Você está na página 1de 13

ESTUDO DIRIGIDO

ENF 313 – FOTOINTERPRETAÇÃO FLORESTAL


SENSORIAMENTO REMOTO

1. Qual a definição de Sensoriamento Remoto?

É a ciência e a arte de se obter informações sobre um alvo (objeto, área ou


fenômeno) por meio da análise de dados adquiridos por um dispositivo que não esteja
em contato com o alvo (objeto, área ou fenômeno) sob investigação.

2. Existem dois modelos de propagação da energia eletromagnética: o


ondulatório e o de partículas. Como cada um deles explica a propagação da energia?
Como se relaciona o comprimento de onda (λ) com a frequência (ν), no modelo
ondulatório, e com o quantum (Q), no modelo de partículas?

O modelo ondulatório explica que a propagação da energia eletromagnética é feita


através dos movimentos ondulatórios de um ponto a outro no espaço com velocidade
de 3.108m/s, sendo em que λ=comprimento de onda: distância entre dois máximos
sucessivos (unidade metros), f - Freqüência: é o número de ondas que passam por um ponto
do espaço num determinado tempo (unidade Hertz), C - velocidade de propagação. Nota-se
que o comprimento de onda é inversamente proporcional à frequência

O modelo Corpuscular (Planck, Einstein) “preconiza que a energia se propaga pela


emissão de um fluxo de fotóns que se movem a velocidade da luz no vácuo (3.108
m/s)”(processos de absorção e emissão da energia radiante). Sendo: Q = h.f = h.c⁄λ , em que
Q = energia de um fóton, h = constante de Planck (6,626 10-34 J.s), f = frequência, c =
velocidade da luz ( 3.108m/s). Sendo assim um maior comprimento de onda resultará em um
menor quantum (Q)

3 O que é um corpo negro? Quais objetos naturais assemelham-se a um?

Qualquer objeto que é um emissor e um absorvedor perfeito em todos os


comprimentos de onda e geometrias de iluminação e visada (Roberts, 2013);

● Sol, água limpa, radiação cósmica, tinta preta fosca, corpos negros artificiais

4 Para que um objeto emita energia, qual deve ser sua temperatura? Qual a
relação entre temperatura e energia emitida?

Todo objeto acima de 0 K (zero Kelvin), i.e. -273˚C, emite EEM (energia
eletromagnética), como água, rochas, solo, vegetação e a superfície do Sol

Mλ = σ T4
Mλ = energia emitida por um corpo negro
σ = constante de Stefan-Boltzmann, 5,6697 x 10-8 W m-2 K-4
T = temperatura absoluta, medida em Kelvin
5 Um dado objeto emite energia em um comprimento de onda dominante
(λmáx). Como definimos esse comprimento de onda dominante (λmáx)? Em qual
característica do objeto essa variável se baseia?

λmax = 𝑘/𝑇
k = constante equivalente a 2.898 μm K
T = temperatura absoluta em Kelvin

Essa variável se baseia na temperatura (inverso) do objeto

6 Existem três principais tipos de espalhamento atmosférico. Quais são


eles? Explique a diferença entre eles.

O tipo de espalhamento depende do comprimento de onda da energia incidente e do


tamanho das partículas presentes na atmosfera.

✓ Espalhamento Rayleigh:
~ 2 – 8 km, diâmetro da matéria (oxigênio e nitrogênio, principalmente) é muitas vezes
menor que o comprimento de onda da radiação incidente (geralmente < 0,1);

Aparência azul do céu = espalhamento preferencial dos menores comprimentos de


onda;

Pôr-do-sol (e nascer) = laranja e vermelho são resíduos, considerando o elevado


espalhamento do violeta e do azul no maior percurso atmosférico da luz, resultante
da maior inclinação solar.

✓ Espalhamento Mie
Denominado também como espalhamento não-molecular ou por partículas de
aerossóis;
~ 0 - 4.5 km, partículas essencialmente esféricas com diâmetros (de 0,1 a 10 vezes)
semelhantes ao tamanho do comprimento de onda da energia incidente;
Magnitude do espalhamento e comprimentos de onda maiores que do
espalhamento Rayleigh. No visível, poeira e fumaça são as principais partículas.
A poluição, p.ex., promove o espalhamento de ondas no laranja e vermelho.

✓ Espalhamento não-seletivo
Porções mais baixas da atmosfera;
Partículas > 10 vezes que o comprimento de onda da REM incidente, p.ex. gotículas de
água e cristais de gelo;
Todos os comprimentos de onda da luz visível são espalhados, assim vemos como uma
luz branca.

7. Para estudarmos a superfície terrestre via sensoriamento remoto óptico


passivo, porque devemos considerar as janelas atmosféricas?
As faixas de comprimento de onda onde a radiação é menos absorvida são
chamadas de janelas atmosféricas, estas têm grande importância porque possibilitam a
reflexão da radiação pela Terra, que chega ao alvo, e podem ser aproveitadas pelos
sensores passivos. Além de toda a faixa do visível, as janelas mais importantes localizam-se
no infravermelho: de 0,7 a 3,5 µm (Infravermelho próximo); de 3,5 a 4,0 µm (Infravermelho
distante)

8 O fluxo de energia que chega ou sai de uma superfície é chamado de fluxo


radiante (Ф) e é medido em watts (w). Quais os possíveis caminhos do fluxo
radiante (Ф) que incide em uma superfície? Explique-os.

9. Albedo refere-se à razão entre a quantidade de energia refletida por uma


superfície e aquela inicialmente incidida sobre a mesma. O albedo, dessa forma, é
influenciado pelas características da superfície em questão. Quais são os principais
tipos de superfície e como refletem a energia incidente? De modo geral, como se
caracteriza o dossel florestal enquanto superfície?

Os principais tipos de superfícies são: lisa, rugosa e anisotrópica, e a reflexão da


energia incidente pode ocorrer de forma especular (ocorre na direção oposta ao radar) e
difusa (ocorre em várias direções). O dossel florestal é um alvo com superfície
anisotrópica por apresentar reflectância bidirecional (função da geometria de iluminação de
visada) e espalhamento múltiplo

10 O que é radiância?
É a intensidade radiante por unidade de área-fonte projetada em uma direção
específica. É a medida mais utilizada em sensoriamento remoto, medida em Watts
por metro quadrado por esterradiano ( W M-2 sr-3)

11 O dado de sensoriamento remoto passivo que trabalhamos, efetivamente,


é a radiância no sensor, como fazemos para acessar a radiância total da superfície?

12 Há três processos básicos de calibração/correção de imagens, que devem


ser realizados antes de interpretarmos as mesmas. Quais são eles? Descreva-os
brevemente.

Calibração radiométrica: Os valores de DN (digital number) devem ser convertidos para seu
valor de radiância (intensidade luminosa, brilho captado pelo sensor em dado
comprimento de onda). Esse processo pode ser simplificado pelo fato de que a maioria
dos sensores apresenta uma sensibilidade linear à radiação eletromagnética, em um
grande intervalo de valores.

Correção atmosférica: Simula a atmosfera e desconta o efeito de gases e partículas.


Coleta-se as informações no campo, a partir desses dados compara-se com os dados
coletados pelo sensor e traça uma linha de tendência (empirical line) e uma equação
corrige os dados do sensor.

Correção geométrica: Corrige geometricamente (ajustes a partir de uma grade


georreferenciada, pixel a pixel) e atribui um sistema de coordenadas de terreno:
georreferenciamento; Repara distorções decorrentes do tipo de projeção em perspectiva
que as fotografias aéreas e imagens têm, bem como da variação em relevo:
ORTORRETIFICAÇÃO OU ORTOCORREÇÃO
13.Considerando que o ser humano tem maior habilidade para distinguir cores,
ao invés de tons de cinza, utilizamos os canais (filtros): R (red), G (green) e B (blue);
para melhor interpretarmos determinada paisagem imageada. Para tanto, precisamos
entender como funciona a teoria das cores. Quais são as cores aditivas e subtrativas?
Como elas se relacionam?

Cores primárias aditivas: Azul, verde, vermelho


Cores primárias subtrativas: Amarelo, ciano, magenta
A combinação das três cores primárias (azul, verde e vermelho) produzem todas as
outras cores (milhares de cores), correspondentes à luz branca.
Branco – azul = amarelo = verde + vermelho
Branco – verde = magenta = vermelho + azul
Branco – vermelho = ...

14. Qual o comportamento espectral da água limpa, de um solo arenoso seco e


da vegetação da região do visível (400 a 700 nm)? E na região do infravermelho
próximo (~700 a 1.300 nm)?

- 0,4 – 0,5: Faixa do azul


- 0,5 – 0,6: Faixa do verde
- 0,6 – 0,7: Faixa do vermelho
- 0,7 – 1,3: Faixa do infravermelho próximo
- 1,3 – 2,5: Faixa do infravermelho ondas curtas
Região do visível (400-700 nm)

- Água limpa apresenta maior reflectância


- Solo arenoso seco: Por ser arenoso e seco o solo atua como um corpo que reflete
muito.
- Atua como grande absorvedor, principalmente pelos pigmentos clorofilas e
carotenoides.

Região do infravermelho próximo ( 700 a 1300)

- Água limpa: Absorve grande parte das ondas nessa faixa.


- Solo arenoso seco: Reflete a maior parte das ondas.
- Vegetação: Fraca absorção.

15. De forma geral, como se comporta espectralmente a vegetação saudável


de 400 a 2500 nm? Nesse mesmo intervalo espectral, quais (e onde, aproximadamente)
são as principais feições de absorção da energia eletromagnética por seus
constituintes?

A vegetação absorve grande parte a radiação na faixa de 400 -700 nm, devido a
presença de pigmentos como clorofilas e carotenoides. Na faixa de 700 – 1300 nm ocorre
uma baixa absorção e elevada transmitância e reflectância. Também ocorre a presença de
feições de absorção pela água. Na faixa de 1300 – 2500, essencialmente feição da água.
Bandas de absorção centradas a 1450 e 1950 nm, dois máximos relativos de reflectância,
centrados a 1650 e 2200 nm. Feições de absorção dos compostos bioquímicos: lignina,
celulose, amido, proteínas, açúcares, cuja detecção é dificultada pela origem de suas feições
de absorção: a ligação O-H

16. O que acontece com a reflectância de uma folha, na região do


infravermelho ondas curtas (~1.300 a 2.500 nm), quando é reduzido seu teor de água?
**Acho que o gráfico abaixo responde as questões 16 e 17

A região do infravermelho de ondas curtas está associada a determinações do


teor de umidade foliar, devido à resposta espectral em função do conteúdo de água. A
água absorve consideravelmente a radiação eletromagnética incidente na região espectral
compreendida entre 1300nm a 2000nm (PONZONI, 2002) e a perda de umidade das
plantas são indicadas pela absorção menos intensa nesta região.
Agosto e setembro = Déficit hídrico

17.O que acontece com a reflectância de uma folha, na região do vermelho (600 a 700
nm), quando começa a senescer? Por quê?

A reflectância aumenta nas folhas senescentes devido à perda de clorofila, que é


responsável por grande parte da absorção nessa faixa

18. Porque a vegetação saudável apresenta alta reflectância na região do


infravermelho próximo (700 a 1.300 nm)? Dessa forma, qual a principal informação que
podemos obter do dossel florestal analisando imagens obtidas nessa região espectral?

Região do infravermelho próximo: Nesta região existe uma absorção pequena da


radiação eletromagnética e considerável espalhamento interno na folha. A absorção da
água é geralmente baixa nessa região. A reflectância espectral é quase constante nessa
região. Gates et al. (1965) determinou que a reflectância espectral de folhas nessa região do
espectro eletromagnético é o resultado da interação da energia incidente com a estrutura
do mesófilo. Fatores externos à folha, como disponibilidade de água, por exemplo, podem
causar alterações na relação água - ar no mesófilo, podendo alterar a reflectância de uma
folha nesta região. De maneira geral, quanto mais lacunosa for a estrutura interna foliar,
maior será o espalhamento interno da radiação incidente, e conseqüentemente, maior
será também a reflectância

19.Ao analisarmos uma imagem digital (uma única banda), temos três
informações (eixos x, y e z) registradas. Quais são elas? Qual o nome dado ao
elemento da imagem que contém a informação espectral média obtida no campo de
visada instantâneo no terreno (Ground Instantaneous Field of View – GIFOV) de dado
sensor?

O nome dado ao elemento de imagem é pixel ou DN

20.Quais são os tipos de resolução de uma imagem digital? Elencar e explicar


sucintamente.
RESOLUÇÃO RADIOMÉTRICA: radiometria (em BIT), número possível de dados
para cada banda, onde a quantidade de tons de cinza = 2 n˚ de bit

RESOLUÇÃO ESPACIAL: espacial (medida métrica, m, km), área do terreno


representada por um pixel na imagem

RESOLUÇÃO ESPECTRAL: espectral (medida métrica, μm, nm), intervalo de


amostragem e largura de bandas

RESOLUÇÃO TEMPORAL: temporal (medida em tempo, horas, dias), periodicidade


em que determinada área é registrada pelo sensor, tempo de revisita

21. Porque, independentemente da resolução espacial de um dado, existe um


erro máximo admissível (de 0,2 mm) para sua representação espacial?

Porque a resolução ocular ou acuidade visual, que corresponde a menor imagem


retiniana percebida pelo indivíduo é ≥ 0,2 mm (0,0002 m), abaixo disto nossos olhos não
conseguem perceber.

22. Quais são as diferentes denominações dadas aos produtos de sensoriamento


remoto, em relação as suas resoluções espectrais? Como se diferem esses produtos?

23. Quais os aspectos que influenciam a resolução temporal de um dado?

● distância entre o sensor e a superfície;


● largura da faixa de imageamento;
● sistemas de imageamento com mais de um sensor idêntico (dispostos
lateralmente);
● sistemas providos de visadas laterais (off-nadir).

24. Existem quatro tipos básicos de calibração/ correção de imagens de


sensoriamento remoto óptico passivo. Quais são eles?
Vide item 12

25. Quais os tipos de correção geométrica de imagens e como se diferem?


GEORREFERENCIAMENTO:

Corrigir geometricamente (ajuste a partir de uma grade georreferenciada, pixel a


pixel) e atribuir um sistema de coordenadas de terreno.

ORTORRETIFICAÇÃO OU ORTOCORREÇÃO:

Reparar distorções de correntes do tipo de projeção em perspectiva que as fotografias


aéreas e imagens têm, bem como da variação em relevo. Utiliza-se um Modelo Digital de
Terreno (MDT), Cálculo triangulação e projeção correção, Ortofoto ou Ortoimagem

26. Como variam os tipos de sensores quanto à fonte de energia (a), ao tipo de
produto e à plataforma?

✓ Em função da fonte de energia:


PASSIVOS: não possuem fonte própria de radiação. Mede radiação solar refletida ou
radiação emitida pelos alvos. Ex.: Sistemas fotográficos.

ATIVOS: possuem sua própria fonte de radiação eletromagnética, trabalhando em faixas


restritas do espectro. Ex.: Radares.

✓ Em função do tipo de produto:

NÃO-IMAGEADORES: não geram imagem da superfície sensoriada. Ex.:


ESPECTRORRADIÔMETROS (assinatura espectral) e radiômetros (saída em dígitos
ou gráficos).

IMAGEADORES: obtém-se uma imagem da superfície observada como resultado.


Fornecem informações sobre a variação espacial da resposta espectral da
superfície observada.

✓ Em função do tipo de plataforma:


TERRESTRES: portátil, tripé e torre;

AÉREO: balões, aviões e Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs);

ORBITAL (a bordo de satélites);

27. De forma sucinta, explique a diferença entre sensores geoestacionários e


de órbita polar.
● Satélites Geoestacionários: apresentam órbita sincrônica com a rotação da
Terra (geossíncrona) de modo que parecem estacionários em relação à superfície da Terra;
Permitem a observação e a coleta de informações continuamente sobre áreas específicas
(geometria de visada fixa), muitas medições diárias (geometria solar variável). Ex: Satélites
meteorológicos e de comunicações.

● Satélites de Órbita Polar: apresenta órbita sincrônica com a rotação do Sol


(heliossíncrona), de modo que recobre cada área terrestre em um mesmo horário local
do dia; Condições de iluminação semelhantes na aquisição de imagens em uma estação
específica do ano, ao longo de anos sucessivos, ou sobre uma determinada área durante uma
série de dias (geometria de iluminação fixa).

28. Pensando em alvos florestais, quais as principais diferenças e possíveis


aplicações de imagens IKONOS II, Thematic Mapper e MODIS? Pense em termos de
escala e amostragem espectral.

29. Baseando-nos na concepção do sensor AVIRIS, qual a principal diferença


entre dados hiperespectrais e multiespectrais?

Os dados multiespectrais têm bandas com largura maior e intervalos de amostragem maiores,
enquanto os hiperespectrais possuem bandas e intervalos de amostragem menores
que podem ser considerados contínuos e podendo derivar a partir deles o
comportamento espectral do alvo.

30. Quais as principais vantagens e desvantagens de se realizar o


sensoriamento remoto, utilizando como plataforma Veículos Aéreos Não Tripulados
(VANTs)?

Vantagens:
Imageamento mais próximo da superfície, com imagens de melhor resolução espacial;
Custo menor em relação ao imageamento com satélite;
Resolução temporal muito maior ( permite revisitas a qualquer hora do dia).

Desvantagens:

Condições climáticas ruins inviabilizam o uso;


A estabilização da altura pode não ser adequada;
Possui limite de carga pequeno, não podendo transportar alguns tipos de sensores.

31. Quais são os principais objetivos das técnicas de Realce Espectral de


Imagens? Cite e descreve sucintamente algumas técnicas.

Objetivos:
● Refletir relações entre imagens e bandas;
• Atenuar efeitos atmosféricos (e topográficos);
• Permitir maior diferenciação entre os alvos
• Reduzir a dimensionalidade dos dados;

Facilitar a interpretação visual humana e interpretação automática de sistemas


computacionais
Técnicas:

● Operações de ponto: modificam os valores numéricos de cada pixel em uma


imagem de forma independente (ex.: realce de contraste);
• Operações locais: modificam os valores numéricos de cada pixel no contexto
dos valores numéricos dos pixels vizinhos (ex.: filtragem)
.
● Análise por Componentes Principais (APC) e Indices espectrais.

32. O que são Índices Espectrais? Os índices mais utilizados para o realce dos
aspectos biofísicos da vegetação baseiam-se na utilização de quais intervalos (regiões)
espectrais? Por quê?

Índices espectrais são índices que têm o objetivo de suprimir a informação espectral comum
às bandas e realçar a informação diferente.

Em razão de bandas utiliza-se um comprimento de onda de referência, de 750 e 900nm que é


um intervalo de comprimento de onda no qual a vegetação reflete muito, permitindo sua
diferenciação entre o solo e a água com maior facilidade

33. Quais são os diferentes tipos de classificação digital de imagens?


Descreva cada um deles, citando, quando necessário, suas vantagens e desvantagens.

✓ Multiespectral (pixel a pixel): baseia-se nos valores numéricos dos


pixels, nas características espectrais dos mesmos.
SUPERVISIONADA: as classes são predeterminadas pelo usuário; amostras de treinamento
são estabelecidas e utilizadas para treinar o classificador; as estatísticas das classes são
utilizadas pelos classificadores para geração da imagem classificada.

NÃO-SUPERVISIONADA: os padrões são descobertos pelo algoritmo nos dados (sem


amostras de treinamento); as classes são identificadas após a classificação; os produtos
podem ser usados em combinação com classificação supervisionada.

✓ Orientada a objetos: trata múltiplos pixels com características similares


como objetos. Mais apropriado para classes que são definidas por
relações espaciais, não por um único pixel.

SEGMENTAÇÃO: similaridade espectral entre vizinhos

Vantagens: para certos tipos de classes, classificadores baseados em pixel não são
adequados; tem a tendência de produzir as mais altas exatidões dentre os classificadores:
objetos reduzem a variância entre pixels.

Desvantagens: pode ser difícil estabelecer as regras de classificação e treinamento extensivo;


alguns objetos não segmentam facilmente (copas de árvores sobrepostas); adequado
apenas para dados de alta resolução espacial; não é transferível entre imagens; software
caros; uso limitado de informação espectral.

34. Quais as principais aplicações de classificadores digitais de imagens no


estudo/ monitoramento florestal?
Uso e ocupação da terra;
Estágios sucessionais de vegetação;
Tipologias florestais;
Status (nutricional, por ex) da vegetação.

35. Quais os passos para avaliarmos a exatidão de classificação de uma


imagem? Quais métricas analisamos usualmente?

-Gera-se imagens de referência


-Tabula-se os dados da imagem a ser classificada e da imagem de referência numa matriz de
erros
- Calcula-se o índice de exatidão global e o índice Kappa, e os erros de omissão e comissão

36. Quais são os elementos de interpretação visual de imagens? Selecione


três deles e descreva sua utilização na fotointerpretação florestal.
Elementos: localização, tonalidade e cor, tamanho, forma, textura, padrão, sombra, altura e
profundidade, volume, declividade, aspecto, sítio, situação, associação.

Tonalidade e cor: Diferenciar a vegetação de outros elementos


Forma: Diferenciar a floresta de outros tipos de vegetação
Altura e profundidade: Plantios em diferentes idades, identificação de biomas

37. Quais as principais vantagens do sensoriamento remoto ativo, em relação


ao passivo, no estudo da cobertura florestal?

Independência de iluminação solar, condições atmosféricas e tempo. Penetração em dosséis


vegetais e solos; interação com a matéria de forma diferente das ondas no espectro
visível e infravermelho

Discriminação/mapeamento de formações vegetais;


Discriminação de espécies (bandas X e C);
Estágios de sucessão florestal;
Estimativas de biomassa- Permite detectar níveis de saturação;
Inventário florestal (volume e atura)

38. Qual a importância da escolha do comprimento de onda, da polarização e


da utilização de dados interferométricos no estudo florestal via RADAR? Cite exemplos
de aplicação utilizando dados com diferentes comprimentos de onda e polarizações.

Essas escolhas vão influenciar nos dados que serão recebidos em relação à vegetação.
39. Quais as características da vegetação que interferem o retroespalhamento
das micro-ondas?

Fatores geométricos: Estrutura das árvores, dossel e rugosidade do solo;


Propriedades dielétricas: Vegetação e solo;

40. Quais as vantagens da tecnologia LiDAR (Light Detection and Ranging)


sobre dados ópticos passivos e ativos de RADAR?
O LiDAR visa tanto aumentar a precisão das medidas biofísicas quanto estender a análise
espacial para a terceira dimensão (z).

41. Qual o intervalo de comprimento de onda comumente utilizado por um


LiDAR? Por quê?

1040 a 1060nm. Porque dessa maneira os dados podem ser coletados a noite, sem depender
de uma fonte de energia???

42. Com base em que variáveis são obtidos os dados altimétricos via LiDAR?

Distância do objeto até o scanner, subtraindo isso da altura de voo ??

43. Quais os três subsistemas que compõem um sistema LiDAR aeroportado?

Laser scanner
IMU (Medida de estabilidade longitudinal)
GPS

44. Quais as diferenças do Modelo Digital de Terreno (MDT) e do Modelo


Digital de Superfície (MDS) obtidos via LiDAR? Cite algumas aplicações em Engenharia
Florestal utilizando os produtos LiDAR supracitados.

MDS: Mostra a vegetação presente (pega o primeiro ponto margeado-copa das


árvores)
MDT: Relevo (Solo, sub-bosque e declividade do terreno).

Você também pode gostar