Você está na página 1de 67

ANTROPOLOGIA FORENSE

Profª: Emilia Emili Müller Stüpp


Instituto Pró-Rim de Educação e Pesquisa em
Saúde
– –
Pelve
ANATOMIA DA PELVE

A pelve é
constituída por 3
ossos fundidos:
Ílio: 2/3 superiores
Ísquio: 1/3 inferior
e posterior (mais
resistente)
Púbis: 1/3 inferior
e anterior
Diferentemente do crânio, a
pelve serve para determinar dois
parâmetros de identificação – o
sexo e a idade.
PELVE-Identificação do Sexo

O sexo do indivíduo é um fator de


fácil identificação, quando a genitália
do mesmo permanece em um estado
de conservação, porém, em alguns
casos onde o corpo se encontra em
fase de esqueletização o processo de
identificação requer critérios mais
minuciosos.
PELVE-Identificação do Sexo

Além da constatação do sexo


gonodal (o masculino sendo portador
de testículos e o feminino sendo
portador de ovários), alguns exames
em corpos em avançado estado de
decomposição podem utilizar:

ângulo subpúbico (em formato de “V”


para os homens e em formato de “u”
para as mulheres);
O homem: ílio mais alto
tendendo à verticalidade;
acetábulo largo tendendo
direcionar-se lateralmente;
incisura isquiática maior é
pequena e fechada;
forame obturado largo e
ovoide.
A mulher: ílio mais baixo;
acetábulo pequeno e
projetando-se antero
lateralmente;
incisura isquiática maior é larga
e aberta;
forame obturado pequeno e
triangular.
PELVE MASCULINA
B

C
D

A
A: ângulo subpúbico < 90º
B: ílio alto e vertical
C: acetábulo lateralizado
D: forame obturado largo e ovoide
PELVE FEMININA
B

C
D

A: ângulo subpúbico > 90º


B: ílio baixo
C: acetábulo antero lateral
D: forame obturado pequeno e triangular
ANTROPOLOGIA FORENSE
Profª: Emilia Emili Müller Stüpp
Instituto Pró-Rim de Educação e Pesquisa em
Saúde
– –
Tórax
ANATOMIA DO TÓRAX

É uma caixa osteocartilagínea que contém


os principais órgãos da respiração e
circulação e cobre parte dos órgãos
abdominais.

Formado por:
12 vértebras torácicas
12 pares de costelas
Osso esterno
Cartilagens costais
Tórax
Assim como a pelve, análise
do tórax nos possibilita
identificar dois parâmetros de
identificação
– sexo e idade.
Tórax – identificação do
sexo
Homens: - ombros largos;
- esterno maior
- arcos costais
proeminentes.

Mulheres:- ombros
estreitos;
- esterno menor;
- arcos costais
delicados.
•Análise comparativa das
costelas por diagramas de
remodelações da epífise costal;
•Análise da ocorrência de
osteófitos vertebrais.
•União epifisiária da extremidade
esternal da clavícula que funde
totalmente cerca dos 30 anos.
CARTILAGENS COSTAIS

CRIANÇA

ADULTO
Comparação radiológica da
clavícula no ante-mortem (1)
com o post-mortem (2)
1

2
SINDESMÓFITO

NORMAL
ANTROPOLOGIA FORENSE
Profª: Emilia Emili Müller Stüpp
Instituto Pró-Rim de Educação e Pesquisa em
Saúde
– –
Ossos Longos e Curtos
Ossos longos - anatomia

Ossos longos - Tem o comprimento


maior que a largura e são
constituídos por um corpo e duas
extremidades

Exemplo: Fêmur,Tíbia, Fíbula,


Úmero, e Falanges.
Ossos curtos - anatomia

• Ossos curtos - São parecidos com um cubo,


tendo seus comprimentos praticamente
iguais às suas larguras.
• Exemplo:Ossos do Carpo, Tarso e Patela.
Ossos longos e curtos

A análise dos ossos longos e


curtos possibilita identificar a
idade (longos e curtos)e estatura
(longos) de restos mortais
esqueletizados.
Ossos longos e curtos –
identificação da idade
O método mais seguro para averiguar
a idade é a radiografia dos ossos,
uma vez que identifica com grau de
aproximação significativo. Existem
tabelas que indicam a idade
aproximada pela morfologia e
densidade dos ossos. A radiografia da
mão e pulso é indicada para verificar
idades próximas dos 18 anos.
Ossos longos e curtos –
identificação da idade
Uso de parâmetros associados ao
grau de fechamento das linhas
epifisárias nos ossos longos e
curtos.
Análise microscópica e
radiográfica do tecido ósseo.
Ossos longos –
identificação da altura
Para determinar é a altura do indivíduo em vida, é
utilizada uma fórmula que considera a dimensão
de três ossos pares (tanto o direito como o
esquerdo): úmero, rádio e ulna.
• Estatura = 3.26 x (úmero) + 62.10 cm
• Estatura = 3.42 x (rádio) + 81.56 cm
• Estatura = 3.26 x (ulna) + 78.29 cm
Margem de erro = +/-4.42cm
Mensuração de ossos longos (fêmur, tíbia, úmero,
ulna, rádio, fíbula) e comparação com tabelas de
proporções;
Sinais particulares
• Prótese metálica;
• Fenda palatina;
• Dente incluso;
• Calo ósseo;
• Polidactilia;
• Desvio de septo;
Estudo de caso
Corpo encontrado carbonizado no interior de um
veículo, sexo masculino, caracterizado na fase
adulta. Durante os procedimentos necroscópicos
foram identificadas fraturas no crânio, nas epífises
distais dos antebraços e nas pernas, provocadas
pela carbonização.

Na averiguação deste caso, os supostos familiares


apresentaram uma documentação odontológica,
e duas radiografias da articulação do punho direito
que apresentava a presença de uma cirurgia para
redução de fratura, utilizando uma placa de
compressão em Te três parafusos corticais de
diferentes comprimentos.
Estudo de caso
As radiografias do punho direito da vitima apresentadas
como subsídios, foram de extrema importância para a
elucidação do caso, pois, apresentavam
características, formato, e pontos de convergências
ligados aos encontrados no antebraço direito da
vítima.
ANTROPOLOGIA FORENSE
Profª: Emilia Emili Müller Stüpp
Instituto Pró-Rim de Educação e Pesquisa em
Saúde
– –
Crânio
CRÂNIO
O crânio pode ser analisado para a
identificação de um individuo nos parâmetros
de raça, sexo e idade.
Os segmentos a serem analisados em um
crânio, são:
- Índice cefálico;(raça)
- Ângulo facial;(raça)
- Dimensões da face;(raça e sexo)
- Suturas cranianas;(idade)
- Glabela, arco superciliar e processo
mastoide.(sexo)
Craniometria
Realização e o exame das medições
antropométricas apenas das diversas partes do
crânio, sempre visando estabelecer identidade
quanto à constituição, ao sexo, à raça e à
idade do indivíduo.
PONTOS CRANIOMÉTRICOS
São determinados locais do crânio ósseo que
se tomam como pontos de referência para seu
estudo e medição.
1) pontos medianos ou ímpares
2) pontos laterais ou pares
Crânio – identificação da
raça
A identificação da raça através do crânio utiliza
particularidades, nomeadamente da face, que
diferenciam populações com diferentes tipos
raciais.

Exemplificando, indivíduos caucasianos


apresentam faces mais estreitas, narizes longos e
queixos proeminentes.

Por outro lado, indivíduos de negroides destacam-


se por possuírem grandes aberturas nasais e
cavidades subnasais. Os mongólicos e indianos
exibem os ossos das bochechas salientes e
características dentárias particulares.
Formas de determinação

• Ângulo facial
• Forma do palato
• Índices craniométricos:
- cefálico horizontal
- facial superior
- sagital
- transversal
- nasal
ÂNGULO FACIAL
ÍNDICE FACIAL SUPERIOR
ÍNDICE SAGITAL
Crânio – identificação do sexo

O estudo do crânio para a determinação


do sexo analisa os critérios seguintes:
• Glabela
• Arcos superciliares
• Processo mastoide
• Outros: - peso do crânio (homens são mais
pesados)
- capacidade craniana (1.400cm3 ou mais
para os homens e 1.300cm3 para as
mulheres;
GLABELA ,PROCESSO MASTÓIDE E
ARCOS SUPERCILIARES

•.
Glabela rugosa, Glabela plana, arcos
arcos superciliares salientes superciliares delicados e
e processo mastoide processo mastoide
grande e rugoso. pequeno e liso.
Crânio – identificação da idade

A melhor forma de determinar a idade do


individuo através do crânio, é a análise dos
seus dentes e mandíbula. Quando estes
elementos não são encontrados, são
utilizadas técnicas comparativas entre as
suturas do crânio e a fusão das epífises.

A radiografia do crânio é indicada para


verificar a partir do 25 anos devido a fusão
dos ossos

Você também pode gostar