Você está na página 1de 8

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

HOSPITAL DE CLÍNICAS Atualizado em


Fevereiro/2013
COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR
PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

PRECAUÇÕES PADRÃO – Contato – Respiratório


(Gotículas, aerossóis)
1- Precauções Padrão

As Precauções Padrão (PP) representam um conjunto de medidas que devem


ser aplicadas no atendimento de todos os pacientes hospitalizados,
independente do seu estado presumível de infecção, e na manipulação de
equipamentos e artigos contaminados ou sob suspeita de contaminação. As PP
deverão ser utilizadas quando existir o risco de contato com: sangue; todos os
líquidos corpóreos, secreções e excreções, com exceção do suor, sem
considerar a presença ou não de sangue visível; pele com solução de
continuidade (pele não íntegra) e mucosas.

São recomendadas para aplicação em todas as situações e pacientes,


independente da presença ou ausência de doença transmissível comprovada.

- Higienização das mãos


Deve ser realizada antes e após contato com paciente, e entre dois
procedimentos realizados no mesmo paciente. Também é recomendada
lavagem de mãos após a retirada das luvas.

- Luvas
Recomenda-se uso de luvas, caso haja contato com sangue ou líquidos
potencialmente infectantes.

- Avental
Recomenda-se uso de avental, caso haja possibilidade de contato da pele ou
roupas do profissional com sangue ou líquidos potencialmente infectantes.

- Máscara, óculos, protetor facial


Recomenda-se uso de máscara e óculos ou protetor facial, caso haja
possibilidade de respingos de sangue ou líquidos potencialmente infectantes
atingirem a face do profissional de saúde.

- Prevenção de acidentes com materiais pérfuro-cortantes


Deve haver educação quanto ao uso e descarte destes materiais. O reencape
é proibido. As caixas de descarte devem ser dispostas em locais visíveis, de
fácil acesso. O transporte destes materiais deve ser feito com cuidado,
evitando-se acidentes.

- Descontaminação de superfícies
A descontaminação de superfícies deve ser feita caso haja presença de
sangue ou líquidos potencialmente infectantes em superfícies.

sistema de precauções ________________________________________________________________1


UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
HOSPITAL DE CLÍNICAS Atualizado em
Fevereiro/2013
COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR
PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

- Artigos e equipamentos
Artigos utilizados devem ser submetidos à limpeza e desinfecção ou
esterilização, antes de serem utilizados em outro paciente.

2- Precauções para transmissão através de contato

Os microorganismos podem ser transmitidos de uma pessoa a outra


através do contato com a pele ou mucosa. Podemos classificar este modo de
transmissão em duas categorias:

2.1- Contato direto

Ocorre quando um microorganismo é transmitido de um paciente a


outro, através do contato direto da pele, sem que haja a participação de um
veículo inanimado ou fômite como, por exemplo, herpes simples, Herpes zoster
não disseminado em imunocompetente, feridas com secreção abundante não
contida, diarréia infecciosa em paciente incontinente.

2.2- Contato indireto

Quando a transmissão ocorre pelo contato da pele e mucosas com


superfícies ambientais e nos artigos e equipamentos de cuidados aos
pacientes contaminados por microorganismos, como por exemplo, Enterococo
resistente a vancomicina.

QUARTO Privativo ou comum para o mesmo


microorganismo.
LUVAS E AVENTAL Deverão ser utilizadas ao contato com o
paciente ou material infectante.
TRANSPORTE DO PACIENTE Deverá ser evitado; quando necessário, o
material infectante deverá estar contido com
curativo, avental ou lençol, para evitar a
contaminação de superfícies.
ARTIGOS E EQUIPAMENTOS Deverão ser de uso exclusivo para cada
paciente.

Quando possível, pacientes com microorganismos altamente


transmissíveis e/ou epidemiologicamente importantes devem ser colocados em
quartos privativos com banheiro e pia próprios.

Quando um quarto privativo não estiver disponível, pacientes infectados


devem ser alocados com companheiros de quarto infectados com o mesmo
microorganismo e com possibilidade mínima de infecção.

sistema de precauções ________________________________________________________________2


UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
HOSPITAL DE CLÍNICAS Atualizado em
Fevereiro/2013
COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR
PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Exemplo de doenças que requerem Precauções de Contato


PRECAUÇÃO DE CONTATO
Infecção / Condição / Microrganismo Período
Abscesso Drenante (Drenagem não contida pelo curativo) Durante a doença
Bactérias multirresistentes – Colonização / infecção:
solicitar avaliação da CCIH

*contato (a critério da CCIH)


Bronquiolite / Infecção Respiratória – Vírus Sincicial Durante a doença
Respiratório e Vírus Parainfluenzae – lactente e pré-escolar
Celulite: drenagem não contida Durante a doença
Clostridium difficile (Colite associada antibiótico) Durante a doença
Cólera Durante a doença
Colite Associada a antibiótico Durante a doença
Conjuntivite viral aguda (hemorrágica) Durante a doença
Difteria cutânea Terapêutica eficaz + 2
culturas neg. em dias
diferentes
Enteroclite por Clostridium difficile Durante a doença
Enterovirose (Coxackie e Echovirus) lactente e pré-escolar Durante a doença
Escabiose Terap. eficaz 24h
Estafilococcia – S. aureus – pele, ferida e queimadura: com Durante a doença
secreção não contida
Estreptococcia – Streptococcus Grupo A – pele, ferida e Durante a doença
queimadura: com secreção não contida
Furunculose Estafilocócica: lactentes e pré-escolares Durante a doença
Gastroenterite: Campylobacter, Cholera, Criptosporidium Durante a doença
spp
Gastroenterite: Clostridium difficile Durante a doença
Gastroenterite: Escherichia coli em incontinente ou uso de
fralda
Hepatite Viral – Vírus A: Uso de fralda ou incontinente Durante a doença
sistema de precauções ________________________________________________________________3
UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
HOSPITAL DE CLÍNICAS Atualizado em
Fevereiro/2013
COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR
PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Herpes Simplex: Mucocutâneo, disseminada ou primária, Durante a doença


grave
Herpes Simplex: Neonatal Durante a doença
Impetigo Terap. eficaz 24h
Infecção de Ferida Cirúrgica: com secreção não contida Durante a doença
Pediculose Terap. eficaz 24h
Pneumonia Viral lactentes e pré-escolar Durante a doença
Rotavírus e outros vírus em paciente incontinente ou uso de Durante a doença
fralda
Rubéola Congênita

PRECAUÇÃO DE CONTATO E AEROSSÓIS


Infecção / Condição / Microrganismo Período
Varicela Até todas lesões

tornarem-se crostas
Herpes Zoster – Localizado em imunossuprimido ou Até todas as lesões
disseminado tornarem-se crostas

PRECAUÇÃO DE CONTATO E GOTÍCULAS


Infecção / Condição / Microrganismo Período
Adenovírus, infecção por: lactente e pré-escolar Durante a doença
Pneumonia Adenovírus Durante a doença

3- Precauções para transmissão por via aérea ou respiratória

A transmissão de microorganismos por via aérea ou respiratória é


dividida em transmissão por gotículas ou por aerossóis.

Diferenças entre a transmissão por via aérea e a transmissão por


partículas aerossolizadas.

CARACTERÍSTICA GOTÍCULAS AEROSSÓIS


Tamanho da partícula >5µ <5µ
Distância que percorre a Até um metro Vários metros (pode
partícula a partir do atingir outros quartos)
paciente fonte
Tempo de permanência Segundos Horas
da partícula no ar

sistema de precauções ________________________________________________________________4


UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
HOSPITAL DE CLÍNICAS Atualizado em
Fevereiro/2013
COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR
PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

CARACTERÍSTICA GOTÍCULAS AEROSSÓIS


Eficiência da máscara Sim Sim
cirúrgica na redução da
eliminação de partículas
pelo paciente fonte
Eficiência da máscara Sim Não
cirúrgica para
contactantes

3.1- Transmissão por gotículas

Ocorre através do contato com o paciente, por gotículas eliminadas pela


fala, tosse, espirros e realização de procedimentos como a aspiração de
secreções. As gotículas de tamanho considerado grande (>5µ), atingem até um
metro de distância e rapidamente se depositam no chão. Exemplos: Doença
meningocócica, Gripe, Coqueluche, Difteria, Caxumba e Rubéola.

Precauções Respiratórias para Gotículas

QUARTO Privativo obrigatório ou comum para o


mesmo microorganismo, mantendo a porta
fechada.
MÁSCARA É obrigatório o uso de máscara comum,
durante o período de transmissibilidade de
cada doença, e para todas as pessoas que
entrarem no quarto.
TRANSPORTE DO PACIENTE Deverá ser evitado; quando necessário, o
paciente deverá sair do quarto de máscara
comum.
ARTIGOS E EQUIPAMENTOS Deverão ser exclusivos para o paciente ou
comum para pacientes com os mesmo
microorganismos.

sistema de precauções ________________________________________________________________5


UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
HOSPITAL DE CLÍNICAS Atualizado em
Fevereiro/2013
COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR
PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Exemplos de doenças que requerem precauções com gotículas


PRECAUÇÃO DE GOTÍCULAS
Infecção / Condição / Microrganismo Período
Adenovírus
Caxumba Até 9 dias após início
tumefação
Coqueluche Terap. eficaz 5 dias
Difteria faríngea Terapêutica eficaz + 2
culturas neg. em dias
diferentes
Epiglotite (Haemophylus influenzae) Terap. eficaz 24h
Estreptococcia – Streptococcus Grupo A – escarlatina: Terap. eficaz 24h
lactante e pré-escolar
Estreptococcia – Streptococcus Grupo A – faringite: lactante Terap. eficaz 24h
e pré-escolar
Estreptococcia – Streptococcus Grupo A – pneumonia: Terap. eficaz 24h
lactante e pré-escolar
Influenza: A, B, C Durante a doença
Meningite Haemophilus influenzae (suspeita ou confirmada) Terap. eficaz 24h
Meningite Neisseria meningitidis (suspeita ou confirmada)
Meningococcemia Terap. eficaz 24h
Parvovírus B19 – Crise aplástica transitória ou de células Durante 7 dias
vermelhas
Parvovírus B19 – Doença crônica em imunossuprimido Durante a internação
Peste Pneumônica Terap. eficaz 3 dias
Pneumonia Haemophilus influenzae lactentes e crianças de Terap. eficaz 24h
qualquer idade
Pneumonia Meningocócica Terap. eficaz 24h
Pneumonia Mycoplasma (pneumonia atípica primária) Durante a doença
Pneumonia Streptococcus, grupo A lactentes e pré-escolares Terap. eficaz 24h
Rubéola Início do rash até 7 dias

3.2- Transmissão por aerossóis:

sistema de precauções ________________________________________________________________6


UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
HOSPITAL DE CLÍNICAS Atualizado em
Fevereiro/2013
COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR
PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Ocorre por partículas eliminadas durante a respiração, fala, tosse ou


espirro (<5µ) que quando ressecados permanecem suspensos no ar, podendo
permanecer por horas, atingindo outros ambientes, inclusive áreas adjacentes,
pois podem ser carreadas por correntes de ar. Como exemplos têm: M.
tuberculosis, Sarampo, Varicela, Herpes Zoster, SARS.

Precauções Respiratórias para Aerossóis

QUARTO Privativo obrigatório, com porta fechada;


idealmente, o quarto deverá dispor de
sistema de ventilação com pressão negativa
e 6 trocas de ar por hora, com o uso de filtro
HEPA
MÁSCARA È obrigatório o uso de máscara tipo N95
(possui capacidade de filtrar partículas <
3µm de diâmetro), por todo o profissional
que prestar assistência ou realizar
procedimento a pacientes com suspeita ou
confirmação das doenças supracitadas.
Deverá ser colocada antes de entrar no
quarto e retirada somente após a saída do
mesmo.
TRANSPORTE DO PACIENTE Deverá ser evitado; quando necessário o
paciente deverá sair do quarto utilizando
máscara comum.
ARTIGOS E EQUIPAMENTOS Deverão ser exclusivos para o paciente ou
comum para pacientes acometidos com o
mesmo microorganismo.

sistema de precauções ________________________________________________________________7


UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO
HOSPITAL DE CLÍNICAS Atualizado em
Fevereiro/2013
COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR
PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Exemplo de doenças que requerem precauções aéreas


PRECAUÇÃO DE AEROSSÓIS
Infecção / Condição / Microrganismo Período
Sarampo Durante a doença
Tuberculose Laríngea (suspeita ou confirmada) 3 BAAR + Terap. eficaz
Tuberculose Pulmonar (suspeita ou confirmada) 3 BAAR + Terap. eficaz

PRECAUÇÃO DE AEROSSÓIS E CONTATO


Infecção / Condição / Microrganismo Período
Varicela Até todas lesões

tornarem-se crostas
Herpes Zoster – Localizado em imunossuprimido ou Até todas as lesões
disseminado tornarem-se crostas

4- Isolamento protetor ou reverso

Será instituído principalmente em pacientes imunodeprimidos e


neutropênicos, a fim de garantir a proteção do paciente contra infecções.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:
APECIH. Precauções e Isolamento. 2º Ed. 2012.

sistema de precauções ________________________________________________________________8