Você está na página 1de 13

Direito Administrativo 203

Direito
Administrativo
Leandro Bortoleto e
Luís Felipe Ramos Cirino

pessoais ou de terceiros. Nesse sentido, é incompa-


 QUESTÕES
tível com esse princípio, por exemplo, a renúncia
a uma multa, sem a respectiva previsão legal, a
1. REGIME JURÍDICO ADMINISTRATIVO alienação de imóvel público sem a observância
da legislação e, ainda, a contratação sem a realiza-
- CF, art. 37, caput
ção de concurso público, exceto nos casos expres-
- Lei nº 9.784/99, art. 2º samente admitidos pelo ordenamento.
Alternativa “a”. A Administração Pública em sen-

01. (Cespe - Analista Judiciário – Área Judiciária – tido amplo abrange tanto a função administrativa
TRE-MS/2013) Em relação ao objeto e às fontes do quanto a função política, incluindo tanto os órgãos
direito administrativo, assinale a opção correta. governamentais quanto os órgãos administrativos
(A) O Poder Executivo exerce, além da função administra- e, por sua vez, a Administração Pública em sentido
tiva, a denominada função política de governo—como, estrito refere-se, exclusivamente, à função adminis-
por exemplo, a elaboração de políticas públicas, que trativa. É somente no último sentido que se inclui o
também constituem objeto de estudo do direito admi- objeto de estudo do Direito Administrativo.
nistrativo.
Alternativa “b”. A jurisprudência – que são as
(B) As decisões judiciais com efeitos vinculantes ou eficá-
cia erga omnes são consideradas fontes secundárias de decisões judiciais reiteradas sobre determinado
direito administrativo, e não fontes principais. assunto – colabora em muito para a evolução do
(C) São exemplos de manifestação do princípio da especia-
direito administrativo. A jurisprudência, em regra,
lidade o exercício do poder de polícia e as chamadas tem caráter orientador, mas há casos em que a ju-
cláusulas exorbitantes dos contratos administrativos. risprudência tem força vinculante, isto é, em que
(D) Decorrem do princípio da indisponibilidade do interesse a decisão deve ser obrigatoriamente seguida. Assim,
público a necessidade de realizar concurso público para por terem, para todos os fins, efeitos símiles aos da
admissão de pessoal permanente e as restrições impos- lei propriamente dita, as decisões vinculantes po-
tas à alienação de bens públicos. dem ser consideradas fontes primárias do direito
(E) Dizer que o direito administrativo é um ramo do direito administrativo.
público significa o mesmo que dizer que seu objeto está Alternativa “c”. Pelo princípio da especialidade,
restrito a relações jurídicas regidas pelo direito público.
que decorre dos princípios da legalidade e da indis-
ponibilidade do interesse público, sempre que possí-
COMENTÁRIOS
     
vel, é melhor que seja criada uma entidade espe-
Alternativa correta: letra “d”. O princípio da cífica para desempenhar uma atividade determi-
indisponibilidade do interesse público impõe li- nada1. ) São exemplos de manifestação do princípio
mites à atuação administrativa. Estabelece sujei- da supremacia do interesse público o exercício do
ções a que se submete o administrador público e poder de polícia e as chamadas cláusulas exorbitan-
representa a proibição da renúncia ao interesse tes dos contratos administrativos.
público, a impossibilidade de se dispor do interes- Alternativa “e”. O objeto do Direito Administrati-
se público. De fato, não é possível alguém renunciar vo não está restrito a relações jurídicas regidas pelo
ou dispor de algo que não lhe pertence. Isso é o que
acontece na gestão pública, porque o administra-
dor tem o dever de administrar, observando com 1. MAZZA, Alexandre. Manual de direito administrativo. São
fidelidade o interesse público e não seus interesses Paulo: Saraiva, 2011. p. 111.
204 Leandro Bortoleto e Luís Felipe Ramos Cirino

direito público, aplicando-se, inclusive, a relações ju- todo ato administrativo deve ser publicado, exceto
rídicas de direito privado, como ocorre, por exemplo, quando, nos termos do art. 5º, XXXIII, da Constituição
em relação às empresas públicas e sociedades de Federal, o “sigilo seja imprescindível à segurança da
economia mista, pois são regidas pelo direito priva- sociedade e do Estado”.
do, com as derrogações próprias do direito público.
Tais entidades da administração indireta são objeto
de estudo do Direito Administrativo. 03. (Analista Judiciário – Área Judiciária TRE/AP
2011 – FCC) A conduta do agente público que se
vale da publicidade oficial para realizar promoção pessoal
atenta contra os seguintes princípios da Administração Pú-
02. (FCC - Analista Judiciário – Área Judiciária –
TRE-RO/2013) Determinado Município de Rondô-
nia, em sua Lei Orgâ­nica, proibiu a contratação de parentes,
blica:
(A) razoabilidade e legalidade.
afins ou consanguíneos, do prefeito, do vice-prefeito, dos (B) eficiência e publicidade.
vereadores e dos ocupantes de cargo em comissão ou fun-
(C) publicidade e proporcionalidade.
ção de con­fiança, bem como dos servidores e empregados
públicos municipais, até seis meses após o fim do exercício (D) motivação e eficiência.
das respectivas funções. Referida norma atende ao seguinte (E) impessoalidade e moralidade.
princípio da Administração pública:
(A) Supremacia do Interesse Privado.
COMENTÁRIOS
     

(B) Impessoalidade.
(C) Motivação.  Nota do autor: o estudo dos princípios é
essencial, pois, na concepção atual, os princípios
(D) Autotutela.
constitucionais são a “norma das normas”2 e, dessa
(E) Publicidade.
maneira, se são normas, dizem o que deve ser e a
Administração Pública, direta e indireta, deve obede-
COMENTÁRIOS
     
cer a eles. Em outras palavras, os princípios consti-
tucionais vinculam a atividade da Administração
Alternativa correta: letra “b”. O princípio da
Pública.
impessoalidade pode ser visto sob dois aspectos:
quanto aos administrados e em relação à própria Insta destacar, a título de auxílio ao candidato,
Administração Pública. Na questão em comento, que as iniciais dos princípios expressos da Adminis-
trata-se do primeiro aspecto citado. Quanto aos tração Pública, consignados no art. 37 da Constitui-
administrados, o princípio da impessoalidade cor- ção Federal, formam a palavra ‘LIMPE’ (Legalidade,
responde que a atuação administrativa deve ser Impessoalidade, Moralidade, Publicidade e Eficiên-
sempre conduzida em busca da finalidade públi- cia).
ca. Quando assim não age o Poder Público – como Alternativa correta: letra “e” (responde as de-
descrito no enunciado -, há ofensa ao princípio da mais alternativas). O princípio da impessoalidade
impessoalidade. pode ser visto sob dois aspectos: quanto aos admi-
Alternativa “a”. Não existe essse princípio. Na nistrados e em relação à própria Administração Pú-
verdade, o que há é a supremacia do interesse públi- blica. Na questão em comento, trata-se do primeiro
co sobre o privado. aspecto citado. Quanto aos administrados, o princí-
pio da impessoalidade corresponde que a atuação
Alternativa “c”. Motivar significa demonstrar,
administrativa deve ser sempre conduzida em busca
por escrito, os motivos, os pressupostos de fato
da finalidade pública; quando assim não age o Poder
e de direito, que levaram o administrador a pra-
Público – como descrito no enunciado da questão –,
ticar o ato administrativo. Pelo princípio da mo-
afronta o princípio da impessoalidade. Por seu turno,
tivação, portanto, o administrador deve justificar,
a incidência do princípio da moralidade – de igual
fundamentar, a prática de determinado ato admi-
modo agredido pelo agente público descrito na hi-
nistrativo.
potética situação do enunciado – determina que a
Alternativa “d”. Pelo princípio da autotutela, é atuação administrativa além de ser legal tem que
dever da Administração o controle de seus pró- ser moral. Tem que estar de acordo com a boa-fé,
prios atos, quanto à legalidade e quanto ao méri- com a moral, com a ética, com a honestidade, com
to. A autotutela significa a Administração cuidar de a lealdade, com a probidade. Mesmo que determi-
si própria. nada situação seja respaldada pelo ordenamento ju-
Alternativa “e”. Pelo princípio da publicidade, a rídico, o ato pode ser considerado viciado por afron-
atuação administrativa não pode ser secreta. Ao tar o princípio da moralidade.
contrário, deve ser transparente para que, assim, o
titular do poder – que é o povo – possa verificar se,
realmente, a conduta do administrador estava pau- 2 BONAVIDES, Paulo. Curso de direito constitucional. 24. ed.
tada no interesse público. A regra, portanto, é que São Paulo: Malheiros, 2009. p. 294.
Direito Administrativo 205

04. (Analista Judiciário – Área Judiciária TRE/PE


2011 – FCC) No que concerne às fontes do Direito
Administrativo, é correto afirmar que:
vezes, mais afinidade com a jurisprudência pátria
que com a doutrina estrangeira”3.
Alternativa “c”. A doutrina é o estudo desenvol-
(A) o costume não é considerado fonte do Direito Admi­
vido pelos juristas, e tem papel especialmente im-
nistrativo.
portante no direito administrativo como um todo
(B) uma das características da jurisprudência é o seu univer- – principalmente pelo fato deste não estar em um
salismo, ou seja, enquanto a doutrina tende a nacionali-
único código – e contribui para a correta interpreta-
zar-se, a jurisprudência tende a universa­lizar-se.
ção dos estudos administrativos. Nesse sentido, con-
(C) embora não influa na elaboração das leis, a doutrina forme Hely Lopes Meirelles, a doutrina “influi não só
exerce papel fundamental apenas nas decisões con­
na elaboração da lei como nas decisões contenciosas
tenciosas, ordenando, assim, o próprio Direito Admi­
nistrativo. e não contenciosas, ordenando, assim, o próprio Di-
reito Administrativo”4.
(D) tanto a Constituição Federal como a lei em sentido
estrito constituem fontes primárias do Direito Admi­ Alternativa “e”. A jurisprudência possui, em re-
nistrativo. gra, caráter meramente orientador; ou seja, as deci-
(E) tendo em vista a relevância jurídica da jurispru­dência, sões dos tribunais servem de parâmetro e orienta-
ela sempre obriga a Administração Pública. ção para os juízes das instâncias inferiores na hora
do julgamento. Todavia, há casos excepcionais em
que a jurisprudência tem força vinculante, e obrigam
COMENTÁRIOS
     

a Administração Pública, como é o caso da súmula


 Nota do autor: A questão exige do candidato vinculante, por exemplo.
conhecimento específico sobre as fontes de Direito
Administrativo, que, em outras palavras, são as ‘for-
mas que revelam’ o Direito, motivo pelo qual o seu
05. (Analista Judiciário – Execução de Mandados
– TRF 1ª região/ 2006 – FCC) No que tange aos
princípios da Administração Pública, considere:
estudo é de suma importância.
I. Os atos e provimentos administrativos são imputáveis
Alternativa correta: letra “d”. Como é inerente a não ao agente que os pratica, mas ao órgão ou entidade
um Estado de Direito, a principal fonte normativa do da Administração Pública, que é o autor institucional do
Direito é a lei, que deve ser considerada em seu sen- ato.
tido amplo, abrangendo todas as espécies de atos II. A Constituição Federal exige, como condição para
legislativos. A lei, no sentido empregado, é a prin- a aquisição da estabilidade, a avaliação especial de
desempenho por comissão instituída para essa finali-
cipal fonte de direito administrativo, pois nos atos
dade.
legislativos é que está presente, ao menos em tese,
As proposições citadas referem-se, respectivamente, aos
o real interesse público. Assim, são fontes primárias
princípios da
do Direito Administrativo a Constituição Federal, as
(A) impessoalidade e eficiência.
Emendas à Constituição, as Constituições Estaduais,
a Lei Orgânica do Distrito Federal e dos Municípios, (B) hierarquia e finalidade pública.
as leis complementares, ordinárias e delegadas, as (C) impessoalidade e moralidade.
medidas provisórias, os decretos legislativos e as re- (D) razoabilidade e eficiência.
soluções legislativas. (E) eficiência e impessoalidade.
Alternativa “a”. Muito embora haja divergência
doutrinária se o costume é ou não fonte de direito COMENTÁRIOS
     

administrativo, prevalece a corrente que o entende


como tal. O costume é a prática reiterada, uniforme, Alternativa correta: letra “a” (responde as de-
de um comportamento que é considerado uma obri- mais alternativas). O princípio da impessoalidade
gação legal. Não pode ser confundido com a praxe deve ser observado tanto em relação aos administra-
administrativa – que, por ser a simples rotina admi- dos como à própria administração. De acordo com
nistrativa, não constitui fonte do direito administra- o primeiro sentido, a Administração não pode atuar
tivo. com vistas a prejudicar ou beneficiar pessoas deter-
minadas, uma vez que deve sempre se nortear pelo
Alternativa “b”. Ao contrário do contido na alter- interesse público. Já no segundo sentido – objeto da
nativa, uma das características da jurisprudência é o questão em comento –, os atos e provimentos ad-
nacionalismo, porque enquanto “a doutrina tende a ministrativos são imputáveis não ao funcionário que
universalizar-se, a jurisprudência tende a nacionali-
zar-se, pela contínua adaptação da lei e dos princí-
pios teóricos ao caso concreto. Sendo o Direito Ad-
3 MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro.
ministrativo menos geral que os demais ramos jurídi- 36. ed. São Paulo: Malheiros, 2010. p. 47.
cos, preocupa-se diretamente com a Administração 4 Direito Administrativo Brasileiro. 36 ed. São Paulo: Malhei-
de cada Estado, e por isso mesmo encontra, muitas ros, 2010. p. 47.
310 Leandro Bortoleto e Luís Felipe Ramos Cirino

Na presente questão, trata-se de ato administrativo bir a prática. Proibição que decorre diretamente
que importa enriquecimento ilícito. Dessa forma, dos princípios contidos no art. 37, caput, da Cons-
deverão ser aplicadas as sanções previstas no inciso tituição Federal”.
I, do art.12 da Lei nº 8.429/92, quais sejam: perda dos
bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimô- • O regime jurídico administrativo é o conjun-
nio; ressarcimento integral do dano, quando houver; to de princípios que confere prerrogativas e
perda da função pública; suspensão dos direitos
impõe sujeições à Administração Pública. É a
políticos de oito a dez anos; pagamento de multa
civil de até três vezes o valor do acréscimo patrimo- interação de dois polos opostos. Por isso, o uso
nial; e proibição de contratar com o Poder Público das expressões bipolaridade do direito adminis-
ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou credití- trativo58 ou binômio59 do direito administrativo.
cios, direta ou indiretamente, ainda que por intermé-
dio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, • Síntese dos princípios da Administração Pública60:
pelo prazo de dez anos.
PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
• prerrogativa
Supremacia
• interesse público prevalece sobre pri-
do interesse
DICAS público
vado
• interesse público primário
1. CONCEITO E FONTES DO DIREITO ADMINIS- Indisponi-
TRATIVO bilidade do • sujeição
interesse • interesse público é indisponível
• Direito administrativo é o “conjunto harmônico público
de princípios jurídicos que regem os órgãos, os
• atuação de acordo com a lei e o direito
agentes e as atividades públicas tendentes a re-
alizar concreta, direta e imediatamente os fins Legalidade • esfera pública: não vigora autonomia
desejados pelo Estado”57. da vontade
• busca da finalidade pública
• A principal fonte do direito administrativo é a lei,
Impessoali- • atos imputados à Administração:
mas deve ser concebida em sentido amplo, isto é,
dade imputação
abrange todos os atos legislativos. Nesse sentido,
além das leis ordinárias, complementares e de- • proibição de promoção pessoal
legadas, inclui, ainda, as medidas provisórias, os • honestidade, boa-fé, lealdade, padrões
Moralidade
decretos legislativos, as resoluções legislativas, a morais e éticos
Constituição Federal, as Emendas à Constituição,
• transparência; publicação dos atos
as Constituições estaduais, a Lei Orgânica do Dis- Publicidade
administrativos
trito Federal e as Leis Orgânicas dos Municípios.
São as chamadas fontes primárias. De todos os • rendimento; atuação eficiente; organi-
Eficiência
zação eficiente
atos legislativos apontados, por óbvio, a Consti-
tuição Federal é a principal fonte, na qual há di- Continui-
versos dispositivos aplicados ao direito adminis- dade do
• serviço público não pode parar
trativo (por exemplo, art. 5º, 21, 23, 37). serviço
público
• A jurisprudência em regra, caráter orientador,
• administração anula e revoga seus pró-
mas há casos em que tem força vinculante. Exem- Autotutela
prios atos
plos: as decisões proferidas pelo STF na ação dire-
ta de inconstitucionalidade, na ação declaratória Tutela ou • administração direta controla finali-
de constitucionalidade (CF, art. 102, § 2º) e a sú- controle dade da administração indireta
mula vinculante. Especiali- • criação de pessoa específica para atua-
dade ção específica
2. REGIME JURÍDICO ADMINISTRATIVO
• Os princípios são normas e vinculam a Admi-
nistração Pública. STF (RE 579.951): a vedação do 58. DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo.
“nepotismo não depende de lei formal para coi- 25. ed. São Paulo: Atlas, 2012. p. 62.
59. Fernando Garrido Fala apud Celso Antônio Bandeira de
Mello (Curso de direito administrativo. 27. ed. São Paulo:
Malheiros, 2010. p. 56).
57. Direito administrativo brasileiro. 36. ed. São Paulo: Malhei- 60. BORTOLETO, Leandro. Direito administrativo. Salvador:
ros, 2010. p. 40. Juspodivm, 2012. p. 50.
Direito Administrativo 311

PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FORMAS DE DESEMPENHO


DA ATIVIDADE ADMINISTRATIVA
Presunção
• regra: ato administrativo é legal
de legitimi- Concentrada • atividade é realizada por um único
dade • produz efeitos até ser extinto órgão
(concentra-
Controle ção) • pessoa jurídica sem divisão interna
judicial dos
atos admi- • sistema de jurisdição única Descon- • atividade é realizada por vários
centrada órgãos
nistrativos
(desconcen- • pessoa jurídica com divisão interna
• tentativa de preservação do ato tração) • distribuição interna de competência
Segurança • nova interpretação não retroage
jurídica Centralizada • atividade é realizada diretamente
• ato com efeito favorável, sem má-fé,
prazo: 5 anos (centraliza- pela pessoa política, por meio de
ção) seus órgãos
Motivação
ou funda- • indicação dos pressupostos de fato e
Descentrali- • atividade é realizada por outra pes-
direito
mentação zada (descen- soa jurídica
tralização) • distribuição externa de competência
• meios devem ser adequados aos fins
Razoabili- do ato
dade • utilidade, necessidade, proporcionali- • Administração direta: conjunto de órgãos que
dade
compõem a pessoa política.
Hierarquia • coordenação, organização, delegação,
avocação • Administração indireta: conjunto das pessoas
administrativas, com personalidade de direito
público ou de direito privado, patrimônio próprio
3. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E TERCEIRO SETOR
e autonomia administrativa, vinculadas à admi-
• Função administrativa: exercida pelo Poder Exe- nistração direta, criadas para o desempenho de
cutivo, de forma típica, e pelo Poder Legislativo e
determinada atividade administrativa.
pelo Poder Judiciário, de maneira atípica.
• Classificação dos órgãos públicos:
• Administração Pública: conjunto de pessoas
jurídicas, órgãos públicos e agentes públicos que a) Quanto à posição estatal ou hierarquia: inde-
realizam a atividade administrativa, consistente pendentes (representam as funções principais
em serviços públicos, fomento, polícia adminis- do Estado; não estão subordinados a nenhum
trativa e intervenção. outro); autônomos (estão situados abaixo dos
• Administração Pública em sentido amplo: englo- órgãos independentes; possuem autonomia
ba a atividade política e a atividade administra- administrativa, financeira e técnica.); superiores
tiva, incluindo tanto os órgãos governamentais (subordinados aos autônomos e independentes;
quanto os órgãos administrativos. Administração possuem poder de direção, mas não têm autono-
Pública em sentido estrito: corresponde, exclu- mia administrativa nem financeira); subalternos
sivamente, à função administrativa exercida pe- (possuem pequeno poder de decisão; ativida-
los órgãos administrativos. Subdivide-se em: a) des de execução).
sentido subjetivo, formal ou orgânico (conjunto
de pessoas jurídicas, órgãos públicos e agentes b) Quanto à estrutura: simples (não se subdividem
públicos que realizam a atividade administrativa; em outros); compostos: (subdividem-se em ou-
quem faz a atividade administrativa); b) sentido tros órgãos)
objetivo, material ou funcional (é a atividade ad-
c) Quanto à atuação funcional ou composição:
ministrativa, que compreende o serviço público,
singulares ou unipessoais (a atuação do órgão
a polícia administrativa, o fomento e a interven-
ção; o que é realizado). é realizada de acordo com a decisão de um único
agente); coletivos ou pluripessoais (a atuação
• Há várias formas de desempenho da atividade do órgão é decidida por vários agentes).
administrativa61:
d) Quanto à esfera de atuação: centrais (atuam em
toda a área territorial da pessoa); locais (atuam
61. BORTOLETO, Leandro. Direito administrativo. Salvador: apenas em parte do território da pessoa que in-
Juspodivm, 2012. p. 69. tegram)
312 Leandro Bortoleto e Luís Felipe Ramos Cirino

• São características dos órgãos públicos: a) • regime híbrido (prevalência de nor-


criação e extinção por lei; b) resultado da des- mas de direito privado)
concentração; c) despersonalizados; d) não • concurso público, vedada a acumu-
possuem patrimônio próprio; e) não possuem lação, teto remuneratório (se receber
Exploradora recurso da administração direta para
capacidade processual; f ) alguns órgãos podem
de Atividade despesa de pessoal ou custeio em
ser parte em processo para defesa de prerroga- geral), licitação (previsão de esta-
Econômica
tiva; g) podem celebrar contrato de gestão; h) tuto próprio, no qual pode haver
órgãos gestores de orçamento devem ser inscri- regras diferentes para licitação), não
possui imunidade tributária, bens
tos no CNPJ. são penhoráveis; mesmas regras do
direito privado
• O candidato deve se atentar para não confundir
as definições das entidades da administração
indireta. Ter personalidade jurídica, patrimônio • Agência reguladora: estão sendo criadas como
autarquia em regime especial; maior autonomia;
próprio, autonomia administrativa, submeter-se
deve ter personalidade de direito público.
a controle da administração direta, por exemplo,
não identificam nenhuma das pessoas e o que • Agência executiva: é uma qualificação, um título,
deve ser observado é se a personalidade é de que é dado a uma autarquia ou a uma fundação
direito público ou de direito privado, se é criada pública. São requisitos (art. 51 da Lei nº 9.649/98)
por lei ou se a lei autoriza a criação e qual a ativi- a existência de plano estratégico de reestrutura-
ção e de desenvolvimento institucional em anda-
dade desempenhada.
mento e a celebração de contrato de gestão com
• Autarquia: lei cria; personalidade de direito pú- o ministério supervisor. A qualificação se dá por
blico; atividade típica do Estado. ato do Presidente da República.

• Fundação Pública: lei cria (personalidade de di- • Consórcio público: está regulado pela Lei nº
11.107/05. Trata‑se de uma nova pessoa adminis-
reito público) e lei autoriza (personalidade de di-
trativa que surge da união entre pessoas políticas
reito privado); atividade não exclusiva do Estado
(União, Estados, Distrito Federal e Municípios).
(interesse público). Em um primeiro momento, há o protocolo de in-
• Sociedade de economia mista e Empresa Pú- tenções, que é uma espécie de ajuste preliminar
blica: lei autoriza; personalidade de direito priva- entre as pessoas políticas, no qual há a definição
do objeto do consórcio, quais são seus partici-
do; prestação de serviço público ou exploração
pantes, qual sua duração, qual a forma de eleição
de atividade econômica.
do representante legal. Depois, o protocolo de
• Comparação entre sociedade de economia mista intenções deve ser publicado na imprensa oficial
e empresa pública62: e, na sequencia, ele deve ser ratificado por lei em
cada um dos entes consorciados.

EMPRESA PÚBLICA • Consórcio público poderá ter personalidade de


E SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA direito público (associação pública; conhecido
como autarquia interfederativa ou autarquia
Pessoas jurídicas de direito privado, cuja criação é autori- multifederada) ou de direito privado.
zada por lei, com autonomia administrativa e patrimônio
próprio, que prestam serviço público ou exploram ativi- • Contrato de consórcio: formaliza a constituição
dade econômica. do consórcio.
• regime híbrido (prevalência de nor-
mas de direito público) • Contrato de rateio: formaliza a entrega de re-
cursos dos entes consorciados para o consórcio.
• concurso público, vedada a acumu-
Prestadora lação, teto remuneratório (se receber • Contrato de programa: instrumento usado
de Serviço recurso da administração direta para
quando um dos consorciados assumir a obriga-
Público despesa de pessoal ou custeio em
geral), licitação, imunidade tributária
ção de prestar serviço por meio de seus órgãos
recíproca, impenhorabilidade dos ou entidades.
bens usados na prestação do serviço
• Organização social (OS) e Organização da So-
ciedade Civil de Interesse Público (Oscip): são
entidades civis sem fins lucrativos, integrantes do
62. BORTOLETO, Leandro. Direito administrativo. 2. ed. Salva- setor privado, que recebem a qualificação do Po-
dor: Juspodivm, 2013. p. 94. der Público.
Direito Administrativo 313

• Não podem ser qualificadas como Oscip (art. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA


2º):
ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO
a) sociedades comerciais; INDIRETA DIRETA
Conjunto das pessoas ad- Conjunto dos órgãos públi-
b) sindicatos, associações de classe ou de representa-
ministrativas, com perso- cos que integram as pesso-
ção de categoria profissional; nalidade de direito público as jurídicas políticas
c) instituições religiosas ou voltadas para a dissemi- ou de direito privado, patri-
mônio próprio e autonomia
nação de credos, cultos, práticas e visões devo- administrativa, vinculadas à Pessoas jurídicas de direito
cionais e confessionais; administração direta, cria- público
das para o desempenho
d) organizações partidárias e assemelhadas, inclusive de determinada atividade União, Estados, Distrito
suas fundações; administrativa Federal e Municípios

e) entidades de benefício mútuo destinadas a pro- Autarquia: direito público


porcionar bens ou serviços a um círculo restrito Agência reguladora: autarquia em regime especial
de associados ou sócios; Agência Executiva: autarquia que recebeu a qualificação
f) entidades e empresas que comercializam planos (contrato de gestão)
de saúde e assemelhados; Fundação Pública: direito público ou direito privado
g) instituições hospitalares privadas não gratuitas e Agência Executiva: fundação pública que recebeu a quali-
suas mantenedoras; ficação (contrato de gestão)
h) escolas privadas dedicadas ao ensino formal não Empresa Pública: direito privado; prestadora de serviço
gratuito e suas mantenedoras; público ou exploradora de atividade econômica
i) organizações sociais; Sociedade de Economia Mista: direito privado; pres-
j) cooperativas; tadora de serviço público ou exploradora de atividade
econômica
k) fundações públicas;
Consórcio Público: direito público (associação pública)
l) fundações, sociedades civis ou associações de di- ou direito privado
reito privado criadas por órgão público ou por
fundações públicas; TERCEIRO SETOR

m) organizações creditícias que tenham qualquer Pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos,
tipo de vinculação com o sistema financeiro na- pertencentes ao setor privado, que desenvolvem ativida-
cional a que se refere o art. 192 da Constituição de de interesse público
Federal. Serviço social autônomo
• Diferenças entre OS e Oscip: a) a OS opera a ab- Entidade de apoio
sorção de determinada atividade que o Estado
Organização Social (OS)
esteja fazendo e, com frequência, leva à extin-
ção do órgão público que realizava a mesma Vínculo jurídico com a administração direta: contrato de
atividade e, por outro lado, a Oscip representa gestão
verdadeira parceria e não há extinção de órgãos; Organização da Sociedade Civil de Interesse Público
b) a outorga da qualificação é ato discricionário (Oscip)
na OS e ato vinculado na Oscip; c) o vínculo na Vínculo jurídico com a administração direta: termo de
OS é contrato de gestão e na Oscip é termo de parceria
parceria; d) na OS, há exigência de que tenha a
presença de representantes do poder público no
órgão de administração, o que não ocorre com a 4. AGENTES PÚBLICOS: DISPOSIÇÕES CONSTITU-
Oscip; e) no caso de desqualificação, os bens ad- CIONAIS
quiridos com recursos públicos serão revertidos
ao Poder Público, no caso da OS e, se for Oscip, • Regime jurídico único: STF (ADI 2135): foi defe-
será transferida à outra Oscip, de preferência, na rida medida liminar para suspender a eficácia do
mesma área de atuação. art. 39, caput, da Constituição, por vício formal
• Sistematização da Administração Pública e do na aprovação da Emenda nº 19/98, com efeitos
Terceiro Setor63: ex nunc, “subsistindo a legislação editada nos ter-
mos da emenda declarada suspensa”, mantendo-
-se, “assim, o então vigente caput do art. 39, que
63. BORTOLETO, Leandro. Direito administrativo. Salvador: tratava do regime jurídico único, incompatível
Juspodivm, 2012. p. 106. com a figura do emprego público”.
314 Leandro Bortoleto e Luís Felipe Ramos Cirino

• Cronologia do regime jurídico único:

REGIME JURÍDICO ÚNICO

05/10/1988 12/12/1990 04/06/1998 23/02/2000 02/08/2007


CF, art. 39, EC 19, art.  39,
Lei nº 8.112 Lei nº 9.962 ADI 2135
caput caput
   Emprego

RJU Fim retorno do
Regime Jurídi- Público
co Único Servidores Regime Jurídi- Regime Jurídi-
União, aut. e
federais co Único co Único
fund.

• Síntese sobre concurso público64:

CONCURSO PÚBLICO
número de vagas divulgado no edital tem
Regra: realização para provimento de cargo efetivo
direito subjetivo à nomeação; b) a Adminis-
- Contratação temporá- tração tem o dever de nomear os candidatos
ria: necessidade temporá- aprovados dentro do número de vagas, mas
ria e excepcional interesse pode escolher o momento desde que seja
público
dentro do prazo de validade do concurso; c)
- Cargo em comissão: são requisitos para surgir o direito à nome-
existência de lei decla- ação: previsão do número exato de vagas no
Exceção: não realização rando de livre nomeação edital; realização do concurso de acordo com
e exoneração; atribuições as regras do edital; homologação do concurso
Prazo de validade: até de direção, de chefia e de
2 anos, prorrogável, uma com a divulgação formal dos aprovados den-
assessoramento
vez, por igual período tro do número de vagas; d) o candidato apro-
Pode ser ocupado por
Pode ser de provas ou de vado fora do número de vagas não tem direito
ocupante de cargo efetivo
provas e títulos: natureza (lei definirá casos, condi- à nomeação, mesmo se surgirem novas vagas
e complexidade do cargo ções e percentuais) e por em razão de lei ou de vacância; e) excepcio-
não ocupante. Função de nalmente, a Administração pode não nomear,
confiança: só ocupante de desde que: haja decisão motivada; exista si-
cargo efetivo tuação superveniente à publicação do edital;
- Agentes públicos de ocorra imprevisibilidade da situação; haja ex-
saúde e agentes de com- pressiva gravidade da situação; exista necessi-
bate a endemias dade da não nomeação, por não haver medida
menos gravosa a ser adotada.
Reserva de vagas para deficientes: lei definirá percen-
tual • Súmula Vinculante nº 16: os “arts. 7º, IV, e 39,
§ 3º (redação da EC 19/1998), da Constituição,
referem-se ao total da remuneração percebida
• O candidato aprovado em concurso possui direi- pelo servidor público”. O vencimento do servi-
to subjetivo à nomeação ou apenas expectativa
dor público pode ser menor do que o salário
de direito?
mínimo, mas a remuneração não.
• STF (RE 598.099), em agosto de 2011, alterou • Sistematização dos limites remuneratórios65:
substancialmente seu posicionamento. Atual
posição: a) candidato aprovado dentro do

64. BORTOLETO, Leandro. Direito administrativo. Salvador: 65. BORTOLETO, Leandro. Direito administrativo. Salvador:
Juspodivm, 2012. p. 142. Juspodivm, 2012. p. 147.
340 Leandro Bortoleto e Luís Felipe Ramos Cirino

• STF 685 – É inconstitucional toda modalidade de pro-


SÚMULAS APLICÁVEIS vimento que propicie ao servidor investir-se, sem prévia
aprovação em concurso público destinado ao seu provi-
1. AGENTES PÚBLICOS mento, em cargo que não integra a carreira na qual ante-
riormente investido.
1.1. SERVIDOR PÚBLICO • STF 684 – É inconstitucional o veto não motivado à parti-
• Súmula vinculante 33 – Aplicam-se ao servidor público, cipação de candidato a concurso público.
no que couber, as regras do regime geral da previdência • STF 683 – O limite de idade para a inscrição em concurso
social sobre aposentadoria especial de que trata o artigo público só se legitima em face do art. 7º, XXX, da Cons-
40, § 4º, inciso iii da constituição federal, até a edição de tituição, quando possa ser justificado pela natureza das
lei complementar específica. atribuições do cargo a ser preenchido.
• Súmula vinculante 21 – É inconstitucional a exigência • STF 17 – A nomeação de funcionário sem concurso pode
de depósito ou arrolamento prévios de dinheiro ou bens ser desfeita antes da posse.
para admissibilidade de recurso administrativo. • STF 16 – Funcionário nomeado por concurso tem direito
a posse.
• Súmula Vinculante 5 – A falta de defesa técnica por
advogado no processo administrativo disciplinar não • STF 15 – Dentro do prazo de validade do concurso, o
ofende a Constituição. candidato aprovado tem o direito a nomeação, quando
o cargo for preenchido sem observância da classificação.
• Súmula vinculante 3 – Nos processos perante o Tribu-
nal de Contas da União asseguram-se o contraditório e a • STJ 377 – O portador de visão monocular tem direito de
ampla defesa quando da decisão puder resultar anulação concorrer, em concurso público, às vagas reservadas aos
ou revogação de ato administrativo que beneficie o inte- deficientes.
ressado, excetuada a apreciação da legalidade do ato de • STJ 266 – O diploma ou habilitação legal para o exercí-
concessão inicial de aposentadoria, reforma e pensão. cio do cargo deve ser exigido na posse e não na inscrição
para o concurso público.
• STF 21 – Funcionário em estágio probatório não pode ser
exonerado nem demitido sem inquérito ou sem as forma-
lidades legais de apuração de sua capacidade. 1.1.2. DEMISSÃO
• STF 25 – A nomeação a termo não impede a livre demis-
• STF 20 – É necessário processo administrativo, com
são, pelo Presidente da República, de ocupante de cargo
ampla defesa, para demissão de funcionário admitido por
dirigente de autarquia.
concurso.
• STF 8 – Diretor de sociedade de economia mista pode ser
• STF 19 – É inadmissível segunda punição de servidor destituído no curso do mandato.
público, baseada no mesmo processo em que se fundou
a primeira. 1.1.3. DISPONIBILIDADE
• STF 18 – Pela falta residual, não compreendida na absol- • STF 39 – À falta de lei, funcionário em disponibilidade
vição pelo juízo criminal, é admissível a punição adminis- não pode exigir, judicialmente, o seu aproveitamento,
trativa do servidor público. que fica subordinado ao critério de conveniência da
• STJ 378 – Reconhecido o desvio de função, o servidor faz Administração.
jus às diferenças salariais decorrentes. • STF 22 – O estágio probatório não protege o funcionário
• STJ 218 – Compete à justiça dos estados processar e contra a extinção do cargo.
julgar ação de servidor estadual decorrente de direitos e
vantagens estatutárias no exercício de cargo em comis- 1.1.4. REMUNERAÇÃO
são. • Súmula Vinculante 20 – A Gratificação de Desempenho
• STJ 173 – Compete à justiça federal processar e julgar o de Atividade Técnico-Administrativa – GDATA, instituída
pedido de reintegração em cargo público federal, ainda pela Lei nº 10.404/2002, deve ser deferida aos inativos
que o servidor tenha sido dispensado antes da instituição nos valores correspondentes a 37,5 (trinta e sete vír-
do Regime Jurídico Único. gula cinco) pontos no período de fevereiro a maio de
2002 e, nos termos do art. 5º, parágrafo único, da Lei nº
• STJ 170 – Compete ao juízo onde primeiro for intentada 10.404/2002, no período de junho de 2002 até a con-
a ação envolvendo acumulação de pedidos, trabalhista clusão dos efeitos do último ciclo de avaliação a que se
e estatutário, decidi-la nos limites da sua jurisdição, sem refere o art. 1º da Medida Provisória nº 198/2004, a partir
prejuízo do ajuizamento de nova causa, com o pedido da qual passa a ser de 60 (sessenta) pontos.
remanescente, no juízo próprio.
• Súmula Vinculante 16 – Os artigos 7º, IV, e 39, § 3º (reda-
• STJ 137 – Compete à justiça comum estadual processar ção da EC 19/98), da Constituição, referem-se ao total da
e julgar ação de servidor público municipal, pleiteando remuneração percebida pelo servidor público.
direitos relativos ao vínculo estatutário. • Súmula Vinculante 15 – O cálculo de gratificações e
• STJ 97 – Compete à justiça do trabalho processar e julgar outras vantagens do servidor público não incide sobre o
reclamação de servidor público relativamente a vanta- abono utilizado para se atingir o salário mínimo.
gens trabalhistas anteriores à instituição do Regime Jurí- • Súmula vinculante 6 – Não viola a constituição o esta-
dico Único. belecimento de remuneração inferior ao salário mínimo
para as praças prestadoras de serviço militar inicial.
1.1.1 CONCURSO PÚBLICO • Súmula Vinculante 4 – Salvo os casos previstos na Cons-
• STF 686 – Só por lei se pode sujeitar a exame psicotéc- tituição Federal, o salário mínimo não pode ser usado
nico a habilitação de candidato a cargo público. como indexador de base de cálculo de vantagem de ser-
Direito Administrativo 341

vidor público ou de empregado, nem ser substituído por ainda, de função gratificada na Administração Pública
decisão judicial. direta e indireta, em qualquer dos Poderes da União, dos
• STF 682 – Não ofende a Constituição a correção monetá- Estados, do Distrito Federal e dos municípios, compreen-
ria no pagamento com atraso dos vencimentos de servi- dido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a
dores públicos. Constituição Federal.
• STF 681 – É inconstitucional a vinculação do reajuste
de vencimentos de servidores estaduais ou municipais a 2. PODERES ADMINISTRATIVOS
índices federais de correção monetária.
• STF 680 – O direito ao auxílio-alimentação não se 2.1. PODER DE POLÍCIA
estende aos servidores inativos. • STF 646 – Ofende o princípio da livre concorrência lei
• STF 672 – O reajuste de 28,86%, concedido aos servido- municipal que impede a instalação de estabelecimentos
res militares pelas leis 8.622/93 e 8.627/93, estende-se comerciais do mesmo ramo em determinada área.
aos servidores civis do Poder Executivo, observadas as
• STF 645 – É competente o município para fixar o horário
eventuais compensações decorrentes dos reajustes dife-
de funcionamento de estabelecimento comercial.
renciados concedidos pelos mesmos diplomas legais.
• STF 671 – Os servidores públicos e os trabalhadores • STF 419 – Os municípios têm competência para regular
em geral têm direito, no que concerne à URP de abril/ o horário do comércio local, desde que não infrinjam leis
maio de 1988, apenas ao valor correspondente a 7/30 de estaduais ou federais válidas.
16,19% sobre os vencimentos e salários pertinentes aos • STF 397 – O poder de polícia da Câmara dos Deputados
meses de abril e maio de 1988, não cumulativamente, e do Senado Federal, em caso de crime cometido nas
devidamente corrigido até o efetivo pagamento. suas dependências, compreende, consoante o regimento,
• STF 359 – Ressalvada a revisão prevista em lei, os proven- a prisão em flagrante do acusado e a realização do inqué-
tos da inatividade regulam-se pela lei vigente ao tempo rito.
em que o militar, ou o servidor civil, reuniu os requisitos
necessários. 3. ATO ADMINISTRATIVO
• STF 339 – Não cabe ao Poder Judiciário, que não tem
função legislativa, aumentar vencimentos de servidores • STF 473 – A administração pode anular seus próprios
públicos sob fundamento de isonomia. atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais,
porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por
1.1.5. TEMPO DE SERVIÇO motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados
• STF 726 – Para efeito de aposentadoria especial de pro- os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a
fessores, não se computa o tempo de serviço prestado apreciação judicial.
fora da sala de aula. Atenção: em 29/10/2008, o STF, por • STF 346 – A Administração Pública pode declarar a nuli-
maioria, no julgamento da ADI 3.772, decidiu que a ativi- dade dos seus próprios atos.
dade de magistério não é restrita ao trabalho em sala de
aula e que dela fazem parte as funções de direção, coor- 4. PROCESSO ADMINISTRATIVO
denação e assessoramento pedagógico, desde que exer-
cidas, em estabelecimentos de ensino básico, por profes- • STJ 467 – Prescreve em cinco anos, contados do término
sores de carreira, excluídos os especialistas em educação. do processo administrativo, a pretensão da Administra-
• STF 567 – A Constituição, ao assegurar, no § 3º, do art. ção Pública de promover a execução da multa por infra-
102, a contagem integral do tempo de serviço público ção ambiental.
federal, estadual ou municipal para os efeitos de aposen- • STJ 373 – É ilegítima a exigência de depósito prévio para
tadoria e disponibilidade não proíbe à União, aos Estados admissibilidade de recurso administrativo.
e aos Municípios mandarem contar, mediante lei, para
efeito diverso, tempo de serviço prestado a outra pessoa 5. BENS PÚBLICOS
de direito público interno.
• STF 650 – Os incisos I e XI do art. 20 da Constituição
1.1.6. VITALICIEDADE Federal não alcançam terras de aldeamentos extintos,
• STF 47 – Reitor de universidade não é livremente demis- ainda que ocupadas por indígenas em passado remoto.
sível pelo Presidente da República durante o prazo de sua • STF 480 – Pertencem ao domínio e administração da
investidura. União, nos termos dos artigos 4º, IV, e 186, da Constitui-
• STF 46 – Desmembramento de serventia de justiça não ção Federal de 1967, as terras ocupadas por silvícolas.
viola o princípio de vitaliciedade do serventuário. • STF 479 – As margens dos rios navegáveis são domínio
• STF 36 – Servidor vitalício está sujeito a aposentadoria público, insuscetíveis de expropriação e, por isso mesmo,
compulsória, em razão da idade. excluídas de indenização.

1.1.7. NOMEAÇÃO PARA CARGO EM COMISSÃO • STF 477 – As concessões de terras devolutas situadas na
faixa de fronteira, feitas pelos Estados, autorizam, apenas,
(NEPOTISMO)
o uso, permanecendo o domínio com a União, ainda que
• Súmula Vinculante 13 – A nomeação de cônjuge, com-
se mantenha inerte ou tolerante, em relação aos possui-
panheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afini-
dores.
dade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nome-
ante ou de servidor da mesma pessoa jurídica, investido • STJ 496 – Os registros de propriedade particular de imó-
em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para veis situados em terrenos de marinha não são oponíveis
o exercício de cargo em comissão ou de confiança, ou, à União.
342 Leandro Bortoleto e Luís Felipe Ramos Cirino

• STJ 238 – A avaliação da indenização devida ao proprie- • STJ 114 – Os juros compensatórios, na desapropriação
tário do solo, em razão de alvará de pesquisa mineral, é indireta, incidem a partir da ocupação, calculados sobre
processada no juízo estadual da situação do imóvel. o valor da indenização, corrigido monetariamente.
• STJ 103 – Incluem-se entre os imóveis funcionais que • STJ 113 – Os juros compensatórios, na desapropriação
podem ser vendidos os administrados pelas Forças Arma- direta, incidem a partir da imissão na posse, calculados
das e ocupados pelos servidores civis. sobre o valor da indenização, corrigido monetariamente.
• STJ 102 – A incidência dos juros moratórios sobre os
6. INTERVENÇÃO DO ESTADO NA PROPRIEDADE compensatórios, nas ações expropriatórias, não constitui
PRIVADA anatocismo vedado em lei.
• STJ 70 – Os juros moratórios, na desapropriação direta ou
6.1. DESAPROPRIAÇÃO indireta, contam-se desde o trânsito em julgado da sen-
• STF 652 – Não contraria a Constituição o art. 15, § 1º, tença.
do DL. 3.365/41 (Lei da Desapropriação por Utilidade • STJ 69 – Na desapropriação direta, os juros compensató-
Pública). rios são devidos desde a antecipada imissão na posse e,
• STF 618 – Na desapropriação, direta ou indireta, a taxa na desapropriação indireta, a partir da efetiva ocupação
dos juros compensatórios é de 12% (doze por cento) ao do imóvel.
ano.
• STJ 67 – Na desapropriação, cabe a atualização mone-
• STF 617 – A base de cálculo dos honorários de advogado tária, ainda que por mais de uma vez, independente do
em desapropriação é a diferença entre a oferta e a inde- decurso de prazo superior a um ano entre o cálculo e o
nização, corrigidas ambas monetariamente. efetivo pagamento da indenização.
• STF 561 – Em desapropriação, é devida a correção mone- • STJ 56 – Na desapropriação para instituir servidão admi-
tária até a data do efetivo pagamento da indenização, nistrativa são devidos os juros compensatórios pela limi-
devendo proceder-se à atualização do cálculo, ainda que tação de uso da propriedade.
por mais de uma vez.
• STJ 12 – Em desapropriação, são cumuláveis juros com-
• STF 476 – Desapropriadas as ações de uma sociedade, pensatórios e moratórios.
o poder desapropriante, imitido na posse, pode exercer,
desde logo, todos os direitos inerentes aos respectivos
títulos.
• STF 475 – A Lei 4.686, de 21.06.1965, tem aplicação INFORMATIVOS APLICÁVEIS
imediata aos processos em curso, inclusive em grau de
recurso extraordinário.
1. REGIME JURÍDICO ADMINISTRATIVO
• STF 416 – Pela demora no pagamento do preço da desa-
• STF – Art. 37, § 1º, da CF e promoção pessoal
propriação não cabe indenização complementar além
dos juros. Em conclusão de julgamento, a 2ª Turma, por maioria,
• STF 378 – Na indenização por desapropriação incluem-se não conheceu de recurso extraordinário interposto de
honorários do advogado do expropriado. acórdão que mantivera sentença que julgara procedente
pedido formulado em ação popular ajuizada contra pre-
• STF 164 – No processo de desapropriação, são devidos feito, por afronta aos princípios da impessoalidade e da
juros compensatórios desde a antecipada imissão de moralidade administrativa (CF, art. 37, § 1º), em razão do
posse, ordenada pelo juiz, por motivo de urgência. uso de símbolo e de slogan político-pessoais nas diversas
• STF 157 – É necessária prévia autorização do Presidente formas de publicidade e/ou divulgação de obras e even-
da República para desapropriação, pelos Estados, de tos da prefeitura. O então prefeito reiterava a assertiva de
empresa de energia elétrica. ofensa ao art. 37, § 1º, da CF, porquanto a interpretação
• STF 23 – Verificados os pressupostos legais para o licen- conferida pela Corte de origem ao referido dispositivo
ciamento da obra, não o impede a declaração de utili- constitucional, que não mencionaria o vocábulo slogan,
dade pública para desapropriação do imóvel, mas o valor seria errônea ao considerar a utilização de símbolo — o
da obra não se incluirá na indenização, quando a desa- elo de uma corrente — e o bordão “unidos seremos mais
propriação for efetivada. fortes” como conflitantes com o aludido artigo. Arguia
possível a conclamação do povo por meio de palavras
• STJ 408 – Nas ações de desapropriação, os juros compen-
de ordem e afirmava, ainda, que o símbolo por ele utili-
satórios incidentes após a Medida Provisória nº 1.577, de
zado fora criado por artista local e escolhido em concurso
11.6.1997, devem ser fixados em 6% ao ano até 13.9.2001,
para dar significado à frase de exortação (slogan), não se
e, a partir de então, em 12% ao ano, na forma da Súmula
enquadrando, pois, na vedação constitucional — v. Infor-
nº 618 do Supremo Tribunal Federal.
mativo 568.
• STJ 354 – A invasão do imóvel é causa de suspensão do
Em assentada anterior, o Min. Joaquim Barbosa, na linha
processo expropriatório para fins de reforma agrária.
da jurisprudência do STF, não conheceu do recurso por
• STJ 141 – Os honorários de advogado em desapropria- demandar reexame de provas. O Min. Cezar Peluso, a seu
ção direta são calculados sobre a diferença entre a inde- turno, acompanhou essa conclusão, mas por fundamento
nização e a oferta, corrigidas monetariamente. diverso. Apontou não ser hipótese de incidência do Enun-
• STJ 131 – Nas ações de desapropriação incluem-se no ciado 279 da Súmula do STF (“Para simples reexame de
cálculo da verba advocatícia as parcelas relativas aos prova não cabe recurso extraordinário”), haja vista que o
juros compensatórios e moratórios, devidamente corrigi- caso cuidaria de mera valoração jurídica de provas, e não
das. de seu reexame sob aspecto factual. Explicou que, incon-
Direito Administrativo 343

troversa a matéria de fato — o teor da expressão utili- extraordinário improvido. RE 610517/RJ Relator: Min.
zada, a imagem constante do símbolo, a circunstância de Celso de Mello, 03.06.2013
terem ambos sido efetivamente usados nas publicações • ECT: ISS e imunidade tributária recíproca – 7
oficiais e em dois sentidos possíveis —, dever-se-ia proce-
der apenas à qualificação jurídica do que fora assentado Os serviços prestados pela Empresa Brasileira de Correios
nos autos, à luz do art. 37, § 1º, da CF. Nesse contexto, e Telégrafos – ECT estão abrangidos pela imunidade recí-
sublinhou que a vedação expressa no dispositivo não exi- proca (CF, art. 150, VI, a, e §§ 2º e 3º). Essa a orientação
giria demonstração cabal de que a mensagem — quando do Plenário que, ao concluir julgamento, por maioria,
disfarçada — fosse efetivamente compreendida por proveu recurso extraordinário interposto de acórdão em
todos os cidadãos. Aduziu que a referida possibilidade de que se limitara o colimado benefício aos serviços tipica-
se obter essa comprovação reduziria o âmbito da proibi- mente postais mencionados no art. 9º da Lei 6.538/78. A
ção constitucional ao caso de promoção pessoal direta, Corte de origem entendera lícito ao município recorrido
ostensiva e indisfarçada. Assim, rememorou orientação a cobrança de Imposto sobre Serviços – ISS relativamente
da Corte no sentido de que relevaria estimar se a publi- àqueles não abarcados pelo monopólio concedido
cidade oficial apresentaria indiscutível possibilidade de pela União — v. Informativos 628 e 648. Na sessão de
associação indevida ao titular do cargo, o que pareceria 16.11.2011, o Min. Ayres Britto registrou, de início, que
impossível de se realizar na espécie. a manutenção do correio aéreo nacional e dos serviços
postais e telegráficos pela recorrente não poderia sofrer
Vencido o Min. Gilmar Mendes, relator, que provia o
solução de continuidade, de maneira a ser obrigato-
extraordinário a fim de julgar improcedente a ação popu-
riamente sustentada pelo Poder Público, ainda que lhe
lar ao fundamento de que o acórdão impugnado teria
gerasse prejuízo. Além do mais, reputou possível a ado-
aplicado equivocadamente o disposto no art. 37, § 1º, da
ção de política tarifária de subsídios cruzados, porquanto
CF, violando-o. Asseverava que se trataria de valoração
das provas produzidas nos autos e não de seu reexame. os Correios realizariam também direitos fundamentais da
Em seguida, reputava que, da mesma forma que se pode- pessoa humana — comunicação telegráfica e telefônica
ria proceder à leitura do símbolo e do slogan de acordo e o sigilo dessas comunicações —, em atendimento que
com aquela feita pelo recorrido/autor popular, também alçaria todos os municípios brasileiros (integração nacio-
seria perfeitamente possível, de maneira legítima, inter- nal) com tarifas módicas. Assinalou que, na situação dos
pretar-se o mesmo símbolo como se um elo de corrente autos, a extensão do regime de imunidade tributária seria
representasse, e à leitura do slogan como se diretamente natural, haja vista que a recorrente seria longa manus da
relacionado à função do elo da corrente, ou seja, à união União, em exercício de atividade absolutamente neces-
que leva à força. Tendo isso em conta, entendia que as sária e mais importante do que a própria compostura
provas colacionadas, por si sós, seriam insuficientes para jurídica ou a estrutura jurídico-formal da empresa. O Min.
caracterizar a promoção pessoal do recorrente. Gilmar Mendes, em reforço ao que referido, ressaltou
que a base do monopólio da ECT estaria sofrendo esva-
RE 281012/PI, rel. orig. Min. Gilmar Mendes, red. p/ o acór-
ziamento, tornando-se ultrapassada, diante da evolução
dão, Min. Joaquim Barbosa, 20.3.2012. (RE-281012) (Infor-
tecnológica. Ressurtiu que a recorrente, mesmo quando
mativo 659, 2ª Turma)
exercesse atividades fora do regime de privilégio, sujeitar-
se-ia a condições decorrentes desse status, não extensí-
2. ADMINISTRAÇÃO INDIRETA veis à iniciativa privada, a exemplo da exigência de prévia
• STF - Casa da Moeda do Brasil - Empresa delegatária licitação e da realização de concurso público. Concluiu
de serviço público - Monopólio constitucional - Imuni- que, enquanto não houvesse a mudança preconizada na
dade tributária recíproca ADPF 46/DF (DJe de 26.2.2010), a imunidade recíproca
Casa da Moeda do Brasil (CMB). Empresa governamen- aplicar-se-ia em relação ao ISS, sob pena de desorganiza-
tal delegatária de serviços públicos. Emissão de papel ção desse serviço, dado que os municípios o tributariam
moeda, cunhagem de moeda metálica, fabricação de de modo distinto.
fichas telefônicas e impressão de selos postais. Regime RE 601392/PR, rel. orig. Min. Joaquim Barbosa, red. p/ o
constitucional de monopólio (CF, art. 21, VII). Outorga de acórdão Min. Gilmar Mendes, 28.2.2013. (RE-601392)
delegação à CMB, mediante lei, que não descaracteriza
ECT: ISS e imunidade tributária recíproca – 8
a estatalidade do serviço público, notadamente quando
constitucionalmente monopolizado pela pessoa política Em seguida, o Min. Celso de Mello sublinhou que essas
(a União Federal, no caso) que é dele titular. A delega- outras atividades existiriam para custear o desempenho
ção da execução de serviço público, mediante outorga daquela sob reserva constitucional de monopólio. Se
legal, não implica alteração do regime jurídico de direito assim não fosse, frustrar-se-ia o objetivo do legislador
público, inclusive o de direito tributário, que incide sobre de viabilizar a integração nacional e dar exequibilidade
referida atividade. Consequente extensão, a essa empresa à fruição do direito básico de se comunicar com outras
pública, em matéria de impostos, da proteção constitu- pessoas, com as instituições e de exercer direitos outros
cional fundada na garantia da imunidade tributária recí- fundados na própria Constituição. Em arremate, frisou
proca (CF, art. 150, VI, a). O alto significado político-jurí- não haver comprometimento do status de empresa
dico dessa prerrogativa constitucional, que traduz uma pública prestadora de serviços essenciais, sendo conditio
das projeções concretizadoras do princípio da Federação. sine qua non para a viabilidade de um serviço postal con-
Imunidade tributária da Casa da Moeda do Brasil, em face tínuo, universal e de preços módicos. Nesta assentada,
do ISS, quanto às atividades executadas no desempenho o Min. Ricardo Lewandowski reajustou o voto proferido
do encargo, que, a ela outorgado mediante delegação, foi anteriormente. Vencidos os Ministros Joaquim Barbosa,
deferido, constitucionalmente, à União Federal. Doutrina relator, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Cezar Peluso e Marco
(Regina Helena Costa, inter alios). Precedentes. Recurso Aurélio, que negavam provimento ao recurso.
344 Leandro Bortoleto e Luís Felipe Ramos Cirino

RE 601392/PR, rel. orig. Min. Joaquim Barbosa, red. p/ o Executivo, porque essa transferência de atribuições, pelo
acórdão Min. Gilmar Mendes, 28.2.2013. (RE-601392) Governador, de atos de competência exclusiva do Judi-
ciário ou do Legislativo configuraria ingerência indevida
3. AGENTES PÚBLICOS nos demais Poderes. Ato contínuo, ao cuidar do art. 7º,
consignou-se que, embora a alínea a tivesse sofrido
• STF - Cargos em comissão e nepotismo - 1
alteração pela EC 14/97 do ente federativo, a revogação
O Plenário julgou parcialmente procedente pedido for- do texto impugnado não prejudicaria a ação direta. No
mulado em ação direta para declarar a inconstituciona- entanto, somente teria motivo para ser mantida íntegra
lidade do art. 4º (“Ficam extintos os cargos em comis- se subsistisse o art. 4º, pois guardaria inteira dependência
são que não atendam às disposições do parágrafo 4º normativa com ele. A respeito da alínea b, registrou-se
do artigo 20 e do artigo 32, caput, da Constituição do inexistir razão para declará-la inconstitucional, uma vez
Estado”), bem assim das expressões “4º e” e “inclusive de que disporia sobre a vigência de dispositivo considerado
extinção de cargos em comissão e de exoneração” cons- constitucional.ADI 1521/RS, rel. Min. Ricardo Lewan-
tantes do art. 6º (“O Governador do Estado, o Presidente dowski, 19.6.2013. (ADI-1521)
do Tribunal de Justiça e a Mesa da Assembléia Legisla-
• STF – Subsídio de prefeito e vice-prefeito e critério de
tiva, no âmbito dos respectivos Poderes, o Procurador-
fixação
-Geral de Justiça e o Presidente do Tribunal de Contas
do Estado, no âmbito das suas respectivas instituições, A 1ª Turma negou provimento a recurso extraordinário
emitirão os atos administrativos declaratórios de atendi- do Município de Belo Horizonte, em que se discutia crité-
mento das disposições dos artigos 4º e 5º desta emenda rio de estabelecimento de remuneração de prefeito e de
constitucional, inclusive de extinção de cargos em comis- vice-prefeito mediante a Resolução 2021/96 da Câmara
são e de exoneração”), ambos da Emenda Constitucional daquela municipalidade. Na origem, o parquet ajuizara
12/95, do Estado do Rio Grande do Sul, que cuida da ação civil pública sob argumento de que o subsídio deve-
criação, disciplina e extinção de cargos em comissão na ria ser equivalente ao valor fixado para os deputados, e
esfera dos Poderes locais. Conferiu-se ao parágrafo único não ao que realmente percebido, pois estaria sujeito à
do art. 6º interpretação conforme a Constituição Fede- variação mês a mês, sob pena de se conceder reajuste
ral para abranger apenas os cargos situados no âmbito salarial mensal, em afronta aos princípios da legalidade e
do Poder Executivo. Além disso, assentou-se a inconsti- da moralidade. O pedido fora julgado procedente, tendo
tucionalidade, por arrastamento, do art. 7º, a, da refe- sido confirmada a declaração de inconstitucionalidade
rida emenda. Por fim, entendeu-se pela improcedência pelo tribunal de justiça. A municipalidade alegava contra-
do pleito no tocante aos artigos 1º, 2º, 5º e 7º, b, desse riedade aos artigos 29, V, e 37 da CF. Consignou-se que
mesmo diploma. Reportou-se aos fundamentos expen- o acórdão do tribunal estadual não conteria abordagem
didos quando do julgamento da medida cautelar (DJU da problemática alusiva à possível confusão entre ação
de 17.3.2000) e enfatizou-se que a matéria sobre o nepo- civil pública e ação direta de inconstitucionalidade. Nesse
tismo estaria pacificada nesta Corte mediante a Súmula tocante, enfatizou-se que o recurso padeceria da ausên-
Vinculante 13.ADI 1521/RS, rel. Min. Ricardo Lewan- cia do indispensável prequestionamento. No mais, consi-
dowski, 19.6.2013. (ADI-1521) derou-se que o extraordinário não mereceria provimento.
Esclareceu-se que a Constituição mostrar-se-ia expressa
• STF - Cargos em comissão e nepotismo - 2
ao revelar que subsídio de prefeito e vice-prefeito, bem
Quanto ao art. 4º, asseverou-se que a extinção de car- como de secretários municipais, seriam determinados
gos públicos, efetivos ou em comissão não poderia ser por lei de iniciativa da respectiva câmara (CF, art. 29, V,
tratada por norma genérica inserida na Constituição na redação existente à época), com disciplina idêntica no
estadual. Esse tema pressuporia lei específica nesse sen- texto em vigor. Observou-se que, no caso, ela adotaria cri-
tido, a dispor quantos e quais cargos seriam extintos. tério flexível, remetendo à remuneração dos integrantes
Destacou-se que o dispositivo apresentaria inconstitucio- de assembleia legislativa. Salientou-se que fora imple-
nalidade formal, ou seja, vício de iniciativa, porquanto a mentada vinculação conflitante com a Carta de 1988,
Assembleia Legislativa teria determinado a extinção de haja vista que se abriria possibilidade de haver variação
cargos que integrariam a estrutura funcional de outros mês a mês, consoante o que percebido no todo — e a
Poderes, a invadir competência privativa destes na maté- isso remeteria o vocábulo remuneração — por este ou
ria. Distinguiu-se o que disposto no art. 4º do que contido aquele deputado estadual.
no art. 5º — que estabeleceria extinção do provimento,
RE 434278/MG, rel. Min. Marco Aurélio, 12.6.2012. (RE-
após respectiva exoneração, dos cargos em comissão nas
434278) (Informativo 670, 1ª Turma)
situações em que providos de maneira a configurar nepo-
tismo —, porquanto este prescindiria de lei. A proibição
de ocupar os cargos decorreria da própria Constituição. 3.1. CONCURSO PÚBLICO
DI 1521/RS, rel. Min. Ricardo Lewandowski, 19.6.2013. • STF - Concurso público: impossibilidade de participa-
(ADI-1521) ção de mulheres e isonomia
• STF - Cargos em comissão e nepotismo - 3 A imposição de discrímen de gênero para fins de partici-
No que concerne ao art. 6º, registrou-se que, em virtude pação em concurso público somente é compatível com
do art. 4º, a inconstitucionalidade dos termos expungi- a Constituição nos excepcionais casos em que demons-
dos seria mera consequência daquele primeiro vício, pois tradas a fundamentação proporcional e a legalidade da
a extinção do cargo não poderia ocorrer por ato admi- imposição, sob pena de ofensa ao princípio da isonomia.
nistrativo. Relativamente ao parágrafo único do art. 6º Com base nessa jurisprudência, a 2ª Turma deu provi-
(“Governador do Estado poderá delegar atribuições para mento a recurso ordinário em mandado de segurança
a prática dos atos previstos neste artigo”), explicitou-se no qual se questionava edital de concurso público para
que a delegação só poderia ocorrer no âmbito do Poder ingresso em curso de formação de oficiais de polícia mili-
tar estadual que previa a possibilidade de participação