Você está na página 1de 79

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

EFRAIN MACIEL E SILVA

A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO NA

EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA ATRAVÉS DE MEIOS

DIGITAIS: a experiência do Boletim Educação Física

CAMPO GRANDE

2003

EFRAIN MACIEL E SILVA

A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO NA

EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA ATRAVÉS DE MEIOS

DIGITAIS: a experiência do Boletim Educação Física

Monografia de graduação apresentada ao


Departamento de Educação Física da
Universidade Federal de Mato Grosso do
Sul como requisito parcial para obtenção do
título de Licenciado em Educação Física.

Orientador: Prof. Ms. José Luiz Finocchio.

CAMPO GRANDE

2003

EFRAIN MACIEL E SILVA

A DEMOCRATIZAÇÃO DO CONHECIMENTO NA

EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA ATRAVÉS DE MEIOS

DIGITAIS: a experiência do Boletim Educação Física

Esta monografia foi julgada e aprovada para obtenção do Grau de Licenciado em


Educação Física no Departamento de Educação Física, Centro de Ciências
Humanas e Sociais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Campo Grande, 17 de dezembro de 2003.

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO

_______________________________________________
Prof. Ms. José Luiz Finocchio, DEF/UFMS
Orientador

_______________________________________________
Profª. Drª. Ordália Alves de Almeida, DEA/UFMS

_______________________________________________
Prof. Ms. Fernando Cesar de Carvalho Moraes, DEF/UFMS

ii
Dedicatória

Dedico este trabalho em memória de meu pai, Arfin de


Almeida e Silva, que em vida sempre sonhou em ver um de
seus dois filhos formados.

iii
Agradecimentos

¾ A minha mãe, Ramona Laides Maciel e Silva, que sempre nos deu todo o
apoio durante nossa vida e possibilitou a melhor forma possível, quase que
fazendo o impossível, as condições materiais necessárias para que eu
pudesse concluir este Curso.

¾ Ao professor José Luiz Finocchio, que foi quem acompanhou de perto toda
nossa vida acadêmica, ultrapassando as fronteiras do ser professor, para ser
um amigo/professor. Amigo este que SEMPRE esteve presente em todos os
momentos que mais precisamos de ajuda. Registro aqui o meu mais sincero
agradecimento.

¾ Ao professor Fernando Cesar de Carvalho Moraes, por ter sempre nos


apoiado em importantes momentos de nossa formação acadêmica e pelos
ensinamentos que nos possibilitou ao longo do Curso.

¾ Aos demais professores que contribuíram, ao longo desses quatro anos, para
nossa formação acadêmica.

¾ A Universidade Pública, em nome da Universidade Federal de Mato Grosso


do Sul, por ter possibilitado nossa formação superior de forma gratuita, pois
de outra forma provavelmente não seria possível.

¾ A todos aqueles que direta ou indiretamente contribuíram com este trabalho e


com nossa formação acadêmica.

iv
EPIGRAFE

A possibilidade não é a realidade, mas é, também ela, uma


realidade: que o homem possa ou não possa fazer determinada
coisa, isto tem importância na valorização daquilo que
realmente se faz. Possibilidade quer dizer “liberdade”. A medida
da liberdade entra na definição de homem. Que existam as
possibilidades objetivas de não se morrer de fome e que,
mesmo assim, se morra de fome, é algo importante, ao que
parece. Mas a existência das condições objetivas - ou
possibilidade, ou liberdade - ainda não é suficiente: é
necessário “conhecê-las” e saber utilizá-las (GRAMSCI, 1991,
p. 47).

v
RESUMO

SILVA, Efrain Maciel e. A democratização do conhecimento na Educação Física


brasileira através de meios digitais: a experiência do Boletim Educação Física.
2003. 78 f. Monografia (Licenciatura em Educação Física) - Departamento de
Educação Física, Centro de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de
Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2003.

Esse trabalho é o registro de nossa experiência como editor do periódico eletrônico


Boletim Educação Física, relatando sua história, desenvolvimento, consolidação e
perspectivas atuais. Para isso o trabalho foi dividido em três capítulos: no primeiro é
realizado um relato da experiência do autor como editor do Boletim Educação Física,
considerando as 30 primeiras edições deste periódico. No segundo capítulo fazemos
uma descrição e resgate histórico das seções do periódico e do site, panorama da
situação atual do Boletim no contexto da Educação Física e, no terceiro capítulo, é
feita uma breve discussão acerca dos periódicos impressos, análise das
possibilidades trazidas pelos periódicos eletrônicos e considerações acerca da
situação atual da divulgação científica em meios digitais na Educação Física
brasileira. Ao final fazemos algumas reflexões sobre as novas tecnologias da
informação e sua inclusão na Educação Física.

Palavras-chave: boletim educação física, periódico eletrônico, revista científica,


divulgação científica, comunicação, internet.

vi
SUMÁRIO

Pág.

Resumo................................................................................................................. vi

Introdução............................................................................................................. 01

Justificativa........................................................................................................... 07

Objetivo................................................................................................................. 08

Metodologia.......................................................................................................... 09

Capítulo 1 - História e desenvolvimento do Boletim Educação Física................. 11

1.1 - Percalços na formação: uma história de vida............................................... 11

1.2 - Início da publicação...................................................................................... 12

1.3 - A criação da Biblioteca Virtual...................................................................... 15

1.4 - O registro ISSN do Boletim........................................................................... 19

1.5 - O novo site do Boletim................................................................................. 21

1.6 - O início da consolidação do periódico.......................................................... 22

Capítulo 2 - O Boletim Educação Física............................................................... 29

2.1 - Histórico-técnico das seções do Boletim...................................................... 29

2.1.1 - Editorial...................................................................................................... 30

2.1.2 - Lançamentos, livros & periódicos.............................................................. 30

2.1.3 - Espaço do leitor......................................................................................... 31

2.1.4 - Biblioteca Virtual........................................................................................ 32

2.1.5 - Sites & dicas.............................................................................................. 33

2.1.6 - Pensamento para reflexão........................................................................ 34

2.1.7 - Eventos no Brasil e no exterior.................................................................. 35

2.1.8 - Informações sobre o Boletim..................................................................... 35

2.2 - O site do Boletim Educação Física............................................................... 36

3.2.1 - Quem somos............................................................................................. 37

2.2.2 - Arquivo....................................................................................................... 37

2.2.3 - Biblioteca Virtual........................................................................................ 38

2.2.4 - Sugestões e notas..................................................................................... 39

2.2.5 - Pesquisa.................................................................................................... 39

2.2.6 - Eventos...................................................................................................... 40

2.2.7 - Lançamentos............................................................................................. 41

2.2.8 - Links.......................................................................................................... 41

2.2.9 - Assinatura e expediente............................................................................ 42

2.3 - O envio aos assinantes................................................................................ 42

2.4 - Situação atual............................................................................................... 43

2.5 - Suas ferramentas de intervenção na democratização das informações da 46

Educação Física brasileira............................................................................

Capítulo 3 - A divulgação científica em meios digitais através de periódicos 51

eletrônicos..........................................................................................

3.1 - Os periódicos científicos (impressos)........................................................... 51

3.2 - Possibilidades da divulgação científica através dos periódicos eletrônicos. 54

3.3 - A divulgação científica em meios digitais na Educação Física brasileira..... 57

Considerações finais............................................................................................ 61

vii
INTRODUÇÃO

Ao longo dos anos o homem, através de uma ação recíproca de


transformação da natureza, produz e constitui a cultura humana. Isso nos
possibilitou avanços em todos os aspectos do conhecimento, e cada dia mais
aperfeiçoam-se as novas tecnologias. Descobriu-se a cura para várias doenças que
a principio matavam milhões de pessoas, construiu-se máquinas que diminuíram o
trabalho manual e aumentaram a produtividade, desenvolveu-se sistemas de plantio
e máquinas que possibilitam a produção de milhares de toneladas de alimentos,
construiu-se sistemas de transporte marítimo, aéreo, ferroviário, rodoviário, etc, que
levam o homem a qualquer lugar do mundo e até mesmo ao espaço, ao longo desse
tempo construiu-se vários sistemas de organizações sociais e de produção, até o
desenvolvimento da atual sociedade em que vivemos.
Mas além do desenvolvimento de tecnologias que pudessem auxiliar o
homem na satisfação de suas necessidades naturais básicas, no convívio social e
no aumento de seu tempo livre, também produzimos em todas as organizações
sociais, sobretudo na sociedade burguesa atual, formas de destruição em massa,
guerras, violência, intolerância, racismos, preconceitos, roubo e até mesmo, a
própria exploração do homem por ele mesmo.
Nossa situação histórica aponta-nos as condições materiais de um grande
desafio; que é o de fazer chegar tudo o que de melhor a humanidade produziu a
todo e qualquer ser humano, seja ele homem, mulher, negro ou branco, rico ou
pobre, homo ou heterossexual, brasileiro, europeu, americano, africano ou asiático,
indistintamente de sua religião ou de seus credos.
Hoje a história mostra-nos que este projeto de sociedade, mesmo tendo
trazido avanços significativos, não condiz com as necessidades de milhões de seres
humanos, que ainda não puderam usufruir dessas tecnologias, fadados a uma
situação sub-humana, gerada pela má utilização dessas ferramentas.
Acompanhando o movimento da história, apoiados por uma perspectiva
clara de transformação desta sociedade, entendemos que a utilização das mais
avançadas tecnologias é indispensável para que consigamos atingir nosso objetivo
2

maior, pois à medida que as utilizamos para este fim aceleramos o processo de
superação do atual modo de produção e organização social em que vivemos.
Na segunda metade do início do século XX, o homem, movido por
necessidades militares e por interesse de alguns matemáticos, engenheiros e
cientistas, começou a construir máquinas para facilitar e acelerar o processo de
cálculos matemáticos, com o intuito maior de facilitar suas estratégias militares,
principalmente, durante a II Guerra Mundial e diminuir o grande trabalho que tinham
os engenheiros para realizar os cálculos naquela época. Naquele período, entre
várias outras invenções, destacou-se a construção da calculadora conhecida por
ENIAC1, que mesmo antes de ser totalmente concluída, marcou o início da era dos
computadores modernos, sendo a última grande calculadora, baseada em
operações manuais (BRETON, 1991).
A ENIAC revolucionou os conceitos que se tinham de calculadoras até
então, mesmo

[...] composta de quarenta painéis dispostos em forma de ferradura que


pesavam em torno de 30 toneladas e ocupavam uma superfície de 160
metros quadrados de solo. Ela possuía, além das famosas válvulas a vácuo,
70 000 resistências, 10 000 capacitores, 1 500 relés, 6 000 comutadores
manuais. Era acionada por um motor equivalente a dois potentes motores
de carros de quatro cilindros, enquanto um enorme ventilador refrigerava o
calor produzido pelas válvulas. Consumia 150 000 watts ao produzir o calor
equivalente a 50 aquecedores domésticos (BRETON, 1991, p. 85).

A construção dessa máquina, “assustadora” aos nossos dias, foi


fundamental para que a partir de sua análise, pela própria equipe que a construiu, e
sob a coordenação decisiva de um novo integrante, o matemático Jonh von
Neuman, nasceu, a 30 de junho de 1945, o primeiro relatório desta equipe, que em
pouco tempo tornaria-se o primeiro computador da história, ficando conhecido por
EDVAC2. Esta nova máquina diferenciava-se de todas as grandes calculadoras
desenvolvidas até então, pois ao invés de apenas processar as informações
manuais que eram adicionadas uma a uma, implementou o cálculo de múltiplas

1
Electronic Numerator, Integrator, Analyser and Computer.
2
Electronic Discrete Variable Computer.
3

variáveis ao mesmo tempo a partir de informações pré-definidas, dispensando a


constante inserção de comandos manuais (BRETON, 1991).
Com o tempo o computador foi sendo desenvolvido e novos componentes
foram sendo utilizados em sua construção, com sua evolução ele próprio facilitava
seu desenvolvimento e dava capacidade ao homem de realizar cálculos
matemáticos cada vez mais rápidos. Depois da criação de transistores, chips e
micro-chips que substituíram as enormes válvulas que faziam a máquina funcionar
ele foi diminuindo seu tamanho e, em uma velocidade cada vez mais rápida, criando
e possibilitando milhares de novas descobertas.
Ao longo dos anos o computador, com o avanço da tecnologia, foi
diminuindo seu tamanho e já se apresentava várias vezes menor do que quando
fora criado, isso possibilitou que fosse desenvolvida uma versão que pudesse ser
usada pela população civil3, que tinha condições de adquiri-lo, este, talvez, tenha
sido o principal passo para seu aperfeiçoamento. A partir do momento em que
começou a ser utilizado em larga escala, sua velocidade foi aumentando, sendo que
sua evolução e aperfeiçoamento são algo até hoje nunca visto em nenhuma outra
máquina.
Acompanhando este desenvolvimento foram criadas várias linguagens para
sua programação e inserção de códigos, mas que até então eram extremamente
complexas e de difícil domínio para o publico em geral. No inicio da década de 90,
ganhou um novo formato para transmitir estas linguagens, que agora não era só
baseada em códigos e sim em imagens, facilitando seu uso e manuseio ainda mais.
Era criado o Sistema Operacional Windows. Este seria também um importante passo
para seu desenvolvimento, pois esta nova forma de usar o computador, baseada em
imagens, também, desenvolveu-se e contribuiu para que já em meio àquela década
fosse criada uma mais aperfeiçoada que seria usado por vários anos4.
Em meio a esse processo seus objetivos iniciais já tinham sido superados e
já há muito vinha utilizando este aparelho para a comunicação entre as pessoas,
mas nada comparado com o que seria feito em 1996 com o desenvolvimento e,
principalmente, a popularização da World Wide Web, que é mais conhecida hoje
pela sigla “www”.

3
Pois até então era de uso exclusivo militar.
4
Ainda hoje muitos utilizam o Windows 95.
4

Se até então todos já achavam o seu desenvolvimento muito rápido, depois


do aperfeiçoamento da micro-tecnologia, do plástico, da robótica, da mecatrônica,
das engenharias, etc, a velocidade com que se desenvolve o computador a partir do
inicio deste século é uma coisa nunca antes vista nem feita pelo homem em nenhum
momento de sua história.
Hoje ele está direta ou indiretamente em praticamente tudo que o homem
faz relacionado à tecnologia, tem várias formas e pode chegar a pesar até mesmo
240 gramas, ter tela de cristal líquido e transmitir imagem e som para qualquer lugar
do mundo.
Esta é uma pequena história da criação e do desenvolvimento do
computador, que hoje auxilia o homem além de suas tarefas pessoais, em locais
como hospitais, universidades, governos, meios de transportes, comunicação,
transações bancárias, etc.
Paralelamente a toda esta história, mas muito antes disso acontecer, bem
antes, o homem desenvolveu a escrita e criou o papel, lá por volta de 4000 a.C., e
foi desenvolvendo estas ferramentas que facilitavam sua comunicação, claro que foi
um processo totalmente diferente do relatado acima.
Estas duas “coisinhas simples” chamada papel e escrita possibilitaram ao
homem registrar muitos acontecimentos que ocorreram milhares de anos atrás e
que, provavelmente, só conhecemos hoje por terem sido registrados por estas
ferramentas.
Os grandes filósofos, cientistas, historiadores, e muitos outros homens,
registraram em livros vários acontecimentos e fatos que estão na história, e estes
pergaminhos, livros, documentos e outras anotações eram, e ainda são,
armazenados em locais chamados de bibliotecas.
Uma das mais conhecidas bibliotecas do mundo antigo e a maior de nossa
história foi sem dúvida a Biblioteca de Alexandria, que reunia milhares e milhares de
documentos em seu acervo e que, infelizmente, foi totalmente destruída por um
incêndio e quase tudo que se tinha guardado nela perdeu-se na história. É provável
que a Humanidade tenha se atrasado por vários anos, pois neste local existiam
livros e documentos únicos que jamais o mundo moderno tomou conhecimento.
Hoje em praticamente todos os lugares do mundo temos pequenas, médias
e grandes bibliotecas das mais variadas espécies e com os mais diferentes tipos de
livros e documentos que podemos imaginar.
5

Um tipo especial de biblioteca é as (boas) Bibliotecas Universitárias, que


possuem em seus acervos os grandes clássicos da filosofia, da ciência, da literatura,
etc a disposição para consulta, mas além deles existem, também, em especial, os
periódicos técnicos e científicos que publicam e divulgam artigos produzidos por
pesquisadores dos mais variados campos da ciência.
Estes periódicos são de grande importância para o meio acadêmico, pois é
através deles que os pesquisadores podem expor suas idéias e divulgá-las à
sociedade. Há muito tempo isso vem ocorrendo, mas com suas limitações e a
principal delas é que, geralmente, estes periódicos têm uma pequena circulação
entre seus poucos assinantes e algumas bibliotecas, alto custo para assinatura,
sendo que em sua maioria a tiragem muito raramente é maior que 2 mil cópias.
Com o advento da informática e da internet novos meios de divulgação
começaram a aparecer criando novas formas de periódicos, como as Revistas
Eletrônicas e a transposição de alguns periódicos impressos para o meio digital. Um
grande exemplo disso, aqui no Brasil, talvez até o mais importante, é a SciELO5,
resultado de um projeto de pesquisa da FAPESP6, em parceria com a BIREME7 e
que a partir de 2002, o projeto conta com o apoio do CNPq8. A princípio o projeto
propunha-se a desenvolver uma Biblioteca Virtual em Ciências da Saúde, reunindo
centenas de artigos científicos de várias revistas brasileiras e do exterior, dando
acesso gratuito a este material a milhões de pesquisadores (BIREME, 1998), com o
tempo o projeto foi se desenvolvendo e ganhou amplitude em sua abrangência.
SciELO é uma biblioteca eletrônica que abrange uma coleção selecionada
de periódicos científicos brasileiros com o objetivo de desenvolvimento de uma
metodologia comum para a preparação, armazenamento, disseminação e avaliação
da produção científica em formato eletrônico. Com o avanço das atividades do
projeto, novos títulos de periódicos estão sendo incorporados à coleção da
biblioteca.
Nesta perspectiva das novas tecnologias nasceram e consolidaram-se
vários periódicos eletrônicos, uns bons, outros nem tanto, outros excelentes e com
isso milhões de pessoas no mundo todo estão beneficiando-se, pois esta nova forma
de se divulgar a ciência tem um custo muito menor e um alcance incrível de

5
Scientific Electronic Library Online - http://www.scielo.org
6
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - http://www.fapesp.br
7
Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde - http://www.bireme.br
8
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - http://www.cnpq.br
6

abranger qualquer lugar do mundo através da internet, mesmo com suas


contradições quanto ao equipamento necessário para se ter o acesso. Vemos nesta
nova forma um grande avanço para a produção do conhecimento e o
desenvolvimento das ciências.
Em meio a tudo isso, iniciamos uma experiência em abril de 2001 com uma
publicação, até então inédita na Educação Física brasileira, denominada “Boletim
Educação Física”. Era o nascimento de um novo periódico eletrônico que se
propunha a divulgar o conhecimento cientifico e cultural da Educação Física e áreas
afins.
Em sua história e desenvolvimento, como iremos tratar mais adiante, foi
consolidando-se e sendo reconhecido pelo meio acadêmico em geral e em
especifico pela Educação Física. Hoje indo para seu terceiro ano e com seus mais
de 20 mil assinantes de todas as regiões do Brasil e de vários países pelo mundo,
faz sua parte contribuindo e auxiliando vários professores, alunos e pesquisadores a
construírem uma Educação (Física) cada vez melhor.
Nesse trabalho relatamos esta experiência que tivemos/temos como editor
desse periódico e descrevemos como é o seu funcionamento. Após isso fazemos
uma análise de sua situação atual e de algumas perspectivas futuras de seu
funcionamento. Concluindo, procuramos contribuir avançando na elucidação de
algumas questões atualmente posta sobre a divulgação científica em meios digitais
através dos periódicos eletrônicos, quais sejam: quais seriam seus possíveis
benefícios? Quais as dificuldades que impedem a digitalização dos periódicos
impressos? Quais são as perspectivas futuras, na divulgação cientifica em meios
digitais para a Educação Física?
7

JUSTIFICATIVA

O motivo maior que nos leva a realização deste estudo, além daqueles
implicados em nossa formação acadêmica, é a possibilidade do registro cientifico de
um trabalho que há muito tempo estamos realizando na editoração do Boletim
Educação Física, sendo que este registro, após a sua conclusão, será amplamente
divulgado para a comunidade acadêmica da Educação Física através da Biblioteca
Virtual, realizando o contrário do “efeito gaveta” a que é fadado grande parte dos
trabalhos monográficos em nosso país.
Com isso esperamos que toda a comunidade acadêmica da Educação
Física possa ter acesso às importantes informações do processo histórico de
construção e desenvolvimento deste periódico que ganhou o reconhecimento em
todo Brasil e em vários países no mundo.
Além disso, um importante aspecto a ser lembrado é que a realização deste
trabalho iniciou-se a partir da necessidade de atendermos à obrigatoriedade em
realizarmos uma monografia de conclusão de nosso curso de graduação, servindo
como um dos requisitos para nossa formação enquanto professor de Educação
Física.
Este trabalho, até então, é inédito no que tange a divulgação científica em
meios digitais relatando a experiência de um periódico eletrônico especifico da
Educação Física brasileira.
Espera-se que este trabalho possa contribuir com o aprofundamento das
discussões em geral que vêm sendo realizadas sobre a temática abordada e que
essa experiência traga novas possibilidades, em especifico, para a Educação Física
no que tange a divulgação de sua produção científica e cultural.
8

OBJETIVO

O objetivo deste estudo, num primeiro momento, é o registro de nossa


experiência como editor do periódico eletrônico Boletim Educação Física, relatando
sua história, desenvolvimento, consolidação e perspectivas atuais.
Temos ainda como objetivos principais:
Buscar subsídios teóricos que nos auxiliem no desenvolvimento da
Biblioteca Virtual, disponibilizada pelo Boletim, através na análise da literatura sobre
o tema pretende-se avançar com os primeiros passos na consolidação de uma
Biblioteca Virtual em Educação Física.
Realizar uma discussão acerca da divulgação científica em meios digitais
através dos periódicos eletrônicos, relacionando com nossa experiência e buscando
novas perspectivas futuras.
9

METODOLOGIA

Para a consecução de nossos objetivos, estruturamos esse trabalho em três


capítulos, quais sejam: 1) Relato da experiência do autor como editor do Boletim
Educação Física, considerando as 30 primeiras edições deste periódico. 2)
Descrição e resgate histórico das seções do periódico e do site, panorama da
situação atual do Boletim no contexto da Educação Física. 3) Breve discussão
acerca dos periódicos impressos, análise das possibilidades trazidas pelos
periódicos eletrônicos e considerações acerca da situação atual da divulgação
científica em meios digitais na Educação Física brasileira. Ao final fazemos algumas
reflexões sobre as novas tecnologias da informação e sua inclusão na Educação
Física.
No primeiro capitulo, retratamos a história do Boletim falando de sua
construção, desenvolvimento, dificuldades, transformações, aperfeiçoamento, etc,
para isso recorremos à análise das 30 primeiras edições publicadas entre o período
de abril de 2001 a outubro de 2003.
Ao longo de sua história vão aparecendo vários aspectos que serão tratados
com maior profundidade nos capítulos seguintes, pois esta primeira parte se
restringe a descrição histórica e ao registro acadêmico do surgimento deste
periódico.
Após este resgate histórico, no segundo capítulo, fazemos a descrição
histórico-técnico de cada uma das seções que compõem o sumário do Boletim que é
enviado por e-mail, realizando o mesmo procedimento com as seções do site do
Boletim na internet, além da explicação dos procedimentos de formatação e envio
aos assinantes. Ao final desse capítulo é feito um panorama da atual situação do
Boletim, descrevendo alguns dados estatísticos como o número de acesso ao site
número de assinantes, quantidade de downloads9 dos arquivos da Biblioteca Virtual,
etc, além disso, apresentamos suas ferramentas de intervenção e o alcance que tem
o Boletim Educação Física no Brasil e em outros países, possibilitando ao leitor que
desconhece este periódico, e seu público alvo, o entendimento de como ele é
desenvolvido.

9
Transferir (copiar) um arquivo da internet para seu computador, ou na linguagem mais comum
"baixar um arquivo".
10

Com isso esperamos deixar claro como surgiu e o que é o Boletim


Educação Física para uma melhor compreensão do próximo capítulo que trata desse
assunto especifico.
No último capítulo, é feita uma sucinta discussão acerca dos periódicos
impressos, trazendo um pouco de sua história e suas funções ao meio acadêmico.
Continuando nossa reflexão, analisamos as possibilidades trazidas pelos periódicos
eletrônicos fazendo uma breve análise da atual situação da divulgação científica em
meios digitais, relacionando com a divulgação científica em meios digitais na
Educação Física brasileira.
Após a análise desses conteúdos, fazemos algumas considerações,
discutindo sobre essas novas ferramentas de divulgação da produção cientifica
criadas pelo avanço tecnológico, relacionando com a exclusão digital de milhões de
pessoas e a possibilidade delas serem utilizadas para ampliação do acesso a estes
recursos.
Concluindo, apontamos a premente necessidade da criação de uma revista
eletrônica brasileira, que utilize todas as novas tecnologias disponíveis para a
divulgação da Educação Física e sua produção acadêmica.
11

CAPÍTULO 1 – HISTÓRIA E DESENVOLVIMENTO DO BOLETIM


EDUCAÇÃO FÍSICA

O objetivo deste capítulo é traçar um levantamento da evolução histórica e


do funcionamento das partes técnicas do Boletim Educação Física, para isso,
analisamos as 30 primeiras edições publicadas entre o período de abril de 2001 a
outubro de 2003.
Ao longo de sua história vão aparecendo vários aspectos que serão tratados
com maior profundidade nos capítulos seguintes, pois esta primeira parte se
restringe a descrição histórica e ao registro acadêmico do surgimento deste
periódico.

1.1 – PERCALÇOS NA FORMAÇÃO: uma história de vida

Nosso primeiro contato com o Curso de Educação Física deu-se no ano de


2000, quando ingressamos na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS),
momento este que passamos por várias mudanças pessoais e intelectuais, já que
mudamos nossa residência do interior do estado10 para a capital, e tivemos os
primeiros contatos com o conhecimento científico desenvolvido em uma
Universidade.
Naquele ano fomos dando os primeiros passos, conhecendo e aprendendo
o que era o ambiente acadêmico e o conhecimento científico, tendo acesso pela
primeira vez a uma biblioteca onde podíamos estudar e ler vários autores que até
então só tínhamos tido conhecimento através da internet, além de ter os primeiros
contatos com a literatura da Educação Física.
Antes de ingressarmos na Graduação em Educação Física, durante um
longo período, trabalhamos com a área da informática, principalmente
acompanhando o desenvolvimento e popularização da internet, tendo inclusive
ministrado aulas em um Curso. Mesmo consciente de nossa opção pela Educação
Física, ainda tínhamos uma grande dificuldade de nos distanciarmos da informática,
já que, desde 1995, este era nosso campo de atuação.

10
De Ponta Porã para Campo Grande (Mato Grosso do Sul).
12

Assim, optamos pela utilização desses conhecimentos de informática,


juntamente com os novos conhecimentos que estávamos tendo acesso na
Universidade e decidimos fazer alguma coisa que pudesse auxiliar tanto acadêmicos
como professores e pesquisadores da área de Educação Física. Primeiramente,
pensamos em um site na internet, mas nesse momento já havíamos realizado várias
pesquisas na rede e concluímos que mais um site sobre Educação Física apenas
aumentaria os números na internet, dificultando ainda mais a busca por boas
informações.
Durante este tempo começamos a perceber o que significava estarmos na
região Centro-Oeste, situados em Mato Grosso do Sul, ou seja, fora do eixo central
dos grandes centros de pesquisa de nosso país, que estão centrados nas regiões
Sudeste e Sul, onde, na maioria das vezes, acontecem os encontros científicos e
são desenvolvidas importantes pesquisas em todas as áreas acadêmicas.
A utilização da internet possibilitava-nos uma aproximação a uma outra
realidade, mesmo sendo virtual, o que ampliou nossa visão e entendimento da real
situação do Curso de Educação Física da UFMS, pois nossos parâmetros de
avaliação estavam pautados nas informações que obtínhamos através dos sites de
universidades como USP, UNICAMP, UNESP, UFRJ, UFPR, UFSC, UFRGS, etc11,
só para citar algumas das principais instituições brasileiras de ensino superior que
tínhamos acesso.
Já naquele momento, novembro e dezembro de 2000, em nossas pesquisas
e trabalhos na internet, havíamos mantido contato com pessoas de vários lugares do
Brasil, e até mesmo no exterior, na ocasião em Cuba, Argentina e Espanha. Mas
quando saíamos do “ambiente virtual” e voltávamos à realidade, notávamos que
nossos colegas no Curso não tinham acesso a estas informações, como por
exemplo: congressos, entidades científicas, discussões e pesquisas realizadas em
nossa área e publicadas em livros e periódicos, etc.
Uma das coisas que contribuíram para nosso contato com pesquisadores de
outras regiões foi às listas de discussão12 do Centro Esportivo Virtual.

11
Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Universidade
Estadual Paulista (UNESP), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal do
Paraná (UFPR), Universidade Federal de Santa Catarina (UFCS), Universidade Federal do Rio
Grande do Sul (UFRGS).
12
São mais de 120 listas temáticas de discussão que integram mais de 10 mil pesquisadores,
professores e acadêmicos da Educação Física e áreas afins - http://www.cev.org.br/listas
13

Naquela ocasião sistematizamos vários e-mails através das listas


divulgando e iniciando a idéia de um informativo eletrônico, recebemos muitas
mensagens de apoio. Percebemos que quando era socializada uma informação de
um congresso, simpósio, encontro, ou lançado um periódico, um livro, defendida
uma tese ou uma dissertação, quase todos se manifestavam nas listas agradecendo
e/ou felicitando os autores.
Depois de quase um ano de participação e troca de informações, através
das listas, pudemos perceber que as pessoas além de gostarem de receber
mensagens com estas informações tinham uma real necessidade de recebê-las, já
que a maioria, também, não estava nos grandes centros de pesquisas já
mencionados acima, e por isso raramente tinham acesso a elas.
Comparando nossa realidade com outras regiões do Brasil, como o Norte e
o Nordeste, e várias cidades do interior dos grandes centros de pesquisas situados
nas outras regiões, percebemos que não só aqui estamos afastados dos
acontecimentos de nossa área acadêmica, mas que também estas outras regiões
apresentavam quase que as mesmas dificuldades por nós detectadas.
Isso foi fundamental para afastar a idéia de realizarmos mais um site sobre
Educação Física, pois as condições materiais mostravam outra necessidade.
Assim, no período de recesso do final de ano, dedicamos-nos ao trabalho e
a efetivar contatos e coletar informações através da internet. Depois de alguns
meses trabalhando com esta primeira parte, finalmente havíamos coletado
informações suficientes para serem formalizadas através de um informativo
eletrônico.
Concretizávamos, assim, nossa idéia de criarmos uma ferramenta que
possibilitasse a difusão e socialização do conhecimento cientifico e cultural
produzido na área da Educação Física.

1.2 – INÍCIO DA PUBLICAÇÃO

Foi quando, em 22 de abril de 2001, enviamos a primeira edição do Boletim


Educação Física13. No editorial do Boletim, foram traçados alguns objetivos iniciais
de divulgação e socialização do conhecimento científico e cultural para estudantes,
13
Através de seus e-mails 420 pessoas receberam este primeiro número.
14

professores e demais interessados na Educação Física e áreas afins (SILVA,


2001a).
Com esta primeira publicação aumentaram-se significativamente nossos
contatos e começamos a receber e-mails com informações a serem divulgadas no
Boletim, isso possibilitou um avanço significativo, além das contribuições, recebemos
também vários comentários incentivando e solidarizando-se com a iniciativa do
Boletim.
Naquele momento recebemos um e-mail de Mônica de Carvalho e Silva,
que na ocasião era a coordenadora do Núcleo de Informática da Escola de
Educação Física e Desportos da Universidade Federal do Rio de Janeiro
(EEFD/UFRJ)14, propondo-se a nos ajudar no Boletim. Após a troca de vários e-
mails entre nós, ela formulou um site15 para arquivar as edições e divulgar o Boletim.
Este foi o primeiro site do Boletim Educação Física, que mesmo sem muita
estrutura, foi fundamental na evolução e crescimento do Boletim, uma vez que com o
site qualquer pessoa poderia acessar tanto a última edição, como as edições
anteriores e também já podíamos divulgar o endereço para que novos leitores
tomassem conhecimento da publicação que ora surgira.
Além disso, o Boletim foi divulgado entre os professores e alunos da
EEFD/UFRJ e, também, incluído um link na página principal do site direto para o
recém criado site do Boletim16. Assim a EEFD/UFRJ passou a ser nosso primeiro
apoio institucional (SILVA, 2001b).
Também, estabelecemos uma grande troca de informações com o
responsável pelo site do Grupo de Trabalho Temático Educação Física Esporte e
Escola, do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (GTTE/CBCE)17, Omar
Schneider e com Laércio Elias Pereira, coordenador e criador do Centro Esportivo
Virtual (CEV)18.
Assim, na segunda edição do Boletim, enviada em 20 de maio de 2001,
houve várias alterações e correções na formatação, além de um maior número de
abrangência e informações aos assinantes que já eram mais de 700. Mas o mais
importante, vale ressaltar, foi o registro ao final de cada edição do nome das

14
http://www.eefd.ufrj.br
15
Que ainda pode ser acessado no endereço http://www.eefd.ufrj.br/boletim
16
Esta parceria é mantida até hoje, apenas mudamos o link para o site atual do Boletim.
17
http://www.gtte.cjb.net
18
http://www.cev.org.br
15

pessoas que colaboraram durante o mês enviando notas e informações, fazendo a


devida referência a todos que colaboram com a construção do Boletim. Esse
procedimento é mantido até hoje.
Continuando nossos contatos, firmamos parceria com o GTTE/CBCE, que
também passou a dar apoio institucional e divulgar o Boletim em seu site. Ao final de
junho era enviada a terceira edição do Boletim, contando agora com quase mil
assinantes e a quantidade de e-mails que recebíamos no mês foi quatro vezes maior
que as anteriores.
Nesse meio tempo entrava em contato conosco Leonardo José Mataruna
dos Santos, que desde então foi a pessoa que mais colaborou com o envio
sistemático de informações a serem divulgadas via Boletim, formulou sugestões de
melhorias para nosso periódico e, também, foi quem deu os primeiros passos para
que registrássemos o ISSN19.
Passaram-se os meses e o Boletim vinha crescendo, cada vez mais, em
quantidade e, principalmente em qualidade, pois fazendo uma leitura das edições
anteriores20 pode-se notar claramente que a linha editorial vinha estruturando-se e
firmando-se a cada edição.
Durante todo o mês de agosto passamos por várias dificuldades estruturais,
financeiras e fomos infectados por um vírus, mas com a ajuda e apoio que vínhamos
recebendo sempre dos leitores, conseguimos superar e retomar o fôlego para
começar a elaboração da primeira reestruturação do Boletim Educação Física, que
já vínhamos trabalhando há algum tempo.
As mudanças começaram a aparecer nas edições seguintes, quando
criamos novas seções e possibilitamos um maior contato com a seção de “Notas dos
Leitores”, definindo, também, uma data fixa para o envio do Boletim, que até então
não havia sido estabelecido, e a partir da sétima edição21 passou a ser enviado no
primeiro domingo de cada mês. Esta data é mantida até hoje.

19
Em outro capitulo iremos tratar com maiores detalhes este assunto.
20
Hoje isso pode ser feito através deste link http://www.boletimef.org/arquivo.asp
21
04 de novembro de 2001.
16

1.3 – A CRIAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL

Entre essas mudanças no editorial da sexta edição22, apontamos o que era


o inicio da seção, hoje a mais importante do Boletim, era o nascimento da Biblioteca
Virtual, que naquele momento foi descrito da seguinte forma:

Este mês o Boletim Educação Física está com uma nova seção "Artigos,
Teses, Dissertações & Afins", onde, com a ajuda dos leitores, pretendo
disponibilizar trabalhos científicos em nossa área. Esta é mais uma tentativa
de contribuir para a difusão do conhecimento com a comunidade da
Educação Física (SILVA, 2001c, p. 1).

A gênese da Biblioteca Virtual foi de forma precária e sem muita estrutura,


uma vez que eram disponibilizados apenas a referência e um pequeno resumo via
Boletim e os interessados entravam em contato por e-mail para que pudéssemos
enviar o arquivo com o trabalho.
Esta situação não poderia durar por muito tempo uma vez que pelo grande
aumento de assinantes ficaria inviável o envio a todos que solicitassem os arquivos
via e-mail. A sétima edição foi enviada a mais de 5 mil assinantes e já contávamos
com muitos leitores de fora do Brasil, principalmente dos países latinos, pela
facilidade de entendimento de nossa língua.
Pela falta de uma maior estrutura, o que nos acompanhou/a juntamente com
as dificuldades financeiras durante toda esta jornada, para viabilizar melhores
condições para a então criada Biblioteca Virtual23 optamos por continuar o envio dos
trabalhos por e-mail, que por hora era o que podíamos fazer. Mais adiante iremos
retomar esta questão descrevendo o desenvolvimento da Biblioteca Virtual.
Desde abril, até o mês de dezembro de 2001, foram nove meses de
trabalho e dedicação, quando chegamos ao final do primeiro ano de publicação com
“oito números do Boletim e ótimos planos para o ano novo” (SILVA, 2001d, p. 1).
Planos estes que eram apenas o início de um ano de consolidação e
desenvolvimento para o Boletim, pois por todo este período ainda estávamos

22
30 de setembro de 2001.

23
Naquele momento ainda não era chamada assim.

17

aprendendo muito e não sabíamos o quanto ainda teria para ser aprendido e
aperfeiçoado em um processo de editoração de um periódico científico.
Ano novo começamos com a edição de janeiro24 já anunciando mudanças
na formatação do Boletim, fazendo “uma fusão das seções ‘Intercâmbio Cultural’ e
‘Notas dos Leitores’, criando uma nova, chamada de ‘Espaço do Leitor’” (SILVA,
2002a, p. 1), onde o objetivo era criar um espaço para publicação de contribuições
dos leitores, podendo ser divulgadas quaisquer informações relacionadas a
Educação Física e áreas afins, solicitações de auxilio em pesquisas, divulgação de
cursos, pós-graduação, etc.
Ainda naquele número mudamos o nome da seção que foi criada com o
nome de “Artigos, Teses, Dissertações & Afins” e passamos a chamá-la de
Biblioteca Virtual. Apontando para a próxima edição que já iríamos disponibilizar
juntamente com o resumo e a referencia dos trabalhos, um link onde os interessados
poderiam fazer o download dos arquivos (SILVA, 2002a).
Durante os meses de janeiro e fevereiro começamos a utilizar os serviços
do Yahoo Grupos25, o que significou um grande passo para a facilitação da maior
parte do trabalho que tínhamos com o Boletim até então. Esta nova ferramenta
possibilitava a automatização do cadastramento e cancelamento26 de todos os
assinantes, sem nenhuma necessidade de monitoramento manual, isso representou
avanço para aquele momento. Além disso, poderíamos utilizar um espaço para
armazenar os arquivos da Biblioteca Virtual e disponibilizar o link direto para
download, como já vínhamos planejando.
Mas o grande avanço que estávamos construindo naquele momento era na
forma de envio do Boletim, que até então era feito de forma precária, sem a
utilização de programas específicos o que dificultava e aumentava muito o trabalho
de envio por e-mail do Boletim, que a cada dia crescia em número de assinantes.
Com a nova ferramenta do Yahoo Grupos, a tarefa foi simplificada para a
construção e formatação de apenas um e-mail com o Boletim, que passou a ser
enviado a apenas um único endereço de e-mail deste serviço e, automaticamente,

24
06 de janeiro de 2002.

25
http://br.groups.yahoo.com Serviços, gratuito, que dá suporte a listas de discussão e de

notificações, como é o caso do Boletim. Iremos explicar melhor este serviço em outro capitulo.

26
Bastando apenas enviar um e-mail para boletimef-subscribe@yahoogrupos.com.br ou boletimef­
unsubscribe@yahoogrupos.com.br respectivamente.

18

distribuído a todos os e-mails cadastrados no sistema e, também, de forma


automática, armazenada a mensagem no site do serviço27.
Como este capítulo tem o objetivo de contar apenas a história da criação e
consolidação do Boletim, as questões técnicas não serão tratadas de forma
aprofundada, apenas estarão aparecendo para uma melhor compreensão,
estaremos desenvolvendo em outro capítulo especifico o aprofundamento e
descrição destes procedimentos.
Cada vez mais, procurávamos serviços gratuitos na internet que auxiliassem
nosso trabalho com o Boletim. Assim, em fevereiro, já começamos a utilizar o
redirecionador28 da RG329, que simplificou e facilitou a difusão e memorização do
endereço eletrônico do site do Boletim30, ampliando as possibilidades de divulgação
e por um longo período de tempo foi o endereço que se tornou conhecido por muitos
da Educação Física brasileira.
Em meio às mudanças, inovações e avanços que estavam acontecendo já
disponibilizávamos os arquivos para download na Biblioteca Virtual e o crescimento
do Boletim foi ocorrendo, acompanhando as mudanças de forma acelerada, quando
já nos aproximávamos de 8 mil assinantes e em meio a estas transformações o
Boletim completou seu primeiro ano, no dia 22 de abril de 2002.
No editorial de edição31 deste dia já anunciávamos a construção de um novo
site para o Boletim desenvolvido pelo webmaster Edvaldo Almeida Cardoso, que não
tinha/tem nenhuma ligação com a área da Educação Física, mas que se dispôs a
ajudar-nos com o Boletim32, construindo um novo site, onde teríamos melhores
condições para disponibilizar os Boletins on-line e criarmos, mais uma vez, novos
espaços, viabilizando uma maior interação e facilidade de acesso aos leitores do
Boletim. O processo de criação do site demorou vários meses e só foi concluído no
mês de julho.

27
http://br.groups.yahoo.com/group/boletimef/messages
28
Serviço que através de um cadastro prévio do endereço de um site, redireciona através de um
outro endereço para o site cadastrado.
29
http://www.rg3.net
30
De http://www.eefd.ufrj.br/boletim para http://www.boletimef.rg3.net
31
Ano II, n. 12, 07 de abril de 2002.
32
Pessoa esta que nos auxiliou/auxilia com toda à parte técnica do site do Boletim, sem sua ajuda
certamente não teríamos alcançado tão rapidamente este grande crescimento e reconhecimento que
o Boletim tem hoje, pois é através do uso das ferramentas que ele desenvolveu no site que podemos
nos comunicar tão facilmente com os milhares de leitores do Boletim espalhados por todo o mundo. É
com muito prazer e satisfação que registro aqui meu muito obrigado a este grande amigo que
conhecemos durante nosso Ensino Médio.
19

1.4 – O REGISTRO ISSN DO BOLETIM

Antes de comentarmos sobre o novo site, apontamos um importante


momento para o Boletim, que foi o processo de registro no Instituto Brasileiro de
Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT)33 da inscrição do International Standard
Serial Number (ISSN)34 para o Boletim Educação Física. Que, como já havíamos
comentado antes, a idéia partiu de nossas conversas por e-mail com Leonardo
Mataruna, o que até então não havia sido efetivado por falta de informação e depois
pela dificuldade financeira.
Primeiramente, procuramos fazer uma pesquisa na internet para
levantarmos os procedimentos para o registro que, até então, nos eram
desconhecidos, assim encontramos o site35 do IBICT. O ISSN é operacionalizado
por uma rede internacional, e no Brasil o IBICT atua como Centro Nacional dessa
rede. Levantamos todos os documentos necessários para efetivar o registro, mas
não dispúnhamos de recursos financeiros para efetivar tal procedimento, que na
época era um total de setenta reais.
Foi quando tentamos via oficio interno, do Departamento de Educação
Física (DEF), solicitar a Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis da UFMS,
apoio financeiro para efetivar o registro no IBICT. Após um longo período de espera
e por nossa insistência em obter uma resposta, foi encaminhado ao DEF um oficio
com o indeferimento do pedido.
Depois dessa tentativa frustrada de apoio de nossa Instituição de Ensino36,
comentamos com algumas pessoas o que havia ocorrido e por que a demora em se
registrar o ISSN para o Boletim, que, prontamente, se dispuseram a ajudar-nos
colaborando financeiramente e possibilitando com isso o encaminhamento do pedido
de registro ao IBICT37.
No editorial do número 1438, anunciamos a mudança da ordem de algumas
seções, querendo com isso facilitar a leitura do Boletim, pois até então, mesmo com

33
http://www.ibict.br

34
Número Internacional Normalizado para Publicações Seriadas.

35
http://www.ibict.br/issn/inicio.htm

36
A qual estamos vinculado enquanto aluno de graduação.

37
Registro aqui publicamente mais uma vez meus sinceros agradecimentos ao Leonardo José

Mataruna dos Santos, que atualmente está realizando o mestrado na UNICAMP, e ao professor

Fernando Cesar de Carvalho Moraes do DEF/UFMS.

38
02 de junho de 2002.

20

todas as mudanças que efetivamos na publicação, ainda não havíamos formatado


para que as informações mais relevantes aparecessem no inicio, o que foi efetivado
nesta edição e é mantido até hoje. Informamos sobre o encaminhamento do pedido
de registro do ISSN (SILVA, 2002b), que foi efetivado no decorrer do mês de junho e
registrado com o número ISSN 1677-1354. Então, a partir da edição de número 1539,
o Boletim já estava devidamente registrado como um periódico na comunidade
científica internacional.
Antes de comentarmos sobre uma das mais importantes edições do
Boletim40, pelo seu conteúdo e marco histórico no seu processo de consolidação,
queremos registrar outro importante momento para nossa formação e evolução
enquanto editor do Boletim Educação Física.
Foi nossa participação, no período de 07 a 12 de julho de 2002, na cidade
de Goiânia (Goiás), no maior e um dos mais importantes encontros científico de
nosso país, trata-se da 54ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso
da Ciência (SBPC)41, evento organizado anualmente que congrega mais de 20 mil
pesquisadores de todas as áreas acadêmicas em reuniões, simpósios, palestras,
encontros, seminários, cursos, etc, promovidos pela própria SBPC e pelas entidades
científicas que compõem esta instituição.
Naquela ocasião, conhecemos várias instituições científicas, como a
Associação Brasileira de Editores Científicos42, a Associação Brasileira de
Jornalismo Científico43 e a Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em
Ciência da Informação44, só para citar algumas das entidades que estavam
presentes nesse encontro, participamos das muitas atividades promovidas por essas
entidades durante o evento e conseguimos absorver importantes informações que
até hoje estamos trabalhando e consolidando em nosso periódico45.
Além das possibilidades e novos conhecimentos que tivemos acesso
durante todo o encontro, participamos, também, pela primeira vez, das atividades

39
Ano II, n. 15 - 06 de julho de 2002.
40
Ano II, n. 16 - 04 de agosto de 2002.
41
http://www.sbpcnet.org.br
42
http://www.abec-editores.com.br
43
http://www.abjc.org.br
44
http://www.alternex.com.br/~aldoibct/ancib.html
45
É indispensável registrarmos aqui nosso agradecimento aos amigos e professores José Luiz
Finocchio e Fernando Cesar de Carvalho Morais, ambos do DEF/UFMS, por viabilizarem
financeiramente nossa participação, não só neste encontro, mas também de outros, como o VIII
Congresso Brasileiro de História da Educação Física, Esporte, Lazer e Dança, realizado em
novembro de 2002, na cidade de Ponta Grossa, Paraná.
21

promovidas pelo Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE)46, e pudemos


conhecer pessoalmente muitos amigos e pessoas que conhecemos durante nossos
contatos via internet ao longo desse tempo que vínhamos trabalhando com o
Boletim Educação Física.

1.5 – O NOVO SITE DO BOLETIM

Com todas as informações que havíamos trazido desse encontro e a


necessidade crescente de efetivarmos as mudanças que estavam ocorrendo, no dia
21 de julho de 2002 entra no ar o novo site do Boletim47, dando possibilidade para
concretizarmos várias idéias e aperfeiçoar os serviços contidos no antigo site, que
apenas arquivava os números do Boletim.
Naquele momento, descrevemos, em nossa nota editorial, alguns dos
objetivos do novo site: “O site veio suprir a necessidade do constante crescimento do
Boletim e centralizar o armazenamento das informações, além de facilitar a
comunicação entre leitores e redação” (SILVA, 2002c, p. 1).
Traçados os objetivos o site trazia novas ferramentas e “a partir deste
número basta[va] acessar o site, para enviar notas as seções do Boletim, fazer
correções, críticas, etc” (SILVA, 2002c, p. 1). Mais uma vez, através da utilização da
tecnologia, diminuíamos nosso trabalho manual e ao mesmo tempo facilitamos o
contato dos leitores com a redação do Boletim.
É importante ressaltar que, até então, todo esse processo foi feito sem
nenhum custo com provedor de hospedagem, uma vez que por algum tempo
utilizamos um serviço gratuito para armazenar os arquivos do site do Boletim, o que
possibilitou seu desenvolvimento. Até começarem os problemas do site ficar fora do
ar, pelo fato da pequena taxa de transferência de arquivos oferecida pelos serviços
gratuitos de hospedagem, isso ocorreu pelo constante aumento no número de
pessoas acessando o site e que tivemos que conviver com isso por alguns meses
até ser revolvido o problema48.

46
http://www.cbce.org.br - Mais importante entidade cientifica da Educação Física brasileira.

47
Que manteve seu endereço http://www.boletimef.rg3.net pois apenas mudamos o link no serviço de

redirecionamento do RG3 para ir para o novo endereço.

48
Este processo será descrito em um outro capítulo e as soluções encontradas serão comentadas

mais adiante em momento oportuno.

22

As novas ferramentas disponíveis no site do Boletim facilitavam a


sistematização das mensagens que recebemos diariamente dos leitores através da
criação de seções como a de “Notas”49, que possibilita, através do preenchimento de
um simples formulário, o envio de notas a serem publicadas no Boletim, foi criada,
também, a seção para “Sugestões”50 onde há um pequeno formulário que basta ser
preenchido para que recebamos contribuições, sugestões, críticas e comentários
sobre o Boletim.
Mas a maior contribuição foi o aperfeiçoamento da Biblioteca Virtual, pois
este site trazia um novo espaço mais adequado onde eram arquivados os trabalhos
que recebíamos, juntamente com sua referência de onde havia sido publicado51.
Esta etapa foi muito importante para que pudéssemos desenvolver e aperfeiçoar
cada vez melhor a Biblioteca, que a cada edição do Boletim vinha crescendo muito.

1.6 – O INÍCIO DA CONSOLIDAÇÃO DO PERIÓDICO

Com todas essas mudanças registramos, em pouco menos de 15 dias do


site, mais de 1200 visitas52, o que resultou em centenas de e-mails que recebíamos
diariamente53, isso contribuiu muito com o aperfeiçoamento e estruturação do site,
pois as grandes mudanças estavam sendo estudadas a partir do primeiro projeto
piloto do site que estava no ar.
Já no número 1754, contávamos com mais de 9 mil assinantes de todas as
regiões do Brasil e com muitos professores e pesquisadores de fora do Brasil, o
Boletim Educação Física vinha suprindo a necessidade de alguns e dando
oportunidade para muitos de terem acesso a informações que de outra forma
dificilmente teriam. Sendo divulgado em vários sites, jornais eletrônicos,
informativos, folders de eventos, nas universidades, por e-mail, etc, tanto no Brasil
como no exterior, em países como Portugal, Espanha, Argentina e Cuba.

49
http://www.boletimef.org/notas.asp

50
http://www.boletimef.org/contato.asp

51
Mais ou menos como é hoje, a diferença é que atualmente a Biblioteca Virtual está mais bem

formulada.

52
Que naquele momento inicial, durante estes dias, foi considerado um grande número de visitantes.

53
A grande maioria era constituída por frases de agradecimentos, parabenizações, apoio e incentivos

pela continuidade e qualidade dos serviços disponibilizados pelo Boletim.

54
01 de setembro de 2002.

23

Este rápido crescimento do Boletim foi acontecendo de tal forma que


conseguíamos acompanhar apenas algumas das matérias que estavam sendo
divulgadas, estas chegavam até nós pelos leitores e amigos através dos e-mails que
continuávamos recebendo todos os dias.
Assim, durante os meses de eleição55, que envolveu grande parte da
população brasileira e em meio às contribuições que recebíamos sistematicamente
através dos e-mails, começamos a trabalhar e fazer anotações que possibilitassem,
mais uma vez, o aperfeiçoamento de nosso trabalho com o Boletim.
Essa nova mudança fazia-se necessária uma vez que devido ao rápido
crescimento do Boletim em todos os aspectos, estruturais, assinantes, trabalhos que
recebíamos para a Biblioteca Virtual, e-mails, etc, começaram a aparecer pequenos
problemas que se não fossem logo resolvidos poderiam comprometer todo nosso
trabalho, assim iniciamos um processo de revisão.
Entre outras ações, iniciamos uma pesquisa que durou três meses56
fazendo uma consulta aos leitores de como poderíamos estar enviando os próximos
Boletins, entramos em contato com vários pesquisadores de nossa área solicitando
que enviassem seus trabalhos para a Biblioteca Virtual, começamos a criar limites
para as notas divulgadas no Boletim, sistematizamos ainda mais a formatação para
facilitar a leitura, entre outras ações que iremos comentar adiante.
Aproximávamos do final do ano e com isso teríamos um tempo maior,
devido ao recesso das aulas, para efetivarmos novas idéias e projetos para o
Boletim, assim iniciamos a última edição de 2002, da seguinte forma:

Estamos chegando ao fim deste ano e o Boletim Educação Física aproxima­


se de seu terceiro ano socializando as informações referentes a Educação
Física e áreas correlatas. Alcançamos hoje mais de 12 mil assinantes, com
leitores de diversos países, o que é uma grande satisfação e incentivo para
a continuidade de nosso trabalho (SILVA, 2002d, p. 1).

No período de recesso tivemos a oportunidade de viajar à nossa cidade


natal57, onde reside o responsável pela construção do site58. Assim com base nas

55
No Brasil estava sendo iniciado o processo eleitoral para Presidente, Governadores, Senadores,

Deputados Federal e Estadual.

56
http://www.boletimef.org/enquete.asp?acao=ePassadas&subAcao=conteudo

57
Ponta Porã.

24

anotações que havíamos feito durante mais de três meses, iniciamos a


reestruturação do site do Boletim. Que já vinha apresentando vários problemas
devido ao seu rápido crescimento
O principal foi com o provedor59 que usávamos para hospedar o site do
Boletim, pois por ser um provedor gratuito tinha suas limitações, entre elas um limite
diário de taxa para transferência de arquivos60, depois de alguns acessos e
downloads o site ficava fora do ar e só voltava a funcionar no dia seguinte, quando
após algum tempo de uso, apresentava o mesmo problema.
Também, outra coisa que dificultou o acesso ao site foi a quase falência da
empresa RG3, que até então era quem prestava o serviço de redirecionamento e
dava ao Boletim seu antigo endereço61, isso dificultava ainda mais o acesso ao site
do Boletim, mas que de certa forma contribuiu para acelerar o registro de um
domínio próprio para nosso endereço eletrônico na internet.
Além disso, o constante crescimento da Biblioteca Virtual estava dificultando
a pesquisa dos leitores, pois tinham que procurar um a um os arquivos para
encontrar o tema de seu interesse, pois estavam ordenados, apenas, pela data de
sua inclusão na Biblioteca.
Assim, durante este inicio de ano, efetivamos importantes mudanças no
Boletim, estas mudanças ao contrário das outras, foram feitas a partir das
necessidades que surgiram, por isso foram amplamente aceitas, já que se tratava de
uma revisão de todo o conteúdo e formatação da editoração do Boletim e o
aperfeiçoamento do site, suprindo as necessidades daquele momento.
“Houve mudanças significativas em todo o site, alterações nas seções já
existentes e a criação de novas seções” (SILVA, 2003a, p. 1), foram revisados todos
os textos disponíveis no site, os formulários para envio de notas e, ainda,
sistematizamos uma pequena pesquisa que fica disponível durante um mês,
incluímos informações sobre o “expediente” do Boletim e melhoramos a forma de
assinatura. A maioria dessas mudanças é mantida até hoje, com pequenas
alterações de aperfeiçoamento.

58
Na primeira vez, devido à distância, o site foi desenvolvido através de troca de e-mails, conversas
via telefone e chats eletrônicos através da internet, onde passávamos as informações necessárias
para sua construção.
59
http://www.brinkster.com
60
De 10 Mb por dia.
61
http://www.boletimef.rg3.net
25

A principal alteração na Biblioteca Virtual foi à criação de um mecanismo de


busca que possibilitou a procura pelos arquivos através da utilização de palavras­
chaves, além disso, incluímos outras opções para ordenar os arquivos da Biblioteca,
como em ordem alfabética, pela data, e pelo número de downloads, que agora era
marcado acima de cada arquivo, possibilitando ser medido a quantidade de acesso
a cada trabalho da Biblioteca.
Outra mudança ocorrida foi devido aos problemas de acesso ao site que
descrevemos acima, não tivemos outra alternativa a não ser transferir o site do
Boletim para um novo provedor62, que agora não era mais gratuito, procedimento
este que, logo em seguida, fomos obrigados a fazer também com o domínio do site
do Boletim. Assim optamos por um registro internacional, já que antecipávamos um
provável crescimento63 dos leitores de fora do Brasil.
Apenas os arquivos da Biblioteca Virtual permaneceram no site64 que
usávamos para hospedá-los, já que a mudança para o novo provedor implica em
mais custos mensais, uma vez que os provedores de internet que hospedam sites
cobram pela quantia total de espaço que é utilizado, assim um plano com menos
espaço é mais em conta, por isso e pelo fato de que ainda não tínhamos tido
problemas com os arquivos da Biblioteca Virtual, optamos por deixar os arquivos no
site gratuito, o que com o tempo iríamos ver que também não seria possível, devido
ao aumento no número de downloads e dos trabalhos que são adicionados todos os
meses no acervo da Biblioteca.
Depois de todas as alterações e reformulações anunciamos na edição de
março65 a finalização destas mudanças e o novo endereço do site do Boletim
Educação Física66, que agora é definitivo.
Esta nova fase do Boletim também, criou novas dificuldades, principalmente
financeiras, já que tínhamos pequenas despesas e mesmo com dificuldades sempre
conseguíamos manter, e agora as despesas além de aumentarem são mensais.
Em meio a todas estas mudanças, o Boletim chegou a sua 24º edição67
comemorando seus 2 anos de existência com seus mais de 16 mil assinantes.

62
DataHosting - http://www.datahosting.com.br

63
O que foi confirmado com o passar do tempo.

64
Home Page Grátis (HPG) - http://www.hpg.com.br - Este serviço era gratuito, mas também tinha

sua limitação diária para donwload.

65
Ano III, n. 23 - 02 de março de 2003.

66
http://www.boletimef.org

67
06 de abril de 2003.

26

Naquela oportunidade descrevemos e relembramos algumas coisas que haviam


marcado o desenvolvimento do Boletim, ressaltando a importância da criação do site
e da Biblioteca Virtual, bem como da recente seção de pesquisa que iria nos auxiliar
ainda mais no aperfeiçoamento da editoração do Boletim (SILVA, 2003b).
Neste período começamos a perceber um grande aumento no número de
mensagens pedindo explicações sobre como funcionava o site e, principalmente,
dúvidas de como abrir os arquivos contendo os trabalhos disponíveis na Biblioteca
Virtual. Com isso vimos à necessidade de encaminhar alguns e-mails com
explicações detalhadas de cada parte do site para sanar as dúvidas e possibilitar
aos leitores o uso pleno das ferramentas disponíveis no site.
Assim;

Durante o mês de abril, iniciamos o envio de informações de como


funcionam as seções do site do Boletim. Começamos com as explicações
sobre a Biblioteca Virtual, para que todos possam usar as ferramentas
disponíveis para consultas e pesquisas, além de melhorar as normas para
envio de trabalhos e as informações de como abrir os arquivos da
Biblioteca. Com isso esperamos que os leitores possam fazer suas
pesquisas da melhor maneira possível em nosso site e também esperamos
facilitar o envio de colaborações para a Biblioteca [...] (SILVA, 2003c, p. 1)

“No mês de maio, dando continuidade aos esclarecimentos sobre o site,


enviamos um e-mail com informações sobre as seções ‘Arquivo’ e ‘Links’” (SILVA,
2003d, p. 1), e ainda na mesma ocasião apontávamos que “no inicio deste mês
estaremos enviando uma nova mensagem para esclarecimentos de como enviar
trabalhos para a Biblioteca Virtual para que todos possam disponibilizar seus
trabalhos no acervo da Biblioteca” (SILVA, 2003d, p. 1).
Com esta sistematização do envio de um ou dois e-mails durante o mês a
todos os leitores, procuramos sanar as mais freqüentes dúvidas que recebíamos por
e-mail, esta iniciativa foi de grande valia, uma vez que cumpriu com seus objetivos
diminuindo de maneira significativa as muitas mensagens que vínhamos recebendo
sobre estas questões que esclarecemos nas mensagens enviadas.
Depois do envio destas mensagens fizemos pequenas mudanças na
formatação do site e adaptamos a
27

[...] seção de "lançamentos", que agora além de divulgar os lançamentos de


livros, periódicos, etc, também irá divulgar obras que já foram lançadas.
Nossa intenção é fazer que isso traga informações aos leitores de obras
importantes que muitas vezes nem chegam a ser conhecidas. (SILVA,
2003e, p. 1)

Superado mais está etapa novos problemas surgiram, juntamente com


novas alternativas. Desta vez o problema já era previsto, pois como os arquivos da
Biblioteca Virtual permaneceram no servidor gratuito, quando houve a mudança para
o novo provedor, optamos por deixar os arquivos no servidor antigo até que
aparecessem problemas de ultrapassagem do limite diário de downloads, o que
ocorreu muito rápido já que a Biblioteca crescia a cada nova edição. A única saída
que encontramos foi transferir todos os arquivos que estavam neste servidor para o
novo68, com isso mais uma vez aumentaram-se os custos mensais para manutenção
do Boletim Educação Física.
Iniciamos assim a transferência dos arquivos, mais de 280 trabalhos, entre
artigos, dissertações, teses, livros, anais de encontros, etc. Este trabalho foi longo, já
que tínhamos que transferir os arquivos um a um. Além disso, fizemos uma revisão
da integridade de todos os arquivos e corrigimos alguns erros na referência de onde
foram publicados, procurando seguir ao máximo as normas da ABNT69.
Nos meses de agosto e setembro as edições do Boletim foram ganhando
cada vez mais conteúdos, uma vez que grande parte das Instituições de Ensino
Superior (IES), que tenham cursos de Educação Física, divulga e utiliza-se dos
serviços que o Boletim oferece à comunidade acadêmica, assim quase todas as
informações de eventos, lançamentos de livros e periódicos, abertura de concursos
para contratação de professores, defesas de doutorados e mestrados, abertura de
cursos de pós-graduação, divulgação de sites, etc, nos é enviado assim que fica
disponível, possibilitando ampla divulgação através do Boletim.
Além das IES, outras instituições ligadas à Educação Física ou ao esporte,
também fazem o mesmo processo o que possibilita a interação entre o meio
acadêmico científico, profissional e técnico entre todos os setores que integram a

68
Que é pago e para aumentarmos o limite de transferência de dados e o limite de armazenamento,

tivemos que mudar o plano para um outro que ficou mais caro.

69
Associação Brasileira de Normas Técnicas - http://www.abnt.org.br

28

Educação Física, e muitas vezes de outras áreas que podem utilizar-se dos serviços
que o Boletim disponibiliza.
Na edição de outubro70, já com algumas mudanças, a seção “Polêmica”
volta a aparecer no Boletim, trazendo um artigo sobre o tema da “regulamentação da
profissão”, esta seção, como comentamos anteriormente, não é fixa no Boletim,
sendo publicada somente quando recebemos ou encomendamos a um autor, um
artigo referente a um assunto atual e polêmico da Educação Física.
Nessa edição, o Boletim já havia passado por uma pequena revisão, que faz
parte das mudanças previstas para 2004, onde alteramos a formatação e
explicações contidas no Boletim enviado por e-mail. Ainda nesse período
começamos a

[...] revisão nos textos do site do Boletim Educação Física, procurando


deixar o mais claro possível o entendimento das informações e dos objetivos
deste periódico. Este processo de revisão faz parte de um projeto maior de
reestruturação que estamos fazendo e que deve ir até o inicio de 2004, o
objetivo deste trabalho será de adaptar a estrutura do Boletim ao seu
constante crescimento e construir novas ferramentas que facilitem ainda
mais a divulgação científica no âmbito da educação física brasileira. (SILVA,
2003f, p. 1)

Este novo processo de revisão será de grande valia para superação das
necessidades atuais, estruturação e consolidação do Boletim Educação Física, e
esse nosso estudo somará a esse processo, uma vez que o período da pesquisa é
referente às 30 primeiras edições do periódico, dando-nos subsídios para está
análise.
Ao longo dessas 30 primeiras edições o Boletim Educação Física veio se
consolidando na Educação Física brasileira e, também, em alguns outros países, ao
longo desse tempo passamos de 420 assinantes diretos, em sua primeira edição,
para quase 20 mil em sua trigésima edição. Hoje o Boletim é conhecido e utilizado
na maioria dos Cursos de Educação Física no Brasil, servindo gratuitamente a
professores, estudantes, pesquisadores e demais interessados na Educação Física
e áreas correlatas. Atendendo assim seu principal objetivo de democratização do
conhecimento científico e cultural da Educação Física.

70
Ano III, n. 30 - 05 de outubro de 2003.
29

CAPÍTULO 2 – O BOLETIM EDUCAÇÃO FÍSICA

Após este resgate histórico, nesse segundo capítulo, fazemos a descrição


histórico-técnico de cada uma das seções que compõem o sumário do Boletim que é
enviado por e-mail, realizando o mesmo procedimento com as seções do site do
Boletim na internet, além da explicação dos procedimentos de formatação e envio
aos assinantes.
Ao final desse capítulo é feito um panorama da atual situação do Boletim,
descrevendo alguns dados estatísticos como o número de acesso ao site número de
assinantes, quantidade de downloads dos arquivos da Biblioteca Virtual, etc, além
disso, apresentamos suas ferramentas de intervenção e o alcance que tem o Boletim
Educação Física na Educação Física no Brasil e em outros países do exterior,
possibilitando ao leitor que desconhece este periódico, e seu público alvo, o
entendimento de como ele é desenvolvido.
Com isso esperamos deixar claro como surgiu e o que é o Boletim
Educação Física para uma melhor compreensão do próximo capítulo que trata desse
assunto especifico.

2.1 – HISTÓRICO-TÉCNICO DAS SEÇÕES DO BOLETIM

Ao longo do tempo as seções que compõem o Boletim Educação Física,


enviado por e-mail, sofreram várias adaptações e modificações, buscando sempre a
melhoria do acesso as informações e da própria publicação.
Algumas seções sempre estiveram presentes desde o início em todos os
números do Boletim, outras poucas foram suprimidas ou conjugadas e formaram-se
novas seções, outras apenas foram sendo modificadas procurando adaptar-se as
novas demandas e suprir as necessidades editoriais.
O objetivo, dessa primeira parte do capítulo dois, é traçar uma descrição
histórica do funcionamento das várias seções que compõem o sumário do Boletim
Educação Física, que é enviado mensalmente por e-mail aos seus assinantes.
30

2.1.1 – EDITORIAL

O editorial em qualquer periódico é onde o editor escreve aos leitores


relatando os acontecimentos relativos a publicação e muitas vezes ocupa este
espaço para transmitir suas idéias sobre assuntos específicos ou ponto de vista de
determinados acontecimentos.
O editorial do Boletim estava presente desde a primeira edição, no entanto
durante seu primeiro ano o nome ainda não era esse, naquele período a seção era
chamada de “Carta do Editor”, sendo modificado na edição de abril de 200271 e é
mantido até hoje. Esta foi uma mudança apenas para adaptar a nomenclatura
correta para um periódico, não havendo nenhuma alteração na elaboração do
conteúdo.
Através do editorial o editor busca realizar contato direto com os leitores,
expondo algumas idéias e, principalmente relatando os acontecimentos e mudanças
que ocorreram no Boletim, durante o período de uma e outra edição.
Esta seção está presente em todas as edições do Boletim Educação Física,
desempenhando um papel fundamental na comunicação entre a redação e os
leitores do periódico.

2.1.2 – LANÇAMENTOS, LIVROS & PERIÓDICOS

Esta seção começou a ser incorporada a partir da segunda edição72 do


Boletim, naquele momento, de forma tímida sem muita estrutura em suas
informações, divulgou o lançamento de três livros e uma revista.
A evolução, já para a sua segunda edição, foi marcada por um aumento no
número das informações, das obras divulgadas e já era acrescentada uma pequena
descrição das mesmas. Com o tempo este aumento foi crescendo e as informações
divulgadas melhoraram e vem melhorando cada vez mais.
Nestas primeiras edições, a seção divulgava apenas os lançamentos de
livros e revistas relacionados à Educação Física e áreas afins, e sua denominação
era “Lançamentos” e foi a quinta seção na ordem do sumário. As informações sobre
71
Ano II, n. 12, 07 de abril de 2002.
72
Ano I, n. 02, 20 de maio de 2001.
31

as obras eram colhidas através da internet e/ou, no início, dos poucos e-mails que
recebíamos dos leitores e de amigos.
Na edição de número 1573, a qual o Boletim passou por várias mudanças
como relatamos no capítulo anterior, fizemos uma alteração na ordem que esta
seção ficaria no Boletim, colocando logo após o editorial, o que é mantido até hoje.
Divulgávamos vários lançamentos referentes ao futebol decorrente da realização da
Copa do Mundo.
Em julho74 do corrente ano registrávamos mais uma mudança nesta seção,
foi quando adotamos alguns critérios75 para aceitação das obras e começamos a
receber além dos lançamentos os não-lançamentos, pois assim possibilitávamos às
várias pessoas obter as informações de livros ou revistas que não eram de seu
conhecimento, além de abrir um espaço para que os autores pudessem divulgar
suas pesquisas anteriores.
Hoje esta é uma seção muito comentada pelos leitores e após os critérios
que adotamos para divulgação passamos a receber um exemplar da obra divulgada,
que é enviada pelo próprio autor ou editora/livraria responsável através dos Correios.
Nas últimas edições estamos seguindo um padrão nas divulgações desta
seção, possibilitando aos leitores todas as informações necessárias sobre a obra e
contatos para aquisição do mesmo, espera-se com isso colaborar de forma
substancial com a socialização do conhecimento produzido em nossa área e de
áreas afins.

2.1.3 – ESPAÇO DO LEITOR

Esta seção disponibiliza um espaço para os leitores divulgarem informações


relacionadas à Educação Física, anteriormente apenas recebíamos colaborações
por e-mail, hoje para enviar suas notas basta preencher um formulário no site do
Boletim76.
São divulgadas informações de cursos, pedido de auxílio em pesquisa,
intercambio entre pesquisadores, chamadas para concursos, chamada para os

73
Ano II, n. 15, 06 de julho de 2002.
74
Ano III, n. 27, 07 de julho de 2003.
75
http://www.boletimef.org/lancamentos.asp
76
http://www.boletimef.org/notas.asp
32

editais de cursos de especialização (lato sensu), mestrados e doutorados, entre


outros. Aqui são divulgados todo e qualquer tipo de informação que tenha relevância
para a Educação Física e que são enviadas pelos leitores ou que encontramos na
internet.
A seção iniciou com o nome “Intercâmbio Cultural”, desde a primeira edição
do Boletim, naquele momento o objetivo da seção era apenas de disponibilizar uma
pequena chamada de alguém interessado em trocar conhecimentos comum entre
eles, assim disponibilizávamos ao final o nome e e-mail da pessoa para que os
leitores, que pesquisassem o mesmo tema, entrassem em contato.
Além disso, na edição de novembro de 2001, lançamos uma nova seção
denominada "Notas dos Leitores", onde a princípio foi aberto um espaço para que os
leitores enviassem informações sobre cursos, palestras, e outros temas relacionados
à Educação Física. Esta seção foi publicada até o número 977 quando fizemos uma
reformulação na estrutura do Boletim e juntamos as duas seções.
Assim com a fusão das seções "Intercâmbio Cultural" e "Notas dos
Leitores", criamos uma nova, que então chamamos de "Espaço do Leitor". Os
objetivos da seção foram ampliados e a nomenclatura é mantida até hoje.

2.1.4 – BIBLIOTECA VIRTUAL

Este espaço no Boletim Educação Física passou por várias alterações e


aperfeiçoamentos, percorrendo um longo caminho até termos disponível o site do
Boletim para facilitar e ampliar o alcance da Biblioteca Virtual.
Sua primeira aparição no periódico foi no número seis78 e naquele momento
a seção chamava-se "Artigos, Teses, Dissertações & Afins", foi lançada com o intuito
de contribuir e ampliar a divulgação da produção científica da Educação Física. Logo
depois na edição número nove79, quando fizemos algumas alterações no formato do
Boletim, mudamos a nomenclatura para Biblioteca Virtual, o que vem sendo mantido
até hoje.

77
Ano II, n. 09 - 06 de janeiro de 2002.
78
Ano I n. 06 - 30 de setembro de 2001.
79
Ano II, n. 09 - 06 de janeiro de 2002.
33

Desde sua inserção no Boletim, nesta seção foi publicada a referência de


onde o trabalho foi publicado e logo abaixo um pequeno resumo, possibilitando aos
leitores tomarem conhecimento do que era tratado no trabalho antes de solicita-lo,
ou como hoje é feito, efetuar o download.
Hoje ainda divulgamos os trabalhos dessa forma, com o aperfeiçoamento da
metodologia para fazermos o resumo dos trabalhos e as referências, que
procuramos seguir ao máximo as orientações da ABNT.
Na Biblioteca Virtual são divulgados vários trabalhos como por exemplo:
teses, dissertações, artigos, monografias, leis, livros, revistas, entre outros trabalhos
que recebemos dos leitores ou que estão disponíveis em bases de dados
gratuitamente na internet.
No principio da Biblioteca, quando ainda não tínhamos o site, os trabalhos
eram divulgados e os interessados solicitavam por e-mail para que pudéssemos
enviar os arquivos. Com o tempo esta prática ficou inviável pelo grande número de
solicitações e pela ampliação do acervo disponível. Este problema foi resolvido com
o desenvolvimento do site do Boletim, como iremos descrever mais adiante.

2.1.5 – SITES & DICAS

Este espaço sempre esteve presente, desde a primeira edição do Boletim


Educação Física. Nele são divulgados links de sites que sejam relevantes para a
Educação Física e áreas afins.
Os sites são publicados com o nome, o link e uma pequena descrição de
seu conteúdo, possibilitando assim que o leitor do Boletim saiba exatamente qual o
conteúdo de cada site que é divulgado, antes mesmo de visitá-lo.
A seleção dos sites divulgados nesta seção é feita pelo editor a partir de
pesquisas na internet, procurando sobre os vários temas da Educação Física e
outros que possam auxiliar os professores em geral, como dicas de sites sobre
filosofia, educação, internet, editoras, revistas, jornais, etc.
Além desses sites que selecionamos todos os meses, procuramos também
divulgar os sites das principais instituições de pesquisa, grupos de estudos,
Faculdades de Educação Física, sindicatos, associações, laboratórios,
34

confederações e federações esportivas, dentre vários outros que podem ser


conhecidos pelos tópicos específicos no site do Boletim80.
Como quase todas as seções do Boletim contamos, também, com a
colaboração dos leitores que freqüentemente enviam sugestões de sites, assim
fazemos a análise do link indicado e publicamos nas próximas edições.

2.1.6 – PENSAMENTO PARA REFLEXÃO

Esta importante seção, também, está presente em todas as edições do


Boletim Educação Física, nela é publicada uma citação de alguma obra dos
clássicos universais da filosofia, educação, literatura, história, etc, ou uma importante
obra da Educação Física, que possa contribuir com a reflexão crítica sobre nossa
sociedade ou sobre a especificidade da Educação Física.
Na primeira edição do Boletim era feita uma pequena citação e naquele
momento não havíamos dado a devida importância a referencia da obra de onde era
retirado o texto e adicionamos apenas o nome do autor. Posteriormente começamos
a citar o nome da obra e o ano que foi escrita.
A partir das edições seguintes, começamos a fazer a citação e a referencia
é feita seguindo as normas da ABNT para citações. Desta forma, além de
fomentarmos a leitura do texto completo, facilitamos aos leitores a busca, deixando
claro de onde exatamente foi retirado à citação.
Com a criação do novo site do Boletim81, são criadas, também, novas
ferramentas e com isso passamos a publicar a citação feita nesta seção na página
principal do site do Boletim, assim na entrada do site todos têm acesso à citação e
logo abaixo um link para ler a última edição do Boletim.
Assim, todo o mês é adicionado um novo texto no site de acordo com a data
da publicação do Boletim82, dando com isso mais destaque a esta seção que em
vários momentos possibilita a muitos professores, alunos, e demais visitantes a
leitura de um trecho de um clássico universal, vislumbrando assim um dos princípios
de nosso entendimento da educação.

80
http://www.boletimef.org/links.asp
81
Que entra no ar dia 21 de julho de 2002.
82
Primeiro domingo do mês.
35

2.1.7 – EVENTOS NO BRASIL E NO EXTERIOR

É uma das seções que mais atende o anseio de informações dos leitores,
uma vez que desde a primeira edição ela está presente, possibilitando o acesso às
informações básicas de congressos, simpósios, seminários, encontros, conferências,
jornadas e semanas acadêmicas, etc.
Através destas seções o leitor tem um panorama geral dos eventos que
ocorrem em nossa área e de áreas correlatas. Para facilidade da leitura elas são
divididas em “Eventos no Brasil” e “Eventos no Exterior”, sendo que a ordem da
relação é feita cronologicamente pela data dos eventos.
Esta relação é atualizada a cada edição com as informações que
recebemos por e-mail dos organizadores dos eventos que entram em contato
conosco enviando as informações, pelo nosso contato com os responsáveis pelos
eventos, pelas nossas pesquisas na internet e pelas centenas de listas de discussão
que participamos e possibilitam-nos o acesso às informações.
São divulgados as informações básicas com o nome do evento, tema, local,
entidade responsável, data do evento e de envio de trabalhos, site, e-mail, telefone e
fax para contato direto com a organização, possibilitando assim um agendamento
prévio da participação de milhões de professores nestes eventos, facilitando o
envido de trabalhos e dando acesso à maioria dos acontecimentos de nossa área.
A seção passou por várias mudanças em seu formato, sempre procuramos
fazer as mudanças de forma a facilitar ao máximo a divulgação das informações
básicas sobre os eventos. Hoje seguimos um padrão divulgando ao máximo as
informações que relacionamos acima que nos são enviadas através do site do
Boletim83.

2.1.8 - INFORMAÇÕES SOBRE O BOLETIM

Este espaço é destinado a divulgação das informações referentes ao


Boletim, nele disponibilizamos informações das instituições que apóiam o Boletim,
relacionando seus respectivos nomes e o link de acesso ao site.

83
http://www.boletimef.org/eventos.asp
36

Logo abaixo é descrita sua periodicidade como mensal, sendo a data de


envio no primeiro domingo de cada mês, e deixando claro que as informações
contidas no Boletim podem ser amplamente divulgadas por outros meios de
comunicação, desde que respeitado os direitos autorais, citando a fonte das
informações.
Também é informado aos leitores que puderem, para que enviem
informações que possam contribuir com a construção do Boletim, bem como de
correções de possíveis erros e envio de críticas sobre quaisquer aspectos da
publicação.
A partir das modificações que fizemos no Boletim84, passamos a registrar
neste espaço o número total de assinantes que receberam a edição e os e-mails
para assinatura (gratuita) e cancelamento do cadastro de envio do Boletim
Educação Física.
E como havíamos nos referido no capítulo anterior, ao final de cada edição
é registrado o nome completo, a instituição e o país das pessoas que colaboraram
de alguma forma com a edição.
Esta seção cumpre o papel de deixar claro as informações básicas sobre o
Boletim a todos os assinantes e demais leitores, além de registrar informações
únicas de cada edição do Boletim e de seus respectivos colaboradores.

2.2 – O SITE DO BOLETIM EDUCAÇÃO FÍSICA

Toda publicação eletrônica, mesmo uma como o Boletim que é enviado por
e-mail, precisa de um suporte físico na Rede Mundial de Computadores (internet),
que dê suporte e armazene todo o conteúdo das edições anteriores, disponibilizando
informações básicas sobre a publicação e facilitando a assinatura e contato entre
leitores e redação.
O Boletim Educação Física, como podemos perceber em sua história, teve
vários sites até chegarmos ao desenvolvimento deste atual, passamos por um
primeiro que não era dirigido por nós, depois por um site piloto onde após vários
problemas e reestruturações construímos este novo, que está disponível para

84
Como foi descrito no capitulo anterior.
37

acesso, desde o início do corrente ano, através do endereço


http://www.boletimef.org
O objetivo deste capítulo é apresentar um histórico e uma pequena
descrição de cada seção que compõem o site do Boletim Educação Física na
internet.

2.2.1 – QUEM SOMOS

Esta denominação “Quem somos” é um termo comum em sites da internet,


que serve para quem estiver navegando saber do que exatamente o site visitado
trata. Outra palavra muito usada na internet para descrever isso é “O que é”, ambas
não se diferem no conteúdo e são usadas para o mesmo objetivo.
Através deste espaço os visitantes do site podem saber o que é o Boletim e
quais são seus objetivos, isto é feito através de um pequeno texto85 que está
disponível on-line e é freqüentemente revisado e atualizado.
Nele é possível saber como é feito o Boletim e o que é divulgado através
dele, além disso, tem uma breve síntese do seu surgimento e descreve sua data e
forma de envio.

2.2.2 – ARQUIVO

Aqui são arquivados todos os números do Boletim, dando acesso aos


visitantes do site que não recebem por e-mail e, também, oportunizando a leitura de
números anteriores.
O visitante encontra duas opções para ler os arquivos; 1) on-line, clicando
na lista sobre o nome da edição que deseja ler ou 2) efetuando o download de um
arquivo compactado com o Boletim formatado em Word, este arquivo é
disponibilizado paralelamente ao envio do Boletim por e-mail para que o usuário
possa fazer a impressão.
Ao lado do nome de cada arquivo aparece um número entre parênteses que
registra quantas vezes cada Boletim foi acessado através do site, há o registro

85
http://www.boletimef.org/quemsomos.asp
38

também de quantos downloads foram feitos de cada arquivo, mas ainda não está
disponível ao público, serve apenas para estatísticas internas de controle de acesso,
mas estamos modificando para que esta opção, também, fique disponível ao público
em geral.

2.2.3 – BIBLIOTECA VIRTUAL

Esta seção do site é onde ficam armazenados os arquivos da Biblioteca


Virtual, que são divulgados através do Boletim, nela ficam disponíveis os arquivos
para download com sua referência para citações e o número de download
efetuados.
No início, como descrevemos anteriormente, eram apenas divulgados os
trabalhos através do Boletim e enviávamos aos interessados através do e-mail.
Como esta pratica tornaria-se inviável devido ao grande crescimento das solicitações
e do aumento do número de trabalhos no acervo da Biblioteca Virtual, era iminente
que surgisse o site para que pudéssemos hospedar os arquivos.
O primeiro site que usamos para armazenar os arquivos da Biblioteca foi o
do serviço do Yahoo Grupos, onde era oferecido um espaço de 20Mb, utilizamos
este serviço por um longo período até o desenvolvimento do novo site do Boletim.
Com a construção deste site e a ampliação da Biblioteca Virtual, os serviços
disponíveis pelo Yahoo Grupos já não supriam as necessidades da Biblioteca, uma
vez que este serviço era apenas um complemento ao seu serviço principal que era
prover listas de discussões e grupos para envio de mensagens86.
Assim procuramos outro provedor gratuito para armazenar os arquivos, uma
vez que o que estava armazenando o site do Boletim oferecia um espaço muito
limitado, optamos pelo serviço do HPG, que dispunha de espaço ilimitado para
armazenamento de arquivos.
Transferiu-se todos os arquivos para este novo provedor e com o
desenvolvimento do novo site, começamos a ter problemas com o armazenamento
no HPG, pois se havia um espaço ilimitado para armazenamento, o limite de
transferência de arquivos por dia era muito pequeno e limitava a poucos downloads
diários dos arquivos da Biblioteca, deixando o site freqüentemente fora do ar.
86
Este último é o que estávamos utilizando.
39

Nesse momento foi ao ar a atual versão do site, já com o novo provedor,


que agora era pago. Não demorou muito para que tivéssemos que transferir todos os
arquivos para o novo provedor e com isso aumentou-se as despesas que tínhamos
com o serviço.
Atualmente os arquivos estão todos no servidor da DataHosting e não
temos mais os problemas anteriores, ficando assim os trabalhos da Biblioteca Virtual
disponíveis a qualquer momento para o donwload.

2.2.4 – SUGESTÕES E NOTAS

São duas seções que servem para facilitar ao máximo o contato dos
visitantes e leitores do Boletim com a redação. Através do preenchimento de um
pequeno formulário87 os visitantes podem enviar suas notas para serem publicadas
ou encaminhar sugestões, críticas, etc, preenchendo a outra opção da referida
seção88.
Estas seções foram criadas a partir do desenvolvimento do novo site do
Boletim, com isso e com o detalhamento dos critérios para envido de notas
diminuímos a quantidade de e-mails pedindo informações sobre esta questão.
Outro ponto importante foi a facilitação no envio das mensagens uma vez
que basta preencher um formulário simples, informando o nome, instituição, e-mail,
cidade, estado, país, e escrever sua nota, crítica ou sugestão e clicar em enviar.
Assim, recebemos diariamente os contatos dos leitores com importantes
informações tanto de conteúdo a ser divulgado como as sugestões e críticas.

2.2.5 – PESQUISA

Este é um espaço especifico do site, não tendo nenhuma divulgação ou


seção publicada no Boletim enviado por e-mail. Esse recurso é freqüentemente
usado na internet e vários sites com o nome de “Enquête”, optamos por a
nomenclatura “Pesquisa”, por entender ser mais adequada para o periódico.

87
http://www.boletimef.org/notas.asp
88
http://www.boletimef.org/contato.asp
40

Espaço reservado para a pesquisa atual que fica no ar durante um mês e é


atualizado juntamente com o envio do Boletim. O objetivo é ver dos leitores através
de perguntas com múltiplas alternativas questões referentes ao Boletim e a
Educação Física em geral.
O visitante tem a opção de votar em uma das alternativas e acompanhar
através de um pequeno gráfico o resultado em percentual, ao lado está o número de
votos que cada opção recebeu e abaixo está o número total de votos até o
momento.
Além disso, ao votar, o visitante pode deixar sua justificativa, argumentação
ou comentário sobre o tema pesquisado, o que vem freqüentemente gerando uma
rica discussão em torno de temas polêmicos da Educação Física. Os comentários
ficam disponíveis abaixo do gráfico da pesquisa.
Todos os meses colocamos uma nova pergunta e é arquivada89 a pesquisa
passada no site, sendo possível ver o resultado final e ler todos os comentários
deixados pelos visitantes.
Este espaço vem contribuindo substancialmente com o desenvolvimento e
aperfeiçoamento do Boletim, uma vez que quando existe uma questão estrutural a
ser mudada no periódico, usamos esta opção para consultar os leitores.

2.2.6 – EVENTOS

Através desta seção o leitor tem acesso a um formulário90 onde ele poderá
preencher e enviar à redação os dados do evento que está realizando ou que deseja
divulgar no Boletim.
O visitante deve enviar as informações básicas sobre o evento como; nome,
tema, local, entidade responsável, data do evento e de envio de trabalhos, site, e-
mail, telefone e fax, além disso, tem um espaço onde podem ser enviadas as
informações adicionais.
Quando recebemos as informações entramos em contato e verificamos
todas as informações enviadas, depois disso é formatada uma nota e divulgada nos
próximos Boletins.

89
http://www.boletimef.org/enquete.asp?acao=ePassadas&subAcao=conteudo
90
http://www.boletimef.org/eventos.asp
41

2.2.7 – LANÇAMENTOS

Destinado às pessoas que queiram divulgar suas obras, como livros ou


revistas, no Boletim. Nele estão descritos91 todos os procedimentos e informações
necessárias ao envio da obra a redação do Boletim.
Além disso, é indicado aos visitantes onde encontrar a descrição das obras
divulgadas no Boletim, o que é feito através do acesso aos números anteriores,
servindo como importante meio de registro e consulta as publicações de nossa área
acadêmica.

2.2.8 – LINKS

Aqui é onde arquivamos todos os links divulgados na seção “Sites & dicas”
do Boletim, desde sua primeira edição, fazendo apenas algumas pequenas
mudanças quando um ou outro site muda de endereço, o que é comum na internet.
Seção muito visitada no site do Boletim, uma vez que o leitor encontrará de
forma simples uma imensa seleção do melhores sites da internet sobre assuntos
relativos a Educação Física.
Nela o visitante encontrará uma lista de temas92, ordenada pelo nome, com
um pequeno número ao lado entre parênteses indicando quantos links contém cada
um dos temas. Clicando sobre o nome irá aparecer a relação dos sites que suas
respectivas descrições, assim os leitores podem escolher qual site irá ajudar em
suas pesquisas.
Abaixo da seção principal onde estão disponíveis os temas há uma relação
de dez sites que ficam em destaque, contendo a sua respectiva temática logo
abaixo. Esta lista é gerada aleatoriamente cada vez que o visitante clica nesta
seção.
Ao lado do nome, junto à descrição do site, fica entre parênteses a
quantidade de acessos que o link já recebeu, facilitando assim o acompanhamento
estatístico de cada temática.

91
http://www.boletimef.org/lancamentos.asp
92
http://www.boletimef.org/links.asp
42

2.2.9 – ASSINATURA E EXPEDIENTE

No link de assinatura93 o visitante poderá assinar ou cancelar seu cadastro


para receber o Boletim apenas preenchendo seu e-mail no campo específico, além
disso, ele estará obtendo todas as informações necessárias durante o processo de
perecimento.
A seção “Expediente”94 contém todas as informações para contato com a
redação, como o endereço convencional, os e-mails de contato, telefone e relação
dos responsáveis pelo Boletim Educação Física. Esta seção é comum a todos os
periódicos, tanto eletrônico como convencional.

2.3 – O ENVIO AOS ASSINANTES

Desde suas primeiras edições o Boletim Educação Física é enviado por e-


mail, caracterizando-se como uma publicação eminentemente eletrônica, utilizando­
se da tecnologia desse novo recurso de correio criado com o advento da internet.
Em suas primeiras edições os procedimentos de envio ainda eram
precários, uma vez que todo o trabalho de envio, cadastramento e cancelamento de
assinaturas, eram executados manualmente, gerando uma excessiva quantidade de
trabalho, a grande maioria dos provedores de internet no Brasil tem um limite de 20
e-mails por mensagem transmitida, assim, tínhamos que formatar vários e-mails com
o Boletim e enviar remessas de 20 até o envio a todos os assinantes.
Além de esse procedimento ser extremamente demorado e trabalhoso,
gerava muitas mensagens de resposta dos servidores, pois, como é comum na
internet, vários e-mails param de funcionar ou são desativados, ou até mesmo estão
com seu limite excedido, o que gerava o retorno de centenas de mensagens
automáticas dos servidores comunicando que a mensagem não pode ser entregue
ao destinatário.
No início, mesmo com esses limites, conseguia-se enviar o periódico dessa
maneira, mas com o crescimento do número de assinantes essa prática tornava-se
cada vez mais precária. Assim, pesquisamos na internet a melhor solução para
93
http://www.boletimef.org/assinatura.asp
94
http://www.boletimef.org/expediente.asp
43

revolver este problema, foi quando optamos pelo uso do serviço de mensagem do
Yahoo Grupos.
A partir do início de 2002, começamos a utilizar esse serviço gratuito para o
envio, cadastramento e cancelamento de assinaturas, sendo que estes dois últimos
são automáticos. Dessa forma, o envio a todos os assinantes foi simplificado, pois
após a conclusão do Boletim, basta que formatemos apenas uma única mensagem e
encaminhemos ao e-mail cadastrado no Yahoo para que todos os assinantes do
Boletim recebam a mensagem com o periódico.
Isso também diminuiu drasticamente a quantidade de mensagem que
recebíamos dos provedores, que eram geradas com problemas dos e-mails dos
destinatários, pois o serviço do Yahoo possui filtros para que estas mensagens não
retornem para o remetente da mensagem.
Essa é a atual forma de envio do Boletim, que usamos à quase dois anos,
no entanto, a partir de nossa experiência com outros serviços gratuitos da internet,
vemos a necessidade de transferir essa forma de envio para um programa ou um
servidor próprio, para evitar possíveis problemas que já tivemos com outros serviços
similares.

2.4 – SITUAÇÃO ATUAL

Como podemos perceber ao longo desse resgate histórico da construção do


Boletim Educação Física, as dificuldades foram/são muitas, mas mesmo assim
podemos apontar que os avanços e a contribuição que este periódico trouxe para a
Educação Física brasileira, superam de longe todo este trabalho e a dedicação
constante que temos com sua publicação.
Atualmente, o Boletim conta com mais de 20 mil assinantes de todas as
regiões do Brasil e de vários outros países, chegando principalmente em Portugal,
pela facilidade de entendimento de nossa língua, e aos países de língua espanhola.
Estes números são os assinantes diretos do Boletim, uma vez que milhões de
pessoas recebem o periódico reenviado por amigos, através de listas de discussões,
em fóruns na internet, sites parceiros do Boletim, etc.
44

Pela facilidade que temos em acessar as informações na internet95 e pelo


baixo custo de se enviar mensagens eletrônicas o Boletim chega hoje em todas as
regiões do Brasil, oportunizando e facilitando o acesso às informações referentes à
Educação Física a milhares de professores, estudantes, pesquisadores e demais
interessados na área.
Além dos assinantes e das pessoas que recebem o Boletim reenviado por
outros, através do site do Boletim é possível acessar todas as edições, desde o
primeiro número até a edição atual, consulta-la on-line ou fazer o download para
impressão e/ou armazenamento.
A média diária de acesso ao site é hoje de 390 pessoas, e desde a criação
do novo site, no dia 21 de julho de 2002, até agora, totalizamos mais de 120 mil
acessos únicos ao site96. Estes números vêm crescendo todos os dias, pois cada
vez mais o Boletim vem sendo utilizado e recomendado nos cursos de graduação
em Educação Física, além de ser indicado em vários sites na internet e pelos seus
assinantes e leitores.
A amplitude e reconhecimento que o periódico vem alcançando retrata um
trabalho que, até então, era inédito no Brasil, uma vez que o Boletim se diferencia
dos demais periódicos pela utilização de ferramentas e recursos digitais, quando que
poucos periódicos em nossa área utilizam-se destes recursos, além disso através do
Boletim, as pessoas têm acesso a Biblioteca Virtual contendo trabalhos dos mais
renomados autores da Educação Física brasileira, de forma rápida e gratuita,
diferenciando-se de revistas acadêmicas onde o acesso é muito restrito e muitas
vezes é de alto custo para a aquisição.
Além disso as inovações trazidas pelo periódico vão além da simples
publicação de trabalhos como nos periódicos convencionais, não que isso não seja
de fundamental importância, mas é que não se tinha um periódico onde se
reunissem as informações de todas as publicações e ainda disponibilizasse vários
desses trabalhos, dando acesso e democratizando as informações sobre a produção
científica e cultural da Educação Física.
Ao longo desses anos desenvolvemos uma metodologia para a divulgação
dos eventos que acontecem em nossa área, que até hoje ainda não vimos nem
mesmo similar, uma vez que através do Boletim é divulgada a maioria dos eventos

95
O que não é a mesma facilidade para se ter o equipamento necessário, pelo seu alto custo.
96
Fonte, medidor de estatística do site do Boletim: http://w.extreme-dm.com/?login=boletime
45

que ocorrem no Brasil e exterior relacionados à Educação Física e áreas correlatas.


Não constatamos esta prática tão bem sistematizada em nenhum outro periódico
relacionado à Educação Física nem mesmo no exterior. Podemos até afirmar que tal
prática não é comum nem mesmo em outras áreas do conhecimento, uma vez que
ao longo desse tempo e com toda nossa experiência, nunca encontramos algo
similar na internet.
Com isso conquistamos vários leitores de outras áreas correlatas que tem
nessa seção do Boletim acesso às informações de eventos em sua área, na maioria
áreas como Educação, Psicologia, Medicina Desportiva, Fisioterapia, Nutrição,
Filosofia entre outras.
Recentemente, começamos entrar em contato com instituições relacionadas
à Educação Física e ao esporte, como Confederações e Federações esportivas,
Secretarias Estaduais e Municipais de Esporte e Lazer, Faculdades de Educação
Física, sites, entre outros, procurando levar as informações contidas no Boletim a
estas instituições e buscando parcerias na divulgação do periódico.
Espera-se que com isso possamos ampliar ainda mais o alcance que o
Boletim vem projetando na divulgação das informações em Educação Física. Esta
prática ainda não havia sido feita por nós e só agora começamos a procurar estas
instituições, às vezes que tivemos contatos com elas foram por iniciativa delas e não
pela nossa, assim esperamos mudar esta posição entrando em contato com as
principais instituições do país. As primeiras experiências que tivemos foram
excelentes, uma vez que todas as instituições que entramos em contato se
dispuseram a apoiar o Boletim e divulgá-lo.
Após essa pequena descrição estatística do periódico, podemos perceber
que em pouco mais de dois anos de publicação o Boletim alcançou números
expressivos em seu quadro de assinantes e usuários, poucas publicações
eletrônicas alcançaram estes números. Podemos observar por exemplo, uma das
mais significativas publicações eletrônicas, abrangendo várias áreas do
conhecimento, sendo reconhecido por todo meio acadêmico, que é à versão
eletrônica do Jornal da Ciência97 da SBPC, publicado diariamente e enviado por e-
mail com o nome JC e-mail, esta publicação hoje está em sua 2425º edição e conta
com cerca de 14 mil assinantes.

97
http://www.jornaldaciencia.org.br/index2.jsp
46

Há vários outros exemplos significativos, mas iremos apresentar apenas o


do JC e-mail por entender que só ele já expressa nossa idéia e não cabe a este
trabalho a análise numérica e estatística dessas publicações, a intenção de
expressar o exemplo acima, foi apenas para uma melhor compreensão da idéia que
desenvolvemos com as estatísticas do Boletim e de seu site na internet.
Nossa intenção aqui foi desenvolver alguns números que facilitassem a
compreensão do próximo item, onde iremos relacionar como o Boletim vem
intervindo com suas ferramentas e auxiliando os professores e estudantes da
Educação Física brasileira.

2.5 – SUAS FERRAMENTAS DE INTERVENÇÃO NA


DEMOCRATIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DA EDUCAÇÃO
FÍSICA BRASILEIRA

Se observarmos o primeiro capítulo deste trabalho, quando fizemos o


resgate histórico da construção do Boletim, vimos que as primeiras considerações e
observações, que tivemos antes de iniciar esta publicação, foi que não se tinha na
Educação Física, um veículo que pudesse socializar e divulgar as informações
científicas e culturais que são produzidas em nossa área, este foi o principal motivo
que nos moveu a iniciar este trabalho.
Agora, nessa parte, iremos fazer algumas considerações acerca de suas
ferramentas de intervenção, ou seja, de como o Boletim utiliza-se de suas seções
para socializar as informações na Educação Física, suprindo de certa maneira uma
lacuna que tínhamos em nossa área.
Mensalmente, são divulgadas as mais recentes publicações da comunidade
científica da Educação Física e áreas afins, através da seção de lançamentos são
publicados uma pequena sinopse dos livros que recebemos das editoras ou de seus
autores, fazendo que a informação chegue a todos os assinantes o Boletim.
Esta prática se repete com as publicações de revistas acadêmicas que
recebemos de seus autores ou instituições e por estar sempre presente em todas as
edições do Boletim, ficou sendo uma das seções mais apreciadas pelos leitores, que
47

muitas vezes já aguardam o Boletim e vão direto a seção de lançamentos para ver o
que foi produzido naquele mês.
Recentemente, começamos a entrar em contato com as principais editoras
do país que publicam livros relacionados à Educação Física, solicitando que nos
enviem seus lançamentos para que possamos divulgá-los. Esta prática tem facilitado
e ampliado o alcance dessa seção, pois dessa maneira assim que são lançadas
novas publicações já recebemos e temos a possibilidade de divulgá-las no Boletim.
Outra maneira que possibilitamos para a socialização das informações é
através do espaço oferecido aos leitores para que possam publicar notas sobre
questões da Educação Física, assim através desse espaço são divulgadas
informações de cursos de aperfeiçoamento, especializações, mestrado, doutorados,
concursos para professores, troca de experiências entre os leitores e outras
informações que nos são enviadas mensalmente.
Um espaço fundamental é a Biblioteca Virtual onde são disponibilizadas
centenas de trabalhos na íntegra e gratuitamente a milhões de professores e
estudantes. O acervo da Biblioteca é ampliado mensalmente com os trabalhos que
recebemos de seus autores e através de nossas pesquisas em bancos de dados na
internet.
Através desse espaço a comunidade da Educação Física tem acesso à
muitas das mais recentes publicações oriundas de congressos, revistas, mestrados
e doutorados do país, pois seus autores têm a possibilidade de enviar as
publicações para que possamos disponibilizar em meio digital através da Biblioteca.
Esta é uma prática já muito comum em outras áreas do conhecimento, mas
que na Educação Física há poucas experiências similares, para citar os dois
exemplos mais significativos, temos o Núcleo Brasileiro de Teses e Dissertações em
Educação Física e Educação Especial98 (NUTESES), desenvolvido na Universidade
Federal de Uberlândia, que disponibiliza na internet o resumo de centenas de teses
e dissertações para consulta on-line, oferecendo a possibilidade de fazer o pedido
pelos correios de cópia impressa do material consultado, além disso alguns dos
trabalhos estão disponíveis no formato digital e podem ser solicitados por e-mail.
O outro exemplo é da revista eletrônica Lecturas Educación Física y
Deportes99, desenvolvida na Argentina, que é publicada mensalmente. Nesse

98
http://www.nuteses.ufu.br
99
http://www.efdeportes.com
48

espaço não se trata de transposição do material impresso para o digital, pois a


publicação é eletrônica e disponibiliza seus artigos somente on-line, se diferenciando
de uma Biblioteca Virtual.
A experiência da Biblioteca Virtual do Boletim Educação Física vem se
desenvolvendo como uma das mais significativas, uma vez que nenhuma outra
publicação acadêmica da Educação Física disponibiliza de forma sistematizada um
acervo digital especifico para nossa área.
Recentemente, o Ministério do Esporte100 vem desenvolvendo testes em um
projeto piloto de um site que pretende agregar vários trabalhos da comunidade da
Educação Física, trata-se do Centro de Documentação e Informação do Ministério
do Esporte (CEDIME)101, projeto que ainda está em desenvolvimento e que não foi
oficialmente inaugurado, por estar em fase final de testes.
Com todas estas ilustrações podemos observar que a experiência da
Biblioteca Virtual do Boletim Educação Física, ainda é o maior acervo digital da
Educação Física no Brasil. Queremos firmar com isso o desenvolvimento desse
trabalho para que possamos ampliar cada vez mais este espaço e a partir dessa
experiência, possivelmente desenvolver a “Biblioteca Digital Brasileira de Educação
Física e Esporte”, que está em nossos projetos mas que não compete a este
trabalho desenvolver esta idéia102.
Um item não muito freqüente, mas, que nas últimas edições vem sempre
ganhando destaque na publicação é a seção “Polêmica”, onde convidamos um autor
representativo da área para escrever um pequeno texto sobre algum assunto em
pauta na Educação Física, que tenha ou que venha gerando discussão no meio
acadêmico.
Nesse espaço, também, é oferecido aos interessados em responder o texto,
que o façam enviando outro texto sobre o tema, com outra abordagem teórica ou em
resposta as provocações geradas pelo primeiro. Com isso o Boletim oportuniza e
gera a freqüente discussão de temas emergentes na Educação Física.
Por não acreditarmos na neutralidade científica, uma vez que essa não
existe, já que em toda ação que desenvolvemos, escrevemos, criamos, etc, estamos

100
http://www.esporte.gov.br
101
http://www.esporte.gov.br/cedime
102
Idéia essa desenvolvida a partir das análises iniciais de Cunha (2000) em seu artigo sobre o futuro
das bibliotecas universitárias brasileiras, e principalmente de nosso estudo do projeto do IBCIT da
construção da Biblioteca Digital Brasileira - http://www.ibict.br/bdb/inicio.htm
49

implicitamente reproduzindo um determinado entendimento de homem e de mundo,


e de maneira significativa contribuímos para manter ou transformar a realidade do
grupo social ao qual estamos inseridos (GRAMSCI, 1987).
Nesse entendimento não poderia ser diferente para o Boletim Educação
Física, e a seção “Pensamento para reflexão”, que sempre esteve presente no
periódico, é o que melhor expressa nossas idéias, uma vez que comprometidos com
o projeto histórico de transformação dos meios de produção da sociedade
capitalista, buscamos em textos clássicos de autores consagrados da filosofia,
reflexões que possam contribuir com este processo histórico.
Além disso, são publicadas nessa seção reflexões de autores da Educação
Física e de outras áreas como a Educação, que possibilita o entendimento crítico de
nossa sociedade e que possam gerar conflito naqueles pensamentos cristalizados
que entendem a Educação Física como uma disciplina isolada do contexto histórico,
social, político e econômico de nosso país e do mundo em que vivemos.
Este entendimento está presente em outras seções do Boletim, como a
seção de links, onde pesquisamos na internet sites expressivos que possam
contribuir com a prática diária dos professores e estudantes de Educação Física,
trazendo reflexões e contribuições que muitas vezes não estão presentes no próprio
periódico. Além disso também oportunizamos este espaço para que os interessados
em divulgar seu trabalho possam enviar um link para publicação nessa seção.
Com esta prática temos criado uma enorme lista de endereços das mais
variadas abrangências da Educação Física, divididas por temáticas e organizadas
sistematicamente por ordem alfabética, de fácil acesso para pesquisas através de
um pequeno resumo descritivo dos sites listados.
Outra ferramenta importante é a seção de eventos, que traz uma “agenda”
da maioria dos congressos que estão para acontecer no Brasil e de muitos que
acontecem no exterior, possibilitando assim a programação prévia da participação
de centenas de professores e estudantes nesses eventos. Nesse espaço além das
informações fundamentais do congresso (tema, data, local, contatos, etc), é
informado a data para envio de trabalhos aos eventos, facilitando a vida de centenas
de pesquisadores, que pela simplicidade de acesso às informações dessa seção, as
quais são dispostas em ordem cronológica crescente das datas dos eventos e
dividido em eventos no Brasil e exterior. Dessa forma, o leitor pode agendar onde irá
participar ou apresentar suas pesquisas.
50

Dessa maneira, o Boletim Educação Física é hoje o veiculo mais bem


atualizado que concentra todas estas informações de forma sistematizada, trazendo
a seus leitores a possibilidade de acesso às informações das mais variadas áreas de
abrangência da Educação Física, contribuindo de forma significativa com a
democratização do conhecimento na Educação Física brasileira.
51

CAPÍTULO 3 – A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA EM MEIOS DIGITAIS


ATRAVÉS DE PERIÓDICOS ELETRÔNICOS

Nesse último capítulo, fazemos uma breve discussão acerca dos periódicos
impressos, trazendo um pouco de sua história e suas funções ao meio acadêmico.
Continuando nossa reflexão, analisamos as possibilidades trazidas pelos periódicos
eletrônicos, fazendo uma breve análise da atual situação da divulgação científica
em meios digitais, relacionando com a divulgação científica em meios digitais na
Educação Física brasileira.

3.1 – OS PERIÓDICOS CIENTÍFICOS (impressos)

Os periódicos científicos, de sua origem até hoje, têm desempenhado


importantes funções na área das ciências. Para citar as mais importantes,
apontamos o registro e a disseminação da produção científica da comunidade
acadêmica, servindo como principal mecanismo de difusão do conhecimento.
Em sua dissertação103, no Programa de Mestrado em Comunicação Social
da UFRJ104, Valerio (1994), ao fazer uma análise de alguns periódicos científicos
(impressos), observa três pontos que considera importantes funções dos periódicos
científicos: registro, disseminação e instituição social.
Como registro, constitui o meio formal pelo qual o pesquisador torna pública
suas pesquisas, dando validade e amplitude ao seu trabalho, constitui, também, um
arquivo por ser fonte do saber científico e do conhecimento, podendo ser
disponibilizado em Bibliotecas e centros de pesquisas.
Como disseminador da informação, o periódico científico, além de despertar
interesse e fomentar discussão sobre temas nele veiculados, fornece informações de
interesse para pesquisadores, assim como possibilita a comunidade em geral, ter
acesso ao que vem sendo produzido pelas áreas do conhecimento. Outro ponto
culminante da disseminação das informações são os chamados periódicos
secundários, que nada mais são que aqueles periódicos de divulgação científica ou

103
Que posteriormente foi publicada no livro que iremos utilizar.
104
Universidade Federal do Rio de Janeiro – http://www.ufrj.br
52

os mais populares de notícias, que se utilizam das pesquisas publicadas nos


periódicos científicos, fazendo ampla divulgação para o público mais leigo.
Como instituição social (ZIMAN, 1979 apud VALERIO, 1994), o periódico
científico pode atribuir prestígio e reconhecimento a autores (premiação na carreira),
a instituições (avaliação de pessoal e programas), a editores e avaliadores
(reconhecimento da área), a assinantes (atualização).
Algumas outras funções de uma revista científica são: a reunião da
produção científica, seleção, publicação do material selecionado, distribuição do
material publicado e armazenamento desses trabalhos. Mais do que isso, as revistas
são instrumentos importantes para a constituição de disciplinas e para o
desenvolvimento de comunidades científicas específicas.
O periódico científico desempenha papel-chave na definição e legitimação
de novos campos do conhecimento, sendo o mais importante meio de disseminação
do conhecimento no mundo inteiro, a despeito das novas tecnologias e bases de
dados (VALERIO, 1994).
Ainda que, em sua função de disseminação, recaia a maior parte das
críticas ao periódico científico, devido à demora no processo de publicações105, é
pelo papel que desempenha que ele é reconhecido como o principal veículo de
disseminação do conhecimento científico. Outras críticas que apontamos como
importantes é o difícil acesso a este material, uma vez que pela especificidade de
cada área e pela especialização do periódico, eles só são encontrados em grandes
bibliotecas universitárias, dificultando a consulta aos pesquisadores que não tem
acesso a estas bibliotecas, e muitas vezes é inviável a um pesquisador ter várias
assinaturas dos principais periódicos de sua área.
Outro ponto seria a freqüente impontualidade em sua periodização, uma vez
que é raro o periódico que de fato cumpre rigorosamente sua data de lançamento,
mesmo os semestrais e anuais. O que na maioria das vezes contribui para esta
impontualidade são as dificuldades dos editores com os recursos financeiros
necessários a publicação, falta de convênios, atraso nas editoras, entre outros.
Mas o ponto principal, que percebemos, é o financeiro. Tendo em vista o
modo de produção de nossa sociedade, baseado na produção de mercadorias e no
lucro, com os periódicos científicos não poderia se diferente. Salvo algumas

105
Muitas vezes um artigo aceito para publicação, leva mais de um ano para de fato ser publicado.
53

exceções, a maioria dos grandes editores106, principalmente os internacionais,


desenvolve uma prática de comercialização do conhecimento produzido e para se
ter o acesso é necessário que gastemos muito dinheiro, uma vez que suas
assinaturas são caríssimas. A exemplo disso, temos o Nature Publishing Group107,
que entre outras, é responsável pela publicação da revista Nature, uma das mais
conceituadas e conhecidas revistas científicas em todo o mundo.
Outro fator financeiro que limita as publicações seriadas impressas, é, o alto
custo que se tem para confecção, impressão e distribuição das revistas, fazendo
com que muitas revistas atrasem sua publicação, e até mesmo parem de ser
publicadas pela falta dos recursos financeiros necessários.
Com o advento da internet e a popularização dos periódicos científicos
eletrônicos, esses custos têm diminuído significativamente, uma vez que
praticamente não se têm gastos com a impressão ou distribuição (pelo correio) com
as revistas, os gastos que se têm com estas publicações são bem menores, pelo
fato de se utilizarem da internet e de recursos eletrônicos.
Um requisito fundamental para o avanço da pesquisa científica em nossos
dias é a propagação rápida da informação revisada por pares, que é ainda o
indicador de qualidade aceitável no tradicional meio científico. Da mesma forma, o
avanço na carreira acadêmica e na captação de recursos para a pesquisa está
associado à publicação em tempo recorde.
Porém, algumas condições tornam progressivamente difícil publicar em
tempo hábil nas revistas convencionais em papel. Nas revistas mais solicitadas,
existem problemas de limitação de espaço. Nas revistas menos conhecidas, tempo
de espera para fechamento de uma edição, escassez de recursos para manter uma
periodicidade menor e constante. Altos custos de publicação e altos preços de
assinatura, inerentes às publicações em papel, tornam inacessível sua aquisição por
laboratórios ou bibliotecas de limitados recursos financeiros.
Revistas de menor circulação não são facilmente encontradas em
bibliotecas, ou nos índices de referenciação bibliográfica. Em conseqüência, fica
difícil, às vezes, garantir o caráter inédito de um resultado e, à medida que novas
descobertas são publicadas, falha-se eventualmente em dar o devido crédito a um

106
Editores; é como é chamado um grupo que administra grandes empresas, onde são publicados
vários periódicos em diversas áreas do conhecimento.
107
http://www.nature.com
54

trabalho prévio de outros pesquisadores. Uma forma alternativa de publicar trazendo


solução para todos estes problemas surge, necessariamente, com um potencial
enorme de sucesso.
A princípio a forma e transição para o meio eletrônico deu-se através da
digitalização dos periódicos impressos, onde além da versão impressa havia uma
versão digital para ser consultada através do site das revistas este processo foi
evoluindo e chegamos as publicações eletrônicas, que se utilizam de novos recursos
para a divulgação científica.

3.2 – POSSIBILIDADES DA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA ATRAVÉS


DOS PERIÓDICOS ELETRÔNICOS

A possibilidade de, com um simples clicar, podermos passar de uma citação


bibliográfica para um abstract108 ou até mesmo acessar o texto completo de um
artigo, e ir além, podemos até tirar dúvidas ou discutir o texto diretamente com o
autor através do e-mail, está promovendo uma mudança considerável na forma de
utilização da informação científica de publicações seriadas.
A revolução que está acontecendo inclui universidades em todas as partes
do mundo e não é só a forma acadêmica de publicar que está em mudança. A
própria existência das bibliotecas de pesquisa, como as conhecemos hoje, está em
questão, com a erosão de seus papéis tradicionais buscam novas maneiras para se
adaptarem as novas tecnologias introduzidas pelos periódicos eletrônicos (CRUZ;
BATTAGLIA; OLIVEIRA; GABRIEL; FERREIRA; PRATI, 2003). As editoras e os
novos serviços eletrônicos estão entregando informações sofisticadas diretamente
aos usuários, sem a mediação das bibliotecas, que passam a executar outras
funções.
A internet e as possibilidades que os meios digitais trazem à comunidade
acadêmica, estão abalando as fundações do sistema de publicação periódica
tradicional. Cada vez mais está parecendo insustentável manter, como um meio
básico de comunicação científica, uma infinidade de títulos de revistas científicas de
alto preço, às vezes de baixa circulação.

108
Resumo.
55

A publicação eletrônica na internet permite a disseminação em grande


escala da informação científica tradicional109 em curto prazo, sem limitação de
espaço e a um custo baixo, além de abrir possibilidade para apresentações
multimídia, incluindo sistemas de coordenadas tridimensionais para modelos, filmes,
arquivos sonoros ou ilustrações a cores e o hipertexto, sem gerar um ônus adicional
à publicação.
A comunicação eletrônica entre pesquisadores e outros usuários da
informação veiculada através da internet, seja por correio eletrônico ou em fóruns de
discussão, tende a impulsionar a comunicação global na ciência. O uso do e-mail,
facilitando a transmissão de trabalhos científicos a serem submetidos ao corpo
editorial das revistas, para avaliação e revisão, assim como para solicitação e envio
de separatas, elimina, não só os custos convencionais correspondentes da
publicação impressa, como também agiliza consideravelmente a comunicação.
A obtenção direta, no próprio ambiente da revista, de links para diferentes
partes do trabalho, ou para outros trabalhos, ou de links para fontes de consulta,
como bancos de dados sobre um determinado assunto, ou banco de dados de
referências bibliográficas, imagens, sons, gráficos, que já estão disponibilizados na
internet por grandes sistemas gerenciadores de informação, públicos e privados, é
uma vantagem incomparável oferecida pelo ambiente de hipertexto e hipermídia
(DIAS, 1999).
O processo de criação de hipertextos passa, quase que necessariamente,
pela leitura de outros documentos hipertextos disponíveis, os quais poderão ser
associados ao hipertexto em elaboração. O autor, portanto, ao estruturar seu
documento, lê avalia e estabelece links a outros documentos que possam contribuir
para o entendimento de seu ponto de vista ou servir como bibliografia sugerida
sobre o assunto abordado e até mesmo ser encontrado como um hiperlink de outro
texto que leve ao seu.
Com a incorporação de sons e imagens aos hipertextos (hipermídia),
certamente a escrita hipertextual requer habilidades adicionais de seus autores. Isso
pode levar a uma certa reação, pois é comum condenarmos aquilo que nos parece
estranho ou diferente do padrão que nos foi transmitido através dos milhares de
anos desde a invenção da escrita.

109
Meios impressos.
56

A publicação de artigos de forma contínua, à medida que vão sendo


enviados e liberados pelo corpo editorial da revista, a facilidade de revisão on-line110
e a possibilidade imediata da correção de possíveis erros nos trabalhos
publicados111 são outras vantagens das versões eletrônicas das revistas científicas,
que podem, se quiserem, abrir mão de elementos como volume, números de edição,
paginação, etc, que são indispensáveis nas versões impressas.
Um dado fundamental, entretanto, necessário à confiabilidade que deve
merecer o periódico eletrônico, é a permanência e a estabilidade do seu endereço
eletrônico112. Da mesma forma, devido à facilidade de alteração de textos ou outros
itens, facilidade que é inerente à publicação eletrônica, o periódico deve sempre
informar a data em que revisões ou erratas, dos trabalhos publicados, foram feitas
ou disponibilizadas na rede. Desse modo, as citações de artigos podem ser feitas e
acompanhadas de forma conveniente.
As citações bibliográficas de revistas ou de artigos on-line devem, portanto,
incluir como seus elementos, além dos elementos essenciais convencionais, o
endereço da página da internet onde se encontra a data em que os artigos foram
disponibilizados e a data em que foram acessados para consulta, esta última sendo
uma condição praticamente indispensável.
São imprescindíveis nas revistas eletrônicas as mesmas qualidades
esperadas nos periódicos tradicionais em papel: conteúdo editorial de valor, alta
categoria dos autores e do corpo editorial, amparo financeiro, revisão por pares e
caráter internacional. Em suas duas formas básicas - a forma tradicional de
"edições" contendo uma coleção de artigos, ou a forma mais ágil de publicação de
um artigo por vez - um periódico eletrônico deve apresentar também constância de
periodicidade, embora os padrões para a avaliação dessa característica nos
periódicos eletrônicos ainda estejam em desenvolvimento. Um bom indicador da
"saúde" de uma revista eletrônica é a regularidade com que os artigos são enviados.
Embora esse indicador dependa da área de pesquisa, é de se esperar que pelo
menos em seis meses alguma atividade seja manifestada.
Os periódicos eletrônicos trazem uma verdadeira revolução no conceito das
publicações científicas, tanto que já se cogita no fim do periódico impresso, devido

110
Através ou com o auxílio de ferramentas eletrônicas.

111
Através de um simples e-mail o editor está em contato com o autor e pode fazer as correções,

tanto antes do trabalho ser publicado, como depois através de uma errata.

112
Site na Word Wide Web.

57

ao seu alto custo. Não entendemos ser este o caminho, pois, a história nos mostra
que as novas tecnologias não substituem por completo as antigas, mas geram
nessas a necessidade de inovações e reestruturações, como podemos perceber nas
publicações hoje. É comum a maioria dos periódicos impressos, mesmo os que
ainda não disponibilizam seus artigos de forma digital, terem seus sites na internet,
onde é possível acessar a capa, o sumário, normas para envio de artigos, edições
anteriores, condições para comutação entre periódicos, entre outros recursos que
anteriormente só eram acessíveis a partir do próprio periódico, limitando muito o
acesso a estas informações para quem não era assinante ou não tinha condições de
consulta-los em uma biblioteca.
Entendemos que a publicação eletrônica não irá substituir a impressa, pois
uma complementa a outra, sendo que as novas tecnologias trazem outras formas de
divulgação e socialização do conhecimento e que a idéia inicial de se transpor
(copiar) os periódicos impressos para o meio digital, sem a utilização dos recursos
eletrônicos, vem sendo superada aos poucos e logo teremos de fato publicações
eletrônicas utilizando-se dos mais variados recursos audiovisuais, hipertextuais,
mídias, etc.

3.3 – A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA EM MEIOS DIGITAIS NA


EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA

Na Educação Física brasileira, a transposição para os meios digitais e


eletrônicos vem sendo feita de forma gradativa e mais lento que em outras áreas do
conhecimento. Por este motivo há poucos produções científicas relativas ao tema,
sendo que não encontramos bibliografia específica que trate diretamente dos
periódicos eletrônicos.
Por esta razão, iremos traçar alguns caminhos que estão construindo este
novo conceito em nossa área. E para isso é necessário pontuarmos a criação do
Centro Esportivo Virtual (CEV), em julho de 1996, como um importante instrumento
para o desenvolvimento da comunicação e divulgação eletrônica em Educação
Física.
O CEV quando foi criado tinha pretensões de abranger as várias áreas da
Educação Física e do Esporte, fazendo uma grande cobertura dos acontecimentos e
58

eventos científicos, mas o destaque maior para este projeto, foi, sem dúvida, a
criação da lista de discussão sobre esporte113, que marcou o início do que vem a ser
o CEV hoje, com suas mais de 130 listas temáticas de discussão.
Logo no início de 1997114 foi criada a segunda lista de discussão e, dessa
vez, já era uma lista temática que abordava a história da Educação Física e do
Esporte. Desta maneira, através das listas de discussões e da freqüente troca de
informações através delas, inclusive com a participação de importantes nomes do
cenário internacional, foram trocadas centenas de e-mails os quais, entre outros
temas, já abordavam a questão das publicações eletrônicas, como podemos
observar no registro realizado por Melo (1998):

A lista pretendia também editar duas publicações eletrônicas. Uma delas já


está em andamento, sendo na verdade uma pequena iniciativa de auto­
divulgação da lista. O “Balanço Mensal da Cevhist-l” divulga o andamento
dos trabalhos, o estágio das principais ações, os congressos e revistas
nacionais. É somente distribuída, via eletrônica, aos assinantes da lista, aos
assinantes da “Efesport-l” e aos assinantes da lista Argentina de discussão
sobre Educação Física e do Esporte. A outra iniciativa é mais ousada e de
difícil execução [...] a lista tem o projeto de futuramente editar um caderno
anual sobre o assunto, sempre dedicando espaço para a discussão
privilegiada de uma temática. Além de aberto a colaborações, serão
convidados pesquisadores para escrever sobre tal temática. Toda a
montagem do caderno (a idéia inicial foi de uma revista, substituída nesse
momento devido às dificuldades) já foi discutida pelos membros da "Cevhist­
l", desde o título da publicação, passando pelas normas até a sugestão de
nomes para o Conselho Editorial e convidados para escrever no primeiro
número. Esse caderno seria distribuído por disquete e viabilizado no sítio de
História do CEV.

Estas primeiras discussões acerca das publicações eletrônicas, geraram


várias outras e alguns dos projetos foram à frente outros não chegaram nem a sair
das discussões. Mas apontamos estes primeiros passos como fundamentais para o
desenvolvimento e ampliação dos projetos de divulgação da Educação Física
através dos meios digitais, que naquele momento ainda estavam em consolidação.

113
Efesport-l.

114
05 de fevereiro de 1997 (MELO, 1998).

59

Com o passar do tempo o CEV foi ampliando suas listas de discussões e


agregando vários professores, pesquisadores e estudantes em torno das discussões
da Educação Física e do Esporte. Nesse mesmo tempo, com o advento da internet e
o aumento do número de usuários na rede, começaram a surgir vários sites
referentes a Educação Física, muitos deles eram feitos por estudantes ou pessoas
ligas a algum esporte, mas não demorou muito para que as Instituições de Ensino
Superior começassem a ter seus próprios sites e com isso surgissem os primeiros
sites de Cursos de Educação Física.
Este foi outro passo importante para os periódicos, pois a maioria, senão
quase todos, são publicações de instituições que tem o curso de Educação Física e
eram estas instituições que começavam a disponibilizar suas informações através da
internet.
Com isso várias revistas científicas de nossa área começaram a
disponibilizar um link para o site delas com informações básicas sobre a publicação.
Logo em seguida algumas começaram a disponibilizar cópia digital de alguns artigos
ou a revista como um todo para download115, o que foi um grande passo para o
início das publicações eletrônicas em nossa área.
Hoje podemos apontar algumas dessas iniciativas, como a Revista
116 117
Corporis , Revista Paulista de Educação Física , e mais recentemente a Revista
118
Movimento , além dessas publicações existem outros exemplos, que pode ser
encontrados através do site da Refelnet119.
Mesmo não sendo no Brasil, pois ainda não tínhamos uma publicação
eletrônica, é iniciado, em 1997, na Argentina a publicação da revista eletrônica
Lecturas Educación Física y Deportes. Uma publicação, que mesmo seguindo os
padrões dos periódicos impressos, é exclusivamente eletrônica, não tendo versão
impressa.
Este periódico foi ganhando destaque pela sua exclusividade em nossa área
e pela similaridade entre a língua espanhola e o português, crescendo
expressivamente em número de leitores brasileiros. Conseqüentemente vários
115
Está prática é utilizada até hoje, sendo que algumas revistas disponibilizam as edições esgotadas
para download gratuitamente.
116
http://www.upe.br/corporis/index.html
117
http://www.usp.br/eef/rpef
118
http://www.ufrgs.br/esef/movimento
119
Serviço gratuito da Escola Superior de Educação Física de Muzambinho, que cadastra e
disponibiliza on-line a relação dos principais, senão todos, os periódicos de nossa área -
http://www.efmuzambinho.org.br/ref.htm
60

autores tiveram/têm suas pesquisas publicadas nesse periódico, pois até hoje ainda
não se tem uma revista eletrônica exclusivamente brasileira120.
Com o advento das discussões e a iminente necessidade de nossa área em
aderir à divulgação científica em meios digitais, várias tem sido as iniciativas de
grupos ligados à Educação Física que contribuem com estes objetivos, dos quais
queremos pontuar a relevante iniciativa do CBCE, em comemoração dos seus 25
anos, de disponibilizar em formato digital todas as edições da Revista Brasileira de
Ciências do Esporte121 em um CD-Rom.
O CD foi lançado durante a realização do XIII CONBRACE, em setembro de
2003, e é composto por mais de 70 exemplares deste periódico, publicados ao longo
de toda existência do CBCE, resultando em torno de 3 mil páginas de ensaios,
resenhas e, principalmente, de artigos científicos, constituindo-se em fonte de
pesquisa fundamental.
Outro ponto importante que tivemos em nossa área, foi à recente indexação
da Revista Brasileira de Medicina do Esporte (RBME)122 na base de dados da
SciELO. Pelos critérios de avaliação dos periódicos, um dos mais importantes e
relevantes para uma publicação hoje no Brasil é ser indexado pela SciELO, uma vez
que os critérios de aceitação para inclusão das revistas são rigorosos e devem ser
todos preenchidos pela publicação que deseje ser incluída nessa importante
biblioteca eletrônica brasileira.
Em nossa área a RBMC foi a primeira a passar por este processo, e
certamente abrirá caminho para que futuramente outras publicações sejam
indexadas pela SciELO, ampliando consideravelmente o acesso e a democratização
do conhecimento produzido pela Educação Física.
Mesmo com várias iniciativas, todas elas muito importantes, ainda não
observamos na Educação Física brasileira uma revista científica exclusivamente
eletrônica, apenas as iniciativas de transposição de periódicos tradicionais123 para o
meio digital, o que contribui, mas ainda não chegamos às publicações eletrônicas124.

120
Uma vez que o Boletim Educação Física não é uma revista e não publica trabalhos.

121
Uma das mais importantes e bem conceituadas revistas de nossa área. Melhores informações

sobre a revista podem ser acessadas através do site do CBCE em http://www.cbce.org.br

122
A revista pode ser acessada através do site da SciELO em http://www.scielo.br

123
Revistas impressas.

124
Apontamos o Boletim Educação Física como a primeira experiência nesse sentido.

61

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Parece não haver mais dúvidas de que a informação é o catalisador


fundamental para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia e, também, a chave
para a inovação. Entretanto, a característica marcante desse avanço é a grande
quantidade de informações disponíveis, estabelecendo como desafio primordial a
capacidade de usar bem essas fontes. Mas é preciso estar atento ao fato de que a
disponibilidade de informações é somente uma etapa para seu uso, pois, encontrar
as informações mais relevantes para um dado problema é atividade fundamental,
assim como colocar à disposição da sociedade mecanismos que facilitem essa
descoberta.
A internet é um marco no mundo da informação e da comunicação que vem
transformando, de forma definitiva e avassaladora, o ciclo de produção de
conhecimento, colocando ao alcance dos pesquisadores125, ferramentas poderosas
que os permitem disseminar, instantaneamente e em escala mundial, os resultados
de suas pesquisas. Isto é válido para todos os demais segmentos sociais
importantes.
No entanto, esse avanço traz suas contradições, e, com certeza, a mais
relevante é a chamada “exclusão digital” pois se, de um lado, as novas tecnologias
criam todas estas vantagens e possibilidades, de outro, geram um distanciamento
cada vez maior entre as pessoas que tem condições e podem acessá-las e as que
não tem acesso a estas novas ferramentas.
Pois o modelo de nossa sociedade gera a riqueza e produz as novas
tecnologias, mas para poucos. Milhares de pessoas que ainda não conseguiram
sequer suprir suas condições básicas de sobrevivência, muitas vezes nem tomam
conhecimento de tais tecnologias, ou seja, sequer tem a possibilidade de se utilizar
dessas ferramentas para transformarem sua realidade ou para facilitar seu cotidiano.
Hoje está claro que os custos para se produzirem publicações eletrônicas é
bem mais barato que os dos meios tradicionais (impressos), uma vez que as
despesas iniciais praticamente são para a aquisição do equipamento necessário e
depois algumas mensais para se manter a publicação, mas esta segunda é
extremamente mais baixa se compararmos as despesas mensais que um periódico

125
Dos quem tem condições e equipamentos para ter acesso à internet.
62

impresso gera para a instituição responsável, sem falar que as máquinas


necessárias para impressão126 são dez vezes mais caras que o preço de um
computador.
Apenas com estas pequenas considerações já é possível entender por que,
tão rapidamente, estão surgindo novas publicações eletrônicas e algumas das
publicações impressas estão sendo transformadas em arquivos digitais, pois se,
para sua produção, o custo é mais baixo, a lógica de nossa sociedade é que se
produza ainda mais dessa maneira, muitas vezes não se preocupando com o acesso
a essas tecnologias. Do outro lado temos o contrário, se para a produção é
necessário apenas um ou alguns computadores e alguns equipamentos, para a
população em geral, que irá acessar estas produções, é necessário que cada um
tenha condições materiais para aquisição desses equipamentos e conhecimento
mínimo para acessá-los, caso contrário de nada adiantaria toda estas inovações.
Esta é a realidade de milhões de pessoas, principalmente aqui no Brasil.
Com essas considerações podemos refletir: realmente são vantajosas todas
essas inovações tecnológicas e o advento da internet, que ainda são para poucos?
Esta indagação parece-nos necessária, mesmo reconhecendo a internet como uma
das maiores descobertas do século XX, senão a mais importante para a área da
comunicação ou a chamada ciência da informação, há que se questionar as
condições de sua utilização.
Em nossa opinião, não só a internet, mas também o domínio das novas
tecnologias, é fundamental para a transformação desta sociedade, pois é através do
que de mais avançado o homem produziu em nosso tempo é que teremos condições
materiais necessárias para estas transformações. O “bom” uso dessas tecnologias,
para estes fins, certamente contribuirá para dar as condições necessárias para que
todos, um dia, possam ter a possibilidade concreta de acesso e uso dessas
ferramentas, o que certamente não será na sociedade na qual vivemos, por ela não
possibilitar a inclusão de todos, mas sim de poucos e a exclusão de muitos.
Para contribuir com esse objetivo maior, de transformação da sociedade, o
acesso à informação é fundamental, mas como vimos antes, o excesso de
informações muitas vezes não contribui com este processo e é necessário que
tenhamos conhecimento suficiente para filtrar esta “enxurrada” de informações.

126
Quando isso não é feito em uma gráfica, que mesmo assim tem um alto custo.
63

Os mecanismos de busca, quando bem utilizados, e os periódicos de


divulgação científica, são importantes ferramentas que contribuem com esta
filtragem. É através dessas ferramentas que muitos professores e pesquisadores
tem acesso à informações relevantes para suas pesquisas, sem ter que passar
horas navegando na internet a procura de boas informações.
Aqui no Brasil, como vimos em alguns exemplos citados nos capítulos
anteriores, em diversas áreas do conhecimento já é muito comum as publicações
eletrônicas e já há algum tempo tem se produzido centenas de publicações. Mas
este processo foi caminhando de forma lenta e teve que passar por várias
transformações até chegar às publicações eletrônicas.
Como está acontecendo na Educação Física hoje, passaram pela criação
de sites, digitalização dos periódicos, criação de banco de dados das revistas,
indexação de resumos, etc, até chegarem às publicações eletrônicas e ai utilizarem
das ferramentas desse tipo de publicação.
Parece-nos que a Educação Física está hoje no meio desse caminho, e já
aponta vários indícios de que muito em breve teremos outras publicações eletrônicas
de divulgação científica além do Boletim Educação Física, o que seria de grande
valia para o desenvolvimento de nossa área.
Entendemos que não deve ser qualquer publicação a ser criada, mas sim,
uma revista eletrônica, que use todos os novos recursos eletrônicos e digitais
disponíveis hoje e que siga as orientações normativas para publicações eletrônicas,
além de manter um respeitado conselho editorial e que seja publicada por uma
instituição de responsabilidade e prestigio nacional, como algumas de nossas
Faculdades de Educação Física ou o Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte.
Esta emergente nova publicação provavelmente será muito bem vinda para
o meio acadêmico da Educação Física, desde que sejam consideradas algumas de
nossas preocupações editoriais que apontamos acima.
Podemos afirmar que até o presente momento o Boletim Educação Física, é
a única publicação eletrônica que temos na Educação Física brasileira e
provavelmente este é um dos motivos (parece-nos que o principal) que leva esta
publicação a ser conhecida e utilizadas em todas as regiões do Brasil, recebendo o
reconhecimento de seus assinantes e das instituições que se utilizam das
informações publicadas pelo periódico.
64

O Boletim Educação Física se diferencia em vários aspectos de uma revista


eletrônica, pois estas têm a função específica de publicação de artigos inéditos, de
revisão, etc, e, o Boletim faz um trabalho mais amplo de democratização das
informações cientificas e culturais da Educação Física de uma forma geral, que só é
possível através do uso das novas tecnologias da informação.
Assim, como apontado anteriormente, é através das ferramentas de
intervenção do Boletim Educação Física e das inovações trazidas por este periódico
que muitas das informações da Educação Física brasileira vêm sendo
sistematicamente armazenadas e amplamente divulgadas a milhares de
professores, pesquisadores e estudantes de nossa área e de outras áreas
correlatas.
65

REFERÊNCIAS

BIREME. BIREME y el sistema latinoamericano y del Caribe de información en


ciencias de la salud: hacia la Biblioteca Virtual en Sauld. In: PACKER, Abel Laerte;
CASTRO, Elenice de (Ed.). Biblioteca Virtual en Salud. São Paulo: BIREME, 1998.
p. 97-123.

BRETON, Philippe. História da Informática. São Paulo: UNESP, 1991.

CRUZ, Angelo Antonio Alves Correa da; BATTAGLIA, Beatriz Bergonzoni;


OLIVEIRA, Érica Beatriz Pinto Moreschi de; GABRIEL, Maria Aparecida; FERREIRA,
Rita de Cássia Santos; PRATI, Suely Cafazzi. Impacto dos periódicos eletrônicos em
bibliotecas universitárias. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 2, p. 47-53,
maio/ago. 2003. Disponível em: <http://www.ibict.br/cionline/320203/3220305.pdf>.
Acesso em: 12 set. 2003.

CUNHA, Murilo Bastos da. Construindo o futuro: a biblioteca universitária brasileira


em 2010. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, n. 1, p. 71-89, jan/abr. 2000.
Disponível em: <http://www.ibict.br/cionline/290100/29010008.pdf>. Acesso em: 25
ago. 2003.

DIAS, Cláudia Augusto. Hipertexto: evolução histórica e efeitos sociais. Ciência da


Informação, Brasília, v. 28, n. 3, p. 269-277, set/dez. 1999. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/280399/28039905.pdf>. Acesso em: 02 set. 2003.

GRAMSCI, Antonio. Concepção dialética da história. 9. ed. Rio de Janeiro:


Civilização Brasileira, 1991.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. 5. ed. Rio de


Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.

MELO, Victor Andrade de. A internet como recurso auxiliar ao pesquisador na área
de história da educação física e do esporte: experiências nacionais e internacionais.
Lecturas: Educación Física y Deportes, Buenos Aires, ano 3, n. 10, mayo. 1998.
Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd10/vam10.htm>. Acesso em: 11 jan.
2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano I, n. 1, abr.
2001a. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=01>. Acesso
em: 13 jul. 2003.
66

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano I, n. 2,


maio. 2001b. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=02>.
Acesso em: 27 jul. 2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano I, n. 6,


maio. 2001c. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=06>.
Acesso em: 27 jul. 2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano I, n. 8, dez.
2001d. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=08>. Acesso
em: 27 jul. 2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano II, n. 9, jan.
2002a. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=09>. Acesso
em: 10 ago. 2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano II, n. 14,
jun. 2002b. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=14>.
Acesso em: 17 ago. 2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano II, n. 16,
ago. 2002c. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=16>.
Acesso em: 17 ago. 2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano II, n. 20,
dez. 2002d. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=20>.
Acesso em: 24 ago. 2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano III, n. 22,
fev. 2003a. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=22>.
Acesso em: 24 ago. 2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano III, n. 24,
abr. 2003b. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=24>.
Acesso em: 30 ago. 2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano III, n. 25,
maio. 2003c. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=25>.
Acesso em: 30 ago. 2003.
67

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano III, n. 26,
jun. 2003d. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=26>.
Acesso em: 30 ago. 2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano III, n. 27, jul.
2003e. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=27>. Acesso
em: 31 ago. 2003.

SILVA, Efrain Maciel e. Boletim Educação Física. Campo Grande, Ano III, n. 30,
out. 2003f. Disponível em: <http://www.boletimef.org/arquivo.asp?boletim=30>.
Acesso em: 12 out. 2003.

VALERIO, Palmira Moriconi. Espelho da ciência: avaliação do Programa Setorial de


Publicações em Ciência e Tecnologia da FINEP. Rio de Janeiro, Brasília: FINEP,
IBICT, 1994.

DOCUMENTOS CONSULTADOS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e


documentação - referências - elaboração. Rio de Janeiro: ABNT, ago. 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: informação e


documentação - citações em documentos - apresentação. Rio de Janeiro: ABNT,
ago. 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e


documentação - trabalhos acadêmicos- apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, ago.
2002.

CARVALHO, Isabel Cristina Louzada; KANINSKI, Ana Lúcia. A sociedade do


conhecimento e o acesso à informação: para que e para quem? Ciência da
Informação, Brasília, v. 29, n. 3, p. 36-39, set/dez. 2000. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/290300/2930004.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2003.

CHATAIGNIER, Maria Cecília Pragana; SILVA, Margareth Prevot da. Biblioteca


Digital: a experiência do Impa. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 3, p. 7-12,
set/dez. 2001. Disponível em: <http://www.ibict.br/cionline/300301/3030201.pdf>.
Acesso em: 02 jun. 2003.
68

CRUZ, Angelo Antonio Alves Correa da; BATTAGLIA, Beatriz Bergonzoni;


OLIVEIRA, Érica Beatriz Pinto Moreschi de; GABRIEL, Maria Aparecida; FERREIRA,
Rita de Cássia Santos; PRATI, Suely Cafazzi. Impacto dos periódicos eletrônicos em
bibliotecas universitárias. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 2, p. 47-53,
maio/ago. 2003. Disponível em: <http://www.ibict.br/cionline/320203/3220305.pdf>.
Acesso em: 12 set. 2003.

CUNHA, Murilo Bastos da. Desafios na construção de uma biblioteca digital. Ciência
da Informação, Brasília, v. 28, n. 3, p. 257-268, set/dez. 1999. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/280399/28039904.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2003.

CUSTÓDIO, Crisllene Queiroz. Cidadania ou profissão? um prospecto da


responsabilidade social do profissional da informação. Educação Temática Digital,
Campinas, SP, v. 4, n. 2, p. 94-96, jun. 2003. Disponível em:
<http://www.bibli.fae.unicamp.br/etd/01revisao.pdf>. Acesso em: 12 jul. 2003.

DIAS, Cláudia Augusto. Hipertexto: evolução histórica e efeitos sociais. Ciência da


Informação, Brasília, v. 28, n. 3, p. 269-277, set/dez. 1999. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/280399/28039905.pdf>. Acesso em: 02 set. 2003.

DIAS, Guilherme Ataíde. Avaliação do acesso a periódicos eletrônicos na Web pela


análise do arquivo de log de acesso. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n. 1, p.
07-12, jan/abr. 2002. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/310102/3110202.pdf>. Acesso em: 10 ago. 2003.

LEVACOV, Marília. Bibliotecas virtuais: (r)evolução? Ciência da Informação,


Brasília, v. 26, n. 2, p. 125-136, maio/ago. 1997. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/260297/26029702.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2003.

MARCHIORI, Patricia Zeni. "Ciberteca" ou biblioteca virtual: uma perspectiva de


gerenciamento de recursos de informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 26,
n. 2, p. 115-124, maio/ago. 1997. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/260297/26029701.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2003.

MARCONDES, Carlos Henrique; SAYÃO, Luis Fernando. Documentos digitais e


novas formas de cooperação entre sistemas de informação em C&T. Ciência da
Informação, Brasília, v. 31, n. 3, p. 42-54, set/dez. 2002. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/310302/3130205.pdf>. Acesso em: 01 set. 2003.

MARCONDES, Carlos Henrique; SAYÃO, Luís Fernando. Integração e


interoperabilidade no acesso a recursos informacionais eletrônicos em C&T: a
69

proposta da Biblioteca Digital Brasileira. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 3,


p. 24-33, set/dez. 2001. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/300301/3030401.pdf>. Acesso em 22 jun. 2003.

MASIERO, Paulo Cesar; BREMER, Carlos Frederico; COLETTA, Teresinha das


Graças; LIRANI, Maria de Lourdes Rebucci; KONDO, Rogério Toshiaki; ARAGÃO,
Antonio Carlos; MOSCONI, Elaine Paiva; SALEM, Aziz Donizzetti Cavalheiro. A
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da Universidade de São Paulo. Ciência
da Informação, Brasília, v. 30, n. 3, p. 34-41, set/dez. 2001. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/300301/3030501.pdf>. Acesso em: 02 jul. 2003.

MEIRA, Silvio Lemos. Um mundo feito (quase completamente) de software. Ciência


e Cultura. Temas e Tendências: Software. São Paulo, ano 55, n. 2, abr/jun., 2003. p.
24-28.

OHIRA, Maria Lourdes Blatt; PRADO, Noêmia Schoffen. Bibliotecas virtuais e


digitais: análise de artigos de periódicos brasileiros (1995/2000). Ciência da
Informação, Brasília, v. 31, n. 1, p. 61-74, jan/abr. 2002. Disponível em:
<http://www.ibict.br/cionline/310102/3110207.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2003.

OLIVEIRA, José Palazzo de. Sistema de informação e sociedade. Ciência e


Cultura. Temas e Tendências: Software. São Paulo, ano 55, n. 2, abr/jun., 2003. p.
39-41.

PONTES, Aldo. Do Homo Sapiens ao Homo Cibernéticus: uma reflexão sobre a


relação homem-tecnologia. Revista Online da Biblioteca Professor Joel Martins,
Campinas, SP, v. 2 n. 2, p. 80-82, fev. 2001. Disponível em:
<http://www.bibli.fae.unicamp.br/revbfe/v2n1fev2001/art08.pdf>. Acesso em: 24 ago.
2003.

SANTOS, Gildenir Carolino. Mapeamento dos suportes de auxílio ao ensino


tradicional: uma contextualização da biblioteca, do livro, do computador, da internet
e da tecnologia na educação. Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 4, n. 2,
p. 48-62, jun. 2003. Disponível em: <http://www.bibli.fae.unicamp.br/etd/04art.pdf>.
Acesso em: 12 jul. 2003.

SANTOS, Gildenir Carolino; PASSOS, Rosemary. Desenvolvimento de uma


biblioteca eletrônica a partir da digitalização de sumários de periódicos na área
educacional: perspectivas para o século XXI. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE
BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, XII., 2002, Recife. Espaço de (r)evolução do
conhecimento e da informação. Anais... Recife: UFPE/SIB, 2002. Disponível em:
<http://www.rau-tu.unicamp.br/nou-rau/sbu/document/?down=4>. Acesso em: 18
ago. 2003.
70

SANTOS, Gildenir Carolino; PASSOS, Rosemary. Gerenciamento e estruturação de

periódicos eletrônicos: a experiência do periódico ETD - Educação Temática Digital

da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas. In: SEMINÁRIO

NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, XII., 2002, Recife. Espaço de

(r)evolução do conhecimento e da informação. Anais... Recife: UFPE/SIB, 2002.

Disponível em: <http://www.rau-tu.unicamp.br/nou-rau/sbu/document/?down=1213>.

Acesso em: 16 ago. 2003.

SENA, Nathália Kneipp. Open archives: caminho alternativo para a comunicação

científica. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, n. 3, p. 71-78, set/dez. 2000.

Disponível em: <http://www.ibict.br/cionline/290300/2930007.pdf>. Acesso em: 22

jun. 2003.

STUMPF, Ida Regina Chitto. Reflexões sobre as revistas brasileiras. InTexto, Porto

Alegre, v. 1, n. 3, 1998. Disponível em: <http://www.intexto.ufrgs.br/v1n3/a­


v1n3a3.html>. Acesso em: 22 jul.

2003.

TORQUATO, Celeste Velasco; JURIC, Marco Tullio Azevedo. Vantagens e

desvantagens do periódico eletrônico na pesquisa odontológica: relato de caso. In:

SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, XII., 2002, Recife.

Espaço de (r)evolução do conhecimento e da informação. Anais... Recife:

UFPE/SIB, 2002. Disponível em: <http://www.ufpe.br/snbu/docs/24.a.pdf>. Acesso

em: 16 ago. 2003.

TORRES, Elisabeth Fátima; MAZZONI, Alberto Angel; ALVES, João Bosco da Mota.

A acessibilidade à informação no espaço digital. Ciência da Informação, Brasília, v.

31, n. 3, p. 83-91, set/dez. 2002. Disponível em:

<http://www.ibict.br/cionline/310302/3130209.pdf>. Acesso em: 05 jul. 2003.

VICENTINI, Luiz Atilio. O gerenciamento de conteúdos digitais: concepção e

desenvolvimento de biblioteca digital no contexto da universidade utilizando-se de

software livre. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS,

XII., 2002, Recife. Espaço de (r)evolução do conhecimento e da informação. Anais...

Recife: UFPE/SIB, 2002. Disponível em: <http://www.rau-tu.unicamp.br/nou­


rau/sbu/document/?down=1198>. Acesso em: 18 ago. 2003.

Contatos com o autor:

Efrain Maciel e Silva


efrainmaciel@boletimef.org

www.BoletimEF.org

Dados para citações:

SILVA, Efrain Maciel e. A democratização do conhecimento na Educação Física


brasileira através de meios digitais: a experiência do Boletim Educação Física.
2003. 78 f. Monografia (Licenciatura em Educação Física) - Departamento de
Educação Física, Centro de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal de
Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2003.