Você está na página 1de 4

ESCOLA SECUNDÁRIA DE GONDOMAR

Ano letivo 2018/2019


PORTUGUÊS – TESTE DIAGNÓSTICO
Cursos profissionais- 10º ano

Grupo I
TEXTO A
Luís, o poeta, salva a nado o poema

Era uma vez Nada que nada Estas palavras


um português sempre a nadar vão alegrar
de Portugal. livro perdido a minha gente
O nome Luís no alto mar. de um só pensar.
há de bastar ‒ Mar ignorante À nossa terra
toda a nação que queres roubar? irão parar
ouviu falar. a minha vida lá toda a gente
Estala a guerra ou este cantar? há de gostar.
e Portugal A vida é minha Só uma coisa
chama Luís ta posso dar vão olvidar
para embarcar. mas este livro o seu autor
Na guerra andou há de ficar. aqui a nadar.
a guerrear É fado nosso
e perde um olho Estas palavras é nacional
por Portugal. hão de durar não há portugueses
por minha vida há Portugal.
Livre da morte quero jurar. Saudades tenho
pôs-se a contar Tira-me as forças mil e sem par
o que sabia podes matar saudade é vida
de Portugal. a minha alma sem se lograr.
sabe voar.
Dias e dias Sou português A minha vida
grande pensar de Portugal vai acabar
juntou Luís depois de morto mas estes versos
a recordar. não vou mudar. hão de gravar.
Ficou um livro O livro é este
ao terminar Sou português é este o canto
muito importante de Portugal assim se pensa
para estudar. acaba a vida em Portugal.
Ia num barco e sigo igual. Depois de pronto
ia no mar Meu corpo é Terra faltava dar
e a tormenta de Portugal a minha vida
vá d'estalar. e morto é ilha para o salvar.
Mais do que a vida no alto mar.
há de guardar Há portugueses
o barco a pique a navegar
Luís a nadar. por sobre as ondas
Fora da água me hão de achar.
um braço no ar A vida morta
na mão o livro aqui a boiar Almada Negreiros, Obras
há de salvar. mas não o livro Completas, vol. 1 – Poesia, IN-CM,
2.ª ed., 1990, p. 33
se há de molhar.
1. Identifique o “português” referido ao longo do poema e caracterize-o com dois adjetivos.
2. Indique uma das razões que poderá ter levado o poeta a indicar apenas o nome desse
“português”.
3. Explique o sentido dos quatro últimos versos do poema.
4. Classifique o recurso expressivo presente nos seguintes versos: Meu corpo é Terra/de
Portugal/e morto é ilha/no alto mar.
5. Designe o nome do livro que o sujeito poético se refere ao longo do poema?

Grupo II

TEXTO B

EMOJI – O FILME

Na última semana, a crítica americana (ou, pelo menos, boa parte dela) anunciou
ao mundo a descoberta de uma das piores animações de todos os tempos: “Emoji –
o Filme”, de seu nome. Digamo-lo, pois, desde já, embora faça prova de um pobre
imaginário, a última obra dos estúdios da Sony não é o desastre absoluto que por aí
5 se apregoa. Como o seu próprio sugere, esta animação instala-nos no interior de um
smartphone, para seguir as tribulações de um emoji que, no seu primeiro dia de
trabalho na app de texto do telemóvel, percebe não só que é capaz de produzir mais
expressões do que aquela que nasceu para fazer, mas também que é incapaz de as
controlar. Trata-se de um defeito que levará o protagonista a partir por esse telemóvel
10 fora com outros dois emojis (um high-5 caído em desgraça e uma princesa armada
em rebelde), em busca de ser reprogramado. Damo-lo de barato: a premissa do filme
é pacóvia, o seu universo é uma mera versão tecnológica daquele que encontramos
em “Divertida Mente”, as personagens são estereotipadas, a animação é genérica, o
humor é frouxo e as peripécias que constituem a ação, essas, são outros tantos
15
pretextos para descarados exercícios de product placement (uma sequência no Candy
Crush, outra na Dropbox…) O que salva então o filme da nulidade? O modo como,
nos intervalos do seu próprio défice de atenção, ele ainda encontra tempo para contar
uma história (mil vezes contada e permeável a todo o tipo de clichés, é certo). A
saber: a do processo de autodescoberta de uma personagem que, ao longo da sua
20
peregrinação, aprenderá a aceitar-se a si mesma. E não é preciso puxar muito pela
cabeça para nos lembrarmos de uma mão cheia de animações que nem isso
conseguiram oferecer-nos.
Vasco Baptista Marques, Revista do Expresso, 12 de agosto, 2017, p. 80.

1. O texto é uma apreciação crítica


(A) que refere vários comentários depreciativos do filme.
(B) que tece variados elogios do filme.
(C) que concilia aspetos negativos e positivos do filme.
(D) que salienta que o filme foi um fracasso de bilheteira.
2. O texto resume sumariamente a ação do filme
(A) para demonstrar as características do protagonista.
(B) para reforçar que a união faz a força.
(C) para salientar que o interior de um smartphone é muito complexo.
(D) para demonstrar a sua falta de originalidade.

3. O jornalista salienta que o humor do filme é


(A) excelente.
(B) inábil.
(C) incipiente.
(D) soberbo.

4. Indique o tempo e o modo da expressão verbal sublinhada na seguinte expressão:


“…embora faça prova de um pobre imaginário…” (ll.3,4)
(A) presente do indicativo.
(B) pretérito imperfeito do conjuntivo.
(C) presente do conjuntivo.
(D) Futuro do conjuntivo.

5. A oração “embora faça prova de um pobre imaginário” (ll.3,4) é


(A) uma oração subordinante.
(B) uma oração coordenada.
(C) uma oração subordinada adverbial.
(D) uma oração subordinada adjetiva.

6. No texto, as aspas são utilizadas para


(A) destacar o significado de uma expressão.
(B) indicar títulos.
(C) assinalar palavras estrangeiras.
(D) introduzir apartes.

7. A oração “que constituem a ação” (l. 14) é uma oração subordinada


(A) adjetiva relativa restritiva.
(B) substantiva relativa.
(C) adjetiva relativa explicativa.
(D) substantiva completiva.

8. Associe as expressões sublinhadas nas frases da coluna A às funções sintáticas que lhe
correspondem na coluna B.

A B

(a) “Digamo-lo” (l. 3) (1) Complemento indireto


(b) “as personagens são (2) Predicativo do sujeito
estereotipadas” (l. 13) (3) Modificador
(c) “para nos lembrarmos de uma (4) Complemento oblíquo
mão cheia de animações” (l. 21) (5) Complemento direto

3
Grupo III

Escreva um texto de características expositivas de 80 a 100 palavras tendo em conta a


estrutura tripartida do texto (introdução, desenvolvimento e conclusão).
Organize a informação da forma que considerar mais pertinente, tratando os três tópicos
apresentados a seguir.

 apresente o telemóvel ideal;


 descreva as suas funcionalidades;
 exponha os vários modelos disponíveis.