Você está na página 1de 13

Ajuste Directo

 Ajuste Directo Simplificado


 Ajuste Directo do Regime Geral

Ajuste Directo Simplificado


Ajuste Directo Simplificado (artº. 128º e 129º. DO ccp)
1. O Ajuste direto simplificado é um procedimento para a aquisição de bens
/serviços cujo preço contratual não seja superior a 5.000 €
2. O preço contratual no ajuste directo simplificado não pode ser objecto de
revisões (artº. 129º. Alínea b) do CCCP);
3. A Entidade adjudicante convida através de e-mail ou fax, no mínimo três
entidades para apresentação de orçamento para os bens/serviços identificados,
concedendo um prazo limite de (2 a 3 dias úteis);
4. Após a recepção dos orçamentos, analisa os preços e as condições de
fornecimento e propõe a adjudicação da melhor proposta, sendo emitido o
cabimento da despesa no valor da adjudicação;
5. Os serviços administrativos elaboram uma informação de autorização de despesa
para o órgão com competência para a decisão de contratar;
6. O órgão com competência para a decisão de contratar autoriza a despesa, sendo
em seguida emitida e enviada ao fornecedor uma requisição com a notificação
da adjudicação do bem ou serviço;
7. O prazo de vigência neste tipo de procedimentos não pode ter duração superior a
1 ano a contar da decisão de adjudicação, nem pode ser prorrogado (artº. 129º.
Alínea a) do CCP);
Ajuste Directo Regime Geral

Introdução
Sendo a entidade adjudicante o Estado e tratando-se de aquisição de bens ou serviços,
poderá adoptar-se o ajuste directo do regime geral nas seguintes hipóteses:
a) Quando o valor contratual estimado se situe entre os 5.000 € e os 74.999, ou,
b) Em função de critérios materiais, nos termos dos artigos 24º., 26º e 237º do
Código dos Contratos Públicos, constante no Abexo ao Decreto – Lei n.º
18/2008, de 29 de Janeiro de sucessivas alterações. Ou
c) Quando, comulativamente, o valor contratual estimado não ultrapassar o limiar
COMUNITÁRIO DE 125.000.00€ (cf. Alínea a) do art. 7º. da Directiva n.º
2004/18/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 31 de Março de 2004,
com alterações e forem consultadas pelo menos três entidades, as despesas
visarem a continuidade e implementação de novas medidas de consolidação
orçamental que, em termos globais, permitam o aumento da receita e a
dimuniação de despesa pública ( hipótese apenas prevista legalmente para o ano
económico - artº. 35 Decreto –Lei n.º 29/A/2011, 1 DE Março.

Importa distinguir o procedimento de ajuste direto do regime geral com convite a


várias entidades
E o procedimento de ajuste direto do regime geral com convite apenas a uma
entidade e referir que a opção pelo convite apenas a uma entidade deverá ser
fundamentada.

Procedimento de Ajuste Direto do Regime Geral com convite a várias


Entidades
1. Fase Preparatória do procedimento
2. Abertura do procedimento na plataforma eletrónica
3. Colocar o procedimento no mercado – envio de convites
4. Esclarecimentos
5. Erros e Omissões
6. Classificação de documentos das propostas
7. Acompanhamento e Abertura das Propostas
8. Disponibilização dos documentos das Propostas (na hipótese de
serem apresentadas várias propostas)
9. Fase de Negociação (opcional)
10.Análise das propostas e Relatório Preliminar
11.Audiência Prévia
12.Relatório Final
13. Adjudicação, apresentação dos documentos de habilitação e
prestação de caução
14. Outorga do contrato
15.Relatório de formação do contrato – eficácia do contrato
(pagamentos)

1. Fase Preparatória do procedimento


1.1 Acesso à plataforma
Os utilizadores para terem acesso à plataforma necessitam de possuir um
certificado instalado no computador.
Caso ainda não possuam o referido certificado, deverão proceder à Inscrição na
plataforma.
1.1.2 Inscrição dos fornecedores na plataforma
Todos os fornecedores a convidar têm de estar inscritos na plataforma de
contratação. Deverá verificar-se antecipadamente se as entidades a convidar
estão inscritas. (anogov)

1.2 Assinatura digital qualificada


Todos os utilizadores da plataforma electrónica de contratação têm de possuir
um certificado de assinatura electrónica qualificada emitido por entidade
certificador do Sistema de Certificação Electrónica do Estado, constante
nomeadamente em cartão emitido pela CEGER ou no Cartão de Cidadão.
Nos casos em que o certificado de assinatura electrónica qualificada não permita
relacionar directamente o assinante com a sua função e poder de representação,
deve a entidade interessada submeter na plataforma um documento que
comprove o poder de representação e assinatura do assinante (artigo 27º. Da
Portaria n.º 701-G/2008 de 29 de Julho).
1.3 Parecer Prévio
Trata-se de uma aquisição de serviços
Trata-se de uma aquisição de bens
1.3.1 Obrigatoriedade da obtenção do parecer prévio nas aquisições de
serviços:
Apenas na hipótese de aquisição de serviços e antes da decisão de contratar,
o dirigente máximo do órgão ou serviço solicita aos membros do Governo
responsáveis pelas áreas das finanças e da Administração Pública a emissão
de parecer prévio, nos termos da Portaria n.º 4-A/2011, de 3 de Janeiro.
O pedido de parecer é instruído com os elementos descritos no nº.s 2 e 3 do
artigo 3º. Da Portaria n.º 4- A/2011, de 3 de Janeiro.
A solicitação do parecer prévio, bem como a comunicação do mesmo, é
feita, exclusivamente por via electrónica.

1.4 Determinação do preço base, balizado pela análise dos preços de mercado
dos bens e serviços e, cabimentação da despesa do procedimento (art. 47º.
CCP e Decreto-Lei n.º 155/92, de 28 de Julho)

Para determinar o preço base (ou seja, o preço máximo que a entidade se dispõe
a pagar pela execução de todas as prestações que constituem objecto do
contrato) a entidade deve multiplicar as quantidades estimadas para um anopelos
preços estimados.
Se existir a possibilidade da renovação do contrato, o preço base deverá
corresponder ao valor global dos anos de renovação.
Exemplo: Se uma escola pretender realizar um procedimento de aquisição de
bens alimentares com a duração de um ano, com a possibilidade de renovação
até três anos e se o valor estimado para um ano for de 3.000€ s/IVA ( art. 473º.
CCP) o preço base do procedimento será de 9.000€.
A escola deverá escolher qual o preço estimado através de consulta a
fornecedores do mercado.

Após a determinação do preço base , deve-se registar o cabimento orçamental na


respectiva classificação económica de despesa do ano corrente.

1.5- Escolha das entidades convidadas (art. 113º. Do CCCP)


A escolha das entidades convidadas a apresentar proposta cabe ao órgão
competente para a decisão de contratar. Não podem ser convidados as entidades
nas condições referidas no n.º 2 e 5 do artigo 113º. Do CCP.

1.6- Preparação das peças do procedimento (Convite e Caderno de Encargos al


a) do n.º 1 do artº. 40 do CCP)

- Convite (ART.115º. DO CCP):


– Conteúdo do Convite:
1 – Identificar a entidade competente que autorizou a despesa e a respectiva data
de autorização (al b) do nº.1 do artigo 115º. Do CCP);
2 – Identificar a entidade adjudicante e os seus contactos, a morada, o endereço
electrónico e contacto telefónico (al a) do n.º1 artigo 115º. Do CCP);
3 – Indicar o modo de apresentação das propostas (alf) do n.º 1 do artigo 115 do
CCP);
4 – Referir que a proposta deverá obrigatoriamente conter a declaração prevista
na ala) do nº. 1 do artº. 57º. Do CCP) (Anexo I do mesmo código) e o anexo dos
preços (artº. 60º. Do CCP);
5 – Referir que os documentos que constituem a proposta têm de ser redigidos
em língua portuguesa (artº. 58º. Do CCCP e al e) do n.º 1 do artº. 115º. Do
CCP);
6.- Indicar a data limite para a apresentação das proposta na plataforma de
contratação da anogov (art. 63º. Do CCP e al f) do n.º 1 do artº. 115 do CCP).
A entidade determina o prazo para a apresentação de proposta que pretende,
sendo que o prazo mínimo recomendável é de 5 dias corridos e no caso de o d
O sido tomada em função de critérios materiais ( al c) do nº. 1 do artº 115º. E
artigos 24º. , 26º. E 27º. Do CCP);
7 – Indicar os documentos de habilitação que serão exigidos ao adjudicatário, o
prazo para apresentação pelo adjudicatário dos documentos de habilitação (5
dias úteis a contar da notificação da adjudicação) e o prazo concedido para
suprimir irregularidades detectadas nos documentos apresentados (al j) do n.º1
do artº. 115º. Do CCP). Na hipótese dos documentos de habilitação se
encontrarem disponíveis na internet, o adjudicatário pode indicar à entidade o
endereço do sítio onde podem ser consultados.
O adjudicatário deve obrigatoriamente apresentar documento comprovativo de
que não se encontra na situação prevista na al i) do artº. 55º. Do CCP (artº. 126º.
Do CCP).
Deverão ainda ser exigidos os seguintes documentos:
8 - Declaração comprovativa da situação regularizada relativamente às
contribuições da Segurança Social artº. 55º. Al b) ex vi artº.81 n,º1 al b) do
CCP);
9 – Declaração comprovativa da situação regularizada relativamente aos
impostos devidos em Portugal, ou, se for o caso no Estado de que sejam
nacionais ou no qual se situe o seu estabelecimento principal ( artº, 55º. Al e) ex
vi art 81º. N.º1 al b) do CCP)
10. – Registo Criminal de todos os órgãos de gestão/administração da empresa
adjudicatária e comprovar que não foram condenados por sentença transitada em
julgado por os crimes referidos nas subalíneas i), ii) iii), iv) e j) da al i) do artigo
55º. Do CCP, ou se entretanto tiver ocorrido sua reabilitação (artº. 55º. Ali) ex vi
art 81º. N.º1 b) do CCP);
11- Indicar se é exigida ou não caução e caso seja exigida, qual o modo de
prestação da mesma (garantia bancária, seguro-caução ou outros previstos no
CCP). A caução apenas é exigida nos termos do nº.2 do artº. 88º. Do CCP, ou
seja, quando o valor contratual seja superior a 200.000 €(al i) do n.º 1 do artº.
115º. Do CCP).
12 – Referir que a proposta deve ser apresentada através da plataforma de
contratação pública anogov (Decreto-Lei n.º 143/A/2008, de 25 de Julho e artº.
62º. N.º 1, al g) do n.º1 do artº. 115º. Do CCP);
13 – Indicar os documentos referidos na alc) do n.º 1 do artº. 57º , quando
aplicável (al d) do n.º 1 do artº. 115º. Do CCP);
14 – Indicar o critério de adjudicação (artº. 74 º. CCP e al b) do n.º 2 do artº.
115º. Do CCP);
15 - O Critério da proposta economicamente mais vantajosa para a entidade
adjudicante (neste caso deverão ser definidas as ponderações dos critérios e caso
existam, ou a Entidade o pretenda, devem ser definidas as ponderações dos
subcritérios – artº. 75 º. E 139º. Do CCP), ou,
16 – O critério do mais baixo preço;
17 - Fixar os critérios de desempate.
18 - Indicar se as propostas serão objeto de negociação, e em caso afirmativo,
indicar quais os aspectos da execução do contrato a celebrar que a entidade
adjudicante não está disposta a negociar e se a negociação decorrerá, parcial ou
totalmente, por via eletrónica e os respectivos termos (al a) do nº. 2 do artº. 115º.
Do CCP).
19 - Indicar qual o órgão que presta os esclarecimentos do convite e do caderno
de encargos.
20 – Indicar o objecto do contrato: indicar os bens/serviços a adquirir e listar,
caso se aplique, os vários lotes;
21 - Indicar o p+reço base (no caso de se incluírem vários lotes no mesmo
procedimento, o preço base é o somatório dos preços base de vtodos os lotes )
(artº. 22º. E 47º. Do CCP);
22 - Indicar a data limite e o modo como as entidades convidadas podem
apresentar o pedido de esclarecimentos (artº. 50º. E 64º. Do CCP). Exemplo :
Prazo para apresentação de propostas 6 dias (prazo contínuo) Lançado no
mercado: 20 de Março de 2011. Data limite para apresentação de propostas : 26
de Março de 2001. Data limite para apresentação de esclarecimentos : 22 de
Março de 2011.
23 - Indicar o prazo de manutenção das proposta – para o efeito a Entidade
deverá escolher entre os seguintes prazos (artº. 65º. Do CCP):
24 – 66 dias;
25 – Prazo superior a 66 dias (especificar qual o prazo)
26 - Referir que, n a hipótese de existirem vários lotes no procedimento, a
adjudicação é efetuada por lote.
27 – Indicar se o contrato será objecto de redução a escrito – esta redução a
escrito do contrato depende do seguinte:
1 – O contrato tem um valor igual ou inferior a 10. 000€, é dispensada a
respectiva redução a escrito do contrato, ou,
2- O contrato tem um valor superior a 10.000€, é obrigatório a redução a
escrito, devendo tal menção constar do convite (arts. 94º. A 96º. Do CCP).

- Caderno de Encargos (artº.42 CCP)


– O Caderno de Encargos é o documento que contém as cláusulas jurídicas e
técnicas que interessam à regulação do conteúdo do contrato a acelebrar.
Conteúdo do caderno de encargos:

– Cláusulas jurídicas:
1 – Objecto do contrato;
2 – Necessidade do contrato escrito (se aplicável);
3 – Documentos que fazem parte integrante do contrato e sua prevalência em caso de
divergência (art.96º. n.º 2 e 6 do CCP);
4 – Local da entrega do bem e/ ou prestação de serviços;
5 – Prazo de execução do contrato;
6 – Renovação do contrato (se aplicável);
7 – Preço base ;
8 – Actualização de preços (se aplicável);
9 – Condições de pagamento do preço pela Entidade;
10 – Condições de entrega do bem ou prestação do serviço por parte do adjudicatário;
11 – Sanções previstas para a inexecução do contrato por parte do adjudicatário
(art.329º. n.º2 e 3 CCP);
12 – Caução (se aplicável);
- Cláusulas Técnicas:
1 – Características técnicas dos produtos / serviços a adquirir;
2 – Requisitos ambientais (se aplicável);

- Elaboração de documento do qual conste a autorização da despesa, autorização de


abertura do procedimento (decisão de contratar), escolha da modalidade procedimental,
aprovaçãodas peças do procedimento e designação do júri.
O documento deve conter os seguintes elementos:
1 – Identificação das necessidades, bem como a justificação da aquisição dos bens ou
serviços;
2 – Identificação dos bens que são objecto do presente procedimento e seu fundamento
legal;
3 – Designação do júri para a condução do procedimento, sendo este constituído por 5
elementos: o presidente, 1º. e 2º. Vogais efectivos e 1 e 2º. Vogais Suplentes (artº. 67 º.
CCP);
4 – Delegação de Competências no júri, com excepção da decisão de adjudicação (artº.
69º. CCP);
5 – Indicar o preço base (artº. 47º. CCP);
6 – Indicar que a despesa estimada (preço base) tem cabimento orçamental no
Orçamento ( Capítulo, Divisão, Subdivisão) da Entidade e a sua respectiva classificação
económica de despesa;
7 – Referir qual é o órgão com competência para a decisão de contratar e o fundamento
legal, bem como, quando o contrato tenha um valor superior a 99.759,58 referir o
despacho de delegação de competências (os directores- gerais ou equiparados e os
órgãos máximos dos serviços com autonomia administrativa têm competência para
autorizar a despesa com aquisição de bens ou serviços até ao referido valor contratual –
nº.3 do artº. 109 CCP e art.17 n.º 1 do Decreto- Lei n.º 197/99, de 8 de Junho);
8 – Por fim, apresentar uma resposta ao órgão com competência para a decisão de
contratar.

Abertura do Procedimento na Plataforma electrónica


1 – Criar o Procedimento
2 – Autorizar o Procedimento
3 – Constituição do júri
4 – Inserir os documentos
5 – Assinatura de documentos
6 – Selecionar as entidades a convidar
Selecionar o(s) fornecedor(es) a convidar através do nome e nº. de contribuinte.

Colocar o Procedimento no mercado – Envio dos Convites


1 – O convite é formalizado através da plataforma anogov acompanhado do caderno de
encargos sendo o seu envio efectuado em simultâneo a todos os concorrentes
convidados (n.º4 do art.º 115º. Do CCP)
2 – O dia da recepção do convite não é considerado para efeitos de contagem dos prazos
(n.º 1 do artº. 470º. CCP)
3 – O júri inicia as suas funções no dia útil subsequente ao envio do convite (art. 68 n.º
1 do CCP)

Esclarecimentos
1 - Durante o primeiro terço do prazo para a apresentação das propostas, as entidades
convidadas podem, na plataforma electrónica pedir ao júri esclarecimentos sobre as
peças do procedimento (artº. 50 º. CCP).
2 – Se as entidades convidadas solicitarem esclarecimentos, o júri durante o segundo
terço do prazo para a apresentação das proposta tem de elaborar a resposta ao pedido de
esclarecimentos e disponibilizá-la na plataforma a todas as entidades convidadas,
excepto quando o prazo fixado para a apresentação da proposta seja inferior a nove dias
corridos, hipótese em que os esclarecimentos podem ser prestados até ao dia anterior ao
termo daquele prazo (artº. 116º. Do CCP)
3 – Esclarecimentos solicitados /respondidos

Erros e Omissões
1 – As entidades convidadas devem, durante o quinto sexto do prazo para a
apresentação das propostas, apresentar uma lista identificativa de erros e omissões do
caderno de encargos, caso sejam detectados, designadamente, no que respeita aos dados
referidos nas alíneas do n.º 1 do artº. 61 º. Do CCP.
2 – Pode haver lugar à rectificação de erros ou omissões pelo órgão competente para a
decisão de contratar até ao termo do segundo terço do prazo fixado para a apresentação
das propostas, excepto quando o prazo fixado para a apresentação da proposta for
inferior a 9 dias corridos, hipótese em que as retificações podem ser efetuadas até ao dia
anterior ao termo do prazo. Esta rectificação deve ser disponibilizada na plataforma
electrónica e anexada bàs peça s do procedimento, sendo notificadas todas as entidades
convidadas daquela disponibilização.
3 – Nos casos previstos nos nº.s 1 e 2 do artº. 64º. CCP há lugar à prorrogação do prazo
fixado para a apresentação das propostas.
4 – Todas as deliberações tomadas pelo júri devem ser redigidas em acta.

Classificação de documentos das propostas


1 – Durante o primeiro terço do prazo para a apresentação das propostas as entidades
convidadas podem, através da plataforma electrónica de contratação e na área das
mensagens, solicitar ao órgão com competências para a decisão de contratar e tendo por
base razões de segredo comercial, industrial, militar ou outro, a classificação de
documentos que constituem a proposta nos termos do art. 66º. Do CCP.
2 – Face ao pedido de classificação dos documentos, os serviços administrativos da
entidade devem elaborar uma informação com as razões invocadas pela entidade
convidada e submetê-la ao órgão que autorizou a abertura do procedimento (decisão de
contratar).
3 – Após a decisão do referido órgão, a mesma decisão deverá ser disponibilizada às
entidades convidadas durante o segundo terço do prazo para a apresentação das
propostas.

Apresentação e abertura de propostas

1 – As entidades convidadas submetem as propostas na plataforma electrónica de


contratação pública, preenchendo os requisitos estabelecidos nos arts. 26º. E 27º. Da
Portaria n.º 701/-G/2008, de 29 de Julho.
2 – No dia e hora previamente definidos, o júri reúne-se e cada um dos seus elementos
efectivos deve aceder à plataforma electrónica e ao procedimento em causa, colocando a
palavra – chave gerada pelo sistema.
3 – O júri procede à abertura das propostas e analisa se os documentos daquelas estão
classificados na sequência do pedido de classificação, sendo que, caso já não se
verifiquem os pressupostos que determinaram aquela classificação, o referido órgão
procede à desclassificação dos mesmos, informando todas as entidades convidadas de
tal facto (artº. 66º do CCP).
4 – Na hipótese de ser apresentada apenas uma proposta segue-se o procedimento
referido no artº. 125º do CCP.

Disponibilização dos documentos das propostas (na hipótese de serem


apresentadas várias propostas)
1 – Após a abertura das propostas, o júri terá acesso a toda a informação apresentada
pelos concorrentes.
2 – O júri procede à disponibilização de todos os documentos das propostas a todas as
entidades convidadas, excepto os que se encontrem classificados.

Fase de negociação (opcional)

1 – Para ser possível proceder a negociações, é necessário que no convite se tenha


indicado se os atributos das propostas estão sujeitos a negociação e os termos da
negociação, e tenham sido apresentadas mais do que uma proposta.
2 – Em momento prévio à notificação para a sessão de negociação, deve o júri verificar
se alguma (s) da (s) proposta (s) está em condições de ser excluída, nos termos das
alíneas a) a n) do nº. 2 e do n.º 3 do artigo 146º do CCP, uma vez que os concorrentes
cujas propostas devam ser excluídas, não são convocados para a negociação, aplicando-
se-lhes, com as devidas adaptações, o disposto no artigo 123º. Relativo à audiência
prévia (artº. 118º n.º2 CCP, alterado pelo Decreto-lei n.º 278/09, de 2 de Outubro).
Procedimento de negociação:
3 – Com a antecedência mínima de 3 dias, os concorrentes são notificados pelo júri da
data, hora e local da primeira sessão de negociação;
4 – As restantes sessões de negociação , a existirem, serão agendadas de acordo com a
conveniência do júri e do respectivo procedimento;
5 – A negociação com os vários concorrentes pode decorrer conjunta ou separadamente,
de acordo com a indicação do júri, podendo este decidir alterar o formato a qualquer
momento;
6 – Por cada sessão de negociação é lavrada acta, a qual é assinada pelo júri e pelos
representantes das entidades convidadas (caso algum dos presentes na sessão de
negociação se recusar a assinar, tal facto deve ser mencionado;
7 – As sessões de negociação devem assegurar a igualdade de circunstâncias entre todos
os concorrentes presentes;
8 – As atas e outras informações/comunicações mantêm-se sigilosas durante toda a
negociação e até à audiência prévia;
9 – Terminada a negociação, o júri notifica de imediato os concorrentes para
apresentarem as versões das propostas finais integrais no prazo por aquele fixado para o
efeito (devendo ter-se em conta que as propostas não podem conter atributos diferentes
dos contidos nas versões das propostas iniciais);
10 – Depois de apresentadas as versões finais integrais das propostas, não podem as
mesmas ser objecto de quaisquer alterações.
Análise das propostas e Relatório Preliminar

1 – Após a análise das versões iniciais e finais (as versões finais só existem no caso ter
havido lugar à fase das negociações) das propostas e a aplicação do critério de
adjudicação, o júri elabora fundamentadamente um relatório preliminar, no qual deve
propor a ordenação das mesmas propostas (n.º1 do artº.122º. do CCP).
2 – No mesmo relatório preliminar o júri deve também propor, fundamentadamente , a
exclusão das propostas por qualquer dos motivos constantes dos n.ºs 2 e 3 do artº. 146 º.
Do CCP, bem como a exclusão das propostas finais (no caso de ter havido a fase de
negociação) que contenham atributos diferentes dos constantes das versões iniciais no
que respeita aos aspectos de execução do contrato a celebrar que a Entidade tenha
indicado não estar disposta a negociar (nº. 2 do artº. 122º. Do CCP).
3 – No mesmo relatório deve ainda constar a referência aos esclarecimentos prestados
pelos concorrentes nos termos do disposto no artº. 72 º. Do CCP (N.º 3 DO ARTº. 122º.
DO CCP).

Audiência Prévia

1 – Elaborado o relatório preliminar:


O júri procede à audiência prévia nos termos do disposto no nº.1 do artº. 123 º. CCP, ou
seja, o júri envia o relatório preliminar a todas as entidades convidadas, fixando-lhes um
prazo não inferior a 5 dias úteis (artº.470º. do CCP) , para se pronunciarem, por escrito,
ao abrigo do direito à audiência prévia.
2- Durante a fase da audiência prévia os concorrentes têm acesso às actas das sessões de
negociação com os demsid concorrentes e às informações e comunicações escritas de
qualquer natureza que estes tenham prestado, bem como às versões integrais das
propostas apresentads (n.º 2 do artº. 123º do CCP).
3 – Caso qualquer uma das entidades convidadas apresente pronúncia, o júri aprecia a
mesma.

Relatório Final

1 – O júri elabora um relatório final, devidamente fundamentado, no qual pondera as


observações dos concorrentes, efectuadas ao abrigo do direito de audiência prévia (n.º 1
do artº. 124º. Do CCP) e através do qual delibera:
2 – Manter o teor e as conclusões do relatório preliminar:
Modificar o teor e as conclusões do relatório preliminar, podendo ainda propor a
exclusão de propostas se verificar nesta fase a ocorrência de qualquer motivo de
exclusão previsto no n.º 2 do artº. 146 º. Do CCP.
Neste caso, bem como quando do relatório final resulte uma alteração da ordenação das
propostas constante do relatório preliminar, o júri procede a nova audiência prévia
restrita aos concorrentes interessados (artº. 2 do artº. 124 º do CCP)
Após audiência prévia, o júri procede à elaboração de novo relatório final.
No relatório final deve o júri propor a adjudicação à entidade convidada ordenada em
primeiro lugar.

Você também pode gostar