Você está na página 1de 141

OS CAVERNÍCOLAS 1:

CUENTOS DE LEGENDARIO I:
El Impostor
De Callista Arman
Rompiendo las reglas
De B.J. McCall2
Abducción
De Lynn LaFleur
La novia del piloto de la oscuridad
De Cricket Starr
El Club de los Miércoles
De Charlotte Boyette-Compo
Esposas de amor
De Elizabeth Lapthorne

O Impostor
1
Capítulo 1
A boca dele cobriu o mamilo dela, chupando intensamente através da barreira do lençol
branco. O corpo dela se arqueou para seu calor, mesmo que sua mente lutava para resistir.
Ele era um marginalizado. Ela era a filha de seu inimigo.
Esta era sua vingança.
Uns dedos ásperos marcavam as coxas nuas dela, exploravam entre seus cachos.
Invadiam sua concha, esparramavam sua umidade por seus clitóris. Ela respirava com
pequenas baforadas mecânicas enquanto ele rodeava sua sensível protuberância com seus
dedos fortes e calosos. O ventre dela ardeu em chamas. Estas se pulverizaram velozmente
por suas veias, acendendo o desejo em cada fibra de seu ser.
Ela se mordeu o lábio, para não humilhar-se ao rogar por mais.
“Abre mais suas pernas, moça”.
“Não”, sussurrou ela. Quem falou por ela foi seu último sotaque de orgulho.
Os dedos dele entraram nela lentamente, retorceram-se e se flexionaram, fazendo-a
boquear pelo delicioso prazer que lhe dava. Um estranho indício de um sorriso torceu os
lábios dele. Logo retirou a mão, deixando-a vazia.
Pô-la de pé, agarrando a da boneca. “te dispa, moça”. Seus olhos, escuros e
pecaminosos, desafiavam-na a que se recusasse.
Ela obedeceu com as mãos trementes. Nunca se tinha despido completamente em
presença de um homem, e agora…Seu olhar escuro nunca titubeou enquanto seus objetos se
deslizavam, uma a uma, para o piso de tablones mau cortados. Ela se estremeceu, mas não
foi o medo o que a fez tremer. Nem o frio. Foi a expectativa.
*****
“Crie que deveríamos baixar nossos preços?”.
Raie MacLeod moveu os quadris para a investida de seu marido, fazendo o melhor de si
por ignorar sua pergunta em voz baixa. Desafinava tanto com sua fantasia.
“Bom, crie-o?”.
Ela abriu um olho.
Ian suportava o peso de seu magro corpo com seus rígidos braços e a olhava. Ele
enrugou o cenho enquanto movia os quadris. “Uma redução de dez por cento nos daria a
vantagem que necessitamos. Por outra parte…”. O se apartou até que a cabeça de seu verga
excitava os lábios externos de sua concha.
Raie o agarrou por traseiro, empurrando-o outra vez para seu corpo. “Não posso acreditar
que me esteja perguntando isto justo agora”.
“Esteve-me dando voltas pela mente”.
“Não podemos deixá-lo para depois?”. Raie fechou fortemente os olhos, desesperada-se
por recapturar a intensidade de sua fantasia. Uma fantasia em que Kieran MacKenzie —
latifundiário desposeído do Clã MacKenzie e dono da verga maior e mais malote de toda a
Escócia medieval— desflorava ao Tess, a filha virgem de seu inimigo mais odiado.
Era uma cena da novela erótica favorita de Raie, Paixões nas Montanhas Escocesas.
Ian se deslizou para fora. “O texto do aviso estará preparado na imprensa esta tarde”.
As esperanças de Raie de ter um orgasmo se derreteram como seu desvaneciente
ensoñación. Muito bem, assim depois de cinco anos e meio de matrimônio, o sexo com o Ian
era um pouco rotineiro. Isso era de esperar-se. Mas tinha que tirar o tema do bar justo agora?
Tinha estado tão perto de acabar-se. Maldição.
Kieran MacKenzie jamais falaria do trabalho durante o sexo.
“Se não fizermos algo para seduzir a nossa clientela para que volte”, disse Ian, “seria
quase melhor nem abrir”.

2
“Bom, bom”. Os últimos arrebatamentos de excitação de Raie se esfumaram. Ela e Ian
tinham posto as economias de toda sua vida em ‘Café e Pãozinhos’, um café muito moderno
no limite do distrito histórico. O tema escocês tinha sido idéia de Raie; Ian tinha sugerido uma
decoração de selva tropical. Foi muito bem durante um par de meses, até que a cadeia
nacional ‘Café Estrela’ abriu um megabar a menos de uma milha de distância, justo na
esquina do Broad e Main. Com estacionamento. De qualquer jeito, o resultado do balanço de
‘Café e Pãozinhos’ se tornou de uma brilhante e desagradável cor vermelha.
Se Ian e Raie não podiam dirigir uma parte do tráfico sedento para o interior de suas
portas com trincos de bronze, foram direto à bancarrota.
“Sim, teremos que baixar nossos preços”, disse ela.
“O que te parece fazer um dia no que se compras um te levar outro grátis, para o grupo de
estudantes?”. Perguntou Ian. Ele deixou cair a cabeça na dobra do ombro de Raie e acelerou
o ritmo de seus embates. “Possivelmente até poderia tirar a gaita de fole de meu avô”.
Raie gemeu, mas não de prazer. Ela amava todo o escocês — a seu marido, mais que
nada— mas Ian não tinha nenhum talento para a gaita de fole.
“Queremos atrair clientes, não fazer que se vão”, disse-lhe ela.
Ian riu pelo baixo.
Lhe acariciou o flanco do pescoço com o nariz. “Esquece a gaita de fole. Mas sim poderia
te vestir com a roupa típica das montanhas escocesas que te comprei”.
Ele grunhiu. “De maneira nenhuma. Não me vou pôr uma saia”.
“É uma kilt, não uma saia”.
“É o mesmo”. Um delicado estremecimento reverberou pelo corpo dele. “Deus, Raie,
estou perto”.
Então ele deixou de falar, graças a Deus. Raie se concentrou em coincidir com o ritmo de
seus embates cada vez mais profundos. Uma sensação brandamente prazenteira a invadiu,
mas não se parecia em nada ao que estava acostumado a ser. Quando ela e Ian estiveram
juntos pela primeira vez, lhe deu um estremecedor orgasmo atrás de outro. Mas agora…
Agora precisava fantasiar com o Kieran MacKenzie para ajudar-se a acabar.
Passou os dedos por entre os escuros cachos de seu marido. Era uma pena que não se
pudesse acabar sem uma fantasia. Fechou os olhos e tratou de perder-se na sensação da
verga do Ian deslizando-se dentro dela. Uns poucos embates mais tarde, deu-se por vencida.
Simplesmente não acontecia.
Tess nunca teve este problema com o Kieran em Paixões nas Montanhas Escocesas.
Mas Raie não estava casada com um guerreiro das montanhas da Escócia medieval. Nem
remotamente. Ian era um contador. Mas neste momento, suas lentes de marco de metal
estavam longe sobre a cômoda e sua camisa sempre grampeada estava no chão. Com o
orgasmo vento em popa que afiava os rasgos dele, ela quase podia imaginar a paixão de suas
temíveis ancestros escoceses ardendo em suas veias.
Os olhos dele ficaram frágeis. Seus braços se flexionaram ao redor dela e seu torso ficou
rígido. Logo cobrou vida, bombeando dentro da concha de Raie com embates curtos e
profundos, gemendo seu nome enquanto jorrava de prazer. Logo seus braços cederam e todo
seu peso morno paralisou sobre ela, afundando-a no colchão.
Raie lhe beijou o pescoço e acariciou seus ombros brillosos de suor, mas não pôde
reprimir um diminuto suspiro. Por que era que o homem podia acabar-se sempre, sem
importar o que acontecesse? Não era justo.
Ian rodou para um lado e lhe fez um breve sorriso de lado. “Sinto que não o tenha obtido a
tempo”, disse-lhe. “Quer que te faça acabar com o vibrador?”.
Raie se incorporou sobre os cotovelos e olhou o relógio. “Não. Abriremos tarde se não sair
daqui logo”. E só Deus sabia que não podiam dar o luxo de perder nem um só cliente.
“Mais tarde, então”. Ian se levantou da cama e caminhou para o banho.

3
Raie o olhou. Seu marido tinha um lindo traseiro. Além disso era alto, resultava-o ser era
outra vantagem, e seu torso era sólido, mas não muito musculoso. Não muito tempo atrás, o
só pensar em pôr as mãos em cima ao Ian a excitava como louca. Agora se passava quatorze
horas ao dia de pé, vendendo café de marca. Preferiria uma hora de sonho a uma hora de
sexo qualquer dia da semana.
Mas para ser honestos, uma hora de leitura ganhava em qualquer das duas opções. Não
importava que tão estressada estivesse; uma novela erótica bem escrita sempre a fazia sentir
melhor. Especialmente quando o herói era Kieran MacKenzie.
Ian abriu a ducha. Ela brincou com a idéia de unir-se a ele. Ela poderia convencer o de
que lhe desse esse orgasmo que lhe tinha prometido. Ou…
Abriu a gaveta da mesita de luz e deslizou sua cópia com as páginas marcadas de
Paixões nas Montanhas Escocesas.
A fome no olhar do Kiernan fez que o coração do Tess pulsasse com força. Tardiamente,
ela se questionou se tinha sido prudente ter ido encontrasse com ele na casa de campo
abandonada. Tratou de cobrir sua nudez com as mãos.
Kieran a tirou das bonecas e lhe separou bem os braços. “Não, moça. Não deixarei que te
esconda. Você me pertence agora”.
Raie deu um pequeno suspiro. Você me pertence agora. Que incrivelmente romântico!
Como seria pertencer a um homem assim? Sorrindo, deu volta a página.
Kieran arrojou sua manta escocesa. Tess quase ficou sem fôlego ao vê-lo. Seus fortes
braços estavam endurecidos com músculos e tendões. Seu peito era largo e musculoso,
cruelmente marcado com o que parecia uma velha ferida de faca.
Ela baixou o olhar. Santo céu! As moças da cozinha não tinham exagerado. A verga do
Kieran era enorme.
“Sobre a cama, moça”.
Ela não pôde mais que lhe obedecer.
*****
“Né, garota, o que tem aí abaixo? Uma revista pornô?”.
Raie levantou bruscamente a cabeça enquanto deslizava Paixões nas Montanhas
Escocesas sobre um suporte debaixo do mostrador. “Angie. Desculpa. Não te escutei entrar”.
A melhor amiga de Raie tamborilou suas unhas arrumadas à francesa sobre o mostrador.
“Não entendo como pode não ter ouvido o barulho. Tem mais campainhas na porta de seu
negócio que Santa em seu trenó”.
“Sim, sei. Ian as pôs ali para que possamos escutar quando se abre a porta se estivermos
no fundo”.
Angie sorriu com suficiência. “No fundo, fazendo o que?”.
“Não o que você está pensando, isso é seguro”.
“Que mau. Está lá atrás agora seu apetecível marido?”.
“Sim”.
“Bom, por que não o abandona detrás de uma pilha de caixas e…?”.
“Ah, claro”.
“Por que não? Vocês estavam acostumados a ser selvagens. Lembra-te dessa vez no
lago, quando estavam noivos?”.
“Já não é mais assim”. Raie fez uma careta enquanto servia ao Angie sua sacudida
regular de cafeína: torrado do Edimburgo, sem leite. Levantou a vista para ver que seu amiga
a olhava com uma expressão compassiva.
“Quer falar disso?”.
“Não. Estou bem. É só que…”.
“O que?”.
Ela apoiou os cotovelos sobre o mostrador. “Amo ao Ian, não me interprete mal”.
Angie levantou suas sobrancelhas depiladas. “Mas?”.
“Mas é tão tolerante. Às vezes só desejaria que fora, você sabe, mais macho. Que
tomasse a iniciativa”. Raie meneou a cabeça. “Ele me pergunta o que opino para tudo”.
“Pensei que você gostava disso dele”.
4
“Eu gostava. Quer dizer, eu gosto. Algumas vezes”.
Três torrões de açúcar se afundaram no café do Angie. “E as outras vezes?”.
“As outras vezes sinto vontades de gritar. Há dias em que venderia minha alma por um
tipo que se imponha”.
Seu amiga soprou. “Seu odiaria isso”.
“Não, não o faria. Eu adoraria”. Raie fez um gesto com a cabeça para a bandeja de bolos.
“Desejas algo com sua cafeína?”.
“Sim. Os pãozinhos talheres de chocolate se vêem bons. Comerei dois”.
“Não sei como faz para te manter tão esquelética”, queixou-se Raie enquanto depositava
os bolos em um prato.
“Está nos gens. Quanto te devo?”.
“Esquece-o”.
“De maneira nenhuma. Não pode te dar o luxo de dar de presente seu inventário”.
Raie suspirou. “Duvido seriamente que dois pãozinhos salvem ou afundem o resultado do
balanço”. Ela fez uma pausa. “Passou por ‘Café Estrela’ no caminho?”.
“Sim”.
“Repleto?”.
“Até o cabo”. Angie olhou seu relógio. “Ai, mierda, são quase as nove e não posso me dar
o luxo de chegar tarde ao trabalho, outra vez”. Se dirigiu à porta.
Raie ficou olhando o café vazio por um instante, logo tirou Paixões nas Montanhas
Escocesas. Quase podia sentir o marcado acento escocês do Kieran MacKenzie lhe fazendo
cócegas na orelha.
“É um sonho, moça”.
Kieran lhe deu um beijo quente justo debaixo da orelha do Tess. Ela tremeu. Ele tinha
estendido sua manta sobre o colchão cheio de palha. A lã, ainda morna por seu corpo,
raspava a pele nua dela e lhe enviava quebras de onda de prazer quente ao doce lugar entre
suas pernas. Beijou-lhe o flanco do pescoço. Sua áspera barba incipiente lhe raspava a suave
pele. As mãos dele cobriram seus seios e levantaram um, logo o outro.
Ele a olhava à cara enquanto seus polegares passavam sobre os sensibilizados picos.
“Você gosta disso, não, moça?”.
“Sim”, disse ela ofegando. Seus quadris se levantaram, convidando-o. Ele atirou dela para
aproximá-la, enquanto suas mãos posicionavam o corpo dela para a invasão. a sacudiu um
calafrio de apreensão. Sua verga era tão grande, tão dura. As moças do serviço riam
bobamente porque Kieran tinha o membro maior de toda Escócia. Olhando-o agora, ao Tess
fez acordar ao semental favorito de seu pai.
Santo céu! Entraria a verga do Kiernan por sua passadiço virgem?
“Ah, não se preocupe por isso”, murmurou Raie em voz alta. “Entrará. Sempre o faz. Só
espera e verá”.
Ela se moveu, sentindo calor de repente. E sentindo-se excitada. Suas coxas estavam
úmidas debaixo de sua saia tableada de tartán. Aturdida, levantou a vista do livro e olhou a
porta que levava a habitação traseira do bar. Ian estava ali dentro, pego a seu computador
portátil, tratando de riscar o rumo por muito tinta vermelha.
Ela olhou para a porta que dava à rua. Não havia clientes à vista, e era provável que não
houvesse nenhum antes do almoço. E inclusive se alguém sim entrava, estavam todas essas
campainhas que lhe fariam saber.
Guardou Paixões nas Montanhas Escocesas debaixo do mostrador. Rapidamente,
desatou-se o avental e se foi para o fundo em pontas de pé. Quando chegou à porta ao final
da área de vendas, fez uma pausa. Não havia janelas no depósito, e fazer o amor debaixo de
umas estridentes luzes fluorescentes não lhe pareceu muito sexy. Voltando sobre seus
passos, tomou uma vela votiva de um exibidor e um acendedor da gaveta próxima à caixa.
Assim armada, empurrou a porta à habitação do fundo.

5
Ian estava de costas. Estava curvado sobre seu escritório de segunda mão, tamborilando
sobre o teclado de seu computador portátil, com passes e outros papéis esparramados por
todos os lados. Raie acendeu sua vela e a pôs sobre uma pilha de caixas. Logo apagou as
luzes, deixando só o brilho da llamita da vela.
Ah e também o brilho do computador portátil do Ian. Não o tinha tido em conta.
A cabeça dele girou para ela. “O que…?”.
Ela passou os braços sobre os ombros dele desde atrás e recorreu a seu melhor sussurro
provocador. “Esquece a conciliação trimestre. Façamos o amor”.
Ele voltou a girar para a tela com um grunhido evasivo.
Ela abriu os dois botões superiores da camisa dele e deslizou suas mãos para dentro. Seu
peito nu se sentia morno debaixo de suas mãos frescas. Ela apertou seus seios contra as
costas dele e fez girar sua língua dentro de sua orelha.
Ele se encolheu de ombros, como tratando de sacudir um bando de borrachudos. “Agora
não, Raie. Estou registrando passes”.
Ela levantou a cabeça e enfocou a tela, logo desejou não havê-lo feito. As perdas do
último trimestre eram piores do que ela tinha pensado. Somando isso ao que já deviam…
Deus, faria algo por esquecer em que confusão estavam. Inclusive por uns poucos
minutos. E sabia exatamente como fazê-lo.
“Pode tomar cinco minutos”. Tirou os lentes ao Ian do nariz e os deixou cair sobre o
escritório. “Vamos, façamo-lo”.
Ian lhe franziu o cenho. “Aqui?”.
“Seguro, por que não?”.
“Bom, primeiro, este é um armário de depósito glorificado. Além disso, supõe-se que o
negócio está aberto”.
“Esta é a hora mais tranqüila. Além disso, escutaremos as campainhas se alguém entrar”.
Ela se deixou cair de joelhos e começou a lhe desabotoar o cinturão.
“Acabamos de agarrar esta manhã”.
“E?”.
“E isso foi faz menos de três horas”.
“Bom, eu não acabei”.
“Pôde fazê-lo”, disse ele, ficando à defensiva.
Ela se desabotoou as calças e atirou se baixou a cremayera. “Esta vez acabarei”.
“Raie…”.
Ela deslizou sua mão por debaixo da cintura de sua cueca e fechou os dedos ao redor de
seu pênis. Inclusive semiduro, enchia sua mão. A equipe do Ian não era tão impressionante
como a verga monstruosa do Kieran MacKenzie, é obvio, mas seu marido realmente não tinha
nada do que envergonhar-se. A emoção de fazê-lo no café, com a porta de adiante aberta, fez
que lhe disparasse uma corrente de excitação até sua concha. A umidade cobria suas coxas.
Isto ia ser bom.
E foi, durante mais ou menos dois segundos, até que Ian tomou a mão e a afastou de seu
entreperna. “Olhe, Raie. Este não é um bom momento. Estou tratando de pensar a que
distribuidores lhes vamos pagar este mês”.
“Ao demônio com os distribuidores”, disse Raie, sacudindo-se para soltar-se de sua mão.
Sentou-se sobre os talões e começou a desabotoá-la blusa. “Melhor ainda, agarra ”.olhou a
seu redor procurando um bom lugar. “Ali. Sobre essa gaveta de guardanapos”.
A excitação a apunhalava enquanto se imaginava a si mesmo com sua saia tableada
amontoada sobre a cintura e suas pernas envolvendo os quadris do Ian. Kieran o fazia o amor
ao Tess assim, em um assento junto à janela no Castelo Dunhardie. Qualquer os poderia ter
pescado.
“E possivelmente…”, disse ela em voz baixa, apanhada na fantasia, “possivelmente
poderia falar com acento escocês”.
“Sou do Cincinnati”, disse Ian. “Não da maldita Edimburgo”.
“Só simula”, disse Raie, deslizando-a blusa pelos ombros. “Para mim”.

6
Os olhos dele se entrecerraron. “Isto tem algo que ver com o livro que sempre está
lendo?”.
“Não”, mentiu ela. Desabotoou-se o sustento por adiante e levantou os seios, oferecendo-
lhe Por favor?”.
Ele baixou a vista para ela e a olhou por um comprido momento, logo ficou de piei e se
grampeou as calças. “Te grampeie a camisa, Raie. Disse-te que este não era um bom
momento”.
Ela se sentiu como se a tivessem esbofeteado. “Está me rechaçando?”.
“É obvio que não. Faremo-lo mais tarde. Vamos, te levante”. Ele agarrou suas lentes do
escritório e os pôs.
Raie se levantou lentamente, apertando sua blusa aberta contra seu corpo. “Terá sorte se
houver um ‘mais tarde’”.
“Que demônios se supõe que significa isso?”.
“A que te soa? Possivelmente estou farta de ser sua boneca inflable. Sabe?, não é
emocionante que te agarre alguém que não está aí”.
A confusão revoava pela cara dele. “O que quer dizer com que não está aí’?”.
“Não comigo”, disse Raie lentamente. “Que não disposta atenção. Está em piloto
automático cada vez que fazemos o amor, Ian. É o mesmo que se te fizesse uma palha. No
único que pensa é neste maldito café”.
Ele apertou a mandíbula. “Se não pensar no café, estaremos em um julgamento por
bancarrota. Amadurecida, Ele Raie se deixou cair em sua cadeira e girou para seu
computador.
A visão de Raie se cobriu de manchones vermelhos. “Não me dê as costas, Ian MacLeod!
Começamos esta briga e a vamos terminar”.
Ele se aferrou ao mouse e deslocou a página para baixo. “Eu não comecei esta briga,
Raie. Você o fez. E eu não tenho nenhuma intenção de continuá-la”.

Capítulo dois

“Não sei, Maggie. Possivelmente Ian já não me ama mais”.


Raie se afundou em uma acolchoada banqueta atrás do mostrador em ‘Magia das
Montanhas’, o negócio de ao lado de ‘Café e Pãozinhos’. A proprietária, Maggie Dunstan, era
uma mulher maior, escocesa, simples, com um prolixo cabelo branco e óculos para ler. via-se
como a avó de qualquer, mas mesmo assim, Raie sempre pensou que havia algo um pouco
estranho no Maggie. Um pouco relacionado com a bruxaria. Ian insistia que era só a
imaginação muito ativa de Raie.
Maggie aplaudiu a mão de Raie. “Ah, vamos, moça. O moço te ama. Posso vê-lo em seus
olhos”.
Raie encolheu os ombros.
“Não pode ser tão mau”, disse Maggie amavelmente.
“É-o”, disse Raie. “Acredito que… ai, Maggie, temo-me que Ian e eu já não andamos bem.
Distanciamo-nos tanto. Não sei se poderemos arrumar as coisas”.
A mulher maior estalou a língua. “Não pode te dar por vencida em seu matrimônio, moça”.
“Que matrimônio? Ian e eu já quase nem falamos, exceto sobre o café. E ele quase nunca
está interessado em…”. Raie fechou a boca abruptamente, enquanto o calor fluía por suas
bochechas.
Maggie só riu pelo baixo. “Então assim estão as coisas, né?”.
“Assim e pior”, respondeu Raie desanimadamente.
“Não se preocupe, moça. Seu homem voltará para ti”.
“Isso espero”.
Maggie apoiou sua fortificação diante de si e se levantou com dificuldade do assento, com
uns braços que se viam notavelmente fortes para uma mulher de mais de oitenta. “Poderia me
cuidar o negócio por um ratito? Sinto a necessidade de estirar minhas velhas extremidades.
Irei aqui ao lado eu mesma para tomar uma taça de seu rico café”.
7
Raie apoiou sua bolsa sobre o mostrador. Cuidar o negócio do Maggie não seria nada
difícil. Em ‘Magia das Montanhas’, com sua embolorada coleção de livros velhos e objetos de
arte de segunda categoria, havia inclusive menos movimento que em ‘Café e Pãozinhos’. O
estranho era que Maggie nunca parecia ter problemas de dinheiro.
Ah, claro. Possivelmente tinha pedidos por correio.
Maggie se acomodou o xale de tartán sobre os ombros.
“Espera”, disse Raie. “Te está caindo”. Ela se estirou sobre o mostrador para acomodar o
xale do Maggie. Ao mover seu braço para trás outra vez, tocou sua bolsa com o cotovelo e o
tombou.
Paixões nas Montanhas Escocesas caiu sobre o mostrador. Antes que Raie pudesse
colocar o quebrado volume outra vez em sua bolsa, Maggie o levantou.
Manteve-o a certa distância. “Ai, ai, ai”.
Raie reprimiu um gemido de vergonha. Kieran MacKenzie apareceu em toda sua gloriosa
nudez na capa; o punho de sua espada logo que cobria sua legendária jóia de família. Estava
parado sobre uma ondulada colina das montanhas escocesas, com seu cabelo negro
agitando-se sobre seu pescoço. O Castelo Dunhardie, seu lar da infância, encarapitava-se em
um longínquo escarpado justo por cima de seu ombro. Seus olhos eram escuros e torturados,
mas seu queixo denotava a decisão de recuperar seu direito de nascimento que lhe tinham
roubado. Tess se aferrava a ele, com seus cachos de cabelo avermelhados caindo pelas
costas e seus grandes seios se sobressaindo de um vestido muito ligeiro para um inverno nas
montanhas escocesas.
“Ah, que muchachito tão bonito é este”, disse Maggie. “Estou pensando que sua moça não
tem queixa no dormitório”.
Raie tossiu para dissimular que se ficou sem fôlego pelo impacto. “Não”, grasnou. “Ela
não tem nenhuma queixa”.
“Uma pena que ele não seja real”, disse a anciã brandamente, enquanto olhava a Raie.
“Mais quisesse eu”, disse Raie.
“Sim? De verdade quereria ter a este homem de amante?”.
“Sííí”, disse ela. “Sim que quereria”. Raie tocou a imagem do Kieran. “Ele é valente. Forte.
Procura à mulher apropriada para que cure sua alma atormentada”. Um suspiro escapou de
seus lábios. “E seu corpo… Que mulher não desejaria a um homem assim?”.
O brilhante olhar do Maggie se posou em Raie. “Os desejos têm poder, moça. Não devem
pedir-se com ligeireza. Às vezes trazem coisas que não esperamos”. Olhou ao Kieran
MacKenzie e logo disse: “Incomodar-te-ia me emprestar seu livro”? Só por um ratito. Estou
pensando que este moço seria um bom companheiro enquanto descanso e tomo um café.
Raie quase se afogou. “Mas essa… em… não é a típica novela romântica. É…”, ela
baixou a voz, embora não havia ninguém no negócio à exceção delas dois. “Erótica. Não
acredito que…”.
Maggie riu pelo baixo. “Sou uma velha, moça, mas fui uma esposa jovem uma vez e não o
esqueci ainda”. Ela deslizou o livro dentro da bolsa encostada a sua fortificação. Sem poder
fazer nada, Raie a olhou arrastar os pés para sair do negócio.
Era difícil imaginar ao Maggie lendo Paixões nas Montanhas Escocesas enquanto se
tomava um café. Mesmo assim, uma mulher tinha que estar morta para não desfrutar ler sobre
o Kieran MacKenzie. E Raie tinha a sensação de que Maggie, anciã como era, ainda estava
muito longe da tumba.
Privada de seu material de leitura, Raie se acomodou na banqueta do Maggie. ‘Magia das
Montanhas’ era um negócio diminuto, mais pequeno ainda que ‘Café e Pãozinhos’. Os livros
cobriam as paredes desde piso até o teto, e Raie tivesse apostado de boa vontade que
nenhum tinha menos de cinqüenta anos. Um aroma de mofo facilmente distinguible se
aferrava aos suportes. O tema era completamente escocês: história, castelos, arte, folclore.
Um tomo, maior que o resto, estava apoiado sobre o mostrador, ao lado da caixa, como se
Maggie o tivesse estado lendo. Estava encadernado com um estragado couro verde e o título
dourado que tinha gravado era apenas legível.
Impostores.
8
Com curiosidade, Raie abriu a coberta, cuidando de não estragar as antigas páginas
interiores. O livro estava impresso com um tipo de letra muito antigo, que exsudava um ar de
mistério.
Intrigada, começou a ler.
Impostor: uma criatura da espécie das fadas que toma o lugar de um humano, geralmente
um menino. Um desejo malicioso lhe dá o poder. A mudança se realiza ao amanhecer,
acompanhado pela risada das fadas. Os habitantes da casa não sabem que a mudança teve
lugar, já que o Impostor toma o aspecto do ser amado. Entretanto, este é um aspecto falso. O
encantamento das fadas oculta os verdadeiros rasgos do Impostor.
Não obstante, logo a fada se fará ver. Um Impostor faz magia com a gaita de fole ou o
violino, enfeitiçando a todos os que o escutam. Encanta tudo o que touca. Sua fome é enorme
e nunca se satisfaz, já que um Impostor não tem alma.
Para desfazer-se de um Impostor em seu lar, você deve…
Raie olhou para cima quando se abriu a porta do negócio do Maggie, deixando passar a
um casal de média idade que possivelmente seriam os únicos clientes do Maggie esse dia.
Raie fechou o livro e se levantou para saudá-los, com um grande sorriso no rosto.

*****
Entraria a verga do Kiernan por sua passadiço virgem?
Tess se estremeceu de só pensá-lo.
A boca dele cobriu a dela em uma posse carnal, sem lhe dar trégua. Os temores de
donzela do Tess se liberaram com toda a fúria, como folhas apanhadas em um vendaval. Uns
lábios ásperos a saqueavam, exigindo entrar. Este não era o beijo tenro que tinham
compartilhado no jardim. Esse beijo tinha sido só um chamariz; Tess agora se dava conta. Ele
a tinha estado perseguindo, como a uma corza ou uma zorrita, e agora ela estava em seu
poder. Ele a possuiria agora, desejasse-o ela ou não.
Ela o desejava.
Ele reclamou seu direito ao corpo dela, com sua boca descaradamente erótica sobre a
dela. Seu beijo acendeu o fogo no interior do Tess e atiçou as chamas até que ela pensou que
seria consumida pelo desejo que sentia por ele. Santo céu, como adorava! A umidade jorrava
de seu centro enquanto a língua do Kiernan dominava a dela. Antes que saísse o sol, seu
verga dominaria sua concha.
Choramingou do mais profundo de sua garganta. As mãos do Kieran se passeavam por
seus ombros, seus seios e seu traseiro, e de uma maneira nada suave. Ele se moveu, ficando
sobre ela, a capa do colchão, feita de palha, rangia debaixo de seu peso. Seu enorme verga
examinava suas suaves dobras.
O medo aflorou, fazendo que seu coração pulsasse muito forte. Como poderia receber a
verga maior de toda Escócia?
“Me vai doer”, choramingou ela.
“Isso não o vou negar, moça”, respondeu Kiernan.
Mas sua voz áspera soou extrañamente gentil.
“vais vir à cama?”.
Raie levantou a cabeça bruscamente. Ian estava parado na porta, com os braços
cruzados sobre seu peito nu. Levava postos as calças do pijama que sua mãe lhe tinha
comprado o ano passado para natal. Não era um bom signo. Geralmente ele dormia nu.
Com um movimento suave, ela fechou Paixões nas Montanhas Escocesas com a coberta
para baixo, mas não antes que ele pudesse vê-lo. Ele afinou os lábios, mas não disse nada.
Ela suspirou. Raie queria solucionar as coisas, como a tinha insistido a fazer Maggie, mas
Ian nem sequer a tinha cuidadoso desde que voltou para ‘Café e Pãozinhos’. Jantaram por
separado, logo fecharam e conduziram a casa em silêncio. Dentro de seu diminuto
departamento, Ian se dirigiu ao dormitório, enquanto Raie fugiu ao living comilão para refugiar-
se em Paixões nas Montanhas Escocesas.

9
Olhou o livro dissimuladamente, desejando que Ian se fora para poder seguir com o
primeiro encontro sexual entre o Tess e Kieran. Não havia forma de que Raie pudesse ler
sobre o Kieran trespassando seu enorme verga dentro da concha virgem do Tess enquanto
Ian estava parado aí, olhando-a.
Ela se moveu em seu assento. “Em um momento venho à cama”.
Os escuros olhos do Ian a olharam fixamente por um par de segundos mais. “É passada a
meia-noite, sabe. Temos que nos levantar as cinco”.
“Sei a que hora nos temos que levantar”.
“Boa noite, então”. Ele desapareceu pelo curto corredor até o dormitório.
Raie suspirou. Ian tinha razão. Se não se ia à cama logo, não poderia levantar-se a tempo
para abrir o café. Fechou o livro e passou um dedo pela fotografia do Kieran MacKenzie.
A verga maior de Escócia teria que esperar até a manhã.

Capítulo três

Raie se deu volta, enquanto sua mente registrava vagamente o fato de que Ian já não
estava na cama.
A ducha estava aberta a mais não poder. Maldição. Isso queria dizer que eram entre as
cinco e dez e cinco e vinte. Ela podia pôr o relógio em hora seguindo a rotina mañanera de
seu marido. Voltou a dar-se volta e pôs o travesseiro sobre sua cabeça. Deus, que não faria
por outra hora de sonho. Ela ficou recostada ali, imóvel, até que Ian fechou a água.
Foi então quando a escutou. Uma risada feminina, que vinha do banho.
Que dem...? Raie se sentou. Ian estava escutando a rádio no banheiro? Ele nunca tinha
feito isso. Desconcertada, baixou as pernas pelo flanco da cama e caminhou descalça até a
porta.
A risada se escutou mais forte. Não era uma mulher, a não ser várias, sussurrando e
rendo. Havia palavras também, mas por mais que quis, não pôde as entender. Era quase
como se estivessem falando em outro idioma.
Uma crescente sensação de um mau presságio se deslizou pela coluna de Raie.
Deu-se a si mesmo uma sacudida mental. Tinha que ser a rádio. Uma estação
estrangeira, mas só Deus sabia por que seu marido estava escutando algo assim. Ele preferia
o rock clássico.
“Ian?”.
Não houve resposta.
Ela pôs a mão sobre o trinco. “Ian?”.
A risada se deteve e ficou só o silêncio.
Estranho. Muito estranho.
Raie moveu o trinco e abriu a porta. Ian estava parado frente ao lavabo, com uma toalha
envolta ao redor da cintura, lhe franzindo o cenho a seu barbeador elétrico. Não havia
nenhuma rádio ali, ao menos pelo que ela podia ver.
“Escutou isso…?”. A pergunta morreu em seus lábios quando ele se deu volta para ela.
Por um minuto que pareceu durar uma eternidade, Raie não pôde mais que olhar. Havia
algo diferente nele. Sua cara era a mesma, mas de uma vez não o era. Suas belas facções
eram mais afiadas, seus olhos escuros brilhavam com um estranho brilho. Ele parecia mais
alto, de algum jeito, e mais corpulento. Os músculos do Ian sempre se avultavam sobre seu
peito com um ritmo tão sensual? Nunca o tinha notado. Umas brilhantes gotas de água
penduravam e se deslizavam por seus peitorais e seus abdominais.
Ela observou como uma gota caía em seu umbigo, logo mais abaixo, para o vulto debaixo
de sua toalha.
“Ian?”.
Seus olhos escuros rastelaram o corpo dela. Um sorriso estirado, quase dolorosa,
apareceu em seus lábios. Apoiou o barbeador elétrico sobre a nécessaire e deu um passo
para ela.
“Possuiria-te agora, moça. Tire-te essa camisola”.
10
Raie ficou sem fôlego. Deveu ter tentado umas mil vezes que Ian faça o papel de uma
cena de Paixões nas Montanhas Escocesas. E justo ontem, no depósito, negou-se
rotundamente a fingir um acento escocês. A ele simplesmente não interessava adicionar um
pouco de faísca a sua vida sexual dessa maneira.
Ao menos não lhe tinha interessado.
Não podia acreditar que tivesse trocado de parecer. Ela precisava voltar a escutá-lo. “O
que disse?”.
“Escutou-me”, grunhiu Ian. “te dispa”.
Um comichão de excitação provocou a sua concha. “Agora?”, perguntou ela, enquanto
seu pulso se acelerava. “Está seguro? Temos que sair para o trabalho em uns minutos”.
“Moça, não irá a nenhuma parte, exceto a minha cama”.
Suas mãos caíram sobre os ombros dela. Exercendo uma firme pressão, fê-la caminhar
para trás, fora do banho. Para a cama.
A umidade gotejava pelas coxas nuas de Raie. “Muito bem”; disse ela, em tom elevado, de
repente.
A parte traseira de suas pernas golpeou contra o colchão, e ela caiu, esparramada sobre
suas costas. Ian se elevava imponente sobre ela; a expressão em seu rosto era um delicioso
estudo da luxúria pura.
Ah, sim!
“Te vou marcar como minha, moça. Para quando tiver terminado contigo, não moverá um
músculo sem recordar quem é seu amo”.
Ela riu. Essa forma de falar de macho a excitava como louca. Ao Ian não gostava de fazer
isso tampouco; logo que podia acreditar que ele tinha criado esta fantasia para ela agora.
Possivelmente era sua maneira de lhe dizer que lamentava que tivessem brigado.
Ele se parou no bordo da cama e passeou seu olhar quente pelo corpo dela. “Disse-te que
te dispa”, disse, com uma voz com um matiz duro e delicioso. “Não tolerarei nenhuma
desobediência”.
Tomando o tecido da camisola de Raie entre suas mãos, rasgou o objeto do decote até o
arena.
Da concha de Raie jorrava nata.
Ian se elevava imponente sobre ela.
Uma risita histérica borbulhou em sua garganta. “Isto é uma loucura”, disse ela.
“Que homem poderia permanecer cordato frente a sua beleza?”.
Raie ficou sem fôlego. Kieran MacKenzie havia dito exatamente as mesmas palavras ao
Tess. Como soube Ian…?
“Há… estiveste lendo meu livro?”.
O olhar do Ian rastelou seu corpo; seus olhos se obscureceram. Um som que Raie só
poderia descrever como um grunhido saiu violentamente da garganta dele. “É um sonho,
moça”.
Ai, Deus. Também Kieran havia dito isso ao Tess.
O coração de Raie se agitou. Era completamente demente, mas estar aqui recostada,
com o amplo corpo do Ian enchendo sua visão, era quase como se Kieran MacKenzie tivesse
cobrado vida.
Ela tragou saliva. Possivelmente tinha lido Paixões nas Montanhas Escocesas muitas
vezes.
Ian se endireitou, enquanto sua mão se movia para desatar a toalha ao redor de sua
cintura. O olhar de Raie seguiu seus movimentos, enquanto continha a respiração, esperando
que o tecido de toalha, formado uma loja, caísse ao chão. Era sua imaginação ou a ereção do
Ian parecia maior que outras vezes?
A toalha caiu sobre o tapete.
Ai. Deus. Meu.
O coração de Raie quase deixou de pulsar.
Ela devia estar alucinando. Ou isso, ou seu marido tinha estado respondendo aos correios
maciços que prometiam aumentar o pênis a costas dela.
11
A verga do Ian era facilmente duas vezes maior do que devia ser. Era mais larga que seu
consolador mais largo, e estava segura de que seu polegar e seu dedo maior nem se
aproximavam de tocar-se se a envolvia com sua mão. E a cabeça… Tragou saliva. A polpuda
e brilhante cabeça era quase do tamanho do punho dela.
A mierda.
Não havia forma de que essa coisa coubesse dentro dela.
A cama se afundou baixo o peso do Ian ao ficar em cima dela, e seu engrandecido pênis
ferroava a coxa de Raie. Ela se enterrou no colchão, sem estar segura de estar lista para um
round com o Sr. Pênis Superdimensionado.
“Tão formosa”. Ian enrolou em seu dedo uma mecha do cabelo de Raie. “É da cor de…”.
Franziu o cenho.
Raie conteve a respiração. O cabelo do Tess era avermelhado e brilloso, o dela era
cacheado e marrom.
“… de um campo recém arado”, concluiu Ian.
Um campo recém arado? Em Paixões nas Montanhas Escocesas, Kieran MacKenzie
comparava os abundantes cachos avermelhados do Tess com um incêndio arrasador. Mas, é
obvio, isso não combinava. E além disso, possivelmente Ian não leu essa passagem.
O olhar dele descendeu para suas tetas. “Seus seios são como… em…”. Voltou a franzir o
cenho. “Como tangerinas amadurecidas”.
Ela o olhou furiosa. De verdade. Isso era o melhor que podia fazer? Kieran havia dito que
os seios do Tess eram como “melões amadurecidos, doces como o mel do verão”. Embora a
gente forçasse a imaginação, as tetas de Raie não eram do tamanho de uns melões, mas
igualmente. Tangerinas? Por favor!
“Basta verte para que um homem perca a razão”. Ian inclinou a cabeça e colocou um
mamilo dentro de sua boca.
Bom, já. Isso estava melhor. O desejo atravessava o estômago de Raie como a folha de
uma adaga bem afiada. Seus dedos se enredaram no cabelo do Ian e ancorou a boca em seu
seio. Tinham passado meses —não, anos— da última vez que se sentiu assim de excitada.
Ian deixou um mamilo e pôs sua atenção no outro. Sua mão se deslizou sobre o ventre de
Raie e logo viajou para a empapada concha. Ela retorceu seu traseiro, levantando seus
quadris para a mão dele. Seus largos dedos a penetraram, retorcendo-se e palpitando. Uma
série de convulsões exploraram em sua vagina.
Ela gemeu quando seu polegar encontrou o clitóris. A umidade jorrava de seu centro e
gotejava pela raia de seu traseiro. Os lençóis estavam empapados. Ia ter que as trocar, mas
não lhe importava.
Ian mordeu brandamente seus mamilos: primeiro um, logo o outro, sem quebrar o ritmo de
seu dedo e seu polegar nem uma vez. Raie se aferrou a seus ombros. estava-se
aproximando, muito, e sabia quando estava por acabar: ia ser bom. Apertou os quadris contra
sua mão.
“Ai, Deus, sim, Ian. Sim. Mais duro”.
Normalmente, Ian respondia a suas demandas. Mas não esta manhã. Como disparada
por sua súplica, a mão dele se deslizou do corpo dela. Um instante depois, a boca dele deixou
seu seio. Raie gritou ao sentir que seu clímax retrocedia.
“Volta”, rogou-lhe. “Estava tão perto. Por que te deteve?”.
“me deter?”. Ele riu em voz baixa. “Ah, moça, acabamos de começar”.
Ele acariciou a pele sensível da parte interior de suas coxas com as Palmas de suas
fortes mãos. Empurrou suas pernas para separá-las e as levantou sobre seus ombros. Ray
respirou profundo. Fazia séculos que Ian não a chupava. O último pensamento dela, antes
que sua língua a tocasse, foi que tinha passado muito tempo.
Ela se estremeceu enquanto ele a comia. Seus quadris se sacudiram quando seus lábios
apanharam seus clitóris. Ele excitou sua sensível semente com a língua, logo levantou o
capuz sobre a cabecita e chupou. Seus dedos amassavam o interior de suas coxas, logo se
deslizavam dentro de sua concha, flexionando-se e retorcendo-se.

12
O prazer crescia. Retrocedia. Crescia de novo. Ian redobrou seus esforços,
enlouquecendo-a mais. Os quadris dela se moviam para acomodar-se ao ritmo dele. A cabeça
dela se sacudia para trás e para diante. Ela estava na meseta, esse lugar terrível onde todo se
sentia tão bom, mas não era suficiente. Ela estava perdida em um mundo de sensações que
se formavam redemoinhos e cambaleavam, satisfeita mas ao mesmo tempo necessitada. Mas
se aproximava o fim. Só uns poucos segundos mais…
“Ai, Deus”. Raie fechou o punho ao redor do cabelo do Ian e se agarrou forte. Seus
quadris se sacudiam. De sua garganta saíam sons sollozantes.
Ian levantou a cabeça.
“Nooooo!”. Raie gritou. “Não te detenha! me faça acabar!”
Ele subiu sobre ela. “Sim, farei que acabe, moça. Encherei sua doce concha com minha
dura verga”.
Seu verga. Mierda! esqueceu-se de sua monstruosa verga! Ela se retorceu, tratando de
retroceder na cama, mas não chegou longe. Os braços dele a rodearam como um parafuso de
banco.
“Ian, não estou tão segura…”.
“te cale, moça”.
“Olhe, façamos uma pausa, sim? Falemos disto. O que tomou para fazer que seu pênis
crescesse assim? Quanto vai durar? Porque não estou segura de querer agarrar até que não
volte para seu tamanho normal”.
Ele afundou um joelho com firmeza entre as coxas dela, abrindo-a. “te cale”, repetiu. Sua
voz era mais firme agora, como se esperasse que ela obedecesse.
Estava louco? Ler sobre a dominação do Kieran sobre o Tess em Paixões nas Montanhas
Escocesas era divertido, mas Raie tinha seus limites na vida real. “Escuta, Ian…”.
Ele a fez calar com um beijo. Subiu sobre ela, sustentando seu peso com seus braços
rígidos e com a cabeça de seu verga quente sobre a concha dela. Os quadris dele se
moveram de novo, e sua haste lhe invadiu a vagina. Só uma polegada, mas ela já se sentiu
enche até o batente.
Ela liberou sua boca de um puxão. “Ian”, sussurrou. “Me vai doer”.
Ele riu em voz baixa. “Isso não o vou negar, moça”.
Maldição. Ele deveu ter lido a cena da consumação em Paixões nas Montanhas
Escocesas. Não a surpreendia, considerando o dobrada que estavam as folhas. Sem dúvida,
o livro se aberto justo nessa página.
Ian a voltou a beijar, acomodando uma polegada mais dentro de seu corpo. Raie se
obrigou a relaxar-se. Depois de tudo, Tess se tinha submetido a incrível verga do Kieran e
bastava vendo o que tinha acontecido. Tinha acabado até que lhe exploraram os miolos.
Outra polegada. Havia uma dor ardente, mas também ardentes quebras de onda de
prazer. Aferrou-se aos ombros do Ian.
“Já quase, amor”. Os dedos dele excitavam seus seios, distraindo-a momentaneamente.
Logo, com um brusco movimento de seus quadris, ele se afundou até as bolas.
Ela ficou trespassada. Empalada. Quase partida ao médio. Total e completamente
poseída. Ian ficou quieto por um momento, com sua frente apertada contra a dobra do
pescoço dela. “Vá, moça. Fazia um ano que não estava com uma virgem, e nunca com uma
tão estreita”.
E logo começou a mover-se.
Deus bendito, foi incrível.
Cada investida era puro prazer. A enorme cabeça de seu verga estimulava terminações
nervosas que Raie nunca soube que existiam. Foi como se toda sua vagina se converteu em
um grande ponto G.

13
Ela gritou. Ian acelerou o ritmo, deslizando-se para dentro, logo para fora, empurrando-a
mais ao êxtase. Ela se aferrou aos lençóis; respirava com ofegos e gemidos. Tentou-o, mas
era impossível mover-se com ele. O prazer era muito. Era como se ele tivesse tomado o
controle de seu corpo, dominando-o até obter respostas afiebradas. Ela estava na crista de
um maremoto, pendurando sobre as escuras profundidades de um mar puxador, lista para
mergulhar-se no desconhecido.
Seu cérebro deixou de funcionar. Era um ente de prazer cru e doloroso, que vivia só para
os embates e puxões da enorme verga dentro dela. Ela gemeu de novo, com um som
comprido e parecido a um lamento.
“Isso, moça. Deixa que venha. Deixa que venha com força”.
A onda rompeu, arrojando-a por cima de seu escolho. O coração dela pulsava com força.
O sangue lhe arrebatou nas orelhas. Seus músculos internos se apertaram em um delicioso
espasmo.
O grito de Raie retumbou contra as paredes quando se mergulhou em um selvagem mar
de sensações. Ian golpeava dentro dela, movendo-se como um homem poseído. Seu
orgasmo parecia não terminar nunca. Onda detrás onda de agudo prazer atravessaram seu
corpo, precipitaram-se por suas veias, até que esteve segura de que cada célula em seu
corpo esteve repleta dele. O corpo do Ian estava tenso. Seu verga se endureceu dentro dela,
disparando um segundo orgasmo explosivo na sensibilizada concha de Raie. Ele gritou e seu
leite quente se disparou dentro dela.
Ela se aferrou a ele quando seu ritmo se desacelerou, contendo a respiração, como
também o fazia ele. Finalmente se desabou, esmagando-a contra o colchão, ainda semi-rígido
dentro dela.
Ela sorriu, tirando brandamente o cabelo úmido da frente dele. “Isso foi incrível”, sussurrou
ela. “Deveríamos fazê-lo de novo alguma vez”.
Ele levantou um pouco a cabeça. “Ai, moça, não pensará que já pareço, ou sim?”.
Os olhos de Raie se aumentaram. Ian seguia no personagem, até depois desse incrível
clímax? E queria voltar a fazê-lo, agora mesmo?
Aparentemente, o efeito da fórmula que seja que tivesse tomado não se foi ainda.
Ele se levantou, e com uma mão forte sobre a cintura dela, fê-la dar volta sobre seu
estômago. “A gatas, moça”.
Por Deus. A posição do perrito era sua favorita. Como se sentiria com a verga aumentada
do Ian?
A palma de sua mão lhe pegou no traseiro, e a palmada a atravessou como um raio. “Mais
levantada, moça”.
Ela boqueó, totalmente excitada. Apertou sua frente contra um travesseiro e meneou seu
traseiro no ar. “me agarre, Ian”.
“Será um prazer, moça”.
Ele agarrou seus quadris e penetrou com uma investida larga e dura.
“Ai, Deus”.
Ele impôs um ritmo rápido, seus quadris pistoneaban, seus dedos se aferravam aos ossos
do quadril dela tão fortemente que ela estava segura que lhe deixaria moretones. Não lhe
importou. A dor adicionou uma aresta incrível a seu prazer, e a verga do Ian, bom,
simplesmente não havia palavras para descrevê-la. Ele a agarrou intensamente, suas bolas
golpeavam contra sua concha em cada investida, seus dedos exploravam a raia entre os
socos de seu traseiro. Outra maravilha, Ian geralmente evitava seu ânus. Agora lhe colocava
os dedos na apertada abertura como um profissional.
A sensação era incrivelmente erótica. “Sim”, gemeu ela. “Ah, sim”.
O dedo dele se deslizou pelo buraco dela, apertando e girando, em contraste com o ritmo
da verga na concha. Raie levantou seus quadris, e um segundo dedo se uniu ao primeiro,
causando uma breve sensação de dor quando o nódulo se deslizou além de seu esfíncter. O
desconforto se esfumou quando seus dedos se flexionaram dentro dela. Cada terminação
nervosa de seu corpo se estremeceu de prazer quando seu clímax se saía de controle até seu
ponto máximo.
14
Quase ri a gargalhadas. Quando foi a última vez que se acabou duas vezes em um
mesmo encontro amoroso? Faz muitíssimo tempo, isso era seguro.
Gritou quando a arrasou o orgasmo. Ian seguiu bombeando com seu verga e seus dedos,
gerando uma série de sacudidas tardias. Ela se montou em cada uma delas, ofegando e
gemendo, com sua concha mamando a incrível verga, e seu ânus contraindo-se ao redor dos
dedos dele.
Finalmente, ele deixou seu corpo e a acomodou sobre os travesseiros, onde se recostou
débil, saciada e exausta. Ian se acurrucó ao lado dela. Permaneceram assim durante o que
pareceu ser um comprido momento, até que Raie juntou a suficiente força para abrir um olho.
O relógio da mesa de luz brilhava com uma luz vermelha de desaprovação. 6:57.
Mierda.
Lhes passou abrir o bar. Sem vontades, deu-se volta e deu uma cotovelada ao Ian. Ele
não se moveu.
“Ian! te levante! Temos que ir trabalhar”.
Ele abriu um olho e a olhou. “Trabalhar?”.
“Sim, trabalhar. supunha-se que devíamos abrir às seis. São quase as sete. A garota nova
que contratamos virá às oito”.
Ian a olhou com os olhos em branco.
“Segue-me?”, disse ela. “Café e Pãozinhos? Recorda?”.
Finalmente, chegou o entendimento. “Ah, sim. O café”. Ele sorriu, como esperando um
prêmio.
Raie se levantou da cama, ignorando os protestos de seus músculos. Ian realmente a
tinha espancado. Ela sorriu, repetindo a cena em sua mente enquanto entrava em banho e
abria a ducha.
Um minuto depois, ele lhe uniu.
Lhe fez seu sorriso mais brilhante. “Isso foi fantástico”, disse-lhe ela. “Você esteve
fantástico”.
“Ah, moça, você é especial”. Ele tomou entre seus braços, abraçando-a enquanto a água
caía sobre suas cabeças. Seu verga se endureceu outra vez —outra vez!— ferroando contra
seu estômago.
Em Paixões nas Montanhas Escocesas, Kieran e Tess o fizeram debaixo de uma cascata.
Isso queria dizer…?
Aparentemente sim. Ian ensaboou seus seios, seu estômago, sua concha. “Não me canso
de ti, moça. Logo que deixo seu corpo, já quero estar dentro de ti outra vez”. Ele a beijou,
profundamente, logo se apartou para olhá-la aos olhos. “sonhei contigo, moça”. Seu olhar se
deslocou lentamente até sua boca. “sonhei com seus lábios…”.
Raie fechou os olhos e deixou que sua cabeça caísse para trás, lista para o beijo cativante
que Kieran deu ao Tess baixo a cascata. Nunca chegou. Em troca, suas grandes mãos se
fecharam sobre seus ombros, empurrando-a para baixo. “Desliza meu verga entre seus lábios,
moça”.
Os joelhos dela golpearam contra o resbaloso mosaico. “Quer uma mamada?”, perguntou
ela, olhando para cima através do vapor da água.
“Sim, moça”.
Bom, não estava no guia, mas supôs que um pouco de improvisação era bom. agarrou-se
por seus quadris, abriu a boca e o pôs dentro.
Ou tratou, em tal caso. A cabeça de seu verga era tão endemoniadamente grande que foi
uma tarefa difícil. Ela se apartou um pouco. “Não sei, Ian…”.
Ele a agarrou por atrás da cabeça e a guiou para que voltasse a tentá-lo. “Faz-o, moça”.
Ela abriu a boca tanto como pôde, tratando de acomodá-lo. Era terrivelmente incômodo,
entretanto. A água seguia lhe entrando nos olhos e o nariz, fazendo que se afogasse.
Ian não pareceu notá-lo. Seguiu deslizando seu grande verga, enredando os dedos em
seu cabelo, lhe imobilizando a cabeça. Ele agarrava sua boca duramente, empurrando
profundo. Raie fez o melhor de si para mamá-lo até a garganta. Foi uma tarefa difícil. Mas
depois dos devastadores orgasmos que Kieran lhe tinha dado, era o menos que podia fazer.
15
Depois do que pareceu uma eternidade, ele a tirou. Levantou-a enganchando as mãos
debaixo de seus braços. Empurrando sua coluna contra a parede da ducha, empalou sua
concha em seu verga.
“Outra vez?”, disse Raie ofegando. Ela se estava ficando sem forças, mas Ian não
mostrava o mais mínimo signo de querer deter-se. O que seja que tivesse pago por esse
produto engrandecedor, estava lhe tirando proveito ao investimento. O problema era:
sobreviveria ela até que se fora o efeito?
Ele a agarrou até enlouquecê-la. Ela gritou quando seu terceiro orgasmo estalou, quente,
duro e interminável. Seu verga bombeava dentro dela, golpeando contra a entrada a seu
útero. Seu orgasmo se partia e multiplicava, sacudindo seu corpo maltratado. O prazer parecia
não ter fim; ela estava segura de que seguiria até o infinito.
Deveu haver-se desacordado, porque quando se deu conta, estava recostada na cama,
com gotas de água ainda pendurando de sua pele. Ian a secou com uma toalha suave,
causando um ponto de dor de tanto em tanto, quando a felpa esfregava suas inflamadas tetas
e concha. Ela estava muito esgotada para protestar, entretanto.
Quando ele terminou finalmente, ela se levantou da cama, apesar da queixa de seus
músculos. A hora da fantasia tinha terminado. O mundo real — também conhecido como ‘Café
e Pãozinhos’— os esperava.
Ele se levantou enquanto ela coxeava pela habitação. “Onde crie que vai, moça?”.
Ela se deu volta e lhe sorriu compungida. “Realmente eu adorei o jogo de róis, Ian, mas
acredito que já podemos deixá-lo”. Assinalou o relógio com sua cabeça. “São sete e trinta e
cinco. Temos que ir”.
“Não irá a nenhum lado”.
Ela soprou. “Ah, deixa de pavadas”. Ela abriu o placard.
Ele a tirou da boneca. “Digo-o a sério, moça. Você não deixará minha cama. Não até que
seu pai firme o contrato de compromisso matrimonial”.
Raie piscou enquanto o olhava. Tinha lido tanto de Paixões nas Montanhas Escocesas?
Um estremecimento de apreensão vibrou em seu ventre. No capítulo anterior
à cena da cascata, Tess, acossada pela culpa, declara sua intenção de voltar para a casa
de seu pai. Kieran, enfurecido, ata-a a sua cama.
Mas seguro que Ian não chegaria a esse extremo.
“Você é minha”, disse-lhe ele com um grunhido. “Não te deixarei que o Ele esqueça
agarrou rapidamente o cinturão de sua bata do chão. Antes que Raie soubesse o que tinha
passado, sua boneca direita estava atada à cabeceira de bronze da cama.
Raie lhe falou sem fôlego. “Deixe ir!”.
Lhe fez um amplo sorriso. “Não.”
“Que tolo!”. Raie gritou, atirando do cinturão. Não cedeu uma polegada.
Ele se deu volta e caminhou até a cômoda.
Lhe cravou as unhas ao nó, sem nenhum resultado. “Ian! Volta aqui e me desate!”.
Ele apareceu a seu lado, com três gravatas pendurando de seus dedos.
Os olhos de Raie se aumentaram. “Ah, não, não o fará”.
A mão dele se fechou sobre seu tornozelo, atirando-o para os pés da cama. Lhe deu uma
patada selvagem, tratando de atirar de sua perna para liberar-se, sem êxito. Ian atou
fortemente seu tornozelo, logo repetiu o processo com a outra perna. Fez o mesmo com seu
braço livre, rendo enquanto esquivava os murros de Raie.
Quando terminou, ela ficou deitada sobre a cama com os braços e as pernas abertas, e
ofegando pelo esforço de lutar com ele. Ele lhe aproximou. Seu verga estava —incrivelmente
— dura outra vez. Tinha uma expressão acalorada nos olhos.
E, ai, carinho, estava-a esquentando.
“O que vais fazer comigo agora?”, perguntou ela sem fôlego, repetindo a linha do Tess em
Paixões nas Montanhas Escocesas. Kieran tinha respondido com outra agarrada devastadora.
Logo desatava ao Tess, abraçava-a forte em seus braços e lhe declarava seu amor eterno.
Mas o olhar do Ian se desviou ao relógio. “Terá que esperar para descobri-lo, amor”.
“Espera um minuto”, protestou Raie. “Assim não é como se supõe que aconteça”.
16
Seu olhar voltou para ela, acariciando seu corpo, permanecendo em sua concha exposta.
Apareceu um sorriso brincalhão nos lábios. “Os desejos estranha vez resultam como você o
esperava, moça”.
“Que demônios se supõe que significa isso?”.
Ele não respondeu. Para surpresa de Raie, ele revolveu o fundo do placard, tirando a kilt e
o tartán que ela tinha comprado no negócio do Maggie, o disfarce de escocês que até agora
se negou a usar. Uma vez vestido, estirou-se até um suporte alta e tomou a gaita de fole de
seu avô.
Raie o olhou, entretida, enquanto Ian examinava o instrumento, fazendo ajustes como se
realmente soubesse o que fazia. Encheu os pulmões de ar e soprou uma nota experimental,
um tom exquisitamente quejumbroso. Logo, guardando o instrumento debaixo do braço,
dirigiu-se à porta.
lhe saiu a voz. “Ian, não te atreva a me deixar assim”. Ela atirou de suas ataduras. “me
desate. Agora mesmo”.
Ele se deu volta e sorriu. Ele não levava suas lentes postos; ainda estavam sobre a mesa
de luz, onde os tinha deixado a noite anterior. Seus olhos escuros ardiam, e por um instante
Raie pôde ver algo detrás deles. Algo frio e sem alma. Instintivamente, encolheu-se para trás.
“Moça”, disse ele. “Em caso de que não o tenha notado, não está em posição de exigir
nada”.

Capítulo 4

Foi um milagre que a irritação de Raie não queimasse as cordas. Como se atrevia Ian a
deixá-la aqui, atada à cama? Isto não era para nada sexy. Era mais incômodo que a mierda.
Picava-lhe a perna e não a podia arranhar. Atirou tanto das cordas que suas mãos
dormiam. Tinha que ir ao banho e apertar as pernas definitivamente não era uma boa opção.
E se molhava a cama antes de que Ian retornasse? Essa idéia era muito humilhante para
considerá-la.
Poderia desatar-se sozinha? O cinturão da bata que atava sua boneca direita parecia um
pouco menos ajustado que as gravatas que sujeitavam suas outras extremidades.
Possivelmente ela poderia desatá-lo.
Flexionou a mão e travou as pontas dos dedos no nó. Lentamente, moveu-os debaixo do
tecido rugoso. Passou uma hora. Fez um pequeno progresso, afrouxando o nó o suficiente
para deslizar um dedo dentro dele. Passou outra hora e ela tinha desatado o laço exterior do
nó. Para a hora do almoço, seu estômago fazia ruídos e sua bexiga estava a ponto de
explorar. Maldito Ian. Em que diabos estava pensando ao deixá-la assim?
Outra hora e finalmente liberou sua boneca.
Soou o telefone.
Ian? Isso esperava. Estava lista para fazê-lo voar daqui até o Lago Ness. Estirou o braço
até onde chegou e as arrumou para levantar o auricular.
Da linha saía uma voz de mulher. “Raie? É você?”.
“Angie?”.
“Onde demônios está, garota? Pensei que estaria aqui, justo no meio de tudo”.
“No meio do que?”.
“Da multidão, moça. Levou-me uma hora só para chegar à porta. Chamo-te desde meu
celular”.
“A porta? Que porta?”.
“A porta de ‘Café e Pãozinhos’, pedaço de idiota. O lugar está lotado”.
“Mas, não o entendo. Por que há tanta gente no café?”.
“É seu marido”, disse Angie, enunciando cada palavra como se estivesse falando com
uma menina de cinco anos. “Leva posta uma apetecível kilt e está tocando a gaita de fole”.
“Isso deveria correr aos clientes, não atrai-los”, disse Raie com tristeza. “Ian tocando a
gaita de fole soa como uma vaca com asma”.
“Como pode dizer isso?”. Touca divinamente. Escuta”.
17
Escutou-se um murmúrio quando Angie moveu seu celular. A música se formou
redemoinhos em sua orelha. Gaitas de fole, sim, mas não como a tocava Ian. O tom era rico,
sedutor. Sensual. Erótico. Sua concha palpitava. Queria atirar-se de cabeça dentro do
telefone, ser absorvida por esse som.
A voz sem fôlego do Angie voltou para a linha. “Vê o que te digo? É incrível. Ian é como o
maldito Flautista do Hamelin, só que não está atraindo meninos. A metade das garotas da
universidade estão lutando por uma oportunidade de comprar café”. Ela baixou a voz. “A outra
metade lhe está propondo. Uma putita até alcançou a meter-se debaixo de seu kilt. Acredito
que deveria vir aqui, Raie. Neste preciso momento”.
“Em…”. Raie jogou uma olhada aos nós que ficavam atando-a à cama. “Estou um pouco
maça neste momento. E além disso, Ian não é assim. Nunca atacaria a uma estudante
universitária”.
“Eu tampouco o teria pensado”, respondeu Angie. “Mas vendo-o agora… Olhe. Meu
conselho é: vêem aqui. Há uma menina detrás da outra lançando-se aos pés de seu marido.
Até a um bom tipo como Ian lhe esgota a força de vontade”.
Mierda.
Raie deixou cair o telefone e voltou a trabalhar sobre os nós.
*****
Angie não tinha estado brincando.
‘Café e Pãozinhos’ estava lotado de gente e a multidão consistia principalmente de núbiles
estudantes universitárias. Raie empurrou entre a massa de corpos, abrindo-se caminho para a
porta.
Uma moça com múltiplos perfurações de aros bloqueou seu passo. “Ey, espera seu turno”.
“Para que?”.
“Para ter uma oportunidade com o bombom da kilt”.
Uma horrível sensação lhe revolveu o estômago a Raie. Parou-se em pontas de pé,
estirando-se para poder ver a porta. Surgiu uma moça, levando uma taça de café sobre sua
cabeça como se fora um troféu.
A multidão empurrava. “Viu-o? Tocou-o?”.
A garota sorriu com suficiência. “Ele me beijou”, disse. “Nos lábios. E quer lombriga logo”.
Da multidão saiu um chiado coletivo.
Raie se paralisou, atônita, enquanto toda a gente arremetia ao redor dela, empurrando
para chegar à porta. Ian nunca a enganaria. Ela sabia isso com a certeza que sabia seu
próprio nome. Ao menos sabia até ontem. Depois desta manhã, não estava tão segura. Houve
algo diferente no Ian e ia mais à frente do jogo de róis sexuais que tinham tido. Era como se
se converteu em outra pessoa.
Franzindo o cenho ao pensar isso, Raie deu meia volta e se abriu passo a cotoveladas
pelo mar de estrogênios. Quando chegou ao final da quadra, deu-se volta e se abriu caminho
para o beco que corria por atrás dos negócios. Um minuto mais tarde, pescou a chave da
porta traseira do negócio de sua carteira e abriu a porta de atrás.
Cautelosamente, caminhou em pontas de pé pelo depósito e espiou dentro do negócio
através da porta.
Ian estava tão rodeado de mulheres que bem poderia ter sido um castelo sitiado das
montanhas escocesas. Três moças que ela não reconhecia estavam entregando
freneticamente café e bolos. A caixa soava como louca. A gaveta do dinheiro rebalsaba com
bilhetes.
Raie caminhou com compridos passados e agarrou à vendedora de café mais próxima. “O
que crie que está fazendo?”.
A moça levantou as sobrancelhas. “Trabalhando no mostrador”. Ela fez um gesto com a
cabeça em direção ao Ian. “Como ele me pediu que fizesse”.
“Bom, já pode deixar de fazê-lo”.
“E quem diabos é você?”.
“Sua esposa”, disse-lhe Raie.
A moça a olhou e claramente não lhe acreditou. “Ele não leva um anel”.
18
“Isso não significa na…”.
“Não pode me enganar”, disse a moça zangada. “Só quer empregar subterfúgios para
conseguir um pouco de ação. Bem, esquece-o. Eu cheguei aqui primeiro. Ela atirou a cabeça
para atrás e voltou para a caixa registradora.
Raie a olhou sem fôlego. “Mas pedaço de…”.
Ela se interrompeu quando Ian levantou repentinamente sua cabeça, procurando na
multidão, com olhos surpreendentemente agudos apesar de que não tinha postos os óculos.
Estaria-a procurando a ela? Seguindo um instinto que nem sabia que tinha, Raie voltou a
esconder-se no depósito.
Apertou sua coluna contra a porta; seu coração golpeava com força. Que demônios
estava passando? Apenas ontem, Ian estava sentado justo ali, em seu instável escritório,
absorto nas contas a pagar e a cobrar, e o sexo era o mais afastado de sua mente. Agora,
depois de agarrar a Raie até a indigestão, estava preparado para começar com o resto das
mulheres da cidade.
Viu a vela que tinha deixado na caixa depois de sua briga. Algo não estava bem. De algum
jeito, seu marido tolerante, fiel, curto de vista se transformou em um demônio sexual
insaciável, machista e com olhos de águia. Igual a Kieran MacKenzie.
Ela realmente tinha fantasiado com uma transformação como essa? Deveu ter estado
louca.
Uma sensação estranha cresceu em seu estômago.
O suave acento do Maggie retumbou em sua mente. Os desejos têm poder, moça. Não
devem pedir-se com ligeireza. Às vezes trazem coisas que não esperamos.
E o que havia dito Ian esta manhã? Os desejos estranha vez resultam como você o
esperava, moça.
Lhe vieram à mente mais palavras condenatórias, esta vez do livro que tinha lido no
negócio do Maggie. Impostor: uma criatura da espécie das fadas que toma o lugar de um
humano… um desejo malicioso lhe dá poder.
Raie franziu o cenho. Não. Não era possível.
A mudança se realiza ao amanhecer, acompanhado pela risada das fadas.
Ela tinha escutado risadas. Ela pensou que era a rádio, mas… Fechou os olhos,
visualizando ao Ian como o tinha visto esta manhã. Era Ian mas, de algum jeito, não era ele.
O Impostor toma o aspecto do ser amado. Entretanto, este é um aspecto falso. O
encantamento das fadas oculta os verdadeiros rasgos do Impostor.
Ela respirou fundo. Uns acordes de música de gaita de fole se filtravam pela porta
fechada. A melodia era cativante, tão formosa que a fazia penar. Fazia que seu estômago se
estremecesse. Fazia que sua concha se umedecesse.
Um Impostor faz magia com a gaita de fole, enfeitiçando a todos os que o escutam.
Encanta tudo o que touca.
Ian —seu Ian— não podia tocar a gaita de fole, nem que disso dependesse a salvação de
sua alma.
Sua fome é enorme e nunca se satisfaz.
Um som como o de uma cascata rugiente ressonou nos ouvidos de Raie. Não era
possível… ou sim? Podia ser que o homem no negócio, que se parecia tanto ao Ian, fora
realmente um Impostor? Ela caminhou sigilosamente até a porta e a abriu um poquito. Ali,
rodeado de ansiosas mulheres, estava o homem que ela pensou que era seu marido. Era alto,
de ombros largos e bonito. Suas facções duras faziam um contraste tentador com seus
sensuais lábios. E debaixo de seu kilt… Raie se estremeceu.
As suaves palavras do Maggie cruzaram sua mente. De verdade quereria ter a este
homem de amante?
Raie havia dito que sim. Sim.
Ai, Ian, como pude te haver desprezado assim?
Uma cabeça escura se levantou e uns olhos perfuraram os dela. Não eram os olhos do
Ian. Olhando-os agora, Raie se perguntou como pôde ter pensado que o eram. A expressão
neles era apagada, vazia. Privada de emoção ou qualquer outro brilho de humanidade.
19
Um Impostor não tem alma…
Ela se agarrou por marco da porta, lutando por evitar que seus joelhos se dobrassem. Ian
— não, não era Ian!— levantou uma mão e fez um gesto para que se aproximasse. Raie
sentiu a força de sua ordem em seu ventre, e mais abaixo, no comichão que subiu, sem
querer o, entre suas coxas.
Ela olhou para outro lugar, respirando com baforadas curtas. Não ajudou em nada a
debilitar o feitiço que a tinha apanhada. Banhou-a a luxúria, que também trouxe umas gotas
de suor a sua frente. Seus mamilos e seus clitóris formigavam. Sua concha se contraía,
penando por ser cheia. Queria agarrar-lhe De novo.
Lutou por controlar seu corpo. Não podia ir para a criatura que tinha tomado o lugar do
Ian. Não o faria.
Onde estava Ian agora? Onde o tinha mandado seu desejo malicioso? De seus olhos
brotaram lágrimas. Daria algo por ver o sorriso tranqüilo de seu marido, por escutar sua risada
suave e sensual. Tinha sido culpa dela tanto como dele que sua vida sexual se estancou. Ela
o tinha substituído por uma fantasia.
Os olhos do Impostor emanavam luz. A Raie a atravessou um raio de intensa excitação, o
que arrancou um ofego de seus lábios. Seus quadris giraram, procurando mais. Podia levá-la
ao orgasmo com apenas olhá-la? Ela não podia controlar sua resposta. Uns poucos segundos
mais e estalaria em um orgasmo.
Uma estudante universitária esfregava seus seios contra o peito do Impostor, envolvendo
seu pescoço com seus braços e ficando em pontas de pé para beijá-lo. Os olhos do Impostor
se separaram de Raie por um instante; foi a oportunidade que necessitava.
Trastabillando para trás, fechou a porta de um golpe, enquanto seu peito ofegava. Estava
a sérios problemas. Tinha que desfazer-se dessa costure antes que a atacasse outra vez.
Maggie. Ela tinha algo que ver com isto; Raie poderia apostar que assim era. Tinha que
encontrar ao Maggie, lhe perguntar o que fazer.
Correu à porta traseira. Não se movia. A fechadura estava travada, ou rota, ou —a idéia
congelou o sangue em suas veias— enfeitiçada.
Lhe afrouxaram os joelhos. Desabou-se lentamente até o chão, deslizando suas costas
sobre a fria porta de metal.
Ela não iria a nenhuma parte.
*****
O Impostor veio por ela quando a última cliente se foi e o negócio estava escuro.
“Ah, moça, estava ali”.
Ele se parou na porta ao depósito, com seus olhos escuros cintilando.
Raie lutou para que não lhe notasse o pânico na voz, enquanto o fogo voltava a arder em
sua concha. “Não me toque”.
Ele deu um passo para ela, logo outro. “Ai, moça, não me rechace. Você é meu núcleo,
meu lar. Minha vida”.

“Um lindo discurso”, disse ela, movendo-se apenas para trás. “Mas já o escutei antes. É
um diálogo de Paixões nas Montanhas Escocesas”.
“Entretanto”, disse ele, “é verdadeiro. Não posso viver sem ti”.
Ele a encurralou contra a parede, enjaulando-a entre seus braços. Ele tinha um leve
aroma de fumaça, que não era o agradável aroma de madeira, a não ser o fedor de um tronco
podre que de algum jeito tinham obtido que se queimasse.
“O que é?”, ela perguntou sem fôlego.
Seu olhar frio a consumia. “Seu sonho, moça. Você me chamou o mundo superior, não o
recorda?”. Ele sorriu. “Não sou tudo o que você desejava?”.
Raie estava rígida, com os nervos vibrando de quentura e as coxas resbalosos pela nata.
Ela o desejava. Que Deus a ajudasse, mas ela desejava à criatura. Um minuto mais e lhe
estaria rogando para que a agarrasse.
Não podia lhe permitir fazer isso.

20
Sua mão, escondida detrás de suas costas, agarrava a única arma que pôde encontrar no
depósito: o acendedor que tinha usado no dia anterior. Quando ele baixou sua boca até a
dela, ela atacou. Moveu bruscamente seu braço para diante, com a chama acesa, enquanto
empurrava o acendedor para suas tripas.
O Impostor saltou para trás, enquanto sua respiração produzia um assobio entre seus
dentes. Muito tarde. As chamas se dispararam pela lã de seu kilt, e se estenderam pelas
pranchas de seu tartán. Acenderam o linho branco de sua camisa. Estalaram em sua cara.
Um chiado agudo, mais animal que humano, saiu de sua garganta.
Raie se apurou a fugir para um flanco, movida pelo calor e o terror. O Impostor não fez
nenhum movimento para segui-la. Ficou parado, com os braços abertos, como uma grotesca
cruz ardente. Seus olhos ardiam negros, acesos por umas pequenas e dançantes llamitas.
Suas facções se transformaram e os belos rasgos do Ian começaram a tomar a forma de
um espantoso semblante. A pele lhe obscureceu. O nariz e as orelhas lhe alargaram. Seus
dentes se voltaram bicudos. O ar se voltou pútrido.
Ela olhou horrorizada a verdadeira cara do Impostor durante o que pareceu uma
eternidade. Logo, com um estalo ensurdecedor e uma explosão de fumaça e chamas, a
criatura se esfumou.
Raie permaneceu ali, olhando fixo o lugar onde tinha estado, com o corpo congelado e a
mente adormecida. Incrivelmente, o depósito estava intacto. Não se tinha queimado nada, não
ficou um rastro de fumaça nenhuma marca de fuligem. Até o aroma de decomposição tinha
desaparecido, substituído pelo familiar aroma do café.
Tinha funcionado? Teria ido realmente o Impostor?
“Raie? Está aí dentro?”.
A porta ao salão de adiante chiou. Abriu-se de par em par, revelando a figura de um
homem vestido com a roupa típica das montanhas escocesas.
Ai, Deus. O pesadelo não tinha terminado.
“Te afaste de mim”, gritou Raie. Apressou-se a ficar atrás do escritório do Ian e o pôs entre
ela e o Impostor. “Nem um passo mais”.
“Que diabos…?”. O Impostor se esfregou a nuca, com o cenho franzido detrás de suas
lentes.
Lentes?
Raie sujeitou o escritório com menos intensidade. Podia ser que…?
“Ian?”. É você?”.
“Até o que eu sei…”. Ele olhou para baixo com uma risita. “Mas possivelmente tenha que
me fazer revisar a cabeça por te deixar me convencer de usar este disfarce”.
“OH, Deus. Ian!”. Raie se lançou a seus braços. “Estou tão feliz de verte!”.
Ele a apanhou, trastabillando para trás pela força de seu peso, quase rendo. Ele passou
suas mãos pelas costas dela, estabilizando-a enquanto lhe prodigalizava muitos beijos sobre
o pescoço e o peito. Ela caiu de joelhos e lhe levantou a kilt.
De sua garganta saiu uma borbulhante gargalhada de pura felicidade. A verga do Ian, já
médio dura, era justo do tamanho que devia ser.
Envolveu seus dedos ao redor dela, acariciando-a.
Ele riu em voz baixa. “Me alegro de verte também, Raie, mas já vê, não fui tanto tempo.
Só leva cinco minutos fechar”.
Lhe beijou a cabeça do pênis. “Pareceu uma eternidade. Lamento que brigássemos.
Perdoa-me?”.
Os escuros olhos do Ian eram inescrutáveis. “Não há nada que perdoar. Você tinha razão.
Estava-te descuidando. Estava nos descuidando a ambos. Não me concentrava em ti
enquanto fazíamos o amor”.
“Não importa”.
“Sim importa”. Se inclinou e a elevou em seus braços, enquanto seus dedos procuravam
debaixo de sua saia. “Mostrarei-te quanto importa”, murmurou enquanto deslizava sua
calcinha por seus quadris até suas coxas. Acomodando o traseiro dela sobre o escritório, ele
deu um passo entre suas pernas e se levantou a kilt.
21
Raie encontrou seu olhar. “Quer fazê-lo aqui? No depósito? Pensei que…”.
Ele a penetrou com uma forte investida.
“Não pense”, disse. “Só sente”.

Epílogo

Para desfazer-se de um Impostor em seu lar, conduza-o para o fogo.


Bom. Fazia uma coisa bem, ao menos. Raie fechou o antigo volume e olhou para cima,
direto aos olhos do Maggie.
“Vamos, Maggie”, tratava de persuadi-la Raie. “Diga-me isso Fez-o você? Você enviou ao
Impostor?”.
A anciã levantou as sobrancelhas. “Ai, moça, como falas! Esse velho livro não é mais que
uma coleção fantasiosa de lendas, escritas faz muito tempo. Não tem nenhum sentido”.
Raie meneou a cabeça. Tinha o pressentimento de que Maggie sabia mais do que dizia
sobre o Impostor, mas depois de três meses lhe perguntando, Raie concluiu que já podia
abandonar o tema. Maggie não ia admitir nada.
Saiu de ‘Magia das Montanhas’ e voltou para ‘Café e Pãozinhos’. Saudando com um gesto
da cabeça à nova moça do mostrador, dirigiu-se à habitação do fundo.
Ian levantou a vista de seu computador portátil, sonriendo ampliamente. “Vêem aqui”,
disse ele. “Olhe isto”.
“O que?”. Raie perguntou, inclinando-se para ver a tela.
Ele fez girar o computador para que pudesse ver melhor. “A conciliação do trimestre
passado”, disse.
Ela pestanejou. “Fizemos todo esse dinheiro?”.
“Os números não mintam”, disse Ian com ares de suficiência. “Outra vez temos lucros, e
com revanche”. Ele se esfregou o queixo. “Mas não estou seguro do que ocasionou a
mudança”.
“Foi você e essa kilt”, disse Raie, com um sotaque de chateio em sua voz. “Desde que
começou a usá-la no café, atraíste um culto que te segue. Posso jurar que as universitárias
passam mais tempo em ‘Café e Pãozinhos’ que em classe. Arrumado que voltam para seus
dormitórios e simulam que seus vibradores são você”.
Ian fez uma careta. “Que idéia. Sim, bom, enquanto sigam comprando café, aceito-o”. Ele
levantou a vista para olhá-la, repentinamente sério. “Não crie que te enganaria, ou sim?”.
“Não”, disse Raie. “Sei que não o faria”.
Ele tocou suas bochechas; seus olhos eram suaves. “Amo-te, Raie”.
“Eu também te amo”.
Ele a sentou sobre seu regaço. “Então, onde quer ir de férias?”.
Ela o olhou surpreendida. “Férias? Quer dizer que podemos pagar umas férias?”.
“É obvio. Duas semanas. Onde você queira”. Fez uma pausa. “O que te parece Escócia?”.
Escócia! Raie sempre quis visitar as terras de Paixões nas Montanhas Escocesas. É
obvio, não tinha passado tanto tempo com seu livro ultimamente. Cada minuto livre parecia
estar ocupado pelo Ian. A vida sexual entre eles tinha revivido enormemente. Na última
semana, tinham pego sobre o piso do dormitório, a mesa da cozinha, no assento traseiro do
automóvel, e no depósito do café, duas vezes!
Ela duvidou. “Não sei. Há algum lugar ao que você queira ir?”.
“A Escócia não”, disse ele rapidamente. “O clima é horrível a esta altura do ano. Eu voto
por um lugar quente e ensolarado. O que pensa do Caribe? Poderíamos nos recostar na praia
todo o dia e agarrar como coelhos bêbados de noite”.
Raie lançou uma gargalhada. “Isso sonha tão romântico”.
Ele a beijou no pescoço, justo debaixo de sua orelha. “Assim será”, disse ele. inclinou-se e
tirou algo de sua maleta, e o deslizou entre as mãos dela. “Especialmente se levarmos isto”.
Os olhos de Raie se aumentaram. Ian lhe tinha dado um livro. E não qualquer livro: um
volume da mesma editorial que Paixões nas Montanhas Escocesas. A capa mostrava um
casal nu em um cenário de selva tropical. Seu ritmo cardíaco se acelerou ao ler o título.
22
Paixões no Trópico.
“Você gosta?”. Perguntou Ian.
Ela encontrou seu olhar e sorriu. “eu adoro”.
Suas bochechas se ruborizaram um pouco. “Li um pouco. É bastante quente”. Ele tragou
saliva. “Pensei que possivelmente… se você quiser, isso é… poderíamos atuar algumas das
cenas”.
Uma luxúria quente explorou na concha de Raie. “Sério?”.
“Sim”.
Ela começou a desabotoá-la blusa. “Bom, então… o que estamos esperando?”.

ROMPIENDO LAS REGLAS


B.J. McCall

Capítulo
RI Anzer revisou a estreita cinta de água que serpenteava através do vale coberto de
bosques, procurando insurgentes Indar. Para o sul de onde ela estava, o rio se inundava no
vale em um cenário lhe impactem. A neblina das cataratas cobria seu casco e sua uniforme,
enquanto ela se movia pelo atalho. Das cataratas, tinha uma vista panorâmica do vale. Rio
abaixo, além das cataratas, a água trocava de cor, de cristalina a marrom barrosa. RI
entendeu por que os Indar tinham protestado pela presença da Companhia Mineira Wath.
Apesar de que a Confederação mitiana tinha dado a permissão para escavar e tinha garantido
compensações para os Indar, o dano ao rio era atroz.
Baixo seus pés, a terra tremia. Pesado-los furadeiras golpeavam contra a ladeira da
montanha, perfurando a rocha e rasgando a terra, enquanto desprezavam os restos da
massacre no rio antigo. RI insultou em voz baixa. Às vezes a missão era um asco.
Os robôs extraíam valiosos cristais mitianos, e a bem armada unidade de segurança do RI
brindava amparo à maquinaria. Wath pagou pelos melhores de Segurança Elite e a equipe do
RI se ganhou esse título. Trinta missões sem ter perdido um homem.
Uma pequena e lhe tilintem luz vermelha no rincão esquerdo de seu visor lhe indicou que
havia movimento em direção às cataratas. RI se deu volta.
“Identificar”.
Seu visor se ajustou e enfocou a entidade. Entre o ruído das cataratas e as perfurações,
um exército podia partir pelo vale sem ser escutado. Ela confiava em seu casco de alta
tecnologia e seu visor para lhe advertir sobre possíveis ameaça.
Humano. Homem. Não é uma ameaça.
RI respirou profundo.
Mais abaixo, Jac Dancer se tirou as botas e o uniforme, revelando umas largas costas,
uns quadris magros, umas pernas bem formadas e um traseiro maravilhosamente firme. Os
músculos do Dancer se avultavam enquanto caminhava descalço sobre várias rochas em
direção ao vapor da água. Banhar-se com água era um luxo, e sua equipe aproveitava o único
prazer que lhes brindava esta missão. A Estação Espacial VN2845, o centro de operações de
Elite para este setor, restringia a todo o pessoal às duchas sônicas.
Dancer duvidou e girou lentamente para olhar em direção a ela. Apesar de que sua
uniforme se camuflava automaticamente para combinar com qualquer terreno, RI se agachou.
RI olhou através da folhagem e deixou sair uma torturada baforada de ar. Deveu ter desviado
a vista e afastar-se pelo atalho, mas a grosa e protuberante ereção do Dancer a cativou.

Muitas noites, ela tinha especulado, sonhado, imaginado ao Dancer, nu e excitado, mas
nada mais. Agora sabia. Nu, Jac era incrível. Ereto, era magnífico.

23
parou-se debaixo do vapor de água e fechou o punho ao redor de sua ereção. Uns
calafrios de necessidade se deslizaram pela coluna do RI; o calor se acumulou entre suas
pernas enquanto Dancer se acariciava a carne firme.
Com cada carícia de sua mão, o desejo a queimava em seu centro.
Do momento em que lhe pôs os olhos em cima, dois anos atrás, tinha-o desejado. Missão
detrás missão, sua necessidade crescia. Agora, todo seu corpo ardia enquanto a mão dele
levava a cabo a sensual tarefa que ela penava por fazer. Suas carícias se voltaram mais
rápidas. A ela lhe fez água à boca. Umas labaredas de desejo lambiam sua concha.
Ela devia respeitar sua privacidade, deixá-lo aliviar a tensão da missão e procurar um
pouco de satisfação, mas a necessidade a superou. acariciou-se o peito, esfregando sua
palma contra o mamilo endurecido, acariciando a suave e desejosa carne.
Seu verga era larga e grosa, maior do que tinha imaginado. O corpo dela irradiava calor.
Suplicando por acabar-se, sua concha se relaxou.
Tinha permanecido celibatário muito tempo. Desejava ao Dancer. Trabalhar com ele era
educativo. o ter em sua equipe era uma honra. Desejá-lo era uma mierda.
Incapaz de resistir a sua necessidade, RI apagou seu áudio e abriu o fechamento das
calças de sua uniforme. Ela se chupou os dedos e deslizou sua mão por debaixo da cintura de
sua roupa interior. Se a equipe escutava seus gemidos, poderiam acreditar que estava
morrendo. Quando seus dedos úmidos tocaram sua quente concha, ela boqueó. Sua carne
sensível queimava debaixo de seus dedos. Afundando-se em sua carne úmida, RI bombeou
com a mesma fúria deliciosa que Dancer impunha a seu verga.
Ela sentiu um estremecimento. A palma de sua mão acariciava seus desejoso clitóris. Seu
dedo agarrava sua concha. Gemendo, imaginou a grosa verga dele em sua boca, o calor de
sua rígida carne sobre sua língua e a sensação de seu corpo tremendo enquanto ela o
chupava. Sua concha se acalorou, respondendo como um soldado bem treinado a seus
dedos, a sua imaginação e às manipulações eróticas do Dancer.
RI respirava de maneira entrecortada enquanto golpeava dentro de sua concha,
deslizando-se pelo limite, esperando ao Dancer. Quando sua espessa nata jorrou de seu
verga, RI gritou. O alívio veio como um pico íngreme e doce, seguido de uma onda lhe
paralisem.
Todo o corpo dela vibrou com o orgasmo. Dancer se aproximou do vapor da água para
lavá-la acabamenta de seu verga.
RI se grampeou as calças. Apreciou a descarga, mas reconheceu que tinha que fazer
algo. Apesar de ter acabado, ficou penando e insatisfeita. Temerosa de que seus sentimentos
para o Dancer tivessem progredido mais à frente do desejo físico, RI meneou a cabeça e
fechou os olhos.
Tola.
Os líderes das unidades não se apaixonavam pelos membros da equipe. O centro de sua
atenção devia ser a missão, não um breve momento de prazer físico. Como uma das poucas
líderes de unidade mulheres e a única neste setor, RI se negava a deixar que seus
sentimentos pessoais interferissem com seu trabalho.
te esqueça dele.
Hauser Wath, o presidente da Companhia Mineira Wath, desejava-a. Rico e bonito,
Hauser lhe oferecia luxos e fortuna, mas RI preferia enfrentar-se a uma vida de missões
perigosas com o Dancer a converter-se na mulher do Hauser.
Uma luz vermelha te pisquem penetrou através de suas pálpebras fechadas. RI abriu os
olhos e ativou o áudio.
“Identificar”.
RI se levantou e girou à esquerda.
Inimigos. Dois. Armados.
Dois insurgentes se aproximavam das cataratas desde rio abaixo. Parado debaixo do
vapor, Dancer estava exposto e despreparado.

24
RI correu pelo atalho para interceptar ao inimigo e tirou seu rifle laser do portafusil que
levava sobre as costas. deteve-se, baixou seu rifle e eliminou aos insurgentes com dois tiros
limpos. Caíram a menos de vinte jardas do Dancer.
Inimigo eliminado.
RI baixou a colina para a cascata. Para quando chegou até o Dancer, ele se estava
grampeando as calças.
Não olhe.
RI levantou seu visor quando ele alcançava suas botas. depois de fechá-las botas, ele se
parou. Seu largo peito e seus ombros estavam talheres de gotas de água. RI penava por
lamber cada gotita de sua pele.
Olha-o aos olhos.
Seu olhar se fixou na dela. “Alegra-me que passasse por aqui”.
Sabia ele que ela o tinha estado olhando?
Ele ficou a camisa do uniforme e se calçou sua cava. Levantou seu casco e esteve
armado e preparado.
“Traz reforços a próxima vez. É uma ordem”.
“Compreendido”. Lhe estirou a mão. Quão mesma tinha usado para dar-se agradar.
“Obrigado, LU. Devo-lhe a vida”.
Os membros da equipe se dirigiam um a outro usando seus sobrenomes, mas para o
Dancer ela era a LU. O que queria dizer que, apesar de todas suas missões, as horas que
passaram planejando missões e relaxando-se na sala de estar da base, ela era a Líder da
Unidade. Não era uma mulher, nenhuma amiga: era a chefa.
Seu respeito fazia mais fácil seu trabalho, mas a distância lhe provocava muitas noites
sem dormir, penando, com apenas uma ferramenta de prazer mecânica para satisfazer suas
necessidades.
Sua mão se deslizou contra a dele. A mesma mão que ela tinha usado para chegar ao
orgasmo. Os dedos dele envolveram os dela por um momento. Ele sorriu e ficou o casco.
RI girou e se apressou a cruzar as rochas. Dancer a seguiu até o acampamento.
Ela devia estar agradecida. Com a reputação do Dancer, sua equipe poderia tomá-lo a ele
como a autoridade; mas embora mais não fora por uma vez, ela quereria escutá-lo chamá-la
por seu nome.

Capítulo dois
“Obrigado outra vez pelo jantar”.
RI estirou a mão ao Hauser Wath, o presidente da Companhia Mineira Wath. Os lábios
dele roçaram a mão dela sugestivamente. Seu olhar se passeou por seu provocador vestido
de festa.
“Está segura de que não pode ficar? Eu gostei de escutá-la falar sobre seu trabalho. Suas
missões são tão mais interessantes que os estados de resultados e que lutar com os
investidores”.
RI sorriu. Ele não queria saber sobre seu trabalho ou que fazia falta para liderar uma das
melhores equipes de segurança intergaláctica. Ele queria agarrar-lhe Como qualquer membro
de sua equipe, ela poderia matar ao Wath em poucos segundos, e a menos que ele
escondesse uma pistola de raio laser debaixo de seu traje de executivo e disparasse, não
poderia fazer nada para detê-la.
“Obrigado, mas devo me reunir com minha equipe. Tenho uma missão que planejar.
Sairemos em menos de doze horas”.
Ele ainda sustentava a mão dela. “Você é diferente a qualquer outra mulher”.
Um desafio. Mais rico do que se podia imaginar, Wath podia comprar algo. Possivelmente
o excitava saber que RI liderava quatro dos homens mais duros e melhor treinados do setor
exterior. Sua equipe se ganhou a reputação do modo mais árduo. Quando outras equipes
falhavam, RI e seus moços ou lhes salvavam o traseiro ou traziam de volta seus corpos.
Algumas das missões eram arrepiantes.

25
As pontas suaves dos dedos dele se deslizaram por seus braços nus. Seus dedos eram
largos, com manicura e sem um só calo. As mãos dela eram as de uma operária.
“Formoso vestido”.
Sua vestimenta de trabalho usual, de uniforme camuflado e botas pesadas, escondia as
curvas femininas que o provocador material de seu vestido ressaltava. O suave tecido negro
com queda se amoldava a seus seios e se atia maliciosamente nas coxas. Além disso do
vestido, RI não levava nada mais que seus sapatos de tacos com tiras de contas, que faziam
jogo com as delicadas tiras de seu vestido.
Ela tinha planos para depois do jantar. Esses planos não tinham nada que ver com o
Wath, e a roupa interior só se entremeteria.
RI planejava bem as missões. Falhar não lhe passava pela cabeça. A missão de esta noite
era de prazer e Jac Dancer o ia prover.
“Obrigado, Sr. Wath. boa noite”.
“me deixe acompanhá-la até o elevador”.
“Não é necessário, estarei bem”.
Quando Wath fechou a porta, RI respirou com alívio. Caminhou lentamente pelo corredor.
Ao dar volta a esquina, viu o Dancer parado diante do elevador. Tinha-a estado esperando, ou
queria saber se Wath tinha renovado o contrato com Elite, garantindo futuras missões para a
equipe?
Enquanto ela entrava em elevador, o olhar dele se deslizou lentamente sobre ela. Um
sorriso excitava as esquinas de sua boca. “Lindo vestido, LU”.
Dancer estava para comer-lhe Tinha postos umas calças negras, uma camisa negra que
se amoldava a seu peito musculoso e sandálias. Ele nunca usava meias, a menos que
estivesse de uniforme. O coração do RI pulsava com força.
“Você se limpou bem, também”.
A última vez que ela tinha posto os olhos nele, ambos estavam talheres de lodo do Oliri.
Até talher dessa substância marrom, pegajosa e fedorento, Dancer era sexy. Apesar de suas
cicatrizes, seu corpo era uma refinada obra de arte. Esse dia nas cataratas do Indar tinha
espreitado os sonhos do RI.
O entrou e se parou junto a ela. “Nível de Habitação Três”, disse, dirigindo o elevador ao
piso designado para os empregados de Segurança Elite na Estação Espacial VN2845.
O olhar dele ficou um momento sobre os pés dela. “Wath nos reteve para outra missão?”.
“Para dois”.
“Isso deveria pôr contente ao Payts”.
Seu chefe, Silus Payts, estava a cargo do setor exterior da galáxia. RI e sua equipe
corriam os riscos.
O elevador se deteve e se abriram as portas. Dancer a tirou do braço e a conduziu pelo
corredor. Os dedos dele se fecharam sobre o cotovelo dela. As mãos do Dancer eram grandes
e ásperas, seus braços avultados com duros músculos, mas RI o tinha visto limpar feridas,
reconfortar com ternura a vítimas e rezar com os moribundos.
Dadas as regras de conduta de Elite, as relações entre membros da equipe eram vistas
como uma infração, e aquelas entre líder e subordinado, como uma infração grave. Apesar de
que as regras se rompiam, os que apanhavam eram degradados, lhes tiravam todos os
créditos que tinham ganho e os suspendia da ação. As unidades de segurança estavam
compostas por dois tipos de pessoas: os que amavam a missão e os que amavam o dinheiro.
Como ela, Dancer era dos que amavam a missão. A aventura o fazia sentir-se vivo. Perder
créditos não significaria muito a ele, mas a suspensão significava um trabalho detrás de um
escritório, e isso nunca funcionaria para um homem como Dancer.
depois de esta noite, RI entendeu que teria que deixá-lo fora de sua equipe; trabalhar com
ele se tornou impossível. Quando esteve segura de que Payts tinha
intenções de subir ao Dancer a Líder de Unidade e lhe dar o controle total de suas
missões, RI planejou sua sedução.
Ela desejava ao Dancer, mas Dancer a desejava?

26
Tinha que fazer algo. deu-se a cabeça contra a parede muito duro esse dia nas cataratas.
A maneira em que desejava ao Dancer tinha começado a interferir com seu desempenho e
concentração. A interferir seriamente. Não lhe tinha salvado a vida. Ela tinha falhado em seu
dever.
As regras e seu respeito pelo Dancer tinham evitado que RI cedesse a seus impulsos,
mas não estes podiam evitar que seu coração pulsasse muito forte cada vez que o olhava. Os
olhos dele eram azuis e seu cabelo escuro e grosso. Usava-o curto. Seu queixo era forte e
seu sorriso, devastadora. Valia a pena romper as regras pelo Dancer.
É sexo, não amor.
O desejo sexual, uma vez satisfeito, geralmente perdia o encanto, mas o amor tinha essa
maneira de cavar dentro de um e permanecer ali. Faz o teu e segue seu caminho.
“Quando saímos?”.
“Em vinte e quatro horas”.
A mentira lhe saiu com facilidade. Sua equipe sairia para o Lak em poucas horas. Payts
informaria ao Dancer sobre sua nova tarefa. Dancer lideraria outra equipe ao Borliz.
Possivelmente quando voltassem a encontrar-se, na estação, entre missões, algo poderia
desenvolver-se entre eles. RI tratou de não pensar em quanto ela desejava que esse algo
acontecesse.
Quando chegaram à habitação dela, RI pôs a palma da mão contra o painel da fechadura.
A porta se abriu. Dancer soltou seu braço. “Para onde nos dirigimos, ao Borliz?”.
RI deu um passo para dentro de sua habitação e se deu volta. Dancer permaneceu no
corredor.
“Sim”. Dancer lia tudo o que se publicava em relação às explorações científicas, públicas
e privadas do setor. Poucas tarefas o surpreendiam. “Ao Borliz e ao Lak”.
Seus olhos se aumentaram. “Lak?”.
“Quer passar a beber algo?”.
Dancer lhe fez um pequeno gesto com a cabeça e entrou na habitação.
“Faz três dias que não se sabe nada da equipe de perfurações exploratórias do Wath”,
disse RI. “Uma mensagem urgente de emergência, logo um completo silêncio”.
Umas linhas enrugaram o cenho do Dancer. “Esperava não voltar a ver esse lugar nunca
mais”.
RI lhe falou com suas costas. “Liderou a missão de resgate?”.
Ele disse que não com a cabeça. “A missão falhou”.
depois de que duas equipes de exploração foram atacados e assassinados, a Federação
pôs uma restrição sobre o planeta até que a Companhia Mineira Wath
esquadrinhasse o céu e provesse evidência de que, tal como supunham, existiam
depósitos de racth bem profundo baixo a superfície.
Dancer se deu volta e colocou as mãos nos bolsos de suas calças. “Wath deve ter a
vários políticos no bolso a fim de obter a permissão para escavar”. “Mas para que incomodar-
se fazendo escavações profundas no Lak? Um grande depósito acaba de ser descoberto no
Tinyan. O clima na superfície do Tinyan é muito mais amigável que o do Lak. Não o entendo”.
“Se pode provar que os depósitos existem com uma amostra de escavação, ao Wath
darão os direitos exclusivos de mineração no Lak”.
“Isso é porque não há nenhuma outra empresa mineira interessada. A temperatura diurna
faz quase impossível escavar e os nativos são hostis. Tirar o racth custaria muito mais que no
Tinyan”.
“Wath quer que se escave no Lak”.
Dancer insultou em voz baixa. “E nos quer ?”.
“Assim é”. RI cruzou a habitação e tomou uma garrafa de bebida mitiana da mesada da
cozinha. Os empregados de Elite compartilhavam uns pequenos quartos com dois cuchetas,
uma superior e outra inferior, uma ducha e um lavabo. Aos líderes os premiava com uma
habitação privada compacta, com cozinha embutida em lugar de uma cucheta inferior, com um
escritório, computador e acessos de comunicação. “Wath fez uma mega-oferta ao escritório
central. Payts não pôde negar-se”.
27
Ela serve dois copos da singular mas potente bebida e alcançou um ao Dancer.
“Se os depósitos forem tão ricos como informaram, Wath disse que explorar Lak daria um
ganho de mil por cento. me conte sobre o Lak”.
“É principalmente rochas e areia. O ar é respirável, mas seco. Só umas poucas novelo e
pequenos animais que se adaptaram ao calor extremo sobrevivem sobre a superfície. Se o sol
não te matar, os lakianos o tentam durante a noite. Parecem humanos, exceto pela elevada
crista ao longo de seu espinho dorsal e a curta cauda na base. Seus olhos são grandes e com
múltiplos facetas, e sua visão noturna é parecida com a infraroja, o que lhes dá uma vantagem
sobre os grupos que aterrissam sem estar preparados. Sua pele é escura e lhes serve como
uma camuflagem excelente de noite. Suas armas são primitivas, mas suas lanças e dardos
com pontas envenenadas causam uma paralisia imediata.
“Uns uniformes de armadura leves e nossos cascos deveriam ser suficientes. Teremos
que chegar ao entardecer, assegurar uma área para o grupo de escavadores, estabelecer um
perímetro de defesa e ir antes do amanhecer”.
Dancer tragou saliva longamente enquanto meneava a cabeça. “Deixa que outra equipe
se faça cargo disto”.
Ao RI lhe puseram os cabelos de ponta. “Eu posso dirigi-lo”.
“Os lakianos executam aos homens, mas violam às mulheres”.
“Isso escutei”.
“Não viu o Dansi Larii. depois de uma noite de violação, eles a deixaram estaqueada fora,
exposta ao calor abrasador. Ela morreu em meus braços”.
Incapaz de salvar a seu amante, a equipe do Dancer tinha eliminado à banda de lakianos
que tinha capturado à a Dra. Larii e a seu grupo de inspeção geológica. Apesar de que Larii
tinha morrido sete anos atrás, a voz do Dancer era fria como o gelo.
“Ouvi que renunciou depois dessa missão?”.
“Fiz-o durante um tempo, mas Payts me rastreou”.
RI esperava que ele se espraiasse, mas em troca, ele olhava fixamente sua bebida.
“Nenhum membro feminino deveria ser atribuído ao Lak”.
“Payts aceitou a missão”.
Dancer se baixou o resto do gole e apoiou o copo vazio na mesada. “Deixe tomar esta”.
“Devido ao êxito das missões a Mitia e Oliri, Wath lhe deu a tarefa a minha equipe. Não
posso me negar”.
Ele se estirou para tocar a bochecha dela. As pontas de seus dedos se sentiam mornas
contra sua cara. Seus olhares se encontraram. “Não posso correr o risco”.
“Eu sei que apreciava à a Dra. Larii”.
“Dansi não tem nada que ver conosco”.
Ele roçou os lábios dela com os seus. Ao RI lhe obstruiu a respiração. “Nós?”.
O olhar dele perfurou a sua. “Nós”.
Ele a agarrou pela cintura e a aproximou forte contra ele, apertou sua boca contra a dela e
colocou a língua por entre seus lábios abertos. Ele acariciava seus lábios, suas grandes mãos
agarravam meigamente seu traseiro, seus dedos de repente se afundavam em sua carne,
aproximando-a a ele ainda mais.
O inchaço de seu verga empurrava o ventre dela, acendendo-a com um calor e uma
necessidade que lhe derretia os ossos e os músculos.
Com o coração pulsando como louco, RI rodeou o pescoço do Jac com os braços e
esfregou seus desejosos seios contra seu musculoso peito. Ela o beijou com força, lhe
fazendo saber que o desejava.
Quando Dancer passou uma mão por debaixo de seu vestido e tocou seu traseiro nu, um
gemido torturado saiu de sua garganta.
Ele agarrou um punhado do cabelo dela e lhe atirou a cabeça para trás. Apesar de que ele
agarrava seu soco esquerdo com uma força de ferro, RI não sentia dor. O olhar dele, intensa e
ardente, sustentou a dela. “O vestido, não era para o Wath?”.
“Não”.
“Para quem, então?”.
28
“Para ti”.
Um sorriso excitou as esquinas de sua boca. “Só para mim?”.
“Só para ti”.
“Você é minha”. Lhe acariciou o traseiro. “Isto me pertence, entendido?”.
“Somos possessivos, ou me parece?”.
“Sim, sou-o”.
A mão dele se deslizou entre as coxas dela; a ponta de seu dedo indicador patinou por
sua concha úmida, encontrou seu centro e se afundou. RI boqueó. Ele respirou fundo. “Isto é
meu?”.
RI sorriu. Desde que Dancer se uniu a sua equipe, ela tinha sido mais celibatário que um
monge. Tinha ansiado este momento com corpo e alma. “Teu”.
Ele a agarrou com menos força. Quando seus lábios tocaram o pescoço do RI, ela se
estremeceu. Ele a beijou até a suave curva de seu pescoço e lhe baixou do ombro a tira do
vestido com os dentes. O vestido caiu, exibindo seu seio. Lhe levantou o traseiro com ambas
as mãos e a elevou até que seu mamilo encontrou a boca dele. Chupou-o em abundância e
profundamente, agradando a sua desejosa carne. O calor fluía e se acumulava em sua
concha. O desejo e a necessidade ardiam em suas veias e artérias.
“Por favor, Jac. Por favor”.
Aferrando-se a ela, conduziu-a até a estreita escada que subia a seu cucheta. Deu-a volta
e lhe levantou o arena do vestido até a cintura. “Ahhhh. Mierda”. Ele empurrou os ombros dela
para diante. “te agarre pela escada, RI”.
Ele tomou o traseiro nu em suas mãos e se ajoelhou detrás dela. Acariciou-a do quadril à
coxa e lhe mordeu um soco.
“estive pensando em seu traseiro durante dois anos”.
Ele lambeu a raia entre seus socos, excitando-a com movimentos suaves e úmidos. A
combinação de língua, lábios e dentes sobre sua carne lhe fez sentir um estremecimento em
sua coluna.
“Tornaste-me louco, RI”.
Sua mão se deslizou entre as pernas dela e as pontas de seus dedos tocaram sua concha
úmida.
“te abra para mim. me deixe provar seu mel”.
Sua língua se deslizou mais abaixo para substituir a seus dedos.
RI separou um pouco os pés para lhe dar acesso, desejando a sua língua bem para
dentro dela. Ele amassou seu traseiro e lambeu sua concha. Com cada exuberante lambida,
ela ficava mais úmida e mais quente. Ele fofocava sobre seus clitóris, para diante e para trás,
levando-a até o doce extremo. Logo se afundou em seu interior para agarrá-la com sua
quente língua. RI gritou de prazer.
Lhe deu uma suave bofetada no traseiro e se levantou. Quando escutou o rangido do
fechamento da calça dele, RI retorceu o traseiro antecipando-se, e arqueou as costas.
“É a coisa mais formosa que vi”.
Ao RI adorava a aspereza de sua voz. “Que coisa?”.
“Seu traseiro com forma de coração me convidando. Sua concha, preparada e
espectador, me desejando”.
Sua grosa verga se deslizou entre seus socos abertos. As coxas nuas dele tocaram os
dela. Os dedos do RI se aferraram ao degrau ainda mais quando a grosa ponta de seu verga
se posou sobre sua úmida concha.
A grosa cabeça explorou, uma vez, duas vezes. RI o olhou por sobre o ombro. Ele estava
lhe olhando o traseiro. “me agarre, Dancer”.
Ele afundou seu verga dentro dela. Ele afirmou os quadris dela com suas grandes mãos e
a investiu, uma e outra vez. Com cada embate quente, deslizava-se mais profundo dentro de
sua concha úmida.
“me agarre, duro”.
Empapada de necessidade, RI recebeu com agrado toda sua longitude. Comprido e duro,
ele a enchia, respondendo a suas necessidades, satisfazendo sua carne palpitante.
29
Seus gemidos se mesclavam com os grunhidos entrecortados dele. O calor fluía de seus
corpos enquanto a pele golpeava com a pele. Uma verga quente se cravava em sua concha
úmida, fazendo exuberantes sons de sucção.
Os dedos dele se afundaram em sua pele, aferrando-se a ela enquanto o corpo dele se
aquietava, estremecia-se. Seu verga pulsava, enchendo a de nata, e a concha se contraía
com feitas ondas cálidas e exuberantes. Ele se apartou, investiu e bombeou com seus quadris
até que o corpo dela cessou em sua sensual agitação.
Ele deixou os quadris dela e se aferrou à escada. depois de um comprido minuto, respirou
de forma audível um par de vezes e se apartou. “Devi havê-lo sabido”.
RI se deu volta, dentro dos braços que a rodeavam, para olhá-lo à cara. Sua frente estava
coberta de suor. “Que coisa?”.
Um sorriso luxurioso atirava de suas comissuras. “Que me deixaria arruinado para que
não sirva com outras mulheres”.
Ele estava parado diante dela, nu da cintura para abaixo, com as calças amontoadas ao
redor de seus pés. RI deixou cair o olhar até seu verga e se lambeu. O leite se deslizava
lentamente pela coxa dela. “Logo que estou começando”.
depois de soltar a escada, ele se tirou as sandálias. tirou-se as calças e os chutou para
um lado. “Promete-o?”.
Quando se tirou a camisa empapada de suor, RI conteve a respiração. Desde perto e nu,
Dancer parecia maior e forte que nunca. Seus poderosos ombros e braços se afinavam em
uma estreita cintura e nos quadris. Suas coxas eram musculosas; suas pernas, largas. A
verga parcialmente ereta que pendurava entre suas pernas a fez estremecer.
RI se ajoelhou. Tocou seu verga com a ponta da língua. “sonhaste com isto, Dancer?”.
Seus olhos azuis se entrecerraron e sua mão se deslizou pelo cabelo dela. “Ai, sim”.
Fechando os olhos, RI o levou a boca. Quando passou a ponta de sua língua ao redor do
grosso bordo de sua cabeça, ele gemeu. Ela agarrou seu verga da base, atirando com firmeza
de sua crescente longitude enquanto a chupava. Colocou-a profundamente em sua boca e a
lambeu lentamente, com exuberância, excitando o lado inferior de seu verga, procurando o
ponto sensível na base até que os dedos dele se afundaram na cabeleira dela, e seus quadris
se moveram bruscamente.
Indo de acima a abaixo por sua longitude, RI lhe fez o amor. Agora que tinha cruzado a
linha de colega de trabalho a amante, RI não queria deixá-lo ir.
Ele voltou a lhe empurrar a cabeça para trás. Ela soltou a torcida verga. Ele se agachou,
enrolou seu braço livre ao redor da cintura dela e a pôs de pé. Logo lhe acomodou as costas
contra a escada. Agarrou-a pela coxa, posicionou a perna à altura da cintura dele e a verga na
entrada de sua concha.
“me faça o amor, RI”.
lhe encantou como soava seu nome nos lábios dele. “O amor?”.
Ele a olhou fixo por um comprido momento, penetrando-a com o olhar. “esperei todo este
tempo e você só deseja agarrar?”.
“Desejo algo mais que agarrar. Desejo a ti, Jac”.
Ele levantou o arena do vestido dela e o tirou pela cabeça. Deixou-o cair brandamente
sobre uma cadeira e logo foi por ela. Levantou seus seios com suas grandes mãos e esfregou
seus mamilos com os polegares.
“sonhei com isto”.
Com cada doce carícia, ela penava por ele. “Por favor, Jac”.
Ele inclinou a cabeça, beijou-lhe um mamilo e logo o outro. Logo a beijou. Sua língua se
deslizou entre os lábios dela. Explorou sua boca, tomando-se seu tempo, acendendo suas
necessidades até que um vulcão ardia em seu centro. Ela se aferrou a seus ombros,
adorando a sensação da pele quente dele baixo suas mãos.
Ele levantou a cabeça e lentamente, penetrou-a. Seu olhar permaneceu cravada na dela
enquanto se deslizava mais profundo dentro dela. Seus olhos trocaram a um azul escuro e
intenso, o que fez que o estar juntos fora erótico e tenro de uma vez.

30
Assegurando uma mão sobre a escada à altura da parte mais fina de suas costas, ele
disse: “me faça o amor, RI. me ame com sua concha”.
Ela fechou os olhos e contraiu os músculos ao redor de sua grosa longitude. Apertou,
relaxou, aferrou-se e atirou dele. Ele a enchia, perfeitamente.
“me olhe”.
RI abriu os olhos.
“Desejo que saiba quem está dentro teu”.
O tempo passava mais lentamente e a realidade se condensava neste momento, nesta
união. RI soube que tinha encontrado a seu casal, o homem que se apropriaria de seu
coração para sempre. Seu coração se encheu de amor ao deslizar-se pelo limite do orgasmo.
Sua concha se alagava, quente e desejosa.
Então ele se moveu. Seus quadris empurraram dentro dela, levando seu verga ainda mais
profundamente. Sua concha se agitou, chegando ao orgasmo com fortes contrações. Ela
boqueó e arqueou as costas. Ele acariciou seu seio, amassando sua desejosa carne.
Gemendo, pistoneó com seus quadris. Os tendões de seu pescoço se esticaram, seu
peito se sacudia, mas seu olhar nunca titubeou. Seu verga investia dentro dela, lhe dando ao
RI o que necessitava e desejava.
Ofegando, afundou seus dedos no ombro dele. Seu orgasmo veio como uma rajada
quente, rodeando seu verga.
“Isso”, disse ele, investindo-a outra vez. “Sim”.
Ele ficou quieto, abraçando-a com força. debaixo dos dedos dela, os músculos dele se
avultavam. Ele relaxou a mão sobre o seio dela. A ponta de seus dedos lhe roçou a carne. Os
lábios dele se curvaram em um sorriso. “Sou capaz de correr durante horas, mas você me
esgota em minutos”.
RI desenrolou sua perna, relaxando o agarre mortal que exercia sobre os quadris dele. Da
cabeça aos pés, os músculos dela estavam quentes e relaxados. Ela olhou a estreita cucheta.
“Agora pagaria um milhão de créditos por uma cama grande e branda”.
“Fico passando a noite?”.
“Fica.”
Ele deu um passo para trás e olhou para acima. “O que te parece se arrastarmos seu
colchão e suas mantas até o chão?”.
Ela assentiu com a cabeça. Logo se estirou para acariciar sua suave e barbeada
bochecha. “Que lindo”.
Ele roçou a parte inferior de seu seio com a ponta de seus dedos. “Não quis te arranhar”.
RI se deu conta de que ele tinha planejado seduzi-la a ela. “Água?”.
“Poderia tomar um galão”.
Enquanto Jac atirava dos lençóis da cucheta, RI tirou dois contêineres de água de sua
unidade de frio.
Sentado sobre o colchão dela com as pernas cruzadas, ele se tomou todo o contêiner e o
deixou a um lado.
RI se uniu a ele. “por que esta noite?”.
“Como pinjente, você me estava enlouquecendo. Ao te seguir através dessa fissura no
Oliri, soube que me daria a cabeça contra a parede”.
A fissura era tão estreita que se tiveram que tirar a cava. As paredes estavam úmidas e
tão resbalosas com lodo que se tiraram os uniformize também.
“Estava coberta de lodo. Emprestava”.
Um sorriso inclinou uma comissura dele. “Não podia pensar em outra coisa que não fora
te agarrar. Ali foi quando soube que era uma causa perdida”.
“Eu estive a ponto de me colocar em sua bolsa de dormir”.
“por que não o fez? Fazia um frio terrível a noite antes de que encontrássemos o
acampamento dos assaltantes”.
“Pensei-o”, admitiu ela. “Não dormi pensando nisso”.
Ele se estirou e a agarrou pela cintura. “Se está pensando em me chutar fora da equipe,
não o faça! Não irá ao Lak sem mim”.
31
“Como poderemos trabalhar juntos?”.
“Estivemo-lo fazendo bem”. Ele a acomodou de barriga para cima e se inclinou sobre ela.
“Só porque estamos juntos não significa que não possamos fazer nosso trabalho”.
“Não posso permitir que se questionem minhas decisões, nem posso mostrar favoritismo”.
Ele a beijou na frente. “Neguei a uma ordem alguma vez? fui desrespeitoso?”.
“Nunca”.
Lhe beijou a ponta do nariz e apoiou a cabeça sobre o ventre dela. “Então confia em mim”.
Lhe despenteou as curtas mechas de cabelo com os dedos. “Confio em ti, Jac. Confiei-te
minha vida muitas vezes”.
“Você poderá ser a LU, mas eu não deixarei que te passe nada, jamais”.
Sua respiração se estabilizou. Aos poucos minutos, ele dormia. RI confiava nele, mas
agora que tinha posto em prática seu plano, não lhe ia negar a oportunidade de liderar sua
própria equipe. Ela ordenou que se apaguem as luzes, fechou os olhos e caiu em um doce e
satisfeito sonho.
Um momento mais tarde, RI despertou. Acurrucado contra as costas dela, Jac lhe
acariciava os seios e o ventre. Sua grosa verga estava cunhada entre as coxas dela.
Deslizava os lábios pelo pescoço dela, deixando um rastro quente e molhado.
Ela sussurrou seu nome.
Fazendo-a girar sobre suas costas, ele acomodou seu grande corpo entre as pernas dela.
Tomou sua concha nas mãos e deslizou um dedo dentro dela, acariciando-a meigamente.
Enquanto bombeava lentamente e estirava sua carne, ele adicionou um segundo dedo.
Quando ela esteve resbalosa e quente e lista para recebê-lo, ele tirou os dedos e explorou
seu calor com a verga.
RI boqueó quando sua grosa cabeça empurrou dentro de sua desejosa carne. Ela
levantou as pernas e lhe envolveu o torso com seus tornozelos.
RI se aferrava com força a ele enquanto a investia, empurrando cada vez mais profundo
em cada movimento. Seus corpos emanavam calor. debaixo dos dedos dela, os bíceps dele
se avultavam. Ele deslizou uma mão por debaixo de seu traseiro, levantando-a do colchão.
Ele ainda se introduzia nela, enterrando seu verga mais e mais profundo com cada comprido e
exuberante movimento. Agarrava-a intensamente. O sonho úmido do RI.
Ele ficou quieto e apoiou as costas dela contra o colchão. Logo se atirou para trás,
deixando a ponta de seu verga dentro dela. estremeceu-se. “Se te mover, vou acabar”.
depois de um comprido momento e várias respirações profundas, ele a agarrou pela
cintura e deslizou seus joelhos flexionados por debaixo das coxas dela. Ajoelhado, levantou-a
até que ela o montou. Abraçou-a fortemente e a beijou com intensidade. Sua língua atacou a
boca dela.
“me monte, RI. me monte com vontades”.
RI acomodou seus pés contra o colchão, levantou os quadris e o montou. Ele deixou que
ela controlasse o ritmo, e RI se deixou ser, golpeando a verga dele contra sua concha. A
quente fricção e o calor úmido quase a fazem explorar.
Ele a abraçou forte, beijando-a enquanto ela tocava o céu com as mãos. Seu verga se
relaxou e lhe disse que ele também tinha encontrado o prazer.
depois de um comprido momento, ele a acomodou de barriga para cima e se estirou entre
suas pernas. Envolveu suas coxas com as mãos e lhe lambeu a concha.
“Quero te saborear, RI”. Quero saborear sua concha quando está cheia de meu leite”.
Ele colocou a língua dentro de seu calor. Sua concha ainda vibrava pelo orgasmo. Ele se
estirou e agarrou seu seio. Lentamente, fez girar seu mamilo entre o polegar e o dedo maior,
enquanto agarrava meigamente sua concha com a língua. Ao sentir o calor que ondulava em
seu centro, RI levantou os quadris. A boca quente dele cobriu sua concha, seus lábios e língua
chupavam e banhavam sua ansiosa carne.
Ele chupou, enquanto lhe cobria o clitóris com os lábios. Com sua mão livre, explorou sua
concha quente com os dedos. RI bombeava com os quadris e se formava redemoinhos para o
orgasmo.

32
Quando sua concha deixou de estremecer-se, Jac levantou os lábios e tirou os dedos.
estirou-se a seu lado. Logo dormiu, usando seu seio de travesseiro.

Capítulo três
Jac se deu volta. estirou-se para tocar ao RI. Mas sua mão só encontrou o colchão. Abriu
os olhos e a chamou. A habitação estava escura e silenciosa. Jac ordenou que se gostam
muito as luzes e caminhou até a unidade de lavagem sônica.
vestiu-se, penteou seu cabelo com os dedos e foi em busca do RI. Pensou que a
encontraria no centro de comando, tomando café diante de uma unidade Intel, aprendendo
tudo o que podia sobre missões anteriores ao Lak. Analisaria os enguiços das missões e
planejaria como as evitar.
RI.
Ele se tinha quebrado o traseiro trabalhando e tinha mantido seu coração separado de
seu trabalho até que o reasignaron à equipe dela. Com um olhar, ele já a desejava,
terrivelmente. depois de umas poucas missões, ela lhe tinha metido baixo a pele.
Jac olhou a hora. Só tinha umas horas para trabalhar sobre o Payts antes de que à equipe
tivesse que sair para o Lak. Decidido a evitar que RI liderasse essa missão, Jac entrou em
centro de comando de Elite.
Para então, RI e a equipe deviam estar no escritório de estratégia, mas o lugar estava
vazio. Vários empregados que não reconheceu estavam sentados frente às unidades Intel.
Um deles olhou para cima e ficou de pé de um salto. Jac o saudou e golpeou a porta do
escritório do Payts.
Payts lhe deu permissão para entrar.
Com doze anos mais que Jac, Silus Payts seguia estando em forma. Levantou sua mão e
observou a tela de telecomunicação na esquina de seu escritório. Uma mensagem se movia
para cima na tela. Payts apertou um botão que obscureceu a tela e levantou a vista.

“Dancer. Esperava-te faz horas. Toma assento”.


“Onde está a LU Anzer?”.
Payts o olhou sentido saudades. “A três horas do Lak”.
Jac afastou sua cadeira, pôs as mãos sobre o escritório do Payts e se inclinou para
diante. “O que?”.
“A equipe saiu a horário”.
“Sem mim?”.
“Sua equipe esteve esperando”. Sugiro que mova o traseiro até essa habitação de
estratégia. Borliz não é tão quente como Lak, mas será um desafio para esses recrutas
inexperientes”.
Jac apertou os punhos. RI o havia jodido de todas as maneiras possíveis. “Minha
equipe?”.
“Anzer não lhe disse isso?”.
Aparentemente, não lhe havia dito muitas coisas. “me dizer o que?”.
“Anzer te recomendou como Líder de Unidade depois da missão a Mitia. O comitê esteve
revisando seus registros de desempenho. Está preparado, Jac. Ascendemo-lhe. Restituímos a
seu posto anterior, mas esta vez o incentivo é maior”.
“Nego-me”.
“passaram sete anos, Jac. Não passa um dia em que não pense nela, mas Dansi
conhecia os riscos”.
Payts amava ao Dansi Larii. Ela tinha compartilhado sua cama até que transferiram ao Jac
ao setor. Sem saber sobre sua relação com o Payts, Jac se tinha encontrado com o Dansi e
encamado com ela a poucas horas de sua chegada. A última vez que eles a tinham renomado
em uma conversação foi o dia de seu funeral.
“A equipe dela foi sem a inteligência apropriada”, disse Jac. “Haviam-lhes dito que o
planeta não estava habitado”.

33
“Graças ao Dansi e a ti, sabemos o que esperar. Anzer está preparada. A equipe leva
armaduras. As lanças do Lak não podem penetrar os trajes do Hevar”.
“Se os agarrar o sol nesses trajes, fritarão-se”.
“Chegarão ao entardecer. Tudo o que têm que fazer é defender o perímetro enquanto os
robôs escavadores tomam uma amostra. A equipe sairá ao amanhecer”.
“Líder de Unidade ou não, RI não deveria estar liderando uma equipe de aterrissagem. Se
Wath necessitar o racth, então deixa que o exército ataque o lugar de noite. Isso fará que os
Laks se mantenham a raia o suficiente para escavar”.
“Wath poderá ter poder político, mas não tanto como para usar o exército. Uma vez que
tenha provado que Lak é rico em racth, a Federação lhe dará o que ele queira”.
“por que Wath está tão teimado com o Lak? O descobrimento no Tinyan é mais
prometedor”.
“A Associação de Comércio da Federação necessita este recurso. deram permissão para
atuar como é necessário”.
“Em tanto as tropas da Federação não estejam envoltas”.
Payts assentiu.
“Isto não fecha. A menos que a Federação dê a permissão para exterminar aos Laks, os
custos ultrapassam as lucros. Não vou partir para o Borliz até que a equipe do RI esteja a
salvo”.
“RI?”.
“As coisas ocorrem, Silus”.
Payts meneou a cabeça. “Devi havê-lo sabido”.
“Eu devi ter liderado a equipe”.
“Tem toda a razão, deveu havê-lo feito você, mas Wath é o que decide”.
A imagem do Dansi morrendo em seus braços encheu a mente do Jac e lhe espremeu o
coração. Se perdia ao RI, não poderia suportá-lo.
“Atrasa a missão ao Borliz. Tenho que saber se RI estiver a salvo”.
“De acordo”.
“Obrigado , Silus”. Jac se deu volta ao chegar à porta. “Se algo acontecer com ela, o
traseiro do Wath é meu”.
Um pequeno sorriso atirou das comissuras do Payts. “Eu nunca escutei isso”.

Capítulo quatro
RI tratou de mover-se. Suas mãos e pernas estavam atadas, e a dor lhe partia a cabeça.
Tratou de ver com claridade e lutou contra a espessa neblina que tinha a seu cérebro de
refém.
Onde estou? Que mierda passou?
Ela pestanejou várias vezes, enfocou a vista e retrocedeu. Uns olhos grandes e brilhantes
lhe aproximavam. Um nativo lakiano se inclinou sobre ela. Um dedo comprido e escuro com
uma unha negra na ponta roçou sua cara. Um magro fio de baba pendurava da ampla boca.
Maldito asqueroso.
O lakiano deslizou uma unha pela garganta dela até seu peito, detendo-se sobre seu seio
para ferroar seu mamilo. Fez um som como um grunhido.
As vozes subiram, falavam rapidamente em uma linguagem que ela não entendia. A área
estava iluminada por tochas parpadeantes. RI contou mais de vinte nativos masculinos e se
encolheu. Todos estavam nus, com seus vergas largas pendurando entre as pernas.
Como a tinham capturado? Sua equipe tinha assegurado o perímetro. Suas armas eram
muito superiores. Como terminou em um altar de pedra, com as pernas abertas, a mercê de
uma banda de lakianos primitivos?
Cris. Balder. Yung.
O que lhe tinha passado a sua equipe? E o que foi dos robôs escavadores? Tudo esteve
bem até que conseguiram acessar a uma nervura de racth. O ar se cobriu de uma nuvem.
Afogando-se, ofegando, tratou de dar ordens, enviar um sinal de alarme. A estação teria
recebido sua mensagem de emergência?
34
Jac, me ajude.
O lakiano se moveu ao redor do altar para parar-se entre suas pernas abertas. Passou os
dedos pelos apertados e escuros cachos de seu pêlo púbico. Examinou sua concha com a
ponta dos dedos. Ela se retraiu, tratando de resistir, mas as ataduras a tinham bem amarrada.
Ele trespassou seu dedo bem para dentro de sua concha, como provando o que tanto
podia penetrá-la seu dedo. Quando o tirou, levantou-o até seus largos orifícios nasais. deu-se
volta para os de sua espécie e falou. Ao não poder entender, ela escrutinou suas caras.
Embora vários falaram, ela não pôde descobrir o significado de suas palavras.
Os lakianos eram maiores que o macho humano médio, mediam mais de sete pés.
Quando vários se acariciaram os pênis, RI entendeu seu destino e o que tinham estado
falando. Estavam decidindo a ordem. Todos a violariam, mas quem
seria o primeiro foi motivo de disputa. RI se estremeceu e se endureceu para preparar-se
para o inevitável. Ela sobreviveria até que chegasse Jac. Ele não a deixaria morrer no Lak.
Amo-te, Jac. me ajude.
Em vez de aproximar-se dela, os lakianos se afastaram e rodearam um braseiro. A disputa
continuou. Finalmente, dois se enfrentaram. O grupo se moveu para trás e teve lugar uma
briga.
Os punhos se conectavam e os corpos se golpeavam um contra o outro, levando a briga
longe dela. RI provou suas ataduras. Insultou ao não poder mover-se.
“RI, me fale”.
A voz familiar lhe apertou o coração. “ Jac”.
“Sim, amor”.
A voz do RI era apenas um sussurro. “Os moços?”.
“Estão mortos”.
Ela fechou os olhos para evitar a dor enquanto Jac cortava suas ligaduras.
“Não mova os braços nem as pernas”.
“me dê sua palavra, Jac. Você acabará com…”.
“Silêncio”, ordenou-lhe. “Todo este lugar explorará… Maldição, terminou a briga. Ao
primeira chama que veja, corre para sua esquerda. Eu estarei esperando”.
“Amo-te, Jac Dancer”.
Sua declaração em um sussurro encontrou o silêncio.
Os lakianos se aproximaram e se reuniram em um amplo semicírculo. Quando o ganhador
caminhou orgulhoso até ela, RI se preparou mentalmente para atacar. Deu um passo entre as
pernas abertas dela e se acariciou a verga. O rugoso apêndice era largo, de cor rosada e
bicuda.
Em lugar de penetrá-la, o nativo se deu volta e exibiu sua ereção ao grupo. Grunhindo, o
grupo começou a saltar para cima e abaixo. Alguns tocavam tambores.
O lakiano voltou sua atenção a ela, posicionando seu pênis para penetrá-la. RI tomou ar e
se preparou para a estrondosa chama que assinalava a série de explosões que Jac tinha
preparado.
O céu se acendeu com uma explosão. O lakiano desviou o olhar, dando vantagem ao RI.
Ela incrustou o talão no flanco da cabeça do lakiano. Deixou-o atordoado e seguiu com outra
capitalista patada justo sobre seu largo nariz. Ele caiu como uma rocha. RI recordou as
ordens do Jac e saltou para a esquerda da plataforma. Aproveitando a confusão e a matança
ocasionadas pelas explosões, RI correu para salvar sua vida.
Uns braços poderosos a apanharam, e seus seios se chocaram contra uma cava. Uma
lança aterrissou perto.
“Temos que sair daqui, já!”.
Ele se moveu, lhe agarrando a mão com a firmeza do ferro. Apesar dos espinhos que
cobriam a terra e se cravavam em seus pés descalços, RI correu. Caiu outra lança, que
não lhe deu por pouco. Jac se moveu para a esquerda para esquivá-la, forjando um atalho
ao redor das pedras que cobriam a paisagem.
“Corre! Não te detenha!”.

35
As poucas novelo que podiam sobreviver ao furioso sol do Lak cortavam os pés nus do RI.
A cobertura da terra se afinou até desaparecer, e foi substituída por rochas. O arco de um pé
se chocou contra o bordo de uma rocha. Ela trastabilló e quase cai. Jac a agarrou pela cintura
e a atirou para diante. Seu coração ameaçava estalando quando Jac diminuiu o passo. Apesar
de que a dor subia por sua perna, RI se obrigou a seguir movendo-se. O ritmo que impunha
Jac era exaustivo.
Correram ao menos outra milha para uma formação de rochas enormes. O ritmo
entrecortado da respiração dela e o feroz batimento do coração de seu coração eram os
únicos sons. Não havia tambores, nem gritos, nem lanças.
Tinham-nos deixado atrás?
O terreno rochoso deixou lugar à areia. Estavam à intempérie, expostos e vulneráveis. As
rochas se elevavam imponentes. Duas explosões mais acenderam o céu.
Quase três. Segue correndo.
Os músculos dela ardiam quando Jac começou a correr a toda velocidade. Finalmente,
Jac diminuiu a velocidade, guiando-a pelo estreito espaço entre duas grandes rochas.
Ela se inclinou contra seu peito e respirou profundo várias vezes.
Lhe agarrou a cabeça. “Está bem?”.
“Viverei. O transporte?”.
“Uma cápsula para duas pessoas. Vê essa formação rochosa?”.
As cápsulas estavam desenhadas para suportar temperaturas extremas, mas tinham uma
limitada reserva de combustível. RI olhou através da planície. Outro grupo de enormes rochas
se recortava contra a tênue luz da lua.
“A que distância?”.
“Mais longe do que parece. Uma vez que saímos, não podemos nos deter. Temos uma só
oportunidade para sair deste lugar. Não podia correr o risco de que os Laks o descobrissem”.
“Enviou-te Elite, a ti sozinho?”.
“Como seu monitor era o único que emitia um sinal, supusemos o pior. Eu esperei à
equipe a última vez e Dansi pagou por isso”.
Cada membro da equipe tinha um monitor implantado. Enquanto a gente estivesse vivo,
não importava em que condições, emitia um sinal.
Ele se tirou o colete e a camisa do uniforme. Logo cobriu os ombros dela com a camisa.
“Não te perderei, RI. Juntos, podemos obtê-lo”.
Ela deslizou os braços pelas mangas e enrolou os punhos para deixar sair suas mãos. Ao
menos sua camisa era o suficientemente larga para cobrir seu traseiro nu.
“Ódio deixá-los aqui”.
depois de ficar o colete, ele a atraiu entre seus braços e lhe beijou o cabelo. “Eu também.
Possivelmente agora Wath pressione ao exército”.
“Perdi-os”. Ela apertou os polegares com força contra a ponte de seu nariz para reter as
lágrimas. Não podia perdê-lo.
Nada tinha sentido. “Não nos atacaram. Não recordo ter sido capturada”.
Jac lhe acariciou as costas. “O que é o que recorda?”.
“Quando os robôs escavadores tomaram a amostra, saiu uma nuvem de pó de racth.
Lembrança que me afogava. Todos tossíamos e nos afogávamos. Pela atmosfera, não
sentimos a necessidade de selar nossos cascos e usar respiradores. Lembrança que
perguntei aos moços sua condição. Cris começou a cantarolar. Balder ria entre ataques de
tosse. Yung conseguiu dizer que se sentia excitado”.
“Excitado?”.
“De fato, quando eu deixei de tossir, senti-me eufórica. Cris começou a cantar. Recorda
essa noite que festejamos logo depois da missão ao Crotis?”.
“Sim. Ele estava tão bêbado que não podia nem caminhar. Eu o tive que levar. Cantou
todo o caminho até seu quartel”.
“Quão último recordo é sua voz. Quando despertei, estava atada nesse altar com uma
importante dor de cabeça. Como se tivesse tido a pior das ressacas”.

36
“Eu encontrei seus corpos. Tinham-lhes talhado a garganta. Nenhum deles tinha ativado
suas armas”.
“Você crie que eles simplesmente deixaram que os lakianos lhes aproximassem e os
degolassem? Nossos moços?”.
“Assim é como se via”.
RI sentiu como se um punho gigante lhe apertasse o coração. A ira se acumulava dentro
dela. Não podia acreditar que tivesse perdido aos três. Eles eram experimentados, os
melhores. “Não me posso imaginar como nos pôde ter imobilizado uma nuvem de racth”.

“Não pode ser. Eu trabalhei antes em escavações de racth. O pó da escavação não te


excita”. Dancer insultou. “Eu sabia que as coisas não quadravam. Dansi não foi…”.
Ele insultou outra vez. “vou voltar a procurar a amostra”.
Ao RI pulsava a cabeça. “Mostra-a?”.
“As últimas palavras do Dansi foram sobre a amostra. Eu não lhe emprestei atenção
nesse momento. Não me importou a amostra, mas ela sabia que o racth não era o objetivo”.
Os fatos começavam a ter sentido. “Wath não está procurando racth”.
“Aqui não. Tenho que conseguir a amostra”.
Ela o agarrou pelos braços. “Vou contigo”.
“Nem o pense. Você só me atrasará”.
“Aqueles som –eram– meus moços”.
“E meus amigos. Pensa como uma LU. Se não querermos perder outra equipe, devemos
averiguar o que é o que Wath está explorando realmente”.
A boca dele se posou sobre a dela. Apesar de que seus lábios eram firmes e o contato foi
breve, seu beijo dizia que lhe importava. Ele a soltou, atirou da unidade em sua boneca e a
apoiou sobre sua palma.
“Agora sua tarefa é sobreviver”. Os dedos dele se fecharam ao redor dos dela. “Se em
vinte minutos não estou de volta, corre para a cápsula. E não olhe para trás”.
Apesar da temperatura cálida, RI se sentiu fria e vulnerável sem os braços do Jac a seu
redor. Ela não iria a nenhuma parte sem ele.
“Tome cuidado, Jac. E date pressa. Se por acaso não o notaste, não levo postas calças”.
“Dava-me conta”.
Apesar da situação, a voz dele era sensualmente rouca.
“Encontrará uma mochila de sobrevivência na greta. Com comida e água”.
“Estarei te esperando”.
“Médio nua e me esperando. Isso eu gosto”.
Ele se dirigiu para o bordo das rochas. O coração do RI se inchou. Tratou de tragar saliva,
mas sua garganta estava seca. “Tome cuidado, Jac”.
depois de que ele desapareceu da vista, RI se meteu mais profundamente na greta da
rocha. Ela encontrou a mochila. Tinha água, barras nutritivas, uma pistola de raios e um estojo
de primeiro socorros de primeiros auxílios. Sedenta, bebeu um pacote de água.
Pondo seu peso sobre seu pé esquerdo, provou sua força. Seu pé já se inchava, o que
entorpeceria sua habilidade para correr. Abriu o estojo de primeiro socorros de primeiros
auxílios e procurou ao meço até que encontrou vários pacotes pequenos. Abriu um e
esparramou o gel que continha por seu tornozelo e arco. O gel se esquentou, estirou-se e se
amoldou ao pé e ao tornozelo. depois de que se esfriou o gel, RI provou o reforço temporario.
Ela devia estar em condições de correr.
Com a pistola de raios na mão, deslizou-se bem abaixo entre as rochas, envolveu seus
joelhos com seus braços e esperou.
“RI”.
Despertando bruscamente, RI levantou a cabeça e se sacudiu a letargia. Sua dor de
cabeça tinha diminuído.
“Jac”, sussurrou.
“Está bem?”. Ele ainda falava em voz baixa.
Ela se levantou. A coxa dele tocou o dela.
37
“Tenho a amostra. Estão-nos procurando mas assim que amanheça, forzosamente terão
que meter-se debaixo da terra. Podemos ir agora, ou esperar até o amanhecer. Teremos
pouco tempo. Se nos apanharem à intempérie, assamo-nos”.
Ela pôs a pistola de raios na mochila. “Você está em melhor posição para decidir”.
“Se saímos correndo, eles poderiam pensar que nos obrigaram a sair à intempérie. Se
tivermos sorte, não nos seguirão. Pensarão que estamos apanhados aqui fora e morreremos
quando sair o sol”.
“Quanto falta para que amanheça?”.
“menos de uma hora. Se formos mover, temos que ir agora”. “
“E se ficamos?”.
“Há uma fissura aberta mais dentro entre as rochas. O espaço é pequeno e baixo, mas o
sol não dá diretamente. Fora da cápsula, é nossa única oportunidade de sobreviver”.
depois de um dia no extremo calor, sua habilidade de manter um ritmo rápido era
questionável, e os lakianos teriam tido todo o dia para descansar e reagrupar-se.
“Corramos”.
Lhe agarrou a cabeça e baixou sua boca até a dela. Seu beijo rápido mas capitalista lhe
deu coragem e a reconfortou.
“Obteremo-lo, Jac”.
RI lhe alcançou a mochila de sobrevivência ao Jac. deslizaram-se fora de seu esconderijo
entre as rochas e começaram a correr.
A luz no horizonte obrigou ao RI a acelerar o passo. A pesar da dor que subia por sua
perna, e o batimento do coração em seu tornozelo, ela seguiu correndo. Logo a temperatura
subiria junto com o sol. Se eram apanhados à intempérie, não durariam muito.
O pé do RI se deslizou debaixo dela e caiu para diante, aterrissando sobre suas mãos e
joelhos. Sem dizer uma palavra, Jac a pôs de pé e a levantou sobre seu ombro. Enganchou
um braço por detrás das coxas dela, deu-lhe uma palmada sobre seu traseiro e arrancou.
O céu ficou vermelho, brilhando com o sol saliente. O coração do RI pulsava forte, ao
ritmo das rápidas pegadas das botas do Jac.
Com os punhos fechados, RI implorou que o obtivessem. Jac tinha posto em perigo sua
vida para salvar a dela e não queria perdê-lo agora por nada. O vermelho trocava a laranja
brilhante quando Jac lançou seu peso e o traseiro dela contra um objeto sólido.

Absorvendo o ar quente em grandes baforadas, Jac soltou suas coxas. RI se deslizou até
o chão e se apoiou contra a cápsula. Jac abriu a comporta e a empurrou em seu interior. logo
que RI se deixou cair sobre um assento, Jac lhe lançou a mochila. RI a apanhou.
Ele se arrancou a cava, empurrou-a a um lado e subiu detrás dela. Uma vez que tinha
assegurado a comporta, as luzes interiores os banharam com um brilho amarelo esverdeado.
Como não se podia parar dentro da compacta cápsula, ele permaneceu de joelhos. Tirou
a lata com a amostra de um profundo bolso lateral das calças do uniforme e abriu um fecho
embutido na parede da cápsula. depois de deslizar a lata por uma ranhura, ele fechou a
comporta.
RI tirou dois pacotes de água. depois de tomar, RI deixou cair os pacotes vazios dentro da
mochila e a sujeitou para o vôo.
Em lugar de acomodar-se no assento livre, Jac se desabou para frente e apoiou sua
cabeça contra as coxas dela.
Os ombros dele subiam e baixavam. “Acredito que me vai explorar o coração”.
Ela se estirou e passou os dedos por entre as curtas mechas de seu cabelo empapado de
suor. Não pôde falar por vários minutos. Finalmente, seu coração e seus pulmões se
acalmaram.
“Isso esteve perto. Obrigado, Jac”.
Ainda de joelhos, ele levantou a cabeça. Sua mão subiu pelas coxas nuas dela. “Abre sua
camisa e me agradeça de verdade”.
“Apenas se pode respirar e está pensando em ter sexo”.

38
Ele sorriu. “Desde que te pus os olhos em cima, não pensei em outra coisa. Faz dois anos
que a tenho parada”.
“Pobrecito, meu amor”. Ela envolveu seu pescoço com os braços e o aproximou. A ponta
de seu nariz tocou a dele. “Sexo em uma cápsula para dois, é possível?”.
Lhe roçou os lábios com os seus. “Quer que o averigüemos?”.
“Uma cunha apertada”.
“Sim, isso é”.
A diminuta cápsula deixava pouco lugar para mover-se. Desenhada para dois, qualquer
podia pilotear a nave, mas nenhum podia parar-se.
Lhe abriu a camisa e a tirou pelos ombros, revelando seus seios. Beijou-lhe a cabeleira, a
frente e as duas bochechas.
“Quero te tirar o dano, fazer se esquecer a dor. Se pudesse, beijaria-te como corresponde,
da cabeça aos pés”.
O coração do RI deu um tombo. Ela amava a este homem, seu poder e sua ternura.
Apesar de seu treinamento e suas habilidades, Jac a fazia sentir protegida. Durante anos, RI
se havia sentido obrigada a esconder sua feminilidade detrás de um uniforme e uma atitude
arruda e prática. Tinha que competir em um ambiente trabalhista dominado por homens e
provar que era capaz de liderar uma equipe experienta em situações perigosas.
Com o Jac, RI se sentia verdadeiramente, completamente feminina. Se queria chorar, ele
a beijaria para que suas lágrimas desaparecessem. Se ela necessitava um ombro, ele a
abraçaria.
Lhe roçou os lábios com os seus. “Você é o mais doce que conheço”.
Nenhum homem lhe havia dito doce antes. Cadela sim o tinha escutado mais de uma vez.
“Eu gosto de como memore, Jac Dancer”.
Ele se atirou para trás. “Nunca minto”.
“Doce?”.
Lhe levantou o queixo com seu grande emano e lhe aproximou. “Não há um homem na
estação que rechaçaria uma noite em sua cama”.
“Agora sim que está mentindo. Nenhum deles tentou atirar um lance sequer”.
“Não se queriam viver”.
“Você… Você não…”.
“Sim. Você me pertence. Só levou um tempo para que você me deseje o suficiente para
aceitá-lo”.
“Você sabia?”.
Lhe pôs a mão no ombro. “Pareceu-me que tinha dado um grande espetáculo na Mitia”.
Apesar de que a iluminação não lhe permitiu vê-lo, RI soube que suas bochechas se
ruborizaram da vergonha. “Você sabia que eu estava olhando?”.
“Eu estava usando minha mão, mas mentalmente te estava fazendo o amor a ti”. Ele
deslizou a mão e a colocou sobre seu seio. Sua mão era grande e estava morna. O mamilo
dela se estirou com antecipação.
“Tivesse-me metido dentro de suas calças naquele momento”, disse ele, amassando a
carne dela lenta e deliberadamente. “Mas você não estava lista para nos aceitar. Eu tinha a
intenção de esperar até que viesse para mim”.
Ela se arqueou, empurrando seus seios contra a palma da mão dele. “O que te fez trocar
de parecer?”.
“Esse vestido”. A voz do Jac era apenas um sussurro. “Via-te tão bem nesse pequeno
vestido negro”.
“Pu-me isso para te seduzir”.
“Funcionou”.
Ele se inclinou para diante e lhe lambeu o mamilo. A sensação de sua língua úmida e sua
respiração quente fez que um fogo a queimasse pela metade. Umas chamas de desejo a
lambiam entre as pernas, fazendo-a umedecer. Apesar de seu cansaço, ela se arqueou,
desejando, penando, necessitando-o. Sua pele ardia pelo contato das mãos e a boca dele.
Sua concha se contraiu.
39
Lhe levantou a cabeça e o insistiu a que chupasse. Ela necessitava que Jac apagasse as
lembranças do manuseio dos lakianos. Ajustando-se contra seu mamilo, Jac a banhou com
carícias doces e fortes de seus lábios e sua língua. Ele atirou e tironeó, agradou-a, de
uma vez satisfazendo-a e voltando-a louca de desejo.
Logo deixou seu seio e deslizou a língua até o ombro.
“me ame”.
Tirou-a dos quadris, empurrou-a para frente e acomodou suas coxas ao redor da cintura
dele. Lhe raspou a cara com os mamilos.
RI se tirou o cabelo se sua suada frente. “Devo lombriga espantosa”.
Ele enredou seus dedos entre o cabelo dela. “Vê-te formosa. Poderia ficar te olhando por
sempre”.
O coração dela golpeava forte contra suas costelas. “Por sempre é muito tempo”.
Com a cabeça inclinada, ele tocou os lábios dela com os próprios, roçando-os
brandamente. “Não é suficiente”.
Seu tom rouco enviou estremecimentos por sua coluna e um fogo que lhe queimava a
pele. O rígido vulto de sua ereção apertava o interior da coxa dela. Ela se estirou para
acariciá-lo.
“me toque”.
Ela abriu o fechamento das calças do Jac. Quando agarrou toda sua quente longitude, ele
gemeu. Os dedos dele se esticaram e se aferraram ao cabelo do RI.
“eu adoro suas mãos sobre mim, como me fazem sentir”.
Ela acariciou sua dura longitude, tironeando brandamente da ampla cabeça e passando a
ponta de um dedo pela grosa elevação de sua coroa. Seu verga se sacudiu. A concha dela
palpitava por ele.
“Faz-o outra vez”.
Ela voltou a deslizar a ponta de seu dedo ao longo da elevação. “Isto?”
Seu verga se sacudiu. “Sim”.
Ela acariciou a suave ponta, a grosa elevação e a larga extensão de sua haste. Sua larga
e dura verga se dobrou.
“Desejo-te, RI”.
Os lábios dele capturaram os dela, esfregaram-nos lentamente e lhe fizeram sentir sua
necessidade. As mãos dele se deslizaram da cabeça dela, pelos ombros, até os seios. Ele
tomou, amassou sua carne e roçou os tensos mamilos com seus polegares.
Ela trocou de posição o traseiro para acomodar seu verga. Moveu os quadris, insistindo-o
a que a penetrasse, enchesse-a, amasse-a. Os dedos dele se aferraram a seus seios, como
se os estivesse reclamando como deles. Os lábios do Jac se endureceram, tomaram posse da
boca do RI e a arrastaram dentro de seu fogo.
O lugar era tão pequeno que logo que podia mover-se. Ela moveu os quadris para levá-lo
mais para dentro de seu calor, estirando sua carne úmida e agonizante com uma lenta e
exuberante parcimônia. Quando esteve bem dentro, ele se estremeceu.

Deslizou sua mão até o traseiro dela e tomou um soco. Envolveu um braço ao redor de
sua cintura e a abraçou forte contra ele. Os seios dela se achataram contra seu musculoso
peito. Ele levantou a cabeça. “É tão lindo te sentir”.
RI sorriu e roçou sua queixada escurecida com a palma da mão. “O enfrentar-se com a
morte aumenta o impulso de procriar. O medo lhe dá um toque delicioso ao sexo”.
“Você lhe dá um toque delicioso ao sexo”.
Ela apertou seu verga, imitando brandamente como o faria com sua boca. Concentrada,
atirou avidamente de sua carne dura e quente. A resposta dele fez vibrar as paredes. Sua
concha se agitou e se aferrou a ele com intensidade.
Umas ondas rítmicas percorreram todo o comprido dele. Seu peito se agitou e os
músculos de suas costas tremeram debaixo das mãos dela. A pele dele se acendeu e se
tornou resbalosa pelo suor, enquanto os batimentos do coração se voltavam mais fortes.

40
Ela se prendeu a ele, acariciando-o e chupando seu verga com a concha. Seda úmida
obstinada a aço quente. Os músculos dos braços dele se sacudiam. Ela respirava com ofegos
ardentes, devido ao ansioso calor que aumentava em seu centro. Ela tinha o quadril apertada
dele com suas coxas, com um agarre mortal, e os dedos afundados em suas costas.
RI apertava e afrouxava, enquanto o fogo a cobria e a consumia, de uma forma tão
absoluta que se sacudiu. Seu coração pulsava com força; seu orgasmo se fragmentou e
esparramou por todos seus músculos e ossos.
A verga do Jac se contraiu, bombeando contra sua umidade, enchendo-a com seu prazer.
Exausta, com os músculos gomosos e débeis, RI se desabou novamente em seu assento.
Jac tomou ar e se apoiou sobre o peito dela. Ela o embalou em seus braços, com sua cabeça
acolchonada por seus seios.
Ele permaneceu em seus braços até que sua respiração se normalizou. Deu-lhe um beijo
em cada seio e levantou a cabeça.
Fechou sua camisa e disse: “Acendamos isto e nos larguemos daqui”.
depois de grampeá-los calças, deslizou-se sobre o assento ao lado dela.
“Ponha em posição”.
RI girou para a direita e Jac para a esquerda. Sentadas costas contra costas, prepararam-
se para separar. RI se estirou para colocar o casco. Logo, baixou a tela de controle.
Com a facilidade de um profissional, Jac os conduziu pelos passos a seguir.
“Vamos a casa”.
Embora a cápsula era uma bola de fogo tironeando para livrar-se da força de gravidade do
Lak, RI sorriu. A força de gravidade lhe apertou o peito ao entrar em uma órbita de alta
velocidade. Deram um violento giro ao redor do planeta antes de que Jac utilizasse os
propulsores. Lak liberou a cápsula para o espaço, igual a uma funda.

O rugido dos propulsores cessou e reinou o silêncio. A cápsula cambaleava lentamente no


espaço.
“Fixei o curso. Está bem? Como está sua perna?”.
Doía mas para quando chegassem à estação, estaria bem.
“Estou bem”.
“Quando as autoridades se enfrentem ao Wath, ele tratará de nos desacreditar e nos
perseguirá em nossos trabalhos”.
“Se essa amostra for uma droga tão forte como acreditam, é provável que venha por nós”.
“Certo. Está disposta a enfrentá-lo?”.
“Ele tem que pagar pelos moços e a Dra. Larii. Não podemos deixar que envie outra
equipe ao Lak. Jac, vamos na direção equivocada”.
“O porto espacial do exército está mais perto. Uma vez que a mostra esteja em mãos dos
militares, o motivo pelo que Wath quer os direitos de exploração exclusivos no Lak ficará
exposto. Wath poderá ter aos políticos no bolso, mas não tem ao Coronel Wotring. Eu servi
baixo as ordens do Wotring e ele me escutará”.
“O que tem que o Payts? Podemos contar com seu apoio?”.
“Poremo-nos em contato com ele do porto espacial. Quando souber por que morreu
Dansi, será o pior pesadelo do Wath. Não se preocupe, RI. Estamos juntos nisto. Nunca
deixarei que nada nem ninguém te faça mal”.
Se Wath os perseguia, Jac estava preparado para brigar.
“O que te parece um trabalho permanente, comigo, no planeta?”.
O coração do RI se contraiu. “Na Terra?”. Em casa.
“Ofereceram-me uma sociedade em uma assinatura de segurança que logo começa. É
uma muito boa oferta. Poderíamos trabalhar juntos e criar a nossos filhos”.
Meninos. Os meninos dele. “Você está preparado para deixar Elite?”.
“depois de descobrir ao Wath, Elite nos dará licença a ambos. Finalmente, deixarão-nos ir.
Quero me casar contigo, RI. Oficialmente. Irrevocablemente”.
A prática de casar-se oficialmente quase tinha desaparecido no último século.
“Payts disse que você foi tradicionalista”.
41
“Você sabe como sou com minhas armas”.
Jac tinha a reputação de ser insuportável em relação à condição de suas armas. Ninguém
se atrevia às tocar.
“Você significa mais para mim que qualquer outra coisa. Queria significar o mesmo para
ti”.
“Assim é, Jac. Assim é”.
“Isso é um sim?”.
Ela desejou poder tocá-lo, olhá-lo aos olhos. Teria que conformar-se com a felicidade que
percebeu na voz dele.
“Definitivamente, é um sim”.

42
ABDUCCIÓN
Lynn LaFleur
Capítulo uno
Michaela Ware cruzou os braços debaixo de seus generosos seios e moveu seu
pé com impaciência. Algum dia aprenderia a dizer que não quando Jax a
convidasse a uma festa. Ele festejava vigorosamente enquanto ela tomava uma
simples Coca Cola, porque sempre se oferecia a ser a condutora designada. Isso
não lhe incomodava, já que o álcool não a atraía muito de todas formas. O que
sim lhe incomodava era sempre ter que esperar até que seu amigo decidisse que
era hora de ir-se.
Ela não se envolveria para nada com ele se não o amasse tanto.
Às vezes o coração podia ser tão estúpido. Mike sabia que tinha mais chances de
que a partisse um raio que de ter uma relação séria com o Jaxon Greene. Com
seis pés e duas polegadas, cabelo marrom escuro comprido até os ombros, um
grosso bigode, olhos penetrantes cor cinza prateada e um corpo incrível… todo se
combinava para fazer dele um magnífico espécime masculino. Alguém tão bonito,
tão seguro de si mesmo, deveria ser desagradablemente presunçoso. Em troca,
ele era uma maravilhosa pessoa além de ser de aparência agradável.
A vida simplesmente não era justa.
Ela olhou ao Jax falar com uma loira esbelta com os seios chatos. Ele sempre
procurava mulheres altas, magras e sem busto, geralmente loiras. Mike se tocou
um cacho de seu comprido cabelo avermelhado. Com seu cabelo cacheado, seu
aspecto comum e seu corpo cheio, nunca seria mais que uma amiga do Jax. Ela o
tinha aceito fazia meses.
Só desejava que não lhe doesse tanto.
Jax tomou um pedaço de papel da loira e o deslizou dentro do bolso de sua
camisa. Provavelmente era seu número de telefone ou direção de correio
eletrônico. O Grande Semental anota de novo.
Como não suportou mais ficar aí parada para vê-lo flertar com outras mulheres,
Mike endireitou os ombros e caminhou para ele com passo firme. Ela ignorou à
loira parada junto ao Jax e o olhou direto à cara. “Jax, vou”.
“Está bem, Mike, não há problema”, disse ele, com os olhos ainda postos na cara
da loira. “Em uns minutos”.
“Não, em uns minutos não. Agora”.
Jax deu volta a cabeça e olhou ao Mike. Franziu o cenho levemente e esse gesto
lhe juntou as sobrancelhas. “O que acontece?”.
“Estou lista para ir. Se quiser que te leve a casa, será melhor que procure sua
jaqueta”.
A loira tocou o braço do Jax. “Eu te posso levar”.
com certeza que sim. “Bom. Como quer. Vemo-nos, Jax”.
Ela não esperou a ver se ele aceitava o oferecimento da loira ou não. Enquanto
procurava as chaves do automóvel no bolso dianteiro de seus jeans, Mike se
dirigiu à porta do frente.

43
O vento pegava contra sua cara e a fazia tiritar. Uma semana antes de Noite de
Bruxas sempre fazia temperaturas temperadas e agradáveis no norte do Texas.
Mas não este ano. Um frente frio tinha baixado a grande velocidade do Canadá e
tinha feito que as temperaturas descendessem aos níveis mais baixos registrados.
O pesado suéter que tinha posto tinha estado bem na cálida casa, mas não lhe
alcançava para estar fora. Mike se apurou para chegar a seu pequeno automóvel
esportivo, deslizou-se em seu interior e acendeu o motor. A bendita calefação saiu
das ventilações aos poucos instantes.
Mike olhou a casa enquanto manobrava marcha atrás. Jax saiu pela porta do
frente, colocando os braços dentro de sua grosa blusão de jeans.
Uma pequena parte dela se alegrou de que não tivesse aceito o oferecimento da
loira.
Ele se deslizou no assento do acompanhante com o cenho franzido. “Quem te
corre?”.
Mike manobrou seu automóvel entre duas caminhonetes e saiu marcha atrás para
a rua. “Ninguém me corre. Estava lista para ir, é tudo”.
Jax apenas se grampeou o cinturão quando Mike arrancou. Apertou o acelerador
mais do necessário. O automóvel saiu disparado para frente com um chiado de
cobertas, o que atirou ao Jax para atrás em seu assento.
“Por Deus, Mike, toma-o com calma!”. Esta não é a carreira de 500 milhas do
Indianápolis”.
“Se você não gostar de como conduzo, deixa que a loira tola te leve a casa”.
“Por isso está zangada, porque estava falando com o Tiffany?”.
Mike desviou o olhar. Tiffany. Um nome estereotípico para uma loira tola. “Não seja
estúpido”.
“Bom, algo te fez zangar. Você não é assim”.
“Ah? E como sou eu geralmente?”.
“É doce e bondosa. Não te zanga com facilidade”.
“Em outras palavras, sou aborrecida”.
“Eu não disse isso. Não ponha palavras em minha boca”.
“Ey, se quer perder seu tempo com outro pony de exibição, é seu problema”.
Ele riu em voz baixa. “Pony de exibição?”.
Mike o olhou zangada por atrever-se a rir das palavras que tinha eleito. “Parece-te
gracioso?”.
Jax se tocou o bigode. Ela pensou que o fez para esconder um sorriso. “Faz
menos de um ano que vivo no Texas, Mike. Ainda não conheço todas as
expressões locais. Quer me explicar o que quer dizer com ‘pony de exibição’?”.
Mike apertou o acelerador quando chegou a um semáforo que se estava pondo
em amarelo. Conseguiu cruzar a intercessão justo antes de que a luz ficasse em
vermelho. “Envolve-te com uma mulher –geralmente loira– que é pura beleza e
nada de cérebro. A sacas a desfilar como um pony em uma exibição eqüina.
Quando te cansa dela porque não consegue manter uma conversação inteligente
durante mais de trinta segundos, busca-te outra e repete o ciclo. É bastante
estúpido, Jaxon”.
“E suponho que você tem a solução perfeita para mim?”.

44
“Você poderia tentar te envolver com uma mulher que seja inteligente e rápida
para conversar, não só rápida para encamarse. Sal com uma mulher que não seja
loira. Sal com uma com busto, pelo amor de Deus!”.
“Como você, Michaela?”.
Ele disse seu nome completo com essa voz baixa e rouca e lhe fez sentir um
estremecimento que baixou por sua coluna. Ela o olhou rapidamente. Ele se
apoiou contra a porta, acariciando o bigode, e a estudou atentamente.
Mike apertou as mãos sobre o volante e voltou a emprestar atenção ao caminho.
“Está-te levando como um estúpido outra vez”.
“por que?”.
“Porque somos amigos”.
“Os amigos podem ser amantes, também”.
Lhe acomodou o cabelo atrás do ombro e lhe acariciou a nuca. O lento contato do
polegar dele contra sua mandíbula fez que ao Mike lhe cruzassem os olhos. Ele
nunca a havia meio doido, não assim… como um homem toca a seu amante.
Ela poderia voltar-se viciada em seu contato em um abrir e fechar de olhos.
Mike se repreendeu mentalmente por deixar-se levar por uma fantasia tola e abriu
a boca para lhe dizer que deixasse de gracejá-la. Uma estranha luz no céu a fez
deter-se antes de dizer uma palavra. Parecia uma estrela brilhante, só que o céu
estava coberto esta noite e não se via nenhuma estrela. A luz parecia pulsar,
passando do amarelo ao vermelho ao verde e repetindo outra vez o ciclo de cores.
“Olhe isso”.
Jax se inclinou para diante e olhou através do pára-brisa. “Que olhe que coisa?”.
“Essa luz. O que é?”.
“Não sei, mas parece como se viesse direto a nós”.
Mike ficou boquiaberta quando a luz se voltou mais brilhante e pareceu tragar-se
seu automóvel. Um segundo depois, a luz tinha desaparecido.
Mike sacudiu a cabeça e seguiu conduzindo para a casa do Jax. Ela se sentia…
diferente, mas não sabia por que.
“Está bem, Michaela?”, perguntou Jax brandamente.
“Sim, isso acredito. Isso foi estranho, não?”.
“Muito estranho”. Ele atirou de um cacho dela que estava perto de sua orelha.
“Possivelmente era um OVNI”.
“Ja, ja”.
Mike se meteu na entrada da casa do Jax. Deixou o motor aceso enquanto ele se
desabotoava o cinto de segurança.
“Quer passar a tomar um café?”, perguntou ele.
Não era estranho que lhe oferecesse passar a sua casa ou que ela aceitasse o
convite. Por alguma razão que não compreendia, ela se sentiu incômoda ao
pensar que estaria a sós com o Jax esta noite. Disse que não com a cabeça.
“Melhor vou a casa”.
“Ey, ainda é cedo. São só…”. Ele se deteve o olhar o relógio do tabuleiro. “O que
meu…? Está bem esse relógio?”.
“É obvio que sim”. Mike jogou uma olhada ao relógio. Seus olhos se aumentaram
pelo impacto. Dizia 5:48.

45
“Não pode ser, Mike. Deixamos a casa do Tim por volta das onze. São só vinte
minutos em automóvel desde sua casa até aqui”. Jax se moveu em seu assento
para olhar a de frente. “Seu relógio deve estar mau. Não posso ver o meu. Acende
a rádio”.
A expressão séria em seu rosto fez que Mike se estremecesse. Com a mão um
pouco tremente, girou a cavanhaque do volume.
“… altas hoje com quarenta e quatro graus e ventos do norte a uma velocidade de
entre quinze e vinte milhas por hora. Neste momento, são 5:49 e a temperatura é
de trinta e três graus”.
Começava a soar a canção “Hotel Califórnia”, enquanto Mike tratava de
compreender o que tinha escutado. As sete horas simplesmente se esfumaram.
Não era possível. Ao Mike começaram a suar as Palmas das mãos. “Não o
entendo”, sussurrou.
“Michaela, vêem aqui dentro comigo”.
Mike disse que não com a cabeça. “Preciso ir a casa”.
“Você precisa ficar comigo assim pensamos o que aconteceu”, disse Jax, com voz
firme.
“Não. Quero ir a casa. te baixe, Jax”.
O duvidou um momento e logo deixou sair um grande suspiro e se baixou do
carro. Com sua mão sobre a porta, inclinou-se para baixo e a olhou. “Chamarei-te
mais tarde”.
Como não queria discutir com ele, Mike assentiu com a cabeça. logo que Jax
fechou a porta, ela pôs marcha atrás e saiu arando da entrada.

Capítulo dois

Jax, parado na entrada de sua casa, olhou o automóvel da Michaela até que
desapareceu de sua vista. Ele desejava que ela não se foi. Algo lhes tinha
passado, algo que ele não entendia. Precisavam falar disso, a pesar do óbvio
temor dela.
Sete horas tinham desaparecido.
Jax procurou as chaves no bolso de sua jaqueta e se dirigiu lentamente para a
porta de entrada. Não tinha sentido. Todo esse tempo não pôde simplesmente
desvanecer-se, mas assim foi. Com quinze anos de jornalista, nunca tinha visto
nada igual.
Jax pendurou sua jaqueta no perchero detrás da porta do frente e se dirigiu ao
sofá. esparramou-se sobre o suave couro e se tirou o comprido cabelo da cara
com ambas as mãos. Ele tinha trabalhado em periódicos grandes, conhecidos em
todo o país, em Nova Iorque, Boston, Washington D.C. e Chicago. Apesar de que
havia talher muitas historia, incluindo “sucessos paranormais”, ele nunca tinha
conhecido a ninguém que tivesse perdido horas de seu tempo.
Quando trabalhava para os grandes periódicos, levava um ritmo agitado,
trabalhava em horários extravagantes e não tinha nenhum tipo de vida social.
Todo isso o decidiu, quase um ano atrás, a mudar-se ao Texas e trabalhar para um
periódico de uma pequena cidade. Gostava do ritmo mais lento do lugar, a
interação com as pessoas, muitas das quais agora conhecia pelo nome. Tinham
compartilhado muitas histórias com ele… historia de sua vida, de suas famílias.

46
Entretanto, nenhuma como a que ele e Mike acabavam de viver.
Jax suspirou profundamente e descansou sua cabeça no encosto do sofá. Ao
pensar na Michaela sempre se sentia… quente por dentro. lhe gostava, gostava
de verdade, de uma maneira que nenhuma outra mulher lhe tinha gostado. Ela era
diferente de todas as que tinha conhecido… doce, graciosa, considerada. Nunca a
tinha escutado dizer algo mau sobre outra pessoa. Mesmo assim, ele percebia um
fogo dentro dela, um fogo que queimava sem chama esperando que o homem
indicado o fizesse reviver.
Ele valorava sua amizade como um tesouro, mas isso era tudo o que tinham em
comum. Ele tinha brincado lhe dizendo que os amigos também podiam ser
amantes. lhe gostava de provocá-la e ver como seus olhos se aumentavam e suas
bochechas se ruborizavam. Eles eram amigos, cupinchas. Ele sentia que podia
falar de algo com ela. Nunca tinha tido esse tipo de relação, essa camaradagem,
com uma mulher. Por preservar essa amizade especial com a Michaela, ia a
outras mulheres para ter sexo. E sim, tinha que admitir que suas possibilidades
com as mulheres ultimamente tinham sido… nulas, exceto pelo sexo. Isso nunca
faltava. Então o que importava se as mulheres não o podiam manter entretido em
uma conversação por mais de uns minutos? Para o sexo não fazia falta conversar.
Seu argumento soa pouco convincente, Greene.
Odiava admitir que Michaela tinha razão, que tinha escutado mais a seu verga que
a seu cérebro ultimamente.
Colocou a mão no bolso de sua camisa e tirou o pedaço de papel com os números
de telefone da casa e o celular do Tiffany. Ela tinha deixado bem em claro que
estaria feliz de sair com ele. Demônios, virtualmente lhe colocou a mão nas cueca
na cozinha do Tim. Fácil? Ah, sim, ela seria realmente fácil.
Ele não sentiu nenhum desejo absolutamente de chamá-la.
Enrugou o papelito e se inclinou para diante para atirá-lo sobre a mesa ratona. Ele
fez uma careta quando seus jeans apertaram seu dolorido pênis.
“Maldição”, murmurou.
Jax se tornou para trás no sofá outra vez e acomodou a ajustado tecido de jeans
sobre sua virilha. Se não soubesse que não foi assim, juraria que tinha passado a
noite agarrando como louco. Como sabia que isso era impossível, não tinha idéia
por que lhe podia doer a verga.
A curiosidade fez que se desabotoasse os jeans e tirasse o haste de sua cueca. O
forte aroma de sexo chegou a seu nariz.
“Que diabos...?”.
Jax seguiu investigando como o faria qualquer bom jornalista, levantou as mãos
até o nariz e cheirou. Tinham aroma de concha.
Em algum momento nestas últimas sete horas, era óbvio que tinha tido sexo e não
o recordava.
Sentiu que uns calafrios galopavam por suas costas. Isso simplesmente não era
possível. Deveu ter sido uma espécie de sonho desenquadrado ou alguma
brincadeira pesada. Ao Tim adorava fazer brincadeiras a seus amigos,
especialmente em suas festas. Devia ser isso. De algum jeito, seu amigo tinha
armado tudo isto para fazer que Jax pensasse que se esqueceu de sete horas de
sua vida –sete horas que incluíam uma agarrada selvagem–.

47
Jax se passou a mão pelo cabelo. Nem sequer Tim lhe poderia ter feito uma
brincadeira semelhante e definitivamente não tinha o conhecimento suficiente para
fazê-lo.
O que nos passou, Michaela?
O jornalista dentro dele bramava por investigar, descobrir o que passou.
Especialmente queria saber se Michaela estava bem. Deveu ter insistido para que
ela entrasse em sua casa e ficasse até estar seguro de que estava bem.
Uma noite sem dormir deveu havê-lo esgotado, mas ele estava muito excitado
para dormir. Primeiro tomaria banho, logo comeria algo antes de ir à casa do Mike.
Jax deixou cair sua roupa no canasto e ficou debaixo da chuva cálida. Inclinou a
cabeça para trás e deixou que a água se deslizasse por seu corpo durante um
momento, desfrutando da sensação que produzia a água sobre sua pele nua.
tirou-se a água dos olhos e alcançou a garrafa de shampoo.
A sensação de seus dedos sobre seu couro cabeludo o fez deter-se. Alguém havia
meio doido sua cabeça pouco tempo atrás. Alguém se tinha agarrado de seu
cabelo enquanto o beijava. Mas isso não era possível. Não tinha estado com
ninguém mais que Mike, e ela não o tinha beijado.
Jax se ficou quieto enquanto lhe formava uma imagem na mente…
A luz se filtrava pelo vidro e ressaltava o cabelo avermelhado do Mike. Jax lhe
aconteceu a mão, uma e outra vez, enquanto desfrutava de seu peso e sua
textura. Tão suave. Jax se inclinou para diante, afundou seu nariz nas mechas
aneladas perto de sua orelha. Flores. O cabelo dela cheirava a flores.
O ritmo rápido da respiração do Mike fez que Jax se afastasse e a olhasse aos
olhos. Seus olhos verdes o olharam, grandes e cheios de insegurança.
“Tem medo, Michaela?”, sussurrou ele.
“Sim”, respondeu-lhe ela em voz baixa.
“por que?”.
“Porque eu não… me temo que te desiludirá comigo”.
Jax riu em voz baixa. “Alguma vez poderia me desiludir contigo, Michaela, é que
você não sabe?”.
“Não tenho muita… experiência”.
“Eu tampouco, contigo. Não sei o que é o que você gosta e que não”. Lhe
acariciou a mandíbula e lhe levantou a cara para olhar mais profundo dentro
desses olhos incríveis. “Aprenderemos juntos”.
Seus lábios cobriram os dela com um tenro beijo. A boca de lhe pareceu como um
suave e quente veludo. O beijo dela foi dúbio ao princípio, com os lábios fechados.
Jax esperou, para lhe dar tempo a relaxar-se e lhe responder. Ele mordeu
brandamente, depois aliviou o efeito das mordidas com uma suave varrida de sua
língua.
O gemido do mais profundo da garganta de lhe fez ferver o sangue.
Ainda sem querer apurá-la, Jax fez que o beijo fora lentamente mais profundo.
Inclinou a cabeça para um lado e deslizou sua boca sobre a dela, enquanto
introduzia sua língua pela abertura de seus lábios. Suas ações foram premiadas
por um incremento em seu ritmo respiratório. Ela se aferrou à cintura dele,
amontoando sua camisa em seus punhos, e abriu esses lábios carnudos e
sedutores. Ele aproveitou imediatamente e lançou sua língua dentro da boca dela.

48
Ela se relaxou em seus braços e separou os lábios ainda mais. A língua dela tocou
a dele, só um poquito, antes de atirar-se para trás. Jax teria sorrido se não tivesse
estado tão absorto em lhe devorar a boca. Ele queria estar dentro dela… de todas
as maneiras possíveis.
Jax lhe aproximou e passou uma mão por seu cabelo para lhe sustentar a cabeça
como ele queria. Lentamente, deslizou a outra emano por suas costas até que
descansou sobre a curva de seu arredondado traseiro. Finalmente, pôde tocá-la
como ele queria, como tinha ansiado fazê-los durante meses.
O seguinte passo pôs sua virilha em contato com o estômago dela. Ele moveu
seus quadris de lado a lado e a roçou com sua crescente ereção. Ela se esticou
por um momento, mas em seguida voltou a relaxar-se e se aferrou à cintura dele
com mais força ainda.

Jax se separou da boca do Mike o suficiente para sussurrar: “me envolva com
seus braços”. Não esperou a estar seguro de que ela obedeceria sua ordem e a
voltou a beijar. Não se cansava dessa deliciosa boca. Só a necessidade de
oxigênio o fez mover seus lábios até o pescoço dela. Uma suave dentada de seus
dentes, um golpecito de sua língua e a escutou gemer.
lhe encantou esse som… o som de que ela se rendia a seus sentimentos.
Jax sentiu que as mãos dela subiam por seu torso. Lhe agarrou o cabelo, para
mantê-lo no lugar a fim de que não a soltasse.
Como se houvesse uma remota possibilidade de que isso acontecesse.
Sua respiração se tornou mais entrecortada. Jax agarrou seu traseiro com ambas
as mãos e a aproximou de sua virilha. O agudo ofego de prazer dela fez que seu
controle se quebrasse. Sem poder esperar mais, procurou com estupidez o
fechamento de seus jeans…
“Deus!”. Jax gemeu em voz alta quando o orgasmo se aferrou de suas bolas.
Não se deu conta de que tinha começado a bombear com seu verga até depois de
acabar. Incapaz de parar-se direito sobre suas pernas trementes, apoiou-se contra
a parede da ducha para sustentar-se.
Latido. De onde saiu isso? Jax fechou os olhos, respirou fundo e exalou
lentamente. Não entendia o que lhe acabava de passar. Ele não sonhava
acordado com a Michaela regularmente. E não parecia uma fantasia, a não ser
uma lembrança. Não era possível. Nunca tinha intimado com o Mike, nunca a
tinha beijado.
E entretanto, poderia jurar que viu a luz do sol refletida no cabelo da Michaela. Ele
pôde escutar seu gemido de prazer. Ele pôde saborear seus beijos, sentir seus
dedos aferrando-se a seu cabelo, acariciando suas costas…
Jax deixou sair seu próprio gemido de prazer.
Deixou que a lembrança continuasse e viu a cabeleira avermelhada do Mike. Ela
geralmente usava o cabelo recolhido em uma rabo-de-cavalo, mas algumas vezes
–como esta noite– o levava solto e caía sobre seus ombros. Essa pele de marfim,
esse simpático nariz escoiceado, esses lábios carnudos… todo se combinava para
fazê-la formosa. Mas Mike não parecia dar-se conta do bem que se via. Não fazia
muito por atrair o olhar de um homem, por fazer que a notasse como mulher. Sua
maquiagem era virtualmente inexistente, sua roupa simples e pouco sentadora
para sua figura.

49
Sua figura sexy e voluptuosa.
Poderiam ser só amigos, mas isso não queria dizer que Jax não tivesse notado
esse corpo incrível, que não tivesse fantasiado tocando esses seios exuberantes.
Seu verga se agitou ao imaginar-se tirando o sustento ao Mike, para que seus
seios caíssem em suas mãos. Ele os acariciaria, esfregaria seus mamilos com os
polegares, enquanto ela arqueasse suas costas e fechasse os olhos de prazer.
Ele não se deteria depois de lhe tirar o sustento. Lhe tiraria toda a roupa, pouco a
pouco, até que pudesse sentir sua pele contra a dele. ajoelharia-se diante dela e
abriria os lábios de sua vagina com os dedos. Jax tragou saliva ao imaginar-se
passando sua língua pela cremosa concha até encontrar seus clitóris. Ele o
chuparia até fazê-la acabar.
Quando esteve seguro de poder mover-se sem que suas pernas o
abandonassem, Jax fechou a água e abriu a porta de vidro. Agarrou uma toalha e
se secou o corpo rapidamente. Planejava conduzir até a casa dela logo que
estivesse vestido. Tinha um montão de perguntas, e Mike era quão única tinha as
respostas.

Capítulo três

Mike se deu volta para a direita e lhe deu um murro a seu travesseiro, tratando de
acomodar o vulto em algo que realmente se parecesse com um travesseiro e não
a uma rocha. Não recordava que seu travesseiro fora tão incômodo.
Tampouco recordava que seu corpo estivesse tão incômodo.
Mike fez uma careta ao mover-se na cama. Sentia pequenos puxões em seus
músculos. Sentia a zona entre as coxas torcida e dolorida, quase como se tivesse
estado várias horas tendo sexo. Como estava segura de que isso não tinha
passado, não entendia o por que dessa sensibilidade.
Toda essa noite tinha sido um mistério.
Sete horas tinham desaparecido. Simplesmente não podia acontecer, mas
aconteceu. Jax e ela tinham estado juntos, e ele tinha experiente o mesmo. Ambos
tinham visto o relógio no tabuleiro do automóvel. Ambos escutaram ao disc jóquei
anunciar a hora.
Mike não se assustava com facilidade. Isto a assustava.
Dormir seria impossível, não importava quanto desejasse só perder a consciência
durante um momento. Mike suspirou e se deu volta para ficar de costas. Boqueó
ao sentir que as telhas raspavam seus sensíveis mamilos. tomou os seios com as
mãos e esfregou brandamente as protuberâncias com os polegares. Estavam
duras e muito sensíveis.
Sua experiência sexual incluía um total de três homens. Só um deles tinha sido
um bom amante e tinha sido incrível. Tinha-lhe ensinado a desfrutar de seu
corpo… como tocar, onde tocar, para lhe dar mais agradar. Seus mamilos estavam
muito acima na lista. Sempre tinha querido que eles recebessem muita atenção,
por isso geralmente ficavam sensíveis depois de fazer o amor.
Como neste momento.

50
Ela voltou a passar os polegares rapidamente sobre seus duros mamilos. Não
entendia por que estavam tão sensíveis. Fazia meses que não tinha sexo com um
homem e fazia dias que não se tocava os mamilos. Enquanto continuava
acariciando-se, lhe formou uma imagem na mente… uma imagem de uns lábios
grossos envoltos ao redor de um duro mamilo…
Mike atirou sua cabeça para trás, apoiou as mãos sobre o escritório detrás dela e
suspirou de prazer. Podia sentir como Jax lhe chupava brandamente o mamilo em
todo seu corpo. Ai, o fazia tão bem!”. Ele não somente se prendia de seu mamilo e
tratava de chupá-lo até desprendê-lo, mas sim o fazia o amor, usando toda sua
boca.
“me diga se fizer algo que você não goste”, sussurrou ele contra seu seio.
“Farei-o. até agora não há problema”.
Ela sentiu que os lábios dele se curvavam. Jax levantou a cabeça e lhe sorriu. “Eu
gosto da mulher que sabe o que quer”.
“Eu sei exatamente o que quero”. Mike afundou seus dedos no cabelo dele e
atirou até aproximar o de volta a seu seio. “Mais”.
Ele obedeceu instantaneamente, tomando ambos os seios com as mãos enquanto
lambia seu mamilo direito. Seu mamilo esquerdo recebeu uma larga lambida de
sua língua antes de que ele voltasse a parar-se. “pensei em ti, perguntava-me
como te veria debaixo da roupa solta que sempre leva posta”. As mãos dele
amassavam seus seios, enquanto seus polegares faziam círculos ao redor das
auréolas uma e outra vez. “São formosos, Michaela”.
Sua adulação lhe enfraqueceu o coração… e o resto do corpo.
até agora, ela tinha recebido todas as cuidados do Jax. Não se queixou de seus
beijos apaixonados, nem de quando lhe tirou o suéter pela cabeça.
Definitivamente não se queixou quando lhe tirou o sustento e começou a tocá-la.
Mas agora tocava a ele mostrar um pouco de pele. “te tire a camisa”.
Jax seguiu acariciando seus seios. “tire-lhe isso para mim”.
O aspecto sexy e fumegante de seus olhos chapeados fez que Mike tragasse
saliva. Ela fechou os punhos um momento antes de alcançar o botão superior de
seu pulôver Henley. Tinha-o visto sem camisa muitas vezes, mas nunca de tão
perto, tão... intimamente.
Ao abrir o botão superior pôde ver um pêlo escuro sobre o peito. Viu mais pêlo
quando ele se desabotoou lentamente os três botões restantes até a metade do
peito. Ela o abriu e lhe deu um beijo sobre a pele morna.
“Michaela”, disse ele com voz profunda.
“Mm?”. Ela tomou ar profundamente. O aroma de almíscar e a homem fez dar
voltas a cabeça.
“me tire a camisa”.
“Estou ocupada”. Ela o lambeu do centro do peito até o pescoço.
Ele apertou seus dois mamilos entre os polegares e os índices. “Não deveria me
provocar quando te tenho literalmente em minhas mãos”.
Ela se sentiu travessa e sorriu enquanto atirava de sua camisa para tirar a de
dentro dos jeans. “Se quer me machucar, essa não é a maneira de fazê-lo. Eu
gosto que me apertem os mamilos”. Lhe aconteceu as mãos por debaixo da
camisa e sobre seu estômago. O pêlo crespo o fazia cócegas nas mãos.

51
Mike decidiu que já o tinha provocado muito quando escutou grunhir ao Jax.
Nunca tinha ouvido grunhir a um homem. Ele se tirou a camisa pela cabeça e a
deixou cair ao chão. Só teve um momento para admirar esse glorioso peito antes
de que o esmagasse contra seus seios.
Ela não teve nenhuma queixa a respeito.
Jax envolveu seus braços ao redor dela e a beijou avidamente. Ele disparou a
língua por entre seus lábios para enredá-la com a língua dela. Mike não podia
respirar, as sensações eram tão poderosas. Nunca havia sentido um desejo tão
entristecedor, tanta necessidade de unir-se a um homem. Ela se aferrou a sua
cabeça e se fez um festim com sua boca.
Sentia suas mãos entre os dois corpos. Já lhe tinha desabotoado os jeans, mas
não tinha baixado o fechamento. Isso trocou rapidamente. Quando sentiu que o
fechamento lhe raspava, Mike conteve a respiração.
Jax levantou a cabeça e lhe fez um sorriso malicioso. “Agora é meu turno de
provocar”.
Os golpes na porta de adiante fizeram saltar ao Mike. Confundida, olhou a seu
redor no dormitório, esperando ver o Jax.
Ele não está aqui. Estava sonhando acordada.
Mas parecia tão real. Seu corpo ainda vibrava com desejo insatisfeito. Seus seios
se sentiam pesados, seus lábios vaginais estavam úmidos e inchados. Poderia
jurar que esteve com o Jax… beijando-o, tocando-o…
Os golpes se escutaram outra vez, seguidos por três curtos timbrazos. Mike atirou
as telhas, levantou-se precipitadamente da cama e agarrou sua grosa bata de
felpa do chão. Envolveu seu corpo nu com ela enquanto se apurava para chegar à
porta principal.
Ao espiar pela mira descobriu a um Jax com cara de zangado parado em seu
pequeno alpendre. Um raio de desejo ziguezagueou por seu corpo e terminou em
seus clitóris. Ela não podia deixá-lo entrar, não depois da intensa fantasia que
acabava de ter. Possivelmente poderia retornar a seu dormitório e esconder-se
debaixo da cama.
“Abre, Mike”, disse Jax em voz alta. “Sei que está em casa”.
Basta de esconder-se. Mike se ajustou o cinturão da bata e abriu a porta.
Jax estava parado com os ombros encurvados exposto ao forte vento do norte.
“Levou-te o bastante”, disse ele com o cenho franzido.
“Estava deitada”. Mike se fez a um lado para deixar entrar no Jax. “Passa. O vento
é frio”.
“Me vais dizer isso para mim?”.
Jax cruzou a soleira e Mike fechou rapidamente a porta. Ela respirou fundo para
juntar coragem, deu-se volta e se apoiou contra a porta para sustentar-se. “O que
está fazendo aqui?”.
Jax se tirou a jaqueta de tecido de jeans e a lançou sobre o sofá. “Precisamos
falar”.
Mike temia que dissesse isso. “Do que?”.
“Pelo que nos passou esta noite”. Com as mãos no quadril, ele a enfrentou.
“Tenho que conseguir compreendê-lo, Mike. Está-me voltando louco. Perdemos
sete horas!”.
“Isso não é possível”.

52
“Então me explique onde se foi o tempo”.
Mike não pôde fazê-lo, então permaneceu calada.
Jax se passou uma mão pelo cabelo enquanto começava a ir e vir pelo pequeno
living-comilão. “Pensei que Tim possivelmente nos estava fazendo uma de suas
brincadeiras pesadas. Logo me dava conta de que Tim não é tão preparado para
pensar em um pouco tão grande”.
Mike não acreditava que Tim fora o suficientemente preparado para partir um ovo,
mas não o ia dizer ao Jax.
Ele deixo de caminhar e a olhou. “me ajude, Mike. Temos que descobrir o que
aconteceu”.
“Você é o jornalista de investigação de fama mundial. Eu sou só uma fotógrafa”.
Jax franziu novamente o cenho. “É uma fotógrafa incrivelmente talentosa, além de
uma mulher inteligente. Não te atire abaixo”.
Sua adulação lhe fez cócegas a seu ego, mas ela não se sentia muito inteligente
neste momento. Ela não podia explicar essas sete horas perdidas. As distintas
possibilidades a aterravam. “Não sei o que aconteceu, Jax”, disse ela
brandamente, “e me dá medo pensá-lo”.
Seu cenho franzido desapareceu. Cruzou a habitação para parar-se frente a ela.
Levantou uma mão e lhe roçou a bochecha com o polegar. “Não tenha medo,
Michaela”.
Mike conteve a respiração. Lhe tinha escutado dizer essas mesmas palavras fazia
pouco tempo…
“Não tenha medo, Michaela”.
“Não tenho medo”.
“Então, por que está tremendo?”.
“Porque te desejo tanto”.
Jax sorriu. “Essas são as palavras que adora escutar ao homem”. Ele acariciou
seus seios outra vez e lhe beijou o pescoço. “Eu também te desejo”.
Mike sacudiu a cabeça para desterrar a fantasia e concentrar-se novamente no
verdadeiro Jax. As sobrancelhas dele se juntaram ao franzir o cenho novamente.
“Está bem?”.
Mike estava molesta pelos pensamentos sexuais que seguiam irrompendo em sua
cabeça e disse o primeiro que lhe ocorreu. “Não, não estou bem. Tenho
constantemente…”.
Ela se deteve e se mordeu o lábio. Quase lhe contava sua fantasia erótica. Isso
era algo que nunca poderia admitir-lhe
“Tem constantemente que coisa?”.
“Nada”. Mike passou por ao lado dele e se dirigiu à cozinha. “vou fazer café”.
“Não quero café, Mike”. Ele a agarrou por braço e a atraiu bruscamente para ele.
“Quero falar”.
Ela estava lista para arreganhá-lo por tratá-la com violência, mas se deteve antes
de falar quando notou para onde olhava. Ela olhou para baixo para ver que sua
bata se abria. A metade de um seio cor nata aparecia.
Jax levantou a vista lentamente até chegar à cara dela. “Está nua debaixo dessa
bata, Michaela?”.

53
Capítulo quatro

O adorável rubor que apareceu a suas bochechas respondeu a pergunta do Jax.


Mike não tinha nada debaixo dessa bata. Ela disse que tinha estado na cama. Isso
devia querer dizer que ela dormia nua.
Mike, que se vestia com roupa que não era sentadora e usava pouca maquiagem,
não usava nada para dormir exceto o traje com o que nasceu.
O esboço de um sorriso se desenhou nas comissuras do Jax. “Dorme nua, Mike?”.
Ela fechou as lapelas de sua bata bruscamente e se ajustou o cinturão. “Isso não
é teu assunto”.
“Em minha experiência, como um jornalista de investigação de fama mundial,
quando alguém evita responder uma pergunta, é geralmente porque a resposta é
sim”.
“Às vezes pode ser tão fastidioso, sabia?”.
Jax sorriu. “Sim”.
“Necessito café”, murmurou Mike.
Jax riu pelo baixo e a seguiu à cozinha. sentou-se no desayunador entre a cozinha
e o comilão e a olhou enquanto preparava o café. De tanto gracejá-la, quase
esqueceu o verdadeiro motivo de sua visita.
Quase.
“Precisamos descobrir o que nos passou, Michaela”.
Ela olhou fixamente o escuro líquido que caía dentro da jarra de vidro, como se
escondesse as respostas para obter a paz mundial. Jax pensou que ela o fazia
para evitar olhá-lo. “Está-me escutando?”.
“Sim”.
“me olhe, então”.
Ele viu como o peito dela subia e baixava com uma respiração profunda quando
deu volta sua cabeça para ele. “Assim está melhor”, disse ele brandamente.
“Quero te olhar aos olhos quando falo contigo”.
A garganta dela se moveu ao tragar saliva. Tirou a língua rapidamente para lamber
o lábio inferior. Uma imagem mental o sacudiu, uma lembrança dessa língua sobre
seu corpo…
Mike empurrou o peito do Jax até que teve que dar um passo para trás. “O que
está fazendo?”.
“Quero que troquemos de lugar”. Ela saltou do escritório. Jax desfrutou desse
movimento porque fez que seus seios ricocheteassem. “Sente-se”.
“Estava do mais contente parado entre suas pernas”.
“me dê o gosto”.
Desejoso de satisfazê-la –e de uma vez extremamente curioso por saber o que
planejava fazer– Jax obedeceu. ergueu-se sobre o escritório, com as pernas
abertas, e as Palmas das mãos sobre a madeira, que ainda conservava o calor do
corpo dela. Mike avançou entre as pernas dela. Lhe tocou as coxas e se olhou as
mãos enquanto as subia e as baixava por suas pernas. A respiração do Jax se
acelerou quando essas mãos suaves se aproximaram de sua virilha, mas não se
moveu. A atenção dele ia e vinha entre as mãos dela e esse sedutor pedaço de
pele que se via através de seus jeans abertos.
Ele queria agarrar esse precioso umbigo com sua língua.

54
Seu olhar se passeava das mãos dela a entrepierna dele. A ponta de um só dedo
percorreu o comprido de sua ereção.
“Deve estar incômodo com esses jeans ajustados”.
“Nu estaria melhor.”
Esses incríveis olhos verdes se cravaram na cara dele. “Você gosta de estar nu?”.
“eu adoro estar nu”. A ti não?”.
Ela não respondeu sua pergunta. Em troca, inclinou-se para diante e lhe beijou o
centro do peito outra vez. Jax inalou profundamente e fechou os olhos. Os lábios
dela se sentiam tão suaves e quentes contra sua pele. Ela tirou a língua e lhe
acariciou o bico da mamadeira esquerda.
“Michaela”, disse com voz rouca.
Lentamente, a língua dela percorreu seu peito até seu bico da mamadeira direita.
Ela rodeou a dura protuberância, logo fez a viagem de volta até o bico da
mamadeira esquerda. Jax passou uma mão por debaixo do cabelo dela e lhe
massageou brandamente o couro cabeludo enquanto sua boca o amava.
A mão dele se aferrou a seu cabelo quando sentiu que o dedo dela estava na
cintura de seus jeans. Contendo a respiração, ele esperou a que ela liberasse seu
verga do estrangulador material.
Mike seguiu movendo a boca por seu corpo enquanto lhe desabotoava os jeans.
Jax se inclinou para trás e apoiou sua mão livre sobre o escritório detrás dele.
Olhou como essa rosada língua dava voltas entre o pêlo de seu estômago.
afundou-se em seu umbigo. Jax se esqueceu de como respirar quando lhe lambeu
a pele entre a abertura de seus jeans.
O som de seu fechamento o fez tomar ar. apoiou-se um pouco mais e levantou os
quadris. Se não lhe tocava a verga logo…
A mão do Mike se deslizou em sua cueca e lhe tocou a dura carne. Jax gemeu,
apertou o cabelo dela em seu punho e tratou de aproximar mais sua boca a seu
pau. Lhe tirou as cueca. Seu verga saltou livre, dura e palpitante, contra seu
abdômen.
“Lambe-a, Michaela”.
Ela o olhou aos olhos enquanto acontecia a língua da base de sua haste até a
cabeça...
“Jaxon!”.
Jax se sobressaltou quando Mike disse seu nome estridentemente. “O que?”.
“Perguntei-te se queria café”.
“Ah, sim. Seguro”.
Jax se moveu na banqueta e atirou da braguilha de seus jeans. alegrou-se de
estar atrás do desayunador, assim Mike não podia ver sua ereção. Não entendia
por que tinha constantemente lembranças eróticas do Mike quando nunca tinham
feito o amor.
Ele seguiu os movimentos dela enquanto enchia duas jarras com café e tomava
nata líquida da geladeira para ele. A bata lhe abriu um pouco, deixando à vista seu
peito e um indício da fenda entre seus seios. Ele sabia que os mamilos dela eram
cor rosa escuro, as auréolas muito mais pálidas e do tamanho de uma moeda
chapeada de um dólar. Tinha um pequeno lunar marrom debaixo de seu seio
direito e um na curva do soco esquerdo de seu traseiro.
Ele não poderia saber essas coisas a menos que tivesse visto seu corpo.

55
Ela apoiou um jarro frente a ele antes de tirar do dela. Em lugar de tomar seu café,
ele envolveu o jarro quente com suas mãos. “Está lista para falar do que nos
passou?”.
“Não sabemos o que nos passou”.
“E isso te assusta”.
Ela assentiu com a cabeça.
“Então averigüemo-lo”.
“De que maneira?”. Ela apoiou seu jarro no desayunador com tanta intensidade
que o café se derramou. “Como o averiguamos? Não temos idéia de onde se
foram essas sete horas. Tudo o que sei é que tive…”. Ela se deteve. Abriu grandes
os olhos e se mordeu o lábio inferior.
Seu deslize o intrigou. “O que tiveste o que?”.
“Nada”.
“Não, não. Essa resposta não é o suficientemente boa”. Jax se levantou de sua
banqueta e rodeou o desayunador. parou-se diante dela, a não mais de seis
polegadas de distância. “Termina a oração”.
Ela deu um passo para trás, até que seu traseiro se chocou contra o desayunador
e não pôde retroceder mais. “Não é importante”.
“Para mim sim o é”.
Ela desviou o olhar. Jax lhe tocou o queixo. “Seja o que seja, me pode contar isso
Você sabe”.
Mike olhou para baixo um momento antes de olhá-lo. “Não é nada. Sério”.
Não lhe acreditou, mas não a pressionaria se não estava lista para falar. Em troca,
beliscou-lhe a ponta do nariz. “De acordo. Você me diz quando estiver preparada,
sim?”.
Lhe sorriu sem forças. “Muito bem”.
Possivelmente precisavam distrair suas mentes do mistério, ao menos por um
momento. “Tenho uma idéia. Vístete que te levarei a tomar o café da manhã fora”.
“Eu posso cozinhar algo…”.
“Para que cozinhar se não ter que fazê-lo? vá vestir te”.
“Preciso me dar uma primeiro ducha”.
“Quer que te lave as costas?”. Jax a gracejou, com a esperança de fazê-la sorrir
de novo.
Ela levantou um pouco o queixo. “Não acredito”.
Jax sorriu quando Mike saiu da habitação com pasitos curtos. lhe encantava
incomodá-la.
Seu sorriso desapareceu. Mike e ele tomariam um depravado e tranqüilo café da
manhã, logo tinham que falar sobre essas sete horas que perderam. De algum
jeito, descobririam o que passou.
Jax não poderia descansar até que resolvesse o mistério.

Capítulo cinco

Mike se parou debaixo da ducha cálida e deixou que golpeasse sobre sua cabeça.
Não podia acreditar que esteve a ponto de lhe contar ao Jax suas fantasias
sexuais. haveria-se sentido absolutamente mortificada se ele descobria que ela
tinha sonhado acordada com ele de uma forma tão real esta manhã.

56
Ou foi uma lembrança.
tirou-se o cabelo molhado da cara. Não, não foi uma lembrança. Uma pessoa não
podia ter uma lembrança de algo que nunca passou.
A água pareceu um pouco fria ao Mike. Levantou a barra de sabão e a sustentou
entre seus seios enquanto se inclinava para ajustar a temperatura. Ao olhar o
sabão, uma imagem veio a sua mente… a imagem de algo mais entre seus
seios…
Ela o olhou aos olhos enquanto acontecia a língua da base da verga até a cabeça.
Ela quase sorriu ao ver que os olhos dele ficaram desfocados.
“Você gosta disso?”, perguntou ela antes de lhe passar a ponta da língua ao redor
da cabeça.
“Ah, sim”, disse ele com voz rouca. “Muito”.
“Levanta os quadris”.
Ele a obedeceu instantaneamente. Mike atirou de seus jeans e cueca até a
metade das coxas. Agora as duas mãos dela estavam livres para acariciá-lo. Ela
envolveu sua haste com os dedos e os moveu lentamente para cima e para baixo
por toda sua longitude.
“É grosso”.
“Sim”. Sua voz soava estrangulada.
Ela seguiu acariciando-o enquanto ele bombeava com seus quadris. “Pode acabar
se te toco assim?”.
“Ai, sim”.
Mike queria vê-lo nu, então lhe tirou a roupa e a deixou cair no piso. Seguindo um
impulso, ela se inclinou para diante e acomodou a verga entre seus seios. “Assim
o que te parece?”.
Ele respirou profundo. “Por Deus, Mike!”.
“Você não gosta?”.
“Não posso…”. Ele se deteve e atirou a cabeça para trás. “Deus, que bem se
sente”.
Mike não podia acreditar que esses movimentos valentes e atrevidos saíam dela.
Ela não era virgem, mas nunca tinha sido tão descarada com um homem.
Esta nova liberdade se sentia bem.
Mike juntou ainda mais seus seios. Ela acariciou toda a longitude da verga do Jax
durante uns segundos, logo o soltou para tomá-lo com a boca. A língua dela
umedeceu sua haste exaustivamente antes de voltar a colocá-lo entre seus seios.
Ela repetiu a seqüência uma e outra vez, até que Jax a agarrou pela cabeça e
afastou sua boca dele.
“Detenha!”.
Mike franziu o cenho. Ela estava desfrutando de muito para deter-se. “por que?”.
Jax tomou sua cara entre as mãos e a beijou com intensidade. “Porque estava por
me acabar”.
“Isso quero”, disse ela brandamente.
“E o que tem que ti, Michaela?”.
Jogou uma olhada à pequena habitação. O único móvel que tinha era o escritório
onde Jax estava sentado. “Bom, não é que vá te dar volta e a dormir”.

57
Jax riu em voz baixa. “Não. Não o farei”. Ele passou a mão pelo cabelo dela.
“Quero acabar. me acredite, quero acabar. Mas quero que você acabe primeiro”.
Ele a voltou a beijar e sussurrou em seu ouvido: “Quero colocar a língua em sua
concha”.
Suas palavras fizeram que sua cara se ruborizasse. Até aqui chegou sua nova
liberdade. Com vinte e nove anos, a palavra “concha” ainda a fazia ruborizar.
“Deixará-me fazer isso?”, Jax perguntou antes de beijá-la uma vez mais.
Seus clitóris pulsava e uma morna nata umedecia sua calcinha ao pensar em sua
boca sobre ela. Mike disse que sim com a cabeça.
Jax lhe deu outro beijo ardente que deixou suas pernas débeis antes de que ele
se deslizasse até o chão. deixou-se cair de joelhos, agarrou seus jeans e os
baixou lentamente por suas pernas. Quando chegaram a suas pantorrilhas, ele foi
por suas calcinhas. Elas também percorreram lentamente o caminho de suas
pernas. Mike se tirou os sapados com os pés e se aferrou aos ombros do Jax
enquanto lhe tirava a roupa. Ela supôs que ele ficaria de pé uma vez que ela
estivesse nua. Em troca, ficou ajoelhado diante dela e deslizou suas mãos para
cima e para baixo pela parte exterior de suas pernas, enquanto seu olhar a
percorria.
“Tem um corpo formoso, Michaela”.
Ele inclinou sua cabeça para trás e a olhou à cara antes de concentrar sua
atenção entre suas coxas. Despenteou seus avermelhados cachos púbicos com a
ponta de um dedo. As comissuras dele se curvaram em uma careta.
“Acredito que não há dúvida de que é uma tinta natural”.
Sua brincadeira a fez sorrir. “Não, não. Não há dúvidas sobre isso”.
“Acredito que as tintas são muito sensuais”. Ele se inclinou para diante e lhe
acariciou a vulva com o nariz. “Você é muito sexy”.
Mike não podia acreditar que esse era Jax –o homem que adorava, o homem que
tinha amado do primeiro momento que o viu– quem lhe estava dizendo essas
palavras maravilhosas. Ela não podia acreditar que era Jax o que a tocava, abria
seus lábios com os polegares e lhe acontecia a língua pelo clitóris.
Ela gemeu.
Ele a lambeu lentamente; sua língua explorava as dobras para encontrar todos os
lugares que lhe davam prazer. Mike fechou os olhos e simplesmente centrou sua
atenção no momento. Abriu mais suas pernas, e levantou os quadris para
aproximar seus clitóris a essa língua incrível…
Mike deixou de esfregar o clitóris e colocou dois dedos em sua concha quando o
orgasmo lhe subiu rapidamente pela coluna. Seu corpo se sacudiu, suas pernas
tremeram. Teve que morder o lábio inferior para não gritar. Ela não queria que Jax
soubesse que se estava masturbando na ducha.
Não tinha idéia de quanto tinha estado baixo a água, fantasiando com o homem
em sua cozinha. Deveram ser vários minutos. Se ela não se apurava a vestir-se,
Jax estaria lhe golpeando a porta logo.
A idéia de que Jax entrasse em seu banho, visse seu corpo molhado e nu, fez que
seus clitóris palpitasse apesar de seu recente orgasmo.
Mike ensaboou sua pele e se enxaguou na refrescante água. secou-se
rapidamente, envolveu-se com sua bata e abriu a porta.
Jax estava parado no corredor, apoiado contra a parede.

58
“Necessita ajuda para te vestir?”, perguntou ele arrastando a voz.
O vapor saiu do banho e os envolveu. Vê-lo tão logo depois de sua fantasia
erótica fez que o corpo do Mike se esquentasse, mas o vapor não teve nada que
ver.
Ele a gracejava com freqüência. Mike sempre lhe respondia com outra brincadeira.
lhe encantavam suas amigáveis brincadeiras, as risadas que compartilhavam. Isto
não se parecia com as brincadeiras de costume. Isto parecia ser… de verdade.
Está desejando coisas que não existem. Ele não sente por ti quão mesmo você
sente por ele.
Mike se acomodou o cabelo molhado detrás das orelhas. “Faz muito tempo que
me visto sozinha, obrigado”.
“Arrumado que não é nem a metade de divertido que se eu te ajudasse”.
“Pensei que aos homens gostava de despir a uma mulher, não vesti-la”.
Ele baixou o olhar até seus seios por um instante. “Despir também é divertido”.
Ela se perguntou, por um instante de loucura, o que faria ele se ela aceitasse seu
oferecimento. O que aconteceria ela se estirava e lhe tocava o peito, deixava que
sua mão se deslizasse por seu estômago até o bordo de seu mergulhador dos
Ursos de Chicago? O que aconteceria ela deslizava a mão por debaixo desse
mergulhador e tocava sua pele nua?
Mike fechou os punhos justamente para não fazê-lo e deu um passo atrás.
“Vestirei-me assim nos vamos tomar o café da manhã. me dê quinze minutos”.
Ela se apressou para seu dormitório antes de que ele pudesse fazer um
comentário e fechou a porta detrás dela.

Capítulo seis

Jax apoiou a mão brandamente sobre a parte mais fina das costas do Mike
enquanto a mesera os conduzia a uma mesa em um recinto reservado no fundo
do restaurante. Ele tinha pedido privacidade, ou toda a privacidade que pudessem
conseguir no restaurante grande e familiar que gostava ao Mike.
Ele esperou que ela se deslizasse no cubículo, logo se sentou em frente. A
mesera fez um grande sorriso e lhes alcançou o menu, primeiro ao Mike, logo ao
Jax. Ele pediu café para ambos, caso que isso faria que a mesera se fora. Mas em
troca ela seguiu ali, como se tivesse todo o dia para esperar seu pedido, antes de
que olhassem o menu sequer.
“O que aconteceu esse café?”, perguntou Mike.
O sorriso desapareceu da boca da mesera ao olhar ao Mike. “Ah, sim, é obvio. Em
seguida volto”. Voltou a sorrir quando olhou novamente ao Jax antes de retirar-se.
Mike meneou a cabeça. “Não importa onde vamos. As mulheres se amontoam a
seu redor como os abutres com uma zarigüeya morta”.
Jax não pôde evitar rir da analogia. O acento texano dela sempre era um pouco
mais pronunciado quando usava o que ele chamava “sureñismos”. “Bom, não
estou seguro de que eu goste de ser comparado com uma zarigüeya morta”.
“Sabe o que quero dizer. É tão bonito que as mulheres não podem evitá-lo”.
Nunca lhe havia dito que era “bonito”. Embora a imagem do Jax não rompia
nenhum espelho, nunca lhe tinha emprestado muita atenção a seu aspecto. Tinha-
o herdado de seus pais. Ele simplesmente tratava de ver-se o melhor possível.

59
Ao escutar a adulação do Mike, seu coração se inchou. “Você crie que sou
bonito?”.
Suas bochechas se ruborizaram levemente e logo ela levantou esse obstinado
queixo. “Não seja modesto, Jaxon. Você sabe que é arrumado”.
Ele se encolheu de ombros. “Não o tinha pensado. Não sou eu o que deve me
olhar”.
“me acredite, te olhar não é nenhum sacrifício para ninguém”.
“me importa o que você pensa, Michaela. Não me importa o que pensem outros”.
Isso era certo. Jax não se deu conta até este momento quanto lhe importava a
opinião do Mike.
Ele apoiou o cotovelo sobre a mesa e descansou a cabeça sobre seu punho.
Estudou-a enquanto ela estudava o menu. O cabelo dela caía anelado até seus
ombros. Tinha posto pouca maquiagem, mas ele se deu conta de que se pôs
máscara para pestanas. Eram largas de todas formas, mas a máscara cor marrom
escura as fazia ver mais largas, mais grosas.
Seu olhar se deslocou lentamente até sua boca. Lábios suaves e carnudos, o
inferior úmido porque o acabava de molhar. Um pescoço comprido de marfim.
Lindos ombros, nem largos, nem estreitos tampouco. Uns seios exuberantes, com
esses mamilos rosados…
Ele ainda não entendia por que sabia a cor exata de seus mamilos.
Mike fechou o menu e o deixou perto do bordo da mesa. “Eu vou comer um wafle
acompanhado com presunto”.
“Você sempre come um wafle acompanhado com presunto”.
Ela sorriu. “Eu gosto dos wafles”.
Ele sabia. Ele sabia tantas coisas sobre ela. O que não sabia era por que
perderam sete horas de sua vida a noite anterior.
“Temos que falar do que nos passou, Mike”.
Seu sorriso desapareceu rapidamente. “Sei”.
“Tem alguma teoria?”.
A mesera voltou antes de que Mike pudesse responder sua pergunta. Jax pediu
wafles e presunto para ambos, já que não queria perder tempo olhando o menu,
assim a mesera se ia de novo. Ele apreciava seu óbvio interesse nele, mas tinha
coisas mais importantes em mente agora que uma conquista.
Quando a mesera se foi, ele repetiu a pergunta. “Tem alguma teoria?”.
Mike disse que não com a cabeça. “Queria ter uma, mas é um total mistério para
mim. Essas sete horas simplesmente se esfumaram”.
“Mierda”. Jax se passou a mão pelo cabelo. “Possivelmente sim era um OVNI, e
nos raptaram. Isso sim que tem mais sentido que qualquer outra coisa que me
possa ocorrer”.
Quando Mike não riu de sua piada, Jax franziu o cenho. “Ey, não falava a sério”.
Mike se acomodou o cabelo detrás das orelhas. Olhou a seu redor, como vigiando
para estar segura de que não podiam ouvi-la. inclinou-se para diante e apoiou os
antebraços sobre a mesa. “E se isso é realmente o que aconteceu? E se
realmente fomos raptados?”.
Jax se reclinou lentamente em seu assento, com a boca aberta. Não podia
acreditar o que acabava de dizer Mike. “Não pode estar falando a sério”.

60
As bochechas dela se ruborizaram levemente. “Sei que sonha amalucado. Sinto-
me como uma louca ao dizê-lo. Mas o que outra explicação há?”.
“Tem que haver alguma”.
“Você me contou que tem coberto historia sobre abducciones extraterrestres”.
“Bom, sim, mas nunca as acreditei”.
Mike inclinou a cabeça. “por que não? Quem pode dizer que não há vida em
algum lugar lá fora? Realmente crie que a Terra é o único planeta habitado neste
universo enorme? Não seria isso… arrogante?”.
Dito dessa maneira, Jax não soube como responder suas perguntas. Sempre tinha
pensado que a gente que entrevistava sobre seus “abducciones” simplesmente
procurava atenção. Nunca acreditou que alguém –ou algo– os tivesse levado em
uma espaçonave.
“Está de acordo com que poderia haver outras formas de vida lá fora?”, perguntou
Mike.
“Estou de acordo que é possível. O universo é grande”. Ele se inclinou para frente
e apoiou as mãos sobre os antebraços dela. “Isso não significa que fomos
abduzidos. por que nos escolher a nós? Não somos especiais”.
“Não sei. Só sei que tenho continuamente…”.
Ela se deteve e abriu grandes os olhos.
Afastou os braços dele e se reclinou sobre seu assento.
Pela terceira vez esta manhã, ela não tinha terminado a oração. Os olhos do Jax
se entrecerraron. Ele tinha que averiguar o que escondia ela. “Tem
constantemente que coisa?”.
“Nada”, disse ela rapidamente, sem olhá-lo.
“Michaela, me responda. Tem constantemente que coisa?”.
A mesera chegou com seus cafés da manhã antes de que Mike dissesse nada
mais. Jax amaldiçoou a interrupção em silêncio. Mike começou a comer com
voracidade, obviamente sem nenhum apuro por lhe fazer uma confidência.
Bem. Ele comeria seu café da manhã também e logo a voltaria a interrogar.
Mike pôde sentir que Jax a observava enquanto comia. Tratou de atuar com
normalidade, fazendo como que os olhos dele não estavam perfurando um buraco
em seu couro cabeludo, como se tratasse de lhe ler a mente.
A metade do café da manhã, Mike deixou de comer. Seu wafle se começou a
aumentar em seu estômago e não lhe deixou lugar nem para um miolo mais. Um
olhar ao prato do Jax lhe mostrou que ele não tinha o mesmo problema. Ele
inundou o último bocado de wafle no xarope de arce em seu prato e o levou a
boca.
Jax correu o prato vazio a um lado e levantou seu jarro de café. “por que pensa
que fomos abduzidos?”.
“Não disse que fomos abduzidos, pinjente que era uma possibilidade”.
As sobrancelhas dele se juntaram ao franzir o cenho. “Está bem, de acordo. por
que pensa que é uma possibilidade que nos tenham abduzido?”.
“Porque realmente penso que há outras formas de vida fora da Terra. E acredito
que é uma possibilidade que as outras formas de vida sejam mais avançadas que
nós, que possam viajar através do espaço, quando nós não desenvolvemos a

61
tecnologia para fazê-lo ainda. Possivelmente sentem curiosidade sobre nós, então
eles… tomam emprestados durante um tempo para ver como nos… funcionamos.
Ou possivelmente alguns até vivam aqui conosco”.
Jax não disse nada. Mike se encolheu em seu assento. Ela não se envergonhava
de suas idéias, mas possivelmente este não era o momento apropriado para as
compartilhar com o Jax.
Ele apoiou o jarro sobre a mesa com um forte ruído. “Vamos ”.
Ela ficou boquiaberta ao vê-lo juntar sua jaqueta do assento ao lado dele. “ir ?”.
“Sim”. Ele ficou de pé e tirou a carteira do bolso traseiro. “Essa mesera vem para
aqui outra vez”. Ele tirou um bilhete de vinte dólares, pô-lo sobre a mesa e se
estirou para agarrar a mão do Mike. Ele a pôs de pé de um suave puxão. “Quero
falar disto em privado”.

Capítulo sete

Jax permaneceu em silencio durante o trajeto de volta à casa do Mike. Ela o


olhava com freqüência, perguntando-se se deveria tratar de começar uma
conversação. Ele tinha o cenho franzido, como se estivesse concentrado em seus
pensamentos. Ela decidiu não incomodá-lo, acomodou-se em seu assento e olhou
a paisagem pela janela.
Mike notou um casal parada perto de um automóvel estacionado quando Jack
diminuiu a velocidade por um semáforo. O homem lhe agarrava a cara à mulher e
a beijava. A imagem frente a ela se desvaneceu. Outra imagem atravessou
velozmente a cabeça do Mike…
Jax lhe aconteceu a língua pelo clitóris uma e outra vez, até que o orgasmo
galopou pelo corpo dela. Lhe debilitaram as pernas e os joelhos lhe afrouxaram.
Só os fortes braços do Jax ao redor dela evitavam que caísse.
De pé, Jax a agarrou pela cintura, deu-a volta e a acomodou sobre o escritório.
Jax tomou sua cara entre as mãos e a beijou com intensidade. Seu bigode estava
úmido com os sucos dela. Mike podia sentir o sabor de si mesmo em seus lábios,
em sua língua.
Era tão erótico, sentir o sabor de si mesmo e dele ao mesmo tempo.
Ela sentiu os dedos dele entre as coxas. Mike separou suas pernas um pouco
mais e lhe deu lugar para que a tocasse como ele quisesse.
“eu adoro quão molhada está”, ele sussurrou contra os lábios dela.
“Sua língua me deixou assim”.
“Minha língua ajudou, mas isto é mais que nada teu”. Ele levantou a cabeça e a
olhou aos olhos enquanto empurrava dois dedos dentro de sua concha.
Mike respirou com um vaio e arqueou as costas. sentia-se tão bem quando ele a
tocava.
“Estou-te machucando?”.
“Não, não. É maravilhoso”.
“Nesse caso…”. Pelos lábios dele cruzou um sorriso malicioso. “Vejamos quantas
vezes posso te fazer acabar”.
Ele empurrou seus dedos mais para dentro dela e os fez girar um pouco antes de
pressionar para cima. Mike boqueó de prazer.

62
“Encontrei seu ponto G, não?”, perguntou ele, com um sotaque de arrogância na
voz.
“Ai, sim”. Mike se inclinou para trás e apoiou seu peso sobre sua mão, deixando
seu corpo completamente aberto para ele. “Esfrega-a mais duro”.
Ele a obedeceu imediatamente e aplicou mais pressão com movimentos
circulares. “Como se sente isto?”.
Mike suspirou. “Perfeito”.
“Levanta seus pés e apóia-os no escritório”.
Ela o fez e deixou que suas pernas ficassem bem abertas. Jax lhe acariciou o
mamilo direito com sua mão livre enquanto seguia movendo seus dedos dentro
dela. Mike fechou os olhos e se mordeu o lábio inferior para não gritar. Outro
orgasmo se aproximava, já quase chegava…
Chegou ao topo quando Jax atirou de seu mamilo esquerdo com seus lábios e
chupou com força.
“Jaxon!”. Ela não pôde evitar gritar quando o prazer alagou seu corpo. Ela sacudiu
seus quadris e se montou sobre as ondas até que se desvaneceu o último
ondulação. Só então pôde abrir os olhos outra vez.
Jax estava parado frente a ela, com a verga dura e os olhos ferozes de desejo. Ele
se via como se a queria devorar por completo.
Mike se apoiou no escritório. “Tome ”,sussurrou ela.
Jax tirou os dedos do corpo dela. Deslizou os braços por debaixo de suas coxas,
levantou seus quadris e conduziu sua haste dentro dela com uma só investida.
A falta de movimento na caminhonete trouxe para o Mike de volta de sua fantasia.
Sacudiu a cabeça e pestanejou para poder enfocar a vista de novo. Desejou poder
controlar seu corpo com facilidade. Sua pele estava quente, pegajosa. Seu
coração pulsava com força. Sua concha choramingava. Seus mamilos penavam.
Mike soube que uma lambida sobre seus clitóris a faria acabar-se.
Como não podia conseguir nenhum alívio agora, respirou fundo e exalou
lentamente. Quando esteve segura de que podia falar sem comer-se nenhuma
palavra, deu volta a cabeça e olhou ao Jax.
Ele estava sentado com o braço esquerdo ao redor do volante, o braço direito
sobre o encosto do assento, olhando-a.
Mike tragou saliva. Ele não podia saber como se sentia justo agora… como
ansiava fazer realidade suas fantasias. Desejou poder levá-lo dentro de sua casa
e conduzi-lo ao dormitório. Empurraria-o sobre sua cama e não o deixaria
levantar-se pelo resto do dia.
Ele abriu a porta e se baixou da caminhonete antes de que Mike pudesse dizer
nada. Ela o viu rodear o capô até chegar de seu lado. Sempre um cavalheiro,
onde fora que foram juntos em automóvel, lhe abria a porta e lhe estirava a mão
para ajudá-la.
Em lugar de soltar sua mão uma vez que ela se baixou da caminhonete, ele a
seguiu agarrando enquanto caminhavam até a porta traseira da casa dela. O
coração do Mike começou a pulsar com força outra vez. Um pouco tão simples
como ter os dedos dele entrelaçados com os seus lhe subiu à cabeça.

63
Mike abriu a porta e deixou passar ao Jax à cozinha. Ela se tirou a jaqueta e a
pendurou de uma das cadeiras de seu pequeno rincão para tomar o café da
manhã, enquanto olhava ao Jax que fazia o mesmo. Seu corpo ainda vibrava com
desejo. Parar-se perto dele não ajudava.
Ela decidiu que devia fazer algo normal para acalmar seus hormônios, deu-se
volta e caminhou até a cafeteira elétrica. Fez-o em não mais de dois passos. Jax a
empurrou contra a mesada e a encurralou entre seus braços.
“O que te passou em minha caminhonete, Michaela?”, perguntou-lhe
brandamente.
Mike olhou fixo os olhos tempestuosos dele. Como não podia lhe dizer a verdade
por nada, procurou freneticamente em seu cérebro uma mentira convincente. “Não
me passou nada”.
“Não me venha com tolices, Mike. Vi-te olhar a esse casal que se beijava. Vi-te te
esfregando os braços, te movendo no assento”. Ele baixou a vista até seus seios.
“Vi como lhe endureciam os mamilos”.
Ele voltou a olhá-la aos olhos. As emoções nos olhos dele tinham trocado. Ainda
tempestuosos, também refletiam calor… e desejo.
“Olhar ao casal fez acordar de algo?”.
“Não sei do que está falando”. Separou seu olhar do olhar de sabichão dele e lhe
empurrou o braço esquerdo para tratar de liberar-se. “me solte”.
“De maneira nenhuma. Não até que tenhamos esclarecido isto”.
Era o mesmo que se empurrasse uma vara de aço. Seu braço não se moveu. Ela
seguiu tentando, decidida a escapar dele antes de que lhe escapasse algo do que
se arrependeria.
“Estávamos em uma habitação branca”, disse Jax brandamente.
Suas palavras fizeram que ela se congelasse. Lentamente, ela o olhou à cara. “O
que?”, disse ela sem forças.
“Tudo era branco: o chão, as paredes, o forro do teto. Não havia portas. Não havia
janelas. Havia um grande clarabóia no forro do teto. O único móvel na habitação
era um escritório grande. Acredito que era de mogno”.
O coração do Mike começou a pulsar com força. Ele estava descrevendo sua
fantasia. Não era possível. “Como…?”.
“Estávamos parados no centro da habitação”, seguiu ele antes de que ela pudesse
terminar a pergunta. “Eu não estava seguro do que fazer. Acredito que você
tampouco sabia. Você estava parada quieta, com os braços cruzados sobre seu
estômago, olhando freneticamente cada rincão da habitação.
“Procurando uma saída”, sussurrou ela.
Jax assentiu com a cabeça. “Isso é o que imaginei. Logo depois de uns minutos,
soubemos que não havia forma de sair. Começamos a falar…”.
“Sobre nossos trabalhos…”.
“E nossa amizade. Eu te fiz uma brincadeira sobre seu cabelo cacheado”. Ele
tocou o cabelo dela e envolveu um grosso cacho ao redor de seu dedo. “Seu
cabelo é formoso, Michaela, não cacheado”.
Ela sentiu as pálpebras pesadas quando lhe aconteceu a mão por debaixo do
cabelo e começou a acariciar seu pescoço.
“Eu te tocava assim…”.
“Você me beijou…”.

64
“Você também me beijou”. Ele lhe aproximou. “Pelo clarabóia entrava a luz do sol.
Ressaltava seu cabelo, o fazia ver brilloso. Eu seguia passando minha mão por
ele. Não me cansava de tocá-lo”.
“Você me perguntou se tinha medo”.
Jax assentiu com a cabeça. “Você disse que sim, que temia que eu me desiludisse
contigo. Eu te disse que nunca poderia me desiludir contigo”.
No estômago do Mike se alojaram mil mariposas que lutavam por seu próprio
espaço. Foi real. Não tinha sido uma fantasia, nem tinha sonhado acordada. Ela
realmente esteve com o Jax nessa habitação. Eles em realidade haviam…
“Fizemos o amor”, disse ela, com voz tremente.
Ele a agarrou mais forte do pescoço. “Sim, fizemo-lo”.
“Bom, é obvio que o fizeram”, disse uma estridente voz masculina. “Assim o
planejei exatamente”.

Capítulo oito

Jax se deu volta, empurrando ao Mike automaticamente detrás dele para protegê-
la com seu corpo. Havia um homem parado a seis pés deles. Tinha cabelo escuro
penteado para trás e cara redonda. Sua generosa textura estava coberta por um
traje branco. Jax notou com um olhar a seu corpo que até os sapatos do homem
eram brancos.
Algo nele se via familiar…
Mike tocou o braço do Jax ao inclinar-se para um lado dele. “Claud?”, perguntou
ela, com a voz cheia de descrença.
O homem sorriu. “Olá, Michaela”.
“O que está fazendo aqui? Como entrou?”.
Jax olhou ao Mike por cima de seu ombro. “Conhece-o?”.
“Ele é um dos porteiros do periódico. Você não o conhece?”.
Jax se encolheu de ombros. “vê-se algo familiar”.
“Não se sinta mal por não me reconhecer, Jaxon. Hoje me vejo um pouco diferente
de como me vejo no periódico. Além disso não te vejo com a freqüência que vejo a
Michaela”.
O fato de que ele sabia seus nomes não fez sentir nada cômodo ao Jax.
Aproximou do Mike mais perto de seu corpo.
“Vejo que ainda tem dúvidas sobre mim”, disse Claud. “me deixe me apresentar
formalmente”. Ele golpeou seus talões, um contra o outro, e baixou a cabeça.
“Claudius Ulysses Pervis Ichabod Derryberry Oswald, a seu serviço”.
“Claudius Ulysses Per… C Ou P I D Ou? Você é Cupido?”.
Esta vez, Claud se inclinou cortesmente. “Sim, sou-o”.
Jax soprou da risada. “Sim, claro”.
Claud franziu levemente os lábios. “Dúvidas de mim?”.
“Bom, me desculpe, Cupido”, disse Jax enquanto sacudia a mão em direção ao
Claud, “mas você não te vê absolutamente como um querubim que leva um arco e
uma flecha”.
“Patranhas. Uma imagem que criaram para vender cartões o dia de São Valentín.
Asseguro-lhe isso, sou Cupido. E sou o responsável por que vocês dois
estivessem juntos nessa habitação”.

65
Mike deu um passo desde atrás do Jax antes de que ele tivesse oportunidade de
detê-la. “Você é o responsável? Não nos raptaram uns alienígenas?”.
Claud sorriu com ternura. “Foram abduzidos, Michaela, mas não por alienígenas.
Observei-os desde que Jaxon deveu trabalhar ao periódico. Sei quanto o ama”.
Jax girou rapidamente a cabeça para olhar ao Mike. Toda sua cara se ruborizou.
“Você me ama, Michaela?”, perguntou ele brandamente.
Ela cruzou os braços debaixo de seus seios, mas não o olhou.
“Sim, ela te ama”, disse Claud, “tanto como você a amas a ela. Como vocês dois
não tinham apuro por levar adiante sua relação para onde deveria estar, decidi
que era tempo de… lhe dar um empurrãozinho à questão”.
Jax ficou boquiaberto. Seguro, queria ao Mike. Queria-a muito e valorava sua
amizade. Mas amá-la? “Bom, espera um minuto…”.
“Ah, não te veja tão conmocionado, Jaxon. Pensa-o. Ela é primeira a que acode
quando tem escrito um artigo que te orgulha. Ela é a única mulher com a que
pudeste compartilhar seus verdadeiros sentimentos. Ela é quão única chama
quando simplesmente precisa falar. Não chamaria a isso amor?”.
Jax olhou ao Mike. Ela estava de pé, imóvel, olhando-o com os olhos cheios de
apreensão. Ele olhou esse glorioso cabelo avermelhado que adorava tocar, seus
formosos olhos verdes, seu simpático nariz escoiceado. Olhou seus lábios
carnudos e recordou quantas vezes se perguntou que gosto teriam.
Pensou no que disse Claud, sobre como sempre era Mike com a que ele falava
primeiro, era Mike a que acudia quando necessitava que lhe levantasse o ânimo.
Sempre era Mike a que o escutava sem julgá-lo, sem criticá-lo… mesmo que
provavelmente necessitava uma crítica.
Ele se aproximou e tomou a cara dela entre suas mãos. Seu coração golpeava ao
ver o olhar de adoração nos olhos dela.
“Sim”, respondeu em voz baixa. “Eu o chamaria amor”.
Ele a beijou brandamente, em um mero cruzamento de respirações. Quando
terminou, envolveu-a com seus braços. Apoiou o queixo sobre sua cabeça e
absorveu a sensação de seu corpo contra o dele.
Ah, sim, era definitivamente amor.
Claud sorriu com felicidade. “eu adoro os finais felizes. Soube, quando vocês dois
passaram quase sete horas fazendo o amor, que tudo sairia bem”. Ele sorriu
ampliamente. “Bom trabalho, Jaxon”.
Um calor não acostumado subiu pelas bochechas do Jax. Mike enterrou a cara no
pescoço dele. Ela tinha que estar tão envergonhada como ele ao pensar que
Claud sabia tudo sobre quando fizeram o amor.
“Não se sintam envergonhados”, disse Claud. “Eu não os estive olhando”. E o
sexo é algo maravilhoso. Especialmente entre duas pessoas que se amam”. Ele
se balançou sobre os talões. “Bom, minha tarefa aqui concluiu. E bem a tempo, já
que me tenho que encontrar com o Betsy para almoçar”.
“Betsy?”, perguntou Jax.
“Você a conhece como a Fada dos Dentes”.
“É obvio”, disse Jax, lutando por não rir.
“Sejam felizes o um com o outro. Nenhum problema é tão grande que não se
possa resolver com amor”.
Com esse comentário, desapareceu.

66
Jax abraçou ao Mike antes de mover-se para trás para lhe ver a cara. “Eu estava
sonhando ou havia um tipo aqui com um traje branco que dizia ser Cupido?”.
Mike sorriu. “Não estava sonhando. Claud esteve aqui realmente”.
“E você está apaixonada por mim?”.
Ela deslizou os braços ao redor de seu pescoço e afundou os dedos em seu
cabelo. “Estou apaixonada por ti”.
“Ah, Michaela”. Ele passou as mãos por sua coluna, para cima e para baixo. “por
que demorei tanto em me dar conta de que te amo?”. Ele baixou a cabeça e lhe
deu um beijo debaixo da orelha. “Poderíamos ter estado fazendo o amor todos
estes meses”.
A respiração cálida de lhe acariciou o pescoço quando suspirou. “Sim, poderíamos
havê-lo feito”.
Jax rodeou seu lóbulo com a língua. “Então, crie que devemos começar a
recuperar o tempo perdido?”.
“Definitivamente”.
Jax levantou a cabeça e lhe sorriu. “Eu gosto de sua forma de pensar”. Ele
deslizou sua mão por debaixo do suéter dela para poder tocar sua pele nua. “Se
começarmos aqui e vamos passando por todos os lugares de sua casa?”.
Mike disse que não com a cabeça. “Quero-te em minha primeiro cama”.
Mike tomou a mão do Jax e o conduziu para o dormitório. Nenhum homem lhe
tinha feito o amor em sua própria cama. Tinha tido sexo, mas nunca tinha feito o
amor. Em seu coração, havia uma diferença enorme.
Ela se deteve ao lado da cama. ficou frente a Jax, agarrou o bordo de seu
mergulhador e o tirou pela cabeça, e logo o deixou cair ao chão. O poder tocá-lo,
tocá-lo livremente, fez que suas mãos tremessem.
Ela não pensou que era possível necessitar tanto a alguém.
Mike tocou seu peito. Ao princípio ela não moveu as mãos, mas simplesmente
desfrutou da tibieza de sua pele salpicada de pêlo. Logo a afligiu o desejo de
mais. Deslizou os dedos por seu peito e até seu estômago, e se deteve o chegar à
cintura de seus jeans.
“Não te detenha agora”, disse Jax com voz rouca.
Ela o olhou aos olhos, pôs uma mão sobre sua ereção e apertou.
Jax fez um assobio ao respirar entre os dentes. “Ah, neném, isso é tão lindo”.
Sim, era-o, mas Mike tinha que ter mais. Tinha que poder tocá-lo tudo.
Ele deveu ter lido seu pensamento, porque se desabotoou os jeans. Mike o olhou
tirá-los sapatos com os pés e tirá-los jeans e as médias ao mesmo tempo. Ele se
parou diante dela nu e muito excitado.
Cada parte feminina dela ansiava por ele.
“Tem posta muita roupa, Michaela”. Ele tomou o bordo de seu suéter com as
mãos, mas o soltou antes de lhe tirar o objeto. Em troca, sentou-se no bordo da
cama. “Eu te tirei a roupa ontem à noite. Agora te dispa para mim”.
Uma quebra de onda de excitação maliciosa atravessou seu corpo. Mike nunca se
despiu diante de um amante enquanto olhava cada movimento que fazia.
Nunca amaria a um homem como amava ao Jax. Isso lhe deu a coragem para
fazer o que lhe pediu sem duvidá-lo.
Mike atirou de seu suéter sobre sua cabeça e o deixou cair sobre a pilha de roupa
do Jax. Ele baixou a vista até seus seios.

67
“Lindo sustento”, disse ele com voz áspera.
Mike passou as mãos pelas taças azuis do sustento que cobria seus seios. “Tenho
uma debilidade pela roupa interior bonita”.
“Isso pensei, já que ontem à noite tinha posto um sustento rosa e umas calcinhas
fazendo jogo”. Ele limpou sua garganta. “Suas calcinhas fazem jogo com seu
sustento outra vez?”.
“Quer que te mostre?”.
“Ai, sim”.
Um strip-tease lento seria divertido… a próxima vez. Agora, ela desejava muito ao
Jax para fazer algo lentamente. Ela olhou sua magnífica verga dura e se tirou o
resto da roupa rapidamente. Quando esteve tão nua como ele, aproximou-se do
Jax. Envolvendo seu pescoço com os braços, ela o beijou avidamente. Ela sentiu
que suas mãos se aferravam a seu traseiro enquanto devolvia o beijo.
Mike separou seus lábios dos dele. “te recoste”, sussurrou ela.
Jax se moveu na cama até que se recostou em toda sua longitude, com a cabeça
apoiada no travesseiro do Mike. Ela engatinhou sobre seu corpo e se montou
sobre seus quadris. Tomou seu verga entre as mãos e se empalou a si mesmo
com um movimento descendente de sua pélvis.
Jax deixou sair um comprido gemido. “Por Deus, Michaela”.
Ela levantou os quadris até que sua haste quase se sai de seu corpo, logo voltou a
empalar-se. “Você não gosta?”.
“Demônios, sim que eu gosto! Mas pensei que quereria um pouco de jogo erótico
antes”.
“tive jogos eróticos toda a manhã. Agora quero isto”.
Ela impôs um ritmo sobre ele… um ritmo que logo teria a ambos os talheres de
suor e respirando intensamente. Ela queria que dure o mais possível, mas
também queria acabar desesperadamente.
Jax fez a eleição por ela. Deslizou o polegar entre suas pernas e lhe esfregou o
clitóris com movimentos circulares. Só tomou três círculos. Mike lançou sua
cabeça para trás e gemeu quando o orgasmo se apoderou de seu corpo.
Jax se estremeceu debaixo dela.
Lentamente, Mike se estirou sobre ele. Cruzou os braços sobre o peito dele e
descansou o queixo sobre suas mãos. Um suspiro de satisfação escapou de seus
lábios.
“Feliz?”, perguntou-lhe ele.
“Intensamente”.
Jax sorriu. “Eu também”. Suas mãos subiram e baixaram pelas costas dela em
lentas carícias. “É uma amante maravilhosa, Michaela”.
“Você também”. Ela tirou uma mão de abaixo seu queixo para poder lhe tocar o
peito. “Dá-te conta de que não haverá mais loiras parvas em sua vida, não? Nem
castanhas, tampouco”.
“A única mulher que desejo em minha vida é uma formosa tinta com um simpático
nariz escoiceado”.
“Boa resposta, Jaxon”.
Ele sorriu. “Isso pensei”. Suas mãos se passeavam pelo traseiro dela. “Falando de
respostas, deve-me uma”.
“Ah, sim?”.

68
“Sim. Antes te perguntei se dormia nua. Nunca me disse isso”.
Mike deixou que um lento sorriso estirasse suas comissuras. “Suponho que terá
que ficar aqui e averiguá-lo”.
Fim.

LA NOVIA DEL PILOTO DE LA OSCURIDAD


Crickett Starr
Cricket Starr
Capítulo uno
Caía a noite. O sol ficava a sua direita, e Josia teve que girar dolorosamente a
cabeça para ver como se afundava o disco vermelho esverdeado atrás do
contorno marrom do bosque. Como suas mãos estavam atadas ao ramo de uma
árvore sobre sua cabeça, não havia muito mais que pudesse fazer.
Um pequeno brilho e se teria ido. Sacudiu-a uma sensação de desesperança
quando a luz que ficava desvaneceu no céu e deu passo ao escuro púrpura da
noite. Seu último pôr-do-sol, a última vez que veria o sol deste mundo mau parido
aonde tinha nascido. Amanhã a esta hora estaria morta… ou se teria ido.
Ou pior.
Josia suspirou. Sua vida até agora não tinha sido emocionante, mas lamentava
ver que terminasse; daí, as ataduras. Os majores da colônia não correriam
nenhum risco com a última “noiva” para entregar em troca de provisões das
colônias interiores. A guerra em outra parte do setor tinha desbaratado várias
visitas esperadas, o que converteu o que devia ser um curto intervalo em mais de
quinze anos até hoje. Se esta transferência falhava, podia significar que não
receberiam mais apoio de fora.
Fazia muito tempo, fez-se um trato com a Liga dos Pilotos da Escuridão, que
controlava o tráfico espacial neste quadrante. Uma nave viria uma vez cada vários
anos com correspondência dos planetas de origem, além das muito necessárias
provisões médicas e técnicas, que só se podiam fabricar fora do planeta. levaria-
se os produtos artesanais que produzia a colônia: figuras esculpidas à mão e
tecido tecido com materiais nativos. Alguns das melhores malhas da Josia
estavam empilhados em canastos no bordo do claro no bosque.
Em troca, a Liga pedia alguma que outra coisa como pagamento: um doador de
sangue humano para o Piloto da Escuridão que controlava a nave, alguém para
picar durante seu comprido viaje pelas estrelas. Josia não pôde evitar estremecer-
se, os Pilotos da Escuridão eram vampiros. Como as doadoras eram geralmente
de sexo feminino e os pilotos, masculinos, inventou-se o término noiva para o
sacrifício, mas todos sabiam que as esperava um destino mais negro.
Nenhuma noiva havia tornado jamais, e Josia só podia imaginá-lo pior.
Mesmo assim, recordou a voz do piloto através da unidade de comunicações da
colônia depois de que entrou no sistema solar Demma duas semanas atrás.
Profunda, rica e masculina, seu som a fez estremecer-se de desejo mais que de
terror enquanto ele dava as últimas instruções para a entrega. Não soava como
um demônio absolutamente.

69
108 A noiva do piloto da escuridão
Uma brisa noturna atravessou o claro onde a tinham deixado e agitou os borde da
bata aberta que levava posta. Ela se estremeceu, só em parte pelo frio. logo que
lhe ataram as mãos à árvore, os bastardos desataram a liviana gosta muito,
deixando seus seios ao nu, fazendo dela um “sacrifício” apropriado para o Piloto
da Escuridão que vinha a reclamá-la.
Não importava que ela estivesse muito pesada e velha para esse objeto de
sedução. Bom, possivelmente velha não… depois de tudo, só tinha trinta e dois
anos regulares. Mas a tradição dizia que a noiva do Piloto da Escuridão devia ser
uma moça e atrativa, preferentemente virgem.
Isto último foi a única razão pela que pôde convencer ao comitê de que a deixasse
substituir a Kissa quando a sua irmã menor tocou o azulejo com o emblema do
Piloto da Escuridão no sorteio. Josia não teve opção. Discutiu com eles, e lhes
assinalou que sua formosa irmã era uma posse mais valiosa para a colônia que
ela. Embora o tecido que Josia tecia era considerada a melhor, existiam outros
bicho-tesouras para substitui-la, e, a diferença de outras mulheres da colônia,
nunca tinha encontrado marido. Como seus pais tinham morrido muito tempo
atrás, ninguém sentiria saudades a Josia além de sua irmã.
A bata aberta tinha sido desenhada para alguém de figura mais magra. Apenas lhe
fechava quando a deixaram atar, e agora se abria, revelando cada enguiço física
que tinha.
Lhe teria ficado bem a Kissa, pensou Josia. Mas ela não podia deixar que se
levassem a sua irmã menor, que nem sequer tinha vinte anos. O azulejo que havia
meio doido a Kissa agora estava pacote ao redor de seu pescoço, como uma
etiqueta em um pedaço de carne no açougue.
Isso é o que era: carne para um monstro. Josia se estremeceu ante o que lhe faria
o piloto quando visse sua triste apologia de noiva. Possivelmente estaria muito
zangado para fazer outra coisa que simplesmente beber tudo seu sangue e matá-
la imediatamente.
Isso não era grande consolo.
Josia tratou de estirar suas costas contra o tronco da árvore detrás dela para
aliviar a tensão em suas bonecas. Ela ansiava que a liberassem de suas ataduras.
De fato, quase desejava que o demônio aparecesse e pusesse fim a seu
sofrimento…
Um brilho de luz iluminou a extremidade de seu olho, e Josia escutou o constante
zumbido de uma espaçonave que se aproximava. Uma magra agulha descendeu
do céu e se posou na grama no limite oposto do claro, a suficiente distancia para
que os bens compilados e Josia estivessem a salvo da esteira do motor. um pouco
depois, abriu-se uma porta no flanco, que deixou ver uma figura masculina magra.
Josia gemeu em voz alta. Realmente devia ter mais cuidado com o que desejava.
*****

109 Cricket Starr


Dimitri baixou da nave e respirou fundo o fresco ar da Deema 7. Pela porta aberta
sobre seu ombro saíram as últimas instruções de seu fastidioso computador.

70
“Agora recorda, esta gente não viu a um Piloto da Escuridão em anos. Certamente
surgiram todo tipo de idéias estranhas. Você representa seu primeiro contato com
o exterior em mais de uma década”. Os tons entrecortados do computador
seguiram monótonos falando sobre o protocolo da Liga, e Dimitri teve que reprimir
o impulso de lhe dizer onde meter-se seus conselhos. Esta não era a primeira vez
que fazia uma destas aterrissagens.
“Ah, uma coisa mais”. A voz do computador se tornou lastimera. “Se você não
gostar da fêmea, trata de deixá-la cair brandamente esta vez. Não queremos outro
incidente como o do Londas 4”.
Dimitri fez uma careta. “Recordarei-o, Arthur. Mas não tive muitas opções”.
Londas 4 tinha sido um engano, mas mais que nada culpa da gente dali, não dela.
A mulher do Londas, formosa à vista embora um pouco muito magra para excitá-
lo, tinha tomado o ritual da alimentação com uma predisposição excepcional, até
que lhe explicou qual seria seu rol no mundo dos Pilotos da Escuridão. depois de
não poder seduzi-lo, horrorizou-se ao descobrir que tudo o que ele queria era seu
sangue… e ele nem sequer quis isso depois de lhe ler a mente.
De algum jeito lhe tinha metido na cabeça que sua mordida a converteria em um
vampiro e planejava toda uma campanha de vingança sobre os membros de sua
colônia uma vez que se voltasse como ele. Justo o que os Pilotos da Escuridão
necessitavam, uma oferenda lunática.
Devolveu-a a sua gente chutando e chorando, e se manteve a artiheme para a
viagem a Demma. Dimitri se estremeceu. supunha-se que o sangue fabricado era
tão saudável como a real, mas estava cansado de seu sabor.
Para falar a verdade, estava cansado de algo mais que disso. Ser um capitão na
Liga dos Pilotos da Escuridão lhe permitia ver o universo, mas ele passava a
maioria do tempo só no espaço. Seguro, tinha a companhia do Arthur, mas
necessitava algo mais que algum que outro jogo de xadrez astral para ficar
satisfeito. Necessitava a alguém a quem tocar, a quem abraçar. Alguém para beijar
e acurrucarse na larga escuridão do espaço.
Alguém de sangue doce e quente e uma concha estreita…
A verga do Dimitri saltou e ele quase geme em voz alta. Arthur podia ser boa
companhia, mas um homem não podia agarrar-se a um computador.
Com a guerra, fazia quase vinte anos que não estava com uma mulher! Até se a
fêmea que os Deemanos lhe prometeram resultava ser uma cadela
malintencionada, feia como o pecado e esquelética como um trilho, ele tinha a
intenção de levá-la com ele. Lhe daria sangue e companheirismo até que pudesse
deixá-la no próximo planeta em seu

110 A noiva do piloto da escuridão


percorrido. E sexo também, se podia suportar estar tão perto dela. Se era
necessário, manteria os olhos fechados e a mente anulada.
A brisa no claro aumentou e passou perto dele, e isso lhe fez perceber o aroma de
vegetação fresca e outros aromas exóticos. Respirou fundo e logo outra vez,
quando um aroma apanhou sua atenção.

71
Mulher. Havia aroma de uma mulher no ar, único, quente, rico e tentador. Com os
olhos brillosos, o estômago do Dimitri rugiu enquanto seu verga se endurecia
debaixo das calças do uniforme. Esse aroma prometia, e ele não podia esperar
para prová-lo.
Tratou de lhe ser indiferente. “Serei amável com ela, Arthur. Você prepara as
provisões para a colônia para as descarregar”.
A risada do computador lhe disse que não tinha podido esconder sua ansiedade,
mas ele o ignorou enquanto seguia o leve rastro para onde seus sentidos lhe
indicavam que a mulher estava esperando.
Dimitri se deteve impactado quando se aproximou o suficiente para vê-la. Tinham-
na pacote a uma árvore! Horrorizado, olhou de esguelha os braços quase nus da
mulher estirados sobre ela, feito que a deixava indefesa contra algo que poderia
ter saído do bosque para atacá-la.
Indefesa ante ele também. O sussurro insidioso de seu subconsciente não o pôs
de melhor humor, especialmente quando seu verga se endureceu mais ainda ante
a sugestão. Ele ficou em contato com sua ira. Não estava bem que suas majores a
tivessem pacote.
Atada para ele, disse o sussurro outra vez.
Sim, bom, isso não queria dizer que ele ia jogar seu jogo. Dimitri caminhou a
grandes passos, com a intenção de liberá-la. Eles sem dúvida a tinham pacote
bastante antes do entardecer, assim que ela provavelmente estava realmente
dolorida.
Ela levantou a cabeça quando ele se aproximou, e ele novamente se deteve em
seu caminho. Ela girou a cara para ele, redonda como a lua, com uma pele suave
e pálida que parecia porcelana. Ele encolheu os dedos ao olhar sua carne, já
antecipando-se a quando acariciasse a essa beleza. Pareceria cetim ao tato.
Um cabelo escuro caía em ondas sedosas pelos flancos de sua cara, sobre os
ombros e mais abaixo para cobrir quase por completo seus seios polpudos e
pesados. Dimitri quase deixou de respirar. Seios polpudos, pesados e nus. Com a
bata desatada e aberta, só uma parte de encaixe sobre seu monte de Vênus a
cobria ante seus olhos. A bata branca emoldurava seu corpo cheio, seu suave
ventre e seus arredondadas quadris. Suas tetas eram enormes. Um homem
poderia perder-se na fenda entre os seios desta mulher. Na luz que se
desvanecia, ele pôde divisar umas auréolas escuras e uns mamilos bicudos em
cima. Nesses seios haveria veias, veias substanciosas.
A boca do Dimitri se secou ao olhar essas esferas que se meneavam e se
imaginou quão tenra seria sua carne, quão substanciosa saberia o sangue nelas.
Ele lhe aproximou encantado.
Seus olhos se aumentaram quando se aproximou, e uma voz ressonou em sua
cabeça. Que homem formoso. Nunca o tinha visto antes. Veio com o demônio?

111 Cricket Starr


Toda essa mulher, e com poderes mentais também? Uma vez que atraiu sua
atenção, Dimitri a olhou aos olhos. Olhos escuros, assustados, mas também
curiosos. Curiosos por saber dele. Ela não acreditava que ele fora o “demônio”
que ela esperava.

72
Ela tinha eleito lhe dirigir a palavra; ele responderia da mesma maneira. Ele
provou com um sorriso, cuidando esconder suas presas. Crie que sou formoso?
Estava pensando o mesmo de ti.
Pode ler meus pensamentos? Sua voz mental estava tinta de emoção. Ninguém
mais pode fazê-lo, só minha irmã algumas vezes. Mas, formosa?, sua voz mental
repreendeu. Eu não sou formosa.
Mas é do mais formosa. Ele lhe aproximou. por que lhe ataram aqui?
Ela sacudiu as bonecas, indicando a corda sobre ela. Sou a noiva do Piloto da
Escuridão. Eu me ofereci, mas eles pensaram que trocaria de parecer.
Uma voluntária. Dimitri teve uma sensação de desconfiança. Possivelmente esta
voluptuosa beleza era como a última mulher e procurava o poder de sua mordida.
por que escolheria te entregar a um demônio?
Era eu ou minha irmã. Ela é tão jovem.
Isso estava melhor. Ela pensou que estava salvando a sua irmã de um destino
terrível. Hmm, o que queria dizer que ela pensava que ser a “noiva” de um Piloto
da Escuridão era um destino terrível. Ao Dimitri não importou muito isso, apesar de
que sim gostou da idéia de que ela fora sua noiva. A seu verga gostou da idéia
ainda mais, porque se agitava ávida ao antecipar sua noite de bodas.
A noite de bodas de ambos, lhe disse com firmeza, dele e dela também. Ele teria o
sangue e o sexo dela, mas não até que a mulher estivesse de acordo com ambas
as coisas.
Seu subconsciente se uniu à discussão. Mas ela é agradável… te está esperando
e não pode resistir a ti.
Suficiente! Ele discutiu consigo mesmo. Não tomarei estando assim de
desprotegida!
A voz mental da mulher se entremeteu em seu debate interno. Faria-me um favor?
Por ti, algo. O que quer?
Ela sacudiu suas mãos atadas. Deveria ir antes de que chegue o Piloto da
Escuridão, mas, poderia me desatar antes? Não quero que ele me veja assim –
estará tão zangado de todas maneiras–.
por que teria que estar zangado? Há algo muito atrativo em que esteja assim
maça.
Não há nada atrativo em uma cerda gorda atada a uma árvore!
Ele não pôde evitá-lo, ela se via tão apetecível e tão exasperada… ele riu e deixou
à vista as presas que tinha mantido ocultos com tanto cuidado. Os olhos dela se
aumentaram pelo impacto.
“Você é o Piloto da Escuridão!”.
Era a primeira vez que escutava sua voz e gostou imediatamente. Rica e doce,
como toda ela. Melódica. Ela poderia cantar com ele durante sua viagem.

112 A noiva do piloto da escuridão


Lhe fez uma reverência de cortesia. “Declaro-me culpado”.
O rubor em suas bochechas se intensificou. “Sempre brinca com seu jantar desta
maneira?”.
“Vejo-me como alguém que faz brincadeiras?”.
“Não…”. Ele notou uma confusão nela ao admiti-lo. “Vê-te faminto”.

73
Dimitri se aproximou de uma distância para chegar a tocá-la, mas a idéia de soltá-
lalhe tinha ido. Explorou-a com o olhar de acima a abaixo, e o rubor nas
bochechas dela se pulverizou ao resto de sua cara e até seu pescoço. Ela tinha
um pescoço comprido, perfeito. Não tinha uma mancha, nem em nenhuma outra
parte de sua pele. Ele se estirou para lhe acariciar a cara, passou-lhe a mão pelo
bordo de seu queixo e logo para baixo, pelo pescoço até o ombro. Fortemente
obstinada pelas bonecas, a mulher não se podia ir, e a ele seu indefensión
resultava mais e mais interessante.
Ela tinha uma pele perfeita. sentia-se como seda debaixo de seus dedos, e
ansiava prová-la. Os rincões de seus olhos se encheram de uma bruma
avermelhada quando um desejo de sangue longamente reprimido se apoderou
dele. Fazia muito que não se alimentava de um ser vivente. Ele ia ter que ser
muito cuidadoso para não machucá-la.
A mulher levantou os olhos para olhá-lo. Sua pose era desafiante, e o fez sorrir. “O
que quer?”.
Ela tinha uma voz preciosa e ele poderia ficar a escutá-la toda a noite, de não ser
porque tinha outras coisas em mente.
“Tinha razão, estou faminto”, disse-lhe. “Faminto de ti”.

113 Cricket Starr


Capítulo dois
O medo brotou nos olhos dela, e ele falou rapidamente com sua voz mental. Não
sentirá dor. Tocarei sua mente e tirarei a dor e o medo.
Ela ainda tremia quando ele se aproximou, deslizou as mãos por suas costas e a
inclinou para ele. Apesar de que tratou de reafirmá-la, pôde perceber que seu
terror crescia quando lhe enviou uma carícia mental para afastar seus temores.
Algo de sua tensão se aliviou, inclusive quando lhe acomodou o cabelo para trás e
lambeu a pele sobre a veia em seu pescoço com ternura.
Ela era deliciosa. O sabor de sua pele quase o desfez, e lhe fez falta todo seu
controle para ser doce, para aliviar a pele com sua língua a fim de que as
espetadas de seus dentes não lhe doessem. À medida que sua conexão mental
se aprofundava, ele podia ler como aumentava a excitação dela, enquanto suas
lentas lambidas enviavam uma eletricidade sensual por todo seu corpo. Nela
surgiu uma deliciosa confusão por cima de sua excitação. Fora o que fora, ela não
era muito experimentada.
Fechou os olhos e se inclinou para afastar-se dele, despindo inconscientemente
seu pescoço mais ainda, preparado para ele. Ele a mordeu uma vez,
intensamente, perfurando a veia, e inclusive através da bruma em sua mente, ele
a sentiu fazer uma careta pela momentânea dor. Mas logo ele alagou a mente dela
com o que ele estava experimentando, o glorioso gosto de seu sangue, a doce
sensação de chupar a de seu pescoço. Ele tragou e ela gemeu como ele o tivesse
feito se sua boca não tivesse estado ocupada com outra coisa.

74
Dimitri a trouxe mais perto entre seus braços e empurrou contra o corpo cheio e
suave dela. Tudo o que ele tentava fazer era tomar seu sangue, mas seu verga
ficou dura como uma pedra, ansiosa por ter mais. As mãos dele procuraram seus
seios e desfrutaram de sua gloriosa carnosidade. Enquanto ele os amassava, ela
rebolava contra ele e experimentava em seu corpo a luxúria que agora lhe enviava
através de seu vínculo.
Ele permitiu que uma mão deixasse seu seio para explorar o magro tecido que
cobria a abertura de seu sexo. Encontrou seus tenro clitóris, massageou-o através
de sua roupa interior e a sentiu ofegar. Seus dedos se deslizaram pelas suaves
dobras e encontraram umidade ali. Ele não pensou mais… ele a desejava, ela o
desejava a ele… que mais se necessitava? Ele tinha que possui-la, tomar seu
corpo além de seu sangue. Vinte anos era muito tempo para qualquer, até para
um Piloto da Escuridão, para ser celibatário.
Só com um puxão lhe arrancou a roupa interior da entrepierna. Com outro puxão
abriu a braguilha de suas calças e liberou seu verga para que saltasse pela
abertura. Apesar da conexão, ele percebeu certa debilidade nela, devido ao
sangue que lhe havia

114 A noiva do piloto da escuridão


tirado; então deixou de alimentar-se e selou os orifícios em seu pescoço. Selou-os
mas não os fez desaparecer… agora não, ainda não. Possivelmente nunca o
fizesse.
Dimitri a agarrou por traseiro e a levantou. Por sua força, resultou-lhe fácil
empurrá-la contra a árvore detrás dela e levantar suas pernas para lhe abrir a
concha para ele.
Ela entendeu sua intenção justo antes de que seu verga arremetesse, e seus
olhos se aumentaram em sua formosa cara com forma de lua. “Mas eu sou...”.
Ele não esperou até escutar o que seguia, só se meteu profundamente dentro
dela; sua voz denunciou a gritos a invasão dele. O hímen que rasgou a seu passo
o surpreendeu… ela não era tão jovem… mas já era muito tarde. Lhe enviou
imagens reconfortantes à mente, para acalmá-la e lhe tirar a dor de seu primeiro
ataque. A maneira quase dolorosa em que seu centro se aferrava a ele se relaxou
um pouco quando o corpo dela se acostumou a sua presença dentro dele, e logo a
começou a desfrutar.
Sua concha se voltou uma morna estreiteza, envolvendo seu verga, respirando
sua carícia. Ele saiu e ela gritou em protesto por sua retirada, logo com alegria
quando ele a encheu outra vez. Logo, ela só emitia gritos de felicidade enquanto
ele tomava contra uma árvore.
Seus polpudos seios o investiam, e ele voltou a afundar suas presas em sua
carne: apanhou a veia e chupou seu sangue pelos diminutos orifícios. Ela se
estremeceu contra ele e chegou ao clímax, tanto porque lhe chupava o sangue
como pela presença de seu verga dentro dela. O calor de seu sangue acendeu o
fogo dentro da boca dele.

75
cansaria-se alguma vez desta mulher? Possivelmente não. Seria ela a escolhida?
As perguntas se formavam em sua mente, logo passavam, muito rápido para que
ele fizesse outra coisa que as reconhecer. Eram perguntas velhas, que tinham
estado dentro dele desde que era um jovem Piloto da Escuridão, e se deu conta
pela primeira vez de que solitário seria seu novo mundo.
Casal da Escuridão. Enquanto ainda tomava seu sangue e seu corpo, Dimitri lhe
pôs esse nome. A única mulher que necessitaria, seu amante pela eternidade, o
fim da busca que nem sequer se deu conta de que estava realizando.
Seu novo casal atirou sua cabeça para trás e gritou ao alcançar o clímax
novamente, enquanto sua concha pulsava ao redor dele, mamando seu verga. O
orgasmo dela alimentou o dele, e ele tomou um último gole antes de tomar seu
próprio prazer. Soltou-lhe o seio, respirou pesadamente e olhou seus olhos cheios
de atordoamento enquanto se sacudia uma, duas vezes; logo gritou ao acabar-se,
bombeando seu leite dentro dela.
Esgotado, Dimitri se apoiou pesadamente sobre seu suave corpo, ainda
sustentando-a contra a árvore. Lentamente a liberou para que se parasse sobre
suas pernas trementes. Ela respirava com dificuldade, seu coração pulsava
vertiginosamente, mas não tanto como para alarmá-lo. lhe tinha acontecido que
outras mulheres se deprimissem sobre ele depois de fazer o amor... esta não
parecia estar correndo esse risco.
Ele sorriu ante sua fortaleza. “Isso foi realmente assombroso”.
Ela assentiu com os olhos frágeis, logo assinalou as sogas que atavam suas
mãos. “Agora que terminamos com isto, importaria-te me desatar?”.

115 Cricket Starr


Rendo, Dimitri atirou da soga e a rompeu com facilidade. Ele a ajudou enquanto
ela lutava por liberar suas mãos e cacarejava em voz baixa pelo dano que tinha
sofrido sua suave pele ao redor das bonecas. “vêem-se mal… me deixe ajudar…”.
Um forte golpe contra seu nariz tomou por surpresa, mas as arrumou para
apanhar o segundo murro antes de que aterrissasse. “por que me golpeia? Eu não
sou o que te atou”.
Ela irradiava fúria. “Mas você te aproveitou bem da situação. Como te atreve a
fazer isso?”.
Dimitri se esfregou o nariz machucado. “me aproveitar de ti de que maneira,
quando? Quando te fiz acabar? Duas vezes? Isso foi me aproveitar de ti?”.
Ela rasgou o resto da soga de seus braços e a atirou ao chão. “Sabe o que quero
dizer. Não poderia te haver detido…”.
“Poderia havê-lo feito em qualquer momento. Com apenas dizer ‘detenha’. ‘Não o
faça’. Ou algo assim. Eu não escutei nenhum protesto”.
“Tampouco estava emprestando atenção a ver se escutava uma”.
“Não escutei nenhuma porque não houve nenhuma. Realmente, essa é forma de
tratar a seu marido?”.
Ela se sobressaltou. “Você não é meu marido”.

76
Geralmente Dimitri só reconhecia de maneira simbólica os costumes locais, mas
queria ficar com esta mulher. Se o podia fazer reclamando-a como sua esposa,
assim seria. “Mas o sou, doçura. Deixaram-lhe aqui para mim… você esteve de
acordo em ser minha noiva. Meu verga ainda está manchada com seu sangue de
virgem, algo ao que não fez objeção, devo adicionar”.
Suas palavras encontraram um silêncio incômodo. “Tinha toda a intenção. Mas
me… distraí”.
Ele sorriu ainda mais. “Eu também tinha a intenção de te desatar antes de me
alimentar. Compartilhamos a mesma distração, acredito. Possivelmente
deveríamos nos apresentar. Eu sou Dimitri Devana, capitão da nave Anoitecer,
representante da Liga dos Pilotos da Escuridão. Tenho outros títulos, mas por
agora ao que alego é ao de ser seu marido”.
“Você não é meu marido…”, ela se interrompeu ao ver que ele meneava a cabeça
e que a situação o divertia.
“Está bem, seu noivo, então. Quero seu nome, doçura”.
“Josia Ashen”.
“Um nome adorável para uma dama adorável”. Ele tomou sua mão, com a
intenção de beijá-la, e logo voltou a ver as feridas sangrantes e em carne viva
sobre suas bonecas. Com um leve estalo, aplicou sua língua a seus arranhões
abertos e usou sua saliva curativa para fazê-los desaparecer e lhe aliviar a dor. O
sabor de seu sangue assaltou seus sentidos, agitou seu verga e teve que lutar
contra o impulso de aparearse com ela outra vez. Era muito logo para isso, ele
devia esperar ao menos uma hora antes

116 A noiva do piloto da escuridão


de fazer o amor com ela. depois de tudo, o sangue sobre sua haste nem sequer
se secou ainda. Ela possivelmente estava muito dolorida…
Ah, mas ele podia arrumar isso, ou não? Um pequeno sorriso se desenhou em
seus lábios com esse malicioso pensamento enquanto dirigia sua atenção à outra
boneca.

117 Cricket Starr


Capítulo três
Josia olhou ao Piloto da Escuridão lhe tirar as marcas de sua luta com as sogas
de suas bonecas e sentiu que sua dor se aliviava imediatamente. “Como o faz?”.
Ele se deteve para lhe sorrir; seus dentes se viam brancos na escuridão. Tinha um
sorriso fantástico, ela notou, cálida e sedutora. Era evidentemente um homem com
senso de humor, uma raridade em seu mundo. Era difícil não lhe retribuir o sorriso.
Mas ele não era um homem, era um vampiro. Tinha tomado seu sangue e seu
corpo, mas agora era tão atento.
Também era difícil manter a compostura, especialmente depois de que ele a tinha
reclamado como dela como o fez. De tudo o que ela esperava de seu Piloto da
Escuridão, que ficasse encantado era o menos provável. Ela esperava que ele se
desse volta aborrecido ao vê-la, não que demonstrasse desejo.
Por outra parte, pensou ela, possivelmente ele simplesmente tinha estado no
espaço um tempo realmente largo.

77
“Há um agente curativo em minha saliva”, disse ele. “É bom para selar feridas e
tirar marcas. É prático para quando me alimento”.
“Pode tirar a dor também. Faz-o ao tocar a mente de sua vítima?”.
Dimitri se estremeceu. “Vítima é uma palavra um pouco dura. Estranha vez tomei
sangue de alguém que não o quisesse. Eu Quito a dor e ofereço uma experiência
prazenteira quando posso”. Lhe agarrou a mão para examinar a boneca curada.
“Isso está terminado. Não dói mais, verdade?”.
Ela disse que não com a cabeça. Ele deixou cair sua mão e logo abriu sua bata
para tocar as marcas que lhe tinha deixado no seio, pequenos pontos que ainda
sangravam.
Josia interceptou sua mão e a afastou. “Pode deixá-los tranqüilos”.
Seu sorriso era lhe exaspere. “Ah, não. Sempre limpo o que sujo. Não posso te
deixar andar por ali jorrando assim”.
“Curarão-se…”.
Ela não terminou porque ele a empurrou contra a árvore e agarrou suas mãos
entre as dele enquanto ela lutava inutilmente contra ele. Embora não era um
homem robusto, era mais forte que qualquer que ela tivesse conhecido. Ela
recordou como ele a levantou sem nenhum esforço enquanto tomava sua
virgindade contra essa mesma árvore e se ruborizou com fúria.
Seu rubor cresceu quando ele se inclinou para passar sua língua meigamente
pelos finos chorritos de sangue, limpando sua carne e desfrutando-o claramente, e
logo selou e tirou as marcas por completo. Quando terminou, já não havia rastros
de sua mordida, nem dor algum.

118 A noiva do piloto da escuridão


Ele a soltou e deu um passo para trás, exsudando satisfação consigo mesmo. Ela
queria lhe tirar o sorriso arrogante da cara de uma bofetada, mas assim que o
pensou, ele franziu o cenho.
“Não me volte a golpear, Josia. Eu não gosto”.
Ruborizada, ela deixou cair suas mãos e se atou a bata bem apertada. “A meu
tampouco gosta que me toquem sem permissão”.
Dimitri se cruzou de braços e a olhou fixamente. “Você é minha para que te toque,
minha noiva. Mesmo assim, só estava tratando de te fazer sentir melhor. Não
queria deixar marcas sobre seu seio”.
Ela tocou as seladas marcas sobre seu pescoço. “E o que tem que estas, não me
vais tirar isso?”.
Na escuridão, os olhos verde pálido dele pareciam brilhar, com uma radiação
sensual que ela sentiu até seu ainda desejosa concha. “Não, ainda não. Não até
que tenha que fazê-lo”. Ele deu um passo atrás e se deu volta, e ela ficou
desejando que ele a seguisse manuseando.
Ele caminhou para inspecionar os bens empilhados no claro. “Lindo”, disse ao
levantar uma parte de material tecido. Na escuridão, as cores eram apagadas,
mas o tecido tinha um brilho cativante. “Realmente bonito. Isto só teria pago minha
viagem”.
Josia lhe sorriu agradada. “Eu o teci”.
Ele arqueou as sobrancelhas com surpresa. “Você o fez? Tem muito talento.
Surpreende-me que lhe deixassem ir”.

78
Josia se encolheu de ombros, escondendo a velha ferida. “Minha irmã é quase tão
boa como eu, e além disso é bonita. Desejável, não como eu”.
Dimitri deixou cair o tecido e cruzou o claro em um abrir e fechar de olhos. Tirou-a
dos braços e a aproximou dele. “Não como você?”, disse entre dentes, com os
olhos em chamas. “isto escuta, minha noiva, você é uma mulher muito desejável e
eu posso prová-lo em qualquer momento que o deseje”.
Ele inclinou a cabeça para ela e capturou seus lábios em um beijo, o primeiro que
recordava em muitos anos. Foi um beijo de posse, intenso e apaixonado, e ela se
derreteu ante seu ataque. Ela abriu a boca e ele colocou e acomodou sua língua.
O gosto dele era masculino, com um sotaque de cobre, e lhe subiu à cabeça; deu-
se conta de que era o gosto de seu próprio sangue. Continuou um comprido
momento, e quando se separou dele, respirava de um modo entrecortado.
“por que não me crie quando digo que te desejo?”.
Ela evitou seu olhar intenso. “Porque sou uma virgem velha e gorda, não a noiva
que merece”.
Ele a agarrou com mais intensidade e a sacudiu, uma vez. “Para alguém de mais
de quinhentos anos de idade, você não é nada velha, e o tema sua virgindade foi
solucionado satisfatoriamente. Quanto ao resto, eu gosto das mulheres que não
as volteia um vento forte. Há tanto em ti de que agarrar-se, doçura”.

119 Cricket Starr


Ele a soltou tão inesperadamente que quase cai realmente, mas se sustentou no
segundo último. Os dedos dele capturaram seu queixo e a obrigaram a levantar a
cara e olhá-lo aos olhos.
“Não me sinto insultado absolutamente pelo presente de sua gente, Josia. É
formosa para olhar e é divertido conversar contigo”. Lhe sorriu ampliamente. “É
ainda mais divertida ao te fazer o amor. Espero ansiosamente nosso comprido
viaje juntos”.
“Comprido viagem?”.
“Ao seguinte sistema estelar. Acredito que são quatro anos mais ou menos”.
Seu coração pulsou com força. “Irei contigo?”.
“É obvio. Você é minha noiva, recorda?”.
Este homem formoso e apaixonado realmente queria sua companhia? “Mas eu
pensei que seria só por um par de dias. De fato, eu pensei…”.
Lhe soltou a cara; a sua se via doída. “Posso te ler o pensamento, Josia. Você
pensou que te ia matar”.
Tudo o que ela pôde fazer foi assentir com a cabeça em silêncio.
O suspiro dele foi tão profundo que pareceu que tinha juntado o ar durante os
quinhentos anos que dizia ter. Quando falou, sua voz era tão baixa que ela teve
que fazer um esforço para escutar o que dizia.

79
“Isso não é o que fazem os Pilotos da Escuridão, Josia. Necessitamos sangue
para sobreviver e nos manter sãs, mas não matamos. Não somos tão diferentes a
outros. Temos pensamentos e almas. estive sozinho durante muito tempo, o
suficiente para pensar em caminhar ao raio do sol e terminar com esta solidão.
Houve uma razão pela que escolhi o serviço da Liga, para me manter afastado de
fazer justamente isso. Os largos períodos no espaço, onde a luz solar é débil,
ajudam a curar da depressão que todos os Pilotos da Escuridão enfrentam, e
sempre esperei encontrar a alguém a quem me unir”.
Ele pôs dois dedos sobre as marcas em seu pescoço, as que não tinha tirado.
“Quero deixar estas marcas sobre ti, Josia, porque quero que seja meu casal da
escuridão”.
“O que é um casal da escuridão?”.
“Uma companheira que é tanto sangue como corpo para um Piloto da Escuridão,
que satisfaz todas suas necessidades”. Alguém de quem alimentar-se, alguém
com quem viver. Alguém a quem amar, para sempre”.
Ela deu uma gargalhada curta. “Por sempre deve significar algo diferente para ti.
Os humanos envelhecem e morremos”.
Ele sorriu com ternura. “As companheiras da escuridão não. O envelhecimento se
atrasa, é o resultado da marca. Tem o DNA do Piloto da Escuridão. Você
envelhecerá mais lentamente, de dez a cem vezes mais lento, e estará mais
saudável do que estiveste jamais. Produzirá mais sangue, a suficiente para que eu
possa tomar um pouco cada dia sem te secar. Seu sangue ajudará a me curar a
mim também”.

120 A noiva do piloto da escuridão


Ela não podia acreditar o que estava escutando. “Se for contigo, viverei mais,
estarei mais saudável e produzirei mais sangue? E isto tem alguma
desvantagem?”.
“Um par…”. Ele duvidou. “Eu não posso te dar filhos e não me faria feliz verte
procurar a outro homem para os ter. Além disso, o que chamam o período
menstrual muito provavelmente te retire”.
“Não há problema”. Ela nunca pensou em ter filhos de todas formas e não ia sentir
saudades seu período. “Qual é o outro problema?”.
“Bom…”. Agora ele se via realmente reticente.
Devia ser algo muito mau. Josia o agarrou por braço. “Por favor, me diga, Dimitri.
Qual é o outro problema?”.
Ela deveu havê-lo sabido ao ver o brilho travesso em seus olhos. Ele a agarrou
pela cintura e a levantou no ar como se pesasse pouco mais que uma boneca. Ela
deu um grito ante a repentina mudança de altitude. Sua bata se abriu, deixando
seu entrepierna exposta frente a ele.
Dimitri lhe sorriu desvergonzadamente. “O outro problema é que terá que suportar
que te faça o amor várias vezes ao dia!”. Dito isto, acomodou-lhe as pernas sobre
seus ombros e enterrou a cabeça entre suas coxas.

80
Josia gemeu baixo seu tenro ataque. Primeiro parecia estar concentrado em
limpar o sêmen e o sangue de suas coxas, mas logo que fez isso, encontrou a
pequena protuberância de seus clitóris e começou a chupá-lo sem piedade. Desse
pequeno ponto saíam rajadas de sensações, até que pôde sentir as cócegas de
sua boca sobre a ponta dos dedos das mãos e dos pés. Cada lambida de sua
língua fazia que outros calafrios a atravessassem, até ficar quase inconsciente.
Encarapitada sobre os ombros dele, Josia tinha medo de cair, mas um ramo de
uma árvore se estendia a duas polegadas de sua cabeça; então se aferrou a ela
para estabilizar-se.
Ele se apartou para lhe sorrir. “te agarre se te faz sentir melhor, mas deve saber
que nunca te deixaria cair. Preferiria caminhar ao sol antes que verte machucada,
meu Josia”.
Logo redobrou os esforços, e ela se pendurou do ramo de todas formas, embora
fora para ter algo sólido do que aferrar-se. Ao pouco momento, ela se estremecia
quando a atravessava uma onda detrás onda de prazer. Ela atirou a cabeça para
trás e gritou de alegria.
Umas sacudidas tardias depois de seu clímax deixaram suas extremidades débeis
quando ele a baixou de seus ombros por seu corpo até ficar de pé e tremente
sobre o chão. Sua ereção se sentia dura e rígida dentro de suas calças, uma dura
vara esperando empalá-la. Enquanto a sustentava, esfregou seu verga contra ela.
Lhe sussurrava ao ouvido. “me deixe te fazer o amor, Josia. me diga que quer que
o faça”.
Ela assentiu com a cabeça, mas lhe respondeu com um grunhido. “Quero as
palavras, Josia. me diga que me deseja”.
“Desejo-te”, disse ela, com a voz quase tão tremente como as pernas. “Quero que
me faça o amor”.

121 Cricket Starr


O levantou a cara para olhá-la aos olhos. “Muito bem, vêem comigo”. Ele começou
a arrastá-la pelo atalho.
Confundida, Josia o seguiu. “por que? Aonde estamos indo?”.
Lhe fez um sorriso de felicidade por sobre o ombro. “A minha nave, doçura. A
minha cabine, onde há uma cama para que possamos desfrutar mais
comodamente deste emparelhamento. Não tomaria sobre o chão frio e duro, e
contra uma árvore, uma vez é suficiente. Você é nova no amor e eu gostaria de te
mostrar apropiadamente como deve ser”.
Era difícil questionar essa lógica, sem considerar quão forte a tinha arranca-rabo.
Josia o seguiu.

122 A noiva do piloto da escuridão


Capítulo quatro
A nave era mais alta do que esperava, ao menos dez vezes a altura do edifício
mais alto da Deema 7. Não é que o edifício mais alto do que se gabava a colônia
podia ser considerado muito alto. Mas mesmo assim, a nave do Dimitri superava à
árvore mais alta em ao menos cinqüenta metros. A base era larga, com largas
aletas que deviam estabilizá-lo quando voava através da atmosfera. Tudo ali era
lustroso e elegante.

81
“É formosa”, disse Josia.
Dimitri a olhou com um evidente orgulho. “Anoitecê-la foi meu lar durante muito
tempo. Me alegro de que você goste”.
Quando chegaram à estreita abertura que era a comporta da nave, Dimitri elevou
a Josia em seus braços. Novamente se assombrou de quão forte era quando a
levou dentro da nave.
“Um velho costume terrestre. Cruzar a soleira com a noiva em braços”.
Um costume que eles também tinham ali, mas que ela não esperava experimentar.
Josia o olhou à cara, maravilhada com este bonito estranho que a tinha
reclamado.
Ele sorriu, revelando suas estreitas presas. Por alguma razão, esta vez não a
assustaram. Ela apenas os sentiu quando ele inclinou a cabeça para reclamar
seus lábios em outro desses beijos que lhe chegavam à alma, e uma nuvem
rosada de paixão lhe nublou a vista.
Ela escutou a voz mental dele. Minha, minha. Ele começou a cruzar o vestíbulo,
mas se deteve de repente perto de uma arcada. depois de duvidar um momento,
agachou-se e cruzou.
Josia olhou a seu redor no abarrotado espaço. “Esta é sua cabine?”.
“Este é o porto de carga”. Ele se dirigiu a uma pilha de aspecto suave em um
rincão. Apoiou-a brandamente sobre ela, e Josia descobriu que a pilha era de uma
espécie de pesados tapetes tecidos à mão. Ele se tirou a roupa imediatamente e
se recostou sobre ela. “Tenho muitos desejos de te fazer o amor para esperar”.
A desculpa soou débil, mas ele a continuou com beijos tão aditivos que Josia não
teve a capacidade mental para queixar-se. Em troca, rendeu-se a suas insistentes
mãos e boca e gemeu quando ele se prendeu a seus mamilos com os lábios,
chupou-os e os lambeu, e logo a deu mordeu levemente com suas presas.
Possivelmente lhe tirou sangue, mas se o fez, lambeu a evidência muito rápido
para que ela o notasse.
Um momento depois, ele se elevou sobre ela e abriu suas coxas para prepará-la
para que seu verga se apropriasse de sua concha. Ele arremeteu para diante para
unir-se a ela, e Josia voltou a experimentar essa conexão íntima com um homem.
Esta vez ainda mais, já que a

123 Cricket Starr


mente dele se uniu com a dela, e seus pensamentos se deslizaram ao redor dos
dela até não estar muito segura de quem pensava que coisa.
Benditas sejam as estrelas, sinto-me tão bem contigo, tão bem…
Isso o pensou ela ou ele? Provavelmente ele, mas ela sentia o mesmo. Josia se
abriu mais para ele, de corpo e de mente. Dimitri respondeu empurrando mais
duro, mais profundo e mais rápido, até que Josia esteve segura de que ia gritar.
Necessito sua doçura. Ela sentiu que suas presas se afundavam sem dor em seu
pescoço e logo houve um grito que cortou sua nebulosa sensual, um grito que saiu
de sua garganta. Josia acabou com intensidade, justo quando Dimitri deixou de
alimentar-se, grunhiu e sua mente pareceu explorar na dela. Idéias, imagens e
fragmentos de sensações de suas centenas de anos encheram sua mente, e ela
ficou com a cabeça lhe dando voltas por um momento.

82
Quando voltou a ser um pouco parecido a si mesmo, o primeiro que viu foi o muito
masculino sorriso de satisfação do Dimitri. “Bom, isso foi definitivamente
espetacular”, disse.
Ela estava por assentir quando outra voz interrompeu. “Espetacular, por certo. Já
terminou de arruinar os tapetes do Goeron?”. A voz ácida destroçou o que ficava
de sua nebulosa sensual e a trouxe de volta à presente de um puxão. Alguém
mais vivia na nave do Piloto da Escuridão? O que pensariam dela?
A risada pelo baixo do Dimitri lhe disse que ele tinha escutado sua preocupação
não expressa. Arthur não pode julgar a ninguém... que não eu seja, terminou
ironicamente. Por alguma razão, gosta de me encontrar defeitos. “Os tapetes
estão bem, Arthur. Tomamos cuidado”.
A resposta foi um bufido imaterial. “Obviamente encontraste a uma mulher que te
vem bem, finalmente. Não vais apresentar me, Dimitri, ou entregou suas maneiras
junto com seu coração?”.
Agora sabe por que não fomos diretamente à cabine. Dimitri se parou com um
suspiro e ajudou a Josia a fechar sua bata; depois se vestiu. Ele a conduziu até o
que deve ter sido a sala de controles da nave, e ela dava voltas, tratando em vão
de encontrar a origem da voz entre os painéis de luzes parpadeantes.
“É obvio que te vou apresentar. Arthur, apresento a Josia, a dama que me
entregaram como noiva”.
Ele fez um gesto com a mão assinalando o interior da habitação. “Josia, este é
Arthur… minha nave”.
“Sua nave?”.
“Bom”, corrigiu ele. “Não a nave completa, acredito. Arthur é o computador que
dirige a nave”.
Um computador? Na Deema tinham computadores, mas nenhuma que pudesse
falar. Assombrada, Josia fez um passo mais dentro da habitação. “Falará-me?”.

124 A noiva do piloto da escuridão


“Doçura, uma vez que o deixe começar, terá problemas para fazer que se cale”.
“Bom, não é amável dizer isso”, irrompeu o computador.
Dimitri levou a Josia onde havia uma grande cadeira diante de um dos painéis
parpadeantes e a sentou em sua saia depois de deixar cair nela. “me desculpe,
Arthur. Você só fala quando tem algo que dizer, ou seja virtualmente todo o tempo.
Mas agora tem a alguém mais para chatear… quer dizer, para conversar. Dava olá
a Josia, Arthur”.
“Olá, Josia”, disse a nave afectadamente. “É um prazer conhecê-la”.
“Também estou prazer em conhecê-lo”. Ela olhou a seu redor, tratando de ignorar
a mão do Dimitri que lhe massageava o seio através de sua fina bata. “Mas não
sei onde olhar quando lhe falo”.

83
“Ah, possivelmente uma ajuda visual seria de ajuda”. No rincão apareceu de
repente um holograma, a imagem de um homem alto, magro, moderadamente
calvo, com um nariz fino, lábios mais finos e olhos escuros e sábios. Levava uma
vestimenta pouco comum: calças negras com uma raia mais negra aos lados e um
saco fazendo jogo que era muito mais comprido atrás que adiante, sobre uma
camisa branca imaculada com uma gravata magra atada em um coque. depois de
arquear uma magra sobrancelha ao Dimitri, fez girar seu penetrante olhar até ela e
curvou seus lábios em um sorriso ao inclinar-se. “Eu sou Arthur, estimada senhora,
e estou encantado de que tenha decidido unir-se a nós”.
“Arthur? Esse é um nome pouco comum”.
Dimitri riu socarronamente. “Pu-lhe esse nomeie por um de meus filmes favoritos
do século vinte, doçura. Você sabe, entretenimento visual bidimensional. Ele me
recorda ao mordomo do filme”.
O holograma olhou para acima. “foi inútil lhe recordar que Arthur era o
personagem principal e não o nome do mordomo”.
Imperturbável, Dimitri mordiscou a parte de atrás do pescoço dela, e ela sentiu as
pontas de suas presas arranhar brandamente sua pele. “É um muito bom nome,
entretanto. Ele se vê como um Arthur, não o crie, Josia? Bom, com o tempo
acreditará. Arthur pode ser um pouco lhe intimidem ao princípio, mas acostumará
a ele. Logo estará cumprindo suas ordens tal como o faço eu”.
Um bufido de desgosto saiu do computador. “Você cumpre minhas ordens?
Quando chegará o dia…? Lhe rogo, não o escute, estimada senhora. Minha única
preocupação será fazer sua estadia o mais prazenteira possível”.
Dimitri encontrou o mamilo dela debaixo de sua bata e o beliscou brandamente.
“Sua estadia será permanente, Arthur, e eu me assegurarei de que a encontre
prazenteira”.
Josia não podia fazer isto com alguém olhando, até alguém tão desumano como
um computador. Além disso, havia algo na maneira que Arthur a olhava que o fazia
pensar que era algo mais que um mero programa. Ela apanhou a mão
desobediente de

125 Cricket Starr


Dimitri e a separou do seio que estava acariciando, apesar do muito que
desfrutava do que fazia. “Este não é o momento, Dimitri”.
Ele a olhou com desalento. “por que não?”.
antes de que ela pudesse responder, o estômago da Josia rugiu, e sentiu que se
derretia da vergonha. Apesar de que lhe tinham devotado um grande banquete de
“despedida” essa tarde, o medo a seu iminente destino não permitiu provar
bocado; tinha passado muito tempo desde seu nervoso café da manhã essa
manhã. Tinha estado muito assustada de seu futuro para comer. O fato de que lhe
voltasse o apetite era uma prova do cômoda que se sentia com o Dimitri.
Arthur levantou suas sobrancelhas holográficas. “Acredito que nossa hóspede tem
fome, Dimitri!”. por que não a leva a sala e eu preparo algo rápido?”. Com um
olhar de imensa satisfação, ele se esfregou as mãos virtuais e desapareceu da
vista.

84
Dimitri riu. “Ah, agora sim que o tem feito feliz. Ele se acredita que é um chef de
categoria, mas comigo solo para me preparar comida, não teve oportunidade de
praticar com ninguém”.
Ele a levantou em seus braços, ficou de pé e saiu pela porta. Josia pôs uma mão
sobre sua cara. “Por favor, me baixe, Dimitri. Devo-me estar pondo pesada”.
Ele a olhou com uma expressão de perplexidade. “Não é para nada pesada para
mim, doçura. Para mim, não pesa nada, e eu gosto de te levar”.
“Sim, mas…”, sua voz começou a apagar-se quando ele apertou seu traseiro
brandamente.
“Sim, também seu traseiro é realmente lindo”. Ele a deu volta de cara à parede
interior do corredor e esfregou a verga contra a raia de seu traseiro. “Realmente
desfrutaria de tomar aqui…”, lhe sussurrou no ouvido, inclinado para diante. “Não
acredito que ninguém te tenha pego pelo traseiro antes, verdade?”.
Era pouco provável, dado que tinha sido virgem até fazia uma hora. Mesmo assim,
ela se esquentou de só pensá-lo. Ela notou que estar com o Dimitri lhe daria uma
quantidade de experiências interessantes.
Pelo corredor chegou a voz imaterial da inteligência artificial: “Por favor, Dimitri,
poderia trazer aqui a jovem antes de que caia redonda diante de nossos olhos?
Ela necessitará de toda a força que possa conseguir para te seguir o ritmo”.
Dimitri riu pesaroso em sua orelha, inclinou-se para trás e a soltou. “Arthur tem
razão nisso. Vejamos o que te preparou para comer”.
Josia não estava segura se o que estava comendo era de alta cozinha, mas era
realmente saboroso, e se serve pela segunda vez baixo a aprovação holográfica
do reaparecido Arthur. Dimitri se serve um copo de algo espesso e de uma
estranha cor carmesim.
Ela empalideceu. “Parece sangue”.
Com um suspiro, Dimitri fez girar o líquido em seu copo. “Em realidade, não. Nem
tampouco tem o gosto, mas tem a habilidade de manter vivo a um Piloto da

126 A noiva do piloto da escuridão


Escuridão. chama-se Artiheme, um derivado artificial do sangue”. Ele tomou outro
gole e fez uma careta. “Pode viver com isto, mas muitos de minha espécie
prefeririam morrer”.
“Se você não gostar, por que toma?”.
“Doce, porque por mais que seu sangue é delicioso, não posso realmente tomar
tanto como necessito neste momento”. Ele se terminou o copo. “Isto é necessário
por agora”.
“Será necessário mais adiante?”.
Ele sorriu e tocou as pequenas feridas no flanco de seu pescoço. “Não o será a
maior parte do tempo. te ter aqui será uma delícia”.
Arthur limpou sua garganta virtual. “Dimitri, este seria um bom momento para
concluir com a carga”.
Dimitri assentiu reticentemente com a cabeça. “Se o fizer agora”, disse a Josia
causar pena, “poderemos passar o resto da noite fazendo o amor”.
Josia o viu ir-se, de repente temerosa de não o ter à vista.

85
“Não se preocupe, Dimitri. Eu cuidarei bem dela”, disse-lhe Arthur antes de voltar
sua atenção a ela. “Possivelmente depois de que termine o jantar, gostaria de dar
um banho e vestir-se com um pouco mais cômodo?”.
Um banho soava como os deuses, e algo seria melhor que a bata muito pequena
que ainda levava. “Terá algo de meu tamanho?”.
A imagem oscilou um pouco, e Josia quase poderia jurar que a inteligência
artificial se estava rendo. “OH, estou seguro de que encontrarei algo”. Ele franziu
os lábios como se estivesse absorto em seus pensamentos. “Possivelmente um
vestido verde esmeralda? E um tecido de seda, diria eu, algo ao corpo?”. Ele
estalou os dedos. “Sim, sei exatamente o que”.
Arthur desapareceu com uma explosão de estática e Josia comeu seu delicioso
jantar com voracidade e renovado interesse. Ser a noiva de um Piloto da
Escuridão ficava cada vez melhor!

127 Cricket Starr


Capítulo cinco
Josia se recostou na água profunda e quente, e deixou que o calor aliviasse seu
corpo cansado e dolorido. lhe surpreendeu ver que grande era a banheira, o
suficientemente grande como para que duas pessoas entrassem com
comodidade. Por um momento, Josia pensou em compartilhar a banheira com o
Dimitri. Fazer o amor na água, o que divertido seria!
Até sem ele, ela o desfrutou. Ainda estava um pouco sensível onde Dimitri lhe
tinha tirado a virgindade. Lhe demonstrou tanto cuidado depois, particularmente
quando a sustentou sobre sua cabeça e usou sua boca sobre ela. Lhe tinha
prometido que a próxima vez que fizessem o amor seria em uma cama… ela
esperava isso ansiosamente.
De fato, apesar de sua dor, seu corpo reagiu à idéia de que sua firme e dura verga
explorasse seus espaços íntimos. perguntou-se que gosto teria esse órgão
comprido e firme… provavelmente de maravilhas, a julgar pelo sabor dos labis do
Dimitri.
Os tons entrecortados do Arthur interromperam seu sonho. Lhe havia dito que se
estava acostumando a sua voz imaterial, então ele não se incomodou em
materializar-se no banheiro. Dava-lhe uma sensação de privacidade o não o ter
fisicamente ali; embora fora parte da nave, ele estava ali, de algum jeito… Era
confuso quando o pensava, então tratou de não fazê-lo.
“A senhora Josia quereria provar os jorros da banheira? São excelentes para
relaxar-se”.
“Seguro, Arthur”. Imediatamente, uns jorros de água morna que pulsavam
brandamente golpearam suas costas e sua parte dianteira de uma vez. sentiam-se
divinamente sobre suas dores, particularmente em suas costas, tensionada por ter
sido deixada atada quase toda a tarde, além de ter sido sustentada contra uma
árvore quando Dimitri tomou pela primeira vez.
Não é que se estivesse queixando. Mas os jorros se sentiam realmente bem.
Particularmente esse. Havia um jorro no piso da banheira que estava orientado
justo entre suas pernas. Josia se deslizou para diante o suficiente para deixar que
o jorro golpeasse seus sensível clitóris. Ah, isso se sentia bem! Soltou um
pequeno gemido.

86
Poderia jurar que escutou que Arthur ria por cima dos sons dos jorros da banheira.
Imediatamente, o jorro entre suas pernas se voltou mais animado, e a golpeava
com ondas rítmicas que ela encontrou até mais interessantes.
Ela se deu conta do que passava imediatamente. Por todos os céus, Arthur estava
controlando os jorros! Consciente de que o computador da nave sabia exatamente
que fazia, e pior até, ajudava-a, Josia tratou de afastar do jorro sedutor da metade

128 A noiva do piloto da escuridão


da banheira, só para que outro se acendesse, diretamente pontudo a seu ânus. A
combinação dos dois quase a fez sair-se da banheira.
“Há algum problema, minha senhora?”. O tom solícito da IA desmentia seu anterior
risita.
“Está controlando os jorros da banheira?”.
“É obvio”. Se detiveram imediatamente e a água ao redor dela se aquietou.
“Queria que eles fizessem alguma outra coisa? Têm muitas funções. Só me diga o
que quer e o brindarei gostoso”. Seu entusiasmo tomou por surpresa.
“Os jorros… têm muitas funções?”.
“Seguro”, seguiu Arthur com seus tons entrecortados. “São bons para aliviar os
dores musculares, para relaxar corpos cansados e para estimular órgãos sexuais.
Hão-me dito que são particularmente bons para isso. Como não tenho órgãos
sexuais, tenho que acreditar o que diz Dimitri a respeito”.
“Dimitri usa os jorros da banheira dessa forma?”. Ela não podia acreditar que o
Piloto da Escuridão procurava prazer das mãos… bom, do programa de um
computador.
“Bom, depois de tudo, minha senhora, ele esteve no espaço durante muito tempo.
Isso pode ser muito duro para qualquer, inclusive para um Piloto da Escuridão. Ele
tem que encontrar um pouco de alívio”.
Josia ficou a pensar nisso. Certamente que Arthur tinha razão. por que Dimitri não
podia programar jorros especiais em sua banheira?
“Crie que lhe importará se fizer o mesmo?”.
“Minha estimada, Dimitri nunca lhe negará nenhum prazer. Ele se preocuparia
mais se você os negasse a si mesmo”.
Dito dessa maneira, parecia que não faria nenhum dano. “Então reacende os,
Arthur, particularmente os do fundo”.
“Como você o deseje”. A voz da IA soou presunçosa, mas a Josia não importou já
que os jorros voltavam e umas ondas de água morna e estimulante golpeavam
seus pontos sensíveis, e enviavam onda detrás onda de sensação através dela.
recostou-se e deixou sair um sentido gemido enquanto a água fazia seu trabalho.
“Isso se sente tão bom, Arthur”.
“É obvio, senhora Josia. Assim deve ser”.
*****
depois de cinco orgasmos extremamente prazenteiros, Josia se provou o vestido
novo que Arthur lhe tinha encontrado, verde esmeralda como lhe tinha prometido e
feito do tecido mais sedoso que jamais tinha sentido sobre sua pele. Ficava
precioso e ao girar frente à superfície espejada em que Arthur tinha convertido
uma das paredes, sentiu-se agradada com seu aspecto.

87
129 Cricket Starr
Ela se via… formosa! Bom, possivelmente não exatamente, mas ao menos estava
bonita, e isso era muito melhor do que se viu antes. Além disso, sentia-se
diferente. sentia-se bonita, e isso era completamente maravilhoso.
Dimitri pensava que ela era formosa.
Josia se acalorou de só pensar nele, deu um passo para trás do espelho e a
parede voltou a ser de simples metal. perguntou-se quanto tempo passaria até
que Dimitri voltasse a procurá-la. Ela queria lhe mostrar seu novo vestido e lhe
dizer o maravilhosa que se sentia.
Também queria provar lhe fazer o amor nessa cama que lhe tinha prometido. Suas
experiências na banheira só lhe tinham aberto o apetite por mais sexo. Suficiente
dos esportes aquáticos. Ela queria um homem. Ou um Piloto da Escuridão com
uma ereção.
Ela se afundou no almofadão cômodo e suave da sala. “Arthur, quanto falta para
que volte Dimitri?”.
“Acreditaria que muito pouco”. A inteligência artificial não soava preocupada, mas
havia um sotaque de dúvida em sua voz. “Deveria ter terminado já”.
“Possivelmente algum dos bens necessita um trato especial e ele necessita
ajuda”.
“Possivelmente tenha razão. Enviarei uma sonda espacial espião para buscá-lo.
Enquanto isso, deveríamos nos preparar para sua partida conosco. Há algo que
desejaria trazer com você?”.
Ela realmente ia deixar seu planeta natal e não veria sua irmã nunca mais. Josia
ignorou o ponto que lhe ocasionou pensar nisso. “A maioria de meus objetos
pessoais estavam com os bens de intercâmbio. Havia uma pequena valise com
eles”.
“Hmm. Acredito que posso vê-la. Uma pequena e azul? Levarei-a a cabine
principal”.
“Obrigado, Arthur. Estava pensando que, como estaremos tanto tempo no espaço,
quereria-me trazer meu tear. E um pouco de linho para tecer”.
“Uma idéia soberba”. A IA soou realmente entusiasmada. “Joguei uma olhada ao
tecido que Dimitri me disse que você tinha feito e devo dizer que estou
impressionado”.
As adulações da IA a fizeram sorrir com orgulho. “Obrigado, Arthur!”.
“Por nada, senhora Josia. Agora, quererá despedir-se amanhã de noite antes de
que separemos. Possivelmente poderíamos trazer para sua família à nave e a
alguns amigos para uma festa de despedida. Para quantos preparo refrescos?”.
“Seria só minha irmã. Não há necessidade de fazer uma verdadeira festa”.
“Festa não?”. Josia pensou que ele soava desiludido, mas logo a voz do Arthur
pareceu muito longínqua de repente, como se ela mantivera só uma fração de sua
atenção. “Sua irmã, como a descreveria fisicamente?”.
“Como eu. Com cabelo escuro e olhos marrons”.
“Cabelo comprido, possivelmente? Mas ela é mais jovem e sua cara e seu corpo
são mais magros, verdade?”.

130 A noiva do piloto da escuridão


Josia se sentou, de repente preocupada. “Sim, assim é ela. por que perguntas?”.

88
“Porque minha sonda espacial espião encontrou ao Dimitri, e a uma mulher, que
concorda com essa descrição, que lhe está apontando com uma espécie de arma
enquanto falamos!”.

131 Cricket Starr


Capítulo seis
Apesar dos protestos do Arthur sobre o que Dimitri lhe faria se algo acontecia com
ela, Josia procurou suas pantufas e saiu correndo da nave, em direção a sua irmã
e Dimitri. Ela não podia imaginar que tipo de arma poderia ter encontrado Kissa
que pudesse manter prisioneiro a um Piloto da Escuridão, mas sua irmã era
bastante imaginativa. Não era muito desatinado pensar que ela tivesse encontrado
algo que fora uma ameaça.
Chegou para ver que Arthur não tinha exagerado. Sentado totalmente quieto sobre
uma valise com provisões supostamente para a colônia, o olhar do Dimitri se fixou
no raio de luz púrpura azulado que tocava o chão justo frente a seus pés… e com
um bom motivo. A luz emanava de um pequeno cilindro na mão da Kissa, e Josia
o reconheceu como uma das poucas lanternas ultravioletas da colônia. A luz se
usava para curar enfermidades leves da pele, mas podia lhe ocasionar uma
queimadura feia à pele sensível do Dimitri.
Desde atrás de uma árvore, observou a Kissa levantar sua arma improvisada; o
raio agora pegava contra a valise entre as pernas abertas do Dimitri. Josia fez
uma careta quando a viu aproximar-se lentamente a seu entrepierna, e se
perguntou que dano lhe faria se lhe pegava na verga e as bolas.
“Perguntei onde estava Josia. Não o perguntarei outra vez”.
Dimitri franziu o cenho. “Disse-te que minha dama está a salvo e onde ninguém o
hara danifico”.
“Ninguém mais que você, quererá dizer”.
“Só tenho boas intenções para com ela. Tenho a intenção de fazê-la meu casal”.
Kissa disse não com a cabeça. “Você espera que eu cria isso? Ninguém quer a
Josia. A ninguém importa mais que a mim”.
A verdade não lhe doeu pouco, apesar de que sabia que sua irmã a queria de
verdade.
Dimitri meneou a cabeça. “Se te importar, então sabe que pessoa maravilhosa é.
Eu também a amo, pequena. Por isso quero que venha comigo”.
Dimitri realmente a amava? Foi tudo o que Josia pôde fazer para não correr a ele.
Pela expressão em sua cara, Kissa não estava convencida. Olhou com fúria ao
Piloto da Escuridão. “Você só quer te alimentar dela. Tomará tudo seu sangue e
ela morrerá!”.
“Não por minhas mãos”. Dimitri ficou de pé e levantou uma mão para jurar. “Nunca
lhe farei mal”.

132 A noiva do piloto da escuridão


O raio se sacudiu quando a lanterna tremeu em sua mão. “Não te aproxime mais.
Só está tratando de me enganar. Quero que a deixe livre, agora!”.
“Não o farei. Ela é minha”.
“Porque a ataram e lhe deram isso como forma de pagamento?”. Eles não tinham
direito a fazer isso. Você a escravizaria por isso?”.

89
“Já te disse. Ela não é uma pulseira. Ela se entregou a mim”.
“Ela não teve opção”.
Os olhos verdes do Piloto da Escuridão brilharam. “Agora a tem. Darei-lhe a
opção”.
“Então, se ela queria ficar, você a deixaria? Não a faria ir contigo se não o
quisesse?”.
“Eu…”. Por um momento, Dimitri se viu inseguro, logo enfrentou diretamente a sua
irmã. “Assim é. Se ela quer ficar, então não a obrigarei a ir-se comigo”.
Josia conteve a respiração. Ela podia ficar? Queria-a tanto, para deixá-la livre se
ela o desejava? Ela saiu de atrás da árvore. “Não o machuque, Kissa”.
Kissa girou torpemente, banhando a Josia com um brilho púrpura escuro.
Horrorizada, Kissa deixou cair a lanterna e correu até ela. “Não! Não quis lhe
queimar”. Pôs-se a chorar e lançou seus braços ao redor da Josia. “Está bem? Ele
não te obrigou a que você goste?”.
Josia não pôde evitar rir enquanto acariciava as costas de sua irmã para
reconfortá-la. “Um abajur de raios ultravioletas não vai machucar a menos que
passe várias horas debaixo dela. Ainda sou humano, Kissa”.
“Ah, graças ao céu!”. A sua irmã lhe caíram as lágrimas. “Ouviu-o, Josia? Disse
que te deixaria ir”.
Josia olhou ao Dimitri e viu que a observava abraçar forte a sua irmã. “Ouvi-o”.
Ele duvidou, logo deixou cair os ombros. Até sem tocar sua mente, ela pôde sentir
seu desespero.
“Prometi não te fazer danifico, Josia, e isso inclui as penas do coração. Nunca te
separaria de alguém que amas”.
“Sei, Dimitri”. Ela duvidou, logo fez girar a sua irmã para ela e a beijou na frente.
“Vá a casa, Kissa”.
Sua irmã ainda tinha lágrimas nos olhos. “Você não vem comigo?”.
“Agora não. Fui entregue ao Dimitri ao menos durante o tempo que estivesse
aqui”.
“Mas Josia… diz que quer ficar com ele?”. A cara da Kissa se obscureceu como
quando era pequena e lhe negavam um caramelo, e Josia recordou quão jovem
era.
“Tenho intenção de cumprir com minhas obrigações com ele por agora. Respeito a
mais tarde…”. Sua voz se apagou. “Tenho muito que pensar”.
“Ah. Bem. Acredito que é justo”. Kissa não pareceu dizê-lo a sério, mas começou a
caminhar para o bordo do claro. “Verei-te amanhã, verdade?”.
“Minha nave não se irá até manhã de noite”, Dimitri disse. “Retorna então”.

133 Cricket Starr


Com um último olhar de desconcerto a Josia, Kissa fez um gesto com a cabeça e
partiu.
depois de duvidar um momento, Dimitri cruzou o espaço entre eles, tomou em
seus braços e a beijou, e Josia voltou a sentir-se baixo seu feitiço. “Obrigado por
ficar, por esta noite ao menos”.
Ela se apartou e lhe sorriu. “Estou muito distraída para te dizer que não, recorda?”.
Abraçou-a mais forte. “E eu compartilho sua distração. Embora não cria nada
mais, crie isso”.

90
“Acredito”. Ela precisava distrai-lo de algum jeito. “Agora, não me prometeu uma
cama para a próxima vez que fizéssemos o amor?”.
A risada dele soou forçada, mas a beijou outra vez e a levantou em seus braços,
agarrando-a como se pudesse desaparecer de seu agarre. “Sim, fiz-o,
certamente”.

134 A noiva do piloto da escuridão


Capítulo sete
E era uma cama incrível. Suave, cálida e com a quantidade justa de molas, além
de que enchia todo o rincão da cabine do Dimitri, o qual lhes dava muito lugar para
todo tipo de atividades sexuais. Fazer o amor ia ser bom nesta cama. Fazer o
amor com o Dimitri ia ser fabuloso.
Despida uma vez mais por um impaciente Piloto da Escuridão, Josia estava
recostada sobre os travesseiros e o olhava tirar-se sua própria roupa, quase
arrancando os fechamentos pela necessidade de livrar-se deles. Do Arthur saiu
uma queixa sobre o dano, recordando ao Dimitri que alguém teria que arrumar sua
roupa, mas durou pouco, já que o piloto disse ao computador que apagasse todo o
monitoro no dormitório. Ante o suspiro de alívio da Josia, Arthur murmurou algo
sobre a falta de respeito, logo os únicos sons foram os das respirações dificultosas
do Dimitri e dela.
Ele estava parado frente a ela, despido e despreocupado; era o homem mais
formoso que tinha visto jamais. Seu corpo era tudo duro músculo, tonificado por
horas de exercício que fazia para reduzir os sintomas da perda de gravidade. O
corpo dela formigava ante sua força e seu desejo dela, óbvio pela maneira em que
seu verga, larga e pesada, apontava-a. Ela não podia acreditar quão afortunada
era por estar com ele. A loteria que tinha eleito a Kissa e a tinha obrigado a ela a
tomar o lugar de sua irmã, tinha-a entregue a um homem que a desejava. Mais
que isso, em realidade ele a amava.
Ela se sentiu como a mulher mais afortunada do universo. “Te vais ficar aí parado
me olhando toda a noite?”.
“Apesar de que eu gostaria de muito, não posso. Amanhecerá em um par de
horas, e eu durmo enquanto há sol”. Ele se ajoelhou na cama junto a ela e se
arrastou para diante entre suas pernas. “Anseio passar esse descanso contigo em
meus braços. Ficará comigo até manhã na noite?”. Uma nota de melancolia se
deslizou por sua voz.
“Ficarei contigo durante seu descanso, Dimitri”. Ela acariciou sua cara. “Por favor,
me faça o amor agora”.
Esta vez, quando ele a beijou, houve algo mais, menos posesividad e mais
ternura. Ela não escutou mais esse minha, minha em sua mente. Possivelmente a
idéia de que poderia perdê-la-o fez valorá-la mais, como a um tesouro, como o
que fora, Josia sentiu a profundidade de sua necessidade dela e se mergulhou
dentro. Ela o buscou com a mente e lhe fez ver quanto o desejava.
Ele se inclinou sobre ela e lhe roçou o pescoço com seus lábios. Ela pôde logo
que sentir as pontas de suas presas. “Será um prazer para mim, Josia”.
“Não… para os dois”, disse ela sonriéndole.

135 Cricket Starr

91
Já tinham tido sexo. Mas isto era diferente. Dimitri mostrou entusiasmo, e foi
quase feroz em seu interesse a primeira vez; a segunda vez lhe fez o amor com a
sorte da posse.
Ele agora duvidou antes de reclamar seu corpo. Isto era menos sexual, a união de
dois corpos, e mais a união de duas mentes, dois corações e duas almas. Isto era
amor, não sexo.
“Você disse a minha irmã que me amava. Crie que é possível amar a alguém a
primeira vez que o vê?”, Josia perguntou em voz baixa.
“Eu estava acostumado a não acreditar no amor a primeira vista. Mas isso era
antes de te conhecer”. Os lábios dele se torceram para formar um sorriso. “Mas
devo admitir que o amor não foi o primeiro em minha mente. Você te via
simplesmente tão apetecível maça a essa árvore”. Ele baixou sua mão para tocar
seu seio, aproximou o mamilo e sua língua saltou fora para acariciá-lo. A ponta se
endureceu, e ele se aproximou para chupar cuidadosamente dela. Josia logo que
pôde sentir as pontas de suas presas sobre a suave pele.
“Sabe tão bem, doce dama. Como…”, sua voz se apagou e ele riu. “Que gracioso,
não posso pensar em nada que saiba tão bem como você”.
Ela se sentou e o empurrou para deixá-lo de barriga para cima. “Esta vez eu quero
te provar a ti”.
A cara do Dimitri mostrava uma profunda apreciação enquanto Josia envolvia sua
mão ao redor de sua haste e lhe dava a primeira lambida tentativa a seu verga.
Ah, era tão adorável como ela o tinha suposto. Usou sua mão livre para acariciar a
suave bolsa debaixo e explorou as partes deste homem com tanta curiosidade
como paixão. Os gemidos de satisfação de lhe disseram que estava tocando-o
bem, mas quando se levou a ponta à boca, ele quase explora.
Detenha ali, Josia! Quero esperar para acabar dentro de ti.
Ele se sentou, ajoelhou-se detrás dela, e lhe abriu bem os socos do traseiro para
lhe dar a sua boca um melhor acesso a sua concha e a seus clitóris. Ao lhe dar a
primeira chupada, ele abriu sua mente a ela e lhe deixou ver quanto desfrutava de
seu sabor. Em resposta, Josia compartilhou os sabores que tinha tirado dele, com
o sal de seu fluido pre-eyaculatorio ainda sobre sua língua. Compartilhar suas
experiências, somado à boca do Dimitri sobre sua concha, fez que Josia ardesse
até quase lhe rogar que se metesse dentro dela.
Dimitri a penetrou lentamente desde atrás; e sua larga e grosa verga a encheu e a
fez estremecer. Ela choramingou, primeiro pelo tamanho dele, logo pela forma em
que se movia: cada investida era firme e forte. Josia olhou para trás e viu sua
cara, a intensidade quase dolorosa que mostrava. Ele a envolveu com seu corpo e
lhe lambeu a pele sobre seu ombro antes de morder e tomar só uns sorvos, para
logo selar os orifícios.
Nela brotaram a dúvida e a insegurança. Ele a necessitava por seu sangue e seu
sexo, isso era ela para ele.
Mas ele tinha escutado seus pensamentos. Necessito-te para viver, Josia. Você
me dá amor e risadas e um futuro pelo que vale a pena viver.

136 A noiva do piloto da escuridão

92
Como antes no porto de carga, em tanto crescia sua paixão e se aproximavam do
clímax, suas mentes se mesclaram. Josia voltou a ver seus pensamentos, esta
vez sobre quanto a desejava, quanto significava para ele tê-la… e que solo ficaria
quando ela se fora.
Foi suficiente para lhe romper o coração, especialmente quando se deu conta de
que, igual a ele, ela tinha estado sozinha quase toda sua vida. Sua malha tinha
sido seu trabalho, e sua irmã a tinha necessitado, mas logo Kissa escolheria um
dos tantos jovens que a pretendiam. Ninguém tinha pretendido nem pretenderia a
mão da Josia, e ela também tinha compridos e vazios anos por diante.
Dimitri acelerou e a mente dela se esvaziou de todo pensamento exceto do
maravilhoso que se sentia o ter detrás dela. diante dela, a parede se voltou
brilhante, provavelmente obra do Arthur, e pôde ver o reflexo de ambos. O belo
rosto do Dimitri sobre seu ombro, seus olhos fechados com paixão, suas mãos lhe
amassando amorosamente os seios, seus quadris empurrando seu verga no
traseiro dela. Ele abriu os olhos, que lhe acenderam de amor ao vê-los juntos a
ambos.
Suas imagens combinadas se uniram com as outras sensações e a empurraram
até o clímax. Josia derrubou a paixão resultante em seu vínculo para afogá-lo
antes de que a afogasse a ela. Apanhado na voragem, Dimitri perdeu o controle e
acabou com ela; suas mentes estavam mescladas, mesmo que seus corpos
alcançavam o ponto culminante com orgasmos simultâneos. Com gemidos
combinados, paralisaram sobre a cama. Suas mentes se separaram gradualmente
nos momentos que seguiram, apesar de que o vínculo ainda existia.
Josia estava recostada em seus braços, repleta, escutando os pensamentos
ociosos na cabeça de seu Piloto da Escuridão. A satisfação sexual lhes dava um
brilho quente, mas ainda havia uma sensação de um mau presságio, seu medo de
que ela o abandonasse. Ela mesma se sentia sonolenta, ao ter depravado suas
próprias tensões sexuais e ante a falta de sonho.
“Quanto falta para que amanheça?”.
Ele deu uma gargalhada curta. “Até depois de todos estes anos no espaço, ainda
posso sentir quando se aproxima o sol. Possivelmente tenhamos uns cinco
minutos, logo dormirei até que termine o dia”. Ela, recostada a seu lado, deu volta
a cara para olhá-lo. “Se queria escapar durante esse tempo, poderia fazê-lo. Eu
não poderia te deter”.
“Estou muito cansada. Além disso, poderia lhe dizer ao Arthur que decolagem
comigo a bordo enquanto dormimos se quisesse”.
“Poderia… mas isso não estaria bem. Pinjente que deixaria que você ditas se fica,
Josia”.
Nesse momento, Josia soube quanto amor sentia por ela. Ela tinha visto que tipo
de vida levava ele… o homem tinha jorros especiais em sua banheira para
satisfazer sua paixão e tomava sangue artificial que não gostava. Ela também
sabia que solo se sentia, os largos anos que tinha passado com a única
companhia de seu computador.
Durante muito tempo, tinha procurado a alguém como ela. Ela tinha notado a sorte
dele por estar com ela.
Mesmo assim, se ela o desejasse, ele a deixaria livre. Ele a amava tão assim.
“Dimitri, você prometeu que nunca poderia me separar de alguém que amo”.

93
Os olhos dele perderam a sonolência e se voltaram atentos. “Isso pinjente, sim”.
Ela não pôde resistir a brincar um pouco com ele. Josia se permitiu um sentido
suspiro e sentiu que Dimitri ficava tenso, como esperando uma má notícia.
“Bom, suponho que isso significa que você terá que ficar comigo. Amo-te muito
para ser separada de ti. Mas com uma só condição”. Ela abriu sua mente para ele
durante um instante para que ele pudesse saber qual era a condição.
Dimitri se sentou e se ajoelhou ao lado dela. Sua mão parecia suar quando tomou
a dela. “Josia, casaria-te comigo?”.
depois de toda uma vida sem opções, finalmente alguém lhe tinha dado a que ela
mais desejava. “Sim, farei-o, Dimitri”.
Ele pegou um grito e a levantou em seus braços, e logo a beijou
contundentemente. “Sou o Piloto da Escuridão mais afortunado do universo!”.
“É obvio que o é”, interrompeu Arthur, com um sotaque de arrogância em sua voz.
“Hei-o dito todo o tempo; depois de tudo, faz décadas que me tem contigo. Agora,
faço planos para que o casamento tenha lugar esta noite?”.
“Seria só minha irmã…”.
“Tolices”, disse Arthur, com um tom que não permitia discussão. “Um Piloto da
Escuridão não se casa todos os dias, devemos convidar a toda a colônia”. Um
som profundo irrompeu pelas paredes da cabine enquanto o computador girava a
máxima velocidade. “Está a comida, a bebida, a decoração… devemos ter uma
torta com uma porção de artiheme para o Dimitri. Ah, e um vestido de noiva, algo
gloriosamente sexy! Tanto que fazer… Eu me farei cargo de todos os
preparativos… Vocês dois descansem bem!”. Houve um grasnido abrupto e logo
se fez silêncio.
Renda-se, Dimitri se voltou a deixar cair sobre seu travesseiro e trouxe para seus
braços a uma repentinamente exausta Josia. “Não acredito ter escutado ao Arthur
tão feliz antes. O passará o resto do dia com os preparativos para o casamento e
o ano seguinte queixando de quão duro trabalhou. Que descanse, Josia… o vais
necessitar”.
Ela bocejou. “Que você descanse também, Dimitri. Amo-te”.
Um último pensamento se deslizou por seu vínculo enquanto o sol arrastava o
corpo dele a dormir. Eu também te amo, noiva do Piloto da Escuridão.
Fim

EL CLUB DE LOS MIÉRCOLES


Charlotte Boyette-Compo

Capítulo uno
Eram homens extraordinariamente bonitos e enquanto andavam pelo estreito
caminho que levava a habitação onde mantinham suas reuniões quinzenais, as
mulheres se davam volta para olhá-los e suspirar e fantasiar com como se
sentiriam ao estar nos braços fornidos desses guerreiros.
“Esses homens têm sua reputação”, comentou uma mulher de média idade. “É
um secreto sujo o que fazem as quartas-feiras”.
“Eles podem fazer o que gostem sem ninguém que os contradiga”, assinalou
sua companheira.

94
“Corydon é o mais formoso, não acreditam?”, perguntou a proprietária da loja
a seus clientes.
“Sim”, acordou a maior das duas clientas com um sorriso sonhador sobre sua
enrugada cara. “Ele pode deixar suas botas baixo minha cama de armar quando
queira”.
“Eu agarraria qualquer dos seis”, disse a filha da clienta, “mas com o Brion me
faz água a boca”.
“Kaia, por favor!”, repreendeu-a sua mãe. Ela se abanicó com energia. “Essas
palavras são muito inadequadas para uma donzela”.
Brion olhou a seus redor e quando seus olhos encontraram os da Kaia,
levantou uma sobrancelha loira e maliciosa. Um pequeno sorriso estirou seus
lábios.
“Não a respire, Brion”, respondeu rapidamente Keltyn, acotovelando a seu
companheiro. “Quer que se meta na habitação? Este é a primeira quarta-feira, não
o terceiro!”.
Brion suspirou. “Sim, esqueci-o”. Ele esfregou sua mandíbula sem barbear.
“Dá igual, acredito”.
Corydon tinha começado o clube três anos atrás para lhes dar algo que
ocupasse seu tempo quando não tinham obrigações militares. encontravam-se
duas vezes ao mês para cometer em privado alguns dos pecados sobre os que
lhes tinham advertido durante a infância: a gula, o jogo e a luxúria. As mulheres
que traziam para seu clube eram para o prazer somente, sem mal-entendidos
respeito ao compromisso e essas coisas. Era estritamente para o entretenimento
dos homens, sem que houvesse nenhuma possibilidade de cair na armadilha do
bichito do matrimônio. O que acontecia no clube, ficava no clube.
“Tenho intenções de voltar a ganhar o dinheiro que me tirou com armadilhas o
mês passado”, queixou-se Jubil. “Então mantén sua mente no tema desta
reunião”.
Os gêmeos, Owun e Timun, intercambiaram olhadas. Suas bolsas estavam
cheias até o bordo, e de acordo com o adivinho, este era seu dia de sorte. Timun
lhe piscou os olhos o olho a seu gêmeo.
“O que quis dizer esse olhar, Timun?”. Corydon perguntou ao estirar-se para
ajustar o acréscimo de cabelo atada sobre sua nuca.
Timum se deu volta para sua líder. “Loxias disse que ganharíamos muito hoje”,
disse o jovem, que gritou quando seu gêmeo se estirou e o beliscou.
“Há algo que se conhece como ser muito honesto, irmão!”, grunhiu Owun.
“Não diga tudo o que sabe!”.
“Não lhe levaria muito tempo fazê-lo”, comentou Jubil com uma risita.
“Loxias é um jovem estelionatário”, assinalou Corydon. “Melhor joga com suas
cartas perto de seu peito”.
Timun assentiu com a cabeça. “Terei-o em conta, Capitão”.
“Corydon!”, Owun disse entre dentes. “Os dias quarta-feira, ele prefere que o
chamemos pelo nome que lhe deram!”.

95
Corydon esteve a ponto de acordar, mas o brilho de uns fios dourados sobre
um comprido de tecido que levantavam o sol em um dos postos do mercado ao ar
livre apanhou sua atenção. Os fios apanhavam a luz do sol, refletiam-na e faziam
que o tecido parecesse tomar vida. detrás do tecido, estava a silhueta de uma
mulher.
“Quem nos proverá a comida hoje?”, perguntou Keltyn.
“Nossas fabulosas fornecedoras, as irmãs do inferno”, respondeu Brion com
uma careta.
“É bom que essas mulheres possam cozinhar, porque seguro que não têm
nada mais que fazer”, disse Jubil.
“Ah, não sei”, disse Keltyn enquanto sacudia um penugem do ombro de sua
túnica. “Eu agarrei a Hélia uma vez”.
Os outros cinco homens se detiveram em seus passos ao mesmo tempo e
giraram para olhar a seu amigo.
Jubil agarrou com força a parte superior do braço do Keltyn. “A maior? Keltyn,
por favor, me diga que está brincando”, exigiu-lhe.
Keltyn se encolheu de ombros. “Não estava tão mal, em realidade. É um
pouco rellenita, mas bom, eu gosto das mulheres com um pouco de cheio de onde
me agarrar”.
“um pouco rellenita?”. Brion perguntou com um tom de descrença. “A cadela é
grande como uma choça pequena!”.
“Isso passa por provar muito o que ela mesma cozinha”, disse Jubil. Ele
olhava fixamente a sua primo. “perdeste o julgamento, Keltyn?”.
Keltyn soprou e sacudiu o braço para soltar-se do Jubil. “Ela tem uma língua
muito talentosa”, disse ele.
“A cadela é uma cerda!”, Brion afirmou. “E também cheira como uma!”.
“Cavalheiros”, disse Corydon em voz baixa.
Os outros cinco homens olharam a sua líder, logo seguiram o olhar do homem
alto.
“No nome da Altascia!”, Owen sussurrou. “Quem é essa?”.
Se tivesse baixado a deusa em pessoa do Monte Laoch para caminhar entre
seus súditos, Corydon suspeitou que a beleza legendária da Altascia teria
empalidecido ao lado da criatura deliciosa cujo sorriso brilhava mais que o tecido
de fios dourados que estava comprando ao mercado de tecidos. O tinido de sua
risada soou como a campainha de prata mais doce, e o som se meteu bem para
dentro da virilha do guerreiro.
“Ela deve ser uma mulher de prazer”, sugeriu Jubil. “É muito formosa para ser
a esposa do algum homem”. Ele fez um gesto por volta de dois homens robustos
que estavam parados perto da beleza, com os braços cruzados sobre uns peitos
muito musculosos. “Eles parecem ser seus guardas”.
“Daria um mês de meu pagamento para me colocar debaixo desse vestido”,
disse Keltyn com um suspiro.
“Se ela for uma prostituta, teria que pagar mais que isso”, disse Brion. “Isso é
carne de qualidade, meu amigo”.

96
Corydon desviou sua atenção da conversação que mantinham seus amigos.
Seu olhar estava fixo sobre a magnífica mulher cujos magros braços estavam
adornados com espirais de ouro forjado e cujos elegantes pés estavam talheres
com sandálias muito custosas.
Seu cabelo era marrom escuro, com reflexos avermelhados que brilhavam ao
sol como se umas vaga-lumes batessem as asas por entre as mechas
elegantemente na moda dela. Várias fileiras de pérolas tinham sido tecidas por
entre essa lustrosa juba amontoada na parte mais alta de sua cabeça e espiralada
em uma larga trança que se meneava de um modo tentador sobre seu ombro
direito nu. O vestido que tinha posto ia com sua bem formada figura tão
docemente como o abraço de um amante, passava por debaixo de seu braço
direito para fluir graciosamente sobre o ombro esquerdo em delicadas dobras. O
fino tecido de seda se ajustava a seus curvadas quadris e moldava seus
generosos seios tão ajustadamente que as pontas de seus mamilos se
sobressaíam em um atrevido desafogo.
“Ela é imponente”, declarou Jubil.
“Meu verga palpita de só olhá-la”, Timun, o menor dos gêmeos, disse-lhes.
Outra risada musical escapou da garganta da formosa mulher, e ela desviou o
olhar do que fora que o mercado havia dito para observar a alguém que acontecia.
Seu escrutínio passou pelos homens, logo lhes tirou a vista rapidamente. Uns
olhos violeta pálido, emoldurados por pestanas largas e grosas, toparam-se com
os do Corydon, e o sorriso se deslizou de sua formosa cara enquanto estava ali
parada com os lábios separados e o olhava fixamente. Ao pôr a ponta de sua
língua sobre o lábio inferior para umedecer essa superfície sedutora, todos os
homens olhando-a sentiram que os envolvia um profundo redemoinho de luxúria.
“Fez uma conquista, Cory”, disse Jubil.
Corydon tinha conhecido a muitas mulheres formosas em seus trinta e nove
anos. Ele se tinha deitado com mais das que queria admitir, exceto quando estava
bêbado e em um típico estado masculino de alarde. Ele tinha conhecido os
prazeres de mulheres cuja carne era tão pálida como o leite recém ordenha e
daquelas cuja pele estava entre os tons mais morenos. Ele tinha cuidadoso olhos
verdes, azuis, marrons e negros, e todos os tons intermédios, mas nunca tinha
visto olhos da cor dos desta mulher. Até à distância de vinte pés, esses olhos
formosos brilhavam como as mais preciosas ametistas do Tranoliun.
“Timun”, sussurrou Brion. “Vê e pergunta seu preço”.
Corydon pôs um rígido braço diante do moço quando ele começou a avançar.
Com um leve movimento da cabeça, o guerreiro baixou seu braço. “Irei eu”, disse-
lhes.
Como um homem em transe, Corydon se aproximou da deliciosa beleza, sem
tirar os olhos dos dela. Quando estava a só seis pés, os homens robustos parados
a um flanco caminharam lentamente para diante para bloquear seu passo.
Olharam-no com fúria, com caras de pedra, lábios apertados, braços cruzados
sobre seus enormes peitos e olhares duros como a pedra.
Acostumado a que os homens se fizessem a um lado para ele em lugar de
ficar em seu caminho, Corydon franziu o cenho. Era um homem respeitado e
admirado, não para ser ignorado ou contrariado.
“Eu sou Corydon Lesartes”, anunciou Corydon. “Sou…”.

97
“Possivelmente o homem mais bonito que tenha visto jamais”, a formosa
mulher disse com uma voz suave e melódica. Ela tocou o enormemente
musculoso braço do mais baixo de seus dois guardas, e o homem se fez a um
lado imediatamente, enquanto inclinava a cabeça. “É uma honra que me tenha
notado, milord”. Lhe estendeu a mão.
Corydon fez um passo para ela, tomou sua mão e a levou galante aos lábios.
Ele a olhou através da curva de suas largas pestanas. “A honra é meu, Lady…?”.
“Sou Rosalyn”, disse-lhe ela e retirou brandamente sua mão da dele. Ela olhou
lentamente a seus companheiros. “Cavalheiros, vocês estão procurando
companhia para o dia?”.
Uma parte da alma do Corydon se murchou, já que ele esperava sem muita
esperança que esta formosa fêmea não fora uma mulher de prazer. Ele assentiu,
já que não confiou em sua capacidade de fala ao dar-se conta de que estava
apertando os dentes.
“Os seis?”, pressionou ela.
Ele assentiu uma vez mais. A desilusão se posou em seus ombros, e ele
tratou de sacudir-lhe Quanto?”, perguntou ele, mais bruscamente do que deveu.
Rosalyn pôs a unha de seu dedo indicador com perfeita manicura entre seus
muito brancos e parecidos dentes e pareceu considerá-lo. Ela passeou o olhar
entre ele e os homens parados juntos observando-os, logo voltou sua atenção ao
Corydon e levantou a cabeça enquanto o estudava.
“Bom, não traga tanto dinheiro comigo hoje”, disse ela. “Quanto cobram
normalmente?”.
Corydon piscou e suas sobrancelhas se levantaram bruscamente. “Perdão?”,
perguntou.
“O mais provável é que tenha suficiente para quatro de vocês –depende de
quanto cobrem, é obvio– mas não para todos”. Seus lábios se franziram em uma
simpática panelinha. “Apesar de que realmente teria desfrutado da experiência
com os seis de vocês, temo-me que não posso pagá-lo”. Ela ficou mais animada.
“Bom, ao menos hoje não. Possivelmente mais tarde esta semana?”.
O Capitão do Guarda Imperial da Dorschia ficou boquiaberto. Era muito
consciente de que não estava respirando, e de que uma parte de sua anatomia
estava dura como uma rocha enquanto observava à formosa criatura parada
diante dele. Seus formosos olhos tinham um calor que ele não podia deixar de
olhar, e o aroma dela era embriagador.
“Acredita que nós somos homens de prazer?”, conseguiu perguntar, fazendo
má cara ao escutar a voz lastimosa que lhe saiu.
Ela franziu o cenho. “Não o são?”.
Corydon abriu a boca para dizer que certamente que não o eram, mas seu
olhar caiu até seu exuberante peito e sentiu um formigamento em todo o corpo.
Ele ansiava tanto passar suas mãos por esses encantadores globos, acariciar os
mamilos que se sobressaíam pelo suave tecido. Ele desejava ter a esta preciosa
mulher debaixo dele, com suas pernas envoltas ao redor da cintura, e teve que
esforçar-se para tirar sua atenção de seu delicioso peito.
“cometi um espantoso engano?”, perguntou Rosalyn, com um bonito tom de
rosa cobrindo suas bochechas. “Se o tiver feito, desculpo-me. Porque vocês são
todos tão bonitos…”.

98
“Quanto dinheiro há?”, interrompeu-a ele.
Ela se encolheu de ombros com elegância e olhou ao mais baixo de seus
guardas, obviamente, no que confiava mais. “Davon, quanto fica?”.
Os olhos do guarda se entrecerraron perigosamente. “um pouco mais de
novecentos quesones, milady”, respondeu-lhe com uma voz áspera.
“Então tem sorte”, disse Corydon. “É quarta-feira e temos dois ao preço de um
em oferta”.
Corydon escutou grunhir ao guarda e o olhou. Havia intenção de assassinato
em um par de olhos cinzas que o olhavam com fúria, como se fora um inseto. O
lábio superior do homem estava levantado de uma maneira que sugeria que ele
não só pensava que Corydon era um inseto, mas também também cheirava como
uma.
“Trezentos quesones por um par de nós, milady. Novecentos pelos seis, para
lhe dar o prazer de sua vida”, disse Corydon, enquanto desviava o olhar do
guarda, já que pensou que o homem o ia atacar. “na quarta-feira é…”, Corydon
revoleó uma mão ao descuido, já que não sabia como terminar.
“O dia do pó”, respondeu por ele o guarda.
Corydon lhe jogou ao guarda um olhar brutal, mas o homem não se paralisou
pelo olhar que muitos tinham considerado letal.
“Encantador!”, disse Rosalyn. “Davon, lhe pague”.
Davon empurrou uma mão dentro de seu espartilho e tirou uma substanciosa
bolsa de moedas. Com um olhar devastador, as lançou ao Corydon, quem as
apanhou contra seu peito.
Ela deu uma olhada a seu redor. “Onde vamos?”.
Corydon só pôde apontar ao segundo piso do edifício frente ao qual seus
amigos estavam parados. Lhe ofereceu o braço. “Permite-me?, perguntou-lhe.
“Obrigado, milord”. Rosalyn apoiou graciosamente seu braço sobre o dele,
entrelaçando seus dedos para baixo com os dele. Ela se levantou o arena do
vestido de um lado e caminhou com ele para o grupo de cinco homens.
Os homens sorriam de brinca a orelha e se acotovelavam uns aos outros ao
ver o Corydon e ao Rosalyn aproximar-se. Seus olhos estavam quentes de desejo.
“Lady Rosalyn”, disse Corydon, “me permita te apresentar a meus
companheiros, homens de prazer: Keltyn, Jubil, Brion e os gêmeos Timun e
Owun”.
“Homens de prazer?”, repetiu Jubil.
A confusão enrugou as caras dos homens, que olharam ao Corydon. Ele lhes
sorriu rigidamente, com um músculo que se contraía em sua magra bochecha.
“Gêmeos!”, disse Rosalyn com um suspiro profundo. “Nunca antes tinha
recebido prazer de gêmeos”.
“Um para cada lustroso seio, milady”, disse Corydon enquanto passava o olhar
por cada um dos homens. “Garantimos te brindar agradar; do contrário,
devolveremos o dinheiro”.
Jubil ficou boquiaberto. “Ela nos vai pagar?”.
“Não nossa tarifa habitual”, disse Corydon, olhando fixamente à surpreendida
cara do Jubil. “Como é a mulher mais encantada que encontramos, ofereci-lhe
dois homens ao preço de um por hoje”.

99
Keltyn ficou uma mão sobre a boca para reprimir a gargalhada que fez que
sua cara se voltasse de um tom de vermelho muito pouco sentador.
As sobrancelhas do Brion se perderam no contorno de seu cabelo loiro pálido.
Timun se balançava sobre um pé e o outro com antecipação, e sua atenção
pega ao peito do Rosalyn.
Owun se via como se estivesse por deprimir-se, e suas mãos, de fato,
tremiam.
“Vamos?”. Perguntou Corydon e fez um gesto com a mão para as escadas
que levavam até a habitação do clube dos homens.
Rosalyn inclinou a cabeça e o precedeu pelas escadas, com seu vestido
levantado por ambas as mãos de maneira que revelava seus bem formados
tornozelos.
Jubil disparou uma mão e agarrou ao Corydon do braço. “Ela pensa que
somos homens de prazer?”.
“Não o somos?”, perguntou Corydon em voz baixa. desligou-se do braço do
Jubil e começou a subir as escadas.
“Ela nos vai pagar”, disse Brion, e suas palavras caíam como pedras. O olhar
em seu belo rosto sugeria que não sabia se sentir-se insultado ou rir.
“Sim, mas não nossa tarifa habitual”, Keltyn se mofou enquanto empurrava ao
Brion a um lado e subia os degraus da dois.
A habitação estava coberta de sombras, já que as janelas davam ao oeste.
Estava afresco dentro das paredes de pedra, e uma suave brisa se filtrava do
balcão.
“Bem-vinda ao clube das quartas-feiras, milady”, disse Corydon. “Passará um
muito bom momento”.
“Que elegante”, disse Rosalyn enquanto examinava a habitação.
Havia uma mesa larga e baixa, ao redor da qual tinham colocado dez
almofadões altos. Ao longo das paredes havia cinco camas de armar o
suficientemente grandes para duas pessoas cada um. Em cada um dos quatro
rincões, um braço de altos candelabros de bronze sustentava umas velas brancas
e grosas, sem acender, e havia dois candelabros de cobre de três braços sobre a
mesa, aos lados de um bol cheio de fruta. Sobre uma parede havia um imenso
móvel que tinha taças de cristal e jarras altas cheias de bebidas de distintos tons.
“Desejaria um pouco de conhaque?”, Corydon perguntou.
Rosalyn disse que não com a cabeça. “O sol não se pôs ainda, verdade,
milord?”.
“Em alguma parte do mundo, sim”, Keltyn respondeu por seu Capitão.
A formosa mulher sorriu com doçura. “Não tenho necessidade de beber,
cavalheiros. Já estou embriagada de vida”.
Corydon escutou que a porta de abaixo se fechou e olhou a seu redor. Seus
homens estavam na habitação com ele. Franziu o cenho.
“Davon custodiará nossa privacidade”, explicou Rosalyn. “Ele se toma seu
trabalho muito a sério”.
Corydon teve uma momentânea visão dos dois guardas musculosos parados
diante da porta, proibindo a entrada. Ele atirou de seu queixo. “Há duas mulheres
que nos trarão a comida. Elas…”.

100
“Davon as deixará passar”, assegurou-lhe Rosalyn. Ela caminhou por volta de
um dos almofadões altos, correu a saia de seu vestido a um lado e antes de que
qualquer dos homens pudesse adiantar-se para ajudá-la, afundou-se
elegantemente até o piso com suas pernas encolhidas para um lado. Concedeu-
lhe um amável sorriso a cada um dos homens. “Quem será o primeiro?”,
perguntou ela.
“O primeiro?”, repetiu Brion.
“Se começarmos com o mais jovem e vamos subindo?”, Rosalyn perguntou,
inclinando-se para trás para apoiar-se sobre um magro cotovelo. “E por favor,
cavalheiros, tomem-se seu tempo”.
Jubil lhe falou com o Corydon de lado. “tomar nosso tempo para que?”.
Corydon tinha satisfeito seus desejos com os dispostos corpos de muitas
mulheres de prazer e sabia o que se esperava delas. “Timun”, disse ele, “vê você
primeiro e te tire a roupa muito lentamente”.
Timun se estremeceu, e sua cabeça girou rapidamente para seu gêmeo.
olharam-se o um ao outro por uns instantes, mas como eram do mais dispostos
que existe quando de fornicar se tratava, o jovem pôs a mão sobre sua camisa e
começou a desabotoar-lhe
“Lentamente, e não deveria te tirar as primeiro botas, milord?”, instruiu
Rosalyn. “O prazer é o mesmo que abrir presentes em meu dia de aniversário. É a
antecipação a que faz fluir os sucos, não crie?”.
Cada homem ali sentiu que seu verga saltava ante suas palavras, e era tudo o
que podiam fazer todos eles para evitar gemer. Evitando cuidadosamente não
olhar-se entre si, os homens se dirigiram a diferentes parte da habitação,
mesclando-se com as sombras mais escuras enquanto Timun tomava o centro da
cena e saltava por ali enquanto atirava de suas botas para tirar-lhe As botas
golpearam contra o chão com um estrondo, e em seguida as cobriram as meias do
jovem.
“por que não se tiram as botas todos vocês?”, Rosalyn sugeriu. “Aceleraria as
coisas”.
Todos menos Corydon caíram ao chão e se tiraram puxões as botas e as
médias antes de incorporar-se de um salto, com a respiração ruidosa na quietude
da habitação. Corydon se inclinou contra a parede e se tirou as botas, mas seu
olhar não se moveu do Rosalyn.
“Agora”, disse Rosalyn, apartando os olhos do Corydon. “Onde estávamos?”.
Sorriu ao Timun. “Continua”.
Os lábios do Timun estavam levemente separados enquanto se desabotoava
os botões de sua fina camisa de linón tão lentamente como podia. Ele abriu os
botões com pequenos golpecitos, com uma galhardia que contradizia ao leve
estremecimento de seus largos dedos. Quando a camisa pendurou livremente
sobre seu finamente contornado peito, ele pôs as mãos sobre o pescoço e se tirou
o objeto por sobre os ombros.
“Tem um peito belo, jovem Timun”, Rosalyn adulou ao moço que tinha
completo só vinte anos uns meses atrás.

101
Timun sorriu com orgulho, e passou a palma de sua mão pelo escasso pêlo
que crescia entre seus peitorais em desenvolvimento, logo deslizou os dedos até a
cintura de suas calças. Abriu rapidamente o botão de sua braguilha e desatou o
cordão, com pequenos incrementos em um ritmo que só ele podia escutar. Todo o
tempo, seus lábios estiveram franzidos e seus quadris se meneavam de lado a
lado.
“Fanfarrão”, murmurou Jubil.
Com os botões desabotoados, Timum empurrou lentamente suas calças para
baixo por seus quadris, rebolando para tirar-lhe enquanto dobrava os joelhos. Uma
grande ereção empurrava o magro tecido de sua roupa interior. O jovem chutou
suas calças e deu as costas ao Rosalyn, para logo olhá-la por sobre seu ombro e
estirar-se para baixar a roupa interior por sobre a marcada curva de seu traseiro.
“Ah, que bem”, comentou Rosalyn.
Timun empurrou sua roupa interior até os tornozelos e fez um passo para sair
dela. Enquanto o objeto ainda estava enganchado a seu tornozelo esquerdo,
levantou a perna, lançou o calzoncillo para cima, e estirou bruscamente o braço
para apanhá-lo no ar.
“Bravo!”, Rosalyn gritou e aplaudiu.
Quando se moveu para enfrentá-la, Timun se cobriu suas partes privadas com
as mãos, e sua cara estava coberta de uma brilhante cor carmesim.
“Quero ver”, ordenou-lhe ela.
Com acanhamento, Timun se tirou as mãos lentamente e ficou ali parado com
os braços aos lados e a verga completamente ereta.
“Muito impressionante”, adulou-o Rosalyn; logo seu olhar se deslizou até o
gêmeo do Timun e levantou uma delicada sobrancelha.
Sempre o mais precavido dos dois, Omun se desabotoava a camisa muito
lentamente. Seu olhar estava estalagem justo por cima da cara da adorável
mulher enquanto seguia com sua tarefa na parte inferior de sua camisa. Primeiro
deixou ver um lado de seu peito nu ao atirar do tecido, logo deixou ver o outro
lado, antes de tirá-la camisa por completo e deixá-la cair ao chão. Ele, igual a seu
irmão, não tinha nenhum cinturão que tirar, então desatou lentamente seu cordão.
Baixou um lance, logo voltou a atirar do cordão. A próxima vez, o cordão baixou
um pouco mais antes de fechar-se quase até acima. A última vez, baixou por
completo, e Omun se agachou e baixou a cintura de suas calças até os joelhos.
Com uma habilidade de acrobata, tirou uma perna da calça e logo a outra, para
lançar o objeto a um lado, como o tinha feito seu irmão, e apanhá-la justo antes de
que tocasse o piso.
Embora Omun não era tão robusto como seu irmão, seu peito era sólido,
proporcionado e musculoso. Não havia pêlo sobre seu esterno, mas justo acima
da cintura de sua roupa interior, seu ventre estava densamente talher de um pêlo
anelado cor castanha clara. Ele contraiu os peitorais em um doce bailecito que fez
que Rosalyn atirasse a cabeça para trás e riera.
“Encantador!”, declarou ela.

102
Omun enganchou um polegar na cintura de seu calzoncillo e o atirou para
baixo com um pouco de dificuldade, devido a sua grande ereção complicava o
movimento do tecido para baixo. Quando liberou sua haste –o calzoncillo
pendurava de seus magros quadris para remarcar o rígido músculo– ele deslizou
suas mãos para baixo para exibir sua mercadoria.
“Ah, Meu deus”, disse Rosalyn. “Vocês senhores certamente estão muito bem
dotados”.
Omun riu e terminou de tirá-los cueca. Deu um passo ao flanco e levantou seu
queixo para desafiar ao Brion.
Com um pequeno sorriso que se desenhava em seus lábios, Brion deu um
passo adiante. A túnica que levava posta se fechava no lado esquerdo de seu
peito e abriu lentamente os botões, empurrando o tecido para os flancos para
deixar ver uns largos peitorais com pequenas e duras protuberâncias. Deixou que
sua túnica caísse aberta livremente e logo desviou sua atenção a seu cordão, que
desajustou lentamente. Quando suas calças penduravam precariamente baixos de
seus quadris, tirou-se a camisa e a lançou a um lado. Com um sorriso travesso,
caminhou lentamente até um dos camas de armar, sentou-se, levantou as pernas
e se tirou as calças de um puxão. ficou de pé, abriu a braguilha de sua roupa
interior e deixou livre seu verga. Com essa enorme arma na mão, zangoloteó o
duro músculo, e riu ao ver que Rosalyn ficou boquiaberta e logo começava a
aplaudir outra vez.
“eu adoro!”, exclamou rendo a bonita mulher.
Jubil não seria superado e empurrou ao Brion a um lado. esfregou-se a ereção
através do tecido de suas calças, primeiro rapidamente e logo, enquanto se
lambia, lentamente. Com sua mão livre, abriu os botões de sua camisa com o
polegar e quando esteve aberta, passou a palma de sua mão de lado a lado por
seus peitorais sem pêlo. Tinha bicos da mamadeira grandes para ser homem e se
sobressaíam contra o bronzeado de sua pele. Ele pôs as mãos sobre seu cinturão,
desabotoou rapidamente o acessório e logo o lançou a um lado, atirou para baixo
do cordão e procurou dentro para tirar seu verga.
Rosalyn assobiou brandamente, porque o músculo emoldurado pela V da
abertura das calças do Jubil era o pênis maior que tinha visto. A bulbosa cabeça
era enorme, vermelha e uma diminuta gota de suco pendurava da ponta. Logo que
notou que o homem se tirava as calças e a roupa interior, já que seu escrutínio
estava fixo nessa massa de aço tubular. O blandía como se fora um pincel, e ela o
tecido que o esperava.
“A um lado, mequetrefe, me deixe lhe mostrar como se vê um homem de
verdade”, grunhiu Keltyn.

103
Reticente, Rosalyn arrastou os olhos da impressionante haste do Jubil e
emprestou atenção ao Keltyn. Se ela acreditava que a verga do Jubil era grande,
teve que olhar a do Keltyn com a boca aberta, porque quando se baixou as calças
com um destro movimento e tirou sua haste, ela não pôde evitar ficar sem fôlego.
O pênis que me sobressaía dos quadris do Keltyn deixava ao do Jubil como um
miúdo, e devia ter ao menos um pé de comprimento. Não só era mais comprido
que o do Jubil, mas também este pênis tinha maior diâmetro. Ao olhar a formidável
pija, ao Rosalyn lhe fez água a boca, e seu ventre se agitou. Vagamente
consciente de que Keltyn se despia para revelar um torso bem torneado e forte e
umas pernas bem formadas, ela se passou as mãos por debaixo da saia, e as
mãos lhe picavam por tocar esse protuberante míssil.
Parados em uma linha irregular, os cinco homens se pareciam com um
perchero, com as vergas se sobressaindo para fora. De diversos tamanhos e
cores, as vergas tinham uma coisa em comum: estavam completamente eretas e
pulsavam. Cada homem estava parado
com um sorriso em seu belo rosto e os braços em jarras para que Rosalyn
pudesse jogar uma boa olhada ao que tinham para oferecer.
Rosalyn baixou a cabeça solenemente como tributo às dotes superiores
destes homens, mas quando levantou o queixo, foi ao Corydon a quem olhou.
Durante um comprido momento, olharam-se o um ao outro e algo intangível e
perigoso passou entre eles.
Corydon caminhou lentamente até o Rosalyn e se parou ante ela, seus olhos
fundiam com os dela. Sua camisa não tinha botões e o escuro pulôver pendurava
ajustado de seu largo peito e seus braços extremamente musculosos. Umas
calças negras moldavam seu alto físico e acentuavam a longitude de suas largas
pernas e a extensão prolijamente curvada de seu parado traseiro que parecia
cinzelado em pedra. Sua respiração era lenta, medida e sua postura, calma, mas
emanava uma sensualidade vibrante e crua que nenhum ali –homem ou mulher–
pôde deixar de reconhecer.
Com movimentos lentos e deliberados, Corydon atirou do pulôver dentro de
sua calça até que o bordo inferior ficou livre. Cruzou os braços sobre seu peito,
agarrou o arena de sua camisa e atirou lentamente para cima e sobre sua cabeça.
ficou aí parado com a camisa arranca-rabo em um punho fechado a um lado de
seu corpo por um momento, logo deixou cair o objeto. Ele contraiu os peitorais,
primeiro um e logo o outro.
Rosalyn tomou ar lentamente, porque a amplitude do peito do Corydon
começava a lhe fazer doer entre as pernas e lhe afrouxava os joelhos. Desde
perto, esse corpo atrativo era digno de ver-se. Uma densa pelagem de pêlo escuro
e grosso se estendia sobre a parte superior de seu peito da clavícula até justo em
cima do diafragma, cobrindo seus masculinos peitorais, e logo diminuía no meio
em uma encrespada linha que se afundava além da cintura de suas calças. O pêlo
de seu peito se via como se tivesse sido amorosamente tecido a emano sobre o
corpo do Corydon por um artista brilhante. Os grossos cachos se esparramavam
aos flancos da parte central de suas costelas menos abultadamente que sobre a
parte superior de seu peito, só para remarcar os duros cordões de músculos que
bordeaban seu abdômen. Sem dar-se conta de que o fazia, Rosalyn se lambeu o
lábio superior, e logo curvou a língua para baixo para umedecer o inferior.

104
Corydon pôs as mãos sobre seu cinturão e lentamente retirou a ponta da
presilha de couro, e atirou para trás até que a casa prateada ficou livre da língua
metálica. Despreocupado, usou o polegar de seu outra emano para tirar a língua
de metal e poder afrouxar o cinturão de sua fivela. Com infinita lentidão, atirou da
cinta de couro negro das casas em sua cintura, dobrou-o uma vez ao redor de seu
punho direito, logo, com a ponta de metal em sua mão esquerda, agachou-se
frente a Rosalyn, enlaçou sua cabeça com o cinturão e atirou dele para aproximá-
la.
Rosalyn estava cativada pelo belo rosto que lhe aproximava. O cinturão se
afundava brandamente nos músculos de seu pescoço enquanto ele atirava dela
para diante, mas ela não sentiu nenhum desconforto. Seu olhar estava fixo sobre
os lábios carnudos a poucas polegadas dela. Ela levantou as mãos para as apoiar
sobre as dele e tremeu quando os arrepiados pêlos sobre as mãos de lhe fizeram
cócegas nas Palmas.
A boca dele se posou levemente sobre a dela, e sua língua se deslizou
brandamente por entre seus lábios. Ele mordiscou seu lábio inferior, seu queixo.
Quando se moveu para trás, ela gemeu profundamente em sua garganta, porque
seu beijo era embriagador e ela queria mais.
O Capitão de La Guarda Imperial ficou de pé, pendurou-se o cinturão sobre
um ombro nu, e logo pôs as mãos sobre o botão de sua braguilha. Ainda tinha
cativa ao Rosalyn com seu olhar e começou a desabotoar os botões de pérolas
que sustentavam suas calças.

“Quantos de nós desejas ter de uma vez?”, grunhiu enquanto o último botão
se liberava de sua casa.
O olhar do Rosalyn caiu até a V dessa abertura e tragou saliva. Encrespado-
los cachos que atraíram sua atenção a enfeitiçaram, e ela logo que podia respirar,
muito menos falar.
“Dois?”, sussurrou ele enquanto se afrouxava a cintura de suas calças e os
baixava por seus magros quadris. “Três?”.
Completamente consciente do limpo aroma de homem que saía dele, –a
azeite de canela e couro e um vago aroma de almíscar que o fazia ferver o
sangue– Rosalyn sentiu uma dor nos seios e as vísceras que a fez retorcer no
almofadão.
“Quatro?”, inquiriu e as calças baixaram mais. Só com uma olhada do pálido
brilho da cabeça de seu verga, Rosalyn sentiu que lhe formavam gotas de
transpiração sobre seu lábio superior.
“Cinco?”. Sua voz era profunda, cheia de paixão, e fez estremecer sua coluna.
Ele não levava posta roupa interior, e isso não a surpreendeu no mais mínimo.
Um homem tão sensual como Corydon Lesartes não quereria que nada se interpor
entre ele e o áspero tecido de suas calças. Enquanto o objeto se deslizava lenta e
seductoramente por seus quadris, seu verga saltou livre.
Ela tinha pensado que Jubil e Keltyn estavam bem dotados? Abriu a boca
bruscamente ao ver a carnuda espada do Corydon, porque certamente nenhuma
mulher tinha lugar suficiente para um órgão tão rígido. Talher de veias e palpitando
com vida própria, a verga deste homem enviou um calafrio de alarme pelo peito do
Rosalyn.

105
“Entrará”, disse-lhe Corydon. “Posso garantir que o fará”.
Ela levantou os olhos lentamente desse delicioso instrumento de prazer e
olhou ao Corydon à cara. Nenhum homem lhe tinha parecido tão tentador. Era
algo mais que o olhar ardente em seus olhos cor âmbar, ou os lábios carnudos e o
queixo partido. Ia além da sedutora inclinação de suas sobrancelhas, que tinham a
forma e o largo perfeito para seu gosto. Seus maçãs do rosto eram altos e bem se
localizados em uma cara ovalada e suave, que levava um indício de barba embora
ainda era cedo. Um nariz majestoso, que não era nem muito larga nem muito
larga, indicava que tinha uma herança mais elevada que a do típico camponês.
“Possivelmente só um de uma vez?”, perguntou-lhe e se estirou para tirá-la
banda ao redor de seu cabelo.
O desejo envolveu ao Rosalyn quando seu cabelo pacote ficou solto. Ao soltá-
lo-se via comprido –logo que passava seus ombros, mas não tanto como para
chegar a seus bicos da mamadeira– e grosso. Era de cor castanha escura, com
reflexos dourados mesclados entre as mechas onduladas. Livre de suas ataduras,
caiu de sua cabeça em capas que se viam como se o estivesse soprando o vento.
“Pela deusa”, sussurrou Rosalyn e teve que tragar a salvia que lhe formava na
boca quando se tirou as calças e se parou diante dela com toda sua gloriosa
masculinidade.
Corydon lhe deu um momento para que passasse sua intensa atenção por seu
corpo nu. Um pequeno sorriso estirou seus lábios. Pestanejou perezosamente;
tinha a respiração calma e estável embora seu verga saltava cada vez que tomava
ar.
“te levante”, ordenou-lhe ele e estirou uma mão.
Rosalyn pôs a mão na dele e lhe permitiu pôr a de pé. Ela se sentia como se
estivesse apanhada em um delicioso sonho.
Os outros homens se aproximaram. Seus olhos estavam quentes, seus corpos
duros como o aço e palpitando de necessidade. Eles olharam como sua líder
punha as mãos sobre a formosa mulher parada frente a eles e permaneceram em
silêncio.
Corydon agarrou a parte superior do vestido do Rosalyn e rasgou o tecido pela
metade, deixando à vista o encaixe cor nata de sua roupa interior.
Os olhos do Rosalyn se aumentaram e começou a levantar as mãos, mas
Corydon não permitiria nada disso.
“Jubil”, disse ele. “Manten os braços detrás dela”.
Jubil não era de questionar as ordens do capitão, assim que se apressou a
fazer o que lhe havia dito. Agarrou os braços do Rosalyn suave mas firmemente e
atirou deles para trás, o que fez que seus seios empurrassem para diante.
“arruinaste meu vestido”, protestou ela, com uma veia que lhe pulsava na base
do pescoço.
“Comprarei-te uma dúzia de vestidos”, respondeu Corydon.
Enquanto Jubil lhe sustentava os braços, Corydon rasgou todo o vestido do
Rosalyn, até o arena. O tecido de seda pendurava só de seu ombro esquerdo.
“Owun, me dê uma faca”, ordenou ele.
Rosalyn se mordeu o lábio inferior quando Owun trouxe uma arma de aspecto
malvado, que foi usada para cortar o que ficava de seu vestido sobre sua pessoa.
O objeto se deslizou formando um atoleiro de seda a seus pés.

106
Corydon deslizou o fio brandamente entre seus seios e cortou a regata desde
busto até a entrepierna, e a cortou como à pele de um exuberante pêssego.
Parada ali diante dos homens com apenas suas meias, Rosalyn sentiu que um
escuro rubor cobria todo seu corpo.
Corydon tomou o cinturão de seu ombro e o passou ao redor da cintura dela.
Passou a ponta pela fivela e ajustou o cinturão. “Muito apertado?”, perguntou-lhe.
Rosalyn se passou a língua pelos lábios “Não”.
Ele ajustou o cinturão ao redor dela um pouco mais e levantou uma
sobrancelha.
“Não”, disse ela, logo que podendo respirar, porque suas zonas baixa se
sentiam pesadas e plenas e necessitadas de atenção. Foi o batimento do coração
entre suas coxas que a fez afundar-se contra Jubil. “Não pode permanecer de
pé?”, Corydon perguntou enquanto grampeava o cinturão. Ele olhou ao Jubil.
“Recosta a nossa dama, guerreiro”.
Choramingando como uma menina assustada, Rosalyn baixou até o chão,
onde Brion tinha acomodado uns almofadões com o pé para sustentar seu peso.
Ela sentiu a frescura do algodão contra suas costas e traseira, e se deu conta de
que Jubil se agachou detrás dela para que sua cabeça descansasse sobre o
regaço nu dele. Pôde sentir que seu verga pulsava ao lado de seu ombro e
gemeu.
Agachado aos pés do Rosalyn, Corydon enrolou suas meias para baixar-lhe
lentamente e com extremo cuidado. Deixou que sua mão permanecesse sobre
seu tornozelo esquerdo e logo o esfregou com suas duas mãos. “Keltyn, agarra
seu tornozelo esquerdo”, ordenou. “Eu tomarei o outro”.
Keltyn se deixou cair ao lado de seu amigo.
“Abre suas pernas e seus braços”, disse Corydon.
Atiraram de suas pernas para separar as de maneira de que ficasse aberta
para que todos olhassem a umidade entre suas coxas.
As mãos do Jubil estavam aos lados da cara dela, mantendo firme sua
cabeça. um após o outro, ante uma ordem de sua líder que ninguém mais viu ou
escutou, os gêmeos se estiraram perpendicularmente para ela, cada um com um
seio para acariciar ou chupar e aferrando-se ao chão com um braço.
“Ai, Meu deus!”, Rosalyn ficou sem fôlego quando umas línguas lavaram seus
mamilos e uns lábios atiravam deles. Ela estava com as pernas e os braços
abertos debaixo de seis gloriosos homens que estavam convertendo seu corpo em
um enorme estremecimento de puro desejo.
Brion se acomodou entre suas pernas, e fez uma pausa sobre ela com as
mãos apoiadas aos lados de sua cintura. inclinou-se para diante e passou a língua
por cima e ao redor de seu umbigo, investigou a profunda entrada com sua língua,
e logo deslizou esse úmido músculo por seu ventre até encerrar seus clitóris com
a boca.
Rosalyn se sacudiu debaixo do agarre que a apertava contra os travesseiros e
abriu sua boca para gritar, mas Jubil deslizou a palma de sua mão com firmeza
sobre sua boca. Lhe jogou um olhar tempestuoso, mas ele simplesmente sorriu e
meneou a cabeça.

107
O mágico espiral da língua do Brion roçou o tenro casulo de seus clitóris e
enviou calafrios pelas pernas do Rosalyn. O homem sabia o que fazia porque sua
língua se lançou dentro dela, investigou ali, deu voltas em outro lugar –cada
movimento perfeitamente sincronizado e feito com a quantidade justa de
pressão–. Ele fofocou seu
umidade, chupou seus lábios inferiores, mordiscou suas trementes coxas e
logo se sentou para lhe colocar primeiro o dedo indicador e logo o major,
lentamente e com infinito cuidado. Os duros apêndices entravam e saíam,
exploravam lenta e experimentadamente sua umidade e se afundavam mais com
cada embate. Quando ele fez girar esses dedos para que sua palma olhasse para
cima e a ponta de seu dedo maior pressionasse firmemente para cima, ela gemeu
tão forte que todos os homens riram pelo baixo.
“Eu diria que a dama está desfrutando do que lhe faz ali, Bri”, disse Jubil.
“Ainda tem que experimentar o resto”, Brion respondeu enquanto movia seu
polegar para diante e para trás sobre seus clitóris inflamado.
Seus quadris se retorciam sobre os travesseiros, seus talões se afundavam
em seu redondez, e Rosalyn fechou os olhos e fez entrar ar por seus orifícios
nasais em rajadas curtas e pouco profundas. Os gêmeos estavam torturando seus
seios com sensações duais de mãos suaves que acariciavam e línguas
conhecedoras que lambiam. Quando tiraram suas bocas desses gloriosos globos,
beliscaram-na brandamente e fizeram girar seus mamilos turgentes entre
polegares e índices para causar um delírio de paixão que alagou o corpo
superexcitado do Rosalyn.
“Ela é um sanduíche delicioso, né? Só um de nós deveria tomá-la”, disse
Keltyn brandamente. Ele olhou ao Corydon. “Terá o prazer, Capitão?”.
Corydon assentiu com a cabeça. Ele ardia de desejo, seu verga estava mais
dura do que recordava que tivesse estado alguma vez. Nunca tinha desfrutado
dos prazeres de uma mulher ao uníssono com seus homens. Embora muitas
vezes o tinham animado a ser parte de uma das descabeladas orgias depois da
batalha, tinha renunciado a essas tentações e saído por sua conta, para encontrar
uma mulher com a que compartilhar seus desejos, silenciosamente e longe de
outros. Nem sequer quando ele e seus homens traziam para uma “amiga” para
compartilhar a reunião da terceira quarta-feira com eles, ele emprestava atenção
ao que acontecia nos outros camas de armar.
Agora se excitava ao olhar ao Timun e Owun chupar os seios do Rosalyn. Ele
sentiu que a paixão fluía por suas veias quando Jubil se inclinou para diante para
lhe dar ao Rosalyn uns suaves beijos sobre a frente e as bochechas, substituindo
suas mãos com uns lábios buscadores que se aproximaram dos dela e apagaram
os sons de sua paixão. Ao ver o Keltyn ao lado dele massageando uma magra e
bem formada perna e uns doces dedos dos pés dobrados para cima, ele também
pôs suas mãos em movimento e suas ações refletiram as do Kel. Os suaves
murmúrios do Brion enquanto trespassava os dedos dentro e fora do vibrante
corpo do Rosalyn lhe adicionavam sabor ao momento. E quando Brion deu volta
sua mão e insinuou um polegar dentro do encantador ânus da mulher, Corydon
não pôde evitar rir do chiado que foi parcialmente afogado debaixo da
experimentada boca do Jubil.

108
“Está quase preparada, Cory”, disse Brion, ao olhar para trás sobre seu
ombro.
“Termina com ela”, ordenou Corydon. “Logo começaremos de novo”.
Com um sorriso disposto, Brion se inclinou para diante e, com seus dedos
dentro da concha e o traseiro do Rosalyn, apertou sua boca sobre seus clitóris e
começou a excitar a inflamada protuberância.
Rosalyn se sacudiu contra os homens que a sustentavam. Estava escravizada
pelas maravilhosas sensações que sacudiam seu corpo, incapaz de liberar-se
dessas mãos fortes e firmes que pertenciam a esses homens bonitos e poderosos.
Seu olhar ia de um atrativo homem ao outro e, quando finalmente encontrou os
olhos quentes do Corydon, sentiu as quebras de onda de seu orgasmo abrindo-se
passo até a superfície.
Corydon lhe envolveu os dedos dos pés com seus dedos e os massageou
intensamente, arqueando seus pés para cima e para baixo ao tempo que ficava
rígida; os quadris dela quase não tocavam os travesseiros quando acabou. Seu
grunhido de culminação fez sorrir a todos os homens, mas não a soltaram. Em
troca, trocaram de lugar, sem lhe dar tempo a escapulir-se deles.
Keltyn e Brion reclamaram um seio cada um.
Owun e Timun tomaram posse de suas largas pernas e começaram a
trabalhar sobre os dedos de seus pés e os chuparam um a um.
Jubil se tinha se localizado entre suas pernas, e foi sua quente boca a que
chupou os sucos de paixão que fluíam inverificado por sua abertura.
Corydon lhe sustentava a cabeça e quando se inclinou para tomar seus lábios,
tirou dela o mais doce dos sons: o murmúrio da rendição que todo homem deseja
escutar de sua mulher.
“Ela o reclamou”, disse Owun.
“Sim, e ele a ela”, acordou seu gêmeo.
Seu beijo foi comprido, duro e possessivo. Tomou posse não só de sua boca,
mas também de seu coração e sua alma e seu corpo também. Colocou sobre ela
seu selo de posse. Foi um beijo experiente que selou o trato entre eles, porque a
língua dela se deslizou para fora para aceitar a sua e atirar dela com uma ternura
que ao guerreiro lhe pareceu embriagadora.
Bem treinado na arte de fazer o amor, Jubil fez sua magia bem e
profundamente no úmido orifício do Rosalyn. Ele afundou seus dedos quentes
dentro dela, logo os tirou, manteve seu olhar e logo deslizou os dedos brillosos
dentro de sua boca para chupar o suco.
Rosalyn tremeu ante esse ato descarado e carnal. As bocas que atiravam de
seus mamilos, os dentes que mordiam as inflamadas pontas, e a firme pressão
dos massagistas gêmeos trabalhando sobre seus pés empurraram ao Rosalyn
mais à frente do limite, e antes de que se desse conta do que acontecia, caiu de
cabeça em outro orgasmo que a deixou respirando com dificuldade.
“Toma-a, Capitão”, disse Jubil com uma voz áspera e autoritária. “lhe faça
saber o que se sente ser sua mulher”.
Jubil ficou de pé e deu um passo atrás quando Corydon se aproximou para
parar-se entre as pernas bem abertas do Rosalyn.
“Sostenle a cabeça”, ordenou Corydon. “Tem o cabelo nos olhos”.

109
Jubil se agachou uma vez mais, pôs suas mãos sobre a frente do Rosalyn e
empurrou o cabelo úmido que se enredava até sua bochecha. Lhe sorriu olhando-
a aos olhos, enquanto ela o olhava com olhos debilitados pelo desejo, com
pálpebras pesadas e levemente frágeis.
“escutei que ele é um notável espadachim, milady”, disse-lhe Jubil. “Seu verga
é muito procurada”.
Corydon se deixou cair de joelhos entre as pernas dela e passou uma mão por
seu ventre, enquanto seus lábios se retorciam ao ver que a carne dela tremia ao
tocá-la. Ele passou as gemas dos dedos pela parte interior de suas coxas, logo
deu volta a mão para acariciar as sedosas partes superiores com as Palmas. Ele
pôs a mão na união de suas coxas e usou os polegares para abri-los e as unhas
dos polegares para atravessar os vales dos lábios exteriores de sua vulva,
arranhando brandamente essa zona sensível onde a muitas mulheres parece que
lhes picasse, primeiro para cima e para baixo de uma vez, logo com movimentos
alternados.
Rosalyn ardia de paixão. A doce sensação dos polegares do Corydon que se
arrastavam por seus lábios exteriores a fez começar a ofegar. Ela estava suando
debaixo dos braços, sobre seu lábio superior, nas dobras detrás de seus joelhos.
Todo seu corpo tremia.
“O que necessita”, disse Corydon com voz entrecortada, “é uma boa
agarrada”.
Ele se inclinou para diante, deslizou sua Palmas por debaixo de seu traseiro e
levantou sua concha até sua boca. Ele estirou suas largas pernas detrás dele,
travou sua boca sobre seus lábios inferiores e começou a chupá-la como se fora
um bebê recém-nascido na teta de sua mamãe.
Choramingando de necessidade, Rosalyn enterrou suas unhas nas Palmas de
suas mãos e se teria machucado se Keltyn e Brion não a tivessem detido ao
entrelaçar seus dedos com os dela. Os lábios deles estavam sobre seus seios, lhe
tirando pequenos gemidos de prazer enquanto mordiscavam e chupavam.
Nenhum sentiu o forte agarre por sua mão sobre a deles, porque estavam
absortos na situação.
Owun e Timun lhe chupavam os dedos dos pés.
Jubil a beijava uma vez mais com um abandono que lhe fez cambalear os
sentidos. Parecia que cada um deles chupava de alguma parte de sua anatomia
ao uníssono, e a embriagadora sensação sacudia o centro do Rosalyn e a fazia se
chocar contra uma barreira de cristal que enviava umas lascas tintineantes a
arranhar seu cérebro.
“Agora”, sugeriu Jubil.
Corydon subiu sobre ela e lhe empurrou todo o peso de seu masculino corpo
em cima. Ele a olhava aos olhos e a sustentava com a força de sua personalidade,
de sua autoridade. Seu verga estava cunhada entre as coxas abertas dela e
pressionava com urgência contra seu centro.
“Deseja-me?”, perguntou com essa voz áspera, como de lobo, que lhe fez
sentir calafrios na coluna.
Rosalyn se umedeceu os lábios secos. “Sim”, conseguiu responder ela.
Corydon deixou cair a cabeça para um lado. “Está segura?”.
“Como o d-demônio”, gaguejou ela.

110
Tudo ao redor dela, os homens riam pelo baixo, mas foi um som de
gargalhada o que ela escutou com mais claridade. O peso de seu corpo se sentia
delicioso sobre ela. A sensação dele era tão emocionante, tão complacente, que
queria permanecer debaixo dele por sempre. O pêlo de seu peito o fazia cócegas
nos sensíveis mamilos. Agora Keltyn e Brion lhe sustentavam só as bonecas
maniatadas contra os suaves travesseiros, enquanto Owun e Timun sustentavam
seus tornozelos.
“Crie que poderá tomá-lo tudo, milady?”, perguntou Jubil e atraiu seu olhar
para ele.
“Bem posso tentá-lo”, disse ela com os dentes apertados.
“Bom, vejamos se puder”, declarou Corydon ao acomodar-se na união de suas
coxas.
Sua haste parecia de aço quando o empurrou dentro dela. Suave, quente e
brilloso com a filtração de seus próprios fluidos, empurrou brandamente dentro
dela até que esteve metido até onde cabia, pressionando brandamente contra seu
útero. Ele se paralisou com sua dura verga embainhada em suas aveludadas
dobras e fundiu seu olhar com a dela.
“Fica aquieta”, disse-lhe, porque ela tinha começado a retorcer-se debaixo
dele.
Rosalyn necessitou de cada onça de seu autocontrol para fazer o que lhe
ordenou. Ela permaneceu ali recostada, com essa enorme arma enterrada
profundamente dentro dela, e sentiu o palpitar do sangue congestionado ao longo
de sua maliciosa longitude. Ela pôde ver outra veia que pulsava na grosa coluna
da garganta do Corydon, e as duas fluíam ao uníssono. Ele estava apertado
contra seu útero, e a idéia causou uma profunda sensação de contração em seu
ventre inferior.
“obtiveste o que pagou seu dinheiro já, moça?”. Corydon perguntou sem lhe
tirar os olhos de cima.
“Não”, disse Rosalyn. “Quero sentir como acaba. Então estarei satisfeita”.
Os olhos do Corydon se aumentaram. A primeira vibração de seu orgasmo se
fazia sentir em suas bolas e lhe custava permanecer imóvel. Todo seu corpo
emanava suor, que gotejava por seu queixo para aterrissar sobre o peito dela. Ele
pôs as mãos debaixo dela e lhe levantou os quadris enquanto se incorporava até
ficar de joelhos.
“Soltem-na”, ordenou, e quase imediatamente as pernas do Rosalyn se
levantaram e envolveram sua cintura e seus braços se aferraram a seus largos
ombros. Suas mãos se afundaram nos poderosos músculos dos ombros dele, logo
se deslizaram até os contraídos bíceps que se sentiam como se fossem de granito
debaixo de suas pequenas mãos.
Corydon bombeava dentro dela e a investia com a pélvis como se fora um
fogo que precisava apagar. Na habitação se escutava o ruído do tamborilar de
seus corpos. Rosalyn se deslizava para diante e para trás enquanto ele a investia
com força, mas se aferrava a ele e apertava forte as pernas ao redor de sua
cintura.
Corydon grunhia brutalmente com cada arremesso. A pressão aumentava
dentro dele e quando se liberou, grunhiu com um som que provinha das
profundidades de seu peito.

111
Rosalyn também acabou em voz alta, com um agudo grito de selvagem
abandono quando seu clímax se disparou sobre ela em uma onda detrás onda de
delicioso prazer. Entre o peso pesado do bonito homem sobre ela e a pressão que
a limitava de seu largo cinturão de couro ao redor de seu centro, tinha escalado
até o topo do desfrute carnal e se deslizava lentamente em direção oposta.
Ali recostados e ofegantes, nem Corydon nem Rosalyn eram conscientes dos
outros homens na habitação. Nenhum viu os cinco homens mover-se
discretamente a um flanco para liberar-se das duras ereções que se tornaram
dolorosas os últimos dois minutos. Nenhum escutou os gemidos de saciedade que
saíam dos homens enquanto se faziam cargo da questão que tinham entre mãos.
Corydon estava esparramado entre as doces coxas do Rosalyn, com a cabeça
apoiada sobre o peito dela. Os dedos do Rosalyn se mesclavam com o comprido
cabelo dele e o retiravam de sua suada frente, atirando de uma mecha errática
sobre seus olhos. Ela tinha solto sua cintura e suas pernas estavam estiradas
junto às dele, e os dedos de seu pé esquerdo acariciavam seu tornozelo
perezosamente.
“Poderia-me acostumar a isto”, sussurrou Corydon com uma voz sonolenta.
“Isso se poderia arrumar, milord”, sussurrou ela.
Uns leves golpes sobre a porta fizeram que ambos levantassem a cabeça em
direção ao som.
“Esse deve ser Davon”, disse Rosalyn e pôs uma mão sobre sua boca para
tampar um bocejo. “Sem dúvida, sua comida chegou, cavalheiros”.
Jubil se levantou as calças de um puxão, saltou para acomodar-lhe e quase
perde o equilíbrio um par de vezes antes de poder levantar o objeto por seus
quadris. Caminhou descalço até a porta e a abriu apenas um pouco.
O mais baixo dos guardas do Rosalyn ficou emoldurado na estreita abertura.
“Suas mulheres estão aqui com a comida”.
Jubil fez um gesto com a cabeça. “nos dê um momento”, disse e deixou fora a
selvagem e zangada cara do guarda. Deu uma olhada ao redor. “Esse homem não
é um soldado feliz”.
“Os irmãos raramente o estão quando sua irmã faz o que eles acreditam que
não deveria fazer”, disse Rosalyn com uma risita.
Corydon piscou. “Irmãos?”. separou-se dela e se sentou para passar uma mão
por sua despenteada juba.
“Davon e Lyle”, disse ela. “Davon é o major e longe o mais perigoso, apesar
de seu tamanho”.
Os homens se olharam entre si, com seus belos rostos enrugados com
preocupação.
“Não se preocupem”, disse Rosalyn, estirando-se. “comportam-se bem, quase
sempre”.
Uns pesados passos nas escadas alertaram aos homens sobre a iminente
chegada das irmãs do inferno: Hélia e Audra.
“Olhe”, disse Keltyn enquanto se aproximava do Rosalyn. “Não temos nenhum
vestido disponível, mas você parece ser mais ou menos da talha do Timun”.
Rosalyn tomou as calças e a camisa que lhe alcançaram e ficou de pé.
Colocou seus elegantes pés nas pernas das calças e logo se recostou, levantou
os quadris e rebolou para meter-se na ajustado objeto.

112
“Ah, eu gosto como se sentam”, disse e voltou a sentar-se.
Os homens olhavam seus exuberantes seios e se sentiram desiludidos por um
instante quando se colocou a camisa do Timun sobre os ombros e colocou os
braços pelas mangas. Olharam-na grampear-se cada botão e logo suspiraram
quando seus sedutores encantos já não estiveram à vista.
Corydon estava parado a um lado, vestido uma vez mais –como o estavam
todos, em alguma etapa do processo ou outra– e olhava ao Rosalyn atá-la camisa
do Timun na cintura. “Ainda tem posto meu cinturão”, lhe recordou.
“E o seguirei levando até que vocês venham a buscá-lo”, disse
descaradamente.
“Onde?”, perguntaram os homens ao uníssono, mas não foram premiados
com uma resposta, já que houve outro golpe, mais forte esta vez, na porta.
Jubil abriu a porta e se fez a um lado quando as irmãs do inferno, junto com o
Davon e Lyle, entraram trazendo bandejas carregadas com comida que cheirava
deliciosamente. Hélia e Audra nem sequer olharam aos homens e quase nem
notaram ao Rosalyn. Levaram suas bandejas à mesa baixa e as deixaram aí. Sem
dizer uma palavra, deram-se volta e saíram da habitação.
Davon apoiou o pesado prato de pato ao forno que trazia, logo olhou a sua
irmã. Seus olhos se entrecerraron. endireitou-se, olhou a habitação a seu redor e
quando detectou o vestido esmigalhado, lhe começou a contrair um músculo na
bochecha.
“Estou bem e muito satisfeita, Davon”, disse Rosalyn enquanto se estirava
para que Keltyn tomasse a mão e a ajudasse a parar-se.
“O que tem posto é indecoroso”, disse Davon com a voz áspera e os dentes
fortemente apertados.
“Então vê e busca me um vestido”, disse Rosalyn em um tom petulante.
“Eu irei”, ofereceu-se Lyle. Embora sua cara carecia de expressão, seus olhos
estavam em chamas quando disparou um olhar ao Jubil ao sair.
Davon cruzou os braços sobre seu peito e olhou com fúria a sua irmã.
“Nós gostaríamos que nos acompanhem no almoço”, sugeriu Keltyn, mas
desviou o olhar quando Davon o olhou com olhos zangados e entrecerrados.
“Davon?”, Rosalyn perguntou com uma voz suave. “Poderia nos deixar
sozinhos?”.
Davon soprou violentamente pelo nariz, girou sobre seus talões e se foi,
pisando fortemente com os tacos de suas botas contra as escadas enquanto as
baixava.
“Teremos problemas com ele?”, Jubil perguntou.
“Não”, disse Rosalyn com um suspiro. “Mas eu muito provavelmente os
tenha”.
Corydon deu um passo até ela e se estirou para tomá-la brandamente do
queixo e lhe levantar a cara para ele. “De que maneira terá problemas com ele?”,
perguntou.
Rosalyn lhe pôs uma mão na bochecha. “Não se preocupe por mim, milord”,
apaziguou-o ela. “Davon bramará e fará panelas, mas se cortaria a mão antes de
me levantar isso
Corydon estudou sua cara e procurou a verdade detrás de seus preciosos
olhos violeta. “Juras que ele não te fará mal?”.

113
“Por minha honra”, respondeu ela, e seus dedos se fecharam ao redor da forte
boneca dele. Ela baixou sua mão até seu seio e a passeou ao redor desse
exuberante globo. “Escolhi-te”.
Corydon levantou a sobrancelha esquerda enquanto acariciava seu seio
através do tecido da camisa do Timun. “Eleito para que, milady?”.
Simplesmente lhe sorriu e logo se deu volta para olhar a gloriosa comida
disposta sobre a mesa. Ela se afastou, dirigiu-se à mesa e se deixou cair
graciosamente sobre um dos almofadões.
“Tenho fome”, disse.
Os homens tomaram os almofadões que tinham usado para o improvisado
boudoir de amor do Rosalyn, colocaram-nos ao redor da mesa uma vez mais e se
sentaram para começar a encher um prato para ela.
Além disso do suculento peru ao forno, havia aspargos frescos e quentes;
beterrabas em picle com pepinos japoneses e rodelas de cebola em um molho de
azeite doce; maçãs assadas cobertas com um molho de caramelo morno; um bol
com uma mescla de verduras de folha, tomates cherry mesclados, pimentões,
azeitonas negras e trocitos de queijo de cabra, tudo orvalhado com azeite e
vinagre; pão crocante recém tirado do forno e uma variedade de queijos e frutas
que aturdiam a mente e deixavam pasmada a vista.
Brion serve vinho gelado para cada um e o trouxe até a mesa.
Ao Rosalyn e aos homens se os fazia água a boca e começaram a comer.
Falaram sobre sucessos correntes e se surpreenderam ao descobrir que a
formosa mulher estava tão bem informada sobre política e sucessos locais como
eles. Seu discurso inteligente foi uma agradável surpresa, porque normalmente as
mulheres que traziam para o clube tinham pouco e nada de cérebro dentro de
suas preciosas cabeças.
“A meu entender”, disse Rosalyn, “deveriam lhe pedir ao senhor Reynolds que
deixe seu cargo”. Ela sacudiu uma coxa de pato para sublinhar o que dizia.
“esteve nesse posto muito tempo”.
“Precisamente!”, Keltyn esteve de acordo. “O homem é uma burro arrogante.
Não se dá conta de que o povo está cansado de suas táticas despóticas?”.
“Sim!”, disse Rosalyn. “Penso o mesmo!”.
Corydon se reclinou sobre seu almofadão e fez girar o conteúdo cor rubi de
sua taça de vinho. Escutava atentamente as opiniões do Rosalyn. A mulher era
uma verdadeira fonte de sabedoria sobre muitos feitos da atualidade, e escutá-la
falar era entretido e educativo de uma vez. Obviamente, tinha tido uma boa
educação e tinha lido muito além de ser formosa. Pela primeira vez em sua vida,
Corydon contemplou a idéia de casar-se. Ao olhá-la por sobre o bordo da taça
enquanto tomava um sorvo do embriagador vinho de ameixa, sentiu-se bem a
respeito da decisão que estava tratando de tomar.
“Bom, isto foi realmente divertido”, disse Rosalyn. limpou-se a boca
elegantemente com um guardanapo de linho. “Mas Davon ficará impaciente e
quererá chegar a casa antes do agitação do meio-dia”.
“Onde é ‘casa’ exatamente?”, Brion perguntou por todos.
Rosalyn abriu a boca para falar, mas se escutaram uns fortes golpes na porta,
e ela apertou os lábios em um sorriso angustiado, torceu a cabeça para um lado e
encolheu os ombros como dizendo: “Viram, o que os pinjente?”.

114
Owun se levantou para abrir a porta. Logo que teve tempo de fazer-se a um
lado antes de que Davon se abrisse passo aos empurrões e entrasse na
habitação.
“É hora de ir !”,disse o homem fornido precipitadamente. Ele não esperou que
sua irmã falasse antes de aproximar-se e lhe estender a mão.
Rosalyn suspirou em voz alta, logo tomou sua mão. Lhe sorriu docemente a
seu irmão, mas não disse nada enquanto a conduzia à porta.
“Quando poderemos voltar a verte?”, Keltyn perguntou.
“Quando a virem!”, Davon respondeu abruptamente e escoltou a sua irmã fora
da habitação. Fechou a porta de um golpe.
Os outros homens olharam ao Corydon. “Não sabemos seu sobrenome!”,
Timun disse por todos.
“Voltaremo-la a encontrar”, disse Corydon e esvaziou sua taça. Apoiou-a, logo
procurou em seu bolso e tirou a bolsa de novecentos quesones que Davon lhe
tinha dado. Pôs a bolsa sobre a mesa. “Jogamos para ver quem fica com nossos
lucros, cavalheiros, ou as distribuímos por partes iguais?”.
“Só você a serviu”, protestou Brion. “Por direito, você deveria ficar com o
poço”.
“Todos a servimos”, Jubil disse em desacordo. “Deveríamos dividir o poço
entre nós”.
“por que não o jogamos à carta mais alta?”, sugeriu Keltyn. Fez a um lado os
pratos frente a ele e tirou um maço de cartas.
“A carta mais alta ganha o poço e o próximo encontro com nossa dama!”,
Brion corrigiu.
“A dama é minha”, disse Corydon com um tom de voz inflexível que não
admitia discussão. “E o poço?”. Ele se encolheu de ombros. “Cortaremos para vê-
lo”.
Brion mesclou as cartas como um perito, logo deixou o maço no centro da
mesa. “Timun, você primeiro”.
Ao tirar o guerreiro do amor, Timun se sentiu bastante crédulo, mas quando
seu gêmeo tirou a jaqueta do prazer, a expressão do jovem se entristeceu.
Keltyn tirou depois e franziu o cenho quando o dez de trevo destroçou suas
esperanças.
Da mesma maneira, Brion e Jubil ficaram fora da competência, porque a gente
tirou uma três de árvore e o outro um seis de poço.
Corydon sorriu. “Querem fazer uma aposta paralela a que eu tirarei a carta
mais alta?”, perguntou.
Brion soprou. “O que te faz pensar que o fará?”.
“Rosalyn foi destinada a ser minha. Os deuses não me deixarão perder”.
Jubil olhou para outro lado. “Pendejo arrogante”. Assinalou o maço com o
queixo. “Sim, eu farei uma aposta paralela contigo. Darei-te o dobro do poço se
sacas a carta ganhadora”.
Corydon procurou e sustentou o olhar de cada homem, um a um, e todos
estiveram de acordo em tomar a aposta do Jubil.
“Muito bem”, disse Corydon e se estirou despreocupadamente para tomar a
carta de acima do maço. Sem mostrá-la, a levou a peito e a sustentou ali.
“Vejamos!”, exigiu Jubil.

115
“Se a carta for um alto rei ou uma fortaleza, os deuses lhe puseram o selo de
sua aprovação a minha decisão”, disse Corydon.
“Qual seria essa decisão?”, Brion perguntou.
“Que lhe pedirei à dama que se uma a mim”.
Os homens ficaram boquiabertos.
“Você?”, disse Brion de maneira entrecortada. “te casar?”.
“Owun ganhará o poço com sua rainha”, protestou Jubil. “Nossa glorioso líder
não tem do que preocupar-se. Casar-se ele? Tolices!”.
“Isso terá que dizê-lo Rosalyn”, disse Corydon e apoiou sua carta sobre a
mesa. O alto rei os olhou com um olhar de superioridade.
“Por todos os deuses”, sussurrou Keltyn.
Corydon se inclinou para trás e cruzou os braços sobre seu peito. “Os deuses
tomaram uma decisão, meu amigo”.
“Mas você nem sequer sabe seu sobrenome!”, Jubil exclamou. “Não sabe
nada a respeito dela!”.
Corydon se encolheu de ombros. “Para quando terminar esta semana, saberei
tudo o que preciso saber sobre nosso exuberante Rosalyn”.
Capítulo dois
Mas passou a semana, e até com sua rede de experimentados espiões,
Corydon não pôde descobrir nada sobre a formosa Rosalyn. Ninguém no mercado
a conhecia e até depois de uma busca porta a porta no povo, seus homens não
puderam apresentar nenhuma pista a respeito de sua identidade ou seu paradeiro.
Ninguém admitiu vê-la a ela ou a seus formidáveis irmãos.
Um Corydon Lesartes abatido saía da habitação de reuniões do Clube das
Quartas-feiras duas semanas mais tarde. Os outros se foram fazia muito tempo a
seus quartéis ou habitações individuais e o tinham deixado sozinho para olhar
pensativamente sua taça de vinho. Com passos desanimados, baixou as escadas
e se deu volta para pôr chave à porta.
“Sentiu saudades?”.
Corydon se deu volta para encontrar ao Rosalyn que saía das escuras
sombras no fundo do edifício. Seus irmãos estavam aos flancos, mas ficaram
onde estavam quando ela se adiantou.
“Onde estiveste?”, Corydon perguntou e estendeu um braço para agarrar o
dela e aproximá-la a ele. Seu coração galopava, e lhe apoiou a cabeça contra seu
peito.
“Agora estou aqui”, respondeu ela. “Isso é tudo o que importa”.
Afastou-a dele para poder olhar sua adorável cara. “Pensei que te tinha
perdido”.
Rosalyn sorriu. “Nunca, milord. Escolhi-te. Recorda?”.
“Mas...”.
“Toma”, disse ela e colocou a mão no bolso para tirar um pedacinho de papel.
O meteu no bolso de sua camisa. “Ali está minha direção. Deve estar ali amanhã
bem cedo”.
“Rosalyn, eu…”.
Ela o cortou lhe apoiando seus magros dedos sobre os lábios. “Vê ali”, repetiu,
logo se apartou, evitando sua mão exploradora.

116
Corydon deu um passo para frente, com a intenção de segui-la, mas Davon
bloqueou seu caminho.
“Fará as coisas a sua maneira ou não as fará”, anunciou o zangado guerreiro.
Baixou a mão até a adaga em seu cinturão. “Está claro?”.
Corydon olhou por cima do homem parado em seu caminho e franziu
marcadamente o cenho. Rosalyn e Lyle não se deixavam ver em nenhuma parte.
Não teve outra opção que sacudir sua cabeça uma vez para mostrar que estava
de acordo.
Davon fixou os olhos nos do Corydon durante um momento mais, logo se deu
volta e caminhou com passos largos para as sombras.
*****
Corydon não tinha dormido bem a noite anterior. Nem sequer se incomodou
em despir-se, lançou-se sobre o cama de armar e observou quase toda a noite a
delicada letra sobre o pedacinho de papel que Rosalyn tinha metido em seu bolso.
tirou o chapéu caminhando para a porta para investigar a direção no papel e
voltando a sentar-se, alternativamente; zangou-se por ter tão pouco controle de si
mesmo de repente. O amanhecer o encontrou com os olhos imprecisos; tirou-se a
roupa enrugada aos puxões e se passou a esponja antes de vestir-se com uma
camisa de linón recém engomada e calças de couro.
A rua cotada no papel estava do outro lado do povo, longe da maioria das
casas e os estabelecimentos. Teve que procurar a direção correta e passou
adiante da porta três vezes antes de dar-se conta de que tinha chegado ao
destino. Com as Palmas suarentas e o coração galopando em seu peito, partiu até
a porta e deu uns rápidos golpecitos.
“Ela será minha”, repetia-se a si mesmo sem cessar enquanto escutava que
uns passos se aproximavam da porta. “Ela será minha e de ninguém mais”.
Em lugar do Davon, quem Corydon esperava que abrisse a porta, estava a
mesma Rosalyn. Lhe sorriu e deu um passo atrás para deixá-lo entrar.
A habitação era luminosa e arejada, e o sol da manhã entrava por uma larga
fileira de janelas. Uma decorada mesa onde podia caber uma multidão estava
posta com baixela muito cara e taças de cristal. Um formoso e grande acerto de
flores outonais estava disposto em um centro de mesa habilmente preparado. Ao
longo de uma parede havia seis portas esculpidas vistosamente, três a cada lado
de um móvel que tinha fogões de prata, que emanavam vapor e uns aromas que
fizeram que ao Corydon rangesse o estômago.
“Espera visitas?”, perguntou com o cenho franzido.
“Não”, respondeu ela. “Só a ti”.
Rosalyn lhe aproximou e rodeou seu pescoço com os braços. “Esperei-te duas
largas semanas, meu amor”. Ela o apertou contra seu corpo. “Me sentiu falta de?”.
“Sim”, disse com voz áspera e passou os braços ao redor de sua cintura para
levá-la contra ele.
Rosalyn se parou em pontas de pé e tomou sua cara com as mãos para baixá-
la até ela. No instante em que os lábios dela tocaram os seus, Corydon esteve
duro como uma pedra. Gemeu pelo baixo em sua garganta e a levantou em seus
braços.
“Onde?”, perguntou-lhe ele.
“A porta do fundo à direita é minha habitação”, disse ela.

117
Ele a levou até a porta e a abriu de uma patada, logo a empurrou com o talão
para fechá-la. A habitação cheirava a gardênias quando a levou até a suntuosa
cama convocada entre duas janelas altas. Apoiou-a sobre o suave acolchoado de
pele e começou a desabotoá-la camisa, mas ela se sentou.
“Não”, disse-lhe, enquanto se deslizava da cama. “Esta vez você te recosta e
eu me despirei”.
Corydon sorriu. Saltou sobre a cama e se recostou de barriga para cima, com
as mãos detrás da cabeça.
Rosalyn disse que não com a cabeça. “O vamos fazer a minha maneira”, disse
ela e se estirou para lhe tirar o braço direito de abaixo da cabeça. estirou-se até o
poste da cabeceira de sua cama, tomou algo de abaixo do cobre colchão e o
levantou.
O clique de umas algemas sobressaltou ao Corydon, e seus olhos se
acenderam. Atirou em sentido contrário à atadura e a teria agarrado com a outra
mão, mas Rosalyn estava em cima dele, com as pernas abertas sobre seu peito e
agarrando seu braço esquerdo para estirá-lo até o poste da cama. Ela era muito
mais forte do que teria imaginado, porque ele não se pôde liberar de seu firme
agarre.
“Moça, o que está por fazer?”, perguntou, com um desacostumado temor que
enviava estremecimentos de alarme por seu ventre e lhe apertava as bolas.
“Eu te escolhi”, disse ela. “Não há nada do que preocupar-se, milord. Só te
recoste aqui e nos desfrute”.
“nos desfrute?”, perguntou ele com voz insegura.
Logo que sentiu que as ataduras se deslizavam por seus tornozelos quando
Rosalyn se baixou da cama.
“Você e eu estávamos destinados a ser um”, disse ela. “Possivelmente nos
casemos ou possivelmente sigamos sendo amantes sem o benefício da união.
Quem sabe? Embora por hoje e por sempre, só eu conhecerei o mais doce de sua
robusta verga embainhada dentro de mim, mas…”.
Corydon escutou que se abria a porta e levantou a cabeça para ver quem
tinha entrado. Temia ver o Davon e ao Lyle parados ali, com seus olhos inflexíveis
salpicados de vingança. Mas eles não eram os que lhe aproximavam.
Ficou boquiaberto. Seu coração se deteve por um instante e seu verga saltou.
“Bem-vindo ao clube das quintas-feiras pela manhã, Capitão Lesartes”, disse a
modo de bem-vinda a mais alta das cinco mulheres nuas que acabavam de entrar.
“Passará um muito bom momento”.

ESPOSAS DE AMOR
Elizabeth Lapthorne

118
Capítulo uno
O ano 2201
MA´ra estava parada na porta do sórdido bar. Uma fumaça que não quis identificar
formava espirais que subiam até o forro do teto coberto de numerosas manchas na
habitação mau iluminada. Possivelmente oficialmente não estava de guarda, mas como
tinha aprendido uma e outra vez pelo caminho difícil, uma merc nunca parecia saber
quando desconectar-se.
Agora que o pensava, essa tinha sido uma das queixa maiores do Steven a respeito dela
quando sua breve relação terminou. Dar-se conta por si mesmo da questão foi um dos
motivos mais fortes detrás de sua decisão de não contatá-lo esta vez durante sua curta
estadia.
Apoiou sua mão sobre sua pequena pistola de eletrochoque e tragou ao recordar o outro
motivo para não contatar-se com seu ex-amante. Ela poderia necessitar ajuda para lutar
com o homem que estava perseguindo esta noite, mas o que tinha planejado roçava o
ilegal, por qualquer ângulo que o olhasse.
Também entrava na categoria de total e completamente ilegal de outras numerosas
maneiras imagináveis.
MA´ra endireitou sua coluna; seu rosto levava a marca da determinação.
Elise poderia ser delicada, poderia ser jovem e virtualmente incapaz de fazer-se carrego
de si mesmo, mas mesmo assim ela era a única parente sangüínea que MA´ra tinha em
todo o universo. Ela se havia sentido tentada fazia muito tempo de deixar que Elise se
fizesse cargo de si mesmo e aprendesse algumas costure pelo caminho difícil. Mas
sempre recordava o parentesco entre elas e uma vez mais salvava ao Elise de suas
próprias ações. MA´ra tomava suas responsabilidades com seriedade, sem lhe importar
quanto desejava que as coisas fossem de outra maneira.
Elise se queixava de que MA´ra viajasse a outros planetas e galáxias constantemente,
mas nunca se queixava sobre a parte considerável que MA´ra sempre lhe dava de seus
créditos.
MA´ra sorriu socarronamente. Elise podia choramingar, mas sem dúvida sabia bem o que
lhe convinha.
MA´ra se fez levemente a um lado quando a porta detrás dela se abriu e deixou entrar em
outra prostituta logo que vestida. Ao sentir que lhe brotava a compaixão de dentro, resistiu
o impulso de fazer a um lado a jovencita apenas púbere, lhe encher as mãos de créditos e
lhe dizer que voltasse para casa e retornasse com seus pais e a seus estudos. Embora as
novas regras para as prostitutas assinalavam que a idade do
consentimento legal eram os dezessete, MA´ra nunca pôde tolerar a juventude dessas
prostitutas.
Mas sabendo que lhe dar créditos à criatura e tratar de suborná-la para que voltasse para
sua casa não resultaria em nada mais que no desprezo da moça, MA´ra suspirou
tristemente e tratou de concentrar-se no outro lado do fumegante bar. A fresta de luz da
porta aberta ajudou ao MA´ra a ver sua presa.
Paul Sullivan.
O nome lhe deu calafrios na coluna, e não pelo que tinha planejado para ele na curta
viagem do pequeno departamento do Elise, onde tinha deixado à moça feita muito
lágrimas.
O homem media facilmente mais de seis pés de altura, tinha uma textura robusta e estava
definitivamente feito para prevalecer em qualquer cometido que tivesse planejado. Um
cabelo loiro escuro emoldurava sua cara, talhado simplesmente e crescido na parte de
atrás. MA´ra sabia, por escutar pela metade as histórias e as anedotas de luxúria que
Elise contava entre suspiros, que ele se recolhia o cabelo para trabalhar.
Paul estava sentado com um grupo de outros homens jogando às cartas, com sua
musculosa textura amontoada em um assento, e aparentemente cômodo. Enquanto MA
´ra vigiava uma pequena mesa e uma cadeira e pediu um café. Precisava observá-lo,
para esperar o momento preciso. Ela o queria o suficientemente ébrio para que seu plano
funcionasse, mas o suficientemente sóbrio como para que ainda pudesse mover-se por
seus próprios meios.
Ela era forte, certamente mais forte que muitas mulheres, mas não tanto como para ter
elevado ao Paul sem levantar suspeitas. Ela duvidava que ele queria ir com ela
voluntariamente, bêbado ou sóbrio, se lhe dava sequer um indício de suas verdadeiras
intenções.
MA´ra sorriu a mesera e lhe pagou sem apuro, enquanto mantinha sua atenção
concentrada exclusivamente no Paul. Ele parecia estar bebendo vodca azul a um ritmo
alarmantemente contínuo. Ou estava tratando de afogar suas penas, ou simplesmente
estava esbanjando seu dinheiro.
Em menos de meia hora, tinha perdido uma impressionante quantidade de dinheiro e
tinha baixado a maior parte de uma garrafa da custosa bebida.
Enquanto cambaleava para ficar de pé e divagava incoerências sobre buscar uma
acompanhante bem predisposta, ria e brincava com os homens ao redor da mesa e logo
caminhou lhe serpenteie até as portas do bar.
MA´ra ficou de pé em silêncio, enquanto observava cada passo que dava Paul e se
assegurava de que ninguém lhe estivesse emprestando atenção ao bêbado. Quando
começou a cantar uma melodia obscena, empurrou as portas para as abrir, e MA´ra
suspirou aliviada. apressou-se para segui-lo; tomou menos de doze passos alcançá-lo.
Tomou sua pistola de eletrochoque e, esperando tomá-lo por surpresa, apertou-a contra
sua artéria carótida.
“Sobe ao patrulheiro vermelho justo em frente”, murmurou brandamente em seu ouvido.
Sentiu um arrebatamento de pânico quando ele se deu volta, olhou-a à cara, com
bastante sobriedade, e logo se sacudiu pela surpresa.
“MA´ra!”, disse entre dentes. “Que demônios crie que está fazendo? Não te disse Elise
que...?”.
MA´ra o interrompeu, pois não queria que ele dissesse algo que possivelmente lhe tirasse
a coragem.
“Fecha a boca e feixe o que te digo ou acenderei este raio a máxima potencializa e ao
demônio com suas chances”.
Tinham deixado de caminhar quando ele a reconheceu. Parada na suja vereda em uma
das zonas mais sórdidas da cidade, MA´ra sentiu pela primeira vez essa noite o fio gelado
do vento.
Sórdida seria uma descrição generosa para a rua e a vizinhança completa no que
estavam. Uma descrição mais exata seria dizer que era um tugúrio, ou uma cova. Estava
só um degrau mais acima que o pior rincão da pequena cidade.
MA´ra esperou enquanto Paul examinava sua cara e logo enfocou sua mão, que
sustentava firmemente a pequena pistola de eletrochoque. O tamanho não tinha que ver
com a potência nestes dias, e ambos eram muito conscientes disso.
Por isso Elise tinha insinuado, Paul já não trabalhava para o departamento legal para a
prevenção do delito, mas seguia tendo o conhecimento de seus mais de vinte anos na
Força. Ambos sabiam que ele não tinha esperanças se ela falava a sério.
Por sorte para ela, nenhum dos dois podia estar completamente seguro de que tão
zangada se sentia ela nesse momento.
Murmurando outra vez, Paul subiu a seu automóvel, logo depois de deixar que lhe abrisse
a porta e a fechasse de um golpe detrás dele. MA´ra correu rapidamente ao redor do
patrulheiro e subiu ao assento do condutor.
Logo depois de fechar de um golpe sua própria porta, respirou fundo.
Infelizmente para ela, o ar que respirou tinha tanto do aroma do Paul para encher seus
pulmões. Uma masculinidade salgada e um leve aroma de pinheiro, que ela sempre o
adjudicou a sua loção para depois de barbear. Com uma simples e potente respiração do
Paul, sua concha já se esquentava, jorrando-se por ele com expectativa pelo que tinha
planejado.
Ela não podia dar o luxo de distrair-se até que estivessem de volta em sua casa!
“Estou-me imaginando que a boa do Elise reagiu exageradamente uma vez mais. me
deixe adivinhar, ela se comunica contigo logo que chega de sua tarefa de dois anos e
começa a mugir como louca. ‘Não é justo’, lamenta-se. ‘É tão filho de puta’, grita ela. De
que ações vis me tem feito cargo esta vez?”.
MA´ra sentiu uma pausa de um segundo. Elise sempre tinha recorrido ao truque das
lágrimas quando algo não saía como ela queria. De meninas, em uma festa de aniversário
uma vez, quando Elise pensou que MA´ra tinha tomado o pedaço de torta maior, fez um
manha de criança e ganhou dois pedaços de torta para ela. Quando MA´ra chegava a
casa com um resultado perfeito em sua prova de matemática, Elise chorava até que seus
pais a premiavam a ela, sua própria filha, tanto como a pobre prima órfã.
Não! Sua mente gritou. Ela não ia se apoiar em suas brigas infantis. Esta vez ela tinha
visto a evidência. Alguém tinha retirado todos os recursos do Elise, e Paul agora tinha
milhares de créditos pelo valor de um automóvel novo, casa nova, tudo novo, e tinha sido
jogado da Força por corrupção.
Era tudo o que precisava saber para vingar a pobre Elise.
MA´ra se deu volta para o Paul e se surpreendeu do pequeno e apertado que parecia seu
patrulheiro com os dois no assento de adiante.
“Olhe, MA´ra”, continuou ele. “Não tenho tempo para esta mierda, embora seja divertida.
Tenho trabalho que fazer…”.
Outra vez, ela o interrompeu, porque não queria que ele a fizesse duvidar de sua prima
uma vez mais.
“Elise me disse como lhe jogaram da Força por corrupção. Assim fecha bem a boca, não
te estou escutando”.
“MA’ra…”.
Habilmente, sabendo que um movimento incorreto, ou o mais mínimo instante de dúvida e
ele a desarmaria, e ela estaria em piores problemas que por simplesmente questionar se
sua prima lhe mentia ou não, MA´ra tirou sua pistola de eletrochoque e lhe disparou.
Ela esperava poder lhe dar no nervo principal de seu pescoço. Mas no espaço apertado
de seu automóvel, com os sentidos de ambos os exaltados, ela sabia que poderia falhar,
e realmente não queria machucá-lo. Então, em troca, apertou a pequena pistola contra o
flanco de seu ventre. Quase não havia nada brando ali tampouco, mas era o lugar mais
seguro para que ela o alcançasse e ainda tivesse esperança de derrubá-lo.
Tinha deixado a pistola carregada antes de entrar em bar, porque não queria ter que
embrulhar-se com ela mais tarde. Tinha calculado muito cuidadosamente, pelo tamanho e
a força do Paul, até que ponto o deixaria inconsciente sem machucá-lo ou danificá-lo. Ela
podia querer vingança, podia querer ficar satisfeita e satisfazer sua curiosidade sobre ele,
mas não queria queimá-lo nem lhe deixar cicatrizes, absolutamente.
Paul se desabou em seu assento, a queda de seu corpo, como se não tivesse ossos,
mostrou-lhe que ela tinha calculado exatamente a força da potência necessária.
Ela se inclinou sobre ele, controlou-lhe o pulso, revisou sua respiração e se assegurou de
que não tivesse marcas de queimaduras em sua pele. Só ficava um leve enrojecimiento
onde lhe tinha disparado. Ele estava bem.
MA´ra sorriu ao voltar a pôr a pistola de eletrochoque em seu bolso e logo acendeu seu
patrulheiro. Ela queria o ter em sua casa e apropiadamente contido antes
de que despertasse. Durante três anos tinha fantasiado com este homem e esta noite ela
ia ter uma pequena amostra desses sonhos.
Amanhã teria que entregá-lo, embora não ia fazer necessariamente uma grande
diferencia, se a Força estava realmente infestada de corrupção. Mas por esta noite, ele
era dele, somente dele.
Capítulo dois
Paul abriu os olhos para sentir que lhe doía o pescoço, que tinha uma surda dor de
cabeça e uma visão com a que tinha sonhado durante anos. MA´ra estava parada sobre
ele, com sua equipe negra de merc volumoso em todos os lugares femininos corretos.
Seu cabelo avermelhado comprido até o ombro estava solto e se enrulaba livremente em
seu aspecto natural como pirado pelo vento. Seu amplo busto estava quase ao alcance
de sua boca e sua língua. A parte de adiante de sua blusa se abria e oferecia uma
cativante olhada do paraíso que o esperava.
Paul baixou os olhos, reticentemente, e os separou da saudável exibição de seu decote.
Sentado como estava, não podia ver seu traseiro, por isso sentiu uma sincera desilusão.
As calças de couro de imitação levantavam seus socos de uma maneira que fazia que
todos os homens ofegassem e queriam lhe agarrar a carne embainhada em sua uniforme.
Paul recordou o primeiro dia em que sua prima menor, Elise, apresentou-os. Paul sabia
que Elise tinha um metejón infantil com ele. Embora tinha vinte e três, Elise era mais uma
menina que uma mulher. Lhe tinha seguido a corrente, porque não queria incomodá-la e
ofendê-la ao verbalizar seu interesse não sexual nela.
além de seu desejo de não incomodá-la, seu trabalho geralmente o punha em contato
com o Elise, uma tipógrafa legal. Até que apresentou ao MA´ra, não parecia sensato ser
grosseiro com a moça ou mais firme do necessário.
Embora do momento em que viu o MA´ra, quis levar a à cama.
Desesperadamente.
Com o Elise pululando a seu redor, rendo e conversando, nunca tinha tido oportunidade.
Elise, com seus olhares pegajosos e de admiração, obviamente reclamava sua parte –não
importava que tão falsa– e MA´ra se tinha ido a lugares principalmente desconhecidos ao
pouco tempo.
O que o deixou com seus pensamentos eróticos, seus acompanhantes trocas e seus
companheiros no cumprimento da lei.
E seus sonhos.
Seus sonhos eróticos, de classificação triplo x.
Paul franziu o cenho e sentiu um ponto quando MA´ra se sentou a seu lado sobre a cama,
logo tratou de pôr suas idéias em ordem. Não só MA´ra não deveria estar aqui sobre sua
cama com ele, mas sim além se supunha que ele estava em uma tarefa.
Tarefa!
A palavra reverberou em seu crânio, e fez que a dor apagada diminuíra, e a lembrança do
bar, o golpe, o trabalho encoberto que tinha estado fazendo durante os últimos seis
meses, tudo voltasse como uma rajada para que ele pudesse enfocar-se nisso.
Maldição!
Com os olhos cruzados, querendo enfocar sua atordoada atenção, recordou como esta
noite devia ser o princípio do fim. Durante meses, ele e a Força tinham estado preparando
o terreno, simulando uma corte marcial falsa por corrupção, seu estilo de vida luxuoso e
sua integração ao sórdido baixo mundo. Durante seis meses tinha estado vivendo em
uma mentira permanente, decidido a apartar todos seus pensamentos do MA´ra e
enterrar-se em seu trabalho.
Tinha-o estado fazendo esplendidamente, até esta noite. Esta noite, o plano era que fora
do bar o contatasse a rede em que queria infiltrar-se. Em troca, deixou-o mudo ver que
MA´ra lhe apontava uma pistola de eletrochoque ao pescoço.
Deixou-o atordoado vê-la nessa rua decadente, seguindo-o sigilosamente. Não estava tão
ébrio como atuava. Tinha deslizado quase todo o álcool por sua manga com o velho
truque de magia que tinha aperfeiçoado, mas também tinha tomado um gole para
apaziguar o efeito da pequena quantidade de aguardente que teve que consumir. Podia
cheirar como bêbado e parecer bêbado, mas sua cabeça estava perfeitamente poda.
Tinha ficado tão pasmado ante a sorpresiva aparição do MA´ra que não duvidou em
entrar em seu patrulheiro. Ele não queria atrair a atenção para si, mas sobre tudo, não
queria atrair atenção desnecessária para o MA´ra.
Sentado direito, boqueó ao descobrir que suas mãos faziam um ruído metálico contra a
estrutura de metal da cama.
“Que demônios!”, exclamou, completamente pasmado ao ver que um par de algemas
rodeavam suas bonecas.
Atirou delas, sem poder acreditá-lo, e logo girou para a bruxa tinta sobre sua cama. Ao
olhar a seu redor, deu-se conta de que não era sua cama, e isto nem sequer era seu
quartel!
“Onde demônios estou e o que crie que está fazendo?”.
Olhou ao MA´ra, que estava ali parada, tirando um penugem imaginário de suas calças de
couro falso.
“Traga-te aqui para que me dê algumas respostas”.
Paul levantou uma sobrancelha e se recostou na cama. MA´ra não ia fazer que a ele lhe
parasse de maneira nenhuma.
“estiveste lendo meu jornal íntimo, MA´ra? Deve ter folheado as melhores parte e as mais
pervertidas. supõe-se que você deveria estar encadeada à cama, não eu. Se ativa com a
palavra, suponho?”.
Paul sorriu. O rubor que se pulverizava sobre os rasgos do MA´ra, o aquecimento que
pelo que ele sabia era em parte por vergonha, mas também em parte por excitação,
esquentou-o.
Quando ela assentiu com a cabeça, ele soube que era em resposta a sua última
pergunta, não à perseguição anterior.
“Não estou aqui para satisfazer suas perversas fantasias, Paul. Estou aqui para que me
devolva o dinheiro do Elise. Ela me informou quando retornei o que baixo tem cansado.
Que teve uma corte marcial por corrupção, que roubou todos seus créditos e que
estiveste vivendo muito bem. E não, não lhe acreditei instantaneamente, mas ela me
mostrou os comunicados de imprensa e seus resúmenes de conta eletrônicos. Um retiro
enorme de todos seus recursos. Então te deixarei para que pense como me explicar todo
isso, e quando voltar, melhor que esteja preparado para lhe devolver o dinheiro, ou o
lamentará”.
Paul levantou as sobrancelhas da maneira zombadora que ele sabia que a fazia zangar.
“vais torturar me, querida?”.
“Se preciso fazê-lo”, respondeu ela, com a suficiência viveza para fazê-lo rir. “Você foi o
que trouxe as fantasias sexuais a colação. Arrumado a que nunca pensou que seria você
o que perderia o controle. Farei-te me rogar que te deixe livre, até que esteja preparado
para me dar algo, sem mencionar me devolver os créditos que roubou ao Elise”.
A promessa gutural e rouca de fazê-lo rogar fez que sua risada lhe desvaneça na
garganta. Essa era a voz com a que tinha sonhado, fantasiado, com a que se feito a palha
mais vezes das que podia contar.
antes de que ele pudesse pensar em uma resposta engenhosa, uma réplica fantástica,
ela se deu volta, sacudiu seu traseiro sedutor e saiu da habitação.
Paul se reclinou e respirou fundo. Fechou os olhos e pensou nos sanduíches de
informação que Elise o fazia saber de vez em quando sobre sua prima maior. MA´ra tinha
completo trinta anos fazia uns meses, a idade perfeita para os trinta e seis dele. Ao filtrar
mentalmente toda sua informação, recordou que Elise tinha mencionado que MA´ra
geralmente mantinha as mesmas três ou quatro contra-senhas.
“Ah, ela nunca teve uma boa memória, mantém as mesmas dois ou três e simplesmente
vai rodando. Dessa maneira, ela sempre pode adivinhar qual é sua contra-senha, até se
não a recorda”.
Ele girou a cabeça para que sua voz levasse a palavra claramente até as algemas, fez o
melhor de si para recordar as três palavras que Elise lhe tinha enumerado.
“Shakespeare”, disse claramente e esperou.
Não passou nada. Paul franziu o cenho, contrariado. O famoso dramaturgo, uma leitura
favorita que ambos compartilhavam, foi o que recordou com mais facilidade. Ambos
tinham uma debilidade pelas tragédias que esse homem tinha escrito vários séculos atrás.
Ele voltou a franzir o cenho, enquanto se devanaba os miolos. De repente recordou algo
que tanto Elise como MA´ra lhe haviam dito a primeira vez que se viram.
“Patético, mas real”, lhe havia dito com um sorriso. “Meu primeiro amante me comprou
violetas em uma de nossas primeiras entrevistas. tive debilidade por elas após”.
“Violetas”, disse claramente, com a voz lhe tilintem de convicção.
As algemas se sacudiram e se abriram, deixando seus braços livres.
Paul se sentou na cama e se sentiu mais cômodo do que se sentou em anos. Levantou as
pesadas esposas de metal e as sopesou em suas mãos. MA´ra não acreditaria que ele as
conseguiria tirar, muito menos que daria volta a omelete.
A surpresa que ele imaginava que veria em sua cara, seguida rapidamente pela imagem
mental dele fechando súbitamente as algemas sobre as bonecas dela e maniatando-a a
ela à cama, fizeram que sua ereção se alargasse como nunca antes. MA´ra algemada à
cama. Completamente a sua mercê. Aberta a todos seus desejos e fantasias.
Paul se moveu ao sentir que suas calças se tornaram muito apertados.
O só pensar que ele, sem saber, tinha-lhe advertido do que se vinha o fez pôr mais duro.
Lhe havia dito que tinha fantasiado com suas posições trocadas e que o tinha feito mais
de uma vez.
O calor que fazia ferver seu sangue ao poder finalmente fazer realidade esta fantasia o
fez gemer pela pressão que agora se acumulava em seu verga.
Ele sorriu de felicidade e se baixou da cama. Precisava pensar em algo mais ou acabaria
nas calças antes de que MA´ra retornasse. De pé, enquanto estirava as pernas, levou-se
as algemas perto da boca.
Precisava trocar a palavra de fechamento –uma tarefa bastante simples– e com sorte o
suficientemente boa para desviar sua atenção de suas calças e fazer fluir um pouco de
sangue novamente até seu cérebro e longe de sua ereção.
As algemas eram de edição padrão. Muitos mercs e todos na Força sabiam como as usar.
Paul sorriu. Ele poderia algemá-la e levar a cabo suas vis intenções com ela, fazer que
suas fantasias se fizessem realidade. Ela o tinha chamado pervertido? Ela não tinha idéia
de que tão pervertido podia chegar a ser.
Mas por que palavra trocar a contra-senha?
Paul enrugou o cenho enquanto pensava. Algo que a ela nunca lhe ocorresse dizer,
alguma palavra que nenhum dos dois gritaria enquanto lhe estivesse dando prazer.
Sua cara se iluminou, seu sorriso retornou. Tinha a palavra perfeita.
“Que a palavra de fechamento troque a…”, começou com uma voz clara, seguro do que
estava fazendo.
No dormitório vazio, ele disse a única palavra proibida de quatro letras que se sentiu
seguro de que nenhum dos dois diria.
Feito isso, deixou cair as algemas sobre a cama. Paul se deu volta e começou a
inspecionar a habitação. Queria estar completamente preparado para quando ela
retornasse, não só para algemar a à robusta cama, mas também também para começar
com sua fantasia “perversa”.
A mera imagem mental dessas fantasias pervertidas fez que seu verga ficasse mais dura
e mais quente.
Seu sorriso, por não mencionar outras partes de sua anatomia, aumentou-se ao pensar
nisso.
Capítulo três
MA´ra apertou a frente contra o fresco vidro de imitação. Tinha eleito a propósito a
pacífica cena de uma selva tropical para que aparecesse através da “janela”. De algum
jeito, a idéia de ter uma cena da praia ou um rio que corre não ajudavam a apaziguá-la.
Só a selva conseguia ajudá-la a esclarecer sua mente.
E que imagem que queria apagar desesperadamente!
Paul, com o peito expandido e as pernas abertas, algemado a sua cama.
Ela nunca pensou que teria umas fantasias tão… bom, tão extravagantes!
Ela nunca tinha sido das que gostavam das fantasias ou as relações de
sadomasoquismo. Nunca lhe tinha admitido a ninguém que tinha o mais remoto interesse
em ser atada, ou atar a um homem a sua cama.
Mas no que se referia ao Paul, a idéia do ter a sua mercê, de poder tomar-se seu tempo
para tocar, provar, fazer algo e tudo o que desejasse, era imensamente atrativa. Mais
atrativa do que imaginou jamais.
Estava tão embriagada pelos pensamentos que cruzavam sua cabeça como rajadas que
lhe pareceu necessário sair a sua sala principal e ajustar a tela com as tranqüilizadoras
imagens que sempre a faziam sentir cômoda e em calma. Para respirar pausada e
profundamente, e não saltar simplesmente sobre o pobre homem e comer-se o de um
bocado.
Mmmm… Sua mente ronronou, e se fixou um instante na imagem dela comendo-se seu
enorme pênis. Ferozmente, tirou a mente dessa imagem. supunha-se que ela estava aqui
para desfazer-se dessa classe de imagens!
O que realmente deveria fazer, insistiu sua condenada consciencia, que dizia sua opinião
em voz alta, é levá-lo diretamente a seus chefes na força e ao demônio com esta
vingança. Certamente, apresentar uma queixa formal e um pedido de reembolso a seus
superiores seria suficiente para que iniciem uma investigação. Elise pode rastrear seu
maldito dinheiro dali em mais!
MA´ra suspirou.
O problema com esse curso de ação, informou-se a si mesmo, seria que ela não poderia
seduzir ao Paul, nunca mais teria a oportunidade de tocá-lo ou prová-lo.
Esse pensamento foi suficiente para fechar sua consciência imediatamente.
Durante mais de dois anos, escapou-se e escondido do homem que sua prima tinha
reclamado como dele. Não importava que não estivesse interessado no Elise no mais
mínimo e, de fato, tivesse rechaçado as proposições de sua prima durante meses. O só
feito de que Elise o tivesse reclamado primeiro queria dizer que MA´ra podia olhar mas
nunca, nunca tocar.
E isso era o que lhe causava rancor. por que demônios não podia tocar ela, embora fora
só uma vez? Elise tinha tido dúzias de amantes enquanto MA´ra esteve longe e ocupada.
Obviamente, a moça não tinha esquecido ao Paul por completo, mas ninguém se
inteiraria nunca do de esta noite.
Ao pensar no tempo que desperdiçava, MA´ra apagou a tela e endireitou sua coluna. Ela
tinha eleito esta rota e não ia se fazer a um lado agora por nada.
Paul esperava recostado na cama, embora algemado a dita cama, e pensar no delicioso
sanduíche que lhe apresentava foi mais que suficiente para deixá-la sem fôlego de
excitação. Sua concha palpitava com a rajada de sangue e seus mamilos estavam eretos
e se raspavam contra o encaixe de seu sutiã.
Quem necessitava um arrebatamento de consciência quando uma tinha um semental bem
disposto algemado à cama?
Ela nunca tinha pensado sequer em ter a um homem, a este homem em particular, pacote
e a sua mercê. A quantidade de coisas que podia lhe fazer, que desejava lhe fazer, a este
homem fizeram que seus passos se acelerassem de volta para sua habitação.
Ela se deteve fora de seu dormitório. Ela se acomodou o cabelo e logo sorriu ante sua
própria idiotice. A quem lhe importava como se via seu cabelo? Ela tinha o controle agora!
Apertou o discreto botão e viu como se abria a porta, com o sorriso da expectativa em sua
boca.
Ela deu um passo dentro da habitação, com a satisfação que se filtrava por cada
polegada de seu corpo.
Até que se deu conta de que não havia ninguém sobre sua cama.
Sua boca se abriu; tinha uma pergunta sem fazer nos lábios. Tomou por surpresa a
sensação de um corpo masculino duro e quente apertado contra suas costas. antes de
que pudesse pensar sequer em articular uma das muitas perguntas que flutuavam em sua
mente, encontrou-se com que a tinham dado volta e a faziam caminhar para atrás para a
cama.
“Paul!”, conseguiu dizer, sem estar segura sequer se estava molesta, zangada ou
simplesmente aturdida.
Com movimentos rápidos e concisos, empurrou-a para baixo para que caísse sobre a
cama. A sensação cálida mas sólida de umas algemas fechando-se sobre suas bonecas
fez que ficasse sem fôlego por do impacto.
“Como diabos…?”, começou a chiar de uma maneira completamente vergonhosa quando
ele começou a lhe tirar a camisa e as calças, o sustento e as calcinhas. Terminou
rasgando o delicado encaixe de seu sustento e sua magra camisa de merc, para tirar-lhe
pelos braços. O som do tecido que se rasgava a impactou como nada o tinha feito antes.
Ela nunca usava sapatos dentro do quartel e por um segundo desejou ter tido a barreira
dos sapatos para proteger seus pés, que ansiavam chutá-lo.
Sentiu uma grande comoção e a superou a confusão de que as coisas não fossem como
ela o tinha antecipado. Ela nunca se sentiria realmente ameaçada por este homem, até
estando algemada a sua própria cama. Mesmo assim, enquanto sua mente processava o
impacto de que se deu volta a omelete com tanta facilidade, sentiu que sua concha se
molhava de calor e de umidade. Ela boqueó, tanto seu desejo como a surpresa até
acendiam seu organismo.
Seu ofego se converteu em um gemido quando os lábios do Paul se apertaram contra os
seus. Uns lábios quentes e suaves, muito sedutores. Seu beijo se sentiu até melhor do
que imaginava. Ele se sentia como seda quente que acontecia seus lábios e a seduzia até
tentações incalculáveis.
Ele ficou de pé e se afastou dela, e ela se mordeu o lábio. Mesmo assim, lhe escapou
uma choramingação e ela se repreendeu severamente por isso. Ela decidiu tomar a
ofensiva finalmente, em lugar de simplesmente reagir, e se limpou a garganta.
“Suponho que averiguou a contra-senha de fechamento?”.
Ela tragou, e Paul sorriu lhe mostrando os dentes. Homem, ele podia tentar a uma monja
ao pecado! Ela tratou de esconder sua expressão quando ele começou a tirá-la camisa.
Revelou uns abdominais esculpidos e logo um peito suave e bronzeado que lhe fez água
a boca
MA´ra se perguntou onde se foi seu julgamento. ficou recostada nua e atada em sua
própria cama, onde fazia menos de cinco minutos se esteve felicitando por capturar e ter
baixo controle ao homem que agora arrojava sua roupa no chão de sua casa.
“Realmente deveria procurar novas contra-senhas, MA´ra, querida”, arreganhou-a
brandamente e a fez ruborizar.
“Assegurarei-me de que a próxima vez que estabeleça a palavra de fechamento, encontre
uma particularmente escura. Agora que te divertiste, importaria-te me soltar antes de
piorar ainda mais sua situação deplorável?”.
MA´ra sabia que suas possibilidades eram mínimas, mas o sorriso e o brilho possessivo
de seus olhos lhe disseram mais claramente que qualquer palavra simplesmente que
vões eram essas possibilidades.
“Bom, bom. Você estava toda disposta e preparada para seduzir a um cativo maço.
Acredito que só é justo que eu te devolva o favor. Além disso, querida, eu sim te avisei
que todas minhas fantasias giravam em torno a que sua magnífica pessoa era a que
estava atada, não eu”.
MA´ra lutava enquanto ele falava e começava a tirá-los calças, embora sabia que rebolar
para tirá-las algemas não tinha sentido. Muitos outros mais fortes que ela tinham lutado
contra essas algemas. Nada se liberava jamais destas malditas coisas. Foi por isso que
as escolheu em primeiro lugar.
“Olhe, Paul…”.
MA´ra gemeu ao sentir uma carne quente e nua que se esfregava contra a sua. Ela não
entendia como esta situação lhe tinha ido das mãos tão rapidamente. Não podia acreditar
que seu corpo fora tão traiçoeiro e estivesse molhando-se tão grosseiramente de só
pensar que Paul podia lhe fazer algo e de tudo. Mas o simples feito era que ela se sentia
grosseiramente excitada, mais quente do que se havia sentido antes.
Ela sabia que uma grande parte disso residia no fato de que Paul era o que tinha o
controle. Era a carne do Paul a que ela sentia perto da sua, a pele do Paul a que se
deslizava sobre a sua, a enorme ereção do Paul a que empurrava contra suas coxas.
“Só me deixe fazer realidade esta fantasia, MA´ra”, tentou-a ele, com sua voz sensual e
rouca que a arrulhava como se ela fora um bichinho assustado. “lhe posso explicar isso
todo manhã, uma vez que ambos nos sintamos satisfeitos. É óbvio que os dois temos as
mesmas fantasias”.
“Duvido-o realmente!”, gritou ela. Ela não podia dizer se sentia irritação ou impotência,
tudo o que sentia era o sangue quente que lhe corria pelo organismo, e a esquentava
mais do que tinha estado jamais. “Eu nunca fantasiei estando atada”.
MA´ra rebolava enquanto Paul subia à cama em quatro patas. A massa de cabelo
comprido até o ombro dele caía sobre a pele dela e a acariciava. Só esse simples feito a
fazia retorcer-se de prazer.
Ao olhar para acima, decidida a defender sua posição, MA´ra se sentiu afogar-se nos
lagos quentes e marrons de seus olhos. Ela sempre tinha tido uma debilidade por seus
olhos e os associava com o chocolate derretido. Mais que bons para nadar neles por
sempre.
MA´ra gemeu e abandonou a luta quando Paul começou a lhe dar besitos pelo pescoço,
mordiscava-a e lambia seductoramente ao percorrer sua pele.
“Paul”, gemeu ela, insegura do que pedia exatamente.
“Você sabe”, começou ele e a beijava entre o erótico atrativo de suas palavras, “sua pele
é tão suave como o cetim e tem exatamente gosto a ti. Salgada, doce e muito feminina”.
“Sou uma merc”, disse entre dentes. “Nunca sou feminina”.
Umas risadas roucas saíram da boca dele e os nervos dela sentiram calafrios quando ele
se aproximou de sua pele.
“Você tem um peito com o que os homens sonham, uma pele suave como a de um bebê.
Tem um agudo engenho e pode te dirigir sozinha. É o material dos sonhos molhados,
minha querida”.
“Se eu puder… em… me dirigir reveste –por favor não deixe de fazer isso!– então, por
que estou atada a minha própria cama, cativa?”.
MA´ra tratou de não choramingar quando Paul se apartou. Quando lhe abriu as pernas,
sentiu pânico por um momento.
“Ah, sim”, disse entre dentes, enquanto olhava sua concha com uma mescla de desejo e
receio, “úmida e cremosa, justo como eu te queria”.
Paul afundou a cabeça por um instante, incapaz de deter-se. MA´ra sentiu que uma
corrente elétrica atravessava seu corpo quando lhe deu uma lambida larga e lenta a seus
lábios. A seus lábios de abaixo.
De algum jeito, sua língua conseguiu cobrir e tocar cada nervo, cada ponto de sua carne
que gritava, contraía-se e desejava tão desesperadamente ser tocada. O gemido baixo e
quase lastimero que saiu de sua boca impactou ao Paul.
Ele se sentou sobre seu traseiro e se parecia incrivelmente ao gato que se roubou o leite.
O que, de fato, ele podia ser –considerando gato também a uma pantera gigante ou a um
leopardo–.
MA´ra se deu conta de que ela estava simplesmente recostada ali, de barriga para cima,
nua como o dia que saiu do útero, olhando ao homem que lambia delicadamente os sucos
de seus lábios.
“Você pode te dirigir sozinha, minha querida”, ele continuou sua conversação como se
nunca se cortou. Como se não tivesse acabado de fazer a coisa mais íntima que um
homem lhe tinha feito. “É só que não estou convencido de que possa me dirigir a mim”.
MA´ra sentiu que suas costas se arqueava quando ele se relaxou uma vez mais entre
suas coxas, e manteve sua mente firme na conversação, não nos jorros elétricos que se
disparavam em seu corpo e que ela sentia quando ele a tocava.
“Acredito que o estava fazendo bem até que descobriu a contra-senha”.
O sorriso presunçoso e completamente masculino que lhe mostrou lhe fez apertar os
dentes, mas fez que o fogo em seu ventre ardesse com mais intensidade. Como era
possível que este homem a irritasse e a excitasse ao mesmo tempo? Certamente, essa
era a paradoxo maior da galáxia.
Homens!
Quando Paul voltou a lamber sua carne, lenta e reverentemente, e fez que as costas do
MA´ra se arqueasse e os dedos dos pés lhe encolhessem, ela soube que estava
ingressando na zona dos grandes problemas.
“De acordo!”, gritou ela. “Rendo-me! Que demônios quer?”.
“Só quero a ti, querida”, ronronou ele contra a concha dela e lhe fez fechar os olhos em
êxtase. Somente as vibrações de suas palavras enviaram calor e desejo que se
esparramou por todo seu corpo.
O significado que essas palavras ocultavam enviou uma classe totalmente distinta de
calor que a percorreu velozmente. Se ele realmente fora uma pantera, parecia quase
preparado para dar o zarpazo.
“Quero-te assim, aberta e esparramada diante de mim, aceitando com agrado cada uma
de minhas lambidas e investidas. Quero que grite quando acabar, e quero que diga meu
nome tão forte que as paredes de seu dormitório tremam”.
MA´ra se encontrou ofegando ante suas palavras, ante as gráficas imagens que
provocavam em sua cabeça. Ela podia ver cada lambida, cada carícia. Ela se podia ver si
mesmo gritando e contraindo-se contra seu delicioso corpo, gritando seu nome ao acabar
com estremecedores espasmos.
Ela não era uma mentalista, nenhuma vidente, mas demônios, tinha a sensação de que
todas essas imagens, mais muitas outras que seu cérebro não tinha visto, estavam a
ponto de acontecer de verdade.
Em uma fração de segundo, igual a como tomava quase todas suas decisões, MA´ra
sopesou as vantagens e desvantagens de sua situação.
Ela não se sentia ameaçada fisicamente por este homem, sabia que nunca lhe faria mal.
Também lhe tinha mentido ao lhe dizer que nunca tinha fantasiado com que a atassem.
Era uma dessas coisas que uma mulher, e particularmente uma merc, nunca lhe dizia ou
admitia a outro ser vivente.
Ela era uma mulher normal, e, é obvio, tinha dúzias de fantasias. Esta era simplesmente
uma que ela nunca pensou que aconteceria na vida real.
Com esses dois dados importantes, ela tomou sua decisão. Podia voltar a ganhar o
controle a manhã seguinte. Entregar ao Paul como pensava, recuperar o dinheiro do
Elise, se era que realmente ele o tinha roubado. quanto mais o pensava, menos provável
lhe parecia.
por agora, ela ia ser egoísta pela primeira vez em sua vida. Ela se tomaria para ela esta
noite de paixão e prazer com o Paul e recorreria às lembranças pelo resto de sua vida.
Relaxou seu corpo e respirou fundo. Ela soube pelo brilho do conhecimento nos olhos do
Paul, que ele sabia que lhe estava entregando o controle, aceitando sua situação e seu
tempo juntos.
“Adiante, Paul. Vejamos se realmente me pode fazer gritar, ou se seu ego está
simplesmente inflado como o da maioria dos homens”.
O sorriso que se desenhou em sua cara se via tão maliciosa, tão experimentada, que ela
sentiu que lhe acelerava o coração. Ele era todas as fantasias de menino mau que ela
tinha tido, todos os sonhos molhados, todas as fantasias eróticas que uma moça podia
pedir. O fato de que estivesse na Força, do lado dos meninos bons, o fazia muito mais
sedutor.
E só por esta noite ele era dela. Completamente. Inequivocamente. Totalmente dela.
“Você sabe o que está dizendo, meu MA´ra? Entregará-me o controle total?”.
“Por esta noite, seguro. Tem-me feito umas promessas bastante impressionantes, né,
Vaqueiro?”, provocou-o ela com o antigo apelido com o que o estava acostumado a
chamar. Um Cavaleiro solitário da Lei, assim se havia descrito ele com ela. Ela, e não
Elise, tinha entendido a antiquada referência ao livro. Após, ela o tinha provocado com
seu auto-descrição de um vaqueiro. até agora, ela tinha estado muito zangada, muito
molesta com ele para relaxar-se e açular à fera.
“Então façamos realidade algumas dessas promessas, minha querida. Começando com
isto”.
MA´ra se arqueou na cama e se mordeu o lábio negando-se a gritar tão cedo no jogo.
Paul tinha baixado sua cabeça e agora a lambia e fofocava com determinação. Ela o tinha
considerado experiente quando a tinha comido antes. Isto era consumi-la, não
simplesmente mordê-la com delicadeza. Sua língua a lavava, sorvia seu suco e logo se
metia como uma lança em sua concha, o que fazia que produzira mais suco saindo dela.
MA´ra apertou sua concha contra a cara dele e gemeu por mais.
Ela se perguntou por uma fração de segundo se deveu ter desafiado ao homem a fazê-la
gritar. Logo o prazer intenso, o total abandono e a sorte a alagaram, e não lhe importou se
gritava até ficar afônica. Valia bem a pena perder a voz por esse prazer.
Capítulo quatro
Paul fofocava ao MA´ra e se maravilhava de haver-se contido durante tanto tempo. Ela
tinha sabor de ambrosia, o doce e picante sabor das mulheres da galáxia. Mas parecia
haver um matiz de almíscar em seus sucos, um sabor sutil que era do MA´ra e de
ninguém mais.
Ele não era um santo. Se encamaba com mulheres com freqüência e grande prazer.
Desfrutava de suas formas, texturas e, o mais importante de tudo, seus gritos de prazer
ao acabar. Estranha vez, entretanto, se fazia necessário atar a uma mulher. A posesividad
inata do ato sempre o fazia evitar fazer esses pedidos.
Com o MA´ra, simplesmente parecia natural. Aqui estava sua mulher, provocando-o e
seduzindo-o e simplesmente rogando por uma deliciosa agarrada. Ela se sentia lista,
completamente vibrante do desejo de acabar uma e outra vez. Ela se arqueava,
consciente ou inconscientemente, para suas carícias, suas lambidas, seu corpo e
virtualmente vibrava de necessidade dele.
Como ela não estava nada lista para comprometer-se com ele, para submeter-se a seu
verga e a seu carinho, o uso de ataduras, algemas ou não, parecia algo tão correto. Por
seu próprio prazer, por seu próprio bem, atá-la e seduzi-la parecia a melhor ideia que ele
tinha tido em três anos.
Paul se recostou e desfrutou da sensação celestial de descansar entre suas coxas
abertas. mordeu-se a parte interior de sua bochecha para assegurar-se de que não
estava dormido e sonhando. Umas coxas pálidas e cremosas se abriam, e um rocio
brilhava sobre seus cachos, que fazia gestos para lhe indicar ao homem seu destino.
Paul fofocava brandamente seus clitóris e desfrutava de como se inchava e se voltava
carnudo, e rogava por sua língua e seus dentes; logo enterrou sua boca contra sua
abertura e investiu bem dentro dela com sua língua.
Ele recebia com alegria seus gemidos e seus movimentos bruscos tanto como seus
sucos.
Ela gritou quando acabou. Certamente não foi o alarido de prazer ao que ele estava
acostumado, mas ele os levaria a ambos até ali. Com apenas uma pausa para respirar,
lhe disparou um olhar de orgulho e ego presunçosa e completamente masculina, e
continuou lhe dando agradar, jogando com seus clitóris e desfrutando ao senti-la. Lhe
colocou três de seus dedos e ela choramingou pela sensação de saciedade, o que
aumentou o prazer dele.
“Arrumado a que se te faço acabar de novo posso te colocar todo o punho dentro”.
MA´ra gemeu, e apertou sua cabeça suarenta contra seu braço levantado.
“Arrumado que não pode”, provocou-o ela, ofegando intensamente.
Paul logo que sorriu e continuou lhe dando agradar, excitando seus clitóris e lambendo
seu lhe jorrem concha.
Depois do segundo orgasmo, como imaginou e a provocou gentilmente, ele colocou seus
cinco dedos dentro de sua concha úmida e envolvente, mas não todo seu punho ainda.
Cativou-o a imagem de seu corpo totalmente estendido, completamente aberto para ele e
seus dedos. Ele nunca tinha desejado conceder o gosto de olhar a seu amante. Seguro,
desfrutava ver como suas caras se alargavam de felicidade enquanto agarravam até ficar
exaustos, mas com o MA´ra parecia haver algo mais.
Ele desfrutava ver como seus dedos percorriam sua pele, desfrutava sentir seus clitóris
palpitar de desejo contra sua língua. Desfrutava observar como seu corpo chupava seus
dedos como se não queria soltá-los nunca.
Perdeu a noção do tempo, concedendo-se esse gosto. Tocou-a, acariciou-a, voltou-a
selvagem e adorou o rubor de quentura sexual que obscureceu a cor de seu pescoço e a
parte superior de seu peito.
Um tempo depois, quando começou a suar e sentir que a pressão em suas bolas
aumentava até um nível incômodo, soube que precisava conseguir um pouco mais de
tempo. MA´ra certamente se sentia lista para recebê-lo bem dentro dela, mas ele queria
que esta primeira vez, que esta vez tão especial, durasse.
Retirou seus dedos e sorriu enquanto ela gemia.
“Não! Por favor, não me deixe assim…”.
“Shh”, acalmou-a ele. “Só estou procurando algo mais. Que secretos esconde a gaveta de
sua cômoda?”.
deslizou-se pela cama e se inclinou para o singelo móvel, abriu a gaveta de acima,
esperando encontrar algo com o que pudesse estender seu tempo um pouco mais.
Quando a pesado gaveta se abriu, seus olhos se aumentaram.
Bom! Seu MA´ra estava cheia de surpresas!
Ele sentiu que um sorriso malvado e gozosa cruzou por sua cara. Ao dar-se volta e vê-la,
atada a sua própria cama e acesa com sua própria quentura, estendida e ansiosa de que
ele a possuísse, sentiu que tudo encaixava pelo resto da noite.
Definitivamente cheia de surpresas!
Capítulo cinco
MA´ra gemeu mentalmente quando Paul abriu sua gaveta de acima.
Bem, ela podia ser uma merc, mas isso não significava que não tivesse desejos sexuais
como todo mundo.
Fazia dois anos, quando decidiu aceitar o “contrato estendido”, soube que as
possibilidades de enganchar um amante relativamente decente eram quase nulas. De
fato, soube que as possibilidades de ter sexo real seriam quase inexistentes. Não se
dormia com os companheiros de tripulação e não lhe pedia ao capitão que se detivera
para uma agarrada rápida a fim de aliviar a tensão.
Em troca, MA´ra escolheu converter-se em uma perita em brinquedos sexuais.
E se surpreendeu a si mesmo quando adorou cada minuto do que fazia. Em cada parada
que faziam, a tripulação tinha o dia livre. Muitos dos homens foram aos bares e tomavam
algumas cervejas e a algumas mulheres. A maioria das mulheres se uniam aos homens
em seus interesses, simplesmente para provar que podiam fazê-lo.
MA´ra se sentia o suficientemente segura de si mesmo e de suas próprias habilidades
como para não precisar provar seu valor, então, em troca, divertia-se comprando
brinquedos sexuais. depois dos primeiros, deu-se conta de que adorava farejar e
encontrar brinquedos novos e cada vez mais exóticos.
Até melhor era aprender a usá-los e desfrutá-los.
Os meses e os anos passavam, e ela conduzia consigo uma valise cheia de brinquedos.
Não tinha sentido deixar que todo mundo soubesse sobre seu prazer secreto.
Mas agora que tinha voltado para casa, embora fora temporalmente, ela descarregou sua
grande valise de brinquedos e os colocou na gaveta de acima da cômoda, como o faria
qualquer mulher com respeito por si mesmo.
Olhar ao Paul, boquiaberto pelo impacto, e examinando seus brinquedos, causou-lhe algo
estranho.
Ele levantou um vibrador de gelatina tipo homem elefante, de aparência real, e o
estendeu para mostrar-lhe com o susto e a descrença gravadas em sua magnífica cara.
“Você usa isto? E te queixava de meu punho? Querida, isto é maior que meus dois
punhos juntos!”.
antes de que ela pudesse responder, ele se deu volta outra vez, voltou-o a pôr em seu
lugar enquanto sacudia a cabeça e continuou a busca.
Máscaras, mais algema, “Shakespeare” disse ele, com confiança e conhecimento
absoluto que brilhavam em seus olhos ao observá-la a ela, e não às algemas, que se
abriam
como por arte de magia. Ela resolveu de verdade trocar as contra-senhas de fechamento.
Paul removeu outra seleção de parafernália enquanto pinçava em sua gaveta mais
privada.
“Estraguem! Absolutamente perfeito!”, disse e fez que MA´ra se estirasse para ver o que
tinha encontrado que capturou tanto sua atenção.
Ele girou e se voltou a subir à cama junto a ela. O que fora que tinha encontrado, cabia
em sua mão grande e fechada.
“Broches para os mamilos e o clitóris”, regozijou-se e abriu a mão.
MA´ra sentiu que o sangue se ia de sua cara. Seu corpo se ruborizou, quente e logo frio
como o gelo.
“Esses não são broches comu…”.
“Sei exatamente o que são, e que vergonha, jovencita, que nunca me tenha contado
sobre sua fascinação pelos brinquedos sexuais. Poderíamos ter tido esta festa faz muito
tempo”.
MA´ra respirou fundo.
Ele sabia o que eram. E obviamente sabia como usá-los. Ai, homem, ela estava a sérios
problemas.
MA´ra olhou cansada como Paul acionava a discreta chave dos pequenos broches. Não
parecia haver nenhuma mudança aparente neles. Mas MA´ra sabia, e obviamente Paul
também sabia, que os tinha aceso.
MA´ra arqueou as costas quando Paul tomou um de seus mamilos em sua boca úmida. O
calor rodeou o pedacinho de carne, acendeu o fogo que já consumia seu corpo. A pressão
que sua boca criava ao chupar, o calor e a intensidade que gerava que se soubesse sobre
seu vício secreto –e que se usasse tão eficazmente!– fez-a molhar-se furiosamente.
Ela choramingou enquanto o calor de sua boca a deixava e logo gritou quando ele fechou
o brochecito de maneira penetrante ao redor de seu mamilo ereto. Por um momento,
consumiu-a um raio de dor, logo o prazer caiu estrepitosamente sobre ela e quase fez que
acabe novamente.
O broche esquentava seu frio mamilo. sentia-se diferente do calor envolvente da boca do
Paul, mas se sentia uma tibieza ao redor de seu mamilo ereto.
MA´ra respirava com dificuldade.
E logo a pequena patada de eletricidade fez que se arqueasse de prazer outra vez.
Ela abriu os olhos, sem saber quando os tinha fechado, ao sentir o calor agora familiar da
boca do Paul que se fechava sobre seu outro mamilo. Seu mamilo grampeado pulsava ao
ritmo que seu sangue bombeava. Os pequenos e erráticos batimentos do coração a
excitaram ainda mais que o calor úmido sobre sua boca.
MA´ra fechou os olhos outra vez, enquanto enlouquecia de prazer. A boca do Paul
chupava melhor que a bomba de sucção que tinha provado fazia uns meses, e os sons de
chupadas úmidas lhe adicionavam à intimidade do ato. Quando ele retirou sua boca, ela
se apertou a si mesmo.
E então, é obvio, ele a surpreendeu e voltou a pôr a boca sobre seu mamilo.
MA´ra gemeu, e o erotismo do ato elevou sua temperatura ainda mais.
O broche quase parecia ser sensível ao que fazia. As patadas elétricas, inofensivas e
prazenteiras, eram esporádicas, não tinham um ritmo fixo, nem seguiam um patrão,
descobriu MA´ra. Mesclava o calor com uma sensação de sucção, misturados com as
pequenas patadas que a faziam molhar-se e rogar pela verga grosa e dura do Paul.
“Necessito-te dentro de mim”, disse ela ofegando. Paul simplesmente grunhiu e seus
olhos brilhavam com sua maliciosa diversão.
Em um instante, endireitou-se, colocou o broche sobre seu mamilo e baixou até estar
entre suas coxas.
“Ai, não”, disse ela ofegando, “não em meus clitóris. Acabarei”.
“Essa é a idéia, minha querida”, respondeu ele, presunçosamente masculino.
O segundo que sua boca se fechou sobre o palpitante e ereto clitóris, ela gritou. Os
broches sobre ambos os mamilos enviavam seus golpes eróticos e o calor e a pressão
sobre seus clitóris a fizeram gritar o orgasmo.
Tal como o tinha prometido.
Mas a ele parecia não lhe importar uma mierda ter feito o que prometeu. O homem tinha
um brilho nos olhos, uma consciência maliciosa de que nem sequer tinha começado com
ela ainda.
Ofegando, MA´ra rogou ter força, resistência e uma oportunidade de lhe devolver ao
menos a metade de sua provocação erótica antes de que terminasse a noite. Uuuh, ela o
faria pagar. Ela inventaria uma contra-senha de fechamento, uma que ele nunca
averiguaria e ela nunca recordaria. Ela o manteria pacote a sua cama pelo resto de suas
vidas e o provocaria até que lhe rogasse ser liberado.
Sim, pensou, enquanto outro orgasmo a rasgava e a deixava tratando de recuperar o
fôlego. Ela a devolveria por cada estertor, ofego e orgasmo. E quando ambos ficassem
completamente saciados e totalmente exaustos, ela averiguaria o que fora que tinha
querido averiguar.
Essa idéia lhe devolveu uma pequena parte de sua capacidade cerebral. Não havia algo
que ela queria?
Enquanto outro orgasmo a rasgava, decidiu deixá-lo ir. O que diabos fora, sua mente não
estava em forma para tratar de averiguá-lo. Francamente, não lhe podia importar menos.
Pensaria mais tarde, quando seu corpo não se sentisse como se se estivesse
incendiando, e seus clitóris e mamilos não doessem positivamente de desejo e luxúria
não consumada.
Sim… mais tarde.
Capítulo seis
Paul desejou como o demônio que sua pequena gatita selvagem tivesse espelhos no forro
do teto do dormitório. Não era um voyeur e nunca tinha apreciado por completo a
necessidade de ter espelhos para ajudar à gratificação sexual.
Mas ao estar entre as pernas abertas do MA´ra, lhe chupando o clitóris como se fora um
chupador, não podia fazê-lo e ao mesmo tempo apreciar completamente as expressões
da cara dela. Não se podia reclinar e desfrutar de seu corpo, pacote e esparramado, com
os mamilos seductoramente grampeados, uma verdadeira oferenda para seu corpo e
seus olhos.
Estraguem, definitivamente precisava adicionar alguns espelhos estratégicos a este lugar.
Assim posso fazer isto e fazer uma pausa intermitentemente para observar o espetáculo.
Para uma mulher com brinquedos sexuais, algemas, tape anais e outras coisas que
podiam manter a um homem ocupado durante meses –pelo valor de centenas de
créditos– certamente lhe surpreendeu não ver espelhos que forrassem as paredes e o
teto de seu dormitório.
Embora ele desejava isto, uma parte de sua mente se sentiu aliviada. Se pudesse ver
toda sua cara, pudesse provar tocar e ver suas reações simultaneamente, então mais que
seguro se teria acabado muito antes.
E pela primeira vez desde sua juventude, não dentro de uma mulher, tampouco! Que
degradante. Não tinha feito isso em, quanto?, vinte anos?
Em troca, ele a mordiscou e a chupou, desfrutando intensamente deitar-se com a mulher
que aparentemente não podia tirar de sua mente. Esta noite de sexo fantástico, que lhe
voou a cabeça, poderia ser suficiente para tirar a de seu sistema. Mas enquanto
passavam os minutos e as horas, ele se sentia mais e mais seguro de que uma noite de
puro prazer que lhe voasse a mente não seria suficiente.
Quando ele tirou um orgasmo mais do MA´ra e escutou que a voz dela começava a ficar
afônica do cansaço, soube que esta primeira luta estava chegando a seu fim. Suas bolas
positivamente se sentiam azuis pela pressão de agüentar-se, como que se pospor isto
muito mais ele sim faria um papelão.
Tinha-lhe encantado vê-la acabar múltiplos vezes, mas quando ele fofocou seus clitóris
outra vez e ela se estremeceu, ele soube que era o momento preciso para finalmente
penetrá-la.
ajoelhou-se sobre a cama e se inclinou, apoiando a ponta de si mesmo em sua entrada.
Sentiu os sucos dela deslizar-se por seu verga, sentiu seu líquido pre-eyaculatorio gotejar
na ponta.
Gentilmente, reverentemente, apertou seus lábios brandamente contra os dela.
“Sente-se bem com isto?”, perguntou-lhe brandamente. Por mais que tinha fantasiado
com isto durante três anos e a tinha estado seduzindo e provocando, ele preferia se meter
debaixo da ducha geada e fazer uma palha –várias vezes– antes de tomá-la pela força.
Cansadamente, MA´ra abriu um formoso olho. O sentido de alerta estava muito enraizado
nela.
“É esta uma pergunta trapaceira?”.
Ele sorriu e logo deu uma gargalhada.
“É obvio que não, só quero que você te faça cargo de algo esta noite”.
“Ah sim?, não me diga. O que?, quase atiro abaixo o lugar com meus gritos?... muito bem,
não me responda isso”, protestou ela quando ele riu e esparramou beijos por sua nuca.
“Sim, estou bem com isto, se não te trespassar dentro de mim em qualquer momento,
tramarei pessoalmente uma vingança malvada e não descansarei até te ter rogando por
misericórdia…”.
lhe encantou a quebra em sua voz, a maneira em que ele a afligia tanto que ela perdeu o
fio de seu pensamento. Ela gemeu com a maldita dor do prazer quando ele a investiu até
as bolas, e sua dolorida haste ficou envolta tal como o tinha sonhado durante uma
eternidade.
Ele fez uma pausa dentro dela, para recuperar um pouco de ar, desesperado por manter o
controle de si mesmo. Mas a calidez de sua concha, as sugadoras paredes e a simples
excitação de escutá-la gritar seu nome, lhe rogando que a fizesse acabar, provou sua
paciência como nunca antes.
Ele se retirou um pouco e logo voltou a mergulhar-se dentro dela. Ele se aferrou
fortemente a sua desesperada necessidade, mas só por pura força de vontade. Fazer que
MA´ra finalmente grite por ele, grite de felicidade e abandono sexual, era definitivamente
material de sonho molhado.
Agora ele só precisava escutá-la gritar seu orgasmo outra vez antes de explorar dentro
dela.
Ao tocá-la, ele a sensibilizou em todos os rincões de seu corpo e do dele, onde suas
peles nuas se encontravam. Disimuladamente, ele tocou ambos os broches dos mamilos
e os pôs ao máximo.
MA´ra gemeu com a estimulação extra, levantou seus quadris da cama completamente, e
abriu mais suas pernas para deixá-lo entrar mais profundo, mais longe.
Paul a tirou até a ponta, provocando e torturando a ambos.
“Paul…”, gritou ela, rogando sem necessidade de dizer as palavras.
Ele estirou uma mão, e com um movimento rápido e conciso, tirou-lhe o broche do clitóris.
MA´ra gritou, e a ausência da estimulação acentuou o acalorado e violento palpitar de
seus batimentos do coração e de seu prazer.
Paul queria que esta última volta durasse por sempre e se lançou outra vez dentro dela
até o fundo, desejando poder empurrar-se ainda mais profundo em seu interior.
Lhe manteve firmes os quadris e as inclinou justo como adorava, decidido a lhe dar e dar
o melhor momento de suas vidas, para que nenhum esquecesse jamais esta noite.
Ele queria fazer durar isto, mas um homem só tinha uma limitada quantidade de auto-
controle.
Ao mergulhar-se mais e mais profundo, mais e mais rápido, estabeleceu um ritmo intenso.
MA´ra começou a ofegar, a gritar seu nome. Ele sentiu que ela perdia o controle e se
desfazia.
“Ai, sim, Paul, segue assim... justo assim... ai homem, como se pode sentir tão bem estar
contigo? Ai, sim, amor, mais duro, mais duro…”.
Em sua nebulosa vermelha de paixão e desejo, só quando sentiu que os braços dela se
deslizavam por suas costas e suas unhas se afundavam na pele e o aproximavam ainda
mais a ela, deu-se conta de que ela havia dito a contra-senha de fechamento.
Até em seu furioso apareo, com seu verga a escassos segundos de explorar, ele sentiu
que se congelava.
Ela o tinha chamado amor.
Capítulo sete
MA´ra logo que recordava as palavras que tinham saído de sua boca, tão desesperada
estava por senti-lo afundar-se mais e mais profundo dentro dela.
Mas não estava tão ida como para não recordar havê-lo chamado amor.
Não era o mais inteligente que tinha feito, mas nem louca o ia admitir agora. Tudo o que
queria era acabar uma vez mais, o limite brilhante e resplandecente do major e melhor
orgasmo do mundo estava ali no horizonte, e nem louca deixaria que ele se detivera
agora para falar de seus sentimentos.
Uma moça devia ter prioridades.
“Podemos falar de sua eleição de contra-senhas de fechamento mais tarde”, insistiu ela,
enquanto agarrava o delicioso traseiro dele e lhe afundava as unhas, lhe deixando
marcas. “Justo agora, tem promessas que cumprir, Paul, e eu te farei uma enorme
quantidade de dano se não terminar isto agora mesmo”.
Agradecido, ele voltou imediatamente sua atenção ao pequena espetada das unhas e ao
levantamento dos quadris dela. Seu verga dura como o ferro se afundou incrivelmente
uma polegada mais dentro dela, e ambos gemeram.
“Tem toda a razão”, gemeu ele enquanto apertava os lábios contra os dela. “Fala mais
tarde”.
Ela o beijou, agradecida e levemente molesta de uma vez. Ela não era estúpida, apesar
de como tinha atuado nas últimas horas. Ela sabia que ele deveu ter eleito a palavra amor
porque não esperava que nenhum dos dois dissesse essa palavra no transcurso da noite.
Só doía um poquito.
De todas maneiras, o incrível prazer que seu peito, braços, lábios e verga lhe davam mais
que compensavam a mínima porção de ofensa feminina.
Mais rapidamente do que podia haver-se imaginado, seus toques e beijos a esquentaram
uma vez mais, e ambos estiveram no afiado limite do orgasmo. Seus broches para
mamilos eram realmente assombrosos, e funcionaram mais eficientemente do que o
fizeram jamais no silêncio e a santidade de seu quartel a bordo das naves cruzeiro.
O fato de que tinha um homem de verdade e uma verga dura como o ferro –mas
igualmente cálida– entre suas coxas devia ter algo que ver com isso.
“Vamos, neném”, escutou ao Paul murmurar seductoramente, “grita para mim uma vez
mais quando acabar”.
“Não acredito…”, disse ela ofegando e fechando os olhos. O pequeno resplendor de seu
abajur, que não iluminava quase nada, foi suficiente, entretanto, para que ela o notasse,
com todos seus sentidos exaltados e em alerta vermelha.
“É obvio que pode fazê-lo”, insistiu ele. Como diabos soube o que ela ia dizer estava além
de seu entendimento.
“Quero dizer”, disse ela respirando com dificuldade e tratando de expressar-se entre
estertores e gemidos, “não acredito que possa gritar… aaaaay aaaaay…”. Ela não pôde
evitá-lo. Com a garganta em carne viva, os olhos apertados, as costas e o pescoço
arqueados, ela sentiu que seus dedos se afundavam mais profundamente em suas costas
quando o orgasmo mais intenso de todos a partiu para médio.
Escutou esse zumbido branco dentro de seus ouvidos, que queria dizer que tudo dentro
dela estava momentaneamente fora de serviço. Ela não podia ouvir-se si mesmo, não
tinha idéia de que ruídos estava fazendo ou se estava fazendo algum sequer.
A luz me chocava contra suas pálpebras fechadas, e ela poderia jurar que pôde ver
estrelas e uma exibição de raios detrás delas. Sentiu que sua concha se prendia à haste
do Paul e logo o sentiu acabar, convulsionar-se entre suas apertadas paredes e fazer
erupção.
Foi o maior e o mais intenso que havia sentido jamais, e logo que podia compreender o
que estava passando. Tudo parecia apagar-se e acelerar-se ao mesmo tempo.
depois do que pareceu ser horas, mas provavelmente foi só uns segundos mais tarde,
seu sentido do ouvido retornou e ela abriu os olhos. Ela escutou os sons das respirações
ofegantes de ambos e sentiu que seus músculos se destravavam e caiu sobre o colchão,
deixando livre ao Paul.
Ele caiu metade sobre ela, metade a seu lado.
Ela tratou de recuperar seu julgamento, tratou de acalmar sua respiração e dizer algo
engenhoso. Quão único pôde pensar foi Latido, e de algum jeito isso lhe pareceu um
pouco muito adolescente para um momento tão incrível.
“Latido”, disse Paul a seu lado. Ela se deu volta para ele, segura de que sua cara refletia
o impacto tanto como a dela. Ela sorriu, e logo riu socarronamente.
“Você me tirou a palavra da boca”, queixou-se ela sonolenta. Toda essa energia
acumulada, moléstia e desilusão tinham desaparecido com os múltiplos orgasmos. Ela
sempre soube que os homens se cansavam depois do sexo, mas ela mesma se sentia
como se tivesse deslocado uma maratona.
“Isso não foi tudo o que te tirei da boca”, comentou ele com desenvoltura, enquanto movia
uma mão preguiçosa para lhe tirar os broches dos mamilos.
“Grande investimento”, comentou ociosamente ela. “Não posso esperar para voltar a usá-
los”, disse e se perguntou de onde diabos lhe tinham saído essas palavras. O timbre
rouco e cru de sua voz também se sentia novo e estranho. Era surpreendente quão
arenosa soava a voz depois de meia dúzia de orgasmos escandalosos e entristecedores.
Paul se arrastou pela cama, deixou cair os broches na gaveta que seguia aberto e apagou
o abajur.
“vamos dormir um pouco”, insistiu ele, lhe fazendo cucharita desde atrás, “logo
falaremos”.
“Falaremos”, repetiu ela adormecida, e a palavra lhe recordou algo na profundidade de
seu cérebro. “Queria te falar do que aconteceu do Elise…”.
“Shh…”, acalmou-a ele. “Falaremos quando despertarmos. Prometo-lhe isso”.
MA´ra o escutou mas desde muito longe: já se tinha dormido.
Capítulo oito
MA´ra despertou com a sensação mais deliciosa. Um homem, quente e excitado, estava
deitado entre suas coxas. Lhe lambia e mordiscava o estômago, o umbigo, os mamilos e
o clitóris.
Ela gemeu e moveu as pernas para as abrir e lhe dar um melhor acesso.
Quando ele a investiu profundamente, ela se terminou de despertar.
“Paul”, gritou, abrindo os olhos.
“Quem outro?”, gracejou-a ele e a acariciou profundamente dentro dela. MA´ra gemeu e
deixou que suas mãos descansassem sobre o peito dele e jogassem agilmente com o
cabelo e os bicos da mamadeira dele.
“E o que passou falando?”, murmurou ela, obviamente sem queixar-se.
“Esta é sua chamada para despertar ”,insistiu ele com voz rouca. MA´ra sorriu.
“A melhor chamada para despertar que tive em anos”, assegurou-lhe.
Enquanto se voltavam a explorar o um ao outro lentamente, fizeram o amor
despreocupados e relaxados. tomaram seu tempo para tocar e provar, e MA´ra sentiu
uma rajada de desejo ao empurrar ao Paul de barriga para cima e montar-se sobre ele.
“Meu turno”, insistiu ela entre risadas.
Paul sorriu indulgente. “Adiante”, insistiu ele, “faz o melhor que possa”.
MA´ra desfrutou montando-o e impôs um ritmo tranqüilo. Quando começaram a
esquentar-se mais e a perder o controle, ela se moveu mais rápido e com mais
intensidade, excitando a ambos mais e mais.
Quando ambos chegaram juntos ao topo, gritando ao uníssono, MA´ra sentiu que um
sorriso de satisfação lhe desenhava nos lábios e se deixou cair sobre o peito dele, débil,
saciada e suarenta.
depois de dar um momento para estabilizar sua respiração, MA´ra fez dibujitos
ociosamente sobre seu peito e jogou com um bico da mamadeira.
“Não conseguirá nenhuma resposta se começar de novo, coração”.
MA´ra se baixou rodando dele e lamentando a perda de contato com seu corpo, sentou-se
com as pernas cruzadas sobre a mesa.
“De acordo”, disse ela enquanto passava uma mão por seus cachos despenteados.
“Comecemos pelo princípio e avancemos de ali”.
Paul se esfregou a cara com a mão e fez uma careta ante a necessidade de “falar”, logo
se cobriu a metade de seu corpo nu com o lençol.
acomodou-se sobre os travesseiros, olhou o forro do teto e começou a falar.
“Sempre houveram traficantes de drogas e alcoviteiras. Isso não é novidade. Mas o ano
passado, estabeleceu-se um círculo novo e muito mais organizado. Muito
silenciosamente, muito discretamente. Para quando a Força o descobriu, a organização
florescia e não se podia desmantelar facilmente. Então necessitavam um par de
voluntários para infiltrar”.
MA´ra sentiu que lhe partia o coração. Até com apenas este sanduíche de informação,
pôde adivinhar quase todo o resto.
“Ai, mierda”, disse, sabendo o que seguia. Paul a olhou aos olhos, com um olhar firme,
séria e completamente honesta.
“Eu me ofereci de voluntário. Não posso te dar detalhes, amor. Você conhece muito bem
as regras. É suficiente dizer que ao Elise não a fez feliz que eu não me comunicasse, de
fato, que tenha desaparecido de sua vida. Nunca tive nada sério com ela, nunca quis
respirá-la. Você sabe, mas é certo que eu lhe segui um pouco o jogo e seu ego sofreu. A
Força deixou que se filtrasse informação falsa sobre a corte marcial, a corrupção e todo
isso. Suponho que quando você retornou, Elise decidiu tratar de lhe tirar o suco à
situação”.
MA´ra sentiu que o rubor lhe subia pelo pescoço e desejou desesperadamente poder
tampar-se com os lençóis.
“Então fiz o papel de uma terrível idiota?”.
Paul sorriu, com esse sorriso vivaz e aniñada que nunca deixava de derretê-la.
“Isso e um pouco mais”, riu ele. “Ontem à noite se supunha que seria o princípio do fim.
Em lugar de um sórdido contato intermédio, foi você a que me adiantou e estou muito
agradecido por isso”.
MA´ra franziu o cenho.
“Arruinei sua emboscada?”.
Fez um gesto com a mão, como lhe subtraindo importância.
“Para nada, ainda tenho esta noite. Provavelmente pensarão que foi uma prostituta que
fazia um levante para a noite. Sem danos, não há faltas”.
MA´ra se encolheu de ombros, sem saber realmente o que dizer.
“Então voltará esta noite”.
Pela primeira vez, Paul a olhou profundamente aos olhos. Ela esperava que ele não
pudesse ver dentro de sua alma, seu desejo e sua necessidade. Ela igual podia voltar a ir-
se ao espaço por um par de anos. As lembranças da noite anterior lhe durariam um
comprido tempo.
antes de que ela terminasse o pensamento sequer, Paul a tinha feito rodar debaixo de seu
corpo quente e ereto.
“Conheço esse olhar, e de maneira nenhuma irá de novo. Isto só deveria levar três,
possivelmente seis meses como máximo para terminá-lo, e logo trocarei por um trabalho
de escritório. De maneira nenhuma fugirá de mim, senhorita”.
MA´ra franziu o cenho.
“Seu odiaria as tarefas de escritório”.
Paul se encolheu de ombros. “Bom, tarefas normais então. Não mais trabalho encoberto.
Só estava passando o tempo até que retornasse, de todas formas”.
MA´ra o olhou profundamente aos olhos e pensou. Elise podia ser realmente
resmungona, mas se sobreporia ao perder a briga pelo Paul. Ele nunca esteve
interessado nela em primeiro lugar, e MA´ra se tinha mantido afastada antes só por
nervos e insegurança. Todo isso parecia ter trocado.
Ela sorriu.
“A metade de seu encanto ontem à noite provinha de sua má reputação”, riu ela. “Eu
gostava do atrativo de um tipo bom que se voltou mau”.
Paul lhe acariciou o pescoço com o nariz e lhe correu o cabelo a um lado.
“Serei tão mau como você queira detrás da porta”, insistiu ele. “Podemos revisar essa
gaveta cheia desses travessos teus brinquedos. Quando terminar com este caso. Pode
esperar?”.
Ela sorriu, sentindo-se feliz e despreocupada pela primeira vez desde antes que se fora à
missão.
“Sim, posso esperar. Três meses, seis como máximo, né?”.
“Como máximo”, prometeu ele e se inclinou para beijá-la na base do pescoço.
“Mmmm…”, murmurou ela. “E quando tenho que voltar a te deixar nesse sórdido bar?”.
“Mmm…”, Paul a acariciou com o nariz e olhou seu relógio. “Em umas quatro ou
possivelmente cinco horas”.
“Excelente”, regozijou-se e o aproximou dela.
“Espera um minuto”, insistiu ele, com um tom urgente. MA´ra franziu o cenho e se sentou,
e lhe aconteceu por cima e se baixou da cama.
Quando abriu a gaveta ao lado da cama, ela sentiu que seu sangue bulia e sua Palmas
começavam a suar. Que brinquedo tinha em mente agora? Ela tinha um látego
brandamente acolchoado que estava guardando até que encontrasse um companheiro
para prová-lo, e depois estava o vibrador homem elefante…
Paul tirou algo pequeno e negro, que sua palma cobria quase por completo. Voltou a
subir-se e se sentou na cama, reluzente da emoção.
MA´ra franziu o cenho e olhou para baixo quando abriu sua palma.
Tinha um objeto pequeno e com forma de bala na mão, todo talher de galos, estrias e
tumores.
Ela o reconheceu imediatamente.
O melhor e mais usado plugue anal vibrador para mulheres da Galáxia, proclamava seu
título.
MA´ra sentiu que se molhava.
“Cinco horas, né?”, ela sorriu e se estirou para alcançar o gel lubrificante.
“Pelo menos”, prometeu seu amante.
Epílogo
Seis meses depois
MA´ra se sentou em sua cômoda cadeira preferida e leu o comunicado de imprensa mais
recente. Paul estava arrebentado em sua cama na habitação contigüa, exausto depois do
bombardeio de notas com os meios e de terminar o papelerío e o arquivo.
“Herói de Força local não é corrupto!”, gritava a tampa do comunicado.
MA´ra sorriu.
Idiotas!
Ao ler rapidamente o artigo, sorriu ante a mescla de realidade e ficção, secretamente
aliviada de que toda a confusão tivesse terminado. O círculo foi desbaratado, a
organização desmantelada com dolorosa lentidão e a galáxia estava bem uma vez mais.
Ah, e Paul e ela se dirigiam a lugares desconhecidos para umas muito castigas férias de
descanso e relaxação.
MA´ra sorriu.
Elise tinha admitido finalmente ante a pressão nada amável do MA´ra que tinha retirado
seus próprios recursos em um desenquadrado ataque por construir algo que finalmente
paralisou, deixando-a sem créditos. Reticentemente, MA´ra lhe emprestou o suficiente
para manter aos lobos a raia até que o trabalho do Elise lhe pagasse o suficiente para ser
solvente outra vez.
Como MA´ra imaginou, ao Elise não tinha cansado bem que ela e Paul estivessem juntos,
mas a moça poderia dirigi-lo. Elise se mantinha ocupada com três amantes, um trabalho
de tempo completo e outro de meio-dia. A moça já tinha muito de que ocupar-se. Ela se
sobreporia ao dela e Paul.
Além disso, MA´ra tinha que atender a peixes mais gordos.
Como a barracuda gigante que agora roncava em sua cama.
MA´ra ficou de pé e caminhou até sua pequena mochila.
Ao abrir o fechamento, sentiu uma rajada de êxtase que a atravessava e procurou entre
os plugues anais, broches, vibradores e pequenos látegos de felpa até que encontrou o
novo par de algemas.
Esta vez estava preparada.
Esta vez lhe pediu ao empregado adolescente da loja que escolhesse uma contra-senha
de fechamento.
O moço sorriu malicioso e condescendente, de uma forma muito adulta para seus
supostos dezoito anos. Ele insistiu que um adminículo de fazia muitos séculos chamado
cinturão de castidade era sua melhor opção de palavra.
Os homens pareciam haver-se esquecido deles, e pela descrição que lhe deu o moço,
com um bom motivo! Mas lhe prometeu que nenhum homem moderno pensaria nessa
palavra, muito menos pensar nela nos términos que passavam pela mente dela.
MA´ra caminhou descalça e em silencio até o pequeno dormitório de sua nave. Ali,
exatamente onde o tinha deixado esparramado seductoramente, estava seu homem.
Seu peito, bronzeado e nu, chamava-a. Suas pernas estavam estendidas, seu verga
médio dura. Seus braços por sorte, já estavam levantados sobre sua cabeça. O homem
era a imagem da elegância e a masculinidade.
Exatamente como ela o queria.
MA´ra levou as algemas cuidadosamente, tirou-se as calças e a camisa e agradeceu não
haver ficado roupa interior.
subiu à cama e ainda por cima dele, e se montou com facilidade sobre o homem
gloriosamente nu. Tomou seus quentes braços entre as mãos, beijou seus lábios abertos
e manobrou com suas mãos até a cabeceira.
“Mmm…”, gemeu ele com voz rouca, ainda médio dormido. MA´ra seguiu beijando-o
enquanto fechava as algemas ao redor de suas bonecas e o encadeava à cama.
“Né?”, perguntou ele, despertando.
“Meu turno”, insistiu ela brandamente.
Seus olhos se abriram, cor chocolate quente, e refletiam moléstia e desejo de uma vez.
“MA´ra”, advertiu-lhe, mas ela só riu e se deslizou sobre seu corpo.
“Nunca me deixou provar o suficiente”, queixou-se ela. “Nunca me deixa tomar meu
tempo. Sempre toma o controle. Agora quero meu turno, o tempo que necessite”, insistiu
ela, enquanto lambia a ponta de sua inflamada verga.
“Ai, mulher!”, gemeu ele. “Pagará por isso”.
MA´ra riu e começou a chupá-lo com determinação.
“Espero ansiosamente o momento, mas por agora, é meu”.
“Engano”, insistiu ele. “Você é minha”.
MA´ra riu ao redor de sua agora completamente inflamada haste.
“É o mesmo”, murmurou ela, e desfrutou das vibrações de suas palavras ao redor de seu
verga. Esta noite podia ser o turno dela, mas tinham o resto de suas vidas para brigar
pela dominação.
Ela esperava com ânsias esse desafio.