Você está na página 1de 31

ATOS DOS APÓSTOLOS / CAP 2

A descida do Espírito Santo

ATOS 2: 1 – E cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no


mesmo lugar;

Pentecoste: É uma palavra grega que significa "quinquagésimo", porque essa


festa era celebrada 50 dias após a Páscoa. Chamada em hebraico
de "Shavuot", plural de "shavua", significa "semana", mas é também
conhecida como a Festa das Primícias, pois coincidia com o fim da colheita de
trigo. O nome "Festa de Pentecoste" ficou assim conhecido, por ser realizada
no quinquagésimo dia após a Páscoa (Lv 23: 15- 16; Dt 16: 9; Nm 28: 26ª; Is
13: 3- 4; Ez 37: 1- 10).

Era o último dia da festa, a multidão de judeus de varias parte do mundo se


aglomeravam pelas ruas de Jerusalém (Mq 4: 1- 2). Havia centenas, talvez
milhares de residências em Jerusalém e em uma delas no andar superior onde
ficava cenáculo, estavam reunidos desde o dia em que Jesus acendeu ao céu
(Atos 1: 1- 11) um grupo de pessoas, aproximadamente cento e vinte pessoas
(Atos 1: 15). Eram seguidores de Cristo que estavam a dez dias orando e
buscado a Deus através da Palavra (Atos 1: 12- 14; I Ts 5: 17; Lc 18: 1; Pv 8:
17).

O lugar deveria estar com lotação ao máximo, não só a parte superior como a
casa toda (Sl 122: 1). Eles estavam orando no cenáculo por aproximadamente
dez dias, e até então ninguém tinha ouvido nada. Por quê? Não tinha fogo do
Espírito Santo? Nem toda barulho é fogo do Espírito Santo. Eles não podiam
orar alto, a situação dos seguidores de Cristo não eram boas, eles estavam
correndo risco de morte (Atos 12: 1- 17). A razão do silencio era a
perseguição que estava se iniciando (Lc 22: 31- 62; Atos 8: 1- 4). A pergunta
que fica: Como eles conseguiram ficar por vários dias orando sem chamar a
atenção dos sacerdotes e da grande multidão que se amontoava pelas ruas de
Jerusalém? (Amós 5: 13; Mt 6: 6; Gn 32: 24- 30).

Jesus os mandou esperar em Jerusalém (Atos 1: 1- 5), mas não disse o dia e
nem a hora do batismo (Dt 29: 29). Eles sabiam da promessa (Jo 16: 7),
fizeram a parte que cabia ao homem (I Co 15: 58). Foram para Jerusalém se
reuniram no cenáculo (Atos 1: 12- 13) entraram em oração (Atos 1: 14),
buscaram na Palavra (Atos 1: 15- 16) entenderam através da Palavra que era
da vontade de Deus que houvesse um substituto para ocupar o lugar de Judas
(Atos 1: 17- 19). Fizeram a eleição (Atos 1: 20- 22) separam dois (Atos 1: 23),
entregaram para Deus escolher (Atos 1: 24- 25), e Deus escolheu (Atos 1: 26),
fizeram tudo debaixo da luz da Palavra (Sl 119: 105). A parte do homem
estava feita. A Parte humana da igreja estava pronta, faltava à parte divina. No
dia de pentecoste, no ultimo dia da festa a parte humana da igreja estava
reunida no mesmo cenáculo (Jo 7: 37- 39; Atos 2: 1- 39; Jo 14: 6).

ATOS 2: 2 – E, de repente, veio do céu um som, como de um vento veemente


e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados.

Querer entender os acontecimentos de Atos dos Apóstolos Cap.2 ver 2 a 12


seguindo as linhas teológicas que existem parece difícil, pois existem várias
interpretações, o melhor caminho para a interpretação é justamente a
interpretação do texto.

De repente Jesus confirma a promessa (Jo 16: 7; Ef 4: 7- 10) a parte divina


veio do céu (Gn 28: 10- 17; Jo 1: 35- 51; Jo 10: 9; Ef 4: 11- 16). O que
aconteceu no cenáculo? Eles estavam reunidos orando. De repente o barulho!
Veio de céu um som, ou seja, foi algo que não foi produzido por vontade
humana, e nem produzido pela natureza (trovões). O que aconteceu no
cenáculo não foi algo produzido pelo homem, veio de cima, veio do céu (Mt
21: 23- 25).

Vamos interpretar o que se ouve.

O barulho do vento é algo que se ouve, e não que se vê; som é algo que não se
vê, mas apenas se ouve. O texto fala que veio do céu o som, ou seja, o barulho
como de um vento, não era vento, mas pelo barulho parecia um vento
impetuoso. Foi algo muito rápido que os arrebatou; por um momento eles
ficaram sem entender nada (Jo 13: 7; Atos 3: 1- 10; Atos 5: 12- 26; Atos 8: 1-
8). O barulho parecia vento, mas não era vento. O barulho tomou toda a casa e
atingiu a todos que estavam assentados, era o vento do Espírito atingindo toda
a igreja (Jo 20: 19- 22; Ez 37: 1- 10). O barulho encheu toda a casa não deixou
nenhum lugar vazio e atingiu a todos (Ez 43: 1- 5; I Co 6: 19). Podemos
entender que é do desejo de Deus que o barulho do Evangelho atinja á todos
(Jo 4: 31- 35), em todos os lugares (Mt 24: 14; Atos 1: 8; Mc 16: 15).

ATOS 2: 3 – E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as
quais pousaram sobre cada um deles.

Eles ouvindo o barulho, e não sentindo nada olharam, e viram! O que eles
viram? A parte divina possuindo a parte humana (I Sm 10: 6- 7). A parte
divina veio de encontro com a parte humana e pousou sobre cada um deles.
Neste momento aconteceu à junção, á fusão, a união do divino com o humano
(II Co 6: 16). De que forma isto aconteceu? E foram vistas por eles línguas
repartidas, como que de fogo. Veja que este texto, como o texto anterior não
deixa dúvida na interpretação da visão. Se interpretar- mos bem o texto,
vamos conseguir entender o que aconteceu no cenáculo no dia de pentecoste.
Primeiro: Foi algo parecido com um vento tinha barulho de vento, mas não era
vento. Era algo glorioso parecido com vento, mas não era vento (Jo 20: 19-
22; Ez 37: 1- 10). Segundo: Eles viram; foi algo visível. Ao olhar eles viram
que junto com o barulho que tomou toda casa apareceram línguas (chamas)
como de fogo que repartidas pousava sobre cada um que estava dentro da casa
(Ez 39: 29;). Não era fogo, foi algo glorioso, parecido com fogo, mas não era
fogo (Ex 3: 1- 6). Este algo glorioso parecido com fogo pousou sobre cada um
deles (Jo 16: 7; Atos 1: 1- 5; Jo 14: 18- 23).

O corpo agora estava completo. Deus agora estava habitando nos homens (I
Co 6: 20), e entre os homens (II Co 6: 16). A presença de Cristo na igreja
através do seu Espírito era real (Atos 16: 6- 7). A presença de Jesus na
continuação da obra é a união do divino com o humano (Jo 14: 18- 23). Assim
a igreja foi formada (Mt 16: 13- 19; Mt 18: 18- 20). A igreja é o corpo de
Cristo, os homens é a parte humana que forma este corpo, membros deste
corpo (I Co 12: 12- 27). O batismo de Jesus nas águas, e no Espírito Santo já
dava a entender a formação da igreja. A parte humana precisa ser completa.
Jesus completou a sua parte (Mt 3: 13- 15), mas precisava da parte divina (Mt
3:16- 17). A igreja é a continuidade da obra de Cristo na Terra, por isto ela é o
corpo (Cl. 1: 24; I Co. 12: 27; Rm. 12: 1-5; Ef. 1: 15-23). Se a cabeça (Cl 1:
15-18) é batizada (Lc. 3: 21,22; Cl. 1: 18,19), o corpo também é (Rm 12: 5).

Se o corpo é batizado certamente seus membros também o são (I Co. 12: 12-
14; Gl 3: 27- 29; Atos 2: 1-4; Jl. 2: 19-32; Atos 2: 1-21; Ez. 37: 1-10; II Co. 3:
3-8). Não tem como separar a cabeça do corpo (Cl. 1: 15-19). Não têm como
separar o corpo dos membros (I Co. 12: 12-14; Gl. 3: 26-29). A primeira
igreja fez a sua parte, como deveria fazer; confessaram arrependimento e
passaram pelas águas (Mt 3: 1- 6) obedeceram à ordem de Cristo; foram
esperar em Jerusalém (Atos 1: 4- 5). Em Jerusalém no cenáculo eles
esperaram orando (Atos 1: 12- 14). Quando oravam receberam a revelação;
tinham que por a casa em ordem (Atos 1: 15- 20) foi o que fizeram (Atos 1:
21- 26). A igreja estava com a parte humana pronta, a espera do Divino (Atos
1: 8), como noiva a espera do noivo (Jo 3: 29; Ct 4: 8- 16; Ap 22: 17; II Co
11: 1- 2). É isto, O que acontece com aqueles que aceitam a Cristo como seu
Senhor e Salvador: (Rm 10: 8- 11), O Divino possui o humano (Ef 1: 13; I Sm
10: 6- 7). , e o transforma em um novo homem (II Co 5: 17; Rm 8: 1- 2; Ef 2:
11- 22). João Batista veio apresentar o Noivo para a noiva (Jo 3: 22- 29; Jo 1:
29 e 35- 42; Ml 4: 5; Mt 11: 1- 14) e o Espírito Santo veio para cuidar da
noiva (Jo 16: 7- 14; II Co 11: 2), até o Noivo voltar (Jo 14: 1- 3 e 18; I Ts 4:
13- 17; Ap 19: 1- 9).

ATOS 2: 4 - E todos foram cheio do Espírito Santo e começaram a falar em


outras línguas, com forme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.
O Espírito Santo encheu todos, havia quase cento e vinte pessoas no local. Diz
o texto que todos foram cheio. O Espírito Santo alcançou todos que estavam
na casa por completo, espírito, alma e corpo (Lc 1: 46- 47; Is 26: 9; Hb 4: 12;
Jó 12: 7- 10). Por isso o texto diz que todos foram cheio. Quer ser cheio do
Espírito Santo? Deixe o Espírito Santo possuir o teu corpo, tua alma e teu
espírito (I Co 6: 20; Ef 5: 17- 18; Lc 1: 46- 47). Vamos observar que antes do
Espírito Santo encher aquele povo, eles estavam ali há dez dias reunidos (Atos
2: 1), unidos em oração (Atos 1: 13- 14) e comendo a Palavra (Atos 1: 15-
20). Só faltava o espírito ser vivificado (vida em espírito) pela presença do
Espírito de Deus (Ef 2: 1- 22; Is 57: 15; Rm 8: 1- 16; Ef 1: 13), pois a alma e
corpo já estavam adorando (I Co 6: 20; Rm 12: 1- 2; Cl 3: 1- 11).

A igreja estava no começo e só existia em Jerusalém e a promessa era para


toda a igreja (Atos 2: 37- 39; I Co 12: 12- 13). À medida que a igreja crescia a
promessa se estendia para aqueles que iam sendo acrescentado ao corpo (Atos
4: 1- 35; Atos 6: 1- 7; Atos 9: 1- 18; Atos 22: 1- 16; Atos 11: 1- 17; Ef 1: 13).
Logo após ouvirem um barulho semelhante ao barulho de um vento, e virem
às línguas repartidas como de fogo, eles começaram a falar em outras línguas
(outros idiomas), sem controle algum, com forme o Espírito Santo lhes
concedia que falassem (Atos 2: 5- 11; Mq 4: 1- 2; Ap 22: 17).

Todos foram cheio do Espírito Santo, completo, mergulhado, imergidos


totalmente possuídos pelo Espírito Santo (Is 10: 6- 7). Observamos que eles
falaram em outras línguas. O texto fala no plural diferente do texto de
Primeiro Coríntios que fala no singular (I Co. 14: 1- 2). As línguas faladas no
Dia de Pentecoste não é a mesma língua mencionada pelo Apóstolo Paulo em
Primeiro Coríntios (I Co. 14: 4ª; Atos 2: 8- 11). Outro detalhe a observar:
Estas línguas eram concedidas pelo Espírito Santo, ou seja, era algo de Deus
para os homens (Ef. 4: 1 – 8); ao contrário da língua mencionada pelo
Apóstolo Paulo em Primeiro Coríntios que é dos homens para Deus (I Co. 14:
1- 2 e 13 – 20). As línguas faladas em Atos no dia de Pentecoste tinham como
objetivo edificar a Igreja, ou seja, para a utilidade da Igreja (I Co. 12: 4 – 7;
Ef. 4: 7 – 12); já a língua falada em Primeiro Coríntios tinha como único
objetivo a edificação do crente (I Co. 14: 4). A língua falada na igreja de
Corinto é o homem se dirigindo a Deus em mistério ninguém entende (I Co.
14: 13). Neste texto o Espírito Santo concede aos discípulos as línguas para
serem dirigidas aos homens, línguas que os homens entendem (Atos 2: 5 - 8; I
Co. 14: 18- 20; Gn 11: 6- 9).

ATOS 2: 5 – E em Jerusalém estavam habitando judeus, varões religiosos, de


todas as nações que estão debaixo do céu.

Era festa de pentecoste, as ruas apertadas de Jerusalém estavam tomadas por


uma grande multidão (Dt 10: 22). Caravanas de judeus de varias nações do
mundo se dirigiam a Jerusalém para comemorar as festas (Mq 4: 1- 2). A
Festa do Pentecostes era um dos três festivais anuais mais importantes entre o
judaísmo daqueles dias (Ex 23: 14). As outras duas eram: a Páscoa e a Festa
dos tabernáculo (Ex 23: 15- 17). Por esse motivo, milhares e milhares de
peregrinos judeus e prosélitos — gentios convertidos ao judaísmo — vinham
de todos os cantos adorarem a Deus em Jerusalém e participar das festividades
(Jo 4: 19- 20; Zc 3: 10- 11; Ml 1: 11; Jo 4: 21- 23).

Lucas nos apresenta uma lista, relativamente extensa, das nacionalidades


desses visitantes: partos, medos, elamitas e os naturais da Mesopotâmia,
Judéia, Capadócia, Ponto e Ásia, da Frígia, da Panfília, do Egito e das regiões
da Líbia, nas imediações de Cirene, e romanos que aqui residem, tanto judeus
como prosélitos, cretenses e arábios (Atos 2: 9- 11).

ATOS 2: 6 – E, correndo aquela voz, ajuntou-se uma multidão, e estava


confusa. Porque cada um os ouvia falar na sua própria língua.

Até então ninguém tinha ouvido nada, a casa não era percebida, não havia
barulho algum, mas de repente começa uma gritaria e cento e vinte pessoas
falando ao mesmo tempo, o barulho era imenso (Atos 2: 4). E, correndo
aquela voz, ou seja, o som da voz, e a língua que eles falavam, e o que eles
falavam penetraram pelas ruas de Jerusalém. Jerusalém estava tomada pela
multidão de seguidores do judaísmo de todas as nações (Is 60: 3- 4). Era dia
de festa, era dia de pentecoste (Atos 2: 1). E, a multidão ao ouvir o som que
vinha de uma daquelas centenas de casas, identificou a casa e correu em
direção a ela. A multidão estava confusa, e perguntavam um ao outro: O que
esta acontecendo? O Espírito Santo sabendo das quais nações era composto à
multidão, tomava os discipulos e cada momento falava em uma determinada
língua ou idioma.

Como você sabe que os discipulos falavam na língua dos peregrinos e não que
peregrinos ouviam em sua língua natal? Porque era o Espírito Santo que
concedia a língua a ser falada e o momento a ser falado (Atos 2: 4). Eles
ouviam o que o Espírito Santo concedia aos discipulos que falassem. Os
discipulos falavam o idioma de cada um que ia se achegando a casa (Jo 4: 31-
35; Tg 4: 8- 10). Era manhã de um dia de festa, os religiosos seguidores do
judaísmo já super lotava as ruas de Jerusalém (Is 52: 9- 10). O que eles
ouviram naquela manhã em Jerusalém? (Atos 2: 14- 15). Qual foi a mensagem
que Espírito Santo concedeu que os discipulos falassem? Sim porque os
judeus de outras nações que ali se encontravam ouviram (Atos 2: 8- 11). O
Que será que eles ouviram? (I Co 1: 18- 25; Atos 4: 1- 20; I Co 2: 1- 5; Atos
16: 31).

ATOS 2: 7 – E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros:


Pois quê! Não são galileus todos esses homens que estão falando?
O que chama a atenção no texto e fato deles (os religiosos) valorizarem mais o
milagre do que propriamente a mensagem (Atos 2: 8- 12). Eles não estavam
nem prestando a atenção na mensagem, eles estavam impressionados com o
fato de que os que estavam falando serem galileus. Eles queriam saber como
aqueles homens sendo Galileus poderiam falar em varias línguas. Os judeus
Galiléia eram pessoas rudes de poucas letras na sua maioria pescadores e
falavam de forma mais simples, diferente dos da Judéia (Mt 4: 13- 16). Aqui
eles valorizaram mais o milagre do que a mensagem. Não é diferente hoje: A
Palavra tem pouco espaço em nossos cultos (Mq 4: 1- 2). Os cultos são tão
cheios de coisas que foram sendo agregadas que não sobra mais tempo para a
palavra (Amós 8: 11). Valorizam mais as ofertas, os milagres, os louvores, os
grupos e oportunidades que a Palavra passa despercebida. Ai alguém
pergunta: O que falou o pregador? (Is 43: 8; Is 6: 10; Is 42: 20).

ATOS 2: 8 a 11 – Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua


em que somos nascidos? Partos e medos, elamitas e os que habitam na
Mesopotâmia, e Judéia, e Capadócia, e Ponto, e Ásia, e Frígia, e Panfília,
Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos, tantos judeus
como prosélitos, E cretenses, e árabes, todos os temos ouvidos em nossas
próprias línguas falar das grandezas de Deus.

O que nos deixa impressionado é fato de que muitos que trabalham na área de
ensino entendem e ensinam que estas línguas faladas neste texto é a mesma
falada na carta que o apóstolo Paulo escreveu aos coríntios (Atos 2: 8; I Co
14: 1- 2; I Co 12: 7- 10). Pensar desta maneira é erro de interpretação (Os 4:
6ª).

Era de se espantar, foi realmente poder de Deus. Eles estavam orando e de


repente tudo aconteceu: O barulho semelhante ao barulho de um vento, as
chamas repartidas como línguas de fogo que possuiu cada um deles e agora
eles se vêem falando as línguas nativas de varias nações que ali se
encontravam. A multidão que estava ali presente, que vinha de diversas
nações. Quem presenciou o milagre ficou espantado, pois aqueles homens
reconhecidamente judeus galileus, ou seja, pessoas de uma determinada região
que tinha sua língua, sotaques e dialetos próprios, estavam falando palavras
que elas conseguiam entender sem a necessidade de qualquer intérprete, que é
o modo natural de conversar com alguém que fala outro idioma: “Estavam,
pois, atônitos e se admiravam, dizendo: Vede! Não são, porventura, galileus
todos esses que aí estão falando? E como os ouvimos falar, cada um em nossa
própria língua materna?” (Atos 2:7; I Co 14: 10- 11 e 21; Gn11: 1- 10).

Para que não ficasse qualquer dúvida de que as línguas ali faladas eram
idiomas conhecidos à época e não línguas estranhas ininteligíveis (I Co 14: 1-
2), o autor de Atos ainda destacou uma lista bastante extensa de povos de
nacionalidades diferentes que foram identificados entre a multidão e que
ouviram a primeira mensagem da igreja. “Somos partos, medos, elamitas e os
naturais da Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Ásia, da Frígia, da
Panfília, do Egito e das regiões da Líbia, nas imediações de Cirene, e romanos
que aqui residem, tanto judeus como prosélitos, cretenses e arábios. Como os
ouvimos falar em nossas próprias línguas as grandezas de Deus?” (Atos 2:9-
11; Dt 5: 24; Sl 145: 1- 11).

Sendo assim, fica claro que os acontecimentos daqueles dias em Jerusalém foi
sim um milagre do Espírito Santo. Esta manifestação que aconteceu no dia de
pentecoste não mais se repetiu nas Escrituras (Atos 2: 1- 12). Batismo no
Espírito Santo e derramar do Espírito Santo têm o mesmo significado. Veja
este texto (Atos 11: 15- 16), e agora veja este (Atos 10: 44- 45). E para
finalizar, fica claríssimo que as línguas ali faladas devem ser entendidas como
línguas (idiomas) e não como línguas (falar em línguas estranhas) (I Co 14: 1-
2; I Co 13: 11; I Co 14: 20- 21). A manifestação do Espírito Santo não
significa barulho, ficar fechado entre quatro paredes ou formar uma religião,
mas sim testemunhar a Jesus, deve- se observar que testemunhar a Jesus é
diferente de dar testemunho (Mt 5: 23- 16). Testemunhar a Jesus é ser
revestido do Poder (Atos 1: 8; Lc 24: 49), fazer a obra movida por um poder
sobrenatural (Atos 5: 1 – 16; Atos 8: 1 – 13; Rm. 15: 14 – 19; Atos 2: 17 –
19).

ATOS 2: 12 e 13 – E todos se maravilhavam e estavam suspensos, dizendo


uns para os outros: Que quer isto dizer? E outros, zombando, diziam: Estão
cheio de mosto.

Os sacerdotes e príncipes estavam liderando as festas, e vendo que a multidão


estava atônita e maravilhada com o poder de Deus, provavelmente ficaram
com inveja e excessivamente enraivecidos. Neste dia não houve violência
contra os discipulos, era dia de festa, e Jerusalém estava super lotada. Os
servos de Deus revestidos do poder de Deus (Lc 24: 49), falavam livremente e
em vários idiomas a mensagem da cruz, muitos não entendiam nada e diziam:
O que eles estão dizendo, é loucura (I Co 1: 18- 25) estão bêbados (Ef 5: 18).

Muitos tomam este texto e distorcem para criarem doutrinas que induzem ao
erro (Ef 4: 7- 14). Alegam que os discipulos foram confundidos com
embriagados por estarem tontos e caindo (I Jo 4: 1; II Co 11: 13- 15). A obra
do Espírito Santo é derrubar as pessoas? (Jo 14: 26; Jo 16: 7- 14). Eles foram
confundidos por alguns escarnecedores enviados de Satanás para tumultuar.
Confundiram com embriagados por aquilo que eles falavam (Atos 2: 14- 21; Jl
2: 23- 32; II Co 4: 3- 4). Já para os santarrões que acham que o povo no tempo
da igreja primitiva não bebia bebida fermentada, este texto serve de
esclarecimento (Gn 9: 20- 21), pois eles não diriam isto se não fosse costume
do povo beber vinho e se embriagar (I Co 11: 17- 21; Lc 5: 27- 30; Lc 12: 42-
45; Jo 2: 1- 10).
A pergunta é: Porque Deus escolheu o Dia de Pentecoste para derramar sobre
o seu povo o Espírito Santo? Por que Pentecoste era a festa da colheita e esta
festa acontecia cinqüenta dias depois da Páscoa (Dt. 16: 1- 12). Nesta festa e
neste dia o derramar do Espírito Santo da inicio o tempo da colheita. Atos dos
Apóstolos Cap. 2 mostra a revelação de Deus: O tempo de colher (Jl 3: 23- 32;
Jo. 4: 33 – 35; Jl. 3: 13 e 14; Mt. 9: 35 – 38. Ap. 22: 17).

Discurso de Pedro no dia de pentecoste

Atos 2: 14 – Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a sua voz,


e disse-lhes: Varões judeus e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto
notório, e escutai as minhas palavras.

O que aconteceu naquela manhã em Jerusalém foi algo tão poderoso e


sobrenatural que jamais voltou a acontecer. Por que não aconteceu outras
vezes? Porque o Espírito de Deus veio habitar para sempre no homem (Jo 14:
15- 17; Atos 1: 1- 5: Atos 1: 1- 4), e entre os homens (Atos 15: 28; Ap 22:
17). O derramar foi um evento tão sobrenatural, algo tão grande que mexeu
com a natureza. Quando o dedo de Deus tocou na Terra (Lc. 11: 14-20; Lc. 4:
14-18), a natureza estremeceu (Ag. 2: 5-9; Mt. 27: 32-54).

Este acontecimento foi à promessa de Jesus (Jo 16: 7), foi o batismo também
anunciado por Jesus (Atos 1: 4- 5), o batismo com fogo do qual também
profetizou João Batista (Mt 3: 11).

Pedro agora cheio do Espírito Santo e revestido do poder de Deus (Lc 24: 46-
49), e com toda autoridade que Jesus já lhe havia entregado (Jo 21: 15- 17; Mt
16: 13- 19), se lembra das promessas do Senhor Jesus, lembra quando Jesus
lhe disse: Tu és Simão, filho de Jonas. Ele lembra que Jesus mudou o seu
nome e o transformou em uma pequena rocha (Jo 1: 35- 42). Ele lembra o que
Jesus lhe falou: És tu pequena rocha, quem vai abrir a porta do evangelho,
para os judeus e também para os gentios (Mt 16: 13- 19; Mt 24: 14; Dn 2: 31-
44). Ele lembra que Jesus lhe disse: Pedro vai ser você que vai ministrar no
meio de uma grande chuva (Jl 2: 23- 32). Avivamento que Deus derramaria
sobre os judeus (Ez 39: 29; Os 6: 14- 3; Atos 2: 1- 4), e também sobre os
gentios (Atos 15: 7- 9; Atos 10: 1- 48; Atos 11: 1- 17). Quando esta profecia
alcançou os gentios; pois os textos estudados nos dão a entender que
derramamento foi só sobre os judeus convertidos? (Atos 11: 1- 18; Atos 10: 1-
48; Gl 3: 8- 14).

Então Pedro com os onze apóstolos se põe de pé (Sl 133; Pv 11: 14). Pedro
levantou a sua voz e falou sem medo, com ousadia e autoridade (Mt 10: 32-
33). Pedro inicia a sua primeira pregação dizendo: Vocês anotem tudo,
escreva tudo que vou dizer agora. O que vou dizer aqui fique conhecido de
todas as nações que aqui se encontram (Atos 2: 6- 11). Escutai as minhas
Palavras (Ap 2: 29; Mc 13: 11; I Sm 10: 6-7; II Sm 23: 2).

ATOS 2: 15 – Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, sendo
a terceira hora do dia.

Então Pedro, avançando com os onze apóstolos, falou a multidão: Escutem


forasteiros e moradores de Jerusalém! Há quem esteja ai a dizer que estes
homens estão embriagados! Não é verdade! É muito cedo para isso! São
apenas nove horas da manhã! Não! Aquilo que acabam de assistir foi predito
há séculos pelo profeta Joel: (Jl 2: 23- 32). Eles estavam embriagados, mas
não de vinho como achavam alguns. Eles passaram dez dias fazendo misturas
perigosas. O que eles misturaram? Palavra de Deus (Sl 1: 1- 3; Sl 119: 105),
oração (Sl 55: 17; Lc 18: 1; I Ts 5: 17) jejum (Sl 35: 13; Mt 17: 14- 21; Lc 4:
1- 2) e louvor (Amós 4: 5; Ex 15: 1- 2). Quando se mistura Palavra de Deus,
oração, jejum e louvor, o resultado é ficar embriagado pelo poder (Lc 10: 19-
20). O crente que vive louvando, que vive de joelho, que come a Palavra e não
dispensa um jejum, esta de acordo com o plano de Deus (Ef 5: 18), pronto
para ser usado (Jo 4: 23- 24; Sl 101: 6; Rm 8: 1). Porque naquela manhã em
Jerusalém quando Espírito Santo desceu sobre a igreja, todos foram cheio?
Por que todos estavam preparados para ser cheio (Amós 4: 12; Ez 39: 29). O
Espírito Santo veio habitar na igreja para sempre (Jo 14: 15- 16; Atos 2: 1- 4;
Ap 22: 17), e veio morar em você (Ef 1: 13; I Co 6: 19- 20; Ef 2: 11- 22).
Agora se encher dele é uma opção sua.

No que diz respeito ao Espírito Santo o crente pode ser cheio ou vazio, nem
cheio nem vazio, meio cheio meio vazio. Como assim? Tem aqueles que tudo
que começa termina, mas também temos aqueles que começam e nunca
terminam. Começam uma campanha de oração não termina, começa uma
campanha de jejum não termina. Decide buscar a Deus na madrugada não
persevera, começa ler a bíblia logo desanima. Uma semana vai à aula
dominical outra não, um dia vai ao circulo de oração outro não, um dia vai ao
culto de doutrina outro não. Não vou nem falar daqueles que só vão aos cultos
nos domingos. Deste jeito não tem como ser cheio do Espírito Santo (Mt. 25:
1-13; Jl. 3: 18; Jl. 2: 23-32; Is. 41: 18). Entra de vez no rio (Sl. 46: 4; Ap. 22:
1). Ficar só molhando a ponta dos dedos não dá; se não mergulhar no rio para
se banhar não tem como ser cheio do Espírito Santo (Ez. 47: 1-9; Jo. 7: 37-39;
Ez. 37: 1-10).

ATOS 2: 16 – Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel:

Pedro esta falando de uma única profecia, ou seja, o acontecimento do qual


Pedro está falando é um acontecimento que já havia sido falado pela boca do
profeta Joel (Mt 11: 13). Pedro recorre outra vez a Palavra de Deus ((Jl 2: 28-
32; Sl 1: 1- 2). A primeira igreja começou fundamentada na Palavra de Deus.
A Palavra genuína era a prioridade (Is 8: 20). Pedro era homem rude, pescador
(Mc 1: 14- 17) e de poucas letras (Atos 4: 13). Mas quem diz que Deus
escolhe os seus, por aquilo que o homem possui? (Ef 2: 1- 9). Deus escolhe as
coisas loucas para confundir as sábias as fracas para aniquilar as fortes, Deus
escolhe as coisas vis deste mundo e as desprezíveis, e as que não são para
aniquilar as que são (I Co 1: 19- 31; Lc 10: 17- 20; Jr 9: 23- 24).

Pedro era rude, pescador e não era instruído, mas andou com Jesus (Atos 4: 1-
13) era cheio do Espírito Santo (Atos 5: 1- 16) conhecia a Palavra (Atos 1: 15-
20) e tinha temor de Deus (Jo 13: 1- 9; Jo 6: 63- 68). Pedro sabia que sem
Jesus ele não era nada (Jo 15: 1- 5; Lc 22: 31- 34 e 54- 62). Pedro mostrou ser
um grande líder, reconheceu a grandeza de Deus e adorou; não só adorou
como colocou a igreja para adorar (Atos 1: 12- 14). No momento difícil da
igreja em sua formação, sem o seu grande Líder, sem o Espírito Santo, sem o
Novo Testamento, quando todos estavam cheios de tristezas e temor, quando
tudo estava escuro e parecia que não haver mais luz, ele foi buscar na Palavra
de Deus (Sl 119: 105). A luz da Palavra o guia, e também guia a igreja até este
momento único: a realização da profecia de Joel (Jl 2: 23- 32).

ATOS 2: 17 e 18 – E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, que do meu


Espírito derramarei sobre toda a carne, e os vossos filhos e as vossas filhas
profetizarão, os vossos mancebos terão visões, e os vossos velhos sonharão
sonhos; E também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e minhas
servas, naqueles dias, e profetizarão;

Nos últimos dias: A profecia não deu data, mas esta falando de tempo. O texto
se refere a tempo: Neste tempo, Deus derramaria do seu Espírito sobre toda a
carne (Rm 10: 11- 13; Atos 1: 19- 21; Jo 16: 14). Pedro esta citando como
base a Palavra de Deus, para dizer que este acontecimento: O derramar do
Espírito Santo foi sobre toda a carne e não só sobre uma camada separada da
elite (Atos 10: 9- 34). O texto mencionado pelo ao apóstolo Pedro está no
passado e se refere ao momento em que esta profecia começou a se cumprir
(Atos 2: 1- 4). Como assim não estou entendendo? Esta profecia se
completaria mais tarde na casa de Cornélio (Atos 10: 35- 48; Atos 11: 1- 18;
Atos 15: 7- 8; Rm 10: 8- 10). Pedro tinha revelação de Deus, ele tinha a unção
de apóstolo e o Espírito de sabedoria. Deus revelou a Pedro na Palavra a
importância de substituir Judas (Atos 1: 15- 20). Agora Deus revela para
Pedro dentro da Palavra o que estava acontecendo naquela manhã em
Jerusalém (Amós 3: 7- 8; Sl 25: 14; Ez 39: 29).

Pedro não era profeta, mas era apóstolo, e tinha a unção e poder para fazer
milagres (Atos 3: 1- 10; Atos 5: 1- 16). Tinha sabedoria para interpretar e
pregar a Palavra de Deus (Atos 4: 1- 13), e era homem de confiança de Jesus
(Lc 22: 31- 32 e 54- 62; Jo 21: 15- 17; Mt 16: 13- 19). Podemos confiar na
mensagem; ela é única, não há como contestar. O evento que ocorreu em
Jerusalém foi o cumprimento das profecias do Velho Testamento, não
aconteceu antes e nem depois daqueles dias (Pv 1: 20- 23; Is 32: 11- 15; Is 44:
1- 3; Ez 39: 29; Zc 12: 10ª; Nm 23: 19). Não existe outra profecia além destas
sobre outro derramar (Mt 11: 13; II Pd 1: 19- 21; I Co 14: 33 e 20).

Foi o cumprimento da promessa de Deus há Abraão seu servo (Gl 3: 7- 29; Gn


12: 1- 3; Gn 18: 16- 18). Cumprimento da Palavra viva de Deus para todos
aqueles que se convertem (Rm 10: 8- 13), e passam a fazer parte do corpo de
Cristo (Ef 1: 13), quer judeu, quer grego, quer servo, quer livre, quer macho,
quer fêmea, ou seja, todos (I Co 12: 12- 13; Gl 3: 27- 29; Atos 2: 37- 39). Se
interpretar- mos bem o texto, conseguiremos compreender a profecia. Nos
últimos dias acontecerá, diz Deus. Podemos interpretar que foi Deus que disse
(Nm 23: 19; Js 21: 45). Podemos também interpretar que últimos dias e em
contagem profética é o tempo em que o Espírito Santo foi derramado. Como
nós não temos outra informação bíblica de outros derramamentos do Espírito
Santo, ficamos com o testemunho da Palavra de Deus (II Pd 1: 16- 21).

O derramar que aconteceu em Jerusalém (Atos 2: 1- 4), e também na casa de


Cornélio para cumprir a propósito de Deus para os gentios (Gl 3: 8- 14; Atos
10: 1- 45; Atos 11: 15- 17; Atos 2: 39) permanece o mesmo até hoje (I Co 12:
12- 13; Ef 2: 11- 22). O Espírito foi derramado sobre toda a carne. Que carne
é esta? Esta carne são aqueles que aceitam a Jesus Cristo como Seu Senhor e
Salvador (Rm 10: 11- 13; Atos 2: 19- 21; Jo 10: 14- 18; Atos 2: 37- 39; Rm
10: 8- 10; Ef 1: 13). Alguns dos sinais que estavam relacionados na profecia
não estavam acontecendo. O texto diz: Vossos filhos e vossas filhas
Profetizarão, vossos mancebos terão visões, e os vossos velhos sonharão
sonhos. Profecias podemos entender que podia estar acontecendo naquele
momento (I Sm 10: 6- 11), mas mancebos tendo visões, e velhos sonhando,
prodígios no céu e embaixo da terra, o sol se convertendo em trevas, lua em
sangue, fogo vapor e fumaça isto não aconteceu naquele dia (Atos 2: 18- 20),
mas o Espírito foi derramado naquele dia (Atos 2: 1- 4; Mt 25: 35; Jo 14: 15-
16; Atos 1: 4- 5).

A igreja foi batizada naquele dia (Atos 1: 4- 5). Por que alguns dos sinais
anunciado não aconteceram? Não aconteceram naquele dia, mas aconteceram
depois na vida daquelas pessoas que faziam parte da igreja (Atos 21: 1- 9; I
Co 12: 1- 11) e continua acontecendo hoje na vida daqueles que aceitam
Jesus. Os crentes não têm sonhos, visões e profetizam? Não mudou nada (Hb
13: 8; I Co 12: 1-27). A profecia se cumpriu naquele dia. O Que Pedro esta
dizendo? A partir de agora todos aqueles vier para o nosso meio, e aceitar
Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador (Rm 10: 8- 10) e fazer parte da
igreja vão ter sonhos, visões e profetizarão (Atos 2: 37- 39; Mc 16: 17- 18; I
Co 12: 12- 13; Ef 1: 13), e em testemunho de que Deus agora habita nos
homens (Ef 2: 11- 22) e também entre os homens (II Co 6: 15- 16)
acontecerão sinais no céu (Sl 72: 1- 14), na terra embaixo na terra (Lc 21: 25-
27; Atos 2: 19- 20). Todos são batizados em um só Espírito, a todos foi dado
de beber de um só Espírito (I Co 12: 13), mas nem todos são revestidos de
poder. Pense: existem crentes que se encheram do Espírito Santo, falaram em
línguas e continuam falando. Segundo eles foram batizados. O que aconteceu
em suas vidas? Nada. Continuam como membros de bancos (Nm. 11: 16-25).
Já outros, não passaram por esta experiência e tem uma vida de oração de
jejum, comem a palavra, pregam a palavra, expulsam demônios e curam os
enfermos (Mc. 16: 15-18).

Na igreja de Deus, igreja cujo Espírito Santo foi derramado (Ez 39: 29; Jo 14:
15- 16; Atos 2: 1- 4) há os que tem poder e os que não têm, os que falam em
línguas e os que não falam, tem os que buscam a Deus e os que não buscam.
A igreja de Deus é formada pelos fortes e pelos fracos, pelos adultos e pelas
crianças. Todos são membros de um só corpo, todos formam um só corpo,
todos foram batizados em um só Espírito, a todos foi dado a beber de um só
Espírito (I Co 12: 12- 14). O batismo no Espírito Santo foi para toda a igreja
(Ez. 39: 29; Nm. 11: 16-25). O batismo trouxe o poder (Atos 1: 8), mas
também trouxe a presença (I Co 3: 16; Hb 3: 1- 6; II Co 6: 16). A presença
para sempre (Jo. 14: 15,16; Is 32: 15-17; Atos 2: 4; Atos 8: 26-40; Jo. 14: 26;
Jo. 16: 7-15). Como Faço para alcançar o poder? O poder o crente só alcança
quando busca. (II Cr 16: 1-11; Sl. 105: 4; Ef. 6: 10-12; Ef. 5: 18,19). Buscar
com quem, e onde? Com o próprio; o Espírito Santo que já mora dentro do
crente (Ef 1: 13; Lc. 17: 20,21; Jl. 2: 28,29; I Co. 2: 9-15; Jo. 14: 15-26; I Co.
6: 19; II Co. 6: 11-18; Ef. 2: 11-22). Muito perto, e ao mesmo tempo muito
distante (Is. 29: 13; Jo. 4: 23,24; I Co. 2: 9-15; Hb. 11: 6). O Espírito Santo é
uma pessoa, e com esta pessoa está o poder (I Co. 12: 1-11; I Co. 14: 1 e
12,13). Para o crente receber o poder é preciso que ele se encha da pessoa do
Espírito Santo (Ef. 5: 14-18; Sl 23: 1- 5). Crente vazio não alcança o poder. (I
Ts. 5: 17; Lc. 18: 1-8; Atos. 16: 16-26).

Há dois tipos de crente que passam vida inteira dentro da igreja e não
conseguem desfrutar do poder. Os crentes que não buscam por isso são vazios.
Se quiserem ser cheio terão que buscar (Jr. 33: 3; Jr. 29: 11-13; II Cr 16: 11).
Outros são os que estão muito cheio e se quiserem se encher do Espírito Santo
vai ter que se esvaziarem. Como assim? Para o Espírito Santo entrar, alguém
tem que sair (Jo. 3: 30). Esvaziar do que? Do seu ego. Não há como se encher
do Espírito Santo, quando se está cheio de soberba, de vaidade, da letra do
conhecimento humano de Deus (Is. 29: 13,14; II Co 3: 6; Jo 6: 63).

ATOS 2: 19 e 20 – E farei aparecer prodígios em cima no céu e sinais


embaixo da terra, sangue, fogo e vapor de fumaça. O sol se converterá em
trevas, e a lua, em sangue, antes de chegar o grande e glorioso dia do Senhor;

Pedro esta dizendo: Não será difícil entender este tempo, Jesus já falou sobre
o assunto (Mt 24: 29- 30; Lc 21: 15- 27). O Espírito de Deus permanece para
sempre com os homens. A profecia diz: Vossos filhos e vossas filhas
profetizarão, vossos mancebos terão visões e os vossos velhos sonharão
sonhos e também do meu Espírito derramarei sobre meus servos e minhas
servas naqueles dias e profetizarão (Atos 2: 16- 18; Atos 21: 1- 9; I Co 14: 1-
4). Esta manifestação poderosa do Espírito Santo resplandeceu por vários dias.
Por isso o texto da profecia de Joel fala da colheita com fartura (pentecoste)
(Atos 2: 1; Jl 2: 24; Jl 3: 13). Fala também de duas chuvas, a temporã e a
serôdia (Jl 2: 23; Atos 2: 1- 4; Atos 10: 1- 45).

Deus estava sacudindo Jerusalém com a chuva; a Chuva do Espírito (IRs. 18:
41; Atos 4: 31). A promessa de Deus era duas chuvas (Jl 2: 23- 29). A
temporã (primeira) (Atos 2: 1-4) e a serôdia (tardia) (Atos Atos 10: 1- 47; Os
6: 1- 3). Onde houve o mover do Espírito Santo na época, todos se encheram e
não apenas alguns (Atos 8: 14-17; Atos 10: 1-44; Atos 19: 1-7). Enquanto o
Espírito Santo permanecer na terra (Atos 2: 22), e Deus estiver habitando e
andando entre os homens (II Co 6: 15- 16) o mundo espiritual estará sofrendo
tremendos abalos (Mt 16: 18; Atos 2: 16- 19; Ap 1: 17- 18). Estes abalos
estarão refletindo na natureza: O sol se converterá em trevas, e a lua, em
sangue, antes de chegar o grande e glorioso dia do Senhor (Sl 72: 3-
4). Sinais em cima do céu e embaixo da terra. Os sinais em cima do céu já
temos visto como: meteoros, eclipse, mudanças na cor da lua, tempestade
solar e provavelmente as gerações seguinte verão coisas espantosas (Lc Jl. 2:
30,31; Lc 21: 25- 27; Atos 2: 19,20). Já temos visto alguns sinais na Terra
como: os grandes maremotos que mataram milhares de pessoas na Ásia (As
Tsunamis), e também terremotos que têm sacudido vários países (Lc. 21: 11;
Mc. 13: 8; Is. 29: 6; Zc. 14: 5-9).

ATOS 2: 21 – E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor


será salvo.

Os sinais apontados pela profecia de Joel apontam para um tempo em que o


Espírito Santo estaria habitando na terra e se manifestando de duas maneiras
diferentes. Primeira: Seria um tempo que o Espírito Santo estaria habitando no
homem (Jo 14: 16- 17; Ef 2: 11- 22; I Co 6: 19- 20). Segunda: Seria um tempo
em que o Espírito de Deus estaria habitando no meio dos homens (I Co 6: 16;
Is 54: 23). O Espírito Santo é a parte divina que completa a igreja, sem o
Espírito Santo a igreja não existiria (Ap 22: 17; Atos 5: 1- 32; Atos 13: 1- 4;
Atos 15: 1- 28). Quem ensina o crente? (Jo 14: 26). Quem ilumina a mente do
Crente para ele entender a Palavra? (Is 34: 16; Jó 29: 3). Com quem está os
dons e o poder para o crente fazer a obra? (Atos 1: 8; I Co 12: 4- 11). Quem
convence o pecador? (Jo 16: 8- 11). Não diz a Palavra que a fé vem pelo ouvir
a palavra de Deus? (Rm 10: 17). Sim, mas quem trabalha o coração do
perdido? (Ap 3: 20; Jo 10: 9). Quem convence o perdido a aceitar Cristo? (Jo
10: 16). Quem convence o perdido a confessar os seus pecados? (Atos 2: 37).
Quem convence o perdido a invocar o Senhor e assim ganhar a salvação? (Jl
3: 14- 16; Ap 22: 17; Is 55: 1- 3).

Os sinais presente na profecia de Joel que estão relacionados com profecias,


visões e sonhos testificam a presença do Espírito Santo na vida do crente para
sempre (Atos 2: 18; Jl 2: 28- 29; Jo 14: 15- 16). Os sinais da profecia que
estão relacionados com a natureza testificam a presença do Espírito Santo
permanente na igreja (Jl 2: 30- 32; Atos 2: 37- 39) até volta de Jesus (I Ts 4:
13- 17). Quando isto acontecer à igreja e o Espírito Santo serão retirados (II
Ts 2: 1- 7), neste tempo será revelado o anticristo (II Ts 2: 8). O Espírito
Santo é a garantia da igreja que Jesus vai voltar (Ef 1: 13- 14). Os sinais que
aparecem na profecia de Joel apontam para aproximação daquele grande dia
(Atos 2: 19). Os sinais apontados na profecia de Joel que indica o Espírito
Santo na vida do crente (Atos 2: 16- 18), e os na natureza (Atos 2: 20), estão
trazendo revelações. Enquanto estes sinais estiverem acontecendo é porque a
porta da graça ainda esta aberta (Mt 25: 1- 13; Zc 12: 10; Ap 22: 12 e 17).

Pedro aqui traz o cumprimento da Profecia de Joel. Embora haja várias


profecias no VT, sobre o derramar do Espírito Santo, mas sobre um novo
derramar (Atos 2: 1- 4) não há nenhuma (Dt 29: 29). Por isso entendemos que
o derramar do Espírito Santo é a chegada do Espírito Santo para morar, ficar
para sempre no homem (Jo 14: 15- 16), judeus ou gentios (I Co 12: 12- 13;
Atos 10: 1- 46 Gl 3: 8- 14; Ef 1: 13 I Co. 3: 16; I Co. 6: 19 e 20). Este
acontecimento é o cumprimento de todas as profecias do derramar que estão
relacionadas no Velho Testamento (Pv. 1: 23; Is. 32: 12 – 15; Is. 44: 3; Ez. 39:
29; Jl. 2: 28 e Zc. 12: 10). E também cumprimento da profecia de João Batista
(Mt 3: 1- 11), e a promessa de Jesus, únicas que estão relacionadas no Novo
Testamento (Atos 1: 4- 5; Lc. 24: 48 e 49).

ATOS 2: 22 e 23 – Varões israelitas, escutai estas palavras: A Jesus, o


nazareno, varão aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e
sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmo bem sabeis; A
este que vos foi entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus,
tomando-o vós, o crucificastes e matastes pelas mãos de injustos;

Podemos ver pelo inicio da pregação de Pedro que a voz, é a voz do Espírito
Santo (Jo 15: 26- 27; Jo 16: 13- 15; Jo 14: 26). Pedro se levanta no meio da
multidão, e em voz alta diz: Varões israelitas escutem estas palavras: Pedro
começa a falar de Jesus. A primeira pregação de Pedro, a primeira pregação
da igreja, a primeira mensagem de Pedro, a primeira mensagem da igreja o
tema era JESUS VIVE (Is 53: 1- 11). Semelhante a mensagem de Jesus.
Como assim? Assim que a igreja ao receber o Espírito Santo, teve como
primeira mensagem a obra de salvação através de Jesus (Atos 2: 21- 36), a
mesma mensagem teve Jesus, logo após ele receber o Espírito Santo (Lc 3:
21- 22; Lc 4: 14- 21). Neste dia começou o ministério da igreja ((Mt 3: 1- 2).
A unção da igreja e a mesma unção de Jesus (Ap 22: 17), Jesus e a igreja são
um (I Co 12: 1- 13). A mensagem do Espírito Santo, a mensagem da igreja,
não tem outro tema (Ap 22: 17; Atos 1: 8; Mc 16: 15). De Jesus, nós podemos
deixar de falar (Atos 4: 1- 20). De Jesus, temos muito o que falar (Jo 7: 37-
39; Jo 16: 13- 14). Podemos falar da Cruz (Ef 2: 11- 16, da graça (Jo 1: 1- 17),
da salvação (Atos 16: 31), da misericórdia (Lc 1: 67- 72) e do amor (Rm 8:
35- 39). A obra do Espírito Santo é nos inspirar a falar de Jesus (Jo 14: 26).
Em Jesus nós vamos encontrar a mensagem da cruz (Cl 2: 12- 14; Is 53: 1-
12), na mensagem da cruz nós vamos encontrar a mensagem da graça (Ef 2: 1-
8), na mensagem da graça nós vamos encontrar a mensagem da salvação (I Co
1: 18- 24), na mensagem da salvação nós vamos encontrar a mensagem da
misericórdia (Tt 3: 1- 6), na mensagem da misericórdia nós vamos encontrar a
mensagem do amor (Jo 3: 16; Rm 13: 8; I Jo 3: 18; Lc 6: 45).

Pedro inicia a pregação falando duro com os israelitas. Pedro em seguida se


dirigiu especificamente aos israelitas, e demonstrou que Jesus de Nazaré era,
sem dúvida alguma, o Messias que todos eles aguardavam (Jo 5: 39; Mq 5: 2),
e que a sua vida, morte, ressurreição e ascensão para tomar posição à direita
de Deus (Atos 7: 54- 56) estava também de acordo com as Escrituras (Is 53:
1- 12; Atos 1: 6- 10). Os milagres, maravilhas e sinais que Deus fez entre o
povo por intermédio de Jesus provava que Ele tinha sido aprovado por Deus
para a obra que viera fazer (Jo 14: 8- 11; Jo 10: 22- 25 e 36- 38; Lc 24: 13-
19), e que fora o propósito de Deus entregá-lo a eles para fazerem o que
quisessem com Ele, segundo o Seu pré-conhecimento (Mt 21: 33- 39). Com a
ajuda de homens perversos, eles O haviam matado, pregando-o na cruz (Lc
23: 33- 48; Mc 15: 21- 41; Mt 27: 32- 56).

ATOS 2: 24 – Ao qual Deus ressuscitou, soltas as ânsias da morte, pois não


era possível que fosse retido por ela.

Satanás achava que a morte pararia o ministério de Cristo (Is 43: 13). Pedro
com toda autoridade e revestido do poder, revela ágora para os israelitas, que
eles se deixaram usar por Satanás, e deram ouvido ao espírito da morte (Mc
15: 1- 14), instrumento usado por Satanás para parar o Cristo (Rm 5: 12; Is 53:
1- 10). Este Jesus, o qual os israelitas o crucificaram estava VIVO (Jo 20: 19-
27; Rm 5: 13- 21). Satanás e a morte não foram páreo para Jesus (Fp 2: 9- 11;
Hb 4: 14- 16). Pedro em sua pregação surpreende a multidão de israelita que
se ajuntaram naquele lugar ao revelar que a morte não pode conter Jesus (Rm
8: 2- 3). Até então nenhum ser humano havia escapado do espírito da morte (I
Co 15: 55- 56), ou seja, ninguém depois de morto e enterrado ter voltado à
vida (Lc 16: 19- 31; Jo 5: 21- 24). Jesus foi o primeiro a vencer a morte (Rm
6: 9; I Co 15: 20). Jesus não venceu a morte em vida. Ou seja, Jesus não
venceu a morte escapando dos perigos, das doenças e enfermidades. Jesus
venceu a morte no campo dela (Ap 1: 17- 18). Jesus era homem igual a todos,
o corpo de Jesus a carne, a vida tudo igual a qualquer homem normal (Hb 4:
14- 15; I Jo 4: 1- 3). Jesus morreu foi sepultado e ressuscitado pelo poder de
Deus (I Co 6: 14; I Co 15: 1- 7). Ao ressuscitar Jesus, Deus o fez Senhor e
Cristo (Ef 3: 1- 11). É isto que esta dizendo o apóstolo Pedro em sua pregação
(Atos 2: 32- 36; Mt 1: 1- 16; Mt 24: 1- 5).

ATOS 2: 25 – Porque dele disse Davi: Sempre via diante de mim o Senhor,
porque está a minha direita, para que eu não seja abalado;

Acredito que Pedro vivia vinte quatro horas por dia meditando na Palavra (Sl
1: 1-3). Pedro comia a Palavra, não tomava nenhuma decisão sem antes
consultar a Palavra (Atos 1: 16). Pedro era próximo de Jesus (Mt 17: 1- 2; II
Pd 1: 16- 18), andou com Jesus (Atos 4: 13), recebeu de Jesus autoridade (Lc
10: 17- 19) e ministério (Lc 6: 12- 13), recebeu de Jesus a igreja (Mt 16: 13-
19) e foi escolhido por Jesus para ser primeiro pastor da igreja (Jo 21: 15 17).
Pedro não se exaltou (Jo 6: 68). Se fosse alguns que temos em nossas igrejas?
Em nenhum momento desde que Pedro ficou sem o seu grande Mestre ele se
apartou da Palavra de Deus (Js 1: 8). Na substituição de Judas, na eleição de
Matias, no derramar do Espírito Santo, e agora no testemunhar Cristo ele tem
como base a Palavra de Deus (Sl 16: 8). Pedro não recorreu a livros,
faculdades e cursos (Atos 4: 13; Ec 12: 12). Pedro aprendeu com mestre (Mt
10: 24- 25), recorreu à oração e a Palavra (Atos 1: 13- 16; Atos 6: 1- 4).
Aqueles dez dias que antecederam o derramar do Espírito Santo foram intenso
com muito preparo e aprendizado, quando as situações apareceram e eles
estavam preparados (Atos 1: 13- 26), por isso Pedro com autoridade e voz alta
se levanta e apresenta para os israelitas um salmo de Davi. Davi inspirado
pelo Espírito Santo compôs um salmo, este salmo é uma revelação da
ressurreição de Cristo (Sl 16: 8- 11). Alguns salmos de Davi são profecias de
Cristo (Sl 2: 1- 2; Sl 8: 4- 6; Sl 22: 1- 18; Sl 34: 20; Sl 45: 1- 7; Sl 69: 1- 9; Sl
89: 1- 37; Sl 109: 1- 32; Sl 110: 1- 4).

ATOS 2: 26 – Por isso, se alegrou o meu coração, e a minha língua exultou; e


ainda a minha carne há de repousar em esperança.

O texto mencionado por Pedro se refere a Jesus e não a Davi. O salmo esta
dizendo o que Jesus viu antes de passar pelo sacrifício. Davi era um
verdadeiro adorador (Sl 95: 6), ele amava o Senhor (Sl 18: 1), honrava e
glorificava (Sl 34: 1- 3) o Senhor vinte quatro horas por dia na sua vida (Sl 84:
10: Sl 112: 1), pois ele sabia que não era nada (Sl 139: 1- 14), Deus o tinha
tirado de traz das malhadas (II Sm 7: 8; I Cr 17: 7; I Sm 17: 17- 36). Davi
amava o Senhor e o Senhor amava Davi (Atos 13: 22), Davi sabia da
promessa (Atos 2: 29- 30), queria conhecer o Cristo e pensava muito nisso (Sl
110: 1- 5; Mt 22: 41- 45) e por pensar muito, em uma noite inspirado pelo
Espírito Santo (Sl 16: 7), ele profetizou o triunfo de Cristo sobre a morte (Sl
16: 9- 11; II Pd 1: 19- 21). Jesus pela boca de Davi se alegra e diz: Por isso, se
alegrou o meu coração, e a minha língua exultou; e ainda a minha carne há de
repousar em esperança.

ATOS 2: 27 e 28 – Pois não deixarás a minha alma no hades, nem permitirás


que o teu Santo veja a corrupção. Fizeste-me conhecidos os caminhos da vida;
com a tua face me encherás de júbilo.

Jesus não ficou um segundo na sepultura e não experimentou em momento


algum a decomposição do corpo (I Pd 3: 18- 20; I Co 15: 53- 54; I Co 13: 9-
12). Por três dias Jesus esteve no ceio da terra, lá Jesus pregou aos espíritos
em prisão (I Pd 3: 18- 20; Fp 2: 10), venceu a morte (I Co 15: 55- 57), foi ao
inferno e tomou a chave que estava nas mãos de Satanás (Ap 1: 17- 18; Rm 5:
13- 21; Lc 24: 1- 5; Gn 3: 14- 15). Jesus se alegrou no Senhor porque viu a
recompensa do seu trabalho (Is 53: 1- 11). Como a chave da morte e do
inferno foi parar nas mãos de Satanás? Adão entregou (Gn 2: 16- 17; Gn 3:1-
19; Rm 5: 12). O texto nos mostra o poder de Deus sobre a morte e o inferno.
Poder que Deus transferiu para seu filho Jesus, (Mt 28: 18; Fp 2: 9; Mt 11:
27); e que Jesus transferiu para a igreja neste dia (Atos 1: 4- 8; Lc 10: 17- 20;
Mt 16: 13- 19; Lc 22: 29). Davi neste Salmo viu o Filho glorificando o Pai
logo após o corpo ser colocado no sepulcro. Veja o que diz o Salmo: – Pois
não deixarás a minha alma no hades, nem permitirás que o teu Santo veja a
corrupção. Fizeste-me conhecidos os caminhos da vida; com a tua face me
encherás de júbilo.

ATOS 2: 29 – Varões irmãos seja-me lícito dizer-vos livremente acerca do


patriarca Davi, que ele morreu e foi sepultado, e entre nós está até hoje a sua
sepultura.

Pedro pede permissão para a multidão de israelitas que estavam naquela


manhã em Jerusalém para explicar o salmo de Davi. Salmo mencionado no
texto que fala do Cristo e não do próprio Davi como interpretava os Judeus da
época (Sl 16: 8- 11). Davi foi um grande homem de Deus, foi rei, foi profeta,
foi homem segundo o coração de Deus, compôs mais de setentas salmos, mas
morreu e entre eles está o túmulo até o dia de hoje (I Rs 2: 1- 10).

ATOS 2: 30 e 31 – Sendo, pois, ele profeta e sabendo que Deus lhe havia
prometido com juramento que do fruto dos seus lombos, segundo a carne,
levantaria o Cristo, para o assentar sobre seu trono. Nesta previsão, disse da
ressurreição de Cristo, que sua alma não foi deixada no hades, nem a sua
carne viu a corrupção.

Quando Pedro começou a falar de Davi, a multidão ficou inquieta. Presente no


meio da multidão estava sacerdotes e príncipes judeus fanáticos das seitas
existentes na época (Atos 5: 17; Atos 15: 5). Eles acreditavam que neste salmo
Davi falava dele mesmo. Começaram a ouvir prestando muito a atenção
naquilo que Pedro dizia. Os sacerdotes, os príncipes fariseus e saduceus que
ali se encontravam se surpreenderam com as revelações de Pedro. Davi era
profeta e recebia revelação de Deus (Amós 3: 7), ele sabia que Deus da sua
geração (descendência) iria levantar o Cristo, portanto ele não poderia estar
falando dele, pois ele sabia que iria morrer, mas tinha a mesma esperança que
todos que morreram sem o Cristo tiveram (Sl 110: 1; Jó 19: 25; Jo 8: 56; Mt
13: 17).

Os judeus tinham esperança que dos lombos de Davi Deus iria levantar um rei
que os iria libertar do domínio romano. Depois do Reinado de Salomão, o
Reino de Israel foi dividido (I Rs 12: 1- 17) levado cativo, pela Síria,
Babilônia, Pérsia, Grécia e Roma (Ne 1: 1- 8). O povo na época de Jesus
acreditava que ELE era um Rei semelhante a Davi (Lc 1: 67- 70; Sl 60: 1- 7).
Um rei que viria com o objetivo de libertá-los definitivamente da escravidão.
De fato Jesus vinha não só para libertar os judeus, mas também os gentios
(Atos 10: 1- 48). Não libertar da escravidão física, mas sim da escravidão
espiritual, para libertá-los da escravidão dos pecados, dos vícios, do legalismo
em fim da lei (Rm 10: 4). Trazendo uma nova Dispensação: A Dispensação da
Graça (Ef 2: 1- 9; Jo. 8: 31 -36; Rm. 6: 14; Is. 43: 19; Ap. 21: 5). Na religião
judaica existiam os que acreditavam em anjos e os que não acreditavam, havia
os que acreditavam em espírito e os que não acreditavam e os que acreditavam
na ressurreição dos mortos e os que não acreditavam (Atos 23: 1- 8; Lc 20:
27; Lc 16: 19- 31).

ATOS 2: 32 – Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos


testemunhas.

Pedro conhecia a religião judaica e mesmo depois de ser transformado pelo


poder de Cristo em cristão verdadeiro (Lc 22: 31- 32; Jo 21: 15- 17), as
doutrinas judaicas ainda permaneciam entranhadas em sua alma (Atos 10: 1-
28; Gl 2: 1- 16), mas neste dia movido por um poder sobrenatural do Espírito
Santo, ele passa por cima de todas as tradições judaicas que ainda faziam parte
da sua vida e encara os religiosos da época e diz: Para decepção de todos
vocês, Deus ressuscitou a este Jesus, do qual nós somos testemunhas. Para
surpresa deles Jesus filho de José e Maria (Mt 13: 53- 57), era o Cristo o
Messias esperado (Mq 2: 2- 3). Jesus estava VIVO. E o pavor deles agora?
(Mt 23: 1- 38).

ATOS 2: 33 – De sorte que, exaltado pela destra de Deus e tendo recebido do


Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis.

Pedro segue com a pregação: Por quarenta dias nós convivemos com a Vossa
Majestade. Era desta forma simples que Pedro falava do Rei dos reis do
Senhor dos senhores ((II Pd 1: 16; Ap 19: 11- 16). Falando de uma maneira
simples ele continua: Este Jesus que nós convivemos por quarenta dias e
estava coberto de glória (Jo 21: 1- 12; Lc 24: 13- 31; Jo 20: 19), nos ensinou
tudo com respeito ao Reino de Deus (Atos 1: 1- 3) e depois foi recebido no
céu e nós somos testemunhas disso (Atos 1: 8- 11). De sorte que, exaltado
pela destra de Deus e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo,
derramou isto que vós agora vedes e ouvis (Atos 1: 1- 4; Ez 39: 29; Jl 2: 25-
29).

ATOS 2: 34 e 35 – Porque Davi não subiu aos céus, mas ele próprio diz:
Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te À minha direita, até que ponha os
teus inimigos por escabelo de teus pés.

Davi não subiu ao céu, mas ele viu o céu. O que Davi viu foi tremendo
demais. O que Davi viu? Ele viu Deus, o Pai, recebendo Jesus, o filho, logo
após ele vencer a morte, o inferno e tomar a chave das mãos de Satanás (Jo
20: 11- 17). Não só viu como ouviu o que Deus falou. Veja o que ele diz:
Disse o Senhor: Quem é o Senhor que ele menciona no salmo 110: 1? O
Senhor é Deus. Disse o Senhor Deus, ao meu Senhor, agora esta falando do
Senhor dele. Quem o Senhor dele neste salmo? Jesus é o Senhor do qual ele
trata de meu Senhor no salmo (Lc 20: 41- 44; Fp 2: 9- 11). Disse Deus a
Jesus: Assenta-te a minha direita (Atos 7: 48- 56), até que ponha os teus
inimigos por escabelo de teus pés (Mt 22: 41- 44). Jesus agora a direita de
Deus, ouviu Deus dizer: Descansa, assenta ao meu lado a tua parte esta feita
(Ap 1: 17- 18). A morte o inferno e Satanás estão debaixo do teu Reinado (Dn
2: 1- 44). Agora e a vez da igreja (Ef 5: 18- 20), quando a igreja completar a
parte dela (Rm 16: 20; I Ts 4: 13- 17) então todos os teus inimigos estará
debaixo dos teus pés (I Co 15: 22- 25 e 54- 58; Ap 12: 1- 10; Ap 21: 5- 8).

Por que eu não mencionei o pecado como um reino que também está debaixo
do reinado de Cristo? Porque a morte, o inferno e Satanás, estão agindo sob
permissão de Deus, mas o pecado age com a permissão do homem (Tg 1: 13-
15; Rm 6: 9- 14). Qual é a parte da igreja? A parte da igreja é a parte do
homem, a parte humana (Lc 22: 29; Mc 16: 15; Mt 24: 14). Assim como Jesus
precisou da parte divina para fazer aquilo pelo qual ele foi enviado (Mt 3: 13-
17), a igreja também iria precisar da parte divina para fazer a sua parte (Atos
1: 8; Lc 24: 49). Por isso Jesus fez a promessa (Jo 14: 15- 16; Atos 1 4- 5), e
cumpriu (Atos 1: 1- 4). O Espírito Santo esta na igreja e no crente, para zelar
(II Co 11: 1-2), cuidar (Jo 10: 14- 18; Atos 16: 5- 8), ensinar (Jo 14: 26) e
guiar em toda verdade (Jo 16: 7- 14; Ef 4: 7- 16; Jo 14: 6; Is 48: 17).

ATOS 2: 36 – Saiba, pois, com certeza, toda a casa de Israel que a esse Jesus,
a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo.

Pedro direcionou a mensagem toda para os israelitas, principalmente para os


príncipes e sacerdotes que se encontravam naquele local. Pedro olha para os
da casa e diz: Olha vocês mesmo conhecedores das escrituras, vós estudiosos
da palavra, que tem por sobre nome judeu que se descansam na lei se gloria
em Deus, vocês que sabem o que Deus quer o que Deus pensa que conhecem
a vontade de Deus, vocês que aprovam as coisas excelentes e são formados
nas melhores faculdades e conhecem tudo a respeito da lei (Rm 2: 17- 23);
Saiba, pois, com certeza, esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez
Senhor e Cristo (Fp 2: 9- 11; Atos 4: 12). Pedro continuou: Este mesmo que
vocês crucificaram, lembra? (Mt 27: 1- 54). Quantas vezes vocês ouviram
dizer que ele era o Cristo anunciados pelos profetas? (Mq 5: 2). Quantas vezes
vocês ouviram as suas pregações? (Lc 4: 14- 21). Vocês deram credito? (Is 53:
1- 11). A Primeira mensagem da igreja, pregada pelo apóstolo Pedro tinha
como autor Espírito Santo de Deus e o tema era JESUS CRISTO VIVE. Jesus
Cristo era pregado anunciado e exaltado todos os dias e em todos os lugares
(Atos 5: 42; Atos 3: 1 - 26; I Co. 1: 17- 31; I Co. 2: 1- 5).

As primeiras conversões

ATOS 2: 37 – E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seus corações e


perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, varões irmãos?

Enquanto Pedro pregava; o Espírito Santo começava exercer o seu ministério


terreno (Jo 14: 15- 17). O Espírito Santo trabalhava a mente de Pedro dando
graça e sabedoria na pregação (Atos 4: 13), e também trabalhava nos homens
(Ap 22: 17). Naquele momento da pregação o Espírito Santo que trabalha no
homem (Jo 14: 26), direcionava Pedro em sua mensagem (Jo 16: 7- 14), e já
fazia a sua obra na igreja (Rm 10: 17). Durante o momento da pregação o
Espírito Santo trabalhava o coração de cada um que ali se encontrava (Ez 36:
25- 27). Eles ouvindo o que Pedro dizia, e não tendo dúvida de que
cometeram um grande erro ao dar ouvido a Satanás e aos sacerdotes (Ef 4: 27;
I Pd 5: 8). Arrependeram-se profundamente e ficaram com o coração
completamente quebrantado (Sl 51: 17; Sl 34: 18; Is 61: 1).

A conversão verdadeira passa por um arrependimento verdadeiro (Ez 18: 31-


32). A igreja local a congregação pode ser formada por pessoas que não
passaram por um arrependimento verdadeiro (Mt 22: 14), mas a igreja de
Cristo é formada por aqueles que têm o arrependimento verdadeiro (Jo 4: 23-
24; Sl 101: 6). Aqueles que se arrependem de verdade sentem o mover do
Espírito Santo em seu coração (I Co 2: 11; Ez 36: 26). Quando o Espírito
Santo esta movendo o coração, não tem o que fazer (Is 43: 13; Sl 139: 7). Eles
não tiveram outro caminho (Jo 10: 15- 17; Jo 14: 6); o Espírito Santo naquele
momento os fez sentir o quanto eles estavam separado de Deus (Is 59: 1- 2). O
que eles fizeram? Perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos
varões irmãos? (Ez 18: 31- 32). Igreja eleve a Deus o seu clamor: Vem avivar
este lugar, vem restaurar o teu altar, vem nossas vidas quebrar com o teu
poder, vem nos saciar da fonte, pois dela queremos beber (Jo 7: 37- 38). Vou-
me Prostrar no teu altar para receber o teu poder, vem levantar a tua noiva
com fervor para as nações o teu evangelho levar (Lc 22: 29; Mt 24: 14; Mc
16: 15).

ATOS 2: 38 – E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja


batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados, e recebereis o
dom do Espírito Santo.

O Espírito Santo fez a sua parte, agora a igreja tinha que fazer a sua. O
Espírito moveu o coração da multidão (Atos 2: 37). Levou cada um daqueles
que estava naquela manhã em Jerusalém a fazer uma reflexão (I Co 11: 28),
preparou cada um para receber a resposta de Pedro (Ap 3: 20). E disse lhes
Pedro: A Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus
Cristo, para perdão dos pecados.

A igreja começou pelo testemunho; e qual testemunho? (Mt 3: 1- 2; Atos 4:


17- 32; Atos 11: 1- 18). O batismo nas águas simboliza o que já aconteceu no
coração arrependido (Sl 34: 18). O arrependimento vem primeiro que o
batismo nas águas (Atos 10: 1- 9; Atos 8: 26- 39). Observação: Batismo em
nome do Senhor Jesus é o mesmo que batismo de João (Mt 28: 16- 20). A
igreja têm a sua presença na terra como testemunha (Mt 5: 13- 16) . São três
que testificam na terra que Cristo habita no crente (Jo 14: 21- 23), e, estes três
concordam entre si (I Jo 5: 8- 12; Jo 3: 1- 18). Sem estes três não tem como
fazer parte da igreja (Jo 14: 24- 26; Jo 15: 26; Jo 7: 16- 17).

Para fazer parte da igreja de Cristo, e ser realmente sua testemunha, é preciso
reconhecer o erro e produzir o arrependimento verdadeiro (Lc 3: 1- 8 e 10-
14). O arrependimento verdadeiro traz o perdão de Deus (Lc 18: 9- 14; I Pd 5:
6). Como eu demonstro diante de Deus, dos anjos, das potestades nas regiões
celestes, e diante dos homens e da sociedade que eu realmente estou
arrependido da minha natureza velha? Tenho que dar dois passos. Quais?
Primeiro: Corro para uma igreja evangélica e aceito a Jesus Cristo como meu
Senhor e Salvador (Rm 10: 6- 13; Hb 12: 1- 2). Já nesse primeiro passo que eu
dou em direção a Deus eu sou justificado pelo sangue de Cristo (Rm 5: 8-
11),e recebo a marca de Deus na minha vida (Ef 1: 13; Jo 6: 27; I Co 6: 20).
Segundo: Corro para o pastor de uma igreja evangélica e falo para ele: Quero
passar pelas águas já aceitei a Cristo na igreja, eu creio que Jesus levou sobre
si os meus pecados na Cruz (I Co 1: 18; Cl 2: 8- 15). Portanto quero
testemunhar diante dos homens e da sociedade (Mt 3: 1- 6; Atos 8: 26- 38; Is
53: 1- 13).

A combinação da fé em Cristo Jesus (Rm 5: 1- 11) com o testemunho visível


diante dos homens e da sociedade (Mt 5: 13- 16; Rm 10: 6- 23; Rm 6: 1- 5),
tem como resultado a presença do Pai e do Filho no coração do convertido (Jo
14: 21- 23; Jo 3: 1- 3). Como isto acontece? O Espírito Santo é a pessoa do
Pai e do Filho dentro do Crente (Lc 17: 20- 21; I Co 6: 19- 20). A
responsabilidade pelo batismo nas águas é única e exclusiva do novo
convertido (Atos 8: 36- 38; Rm 14: 11- 12; Atos 17: 30).

Algumas passagens quebram os entendimentos que diz que o novo convertido


para se batizar precisa disso ou daquilo; que precisa fazer cursos, cursos que
levam até anos, levam tanto tempo que o novo convertido desiste (Atos 8: 26-
39; Atos 10: 1-47). Muitos desses crentes acabam desviando e sendo
arrebanhado por seitas que usam Palavra de Deus para enganar o homem (I
Tm. 4: 1-3; Mt. 7: 15; I Pd. 5: 8). Para se batizar, o novo convertido só precisa
de duas coisas: Crer (Mc. 16: 15- 16; Atos 8: 26-38), e se arrepender (Atos 2:
37- 38; Lc. 3: 1-3). A fé e o arrependimento são pessoais; é um particular
entre o novo convertido e Deus (Jr. 17: 9; Pv. 21: 2; I Sm. 16: 1-7; II Co. 3: 3-
8).

ATOS 2: 39 – Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos e a


todos os que estão longe: a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar.

Pedro diante daquela multidão arrependida se derramando em lagrimas diz:


Levante à cabeça a promessa diz a respeito de vós, vocês mesmo, vocês que
estão aqui e que se arrependeram, mas também dos vossos filhos; estes não
estão aqui, mas a promessa vai alcançá-los (Atos 16: 31). A promessa não vai
só até vós e vossos filhos, mais ela vai mais longe, muito longe (Dn 2: 30- 35;
Ez 37: 1- 10). Na maneira mais fácil de entender: Pedro esta dizendo: Olha o
que aconteceu hoje neste lugar, aqui em Jerusalém não tem como objetivo
atingir só a nós (Atos 2: 1- 4; Jl 2: 28ª), mas sim alcançar a todos (Ap 22: 17;
Is 55: 1; Ap 2: 29). A promessa era para aqueles que estavam escutando este
discurso naquela manhã em Jerusalém, mas também era para aqueles que não
estavam lá, para os que estavam longe (Mt 24: 14). Isto inclui, eu, você, e
todos nós (Mq 4: 1- 2). Estávamos longe. Nós estamos longe, mas a Promessa
nos alcançou (Gl 3: 8- 14; Atos 26: 1- 8). Assim como o corpo é um, e tem
muitos membros, e todos os membros, sendo muitos formam um só corpo,
assim é Cristo também. Pois todos nós fomos batizados em um só Espírito,
formando um só corpo, que judeu, quer gregos, quer servos, quer livre; e a
todos nós foi dado beber de um só Espírito (I Co 12: 12-13; Ef 4: 1- 5; Rm 10:
8- 13; Jl 2: 28- 32).

A promessa era para aqueles que estavam pertos e também para os que
estavam longe (Jr 23: 23- 24). É também para a todos quantos o Senhor
chamar (Jo 10: 15- 16). O Espírito Santo é para mim, para você, para todos
nós que já estamos no caminho, e para aqueles ainda não estão, mas vão estar,
por que o Senhor vai chamar (Is 27: 2- 3; Nm 23: 19; Atos 16: 31). Esta é a
obra do Espírito Santo e da Igreja (Ap22: 17; Atos 15: 1- 28; Atos 13: 1- 4).
Batismo no Espírito Santo é seu é meu é nosso, o batismo no Espírito Santo é
o batismo da igreja (Atos 1: 4,5; Atos 2: 1-4). Já aconteceu; por isto todos
foram cheio do Espírito Santo e não apenas alguns (Atos 2: 1-4; Atos 10: 1-
47; Jl. 2: 28- 29; Atos 2: 17-18; Mt. 16: 18,19; Ef. 4: 1-6). O batismo do
Espírito Santo faz parte da igreja, pertence à igreja (I Co. 12: 12-14). Se você
faz parte da igreja de Cristo mergulhe fundo no derramar do Espírito Santo,
mergulhe fundo nas águas do Espírito Santo (Ez. 47: 1-5). Se encha do
Espírito Santo (Ef. 5: 18; Sl. 23: 1-5). Imergir é mergulhar nas águas do rio do
Espírito (Ap 22: 1; Jo 14: Jo 14: 21- 23; Jo 7: 37- 39; Rm 8: 1- 2), mergulhar é
tomar posse de tudo que o Espírito Santo tem á oferecer (II Co 3: 3 Rm. 8: 18;
I Co 2: 9; Jo. 4: 23-24; Jr 33: 3; Pv. 13: 7).

ATOS 2: 40 – E com muitas outras palavras isto testificava e os exortava,


dizendo: Salvai-vos desta geração perversa.

A Palavra é a mesma (Mt 24: 35), Jesus é o mesmo (Hb 13: 8), O Espírito
Santo é o mesmo (Jo 14: 15- 16), a mensagem tem que ser a mesma. É preciso
renunciar. Pedro mostrava dentro da Palavra que para receber Jesus é
necessário renunciar? Renunciar a que? O mundo (I Jo 2: 15- 17; Tg 4: 4- 5;
Lc 4: 5- 7), e os costumes desta geração malvada. Pedro, é a voz da Primeira
igreja (Mt 16: 13- 19). De que geração perversa Pedro esta falando? Qual
geração crucificou Jesus? A geração dos religiosos (Mt 23: 1- 39; Mt 26: 1-
5). Estamos vivendo no meio de uma geração perversa que esta crucificando
Cristo de novo. O Espírito Santo é a voz da igreja hoje (Ap 2: 29). Salvai- nos
desta geração de falsos apóstolos, de falsos pastores e obreiros da iniqüidade
(II Co 11: 13- 15; II Pd 2: 1-2; I Jo 4: 1).

Salvai- nos dos grandes empresários: Dos grandes empresários que estão
disfarçados de apóstolos, pastores e bispos (Atos 20: 28-30). Homens que
dizem serem homens de Deus, e na verdade não o são (I Jo. 2: 19), não foram
enviados por Deus (Mt. 10: 16; I Jo. 2: 18-21; I Jo. 4: 6). O objetivo destes na
verdade é o lucro (Ez. 33: 31; Mt. 6: 19-24; I Tm. 6: 3-10; Pv. 28: 20). O deus
destes é o ventre, é o dinheiro (Fp. 3: 18,19; Jd. 12-16). O prazer deste é fazer
a vontade de seu líder (Satanás) (Lc. 4: 1-7; Mt. 6: 24). O desejo destes é fazer
da igreja uma empresa; mentirosos como seu pai (Jo. 8: 44; II Co 11: 13-15).
Enganam os seus membros e os fazem acreditar que serão os novos
milionários deste mundo (Mt. 24: 4; I Jo. 2: 18-21; II Co. 11: 1-3; Fp. 3:
18,19; Ef. 4: 27; I Pd. 5: 8).

Salvai- nos daqueles que estão fazendo comércio do evangelho: O que


estamos ouvindo no rádio, vendo na televisão, e em muitas igrejas? Igrejas da
qual somos até membros; não é comércio do Evangelho? Não estão
mercadejando o Evangelho? Não estão vendendo lenço; terra; flores; água
óleo e outras coisas mais? (Amós 2: 6; Mt. 21: 12,13). O altar, os púlpitos
lugar para adoração, lugar preparado para a manifestação do Espírito Santo;
não é lugar onde só deveria estar os preparados? (Jo. 4: 23,24; Jo. 3: 1-8; I Co.
2: 9-15).

Estamos vendo o lugar, que deveria ser usado para profetizar a Palavra
genuína, pregar e ensinar a Palavra de Deus em verdade e em Espírito (Ef 4:
7-14; I Tm. 4: 6-15; II Tm. 4: 1-5; Sl. 1: 1-3), sendo usados por mercenários
que são lobos em pele de cordeiros, servos de Satanás transfigurados em
obreiros de Cristo (Fp. 3: 18,19; II Co. 11: 13-15). Obreiros fraudulentos que
estão fazendo da igreja e do povo de Deus negócio (Jd. 12-16; Jo. 10: 1- 13;
Jo. 7: 16,17). O púlpito está sendo o lugar onde só se ouve falar de dinheiro,
riqueza e fortuna (Mt. 6: 25-33; II Co. 4: 18: I Co. 2: 9; Cl. 3: 1-4; I Co. 15:
47-58).

O púlpito é o lugar onde só ouvimos testemunhos sobre alguém que era pobre
ou mendigo (andarilho) que depois que foi para a igreja virou empresário,
ficou milionário (Lc. 12: 13-21; LC. 16: 19-29; Tg. 5: 1-3; Ec. 5: 10; Jo. 6:
26,27; Sl. 1: 1-3; Sl. 119: 11,105). Deus chama o pobre e chama o rico, Deus
salva o pobre e salva o rico, Deus usa o pobre e também usa o rico (Jó 34: 10-
19; I Tm. 6: 17-19; Jr. 9: 23, 24; Mt. 5: 45b; Dt. 10: 17; I Pd. 1: 16-19; I Sm.
16: 1-7; Is. 43: 13; Amós 3: 7,8).

O que tem haver com a Palavra de Deus a pobreza e riqueza? Tem a haver
com a Palavra e com o poder do criador (Is. 45: 5-7; I Cr. 29: 12; II Cr. 1: 1-
12; Jó. 34: 18,19; Pv. 22: 2). Mas não tem nada a haver com Evangelho de
boas novas (Atos 8: 1-20; Is. 55: 1; Atos 10: 9-47 Ap. 22: 17). Não tem nada a
haver com o plano de Salvação de Deus para homem (Is. 52: 3; Rm. 5: 12; Jo.
3: 16; Rm. 10: 4-10; Pv. 23: 26; Mt. 6: 19-21; Atos 2: 39; Is. 12: 3; Ap. 22:
17; IS. 55: 1-3; Pv. 13: 7). Veja o que diz a Palavra: “Riqueza se recebe
(herança) (Lc 15: 11- 12); se conquista com educação, trabalho e suor”. (Gn.
3: 17-19; Sl. 128: 1-4; Ec. 3: 12-14); ou roubando, como muitos por ai (Mc.
11: 15-17; Atos 20: 29; Jd 12-16). Veja na Palavra o que Deus diz da pobreza.
(Dt. 15: 11; Pv. 22: 2; Jó. 34: 18,19). A salvação é de graça, é para todos,
pobres ou ricos (Jo. 3: 16; Ef. 2: 1-9; Jr. 9: 23,24). A mensagem é da igreja e
pertence à igreja (Ap. 22: 17; Is. 55: 1-3; IS. 12: 3). Os homens de Deus
chamados para pregar e ensinar; foram chamados para ensinar e pregar a
verdade (I Co 2: 1- 5; I Co. 3: 10-17; II Tm. 4: 1-
5).

Temos que usar as estratégias que eles usam? Temos que aprender com eles?
(Jo. 14: 26; Is. 48: 17). Temos que trocar o precioso pelo vil? (Jr 15: 19-20).
Quem é o precioso? (Jo. 14: 6; Jo. 7: 37-38; Ap 22: 17; Atos 16: 31). O que é
o vil? (I Tm 6: 3-10; Jr. 2: 13 e 14; Pv. 14: 12). Toda ajuda é bem vinda?
Mesmo que venha tirar nossa credibilidade diante de Deus? (Lc. 4: 1-8).
Ainda que esta ajuda venha nos levar a fazer alianças com o mundo (Tg. 4: 4 e
5), e com Satanás? (Is. 28: 15; Is. 30: 1-3). Ainda que esta ajuda venha
demonstrar toda a nossa fraqueza? (Gn. 3: 1-12; Ap. 3: 16- 18; Ap. 16: 15).
Ainda que esta ajuda venha mostrar toda nossa falta de fé e toda nossa
incredulidade? (Lc. 18: 8; Is. 65: 2; Pv. 14: 12; Is. 29: 13). Ainda que esta
ajuda venha expor toda nossa nudez? (Ap. 3: 15-18; Ap. 16: 15; Na. 3: 5).
Veja a pregação de Pedro e compare com as pregações de hoje. Pedro não
usou estratégia e artimanhas, ele usou o poder do Espírito Santo. Em uma
simples pregação três mil se converteram (Atos 1: 8; Lc 24: 49; Mt 28: 18-
20).

ATOS 2: 41 – De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a


sua palavra; e naquele dia, agregaram-se quase três mil almas.

O Espírito Santo já estava na igreja. A profecia de Joel (Jl 2: 28- 32), a


profecia de João (Mt 3: 11) e a promessa de Jesus (Jo 14: 15- 16), estava se
cumprindo naqueles dias (Jl 2: 23- 29). O que eles precisavam fazer para
tomar posse da promessa? Cumprir toda justiça (Mt 3: 13- 15; Atos 2: 38).
Foram batizados e agregados, ou seja, passaram a fazer parte do corpo (I Co
12: 12- 13; Ez 37: 1- 10; I Jo 5: 7), passaram a ter os mesmo direitos que os
apóstolos e os discipulos tiveram (Atos 2: 39; Gl 3: 8- 14). Jerusalém estava
vivendo dias do mover do Espírito Santo (Gn 1: 2- 3; I Sm 19: 12- 24).O Que
aconteceu em Jerusalém foi um avivamento que tomou toda Jerusalém e se
estendeu para todos os povos e nações (Atos 1: 8; Mq 4: 1- 2), beneficiando a
todos que aceitarem a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador (Atos 2: 14-
21 e 39; I Co 12: 1- 13). Como assim, não estou entendendo? Avivamento
vem de avivar e avivar é despertar para a vida, voltar a viver, ser vivificado
pelo poder de Deus (Sl 85: 3- 7; Is 57: 14-15, Os 14: 5- 7).

O texto usado quando se fala de avivamento esta no livro escrito por


Habacuque, e diz: “Aviva, ó Senhor, a tua obra no meio dos anos e lembra-te
da misericórdia” (Hb 3: 2). Aviva, ó Senhor, a tua obra. De que obra esta
falando o profeta? Qual é a obra de Deus que até então estava precisando de
avivamento? (Gn 1: 26; Jo 4: 23- 24). Qual obra Deus precisava voltar à vida?
(Rm 7: 1- 24; I Co 15: 57). Qual obra Deus precisava despertar do profundo
sono? (Is 29: 11- 19; Ez 37: 1- 2). Qual obra Deus precisava de misericórdia?
(Is 54: 7- 8; Ne 9: 31; Lm 3: 2; I Cr 16: 29- 34; Jr 9: 23- 24). O homem sem
Jesus vive da herança de Adão. O pecado de Adão matou o homem
espiritualmente (Rm 5: 12). O pecado de Adão mergulhou o homem em
profundo sono, distante de Deus (Gn 3: 1- 23; I Co 15: 22). Veja que o profeta
Habacuque fala de um avivamento no meio dos anos. Não foi no começo (Gn
4: 1- 14; Gn 9: 20- 25; Gl 3: 13) e nem no fim (I Ts 4: 13- 17; Mt 25: 1- 13),
mas no meio (Mt 11: 7- 13; Rm 10: 4; Rm 8: 1- 2). Este avivamento
aconteceu no meio como profetizou o profeta Habacuque. (Os 6: 1- 3; Jl 2: 24
e 28- 32; Atos 2: 1- 4; Mc 16: 15; Ex 19: 10- 11;).
Este avivamento é o cumprimento também de uma profecia de Ezequiel (Ez
37: 1 – 10; Ez 36: 26- 17). Este avivamento é o responsável pela Palavra
chegar até os nossos dias (Atos 8: 1- 4; Mt 24: 14). A Igreja começa com a
chama de fogo e do Poder de Deus na vida dos Apóstolos, sendo cada
apóstolo, todos os discípulos, e cada crente templo do Deus vivo (II Co. 6: 16;
Ef 2: 1- 22). Uma Igreja assim movida por este Poder, habitação do Deus
vivo, o crescimento é inevitável. A multidão diante de tanta glória ouvia a
mensagem ousada dos apóstolos, anunciando à vida (Rema), a morte, à
ressurreição do Senhor e exaltação de Cristo como Rei dos reis e Senhor dos
senhores (Ap 19: 11- 16), não deixou alternativa a não ser aceitarem a
fé (Atos 2: 41; Atos 4: 4). Este avivamento deu inicio ao trabalho da igreja, as
manifestações do Espírito Santo através dos dons espirituais (I Co 12: 1- 13) e
dos ministérios (Ef 4: 7- 16; Rm 12: 3- 8). Hoje nós não temos mais
avivamento? Temos, o avivamento é o mover do Espírito Santo no Espírito do
crente, é pessoal (Jo 14: 26). O Espírito Santo já esta na igreja (Atos 1: 8), já
esta no crente (Ef 1: 13; I Co 6: 19- 20; II Co 6: 16; Ef 2: 11- 22). Então o que
eu tenho que fazer ((I Ts 5: 6; Ef 5: 14- 18; Rm 13: 11- 14; Jz 5: 12ª; Ct 2: 10-
13).

Muito se fala em avivamento: Avivamento sem multidões arrependidas se


jogando aos pés de Cristo, não é avivamento (Atos 2: 37). Avivamento só
acontece quando um ou vários grupo de irmãos decidem buscar a Deus com
conhecimento e sabedoria (I Co. 2: 9; Jr. 33: 3; Jr. 29: 11-13; Lc. 10: 17-24; I
Co. 1: 26,27; Pv. 13: 7). Se Você fizer desta forma, você vai se encher do
Espírito Santo; vai transbordar e vai experimentar o verdadeiro poder de Deus
como nunca na sua vida (Jo. 3: 1- 8; Mt. 7: 24; Lc. 17: 20,21; Mt. 13: 44-46 e
52). Mergulhe na Palavra capítulo por capítulo (Hc. 3: 2; IRs. 18: 41).

ATOS 2: 42 – E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e


no partir do pão, e nas orações.

Eles não abandonaram a Palavra genuína (Sl 1: 1- 3), perseveraram na


doutrina dos apóstolos (I Co 3: 10- 11; Ef 2: 11- 22). Veja que texto fala de
doutrina, no singular. O texto esta falando da doutrina de Cristo (Mt 24: 35; Jo
7: 16- 17; Lc 4: 22- 32). Como assim não estou entendendo? (II Pd 1: 20- 21;
Ap 22: 19- 20). Eles permaneceram fieis a Palavra genuína (Lc 22: 29). A
palavra pregada pelos apóstolos era fundamentada na Rocha (I Co 3: 10- 11; I
Co 2: 1- 5; Atos 16: 31). A Palavra fundamentada na Rocha é os ensinos do
Senhor Jesus (Mt 7: 24- 25; Jo 7: 16- 17; Jo 6: 63- 68), e os ensinos do Senhor
Jesus foi o fundamento dos profetas (Jo 5: 16- 39; Lc 4: 14- 21; Is 53: 1- 13;
Atos 8: 26- 36; Sl 16: 7- 11; Atos 2: 22- 25). Se você crescer na graça e no
conhecimento do Senhor Jesus Cristo (II Pd 3: 15- 18), você vai estar
edificado sobre o fundamento dos apóstolos e profetas (Ef 2: 11- 22; I Co 6:
19- 20; II Co 6: 16).
Eles perseveravam na Palavra genuína, mas também perseveravam na
comunhão. Os apóstolos não tinham a Palavra guardada só para eles, a palavra
era repartida. Havia abundancia do Pão (Jo 6: 27; Jo 6: 28- 58; Lc 4: 1- 4) a
graça era abundante (Rm 5: 12- 20; Ef 2: 1- 9); o Amor dominava (Jo 3: 16).
Todos estavam entranhados em comunhão, era um só corpo, um só Espírito (I
Co 12: 1- 27). O Espírito Santo era quem estava agindo, eles estavam
famintos pela Palavra (Amós 8: 11; Jo 6: 68). Quando estamos famintos pela
Palavra é porque o Espírito Santo esta no comando da nossa vida (Mt 6: 19-
33), e quando o Espírito Santo está no comando da nossa vida, o nosso
interesse passa a ser o próximo (Lc 10: 25- 37). Quando eu falo de próximo eu
falo de igreja (Sl 122: 1) e quando eu falo de igreja eu falo de comunhão (Sl
133: 1), partir do pão (I Co 11: 23- 26) e oração (Lc 18: 1; I Ts 5: 17). A igreja
fervia no poder de Deus, havia comunhão, partir do pão e oração era um só
corpo, um só Espírito, um só Senhor, uma só fé e um só batismo um só Deus.
Era Reino de Deus na forma mais pura e genuína na terra (Ef 4: 1- 16; I Co
12: 1- 13; Rm 14: 17; Atos 8: 1- 8).

ATOS 2: 43 – E em toda alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se


faziam pelos apóstolos.

Veja que o texto diz que só o apóstolo fazia sinais e maravilhas. A presença
do Espírito Santo na vida dos apóstolos foi tão forte e sobrenatural, que por
onde eles passavam havia um grande mover do Espírito Santo, havia sinais de
poder (Atos 5: 1-16; Atos 3: 1-10). O Espírito Santo se movia de um lado para
outro, ele estava procurando novos crentes para encher (I Sm. 19: 12-24; Atos
4: 1-31; Atos 8: 14-17; Atos 10: 1-46; Atos 19: 1-7). A igreja precisava de
ensino (Atos 18: 24-28; Gl. 1: 6-12; I Co. 11: 1-3; I Co. 3: 1-6; Atos 6: 1-4; II
Pd. 3: 15-18). Os apóstolos era o templo, o tabernáculo (II Co. 5: 1; II Pd. 1:
12-14), eles transportavam o Espírito Santo (I Co. 6: 19; II Co. 6: 11-16; Ef. 2:
17-21).Diante dos sinais maravilhosos que os apóstolos faziam e a Palavra
poderosa pregada pelo apóstolo Pedro; um grande temor de Deus veio sobre
aquele povo (Atos 2: 37). Algo estava acontecendo no coração deles? (Ez 36:
25- 27; Ez 39: 29; Os 6: 1- 3).

Hoje o Espírito Santo é o mesmo (Jo. 14: 15,16); Jesus é o mesmo (Hb. 13: 8);
a igreja é a mesma (Ef. 4: 1- 6); a necessidades é a mesma (Jr. 33: 3); o poder
é o mesmo (Ml. 3: 6; Atos 1: 8). A igreja continua precisando do poder (Sl.
105: 4; Lc. 18: 1), porém a forma de alcançá-lo é outra (I Cr 16: 11; Mt. 13:
52; Lc. 17: 20,21; I Co. 2: 9). Temos o que os irmãos primitivos não tiveram
(Atos 8: 1- 3; Atos 12: 1- 2); tempo para aprender (II Co 6: 1- 3; Mt 25: 1- 4).
Temos o conhecimento, o ensino a Palavra e o Novo Testamento; portanto
agora não adianta o crente ficar esperando Deus o encher ou usar algum irmão
com imposição de mãos que isto não vai acontecer (I Tm 5: 22ª). Deus não vai
derramar o Espírito Santo de novo, Ele já foi derramado (Atos 2: 1- 21; Atos
10: 1- 45). Ele já está em nosso meio (Jo. 14: 15,16; Jo. 16: 7; At. 2: 1-4; Atos
14: 1-47). Ele está na igreja (Is. 55: 6; I Co. 12: 12-14; Ef. 1: 13,14; Ef. 4: 1-
5; Jo. 14: 26; II Co. 3: 3-8). Pense: Se o batismo no Espírito Santo (Atos 1: 4-
5; Atos 11: 15- 16), e o derramar do Espírito Santo (Atos 2: 1- 4) tem o
mesmo significado, ou seja, são a mesma coisa (Atos 10: 44- 45). Então cada
vez que alguém se converte e vem para Cristo, para que ele venha a ser
batizado com o Espírito Santo é necessário que o Espírito Santo seja
derramado novamente (Ez 37: 1- 10; I Co 14: 20; I Co 13: 11).

A mensagem agora é outra (Ef, 5: 18-20; Is. 55: 6; Hb. 12: 14; I Pd. 2: 1-5;
Hb. 13: 8).Todos os crentes em Jesus têm o Espírito Santo (Ef. 1: 13; I Co 6:
19- 20; II Co 6: 15- 18). É direito e dever do crente desfrutar de todas as
virtudes do Espírito Santo (Atos 2: 37-39; At. 10: 1-45). O poder é uma de
Suas virtudes (Mq. 3: 8ª; Lc. 4: 1-14; Rm. 15: 18,19; Atos 1: 8). O poder só
alcança quem está cheio do Espírito Santo (Atos 4: 31; Mq 3: 8). O poder já
está derramado na igreja (Atos 6: 1- 8; I Cr 16: 11). A igreja de hoje não tem
poder. Não tem por quê? Porque os crentes são vazios do Espírito Santo. Onde
o Espírito Santo está se movendo os crentes são cheios, e o amor sobressai
(Rm 5: 5; Rm 13: 8; I Jo 3: 16- 18).

ATOS 2: 44 – E todos os que criam estavam juntos e tinham tudo em comum.

Através deste texto podemos entender um pouco mais o trabalhar do Espírito


Santo no corpo (I Co 12: 12- 27). No corpo, ele trabalha através dos dons
espirituais (I Co 12: 1- 11), através dos dons ministeriais (Ef 4: 1- 16),
distribui ministério (I Tm 4: 14; II Tm 4: 1- 5),e envia para o campo (Atos 13:
1- 4). É o responsável pelas principais decisões doutrinarias da igreja (Atos
15: 1- 28). Por isso o crente verdadeiro sente onde há a presença do Espírito
Santo e onde não há (Jo 16: 13). O Espírito Santo e responsável pelo
evangelismo na igreja (Atos 1: 8; Mc 16: 15; Atos 8: 1- 8) é ele que move a
igreja em busca do perdido (Ap 22: 17; Lc 14: 15- 23; Is 55: 1- 3). Mas veja,
antes de ensinar sobre dons, de separar e enviar ao campo, antes de colocar a
igreja na rua em busca do perdido ele trabalhou o interior de cada um deles
(Atos 2: 37). Ele mostrou para eles a importância de saber esperar (Atos 1: 1-
4), de se ajuntar e orar (Atos 1: 13- 14), de confiar na Palavra (Atos 1: 15- 20)
e se reunir e unir em busca de um mesmo alvo (Atos 2: 1; Jr 29: 11- 13; II Cr
7: 14- 16).

A semente tinha sido lançada (Mt 13: 31- 32; Lc 17: 20- 21; Lc 22: 29). No
dia da colheita Deus lançou a semente do Reino (Mc 4: 26- 29). A terra a ser
semeada era o coração dos judeus (Ez 36: 25- 26; Ez 39: 29) e também dos
gentios (I Co 3: 3; Atos 10: 44- 45). A onde o Reino de Deus está, o Espírito
de Deus esta operando, e onde Espírito de Deus esta operando, o amor esta
presente (Rm 5: 1- 5; I Jo 4: 7- 8). Onde o amor esta operando ninguém busca
proveito próprio, ninguém pensa em si mesmo (Lc 10: 25- 37; I Jo 3: 16- 17; I
Co 13: 1- 13; Rm 13: 8). Todos eram iguais: Os apóstolos, as famílias dos
apóstolos, os discipulos e também os três mil, todos tinham tudo em comum.
(Sl 133; Sl 122: 1; Ef 5: 16- 20). Veja, agora não é mais os doze apóstolos e
famílias (Atos 1: 12- 14), ou um pequeno grupo (Atos 1: 15), agora era quase
três mil almas. A menor das sementes (Mt 3: 1- 2; Atos 2: 37- 38) estava se
transformando na maior das plantas (Mt 13: 31- 32; Atos 2: 39; Atos 10: 1-
47; Dn 2: 31- 35).

ATOS 2: 45 – E vendiam suas propriedades e fazendas e repartiam com


todos, segundo cada um havia de mister.

Muitos dizem que eles esperavam Jesus por aqueles dias por isso eles
perderam o interesse pelas coisas materiais. Quem fala isso não conhece a
Palavra de Deus, e não conhece o Espírito Santo. Aqueles que interpretam este
texto desta maneiras são carnais e materialistas, mercenários disfarçados de
apóstolos, pastores e bispos, são lobos cruéis responsáveis por termos uma
geração vazia e sem poder (Atos 20: 28- 30; Jd 11- 19; Fp 3: 18- 19). Eles
perderam o interesse pelas coisas materiais por que eles encontraram algo de
maior valor (Mt 13: 44- 46), eles ouviram a voz do verdadeiro Pastor (Mt 6:
19- 33; Jo 10: 9- 15). O Espírito Santo em uma das atuações mais brilhante
envolveu o coração da multidão em um só amor (Rm 5: 5). O que estava
operando era o amor, o amor puro e genuíno (I Co 13: 1- 10). Era uma
multidão, mas era um só corpo (Atos 4: 32- 37; Ef 4: 1- 6; I Co 12: 12- 13).
Os mais ricos ajudava os mais pobres, os que tinham mais repartiam com os
que tinham menos (I Jo 3: 16- 18; Lc 10: 15- 37; Rm 13: 8).

ATOS 2: 46 – E, perseverando unânimes todos os dias no templo e partindo o


pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,

Eles estavam experimentando algo que jamais eles haviam experimentados,


eles estavam vivendo o verdadeiro amor (I Co 13: 1- 11), eles estavam
entendendo o como, um era importante para o outro, e como um precisava do
outro (I Co 12: 26- 27; Ec 4: 9- 12). Quando se esta vivendo aquilo que
aqueles irmãos viveram naqueles dias, o crente não tem vontade de ir para a
casa (Sl 122: 1; Sl 65: 4; Sl 84: 10; Sl 143: 10). O culto é maravilhoso e
tremendo cheio da presença de Deus (II Cr 5: 12- 14; Sl 24: 7- 10). O crente
não quer que o culto nunca acabe só quer louvar (Sl 22: 22; Sl 40: 1- 3; Sl 42:
8; Sl 100: 1- 2); ler a Palavra e orar dia e noite (Sl 55: 17; Sl 105: 4; Pv 8: 17).
Só que saber das coisas de Deus, vive vinte quatro horas pensando nas coisas
de cima (Cl 3: 1- 3). A igreja é o lugar mais confortável (Sl 122: 1). A alegria,
a paz e a comunhão que eles estavam sentindo naqueles dias faziam com que a
igreja fosse a qualquer casa, não importava a quantidade, Jesus se fazia
presente em qualquer lugar, onde havia um grupo reunido Jesus se fazia
presente (Mt 18: 20; Lc 24: 13- 32). Os apóstolos e discipulos iam de casa em
casa comemorando a vitória de Jesus na cruz (I Co 1: 18- 24; Cl 2: 12- 15),
celebrando a ceia (I Co 11: 23- 26) e se alegrando no Pão (Jo 6: 32- 35; Lc 14:
15; Jz 7: 13).

Em cada casa que eles iam fazendo culto e celebrando a ceia, multidões se
aglomerava para participar (Mq 4: 1- 2). Muitos aceitavam a Jesus (Atos 6: 7).
O culto se alongava; na presença de Deus, e ninguém queria ir embora, era
muito poder (Atos 20: 6- 11). O poder de Deus, e a unção contagiavam. Foi
um tempo de muita oração, jejum, Palavra e louvor, a presença do Espírito
Santo na igreja era notável (Atos 3: 1- 12; Atos 5: 1- 16). Eles não estavam ali
movidos por campanha de prosperidade ou em busca da qualquer benção pára
sua vida material (I Co 15: 19), as palavras do Senhor Jesus (Mt 6: 19- 33)
ecoava em seus ouvidos (Jo 14: 26; Mt 13: 44- 46). Não é impossível viver o
que eles viveram (Lc 1: 37); onde se faz combinação do Espírito Santo (Ef 1:
13), Palavra de Deus (Js 1- 8; Sl 1: 1- 3), muita oração (I Ts 517; Sl 55: 17; Pv
8: 17), jejum (Mt 17: 14- 23; Mt 9: 14- 17) e louvor (Ex 15: 2; Sl 30; 8- 12);
com união (Sl 133), comunhão (Atos 2: 42), perseverança (Rm 12: 11),
renuncia (Mt 19: 16- 21; Mt 6: 24) e amor (Atos 4: 32-35), o resultado é o
verdadeiro Reino de Deus entre os homens . Abra o teu coração e deixe o
Reino de Deus entrar (Ap 3: 20) faça como Barnabé (Atos 4: 36- 37), e colha
os frutos como ele colheu (Atos 9: 1- 28; Atos 11: 19- 30; Atos 13: 1- 4).

ATOS 2: 47 – Louvando a Deus e caindo na graça de todo o povo. E todos os


dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar

O que estava acontecendo era maravilhoso de mais, era quase três mil almas
tomada pelo Espírito Santo, era muita unção em um só lugar. Todos estavam
louvando a Deus e todos estavam cheios do Espírito Santo. O louvor ecoava
pelas ruas de Jerusalém. Aquele coral espiritual tendo como regente o Espírito
Santo, enchia a multidão de graça e poder (Atos 4: 31; Atos 16: 9- 26). Era um
só corpo, era uma só voz (Jo 14: 21- 23; Jo 4: 23- 24). Naqueles dias eles
tiveram a certeza que o céu tinha descido até eles (Lc 17: 20- 21; Mt 3: 1- 2;
Lc 10: 17- 24; Mt 10: 1- 7). Durante dias aquela chuva caia sobre Jerusalém (I
Rs 18: 41; Jl 2: 23- 32 Atos 4: 1- 31) o Espírito Santo movia multidão, era
tempo de fartura (Jl 2: 19), tempo de colheita (Jo 4: 31- 38; Jl 3: 13), todos os
dias multidões aceitava a Cristo e iam se agregando a este grande exército (Ez
37: 1- 10), que estava sendo formado (Is 13: 1- 4, Jl 3: 9- 11; Sl 110: 1- 3), e
sendo preparado para invadir o inferno (Mt 16: 13- 18; Atos 1: 8; Mc 16: 15).

O Poder da mensagem de Cristo (Atos 16: 9- 36). Quando Cristo é o centro da


pregação a mensagem muda o ouvinte (Rm 10: 4- 17), o deixa sem alternativa
(Atos 2: 37). A mensagem centralizada em Cristo liberta (Jo 8: 32- 36), cura
(Is 53: 1- 5) transforma (I Co 5: 17, é uma mensagem de Poder (I Co. 1: 18-
24; Cl 2: 13- 15).
Quando o pregador aprende com o Mestre (Mt 10: 24- 25) ele renuncia a toda
sabedoria humana (I Co 1: 25- 29; Jr 9: 23- 24), e todo conhecimento humano
(Gl 1: 11- 12; Fp 3: 1- 8). Quando ele abre mão da sabedoria e do
conhecimento humano ele prega o verdadeiro Evangelho (Is. 52: 7; Cl. 2: 1 –
3; Sl 126: 6). A pregação fundamentada em Jesus Cristo (I Co 3: 10- 11; I Co
2: 1- 5) não precisa ser uma pregação técnica bem elaborada, basta uma
pregação simples (Atos 4: 13). Veja a pregação de Pedro, simples, e
revolucionou o mundo (Mq 4: 1- 2; Is 48: 17; Is 54: 13; Atos 16: 31). Acesse
e Leia: Batismo no Espírito Santo: Selo, Batismo com Poder ou Batismo da
Igreja?