Você está na página 1de 52

Edmilson Conceição, Engenharia de Aplicação, 2012

Partidas de Motores

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 1
Generalidades Tipos de rotor

Estator Rotor de Curto


+
Bobinado circuito

Estator em Anel Rotor em Anel


A norma de referência de coordenação para ambos os tipos construtivos é a
© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 2 IEC60947-4
Generalidades Tipos de partida

Conjunto de equipamentos destinado a iniciar e acelerar um motor até sua velocidade


nominal, garantir o suprimento contínuo, interromper o funcionamento do motor e o circuito
associado a proteção contra sobrecargas

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 3
Generalidades

M M

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 4
Generalidades

AC8b
AC2
DC3
DC6
AC1
AC3
DC1 AC4
Portanto fornece categorias de
utilização para tornar mais simples a
escolha de dispositivos

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 5
Generalidades

Quais são as categorias mais importantes para o


nosso estudo ?

Todas as partidas diretas pertencem a uma ou mais das


seguintes categorias de utilização: AC-3, AC-4, AC-7b, AC-8a e
AC-8b.

Todas as partidas estrela-triângulo e auto-transformadoras


pertencem a categoria de utilização AC-3.

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 6
Generalidades

Exemplo de Aplicação: Partida de motores


Conforme visto anteriormente, as normas determinam basicamente
as seguintes categorias para partidas:

AC-3/AC-4

Para a especificação do contator, o mesmo deve possuir a corrente


Ie nas categorias AC-3 ou AC-4 (na tensão nominal) > In corrente
nominal da carga.

Além do mais, a escolha do contator é baseada no número de


operações elétricas que ele pode suportar.

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 7
Generalidades

Curvas de durabilidade elétrica na categoria AC-3

A-110

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 8
Métodos de partida

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 9
Métodos de partida

Corrente de partida:
cerca de 7 x In
Torque de partida:
cerca de 2 x Cn
Tempo de partida:
2 a 3 segundos

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 10
Métodos de partida

VANTAGENS
Partida simples e econômica
Partida com um bom nível de torque
Boa aceleração
Tabelas de
DESVANTAGES coordenação
disponíveis
Alta corrente no momento da partida
Não é uma partida suave nem progressiva para a
máquina
APLICAÇÕES
Máquinas que requerem um alto torque de partida
Motores com baixa potência

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 11
Métodos de partida

n
M I

n
n
M

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 12
n
Métodos de partida

Características do motor
Q1
400V 690V Y
Motor com 6 terminais de enrolamento
Tensão de rede = tensão do motor
KM1 KM3 KM2 ex.: Rede 400V = Motor 400V

F3 etapa 1 etapa 2 etapa 3

V2 W1
L3 L1 L2 L3 L1 L2 L3 L1 L2
U2 V1 U1 U1
W2 U1

W2 U1

U2 U2
V2 V2
U2
W2 W1
V1 W2 V1

W1 W1
V2 V1
Motor é conectado em Y na rede Após o tempo de aceleração Motor é conectado em
Y abre

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 13
Métodos de partida

Na conexão estrela

IY = In / 3 e Ue = Un / √3
CY = Cn / 3
O tempo de aceleração é de 6 a 10 s
Após alcançar 85% x Nn , Ocorre o
chaveamento estrela triângulo
Na conexão triângulo

I = In / √ 3 e Ue = Un

KM1
KM3
KM2 Timer

F1

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 14
Métodos de partida

VANTAGENS
Configuração relativamente simples
Solução pouco econômica
DESVANTAGENS
Corrente e torque não ajustáveis na partida
Conversão para triângulo requer 85% x Nn
Corrente de transiente e torque altos durante o
chaveamento
APLICAÇÕES
Motores médios, máquinas com baixo torque de partida
bombas, compressores, máquinas para madeiras, etc.

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 15
Métodos de partida

Ideal

Torque de partida muito baixo & Alta corrente de


picos de transmissão pico na partida
I
M M

n n

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 16
Métodos de partida

Uline UDC Uout

1°Retificador 2°Link CC 3°Inversor


L + Motor
L1 V1 V3 V5
U1
Rede L2 C Ud V1 M3~
W1
L3 - V4 V6 V2

Monitoramento
Eletrônica de Controle
Controle Controle, monitoração e comunicação

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 17
Métodos de partida

Corrente de partida = =1,5*In

Torque nominal disponível


de baixa velocidade

Variação da curva de torque com freqüência = velocidade

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 18
Métodos de partida

VANTAGENS
Torque nominal de velocidade zero
Corrente de partida aproximadamente 1,5 *In
Possível ajustar o tempo de partida
Possível parada suave
DESVANTAGENS
Caro quando não for necessária a regulação de
velocidade
Distorção Harmônica
APLICAÇÕES
Motores onde não há a possibilidade de altas correntes
de partida
Aplicações onde há a necessidade de variação de torque
durante o funcionamento da carga.

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 19
Métodos de partida

Tiristores Redução de tensão

Conexão Anti-paralela

Torque
Corrente

Velocidade Velocidade
© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 20
Métodos de partida

VANTAGENS
Corrente de partida ajustável
Torque de partida correto
Possibilidade de parada suave
Tempo médio-longo de partida
Desgaste mecânico mínimo
Tabelas de
DESVANTAGES coordenação
disponíveis
Necessita de uma corrente de partida de pelo menos
3xIn
Custo maior que uma partida normal
APLICAÇÕES
Motores que não precisem de variação de torque ou
velocidade.

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 21
Métodos de partida

Corrente ótima & torque


M M M

n n n

Carga baixa I
Carga alta I Carga média
I

n n n

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 22
Softstarter

Diferentes soluções existentes:


Tiristores
Regulagem de 1 fase Regulagem de 2 fases

Regulagem de 3 fases

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 23
Softstarter

Regulação de 1 fase Regulação de 2 fases Regulação de 3 fases

+
• Partida suave / parada suave
• Bom preço / Performance
• Menor custo proporcional • Tensão simétrica
• Corrente de enegização reduzida
• Possibilita parada suave
• Possibilita o uso de inside
• Corrente de enegização delta
reduzida
• Melhor possibilidade de
regulação e sensibilidade

• Apenas parada direta • Tensão e corrente


• Aquecimento do motor assimétricas durante a • Maiores dimensões


limita o tempo de partida partida • Maior custo quando
• Alta distorção do torque • Algum aquecimento do usado em linha
• Tensão e corrente motor durante a partida
altamente assimétricas •Não é possível realizar
durante a partida ligação em Inside Delta
• Redução muito limitada
da corrente de
© ABB Group
energização
February 28, 2012 | Slide 24
Exemplo

OS 32 D 12
A26 30 02 220Vca / 60 Hz

TA 25 DU 25
M

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 25
Exemplo

MS 450 50
AE50 30 11 125 Vcc

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 26
Generalidades

A IEC 60947-4 define dois tipos de coordenação de acordo com o nível


esperado de continuidade de serviço. Os danos aceitáveis são divididos
em 2 tipos:

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 27
Generalidades

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 28
© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 29
Generalidades

Os dispositivos de proteção contra curto- Coordination Tables


circuito são:
M.C.C.B. (Molded Case Circuit Breaker)
M.C.B. ( Miniature Circuit Breaker)
Switch-fuse
M.M.S (Manual Motor Starter)

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 30
Métodos de partida

Disponível na Internet
www.abb.com/lowvoltage

AC-1 Carga resistiva


AC-3, AC-4
Partida de motor
Chaveamento de circuitos
de iluminação
AC-6a Chaveamento de
transformadores
AC-6b Chaveamento de
capacitores
Retrofit :
Linhas B e EH
para linhas A/AF
© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 31
Métodos de partida

Disponível na Internet

www.abb.com/lowvoltage

Catálogos técnicos
Dimensionais
Diagramas de circuitos
Instruções de operação
Declaração CE
Informação de meio ambiente
Aprovações/certificados
Documentações

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 32
Métodos de partida

Disponível na Internet
www.abb.com/lowvoltage

Prosoft

Drivesize

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 33
© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 34
Generalidades Para que servem ?

A função básica do contator é realizar


manobras no circuito

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 35
Generalidades Terminologia

Dispositivo de manobra ( mecânico ) de operação não


manual, que tem uma única posição de repouso,capaz de
estabelecer ( ligar ), conduzir e interromper correntes em
condições normais do circuito.

Pode ser do tipo “de potência“ e “auxiliar“, e


normalmente tripolar, por ser usado em redes industriais
que são sobretudo trifásicas.

Não possui capacidade de interrupção para desligar a


corrente de curto-circuito.

Acionamento é feito por uma bobina eletromagnética


pertencente ao circuito de comando

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 36
Generalidades Contator Eletromecânico

Energia

Contator

Contatos principais
Bobina
Carga

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 37
Generalidades Especificação

Quais as variáveis importantes para especificar um


contator ?

Corrente nominal (In) ou Potência (cv) ou (kW);

Tensão de trabalho (Ue);

Categoria de Utilização;

Tensão da bobina.

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 38
Generalidades Categorias de Utilização

Para corrente alternada (AC), de acordo com a IEC 60947-4-1:


AC - 1 Cargas não indutivas ou de baixa indutância, resistências;
AC - 2 Motores com rotor bobinado (anéis);
AC - 3 Motores com rotor em curto-circuito (gaiola);
Motores com rotor em curto-circuito (gaiola), inversão de rotação,
AC - 4 manobras intermitentes;
Lâmpadas de descarga em gás (fluorescentes, vapor de mercúrio, vapor
AC - 5a de sódio);
AC - 5b Lâmpadas incandescentes;
AC - 6a Transformadores;
AC - 6b Banco de capacitores;
AC - 8 Motores-compressores para refrigeração com proteção de sobrecarga;

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 39
Generalidades Categorias de Utilização

Para corrente contínua (DC), de acordo com a IEC 60947-4-1:

Cargas não indutivas ou de baixa indutância, resistências;


DC - 1

Motores de derivação(shunt): Partidas normais, partidas com inversão de


DC - 3
rotação, manobras intermitentes, frenagem;
Motores série: Partidas normais, partidas com inversão de rotação,
DC - 5
manobras intermitentes, frenagem;
Chaveamento de lâmpadas incandescentes.
DC - 6

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 40
Contatores ABB

A9–30–10
Modelo
Bobina eletrônica
A Bobina CA AF CA/CC
Bobina baixo Chaveamento de
AL consumo CC UA Capacitores
Bobina faixa larga Chav. de Capacitores
TAL bx consumo CC UA..RA com bloco de resistores

AE Bobina CC GA Chaveamento CC

Bobina faixa larga


TAE CC AM Retenção Magnética

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 41
Generalidades Para que servem ?

A função básica do relé térmico é proteger o circuito contra sobrecargas.

O relé, seja de que tipo for, não interrompe o circuito principal, mas faz
atuar o dispositivo de manobra desse circuito principal.

Contato de partida Energia

Contator
Uc
Bobina Contatos principais

Relé térmico
Contato auxiliar N.F.

Carga
© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 42
Generalidades Especificação

Quais as variáveis importantes para especificar um relé


térmico ?

Corrente nominal (In);

Classe de trip ou tipo de partida.

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 43
Generalidades Classe de Trip

A escolha depende do tipo de motor e a sua aplicação


determina a duração dos tempos de partida.

Classe 20
Classe 30

Classe 10A Classe 10

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 44
Generalidades Tipos

Os relés de sobrecorrente perante sobrecarga (ou simplesmente


relés de sobrecarga), por razões construtivas, podem ser:

Térmicos (quando atuam em função do efeito Joule da


corrente sobre sensores bimetálicos);

Eletrônicos, que atuam em função de sobrecarga e que


podem adicionalmente ter outras funções, como classes de
trip selecionáveis;

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 45
Tipos TF – Relé de sobrecarga térmico

Proteção de sobrecarga, perda e desbalanceamento de fase


Reset manual ou automático
8 tamanhos
Classes 10, 20 e 30

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 46
Tipos EF – Relé de sobrecarga eletrônico

Proteção de sobrecarga, perda e desbalanceamento de fase


Reset manual ou automático
9 tamanhos
Classes 10, 20 e 30 selecionável

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 47
Tipos UMC22 – Relê Inteligente

Um UMC para todas correntes de 0.24 até 850 A


Classes de disparo 5, 10, 20, 30
Proteção contra perda de fase;
Proteção contra rotor bloqueado;
Função de partida de emergência;
6 entradas digitais;
3 saídas a relé;
Funções de controle;
Partida direta
Partida reversível
Partida estrela-triângulo
Partida Pole-changing
Atuador
Módulo transparente
Entrada PTC
Sensor fuga terra (acessório)
Dados de manutenção: horas de operação, número de
partidas, número de disparos

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 48
Generalidades Por quê um disjuntor motor?

Proteção contra curto-circuito, falta de fase e sobrecarga

• simples
• proteção completa do motor
em um só dispositivo

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 49
Generalidades Especificação

Quais variáveis são importantes para se especificar um


disjuntor ?

Corrente nominal (In);

Classe de Trip (10A/10/20/30)

Tensão de trabalho (Ue);

Capacidade de curto-circuito (Icc);

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 50
Tipos Disjuntor Motor - Termomagnético

0.10 - 16 A 0.10 - 32 A 11 - 50 A 28 - 100 A


50 kA 100 kA 50 kA 50 kA

MS 116 MS 132

MS 450 MS 495

Para corrente de 11 a 100A com Ics ate 100KA tipo MS497.

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 51
Tipo Disjuntor Motor - Somente Magnético

Classe de disparo 20 Versões somente magnéticas


11 - 50 A 28 - 100 A
16 - 50 A 40 - 100 A 16 - 100A
50 kA 50 kA
50 kA 50 kA 100kA

MO 450 MO 495 MO 496


MS 451 MS 496

© ABB Group
February 28, 2012 | Slide 52