Você está na página 1de 12

o Noma Gold§rêú, MIia Silúa LoMda, ReSina lt?

tnolo

Editor'chêfê Cdlos S. Merdês Roe


Tatiana Corrêâ Pimenla
CoordenâdoE de rdisáo
Maurlcio (ãta)áma, ÂlMdrâ Miranda d€ Sí L iane P.dú

EditoÍ Vinicius Rosigrol F.üPe

Acqua Estúdio GráÂco


Ma}lmi KobaYâ§hi Oku)úá
S'lüô Kisin (.oord.)

CúDros D^s tMÁGENs


Fdito6 Abril (.âpd de frau e € ve./a); ,{ngeli/Âcervo do dtbta (ó'r8e ebr' úolê!ciâ); M'utÉ
Soe Produçoês Ltdã (tin Publicada em jômál).

A aü@. ú @ fúd o ?oríÉtlan db/.qú@' tu oniÍad tu' dtú6 d @ s'la


"ibtõ6
fzrãt s &,ids @úçõd M 2;*n o?otu,idt&

CIP.BRÂSIL, CÀTALOGÂÇÁO NÁ FONTE


SINDICAIO NACIONÀL DOS EDITORE§ DE LIVROS, RJ.

c57?r
Cóldsrein, Noma Sêltar, l94l
ó i. o *m úiíéío: l€itúà e 6.rita na universidâdê / Norma Goldsêin' Mâriâ Súr
tôuradá, R%iú lvmotô. Sáo Pâulo : Áti.a, 2009.
2mp.: il. ' (Átic. Univêsidade)

Indui bibliogEfrâ
e âPêndice
ISBN 978 85-08-12634-2
L L€itM (Eúino suP.rior.2 RêdaÉo 4adêmié 3 Língu Port"qêl - !ÔT-ry-srç.
..Ér.icios.I. Louada;Mdia Silvia Olivi. IL Ivmoto' ReSina Ellero' ltr- Titulo' lV S'n'
09,3521_ CDD:2169.84
CDU:811.134.3':-

r§BN 978 85 08 I2684-2


C,tdigo d. obn CL 735940
CÀE:245547

Inp'.rco < db:moro:B3ô Gtu

Todd ú diFnor Érrãdos P.ll F.dibn Átia


,{ED.L dÀ N.çõ.sIlnida7l?l CtiP05'Iz5 902 são Prno, SP
Ár.ndincnroeocli.ne4o0l 106l .ndimento@âri.i..omÚÍ

ê
í.n-t6016orcͧÚ:'.l!ú
à-
'r' ar;.
*.
d"-',j*mc,"fuM6r
a.o. Bú.6. durrrdo6 \€z
dêempÉro. edudü: dituno ô o
Gapítulo 11
Proieto de pesquisa
cientíÍica e relatórios

Uma das mars importantes âtiúdâdes intelectuais que os estudantes executam na


universidade é a elaboraçáo de um projeto de pe§quisa. Trata_se de um momento
único da úda acadêmica: o estudânte precisa demonstrar que, mais do que se âPÍo-
priaÍ do conhecimento desenvolvido pelos vários campos das ciências, é câPaz de dar
provâs de quê tem maturidade para pesquisar e elaboÍar um texto que comprove seu
esforço intelectual.
Nesse capítulo, veremos primeiramente como se fâz um Proieto de pe§qufua,
isto é, como se planeja uma Pesquisa e se aPresenta um texto (o Projeto) que es_
pecifique o modo como a pesquisa se desenvolverá. Também estudaremos o Íe-
letório de pesquisa que finaliza o processo de pesquisa plopriamente dito - e
aproveitaremos para examinar outro§ tipo§ de relatório comuns às atividades
acâdêmicas.
Vale lembrar que âlgumas instiírições eúgem que o§ estuda[tes univeÍsitários
apresentem um trabâlho d€ conclusáo de curso (TCC) ou monogrúa - assunto
queveremos no prórimo câpítulo - aPós a execuçáo doPlojeto de Pesquisai outÍas,
apenas o relatório Íinal da pesquisa desenvolvida. outra possibilidade éo graduan_
do realizâr uma IniciaÇâo CientiÍica, atrelâda â al8um Projeto de pesqúsa de um
professor.

Projeto de pesquisa
Todo trabatho de pesquisa des€nvolve se em etaPas: apre§entação do Plojelo de
pes$dsâ, coleta dos daaLos, redaçâo da monografia, dissertâÉo ou tese- O plâneia_
me o é fundâmental pâra que o trabalho de pesquisa Prossiga sem se desüâr dos ob_
jetivos pretendidos. O Proieto, porém, náo é imutável durantê a execuçâo do trÀba
lho de pesquisa" pode ser necessário fâzer alterações a fim de ajusá lo rnelhor aos
obietivos-
Alguns passos são indispensáveis para que o estudante plâneje a suã Pesqüisa.

Câoiüdo 11 Prciêto d€ pBquis 6imti6á € relarórios r43


1, Escolha e flxaÉo do têma
Escolherum temâ impli.a abandonar outras possibilidades temáticastambém in_
teressantes. Na Sraduâçâo, contudo, não há necessidade de fazer um trabalho âbsolu_
tamente completo, que cubra todo o campo pesquisâdo. Por isso, é Preciso fazer uma
boa escolhâ entre as muitâs possiveis ao seleciônar o temâ-
Nessa etâpâ, alguns critérios podem ser eÍâbelecidos com base nas seguintes
questôes:
. Gosto do temâ? Ele é interessante?
. Já tenio algum conhecimento sobre o temâ?
. Disponho do tempo necessário pâra desenvolveí o tema?
. O tema é rclevânte, ou seja, e importante e útil? Qual contribuiçáo o desenvolvi
mento do tema pode trazer para a sociedade, Para a ciência, para o ensino?
r Que problema o lema deve rcsolver?
. Existem fontes acessiveis de pesquisa (biblioteca, ârquivos, intemet, laborâtório
etc.) que permitâm â execuçào do tema?

ATIVIDADE 1

lmagine qr,re você precisâ íealizar urna pesquisa sobre um tema da sua árêa de conh€cimen
to. Escreva três possibilidades de temâs e íesponda às qu€stô€s acimâ.

2. SeleÉo, leitura e estudo das Íontes de pesquisa


Escolhido e delim itado o tema, isto é, especificada a sua abrangência, deve se bus-
caras fontes de pesqu isa. AIém das indicaçóes do professot um caminho Para encon _
trá las éprocurar livros sobreo âssunto em fichários de bibliotecâs. Pode-se também
recorer às indicações bibliográficâs que constem âo finâl de ârtigos e livros lidos.
Vale aindâ pesquisar o t€ma na internet, por meio de Jifes de buscat nesse caso, é
fundamentai saber separar os textos relevantes dos secundários, pois, nos resultados
de busca, muitos endereços eletrônicos indicados podem nào interessar à pesquisa
âcadêmicâ.
O primeiro passo, portanto, é fàzer uma lêiturâ exploratóúa do tema, para am-
pliar o conhecimento que se tem â respeito dele, situando o historicamente e esclare-
cendo os con€eitos envolvidos. Assim, colhem'se informaçôes e dados importantes
que possam esclarecer e orientar oprosseguimento do trabalho.
IÍnaginemos que o tema geral pâra uma pesquisa seja 'meio âmbiente'l Alguns
passos devem ser seguidos para delimitá lo. O primeiro passo é responder à seguin-

PrÉe ll cêneros de re(o: lcilürá c -crná


de qual áreâ do coúecimento? Por exem-
te questão: o tema seú tratado sob o enfoque
Ou da' (i-
."S a*r.iéncias naturars e biológicas? Dৠciênciàs humânas?
"r"l " "nfoou.
sociais àpli(âda§'como direilo? Ou da "âúde? E\colhida
a
I".'". r^.,*cias
"*t**r
área de Ionhecimento' o tema pode ser delimitado
respondendo se à Pergüntas:

A) Qual o problema a ser investigado?


B) Que pessoas, animais, obieto§ etc envolve?
C) Onde vai se dar a Pesquisa?
D) Como \'ai se desenvolv€r?
obter como resultado?
-' o que se deseja,"1",
E)
por exemplo, a área das ciências da saúde' o temâ
"meio am-
iu'"o opçaá
"
biente' pode ser delimitado como:

Efeitos da Polurção âmbi€nral


(au\âda Pelas qu€imâdâl robre a 5âúdc das crián-
I

ças que hab,lÀm


o ccntro_oeíe pâulitla' l

Dessa forma, ÍesPonderíamos às Perguntas:


A) Qual o problema a ser investigâdo?
it os eJ)rros da poluiçào ambie'ntal causacla pelas queimaàas na saude das criaflças
B) Que pessoâs. animàis' obielos etc envolve?
Rt üiançot.
C) Ondevai se dar â Pesquisa?
Rt no cefitro'oeste Paulista.
D) Como vai se desenvolver?
Rt Poí fieio de lefintdfie to de dailos ett Postos ile saúde'
se deseja obter como Íesultado?
-' o que
E)
causada Pelds queitladas sobre d saúde
íti"r"r*, oir!"iro, ao Poluição ambiental

ATIVIDADE 2

de acordo com a pêrspectiva das


l) lmâginê quê o tema "meio ambiente" s€jâ aboídado
às questõês abaixo:
;rênci;s naiurais. Delimite o têma paÉ a pêsquisa re§pondêndo

A) QuâLo problema a sêÍ investigado?


B, QJe pescoas. anrmais, obietos etc envolve"
c) Onde vai se dar â Pesquisa?
D) Como vai se dêsenvolvef
E) O que se desela obter como íesultado?

145
11 Prcietô de Psquisà cienti6a e rclatórios
Càpíulo
ll) Depois, elabore o tema de modo claro, rêdigindo de uma a duas linhas, como no exemplo
visto na página antenor.

3, Seleçáo de prcblemas de pesquisa


e ÍormulaÉo de hiÉteses
O tema selecionado pode suscitar um problema não resolúdo, uma dificuldade
a que se pretenda Íesponder ldentificar precisamente esse problema a ser investiga-
do importante para que, depois, os objetivos do trabâlho de pesquisa seram bem de-
é

limitâdos.
Por exemplo, um estudânte do curso de âdministÍaçâo pode propor como tema
de pesquisâ "a administraçâo de recursos humânos nas empresas de comércio vare-
jista nâ cidade X': O problema de pesquisa pode, entáo, ser formulâdo por meio das
seguintes questões:
. Como são administrados os recursos humanos nessas empresas?
r Como é a estÍutura organizacional da área de recursos humanos dessas em-
Presas?
. Nas empresas com mais de 200 funcionáÍios, que modelo de administração de
recursos humanos é mais utilizado?
. Quais as dificuldades enírentadas pelas empresas mrejistãs âo implementaresse
modelo?
O pesquisador poderá, entáo, formulâÍ previamente respostas para essas questôes,
sob â íormâ de hipóteses.
Umâ hipótese é uma "vrrdade provisória'l uma possibilidade que deve scr com-
provada ou descartada durante o desenvolvimento da pesquisa propÍiamente dita.
Somente é possível elaborar hipóteses quando se tem algum conhecimento do tema,
por isso é muito importante Ínformar-se antes sobre o assunto, pesquisândo em livros
e internet.
Para elaborâruma hipótese, criâ-se uma frase com conleúdo positivo, netativo ou
duúdoso, No entanto, essa frase será sempre trmâ âffrmação.
Por exemplo, utilizando o exemplo de tema âcima, pode-se formtrlar âs seguintes
hipóteses:
. O modelo de administração de recursos humanos mais utilizâdo pelas empresas
de comércio vareiista da cidade X é o de gestáo por competênci.§.
. O modelo de administraçáo de recursos humânos mais utilizado pelas empresas
de comércio vareiista da cidâde X não é o de gestão por competênciâs.
. Talvez o modelo de administraçáo de recursos humanos mais utíizâdo pelas em-
presas de comércio varejista da cidade X seja o de gestâo poÍ competências.
Uma vez elaboradas, as hipóteses precisam ser comprovâdes, por isso, devem ser
razoáveis, isto é, pâssiveis de conÀrmâção-

t46 P.rtG ll Gênêros d. r.no: lêitüm e esriiá


ATIVIDADE 3

Escolha um dos enfoques de pesqulsa para o tema "meio ambiente" entÍe os sugeÍidos na
atividade 2. Entào, formule um problema de pesquisa paÍa esse tema e, em segu da, uma hi
pôtesê â ser comprovadâ.

4. Decisáo sobrê o tlpo de pesquisa


Um problema e uma hipótese de pesquisa manifestam a curiosidâde iDtelectual
do pesquisador, seja ele professor ou estudante. Tal curiosidade deve se! planejada
em um projeto de pesquisâ. Em outms palavras, pode-se dizer que o proieto de pes-
quisaéuma espécie de roteiro que conduz o trabalho do pesquisadora frm de que ele
não se desvie dos objetivos traçados.
Nessaetapâ, deve-se decidir também qualo úpo de p€sqüisa que se vài fâze! isto
é, como o temâ escolhido será pesquisado, Parâ tomâr essâ decisão, deve se levar em
contâ os resultâdos que se deseja alcanç.r e âs cdacteristicâs da áre. de pesquisa, o
que pode variar bastânte, como se üu nâ âtividâde 2.
No que diz respeito aos obietitros, umâ pesquisa pode ser:
. eíploÍatória - ry,and,o as atividâdes de pesquisa buscam âmpliar e acumular co-
nhecimento sobre â fuea pesquisada;
. descrítíva quando expôe as carâcterísticas de determinado fenômeno ou aconte
cimento, selYilldo de base pâra sua explicâçâo posteriorj
. er;plicatil,a quando sua funçáo é justificar os motivos, as causas de um fenômeno
ou acontecimento, esclarecendo quais fâtores contribuem para seu apârecimento;
. aplícaàa glJiaDdo sua finâlidade é essencialmente prática, pois busca âpr€sentâr
soluçóes para problemas reais;
. intetvencíoftista - qoando seu objetivo é interferir na realidade, modiffcando-â,
resolvendo seus problemas;
. fietodológica - q)ando estuda as ferramentas de coleta e de intervençáo nâ reali
dade,
Em relação aos m€ios, uma pesquisa pode ser denominada comot
. estuda àe caso - gtrando se seleciona um objeto de pesquisa restrito, um fato ou
fenômeno com o objetivo de obseÍvá-lo e apresentar resultâdos que possam ser
aplicados a outras situaçôes sernelhantes;
. pesquisa-ação - qtrando há um procedimento de intervençáo e coleta de dados com
o envolvimento de pesquisadores e pesquisados no mesmo processo ou trabalho;
. etnográfcct quando o método básico de coleta de dados é a observaçáo partici-
pânte, ou seja, o pesquisador tem contato direto com a situâçáo, as pessoâs e os
obietos pesquisados;

Capítulo 11 rrojêtô de pesquisa cientiÊca e relatórios 147


. pesquisa docurnental e bibliognlfca quando se analisam documentos conserva-
dos em quaisquer órgáos públicos ou privados, como bibliotecas, museus, arqui-

. pesquisa de campo - quândo a investigaçáo ocorre exatamente llo locâl em que


aconteceu um fato ou fenômeno;
. erPetimento quando há uma investigaÉo empirica, com o pesquisador manipu
lando e controlando o obieto da experimentaçáoi
. pesquisa natratíla - quando o pesquisador naÍrâ fatos e acontecimentos verda-
deiros que podem, poÍ exemplo, resultar em um livro de memórias ou em uma
biografia.
Apesar dessas classificaçóes de objetivos e meios, um proi€to de pesquisa pode
mesclar vários tipos de pesquisâ de acordo com selrs propósitos, amplitude e meios:
assim, umâ pesquisa pode ser considerada ao mesmo tempo exploratóriâ e âplicada,
poÍ exemplo.

ATIVIDAI'E 4

Escolha quais dos objetivos antêriormentê rêtâcionados podêm ôpticar.se ao tema já delirni
lado na ativdâde 2: 'efeitos da @tuição ambi€ntat cêusada petâs queimâdâs sobrê a saú
dê das cíiânças que hêbilam o centíoo€ste pautistâ". JlstiÍique sua resposta.

ÂTIVIDADE 5

Es€olha entre os meios retacionâdos aquetê que melhor se aplicaÍia ao tema -A administía
Çáo de íecursos humâôos nas empresas de comércio varejistâ na cidâde X-.
JustiÍique sua íesposta,

5. ElaboraÉo do projeto de pe3quisa


O projeto de pesquisa é um planejâmento necessário à âtividade do pesquisador;
por isso, deve - se buscar elaborá-lo com a máximâ clârezâ e objetividâde. .A,lguns itens
devem constar necessariamente do projeto de pesqúsâ:
. introduçãoi
' iusrificariva;

. procedimentosi
r recursosnecessários;
r cronogramâ;
. referências bibliogÍiÂcas.

r48 Pârte ll Gaftros de i.nô: leirm ê êrib


tntroduçáo
Explica se na introduÉo qual o temâ escolhido, quais as teoriâs que embâsam o
trabâlho, a metodologia de pesquisa utilizâda, a§ hiPóteses e os resultadosque se pre_
tende obte. Esseselementos deveráo PosterioÍmente compor â introduçàodo traba
lho escrito que se vai produzir como resultado da pesqúsa realizada.
Vamos ler a seguir parte da introduçao de uma disseíâção de mestrado Para ob'
servaÍ como podeÍiam ter aParecido no Projeto de pesquisa esses elementos.

A àdministraçáo dâs r€lâçõ€s entre as organiaçóes e os trabalhâdores é uÍn t€ma


que está presente na Teoria Àdminislrativâ desde suâ coníitüiçáo como área autô-
noma do conhecimento. Âs diversâs correntes teóri(âs dis.ul€m'na orà valoÍizândo
a busca de umâ maior pÍodutividâde, ora procuíando entender o lado humano das
orgânizaçô€s e, algumâs vêzes, pÍocurândo estabelecer um equillbrio entre essas duas
abordagens.l...l
Esta pesquisâ lem a finalidâde d€ investiSar como sáo consrruidâs as politicas de
geÍão de pessoas nâs orSanizâçôes, centrâlizando a análi§e nos instrumentos utilizâ_

dos pelos ocupânr€s d€ cargo de cheÍia para se relacionar.m com os seu§ subordina-
dos. Côm isto, pretende.se identificar.omo se eslabelece, no nivcl micro, a relaçáo
entÍe empresa e scus €mpregados. [...]
â
Doponto de vista leórico, seráo anâlisãdos os conccitos de .omunicâçào, motivação.
cultuÍâ organizrcionâl e liderança, Porque os dois primeiÍos reterem se â duâs f€r'
râmcntas clássicâs utiliráda! no Proc€sso dê Serenciâm€nto de Pessoâ$ o ierceiro e o
quaío conceitos possibitian, respectiEmenle, êntendêr a§ Paíicularidade§da organi'
z:çào e â Íigura do gesior d€ pessoa§. Outros conc€ilos umbém poderào ser ulilizados
à mêdida que forem n€cesnirios Parâ entênder o Pro.es§o de 8er€ncimento dc Pessoas
da empÍcsâ pesquisada, Ínâs não serão aProtundados na fundamenlâçáo leórica- Í...1
'Icndo em vista quê o obj€tivo desta Pesquisa é veíifi(âÍ como sio construídas as
políticas de gestâo d€ pessoâs, optou'se Pela realizaçào de um estudo d€ câso, uma
vezque cst€ recureo metodológico possibilitâ aPÍofundar a análiseêm pontos que sáo
imporr.ntes pârâ compreender como €ssas Polilicas sào, dê falo, elãborâdâs na Práti
câ orgini?À cional. [...]
ldentilicar o signi6cado dos conceitos subiacentes às Politicâs dc Serenciameflto de

- e"rrbele(eÍ o' limiles plra sua inslrumcnlàIzâçao:


- idenlificar â estratégia utiliz.dâ pela organizaçáo Pesquisâda Parr contornar os
limit€s inslÍumentais dos conceitos dâlisadosi
- indi.âr a necessidade de um maior intêí.âmbio enrre â adminiskaçáo e as outras

AssiÍn sendo, conhecs os elementos Árndâmentais utllizados nâ construÉo da poÍ


ticâ de g€stâo d€ pessoâs, a partir da perspect,vâ da orSanizâçào, pode contribuir pâia

GrpiIllo 1l Prcrero dê pesqúa cieírúa e relàtdnor 149


criar formâs de organiza çâo de politicas de geren€iânento de pessoas que âtendem às
expectâl ivas e estratégiâs orgeizacionah.
LouzaD^, RobeÍo. "O signifi.ado dos conceiios dc.oDuricaçáo, ootiváçãô, cultura
orgánizacional e liderança na construçáo daloliti.â dc gestáó de pe$od: o cdo Naiurâ:
Disseriãção dc Mesradô, USp/Sio Celôs, 2003.

ATIVIDADE 6
Encontre no têxto acima:a)o rema de pesquisai b) os objetivos;c)a fundamentâção teónca I d)
â formulação dâs hipóteses; e) a êxpectativa de resultados pretendidos p€ta pêsquisa.

tustificatira
Nâ iustficatiya, explicita-se de fiodo convincente â releváncia do tema e dos
possiveis resultados.

ATIVIDAT'E 7

ldentifique ajustiÍcâtivê no trecho a segun. Comenie sua respostô.

Pretêndes p€dculaizaÍ a análi§e n6 polfti€ dê ÍorhaÇão de cheÍâs, oú seja, cmheceÍ âs onêntê


çôes instilucionais que são pâssádas paÉos ocupanres de ôargo de chefa, as quáis, êmtese, d*m
estabel4ê. mmo a or€anização esperâ cârdciânza. as.e açõês enúe os chefes e eos tumionários.
Esta quêstãô tor.ase partjculaímente relevante em um contexto no quat a área de recursos hu
manos passa por um processo de íeestruturaÇão. em que perde a íunção de amoítecer a retaÇào
entre chelê e suboÍdnâdo e transÍeÍe para ê rgura do chele a responsâbitidade de realizaí á me
diaçào entre a empÍesá e os seus empregados.

OhietivoE
Os obietivos podem ser geÍais oü especificos. Sáo considerâdosgerair quândo ex
pressam com clareza o que se pretende alcançar por meio do proieto de pesquisa.
Normalmente, utilizam-se vetbos no infinitivo para escrever os objetivos gerais. por
exemplo, no texto examinado:

O objetivo gerâl destâ pesquisa é veriÍicâr como são construidas às potiticâs de gerenciâ-
mento de pessoas a partir da perspecrivà organizâcioDal.

Os obietivos são denominados egerfcos quando se ref€rem às subdivisões que o


problema enunciâdo no objetivo gerâl apresentará ao ser estudâdo. Ao redigir o trâ

r50 Part ll cênúosde rqro: lenuEeúolra


balho final, cada um desses obietivos especíÍicos pode se converter em um capitulo.
Verbos no infinitivo também são utilizados na construção de obietil/os específicos,
tais como apãrecem no texto em aniilise:
. ídefitifcar os signlficados possiveis de serem atdbuidos aos conceitos de comuni-
caçáo, motivaçâo, cultura organizacional e liderânçâ, com bâse nos textos admi-
nistmtivos e em textos ptoduzidos por especialistâs das árcâs de origem dos con_
ceitos analisadosi
. ilenonstror guiais as implicaçôes do uso dos signiÍicados encontrados para o pro_
cesso de gestáo de pessoas;
. descrcyer o ptocesso de gestâo de pêssoas adotado em uma empresa industrial;
. yerifcar o signif\cado atribuído a esses conceitos em uma situação concreta.

Procedimerrtos
Os procedimentos descrevem quâis fontes e mêios de pesquisa serão utilizâalos
pâÍâ a coleta de informaçôes, dados etc. pode,se, por exemplo, fâzer âpenas umâ pes-
quisa bibliognifica, ou, além disso, experimentos, entreüstas etc.
Uma vez mais, veiâmos como isso aparece no texto em estudo:

Nestâ pesqüsa, o lelmtmento de dados será realizado por meio de enrreviíd. De


acordo €om SAMÁRA & BARROS (2002, p. 69), "o formutário para colêà de dâdos
[...]
para âs pesquisâs qualitatiEs é denominãdo roreirol uma vez que permite ao pesqui
sador aprofundar determinâdos aspectos, atrnvés do desdobrmento das perguntas, e
alterr sua ordem em fuçáo da própria dinâmicâ da entrevista.
Os roteiros de enúevistas terão questÕes que se carâcterizam como aberrâs, n.s quâis "o
entreüstado rcsponde üw€mente o qu€ pensa sobrc o assunto" (SAMARA & BÀRROS,
2002, p. 7o); além disso, possibilitam ao entreüstador estimulálo a mptiaÍ â resposta

RecrrÍsor rrec?isrtíog
Os recursos nccessários âo bom desenvolvimento do trabâlho de pesquisa preci-
sam ser estimados, porexemplot recursos materiais (liwos, mateÍiais de laboratório,
aparelhos, papel, canetas etc.), humanos (quantidade de pessoas envolvidas) e Íinan-
ceiros (estimativa de custos).

ATIVIDADE 8
Estimê quais recuísos serão necessários paÍa o dêseovotvimênto do trabalho de pêsquisa
quê estamos ânalisando. lusliÍouê (ua rêsposra,

CapítIlo 11 Pmiêto de p€s{uisa ciotiÊca e relatórios


Cronograna
Deve-se relâcionar no cronograma todas as atividades que seráo desenvolü
das durante o proieto de pesquisa, estim.ndo se o tempo necessário para cada
uma dessas fases-
Qualdo há necessidade de financiar o projeto de pesquisa, muitas vezes o
cronograma também prevê as etapas de desembolso dos tecursos financeiros.

ATIVIDADE 9
Preêncha o quadro a seguií estimando no tempo de um ano o desênvolvimento das ativida-
dês íelacionadas à pêsquisa a ser realizãdâ.

1. Pesquisa bibliográÍca Leituras e apontamentos sobÍe


os fundamentos teóricos

2. E aboÍaçâo dos instrumentos Quêstõês de entrevista

3. Contato e visita à êmpresa

4. Colêta e análise dos dâdos

5. Conclusôes e resultados da Elaboração do texto propriamente

Relerências bibtio9táíicas
Ás obrâs que servirem de foÍte de consulta durante a pesquisa devem ser relacio
nadas segundo normas predeterminadâs, como as da Àssociâção Brasileira de Nor-
mas Técnicas (ABNT) ou da universidade em que o aluno estuda_
Vejamos alguns modos de fazer as teferências bibliográficas em alguns poucos
exemPlos.

r Exemplo 1
As referências bibliognificâs podem aparecer ao longo do texto, cada vez que
ocorre uma alusâo a umâ teoria ou conjunto de ideias de um autor ou uma citaçáo de

1,52 P.rte ll cênms .le texto: lciturâ e ês.rib


trechos de obras editadas, também listadas ao ffnal do trabalho acadêmico sob o
e tl
tulo "Referências bibliográÍicas" ou apenas "Referências'i
Em gerâI, deve-se seguir a norma abaixo:

*"..
F""*r.rr o" âUtor
SoBRENoME, Nome do , Título do obra. Vol.
Número dâ ediçào [s€ não foÍ â
_ [indicâçáo do volurne].
pÍim€irâ]. Locd de publi€açãor Ed ora, dâta.

Vejamos:
Lu!r, Celso Pedro. Mirridi.ionário LuÍt.2t. ed. Sáo Paulo: Ática, 2008,

r Exemplo 2
Caso a obra tenhâ dois autores, ffguram ambos os sobrenomes e nolnes.

SoBnxNoME, Nom€ do autor; SoBxrNoME Nome do autoÍ. Tnulo da obra_ vol.


lindicâção do voluÍnê1. Nimerc dâ ediçáo. Ircal de pubücação: Editora data.

ILÀRI, Rodolfot GERÁLDr, João Wânderley. SernáíÍica- ll. ed. São paulo: Ática,
2006.

. Exemplo 3
obm citadâ reunir textos de diferentes âutores, deve ffgurar o nome do orga-
Se a
nizador do volume, seguido dessa indicaçâo abreviada entre parênteses (Org.).

l
SoaRENoME, Nome do oÍgani7ádoÍ lotg.).'Iítulo da oüra. Número dÀ ediçáo.
Lo€al de publicaçâo: Editorâ, data.

Vejamos:
LÂuERIr^ss, Jr, Ludwig; N,rvr, Carmen (Orgs.). Btotil - Uma identidaile em cons-
lrução. Sào Pavlot Atica, 2OO7 .

ATIVIDADE 10

lmagine que você tivêssê coísultado, parâ rediúr um teno, as ôbrcs cujas tichas catatográ
Ícâs estào reproduzidas a seguir. Faça âs refeÍências bibtiográficas dê seu trabatho seguin
do as normas dâ ABNT indícadas anteriormente.

crpílulo 1l Projeto de pesqujsa cienliâca r relatórios 153