Você está na página 1de 4

Descargas atmosféricas e seus efeitos

Dentre tantos artigos sobre esse assunto, este não visa ser apenas mais um e
sim um alerta aos vários incidentes que vem ocorrendo com este fenômeno da
natureza, que vem causando vários danos materiais e principalmente tirando a
vida de muitas pessoas por simples desinformação e alertas em áreas onde são
mais susceptíveis de ocorrer.

Acredito que cabe á nós profissionais da área alertar para estes perigos e fazer
com que estas informações sejam cada vez mais divulgadas.

Um alerta principalmente aos profissionais da área elétrica é importante


ressaltar:

-apenas manusear equipamentos elétricos, em situações extremante seguras


com relação ás condições climáticas, ou seja, jamais trabalhar sob chuva,
neblina densa ou ventos, ou locais muito úmidos conforme situações colocadas
pela própria norma NR-10. As condições de umidade podem ser obtidas através
de termo higrômetros. Pois sabemos que a existência de umidade no ar favorece
em muito o caminho da descarga elétrica.
O que está acontecendo com nossas condições climáticas?

Quando ocorrem longos períodos de estiagem, as chuvas que começam a cair


são normalmente acompanhadas de tempestades originadas a partir do
aquecimento do solo pelos raios solares, que fazem esta massa de ar quente
subir, carregando com este as massas de vapor, que é o que temos visto
acontecer ultimamente.

As tempestades com trovoadas ocorrem em certas condições particulares de


altas temperaturas, pressão, umidade do ar e velocidade do vento, isso faz com
que as nuvens se tornem mais ou menos carregadas eletricamente.

A produção das descargas elétricas vai aumentando de tal modo que dá origem
a uma onda de raios, que partirá da base das nuvens em direção ao solo,
buscando locais de menos potencial elétrico, definindo assim uma trajetória
ramificada e aleatória.

Para nos proteger destas descargas, temos os sistemas de para raios, porém
cabem aqui algumas observações:

- O raio é um fenômeno de natureza absolutamente imprevisível com relação ás


suas características elétricas e incidência sobre edificações, pessoas ou
animais.

- Os sistemas de para raios minimizam em muito essa incidência, mas na


verdade em termos práticos nada pode ser feito para impedir uma descarga de
atingir uma determinada região. Assim sendo as soluções buscam minimizar os
efeitos destruidores a partir de instalações de meios de captação e de condução
segura da descarga para a terra, como:

- os para raios devem estar instalados no ponto mais alto de uma edificação.

- os para raios devem ser interligados através de condutores apropriados á


hastes instaladas no solo.
- Terminais de aterramento e até o tratamento do solo com produtos químicos
que reduzem a resistência do solo, facilitando o caminho da descarga,
supressores de surto instalados em entradas de energia.

Para o nosso dia a dia, algumas informações importantes que podem evitar
muitos acidentes:

- Evitar a execução de serviços em equipamentos e instalações elétricas internas


e externas.

- Nunca procurar abrigo sob arvores os construções isoladas sem sistemas de


proteção atmosféricos apropriados.

- Não entrar em rios, lagos, piscinas, praias e sempre guardando uma distancia
segura destes.

- Procurar abrigo em instalações seguras, jamais ficando ao relento.

- Caso não encontre abrigo, procurar não se movimentar e se possível ficar


agachado ou até mesmo deitado no solo, evitando o efeito das pontas onde você
se torna o ponto mais alto do local para o raio.

- Evitar o uso de telefones.

-Evitar ficar próximo de estrutura metálica (portas , janelas , etc)

-Evitar tocar em qualquer equipamento que esteja conectado á rede elétrica

-Evitar locais como topo de morros, prédios, torres linhas telefônicas e linhas
elétricas aéreas.

-Não segurar objetos metálicos longos, (barras metálicas, canos metálicos)


E ao projetar qualquer evento, que nesta época do ano é muito comum, atentar
para a instalação de equipamentos de som, cobertura de estruturas metálicas,
geradores de energia e atentar sempre para as normas, NBR-5410, NBR-5419
e a NR-10.