Você está na página 1de 22

ANTROPOLOGIA FORENSE

Profª: Emilia Emili Müller Stüpp


Instituto Pró-Rim de Educação e Pesquisa em
Saúde
Fases de decomposição
Fases da decomposição

O processo da decomposição pode


ser dividido nas seguintes fases:
• 1. Fase fresca ou coloração;
• 2. Fase gasosa;
• 3. Fase coliquativa;
• 4. Fase de esqueletização.
• Fases extras: - saponificação
- mumificação
Fase fresca ou coloração
Caracterizada pelo surgimento da mancha
verde abdominal (16-24h post mortem) na
região da fossa ilíaca direita(devido ao
maior acumulo de gases e bactérias) e
depois difundindo-se para o resto do corpo.
O tom esverdeado vai se tornando escuro
devido a combinação de hidrogênio
sulfurado com a hemoglobina.
Ainda nesta fase há o aparecimento dos
livores cadavéricos e o resfriamento do
corpo.
Fase gasosa

Aparecimento de vesículas de ar na
pele devido ao acumulo de gases no
interior do corpo.
O cadáver aumenta de volume, em
especial na face, no abdome e na
genitália masculina.
Fase gasosa

Ocorre a projeção da língua e olhos,


aparecimento da circulação póstuma
de Brouardel, destacamento da
epiderme das mãos e amolecimento
das vísceras.
Esta fase ocorre em um período
superior a 3 dias após a morte.
Fase coliquativa

Caracteriza-se pela dissolução pútrida


do cadáver cujas partes moles vão
pouco a pouco se desintegrando.
Os tecidos amolecem, diminuem seu
tamanho e transformam-se em uma
massa pastosa, escura e fétida
chamada putrilagem.
Fase coliquativa

O corpo vai perdendo sua forma


original, o ossos são cobertos pela
putrilagem e há presença de muitos
insetos. No final da fase a putrilagem
escorre, infiltra no solo e seca por
evaporação.
Esta fase inicia aproximadamente 1
mês após a morte e pode durar vários
meses.
Fase de esqueletização

Presença de ossos quase ou


completamente livres, presos somente
pelos ligamentos articulares e
também pelas roupas.
Devido a resistência do tecido ósseo,
o processo pode ocorrer anos e
depende de fatores como a causa
mortis, local do óbito e atuação da
fauna cadavérica.
Saponificação

As vezes, devido a acidez excessiva,


as bactérias não conseguem
decompor os tecidos fazendo com
que a gordura corporal se converta
em uma massa espessa chamada
adipocera.
A adipocera se forma no tecido
subcutâneo e conserva músculos e
tecidos fibrosos
Saponificação

A saponificação é quase uma forma


de preservação natural, sendo mais
comum em pessoas obesas.
Requer um ambiente com calor
extremo e muita umidade, além da
ação de uma bactéria especifica
(Clostridium welchii).
Pode ocorrer de 5 a 6 meses e o
cadáver pode durar anos nessas
condições.
Mumificação

A mumificação natural é quando


ocorre uma desidratação da pele,
transformando-a em um couro
corporal que encolhe e acaba
protegendo os ossos da
decomposição acelerada.
Depende da temperatura e umidade,
geralmente em locais quentes e secos
com solo arenoso, como no deserto.
Vídeos
• https://www.youtube.com/watch?v=p1fSMfkXy_Q

• https://www.youtube.com/watch?v=-BBFYqa8kic
Referencias bibliográficas
• Manual de medicina legal . Editora: Saraiva; Edição: 8ª (19 de
dezembro de 2012) . Idioma: Português
• http://slideplayer.com.br/slide/5892421/
• http://wwwmorgue.blogspot.com.br/2012/05/de-pericia-medica-
forense-tanatologia.html
• http://slideplayer.com.br/slide/3655248/
• Fonte de imagens
https://www.google.com.br/search?q=esqueleto+humano&source=lnms
&tbm=isch&sa=X&sqi=2&ved=0ahUKEwiX-
NGcxLvUAhXIEJAKHZ41DbEQ_AUIBigB&biw=1525&bih=734#tbm=isch&q=
cronotanatognose+e+fen%C3%B4menos+cadav%C3%A9ricos
https://www.cabuloso.com.br/AUIBigB&biw=1525&bih=734#tbm=isch&q
=cronotanatognose+e+fen%C3%B4menos+cadav