas, o que levou a um acordo
significativo; Não foi apenas uma conversa informal. (2) Lucas retrata a primeira
reunião de pós-conversão de Paulo com Pedro e Tiago, como uma reunião com os
'apóstolos' em geral (veja acima). Pode ser que em Atos 15 ele faça novamente um
encontro maior e mais formal do que foi uma consulta com alguns líderes.
(iii) os decretos. Não relacionado com o ponto anterior é o problema que Atos tem a
reunião de acordo uma declaração final que é então consagrada em uma carta oficial,
afirmando que os gentios não precisam ser circuncidados, mas obrigando-os a respeitar
pelo menos alguns dos escrúpulos da dieta judaica. A carta foi levada para Antioquia e
posteriormente em outro lugar ( Atos 16: 4 ). Paulo não se refere a tal decreto, embora
possa ter sido pensado para ter sido pertinente ao seu argumento em Gálatas, e ele não
dá nenhuma sugestão de que houve qualquer decisão tomada sobre questões de dieta e
comunhão de mesa entre gentios e judeus. Cristãos De fato, ele sugere que nenhuma
exigência foi feita, exceto o pedido de ajuda aos pobres.
Várias explicações desta discrepância entre Atos 15 e Gálatas 2 foram
propostas. Uma possibilidade é que Paulo conhecesse os decretos, mas absteve-se de
mencioná-los, ou porque estava descontente com eles - não se refere a eles em nenhuma
de suas cartas, embora possam ter sido relevantes para suas discussões sobre comer e
não comer. certos alimentos (por exemplo, em romanos e em 1 Coríntios) - ou porque
ele não os considerava relevantes para os gálatas. Essa sugestão não é inteiramente
satisfatória: a defesa cuidadosa de Paulo de sua posição em Gálatas 2 seria prejudicada
por qualquer imprecisão grosseira ou omissão pertinente.
Uma explicação alternativa é que houve duas consultas separadas que Lucas
confundiu em Atos: a primeira (como também descrita em Gálatas) em que Paulo estava
presente, a segunda em que os decretos foram acordados e Paulo não estava
presente. Uma sugestão é que a primeira reunião não esclareceu a questão da comunhão
de mesa, que então veio à tona no incidente de Antioquia (de Gálatas 2: 11-14 ) e assim
teve que ser tratada em uma segunda reunião.
A teoria de duas reuniões resolve um problema percebido por vários autores na
sugestão de Lucas em Atos 15 que Paulo concordou com os decretos descritos em Atos
e até os entregou às igrejas que ele havia encontrado ( 16: 4 ). Argumenta-se que os
decretos com suas restrições sobre os gentios (por exemplo, sobre a comida oferecida
aos ídolos) não representam as opiniões de Paulo; ele os ignora e talvez os rejeite
especificamente em uma carta como 1 Coríntios, e assim não pode ter sido parte deles.
O relato de Atos do Conselho é, a esse respeito, significativamente enganoso, seja
por causa da ignorância de Lucana sobre os eventos e / ou por causa de seu desejo de
pintar um quadro mais harmonioso da relação de Paulo com Jerusalém do que era de
fato o caso.
(iv) O ponto em questão. Outro problema relacionado à identificação de Atos
15 e Gálatas 2 é que, enquanto Atos 15 descreve inequivocamente uma consulta
discutindo a circuncisão de gentios convertidos e também, por inferência dos decretos, a
comunhão de mesa entre cristãos judeus e gentios, Gálatas 2 sugere que o tópico de
discussão foi o próprio Paulo e seu evangelho. Está implícito que isso teve um impacto
na questão da circuncisão (vv. 3-5), mas, quando Paulo se refere diretamente ao tópico
de suas discussões e ao resultado de suas discussões, não é a circuncisão ou comunhão
de mesa que ele menciona, mas a questão de seu próprio reconhecimento pelos
apóstolos de Jerusalém (vv. 2 , 7). –9 ).
Essas diferenças, muitas vezes negligenciadas pelos comentaristas, são
impressionantes. No entanto, (a) Paulo deixa claro que a discussão de seu evangelho,
que ele descreve em Gálatas 2 , teve alguma relevância para a questão dos gentios e da
circuncisão. Ele especificamente se refere a Tito não sendo circuncidado (v. 3 ) e depois
a falsos irmãos "aos quais não nos submetemos por um momento" (vv. 4 , 5). (b) O foco
de Paulo na questão de sua própria posição e status pode refletir o contexto de Gálatas:
se Paulo está escrevendo para se defender num tempo em que até mesmo Barnabé foi
para o lado judaizante, então não é de surpreender que ele enfatize o reconhecimento
dado a ele e seu evangelho, relegando Barnabé e outros assuntos à margem. É, no
entanto, ainda muito curioso que ele descreva o resultado da reunião de forma tão
egocêntrica, sem mencionar qualquer decisão sobre a questão da circuncisão, que,
afinal, é importante em Gálatas.
A Lüdemann oferece uma solução bem diferente: observando as peculiaridades
estilísticas da vv. 7 , 8 (incluindo o uso incomum do nome grego Pedro, e não as
habituais Cefas de Paulo), ele sugere que não está descrevendo o que aconteceu no
Concílio, mas está se referindo a um acordo anterior alcançado entre ele e Pedro em seu
primeiro pós- visita de conversão a Jerusalém ( Gl 1:18 ). Esta explicação engenhosa
envolve destacar o vv. 7 e 8 de seu contexto de uma maneira não natural, e também
ignora o fato de que a maioria do resto de Gálatas 2: 1-10 é "primeiro pessoal".
(v) O resultado do conselho. Gálatas 2 deixa claro que as consultas em Jerusalém
não resolveram muito nada. A questão da circuncisão dos gentios convertidos não se
foi: os gálatas estão sendo pressionados precisamente neste ponto, daí a carta de Paulo
para eles. E a questão da comunhão de mesa não foi resolvida: até mesmo Pedro e
Barnabé estão embaraçosamente confusos sobre isso de acordo com Gálatas 2: 11-
14 . Nada disso faz muito sentido dada uma simples identificação de Gálatas
2 com Atos 15 , visto que a natureza oficial do concílio em Atos 15, abordando
precisamente as questões de circuncisão e comunhão de mesa, deveria pelo menos ter
resolvido questões por um tempo.
O assunto é ligeiramente aliviado - pelo menos até onde vai a questão da comunhão
de mesa - pela hipótese de que os decretos não foram formulados no Concílio (apesar de
Lucas), mas subsequentemente, talvez em resposta ao incidente de Antioquia. Mas isso
não explica a pressão contínua para que os cristãos da Galácia sejam
circuncidados. Lüdemann duvida que a questão da circuncisão possa ter sido abordada
separadamente da questão do companheirismo de mesa. Sua solução, portanto, é propor
que o incidente de Antioquia aconteceu antes do Concílio de Jerusalém e levou ao
Concílio, e que foi transposto por Paulo para efeito retórico.
c) Observação final. Lüdemann é talvez a defesa mais brilhante da identificação de Atos
15 e Gálatas 2 , mas ele tem que recorrer a algum raciocínio complexo para manter a
identificação. Assim (a) Gálatas 2: 7 , 8 refere-se à primeira visita de Paulo a
Pedro; (b) Gálatas 2: 11–14 é cronologicamente mal colocado como precedendo os
eventos de Gálatas 2: 1–10 ; (c) Paulo sabia dos decretos de Atos, mas os considerava
inaplicáveis a ele e suas igrejas gentias. Como os outros que identificam Atos
15 e Gálatas 2ele acha que tanto Gálatas como Atos são significativamente
enganosos. Se esta é uma conclusão correta e necessária pode depender de se há
explicações preferenciais dos dados.

2. Gálatas 2: 1–10 = Atos 11:30


a) Observações preliminares a favor. O caso para identificar a visita de Gálatas 2 com a
de Atos 11 (em vez de com Atos 15 ) é sério, embora tenha sido negligenciado pelos
estudiosos. As seguintes considerações, algumas de mais peso do que outras, podem
apoiar a identificação:
(i) Atos 11:30 contabilizados. Gálatas 2 é a segunda visita pós-conversão descrita
em Gálatas, Atos 11 é a segunda dessas visitas em Atos. Outras coisas sendo iguais,
podemos esperar que elas sejam iguais. Identificá-los significa, obviamente, que não
temos o problema de explicar Atos 11, que a identificação de Atos 15 implica.
(ii) as partes envolvidas. Tanto em Gálatas 2 como em Atos 11, Paulo sobe a
Jerusalém com Barnabé. Atos diz que eles foram de Antioquia; Gálatas, como vimos,
provavelmente também assume isso.
(iii) uma revelação. Paulo diz que subiu a Jerusalém 'por revelação' ( Gálatas 2:
2 ). Em Atos, Paulo e Barnabé sobem a Jerusalém a mando da igreja de Antioquia
depois que um grupo de profetas desceu a Antioquia de Jerusalém e especificamente em
resposta a uma profecia de fome de Ágabo. Nós não assumiríamos de Gálatas que a
"revelação" era uma predição de fome, mas é impressionante que Atos e Gálatas,
ambos, tenham colocado a visita no contexto de algum tipo de atividade profética.
(iv) Uma situação de necessidade material. Paulo diz que os apóstolos de Jerusalém
deram a si e a Barnabé a mão direita da comunhão, aceitando sua missão aos
gentios; "Eles só perguntaram uma coisa, que nos lembramos dos pobres, que era
realmente o que eu estava ansioso para fazer" ( Gálatas 2:10 ). Esta última observação
sugere que as dificuldades materiais estavam nas mentes dos apóstolos de Jerusalém, o
que se encaixa no contexto de fome real ou ameaçada, referido por Atos. O tempo
presente 'que nos lembramos' ( μνημονεύωμεν ) pode muito bem ser interpretado como
significando 'que continuamos lembrando' e o aoristo 'eu estava ansioso para fazer'
( ἐσπούδασα) pode ser interpretado como um sentido mais plausível, ou seja, "eu estava
ansioso para fazer". Podemos, assim, ter uma referência oblíqua ao objetivo oficial da
visita, conforme descrito por Atos.
(b) problemas. Existem, evidentemente, várias objeções possíveis à identificação
de Atos 11: 3 com Gálatas 2 .
(i) Nenhuma controvérsia gentia em Atos 11: 3 . Atos não se refere a qualquer
discussão sobre a questão dos gentios durante a visita, o que parece a alguns para fazer
qualquer correlação com Gálatas 2improvável. No entanto, este é um argumento do
silêncio e existem várias respostas possíveis.
Primeiro, o contexto imediatamente precedente da passagem em Atos é uma
descrição do que Atos parece ver como um ministério pioneiro (e altamente bem
sucedido) por Paulo e Barnabé entre os gentios em Antioquia. É impensável, dado este
contexto como Lucas retrata, que a questão dos gentios não teria sido levantada no
decorrer da visita, mesmo que o negócio principal fosse algo diferente. A presença do
Titus incircunciso com Paulo e Barnabé teria feito tal discussão mais provável.
Em segundo lugar, a impressão que temos de Gálatas 2 é que a principal questão
discutida com os pilares não era a circuncisão em particular, mas o próprio Paulo, seu
evangelho e seu apostolado. Barnabé está envolvido, mas ele está um pouco em
segundo plano, e Paulo parece ser o problema. O resultado da consulta é o
reconhecimento de Paulo e Barnabé e da validade de sua missão aos gentios.
Essa descrição do que aconteceu poderia, como vimos, ser a leitura unilateral de
Paulo sobre uma consulta muito mais ampla, como é descrita em Atos 15 . Mas Gálatas
2 faz muito sentido no contexto de Atos 11 . Duas observações são relevantes:
(1) Atos 11 sugere que foi em Antioquia que Paulo surgiu como um missionário
com quem a igreja de Jerusalém tinha que contar. Enquanto Barnabé era o delegado de
confiança da igreja de Jerusalém que fora enviado para cuidar da igreja (e da missão dos
gentios) em Antioquia, Paulo, em contraste, era relativamente desconhecido: desde sua
conversão, trabalhara como missionário freelancer. (não sob a direção de Jerusalém), e
ele não tinha sido visto em Jerusalém por muitos anos ( Gálatas 2: 1). Ele talvez
estivesse fora dos holofotes há alguns anos, mas depois foi trazido por Barnabé para a
capital da província de Antioquia e para uma igreja que era em grande parte o campo
missionário de Jerusalém. Sob sua liderança combinada, com Paul assumindo talvez um
papel cada vez mais proeminente, a igreja dos judeus e (significativamente) gentios
tornou-se cada vez maior e influente. É natural que esses desenvolvimentos tivessem
sido discutidos quando Paulo e Barnabé trouxeram presentes da igreja de Antioquia
para Jerusalém e também naturais que a questão da autoridade de Paulo e de sua relação
com Jerusalém poderia ter precisado de esclarecimento, principalmente se alguns
questionassem aspectos de seu ensinamento.
(2) A visita de socorro à fome em Atos 11: 27-30 segue diretamente do relato do
ministério controverso de Pedro ao gentio Cornélio e sua família ( 10: 1-11: 18 ). Se
Paulo e Barnabé vieram de Antioquia enquanto esse evento ainda estava na mente das
pessoas em Jerusalém, então é ainda mais óbvio que eles teriam discutido a questão da
missão dos gentios com os "pilares", incluindo Pedro. Em particular, faz muito sentido
que a questão da responsabilidade pela missão dos gentios tenha sido abordada: Pedro
ou Paulo (com Barnabé) deveriam assumir a liderança? Gálatas 2: 1–10pressupõe
precisamente tal discussão, a decisão sendo que Pedro se concentraria no circuncidado e
Paulo nos gentios. Faz sentido que, após esse reconhecimento de alto nível do
apostolado ou autoridade de Paulo e Barnabé, os dois apóstolos para os gentios se
unissem em maior alcance missionário ( Atos 12-14 ).
(ii) Nenhum apóstolo em Atos 11:30 . Atos 11:30 não menciona nenhum encontro
de Paulo com os apóstolos, enquanto que em Gálatas 2, Paulo apenas descreve seu
encontro com Tiago, Pedro e João, a "coluna dos apóstolos". Atos 15 claramente pontua
mais altamente aqui do que Atos 11 , uma vez que especificamente menciona Pedro,
Tiago e 'os apóstolos' encontrando Paulo e Barnabé.
A importância dessa evidência não deve ser minimizada, mas é novamente um
argumento do silêncio e não decisivo contra a identificação de Atos 11 e Gálatas
2 . Pode ser que a entrega da ajuda fosse para os anciãos, porque eles eram agora
responsáveis pela administração da igreja (compare os 21:18 posteriores ), mas que
Pedro e João ainda estavam em Jerusalém e que Paulo e Barnabé naturalmente
discutiam as questões maiores. sobre a missão de Antioquia com estes "pilares".
Pelo menos duas coisas podem dizer a favor desta proposta. Primeiro, Paulo
descreve a consulta com os pilares como uma reunião privada ( Gálatas 2: 2 ). Isso
parece um pouco estranho se, de fato, a visita fosse explícita e abertamente relacionada
à questão dos gentios, mas faz sentido se o negócio 'oficial' fosse a entrega do alívio da
fome, com as discussões sobre o ministério de Paulo sendo, oficialmente falando, um
questão secundária, mesmo que, em última análise, tenha uma importância muito
grande.
Em segundo lugar, há a evidência de Atos 12 , onde Lucas descreve o ataque de
Herodes Agripa à igreja em que Tiago foi martirizado e Pedro preso antes de sua fuga
milagrosa. É interessante que Atos inclua esta descrição das atividades assassinas de
Herodes dentro da história da visita à fome - descrevendo a visita imediatamente antes
de nos contar sobre Herodes ( 11: 27-30 ), mas depois a terminando depois de nos
contar sobre Herodes ( 12:25 ). A implicação desse arranjo deve ser que a história de
Herodes de alguma forma se relaciona com a visita de alívio da fome. Talvez a pista
mais provável para o relacionamento esteja na referência aos "anciãos" em 11:30 , desde
o capítulo 12 indiscutivelmente funciona em Atos precisamente como uma explicação
da transferência de poder dentro da igreja de Jerusalém dos apóstolos para os
anciãos. Tendo descrito Barnabé e Saulo trazendo o alívio para 'os anciãos', Lucas
prossegue explicando como é que os anciãos estão agora em liderança ativa em
Jerusalém, em vez dos apóstolos: ele explica que a perseguição de Herodes levou ao
desaparecimento dos apóstolos do mundo. cena e para a ascensão de James, o irmão do
Senhor.
Essa explicação é historicamente plausível, e, se estivermos certos em ver Atos
12 como uma explicação da transição, então Lucas provavelmente está sugerindo que a
visita de alívio da fome aconteceu depois - relativamente logo depois, talvez - da
transição, com James e anciãos agora no poder.
A relevância disso para nosso argumento é que Gálatas 2 se encaixaria bem nessa
situação: notamos primeiro que o irmão de Tiago, o Senhor, está na lista de Pedro e
parece ser agora o número um em Jerusalém; segundo, que Pedro e João ainda são
figuras importantes na igreja, sendo conhecidos como "os reputados" e "os
pilares". Podemos deduzir desta evidência paulina que estamos em um período de
transição, com a antiga liderança apostólica, na qual Pedro, João e seu irmão Tiago
podem ter sido os principais líderes, começando a dar lugar à liderança de Tiago, o
irmão do Senhor. É precisamente nesse contexto que Lucas localiza a visita da fome.
Uma reconstrução plausível dos acontecimentos com base nas evidências de Lucana
e Pauline é que o ataque de Herodes à igreja pôs fim à velha liderança, com o apóstolo
Tiago sendo morto e por algum tempo Peter sendo forçado a sair de Jerusalém. Mas
após a morte de Herodes, Pedro e João puderam retornar, formando algum tipo de novo
triunvirato de 'reputados' ou 'pilares' junto com Tiago, o irmão do Senhor, mas com o
dia-a-dia da igreja permanecendo nas mãos de Tiago. e os anciãos. As coisas podem ter
continuado perigosas para Pedro e talvez para João, fazendo com que seja sábio que os
"pilares" operem em particular, deixando os negócios públicos nesta fase para os mais
velhos.
c) O resultado da reunião. Um argumento final para Atos 11:30 = Gálatas 2: 1–10 se
refere ao incidente de Antioquia de Gálatas 2: 11–14 , já que isso faz sentido após Atos
11:30 e antes de Atos 15 .
(i) O incidente de Antioquia faz sentido depois de Atos 11:30, não depois de Atos
15 . Gálatas deixa claro que as discussões descritas naquele capítulo com “os pilares”
( 2: 1-10 ) não resolveram a questão da circuncisão (se de fato elas trataram diretamente
dela). O contexto de toda a carta é uma campanha de judaizantes (incluindo homens de
Tiago, Gálatas 2:12 ) para obter circuncidados os gentios na Galácia. Isso é estranho
se Gálatas 2: 1–10 = Atos 15 e se a questão da circuncisão tivesse sido oficialmente
discutida e aparentemente resolvida (sob a liderança de Tiago); mas faz perfeitamente
sentido se Gálatas 2: 1–10 = Atos 11:30, o negócio público sendo a entrega de alívio e
as conversas privadas sobre o ministério de Paulo e a divisão de responsabilidades.
Gálatas também deixa claro que as discussões com os pilares não resolveram a
questão da comunhão de mesa, uma vez que a crise em Antioquia estava relacionada à
incerteza sobre essa questão, afetando até mesmo Pedro e Barnabé. Isso é estranho
se Gálatas 2: 1–10 = Atos 15 , visto que os decretos abordam precisamente essa questão,
mas faz sentido se Gálatas 2: 1–10 = Atos 11:30 .
(ii) Atos 15 faz sentido como resposta ao incidente de Antioquia.
(1) De acordo com Gálatas, o incidente aconteceu (a) após a segunda visita de Paulo
após a conversão a Jerusalém (a consulta com os pilares), (b) após sua missão na
Galácia. Similarmente, o Concílio de Atos 15 acontece (a) após a segunda visita de
Paulo após a conversão a Jerusalém (a visita de assistência à fome), (b) após a missão
de Paulo e Barnabé ao sul da Galácia.
(2) De acordo com Gálatas, o incidente surgiu em Antioquia, quando certas pessoas
da “facção da circuncisão” desceram de Tiago ( 2:12 ). É presumivelmente o mesmo
grupo que esteve na Galácia, perturbando a igreja lá e insistindo na circuncisão. Da
mesma forma, o Concílio de Atos 15 foi provocado pela chegada em Antioquia de
'certos indivíduos' que vieram da Judéia e estavam ensinando 'A menos que você seja
circuncidado de acordo com a lei de Moisés, você não pode ser salvo'.
(3) De acordo com Gálatas, o incidente veio à tona sobre a questão da comunhão de
mesa: Pedro e Barnabé estavam comendo livremente com os gentios, mas, sob pressão,
retiraram-se de tal comunhão de mesa. Paulo teve um desabafo público com Pedro sobre
a questão (embora esteja claro para Paulo que é a questão da circuncisão e todo o status
dos cristãos gentios que está em jogo e ainda mais fundamental do que a comunhão de
mesa). Atos 15 não menciona a questão específica da comunhão de mesa que está sendo
discutida no Concílio, nem a divisão entre Paulo e seus colegas.
No entanto, (a) Atos 15 não se refere a 'nenhuma pequena dissensão e debate'. (b)
As partes do debate em Antioquia, como descrito em Gálatas 2: 11-14, são exatamente
as mesmas que aparecem no relato do concílio de Atos 15 (os judaizantes, Tiago, Pedro,
Barnabé e Paulo), e eles representam o mesmo tipo de posições no espectro
"conservador / liberal" em Gálatas e Atos, como veremos. (c) O fato de o conselho
decretar ( Atos 15: 19-21 ) incluir regulamentos para facilitar a comunhão de mesa
sugere que o problema era importante no conselho. (d) Atos 10 e 11 , a história de
Cornélio, sugerem que a posição de Pedro perante o Concílio era comer livremente com
os incircuncisos (11: 2–10 ); o Conselho representa uma mudança para uma política
mais restritiva, presumivelmente por causa da pressão judaico-cristã. (e) Embora os
problemas de Pedro em Antioquia não sejam mencionados, a figura de Pedro e sua
experiência (com Cornélio) são centrais nas discussões de Atos 15 . Ele é retratado
como essencialmente no lado de Paulo do debate, que é onde Paulo em Gálatas sugere
que ele era por convicção. (f) Embora não haja nenhuma sugestão de tensão entre
Barnabé e Paulo na descrição de Lucas do Concílio, eles de fato se dividem em Atos
15:36 : a divisão de opinião é sobre Marcos, mas é inteiramente plausível que o
incidente de Antioquia foi um catalisador para a separação dos caminhos.

3. Observações finais sobre Atos 11:30 = Gálatas 2: 1–10


O caso da identificação de Atos 11:30 = Gálatas 2: 1–10 é muito mais importante do
que às vezes se percebe. Se estiver correto, isso tem implicações significativas para a
compreensão de Gálatas, tornando provável um destino na Galácia do Sul e uma data
para Gálatas antes do Concílio de Jerusalém de Atos 15 . Ambas as posições são
rejeitadas por muitos críticos, que datam de Gálatas para o mesmo período geral que os
romanos, ou seja, bastante tarde na carreira de Paulo, e que identificam os 'gálatas' com
os gálatas étnicos da chamada 'Galácia do Norte'. Outros, no entanto, argumentam
forçosamente pela data e pelo destino da carta para o sul da Galácia; não é possível
neste capítulo sobre Atos entrar nesses problemas especificamente gálatas.
O argumento para identificar Atos 11:30 e Gálatas 2: 1–10 , se correto, aumentaria
consideravelmente o argumento da exatidão histórica de Lucas, e ainda indica que o
relato de Lucas é muito parcial (por exemplo, sua falha em mencionar o encontro com
os “pilares” 'na visita de alívio da fome). Seu silêncio sobre a controvérsia entre Paulo,
Pedro e Barnabé em Antioquia pode ser porque o evento lançou uma luz bastante infeliz
em três dos heróis de sua história (Pedro, Paulo e Barnabé), mas pode ser porque ele
está escrevendo depois do evento essa diferença, que importava tanto para Paulo na
época, era a história passada e um tanto sem importância.

III A "Primeira Viagem Missionária"


Atos 13 e 14 descrevem a chamada primeira jornada missionária de Paulo com
Barnabé. Algumas coisas só precisam ser notadas.

1. Nova missão
Já observamos que esta nova iniciativa missionária faz sentido se Gálatas 2: 1–10 for
identificado com a visão de Atos 11:30 , visto que Gálatas descreve os apóstolos
incentivando Paulo e Barnabé em sua missão aos gentios.

2. O judeu primeiro
Em cada lugar que eles visitam, Paulo e Barnabé vão primeiro à sinagoga e à
comunidade judaica e só então aos gentios. Isso foi visto como em tensão com o acordo
de Gálatas 2:10 de que eles 'deveriam ir aos gentios', mas (i) é duvidoso que esse acordo
fosse entendido como significando que Paulo nunca ministraria aos judeus, (ii ) a
comunidade judaica formou um caminho natural para uma comunidade da cidade para
Paulo e seus colegas, (iii) a política está inteiramente de acordo com a declaração de
prioridades divinas de Paulo no livro de Romanos, ie 'para o judeu primeiro, e depois
para o Grego'.
Atos descreve considerável oposição à missão, liderada quase exclusivamente por
"judeus incrédulos". Isso faz sentido histórico, se os judeus e seus simpatizantes fossem
o ponto de partida evangelístico para esses dois homens que vieram do judaísmo. Se os
relatos judaicos hostis da missão de Paulo e Barnabé (e especialmente de sua política de
portas abertas para os gentios) voltassem a Jerusalém, isso poderia ter induzido a
campanha de procircuncisão dos judaizantes em Antioquia e na Galácia.

3. Nomear anciãos
A descrição de Atos, em 14:23, de Paulo e Barnabé, que nomeou anciãos em cada
igreja, tem sido vista como um anacronismo por parte do autor de Atos. No entanto,
mesmo que o termo seja anacrônico, há evidências de liderança estruturada nas
primeiras igrejas paulinas. Se Gálatas é a primeira carta paulina ou 1 Tessalonicenses,
ambos se referem a líderes, até mesmo, no caso de Gálatas, a professores pagos
( Gálatas 6: 6 ; 1Ts 5:12 , 13 ; cf. Filipenses 1: 1 ). Em 1 Tessalonicenses, Paulo está
escrevendo para uma igreja que acabou de sair e fundou e já existem líderes
reconhecidos no lugar.

IV. A "Segunda Viagem Missionária"


O rescaldo do Concílio de Atos 15 foi a divisão dos caminhos entre Paulo e Barnabé,
com Paulo tomando Silas em sua chamada “segunda jornada missionária” que os levou
(e Timóteo, que eles recrutaram em Listra) através da Turquia e depois através de
Grécia: Neapolis-Philippi-Tessalônica-Atenas-Corinto, onde ficaram por "um tempo
considerável" (pelo menos 18 meses) ( 18:11 , 18 ).
Como a imagem de Atos se encaixa no que podemos reunir das epístolas? Nós
notamos alguns pontos.

1. Silas e Timóteo
O envolvimento de Silas e Timóteo com Paulo em sua missão à Grécia é atestado
diretamente em 2 Coríntios 1:19 , que se refere a Silas e Timóteo pregando o evangelho
com Paulo em Corinto, e implicitamente em 1 e 2 Tessalonicenses, visto que ambos são
escritos como a partir de Paulo, Silvano e Timóteo. (É provavelmente inferir que 1
Tessalonicenses, se não 2 Tessalonicenses, foi escrito em Corinto, embora pudesse ter
sido em Atenas.)

2. A jornada
Várias etapas da jornada, conforme descritas por Atos, são refletidas nas cartas de
Paulo: assim, 1 Tessalonicenses 2: 2 e Filipenses 4:15 , 16 referem-se a Paulo, indo de
Filipos a Tessalônica e da Macedônia. 1 Tessalonicenses 3: 1 indica que Paulo foi de
Tessalônica para Atenas, e 2 Coríntios 1: 9 , como vimos, refere-se a Paulo, Silas e
Timóteo trabalhando em Corinto.

3. Circuncidar Timóteo
A descrição em Atos de Paulo, circuncidando Timóteo 'por causa dos judeus' ( Atos 16:
3 ), que é freqüentemente vista como historicamente bastante implausível, será discutida
na seção V abaixo.

4. Philippi
Atos descreve Paulo e Silas tendo algum sucesso em sua missão em Filipos, embora
tenha terminado com a prisão de Paulo e Silas e sua expulsão da cidade ( 16: 16-
40 ). Filipenses confirma que a missão foi bem sucedida, e Paulo fala em 1
Tessalonicenses 2: 2 de ter 'sofrido e sido vergonhosamente maltratado em Filipos'.

5. Tessalônica
Atos retrata a visita de Paulo a Tessalônica como também um encontro com algum
sucesso ( 17: 1-9 ), mas a agitação judaica contra Paulo leva a um alvoroço em toda a
cidade e a Paulo e Silas seguindo para Beréia. A oposição se espalha aqui, e Paulo é
expulso pelos crentes para Atenas, Silas e Timóteo sendo deixados para trás e somente
se juntando a Paulo depois que ele foi para Corinto ( 18: 5 ). 1 Tessalonicenses dá uma
imagem semelhante: Paulo escreve a uma igreja estabelecida, mas aquela que ele teve
que deixar e sobre a qual ele estava ansioso. Ele compara os sofrimentos dos
tessalonicenses com os das igrejas de Judá, provavelmente implicando que a oposição
em Tessalônica tinha sido de inspiração judaica ( 2: 13-3: 13). Ele se refere a ser
deixado sozinho em Atenas e de enviar Timóteo para descobrir sobre a fé dos
tessalonicenses, mas então ele relata (escrevendo de Corinto) que 'Timóteo acaba de
chegar até nós de você' ( 3: 6 ).
Existem dois pontos de tensão entre as contas. Primeiro, enquanto Atos se refere a
Paulo argumentando na sinagoga por três semanas, 1 Tessalonicenses podem implicar
uma visita significativamente mais longa e Filipenses fala dos cristãos filipenses
enviando Paulo para ajudar 'mais de uma vez' ( 4:16 ). Lucas pode estar mal informado
a essa altura; Por outro lado, Atos não precisam significar que Paulo permaneceu em
Tessalônica apenas por aquelas semanas quando ministrou na sinagoga, e 1
Tessalonicenses não implica em um longo ministério por parte de Paulo - as
preocupações dos tessalonicenses com a morte de alguns deles podem Sugiro que Paulo
não estava lá o tempo suficiente para enfrentar o problema dos cristãos que estão
morrendo.
O segundo ponto de tensão é que Atos sugere que Paulo deixou Silas e Timóteo em
Beréia, enquanto 1 Tessalonicenses sugere que Paulo enviou Timóteo de Atenas de
volta a Tessalônica. Lucas pode ter dado uma versão simplificada dos eventos aqui.

6. Atenas
Atos descreve Paulo em Atenas e fala ao tribunal do Areópago. Diz que alguns
acreditavam, mas não há sugestão de que um ministério substancial tenha ocorrido. A
permanência de Paulo em Atenas é referida em 1 Tessalonicenses 3: 1 , mas não há
referência, em nenhum lugar do corpus paulino, a uma igreja estabelecida em Atenas.
Tem havido um grande debate sobre o discurso de Paulo em Atenas, como é
descrito por Lucas. Alguns viram o apelo ao conhecimento inato de Atenas dos
atenienses e a falta de ênfase na cruz para estar seriamente em desacordo com o
veredicto pessimista de Paulo sobre a culpa do mundo pagão e sua ênfase consistente na
cruz (por exemplo, Rom. 1 ; 1 Cor. 1 ). Outros argumentaram que a abordagem
conciliatória do discurso é perfeitamente plausível, dado o propósito evangelístico de
Paulo; especificamente, foi observado que o discurso é tematicamente semelhante a 1
Tessalonicenses 1: 9 , 10, onde a descrição de Paulo da conversão dos tessalonicenses
pode ser uma pista sobre suas prioridades evangelísticas durante sua missão na Grécia
(incluindo Atenas).

7. Corinto
Atos descreve uma estendida e frutífera estada de Paulo em Corinto, trabalhando
primeiro entre os judeus então entre os gentios. Que Paulo teve tal ministério em
Corinto é confirmado (a) por 1 e 2 Coríntios, que testificam da proximidade de Paulo
aos coríntios, bem como à sua frustração sobre o desenvolvimento deles como igreja,
(b) pelos escritos de 1 Tessalonicenses. : Paul está resolvido o suficiente para escrever
para Tessalônica.
Atos descreve Paulo reunindo-se com Áquila e Priscila em Corinto e trabalhando
com eles para fazer tendas. Não é por acaso que em 1 Tessalonicenses (escrito de
Corinto) ele se refere a como em Tessalônica ele 'trabalhou dia e noite, a fim de que não
pudéssemos sobrecarregar nenhum de vocês enquanto proclamamos o evangelho de
Deus' ( 2: 9 , cf. também 2 Ts. 3: 6–12 ), e em 1 Coríntios ele discute longamente sua
política de não aceitar pagamento pelo seu ministério evangélico preferindo ganhar seu
próprio caminho ( 1 Coríntios 9 ).
A estreita associação de Paulo com Áquila e Priscila é confirmada nas cartas de
Paulo: assim, Paulo envia suas saudações aos coríntios em 1 Coríntios 16:19 . Isso faz
sentido (a) se eles vivessem em Corinto como Atos relata e (b) se eles deixassem
Corinto e viessem a Éfeso (de onde 1 Coríntios provavelmente foi escrito), como Atos
também relata ( 18:18 , 26 ). Paulo também lhes envia saudações em Romanos 16: 3 ,
referindo-se calorosamente à sua colaboração com ele em seu ministério: a presença
deles em Roma também faz sentido dado o relato de Atos que eles vieram a Corinto
porque Cláudio expulsou todos os judeus para deixar Roma '( 18: 2). É provável que
eles teriam retornado a Roma depois que o decreto tivesse expirado.
Suetonius, o historiador romano, refere-se a esta expulsão como devido a tumultos
judaicos em Roma "por instigação de Chrestus ( impulsore Chresto )", e é uma hipótese
plausível que o problema na comunidade judaica em Roma foi causado pela chegada de
o evangelho de Christus. (Compare os relatos de Atos de confrontos judaico-cristãos na
Ásia Menor e na Grécia.) Se Áquila e Priscila foram expulsas em tais circunstâncias, é
bem possível que eles fossem cristãos (ie judeus cristãos) antes de conhecerem Paulo, e
isso pode estar implícito pela ausência de qualquer referência à sua conversão em Atos.
Há dois pontos nos quais essa hipótese pode convergir com a evidência das
epístolas: primeiro, é uma teoria atraente que Paulo pode ter escrito Romanos para tratar
de uma igreja experimentando algumas tensões entre cristãos gentios e cristãos judeus,
daí o foco no judeu. Tema -Gentile e os pedidos de unidade. Se a igreja romana tinha
sido originalmente um corpo majoritariamente judeu-cristão, que perdeu sua liderança
judaico-cristã (como Áquila e Priscila?) Devido ao decreto de Cláudio, poderia ter
havido tensões significativas quando aqueles cristãos judeus puderam retornar.
Segundo, uma das passagens mais misteriosas em 1 Tessalonicenses é em 2: 13–16 ,
onde Paulo fala com uma amargura incomum dos judeus, mas depois comenta que “a
ira de Deus os alcançou por fim”. A ferocidade da passagem faz algum sentido dado (a)
o destino da carta, ou seja, Tessalônica, se Atos estiver correto em descrever o agudo
assédio judaico da missão de Paulo ali ( 17: 1-15 ), (b) o lugar do qual a carta foi
enviada, provavelmente, Corinto, se também houve violentos confrontos entre judeus e
Paulo e seus companheiros (assim Atos 18: 1-17(c) o tempo da escrita, isto é, durante a
permanência de Paulo em Corinto após a expulsão dos judeus de Roma. A expulsão
teria sido inevitavelmente de grande importância na casa de Áquila e Priscila, onde Atos
tem Paulo permanecendo, e, se a expulsão estava no contexto de violenta oposição à
missão cristã, então Paulo tinha ainda mais uma razão para denunciar a Judeus 'que
desagradam a Deus e se opõem a todos, impedindo-nos de falar aos gentios para que
sejam salvos' ( 1 Ts. 2:16 ).
Quanto à frase enigmática de Paulo "a ira chegou a eles no final", uma possibilidade
séria é que ela se refira à expulsão claudiana. Paulo poderia ter visto como a ira de Deus
sobre os judeus por sua oposição ao evangelho, ou pelo menos como uma evidência
dessa ira, junto com o recente massacre de judeus em Jerusalém nas mãos do
governador romano, especialmente se ele e seus leitores estavam familiarizados com
aquelas tradições de Jesus que falavam do julgamento que viria sobre os judeus.

V. A 'Terceira Viagem Missionária' e a Viagem Final de Paulo a


Jerusalém
1. O período efésico
A "terceira jornada missionária" de Paulo está centrada em Éfeso. Atos fala de Paulo
tendo um ministério extraordinariamente efetivo lá durante dois anos ou mais e comenta
que 'todos os residentes da Ásia, tanto judeus como gregos, ouviram a palavra do
Senhor' ( 19:10 ).
Essa impressão é confirmada por 1 Coríntios, onde Paulo comenta que 'ficarei em
Éfeso até o dia de Pentecostes, pois uma ampla porta para trabalho efetivo se abriu para
mim' ( 16: 8 , 9 ) e provavelmente também por Colossenses, o que implica a igreja em
Colossos foi fundada por Epafras, muito provavelmente durante este período frutífero
do ministério em Éfeso ( 1: 7 ; 4:12 , 13 ).
1 e também 2 Coríntios sugerem que muita coisa aconteceu nesse período efésico
que Atos não descreve, especialmente em conexão com Corinto. É claro que todos os
tipos de problemas surgiram entre Paulo e a igreja que ele fundou, levando a uma
vigorosa correspondência entre Paulo e a igreja de Corinto (com duas das cartas de
Paulo sendo perdidas para nós, cf. 1Co 5: 9 ; 2 Coríntios 2 , etc.) e também a uma
'dolorosa visita' de Paulo a Corinto, da qual Atos nada nos diz ( 2 Coríntios 2: 1 ). Em 1
Coríntios 15:32 e 2 Coríntios 1: 8 , 9 Paulo também descreve algumas crises pessoais
massivas que ele experimentou na Ásia (possivelmente compare Rom. 16: 4), que
alguns identificaram com o motim de Atos 19: 21-41, mas que pode ser algo que não foi
registrado em absoluto por Atos. Somos lembrados da natureza seletiva da narração de
Lucas.
Um ponto em que 1 Coríntios e Atos convergem está nas referências a Apolo. Atos
descreve seu encontro em Éfeso com Priscila e Áquila ( 18.24-28 ): ele é descrito como
um alexandrino, 'um homem eloqüente, bem versado nas Escrituras', que falava
'fervendo em espírito' ( ζέων τῷ πνεύματι ). Sua teologia era defeituosa de acordo com
Atos, uma vez que ele só conhecia o batismo de João, mas foi instruído por Áquila e
Priscila, e no devido tempo foi para 'Acaia' com o encorajamento dos cristãos efésios e
provou ser uma grande ajuda para os crentes.
1 Coríntios se encaixa com essa conta de várias maneiras. Primeiro, como vimos, 1
Coríntios 16:19 atesta a presença de Áquila e Priscila em Éfeso, na hora certa. Em
segundo lugar, 1 Coríntios deixa claro quão influentes Apolo havia sido em Corinto,
com alguns dos coríntios aparentemente preferindo seu estilo ao de Paulo. Terceiro,
tanto Atos como Paulo descrevem Apolo de uma forma que sugere que ele estava em
concordância básica com Paulo, e ainda independente de Paulo e alguém sobre quem
alguns duvidavam (observe Atos 18:27 ; 1 Coríntios 16:12 ).
Uma outra possibilidade vale a pena mencionar. Uma possível leitura da situação
descrita em 1 Coríntios 1–4 é que Paulo está disputando (entre outros) com pessoas que
estavam colocando Apolo em um pináculo e o colocando no chão. Duas das coisas que
os coríntios parecem ter valorizado especialmente eram (a) sabedoria / conhecimento /
eloquência, daí a polêmica de Paulo em 1 Coríntios 1 e 2 , (b) manifestações
carismáticas de poder espiritual, daí 1 Coríntios 12–14 . É possível que ambas as coisas
tenham sido associadas pelos Coríntios a Apolo, pois ele é descrito em Atos como
alguém de eloqüência incomum, mas também como "fervendo de espírito", uma
expressão que poderia sugerir sua ênfase carismática.
Atos descreve Paulo em Éfeso resolvendo atravessar a Macedônia e a Acaia, depois
para Jerusalém e finalmente para Roma. Assim, ele enviou 'Timóteo e Erasto para a
Macedônia, enquanto ele mesmo ficou por mais algum tempo na Ásia'
( 19:21 , 22 ). Compare 1 Coríntios 16: 5–11 onde Paulo fala de sua intenção de viajar
para a Macedônia e Corinto, mas diz que 'eu ficarei em Éfeso até o Pentecostes…' e
depois prossegue dizendo-lhes que acolham Timóteo se ele vier. 2 Coríntios 1 e 2 têm
Paulo entrando na Macedônia a caminhopara Corinto, mas está claro que muita água
conturbada passou debaixo da ponte desde 1 Coríntios. Parece que Paulo deixou Efeso
para a Macedônia (como ele propôs em 1 Cor. 16 ), mas ele foi primeiro a Corinto, com
a intenção de ir de Corinto para a Macedônia, depois de volta a Corinto e a Jerusalém .
1:16). Mas as coisas ficaram desastrosamente infelizes quando ele chegou a Corinto, e
então ele mudou seus planos e, em vez de voltar da Macedônia para Corinto (onde a
igreja parecia não recebê-lo ou apoiar sua coleção para os santos em Jerusalém), ele
voltou para a Ásia. Menor. Daí ele enviou Tito para avaliar e consertar a situação, e
então o seguiu, esperando desta vez prosseguir com sua planejada viagem a Jerusalém
via Macedônia e Acaia e escrevendo 2 Coríntios a caminho de preparar sua visita a
Corinto, entre outras coisas explicando seu itinerário alterado ( 2 Coríntios 1: 15-22 ).
Lucas não deixa claro a complexidade das idas e vindas durante o período de Éfeso,
mas finalmente Paulo veio para a Acaia (isto é, Corinto), permanecendo lá por três
meses ( Atos 20: 3 ), antes de prosseguir em sua jornada em direção a Jerusalém.

2. A viagem a Jerusalém
Atos descreve Paulo viajando de Corinto para Jerusalém por terra e mar, com um grupo
de companheiros, visitando vários lugares no caminho , incluindo Mileto, onde ele se
dirige aos anciãos efésios. Há um senso de finalidade sobre a jornada, com Paulo e seus
ouvintes sentindo que ele está deixando-os pela última vez e que ele enfrenta problemas
graves em Jerusalém. Ao chegar em Jerusalém, ele enfrenta suspeitas por parte dos
cristãos judeus e violenta hostilidade dos judeus não-cristãos. Ele é preso e depois de
uma prorrogação prolongada e uma série de julgamentos, ele é levado de navio a Roma
para julgamento diante do imperador.
Existem vários links possíveis com as epístolas.
(1) Romanos 15 , 16 . A carta aos romanos parece ter sido escrita em Corinto (ver 16:
1 ), muito provavelmente na visita descrita em Atos 20: 3 . Em Romanos, Paulo fala de
seu plano de ir a Jerusalém e depois a Roma e até a Espanha ( 15: 22-25 ). Isso se
encaixa em seu itinerário planejado, descrito em Atos 19:21 . A explicação de Paulo de
que ele está agora se despedindo de seus antigos campos missionários, tendo
completado seu trabalho ali ( 15.23 ), se encaixa no quadro de Atos de Paulo, dando um
último adeus às pessoas em seu caminho ( Atos 20:38).). Em Romanos, Paulo está
apreensivo com a recepção que receberá em Jerusalém de judeus e cristãos judeus
( 15:31 ); Atos 21 deixa claro que seus temores estavam no evento bem fundamentados.
(2) O discurso de Mileto. O discurso de Paulo aos élderes efésios em Atos 20: 17-35 é o
único exemplo no ensinamento de Atos de Paulo para os cristãos, sendo os outros
discursos evangelísticos e, portanto, o único discurso que é realmente comparável às
cartas de Paulo. Os eruditos notaram várias idéias e frases reminiscentes das cartas,
mais significativamente a referência à redenção através do sangue de Cristo ( At
20:28 ). Se isso reflete a arte de Lucana ou o uso da autêntica tradição paulina é
debatido.
(3) A coleção. Uma divergência notável entre Atos e as cartas paulinas é que Atos não
deixa claro que a visita de Paulo a Jerusalém era para trazer sua coleção para os "pobres
entre os santos em Jerusalém" ( Rom. 15: 25-28 ). Para Paulo, essa foi claramente uma
iniciativa muito importante e significativa (ver também 1 Coríntios 16: 1–4 e 2
Coríntios 8 e 9 ). Lucas tem Paul explicando a Festo que 'eu vim trazer à minha nação
esmolas' ( Atos 24:17 ), mas este é o mais próximo chegamos a nenhuma referência
direta à coleção, embora seja possível ver um alusão muito indireta para na lista de
Lucas dos companheiros de Paulo em sua última viagem a Jerusalém ( 20: 4), se eles
eram os representantes de suas respectivas igrejas que carregam (ou acompanham) os
dons enviados por suas igrejas (cf. 1 Cor. 16: 4 ; 2Co 8:19 ).
A falha de Lucas em mencionar a coleção sugere diretamente que, no momento em
que escrevo, ele não viu a coleção como tendo o significado que Paulo atribuiu a ela no
período que antecedeu sua visita final a Jerusalém. Pode ser que sua importância
simbólica para Paulo tenha sido ofuscada para Lucas pela maneira como as coisas
aconteceram - isto é, pela prisão dramática de Paulo e subsequentes provações e jornada
para Roma. É possível que tenha sido um assunto delicado para Lucas ao escrever e que
uma das acusações contra Paul tenha relação com seu projeto de levantar dinheiro.
(4) Paulo e observâncias judaicas. Atos retrata Paulo como alguém que respeita os
costumes e escrúpulos judaicos, aceitando a exigência do conselho de Jerusalém que os
gentios convertidos devem respeitar as práticas alimentares judaicas, circuncidando
Timóteo 'por causa dos judeus', observando ele mesmo um voto e as festas judaicas de
pão sem fermento e Pentecostes (cap. 15 ; 16: 3 ; 18:18 ; 20: 6 , 16 ). Este quadro de
Paulo é mais enfatizado em Atos 21: 20–25, onde é dito a Paulo por Tiago que os
cristãos de Jerusalém 'foram informados sobre você que você ensina todos os judeus que
vivem entre os gentios a abandonar Moisés, e que você diga a eles para não
circuncidarem seus filhos ou observarem os costumes'. Paulo é então convidado por
Tiago a fazer um voto: 'assim todos saberão que não há nada no que lhes foi dito sobre
você, mas que você mesmo observe e guarde a lei. Mas quanto aos gentios ... 'Paulo de
acordo com Atos aceita a sugestão de Tiago.
Paulo, um tanto judeu, tem sido considerado por muitos estudiosos como seriamente
em desacordo com o radical Paulo das epístolas que denuncia os movimentos judaico-
cristãos de ter os gentios circuncidados como 'outro evangelho', que fica do lado dos
'fortes' em sua insistência de que eles estão livres para comer qualquer coisa, em vez de
com os fracos, embora ele defenda a caridade para com os fracos, e que diga
abertamente que "para os que estão fora da lei, eu me tornei fora da lei" ( 1 Co 9:21 ).
Outros estudiosos não perceberam que há uma discrepância séria. Em primeiro
lugar, embora Atos descreva Paulo observando certas práticas judaicas, ele é ao mesmo
tempo retratado como um polêmico missionário para os gentios, a quem os judeus
zelosos cruzavam repetidamente e suspeitavam intensamente, não menos por causa de
sua atitude para com a lei. 15: 5 ; cap. 21 , etc.). Pelo menos está implícito que ele era
um liberal na medida em que a lei e comer com os gentios estava em causa (cf. palavras
de Pedro 15:10 e 10: 1-11: 18 ; 13:38 ; 20: 7 ).
Em segundo lugar, as cartas de Paulo deixam claro seu comprometimento
intransigente com a liberdade gentia, mas também (a) seu respeito pelos cristãos judeus
"fracos" que mantêm seus hábitos alimentares, (b) sua profunda preocupação e
envolvimento com Jerusalém e cristãos judeus. e (c) sua vontade de se identificar com
os costumes judaicos. Assim, em 1 Coríntios 9: 19-23, ele não apenas fala de sua
liberdade de não guardar a lei judaica, mas igualmente de sua liberdade de guardar essa
lei: "Para os judeus, eu me tornei judeu para ganhar os judeus ..." Argumenta-se que
este Paulo poderia muito bem ter circuncidado o meio-judeu Timóteo, a fim de facilitar
o seu ministério entre os judeus, e que ele poderia ter percorrido um longo caminho para
apaziguar seus críticos judeus em Jerusalém, em um momento de considerável perigo
pessoal.
(5) Paulo o criador de fala. Lucas tem Paulo, quando ele está preso, fazendo vários
discursos em sua própria defesa, e retrata Paulo como um orador malvado. Paulo, no
entanto, fala de sua incompetência como orador (por exemplo, em 2 Coríntios
10:10 ). Alguns vêem uma tensão significativa aqui; mas pode ser que isso aconteça
literalmente com as observações auto-depreciativas de Paul: fica claro em suas cartas
que ele era um orador competente em termos de conteúdo teológico e eficaz em termos
de resultados. Pode ser que Lucas esteja mais entusiasmado com a pregação de Paulo do
que Paulo, mas mesmo Lucas não sugere que Paulo sempre foi eficaz (por exemplo, em
Atenas).
(6) Paulo, o prisioneiro. Os capítulos finais de Atos descrevem Paulo como na prisão
por períodos extensos, primeiro em Cesaréia e depois em Roma. O aprisionamento
romano é especificamente descrito como prisão domiciliar. As chamadas epístolas
prisionais de Paulo (incluindo Filipenses, Colossenses, Filemom e Efésios) por sua
própria existência confirmam que Paulo foi preso em circunstâncias que lhe permitiram
alguma liberdade (por exemplo, escrever cartas), embora se a associação tradicional de
toda a prisão epístolas com o aprisionamento romano estão corretas, ou se algumas
delas foram escritas em Cesaréia ou em Éfeso (durante um encarceramento não descrito
em Atos) são debatidas pelos eruditos.

VI. Observações Finais


Não é a intenção deste capítulo apresentar quaisquer conclusões ambiciosas sobre o que
a comparação do Paulo em Atos com o Paulo das epístolas prova para o estudo do livro
de Atos. Mas reunimos uma quantidade significativa da evidência relevante, e é possível
fazer algumas observações gerais sobre o que surgiu.
Primeiro, é claro que Atos e as letras paulinas se cruzam com muita frequência. O
autor de Atos não está vagamente familiarizado com a história de Paulo, mas tem uma
quantidade considerável de conhecimento detalhado, sobre as viagens de Paulo, as
igrejas que ele fundou e as pessoas com quem ele trabalhou.
Segundo, algumas dessas informações que Lucas poderia ter extraído das cartas, se
ele estivesse familiarizado com elas, mas grande parte da história de Paulo em Atos não
tem base nas cartas e algumas das características fortemente enfatizadas das cartas não
estão em Atos. (por exemplo, a coleção), de modo que é altamente provável que Lucas
tivesse outras fontes de informação sobre Paulo (como pode, de qualquer modo, ser
inferido das seções "nós" de Atos).
Terceiro, a comparação entre Atos e as cartas de Paulo é muitas vezes esclarecedora
para o estudo de ambos os textos: Atos 18: 1-3 , por exemplo, com sua referência a
Paulo mantendo-se com os criadores de tendas Áquila e Priscila após sua expulsão de
Roma; joga todos os tipos de luz nas letras. As cartas com sua descrição da coleção para
os santos iluminam o relato de Atos da última viagem de Paulo a Jerusalém. A narrativa
de Atos sugere um contexto cronológico e geográfico para as letras.
Quarto, embora haja muitos pontos de contato, Lucas oferece uma perspectiva
diferente sobre o ministério de Paulo do que a que recebemos das cartas paulinas. Ele
trata alguns períodos seletivamente e brevemente (por exemplo, o período
imediatamente após a conversão de Paulo antes de sua primeira visita a Jerusalém e o
período de seu ministério em Éfeso) e falha ou quase não menciona coisas que eram
importantes para Paulo (por exemplo, o incidente de Antioquia e a coleção).
Quinto, essa perspectiva diferente pode indicar que Lucas estava significativamente
mal informado ou deliberadamente enganoso. Assim, seu silêncio sobre algumas das
controvérsias mencionadas nas cartas de Paulo (por exemplo, em Corinto) pode refletir
um desejo de sua parte em retratar seu herói como um estadista mais irênico e aceitável
do que ele realmente era. Por outro lado, a explicação pode ser que as cartas de Paulo
eram tipicamente cartas de resolução de problemas escritas em situações de
controvérsia, enquanto Lucas está interessado na parte de Paulo em levar o evangelho
de 'Jerusalém' aos confins da terra 'e assim oferece um visão menos dominada pelo
problema do ministério de Paulo. Lucas (como qualquer historiador) oferece sua própria
perspectiva sobre o que ele descreve,
Em sexto lugar, os estudiosos detectaram várias contradições específicas entre Atos
e as cartas de Paulo, mas em poucos casos a evidência é pesada. Se Gálatas 2: 1–10 é
identificado com Atos 15 , então há um ponto de interrogação significativo sobre a
conta de Atos naquele ponto; mas a identificação é insegura. Aqueles estudiosos que
consideram a figura de Paulo em Atos como sendo historicamente enganosa devem
apelar para impressões gerais, em vez de discrepâncias comprovadas com as
epístolas. Outros estudiosos irão julgar que a evidência cumulativa sugere que Atos é
uma narrativa histórica bem informada.

CAPÍTULO 10
FALA PÚBLICA E CONTAS PUBLICADAS
Conrad Gempf

Resumo
No mundo antigo, a retórica era poder e a fala era um tipo de ação. Historiadores antigos, em
seus discursos de gravação em suas obras, estavam dando registros de eventos, em vez de
transcrições de palavras. Suas declarações de método indicam que eles levaram essa tarefa a
sério. As categorias modernas de 'preciso' versus 'invenção' para essas contas são as
ferramentas conceituais erradas, julgando a conta como uma transcrição. Essas contas devem
ser consideradas "fiéis" ou "infiéis" ao acontecimento histórico. Um discurso público incluído
em uma história antiga deve ser visto como tendo um objetivo duplo: ser apropriado para o
evento histórico e ser apropriado para o trabalho histórico como um todo. Esses objetivos
foram perseguidos em conjunto pelo melhor dos historiadores e, provavelmente, também pelo
autor de Lucas-Atos.

I. Palavra como Ação


1. O General e o Rhetor
"Os romanos consideravam o treinamento retórico como a base de toda atividade
literária e intelectual". Existem duas maneiras de fazer um grupo de pessoas fazer o que
você deseja. Você deve forçá-los ou convencê-los. Uma pessoa bem-sucedida com
qualquer método é uma pessoa de poder, e o mundo antigo deu reconhecimento tanto ao
grande general quanto ao grande retor.
A palavra "retórica" para o ouvido moderno carrega a implicação de "palavras
vazias, embora bonitas". Para nós, um discurso é algo chato que acontece antes de uma
lei ser aprovada no Parlamento ou antes que todos possam sair da cerimônia de
formatura. Mas valores e atitudes eram muito diferentes no mundo do primeiro
século. Na época em que o Novo Testamento estava sendo escrito, o ideal grego de
educar para uma mente e corpo sadios deu lugar à primazia da retórica. As disciplinas
de matemática e ciências foram deixadas de lado, ensinadas apenas se os interesses
vocacionais dos alunos exigissem. Até mesmo a música era ensinada e valorizada
principalmente por aquelas facetas que também podiam ser úteis em falar em público:
uma compreensão do medidor, modulação aprendida da voz e graça no gesto.
A retórica era, para os antigos, poder , seja para o bem ou para o mal. No mundo
greco-romano, falar era central para o sucesso. Não era que o discurso fosse mais
importante que a ação, mas que a oratória e a retórica eram ações - talvez a forma mais
excelente de ação - como Isócrates escreveu:
Na maioria de nossas habilidades, não nos diferenciamos dos animais; De fato, estamos
atrás de muitos em rapidez, força e outros recursos. Mas porque nasce em nós o poder de
nos persuadir e de nos mostrarmos o que desejamos, não apenas escapamos de viver como
brutos, mas também nos unindo fundamos cidades e estabelecemos leis e inventamos as
artes, e a fala nos ajudou a alcançar praticamente todas as coisas que planejamos ... Nada
feito com inteligência é feito sem fala, mas a fala é o marechal de todas as ações e
pensamentos ...

Da mesma forma, o orador romano, Cícero:


(…) Não há, em minha opinião, algo mais excelente do que o poder, por meio da oratória,
de obter assembléias de homens, conquistar sua boa vontade, direcionar suas inclinações
para onde quer que deseje, ou desviá-las de qualquer coisa que desejar. O controle sábio do
orador completo é aquele que defende principalmente não apenas sua própria dignidade,
mas a segurança de inúmeros indivíduos e de todo o Estado.

Discursos não são mero comentário sobre eventos nem acompanhamento de eventos: os
discursos devem ser vistos como eventos por si mesmos. Historiadores antigos tendem a
se concentrar em batalhas ediscursos como os eventos que moldaram a história. A soci
linguística moderna redescobriu o caráter de "evento" em alguns tipos de enunciados
contemporâneos, usando os títulos de "atos de fala performativos" e "linguagem
performativa" para esses conceitos relacionados.
Não é por acaso, então, que muitas das antigas histórias se concentram não apenas
em batalhas dentro de uma guerra, mas nos discursos que levaram diretamente às
guerras ou mudanças políticas dentro das guerras. O principal exemplo disso, é claro, é
o relato de Tucídides sobre a Guerra do Peloponeso. A analogia moderna mais próxima
talvez seja a nossa capacidade de falar, por exemplo, de "conversas de cúpula" ou "as
conversas de Genebra", frases que usamos para nos referirmos a um evento, em vez das
palavras reais do diálogo. A arte da negociação, como a retórica, usa o meio das
palavras. Mas o núcleo e o significado de uma peça de negociação, como uma peça de
retórica, estão em sua natureza como evento e nos resultados desse evento.
Uma falha em apreciar o antigo "poder" ou "arte" da retórica e a centralidade da
oratória na cultura em que o cristianismo primitivo cresceu seria desastrosa para o
estudante do Novo Testamento.

2. Batalha, Fala e Repórter


Dada essa importância, não é de surpreender que muitos autores antigos tenham escrito
trabalhos teóricos e práticos sobre retórica. À primeira vista, no entanto, poderíamos
esperar que mais exemplos de oratória tivessem sobrevivido. Nós temos "discursos
escritos" de alguns dos famosos oradores, como Cícero e Isócrates, mas nos principais
discursos escritos parecem ter sido desaprovados, e não sem alguma
lógica. Transcrições de orações são deficientes. Uma parte importante do treinamento
de um retórico dizia respeito à apresentação real, até detalhes como a respiração
correta. A transcrição de um discurso é ainda pior do que uma partitura musical
moderna como um documento de uma performance, já que a partitura
terá algum indicações de volume e velocidade de entrega. Oradores ganharam respeito
por sua técnica de entrega, bem como o conteúdo de seus discursos, e um discurso que
poderia ser apreciado como um documento escrito morto era a exceção e não a regra -
não um fenômeno inédito, mas não a norma.
Além disso, uma parte importante da retórica dizia respeito à adaptação da
entrega e do conteúdo à situação e ao humor do público. Um documento escrito não
pode permitir ao retórico este grau de flexibilidade e adaptação. Nossa analogia anterior
de 'negociação' é instrutiva aqui. Podemos reconhecer mais facilmente a dificuldade de
isolar uma "parte bem-sucedida de negociação" de uma situação e público em
particular.
No entanto, é fato que os principais historiadores do mundo antigo espalharam
liberalmente relatos de discursos em suas narrativas. Esses relatos, embora muitas vezes
apresentados na forma de discurso direto, não são transcrições dos discursos
apresentados na ocasião. Isso ficará claro para todos, menos para o leitor mais ingênuo,
já que os relatos são quase sempre absurdamente curtos para um discurso real. Leituras
mais detalhadas das obras em que os discursos são encontrados geralmente revelam que
os discursos são apresentados mais ou menos no vocabulário e no estilo do autor do
livro, e não no suposto orador. A questão é, então, se eles não foram registros das
palavras como faladas, quais são os discursos fazendo lá?
A resposta superficial que se apresenta à mente moderna é que os discursos têm
maior probabilidade de serem invenções do autor - um dispositivo que permite ao autor
expressar seu próprio ponto de vista. Tal avaliação não pode passar por um exame
minucioso, no entanto, pois a maioria dos escritores gosta de colocar os discursos em
pares opostos. O historiador não pode ser interpretado como estando em ambos os lados
do argumento, e não é incomum que ambos os argumentos sejam apresentados com
igual força.
É preferível que os discursos sejam incluídos não para transcrever as palavras ditas
na ocasião tanto quanto para documentar o evento que foi o discurso. Assim como a
redação de uma batalha é de natureza impressionista e não coreográfica, pode preservar
fielmente algo da estratégia e das táticas do evento, de modo que o registro de um
discurso não é uma transcrição, mas deve preservar fielmente as estratégias por trás da
batalha. discurso visto assim como evento. Dado o valor político da retórica, não é de
surpreender que a historiografia grega convencional considerasse a história como uma
questão tanto de πράξεις καὶ λόγοι .
Os críticos dos discursos podem trazer as declarações de autores antigos, como
Isócrates ou Dionísio, que aparentemente indicam que o historiador deve inventar
discursos fora do ar apenas para impressionar o público. Na verdade, a redação de um
discurso em uma história antiga chamapara a habilidade retórica, simplesmente porque
o autor deve, ao mesmo tempo em que é fiel às principais linhas do histórico "evento-
da-fala", adaptar o discurso para "falar com" um novo público em uma situação
diferente. A entrega e a adaptação ao humor e à situação do público é, como vimos, uma
parte importante da retórica. Assim, dizer que ao apresentar um discurso, o historiador
tem a oportunidade de mostrar habilidade retórica é um pouco como dizer que a redação
de uma batalha é uma ocasião para o autor escrever de forma colorida. 'Colorido' e
'retoricamente' não precisam significar 'infiel'. Os escritores antigos são muito claros
neste ponto. Um discurso gravado não é uma transcrição, mas ai do historiador se o
discurso não for fiel à suposta situação e falante.
Assim como se esperava que um escritor representasse fielmente as estratégias,
táticas e resultados de uma batalha, mas não necessariamente todos os movimentos de
cada combatente, esperava-se que um escritor representasse fielmente as estratégias,
táticas e resultados de um discurso, sem necessariamente registrando as palavras exatas
usadas no dia.
II. Historiadores e Discursos
1. Método greco-romano
A tarefa dos historiadores antigos é definida na tensão entre "a história como uma
descrição do particular e a história como a individualização do geral". A primeira
cláusula exige investigação vigorosa, a segunda, excelência artística. Todo historiador
de mérito teve que tentar ambos. Para este duplo objetivo, uma única palavra poderia ser
usada: τὸ πρέπον (adequação). Embora eu não conheça nenhum autor moderno que
deliberadamente o faça, parece útil para os estudantes modernos da historiografia
considerar essa adequação como sendo bilateral: adequação artística ou literária, por um
lado, e adequação histórica, por outro.
Nesta hipótese, os historiadores se consideravam, obviamente, artistas e pretendiam
produzir obras unificadas e harmoniosas. Os discursos também tiveram que
'encaixar'. Essa é a razão pela qual virtualmente todos os historiadores apresentaram os
discursos de seus personagens usando vocabulário, fraseologia e estilo que são
principalmente do próprio autor. Por outro lado, se esta tese estiver correta, o discurso
não teria apenas que se encaixar estilística e tematicamente no todo do trabalho, mas
também teria que se ajustar ao falante e à situação histórica relatada; tinha que ser
historicamente apropriado também. Assim, não importa quão bem um discurso pudesse
se encaixar no trabalho do historiador, seria julgado inadequado se não fosse o que o
orador teria dito, ou se exibia conhecimento anacrônico ou não era adequado à
situação. Se os historiadores gregos e romanos são considerados meramente
interessados em contar uma boa história (adequação literária), então nada que eles nos
digam precisa ser verdadeiro. Mas é possível que a adequação para eles significasse
mais - que sob esse título pode caber, ainda que em tensão criativa, duas excelências
aparentemente separadas: estilo e fidelidade.
Os historiadores estão sendo considerados aqui como possíveis modelos
metodológicos para o autor de Lucas-Atos, e parece provável que afirmações explícitas
sobre o método serão mais influentes para um aspirante a historiador do que suas
suposições sobre a consistência com que o método foi executado. Nossa principal
questão não é: quão preciso foi o historiador X ?, mas: que impressão sobre os discursos
e a exatidão as afirmações e práticas de X deixariam sobre os antigos alfabetizados?
uma. Tucídides
Enquanto Heródoto é geralmente considerado o "Pai da História", são Tucídides quem
trouxe para a disciplina o foco e a autoconsciência "científica" que esperamos da escrita
séria da história. Sobre os discursos, ele escreveu:
Com referência aos discursos nesta história, alguns foram entregues antes do início da
guerra, outros enquanto estava acontecendo; alguns eu me ouvi, outros eu recebi de vários
quadrantes; Era difícil em todos os casos levá-los palavra por palavra na memória, então
meu hábito tem sido fazer com que os oradores digam o que, na minha opinião, lhes foi
exigido pelas várias ocasiões, naturalmente aderindo o mais possível ao sentido geral. do
que eles realmente disseram.

No entanto, embora esta passagem pareça tornar claro o método do historiador, ainda
deixa muito espaço para interpretação.
É possível interpretar a afirmação de Tucídides de modo a entender que existe uma
"contradição" entre dois critérios que o historiador deseja realizar de uma só vez: a
adequação, por um lado, e a verdade, por outro. Parece mais sensato considerar que
estes sejam polos ou limites em um continuum e não como contradições. Adcock os
chamou de "fatores limitantes".
O primeiro desses fatores é a cláusula “o que, na minha opinião, foi exigida deles
pelas várias ocasiões”. Esta é uma indicação clara de que Tucídides se permitiu alguma
liberdade na reprodução dos discursos. AW Gomme é um dos poucos que argumentou
que as restrições dessas "várias ocasiões" de fato deram a Tucídides muito pouco espaço
para improvisar. Por isso, ele traduziu a frase: '... os discursos foram compostos porque
achei que os oradores expressariam o que tinhampara expressar ... 'ou' o que o orador
precisava dizer (e, portanto, à revelia de evidência em contrário, pode-se presumir que
tenha dito) a fim de obter o seu caminho com uma audiência particular em
circunstâncias particulares '. Esta é uma posição muito extrema, pois Gomme deve
ignorar a frase de Tucídides "na minha opinião" e suas implicações. Parece melhor dizer
que os historiadores lutaram pela adequação histórica e artística, portanto, seus
objetivos não precisam ser antitéticos à exatidão, mas a afirmação de Gomme de que a
adequação deve levar a uma exatidão aproximada é muito extrema e só pode ser
rejeitada.
A segunda cláusula, "aderindo o mais possível ao sentido geral do que eles
realmente disseram", é o "fator limitante" na outra direção. Dentro desta cláusula, as
duas frases cruciais são τῆς ξυμπάσης γνώμης e τῶν ἀληθῶς λεχθέντων . Apesar da
tentativa de Eduard Schwartz de interpretar este último como significando “não é
verdade, mas parece duvidoso que a frase signifique outra coisa senão“ o que na
verdade era ”. disse'. Deve-se, no entanto, admitir que essa frase é apenas um
modificador; o substantivo na cláusula é τῆς ξυμπάσης γνώμης "o sentido geral". Nesta
frase, também, há uma variedade de opiniões. Com base nos usos de τὸ
ξυμπᾶν e γνώμη em outros lugares da história de Tucídides, a interpretação mais
provável é que o historiador não significa apenas o objetivo principal, mas o que
equivale a um esboço que inclui propósito, razões e propostas. Essa é a "essência" do
discurso.
Tendo explorado os possíveis significados dessas duas cláusulas, voltamos à noção
de um continuum entre os dois pólos. Tucídides nos diz que, por um lado, ele nunca irá
tão longe em fazer os oradores dizerem o que eleacha apropriado que ele perca
completamente a noção do que foi realmente dito; por outro lado, nem ele fornecerá as
palavras exatas do orador. O relato mais preciso que podemos esperar é algo semelhante
a um resumo ponto a ponto, e que somente quando os pontos lhe parecerem relevante
para a ocasião, para a cláusula: "o sentido geral do que foi realmente dito" tem um
significado secundário. força, servindo para limitar a reconstrução do historiador, como
implicado pela ordem de palavras do prefácio. Em termos de sua pesquisa, Tucídides
escreveu que era difícil lembrar de cada palavra; em termos dos princípios por trás de
sua prática, ele disse que se mantinha tão próximo da verdade quanto possível; mas
sobre a prática em si, a forma como ele percebeu a gravação real dos discursos é ' eu fiz
os oradores dizerem o que estava na minha parecer adequado ». Devemos concluir que
ele estava mais interessado em adequação do que exatidão, estritamente falando,
embora ele tenha aderido a este último "o mais próximo possível", e, como dito acima,
não devemos subestimar o que era possível.
Seu interesse em precisão, embora secundário, é genuíno, e os historiadores, na
última década ou duas, começaram a enfatizar isso novamente. Griffith escreve em uma
pesquisa sobre a erudição clássica que ele acha encorajador o "renascimento" da visão
de que a declaração de Tucídides em I.22.1 tinha como objetivo "esclarecer seus leitores
e não enganá-los". No passado, o estudo detalhado dos componentes da declaração de
Tucídides tendia a obscurecer a razão de sua presença em primeiro lugar. Como Cogan
e outros notaram, o fato de Tucídides ter trazido os oradores e discursos originais para a
discussão é muito sugestivo. Pode ser que a substânciaA afirmação de Tucídides é
capaz de ser interpretada de modo a parecer apoiar a ideia de que os discursos eram
puramente invenções, mas a presença da afirmação milita contra esse entendimento.
b. Isócrates e seus seguidores
Apenas algumas obras e fragmentos sobrevivem do período entre Tucídides e
Políbio. Que textos e referências parecemos mostrar que a ênfase na escrita da história
mudou da exatidão do registro para a eloquência do estilo. Isso se deveu em parte à
influência que o escritor e orador Isócrates exerciam no mundo grego naquela
época. Embora ele não fosse um historiador e não tenha deixado nenhuma declaração de
método que se relacionasse diretamente a discursos em histórias, não é difícil imaginar
que método ele teria ensinado a seus alunos historiadores.
Isócrates, que viveu aproximadamente entre 436 e 388 aC, é às vezes considerado o
principal criador da retórica como uma ciência distinta. Ele é mais lembrado por
discursos escritos para os outros e por seu sistema educacional. A maioria dos detalhes
desse sistema se perdeu para nós, mas, sem dúvida, o treinamento em retórica
desempenhou um papel importante. Isócrates e seus alunos sentiam muito fortemente
que a prosa deveria ter uma capacidade tão grande de “mover” emocionalmente as
pessoas quanto a poesia e que deveria ser uma forma de arte. Embora escrevendo como
um elogiador ao invés de um historiador, Isócrates sugere: '... alguém deve reunir as
conquistas [da pessoa], dando-lhes adorno verbal ( τῷ λόγῳ κοσμήσας ), e submetê-las
... que [outros], imitando aqueles que são elogiados, desejo de adotar as mesmas
atividades ... '
Ele teve muitos estudantes em quem ele teve uma influência direta. Entre esses
alunos estavam os historiadores Theopompus e Ephorus. Apenas fragmentos dos livros
desses autores permanecem, mas o fato de que o historiador do primeiro século,
Diodorus, usou o Ephorus extensivamente nos ajudou a reconstruir sua
escrita. Xenofonte provavelmente era também um estudioso de Isócrates, embora, mais
uma vez, apenas fragmentos de sua obra-prima, a Hellenica , uma continuação
da História de Tucídides , sobrevivessem.
c. Políbio
Se, por algum capricho do destino, as Histórias de Teófamo tivessem sobrevivido e as
de Políbio tivessem se perdido, nossa imagem do desenvolvimento da ciência da
historiografia seria muito diferente. Seria então possível argumentar que a evidência
disponível mostra que a história escrita na Grécia tornou-se menos e menos atenta à
exatidão e nunca se recuperou da queda que ocorreu depois de Tucídides. Em vez disso,
é o notável trabalho de Políbio que foi salvo, pelo menos em parte, tornando impossível
eliminar completamente o zelo pela confiabilidade histórica na gravação de
discursos. Se havia outros cujos métodos eram como os de Políbio, mas cujas obras
foram de fato perdidas, não temos como saber.
Na primeira de quatro seções existentes que discutem o uso de discursos em uma
obra histórica, Políbio argumenta que, uma vez que os propósitos de um historiador são
diferentes daqueles de um poeta trágico, os métodos que eles empregam na gravação do
discurso serão necessariamente também diferentes.
[O historiador deve] simplesmente registrar o que realmente aconteceu e o que realmente foi
dito, por mais banal que seja… [Para o poeta] é o provável que tem precedência, mesmo
que seja falso, o propósito é criar ilusão nos espectadores… [ enquanto para o historiador,] é
a verdade, o propósito é conferir benefícios aos aprendizes.
É um didatismo prático e moral que está em jogo: a prática de incluir discursos
inventados é oposta com base no argumento de que é um obstáculo a esse propósito
central da escrita histórica.
A segunda seção sobre os discursos, encontrada nos fragmentos do capítulo 25 do
livro 12 , consiste de três críticas vagamente conectadas ao historiador
Timeu. Novamente apelando para a utilidade da história, Políbio escreve:
A função peculiar da história é descobrir, em primeiro lugar, as palavras realmente ditas,
sejam elas quais forem, e depois averiguar a razão pela qual o que foi feito ou falado levou
ao fracasso ou ao sucesso. Pois a mera declaração de um fato pode nos interessar, mas não é
um benefício para nós: mas quando acrescentamos a causa disso, o estudo da história torna-
se frutífero ... um escritor que passa em silêncio os discursos feitos e as causas dos
acontecimentos e lugar introduz falsos exercícios retóricos e discursos discursivos, destrói a
virtude peculiar da história. E Timeu especialmente é culpado ...

Neste livro, Políbio também acusa Timaeus de compor discursos para seus próprios
propósitos:
Quando encontramos uma ou duas declarações falsas em um livro e elas provam ser
deliberadas, é evidente que nenhuma palavra escrita por tal autor é mais segura e
confiável. Mas para convencer aqueles que também estão dispostos a defendê-lo [isto é
Timeu], devo falar do princípio no qual ele compõe discursos públicos ... Quem lê-los ajuda
a notar que Timeu os relatou falsamente em seu trabalho e o fez propósito? Pois ele não
estabeleceu as palavras faladas nem o sentido do que foi realmente dito, mas tendo decidido
o que deveria ter sido dito, ele relata todos esses discursos e tudo o mais que segue eventos
como um homem em um escola de retórica tentando falar sobre um determinado assunto, e
mostra o seu poder oratório, mas não dá nenhum relato do que foi realmente falado.

Políbio parece também esperar que seus leitores fiquem indignados com os métodos
de Timaeus. Os historiadores do século XIX e XX que acreditam que a inserção de
discursos inventados em obras históricas era uma "convenção literária normal,
perfeitamente aceitável e universalmente entendida" precisa explicar como é que
Políbio, estadista bem-educado e amplamente viajado e autor de vários livros, não
apenas rebeldes contra a convenção (que podem ser explicáveis), mas parece que nem
sabem que tal prática era aceitável para os historiadores, nem esperavam que seus
leitores soubessem. Pois se a convenção foiAtualmente, na prática, seria lisonjear
comparar Timaeus com um retórico mostrando "poder oratório". Parece improvável que
tal declaração tenha sido colocada em um argumento com o objetivo de convencer
qualquer "que esteja disposto a defendê-lo". Políbio é incomum, até mesmo único em
termos da literatura sobrevivente, pela posição extrema que ele assume nessa questão,
mas essa passagem em particular torna muito difícil sustentar que o extremo oposto
estava em voga mesmo 150 anos depois de Isócrates.
Esta seção, livro 12 , também contém um obstáculo na tentativa de entender as
idéias de Políbio. É difícil seguir o fluxo de seu argumento, já que apenas algumas
partes do capítulo ainda existem, mas parece que ele critica Timeu por carecer do
conhecimento necessário para decidir qual dos "argumentos possíveis" ( τοὶς ἐνόντας
λόγους) são adequados para uma ocasião particular "... uma vez que as necessidades do
caso variam, temos necessidade de prática especial e princípio em julgar quantos e quais
dos argumentos possíveis devemos empregar ..." Políbio provavelmente está dizendo
que mesmo quando do discurso é gravado corretamente, os argumentos pelos quais
Timeu faz os oradores chegarem a essas conclusões são questionáveis. O historiador
competente deve ser capaz de preencher as lacunas lógicas com base nas outras
evidências históricas disponíveis na fonte. Mesmo aqui, Políbio supõe que algum núcleo
do discurso real deve estar presente para o historiador expandir.
Por enquanto, a melhor maneira de transmitir o meu significado é a seguinte. Se os
escritores [isto é, as fontes], depois de nos indicar [ou seja, os historiadores] a situação e os
motivos e inclinações das pessoas que estão discutindo, relatam em seguida o que foi dito e
então nos esclarecem as razões pelas quais o Se os palestrantes tiverem êxito ou fracassado,
chegaremos a alguma noção verdadeira dos fatos reais e poderemos ... tratar qualquer
situação ...

Assim, devemos discordar das palavras de Walbank: a posição de "Políbio" é clara e


intransigente. Tucídides, por outro lado ... deixou uma antítese insolúvel ... ', pois
Políbio aqui, em aparente contraste com suas declarações anteriores, permite adições às
palavras reais, se elas estiverem enraizadas com segurança suficiente na situação
histórica. A passagem, no entanto, não trata a inclusão de discursos para os quais o
historiador não tem uma fonte para começar.
A terceira das seções sobre discursos é encontrada no fragmento do livro 29,
capítulo 12 . Mais uma vez o tema das superfícies de erro deliberado:
Em todos estes [relatos de batalhas, discursos, etc.] ... eu posso ser justamente perdoado se
descobrir que estou usando o mesmo estilo, ou a mesma disposição e tratamento, ou mesmo
as mesmas palavras de uma ocasião anterior ... em Em todos esses assuntos, a grande escala
do meu trabalho é desculpa suficiente. É somente se eu for considerado culpado de falsidade
deliberada ou se for por causa de algum lucro, que eu não peço para ser desculpado ...

Essa passagem também nos afasta da noção de completa exatidão textual e mais
próxima dos ideais de Tucídides. Um historiador pode usar suas próprias palavras, e
estas podem ser idênticas em momentos diferentes.
Políbio menciona o tema dos discursos novamente no início do livro 36 , onde ele
escreve:
Talvez alguns possam se perguntar por que eu não ... exibo meu talento e relato os discursos
específicos segundo a moda da maioria dos autores que nos apresentam tudo o que é
possível dizer de qualquer dos lados. Que eu não desaprovo tal prática é evidente a partir de
várias passagens deste trabalho em que eu citei os discursos e os escritos de políticos, mas
agora ficará claro que não é meu princípio fazer isso em qualquer e a cada pretexto ... nem é
a parte adequada de um historiador praticar seus leitores e fazer uma demonstração de sua
capacidade para eles, mas sim descobrir com a mais diligente indagação e relatar a eles o
que foi realmente dito, e até mesmo disto. só o que era mais vital e eficaz.

Pode ter havido mais a esta passagem, mas o resto do capítulo foi
perdido. O κατὰ em τὰ κατʼ ἀλήθειαν ῥηθέντα aqui serve para suavizar a frase para algo
muito semelhante ao Thucydidean ἡ ξυμπᾶσα γνώμη τῶν ἀληθῶς λεχθέντων . Em
qualquer caso, a necessidade de o historiador selecionar é novamente mencionada
apenas no contexto da "investigação diligente" e da fidelidade à verdade.
Em seus princípios, Políbio, como Tucídides, equilibrou a opinião do historiador
com as coisas realmente ditas. Políbio talvez estivesse mais interessado em fidelidade,
embora nossa última passagem mostre que, mesmo que a verdade seja o principal
critério para a inclusão de um discurso, a adequação e a "adequação literária" eram os
principais critérios para a forma final do discurso.
d. Dionísio de Halicarnasso
Dionísio viveu de cerca de 50 aC a cerca de 10 anos do século I dC Seu conceito de
discursos em uma obra histórica é mais facilmente discernível em sua carta "Sobre
Tucídides" do que em sua própria tentativa de escrever História, Antiguidades
Romanas.Ele concebeu a história basicamente como uma forma de arte - como
meramente um ramo da retórica, a própria caracterização que Diodorus (talvez seguindo
o Ephorus) fez de alguns de seus contemporâneos. Dionísio comenta os discursos em
Tucídides quase exclusivamente do ponto de vista da retórica contemporânea. A crítica
de Dionísio ao último discurso de Péricles não diz respeito à questão de se Péricles fez
tal discurso ou se o endereço estava enraizado na situação histórica. A colocação do
discurso fúnebre de Péricles, tão cedo no livro, é um problema retórico, e não histórico,
para Dionísio: "Que razão possível ele pode ter para incluí-lo neste ponto e não em
outro!" Para Dionísio, a formação de discursos é considerada o teste da capacidade de
um verdadeiro historiador, essa capacidade sendo contada em termos de estilo e
habilidade retórica. Às vezes, essa ênfase chega muito perto de racionalizar o sacrifício
da verdade ao estilo e à "adequação literária", como mostra a observação de Dionísio,
segundo a qual Tucídides pecava contra o bom gosto ao responsabilizar seus próprios
compatriotas pela guerra ...
Mesmo assim, Dionísio reconheceu que deveria haver alguma tentativa de
"adequação histórica". Das intervenções na Hellenica de XenophonDionísio escreve:
"[Xenofonte] colocará discursos filosóficos nas bocas das pessoas comuns," amadores
"e bárbaros: e usará a fraseologia mais adequada a uma sociedade de debates do que aos
soldados e às circunstâncias da guerra". Ou, dos discursos de Tucídides: "Eu, de minha
parte, não acredito que tais palavras sejam apropriadas para [esses oradores em
particular] ... e devo dizer que isso não se adequava [a elas]. Acredito que mesmo que
qualquer outra pessoa tentasse dizer essas coisas ... [a audiência] teria ficado indignada
”. Neste caso, novamente, ele imagina a audiência hipotética objetando os argumentos e
a linguagem mais do que ao conteúdo. Há, no entanto, pelo menos uma passagem em
que Dionísio parece reconhecer claramente a desejabilidade da lembrança em vez da
invenção:
Que o historiador não esteve presente naquela ocasião na reunião, e que ele não ouviu esses
discursos dos atenienses ou dos melianos que os recitaram, pode ser prontamente visto [pelo
que o autor escreve sobre suas próprias experiências] ... Assim, permanece examinar se ele
fez o diálogo apropriado às circunstâncias e condizente com as pessoas que se reuniram na
conferência ...

Para Dionísio, então, a arte era mais importante, mesmo à custa da fidelidade. O
modo mais seguro de assegurar o seu louvor não foi registrando um discurso com
precisão, mas sim anotando um que, como um dos poucos Tucídides que satisfazem sua
aprovação, "faz uso de uma linguagem pura e clara que não contém nenhuma figura [ de
fala] que foi torcido no rack '.
e. Cícero
O orador romano Cícero nos dá as únicas elaborações que temos dos romanos sobre a
arte de escrever Histórias, e elas estão principalmente na forma de comendas e críticas
de historiadores do passado. Ele vê adornos retóricos como importantes, "meros fatos"
são indesejáveis. Ele menosprezou aqueles que "não embelezaram seus fatos, mas eram
cronistas e nada mais". Não é de surpreender que o grande arquiinimigo de Políbio,
Timeu, seja julgado por Cícero como um dos melhores historiadores gregos.
Curiosamente, Cícero menciona Tucídides em vários escritos. Ele claramente
prefere a veracidade de Tucídides em comparação com os excessos imaginativos do
relato dos outros. Enquanto elogia a fidelidade de Tucídides ao narrar os atos, ele
elogiou os discursos: 'Sempre os elogiei; mas… eu não poderia [imitá-los] se quisesse,
nem desejaria, imagino, se pudesse ”.
f. Lucian de Samosata
Lucian é outro escritor que, até onde sabemos, nunca escreveu uma história. Pelo
contrário, ele era conhecido como um satírico. Seu ensaio sobre "Como a História
deveria ser escrita" é digno de nota, no entanto, embora seja um documento AD do
século II. Como Dionísio, Lucian está consideravelmente mais interessado na história
como uma forma de arte: "Depois de colocar [a história] em ordem, deixe-o [o aspirante
a historiador] conceder beleza a ela, adicione coloração à dicção e adapte a linguagem
para o assunto, e estudar uma composição correta '. No geral, ele tem uma alta
consideração pela verdade: '[em oposição ao encômio]… A história não pode admitir
uma mentira, mesmo uma pequenina… 'e'… não mostram nada distorcido, de cor
diferente ou forma diferente… os historiadores não escrevem para professores de
oratória; (…) Eles não devem procurar o que estão dizendo, mas como devem dizê-lo ”.
Surpreendentemente, onde estão os discursos, Lucian tem claramente uma opinião
diferente:
Ἢν δὲ ποτε καὶ λόγους ἐροῦντά τινα δεήσῃ εἰσάγειν , μάλιστα μὲν ἐοικότα τῷ προσώπῳ
καὶ τῷ πράγματι οἰκεῖα λεγέσθω , ὡς ἔπειτα σαφέστατα καὶ ταῦτα πλὴν. εῖταί σοι τότε καὶ
ῥητορεῦσαι καὶ ἐπιδεῖξαι τὴν τῶν λόγων διενότητα .

Isso é significativo, pois mostra que os discursos eram considerados uma categoria à
parte, pelo menos para Lucian, provavelmente para os outros também. Também mostra,
no entanto, que existe um tipo de adequação histórica à qual, pelo menos, alguns
historiadores se sentiram vinculados; de acordo com Lucian, o escritor é apenas para
'interpretar o retórico' uma vez que o discurso seja adequado ao suposto orador e à
suposta situação. Embora Lucian coloque esses critérios ao lado, talvez até acima, de
clareza e eloqüência, seu conselho fica aquém da "precisão" que ele parece defender no
relato de ações.

2. Prática greco-romana
Avaliar a prática dos historiadores é consideravelmente mais difícil do que examinar
suas declarações de método. De fato, é provavelmente impossível avaliar sua prática
com muita certeza, exceto naqueles lugares onde a prática é particularmente a-histórica
e mal feita. Em qualquer dos casos, qualquer tentativa convincente deve basear-se numa
investigação completa do pano de fundo, linguagem e cultura do historiador em questão
e seu suposto orador - em outras palavras, dizer qualquer coisa sobre a prática de um
historiador exigiria um artigo importante em si mesmo. ser de qualquer valor
genuíno. Dentro dos limites do presente estudo, pouco mais pode ser feito do que dar
uma introdução às várias tendências e tipos de material, bem como um olhar crítico
sobre as conclusões de estudiosos que têm estudou minuciosamente os vários
historiadores.
Heródoto foi o primeiro escritor que poderia ser chamado de historiador no sentido
moderno do termo. Ele adotou conscientemente uma metodologia mais crítica no
manuseio de fontes do que se esperaria de um contador de contos ou um compositor de
épicos. Embora Heródoto não seja um erudito histórico sofisticado, ele nem sempre é
um ingênuo contador de mitos.
Heródoto não deixou nenhuma declaração introdutória sobre seu método em
preservar ou inventar os discursos que encontramos em seu trabalho. Esses endereços
compartilham certas características que os ligam todos à pena do próprio Heródoto, em
vez do falante presumido, notavelmente uma perspectiva e uma moralidade
consistentes, compartilhadas por falantes de diferentes idades e países. Alguns dos
discursos, talvez a maioria, são imaginários, assim como muitas das conversas
gravadas. Mas, pelo menos para alguns, o falante é retratado como um personagem
histórico falando sobre assuntos que são historicamente válidos.
Com Tucídides vem não apenas a primeira declaração explícita de método, mas
também uma importante mudança de foco que permite a possibilidade de um registro
mais preciso dos discursos. Tucídides escreveu sobre eventos em seu próprio tempo,
enquanto Heródoto escreveu sobre eventos muito distantes e para os quais ele
provavelmente não tinha fontes confiáveis. A tendência de escrever histórias recentes,
baseadas em experiências pessoais e relatos de testemunhas oculares, torna-se a norma
depois de Tucídides, com tentativas posteriores de 'Histórias Universais' em minoria.
Embora Tucídides especificamente afirme ter ouvido alguns, e ter entrevistado
testemunhas oculares de outros, é possível encontrar a mesma gama de queixas sobre a
confiabilidade de seus relatos como encontramos em Atos: há anacronismos possíveis,
alguns discursos parecem ser interdependentes. , e alguns parecem mais adequados para
os leitores do que como endereços para um suposto público. Nenhuma das ocasiões
específicas para essas reclamações, quando consideradas individualmente, é conclusiva,
mas visto como um todo, o efeito é contundente. Parece que Tucídides é responsável
pelos discursos. No passado, os estudiosos muitas vezes se sentiam justificados em
tomar os discursos como simplesmente o trabalho do historiador. Eles foram
considerados os "porta-vozes do autor". Há, no entanto, sérios problemas com a teoria
do 'bocal', o mais óbvio é que Tucídides regularmente coloca comentários 'sonoros' nos
lábios até mesmo daqueles personagens com os quais sabemos que ele não
concorda. Mesmo quando o falante é o herói de Tucídides, a teoria do "bocal"
falha. Quando Tucídides deseja dar seus próprios pontos de vista sobre um assunto
particular, ele não precisa do dispositivo de discursos atrás do qual se esconder, ele faz
comentários livremente, como sua desconsiderada desconsideração pelas "conversas
vãs" e "promessas malucas" de Cleon.
Um dos pilares da teoria do "bocal" é o fato de que os discursos são todos do estilo e
da dicção de Tucídides, e não dos vários estilos dos falantes individuais. Durante anos,
os estudiosos entenderam que isso significa pouca ou nenhuma individualização entre
os falantes. Recentemente, estudos mais detalhados mostraram que isso é um erro. A
DP Tompkins identificou muito mais diferenciação do que se pensava estar
presente. Além disso, é claro que existe alguma individualização
do conteúdo também. O discurso final de Péricles ( 2,60–64), por exemplo, é sua
própria autodefesa, enquanto, mais uma vez, Tucídides está disposto a fazer seus
próprios comentários sobre o assunto após o discurso. Nenhuma dessas coisas prova que
Tucídides não compôs os discursos ele mesmo, e nenhum dos estudiosos modernos
citou os defensores uma visão de que Tucídides era completamente "objetivo" ou
"preciso". Muitos, no entanto, estão expressando forte oposição ao uso hipercrítico
popular de termos como "invenções" ou "composições livres" para descrever os
discursos de Tucídides.
É sem dúvida o caso de que a História de Tucídides é uma única obra de arte e que
Tucídides usou os discursos para expressar aquilo que ele pensava que deveria ser
expresso. Mas, em vez de fabricá-los, é mais provável que ele tenha alcançado esses
objetivos colocando ênfases e escolhendo aqueles discursos que deveriam ser incluídos.
Nem todos os historiadores, é claro, estavam tão preocupados com o que realmente
foi dito, especialmente depois da era isocrática de interesse retórico. Xenofonte, que
escreveu uma continuação de Tucídides, a Hellenica , é importante para nossa pesquisa
pelo que ele não fezcom os discursos em suas Histórias. Desde que ele continuou o
trabalho de Tucídides, ele deve ter sabido de sua declaração metodológica sobre os
discursos. No entanto, parece claro que ele não seguiu esse método por si
mesmo. Existem inúmeras possibilidades de por que isso poderia ter sido o caso: a
influência de Isócrates, dom natural de Xenofonte para contar histórias, ou sua
capacidade de ser original e inovadora. Seja qual for a razão, o fato de que um
historiador poderia estar suficientemente interessado no trabalho de um predecessor
para continuar sem tomar o método deveria nos tornar muito cautelosos em atribuir
importância aos precedentes metodológicos de qualquer autor em particular.
Dionísio de Halicarnasso não era aluno de Isócrates, mas pertencia ao mesmo
campo retoricamente centrado. Já discutimos suas idéias sobre gravação de fala na
seção sobre declarações do método acima. Não pode haver dúvida de que Dionísio
compôs os discursos que apresenta em seus próprios livros de maneira retórica
estereotipada.
Por outro lado, a confiabilidade na gravação de discursos não foi totalmente
abandonada em escritores posteriores. Políbio teria dificuldade em aceitar tudo o que
escreveu sobre veracidade, mas na maior parte dos discursos são tais que podemos
acreditar que Políbio teve acesso a informações sobre eles, embora não possamos
confiar nessa informação tanto quanto parece ter feito.
Os relatos escritos por Júlio César parecem abandonar o adorno retórico e a
composição, apesar do registro do autor como orador público. Os discursos são nus e
para o ponto. A impressão é que ele assume uma posição diretamente oposta aos
princípios isocratistas. Parece uma conclusão justa que César propositadamente
escreveu como um adepto de uma escola estabelecida de pensamento historiográfico, ou
seja, a tradição de Tucídides e Políbio. Os discursos foram usados como um método
para preencher as origens e motivações, e para esclarecer as idéias e objetivos dos
oponentes de César, e não para mostrar a capacidade retórica do autor. Mais interessado
nas histórias retóricas "isocráticas", Cícero, contemporâneo de César, considerava o
futuro trabalho do imperador um pouco mais do que "um livro de referência para a
história real".
Embora o historiador romano Sallust tenha colocado os discursos que ele gravou em
seu próprio estilo, é claro que seu propósito não era mostrar sua própria capacidade
retórica. Laistner apontou algumas passagens que mostram a influência isocrática, e
argumentou que a composição dos discursos em pares é "conforme", embora não
necessariamente derivada diretamente das escolas retóricas. No entanto, no essencial,
Sallust, como César antes dele, parece ter escolhido deliberadamente Tucídides como
modelo, excluindo os historiadores mais dramáticos e retóricos. Sallust reproduz certas
características da oratória de Philippus, como descrito independentemente por Cícero
no Brutus , mas a autoria de Sallustian nunca está em dúvida.
Nos discursos registrados no trabalho do historiador Lívio, temos uma rara
oportunidade de comparar o produto final com sua fonte, neste caso os discursos que ele
encontrou em Políbio:
Políbio 3,62ff . Livi 21.42f .

Políbio 11.28ff . Livi 28.27ff .

Políbio 15,6,4ff . Livy 30,30

Políbio 21.19ff . Livi 37.53f .

Livy trata os discursos em suas fontes com algum respeito, reproduzindo o conteúdo
enquanto muda a forma, e quase sempre acrescentando a duração do discurso
consideravelmente, sem adicionar tópicos fictícios, e quais adições existem
frequentemente podem ser atribuídas à tentativa para dar um estudo de caráter
convincente. Até os autores antigos parecem conscientes disso; De acordo com
Quintilian: "todos admitirão que o conselho dado está de acordo com os caracteres dos
oradores". O discurso de Catão sobre a Lei Oppiana (34.2-4) até contém algumas das
características do estilo desse orador, aparentemente introduzidas deliberadamente por
Lívio.
Mais um exemplo romano deve ser mencionado. Um tablete de bronze encontrado
em Lyon no início do século XVI preserva uma parte de um discurso proferido pelo
imperador Cláudio, que provavelmente contém o texto original de um discurso também
registrado no trabalho do historiador romano Tácito - uma oportunidade única de
comparar um deles. relato do historiador de um discurso com a ipsissima verba.
À primeira vista, a versão de Tácito tem muito pouca semelhança com o original; de
fato, até que se examinem os dois mais de perto, é difícil até reconhecê-los como o
mesmo discurso. A versão de Tácito é muito mais curta, a ordem em que os tópicos são
abordados é drasticamente alterada e o estilo é muito mais polido. Uma vez que o
comprimido de Lyons não está completo, é difícil ter certeza se alguma substância foi
adicionada ao original pelo historiador. Muito no original, no entanto, foi condensado e
deixado de fora inteiramente na conta publicada. O texto de Tácito é uma versão melhor
organizada e mais convincente dos mesmos argumentos; ou, parafraseando Tucídides, é
o sentido geral do que foi realmente dito, formulado de uma forma que o historiador
considerou mais apropriado. E,
Em geral, podemos dizer que, embora o historiador tenha usado considerável
liberdade para relatar o texto do discurso, ainda é evidente que muito esforço deve ter
sido feito para entender o original de Cláudio e reproduzir seus pontos principais de
maneira ordenada. Tácito transmitiu o sentido geral do discurso original e algo do
caráter do falante. Certamente, as liberdades foram tomadas com o original; o discurso
não é "preciso" no sentido do século XX. No entanto, parece ser fiel ao evento. É claro
que é difícil saber como esse típico exemplo do método de Tácito pode ser típico e, em
todo caso, é tarde demais para ser considerado um precedente para os Atos.

3. Prática e Precedentes Judaicos


Nós consideramos principalmente os historiadores gregos e romanos, que alguns
críticos têm pensado um fundo estranho contra o qual estudar uma peça de literatura
religiosa, como Atos. Gärtner, por exemplo, argumenta que o pano de fundo dos
discursos em Atos não são os historiadores gregos e romanos, mas sim o Antigo
Testamento e os Apócrifos. Seu argumento, deve ser admitido, tem algum apelo. Ficou
impossível encontrar quaisquer elos definitivos com qualquer um dos historiadores
seculares em particular do modo, por exemplo, que podemos estar razoavelmente certos
de que Josefo imitava Dionísio de Halicarnasso ou, indiretamente, Tucídides. Gärtner
parece estar em terreno firme ao perguntar por que o erudito do Novo Testamento deve
buscar pistas vagas na literatura que Lucas pode não ter conhecido quando é
perfeitamente claro que o autor de Atos conhecia o Antigo Testamento, e há discursos a
serem encontrados lá, que estão intimamente paralelos aos discursos no trabalho de
Lucas. Gärtner escreve sobre Lucas: “Seu método de preencher os Atos com discursos
se assemelha muito ao modo como os historiadores gregos e romanos embelezaram de
maneira similar suas obras. Mas, apesar desta semelhança superficial, existem
diferenças essenciais… '
O problema com a visão de Gärtner é que não é tão claro qual é a semelhança
superficial e qual a significativa. Certamente as formas exteriores de muitos dos
discursos são como o Antigo Testamento, de fato, muitos autores escreveram sobre os
'Septuagintismos', mas as preocupações metodológicas de Lucas e sua autoconsciência
como pesquisador e escritor apontam para uma corrente mais profunda que é mais
parecida com isso. dos historiadores gregos e romanos. Em seus esforços para distanciar
Atos do passado gentio, Gärtner permite que apenas um pequeno número de escritores
pagãos seja elegível para uma comparação mais próxima, ou seja, aqueles mais
próximos no tempo de Lucas, uma decisão questionável.
A declaração de Gärtner: “À luz do gosto retórico e da licença demonstrada nos
discursos de composição, em conjunção com a abordagem acrítica da história do tempo
de Lucas, os Atos dos Apóstolos destacam-se como um trabalho que difere
consideravelmente do estilo então mais em favor“[ênfase minha] claramente revela uma
importante simplificação conceitual. Gärtner acredita que havia tendências claras na
metodologia historiográfica - que, em geral, movia-se do realismo histórico de
Tucídides e Políbio para se tornar cada vez mais dominada pela retórica. As
observações de Gärtner, no sentido de que Atos é diferente dos escritos gregos e
romanos, baseiam-se nos dois pressupostos que 1. havia uma prática historiográfica um
tanto unificada no tempo de Lucas, e, a partir desse pressuposto, a historiografia estava
em constante progresso. O consenso na época de Lucas era o mais importante. Este
último ponto é de fato explicitado: “Quando comparamos Lucas e os historiadores
clássicos, portanto, devemos ter diante de nós os ideais historiográficos que surgiram
durante o primeiro ano e não, como tem sido até então a prática, aqueles de um período
anterior ”. Nenhuma dessas suposições pode ser mantida.
Primeiro, não é verdade que houve um fluxo e uma progressão suave no método
histórico. Políbio e Tucídides, defensores dos discursos mais "precisos", não eram
contemporâneos no início do gênero cujos ideais, a partir de então, erodiram. Talvez a
influência retórica mais significativa, Isócrates, esteja, de fato, entreos tempos de
Políbio e Tucídides. Também não é possível falar de um estilo como sendo mais
favorável durante um período específico. Não bastam os escritos dos antigos para falar
com confiança do estilo de uma época particular. É claro, no entanto, a partir dos
escritos nós temos, que os debates mais vigorosas sobre a 'precisão' contra perfeição
'estilística' não eram sempre entre escritores separados pelo tempo, como Dionísio e
Tucídides, mas eram freqüentemente entre contemporâneos: Políbio e Timeu ou César e
Cícero.
Em segundo lugar, mesmo que houvesse um desenvolvimento radical na
metodologia, ainda não seria possível argumentar que as influências contemporâneas
são as mais significativas. Essa avaliação não apenas exige que o autor de Lucas-Atos
esteja na vanguarda da historiografia e atualizado com as tendências atuais, mas deve
muito à cultura moderna, na qual grandes obras são publicadas e distribuídas questão de
meses e em que 'novo' freqüentemente é igualado a 'melhorado' e 'antiquado' é
freqüentemente um termo depreciativo. A situação na antiguidade era bem
diferente; "velho" era mais propenso a ter conotações positivas como "firmemente
enraizadas" do que negativas como "desatualizadas". Longe de serem desconsideradas,
as tradições mais antigas da historiografia deveriam ser altamente consideradas na
comparação da prática greco-romana com os Atos. Portanto,Forma acabada e estilo dos
discursos, a falta de quaisquer declarações metodológicas claras nesses trabalhos torna
muito mais provável que Lucas tenha tomado sua compreensão do método da cultura
secular ao seu redor.
O argumento de que os discursos em Atos estão em dívida com a antiga literatura
religiosa é igualmente válido principalmente na esfera do estilo do produto
acabado. Mesmo se Joseph e Asenath é datado cedo o suficiente para ser uma possível
influência, não é verdadeiramente comparável. Atos trata de personagens históricos e
contemporâneos (ou quase contemporâneos) que dão discursos que podem ser
considerados como "marcos" para as comunidades históricas às quais foram
endereçados. Os únicos corpos de literatura que fornecem quaisquer declarações de
método para relatar tais eventos são histórias e biografias.
O paralelo óbvio do trabalho do historiador judeu Josefo é perigoso. Josefo viveu e
escreveu de aproximadamente 39 a 100 dC Portanto, é teoricamente possível que o
autor de Atos conhecesse seus escritos, mas as evidências parecem apontar contra ele,
pois embora os escritos dos dois autores ocasionalmente se sobreponham, eles
raramente concordam. .
No primeiro e segundo livros de Macabeus, é claro que os trabalhos eram da
tradição judaica, mas foram influenciados em vários graus pelos modelos gregos de
escrita histórica. Na obra de Josefo, a influência grega domina o conteúdo judaico de tal
forma que até mesmo Gärtner, que está interessado em mostrar os aspectos judaicos das
obras que ele cobre, é forçado a admitir que Josefo 'adere totalmente à tradição grega da
história escrevendo'. Houve várias sugestões para o precedente historiográfico de
Josefo. Ele pode ser facilmente encaixado na tradição isocratena, sua imitação de
Dionísio de Halicarnasso é óbvia até mesmo a partir dos títulos das obras, e há inúmeras
referências e alusões a outros escritores gregos e até mesmo romanos na Guerra
Judaica., fornecido por Josephus ou por seus tradutores assistentes. Não pode haver
dúvida de que Josefo deve ser colocado diretamente na tradição grega.
Quando, na Guerra Judaica, Josephus escreve: "Que a verdade histórica seja
mantida em honra por nós, já que pelos gregos ela é negligenciada", ele pode muito bem
estar mais preocupado com o conteúdo dos escritos gregos (sobre os judeus em
particular) do que, estritamente falando, com sua confiabilidade como uma questão de
metodologia. Josefo não foi capaz de fornecer precisão, e especialmente não em
"detalhes precisos", apesar dessas declarações programáticas, mas o endosso quase com
humor de Williamson contém uma verdade séria:
Para além de liberdades como estas [invenção de discursos, elaboração ou omissão de
incidentes, etc.], tomadas no interesse da 'boa escrita', impressividade e efeito dramático, e
para além do exagero frequente ... podemos considerar Josephus como no essencial um
historiador de confiança? Com certas qualificações, acho que podemos.

Há duas áreas que provam as principais exceções a essa avaliação geral, se qualificada:
detalhes e discursos. Em suas tentativas de relacionar questões de detalhes, como nomes
ou números, o método de Josefo varia do que é chamado pela "reprodução arbitrária" de
Cohen, à inflação e ao óbvio exagero. É na apresentação de discursos, no entanto, que
Josefo se afasta radicalmente de qualquer base no fato histórico ou em suas fontes.
Thackeray, em seu estudo clássico, divide os discursos em três categorias gerais: 1.
alguns que parecem se aproximar do que foi dito; 2. Discursos que estavam tão ligados
à ocasião em que foram dados que podemos razoavelmente esperar obter a essência da
mensagem histórica; e 3. os grandes discursos 'conjuntos' inseridos e inventados para os
pontos de virada na obra literária. Muitas vezes os discursos não são apenas inventados,
mas bastante inapropriados e até tediosos. O filho de Vespasiano, Tito, para quem
Josefo foi tradutor / intermediário durante o cerco de Jerusalém, recebe um discurso
destinado a encorajar seus homens, que incluía as palavras:
Pois nossos reveses são apenas o resultado do desespero dos judeus, enquanto seus
sofrimentos são aumentados por suas valentes façanhas e a constante cooperação da
Deidade. Para a facção, a fome, o cerco, a queda das muralhas sem o impacto dos motores -
o que essas coisas podem significar, mas que Deus está irado com elas e estendendo Sua
ajuda para nós? Certamente, então, permitir a nós mesmos não apenas sermos superados
pelos inferiores, mas trair um Aliado divino estaria abaixo de nossa dignidade ...

É difícil acreditar que um soldado romano falaria dessa maneira sobre o Deus judeu
em particular , muito menos abertamente para seus homens. Ainda mais conhecido é o
discurso de Herodes, lutando contra os árabes, que o historiador registra primeiro
em The Jewish War 1.373ff. e depois novamente em The Jewish Antiquities , no
livro 15.126ff . Os dois são, sem dúvida, discursos totalmente diferentes. A conclusão
óbvia é que Josefo simplesmente "descartou" os discursos da antiga história e
substituiu-os por novos.
Donald Jones sugere em sua tese de doutorado de 1966 que é lógico comparar os
discursos em Atos com Josefo por causa do "fato de que ele era um típico historiador do
período". Isso parece ao autor atual uma afirmação muito enganosa. Talvez o que Jones
queira dizer é que Josefo difere em seu método e estilo do Antigo Testamento em
direções tipicamente gregas. É claro que nenhum dos outros historiadores ou críticos
gregos ou romanos mencionados aqui teriam elogiado ou endossado os discursos
desajeitados e inapropriados de Josefo, embora alguns concordassem com o princípio
que permitia mais liberdade em apresentar orações do que é permitido com o
narrativa. Considerado como um todo, o trabalho de Josefo é uma tentativa de defender
e explicar a história e as tradições judaicas em idiomas gregos e romanos,

III Implicações para a bolsa de estudos


A primeira comparação moderna significativa dos discursos de Lucas com os
historiadores gregos e romanos foi feita por Henry Cadbury. Em dois
artigos da coleção Começos do Cristianismo e em seu livro A Criação de Lucas-Atos,
ele estabeleceu a visão de que os antigos estavam principalmente interessados em
forma, em oposição à precisão. Ele permitiu alguma variedade nas práticas dos
indivíduos, mas em geral considerou a convenção como uniforme. Assim, ele escreveu
sobre "... o costume predominante no mundo antigo de adornar obras históricas com
discursos imaginativos ..." A Cadbury aludiu ao conceito que chamamos de adequação
histórica: "Além do estilo retórico, o principal requisito desses discursos era a
adequação à alto-falante e para a ocasião '. Mas, em seu desejo de enfatizar a diferença
entre isso e exatidão, ele geralmente chama essa tendência de "imaginação dramática"
ou "imaginação histórica". Longe de vê-lo em tensão com a adequação literária, essa
"imaginação histórica" é para ele sempre claramente secundária aos objetivos artísticos
do historiador.
Na primeira das três obras, Cadbury fez a ousada generalização: "De Tucídides para
baixo, discursos relatados pelos historiadores são confessadamente pura
imaginação ". O último dos três, "Os Discursos em Atos", em BC, vol. V , apresentou
uma visão um pouco mais equilibrada. Depois de escrever que existem exceções 'raras'
no gênero, como Políbio, ele continuou '... até mesmo elas impedem a nossa suposição
de uma regra geral de pura invenção ...' Sua conclusão é que há pouca esperança de
confiabilidade, mas em alguns casos podemos Desejamos dar o mesmo benefício da
dúvida que podemos conceder a um historiador como Tácito.
Por uma razão ou outra, não foram os artigos da Cadbury sobre os discursos que
vieram a ser vistos como o ponto de partida para a discussão, mas o trabalho posterior
do crítico crítico Martin Dibelius. Como Cadbury, ele reconheceu o ponto importante de
que historiadores antigos tinham objetivos literários ao apresentar os discursos e que a
exatidão não era, de modo algum, a preocupação norteadora. Também como a Cadbury,
ele considerava mais importante a questão da relevância artística ou da adequação dos
discursos. Dibelius, no entanto, tinha ainda menos respeito do que Cadbury pela
dimensão histórica nos discursos, limitando o conceito de adequação à faceta única que
chamamos de "adequação literária". Chegou mesmo a alegar que uma das possíveis
razões para um historiador antigo apresentar um determinado discurso era dar aos seus
leitores
uma visão do significado do movimento histórico em questão, mas que ultrapassa os fatos
da história. Mesmo que esse insight não tenha sido revelado ao caráter histórico no
momento em que ele está fazendo o discurso, o escritor, no entanto, permite que ele o
forneça.

A partir de um levantamento detalhado dos historiadores antigos, seria difícil provar que
isso era tolerável em uma história, muito menos que fosse um possível "objetivo" dos
historiadores. Dibelius não permitiu que as obras dos historiadores pudessem ter uma
apropriação guiada por preocupações literárias históricas em vez de puras, nem escreveu
sobre a possibilidade de que algo admitidamente incluído por razões literárias também
pudesse (mesmo que acidentalmente) ter valor histórico. Ele parece ver esses objetivos
como mutuamente exclusivos, uma tendência que os classicistas reconheceram como
indesejável em seus estudos. Gomme descreveu-o como: "... uma crença subconsciente
de que a habilidade de Tucídides como artista é de algum modo incompatível, nos
discursos, com sua veracidade como historiador ..."
Dibelius foi muito claro em seus escritos que ele sentiu que os discursos em Atos
eram totalmente diferentes do verdadeiro São Paulo. Escritores mais recentes viram em
seu trabalho a base para negar a visão tradicional da autoria de Lucas-Atos. Não é
incomum que este ramo de estudos endosse o estudo de Dibelius sobre a historiografia
antiga sem perceber que isso invalidaqualquer argumento negativo sobre a questão da
autoria com base nos discursos. Pois se, como Dibelius imaginou, os discursos são
essencialmente invenções históricas, então a falta de semelhanças com o Paul real pode
ser explicada pela licença artística, e não pela falta de conhecimento genuíno. Da
mesma forma, não se pode argumentar que, já que Josefo coloca um discurso tão
diferente na boca de Abraão no sacrifício de Isaque do encontrado em Gênesis, ele não
poderia ter conhecido o próprio texto do Antigo Testamento. Ainda assim, por exemplo,
Kümmel, depois de endossar explicitamente as descobertas de Dibelius, segue o
endosso argumentando que Lucas não reproduziu nem mesmo "as características mais
significativas do Paulo histórico" e conclui que "a partir desses fatos é suficientemente
claro que o autor Atos não era um companheiro missionário de Paulo '.
O próprio Dibelius nunca caiu nessa maneira falaciosa de pensar, acreditando que o
autor de Atos era Lucas. De fato, ele antecipa alguns de seus seguidores quando critica
alguns de seus predecessores:
[Há uma visão “crítica” que sustenta que] os Atos dos Apóstolos não poderiam ter sido
escritos por Lucas, o companheiro de Paulo, porque continha mais erros do que poderia ter
sido feito por alguém tão próximo de Paulo. Essa teoria exagera um pouco a proximidade de
Paulo e o número de erros. Mas, especialmente, no entanto, o historiador antigo não deseja
apresentar a vida com precisão fotográfica…

Independentemente da decisão sobre a identidade do autor, a influência de Dibelius


sobre discursos como as "criações" do autor persiste nos estudos do Novo Testamento
até os dias atuais. Isto pode ser visto no recente artigo de Plümacher, no qual ele escreve
sobre o assunto como se tivesse sido resolvido há muito tempo: 'Bei den Reden der
Apostelgeschichte handelt es sich bekanntlich nicht hum Referee wirklich gehaltener
Ansprachan, sondernum Produkte aus der Feder des Actenverfassers selbst '.
Uma estimativa um pouco mais conservadora da confiabilidade geral dos
historiadores antigos é sugerida por AW Mosley. Esta revisão tem a vantagem de ser
um estudo sistemático de cada um dos principais escritores gregos e romanos em ordem
cronológica, em vez de meramente uma hipótese elaborada corroborada por citações
ocasionais de várias fontes antigas. Infelizmente, o foco de Mosley é bastante amplo e
seu artigo é curto. Embora ele note que não prestou atenção tão cuidadosa quanto pôde
ao uso de discursos nos historiadores, parece estranho que ele consiga incorporar as
declarações mais positivas de Tucídides e Políbio em discursos em seu trabalho, mas
não discute os declarações mais problemáticas ou negativas, como as de Lucian. Apesar
de sua seletividade, no entanto, a abordagem de pesquisa o impede de simplificar
demais e suas conclusões são modestas. Da mesma forma, TF Glasson concluiu que a
declaração em Tucídides não deveria ser usada para construir um caso em que os
historiadores na antiguidade não estavam preocupados com o que realmente foi dito.
No início dos anos 1970, Ward Gasque escreveu um artigo atacando mais
diretamente Dibelius et al.e mais positiva em suas conclusões do que Glasson ou
Mosley. Um de seus pontos básicos é que Dibelius interpreta mal ou deturpa os
historiadores antigos. Para corrigir isso, Gasque analisa as declarações sobre eles no
trabalho da Dibelius. É lamentável que ele esteja contente em refutar o uso dos
exemplos encontrados no ensaio de Dibelius, ao invés de, como Mosley, investigar
todos os historiadores. Gasque é forçado a admitir que Josefo compôs discursos não
históricos, e até mesmo que tal invenção era uma prática generalizada (mas não
universal). Mas na maioria dos exemplos de Dibelius - discurso de Cláudio em Políbio,
Tucídides e Tácito - Gasque encontra terreno proveitoso para criticar a interpretação de
seu oponente. Gasque, no entanto, não trata a inábil passagem poligena 12.25, em que
Políbio parece permitir elaborações pelo historiador.
Ainda mais equivocada é a citação de Gasque de Como a História deve ser
escrita por Lucian . Gasque tenta lançar Lucian como sendo contra a inclusão de
discursos retóricos inventados: "Tucídides e Políbio eram, em princípio, opostos à
prática, como eram os homens de letras como Lucian". Mas Lucian, na verdade, não é
um aliado. Gasque cita apenas parte do conselho de Lucian sobre discursos, escrevendo:
“… e embora ele reconheça o fato de que os discursos têm valor retórico mesmo na
narrativa histórica, ele argumenta que“ o que é dito deve ser acima de tudo apropriado
ao caráter e adequado à ocasião ” '. Mas no original, a sentença que se segue vai além
do "reconhecimento de que os discursos têm valor retórico"! Lucian escreve: 'É então,
no entanto, que você pode jogar o orador ( ῥτορεῦσαι) e mostre sua eloquência '. Da
mesma forma, Gasque escreve: "Lucian critica um" historiador "por compor uma oração
fúnebre a um general caído que não tinha base em fatos". Embora seja verdade que esse
relato se encaixa em um contexto mais amplo de erros que Lucian encontrou em
historiadores, não é de modo algum claro que Lucian considere este exemplo específico
como um erro, porque da falta de base factual. O que Lucian realmente escreve é:
“Então, depois de enterrar Severiano em um estilo magnífico, ele [o historiador] faz um
centurião, um silo africano, montar o túmulo como rival de Péricles [que proferiu a
famosa oração fúnebre em Tucídides]; sua retórica era tão estranha e tão exagerada que,
pelas Graças, eu apenas chorei e chorei de tanto rir ... 'A objeção não é que o evento não
tenha base na realidade, mas sim que o discurso era irrealista em conteúdo e estilo.
Em um artigo escrito alguns anos depois, Gasque reproduz muito de seu argumento
de maneira abreviada, mencionando apenas Lucian uma vez, e isso entre parênteses. Ele
reconhece neste artigo posterior que "um número imponente de contra-exemplos
também poderia ser aduzido". Novamente, porém, ele não especifica o que podemos
esperar dos historiadores que não inventam; a implicação é uma espécie de paráfrase
exata.
Kistemaker é aquele que não se esquiva da palavra "preciso". Escrevendo sobre o
prólogo de Tucídidio, ele diz: "A intenção aparente deste antigo escritor é afirmar que
os discursos que ele escreveu eram historicamente precisos e não baseados em sua
própria imaginação". E em Lucas o veredicto parece igualmente claro: "Os discursos em
Atos retratam com precisão os oradores e suas características individuais". De fato, no
entanto, a visão do Kistemaker é um pouco mais complexa do que aquelas simples
declarações aparecem. Embora Lucas seja o autor dos discursos em Atos, ele não é o
compositor deles. Isto é, ele não cria discursos que ele coloca na boca dos falantes. Ele
permite que os relatos de fala sejam mais curtos do que os discursos reais, mas se
preocupa em enfatizar o que ele chama de "precisão".
FF Bruce escreveu extensivamente sobre o livro de Atos, notavelmente dois
trabalhos que tratam especificamente dos discursos. É surpreendente que, embora um
estudioso dos Clássicos (na época em que o primeiro artigo foi publicado, ele era de
fato um professor de grego clássico), ele lida com a questão da convenção histórica
apenas brevemente, para refutar o uso do prefácio de Tucídides. como prova de uma
prática universal da invenção. O que é característico de sua abordagem é 1. a
observação de que existem muitas maneiras pelas quais os escritores antigos usavam
discursos; 2. sua alegação de que um estudo aprofundado da prática real em Atos revela
a diferença de Lucas em relação aos historiadores mais retóricos, o que sugere a
confiabilidade do material de fala em Atos; e 3. sua insistência de que o propósito
teológico em Lucas não precisa necessariamente ser inversamente proporcional à
confiabilidade histórica. Essa maneira de considerar os discursos está correta ao afirmar
a variedade na prática antiga e a necessidade de avaliar o trabalho de Lucas por seus
próprios méritos, em vez de assumir que todos os historiadores inventaram ou que todos
os historiadores foram cuidadosos (exceto Josefo). Mas Bruce parece contente em
deixar os antigos para um lado, uma vez que ele refuta qualquer noção de um paralelo
facilmente transferível.
Colin Hemer, como Bruce, rejeita qualquer tentativa de "arrumar a evidência antiga
em um padrão muito limpo" e escreve: "Há duas coisas básicas para enfatizar: que a
historiografia antiga é um negócio extremamente complicado e que não é fácil
especificar exatamente como Lucas se relaciona com isso '. Hemer está otimista sobre
os discursos em Atos, no entanto. Ele observa que o método de Lucas na questão de
registrar discursos no Evangelho, naqueles lugares onde podemos verificar seu relatório
com a fonte, mostra que ele é um repórter cuidadoso e conservador. Em artigos
separados sobre os discursos de Atenas e Mileto, Hemer demonstra ainda mais a
fidelidade de Lucas, sem negar sua atividade editorial.

IV. Conclusões
Nós sustentamos que os focos mais importantes para o estudo dos historiadores antigos
são as declarações de método que devem ser encontradas em seus escritos, uma vez que
isto é o mais próximo que podemos chegar da compreensão de como um antigo leitor /
ouvinte teria entendido práticas. Assim, por exemplo, seria bom concluirmos, à luz de
nossas investigações do século XX, que os discursos do historiador X não são
confiáveis, mas não temos garantias de que um leitor do primeiro século saberia que o
caso, mesmo presumindo que estamos corretos.
Essa consideração levou ao estudo profundo principalmente dos historiadores e
críticos literários gregos, uma vez que eles estavam mais inclinados a discutir questões
de método. Os romanos parecem ter simplesmente adotado os vários tipos de prática
grega, e com eles herdaram as disputas também. No caso da literatura judaica, o Antigo
Testamento não apresenta pistas discerníveis sobre a metodologia empregada, e as obras
históricas judaicas que possuímos e que são quase contemporâneas de Lucas-Atos,
Macabeus e Josefo, mostram considerável influência helenística.
Talvez a característica mais marcante das declarações de método seja sua natureza
autocontraditória, ou melhor, sua natureza que nos parece autocontraditória. A maioria
dos escritores é a favor da veracidade, mas todos também parecem concordar que o
historiador pode (na verdade, deveriapegue o que chamaríamos de 'liberdades' com o
texto do discurso mesmo quando isso for conhecido. É explícito e implícito em suas
declarações o importante papel que o historiador deve desempenhar na utilização de
discursos em sua história. O que é contraditório para nós não parece ter sido pensado
como paradoxal ou incomum por eles, ou então esperaríamos mais elaboração a partir
dos historiadores e certamente mais críticas de críticos agudos como Lucian, que se
deleitava em mostrar lugares onde outros escritores se contradiziam.
Onde os historiadores podem ser confrontados com as fontes dos discursos, eles
parecem refletir bem o equilíbrio que concluímos estar presente nas declarações do
método. Os discursos são as composições do autor, mas no seu melhor são
representativos do locutor, da situação e do conteúdo do original. A exceção é Josephus,
que também se mostra um pouco deficiente em áreas de escrita histórica além da
gravação de discursos.
Quando nos voltamos para o livro de Atos, o conhecimento da variedade a ser
encontrada nos autores antigos, juntamente com a consciência de que grande parte da
literatura antiga está perdida, deve nos impedir de dizer claramente que 'Lucas não
poderia ter feito x' em por um lado ou 'Lucas devefez y 'do outro. Haenchen saudou a
sugestão de FF Bruce de que o autor de Atos talvez tenha tomado notas curtas de
discursos com espanto, mas sabemos da prática de Quintilian, que a menciona, mas
defende que a memória inclua os pontos de uma oração na qual um está presente. Da
mesma forma, alguns autores modernos presumem que todos os escritores fabricaram
seu material, já que "os gregos sempre inventaram discursos". A evidência dessa
posição é, em grande parte, pressupostos do século XX disfarçados de senso comum,
como nesta citação de Bartlett: “Como outros autores antigos, o autor de Macabeus não
estava em posição de nos dar as palavras reais de qualquer falante; ele não tinha
gravador e confiava pesadamente nas lembranças de homens que provavelmente não
eram todos testemunhas de primeira mão ”. Além da óbvia falta de respeito pelas
habilidades dos antigos de lembrar, Bartlett aqui mostra uma tendência mais sutil para
pensar em todos os historiadores como "historiadores de poltrona". Os antigos
consideravam o envolvimento nos eventos como uma qualificação primordial para os
historiadores, mas Bartlett claramente pensa mais na linha de: 'o que ajuda
isso?estudioso teve à sua disposição? Não podemos mais desconsiderar as conquistas
dos escritores antigos por causa de sua falta de gravadores do que podemos dispensar as
pirâmides com base nas datas das patentes do trator e do guindaste.
Parece claro que, a menos que sejam altamente qualificados, nossos termos
("precisão" ou "invenção") para descrever os discursos são enganosos. E mesmo quando
devidamente qualificado, tentar encaixar os discursos de Atos nessas categorias é a
maneira errada de encará-los. Não devemos perguntar 'quão perto está essa explicação
do que foi dito?', Mas sim 'quão perto está esse relato do que aconteceu?' Agora,
obviamente, os dois estão relacionados, mas a mudança de ênfase é mais verdadeira
para a natureza dos dados sob observação e tem algumas conseqüências importantes.
A primeira conseqüência é que não ficaremos nem um pouco surpresos com o fato
de que, apesar da implicação para o leitor moderno do discurso ser em primeira pessoa,
a forma do discurso que temos foi composta pelo autor. É somente por causa das
expectativas alheias à prática do primeiro século que tendemos a pensar que a
explicação mais natural é que a fala não aconteceu ou pelo menos não aconteceu como
o autor a registra, embora, graciosamente, permitamos que possivelmente ser outra
explicação.
Nós também seremos desiludidos de uma noção semelhante. Quando um orador em
uma narrativa faz um discurso, cujo conteúdo está de acordo com o que o autor acredita,
isso não pode mais ser considerado uma boa evidência para marcar o relato como uma
testemunha infiel de um evento. Por se tratar de uma testemunha fiel ou não, devemos
esperar que o autor do livro selecione as facetas do evento e escreva o assunto de uma
maneira que seja adequada aos propósitos e objetivos do livro. A coerência do discurso
com os propósitos do autor não é suficiente para descartar o registro de um discurso
como invenção.
Um exame dos propósitos e crenças do autor pode ser útil de uma maneira negativa,
no entanto. Se a fala como gravada, ou uma característica dela, não se encaixa com o
ponto de vista ou vocabulário do autor, então há razão para investigar se tais
características podem, de fato, ser devidas ao fato de serem "fiéis históricos" ou mesmo
pode chamar "preciso".
Na determinação da fidelidade histórica, as pistas mais importantes provavelmente
virão se um discurso mostrar 1. traços da suposta situação em que supostamente foi
entregue e 2. traços da personalidade e traços do suposto falante. Se descontinuidades
aparecem, então há razão para questionar a fidelidade do discurso ao evento. Assim, por
exemplo, quando o historiador romano Livy registra um discurso longo e emocionante
de um comandante do exército para seus homens enquanto eles tentam se esgueirar
silenciosamente sobre uma colina na calada da noite, ou quando Josefo tem o general
romano Tito encorajar seus soldados romanos contra os judeus com um discurso que
pergunta aos soldados "... o que essas coisas podem significar, mas que Deus está irado
com elas e estendendo Sua ajuda para nós?" temos motivos para nos perguntar o quão
provável tais eventos podem ser.
Em termos de Atos, então, é verdade que no Livro de Atos, vários oradores
diferentes fazem referência a um argumento particular sobre Davi e parecem fazê-lo de
tal maneira que cada discurso relaciona uma parte complementar de todo o
argumento. Mas esta é uma evidência insuficiente para ser usada como um indicador
positivo da invenção de Lucana. Dado o fato de que os oradores são todos judeus e a
importância das promessas feitas a Davi em relação ao Reino davídico, é provável que
os oradores tenham mencionado tais argumentos e compreensível que Lucas tivesse
selecionado e formado as contas de uma maneira que eles trabalhariam juntos. Não há
nada, apenas nesta evidência, que nos permita escolher a favor ou contra a fidelidade.
Uma crítica mais útil dos discursos em Atos seria se pudesse ser mostrado, no relato
da visita de Paulo a Atenas, que ou o altar mencionado por Paulo não poderia ter
existido (sugerindo assim que o discurso era inadequado para a suposta situação) ou que
o discurso vai contra a própria teologia de Paulo (sugerindo assim que o discurso era
inadequado para o suposto orador).
O espaço não nos permite continuar a este passo adicional de avaliar a fidelidade de
Atos. Este ensaio apenas sugere as categorias que tal exploração deve usar. Por qualquer
que seja nossa visão de seu valor histórico, devemos parar de abordar os discursos em
Atos com um preconceito do século XX e, em vez disso, aprender a vê-los no cenário
das convenções literárias do primeiro século. Isso nãosignifica, como pensava Dibelius,
deixar de lado qualquer conexão entre discursos gravados e referentes históricos. Isso é
entender mal os autores do primeiro século. Nós sugerimos pensar nos discursos em
termos do conceito em duas vertentes de adequação literária e históricaOs
historiadores estavam interessados em incluir discursos apropriados ao seu livro e
também apropriados ao suposto orador e situação. Devemos aprender a pensar nos
discursos públicos não como transcrições (sumárias ou precisas) das palavras de pessoas
famosas, mas como registros (fiéis ou infiéis) de eventos históricos .

CAPÍTULO 11
PROCEDIMENTOS OFICIAIS E DISCURSOS
FORENSE DOS ATOS 24–26
Bruce W. Winter

Resumo
Discursos forenses não literários feitos em tribunais romanos no início do império, semelhantes
àqueles feitos em Atos 24–26 , nos permitem colocar melhor esses procedimentos oficiais
naquele gênero literário antigo específico por meio de uma análise crítica formal. Propõe-se
fazê-lo (I) discutindo documentos legais não-literários e o protocolo em torno do registro de
processos judiciais, (II) submetendo fontes forenses não-literárias específicas que foram
compostas de acordo com a forma estabelecida nos manuais retóricos. a uma forma de exame
crítico, (III) aplicando os frutos destes aos discursos de Tértulo e Paulo, e (IV) fornecendo um
exemplo literário comparável.

I. Protocolo de Procedimentos Oficiais


1. Evidência
Há ampla evidência de discursos forenses no início do império. Mais de 250 papiros
existentes de processos judiciais oficiais no início do império romano, semelhantes aos
registrados em Atos 24ff. foram publicados até o momento. O número continua a
crescer com a publicação contínua de coleções de fontes não literárias. Estes
documentos oficiais são as apresentações gravadas de casos legais, e uma análise deles
reflete a defesa dos retóricos profissionais. Alguns papiros preservam o caso tanto da
acusação como da defesa.

2. Procedimentos de Gravação
Como sabemos que os discursos oficiais dos tribunais existentes são o que pretendem
ser, ou seja , registros oficiais de discursos sobre procedimentos reais? No período
romano estes foram registrados como oratio recta por um oficial. Como o discurso
estava sendo apresentado em tribunal, foi retirado em taquigrafia. Embora haja alguma
incerteza quanto ao momento exato em que a taquigrafia foi efetivamente introduzida na
justiça, sabe-se que, por esse motivo, esses procedimentos estavam sendo registrados o
mais tardar até c. 50 dC Eles foram resumidos pelo escriba como oratio recta , após o
término do processo. Embora apresentados sob a forma de um resumo, foram
considerados textualmenterelatos do argumento. Isso explica a duração bastante normal
do processo oficial. Quando medidos em relação aos documentos longos 'N' que são
resumos, eles são claramente resumos. A razão pela qual os tribunais não reproduziram
todo o discurso pode estar relacionada à tendência dos oradores de falar longamente. A
promessa de brevidade de Tertullus reflete a conhecida loquacidade dos oradores -
"Mas, para não cansá-lo ainda mais, peço que você seja gentil o suficiente para nos
ouvir brevemente" ( Atos 24: 4).). A duração um tanto similar dos discursos substancia
ainda mais a conclusão de que todos os procedimentos oficiais são resumos. Apesar de
tudo isso, eles foram considerados representações precisas do que foi dito no
tribunal. Estes documentos oficiais foram colocados em arquivos do governo, pois
Roma atribuiu grande importância ao armazenamento e preservação de todos os
documentos oficiais, especialmente aqueles relacionados a procedimentos legais.

3. Processo de cópia
Cópias autenticadas de documentos oficiais relativos a processos judiciais estavam
disponíveis para o réu, assim como a petição forense que iniciou a ação judicial. P.
Oxy. 2131 (AD 207) ll. 3–4, que será examinado mais adiante, é um exemplo de uma
cópia atestada de uma petição. Foi extraído do "rol de petições conjuntas", copiado e
certificado por seis testemunhas, que o editor das notas do papiro era o número usual de
testemunhas usadas para certificar documentos. O mesmo aconteceu com outras provas,
como petições, cartas e memorandos relacionados aos casos legais. Portanto, uma cópia
autenticada de qualquer documento legal foi considerada genuína em seu dia e não
houve discriminação contra uma cópia autenticada em favor do original.

4. Incorporação de prova documental


Documentos oficiais, incluindo registros dos procedimentos que foram retomados,
também são existentes. Como exemplo, há uma coleção de documentos legais
relacionados a um caso que contém um relatório de um julgamento, uma petição e uma
ordenança de um prefeito P. Fam. Tebt. 15 (AD 114-5). Outra coleção tem um processo
oficial de um julgamento com documentos em anexo contendo pedidos em nome de três
participantes, a leitura de uma petição, um relatório de uma primeira sessão presidida
pelo strategus , uma segunda sessão, o veredicto e um veredito suplementar, P
Fam. Tebt. 24 (AD 124). Cópias autenticadas desses documentos foram
disponibilizadas ao réu.

5. Documentos Oficiais em Atos


As narrativas de Atos que cercam os discursos forenses sugerem o uso de documentos
oficiais? Existem duas evidências. Primeiramente, antes dos julgamentos de Paulo
diante de Félix e Festo, a narrativa em Atos registra o que é dito ser o texto da carta
oficial de Cláudio Lísias em que nove termos legais foram localizados ( Atos 23: 25-
30 ). O juiz EA, após uma análise de uma petição oficial em que τύπος também foi
usado, conclui que o autor de Atos fez com que seus leitores considerassem 23: 25–
30 como 'a citação direta' de uma cópia à sua disposição— γράψας ἐπιστολὴν ἔχουσαν
τὸν τύπον τοῦτον (v. 25). Ele discute,
o termo certamente nos impede de tratar a carta na mesma base que os discursos ...
discursos escritos muitas vezes surgiram apenas como levantamento retrospectivo de seus
autores ... enquanto cartas passaram imediatamente para a posse de seus destinatários e
seriam preservadas por eles como prova de o ponto que eles documentaram.

Tal documento estaria disponível para o réu.


Em segundo lugar, logo depois que Festus assumiu o cargo de Felix, ele teve que
encaminhar processos judiciais e documentos para Roma, após a decisão bem-sucedida
de Paulo de ter seu caso ouvido no mais alto tribunal de apelação. Atos nota a
preocupação de Festo em produzir litterae dimissoriae dos procedimentos até hoje, que
teve de acompanhar o prisioneiro - 'dos quais não tenho certeza de escrever ao meu
Senhor' ( Atos 25:26 ) - porque ele deve enviar ao imperador um memorando de
cobertura explicando os aspectos legais do caso. A documentação necessária estava
sendo reunida para Roma.
Deve-se notar de passagem que Lucas também registra um princípio fundamental do
direito romano ao qual Festo considera necessário chamar a atenção - “não é costume
dos romanos condenar homem algum, antes que o acusado tenha acusadores face a face,
e ter tido a oportunidade de fazer sua defesa '( Atos 25:16 ).

II. Discursos Forenses e Petições Oficiais


1. Conselhos sobre composição
Os manuais sobre retórica aconselham sobre a composição de um discurso
forense? Quintiliano, por exemplo, explica como o orador era hábil na preparação de
seu discurso devido às expectativas do juiz.
Mas evitar toda exibição de arte em si exige arte consumada: esse admirável cânon foi
insistido por todos os escritores… os próprios juízes exigem os discursos mais acabados e
elaborados, pensando-se insultados, a menos que o orador mostre sinais de ter exercido a
maior diligência na preparação de seu discurso e desejo não apenas de ser instruído, mas de
ser encantado.

Portanto, não foi um desafio irrelevante para o orador forense mostrar "discreto"
( ἀνεπίφατος ) como os gregos o chamavam de acordo com Quintilian, em "não fazer
exposição vã" na apresentação de seu caso. Ele instrui os oradores forenses a falar com
cuidado, mas sem um design elaborado ... que nenhuma palavra incomum, nem
metáfora exagerada, nenhuma frase derivada das salas de madeira da antiguidade ou da
licença poética deva ser detectada no exórdio . Em nenhum lugar isso foi mais
importante do que em sua introdução. Antonius (final do século II ao século I aC) indica
a dificuldade na estruturação do exórdio. "Era minha prática pensar no que é ser falado
primeiro, que exórdiodevo empregar. Pois quando me inclinei a planejá-lo primeiro,
nada ocorreu além do que é careca, insignificante, sem forma ou comum ”. Quintiliano
vê a dificuldade em compor o exórdio de um discurso forense. Nisso ele concorda com
Antonius, embora ele mesmo esteja ansioso para ver o exórdio finalmente escrito na
ordem correta.
Eu não posso, entretanto, aprovar a visão daqueles que pensam que o exórdio deveria
realmente ser escrito por último. Pois embora devamos coletar todo o nosso material e
determinar o lugar apropriado para cada porção dele, antes de começarmos a falar ou
escrever, devemos começar com o que realmente vem primeiro ... Devemos, portanto,
revisar o assunto na ordem estabelecida, mas escreva nosso discurso na ordem em que
devemos entregá-lo.

Em nenhum lugar isso foi visto mais claramente do que na habilidade exigida para a
composição da captatio benevolentiae , que visa promover os argumentos
subseqüentes. Em nenhum lugar isso é melhor demonstrado do que em uma petição em
que um professor se esforça ao escrever dois rascunhos.

2. 'N' Documentos
Existem também os documentos 'N' existentes, que eram documentos reais preparados
para um caso. Eles seriam preparados após a devida pesquisa por um νομικός que era
assistente legal de um retor. Todos os documentos 'N' contêm uma ampla margem
esquerda. Alguns têm um resumo dos fatos do caso precedido pelo nome dos clientes
escritos nele para o benefício do retor apresentando o caso de seu cliente. Em alguns
casos, eles compreendem não apenas a narratio, mas também a confirmatio e
o peroratio de uma fala forense, mas não a captatio benevolentiae no exórdio. Sua
ausência sugere que isso foi composto pelo próprio retórico. Uma comparação entre a
duração dos procedimentos oficiais e os discursos em 'N' indica que os primeiros eram
resumos.

3. Petições como resumos de discursos


As petições que visam instituir procedimentos legais são muitas vezes o trabalho de
reitores agindo em nome de clientes. Aqueles discutidos abaixo seguem as divisões
normais de um discurso da sala de tribunal recomendado nos manuais e têm
um exórdio , uma narratio, confirmatio e peroratio. Eles podem, portanto, ser tratados
como resumos do discurso pretendido para serem entregues no tribunal. Na verdade,
eles comparam favoravelmente em comprimento com o processo oficial.
P. Fouad 26 (AD 157-9) é uma petição que segue as convenções literárias, pois
compreende um exórdio em II. 30–5, uma narratio que começa com τὸ δὲ πρᾶγμα
τίθημε ( ll. 35–43), o confirmatio que é introduzido com καίτοι , 'e de fato' ( ll. 43–5) e
o peroratio que começa com ὅθεν , 'para qual razão '( ll. 49-56). A apresentação de sua
causa também reflete a mesma concisão do narratio seção de apresentações judiciais
reais feitas na era cristã por outros retóricos. O narratioé apresentado com um grau de
sofisticação artificial, cuidadosamente redigido em nome de alguém "de muitas
maneiras oprimido e prejudicado". Isso visava incitar o prefeito a agir contra o desprezo
do réu pelos processos judiciais e também a evocar o pathos para sua própria
causa. Aspectos do peroratio reforçam a captação benevolentiae do exórdio ( l. 49). As
petições subseqüentes a serem examinadas usam o mesmo dispositivo de hábil repetição
de sentimentos da captatio benevolentiae no começo da petição
no peroratio. O exórdio conclui com a petiçãoκαὶ αὐτὸς πολλωταπῶς βιαζόμενος καὶ
ἀδικούμενος ἔσπευσα ἐπὶ σὲ καταφυγὼν τῶν διακαίων τυχεῖν ( ll. 32–5), um ponto que
foi elogiado no debate forense. Reflete os sentimentos na captatio benevolentiae quando
o peticionário se apressa em apelar por justiça. A petição original foi enquadrada dentro
das convenções de um discurso forense e é um documento "pré-julgamento", preparado
por um retor.
P. Oxy. 2131 (AD 207) é uma cópia autenticada de uma petição a um prefeito, na
qual um peticionário se queixa de 'atos injustos e sem lei de ousadia' contra ele ( II. 6,
17). A petição contém o exórdio II. 7–8, a narração. 8b – 13a, a confirmação. 13b – 16a
e o período de tempo . 16b – 18 introduzido por ἀξιῶ . Uma análise da petição sob estas
divisões prescritas de discurso forense substancia a afirmação de que este é o trabalho
de um retor hábil. O peroratio alcança, com uma economia de palavras, as afirmações
no exórdio. Faz isso com talvez mais finesse do que P. Fouad 26
P. Ryl. 114 (c. 280 dC) começa com o exórdio costumeiro ( II. 1-6), a narração é
introduzida claramente com τὸ δὲ πρᾶγμα οὕτως ἔχει ( ll. 6–7), a confirmatio com ἐπεὶ
δέ ( l. 18), seguido pelo Refutatiocom ὥστε em l. 27 e o peroratio com ὅπως em l. 29
Um exame dessas três petições de amostra forneceu a confirmação de que eles são o
trabalho de profissionais reitores forenses e dão evidência clara de terem sido
habilmente construídos e altamente apropriados às necessidades do peticionário em
particular. O caso de cada um dos peticionários foi apresentado com um exórdio,
narratio, confirmatio e peroratio. Eles também seguiram as recomendações dos livros
de texto, a saber , o que vem por último no exórdio deve ser aquele que mais
prontamente se liga à narratio e é claramente visto como tal. Que ditade Quintiliano é
claramente visto nas petições que "... é importante [como meio de ganhar o favor do
juiz] que os pontos que parecem mais prováveis para servir ao nosso propósito devem
ser selecionados para introdução no exórdio " ( 4.1.23 ).
Estas petições oficiais são inestimáveis para comparação literária com os Atos
porque nenhum dos procedimentos oficiais contém um exórdio com a
tradicional captatio benevolentiae que é encontrada nos discursos de Tertullus e
Paul. Essa parte do discurso não foi registrada no processo judicial oficial. Junto com o
processo oficial, eles fornecem um cenário para os discursos forenses de Atos.

III Discursos Forenses em Atos


1. Tertullus ( Atos 24: 1–8 )
Uma análise da fala do orador profissional, Tertullus, registrada em Atos 24 evidencia
um exórdio de comprimento padrão, enquanto a narração pode ser encontrada em
vv. 2b – 3 e 4–5 e a confirmaçãorefletida no verso 6ff. são resumos.
uma. O exórdio . As semelhanças entre a exórdia das petições discutidas acima e
o exórdio de Tertullus são bastante notáveis e merecem exame detalhado e comparação.
A captatio benevolentiae de P. Fouad 26 diz: "Desde que sua benevolência inata,
Meu Senhor Prefeito, alguma vez antecipou todas as necessidades, sendo eu mesmo
em muitas maneiras oprimida e injustiçada, eu me apresso a apelar para você a fim de
obter justiça '( ll. 31–5). Sua captatio benevolentiae não é diferente na construção
gramatical, forma, linguagem e intenção da de outros peticionários ou Tertullus em
seu exórdio ( Atos 24: 2 ). A petição original de P. Fouad26 começa com o habitual
genitivo absoluto, que em documentos experimentais é usado como uma forma verbal
introdutória para iniciar o registro dos procedimentos. Há também o uso de títulos
laudatórios como no discurso de Tértulo ( 24: 2 ) para Pharion dirigiu-se ao prefeito
como ὁ πάντων σωτήρ na peroratio ( ll. , Já tendo usado o título 'o salvador do Egito'
49-50) em sua petição introdutória ( l. 25). Finalmente, e mais importante, são as
declarações sobre a competência do governador para ouvir o caso, como o prefeito que
possuía 'benevolência inata', e 'alguma vez antecipou todas as necessidades', Felix
possui o mesmo atributo expresso pelo sinónimo πρόνοια (24: 2 ). O peticionário apela
para o papel providencial do prefeito com o uso do verboφθάνειντο, implicando que ele
é um verdadeiro benfeitor e governante que, em seu papel judicial, antecipa as
necessidades dos cidadãos através da promulgação de leis como meio de sustentar a
justiça e Paz.
A captatio benevolentiae do exórdio em P. Oxy. 2131: "Desde que a vossa justiça
arraigada, o meu senhor prefeito, se estende a todos os homens" ( eu próprio, tendo
sofrido injustiças, recai sobre vós, esperando receber um remédio jurídico »( l. 7). Em
contraste com P. Fouad 26, o atributo referido é δικαιοδοσία , viza administração de
processos judiciais. Diz-se que o prefeito tem tal habilidade que ele ouve até o fim todos
os que apresentam seu caso a ele. O que está sendo dito é que o prefeito dá uma
audiência justa a todos os homens que aparecem diante dele, que ele não discrimina
nenhum, e que ele dá decisões judiciais imediatas. O pedido do queixoso chama a
atenção não apenas para as injustiças que ele sofreu, mas também para suas expectativas
de receber justiça nas mãos desse prefeito legalmente competente. O exórdio é
habilmente inventado com o uso de δικαιοδίσία que é "inato" no prefeito. Isto resulta
em todos os que recebem uma audiência, διακούειν , com expectativas de receber
o inκδικία em face da ἀδικίαsofrido pelo peticionário. Começa com o genitivo absoluto
como na petição anterior e Atos 24: 2 , e sua conclusão é claramente marcada com o
início da narração , ἔχει δὲ οὕτως ( l. 8) (cf. Atos 24: 4 ). Ele também lida com 'justiça
arraigada', assim como Tertulio é elogiado por executar seu papel 'providencial' na
jurisprudência 24: 2 .
A captatio benevolentiae no exórdio em P. Ryl. 114 lê 'Consciente de seu amor da
equidade, meu prefeito senhor, e sua solicitude de todos, especialmente as mulheres
[mulheres] e viúvas' ( τὸ μετριοφιλές σου αἰσθομένη δέσποτά μου ἡγεμών καὶ περὶ
πάντας κηδεμονίαν μάλιστα περὶ γυμαῖκας καί χήρας ) ( ll. 3–5). O uso de τὸ
μετριοφιλές αἰσθομαι é apropriado, pois implica que o registro do prefeito de tomada de
decisão judicial foi marcado pelo amor à justiça que foi percebido. Pode ser comparado
com o que Tertúlio diz sobre a "reforma da lei" de Félix em Atos 24: 2 ,
pois κηδεμονία é sinônimo de πρόνοια, transmitindo a idéia de "providência" ou
"cuidado" para todos, incluindo "especialmente mulheres e viúvas". No peroratio o
peticionário novamente reflete o mesmo sentimento que ele expressou
na captatio benevolentiae llπως τά ἴδια ἐκ τῆς σῆς τοῦ κυρίου καὶ πάντων εὐεργέτου
φιλανθρώπου ( II. 29-30). O restante do exórdio é um simples apelo: "Faço minha
abordagem a você implorando que você venha em meu auxílio". Todo o exórdio tem
como objetivo evocar para esta viúva o que os livros didáticos recomendam como
pathos.
Como o captatio benevolentiae nas petições, o exórdio de Tertullus desempenha um
papel importante na apresentação das acusações apresentadas contra Paulo. Ele lida com
a lei e a ordem e a reforma legal, e será visto como não estando desconectado das
acusações descritas na narratio. Tertullus começa com a convenção tradicional de
"buscar a boa vontade" de Félix, declarando que o governador exerceu
seu imperium declarando πολλῆς εἰρήνης τυγχάνοντες διὰ σοῦ .
Em primeiro lugar, deve-se notar que todos os três papiros usam τυγχανεῖν , 'para
ganhar um fim'. Em P. Oxy. 2131 ll. 8, 17-8 é usado no exórdio para pedir justiça e
no peroratio para obter direitos para que a liturgia requerida seja cumprida. O pedido
em P. Ryl. 114 l. 6 é igualmente no exórdio. Implora que o prefeito vá ajudar a viúva e
seus filhos. Em P. Fouad 26 ll. 55–6 é usado no peroratio pedindo que o peticionário
obtenha seus direitos pela benevolência do prefeito. Ao contrário dos três papiros
forenses que usam o verbo na forma ativa, é expresso no passivo por Tertullus para
indicar a Felix que os peticionários já desfrutaram de muita paz através de sua
administração.
Em segundo lugar, Felix tinha recentemente restaurado a lei e a ordem, reprimindo a
rebelião de um profeta egípcio, como mencionado por Claudius Lysias em Atos e
registrado em outro lugar. Tertullus elogia Felix no exórdio por exercer
seu imperium para manter a ordem pública, ou seja, "muita paz". Seu comentário é,
então, uma declaração de fato demonstrada por um evento recente e judiciosamente
escolhida porque se relaciona com o caso em questão. Paul na narratio é declarado ser o
perturbador da ordem pública na diáspora e em Jerusalém (v. 5 ). A implicação é clara
que Felix precisa punir este réu para, como governador, continuar sua tarefa de manter a
paz.
Há também uma ligação entre a captatio benevolentiae e a narratio em Atos
24 . Em P. Fouad 26 afirma-se que, como "a benevolência inata [...] sempre antecipou
todas as necessidades sendo eu mesmo em múltiplas formas oprimidas e injustiças,
apresso-me a apelar ... a obter justiça" ( ll. 31-5). Isso tem relação com as questões
levantadas na narratio que indicam interferência nos processos judiciais e nas taxas de
juros exorbitantes ( ll. 35-49); P. Oxy. 2131 registra a reputação do prefeito para a
administração imparcial de procedimentos judiciais para todos ( ll. 7-8), que está ligada
à imposição injusta de uma liturgia;P. Ryl. 114 descreve o amor do juiz pela equidade e
pelo cuidado providencial para com todos ( ll. 3–4), que tem relação com o sequestro
ilegal das ovelhas da viúva ( ll. 7–20). Em Atos 24 , deve-se notar, em primeiro lugar,
que é feita referência às "reformas introduzidas em nome da nação" e, em segundo
lugar, que isso foi feito por meio de Félix exercendo sua "providência"
(v. 2c ). διόρθωμαé usado de revisão periódica de ordenanças legais. Certamente, era
responsabilidade do Félix realizar tais mudanças na lei. Não está claro o que essas
revisões foram. Eles podem ter a ver com assuntos relacionados aos procedimentos do
Sinédrio ou à administração do templo. Há uma referência à competência judicial que
Felix traz para este caso, e esse comentário não foi sem justificativa.
Félix é informado de que também tem sido através de 'sua providência' ( διὰ τῆς σῆς
πρόνοιας ) que esta revisão tenha ocorrido. O tema da "providência" foi usado em dois
dos três papiros forenses, e a fórmula introdutória dos éditos dos prefeitos egípcios
mostra o nexo tradicional entre πρόνοια e a revisão da lei. É natural que
qualquer benevolência cativa na qual a revisão da lei e sua administração seja
mencionada deva caracterizar a idéia de providência como a narratio sumária mostrará.
Assim, as duas virtudes da paz e da providência através da reforma legal na captatio
benevolentiae são ditas por Tertullus como sendo a fonte de verdadeiro agradecimento
pelas autoridades judaicas pela procuradoria de Félix (v. 3 ). Eles estão no coração do
caso apresentado contra Paulo.
O exórdio conclui com a promessa de brevidade no v. 4 . Ao prosseguir rapidamente
para a narratio no v. 5, Tertullus segue uma sábia convenção na qual Quintiliano,
4.1.34 . mais tarde escreveria: "Nós também acharemos um dispositivo útil para criar a
impressão de que não os manteremos por muito tempo e pretendemos nos ater ao
ponto". Os documentos 'N' revelam quão discursivos alguns oradores poderiam ser.
b. O narratio, confirmatio e peroratio . De acordo com os manuais retóricos, a
agitação ou sedição, στάσις , era a acusação certa para fazer frente a um oponente no
processo penal. Felizmente para a acusação, foi precisamente "o que se deve fazer
contra um judeu durante o Principado de Cláudio e os primeiros anos de Nero". A
essência da acusação é enunciada na narratio. Era que Paulo era "um agitador entre
todos os judeus em todo o mundo" (v. 5a ) e um líder do anel dos nazarenos αἵρεσις que
aparentemente eram conhecidos por Felix. A ligação dos dois juntos implicava que a
filiação a ele constituía uma violação conhecida da lei (v. 5b ).
O confirmatio parece refletir-se no v. 6ff. , sendo declarado por meio de três
pronomes relativos apresentando a prova - ὃς καί, ὃ καί, παρʼ οὗ . Assim como
na narração , o escritor de Atos está resumindo. A prova da acusação contra Paulo é
apoiada pelo fato de ele profanar o templo. O que ele estava fazendo "em todo o
mundo" como líder dos nazarenos, ele fez em Jerusalém. Se provada, convidou a
punição séria, isto é , a execução sumária que os judeus haviam tentado, cf. Atos
23:27 e 24: 7 , bem como a ira imperial com a qual Cláudio havia ameaçado os judeus
alexandrinos. O peroratioexorta Felix a examinar Paulo para que ele possa aprender a
verdade sobre a acusação feita contra ele (v. 8 ). O caso de Tertullus, que foi apoiado
pelo próprio testemunho de seus clientes, foi formidável para responder (v. 9).
Surge a questão de por que o exórdio , que é comparável em extensão àqueles
encontrados nas petições forenses examinadas acima, é apresentado com tantos detalhes
e o restante do caso no que foi corretamente visto como uma forma altamente
resumida. O papel significativo da captatio benevolentiae nos discursos forenses
examinados em fontes não-literárias nos ajuda a ver como Felix e qualquer leitor do
primeiro século teriam sido alertados sobre a seriedade das acusações feitas contra
Paulo. A inclusão da captatio benevolentiae em alguns detalhes foi, portanto, bastante
apropriada para o propósito de Lucas. É enganoso concluir que Tertullus se envolveu
em "bajulação irrelevante", que fez para "um exórdio ineficaz'. Sua proeminência não
pode ser explicada, como Hemer, em termos de "arte de Lucas" com sua "ironia
ricamente divertida". Dibelius estava incorreto quando concluiu que “as frases da corte
do orador [isto é, os paralelos da língua oficial latina e grega reconheciam o importante
ensaio de Lösch] em vv. 2 e 3 … não têm importância no que diz respeito ao assunto
”. O uso da crítica de forma nos permitiu compreender a função do exórdio em casos
forenses não-literários e, em particular, a razão para incluí-lo na versão editada do
discurso em Atos.
Tertullus foi declarado um orador de habilidade bastante insignificante quando
contrastado com o de autores antigos. Ele também é julgado por ter produzido uma peça
inteligente de oratória. e seu trabalho descrito como "um discurso muito fraco, mal
construído", enquanto Haenchen o vê como uma invenção Lucana em que as
habilidades de Tertullus são minimizadas porque o autor é "inteligente demais para
mostrar a habilidade do advogado no manuseio". do caso real '. Dentro do próprio
discurso, Bruce sugeriu que havia um "contraste marcante entre a conclusão muito coxo
e impotente e o floreio retórico do exórdio".'. Também foi sugerido que "O discurso é
quase uma caricatura humorística, como o relato do comportamento da turba no templo
de Éfeso". Ao colocar este resumo do discurso em um cenário literário comparável e
avaliá-lo com o uso de ferramentas críticas, Tértulo é apresentado como um retor
profissional capaz, cuja captatio benevolentiae estava cuidadosamente ligada às suas
acusações, na esperança de montar um caso formidável contra Paulo. . Ele retratou
Paulo como um agitador em Jerusalém e um insurrecionista no judaísmo mundial. Foi
uma apresentação calculada para excitar o intenso interesse de Félix e do imperador
contra um judeu. "Lucas nos permite detectar que Tertullus conhece seu ofício e é um
adversário perigoso."

2. Paulo ( Atos 24: 10b-21 )


Foi sugerido por Long que a defesa começa com um curto exórdio no v. 10b , seguido
por três provas em vv. 11-20 e conclui no versículo 21 com o peroratio. A primeira
prova consiste em argumentos contra a acusação (v. 5a ) de que ele é um companheiro
pestilento e um revolucionário (vv. 11-13 ). A segunda responde às acusações religiosas
no v. 5b em w. 14–16 sobre a seita. Na terceira prova em vv. 17–20Paulo mostra que ele
veio como benfeitor da cidade de Jerusalém e do templo e, desse modo, refuta a séria
acusação de ter profanado o templo (v.6 ). O peroratio pode ser encontrado em vv. 20–
21 . Embora a divisão de Long seja atrativa, ela não está de acordo com o texto de
Atos. Ele discute,
À primeira vista, o v. 11 parece funcionar como uma narratio , mas, depois de uma
inspeção mais minuciosa, vê-se que isso vai muito bem com vv. 12–13 para formar uma
primeira prova. Não há razão para uma narratioestar presente em todos os exemplos de
oratória forense, especialmente quando o caso é tão breve que permite uma resposta
imediata às acusações.

Quintiliano é citado em apoio de sua conclusão ( 4.2.4-8 ). No entanto, Quintiliano


prossegue especificando que isso acontece apenas com a narração 'onde não há
necessidade de explicação ou onde os fatos são admitidos e toda a questão se volta para
um ponto de direito' ( 4.2.5 ). Este certamente não é o caso de Paul, como mostra sua
defesa.
A maioria das autoridades, de acordo com Quintiliano, divida o discurso de defesa
em cinco partes, Prooemium ou exórdio, narratio, probatio, Refutatio e peroratio e
defesa de Paulo como aparece nesta forma muito sumária parece ter seguido esta
divisão. O prooemium ou exórdio é encontrado no v. 10b , e a breve narratio no
v. 11 . A probatio ou confirmatio foi claramente declarada, cuja essência era que seus
acusadores careciam de provas (vv. 12-13 ). A refutatio em vv. 14–18 mostra que a
única diferença entre Paulo e seus acusadores dependia dos meios pelos quais eles e ele
adoravam o Deus de seus pais (vv. 14-15 ); que Paulo agia de acordo com essas
convicções comuns diante de Deus e dos homens, refutando qualquer sugestão de ser
um "companheiro pestilento" (v. 16 ); sua vinda a Jerusalém era unicamente com o
propósito de trazer esmolas e ofertas para suas nações (v. 17 ), e a alegação de que ele
criasse um στάσις no templo não podia suportar porque ele estava lá sem multidão ou
tumulto (v. 18 ) . No peroratio ele chamou a atenção para o fato de que aqueles que
trouxeram essa acusação estavam ausentes, contrariando o estado de direito (vv. 18-19),
e que não havia nenhuma acusação possível que os membros do Sinédrio poderiam ter
feito contra ele, exceto em relação à única frase que ele havia proferido a respeito da
ressurreição (vs. 20-21 ).
uma. O exórdio . A captatio benevolentiae , assim como a de Tertullus, fez referência à
experiência de Felix para ouvir esse caso. Paulo especificou que essa perícia era com
respeito à nação judaica e, por essa razão, ele está confiante em fazer sua defesa antes
dele. A questão para Paulo é de fato uma questão muito judaica, ou seja , a ressurreição
e, embora seja um romano, Felix possui a competência para ouvir o caso em razão de
sua experiência em assuntos judaicos. Paul refletiu a confiança que um retórico foi
encorajado a exibir. Lucas confirma o conhecimento de Felix do cristianismo ( 24:22 ).
b. O narratio e probatio ou confirmatio . O narratio simplesmente declara que o
propósito pelo qual Paulo veio era adorar (v. 11 ). A prova de Paulo foi que ele não
estava envolvido em disputar com ninguém, nem a acusação no v. 5a de στάσις manter,
pois ele não estava envolvido em ἐπιστάσις (v. 12 ). Esse foi o caso enfatizado pelo fato
de que ele não tinha se envolvido em disputar com ninguém nem tinha despertado a
multidão tanto no templo, na sinagoga ou na cidade (v. 12) .). Tem sido sugerido que
aqui vemos o uso de "discurso de advogado". Como só havia aproximadamente doze
dias desde que chegou a Jerusalém, esse assunto pôde ser verificado por
testemunhas. Paulo prontamente acrescentou que a evidência que havia sido dada no
tribunal não fundamentou essa acusação de στάσις (v. 13 ). Não havia πίστις -
prova. Essa restrição de evidência a Jerusalém, no argumento subseqüente de Paulo,
focalizaria a atenção no local em que seus acusadores, por si só, eram competentes para
fazer acusações, e Felix poderia avaliá-los.
c. A refutatio . Nesta parte do discurso, Paulo responde especificamente às acusações
apresentadas contra ele. Se Tértulo esperava ganhar alguma milhagem pelo fato de que
Paulo era um dos líderes dos nazarenos (v. 5b ), ele não conseguiu fazê-lo. Em
sua refutação, Paulo prontamente admitiu sua associação com eles. Ele adorava o Deus
de 'nossos pais' de acordo com 'o Caminho' que era chamado de um partido, αἵρεσις ,
mas acreditava tanto nas escrituras quanto na ressurreição dos justos e injustos, assim
como seus acusadores faziam (vv. 14-15 ) . Mostrar fidelidade à religião de seus
antepassados dificilmente poderia constituir uma ofensa criminal.
Ele pode, assim, refutar qualquer acusação de profanar o templo (v. 6 ). Paulo
argumentou que ele tinha se esforçado muito para ter uma consciência limpa tanto
diante de Deus quanto do homem, como sempre fizera (v. 16 ). Seu propósito ao vir a
Jerusalém foi louvável e endossado por Roma, que forneceu uma escolta armada para as
colecções judaicas (v. 17 ). No templo, ele estava em (εθʼ ὄχλου οὐδὲ μετὰ
θορύβου (v. 18 ). Nenhuma multidão o acompanhou e, no máximo, pode ter havido
quatro homens com ele cujas despesas ele pagou para se submeter ao ritual de
purificação. Sua presença no templo era inteiramente legítima ( Atos 21:23 ).
d. O peroratio . Paulo começa sua conclusão chamando a atenção para uma questão
importante sobre a qual muito no caso legalmente se sustenta ou cai, a saber , a ausência
dos acusadores, os judeus asiáticos. Com dois anacolutha é exposta a fraqueza do caso
de Tertullus com relação às supostas atividades subversivas de Paul em todo o
mundo. Ele argumentou corretamente 'mas havia certos judeus' e 'se eles tivessem algo
contra mim' (vv. 18b-19a ). A ausência de seus acusadores "pode significar a retirada da
acusação com a qual eles estavam particularmente associados", como aponta Sherwin-
White. Paul apresentou uma objeção técnica sólida. Esse aspecto do caso não suportava.
Seus promotores tiveram que apresentar provas e, nesta nota, Paulo conclui
seu peroratio. Sua defesa refutou todas as acusações que eles fizeram até agora. Ele os
convida naquele momento para trazer uma acusação sustentável de um ato criminoso
que ele havia cometido em Jerusalém, jogando a luva para os judeus presentes,
incluindo o Sumo Sacerdote, '... deixem esses homens dizerem o que fizeram de errado,
quando eu estava diante do Conselho '(v. 20 ). O único local onde eles poderiam operar
como testemunhas de acordo com a lei era Jerusalém. Paulo realmente oferece a única
acusação que seus oponentes poderiam trazer porque ele informa ao governador que
havia apenas uma frase que ele proferiu. "Com relação à ressurreição, estou sendo
julgado antes de você neste dia" (v. 21b ).
A implicação era que sua competência para atuar como testemunhas ou acusadores
se restringia àquele exame que Cláudio Lísias havia permitido (v. 21a , cf.
v. 9 e 23:28 ). O argumento de Paulo estava certo, pois ele não apenas havia
pressionado para que a acusação dos judeus asiáticos fosse abandonada, mas também
estabeleceu os parâmetros para os judeus presentes, incluindo o sumo sacerdote, agirem
de maneira legal antes de Felix e trazerem um criminoso. cobrar que poderia ser
sustentado em um tribunal de direito.
Sherwin-White observou que as acusações de Tertullus eram de fato políticas, mas a
evidência de apoio era teológica. O exame acima deste discurso forense estabeleceu a
maneira hábil em que Paulo reduziu esses encargos a um teológico. Ele mostrou que
estava sendo julgado perante o Sinédrio e Felix por afirmar "a ressurreição". O
governador teria consciência de que essa era uma questão sobre a qual os membros
daquele augusto corpo estavam profundamente divididos. A relação entre a captatio
benevolentiae e a refutatio é clara, pois o caso repousa sobre uma questão teológica que
tem a ver com 'essa nação [judaica]'.
O uso de proemium ou exórdio, narratio, probatio, refutatio e peroratio nesta
análise de forma crítica da defesa de Paulo nos ajuda a entender mais precisamente a
maneira pela qual ele refutou as graves acusações feitas contra ele. O autor de Atos
pretendia que seus leitores vissem Paulo lidando com sua defesa com grande destreza e
refutando essas acusações. Ele havia feito isso prescrevendo os limites das evidências
baseadas na lei romana, proibindo as acusações de acusadores ausentes, usando
terminologia forense e, não menos importante, apresentando uma defesa bem
argumentada, mesmo que preservada de forma sumária. Paulo conduzia sua própria
defesa de maneira competente contra um orador forense profissional.

3. Paulo ( Atos 26: 1–23 )


Embora não tenhamos exemplos existentes dos procedimentos oficiais que registram as
audiências, primeira e subsequente, como no caso de Paulo, há evidências de uma
petição e uma audiência resumida do mesmo caso. Dado que as petições oficiais
delinearam o caso apresentado no processo oficial, esta prova combinada justifica o
exame antes de procedermos à investigação das audiências subsequentes.
A petição já foi examinada, a saber , P. Ryl. 114, com o habitual exórdio ( ll. 1-6),
a narratio introduzido claramente com τὸ δὲ πρᾶγμα οὕτως ἔχει ( ll. 6-7),
a confirmatio com ἐπεὶ δέ ( l. 18), seguido pelo Refutatio com ὥστε em eu. 27 e
o peroratio com ὅπως em l. 29. O processo oficial da segunda audiência está registrado
em P. Thead. 15 e este último segue o esboço da narratio( ll. 3–13), confirmatio ( ll.13–
15a) e o peroratio ( ll.15b-16). O mesmo orador apresentou ambos. Uma das
características interessantes é uma ligeira mudança de ênfase na forma como o mesmo
caso foi apresentado na retomada da audiência. Embora se faça uso do pathos da viúva
em ambos os documentos, na petição ela enfatiza o poder de seu oponente, um oficial,
que é acusado não apenas de levar ovelhas que seu falecido marido roçou, com
permissão, no terra do réu, mas também tendo dívidas de milho dela sem emitir um
recibo. Seus filhos aparecem nela apenas de forma secundária, ligados às suas perdas
pelas mãos do réu. A petição é anotada pelo prefeito instruindo que o caso deve ser
investigado "com a máxima equidade" ( l.35). Na audiência que foi retomada cerca de
dois meses depois, as crianças que estão agora presentes no processo são aquelas em
cujo nome o retor pede que as ovelhas sejam devolvidas a elas tanto no final
da narratio quanto no peroratio. Muito é feito na retomada do fracasso do réu para
aparecer. Seu representante defende a ausência dos negócios do Tesouro, mas relata a
promessa de responder às acusações contra ele. É o mesmo caso, mas o retor, sentindo o
não-comparecimento do réu, fortalece a posição de seu cliente e também pede uma
liminar contra ele, caso ele “fuja da justiça” ( l. 19). Comparações podem ser feitas entre
as diferentes ênfases nas duas audiências deste caso. Estes também podem ser
detectados nas apresentações das defesas de Paulo antes de Félix e Festo na presença de
Agripa. Isso será notado ao final da análise da estrutura de Atos 26: 2-23 .
J. Neyrey confina sua análise deste discurso ao exórdio, narratio e confirmatio. Ele
propõe que o exórdio seja encontrado em vv. 2-5 com um apelo ao juiz e uma referência
ao 'ethos do falante'; a narratiocobre a 'questão principal' (vv. 6–7 ), o 'motivo
justificador' (vv. 16-20 ) e o 'ponto da decisão do juiz' (vv. 6–8 ); o confirmatio consiste
na 'testemunha' (v. 16 ), a prova (vv. 12-18 ), o sinal (v. 13 ), as testemunhas
corroborantes (v. 5 , 12-13) e as probabilidades (vv. 14-18 ). Enquanto seu ensaio
fornece algumas informações importantes sobre os detalhes do discurso em Atos 26 ,
sua comparação com Atos 22: 1–21 predetermina grande parte de sua análise da forma,
embora Lucas não apresente estritamente como um discurso forense. Quando ele faz
comparações com o discurso antes de Félix em Atos 24: 10b-23a, ele não vê
nenhum exórdio no discurso de Paulo, simplesmente a "questão principal" (vv. 10-
20 com os vv. 14-15 e 21 ) o "ponto para o decisão do juiz ». No principal, ele restringiu
sua análise de Atos 26 a De Inventione, de Cícero.a partir do qual nove tópicos são
enunciados para o desenvolvimento do confirmatio de um discurso, embora Neyrey os
invoque para o narratio e não a seção que ele designa o confirmatio. Sua intenção no
ensaio de discutir em parte a "forma" falha por causa disso. Ele também parece não ter
apreciado suficientemente a distinção entre a forma convencional de um discurso e seu
conteúdo. Uma divisão alternativa do resumo de Lucas do discurso de Paulo é oferecida
com base na crítica formal das petições que refletem a discussão de manuais
retóricos. Isso não requer o deslocamento do texto.
uma. O exórdio . Isso pode ser encontrado em vv. 2–3 com o captatio benevolentiae de
Agrippa expressando prazer que ele pode fazer sua 'defesa' antes de um que é um perito
em 'todos os costumes e perguntas' dos judeus, cf. uma declaração similar succinet
em 24: 10b . Paul segue a convenção de que o papel da captatio benevolentiae é
enfatizar a competência do juiz para ouvir o caso e ligá-lo à narratioonde os costumes e
questões judaicas formam a essência do caso. O exórdio termina com um apelo por uma
audiência paciente por parte do rei.
b. O narratio . Nos vv. 4–18 Paulo explica sua educação desde a juventude - como
judeu em Jerusalém e sua vida como fariseu. Ele afirma que ele está diante do tribunal
desta corte romana por causa da "esperança da promessa feita por Deus aos pais". Essa
promessa foi feita às doze tribos que estão sinceramente servindo a Deus na expectativa
de alcançar a esperança. É com relação a essa esperança que Paulo está no
tribunal. Paulo relata isso à ressurreição que ele uma vez pensou ser absolutamente
impossível - uma referência à ressurreição de Jesus como a discussão subseqüente
revela quando ele revela sua oposição original a ele e as circunstâncias que envolvem
sua conversão e comissionamento finais.
c. O confirmatio : Isto começa com ὅθεν no v. 19 como também em P. Oxy. 2131 de P.
Fouad 26. Aqui Paulo atesta que ele não foi desobediente à sua comissão, pois ele
começou em Damasco, mudou-se para Jerusalém e Judéia e, finalmente, para os gentios
pedindo arrependimento genuíno.
d. A refutatio . No verso 21 há a refutação da acusação originalmente feita contra Paulo
pelos judeus sob Félix de que eles tentaram prendê-lo por causa da suposta conduta
criminosa no templo ( Atos 24: 6 ). Ele afirma que ele só tinha procurado cumprir sua
comissão de Deus, e ao fazê-lo os judeus tentaram prendê-lo e assassiná-lo.
e. O peroratio : Isto é sinalizado com a declaração ἐπικουρίας οὖν τυχὼν . Qualquer
discurso forense contém um pedido de ajuda, para o qual o uso do verbo τυγχανεῖν é
padrão. Paulo reconhece a ajuda de Deus em contraste com o pedido do oficial pelos
peticionários, quer sejam os prefeitos do Egito ou um governador da
Judéia. Sua peroratio afirma que ele continua a este momento testemunhando apenas ao
que Moisés e os profetas ensinou sobre a vinda do Messias, viz sua morte e ressurreição,
tendo este último resultou na proclamação da luz para a judeus e gentios (vv. 22-23 ).
As diferenças entre os discursos de Atos 24 e 26 podem ser prontamente
explicadas. Em Atos 24 Paulo está lutando por sua vida e sua defesa que visa reduzir a
carga de uma ofensa capital simplesmente uma questão teológica, a saber o assunto da
ressurreição, que afirmou perante o Sinédrio ( 23: 6 , cf. 24: 2 ) . O tema deste último
discurso ainda é a prometida ressurreição ( Atos 26: 6–8 , 22–23 ), embora o contexto
no qual ele é entregue seja diferente. Festo, na presença de Agripa, os principais
capitães e principais da cidade de Cesaréia de Filipe, declarou a inocência de Paulo de
qualquer ofensa capital (25: 24–5 ), e aqui ele está procurando ajuda para formular o
memorando requerido a ser encaminhado a Roma para o apelo. O discurso em Atos 26 é
registrado principalmente por Lucas porque é o cumprimento da promessa de Deus que
Paulo daria testemunho perante os reis ( Atos 9:15 ). Este último discurso substancial é
dirigido ao rei Agripa ( 26.2ss ). As diferenças de ênfase em Atos 24 e 26 são tão
explicáveis quanto no caso da viúva e de seus filhos em P. Ryl. 114 e P. Thead. 15.
Enquanto as circunstâncias intervenientes moldavam a apresentação subsequente, a
essência dos casos permaneceu inalterada.

IV. Discursos forenses em composições literárias


O gênero e a estrutura dos discursos forenses em Atos foram submetidos a uma análise
crítica formal e foram considerados comparáveis aos procedimentos oficiais. Ao
contrário do último, aqueles em Atos pertencem a um ambiente literário, sendo parte de
um trabalho muito mais amplo. Encontramos discursos forenses em contextos
comparáveis na literatura antiga nesse período?
Há o exemplo da defesa de Servius Servilius em seu julgamento por uma ofensa
capital que é parte dos eventos registrados de um ano particular em As Antiguidades
Romanas de um antigo historiador do início do império, Dionísio de Halicarnasso
( 9.28-32 ). É uma oratio recta muito habilmente construída e apresentada . Há um
longo exórdio em que ele teve que assegurar a boa vontade de seus ouvintes, pois seus
acusadores haviam montado um caso poderoso, mas injusto, contra ele (29.1-
3a). Na narratio os fatos de seu consulado, e o confirmatio , são explicitamente
definidos 29.3b-4a e 4b, como estão no discurso de Tertullus. A refutatio que começa
comοὖν 29,5 aborda três questões cruciais para a defesa, a saber se uma geral é
responsável pela morte de seus soldados, mesmo que ele finalmente ganha a batalha, se
é direito de acusá-lo de inexperiência e imprudência e não traição e covardia, ἐπειδὴ δέ (
31.1), e se é certo expressar seu ódio por ele por uma questão externa ao caso,
a saber , a alocação de terra que se relaciona com os deveres do senado, περὶ
δέ (32.1). O peroratioé brevemente feito (32.7). Se for considerado culpado, isso
significaria que, diante de qualquer derrota na batalha, um general poderia ser
condenado à morte. Percebeu-se que tal veredicto "prejudicaria a comunidade se
castigassem seus generais por serem desafortunados", ou seja, os deuses não garantem a
vitória. Dois pontos emergem disso. O discurso para a promotoria é produzido oratio
obliqua e do réu oratio recta.Seus acusadores poderiam muito bem refletir os
procedimentos oficiais que foram registrados assim no início do primeiro século, e por
causa de sua extensão, seu discurso pode muito bem ter sido a defesa refletindo a
essência ou o discurso real. Este também foi um ensaio muito importante e foi realizado
por causa do precedente indesejável e de longo alcance que se estabeleceria no exército
(28.3). Sua inclusão nos eventos daquele ano é explicável.
Discursos como estes desempenham um papel importante nas obras literárias, da
mesma forma que os discursos forenses fizeram para Lucas. Atos 24–26 foi crucial para
seu tema da inocência de Paulo e a razão de seu apelo a César. Eles também mostram
como Paulo cumpriu sua comissão de testemunhar a ressurreição de Jesus perante os
reis, isto é, os vice-reitores do imperador e Agripa. Eles fazem parte de um segmento
maior em Atos, começando no capítulo 21 e concluindo com Paulo em Roma. Ele foi
libertado dos judeus em Jerusalém e Cesaréia, do naufrágio na tempestade e da mordida
da serpente em Malta. Foi um sinal de proteção providencial quando as suposições
pagãs maltesas de que "a justiça não lhe permitia viver" ( Atos 28: 4).) estavam
erradas. Paulo chega a Roma para testemunhar ali o senhorio de Jesus Cristo sem deixar
nem impedir ( Atos 28:31 ).

V. Conclusões
Uma análise crítica de forma de petições jurídicas escritas por reitores que procuraram
iniciar processos judiciais em nome de clientes e procedimentos oficiais, quando
comparados com os principais discursos em Atos 24–26, esclarece nossa compreensão
das divisões retóricas no segundo. Lendo-os à luz dos conselhos dados nos manuais
sobre discursos forenses, especialmente os trabalhos de Cícero e Quintiliano, mostra
que aqueles em Atos 24–26 seguem as convenções recomendadas nos manuais. Essa
análise auxilia na recuperação de algo da importância desses discursos.
A mão redacional de Lucas também é extremamente importante para entender as
questões legais nessas passagens. Seu conhecimento da importância da exórdia nos
discursos forenses era um fator-chave que influenciava sua cuidadosa redação de partes
relevantes de suas fontes. Ele foi capaz de criá-los da maneira útil que fez para seus
leitores precisamente por causa de seu conhecimento da importante função que
a captatio benevolentiae exercia dentro do exórdio , destacando os respectivos casos a
serem delineados na narratio.Em estudos recentes, a ênfase foi justamente colocada nas
habilidades literárias de Lucas como o autor de Atos. Ao reconhecê-las, isso não
significa necessariamente que nos discursos forenses a mão de Lucas deve ser
automaticamente vista como o compositor. O fato de ele ter assumido a tarefa de editar
fontes forenses tornaria seus esforços literários não menos significativos.
A conclusão do último parágrafo pressupõe o possível uso de fontes oficiais. Em
qualquer narrativa do século I dC que pretenda ser um resumo de discursos forenses
perante um tribunal romano, o uso de fontes legais não seria descartado de imediato
pelo leitor contemporâneo. A possibilidade então não pode ser descartada em Atos 23:
26-26: 23.documentos legais e procedimentos oficiais podem estar por trás das
narrativas. As fontes usadas por Lucas há muito tempo são mantidas por alguns e
negadas por outros. Por exemplo, Cadbury sugeriu: "É duvidoso se o escritor teve
acesso a quaisquer registros oficiais como os que nos são conhecidos dos papiros
egípcios" e E. Haenchen afirma categoricamente que "os discursos de Tertullus e Paul
não oferecem nenhum texto original". '. No entanto, nem todos chegaram a essa
conclusão. Cem anos atrás, Blass argumentou com base nas palavras usadas em Atos
26: 2-23.que foi obra de Paulo e não de Lucas. Na década de 1930, dois estudiosos
submeteram o discurso de Tertulio a um exame detalhado. Lösch argumentou que era o
trabalho daquele orador e não de Lucas, e Sizoo sentiu que as anotações haviam sido
feitas no tribunal do discurso do defensor dos judeus. Mais recentemente, Bruce declara
sem elaboração: "É concebível ... Lucas tinha à sua disposição algum documento que
teve um papel no julgamento de Paul". Maddox acreditava que "Lucas está compondo
livremente" no capítulo 24, embora nos capítulos 24 e 26ele é controlado por uma
tradição que remonta ao próprio Paulo. Lüdemann argumentou que "Lucas tinha um
relato do julgamento de Paulo em Cesaréia antes de Festo". Comentários como "A
maioria dos estudiosos de hoje, sob a influência de Haenchen, considera a investigação
das fontes de Lucas como um empreendimento sem saída" dão a impressão de que tal
investigação é infrutífera. A acessibilidade ao material oficial sugeriria que não é
necessariamente assim. Às vezes também é esquecido que o texto dos Atos em si pode
não ser sem o seu próprio indício de que o uso foi feito de fontes forenses. Ao incluir
uma cópia da carta oficial ( Atos 23: 26-30 ), Lucas pretendia assinalar aos seus
primeiros leitores, entre outras coisas, que agora estaria recorrendo a fontes primárias
para relatar o processo judicial perante governadores (Atos 24–26 )
Quando os discursos forenses em outras obras literárias de escritores do primeiro
século, como Dionísio de Halicarnasso, são comparados com os de At 24ss., o último
acrescenta um importante estudo de caso sobre litígios para o historiador antigo. A
narrativa de Lucas é uma aparição de algumas das complexidades do litígio criminal no
primeiro século, à medida que prossegue por três audiências perante dois governadores
romanos no Oriente. Atos registra a audiência inicial de um caso, sua suspensão por um
período muito longo, e sua retomada sob outro governador quando o prisioneiro
recorreu ao imperador por causa do perigo de ser assassinado ou considerado culpado
porque o curso da justiça poderia ser corrompido se transferido para outro centro de
treinamento. Além disso, há a declaração da inocência do prisioneiro pelo juiz de
primeira instância e um rei sujeito quando a audiência foi retomada na presença dos
principais funcionários cívicos como o memorando legal necessário estava sendo
elaborado para acompanhar o prisioneiro para Roma.Metamorphoses ou The Golden
Ass provou ser uma fonte valiosa para historiadores antigos que estão interessados em
entender atividades forenses em Corinto e no Oriente em geral.
Finalmente, esta investigação mostrou que a discussão de discursos em Atos por
acadêmicos precisa ser matizada. A importância de avaliar os discursos públicos em
Atos no contexto de um determinado gênero foi discutida no capítulo anterior. Este
capítulo procurou demonstrar as conclusões sobre os discursos forenses em Atos
24ff. pode ser desenhada com mais confiança quando analisada em conjunto com
material comparável com o uso da forma de ferramentas críticas que são fornecidas
pelos manuais retóricos.

CAPÍTULO 12
ATOS CONTRA O ANTECEDENTE DA RETÓRICA
CLÁSSICA
Philip E. Satterthwaite

Resumo
O capítulo argumenta que as técnicas literárias de Atos foram fortemente influenciadas pelas
convenções retóricas clássicas. Lucas, como a maioria dos homens cultos de sua época, escreve
como alguém treinado nessas convenções. O capítulo faz muitas comparações entre Atos e
literatura clássica, especialmente tratados retóricos clássicos. Começa com (1) um breve
levantamento da retórica clássica e compara Atos e Retórica Clássica sob os títulos de (2)
'Invenção / Arranjo' e (3) 'Estilo'. Conclui-se que tal estudo nos ajuda a entender os propósitos
de Lucas ao escrever Atos, e a formar uma imagem mais clara sobre como os Atos poderiam ter
sido recebidos por um público consciente das convenções retóricas.
Uma série de estudos recentes examinou livros do Novo Testamento à luz da retórica
clássica. Este capítulo oferecerá um estudo similar de Atos; não se concentrando em um
gênero retórico específico e tentando entender Atos à luz desse gênero (um aspecto
coberto por alguns dos outros capítulos deste volume), mas sim sobre a retórica de uma
maneira mais geral, como um fenómeno difundido no contexto greco-romano. mundo,
que parece ter influenciado a apresentação de Lucas de seu material em Atos de várias
maneiras. A abordagem geral adotada, portanto, é semelhante à do estudo recente de
Morgenthaler sobre Lucas-Atos à luz da Institutio Oratoria de Quintiliano ; embora as
conclusões detalhadas alcançadas sejam frequentemente diferentes.

I. Retórica Clássica: Um Breve Inquérito


A retórica tem a ver com a persuasão, especificamente com os poderes persuasivos das
palavras, faladas ou escritas. É claro que os escritores clássicos sobre o assunto
pensaram nisso. É útil, seguindo Kennedy, distinguir entre a retórica "primária", a arte
do discurso público persuasivo como parte da vida social e civil, e a retórica
"secundária", o uso das técnicas de retórica "primária" na literatura cujo foco principal
não é um discurso público; por exemplo, relatos históricos, tratados filosóficos, drama e
poesia. Assim como a retórica "primária", a retórica "secundária" visa persuadir o leitor
ou ouvinte e, idealmente, exibirá muitas das mesmas virtudes (por exemplo, clareza,
capacidade de manter o interesse do público); mas o cenário é diferente e o objetivo
geralmente não é influenciar o público-alvo para uma determinada decisão política ou
veredicto na lei, mas recomendar uma certa visão da vida ou interpretação de eventos
passados. Como os objetivos de ambos os tipos de retórica podem, às vezes, se
sobrepor, essa distinção não é absoluta.
Certamente a retórica, tanto "primária" como "secundária", foi uma característica
importante da vida cultural, cívica e política greco-romana, e podemos traçar sua
influência a partir dos discursos proferidos pelos personagens de Ilíada e Odisseia de
Homero. (comumente datado do século 8 aC) até os séculos 1 aC e AD (que será nosso
foco principal) e muito além. As principais indicações da importância da retórica para
os gregos e os romanos devem ser encontradas não apenas nos muitos discursos
políticos, legais e panegíricos escritos pelos gregos e romanos, e na grande quantidade
de literatura greco-romana que exibe retórica (incluindo poesia épica, drama, poesia
lírica, historiografia e diálogo filosófico), mas também nos numerosos tratamentos
teóricos da retórica que chegaram até nós, entre eles A arte da retórica de
Aristóteles ( c. 330 aC), De Cícero Oratore (55 aC), Brutus ( c. 46 aC) e Orator (46 aC)
e a Institutio Oratoria de Quintiliano ( c. 95 dC). A seguir, vou me concentrar no século
I aC e no século I dC Deve-se ter em mente, contudo, que a prática retórica e a teoria
desses séculos têm raízes que remontam ao passado. Muito nos tratados retóricos desse
período, por exemplo, remonta a Aristóteles. Escritores posteriores estavam conscientes
de estar em uma longa tradição de discussão teórica.
Os tratados teóricos estão principalmente (embora não exclusivamente) preocupados
com falar em público, e contêm discussão detalhada de uma ampla gama de assuntos
relevantes para falar em público: os vários tipos de falar em público (forense,
deliberativo, epidêmico); os objetivos do orador (apresentar um argumento claro,
agradar seus ouvintes, mover seus ouvintes); as cinco partes do oratório, ou as cinco
tarefas de um orador quando ele se prepara para falar em público, resumidas sob as
palavras Invenção, Arranjo, Estilo, Memória e Entrega; o treinamento apropriado para
um orador desde a infância.
Os tratados também contêm pesquisas interessantes de oradores públicos do passado
e do presente, e também da literatura de gerações anteriores. Grande parte dessa
discussão reflete um interesse permanente na questão do estilo e na questão de quais
escritores são modelos apropriados para os oradores imitarem. A leitura desses tratados
deixa uma com uma impressão clara de como a retórica central foi para o esforço
literário no mundo greco-romano nos séculos I aC e AD
Este aspecto também surge quando consideramos a educação grega e romana. O
ensino da retórica, ligado pela tradição ao surgimento da democracia nas cidades-estado
gregas no século V, espalhou-se amplamente pelo mundo mediterrâneo com a
disseminação da civilização helenística no final do século IV. O estilo helenístico de
educação foi oportunamente adotado em Roma, na medida em que a educação romana,
particularmente os níveis mais altos de educação, era basicamente uma educação em
retórica. Os relatos de Cícero de seu próprio treinamento inicial e de seu contemporâneo
Hortensius são evidências primárias interessantes para o século I aC No entanto, a mais
extensa declaração teórica antiga sobre educação (baseada em muita experiência prática
de ensino) é a de Quintilian, Institutio Oratoria , Books. 1–2, que trata de todas as
etapas da educação e educação dos meninos. Listar simplesmente alguns dos tópicos
que ele aborda dá uma idéia da importância da retórica em Roma: a necessidade de
cuidado na escolha da enfermeira e do pedigogo para a criança ( 1.1.4-11 ); ensinar a
criança a ler e pronunciar palavras ( 1.1.12-37 ); a necessidade de cuidados na escolha
do primeiro professor ( praeceptor ) ( 1,2 ); ensinar meninos a ler e escrever ( 1.3 ); a
próxima etapa da educação, sob um grammaticus , englobando os primórdios do estudo
da literatura, gramática (particularmente morfologia) ( 1.4 ), estilo, uso correto e
pronúncia ( 1.5-6), ortografia correcta ( 1.7 ), leitura em voz alta e elementos de crítica
literária ( 1.8 ), várias formas de composição literária ( 1.9 ), bem como o estudo
auxiliar de outras disciplinas como música, geometria e matemática ( 1.10 ) e exercício
físico ( 1,11 ); a necessidade de cuidado na escolha de um retor , o professor que
supervisionará o estágio final da educação ( 2.1-2 ); questões a serem tratadas
pelo retórico , incluindo composições escritas mais longas (narrativas, provas e
refutações, panegíricos e denúncias, argumentos a favor e contra várias posições) ( 2.4 ),
declamação ( 2.6) e trabalho de memória ( 2.7 ). Obviamente, as diretrizes de
Quintiliano representam um ideal que nem sempre foi alcançado; no entanto, eles ainda
dão uma ideia de como a retórica dominou a educação em Roma.
O que era verdade em Roma tornou-se cada vez mais verdadeiro em todo o Império
Romano. A Palestina fora afetada em um estágio anterior pela disseminação da cultura
helenística pelo Mediterrâneo Oriental; havia homens de renome na literatura grega que
vieram da Palestina a partir do século III aC.
Em vista do valor que foi colocado na retórica no mundo greco-romano, não é de
surpreender que obras de literatura que não sejam discursos escritos para entrega
pública tenham sido afetadas por ideais e métodos retóricos; A retórica "primária"
naturalmente gera uma retórica "secundária". Assim, os tratados retóricos abordam a
poesia ou a historiografia basicamente da mesma maneira que abordam o falar em
público. Encontramos, por exemplo, Antonius em De Oratore, de Cícero, defendendo
uma visão da retórica como uma arte da fala que irá equipá-la para qualquer
eventualidade (ele especifica o panegírico, a composição dos despachos oficiais, a
redação da história e falando sobre toda uma gama de tópicos abstratos). Lucian ( sobre
como escrever história) faz comentários estilísticos em conexão com a escrita da
história, semelhantes aos feitos por Cícero sobre falar em público: a necessidade de
veracidade, fidelidade aos fatos ( 24-32 , 37-42 , 47-51 ; cf. De Oratore, 2.24.99-
27.102). ); a conveniência de evitar um estilo sobrecarregado de dialética e silogismos
( 17 ; cf. De Oratore 1.51.219–54.233; 2.38.157–161); a necessidade de cultivar um
estilo natural, que evite extremos de estilo e uso excessivo de "passagens roxas" ( 43-
46 ; cf. De Oratore, 3.25-26).
De maneira semelhante, os tratados retóricos recomendam a leitura da literatura
como uma maneira de desenvolver um estilo de fala, e em ocasiões incluem avaliações
estilísticas de épico, tragédia, historiografia e assim por diante. Duas das passagens mais
extensas estão em Quintiliano, Institutio Oratoria 1.8.1–21 (lidando com material
adequado para uso nas fases elementares da educação) e 10.1–130(com referência a
uma fase mais avançada). A longa pesquisa de Quintiliano em 10.1.1–130 se move
livremente entre oradores, escritores de épicos, trágicos e historiadores, sem nenhuma
sugestão de que categorias drasticamente diferentes devem se aplicar a cada gênero.
À luz dessas considerações, parece legítimo usar o material nos tratados que se
refere ao falar em público como um padrão de comparação para a "retórica
secundária". Parece particularmente apropriado estudar Atos contra o pano de fundo da
retórica clássica, tendo em vista os prefácios de Lucas e Atos ( Lc 1: 1-4 ; Atos 1: 1-2 )
que, qualquer que seja o preciso nicho genérico a que se estabelecem reivindicação,
parecem mostrar uma consciência de convenções retóricas reconhecidamente clássicas.
No que se segue, muitos elos serão traçados entre o livro de Atos e os tratados
retóricos clássicos. No entanto, existem dois aspectos em que esses tratados são
limitados. Em primeiro lugar, eles devem, por natureza, generalizar a partir de (no
máximo) um pequeno número de exemplos, e não cobrir todos os usos possíveis,
mesmo das técnicas literárias que discutem. Em segundo lugar, há algumas técnicas
literárias que parecem não ser adequadas a discursos públicos, o que não se espera que
ocorram nos tratados retóricos. Por estas razões, será oportuno referir-se ocasionalmente
às obras gregas e romanas que exibem "retórica secundária", especialmente épica e
historiográfica.
De acordo com uma apresentação padrão, a oratória pode ser dividida em cinco
partes, correspondendo a cinco tarefas do orador enquanto ele prepara um discurso. São
eles: invenção ( inventio ), seleção de fatos e elaboração de argumentos para uso no
discurso; arranjo ( dispositio ), a estruturação desses fatos e argumentos em uma
estrutura coerente e persuasiva; estilo ( elocutio ), o elenco do discurso em uma forma
esteticamente agradável em todos os seus detalhes; memória ( memoria ), aprendendo a
fala de cor em preparação para o parto; entrega ( pronunciatio), com controle de voz,
gestos apropriados e assim por diante. Embora a memória e a entrega não sejam
relevantes aqui, a invenção, o arranjo e o estilo fornecem categorias úteis sob as quais
tratar o livro de Atos. Em primeiro lugar, consideraremos Atos do ponto de vista da
invenção e do arranjo, tratando esses dois aspectos como intimamente relacionados e,
então, do ponto de vista do estilo.
A cobertura dos Atos será seletiva: algumas passagens serão discutidas em
profundidade e outras mais brevemente, com uma referência a uma discussão mais
detalhada em outros lugares. Algumas passagens serão citadas mais de uma vez.

II. Invenção / Arranjo


Os tratados retóricos têm muito a dizer sobre a escolha do material e sobre o arranjo
desse material: é preciso selecionar cuidadosamente os argumentos, e é preciso ser
igualmente cuidadoso ao apresentá-los com eficácia. A maior parte do que é dito sobre
este tópico tem discursos em vista, mas afirmações semelhantes podem ser encontradas
em relação a outros gêneros literários; por exemplo, a descrição de Lucian do
historiador procurando cuidadosamente testemunhas, avaliando relatos conflitantes,
reunindo fatos e organizando-os em uma narrativa que apresentará esses fatos da
maneira mais clara e coerente.
Ao falar de seleção e arranjo, os escritores dos tratados não estão, de modo algum,
preocupados apenas com o conteúdo e a estrutura lógica dos discursos: uma de suas
principais ênfases é como construir um discurso que seja persuasivo. A escolha do
material é governada pela questão do que se prestará a uma apresentação eficaz e
convincente. Da mesma forma, muito do que é dito sobre arranjos lida com isso como
um meio de aumentar o poder persuasivo de um discurso: tipicamente, declarações
sobre a importância de organizar bem suas idéias serão colocadas no contexto de um
tratamento extensivo de quais tipos de argumentos. será mais convincente em
circunstâncias particulares, quando se deve apresentar os argumentos mais fortes, como
lidar com argumentos ou fatos potencialmente prejudiciais para o próprio caso, e assim
por diante.
Um aspecto importante de ambos os discursos e narrativas é a questão das
proporções, que envolve tanto a escolha quanto o arranjo do material. A passagem mais
imediatamente relevante para os nossos propósitos é Luciano, Sobre Como Escrever a
História 56–57 (cf. caps. 27–8) em que Lucian afirma que um escritor deve tomar
cuidado para não desperdiçar palavras em assuntos não essenciais, mas deve passar por
eles rapidamente, a fim de se concentrar no que é mais importante para seus
propósitos. Cícero, Quintiliano e Longino têm comentários um pouco semelhantes sobre
"amplificação" ou "embelezamento": às vezes, será apropriado insistir em um ponto; às
vezes, um vai querer passar por vários pontos rapidamente. No entanto, a
"amplificação", como tratada por esses escritores, não é simplesmente uma questão de
quanto tempo se gasta em um ponto, mas também de empregar várias formas de dicção
aumentada, e desenvolver linhas adicionais de argumentação que apoiarão o ponto
principal. Cícero observa que ele é empregado com mais eficácia na tentativa de
convencer uma audiência ou conquistar seu apoio. A questão das proporções, em outras
palavras, é (novamente) uma estratégia persuasiva.
Finalmente, a fala ou narrativa deve fluir bem. Um deles visa garantir o interesse do
público no início e depois conduzi-lo, passo a passo. Deve-se definir brevemente a
questão central do caso ou declarar o tópico de alguém e, então, mover-se naturalmente
para o corpo principal do que se tem a dizer, indo de ponto a ponto com transições
suaves entre cada ponto.
Com este preâmbulo, nos voltamos para uma consideração de aspectos mais
específicos da invenção e arranjo em Atos, sob as seguintes cabeças: (1) escolha do
material; (2) arranjo em grande escala; (3) proporções narrativas; (4) arranjo de pequena
escala; (5) discursos; (6) estrutura da fala; (7) comentário implícito.

1. Escolha do material
Uma discussão sobre a escolha do material de Lucas em Atos está ligada à questão dos
propósitos de Lucas ao escrever o livro (e ao seu companheiro o volume do Evangelho
de Lucas): para que ele estava escolhendo seu material? Respostas diferentes foram
dadas a essa questão, muitas das quais têm algo a ser dito para elas, e que não são
necessariamente mutuamente exclusivas. Claramente, Lucas e os Atos juntos são
apresentados pelo escritor como uma narrativa precisa e autorizada da vida e ministério
de Jesus e da expansão da igreja que deu testemunho a ele como Senhor ressurreto
(ver Lc. 1: 1–4 e Atos 1). : 1–2); e esse objetivo por si só explica a presença de grande
parte do material que encontramos em Atos: houve alguns eventos que simplesmente
precisaram ser incluídos para criar uma narrativa inteligível e coerente, momentos-
chave na história da igreja e momentos chave. figuras que tiveram que ser incluídas na
conta. Mas, como observa Marshall, essa abordagem só nos levará até aqui: os atos,
embora coerentes, tornam-se cada vez mais seletivos. Isso leva à sugestão de que Lucas
tem uma intenção mais concentrada e apologética.
De acordo com Maddox e Johnson, Lucas-Atos tenta mostrar que Jesus e a igreja
que ele fundou foram o cumprimento de Deus de suas promessas a Israel, assegurando
assim aos crentes judeus e gentios a confiabilidade da mensagem que ouviram e da
fidelidade de Deus. Isso explica bem grande parte do material de Atos: o grande número
de citações e alusões do Antigo Testamento em Atos; as passagens em Atos que falam
de cumprimento (por exemplo, os discursos de Pedro em 2: 14–39 e 3: 12–26 , o
discurso de Paulo às 13: 16–41 , cf. 26: 19–23 ); a insistência de que a morte de Cristo
foi predita nas Escrituras ( 2: 22-35 ; 8: 32-35 ; 13: 26-37 ; 26:23); e (de modo algum o
aspecto menos importante) o considerável espaço dado em Atos para explicar a rejeição
da mensagem cristã por muitos judeus e sua aceitação por muitos gentios, ambos
também vistos como um cumprimento da Escritura (ver respectivamente cap. 7 ; 13 :
40–41 ; 28: 25–28 e 13: 46–48 ; 15: 15–18 ).
Dentro desse arcabouço básico, há outros refinamentos que podemos
introduzir. Podemos observar, com Squires, que uma apresentação do cristianismo
como religião com raízes que se estendem até a antiguidade talvez o recomendaria a
pagãos interessados, suspeitos de novidade na religião. Para Squires, o tema do "plano
de Deus" é uma vertente importante que atravessa Atos e é particularmente enfatizado
nos discursos.
Podemos notar uma ênfase nos cristãos como cidadãos cumpridores da lei que não
ameaçarão a estabilidade política do Império Romano. Isso aparece mais claramente no
retrato de Paulo no último terço do livro como um cidadão romano capaz de assegurar
um bom tratamento nas mãos de uma sucessão de magistrados romanos (por
exemplo, 16: 37-40 ; 18: 12-17 ; 22: 24–29 ; 23: 23–35 ) e defender-se antes deles ( 24:
1–23 ; 26: 1–32 ). Também está implícito no fato de que em duas ocasiões é feito um
contraste entre apóstolos e indivíduos conhecidos por estarem envolvidos em sedição
( 5: 35-37 ; 21: 37-40).), e no fato de que todas as assembléias desordenadas e
incidentes de comportamento tumultuado ou criminoso em Atos são causados por
oponentes do evangelho, além de quem os cristãos emergem como indivíduos pacíficos
( 6: 10-14 ; 13: 50-52 ; 14: 5–7 , 19 ; 16: 19–24 ; 17: 5–9 ; 19: 23–40 ; 21: 27–34 ; 23:
12–15 ; 25: 1–3 ). Certamente podemos imaginar Lucas desejando defender o
cristianismo contra a acusação de ser intrinsecamente sedicioso.
Este não foi um argumento inteiramente circular (deduzindo os propósitos de Lucas
de sua seleção de material, e então usando esses propósitos para explicar por que o
material foi selecionado). As questões que mencionamos são as que, em geral, podemos
imaginar ter sido, de maneiras diferentes, pressionando pela igreja primitiva. Quando
nos aproximamos de Atos com essas questões em mente, descobrimos que o material
que Lucas apresenta é de fato bem calculado para tratar de tais questões.

2. Acordo: em grande escala


É comum notar que existem padrões e temas que correm através de Atos e o
unificam. A mais óbvia delas é a propagação da mensagem de Cristo por todo o mundo
mediterrâneo, começando em Jerusalém e indo cada vez mais longe de seu ponto de
partida até o final do livro, o apóstolo Paulo está pregando a Cristo em Roma, a capital.
do mundo gentio. Os Atos se dividem em quatro seções, cada uma delas
aproximadamente igual em comprimento, e cada uma delas vê um novo estágio nessa
propagação: 1: 1-7: 60 , que se concentra em eventos em Jerusalém; 8: 1–14: 28 , na
qual o evangelho alcança os samaritanos, “os que temem a Deus” e os gentios, e a igreja
em Antioquia se torna uma base para a jornada missionária de Paulo e Barnabé; 15: 21-
17: 17, em que o conselho de Jerusalém coloca os judeus e os gentios em pé de
igualdade na igreja, e as viagens missionárias de Paulo o levam ainda mais longe no
mundo gentio, até que ele retorna a Jerusalém com o objetivo adicional de ir a
Roma; 21: 18–28: 31 , descrevendo a prisão de Paulo e os longos atrasos antes de
finalmente chegar a Roma.
Há declarações resumidas que aparecem mais ou menos no início e no final de cada
uma dessas seções e esclarecem melhor a apresentação: 1: 6–8 , que mapeia muito o que
se segue; 8: 1–4 , que observa como o evangelho se espalhou para fora de Jerusalém
como resultado da perseguição (retomada em 11: 19–20 , seguida pela fundação da
igreja em Antioquia); 14:27 , concluindo a primeira viagem missionária de Paulo e
Barnabé com uma declaração de como Deus tem estado em ação entre os
gentios; 21:29 , uma declaração semelhante no final das futuras viagens missionárias de
Paulo; 28:31, que conclui o livro com uma imagem de Paulo pregando sem restrições
em Roma. Há outras declarações desse tipo ao longo do livro, que resumem os eventos
até o momento, ou indicam a direção que a narrativa está tomando:
vide 9:31 , 12:24 , 19:21 e os comentários mais detalhados nos capítulos 1–7 abaixo.
Existem, é claro, outros temas teológicos que correm através de Atos, por exemplo:
o cumprimento das promessas de Deus a Israel; o reino de Deus (que muitas vezes
encontra expressão nas referências ao Jesus ressuscitado como a prometida linhagem do
rei de Davi); a rejeição de Jesus como Messias por muitos judeus, e sua aceitação por
muitos gentios. Esses três temas interligados são cuidadosamente ressaltados em
pontos-chave em Atos. Como eles são tratados detalhadamente no capítulo de Peterson,
é desnecessário entrar em detalhes aqui. Podemos notar, no entanto, que Atos começa e
termina com uma referência ao reino ( 1: 6 ; 28:31, no último caso explicitamente
chamado de reino de Deus e ligado a Jesus como Senhor). Similarmente, o padrão do
evangelho sendo pregado primeiro aos judeus e depois aos gentios é intencionalmente
mantido até o final de Atos (ver, por exemplo, 1: 8 ; 11:19 ; 13: 46–48 ; 14: 1 ; 18 : 1–
5 ; 28: 17–28 ), enfatizando assim o resultado paradoxal, que é cada vez mais gentios,
em vez de judeus, que passam a acreditar. O tratamento desses e de outros temas são
outros exemplos do cuidadoso arranjo de Lucas de seu material.

3. Proporções Narrativas
Observamos acima que a questão das proporções é aquela que combina aspectos de
seleção e arranjo. Voltando a Atos, parece que, se Lucas se debruça sobre um incidente,
é porque é tematicamente e estruturalmente significativo; e, igualmente, porque tem um
papel importante a desempenhar na estratégia persuasiva de Atos. Essa abordagem
ajuda a explicar a enorme extensão do discurso de Estêvão em Atos 7 , e
particularmente seu longo tratamento a Moisés: o tema de Jesus como segundo Moisés
(um 'profeta como Moisés': 3:22 ; 7:37) que como Moisés é rejeitado duas vezes por
Israel, que pode ser traçado de volta ao evangelho de Lucas, vem à tona na morte de
Estevão. O discurso e a rejeição decisiva de sua mensagem por aqueles que ouvem,
marca o fim de um período em que o evangelho é pregado apenas em Jerusalém e
apenas para os judeus. A grande extensão do discurso, portanto, acaba sendo a maneira
de Lucas dar esse ponto de virada em sua ênfase apropriada na narrativa.
Da mesma forma, a visão de Pedro em 10: 10-16 é substancialmente repetida em 11:
5-10 , quando ele relata em Jerusalém como os gentios passaram a aceitar a palavra de
Deus. O ponto de Lucas ao apresentar esta visão notável por completo duas vezes
parece ser enfatizar que é a direção de Deus que a palavra foi proclamada aos
gentios. Repetição (que é, naturalmente, uma outra maneira de insistir em um incidente)
dá o peso apropriado para um desenvolvimento significativo.
O último terço de Atos é dominado pelo tema do desejo de Paulo de ir a Roma, que
está obviamente ligado ao tema da propagação do evangelho através do mundo
gentio. O tema é levantado pela primeira vez às 19:21 , o que de fato delineia a forma
do restante do livro: Paulo vai primeiro a Jerusalém e a Roma. No entanto, Paulo não
chega até quase o final do livro ( 28:14 ). Lucas descreve muitos dos incidentes
intervenientes em detalhes consideráveis: audiências e outros procedimentos oficiais
( 21: 40-22: 21 ; 22: 30-23: 10 ; 23: 23-35 ; 24: 1-22 ; 25: 1–12 ; 25: 23-26:
31 ); ameaças à vida de Paulo ( 23: 12-22 ;25: 3-5 ; veja também 27: 30–32 , 42–
43 ); atrasos ( 24: 23-27 ); a tempestade e o naufrágio ( 27: 13-44 ). Um dos propósitos
de Lucas ao insistir nesses incidentes parece ter sido mostrar Paulo, o Apóstolo dos
Gentios, defendendo-se e pregando o evangelho tanto a judeus como a gentios (ver
especialmente suas próprias palavras, 26: 19–23 ), e enfatize a inocência de Paulo das
acusações feitas contra ele. Sua jornada também tem grande significado simbólico: aqui
está um homem nascido e criado um judeu, que ainda vai para a capital do mundo
gentio em sua obediência aos propósitos de Deus. Essa é certamente uma das razões
pelas quais os discursos de Paulo nesta seção relatam duas vezes em detalhes como ele
foi dramaticamente convertido ( 22: 6–21; 26: 9–23 , ambos recapitulando o relato
em 9: 1-19 ), colocando isso no contexto de sua educação estrita nas tradições de seus
pais ( 22: 3–5 ; 26: 4–5 ); em um sentido metafórico e literal, ele "percorreu um longo
caminho", e a jornada que ele fez é um índice de um novo desenvolvimento nos
propósitos de Deus, recapitulando, em um nível individual, um padrão que permeia todo
o Livro de Atos. No entanto, talvez Lucas tenha um propósito mais fundamental:
mostrar que os vários obstáculos à chegada de Paulo a Roma são, com a ajuda de Deus,
superados, e que a jornada de Paulo a Roma é parte dos propósitos de Deus: 23:11 e 27:
23–24., onde Paulo recebe garantia divina de que ele alcançará Roma, é significativo a
esse respeito. Os obstáculos e a duração em que são narrados criam um suspense na
narrativa e reforçam nossa percepção de que os propósitos de Deus alcançam a
realização quando Paulo finalmente chega a Roma.
Dessa maneira, Lucas organiza as proporções de sua narrativa para enfatizar seus
temas teológicos. Note também a vivacidade e a paixão de muitas dessas seções nas
quais Lucas habita: a força e a variedade de muitos dos discursos, a vivacidade das
visões relatadas, o drama da tempestade e o naufrágio. De certa forma, inteiramente de
acordo com os ideais retóricos clássicos, as "amplificações" de Lucas não são
simplesmente uma questão de multiplicar palavras, mas envolvem dicção aumentada e
apresentação marcante de eventos. As "amplificações" de Lucas prendem a atenção e,
também de acordo com os ideais clássicos, dão ao seu narrativo grande poder de
persuasão.

4. Arranjo: pequena escala


O último aspecto mencionado no preâmbulo da Seção I foi que o discurso deveria fluir
naturalmente de um ponto a outro, com transições marcadas, mas não tão proeminentes
a ponto de perturbar a narrativa. O espaço não permite uma análise do conjunto de Atos
ao longo destas linhas, portanto, nos limitaremos à primeira seção do livro, 1: 1–8: 3 .
Atos começa com uma referência a um volume anterior, cujo conteúdo é
brevemente resumido ( 1: 1–2 ); é, portanto, um "prefácio secundário". Ele não declara
diretamente quais assuntos serão tratados, mas desliza para uma descrição dos últimos
dias de Jesus com seus discípulos e, particularmente, de suas palavras finais com eles
(vv. 3-8 ); isso, por sua vez, leva a um relato da ascensão de Jesus, das palavras dos
anjos e do retorno dos discípulos a Jerusalém (v. 9-14 ); momento em que a narrativa de
Atos é totalmente lançada. No entanto, embora Atos não comece com uma declaração
formal dos tópicos a serem abordados, as palavras finais de Jesus descrevem os temas
que devem passar por Atos: o reino de Deus (v. 3 ); a entrega do prometido Espírito
Santo (vv.4–5 ); a questão do que está para acontecer às esperanças de restauração
nacional de Israel (vv. 6–7 ); o grande testemunho de Jesus após a vinda do Espírito
(v. 8 ). Eles são, portanto, de caráter programático e têm a função, se não a forma, de
uma declaração de abertura.
Pode-se ver como Lucas se esforça para ligar seções sucessivas da narrativa que se
segue. A descrição em 1: 12–14 dos discípulos em Jerusalém, orando com expectativa,
forma o pano de fundo para o seguinte incidente, no qual um décimo segundo discípulo
é escolhido para ocupar o lugar de Judas ( 1: 15–26 ); também leva ao capítulo 2 ,
descrevendo a vinda do Espírito no Pentecostes.
Nos capítulos 2–7 há uma progressão lógica nos eventos narrados: o evento
miraculoso de falar em línguas, seguido pela pregação de Pedro ( 2: 1–40 ); a resposta à
pregação e a unidade de espírito entre os que creram, expressos na partilha de posses
( 2: 41–47 ); o evento miraculoso da cura do coxo, seguido pela pregação de Pedro ( 3:
1-26 ); a resposta à pregação ( 4: 1-4 ) que desta vez inclui oposição; confronto entre
Pedro e João e as autoridades do templo ( 4: 5-22 ); orações por ousadia em enfrentar a
oposição, respondidas por outro derramamento do Espírito ( 4: 23-31); descrição da
unidade dos crentes, expressa na partilha de posses ( 4: 32-35 ); os exemplos
contrastantes de Barnabé, que vende de todo o coração seus bens, e Ananias e Safira,
que dissimulam neste assunto ( 4: 36–5: 11 ); os milagres realizados pelos apóstolos,
atraindo pessoas das cidades ao redor de Jerusalém ( 5: 12-16 ); mais confronto com as
autoridades do templo, que estão cheias de inveja dessa popularidade ( 5: 17-40 ),
concluindo com uma nota de que os apóstolos continuam sua pregação pública ( 5: 41–
42); o crescimento no número de crentes leva à discordância entre "helenistas" e
"hebreus", o que leva à nomeação de homens para supervisionar a distribuição diária,
entre eles Estêvão ( 6: 1-7 ); Estêvão é a figura principal no confronto que segue ( 6: 8-
7: 60 ); no relato do apedrejamento de Estêvão é apresentada a figura significativa de
Saulo ( 7:58 ), que então toma a dianteira na perseguição que se segue ( 8: 1-3 ) e que, é
claro, desempenha um papel tão importante na narrativa subsequente.
O acima terá que ser suficiente para demonstrar o cuidado que Lucas toma para ligar
os eventos descritos. Também é interessante notar como declarações sumárias alternar
com episódios tratados com mais detalhes, e servem para articular a narrativa, traçando
o progresso dos acontecimentos ( 2: 42-47 ; 4: 4 ; 4: 32-35 ; 5:11 ; 5 : 12-26 ; 6: 7 ).

5. Discursos
Os discursos em Atos são tratados separadamente nesta e na seção seguinte. Eles
poderiam ser tratados sob vários títulos (por exemplo, estilo, persuasão); mas eles
também são um exemplo claro de arranjo em Atos. Aqui é apropriado trazer a
historiografia clássica e épica para a discussão: como ambos são gêneros narrativos, eles
nos fornecem os paralelos mais próximos para o uso de discursos em Atos.
A historiografia clássica e épica, apesar de suas estruturas basicamente narrativas,
contêm muitos discursos; e o material nos discursos é quase sempre de especial
importância em seu contexto. A famosa declaração programática de Tucídides ( 1.22.1 )
de que ele usará discursos naqueles pontos em sua narrativa onde ele sabe que as
negociações ou debates políticos ocorreram, como uma maneira de definir e discutir
questões importantes, pode aplicar -se , mutatis mutandis , em toda a linha. : em
Homero, Heródoto, Tucídides, Lívio e Tácito (entre outros) os discursos são eventos
significativos e, muitas vezes, importantes para a interpretação. Embora todos esses
escritores também tenham muitas passagens de narrativas descritivas dramáticas, as
palavras faladas fornecem um modo naturalmente mais vívido e direto de destacar
assuntos significativos.
O mesmo é verdade em Atos. Atos contém passagens de narrativas dramáticas ou
vívidas (por exemplo, capítulos 2 , 9 , 10 , 12 , 16 , a tempestade no cap. 27 ), mas é nos
discursos que os temas teológicos importantes dos Atos são expressos em maior
extensão: tema de Jesus como o Cristo prometido, agora exaltado e governando à direita
de Deus ( 2: 22-36 ; 3: 12-26 ; 13: 23-37 ); o tema de Jesus como um 'profeta como
Moisés' ( 3:22 ; 7: 22-43 ); a oferta de salvação para os gentios, bem como para os
judeus ( 10: 34-43 ; 11: 5-17 ;17: 22-31 ); a questão de saber se os gentios convertidos
devem ser feitos para manter a lei judaica ( 15: 7-20 ). Da mesma forma, muitas vezes
são os discursos que interpretam os eventos que ocorrem na época: assim, Pedro em 2:
14-21 interpreta o dom de línguas como o cumprimento da profecia de Joel; Estêvão, no
capítulo 7, interpreta a oposição judaica à pregação cristã como parte de uma tendência
mais ampla de Israel desobedecer a Deus; Paulo em 13: 46-47 declara o padrão que
deve ser programático nos capítulos seguintes, de que Cristo será pregado primeiro aos
judeus, mas depois aos gentios.
É tomado cuidado para integrar esses discursos na narrativa. Introduções definir o
cenário para os discursos. Às vezes, eles simplesmente indicam onde a fala ocorreu e
para quem ela foi endereçada (por exemplo, 21: 40-22: 2 ; 24: 1-2 ), mas em outras
ocasiões levam mais diretamente ao que se segue. Eles podem indicar alguma
circunstância que serve como ponto de partida para o discurso (por exemplo, a acusação
de embriaguez em 2:13, que Pedro percebe no verso 15 ; a nota de assombro em 3: 10-
11 , similarmente captada em v. 12 ). Eles podem tocar em questões relevantes para o
discurso a seguir (por exemplo, a dupla referência a Moisés em 6:11 e 14 precedendo o
discurso de Estevão, que também tem muito a dizer sobre Moisés, embora de uma
perspectiva radicalmente diferente; a acusação feita contra Pedro em 11: 2-3 de comer
com homens incircuncisos, que ele responde em vv. 5–17 ; 15: 1–5 , descrevendo uma
forte dissensão sobre esse mesmo assunto e levando ao conselho de Jerusalém, onde
essa questão é resolvida). Ou eles podem caracterizar os ouvintes de alguma forma (por
exemplo, 17: 19-21 , oferecendo um esboço em miniatura dos ouvintes atenienses de
Paulo). De maneira semelhante, Lucas observa as respostas aos discursos (por
exemplo, 2: 37-41 ; 7: 54-8: 1 ; 13: 42-45 ; 17: 32-34 ; 22:22). As introduções e
conclusões que Lucas fornece para os discursos também poderiam ser citadas como
outro exemplo de apresentação ordenada.

6. Estrutura do Discurso
Outro aspecto do arranjo que merece tratamento separado é a estrutura dos discursos em
Atos. Os tratados clássicos comumente dividem a oratória em três tipos principais:
forense (tipicamente relacionado a eventos passados e preocupado com a verdade ou
justiça), deliberativo (tipicamente relacionado ao futuro e preocupado com interesse
próprio ou benefício) e epidêmico (tipicamente relacionado para o presente e
envolvendo elogios ou culpas). Para cada um desses três tipos, existe uma estrutura
apropriada. Os discursos forenses assumem a forma: proem ( exórdio ), uma narração
dos fatos do caso ( narratio); a divisão do argumento do discurso em uma série de
proposições a serem demonstradas ( partitio ); a demonstração em si
( confirmatio); refutação de pontos de vista opostos ( reprehensio ); epílogo
( conclusio ). Discursos deliberativos omitem a refutação, dando a forma: proem,
narração, divisão, demonstração e epílogo. Os discursos epidêmicos têm uma forma
ainda mais simples: proem; tópicos amplificados (por exemplo, uma apresentação da
vida da pessoa comemorada sob várias cabeças); epílogo.
Em um artigo recente, Black argumentou que os discursos em Atos em geral estão
de acordo com as exigências dos escritores clássicos a esse respeito, desde que se
reconheça que os escritores clássicos mostram considerável flexibilidade tanto na
definição dos três tipos de discurso quanto no estabelecimento de estruturas dos três
tipos: isto é, estavam dispostos a permitir que a distinção entre os três tipos não fosse
absoluta e que, em certos casos, os três tipos de estrutura de fala pudessem ser
modificados.
Contra esse pano de fundo geral, Black examina o discurso de Paulo na Antioquia
da Pisídia ( 13: 16-41 ), e conclui que ele pode ser dividido nas seguintes seções:
narração (vv. 17-25 , uma revisão da história israelita, levando à vinda de Jesus como
salvador); divisão (v. 26 , neste caso simplesmente uma única proposição, que a
mensagem de salvação está agora sendo proclamada aos judeus e a Deus-
temerosos); demonstração da proposição (vs. 27-37 , argumentando que Deus vindicou
Jesus ressuscitando-o dentre os mortos e que, portanto, a salvação pode ser pregada a
Israel); conclusão (vv. 38-41, pedindo a aceitação desta salvação em seus
ouvintes). Essa fala pode não se encaixar em nenhum dos três padrões listados acima
exatamente; mas, como observado, estes não foram aplicados rigidamente pelos teóricos
clássicos. Pode-se dizer que o discurso concorda em linhas gerais com as exigências dos
teóricos.
É interessante aplicar a abordagem de Black ao discurso de Pedro em Atos 3: 12–
26 e em Paulo às 17: 22–31 . O discurso de Peter emerge como uma composição um
tanto anômala na qual as partes constituintes podem ser classificadas de acordo com
categorias retóricas clássicas, mas a estrutura é incomum: proem (v. 12 ); proposição
(Deus glorificou seu Filho, v. 13a ); demonstração (vv. 13b-16 ); peroração (vv. 17-21 ),
da qual as palavras conclusivas formam outra proposição (a referência nos versos 20b-
21 a Jesus como o cumprimento da profecia) que leva a uma nova demonstração
(vv. 22-24 ) e uma outra peroração (vv. 25–26). A estrutura não é ininteligível,
entretanto, e devemos ter em mente que Lucas, em vista do cenário do discurso (um
sermão improvisado dado após uma cura espetacular) pode ter pretendido que esse
discurso desse uma impressão de algo exuberante. , espontânea e apaixonada, que
naturalmente tenderia para uma estrutura frouxa.
O discurso de Paulo em 17: 22-31 surge como um exemplo de livro-texto de um
discurso deliberativo: proem (v. 22 , buscando assegurar a boa vontade da audiência)
narração (v. 23a , dando histórico); divisão (novamente uma única proposição: eu lhe
direi deste Deus que você adora como desconhecido, v. 23b ); demonstração (Deus
como incomparavelmente maior que os ídolos, vv. 24–29 ); peroração (vv. 30-
31 ). Como observa Morgenthaler, este é um discurso apropriado a um dos centros
retóricos do mundo greco-romano.
Para mais exemplos de discursos em Atos cuja estrutura segue as convenções
retóricas greco-romanas, ver o capítulo de Winter sobre os discursos forenses em Atos
24–26 ; observe particularmente seu argumento de que Lucas parece demonstrar
conhecimento de convenções forenses específicas; também a análise de Watson do
discurso de Mileto de Paulo ( 20: 17-38 ) como um exemplo de retórica epidética.
7. Comentário Implícito
Embora Atos contenha muitas declarações interpretativas explícitas (por exemplo, os
comentários resumidos observados na discussão do fluxo narrativo nos capítulos 1-7 ), e
em ocasiões oferece avaliações abertas de caracteres (por exemplo, 10:
2 ; 11:24 ; 17:11 ) e eventos ( 12:23 ; 13:48 ; 16:14), contém também uma série de
interpretações e avaliações indiretas, que podem ser designadas pelo termo geral
'comentário implícito'. É interessante comparar essas técnicas narrativas de Atos com
técnicas semelhantes na narrativa do Antigo Testamento. Como surgirá, há alguma
sobreposição, o que pode sugerir que o Antigo Testamento tem sido a maior influência
em Atos a esse respeito. É claro que é apropriado ver o Antigo Testamento como uma
possível influência, em vista das numerosas citações do Antigo Testamento em Atos
(ver o capítulo de Rosner no presente volume); entretanto, será argumentado abaixo que
a literatura clássica também contém muitos exemplos de tais técnicas, e assim também
nos fornece uma estrutura contra a qual podemos entender esses aspectos dos Atos.
Nesta seção, as comparações serão primeiramente traçadas entre as técnicas
narrativas de Atos e Antigo Testamento; e então técnicas semelhantes em escritores
clássicos serão notadas (como na discussão de discursos, a comparação será feita com a
historiografia clássica e épica, ao invés de tratados retóricos).
(1) justaposição simples . Frases na narrativa do Antigo Testamento são com poucas
exceções ligadas por (várias formas de) uma conjunção, e ( nós , 'e'). Quando
contrastamos essa característica com, por exemplo, a rica variedade de conjunções e
partículas em grego, que possibilitam aos escritores gregos especificar com alguma
precisão a natureza do elo entre dois eventos (lógico, temporal e assim por diante), A
narrativa do Antigo Testamento pode parecer limitada em sua dependência de uma
conjunção altamente imprecisa. Mas, na verdade, os escritores do Antigo Testamento
são capazes de explorar a própria inexplicabilidade da conjunção epara ganho
artístico; pois eles são capazes de simplesmente justapor duas frases, ou dois incidentes
e, assim, levar o leitor a refletir sobre possíveis elos entre o que foi simplesmente
justaposto. Uma lacuna é criada na narrativa, talvez deixando obscuros os motivos de
um dos personagens ou a conexão entre dois eventos, e o leitor tem que preencher essa
lacuna para dar sentido à narrativa. Tais técnicas de justaposição são, claro, também
possíveis em linguagens que possuem uma maior variedade de conjunção. Parece haver
vários exemplos em Atos.
Assim, no capítulo 5 , Pedro e João, que foram presos pelas autoridades do templo,
são libertados milagrosamente da prisão e retomam sua pregação no templo (vv. 17-
21a ). As autoridades do templo enviam uma ordem à prisão para que Pedro e João
sejam trazidos diante deles e ficam perplexos com a notícia de que Pedro e João não
estão mais na prisão. Finalmente, o capitão do templo tem que trazê-los diante das
autoridades do templo sem força (vs. 21b-26 ). Segue-se um confronto entre os
apóstolos e as autoridades do templo (vv. 27-32 ), uma discussão privada em que
Gamaliel dá sua opinião (vv. 33-9).), e os apóstolos são açoitados e libertados. Lucas
não faz nenhum comentário explícito durante este capítulo; mas justapondo as tentativas
das autoridades do templo para prender os apóstolos com o incidente descrevendo
libertação miraculosa dos apóstolos, ele sugere que as autoridades do templo estão cada
vez mais resistindo Deus, que é o perigo Gamaliel adverte no versículo 39 ( μήποτε καὶ
θεομάχοι εὑρεθῆτε ) ; ele também sugere a ineficácia de seus esforços para amordaçar
os apóstolos.
Este tema ocorre de uma forma ainda mais dramática no capítulo 12 . Herodes
mandou matar Tiago, e Pedro preso e elaboradamente guardado (vv. 1–5 ). Pedro é
libertado milagrosamente (vv. 6–17 ) e Herodes deve se contentar em punir os guardas
(v. 18–19 ). Segue-se o curioso incidente da morte de Herodes como castigo por sua
arrogância diante de Deus (vv. 20-23 ), e o capítulo conclui com duas anotações sobre a
difusão da palavra de Deus (v. 24 ) e o sucesso de Barnabé e Saul. conclusão de sua
tarefa designada. Não há conexões explícitas entre os versículos 20 e 23 e os incidentes
de ambos os lados; mas o leitor é levado a tirar as conclusões gêmeas de que a morte de
Herodes vem como uma punição por sua oposição à igreja e que tal oposição é em
última análise vã.
Um outro exemplo de justaposição significativa é encontrado em Atos
23 . Em 23:11, Paulo, enquanto preso, tem uma palavra do Senhor assegurando-lhe que
ele chegará a Roma. Isso influencia nossa interpretação do seguinte incidente, onde
Paulo escapa de uma conspiração contra sua vida ( 23: 12-35 ); apesar de Deus não ter
dito que interveio para frustrar a conspiração, certamente estamos destinados a ver Deus
trabalhando no fato de que o sobrinho de Paulo ouviu por acaso a conspiração ( 23:16 ).
(2) Padronização Analógica . Observou-se que, no Antigo Testamento, os incidentes
narrativos geralmente são padronizados; isto é, dois ou mais incidentes mostram várias
semelhanças estruturais ou temáticas significativas. Considerando que os estudos das
gerações anteriores tenderam a explicar muitos desses casos como dupletos devido à
combinação de duas ou mais fontes, uma tendência mais recente tem sido ver um
padrão similar como uma estratégia autoral deliberada que convida o leitor a ler um
incidente no luz do outro. Quando alguém faz isso, nota-se semelhanças e diferenças
significativas, que parecem levar a uma interpretação ou avaliação particular.
O mesmo parece valer para Atos. Em Atos 2–7 há um padrão repetido de milagres
ou pregação (ou ambos), resposta ao milagre / pregação e alguma descrição da vida
comunitária da igreja. Nesse padrão, incidentes de crescente oposição se apresentam
gradualmente. Portanto:
Milagre /2: 1–39 3: 1-26 5:12 , 15 6: 8
Pregação

Resposta 2: 40–41 ( 4: 4 ) 5: 13–14 , 16 (——)


(positiva)

Oposição (——) 4: 1–23 5: 17–42 6: 9–8: 3

Vida comunitária 2: 42–47 4: 32–5: 11 6: 1–6

O padrão não é totalmente nítido, na medida em que elementos que correspondem uns
aos outros no padrão são freqüentemente de duração desigual. Ainda assim, parece
legítimo considerar os capítulos 2–7como uma “estrutura de intensificação” na qual
cada ciclo subseqüente no padrão desenvolve elementos no ciclo anterior. Mais
notavelmente, a resposta positiva que esteve presente nos três primeiros ciclos está
ausente no quarto, e a oposição, que esteve ausente no primeiro ciclo, se intensifica nos
três seguintes: no capítulo 4, Pedro e João são rejeitados pelo autoridades do templo
com ameaças ( 4:21 ); no capítulo 5 eles são demitidos depois de terem sido açoitados
( 5:40); como a culminação do último ciclo, Estêvão é morto, e um período de severa
perseguição vem sobre a igreja ( 7: 58-8: 3 ). Ao apresentar os capítulos 2–7 de acordo
com um padrão semelhante, Lucas chama a atenção para uma crescente oposição à
pregação da igreja.
Mais brevemente, os relatos da conversão de Paulo ( 9: 1-19 ) e de Cornélio e Pedro
( 10: 1-48 ), embora não sejam semelhantes em todos os aspectos, têm semelhanças
significativas de padrão:
Visão para pessoa ser9: 3–6 10: 1–6
convertida

Resposta 9: 7–9 10: 7–8

Visão para pessoa que ajuda9: 10-12 10: 9–13


na conversão

Dúvida Inicial respondida9: 13-16 10: 14-16


por Deus

Chegada de Mensageiros (——) 10: 17–22

Resposta (jornada) 9: 17a 10: 23–24

Bem vinda (——) 10: 25–33

Resposta (dando mensagem) 9: 17b 10: 34–43

Conversão 9: 18-19 10: 44–48

Lucas parece nos convidar a comparar os dois relatos e a refletir sobre o fato de que as
conversões do homem que deve ser o apóstolo dos gentios e do primeiro convertido
gentio mencionado em Atos são parte do propósito de Deus de que o evangelho deve ser
pregado aos gentios.
De maneira similar, Atos em vários pontos parece relembrar eventos do Evangelho
de Lucas. A narrativa da morte de Estêvão ( 7: 55-60 ) lembra tanto o julgamento como
a crucificação de Jesus: sua visão do Filho do Homem sentado à destra de Deus (vv. 55-
56 ) lembra as palavras de Jesus em seu julgamento ( Lucas 22:69 ); e suas orações
finais para que Jesus receba sua alma (v. 59 ) e para o perdão dos responsáveis por sua
morte (v. 60 ) lembram orações semelhantes de Jesus em sua morte ( Lucas
23:46 e 23:34 ). A narrativa da prisão de Pedro ecoa a narrativa da prisão de Jesus em
Lucas. Da mesma forma que Jesus coloca seu rosto para ir a Jerusalém ( Lucas 9:51),
Paulo 'resolve no Espírito' ir a Jerusalém e depois a Roma ( Atos 19:21 ). Em cada caso,
Lucas parece implicitamente sugerir que seguir fielmente Jesus pode significar, como
aconteceu com Jesus, enfrentar a prisão e até a morte.
(3) Narração e Diálogo . Os intérpretes recentes da narrativa do Antigo Testamento
fizeram muito do jogo sutil que pode ocorrer entre as palavras faladas dos personagens e
a estrutura narrativa em que essas palavras faladas são definidas. Parece que os
escritores do Antigo Testamento esperavam que seus leitores notassem tanto as
semelhanças quanto as diferenças entre as apresentações do narrador e dos personagens
dos mesmos eventos. Quando as palavras de um personagem concordam com as do
narrador, isso tende a indicar que o personagem está dizendo a verdade ou compartilha a
perspectiva do narrador. Onde há uma divergência, isso tende a indicar que o
personagem está mentindo, erroneamente ou sob algum mal-entendido, ou tem uma
perspectiva diferente da do narrador.
Em Atos, encontramos tais jogadas de perspectiva, particularmente no diálogo
falado por aqueles que se opõem ou não ao evangelho. Há as palavras daqueles judeus
que acusam Estêvão em Jerusalém ( 6:11 , 14 ), e Paulo em Corinto ( 18:13 ) e em
Jerusalém ( 21:28 ), cheios de certeza de que aqueles que pregam a Cristo quebraram a
lei mosaica ; a visão mais destacada da carta de Cláudio Lísias ( 23: 26-30, não
estritamente diálogo, é claro, mas ainda assim expressivo de seu ponto de vista), que
não se sente competente para julgar esses assuntos; e há a franca perplexidade (ou
ceticismo?) da referência de Festus a "um certo Jesus que estava morto e a quem Paulo
alegou estar vivo" ( 25:19).). Podemos também notar as atitudes que mudam
rapidamente dos habitantes de Malta, a princípio convencidos de que Paulo é um
assassino que os deuses não estão permitindo escapar, então "mudando de opinião"
quando vêem que a cobra não o matou, e declarando ele ser um deus ( 28: 3-6 ). Existe
uma ironia em todas essas declarações diferentes, é claro, já que nenhuma delas
representa o que Lucas acredita ser a verdade sobre Jesus ou o evangelho; nas suas
diferentes maneiras, são todos mal entendidos. No entanto, a narrativa ganha tanto em
complexidade quanto em realismo por sua inclusão. Em uma categoria similar, talvez,
seja a pergunta dos Apóstolos sobre a restauração do reino a Israel em 1: 6; o que pode
representar uma visão excessivamente nacionalista dos propósitos de Deus para o
futuro, e que é aparentemente corrigido por Jesus em 1: 7-8 .
Em outros pontos também, a narrativa colide com as palavras faladas e apresenta
aqueles que as falam sob uma luz diferente daquela em que desejam aparecer. Assim, no
capítulo 16, os donos da menina com o espírito de profecia em Filipos, quando trazem
Paulo e Silas perante os magistrados, os acusam de causar um distúrbio e de tentar
induzir os cidadãos de Filipos a se comportarem de maneiras não romanas ( v. 20-
21 ). Mas Lucas solapou sua acusação plausível e de som digno afirmando que a
verdadeira causa de sua indignação é que a menina não poderá mais ganhar dinheiro,
agora que Paulo expulsou o espírito dela (v. 19 ; o valor comercial da menina também é
enfatizado no verso 16 .). O efeito total é retratá-los como tortuosos e hipócritas.
Exemplos desse tipo são mais raros em Atos do que no Antigo Testamento. Uma
explicação para isso pode ser que muitas das palavras faladas em Atos ocorram nos
discursos, e nos discursos de Atos os pontos de vista dos oradores e do narrador
coincidem. Aqui não esperamos as peças sutis que ocorrem no Antigo
Testamento; esses discursos devem antes ser comparados a discursos no Antigo
Testamento, onde os pontos de vista do narrador e do narrador coincidem novamente
(por exemplo, Jos. 24 , 1 Sam. 12 ; a maioria do Deuteronômio).
Voltando agora à literatura clássica, podemos encontrar em exemplos épicos e
historiográficos de técnicas literárias semelhantes àquelas que observamos na narrativa
do Antigo Testamento e em Atos. Similes em Homero e Virgílio, por exemplo, são
reconhecidos como não puramente ornamentais, mas para oferecer comentários
implícitos sobre as situações a que se referem. O tratamento em grande escala de
Herodes, de Immerwahr, chama a atenção para padrões analógicos e exemplos de
composição de anéis em Heródoto, cujo efeito é realçar similaridades e dissimilaridades
entre eventos. Estudos recentes de Tucídides encontraram exemplos de padrões
análogos de incidentes e de brincadeira entre narração e diálogo. Um tratamento recente
do retrato de Germanicus em Anais de Tácitochamou a atenção para uma série de
técnicas literárias sutis, incluindo alusões a outros episódios, e brincadeiras irônicas
entre discursos e seu contexto.
Para concluir esta seção, o comentário implícito em Atos parece ser outra área em
que as técnicas de Lucas se sobrepõem às dos escritores clássicos; no entanto, como o
Antigo Testamento também influenciou Lucas neste ponto, não se pode dizer mais do
que isso. Vale a pena mencionar que as técnicas de comentário implícito podem ser
muito eficazes, simplesmente porque o leitor tem que colocar algum trabalho no
processo interpretativo: as percepções e interpretações que o leitor ganha observando
padrões narrativos ou comparando narração e diálogo, embora possam ser aqueles
pretendidos pelo escritor, são em outro sentido, o próprio trabalho do leitor. Por
envolverem o leitor no processo interpretativo, eles podem ser particularmente
persuasivos, talvez mais persuasivos, do que uma interpretação ou avaliação explícita
por parte do escritor (embora,

III Estilo
Tratados retóricos clássicos têm muito a dizer sobre assuntos que podem ser agrupados
livremente sob o título "Estilo". Assim, encontramos na discussão De Oratore,
de Cícero, os seguintes tópicos: escolha das palavras; metáforas; estrutura de sentença e
cadências; clausula, ritmo, articulação do discurso, variação de sentenças curtas e
longas; importância particular dos fins da sentença (3.37.148–51.198; ver também a
lista resumida em 3.54.206-8 de numerosas figuras de linguagem, incluindo usos de
repetição, padronização, variação, antítese, asyndeton e diferentes agrupamentos de
palavras). O Orador do mesmo escritor acrescenta a esta lista os embelezamentos
literários ( 39-40 ), a organização das palavras em uma frase, a eufonia, a simetria da
sentença, as cadências ( 44–48).escolha de palavras, o uso de cláusulas balanceadas para
encerrar uma sentença, o uso de antítese ( 49-51 ), o uso de efeitos rítmicos, o uso de
sentenças periódicas como um meio eficaz de criar um clímax; e conclui afirmando que
arte desse tipo deve ser discreta para ser eficaz ( 52-68 ). Longinus, On the
Sublime discute muitos dos mesmos tópicos: imagens; figuras de linguagem; o uso de
frases curtas; inversão da ordem esperada; acumulação, variação, clímax; a importância
de escolher a palavra certa; a maneira pela qual uma metáfora impressionante pode
formar um clímax eficaz; ritmo, ritmo; a necessidade de evitar a fragmentação.
Há também discussões sobre aspectos de estilo em escala maior, para os quais
podemos novamente citar Cícero: De Oratore 3.25.96-26.103 observa que o estilo de
uma pessoa deve ser geralmente elegante e agradável, e não deve conter muitas
passagens grandiloquentes ou apaixonadas, como isso tende a minar o efeito
pretendido; De Oratore 3.53.202–5 observa numerosas maneiras pelas quais a textura
do discurso pode ser variada (apartes, endereçamento direto do público, agora residindo
em pontos, passando agora rapidamente, etc.); a discussão mais extensa
do Orador 5.20-9.33 ; 21,69–31,112distingue entre três tipos de estilo: um que é
completo e arredondado, um que é simples e vigoroso, e um estilo médio que combina
características de ambos os outros dois, cada um dos quais tem suas próprias regras, e
cada um dos quais é particularmente apropriado para certas seções de um discurso.
Muitos outros tratamentos semelhantes podem ser referidos. É possível usar essas
seções dos tratados como uma "lista de verificação", na qual as partes dos Atos podem
ser avaliadas. Os capítulos da Cadbury sobre "A Linguagem Comum" e sobre
"Linguagem e Estilo" reúnem muito material relevante para esta seção. Entre as
características do estilo de Lucas em Atos, ele observa: O conhecimento de Lucas das
palavras e frases gregas idiomáticas; formas distintas de ênfase (o uso repetido
de πᾶς e αὐτός ); variações de estilo (em geral, quanto mais a narrativa de Lucas o leva
da Palestina, menos expressões semíticas ele emprega); a qualidade dramática de Atos,
especialmente evidente no modo como Lucas pode criar suspense; o pathos da
despedida de Paulo em 20: 17-38 .
Morgenthaler tem um estudo semelhante do discurso de Paulo em Atenas ( Atos 17:
22-31 ), que ele encontra para mostrar as seguintes características também mencionadas
nos tratados: palavras agrupadas ou agrupadas em três; o uso de palavras-chave como
meio de unificar o argumento, especialmente o uso repetido do
adjetivo πᾶς (vv. 22 , 24 , 25 , 26 , 30 , 31); aliteração; hipbaton; litotes; um número de
sentenças que terminam com clausulas reconhecidas; ele também observa uma estrutura
periódica cuidadosamente ordenada. Como observamos acima, Morgenthaler encontra
este discurso cuidadosamente construído apropriado ao seu estabelecimento em um dos
centros da retórica no mundo clássico.
A questão da adequação, que atravessa os tratados, é importante em abordagens
comparativas desse tipo. Não é suficiente apenas apontar características de estilo em
Atos, que também estão listadas nos tratados. É preciso também perguntar se as
características individuais são estilisticamente apropriadas para uma determinada
passagem. As decisões sobre essa questão dependerão das especificidades dessa
passagem e de nossa visão dos propósitos do autor nessa passagem; e estas são questões
que, por sua própria natureza, estão além do escopo das afirmações teóricas nos tratados
(que, na verdade, são pouco mais do que listas de características estilísticas).
A seção seguinte analisará o discurso de Pedro em Atos 3: 12–26 e o conjunto
de Atos 16 do ponto de vista do estilo. Além de chamar a atenção para detalhes de
estilo, o objetivo será avaliar o modo como esses detalhes são organizados em uma
narrativa abrangente ou em uma "economia" retórica. Particular atenção será dada ao
que pode ser classificado como 'arte verbal' e 'variedade de textura'. As diferentes
passagens examinadas (um discurso e um capítulo que contém resumos narrativos,
cenas mais detalhadas e algum diálogo) devem fornecer uma amostra justa dos vários
tipos de material em Atos.

Atos 3: 11–26
O contexto do discurso de Pedro é dramático: Pedro e João acabaram de curar um
homem manco desde o nascimento, e uma multidão espantada se reuniu ao redor deles
(v. 11 ). Peter responde com um discurso eloqüente e emocionalmente
carregado. Dirigindo-se a seus ouvintes como Ἰνδρες Ἰσραηλῖται , um começo
apropriado para um discurso que deve colocar grande peso no cumprimento de Deus de
suas promessas a Israel (ver vv. 25–6 ), ele capta o assombro da multidão com as
palavras τί θαυμάζετε ἐπὶ τούτῳ ( v. 12 ), sugerindo que, adequadamente entendido, o
que aconteceu não é de todo surpreendente. Quanto mais longo for a questão, ἢ ἡμῖν τί
ἀτενίζετε ὡς ἰδίᾳ δυνάμει ἢ εὐσεβείᾳ πεποιηκόσιν τοῦ περιπατεῖν αὐτόν, deixa claro
que a explicação para o que aconteceu não pode ser encontrada em quaisquer poderes
ou qualidades possuídos por Pedro e João (note a posição enfática de ἡμῖν ). Esta
impressionante frase de abertura (a frase ὡς… πεποιηκόσιν , expandida pelo par de
palavras ἰδίᾳ δυνάμει ἢ εὐσεβείᾳ , é particularmente impressionante) conduz assim à
afirmação do versículo 13 . As palavras deste verso, abertura ὁ θεὸς Ἀβραὰμ καὶ ὁ θεὸς
Ἰσαὰκ καὶ ὁ θεὸς Ἰακὼβ , ὁ θεὸς τῶν πατέρων ἡμῶν , com sua ênfase em massa, pode
parecer ser a introdução de uma declaração de que o Deus de Israel é o único que tem
curado o coxo homem, mas em vez disso introduzir um elemento especificamente
cristão, ἐδόξασεν τὸν παῖδα αὐτοῦ Ἰησοῦν, que é desenvolvido até o final do
verso 15 . Os versículos 13b-15 repetidamente e enfaticamente enfatizam que a
crucificação de Jesus foi um ato perverso pelo qual aqueles que ouvem são
culpados. Praticamente todos os elementos nestes versos ressaltam este ponto: o par de
palavras ὑμεῖς μὲν παρεδώκατε καὶ ἠρνήσασθε (v. 13 ); κρίναντος ἐκείνου
ἀπολύειν (v. 13 ) deixando claro que Pilatos não desejava crucificar Jesus; τὸν ἃγιον καὶ
δίκαιον ἠρνήσασθε (v. 14 ) outro par de palavras, enfatizando ainda mais a inocência de
Jesus; καὶ ᾐτησασθε ἄνδρα φονέα (v. 14 ) notando a culpa do homem cuja libertação foi
solicitada;τὸν δὲ ἀρχηγὸν τῆς ζωῆς ἀπεκτείίατε (v. 15 ) um título impressionante que
sugere que Jesus de todas as pessoas não merecia morrer. A menção final de Deus
ressuscitando Jesus dos mortos e do testemunho dos apóstolos (v. 15b ), retoma e
explica a afirmação no versículo 13 de que Deus glorificou Jesus.
Tendo retornado ao tema da vindicação de Deus em Jesus, Pedro no
versículo 16 relata a cura do homem coxo para ele. A construção do versículo 16 é
desajeitada: os substantivos que parecem ser o assunto dos verbos principais da
sentença ( ἐστερέωσεν τὸ ὄνομα, ἡ πίστις… ἔδωκεν ) também são usados em uma
cláusula que parece indicar a base sobre a qual essas ações tomado lugar ( ἐπὶ τῇ πίστει
τοῦ ὀνόματος αὐτοῦ ). Mas, no entanto, a sentença deve ser tomada, o duplo uso
de πίστις e ὄνομα , juntamente com o triplo uso de αὐτοῦ , referindo-se a Jesus (cf.
verso 6) .), afirma enfaticamente que a cura do homem é um sinal da vindicação de
Jesus. A multidão sabe o estado em que o homem esteve ( ὃν θεωρεῖτε καὶ οδδατε ), e
agora ele foi curado diante de seus olhos ( ἀπέναντι πάντων ὑμῶν ).
Esses versos não são, talvez, particularmente sutis ou elegantes: a maior parte de sua
força está no uso de linguagem emocionalmente carregada e de longas sentenças
(vv. 12 , 13 , 14-5 e 16 são cada frase) que se acumulam. frases repetitivas. Eles, no
entanto, levam convincentemente ao apelo subsequente. Uma característica
particularmente eficaz é a maneira pela qual o verso 16 direciona a atenção dos ouvintes
mais uma vez para o homem coxo miraculosamente curado de quem o discurso tomou
seu ponto de partida.
O apelo principal (cujo início é marcado por ἀδελφοί no v. 17 ) começa com duas
sentenças mais curtas e menos pesadas (vv. 17 e 18 ), apropriado como Peter explica em
tons mais medidos que seu propósito principal não é condenar seus ouvintes, mas para
proclamar que os propósitos de Deus foram cumpridos na morte de Jesus. No verso 18 a
ordem incomum, com o sujeito ( ὁ δὲ θεός ) e o verbo principal ( ἐπλήρωσεν οὕτως)
separado por uma cláusula declarando que Deus havia predito os sofrimentos do Cristo
através dos profetas, parece lançar ênfase tanto no que havia sido predito quanto no fato
de seu cumprimento. O restante do discurso é tanto um chamado extenso para responder
como uma declaração mais completa do tema de Jesus como o clímax do plano de
salvação de Deus. Sua construção é engenhosa e intricada.
Os versículos 19–21 formam uma longa sentença, um apelo enorme e eloqüente,
que começa com o mandamento de se arrepender ( μετανοήσατε οὖν καὶ ἐπιστρέψατε ),
e seguido por uma cadeia de orações: uma oferta de perdão dos pecados (v. 19b ); a
promessa de tempos refrescantes e do envio do Cristo designado (v. 20 ); uma
declaração de que o Cristo deve reinar no céu até o tempo para a restauração de todas as
coisas como previamente profetizado (v. 21 ). As notas soadas aqui (perdão, refrescante,
restauração) são todas positivas.
A referência aos profetas no final do versículo 21 (pegar o v. 18 e também a
referência no v. 20 a Jesus como o designado por Deus) é agora desenvolvida: Jesus é o
profeta como Moisés falou em Deuteronômio ( vv. 22-23 ; cf. Dt 18: 15-20. ); Além
disso, todos os profetas do Antigo Testamento predizem os eventos que estão ocorrendo
agora (v. 24 ). Observe que, à medida que a citação do Antigo Testamento é estendida
até o versículo 23 , torna-se uma exigência de obediência ao profeta. Versículos 25–
6conclui afirmando que aqueles que ouvem são os herdeiros naturais das bênçãos
preditas pelos profetas e do convênio feito a Abraão; e assim serão os primeiros a serem
abençoados por meio de Jesus - se (mais um apelo implícito) se afastarem de seus atos
perversos.
Um é atingido pela inventividade deste endereço de movimento rápido. A estrutura,
como notada na seção Estrutura da fala, é anômala e transmite um senso de
espontaneidade: declarações de como Deus ressuscitou Jesus de morte e de como isso
está de acordo com o que foi predito estão misturadas com a condenação da maldade de
Deus. aqueles que colocam Jesus à morte e apela ao arrependimento. No entanto,
embora o discurso pareça simplesmente expandir-se por um processo "aditivo", uma
sugestão sugere a seguinte, há uma lógica que controla o fluxo de ideias e os temas
introduzidos se desenvolvem a cada ocorrência sucessiva. Note particularmente como a
referência a Deus como o Deus dos patriarcas no versículo 13 retorna no final do
discurso na referência à promessa a Abraão (v. 25) .), mas agora com um foco
distintamente cristão (v. 26 ): esta dupla referência e unifica todo o endereço. Estes
versos dão a impressão de um escritor no controle de seu material.

Atos 16
Um quadro semelhante surge da consideração de Atos 16 , na qual Lucas habilmente
varia de resumo, às vezes de forma extremamente breve, com uma narração mais
detalhada de incidentes selecionados.
Os versículos 1–5 olham para trás e para frente: os versículos 1–3 apresentam
Timóteo, que deve acompanhar Paulo nas jornadas descritas no capítulo 16 ; ao mesmo
tempo, sua circuncisão está ligada ao debate do capítulo 15 sobre até que ponto os
convertidos gentios devem ser obrigados a observar a lei de Moisés. Paulo, que
argumentou no capítulo 15 que os gentios convertidos não devem ser circuncidados
( 15: 2 , 12 ), aqui Timóteo circuncidou a fim de evitar ofender os crentes judeus, no
espírito do decreto de Jerusalém ( 15: 24-9). , especialmente 28-9 ). Versículos 4–
5observe como Paulo e os que com ele fizeram esse decreto conheceram muitas cidades
e fortaleceram as igrejas nessas cidades. Tanto o incidente detalhado dos versículos 1–
3 quanto o resumo dos versículos 4–5 mostram Paulo agindo como dirigido pelos
apóstolos de Jerusalém ( 15: 25–7 ).
De maneira semelhante, os versículos 6 a 8 resumem brevemente uma jornada
considerável, observando duas vezes (sem dar detalhes) que Paulo e os que estavam
com ele foram impedidos pelo Espírito de evangelizar; esses dois comentários
preparam-se para o incidente decisivo descrito nos versículos 9–10 , no qual Paulo vê
um macedônio em uma visão implorando-lhe, em palavras de dramática brevidade, que
viesse à Macedônia: διαβὰς εἰς Μακεδονίαν βοήθησον ἡμῖν (v. 9 ). O líder negativo é
seguido pelo positivo (v. 10 )
Nos versos 11-12, Paulo e os que com ele chegam a Filipos, que Lucas
cuidadosamente marca como uma cidade macedônia (v. 12 ), deixando claro que eles
estão seguindo a orientação da visão. A narrativa então foca na conversão de Lídia
(vv. 13-15 ): a referência ao Senhor "abrindo seu coração para responder às palavras de
Paulo" (v. 14 ), bem como continuando o tema de Deus assumindo a liderança em esse
novo empreendimento evangelístico parece marcá-la como a primeira convertida. Os
eventos se movem rapidamente nesses versos: tão logo Lydia é apresentada, ela
responde às palavras de Paulo (v. 14 ) e é batizada junto com sua família (v. 15 ). Sua
oferta de hospitalidade verso 15, as únicas palavras que ela diz, marcam-na como
comprometida com Deus e com a disseminação da mensagem de Cristo. Note como as
suas palavras contêm uma referência ao Senhor ( πιστὴν τῷ κυρίῳ ), que pega o
versículo 14 ( ἧς ὁ κύριος διήνοιξεν τῃν καρδίαν ), sugerindo que o que ela faz é uma
resposta ao Senhor, que interveio em sua vida. Lucas pode cobrir eventos com
eficiência, transmitindo muito com poucas palavras.
A narrativa agora se amplia para lidar com o incidente central do relato de Lucas, a
prisão de Paulo e Silas e a conversão do carcereiro filipense (vv. 16-34 ). Paulo, cada
vez mais irritado com a garota com um espírito profético que o segue por aí, ordena que
o espírito a deixe ( ἐξελθεῖν ἀπʼ αὐτῆς ), o que faz ( ἐξῆλθεν ) (v. 18 ). Os donos da
menina, longe de ficarem impressionados com este sinal do poder de Deus, observam
apenas que sua esperança de renda também se foi ( ἐξῆλθεν , v. 19, a repetição do verbo
enfatizando a diferença de percepção). Suas palavras aos magistrados, como observado
anteriormente, estão cheias de auto-justiça cívica (hipócrita). A multidão se junta no
protesto, Paulo e Silas são açoitados, e então eles são entregues ao carcereiro, que
cuidadosamente executa sua tarefa de 'guardá-los em segurança' ( ἀσφαλῶς τηρεῖν
αὐτούς , v. 23 , pego por τοὺς πόδας ἠσφαλίσατο , v. 24 ). O poder de Deus, atuando na
primeira parte deste capítulo e na expulsão do espírito da menina, parece
temporariamente ausente; mas isto meramente se prepara para a surpreendente reversão
que virá.
Paulo e Silas estão orando e cantando, uma cena vividamente evocada pela
descrição dos outros prisioneiros ouvindo-os (v. 25 ), quando há um terremoto súbito
que provoca uma reversão imediata e total da situação, uma idéia ressaltada por muitas
das palavras e frases usadas (v. 26 ): ἄφνω δὲ σεισμὸς; μέγας, ὥστε σαλευθῆναι τὰ
θεμέλια; παραχρῆμα; αἱ θύραι πᾶσαι καὶ πάντων τὰ δεσμὰ (observe o quiasma que
enfatiza πᾶσαι, πάντων ). Assustado do sono, o carcereiro vê que as portas estão abertas,
puxa sua espada e está prestes a se matar (v. 27 : os três particípios γενόμενος,
ἰδὼν e σπασάμενος lançam ênfase no verbo principal ἤμελλεν ἑαυτὸν ἀναιρεῖν , no qual
a narrativa então permanece com a frase participativa explicativa νομίζων ἐκπεφευγέναι
τοὺς δεσμίους ). O grito de Paulo o detém (v. 28 ), e o carcereiro, reconhecendo sua
autoridade, lança-se trêmulo aos pés de Paulo e Silas (v. 29 ).
A descrição da conversão do carcereiro e de sua casa é, de certa forma, semelhante à
de Lydia no início do capítulo, mas é uma apresentação mais longa e mais dramática
(observe a dura pergunta e resposta dos versículos 30-31 ). Lucas enfatiza a mudança de
atitude do carcereiro: ele lava os furos de Paulo e Silas, mesmo estando no meio da
noite, e só então ele e sua família são batizados (v. 33 ); ele oferece a hospitalidade de
Paulo e Silas e se alegra em sua fé recém-descoberta, junto com sua família
(v. 34 ). Este é um clímax impressionante e comovente para a conta.
Os versículos finais ( 35-40 ) reforçam ainda mais a autoridade de Paulo e Silas, e
também deixam claro que eles foram arbitrariamente e injustamente presos. Os
magistrados, aparentemente tendo decidido que não há razão para detê-los, enviam uma
ordem breve para sua libertação ( ἀπόλυσον τοὺς ἀνθρώπους ἐκείνους , v. 35 ). O
carrasco repete substancialmente isto no verso 36 , adicionando (por um pequeno toque
de caracterização) as palavras mais amistosas νῦν οὖν ἐξελθόντες πορεύεσθε ἐν
εἰρήνῃ . Paulo rejeita essa ordem, para a qual a repetição chamou nossa atenção, nas
palavras faladas mais retoricamente imponentes em todo o capítulo (v. 37) .): note o
amontoado de palavras e frases que descrevem a indignidade e a ilegalidade do
tratamento ao qual Paulo e Silas foram submetidos ( δείραντες ἡμὰς δημοσίᾳ
ἀκατακρίτους, ἀνθρώπους Ῥωμαίους ὑπάχοντας, ἔβαλαν εἰς φυλακὴν ); a pergunta
desdenhosa em que νῦν e λάθρᾳ (em contraste com δημοσίᾳ ) apontam quão
diferentemente os magistrados estão agora se comportando; e a rejeição da proposta
pelas palavras enfáticas οὐ γάρ, ἀλλὰ e a exigência de que os líderes venham e os levem
para fora da custódia pessoalmente ( αὐτοὶ ). Os magistrados, agora temerosos, chegam
e levam-nos para fora da prisão (vv. 38-9), e a narrativa dos acontecimentos em Filipos
chega ao fim com Paulo e seus companheiros firmemente no controle, encorajando os
crentes (v. 40 ).
Neste capítulo, novamente, podemos observar as proporções cuidadosamente
observadas da narrativa, a maneira pela qual Lucas habilmente constrói em direção às
cenas finais, e o uso de linguagem vívida e poderosa em momentos-chave. Exemplos de
arte verbal, por exemplo, jogo de palavras e estrutura de sentença efetiva, também
foram anotados. Uma narrativa como Atos 16 , que inclui vários episódios diversos,
poderia facilmente ter se tornado fragmentada: que não atesta a habilidade de Lucas
como narrador e mostra até que ponto sua narrativa, aqui como em outros textos de
Atos, está de acordo com a narrativa. requisitos clássicos relativos ao estilo.

IV. Conclusões
1. Qualidades Persuasivas de Atos
A retórica, como foi notado anteriormente, e como os tratados retóricos enfatizam
constantemente, não é uma questão de mera decoração superficial, mas de persuasão. A
discussão anterior freqüentemente chamou a atenção para as qualidades persuasivas do
discurso de Lucas, mas alguns aspectos do tópico ainda precisam ser tratados. Como,
então, Lucas procura persuadir seus leitores das coisas de que fala?
Persuasão evidente . Em algumas partes de Atos, a intenção persuasiva é evidente. Os
discursos repetidamente expuseram em linguagem poderosa e dramática uma visão clara
de Jesus como o Cristo prometido, ressuscitado dos mortos e assim vindicado por Deus,
conforme predito nas Escrituras. Lucas geralmente ressalta essas apresentações notando
as respostas, tanto positivas quanto negativas, e deixa o leitor com poucas dúvidas sobre
o que, na sua opinião, é a resposta adequada à mensagem de Cristo.
Não menos claros são os resumos recorrentes (veja a discussão sobre
o Acordo acima) que traçam a propagação do evangelho. Lucas apresenta o evangelho
como se espalhando irresistivelmente mais e mais longe, com Deus guiando os crentes
através de cada etapa sucessiva. Também observamos vários comentários explicativos
de avaliação ou interpretação ( 10: 2 ; 11:24 ; 12:23 ; 13:48 ; 16:14 ; 17:11 ); às vezes
uma frase curta é suficiente para influenciar nossa leitura de uma seção da narrativa (por
exemplo, a descrição de Gamaliel em 5:34 como um 'professor da lei em honra do
povo', ou a descrição de Sérgio Paulo em 13 : 7 como um 'homem perspicaz').
Persuasão Encoberta . Existem, no entanto, outros meios de persuasão, menos óbvios
e, por essa razão, talvez mais eficazes. Quintiliano, por exemplo, afirma mais de uma
vez, em uma variedade de conexões, que é melhor não ser visto usando técnicas de
persuasão. Todas as variedades de comentários implícitos mencionados acima entram
na categoria de persuasão encoberta. Poderíamos, de fato, também citar a maioria das
características discutidas na escolha do material e arranjo: Lucas em todos os pontos dá
a impressão de estar bem no controle de seu material, e isso apóia sua afirmação de
estar dando conta da igreja primitiva. .
O retrato de Lucas dos apóstolos e dos crentes dá apoio implícito à sua apresentação
da mensagem de Cristo nos discursos: eles são obedientes a Deus ( 4:19 ; 5:29 ; 9: 10-
17 ; 26: 19-20 ); responsivo à direção de Deus ( 8:26 ; 11:17 ; 13: 2–3 ; 16: 9–
10 ; 19:21 ); ansioso para aproveitar qualquer oportunidade de pregar a Cristo que se
apresenta ( 3: 11–26 ; 7: 1–53 ; 8: 4–6 , 27–40 ; 17: 16–31 ; 18: 9–11 ; 19: 8– 10 ; 26:
27-9 ;28: 17-22 ); dispostos a suportar a oposição, a violência física, a prisão e a morte
( 4: 18-21 ; 5: 41-2 ; 7: 54-60 ; 12: 1-5 ; 14: 10-20 ; 16: 22-6 ; 20: 22-4 ). Aqueles que se
opõem a eles freqüentemente emergem sob uma luz menos favorável: tentando suprimir
a mensagem de Cristo porque ela ameaça seus próprios interesses ( 4: 15-21 ; 5: 27-
28 , 40 ; 16: 16-21 ; 19:23 –7 ); tão equivocado (21: 27-9 ), ridículo ( 19: 28-34 ) e
irracionalmente oposto ao evangelho ( 5:33 ;6: 10-11 ; 7:54 ; 9: 1 ); como desonesto
( 23: 12-15 ; 25: 1-3 ) e infratores da lei ( 13: 50-52 ; 19: 23-40 ).
Tratamento de pontos de vista opostos . Lucas, no entanto, não apresenta uma
imagem simplificada das respostas ao evangelho. Ele pelo menos observa duas vezes
que as pessoas que aceitam o evangelho são capazes de duplicidade ou egoísmo ( 5: 1-
11 ; 8: 18-24 ). E, por outro lado, há aqueles que, embora não aceitem o evangelho,
pedem cautela ( 5: 34-9 ) ou moderação ( 19: 35-40 ), pairam à beira do compromisso
( 17:32 ; 24: 22– 26 , embora o v. 26 retrate os motivos de Félix como pelo menos
misturados; 26:28 ), ou pelo menos não ofereça violência ( 28:25). Como observado na
discussão sobre Narração e Diálogo, Atos contém várias vozes diferentes e, assim,
ganha profundidade, complexidade e plausibilidade.
Lucas também parece antecipar possíveis contra-argumentos: por exemplo, que a
morte de Jesus argumenta contra ele ser o Cristo; ou que a rejeição da mensagem de
Jesus por muitos judeus a invalida. Citações e alusões do Antigo Testamento são
repetidamente usadas para sugerir que tanto a morte de Jesus quanto sua rejeição por
muitos judeus foram preditas nas Escrituras. Como observado na discussão da escolha
do material, isso também poderia servir para responder à objeção de que o cristianismo
era uma "novidade" religiosa.
É verdade que os adversários do evangelho em geral não falam longamente em
Atos: o mais longo desses discursos é o de Tértulo em 24: 2-8 , o que não é muito para
confrontar os cerca de vinte sermões e discursos dos cristãos. muitos deles muito mais
que sete versos. Além disso, como referido acima, tais oponentes são frequentemente
apresentados desfavoravelmente. No entanto, as objeções que são feitas em vários
pontos não são homens de palha. Em vez disso, eles identificam questões sérias e
tentam responder a objeções que podemos imaginar que teriam sido levantadas contra a
pregação, como encontramos em Atos: que encorajou a transgressão da lei do Antigo
Testamento ( 6: 13-14 ; 18: 12-13). ; 21:18 ; os debates em chs. 11 e 15também lidar
com essa questão); e que incentivou a sedição ( 16: 19–21 ; 17: 6–7 ; 24: 5–8 ).
Mack distingue discursos que vivem em um mundo próprio e aqueles que
genuinamente se envolvem com pontos de vista diferentes. Com base nas considerações
acima, Atos parece pertencer a esta última categoria: concentra-se em objeções sérias ao
evangelho (a morte de Jesus, a rejeição de Jesus por muitos judeus, a acusação de
quebrar a lei do Antigo Testamento, a acusação de sedição, e a acusação ligada de
'novidade' religiosa), e apresenta respostas cuidadosamente pensadas.

2. O Endividamento de Lucas à Retórica Clássica


Este capítulo examinou muitos aspectos das técnicas literárias de Lucas em Atos e
mostrou que há uma grande sobreposição entre eles e os da literatura clássica. Em ponto
após ponto, pode-se demonstrar que os atos operam de acordo com convenções
semelhantes às descritas nos tratados retóricos clássicos. Há alguns aspectos que é
difícil explicar além de concluir que Lucas estava ciente das convenções retóricas: o
prefácio; o layout de alguns dos discursos; e a apresentação de procedimentos legais nos
capítulos 24–26. O prefácio, em particular, parece fazer uma afirmação implícita de
estar operando dentro das convenções clássicas. Isso não quer dizer que outras
influências não tenham funcionado. O Antigo Testamento, obviamente, exerceu
considerável influência sobre os Atos; e isso pode ter se estendido a técnicas narrativas
(como observado na seção Comentário Implícito). No entanto, mesmo neste caso, os
paralelos clássicos também podem ser aduzidos. Em geral, parece justo falar de um
considerável endividamento à retórica clássica; isto é, ele dá uma indicação clara de ter
recebido o tipo de educação (retórica) que se esperaria de um escritor greco-romano
desse período que embarcou em uma obra desse tipo. Lucas, no entanto, não é escravo
das convenções clássicas: é difícil, por exemplo, ver Cícero ou Quintiliano aprovando
suas freqüentes citações do Antigo Testamento como testemunho nos discursos. Isso,
em vez de indicar incompetência em Lucas, sugere a liberdade de Lucas em relação às
convenções em que ele foi educado, o que implica um considerável domínio dessas
convenções.
Um estudo como esse também fornece uma visão de como os Atos podem ter sido
lidos por alguém com alguma educação retórica. Essa pessoa pode ter estado alerta para
a importância dos discursos na estrutura da narrativa e para as técnicas de comentário
implícito (um dos resultados deste estudo é mostrar que as abordagens "literárias
modernas" de Atos, como as discutidas no capítulo de Spencer, tem um pedigree
venerável). Ele / ela pode ter apreciado a arte de certas seções, e o arranjo geralmente
claro. Embora uma resposta positiva aos Atos dependa de muito mais do que a
apreciação da habilidade literária, tal leitor poderia ter ficado impressionado com o
cuidado com que Lucas apresenta seu relato e com a seriedade com que ele faz
possíveis objeções.
Este capítulo deixa necessariamente algumas questões sem resposta. Não procurou
determinar o gênero de Atos, nem responder à questão vinculada de seu registro
social. No entanto, uma consideração de Atos contra o pano de fundo da retórica
clássica nos leva ao cerne do livro, descobrindo as técnicas literárias de Lucas,
ajudando-nos a ver quais eram seus propósitos na escrita e demonstrando como ele
efetivamente cumpriu esses propósitos; e isto, para usar um litotes similares àqueles que
periodicamente ocorrem através de Atos, é um ganho não negligenciável.

CAPÍTULO 13
ATOS E ABORDAGENS LITERÁRIAS MODERNAS
F. Scott Spencer

Resumo
Este capítulo examina abordagens literárias recentes de Atos (tipicamente como um
constituinte de Lucas-Atos), mapeando os movimentos de crítica de redação para crítica de
composição para métodos crítico-narrativos e de resposta do leitor dependentes da teoria
literária secular. É dada especial atenção ao lugar da análise histórica tradicional dentro
desses novos estudos literários. Esta pesquisa demonstra que as investigações literárias
modernas de Atos tipicamente mantêm algum interesse no antigo cenário histórico e cultural do
livro, enquanto ao mesmo tempo promovem uma mudança significativa no foco interpretativo
do autor e evento (principais preocupações da crítica histórica) para texto e leitor .
As décadas de 1970 e 1980 testemunharam uma explosão de interesse nas investigações
literárias da Bíblia em geral (tanto no Antigo quanto no Novo Testamento) e no livro de
Atos em particular (tipicamente como constituinte de Lucas-Atos). Um levantamento
bibliográfico recente cataloga cerca de 1.000 estudos literários-críticos modernos da
Bíblia até 1992, e a tendência para tais publicações promete continuar e até mesmo
acelerar na virada do século.
À primeira vista, o impacto desse novo movimento literário pode parecer mínimo,
facilmente assimilável dentro do paradigma histórico-crítico estabelecido que governa o
conhecimento bíblico. Desde o Iluminismo, a crítica "científica" de antigos textos
sagrados tem consistentemente utilizado a análise literária em conjunção com a
investigação histórica. Qualquer crítico histórico competente que interprete um livro
como o de Atos atende a questões literárias de estrutura, fontes, temas, motivos,
dispositivos poéticos e assim por diante; e da mesma forma, virtualmente todos os
modernos críticos literários da Bíblia ainda lêem seus textos nas línguas originais do
hebraico, aramaico e grego e percebem que estão examinando antigos documentos do
Mediterrâneo não depois do segundo século dC e não das notícias de ontem ou de um
best-seller. romance.
Ainda assim, qualquer que seja o aparente ajuste entre abordagens literárias e
históricas à interpretação bíblica, de fato a relação entre esses métodos tornou-se cada
vez mais incerta, desconfortável e às vezes antagônica. Nos extremos, alguns entusiastas
literários da guilda bíblica dão a impressão de cruzadas por uma mudança de paradigma
total de métodos históricos supostamente defuntos, enquanto certos partidários
histórico-críticos parecem desconsiderar a preocupação atual com a teoria literária -
particularmente aquela derivada de críticos seculares. - como uma moda passageira e
distração desnecessária.
É claro que há muito espaço entre esses pólos para avaliações mais equilibradas e
diferenciadas da paisagem bíblico-crítica. Por exemplo, os intérpretes de orientação
literária podem (a) separar informações externas e históricas ao se concentrarem na
forma final de uma narrativa em particular sem necessariamente desacreditar tais
informações como irrelevantes ou enganosas; (b) modificar ou desafiar uma leitura
histórica padrão de um texto específico - mas, novamente, sem contestar o valor de toda
exegese histórica; ou (c) incorporar dimensões selecionadas da análise histórica em um
modelo eclético de interpretação "interdisciplinar". Em suma, o estudo literário
moderno da Bíblia pode suplementar a crítica histórica de várias maneiras sem suplantá-
la.
O propósito deste capítulo final é mapear tendências recentes na crítica literária de
Atos com um olho particular nas maneiras em que tal crítica complementa e desafia as
abordagens históricas de Atos como uma narrativa histórica do primeiro
século. Nenhuma tentativa será feita para fornecer uma pesquisa exaustiva da moderna
erudição literária crítica em Atos. O foco será limitado a grandes obras: principalmente,
comentários, volumes de ensaios coletados e monografias tratando partes significativas
de Atos.

I. Mudando Areias
A era do pós-guerra foi marcada por uma mudança metodológica decisiva nos estudos
bíblicos em direção à crítica "redação-histórica" ( redaktions-geschichtlich ) ou
simplesmente "redação". Essa nova ferramenta crítica mostrou-se especialmente útil no
estudo de Lucas-Atos por importantes estudiosos alemães, como Hans Conzelmann,
Ernst Haenchen e Ernst Käsemann. Esses intérpretes começaram a perceber que a
realização literária do escritor de Lucas e Atos ("Lucas") envolvia mais do que uma
compilação de "tesouras e pastas" de fontes escritas discretas e unidades orais de
tradição. Em vez disso, eles viam Lucas como um autor criativo,
um redator práticoadaptando, suplementando e organizando livremente os materiais
recebidos em um veículo narrativo abrangente para sua agenda teológica. Nessa
abordagem, a principal tarefa do crítico era descobrir esse propósito teológico
( Tendenz) isolando as idéias e motivos por trás das operações editoriais de Lucas em
suas fontes ou, em outras palavras, separando redação e tradição. No caso do Terceiro
Evangelho, isso exigiu um exame minucioso das alterações de Lucana de Marcos e da
hipotética fonte de ditos (Q) compartilhada com Mateus. No que diz respeito aos Atos
em que falta material sinóptico, hipóteses subjacentes foram hipotetizadas e interesses
redacionais apontados com base em "rupturas" ou "costuras" percebidas no texto e
comparações com outros esboços da história e teologia cristã primitiva extraídas
principalmente das cartas de Paulo ( presume-se ser mais confiável do que Atos).
Embora o foco tenha se estendido para além dos pericópios individuais até o
trabalho de dois volumes de Lucas, o objetivo básico da crítica de redação alemã
permaneceu consistente com as preocupações de forma crítica: espiar pela janela
(ou por trás da cortina) do texto Lucana para vislumbrar a situação social e histórica
( Sitz im Leben ) que o produziu. Quanto à situação que levou Lucas a escrever uma
continuação de seu Evangelho, havia um acordo básico de que o atraso da parousia de
Cristo ( Parousieversörgerung) desempenhou um papel crítico. Pensou-se que de
alguma forma o livro de Atos refletia a explicação de Lucas sobre a existência
continuada da igreja no mundo uma geração além do ministério de Jesus. Conzelmann
creditou a Lucas a elaboração de um esquema abrangente de história da salvação
( Heilsgeschichte) composta por três épocas sucessivas e distintas: a era passada de
Israel até João Batista, o "centro do tempo" durante o ministério de Jesus, e o período
atual da igreja que se estende desde a ascensão de Jesus até a sua parousia por algum
tempo indefinido ponto futuro. Este estágio final, no qual o livro de Atos cai, é marcado
pelo aumento da tentação e perseguição dos seguidores de Jesus, exigindo a virtude da
perseverança paciente. Haenchen colocou mais ênfase nos interesses de Lucas na
missão contínua, quergmática e apologética da igreja na era seguinte à partida de
Jesus. Em Atos, a igreja mantém laços com o ministério de Jesus, proclamando a
"Palavra de Deus" (= a mensagem do Lucana Jesus) em todo o império romano e
garante a sua sobrevivência, provando não ser uma ameaça política às autoridades
romanas. Käsemann expôs a agenda eclesiástica primordial de Lucas, na qual "a própria
igreja se torna cada vez mais o conteúdo da teologia". Especificamente, Käsemann viu
Atos como uma amostra do "catolicismo primitivo" (Frühkatholizismus ) semelhante ao
encontrado em Efésios e nas Pastorais, em que a unidade e pureza da igreja em
desenvolvimento foi salvaguardada pela sucessão institucionalizada ao ofício apostólico
( una sancta apostolica ) e preservação da doutrina apostólica.
Embora algumas de suas conclusões interpretativas tenham sido contestadas, esses
estudos inovadores continuam sendo pontos de partida para muitos acadêmicos da
Lucana que continuam a utilizar metodologia crítica de redação. Na década de 1970, no
entanto, um grupo pequeno, mas significativo de críticos bíblicos, principalmente da
América do Norte, começou a questionar certos aspectos da análise redacional do ponto
de vista literário. Os estudiosos de Lucana dentro deste movimento perceberam vários
problemas com a prática crítica de redação padrão:
1. Os desvios de Lucana de fontes como Marcos podem não ser tão ideologicamente
motivados quanto os críticos de redação tendem a pensar. Mudanças editoriais podem
refletir apenas preferências linguísticas e estilísticas e têm mais a ver com Lucas como
artista literário do que teólogo tendencioso.
2. A crítica da redação tende a ignorar o significado dos materiais recebidos que Lucas
incorpora inalterados em sua narrativa. Ao se apropriar de certas tradições, Lucas as
adota como suas e as ajusta em sua apresentação geral. Portanto, eles podem ser tão
reveladores dos interesses teológicos de Lucas quanto os materiais revisados.
3. Identificar as fontes que Lucas supostamente redigiu é um empreendimento
especulativo. O modelo dominante de duas fontes, baseado em Mark e Q, tem sido
vigorosamente desafiado pelos proponentes de paradigmas alternativos e, na melhor
das hipóteses , permanece uma hipótese de trabalho , não um resultado garantido da
análise do Evangelho. Menos ainda asseguradas são as reconstruções das fontes por trás
dos Atos, dada a ausência de outras narrativas contemporâneas de atos apostólicos com
as quais comparar e contrastar a explicação de Lucas.
4. A competência de Lucas como artesão literário argumenta em favor de sua estreita
tecelagem de tradição e redação em um todo perfeito. Assim, o esforço dos críticos de
redação para desvendar essa tapeçaria parece, em grande parte, um exercício de
futilidade em desacordo com o propósito composicional de Lucas.
5. Por toda sua insistência em ver Lucas-Atos como um todo literário, a contínua
preocupação dos críticos de redação com os desenvolvimentos históricos dos bastidores
desviam o foco da apresentação final (canônica) do texto Lucana. Enquanto o texto for
tratado principalmente como uma janela para áreas de interesse fora do texto, dimensões
importantes da mensagem Lucana permanecerão desconhecidas.
6. A busca por um esquema teológico único e abrangente - como "história redentora" ou
"catolicismo primitivo" - controlando a redação de Lucana corre o risco de reduzir a
mensagem de Lucas a um tom monótono e abafar a sinfonia de múltiplos temas e
padrões literários que ecoam por toda parte. trabalhos.
Diante dessas preocupações, alguns intérpretes de Lucana começaram a defender
uma forma modificada de crítica de redação, na qual a ênfase na modelagem de sua
narrativa total de Lucas foi maximizada e a atenção à revisão de Lucas de várias fontes
putativas foi minimizada. O novo método emergente, que alguns apelidaram de “crítica
de composição”, permaneceu orientado para a elucidação da mensagem teológica de
Lucas nas áreas clássicas da soteriologia, cristologia, escatologia e eclesiologia, mas
procurou encontrar essas idéias exclusivamente dentro da estrutura unida do final de
Lucas. composição. Materiais externos ainda eram consultados para fins comparativos
amplos, mas não para determinar as fontes de Lucas ou decifrar o processo editorial que
levava ao produto narrativo acabado. Nesta abordagem,
Charles Talbert, um profundo analista da literatura contemporânea de Lucana,
destaca uma série de palestras de Paul Minear em 1974 como um ponto de virada para
longe das abordagens redacionais estabelecidas para os Lucas-Atos. Nessas
conferências, mais tarde publicadas sob o título, Para curar e revelar: A vocação
profética de acordo com Lucas , Minear estabeleceu claramente as características de seu
método de interpretar Lucas-Atos:
Um estudo comparativo desse tipo (usando Marcos e Q) tem muitos méritos, mas acredito
que em sua própria mente, quando Lucas estava escrevendo o Evangelho, ele não estava
tanto revisando documentos anteriores para se conformar com suas próprias noções
teológicas como compondo o primeiro de dois volumes que seriam lidos juntos pelos
mesmos leitores. A interdependência desses dois volumes é tal que os propósitos do volume
um podem ser mais claramente discernidos pela observação do conteúdo e das seqüências
do volume dois.

Na verdade, Minear defendeu essa perspectiva vários anos antes, em um ensaio sobre as
narrativas do nascimento de Lucana, que aparecem em uma importante coleção de
estudos sobre Lucana, que também incluiu contribuições de Conzelmann, Haenchen e
Käsemann.
Resistindo à tendência de ler as histórias do nascimento em Lucas 1-2 como uma
colcha de retalhos de materiais tradicionais prefixados ao início do corpo de Lucas com
pouca relação com o que se segue, Minear traçou um número de termos, motivos e
padrões literários dentro dessas narrativas que Fato carrega uma marca pesada de
Lucana e prepara o palco para todo o trabalho de Lucas. Ele particularmente levou
Conzelmann a reprimir as narrativas da natividade como inautênticas, devido à sua
contradição da suposta periodização da história da salvação de Lucas. Por exemplo, os
óbvios paralelos entre os ministérios de João Batista e Jesus, prev