Você está na página 1de 239

LEGISLAÇÃO BÁSICA PARA CERTIFICAÇÃO CA300 E CA600

O TEXTO A SEGUIR CONTÉM SOMENTE OS ARTIGOS SOLICITADOS NO EDITAL PARA PROVA

Tema Tipo Ementa Artigo Página


Dispõe sobre a Política e as Instituições
Sistema Financeiro LEI Nº 4.595, DE 31 DE Monetárias, Bancárias e Creditícias, Cria o
Nacional - SFN DEZEMBRO DE 1964. Conselho Monetário Nacional e dá outras 04
providências.
Institui a correção monetária nos contratos
imobiliários de interesse social, o sistema
Sistema Financeiro da Lei 4.380 de financeiro para aquisição da casa própria, cria o
Habitação - SFH 21/08/1964 Banco Nacional da Habitação (BNH), e Sociedades 25
de Crédito Imobiliário, as Letras Imobiliárias, o
Serviço Federal de Habitação e Urbanismo e dá
outras providências.
Sistema Financeiro da Dispõe sobre o Fundo de Garantia do Tempo de
Habitação - SFH Serviço, e dá outras providências.
Artigo 4º 163 a 179
Aprova Regulamento que Disciplina o
Direcionamento Dos Recursos Captados
Pelas Entidades Integrantes
Sistema Financeiro da Resolução CMN 1.980
Habitação - SFH de 30/04/1933
do Sistema Brasileiro de Poupança e 103 a 120
Empréstimo (SBPE) e as Operações de
Financiamento Efetuadas No Âmbito do
Sistema Financeiro da Habitação (SFH).
Dispõe sobre a definição das instituições
Sistema Financeiro da Resolução 3157, de
Habitação - SFH 17/12/2003
integrantes do Sistema Financeiro da Habitação 120
(SFH).

Sistema Financeiro da Dispõe sobre o Fundo de Garantia do Tempo de


Habitação – SFH Serviço, e dá outras providências.
Artigo 4º 163 a 179
Sistema de LEI Nº 9.514, DE 20 Dispõe sobre o Sistema de Financiamento Artigos –
Financiamento DE NOVEMBRO DE Imobiliário, institui a alienação fiduciária de coisa 1º,2º,3º,4º,5º,6º,7º e 46
Imobiliário - SFI 1997 imóvel e dá outras providências. 17 a 21
LEI Nº 9.514, DE 20 Dispõe sobre o Sistema de Financiamento
Negócios e Garantias Artigos – 22,23, e 26
Imobiliárias
DE NOVEMBRO DE Imobiliário, institui a alienação fiduciária de coisa
(parágrafo 2º) a33 48
1997 imóvel e dá outras providências.
Altera e consolida as normas sobre
direcionamento dos recursos captados em
Resolução 3932, de
Negócios e Garantias
16/12/2010
depósitos de poupança pelas entidades Artigo 16 121
Imobiliárias integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e
Empréstimo (SBPE).
Dispõe sobre a proteção do financiamento de
Negócios e Garantias LEI No 5.741, DE 1 DE
Imobiliárias DEZEMBRO DE 1971.
bens imóveis vinculados ao Sistema Financeiro da 58
Habitação.

DECRETO-LEI Nº 70, Autoriza o Funcionamento de Associações de


Negócios e Garantias
Imobiliárias
DE 21 DE NOVEMBRO Poupança e Empréstimo, Institui a Cédula 179 a 188
DE1966. Hipotecária e da outras providências.

Dispõe sobre transferência de financiamento no


Negócios e Garantias LEI Nº 8.004, DE 14 DE
Imobiliárias MARÇO DE 1990.
âmbito do Sistema Financeiro da Habitação, e dá 60
outras providências.
818 a 839;
1.419 a 1.430;
Negócios e Garantias LEI 10.406/2002 INSTITUI O CÓDIGO CIVIL. 1.419 a 1.437; 1.451 a 141 a 159
Imobiliárias 1.460; 1.473 a 1.488;
1.492 a 1.501;
Aprova Regulamento que disciplina o
Direcionamento dos Recursos Captados Pelas
Negócios e Garantias Resolução 1980, de Entidades Integrantes do Sistema Brasileiro de
Imobiliárias 30/4/1993 Poupança E Empréstimo (Sbpe) E As Operações
Artigos. 25 e 26 103 a 120
De Financiamento Efetuadas No Âmbito Do
Sistema Financeiro Da Habitação (Sfh).
RESOLUÇÃO SUSEP Nº Anexo -
Produtos para Pessoa Dispõe sobre o seguro habitacional e dá outras
Física
205, DE 18 DE
providências.
DisposiçõesAplicáveis 192
NOVEMBRO DE 2009 Ao SH/AM

1
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Tema Tipo Ementa Artigo Página
Altera e consolida as normas sobre
direcionamento dos recursos captados em
Produtos para Pessoa Resolução 3932, de
Física 16/12/2010
depósitos de poupança pelas entidades Cap. IV (SFH) 136
integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e
Empréstimo (SBPE).
LEI Nº 9.514, DE 20 Dispõe sobre o Sistema de Financiamento
Produtos para Pessoa
Física
DE NOVEMBRO DE Imobiliário, institui a alienação fiduciária de coisa Artigo - 38 58
1997 imóvel e dá outras providências.
Define a metodologia de cálculo do percentual
referente à remuneração básica dos depósitos de
Produtos para Pessoa Resolução 3409,
Física de28/9/2006
poupança de que trata o parágrafo único do art. Artigo – 1º 235
18-A da Lei 8.177, de 1991, com a redação dada
pelo art. 1º da Medida Provisória 321, de 2006.
Institui a correção monetária nos contratos
imobiliários de interesse social, o sistema
financeiro para aquisição da casa própria, cria o Artigo – 15; 15 A; 15
Produtos para Pessoa Lei 4.380 de
Física 21/08/1964
Banco Nacional da Habitação (BNH), e Sociedades B e 61 25
de Crédito Imobiliário, as Letras Imobiliárias, o
Serviço Federal de Habitação e Urbanismo e dá
outras providências.

Dispõe sobre a informação e a divulgação do


custo efetivo total correspondente a todos os
Produtos para Pessoa RESOLUCAO 3517, DE
Física 6/12/2007
encargos e despesas de operações de crédito e de 237
arrendamento mercantil financeiro, contratadas
ou ofertadas a pessoas físicas.

Aprova Regulamento que disciplina o


Direcionamento dos Recursos Captados Pelas
Produtos para Pessoa Resolução 1980, de Entidades Integrantes do Sistema Brasileiro de Artigo – 19 (saldo
Física 30/4/1993 Poupança E Empréstimo (SBPE) E As Operações SFH); 31,32 e 34 103 a 120
De Financiamento Efetuadas No Âmbito Do
Sistema Financeiro Da Habitação (SFH).
Dispõe sobre a informação e a divulgação do
CIRCULAR SUSEP - 400 Custo Efetivo do Seguro Habitacional – CESH, em
Produtos para Pessoa
Física
de 11 de fevereiro de relação às coberturas dos Riscos de Morte e 241
2010 Invalidez Permanente – MIP e Danos Físicos ao
Imóvel – DFI.

Produtos para Pessoa Lei 8.177 de Estabelece regras para a desindexação da


Física 01/09/1991 economia e dá outras providências. Artigo – 18 A 65

Produtos para Pessoa LEI Nº 6.015, DE 31 DE Dispõe sobre os registros públicos, e dá outras Artigo 188 66
Física DEZEMBRO DE 1973. providências.

Dispõe sobre o patrimônio de afetação de


incorporações imobiliárias, Letra de Crédito
Imobiliário, Cédula de Crédito Imobiliário, Cédula
Produtos para Pessoa LEI No 10.931, DE 02 de Crédito Bancário, altera o Decreto-Lei no 911,
Física DE AGOSTO DE 2004. de 1o de outubro de 1969, as Leis no 4.591, de 16
Artigo – 63 e 52 68 e 72
de dezembro de 1964, no 4.728, de 14 de julho de
1965, e no 10.406, de 10 de janeiro de 2002, e dá
outras providências.

LEI No 8.692, DE 28 DE Define planos de reajustamento dos encargos


mensais e dos saldos devedores nos contratos de
Produtos para Pessoa JULHO DE 1993.
financiamentos habitacionais no âmbito do
Artigo – 21 73
Física
Sistema Financeiro da Habitação e dá outras
providências.

2
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Tema Tipo Ementa Artigo Página
Dispõe sobre a concessão de financiamentos
imobiliários, o direcionamento dos recursos
captados em depósitos de poupança pelas
entidades integrantes do Sistema Brasileiro de
Produtos para Pessoa Resolução 3706, de Poupança e Empréstimo (SBPE), a realização de
Física 27/3/2009 operações de microcrédito destinadas à
Artigo - 2 238
população de baixa renda e a
microempreendedores e altera a Resolução nº
2.828, de 2001, que trata da constituição e do
funcionamento de agências de fomento.

LEI Nº 9.514, DE 20 Dispõe sobre o Sistema de Financiamento


Seguros/ Seguradoras DE NOVEMBRO DE Imobiliário, institui a alienação fiduciária de coisa Artigo – 4º - inciso IV 46
1997 imóvel e dá outras providências.

RESOLUCAO CNSP -
Dispõe sobre o seguro habitacional e dá outras
Seguros / Seguradoras 205 de 18 de
providências
3º, 4º, 13º, 22º, 26º 188
novembro de 2009

DISPÕE SOBRE O PROGRAMA MINHA CASA,


MINHA VIDA - PMCMV E A REGULARIZAÇÃO
FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS LOCALIZADOS
EM ÁREAS URBANAS; ALTERA O DECRETO-LEI N°
3.365, DE 21 DE JUNHO DE 1941,
Seguros / Seguradoras LEI 11.977/2009 AS LEIS N°S4.380, DE 21 DE AGOSTO DE 79 74 a 103
1964, 6.015, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1973, 8.036,
DE 11 DE MAIO DE 1990, E 10.257, DE 10 DE
JULHO DE 2001, E AMEDIDA PROVISÓRIA N°
2.197-43, DE 24 DE AGOSTO DE 2001; E DÁ
OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

CIRCULAR SUSEP - 111 Dispõe sobre as condições Especiais, Particulares


de 3 de dezembro de e as Normas de Rotinas para a Apólice de Seguros
Seguros / Seguradoras
1999 [ Consolidado ] Habitacional do Sistema Financeiro de Habitação - 199 a 216
SFH e da outras providencias.

Dispõe sobre a cobertura securitária prevista no


RESOLUCAO 3811, art. 2º da Medida Provisória nº 2.197-43, de 24
Seguros / Seguradoras
DE 19/11/2009 de agosto de 2001, com redação dada pela Lei 239
nº 11.977, de 7 de julho de 2009.

Código de Defesa do
DISPÕE SOBRE PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR, E 4º, 6º, 7º, 12º a 29º,
Consumidor / LEI 8.078/1990
DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 36º a 42º, 46º a 80º 217 a 235
Ouvidoria / Ética

Dispõe sobre a instituição de componente


Código de Defesa do
Consumidor /
RESOLUCAO 3849, DE organizacional de ouvidoria pelas instituições
1º; 2º
159
25/3/2010 financeiras e demais instituições autorizadas a
Ouvidoria / Ética
funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Documentos solicitados por Instituições


Comprovação de
Financeiras em Geral 242
Renda

3
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
LEI Nº 4.595, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1964.

Dispõe sobre a Política e as Instituições Monetárias, Bancárias e Creditícias, Cria o Conselho


Monetário Nacional e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono


a seguinte Lei:

Capítulo I
Do Sistema Financeiro Nacional

Art. 1º O sistema Financeiro Nacional, estruturado e regulado pela presente Lei, será constituído:

I - do Conselho Monetário Nacional;

II - do Banco Central do Brasil; (Redação dada pelo Del nº 278, de 28/02/67)

III - do Banco do Brasil S. A.;

IV - do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico;

V - das demais instituições financeiras públicas e privadas.

Capítulo II
Do Conselho Monetário Nacional

Art. 2º Fica extinto o Conselho da atual Superintendência da Moeda e do Crédito, e criado em


substituição, o Conselho Monetário Nacional, com a finalidade de formular a política da moeda e do
crédito como previsto nesta lei, objetivando o progresso econômico e social do País.

Art. 3º A política do Conselho Monetário Nacional objetivará:

I - Adaptar o volume dos meios de pagamento ás reais necessidades da economia nacional e seu
processo de desenvolvimento;

II - Regular o valor interno da moeda, para tanto prevenindo ou corrigindo os surtos inflacionários
ou deflacionários de origem interna ou externa, as depressões econômicas e outros desequilíbrios
oriundos de fenômenos conjunturais;

III - Regular o valor externo da moeda e o equilíbrio no balanço de pagamento do País, tendo em
vista a melhor utilização dos recursos em moeda estrangeira;

IV - Orientar a aplicação dos recursos das instituições financeiras, quer públicas, quer privadas;
tendo em vista propiciar, nas diferentes regiões do País, condições favoráveis ao desenvolvimento
harmônico da economia nacional;

V - Propiciar o aperfeiçoamento das instituições e dos instrumentos financeiros, com vistas à


maior eficiência do sistema de pagamentos e de mobilização de recursos;

VI - Zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras;

VII - Coordenar as políticas monetária, creditícia, orçamentária, fiscal e da dívida pública, interna e
externa.

Art. 4º Compete ao Conselho Monetário Nacional, segundo diretrizes estabelecidas pelo


Presidente da República: (Redação dada pela Lei nº 6.045, de 15/05/74)

4
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - Autorizar as emissões de papel-moeda (Vetado) as quais ficarão na prévia dependência de
autorização legislativa quando se destinarem ao financiamento direto pelo Banco Central da República
do Brasil, das operações de crédito com o Tesouro Nacional, nos termos do artigo 49 desta Lei.(Vide
Lei nº 8.392, de 30.12.91)

O Conselho Monetário Nacional pode, ainda autorizar o Banco Central da República do Brasil a
emitir, anualmente, até o limite de 10% (dez por cento) dos meios de pagamentos existentes a 31 de
dezembro do ano anterior, para atender as exigências das atividades produtivas e da circulação da
riqueza do País, devendo, porém, solicitar autorização do Poder Legislativo, mediante Mensagem do
Presidente da República, para as emissões que, justificadamente, se tornarem necessárias além
daquele limite.

Quando necessidades urgentes e imprevistas para o financiamento dessas atividades o


determinarem, pode o Conselho Monetário Nacional autorizar as emissões que se fizerem
indispensáveis, solicitando imediatamente, através de Mensagem do Presidente da República,
homologação do Poder Legislativo para as emissões assim realizadas:

II - Estabelecer condições para que o Banco Central da República do Brasil emita moeda-papel
(Vetado) de curso forçado, nos termos e limites decorrentes desta Lei, bem como as normas
reguladoras do meio circulante;

III - Aprovar os orçamentos monetários, preparados pelo Banco Central da República do Brasil,
por meio dos quais se estimarão as necessidades globais de moeda e crédito;

IV - Determinar as características gerais (Vetado) das cédulas e das moedas;

V - Fixar as diretrizes e normas da política cambial, inclusive quanto a compra e venda de ouro e
quaisquer operações em Direitos Especiais de Saque e em moeda estrangeira; (Redação dada pelo
Del nº 581, de 14/05/69)

VI - Disciplinar o crédito em todas as suas modalidades e as operações creditícias em todas as


suas formas, inclusive aceites, avais e prestações de quaisquer garantias por parte das instituições
financeiras;

VII - Coordenar a política de que trata o art. 3º desta Lei com a de investimentos do Governo
Federal;

VIII - Regular a constituição, funcionamento e fiscalização dos que exercerem atividades


subordinadas a esta lei, bem como a aplicação das penalidades previstas;

IX - Limitar, sempre que necessário, as taxas de juros, descontos comissões e qualquer outra
forma de remuneração de operações e serviços bancários ou financeiros, inclusive os prestados pelo
Banco Central da República do Brasil, assegurando taxas favorecidas aos financiamentos que se
destinem a promover:

- recuperação e fertilização do solo;

- reflorestamento;

- combate a epizootias e pragas, nas atividades rurais;

- eletrificação rural;

- mecanização;

- irrigação;

5
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
- investimento indispensáveis às atividades agropecuárias;

X - Determinar a percentagem máxima dos recursos que as instituições financeiras poderão


emprestar a um mesmo cliente ou grupo de empresas;

XI - Estipular índices e outras condições técnicas sobre encaixes, mobilizações e outras relações
patrimoniais a serem observadas pelas instituições financeiras;

XII - Expedir normas gerais de contabilidade e estatística a serem observadas pelas instituições
financeiras;

XIII - Delimitar, com periodicidade não inferior a dois anos o capital mínimo das instituições
financeiras privadas, levando em conta sua natureza, bem como a localização de suas sedes e
agências ou filiais;

XIV - Determinar recolhimento de até 60% (sessenta por cento) do total dos depósitos e/ou outros
títulos contábeis das instituições financeiras, seja na forma de subscrição de letras ou obrigações do
Tesouro Nacional ou compra de títulos da Dívida Pública Federal, seja através de recolhimento em
espécie, em ambos os casos entregues ao Banco Central do Brasil, na forma e condições que o
Conselho Monetário Nacional determinar, podendo este: (Redação dada pelo Del nº 1.959, de
14/09/82)

a) adotar percentagens diferentes em função; (Redação dada pelo Del nº 1.959, de 14/09/82)

- das regiões geo-econômicas; (Redação dada pelo Del nº 1.959, de 14/09/82)

- das prioridades que atribuir às aplicações; (Redação dada pelo Del nº 1.959, de 14/09/82)

- da natureza das instituições financeiras; (Redação dada pelo Del nº 1.959, de 14/09/82)

b) determinar percentuais que não serão recolhidos, desde que tenham sido reaplicados em
financiamentos à agricultura, sob juros favorecidos e outras condições fixadas pelo Conselho Monetário
Nacional. (Redação dada pelo Del nº 1.959, de 14/09/82) (Vide art 10, inciso III)

XV - Estabelecer para as instituições financeiras públicas, a dedução dos depósitos de pessoas


jurídicas de direito público que lhes detenham o controle acionário, bem como dos das respectivas
autarquias e sociedades de economia mista, no cálculo a que se refere o inciso anterior;

XVI - Enviar obrigatoriamente ao Congresso Nacional, até o último dia do mês subsequente,
relatório e mapas demonstrativos da aplicação dos recolhimentos compulsórios, (Vetado)

XVII - Regulamentar, fixando limites, prazos e outras condições, as operações de redesconto e de


empréstimo, efetuadas com quaisquer instituições financeiras públicas e privadas de natureza
bancária;

XVIII - Outorgar ao Banco Central da República do Brasil o monopólio das operações de câmbio
quando ocorrer grave desequilíbrio no balanço de pagamentos ou houver sérias razões para prever a
iminência de tal situação;

XIX - Estabelecer normas a serem observadas pelo Banco Central da República do Brasil em
suas transações com títulos públicos e de entidades de que participe o Estado;

XX - Autoriza o Banco Central da República do Brasil e as instituições financeiras públicas


federais a efetuar a subscrição, compra e venda de ações e outros papéis emitidos ou de
responsabilidade das sociedades de economia mista e empresas do Estado;

XXI - Disciplinar as atividades das Bolsas de Valores e dos corretores de fundos públicos;

6
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
XXII - Estatuir normas para as operações das instituições financeiras públicas, para preservar sua
solidez e adequar seu funcionamento aos objetivos desta lei;

XXIII - Fixar, até quinze (15) vezes a soma do capital realizado e reservas livres, o limite além do
qual os excedentes dos depósitos das instituições financeiras serão recolhidos ao Banco Central da
República do Brasil ou aplicados de acordo com as normas que o Conselho estabelecer;

XXIV - Decidir de sua própria organização; elaborando seu regimento interno no prazo máximo de
trinta (30) dias;

XXV - Decidir da estrutura técnica e administrativa do Banco Central da República do Brasil e fixar
seu quadro de pessoal, bem como estabelecer os vencimentos e vantagens de seus funcionários,
servidores e diretores, cabendo ao Presidente deste apresentar as respectivas propostas; (Vide Lei nº
9.650, 27.5.1998)

XXVI - Conhecer dos recursos de decisões do Banco Central da República do Brasil; (Vide Lei nº
9.069, de 29.6.1995)

XXVII - aprovar o regimento interno e as contas do Banco Central do Brasil e decidir sobre seu
orçamento e sobre seus sistemas de contabilidade, bem como sobre a forma e prazo de transferência
de seus resultados para o Tesouro Nacional, sem prejuízo da competência do Tribunal de Contas da
União. (Redação dada pelo Decreto Lei nº 2.376, de 25.11.1987) (Vide art 10, inciso III)

XXVIII - Aplicar aos bancos estrangeiros que funcionem no País as mesmas vedações ou
restrições equivalentes, que vigorem nas praças de suas matrizes, em relação a bancos brasileiros ali
instalados ou que nelas desejem estabelecer - se;

XXIX - Colaborar com o Senado Federal, na instrução dos processos de empréstimos externos
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, para cumprimento do disposto no art. 63, nº II, da
Constituição Federal;

XXX - Expedir normas e regulamentação para as designações e demais efeitos do art. 7º, desta
lei. (Vide Lei nº 9.069, de 29.6.1995) (Vide Lei nº 9.069, de 29.6.1995)

XXXI - Baixar normas que regulem as operações de câmbio, inclusive swaps, fixando limites,
taxas, prazos e outras condições.

XXXII - regular os depósitos a prazo de instituições financeiras e demais sociedades autorizadas a


funcionar pelo Banco Central do Brasil, inclusive entre aquelas sujeitas ao mesmo controle acionário ou
coligadas. (Redação dada pelo Decrto-lei nº 2.290, de 1986)

§ 1º O Conselho Monetário Nacional, no exercício das atribuições previstas no inciso VIII deste
artigo, poderá determinar que o Banco Central da República do Brasil recuse autorização para o
funcionamento de novas instituições financeiras, em função de conveniências de ordem geral.

§ 2º Competirá ao Banco Central da República do Brasil acompanhar a execução dos orçamentos


monetários e relatar a matéria ao Conselho Monetário Nacional, apresentando as sugestões que
considerar convenientes.

§ 3º As emissões de moeda metálica serão feitas sempre contra recolhimento (Vetado) de igual
montante em cédulas.

§ 4º O Conselho Monetário nacional poderá convidar autoridades, pessoas ou entidades para


prestar esclarecimentos considerados necessários.

7
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 5º Nas hipóteses do art. 4º, inciso I, e do § 6º, do art. 49, desta lei, se o Congresso Nacional
negar homologação à emissão extraordinária efetuada, as autoridades responsáveis serão
responsabilizadas nos termos da Lei nº 1059, de 10/04/1950.

§ 6º O Conselho Monetário Nacional encaminhará ao Congresso Nacional, até 31 de março de


cada ano, relatório da evolução da situação monetária e creditícia do País no ano anterior, no qual
descreverá, minudentemente as providências adotadas para cumprimento dos objetivos estabelecidos
nesta lei, justificando destacadamente os montantes das emissões de papel-moeda que tenham sido
feitas para atendimento das atividades produtivas.

§ 7º O Banco Nacional da Habitação é o principal instrumento de execução da política habitacional


do Governo Federal e integra o sistema financeiro nacional, juntamente com as sociedades de crédito
imobiliário, sob orientação, autorização, coordenação e fiscalização do Conselho Monetário Nacional e
do Banco Central da República do Brasil, quanto à execução, nos termos desta lei, revogadas as
disposições especiais em contrário. (Vide Lei nº 9.069, de 29.6.1995)

Art. 5º As deliberações do Conselho Monetário Nacional entendem-se de responsabilidade de seu


Presidente para os efeitos do art. 104, nº I, letra "b", da Constituição Federa e obrigarão também os
órgãos oficiais, inclusive autarquias e sociedades de economia mista, nas atividades que afetem o
mercado financeiro e o de capitais.

Art. 6º O Conselho Monetário Nacional será integrado pelos seguintes membros: (Redação dada
pela Lei nº 5.362, de 30.11.1967) (Vide Lei nº 9.069, de 29.6.1995)

I - Ministro da Fazenda que será o Presidente; (Redação dada pela Lei nº 5.362, de 30.11.1967)

II - Presidente do Banco do Brasil S. A.; (Redação dada pela Lei nº 5.362, de 30.11.1967)

III - Presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico; (Redação dada pela Lei nº
5.362, de 30.11.1967)

IV - Sete (7) membros nomeados pelo Presidente da República, após aprovação do Senado
Federal, escolhidos entre brasileiros de ilibada reputação e notória capacidade em assuntos
econômico-financeiros, com mandato de sete (7) anos, podendo ser reconduzidos. (Redação dada pela
Lei nº 5.362, de 30.11.1967)

§ 1º O Conselho Monetário Nacional deliberará por maioria de votos, com a presença, no mínimo,
de 6 (seis) membros, cabendo ao Presidente também o voto de qualidade.

§ 2º Poderão participar das reuniões do Conselho Monetário Nacional (VETADO) o Ministro da


Indústria e do Comércio e o Ministro para Assuntos de Planejamento e Economia, cujos
pronunciamentos constarão obrigatòriamente da ata das reuniões.

§ 3º Em suas faltas ou impedimentos, o Ministro da Fazenda será substituído, na Presidência do


Conselho Monetário Nacional, pelo Ministro da Indústria e do Comércio, ou, na falta dêste, pelo
Ministro para Assuntos de Planejamento e Economia.

§ 4º Exclusivamente motivos relevantes, expostos em representação fundamentada do Conselho


Monetário Nacional, poderão determinar a exoneração de seus membros referidos no inciso IV, dêste
artigo.

§ 5º Vagando-se cargo com mandato o substituto será nomeado com observância do disposto no
inciso IV dêste artigo, para completar o tempo do substituído.

§ 6º Os membros do Conselho Monetário Nacional, a que se refere o inciso IV dêste artigo, devem
ser escolhidos levando-se em atenção, o quanto possível, as diferentes regiões geo-ecônomicas do
País.

8
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 7º Junto ao Conselho Monetário Nacional funcionarão as seguintes Comissões
Consultivas: (Vide Lei nº 9.069, de 29.6.1995)

I - Bancária, constituída de representantes:

1 - do Conselho Nacional de Economia;

2 - do Banco Central da República do Brasil;

3 - do Banco do Brasil S.A.;

4 - do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico;

5 - do Conselho Superior das Caixas Econômicas Federais;

6 - do Banco Nacional de Crédito Cooperativo;

7 - do Banco do Nordeste do Brasil S. A.;

8 - do Banco de Crédito da Amazônia S. A.;

9 - dos Bancos e Caixas Econômicas Estaduais;

10 - dos Bancos Privados;

11 - das Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimentos;

12 - das Bolsas de Valores;

13 - do Comércio;

14 - da Indústria;

15 - da Agropecuária;

16 - das Cooperativas que operam em crédito.

II - de Mercado de Capitais, constituída de representantes:

1 - do Ministério da Indústria e do Comércio;

2 - do Conselho Nacional da Economia.

3 - do Banco Central da República do Brasil;

4 - do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico;

5 - dos Bancos Privados;

6 - das Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimentos;

7 - das Bolsas de Valores;

8 - das Companhias de Seguros Privados e Capitalização;

9
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
9 - da Caixa de Amortização;

III - de Crédito Rural, constituída de representantes:

1 - do Ministério da Agricultura;

2 - da Superintendência da Reforma Agrária;

3 - da Superintendência Nacional de Abastecimento;

4 - do Banco Central da República do Brasil;

5 - da Carteira de Crédito Agrícola e Industrial do Banco do Brasil S. A.;

6 - da Carteira de Colonização de Banco do Brasil S.A.;

7 - do Banco Nacional de Crédito Cooperativo;

8 - do Banco do Nordeste do Brasil S.A.;

9 - do Banco de Crédito da Amazônia S.A.;

10 - do Instituto Brasileiro do Café;

11 - do Instituto do Açúcar e do Álcool;

12 - dos Banco privados;

13 - da Confederação Rural Brasileira;

14 - das Instituições Financeiras Públicas Estaduais ou Municipais, que operem em crédito rural;

15 - das Cooperativas de Crédito Agrícola.

IV - vetado

V - de Crédito Industrial, constituída de representantes:

1 - do Ministério da Indústria e do Comércio;

2 - do Ministério Extraordinário para os Assuntos de Planejamento e Economia;

3 - do Banco Central da República do Brasil;

4 - do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico;

5 - da Carteira de Crédito Agrícola e Industrial do Banco do Brasil S.A.;

6 - dos Banco privados;

7 - das Sociedades de Crédito, Financiamento e Investimentos;

8 - da Indústria.

10
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 1º A organização e o funcionamento das Comissões Consultivas serão regulados pelo Conselho
Monetário Nacional, inclusive prescrevendo normas que:

a) lhes concedam iniciativa própria junto ao MESMO CONSELHO;

b) estabeleçam prazos para o obrigatório preenchimento dos cargos nas referidas Comissões;

c) tornem obrigatória a audiência das Comissões Consultivas, pelo Conselho Monetário Nacional,
no trato das matérias atinentes às finalidades específicas das referidas Comissões, ressalvado os
casos em que se impuser sigilo.

§ 2º Os representantes a que se refere este artigo serão indicados pelas entidades nele referidas
e designados pelo Conselho Monetário Nacional.

§ 3º O Conselho Monetário Nacional, pelo voto de 2/3 (dois terços) de seus membros, poderá
ampliar a competência das Comissões Consultivas, bem como admitir a participação de representantes
de entidades não mencionadas neste artigo, desde que tenham funções diretamente relacionadas com
suas atribuições.

CAPÍTULO III
Do Banco Central da República do Brasil

Art. 8º A atual Superintendência da Moeda e do Crédito é transformada em autarquia federal,


tendo sede e foro na Capital da República, sob a denominação de Banco Central da República do
Brasil, com personalidade jurídica e patrimônio próprios este constituído dos bens, direitos e valores
que lhe são transferidos na forma desta Lei e ainda da apropriação dos juros e rendas resultantes, na
data da vigência desta lei, do disposto no art. 9º do Decreto-Lei número 8495, de 28/12/1945,
dispositivo que ora é expressamente revogado.

Parágrafo único. Os resultados obtidos pelo Banco Central do Brasil, consideradas as receitas e
despesas de todas as suas operações, serão, a partir de 1º de janeiro de 1988, apurados pelo regime
de competência e transferidos para o Tesouro Nacional, após compensados eventuais prejuízos de
exercícios anteriores. (Redação dada pelo Del nº 2.376, de 25/11/87)

Art. 9º Compete ao Banco Central da República do Brasil cumprir e fazer cumprir as disposições
que lhe são atribuídas pela legislação em vigor e as normas expedidas pelo Conselho Monetário
Nacional.

Art. 10. Compete privativamente ao Banco Central da República do Brasil:

I - Emitir moeda-papel e moeda metálica, nas condições e limites autorizados pelo Conselho
Monetário Nacional (Vetado)

II - Executar os serviços do meio-circulante;

III - determinar o recolhimento de até cem por cento do total dos depósitos à vista e de até
sessenta por cento de outros títulos contábeis das instituições financeiras, seja na forma de subscrição
de Letras ou Obrigações do Tesouro Nacional ou compra de títulos da Dívida Pública Federal, seja
através de recolhimento em espécie, em ambos os casos entregues ao Banco Central do Brasil, a
forma e condições por ele determinadas, podendo: (Incluído pela Lei nº 7.730, de 31.1.1989)

a) adotar percentagens diferentes em função: (Incluído pela Lei nº 7.730, de 31.1.1989)

1. das regiões geoeconômicas; (Incluído pela Lei nº 7.730, de 31.1.1989)

2. das prioridades que atribuir às aplicações; (Incluído pela Lei nº 7.730, de 31.1.1989)

11
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
3. da natureza das instituições financeiras; (Incluído pela Lei nº 7.730, de 31.1.1989)

b) determinar percentuais que não serão recolhidos, desde que tenham sido reaplicados em
financiamentos à agricultura, sob juros favorecidos e outras condições por ele fixadas. (Incluído pela
Lei nº 7.730, de 31.1.1989)

IV - receber os recolhimentos compulsórios de que trata o inciso anterior e, ainda, os depósitos


voluntários à vista das instituições financeiras, nos termos do inciso III e § 2° do art. 19. (Redação
dada pela Lei nº 7.730, de 31/01/89)

V - Realizar operações de redesconto e empréstimos a instituições financeiras bancárias e as


referidas no Art. 4º, inciso XIV, letra " b ", e no § 4º do Art. 49 desta lei; (Renumerado pela Lei nº
7.730, de 31/01/89)

VI - Exercer o controle do crédito sob todas as suas formas; (Renumerado pela Lei nº 7.730, de
31/01/89)

VII - Efetuar o controle dos capitais estrangeiros, nos termos da lei; (Renumerado pela Lei nº
7.730, de 31/01/89)

VIII - Ser depositário das reservas oficiais de ouro e moeda estrangeira e de Direitos Especiais de
Saque e fazer com estas últimas todas e quaisquer operações previstas no Convênio Constitutivo do
Fundo Monetário Internacional;(Redação dada pelo Del nº 581, de 14/05/69) (Renumerado pela Lei
nº 7.730, de 31/01/89)

IX - Exercer a fiscalização das instituições financeiras e aplicar as penalidades


previstas; (Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89)

X - Conceder autorização às instituições financeiras, a fim de que possam: (Renumerado pela


Lei nº 7.730, de 31/01/89)

a) funcionar no País;

b) instalar ou transferir suas sedes, ou dependências, inclusive no exterior;

c) ser transformadas, fundidas, incorporadas ou encampadas;

d) praticar operações de câmbio, crédito real e venda habitual de títulos da dívida pública federal,
estadual ou municipal, ações Debêntures, letras hipotecárias e outros títulos de crédito ou mobiliários;

e) ter prorrogados os prazos concedidos para funcionamento;

f) alterar seus estatutos.

g) alienar ou, por qualquer outra forma, transferir o seu controle acionário. (Incluído pelo Del nº
2.321, de 25/02/87)

XI - Estabelecer condições para a posse e para o exercício de quaisquer cargos de administração


de instituições financeiras privadas, assim como para o exercício de quaisquer funções em órgãos
consultivos, fiscais e semelhantes, segundo normas que forem expedidas pelo Conselho Monetário
Nacional; (Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89)

XII - Efetuar, como instrumento de política monetária, operações de compra e venda de títulos
públicos federais; (Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89)

12
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
XIII - Determinar que as matrizes das instituições financeiras registrem os cadastros das firmas
que operam com suas agências há mais de um ano. (Renumerado pela Lei nº 7.730, de 31/01/89)

§ 1º No exercício das atribuições a que se refere o inciso IX deste artigo, com base nas normas
estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, o Banco Central da República do Brasil, estudará os
pedidos que lhe sejam formulados e resolverá conceder ou recusar a autorização pleiteada, podendo
(Vetado) incluir as cláusulas que reputar convenientes ao interesse público.

§ 2º Observado o disposto no parágrafo anterior, as instituições financeiras estrangeiras


dependem de autorização do Poder Executivo, mediante decreto, para que possam funcionar no País
(Vetado)

Art. 11. Compete ainda ao Banco Central da República do Brasil;

I - Entender-se, em nome do Governo Brasileiro, com as instituições financeiras estrangeiras e


internacionais;

II - Promover, como agente do Governo Federal, a colocação de empréstimos internos ou


externos, podendo, também, encarregar-se dos respectivos serviços;

III - Atuar no sentido do funcionamento regular do mercado cambial, da estabilidade relativa das
taxas de câmbio e do equilíbrio no balanço de pagamentos, podendo para esse fim comprar e vender
ouro e moeda estrangeira, bem como realizar operações de crédito no exterior, inclusive as referentes
aos Direitos Especiais de Saque, e separar os mercados de câmbio financeiro e comercial; (Redação
dada pelo Del nº 581, de 14/05/69)

IV - Efetuar compra e venda de títulos de sociedades de economia mista e empresas do Estado;

V - Emitir títulos de responsabilidade própria, de acordo com as condições estabelecidas pelo


Conselho Monetário Nacional;

VI - Regular a execução dos serviços de compensação de cheques e outros papéis;

VII - Exercer permanente vigilância nos mercados financeiros e de capitais sobre empresas que,
direta ou indiretamente, interfiram nesses mercados e em relação às modalidades ou processos
operacionais que utilizem;

VIII - Prover, sob controle do Conselho Monetário Nacional, os serviços de sua Secretaria.

§ 1º No exercício das atribuições a que se refere o inciso VIII do artigo 10 desta lei, o Banco
Central do Brasil poderá examinar os livros e documentos das pessoas naturais ou jurídicas que
detenham o controle acionário de instituição financeira, ficando essas pessoas sujeitas ao disposto no
artigo 44, § 8º, desta lei. (Incluído pelo Del nº 2.321, de 25/02/87)

§ 2º O Banco Central da República do Brasil instalará delegacias, com autorização do Conselho


Monetário Nacional, nas diferentes regiões geo-econômicas do País, tendo em vista a descentralização
administrativa para distribuição e recolhimento da moeda e o cumprimento das decisões adotadas pelo
mesmo Conselho ou prescritas em lei. (Renumerado pelo Del nº 2.321, de 25/02/87)

Art. 12. O Banco Central da República do Brasil operará exclusivamente com instituições
financeiras públicas e privadas, vedadas operações bancárias de qualquer natureza com outras
pessoas de direito público ou privado, salvo as expressamente autorizadas por lei.

Art. 13. Os encargos e serviços de competência do Banco Central, quando por ele não
executados diretamente, serão contratados de preferência com o Banco do Brasil S. A., exceto nos
casos especialmente autorizados pelo Conselho Monetário Nacional. (Redação dada pelo Del nº 278,
de 28/02/67)

13
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 14. O Banco Central do Brasil será administrado por uma Diretoria de cinco (5) membros, um
dos quais será o Presidente, escolhidos pelo Conselho Monetário Nacional dentre seus membros
mencionados no inciso IV do art. 6º desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 5.362, de 30.11.1967) (Vide
Decreto nº 91.961, de 19.11.1985)

§ 1º O Presidente do Banco Central da República do Brasil será substituído pelo Diretor que o
Conselho Monetário Nacional designar.

§ 2º O término do mandato, a renúncia ou a perda da qualidade Membro do Conselho Monetário


Nacional determinam, igualmente, a perda da função de Diretor do Banco Central da República do
Brasil.

Art. 15. O regimento interno do Banco Central da República do Brasil, a que se refere o inciso
XXVII, do art. 4º, desta lei, prescreverá as atribuições do Presidente e dos Diretores e especificará os
casos que dependerão de deliberação da Diretoria, a qual será tomada por maioria de votos, presentes
no mínimo o Presidente ou seu substituto eventual e dois outros Diretores, cabendo ao Presidente
também o voto de qualidade.

Parágrafo único. A Diretoria se reunirá, ordinariamente, uma vez por semana, e,


extraordinariamente, sempre que necessário, por convocação do Presidente ou a requerimento de,
pelo menos, dois de seus membros.

Art. 16. Constituem receita do Banco Central do Brasil as rendas: (Redação dada pelo Del nº
2.376, de 25/11/87)

I - de operações financeiras e de outras aplicações de seus recursos; (Redação dada pelo Del nº
2.376, de 25/11/87)

II - das operações de câmbio, de compra e venda de ouro e de quaisquer outras operações em


moeda estrangeira; (Redação dada pelo Del nº 2.376, de 25/11/87)

III - eventuais, inclusive as derivadas de multas e de juros de mora aplicados por força do disposto
na legislação em vigor. (Redação dada pelo Del nº 2.376, de 25/11/87)

CAPÍTULO IV
DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

SEÇÃO I
Da caracterização e subordinação

Art. 17. Consideram-se instituições financeiras, para os efeitos da legislação em vigor, as pessoas
jurídicas públicas ou privadas, que tenham como atividade principal ou acessória a coleta,
intermediação ou aplicação de recursos financeiros próprios ou de terceiros, em moeda nacional ou
estrangeira, e a custódia de valor de propriedade de terceiros.

Parágrafo único. Para os efeitos desta lei e da legislação em vigor, equiparam-se às instituições
financeiras as pessoas físicas que exerçam qualquer das atividades referidas neste artigo, de forma
permanente ou eventual.

Art. 18. As instituições financeiras somente poderão funcionar no País mediante prévia
autorização do Banco Central da República do Brasil ou decreto do Poder Executivo, quando forem
estrangeiras.

§ 1º Além dos estabelecimentos bancários oficiais ou privados, das sociedades de crédito,


financiamento e investimentos, das caixas econômicas e das cooperativas de crédito ou a seção de
crédito das cooperativas que a tenham, também se subordinam às disposições e disciplina desta lei no
que for aplicável, as bolsas de valores, companhias de seguros e de capitalização, as sociedades que

14
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
efetuam distribuição de prêmios em imóveis, mercadorias ou dinheiro, mediante sorteio de títulos de
sua emissão ou por qualquer forma, e as pessoas físicas ou jurídicas que exerçam, por conta própria
ou de terceiros, atividade relacionada com a compra e venda de ações e outros quaisquer títulos,
realizando nos mercados financeiros e de capitais operações ou serviços de natureza dos executados
pelas instituições financeiras.

§ 2º O Banco Central da Republica do Brasil, no exercício da fiscalização que lhe compete,


regulará as condições de concorrência entre instituições financeiras, coibindo-lhes os abusos com a
aplicação da pena (Vetado) nos termos desta lei.

§ 3º Dependerão de prévia autorização do Banco Central da República do Brasil as campanhas


destinadas à coleta de recursos do público, praticadas por pessoas físicas ou jurídicas abrangidas
neste artigo, salvo para subscrição pública de ações, nos termos da lei das sociedades por ações.

SEÇÃO II
DO BANCO DO BRASIL S. A.

Art. 19. Ao Banco do Brasil S. A. competirá precipuamente, sob a supervisão do Conselho


Monetário Nacional e como instrumento de execução da política creditícia e financeira do Governo
Federal:

I - na qualidade de Agente, Financeiro do Tesouro Nacional, sem prejuízo de outras funções que
lhe venham a ser atribuídas e ressalvado o disposto no art. 8º, da Lei nº 1628, de 20 de junho de 1952:

a) receber, a crédito do Tesouro Nacional, as importâncias provenientes da arrecadação de


tributos ou rendas federais e ainda o produto das operações de que trata o art. 49, desta lei;

b) realizar os pagamentos e suprimentos necessários à execução do Orçamento Geral da União e


leis complementares, de acordo com as autorizações que lhe forem transmitidas pelo Ministério da
Fazenda, as quais não poderão exceder o montante global dos recursos a que se refere a letra
anterior, vedada a concessão, pelo Banco, de créditos de qualquer natureza ao Tesouro Nacional;

c) conceder aval, fiança e outras garantias, consoante expressa autorização legal;

d) adquirir e financiar estoques de produção exportável;

e) executar a política de preços mínimos dos produtos agropastoris;

f) ser agente pagador e recebedor fora do País;

g) executar o serviço da dívida pública consolidada;

II - como principal executor dos serviços bancários de interesse do Governo Federal, inclusive
suas autarquias, receber em depósito, com exclusividade, as disponibilidades de quaisquer entidades
federais, compreendendo as repartições de todos os ministérios civis e militares, instituições de
previdência e outras autarquias, comissões, departamentos, entidades em regime especial de
administração e quaisquer pessoas físicas ou jurídicas responsáveis por adiantamentos, ressalvados o
disposto no § 5º deste artigo, as exceções previstas em lei ou casos especiais, expressamente
autorizados pelo Conselho Monetário Nacional, por proposta do Banco Central da República do Brasil;

III - arrecadar os depósitos voluntários, à vista, das instituições de que trata o inciso III, do art. 10,
desta lei, escriturando as respectivas contas; (Redação dada pelo Decreto-lei nº 2.284, de 1986)

IV - executar os serviços de compensação de cheques e outros papéis;

15
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
V - receber, com exclusividade, os depósitos de que tratam os artigos 38, item 3º, do Decreto-lei
nº 2.627, de 26 de setembro de 1940, e 1º do Decreto-lei nº 5.956, de 01/11/43, ressalvado o disposto
no art. 27, desta lei;

VI - realizar, por conta própria, operações de compra e venda de moeda estrangeira e, por conta
do Banco Central da República do Brasil, nas condições estabelecidas pelo Conselho Monetário
Nacional;

VII - realizar recebimentos ou pagamentos e outros serviços de interesse do Banco Central da


República do Brasil, mediante contratação na forma do art. 13, desta lei;

VIII - dar execução à política de comércio exterior (Vetado)

IX - financiar a aquisição e instalação da pequena e média propriedade rural, nos termos da


legislação que regular a matéria;

X - financiar as atividades industriais e rurais, estas com o favorecimento referido no art. 4º, inciso
IX, e art. 53, desta lei;

XI - difundir e orientar o crédito, inclusive às atividades comerciais suplementando a ação da rede


bancária;

a) no financiamento das atividades econômicas, atendendo às necessidades creditícias das


diferentes regiões do País;

b) no financiamento das exportações e importações. (Vide Lei nº 8.490 de 19.11.1992)

§ 1º - O Conselho Monetário Nacional assegurará recursos específicos que possibilitem ao Banco


do Brasil S. A., sob adequada remuneração, o atendimento dos encargos previstos nesta lei.

§ 2º - Do montante global dos depósitos arrecadados, na forma do inciso III deste artigo o Banco
do Brasil S. A. Colocará à disposição do Banco Central da República do Brasil, observadas as normas
que forem estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, a parcela que exceder as necessidades
normais de movimentação das contas respectivas, em função dos serviços aludidos no inciso IV deste
artigo.

§ 3º - Os encargos referidos no inciso I, deste artigo, serão objeto de contratação entre o Banco
do Brasil S. A. e a União Federal, esta representada pelo Ministro da Fazenda.

§ 4º - O Banco do Brasil S. A. prestará ao Banco Central da República do Brasil todas as


informações por este julgadas necessárias para a exata execução desta lei.

§ 5º - Os depósitos de que trata o inciso II deste artigo, também poderão ser feitos nas Caixas
econômicas Federais, nos limites e condições fixadas pelo Conselho Monetário Nacional.

Art. 20. O Banco do Brasil S. A. e o Banco Central da República do Brasil elaborarão, em


conjunto, o programa global de aplicações e recursos do primeiro, para fins de inclusão nos
orçamentos monetários de que trata o inciso III, do artigo 4º desta lei.

Art. 21. O Presidente e os Diretores do Banco do Brasil S. A. deverão ser pessoas de reputação
ilibada e notória capacidade.

§ 1º A nomeação do Presidente do Banco do Brasil S. A. será feita pelo Presidente da República,


após aprovação do Senado Federal.

16
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2º As substituições eventuais do Presidente do Banco do Brasil S. A. não poderão exceder o
prazo de 30 (trinta) dias consecutivos, sem que o Presidente da República submeta ao Senado Federal
o nome do substituto.

§ 3º (Vetado)

§ 4º (Vetado)

SEÇÃO III
DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PÚBLICAS

Art. 22. As instituições financeiras públicas são órgãos auxiliares da execução da política de
crédito do Governo Federal.

§ 1º O Conselho Monetário Nacional regulará as atividades, capacidade e modalidade


operacionais das instituições financeiras públicas federais, que deverão submeter à aprovação daquele
órgão, com a prioridade por ele prescrita, seus programas de recursos e aplicações, de forma que se
ajustem à política de crédito do Governo Federal.

§ 2º A escolha dos Diretores ou Administradores das instituições financeiras públicas federais e a


nomeação dos respectivos Presidentes e designação dos substitutos observarão o disposto no art. 21,
parágrafos 1º e 2º, desta lei.

§ 3º A atuação das instituições financeiras públicas será coordenada nos termos do art. 4º desta
lei.

Art. 23. O Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico é o principal instrumento de execução


de política de investimentos do Governo Federal, nos termos das Leis números 1628, de 20/06/1952 e
2973, de 26/11/1956.

Art. 24. As instituições financeiras públicas não federais ficam sujeitas às disposições relativas às
instituições financeiras privadas, assegurada a forma de constituição das existentes na data da
publicação desta lei.

Parágrafo único. As Caixas Econômicas Estaduais equiparam-se, no que couber, às Caixas


Econômicas Federais, para os efeitos da legislação em vigor, estando isentas do recolhimento a que se
refere o art. 4º, inciso XIV, e à taxa de fiscalização, mencionada no art. 16, desta lei.

SEÇÃO IV
DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS PRIVADAS

Art. 25. As instituições financeiras privadas, exceto as cooperativas de crédito, constituir-se-ão


unicamente sob a forma de sociedade anônima, devendo a totalidade de seu capital com direito a voto
ser representada por ações nominativas. (Redação dada pela Lei nº 5.710, de 07/10/71)

§ 1º Observadas as normas fixadas pelo Conselho Monetário Nacional as instituições a que se


refere este artigo poderão emitir até o limite de 50% de seu capital social em ações preferenciais, nas
formas nominativas, e ao portador, sem direito a voto, às quais não se aplicará o disposto no parágrafo
único do art. 81 do Decreto-lei nº 2.627, de 26 de setembro de 1940. (Incluído pela Lei nº 5.710, de
07/10/71)

§ 2º A emissão de ações preferenciais ao portador, que poderá ser feita em virtude de aumento de
capital, conversão de ações ordinárias ou de ações preferenciais nominativas, ficará sujeita a
alterações prévias dos estatutos das sociedades, a fim de que sejam neles incluídas as declarações
sobre: (Incluído pela Lei nº 5.710, de 07/10/71)

17
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - as vantagens, preferenciais e restrições atribuídas a cada classe de ações preferenciais, de
acordo com o Decreto-lei nº 2.627, de 26 de setembro de 1940; (Incluído pela Lei nº 5.710, de
07/10/71)

II - as formas e prazos em que poderá ser autorizada a conversão das ações, vedada a conversão
das ações preferenciais em outro tipo de ações com direito a voto. (Incluído pela Lei nº 5.710, de
07/10/71)

§ 3º Os títulos e cautelas representativas das ações preferenciais, emitidos nos termos dos
parágrafos anteriores, deverão conter expressamente as restrições ali especificadas. (Incluído pela Lei
nº 5.710, de 07/10/71)

Art. 26. O capital inicial das instituições financeiras públicas e privadas será sempre realizado em
moeda corrente.

Art. 27. Na subscrição do capital inicial e na de seus aumentos em moeda corrente, será exigida
no ato a realização de, pelo menos 50% (cinqüenta por cento) do montante subscrito.

§ 1º As quantias recebidas dos subscritores de ações serão recolhidas no prazo de 5 (cinco) dias,
contados do recebimento, ao Banco Central da República do Brasil, permanecendo indisponíveis até a
solução do respectivo processo.

§ 2º O remanescente do capital subscrito, inicial ou aumentado, em moeda corrente, deverá ser


integralizado dentro de um ano da data da solução do respectivo processo.

Art. 28. Os aumentos de capital que não forem realizados em moeda corrente, poderão decorrer
da incorporação de reservas, segundo normas expedidas pelo Conselho Monetário Nacional, e da
reavaliação da parcela dos bens do ativo imobilizado, representado por imóveis de uso e instalações,
aplicados no caso, como limite máximo, os índices fixados pelo Conselho Nacional de Economia.

Art. 29. As instituições financeiras privadas deverão aplicar, de preferência, não menos de 50%
(cinqüenta por cento) dos depósitos do público que recolherem, na respectiva Unidade Federada ou
Território.

§ 1º O Conselho Monetário Nacional poderá, em casos especiais, admitir que o percentual referido
neste artigo seja aplicado em cada Estado e Território isoladamente ou por grupos de Estados e
Territórios componentes da mesma região geoeconômica.

§ 2º (Revogado pelo Del nº 48, de 18/11/66)

Art. 30. As instituições financeiras de direito privado, exceto as de investimento, só poderão


participar de capital de quaisquer sociedades com prévia autorização do Banco Central da República
do Brasil, solicitada justificadamente e concedida expressamente, ressalvados os casos de garantia de
subscrição, nas condições que forem estabelecidas, em caráter geral, pelo Conselho Monetário
Nacional.

Parágrafo único (Vetado)

Art. 31. As instituições financeiras levantarão balanços gerais a 30 de junho e 31 de dezembro de


cada ano, obrigatoriamente, com observância das regras contábeis estabelecidas pelo Conselho
Monetário Nacional.

Art. 32. As instituições financeiras públicas deverão comunicar ao Banco Central da República do
Brasil a nomeação ou a eleição de diretores e membros de órgãos consultivos, fiscais e semelhantes,
no prazo de 15 dias da data de sua ocorrência.

18
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 33. As instituições financeiras privadas deverão comunicar ao Banco Central da República do
Brasil os atos relativos à eleição de diretores e membros de órgão consultivos, fiscais e semelhantes,
no prazo de 15 dias de sua ocorrência, de acordo com o estabelecido no art. 10, inciso X, desta lei.

§ 1º O Banco Central da República do Brasil, no prazo máximo de 60 (sessenta) dias, decidirá


aceitar ou recusar o nome do eleito, que não atender às condições a que se refere o artigo 10, inciso X,
desta lei.

§ 2º A posse do eleito dependerá da aceitação a que se refere o parágrafo anterior.

§ 3º Oferecida integralmente a documentação prevista nas normas referidas no art. 10, inciso X,
desta lei, e decorrido, sem manifestação do Banco Central da República do Brasil, o prazo mencionado
no § 1º deste artigo, entender-se-á não ter havido recusa a posse.

Art. 34. É vedado às instituições financeiras conceder empréstimos ou adiantamentos:

I - A seus diretores e membros dos conselhos consultivos ou administrativo, fiscais e semelhantes,


bem como aos respectivos cônjuges;

II - Aos parentes, até o 2º grau, das pessoas a que se refere o inciso anterior;

III - As pessoas físicas ou jurídicas que participem de seu capital, com mais de 10% (dez por
cento), salvo autorização específica do Banco Central da República do Brasil, em cada caso, quando
se tratar de operações lastreadas por efeitos comerciais resultantes de transações de compra e venda
ou penhor de mercadorias, em limites que forem fixados pelo Conselho Monetário Nacional, em caráter
geral;

IV - As pessoas jurídicas de cujo capital participem, com mais de 10% (dez por cento);

V - Às pessoas jurídicas de cujo capital participem com mais de 10% (dez por cento), quaisquer
dos diretores ou administradores da própria instituição financeira, bem como seus cônjuges e
respectivos parentes, até o 2º grau.

§ 1º A infração ao disposto no inciso I, deste artigo, constitui crime e sujeitará os responsáveis


pela transgressão à pena de reclusão de um a quatro anos, aplicando-se, no que couber, o Código
Penal e o Código de Processo Penal.(Vide Lei 7.492, de 16.7.1986)

§ 2º O disposto no inciso IV deste artigo não se aplica às instituições financeiras públicas.

Art. 35. É vedado ainda às instituições financeiras:

I - Emitir debêntures e partes beneficiárias;

II - Adquirir bens imóveis não destinados ao próprio uso, salvo os recebidos em liquidação de
empréstimos de difícil ou duvidosa solução, caso em que deverão vendê-los dentro do prazo de um (1)
ano, a contar do recebimento, prorrogável até duas vezes, a critério do Banco Central da República do
Brasil.

Parágrafo único. As instituições financeiras que não recebem depósitos do público poderão emitir
debêntures, desde que previamente autorizadas pelo Banco Central do Brasil, em cada
caso. (Redação dada pelo Decreto-lei nº 2.290, de 1986)

Art. 36. As instituições financeiras não poderão manter aplicações em imóveis de uso próprio, que,
somadas ao seu ativo em instalações, excedam o valor de seu capital realizado e reservas livres.

Art. 37. As instituições financeiras, entidades e pessoas referidas nos artigos 17 e 18 desta lei,
bem como os corretores de fundos públicos, ficam, obrigados a fornecer ao Banco Central da

19
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
República do Brasil, na forma por ele determinada, os dados ou informes julgados necessários para o
fiel desempenho de suas atribuições.

Art. 38. (Revogado pela Lei Complementar nº 105, de 10.1.2001) (Vide Lei nº Lei 6.385, de 1976)

Art. 39. Aplicam-se às instituições financeiras estrangeiras, em funcionamento ou que venham a


se instalar no País, as disposições da presente lei, sem prejuízo das que se contém na legislação
vigente.

Art. 40. (Revogado pela Lei Complementar nº 130, de 2009)

Art. 41. (Revogado pela Lei Complementar nº 130, de 2009)

CAPÍTULO V
DAS PENALIDADES

Art. 42. O art. 2º, da Lei nº 1808, de 07 de janeiro de 1953, terá a seguinte redação:

"Art. 2º Os diretores e gerentes das instituições financeiras respondem solidariamente pelas obrigações
assumidas pelas mesmas durante sua gestão, até que elas se cumpram.

Parágrafo único. Havendo prejuízos, a responsabilidade solidária se circunscreverá ao respectivo


montante." (Vide Lei nº 6.024, de 1974)

Art. 43. O responsável ela instituição financeira que autorizar a concessão de empréstimo ou
adiantamento vedado nesta lei, se o fato não constituir crime, ficará sujeito, sem prejuízo das sanções
administrativas ou civis cabíveis, à multa igual ao dobro do valor do empréstimo ou adiantamento
concedido, cujo processamento obedecerá, no que couber, ao disposto no art. 44, desta lei.

Art. 44. As infrações aos dispositivos desta lei sujeitam as instituições financeiras, seus diretores,
membros de conselhos administrativos, fiscais e semelhantes, e gerentes, às seguintes penalidades,
sem prejuízo de outras estabelecidas na legislação vigente:

I - Advertência.

II - Multa pecuniária variável.

III - Suspensão do exercício de cargos.

IV - Inabilitação temporária ou permanente para o exercício de cargos de direção na


administração ou gerência em instituições financeiras.

V - Cassação da autorização de funcionamento das instituições financeiras públicas, exceto as


federais, ou privadas.

VI - Detenção, nos termos do § 7º, deste artigo.

VII - Reclusão, nos termos dos artigos 34 e 38, desta lei.

§ 1ºA pena de advertência será aplicada pela inobservância das disposições constantes da
legislação em vigor, ressalvadas as sanções nela previstas, sendo cabível também nos casos de
fornecimento de informações inexatas, de escrituração mantida em atraso ou processada em
desacordo com as normas expedidas de conformidade com o art. 4º, inciso XII, desta lei.

§ 2º As multas serão aplicadas até 200 (duzentas) vezes o maior salário-mínimo vigente no País,
sempre que as instituições financeiras, por negligência ou dolo:

20
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
a) advertidas por irregularidades que tenham sido praticadas, deixarem de saná-las no prazo que
lhes for assinalado pelo Banco Central da República do Brasil;

b) infringirem as disposições desta lei relativas ao capital, fundos de reserva, encaixe,


recolhimentos compulsórios, taxa de fiscalização, serviços e operações, não atendimento ao disposto
nos arts. 27 e 33, inclusive as vedadas nos arts. 34 (incisos II a V), 35 a 40 desta lei, e abusos de
concorrência (art. 18, § 2º);

c) opuserem embaraço à fiscalização do Banco Central da República do Brasil.

§ 3º As multas cominadas neste artigo serão pagas mediante recolhimento ao Banco Central da
República do Brasil, dentro do prazo de 15 (quinze) dias, contados do recebimento da respectiva
notificação, ressalvado o disposto no § 5º deste artigo e serão cobradas judicialmente, com o
acréscimo da mora de 1% (um por cento) ao mês, contada da data da aplicação da multa, quando não
forem liquidadas naquele prazo;

§ 4º As penas referidas nos incisos III e IV, deste artigo, serão aplicadas quando forem verificadas
infrações graves na condução dos interesses da instituição financeira ou quando dá reincidência
específica, devidamente caracterizada em transgressões anteriormente punidas com multa.

§ 5º As penas referidas nos incisos II, III e IV deste artigo serão aplicadas pelo Banco Central da
República do Brasil admitido recurso, com efeito suspensivo, ao Conselho Monetário Nacional,
interposto dentro de 15 dias, contados do recebimento da notificação.

§ 6º É vedada qualquer participação em multas, as quais serão recolhidas integralmente ao Banco


Central da República do Brasil.

§ 7º Quaisquer pessoas físicas ou jurídicas que atuem como instituição financeira, sem estar
devidamente autorizadas pelo Banco Central da Republica do Brasil, ficam sujeitas à multa referida
neste artigo e detenção de 1 a 2 anos, ficando a esta sujeitos, quando pessoa jurídica, seus diretores e
administradores.

§ 8º No exercício da fiscalização prevista no art. 10, inciso VIII, desta lei, o Banco Central da
República do Brasil poderá exigir das instituições financeiras ou das pessoas físicas ou jurídicas,
inclusive as referidas no parágrafo anterior, a exibição a funcionários seus, expressamente
credenciados, de documentos, papéis e livros de escrituração, considerando-se a negativa de
atendimento como embaraço á fiscalização sujeito á pena de multa, prevista no § 2º deste artigo, sem
prejuízo de outras medidas e sanções cabíveis.

§ 9º A pena de cassação, referida no inciso V, deste artigo, será aplicada pelo Conselho
Monetário Nacional, por proposta do Banco Central da República do Brasil, nos casos de reincidência
específica de infrações anteriormente punidas com as penas previstas nos incisos III e IV deste artigo.

Art. 45. As instituições financeiras públicas não federais e as privadas estão sujeitas, nos termos
da legislação vigente, à intervenção efetuada pelo Banco Central da República do Brasil ou à
liquidação extrajudicial.

Parágrafo único. A partir da vigência desta lei, as instituições de que trata este artigo não poderão
impetrar concordata.

CAPÍTULO VI
DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 46. Ficam transferidas as atribuições legais e regulamentares do Ministério da Fazenda


relativamente ao meio circulante inclusive as exercidas pela Caixa de Amortização para o Conselho
Monetário Nacional, e (VETADO) para o Banco Central da República do Brasil.

21
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 47. Será transferida à responsabilidade do Tesouro Nacional, mediante encampação, sendo
definitivamente incorporado ao meio circulante o montante das emissões feitas por solicitação da
Carteira de Redescontos do Banco do Brasil S.A. e da Caixa de Mobilização Bancária.

§ 1º O valor correspondente à encampação será destinado à liquidação das responsabilidades


financeiras do Tesouro Nacional no Banco do Brasil S. A., inclusive as decorrentes de operações de
câmbio concluídas até a data da vigência desta lei, mediante aprovação especificado Poder Legislativo,
ao qual será submetida a lista completa dos débitos assim amortizados.

§ 2º Para a liquidação do saldo remanescente das responsabilidades do Tesouro Nacional, após a


encampação das emissões atuais por solicitação da Carteira de Redescontos do Banco do Brasil S.A.
e da Caixa de Mobilização Bancária, o Poder Executivo submeterá ao Poder Legislativo proposta
específica, indicando os recursos e os meios necessários a esse fim.

Art. 48. Concluídos os acertos financeiros previstos no artigo anterior, a responsabilidade da


moeda em circulação passará a ser do Banco Central da República do Brasil.

Art. 49. As operações de crédito da União, por antecipação de receita orçamentaria ou a qualquer
outro título, dentro dos limites legalmente autorizados, somente serão realizadas mediante colocação
de obrigações, apólices ou letras do Tesouro Nacional.

§ 1º A lei de orçamento, nos termos do artigo 73, § 1º inciso II, da Constituição Federal,
determinará quando for o caso, a parcela do déficit que poderá ser coberta pela venda de títulos do
Tesouro Nacional diretamente ao Banco Central da República do Brasil.

§ 2º O Banco Central da República do Brasil mediante autorização do Conselho Monetário


Nacional baseada na lei orçamentaria do exercício, poderá adquirir diretamente letras do Tesouro
Nacional, com emissão de papel-moeda.

§ 3º O Conselho Monetário Nacional decidirá, a seu exclusivo critério, a política de sustentação


em bolsa da cotação dos títulos de emissão do Tesouro Nacional.

§ 4º No caso de despesas urgentes e inadiáveis do Governo Federal, a serem atendidas mediante


créditos suplementares ou especiais, autorizados após a lei do orçamento, o Congresso Nacional
determinará, especificamente, os recursos a serem utilizados na cobertura de tais despesas,
estabelecendo, quando a situação do Tesouro Nacional for deficitária, a discriminação prevista neste
artigo.

§ 5º Na ocorrência das hipóteses citadas no parágrafo único, do artigo 75, da Constituição


Federal, o Presidente da República poderá determinar que o Conselho Monetário Nacional, através do
Banco Central da República do Brasil, faça a aquisição de letras do Tesouro Nacional com a emissão
de papel-moeda até o montante do crédito extraordinário que tiver sido decretado.

§ 6º O Presidente da República fará acompanhar a determinação ao Conselho Monetário


Nacional, mencionada no parágrafo anterior, de cópia da mensagem que deverá dirigir ao Congresso
Nacional, indicando os motivos que tornaram indispensável a emissão e solicitando a sua
homologação.

§ 7º As letras do Tesouro Nacional, colocadas por antecipação de receita, não poderão ter
vencimentos posteriores a 120 (cento e vinte) dias do encerramento do exercício respectivo.

§ 8º Até 15 de março do ano seguinte, o Poder Executivo enviará mensagem ao Poder Legislativo,
propondo a forma de liquidação das letras do Tesouro Nacional emitidas no exercício anterior e não
resgatadas.

§ 9º É vedada a aquisição dos títulos mencionados neste artigo pelo Banco do Brasil S.A. e pelas
instituições bancárias de que a União detenha a maioria das ações.

22
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 50. O Conselho Monetário Nacional, o Banco Central da República do Brasil, o Banco
Nacional do Desenvolvimento Econômico, o Banco do Brasil S.A., O Banco do Nordeste do Brasil S.A.
e o Banco de Crédito da Amazônia S. A. gozarão dos favores, isenções e privilégios, inclusive fiscais,
que são próprios da Fazenda Nacional, ressalvado quanto aos três, últimos, o regime especial de
tributação do Imposto de Renda a que estão sujeitos, na forma da legislação em vigor.

Parágrafo único. São mantidos os favores, isenções e privilégios de que atualmente gozam as
instituições financeiras.

Art. 51. Ficam abolidas, após 3 (três) meses da data da vigência desta Lei, as exigências de
"visto" em "pedidos de licença" para efeitos de exportação, excetuadas as referentes a armas,
munições, entorpecentes, materiais estratégicos, objetos e obras de valor artístico, cultural ou
histórico. (Vide Lei nº 5.025, de 1966)

Parágrafo único. Quando o interesse nacional exigir, o Conselho Monetário Nacional, criará o
"visto" ou exigência equivalente.

Art. 52. O quadro de pessoal do Banco Central da República do Brasil será constituído de: (Vide
Lei nº 9.650, de 1998)

I - Pessoal próprio, admitido mediante concurso público de provas ou de títulos e provas, sujeita á
pena de nulidade a admissão que se processar com inobservância destas exigências;

II - Pessoal requisitado ao Banco do Brasil S. A. e a outras instituições financeiras federais, de


comum acordo com as respectivas administrações;

III - Pessoal requisitado a outras instituições e que venham prestando serviços à Superintendência
da Moeda e do Crédito há mais de 1 (um) ano, contado da data da publicação desta lei.

§ 1º O Banco Central da República do Brasil baixará dentro de 90 (noventa) dias da vigência desta
lei, o Estatuto de seus funcionários e servidores, no qual serão garantidos os direitos legalmente
atribuídos a seus atuais servidores e mantidos deveres e obrigações que lhes são inerentes.

§ 2º Aos funcionários e servidores requisitados, na forma deste artigo as instituições de origem


lhes assegurarão os direitos e vantagens que lhes cabem ou lhes venham a ser atribuídos, como se
em efetivo exercício nelas estivessem.

§ 3º Correrão por conta do Banco Central da República do Brasil todas as despesas decorrentes
do cumprimento do disposto no parágrafo anterior, inclusive as de aposentadoria e pensão que sejam
de responsabilidade das instituições de origem ali mencionadas, estas últimas rateadas
proporcionalmente em função dos prazos de vigência da requisição.

§ 4º Os funcionários do quadro de pessoal próprio permanecerão com seus direitos e garantias


regidos pela legislação de proteção ao trabalho e de previdência social, incluídos na categoria
profissional de bancários.

§ 5º Durante o prazo de 10 (dez) anos, cotados da data da vigência desta lei, é facultado aos
funcionários de que tratam os inciso II e III deste artigo, manifestarem opção para transferência para o
Quadro do pessoal próprio do Banco Central da República do Brasil, desde que:

a) tenham sido admitidos nas respectivas instituições de origem, consoante determina o inciso I,
deste artigo;

b) estejam em exercício (Vetado) há mais de dois anos;

23
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
c) seja a opção aceita pela Diretoria do Banco Central da República do Brasil, que sobre ela
deverá pronunciar-se conclusivamente no prazo máximo de três meses, contados da entrega do
respectivo requerimento.

Art. 53. (Revogado pela Lei nº 4.829, de 05/11/65)

CAPÍTULO VII
Disposições Transitórias

Art. 54. O Poder Executivo, com base em proposta do Conselho Monetário Nacional, que deverá
ser apresentada dentro de 90 (noventa) dias de sua instalação, submeterá ao Poder Legislativo projeto
de lei que institucionalize o crédito rural, regule seu campo específico e caracterize as modalidades de
aplicação, indicando as respectivas fontes de recurso.

Parágrafo único. A Comissão Consultiva do Crédito Rural dará assessoramento ao Conselho


Monetário Nacional, na elaboração da proposta que estabelecerá a coordenação das instituições
existentes ou que venham a ser cridas, com o objetivo de garantir sua melhor utilização e da rede
bancária privada na difusão do crédito rural, inclusive com redução de seu custo.

Art. 55. Ficam transferidas ao Banco Central da República do Brasil as atribuições cometidas por
lei ao Ministério da Agricultura, no que concerne à autorização de funcionamento e fiscalização de
cooperativas de crédito de qualquer tipo, bem assim da seção de crédito das cooperativas que a
tenham.

Art. 56. Ficam extintas a Carteira de Redescontos do Banco do Brasil S. A. e a Caixa de


Mobilização Bancária, incorporando-se seus bens direitos e obrigações ao Banco Central da República
do Brasil.

Parágrafo único. As atribuições e prerrogativas legais da Caixa de Mobilização Bancária passam a


ser exercidas pelo Banco Central da República do Brasil, sem solução de continuidade.

Art. 57. Passam à competência do Conselho Monetário Nacional as atribuições de caráter


normativo da legislação cambial vigente e as executivas ao Banco Central da República do Brasil e ao
Banco do Brasil S. A., nos termos desta lei.

Parágrafo único. Fica extinta a Fiscalização Bancária do Banco do Brasil S. A., passando suas
atribuições e prerrogativas legais ao Banco Central da República do Brasil.

Art. 58. Os prejuízos decorrentes das operações de câmbio concluídas e eventualmente não
regularizadas nos termos desta lei bem como os das operações de câmbio contratadas e não
concluídas até a data de vigência desta lei, pelo Banco do Brasil S.A., como mandatário do Governo
Federal, serão na medida em que se efetivarem, transferidos ao Banco Central da República do Brasil,
sendo neste registrados como responsabilidade do Tesouro Nacional.

§ 1º Os débitos do Tesouro Nacional perante o Banco Central da República do Brasil,


provenientes das transferências de que trata este artigo serão regularizados com recursos
orçamentários da União.

§ 2º O disposto neste artigo se aplica também aos prejuízos decorrentes de operações de câmbio
que outras instituições financeiras federais, de natureza bancária, tenham realizado como mandatárias
do Governo Federal.

Art. 59. É mantida, no Banco do Brasil S.A., a Carteira de Comércio Exterior, criada nos termos da
Lei nº 2.145, de 29 de dezembro de 1953, e regulamentada pelo Decreto nº 42.820, de 16 de
dezembro de 1957, como órgão executor da política de comércio exterior, (VETADO)

24
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 60. O valor equivalente aos recursos financeiros que, nos termos desta lei, passarem a
responsabilidade do Banco Central da República do Brasil, e estejam, na data de sua vigência em
poder do Baco do Brasil S. A., será neste escriturado em conta em nome do primeiro, considerando-se
como suprimento de recursos, nos termos do § 1º, do artigo 19, desta lei.

Art. 61. Para cumprir as disposições desta lei o Banco do Brasil S.A. tomará providências no
sentido de que seja remodelada sua estrutura administrativa, a fim de que possa eficazmente exercer
os encargos e executar os serviços que lhe estão reservados, como principal instrumento de execução
da política de crédito do Governo Federal.

Art. 62. O Conselho Monetário Nacional determinará providências no sentido de que a


transferência de atribuições dos órgãos existentes para o Banco Central da República do Brasil se
processe sem solução de continuidade dos serviços atingidos por esta lei.

Art. 63. Os mandatos dos primeiros membros do Conselho Monetário Nacional, a que alude o
inciso IV, do artigo 6º desta lei serão respectivamente de 6 (seis), 5 (cinco), 4 (quatro), 3 (três), 2 (dois)
e 1 (um) anos.

Art. 64. O Conselho Monetário Nacional fixará prazo de até 1 (um) ano da vigência desta lei para a
adaptação das instituições financeiras às disposições desta lei.

§ 1º Em casos excepcionais, o Conselho Monetário Nacional poderá prorrogar até mais 1 (um)
ano o prazo para que seja complementada a adaptação a que se refere este artigo.

§ 2º Será de um ano, prorrogável, nos termos do parágrafo anterior, o prazo para cumprimento do
estabelecido por força do art. 30 desta lei.

Art. 65. Esta lei entrará em vigor 90 (noventa) dias após data de sua publicação, revogadas as
disposições em contrário.

Brasília, 31 de dezembro de 1964; 143º da Independência e 76º da República.

H. CASTELO BRANCO
Otávio Gouveia de Bulhões
Daniel Farraco
Roberto de Oliveira Campos

Este texto não substitui o publicado no DOU de 31.1.1965

LEI Nº 4.380, DE 21 DE AGOSTO DE 1964.

Institui a correção monetária nos contratos imobiliários de interêsse social, o sistema financeiro para
aquisição da casa própria, cria o Banco Nacional da Habitação (BNH), e Sociedades de Crédito
Imobiliário, as Letras Imobiliárias, o Serviço Federal de Habitação e Urbanismo e dá outras
providências.

CAPÍTULO I

Da Coordenação dos Órgãos Públicos e da Iniciativa Privada

Art. 1° O Govêrno Federal, através do Ministro de Planejamento, formulará a política nacional de


habitação e de planejamento territorial, coordenando a ação dos órgãos públicos e orientando a
iniciativa privada no sentido de estimular a construção de habitações de interêsse social e o

25
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
financiamento da aquisição da casa própria, especialmente pelas classes da população de menor
renda.

Art. 2º O Govêrno Federal intervirá no setor habitacional por intermédio:

I - do Banco Nacional da Habitação;

II - do Serviço Federal de Habitação e Urbanismo;

III - das Caixas Econômicas Federais, IPASE, das Caixas Militares, dos órgãos federais de
desenvolvimento regional e das sociedades de economia mista.

Art. 3º Os órgãos federais enumerados no artigo anterior exercerão de preferência atividades de


coordenação, orientação e assistência técnica e financeira, ficando reservados:

I - aos Estados e Municípios, com a assistência dos órgãos federais, a elaboração e execução de
planos diretores, projetos e orçamentos para a solução dos seus problemas habitacionais;

II - à iniciativa privada, a promoção e execução de projetos de construção de habitações segundo


as diretrizes urbanísticas locais.

§ 1° Será estimulada a coordenação dos esforços, na mesma área ou local, dos órgãos públicos
federais, estaduais e municipais, bem como das iniciativas privadas, de modo que se obtenha a
concentração e melhor utilização dos recursos disponíveis.

§ 2º A execução dos projetos somente caberá aos órgãos federais para suprir a falta de iniciativa
local, pública ou privada.

Art. 4º Terão prioridade na aplicação dos recursos:

I - a construção de conjuntos habitacionais destinados à eliminação de favelas, mocambos e


outras aglomerações em condições sub-humanas de habitação;

II - os projetos municipais ou estaduais que com as ofertas de terrenos já urbanizados e dotados


dos necessários melhoramentos, permitirem o início imediato da construção de habitações;

III - os projetos de cooperativas e outras formas associativas de construção de casa própria;

IV - os projetos da iniciativa privada que contribuam para a solução de problemas habitacionais


...(Vetado);

V - a construção de moradia a população rural. (Parte mantida pelo Congresso Nacional)

CAPÍTULO II

Da Correção Monetária dos Contratos Imobiliários

Art. 5º Observado o disposto na presente lei, os contratos de vendas ou construção de habitações


para pagamento a prazo ou de empréstimos para aquisição ou construção de habitações poderão
prever o reajustamento das prestações mensais de amortização e juros, com a conseqüente correção
do valor monetário da dívida tôda a vez que o salário mínimo legal fôr alterado.

§ 1° O reajustamento será baseado em índice geral de preços mensalmente apurado ou adotado


pelo Conselho Nacional de Economia que reflita adequadamente as variações no poder aquisitivo da
moeda nacional.

26
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2º O reajustamento contratual será efetuado ...(Vetado)... na mesma proporção da variação do
índice referido no parágrafo anterior:

a) desde o mês da data do contrato até o mês da entrada em vigor do nôvo nível de salário-
mínimo, no primeiro reajustamento após a data do contrato;

b) entre os meses de duas alterações sucessivas do nível de salário-mínimo nos reajustamentos


subseqüentes ao primeiro.

§ 3º Cada reajustamento entrará em vigor após 60 (sessenta) dias da data de vigência da


alteração do salário-mínimo que o autorizar e a prestação mensal reajustada vigorará até nôvo
reajustamento.

§ 4º Do contrato constará, obrigatòriamente, na hipótese de adotada a cláusula de reajustamento,


a relação original entre a prestação mensal de amortização e juros e o salário-mínimo em vigor na data
do contrato.

§ 5º Durante a vigência do contrato, a prestação mensal reajustada não poderá exceder em


relação ao salário-mínimo em vigor, a percentagem nêle estabelecida.

§ 6º Para o efeito de determinar a data do reajustamento e a percentagem referida no parágrafo


anterior, tomar-se-á por base o salário-mínimo da região onde se acha situado o imóvel.

§ 7º (Vetado). § 8º (Vetado).

§ 9º O disposto neste artigo, quando o adquirente fôr servidor público ou autárquico poderá ser
aplicado tomando como base a vigência da lei que lhes altere os vencimentos.

Art. 6° O disposto no artigo anterior sòmente se aplicará aos contratos de venda, promessa de
venda, cessão ou promessa de cessão, ou empréstimo que satisfaçam às seguintes condições:

a) tenham por objeto imóveis construídos, em construção, ou cuja construção, seja


simultâneamente contratada, cuja área total de construção, entendida como a que inclua paredes e
quotas-partes comuns, quando se tratar de apartamento, de habitação coletiva ou vila, não ultrapasse
100 (cem) metros quadrados;

b) o valor da transação não ultrapasse 200 (duzentas) vêzes o maior salário-mínimo vigente no
país;

c) ao menos parte do financiamento, ou do preço a ser pago, seja amortizado em prestações


mensais sucessivas, de igual valor, antes do reajustamento, que incluam amortizações e juros;

d) além das prestações mensais referidas na alínea anterior, quando convencionadas prestações
intermediárias, fica vedado o reajustamento das mesmas, e do saldo devedor a elas correspondente;

e) os juros convencionais não excedem de 10% ao ano;

f) se assegure ao devedor, comprador, promitente comprador, cessionário ou promitente


cessionário o direito a liquidar antecipadamente a dívida em forma obrigatòriamente prevista no
contrato, a qual poderá prever a correção monetária do saldo devedor, de acôrdo com os índices
previstos no § 1° do artigo anterior.

Parágrafo único. As restrições dos incisos a e b não obrigam as entidades integrantes do sistema
financeiro da habitação, cujas aplicações, a êste respeito, são regidas pelos artigos 11 e 12.

27
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 7º Após 180 dias da concessão do "habite-se", caracterizando a conclusão da construção,
nenhuma unidade residencial pode ser vendida, ou prometida vender ou ceder, com o benefício de
pagamentos regidos pelos artigos 5º e 6º desta Lei.

§ 1° Para os efeitos dêsse artigo equipara-se ao "habite-se" das autoridades municipais a


ocupação efetiva da unidade residencial.

§ 2º O disposto neste artigo não se aplica os imóveis já construídos, cuja alienação seja
contratada, nos têrmos dos artigos 5º e 6º, pelos respectivos titulares, desde que êstes incorporem ao
capital de Sociedade de Crédito Imobiliário o preço da transação.

§ 3º Aos imóveis de propriedade das pessoas jurídicas de direito público ou de sociedade de


economia mista, de que o Poder Público seja majoritário, não se aplica o disposto neste artigo.

§ 4º A restrição dêste artigo não se aplicará àquele que, não sendo proprietário, promitente
comprador ou promitente cessionário de mais de uma habitação, desejar aliená-la de modo a adquirir
outra, na forma dos artigos 5º e 6º desta lei, desde que a aquisição seja de qualquer forma contratada
simultâneamente com a alienação.

§ 5º Não se aplicam as restrições dêste artigo aos imóveis ocupados há mais de 2 (dois) anos
pelo locatário que pretender adquiri-lo mediante financiamento de qualquer dos agentes financeiros do
Sistema Financeiro de Habitação, desde que os recursos obtidos pelo locador sejam utilizados na
construção de novas habitações, conforme normas regulamentares a serem baixadas pelo Banco
Nacional de Habitação ou que permaneçam depositados no Sistema Financeiro de Habitação, pelo
prazo mínimo de 5 (cinco) anos. (Incluído pela Lei nº 5.455, de 1968)

CAPÍTULO III

Do Sistema Financeiro, da Habitação de Interêsse Social

SEÇÃO I

Órgãos Componentes do Sistema

Art. 8° O sistema financeiro da habitação, destinado a facilitar e promover a construção e a


aquisição da casa própria ou moradia, especialmente pelas classes de menor renda da população,
será integrado.(Redação dada pela Lei nº 8.245, de 1991)

I – pelos bancos múltiplos; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

II – pelos bancos comerciais; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

III – pelas caixas econômicas; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

IV – pelas sociedades de crédito imobiliário; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

V – pelas associações de poupança e empréstimo; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

VI – pelas companhias hipotecárias; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

VII – pelos órgãos federais, estaduais e municipais, inclusive sociedades de economia mista em
que haja participação majoritária do poder público, que operem, de acordo com o disposto nesta Lei, no
financiamento de habitações e obras conexas; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

28
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
VIII – pelas fundações, cooperativas e outras formas associativas para construção ou aquisição
da casa própria sem finalidade de lucro, que se constituirão de acordo com as diretrizes desta
Lei; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

IX – pelas caixas militares; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

X – pelas entidades abertas de previdência complementar; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

XI – pelas companhias securitizadoras de crédito imobiliário; e (Incluído pela Lei nº 11.977, de


2009)

XII – por outras instituições que venham a ser consideradas pelo Conselho Monetário Nacional
como integrantes do Sistema Financeiro da Habitação.(Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

Parágrafo único. O Conselho da Superintendência da Moeda e do Crédito fixará as normas que


regulam as relações entre o sistema financeiro da habitação e o restante do sistema financeiro
nacional, especialmente quanto à possibilidade, às condições e aos limites de aplicação de recursos da
rêde bancária em letras imobiliárias, emitidas, nos têrmos desta lei, pelo Banco Nacional da Habitação.

SEÇÃO II

Das Aplicações do Sistema Financeiro da Habitação

Art. 9º Tôdas as aplicações do sistema, terão por objeto, fundamentalmente a aquisição de casa
para residência do adquirente, sua família e seus dependentes, vedadas quaisquer aplicações em
terrenos não construídos, salvo como parte de operação financeira destinada à construção da mesma.

§ 1º.(Revogado pela Medida Provisória nº 2.197-43, de 2001)

§ 2º Após 180 dias da concessão do "habite-se", caracterizando a conclusão da construção,


nenhuma unidade residencial pode ser objeto de aplicação pelo sistema financeiro da habitação,
equiparando-se ao "habite-se" das autoridades municipais a ocupação efetiva da unidade residencial.

§ 3º O disposto no parágrafo anterior não se aplicará aos imóveis já construídos, que sejam
alienados a partir desta lei por seus proprietários ou promitentes compradores por motivo de aquisição
de outro imóvel que satisfaça às condições desta lei para ser objeto de aplicação pelo sistema
financeiro de habitação.

Art. 10. Tôdas as aplicações do sistema financeiro da habitação revestirão a forma de créditos
reajustáveis de acôrdo com os artigos 5º e 6º desta Lei.

§ 1° Os financiamentos para aquisição ou construção de habitações e as vendas a prazo de


habitações, efetuadas pelas Caixas Econômicas e outras autarquias ou por sociedades de economia
mista. estabelecerão, obrigatoriamente, o reajustamento do saldo devedor e das prestações de
amortização e juros, obedecidas as disposições dos artigos 5º e 6º.

§ 2º As entidades estatais, inclusive as sociedades de economia mista, em que o Poder Público


seja majoritário, adotarão, nos seus financiamentos, critérios e classificação dos candidatos aprovados
pelo Banco Nacional de Habitação, ouvido o Serviço Federal de Habitação e Urbanismo, e darão,
obrigatòriamente, ampla publicidade das inscrições e dos financiamentos concedidos.

§ 3º Os órgãos federais deverão aplicar os recursos por êles arrecadados para o sistema
financeiro da habitação, até 50% no Estado de origem dos recursos, redistribuindo o restante pelas
unidades federativas compreendidas em regiões de menor desenvolvimento econômico.

29
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 11. Os recursos destinados ao setor habitacional pelas entidades estatais, inclusive
sociedades de economia mista de que o Poder Público seja majoritário, distribuir-se-ão,
permanentemente, da seguinte forma: (Redação dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

I - em habitações de valor unitário inferior a 100 (cem) vêzes o maior salário-mínimo mensal,
vigente no País, uma percentagem mínima dos recursos a ser fixada, bienalmente, pelo Banco
Nacional de Habitação, em função das condições do mercado e das regiões, e por instituição ou tipo de
instituição. (Redação dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

II - em habitações de valor unitário compreendido entre 300 (trezentas) e 400 (quatrocentas)


vêzes o maior salário-mínimo, vigente no País, no máximo, 20% (vinte por cento) dos recursos,
vedadas as aplicações em habitações de valor unitário superior a 400 (quatrocentas) vêzes o maior
salário-mínimo citado. (Redação dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

§ 1º Dentro do limite de recursos obrigatòriamente aplicados em habitações de valor unitário


inferior a 100 (cem) vêzes o maior salário-mínimo do País, o Banco Nacional de Habitação fixará, para
cada região ou localidade, a percentagem mínima de recursos que devem ser aplicados no
financiamento de projetos destinados à eliminação de favelas, mocambos e outras aglomerações em
condições sub-humanas de habitação. (Redação dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

§ 2º Nas aplicações a que se refere o inciso II, a parcela financiada do valor do imóvel não poderá
ultrapassar 80% (oitenta por cento) do mesmo. (Redação dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

§ 3º Os recursos aplicados ou com aplicação contratada, no setor habitacional, na data da


publicação desta Lei, pelas entidades estatais, inclusive sociedades de economia mista, não serão
computadas nas percentagens de aplicação a que se refere êste artigo. (Redação dada pela Lei nº
4.864, de 1965).

§ 4º O disposto neste artigo não se aplica aos processos das Caixas Econômicas Federais,
Caixas Militares e IPASE, já deferidos pelos órgãos e autoridades competentes, na data da publicação
desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

§ 5º Em função das condições de mercado e das regiões, o Banco Nacional de Habitação poderá
alterar os critérios de distribuição das aplicações previstas no inciso II dêste artigo. (Incluído pela Lei nº
4.864, de 1965).

Art. 12. Os recursos aplicados pelas entidades privadas integrantes do sistema financeiro da
habitação se distribuirão permanentemente da seguinte forma:

I - no mínimo 60% (sessenta por cento) dos recursos deverão estar aplicados em habitações de
valor unitário inferior a 300 (trezentas) vêzes o maior salário-mínimo mensal vigente no País; (Redação
dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

II - no máximo 20% (vinte por cento) dos recursos poderão estar aplicados em habitações de valor
unitário superior a 400 (quatrocentas) vêzes o maior salário-mínimo mensal vigente no País; (Redação
dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

III - serão vedadas as aplicações em habitações de valor unitário superior a 500 (quinhentas)
vêzes o maior salário-mínimo mensal vigente no País. (Redação dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

Parágrafo único. Nas aplicações a que se refere o inciso II, a parcela financiada do valor do imóvel
não poderá ultrapassar de 80% do mesmo.

Art. 13 A partir do 3º ano da aplicação da presente lei, o Banco Nacional da Habitação poderá
alterar os critérios de distribuição das aplicações previstas nos artigos anteriores.

SEÇÃO III

30
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Dos Recursos do Sistema Financeiro da Habitação

Art. 15. As entidades integrantes do sistema financeiro da Habitação poderão assegurar


reajustamento monetário nas condições previstas no artigo 5º:

I - aos depósitos no sistema que obedeça às normas gerais fixadas pelo Banco Nacional da
Habitação cujo prazo não poderá ser inferior a um ano, e que não poderão ser movimentados com
cheques;

II - aos financiamentos contraídos no país ou no exterior para a execução de projetos de


habitações, desde que observem os limites e as normas gerais estabelecidas pelo Banco Nacional da
Habitação;

III - as letras imobiliárias emitidas nos têrmos desta Lei pelo Banco Nacional da Habitação ou
pelas sociedades de crédito imobiliário.

§ 1° Em relação às Caixas Econômicas Federais e a outras entidades do sistema, que não


operem exclusivamente no setor habitacional, o reajustamento previsto neste artigo sòmente poderá
ser assegurado aos depósitos e empréstimos das suas carteiras especializadas no setor habitacional.

§ 2º O sistema manterá depósitos especiais de acumulação de poupanças para os pretendentes a


financiamento de casa própria, cujos titulares terão preferência na obtenção dêsses financiamentos,
obedecidas as condições gerais estabelecidas pelo Banco Nacional da Habitação.

§ 3º Todos os financiamentos externos e acôrdos de assistência técnica relacionados com a


habitação, dependerão da aprovação prévia do Banco Nacional da Habitação e não poderão estar
condicionados à utilização de patentes, licenças e materiais de procedência estrangeira.

Art. 15-A. É permitida a pactuação de capitalização de juros com periodicidade mensal nas
operações realizadas pelas entidades integrantes do Sistema Financeiro da Habitação - SFH. (Incluído
pela Lei nº 11.977, de 2009)

o
§ 1 No ato da contratação e sempre que solicitado pelo devedor será apresentado pelo credor,
por meio de planilha de cálculo que evidencie de modo claro e preciso, e de fácil entendimento e
compreensão, o seguinte conjunto de informações: (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

I – saldo devedor e prazo remanescente do contrato; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

II – taxa de juros contratual, nominal e efetiva, nas periodicidades mensal e anual; (Incluído pela
Lei nº 11.977, de 2009)

III – valores repassados pela instituição credora às seguradoras, a título de pagamento de


prêmio de seguro pelo mutuário, por tipo de seguro; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

IV – taxas, custas e demais despesas cobradas juntamente com a prestação, discriminadas uma
a uma; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

V – somatório dos valores já pagos ou repassados relativos a: (Incluído pela Lei nº 11.977, de
2009)

a) juros; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

b) amortização; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

c) prêmio de seguro por tipo de seguro; (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

31
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
d) taxas, custas e demais despesas, discriminando por tipo; (Incluído pela Lei nº 11.977, de
2009)

VI – valor mensal projetado das prestações ainda não pagas, pelo prazo remanescente do
contrato, e o respectivo somatório, decompostos em juros e amortizações; (Incluído pela Lei nº 11.977,
de 2009)

VII – valor devido em multas e demais penalidades contratuais quando houver atraso no
pagamento da prestação. (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

o o
§ 2 No cômputo dos valores de que trata o inciso VI do § 1 , a instituição credora deve
desconsiderar os efeitos de eventual previsão contratual de atualização monetária do saldo devedor ou
das prestações.(Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

Art. 15-B. Nas operações de empréstimo ou financiamento realizadas por instituições


integrantes do Sistema Financeiro da Habitação que prevejam pagamentos por meio de prestações
periódicas, os sistemas de amortização do saldo devedor poderão ser livremente pactuados entre as
partes. (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

o
§ 1 O valor presente do fluxo futuro das prestações, compostas de amortização do principal e
juros, geradas pelas operações de que trata o caput, deve ser calculado com a utilização da taxa de
juros pactuada no contrato, não podendo resultar em valor diferente ao do empréstimo ou do
financiamento concedido. (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

o
§ 2 No caso de empréstimos e financiamentos com previsão de atualização monetária do saldo
o
devedor ou das prestações, para fins de apuração do valor presente de que trata o § 1 , não serão
considerados os efeitos da referida atualização monetária. (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

o
§ 3 Nas operações de empréstimo ou financiamento de que dispõe o caput é obrigatório o
oferecimento ao mutuário do Sistema de Amortização Constante - SAC e de, no mínimo, outro sistema
o o
de amortização que atenda o disposto nos §§ 1 e 2 , entre eles o Sistema de Amortização Crescente -
SACRE e o Sistema Francês de Amortização (Tabela Price). (Incluído pela Lei nº 11.977, de 2009)

CAPÍTULO IV

Do Banco Nacional da Habitação

Art. 16. Fica criado, vinculado ao Ministério da Fazenda, o Banco Nacional da Habitação (BNH),
que terá personalidade jurídica de Direito Público, patrimônio próprio e autonomia administrativa,
gozando de imunidade tributária.

§ 1° O Banco Nacional da Habitação poderá instalar agências em todo o território nacional, mas
operará de preferência, usando como agentes e representantes as Caixas Econômicas Federais e
Estaduais, os bancos oficiais e de economia mista e as demais entidades integrantes do sistema
financeiro da habitação.

§ 2º O Banco Nacional da Habitação poderá utilizar-se da rêde bancária comercial nas localidades
em que não haja agentes ou representantes das entidades referidas no parágrafo anterior.

Art. 17. O Banco Nacional da Habitação terá por finalidade:

I - orientar, disciplinar e controlar o sistema financeiro da habitação;

II - incentivar a formação de poupanças e sua canalização para o sistema financeiro da habitação;

III - disciplinar o acesso das sociedades de crédito imobiliário ao mercado nacional de capitais;

32
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
IV - manter serviços de redesconto e de seguro para garantia das aplicações do sistema
financeiro da habitação e dos recursos a êle entregues;

V - manter serviços de seguro de vida de renda temporária para os compradores de imóveis


objeto de aplicações do sistema;

VI - financiar ou refinanciar a elaboração e execução de projetos promovidos por entidades locais


...(Vetado)... de conjuntos habitacionais, obras e serviços correlatos;

VII - refinanciar as operações das sociedades de crédito imobiliário;

VIII - financiar ou refinanciar projetos relativos a ...(Vetado)... instalação e desenvolvimento da


indústria ...(Vetado)... de materiais de construção e pesquisas tecnológicas, necessárias à melhoria das
condições habitacionais do país ...(Vetado)..

Parágrafo único. O Banco Nacional da Habitação operará exclusivamente como órgão orientador,
disciplinador e de assistência financeira, sendo-lhe vedado operar diretamente em financiamento,
compra e venda ou construção de habitações, salvo para a venda dos terrenos referidos no artigo 26
ou para realização de bens recebidos em liquidação de garantias.

Art. 18. Compete ao Banco Nacional da Habitação:

I - autorizar e fiscalizar o funcionamento das sociedades de crédito imobiliário;

II - fixar as condições gerais quanto a limites, prazos, retiradas, juros e seguro obrigatório das
contas de depósito no sistema financeiro da habitação;

III - estabelecer as condições gerais a que deverão satisfazer as aplicações do


Sistema Financeiro da Habitação quanto a garantias, juros, prazos, limites de risco e
valores máximos de financiamento e de aquisição dos imóveis financiados no âmbito
do Sistema Financeiro da Habitação. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.197-
43, de 2001)

IV - fixar os limites, em relação ao capital e reservas, dos depósitos recebidos e dos empréstimos
tomados pelas Sociedades de Crédito Imobiliário;

V - fixar os limites mínimos de diversificações de aplicações a serem observados pelas entidades


integrantes do sistema financeiro da habitação;

VI - fixar os limites de emissão e as condições de colocação, vencimento e juros das Letras


Imobiliárias, bem como as condições dos seguros de suas emissões;

VII - fixar as condições e os prêmios dos seguros de depósitos e de aplicações a que serão
obrigadas as entidades integrantes do sistema financeiro da habitação;

VIII - fixar as condições gerais de operação da sua carteira de redesconto das aplicações do
sistema financeiro da habitação;

IX - determinar as condições em que a rêde seguradora privada nacional operará nas várias
modalidades de seguro previstas na presente lei;

X - (Vetado);

XI - exercer as demais atribuições previstas nesta lei.

33
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Parágrafo único No exercício de suas atribuições, o Banco Nacional da Habitação obedecerá aos
limites globais e as condições gerais fixadas pelo Conselho da Superintendência da Moeda e do
Crédito, com o objetivo de subordinar o sistema financeiro de habitação à política financeira, monetária
e econômica em execução pelo Govêrno Federal.

Art. 19. O Banco Nacional da Habitação ...(Vetado)... poderá receber depósitos:

a) de entidades governamentais, autárquicas, para estatais e de economia mista;

b) das entidades integrantes do sistema financeiro da habitação;

c) que resultarem de operações realizadas pelo Banco ou que a elas estejam diretamente
vinculadas.

Art. 20. Mediante autorização do Ministro da Fazenda, o Banco Nacional da Habitação poderá
tomar empréstimos, no país ou no exterior, a fim de obter recursos para a realização das suas
finalidades.

§ 1° Os empréstimos internos referidos neste artigo poderão ser corrigidos de acôrdo com o artigo
5° ou revestir a forma de Letras Imobiliárias.

§ 2° O Ministro da Fazenda poderá dar a garantia do Tesouro Nacional aos empréstimos referidos
neste artigo, até um saldo devedor total, em cada momento, de um trilhão de cruzeiros para os
empréstimos internos e US$300 milhões, o equivalente em outras moedas, para os empréstimos em
moeda estrangeira.

§ 3° O limite em cruzeiros constante do parágrafo anterior será anualmente reajustado pelos


índices referidos no artigo 5°.

Art. 21. O Serviço Social da Indústria (SESI) e o Serviço Social do Comércio (SESC) inclusive os
Departamentos Regionais, aplicarão anualmente na aquisição de Letras Imobiliárias de emissão do
Banco Nacional da Habitação, a partir do exercício de 1965, 20% (vinte por cento) das receitas
compulsórias a êles vinculadas. (Vide Lei nº 5.107, de 1966)

§ 1° (Vetado).

§ 2° O Ministro da Fazenda fixará periòdicamente a percentagem dos depósitos das Caixas


Econômicas Federais, que deverá ser obrigatòriamente aplicada em depósitos no BNH. (Renumerado
pela Lei nº 5.455, de 1968)

Art. 22. Tôdas as emprêsas do país que mantenham empregados sujeitos a desconto para
Institutos de Aposentadorias e Pensões são obrigadas a contribuir com a percentagem de 1% mensal
sôbre o montante das suas fôlhas de pagamento para a constituição do capital do Banco Nacional da
Habitação. (Vide Lei nº 4.380, de 1965)

§ 1° A cobrança dessa percentagem obedecerá aos dispositivos da legislação vigente sôbre as


contribuições previdenciárias.

§ 2° Os Institutos de Aposentadoria e Pensões recolherão, mensalmente, ao Banco Nacional da


Habitação o produto da arrecadação prevista neste artigo, descontada a taxa correspondente às
despesas de administração fixada de comum acôrdo entre o DNPS e o Banco Nacional da Habitação.

§ 3° O recolhimento a que se refere o presente artigo será devido a partir do segundo mês após a
promulgação desta Lei.

§ 4° Na forma a ser estabelecida em regulamento a ser baixado pelo BNH, as emprêsas


abrangidas por êste artigo poderão deduzir a importância correspondente a 50% do valor das

34
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
aplicações que façam em planos de habitação destinados à casa própria de seus empregados, da
contribuição prevista neste artigo.

§ 5° Os planos a que se refere o parágrafo anterior dependem de prévia aprovação e execução,


controlada pelo BNH, diretamente ou por delegação.

§ 6º Não estão obrigados ao recolhimento da contribuição prevista neste artigo as instituições de


educação e de assistência social, amparadas pela Lei nº 3.193, de 4 de julho de 1957, e Lei nº 3.577,
de 4 de julho de 1959, bem como pelo Decreto número 1.117, de 1º de junho de 1962. (Incluído
pela Lei nº 5.127, de 1966)

Art. 23. A construção de prédios residenciais, cujo custo seja superior a 850 vêzes o maior salário-
mínimo vigente no País, considerado êsse custo para cada unidade residencial, seja em prédio
individual, seja em edifícios de apartamentos ou vilas, fica sujeita ao pagamento de uma subscrição
pelo proprietário, promitente comprador ou promitente cessionário do respectivo terreno, de letras
imobiliárias emitidas pelo Banco Nacional de Habitação, com as características do art. 45 desta
Lei. (Redação dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

§ 1º O montante dessa subscrição será de 5% (cinco por cento) sôbre o valor da construção,
quando esta estiver entre os limites de 850 e 1.150 vêzes o maior salário-mínimo vigente no País à
época da concessão do respectivo "habite-se" e de 10% (dez por cento) sôbre a que exceder de tal
limite.(Redação dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

§ 2º As autoridades municipais, antes de concederem o "habite-se" para os prédios residenciais,


exigirão do construtor uma declaração do seu custo efetivo e, quando fôr o caso, do proprietário
comprovação de cumprimento do disposto no presente artigo. (Redação dada pela Lei nº 4.864, de
1965).

§ 3º Só poderão gozar dos benefícios e vantagens previstos na presente Lei os municípios que
obedecerem ao disposto neste artigo. (Redação dada pela Lei nº 4.864, de 1965).

Art. 24. O Banco Nacional da Habitação poderá operar em:

I - prestação de garantia em financiamento obtido, no país ou no exterior, pelas entidades


integrantes do sistema financeiro da habitação destinados a execução de projetos de habitação de
interêsse social;

II - carteira de seguro dos créditos resultantes da venda ou construção de habitação a prazo ou de


empréstimos para aquisição ou construção de habitações;

III - carteira de seguro dos depósitos nas entidades integrantes do sistema financeiro da
habitação;

IV - carteira de redesconto para assegurar a liquidez do sistema financeiro da habitação;

V - carteira de seguro de vida de renda temporária dos adquirentes, financiados pelo sistema
financeiro da habitação;

VI - carteira de seguro de resgate e pagamento de juros das Letras Imobiliárias emitidas pelas
sociedades de crédito imobiliário;

VII - financiamento ou refinanciamento da elaboração ou execução de projetos de construção de


conjuntos habitacionais ...(Vetado) ... instalação e desenvolvimento da indústria ...(Vetado)... de
materiais de construção e pesquisas tecnológicas;

VIII - refinanciamento parcial dos créditos concedidos pelas sociedades de crédito imobiliário.

35
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 1° O Banco Nacional da Habitação sòmente operará ...(Vetado)... para aplicação dos recursos
disponíveis, depois de asseguradas as reservas técnicas necessárias às operações referidas nos
incisos I a VI, inclusive.

§ 2° Os recursos disponíveis do Banco Nacional da Habitação serão mantidos em depósito no


Banco do Brasil S.A. ...(Vetado).

§ 3° Dos recursos recolhidos ao Banco Nacional da Habitação, serão destinadas anualmente as


verbas necessárias ao custeio das atividades do Serviço Federal da Habitação e Urbanismo
...(Vetado).

Art. 25. O capital do Banco Nacional de Habitação pertencerá integralmente à União Federal.

Parágrafo único. O capital inicial do Banco Nacional da Habitação será de Cr$1 bilhão de
cruzeiros.

Art. 26. O Poder Executivo transferirá, dentro de um ano, para o patrimônio do Banco Nacional da
Habitação, terrenos de propriedade da União Federal que não sejam necessários aos serviços públicos
federais ou que possam ser vendidos, para realizar recursos líquidos destinados ao aumento do Capital
do Banco, desde que se prestem à construção de conjuntos residenciais de interêsse social.

§ 1° O Banco poderá igualmente receber dos Governos Estaduais, Municipais e particulares ou de


entidades de direito privado, êstes sob a forma de doações, terras ou terrenos rurais ou urbanos,
apropriados para a construção de imóveis.

§ 2° No caso de doações previstas no parágrafo anterior nenhum ônus recairá sôbre o doador de
terras ou terrenos recebidos pelo Banco.

Art. 27. O Banco Nacional da Habitação será administrado por um Conselho de Administração e
uma Diretoria, cujos membros serão nomeados pelo Presidente da República e aprovados pelo
Senado Federal.

§ 1° O Conselho de Administração será composto de:

a) o Presidente do Banco Nacional da Habitação, como seu Presidente, e com voto de qualidade;

b) de seis a nove Conselheiros, com mandato de 3 anos cada um;

c) os Diretores do Banco.

§ 2° A Diretoria será composta de:

a) o Presidente do Banco Nacional da Habitação, demissível ad nutum;

b) o Diretor-Superintendente com mandato de 4 anos;

c) dois a cinco Diretores com mandato de 4 anos.

Art. 28. Os membros da Diretoria e três dos membros do Conselho de Administração serão
escolhidos dentre cidadãos de reconhecida idoneidade moral e comprovada capacidade em assuntos
econômico-financeiros, sendo dois outros membros do Conselho de Administração escolhidos dentre
os especialistas, respectivamente, em assuntos de saúde pública, de previdência social, e o sexto, o
Superintendente do Serviço Federal de Habitação e Urbanismo.

§ 1° (Vetado).

36
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2° Os Conselheiros serão anualmente renovados pelo têrço e na composição inicial, 1/3 terá
mandato de um ano, 1/3 mandato de dois anos e 1/3 mandato de três anos.

§ 3° Na composição inicial da Diretoria, metade dos diretores terá mandato de dois anos.

Art. 29. Compete ao Conselho de Administração:

I - organizar e modificar o regimento interno do Banco, que será aprovado por ato do Ministro da
Fazenda;

II - decidir sôbre a orientação geral das operações do Banco;

III - exercer as atribuições normativas do Banco, como órgão da orientação, disciplina e contrôle
do sistema financeiro da habitação;

IV - aprovar os orçamentos de custeio, recursos e aplicações do Banco e as normas gerais a


serem observadas nos seus serviços;

V - distribuir os serviços do Banco entre os Diretores, observado o disposto nesta Lei;

VI - criar ou extingüir cargo e funções, fixando os respectivos vencimentos e vantagens, mediante


proposta do Diretor-Superintendente, bem como dirimir dúvidas quanto aos direitos, vantagens e
deveres dos servidores, podendo ainda baixar o Regulamento do Pessoal do Banco;

VII - examinar e aprovar os balancetes e balanços do Banco, financeiros e patrimoniais;

VIII - escolher substitutos no caso de vaga ou impedimento dos Diretores, até que o Presidente da
República o faça em caráter efetivo;

IX - examinar e dar parecer sôbre a prestação anual das contas do Banco;

X - deliberar sôbre os assuntos que lhe forem submetidos pela Diretoria.

Art. 30. Compete à Diretoria:

I - decidir sôbre todos os assuntos da direção executiva do Banco, de acôrdo com o seu
Regimento Interno;

II - aprovar as operações do Banco, que excedam os limites fixados pelo Regimento Interno para
cada Diretor.

Art. 31. Compete ao Presidente do Banco:

I - representar o Banco em suas relações com terceiros em juízo ou fora dêle, sem prejuízo do
disposto no artigo 29;

II - convocar extraordinàriamente o Conselho e a Diretoria, sempre que necessário;

III - enviar ao Tribunal de Contas, até 31 de janeiro de cada ano, as contas dos administradores
do Banco relativas ao exercício anterior, para os fins do artigo 77, II, da Constituição;

IV - enviar ao Tribunal de Contas, até 31 de janeiro de cada ano as contas gerais do Banco
relativas ao exercício anterior.

Art. 32. Compete ao Diretor-Superintendente:

37
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - substituir o Presidente nos seus impedimentos ocasionais, sem prejuízo do exercício normal de
suas funções;

II - administrar e dirigir os negócios ordinários do Banco decidindo das operações que se


contiverem no limite da sua competência, de acôrdo com o Regimento Interno;

III - outorgar e aceitar escrituras, ou assinar contratos, conjuntamente com o Presidente ou outro
Diretor;

IV - designar, conjuntamente com o Presidente, procuradores com poderes especiais, agentes ou


representantes do Banco;

V - praticar os atos referentes à administração do pessoal, podendo delegar poderes, salvo


quando se tratar de nomeação, promoção ou demissão;

VI - superintender e coordenar os serviços dos diferentes setôres do Banco e zelar pelo fiel
cumprimento das deliberações do Conselho de Administração e da Diretoria;

VII - prover, interinamente, até que o Presidente da República o faça em caráter efetivo, as vagas
dos membros do Conselho de Administração, cuja substituição não esteja prevista no Regulamento do
Banco.

Art. 33. Os Diretores referidos no artigo 27, § 2°, alínea c terão as atribuições que forem
determinadas no Regimento Interno.

Art. 34. O pessoal contratado pelo Banco será regido pela Consolidação das Leis do Trabalho e
legislação complementar e admitido mediante concurso de provas ou de provas e títulos.

§ 1° Poderão ser requisitados pelo Banco servidores dos quadros do serviço público federal, das
autarquias federais, ou de sociedades de economia mista, controladas pelo Govêrno Federal.

§ 2° (Vetado).

CAPÍTULO V

Das Sociedades de Crédito Imobiliário

Art. 35. As Sociedades de crédito imobiliário são instituições de crédito especializado, dependem
de autorização do Banco Nacional da Habitação para funcionar, e estão sujeitas a permanente
fiscalização do Govêrno Federal, através do referido Banco e da Superintendência da Moeda e do
Crédito.

§ 1° As sociedades de crédito imobiliário se organizarão sob a forma anônima de ações


nominativas, observando nos atos de sua constituição todos os dispositivos legais aplicáveis, mas só
poderão dar início às suas atividades após publicação, no Diário Oficial da União, da autorização do
Banco Nacional da Habitação.

§ 2° As sociedades de crédito imobiliário serão constituídas com o capital mínimo de 100 milhões
de cruzeiros em moeda corrente, na forma da legislação que rege as sociedades anônimas, mas a
emissão de autorização para funcionar dependerá da integralização mínima de 50%, mediante débito
do BNH.

§ 3° O limite mínimo referido no parágrafo anterior será anualmente atualizado, com base nos
índices de que trata o artigo 5°, § 1°.

Art. 36. A autorização para funcionar será concedida por tempo indeterminado, enquanto a
sociedade observar as disposições legais e regulamentares em vigor.

38
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 1° Sòmente poderão ser membros dos órgãos da administração e do Conselho Fiscal das
sociedades de crédito imobiliário, pessoas de reconhecida idoneidade moral e comercial, sendo que
dois diretores deverão comprovar capacidade financeira e técnica.

§ 2° Os diretores sòmente poderão ser investidos nos seus cargos depois da aprovação pelo
Banco Nacional da Habitação, à vista das provas exigidas pela SUMOC para investimento de diretores
de estabelecimento bancário em geral.

§ 3° A responsabilidade dos administradores de sociedade de crédito imobiliário é a mesma


prevista na lei para os diretores de bancos.

§ 4° A expressão "crédito imobiliário", constará obrigatòriamente da denominação das sociedades


referidas neste artigo.

§ 5° As sociedades de crédito imobiliário enviarão para publicação até o 10° dia de cada mês, no
Diário Oficial do estado onde funcionarem, os balancetes mensais.

Art. 37. Ficarão sujeitos à prévia aprovação do Banco Nacional da Habitação:

I - as alterações dos estatutos sociais das sociedades de crédito imobiliário;

II - a abertura de agências ou escritórios das referidas sociedades;

III - a cessação de operações da matriz ou das dependências das referidas sociedades.

Art. 38. Os pedidos de autorização para funcionamento, alteração estatutária, abertura ou


fechamento de agências ou dependências e aprovação de administradores deverão ser decididos pelo
Banco Nacional da Habitação, dentro de 120 dias da sua apresentação e das decisões do Banco
caberá recurso voluntário para o Ministro da Fazenda.

Parágrafo único. O regulamento discriminará a documentação a ser apresentada, com os


requerimentos referidos neste artigo, podendo o Banco Nacional da Habitação fazer as exigências que
considerar de interêsse para a apreciação do pedido e fixar prazo razoável para o seu atendimento.

Art. 39. As sociedades de crédito imobiliário sómente poderão operar em financiamentos para
construção, venda ou aquisição de habitações, mediante:

I - abertura de crédito a favor de empresários que promovam projetos de construção de


habitações para venda a prazo;

II - abertura de crédito para a compra ou construção de casa própria com liquidação a prazo de
crédito utilizado;

III - desconto, mediante cessão de direitos de receber a prazo o preço da construção ou venda de
habitações;

IV - outras modalidades de operações autorizadas pelo Banco Nacional da Habitação.

§ 1° Cada sociedade de crédito imobiliário sòmente poderá operar com imóveis situados na área
geográfica para a qual fôr autorizada a funcionar.

§ 2° As sociedades de crédito imobiliário não poderão operar em compra e venda ou construção


de imóveis, salvo para liquidação de bens que tenham recebido em pagamento dos seus créditos ou no
caso dos imóveis necessários a instalação de seus serviços.

39
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 3° Nas suas operações as sociedades de crédito imobiliário observarão as normas desta lei e as
expedidas pelo Banco Nacional da Habitação, com relação aos limites do valor unitário, prazo,
condições de pagamento, juros, garantias, seguro, ágio e deságios na colocação de Letras Imobiliárias
e diversificação de aplicações.

§ 4° As disponibilidades das sociedades de crédito imobiliário serão mantidas em depósito no


Banco Nacional da Habitação, no Banco do Brasil S.A., nos demais bancos oficiais da União e dos
Estados e nas Caixas Econômicas ...(Vetado).

Art. 40. As sociedades de crédito imobiliário não poderão:

a) receber depósitos de terceiros que não sejam proprietários de ações nominativas, a não ser
nas condições e nos limites autorizados pelo Banco Nacional da Habitação;

b) tomar empréstimos em moeda nacional ou estrangeira, a não ser nas condições mínimas de
prazo e nos limites máximos, em relação ao capital e reservas, estabelecidos pelo Banco Nacional da
Habitação;

c) emitir Letras Imobiliárias em valor superior aos limites máximos aprovados pelo Banco Nacional
da Habitação em relação ao capital e reservas e ao montante dos créditos em carteira;

d) admitir a movimentação de suas contas por meio de cheques contra ela girados ou emitir
cheques na forma do Decreto n. 24.777, de 14 de junho de 1934;

e) possuir participação em outras emprêsas.

§ 1° O Banco Nacional da Habitação fixará o limite de recursos de terceiros que as sociedades


poderão receber, até o máximo de 15 vêzes os recursos próprios.

§ 2° O Banco Nacional da Habitação fixará também os limites mínimos de prazo dos vencimentos
dos recursos de terceiros recebidos pela sociedade em relação aos prazos de suas aplicações.

Art. 41. O Banco Nacional de Habitação e a SUMOC manterão fiscalização permanente e ampla
das Sociedades de Crédito Imobiliário podendo para isso, a qualquer tempo, examinar livros de
registros, papéis e documentação de qualquer natureza, atos e contratos.

§ 1° As sociedades são obrigadas a prestar tôda e qualquer informação que lhes fôr solicitada
pelo Banco Nacional da Habitação ou pela SUMOC.

§ 2° A recusa, a criação de embaraços, a divulgação ou fornecimento de informações falsas sôbre


as operações e as condições financeiras da sociedade serão punidas na forma da lei.

§ 3° O Banco Nacional da Habitação e a SUMOC manterão sigilo com relação a documentos e


informações que as sociedades de crédito imobiliário lhe fornecerem.

Art. 42. As sociedades de crédito imobiliário são obrigadas a observar o plano de contas e as
normas de contabilização aprovadas pelo Banco Nacional da Habitação, bem como a divulgar, em
seus relatórios semestrais, as informações mínimas exigidas pelo Banco Nacional da Habitação,
quanto às suas condições financeiras.

§ 1° As sociedades de crédito imobiliário são obrigadas a enviar ao Banco Nacional de


Habilitação, até o último dia do mês seguinte, cópia do balancete do mês anterior, do balanço
semestral e da demonstração de lucros e perdas, bem como prova de envio para publicação das atas
de assembléias gerais, dentro de 30 dias da realização destas.

§ 2° O BNH poderá exigir quando a seu critério, considerar necessário, que Sociedades de
Crédito Imobiliário se sujeitem à auditoria externa por emprêsas especializadas por êle aprovadas.

40
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 3° As sociedades de crédito imobiliário mencionarão em sua publicidade os respectivos capitais
realizados, suas reservas e o total de recursos mutuados aplicados, constantes de seu último
balancete mensal.

Art. 43. A infração dos preceitos legais ou regulamentares sujeitará a sociedade às seguintes
penalidades:

a) multas, até 5% do capital social e das reservas especificadas, para cada infração de
dispositivos da presente lei;

b) suspensão da autorização para funcionar pelo prazo de 6 meses;

c) cassação da autorização para funcionar.

§ 1° As multas serão impostas pelo Banco Nacional da Habitação após a apuração em processo
cujas normas serão expedidas pelo Ministério da Fazenda, assegurada às sociedades ampla defesa.

§ 2° Da suspensão ou cassação de funcionamento caberá recurso, com efeito suspensivo, para o


Ministro da Fazenda.

CAPÍTULO VI

Letras Imobiliárias

Art. 44.. (Revogado pela Medida Provisória nº 656, de 2014)

CAPÍTULO VII

Do Serviço Federal de Habitação e Urbanismo

Art. 54. A Fundação da Casa Popular, criada pelo Decreto-lei n. 9.218, de 1° de maio de 1946,
passa a constituir com o seu patrimônio, revogada a legislação que lhe concerne, o "Serviço Federal de
Habitação e Urbanismo", entidade autárquica ...(Vetado).

§ 1° O Serviço Federal de Habitação e Urbanismo será dirigido por um Superintendente


..... (Vetado).

§ 2° O Superintendente, de notória competência em matéria de habitação e urbanismo, será


nomeado ...(Vetado)... pelo Conselho de Administração do Banco Nacional de Habitação.

§ 3° (Vetado).

§ 4° Ficam extintos o Conselho Central, o Conselho Técnico e a Junta de Contrôle da Fundação


da Casa Popular.

§ 5° Os servidores do Serviço Nacional de Habitação e Urbanismo serão admitidos no regime da


legislação trabalhista ...(Vetado).

§ 6° (Vetado).

§ 6º - Os servidores da atual Fundação da Casa Popular serão aproveitados no Serviço Nacional


de Habitação e Urbanismo ou em outros serviços de igual regime. (Parte mantida pelo Congresso
Nacional)

Art. 55. O Serviço Federal de Habitação e Urbanismo terá as seguintes atribuições:

41
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
a) promover pesquisas e estudos relativos ao deficit habitacional, aspectos do planejamento físico,
técnico e sócio-econômico da habitação;

b) promover, coordenar e prestar assistência técnica a programas regionais e municipais de


habitação de interêsse social, os quais deverão necessàriamente ser acompanhados de programas
educativos e de desenvolvimento e organização de comunidade;

c) fomentar o desenvolvimento da indústria de construção, através de pesquisas e assistência


técnica, estimulando a iniciativa regional e local;

d) incentivar o aproveitamento de mão-de-obra e dos materiais característicos de cada região;

e) estimular a organização de fundações, cooperativas, mútuas e outras formas associativas em


programas habitacionais, propiciando-lhes assistência técnica;

f) incentivar a investigação tecnológica, a formação de técnicos, em qualquer nível, relacionadas


com habitação e urbanismo;

g) prestar assistência técnica aos Estados e Municípios na elaboração dos planos diretores, bem
como no planejamento da desapropriação por interêsse social, de áreas urbanas adequadas a
construção de conjuntos habitacionais;

h) promover, em colaboração com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a realização de


estatísticas sôbre a habitação no país;

i) (Vetado);

j) prestar assistência técnica aos Estados, aos Municípios e às emprêsas do país para
constituição, organização e implantação de entidades de caráter público, de economia mista ou
privadas, que terão por objetivo promover a execução de planos habitacionais ou financiá-los, inclusive
assistí-los para se candidatarem aos empréstimos do Banco Nacional da Habitação ou das sociedades
de crédito imobiliário;

l) prestar assistência técnica na elaboração de planos de emergência, intervindo na normalização


de situações provocadas por calamidades públicas;

m) estabelecer normas técnicas para a elaboração de Planos Diretores, de acôrdo com as


peculiaridades das diversas regiões do país;

n) assistir aos municípios na elaboração ou adaptação de seus Planos Diretores às normas


técnicas a que se refere o item anterior.

§ 1° Os municípios que não tiverem códigos de obras adaptados às normas técnicas do Serviço
Federal de Habitação e Urbanismo ou que aprovarem projetos e planos habitacionais em desacôrdo
com as mesmas normas, não poderão receber recursos provenientes de entidades governamentais,
destinados a programas de habitação e urbanismo.

§ 2° (Vetado).

Art. 56. A organização administrativa do Serviço Federal de Habitação e Urbanismo será


estabelecida em decreto, devendo ser prevista a sua descentralização regional.

Parágrafo único. (Vetado).

CAPÍTULO VIII

42
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Disposições Gerais e Transitórias

Art. 57.: (Revogado pelo Decreto-Lei nº 1.338, de 1974).

Art. 58. Ficam isentos do Impôsto de Renda, até 31 de dezembro de 1970, os lucros e
rendimentos auferidos pelas pessoas físicas ou jurídicas, resultantes de operações de construção e
primeira transação, inclusive alienação e locação, relativos aos prédios residenciais que vierem a ser
construídos no Distrito Federal, cujo valor não ultrapasse 60 (sessenta) vêzes o salário-mínimo da
região.

Parágrafo único. Ficam igualmente isentos os mesmos imóveis, pelo mesmo prazo, dos impostos
de transmissão, "causa mortis" e "inter vivos" relativos à primeira transferência de propriedade.

Art. 59. São isentos de impôsto de sêlo:

a) a emissão, colocação, transferência, cessão, endôsso, inscrição ou averbação de letras


imobiliárias;

b) os atos e contratos, de qualquer natureza, entre as entidades que integram o sistema financeiro
da habitação;

c) os contratos de que participem entidades integrantes do sistema financeiro da habitação, e que


tenham por objeto habitações de menos de 50 metros quadrados, não incluídas as partes comuns, se
fôr o caso, e de valor inferior a 60 vêzes o maior salário-mínimo legal vigente no país;

d) os contratos de construção, venda, ou promessa de venda a prazo, promessa de cessão e


hipoteca, de habitações que satisfaçam aos requisitos da alínea anterior.

Art. 60. A aplicação da presente lei, pelo seu sentido social, far-se-á de modo a que sejam
simplificados todos os processo e métodos pertinentes às respectivas transações, objetivando
principalmente:

I - o maior rendimento dos serviços e a segurança e rapidez na tramitação dos processos e


papéis;

II - economia de tempo e de emolumentos devidos aos Cartórios;

III - simplificação das escrituras e dos critérios para efeito do Registro de Imóveis.

Art. 61. Para plena consecução do disposto no artigo anterior, as escrituras deverão consignar
exclusivamente as cláusulas, têrmos ou condições variáveis ou específicas.

§ 1° As cláusulas legais, regulamentares, regimentais ou, ainda, quaisquer normas administrativas


ou técnicas e, portanto, comuns a todos os mutuários não figurarão expressamente nas respectivas
escrituras.

§ 2° As escrituras, no entanto, consignarão obrigatòriamente que as partes contratantes adotam e


se comprometem a cumprir as cláusulas, têrmos e condições a que se refere o parágrafo anterior,
sempre transcritas, verbum ad verbum, no respectivo Cartório ou Ofício, mencionado inclusive o
número do Livro e das fôlhas do competente registro.

§ 3° Aos mutuários, ao receberem os respectivos traslados de escritura, será obrigatòriamente


entregue cópia, impressa ou mimeografada, autenticada, do contrato padrão constante das cláusulas,
têrmos e condições referidas no parágrafo 1° dêste artigo.

43
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 4° Os Cartórios de Registro de Imóveis, obrigatòriamente, para os devidos efeitos legais e
jurídicos, receberão, autenticadamente, das pessoas jurídicas mencionadas na presente Lei, o
instrumento a que se refere o parágrafo anterior, tudo de modo a facilitar os competentes registros.

§ 5º Os contratos de que forem parte o Banco Nacional de Habitação ou entidades que integrem o
Sistema Financeiro da Habitação, bem como as operações efetuadas por determinação da presente
Lei, poderão ser celebrados por instrumento particular, os quais poderão ser impressos, não se
aplicando aos mesmos as disposições do art. 134, II, do Código Civil, atribuindo-se o caráter de
escritura pública, para todos os fins de direito, aos contratos particulares firmados pelas entidades
acima citados até a data da publicação desta Lei. (Incluído pela Lei nº 5.049, de 1966).

§ 6º Os contratos de que trata o parágrafo anterior serão obrigatòriamente rubricados por tôdas as
partes em tôdas as suas fôlhas. (Incluído pela Lei nº 5.049, de 1966).

§ 7º Todos os contratos, públicos ou particulares, serão obrigatòriamente transcritos no Cartório


de Registro de Imóveis competente, dentro do prazo de 15 (quinze) dias, a contar da data de sua
assinatura, devendo tal obrigação figurar como cláusula contratual. (Incluído pela Lei nº 5.049, de
1966).

Art. 62. Os oficiais do Registro de Imóveis inscreverão obrigatòriamente, os contratos de


promessa de venda, promessa de cessão ou de hipoteca celebrados de acôrdo com a presente Lei,
declarando expressamente que os valôres dêles constantes são meramente estimativos, estando
sujeitos os saldos devedores, assim como as prestações mensais, às correções do valor, determinadas
nesta Lei.

§ 1° Mediante simples requerimento, firmado por ambas as partes contratantes, os Oficiais do


Registro de Imóveis averbarão, à margem das respectivas inscrições, as correções de valôres
determinados por esta Lei, com indicação do nôvo valor do preço ou da dívida e do saldo respectivo,
bem como da nova prestação contratual.

§ 2° Se o promitente comprador, promitente cessionário ou mutuário se recusar a assinar o


requerimento de averbação das correções verificadas, ficará, não obstante, obrigado ao pagamento da
nova prestação, podendo a entidade financiadora, se lhe convier, rescindir o contrato, com notificação
prévia no prazo de 90 dias.

Art. 63. Os órgãos da administração federal, centralizada ou descentralizada ficam autorizados a


firmar acôrdos ou convênios com as entidades estaduais e municipais, buscando sempre a plena
execução da presente Lei e o máximo de cooperação inter-administrativa.

Art. 64. O Banco Nacional da Habitação poderá promover desapropriações por utilidade pública
ou por interêsse social.

Art. 65. A partir da data da vigência desta Lei as Carteiras Imobiliárias dos Institutos de
Aposentadoria e Pensões não poderão iniciar novas operações imobiliárias e seus segurados passarão
a ser atendidos de conformidade com êste diploma legal.

§ 1º - Institutos de Aposentadoria e Pensões, as Autarquias em geral, as Fundações efetuarão,


no prazo máximo de 12 (doze) meses, a venda de seus conjuntos e unidades residenciais, em
consonância com o Sistema Financeiro da Habitação de que trata esta Lei, de acôrdo com as
instruções expedidas, no prazo de 90 (noventa) dias, conjuntamente, pelo Banco Nacional de
Habitação e Departamento Nacional da Previdência Social. (Redação dada pela Lei nº 5.049, de 1996).

§ 2º Os recursos provenientes da alienação de que trata o parágrafo anterior serão aplicados na


aquisição ou construção de imóveis destinados à instalação de órgãos do Instituto. (Redação dada pela
Lei nº 5.455, de 1968)

44
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 3º Não sendo oportuna a aplicação prevista no parágrafo anterior, os recursos serão aplicados
em Letras Imobiliárias, cuja liquidação se fará em 24 (vinte e quatro) parcelas mensais consecutivas,
para a aquisição ou construção de edifícios-sede. (Incluído pela Lei nº 5.455, de 1968)

§ 4º - Os órgãos referidos no § 1º dêste artigo que possuam unidades residenciais em Brasília,


conjuntamente com a Caixa Econômica Federal de Brasília, submeterão à aprovação do Presidente da
República, por intermédio do Ministro do Planejamento e Coordenação Econômica, no prazo de 90
(noventa) dias, sugestões e normas, em consonância com o sistema Financeiro da Habitação,
referentes à sua alienação. (Redação dada pela Lei nº 5.049, de 1996). (Renumerado pela Lei nº
5.455, de 1968)

§ 5° Os órgãos de que trata o parágrafo anterior, celebrarão convênio com a Caixa Econômica
Federal de Brasília, incumbindo-a da alienação, aos respectivos ocupantes, dos imóveis residenciais
que possuírem no Distrito Federal, devendo o produto da operação constituir fundo rotativo destinado a
novos investimentos em construções residenciais em Brasília, assegurado às entidades convenientes
rateio financeiro anual, que lhes permita a retirada de valôres correspondentes no mínimo, a cinqüenta
por cento (50%) da renda líquida atual, efetivamente realizada, com a locação de tais
imóveis. (Renumerado pela Lei nº 5.455, de 1968)

§ 6° Os imóveis residenciais que deixarem de ser alienados aos ocupantes, por desinterêsse ou
impossibilidade legal dos mesmos, serão objeto de aquisição pela União que poderá para resgatá-los,
solicitar a abertura de crédito especial, dar em pagamento imóveis não necessários aos seus serviços
ou ações de sua propriedade em emprêsas de economia mista, mantida, nesta hipótese, a situação
majoritária da União. (Renumerado pela Lei nº 5.455, de 1968)

§ 7° A administração dos imóveis adquiridos pela União, na forma do parágrafo anterior, será feita
pelo Serviço do Patrimônio da União. (Renumerado pela Lei nº 5.455, de 1968)

§ 8° Realizadas as operações previstas no parágrafo primeiro, extingüir-se-ão as Carteiras


Imobiliárias dos IAPs. (Renumerado pela Lei nº 5.455, de 1968)

§ 9° Os atuais inquilinos ou ocupantes de imóveis residenciais dos IAPs e, sucessivamente, os


seus contribuintes, êstes inscritos e classificados de acôrdo com a legislação vigente, terão preferência
no atendimento pelos órgãos estatais integrantes do sistema financeiro da habitação. (Renumerado
pela Lei nº 5.455, de 1968)

Art. 66. O Ministro do Planejamento adotará as medidas necessárias para a criação de um Fundo
de Assistência Habitacional objetivando o financiamento às populações de renda insuficiente,
destinando-lhes recursos próprios.

Art. 67. O Banco Nacional da Habitação e o Serviço Federal de Habitação e Urbanismo deverão
publicar mensalmente a relação dos servidores admitidos ao seu serviço, a qualquer título, no mês
anterior à publicação.

Art. 68. O Poder Executivo baixará os regulamentos necessários à execução desta Lei, inclusive
os relativos à extinção dos órgãos federais que vêm exercendo funções e atividades que possam ser
por elas reguladas, podendo incorporar serviços, órgãos e departamentos, dispondo sôbre a situação
dos respectivos servidores e objetivando o enquadramento dos órgãos federais que integram o sistema
financeiro da habitação.

Parágrafo único. Dentro do prazo de noventa (90) dias, o Poder Executivo baixará os atos
necessários à adaptação do funcionamento das Caixas Econômicas Federais, Caixas Militares e
IPASE aos dispositivos desta Lei.

Art. 69. O contrato de promessa de cessão de direitos relativos a imóveis não loteados, sem
cláusula de arrependimento e com emissão de posse, uma vez inscrita no Registro Geral de Imóveis,
atribui ao promitente cessionário direito real oponível a terceiro e confere direito a obtenção
compulsória da escritura definitiva de cessão, aplicando-se, neste caso, no que couber, o disposto no

45
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
artigo 16 do Decreto-lei n. 58, de 10 de dezembro de 1937, e no artigo 346 do Código do Processo
Civil.

Parágrafo único. O disposto neste artigo se aplica aos contratos em via de execução compulsória,
em qualquer instância.

Art. 70. Fica assegurada às Caixas Econômicas Federais, na forma em que o Poder Executivo
regulamentar, dentro do prazo previsto no parágrafo único do artigo 68, a exploração da Loteria
Federal.

Art. 71. Fica o Poder Executivo autorizado a abrir, pelo Ministério da Fazenda, crédito especial no
montante de Cr$1 bilhão, com vigência durante três anos, destinado à integralização gradativa do
capital do Banco Nacional da Habitação.

Art. 72. Esta lei entrará em vigor na data da sua publicação, revogadas as disposições em
contrário.

Brasília, 21 de agosto de 1964; 143º da Independência e 76º da República.

LEI Nº 4.380, DE 21 DE AGOSTO DE 1964.

Partes mantidas pelo Congresso Nacional, após veto presidencial, do Projeto que se transformou na
Lei nº 4.380, de 21 de agosto de 1964, que institui a correção monetária nos contratos imobiliários de
interesse social, o sistema financeiro para aquisição da casa própria, cria o Banco Nacional da
Habitação (BNH), as sociedades de crédito imobiliário, as letras imobiliárias, o Serviço Federal de
Habitação e Urbanismo e dá outras providências

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional manteve e eu


promulgo, nos termos do parágrafo 3º, do Artigo 70, da Constituição Federal, a seguinte Lei:

Art. 4º.

V - a construção da moradia para a população rural.

Art. 54

§ 6º. Os servidores da atual Fundação da Casa Popular serão aproveitados no Serviço


Nacional de Habitação e urbanisbo ou em outros servições de igual regime.

Brasília, 29 de setembro de 1964; 143º da Indenpendência e 76º da República.

H CASTELLO BRANCO

LEI Nº 9.514, DE 20 DE NOVEMBRO DE 1997.

Dispõe sobre o Sistema de Financiamento Imobiliário, institui a alienação fiduciária de coisa imóvel e
dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono


a seguinte Lei:

CAPÍTULO I

Do Sistema de Financiamento Imobiliário

46
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Seção I

Da finalidade

Art. 1º O Sistema de Financiamento Imobiliário - SFI tem por finalidade promover o financiamento
imobiliário em geral, segundo condições compatíveis com as da formação dos fundos respectivos.

Seção II

Das entidades

Art. 2º Poderão operar no SFI as caixas econômicas, os bancos comerciais, os bancos de


investimento, os bancos com carteira de crédito imobiliário, as sociedades de crédito imobiliário, as
associações de poupança e empréstimo, as companhias hipotecárias e, a critério do Conselho
Monetário Nacional - CMN, outras entidades.

Art. 3º As companhias securitizadoras de créditos imobiliários, instituições não financeiras


constituídas sob a forma de sociedade por ações, terão por finalidade a aquisição e securitização
desses créditos e a emissão e colocação, no mercado financeiro, de Certificados de Recebíveis
Imobiliários, podendo emitir outros títulos de crédito, realizar negócios e prestar serviços compatíveis
com as suas atividades.

Parágrafo único. O Conselho Monetário Nacional - CMN poderá fixar condições para o
funcionamento das companhias de que trata este artigo.

Seção III

Do financiamento imobiliário

Art. 4º As operações de financiamento imobiliário em geral serão livremente efetuadas pelas


entidades autorizadas a operar no SFI, segundo condições de mercado e observadas as prescrições
legais.

Parágrafo único. Nas operações de que trata este artigo, poderão ser empregados recursos
provenientes da captação nos mercados financeiro e de valores mobiliários, de acordo com a
legislação pertinente.

Art. 5º As operações de financiamento imobiliário em geral, no âmbito do SFI, serão livremente


pactuadas pelas partes, observadas as seguintes condições essenciais:

I - reposição integral do valor emprestado e respectivo reajuste;

II - remuneração do capital emprestado às taxas convencionadas no contrato;

III - capitalização dos juros;

IV - contratação, pelos tomadores de financiamento, de seguros contra os riscos de morte e


invalidez permanente.

§ 1º As partes poderão estabelecer os critérios do reajuste de que trata o inciso I, observada a


legislação vigente.

o
§ 2 As operações de comercialização de imóveis, com pagamento parcelado, de arrendamento
mercantil de imóveis e de financiamento imobiliário em geral poderão ser pactuadas nas mesmas
condições permitidas para as entidades autorizadas a operar no SFI. (Redação dada pela Lei nº
10.931, de 2004)

47
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 3º Na alienação de unidades em edificação sob o regime da Lei nº 4.591, de 16 de dezembro
de 1964, a critério do adquirente e mediante informação obrigatória do incorporador, poderá ser
contratado seguro que garanta o ressarcimento ao adquirente das quantias por este pagas, na hipótese
de inadimplemento do incorporador ou construtor quanto à entrega da obra.

Seção IV

Do Certificado de Recebíveis Imobiliários

Art. 6º O Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI é título de crédito nominativo, de livre


negociação, lastreado em créditos imobiliários e constitui promessa de pagamento em dinheiro.

Parágrafo único. O CRI é de emissão exclusiva das companhias securitizadoras.

Art. 7º O CRI terá as seguintes características:

I - nome da companhia emitente;

II - número de ordem, local e data de emissão;

III - denominação "Certificado de Recebíveis Imobiliários";

IV - forma escritural;

V - nome do titular;

VI - valor nominal;

VII - data de pagamento ou, se emitido para pagamento parcelado, discriminação dos valores e
das datas de pagamento das diversas parcelas;

VIII - taxa de juros, fixa ou flutuante, e datas de sua exigibilidade, admitida a capitalização;

IX - cláusula de reajuste, observada a legislação pertinente;

X - lugar de pagamento;

XI - identificação do Termo de Securitização de Créditos que lhe tenha dado origem.

§ 1º O registro e a negociação do CRI far-se-ão por meio de sistemas centralizados de custódia e


liquidação financeira de títulos privados.

§ 2º O CRI poderá ter, conforme dispuser o Termo de Securitização de Créditos, garantia


flutuante, que lhe assegurará privilégio geral sobre o ativo da companhia securitizadora, mas não
impedirá a negociação dos bens que compõem esse ativo.

Seção V

Da securitização de créditos imobiliários

Art. 8º A securitização de créditos imobiliários é a operação pela qual tais créditos são
expressamente vinculados à emissão de uma série de títulos de crédito, mediante Termo de
Securitização de Créditos, lavrado por uma companhia securitizadora, do qual constarão os seguintes
elementos:

48
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - a identificação do devedor e o valor nominal de cada crédito que lastreie a emissão, com a
individuação do imóvel a que esteja vinculado e a indicação do Cartório de Registro de Imóveis em que
esteja registrado e respectiva matrícula, bem como a indicação do ato pelo qual o crédito foi
cedido; (Redação dada pela Lei nº 10.931, de 2004)

II - a identificação dos títulos emitidos;

III - a constituição de outras garantias de resgate dos títulos da série emitida, se for o caso.

Parágrafo único. Será permitida a securitização de créditos oriundos da alienação de unidades


em edificação sob regime de incorporação nos moldes da Lei nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964.

Seção VI

Do regime fiduciário

Art. 9º A companhia securitizadora poderá instituir regime fiduciário sobre créditos imobiliários, a
fim de lastrear a emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários, sendo agente fiduciário uma
instituição financeira ou companhia autorizada para esse fim pelo BACEN e beneficiários os
adquirentes dos títulos lastreados nos recebíveis objeto desse regime.

Art. 10. O regime fiduciário será instituído mediante declaração unilateral da companhia
securitizadora no contexto do Termo de Securitização de Créditos, que, além de conter os elementos
de que trata o art. 8º, submeter-se-á às seguintes condições:

I - a constituição do regime fiduciário sobre os créditos que lastreiem a emissão;

II - a constituição de patrimônio separado, integrado pela totalidade dos créditos submetidos ao


regime fiduciário que lastreiem a emissão;

III - a afetação dos créditos como lastro da emissão da respectiva série de títulos;

IV - a nomeação do agente fiduciário, com a definição de seus deveres, responsabilidades e


remuneração, bem como as hipóteses, condições e forma de sua destituição ou substituição e as
demais condições de sua atuação;

V - a forma de liquidação do patrimônio separado.

Parágrafo único. O Termo de Securitização de Créditos, em que seja instituído o regime


fiduciário, será averbado nos Registros de Imóveis em que estejam matriculados os respectivos
imóveis.

Art. 11. Os créditos objeto do regime fiduciário:

I - constituem patrimônio separado, que não se confunde com o da companhia securitizadora;

II - manter-se-ão apartados do patrimônio da companhia securitizadora até que se complete o


resgate de todos os títulos da série a que estejam afetados;

III - destinam-se exclusivamente à liquidação dos títulos a que estiverem afetados, bem como ao
pagamento dos respectivos custos de administração e de obrigações fiscais;

IV - estão isentos de qualquer ação ou execução pelos credores da companhia securitizadora;

V - não são passíveis de constituição de garantias ou de excussão por quaisquer dos credores da
companhia securitizadora, por mais privilegiados que sejam;

49
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
VI - só responderão pelas obrigações inerentes aos títulos a ele afetados.

§ 1º No Termo de Securitização de Créditos, poderá ser conferido aos beneficiários e demais


credores do patrimônio separado, se este se tornar insuficiente, o direito de haverem seus créditos
contra o patrimônio da companhia securitizadora.

§ 2º Uma vez assegurado o direito de que trata o parágrafo anterior, a companhia securitizadora,
sempre que se verificar insuficiência do patrimônio separado, promoverá a respectiva recomposição,
mediante aditivo ao Termo de Securitização de Créditos, nele incluindo outros créditos imobiliários,
com observância dos requisitos previstos nesta seção.

§ 3º A realização dos direitos dos beneficiários limitar-se-á aos créditos imobiliários integrantes
do patrimônio separado, salvo se tiverem sido constituídas garantias adicionais por terceiros.

Art. 12. Instituído o regime fiduciário, incumbirá à companhia securitizadora administrar cada
patrimônio separado, manter registros contábeis independentes em relação a cada um deles e elaborar
e publicar as respectivas demonstrações financeiras.

Parágrafo único. A totalidade do patrimônio da companhia securitizadora responderá pelos


prejuízos que esta causar por descumprimento de disposição legal ou regulamentar, por negligência ou
administração temerária ou, ainda, por desvio da finalidade do patrimônio separado.

Art. 13. Ao agente fiduciário são conferidos poderes gerais de representação da comunhão dos
beneficiários, inclusive os de receber e dar quitação, incumbindo-lhe:

I - zelar pela proteção dos direitos e interesses dos beneficiários, acompanhando a atuação da
companhia securitizadora na administração do patrimônio separado;

II - adotar as medidas judiciais ou extrajudiciais necessárias à defesa dos interesses dos


beneficiários, bem como à realização dos créditos afetados ao patrimônio separado, caso a companhia
securitizadora não o faça;

III - exercer, na hipótese de insolvência da companhia securitizadora, a administração do


patrimônio separado;

IV - promover, na forma em que dispuser o Termo de Securitização de Créditos, a liquidação do


patrimônio separado;

V- executar os demais encargos que lhe forem atribuídos no Termo de Securitização de Créditos.

§ 1º O agente fiduciário responderá pelos prejuízos que causar por descumprimento de


disposição legal ou regulamentar, por negligência ou administração temerária.

§ 2º Aplicam-se ao agente fiduciário os mesmos requisitos e incompatibilidades impostos pelo art.


66 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976.

Art. 14. A insuficiência dos bens do patrimônio separado não dará causa à declaração de sua
quebra, cabendo, nessa hipótese, ao agente fiduciário convocar assembléia geral dos beneficiários
para deliberar sobre as normas de administração ou liquidação do patrimônio separado.

§ 1º Na hipótese de que trata este artigo, a assembléia geral estará legitimada a adotar qualquer
medida pertinente à administração ou liquidação do patrimônio separado, inclusive a transferência dos
bens e direitos dele integrantes para outra entidade que opere no SFI, a forma de liquidação do
patrimônio e a nomeação do liquidante.

§ 2º A assembléia geral, convocada mediante edital publicado por três vezes, com antecedência
de vinte dias, em jornal de grande circulação na praça em que tiver sido feita a emissão dos títulos,

50
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
instalar-se-á, em primeira convocação, com a presença de beneficiários que representem, pelo menos,
dois terços do valor global dos títulos e, em segunda convocação, com qualquer número, sendo válidas
as deliberações tomadas pela maioria absoluta desse capital.

Art. 15. No caso de insolvência da companhia securitizadora, o agente fiduciário assumirá


imediatamente a custódia e administração dos créditos imobiliários integrantes do patrimônio separado
e convocará a assembléia geral dos beneficiários para deliberar sobre a forma de administração,
observados os requisitos estabelecidos no § 2º do art. 14.

Parágrafo único. A insolvência da companhia securitizadora não afetará os patrimônios


separados que tenha constituído.

Art. 16. Extinguir-se-á o regime fiduciário de que trata esta seção pelo implemento das condições
a que esteja submetido, na conformidade do Termo de Securitização de Créditos que o tenha
instituído.

§ 1º Uma vez satisfeitos os créditos dos beneficiários e extinto o regime fiduciário, o Agente
Fiduciário fornecerá, no prazo de três dias úteis, à companhia securitizadora, termo de quitação, que
servirá para baixa, nos competentes Registros de Imóveis, da averbação que tenha instituído o regime
fiduciário.

§ 2º A baixa de que trata o parágrafo anterior importará na reintegração ao patrimônio comum da


companhia securitizadora dos recebíveis imobiliários que sobejarem.

o
§ 3 Os emolumentos devidos aos Cartórios de Registros de Imóveis para cancelamento do
regime fiduciário e das garantias reais existentes serão cobrados como ato único. (Incluído pela Lei nº
10.931, de 2004)

Seção VII

Das garantias

Art. 17. As operações de financiamento imobiliário em geral poderão ser garantidas por:

I - hipoteca;

II - cessão fiduciária de direitos creditórios decorrentes de contratos de alienação de imóveis;

III - caução de direitos creditórios ou aquisitivos decorrentes de contratos de venda ou promessa


de venda de imóveis;

IV - alienação fiduciária de coisa imóvel.

§ 1º As garantias a que se referem os incisos II, III e IV deste artigo constituem direito real sobre
os respectivos objetos.

§ 2º Aplicam-se à caução dos direitos creditórios a que se refere o inciso III deste artigo as
disposições dos arts. 789 a 795 do Código Civil.

§ 3º As operações do SFI que envolvam locação poderão ser garantidas suplementarmente por
anticrese.

Art. 18. O contrato de cessão fiduciária em garantia opera a transferência ao credor da


titularidade dos créditos cedidos, até a liquidação da dívida garantida, e conterá, além de outros
elementos, os seguintes:

51
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - o total da dívida ou sua estimativa;

II - o local, a data e a forma de pagamento;

III - a taxa de juros;

IV - a identificação dos direitos creditórios objeto da cessão fiduciária.

Art. 19. Ao credor fiduciário compete o direito de:

I - conservar e recuperar a posse dos títulos representativos dos créditos cedidos, contra
qualquer detentor, inclusive o próprio cedente;

II - promover a intimação dos devedores que não paguem ao cedente, enquanto durar a cessão
fiduciária;

III - usar das ações, recursos e execuções, judiciais e extrajudiciais, para receber os créditos
cedidos e exercer os demais direitos conferidos ao cedente no contrato de alienação do imóvel;

IV - receber diretamente dos devedores os créditos cedidos fiduciariamente.

§ 1º As importâncias recebidas na forma do inciso IV deste artigo, depois de deduzidas as


despesas de cobrança e de administração, serão creditadas ao devedor cedente, na operação objeto
da cessão fiduciária, até final liquidação da dívida e encargos, responsabilizando-se o credor fiduciário
perante o cedente, como depositário, pelo que receber além do que este lhe devia.

§ 2º Se as importâncias recebidas, a que se refere o parágrafo anterior, não bastarem para o


pagamento integral da dívida e seus encargos, bem como das despesas de cobrança e de
administração daqueles créditos, o devedor continuará obrigado a resgatar o saldo remanescente nas
condições convencionadas no contrato.

Art. 20. Na hipótese de falência do devedor cedente e se não tiver havido a tradição dos títulos
representativos dos créditos cedidos fiduciariamente, ficará assegurada ao cessionário fiduciário a
restituição na forma da legislação pertinente.

Parágrafo único. Efetivada a restituição, prosseguirá o cessionário fiduciário no exercício de seus


direitos na forma do disposto nesta seção.

Art. 21. São suscetíveis de caução, desde que transmissíveis, os direitos aquisitivos sobre
imóvel, ainda que em construção.

§ 1º O instrumento da caução, a que se refere este artigo, indicará o valor do débito e dos
encargos e identificará o imóvel cujos direitos aquisitivos são caucionados.

§ 2º Referindo-se a caução a direitos aquisitivos de promessa de compra e venda cujo preço


ainda não tenha sido integralizado, poderá o credor caucionário, sobrevindo a mora do promissário
comprador, promover a execução do seu crédito ou efetivar, sob protesto, o pagamento do saldo da
promessa.

§ 3º Se, nos termos do disposto no parágrafo anterior, o credor efetuar o pagamento, o valor
pago, com todos os seus acessórios e eventuais penalidades, será adicionado à dívida garantida pela
caução, ressalvado ao credor o direito de executar desde logo o devedor, inclusive pela parcela da
dívida assim acrescida.

CAPÍTULO II

52
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Da Alienação Fiduciária de Coisa Imóvel

Art. 22. A alienação fiduciária regulada por esta Lei é o negócio jurídico pelo qual o devedor, ou
fiduciante, com o escopo de garantia, contrata a transferência ao credor, ou fiduciário, da propriedade
resolúvel de coisa imóvel.

o
§ 1 A alienação fiduciária poderá ser contratada por pessoa física ou jurídica, não sendo
privativa das entidades que operam no SFI, podendo ter como objeto, além da propriedade
plena: (Renumerado do parágrafo único pela Lei nº 11.481, de 2007)

I - bens enfitêuticos, hipótese em que será exigível o pagamento do laudêmio, se houver a


consolidação do domínio útil no fiduciário; (Incluído pela Lei nº 11.481, de 2007)

II - o direito de uso especial para fins de moradia; (Incluído pela Lei nº 11.481, de 2007)

III - o direito real de uso, desde que suscetível de alienação; (Incluído pela Lei nº 11.481, de
2007)

IV - a propriedade superficiária. (Incluído pela Lei nº 11.481, de 2007)

o o
§ 2 Os direitos de garantia instituídos nas hipóteses dos incisos III e IV do § 1 deste artigo
ficam limitados à duração da concessão ou direito de superfície, caso tenham sido transferidos por
período determinado. (Incluído pela Lei nº 11.481, de 2007)

Art. 23. Constitui-se a propriedade fiduciária de coisa imóvel mediante registro, no competente
Registro de Imóveis, do contrato que lhe serve de título.

Parágrafo único. Com a constituição da propriedade fiduciária, dá-se o desdobramento da posse,


tornando-se o fiduciante possuidor direto e o fiduciário possuidor indireto da coisa imóvel.

Art. 24. O contrato que serve de título ao negócio fiduciário conterá:

I - o valor do principal da dívida;

II - o prazo e as condições de reposição do empréstimo ou do crédito do fiduciário;

III - a taxa de juros e os encargos incidentes;

IV - a cláusula de constituição da propriedade fiduciária, com a descrição do imóvel objeto da


alienação fiduciária e a indicação do título e modo de aquisição;

V - a cláusula assegurando ao fiduciante, enquanto adimplente, a livre utilização, por sua conta e
risco, do imóvel objeto da alienação fiduciária;

VI - a indicação, para efeito de venda em público leilão, do valor do imóvel e dos critérios para a
respectiva revisão;

VII - a cláusula dispondo sobre os procedimentos de que trata o art. 27.

Art. 25. Com o pagamento da dívida e seus encargos, resolve-se, nos termos deste artigo, a
propriedade fiduciária do imóvel.

§ 1º No prazo de trinta dias, a contar da data de liquidação da dívida, o fiduciário fornecerá o


respectivo termo de quitação ao fiduciante, sob pena de multa em favor deste, equivalente a meio por
cento ao mês, ou fração, sobre o valor do contrato.

53
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2º À vista do termo de quitação de que trata o parágrafo anterior, o oficial do competente
Registro de Imóveis efetuará o cancelamento do registro da propriedade fiduciária.

Art. 26. Vencida e não paga, no todo ou em parte, a dívida e constituído em mora o fiduciante,
consolidar-se-á, nos termos deste artigo, a propriedade do imóvel em nome do fiduciário.

§ 1º Para os fins do disposto neste artigo, o fiduciante, ou seu representante legal ou procurador
regularmente constituído, será intimado, a requerimento do fiduciário, pelo oficial do competente
Registro de Imóveis, a satisfazer, no prazo de quinze dias, a prestação vencida e as que se vencerem
até a data do pagamento, os juros convencionais, as penalidades e os demais encargos contratuais, os
encargos legais, inclusive tributos, as contribuições condominiais imputáveis ao imóvel, além das
despesas de cobrança e de intimação.

§ 2º O contrato definirá o prazo de carência após o qual será expedida a intimação.

§ 3º A intimação far-se-á pessoalmente ao fiduciante, ou ao seu representante legal ou ao


procurador regularmente constituído, podendo ser promovida, por solicitação do oficial do Registro de
Imóveis, por oficial de Registro de Títulos e Documentos da comarca da situação do imóvel ou do
domicílio de quem deva recebê-la, ou pelo correio, com aviso de recebimento.

o
§ 4 Quando o fiduciante, ou seu cessionário, ou seu representante legal ou procurador
encontrar-se em local ignorado, incerto ou inacessível, o fato será certificado pelo serventuário
encarregado da diligência e informado ao oficial de Registro de Imóveis, que, à vista da certidão,
promoverá a intimação por edital publicado durante 3 (três) dias, pelo menos, em um dos jornais de
maior circulação local ou noutro de comarca de fácil acesso, se no local não houver imprensa diária,
contado o prazo para purgação da mora da data da última publicação do edital. (Redação dada pela
Lei nº 13.043, de 2014)

§ 5º Purgada a mora no Registro de Imóveis, convalescerá o contrato de alienação fiduciária.

§ 6º O oficial do Registro de Imóveis, nos três dias seguintes à purgação da mora, entregará ao
fiduciário as importâncias recebidas, deduzidas as despesas de cobrança e de intimação.

o o
§ 7 Decorrido o prazo de que trata o § 1 sem a purgação da mora, o oficial do competente
Registro de Imóveis, certificando esse fato, promoverá a averbação, na matrícula do imóvel, da
consolidação da propriedade em nome do fiduciário, à vista da prova do pagamento por este, do
imposto de transmissão inter vivos e, se for o caso, do laudêmio. (Redação dada pela Lei nº 10.931,
de 2004)

o
§ 8 O fiduciante pode, com a anuência do fiduciário, dar seu direito eventual ao imóvel em
pagamento da dívida, dispensados os procedimentos previstos no art. 27. (Incluído pela Lei nº 10.931,
de 2004)

Art. 27. Uma vez consolidada a propriedade em seu nome, o fiduciário, no prazo de trinta dias,
contados da data do registro de que trata o § 7º do artigo anterior, promoverá público leilão para a
alienação do imóvel.

§ 1º Se, no primeiro público leilão, o maior lance oferecido for inferior ao valor do imóvel,
estipulado na forma do inciso VI do art. 24, será realizado o segundo leilão, nos quinze dias seguintes.

§ 2º No segundo leilão, será aceito o maior lance oferecido, desde que igual ou superior ao valor
da dívida, das despesas, dos prêmios de seguro, dos encargos legais, inclusive tributos, e das
contribuições condominiais.

§ 3º Para os fins do disposto neste artigo, entende-se por:

54
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - dívida: o saldo devedor da operação de alienação fiduciária, na data do leilão, nele incluídos
os juros convencionais, as penalidades e os demais encargos contratuais;

II - despesas: a soma das importâncias correspondentes aos encargos e custas de intimação e


as necessárias à realização do público leilão, nestas compreendidas as relativas aos anúncios e à
comissão do leiloeiro.

§ 4º Nos cinco dias que se seguirem à venda do imóvel no leilão, o credor entregará ao devedor
a importância que sobejar, considerando-se nela compreendido o valor da indenização de benfeitorias,
depois de deduzidos os valores da dívida e das despesas e encargos de que tratam os §§ 2º e 3º, fato
esse que importará em recíproca quitação, não se aplicando o disposto na parte final do art. 516 do
Código Civil.

§ 5º Se, no segundo leilão, o maior lance oferecido não for igual ou superior ao valor referido no §
2º, considerar-se-á extinta a dívida e exonerado o credor da obrigação de que trata o § 4º.

§ 6º Na hipótese de que trata o parágrafo anterior, o credor, no prazo de cinco dias a contar da
data do segundo leilão, dará ao devedor quitação da dívida, mediante termo próprio.

o
§ 7 Se o imóvel estiver locado, a locação poderá ser denunciada com o prazo de trinta dias para
desocupação, salvo se tiver havido aquiescência por escrito do fiduciário, devendo a denúncia ser
realizada no prazo de noventa dias a contar da data da consolidação da propriedade no fiduciário,
devendo essa condição constar expressamente em cláusula contratual específica, destacando-se das
demais por sua apresentação gráfica. (Incluído pela Lei nº 10.931, de 2004)

o
§ 8 Responde o fiduciante pelo pagamento dos impostos, taxas, contribuições condominiais e
quaisquer outros encargos que recaiam ou venham a recair sobre o imóvel, cuja posse tenha sido
transferida para o fiduciário, nos termos deste artigo, até a data em que o fiduciário vier a ser imitido na
posse. (Incluído pela Lei nº 10.931, de 2004)

Art. 28. A cessão do crédito objeto da alienação fiduciária implicará a transferência, ao


cessionário, de todos os direitos e obrigações inerentes à propriedade fiduciária em garantia.

Art. 29. O fiduciante, com anuência expressa do fiduciário, poderá transmitir os direitos de que
seja titular sobre o imóvel objeto da alienação fiduciária em garantia, assumindo o adquirente as
respectivas obrigações.

Art. 30. É assegurada ao fiduciário, seu cessionário ou sucessores, inclusive o adquirente do


imóvel por força do público leilão de que tratam os §§ 1° e 2° do art. 27, a reintegração na posse do
imóvel, que será concedida liminarmente, para desocupação em sessenta dias, desde que
comprovada, na forma do disposto no art. 26, a consolidação da propriedade em seu nome.

Art. 31. O fiador ou terceiro interessado que pagar a dívida ficará sub-rogado, de pleno direito, no
crédito e na propriedade fiduciária.

Parágrafo único. Nos casos de transferência de financiamento para outra instituição financeira, o
pagamento da dívida à instituição credora original poderá ser feito, a favor do mutuário, pela nova
instituição credora. (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

Art. 32. Na hipótese de insolvência do fiduciante, fica assegurada ao fiduciário a restituição do


imóvel alienado fiduciariamente, na forma da legislação pertinente.

Art. 33. Aplicam-se à propriedade fiduciária, no que couber, as disposições dos arts. 647 e 648
do Código Civil.

55
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
CAPÍTULO II-A
(Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

DO REFINANCIAMENTO COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR

Art. 33-A. A transferência de dívida de financiamento imobiliário com garantia real, de um credor
para outro, inclusive sob a forma de sub-rogação, obriga o credor original a emitir documento que
ateste, para todos os fins de direito, inclusive para efeito de averbação, a validade da
transferência. (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

Parágrafo único. A emissão do documento será feita no prazo máximo de 2 (dois) dias úteis
após a quitação da dívida original. (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

Art. 33-B. Para fins de efetivação do disposto no art. 33-A, a nova instituição credora deverá
informar à instituição credora original, por documento escrito ou, quando solicitado, eletrônico, as
condições de financiamento oferecidas ao mutuário, inclusive as seguintes: (Incluído pela Lei nº
12.810, de 2013)

I - a taxa de juros do financiamento; (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

II - o custo efetivo total; (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

III - o prazo da operação; (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

IV - o sistema de pagamento utilizado; e (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

V - o valor das prestações. (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

o
§ 1 A instituição credora original terá prazo máximo de 5 (cinco) dias úteis, contados do
recebimento das informações de que trata o caput, para solicitar à instituição proponente da
transferência o envio dos recursos necessários para efetivar a transferência. (Incluído pela Lei nº
12.810, de 2013)

o
§ 2 O mutuário da instituição credora original poderá, a qualquer tempo, enquanto não
encaminhada a solicitação de envio dos recursos necessários para efetivar a transferência de que trata
o
o § 1 , decidir pela não efetivação da transferência, sendo vedada a cobrança de qualquer tipo de ônus
ou custa por parte das instituições envolvidas. (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

o
§ 3 A eventual desistência do mutuário deverá ser informada à instituição credora original, que
terá até 2 (dois) dias úteis para transmiti-la à instituição proponente da transferência. (Incluído pela Lei
nº 12.810, de 2013)

Art. 33-C. O credor original deverá fornecer a terceiros, sempre que formalmente solicitado pelo
mutuário, as informações sobre o crédito que se fizerem necessárias para viabilizar a transferência
referida no art. 33-A. (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

Parágrafo único. O credor original não poderá realizar ações que impeçam, limitem ou dificultem
o fornecimento das informações requeridas na forma do caput. (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

56
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 33-D. A instituição credora original poderá exigir ressarcimento financeiro pelo custo de
originação da operação de crédito, o qual não poderá ser repassado ao mutuário. (Incluído pela Lei nº
12.810, de 2013)

o
§ 1 O ressarcimento disposto no caput deverá ser proporcional ao valor do saldo devedor
apurado à época da transferência e decrescente com o decurso de prazo desde a assinatura do
contrato, cabendo sua liquidação à instituição proponente da transferência. (Incluído pela Lei nº 12.810,
de 2013)

o
§ 2 O Conselho Monetário Nacional disciplinará o disposto neste artigo, podendo inclusive
limitar o ressarcimento considerando o tipo de operação de crédito ou o prazo decorrido desde a
assinatura do contrato de crédito com a instituição credora original até o momento da
transferência. (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

Art. 33-E. O Conselho Monetário Nacional e o Conselho Curador do Fundo de Garantia do


Tempo de Serviço, no âmbito de suas respectivas competências, expedirão as instruções que se
fizerem necessárias à execução do disposto no parágrafo único do art. 31 e nos arts. 33-A a 33-D
desta Lei. (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

Art. 33-F. O disposto nos arts. 33-A a 33-E desta Lei não se aplica às operações de
transferência de dívida decorrentes de cessão de crédito entre entidades que compõem o Sistema
Financeiro da Habitação, desde que a citada transferência independa de manifestação do
mutuário. (Incluído pela Lei nº 12.810, de 2013)

CAPÍTULO III

Disposições Gerais e Finais

Art. 34. Os contratos relativos ao financiamento imobiliário em geral poderão estipular que litígios
ou controvérsias entre as partes sejam dirimidos mediante arbitragem, nos termos do disposto na Lei nº
9.307, de 24 de setembro de 1996.

Art. 35. Nas cessões de crédito a que aludem os arts. 3º, 18 e 28, é dispensada a notificação do
devedor.

Art. 36. Nos contratos de venda de imóveis a prazo, inclusive alienação fiduciária, de
arrendamento mercantil de imóveis, de financiamento imobiliário em geral e nos títulos de que tratam
os arts. 6º, 7º e 8º, admitir-se-á, respeitada a legislação pertinente, a estipulação de cláusula de
reajuste e das condições e critérios de sua aplicação.

Art. 37. Às operações de arrendamento mercantil de imóveis não se aplica a legislação pertinente
à locação de imóveis residenciais, não residenciais ou comerciais.

Art. 37-A. O fiduciante pagará ao fiduciário, ou a quem vier a sucedê-lo, a título de taxa de
ocupação do imóvel, por mês ou fração, valor correspondente a um por cento do valor a que se refere
o inciso VI do art. 24, computado e exigível desde a data da alienação em leilão até a data em que o
fiduciário, ou seus sucessores, vier a ser imitido na posse do imóvel. (Incluído pela Lei nº 10.931, de
2004)

Art. 37-B. Será considerada ineficaz, e sem qualquer efeito perante o fiduciário ou seus
sucessores, a contratação ou a prorrogação de locação de imóvel alienado fiduciariamente por prazo
superior a um ano sem concordância por escrito do fiduciário. (Incluído pela Lei nº 10.931, de 2004)

57
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 38. Os atos e contratos referidos nesta Lei ou resultantes da sua aplicação, mesmo aqueles
que visem à constituição, transferência, modificação ou renúncia de direitos reais sobre imóveis,
poderão ser celebrados por escritura pública ou por instrumento particular com efeitos de escritura
pública. (Redação dada pela Lei nº 11.076, de 2004)

Art. 39. Às operações de financiamento imobiliário em geral a que se refere esta Lei:

I - não se aplicam as disposições da Lei nº 4.380, de 21 de agosto de 1964, e as demais


disposições legais referentes ao Sistema Financeiro da Habitação - SFH;

II - aplicam-se as disposições dos arts. 29 a 41 do Decreto-lei nº 70, de 21 de novembro de 1966.

Art. 40. Os incisos I e II do art. 167 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, passam a
vigorar acrescidos, respectivamente, dos seguintes itens:

"Art. 167I - ..............................................................................

35) da alienação fiduciária em garantia de coisa imóvel.

17) do Termo de Securitização de créditos imobiliários, quando submetidos a regime fiduciário."

Art. 41. O Conselho Monetário Nacional poderá regulamentar o disposto nesta Lei, inclusive
estabelecer prazos mínimos e outras condições para emissão e resgate de CRI e diferenciar tais
condições de acordo com o tipo de crédito imobiliário vinculado à emissão e com o indexador adotado
contratualmente. (Redação dada pela Medida Provisória nº 656, de 2014)

Art. 42. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 20 de novembro de 1997; 176º da Independência e 109º da República.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO


Pedro Malan
Antonio Kandir.

LEI No 5.741, DE 1 DE DEZEMBRO DE 1971.

Dispõe sobre a proteção do financiamento de bens imóveis vinculados ao Sistema Financeiro da


Habitação.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA , faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a


seguinte Lei:

Art . 1º Para a cobrança de crédito hipotecário vinculado ao Sistema Financeiro da Habitação


criado pela Lei nº 4.380, de 21 de agosto de 1964, é lícito ao credor promover a execução de que
tratam os artigos 31 e 32 do Decreto-lei nº 70, de 21 de novembro de 1966, ou ajuizar a ação executiva
na forma da presente lei.

Art. 2 º A execução terá início por petição escrita, com os requisitos do Art. 282 do Código de
Processo Civil, apresentada em três vias, servindo a segunda e terceira de mandado e contra-fé, e
sendo a primeira instruída com: (Redação dada pela Lei nº 6.071, de 1974)

I - o título da dívida devidamente inscrita; (Redação dada pela Lei nº 6.071, de 1974)

58
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Il - a indicação do valor das prestações e encargos cujo não pagamento deu lugar ao vencimento
do contrato; (Redação dada pela Lei nº 6.071, de 1974)

III - o saldo devedor, discriminadas as parceIas relativas a principal, juros, multa e outros encargos
contratuais fiscais e honorários advocatícios; (Redação dada pela Lei nº 6.071, de 1974)

IV - cópia dos avisos regulamentares reclamando o pagamento da dívida, expedidos segundo


instruções do Banco Nacional da Habitação. (Redação dada pela Lei nº 6.071, de 1974)

Art . 3º O devedor será citado para pagar o valor do crédito reclamado ou depositá-lo em juízo no
prazo de vinte e quatro horas, sob pena de lhe ser penhorado o imóvel hipotecado.

§ 1º A citação far-se-á na pessoa do réu e de seu cônjuge ou de seus representantes


legais. (Redação dada pela Lei nº 8.004, de 1990).

§ 2º Se o executado e seu cônjuge se acharem fora da jurisdição da situação do imóvel, a citação


far-se-á por meio de edital, pelo prazo de 10 (dez) dias, publicado, uma vez no órgão oficial do Estado
e, pelo menos, duas vezes em jornal local de grande circulação onde houver.

Art . 4º Se o executado não pagar a dívida indicada no inciso II do art. 2º, acrescida das custas e
honorários de advogado ou não depositar o saldo devedor, efetuar-se-á penhora do imóvel hipotecado,
sendo nomeado depositário o exeqüente ou quem êste indicar.

§ 1º Se o executado não estiver na posse direta do imóvel, o juiz ordenará a expedição de


mandado de desocupação contra a pessoa que o estiver ocupando, para entregá-lo ao exeqüente no
prazo de 10 (dez) dias.

§ 2º Se o executado estiver na posse direta do imóvel, o juiz ordenará que o desocupe no prazo
de 30 (trinta) dias, entregando-o ao exeqüente.

Art. 5 º O executado poderá opor embargos no prazo de dez (10) dias contados da penhora e que
serão recebidos com efeito suspensivo, desde que alegue e prove: (Redação dada pela Lei nº
6.014, de 1973)

I - que depositou por inteiro a importância reclamada na inicial; (Redação dada pela Lei nº
6.014, de 1973)

II - que resgatou a dívida, oferecendo desde logo a prova da quitação. (Redação dada pela Lei
nº 6.014, de 1973)

Parágrafo único. Os demais fundos de fundamentos de embargos, previstos no artigo 741 do


Código de Processo Civil, não suspendem a execução. (Incluído dada pela Lei nº 6.014, de 1973)

Art . 6º Rejeitados os embargos referidos no caput do artigo anterior, o juiz ordenará a venda do
imóvel hipotecado em praça pública por preço não inferior do saldo devedor expedindo-se edital pelo
prazo de 10 (dez) dias.

Parágrafo único. O edital será afixado à porta do edifício onde tiver sede o juízo e publicado três
vezes, por extrato, em um dos jornais locais de maior circulação, onde houver.

Art . 7º Não havendo licitante na praça pública, o Juiz adjudicará, dentro de quarenta e oito horas,
ao exeqüente o imóvel hipotecado, ficando exonerado o executado da obrigação de pagar o restante
da dívida.

Art . 8º É lícito ao executado remir o imóvel penhorado, desde que deposite em juízo, até a
assinatura do auto de arrematação, a importância que baste ao pagamento da dívida reclamada mais
custas e honorários advocatícios; caso em que convalescerá o contrato hipotecário.

59
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art . 9º Constitui crime de ação pública, punido com a pena de detenção de 6 (seis) meses a 2
(dois) anos e multa de cinco a vinte salários mínimos, invadir alguém, ou ocupar, com o fim de esbulho
possessório, terreno ou unidade residencial, construída ou em construção, objeto de financiamento do
Sistema Financeiro da Habitação.

§ 1º Se o agente usa de violência, incorre também nas penas a esta cominada.

§ 2º É isento da pena de esbulho o agente que, espontaneamente, desocupa o imóvel antes de


qualquer medida coativa.

3º O salário a que se refere este artigo é o maior mensal vigente no País, à época do fato.

Art . 10. A ação executiva, fundada em outra causa que não a falta de pagamento pelo executado
das prestações vencidas, será processada na forma do Código de Processo Civil, que se aplicará,
subsidiàriamente, a ação executiva de que trata esta lei.

Art . 11. Ficam dispensadas de averbação no Registro de Imóveis as alterações contratuais de


qualquer natureza, desde que não importem em novação objetiva da dívida, realizadas em operações
do Sistema Financeiro da Habitação, criado pela Lei nº 4.380, de 21 de agosto de 1964, sejam as
operações consubstanciadas, em instrumentos públicos ou particulares, ou em cédulas hipotecárias.

Parágrafo único. O registro da cédula hipotecária limitar-se-á à averbação de suas características


originais, a que se refere o art. 13 do Decreto-lei nº 70, de 21 de novembro de 1966, ficando
dispensadas de averbação também as alterações que decorram da circulação do título.

Art . 12. As entidades credoras integrantes do Sistema Financeiro da Habitação ficam obrigadas a
fornecer por escrito, no prazo de cinco dias, as informações sobre as alterações de que trata o artigo
11, quando requeridas por interessados.

Art . 13. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Art . 14. Revogam-se as disposições em contrário.

Brasília, 1º de dezembro de 1971; 150º da Independência e 83º da República.

EMÍLIO G. MÉDICI
Alfredo Buzaid
José Costa Cavalcanti

LEI Nº 8.004, DE 14 DE MARÇO DE 1990.

Dispõe sobre transferência de financiamento no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação, e dá


outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a


seguinte lei:

Art. 1º O mutuário do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) pode transferir a terceiros os


direitos e obrigações decorrentes do respectivo contrato, observado o disposto nesta lei.

Parágrafo único. A formalização de venda, promessa de venda, cessão ou promessa de cessão


relativas a imóvel financiado através do SFH dar-se-á em ato concomitante à transferência do
financiamento respectivo, com a interveniência obrigatória da instituição financiadora. (Redação dada
pela Lei nº 10.150, de 2000)

60
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
o
Art. 2 Nos contratos que tenham cláusula de cobertura de eventual saldo devedor residual pelo
FCVS, a transferência dar-se-á mediante simples substituição do devedor, mantidas para o novo
mutuário as mesmas condições e obrigações do contrato original, desde que se trate de financiamento
destinado à casa própria, observando-se os requisitos legais e regulamentares, inclusive quanto à
demonstração da capacidade de pagamento do cessionário em relação ao valor do novo encargo
mensal. (Redação dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

o
§ 1 Além do disposto no caput, o valor do encargo mensal para o novo mutuário será atualizado
pro rata die, a contar da data do último reajustamento desse encargo até a data da formalização da
transferência, com base no índice de atualização das contas de poupança mantidas no Sistema
Brasileiro de Poupança e Empréstimo - SBPE, e acrescido da quinta parte do valor atualizado do
encargo, observando que: (Redação dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

a) o acréscimo da quinta parte do valor do encargo atualizado será integralmente direcionado à


elevação da parcela correspondente à prestação de amortização e juros e, quando devida, da
contribuição mensal ao FCVS; (Redação dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

b) nos contratos enquadrados no Plano de Equivalência Salarial, instituído pelo Decreto-Lei


o
n 2.164, de 1984, o enquadramento na categoria profissional do novo mutuário dar-se-á a partir da
data da transferência; (Redação dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

c) na aplicação do primeiro reajuste do encargo mensal, após a transferência, nos contratos não
enquadrados na alínea anterior, será compensada a atualização pro rata die de que trata o caput deste
inciso.(Redação dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

o
§ 2 Nas transferências dos contratos de financiamento da casa própria que não tenham cobertura
o
de eventual saldo devedor residual pelo FCVS, e daqueles não enquadrados na Lei n 8.692, de 1993,
aplicam-se as condições previstas no caput e no parágrafo anterior. (Redação dada pela Lei nº 10.150,
de 2000)

o
§ 3 Nas transferências de que trata o caput deste artigo, as instituições financiadoras ficam
dispensadas da observância das seguintes exigências: (Redação dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

a) limite máximo de financiamento, desde que não haja desembolso adicional de


recursos;(Redação dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

b) limite máximo de preço de venda ou de avaliação do imóvel objeto da transferência;(Redação


dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

c) localização do imóvel no domicílio do comprador.(Redação dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

o
Art. 3 A critério da instituição financiadora, as transferências poderão ser efetuadas mediante
assunção, pelo novo mutuário, do saldo devedor contábil da operação, atualizado pro rata die da data
do último reajuste até a data da transferência, observados os percentuais de pagamento previstos no
o
caput e nos incisos I, II e III do art. 5 desta Lei e os requisitos legais e regulamentares da casa própria,
vigentes para novas contratações, inclusive quanto à demonstração da capacidade de pagamento do
cessionário em relação ao valor do novo encargo mensal. (Redação dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

§ 1º A transferência, nos casos deste artigo, se efetivará mediante a contratação de nova


operação, que deverá observar as normas em vigor relativas aos financiamentos do SFH.

§ 2º Nas transferências de que se trata este artigo, as instituições financiadoras ficam


dispensadas da observância das seguintes exigências:

a) limite máximo de financiamento, desde que não haja desembolso adicional de recursos;

b) limite máximo de preço de venda ou de avaliação do imóvel financiado;

61
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
c) localização do imóvel no domicílio do comprador;

d) contribuição ao Fundo de Assistência Habitacional (Fundhab).

§ 3º As transferências que, à data da publicação desta lei, tenham sido celebradas entre o
mutuário e o adquirente, sem interveniência da instituição financiadora, serão regularizadas nos termos
desta lei.

Art. 4º Para os efeitos desta lei, considera-se o Valor de Referência de Financiamento (VRF),
aquele que, à época da contratação original, tenha sido indicado no contrato como referencial para
efeito de atualização monetária do financiamento.

o
Art. 5 O mutuário do SFH que tenha firmado contrato até 31 de março de 1990 com cláusula de
cobertura de eventuais saldos devedores residuais pelo FCVS poderá, no prazo máximo de um ano,
liquidar antecipadamente sua dívida, mediante pagamento de valor correspondente a: (Redação dada
pela Lei nº 10.150, de 2000)

I - contratos firmados até 28 de fevereiro de 1986: cinqüenta por cento do saldo devedor contábil
da operação, atualizado pro rata die da data do último reajuste até a data da liquidação; (Inciso incluído
pela Lei nº 10.150, de 2000)

o
II - contratos firmados de 1 de março de 1986 até 31 de dezembro de 1988: sessenta por cento
do saldo devedor contábil da operação, atualizado pro rata die da data do último reajuste até a data da
liquidação; (Inciso incluído pela Lei nº 10.150, de 2000)

o
III - contratos firmados de 1 de janeiro de 1989 até 31 de março de 1990: setenta por cento do
saldo devedor contábil da operação, atualizado pro rata die da data do último reajuste até a data da
liquidação. (Inciso incluído pela Lei nº 10.150, de 2000)

o
§ 1 A critério do mutuário, a liquidação antecipada dos saldos devedores dos contratos firmados
até 28 de fevereiro de 1986, que tenham cláusula de cobertura de eventuais saldos devedores
residuais pelo FCVS, poderá ser efetivada, alternativamente, mediante o pagamento do montante
equivalente ao valor total das mensalidades vincendas, que será integralmente utilizado para amortizar
o saldo devedor, inexistindo qualquer repasse para a apólice do seguro do SFH, cuja cobertura se
encerra no momento da liquidação do contrato. (Redação dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

§ 2º O valor da mensalidade (§ 1º) corresponde à soma dos encargos devidos mensalmente pelo
mutuário, em decorrência do conjunto de obrigações componentes da operação. Esse valor será, para
essa finalidade, reajustado pro rata die, com base nos índices de atualização dos depósitos de
poupança, a contar do dia 1º do mês do último reajustamento até a data de liquidação da dívida.

Art. 7º Os abatimentos de que tratam os arts. 3º e 5º serão suportados pelas instituições


financiadoras, em valores equivalentes a vinte por cento do saldo devedor contábil, atualizado na forma
definida nesta lei, podendo ser diferidos em vinte semestres. As parcelas remanescentes dos
abatimentos, de responsabilidade do FCVS, poderão, a critério das instituições financiadoras, ser por
estas suportadas.

Art. 8º No caso de descontos em contratos celebrados com recursos de repasse do extinto Banco
Nacional de Habitação (BNH), será concedido, pela Caixa Econômica Federal (CEF), desconto
proporcional ao montante repassado.

Art. 9º Tratando-se de descontos em contratos caucionados para garantia de refinanciamento e de


operações de outros fundos geridos pelo extinto BNH, os vinte por cento do saldo devedor de
responsabilidade das instituições financiadoras (art. 7º) serão por estas repassados à CEF nas
mesmas condições em que o FCVS vier a ressarci-las (art. 11, III). As instituições financiadoras
caucionarão em valor da CEF os respectivos créditos perante o FCVS.

62
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 10. Nas operações de que tratam os arts. 8º e 9º e nas realizadas com recursos do Fundo de
Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), em que tenha havido operação direta da CEF como instituição
financiadora, ficará a cargo do FCVS a responsabilidade sobre o desconto concedido.

Art. 11. O FCVS quitará o saldo de sua responsabilidade junto às instituições financiadoras e, nas
hipóteses previstas nos arts. 8º, 9º e 10, junto à CEF, na qualidade de sucessora do BNH, o qual será
reajustado mensalmente com base no índice de atualização dos depósitos de poupança e com juros
calculados à taxa contratual, observado o seguinte:

I - os saldos decorrentes da aplicação do art. 5º, no prazo de até dez anos, sendo três de
carência, com pagamento mensal de juros, e sete de amortização em parcelas mensais consecutivas,
vencendo a primeira no 37º mês a contar da liquidação efetivada pelo mutuário;

II - os saldos decorrentes da aplicação do art. 3º, no prazo de até oito anos, em parcelas mensais
consecutivas, vencíveis a partir do trigésimo dia após a celebração do contrato de transferência; e

III - a parcela de vinte por cento de que trata o art. 9º, no prazo de cinco anos, em parcelas
mensais consecutivas, vencendo-se a primeira no trigésimo dia após a liquidação da dívida pelo
mutuário ou após a transferência do financiamento.

Art. 12. Os financiamentos concedidos na forma dos arts. 6º e 13 conservarão a classificação


original (novos ou usados).

Art. 13. A instituição financiadora poderá, mediante liquidação do saldo devedor existente e
concessão de novo financiamento, ampliar o valor financiado, utilizando como garantia a hipoteca do
respectivo imóvel, observado o disposto nos arts. 7º e 11.

Art. 14. Será considerada, para os efeitos dos arts. 3º e 5º, a data do contrato original do
financiamento, ainda que tenha ocorrido sub-rogação da dívida, desde que regular.

Art. 15. Para os contratos de financiamento com cronograma de desembolso parcelado, a data a
ser considerada para fins do disposto nos arts. 2º, 3º e 5º é a da liberação da última parcela.

Art. 16. Os valores expressos em número de VRF (art. 4º) correspondentes aos descontos
absorvidos pelas instituições financiadoras (arts. 3º e 5º) serão considerados como aplicação
habitacional pelo prazo de um ano, reduzindo-se em cinqüenta por cento após a expiração desse
prazo.

Art. 17. O reajustamento das prestações dos mutuários enquadrados no Plano de Equivalência
Salarial por Categoria Profissional (PES/CP) levará em consideração também o reajuste de salário
concedido no próprio mês da celebração do contrato, ainda que a título de antecipação salarial.

Art. 18. O § 1º do art. 3º da Lei nº 5.741, de 1º de dezembro de 1971, passa a vigorar com a
seguinte redação:

"§ 1º A citação far-se-á na pessoa do réu e de seu cônjuge ou de seus representantes legais."

Art. 19. O art. 31 do Decreto-Lei nº 70, de 21 de novembro de 1966, passa a vigorar com a
seguinte redação:

"Art. 31. Vencida e não paga a dívida hipotecária, no todo ou em parte, o credor que houver preferido
executá-la de acordo com este decreto-lei formalizará ao agente fiduciário a solicitação de execução da
dívida, instruindo-a com os seguintes documentos:

I - o título da dívida devidamente registrado;

II - a indicação discriminada do valor das prestações e encargos não pagos;

63
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III - o demonstrativo do saldo devedor discriminando as parcelas relativas a principal, juros, multa e
outros encargos contratuais e legais; e

IV - cópia dos avisos reclamando pagamento da dívida, expedidos segundo instruções regulamentares
relativas ao SFH.

§ 1º Recebida a solicitação da execução da dívida, o agente fiduciário, nos dez dias subseqüentes,
promoverá a notificação do devedor, por intermédio de Cartório de Títulos e Documentos, concedendo-
lhe o prazo de vinte dias para a purgação da mora.

§ 2º Quando o devedor se encontrar em lugar incerto ou não sabido, o oficial certificará o fato,
cabendo, então, ao agente fiduciário promover a notificação por edital, publicado por três dias, pelo
menos, em um dos jornais de maior circulação local, ou noutro de comarca de fácil acesso, se no local
não houver imprensa diária."

Art. 20. (Vetado).

Art. 21. Somente serão objeto de execução na conformidade dos procedimentos do Decreto-Lei nº
70, de 21 de novembro de 1966, ou da Lei nº 5.741, de 1º de dezembro de 1971, os financiamentos em
que se verificar atraso de pagamento de três ou mais prestações.

Art. 22. O art. 9º do Decreto-Lei nº 2.164, de 19 de setembro de 1984, passa a vigorar com a
seguinte redação:

"Art. 9º As prestações mensais dos contratos de financiamento firmados no âmbito do SFH, vinculados
ao Plano de Equivalência Salarial por Categoria Profissional (PES/CP) serão reajustadas no mês
seguinte ao em que ocorrer a data-base da categoria profissional do mutuário utilizando-se a variação
do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) apurada nas respectivas datas-base.

§ 1º Nas datas-base o reajuste das prestações contemplará também o percentual relativo ao ganho
real de salário.

§ 2º As prestações relativas a contratos vinculados ao Plano de Equivalência Salarial Plena serão


reajustadas no mês seguinte ao dos reajustes salariais, inclusive os de caráter automático,
complementar e compensatórios, e as antecipações a qualquer título.

§ 3º Fica assegurado ao mutuário o direito de, a qualquer tempo, solicitar alteração da data-base, nos
casos de mudança de categoria profissional, sendo que a nova situação prevalecerá a partir do
reajuste anual seguinte.

§ 4º O reajuste da prestação em função da primeira data-base ou após a opção pelo PES/CP terá
como limite o índice de reajuste aplicado ao saldo devedor relativo ao período decorrido desde a data
do evento até o mês do reajuste a ser aplicado à prestação, deduzidas as antecipações já repassadas
às prestações.

§ 5º A prestação mensal não excederá a relação prestação/salário verificada na data da assinatura do


contrato, podendo ser solicitada a sua revisão a qualquer tempo.

§ 6º Não se aplica o disposto no § 5º às hipóteses de redução de renda por mudança de emprego ou


por alteração na composição da renda familiar em decorrência da exclusão de um ou mais co-
adquirentes, assegurado ao mutuário nesses casos o direito à renegociação da dívida junto ao agente
financeiro, visando a restabelecer o comprometimento inicial da renda.

§ 7º Sempre que em virtude da aplicação do PES a prestação for reajustada em percentagem inferior
ao da variação integral do IPC acrescida do índice relativo ao ganho real de salário, a diferença será
incorporada em futuros reajustes de prestações até o limite de que trata o § 5º.

64
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 8º Os mutuários cujos contratos, firmados até 28 de fevereiro de 1986, ainda não assegurem o direito
de reajustamento das prestações pelo PES/CP, poderão optar por este plano no mês seguinte ao do
reajuste contratual da prestação.

§ 9º No caso de opção (§ 8º), o mutuário não terá direito a cobertura pelo Fundo de Compensação de
Variações Salariais (FCVS) de eventual saldo devedor residual ao final do contrato, o qual deverá ser
renegociado com o agente financeiro."

Art. 23. As importâncias eventualmente cobradas a mais dos mutuários deverão ser ressarcidas
devidamente corrigidas pelos índices de atualização dos depósitos de poupança, em espécie ou
através de redução nas prestações vincendas imediatamente subseqüentes.

Art. 24. O Banco Central do Brasil baixará as instruções necessárias à aplicação desta lei.

Art. 25. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 14 de março de 1990; 169º da Independência e 102º da República.

JOSÉ SARNEY
Mailson Ferreira da Nóbrega

LEI Nº 8.177, DE 1 DE MARÇO DE 1991.

Estabelece regras para a desindexação da economia e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a


seguinte lei:

Art. 1° O Banco Central do Brasil divulgará Taxa Referencial (TR), calculada a partir da
remuneração mensal média líquida de impostos, dos depósitos a prazo fixo captados nos bancos
comerciais, bancos de investimentos, bancos múltiplos com carteira comercial ou de investimentos,
caixas econômicas, ou dos títulos públicos federais, estaduais e municipais, de acordo com
metodologia a ser aprovada pelo Conselho Monetário Nacional, no prazo de sessenta dias, e enviada
ao conhecimento do Senado Federal.

Art. 18-A. Os contratos celebrados a partir de 13 setembro de 2006 pelas entidades


integrantes do Sistema Financeiro da Habitação - SFH e do Sistema Financeiro do Saneamento -
SFS, com recursos de Depósitos de Poupança, poderão ter cláusula de atualização pela
remuneração básica aplicável aos Depósitos de Poupança com data de aniversário no dia de
assinatura dos respectivos contratos, vedada a utilização de outros indexadores. (Incluído pela
lei nº 11.434, de 2006) (Vide Medida Provisória nº 656, de 2014)

Parágrafo único. Na hipótese da celebração de contrato sem a cláusula de atualização


mencionada no caput deste artigo, ao valor máximo da taxa efetiva de juros de que trata o art. 25
o
da Lei n 8.692, de 28 de julho de 1993, poderá ser acrescido, no máximo, o percentual referente
à remuneração básica aplicável aos Depósitos de Poupança, anualizado conforme metodologia
a ser estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional. (Incluído pela lei nº 11.434, de
2006) (Vide Medida Provisória nº 656, de 2014)

Brasília, 1° de março de 1991; 170° da Independência e 103° da República.

FERNANDO COLLOR
Zélia M. Cardoso de Mello

65
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
LEI Nº 6.015, DE 31 DE DEZEMBRO DE 1973.

Dispõe sobre os registros públicos, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a


seguinte Lei:

TÍTULO I
Das Disposições Gerais

CAPÍTULO I
Das Atribuições

Art. 1º Os serviços concernentes aos Registros Públicos, estabelecidos pela legislação civil para
autenticidade, segurança e eficácia dos atos jurídicos, ficam sujeitos ao regime estabelecido nesta
Lei. (Redação dada pela Lei nº 6.216, de 1974)

Art. 188 - Protocolizado o título, proceder-se-á ao registro, dentro do prazo de 30 (trinta)


dias, salvo nos casos previstos nos artigos seguintes. (Renumerado do art. 189 com nova
redação pela Lei nº 6.216, de 1975).

Art. 189 - Apresentado título de segunda hipoteca, com referência expressa à existência de outra

EI No 10.931, DE 02 DE AGOSTO DE 2004.

Dispõe sobre o patrimônio de afetação de incorporações imobiliárias, Letra de Crédito Imobiliário,


o o
Cédula de Crédito Imobiliário, Cédula de Crédito Bancário, altera o Decreto-Lei n 911, de 1 de
o o
outubro de 1969, as Leis n 4.591, de 16 de dezembro de 1964, n 4.728, de 14 de julho de 1965, e
o
n 10.406, de 10 de janeiro de 2002, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a


seguinte Lei:

CAPÍTULO I
DO REGIME ESPECIAL TRIBUTÁRIO DO PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO

o
Art. 1 Fica instituído o regime especial de tributação aplicável às incorporações imobiliárias, em
caráter opcional e irretratável enquanto perdurarem direitos de crédito ou obrigações do incorporador
junto aos adquirentes dos imóveis que compõem a incorporação.

Art. 52. Uma vez protocolizados todos os documentos necessários à averbação ou ao


o
registro dos atos e dos títulos a que se referem esta Lei e a Lei n 9.514, de 1997, o oficial de
Registro de Imóveis procederá ao registro ou à averbação, dentro do prazo de quinze dias.

CAPÍTULO VI
DISPOSIÇÕES FINAIS

Alterações da Lei de Incorporações

o
Art. 53. O Título II da Lei n 4.591, de 16 de dezembro de 1964, passa a vigorar acrescido dos
seguintes Capítulo e artigos:

"CAPÍTULO I-A.
DO PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO

66
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 31-A. A critério do incorporador, a incorporação poderá ser submetida ao regime da afetação, pelo
qual o terreno e as acessões objeto de incorporação imobiliária, bem como os demais bens e direitos a
ela vinculados, manter-se-ão apartados do patrimônio do incorporador e constituirão patrimônio de
afetação, destinado à consecução da incorporação correspondente e à entrega das unidades
imobiliárias aos respectivos adquirentes.

§ 1º O patrimônio de afetação não se comunica com os demais bens, direitos e obrigações do


patrimônio geral do incorporador ou de outros patrimônios de afetação por ele constituídos e só
responde por dívidas e obrigações vinculadas à incorporação respectiva.

§ 2º O incorporador responde pelos prejuízos que causar ao patrimônio de afetação.

§ 3º Os bens e direitos integrantes do patrimônio de afetação somente poderão ser objeto de garantia
real em operação de crédito cujo produto seja integralmente destinado à consecução da edificação
correspondente e à entrega das unidades imobiliárias aos respectivos adquirentes.

§ 4º No caso de cessão, plena ou fiduciária, de direitos creditórios oriundos da comercialização das


unidades imobiliárias componentes da incorporação, o produto da cessão também passará a integrar o
o
patrimônio de afetação, observado o disposto no § 6 .

§ 5º As quotas de construção correspondentes a acessões vinculadas a frações ideais serão pagas


pelo incorporador até que a responsabilidade pela sua construção tenha sido assumida por terceiros,
o
nos termos da parte final do § 6 do art. 35.

§ 6º Os recursos financeiros integrantes do patrimônio de afetação serão utilizados para pagamento ou


reembolso das despesas inerentes à incorporação.

§ 7º O reembolso do preço de aquisição do terreno somente poderá ser feito quando da alienação das
unidades autônomas, na proporção das respectivas frações ideais, considerando-se tão-somente os
valores efetivamente recebidos pela alienação.

§ 8º Excluem-se do patrimônio de afetação:

I - os recursos financeiros que excederem a importância necessária à conclusão da obra (art. 44),
considerando-se os valores a receber até sua conclusão e, bem assim, os recursos necessários à
quitação de financiamento para a construção, se houver; e

II - o valor referente ao preço de alienação da fração ideal de terreno de cada unidade vendida, no caso
de incorporação em que a construção seja contratada sob o regime por empreitada (art. 55) ou por
administração (art. 58).

o
§ 9º No caso de conjuntos de edificações de que trata o art. 8 , poderão ser constituídos patrimônios de
afetação separados, tantos quantos forem os:

o
I - subconjuntos de casas para as quais esteja prevista a mesma data de conclusão (art. 8 , alínea "a");
e

o
II - edifícios de dois ou mais pavimentos (art. 8 , alínea "b").

o
§ 10. A constituição de patrimônios de afetação separados de que trata o § 9 deverá estar declarada
no memorial de incorporação.

§ 11. Nas incorporações objeto de financiamento, a comercialização das unidades deverá contar com a
anuência da instituição financiadora ou deverá ser a ela cientificada, conforme vier a ser estabelecido
no contrato de financiamento.

67
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 12. A contratação de financiamento e constituição de garantias, inclusive mediante transmissão, para
o credor, da propriedade fiduciária sobre as unidades imobiliárias integrantes da incorporação, bem
como a cessão, plena ou fiduciária, de direitos creditórios decorrentes da comercialização dessas
unidades, não implicam a transferência para o credor de nenhuma das obrigações ou
responsabilidades do cedente, do incorporador ou do construtor, permanecendo estes como únicos
responsáveis pelas obrigações e pelos deveres que lhes são imputáveis.

Art. 31-B. Considera-se constituído o patrimônio de afetação mediante averbação, a qualquer tempo,
no Registro de Imóveis, de termo firmado pelo incorporador e, quando for o caso, também pelos
titulares de direitos reais de aquisição sobre o terreno.

Parágrafo único. A averbação não será obstada pela existência de ônus reais que tenham sido
constituídos sobre o imóvel objeto da incorporação para garantia do pagamento do preço de sua
aquisição ou do cumprimento de obrigação de construir o empreendimento.

Art. 31-C. A Comissão de Representantes e a instituição financiadora da construção poderão nomear,


às suas expensas, pessoa física ou jurídica para fiscalizar e acompanhar o patrimônio de afetação.

§ 1º A nomeação a que se refere o caput não transfere para o nomeante qualquer responsabilidade
pela qualidade da obra, pelo prazo de entrega do imóvel ou por qualquer outra obrigação decorrente da
responsabilidade do incorporador ou do construtor, seja legal ou a oriunda dos contratos de alienação
das unidades imobiliárias, de construção e de outros contratos eventualmente vinculados à
incorporação.

§ 2º A pessoa que, em decorrência do exercício da fiscalização de que trata o caput deste artigo,
obtiver acesso às informações comerciais, tributárias e de qualquer outra natureza referentes ao
patrimônio afetado responderá pela falta de zelo, dedicação e sigilo destas informações.

§ 3º A pessoa nomeada pela instituição financiadora deverá fornecer cópia de seu relatório ou parecer
à Comissão de Representantes, a requerimento desta, não constituindo esse fornecimento quebra de
o
sigilo de que trata o § 2 deste artigo.

Art. 31-D. Incumbe ao incorporador:

I - promover todos os atos necessários à boa administração e à preservação do patrimônio de


afetação, inclusive mediante adoção de medidas judiciais;

II - manter apartados os bens e direitos objeto de cada incorporação;

III - diligenciar a captação dos recursos necessários à incorporação e aplicá-los na forma prevista nesta
Lei, cuidando de preservar os recursos necessários à conclusão da obra;

IV - entregar à Comissão de Representantes, no mínimo a cada três meses, demonstrativo do estado


da obra e de sua correspondência com o prazo pactuado ou com os recursos financeiros que integrem
o patrimônio de afetação recebidos no período, firmados por profissionais habilitados, ressalvadas
eventuais modificações sugeridas pelo incorporador e aprovadas pela Comissão de Representantes;

V - manter e movimentar os recursos financeiros do patrimônio de afetação em conta de depósito


aberta especificamente para tal fim;

VI - entregar à Comissão de Representantes balancetes coincidentes com o trimestre civil, relativos a


cada patrimônio de afetação;

VII - assegurar à pessoa nomeada nos termos do art. 31-C o livre acesso à obra, bem como aos livros,
contratos, movimentação da conta de depósito exclusiva referida no inciso V deste artigo e quaisquer
outros documentos relativos ao patrimônio de afetação; e

68
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
VIII - manter escrituração contábil completa, ainda que esteja desobrigado pela legislação tributária.

Art. 31-E. O patrimônio de afetação extinguir-se-á pela:

I - averbação da construção, registro dos títulos de domínio ou de direito de aquisição em nome dos
respectivos adquirentes e, quando for o caso, extinção das obrigações do incorporador perante a
instituição financiadora do empreendimento;

II - revogação em razão de denúncia da incorporação, depois de restituídas aos adquirentes as


quantias por eles pagas (art. 36), ou de outras hipóteses previstas em lei; e

o
III - liquidação deliberada pela assembléia geral nos termos do art. 31-F, § 1 .

Art. 31-F. Os efeitos da decretação da falência ou da insolvência civil do incorporador não atingem os
patrimônios de afetação constituídos, não integrando a massa concursal o terreno, as acessões e
demais bens, direitos creditórios, obrigações e encargos objeto da incorporação.

§ 1º Nos sessenta dias que se seguirem à decretação da falência ou da insolvência civil do


incorporador, o condomínio dos adquirentes, por convocação da sua Comissão de Representantes ou,
na sua falta, de um sexto dos titulares de frações ideais, ou, ainda, por determinação do juiz prolator da
decisão, realizará assembléia geral, na qual, por maioria simples, ratificará o mandato da Comissão de
Representantes ou elegerá novos membros, e, em primeira convocação, por dois terços dos votos dos
adquirentes ou, em segunda convocação, pela maioria absoluta desses votos, instituirá o condomínio
da construção, por instrumento público ou particular, e deliberará sobre os termos da continuação da
obra ou da liquidação do patrimônio de afetação (art. 43, inciso III); havendo financiamento para
construção, a convocação poderá ser feita pela instituição financiadora.

o
§ 2º O disposto no § 1 aplica-se também à hipótese de paralisação das obras prevista no art. 43,
inciso VI.

o o
§ 3º Na hipótese de que tratam os §§ 1 e 2 , a Comissão de Representantes ficará investida de
mandato irrevogável para firmar com os adquirentes das unidades autônomas o contrato definitivo a
que estiverem obrigados o incorporador, o titular do domínio e o titular dos direitos aquisitivos do imóvel
objeto da incorporação em decorrência de contratos preliminares.

o
§ 4º O mandato a que se refere o § 3 será válido mesmo depois de concluída a obra.

§ 5º O mandato outorgado à Comissão de Representantes confere poderes para transmitir domínio,


direito, posse e ação, manifestar a responsabilidade do alienante pela evicção e imitir os adquirentes
na posse das unidades respectivas.

§ 6º Os contratos definitivos serão celebrados mesmo com os adquirentes que tenham obrigações a
cumprir perante o incorporador ou a instituição financiadora, desde que comprovadamente
adimplentes, situação em que a outorga do contrato fica condicionada à constituição de garantia real
sobre o imóvel, para assegurar o pagamento do débito remanescente.

o o
§ 7º Ainda na hipótese dos §§ 1 e 2 , a Comissão de Representantes ficará investida de mandato
irrevogável para, em nome dos adquirentes, e em cumprimento da decisão da assembléia geral que
deliberar pela liquidação do patrimônio de afetação, efetivar a alienação do terreno e das acessões,
transmitindo posse, direito, domínio e ação, manifestar a responsabilidade pela evicção, imitir os
futuros adquirentes na posse do terreno e das acessões.

o
§ 8º Na hipótese do § 7 , será firmado o respectivo contrato de venda, promessa de venda ou outra
modalidade de contrato compatível com os direitos objeto da transmissão.

69
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 9º A Comissão de Representantes cumprirá o mandato nos termos e nos limites estabelecidos pela
deliberação da assembléia geral e prestará contas aos adquirentes, entregando-lhes o produto líquido
da alienação, no prazo de cinco dias da data em que tiver recebido o preço ou cada parcela do preço.

§ 10. Os valores pertencentes aos adquirentes não localizados deverão ser depositados em Juízo pela
Comissão de Representantes.

§ 11. Caso decidam pela continuação da obra, os adquirentes ficarão automaticamente sub-rogados
nos direitos, nas obrigações e nos encargos relativos à incorporação, inclusive aqueles relativos ao
contrato de financiamento da obra, se houver.

§ 12. Para os efeitos do § 11 deste artigo, cada adquirente responderá individualmente pelo saldo
porventura existente entre as receitas do empreendimento e o custo da conclusão da incorporação na
proporção dos coeficientes de construção atribuíveis às respectivas unidades, se outro critério de rateio
não for deliberado em assembléia geral por dois terços dos votos dos adquirentes, observado o
seguinte:

I - os saldos dos preços das frações ideais e acessões integrantes da incorporação que não tenham
sido pagos ao incorporador até a data da decretação da falência ou da insolvência civil passarão a ser
pagos à Comissão de Representantes, permanecendo o somatório desses recursos submetido à
afetação, nos termos do art. 31-A, até o limite necessário à conclusão da incorporação;

II - para cumprimento do seu encargo de administradora da incorporação, a Comissão de


Representantes fica investida de mandato legal, em caráter irrevogável, para, em nome do
incorporador ou do condomínio de construção, conforme o caso, receber as parcelas do saldo do preço
e dar quitação, bem como promover as medidas extrajudiciais ou judiciais necessárias a esse
recebimento, praticando todos os atos relativos ao leilão de que trata o art. 63 ou os atos relativos à
o
consolidação da propriedade e ao leilão de que tratam os arts. 26 e 27 da Lei n 9.514, de 20 de
novembro de 1997, devendo realizar a garantia e aplicar na incorporação todo o produto do
recebimento do saldo do preço e do leilão;

III - consideram-se receitas do empreendimento os valores das parcelas a receber, vincendas e


vencidas e ainda não pagas, de cada adquirente, correspondentes ao preço de aquisição das
respectivas unidades ou do preço de custeio de construção, bem como os recursos disponíveis
afetados; e

IV - compreendem-se no custo de conclusão da incorporação todo o custeio da construção do edifício e


a averbação da construção das edificações para efeito de individualização e discriminação das
unidades, nos termos do art. 44.

§ 13. Havendo saldo positivo entre as receitas da incorporação e o custo da conclusão da


incorporação, o valor correspondente a esse saldo deverá ser entregue à massa falida pela Comissão
de Representantes.

§ 14. Para assegurar as medidas necessárias ao prosseguimento das obras ou à liquidação do


patrimônio de afetação, a Comissão de Representantes, no prazo de sessenta dias, a contar da data
o
de realização da assembléia geral de que trata o § 1 , promoverá, em leilão público, com observância
dos critérios estabelecidos pelo art. 63, a venda das frações ideais e respectivas acessões que, até a
data da decretação da falência ou insolvência não tiverem sido alienadas pelo incorporador.

§ 15. Na hipótese de que trata o § 14, o arrematante ficará sub-rogado, na proporção atribuível à fração
e acessões adquiridas, nos direitos e nas obrigações relativas ao empreendimento, inclusive nas
obrigações de eventual financiamento, e, em se tratando da hipótese do art. 39 desta Lei, nas
obrigações perante o proprietário do terreno.

§ 16. Dos documentos para anúncio da venda de que trata o § 14 e, bem assim, o inciso III do art. 43,
o
constarão o valor das acessões não pagas pelo incorporador (art. 35, § 6 ) e o preço da fração ideal do
terreno e das acessões (arts. 40 e 41).

70
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 17. No processo de venda de que trata o § 14, serão asseguradas, sucessivamente, em igualdade de
condições com terceiros:

I - ao proprietário do terreno, nas hipóteses em que este seja pessoa distinta da pessoa do
incorporador, a preferência para aquisição das acessões vinculadas à fração objeto da venda, a ser
exercida nas vinte e quatro horas seguintes à data designada para a venda; e

II - ao condomínio, caso não exercida a preferência de que trata o inciso I, ou caso não haja licitantes,
a preferência para aquisição da fração ideal e acessões, desde que deliberada em assembléia geral,
pelo voto da maioria simples dos adquirentes presentes, e exercida no prazo de quarenta e oito horas a
contar da data designada para a venda.

§ 18. Realizada a venda prevista no § 14, incumbirá à Comissão de Representantes, sucessivamente,


nos cinco dias que se seguirem ao recebimento do preço:

I - pagar as obrigações trabalhistas, previdenciárias e tributárias, vinculadas ao respectivo patrimônio


de afetação, observada a ordem de preferência prevista na legislação, em especial o disposto no art.
186 do Código Tributário Nacional;

II - reembolsar aos adquirentes as quantias que tenham adiantado, com recursos próprios, para
pagamento das obrigações referidas no inciso I;

III - reembolsar à instituição financiadora a quantia que esta tiver entregue para a construção, salvo se
outra forma for convencionada entre as partes interessadas;

IV - entregar ao condomínio o valor que este tiver desembolsado para construção das acessões de
o o
responsabilidade do incorporador (§ 6 do art. 35 e § 5 do art. 31-A), na proporção do valor obtido na
venda;

V - entregar ao proprietário do terreno, nas hipóteses em que este seja pessoa distinta da pessoa do
incorporador, o valor apurado na venda, em proporção ao valor atribuído à fração ideal; e

VI - entregar à massa falida o saldo que porventura remanescer.

§ 19. O incorporador deve assegurar à pessoa nomeada nos termos do art. 31-C, o acesso a todas as
informações necessárias à verificação do montante das obrigações referidas no § 12, inciso I, do art.
31-F vinculadas ao respectivo patrimônio de afetação.

§ 20. Ficam excluídas da responsabilidade dos adquirentes as obrigações relativas, de maneira direta
ou indireta, ao imposto de renda e à contribuição social sobre o lucro, devidas pela pessoa jurídica do
incorporador, inclusive por equiparação, bem como as obrigações oriundas de outras atividades do
incorporador não relacionadas diretamente com as incorporações objeto de afetação." (NR)

o
Art. 54. A Lei n 4.591, de 1964, passa a vigorar com as seguintes alterações:

"Art. 32.

o
§ 2 Os contratos de compra e venda, promessa de venda, cessão ou promessa de cessão de
unidades autônomas são irretratáveis e, uma vez registrados, conferem direito real oponível a terceiros,
atribuindo direito a adjudicação compulsória perante o incorporador ou a quem o suceder, inclusive na
hipótese de insolvência posterior ao término da obra.

"Art. 43. VII - em caso de insolvência do incorporador que tiver optado pelo regime da afetação e não
sendo possível à maioria prosseguir na construção, a assembléia geral poderá, pelo voto de 2/3 (dois
terços) dos adquirentes, deliberar pela venda do terreno, das acessões e demais bens e direitos
integrantes do patrimônio de afetação, mediante leilão ou outra forma que estabelecer, distribuindo
entre si, na proporção dos recursos que comprovadamente tiverem aportado, o resultado líquido da

71
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
venda, depois de pagas as dívidas do patrimônio de afetação e deduzido e entregue ao proprietário do
terreno a quantia que lhe couber, nos termos do art. 40; não se obtendo, na venda, a reposição dos
aportes efetivados pelos adquirentes, reajustada na forma da lei e de acordo com os critérios do
contrato celebrado com o incorporador, os adquirentes serão credores privilegiados pelos valores da
diferença não reembolsada, respondendo subsidiariamente os bens pessoais do incorporador." (NR)

"Art. 50. Será designada no contrato de construção ou eleita em assembléia geral uma Comissão de
Representantes composta de três membros, pelo menos, escolhidos entre os adquirentes, para
representá-los perante o construtor ou, no caso do art. 43, ao incorporador, em tudo o que interessar
ao bom andamento da incorporação, e, em especial, perante terceiros, para praticar os atos resultantes
da aplicação dos arts. 31-A a 31-F.

o
§ 2 A assembléia geral poderá, pela maioria absoluta dos votos dos adquirentes, alterar a composição
da Comissão de Representantes e revogar qualquer de suas decisões, ressalvados os direitos de
terceiros quanto aos efeitos já produzidos.

Alterações de Leis sobre Alienação Fiduciária

o
Art. 55. A Seção XIV da Lei n 4.728, de 14 de julho de 1965, passa a vigorar com a seguinte
redação:

"Seção XIV
Alienação Fiduciária em Garantia no
Âmbito do Mercado Financeiro e de Capitais

Art. 66-B. O contrato de alienação fiduciária celebrado no âmbito do mercado financeiro e de capitais,
bem como em garantia de créditos fiscais e previdenciários, deverá conter, além dos requisitos
o
definidos na Lei n 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil, a taxa de juros, a cláusula penal, o
índice de atualização monetária, se houver, e as demais comissões e encargos.

o
§ 1 Se a coisa objeto de propriedade fiduciária não se identifica por números, marcas e sinais no
contrato de alienação fiduciária, cabe ao proprietário fiduciário o ônus da prova, contra terceiros, da
identificação dos bens do seu domínio que se encontram em poder do devedor.

o
§ 2 O devedor que alienar, ou der em garantia a terceiros, coisa que já alienara fiduciariamente em
o
garantia, ficará sujeito à pena prevista no art. 171, § 2 , I, do Código Penal.

o
§ 3 É admitida a alienação fiduciária de coisa fungível e a cessão fiduciária de direitos sobre coisas
móveis, bem como de títulos de crédito, hipóteses em que, salvo disposição em contrário, a posse
direta e indireta do bem objeto da propriedade fiduciária ou do título representativo do direito ou do
crédito é atribuída ao credor, que, em caso de inadimplemento ou mora da obrigação garantida, poderá
vender a terceiros o bem objeto da propriedade fiduciária independente de leilão, hasta pública ou
qualquer outra medida judicial ou extrajudicial, devendo aplicar o preço da venda no pagamento do seu
crédito e das despesas decorrentes da realização da garantia, entregando ao devedor o saldo, se
houver, acompanhado do demonstrativo da operação realizada.

o
§ 4 No tocante à cessão fiduciária de direitos sobre coisas móveis ou sobre títulos de crédito aplica-se,
o
também, o disposto nos arts. 18 a 20 da Lei n 9.514, de 20 de novembro de 1997.

o
§ 5 Aplicam-se à alienação fiduciária e à cessão fiduciária de que trata esta Lei os arts. 1.421, 1.425,
o
1.426, 1.435 e 1.436 da Lei n 10.406, de 10 de janeiro de 2002.

o
§ 6 Não se aplica à alienação fiduciária e à cessão fiduciária de que trata esta Lei o disposto no art.
o
644 da Lei n 10.406, de 10 de janeiro de 2002." (NR)

72
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Normas Complementares a esta Lei

Art. 63. Nas operações envolvendo recursos do Sistema Financeiro da Habitação e do


Sistema Financeiro Imobiliário, relacionadas com a moradia, é vedado cobrar do mutuário a
elaboração de instrumento contratual particular, ainda que com força de escritura pública.

Art. 63-A. A constituição de gravames e ônus sobre ativos financeiros e valores mobiliários em
operações realizadas no âmbito do mercado de valores mobiliários ou do sistema de pagamentos
brasileiro, de forma individualizada ou em caráter de universalidade, será realizada, inclusive para fins
de publicidade e eficácia perante terceiros, exclusivamente mediante o registro do respectivo
instrumento nas entidades expressamente autorizadas para esse fim pelo Banco Central do Brasil e
pela Comissão de Valores Mobiliários, nos seus respectivos campos de competência. (Incluído pela Lei
nº 12.543, de 2011) (Vide Decreto nº 7.897, de 2013)

Parágrafo único. O regulamento estabelecerá as formas e condições do registro de que trata


o caput, inclusive no que concerne ao acesso às informações. (Incluído pela Lei nº 12.543, de
2011) (Regulamento)

Art. 65. O Conselho Monetário Nacional e a Secretaria da Receita Federal, no âmbito das suas
respectivas atribuições, expedirão as instruções que se fizerem necessárias à execução das
disposições desta Lei.

Vigência

Art. 66. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Revogações

os
Art. 67. Ficam revogadas as Medidas Provisórias n 2.160-25, de 23 de agosto de 2001, 2.221, de
o
4 de setembro de 2001, e 2.223, de 4 de setembro de 2001, e os arts. 66 e 66-A da Lei n 4.728, de 14
de julho de 1965.

o o
Brasília, 2 de agosto de 2004; 183 da Independência e 116 da República.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA


Márcio Thomaz Bastos
Antonio Palocci Filho
Marina Silva
Olívio de Oliveira Dutra
José Dirceu de Oliveira e Silva
Álvaro Augusto Ribeiro Costa

LEI No 8.692, DE 28 DE JULHO DE 1993.

Define planos de reajustamento dos encargos mensais e dos saldos devedores nos contratos de
financiamentos habitacionais no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional


decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Art. 1º É criado o Plano de Comprometimento da Renda (PCR), como


modalidade de reajustamento de contrato de financiamento habitacional, no âmbito do
Sistema Financeiro da Habitação.

73
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 2º Os contratos de financiamento habitacional celebrados em conformidade
com o Plano de Comprometimento da Renda estabelecerão percentual de no máximo
trinta por cento da renda bruta do mutuário destinado ao pagamento dos encargos
mensais.

Parágrafo único. Define-se como encargo mensal, para efeitos desta lei, o total
pago, mensalmente, pelo beneficiário de financiamento habitacional e
compreendendo a parcela de amortização e juros, destinada ao resgate do
financiamento concedido, acrescida de seguros estipulados em contrato.

Art. 21. São dispensadas de registro, averbação ou arquivamento no


Registro de Imóveis e no Registro de Títulos e Documentos as alterações
contratuais decorrentes da aplicação desta lei.
§
1º Por ocasião da comercialização, ficam dispensadas todas as taxas de
serviços cobradas pelas instituições financiadoras em contratos de
financiamento de até 2.800 UPF (duas mil e oitocentas Unidades Padrão de
Financiamento).

§ 2o Para efeito de registro e averbação de contratos de financiamentos


para moradia, as taxas e emolumentos serão cobrados de acordo com os
seguintes critérios: (Redação dada pela Lei nº 10.150, de 2000)

a) até zero vírgula um por cento sobre o valor do financiamento, quando os


contratos forem celebrados no âmbito de programas custeados com recursos
do FGTS, compreendidos ou não no SFH; (Incluída pela Lei nº 10.150, de 2000)

b) até um por cento incidente sobre o valor do negócio jurídico, incluindo


as parcelas financiadas e não financiadas, nos demais contratos pactuados no
âmbito do SFH. (Incluída pela Lei nº 10.150, de 2000)

Art. 35. Revogam-se as disposições em contrário.

Brasília, 28 de julho de 1993; 172º da Independência e 105º da República.

ITAMAR FRANCO
Fernando Henrique Cardoso

Este texto não substitui o publicado no DOU de 29.7.1993

LEI Nº 11.977, DE 7 DE JULHO DE 2009.

Dispõe sobre o Programa Minha Casa, Minha Vida – PMCMV e a regularização fundiária de
o
assentamentos localizados em áreas urbanas; altera o Decreto-Lei n 3.365, de 21 de junho de 1941,
os
as Leis n 4.380, de 21 de agosto de 1964, 6.015, de 31 de dezembro de 1973, 8.036, de 11 de maio
o
de 1990, e 10.257, de 10 de julho de 2001, e a Medida Provisória n 2.197-43, de 24 de agosto de 2001;
e dá outras providências.

O VICE–PRESIDENTE DA
REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que
o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
74
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
CAPÍTULO I

DO PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA – PMCMV

Seção I

Regulamento

Da Estrutura e Finalidade do PMCMV


o
Art. 1 O Programa Minha Casa, Minha Vida - PMCMV tem por finalidade criar mecanismos de
incentivo à produção e aquisição de novas unidades habitacionais ou requalificação de imóveis
urbanos e produção ou reforma de habitações rurais, para famílias com renda mensal de até R$
4.650,00 (quatro mil, seiscentos e cinquenta reais) e compreende os seguintes
subprogramas: (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - o Programa Nacional de Habitação Urbana - PNHU; e (Redação dada pela Lei nº 12.424, de
2011)

II - o Programa Nacional de Habitação Rural - PNHR. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de
2011)

Parágrafo único. Para os fins desta Lei, considera-se: (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - grupo familiar: unidade nuclear composta por um ou mais indivíduos que contribuem para o
seu rendimento ou têm suas despesas por ela atendidas e abrange todas as espécies reconhecidas
pelo ordenamento jurídico brasileiro, incluindo-se nestas a família unipessoal; (Incluído pela Lei nº
12.424, de 2011)

II - imóvel novo: unidade habitacional com até 180 (cento e oitenta) dias de “habite-se”, ou
documento equivalente, expedido pelo órgão público municipal competente ou, nos casos de prazo
superior, que não tenha sido habitada ou alienada; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

III - oferta pública de recursos: procedimento realizado pelo Poder Executivo federal destinado a
prover recursos às instituições e agentes financeiros do Sistema Financeiro da Habitação - SFH para
o
viabilizar as operações previstas no inciso III do art. 2 ; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

IV - requalificação de imóveis urbanos: aquisição de imóveis conjugada com a execução de


obras e serviços voltados à recuperação e ocupação para fins habitacionais, admitida ainda a
execução de obras e serviços necessários à modificação de uso; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o o
V - agricultor familiar: aquele definido no caput, nos seus incisos e no § 2 do art. 3 da Lei
o
n 11.326, de 24 de julho de 2006; e (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

VI - trabalhador rural: pessoa física que, em propriedade rural, presta serviços de natureza não
eventual a empregador rural, sob a dependência deste e mediante salário. (Incluído pela Lei nº
12.424, de 2011)

o
Art. 2 Para a implementação do PMCMV, a União, observada a disponibilidade orçamentária e
financeira: (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - concederá subvenção econômica ao beneficiário pessoa física no ato da contratação de


financiamento habitacional; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

75
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
II – participará do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), mediante integralização de cotas
e transferirá recursos ao Fundo de Desenvolvimento Social (FDS) de que tratam, respectivamente,
o o
a Lei n 10.188, de 12 de fevereiro de 2001, e a Lei n 8.677, de 13 de julho de 1993; (Redação
dada pela Lei nº 12.693, de 2012)

III - realizará oferta pública de recursos destinados à subvenção econômica ao beneficiário


pessoa física de operações em Municípios com população de até 50.000 (cinquenta mil)
habitantes; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

IV - participará do Fundo Garantidor da Habitação Popular - FGHab; e (Incluído pela Lei nº


12.424, de 2011)

V - concederá subvenção econômica por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento


Econômico e Social - BNDES, sob a modalidade de equalização de taxas de juros e outros encargos
financeiros, especificamente nas operações de financiamento de linha especial para infraestrutura em
projetos de habitação popular. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 1 A aplicação das condições previstas no inciso III do caput dar-se-á sem prejuízo da
possibilidade de atendimento aos Municípios com população entre 20.000 (vinte mil) e 50.000
(cinquenta mil) habitantes por outras formas admissíveis no âmbito do PMCMV, nos termos do
regulamento. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

§ 2º O regulamento previsto no § 1o deverá prever, entre outras condições, atendimento aos


Municípios com população urbana igual ou superior a 70% (setenta por cento) de sua população total e
taxa de crescimento populacional, entre os anos 2000 e 2010, superior à taxa verificada no respectivo
Estado. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
Art. 3 Para a indicação dos beneficiários do PMCMV, deverão ser observados os seguintes
requisitos: (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - comprovação de que o interessado integra família com renda mensal de até R$ 4.650,00
(quatro mil, seiscentos e cinquenta reais); (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - faixas de renda definidas pelo Poder Executivo federal para cada uma das modalidades de
operações; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

III - prioridade de atendimento às famílias residentes em áreas de risco ou insalubres ou que


tenham sido desabrigadas; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

IV - prioridade de atendimento às famílias com mulheres responsáveis pela unidade familiar;


e (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

V - prioridade de atendimento às famílias de que façam parte pessoas com deficiência. (Incluído
pela Lei nº 12.424, de 2011)

§ 1o Em áreas urbanas, os critérios de prioridade para atendimento devem contemplar


também:

I – a doação pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios de terrenos


localizados em área urbana consolidada para implantação de empreendimentos vinculados ao
programa;

II – a implementação pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios de medidas


de desoneração tributária, para as construções destinadas à habitação de interesse social;

76
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III – a implementação pelos Municípios dos instrumentos da Lei no 10.257, de 10 de
julho de 2001, voltados ao controle da retenção das áreas urbanas em ociosidade.
o
§ 2 (VETADO)

o
§ 3 O Poder Executivo federal definirá: (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - os parâmetros de priorização e enquadramento dos beneficiários do PMCMV; e (Incluído pela


Lei nº 12.424, de 2011)

II - a periodicidade de atualização dos limites de renda familiar estabelecidos nesta Lei.

o
§ 4 Além dos critérios estabelecidos no caput, os Estados, Municípios e Distrito Federal
poderão fixar outros critérios de seleção de beneficiários do PMCMV, previamente aprovados pelos
respectivos conselhos locais de habitação, quando existentes, e em conformidade com as respectivas
políticas habitacionais e as regras estabelecidas pelo Poder Executivo federal. (Incluído pela Lei nº
12.424, de 2011)

o o
§ 5 § 5 Os Estados, Municípios e Distrito Federal que aderirem ao PMCMV serão
responsáveis pela execução do trabalho técnico e social pós-ocupação dos empreendimentos
implantados, na forma estabelecida em termo de adesão a ser definido em regulamento. (Incluído pela
Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 6 Na atualização dos valores adotados como parâmetros de renda familiar estabelecidos
nesta Lei deverão ser observados os seguintes critérios: (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - quando o teto previsto no dispositivo for de R$ 4.650,00 (quatro mil, seiscentos e cinquenta
reais), o valor atualizado não poderá ultrapassar 10 (dez) salários mínimos; (Incluído pela Lei nº
12.424, de 2011)

II - quando o teto previsto no dispositivo for de R$ 2.790,00 (dois mil, setecentos e noventa
reais), o valor atualizado não poderá ultrapassar 6 (seis) salários mínimos; (Incluído pela Lei nº 12.424,
de 2011)

III - quando o teto previsto no dispositivo for de R$ 1.395,00 (mil, trezentos e noventa e cinco
reais), o valor atualizado não poderá ultrapassar 3 (três) salários mínimos.(Incluído pela Lei nº 12.424,
de 2011)

Seção II

Regulamento

Do Programa Nacional de Habitação Urbana – PNHU

o
Art. 4 O Programa Nacional de Habitação Urbana - PNHU tem por objetivo promover a
produção ou aquisição de novas unidades habitacionais ou a requalificação de imóveis urbanos, desde
14 de abril de 2009. (Redação dada pela Lei nº 13.043, de 2014)

o
§ 1 Para a implementação do PNHU, a União disponibilizará recursos na forma prevista nos
o
incisos I, II e III do art. 2 . (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

II – (VETADO);

77
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 2 A assistência técnica pode fazer parte da composição de custos do PNHU. (Redação dada
pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
Art. 5 (Revogado pela Lei nº 12.424, de 2011)

Parágrafo único. (Revogado pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
Art. 5 -A. Para a implantação de empreendimentos no âmbito do PNHU, deverão ser
observados: (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - localização do terreno na malha urbana ou em área de expansão que atenda aos requisitos
estabelecidos pelo Poder Executivo federal, observado o respectivo plano diretor, quando
existente; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - adequação ambiental do projeto; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

III - infraestrutura básica que inclua vias de acesso, iluminação pública e solução de
esgotamento sanitário e de drenagem de águas pluviais e permita ligações domiciliares de
abastecimento de água e energia elétrica; e (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

IV - a existência ou compromisso do poder público local de instalação ou de ampliação dos


equipamentos e serviços relacionados a educação, saúde, lazer e transporte público. (Incluído pela Lei
nº 12.424, de 2011)

o o
Art. 6 A subvenção econômica de que trata o inciso I do art. 2 será concedida no ato da
contratação da operação de financiamento, com o objetivo de: (Redação dada pela Lei nº 12.424, de
2011)

I - facilitar a aquisição, produção e requalificação do imóvel residencial; ou (Redação dada pela


Lei nº 12.249, de 2010)

II – complementar o valor necessário a assegurar o equilíbrio econômico-financeiro das


operações de financiamento realizadas pelas entidades integrantes do Sistema Financeiro da
Habitação - SFH, compreendendo as despesas de contratação, de administração e cobrança e de
custos de alocação, remuneração e perda de capital.

o
§ 1 A subvenção econômica de que trata o caput será concedida exclusivamente a mutuários
com renda familiar mensal de até R$ 2.790,00 (dois mil, setecentos e noventa reais), uma única vez
por imóvel e por beneficiário e será cumulativa, até o limite máximo a ser fixado em ato do Poder
Executivo federal, com os descontos habitacionais concedidos nas operações de financiamento
realizadas na forma do art. 9º da Lei nº 8.036, de 11 de maio de 1990, com recursos do Fundo de
Garantia do Tempo de Serviço - FGTS. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 2 A subvenção poderá ser cumulativa com subsídios concedidos no âmbito de programas
habitacionais dos Estados, do Distrito Federal ou dos Municípios.

o
§3 (Revogado pela Lei nº 12.693, de 2012)

o
§4 (Revogado pela Lei nº 12.693, de 2012)

o
§5 (Revogado pela Lei nº 12.693, de 2012)

o
Art. 6 -A. As operações realizadas com recursos advindos da integralização de cotas no FAR e
o
recursos transferidos ao FDS, conforme previsto no inciso II do caput do art. 2 , são limitadas a

78
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
famílias com renda mensal de até R$ 1.395,00 (mil trezentos e noventa e cinco reais), e condicionadas
a: (Redação dada pela Lei nº 12.693, de 2012)

I - exigência de participação financeira dos beneficiários, sob a forma de prestações


mensais; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - quitação da operação, em casos de morte ou invalidez permanente do beneficiário, sem


cobrança de contribuição do beneficiário; e (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

III - cobertura de danos físicos ao imóvel, sem cobrança de contribuição do


beneficiário. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 1 Nos empreendimentos habitacionais em edificações multifamiliares produzidos com os
recursos de que trata o caput, inclusive no caso de requalificação de imóveis urbanos, será admitida a
produção de unidades destinadas à atividade comercial a eles vinculada, devendo o resultado de sua
exploração ser destinado integralmente ao custeio do condomínio. (Incluído pela Lei nº 12.424, de
2011)

o
§ 2 É vedada a alienação das unidades destinadas à atividade comercial de que trata o §
o
1 pelo condomínio a que estiverem vinculadas. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 3 Serão dispensadas, na forma do regulamento, a participação financeira dos beneficiários de
que trata o inciso I do caput e a cobertura a que se refere o inciso III do caput nas operações com
recursos advindos da integralização de cotas no FAR, quando essas operações: (Redação dada pela
Lei nº 12.693, de 2012)

I – forem vinculadas às programações orçamentárias do Programa de Aceleração do


Crescimento (PAC) e demandarem reassentamento, remanejamento ou substituição de unidades
habitacionais; (Redação dada pela Lei nº 12.693, de 2012)

II – forem vinculadas a intervenções financiadas por operações de crédito ao setor público,


conforme hipóteses definidas no regulamento, e demandarem reassentamento, remanejamento ou
substituição de unidades habitacionais; ou (Redação dada pela Lei nº 12.693, de 2012)

III – forem destinadas ao atendimento, nos casos de situação de emergência ou estado de


calamidade pública reconhecidos pela União, a famílias desabrigadas que perderam seu único
imóvel. (Incluído pela Lei nº 12.693, de 2012)
o o
§ 4 Exclusivamente nas operações previstas no § 3 , será admitido atendimento a famílias com
renda mensal de até R$ 2.790,00 (dois mil, setecentos e noventa reais). (Incluído pela Lei nº 12.693, de
2012)
o
§ 5 Nas operações com recursos previstos no caput: (Incluído pela Lei nº 12.693, de 2012)

I – a subvenção econômica será concedida nas prestações do financiamento, ao longo de 120


(cento e vinte) meses; (Incluído pela Lei nº 12.693, de 2012)

II – a quitação antecipada do financiamento implicará o pagamento do valor da dívida contratual


do imóvel, sem a subvenção econômica conferida na forma deste artigo; (Incluído pela Lei nº 12.693,
de 2012)

III – não se admite transferência inter vivos de imóveis sem a respectiva quitação. (Incluído pela
Lei nº 12.693, de 2012)
o
§ 6 As cessões de direitos, promessas de cessões de direitos ou procurações que tenham por
objeto a compra e venda, promessa de compra e venda ou cessão de imóveis adquiridos sob as regras
o
do PMCMV, quando em desacordo com o inciso III do § 5 , serão consideradas nulas. (Incluído pela
Lei nº 12.693, de 2012)

79
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
o o
§ 7 Nas operações previstas no § 3 , a subvenção econômica será concedida, no ato da
contratação da unidade habitacional, exclusivamente para o beneficiário que comprovar a titularidade e
regularidade fundiária do imóvel do qual será removido, do imóvel que foi destruído ou do imóvel cujo
uso foi impedido definitivamente, quando nele esteja ou estivesse habitando, na forma do
regulamento. (Incluído pela Lei nº 12.693, de 2012)
o
§ 8 É vedada a concessão de subvenções econômicas lastreadas nos recursos do FAR ou do
FDS a beneficiário que tenha recebido benefício de natureza habitacional oriundo de recursos
orçamentários da União, do FAR, do FDS ou de descontos habitacionais concedidos com recursos do
FGTS, excetuadas as subvenções ou descontos destinados à aquisição de material de construção e
o
aquelas previstas no atendimento a famílias nas operações estabelecidas no § 3 , na forma do
regulamento. (Incluído pela Lei nº 12.693, de 2012)

o
§ 9 Uma vez consolidada a propriedade em seu nome, em virtude do não pagamento da dívida
pelo beneficiário, o FAR e o FDS, na qualidade de credores fiduciários, ficam dispensados de levar o
imóvel a leilão, devendo promover sua reinclusão no respectivo programa habitacional, destinando-o à
aquisição por beneficiário a ser indicado conforme as políticas habitacionais e regras que estiverem
vigentes. (Incluído pela Lei nº 13.043, de 2014)

o
Art. 6 -B. Para a concessão de subvenção econômica nas operações de que trata o inciso III do
o
art. 2 , fica estabelecido que a instituição ou agente financeiro participante só poderá receber recursos
até o máximo de 15% (quinze por cento) do total ofertado em cada oferta pública, na forma do
regulamento, considerado o limite de 100 (cem) unidades habitacionais por Município. (Incluído pela
Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 1 O Poder Executivo federal disporá necessariamente sobre os seguintes aspectos: (Incluído
pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - valores e limites das subvenções individualizadas a serem destinadas a cada


beneficiário; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - remuneração das instituições e agentes financeiros pelas operações realizadas; (Incluído


pela Lei nº 12.424, de 2011)

III - quantidade, condições e modalidades de ofertas públicas de cotas de subvenções;


e (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

IV - tipologia e padrão das moradias e da infraestrutura urbana, com observância da legislação


municipal pertinente. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 2 As operações de que trata o caput poderão ser realizadas pelos bancos múltiplos, pelos
bancos comerciais, pelas sociedades de crédito imobiliário, pelas companhias hipotecárias, por órgãos
federais, estaduais e municipais, inclusive sociedades de economia mista em que haja participação
majoritária do poder público, que operem no financiamento de habitações e obras conexas, e pelas
cooperativas de crédito que tenham entre seus objetivos o financiamento habitacional a seus
cooperados, desde que tais instituições e agentes financeiros sejam especificamente autorizados a
operar o programa pelo Banco Central do Brasil e pelo Ministério das Cidades, no âmbito de suas
competências. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 3 Os Estados e os Municípios poderão complementar o valor das subvenções econômicas
com créditos tributários, benefícios fiscais, bens ou serviços economicamente mensuráveis, assistência
técnica ou recursos financeiros.(Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 4 É vedada a concessão de subvenções econômicas de que trata o inciso III do caput do art.
o
2 a beneficiário que tenha recebido benefício de natureza habitacional oriundo de recursos
orçamentários da União, do FAR, do FDS ou de descontos habitacionais concedidos com recursos do

80
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
FGTS, excetuadas as subvenções ou descontos destinados à aquisição de material de construção, na
forma do regulamento. (Incluído pela Lei nº 12.693, de 2012)

o o
Art. 7 Em casos de utilização dos recursos de que tratam os incisos I, II e III do art. 2 em
o o o
finalidade diversa da definida nesta Lei, ou em desconformidade ao disposto nos arts. 6 , 6 -A e 6 -B,
será exigida a devolução ao erário do valor da subvenção concedida, acrescido de juros e atualização
monetária, com base na remuneração dos recursos que serviram de lastro à sua concessão, sem
prejuízo das penalidades previstas em lei. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
Art. 8 Caberá ao Poder Executivo a regulamentação do PNHU, especialmente em relação:

I – à fixação das diretrizes e condições gerais;

II – à distribuição regional dos recursos e à fixação dos critérios complementares de distribuição


desses recursos;

III – aos valores e limites máximos de subvenção;

IV – ao estabelecimento dos critérios adicionais de priorização da concessão da subvenção


econômica; e

V – ao estabelecimento das condições operacionais para pagamento e controle da subvenção


econômica.

o
Art. 9 A gestão operacional dos recursos destinados à concessão da subvenção do PNHU de
o
que trata o inciso I do art. 2 desta Lei será efetuada pela Caixa Econômica Federal - CEF. (Redação
dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

Parágrafo único. Os Ministros de Estado das Cidades e da Fazenda fixarão, em ato conjunto, a
remuneração da Caixa Econômica Federal pelas atividades exercidas no âmbito do PNHU.

Art. 10. Competem aos Ministérios da Fazenda e das Cidades a regulamentação e a gestão do
PNHU no âmbito das suas respectivas competências.

Seção III

Regulamento

Do Programa Nacional de Habitação Rural – PNHR

Art. 11. O PNHR tem como finalidade subsidiar a produção ou reforma de imóveis para
agricultores familiares e trabalhadores rurais, por intermédio de operações de repasse de recursos do
orçamento geral da União ou de financiamento habitacional com recursos do Fundo de Garantia do
Tempo de Serviço - FGTS, desde 14 de abril de 2009. (Redação dada pela Lei nº 13.043, de 2014)

Parágrafo único. A assistência técnica pode fazer parte da composição de custos do


PNHR. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art.12. (Revogado pela Lei nº 12.424, de 2011)

Parágrafo único. Enquanto não efetivado o aporte de recursos de que trata o caput, caso o
agente operador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS tenha suportado ou venha a
suportar, com recursos das disponibilidades atuais do referido fundo, a parcela da subvenção
econômica de que trata o caput, terá direito ao ressarcimento das quantias desembolsadas,
devidamente atualizadas pela taxa Selic. (Vide Lei nº 12.424, de 2011, Vigência)

81
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 13. Nas operações de que trata o art. 11, poderá ser concedido subvenção econômica, no
ato da contratação do financiamento, com o objetivo de: (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - facilitar a produção ou reforma do imóvel residencial; (Redação dada pela Lei nº 12.424, de
2011)

II – complementar o valor necessário a assegurar o equilíbrio econômico-financeiro das


operações de financiamento realizadas pelos agentes financeiros; ou

III – complementar a remuneração do agente financeiro, nos casos em que o subsídio não esteja
vinculado a financiamento.

o
§ 1 A subvenção econômica do PNHR será concedida uma única vez por imóvel e por
beneficiário e, excetuados os casos previstos no inciso III deste artigo, será cumulativa, até o limite
máximo a ser fixado em ato do Poder Executivo federal, com os descontos habitacionais concedidos
o o
nas operações de financiamento realizadas na forma do art. 9 da Lei n 8.036, de 11 de maio de 1990,
com recursos do FGTS. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 2 A subvenção poderá ser cumulativa com subsídios concedidos no âmbito de programas
habitacionais dos Estados, Distrito Federal ou Municípios.

o
§ 3 Para definição dos beneficiários do PNHR, deverão ser respeitados, exclusivamente, o
limite de renda definido para o PMCMV e as faixas de renda definidas pelo Poder Executivo
federal. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 14. Em casos de utilização dos recursos de que trata o art. 11 em finalidade diversa da
definida nesta Lei, ou em desconformidade ao disposto no art. 13, será exigida a devolução ao erário
do valor da subvenção concedida, acrescido de juros e atualização monetária, com base na
remuneração dos recursos que serviram de lastro à sua concessão, sem prejuízo das penalidades
previstas em lei. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 15. O Poder Executivo regulamentará o disposto nesta Seção, especialmente no que
concerne à definição das diretrizes e condições gerais de operação, gestão, acompanhamento,
controle e avaliação do PNHR.

Art. 16. A gestão operacional do PNHR será efetuada pela Caixa Econômica Federal.

Parágrafo único. Os Ministros de Estado das Cidades e da Fazenda fixarão, em ato conjunto, a
remuneração da Caixa Econômica Federal pelas atividades exercidas no âmbito do PNHR.

Art. 17. Competem aos Ministérios da Fazenda e das Cidades a regulamentação e a gestão do
PNHR no âmbito das suas respectivas competências.

Seção IV

Regulamento

Das Transferências de Recursos por parte da União e da

Subvenção para Municípios de Pequeno Porte

Art. 18. Fica a União autorizada a transferir recursos para o Fundo de Arrendamento
Residencial - FAR, até o limite de R$ 16.500.000.000,00 (dezesseis bilhões e quinhentos milhões de
reais), e para o Fundo de Desenvolvimento Social - FDS, até o limite de R$ 500.000.000,00
(quinhentos milhões de reais). (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

82
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Seção V

Do Fundo Garantidor da Habitação Popular – FGHab

Art. 20. Fica a União autorizada a participar, até o limite de R$ 2.000.000.000,00 (dois bilhões
de reais), de Fundo Garantidor da Habitação Popular - FGHab, que terá por finalidades:

I - garantir o pagamento aos agentes financeiros de prestação mensal de financiamento


habitacional, no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação, devida por mutuário final, em caso de
desemprego e redução temporária da capacidade de pagamento, para famílias com renda mensal de
até R$ 5.0000,00

II - assumir o saldo devedor do financiamento imobiliário, em caso de morte e invalidez


permanente, e as despesas de recuperação relativas a danos físicos ao imóvel para mutuários com
renda familiar mensal de até R$ 5.000,00

o
§ 1 As condições e os limites das coberturas de que tratam os incisos I e II deste artigo serão
definidos no estatuto do FGHab, que poderá estabelecer os casos em que será oferecida somente a
cobertura de que trata o inciso II.(Redação dada pela Lei nº 12.249, de 2010)

o
§ 2 O FGHab terá natureza privada e patrimônio próprio dividido em cotas, separado do
patrimônio dos cotistas.

o
§ 3 Constituem patrimônio do FGHab:

I – os recursos oriundos da integralização de cotas pela União e pelos agentes financeiros que
optarem por aderir às coberturas previstas nos incisos I e II do caput deste artigo;

II – os rendimentos obtidos com a aplicação das disponibilidades financeiras em títulos públicos


federais e em ativos com lastro em créditos de base imobiliária, cuja aplicação esteja prevista no
estatuto social;

III – os recursos provenientes da recuperação de prestações honradas com recursos do


FGHab;

IV – as comissões cobradas com fundamento nos incisos I e II do caput deste artigo; e

V – outras fontes de recursos definidas no estatuto do Fundo.

o
§ 4 Os agentes financeiros que optarem por aderir à cobertura do FGHab deverão integralizar
cotas proporcionais ao valor do financiamento para o mutuário final, na forma definida pelo estatuto.

o
§ 5 A integralização de cotas pela União será autorizada por decreto e poderá ser realizada, a
critério do Ministério da Fazenda:

I – em moeda corrente;

II – em títulos públicos;

III – por meio de suas participações minoritárias; ou

IV – por meio de ações de sociedades de economia mista federais excedentes ao necessário


para manutenção de seu controle acionário.

83
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
o
§ 6 O FGHab terá direitos e obrigações próprias, pelas quais responderá com seu patrimônio,
não respondendo os cotistas por qualquer obrigação do Fundo, salvo pela integralização das cotas que
subscreverem.

Art. 21. É facultada a constituição de patrimônio de afetação para a cobertura de que trata o
inciso II do caput do art. 20, que não se comunicará com o restante do patrimônio do FGHab, ficando
vinculado exclusivamente à garantia da respectiva cobertura, não podendo ser objeto de penhora,
arresto, sequestro, busca e apreensão ou qualquer ato de constrição judicial decorrente de outras
obrigações do Fundo.

Parágrafo único. A constituição do patrimônio de afetação será feita por registro em cartório de
registro de títulos e documentos.

Art. 22. O FGHab não pagará rendimentos a seus cotistas, assegurando-se a qualquer deles o
direito de requerer o resgate total ou parcial de suas cotas, correspondente ao montante de recursos
financeiros disponíveis ainda não vinculados às garantias já contratadas, fazendo-se a liquidação com
base na situação patrimonial do Fundo.

Art. 23. Os rendimentos auferidos pela carteira do FGHab não se sujeitam à incidência de
imposto de renda na fonte, devendo integrar a base de cálculo dos impostos e contribuições devidos
pela pessoa jurídica, na forma da legislação vigente, quando houver o resgate de cotas, total ou
parcial, ou na dissolução do Fundo.

Art. 24. O FGHab será criado, administrado, gerido e representado judicial e extrajudicialmente
por instituição financeira controlada direta ou indiretamente pela União, com observância das normas a
o o
que se refere o inciso XXII do art. 4 da Lei n 4.595, de 31 de dezembro de 1964.

o
§ 1 A representação da União na assembleia de cotistas dar-se-á na forma do inciso V do art.
o
10 do Decreto-Lei n 147, de 3 de fevereiro de 1967.

o
§ 2 Caberá à instituição financeira de que trata o caput deste artigo, na forma estabelecida no
estatuto do Fundo:

I – deliberar sobre a gestão e a alienação dos bens e direitos do FGHab, zelando pela
manutenção de sua rentabilidade e liquidez, após autorização dos cotistas;

II – receber comissão pecuniária, em cada operação, do agente financeiro concedente do


crédito, que poderá exigi-la do mutuário, desde que o valor cobrado do mutuário, somado a outras
eventuais cobranças de caráter securitário, não ultrapasse 10% (dez por cento) da prestação mensal.

o
§ 3 A instituição financeira a que se refere o caput deste artigo fará jus à remuneração pela
administração do FGHab, a ser estabelecida no estatuto do Fundo.

o
§ 4 O estatuto do FGHab será proposto pela instituição financeira e aprovado em assembleia
de cotistas.

Art. 25. Fica criado o Comitê de Participação no Fundo Garantidor da Habitação Popular -
CPFGHab, órgão colegiado com composição e competência estabelecidas em ato do Poder
Executivo.

o
§ 1 O CPFGHab contará com representantes do Ministério da Fazenda, que o presidirá, do
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e da Casa Civil da Presidência da República.

o
§ 2 O estatuto do FGHab deverá ser examinado previamente pelo CPFGHab antes de sua
aprovação na assembleia de cotistas.

84
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 26. O FGHab não contará com qualquer tipo de garantia ou aval por parte do setor público
e responderá por suas obrigações até o limite dos bens e direitos integrantes de seu patrimônio.

Art. 27. A garantia de que trata o inciso I do caput do art. 20 será prestada mediante as
seguintes condições:

I – limite de cobertura, incluindo o número de prestações cobertas, a depender da renda familiar


do mutuário, verificada no ato da contratação;

II – período de carência definido pelo estatuto;

III – retorno das prestações honradas pelo Fundo na forma contratada com o mutuário final,
imediatamente após o término de cada período de utilização da garantia, dentro do prazo
remanescente do financiamento habitacional ou com prorrogação do prazo inicial, atualizadas pelos
mesmos índices previstos no contrato de financiamento; e

IV – risco de crédito compartilhado entre o Fundo e os agentes financeiros nos percentuais,


respectivamente, de 95% (noventa e cinco por cento) e 5% (cinco por cento), a ser absorvido após
esgotadas medidas de cobrança e execução dos valores honrados pelo FGHab.

Art. 28. Os financiamentos imobiliários garantidos pelo FGHab, na forma do inciso II do caput do
art. 20, serão dispensados da contratação de seguro com cobertura de Morte, Invalidez Permanente -
MIP e Danos Físicos ao Imóvel - DFI.

Art. 29. O FGHab concederá garantia para até 2.000.000 (dois milhões) de financiamentos
imobiliários contratados exclusivamente no âmbito do PMCMV. (Redação dada pela Lei nº 13.043, de
2014)

Art. 30. As coberturas do FGHab descritas no art. 20 serão prestadas às operações de


financiamento habitacional a partir de 14 de abril de 2009, nos casos de: (Redação dada pela Lei nº
13.043, de 2014)

I - produção ou aquisição de imóveis novos em áreas urbanas; (Redação dada pela Lei nº
12.249, de 2010)

II - requalificação de imóveis já existentes em áreas consolidadas no âmbito do Programa


Nacional de Habitação Urbana - PNHU; ou (Redação dada pela Lei nº 12.249, de 2010)

III - produção de moradia no âmbito do Programa Nacional de Habitação Rural -


PNHR. (Redação dada pela Lei nº 12.249, de 2010)

o
§ 1 A contratação das coberturas de que trata o caput está sujeita às seguintes
condições: (Incluído pela Lei nº 12.249, de 2010)

I - os valores de financiamento devem obedecer aos limites definidos no estatuto do


Fundo; (Incluído pela Lei nº 12.249, de 2010)

II - a cobertura do FGHab está limitada a um único imóvel financiado por mutuário no âmbito do
SFH; e (Incluído pela Lei nº 12.249, de 2010)

III - a previsão da cobertura pelo FGHab deve estar expressa em cláusula específica dos
contratos celebrados entre os agentes financeiros e os mutuários. (Incluído pela Lei nº 12.249, de
2010)

o
§ 2 O estatuto do FGHab definirá o prazo das coberturas oferecidas pelo
Fundo. (Renumerado pelo parágrafo único pela Lei nº 12.249, de 2010)

85
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 31. A dissolução do FGHab ficará condicionada à prévia quitação da totalidade dos débitos
garantidos.

Art. 32. Dissolvido o FGHab, o seu patrimônio será distribuído entre os cotistas, na proporção
de suas cotas, com base na situação patrimonial à data da dissolução.

Seção VI

Da Subvenção Econômica ao Banco Nacional de Desenvolvimento

Econômico e Social – BNDES

Art. 33. Fica a União autorizada a conceder subvenção econômica ao BNDES, sob a
modalidade de equalização de taxas de juros e outros encargos financeiros, especificamente nas
operações de financiamento de linha especial para infraestrutura em projetos de habitação popular.

o
§ 1 O volume de recursos utilizado para a linha de que dispõe o caput deste artigo não pode
superar R$ 5.000.000.000,00 (cinco bilhões de reais).

o
§ 2 A equalização de juros de que trata o caput deste artigo corresponderá ao diferencial entre
o custo da fonte de captação do BNDES e o custo da linha para a instituição financeira oficial federal.

Art. 34. A concessão da subvenção de equalização de juros obedecerá aos limites e normas
operacionais a serem estabelecidos pelo Conselho Monetário Nacional, especialmente no que diz
respeito a custos de captação e de aplicação dos recursos.

Seção VII

Disposições Complementares

Art. 35. Os contratos e registros efetivados no âmbito do PMCMV serão formalizados,


preferencialmente, em nome da mulher.

Art. 35-A. Nas hipóteses de dissolução de união estável, separação ou divórcio, o título de
propriedade do imóvel adquirido no âmbito do PMCMV, na constância do casamento ou da união
estável, com subvenções oriundas de recursos do orçamento geral da União, do FAR e do FDS, será
registrado em nome da mulher ou a ela transferido, independentemente do regime de bens aplicável,
excetuados os casos que envolvam recursos do FGTS. (Incluído pela Lei nº 12.693, de 2012)

Parágrafo único. Nos casos em que haja filhos do casal e a guarda seja atribuída
exclusivamente ao marido ou companheiro, o título da propriedade do imóvel será registrado em seu
nome ou a ele transferido. (Incluído pela Lei nº 12.693, de 2012)

Art. 36. Os lotes destinados à construção de moradias no âmbito do PMCMV não poderão ser
objeto de remembramento, devendo tal proibição constar expressamente dos contratos celebrados.

Parágrafo único. A vedação estabelecida no caput perdurará pelo prazo de 15 (quinze) anos,
contados a partir da celebração do contrato.

CAPÍTULO II

Regulamento

DO REGISTRO ELETRÔNICO E DAS CUSTAS E EMOLUMENTOS

86
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
o
Art. 37. Os serviços de registros públicos de que trata a Lei n 6.015, de 31 de dezembro de
1973, observados os prazos e condições previstas em regulamento, instituirão sistema de registro
eletrônico.

Art. 38. Os documentos eletrônicos apresentados aos serviços de registros públicos ou por eles
expedidos deverão atender aos requisitos da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP e à
arquitetura e-PING (Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico), conforme regulamento.

Parágrafo único. Os serviços de registros públicos disponibilizarão serviços de recepção de


títulos e de fornecimento de informações e certidões em meio eletrônico.

o
Art. 39. Os atos registrais praticados a partir da vigência da Lei n 6.015, de 31 de dezembro de
1973, serão inseridos no sistema de registro eletrônico, no prazo de até 5 (cinco) anos a contar da
publicação desta Lei. (Vide Decreto nº 8.270, de 2014)

Parágrafo único. Os atos praticados e os documentos arquivados anteriormente à vigência


da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, deverão ser inseridos no sistema eletrônico.

Art. 40. Serão definidos em regulamento os requisitos quanto a cópias de segurança de


documentos e de livros escriturados de forma eletrônica.

Art. 41. A partir da implementação do sistema de registro eletrônico de que trata o art. 37, os
serviços de registros públicos disponibilizarão ao Poder Judiciário e ao Poder Executivo federal, por
meio eletrônico e sem ônus, o acesso às informações constantes de seus bancos de dados, conforme
regulamento. (Redação dada pela Medida Provisória nº 656, de 2014) (Vigência)

Parágrafo único. O descumprimento do disposto no caput ensejará a aplicação das penas


previstas nos incisos II a IV do caput art. 32 da Lei nº 8.935, de 18 de novembro de 1994 (Incluído
pela Medida Provisória nº 656, de 2014) (Vigência)

Art. 42. Os emolumentos devidos pelos atos de abertura de matrícula, registro de incorporação,
parcelamento do solo, averbação de construção, instituição de condomínio, averbação da carta de
“habite-se” e demais atos referentes à construção de empreendimentos no âmbito do PMCMV serão
reduzidos em: (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - 75% (setenta e cinco por cento) para os empreendimentos do FAR e do FDS; (Redação
dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - 50% (cinquenta por cento) para os atos relacionados aos demais empreendimentos do
PMCMV. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

III - (revogado). (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 1 A redução prevista no inciso I será também aplicada aos emolumentos devidos pelo registro
da transferência de propriedade do imóvel para o FAR e o FDS. (Incluído pela Lei nº 12.424, de
2011)

o
§ 2 No ato do registro de incorporação, o interessado deve declarar que o seu empreendimento
está enquadrado no PMCMV para obter a redução dos emolumentos previstos no caput. (Incluído
pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 3 O desenquadramento do PMCMV de uma ou mais unidades habitacionais de
o
empreendimento que tenha obtido a redução das custas na forma do § 2 implica a complementação
do pagamento dos emolumentos relativos a essas unidades. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

87
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 43. Os emolumentos referentes a escritura pública, quando esta for exigida, ao registro da
alienação de imóvel e de correspondentes garantias reais e aos demais atos relativos ao imóvel
residencial adquirido ou financiado no âmbito do PMCMV serão reduzidos em: (Redação dada pela
Lei nº 12.424, de 2011)

I - 75% (setenta e cinco por cento) para os imóveis residenciais adquiridos do FAR e do
FDS; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - 50% (cinquenta por cento) para os imóveis residenciais dos demais empreendimentos do
PMCMV. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Parágrafo único. (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - (revogado); (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - (revogado). (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 43-A. (VETADO). (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 44. Os cartórios que não cumprirem o disposto nos arts. 42 e 43 ficarão sujeitos à multa no
o
valor de até R$ 100.000,00 (cem mil reais), bem como a outras sanções previstas na Lei n 8.935, de
18 de novembro de 1994.

Art. 44-A. Nos atos registrais relativos ao PMCMV, o prazo para qualificação do título e
respectivo registro, averbação ou devolução com indicação das pendências a serem satisfeitas para
sua efetivação não poderá ultrapassar a 15 (quinze) dias, contados da data em que ingressar na
serventia. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 1 Havendo exigências de qualquer ordem, elas deverão ser formuladas de uma só vez, por
escrito, articuladamente, de forma clara e objetiva, em papel timbrado do cartório, com data,
identificação e assinatura do servidor responsável, para que o interessado possa satisfazê-las, ou, não
se conformando, requerer a suscitação de dúvida. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 2 Reingressando o título dentro da vigência da prenotação, e estando em ordem, o registro ou
averbação será feito no prazo de 10 (dez) dias. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 3 Em caso de inobservância do disposto neste artigo, será aplicada multa, na forma do inciso
o
II do caput do art. 32 da Lei n 8.935, de 18 de novembro de 1994, com valor mínimo de 20% (vinte por
cento) dos respectivos emolumentos, sem prejuízo de outras sanções cabíveis. (Incluído pela Lei nº
12.424, de 2011)

Art. 45. Regulamento disporá sobre as condições e as etapas mínimas, bem como sobre os
prazos máximos, a serem cumpridos pelos serviços de registros públicos, com vistas na efetiva
implementação do sistema de registro eletrônico de que trata o art. 37.

CAPÍTULO III
DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS URBANOS

Seção I

Disposições Preliminares

Art. 46. A regularização fundiária consiste no conjunto de medidas jurídicas, urbanísticas,


ambientais e sociais que visam à regularização de assentamentos irregulares e à titulação de seus
ocupantes, de modo a garantir o direito social à moradia, o pleno desenvolvimento das funções sociais
da propriedade urbana e o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado.

88
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 47. Para efeitos da regularização fundiária de assentamentos urbanos, consideram-se:

I – área urbana: parcela do território, contínua ou não, incluída no perímetro urbano pelo Plano
Diretor ou por lei municipal específica;

II – área urbana consolidada: parcela da área urbana com densidade demográfica superior a 50
(cinquenta) habitantes por hectare e malha viária implantada e que tenha, no mínimo, 2 (dois) dos
seguintes equipamentos de infraestrutura urbana implantados:

a) drenagem de águas pluviais urbanas;

b) esgotamento sanitário;

c) abastecimento de água potável;

d) distribuição de energia elétrica; ou

e) limpeza urbana, coleta e manejo de resíduos sólidos;

III – demarcação urbanística: procedimento administrativo pelo qual o poder público, no âmbito
da regularização fundiária de interesse social, demarca imóvel de domínio público ou privado, definindo
seus limites, área, localização e confrontantes, com a finalidade de identificar seus ocupantes e
qualificar a natureza e o tempo das respectivas posses;

IV – legitimação de posse: ato do poder público destinado a conferir título de reconhecimento de


posse de imóvel objeto de demarcação urbanística, com a identificação do ocupante e do tempo e
natureza da posse;

V – Zona Especial de Interesse Social - ZEIS: parcela de área urbana instituída pelo Plano
Diretor ou definida por outra lei municipal, destinada predominantemente à moradia de população de
baixa renda e sujeita a regras específicas de parcelamento, uso e ocupação do solo;

VI – assentamentos irregulares: ocupações inseridas em parcelamentos informais ou irregulares,


localizadas em áreas urbanas públicas ou privadas, utilizadas predominantemente para fins de
moradia;

VII – regularização fundiária de interesse social: regularização fundiária de assentamentos


irregulares ocupados, predominantemente, por população de baixa renda, nos casos:

a) em que a área esteja ocupada, de forma mansa e pacífica, há, pelo menos, 5 (cinco)
anos; (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

b) de imóveis situados em ZEIS; ou

c) de áreas da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios declaradas de interesse
para implantação de projetos de regularização fundiária de interesse social;

VIII – regularização fundiária de interesse específico: regularização fundiária quando não


caracterizado o interesse social nos termos do inciso VII.

IX - etapas da regularização fundiária: medidas jurídicas, urbanísticas e ambientais mencionadas


no art. 46 desta Lei, que envolvam a integralidade ou trechos do assentamento irregular objeto de
regularização. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o o
§ 1 § 1 A demarcação urbanística e a legitimação de posse de que tratam os incisos III e IV
deste artigo não implicam a alteração de domínio dos bens imóveis sobre os quais incidirem, o que

89
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
somente se processará com a conversão da legitimação de posse em propriedade, nos termos do art.
60 desta Lei. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o o
§ 2 § 2 Sem prejuízo de outros meios de prova, o prazo de que trata a alínea a do inciso VII
poderá ser demonstrado por meio de fotos aéreas da ocupação ao longo do tempo exigido. (Incluído
pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
Art. 48. Respeitadas as diretrizes gerais da política urbana estabelecidas na Lei n 10.257, de
10 de julho de 2001, a regularização fundiária observará os seguintes princípios:

I – ampliação do acesso à terra urbanizada pela população de baixa renda, com prioridade para
sua permanência na área ocupada, assegurados o nível adequado de habitabilidade e a melhoria das
condições de sustentabilidade urbanística, social e ambiental;

II – articulação com as políticas setoriais de habitação, de meio ambiente, de saneamento


básico e de mobilidade urbana, nos diferentes níveis de governo e com as iniciativas públicas e
privadas, voltadas à integração social e à geração de emprego e renda;

III – participação dos interessados em todas as etapas do processo de regularização;

IV – estímulo à resolução extrajudicial de conflitos; e

V – concessão do título preferencialmente para a mulher.

Art. 49. Observado o disposto nesta Lei e na Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001, o Município
poderá dispor sobre o procedimento de regularização fundiária em seu território.

Parágrafo único. A ausência da regulamentação prevista no caput não obsta a implementação


da regularização fundiária.

Art. 50. A regularização fundiária poderá ser promovida pela União, pelos Estados, pelo Distrito
Federal e pelos Municípios e também por:

I – seus beneficiários, individual ou coletivamente; e

II – cooperativas habitacionais, associações de moradores, fundações, organizações sociais,


organizações da sociedade civil de interesse público ou outras associações civis que tenham por
finalidade atividades nas áreas de desenvolvimento urbano ou regularização fundiária.

Parágrafo único. Os legitimados previstos no caput poderão promover todos os atos


necessários à regularização fundiária, inclusive os atos de registro. (Incluído pela Lei nº 12.424, de
2011)

Art. 51. O projeto de regularização fundiária deverá definir, no mínimo, os seguintes elementos:

I – as áreas ou lotes a serem regularizados e, se houver necessidade, as edificações que serão


relocadas;

II – as vias de circulação existentes ou projetadas e, se possível, as outras áreas destinadas a


uso público;

III – as medidas necessárias para a promoção da sustentabilidade urbanística, social e


ambiental da área ocupada, incluindo as compensações urbanísticas e ambientais previstas em lei;

90
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
IV - as condições para promover a segurança da população em situações de risco, considerado
o disposto no parágrafo único do art. 3º da Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979; e (Redação dada
pela Lei nº 12.424, de 2011)

V – as medidas previstas para adequação da infraestrutura básica.

o
§ 1 O projeto de que trata o caput não será exigido para o registro da sentença de usucapião,
da sentença declaratória ou da planta, elaborada para outorga administrativa, de concessão de uso
especial para fins de moradia.

o
§ 2 O Município definirá os requisitos para elaboração do projeto de que trata o caput, no que
se refere aos desenhos, ao memorial descritivo e ao cronograma físico de obras e serviços a serem
realizados.

o
§ 3 A regularização fundiária pode ser implementada por etapas.

Art. 52. Na regularização fundiária de assentamentos consolidados anteriormente à publicação


desta Lei, o Município poderá autorizar a redução do percentual de áreas destinadas ao uso público e
da área mínima dos lotes definidos na legislação de parcelamento do solo urbano.

Seção II

Da Regularização Fundiária de Interesse Social

Art. 53. A regularização fundiária de interesse social depende da análise e da aprovação pelo
Município do projeto de que trata o art. 51.

§ 1º A aprovação municipal prevista no caput corresponde ao licenciamento urbanístico do


projeto de regularização fundiária de interesse social, bem como ao licenciamento ambiental, se o
Município tiver conselho de meio ambiente e órgão ambiental capacitado. (Incluído pela Lei nº 12.424,
de 2011)

§ 2º Para efeito do disposto no § 1º, considera-se órgão ambiental capacitado o órgão municipal
que possua em seus quadros ou à sua disposição profissionais com atribuição para análise do projeto
e decisão sobre o licenciamento ambiental. (Incluído único pela Lei nº 12.424, de 2011)

§ 3º No caso de o projeto abranger área de Unidade de Conservação de Uso Sustentável que,


nos termos da Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000, admita a regularização, será exigida também
anuência do órgão gestor da unidade.(Incluído único pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 54. O projeto de regularização fundiária de interesse social deverá considerar as


características da ocupação e da área ocupada para definir parâmetros urbanísticos e ambientais
específicos, além de identificar os lotes, as vias de circulação e as áreas destinadas a uso público.

o
§ 1 O Município poderá, por decisão motivada, admitir a regularização fundiária de interesse
social em Áreas de Preservação Permanente, ocupadas até 31 de dezembro de 2007 e inseridas em
área urbana consolidada, desde que estudo técnico comprove que esta intervenção implica a melhoria
das condições ambientais em relação à situação de ocupação irregular anterior.

o o
§ 2 O estudo técnico referido no § 1 deverá ser elaborado por profissional legalmente
habilitado, compatibilizar-se com o projeto de regularização fundiária e conter, no mínimo, os seguintes
elementos:

I – caracterização da situação ambiental da área a ser regularizada;

II – especificação dos sistemas de saneamento básico;

91
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III – proposição de intervenções para o controle de riscos geotécnicos e de inundações;

IV – recuperação de áreas degradadas e daquelas não passíveis de regularização;

V – comprovação da melhoria das condições de sustentabilidade urbano-ambiental,


considerados o uso adequado dos recursos hídricos e a proteção das unidades de conservação,
quando for o caso;

VI – comprovação da melhoria da habitabilidade dos moradores propiciada pela regularização


proposta; e

VII – garantia de acesso público às praias e aos corpos d´água, quando for o caso.

§ 3º A regularização fundiária de interesse social em áreas de preservação permanente poderá


ser admitida pelos Estados, na forma estabelecida nos §§ 1o e 2o deste artigo, na hipótese de o
Município não ser competente para o licenciamento ambiental correspondente, mantida a exigência de
licenciamento urbanístico pelo Município. (Incluído único pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 55. Na regularização fundiária de interesse social, caberá ao poder público, diretamente ou
por meio de seus concessionários ou permissionários de serviços públicos, a implantação do sistema
o o o
viário e da infraestrutura básica, previstos no § 6 do art. 2 da Lei n 6.766, de 19 de dezembro de
1979, ainda que promovida pelos legitimados previstos nos incisos I e II do art. 50.

Parágrafo único. A realização de obras de implantação de infraestrutura básica e de


equipamentos comunitários pelo poder público, bem como sua manutenção, pode ser realizada mesmo
antes de concluída a regularização jurídica das situações dominiais dos imóveis.

Art. 56. O poder público responsável pela regularização fundiária de interesse social poderá
lavrar auto de demarcação urbanística, com base no levantamento da situação da área a ser
regularizada e na caracterização da ocupação.

o
§ 1 O auto de demarcação urbanística deve ser instruído com:

I - planta e memorial descritivo da área a ser regularizada, nos quais constem suas medidas
perimetrais, área total, confrontantes, coordenadas preferencialmente georreferenciadas dos vértices
definidores de seus limites, número das matrículas ou transcrições atingidas, indicação dos
o
proprietários identificados e ocorrência de situações mencionadas no inciso I do § 5 ; (Redação dada
pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - planta de sobreposição do imóvel demarcado com a situação da área constante do registro


o
de imóveis e, quando possível, com a identificação das situações mencionadas no inciso I do § 5 ;
e (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

III – certidão da matrícula ou transcrição da área a ser regularizada, emitida pelo registro de
imóveis, ou, diante de sua inexistência, das circunscrições imobiliárias anteriormente competentes.

o
§ 2 O poder público deverá notificar os órgãos responsáveis pela administração patrimonial dos
demais entes federados, previamente ao encaminhamento do auto de demarcação urbanística ao
registro de imóveis, para que se manifestem no prazo de 30 (trinta) dias quanto: (Redação dada pela
Lei nº 12.424, de 2011)

I - à anuência ou oposição ao procedimento, na hipótese de a área a ser demarcada abranger


imóvel público; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - aaos limites definidos no auto de demarcação urbanística, na hipótese de a área a ser


demarcada confrontar com imóvel público; e (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

92
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III - à eventual titularidade pública da área, na hipótese de inexistência de registro anterior ou de
impossibilidade de identificação dos proprietários em razão de imprecisão dos registros
existentes. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o o
§ 3 Na ausência de manifestação no prazo previsto no § 2 , o poder público dará continuidade
à demarcação urbanística.

o
§ 4 No que se refere a áreas de domínio da União, aplicar-se-á o disposto na Seção III-A do
o o
Decreto-Lei n 9.760, de 5 de setembro de 1946, inserida pela Lei n 11.481, de 31 de maio de 2007, e,
nas áreas de domínio dos Estados, Distrito Federal ou Municípios, a sua respectiva legislação
patrimonial.

o
§ 5 O auto de demarcação urbanística poderá abranger parte ou a totalidade de um ou mais
imóveis inseridos em uma ou mais das seguintes situações: (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - domínio privado com proprietários não identificados, em razão de descrições imprecisas dos
registros anteriores; (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - domínio privado objeto do devido registro no registro de imóveis competente, ainda que de
proprietários distintos; ou (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

III - domínio público. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 57. Encaminhado o auto de demarcação urbanística ao registro de imóveis, o oficial deverá
proceder às buscas para identificação do proprietário da área a ser regularizada e de matrículas ou
transcrições que a tenham por objeto.

o
§ 1 Realizadas as buscas, o oficial do registro de imóveis deverá notificar o proprietário e os
confrontantes da área demarcada, pessoalmente ou pelo correio, com aviso de recebimento, ou, ainda,
por solicitação ao oficial de registro de títulos e documentos da comarca da situação do imóvel ou do
domicílio de quem deva recebê-la, para, querendo, apresentarem impugnação à averbação da
demarcação urbanística, no prazo de 15 (quinze) dias. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 2 O poder público responsável pela regularização deverá notificar, por edital, eventuais
interessados, bem como o proprietário e os confrontantes da área demarcada, se estes não forem
localizados nos endereços constantes do registro de imóveis ou naqueles fornecidos pelo poder público
o
para notificação na forma estabelecida no § 1 . (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 3 São requisitos para a notificação por edital:

I – resumo do auto de demarcação urbanística, com a descrição que permita a identificação da


área a ser demarcada e seu desenho simplificado;

II – publicação do edital, no prazo máximo de 60 (sessenta) dias, uma vez pela imprensa oficial
e uma vez em jornal de grande circulação local; e

III – determinação do prazo de 15 (quinze) dias para apresentação de impugnação à averbação


da demarcação urbanística.

o
§ 4 Decorrido o prazo sem impugnação, a demarcação urbanística será averbada nas
o
matrículas alcançadas pela planta e memorial indicados no inciso I do § 1 do art. 56. (Redação dada
pela Lei nº 12.424, de 2011)

§ 5º (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

93
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
o
§ 6 Havendo impugnação, o oficial do registro de imóveis deverá notificar o poder público para
que se manifeste no prazo de 60 (sessenta) dias.

o
§ 7 O poder público poderá propor a alteração do auto de demarcação urbanística ou adotar
qualquer outra medida que possa afastar a oposição do proprietário ou dos confrontantes à
regularização da área ocupada.

o
§ 8 Havendo impugnação apenas em relação à parcela da área objeto do auto de demarcação
urbanística, o procedimento seguirá em relação à parcela não impugnada.

o
§ 9 O oficial de registro de imóveis deverá promover tentativa de acordo entre o impugnante e
o poder público.

§ 10. Não havendo acordo, a demarcação urbanística será encerrada em relação à área
impugnada.

Art. 58. A partir da averbação do auto de demarcação urbanística, o poder público deverá
elaborar o projeto previsto no art. 51 e submeter o parcelamento dele decorrente a registro.

o
§ 1 Após o registro do parcelamento de que trata o caput, o poder público concederá título de
legitimação de posse aos ocupantes cadastrados.

o o
§ 2 O título de que trata o § 1 será concedido preferencialmente em nome da mulher e
registrado na matrícula do imóvel.

o
§ 3 Não será concedido legitimação de posse aos ocupantes a serem realocados em razão da
implementação do projeto de regularização fundiária de interesse social, devendo o poder público
assegurar-lhes o direito à moradia.(Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 59. A legitimação de posse devidamente registrada constitui direito em favor do detentor da
posse direta para fins de moradia. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 1 A legitimação de posse será concedida aos moradores cadastrados pelo poder público,
desde que: (Renumerado do parágrafo único pela Lei nº 12.424, de 2011)

I - não sejam concessionários, foreiros ou proprietários de outro imóvel urbano ou


rural; (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - não sejam beneficiários de legitimação de posse concedida anteriormente. (Redação dada


pela Lei nº 12.424, de 2011)

III - (revogado).

o
§ 2 A legitimação de posse também será concedida ao coproprietário da gleba, titular de cotas
ou frações ideais, devidamente cadastrado pelo poder público, desde que exerça seu direito de
propriedade em um lote individualizado e identificado no parcelamento registrado. (Incluído pela Lei nº
12.424, de 2011)

Art. 60. Sem prejuízo dos direitos decorrentes da posse exercida anteriormente, o detentor do
título de legitimação de posse, após 5 (cinco) anos de seu registro, poderá requerer ao oficial de
registro de imóveis a conversão desse título em registro de propriedade, tendo em vista sua aquisição
por usucapião, nos termos do art. 183 da Constituição Federal.

o
§ 1 Para requerer a conversão prevista no caput, o adquirente deverá apresentar:

94
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I – certidões do cartório distribuidor demonstrando a inexistência de ações em andamento que
versem sobre a posse ou a propriedade do imóvel;

II – declaração de que não possui outro imóvel urbano ou rural;

III – declaração de que o imóvel é utilizado para sua moradia ou de sua família; e

IV – declaração de que não teve reconhecido anteriormente o direito à usucapião de imóveis em


áreas urbanas.

o o
§ 2 As certidões previstas no inciso I do § 1 serão relativas à totalidade da área e serão
fornecidas pelo poder público.

o
§ 3 No caso de área urbana de mais de 250m² (duzentos e cinquenta metros quadrados), o
prazo para requerimento da conversão do título de legitimação de posse em propriedade será o
estabelecido na legislação pertinente sobre usucapião. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 60-A. O título de legitimação de posse poderá ser extinto pelo poder público emitente
quando constatado que o beneficiário não está na posse do imóvel e não houve registro de cessão de
direitos. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Parágrafo único. Após o procedimento para extinção do título, o poder público solicitará ao oficial
de registro de imóveis a averbação do seu cancelamento, nos termos do inciso III do art. 250 da Lei
o
n 6.015, de 31 de dezembro de 1973. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Seção III

Da Regularização Fundiária de Interesse Específico

Art. 61. A regularização fundiária de interesse específico depende da análise e da aprovação do


projeto de que trata o art. 51 pela autoridade licenciadora, bem como da emissão das respectivas
licenças urbanística e ambiental.

o
§ 1 O projeto de que trata o caput deverá observar as restrições à ocupação de Áreas de
Preservação Permanente e demais disposições previstas na legislação ambiental.

o
§ 2 A autoridade licenciadora poderá exigir contrapartida e compensações urbanísticas e
ambientais, na forma da legislação vigente.

Art. 62. A autoridade licenciadora deverá definir, nas licenças urbanística e ambiental da
regularização fundiária de interesse específico, as responsabilidades relativas à implantação:

I – do sistema viário;

II – da infraestrutura básica;

III – dos equipamentos comunitários definidos no projeto de regularização fundiária; e

IV – das medidas de mitigação e de compensação urbanística e ambiental eventualmente


exigidas.

o
§ 1 A critério da autoridade licenciadora, as responsabilidades previstas no caput poderão ser
compartilhadas com os beneficiários da regularização fundiária de interesse específico, com base na
análise de, pelo menos, 2 (dois) aspectos:

95
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I – os investimentos em infraestrutura e equipamentos comunitários já realizados pelos
moradores; e

II – o poder aquisitivo da população a ser beneficiada.

o
§ 2 As medidas de mitigação e de compensação urbanística e ambiental exigidas na forma do
inciso IV do caput deverão integrar termo de compromisso, firmado perante as autoridades
responsáveis pela emissão das licenças urbanística e ambiental, ao qual se garantirá força de título
executivo extrajudicial.

Art. 63. (VETADO)

Seção IV

Do Registro da Regularização Fundiária

Art. 64. O registro do parcelamento resultante do projeto de regularização fundiária de interesse


específico deverá ser requerido ao registro de imóveis, nos termos da legislação em vigor e
observadas as disposições previstas neste Capítulo.

Art. 65. O registro do parcelamento resultante do projeto de regularização fundiária de interesse


social deverá ser requerido ao registro de imóveis, acompanhado dos seguintes documentos:

I – certidão atualizada da matrícula do imóvel;

II – projeto de regularização fundiária aprovado;

III – instrumento de instituição e convenção de condomínio, se for o caso; e

IV – no caso das pessoas jurídicas relacionadas no inciso II do art. 50, certidão atualizada de
seus atos constitutivos que demonstrem sua legitimidade para promover a regularização fundiária.

Parágrafo único. O registro do parcelamento decorrente de projeto de regularização fundiária de


o
interesse social independe do atendimento aos requisitos constantes da Lei n 6.766, de 19 de
dezembro de 1979. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 66. O registro do parcelamento resultante do projeto de regularização fundiária deverá


importar:

I – na abertura de matrícula para toda a área objeto de regularização, se não houver; e

II – na abertura de matrícula para cada uma das parcelas resultantes do projeto de regularização
fundiária.

Art. 67. As matrículas das áreas destinadas a uso público deverão ser abertas de ofício, com
averbação das respectivas destinações e, se for o caso, das restrições administrativas convencionais
ou legais.

Art. 68. Não serão cobradas custas e emolumentos para o registro do auto de demarcação
urbanística, do título de legitimação e de sua conversão em título de propriedade e dos parcelamentos
oriundos da regularização fundiária de interesse social.

Seção V

Disposições Gerais

96
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 69. Aplicam-se ao Distrito Federal todas as atribuições e prerrogativas dispostas neste
Capítulo para os Estados e Municípios.

Art. 70. (Revogado pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 71. As glebas parceladas para fins urbanos anteriormente a 19 de dezembro de 1979 que
não possuírem registro poderão ter sua situação jurídica regularizada, com o registro do parcelamento,
desde que o parcelamento esteja implantado e integrado à cidade.

o
§ 1 A regularização prevista no caput pode envolver a totalidade ou parcelas da gleba.

o
§ 2 O interessado deverá apresentar certificação de que a gleba preenche as condições
previstas no caput, bem como desenhos e documentos com as informações necessárias para a
efetivação do registro do parcelamento.

Art. 71-A. O poder público concedente poderá extinguir, por ato unilateral, com o objetivo de
viabilizar obras de urbanização em assentamentos irregulares de baixa renda e em benefício da
população moradora, contratos de concessão de uso especial para fins de moradia e de concessão de
direito real de uso firmados anteriormente à intervenção na área. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 1 Somente poderão ser extintos os contratos relativos a imóveis situados em áreas
efetivamente necessárias à implementação das obras de que trata o caput, o que deverá ser justificado
em procedimento administrativo próprio. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 2 O beneficiário de contrato extinto na forma do caput deverá ter garantido seu direito à
moradia, preferencialmente na área objeto de intervenção, por meio de contrato que lhe assegure
direitos reais sobre outra unidade habitacional, observada a aplicação do disposto no art. 13 da Lei
o
n 11.481, de 31 de maio de 2007. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

CAPÍTULO IV

DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 72. Nas ações judiciais de cobrança ou execução de cotas de condomínio, de imposto
sobre a propriedade predial e territorial urbana ou de outras obrigações vinculadas ou decorrentes da
posse do imóvel urbano, nas quais o responsável pelo pagamento seja o possuidor investido nos
respectivos direitos aquisitivos, assim como o usufrutuário ou outros titulares de direito real de uso,
posse ou fruição, será notificado o titular do domínio pleno ou útil, inclusive o promitente vendedor ou
fiduciário.

Art. 73. Serão assegurados no PMCMV:

I – condições de acessibilidade a todas as áreas públicas e de uso comum;

II – disponibilidade de unidades adaptáveis ao uso por pessoas com deficiência, com mobilidade
reduzida e idosos, de acordo com a demanda;

III – condições de sustentabilidade das construções;

IV – uso de novas tecnologias construtivas.

Parágrafo único. Na ausência de legislação municipal ou estadual acerca de condições de


acessibilidade que estabeleça regra específica, será assegurado que, do total de unidades
habitacionais construídas no âmbito do PMCMV em cada Município, no mínimo, 3% (três por cento)
sejam adaptadas ao uso por pessoas com deficiência. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

97
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 73-A. Excetuados os casos que envolvam recursos do FGTS, os contratos em que o
beneficiário final seja mulher chefe de família, no âmbito do PMCMV ou em programas de
regularização fundiária de interesse social promovidos pela União, Estados, Distrito Federal ou
Municípios, poderão ser firmados independentemente da outorga do cônjuge, afastada a aplicação do
disposto nos arts. 1.647 a 1.649 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código
Civil). (Redação dada pela Lei nº 12.693, de 2012)

o
§ 1 O contrato firmado na forma do caput será registrado no registro de imóveis competente,
sem a exigência de documentos relativos a eventual cônjuge. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 2 Prejuízos sofridos pelo cônjuge por decorrência do previsto neste artigo serão resolvidos em
perdas e danos. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
Art. 74. O Decreto-Lei n 3.365, de 21 de junho de 1941, passa a vigorar com as seguintes
alterações:

o
“Art. 15. § 4 A imissão provisória na posse será registrada no registro de imóveis competente.”
(NR)

o
“Art. 32. § 1 As dívidas fiscais serão deduzidas dos valores depositados, quando inscritas e
ajuizadas.

o o
§ 2 Incluem-se na disposição prevista no § 1 as multas decorrentes de inadimplemento e de
obrigações fiscais.

o
§ 3 A discussão acerca dos valores inscritos ou executados será realizada em ação própria.”
(NR)

o
Art. 75. A Lei n 4.380, de 21 de agosto de 1964, passa a vigorar com as seguintes alterações:

o
“Art. 8 I – pelos bancos múltiplos;

II – pelos bancos comerciais;

III – pelas caixas econômicas;

IV – pelas sociedades de crédito imobiliário;

V – pelas associações de poupança e empréstimo;

VI – pelas companhias hipotecárias;

VII – pelos órgãos federais, estaduais e municipais, inclusive sociedades de economia mista em que
haja participação majoritária do poder público, que operem, de acordo com o disposto nesta Lei, no
financiamento de habitações e obras conexas;

VIII – pelas fundações, cooperativas e outras formas associativas para construção ou aquisição da
casa própria sem finalidade de lucro, que se constituirão de acordo com as diretrizes desta Lei;

IX – pelas caixas militares;

X – pelas entidades abertas de previdência complementar;

XI – pelas companhias securitizadoras de crédito imobiliário; e

98
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
XII – por outras instituições que venham a ser consideradas pelo Conselho Monetário Nacional como
integrantes do Sistema Financeiro da Habitação.

“Art. 15-A. É permitida a pactuação de capitalização de juros com periodicidade mensal nas
operações realizadas pelas entidades integrantes do Sistema Financeiro da Habitação - SFH.

o
§ 1 No ato da contratação e sempre que solicitado pelo devedor será apresentado pelo credor, por
meio de planilha de cálculo que evidencie de modo claro e preciso, e de fácil entendimento e
compreensão, o seguinte conjunto de informações:

I – saldo devedor e prazo remanescente do contrato;

II – taxa de juros contratual, nominal e efetiva, nas periodicidades mensal e anual;

III – valores repassados pela instituição credora às seguradoras, a título de pagamento de prêmio de
seguro pelo mutuário, por tipo de seguro;

IV – taxas, custas e demais despesas cobradas juntamente com a prestação, discriminadas uma a
uma;

V – somatório dos valores já pagos ou repassados relativos a:

a) juros;

b) amortização;

c) prêmio de seguro por tipo de seguro;

d) taxas, custas e demais despesas, discriminando por tipo;

VI – valor mensal projetado das prestações ainda não pagas, pelo prazo remanescente do contrato, e o
respectivo somatório, decompostos em juros e amortizações;

VII – valor devido em multas e demais penalidades contratuais quando houver atraso no pagamento da
prestação.

o o
§ 2 No cômputo dos valores de que trata o inciso VI do § 1 , a instituição credora deve desconsiderar
os efeitos de eventual previsão contratual de atualização monetária do saldo devedor ou das
prestações.”

“Art. 15-B. Nas operações de empréstimo ou financiamento realizadas por instituições integrantes do
Sistema Financeiro da Habitação que prevejam pagamentos por meio de prestações periódicas, os
sistemas de amortização do saldo devedor poderão ser livremente pactuados entre as partes.

o
§ 1 O valor presente do fluxo futuro das prestações, compostas de amortização do principal e juros,
geradas pelas operações de que trata o caput, deve ser calculado com a utilização da taxa de juros
pactuada no contrato, não podendo resultar em valor diferente ao do empréstimo ou do financiamento
concedido.

o
§ 2 No caso de empréstimos e financiamentos com previsão de atualização monetária do saldo
o
devedor ou das prestações, para fins de apuração do valor presente de que trata o § 1 , não serão
considerados os efeitos da referida atualização monetária.

o
§ 3 Nas operações de empréstimo ou financiamento de que dispõe o caput é obrigatório o
oferecimento ao mutuário do Sistema de Amortização Constante - SAC e de, no mínimo, outro sistema

99
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
o o
de amortização que atenda o disposto nos §§ 1 e 2 , entre eles o Sistema de Amortização Crescente -
SACRE e o Sistema Francês de Amortização (Tabela Price).”

o
Art. 76. A Lei n 6.015, de 31 de dezembro de 1973, passa a vigorar com as seguintes
alterações:

“Art. 17. .................................................................................................................................

Parágrafo único. O acesso ou envio de informações aos registros públicos, quando forem realizados
por meio da rede mundial de computadores (internet) deverão ser assinados com uso de certificado
digital, que atenderá os requisitos da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP.” (NR)

“Art. 167. I –

41. da legitimação de posse;

26. do auto de demarcação urbanística.” (NR)

“Art. 221 V – contratos ou termos administrativos, assinados com a União, Estados e Municípios no
âmbito de programas de regularização fundiária, dispensado o reconhecimento de firma.” (NR)

“Art. 237-A. Após o registro do parcelamento do solo ou da incorporação imobiliária, até a emissão da
carta de habite-se, as averbações e registros relativos à pessoa do incorporador ou referentes a
direitos reais de garantias, cessões ou demais negócios jurídicos que envolvam o empreendimento
serão realizados na matrícula de origem do imóvel e em cada uma das matrículas das unidades
autônomas eventualmente abertas.

o
§ 1 Para efeito de cobrança de custas e emolumentos, as averbações e os registros realizados com
base no caput serão considerados como ato de registro único, não importando a quantidade de
unidades autônomas envolvidas ou de atos intermediários existentes.

o
§ 2 Nos registros decorrentes de processo de parcelamento do solo ou de incorporação imobiliária, o
registrador deverá observar o prazo máximo de 15 (quinze) dias para o fornecimento do número do
registro ao interessado ou a indicação das pendências a serem satisfeitas para sua efetivação.”

o
Art. 77. O inciso VII do art. 20 da Lei n 8.036, de 11 de maio de 1990, passa a vigorar com a
seguinte redação:

“Art. 20VII – pagamento total ou parcial do preço de aquisição de moradia própria, ou lote urbanizado
de interesse social não construído, observadas as seguintes condições:

o o
Art. 78. O inciso V do art. 4 da Lei n 10.257, de 10 de julho de 2001, passa a vigorar acrescido
das seguintes alíneas t e u:

o
“Art. 4 t) demarcação urbanística para fins de regularização fundiária;

u) legitimação de posse.

Art. 79. Os agentes financeiros do SFH somente poderão conceder financiamentos


habitacionais com cobertura securitária que preveja, no mínimo, cobertura aos riscos de morte e
invalidez permanente do mutuário e de danos físicos ao imóvel. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de
2011)

o
§ 1 Para o cumprimento do disposto no caput, os agentes financeiros, respeitada a livre
escolha do mutuário, deverão: (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

100
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - disponibilizar, na qualidade de estipulante e beneficiário, quantidade mínima de apólices
emitidas por entes seguradores diversos, que observem a exigência estabelecida no caput; (Incluído
pela Lei nº 12.424, de 2011)

II - aceitar apólices individuais apresentadas pelos pretendentes ao financiamento, desde que a


cobertura securitária prevista observe a exigência mínima estabelecida no caput e o ente segurador
cumpra as condições estabelecidas pelo Conselho Nacional de Seguros Privados - CNSP, para
apólices direcionadas a operações da espécie. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 2 Sem prejuízo da regulamentação do seguro habitacional pelo CNSP, o Conselho Monetário
o
Nacional estabelecerá as condições necessárias à implementação do disposto no § 1 deste artigo, no
que se refere às obrigações dos agentes financeiros. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 3 Nas operações em que sejam utilizados recursos advindos do Fundo de Arrendamento
Residencial - FAR e do Fundo de Desenvolvimento Social - FDS, os agentes financeiros poderão
dispensar a contratação de seguro de que trata o caput, nas hipóteses em que os riscos de morte e
invalidez permanente do mutuário e de danos físicos ao imóvel estejam garantidos pelos respectivos
fundos. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 4 Nas operações de financiamento na modalidade de aquisição de material de construção
com recursos do FGTS, os agentes financeiros ficam autorizados a dispensar a contratação do seguro
de danos físicos ao imóvel. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 5 Nas operações de financiamento de habitação rural, na modalidade de aquisição de
material de construção, com recursos do FGTS, os agentes financeiros ficam autorizados a dispensar a
contratação do seguro de morte e invalidez permanente do mutuário nos casos em que estes riscos
contarem com outra garantia. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 79-A. Para construção, reforma ou requalificação de imóveis no âmbito do PMCMV, a Caixa
Econômica Federal fica autorizada a adquirir, em nome do FAR, e pelo prazo necessário à conclusão
das obras e transferência da unidade construída aos beneficiários do programa: (Incluído pela Lei
nº 12.424, de 2011)

I - os direitos de posse em que estiver imitido qualquer ente da Federação a partir de decisão
proferida em processo judicial de desapropriação em curso, conforme comprovado mediante registro
no cartório de registro de imóveis competente; e (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o o
II - os direitos reais de uso de imóvel público, de que trata o art. 7 do Decreto-Lei n 271, de 28
de fevereiro de 1967. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 1 A aquisição prevista no inciso I do caput será condicionada ao compromisso do ente público
de transferir o direito de propriedade do imóvel ao FAR, após o trânsito em julgado da sentença do
processo judicial de desapropriação. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 2 A transferência ao beneficiário final será condicionada ao adimplemento das obrigações
assumidas por ele com o FAR. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 3 A aquisição prevista no inciso II do caput somente será admitida quando o direito real de
uso for concedido por prazo indeterminado. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
§ 4 Os contratos de aquisição de imóveis ou de direitos a eles relativos pelo FAR serão
celebrados por instrumento particular com força de escritura pública e registrados no registro de
imóveis competente. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
Art. 80. Até que a quantidade mínima a que se refere o inciso I do § 1 do art. 79 desta Lei seja
regulamentada pelo Conselho Monetário Nacional, os agentes financeiros poderão oferecer apenas
uma apólice ao mutuário. (Redação dada pela Lei nº 12.424, de 2011)

101
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 81. Ficam convalidados os atos do Conselho Monetário Nacional que relacionaram as
instituições integrantes do Sistema Financeiro da Habitação.

Art. 81-A. Os limites de renda familiar expressos nesta Lei constituem valores máximos,
o o
admitindo-se a atualização nos termos do § 6 do art. 3 , bem como a definição, em regulamento, de
subtetos de acordo com as modalidades operacionais praticadas. (Incluído pela Lei nº 12.424, de
2011)

Art. 82. (Revogado pela Lei nº 12.722, de 2012)

Parágrafo único. (Revogado pela Lei nº 12.722, de 2012)

Art. 82-A. Enquanto não efetivado o aporte de recursos necessários às subvenções econômicas
o
de que tratam os incisos I e II do art. 2 e o art. 11 desta Lei, observado o disposto na lei orçamentária
anual, o agente operador do FGTS, do FAR e do FDS, que tenha utilizado as disponibilidades dos
referidos fundos em contratações no âmbito do PMCMV, terá direito ao ressarcimento das quantias
desembolsadas, devidamente atualizadas pela taxa Selic. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

o
Art. 82-B. O PMCMV, nos termos do art. 1 desta Lei, tem como meta promover a produção,
o
aquisição, requalificação e reforma de dois milhões de unidades habitacionais, a partir de 1 de
dezembro de 2010 até 31 de dezembro de 2014, das quais, no mínimo, 220.000 (duzentas e vinte mil)
unidades serão produzidas por meio de concessão de subvenção econômica na forma do inciso I do
o o o
§ 1 do art. 6 -B, nas operações de que trata o inciso III do caput do art. 2 , a beneficiários finais com
renda de até R$ 1.395,00 (mil, trezentos e noventa e cinco reais), respeitados os valores consignados
nas respectivas leis orçamentárias anuais. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Parágrafo único. As diretrizes para a continuidade do programa poderão ser complementadas no


plano nacional de habitação a ser apresentado pelo Poder Executivo federal mediante projeto de
lei. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 82-C. Para o exercício de 2011, a União fica autorizada a utilizar os recursos previstos nos
o o
arts. 2 , 5 , 12, 18 e 19 desta Lei. (Incluído pela Lei nº 12.424, de 2011)

Art. 82-D. No âmbito do PMCMV, no caso de empreendimentos construídos com recursos do


FAR, poderá ser custeada a edificação de equipamentos de educação, saúde e outros
complementares à habitação, inclusive em terrenos de propriedade pública, nos termos do
regulamento. (Incluído pela Lei nº 12.722, de 2012)

o
§ 1 A edificação dos equipamentos de que trata o caput está condicionada à existência de
compromisso prévio do Governo Estadual, Municipal ou Distrital em assumir a operação, a guarda e a
manutenção do equipamento, imediatamente após a conclusão da obra, e colocá-lo em funcionamento
em prazo compatível com o atendimento da demanda do empreendimento, nos termos do
regulamento. (Incluído pela Lei nº 12.722, de 2012)

o
§ 2 Caso a operação não seja iniciada no prazo previsto no termo de compromisso, o ente
responsável deverá ressarcir o FAR com os recursos gastos com a edificação, devidamente
atualizados. (Incluído pela Lei nº 12.722, de 2012)

o
§ 3 Os equipamentos de que trata o caput serão incorporados ao patrimônio do ente público
proprietário do terreno no qual foi realizada a edificação ou doados ao ente público responsável pela
operação, guarda e manutenção, caso a edificação seja realizada em terreno de propriedade do
FAR. (Incluído pela Lei nº 12.722, de 2012)

o
§ 4 Quando a edificação tiver que ser realizada em terreno cuja propriedade não seja do ente
público responsável pela operação, guarda e manutenção dos equipamentos, o termo de compromisso
deverá contar com a participação de todos os entes envolvidos como também prever a obrigação de

102
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
transferência do uso ou da propriedade para o mencionado ente responsável pela
operacionalização. (Incluído pela Lei nº 12.722, de 2012)

Art. 83. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 7 de julho de 2009; 188o da Independência e 121o da República.

JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA


Luiz Paulo Teles Ferreira Barreto
Guido Mantega
Paulo Bernardo Silva
Carlos Minc
Marcio Fortes de Almeida

RESOLUCAO N. 001980
-------------------

APROVA REGULAMENTO QUE DISCIPLINA O DI-


RECIONAMENTO DOS RECURSOS CAPTADOS PE-
LAS ENTIDADES INTEGRANTES DO SISTEMA
BRASILEIRO DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO
(SBPE) E AS OPERAÇÕES DE FINANCIAMENTO
EFETUADAS NO ÂMBITO DO SISTEMA FINAN-
CEIRO DA HABITAÇÃO (SFH).

O BANCO CENTRAL DO BRASIL, NA FORMA DO ART. 9º


DA LEI Nº 4.595, DE 31.12.64, TORNA PÚBLICO QUE O PRESIDENTE DO CON-
SELHO MONETÁRIO NACIONAL, POR ATO DE 30.04.93, COM BASE NO PARÁGRAFO
2º DO ART. 1º DA LEI Nº 8.646, DE 07.04.93, "AD REFERENDUM" DAQUELE
CONSELHO, E TENDO EM VISTA O DISPOSTO NO ART. 7º DO DECRETO-LEI Nº
2.291, DE 21.11.86, E NO DECRETO-LEI Nº 2.349, DE 29.07.87,

R E S O L V E U:

ART. 1º. APROVAR O REGULAMENTO ANEXO, QUE DISCI-


PLINA O DIRECIONAMENTO DE RECURSOS CAPTADOS PELAS ENTIDADES INTEGRAN-
TES DO SISTEMA BRASILEIRO DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO (SBPE) CUJA DESTI-
NAÇÃO BÁSICA SEJAM FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS, BEM COMO AS OPERA-
ÇÕES DE FINANCIAMENTO EFETUADAS NO ÂMBITO DO SISTEMA FINANCEIRO DA
HABITAÇÃO (SFH).

ART. 2º. O BANCO CENTRAL DO BRASIL PODERÁ ADOTAR


AS MEDIDAS E BAIXAR AS NORMAS NECESSÁRIAS À EXECUÇÃO DESTA RESOLUÇÃO.

103
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
BRASÍLIA (DF), 30 DE ABRIL DE 1993

PAULO CESAR XIMENES ALVES FERREIRA


PRESIDENTE

REGULAMENTO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 1.980, DE 30.04.93, QUE DISCIPLINA O


DIRECIONAMENTO DOS RECURSOS CAPTADOS PELAS ENTIDADES INTEGRANTES DO
SISTEMA BRASILEIRO DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO (SBPE) E AS OPERAÇÕES DE
FINANCIAMENTO EFETUADAS NO ÂMBITO DO SISTEMA FINANCEIRO DA HABITAÇÃO
(SFH).

DAS ENTIDADES INTEGRANTES DO SFH E DO SBPE

ART. 1º. INTEGRAM O SISTEMA FINANCEIRO DA HABI-


TAÇÃO (SFH), NA QUALIDADE DE AGENTES FINANCEIROS, OS BANCOS MÚLTIPLOS
COM CARTEIRA DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, AS CAIXAS ECONÔMICAS, AS SOCIE-
DADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, AS ASSOCIAÇÕES DE POUPANÇA E EMPRÉSTI-
MO, AS COMPANHIAS DE HABITAÇÃO, AS FUNDAÇÕES HABITACIONAIS, OS INSTI-
TUTOS DE PREVIDÊNCIA, AS COMPANHIAS HIPOTECÁRIAS, AS CARTEIRAS HIPO-
TECÁRIAS DOS CLUBES MILITARES, OS MONTEPIOS ESTADUAIS E MUNICIPAIS E
AS ENTIDADES E FUNDAÇÕES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA.

ART. 2º. O SISTEMA BRASILEIRO DE POUPANÇA E EM-


PRÉSTIMO (SBPE) É INTEGRADO PELOS BANCOS MÚLTIPLOS COM CARTEIRA DE
CRÉDITO IMOBILIÁRIO, PELAS CAIXAS ECONÔMICAS, PELAS SOCIEDADES DE
CRÉDITO IMOBILIÁRIO E PELAS ASSOCIAÇÕES DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO.

DA UNIDADE PADRÃO DE FINANCIAMENTO

ART. 3º. OS LIMITES DAS OPERAÇÕES DAS ENTIDADES


INTEGRANTES DO SFH E SBPE SERÃO DEFINIDOS EM UNIDADES PADRÃO DE FI-
NANCIAMENTO (UPF), CUJA EXPRESSÃO MONETÁRIA, NO MÊS DE MAIO DE 1993,
É CR$235.729,17 (DUZENTOS E TRINTA E CINCO MIL, SETECENTOS E VINTE E
NOVE CRUZEIROS E DEZESSETE CENTAVOS).

PARÁGRAFO 1º. O BANCO CENTRAL DO BRASIL DIVUL-


GARÁ A EXPRESSÃO MONETÁRIA DA UPF, A QUAL SERÁ ATUALIZADA PELO ÍNDICE
DE REMUNERAÇÃO BÁSICA DOS DEPÓSITOS DE POUPANÇA.

PARÁGRAFO 2º. É VEDADA A UTILIZAÇÃO DA UPF COMO


REFERENCIAL DE CORREÇÃO MONETÁRIA EM NEGÓCIO JURÍDICO QUE NÃO SEJA NO
ÂMBITO DO SFH, SALVO EXPRESSA AUTORIZAÇÃO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL.

104
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
DAS OPERAÇÕES NO ÂMBITO DO SFH

ART. 4º. CONSIDERAM-SE OPERAÇÕES NO ÂMBITO DO


SFH AQUELAS EFETUADAS COM OBSERVÂNCIA DAS SEGUINTES CONDIÇÕES:

I - VALOR UNITÁRIO DOS FINANCIAMENTOS, COMPREEN-


DENDO PRINCIPAL E DESPESAS ACESSÓRIAS, NÃO SUPERIOR A:

A - 7.500 (SETE MIL E QUINHENTAS) UPF;

B - 90% (NOVENTA POR CENTO) DO VALOR DE AVALIAÇÃO DO IMÓVEL A


SER FINANCIADO OU DE SEU PREÇO DE COMPRA E VENDA, O QUE FOR
MENOR;

II - LIMITE MÁXIMO DO VALOR DE AVALIAÇÃO DO IMÓ-


VEL FINANCIADO DE 15.000 (QUINZE MIL) UPF;

III - PRAZO PARA AMORTIZAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS


AOS MUTUÁRIOS FINAIS INICIALMENTE PACTUADO NO MÁXIMO DE 20 (VINTE)
ANOS;

IV - REMUNERAÇÃO EFETIVA MÁXIMA PARA O MUTUÁRIO


FINAL, COMPREENDENDO JUROS, COMISSÕES E OUTROS ENCARGOS FINANCEIROS,
EXCETO OS REFERIDOS NOS ARTS. 16 E 18 DESTE REGULAMENTO, DE 12% (DOZE
POR CENTO) AO ANO;

V - INCLUSÃO OBRIGATÓRIA NA APÓLICE DE SEGURO


HABITACIONAL DO SFH.

PARÁGRAFO 1º. O FINANCIAMENTO INDIVIDUAL PARA


CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTE PRÓPRIO URBANIZADO, DE INDIVÍDUO OU
CONDOMÍNIO, PODERÁ SER DE ATÉ 100% (CEM POR CENTO) DO CUSTO DIRETO DE
CONSTRUÇÃO, OBSERVADO O LIMITE FINANCIÁVEL E DESDE QUE O VALOR DE
AVALIAÇÃO PROJETADO PARA O FINAL DO EMPREENDIMENTO NÃO ULTRAPASSE O
LIMITE MÁXIMO ESTABELECIDO PARA OPERAÇÕES DE QUE TRATA ESTE ARTIGO.

PARÁGRAFO 2º. NO CASO DE IMÓVEL QUE APRESENTE DA-


NOS PROVENIENTES DE FALHAS DE CONSTRUÇÃO E QUE TEVE A COBERTURA NEGA-
DA PELA SEGURADORA, PODERÁ SER CONCEDIDO FINANCIAMENTO COMPLEMENTAR
PARA SUA RECUPERAÇÃO, DESDE QUE A COMPLEMENTAÇÃO NÃO ELEVE A RESPON-
SABILIDADE DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS (FCVS),
QUANDO SE TRATAR DE FINANCIAMENTO COM COBERTURA DAQUELE FUNDO.

ART. 5º. OS FINANCIAMENTOS NO ÂMBITO DO SFH OB-


SERVARÃO AS SEGUINTES CONDIÇÕES:

105
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - SERÃO CONTRATADOS EM SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO
E PLANO DE REAJUSTE ESCOLHIDOS ENTRE AS PARTES;

II - TERÃO PREVISÃO CONTRATUAL DE QUE EVENTUAL


SALDO DEVEDOR, AO FINAL DO PRAZO AJUSTADO, SERÁ DE RESPONSABILIDADE
DO MUTUÁRIO, PODENDO O PRAZO DO FINANCIAMENTO SER PRORROGADO POR PE-
RÍODO DE ATÉ 50% (CINQÜENTA POR CENTO) DAQUELE INICIALMENTE PACTUADO;

III - TERÃO CONTRIBUIÇÃO AO FUNDO DE ASSISTÊNCIA


HABITACIONAL (FUNDHAB);

IV - NÃO CONTARÃO COM COBERTURA DO FCVS.

DO DIRECIONAMENTO DE RECURSOS

ART. 6º. O DIRECIONAMENTO DOS RECURSOS CAPTADOS


EM DEPÓSITOS DE POUPANÇA PELAS ENTIDADES INTEGRANTES DO SBPE, OBSER-
VADO O DISPOSTO NO ART. 9º, SERÁ O SEGUINTE:

I - 70% (SETENTA POR CENTO), NO MÍNIMO, EM FI-


NANCIAMENTOS HABITACIONAIS, SENDO:

A - 80% (OITENTA POR CENTO), NO MÍNIMO, EM OPERAÇÕES NO ÂMBITO


DO SFH;

B - RECURSOS REMANESCENTES, EM OPERAÇÕES A TAXAS DE MERCADO;

II - 15% (QUINZE POR CENTO) DE ENCAIXE OBRIGATÓ-


RIO NO BANCO CENTRAL DO BRASIL;

III - 15% (QUINZE POR CENTO), NO MÁXIMO, EM DISPO-


NIBILIDADES FINANCEIRAS E OPERAÇÕES DE FAIXA LIVRE.

PARÁGRAFO 1º. OS FINANCIAMENTOS INDIVIDUAIS PARA


A AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS NOVOS OU PARA A CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LO-
TE PRÓPRIO URBANIZADO, PARA INDIVÍDUO OU DE CONDOMÍNIO, CONTRATADOS A
PARTIR DA ENTRADA EM VIGOR DESTE REGULAMENTO, DEVERÃO REPRESENTAR, NO
MÍNIMO, 25% (VINTE E CINCO POR CENTO) DO SALDO DAS OPERAÇÕES ENQUA-
DRADAS NO ITEM I DESTE ARTIGO, CONTRATADAS A PARTIR DA DATA DA VIGÊN-
CIA DESTE REGULAMENTO.

PARÁGRAFO 2º. OS FINANCIAMENTOS PARA AQUISIÇÃO


DE IMÓVEIS USADOS FICAM LIMITADOS A MONTANTE EQUIVALENTE A 25% (VINTE
E CINCO POR CENTO) DOS RECURSOS QUE, OBRIGATORIAMENTE, O AGENTE FI-
NANCEIRO DEVE DESTINAR PARA APLICAÇÕES NO ÂMBITO DO SFH.

106
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
DOS AJUSTES NO DIRECIONAMENTO

ART. 7º. PARA FINS DE CÁLCULO DOS LIMITES DE FI-


NANCIAMENTOS HABITACIONAIS, DEVERÃO SER DEDUZIDOS DO SALDO DOS FINAN-
CIAMENTOS EXISTENTES:

I - O SALDO DE OPERAÇÕES REALIZADAS COM RECURSOS


ORIUNDOS DE REPASSES E REFINANCIAMENTOS;

II - OS SALDOS DE LETRAS HIPOTECÁRIAS EMITIDAS,


QUANDO GARANTIDAS POR CRÉDITOS HABITACIONAIS.

ART. 8º. PARA FINS DE ATENDIMENTO DA EXIGIBILI-


DADE EM FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS A QUE SE REFERE O ITEM I DO ART.
6º, SERÃO COMPUTADOS:

I - O SALDO BRUTO DOS FINANCIAMENTOS HABITACIO-


NAIS, INCLUSIVE SUAS RENDAS A INCORPORAR, NÃO SE EXCLUINDO A RESPEC-
TIVA CONTA RETIFICADORA "RENDAS A APROPRIAR DE FINANCIAMENTOS IMOBI-
LIÁRIOS";

II - OS FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS TRANSFERIDOS


PARA CRÉDITOS EM LIQUIDAÇÃO, DA SEGUINTE FORMA:

A - PELO SALDO BRUTO, ATÉ O FINAL DO PRIMEIRO ANO, APÓS EFETUADA


A TRANSFERÊNCIA;

B - POR 50% (CINQÜENTA POR CENTO) DO SALDO LÍQUIDO (SALDO BRUTO


DEDUZIDO DE SUAS RENDAS A APROPRIAR), A PARTIR DO INÍCIO DO
SEGUNDO ANO;

III - OS SALDOS DOS DEPÓSITOS NO FUNDO DE APOIO À


PRODUÇÃO DE HABITAÇÕES PARA A POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA (FAHBRE);

IV - OS SALDOS DOS DEPÓSITOS NO FUNDO DE ESTABI-


LIZAÇÃO (FESTA);

V - O MONTANTE DOS DESEMBOLSOS PROGRAMADOS PARA


OS PRÓXIMOS 12 (DOZE) MESES, REFERENTE A CONTRATOS FIRMADOS PARA A
CONSTRUÇÃO DE UNIDADES HABITACIONAIS, DESDE QUE EFETUADA A LIBERAÇÃO
DA PRIMEIRA PARCELA E OS RECURSOS ESTEJAM APLICADOS EM TÍTULOS PÚBLI-
COS FEDERAIS, OS QUAIS SERÃO INTRANSFERÍVEIS ENQUANTO COMPUTADOS COMO
FINANCIAMENTO HABITACIONAL;

VI - OS CRÉDITOS JUNTO AO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE


VARIAÇÕES SALARIAIS (FCVS);

107
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
VII - O MONTANTE DAS LETRAS HIPOTECÁRIAS ADQUIRI-
DAS, DESDE QUE GARANTIDAS POR CRÉDITOS HIPOTECÁRIOS DECORRENTES DE
OPERAÇÕES REALIZADAS NO ÂMBITO DO SFH, LIMITADO A 10% (DEZ POR CENTO)
DO VALOR APURADO NA FORMA DO ART. 9º DESTE REGULAMENTO;

VIII - O MONTANTE DAS LETRAS HIPOTECÁRIAS RECEBIDAS


A TÍTULO DE PAGAMENTO DE CRÉDITOS JUNTO AO FCVS;

IX - O VALOR DAS CÉDULAS HIPOTECÁRIAS ADQUIRIDAS


E DECORRENTES DE OPERAÇÕES REALIZADAS NO ÂMBITO DO SFH;

X - O VALOR DOS DESCONTOS ABSORVIDOS PELAS INS-


TITUIÇÕES FINANCEIRAS EM DECORRÊNCIA DO DISPOSTO NOS ARTS. 3º E 5º DA
LEI Nº 8.004, DE 14.03.90, AJUSTADO EM CADA POSIÇÃO PELOS ÍNDICES DE
REMUNERAÇÃO BÁSICA DOS DEPÓSITOS DE POUPANÇA, DA SEGUINTE FORMA:

A - PELA SUA TOTALIDADE, PELO PRAZO DE 1 (UM) ANO CONTADO DA


RESPECTIVA ABSORÇÃO;

B - POR 50% (CINQÜENTA POR CENTO) DE SEU MONTANTE, PELO PRAZO DE


1 (UM) ANO CONTADO DO TÉRMINO DO PRAZO REFERIDO NA ALÍNEA
ANTERIOR.

PARÁGRAFO 1º. AS LETRAS HIPOTECÁRIAS, CÉDULAS


HIPOTECÁRIAS, TÍTULOS FEDERAIS E CRÉDITOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS SE-
RÃO COMPUTADOS PELA MÉDIA ARITMÉTICA DOS SALDOS DIÁRIOS MANTIDOS EM
CARTEIRA NO MÊS INFORMADO, ATUALIZADOS.

PARÁGRAFO 2º. AS INSTITUIÇÕES INTEGRANTES DO


SBPE EM INÍCIO DE ATIVIDADE, ATÉ QUE COMPLETADOS OS 6 (SEIS) PRIMEI-
ROS MESES DE CAPTAÇÃO DE DEPÓSITOS DE POUPANÇA, PODERÃO PREENCHER A
EXIGIBILIDADE EM FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS COM LETRAS HIPOTECÁRIAS
GARANTIDAS POR CRÉDITOS HIPOTECÁRIOS DECORRENTES DE OPERAÇÕES REALI-
ZADAS NO ÂMBITO DO SFH.

DA BASE DE CÁLCULO

ART. 9º. O DIRECIONAMENTO DE RECURSOS PARA FI-


NANCIAMENTOS HABITACIONAIS, DISPONIBILIDADES FINANCEIRAS E OPERAÇÕES
DE FAIXA LIVRE PREVISTO NO ARTIGO 6º, TERÁ COMO BASE O MENOR DOS SE-
GUINTES VALORES:

I - A MÉDIA ARITMÉTICA DOS SALDOS DIÁRIOS DOS


DEPÓSITOS DE POUPANÇA DO MÊS SOB REFERÊNCIA, ATUALIZADOS ATÉ O ÚLTIMO
DIA DO MÊS COM BASE NOS ÍNDICES DE REMUNERAÇÃO BÁSICA DOS DEPÓSITOS

108
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
DE POUPANÇA;

II - A MÉDIA ARITMÉTICA DOS SALDOS DIÁRIOS DOS


DEPÓSITOS DE POUPANÇA NOS 3 (TRÊS) MESES ANTECEDENTES AO MÊS SOB RE-
FERÊNCIA, ATUALIZADOS, ATÉ O ÚLTIMO DIA DO MÊS SOB REFERÊNCIA, COM
BASE NOS ÍNDICES DE REMUNERAÇÃO BÁSICA DOS DEPÓSITOS DE POUPANÇA.

PARÁGRAFO ÚNICO. PARA AS INSTITUIÇÕES INTEGRAN-


TES DO SBPE EM INÍCIO DE ATIVIDADE, ENQUANTO NÃO COMPLETADOS 6 (SEIS)
MESES DE CAPTAÇÃO DE DEPÓSITOS DE POUPANÇA, A BASE DE CÁLCULO SERÁ
APURADA DIVIDINDO-SE O SOMATÓRIO DOS SALDOS DIÁRIOS ATUALIZADOS,
AJUSTADOS NA FORMA DO "CAPUT" DESTE ARTIGO, PELO NÚMERO DE DIAS CON-
SIDERADOS EM CADA POSIÇÃO.

ART. 10. OS CRÉDITOS DOS AGENTES DO SBPE JUNTO


AO FUNDO DE GARANTIA DE DEPÓSITOS E LETRAS IMOBILIÁRIAS (FGDLI) DE-
CORRENTES DA ABSORÇÃO DE CONTAS DE POUPANÇA SERÃO DEDUZIDOS DOS SAL-
DOS DE RECURSOS CAPTADOS, PARA EFEITO DO CÁLCULO DO ENCAIXE OBRIGATÓ-
RIO E DOS LIMITES DE QUE TRATA ESTE REGULAMENTO.

DAS CONDIÇÕES DAS OPERAÇÕES NO ÂMBITO DO SFH

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

ART. 11. O NÍVEL DE COMPROMETIMENTO DA RENDA FA-


MILIAR DOS ADQUIRENTES EM OPERAÇÕES NO ÂMBITO DO SFH E AS CONDIÇÕES
PARA A SUA COMPROVAÇÃO SERÃO FIXADOS PELO AGENTE FINANCEIRO.

ART. 12. SOMENTE PODERÃO SER CONCEDIDOS FINAN-


CIAMENTOS NO ÂMBITO DO SFH A PRETENDENTES QUE:

I - NÃO DETENHAM, EM QUALQUER PARTE DO PAÍS, OU-


TRO FINANCIAMENTO NAS CONDIÇÕES ESTABELECIDAS PARA O REFERIDO SISTE-
MA;

II - NÃO FOREM PROPRIETÁRIOS OU PROMITENTES COM-


PRADORES DE IMÓVEL RESIDENCIAL NO ATUAL LOCAL DE DOMICÍLIO NEM ONDE
PRETENDAM FIXÁ-LO.

PARÁGRAFO 1º. NÃO SE APLICA O DISPOSTO NESTE AR-


TIGO AOS CASOS EM QUE O PRETENDENTE AO FINANCIAMENTO FOR PROPRIETÁRIO
APENAS DE FRAÇÃO IDEAL, IGUAL OU INFERIOR A 40% (QUARENTA POR CENTO)
DE UM ÚNICO IMÓVEL, NO ATUAL LOCAL DE DOMICÍLIO OU ONDE PRETENDA FI-
XÁ-LO.

PARÁGRAFO 2º. NO CASO DE SEPARAÇÃO JUDICIAL, PO-

109
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
DERÁ SER CONCEDIDO FINANCIAMENTO AO CÔNJUGE, QUE, MESMO NA QUALIDADE
DE TITULAR DE IMÓVEL, PERCA O DIREITO DE RESIDIR NO MESMO E NÃO POS-
SUA OUTRO IMÓVEL NAS CONDIÇÕES MENCIONADAS NESTE ARTIGO.

ART. 13. NÃO SE APLICA O DISPOSTO NO ARTIGO AN-


TERIOR SE CONSTAR, NO CONTRATO REFERENTE À NOVA AQUISIÇÃO, EM CARÁTER
PENAL, A PREVISÃO DE QUE A NÃO ALIENAÇÃO DO IMÓVEL RESIDENCIAL ANTE-
RIOR E/OU A NÃO TRANSFERÊNCIA DE FINANCIAMENTO JÁ EXISTENTE, NO PRAZO
MÁXIMO IMPRORROGÁVEL DE 180 (CENTO E OITENTA) DIAS, IMPLICARÁ O DES-
CUMPRIMENTO DO CONTRATO, COM O CONSEQÜENTE VENCIMENTO ANTECIPADO DA
DÍVIDA.

PARÁGRAFO ÚNICO. ALTERNATIVAMENTE AO DISPOSTO


NO "CAPUT" DESTE ARTIGO, O FINANCIAMENTO PODERÁ SER REPACTUADO COM O
MUTUÁRIO, DESDE QUE OBSERVADAS AS CONDIÇÕES ESTABELECIDAS NESTE REGU-
LAMENTO PARA AS OPERAÇÕES REALIZADAS A TAXAS DE MERCADO.

ART. 14. A UTILIZAÇÃO DO FUNDO PARA PAGAMENTO DE


PRESTAÇÕES NO CASO DE PERDA DE RENDA POR DESEMPREGO E INVALIDEZ TEM-
PORÁRIA (FIEL), NO CASO DE DESEMPREGO DO MUTUÁRIO, SOMENTE SERÁ FA-
CULTADA PARA DEMISSÕES SEM JUSTA CAUSA.

ART. 15. O PERCENTUAL DE GANHO REAL DE SALÁRIO


APLICÁVEL NAS DATAS-BASE AOS REAJUSTES DAS PRESTAÇÕES MENSAIS DOS FI-
NANCIAMENTOS HABITACIONAIS VINCULADOS AO PES/CP SERÁ DE 3% (TRÊS POR
CENTO).

OUTROS COMPONENTES DAS MENSALIDADES

ART. 16. O COEFICIENTE DE EQUIPARAÇÃO SALARIAL


(CES) UTILIZADO PARA FINS DE CÁLCULO DA PRESTAÇÃO MENSAL DO FINANCIA-
MENTO VINCULADO AO PES SERÁ DE 1,15 (UM INTEIRO E QUINZE CENTÉSIMOS),
O QUAL INCIDIRÁ, INCLUSIVE, SOBRE O PRÊMIO MENSAL DOS SEGUROS PREVIS-
TOS NA APÓLICE DE SEGURO HABITACIONAL.

PARÁGRAFO ÚNICO. NO CASO DE FINANCIAMENTOS NÃO


VINCULADOS AO PES, O CES SERÁ DEFINIDO CONTRATUALMENTE.

ART. 17. O PERCENTUAL DE CONTRIBUIÇÃO AO FCVS


SERÁ DEVIDO:

I - MENSALMENTE, PELOS MUTUÁRIOS CUJOS CONTRATOS


TENHAM SIDO FIRMADOS COM BASE NO PES/CP E CONTEM COM A COBERTURA DO
FCVS, À RAZÃO DE 3% (TRÊS POR CENTO) DO VALOR DA PRESTAÇÃO DE AMORTI-
ZAÇÃO E JUROS, ACRESCIDO DO CES;

110
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
II - TRIMESTRALMENTE, PELOS AGENTES FINANCEIROS
DO SFH, À RAZÃO DE 0,025% (VINTE E CINCO MILÉSIMOS POR CENTO) DO VA-
LOR DO SALDO DOS FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS AOS MUTUÁRIOS NO ÂMBITO DO
SFH COM COBERTURA DO FCVS.

ART. 18. A CONTRIBUIÇÃO AO FUNDHAB E OS CUSTOS


DE SEGUROS, BEM COMO A APLICAÇÃO DO CES NÃO ESTÃO INCLUÍDOS NAS REMU-
NERAÇÕES EFETIVAS MÁXIMAS A QUE SE REFEREM OS ARTS. 4º, ITEM IV, E
40.

DOS SALDOS DEVEDORES

ART. 19. OS SALDOS DEVEDORES DOS CONTRATOS DE


FINANCIAMENTO, EMPRÉSTIMO, REFINANCIAMENTO E REPASSE CONCEDIDOS POR
ENTIDADE INTEGRANTE DO SFH SERÃO AJUSTADOS PELA REMUNERAÇÃO BÁSICA
DOS DEPÓSITOS DE POUPANÇA, EFETUADA NA MESMA DATA E COM A PERIODICI-
DADE CONTRATUALMENTE ESTIPULADA PARA O PAGAMENTO DAS PRESTAÇÕES,
APLICANDO-SE O CRITÉRIO "PRO RATA DIE" PARA EVENTOS QUE NÃO COINCIDAM
COM AQUELA DATA.

ART. 20. A AMORTIZAÇÃO DECORRENTE DO PAGAMENTO


DE PRESTAÇÕES DEVE SER SUBTRAÍDA DO SALDO DEVEDOR DO FINANCIAMENTO
DEPOIS DE SUA ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA, AINDA QUE OS DOIS EVENTOS OCOR-
RAM NA MESMA DATA.

DOS CONTRATOS VINCULADOS AO PES/CP

ART. 21. O REAJUSTE DE PRESTAÇÕES DOS CONTRATOS


DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL VINCULADOS AO PES/CP TERÁ POR BASE:

I - NA MODALIDADE PLENA, COMO ANTECIPAÇÃO DO


REAJUSTE A SER DADO EM FUNÇÃO DA DATA-BASE, O PERCENTUAL DOS AUMENTOS
DECORRENTES DA LEI SALARIAL VIGENTE;

II - NAS MODALIDADES PLENA E PARCIAL, EM FUNÇÃO


DA DATA-BASE, A VARIAÇÃO ACUMULADA DO ÍNDICE DECORRENTE DA APLICAÇÃO
DA LEI SALARIAL VIGENTE, ACRESCIDA DO COEFICIENTE DE GANHO REAL DE
SALÁRIO, DEDUZIDOS OS REAJUSTES APLICADOS A TÍTULO DE ANTECIPAÇÃO,
QUANDO FOR O CASO.

ART. 22. FICA ASSEGURADO AO MUTUÁRIO COM CONTRATO


VINCULADO AO PES/CP O DIREITO DE OBTER REAJUSTE DAS PRESTAÇÕES MEN-
SAIS EM CONSONÂNCIA COM O EFETIVO AUMENTO SALARIAL DE SUA CATEGORIA
PROFISSIONAL, DESDE QUE EFETUADA A DEVIDA COMPROVAÇÃO PERANTE O AGEN-
TE FINANCEIRO.

111
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
ART. 23. OS CONTRATOS VINCULADOS AO PES/CP DE
MUTUÁRIOS PERTENCENTES A CATEGORIAS PROFISSIONAIS SEM DATA-BASE DE-
TERMINADA OU QUE EXERCEM ATIVIDADE SEM VÍNCULO EMPREGATÍCIO TERÃO O
MÊS DE MARÇO COMO DATA-BASE.

ART. 24. OS CONTRATOS DE MUTUÁRIOS APOSENTADOS


OU PENSIONISTAS QUE RECEBEM COMPLEMENTAÇÃO SALARIAL DE ENTIDADE FE-
CHADA DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PERMANECERÃO NA CATEGORIA PROFISSIONAL A
QUE ESTAVAM VINCULADOS QUANDO EM ATIVIDADE.

DAS PRESTAÇÕES EM ATRASO

ART. 25. AS CONDIÇÕES PARA NEGOCIAÇÃO DE PAGA-


MENTO DE PRESTAÇÕES EM ATRASO SERÃO ESTABELECIDAS PELOS CREDORES, OB-
SERVADO QUE AS MESMAS NÃO PODERÃO REPRESENTAR QUALQUER ACRÉSCIMO NO
SALDO DE RESPONSABILIDADE DO FCVS.

ART. 26. AS PRESTAÇÕES DE TODOS OS FINANCIAMEN-


TOS NO ÂMBITO DO SFH PAGAS COM ATRASO DEVERÃO SER AJUSTADAS "PRO RATA
DIE" COM BASE NO ÍNDICE DE REMUNERAÇÃO BÁSICA DOS DEPÓSITOS DE POU-
PANÇA, ACRESCIDAS DOS JUROS CONTRATUAIS, DESDE A DATA DO VENCIMENTO
ATÉ A DATA DO EFETIVO PAGAMENTO.

PARÁGRAFO ÚNICO. ALÉM DO AJUSTE REFERIDO NESTE


ARTIGO, PODERÃO SER COBRADOS, CASO NÃO PREVISTO CONTRATUALMENTE, JU-
ROS DE MORA DE 1% (UM POR CENTO) AO MÊS.

DA TRANSFERÊNCIA DE FINANCIAMENTOS

ART. 27. OBSERVADAS AS DISPOSIÇÕES DA LEI Nº


8.004, DE 14.03.90, NA TRANSFERÊNCIA DE IMÓVEIS FINANCIADOS NO ÂMBITO
DO SFH, O AGENTE FINANCEIRO TRANSFERIRÁ O SALDO DEVEDOR AO ADQUIREN-
TE, CONCEDENDO FINANCIAMENTO NAS CONDIÇÕES VIGENTES PARA OPERAÇÕES DA
ESPÉCIE, MEDIANTE CONTRATAÇÃO DE NOVA OPERAÇÃO.

PARÁGRAFO ÚNICO. A TRANSFERÊNCIA DE IMÓVEL FINAN-


CIADO COM BASE NO ART. 2º DA LEI Nº 8.004, DE 14.03.90, EXIGE A ASSI-
NATURA DE NOVO CONTRATO DO AGENTE FINANCEIRO COM O ADQUIRENTE E, CASO
SEJA NOVAMENTE TRANSFERIDO, SUBMETER-SE-Á AO DISPOSTO NO CAPUT DESTE
ARTIGO.

ART. 28. OS IMÓVEIS HABITACIONAIS FINANCIADOS NO


ÂMBITO DO SFH RECEBIDOS EM DAÇÃO EM PAGAMENTO, ADJUDICADOS OU ARREMA-
TADOS PELO AGENTE FINANCEIRO, QUANDO ALIENADOS, PODERÃO SER OBJETO DE
FINANCIAMENTO INTEGRAL AO NOVO MUTUÁRIO, OBSERVADAS AS DEMAIS CONDI-
ÇÕES DO REFERIDO SISTEMA, RECEBENDO TRATAMENTO IDÊNTICO AOS CASOS DE

112
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
TRANSFERÊNCIA ALUDIDOS NO ARTIGO ANTERIOR.

ART. 29. NAS OPERAÇÕES DE QUE TRATAM OS ARTIGOS


27 E 28, AS INSTITUIÇÕES FICAM DISPENSADAS DA OBSERVÂNCIA DAS SEGUIN-
TES EXIGÊNCIAS:

I - LIMITE MÁXIMO DE FINANCIAMENTO, DESDE QUE


NÃO HAJA DESEMBOLSO ADICIONAL DE RECURSOS;

II - LIMITE MÁXIMO DE PREÇO DE VENDA OU VALOR


DE AVALIAÇÃO DO IMÓVEL FINANCIADO;

III - CONTRIBUIÇÃO AO FUNDHAB, PARA OPERAÇÕES COM


OU SEM DESEMBOLSO DE RECURSOS, ENQUADRADAS NA LEI Nº 8.004, DE
14.03.90, E PARA AS DEMAIS TRANSFERÊNCIAS EM QUE NÃO HAJA DESEMBOLSO
ADICIONAL DE RECURSOS;

IV - EXISTÊNCIA DE UM ÚNICO FINANCIAMENTO NO ÂM-


BITO DO SFH, DESDE QUE O(S) IMÓVEL(IS) JÁ POSSUÍDO(S) SE ENCONTRE(M)
EM LOCALIDADE(S) DIFERENTE(S) E QUE O CONTRATO ORIGINAL CONTE COM CO-
BERTURA DO FCVS.

ART. 30. NA TRANSFERÊNCIA DE PARTE IDEAL DO IMÓ-


VEL PARA OS DEMAIS MUTUÁRIOS CO-PROPRIETÁRIOS, SERÁ COBRADA PELO
AGENTE FINANCEIRO SOMENTE A DESPESA INERENTE À FORMALIZAÇÃO DO RES-
PECTIVO CONTRATO E SEU REGISTRO, MANTENDO-SE AS MESMAS CONDIÇÕES CON-
TRATUAIS.

DA LIBERAÇÃO DE RECURSOS

ART. 31. A LIBERAÇÃO DE RECURSOS RELATIVOS A FI-


NANCIAMENTOS CONCEDIDOS SOMENTE PODERÁ SER EFETUADA APÓS A FORMALI-
ZAÇÃO DAS GARANTIAS.

ART. 32. NAS OPERAÇÕES DE FINANCIAMENTO EM QUE A


UNIDADE TRANSACIONADA JÁ ESTIVER HIPOTECADA AO PRÓPRIO AGENTE FINAN-
CEIRO, A LIBERAÇÃO DOS RECURSOS OBEDECERÁ À SEGUINTE ORDEM DE PRIORI-
DADE:

I - LIQUIDAÇÃO DE DÍVIDA RELATIVA AO IMÓVEL OB-


JETO DA OPERAÇÃO;

II - PAGAMENTO DE DÉBITOS VENCIDOS DE RESPONSABI-


LIDADE DO VENDEDOR JUNTO AO AGENTE FINANCEIRO;

III - LIQUIDAÇÃO OU AMORTIZAÇÃO DE DÉBITO NÃO VEN-

113
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
CIDO DE RESPONSABILIDADE DO VENDEDOR JUNTO AO AGENTE FINANCEIRO OU
LIBERAÇÃO DOS RECURSOS EM FAVOR DAQUELE, À OPÇÃO DO VENDEDOR.

ART. 33. DEVERÃO SER ATUALIZADOS COM BASE NOS


ÍNDICES DE REMUNERAÇÃO BÁSICA DOS DEPÓSITOS DE POUPANÇA:

I - OS RECURSOS DEVIDOS AO VENDEDOR DO IMÓVEL,


DA DATA DA ASSINATURA DO CONTRATO DE FINANCIAMENTO ATÉ A DATA DE SUA
EFETIVA LIBERAÇÃO, ACRESCIDOS DOS JUROS CONTRATUALMENTE ESTABELECIDOS
PARA O MUTUÁRIO;

II - AS PARCELAS PARA A CONSTRUÇÃO EM LOTE PRÓ-


PRIO E PARA O PLANO EMPRESÁRIO, DA DATA DE ASSINATURA DO CONTRATO ATÉ
A DATA DA EFETIVA LIBERAÇÃO DE CADA PARCELA.

ART. 34. NOS CASOS EM QUE PARTE DO VALOR DEVIDO


AO VENDEDOR SEJA ORIGINÁRIA DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO
(FGTS), O AGENTE FINANCEIRO EFETUARÁ O CRÉDITO NA DATA EM QUE RECEBER
OS RECURSOS DO GESTOR DO REFERIDO FUNDO, DEVENDO A REMUNERAÇÃO INCI-
DIR A PARTIR DESSA DATA, APLICANDO-SE, PARA TANTO, O CRITÉRIO ESTABE-
LECIDO NO ARTIGO ANTERIOR, OBSERVADO O DISPOSTO NO ART. 31.

DO FINANCIAMENTO PARA A AQUISIÇÃO DE IMÓVEIS NOVOS

ART. 35. O FINANCIAMENTO PARA A AQUISIÇÃO DE


IMÓVEL NOVO A QUE SE REFERE O PARÁGRAFO 1º DO ART. 6º DESTE REGULA-
MENTO FAR-SE-Á MEDIANTE CONCESSÃO DE CRÉDITO AO PRETENDENTE, AO QUAL
CABERÁ A ESCOLHA DO IMÓVEL A SER ADQUIRIDO.

PARÁGRAFO ÚNICO. O CRÉDITO PARA A AQUISIÇÃO DE


IMÓVEL NOVO NÃO PODERÁ SER UTILIZADO EM UNIDADE HABITACIONAL DE EM-
PREENDIMENTO CUJA PRODUÇÃO TENHA SIDO FINANCIADA COM RECURSOS DO
SBPE E AINDA EXISTA SALDO DEVEDOR VINCULADO AO EMPREENDIMENTO.

DO FINANCIAMENTO PARA A CONSTRUÇÃO EM LOTE PRÓPRIO

ART. 36. OS FINANCIAMENTOS PARA A CONSTRUÇÃO EM


LOTE PRÓPRIO, DE INDIVÍDUO OU DE CONDOMÍNIO, TERÃO CARÊNCIA MÁXIMA DE
30 (TRINTA) MESES, ADMITIDA UMA ÚNICA PRORROGACÃO DE ATÉ 6 (SEIS) ME-
SES.

ART. 37. A TAXA DE JUROS NA OPERAÇÃO PARA A


CONSTRUÇÃO EM LOTE PRÓPRIO APLICADA NO PERÍODO DE CARÊNCIA SERÁ A
MESMA DEFINIDA PARA O PERÍODO DE AMORTIZAÇÃO DO FINANCIAMENTO.

ART. 38. A GARANTIA DO FINANCIAMENTO PARA A

114
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
CONSTRUÇÃO EM LOTE PRÓPRIO SERÁ A HIPOTECA, EM PRIMEIRO GRAU, DO TER-
RENO ONDE SE REALIZARÁ A CONSTRUÇÃO E DE TODAS AS BENFEITORIAS NELE
EXISTENTES, ADMITIDA A EXIGÊNCIA DE GARANTIAS ADICIONAIS.

ART. 39. O FINANCIAMENTO PARA A CONSTRUÇÃO DE


CONDOMÍNIOS SOMENTE PODERÁ SER EFETUADO EM TERRENOS DE PROPRIEDADE
DOS FUTUROS CONDÔMINOS, DEVIDAMENTE REGULARIZADO E REGISTRADO NO CAR-
TÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS.

PARÁGRAFO ÚNICO. NO CONDOMÍNIO REFERIDO NESTE


ARTIGO, É VEDADA A PARTICIPAÇÃO DE EMPRESÁRIO COMO INCORPORADOR.

DO PLANO EMPRESÁRIO

ART. 40. OS FINANCIAMENTOS AOS CONSTRUTORES PARA


PRODUÇÃO DE IMÓVEIS TERÃO REMUNERAÇÃO EFETIVA MÁXIMA DE 13% A.A.
(TREZE POR CENTO AO ANO) SE O IMÓVEL EM CONSTRUÇÃO, OU A SER CONS-
TRUÍDO, FOR COMPOSTO DE UNIDADES HABITACIONAIS CUJOS PREÇOS PARA VEN-
DA AO COMPRADOR OU MUTUÁRIO FINAL SE LIMITAREM AO VALOR MÁXIMO DE
AVALIAÇÃO ESTABELECIDO PARA AS OPERAÇÕES NO ÂMBITO DO SFH.

ART. 41. NAS OPERAÇÕES COM EMPRESÁRIOS DA CONS-


TRUÇÃO CIVIL, SERÁ ADMITIDO O FINANCIAMENTO DE ATÉ 100% (CEM POR CEN-
TO) DO CUSTO DIRETO DE CONSTRUÇÃO, DESDE QUE O VALOR DE AVALIAÇÃO POR
UNIDADE HABITACIONAL SEJA IGUAL OU INFERIOR AO VALOR MÁXIMO FINANCIÁ-
VEL NO ÂMBITO DO SFH.

ART. 42. O PRAZO MÁXIMO DE CARÊNCIA PARA A PRO-


DUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO SERÁ DE 30 (TRINTA) MESES, ADMITINDO-SE UMA
ÚNICA PRORROGACÃO DE ATÉ 6 (SEIS) MESES.

PARÁGRAFO ÚNICO. A PARTIR DO VENCIMENTO DA CA-


RÊNCIA E RESPECTIVA PRORROGAÇÃO, CASO CONCEDIDA, O SALDO REMANESCENTE
DA OPERAÇÃO PASSARÁ A SER COMPUTADO COMO OPERAÇÃO PACTUADA A TAXA DE
MERCADO.

ART. 43. A GARANTIA DO FINANCIAMENTO A CONSTRU-


TOR SERÁ A HIPOTECA, EM PRIMEIRO GRAU, DO TERRENO ONDE SE REALIZARÁ O
EMPREENDIMENTO E DE TODAS A BENFEITORIAS QUE NELE FOREM REALIZADAS,
ADMITIDA A EXIGÊNCIA DE GARANTIAS ADICIONAIS.

ART. 44. NO CONTRATO DE FINANCIAMENTO PARA A


CONSTRUÇÃO DEVERÁ SER ESTABELECIDA A PARCELA DA OPERAÇÃO QUE TERÁ A
COMERCIALIZAÇÃO GARANTIDA PELO AGENTE FINANCEIRO.

DOS AGENTES PROMOTORES

115
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
ART. 45. NOS CASOS DE FINANCIAMENTOS REALIZADOS
COM A PARTICIPAÇÃO DE AGENTES PROMOTORES SEM FINALIDADE DE LUCRO, SE-
RÁ ADMITIDO O FINANCIAMENTO, AO MUTUÁRIO FINAL, DE VALOR EQUIVALENTE
A ATÉ 90% (NOVENTA POR CENTO) DO INVESTIMENTO HABITACIONAL.

DOS FINANCIAMENTOS A TAXAS DE MERCADO

ART. 46. OS FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS CONTRA-


TADOS COM RECURSOS DE DEPÓSITOS DE POUPANÇA NÃO ENQUADRÁVEIS COMO
OPERAÇÕES REALIZADAS NO ÂMBITO DO SFH TERÃO:

I - ENCARGOS FINANCEIROS CONVENCIONADOS ENTRE AS


PARTES;

II - CONTRIBUIÇÃO AO FUNDHAB.

PARÁGRAFO ÚNICO. OS FINANCIAMENTOS DE QUE TRATA


ESTE ARTIGO SERÃO DESTINADOS À:

A - AQUISIÇÃO, CONSTRUÇÃO, REFORMA OU AMPLIAÇÃO DE IMÓVEIS HABI-


TACIONAIS, ADMITIDA A GARANTIA DE OUTRO IMÓVEL DO PRÓPRIO
MUTUÁRIO;

B - AQUISIÇÃO, VINCULADA A EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS, DE


EQUIPAMENTOS COMUNITÁRIOS DESTINADOS À INFRA-ESTRUTURA URBA-
NA;

C - PRODUÇÃO DE UNIDADES RESIDENCIAIS PARA COMERCIALIZAÇÃO;

D - PRODUÇÃO DE UNIDADES RESIDENCIAIS PARA LOCAÇÃO;

E - PRODUÇÃO DE UNIDADES RESIDENCIAIS PARA EMPRESAS, COM OU SEM


OPÇÃO FUTURA DE COMPRA PELOS RESPECTIVOS EMPREGADOS.

DAS OPERAÇÕES DE FAIXA LIVRE

ART. 47. CONSIDERAM-SE OPERAÇÕES DE FAIXA LIVRE


PARA OS FINS DO DIRECIONAMENTO DETERMINADO NO ITEM III DO ART. 6º:

I - FINANCIAMENTOS DE IMÓVEIS COMERCIAIS;

II - FINANCIAMENTOS PARA A REFORMA OU AMPLIAÇÃO


DE IMÓVEIS HABITACIONAIS;

III - FINANCIAMENTOS PARA A AQUISIÇÃO DE MATERIAL

116
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
DE CONSTRUÇÃO;

IV - FINANCIAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO A EMPRESAS


PRODUTORAS E DISTRIBUIDORAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO, MEDIANTE CON-
TRATOS DE ABERTURA DE CRÉDITO;

V - FINANCIAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO A EMPRESAS


INCORPORADORAS, MEDIANTE CONTRATOS DE ABERTURA DE CRÉDITO GARANTIDOS
POR CAUÇÃO DE NOTAS PROMISSÓRIAS EMITIDAS POR TERCEIROS A FAVOR DA
FINANCIADA, VINCULADAS A IMÓVEL CONCLUÍDO, INDIVIDUALIZADO, ENTREGUE
AOS ADQUIRENTES E COM DÉBITO HIPOTECÁRIO LIQUIDADO;

VI - AQUISIÇÕES DE TÍTULOS DA DÍVIDA PÚBLICA FE-


DERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL, E DE TÍTULOS DE EMISSÃO DO BANCO CENTRAL
DO BRASIL;

VII - AQUISIÇÕES DE DIREITOS CREDITÓRIOS DE OUTRAS


INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS E DE SOCIEDADES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL,
EXCETO CRÉDITOS RELACIONADOS A OPERAÇÕES COM PESSOAS FÍSICAS;

VIII - ARRENDAMENTO MERCANTIL DE BENS IMÓVEIS, CE-


LEBRADOS COM O PRÓPRIO VENDEDOR DO BEM, OBSERVADO O DISPOSTO NA REGU-
LAMENTAÇÃO PARA OPERAÇÕES DA ESPÉCIE;

IX - REALIZAÇÃO DE DEPÓSITOS INTERFINANCEIROS;

X - EMPRÉSTIMOS GARANTIDOS POR HIPOTECA DE IMÓ-


VEIS; E

XI - AQUISIÇÕES DE LETRAS HIPOTECÁRIAS DE EMISSÃO


DE OUTROS AGENTES FINANCEIROS.

PARÁGRAFO ÚNICO. OS FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS


NÃO CARACTERIZADOS COMO OPERAÇÕES NO ÂMBITO DO SFH E QUE EXCEDEREM OS
LIMITES FIXADOS NO ARTIGO 6º PODERÃO INTEGRAR AS OPERAÇÕES DE FAIXA
LIVRE, DESDE QUE OBSERVADAS AS CONDIÇÕES ESTABELECIDAS PARA OS FINAN-
CIAMENTOS A TAXA DE MERCADO.

ART. 48. NAS OPERAÇÕES DE FINANCIAMENTO CLASSI-


FICADAS NA FAIXA LIVRE, PODERÁ SER UTILIZADO O ÍNDICE DE REMUNERAÇÃO
BÁSICA DOS DEPÓSITOS DE POUPANÇA.

DAS CONDIÇÕES DOS FINANCIAMENTOS

DAS GARANTIAS EXIGIDAS

117
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
ART. 49. OS FINANCIAMENTOS HABITACIONAIS NO ÂM-
BITO DO SFH DE QUE TRATA ESTE REGULAMENTO TERÃO POR GARANTIA, OBRIGA-
TORIAMENTE, A HIPOTECA, EM PRIMEIRO GRAU, DO IMÓVEL OBJETO DA OPERA-
ÇÃO.

ART. 50. OS AGENTES FINANCEIROS DEVEM MANTER AS


CLÁUSULAS DOS CONTRATOS DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL PERMANENTEMENTE
ADAPTADAS ÀS NORMAS VIGENTES, DEVENDO SER EXCLUÍDAS AQUELAS CLÁUSULAS
NÃO APLICÁVEIS AO CONTRATO.

DO ENCAIXE OBRIGATÓRIO

ART. 51. AS EXIGIBILIDADES DE RECOLHIMENTO DO


ENCAIXE OBRIGATÓRIO SOBRE DEPÓSITOS DE POUPANÇA, DE QUE TRATA O ART.
6º, ITEM II, OBSERVARÃO AS DISPOSIÇÕES DE NORMATIVO ESPECÍFICO SOBRE
O ASSUNTO.

DOS RECURSOS NÃO APLICADOS

ART. 52. OS RECURSOS NÃO APLICADOS NA FORMA DO


DISPOSTO NO ART. 6º DESTE REGULAMENTO SERÃO RECOLHIDOS AO BANCO CEN-
TRAL, EM MOEDA CORRENTE, NO DIA 15 (QUINZE) DO MÊS SUBSEQÜENTE AO DA
POSIÇÃO APURADA OU NO DIA ÚTIL IMEDIATAMENTE POSTERIOR, SE O DIA 15
(QUINZE) FOR DIA NÃO ÚTIL, ESTABELECIDO QUE:

I - OS RECURSOS SERÃO REMUNERADOS MENSALMENTE


POR 80% (OITENTA POR CENTO) DO ÍNDICE DE REMUNERAÇÃO BÁSICA DOS DEPÓ-
SITOS DE POUPANÇA;

II - ATÉ O DIA ÚTIL IMEDIATAMENTE ANTERIOR À DATA


FIXADA PARA O RECOLHIMENTO, OS AGENTES DO SBPE INFORMARÃO AO BANCO
CENTRAL DO BRASIL, VIA TRANSAÇÃO PPED500 DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES
BANCO CENTRAL (SISBACEN), O MONTANTE A SER RECOLHIDO.

PARÁGRAFO 1º. NA HIPÓTESE DE NÃO CUMPRIMENTO DO


DISPOSTO NO ITEM II, A INSTITUIÇÃO FINANCEIRA FICARÁ SUJEITA AO PAGA-
MENTO DE MULTA IDÊNTICA À DETERMINADA PARA INCLUSÃO/ALTERAÇÃO DE IN-
FORMAÇÕES REFERENTES AO ENCAIXE OBRIGATÓRIO.

PARÁGRAFO 2º. NA HIPÓTESE DE SER CONSTATADA IN-


SUFICIÊNCIA NO RECOLHIMENTO, A INSTITUIÇÃO FINANCEIRA INCORRERÁ NO
PAGAMENTO DE CUSTOS FINANCEIROS IDÊNTICOS AOS DETERMINADOS PARA AS
DEFICIÊNCIAS REFERENTES AO ENCAIXE OBRIGATÓRIO.

PARÁGRAFO 3º. O RECOLHIMENTO/LIBERAÇÃO DOS RE-


CURSOS E A COBRANÇA DE MULTA/CUSTOS DEVIDOS SERÃO PROCESSADOS VIA

118
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
CONTA "RESERVAS BANCÁRIAS" DO TITULAR/CONVENENTE.

PARÁGRAFO 4º. AS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS QUE


NÃO PODEM SER TITULARES DA CONTA "RESERVAS BANCÁRIAS" DEVEM FIRMAR
CONVÊNIO COM BANCO MÚLTIPLO COM CARTEIRA COMERCIAL, BANCO COMERCIAL
OU CAIXA ECONÔMICA PARA EFEITO DA MOVIMENTAÇÃO DE QUE TRATA O PARÁ-
GRAFO ANTERIOR.

PARÁGRAFO 5º. O CONVÊNIO PREVISTO NO PARÁGRAFO


ANTERIOR NÃO IMPLICA NENHUMA RESPONSABILIDADE POR PARTE DA INSTITUI-
ÇÃO FINANCEIRA DETENTORA DA CONTA "RESERVAS BANCÁRIAS" PERANTE O BAN-
CO CENTRAL, RESSALVADA A HIPÓTESE DE OS LANÇAMENTOS POR ELA TRANSITA-
DOS NÃO SEREM IMPUGNADOS ATÉ O PRIMEIRO DIA ÚTIL SUBSEQÜENTE AO EVEN-
TO.

PARÁGRAFO 6º. OS RECURSOS RECOLHIDOS PELAS INS-


TITUIÇÕES EM INÍCIO DE ATIVIDADE, DURANTE OS PRIMEIROS 6 (SEIS) MESES
DE CAPTAÇÃO, SERÃO REMUNERADOS PELOS MESMOS ÍNDICES DE ATUALIZAÇÃO
DOS DEPÓSITOS DE POUPANÇA LIVRE, ACRESCIDOS DE JUROS DE 7,06% (SETE
INTEIROS E SEIS CENTÉSIMOS POR CENTO) AO ANO.

PARÁGRAFO 7º. O DISPOSTO NO PARÁGRAFO ANTERIOR


NÃO SE APLICA ÀS INSTITUIÇÕES CONSTITUÍDAS POR INTERMÉDIO DE PROCESSO
DE INCORPORAÇÃO, CISÃO OU FUSÃO DE INSTITUIÇÕES AUTORIZADAS A CAPTAR
DEPÓSITOS DE POUPANÇA.

DOS DEMONSTRATIVOS

ART. 53. O BANCO CENTRAL INSTITUIRÁ DEMONSTRATI-


VOS DE REMESSA OBRIGATÓRIA PELAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS, PARA
ACOMPANHAR AS OPERAÇÕES DE QUE TRATA ESTE REGULAMENTO.

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS

ART. 54. NAS OPERAÇÕES NÃO ENQUADRADAS NO ÂMBITO


DO SFH, AS ENTIDADES DO SBPE PODERÃO COBRAR OS ENCARGOS PREVISTOS NA
RESOLUÇÃO Nº 1.129, DE 15.05.86.

ART. 55. O MONTANTE DAS OPERAÇÕES DE FINANCIA-


MENTO IMOBILIÁRIO UTILIZADO NO LASTREAMENTO DOS DEPÓSITOS ESPECIAIS
REMUNERADOS, DE QUE TRATA A CIRCULAR Nº 2.001, DE 06.08.91, DEVERÁ
SER DEDUZIDO DO TOTAL DE FINANCIAMENTOS IMOBILIÁRIOS UTILIZADOS PARA
A SATISFAÇÃO DAS EXIGIBILIDADES DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS CAPTADOS EM
DEPÓSITOS DE POUPANÇA.

ART. 56. OS AGENTES FINANCEIROS PODERÃO CONCLUIR

119
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
AS NEGOCIAÇÕES QUE ESTAVAM SENDO DESENVOLVIDAS COM BASE NA REGULAMEN-
TAÇÃO ANTERIORMENTE VIGENTE, INCLUSIVE COBERTURA DO FCVS, DESDE QUE
VERIFICADA UMA DAS SEGUINTES HIPÓTESES NA DATA DE PUBLICAÇÃO DESTE
REGULAMENTO:

I - PROPOSTA DE FINANCIAMENTO FORMALIZADA JUNTO


AO AGENTE FINANCEIRO;

II - PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE UNIDADES HABI-


TACIONAIS CELEBRADAS POR EMPRESÁRIOS CONSTRUTORES, VINCULADA A EM-
PRÉSTIMO REALIZADO POR INSTITUIÇÃO DO SFH, EM QUE ESTEJA ASSEGURADA
AOS COMPRADORES A OBTENÇÃO DE FINANCIAMENTO DE PARCELAS DO CUSTO DE
AQUISIÇÃO RESPECTIVO;

III - CONTRATOS DE FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO DEVI-


DAMENTE FIRMADOS.

ART. 57. O ATENDIMENTO DA EXIGIBILIDADE DE DI-


RECIONAMENTO DE RECURSOS ESTABELECIDA NO ART. 6º SERÁ DEFINIDO PELO
BANCO CENTRAL DO BRASIL.

ART. 58. A CONSTITUIÇÃO E O FUNCIONAMENTO DAS


COOPERATIVAS HABITACIONAIS NO SFH INDEPENDEM DE AUTORIZAÇÃO DO BANCO
CENTRAL DO BRASIL OU DE QUALQUER ÓRGÃO DO PODER PÚBLICO.

PARÁGRAFO ÚNICO. A ATUAÇÃO DAS COOPERATIVAS Há-


BITACIONAIS ESTÁ ADSTRITA ÀS ATIVIDADES TÍPICAS DE EMPRESÁRIO, NA
CONDIÇÃO DE MUTUÁRIAS.

OBS.: RETRANSMITIDO EM VIRTUDE DE ALTERAÇÃO NO ART. 46 DO REGULAMENTO

RESOLUÇÃO Nº 3157

Dispõe sobre a definição das instituições integrantes do Sistema Financeiro da


Habitação (SFH).

O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei 4.595, de 31 de


dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,
em sessão realizada em 17 de dezembro de 2003, com base no disposto no art. 7º do
Decreto-lei 2.291, de 21 de novembro de 1986,

RESOLVEU:

Art. 1º Alterar o art. 1º do Regulamento anexo à Resolução 1.980, de 30 de abril

120
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
de 1993, que passa a vigorar com a seguinte redação:

"Art. 1º Integram o Sistema Financeiro da Habitação (SFH), na qualidade de agentes


financeiros, os bancos múltiplos com carteira de crédito imobiliário, as caixas
econômicas, as sociedades de crédito imobiliário, as associações de poupança e
empréstimo, as companhias de habitação, as fundações habitacionais, os institutos de
previdência, as companhias hipotecárias, as carteiras hipotecárias dos clubes
militares, as caixas militares, os montepios estaduais e municipais e as entidades de
previdência complementar.

Parágrafo único. Para o caso específico de operações na área de saneamento,


consideram-se integrantes do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), na qualidade
de agentes financeiros, as instituições financeiras não expressamente referidas no
caput. (NR)"

Art. 2º Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 17 de dezembro de 2003.

Henrique de Campos Meirelles

Presidente

RESOLUÇÃO Nº 3.932

Altera e consolida as normas sobre direcionamento dos recursos captados em


depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de
Poupança e Empréstimo (SBPE).

O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro


de 1964, torna público que o Conselho Monetário Nacional, em sessão realizada em
16 de dezembro de 2010, com base nos arts. 7º do Decreto-Lei nº 2.291, de 21 de
novembro de 1986, e 28 da Lei nº 10.150, de 21 de dezembro de 2000,

R E S O L V E U:

Art. 1º Os valores referentes aos créditos imobiliários cedidos a partir de 1º de março


de 2011 pelas instituições integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e
Empréstimo (SBPE) às companhias securitizadoras de créditos imobiliários,
vinculados a certificados de recebíveis imobiliários mediante Termo de
Securitização de Créditos, nos termos da Lei nº 9.514, de 20 de novembro de 1997,
podem permanecer computados para efeito do cumprimento da exigibilidade
estabelecida no art. 1º, inciso I, do regulamento anexo a esta resolução, da seguinte
forma:

121
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - pela sua totalidade, até o primeiro mês subsequente à data de formalização dos
contratos de cessão de créditos;

II - pelo valor de que trata o inciso I do caput, deduzido, cumulativamente, à razão


de 1/36 (um trinta e seis avos) a cada posição mensal a partir do segundo mês
subsequente à data de formalização dos contratos de cessão de créditos.

Parágrafo único. O disposto neste artigo aplica-se aos créditos cedidos até 31 de
dezembro de 2013.

Art. 2º Os certificados de recebíveis imobiliários lastreados nos créditos de que

trata o art. 1º podem ser computados como operações de financiamento imobiliário,


para efeito do cumprimento da exigibilidade estabelecida no art. 1º, inciso I, do
regulamento anexo a esta resolução, a partir do segundo mês subsequente à data de
emissão, por montante equivalente a 1/36 (um trinta e seis avos) do valor do título no
final do primeiro mês subsequente à data de emissão, acrescido à mesma razão a
cada posição mensal, observado o disposto nos arts. 2º, inciso IX, e 9º, inciso I,
alínea "b", do regulamento anexo a esta resolução.

Parágrafo único. Os Termos de Securitização de Créditos relativos aos certificados


de recebíveis imobiliários de que trata o caput devem conter informações que
permitam identificar a instituição cedente dos créditos e a utilização da faculdade
prevista no art. 1º.

Art. 3º As instituições integrantes do SBPE devem manter controles internos que


permitam aferir o cumprimento do disposto nos arts. 1º e 2º desta resolução.

Art. 4º Ficam consolidadas, no regulamento anexo a esta resolução, as normas que


disciplinam o direcionamento dos recursos captados pelas entidades integrantes do
SBPE.

Parágrafo único. Os valores computados na forma do regulamento anexo à


Resolução

nº 3.347, de 8 de fevereiro de 2006, e alterações posteriores, permanecem


computados para fins da verificação do atendimento da exigibilidade estabelecida
em seu art. 1º, inciso I, até o final dos respectivos prazos contratuais.

Art. 5° Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a
partir de 1º de março de 2011.

Art. 6º Ficam revogados: I - os arts. 6º da Resolução nº 3.549, de 27 de março de


2008, 3º a 8º da Resolução nº 3.706, de 27 de março de 2009, 8º da Resolução nº
3.811, de 19 de novembro de 2009, e 3º da Resolução nº 3.841, de 25 de fevereiro de

122
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
2010; e II - as Resoluções ns. 3.347, de 8 de fevereiro de 2006, 3.410, de 27 de
setembro de 2006, e 3.629, de 30 de outubro de 2008.

Brasília, 16 de dezembro de 2010.

Henrique de Campos Meirelles

Presidente

Regulamento anexo à Resolução nº 3.932, de 16 de dezembro de 2010, que


disciplina o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança.

CAPÍTULO I

DO DIRECIONAMENTO DOS RECURSOS

Art. 1º Os recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades

integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) devem ser


aplicados de acordo com os seguintes percentuais:

I - 65% (sessenta e cinco por cento), no mínimo, em operações de financiamento


imobiliário, sendo:

a) 80% (oitenta por cento), no mínimo, do percentual acima em operações de


financiamento habitacional no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação (SFH); e

b) o restante em operações de financiamento imobiliário contratadas a taxas de

mercado;

II - 20% (vinte por cento) em encaixe obrigatório no Banco Central do Brasil; e

III - os recursos remanescentes em disponibilidades financeiras e em outras


operações admitidas nos termos da legislação e da regulamentação em vigor.

§ 1º Os percentuais estabelecidos no inciso I do caput têm como base de cálculo o


menor dos seguintes valores, utilizando-se o critério de dias úteis:

I - a média aritmética dos saldos diários dos depósitos de poupança nos doze meses
antecedentes ao mês de referência; ou

II - a média aritmética dos saldos diários dos depósitos de poupança no mês de


referência.

123
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2º Para as instituições integrantes do SBPE em início de atividade, enquanto não
completados doze meses de captação de depósitos de poupança, a base de cálculo
deve ser apurada dividindo-se o somatório dos saldos diários pelo número de dias
úteis considerados em cada posição.

Art. 2º Para fins da verificação do atendimento da exigibilidade estabelecida no art.


1º, inciso I, são computados como operações de financiamento habitacional no
âmbito do SFH:

I - os financiamentos para a aquisição de imóveis residenciais, novos ou usados,


contratados nas condições do SFH;

II - os financiamentos a pessoas naturais para construção de imóvel residencial,


contratados nas condições do SFH;

III - os empréstimos contratados, nas condições do SFH, para quitação de

financiamentos habitacionais, desde que garantidos pela hipoteca ou alienação


fiduciária dos imóveis que foram adquiridos por meio desses financiamentos;

IV - os financiamentos para a produção de imóveis residenciais com valor médio de


financiamento por unidade produzida igual ou inferior ao limite estabelecido no art.
14, inciso II, observado o disposto no inciso III daquele artigo;

V - o montante dos desembolsos programados para liberação até o final dos


contratos de financiamento para construção e para produção a que se referem os
incisos II e IV, observado o disposto no art. 6º;

VI - os financiamentos para a aquisição de material para a construção ou ampliação


de habitação em lote de propriedade do pretendente ao financiamento ou cuja posse
regularizada seja por este detida, nas condições do SFH;

VII - as cédulas de crédito imobiliário e as cédulas hipotecárias representativas de


operações de financiamento habitacional nas condições do SFH;

VIII - as letras de crédito imobiliário, as letras hipotecárias e os depósitos


interfinanceiros imobiliários, garantidos ou lastreados por operações de
financiamento habitacional no âmbito do SFH;

IX - os certificados de recebíveis imobiliários de emissão de companhias


securitizadoras de créditos imobiliários, com lastro em financiamentos imobiliários,
observado o disposto no art. 5º;

X - os direitos creditórios originados de compromissos ou contratos definitivos de


compra e venda, celebrados com pessoas naturais, de bens imóveis residenciais
novos ou em construção, observado o disposto no art. 14, incisos I a III;
124
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
XI - as cotas de fundos de investimento imobiliário e de fundos de investimento em
direitos creditórios, cujas carteiras sejam constituídas exclusivamente por
financiamentos habitacionais contratados nas condições do SFH ou por direitos
creditórios de que trata o inciso X e, até o limite de 20% (vinte por cento) da carteira,
por títulos públicos federais e outras disponibilidades financeiras, observado o
disposto no art. 5º;

XII - as operações computadas como de faixa especial durante a vigência da


Resolução nº 2.458, de 18 de dezembro de 1997;

XIII - os saldos dos depósitos no Fundo de Apoio à Produção de Habitações para a


População de Baixa Renda (Fahbre);

XIV - os créditos junto ao Fundo de Compensação de Variações Salariais


(FCVS);Resolução nº 3.932, de 16 de dezembro de 2010 5

XV - os créditos correspondentes às dívidas novadas do FCVS, nos termos do art. 10


da Lei nº 10.150, de 2000;

XVI - o valor dos descontos absorvidos pelas instituições financeiras em contratos


com previsão de cobertura de eventuais saldos residuais pelo FCVS, decorrentes do
disposto na Lei nº 10.150, de 2000, ajustado em cada posição pela remuneração
básica dos depósitos de poupança, da seguinte forma:

a) pela sua totalidade, pelo prazo de um ano contado da respectiva absorção;

b) por 50% (cinquenta por cento) de seu montante, pelo prazo de um ano contado do
término do prazo referido na alínea "a";

XVII - o valor dos imóveis recebidos em liquidação de financiamentos habitacionais


firmados no âmbito do SFH, enquanto não alienados, observado o prazo máximo
legalmente estabelecido para a sua alienação;

XVIII - as operações de financiamento para a produção de imóveis no âmbito do


SFH, contratadas ou renegociadas até 30 de junho de 2000, com base no art. 2º da
Resolução nº

2.623, de 29 de julho de 1999;

XIX - os financiamentos para aquisição de material de construção, concedidos, a


partir de 1º de janeiro de 2006, a empresas construtoras e/ou incorporadoras, desde
que os materiais adquiridos sejam efetivamente utilizados para produção de imóveis
residenciais no âmbito do SFH;

125
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
XX - os financiamentos concedidos, a partir de 1º de janeiro de 2005, a pessoas
jurídicas para construção de habitações para seus empregados, desde que nas
condições do SFH;

XXI - os financiamentos a projetos de investimento de concessionárias privadas do


setor de saneamento, para aplicação nas ações previstas no art. 9º-B, § 1º, da
Resolução nº 2.827, de 30 de março de 2001, incluído pela Resolução nº 3.153, de
11 de dezembro de 2003, ealterações posteriores, desde que observado o disposto
nos arts. 7º e 14, inciso III, deste regulamento;

XXII - os financiamentos de estudos técnicos para a estruturação de modelos de


parceria entre o setor público e o setor privado, em saneamento ambiental, de que
trata o art. 9º-E da Resolução nº 2.827, de 2001, incluído pela Resolução nº 3.331, de
28 de novembro de 2005, e alterações posteriores, observado o disposto no art. 7º e
as seguintes condições:

a) taxa de juros máxima equivalente à prevista no art. 14, inciso III;

b) prazo máximo de amortização de até dezoito meses; e

c) prazo máximo de carência de até nove meses;

XXIII - os financiamentos para a reforma de imóveis não residenciais com o


objetivo de adequá-los ao uso residencial, contratados a partir de 1º de abril de 2005;

XXIV - até 35% (trinta e cinco por cento) do valor das cartas de garantia de
aquisição de certificados de recebíveis imobiliários emitidos após 18 de dezembro de
2003, com lastro em direitos creditórios originados de operações de compra e venda
de bens imóveis residenciais ou em financiamentos habitacionais, nesse último caso
desde que concedidos após 18 de dezembro de 2003, observado o disposto nos arts.
5º e 6º;

XXV - os financiamentos de capital de giro, com prazo máximo de sessenta meses,


observado o disposto no art. 8º, concedidos até 31 de dezembro de 2009, destinado a:

a) incorporações imobiliárias submetidas ao regime do patrimônio de afetação, de


que tratam os arts. 31-A a 31-F da Lei nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964, com a
redação dada pela Lei nº 10.931, de 2 de agosto de 2004; ou

b) sociedades constituídas com o propósito específico de administrar riscos,


benefícios, haveres e obrigações decorrentes de atividade exercida com o intuito de
promover e realizar a construção, para alienação total ou parcial, de edificações ou
conjunto de edificações compostas de unidades autônomas;

XXVI - os financiamentos para obras de infraestrutura em loteamentos urbanos,


observado o disposto no art. 7º, destinados a imóveis residenciais concedidos a:
126
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
a) incorporações imobiliárias submetidas ao regime do patrimônio de afetação, de
que tratam os arts. 31-A a 31-F da Lei nº 4.591, de 1964, com a redação dada pela
Lei nº 10.931, de 2004; ou

b) sociedades constituídas com o propósito específico de administrar riscos,


benefícios, haveres e obrigações decorrentes de atividade exercida com o intuito de
promover e realizar a construção, para alienação total ou parcial, de edificações ou
conjunto de edificações compostas de unidades autônomas;

XXVII - os valores a que se refere o art. 1º da Resolução nº 3.841, de 25 de fevereiro


de 2010; e

XXVIII - os valores a que se referem os arts. 1º e 2º desta resolução, referentes a


operações contratadas nas condições do SFH ou lastreadas nessas operações.

§ 1º A contratação dos financiamentos de que trata o inciso VI deve ser efetuada


mediante abertura de crédito ao consumidor final ou ao comerciante, cabendo ao
agente financeiro verificar a efetiva destinação dos recursos correspondentes.

§ 2º As cartas de garantia de que trata o inciso XXIV devem estabelecer:

I - que a aquisição dos certificados de recebíveis imobiliários só será efetivada caso


os referidos certificados tenham sido ofertados em dois pregões ou em duas sessões
de negociação consecutivas em bolsa de valores, em mercado de balcão organizado
ou em sistemas de registro e de liquidação financeira autorizados pelo Banco Central
do Brasil ou pela Comissão de Valores Mobiliários; e

II - preços e datas de exercício dos certificados de recebíveis imobiliários, ressalvado


que o primeiro exercício não poderá ocorrer em prazo inferior a 20% (vinte por
cento) do prazo total do certificado.

§ 3º O percentual de até 35% (trinta e cinco por cento) a que se refere o inciso XXIV
aplica-se, em cada posição, ao preço de exercício estabelecido para a próxima data
de exercício.

§ 4º Os certificados de recebíveis imobiliários com carta de garantia de aquisição


concedida por instituição integrante do SBPE só podem ser computados para fins da
verificação do atendimento da exigibilidade estabelecida no art. 1º, inciso I, até o
limite de 65% (sessenta e cinco por cento) de seu valor de aquisição.

Art. 3º Para fins da verificação do atendimento da exigibilidade estabelecida no art.


1º, inciso I, são computados como operações de financiamento imobiliário a taxas de
mercado:

127
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - os financiamentos para a aquisição, a construção, a reforma ou a ampliação de
imóveis, comerciais ou residenciais, novos, usados ou em construção, a taxas de
mercado;

II - os empréstimos contratados a taxas de mercado para quitação de financiamentos


imobiliários, desde que garantidos pela hipoteca ou alienação fiduciária dos imóveis
que foram adquiridos por meio desses financiamentos;

III - os financiamentos para produção de imóveis comerciais ou residenciais a taxas


de mercado;

IV - o montante dos desembolsos programados para liberação até o final dos


contratos de financiamento para construção e para produção a que se referem os
incisos I e III, observado o disposto no art. 6º;

V - os financiamentos para a aquisição de material para a construção, a reforma ou a


ampliação de imóveis, comerciais ou residenciais, a taxas de mercado;

VI - as cédulas de crédito imobiliário e as cédulas hipotecárias representativas de


operações de financiamento imobiliário pactuadas a taxas de mercado;

VII - as letras de crédito imobiliário, as letras hipotecárias e os depósitos


interfinanceiros imobiliários, garantidos ou lastreados por operações de
financiamento imobiliário pactuadas a taxas de mercado;

VIII - os direitos creditórios originados de compromissos ou contratos definitivos de


compra e venda de bens imóveis, novos ou em construção, pactuados a taxas de
mercado;

IX - as cotas de fundos de investimento imobiliário e de fundos de investimento em


direitos creditórios, cujas carteiras sejam constituídas por financiamentos
imobiliários ou por direitos creditórios vinculados a imóveis e, até o limite de 20%
(vinte por cento) da carteira, por títulos públicos federais e disponibilidades
financeiras, observado o disposto no art. 5º;Resolução nº 3.932, de 16 de dezembro
de 2010 8

X - as debêntures com garantia real vinculadas a operações de financiamento


imobiliário;

XI - as operações de arrendamento mercantil de bens imóveis adquiridos para fins

de uso próprio da entidade arrendatária, observadas as normas aplicáveis às


operações da espécie;

XII - os financiamentos para obras de infraestrutura em loteamentos urbanos;

128
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
XIII - o valor dos imóveis recebidos em liquidação de financiamentos pactuados a
taxas de mercado, enquanto não alienados, observado o prazo máximo legalmente
estabelecido para a sua alienação;

XIV - as operações de financiamento para a produção de imóveis a taxas de


mercado, contratadas ou renegociadas até 30 de junho de 2000, com base no art. 2º
da Resolução nº 2.623, de 1999; e

XV - os valores a que se referem os arts. 1º e 2º desta resolução, relativos a


operações contratadas a taxas de mercado ou lastreadas nessas operações.

Art. 4º Os depósitos interfinanceiros imobiliários a que se referem os arts. 2º, inciso


VIII, e 3º, inciso VII, devem observar a regulamentação em vigor para os depósitos
interfinanceiros.

CAPÍTULO II

DOS LIMITES

Art. 5º O valor total dos certificados de recebíveis imobiliários, das cotas de fundos
de investimento imobiliário e de fundos de investimento em direitos creditórios e dos
recursos correspondentes ao percentual de até 35% (trinta e cinco por cento) das
cartas de garantia de aquisição de certificados de recebíveis imobiliários,
computados para fins da verificação do atendimento da exigibilidade estabelecida no
art. 1º, inciso I, não pode exceder

50% (cinquenta por cento) do limite previsto na alínea "a" daquele inciso.

Art. 6º Os recursos correspondentes ao montante de desembolsos de que tratam os


arts. 2º, inciso V, e 3º, inciso IV, e os referentes ao percentual de até 35% (trinta e
cinco por cento) das cartas de garantia de aquisição de certificados de recebíveis
imobiliários de que trata o art. 2º, inciso XXIV, devem estar representados por
títulos públicos federais pertencentes à

carteira própria da instituição, os quais permanecerão indisponíveis mediante


registro em conta específica no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia
(Selic), enquanto computados para fins de atendimento da exigibilidade.

Parágrafo único. Os títulos públicos federais de que trata este artigo devem ser:

I - de emissão do Tesouro Nacional ou do Banco Central do Brasil;

II - registrados no Selic;

III - considerados pelos respectivos preços unitários aceitos pelo Departamento de


Operações do Mercado Aberto (Demab) do Banco Central do Brasil em operações

129
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
compromissadas.

Art. 7º O valor total das operações de que trata o art. 2º, incisos XXI, XXII e XXVI,
não pode exceder 5% (cinco por cento) do limite previsto no art. 1º, inciso I, alínea
"a".

Art. 8º O valor total das operações de que trata o art. 2º, inciso XXV, não pode
exceder 5% (cinco por cento) do valor apurado na forma do art. 1º, § 1º.

CAPÍTULO III

DOS AJUSTES

Art. 9º Para fins da verificação do atendimento da exigibilidade estabelecida no art.


1º, inciso I:

I - são computados:

a) os financiamentos imobiliários, as cédulas de crédito imobiliário e as cédulas


hipotecárias, pelo saldo devedor bruto atualizado, inclusive os créditos em execução
ou em litígio, enquanto não concluídos os respectivos processos de execução judicial
ou extrajudicial, observadas as mesmas regras de apuração de seus valores para
contabilização no Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional
(Cosif), sem dedução dos valores provisionados, nem acréscimo de parcelas a
liberar;

b) as demais operações consideradas como financiamento imobiliário na forma

dos arts. 2º e 3º, pela média aritmética dos saldos diários mantidos em carteira no
mês informado, utilizando-se o critério de dias úteis e as mesmas regras de apuração
de seus valores para contabilização no Cosif;

II - são deduzidos, das operações computadas na forma dos arts. 2º e 3º, os seguintes
saldos credores:

a) das operações de repasses e refinanciamentos, inclusive as realizadas com


recursos de fundos e programas sociais;

b) dos depósitos interfinanceiros imobiliários captados e das letras hipotecárias e


letras de crédito imobiliário emitidas com lastro em financiamentos imobiliários.

Parágrafo único. Os financiamentos imobiliários, as cédulas de crédito imobiliário e


as cédulas hipotecárias adquiridos de terceiros são computados, no mês de sua
aquisição, na forma do inciso I, alínea "b", do caput. Resolução nº 3.932, de 16 de
dezembro de 2010 10

130
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 10. As instituições integrantes do SBPE podem aplicar, para efeito de
verificação do atendimento da exigibilidade estabelecida no art. 1º, inciso I, os
seguintes fatores de multiplicação aos saldos dos financiamentos concedidos para a
aquisição de imóvel residencial novo:

I - 1,5 (um inteiro e cinco décimos) para os financiamentos concedidos entre 30 de


julho de 1999 e 30 de julho de 2002, inclusive, para aquisição de imóveis cujo valor
de avaliação ou de negociação, o que for maior, não ultrapasse:

a) R$70.000,00 (setenta mil reais), no caso de imóvel situado no Município do Rio


de Janeiro ou no Município de São Paulo;

b) R$50.000,00 (cinquenta mil reais), no caso de imóvel situado nas demais


localidades do território nacional;

II - 1,5 (um inteiro e cinco décimos), para os financiamentos concedidos entre 31 de


julho de 2002 e 31 de dezembro de 2004, inclusive, para aquisição de imóveis cujo
valor de avaliação ou de negociação, o que for maior, não ultrapasse:

a) R$100.000,00 (cem mil reais), no caso de imóvel situado no Município do Rio de


Janeiro ou no Município de São Paulo;

b) R$80.000,00 (oitenta mil reais), no caso de imóvel situado nas demais localidades
do território nacional.

Art. 11. As instituições integrantes do SBPE podem aplicar, para efeito da


verificação do atendimento da exigibilidade estabelecida no art. 1º, inciso I, fator de
multiplicação aos saldos dos financiamentos mencionados no § 1º deste artigo, valor
de avaliação ou de negociação, o que for maior, do imóvel objeto do iésimo contrato
de financiamento para aquisição ou construção, ou valor médio de avaliação ou de
negociação, o que for maior, das unidades residenciais do empreendimento objeto do
i-ésimo contrato de financiamento para produção.

§ 1º O fator de multiplicação de que trata este artigo poderá ser aplicado aos saldos
dos seguintes financiamentos, concedidos no âmbito do SFH:

I - a partir de 1º de janeiro de 2005, para a aquisição de imóvel residencial novo;

II - a partir de 1º de abril de 2005, para a aquisição de imóvel residencial novo e


usado;

III - a partir de 1º de janeiro de 2006, para a aquisição de imóvel residencial novo e


usado e para a construção e produção de imóveis residenciais, desde que adotado o
instituto do patrimônio de afetação de que tratam os arts. 31-A a 31-F da Lei nº
4.591, de 1964, com a redação dada pela Lei nº 10.931, de 2004; e

131
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
IV - a partir de 1º de março de 2010, além das operações mencionadas nos incisos

I a III, ao novo valor de financiamento do mutuário apurado na renegociação


prevista na Lei nº 11.922, de 13 de abril de 2009, desde que o valor de avaliação do
imóvel, apurado na forma do

art. 6º da Lei nº 11.922, de 2009, não ultrapasse R$150.000,00 (cento e cinquenta


mil reais), conforme o disposto no art. 2º, inciso II, da Resolução nº 3.841, de 2010.

§ 2º A cada ponto percentual de redução no custo efetivo máximo para o mutuário


final previsto no art. 14, inciso III, o fator de multiplicação de que trata este artigo
poderá ser acrescido do valor calculado com base na seguinte fórmula:

valor de avaliação ou de negociação, o que for maior, do imóvel objeto do inésimo


contrato de financiamento para aquisição ou construção, ou valor médio de avaliação
ou de negociação, o que for maior, das unidades residenciais do empreendimento
objeto do inésimo contrato de financiamento para produção.

§ 3º O adicional previsto no § 2º não pode exceder 0,6 (seis décimos) por ponto
percentual de redução no custo efetivo máximo para o mutuário final.

§ 4º O disposto neste artigo não se aplica aos imóveis cujo valor de avaliação ou de
negociação, o que for maior, ultrapasse R$150.000,00 (cento e cinquenta mil reais).

§ 5º Na hipótese de cobrança da tarifa mencionada no art. 14, § 1º, inciso II, o valor
resultante da soma do fator de multiplicação Mi e do adicional Ai fica reduzido em
0,3 (três décimos).

Art. 12. As instituições integrantes do SBPE podem aplicar, para efeito da


verificação do atendimento da exigibilidade estabelecida no art. 1º, inciso I, o fator
de multiplicação 1,2 (um inteiro e dois décimos) aos certificados de recebíveis
imobiliários com lastro em financiamentos habitacionais.

§ 1º Excluem-se do disposto neste artigo os certificados de recebíveis imobiliários


lastreados em financiamentos originados pela própria instituição adquirente do
certificado ou por outra instituição do mesmo conglomerado.

§ 2º O acréscimo decorrente da eventual aplicação do fator de multiplicação de que


trata este artigo está limitado a 5% (cinco por cento) do limite previsto no art. 1º,
inciso I, alínea "a".

Art. 13. As instituições integrantes do SBPE podem aplicar, para efeito de

verificação do atendimento da exigibilidade estabelecida no art. 1º, inciso I, o fator


de multiplicação 1,5 (um inteiro e cinco décimos) ao valor das cotas de fundos de
investimento imobiliário e de fundos de investimento em direitos creditórios
132
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
estruturados no âmbito do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de
Interesse Social (PIPS), desde que com o objetivo de criar e implementar núcleos
habitacionais providos de serviços públicos básicos, comércio e serviços, na forma
do art. 5º, inciso I, da Lei nº 10.735, de 11 de setembro de 2003, observado o limite
estabelecido no art. 5º deste regulamento.

CAPÍTULO IV

DAS CONDIÇÕES DAS OPERAÇÕES

Art. 14. Além das demais condições estabelecidas na legislação em vigor, as

operações no âmbito do SFH devem observar o seguinte:

I - valor unitário dos financiamentos, compreendendo principal e despesas

acessórias, não superior a 80% (oitenta por cento) do valor de avaliação do


imóvel; (Redação dada pela Resolução nº 4.271, de 30/9/2013.)

II - limite máximo do valor de avaliação do imóvel financiado de R$650.000,00


(seiscentos e cinquenta mil reais); (Redação dada pela Resolução nº 4.271, de
30/9/2013.)

III - custo efetivo máximo para o mutuário final, compreendendo juros,


comissões e outros encargos financeiros, exceto os referidos no § 1º deste artigo,
de 12% a.a. (doze por cento ao ano);

IV - previsão contratual de que eventual saldo devedor, ao final do prazo


ajustado, será de responsabilidade do mutuário, podendo o prazo do
financiamento ser prorrogado por período de até 50% (cinquenta por cento)
daquele inicialmente pactuado.

§ 1º Não estão incluídos no custo efetivo máximo para o mutuário final a que se

refere o inciso III do caput:

I - os custos de contratação de apólice de seguros de morte e invalidez

permanente, danos físicos ao imóvel e, quando for o caso, responsabilidade civil do


construtor, observado o disposto no art. 79 da Lei nº 11.977, de 7 de julho de 2009,
com a redação dada pela Medida Provisória nº 514, de 1º de dezembro de
2010;Resolução nº 3.932, de 16 de dezembro de 2010 13

II - o valor de tarifa mensal eventualmente cobrada do mutuário de contrato de


financiamento imobiliário com o objetivo de ressarcir custos de administração desse
contrato, limitado a R$25,00 (vinte e cinco reais) por contrato;

133
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III - o percentual de que trata o art. 18-A, parágrafo único, da Lei nº 8.177, de 1º de
março de 1991, incluído pela Lei nº 11.434, de 28 de dezembro de 2006, para
contratos sem cláusula de atualização pela remuneração básica dos depósitos de
poupança;

IV - o valor da tarifa eventualmente cobrada do mutuário de contrato de


financiamento imobiliário ou do pretendente ao financiamento habitacional, com o
objetivo de ressarcir custos relativos à análise de proposta de apólice de seguro
habitacional individual, limitado a R$100,00 (cem reais).

§ 2º As demais tarifas e despesas cobradas do mutuário, inclusive para avaliação do


imóvel financiado ou dado em garantia, estão incluídas no custo efetivo máximo a
que se refere o inciso III do caput.

§ 3º No caso de imóveis residenciais novos cuja aquisição tenha sido contratada pelo
pretendente durante a fase de produção, o enquadramento das operações de
financiamento habitacional nos limites previstos nos incisos I e II do caput, deve
levar em consideração a situação vigente no ato da contratação ou, se for o caso, por
ocasião de ulterior alteração do projeto de construção.

§ 4º Os custos cartorários incorridos pelo mutuário em decorrência da concessão de


financiamento para a aquisição de imóvel residencial novo ou usado, bem como
aqueles relativos ao pagamento do Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis
"Inter Vivos" (ITBI), podem ser acrescidos ao valor do financiamento.

§ 5º Na hipótese de que trata o § 4º, o valor do financiamento pode superar o limite


de que trata o inciso I do caput, desde que até o montante acrescido.

§ 6º O valor unitário dos financiamentos contratados com a utilização do Sistema

de Amortizações Constantes (SAC), compreendendo principal e despesas acessórias,


poderá ser de até 90% (noventa por cento) do valor de avaliação do imóvel. (Incluído
pela Resolução nº 4.271, de 30/9/2013.)

§ 7º O limite máximo do valor de avaliação dos imóveis financiados nos Estados


de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo e no Distrito Federal é de
R$750.000,00 (setecentos e cinquenta mil reais). (Incluído pela Resolução nº
4.271, de 30/9/2013.)

Art. 15. Os financiamentos imobiliários de que trata este regulamento, inclusive as


operações assim consideradas para fins da verificação do atendimento da
exigibilidade estabelecida no art. 1º, inciso I, discriminadas nos arts. 2º e 3º, devem
ter por garantia:

I - a hipoteca, em primeiro grau, do imóvel objeto da operação;

134
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
II - a alienação fiduciária do imóvel objeto da operação, nos termos da Lei nº 9.514,
de 20 de novembro de 1997;

III - a hipoteca, em primeiro grau, ou a alienação fiduciária, nos termos da Lei nº


9.514, de 1997, de outro imóvel do mutuário ou de imóvel de terceiros; ou

IV - outras garantias, a critério do agente financeiro.

Parágrafo único. Admite-se a substituição da garantia de que trata este artigo.

Art. 16. Nas operações não enquadradas no âmbito do SFH, as entidades do SBPE
podem cobrar de seus devedores, por dia de atraso no pagamento ou na liquidação de
seus débitos, os encargos previstos na Resolução nº 1.129, de 15 de maio de 1986.

CAPÍTULO V

DO ENCAIXE OBRIGATÓRIO

Art. 17. As exigibilidades de recolhimento do encaixe obrigatório sobre depósitos de


poupança, de que trata o art. 1º, inciso II, devem observar as disposições específicas
sobre o assunto, editadas pelo Banco Central do Brasil.

CAPÍTULO VI

DOS RECURSOS NÃO APLICADOS

Art. 18. Os recursos não aplicados na forma do disposto no art. 1º, inciso I, devem
ser recolhidos ao Banco Central do Brasil, na forma por ele determinada, em moeda
corrente, no dia quinze do mês subsequente ao da posição apurada ou no dia útil
imediatamente posterior, se o dia quinze for dia não útil, permanecendo
indisponíveis até o dia quinze do mês subsequente ao do recolhimento ou até o dia
útil imediatamente posterior, se o dia quinze for dia não útil.

§ 1º O saldo recolhido em cada apuração mensal será:

I - calculado pela diferença entre o percentual estabelecido no art. 1º, inciso I, e a


média aritmética dos percentuais de aplicação efetiva verificados nos últimos doze
meses anteriores ao mês de referência ou o percentual de aplicação efetiva verificado
no mês de referência, o que for maior, calculados em relação às respectivas bases de
cálculo de que trata o art. 1º, § 1º; e

II - atualizado mensalmente por 80% (oitenta por cento) do rendimento dos


depósitos de poupança.

135
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2º Na hipótese de ser constatada insuficiência no recolhimento, a instituição
financeira incorrerá no pagamento de custos financeiros idênticos aos determinados
para as deficiências referentes ao encaixe obrigatório.

CAPÍTULO VII Resolução nº 3.932, de 16 de dezembro de 2010 15

DOS DEMONSTRATIVOS

Art. 19. O Banco Central do Brasil instituirá documento, de remessa obrigatória


pelas instituições financeiras, para acompanhar as operações de que trata este
regulamento. Parágrafo único. As informações encaminhadas ao Banco Central do
Brasil devem, anualmente, ser objeto de asseguração realizada por auditoria
independente.

CAPÍTULO VIII

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 20. O direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas


instituições integrantes do SBPE pode ser comprovado de forma consolidada,
utilizando-se para esse fim o conceito de conglomerado financeiro adotado pelo
Cosif.

§ 1º A opção pela comprovação de forma consolidada nos termos do caput deste


artigo deve ser comunicada ao Banco Central do Brasil, após a realização de
assembleia geral de cada uma das instituições integrantes do conglomerado
financeiro, na forma do disposto no art.

§ 2º O disposto no § 1º não se aplica às instituições sujeitas à elaboração de


demonstrações financeiras consolidadas nos termos do art. 3º da Resolução nº 2.723,
de 31 de maio de 2000, com a redação dada pela Resolução nº 2.743, de 28 de junho
de 2000, sem prejuízo da obrigatoriedade de prévia comunicação ao Banco Central
do Brasil da opção pela comprovação de forma consolidada de que trata o caput.

Art. 21. Para as instituições integrantes do SBPE em início de atividade, não se


aplica o limite de que trata o art. 5º durante os seis primeiros meses de captação de
depósitos de poupança.

Lei 10.406/2002
Código Civil – Somente artigos que caem na prova:
CAPÍTULO XVIII
DA FIANÇA

136
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Seção I
Disposições Gerais

Art. 818. Pelo contrato de fiança, uma pessoa garante satisfazer ao credor uma
obrigação assumida pelo devedor, caso este não a cumpra.

Art. 819. A fiança dar-se-á por escrito, e não admite interpretação extensiva.

Art. 820. Pode-se estipular a fiança, ainda que sem consentimento do devedor ou
contra a sua vontade.

Art. 821. As dívidas futuras podem ser objeto de fiança; mas o fiador, neste caso,
não será demandado senão depois que se fizer certa e líquida a obrigação do
principal devedor.

Art. 822. Não sendo limitada, a fiança compreenderá todos os acessórios da


dívida principal, inclusive as despesas judiciais, desde a citação do fiador.

Art. 823. A fiança pode ser de valor inferior ao da obrigação principal e contraída
em condições menos onerosas, e, quando exceder o valor da dívida, ou for mais
onerosa que ela, não valerá senão até ao limite da obrigação afiançada.

Art. 824. As obrigações nulas não são suscetíveis de fiança, exceto se a nulidade
resultar apenas de incapacidade pessoal do devedor.

Parágrafo único. A exceção estabelecida neste artigo não abrange o caso de


mútuo feito a menor.

Art. 825. Quando alguém houver de oferecer fiador, o credor não pode ser
obrigado a aceitá-lo se não for pessoa idônea, domiciliada no município onde tenha
de prestar a fiança, e não possua bens suficientes para cumprir a obrigação.

Art. 826. Se o fiador se tornar insolvente ou incapaz, poderá o credor exigir que
seja substituído.

Seção II
Dos Efeitos da Fiança

Art. 827. O fiador demandado pelo pagamento da dívida tem direito a exigir, até a
contestação da lide, que sejam primeiro executados os bens do devedor.

Parágrafo único. O fiador que alegar o benefício de ordem, a que se refere este
artigo, deve nomear bens do devedor, sitos no mesmo município, livres e
desembargados, quantos bastem para solver o débito.

Art. 828. Não aproveita este benefício ao fiador:

I - se ele o renunciou expressamente;

II - se se obrigou como principal pagador, ou devedor solidário;

137
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III - se o devedor for insolvente, ou falido.

Art. 829. A fiança conjuntamente prestada a um só débito por mais de uma


pessoa importa o compromisso de solidariedade entre elas, se declaradamente não
se reservarem o benefício de divisão.

Parágrafo único. Estipulado este benefício, cada fiador responde unicamente pela
parte que, em proporção, lhe couber no pagamento.

Art. 830. Cada fiador pode fixar no contrato a parte da dívida que toma sob sua
responsabilidade, caso em que não será por mais obrigado.

Art. 831. O fiador que pagar integralmente a dívida fica sub-rogado nos direitos
do credor; mas só poderá demandar a cada um dos outros fiadores pela respectiva
quota.

Parágrafo único. A parte do fiador insolvente distribuir-se-á pelos outros.

Art. 832. O devedor responde também perante o fiador por todas as perdas e
danos que este pagar, e pelos que sofrer em razão da fiança.

Art. 833. O fiador tem direito aos juros do desembolso pela taxa estipulada na
obrigação principal, e, não havendo taxa convencionada, aos juros legais da mora.

Art. 834. Quando o credor, sem justa causa, demorar a execução iniciada contra
o devedor, poderá o fiador promover-lhe o andamento.

Art. 835. O fiador poderá exonerar-se da fiança que tiver assinado sem limitação
de tempo, sempre que lhe convier, ficando obrigado por todos os efeitos da fiança,
durante sessenta dias após a notificação do credor.

Art. 836. A obrigação do fiador passa aos herdeiros; mas a responsabilidade da


fiança se limita ao tempo decorrido até a morte do fiador, e não pode ultrapassar as
forças da herança.

Seção III
Da Extinção da Fiança

Art. 837. O fiador pode opor ao credor as exceções que lhe forem pessoais, e as
extintivas da obrigação que competem ao devedor principal, se não provierem
simplesmente de incapacidade pessoal, salvo o caso do mútuo feito a pessoa menor.

Art. 838. O fiador, ainda que solidário, ficará desobrigado:

I - se, sem consentimento seu, o credor conceder moratória ao devedor;

II - se, por fato do credor, for impossível a sub-rogação nos seus direitos e
preferências;

138
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III - se o credor, em pagamento da dívida, aceitar amigavelmente do devedor
objeto diverso do que este era obrigado a lhe dar, ainda que depois venha a perdê-lo
por evicção.

Art. 839. Se for invocado o benefício da excussão e o devedor, retardando-se a


execução, cair em insolvência, ficará exonerado o fiador que o invocou, se provar que
os bens por ele indicados eram, ao tempo da penhora, suficientes para a solução da
dívida afiançada.

CAPÍTULO III
Dos Deveres do Usufrutuário

Art. 1.400. O usufrutuário, antes de assumir o usufruto, inventariará, à sua custa,


os bens que receber, determinando o estado em que se acham, e dará caução,
fidejussória ou real, se lha exigir o dono, de velar-lhes pela conservação, e entregá-
los findo o usufruto.

Parágrafo único. Não é obrigado à caução o doador que se reservar o usufruto da


coisa doada.

Art. 1.401. O usufrutuário que não quiser ou não puder dar caução suficiente
perderá o direito de administrar o usufruto; e, neste caso, os bens serão
administrados pelo proprietário, que ficará obrigado, mediante caução, a entregar ao
usufrutuário o rendimento deles, deduzidas as despesas de administração, entre as
quais se incluirá a quantia fixada pelo juiz como remuneração do administrador.

Art. 1.402. O usufrutuário não é obrigado a pagar as deteriorações resultantes do


exercício regular do usufruto.

Art. 1.403 Incumbem ao usufrutuário:

I - as despesas ordinárias de conservação dos bens no estado em que os


recebeu;

II - as prestações e os tributos devidos pela posse ou rendimento da coisa


usufruída.

Art. 1.404. Incumbem ao dono as reparações extraordinárias e as que não forem


de custo módico; mas o usufrutuário lhe pagará os juros do capital despendido com
as que forem necessárias à conservação, ou aumentarem o rendimento da coisa
usufruída.

§ 1o Não se consideram módicas as despesas superiores a dois terços do líquido


rendimento em um ano.

§ 2o Se o dono não fizer as reparações a que está obrigado, e que são


indispensáveis à conservação da coisa, o usufrutuário pode realizá-las, cobrando
daquele a importância despendida.

139
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 1.405. Se o usufruto recair num patrimônio, ou parte deste, será o
usufrutuário obrigado aos juros da dívida que onerar o patrimônio ou a parte dele.

Art. 1.406. O usufrutuário é obrigado a dar ciência ao dono de qualquer lesão


produzida contra a posse da coisa, ou os direitos deste.

Art. 1.407. Se a coisa estiver segurada, incumbe ao usufrutuário pagar, durante o


usufruto, as contribuições do seguro.

§ 1o Se o usufrutuário fizer o seguro, ao proprietário caberá o direito dele


resultante contra o segurador.

§ 2o Em qualquer hipótese, o direito do usufrutuário fica sub-rogado no valor da


indenização do seguro.

Art. 1.408. Se um edifício sujeito a usufruto for destruído sem culpa do


proprietário, não será este obrigado a reconstruí-lo, nem o usufruto se restabelecerá,
se o proprietário reconstruir à sua custa o prédio; mas se a indenização do seguro for
aplicada à reconstrução do prédio, restabelecer-se-á o usufruto.

Art. 1.409. Também fica sub-rogada no ônus do usufruto, em lugar do prédio, a


indenização paga, se ele for desapropriado, ou a importância do dano, ressarcido pelo
terceiro responsável no caso de danificação ou perda.

CAPÍTULO IV
Da Extinção do Usufruto

Art. 1.410. O usufruto extingue-se, cancelando-se o registro no Cartório de


Registro de Imóveis:

I - pela renúncia ou morte do usufrutuário;

II - pelo termo de sua duração;

III - pela extinção da pessoa jurídica, em favor de quem o usufruto foi constituído,
ou, se ela perdurar, pelo decurso de trinta anos da data em que se começou a
exercer;

IV - pela cessação do motivo de que se origina;

V - pela destruição da coisa, guardadas as disposições dos arts. 1.407, 1.408, 2ª


parte, e 1.409;

VI - pela consolidação;

VII - por culpa do usufrutuário, quando aliena, deteriora, ou deixa arruinar os


bens, não lhes acudindo com os reparos de conservação, ou quando, no usufruto de
títulos de crédito, não dá às importâncias recebidas a aplicação prevista no parágrafo
único do art. 1.395;

140
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
VIII - Pelo não uso, ou não fruição, da coisa em que o usufruto recai (arts. 1.390 e
1.399).

Art. 1.411. Constituído o usufruto em favor de duas ou mais pessoas, extinguir-


se-á a parte em relação a cada uma das que falecerem, salvo se, por estipulação
expressa, o quinhão desses couber ao sobrevivente.

TÍTULO VII
Do Uso

Art. 1.412. O usuário usará da coisa e perceberá os seus frutos, quanto o


exigirem as necessidades suas e de sua família.

§ 1o Avaliar-se-ão as necessidades pessoais do usuário conforme a sua condição


social e o lugar onde viver.

§ 2o As necessidades da família do usuário compreendem as de seu cônjuge,


dos filhos solteiros e das pessoas de seu serviço doméstico.

Art. 1.413. São aplicáveis ao uso, no que não for contrário à sua natureza, as
disposições relativas ao usufruto.

TÍTULO VIII
Da Habitação

Art. 1.414. Quando o uso consistir no direito de habitar gratuitamente casa alheia,
o titular deste direito não a pode alugar, nem emprestar, mas simplesmente ocupá-la
com sua família.

Art. 1.415. Se o direito real de habitação for conferido a mais de uma pessoa,
qualquer delas que sozinha habite a casa não terá de pagar aluguel à outra, ou às
outras, mas não as pode inibir de exercerem, querendo, o direito, que também lhes
compete, de habitá-la.

Art. 1.416. São aplicáveis à habitação, no que não for contrário à sua natureza,
as disposições relativas ao usufruto.

TÍTULO IX
Do Direito do Promitente Comprador

Art. 1.417. Mediante promessa de compra e venda, em que se não pactuou


arrependimento, celebrada por instrumento público ou particular, e registrada no
Cartório de Registro de Imóveis, adquire o promitente comprador direito real à
aquisição do imóvel.

Art. 1.418. O promitente comprador, titular de direito real, pode exigir do


promitente vendedor, ou de terceiros, a quem os direitos deste forem cedidos, a
outorga da escritura definitiva de compra e venda, conforme o disposto no
instrumento preliminar; e, se houver recusa, requerer ao juiz a adjudicação do imóvel.

141
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
TÍTULO X
Do Penhor, da Hipoteca e da Anticrese

CAPÍTULO I
Disposições Gerais

Art. 1.419. Nas dívidas garantidas por penhor, anticrese ou hipoteca, o bem dado
em garantia fica sujeito, por vínculo real, ao cumprimento da obrigação.

Art. 1.420. Só aquele que pode alienar poderá empenhar, hipotecar ou dar em
anticrese; só os bens que se podem alienar poderão ser dados em penhor, anticrese
ou hipoteca.

§ 1o A propriedade superveniente torna eficaz, desde o registro, as garantias


reais estabelecidas por quem não era dono.

§ 2o A coisa comum a dois ou mais proprietários não pode ser dada em garantia
real, na sua totalidade, sem o consentimento de todos; mas cada um pode
individualmente dar em garantia real a parte que tiver.

Art. 1.421. O pagamento de uma ou mais prestações da dívida não importa


exoneração correspondente da garantia, ainda que esta compreenda vários bens,
salvo disposição expressa no título ou na quitação.

Art. 1.422. O credor hipotecário e o pignoratício têm o direito de excutir a coisa


hipotecada ou empenhada, e preferir, no pagamento, a outros credores, observada,
quanto à hipoteca, a prioridade no registro.

Parágrafo único. Excetuam-se da regra estabelecida neste artigo as dívidas que,


em virtude de outras leis, devam ser pagas precipuamente a quaisquer outros
créditos.

Art. 1.423. O credor anticrético tem direito a reter em seu poder o bem, enquanto
a dívida não for paga; extingue-se esse direito decorridos quinze anos da data de sua
constituição.

Art. 1.424. Os contratos de penhor, anticrese ou hipoteca declararão, sob pena


de não terem eficácia:

I - o valor do crédito, sua estimação, ou valor máximo;

II - o prazo fixado para pagamento;

III - a taxa dos juros, se houver;

IV - o bem dado em garantia com as suas especificações.

Art. 1.425. A dívida considera-se vencida:

142
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - se, deteriorando-se, ou depreciando-se o bem dado em segurança, desfalcar a
garantia, e o devedor, intimado, não a reforçar ou substituir;

II - se o devedor cair em insolvência ou falir;

III - se as prestações não forem pontualmente pagas, toda vez que deste modo
se achar estipulado o pagamento. Neste caso, o recebimento posterior da prestação
atrasada importa renúncia do credor ao seu direito de execução imediata;

IV - se perecer o bem dado em garantia, e não for substituído;

V - se se desapropriar o bem dado em garantia, hipótese na qual se depositará a


parte do preço que for necessária para o pagamento integral do credor.

§ 1o Nos casos de perecimento da coisa dada em garantia, esta se sub-rogará na


indenização do seguro, ou no ressarcimento do dano, em benefício do credor, a quem
assistirá sobre ela preferência até seu completo reembolso.

§ 2o Nos casos dos incisos IV e V, só se vencerá a hipoteca antes do prazo


estipulado, se o perecimento, ou a desapropriação recair sobre o bem dado em
garantia, e esta não abranger outras; subsistindo, no caso contrário, a dívida
reduzida, com a respectiva garantia sobre os demais bens, não desapropriados ou
destruídos.

Art. 1.426. Nas hipóteses do artigo anterior, de vencimento antecipado da dívida,


não se compreendem os juros correspondentes ao tempo ainda não decorrido.

Art. 1.427. Salvo cláusula expressa, o terceiro que presta garantia real por dívida
alheia não fica obrigado a substituí-la, ou reforçá-la, quando, sem culpa sua, se perca,
deteriore, ou desvalorize.

Art. 1.428. É nula a cláusula que autoriza o credor pignoratício, anticrético ou


hipotecário a ficar com o objeto da garantia, se a dívida não for paga no vencimento.

Parágrafo único. Após o vencimento, poderá o devedor dar a coisa em


pagamento da dívida.

Art. 1.429. Os sucessores do devedor não podem remir parcialmente o penhor ou


a hipoteca na proporção dos seus quinhões; qualquer deles, porém, pode fazê-lo no
todo.

Parágrafo único. O herdeiro ou sucessor que fizer a remição fica sub-rogado nos
direitos do credor pelas quotas que houver satisfeito.

Art. 1.430. Quando, excutido o penhor, ou executada a hipoteca, o produto não


bastar para pagamento da dívida e despesas judiciais, continuará o devedor obrigado
pessoalmente pelo restante.

CAPÍTULO II
Do Penhor

143
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Seção I
Da Constituição do Penhor

Art. 1.431. Constitui-se o penhor pela transferência efetiva da posse que, em


garantia do débito ao credor ou a quem o represente, faz o devedor, ou alguém por
ele, de uma coisa móvel, suscetível de alienação.

Parágrafo único. No penhor rural, industrial, mercantil e de veículos, as coisas


empenhadas continuam em poder do devedor, que as deve guardar e conservar.

Art. 1.432. O instrumento do penhor deverá ser levado a registro, por qualquer
dos contratantes; o do penhor comum será registrado no Cartório de Títulos e
Documentos.

Seção II
Dos Direitos do Credor Pignoratício

Art. 1.433. O credor pignoratício tem direito:

I - à posse da coisa empenhada;

II - à retenção dela, até que o indenizem das despesas devidamente justificadas,


que tiver feito, não sendo ocasionadas por culpa sua;

III - ao ressarcimento do prejuízo que houver sofrido por vício da coisa


empenhada;

IV - a promover a execução judicial, ou a venda amigável, se lhe permitir


expressamente o contrato, ou lhe autorizar o devedor mediante procuração;

V - a apropriar-se dos frutos da coisa empenhada que se encontra em seu poder;

VI - a promover a venda antecipada, mediante prévia autorização judicial, sempre


que haja receio fundado de que a coisa empenhada se perca ou deteriore, devendo o
preço ser depositado. O dono da coisa empenhada pode impedir a venda antecipada,
substituindo-a, ou oferecendo outra garantia real idônea.

Art. 1.434. O credor não pode ser constrangido a devolver a coisa empenhada,
ou uma parte dela, antes de ser integralmente pago, podendo o juiz, a requerimento
do proprietário, determinar que seja vendida apenas uma das coisas, ou parte da
coisa empenhada, suficiente para o pagamento do credor.

Seção III
Das Obrigações do Credor Pignoratício

Art. 1.435. O credor pignoratício é obrigado:

I - à custódia da coisa, como depositário, e a ressarcir ao dono a perda ou


deterioração de que for culpado, podendo ser compensada na dívida, até a
concorrente quantia, a importância da responsabilidade;

144
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
II - à defesa da posse da coisa empenhada e a dar ciência, ao dono dela, das
circunstâncias que tornarem necessário o exercício de ação possessória;

III - a imputar o valor dos frutos, de que se apropriar (art. 1.433, inciso V) nas
despesas de guarda e conservação, nos juros e no capital da obrigação garantida,
sucessivamente;

IV - a restituí-la, com os respectivos frutos e acessões, uma vez paga a dívida;

V - a entregar o que sobeje do preço, quando a dívida for paga, no caso do inciso
IV do art. 1.433.

Seção IV
Da Extinção do Penhor

Art. 1.436. Extingue-se o penhor:

I - extinguindo-se a obrigação;

II - perecendo a coisa;

III - renunciando o credor;

IV - confundindo-se na mesma pessoa as qualidades de credor e de dono da


coisa;

V - dando-se a adjudicação judicial, a remissão ou a venda da coisa empenhada,


feita pelo credor ou por ele autorizada.

§ 1o Presume-se a renúncia do credor quando consentir na venda particular do


penhor sem reserva de preço, quando restituir a sua posse ao devedor, ou quando
anuir à sua substituição por outra garantia.

§ 2o Operando-se a confusão tão-somente quanto a parte da dívida pignoratícia,


subsistirá inteiro o penhor quanto ao resto.

Art. 1.437. Produz efeitos a extinção do penhor depois de averbado o


cancelamento do registro, à vista da respectiva prova.

Seção V
Do Penhor Rural

Subseção I
Disposições Gerais

Art. 1.438. Constitui-se o penhor rural mediante instrumento público ou particular,


registrado no Cartório de Registro de Imóveis da circunscrição em que estiverem
situadas as coisas empenhadas.

145
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Parágrafo único. Prometendo pagar em dinheiro a dívida, que garante com
penhor rural, o devedor poderá emitir, em favor do credor, cédula rural pignoratícia, na
forma determinada em lei especial.

Art. 1.439. O penhor agrícola e o penhor pecuário somente podem ser


convencionados, respectivamente, pelos prazos máximos de três e quatro anos,
prorrogáveis, uma só vez, até o limite de igual tempo.

§ 1o Embora vencidos os prazos, permanece a garantia, enquanto subsistirem os


bens que a constituem.

§ 2o A prorrogação deve ser averbada à margem do registro respectivo, mediante


requerimento do credor e do devedor.

Art. 1.440. Se o prédio estiver hipotecado, o penhor rural poderá constituir-se


independentemente da anuência do credor hipotecário, mas não lhe prejudica o
direito de preferência, nem restringe a extensão da hipoteca, ao ser executada.

Art. 1.441. Tem o credor direito a verificar o estado das coisas empenhadas,
inspecionando-as onde se acharem, por si ou por pessoa que credenciar.

Subseção II
Do Penhor Agrícola

Art. 1.442. Podem ser objeto de penhor:

I - máquinas e instrumentos de agricultura;

II - colheitas pendentes, ou em via de formação;

III - frutos acondicionados ou armazenados;

IV - lenha cortada e carvão vegetal;

V - animais do serviço ordinário de estabelecimento agrícola.

Art. 1.443. O penhor agrícola que recai sobre colheita pendente, ou em via de
formação, abrange a imediatamente seguinte, no caso de frustrar-se ou ser
insuficiente a que se deu em garantia.

Parágrafo único. Se o credor não financiar a nova safra, poderá o devedor


constituir com outrem novo penhor, em quantia máxima equivalente à do primeiro; o
segundo penhor terá preferência sobre o primeiro, abrangendo este apenas o
excesso apurado na colheita seguinte.

Subseção III
Do Penhor Pecuário

Art. 1.444. Podem ser objeto de penhor os animais que integram a atividade
pastoril, agrícola ou de lacticínios.

146
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 1.445. O devedor não poderá alienar os animais empenhados sem prévio
consentimento, por escrito, do credor.

Parágrafo único. Quando o devedor pretende alienar o gado empenhado ou, por
negligência, ameace prejudicar o credor, poderá este requerer se depositem os
animais sob a guarda de terceiro, ou exigir que se lhe pague a dívida de imediato.

Art. 1.446. Os animais da mesma espécie, comprados para substituir os mortos,


ficam sub-rogados no penhor.

Parágrafo único. Presume-se a substituição prevista neste artigo, mas não terá
eficácia contra terceiros, se não constar de menção adicional ao respectivo contrato, a
qual deverá ser averbada.

Seção VI
Do Penhor Industrial e Mercantil

Art. 1.447. Podem ser objeto de penhor máquinas, aparelhos, materiais,


instrumentos, instalados e em funcionamento, com os acessórios ou sem eles;
animais, utilizados na indústria; sal e bens destinados à exploração das salinas;
produtos de suinocultura, animais destinados à industrialização de carnes e
derivados; matérias-primas e produtos industrializados.

Parágrafo único. Regula-se pelas disposições relativas aos armazéns gerais o


penhor das mercadorias neles depositadas.

Art. 1.448. Constitui-se o penhor industrial, ou o mercantil, mediante instrumento


público ou particular, registrado no Cartório de Registro de Imóveis da circunscrição
onde estiverem situadas as coisas empenhadas.

Parágrafo único. Prometendo pagar em dinheiro a dívida, que garante com


penhor industrial ou mercantil, o devedor poderá emitir, em favor do credor, cédula do
respectivo crédito, na forma e para os fins que a lei especial determinar.

Art. 1.449. O devedor não pode, sem o consentimento por escrito do credor,
alterar as coisas empenhadas ou mudar-lhes a situação, nem delas dispor. O devedor
que, anuindo o credor, alienar as coisas empenhadas, deverá repor outros bens da
mesma natureza, que ficarão sub-rogados no penhor.

Art. 1.450. Tem o credor direito a verificar o estado das coisas empenhadas,
inspecionando-as onde se acharem, por si ou por pessoa que credenciar.

Seção VII
Do Penhor de Direitos e Títulos de Crédito

Art. 1.451. Podem ser objeto de penhor direitos, suscetíveis de cessão, sobre
coisas móveis.

Art. 1.452. Constitui-se o penhor de direito mediante instrumento público ou


particular, registrado no Registro de Títulos e Documentos.

147
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Parágrafo único. O titular de direito empenhado deverá entregar ao credor
pignoratício os documentos comprobatórios desse direito, salvo se tiver interesse
legítimo em conservá-los.

Art. 1.453. O penhor de crédito não tem eficácia senão quando notificado ao
devedor; por notificado tem-se o devedor que, em instrumento público ou particular,
declarar-se ciente da existência do penhor.

Art. 1.454. O credor pignoratício deve praticar os atos necessários à conservação


e defesa do direito empenhado e cobrar os juros e mais prestações acessórias
compreendidas na garantia.

Art. 1.455. Deverá o credor pignoratício cobrar o crédito empenhado, assim que
se torne exigível. Se este consistir numa prestação pecuniária, depositará a
importância recebida, de acordo com o devedor pignoratício, ou onde o juiz
determinar; se consistir na entrega da coisa, nesta se sub-rogará o penhor.

Parágrafo único. Estando vencido o crédito pignoratício, tem o credor direito a


reter, da quantia recebida, o que lhe é devido, restituindo o restante ao devedor; ou a
excutir a coisa a ele entregue.

Art. 1.456. Se o mesmo crédito for objeto de vários penhores, só ao credor


pignoratício, cujo direito prefira aos demais, o devedor deve pagar; responde por
perdas e danos aos demais credores o credor preferente que, notificado por qualquer
um deles, não promover oportunamente a cobrança.

Art. 1.457. O titular do crédito empenhado só pode receber o pagamento com a


anuência, por escrito, do credor pignoratício, caso em que o penhor se extinguirá.

Art. 1.458. O penhor, que recai sobre título de crédito, constitui-se mediante
instrumento público ou particular ou endosso pignoratício, com a tradição do título ao
credor, regendo-se pelas Disposições Gerais deste Título e, no que couber, pela
presente Seção.

Art. 1.459. Ao credor, em penhor de título de crédito, compete o direito de:

I - conservar a posse do título e recuperá-la de quem quer que o detenha;

II - usar dos meios judiciais convenientes para assegurar os seus direitos, e os do


credor do título empenhado;

III - fazer intimar ao devedor do título que não pague ao seu credor, enquanto
durar o penhor;

IV - receber a importância consubstanciada no título e os respectivos juros, se


exigíveis, restituindo o título ao devedor, quando este solver a obrigação.

Art. 1.460. O devedor do título empenhado que receber a intimação prevista no


inciso III do artigo antecedente, ou se der por ciente do penhor, não poderá pagar ao

148
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
seu credor. Se o fizer, responderá solidariamente por este, por perdas e danos,
perante o credor pignoratício.

Parágrafo único. Se o credor der quitação ao devedor do título empenhado,


deverá saldar imediatamente a dívida, em cuja garantia se constituiu o penhor.

Seção VIII
Do Penhor de Veículos

Art. 1.461. Podem ser objeto de penhor os veículos empregados em qualquer


espécie de transporte ou condução.

Art. 1.462. Constitui-se o penhor, a que se refere o artigo antecedente, mediante


instrumento público ou particular, registrado no Cartório de Títulos e Documentos do
domicílio do devedor, e anotado no certificado de propriedade.

Parágrafo único. Prometendo pagar em dinheiro a dívida garantida com o penhor,


poderá o devedor emitir cédula de crédito, na forma e para os fins que a lei especial
determinar.

Art. 1.463. Não se fará o penhor de veículos sem que estejam previamente
segurados contra furto, avaria, perecimento e danos causados a terceiros.

Art. 1.464. Tem o credor direito a verificar o estado do veículo empenhado,


inspecionando-o onde se achar, por si ou por pessoa que credenciar.

Art. 1.465. A alienação, ou a mudança, do veículo empenhado sem prévia


comunicação ao credor importa no vencimento antecipado do crédito pignoratício.

Art. 1.466. O penhor de veículos só se pode convencionar pelo prazo máximo de


dois anos, prorrogável até o limite de igual tempo, averbada a prorrogação à margem
do registro respectivo.

Seção IX
Do Penhor Legal

Art. 1.467. São credores pignoratícios, independentemente de convenção:

I - os hospedeiros, ou fornecedores de pousada ou alimento, sobre as bagagens,


móveis, jóias ou dinheiro que os seus consumidores ou fregueses tiverem consigo
nas respectivas casas ou estabelecimentos, pelas despesas ou consumo que aí
tiverem feito;

II - o dono do prédio rústico ou urbano, sobre os bens móveis que o rendeiro ou


inquilino tiver guarnecendo o mesmo prédio, pelos aluguéis ou rendas.

Art. 1.468. A conta das dívidas enumeradas no inciso I do artigo antecedente


será extraída conforme a tabela impressa, prévia e ostensivamente exposta na casa,
dos preços de hospedagem, da pensão ou dos gêneros fornecidos, sob pena de
nulidade do penhor.

149
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 1.469. Em cada um dos casos do art. 1.467, o credor poderá tomar em
garantia um ou mais objetos até o valor da dívida.

Art. 1.470. Os credores, compreendidos no art. 1.467, podem fazer efetivo o


penhor, antes de recorrerem à autoridade judiciária, sempre que haja perigo na
demora, dando aos devedores comprovante dos bens de que se apossarem.

Art. 1.471. Tomado o penhor, requererá o credor, ato contínuo, a sua


homologação judicial.

Art. 1.472. Pode o locatário impedir a constituição do penhor mediante caução


idônea.

CAPÍTULO III
Da Hipoteca

Seção I
Disposições Gerais

Art. 1.473. Podem ser objeto de hipoteca:

I - os imóveis e os acessórios dos imóveis conjuntamente com eles;

II - o domínio direto;

III - o domínio útil;

IV - as estradas de ferro;

V - os recursos naturais a que se refere o art. 1.230, independentemente do solo


onde se acham;

VI - os navios;

VII - as aeronaves.

VIII - o direito de uso especial para fins de moradia; (Incluído pela Lei nº 11.481,
de 2007)

IX - o direito real de uso; (Incluído pela Lei nº 11.481, de 2007)

X - a propriedade superficiária. (Incluído pela Lei nº 11.481, de 2007)

§ 1o A hipoteca dos navios e das aeronaves reger-se-á pelo disposto em lei


especial. (Renumerado do parágrafo único pela Lei nº 11.481, de 2007)

§ 2o Os direitos de garantia instituídos nas hipóteses dos incisos IX e X do caput


deste artigo ficam limitados à duração da concessão ou direito de superfície, caso
tenham sido transferidos por período determinado. (Incluído pela Lei nº 11.481, de
2007)

150
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 1.474. A hipoteca abrange todas as acessões, melhoramentos ou
construções do imóvel. Subsistem os ônus reais constituídos e registrados,
anteriormente à hipoteca, sobre o mesmo imóvel.

Art. 1.475. É nula a cláusula que proíbe ao proprietário alienar imóvel hipotecado.

Parágrafo único. Pode convencionar-se que vencerá o crédito hipotecário, se o


imóvel for alienado.

Art. 1.476. O dono do imóvel hipotecado pode constituir outra hipoteca sobre ele,
mediante novo título, em favor do mesmo ou de outro credor.

Art. 1.477. Salvo o caso de insolvência do devedor, o credor da segunda


hipoteca, embora vencida, não poderá executar o imóvel antes de vencida a primeira.

Parágrafo único. Não se considera insolvente o devedor por faltar ao pagamento


das obrigações garantidas por hipotecas posteriores à primeira.

Art. 1.478. Se o devedor da obrigação garantida pela primeira hipoteca não se


oferecer, no vencimento, para pagá-la, o credor da segunda pode promover-lhe a
extinção, consignando a importância e citando o primeiro credor para recebê-la e o
devedor para pagá-la; se este não pagar, o segundo credor, efetuando o pagamento,
se sub-rogará nos direitos da hipoteca anterior, sem prejuízo dos que lhe competirem
contra o devedor comum.

Parágrafo único. Se o primeiro credor estiver promovendo a execução da


hipoteca, o credor da segunda depositará a importância do débito e as despesas
judiciais.

Art. 1.479. O adquirente do imóvel hipotecado, desde que não se tenha obrigado
pessoalmente a pagar as dívidas aos credores hipotecários, poderá exonerar-se da
hipoteca, abandonando-lhes o imóvel.

Art. 1.480. O adquirente notificará o vendedor e os credores hipotecários,


deferindo-lhes, conjuntamente, a posse do imóvel, ou o depositará em juízo.

Parágrafo único. Poderá o adquirente exercer a faculdade de abandonar o imóvel


hipotecado, até as vinte e quatro horas subseqüentes à citação, com que se inicia o
procedimento executivo.

Art. 1.481. Dentro em trinta dias, contados do registro do título aquisitivo, tem o
adquirente do imóvel hipotecado o direito de remi-lo, citando os credores hipotecários
e propondo importância não inferior ao preço por que o adquiriu.

§ 1o Se o credor impugnar o preço da aquisição ou a importância oferecida,


realizar-se-á licitação, efetuando-se a venda judicial a quem oferecer maior preço,
assegurada preferência ao adquirente do imóvel.

151
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2o Não impugnado pelo credor, o preço da aquisição ou o preço proposto pelo
adquirente, haver-se-á por definitivamente fixado para a remissão do imóvel, que
ficará livre de hipoteca, uma vez pago ou depositado o preço.

§ 3o Se o adquirente deixar de remir o imóvel, sujeitando-o a execução, ficará


obrigado a ressarcir os credores hipotecários da desvalorização que, por sua culpa, o
mesmo vier a sofrer, além das despesas judiciais da execução.

§ 4o Disporá de ação regressiva contra o vendedor o adquirente que ficar privado


do imóvel em conseqüência de licitação ou penhora, o que pagar a hipoteca, o que,
por causa de adjudicação ou licitação, desembolsar com o pagamento da hipoteca
importância excedente à da compra e o que suportar custas e despesas judiciais.

Art. 1.482. Realizada a praça, o executado poderá, até a assinatura do auto de


arrematação ou até que seja publicada a sentença de adjudicação, remir o imóvel
hipotecado, oferecendo preço igual ao da avaliação, se não tiver havido licitantes, ou
ao do maior lance oferecido. Igual direito caberá ao cônjuge, aos descendentes ou
ascendentes do executado.

Art. 1.483. No caso de falência, ou insolvência, do devedor hipotecário, o direito


de remição defere-se à massa, ou aos credores em concurso, não podendo o credor
recusar o preço da avaliação do imóvel.

Parágrafo único. Pode o credor hipotecário, para pagamento de seu crédito,


requerer a adjudicação do imóvel avaliado em quantia inferior àquele, desde que dê
quitação pela sua totalidade.

Art. 1.484. É lícito aos interessados fazer constar das escrituras o valor entre si
ajustado dos imóveis hipotecados, o qual, devidamente atualizado, será a base para
as arrematações, adjudicações e remições, dispensada a avaliação.

Art. 1.485. Mediante simples averbação, requerida por ambas as partes, poderá
prorrogar-se a hipoteca, até 30 (trinta) anos da data do contrato. Desde que perfaça
esse prazo, só poderá subsistir o contrato de hipoteca reconstituindo-se por novo
título e novo registro; e, nesse caso, lhe será mantida a precedência, que então lhe
competir. (Redação dada pela Lei nº 10.931, de 2004)

Art. 1.486. Podem o credor e o devedor, no ato constitutivo da hipoteca, autorizar


a emissão da correspondente cédula hipotecária, na forma e para os fins previstos em
lei especial.

Art. 1.487. A hipoteca pode ser constituída para garantia de dívida futura ou
condicionada, desde que determinado o valor máximo do crédito a ser garantido.

§ 1o Nos casos deste artigo, a execução da hipoteca dependerá de prévia e


expressa concordância do devedor quanto à verificação da condição, ou ao montante
da dívida.

152
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2o Havendo divergência entre o credor e o devedor, caberá àquele fazer prova
de seu crédito. Reconhecido este, o devedor responderá, inclusive, por perdas e
danos, em razão da superveniente desvalorização do imóvel.

Art. 1.488. Se o imóvel, dado em garantia hipotecária, vier a ser loteado, ou se


nele se constituir condomínio edilício, poderá o ônus ser dividido, gravando cada lote
ou unidade autônoma, se o requererem ao juiz o credor, o devedor ou os donos,
obedecida a proporção entre o valor de cada um deles e o crédito.

§ 1o O credor só poderá se opor ao pedido de desmembramento do ônus,


provando que o mesmo importa em diminuição de sua garantia.

§ 2o Salvo convenção em contrário, todas as despesas judiciais ou extrajudiciais


necessárias ao desmembramento do ônus correm por conta de quem o requerer.

§ 3o O desmembramento do ônus não exonera o devedor originário da


responsabilidade a que se refere o art. 1.430, salvo anuência do credor.

Seção II
Da Hipoteca Legal

Art. 1.489. A lei confere hipoteca:

I - às pessoas de direito público interno (art. 41) sobre os imóveis pertencentes


aos encarregados da cobrança, guarda ou administração dos respectivos fundos e
rendas;

II - aos filhos, sobre os imóveis do pai ou da mãe que passar a outras núpcias,
antes de fazer o inventário do casal anterior;

III - ao ofendido, ou aos seus herdeiros, sobre os imóveis do delinqüente, para


satisfação do dano causado pelo delito e pagamento das despesas judiciais;

IV - ao co-herdeiro, para garantia do seu quinhão ou torna da partilha, sobre o


imóvel adjudicado ao herdeiro reponente;

V - ao credor sobre o imóvel arrematado, para garantia do pagamento do restante


do preço da arrematação.

Art. 1.490. O credor da hipoteca legal, ou quem o represente, poderá, provando a


insuficiência dos imóveis especializados, exigir do devedor que seja reforçado com
outros.

Art. 1.491. A hipoteca legal pode ser substituída por caução de títulos da dívida
pública federal ou estadual, recebidos pelo valor de sua cotação mínima no ano
corrente; ou por outra garantia, a critério do juiz, a requerimento do devedor.

Seção III
Do Registro da Hipoteca

153
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 1.492. As hipotecas serão registradas no cartório do lugar do imóvel, ou no
de cada um deles, se o título se referir a mais de um.

Parágrafo único. Compete aos interessados, exibido o título, requerer o registro


da hipoteca.

Art. 1.493. Os registros e averbações seguirão a ordem em que forem requeridas,


verificando-se ela pela da sua numeração sucessiva no protocolo.

Parágrafo único. O número de ordem determina a prioridade, e esta a preferência


entre as hipotecas.

Art. 1.494. Não se registrarão no mesmo dia duas hipotecas, ou uma hipoteca e
outro direito real, sobre o mesmo imóvel, em favor de pessoas diversas, salvo se as
escrituras, do mesmo dia, indicarem a hora em que foram lavradas.

Art. 1.495. Quando se apresentar ao oficial do registro título de hipoteca que


mencione a constituição de anterior, não registrada, sobrestará ele na inscrição da
nova, depois de a prenotar, até trinta dias, aguardando que o interessado inscreva a
precedente; esgotado o prazo, sem que se requeira a inscrição desta, a hipoteca
ulterior será registrada e obterá preferência.

Art. 1.496. Se tiver dúvida sobre a legalidade do registro requerido, o oficial fará,
ainda assim, a prenotação do pedido. Se a dúvida, dentro em noventa dias, for
julgada improcedente, o registro efetuar-se-á com o mesmo número que teria na data
da prenotação; no caso contrário, cancelada esta, receberá o registro o número
correspondente à data em que se tornar a requerer.

Art. 1.497. As hipotecas legais, de qualquer natureza, deverão ser registradas e


especializadas.

§ 1o O registro e a especialização das hipotecas legais incumbem a quem está


obrigado a prestar a garantia, mas os interessados podem promover a inscrição
delas, ou solicitar ao Ministério Público que o faça.

§ 2o As pessoas, às quais incumbir o registro e a especialização das hipotecas


legais, estão sujeitas a perdas e danos pela omissão.

Art. 1.498. Vale o registro da hipoteca, enquanto a obrigação perdurar; mas a


especialização, em completando vinte anos, deve ser renovada.

Seção IV
Da Extinção da Hipoteca

Art. 1.499. A hipoteca extingue-se:

I - pela extinção da obrigação principal;

II - pelo perecimento da coisa;

154
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III - pela resolução da propriedade;

IV - pela renúncia do credor;

V - pela remição;

VI - pela arrematação ou adjudicação.

Art. 1.500. Extingue-se ainda a hipoteca com a averbação, no Registro de


Imóveis, do cancelamento do registro, à vista da respectiva prova.

Art. 1.501. Não extinguirá a hipoteca, devidamente registrada, a arrematação ou


adjudicação, sem que tenham sido notificados judicialmente os respectivos credores
hipotecários, que não forem de qualquer modo partes na execução.

RESOLUÇÃO Nº 3.849
Dispõe sobre a instituição de componente organizacional de ouvidoria pelas instituições
financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964,


torna público que o Conselho Monetário Nacional, em sessão realizada em 25 de março de 2010,
com fundamento no art. 4º, inciso VIII, da referida lei, R E S O L V E U :

Art. 1º As instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central
do Brasil, que tenham clientes pessoas físicas ou pessoas jurídicas classificadas como
microempresas na forma da legislação própria devem instituir componente organizacional de
ouvidoria, com a atribuição de atuar como canal de comunicação entre essas instituições e os
clientes e usuários de seus produtos e serviços, inclusive na mediação de conflitos.

§ 1º A estrutura do componente organizacional deve ser compatível com a natureza e a


complexidade dos produtos, serviços, atividades, processos e sistemas de cada instituição.

§ 2º As instituições a que se refere o caput devem:

I - dar ampla divulgação sobre a existência da ouvidoria, bem como de informações completas
acerca da sua finalidade e forma de utilização;

II - garantir o acesso gratuito dos clientes e usuários de produtos e serviços ao atendimento da


ouvidoria, por meio de canais ágeis e eficazes; e

III - disponibilizar acesso telefônico gratuito, cujo número deve ser:

a) divulgado e mantido atualizado em local e formato visível ao público no recinto das suas
dependências e nas dependências dos correspondentes no País, bem como nos respectivos sítios
eletrônicos na internet e nos demais canais de comunicação utilizados para difundir os produtos e
serviços da instituição;

b) registrado nos extratos, nos comprovantes, inclusive eletrônicos, nos contratos formalizados com
os clientes, nos materiais de propaganda e de publicidade e nos demais documentos que se destinem
aos clientes e usuários dos produtos e serviços da instituição; e

155
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
c) registrado e mantido permanentemente atualizado em sistema de informações, na forma
estabelecida pelo Banco Central do Brasil. Resolução nº 3.849, de 25 de março de 2010. § 3º A
divulgação de que trata o § 2º, inciso I, deve ser providenciada inclusive por meio dos canais de
comunicação utilizados para difundir os produtos e serviços da instituição.

§ 4º O componente organizacional deve ser segregado da unidade executora da atividade de


auditoria interna, de que trata o art. 2º da Resolução nº 2.554, de 24 de setembro de 1998, com a
redação dada pela Resolução nº 3.056, de 19 de dezembro de 2002.

§ 5º Os bancos comerciais, os bancos múltiplos, as caixas econômicas, as sociedades de crédito,


financiamento e investimento, as associações de poupança e empréstimo e as sociedades de
arrendamento mercantil que realizem operações de arrendamento mercantil financeiro devem
instituir o componente organizacional de ouvidoria na própria instituição.

§ 6º As cooperativas singulares de crédito filiadas a cooperativa central podem firmar convênio


com a respectiva central, confederação ou banco cooperativo do sistema, para compartilhamento e
utilização de componente organizacional de ouvidoria único, mantido em uma dessas instituições.

§ 7º As cooperativas singulares de crédito não filiadas a cooperativa central podem firmar convênio
com cooperativa central, ou com federação ou confederação de cooperativas de crédito, ou com
associação representativa da classe, para compartilhamento e utilização de ouvidoria mantida em
uma dessas instituições.
§ 8º As instituições não referidas nos §§ 5º, 6º e 7º podem firmar convênio com a associação de
classe a que sejam afiliadas ou com as bolsas de valores ou as bolsas de mercadorias e de futuros
nas quais realizam operações, para compartilhamento e utilização da ouvidoria mantida em uma
dessa entidades.

§ 9º As instituições que fazem parte de conglomerado financeiro podem instituir componente


organizacional único que atuará em nome de todos os integrantes do grupo.

§ 10. As instituições referidas no caput que não façam parte de conglomerado financeiro podem
firmar convênio com empresa não financeira ligada, conforme definição constante do art. 1º, § 1º,
incisos I e III, da Resolução nº 2.107, de 31 de agosto de 1994, que possuir ouvidoria, para
compartilhamento e utilização da respectiva ouvidoria.

§ 11. Os bancos comerciais sob controle direto de bolsas de mercadorias e de futuros que operem
exclusivamente no desempenho de funções de liquidante e custodiante central das operações
cursadas, constituídos na forma da Resolução nº 3.165, de 29 de janeiro de 2004, ficam excluídos
da exigência estabelecida no caput.

§ 12. Nas hipóteses previstas nos §§ 7º e 8º, o convênio somente pode ser realizado com associação
de classe, ou bolsa de valores, ou bolsa de mercadorias e de futuros, ou cooperativa central, ou
federação ou confederação de cooperativas de crédito que possua código de ética e/ou de
autorregulação efetivamente implantados aos quais a instituição tenha aderido.

Art. 2º Constituem atribuições da ouvidoria: I - receber, registrar, instruir, analisar e dar tratamento
formal e adequado às reclamações dos clientes e usuários de produtos e serviços das instituições
referidas no caput do art. 1º que não forem solucionadas pelo atendimento habitual realizado por
suas agências e quaisquer outros pontos de atendimento;

156
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
II - prestar os esclarecimentos necessários e dar ciência aos reclamantes acerca do andamento de
suas demandas e das providências adotadas;

III - informar aos reclamantes o prazo previsto para resposta final, o qual não pode ultrapassar
quinze dias, contados da data da protocolização da ocorrência;

IV - encaminhar resposta conclusiva para a demanda dos reclamantes até o prazo informado no
inciso III;

V - propor ao conselho de administração ou, na sua ausência, à diretoria da instituição medidas


corretivas ou de aprimoramento de procedimentos e rotinas, em decorrência da análise das
reclamações recebidas; e

VI - elaborar e encaminhar à auditoria interna, ao comitê de auditoria, quando existente, e ao


conselho de administração ou, na sua ausência, à diretoria da instituição, ao final de cada semestre,
relatório quantitativo e qualitativo acerca da atuação da ouvidoria, contendo as proposições de que
trata o inciso V.

§ 1º O serviço prestado pela ouvidoria aos clientes e usuários dos produtos e serviços das
instituições referidas no caput do art. 1º deve ser identificado por meio de número de protocolo de
atendimento.

§ 2º Os relatórios de que trata o inciso VI devem permanecer à disposição do Banco Central do


Brasil pelo prazo mínimo de cinco anos na sede da instituição.

Art. 3º O estatuto ou o contrato social das instituições referidas no caput do art. 1º deve conter, de
forma expressa, entre outros, os seguintes dados:

I - as atribuições da ouvidoria;

II - os critérios de designação e de destituição do ouvidor e o tempo de duração de seu mandato; e

III - o compromisso expresso da instituição no sentido de:

a) criar condições adequadas para o funcionamento da ouvidoria, bem como para que sua atuação
seja pautada pela transparência, independência, imparcialidade e isenção; e

b) assegurar o acesso da ouvidoria às informações necessárias para a elaboração de resposta


adequada às reclamações recebidas, com total apoio administrativo, podendo requisitar informações
e documentos para o exercício de suas atividades.

§ 1º O disposto neste artigo, conforme a natureza jurídica da sociedade, deve ser incluído no
estatuto ou contrato social da instituição, na primeira alteração que ocorrer após a criação da
ouvidoria.
§ 2º As alterações estatutárias ou contratuais exigidas por esta resolução relativas às instituições
que optarem pela faculdade prevista no art. 1º, §§ 6º e 9º, podem ser promovidas somente pela
instituição que constituir o componente organizacional único de ouvidoria.

§ 3º As instituições que não instituírem componente de ouvidoria próprio em decorrência da


faculdade prevista no art. 1º, §§ 6º a 10, devem ratificar tal decisão por ocasião da primeira
assembléia geral ou da primeira reunião de diretoria, após a formalização da adoção da faculdade.

157
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 4º As instituições referidas no caput do art. 1º devem designar perante o Banco Central do
Brasil os nomes do ouvidor e do diretor responsável pela ouvidoria.

§ 1º Para efeito da designação de que trata o caput, são estabelecidas as seguintes disposições:
I - não há vedação a que o diretor responsável pela ouvidoria desempenhe outras funções na
instituição, exceto a de diretor de administração de recursos de terceiros;
II - nos casos dos bancos comerciais, bancos múltiplos, caixas econômicas, sociedades de crédito,
financiamento e investimento e associações de poupança e empréstimo, o ouvidor não poderá
desempenhar outra atividade na instituição, exceto a de diretor responsável pela ouvidoria; e
III - na hipótese de recair a designação do diretor responsável pela ouvidoria e do ouvidor sobre a
mesma pessoa, esta não poderá desempenhar outra atividade na instituição.
§ 2º Nas hipóteses previstas no art. 1º, §§ 6º e 9º, o ouvidor e o diretor responsável pela ouvidoria
responderão por todas as instituições que utilizarem o componente organizacional único de
ouvidoria e devem integrar os quadros da instituição que constituir o componente de ouvidoria.

§ 3º Nas hipóteses previstas no art. 1º, §§ 7º, 8º e 10, as instituições devem:


I - designar perante o Banco Central do Brasil apenas o nome do diretor responsável pela ouvidoria;
e
II - informar o nome do ouvidor, que deverá ser o do ouvidor da associação de classe, bolsa de
valores ou bolsa de mercadorias e de futuros, entidade ou empresa que constituir a ouvidoria.
§ 4º Os dados relativos ao diretor responsável pela ouvidoria e ao ouvidor devem ser inseridos e
mantidos atualizados em sistema de informações, na forma estabelecida pelo Banco Central do
Brasil.
§ 5º O diretor responsável pela ouvidoria deve elaborar relatório semestral, na forma definida pelo
Banco Central do Brasil, relativo às atividades da ouvidoria nas datas-base de 30 de junho e 31 de
dezembro e sempre que identificada ocorrência relevante.

§ 6º O relatório de que trata o § 5º deve ser:

I - revisado pela auditoria externa, a qual deve manifestar-se acerca da qualidade e adequação da
estrutura, dos sistemas e dos procedimentos da ouvidoria, bem como sobre o cumprimento dos
demais requisitos estabelecidos nesta resolução, inclusive nos casos previstos no art. 1º, §§ 7º, 8º e
10;

II - apreciado pela auditoria interna ou pelo comitê de auditoria, quando existente;

III - encaminhado ao Banco Central do Brasil, na forma e periodicidade estabelecida por aquela
Autarquia:

a) pelas instituições que possuem comitê de auditoria, bem como pelas cooperativas centrais de
crédito, confederações e bancos cooperativos que tenham instituído componente organizacional
único para atuar em nome das respectivas cooperativas de crédito singulares conveniadas nos
termos do art. 1º, § 6º; e

b) pelas instituições referidas no caput do art. 1º, no caso de ocorrência de fato relevante;

IV - arquivado na sede da respectiva instituição, à disposição do Banco Central do Brasil pelo prazo
mínimo de cinco anos, acompanhado da revisão e da apreciação de que tratam os incisos I e II.

Art. 5º As instituições não obrigadas, no termos desta resolução, à remessa do relatório do diretor
responsável pela ouvidoria ao Banco Central do Brasil, devem manter os relatórios ainda não

158
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
enviados na forma exigida pela Resolução nº 3.477, de 26 de julho de 2007, na sede da instituição,
conforme previsto no art. 4º, § 6º, inciso IV.

Art. 6º As instituições referidas no caput do art. 1º devem adotar providências para que todos os
integrantes da ouvidoria sejam considerados aptos em exame de certificação organizado por
entidade de reconhecida capacidade técnica.
§ 1º O exame de certificação de que trata o caput deve abranger, no mínimo, temas relacionados à
ética, aos direitos e defesa do consumidor e à mediação de conflitos, bem como ter sido realizado
após 30 de julho de 2007.
§ 2º A designação dos membros da ouvidoria fica condicionada à comprovação de aptidão no
exame de certificação de que trata o caput, além do atendimento às demais exigências desta
resolução.
§ 3º As instituições referidas no caput do art. 1º são responsáveis pela atualização periódica dos
conhecimentos dos integrantes da ouvidoria.

LEI Nº 8.036, DE 11 DE MAIO DE 1990.

Dispõe sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA , faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a


seguinte lei:

Art. 1º O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), instituído pela Lei nº 5.107, de 13
de setembro de 1966, passa a reger-se por esta lei.

Art. 2º O FGTS é constituído pelos saldos das contas vinculadas a que se refere esta lei e outros
recursos a ele incorporados, devendo ser aplicados com atualização monetária e juros, de modo a
assegurar a cobertura de suas obrigações.

§ 1º Constituem recursos incorporados ao FGTS, nos termos do caput deste artigo:

a) eventuais saldos apurados nos termos do art. 12, § 4º;

b) dotações orçamentárias específicas;

c) resultados das aplicações dos recursos do FGTS;

d) multas, correção monetária e juros moratórios devidos;

e) demais receitas patrimoniais e financeiras.

§ 2º As contas vinculadas em nome dos trabalhadores são absolutamente impenhoráveis.

Art. 3o O FGTS será regido por normas e diretrizes estabelecidas por um


Conselho Curador, composto por representação de trabalhadores, empregadores e
órgãos e entidades governamentais, na forma estabelecida pelo Poder
Executivo. (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.216-37, de 2001) (Vide
Decreto nº 3.101, de 2001)

I - Ministério do Trabalho; (Incluído pela Lei nº 9.649, de 1998)

159
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
II - Ministério do Planejamento e Orçamento; (Incluído pela Lei nº 9.649, de
1998)

III - Ministério da Fazenda; (Incluído pela Lei nº 9.649, de 1998)

IV - Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo; (Incluído pela Lei nº


9.649, de 1998)

V - Caixa Econômica Federal; (Incluído pela Lei nº 9.649, de 1998)

VI - Banco Central do Brasil. (Incluído pela Lei nº 9.649, de 1998)

§ 1º A Presidência do Conselho Curador será exercida pelo representante do Ministério do


Trabalho e da Previdência Social.

§ 2o (Revogado pela Medida Provisória nº 2.216-37, de 2001)

§ 3º Os representantes dos trabalhadores e dos empregadores e seus respectivos suplentes


serão indicados pelas respectivas centrais sindicais e confederações nacionais e nomeados pelo
Ministro do Trabalho e da Previdência Social, e terão mandato de 2 (dois) anos, podendo ser
reconduzidos uma única vez.

§ 4º O Conselho Curador reunir-se-á ordinariamente, a cada bimestre, por convocação de seu


Presidente. Esgotado esse período, não tendo ocorrido convocação, qualquer de seus membros
poderá fazê-la, no prazo de 15 (quinze) dias. Havendo necessidade, qualquer membro poderá
convocar reunião extraordinária, na forma que vier a ser regulamentada pelo Conselho Curador.

§ 5o As decisões do Conselho serão tomadas com a presença da maioria simples


de seus membros, tendo o Presidente voto de qualidade. (Redação dada pela Medida
Provisória nº 2.216-37, de 2001)

§ 6º As despesas porventura exigidas para o comparecimento às reuniões do Conselho


constituirão ônus das respectivas entidades representadas.

§ 7º As ausências ao trabalho dos representantes dos trabalhadores no Conselho Curador,


decorrentes das atividades desse órgão, serão abonadas, computando-se como jornada efetivamente
trabalhada para todos os fins e efeitos legais.

§ 8º Competirá ao Ministério do Trabalho e da Previdência Social proporcionar ao Conselho


Curador os meios necessários ao exercício de sua competência, para o que contará com uma
Secretaria Executiva do Conselho Curador do FGTS.

§ 9º Aos membros do Conselho Curador, enquanto representantes dos trabalhadores, efetivos e


suplentes, é assegurada a estabilidade no emprego, da nomeação até um ano após o término do
mandato de representação, somente podendo ser demitidos por motivo de falta grave, regularmente
comprovada através de processo sindical.

Art. 4º A gestão da aplicação do FGTS será efetuada pelo Ministério da Ação Social,
cabendo à Caixa Econômica Federal (CEF) o papel de agente operador.

Art. 5º Ao Conselho Curador do FGTS compete:

I - estabelecer as diretrizes e os programas de alocação de todos os recursos do FGTS, de acordo


com os critérios definidos nesta lei, em consonância com a política nacional de desenvolvimento

160
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
urbano e as políticas setoriais de habitação popular, saneamento básico e infra-estrutura urbana
estabelecidas pelo Governo Federal;

II - acompanhar e avaliar a gestão econômica e financeira dos recursos, bem como os ganhos
sociais e o desempenho dos programas aprovados;

III - apreciar e aprovar os programas anuais e plurianuais do FGTS;

IV - pronunciar-se sobre as contas do FGTS, antes do seu encaminhamento aos órgãos de


controle interno para os fins legais;

V - adotar as providências cabíveis para a correção de atos e fatos do Ministério da Ação Social e
da Caixa Econômica Federal, que prejudiquem o desempenho e o cumprimento das finalidades no que
concerne aos recursos do FGTS;

VI - dirimir dúvidas quanto à aplicação das normas regulamentares, relativas ao FGTS, nas
matérias de sua competência;

VII - aprovar seu regimento interno;

VIII - fixar as normas e valores de remuneração do agente operador e dos agentes financeiros;

IX - fixar critérios para parcelamento de recolhimentos em atraso;

X - fixar critério e valor de remuneração para o exercício da fiscalização;

XI - divulgar, no Diário Oficial da União, todas as decisões proferidas pelo Conselho, bem como as
contas do FGTS e os respectivos pareceres emitidos.

XII - fixar critérios e condições para compensação entre créditos do empregador,


decorrentes de depósitos relativos a trabalhadores não optantes, com contratos
extintos, e débitos resultantes de competências em atraso, inclusive aqueles que
forem objeto de composição de dívida com o FGTS. (Incluído pela Lei nº 9.711, de 1998)

XIII - em relação ao Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FI-


FGTS: (Incluído pela Lei nº 11.491, de 2007)

a) aprovar a política de investimento do FI-FGTS por proposta do Comitê de


Investimento; (Incluído pela Lei nº 11.491, de 2007)

b) decidir sobre o reinvestimento ou distribuição dos resultados positivos aos cotistas do FI-
FGTS, em cada exercício; (Incluído pela Lei nº 11.491, de 2007)

c) definir a forma de deliberação, de funcionamento e a composição do Comitê de


Investimento; (Incluído pela Lei nº 11.491, de 2007)

d) estabelecer o valor da remuneração da Caixa Econômica Federal pela administração e


gestão do FI-FGTS, inclusive a taxa de risco; (Incluído pela Lei nº 11.491, de 2007)

e) definir a exposição máxima de risco dos investimentos do FI-FGTS; (Incluído pela Lei nº
11.491, de 2007)

f) estabelecer o limite máximo de participação dos recursos do FI-FGTS por setor, por
empreendimento e por classe de ativo, observados os requisitos técnicos aplicáveis; (Incluído
pela Lei nº 11.491, de 2007)

161
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
g) estabelecer o prazo mínimo de resgate das cotas e de retorno dos recursos à conta
vinculada, observado o disposto no § 19 do art. 20 desta Lei; (Incluído pela Lei nº 11.491, de
2007)

h) aprovar o regulamento do FI-FGTS, elaborado pela Caixa Econômica Federal; e (Incluído


pela Lei nº 11.491, de 2007)

i) autorizar a integralização de cotas do FI-FGTS pelos trabalhadores, estabelecendo


previamente os limites globais e individuais, parâmetros e condições de aplicação e
resgate. (Incluído pela Lei nº 11.491, de 2007)

Art. 6º Ao Ministério da Ação Social, na qualidade de gestor da aplicação do FGTS, compete:

I - praticar todos os atos necessários à gestão da aplicação do Fundo, de acordo com as diretrizes
e programas estabelecidos pelo Conselho Curador;

II - expedir atos normativos relativos à alocação dos recursos para implementação dos programas
aprovados pelo Conselho Curador;

III - elaborar orçamentos anuais e planos plurianuais de aplicação dos recursos, discriminando-os
por Unidade da Federação, submetendo-os até 31 de julho ao Conselho Curador do Fundo;

IV - acompanhar a execução dos programas de habitação popular, saneamento básico e infra-


estrutura urbana, decorrentes de aplicação de recursos do FGTS, implementados pela CEF;

V - submeter à apreciação do Conselho Curador as contas do FGTS;

VI - subsidiar o Conselho Curador com estudos técnicos necessários ao aprimoramento


operacional dos programas de habitação popular, saneamento básico e infra-estrutura urbana;

VII - definir as metas a serem alcançadas nos programas de habitação popular, saneamento
básico e infra-estrutura urbana.

Art. 7º À Caixa Econômica Federal, na qualidade de agente operador, cabe:

I - centralizar os recursos do FGTS, manter e controlar as contas vinculadas, e emitir regularmente


os extratos individuais correspondentes às contas vinculadas e participar da rede arrecadadora dos
recursos do FGTS;

II - expedir atos normativos referentes aos procedimentos adiministrativo-operacionais dos bancos


depositários, dos agentes financeiros, dos empregadores e dos trabalhadores, integrantes do sistema
do FGTS;

III - definir os procedimentos operacionais necessários à execução dos programas de habitação


popular, saneamento básico e infra-estrutura urbana, estabelecidos pelo Conselho Curador com base
nas normas e diretrizes de aplicação elaboradas pelo Ministério da Ação Social;

IV - elaborar as análises jurídica e econômico-financeira dos projetos de habitação popular, infra-


estrutura urbana e saneamento básico a serem financiados com recursos do FGTS;

V - emitir Certificado de Regularidade do FGTS;

VI - elaborar as contas do FGTS, encaminhando-as ao Ministério da Ação Social;

VII - implementar os atos emanados do Ministério da Ação Social relativos à alocação e aplicação
dos recursos do FGTS, de acordo com as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Curador.

162
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
VIII - (VETADO) (Incluído pela Lei nº 9.491, de 1997)

IX - garantir aos recursos alocados ao FI-FGTS, em cotas de titularidade do FGTS, a


remuneração aplicável às contas vinculadas, na forma do caput do art. 13 desta Lei. (Incluído pela Lei
nº 11.491, de 2007)

Parágrafo único. O Ministério da Ação Social e a Caixa Econômica Federal deverão dar pleno
cumprimento aos programas anuais em andamento, aprovados pelo Conselho Curador, sendo que
eventuais alterações somente poderão ser processadas mediante prévia anuência daquele colegiado.

Art. 8º O Ministério da Ação Social, a Caixa Econômica Federal e o Conselho Curador do FGTS
serão responsáveis pelo fiel cumprimento e observância dos critérios estabelecidos nesta lei.

o
Art. 9 As aplicações com recursos do FGTS poderão ser realizadas diretamente pela Caixa
Econômica Federal e pelos demais órgãos integrantes do Sistema Financeiro da Habitação - SFH,
exclusivamente segundo critérios fixados pelo Conselho Curador do FGTS, em operações que
preencham os seguintes requisitos: (Redação dada pela Lei 10.931, de 2004)

I - Garantias: (Redação dada pela Lei nº 9.467, de 1997)

a) hipotecária; (Incluída pela Lei nº 9.467, de 1997)

b) caução de Créditos hipotecários próprios, relativos a financiamentos concedidos com recursos


do agente financeiro; (Incluída pela Lei nº 9.467, de 1997)

c) caução dos créditos hipotecários vinculados aos imóveis objeto de financiamento; (Incluída pela
Lei nº 9.467, de 1997)

d) hipoteca sobre outros imóveis de propriedade do agente financeiro, desde que livres e
desembaraçados de quaisquer ônus; (Incluída pela Lei nº 9.467, de 1997)

e) cessão de créditos do agente financeiro, derivados de financiamentos concedidos com recursos


próprios, garantidos por penhor ou hipoteca; (Incluída pela Lei nº 9.467, de 1997)

f) hipoteca sobre imóvel de propriedade de terceiros; (Incluída pela Lei nº 9.467, de 1997)

g) seguro de crédito; (Incluída pela Lei nº 9.467, de 1997)

h) garantia real ou vinculação de receitas, inclusive tarifárias, nas aplicações contratadas com
pessoa jurídica de direito público ou de direito privado a ela vinculada; (Incluída pela Lei nº 9.467, de
1997)

i) aval em nota promissória; (Incluída pela Lei nº 9.467, de 1997)

j) fiança pessoal; (Incluída pela Lei nº 9.467, de 1997)

l) alienação fiduciária de bens móveis em garantia; (Incluída pela Lei nº 9.467, de 1997)

m) fiança bancária; (Incluída pela Lei nº 9.467, de 1997)

n) outras, a critério do Conselho Curador do FGTS; (Incluída pela Lei nº 9.467, de 1997)

II - correção monetária igual à das contas vinculadas;

III - taxa de juros média mínima, por projeto, de 3 (três) por cento ao ano;

163
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
IV - prazo máximo de trinta anos. (Redação dada pela Lei nº 8.692, de 1993)

§ 1º A rentabilidade média das aplicações deverá ser suficiente à cobertura de todos os custos
incorridos pelo Fundo e ainda à formação de reserva técnica para o atendimento de gastos eventuais
não previstos, sendo da Caixa Econômica Federal o risco de crédito.

§ 2º Os recursos do FGTS deverão ser aplicados em habitação, saneamento básico e infra-


estrutura urbana. As disponibilidades financeiras devem ser mantidas em volume que satisfaça as
condições de liquidez e remuneração mínima necessária à preservação do poder aquisitivo da moeda.

§ 3º O programa de aplicações deverá destinar, no mínimo, 60 (sessenta) por cento para


investimentos em habitação popular.

§ 4º Os projetos de saneamento básico e infra-estrutura urbana, financiados com recursos do


FGTS, deverão ser complementares aos programas habitacionais.

§ 5º As garantias, nas diversas modalidades discriminadas no inciso I do caput deste artigo, serão
admitidas singular ou supletivamente, considerada a suficiência de cobertura para os empréstimos e
financiamentos concedidos.(Redação dada pela Lei nº 9.467, de 1997)

§ 6o Mantida a rentabilidade média de que trata o § 1o, as aplicações em


habitação popular poderão contemplar sistemática de desconto, direcionada em
função da renda familiar do beneficiário, onde o valor do benefício seja concedido
mediante redução no valor das prestações a serem pagas pelo mutuário ou
pagamento de parte da aquisição ou construção de imóvel, dentre outras, a critério do
Conselho Curador do FGTS. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.197-43, de 2001)

§ 7o Os recursos necessários para a consecução da sistemática de desconto


serão destacados, anualmente, do orçamento de aplicação de recursos do FGTS,
constituindo reserva específica, com contabilização própria. (Incluído pela Medida
Provisória nº 2.197-43, de 2001)

§ 8º É da União o risco de crédito nas aplicações efetuadas até 1º de junho de


2001 pelos demais órgãos integrantes do Sistema Financeiro da Habitação - SFH e
pelas entidades credenciadas pelo Banco Central do Brasil como agentes financeiros,
subrogando-se nas garantias prestadas à Caixa Econômica Federal. (Incluído pela
Medida Provisória nº 2.196-3, de 2001)

Art. 10. O Conselho Curador fixará diretrizes e estabelecerá critérios técnicos para as aplicações
dos recursos do FGTS, visando:

I - exigir a participação dos contratantes de financiamentos nos investimentos a serem realizados;

II - assegurar o cumprimento, por parte dos contratantes inadimplentes, das obrigações


decorrentes dos financiamentos obtidos;

III - evitar distorções na aplicação entre as regiões do País, considerando para tanto a demanda
habitacional, a população e outros indicadores sociais.

Art. 11. Os depósitos feitos na rede bancária, a partir de 1º de outubro de 1989, relativos ao
FGTS, serão transferidos à Caixa Econômica Federal no segundo dia útil subseqüente à data em que
tenham sido efetuados.

Art. 12. No prazo de um ano, a contar da promulgação desta lei, a Caixa Econômica Federal
assumirá o controle de todas as contas vinculadas, nos termos do item I do art. 7º, passando os demais

164
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
estabelecimentos bancários, findo esse prazo, à condição de agentes recebedores e pagadores do
FGTS, mediante recebimento de tarifa, a ser fixada pelo Conselho Curador.

1º Enquanto não ocorrer a centralização prevista no caput deste artigo, o depósito efetuado no
decorrer do mês será contabilizado no saldo da conta vinculada do trabalhador, no primeiro dia útil do
mês subseqüente.

2º Até que a Caixa Econômica Federal implemente as disposições do caput deste artigo, as
contas vinculadas continuarão sendo abertas em estabelecimento bancário escolhido pelo empregador,
dentre os para tanto autorizados pelo Banco Central do Brasil, em nome do trabalhador.

3º Verificando-se mudança de emprego, até que venha a ser implementada a centralização


no caput deste artigo, a conta vinculada será transferida para o estabelecimento bancário da escolha
do novo empregador.

4º Os resultados financeiros auferidos pela Caixa Econômica Federal no período entre o repasse
dos bancos e o depósito nas contas vinculadas dos trabalhadores destinar-se-ão à cobertura das
despesas de administração do FGTS e ao pagamento da tarifa aos bancos depositários, devendo os
eventuais saldos ser incorporados ao patrimônio do Fundo nos termos do art. 2º, § 1º.

5º Após a centralização das contas vinculadas, na Caixa Econômica Federal, o depósito realizado
no prazo regulamentar passa a integrar o saldo da conta vinculada do trabalhador a partir do dia 10
(dez) do mês de sua ocorrência. O depósito realizado fora do prazo será contabilizado no saldo no dia
10 (dez) subseqüente após atualização monetária e capitalização de juros.

Art. 13. Os depósitos efetuados nas contas vinculadas serão corrigidos monetariamente com base
nos parâmetros fixados para atualização dos saldos dos depósitos de poupança e capitalização juros
de (três) por cento ao ano.

1º Até que ocorra a centralização prevista no item I do art. 7º, a atualização monetária e a
capitalização de juros correrão à conta do Fundo e o respectivo crédito será efetuado na conta
vinculada no primeiro dia útil de cada mês, com base no saldo existente no primeiro dia útil do mês
anterior, deduzidos os saques ocorridos no período.

2º Após a centralização das contas vinculadas, na Caixa Econômica Federal, a atualização


monetária e a capitalização de juros correrão à conta do Fundo e o respectivo crédito será efetuado na
conta vinculada, no dia 10 (dez) de cada mês, com base no saldo existente no dia 10 (dez) do mês
anterior ou no primeiro dia útil subseqüente, caso o dia 10 (dez) seja feriado bancário, deduzidos os
saques ocorridos no período.

3º Para as contas vinculadas dos trabalhadores optantes existentes à data de 22 de setembro de


1971, a capitalização dos juros dos depósitos continuará a ser feita na seguinte progressão, salvo no
caso de mudança de empresa, quando a capitalização dos juros passará a ser feita à taxa de 3 (três)
por cento ao ano:

I - 3 (três) por cento, durante os dois primeiros anos de permanência na mesma empresa;

II - 4 (quatro) por cento, do terceiro ao quinto ano de permanência na mesma empresa;

III - 5 (cinco) por cento, do sexto ao décimo ano de permanência na mesma empresa;

IV - 6 (seis) por cento, a partir do décimo primeiro ano de permanência na mesma empresa.

4º O saldo das contas vinculadas é garantido pelo Governo Federal, podendo ser instituído seguro
especial para esse fim.

165
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 14. Fica ressalvado o direito adquirido dos trabalhadores que, à data da promulgação da
Constituição Federal de 1988, já tinham o direito à estabilidade no emprego nos termos do Capítulo V
do Título IV da CLT.

1º O tempo do trabalhador não optante do FGTS, anterior a 5 de outubro de 1988, em caso de


rescisão sem justa causa pelo empregador, reger-se-á pelos dispositivos constantes dos arts.
477, 478 e 497 da CLT.

2º O tempo de serviço anterior à atual Constituição poderá ser transacionado entre empregador e
empregado, respeitado o limite mínimo de 60 (sessenta) por cento da indenização prevista.

3º É facultado ao empregador desobrigar-se da responsabilidade da indenização relativa ao tempo


de serviço anterior à opção, depositando na conta vinculada do trabalhador, até o último dia útil do mês
previsto em lei para o pagamento de salário, o valor correspondente à indenização, aplicando-se ao
depósito, no que couber, todas as disposições desta lei.

4º Os trabalhadores poderão a qualquer momento optar pelo FGTS com efeito retroativo a 1º de
janeiro de 1967 ou à data de sua admissão, quando posterior àquela.

Art. 15. Para os fins previstos nesta lei, todos os empregadores ficam obrigados a depositar, até o
dia 7 (sete) de cada mês, em conta bancária vinculada, a importância correspondente a 8 (oito) por
cento da remuneração paga ou devida, no mês anterior, a cada trabalhador, incluídas na remuneração
as parcelas de que tratam os arts. 457 e 458 da CLT e a gratificação de Natal a que se refere a Lei nº
4.090, de 13 de julho de 1962, com as modificações da Lei nº 4.749, de 12 de agosto de 1965.

§ 1º Entende-se por empregador a pessoa física ou a pessoa jurídica de direito privado ou de


direito público, da administração pública direta, indireta ou fundacional de qualquer dos Poderes, da
União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, que admitir trabalhadores a seu serviço, bem
assim aquele que, regido por legislação especial, encontrar-se nessa condição ou figurar como
fornecedor ou tomador de mão-de-obra, independente da responsabilidade solidária e/ou subsidiária a
que eventualmente venha obrigar-se.

§ 2º Considera-se trabalhador toda pessoa física que prestar serviços a empregador, a locador ou
tomador de mão-de-obra, excluídos os eventuais, os autônomos e os servidores públicos civis e
militares sujeitos a regime jurídico próprio.

§ 3º Os trabalhadores domésticos poderão ter acesso ao regime do FGTS, na forma que vier a
ser prevista em lei.

§ 4º Considera-se remuneração as retiradas de diretores não empregados,


quando haja deliberação da empresa, garantindo-lhes os direitos decorrentes do
contrato de trabalho de que trata o art. 16. (Incluído pela Lei nº 9.711, de 1998)

§ 5º O depósito de que trata o caput deste artigo é obrigatório nos casos de


afastamento para prestação do serviço militar obrigatório e licença por acidente do
trabalho. (Incluído pela Lei nº 9.711, de 1998)

§ 6º Não se incluem na remuneração, para os fins desta Lei, as parcelas


elencadas no § 9º do art. 28 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991. (Incluído pela Lei nº
9.711, de 1998)

§ 7o Os contratos de aprendizagem terão a alíquota a que se refere o caput


deste artigo reduzida para dois por cento. (Incluído pela Lei nº 10.097, de 2000)

166
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 16. Para efeito desta lei, as empresas sujeitas ao regime da legislação trabalhista poderão
equiparar seus diretores não empregados aos demais trabalhadores sujeitos ao regime do FGTS.
Considera-se diretor aquele que exerça cargo de administração previsto em lei, estatuto ou contrato
social, independente da denominação do cargo.

Art. 17. Os empregadores se obrigam a comunicar mensalmente aos trabalhadores os valores


recolhidos ao FGTS e repassar-lhes todas as informações sobre suas contas vinculadas recebidas da
Caixa Econômica Federal ou dos bancos depositários.

Art. 18. Ocorrendo rescisão do contrato de trabalho, por parte do empregador,


ficará este obrigado a depositar na conta vinculada do trabalhador no FGTS os
valores relativos aos depósitos referentes ao mês da rescisão e ao imediatamente
anterior, que ainda não houver sido recolhido, sem prejuízo das cominações
legais. (Redação dada pela Lei nº 9.491, de 1997)

§ 1º Na hipótese de despedida pelo empregador sem justa causa, depositará


este, na conta vinculada do trabalhador no FGTS, importância igual a quarenta por
cento do montante de todos os depósitos realizados na conta vinculada durante a
vigência do contrato de trabalho, atualizados monetariamente e acrescidos dos
respectivos juros. (Redação dada pela Lei nº 9.491, de 1997)

§ 2º Quando ocorrer despedida por culpa recíproca ou força maior, reconhecida pela Justiça do
Trabalho, o percentual de que trata o § 1º será de 20 (vinte) por cento.

§ 3° As importâncias de que trata este artigo deverão constar da documentação


comprobatória do recolhimento dos valores devidos a título de rescisão do contrato de
trabalho, observado o disposto no art. 477 da CLT, eximindo o empregador,
exclusivamente, quanto aos valores discriminados. (Redação dada pela Lei nº 9.491,
de 1997)

Art. 19. No caso de extinção do contrato de trabalho prevista no art. 14 desta lei, serão
observados os seguintes critérios:

I - havendo indenização a ser paga, o empregador, mediante comprovação do pagamento


daquela, poderá sacar o saldo dos valores por ele depositados na conta individualizada do trabalhador;

II - não havendo indenização a ser paga, ou decorrido o prazo prescricional para a reclamação de
direitos por parte do trabalhador, o empregador poderá levantar em seu favor o saldo da respectiva
conta individualizada, mediante comprovação perante o órgão competente do Ministério do Trabalho e
da Previdência Social.

Art. 19-A. É devido o depósito do FGTS na conta vinculada do trabalhador cujo


contrato de trabalho seja declarado nulo nas hipóteses previstas no art. 37, § 2o, da
Constituição Federal, quando mantido o direito ao salário. (Incluído pela Medida Provisória
nº 2.164-41, de 2001)

Parágrafo único. O saldo existente em conta vinculada, oriundo de contrato


declarado nulo até 28 de julho de 2001, nas condições do caput, que não tenha sido
levantado até essa data, será liberado ao trabalhador a partir do mês de agosto de
2002. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.164-41, de 2001)

Art. 20. A conta vinculada do trabalhador no FGTS poderá ser movimentada nas seguintes
situações:

167
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - despedida sem justa causa, inclusive a indireta, de culpa recíproca e de força
maior; (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.197-43, de 2001)

II - extinção total da empresa, fechamento de quaisquer de seus


estabelecimentos, filiais ou agências, supressão de parte de suas atividades,
declaração de nulidade do contrato de trabalho nas condições do art. 19-A, ou ainda
falecimento do empregador individual sempre que qualquer dessas ocorrências
implique rescisão de contrato de trabalho, comprovada por declaração escrita da
empresa, suprida, quando for o caso, por decisão judicial transitada em
julgado;(Redação dada pela Medida Provisória nº 2.164-41, de 2001)

III - aposentadoria concedida pela Previdência Social;

IV - falecimento do trabalhador, sendo o saldo pago a seus dependentes, para esse fim
habilitados perante a Previdência Social, segundo o critério adotado para a concessão de pensões por
morte. Na falta de dependentes, farão jus ao recebimento do saldo da conta vinculada os seus
sucessores previstos na lei civil, indicados em alvará judicial, expedido a requerimento do interessado,
independente de inventário ou arrolamento;

V - pagamento de parte das prestações decorrentes de financiamento habitacional concedido no


âmbito do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), desde que:

a) o mutuário conte com o mínimo de 3 (três) anos de trabalho sob o regime do FGTS, na mesma
empresa ou em empresas diferentes;

b) o valor bloqueado seja utilizado, no mínimo, durante o prazo de 12 (doze) meses;

c) o valor do abatimento atinja, no máximo, 80 (oitenta) por cento do montante da prestação;

VI - liquidação ou amortização extraordinária do saldo devedor de financiamento imobiliário,


observadas as condições estabelecidas pelo Conselho Curador, dentre elas a de que o financiamento
seja concedido no âmbito do SFH e haja interstício mínimo de 2 (dois) anos para cada movimentação;

VII – pagamento total ou parcial do preço de aquisição de moradia própria, ou lote urbanizado de
interesse social não construído, observadas as seguintes condições: (Redação dada pela Lei nº
11.977, de 2009)

a) o mutuário deverá contar com o mínimo de 3 (três) anos de trabalho sob o regime do FGTS, na
mesma empresa ou empresas diferentes;

b) seja a operação financiável nas condições vigentes para o SFH;

VIII - quando o trabalhador permanecer três anos ininterruptos, a partir de 1º de junho de 1990,
fora do regime do FGTS, podendo o saque, neste caso, ser efetuado a partir do mês de aniversário do
titular da conta. (Redação dada pela Lei nº 8.678, de 1993)

IX - extinção normal do contrato a termo, inclusive o dos trabalhadores temporários regidos


pela Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974;

X - suspensão total do trabalho avulso por período igual ou superior a 90 (noventa) dias,
comprovada por declaração do sindicato representativo da categoria profissional.

XI - quando o trabalhador ou qualquer de seus dependentes for acometido de neoplasia


maligna. (Incluído pela Lei nº 8.922, de 1994)

168
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
XII - aplicação em quotas de Fundos Mútuos de Privatização, regidos pela Lei
n° 6.385, de 7 de dezembro de 1976, permitida a utilização máxima de 50 %
(cinqüenta por cento) do saldo existente e disponível em sua conta vinculada do
Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, na data em que exercer a opção. (Incluído
pela Lei nº 9.491, de 1997) (Vide Decreto nº 2.430, 1997)

XIII - quando o trabalhador ou qualquer de seus dependentes for portador do vírus HIV; (Incluído
pela Medida Provisória nº 2.164-41, de 2001)

XIV - quando o trabalhador ou qualquer de seus dependentes estiver em estágio terminal, em


razão de doença grave, nos termos do regulamento; (Incluído pela Medida Provisória nº 2.164-41, de
2001)

XV - quando o trabalhador tiver idade igual ou superior a setenta anos. (Incluído pela Medida
Provisória nº 2.164-41, de 2001)

XVI - necessidade pessoal, cuja urgência e gravidade decorra de desastre natural, conforme
disposto em regulamento, observadas as seguintes condições: (Incluído pela Lei nº 10.878, de
2004) Regulamento Regulamento

a) o trabalhador deverá ser residente em áreas comprovadamente atingidas de Município ou do


Distrito Federal em situação de emergência ou em estado de calamidade pública, formalmente
reconhecidos pelo Governo Federal; (Incluído pela Lei nº 10.878, de 2004)

b) a solicitação de movimentação da conta vinculada será admitida até 90 (noventa) dias após a
publicação do ato de reconhecimento, pelo Governo Federal, da situação de emergência ou de estado
de calamidade pública; e (Incluído pela Lei nº 10.878, de 2004)

c) o valor máximo do saque da conta vinculada será definido na forma do regulamento. (Incluído
pela Lei nº 10.878, de 2004)

XVII - integralização de cotas do FI-FGTS, respeitado o disposto na alínea i do inciso XIII do art.
o
5 desta Lei, permitida a utilização máxima de 30% (trinta por cento) do saldo existente e disponível na
data em que exercer a opção.(Redação dada pela Lei nº 12.087, de 2009)

§ 1º A regulamentação das situações previstas nos incisos I e II assegurar que a retirada a que
faz jus o trabalhador corresponda aos depósitos efetuados na conta vinculada durante o período de
vigência do último contrato de trabalho, acrescida de juros e atualização monetária, deduzidos os
saques.

§ 2º O Conselho Curador disciplinará o disposto no inciso V, visando beneficiar os trabalhadores


de baixa renda e preservar o equilíbrio financeiro do FGTS.

§ 3º O direito de adquirir moradia com recursos do FGTS, pelo trabalhador, só poderá ser
exercido para um único imóvel.

§ 4º O imóvel objeto de utilização do FGTS somente poderá ser objeto de outra transação com
recursos do fundo, na forma que vier a ser regulamentada pelo Conselho Curador.

§ 5º O pagamento da retirada após o período previsto em regulamento, implicará atualização


monetária dos valores devidos.

§ 6o Os recursos aplicados em cotas de fundos Mútuos de Privatização, referidos


no inciso XII, serão destinados, nas condições aprovadas pelo CND, a aquisições de
valores mobiliários, no âmbito do Programa Nacional de Desestatização, de que trata

169
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
a Lei no 9.491, de 1997, e de programas estaduais de desestatização, desde que, em
ambos os casos, tais destinações sejam aprovadas pelo CND. (Redação dada pela
Lei nº 9.635, de 1998)

§ 7o Ressalvadas as alienações decorrentes das hipóteses de que trata o § 8o,


os valores mobiliários a que se refere o parágrafo anterior só poderão ser
integralmente vendidos, pelos respectivos Fundos, seis meses após a sua aquisição,
podendo ser alienada em prazo inferior parcela equivalente a 10% (dez por cento) do
valor adquirido, autorizada a livre aplicação do produto dessa alienação, nos termos
da Lei no 6.385, de 7 de dezembro de 1976. (Redação dada pela Lei nº 9.635, de
1998)
o
§ 8 As aplicações em Fundos Mútuos de Privatização e no FI-FGTS são nominativas,
impenhoráveis e, salvo as hipóteses previstas nos incisos I a XI e XIII a XVI do caput deste artigo,
indisponíveis por seus titulares.(Redação dada pela Lei nº 11.491, de 2007)

§ 9° Decorrido o prazo mínimo de doze meses, contados da efetiva


transferência das quotas para os Fundos Mútuos de Privatização, os titulares poderão
optar pelo retorno para sua conta vinculada no Fundo de Garantia do Tempo de
Serviço. (Incluído pela Lei nº 9.491, de 1997)

§ 10. A cada período de seis meses, os titulares das aplicações em Fundos


Mútuos de Privatização poderão transferi-las para outro fundo de mesma
natureza. (Incluído pela Lei nº 9.491, de 1997)

§ 11. O montante das aplicações de que trata o § 6° deste artigo ficará limitado
ao valor dos créditos contra o Tesouro Nacional de que seja titular o Fundo de
Garantia do Tempo de Serviço. (Incluído pela Lei nº 9.491, de 1997)

§ 12. Desde que preservada a participação individual dos quotistas, será


permitida a constituição de clubes de investimento, visando a aplicação em quotas de
Fundos Mútuos de Privatização. (Incluído pela Lei nº 9.491, de 1997)
o
§ 13. A garantia a que alude o § 4 do art. 13 desta Lei não compreende as aplicações a que se
referem os incisos XII e XVII do caput deste artigo. (Redação dada pela Lei nº 11.491, de 2007)

§ 14. Ficam isentos do imposto de renda: (Redação dada pela Lei nº 11.491, de 2007)

I - a parcela dos ganhos nos Fundos Mútuos de Privatização até o limite da remuneração
das contas vinculadas de que trata o art. 13 desta Lei, no mesmo período; e (Incluído pela Lei nº
11.491, de 2007)

II - os ganhos do FI-FGTS e do Fundo de Investimento em Cotas - FIC, de que trata o § 19


deste artigo. (Incluído pela Lei nº 11.491, de 2007)

§ 15. A transferência de recursos da conta do titular no Fundo de Garantia do Tempo de


Serviço em razão da aquisição de ações, nos termos do inciso XII do caput deste artigo, ou de
o
cotas do FI-FGTS não afetará a base de cálculo da multa rescisória de que tratam os §§ 1 e
o
2 do art. 18 desta Lei. (Redação dada pela Lei nº 11.491, de 2007)

§ 16. Os clubes de investimento a que se refere o § 12 poderão resgatar, durante


os seis primeiros meses da sua constituição, parcela equivalente a 5% (cinco por
170
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
cento) das cotas adquiridas, para atendimento de seus desembolsos, autorizada a
livre aplicação do produto dessa venda, nos termos da Lei no 6.385, de 7 de
dezembro de 1976. (Incluído pela Lei nº 9.635, de 1998)

§ 17. Fica vedada a movimentação da conta vinculada do FGTS nas


modalidades previstas nos incisos V, VI e VII deste artigo, nas operações firmadas, a
partir de 25 de junho de 1998, no caso em que o adquirente já seja proprietário ou
promitente comprador de imóvel localizado no Município onde resida, bem como no
caso em que o adquirente já detenha, em qualquer parte do País, pelo menos um
financiamento nas condições do SFH. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.197-43, de 2001)

§ 18. É indispensável o comparecimento pessoal do titular da conta vinculada


para o pagamento da retirada nas hipóteses previstas nos incisos I, II, III, VIII, IX e X
deste artigo, salvo em caso de grave moléstia comprovada por perícia médica,
quando será paga a procurador especialmente constituído para esse fim. (Incluído pela
Medida Provisória nº 2.197-43, de 2001)

§ 19. A integralização das cotas previstas no inciso XVII do caput deste artigo será realizada por
meio de Fundo de Investimento em Cotas - FIC, constituído pela Caixa Econômica Federal
especificamente para essa finalidade.(Incluído pela Lei nº 11.491, de 2007)

§ 20. A Comissão de Valores Mobiliários estabelecerá os requisitos para a integralização


das cotas referidas no § 19 deste artigo, devendo condicioná-la pelo menos ao atendimento das
seguintes exigências: (Incluído pela Lei nº 11.491, de 2007)

I - elaboração e entrega de prospecto ao trabalhador; e (Incluído pela Lei nº 11.491, de


2007)

II - declaração por escrito, individual e específica, pelo trabalhador de sua ciência quanto aos
riscos do investimento que está realizando. (Incluído pela Lei nº 11.491, de 2007)

§ 21. As movimentações autorizadas nos incisos V e VI do caput serão estendidas aos


contratos de participação de grupo de consórcio para aquisição de imóvel residencial, cujo bem
já tenha sido adquirido pelo consorciado, na forma a ser regulamentada pelo Conselho Curador
do FGTS. (Incluído pela Lei nº 12.058, de 2009)

Art. 21. Os saldos das contas não individualizadas e das contas vinculadas que se conservem
ininterruptamente sem créditos de depósitos por mais de cinco anos, a partir de 1º de junho de 1990,
em razão de o seu titular ter estado fora do regime do FGTS, serão incorporados ao patrimônio do
fundo, resguardado o direito do beneficiário reclamar, a qualquer tempo, a reposição do valor
transferido. (Redação dada pela Lei nº 8.678, de 1993)

Parágrafo único. O valor, quando reclamado, será pago ao trabalhador acrescido da remuneração
prevista no § 2º do art. 13 desta lei. (Incluído pela Lei nº 8.678, de 1993)

Art. 22. O empregador que não realizar os depósitos previstos nesta Lei, no
prazo fixado no art. 15, responderá pela incidência da Taxa Referencial – TR sobre a
importância correspondente. (Redação dada pela Lei nº 9.964, de 2000)

§ 1o Sobre o valor dos depósitos, acrescido da TR, incidirão, ainda, juros de


mora de 0,5% a.m. (cinco décimos por cento ao mês) ou fração e multa, sujeitando-
se, também, às obrigações e sanções previstas no Decreto-Lei no 368, de 19 de
dezembro de 1968. (Redação dada pela Lei nº 9.964, de 2000)

171
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2o A incidência da TR de que trata o caput deste artigo será cobrada por dia de
atraso, tomando-se por base o índice de atualização das contas vinculadas do
FGTS. (Redação dada pela Lei nº 9.964, de 2000)

§ 2o-A. A multa referida no § 1o deste artigo será cobrada nas condições que se
seguem: (Incluído pela Lei nº 9.964, de 2000)

I – 5% (cinco por cento) no mês de vencimento da obrigação; (Incluído pela Lei nº


9.964, de 2000)

II – 10% (dez por cento) a partir do mês seguinte ao do vencimento da


obrigação. (Incluído pela Lei nº 9.964, de 2000)

§ 3o Para efeito de levantamento de débito para com o FGTS, o percentual de


8% (oito por cento) incidirá sobre o valor acrescido da TR até a data da respectiva
operação. (Redação dada pela Lei nº 9.964, de 2000)

Art. 23. Competirá ao Ministério do Trabalho e da Previdência Social a verificação, em nome da


Caixa Econômica Federal, do cumprimento do disposto nesta lei, especialmente quanto à apuração
dos débitos e das infrações praticadas pelos empregadores ou tomadores de serviço, notificando-os
para efetuarem e comprovarem os depósitos correspondentes e cumprirem as demais determinações
legais, podendo, para tanto, contar com o concurso de outros órgãos do Governo Federal, na forma
que vier a ser regulamentada.

§ 1º Constituem infrações para efeito desta lei:

I - não depositar mensalmente o percentual referente ao FGTS, bem como os


valores previstos no art. 18 desta Lei, nos prazos de que trata o § 6o do art. 477 da
Consolidação das Leis do Trabalho - CLT; (Redação dada pela Medida Provisória nº 2.197-43,
de 2001)

II - omitir as informações sobre a conta vinculada do trabalhador;

III - apresentar as informações ao Cadastro Nacional do Trabalhador, dos trabalhadores


beneficiários, com erros ou omissões;

IV - deixar de computar, para efeito de cálculo dos depósitos do FGTS, parcela componente da
remuneração;

V - deixar de efetuar os depósitos e os acréscimos legais, após notificado pela fiscalização.

§ 2º Pela infração do disposto no § 1º deste artigo, o infrator estará sujeito às seguintes multas
por trabalhador prejudicado:

a) de 2 (dois) a 5 (cinco) BTN, no caso dos incisos II e III;

b) de 10 (dez) a 100 (cem) BTN, no caso dos incisos I, IV e V.

§ 3º Nos casos de fraude, simulação, artifício, ardil, resistência, embaraço ou desacato à


fiscalização, assim como na reincidência, a multa especificada no parágrafo anterior será duplicada,
sem prejuízo das demais cominações legais.

172
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 4º Os valores das multas, quando não recolhidas no prazo legal, serão atualizados
monetariamente até a data de seu efetivo pagamento, através de sua conversão pelo BTN Fiscal.

§ 5º O processo de fiscalização, de autuação e de imposição de multas reger-se-á pelo disposto


no Título VII da CLT, respeitado o privilégio do FGTS à prescrição trintenária.

§ 6º Quando julgado procedente o recurso interposto na forma do Título VII da CLT, os depósitos
efetuados para garantia de instância serão restituídos com os valores atualizados na forma de lei.

§ 7º A rede arrecadadora e a Caixa Econômica Federal deverão prestar ao Ministério do Trabalho


e da Previdência Social as informações necessárias à fiscalização.

Art. 24. Por descumprimento ou inobservância de quaisquer das obrigações que lhe compete
como agente arrecadador, pagador e mantenedor do cadastro de contas vinculadas, na forma que vier
a ser regulamentada pelo Conselho Curador, fica o banco depositário sujeito ao pagamento de multa
equivalente a 10 (dez) por cento do montante da conta do empregado, independentemente das demais
cominações legais.

Art. 25. Poderá o próprio trabalhador, seus dependentes e sucessores, ou ainda o Sindicato a que
estiver vinculado, acionar diretamente a empresa por intermédio da Justiça do Trabalho, para compeli-
la a efetuar o depósito das importâncias devidas nos termos desta lei.

Parágrafo único. A Caixa Econômica Federal e o Ministério do Trabalho e da Previdência Social


deverão ser notificados da propositura da reclamação.

Art. 26. É competente a Justiça do Trabalho para julgar os dissídios entre os trabalhadores e os
empregadores decorrentes da aplicação desta lei, mesmo quando a Caixa Econômica Federal e o
Ministério do Trabalho e da Previdência Social figurarem como litisconsortes.

Parágrafo único. Nas reclamatórias trabalhistas que objetivam o ressarcimento de parcelas


relativas ao FGTS, ou que, direta ou indiretamente, impliquem essa obrigação de fazer, o juiz
determinará que a empresa sucumbente proceda ao recolhimento imediato das importâncias devidas a
tal título.

Art. 27. A apresentação do Certificado de Regularidade do FGTS, fornecido pela Caixa Econômica
Federal, é obrigatória nas seguintes situações:

a) habilitação e licitação promovida por órgão da Administração Federal, Estadual e Municipal,


direta, indireta ou fundacional ou por entidade controlada direta ou indiretamente pela União, Estado e
Município;

b) obtenção, por parte da União, Estados e Municípios, ou por órgãos da Administração Federal,
Estadual e Municipal, direta, indireta, ou fundacional, ou indiretamente pela União, Estados ou
Municípios, de empréstimos ou financiamentos junto a quaisquer entidades financeiras oficiais; (Vide
Medida Provisória nº 526, de 2011) (Vide Lei nº 12.453, de 2011)

c) obtenção de favores creditícios, isenções, subsídios, auxílios, outorga ou concessão de


serviços ou quaisquer outros benefícios concedidos por órgão da Administração Federal, Estadual e
Municipal, salvo quando destinados a saldar débitos para com o FGTS;

d) transferência de domicílio para o exterior;

e) registro ou arquivamento, nos órgãos competentes, de alteração ou distrato de contrato social,


de estatuto, ou de qualquer documento que implique modificação na estrutura jurídica do empregador
ou na sua extinção.

173
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 28. São isentos de tributos federais os atos e operações necessários à aplicação desta lei,
quando praticados pela Caixa Econômica Federal, pelos trabalhadores e seus dependentes ou
sucessores, pelos empregadores e pelos estabelecimentos bancários.

Parágrafo único. Aplica-se o disposto neste artigo às importâncias devidas, nos termos desta lei,
aos trabalhadores e seus dependentes ou sucessores.

Art. 29. Os depósitos em conta vinculada, efetuados nos termos desta lei, constituirão despesas
dedutíveis do lucro operacional dos empregadores e as importâncias levantadas a seu favor implicarão
receita tributável.

Art. 29-A. Quaisquer créditos relativos à correção dos saldos das contas
vinculadas do FGTS serão liquidados mediante lançamento pelo agente operador na
respectiva conta do trabalhador. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.197-43, de 2001)

Art. 29-B. Não será cabível medida liminar em mandado de segurança, no


procedimento cautelar ou em quaisquer outras ações de natureza cautelar ou
preventiva, nem a tutela antecipada prevista nos arts. 273 e 461 do Código de
Processo Civil que impliquem saque ou movimentação da conta vinculada do
trabalhador no FGTS. Incluído pela Medida Provisória nº 2.197-43, de 2001)

Art. 29-C. Nas ações entre o FGTS e os titulares de contas vinculadas, bem
como naquelas em que figurem os respectivos representantes ou substitutos
processuais, não haverá condenação em honorários advocatícios. (Incluído pela Medida
Provisória nº 2.164-41, de 2001) (Vide ADI nº 2.736)

Art. 29-D. A penhora em dinheiro, na execução fundada em título judicial em que


se determine crédito complementar de saldo de conta vinculada do FGTS, será feita
mediante depósito de recursos do Fundo em conta vinculada em nome do exeqüente,
à disposição do juízo. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.164-41, de 2001)

Parágrafo único. O valor do depósito só poderá ser movimentado, após


liberação judicial, nas hipóteses previstas no art. 20 ou para reversão ao
Fundo. (Incluído pela Medida Provisória nº 2.164-41, de 2001)

Art. 30. Fica reduzida para 1 1/2 (um e meio) por cento a contribuição devida pelas empresas ao
Serviço Social do Comércio e ao Serviço Social da Indústria e dispensadas estas entidades da
subscrição compulsória a que alude o art. 21 da Lei nº 4.380, de 21 de agosto de 1964.

Art. 31. O Poder Executivo expedirá o Regulamento desta lei no prazo de 60 (sessenta) dias a
contar da data de sua promulgação.

Art. 32. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, revogada a Lei nº 7.839, de 12 de
outubro de 1989, e as demais disposições em contrário.

Brasília, 11 de maio de 1990; 169º da Independência e 102º da República.

FERNANDO COLLOR
Zélia M. Cardoso de Mello
Antonio Magri
Margarida Procópio

DECRETO-LEI Nº 70, DE 21 DE NOVEMBRO DE 1966.

174
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Autoriza o funcionamento de associações de poupança e empréstimo, institui a cédula hipotecária e
dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA , com base no disposto pelo artigo 31, parágrafo único, do Ato
Institucional nº 2, de 27 de outubro de 1965, e tendo em vista o Ato Complementar nº 23, de 20 de
outubro de 1966,

DECRETA:

CAPÍTULO I

DAS ASSOCIAÇÕES DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO

Art 1º Dentro das normas gerais que forem estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional,
poderão ser autorizadas a funcionar, nos têrmos dêste decreto-lei, associações de poupança e
empréstimo, que se constituirão obrigatòriamente sob a forma de sociedades civis, de âmbito regional
restrito, tendo por objetivos fundamentais:

I - propiciar ou facilitar a aquisição de casa própria aos associados;

II - captar, incentivar e disseminar a poupança.

§ 1º As associações de poupança e empréstimo estarão compreendidas no Sistema Financeiro da


Habitação no item IV do artigo 8º da Lei número 4.380, de 21 de agôsto de 1964, e legislação
complementar, com todos os encargos e vantagens decorrentes.

§ 2º As associações de poupança e empréstimo e seus administradores ficam subordinados aos


mesmos preceitos e normas atinentes às instituições financeiras, estabelecidos no capítulo V da Lei nº
4.595, de 31 de dezembro de 1964.

Art 2º São características essenciais das associações de poupança e empréstimo:

I - a formação de vínculo societário, para todos os efeitos legais, através de depósitos em dinheiro
efetuados por pessoas físicas interessadas em delas participar;

II - a distribuição aos associados, como dividendos, da totalidade dos resultados líquidos


operacionais, uma vez deduzidas as importâncias destinadas à constituição dos fundos de reserva e de
emergência e a participação da administração nos resultados das associações.

Art 3º É assegurado aos Associados:

I - retirar ou movimentar seus depósitos, observadas as condições regulamentares;

II - tomar parte nas assembléias gerais, com plena autonomia deliberativa, em todos os assuntos
da competência delas;

III - votar e ser votado.

Art 4º Para o exercício de seus direitos societários, cada associado terá pelo menos um voto,
qualquer que seja o volume de seus depósitos na Associação, e terá tantos votos quantas "Unidades-
Padrão de Capital do Banco Nacional da Habitação" se contenham no respectivo depósito, nos têrmos
do artigo 52 e seus parágrafos da Lei nº 4.380, de 21-8-64, e artigo 9º e seus parágrafos dêste decreto-
lei.

175
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 1º Quando o associado dispuser de mais de um voto, a soma respectiva será apurada na forma
prevista neste artigo, sendo desprezadas as frações inferiores a uma "Unidade-Padrão de Capital".

§ 2º Poderá ser limitado, como norma geral, variável de região a região, o número máximo de
votos correspondentes a cada depósito ou a cada depositante.

Art 5º Será obrigatório, como despesa operacional das associações de poupança e empréstimo, o
pagamento de prêmio para seguro dos depósitos.

Art 6º O Banco Nacional da Habitação poderá determinar, deliberando inclusive quanto à maneira
de fazê-lo, a reorganização, incorporação, fusão ou liquidação de associações de poupança e
empréstimo, bem como intervir nas mesmas, através de interventor ou interventores especialmente
nomeados, independentemente das respectivas assembléias - gerais sempre que verificada uma ou
mais das seguintes hipóteses:

a) insolvência;

b) violação das leis ou dos regulamentes;

c) negativa em exibir papéis e documentos ou tentativa de impedir inspeções;

d) realização de operações inseguras ou antieconômicas;

e) operação em regime de perda.

Art 7º As Associações de poupança e empréstimo são isentas de impôsto de renda; são também
isentas de impôsto de renda as correções monetárias que vierem a pagar a seus depositantes.

Art 8º Aplicam-se às associações de poupança e empréstimo, no que êste decreto-lei não


contrariar, os artigos 1.363 e seguintes do Código Civil ou legislação substitutiva ou modificativa dêles.

CAPÍTULO II

DA CÉDULA HIPOTECÁRIA

Art 9º Os contratos de empréstimo com garantia hipotecária, com exceção das que
consubstanciam operações de crédito rural, poderão prever o reajustamento das respectivas
prestações de amortização e juros com a conseqüente correção monetária da dívida.

§ 1º Nas hipotecas não vinculadas ao Sistema Financeiro da Habitação, a correção monetária da


dívida obedecerá ao que fôr disposto para o Sistema Financeiro da Habitação.

§ 2º A menção a Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional nas operações mencionadas no §


2º do artigo 1º do Decreto-lei nº 19, de 30 de agôsto de 1966, e neste decreto-lei entende-se como
equivalente a menção de Unidades-padrão de Capital do Banco Nacional da Habitação e o valor
destas será sempre corrigido monetàriamente durante a vigência do contrato, segundo os critérios
do art. 7º, 1º, da Lei nº 4.357-64.

§ 3º A cláusula de correção monetária utilizável nas operações do Sistema Financeiro da


Habitação poderá ser aplicada em tôdas as operações mencionadas no § 2º do art. 1º do Decreto-lei nº
19, de 30.8.66, que vierem a ser pactuadas por pessoas não integrantes daquele Sistema, desde que
os atos jurídicos se refiram a operações imobiliárias.

Art 10. É instituída a cédula hipotecária para hipotecas inscritas no Registro Geral de Imóveis,
como instrumento hábil para a representação dos respectivos créditos hipotecários, a qual poderá ser
emitida pelo credor hipotecário nos casos de:

176
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - operações compreendidas no Sistema Financeiro da Habitação;

II - hipotecas de que sejam credores instituições financeiras em geral, e companhias de seguro;

III - hipotecas entre outras partes, desde que a cédula hipotecária seja originàriamente emitida em
favor das pessoas jurídicas a que se refere o inciso II supra.

§ 1º A cédula hipotecária poderá ser integral, quando representar a totalidade do crédito


hipotecário, ou fracionária, quando representar parte dêle, entendido que a soma do principal das
cédulas hipotecárias fracionárias emitidas sôbre uma determinada hipoteca e ainda em circulação não
poderá exceder, em hipótese alguma, o valor total do respectivo crédito hipotecário em nenhum
momento.

§ 2º Para os efeitos do valor total mencionado no parágrafo anterior, admite-se o cômputo das
correções efetivamente realizadas, na forma do artigo 9º, do valor Monetário da dívida envolvida.

§ 3º As cédulas hipotecárias fracionárias poderão ser emitidas em conjunto ou isoladamente a


critério do credor, a qualquer momento antes do vencimento da correspondente dívida hipotecária.

Art 11. É admitida a emissão de cédula hipotecária sôbre segunda hipoteca, desde que tal
circunstância seja expressamente declarada com evidência, no seu anverso.

Art 12. O valor nominal de cada cédula hipotecária vinculada ao Sistema Financeiro da Habitação
poderá ser expresso pela sua equivalência em Obrigações Reajustáveis do Tesouro Nacional ou
Unidades-padrão de Capital do Banco Nacional da Habitação e representado pelo quociente da divisão
do valor inicial da divida ou da prestação, prestações ou frações de prestações de amortizações e juros
da dívida originária pelo valor corrigido de uma Obrigação Reajustável do Tesouro Nacional ou
Unidade-padrão de Capital do Banco Nacional da Habitação no trimestre de constituição da dívida.

§ 1º O valor real ou o valor corrigido de cada cédula hipotecária corresponderá ao produto de seu
valor nominal, definido neste artigo, pelo valor corrigido de uma Obrigação Reajustável do Tesouro
Nacional ou Unidade-padrão de Capital do Banco Nacional da Habitação no momento da apuração
dêsse valor real.

§ 2º O valor nominal discriminará, na forma dêste artigo, a parcela de amortização de capital e a


parcela de juros representados pela cédula hipotecária, bem como o prêmio mensal dos seguros
obrigatórios estipulados pelo Banco Nacional da Habitação.

Art 13. A cédula hipotecária só poderá ser lançada à circulação depois de averbada à margem da
inscrição da hipoteca a que disser respeito, no Registro-Geral de Imóveis, observando-se para essa
averbação o disposto na legislação e regulamentação dos serviços concernentes aos registros
públicos, no que couber.

Parágrafo único. Cada cédula hipotecária averbada será autenticada pelo Oficial do Registro-
Geral de Imóveis competente, com indicação de seu número, série e data, bem como do livro, fôlhas e
a data da inscrição da hipoteca a que corresponder a emissão e à margem da qual fôr averbada.

Art 14. Não será permitida a averbação de cédula hipotecária, quando haja pré-notação, inscrição
ou averbação de qualquer outro ônus real, ação, penhora ou procedimento judicial que afetem o
imóvel, direta ou indiretamente, ou de cédula hipotecária anterior, salvo nos casos dos artigos 10, § 1º,
e 11.

Art 15. A cédula hipotecária conterá obrigatòriamente:

I - No anverso:

a) nome, qualificação e enderêço do emitente, e do devedor;

177
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
b) número e série da cédula hipotecária, com indicação da parcela ou totalidade do crédito que
represente;

c) número, data, livro e fôlhas do Registro-Geral de Imóveis em que foi inscrita a hipoteca, e
averbada a cédula hipotecária;

d) individualização, do imóvel dado em garantia;

e) o valor da cédula, como previsto nos artigos 10 e 12, os juros convencionados e a multa
estipulada para o caso de inadimplemento;

f) o número de ordem da prestação a que corresponder a cédula hipotecária, quando houver;

g) a data do vencimento da cédula hipotecária ou, quando representativa de várias prestações, os


seus vencimentos de amortização e juros;'

h) a autenticação feita pelo oficial do Registro-Geral de Imóveis;

i) a data da emissão, e as assinaturas do emitente, com a promessa de pagamento do devedor;

j) o lugar de pagamento do principal, juros, seguros e taxa.

II - No verso, a menção ou locais apropriados para o lançamento dos seguintes elementos:

a) data ou datas de transferência por endôsso;

b) nome, assinatura e enderêço do endossante;

c) nome, qualificação, endereço e assinatura do endossatário;

d) as condições do endôsso;

e) a designação do agente recebedor e sua comissão.

Parágrafo único. A cédula hipotecária vinculada ao Sistema Financeiro da Habitação deverá


conter ainda, no verso, a indicação dos seguros obrigatórios, estipulados pelo Banco Nacional da
Habitação.

Art 16. A cédula hipotecária é sempre nominativa, e de emissão do credor da hipoteca a que
disser respeito, podendo ser transferida por endôsso em prêto lançado no seu verso, na forma do
artigo 15, II, aplicando-se à espécie, no que êste decreto-lei não contrarie, os artigos 1.065 e seguintes
do Código Civil.

Parágrafo único. Emitida a cédula hipotecária, passa a hipoteca sôbre a qual incidir e fazer parte
integrante dela, acompanhando-a nos endossos subseqüentes, sub-rogando-se automàticamente o
favorecido ou o endossatário em todos os direitos creditícios respectivos, que serão exercidos pelo
último dêles, titular pelo endôsso em prêto.

Art 17. Na emissão e no endôsso da cédula hipotecária, o emitente e o endossante permanecem


solidàriamente responsáveis pela boa liquidação do crédito, a menos que avisem o devedor hipotecário
e o segurador quando houver, de cada emissão ou endôsso, até 30 (trinta) dias após sua realização
através de carta (do emitente ou do endossante, conforme o caso), entregue mediante recibo ou
enviada pelo registro de Títulos e Documentos, ou ainda por meio de notificação judicial, indicando-se,
na carta ou na notificação, o nome, a qualificação e o enderêço completo do beneficiário (se se tratar
de emissão) ou do endossatário (se se tratar de endôsso).

178
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 1º O Conselho Monetário Nacional fixará as condições em que as companhias de seguro e as
instituições financeiras poderão realizar endossos de cédulas hipotecárias, permanecendo
solidàriamente responsáveis por sua boa liquidação, inclusive despesas judiciais, hipótese em que
deverão indicar na própria cédula, obrigatòriamente, o custo de tais serviços.

§ 2º Na emissão e no endôsso da cédula hipotecária é dispensável a outorga uxória.

Art 18. A liquidação total ou parcial da hipoteca sôbre a qual haja sido emitida cédula hipotecária
prova-se pela restituição da mesma cédula hipotecária, quitada, ao devedor, ou, na falta dela, por
outros meios admitidos em lei.

Parágrafo único. O emitente, endossante, ou endossatário de cédula hipotecária que receber seu
pagamento sem restituí-la ao devedor, permanece responsável por tôdas as conseqüências de sua
permanência em circulação.

Art 19. Nenhuma cédula hipotecária poderá ter prazo de resgate diferente do prazo da dívida
hipotecária a que disser respeito, cujo vencimento antecipado, por qualquer motivo, acarretará
automàticamente o vencimento, idênticamente antecipado, de tôdas as cédulas hipotecárias que sôbre
ela houverem sido emitidos.

Art 20. É a cédula hipotecária resgatável antecipadamente, desde que o devedor efetue o
pagamento correspondente ao seu valor, corrigido monetàriamente até a data da liquidação
antecipada; se o credor recusar infundadamente o recebimento, poderá o devedor consignar
judicialmente as importâncias devidas, cabendo ao Juízo determinar a expedição de comunicação ao
Registro-Geral de Imóveis para o cancelamento da correspondente averbação ou da inscrição
hipotecária, quando se trate de liquidação integral desta.

Art 21. É vedada a emissão de cédulas hipotecárias sôbre hipotecas cujos contratos não prevejam
a obrigação do devedor de:

I - conservar o imóvel hipotecado em condições normais de uso;

II - pagar nas épocas próprias todos os impostos, taxas, multas, ou quaisquer outras obrigações
fiscais que recaiam ou venham a recair sôbre o imóvel;

III - manter o imóvel segurado por quantia no mínimo correspondente ao do seu valor monetário
corrigido.

Parágrafo único. O Conselho de Administração do Banco Nacional da Habitação poderá


determinar a adoção de instrumentos - padrão, cujos têrmos fixará, para as hipotecas do Sistema
Financeiro da Habitação.

Art 22. As instituições financeiras em geral e as companhias do seguro poderão adquirir cédulas
hipotecárias ou recebê-las em caução, nas condições que o Conselho Monetário Nacional estabelecer.

Art 23. Na hipótese de penhora, aresto, seqüestro ou outra medida judicial que venha a recair em
imóvel objeto de hipoteca sôbre a qual haja sido emitida cédula hipotecária, fica o devedor obrigado a
denunciar ao Juízo da ação ou execução a existência do fato, comunicando-o incontinenti aos oficiais
incumbidos da diligência, sob pena de responder pelos prejuízos que de sua omissão advierem para o
credor.

Art 24. O cancelamento da averbação da cédula hipotecária e da inscrição da hipoteca respectiva,


quando se trate de liquidação integral desta, far-se-ão:

I - à vista das cédulas hipotecárias devidamente quitadas, exibidas pelo devedor ao Oficial do
Registro Geral de Imóveis;

179
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
II - nos casos dos artigos 18 e 20, in fine ;

III - por sentença judicial transitada em julgado.

Parágrafo único. Se o devedor não possuir a cédula hipotecária quitada, poderá suprir a falta com
a apresentação de declaração de quitação do emitente ou endossante em documento à parte.

Art 25. É proibida a emissão de cédulas hipotecárias sôbre hipotecas convencionadas


anteriormente à vigência dêste decreto-lei, salvo nôvo acôrdo entre credor e devedor, ou quando tenha
sido prevista a correção monetária nos têrmos dos artigos 9 e 11.

Art 26. Todos os atos previstos neste decreto-lei, poderão ser feitos por instrumento particular,
aplicando-se ao seu extravio, no que couber, o disposto no Título VII, do Livro IV, do Código de
Processo Civil.

Art 27. A emissão ou o endôsso de cédula hipotecária com infrigência dêste decreto-lei, constitui,
para o emitente ou o endossante, crime de estelionato, sujeitando-o às sanções do artigo 171 do
Código Penal.

Art 28. Ficam isentos do impôsto das operações financeiras os atos jurídicos e os instrumentos
mencionados neste Capítulo, bem como tôdas as operações passivas de entidades integrantes do
Sistema Financeiro da Habitação; não estarão sujeitos, outrossim, no impôsto de renda;

I - durante o exercício financeiro de 1967, os juros das operações previstas no mesmo Capítulo,
quando vinculados ao Sistema Financeiro da Habitação;

II - a correção monetária dessas operações, em todos os casos.

CAPÍTULO III

Art 29. As hipotecas a que se referem os artigos 9º e 10 e seus incisos, quando não pagas no
vencimento, poderão, à escolha do credor, ser objeto de execução na forma do Código de Processo
Civil (artigos 298 e 301) ou dêste decreto-lei (artigos 31 a 38).

Parágrafo único. A falta de pagamento do principal, no todo ou em parte, ou de qualquer parcela


de juros, nas épocas próprias, bem como descumprimento das obrigações constantes do artigo 21,
importará, automàticamente, salvo disposição diversa do contrato de hipoteca, em exigibilidade
imediata de tôda a dívida.

Art 30. Para os efeitos de exercício da opção do artigo 29, será agente fiduciário, com as funções
determinadas nos artigos 31 a 38:

I - nas hipotecas compreendidas no Sistema Financeiro da Habitação, o Banca Nacional da


Habitação;

II - nas demais, as instituições financeiras inclusive sociedades de crédito imobiliário,


credenciadas a tanto pelo Banco Central da República do Brasil, nas condições que o Conselho
Monetário Nacional, venha a autorizar.

§ 1º O Conselho de Administração ao Banco Nacional da Habitação poderá determinar que êste


exerça as funções de agente fiduciário, conforme o inciso I, diretamente ou através das pessoas
jurídicas mencionadas no inciso II, fixando os critérios de atuação delas.

§ 2º As pessoas jurídicas mencionadas no inciso II, a fim de poderem exercer as funções de


agente fiduciário dêste decreto-lei, deverão ter sido escolhidas para tanto, de comum acôrdo entre o
credor e o devedor, no contrato originário de hipoteca ou em aditamento ao mesmo, salvo se estiverem
agindo em nome do Banco Nacional da Habitação ou nas hipóteses do artigo 41.

180
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 3º Os agentes fiduciários não poderão ter ou manter vínculos societários com os credores ou
devedores das hipotecas em que sejam envolvidos.

§ 4º É lícito às partes, em qualquer tempo, substituir o agente fiduciário eleito, em aditamento ao


contrato de hipoteca.

Art. 31. Vencida e não paga a dívida hipotecária, no todo ou em parte, o credor que houver
preferido executá-la de acordo com este decreto-lei formalizará ao agente fiduciário a solicitação de
execução da dívida, instruindo-a com os seguintes documentos: (Redação dada pela Lei nº 8.004, de
14.3.1990)

I - o título da dívida devidamente registrado; (Inciso incluído pela Lei nº 8.004, de 14.3.1990)

II - a indicação discriminada do valor das prestações e encargos não pagos; (Inciso incluído pela
Lei nº 8.004, de 14.3.1990)

III - o demonstrativo do saldo devedor discriminando as parcelas relativas a principal, juros, multa
e outros encargos contratuais e legais; e (Inciso incluído pela Lei nº 8.004, de 14.3.1990)

IV - cópia dos avisos reclamando pagamento da dívida, expedidos segundo instruções


regulamentares relativas ao SFH. (Inciso incluído pela Lei nº 8.004, de 14.3.1990)

§ 1º Recebida a solicitação da execução da dívida, o agente fiduciário, nos dez dias


subseqüentes, promoverá a notificação do devedor, por intermédio de Cartório de Títulos e
Documentos, concedendo-lhe o prazo de vinte dias para a purgação da mora. (Redação dada pela Lei
nº 8.004, de 14.3.1990)

§ 2º Quando o devedor se encontrar em lugar incerto ou não sabido, o oficial certificará o fato,
cabendo, então, ao agente fiduciário promover a notificação por edital, publicado por três dias, pelo
menos, em um dos jornais de maior circulação local, ou noutro de comarca de fácil acesso, se no local
não houver imprensa diária. (Redação dada pela Lei nº 8.004, de 14.3.1990)

Art 32. Não acudindo o devedor à purgação do débito, o agente fiduciário estará de pleno direito
autorizado a publicar editais e a efetuar no decurso dos 15 (quinze) dias imediatos, o primeiro público
leilão do imóvel hipotecado.

§ 1º Se, no primeiro público leilão, o maior lance obtido fôr inferior ao saldo devedor no momento,
acrescido das despesas constantes do artigo 33, mais as do anúncio e contratação da praça, será
realizado o segundo público leilão, nos 15 (quinze) dias seguintes, no qual será aceito o maior lance
apurado, ainda que inferior à soma das aludidas quantias.

§ 2º Se o maior lance do segundo público leilão fôr inferior àquela soma, serão pagas inicialmente
as despesas componentes da mesma soma, e a diferença entregue ao credor, que poderá cobrar do
devedor, por via executiva, o valor remanescente de seu crédito, sem nenhum direito de retenção ou
indenização sôbre o imóvel alienado.

§ 3º Se o lance de alienação do imóvel, em qualquer dos dois públicos leilões, fôr superior ao total
das importâncias referidas no caput dêste artigo, a diferença afinal apurada será entregue ao devedor.

§ 4º A morte do devedor pessoa física, ou a falência, concordata ou dissolução do devedor pessoa


jurídica, não impede a aplicação dêste artigo.

Art 33. Compreende-se no montante do débito hipotecado, para os efeitos do artigo 32, a qualquer
momento de sua execução, as demais obrigações contratuais vencidas, especialmente em relação à
fazenda pública, federal, estadual ou municipal, e a prêmios de seguro, que serão pagos com
preferência sôbre o credor hipotecário.

181
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Parágrafo único. Na hipótese do segundo público leilão não cobrir sequer as despesas do artigo
supra, o credor nada receberá, permanecendo íntegra a responsabilidade de adquirente do imóvel por
êste garantida, em relação aos créditos remanescentes da fazenda pública e das seguradoras.

Art 34. É lícito ao devedor, a qualquer momento, até a assinatura do auto de arrematação, purgar
o débito, totalizado de acôrdo com o artigo 33, e acrescido ainda dos seguintes encargos:

I - se a purgação se efetuar conforme o parágrafo primeiro do artigo 31, o débito será acrescido
das penalidades previstas no contrato de hipoteca, até 10% (dez por cento) do valor do mesmo débito,
e da remuneração do agente fiduciário;

II - daí em diante, o débito, para os efeitos de purgação, abrangerá ainda os juros de mora e a
correção monetária incidente até o momento da purgação.

Art 35. O agente fiduciário é autorizado, independentemente de mandato do credor ou do devedor,


a receber as quantias que resultarem da purgação do débito ou do primeiro ou segundo públicos
leilões, que deverá entregar ao credor ou ao devedor, conforme o caso, deduzidas de sua própria
remuneração.

§ 1º A entrega em causa será feita até 5 (cinco) dias após o recebimento das quantias envolvidas,
sob pena de cobrança, contra o agente fiduciário, pela parte que tiver direito às quantias, por ação
executiva.

§ 2º Os créditos previstos neste artigo, contra agente fiduciário, são privilegiados, em caso de
falência ou concordata.

Art 36. Os públicos leilões regulados pelo artigo 32 serão anunciados e realizados, no que êste
decreto-lei não prever, de acôrdo com o que estabelecer o contrato de hipoteca, ou, quando se tratar
do Sistema Financeiro da Habitação, o que o Conselho de Administração do Banco Nacional da
Habitação estabelecer.

Parágrafo único. Considera-se não escrita a cláusula contratual que sob qualquer pretexto preveja
condições que subtraiam ao devedor o conhecimento dos públicos leilões de imóvel hipotecado, ou que
autorizem sua promoção e realização sem publicidade pelo menos igual à usualmente adotada pelos
leiloeiros públicos em sua atividade corrente.

Art 37. Uma vez efetivada a alienação do imóvel, de acôrdo com o artigo 32, será emitida a
respectiva carta de arrematação, assinada pelo leiloeiro, pelo credor, pelo agente fiduciário, e por cinco
pessoas físicas idôneas, absolutamente capazes, como testemunhas, documento que servirá como
titulo para a transcrição no Registro Geral de Imóveis.

§ 1º O devedor, se estiver presente ao público leilão, deverá assinar a carta de arrematação que,
em caso contrário, conterá necessàriamente a constatação de sua ausência ou de sua recusa em
subscrevê-la.

§ 2º Uma vez transcrita no Registro Geral de Imóveis a carta de arrematação, poderá o adquirente
requerer ao Juízo competente imissão de posse no imóvel, que lhe será concedida liminarmente, após
decorridas as 48 horas mencionadas no parágrafo terceiro dêste artigo, sem prejuízo de se prosseguir
no feito, em rito ordinário, para o debate das alegações que o devedor porventura aduzir em
contestação.

§ 3º A concessão da medida liminar do parágrafo anterior só será negada se o devedor, citado,


comprovar, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, que resgatou ou consignou judicialmente o valor de
seu débito, antes da realização do primeiro ou do segundo público leilão.

Art 38. No período que medear entre a transcrição da carta de arremação no Registro Geral de
Imóveis e a efetiva imissão do adquirente na posse do imóvel alienado em público leilão, o Juiz

182
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
arbitrará uma taxa mensal de ocupação compatível com o rendimento que deveria proporcionar o
investimento realizado na aquisição, cobrável por ação executiva.

Art 39. O contrato de hipoteca deverá prever os honorários do agente fiduciário, que sòmente lhe
serão devidos se se verificar sua intervenção na cobrança do crédito; tais honorários não poderão
ultrapassar a 5% (cinco por cento) do mesmo crédito, no momento da intervenção.

Parágrafo único. Para as hipotecas do Sistema Financeiro da Habitação o Conselho de


Administração do Banco Nacional da Habitação poderá fixar tabelas de remuneração no agente
fiduciário, dentro dos limites fixados neste artigo.

Art 40. O agente fiduciário que, mediante ato ilícito, fraude, simulação ou comprovada má-fé,
alienar imóvel hipotecado em prejuízo do credor ou devedor envolvido, responderá por seus atos,
perante as autoridades competentes, na forma do Capítulo V da Lei número 4.595, de 31 de dezembro
de 1964, e, perante a parte lesada, por perdas e danos, que levarão em conta os critérios de correção
monetária adotados neste decreto-lei ou no contrato hipotecário.

Art 41. Se, por qualquer motivo, o agente fiduciário eleito no contrato hipotecário não puder
continuar no exercício da função, deverá comunicar o fato imediatamente ao credor e ao devedor, que,
se não chegarem a acôrdo para eleger outro em aditamento ao mesmo contrato, poderão pedir ao
Juízo competente, a nomeação de substituto.

§ 1º Se o credor ou o devedor, a qualquer tempo antes do início da execução conforme o artigo


31, tiverem fundadas razões para pôr em dúvida a imparcialidade ou idoneidade do agente fiduciário
eleito no contrato hipotecário, e se não houver acôrdo entre êles para substituí-lo, qualquer dos dois
poderá pedir ao Juízo competente sua destituição.

§ 2º Os pedidos a que se referem êste artigo e o parágrafo anterior serão processados segundo o
que determina o Código de Processo Civil para as ações declaratórias, com a citação das outras partes
envolvidas no contrato hipotecário e do agente fiduciário.

§ 3º O pedido previsto no parágrafo segundo pode ser de iniciativa do agente fiduciário.

§ 4º Destituído o agente fiduciário, o Juiz nomeará outro em seu lugar, que assumirá
imediatamente as funções, mediante têrmo lavrado nos autos, que será levado a averbação no
Registro Geral de Imóveis e passará a constituir parte integrante do contrato hipotecário.

§ 5º Até a sentença destitutória transitar em julgado, o agente fiduciário destituído continuará no


pleno exercício de suas funções, salvo nos casos do parágrafo seguinte.

§ 6º Sempre que o Juiz julgar necessário, poderá, nos casos dêste artigo, nomear liminarmente o
nôvo agente fiduciário, mantendo-o ou substituindo-o na decisão final do pedido.

§ 7º A destituição do agente fiduciário não exclui a aplicação de sanções cabíveis, em virtude de


sua ação ou omissão dolosa.

CAPÍTULO IV
Das Disposições Finais

Art 43. Os empréstimos destinados ao financiamento da construção ou da venda de unidades


mobiliárias Poderão ser garantidos pela caução, cessão parcial ou cessão fiduciária dos direitos
decorrentes de alienação de imóveis, aplicando-se, no que couber, o disposto nos parágrafos primeiro
e segundo do artigo 22 da Lei número 4.864, de 29 de novembro de 1965.

Parágrafo único. As garantias a que se refere êste artigo constituem direitos reais sôbre os
respectivos imóveis.

183
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art 44. São passíveis de inscrição, nos Cartórios do Registro de Imóveis, os contratos a que se
refere o artigo 43, e os de hipoteca de unidades imobiliárias em construção ou já construídas mas
ainda sem " habitese " das autoridades públicas competentes e respectiva, averbação, desde que
estejam devidamente registrados os lotes de terreno em que elas se situem.

Art 45. Êste decreto-lei entra em vigor na data de sua publicação.

Art 46. Revogam-se as disposições em contrário.

Brasília, 21 de novembro de 1966; 145º da Independência e 78º da República.

H. CASTELLO BRANCO
Carlos Medeiros Silva
Eduardo Lopes Rodrigues
Paulo Egydio Martins

CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS

RESOLUÇÃO CNSP No 205, de 2009.

Dispõe sobre o seguro habitacional e dá outras providências.

A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da


atribuição que lhe confere o art. 34, inciso XI, do Decreto No

60.459, de 13 de março de 1967, e considerando o que consta do Processo CNSP


No 1/2009, na origem, e Processo SUSEP no 15414.002808/2008-01, torna público
que

o Superintendente da SUSEP, ad referendum do CONSELHO NACIONAL DE


SEGUROS PRIVADOS –

CNSP, nos termos do art. 5º , § 1º do seu Regimento Interno aprovado pela


Resolução CNSP No 111, de

2004, com fulcro no disposto no art. 32 do Decreto-Lei No 73, de 21 de novembro


de 1966, resolve:

Art. 1º Aprovar as disposições constantes desta Resolução e de seu anexo.

Art. 2º O Seguro Habitacional tem por objetivo a quitação de dívida do segurado


correspondente ao saldo devedor vincendo na data do sinistro relativa a
financiamento para aquisição ou construção de imóvel, em geral, e/ou a reposição do
imóvel, na ocorrência de sinistro coberto, nos termos desta Resolução.

Parágrafo único. O seguro de que trata o caput poderá, na forma da legislação


vigente, ser operado por sociedades seguradoras autorizadas a operar seguros de
pessoas ou por sociedades seguradoras autorizadas a operar seguros de danos,
observadas as disposições desta Resolução e demais normativos do

184
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
CNSP e da SUSEP.

Art. 3º O Seguro Habitacional abrange as seguintes modalidades:

I. Seguro Habitacional do Sistema Financeiro da Habitação – SH/SFH;

II. Seguro Habitacional em Apólices de Mercado – SH/AM.

§ 1º O seguro referido no inciso I caracteriza-se por possuir apólice única para todas
as sociedades seguradoras, que somente pode ser alterada pelo Conselho Curador do
Fundo de Compensação de Variações Salariais – CCFCVS, tendo seu equilíbrio
garantido pelo Governo Federal, através do FCVS, nos termos do Decreto-Lei No
2.476, de 16 de setembro de 1988, com a redação dada pela Lei No 7.682, de 02 de
dezembro de 1988.

§ 2º O seguro referido no inciso II caracteriza-se por ter suas coberturas em apólices


de mercado, sendo as sociedades seguradoras privadas responsáveis pela gestão das
respectivas carteiras, nos termos da legislação e regulamentação vigentes.

§ 3º Somente poderão ser incluídas na apólice a que se refere o §1º deste artigo as
operações relacionadas a financiamentos concedidos no âmbito do Sistema
Financeiro da Habitação – SFH, nos termos da legislação vigente.

Art. 4º É vedada a transferência de risco originalmente coberto pelo SH/AM para o


SH/SFH.

Parágrafo único. Inclui-se na vedação de que trata o caput, o retorno de risco


originalmente coberto pelo SH/SFH, que tenha sido migrado para apólice do
SH/AM.

Art. 5º As disposições contidas no anexo desta Resolução serão obrigatoriamente


aplicadas às apólices do SH/AM que forem contratadas após 60 (sessenta) dias da
data de publicação desta Resolução.

Parágrafo único. A partir do prazo de 60 (sessenta) dias a que se refere o caput, não
poderão ser aceitos novos segurados em apólices não enquadradas aos termos desta
Resolução.

Art. 6º As condições contratuais e a nota técnica atuarial, referentes a produtos


registrados na SUSEP, deverão ser adaptadas, no que couber, ao disposto no anexo
desta Resolução em até 60 (sessenta) dias, após a sua publicação.

§ 1º A ausência de manifestação formal das sociedades seguradoras quanto ao


disposto no caput deste artigo implicará a respectiva suspensão da comercialização e
o arquivamento dos planos originalmente registrados na SUSEP.

185
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2º Os planos de seguro protocolados na SUSEP, a partir do início de vigência
desta Resolução, deverão obedecer aos critérios nela estabelecidos. 2

Art. 7º Fica a SUSEP autorizada a baixar normas complementares, publicar


condições contratuais padronizadas para o seguro de que trata o inciso II do artigo 3º
, bem como resolver os casos omissos.

Art. 8º Aos casos não previstos nesta Resolução aplicam-se as disposições


normativas gerais em vigor.

Art. 9º A falta de cumprimento do disposto nesta Resolução sujeitará o infrator às


penas previstas em lei e na regulamentação em vigor.

Art. 10. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Rio de Janeiro, 18 de novembro de 2009.

ARMANDO VERGILIO DOS SANTOS JÚNIOR

Superintendente da Superintendência de Seguros Privados

RESOLUÇÃO CNSP No 205, de 2009.

ANEXO DISPOSIÇÕES APLICÁVEIS AO SH/AM

Capítulo I

Do Objeto do Seguro

Art. 1o

O Seguro Habitacional em Apólices de Mercado – SH/AM deverá garantir


obrigatoriamente coberturas securitárias que prevejam, no mínimo, os riscos de
morte e invalidez permanente do segurado e/ou de danos físicos ao imóvel, de
acordo com a operação de financiamento de imóvel contratada.

Capítulo II

Das Definições

Art. 2o

Considerar-se-ão, para efeitos desta Resolução, as seguintes definições:

I. MIP – Morte e Invalidez Permanente;

186
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
II. DFI – Danos Físicos ao Imóvel;

III. Financiador – Qualquer entidade, pública ou privada, que conceda financiamento


para a construção ou a aquisição de imóvel em geral;

IV. Estipulante – No seguro contratado sob a forma coletiva, é o próprio financiador;

V. Segurado – Pessoa física ou jurídica que assine com o financiador o contrato de


financiamento para a construção ou aquisição de imóvel, na qualidade de adquirente
ou promitente comprador; ou o próprio financiador, exclusivamente para a cobertura
de DFI, no caso de imóvel adjudicado face execução

da dívida por inadimplência do financiado e nos casos em que apenas esteja


promovendo a construção; e

VI. Beneficiário – Quem recebe a indenização, em caso de sinistro.

Capítulo III

Das Coberturas

Art. 3o

A cobertura dos riscos de MIP deverá observar o previsto nesta Resolução e


respectiva regulamentação e, nos casos omissos, as normas relativas aos seguros de
pessoas.

§ 1º Para efeitos da cobertura dos riscos a que se refere o caput, será considerada
como:

I. morte - aquela decorrente de causas naturais ou acidentais.

II. invalidez permanente - aquela que ocorrer em data posterior à data da assinatura
do contrato de

financiamento do imóvel, causada por acidente pessoal ou doença, que determine a


incapacidade total e permanente para o exercício da atividade laborativa principal do
segurado, no momento do sinistro.

§ 2º Para a regulação de sinistro de invalidez permanente, ressalvado o disposto no


parágrafo 5º deste artigo, é vedado condicionar o pagamento da indenização à
impossibilidade do exercício, pelo segurado, de toda e qualquer atividade laborativa.

§ 3º Não haverá cobertura para os riscos de MIP decorrentes e/ou relacionados à


doença manifesta em data anterior à assinatura do contrato de financiamento, de
conhecimento do segurado e não declarada na proposta do seguro, bem como

187
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
decorrentes de eventos comprovadamente resultantes de acidente pessoal, ocorrido
em data anterior à da assinatura do referido contrato.

§ 4º Nos casos em que o segurado se encontrar em gozo de benefício previdenciário


de invalidez considerar-se-á coberto apenas o risco de morte.

§ 5º Nos casos em que o segurado não exercer qualquer atividade laborativa


considerar-se-á coberto, além do risco de morte, o risco de invalidez permanente
causada por acidente pessoal ou doença, que determine a incapacidade total e
permanente para o exercício de toda e qualquer atividade laborativa. 3

Art. 4º A cobertura dos riscos de DFI deverá observar o previsto nesta Resolução e
respectiva regulamentação e, nos casos omissos, as normas relativas aos seguros de
danos.

§ 1º A cobertura dos riscos a que se refere o caput contemplará, no mínimo, os


danos provenientes de:

I. incêndio, raio ou explosão;

II. vendaval;

III. desmoronamento total;

IV. desmoronamento parcial, assim entendido a destruição ou desabamento de


paredes, vigas ou outro elemento estrutural;

V. ameaça de desmoronamento, devidamente comprovada;

VI. destelhamento; e

VII. inundação ou alagamento, ainda que decorrente de chuva.

§ 2º Caso haja necessidade de desocupação do imóvel por inabitabilidade, em


decorrência de sinistro coberto pela seguradora nos riscos de DFI, deverá ser
prevista indenização, correspondente aos encargos mensais do financiamento,
respeitado o limite referido no artigo 14 deste anexo.

Art. 5º Poderão ser oferecidas nas apólices de SH/AM, em caráter facultativo, outras
coberturas além das descritas nos artigos 3o

e 4º deste anexo, devendo ser observada a regulamentação em vigor.

Capítulo IV

Da Contratação do Seguro e sua Vigência

188
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 6º A contratação do SH/AM será feita mediante emissão de uma única apólice,
englobando obrigatoriamente as coberturas de MIP e/ou DFI, de acordo com a
operação de financiamento de imóvel contratada e, facultativamente, as coberturas
referidas no artigo 5º deste anexo.

Parágrafo único. Somente poderão ser contabilizadas no grupamento de ramos


específico para este seguro, as apólices que satisfaçam as disposições previstas no
caput deste artigo.

Art. 7º Deverá ser apresentado ao estipulante, no caso de seguro coletivo, ou ao


interessado no financiamento, no caso de seguro individual, o valor correspondente
ao Custo Efetivo do Seguro Habitacional – CESH, em relação às coberturas dos
riscos de MIP e DFI, na forma estabelecida pela SUSEP, para efeito de
comparabilidade dos produtos oferecidos.

Parágrafo único. Os custos correspondentes às coberturas facultativas referidas no


artigo 5º deste anexo, não integrarão o valor do CESH, devendo ser apresentados de
forma segregada ao interessado.

Art. 8º A critério da seguradora poderá ser exigida a Declaração Pessoal de Saúde


(DPS) do proponente ao seguro habitacional, quando da contratação ou da adesão ao
seguro.

Parágrafo único. Na hipótese de transferência de apólices entre seguradoras, é


vedado à seguradora que assumir os riscos exigir nova DPS dos segurados
abrangidos pelo contrato anterior.

Art. 9º A seguradora não poderá limitar a oferta da cobertura securitária a


proponentes ao seguro habitacional cuja idade, somada ao prazo de financiamento e
eventuais renegociações, seja inferior a 80 (oitenta) anos e 6 (seis) meses.

Parágrafo único. Independentemente do disposto no caput, não caberá a limitação


prevista aos instrumentos contratuais firmados por pessoas com idade igual ou
superior a 60 (sessenta) anos, até o limite de 3% (três por cento) do número de
unidades residenciais integrantes de programas habitacionais públicos ou
subsidiados com recursos públicos.

Art. 10. O prazo de vigência do seguro deverá corresponder ao prazo de


financiamento do imóvel.

§ 1º A apólice, no caso de seguro individual, ou o certificado individual, no caso de


seguro coletivo, deve estabelecer as datas de início e de término de vigência das
coberturas.

§ 2º No caso de seguro coletivo, a vigência da apólice corresponderá ao período em


que poderão ser incluídos novos segurados.
189
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 3º Observado o disposto no caput deste artigo e nos parágrafos anteriores, a
vigência de cada certificado individual deverá iniciar-se dentro do prazo de vigência
da respectiva apólice coletiva.

Art. 11. Caso o segurado e o financiador repactuem o prazo original do contrato de


financiamento, deverá ser observado que:

I. se houver redução do prazo original, permanecerá a garantia do seguro até o


término do novo prazo, com devolução do prêmio correspondente ao período
remanescente, se for o caso; e

II. se houver ampliação do prazo original, a seguradora deverá ser consultada quanto
ao interesse na manutenção do seguro, mediante nova proposta.

Parágrafo único. Respeitado o disposto neste Capítulo, a responsabilidade da


seguradora finda ao

término do prazo de vigência do seguro, ou quando da extinção da dívida, o que


primeiro ocorrer. 4

Art. 12. A apólice, no caso de seguro individual, ou o certificado individual, no caso


de seguro coletivo, deverá permanecer em vigor até o término do prazo de vigência
do seguro, mesmo que o segurado esteja inadimplente em relação a qualquer parcela
do prêmio.

§ 1º Na hipótese prevista no caput deste artigo, caberá ao estipulante, no caso de


seguro coletivo, ou ao financiador, no caso de seguro individual, honrar o pagamento
dos prêmios do seguro junto à seguradora.

§ 2º O não pagamento do prêmio do seguro por parte do estipulante, no caso de


seguro coletivo, ou do financiador, no caso de seguro individual, desobriga a
seguradora ao pagamento de qualquer indenização, sem prejuízo das obrigações do
estipulante ou do financiador, respectivamente, junto ao segurado.

Capítulo V Do Limite Máximo de Garantia

Art. 13. O limite máximo de garantia correspondente à cobertura dos riscos de MIP
consistirá, a cada mês, do valor do saldo devedor do financiamento do imóvel,
consideradas pagas todas as prestações vencidas.

Art. 14. O limite máximo de garantia correspondente à cobertura dos riscos de DFI
consistirá, a qualquer tempo, do valor da avaliação inicial do imóvel, que serviu de
base para a operação de financiamento, devidamente atualizado com base no índice
convencionado no contrato de seguro.

190
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 1º O índice convencionado no contrato de seguro deverá ser igual ao estabelecido
no contrato de financiamento.

§ 2º No caso de contratos de financiamento sem previsão de cláusula de atualização,


o valor de avaliação inicial do imóvel será atualizado com base no índice e
periodicidade definidos no respectivo contrato de seguro.

Capítulo VI

Da Concorrência de Apólices

Art. 15. É vedada a contratação concomitante de mais de uma apólice de seguro


habitacional para o mesmo financiamento.

Capítulo VII

Dos Prêmios

Art. 16. Para efeito de cálculo dos prêmios do seguro correspondentes aos riscos de
MIP, as taxas, estabelecidas por faixa etária ou por idade média do grupo segurado,
deverão incidir sobre o limite máximo de garantia, na forma do artigo 13 deste
anexo, respeitadas as datas de pagamento das prestações previstas no contrato de
financiamento.

Parágrafo único. As condições contratuais devem explicitar se a taxa a que se refere


o caput será única, durante todo o contrato, e estabelecida em função da idade do
segurado, no momento da adesão ou contratação do seguro, ou se haverá seu re-
enquadramento, mencionando, nessa hipótese, os períodos em que se dará o re-
enquadramento.

Art. 17. Para efeito de cálculo dos prêmios do seguro correspondentes aos riscos de
DFI, as taxas incidirão sobre o limite máximo de garantia a que se refere o artigo 14
deste anexo.

Art. 18. Deverão constar integralmente das condições contratuais do seguro


habitacional as situações e o detalhamento operacional para aplicação de cada tipo
de taxa referida nos artigos 16 e 17 deste anexo.

Capítulo VIII

Das Franquias e Carências

Art. 19. É vedado o estabelecimento de franquias e/ou participações obrigatórias do


segurado nas apólices de SH/AM para as coberturas dos riscos de MIP e DFI,
admitindo-se, contudo, caso aplicáveis, para as coberturas facultativas referidas no
artigo 5º deste anexo.

191
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 20. É vedado o estabelecimento de prazo de carência para as coberturas dos
riscos de MIP e DFI nas apólices de SH/AM, quando da adesão ou contratação do
seguro, admitindo-se, contudo, caso aplicável, para as coberturas facultativas
referidas no artigo 5º deste anexo.

Parágrafo único. O disposto no caput não se aplica aos casos de suicídio ou sua
tentativa, para os quais aplicar-se-á o prazo de carência de 2 (dois) anos, contado da
data do início de vigência do contrato de financiamento, devendo ser cobertos pela
seguradora, após esse prazo.

Art. 21. Observado o disposto neste Capítulo, para as coberturas dos riscos de MIP,
faculta-se o estabelecimento de prazo de carência, limitado ao período máximo de 12
(doze) meses, nos casos de alterações concernentes à composição de renda para fins
de seguro. 5

§ 1º A contagem do prazo de carência a que se refere o caput, inicia-se na data de


recebimento pela seguradora da comunicação de cada alteração referida.

§ 2º Independentemente do disposto no caput, não será considerado qualquer prazo


de carência para sinistros decorrentes dos riscos de MIP resultantes de acidente
pessoal.

§ 3º A seguradora que assumir a apólice, em substituição a seguradoras anteriores,


na hipótese prevista no parágrafo único do artigo 8º deste anexo, não poderá
reiniciar a contagem dos prazos de carência para os segurados abrangidos pelo
contrato de seguro anterior, prevalecendo, para início daquela contagem, a data do
contrato de financiamento ou a data de cada alteração a que se refere o parágrafo
primeiro deste artigo.

Capítulo IX

Das Indenizações

Art. 22. Para a cobertura dos riscos de MIP, a indenização corresponderá à quantia
necessária à quitação total do financiamento, assim entendido o saldo devedor
vincendo, na data do sinistro.

§ 1º As indenizações deverão ser realizadas sob a forma de pagamento único.

§ 2º Caso haja mais de um segurado na composição de renda para fins de seguro, o


valor da indenização será proporcional ao percentual de responsabilidade
correspondente ao segurado que tenha falecido ou se tornado inválido, prevalecendo
o percentual vigente na data do sinistro, observado o disposto no artigo 21 deste
anexo.

192
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 3º Na hipótese do § 2º deste artigo, havendo liquidação parcial da dívida, o
seguro de MIP será mantido para os demais componentes da renda, relativamente à
divida remanescente.

Art. 23. A invalidez permanente do segurado será comprovada com apresentação de


declaração médica, com observância às restrições para doenças e lesões pré-
existentes e suas consequências, conforme previsto no § 3º do artigo 3º deste anexo.

Parágrafo único. Independentemente do previsto no caput deste artigo, a exclusivo


critério da seguradora, o segurado poderá se submeter a perícia médica, às expensas
da seguradora.

Art. 24. No caso de divergências sobre a causa, natureza ou extensão de lesões,


relacionadas à invalidez permanente, ou sobre a avaliação da incapacidade, a
seguradora deverá propor ao estipulante ou ao segurado, conforme o caso, por meio
de correspondência escrita, dentro do prazo de 15 (quinze) dias, a contar da data da
contestação por parte do interessado, a constituição de junta médica.

§ 1º A junta médica de que trata o caput deste artigo será constituída por 3 (três)
membros, sendo um nomeado pela seguradora, outro pelo segurado e um terceiro,
desempatador, escolhido pelos dois nomeados.

§ 2º Cada uma das partes pagará os honorários do médico que tiver designado; os do
terceiro serão pagos, em partes iguais, pelo segurado e pela seguradora.

§ 3º O prazo para constituição da junta médica será de, no máximo, 15 (quinze) dias
a contar da data da indicação do membro nomeado pelo segurado.

Art. 25. Para a cobertura dos riscos de DFI, a indenização, respeitado o limite
máximo de garantia vigente na data do sinistro, corresponderá ao valor necessário à
reposição do imóvel ao estado equivalente ao que se encontrava imediatamente antes
do sinistro.

Parágrafo único. Poderá ser prevista indenização para prejuízos relativos à perda do
conteúdo do imóvel, desde que seja oferecida como cobertura adicional e facultativa,
nos termos do artigo 5º deste anexo.

Art. 26. Caso o segurado tenha sido aceito na apólice, a seguradora não poderá negar
o pagamento da indenização referente à cobertura dos riscos de MIP sob alegação de
que a idade do segurado sinistrado somada ao prazo de financiamento, desde que
corretamente informados, ultrapassa o limite previsto no artigo 9º deste anexo.

Capítulo X

Dos Beneficiários

193
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 27. O beneficiário, em caso de sinistro relacionado aos riscos de MIP, é o
próprio estipulante, no caso de seguro coletivo, ou o financiador, no caso de seguro
individual.

Parágrafo único. É vedada a substituição do beneficiário, por ato entre vivos ou de


última vontade do segurado, salvo se houver mudança do financiador.

Capítulo XI 6

Do Cancelamento

Art. 28. O cancelamento da apólice do SH/AM, respeitado o período correspondente


ao prêmio pago, somente poderá ser efetuado mediante acordo entre segurado,
seguradora e estipulante, no caso de seguro coletivo, ou financiador, no caso de
seguro individual, observada a legislação em vigor, quanto ao percentual de
anuentes, quando se tratar de apólice coletiva.

Capítulo XII

Da Substituição da Apólice

Art. 29. Para a substituição do seguro contratado, o segurado deverá ter regularizada
sua situação de adimplência junto ao estipulante, no caso do seguro coletivo, ou ao
financiador, no caso de seguro individual, relativamente a prêmios de seguro
vencidos.

Parágrafo único. Na hipótese de antecipação de prêmios, caberá à seguradora


substituída a restituição ao agente financeiro da parcela dos prêmios de seguro
correspondentes ao período de cobertura não usufruído, devidamente atualizada com
base no índice definido no respectivo contrato de seguro.

Art. 30. Observado o disposto no parágrafo único do artigo 8º deste anexo, havendo
substituição da apólice pela de outra seguradora, a nova seguradora deverá
recepcionar a totalidade do grupo segurado, não podendo recusar segurados, ainda
que portadores de qualquer doença, mantidas as restrições originais do risco, se
houver.

Parágrafo único. Na hipótese prevista no caput deste artigo, a nova seguradora


emitirá certificado individual para cada segurado, contendo, relativamente à data de
emissão, no mínimo:

I. os respectivos nomes dos segurados para cada operação;

II. os percentuais de composição de renda em vigor, para fins indenitários da


cobertura para os riscos de MIP;

194
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III. descrição dos limites máximos de garantia, em vigor na data de emissão do
certificado, para as coberturas referentes aos riscos de MIP e DFI;

IV. os prêmios correspondentes à cobertura, para os riscos de MIP e de DFI;

V. a data de início de vigência do seguro; e

VI. a data de término de vigência do seguro, ressaltando que esta corresponderá ao


término do financiamento ou à extinção da dívida, o que ocorrer primeiro.

Capítulo XIII

Das Comunicações

Art. 31. Toda e qualquer comunicação entre o segurado e a seguradora deve ser feita
por intermédio do estipulante, no caso do seguro coletivo, ou do financiador, no caso
de seguro individual.

CIRCULAR SUSEP N° 111, de 3 de dezembro de 1999.


CONDIÇÕES ESPECIAIS
CONDIÇÕES ESPECIAIS RELATIVAS AO SEGURO COMPREENSIVO ESPECIAL DA
APÓLICE DE SEGURO HABITACIONAL DO SISTEMA FINANCEIRO DA
HABITAÇÃO - SFH
CLÁUSULA 1ª - CONTRATANTES DO SEGURO
Por força da Lei nº 4.380, de 21 de agosto de 1964, e de Legislação Complementar, a (nome da
Sociedade Seguradora) - a seguir denominada Seguradora - contrata com (nome do Estipulante) - a
seguir denominado Estipulante - o presente seguro, de conformidade com estas Condições
Especiais e as Particulares que se seguem:
CLÁUSULA 2ª - DOS SEGURADOS
Os SEGURADOS são as pessoas expressamente mencionadas como tais nas Condições
Particulares.
CLÁUSULA 3ª - DOS ESTIPULANTES
Para efeito destas Condições, definem-se como ESTIPULANTES os Agentes que compõem o
Sistema Financeiro da Habitação, bem como as pessoas físicas ou jurídicas cessionárias de créditos
originados nesse Sistema.
CLÁUSULA 4ª - COBERTURAS CONTRATADAS
O Estipulante contrata, por esta Apólice, as coberturas definidas nas Condições Particulares anexas
para as operações de financiamento vinculadas ao Sistema Financeiro da Habitação, abrangendo os
seguintes riscos:
I - danos físicos nos imóveis;
II - morte e invalidez permanente;
III - responsabilidade civil do construtor.
CLÁUSULA 5ª - OBJETO DO SEGURO
5.1 - O presente seguro tem por objetivo garantir, conforme expresso e obrigatoriamente
convencionado nestas Condições e nas Particulares, o pagamento da indenização a quem de direito,
pela ocorrência de riscos previstos e cobertos nesta Apólice, relativamente às operações contratadas

195
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
no Sistema Financeiro da Habitação até o início de vigência de nova apólice que venha a ser
formulada para o SFH.
5.1.1 - Consideram-se ainda enquadradas nesta Apólice quaisquer alterações efetuadas nas
operações contratadas referidas neste item, mesmo que as alterações sejam realizadas a partir da
vigência de nova apólice que venha a ser formulada para o SFH.
5.2 - Não são consideradas enquadradas nesta Apólice as operações celebradas no SFH a partir de
25 de junho de 1998 com seguro garantido por apólice distinta da do Seguro Habitacional do SFH,
firmadas em conformidade com o Artigo 2º da Medida Provisória nº 1.671, de 24 de junho de 1998,
e suas sucedâneas.
5.3 – Deixam de ser consideradas enquadradas nesta Apólice as operações celebradas no SFH, sem
cobertura do Fundo de Compensação de Variações Salariais – FCVS, em conformidade com o
Artigo 22 da Medida Provisória nº 1.635-22, de 10 de junho de 1998, e suas sucedâneas, desde que:
I - os contratos tenham sido novados entre as partes, a partir de 12 de junho de 1998, estabelecendo-
se novas condições financeiras relativas à apólice de seguro; e
II - o contrato objeto de renegociação seja formalizado por meio de instrumento particular de
aditamento contratual, com força de escritura pública, dispensando-se registro, averbação ou
arquivamento no Registro de Imóveis e no Registro de Títulos e Documentos.
CLÁUSULA 6ª - RISCOS COBERTOS E RISCOS EXCLUÍDOS
Para os fins deste seguro, consideram-se "Riscos Cobertos" bem como "Riscos Excluídos" aqueles
expressamente convencionados nas Condições Particulares.
CLÁUSULA 7ª - TAXAS DE PRÊMIOS
7.1 - As taxas de prêmio aplicáveis às coberturas convencionadas por esta Apólice, bem como os
critérios para seu cálculo, estão indicados nas respectivas Condições Particulares.
7.2 - Havendo financiamento complementar para construção, aquisição ou ampliação de um mesmo
imóvel, as taxas pertinentes incidirão sobre as importâncias seguradas relativas aos financiamentos
considerados em seu conjunto, respeitados os prazos de cada um.
7.3 - A especificação dos procedimentos a serem adotados para a aplicação do previsto nos itens 7.1
e 7.2 às operações correspondentes, consta das NORMAS e ROTINAS a que se reporta a Cláusula
24 destas Condições Especiais.
7.4 - A Seguradora poderá limitar os pagamentos das indenizações, no caso de insuficiência de
recursos, ao volume de prêmios recebidos, deduzidas as remunerações das entidades responsáveis
pela operação deste seguro, ficando garantido a cada Estipulante a liquidação de seus sinistros, até
o limite dos seus prêmios, deduzidas as respectivas remunerações, sendo os eventuais superávites
de outros estipulantes distribuídos proporcionalmente ao excedente de sinistros devidos.
7.5 - A SUSEP, a qualquer tempo e sempre que necessário, adotará as medidas que adeqüem os
valores relativos ao prêmio desse seguro, visando a preservação do seu equilíbrio técnico-atuarial e
econômico-financeiro, ouvido o CCFCVS - Conselho Curador do FCVS e/ou quando solicitado
pelo mesmo.
7.5.1 - Na impossibilidade do ajuste da taxa, o FCVS, segundo a Lei nº 7.682, de 02 de dezembro
de 1988, suprirá as Seguradoras dos recursos necessários para fazer face ao prejuízo mensal, na
forma aprovada pelo CCFCVS.
CLÁUSULA 8ª - LIMITES MÁXIMOS DE COBERTURA
Os limites máximos de cobertura admitidos por estas Condições são os indicados nas Condições
Particulares desta Apólice.
CLÁUSULA 9ª - COMUNICAÇÃO DAS OPERAÇÕES E RECOLHIMENTO DE
PRÊMIOS
9.1 - O Estipulante se obriga a manter averbadas segundo estas Condições as operações realizadas
até o início de vigência de nova apólice que venha a ser formulada para o SFH.
9.1.1- O Estipulante deverá comunicar à Seguradora, até o dia 10 (dez) do mês seguinte à sua
realização, as contratações e respectivas alterações relativas às operações mencionadas neste item,
com todos os elementos necessários à averbação.
9.2 - O prêmio do seguro é mensal e calculado conforme previsto nas Condições Particulares.

196
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
9.2.1 - A periodicidade prevista neste item não se aplica ao seguro de responsabilidade civil do
construtor.
9.3 - Mensalmente, a Seguradora apresentará ao Estipulante uma conta de prêmios, calculada na
forma prevista nas Condições Particulares e nas NORMAS e ROTINAS desta Apólice.
9.4 - O pagamento do prêmio relativo a toda e qualquer cobertura é da inteira responsabilidade do
Estipulante.
9.4.1 - Não elidirá essa responsabilidade, em nenhuma hipótese, a ocorrência de atraso nos
pagamentos dos compromissos pelo Segurado.
CLÁUSULA 10 - CORREÇÃO AUTOMÁTICA DAS IMPORTÂNCIAS SEGURADAS E
RESPECTIVOS PRÊMIOS
10.1 - A Seguradora e o Estipulante obrigam-se a considerar as importâncias seguradas,
mencionadas nas Condições Particulares seguintes, atualizadas automaticamente de acordo com os
regulamentos do Sistema Financeiro da Habitação.
10.2 - Durante o período de construção ou locação, qualquer que seja a forma e o tipo de
pagamento contratados, a atualização monetária do prêmio do seguro será equivalente à prevista
para o saldo devedor ou valor da opção.
10.3 - O reajuste dos prêmios durante o período de amortização se fará nas datas de reajustamento
fixadas no respectivo contrato de financiamento, mediante a aplicação dos mesmos índices
determinadores de alteração da prestação.
10.3.1 - O critério de reajuste de prêmios previsto neste item também se aplica:
a) durante o período de ocupação com opção de compra realizada por Companhia de Habitação
Popular - COHAB;
b) no período após o encerramento do programa e antes da assinatura de contrato definitivo nas
operações de cooperativas habitacionais.
10.3.2 - O critério de reajuste de prêmios previsto neste item não se aplica aos recálculos de
prestação a cada doze meses, para a extinção da dívida no prazo originalmente contratado, nem à
revisão da prestação, sempre que seu valor extrapolar o limite máximo de comprometimento de
renda estabelecido contratualmente, conforme previsto para os contratos de financiamento
habitacional celebrados com base na Lei nº 8.692, de 28 de julho de 1993.
10.3.2.1 - Nessas situações, o valor do prêmio não será afetado pelo índice determinador dessa
alteração da prestação, mas sim pelo índice que contratualmente prevaleceria para a alteração da
prestação se não houvesse o recálculo ou a limitação.
10.4 - No período de 1º de julho de 1983 até 30 de junho de 1985, os prêmios serão reajustados
com base na variação integral do maior salário mínimo para os contratos com reajustamento das
prestações tendo como base aquele indexador, conforme dispõem o Decreto-Lei nº 2.065, de 26 de
outubro de 1983 e a RC-04/84, emitida pelo BNH em 21 de março de 1984, não se aplicando,
portanto, o previsto no item 10.3.
CLÁUSULA 11 - AUTOMATICIDADE DAS COBERTURAS
11.1 - O Estipulante convenciona com a Seguradora que serão efetuados os seguros de todas as
operações contratadas no Sistema Financeiro da Habitação, inclusive das operações em vigor, de
acordo com o previsto nestas Condições e nas Condições Particulares da presente Apólice.
11.2 - O automatismo da cobertura e o recebimento do prêmio não importam, por si sós, no
irrestrito e incondicional reconhecimento da obrigação de a Seguradora efetuar o pagamento da
indenização, que dependerá da verificação, em cada caso, do enquadramento do sinistro nas
Condições desta Apólice.
CLÁUSULA 12 - AVISOS E COMUNICAÇÕES
Todo e qualquer aviso ou comunicação procedente do Segurado, ou de quem suas vezes fizer,
deverá ser feito por escrito, por intermédio do Estipulante.
CLÁUSULA 13 - DIREITO DE CONTROLE
13.1 - A Seguradora se reserva o direito de proceder, durante a vigência da Apólice, a inspeção dos
bens que se relacionem com o seguro.

197
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
13.2 - O Estipulante deve facilitar à Seguradora a execução de tais medidas, proporcionando-lhe as
provas e os esclarecimentos solicitados, que estiverem ao seu alcance.
CLÁUSULA 14 - DECLARAÇÕES INEXATAS
14.1 - O Estipulante se obriga a facilitar à Seguradora, por todos os meios ao seu alcance, as
verificações que se fizerem necessárias à comprovação das informações que a ela prestar.
14.2 - Toda inexatidão ou omissão nas declarações, suscetíveis de induzir em erro a Seguradora
quanto à extensão dos riscos, acarretará a supressão da garantia dada por esta Apólice, salvo se o
Estipulante provar justa causa da inexatidão ou omissão.
14.3 - No caso de supressão da garantia, previsto nesta Cláusula, todos os prêmios recebidos ou
exigíveis até a data da supressão permanecerão de propriedade do Seguro, a título de penalidade.
CLÁUSULA 15 - PROVA E DOCUMENTOS DOS SINISTROS
15.1 - O Segurado, ou quem suas vezes fizer, deverá provar satisfatoriamente a ocorrência do
sinistro, bem como relatar todas as circunstâncias relacionadas ao evento, ficando facultada à
Seguradora a adoção de medidas tendentes à plena elucidação do fato, cabendo ao Segurado
prestar-lhe a assistência que for necessária a tal fim.
15.2 - Ocorrido o sinistro, o Segurado deverá dar imediato aviso ao Estipulante e este à Seguradora.
O Estipulante se habilitará, em nome e por conta do Segurado, ao recebimento da indenização, para
tanto apresentando toda a documentação comprobatória de seus direitos.
15.3 - Nenhuma providência do Segurado que implicar em compromisso para a Seguradora será
reconhecida como válida, a menos que a Seguradora venha a manifestar sua aquiescência a
respeito.
15.4 - Todas as despesas efetuadas com a comprovação regular do sinistro e produção de
documentos de habilitação, correrão por conta do Estipulante, ou quem suas vezes fizer, salvo as
diretamente realizadas ou autorizadas pela Seguradora.
15.5 - A Seguradora poderá exigir atestados ou certidões de autoridades competentes, bem como
comprovação do resultado de inquéritos ou processos instaurados em virtude do fato que ocasionou
o sinistro.
15.6 - Os atos ou providências que a Seguradora praticar, relativos ao exercício do direito,
reconhecido no item 15.1, para obter plena elucidação do fato, após o sinistro, não importarão, por
si sós, no reconhecimento da obrigação de pagar a indenização reclamada.
CLÁUSULA 16 - PAGAMENTO DE INDENIZAÇÃO
As indenizações serão sempre pagas ao Estipulante, nas formas e prazos previstos nas Condições
Particulares e NORMAS e ROTINAS desta Apólice. Ressalvam-se os casos de reposição, quando
se tratar de sinistros das Condições Particulares de danos físicos nos imóveis, bem como os
sinistros de morte e de invalidez permanente nas operações lastreadas em recursos de Fundos
administrados pela CAIXA.
CLÁUSULA 17 - PENAS CONVENCIONAIS
17.1 - O retardamento por qualquer das partes do cumprimento de suas obrigações (averbação e
pagamento de prêmio por parte do Estipulante e exclusão e pagamento de indenização de sinistro
de morte e de invalidez permanente, por parte da Seguradora) sujeitará o infrator a capitalização e
mora previstas nas NORMAS e ROTINAS, sem prejuízo da atualização monetária prevista nos
regulamentos do Sistema Financeiro da Habitação.
17.2 - Nas hipóteses de averbação das operações pelo Estipulante ou de exclusão pela Seguradora, a
mora só será devida se o atraso for superior a dois meses.
17.3 - O retardamento na regulação e liquidação de sinistros de danos físicos nos imóveis e de
responsabilidade civil do construtor - RCC sujeitará a Seguradora às penalidades previstas nas
NORMAS E ROTINAS.
CLÁUSULA 18 - ERROS E OMISSÕES
18.1 - Nos casos de sinistros em que se observar erro ou omissão na formalização do seguro, assim
entendidos a informação de dados incorretos sobre a operação ou a ausência de elementos
caracterizadores desta, a indenização será paga pressupondo-se a inexistência de tal erro ou
omissão, ressalvado, porém, à Seguradora, o direito de cobrar, se for o caso, a diferença de prêmio.

198
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
18.2 - Esta Cláusula não poderá ser invocada para os sinistros que não se enquadrarem nas
Condições desta Apólice.
18.3 - Decorridos noventa dias da data do contrato e se a averbação ocorrer após a data do sinistro,
caso a Seguradora verifique a falta de regularidade de averbação pelo Estipulante, será a ocorrência
considerada risco excluído de cobertura.
18.4 – Nos casos de prorrogação do contrato por remanescer saldo residual ao término do prazo
inicial, terá o Estipulante 90 (noventa) dias para manifestar-se junto à Seguradora quanto à
continuidade das coberturas oferecidas pela Apólice do SFH, mediante averbação específica
prevista nas Normas e Rotinas.
18.4.1 – Decorrido esse prazo e se a averbação ocorrer após a data do sinistro, será o evento
considerado risco excluído de cobertura.
CLÁUSULA 19 - VIGÊNCIA DO SEGURO E SUA RENOVAÇÃO
19.1 - A vigência desta Apólice iniciará a partir de 01 de janeiro de 2000, com renovação atual
automática.
19.2 - Anualmente, poderá o Estipulante manifestar sua intenção de operar com outra Seguradora,
conforme procedimento previsto nas NORMAS e ROTINAS.
CLÁUSULA 20 - SUB-ROGAÇÃO DE DIREITOS
20.1 - A Seguradora, ao pagar a indenização, fica sub-rogada nos direitos e ações do Segurado
contra terceiros, cujos atos ou fatos tenham dado causa ao prejuízo indenizado, podendo exigir,
conforme o caso, do Estipulante ou do Segurado, em qualquer tempo, instrumento de cessão
adequado e demais documentos hábeis para o exercício desses direitos.
20.2 - É exigido do Segurado que não pratique qualquer ato que venha a prejudicar o direito de sub-
rogação da Seguradora contra terceiros, responsáveis pelos sinistros cobertos pela Apólice, não se
permitindo venha a fazer o Segurado, com os mesmos, acordos ou transações suscetíveis de elidir
tal direito.
CLÁUSULA 21 - CADUCIDADE DO SEGURO
Dar-se-á, automaticamente, a caducidade do seguro, ficando a Seguradora isenta de qualquer
responsabilidade:
a) caso haja fraude ou tentativa de fraude, que simule um sinistro ou agrave as conseqüências de um
sinistro, para obter indenização;
b) caso haja reclamação dolosa sob qualquer ponto de vista, ou baseada em declarações falsas, ou
emprego de quaisquer meios culposos ou simulações para obter indenização que não for devida.
CLÁUSULA 22 - COMISSÃO PERMANENTE PARA O SEGURO HABITACIONAL
COSEHA
Todas as questões técnicas decorrentes da aplicação destas Condições Especiais, das Particulares
seguintes e de suas NORMAS e ROTINAS, bem como as relacionadas ao aperfeiçoamento do
próprio Seguro Habitacional do SFH, serão tratadas continuamente por Grupo Técnico no âmbito
da COSEHA, que ficará encarregado de submeter cada matéria, já devidamente instruída, à
apreciação da COSEHA, ressalvados os casos de competência do CCFCVS.
CLÁUSULA 23 - COMITÊ DE RECURSOS DO SEGURO HABITACIONAL DO SISTEMA
FINANCEIRO DE HABITAÇÃO- CRSFH
Caberá ao CRSFH:
a) julgar, em instância administrativa única, os litígios decorrentes da aplicação das condições de
cobertura, normas e rotinas do Seguro Habitacional do Sistema Financeiro de Habitação,
relativamente a contratos de financiamentos habitacionais cujo equilíbrio da apólice esteja sob
garantia do Fundo de Compensação das Variações Salariais – FCVS;

b) dirimir as questões relacionadas à operação desse seguro, bem como decidir sobre o tratamento a
ser dado aos casos omissos relativos à regulação de sinistros.

CLÁUSULA 24 - NORMAS E ROTINAS

199
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Em face das peculiaridades dos programas do Sistema Financeiro da Habitação, a averbação das
operações, bem como a regulação dos sinistros, serão regidas pelas NORMAS e ROTINAS anexas
a esta Apólice, propostas pelo CCFCVS e divulgadas pela SUSEP.
CLÁUSULA 25 - REVOGAÇÃO
Estas Condições Especiais revogam integralmente as Condições Gerais da Apólice emitida pela
Seguradora para as operações do Sistema Financeiro da Habitação.
I - CONDIÇÕES PARTICULARES PARA
OS RISCOS DE DANOS FÍSICOS
CLÁUSULA 1ª - SEGURADOS
São Segurados as pessoas físicas ou jurídicas vinculadas às operações abrangidas pelos programas
do Sistema Financeiro da Habitação, na qualidade de:
a) adquirentes;
b) promitentes compradores;
c) financiadores;
d) construtores.
CLÁUSULA 2ª - OBJETO DO SEGURO
2.1 - A cobertura concedida pelas presentes Condições aplica-se aos imóveis objeto das operações
abrangidas pelos programas do Sistema Financeiro da Habitação:
a) construídos ou em fase de construção, inclusive ao material existente no canteiro de obras;
b) residenciais ou destinados a abrigar equipamentos comunitários que tenham sido dados em
garantia a Estipulantes;
c) de propriedade de Estipulantes, ainda não comercializados;
d) que tenham sido adjudicados, arrematados, recomprados ou recebidos por força de dação em
pagamento pelos Estipulantes.
2.2 - Não se aplica a cobertura ora prevista aos imóveis objeto de financiamentos contratados no
programa FIMACO, ressalvadas as operações pertinentes ao Subprograma RECON.
CLÁUSULA 3ª - RISCOS COBERTOS
3.1 - Estão cobertos por estas Condições todos os riscos que possam afetar o objeto do seguro,
ocasionando:
a) incêndio;
b) explosão;
c) desmoronamento total;
d) desmoronamento parcial, assim entendido a destruição ou desabamento de paredes, vigas ou
outro elemento estrutural;
e) ameaça de desmoronamento, devidamente comprovada;
f) destelhamento;
g) inundação ou alagamento.
3.2 - Com exceção dos riscos contemplados nas alíneas a e b do subitem 3.1, todos os citados no
mesmo subitem deverão ser decorrentes de eventos de causa externa, assim entendidos os causados
por forças que, atuando de fora para dentro, sobre o prédio, ou sobre o solo ou subsolo em que o
mesmo se acha edificado, lhe causem danos, excluindo-se, por conseguinte, todo e qualquer dano
sofrido pelo prédio ou benfeitorias que seja causado por seus próprios componentes, sem que sobre
eles atue qualquer força anormal.
3.3 - A abrangência dos riscos cobertos também será disciplinada pelas NORMAS e ROTINAS.
CLÁUSULA 4ª - RISCOS EXCLUÍDOS
4.1 - Estas Condições não responderão pelos riscos, prejuízos ou gastos que se verificarem em
decorrência, direta ou indireta, de:
a) atos de autoridades públicas, salvo para evitar propagação de danos cobertos por estas
Condições;
b) atos de inimigos estrangeiros, operações de guerra anteriores ou posteriores à sua declaração,
guerra civil, revolução, rebelião, motim, greve, ato emanado de administração de qualquer área sob
lei marcial ou estado de sítio;

200
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
c) extravio, roubo ou furto, ainda que tenham ocorrido durante qualquer dos eventos abrangidos
pela Cláusula 3ª.;
d) qualquer perda ou destruição ou dano de quaisquer bens materiais, bem como qualquer prejuízo,
despesa ou dano emergente, e ainda responsabilidade legal de qualquer natureza, direta ou
indiretamente causados por , resultantes de, ou para os quais tenham contribuído radiações
ionizantes ou de contaminações pela radioatividade de qualquer combustível nuclear ou de qualquer
resíduo nuclear, resultante de combustão de material nuclear. Para fins desta exclusão, o termo
"combustão" abrangerá qualquer processo auto-sustentador de fissão nuclear;
e) qualquer perda, destruição, dano ou responsabilidade legal direta ou indiretamente causados por,
resultantes de, ou para os quais tenha contribuído material de armas nucleares;
f) uso e desgaste.
4.2 - Entende-se por uso e desgaste os danos verificados exclusivamente em razão do decurso do
tempo e da utilização normal da coisa, ainda que cumulativamente, a:
a) revestimentos;
b) instalações elétricas;
c) instalações hidráulicas;
d) pintura;
e) esquadrias;
f) vidros;
g) ferragens;
h) pisos.
4.2.1- Não obstante o disposto na alínea f do subitem 4.1, a Seguradora se obriga a indenizar os
prejuízos causados aos bens relacionados no item 4.2, sempre que sofrerem danos provocados por
extensão de riscos incidentes nas demais partes do imóvel.
4.3 - No caso de reclamação por prejuízos que se verificarem durante quaisquer das ocorrências
mencionadas nesta Cláusula, assiste à Seguradora o direito de exigir do Segurado prova de que os
mesmos prejuízos ou danos tiveram causas independentes e não foram, portanto, de forma alguma,
produzidos pelas referidas ocorrências ou por suas conseqüências.
4.4 - Não se aplicará a restrição constante da alínea a do item 4.1 desta Cláusula, quando os danos
decorrerem da execução de obras públicas.
4.5 - A abrangência dos riscos excluídos também será disciplinada pelas NORMAS e ROTINAS.
4.6 - Considera-se também risco excluído qualquer outro não mencionado na Cláusula 3ª.
CLÁUSULA 5ª - PREJUÍZOS INDENIZÁVEIS
São indenizáveis os seguintes prejuízos: a) danos materiais, diretamente resultantes dos riscos
cobertos;
b) danos materiais e despesas decorrentes de providências tomadas para combate à propagação dos
riscos cobertos, para a salvaguarda e proteção dos bens descritos no instrumento caracterizador da
operação a que se refere o imóvel objeto do seguro e para desentulho do local;
c) encargos mensais devidos pelo Segurado, relativos à operação abrangida pela presente Apólice
quando, em caso de sinistro coberto por estas Condições, for constatada a necessidade de
desocupação do imóvel. Os valores indenizáveis e a sua forma de pagamento são os disciplinados
nas Normas e Rotinas;
d) em caso de perda do imóvel e/ou do conteúdo, será paga uma quantia equivalente, no máximo, a
R$ 933,33 (novecentos e trinta e três reais e trinta e três centavos), pela perda do conteúdo, desde
que o valor da avaliação inicial do imóvel que serviu de base para a operação, celebrada com o
Estipulante, não ultrapasse a:
d.1) 1.000 (mil) UPC, para contratos firmados até 31 de dezembro de 1979;
d.2) 1.100 (mil e cem) UPC, para contratos firmados de 01 de janeiro de 1980 a 31 de dezembro de
1984;
d.3) 1.500 (mil e quinhentas) UPC, para contratos firmados de 01 de janeiro de 1985 a 28 de
fevereiro de 1986;

201
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
d.4) 1.500 (mil e quinhentas) OTN, para contratos firmados de 01 de março de 1986 a 31 de janeiro
de 1989;
d.5) 1.500 (mil e quinhentos) VRF, para contratos firmados de 01 de fevereiro de 1989 a 28 de
fevereiro de 1991;
d.6) 1.500 (mil e quinhentas) UPF, para contratos firmados de 01 de março de 1991 a 30 de junho
de 1994;
d.7) R$ 11.280,00 (onze mil, duzentos e oitenta reais), para contratos firmados de 01 de julho de
1994 a 21 de dezembro de 1994; e,
d.8) R$ 14.000,00 (quatorze mil reais), para contratos firmados a partir de 22 de dezembro de 1994.
CLÁUSULA 6ª - PREJUÍZOS NÃO INDENIZÁVEIS
Não são indenizáveis quaisquer prejuízos relativos a conteúdo, ressalvado o estabelecido no item d
da Cláusula 5ª.
CLÁUSULA 7ª - IMPORTÂNCIA SEGURADA
Para efeito de cobrança de prêmio, a importância segurada, para os imóveis construídos,
corresponde ao valor da avaliação inicial do imóvel, que serviu de base para a operação formalizada
no instrumento assinado com o Estipulante ou o do financiamento, conforme estabelecido nas
NORMAS e ROTINAS pertinentes. Para os imóveis em construção, é o valor pelo qual foi
contratada a construção, constante do instrumento assinado com o Estipulante.
CLÁUSULA 8ª - LIMITE MÁXIMO DE INDENIZAÇÃO
O limite máximo de indenização para o total de sinistros conseqüentes de inundação e alagamento,
resultantes de um mesmo evento, na mesma localidade, é de R$ 2.800.000,00 (dois milhões e
oitocentos mil reais).
CLÁUSULA 9ª - TAXA
A taxa mensal para as coberturas previstas nestas Condições, conforme ANEXO 35 desta Apólice,
é definida em função do valor (V):
a) do financiamento;
b) da promessa;
c) da promessa mais o da poupança a integralizar;
d) da avaliação (no caso de imóvel de propriedade do financiador, ou por este retomado).
CLÁUSULA 10 - PRÊMIO
10.1 - O prêmio mensal será calculado multiplicando-se a taxa correspondente pelo seguinte valor,
nos casos de:
10.1.1 - contrato assinado até 31 de dezembro de 1974: valor do financiamento;
10.1.2 - contrato assinado após 31 de dezembro de 1974:
a) imóvel em construção: valor pelo qual foi contratada a construção, sem inclusão dos valores de
custo do terreno, do projeto, de urbanização e infra-estrutura;
b) imóvel construído:
b.1) em operação de COHAB: valor do financiamento, da promessa ou da opção de compra;
b.2) em operação de Cooperativa Habitacional e órgão assemelhado: valor do financiamento;
b.3) nas demais operações: valor de avaliação.
c) reforma ou ampliação: valor de avaliação do imóvel mais o da reforma ou ampliação, na data do
início da obra.
10.2 - O resultado apurado na forma do item 10.1 será multiplicado ainda pelo Coeficiente de
Equiparação Salarial-CES nos casos de contratação no Plano de Equivalência Salarial - PES, na
fase de amortização.
CLÁUSULA 11 - SINISTROS
11.1 - Em caso de sinistro, o Segurado deverá dar imediato aviso ao Estipulante, e este à
Seguradora.
11.2 - Avisado o sinistro à Seguradora, o Estipulante se habilitará, em nome e por conta do
Segurado, ao recebimento da indenização, para tanto apresentando toda a documentação
comprobatória de seus direitos, prevista nas NORMAS e ROTINAS.
CLÁUSULA 12 - INDENIZAÇÃO

202
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
12.1 - A indenização será igual ao valor necessário à reposição do bem sinistrado.
12.2 - A Seguradora, em atendimento ao dever de indenizar o Segurado, obriga-se a providenciar,
por sua conta e risco, a reposição do imóvel sinistrado, restituindo-o ao estado equivalente àquele
em que se encontrava imediatamente antes do sinistro, conforme previsto nas NORMAS e
ROTINAS. Circular SUSEP nº 111, de 3 de dezembro de 1999 15
12.3 - Nos casos de ampliação de área de imóvel, serão consideradas as modificações introduzidas,
desde que devidamente regularizadas junto a esta Apólice, conforme previsto nas NORMAS e
ROTINAS.

12.4 - No caso de comprovada impossibilidade ou contra-indicação da reposição mencionada no


item 12.2 acima, a indenização será prestada mediante pagamento em moeda corrente no País, no
prazo máximo de 20 (vinte) dias úteis, ao Estipulante, por conta do Segurado, contados da data da
manifestação favorável do Estipulante ou da autorização do CRSFH, conforme previsto

conforme previsto nas NORMAS e ROTINAS.


12.5 - Para os sinistros ocorridos nos imóveis em construção, a Seguradora poderá optar entre o
pagamento da indenização em moeda corrente no País ou a reposição prevista no item 12.2.
12.6 - O pagamento da indenização em moeda corrente no País, a ser repassada pelo Estipulante ao
Segurado, quando for o caso, será efetuado conforme previsto nas NORMAS e ROTINAS.
CLÁUSULA 13 - SEGURO SOBRE FRAÇÕES AUTÔNOMAS DE EDIFÍCIO EM
CONDOMÍNIO
No caso de edifícios em condomínio, no objeto do seguro estão compreendidas as partes privativas,
comuns e instalações, na proporção do interesse do condômino segurado.
CLÁUSULA 14 - CONCORRÊNCIA DE APÓLICES
14.1 - Em caso de sinistros cobertos pelas presentes Condições, se for apurada a coexistência de
seguros cobrindo os mesmos riscos, a distribuição das responsabilidades pelas Apólices
coexistentes obedecerá às seguintes condições:
a) calcular-se-á a indenização por Apólice, como se fosse esta a única existente para garantir o
prejuízo verificado, observando-se, para tanto, as Condições Particulares desta;
b) a indenização devida, a cargo de cada Apólice, corresponderá aos valores obtidos pela
distribuição do prejuízo, proporcionalmente às indenizações calculadas na forma prevista na alínea
"a".
14.2 - A Seguradora desta Apólice pagará a totalidade da indenização devida por esta mesma
Apólice e se ressarcirá junto às Seguradoras emitentes das Apólices coexistentes, obedecido, para
esse efeito, o disposto no item anterior.
CLÁUSULA 15 - INÍCIO E TÉRMINO DA RESPONSABILIDADE
15.1 - A responsabilidade da Seguradora se inicia:
a) no caso de imóvel construído - no momento em que for assinado o contrato de financiamento, a
promessa de financiamento ou o contrato de locação com opção de compra;
b) no caso de imóvel em construção - no momento em que for assinado o contrato de financiamento
para construção;
c) no caso de imóvel de propriedade do Estipulante, ou a ele dado em garantia - na data em que lhe
for transferida a propriedade ou em que se constituir a garantia.
15.2 - A responsabilidade da Seguradora finda quando:
a) da extinção da dívida, seja no caso em que esta ocorrer antes do término do prazo do
financiamento, ou após ter ocorrido a prorrogação do contrato, por remanescer saldo residual de
responsabilidade do Segurado; b) do término do prazo do financiamento; e
c) da transferência a terceiro da propriedade de imóvel adjudicado, arrematado ou recebido em
dação em pagamento.
15.3 - A responsabilidade da Seguradora poderá persistir, excepcionalmente, após o término do
prazo do financiamento, enquanto existirem débitos remanescentes do Segurado, inclusive

203
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
decorrentes de processo judicial, desde que o Estipulante promova a averbação específica ao
término do prazo.
CLÁUSULA 16 - EXTINÇÃO DA RESPONSABILIDADE
Extingue-se a responsabilidade a cargo da Seguradora:
a) no caso de, ocorrendo o sinistro, ter o Segurado efetuado os reparos necessários por sua conta e
risco, exceção feita aos casos de destelhamento, quando lhe é facultado efetuar gastos até limite
previsto nas NORMAS e ROTINAS, desde que previamente comunicado o sinistro à Seguradora, e
os serviços comprovadamente realizados se destinaram a evitar a propagação dos danos;
b) após o decurso de 1 (um) ano da data da ocorrência do sinistro sem que tenha sido notificado o
evento à Seguradora, de acordo com os termos do art. 178 do Código Civil Brasileiro.
CLÁUSULA 17 - REVOGAÇÃO
Estas Condições Particulares prevalecerão no que contraditarem com as Condições Especiais da
presente Apólice.
II - CONDIÇÕES PARTICULARES PARA OS
RISCOS DE MORTE E DE INVALIDEZ PERMANENTE
CLÁUSULA 1ª - SEGURADOS
1.1 - Os segurados são as pessoas físicas:
a) financiadas em operações previstas nos programas do Sistema Financeiro da Habitação para
aquisição ou construção de casa própria, de lote urbanizado ou de imóveis destinados a abrigar
serviços comunitários;
b) promitentes compradores de lotes urbanizados, de imóveis residenciais ou destinados a abrigar
serviços comunitários, desde que no instrumento de promessa intervenha o Estipulante garantindo
financiamento previsto nos programas do Sistema Financeiro da Habitação;
c) locatárias ou ocupantes com opção de compra de imóveis residenciais ou destinados a abrigar
serviços comunitários, de propriedade do Estipulante;
d) cessionárias ou sub-rogatárias de financiamento de lotes urbanizados, para aquisição de imóveis
residenciais ou destinados a abrigar serviços comunitários, desde que, do instrumento de cessão ou
de sub-rogação, conste a anuência expressa do Estipulante.
1.2 - Não são admitidos como Segurados:
a) as pessoas físicas, vinculadas ao Estipulante em operações que tenham por objeto imóveis
destinados à comercialização;
b) os componentes da renda familiar, não financiados;
c) as pessoas físicas, vinculadas ao Estipulante, na qualidade de fiadores ou garantidores, ainda que
solidários, das obrigações assumidas por terceiros;
d) os cessionários de direitos sem anuência expressa do Estipulante, formalizada em instrumento de
sub-rogação de dívida.
CLÁUSULA 2ª - OBJETO DO SEGURO
A cobertura concedida pelas presentes Condições aplica-se à morte e à invalidez permanente dos
segurados definidos na Cláusula anterior, ressalvadas as exclusões indicadas nesta Apólice.
CLÁUSULA 3ª - RISCOS COBERTOS
3.1 - Estão cobertos por estas Condições os riscos a seguir discriminados:
a) morte, qualquer que seja a causa;
b) invalidez permanente das pessoas físicas indicadas no item 1.1 da Cláusula 1ª destas Condições,
que ocorrer posteriormente à data em que se caracterizarem as operações respectivas, causada por
acidente ou doença, que será comprovada com a apresentação, à Seguradora, de declaração do
Instituto de Previdência Social para o qual contribua o Segurado, ou do laudo emitido por perícia
médica custeada pela Seguradora, no caso de não existir vinculação a órgão previdenciário oficial.
b.1) no caso de vinculação ao FUNRURAL, a invalidez permanente será comprovada com a
apresentação à Seguradora da declaração do Instituto de Previdência Social para o qual contribua o
Segurado e do laudo emitido pela perícia médica custeada pela Seguradora.
3.2 - Poderá a Seguradora, a seu exclusivo critério, contratar junta médica para elaborar laudo,
visando à apuração de possível fraude, comunicando ao Estipulante a adoção de tal medida.

204
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Decorrido o período de indefinição de cobertura, que não poderá ultrapassar doze meses contados
da data da complementação dos documentos previstos nas NORMAS e ROTINAS, deverá a
Seguradoraa) pagar a indenização, capitalizada a juros contratuais na forma prevista no subitem
10.2.1 - se concordar com o parecer do órgão previdenciário; ou,
b) suspender o reconhecimento de cobertura, no caso de o laudo por ela realizado conduzir a
resultado distinto do obtido pelo órgão previdenciário, dando a este o devido conhecimento,
ficando, portanto, isenta de qualquer pagamento até que haja, ou não, o reconhecimento de
equívoco na concessão da aposentadoria por invalidez, ou mesmo fraude.
b.1) No caso de reconhecimento de equívoco pelo órgão previdenciário, será paga, de uma única
vez, somente a quantia equivalente aos encargos mensais, atualizados monetariamente,
correspondentes ao período desde a data do exame do órgão previdenciário, que gerou a declaração
de invalidez, até o mês de reconhecimento do equívoco. A correção monetária será feita na forma
pro rata die, utilizando-se os índices aplicáveis aos depósitos de poupança com aniversário no dia
de vencimento da prestação, até o dia do efetivo pagamento.
b.2) No caso do órgão previdenciário reconhecer ter havido fraude, nenhuma quantia será paga,
sequer a relativa aos encargos mensais.
b.3) Na hipótese de o órgão previdenciário confirmar a aposentadoria por invalidez, configurando-
se engano da Seguradora, esta pagará indenização capitalizada a juros contratuais na forma prevista
no subitem 10.2.1.
b.4) Na hipótese de o órgão previdenciário não se pronunciar após o decurso de 6 (seis) meses, a
Seguradora encaminhará o processo para exame do CRSFH de que trata a Cláusula 23 das
Condições Especiais.
CLÁUSULA 4ª - RISCOS EXCLUÍDOS
Estão excluídos do presente seguro:
4.1 - A invalidez temporária do Segurado; as despesas médicas em geral; as diárias hospitalares em
geral; os gastos com medicamentos; os honorários para intervenções cirúrgicas; as despesas de
remoção e correlatos.
4.2 - Os casos de invalidez permanente resultante de invalidez temporária comprovadamente
existente à data da caracterização das operações definidas no item 1.1 da Cláusula 1ª destas
Condições.
4.2.1- Nos casos em que o Segurado se encontrar em gozo de benefício previdenciário
correspondente a invalidez temporária, quando da contratação da operação com o Estipulante,
considerar-se-á coberto apenas o risco de morte, sendo, então, mantida a taxa original, em virtude
da agravação do risco.
CLÁUSULA 5ª - IMPORTÂNCIA SEGURADA
5.1 - Para efeito de cobrança de prêmio, a importância segurada a que se referem estas Condições
corresponderá ao valor que serviu de base à operação, assim entendido:
a) o valor do financiamento ou da promessa;
b) o valor da promessa de financiamento mais o da poupança a integralizar, se for o caso; ou
c) o valor da opção, nos casos de locação ou ocupação, com opção de compra.
CLÁUSULA 6ª - LIMITE MÁXIMO
6.1 - O limite máximo de importância segurada para fins de averbação nestas Condições, aplicável
a cada operação realizada, corresponderá ao valor máximo de financiamento admitido para o
Sistema Financeiro da Habitação à época de sua realização.
6.2 - Na hipótese de o Estipulante estar autorizado pelos órgãos competentes a adotar valor superior
aos limites estabelecidos para a concessão de financiamento, a indenização será calculada
considerando-se como valor inicial o montante do valor autorizado, sobre o qual se calculará e se
cobrará o prêmio.
CLÁUSULA 7ª - TAXA
A taxa mensal para as coberturas previstas nestas Condições, conforme ANEXO 36 desta Apólice,
é definida em função do valor (V):
a) do financiamento;

205
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
b) da promessa;
c) da promessa mais o da poupança a integralizar;
d) da opção.
CLÁUSULA 8ª - PRÊMIO
8.1 - O prêmio mensal será calculado multiplicando-se a taxa correspondente pelo seguinte valor,
nos casos de:
a) financiamento para aquisição: valor do financiamento;
b) financiamento para construção:
b.1) Na fase de construção: valor do financiamento mais o da poupança a integralizar;
b.2) Na fase de amortização: valor do financiamento efetivamente concedido;
c) promessa de compra e venda: valor do financiamento prometido mais o da poupança a
integralizar;
d) locação ou ocupação, com opção de compra: valor da opção.
8.2 - O valor calculado na forma do item 8.1 será multiplicado ainda pelo CES nos casos de
contratação no PES, na fase de amortização.
8.3 - No caso de amortização extraordinária ou de indenização parcial, o prêmio será reduzido na
mesma proporção do valor amortizado ou indenizado.
8.4 - No caso de incorporação de débitos em atraso, o prêmio será aumentado na mesma proporção
do valor acrescido.
8.5 - Nos casos de cessão ou sub-rogação, o prêmio não se alterará, a menos que ocorra redução ou
acréscimo no saldo devedor, hipótese em que se aplicará o disposto no item 8.3 ou 8.4.
CLÁUSULA 9ª - SINISTRO
9.1 - Em caso de sinistro, o Segurado, ou quem suas vezes fizer, deverá dar imediato aviso ao
Estipulante, e este, tão logo ciente, à Seguradora.
9.2 - Avisado o sinistro à Seguradora, o Estipulante se habilitará, em nome e por conta do
Segurado, ou dos seus herdeiros, ao recebimento da indenização, para tanto apresentando toda a
documentação comprobatória de seus direitos, prevista nas Normas e Rotinas. 9.3 - Considera-se
como data do sinistro:
a) no risco de morte: a data do óbito;
b) no risco de invalidez permanente:
b.1) quando o Segurado for vinculado a Instituto de Previdência Oficial: a data do exame médico
que constatou a incapacidade definitiva;
b.2) quando o Segurado não for vinculado a Instituto de Previdência Oficial: a data do aviso do
sinistro à Seguradora;
b.2.1) ressalva-se, quanto à data do sinistro de invalidez, o caso em que se possa comprovar, pela
perícia médica feita pela Seguradora, a existência de invalidez em data anterior à da referida
perícia, hipótese em que essa data deverá ser fixada no laudo, passando a ser considerada como a
data do sinistro;
b.2.2) a fixação da data de invalidez em data anterior à da perícia só poderá ser feita na hipótese de
existência de documentação comprobatória;
b.3) quando o Segurado for vinculado ao FUNRURAL: a data da realização da perícia médica pelo
Instituto de Previdência Oficial.
CLÁUSULA 10 - INDENIZAÇÃO
10.1 - A indenização, ainda que superior à importância segurada, será calculada com base:
a) no caso de financiamento para aquisição: no valor do saldo devedor;
b) no caso de financiamento para construção:
b.1) na fase de construção: no valor do financiamento contratado mais o da poupança a integralizar,
limitado ao valor máximo de financiamento admitido para o Sistema Financeiro da Habitação à
época da contratação;
b.2) na fase de amortização: no valor do saldo devedor;

206
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
c) no caso de promessa de compra e venda: no valor do financiamento prometido, mais o da
poupança a integralizar, limitado ao valor máximo de financiamento admitido para o Sistema
Financeiro da Habitação à época da contratação;
d) no caso de locação ou ocupação, com opção de compra: no valor da opção, deduzido, se for o
caso, o da poupança paga; e,
e) no caso de ocupação com opção de compra realizada por COHAB: no valor do saldo devedor.
10.1.1- No cálculo da indenização serão levadas em conta as características dos sistemas de
amortização e do plano de reajustamento das prestações instituídos pelo Sistema Financeiro da
Habitação e as peculiaridades dos instrumentos contratuais, assim como as obrigações que o
Segurado tenha contraído com o Fundo para Pagamento de Prestações no Caso de Perda de Renda
por Desemprego e Invalidez Temporária (FIEL).
10.1.2- Para efeito do cálculo da indenização, consideram-se como tendo sido pagos todos os
compromissos devidos pelo Segurado até o dia anterior à data do sinistro.
10.2 - O valor da indenização apurado na data do sinistro será atualizado, conforme fórmulas
constantes das NORMAS e ROTINAS.
10.2.1- As indenizações terão ainda, conforme constante das NORMAS e ROTINAS:
a) capitalização a juros contratuais no período compreendido entre o mês da última prestação
vencida antes do sinistro, inclusive, até o mês do pagamento da indenização, exclusive; b) redução
de 20% (vinte por cento), nos contratos de financiamento habitacional celebrados até 28 de
fevereiro de 1986, que tenham cobertura do FCVS, com exceção dos contratos caucionados para
garantia de repasse e refinanciamento, concedidos pelo extinto BNH:
10.3 - Quando houver mais de um Segurado para a mesma unidade residencial, inclusive marido e
mulher, a indenização será proporcional à responsabilidade de cada um, para fins de seguro,
expressa no instrumento contratual pertinente, ainda que a Ficha de Informação de Financiamento
(FIF) contenha indicação diferente.
10.3.1- Inexistindo a indicação de responsabilidade acima referida, será adotada a participação
proporcional com que concorrer cada um dos Segurados para a composição da renda familiar,
constante da Ficha Sócio-Econômica, desprezada a participação dos simples componentes de renda
familiar não financiados, bem como a de fiadores e outros garantidores, ainda que solidários com as
obrigações assumidas pelos Segurados.
10.3.2- O fato de, no instrumento contratual, constar a presença de cônjuge, apenas para os efeitos
de consentimento exigidos pelo Código Civil Brasileiro, não defere a este a condição de Segurado
pelas presentes Condições, a menos que fique comprovada, pela Ficha Sócio-Econômica ou
documento equivalente, a sua participação na composição da renda familiar, caso em que tal
participação será considerada no cálculo da indenização.
10.3.3- Para as operações contratadas até 18 de agosto de 1968, inexistindo a Ficha Sócio-
Econômica, cabe ao Estipulante providenciar o envio à Seguradora de documentos comprobatórios
da renda percebida pelos Segurados na data da assinatura do instrumento que caracterizou a
operação segurada. Não sendo possível essa comprovação, a indenização será rateada
uniformemente pelo número de segurados citados no instrumento contratual, excetuada a hipótese
de marido e mulher, caso em que a cobertura prevalecerá apenas para o cabeça do casal.
10.3.3.1- A inexistência de Ficha Sócio-Econômica para as operações contratadas a partir de 19 de
agosto de 1968 poderá isentar a Seguradora do pagamento de qualquer indenização, assumindo o
Estipulante a responsabilidade que seria atribuída à Seguradora, utilizando-se para sua
determinação o procedimento estabelecido no subitem 10.3.3 acima.
10.3.3.2- Para COHABs e Cooperativas, Institutos e órgãos assemelhados, considerar-se-á exigível
a Ficha Sócio-Econômica para as operações contratadas a partir de 31 de agosto de 1970.
10.3.4- Na hipótese de existência da FAR (Ficha Sócio-Econômica de Alteração de Renda), será
adotada a participação de renda nela mencionada, observada a carência prevista nas NORMAS e
ROTINAS, contada a partir da data do protocolo de uma de suas vias na Seguradora.
10.4 - Se, na operação, houver componente de renda familiar não financiado, a indenização será
calculada desprezando-se os rendimentos do componente.

207
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
10.4.1- Nenhuma indenização será devida por sinistro ocorrido com o simples componente de renda
familiar não financiado.
10.5 - No caso de operação celebrada com menor, absoluta ou relativamente incapaz, os Segurados
serão:
a) o menor, quando possuir rendimentos suficientes ao pagamento dos encargos do financiamento;
b) os pais ou responsáveis que estiverem contratualmente obrigados ao pagamento dos encargos,
quando o menor não possuir renda;
c) o menor e os pais ou responsáveis, na proporção das respectivas participações na composição da
renda.
10.6 - Nas operações firmadas com Cooperativas Habitacionais e órgãos assemelhados, se o sinistro
ocorrer antes da apuração do custo final da unidade, a indenização será paga com base no custo
estimado e complementada após a conclusão da obra com apuração do custo final, quando ocorrerá,
também, o ajustamento dos prêmios.
10.7 - Se a idade do Segurado sinistrado, apurada na data da contratação, somada ao prazo inicial
de amortização ultrapassar oitenta anos e seis meses, a indenização será determinada considerando-
se como financiamento original o valor compatível com a prestação contratual, proporcional à
renda e ao prazo máximo de financiamento permissível, a cada segurado, devendo ser suportado
pelo Estipulante o valor não pago pelo Seguradora.
10.7.1- A restrição deste item não se aplica, entretanto, aos instrumentos contratuais:
a) contratados até 31 de agosto de 1970 e suas renegociações;
b) contratados após 31 de agosto de 1970, nos quais o referido limite tenha sido observado e cujas
renegociações tenham implicado, ou venham a implicar, soma superior ao limite considerado,
desde que tenham decorrido de:
b.1) renegociação institucional, ou seja, resultante de permissivo contido em regra genérica
instituída para o SFH;
b.2) renegociação por perda comprovada de renda;
b.3) prorrogação do contrato, por remanescer saldo residual ao término do prazo inicial, nos casos
previstos nas Resoluções do Conselho Monetário Nacional - CMN nº 1.446, de 05 de janeiro de
1988, e 1980, de 29 de abril de 1993;
b.4) prorrogação do contrato decorrente da dilação do prazo de amortização, de conformidade com
a Lei nº 8.692, de 28 de julho de 1993;
c) firmados de conformidade com os regulamentos específicos do SFH existentes para ex-
combatentes;
d) contratados após 31 de agosto de 1970, desde que, até a data do sinistro, o prazo inicial
extrapolado tenha sido regularizado através de operação de redução do prazo de financiamento.
10.7.2- Para os efeitos deste item, o prazo de amortização será somado ao de construção, quando o
Segurado obtiver financiamento para ambas as fases.
10.7.2.1- No caso de o sinistro ocorrer na fase de construção, será considerado apenas o prazo da
construção.
CLÁUSULA 11 - ABRANGÊNCIA DA COBERTURA
11.1 - A cobertura concedida pelas presentes Condições abrange um só imóvel e seus respectivos
financiamentos no SFH, em relação a um mesmo adquirente, em qualquer parte do País.
11.1.1- Nos casos em que tiver sido financiado, até 27 de abril de 1987 (CIRCULAR Nº 1.161 do
Banco Central), pelo SFH, mais de um imóvel ao mesmo adquirente em municípios diferentes, a
cobertura abrangerá todos os imóveis e seus respectivos financiamentos.
11.1.2- Nos casos em que tiver sido financiado, até 27 de abril de 1987 (CIRCULAR Nº 1.161 do
Banco Central), pelo SFH, mais de um imóvel ao mesmo adquirente, no mesmo município,
considera-se, excepcionalmente, admissível a cobertura abranger dois imóveis e seus respectivos
financiamentos, até transcorrer o prazo de cento e oitenta dias, contados da data do "habite-se" ou
do financiamento concedido em segundo lugar.
11.1.3- Nos casos em que tiver sido financiado, após 27 de abril de 1987, pelo SFH, um segundo
imóvel ao mesmo adquirente, em qualquer parte do País, considera-se, excepcionalmente,

208
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
admissível a cobertura abranger dois imóveis e seus respectivos financiamentos, até transcorrer o
prazo de cento e oitenta dias, contados da data do "habite-se" ou do financiamento concedido em
segundo lugar.
11.1.4- Nos casos em que tiver sido financiado, após 05 de janeiro de 1988 (RESOLUÇÃO . 1448
do Conselho Monetário Nacional), pelo SFH, mais de um imóvel ao mesmo adquirente, em
qualquer parte do País, desde que o financiamento resulte de transferência de contrato que tenha
sido firmado até 28 de fevereiro de 1986 e tenha cobertura, pelo FCVS, de eventual saldo devedor
residual ao término do contrato, considera-se, excepcionalmente, admissível a cobertura abranger
mais de um imóvel e seus respectivos financiamentos.
11.1.5- Nos casos em que tiver sido financiado, após 30 de abril de 1993 (RESOLUÇÃO nº 1.980
do Conselho Monetário Nacional), pelo SFH, mais de um imóvel ao mesmo adquirente, desde que
o financiamento resulte de aquisição de imóvel recebido pelo Estipulante em dação em pagamento,
adjudicado ou arrematado, em localidade diferente daquelas dos imóveis já financiados, e que o
contrato original conte com cobertura do FCVS, do eventual saldo devedor residual ao término do
contrato, considera-se, excepcionalmente, admissível a cobertura abranger mais de um imóvel e
seus respectivos financiamentos.
11.1.6- Nos casos previstos nos subitens 11.1.2 e 11.1.3 desta Cláusula, a cobertura estender-se-á
além dos cento e oitenta dias, até que a Seguradora constate e comunique ao Estipulante essa
situação, ou até que o Estipulante promova a execução da dívida por descumprimento de contrato
ou da legislação do SFH, no tocante à obtenção de mais de um financiamento.
11.1.6.1- A responsabilidade da Seguradora cessará no dia primeiro do segundo mês subseqüente à
data da comunicação ao Estipulante ou do início da execução da dívida, o que primeiro ocorrer, a
partir de quando o prêmio de morte e de invalidez permanente não mais será devido.
11.2 - As restrições desta Cláusula não se aplicam aos financiamentos que tenham por objeto
imóveis destinados a abrigar serviços ou equipamentos comunitários.
CLÁUSULA 12 - INÍCIO E TÉRMINO DA RESPONSABILIDADE
A responsabilidade da Seguradora se inicia no momento em que o Segurado assinar com o
Estipulante o instrumento caracterizador da operação, e termina:
a) no fim do prazo contratual originário ou resultante da prorrogação;
b) quando ocorrer extinção da dívida;
c) por ocasião da expedição da carta de adjudicação, quando a dívida for executada judicialmente;
d) por ocasião da expedição da carta de arrematação, quando a dívida for executada
extrajudicialmente;
e) quando da rescisão do contrato de promessa de compra e venda ou de locação ou ocupação, com
opção de compra.
CLÁUSULA 13 - EXTINÇÃO DA RESPONSABILIDADE
Extingue-se a responsabilidade indenitária a cargo da Seguradora, após decorrido 1 (um) ano,
contado da data do aviso de sinistro ao Estipulante, sem que a Seguradora tenha sido cientificada do
evento, caso em que ficará a cargo do Estipulante o ônus que seria atribuível à Seguradora, sem
prejuízo dos prazos previstos no Código Civil Brasileiro.
CLÁUSULA 14 - REVOGAÇÃO
Estas Condições Particulares prevalecerão no que contraditarem com as Condições Especiais da
presente Apólice.

III - CONDIÇÕES PARTICULARES PARA


O RISCO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO CONSTRUTOR
CLÁUSULA 1ª - SEGURADOS
1.1 - É Segurado todo construtor responsável por execução de obra, construção ou reforma, objeto
de financiamento vinculado aos programas do SFH.
1.2 - Para os efeitos destas Condições, considera-se também Segurado a pessoa física ou jurídica
que esteja executando suas funções dentro do perímetro da obra.
CLÁUSULA 2ª - OBJETO DO SEGURO

209
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
A cobertura concedida pelas presentes Condições aplica-se à responsabilidade civil dos Segurados
por danos pessoais ou materiais causados a terceiros.
CLÁUSULA 3ª - RISCO COBERTO
Estão cobertos por estas Condições os riscos que possam ocasionar danos pessoais ou materiais a
terceiros em conseqüência de execução de obra especificada em contrato de financiamento, de
empreitada ou de empréstimo firmado pelo Estipulante.
CLÁUSULA 4ª - RISCOS EXCLUÍDOS
Não são aceitas por este Seguro as reclamações decorrentes de:
a) o disposto no artigo 1245 do Código Civil Brasileiro;
b) danos causados a revestimentos, pinturas, pátios e jardins de imóveis vizinhos;
c) danos materiais causados a imóveis ou seus conteúdos pelo derramamento, infiltração ou
descarga de água;
d) danos causados por escavações, abertura de galerias, serviços de sondagem de terreno, batimento
ou colocação de estacas e alicerces, fundações e correlatos;
e) imposição de multas e fianças, ao Segurado ou a seus empreiteiros e subempreiteiros;
f) danos resultantes de: atos de hostilidades ou de guerra, tumultos, rebelião, insurreição, revolução,
confisco, nacionalização, destruição ou requisição; resultantes de qualquer ato de autoridade, de
fato ou de direito, civil ou militar; e, em geral, todo e qualquer ato conseqüente a essas ocorrências,
bem como atos praticados por qualquer pessoa agindo por parte de, ou em ligação com, qualquer
organização cujas atividades visem a derrubar pela força o governo ou instigar a sua queda, pela
perturbação da ordem política e social do país, por meio de atos de terrorismo, guerra
revolucionária, subversão ou guerrilhas;
g) danos a bens de terceiros em poder do Segurado para guarda ou custódia, transporte, uso ou
manipulação, ou execução de quaisquer trabalhos;
h) responsabilidades assumidas pelo Segurado por contratos ou convenções, que não sejam
correspondentes a obrigações civis legais;
i) danos conseqüentes de inadimplemento de obrigações por força exclusiva de contratos ou
convenções;
j) atos dolosos praticados pelo Segurado;
l) imposição de multa ao Segurado, bem como realização de quaisquer despesas, desde que
relativas a ações ou processos criminais;

m) qualquer perda ou destruição ou danos de quaisquer bens materiais, ou qualquer prejuízo ou


despesa emergente, ou qualquer dano conseqüente, e responsabilidade legal de qualquer natureza,
direta ou indiretamente causados por, resultantes de, ou para os quais tenham contribuído radiações
ionizantes ou de contaminação pela radioatividade de qualquer combustível nuclear ou de qualquer
resíduo nuclear, decorrente de combustão de material nuclear. Para fins dessa exclusão,
"combustão" abrangerá qualquer processo auto-sustentador de fissão nuclear;

n) qualquer perda, destruição, dano ou responsabilidade legal direta ou indiretamente causados por,
resultantes de, ou para os quais tenha contribuído material de armas nucleares;
o) danos causados pela ação paulatina de temperatura, vapores, umidade, gases, fumaça e
vibrações;
p) prejuízos patrimoniais e lucros cessantes não resultantes diretamente da responsabilidade civil
por danos materiais e corporais coberta pelo presente contrato;
q) danos decorrentes da circulação de veículos terrestres fora do perímetro da obra;
r) extravio, furto ou roubo;
s) danos causados ao Segurado, pais, filhos, cônjuge, irmãos e demais parentes que com ele residam
ou que dele dependam economicamente e os causados aos sócios;
t) danos causados aos empregados ou prepostos do Segurado quando a seu serviço;
u) danos a veículos de terceiros sob custódia do Segurado, inclusive furto ou roubo;

210
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
v) danos causados pela circulação de veículos de propriedades de empregados do Segurado ou de
terceiros, quando tais veículos estejam eventualmente a serviço do Segurado.
CLÁUSULA 5ª - IMPORTÂNCIA SEGURADA
A importância segurada por esta Apólice é de R$ 93.333,33 (noventa e três mil, trezentos e trinta e
três reais e trinta e três centavos), para cada edifício ou para cada conjunto de unidades horizontais.
CLÁUSULA 6ª - LIMITE MÁXIMO DE RESPONSABILIDADE
6.1 - A importância segurada a que alude a Cláusula antecedente representa o limite máximo de
indenização a ser satisfeita pela Seguradora por sinistro, ou série de sinistros, resultantes de um
mesmo evento incidente sobre o mesmo edifício ou conjunto de unidades horizontais.
6.2 - A importância segurada representa, ainda, o limite máximo de indenização a ser satisfeita pela
Seguradora, considerando-se a totalidade dos sinistros ocorridos durante o período de cobertura
sobre o mesmo edifício ou conjunto de unidades horizontais.
CLÁUSULA 7ª - OBRIGAÇÕES DO SEGURADO
O Segurado se obriga a:
a) dar imediato aviso à Seguradora, por carta registrada ou protocolada, da ocorrência de qualquer
fato de que possa advir responsabilidade civil, nos termos deste seguro;
b) comunicar à Seguradora, imediatamente, qualquer reclamação, intimação, carta ou documento
que receber e que se relacionar com sinistro coberto por este seguro;
c) zelar, mantendo-o(s) em bom estado de conservação, segurança e funcionamento, pelo(s)
bem(ns) a que se refere este seguro, bem como comunicar, por escrito, à Seguradora, qualquer
alteração ou mudança, quanto aos riscos cobertos; e,
d) dar ciência à Seguradora da contratação ou do cancelamento de qualquer outro seguro, referente
aos mesmos riscos previstos nesta Apólice.
CLÁUSULA 8ª - MEDIDAS DE SEGURANÇA NOS LOCAIS DE OBRAS
O Segurado deverá observar todas as determinações das autoridades competentes, no que se refere
a medidas de segurança e prevenção de acidentes, quer quanto à colocação de tapumes de proteção
externa, quer quanto à execução da própria obra.
CLÁUSULA 9ª - PRÊMIO
9.1 - O prêmio deste seguro será pago de uma só vez e antecipadamente, e será calculado do
seguinte modo:
a) nas construções verticais, para cada edifício, R$ 1,87 (um real e oitenta e sete centavos),
multiplicados pelo número de pavimentos e pelo número de meses estimados para a execução da
obra;
b) nas construções horizontais, R$ 0,18 (dezoito centavos de real), multiplicados pelo número de
unidades previstas no projeto da obra e pelo número de meses estimados para a sua execução.
9.2 - Na eventualidade da ocorrência do disposto na Cláusula 13, o prêmio será devido
considerando-se o número de meses do prazo remanescente.
9.3 - Em qualquer hipótese, o prêmio mínimo devido é de R$ 9,33 (nove reais e trinta e três
centavos) e o prêmio máximo de R$ 466,67 (quatrocentos e sessenta e seis reais e sessenta e sete
centavos).
CLÁUSULA 10 - INDENIZAÇÃO
10.1 - Apurada a responsabilidade civil/legal do Segurado, em razão de sentença judicial transitada
em julgado ou de acordo expressamente autorizado pela Seguradora, esta efetuará o reembolso da
reparação pecuniária que o Segurado tenha sido obrigado a pagar.
10.2 - A Seguradora indenizará o montante dos prejuízos regularmente apurados, observando o
limite de responsabilidade.
10.3 - Qualquer acordo judicial ou extrajudicial, com o terceiro prejudicado, seus beneficiários e
herdeiros, só será reconhecido pela Seguradora se tiver sua prévia anuência.
10.4 - Proposta qualquer ação civil, o Segurado dará imediato aviso desta à Seguradora, nomeando,
de acordo com ela, os advogados de defesa.
10.5 - Embora não figure na ação, a Seguradora poderá dar instruções ao Segurado quanto a seu
processamento, intervindo diretamente na mesma se lhe convier, na qualidade de assistente.

211
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
10.6 - Fixada a indenização devida, seja por sentença transitada em julgado, seja por acordo na
forma do item 10.3, a Seguradora efetuará o reembolso da importância a que tiver obrigada, no
prazo de 20 (vinte) dias úteis, a contar da apresentação dos respectivos documentos.
10.7 - Dentro do limite máximo previsto no contrato de seguro, a Seguradora responderá, também,
pelas custas judiciais do foro civil e pelos honorários de advogados nomeados de acordo com ela.
10.8 - Quando a indenização a ser paga pelo Segurado compreender pagamento em dinheiro e
prestação de renda ou pensão, a Seguradora, dentro do limite de garantia do seguro, pagará
preferencialmente a primeira
CLÁUSULA 11 - INÍCIO E TÉRMINO DA RESPONSABILIDADE
A responsabilidade da Seguradora inicia-se com a instalação do canteiro da obra e termina depois
de completada a execução da obra e consequente encerramento, no local, das atividades a ela
inerentes.
CLÁUSULA 12 - CADUCIDADE DO SEGURO
Dar-se-á, automaticamente, a caducidade do seguro, ficando a Seguradora isenta de qualquer
responsabilidade, quando da rescisão dos contratos de construção ou de financiamento.
CLÁUSULA 13 - REVALIDAÇÃO DO SEGURO
13.1 - Quando a soma de indenizações pagas por estas Condições Particulares atingir valor igual ou
superior ao do limite máximo de responsabilidade da Seguradora, o seguro a que as mesmas
Condições se referem será revalidado, mediante cobrança automática de novo prêmio.
13.2 - Quando do pagamento de qualquer indenização, admitir-se-á o revigoramento da importância
segurada inicial mediante o pagamento complementar de prêmio, conforme dispuserem as
NORMAS e ROTINAS.
CLÁUSULA 14 - REVOGAÇÃO

Estas Condições Particulares prevalecerão, no que contraditarem, sobre as Condições Especiais


desta Apólice.

LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990.

Conteúdo específico para Certificação CA 300 e CA 600

TÍTULO I - Dos Direitos do Consumidor

CAPÍTULO I - Disposições Gerais

Art. 1° O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública
e interesse social, nos termos dos arts. 5°, inciso XXXII, 170, inciso V, da Constituição Federal e art. 48
de suas Disposições Transitórias.

Art. 2° Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como
destinatário final.

Parágrafo único. Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que
haja intervindo nas relações de consumo.

Art. 3° Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem
como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividade de produção, montagem, criação,
construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou
prestação de serviços.

§ 1° Produto é qualquer bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial.

212
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2° Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive
as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as decorrentes das relações de caráter
trabalhista.

CAPÍTULO II - CAPÍTULO II
Da Política Nacional de Relações de Consumo

Art. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o atendimento das
necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e segurança, a proteção de seus
interesses econômicos, a melhoria da sua qualidade de vida, bem como a transparência e harmonia das
relações de consumo, atendidos os seguintes princípios: (Redação dada pela Lei nº 9.008, de 21.3.1995)

I - reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor no mercado de consumo;

II - ação governamental no sentido de proteger efetivamente o consumidor:

a) por iniciativa direta;

b) por incentivos à criação e desenvolvimento de associações representativas;

c) pela presença do Estado no mercado de consumo;

d) pela garantia dos produtos e serviços com padrões adequados de qualidade, segurança,
durabilidade e desempenho.

III - harmonização dos interesses dos participantes das relações de consumo e compatibilização da
proteção do consumidor com a necessidade de desenvolvimento econômico e tecnológico, de modo a
viabilizar os princípios nos quais se funda a ordem econômica (art. 170, da Constituição Federal),
sempre com base na boa-fé e equilíbrio nas relações entre consumidores e fornecedores;

IV - educação e informação de fornecedores e consumidores, quanto aos seus direitos e deveres,


com vistas à melhoria do mercado de consumo;

V - incentivo à criação pelos fornecedores de meios eficientes de controle de qualidade e segurança


de produtos e serviços, assim como de mecanismos alternativos de solução de conflitos de consumo;

VI - coibição e repressão eficientes de todos os abusos praticados no mercado de consumo,


inclusive a concorrência desleal e utilização indevida de inventos e criações industriais das marcas e
nomes comerciais e signos distintivos, que possam causar prejuízos aos consumidores;

VII - racionalização e melhoria dos serviços públicos;

VIII - estudo constante das modificações do mercado de consumo.

CAPÍTULO III - Dos Direitos Básicos do Consumidor

Art. 6º São direitos básicos do consumidor:

I - a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento
de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos;

II - a educação e divulgação sobre o consumo adequado dos produtos e serviços, asseguradas a


liberdade de escolha e a igualdade nas contratações;

213
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III - a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação
correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que
apresentem;

IV - a proteção contra a publicidade enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou


desleais, bem como contra práticas e cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e
serviços;

V - a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua


revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas;

VI - a efetiva prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e


difusos;

VII - o acesso aos órgãos judiciários e administrativos com vistas à prevenção ou reparação de
danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos ou difusos, assegurada a proteção Jurídica,
administrativa e técnica aos necessitados;

VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu
favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele
hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências; IX - (Vetado);

X - a adequada e eficaz prestação dos serviços públicos em geral.

Art. 7° Os direitos previstos neste código não excluem outros decorrentes de tratados ou
convenções internacionais de que o Brasil seja signatário, da legislação interna ordinária, de
regulamentos expedidos pelas autoridades administrativas competentes, bem como dos que derivem dos
princípios gerais do direito, analogia, costumes e eqüidade.

Parágrafo único. Tendo mais de um autor a ofensa, todos responderão solidariamente pela
reparação dos danos previstos nas normas de consumo.

SEÇÃO II - Da Responsabilidade pelo Fato do Produto e do Serviço

Art. 12. O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador respondem,


independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por
defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação
ou acondicionamento de seus produtos, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre
sua utilização e riscos.

§ 1° O produto é defeituoso quando não oferece a segurança que dele legitimamente se espera,
levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais:

I - sua apresentação;

II - o uso e os riscos que razoavelmente dele se esperam;

III - a época em que foi colocado em circulação.

§ 2º O produto não é considerado defeituoso pelo fato de outro de melhor qualidade ter sido
colocado no mercado.

214
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 3° O fabricante, o construtor, o produtor ou importador só não será responsabilizado quando
provar:

I - que não colocou o produto no mercado;

II - que, embora haja colocado o produto no mercado, o defeito inexiste;

III - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.

Art. 13. O comerciante é igualmente responsável, nos termos do artigo anterior, quando:

I - o fabricante, o construtor, o produtor ou o importador não puderem ser identificados;

II - o produto for fornecido sem identificação clara do seu fabricante, produtor, construtor ou
importador;

III - não conservar adequadamente os produtos perecíveis.

Parágrafo único. Aquele que efetivar o pagamento ao prejudicado poderá exercer o direito de
regresso contra os demais responsáveis, segundo sua participação na causação do evento danoso.

Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela


reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem
como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos.

§ 1° O serviço é defeituoso quando não fornece a segurança que o consumidor dele pode esperar,
levando-se em consideração as circunstâncias relevantes, entre as quais:

I - o modo de seu fornecimento;

II - o resultado e os riscos que razoavelmente dele se esperam;

III - a época em que foi fornecido.

§ 2º O serviço não é considerado defeituoso pela adoção de novas técnicas.

§ 3° O fornecedor de serviços só não será responsabilizado quando provar:

I - que, tendo prestado o serviço, o defeito inexiste;

II - a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro.

§ 4° A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de


culpa. Art. 15. E Art. 16. (Vetados).

Art. 17. Para os efeitos desta Seção, equiparam-se aos consumidores todas as vítimas do evento.

SEÇÃO III - Da Responsabilidade por Vício do Produto e do Serviço

Art. 18. Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis respondem


solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os tornem impróprios ou inadequados ao
consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da
disparidade, com as indicações constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem ou mensagem

215
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
publicitária, respeitadas as variações decorrentes de sua natureza, podendo o consumidor exigir a
substituição das partes viciadas.

§ 1° Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o consumidor exigir,
alternativamente e à sua escolha:

I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso;

II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais


perdas e danos;

III - o abatimento proporcional do preço.

§ 2° Poderão as partes convencionar a redução ou ampliação do prazo previsto no parágrafo


anterior, não podendo ser inferior a sete nem superior a cento e oitenta dias. Nos contratos de adesão, a
cláusula de prazo deverá ser convencionada em separado, por meio de manifestação expressa do
consumidor.

§ 3° O consumidor poderá fazer uso imediato das alternativas do § 1° deste artigo sempre que, em
razão da extensão do vício, a substituição das partes viciadas puder comprometer a qualidade ou
características do produto, diminuir-lhe o valor ou se tratar de produto essencial.

§ 4° Tendo o consumidor optado pela alternativa do inciso I do § 1° deste artigo, e não sendo
possível a substituição do bem, poderá haver substituição por outro de espécie, marca ou modelo
diversos, mediante complementação ou restituição de eventual diferença de preço, sem prejuízo do
disposto nos incisos II e III do § 1° deste artigo.

§ 5° No caso de fornecimento de produtos in natura, será responsável perante o consumidor o


fornecedor imediato, exceto quando identificado claramente seu produtor.

§ 6° São impróprios ao uso e consumo:

I - os produtos cujos prazos de validade estejam vencidos;

II - os produtos deteriorados, alterados, adulterados, avariados, falsificados, corrompidos,


fraudados, nocivos à vida ou à saúde, perigosos ou, ainda, aqueles em desacordo com as normas
regulamentares de fabricação, distribuição ou apresentação;

III - os produtos que, por qualquer motivo, se revelem inadequados ao fim a que se destinam.

Art. 19. Os fornecedores respondem solidariamente pelos vícios de quantidade do produto sempre
que, respeitadas as variações decorrentes de sua natureza, seu conteúdo líquido for inferior às indicações
constantes do recipiente, da embalagem, rotulagem ou de mensagem publicitária, podendo o
consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:

I - o abatimento proporcional do preço;

II - complementação do peso ou medida;

III - a substituição do produto por outro da mesma espécie, marca ou modelo, sem os aludidos
vícios;

216
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
IV - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais
perdas e danos.

§ 1° Aplica-se a este artigo o disposto no § 4° do artigo anterior.

§ 2° O fornecedor imediato será responsável quando fizer a pesagem ou a medição e o instrumento


utilizado não estiver aferido segundo os padrões oficiais.

Art. 20. O fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade que os tornem impróprios ao
consumo ou lhes diminuam o valor, assim como por aqueles decorrentes da disparidade com as
indicações constantes da oferta ou mensagem publicitária, podendo o consumidor exigir,
alternativamente e à sua escolha:

I - a reexecução dos serviços, sem custo adicional e quando cabível;

II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais


perdas e danos;

III - o abatimento proporcional do preço.

§ 1° A reexecução dos serviços poderá ser confiada a terceiros devidamente capacitados, por conta
e risco do fornecedor.

§ 2° São impróprios os serviços que se mostrem inadequados para os fins que razoavelmente deles
se esperam, bem como aqueles que não atendam as normas regulamentares de prestabilidade.

Art. 21. No fornecimento de serviços que tenham por objetivo a reparação de qualquer produto
considerar-se-á implícita a obrigação do fornecedor de empregar componentes de reposição originais
adequados e novos, ou que mantenham as especificações técnicas do fabricante, salvo, quanto a estes
últimos, autorização em contrário do consumidor.

Art. 22. Os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias, permissionárias ou sob
qualquer outra forma de empreendimento, são obrigados a fornecer serviços adequados, eficientes,
seguros e, quanto aos essenciais, contínuos.

Parágrafo único. Nos casos de descumprimento, total ou parcial, das obrigações referidas neste
artigo, serão as pessoas jurídicas compelidas a cumpri-las e a reparar os danos causados, na forma
prevista neste código.

Art. 23. A ignorância do fornecedor sobre os vícios de qualidade por inadequação dos produtos e
serviços não o exime de responsabilidade.

Art. 24. A garantia legal de adequação do produto ou serviço independe de termo expresso, vedada
a exoneração contratual do fornecedor.

Art. 25. É vedada a estipulação contratual de cláusula que impossibilite, exonere ou atenue a
obrigação de indenizar prevista nesta e nas seções anteriores.

§ 1° Havendo mais de um responsável pela causação do dano, todos responderão solidariamente


pela reparação prevista nesta e nas seções anteriores.

§ 2° Sendo o dano causado por componente ou peça incorporada ao produto ou serviço, são
responsáveis solidários seu fabricante, construtor ou importador e o que realizou a incorporação.

217
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
SEÇÃO IV - Da Decadência e da Prescrição

Art. 26. O direito de reclamar pelos vícios aparentes ou de fácil constatação caduca em:

I - trinta dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos não duráveis;

II - noventa dias, tratando-se de fornecimento de serviço e de produtos duráveis.

§ 1° Inicia-se a contagem do prazo decadencial a partir da entrega efetiva do produto ou do término


da execução dos serviços.

§ 2° Obstam a decadência:

I - a reclamação comprovadamente formulada pelo consumidor perante o fornecedor de produtos e


serviços até a resposta negativa correspondente, que deve ser transmitida de forma inequívoca; II -
(Vetado).

III - a instauração de inquérito civil, até seu encerramento.

§ 3° Tratando-se de vício oculto, o prazo decadencial inicia-se no momento em que ficar


evidenciado o defeito.

Art. 27. Prescreve em cinco anos a pretensão à reparação pelos danos causados por fato do produto
ou do serviço prevista na Seção II deste Capítulo, iniciando-se a contagem do prazo a partir do
conhecimento do dano e de sua autoria.

SEÇÃO V - Da Desconsideração da Personalidade Jurídica

Art. 28. O juiz poderá desconsiderar a personalidade jurídica da sociedade quando, em detrimento
do consumidor, houver abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação
dos estatutos ou contrato social. A desconsideração também será efetivada quando houver falência,
estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má
administração. § 1° (Vetado).

§ 2° As sociedades integrantes dos grupos societários e as sociedades controladas, são


subsidiariamente responsáveis pelas obrigações decorrentes deste código.

§ 3° As sociedades consorciadas são solidariamente responsáveis pelas obrigações decorrentes


deste código.

§ 4° As sociedades coligadas só responderão por culpa.

§ 5° Também poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for, de
alguma forma, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores.

CAPÍTULO V - Das Práticas Comerciais

SEÇÃO I - Das Disposições Gerais

Art. 29. Para os fins deste Capítulo e do seguinte, equiparam-se aos consumidores todas as pessoas
determináveis ou não, expostas às práticas nele previstas.

SEÇÃO III - Da Publicidade

218
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 36. A publicidade deve ser veiculada de tal forma que o consumidor, fácil e imediatamente, a
identifique como tal.

Parágrafo único. O fornecedor, na publicidade de seus produtos ou serviços, manterá, em seu


poder, para informação dos legítimos interessados, os dados fáticos, técnicos e científicos que dão
sustentação à mensagem.

Art. 37. É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva.

§ 1° É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário,


inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em
erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem,
preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços.

§ 2° É abusiva, dentre outras a publicidade discriminatória de qualquer natureza, a que incite à


violência, explore o medo ou a superstição, se aproveite da deficiência de julgamento e experiência da
criança, desrespeita valores ambientais, ou que seja capaz de induzir o consumidor a se comportar de
forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou segurança.

§ 3° Para os efeitos deste código, a publicidade é enganosa por omissão quando deixar de informar
sobre dado essencial do produto ou serviço.

Art. 38. O ônus da prova da veracidade e correção da informação ou comunicação publicitária cabe
a quem as patrocina.

SEÇÃO IV - Das Práticas Abusivas

Art. 39. É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras práticas abusivas:

I - condicionar o fornecimento de produto ou de serviço ao fornecimento de outro produto ou


serviço, bem como, sem justa causa, a limites quantitativos;

II - recusar atendimento às demandas dos consumidores, na exata medida de suas disponibilidades


de estoque, e, ainda, de conformidade com os usos e costumes;

III - enviar ou entregar ao consumidor, sem solicitação prévia, qualquer produto, ou fornecer
qualquer serviço;

IV - prevalecer-se da fraqueza ou ignorância do consumidor, tendo em vista sua idade, saúde,


conhecimento ou condição social, para impingir-lhe seus produtos ou serviços;

V - exigir do consumidor vantagem manifestamente excessiva;

VI - executar serviços sem a prévia elaboração de orçamento e autorização expressa do


consumidor, ressalvadas as decorrentes de práticas anteriores entre as partes;

VII - repassar informação depreciativa, referente a ato praticado pelo consumidor no exercício de
seus direitos;

VIII - colocar, no mercado de consumo, qualquer produto ou serviço em desacordo com as normas
expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou, se normas específicas não existirem, pela Associação
Brasileira de Normas Técnicas ou outra entidade credenciada pelo Conselho Nacional de Metrologia,
Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro);

219
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
IX - recusar a venda de bens ou a prestação de serviços, diretamente a quem se disponha a adquiri-
los mediante pronto pagamento, ressalvados os casos de intermediação regulados em leis especiais;

X - elevar sem justa causa o preço de produtos ou serviços.

XI - Dispositivo incluído pela MPV nº 1.890-67, de 22.10.1999, transformado em inciso XIII,


quando da conversão na Lei nº 9.870, de 23.11.1999

XII - deixar de estipular prazo para o cumprimento de sua obrigação ou deixar a fixação de seu
termo inicial a seu exclusivo critério.

XIII - aplicar fórmula ou índice de reajuste diverso do legal ou contratualmente estabelecido.

Parágrafo único. Os serviços prestados e os produtos remetidos ou entregues ao consumidor, na


hipótese prevista no inciso III, equiparam-se às amostras grátis, inexistindo obrigação de pagamento.

Art. 40. O fornecedor de serviço será obrigado a entregar ao consumidor orçamento prévio
discriminando o valor da mão-de-obra, dos materiais e equipamentos a serem empregados, as condições
de pagamento, bem como as datas de início e término dos serviços.

§ 1º Salvo estipulação em contrário, o valor orçado terá validade pelo prazo de dez dias, contado de
seu recebimento pelo consumidor.

§ 2° Uma vez aprovado pelo consumidor, o orçamento obriga os contraentes e somente pode ser
alterado mediante livre negociação das partes.

§ 3° O consumidor não responde por quaisquer ônus ou acréscimos decorrentes da contratação de


serviços de terceiros não previstos no orçamento prévio.

Art. 41. No caso de fornecimento de produtos ou de serviços sujeitos ao regime de controle ou de


tabelamento de preços, os fornecedores deverão respeitar os limites oficiais sob pena de não o fazendo,
responderem pela restituição da quantia recebida em excesso, monetariamente atualizada, podendo o
consumidor exigir à sua escolha, o desfazimento do negócio, sem prejuízo de outras sanções cabíveis.

SEÇÃO V - Da Cobrança de Dívidas

Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será
submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça.

Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à repetição do indébito,
por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo
hipótese de engano justificável.

Art. 42-A. Em todos os documentos de cobrança de débitos apresentados ao consumidor, deverão


constar o nome, o endereço e o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas – CPF ou no
Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ do fornecedor do produto ou serviço correspondente.
(Incluído pela Lei nº 12.039, de 2009)

Art. 43. O consumidor, sem prejuízo do disposto no art. 86, terá acesso às informações existentes
em cadastros, fichas, registros e dados pessoais e de consumo arquivados sobre ele, bem como sobre as
suas respectivas fontes.

220
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 1° Os cadastros e dados de consumidores devem ser objetivos, claros, verdadeiros e em
linguagem de fácil compreensão, não podendo conter informações negativas referentes a período
superior a cinco anos.

§ 2° A abertura de cadastro, ficha, registro e dados pessoais e de consumo deverá ser comunicada
por escrito ao consumidor, quando não solicitada por ele.

§ 3° O consumidor, sempre que encontrar inexatidão nos seus dados e cadastros, poderá exigir sua
imediata correção, devendo o arquivista, no prazo de cinco dias úteis, comunicar a alteração aos
eventuais destinatários das informações incorretas.

§ 4° Os bancos de dados e cadastros relativos a consumidores, os serviços de proteção ao crédito e


congêneres são considerados entidades de caráter público.

§ 5° Consumada a prescrição relativa à cobrança de débitos do consumidor, não serão fornecidas,


pelos respectivos Sistemas de Proteção ao Crédito, quaisquer informações que possam impedir ou
dificultar novo acesso ao crédito junto aos fornecedores.

CAPÍTULO VI - Da Proteção Contratual

SEÇÃO I - Disposições Gerais

Art. 46. Os contratos que regulam as relações de consumo não obrigarão os consumidores, se não
lhes for dada a oportunidade de tomar conhecimento prévio de seu conteúdo, ou se os respectivos
instrumentos forem redigidos de modo a dificultar a compreensão de seu sentido e alcance.

Art. 47. As cláusulas contratuais serão interpretadas de maneira mais favorável ao consumidor.

Art. 48. As declarações de vontade constantes de escritos particulares, recibos e pré-contratos


relativos às relações de consumo vinculam o fornecedor, ensejando inclusive execução específica, nos
termos do art. 84 e parágrafos.

Art. 49. O consumidor pode desistir do contrato, no prazo de 7 dias a contar de sua assinatura ou do
ato de recebimento do produto ou serviço, sempre que a contratação de fornecimento de produtos e
serviços ocorrer fora do estabelecimento comercial, especialmente por telefone ou a domicílio.

Parágrafo único. Se o consumidor exercitar o direito de arrependimento previsto neste artigo, os


valores eventualmente pagos, a qualquer título, durante o prazo de reflexão, serão devolvidos, de
imediato, monetariamente atualizados.

Art. 50. A garantia contratual é complementar à legal e será conferida mediante termo escrito.

Parágrafo único. O termo de garantia ou equivalente deve ser padronizado e esclarecer, de maneira
adequada em que consiste a mesma garantia, bem como a forma, o prazo e o lugar em que pode ser
exercitada e os ônus a cargo do consumidor, devendo ser-lhe entregue, devidamente preenchido pelo
fornecedor, no ato do fornecimento, acompanhado de manual de instrução, de instalação e uso do
produto em linguagem didática, com ilustrações.

SEÇÃO II - Das Cláusulas Abusivas

Art. 51. São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento
de produtos e serviços que:

221
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor por vícios de qualquer
natureza dos produtos e serviços ou impliquem renúncia ou disposição de direitos. Nas relações de
consumo entre o fornecedor e o consumidor pessoa jurídica, a indenização poderá ser limitada, em
situações justificáveis;

II - subtraiam ao consumidor a opção de reembolso da quantia já paga, nos casos previstos neste
código;

III - transfiram responsabilidades a terceiros;

IV - estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em


desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a eqüidade; V - (Vetado);

VI - estabeleçam inversão do ônus da prova em prejuízo do consumidor;

VII - determinem a utilização compulsória de arbitragem;

VIII - imponham representante para concluir ou realizar outro negócio jurídico pelo consumidor;

IX - deixem ao fornecedor a opção de concluir ou não o contrato, embora obrigando o consumidor;

X - permitam ao fornecedor, direta ou indiretamente, variação do preço de maneira unilateral;

XI - autorizem o fornecedor a cancelar o contrato unilateralmente, sem que igual direito seja
conferido ao consumidor;

XII - obriguem o consumidor a ressarcir os custos de cobrança de sua obrigação, sem que igual
direito lhe seja conferido contra o fornecedor;

XIII - autorizem o fornecedor a modificar unilateralmente o conteúdo ou a qualidade do contrato,


após sua celebração;

XIV - infrinjam ou possibilitem a violação de normas ambientais;

XV - estejam em desacordo com o sistema de proteção ao consumidor;

XVI - possibilitem a renúncia do direito de indenização por benfeitorias necessárias.

§ 1º Presume-se exagerada, entre outros casos, a vontade que:

I - ofende os princípios fundamentais do sistema jurídico a que pertence;

II - restringe direitos ou obrigações fundamentais inerentes à natureza do contrato, de tal modo a


ameaçar seu objeto ou equilíbrio contratual;

III - se mostra excessivamente onerosa para o consumidor, considerando-se a natureza e conteúdo


do contrato, o interesse das partes e outras circunstâncias peculiares ao caso.

§ 2° A nulidade de uma cláusula contratual abusiva não invalida o contrato, exceto quando de sua
ausência, apesar dos esforços de integração, decorrer ônus excessivo a qualquer das partes.

§ 3° (Vetado).

222
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 4° É facultado a qualquer consumidor ou entidade que o represente requerer ao Ministério
Público que ajuíze a competente ação para ser declarada a nulidade de cláusula contratual que contrarie
o disposto neste código ou de qualquer forma não assegure o justo equilíbrio entre direitos e obrigações
das partes.

Art. 52. No fornecimento de produtos ou serviços que envolva outorga de crédito ou concessão de
financiamento ao consumidor, o fornecedor deverá, entre outros requisitos, informá-lo prévia e
adequadamente sobre:

I - preço do produto ou serviço em moeda corrente nacional;

II - montante dos juros de mora e da taxa efetiva anual de juros;

III - acréscimos legalmente previstos;

IV - número e periodicidade das prestações;

V - soma total a pagar, com e sem financiamento.

§ 1° As multas de mora decorrentes do inadimplemento de obrigações no seu termo não poderão


ser superiores a dois por cento do valor da prestação.

§ 2º É assegurado ao consumidor a liquidação antecipada do débito, total ou parcialmente,


mediante redução proporcional dos juros e demais acréscimos.

Art. 53. Nos contratos de compra e venda de móveis ou imóveis mediante pagamento em
prestações, bem como nas alienações fiduciárias em garantia, consideram-se nulas de pleno direito as
cláusulas que estabeleçam a perda total das prestações pagas em benefício do credor que, em razão do
inadimplemento, pleitear a resolução do contrato e a retomada do produto alienado. § 1° (Vetado).

§ 2º Nos contratos do sistema de consórcio de produtos duráveis, a compensação ou a restituição


das parcelas quitadas, na forma deste artigo, terá descontada, além da vantagem econômica auferida
com a fruição, os prejuízos que o desistente ou inadimplente causar ao grupo.

§ 3° Os contratos de que trata o caput deste artigo serão expressos em moeda corrente nacional.

SEÇÃO III - Dos Contratos de Adesão

Art. 54. Contrato de adesão é aquele cujas cláusulas tenham sido aprovadas pela autoridade
competente ou estabelecidas unilateralmente pelo fornecedor de produtos ou serviços, sem que o
consumidor possa discutir ou modificar substancialmente seu conteúdo.

§ 1° A inserção de cláusula no formulário não desfigura a natureza de adesão do contrato.

§ 2° Nos contratos de adesão admite-se cláusula resolutória, desde que a alternativa, cabendo a
escolha ao consumidor, ressalvando-se o disposto no § 2° do artigo anterior.

§ 3o Os contratos de adesão escritos serão redigidos em termos claros e com caracteres ostensivos
e legíveis, cujo tamanho da fonte não será inferior ao corpo doze, de modo a facilitar sua compreensão
pelo consumidor.

§ 4° As cláusulas que implicarem limitação de direito do consumidor deverão ser redigidas com
destaque, permitindo sua imediata e fácil compreensão.

223
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
CAPÍTULO VII - Das Sanções Administrativas

Art. 55. A União, os Estados e o Distrito Federal, em caráter concorrente e nas suas respectivas
áreas de atuação administrativa, baixarão normas relativas à produção, industrialização, distribuição e
consumo de produtos e serviços.

§ 1° A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios fiscalizarão e controlarão a produção,


industrialização, distribuição, a publicidade de produtos e serviços e o mercado de consumo, no
interesse da preservação da vida, da saúde, da segurança, da informação e do bem-estar do consumidor,
baixando as normas que se fizerem necessárias. § 2° (Vetado).

§ 3° Os órgãos federais, estaduais, do Distrito Federal e municipais com atribuições para fiscalizar
e controlar o mercado de consumo manterão comissões permanentes para elaboração, revisão e
atualização das normas referidas no § 1°, sendo obrigatória a participação dos consumidores e
fornecedores.

§ 4° Os órgãos oficiais poderão expedir notificações aos fornecedores para que, sob pena de
desobediência, prestem informações sobre questões de interesse do consumidor, resguardado o segredo
industrial.

Art. 56. As infrações das normas de defesa do consumidor ficam sujeitas, conforme o caso, às
seguintes sanções administrativas, sem prejuízo das de natureza civil, penal e das definidas em normas
específicas:

I - multa;

II - apreensão do produto;

III - inutilização do produto;

IV - cassação do registro do produto junto ao órgão competente;

V - proibição de fabricação do produto;

VI - suspensão de fornecimento de produtos ou serviço;

VII - suspensão temporária de atividade;

VIII - revogação de concessão ou permissão de uso;

IX - cassação de licença do estabelecimento ou de atividade;

X - interdição, total ou parcial, de estabelecimento, de obra ou de atividade;

XI - intervenção administrativa;

XII - imposição de contrapropaganda.

Parágrafo único. As sanções previstas neste artigo serão aplicadas pela autoridade administrativa,
no âmbito de sua atribuição, podendo ser aplicadas cumulativamente, inclusive por medida cautelar,
antecedente ou incidente de procedimento administrativo.

224
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 57. A pena de multa, graduada de acordo com a gravidade da infração, a vantagem auferida e a
condição econômica do fornecedor, será aplicada mediante procedimento administrativo, revertendo
para o Fundo de que trata a Lei nº 7.347, de 24 de julho de 1985, os valores cabíveis à União, ou para os
Fundos estaduais ou municipais de proteção ao consumidor nos demais casos.

Parágrafo único. A multa será em montante não inferior a duzentas e não superior a três milhões de
vezes o valor da Unidade Fiscal de Referência (Ufir), ou índice equivalente que venha a substituí-lo. (
desde 2000 é de R$ 1,0641 x 200= R$212,82)

Art. 58. As penas de apreensão, de inutilização de produtos, de proibição de fabricação de


produtos, de suspensão do fornecimento de produto ou serviço, de cassação do registro do produto e
revogação da concessão ou permissão de uso serão aplicadas pela administração, mediante
procedimento administrativo, assegurada ampla defesa, quando forem constatados vícios de quantidade
ou de qualidade por inadequação ou insegurança do produto ou serviço.

Art. 59. As penas de cassação de alvará de licença, de interdição e de suspensão temporária da


atividade, bem como a de intervenção administrativa, serão aplicadas mediante procedimento
administrativo, assegurada ampla defesa, quando o fornecedor reincidir na prática das infrações de
maior gravidade previstas neste código e na legislação de consumo.

§ 1° A pena de cassação da concessão será aplicada à concessionária de serviço público, quando


violar obrigação legal ou contratual.

§ 2° A pena de intervenção administrativa será aplicada sempre que as circunstâncias de fato


desaconselharem a cassação de licença, a interdição ou suspensão da atividade.

§ 3° Pendendo ação judicial na qual se discuta a imposição de penalidade administrativa, não


haverá reincidência até o trânsito em julgado da sentença.

Art. 60. A imposição de contrapropaganda será cominada quando o fornecedor incorrer na prática
de publicidade enganosa ou abusiva, nos termos do art. 36 e seus parágrafos, sempre às expensas do
infrator.

§ 1º A contrapropaganda será divulgada pelo responsável da mesma forma, freqüência e dimensão


e, preferencialmente no mesmo veículo, local, espaço e horário, de forma capaz de desfazer o malefício
da publicidade enganosa ou abusiva.

TÍTULO II - Das Infrações Penais

Art. 61. Constituem crimes contra as relações de consumo previstas neste código, sem prejuízo do
disposto no Código Penal e leis especiais, as condutas tipificadas nos artigos seguintes.

Art. 62. (Vetado).

Art. 63. Omitir dizeres ou sinais ostensivos sobre a nocividade ou periculosidade de produtos, nas
embalagens, nos invólucros, recipientes ou publicidade:

Pena - Detenção de seis meses a dois anos e multa.

§ 1° Incorrerá nas mesmas penas quem deixar de alertar, mediante recomendações escritas
ostensivas, sobre a periculosidade do serviço a ser prestado.

§ 2° Se o crime é culposo:

225
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Pena Detenção de um a seis meses ou multa.

Art. 64. Deixar de comunicar à autoridade competente e aos consumidores a nocividade ou


periculosidade de produtos cujo conhecimento seja posterior à sua colocação no mercado:

Pena - Detenção de seis meses a dois anos e multa.

Parágrafo único. Incorrerá nas mesmas penas quem deixar de retirar do mercado, imediatamente
quando determinado pela autoridade competente, os produtos nocivos ou perigosos, na forma deste
artigo.

Art. 65. Executar serviço de alto grau de periculosidade, contrariando determinação de autoridade
competente:

Pena Detenção de seis meses a dois anos e multa.

Parágrafo único. As penas deste artigo são aplicáveis sem prejuízo das correspondentes à lesão
corporal e à morte.

Art. 66. Fazer afirmação falsa ou enganosa, ou omitir informação relevante sobre a natureza,
característica, qualidade, quantidade, segurança, desempenho, durabilidade, preço ou garantia de
produtos ou serviços:

Pena - Detenção de três meses a um ano e multa.

§ 1º Incorrerá nas mesmas penas quem patrocinar a oferta.

§ 2º Se o crime é culposo;

Pena Detenção de um a seis meses ou multa.

Art. 67. Fazer ou promover publicidade que sabe ou deveria saber ser enganosa ou abusiva:

Pena Detenção de três meses a um ano e multa.

Art. 68. Fazer ou promover publicidade que sabe ou deveria saber ser capaz de induzir o
consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa a sua saúde ou segurança:

Pena - Detenção de seis meses a dois anos e multa:

Art. 69. Deixar de organizar dados fáticos, técnicos e científicos que dão base à publicidade:

Pena Detenção de um a seis meses ou multa.

Art. 70. Empregar na reparação de produtos, peça ou componentes de reposição usados, sem
autorização do consumidor:

Pena Detenção de três meses a um ano e multa.

Art. 71. Utilizar, na cobrança de dívidas, de ameaça, coação, constrangimento físico ou moral,
afirmações falsas incorretas ou enganosas ou de qualquer outro procedimento que exponha o
consumidor, injustificadamente, a ridículo ou interfira com seu trabalho, descanso ou lazer:

226
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Pena Detenção de três meses a um ano e multa.

Art. 72. Impedir ou dificultar o acesso do consumidor às informações que sobre ele constem em
cadastros, banco de dados, fichas e registros:

Pena Detenção de seis meses a um ano ou multa.

Art. 73. Deixar de corrigir imediatamente informação sobre consumidor constante de cadastro,
banco de dados, fichas ou registros que sabe ou deveria saber ser inexata:

Pena Detenção de um a seis meses ou multa.

Art. 74. Deixar de entregar ao consumidor o termo de garantia adequadamente preenchido e com
especificação clara de seu conteúdo;

Pena Detenção de um a seis meses ou multa.

Art. 75. Quem, de qualquer forma, concorrer para os crimes referidos neste código, incide as penas
a esses cominadas na medida de sua culpabilidade, bem como o diretor, administrador ou gerente da
pessoa jurídica que promover, permitir ou por qualquer modo aprovar o fornecimento, oferta, exposição
à venda ou manutenção em depósito de produtos ou a oferta e prestação de serviços nas condições por
ele proibidas.

Art. 76. São circunstâncias agravantes dos crimes tipificados neste código:

I - serem cometidos em época de grave crise econômica ou por ocasião de calamidade;

II - ocasionarem grave dano individual ou coletivo;

III - dissimular-se a natureza ilícita do procedimento;

IV - quando cometidos:

a) por servidor público, ou por pessoa cuja condição econômico-social seja manifestamente
superior à da vítima;

b) em detrimento de operário ou rurícola; de menor de dezoito ou maior de sessenta anos ou de


pessoas portadoras de deficiência mental interditadas ou não;

V - serem praticados em operações que envolvam alimentos, medicamentos ou quaisquer outros


produtos ou serviços essenciais .

Art. 77. A pena pecuniária prevista nesta Seção será fixada em dias-multa, correspondente ao
mínimo e ao máximo de dias de duração da pena privativa da liberdade cominada ao crime. Na
individualização desta multa, o juiz observará o disposto no art. 60, §1° do Código Penal.

Art. 78. Além das penas privativas de liberdade e de multa, podem ser impostas, cumulativa ou
alternadamente, observado o disposto nos arts. 44 a 47, do Código Penal:

I - a interdição temporária de direitos;

II - a publicação em órgãos de comunicação de grande circulação ou audiência, às expensas do


condenado, de notícia sobre os fatos e a condenação;

227
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
III - a prestação de serviços à comunidade.

Art. 79. O valor da fiança, nas infrações de que trata este código, será fixado pelo juiz, ou pela
autoridade que presidir o inquérito, entre cem e duzentas mil vezes o valor do Bônus do Tesouro
Nacional (BTN), ou índice equivalente que venha a substituí-lo.

Parágrafo único. Se assim recomendar a situação econômica do indiciado ou réu, a fiança poderá
ser:

a) reduzida até a metade do seu valor mínimo;

b) aumentada pelo juiz até vinte vezes.

Art. 80. No processo penal atinente aos crimes previstos neste código, bem como a outros crimes e
contravenções que envolvam relações de consumo, poderão intervir, como assistentes do Ministério
Público, os legitimados indicados no art. 82, inciso III e IV, aos quais também é facultado propor ação
penal subsidiária, se a denúncia não for oferecida no prazo legal.

8.1 – SAC - DECRETO Nº 6.523/08

DO ÂMBITO DA APLICAÇÃO

Art. 2o Para os fins deste Decreto, compreende-se por SAC o serviço de atendimento
telefônico das prestadoras de serviços regulados que tenham como finalidade resolver as
demandas dos consumidores sobre informação, dúvida, reclamação, suspensão ou
cancelamento de contratos e de serviços.

DA ACESSIBILIDADE DO SERVIÇO

Art. 3o As ligações para o SAC serão gratuitas e o atendimento das solicitações e


demandas previsto neste Decreto não deverá resultar em qualquer ônus para o consumidor.

Art. 4o O SAC garantirá ao consumidor, no primeiro menu eletrônico, as opções


de contato com o atendente, de reclamação e de cancelamento de contratos e
serviços.

§ 1o A opção de contatar o atendimento pessoal constará de todas as


subdivisões do menu eletrônico.

§ 2o O consumidor não terá a sua ligação finalizada pelo fornecedor antes da conclusão
do atendimento.

§ 3o O acesso inicial ao atendente não será condicionado ao prévio fornecimento de


dados pelo consumidor.

§ 4o Regulamentação específica tratará do tempo máximo necessário para o contato


direto com o atendente, quando essa opção for selecionada.

Art. 5o O SAC estará disponível, ininterruptamente, durante vinte e quatro horas por dia
e sete dias por semana, ressalvado o disposto em normas específicas.

228
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 6o O acesso das pessoas com deficiência auditiva ou de fala será garantido pelo
SAC, em caráter preferencial, facultado à empresa atribuir número telefônico específico para
este fim.

Art. 7o O número do SAC constará de forma clara e objetiva em todos os documentos e


materiais impressos entregues ao consumidor no momento da contratação do serviço e
durante o seu fornecimento, bem como na página eletrônica da empresa na INTERNET.

Parágrafo único. No caso de empresa ou grupo empresarial que oferte serviços


conjuntamente, será garantido ao consumidor o acesso, ainda que por meio de diversos
números de telefone, a canal único que possibilite o atendimento de demanda relativa a
qualquer um dos serviços oferecidos.

DA QUALIDADE DO ATENDIMENTO

Art. 8o O SAC obedecerá aos princípios da dignidade, boa-fé, transparência, eficiência,


eficácia, celeridade e cordialidade.

Art. 9o O atendente, para exercer suas funções no SAC, deve ser capacitado com as
habilidades técnicas e procedimentais necessárias para realizar o adequado atendimento ao
consumidor, em linguagem clara.

Art. 10. Ressalvados os casos de reclamação e de cancelamento de serviços, o SAC


garantirá a transferência imediata ao setor competente para atendimento definitivo da
demanda, caso o primeiro atendente não tenha essa atribuição.

§ 1o A transferência dessa ligação será efetivada em até sessenta segundos.

§ 2o Nos casos de reclamação e cancelamento de serviço, não será admitida a


transferência da ligação, devendo todos os atendentes possuir atribuições para executar
essas funções.

§ 3o O sistema informatizado garantirá ao atendente o acesso ao histórico de


demandas do consumidor.

Art. 11. Os dados pessoais do consumidor serão preservados, mantidos em sigilo e


utilizados exclusivamente para os fins do atendimento.

Art. 12. É vedado solicitar a repetição da demanda do consumidor após seu registro
pelo primeiro atendente.

Art. 13. O sistema informatizado deve ser programado tecnicamente de modo a garantir
a agilidade, a segurança das informações e o respeito ao consumidor.

Art. 14. É vedada a veiculação de mensagens publicitárias durante o tempo de espera


para o atendimento, salvo se houver prévio consentimento do consumidor.

DO ACOMPANHAMENTO DE DEMANDAS

229
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 15. Será permitido o acompanhamento pelo consumidor de todas as suas
demandas por meio de registro numérico, que lhe será informado no início do atendimento.

§ 1o Para fins do disposto no caput, será utilizada seqüência numérica única para
identificar todos os atendimentos.

§ 2o O registro numérico, com data, hora e objeto da demanda, será informado ao


consumidor e, se por este solicitado, enviado por correspondência ou por meio eletrônico, a
critério do consumidor.

§ 3o É obrigatória a manutenção da gravação das chamadas efetuadas para o SAC,


pelo prazo mínimo de noventa dias, durante o qual o consumidor poderá requerer acesso ao
seu conteúdo.

§ 4o O registro eletrônico do atendimento será mantido à disposição do consumidor e


do órgão ou entidade fiscalizadora por um período mínimo de dois anos após a solução da
demanda.

Art. 16. O consumidor terá direito de acesso ao conteúdo do histórico de suas


demandas, que lhe será enviado, quando solicitado, no prazo máximo de setenta e duas
horas, por correspondência ou por meio eletrônico, a seu critério.

DO PROCEDIMENTO PARA A RESOLUÇÃO DE DEMANDAS

Art. 17. As informações solicitadas pelo consumidor serão prestadas imediatamente e


suas reclamações, resolvidas no prazo máximo de cinco dias úteis a contar do registro.

§ 1o O consumidor será informado sobre a resolução de sua demanda e, sempre que


solicitar, ser-lhe-á enviada a comprovação pertinente por correspondência ou por meio
eletrônico, a seu critério.

§ 2o A resposta do fornecedor será clara e objetiva e deverá abordar todos os pontos


da demanda do consumidor.

§ 3o Quando a demanda versar sobre serviço não solicitado ou cobrança indevida, a


cobrança será suspensa imediatamente, salvo se o fornecedor indicar o instrumento por meio
do qual o serviço foi contratado e comprovar que o valor é efetivamente devido.

DO PEDIDO DE CANCELAMENTO DO SERVIÇO

Art. 18. O SAC receberá e processará imediatamente o pedido de cancelamento de


serviço feito pelo consumidor.

§ 1o O pedido de cancelamento será permitido e assegurado ao consumidor por todos


os meios disponíveis para a contratação do serviço.

230
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 2o Os efeitos do cancelamento serão imediatos à solicitação do consumidor,
ainda que o seu processamento técnico necessite de prazo, e independe de seu
adimplemento contratual.

§ 3o O comprovante do pedido de cancelamento será expedido por correspondência ou


por meio eletrônico, a critério do consumidor.

RESOLUÇÃO N°. 3409

Define a metodologia de cálculo do percentual referente à remuneração básica dos depósitos

de poupança de que trata o parágrafo único do art. 18- A da Lei 8.177, de 1991, com a

redação dada pelo art. 1º da Medida Provisória 321, de 2006.

O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei 4.595, de 31 de

dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão

realizada em 27 de setembro de 2006, com base no disposto no art. 18-A da Lei 8.177, de 1º de

março de 1991, com a redação dada pela Medida Provisória 321, de 12 de setembro de 2006,

R E S O L V E U:

Art. 1º O percentual referente à remuneração básica dos depósitos de poupança de

que trata o parágrafo único do art. 18-A da Lei 8.177, de 1º de março de 1991, com a redação

dada pelo art. 1º da Medida Provisória 321, de 12 de setembro de 2006, será calculado

mensalmente a partir da média aritmética simples das Taxas Referenciais (TR) efetivas-dia dos

90 dias imediatamente anteriores.

§ 1º As taxas efetivas-dia serão obtidas com base no número de dias úteis

compreendidos no período de vigência de cada TR.

§ 2º Na contagem do número de dias úteis, será incluído o dia relativo ao início

do período e excluído o relativo ao final.

§ 3º O percentual será calculado com quatro casas decimais, utilizando-se as

Regras de Arredondamento na Numeração Decimal (NBR 5891), estabelecidas pela Associação

Brasileira de Normas Técnicas - ABNT e divulgado em base anual levando-se em consideração

252 dias úteis.

231
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
§ 4º Para efeito de cálculo, consideram-se as TR disponíveis na data da

divulgação do percentual de que trata o caput, excluídas as referenciadas no art. 4º, § 2º, inciso

IV, da Resolução 3.354, de 31 de março de 2006.

Art. 2º O Banco Central do Brasil divulgará no último dia útil de cada mês o

percentual de que trata o art. 1º e o limite máximo de taxa de juros para os contratos firmados a

taxas prefixadas no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação (SFH), com vigência para o mês

seguinte.

Art. 3º Excepcionalmente, no mês de setembro de 2006, o percentual de que trata

o art. 1º deverá:

I - ter vigência a partir do dia 13 daquele mês;Resolução n°.3409. de 27 setembro de 2006

II - ser calculado considerando-se as TR efetivas-dia correspondentes aos dias 15

de junho a 12 de setembro de 2006, excluídas as referenciadas no art. 4º, § 2º, inciso IV, da

Resolução 3.354, de 2006;

III - ser divulgado pelo Banco Central do Brasil, juntamente com o limite máximo

de taxa de juros, na data da entrada em vigor desta resolução.

Art. 4º Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 27 de setembro de 2006.

Henrique de Campos Meirelles

Presidente

RESOLUÇÃO N° 3.517

Dispõe sobre a informação e a divulgação do custo efetivo total correspondente a todos os encargos e
despesas de operações de crédito e de arrendamento mercantil financeiro, contratadas ou ofertadas a
pessoas físicas.

O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31

de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão

extraordinária realizada em 6 de dezembro de 2007, com base no art. 4º, inciso VI, da referida

lei, e considerando o disposto na Lei nº 6.099, de 12 de setembro de 1974, com as alterações

232
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
introduzidas pela Lei nº 7.132, de 26 de outubro de 1983,

R E S O L V E U:

Art. 1º As instituições financeiras e as sociedades de arrendamento mercantil, previamente à contratação


de operações de crédito e de arrendamento mercantil financeiro com pessoas naturais e com
microempresas e empresas de pequeno porte de que trata a Lei Complementar nº 123, de 14 de
dezembro de 2006, devem informar o custo total da operação, expresso na forma de taxa percentual
anual, calculada de acordo com a fórmula constante do anexo a esta resolução.

§ 1º O custo total da operação mencionado no caput será denominado Custo Efetivo Total (CET).

§ 2º O CET deve ser calculado considerando os fluxos referentes às liberações e aos pagamentos
previstos, incluindo taxa de juros a ser pactuada no contrato, tributos, tarifas, seguros e outras despesas
cobradas do cliente, mesmo que relativas ao pagamento de serviços de terceiros contratados pela
instituição, inclusive quando essas despesas forem objeto de financiamento.

§ 3º No cálculo do CET não devem ser consideradas, se utilizados, taxas flutuantes, índice de preços ou
outros referenciais de remuneração cujo valor se altere no decorrer do prazo da operação, os quais
devem ser divulgados junto com o CET.

§ 4º O CET será divulgado com duas casas decimais, utilizando-se as Regras de Arredondamento na
Numeração Decimal (NBR5891), estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas -
ABNT.

§ 5º No caso de operações de adiantamento a depositantes, de desconto, de cheque especial e de crédito


rotativo, devem ser considerados os seguintes parâmetros: (Redação dada pela Resolução nº 3.909, de
30/9/2010.)

I- o prazo de trinta dias; (Redação dada pela Resolução nº 3.909, de 30/9/2010.)

II - o valor do limite de crédito pactuado. (Redação dada pela Resolução nº 3.909, Resolução nº 3.517,
de 6 de dezembro de 2007. de 30/9/2010.)

§ 6º Nas operações em que houver previsão de mais de uma data de liberação de recursos para o
tomador de crédito, deve ser calculada uma taxa para cada liberação, com base no cronograma
inicialmente previsto.

§ 7º O CET deve ser calculado a qualquer tempo pelas instituições financeiras e sociedades de
arrendamento mercantil, a pedido do cliente.

§ 8º As informações históricas relativas à taxa de que trata o caput devem permanecer à disposição do
Banco Central do Brasil pelo prazo mínimo de cinco anos

Art. 2º A instituição deve assegurar-se de que o tomador, na data da contratação, ficou ciente dos fluxos
considerados no cálculo do CET, bem como de que essa taxa percentual anual representa as condições
vigentes na data do cálculo.

Parágrafo único. A planilha utilizada para o cálculo do CET deve ser fornecida ao tomador, explicitando
os fluxos considerados e os referenciais de remuneração de que trata o art. 1º, § 3º.

233
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 3º Nos informes publicitários das operações de que trata o art. 1º destinadas à aquisição de bens e
de serviços por pessoas naturais e por microempresas e empresas de pequeno porte, deve ser informado
o CET correspondente às condições ofertadas. (Redação dada pela Resolução nº 3.909, de 30/9/2010)

Parágrafo único. Os informes publicitários mencionados no caput devem conter, de forma clara e
legível, além do CET e do referencial de remuneração de que trata o art. 1º, § 3º, a taxa anual efetiva de
juros.

Art. 4º O disposto nesta resolução não se aplica a operações de crédito rural e de repasses de recursos
externos. (Redação dada pela Resolução nº 3.909, de 30/9/2010)

Art. 5º Fica o Banco Central do Brasil autorizado a adotar as medidas que se fizerem necessárias à
implementação do disposto nesta resolução.

Art. 6º Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a partir de 3 de
março de 2008.

RESOLUÇÃO Nº 3.706

Dispõe sobre a concessão de financiamentos imobiliários, o direcionamento dos recursos captados em


depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo
(SBPE), a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a
microempreendedores e altera a Resolução nº 2.828, de 2001, que trata da constituição e do
funcionamento de agências de fomento.

O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna
público que o Conselho Monetário Nacional, em sessão realizada em 26 de março de 2009, com base
nos arts. 4º, inciso VI, da citada lei, 7º do Decreto-Lei nº 2.291, de 21 de novembro de 1986, 2º da Lei
nº 9.514, de 20 de novembro de 1997, e 28 da Lei nº 10.150, de 21 de dezembro de 2000, e nas Leis nºs
10.735, de 11 de setembro de 2003, e 11.110, de 25 de abril de 2005, e no Decreto nº 5.288, de 29 de
novembro de 2004,

RESOLVEU:

Art. 1º Podem operar no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI), além das entidades previstas no
art. 2º da Lei nº 9.514, de 20 de novembro de 1997, as demais instituições financeiras autorizadas a
funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Art. 2º As instituições financeiras, nas operações de financiamento para aquisição de imóvel, devem
aplicar ao valor a ser transferido ao vendedor do imóvel, desde a data da assinatura do respectivo
contrato até a data da efetiva liberação dos recursos, remuneração equivalente à dos depósitos de
poupança, prevista nos arts. 12 da Lei nº 8.177, de 1º de março de 1991, e 7º da Lei nº 8.660, de 28 de
maio de 1993, pro rata temporis.

Parágrafo único. O valor de que trata o caput deve ser mantido em conta de controle da própria
instituição, vinculada à operação, em nome do vendedor, desde a data da assinatura do contrato de
financiamento até a data da efetiva liberação dos recursos.

Art. 11. Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 12. Ficam revogados os arts. 3º e 17 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30 de abril de
1993, a Resolução nº 2.168, de 30 de junho de 1995, os arts. 1º, 2º, 3º, 5º e 6º da Resolução nº 3.347, de

234
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
8 de fevereiro de 2006, e o inciso XXIV do art. 2º do Regulamento anexo à Resolução nº 3.347, de
2006.

RESOLUÇÃO Nº 3.811

Dispõe sobre a cobertura securitária prevista no art. 2º da Medida Provisória nº 2.197-43, de 24 de


agosto de 2001, com redação dada pela Lei nº 11.977, de 7 de julho de 2009.

O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei n° 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna
público que o Conselho Monetário Nacional, em sessão extraordinária realizada em 18 e 19 de
novembro de 2009, com base no inciso IX do art. 4º da Lei nº 4.595, de 1964, no art. 7º do Decreto-lei
nº 2.291, de 21 de novembro de 1986, e no § 2º do art. 2º da Medida Provisória nº 2.197-43, de 24 de
agosto de 2001, com a redação dada pela Lei nº 11.977, de 7 de julho de 2009,

RESOLVEU:

Art. 1º As instituições integrantes do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) somente concederão


financiamentos habitacionais com cobertura securitária que preveja, no mínimo, cobertura aos riscos de
morte e invalidez permanente do mutuário e de danos físicos ao imóvel.

Art. 2º Cada instituição integrante do SFH celebrará, na qualidade de estipulante e beneficiária direta do
seguro, no mínimo, duas apólices coletivas vinculadas aos seus contratos de financiamento, com
diferentes seguradoras habilitadas a operar o seguro habitacional, observado que:

I - sejam previstas as coberturas citadas no art. 1º e obedecidas as condições específicas estabelecidas


pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP);

II - o prazo de vigência se estenda pelo prazo de amortização do contrato de financiamento;

III - pelo menos uma das seguradoras não seja empresa controlada ou coligada nem pertença ao mesmo
conglomerado econômico-financeiro do estipulante.

§ 1º Caso o pretendente ao financiamento não deseje aderir a uma das apólices citadas no caput, a
instituição integrante do SFH deverá aceitar apólice individual contratada pelo pretendente com outra
sociedade seguradora habilitada a operar o seguro, desde que:

I - sejam previstas as coberturas citadas no art. 1º e obedecidas as condições específicas estabelecidas


pelo CNSP;

II - a instituição integrante do SFH figure como beneficiária direta;

III - o prazo de vigência se estenda pelo prazo de amortização do contrato de financiamento.Resolução


nº 3.811, de 19 de novembro de 2009

§ 2º No caso do § 1º deste artigo, a instituição integrante do SFH deverá analisar a proposta de apólice
individual aceita por sociedade seguradora, no prazo de quinze dias a contar de sua apresentação pelo
pretendente ao financiamento habitacional, para avaliar o cumprimento da regulamentação em vigor,
inclusive o disposto nesta resolução, facultada, neste caso, a cobrança de tarifa com o propósito de
permitir o ressarcimento dos custos relativos à respectiva análise, desde que o valor não exceda a
R$100,00 (cem reais).

Art. 3º A partir da entrada em vigor desta resolução, a instituição integrante do SFH deverá fazer constar
dos contratos de financiamento habitacional, na forma de anexo, declaração que:

235
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
I - comprove que foi oferecida mais de uma opção de apólice de sociedades seguradoras diferentes e que
houve expressa adesão do mutuário a uma das apólices coletivas ou, se for o caso, a uma apólice
individual;

II - informe o custo efetivo do seguro habitacional, na forma a ser definida pelo CNSP.

Art. 4º Independentemente da apólice utilizada, a instituição integrante do SFH cobrará o prêmio de


seguro juntamente com os demais itens do encargo mensal do financiamento.

Parágrafo único. O valor do prêmio do seguro deverá ser discriminado no boleto de pagamento ou no
instrumento de cobrança.

Art. 5º No caso de opção por apólice individual, havendo cessão do crédito, relativamente a cada
operação de financiamento objeto da cessão, a instituição cedente deverá formalizar a mudança da
condição de beneficiário em favor da instituição cessionária.

Parágrafo único. No caso de apólice coletiva, a cessão de crédito pressupõe a comunicação à sociedade
seguradora da baixa da adesão e a contratação ou adesão à nova cobertura securitária, ainda que na
mesma seguradora.

Art. 6º A instituição integrante do SFH deverá aceitar a mudança de apólice, por opção do mutuário,
durante o curso do contrato de financiamento habitacional, desde que:

I - o prazo de vigência da nova apólice se estenda pelo período remanescente do contrato;

II - o prêmio a ser pago ao longo do prazo remanescente do financiamento não onere a capacidade de
pagamento do mutuário das demais parcelas dos encargos mensais vincendos do financiamento;

III - sejam previstas as coberturas citadas no art. 1º e obedecidas as condições estabelecidas pelo CNSP;

IV - a instituição integrante do SFH figure como beneficiária direta.

§ 1º A instituição integrante do SFH poderá recusar a mudança de apólice, desde que apresente outra
apólice, individual ou coletiva, com custo efetivo do seguro habitacional não superior àquele da apólice
recusada.

§ 2º A nova adesão à apólice coletiva ou à nova apólice individual vinculada ao financiamento passará a
vigorar a partir da terceira prestação que vencer após a solicitação de alteração feita pelo adquirente à
instituição integrante do SFH.

§ 3º No caso de alteração de apólice vinculada ao financiamento habitacional pela adesão do mutuário à


apólice individual, aplica-se o disposto no art. 2º, § 2º.

§ 4º No caso de o mutuário propor a troca de apólice vinculada ao financiamento habitacional aderindo


a outra apólice coletiva entre as colocadas à disposição pela instituição integrante do SFH, esta não
poderá cobrar a tarifa de que trata o art. 2º, § 2º.

Art. 7º É vedado às instituições integrantes do SFH operar, na qualidade de estipulante ou de


beneficiário direto de seguro, com sociedades seguradoras que não apresentem certidão de regularidade
emitida pela Susep no momento da contratação do financiamento habitacional ou ainda no momento do
pedido do mutuário para mudança de apólice durante a vigência do contrato.

236
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
CIRCULAR SUSEP No 400, de 11 de fevereiro de 2010.

Dispõe sobre a informação e a divulgação do Custo Efetivo do Seguro Habitacional – CESH, em


relação às coberturas dos Riscos de Morte e Invalidez Permanente – MIP e Danos Físicos ao Imóvel –
DFI.

O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS – SUSEP, na


forma do disposto no art. 36, alínea “b”, do Decreto-Lei No 73, de 21 de novembro de 1966, e
considerando o disposto na Resolução CNSP No 205, de 18 de novembro de 2009, e o que consta do
Processo SUSEP no 15414.004427/2009-39,

R E S O L V E:

Art. 1º Esta Circular define as normas para o cálculo e apresentação, nas apólices de Seguro
Habitacional em Apólices de Mercado – SH/AM, do valor do Custo Efetivo do Seguro Habitacional –
CESH.

Art. 2º Previamente à contratação do SH/AM, as seguradoras deverão informar ao interessado o valor do


CESH.

Parágrafo único. Para efeitos desta Circular, considerar-se-á interessado o estipulante, no caso de seguro
coletivo, ou o próprio interessado no financiamento, no caso de seguro individual.

Art. 3o O CESH será calculado considerando-se os fluxos de pagamentos de prêmios previstos,


referentes às coberturas mínimas obrigatórias de Morte e Invalidez Permanente – MIP e de Danos
Físicos ao Imóvel – DFI previstas na Resolução CNSP N 205,

de 18 de novembro de 2009, conforme fórmula constante do anexo a esta Circular.

§ 1o Os prêmios deverão ser calculados conforme metodologia expressa nos artigos 16 e 17 do anexo à
Resolução CNSP N205, de 18 de novembro de 2009.

§ 2º Para o cálculo do CESH deverá ser levado em conta se a taxa a que se refere o caput do artigo 16 da
Resolução CNSP N 205, de 18 de novembro de 2009, será única, durante todo o contrato, ou se haverá
seu reenquadramento.

§ 3o Nos prêmios a que se refere este artigo deverão estar incluídos todos os tributos, tarifas e quaisquer
outras despesas decorrentes da contratação do SH/AM.Fl. 2 da CIRCULAR SUSEP No 400, de 11 de
fevereiro de 2010.

§ 4º Para o cálculo do CESH não deverão ser considerados valores de prêmios referentes a outras
coberturas que não sejam as de contratação obrigatória, devendo tais valores, se for o caso, ser
apresentados, de forma segregada, ao interessado, nos termos da

§ 5o O CESH será calculado com quatro casas decimais, utilizando-se as Regras de Arredondamento da
Numeração Decimal (NBR 5891:1977) estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas –
ABNT.

§ 6 o O CESH deverá ser calculado, a qualquer tempo, pelas sociedades seguradoras, a pedido do
cliente.

237
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Art. 4o A seguradora deverá certificar-se, no ato da contratação, de que o interessado tomou ciência do
valor do CESH e de que o referido valor de fato corresponde às condições e parâmetros vigentes na data
de cálculo.

Art. 5o Deverá ser informado, na proposta, na apólice e no certificado individual, que o valor do CESH:

I - é meramente informativo e tem por finalidade exclusivamente permitir a comparação entre as


diferentes propostas de seguro, não correspondendo sua aplicação sobre o saldo devedor do
financiamento ao montante efetivo a ser pago a título de prêmio de seguro;

II - em virtude da metodologia de cálculo utilizada, não poderá ser somado, deduzido ou, de qualquer
forma, comparado a outros custos do contrato de financiamento, sob pena de gerar conclusões
equivocadas.

COMPROVAÇÃO DE RENDA PARA OBTENÇÃO DE FINANCIAMENTOS


HABITACIONAIS OU IMOBILIÁRIOS JUNTO ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EM
GERAL

COMPROVANTE DE RENDA E DECLARAÇÕES PARA PROFISSIONAIS LIBERAIS,


AUTÔNOMOS, PRODUTORES RURAIS E EMPREGADOR:

Declaração do Imposto de Renda.


Declaração vigente na data da utilização do recurso e do protocolo de entrega (1ª página).
Para casados ou companheiro (a), apresentar a declaração de ambos, conforme a situação
(isento ou não, conjunto ou em separado).

Caso o trabalhador tenha feito Declaração retificadora após o prazo regulamentar estipulado
pela Receita Federal, deverá apresentar também a Declaração anterior a que se refere à
retificação, para comprovar as alterações efetuadas na Declaração.

Se casado, enviar também a do cônjuge.

Comprovantes de rendimentos de profissionais liberais, autônomos e produtores


rurais.
O DECORE - Declaração Comprobatória de Rendimentos ou declaração da empresa, ambos
constando os rendimentos dos 03 últimos meses, junto com a declaração do IR.
Quando a renda mensal informada no DECORE ou na declaração da empresa possuir uma
diferença superior a 10% de 1/12 avos do valor apurado no IR, enviar os extratos bancários
dos últimos 6 meses, desde que condizentes com o DECORE ou declaração da empresa.
Normalmente não serão considerados os depósitos nos extratos bancários para os casos de
profissionais que usam seus veículos ou equipamentos como ferramenta de trabalho, como
taxistas, motorista autônomo, perueiro, etc.

Comprovante de Rendimento de Empresário.


Declaração do I.R em nome da pessoa física, Sócio/Empresário acompanhado do DECORE
ou da declaração da empresa informando as 3 últimas retiradas a título de Pró-labore.
Quando a renda mensal informada no DECORE ou da declaração da empresa possuir uma
diferença superior a 10% de 1/12 avos do valor apurado no IR, enviar os extratos bancários
dos últimos 6 meses, desde que condizentes com o DECORE ou da declaração da empresa.

PARA ASSALARIADOS E FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS:


Comprovantes de pagamentos (Holerite).

238
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com
Último comprovante para salário fixo, ou;
Declaração da empresa empregadora informando a renda mensal e evidenciando o vinculo
empregatício, ou;
Seis últimos comprovantes, para salário variável.

Nota:
Quando houver horas extras/adicional noturno, deverão considerar a média, desde que esses
eventos estejam contemplados nos 6 últimos holerites consecutivos.

PARA APOSENTADOS E PENSIONISTAS:


Declaração do motivo da aposentadoria.
Declaração do respectivo órgão pagador do benefício, ou a carteira profissional, em que
conste o motivo da aposentadoria (invalidez ou tempo de serviço).

Comprovante do pagamento mensal do benefício feito pelo INSS ou por Entidades


Privadas, acompanhado do comprovante da condição de aposentado por tempo de
serviço ou pensionista.

239
Jorge Luís Brugnera – www.euaprovei.com email: jbrugnera@gmail.com