Você está na página 1de 20

NORMA ABNT NBR

BRASILEIRA 7680
Segunda edição
28.05.2007

Válida a partir de
28.06.2007

Concreto - Extração, preparo e ensaio de


testemunhos de concreto
Concreta - Sampling, preparing and testing concrete cores

E
(1)
O)
e
w
1
o
>
"ui
:::l
Palavras-chave: Concreto. Testemunho.
(1)
Descriptors: Concrete. Core.
g
:::l
ICS 91.100.30
(li
a.
...
(li
õ..
E ISBN 978-85-07-00436-3
w

ASSOCIAÇÃO Número de referência


BRASILEIRA ABNT NBR 7680:2007
DE NORMAS 12 páginas
TÉCNICAS
©ABNT2007
ABNT NBR 7680:2007

< i.
o
:::i
· C.:l:l
Cll
.e
e:
Ql
O)
e:
LI.J
(1)
"O
ff)
o
· (.)
(.)
•Ql
e:
f-
ff)

8.
-
(l.l
(/)

1ií
E
Ql
O)
e
w ©ABNT 2007
g Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida
·üi ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por escrito pela ABNT.
::,
ü
@ Sede da ABNT
g Av.Treze de Maio, 13 - 28° andar
::i 20031-901 - Rio de Janeiro - RJ
!!'. Tel.: + 55 21 3974-2300
Fax: + 55 21 2220-1762
i abnt@abnt.org.br
E www.abnt.org.br
Ql
X
LI.J
Impresso no Brasil

ii ©ABNT 2007 -Todos os direitos reservados


ABNT NBR 7680:2007

Sumário Página

Prefácio ................................................................................................................................................................ iv
1 Escopo ...................................................................................................................................................... 1
2 Referências normativas ........................................................................................................................... 1
3 Aparelhagem ............................................................................................................................................ 1
3.1 Equipamento de extração ........................................................................................................................ 1
3.2 Sonda ............................................................................................................................. ...............................•.2
3.3 Serra ................................................................................................................................................................. 2
Amostragem ....................................................................................................................................... 2
4.1 Formação de lotes .....................................•..........•..•. ..................................................................................... 2
4.2 Testemunhos com armaduras .............................••..•........•.•. ....................................................................... 2
4.2.1 Amostras para ensaio de resistência à compressão ........................................................................... 2
4.2.2 Amostras para ensaio de resistência à tração .................................................................................... 3
5 Extração............•.•...••.......••••.....••••....•..•.........•••.....•......•......•••..........•••••••. ....................................................... 3
6 Ensaios de testemunhos .................................................................................................................... 3
6.1 Resistência à compressão .......•......•••.......••................_.••...•............••. ........................................................... 3
6.1.1 Dimensões dos testemunhos ................................................................................................................... 3
6.1.2 Preparação das superfícies de ensaio dos testemunhos .................................................................... 4
6.1.3 Determinação das dimensões .................................................................................................................. 4
6.1.4 Condições de umidade .............••....•..•.........•.......•••.........................••. ......................................................... 4
6.1.5 Ensaio .........................................••.....................................................•. ........................................................... 4
<( 6.1.6 Cãlculos .............................................................................................................................................. 4
Cl
6.1.7 Relatório ...................................••••....••.•.................••••..........•.•...........••. .............................................................. 5
ro 6.2 Resistência à tração por compressão diametral ................................................................................. 5
· ; ::
til
.r : : . 6.2.1 Dimensões dos testemunhos ................................................................................................................... 5
e
Q)
6.2.2 Preparação das superfícies de apoio do testemunho ............................................................................. 5
O')
e 6.2.3 Condições de umidade ....................................................................................................................... 6
UJ 6.2.4 Ensaio ................................................................................................................................................. 6
Q)
"O
tJl
6.2.5 Cãlculo............................•.•.•.......•.•............................................•.•. ................................................................ 6
·e
8 6.2.6 Relatório ............................................................................................................................................. 6
(.)
6.3 Resistência à tração na flexão em placas de pavimento não armadas ...................................................7
•Q)
I- 6.3.1 Dimensões .................................................................................................................................................7
V,
6.3.2 Preparação das superfícies de apoio dos testemunhos...................................................................... 7
&
- 6.3.3 Determinação das dimensões ..................................................................................................................7
Q)
(/)
6.3.4 Condições de umidade .............................................................................................................................7
1 6.3.5 Ensaio ........................................................................................................................................................7
1ií 6.3.6 Cãlculo ................................................................................................................................................ 8
E
Q)
C) 6.3.7 Relatório ............................................................................................................................................. 8
e
w1 Anexo A (normativo) Montagem de corpos-de-prova para o ensaio à compressão, a partir de testemunhos
g extraídos de dimensões reduzidas ..................................................................................................... 9
·oo
::l
A.1 Condições de uso ............................................................................................................................... 9
õ A.2 Extração de testemunhos ................................................................................................................... 9
X
Q)
e A.3 Tipos indicados de montagem ....................................................................................................••. ............... 9
tJl
::l A.4 Montagem dos corpos-de-prova ........................................................................................................... 11
e:! A.5 Cura das argamassas de consolidação ................................................................................................ 11
ro
A.6 Verificação da resistência da argamassa de consolidação ................................................................. 12
.o....
oro. A.7 Informações complementares .......................................................................................................... 12
E
Q)
X
UJ

©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados iii


ABNT NBR 7680:2007

Prefácio

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras,
cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos de Normalização
õ Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias (ABNT/CEET), são elaboradas por
o Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores,
consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).
o
; :::
.,.... Os Documentos Técnicos ABNT são elaborados conforme as regras da Diretivas ABNT, Parte 2.
g
(/)

[ A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) chama atenção para a possibilidade de que alguns dos
.§ elementos deste documento podem ser objeto de direito de patente. A ABNT não deve ser considerada
!;;: responsável pela identificação de quaisquer direitos de patentes.
N
!'-
A ABNT NBR 7680 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados (ABNT/CB-18),
.g pela Comissão de Estudo de Métodos de Ensaios de Concreto (CE-18:300.02). O Projeto circulou em
Consulta Nacional conforme Edital nº 12, de 29.12.2006, com o número de Projeto ABNT NBR 7680.
e:,
(O
Esta segunda edição cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 7680:1983), a qual foi tecnicamente
o
o
revisada.
!
Cl) Esta Norma contém o Anexo A, de caráter normativo.
e")
N
Cl)

-;j,

o
ro
·e
ro
.e
e::
a.>
O)
e
w
a.>
-o
(/)
8
·ue
• (L)
f-
(/)

8,
-
(L)
(J)
1

15
E
(L)
Ol
e
w

iv ©ABNT 2007 -Todos os direitos reservados


NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 7680:2007

Concreto - Extração, preparo e ensaio de testemunhos de concreto


,.._
.oo...
o
j::.:

o
(/)
(/)

Ê 1 Escopo
Esta Norma estabelece os requisitos exigíveis para extração, preparo e ensaio de testemunhos cilíndricos e
prismáticos de concreto simples, armado e pretendido.

2 Referências normativas
Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para referências datadas,
aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se as edições mais recentes do
referido documento (incluindo emendas).

ABNT NBR 5738:2003, Concreto - Procedimento para moldagem e cura de corpos-de-prova

ABNT NBR 5739: 2007, Concreto - Ensaio de compressão de corpos-de-prova cilíndricos


<(
Cl
ABNT NBR 6118:2007, Projeto de estruturas de concreto - Procedimento
m
·e
m
.t::.
eQ): ABNT NBR 7215:1996, Cimento Portland-Determinação da resistência à compressão
O')
e: ABNT NBR 7222:1994, Argamassa e concreto- Determinação da resistência à tração por compressão diametral
w
Q)
-o de corpos-de-prova cilíndricos
(/)

8
·2 ABNT NBR 12142:1991, Concreto - Determinação da resistência à tração na flexão de corpos-de-prova
(.)
•Q) prismáticos
1-
(/)

-8-
Q)
ABNT NBR 12655:2006, Concreto de cimento Portland - Preparo, controle e recebimento - Procedimento

CI)
1 ABNT NBR NM ISO 3310-1:1997, Peneiras de ensaio - Requisitos técnicos e verificação - Parte 1: Peneiras de
...m.. ensaio com tela de tecido metálico
E
Q)
Cl
e
w
g
1
3 Aparelhagem
"üi
:::,
3.1 Equípamento de extração
Q)
o(/)
:::, O equipamento utilizado para realizar a extração deve permitir a obtenção de amostras não alteradas do concreto
da estrutura. De acordo com o tipo de testemunhos, cilíndricos ou prismáticos (vigas serradas), deve ser utilizada a
.... aparelhagem descrita em 3.2 e 3.3, respectivamente.
m
e.
E
w

©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados 1


ABNT NBR 7680:2007

3.2 Sonda

Para extrair testemunhos cilíndricos, deve ser empregada uma broca ou sonda rotativa provida de coroa de
diamantes ou outro material abrasivo, que possibilite realizar o corte dos testemunhos com as dimensões
necessárias sem que ocorra aquecimento excessivo do local e evitando vibrações para obter a exatidão desejada.

§' 3.3 Serra


o

o Para obter as vigas necessanas para realizar o ensaio de flexão, deve ser utilizada uma serra provida de
um disco diamantado ou de carbureto de silício, que possibilite realizar o corte dos testemunhos prismáticos nas
o
<J)
dimensões estabelecidas, sem que ocorra aquecimento excessivo do local, evitando vibrações e golpes.
<J)

e. NOTA Sempre que for realizada uma extração, a borda do elemento cortante deve ser refrigerada com abundante
E quantidade de água.
r--.
'd"
N
l'-
C"l

4 Amostragem
"O

Q)

e:., 4.1 Formação de lotes


(O
N
' A estrutura a ser examinada pode ser dividida no número de lotes identificados durante a concretagem
oo
e ou em função da importância das partes que a compõem.
O?
C"l
N
Quando isso não for possível ou quando não houver interesse nesse tipo de divisão, os lotes podem ser
O)
identificados por meio de ensaios não destrutivos, realizados paralelamente.
'3i
<é O lote pode abranger um volume de concreto tão reduzido quanto se deseje ou se necessite para decidir sobre
o a segurança da estrutura ou a conformidade do concreto. O tamanho máximo do lote de concreto a ser analisado
(ti
deve obedecer ao que estabelece a ABNT NBR 12655.
·;::
(ti
-§ A cada lote de concreto a ser examinado deve corresponder uma amostra com "n" exemplares retirados de
ê, maneira que a amostra seja representativa do lote em exame.
e:
w
i<J)
NOTAS:
8
·2 É conveniente que cada exemplar seja constituído de no mínimo dois testemunhos.
(.)
•Q)
1--
<J) 2 Recomenda-se que, quando o local de aplicação do concreto na estrutura não for perfeitamente identificado, sejam
-& retirados no mínimo seis testemunhos por lote.
Q)
(/)

· 4.2 Testemunhos com armaduras


1i:i
E
Q)
gi 4.2.1 Amostras para ensaio de resistência à compressão
w
g Os testemunhos devem ser íntegros e não conter materiais estranhos ao concreto, tais como pedaços de madeira
- e barras de aço. Podem ser aceitos testemunhos que contenham barras de aço em direção ortogonal (variando de 70º
a 11Oº) ao seu eixo e cuja área da seção não ultrapasse 4% da área da seção transversal do testemunho. Não
devem ser aceitos testemunhos que contenham barras de armaduras cruzadas, dentro do terço médio da altura do
testemunho.
(ti
NOTA No sentido de evitar extrair pedaços de armadura, convém que a extração seja precedida de uma verificação

i experimental do posicionamento desta (como, por exemplo, com a utilização de um detector de metais), concomitantemente
E com o estudo do projeto estrutural.
Q)
X
w
2 ©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados
Quando necessário, devem ser eliminadas as barras de armadura dos testemunhos destinados ao ensaio
de compressão reduzindo sua altura.

©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados 3


ABNT NBR 7680:2007

4.2.2 Amostras para ensaio de resistência à tração

Os testemunhos devem ser íntegros e não conter materiais estranhos ao concreto, tais como pedaços de madeira,
barras de aço e outros.

5 Extração

Sempre que possível os testemunhos devem ser extraídos de locais próximos ao centro do elemento estrutural e
nunca a uma distância menor do que um diâmetro do testemunho com relação às bordas ou juntas de
o
(/)
concretagem. A distância mínima entre as bordas das perfurações não deve ser inferior a um diâmetro do
(/)
testemunho.
o.
..ê NOTA Em colunas, pilares, paredes cortina e elementos passíveis de sofrer fortemente o fenômeno de exsudação, é
r--
'St conveniente a extração dos testemunhos de seções situadas 30 cm abaixo da superfície (topo) de concretagem do
N
r-- componente estrutural.
C')
N
o
"O A resistência do concreto na data da extração deve ser, sempre que possível, superior a 5,0 MPa no caso do uso
i5
de serra ou 8,0 MPa no caso de uso de sonda.
- Q)
o..
NOTA Çom a finalidade de preservar a segurança. da estrutura, recomenda-se que toda a extração seja precedida de
um escoramento adequado.

A operação de extração deve ser realizada considerando as recomendações gerais de uso da aparelhagem previstas
pelo fabricante.

Antes de iniciar o processo, o componente estrutural onde deve ser realizada a extração, assim como os pontos de
onde devem ser extraídos os testemunhos, devem ser identificados.

A retirada do testemunho da estrutura deve ser feita de forma que se provoque um esforço ortogonal ao eixo do
testemunho, em seu topo, rompendo o concreto à tração em sua base.

NOTA Este esforço pode ser provocado pela introdução de uma ferramenta nas interfaces entre o testemunho e o orifício, em
posições alternadas, usando a ferramenta como alavanca, com o necessário cuidado para não romper as bordas do
testemunho.

Quando forem extraídas vigas para ensaio de flexão, as lajes devem ter as dimensões necessanas para que
possam ser extraídas sem que contenham concreto trincado, descascado, escavado ou com qualquer outro tipo
de defeito.

' 6 Ensaios de testemunhos


1u
E
Q)
Cl
e
6.1 Resi.stência à compressão
w
o
> 6.1.1 Dimensões dos testemunhos
"üi
::,

io O diâmetro de um testemunho cilíndrico utilizado para determinar a resistência à compressão deve ser pelo menos
três vezes maior que a dimensão nominal do agregado graúdo contido no concreto e preferencialmente maior ou
(/)
:J igual a 100 mm.
e?
.a..:., Os testemunhos a serem ensaiados não devem apresentar razão de esbeltez hld superior a dois ou inferior a um,
ã. após a operação prevista em 6.1.2, ou seja 1 hld 2.
E
Q)
X
w Quando o elemento estrutural que estiver sendo examinado tiver altura (h) menor que o diâmetro (d), permite-se
adotar o que estabelece o anexo A.

4 ©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR 7680:2007

6.1.2 Preparação das superfícies de ensaio dos testemunhos

Antes de realizar o ensaio de resistência à compressão, as bases dos testemunhos devem ser preparadas como
especifica a ABNT NBR 5738.

6.1.3 Determinação das dimensões


õ.....
0
O diâmetro utilizado para o cálculo da área da seção transversal deve ser a média de duas medidas
0 ortogonalmente opostas, realizadas na metade da altura do testemunho, com exatidão de ± O,1 mm.
O comprimento do testemunho deve ser a média de três determinações, realizadas com exatidão de ± O,1 mm
o em geratrizes aproximadamente eqüidistantes entre si.
(/)
(/)

6.1.4 Condições de umidade


,._
,._Quando o concreto da região da estrutura que está sendo examinada não tiver possibilidade de vir a ficar em contato
com água, os testemunhos devem ser preparados e rematados de acordo com a ABNT NBR 5738, devendo ser
o
-o estocados no mínimo durante 48 h antes da ruptura em local com umidade relativa do ar acima de

:a
Cl)
50 % e obedecendo aos critérios de temperatura da ABNT NBR 5738.
e:.,
(!;)
N Se o concreto do lote em exame já estiver ou vier a ficar em contato com água, os testemunhos devem ser
,,-
0
'preparados, rematados e acondicionados de acordo com a ABNT NBR 5738, no mínimo durante 48 h, sendo
o rompidos na condição saturado superfície seca.

CIO
NOTA Caso o prazo de 48 h não seja cumprido, o fato deve ser citado no relatório final.
N
O)

«i
O)
Caso os testemunhos tenham suas bases preparadas para o ensaio, devem ser retirados da solução apenas
, no momento de serem ensaiados.

Q
Caso as bases não estejam preparadas, a superfície lateral dos testemunhos deve ser coberta com estopa úmida
·ê ou outro material adequado, durante o tempo requerido para sua preparação, de forma a impedir a perda
de umidade dos testemunhos.
e:
Cl)
Cl
e:
Ll.J 6.1.5 Ensaio
Cl)
-o

Os testemunhos devem ser ensaiados à compressão de acordo com o estabelecido pela ABNT NBR 5739, sendo
8
•2: determinada a resistência de ruptura à compressão.
(J
•Cl)

t;;; Cada testemunho deve ser detalhadamente observado antes e após a ruptura, sendo carregado até sua total
& desagregação, devendo ser anotadas todas as irregularidades observadas e, quando necessário, deve -se
- documentar com fotos.
(/)

1ií Os testemunhos que evidenciem falhas de concretagem não devem ser considerados para fins de avaliação da
resistência à compressão do concreto.
O)
e
Ll.J
6.1.6 Cálculos
>;

::,
ü Se a razão entre a altura e o diâmetro médio do testemunho for inferior a dois, a resistência de ruptura
X
Cl) à compressão obtida segundo 6.1.5 deve ser corrigida multiplicando-se o valor da resistência pelo fator definido

)7l na Tabela 1 e aproximando ao O,1 MPa mais próximo.


::,

roo.Para valores da relação altura/diâmetro compreendidos entre os constantes na Tabela 1, os fatores de correção
êü podem ser obtidos por interpolação linear.
e.
E
Q)

©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados 5


tlJ

6 ©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR 7680:2007

Tabela 1 - Fatores de correção para 1,0 :s; h/d :s; 2,0

hld Fator de correção


2,00 1,00
1,75 0,98
ô.... 1,50 0,96
o 1,25 0,93
N

o 1,00 0,87
....;::::
Os fatores de correção estabelecidos na Tabela 1 podem ser aplicados a testemunhos com densidade de massa
superior a 1 600 kg/m3•

6.1.7 Relatório

Além do que especifica a ABNT NBR 5739, devem ser incluídas as seguintes informações:

a) indicação da localização dos testemunhos nos elementos da estrutura;

b) dimensões do testemunho;

c) resistência de ruptura à compressão expressa em megapascals e aproximada ao O,1 MPa mais próximo;

d) condição de umidade do testemunho no momento do ensaio, considerando se os testemunhos foram


ensaiados secos ao ar ou saturados com a superfície seca;

e) tipo de estrutura (armada, protendida, pré-moldada).


f-
_J
C
Conforme previsto na ABNT NBR 6118:2003, em 12.4.1, admite-se, no caso de testemunhos extraídos
· ;
IJ
: :
da estrutura, dividir o coeficiente de ponderação das resistências no estado ultimo (ELU) por 1,1.
CIJ
J::
e:
(1)
O l
6.2 Resistência à tração por compressão diametral
r :: :
w
(1)
"O 6.2.1 Dimensões dos testemunhos
IJl
8
·e Os testemunhos cilíndricos devem cumprir com os requisitos dimensionais estabelecidos em 6.1.1.
o
• (I)
f- Não é requerida a preparação das bases, porém as bases devem ser perpendiculares à geratriz do testemunho.

8.
- Quando for necessário desgastar ou preparar a superfície do testemunho como definido em 6.2.2, deve ser
U)
(1) medido o diâmetro compreendido entre as superfícies de contato terminadas.

- CIJ
E
(1)
1

As dimensões do testemunho devem ser medidas conforme definidos em 6.1.3.


Ol
e:
w 6.2.2 Preparação das superfícies de apoio do testemunho

Os testemunhos cujas superfícies laterais tenham saliências ou depressões superiores a 0,5 % do comprimento
do testemunho não devem ser ensaiados.

Quando for necessário construir uma linha de contato com as condições exigidas, deve ser aplicada uma camada de
argamassa de cimento, ou material similar, com a resistência necessária e com a menor espessura possível, de
acordo com a ABNT NBR 5738, sobre a superfície lateral do testemunho. A Figura 1 apresenta um dispositivo
adequado para realizar o suplemento da superfície lateral de testemunhos cilíndricos de 150 mm de diâmetro.

©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados 5


ABNT NBR 7680:2007

6.2.3 Condições de umidade

Antes do ensaio os testemunhos devem apresentar as condições de umidade estabelecidas em 6.1.4.

6.2.4 Ensaio

O ensaio deve ser realizado como estabelece a ABNT NBR 7222, sendo determinada a resistência de ruptura
§ à tração por compressão diametral, ft,□•
;g
6.2.5 Cálculo
o
1/)

De acordo com o que estabelece a ABNT NBR 7222.


e.

r--.
'q'
6.2.6 Relatório
N
r--.
Além do que especifica a ABNT NBR 7222, devem ser incluídas as seguintes informações:
o
"O
a) indicação da localização dos testemunhos nos elementos da estrutura;
e:,

b) dimensões do testemunho;
..-
o
Q c) condição de umidade do testemunho no momento do ensaio, considerando se os testemunhos foram
O)
ensaiados secos ao ar ou saturados com a superfície seca;
C'I')
N

O> d) tipo de estrutura (armada, protendida, pré-moldada).


Dimensões em milímetros

i
...----1'
------------- J
l
¾_ ·

ro
E
(1)
O)
e
Ll.l
1
o
>
'
"êii
::J
13
X
(1)
o(/)
::,

ro
.roe...
o..
E
(1)
><
Ll.l

Figura 1 -Tipo de molde para preparação das superfícies laterais de testemunhos de 150 mm de diâmetro
6 ©ABNT 2007 -Todos os direitos reservados

©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados 5


ABNT NBR 7680:2007

Tabela 1 - Fatores de correção para 1,0 hld 2,0

h/d Fator de correção


2,00 1,00
1,75 0,98
1,50 0,96
1,25 0,93
1,00 0,87

Os fatores de correção estabelecidos na Tabela 1 podem ser aplicados a testemunhos com densidade de massa
superior a 1 600 kg/m3•

6.1.7 Relatório

Além do que especifica a ABNT NBR 5739, devem ser incluídas as seguintes informações:

a) indicação da localização dos testemunhos nos elementos da estrutura;

b) dimensões do testemunho;

c) resistência de ruptura à compressão expressa em megapascals e aproximada ao O,1 MPa mais próximo;

d) condição de umidade do testemunho no momento do ensaio, considerando se os testemunhos foram


ensaiados secos ao ar ou saturados com a superfície seca;

<( e) tipo de estrutura (armada, pretendida, pré-moldada).


o
:iro Conforme previsto na ABNT NBR 6118:2003, em 12.4.1, admite-se, no caso de testemunhos extraídos
·;: :
ro da estrutura, dividir o coeficiente de ponderação das resistências no estado ultimo (ELU) por 1,1.
.r::.
e
(l)
O')
e
!JJ
6.2 Resistência à tração por compressão diametral
(l)
"O
6.2.1 Dimensões dos testemunhos
8
·2:
(.)
• (l) Os testemunhos cilíndricos devem cumprir com os requisitos dimensionais estabelecidos em 6.1.1.
!--
(/) Não é requerida a preparação das bases, porém as bases devem ser perpendiculares à geratriz do testemunho.
8,
-(l) Quando for necessário desgastar ou preparar a superfície do testemunho como definido em 6.2.2, deve ser
(/)
1 medido o diâmetro compreendido entre as superfícies de contato terminadas.
m
E
(l)
O')
As dimensões do testemunho devem ser medidas conforme definidos em 6.1.3.
e
w
o 6.2.2 Preparação das superfícies de apoio do testemunho
>
"iii
:::,
13 Os testemunhos cujas superfícies laterais tenham saliências ou depressões superiores a 0,5 % do comprimento
><
(l) do testemunho não devem ser ensaiados.
o(/)
::,
Quando for necessário construir uma linha de contato com as condições exigidas, deve ser aplicada uma camada de
argamassa de cimento, ou material similar, com a resistência necessária e com a menor espessura possível, de
...
Cll acordo com a ABNT NBR 5738, sobre a superfície lateral do testemunho. A Figura 1 apresenta um dispositivo
o. adequado para realizar o suplemento da superfície lateral de testemunhos cilíndricos de 150 mm de diâmetro.
E
(l)
><
UJ

©ABNT 2007 -Todos os direitos reservados 7


ABNT NBR 7680:2007

6.3 Resistência à tração na flexão em placas de pavimento não armadas

6.3.1 Dimensões

Os testemunhos prismáticos correspondem a vigas serradas e são utilizados para determinar a resistência à
tração na flexão. A operação de serrar o concreto deve ser realizada de forma a não prejudicar esse material por
golpes, vibrações ou aquecimento.

A largura da viga deve ser maior ou igual a quatro vezes a dimensão máxima característica do agregado graúdo
e sempre maior ou igual a 100 mm. A altura deve ser determinada pela espessura do pavimento. O comprimento
orn da viga deve ser de pelo menos quatro vezes sua largura (ver Figura 2).
rn
e. NOTA Alternativamente, desde que conste no relatório do ensaio, a largura do testemunho pode ser no mínimo três vezes
E maior que a dimensão nominal máxima do agregado graúdo do concreto.

,h ◊

/ ,'·'·'. h
{1,_ )_/-,. . R.

e
f 4D
R 100 mm
c4 R
onde:
<
o
D é a dimensão mãxima característica do agregado graúdo do concreto
«!
·;;::
«l Figura 2 - Testemunho de concreto para a determinação da resistência à tração na flexão
.e em placas de pavimentos não armadas
e
Q)
O)
e
w 6.3.2 Preparação das superfícies de apoio dos testemunhos
Q)
"O
rn
8 As superfícies serradas devem ser lisas, planas, paralelas entre si e sem saliências ou depressões.
·e
o
•Q)
!- Quando for necessário regularizar a superfície de concreto, deve ser aplicada uma camada de argamassa de
rn cimento ou material similar, de acordo com a ABNT NBR 5738, sobre a superfície do testemunho.
8.
-
Q)
{/) 6.3.3 Determinação das dimensões
ti)
E Devem ser medidas a altura e a largura do testemunho na seção de ruptura, conforme a ABNT NBR 12142.
Q)
C)
e
w
6.3.4 Condições de umidade
o
>
"iii
::, Antes do ensaio os testemunhos devem apresentar as condições de umidade estabelecidas em 6.1.4.
j
oC/) 6.3.5 Ensaio
::,

«!
e. As vigas devem ser ensaiadas à tração na flexão, de acordo com o que especifica a ABNT NBR 12142,
,_
ca sendo determinada a resistência de ruptura à tração na flexão.
o.
E
Q)
X Durante a manipulação das vigas, deve ser tomado o cuidado necessário para evitar da nos aos testemunhos.
w
As superfícies em contato com os cutelos do dispositivo de ensaio devem estar contidas em planos paralelos.

©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados 5


ABNT NBR 7680:2007

6.3.6 Cálculo

De acordo com o que estabelece a ABNT NBR 12142.

6.3.7 Relatório

Além do que especifica a ABNT NBR 12142, devem ser incluídas as seguintes informações:
o
o a) indicação da localização dos testemunhos nos elementos da estrutura;
; :::
..-

o b) dimensões do testemunho;
(J)

e. c) resistência de ruptura à compressão expressa em megapascals e aproximada ao O,1 MPa mais próximo;
E
condição de umidade do testemunho no momento do ensaio, considerando se os testemunhos foram
ensaiados secos ao ar ou saturados com a superfície seca;

tipo de estrutura (armada, protendida, pré-moldada).

posição da superfície tracionada, com relação ao serramento do testemunho e também à direção de


lançamento do concreto.

ro
E
(1)
O)
e
UJ
o
>
"iii
::,

c3
so
(J)
::,

.aro...
oro.
E
(1)
X
lU

8 ©ABNT 2007 -Todos os direitos reservados


ABNT NBR 7680:2007

Anexo A
(normativo)

Montagem de corpos-de-prova para o ensaio à compressão, a partir de


testemunhos extraídos de dimensões reduzidas

A.1 Condições de uso

O uso dos cilindros montados deve ser aceito somente no caso de comprovada impossibilidade de obtenção de
testemunhos cilíndricos com altura mínima especificada nesta Norma, devido à exigüidade de dimensões ou à
presença de defeitos no componente estrutural de concreto em estudo.

A.2 Extração de testemunhos


Devem ser extraídos testemunhos cilíndricos, de acordo com esta Norma, para montagem de corpos -de-prova,
respeitando-se as condições estabelecidas neste Anexo.

A.3 Tipos indicados de montagem

<( Podem ser utilizados os tipos de montagens definidos nas Figuras A.1 a A.4.
o
Os tipos I e li (Figuras A.1 e A.2, respectivamente) são relativos a testemunhos com diâmetro de 150 mm e altura
· . de 300 mm. Os tipos Ili e IV (Figuras A.3 e A.4, respectivamente) são relativos a testemunhos com diâmetros de
ro
::: 100 mm e altura de 200 mm. Para testemunhos com diâmetros diferentes destes, deve ser mantida a
ro
.r::. relação h/d = 2 na montagem dos corpos...cfe-prova, sendo seguida a orientação estabelecida nas Figuras A.1 a
e
Q)
O'l A.4 para definição das dimensões das partes do corpo-de-prova.
e
!J.j
Q)
-o Dimensões em milímetros
u,

·2
8
•Q)
(.)
150
f-

-
&
(/)
Q)
88
1

"t;j
E
Q)
O'l
B
e
UJ 120 Argamassa ou
1

g pasta de
"iii consolidação
::J
õ
88
ou,
::J

ro
o.
r'-o
õ..

E
Figura A.1 - Esquema de montagem do corpo-de-prova tipo 1
!J.j

©ABNT 2007 Todos os direitos reservados 9


.•
ABNT NBR 7680:2007

Dimensões erTJ milímetros

100

38

Argamassa ou
120
pasta de
o
1.1)
/ consolidação
1.1)

o. 38
E

Figura A.2 - Esquema de montagem do corpo-de-prova tipo li

Dimensões em milímetros

100

58

<(
o 80 Argamassa ou
f-
....l B
ro
·.::: pasta de
ro consolidação
.e
e
58
e
(1.)
Ol e
w
(1.)
-o
1.1)

·2
8
(.)
• (I.) Figura A.3 - Esquema de montagem do corpo-de-prova tipo Ili
f-
(f)

8, Dimensões em milímetros
-
(1.)
(/)
100
1ií
E
(1.)
Ol
e:
!J.J
o 99
>
'ü;
::,
Argamassa
ü ou pasta de
><
(1.)
consolidação
o
(/)
:::i 99
ro
Q_
1..
(1)
a.
E
(1.)
><
w
Figura A.4 - Esquema de montagem do corpo-de-prova tipo IV

10 ©ABNT 2007 -Todos os direitos reservados


ABNT NBR 7680:2007

A.4 Montagem dos corpos-de-prova

Somente devem ser montados cilindros que resultem em relação altura/diâmetro igual a 2,0 (considerando
inclusive a espessura das camadas de consolidação).

A montagem dos corpos-de-prova deve ser feita utilizando argamassa ou pasta de consolidação.

A.4.1 A argamassa de consolidação deve ser previamente dosada com as seguintes características:

a) composição:

cimento;

areia peneirada na peneira com abertura de malha 2,36 mm (conforme ABNT NBR NM ISO 3310 -1);

água;

b) resistêpcia à compressão (verificada conforme A.6) maior ou igual à resistência à compressão do concreto do
testemunho. A espessura da camada de argamassa para a consolidação não deve ser maior do que 3 mm.
Para a montagem dos corpos-de-prova, deve ser utilizada uma guia similar à apresentada na Figura A.5.

A.4.2 A pasta de cimento de consolidação deve ser previamente dosada com relação água-cimento menor
ou igual a 0,40.

Dimensões em milímetros

a:l
·; ;::
a:l
.r::.
e:
Q.)
O)
e:
w
Q.)
"O
(/)

·e
8
u
;.<E
a

-
& fJ

a
Q.)
(/)

1i í
' 10 90
E
li)
C)
e
w
1

g Figura A.5 - Exemplo de guia metálica para montagem de corpos-de-prova


"iii
::,
õ
X
(1)
o
(/) A.5 Cura das argamassas de consolidação
::,
e!
a:l O tempo de cura deve ser: compatível com a data prevista para o ensaio e igual ao tempo de cura indicado pela
a.
,_
a:l
dosagem experimental da respectiva argamassa.
o.
E
(1)
X As condições de umidade e temperatura devem estar de acordo com 6.1.4.
w

12 ©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR 7680:2007

A.6 Verificação da resistência da argamassa de consolidação

Devem ser moldados, de acordo com o que estabelece a ABNT NBR 7215, ao menos dois corpos -de-prova de
diâmetro de 5 cm e altura de 10 cm, .representativos da argamassa de consolidação. Os corpos-de-prova devem
ser curados nas mesmas condições e rompidos à compressão conforme ABNT NBR 7215.

õ..... A resistência da argamassa a ser considerada no ensaio deve ser a média dos dois corpos -de-prova ensaiados.
o
o
A.7 Informações complementares
o
ti)

Deve ser informado no relatório de extração e ensaio:


e.
a) se houve necessidade de realizar a montagem de corpos-de-prova de acordo com este anexo;

cr, b} resistência média da argamassa de consolidação na idade do ensaio;


N
o
c} tipo de esquema adotados para a montagem dos corpos-de-prova.
(1)
eco:,
.,.N1..
oo
e
Q)
(")
N
O)

O)

1i5
E
(1)
Cl
e
UJ

©ABNT 2007 - Todos os direitos reservados 11