Você está na página 1de 5

Palavras10

5.º Teste de avaliação – 10.º ano abril

Educação Literária

Grupo I (100 pontos)


A (60 pontos)

Lê atentamente o seguinte texto e consulta as notas apresentadas.

6
E vós, ó bem nascida segurança1
Da Lusitana antiga liberdade,
E não menos certíssima esperança
De aumento da pequena Cristandade;
Vós, ó novo temor da Maura lança,
Maravilha fatal da nossa idade,
Dada ao mundo por Deus, que todo o mande,
Pera do mundo a Deus dar parte grande;

7
Vós, tenro e novo ramo florecente,
De ũa árvore2, de Cristo mais amada
Que nenhũa nascida no Ocidente,
Cesárea3 ou Cristianíssima4 chamada
(Vede-o no vosso escudo5, que presente
Vos amostra a vitória já passada,
Na qual vos deu por armas e deixou
As que Ele pera si na Cruz tomou);

1
O nascimento de D. Sebastião foi aguardado com muita ansiedade (cf. o cognome de O Desejado).
2
Árvore genealógica dos reis de Portugal que eram cristãos.
3
Referência aos imperadores da Alemanha, sucessores dos Césares.
4
Referência aos reis de França chamados Cristianíssimos desde o século XIV.
5
Referência ao escudo de Portugal e à Batalha de Ourique, em que Afonso Henriques teria visto as cinco
chagas que Cristo sofreu na cruz (a partir daí figuram no escudo português).
1
Palavras10

8
Vós, poderoso Rei, cujo alto Império
O Sol, logo em nascendo, vê primeiro,
Vê-o também no meio do Hemisfério1,
E quando dece o deixa derradeiro2;
Vós, que esperamos jugo e vitupério3
Do torpe Ismaelita4 cavaleiro,
Do Turco Oriental e do Gentio,
Que inda bebe o licor do santo Rio5:

9
Inclinai por um pouco a majestade
Que nesse tenro gesto vos contemplo,
Que já se mostra qual na inteira idade6,
Quando subindo ireis ao eterno Templo7;
Os olhos da real benignidade8
Ponde no chão9: vereis um novo exemplo
De amor dos pátrios feitos valerosos,
Em versos divulgado numerosos10.
Luís de Camões, Os Lusíadas, Álvaro J. Costa Pimpão (leitura, prefácio e notas), Aníbal Pinto de Castro
(apresentação), Lisboa: Instituto Camões, 1972, pp. 2-3.

1. Explicita a presença de um interlocutor no texto e relaciona-o com a estrutura interna


da epopeia.
2. Identifica o recurso expressivo presente em “Vós, poderoso Rei” (est. 8, v.1) e indica
o respetivo valor estilístico.
3. Explica a utilização do discurso parentético na estância 7.

B (40 pontos)

1
Designa a abóbada celeste.
2
Referência ao império português que se estende do Oriente ao Ocidente por vários continentes.
3
Afronta.
4
Turcos.
5
Água do rio Ganges (referência aos povos não cristãos).
6
Idade adulta.
7
Templo da fama eterna.
8
Bondade.
9
Referência a Os Lusíadas.
10
Versos rimados.
2
Palavras10

4. Escreve uma exposição (120 a 150 palavras) sobre a importância de Os Lusíadas


enquanto objeto simbólico, no plano do imaginário individual e coletivo. Organiza o
teu texto a partir dos seguintes tópicos:

 Introdução:
 epopeia: texto de exaltação e glorificação do país e do povo;
 Desenvolvimento:
 valorização da História de Portugal;
 glorificação dos heróis nacionais;
 enaltecimento do Poeta como símbolo da identidade nacional;
 Conclusão:
 epopeia: objeto simbólico.

Grupo II (50 pontos)


Nas respostas aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção correta.
Escreve, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção
escolhida.

Leitura | Gramática

Arte
Quando se fala de banda desenhada enquanto Arte, é curioso ler uma BD notável
que reflete (também) sobre Arte. Na verdade, a banda desenhada surge de dois modos em
The Dying Draughtsman / O desenhador defunto de Francisco Sousa Lobo (Chili Com
Carne, em inglês com texto também em português): enquanto linguagem em que é
5 contada a história, naturalmente, mas também como uma espécie de forma de expressão
“intermédia” para o protagonista / narrador, que compartilha com o autor o nome de
batismo.
Desenhador incompetente num escritório de arquitetura, os dias de Francisco
Koppens têm como pontos “altos” visitas com cunho nostálgico a galerias de Arte, e
10 momentos catárticos em que realiza bandas desenhadas provocatórias, nunca terminadas,
e que acabam destruídas após o desenho ser coberto com tinta preta. Incapaz de se
expressar através da sua profissão, e resignado à condição de espectador fora dela, a
princípio sente-se aqui uma visão da BD enquanto compromisso, diluída porque é em BD
que a história é contada.
15 O cenário de fundo mínimo de The Dying Draughtsman dá um tom assético1, com
a paleta tricolor usada para sublinhar elementos. O efeito gráfico vinca a sensação que o
protagonista é ele mesmo parte de uma exposição, que a sua vida é a sua Arte, o livro
uma meta-galeria onde espectadores / leitores comentam as suas desventuras. Ou, em
alternativa, que a sua loucura é irremediável. O estoicismo2 da composição retangular e o
1
Estéril.
2
Frieza, austeridade.
3
Palavras10

desenho quase anódino3 contrastam admiravelmente com a violência extrema que fervilha
20 logo abaixo da superfície, nas reflexões e nas BD incompletas de Francisco (Koppens).
(…) Mas estes são apenas elementos adicionais para um livro surpreendente, que
estimula tanto pelos diálogos que tenta, como pelos silêncios que não resolve.
João Ramalho Santos, «Banda desenhada», in Jornal de Letras, 11 a 24 de junho de 2014, p. 16.

1. O texto analisa criticamente o conteúdo


(A) de um livro de banda desenhada da autoria de Francisco Koppens.
(B) de um livro de culinária.
(C) de um livro de banda desenhada da autoria de Francisco Sousa Lobo.
(D) de uma BD publicada em inglês com o título The Dying Draughtsman.

2. O protagonista da BD
(A) e o autor têm o mesmo apelido.
(B) é um desenhador de sucesso.
(C) e o autor da obra têm o mesmo nome.
(D) tem uma vida muito agitada.

3. O título desta apreciação crítica


(A) realça o facto de o protagonista ser um artista.
(B) salienta a importância da arte.
(C) valoriza o facto de a arquitetura ser uma forma de arte.
(D) aponta para o tema da BD em análise.

4. A palavra Arte surge no texto com maiúscula


(A) para realçar o poder da arte.
(B) porque é o tema da obra em análise.
(C) uma vez que o protagonista é um artista.
(D) para realçar o seu protagonismo na obra em análise.

5. Os parênteses utilizados no texto


(A) introduzem informações acessórias.
(B) destacam determinadas expressões.
(C) reforçam o tom erudito do texto.
(D) assinalam didascálias.

6. Identifica a função sintática desempenhada pela expressão sublinhada na frase “O


cenário de fundo mínimo de The Dying Draughtsman dá um tom assético” (l. 14).

3
Sem importância, inofensivo, que acalma.
4
Palavras10

7. Na frase “Quando se fala de banda desenhada enquanto Arte, é curioso ler uma
BD notável que reflete (também) sobre Arte.” (ll. 1-2), divide e classifica as
orações.

8. Classifica a seguinte oração: “onde espectadores / leitores comentam as suas


desventuras” (l. 18).

9. Identifica os processos fonológicos na evolução das seguintes palavras do latim


para o português:
9.1. AUCTORE >autor
9.2. PERSONA > pessoa

Grupo III (50 pontos)


Escrita

Num texto bem estruturado, com um mínimo de 180 e um máximo de 250 palavras, redige
uma apreciação crítica de um livro que tenhas lido recentemente.