Você está na página 1de 4

Disciplina: PSI02013 - PSICOLOGIA SOCIAL I

Créditos: 4; Carga Horária: 60; Horário: terça-feira, 9h30min/12h45min; Sala:


Professor Responsável: Carlos Baum – baum.psico@gmail.com

Súmula
Estuda os diferentes paradigmas da psicologia social (positivista, histórico-crítico e ético-estético) e discute
a função política da Psicologia na atualidade. Analisa a invenção da "psicologia social" desde uma
perspectiva genealógica, examinando o impacto das transformações sócio-culturais na experiência da
subjetividade contemporânea a partir de uma desnaturalização da dicotomia indivíduo X sociedade.

Objetivos
 Problematizar a invenção deste campo de conhecimentos denominado “psicologia social” a partir da
desnaturalização da dicotomia indivíduo x sociedade;
 Conhecer os principais paradigmas da psicologia social na América Latina e no Brasil;
 Analisar o impacto das transformações sócio-culturais na experiência da subjetividade contemporânea;
 Discutir a função política da psicologia na atualidade.

Conteúdo Programático
Módulo I e II. A invenção da psicologia social: história e paradigmas
 Problematização da dicotomia indivíduo x sociedade
 A noção de indivíduo e a emergência de um saber psicológico
 Os diferentes paradigmas em psicologia social: positivista, histórico-crítico e ético-estético
Módulo III. Temporalidades/espacialidades, subjetividade & mal-estar no contemporâneo
 A constituição do mal-estar no contemporâneo
 Múltiplas temporalidades e espacialidades na produção da experiência subjetiva
 O efeito das novas tecnologias na produção da subjetividade

Cronograma sujeito a alterações (use com moderação)


Aula Data Conteúdo Referências
Quem somos, o que queremos e como vamos
Baptista, L. A. S. (1999). A escuta Surda. In:
trabalhar
1 06/03/18 __________A cidade dos sábios. São Paulo:
Apresentação da disciplina, plano de ensino e Summus;
cronograma.
Texto base: ASSIS, Machado de. Noite de
Almirante. In: Volume de contos. Rio de Janeiro:
Garnier, 1884.

2 13/03/18 Nietzsche e a política da verdade Vídeo: Friedrich Wilhelm Nietzsche, por Viviane
Mosé.
Disponível em:

https://www.youtube.com/watch?v=wszgKT2zS-c
Texto 1: FIGUEIREDO, Luís C. M. & SANTI, Pedro L.
R. As precondições socioculturais para o
O surgimento do indivíduo e a emergência de um
3 20/03/18 aparecimento da psicologia como ciência no século
saber psicológico XIX (p. 19-54). In: Psicologia: uma (nova)
introdução. São Paulo: EDUC, 2008.
4 27/03/18 Da constituição de uma “ciência psi” e a produção Texto 2: MORAES, M. (2003). A psicologia como
do indivíduo reflexão sobre as práticas humanas: da adaptação
à errância. Estudos de Psicologia 8(3), 535-539

Texto complementar (2.1): NARDI, Henrique C. &


SILVA, Rosane N. A emergência de um saber
psicológico e as políticas de individualização (p.
187-198). Educação & Realidade, 29(1), 2004.
Texto 3: HAMANN, Trent H. Neoliberalismo,
5 03/04/18 Governamentalidade e neoliberalismo governamentalidade e ética (p. 99-133).
Ecopolítica, (3), 2012.
Texto 4: LATOUR, Bruno. Redes que a razão
desconhece: laboratórios, bibliotecas, coleções.
Tramas da rede: novas dimensões filosóficas,
estéticas e políticas da comunicação.(Trad. Marcela
Mortara) Porto Alegre: Sulina, p. 39-63, 2004.
6 10/04/18 O que é o Social? E o que eu tenho a ver com isso?
Texto Complementar (4.1): SILVA, Rosane Azevedo
Neves da. Notas para uma genealogia da Psicologia
Social. Psicologia & sociedade. São Paulo, SP. Vol.
16, n. 2 (maio/ago. 2004), p. 12-19, 2004.
7 17/04/18 Primeira Avaliação (com consulta)
Texto 5: FACINA, Adriana. Não me bate doutor”:
funk e criminalização da pobreza. V ENECULT-
Representações sociais e a Criminalização da
8 24/04/18 Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura,
Pobreza Salvador. Anais do V ENECULT-Encontro de Estudos
Multidisciplinares em Cultura, 2009.
9 01/05/18 Feriado
Texto 6: Um fascismo liberal exótico e a nostalgia
do Brasil Colônia. Disponível em:
http://www.ihuonline.unisinos.br/artigo/6557-
pampa-o-cultivo-de-soja-e-a-maior-ameaca
10 08/05/18 Os perigos do fascismo no contemporâneo
Texto complementar (6.1): DE SIQUEIRA, José
Eduardo. Irreflexão e a banalidade do mal no
pensamento de Hannah Arendt.
Seminário 1: BAUMAN, Zygmunt. Prefácio: Ser leve
Seminário: A constituição do mal-estar no
11 15/05/18 e líquido (p. 7-22). In: Modernidade líquida. Rio de
contemporâneo Janeiro: Zahar, 2001.
Seminário 2: ZAMORA, Maria H. R. N.
12 22/05/18 Seminário: Questões étnico-raciais Desigualdade social, racismo e seus efeitos (p. 563-
578). Fractal, Revista de Psicologia, 24(3), 2012.
Seminário 3: Genero: LOURO, Guacira L. Por que
estudar gênero na era dos cyborgs. Formas de ser
e habitar a contemporaneidade. Porto Alegre:
UFRGS, p. 121-128, 2000.
13 29/05/18 Seminário: Gênero e Sexualidade
Seminário 3.1: Sexualidade: LOURO, Guacira L.
Teoria queer - Uma política pós-identitária para a
educação (p. 541-553). Revista Estudos Feministas,
9(2), 2001.

Seminário 4: Bauman, Z. (2003). Comunidade. Rio


de Janeiro: Zahar. [Capítulos: A secessão dos bem
14 05/06/18 Seminário: Espacialidades e Subjetividade
sucedidos e Duas fontes do comunitarismo, p. 49 -
67; O nível mais Baixo: o gueto, p 100 - 111]

15 12/06/18 Seminário: Tecnologia e Subjetivação Seminário 5: PEDRO, Rosa M. L. R.; RODRIGUES,


Ana P. da C.; COSTA, Antonio J. P. et al. Tecnologias
de vigilância e visibilidade em cena: algumas
controvérsias (p. 51-79). Revista Polis e Psique,
4(3), 2014.

Texto Complementar (5.1): MARRA E ROSA, G.A.;


SANTOS, B.R. Repercussões das redes sociais na
subjetividade de usuários: uma revisão crítica da
literatura. Temas em Psicologia. v.23, n.4, Ribeirão
Preto, dez. 2015.
Seminário 6: ARRUDA FONTENELLE, Isleide. O
fetiche do eu autônomo: consumo responsável,
16 19/06/18 Seminário: Consumo
excesso e redenção como mercadoria. Psicologia &
sociedade, v. 22, n. 2, 2010.
17 26/06/18 Prova Final
18 03/07/18 Devolução das notas e Avaliação da disciplina
19 10/07/18 Exame

Metodologias
 Seminários
 Aulas expositivas
 Exercícios teórico-práticos
 Apresentação de vídeos

Avaliação
Ao lado das atividades que compõem a avaliação estão seus pesos respectivos:
 Avaliação 1 – 2
 Carta-Resposta - 1
 Seminário – 2
 Prova final – 5

Nesta disciplina, será utilizada a seguinte relação conceito/nota:


A = 10 – 9
B = 8,9 – 7,5
C = 7,4 – 6,0
D = 5,9 ou menos

Para aprovação, o aluno precisa ter frequência mínima de 75% e atingir conceito C (ou seja, pelo menos
nota 6 no conjunto das atividades avaliadas). Alunos que não alcançarem tal conceito poderão, no último dia
de aula, realizar uma prova de recuperação, que versará sobre os conteúdos desenvolvidos ao longo do
semestre. A nota desta prova será somada às notas obtidas ao longo do semestre e divida por dois. Estarão
aprovados aqueles cujo resultado desta operação for maior que 6 (seis).

Bibliografia Básica:
Bauman, Z. (2003). Comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
Ferreira Neto, J. L. (2011). Psicologia, Políticas Públicas e o SUS. São Paulo: Escuta, Belo Horizonte:
Fapemig.
Figueiredo, L.C. M. & Santi, P. L. R. (2002). Psicologia: uma (nova) introdução. São Paulo: Educ.
Hamann, Trent H. (2012). Neoliberalismo, governamentalidade e ética. Ecopolítica, (3), p. 99-133.
Hüning, S. M. & Guareschi, N. M. F. (2009). Foucault e a Psicologia. Porto Alegre: EDIPUCRS.
Lane, S. T. M.; Codo, W. (Org.) (1984). Psicologia Social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense.
Louro, G. L. (2001). Teoria queer - Uma política pós-identitária para a educação. Estudos Feministas, 9(2),
p. 541-553.
Nardi, H. C. & Silva, R. N. (2004). A emergência de um saber psicológico e as políticas de individualização.
Educação & Realidade, 29 (1), p. 187-198.
Pedro, R. M. L. R. et al. (2014). Tecnologias de vigilância e visibilidade em cena: algumas controvérsias.
Polis e Psique, 4(3), p. 51-79.
Pelbart, P. P. (2000). A vertigem por um fio: políticas da subjetividade contemporânea. São Paulo:
Iluminuras, 2000.
Ploner, K. S. et. al (Org.) (2003). Ética e paradigmas na Psicologia Social. Porto Alegre, ABRAPSO-SUL.
Rodrigues, A.; Assmar, E. M. L. & Jablonski, B. (2009). Psicologia Social. Rio de Janeiro. Vozes.
Scott, J. (1990). Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Tradução: Christiane Rufino Dabat &
Maria Betânia Ávila, 35 p.
Silva, R. N. (2004). Notas para uma genealogia da Psicologia Social. Psicologia & Sociedade, 16(2), p. 12-
19.
Zamora, M. H. R. N. (2012). Desigualdade social, racismo e seus efeitos. Fractal, Revista de Psicologia,
24(3), p. 563-578.

Bibliografia Complementar:
Canguilhem, G. (1973). O que é a Psicologia? Tempo Brasileiro, 30/31, p. 104-123.
Foucault, M. (2000). Genealogia e poder. In: Foucault, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.
Foucault, M. (2010). Poder e saber. In: Foucault, M., Ditos & Escritos IV - Estratégia, Poder-Saber. Rio de
Janeiro: Forense Universitária.
Guareschi, P. A. (1999). Ideologia. In: Strey, M. N. et al (Org.). Psicologia social contemporânea: livro texto.
Rio de Janeiro: Vozes.
Lane, S. T. M. (2006). Avanços da psicologia social na América Latina. In: Lane, S. T. M. & Sawaia, B. B.
(Org.). Novas veredas da psicologia social. São Paulo: Brasiliense.
Mancebo, D. (2004). Indivíduo e psicologia: gênese e desenvolvimentos atuais. In: Mancebo, D. & Jacó-
Vilela, A. M. (Org.). Psicologia Social: abordagens sócio-históricas e desafios contemporâneos. Rio de
Janeiro: Editora da UERJ.
Prado, F. K. (2011). Para uma arqueologia da psicologia social. Psicologia & Sociedade., 23(3), p. 464-468.
Rodrigues, H. B. C. (2005). A psicologia social como especialidade: paradoxos do mundo psi. Psicologia &
Sociedade, 1(17), p. 83-88.
Rolnik, S. (1997). Toxicômanos de identidade. Subjetividade em tempo de globalização. In: Lins, D. (Org.).
Cultura e subjetividade. Saberes Nômades. Campinas: Papirus.
Rose, N. (2008). Psicologia como ciência social. Psicologia & Sociedade, 20(2), p. 155-164.
Silva, R. N. (2005). A invenção da Psicologia Social. Rio de Janeiro: Vozes.