Você está na página 1de 111

Aula 05

Direito Ambiental p/ Polícia Civil - DF (Delegado)


Professor: Rosenval Júnior

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
AULA 05: Crimes contra o meio ambiente: Lei Nº 9.605/1998

SUMÁRIO PÁGINA
Poder de Polícia Ambiental. Crimes e infrações 2
administrativas contra o meio ambiente (Lei nº
9.605/1998 e regulamentos). Responsabilidade ambiental:
conceito de dano e reparação ambiental.

Questões comentadas 41

Lista de questões + gabarito 80

MEMOREX 99

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
CRIMES AMBIENTAIS - LEI 9.605/98

LEI 9.605/98

Capítulo I Disposições gerais Art. 1º - 5º

Capítulo II Da aplicação da pena Art. 6º - 24

Capítulo III Da apreensão do produto e do Art. 25


instrumento de infração
administrativa ou de crime

Capítulo IV Da ação e do processo penal Art. 26 - 28

Capítulo V Dos crimes contra o meio Art. 29 - 69-A


ambiente

Capítulo VI Da infração administrativa Art. 70 - 76

Capítulo VII Da cooperação internacional para Art. 77 - 78


a preservação do meio ambiente

Capítulo VIII Disposições finais Art. 79 - 82

CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE (Capítulo V)

Seção I Contra a Fauna Art. 29 - 37

Seção II Contra a Flora Art. 38 - 53

Seção III Poluição e outros Crimes Ambientais Art. 54 - 61

Seção IV Contra o Ordenamento Urbano e Art. 62 - 65


Patrimônio Cultural

Seção V Contra a Administração Ambiental Art. 66 - 69-A

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 2 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Responsabilidade Ambiental

A Constituição Federal, em seu art. 225,§3º, prevê a


possibilidade de responsabilização da pessoa física e jurídica nas
esferas penal, civil e administrativa.
As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente
sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções
penais e administrativas, independentemente da obrigação de
reparar os danos causados. Art. 225,§3º da CF/88.
A Lei 9.605/98 regulamenta a norma constitucional e dispõe sobre
os crimes ambientais e as infrações administrativas. Aplicam-se
subsidiariamente à Lei 9.605/98 as disposições do Código Penal e do
Código de Processo Penal.

PENAL

Responsabilidade
pessoa física e CIVIL
pessoa jurídica

ADMINISTRATIVA

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 3 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05

Responsabilidade Penal SUBJETIVA,

É imprescindível a comprovação do elemento subjetivo da conduta (dolo


ou culpa). Ou seja, precisa comprovar.

Responsabilidade Civil OBJETIVA,

Prescinde da comprovação de culpa, bastando confirmação do dano e do


nexo causal. Obs.: prescindir é não precisar, dispensar.
Assim, segundo o art. 14, § 1º da Lei 6.938/81, é o poluidor obrigado,
independentemente da existência de culpa, a indenizar ou reparar os
danos causados ao meio ambiente e a terceiros, afetados por sua
atividade.
A responsabilidade civil além de objetiva, segundo o STJ, é também
solidária (permite demandar o poluidor direto ou indireto ou, ainda, os
dois).
O STJ admite a inversão do ônus da prova nas ações de reparação
dos danos ambientais, dessa forma, pode recair sobre o poluidor o
ônus de provar a inexistência do dano ou, no caso de existência, que este
não foi de sua autoria.
Por último, cabe salientar que há precedente do STJ de que a
responsabilidade civil objetiva é norteada pela Teoria do Risco Integral,
em que não se admite a existência de excludentes do nexo causal, como
o fato de terceiro, caso fortuito ou a força maior. Segundo essa teoria, o
poluidor deve assumir todos os riscos da sua atividade, sem exceção!
O STJ admite, inclusive, de forma excepcional, a dispensa da
comprovação do nexo causal nos casos de degradação de imóvel rural.
Assim, a obrigação de recuperar a área de Reserva Legal degradada é

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 4 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
propter rem, inerente ao título e se transfere ao futuro proprietário. Ou
seja, o proprietário rural deve recuperar a área de Reserva Legal
degradada independentemente de ter sido ele ou não o responsável pela
degradação. O novo Código Florestal (Lei 12.651/12) trouxe
expressamente essa disposição em seu art. 2º, § 2º: As obrigações
previstas nesta Lei têm natureza real e são transmitidas ao sucessor, de
qualquer natureza, no caso de transferência de domínio ou posse do
imóvel rural.
Portanto, a responsabilidade de reparação do dano ambiental é
objetiva, solidária e imprescritível. Esse tem sido o entendimento do
STJ e do TRF 2ª Região.

Responsabilidade Administrativa

Qualquer pessoa, constatando infração ambiental, poderá


dirigir representação às autoridades competentes para efeito do
exercício do seu poder de polícia.
O poder de polícia é a atividade da Administração que impõe
limites ao exercício de direitos e liberdades. Em termos bem simples,
pode ser entendido como toda limitação individual à liberdade e à
propriedade em prol do interesse público. O âmbito de incidência é bem
amplo, indo desde aspectos clássicos da segurança, até a preservação da
qualidade do meio ambiente.
O poder de polícia ambiental é o principal instrumento de
controle para garantir o direito fundamental ao meio ambiente
ecologicamente equilibrado previsto na CF/88. É o dever-poder exercido
pela administração pública operando restrições com o objetivo de zelar
pelo bem estar da sociedade.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 5 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05

Penal Subjetiva

Responsabilidade Civil Objetiva

Objetiva/Subjetiva
Administrativa (Há divergência na
Doutrina)

Teoria Geral dos Crimes Ambientais

A lei de crimes ambientais adota a teoria monista ou unitária


sobre o concurso de pessoas, na qual todos os agentes respondem
pelo mesmo crime, na medida de sua culpabilidade.
Diretores, gerentes, administradores, membro de conselho de órgão
técnico de pessoa jurídica respondem por crimes ambientais tanto por
ação quanto por omissão (omissão penalmente relevante), de acordo
com o art. 2º da Lei 9.605/98.
"Quem, de qualquer forma, concorre para a prática dos crimes
previstos nesta Lei, incide nas penas a estes cominadas, na medida
da sua culpabilidade, bem como o diretor, o administrador, o membro
de conselho e de órgão técnico, o auditor, o gerente, o preposto ou
mandatário de pessoa jurídica, que, sabendo da conduta criminosa de
outrem, deixar de impedir a sua prática, quando podia agir para
evitá-la." (Art. 2º, da Lei 9.605/98)
Sobre a responsabilidade da pessoa jurídica há três correntes
doutrinárias. Entretanto, a teoria mais aceita e adotada pelas bancas de
concursos é a de que a pessoa jurídica pode cometer crime.
De forma direta, para a prova objetiva de concurso, as pessoas
jurídicas têm capacidade de culpabilidade e de sanção penal.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 6 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Obviamente, não há para a pessoa jurídica pena privativa de liberdade,
para essas pessoas a Lei 9.605/98 prevê outras sanções (Artigos 21, 22,
23, e 24 da Lei 9.605/98).

A base para defender a responsabilidade penal das pessoas jurídicas


está no artigo 225,§3º da CF/88 e no artigo 3º da Lei 9.605/98.
Memorizem, decorem, podem tatuar esses dispositivos no cérebro, pois
são muito recorrentes nas provas de concursos e por isso precisam estar
no sangue!

"As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente


sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções
penais e administrativas, independentemente da obrigação de
reparar os danos causados." Art. 225, §3º da CF/88.

"As pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa,


civil e penalmente conforme o disposto nesta Lei, nos casos em que a
infração seja cometida por decisão de seu representante legal ou
contratual, ou de seu órgão colegiado, no interesse ou benefício da sua
entidade." Art. 3º, da Lei 9.605/98.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 7 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Para que haja a responsabilização penal da pessoa jurídica, o crime
deverá ser cometido no interesse ou benefício da entidade E por
decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão
colegiado. ATENÇÃO! Precisa dessas duas condicionantes para que a
pessoa jurídica seja responsabilizada.
A denúncia genérica tem sido rejeita pelos Tribunais Superiores nos
crimes societários. Assim, para incluir os administradores das pessoas
jurídicas na denúncia é necessário descrever a sua conduta, sob risco de
inépcia e trancamento da ação.
O STJ TEM ADMITIDO a responsabilização penal da pessoa
jurídica em crimes ambientais, MAS DESDE QUE a imputação do
ente moral e da pessoa física que atua em seu nome ou em seu
benefício seja simultânea (Dupla Imputação). Assim, o STJ NÃO
admite denúncia apenas contra a pessoa jurídica, dissociada da pessoa
física. ATENÇÃO! Em 2013, o Supremo Tribunal Federal (STF)
reconheceu a possibilidade de se processar penalmente uma
pessoa jurídica, mesmo não havendo ação penal em curso contra
pessoa física com relação ao crime.
A pessoa jurídica poderá ser desconsiderada sempre que sua
personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados à
qualidade do ambiente, Art. 4º da Lei 9.605/98. (Teoria Menor). Para
isso, basta a impossibilidade da Pessoa Jurídica de arcar com a reparação
ambiental. Atenção, pois esse dispositivo é muito cobrado em prova!
A pessoa jurídica constituída ou utilizada,
preponderantemente, com o fim de permitir, facilitar ou ocultar a
prática de crime definido nesta Lei terá decretada sua liquidação
forçada, seu patrimônio será considerado instrumento do crime e
como tal perdido em favor do Fundo Penitenciário Nacional (Art. 24 da
Lei 9.605/98).
De acordo com o art. 26, a ação penal é pública incondicionada
nas infrações penais previstas Lei 9.605/98. Embora a Lei 9.605/98
seja omissa, é cabível a ação privada subsidiária da pública, quando o

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 8 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Ministério Público não oferecer denúncia no prazo legal (Art. 5º, LIX da
CF/88). Nos casos dos crimes ambientais, além de PÚBLICA a ação penal
é INcondicionada, ou seja, não possui nenhum requisito. Dessa forma, a
ação pode ser iniciada sem a representação do ofendido (vítima) ou de
quem tiver qualidade para representá-lo e sem a requisição do Ministro da
Justiça, sendo suficiente a vontade do Ministério Público.
Assim, na ação penal pública incondicionada, a ação é exercida pelo
Ministério Público, que representa o Estado, como autor da ação.

Leiam com especial atenção a jurisprudência abaixo.

"PROCESSUAL PENAL. RECURSO ESPECIAL. CRIMES CONTRA O MEIO


AMBIENTE. DENÚNCIA REJEITADA PELO E. TRIBUNAL A QUO. SISTEMA
OU TEORIA DA DUPLA IMPUTAÇÃO. Admite-se a responsabilidade
penal da pessoa jurídica em crimes ambientais desde que haja a
imputação simultânea do ente moral e da pessoa física que atua
em seu nome ou em seu benefício, uma vez que "não se pode
compreender a responsabilização do ente moral dissociada da
atuação de uma pessoa física, que age com elemento subjetivo
próprio" cf. Resp nº 564960/SC, 5ª Turma do STJ, Rel. Ministro Gilson
Dipp, DJ de 13/06/2005 (Precedentes). Recurso especial provido".(STJ,
Resp 889528/SC, 5ª Turma, Rel. Min. Félix Ficher, 17/04/2007)

RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. DIREITO


PROCESSUAL PENAL. CRIME AMBIENTAL. RESPONSABILIZAÇÃO DA
PESSOA JURÍDICA. POSSIBILIDADE. TRANCAMENTO DA AÇÃO PENAL.
INÉPCIA DA DENÚNCIA. OCORRÊNCIA. 1. Admitida a
responsabilização penal da pessoa jurídica, por força de sua

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 9 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
previsão constitucional, requisita a actio poenalis, para a sua
possibilidade, a imputação simultânea da pessoa moral e da pessoa
física que, mediata ou imediatamente, no exercício de sua
qualidade ou atribuição conferida pela estatuto social, pratique o
fato-crime, atendendo-se, assim, ao princípio do nullum crimen sine
actio humana. 2. Excluída a imputação aos dirigentes responsáveis
pelas condutas incriminadas, o trancamento da ação penal,
relativamente à pessoa jurídica, é de rigor. 3. Recurso provido.
Ordem de habeas corpus concedida de ofício. (STJ; RMS 16696/PR; Sexta
Turma; Rel. Min. Hamilton Carvalhido; Julgamento: 09/02/2006; DJU
13/03/2006)

CRIME AMBIENTAL PRATICADO POR PESSOA JURÍDICA.


RESPONSABILIZAÇÃO PENAL DO ENTE COLETIVO. POSSIBILIDADE.
PREVISÃO CONSTITUCIONAL REGULAMENTADA POR LEI FEDERAL.
OPÇÃO POLÍTICA DO LEGISLADOR. FORMA DE PREVENÇÃO DE DANOS
AO MEIO-AMBIENTE. CAPACIDADE DE AÇÃO. EXISTÊNCIA JURÍDICA.
ATUAÇÃO DOS ADMINISTRADORES EM NOME E PROVEITO DA PESSOA
JURÍDICA. CULPABILIDADE COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL. CO-
RESPONSABILIDADE. PENAS ADAPTADAS À NATUREZA JURÍDICA DO
ENTE COLETIVO. ACUSAÇÃO ISOLADA DO ENTE COLETIVO.
IMPOSSIBILIDADE. ATUAÇÃO DOS ADMINISTRADORES EM NOME E
PROVEITO DA PESSOA JURÍDICA. DEMONSTRAÇÃO NECESSÁRIA.
DENÚNCIA INEPTA. RECURSO DESPROVIDO.
I. A Lei ambiental, regulamentando preceito constitucional,
passou a prever, de forma inequívoca, a possibilidade de
penalização criminal das pessoas jurídicas por danos ao meio
ambiente.
III. A responsabilização penal da pessoa jurídica pela prática de delitos
ambientais advém de uma escolha política, como forma não apenas de
punição das condutas lesivas ao meio ambiente, mas como forma mesmo
de prevenção geral e especial.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 10 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
IV. A imputação penal às pessoas jurídicas encontra barreiras na suposta
incapacidade de praticarem uma ação de relevância penal, de serem
culpáveis e de sofrerem penalidades.
V. Se a pessoa jurídica tem existência própria no ordenamento jurídico
e pratica atos no meio social através da atuação de seus administradores,
poderá vir a praticar condutas típicas e, portanto, ser passível de
responsabilização penal.
VI. A culpabilidade, no conceito moderno, é a responsabilidade social,
e a culpabilidade da pessoa jurídica, neste contexto, limita-se à
vontade do seu administrador ao agir em seu nome e proveito.
VII. A pessoa jurídica só pode ser responsabilizada quando houver
intervenção de uma pessoa física, que atua em nome e em
benefício do ente moral.
VIII. "De qualquer modo, a pessoa jurídica deve ser beneficiária
direta ou indiretamente pela conduta praticada por decisão do seu
representante legal ou contratual ou de seu órgão colegiado."
IX. A Lei Ambiental previu para as pessoas jurídicas penas
autônomas de multas, de prestação de serviços à comunidade,
restritivas de direitos, liquidação forçada e desconsideração da
pessoa jurídica, todas adaptadas à sua natureza jurídica.
X. Não há ofensa ao princípio constitucional de que "nenhuma pena
passará da pessoa do condenado...", pois é incontroversa a existência de
duas pessoas distintas: uma física - que de qualquer forma contribui para
a prática do delito - e uma jurídica, cada qual recebendo a punição de
forma individualizada, decorrente de sua atividade lesiva.
XI. Há legitimidade da pessoa jurídica para figurar no pólo passivo
da relação processual-penal.
XII. Hipótese em que pessoa jurídica de direito privado foi denunciada
isoladamente por crime ambiental porque, em decorrência de lançamento
de elementos residuais nos mananciais dos Rios do Carmo e Mossoró,
foram constatadas, em extensão aproximada de 5 quilômetros, a

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 11 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
salinização de suas águas, bem como a degradação das respectivas
faunas e floras aquáticas e silvestres.
XIII. A pessoa jurídica só pode ser responsabilizada quando
houver intervenção de uma pessoa física, que atua em nome e em
benefício do ente moral.
XIV. A atuação do colegiado em nome e proveito da pessoa
jurídica é a própria vontade da empresa.
XV. A ausência de identificação das pessoa físicas que, atuando
em nome e proveito da pessoa jurídica, participaram do evento
delituoso, inviabiliza o recebimento da exordial acusatória.
(STJ, REsp 610114/RN, Relator Ministro Gilson Dipp, Data do Julgamento
17/11/2005, DJ 19/12/2005)

STF: Crime ambiental: absolvição de pessoa física e


responsabilidade penal de pessoa jurídica

É admissível a condenação de pessoa jurídica pela prática de


crime ambiental, ainda que absolvidas as pessoas físicas
ocupantes de cargo de presidência ou de direção do órgão
responsável pela prática criminosa. Com base nesse entendimento, a
1ª Turma, por maioria, conheceu, em parte, de recurso extraordinário e,
nessa parte, deu-lhe provimento para cassar o acórdão recorrido. Neste,
a imputação aos dirigentes responsáveis pelas condutas incriminadas (Lei
9.605/98, art. 54) teria sido excluída e, por isso, trancada a ação penal
relativamente à pessoa jurídica. Em preliminar, a Turma, por maioria,
decidiu não apreciar a prescrição da ação penal, porquanto ausentes
elementos para sua aferição. Pontuou-se que o presente recurso
originara-se de mandado de segurança impetrado para trancar ação penal
em face de responsabilização, por crime ambiental, de pessoa jurídica.
Enfatizou-se que a problemática da prescrição não estaria em debate, e
apenas fora aventada em razão da demora no julgamento. Assinalou-se
que caberia ao magistrado, nos autos da ação penal, pronunciar-se sobre

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 12 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
essa questão. Vencidos os Ministros Marco Aurélio e Luiz Fux, que
reconheciam a prescrição. O Min. Marco Aurélio considerava a data do
recebimento da denúncia como fator interruptivo da prescrição.
Destacava que não poderia interpretar a norma de modo a prejudicar
aquele a quem visaria beneficiar. Consignava que a lei não exigiria a
publicação da denúncia, apenas o seu recebimento e, quer considerada a
data de seu recebimento ou de sua devolução ao cartório, a prescrição já
teria incidido.
RE 548181/PR, rel. Min. Rosa Weber, 6.8.2013.

No mérito, anotou-se que a tese do STJ, no sentido de que a persecução


penal dos entes morais somente se poderia ocorrer se houvesse,
concomitantemente, a descrição e imputação de uma ação humana
individual, sem o que não seria admissível a responsabilização da pessoa
jurídica, afrontaria o art. 225, § 3º, da CF. Sublinhou-se que, ao se
condicionar a imputabilidade da pessoa jurídica à da pessoa humana,
estar-se-ia quase que a subordinar a responsabilização jurídico-criminal
do ente moral à efetiva condenação da pessoa física. Ressaltou-se que,
ainda que se concluísse que o legislador ordinário não estabelecera por
completo os critérios de imputação da pessoa jurídica por crimes
ambientais, não haveria como pretender transpor o paradigma de
imputação das pessoas físicas aos entes coletivos. Vencidos os Ministros
Marco Aurélio e Luiz Fux, que negavam provimento ao extraordinário.
Afirmavam que o art. 225, § 3º, da CF não teria criado a responsabilidade
penal da pessoa jurídica. Para o Min. Luiz Fux, a mencionada regra
constitucional, ao afirmar que os ilícitos ambientais sujeitariam os
infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e
administrativas , teria apenas imposto sanções administrativas às
pessoas jurídicas. Discorria, ainda, que o art. 5º, XLV, da CF teria trazido
o princípio da pessoalidade da pena, o que vedaria qualquer exegese a
implicar a responsabilidade penal da pessoa jurídica. Por fim, reputava

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 13 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
que a pena visaria à ressocialização, o que tornaria impossível o seu
alcance em relação às pessoas jurídicas.
RE 548181/PR, rel. Min. Rosa Weber, 6.8.2013.

Nos crimes previstos na Lei de Crimes Ambientais, a suspensão


condicional da pena (sursis) pode ser aplicada nos casos de
condenação a pena privativa de liberdade não superior a 3 anos (Art.
16).
Obs.: CUIDADO! Muitas provas colocam dois anos, pois no Código
Penal será cabível o sursis se a condenação a pena privativa de liberdade
não for superior a 2 anos, observada outras condições. Então, atenção,
vou repetir, segundo a Lei de Crimes ambientais, a suspensão
condicional da pena pode ser aplicada nos casos de condenação a
pena privativa de liberdade não superior a 3 anos!
A multa será calculada segundo os critérios do Código Penal;
se revelar-se ineficaz, ainda que aplicada no valor máximo, poderá ser
aumentada até 3 vezes, tendo em vista o valor da vantagem
econômica auferida.
A perícia produzida no inquérito civil ou no juízo cível poderá ser
aproveitada no processo penal, instaurando-se o contraditório.
A sentença penal condenatória, sempre que possível, fixará o valor
mínimo para reparação dos danos causados pela infração, considerando
os prejuízos sofridos pelo ofendido ou pelo meio ambiente.

FIXAÇÃO DA PENA BASE (Mnemônico: SANGRA)

APLICAÇÃO DA PENA - DOSIMETRIA DAS SANÇÕES (Art. 6º)

Para imposição e gradação da penalidade, a autoridade competente


observará:

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 14 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
a gravidade do fato, tendo em vista os motivos da infração e
suas consequências para a saúde pública e para o meio ambiente;

os antecedentes do infrator quanto ao cumprimento da legislação


de interesse ambiental;

a situação econômica do infrator, no caso de multa.

Fixada a pena base, o juiz analisará as circunstâncias atenuantes e


agravantes. (Mnemônico: BARCOCO)

ATENUANTES (Art. 14)

baixo grau de instrução ou escolaridade do agente;

arrependimento do infrator, manifestado pela espontânea


reparação do dano, ou limitação significativa da degradação
ambiental causada;

comunicação prévia pelo agente do perigo iminente de


degradação ambiental;

colaboração com os agentes encarregados da vigilância e do


controle ambiental.

AGRAVANTES (Art. 15)

I - reincidência nos crimes de natureza ambiental;

II - ter o agente cometido a infração:

a) para obter vantagem pecuniária;

b) coagindo outrem para a execução material da infração;

c) afetando ou expondo a perigo, de maneira grave, a saúde


pública ou o meio ambiente;

d) concorrendo para danos à propriedade alheia;

e) atingindo áreas de unidades de conservação ou áreas sujeitas,


por ato do Poder Público, a regime especial de uso;

f) atingindo áreas urbanas ou quaisquer assentamentos

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 15 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
humanos;

g) em período de defeso à fauna;

h) em domingos ou feriados;

i) à noite;

j) em épocas de seca ou inundações;

l) no interior do espaço territorial especialmente protegido;

m) com o emprego de métodos cruéis para abate ou captura de


animais;

n) mediante fraude ou abuso de confiança;

o) mediante abuso do direito de licença, permissão ou


autorização ambiental;

p) no interesse de pessoa jurídica mantida, total ou


parcialmente, por verbas públicas ou beneficiada por incentivos
fiscais;

q) atingindo espécies ameaçadas, listadas em relatórios oficiais


das autoridades competentes;

r) facilitada por funcionário público no exercício de suas funções.

PENAS APLICÁVEIS

Pessoas Físicas Pessoas Jurídicas

Privativa de Liberdade Prestação de Serviços à Comunidade


Restritiva de Direitos Restritiva de Direitos
Multa Multa

PENAS aplicadas às PESSOAS FÍSICAS

Privativas de Liberdade (Detenção/Reclusão)

Restritivas de Direito (Art. 8º)


prestação de serviços à comunidade;
interdição temporária de direitos;

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 16 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
suspensão parcial ou total de atividades;
prestação pecuniária (+ que 1 salário e no máximo 360
salários);
recolhimento domiciliar.

Multa

Penas Restritivas de Direito da PESSOA FÍSICA.


A prestação de serviços à comunidade consiste na atribuição ao
condenado de tarefas gratuitas junto a:
Parques e jardins públicos e unidades de conservação,
No caso de dano da coisa particular, pública ou tombada, na
restauração desta, se possível. (Art. 9º)

As penas de interdição temporária de direito são a proibição de o


condenado contratar com o Poder Público, de receber incentivos
fiscais ou quaisquer outros benefícios, bem como de participar de
licitações, pelo prazo de:
5 anos, no caso de crimes dolosos,
3 anos, no de crimes culposos. (Art. 10)

A suspensão de atividades será aplicada quando estas não


estiverem obedecendo às prescrições legais. (Art. 11.)

A prestação pecuniária consiste no pagamento em dinheiro à


vítima ou à entidade pública ou privada com fim social, de
importância, fixada pelo juiz, não inferior a 1 salário mínimo nem
superior a 360 salários mínimos. O valor pago será deduzido do
montante de eventual reparação civil a que for condenado o infrator. (Art.
12.)

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 17 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
O recolhimento domiciliar baseia-se na autodisciplina e senso de
responsabilidade do condenado, que deverá, sem vigilância, trabalhar,
frequentar curso ou exercer atividade autorizada, permanecendo
recolhido nos dias e horários de folga em residência ou em qualquer local
destinado a sua moradia habitual, conforme estabelecido na sentença
condenatória. (Art. 13)

PENAS aplicadas às PESSOAS JURÍDICAS (Art. 21)

Prestação de Serviços à Comunidade (Art. 23)


custeio de programas e de projetos ambientais;
execução de obras de recuperação de áreas degradadas;
manutenção de espaços públicos;
contribuições a entidades ambientais ou culturais públicas.

Restritivas de Direitos (Art. 22)


suspensão parcial ou total de atividades;
interdição temporária de estabelecimento, obra ou
atividade;
proibição de contratar com o Poder Público, bem como dele
obter subsídios, subvenções ou doações (Máx. 10 anos).

Multa

Notem que tanto pessoas físicas quanto pessoas jurídicas possuem


penas restritivas de direito e multa. Entretanto, nas penas restritivas de
direito há algumas diferenças. Algumas penas restritivas de direitos são
diferentes e aplicam-se só à Pessoa Jurídica ou só a Pessoa Física.
Observem, também, que prestação de serviço à comunidade é um
tipo de pena restritiva de direito para as pessoas físicas.
As bancas examinadoras misturam as penas, e as questões exigem
o conhecimento de quais penas são aplicadas às pessoas físicas ou às
pessoas jurídicas.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 18 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Penas restritivas de liberdade (reclusão/detenção) e a restritiva de
direito (recolhimento domiciliar) aplicam-se apenas à Pessoa Física, por
óbvio.
Por fim, nas infrações administrativas NÃO cabe nenhuma pena
restritiva de liberdade. As sanções administrativas são: multa,
advertência, suspensão, demolição, embargo, cancelamento, proibição...
Pessoal, eu sei que para quem nunca estudou essa lei pode ficar
meio confuso, pode parecer complicado, mas fiquem calmos! Leiam uma
vez, duas, tentem entender. No final da aula, eu inseri alguns mapas
mentais sobre as penas, imprimam esses mapas, colem na parede, no
espelho do banheiro, no guarda-roupa...leiam todos os dias, em poucos
minutos é possível fazer uma revisão e até o dia da prova já estará tudo
memorizado.

Para as Pessoas Jurídicas a pena de proibição de contratar com o


Poder Público ou receber subsídios, subvenções ou doações não poderá
exceder o prazo de 10 anos (Art. 22, III e §3º).
Já para as Pessoas Físicas a pena de interdição temporária de
direito consiste na proibição de o condenado contratar com o Poder
Público, de receber incentivos fiscais ou quaisquer outros benefícios, bem
como de participar de licitações, pelo prazo de 5 anos para crime
doloso e 3 anos para crime culposo. (Art. 10).

O artigo 37 traz as excludentes de ilicitude. Costuma cair muito


em concurso.
Tomem nota:

NÃO é crime o abate de animal, quando realizado (Art.37):

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 19 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
I - em estado de necessidade, para saciar a fome do agente ou de
sua família;

II - para proteger lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória


ou destruidora de animais, desde que legal e expressamente
autorizado pela autoridade competente;

IV - por ser nocivo o animal, desde que assim caracterizado pelo


órgão competente.

DA APREENSÃO DO PRODUTO E DO INSTRUMENTO DE INFRAÇÃO


ADMINISTRATIVA OU DE CRIME (Art. 25.)

Verificada a infração, serão apreendidos seus produtos e instrumentos,


lavrando-se os respectivos autos.

Animais serão libertados em seu habitat ou entregues a jardins


zoológicos, fundações ou entidades assemelhadas, desde que
fiquem sob a responsabilidade de técnicos habilitados.

Produtos perecíveis ou madeiras serão avaliados e doados a


instituições científicas, hospitalares, penais e outras com fins
beneficentes.

Produtos e subprodutos da fauna não perecíveis serão


destruídos ou doados a instituições científicas, culturais ou
educacionais.

Instrumentos utilizados na prática da infração serão


vendidos, garantida a sua descaracterização por meio da
reciclagem.

Jurisprudência

"PROCESSUAL PENAL. RECURSO ESPECIAL. CRIMES CONTRA O MEIO


AMBIENTE. DENÚNCIA REJEITADA PELO E. TRIBUNAL A QUO. SISTEMA
OU TEORIA DA DUPLA IMPUTAÇÃO. Admite-se a responsabilidade
penal da pessoa jurídica em crimes ambientais desde que haja a
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 20 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
imputação simultânea do ente moral e da pessoa física que atua
em seu nome ou em seu benefício, uma vez que "não se pode
compreender a responsabilização do ente moral dissociada da
atuação de uma pessoa física, que age com elemento subjetivo
próprio" cf. Resp nº 564960/SC, 5ª Turma do STJ, Rel. Ministro Gilson
Dipp, DJ de 13/06/2005 (Precedentes). Recurso especial provido".(STJ,
Resp 889528/SC, 5ª Turma, Rel. Min. Félix Ficher, 17/04/2007)

RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA. DIREITO


PROCESSUAL PENAL. CRIME AMBIENTAL. RESPONSABILIZAÇÃO DA
PESSOA JURÍDICA. POSSIBILIDADE. TRANCAMENTO DA AÇÃO PENAL.
INÉPCIA DA DENÚNCIA. OCORRÊNCIA. 1. Admitida a
responsabilização penal da pessoa jurídica, por força de sua
previsão constitucional, requisita a actio poenalis, para a sua
possibilidade, a imputação simultânea da pessoa moral e da pessoa
física que, mediata ou imediatamente, no exercício de sua
qualidade ou atribuição conferida pela estatuto social, pratique o
fato-crime, atendendo-se, assim, ao princípio do nullum crimen sine
actio humana. 2. Excluída a imputação aos dirigentes responsáveis
pelas condutas incriminadas, o trancamento da ação penal,
relativamente à pessoa jurídica, é de rigor. 3. Recurso provido.
Ordem de habeas corpus concedida de ofício. (STJ; RMS 16696/PR; Sexta
Turma; Rel. Min. Hamilton Carvalhido; Julgamento: 09/02/2006; DJU
13/03/2006)

CRIME AMBIENTAL PRATICADO POR PESSOA JURÍDICA.


RESPONSABILIZAÇÃO PENAL DO ENTE COLETIVO. POSSIBILIDADE.
PREVISÃO CONSTITUCIONAL REGULAMENTADA POR LEI FEDERAL.
OPÇÃO POLÍTICA DO LEGISLADOR. FORMA DE PREVENÇÃO DE DANOS
AO MEIO-AMBIENTE. CAPACIDADE DE AÇÃO. EXISTÊNCIA JURÍDICA.
ATUAÇÃO DOS ADMINISTRADORES EM NOME E PROVEITO DA PESSOA
JURÍDICA. CULPABILIDADE COMO RESPONSABILIDADE SOCIAL. CO-

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 21 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
RESPONSABILIDADE. PENAS ADAPTADAS À NATUREZA JURÍDICA DO
ENTE COLETIVO. ACUSAÇÃO ISOLADA DO ENTE COLETIVO.
IMPOSSIBILIDADE. ATUAÇÃO DOS ADMINISTRADORES EM NOME E
PROVEITO DA PESSOA JURÍDICA. DEMONSTRAÇÃO NECESSÁRIA.
DENÚNCIA INEPTA. RECURSO DESPROVIDO.
I. A Lei ambiental, regulamentando preceito constitucional,
passou a prever, de forma inequívoca, a possibilidade de
penalização criminal das pessoas jurídicas por danos ao meio
ambiente.
III. A responsabilização penal da pessoa jurídica pela prática de delitos
ambientais advém de uma escolha política, como forma não apenas de
punição das condutas lesivas ao meio ambiente, mas como forma mesmo
de prevenção geral e especial.
IV. A imputação penal às pessoas jurídicas encontra barreiras na suposta
incapacidade de praticarem uma ação de relevância penal, de serem
culpáveis e de sofrerem penalidades.
V. Se a pessoa jurídica tem existência própria no ordenamento jurídico
e pratica atos no meio social através da atuação de seus administradores,
poderá vir a praticar condutas típicas e, portanto, ser passível de
responsabilização penal.
VI. A culpabilidade, no conceito moderno, é a responsabilidade social,
e a culpabilidade da pessoa jurídica, neste contexto, limita-se à
vontade do seu administrador ao agir em seu nome e proveito.
VII. A pessoa jurídica só pode ser responsabilizada quando houver
intervenção de uma pessoa física, que atua em nome e em
benefício do ente moral.
VIII. "De qualquer modo, a pessoa jurídica deve ser beneficiária
direta ou indiretamente pela conduta praticada por decisão do seu
representante legal ou contratual ou de seu órgão colegiado."
IX. A Lei Ambiental previu para as pessoas jurídicas penas
autônomas de multas, de prestação de serviços à comunidade,

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 22 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
restritivas de direitos, liquidação forçada e desconsideração da
pessoa jurídica, todas adaptadas à sua natureza jurídica.
X. Não há ofensa ao princípio constitucional de que "nenhuma pena
passará da pessoa do condenado...", pois é incontroversa a existência de
duas pessoas distintas: uma física - que de qualquer forma contribui para
a prática do delito - e uma jurídica, cada qual recebendo a punição de
forma individualizada, decorrente de sua atividade lesiva.
XI. Há legitimidade da pessoa jurídica para figurar no pólo passivo
da relação processual-penal.
XII. Hipótese em que pessoa jurídica de direito privado foi denunciada
isoladamente por crime ambiental porque, em decorrência de lançamento
de elementos residuais nos mananciais dos Rios do Carmo e Mossoró,
foram constatadas, em extensão aproximada de 5 quilômetros, a
salinização de suas águas, bem como a degradação das respectivas
faunas e floras aquáticas e silvestres.
XIII. A pessoa jurídica só pode ser responsabilizada quando
houver intervenção de uma pessoa física, que atua em nome e em
benefício do ente moral.
XIV. A atuação do colegiado em nome e proveito da pessoa
jurídica é a própria vontade da empresa.
XV. A ausência de identificação das pessoa físicas que, atuando
em nome e proveito da pessoa jurídica, participaram do evento
delituoso, inviabiliza o recebimento da exordial acusatória.
(STJ, REsp 610114/RN, Relator Ministro Gilson Dipp, Data do Julgamento
17/11/2005, DJ 19/12/2005)

Competência para Julgamento dos Crimes Ambientais

Em regra, compete à Justiça Estadual julgar as contravenções e


os crimes ambientais, exceto se o delito for contra bens, serviços ou

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 23 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
interesse da União, de suas autarquias ou empresas públicas, pois neste
caso será competência da Justiça Federal - art. 109, IV, da CF/88.

Segundo o STJ são situações específicas de competência da Justiça


Federal:
Delito envolvendo espécies ameaçadas de extinção, em termos
oficiais;
Conduta envolvendo ato de contrabando de animais silvestres,
peles e couros de anfíbios ou répteis para o exterior;
Introdução ilegal de espécie exótica no país;
Pesca predatória no mar territorial;
Crime contra a fauna perpetrado em parques nacionais, reservas
ecológicas; ou áreas sujeitas ao eminente domínio da Nação;
Conduta que ultrapassa os limites de um único estado ou as
fronteiras do país.
(STJ: CC 34.689 - SP, Relator Min. Gilson Dipp, julgado em
22/5/2002.)
Liberação ilegal de organismos geneticamente modificados.
(STJ: CC 41.301, Relator Min. Gilson Dipp, julgado em 12/5/2004.)

A floresta Amazônica Brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do


Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira embora sejam
patrimônio nacional, não se enquadram, por si só, na definição de bens

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 24 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
da União, e por isso compete à justiça estadual processar e julgar
contravenções e crimes ambientais nessas áreas.
Portanto, não há que confundir patrimônio nacional com bem da
União.
Apenas caberá à justiça federal o crime perpetrado em detrimento
de bens, serviços ou interesses diretos e específicos da União, ou de suas
autarquias ou empresas públicas.

Após a edição da Lei 9.605/98, o STJ cancelou a Súmula 91, que


atribuía à Justiça Federal a competência de processar e julgar os crimes
praticados contra a fauna.
Agora, após o cancelamento da referida Súmula, caso não se
verifique a hipótese do art. 109, IV da CF/88, a competência para
processar e julgar tanto os crimes contra a flora quanto contra a
fauna será da Justiça ESTADUAL.

Cooperação Internacional para a Preservação do Meio Ambiente

Resguardados a soberania nacional, a ordem pública e os bons


costumes, o Governo brasileiro prestará, no que concerne ao meio
ambiente, a necessária cooperação a outro país, sem qualquer ônus,
quando solicitado para:

I - produção de prova;

II - exame de objetos e lugares;

III - informações sobre pessoas e coisas;

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 25 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
IV - presença temporária da pessoa presa, cujas declarações tenham
relevância para a decisão de uma causa;

V - outras formas de assistência permitidas pela legislação em vigor ou


pelos tratados de que o Brasil seja parte.

Essa solicitação será dirigida ao Ministério da Justiça, que a


remeterá, quando necessário, ao órgão judiciário competente para decidir
a seu respeito, ou a encaminhará à autoridade capaz de atendê-la.

Observando a reciprocidade da cooperação internacional, deve ser


mantido sistema de comunicações apto a facilitar o intercâmbio rápido e
seguro de informações com órgãos de outros países.

Notem que a solicitação é dirigida ao Ministério da Justiça. O ilustre


Examinador pode colocar Ministério do Meio Ambiente, por exemplo, para
tentar confundir os desavisados.

Princípio da Insignificância (bagatela)

O princípio da insignificância, de acordo com o glossário jurídico do


STF, tem o sentido de excluir ou de afastar a própria tipicidade penal, ou
seja, não considera o ato praticado como um crime, por isso, sua
aplicação resulta na absolvição do réu e não apenas na diminuição e
substituição da pena ou não sua não aplicação.
Para ser utilizado, faz-se necessária a presença de certos
requisitos, tais como: (a) a mínima ofensividade da conduta do
agente, (b) a nenhuma periculosidade social da ação, (c) o
reduzidíssimo grau de reprovabilidade do comportamento e (d) a
inexpressividade da lesão jurídica provocada.
Sua aplicação decorre no sentido de que o direito penal não se deve
ocupar de condutas que produzam resultado cujo desvalor - por não
importar em lesão significativa a bens jurídicos relevantes - não

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 26 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
represente, por isso mesmo, prejuízo importante, seja ao titular do bem
jurídico tutelado, seja à integridade da própria ordem social.
Há controvérsia na sua aplicação no caso de danos ambientais. No
entanto, no segundo semestre de 2012, o Supremo Tribunal Federal
aplicou o princípio da insignificância ou bagatela em um caso de pesca.
Abaixo colacionamos jurisprudência do STJ e do STF a respeito do tema.

Jurisprudência

PENAL. HABEAS CORPUS. CRIME AMBIENTAL. PESCA PREDATÓRIA.


PEQUENA QUANTIDADE DE PESCADO DEVOLVIDO AO HABITAT NATURAL.
PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. INAPLICABILIDADE.
PARTICULARIDADES DO CASO CONCRETO. RELEVÂNCIA PENAL DA
CONDUTA. CRIME CONTRA O MEIO AMBIENTE. ESPECIAL RELEVO.
ORDEM DENEGADA. I. Hipótese em que o paciente foi denunciado como
incurso nas penas do art. 34, parágrafo único, II, da Lei 9.605/98, porque
teria sido flagrado pela Polícia Militar de Proteção Ambiental, praticando
pesca predatória de camarão, com a utilização de petrechos proibidos em
período defeso para a fauna aquática e sem autorização dos órgãos
competentes. II. A quantidade de pescado apreendido não desnatura o
delito descrito no art. 34 da Lei 9.605/98, que pune a atividade durante o
período em que a pesca seja proibida, exatamente a hipótese dos autos,
isto é, em época de reprodução da espécie, e com utilização de petrechos
não permitidos. III. Paciente que, embora não possua carteira profissional
de pescador, faz da pesca a sua única fonte de renda. IV. Para a
incidência do princípio da insignificância devem ser considerados aspectos
objetivos referentes à infração praticada, assim a mínima ofensividade da
conduta do agente, a ausência de periculosidade social da ação, o
reduzido grau de reprovabilidade do comportamento, bem como a
inexpressividade da lesão jurídica causada (HC 84.412/SP, Rel. Min. Celso
de Mello, DJ de 19/11/2004), que não restou demonstrado in casu. V. A
Constituição Federal de 1988, consolidando uma tendência mundial de

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 27 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
atribuir maior atenção aos interesses difusos, conferiu especial relevo à
questão ambiental, ao elevar o meio-ambiente à categoria de bem
jurídico tutelado autonomamente, destinando um capítulo inteiro à sua
proteção. VI. Interesse estatal na repreensão da conduta, em se tratando
de delito contra o meio-ambiente, dada a sua relevância penal. VII.
Ordem denegada.
(STJ - HC: 192696 SC 2010/0226460-0, Relator: Ministro GILSON DIPP,
Data de Julgamento: 17/03/2011, T5 - QUINTA TURMA, Data de
Publicação: DJe 04/04/2011)

RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS. PENAL. CRIME DE PESCA EM


LOCAL PROIBIDO. ART. 34, CAPUT, LEI 9.605/ 1998. PESCA EM LOCAL
PROIBIDO. PEDIDO DE TRANCAMENTO DA AÇÃO PENAL. INCIDÊNCIA DO
PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. IRRELEVÂNCIA PENAL DA CONDUTA.
RECURSO PROVIDO. 1. Recorrente foi denunciado como incursos nas
sanções do art. 34, caput, da Lei n. 9.605/1998, porque teria sido, em 20
de abril de 2012, surpreendido por Policiais Militares do meio ambiente
pescando em local proibido pela Portaria IEF n.º 129, de 10 de setembro
de 2004, publicado no Diário do Executivo - Minas Gerais, em 11 de
setembro de 2004; 2. Nessa ocasião, o Recorrente já havia pescado 10
(dez) peixes, conhecidos popularmente como lambari, totalizando 240
(duzentos e quarenta) gramas de pescado, apreendidos e,
posteriormente, descartados. 3. A aplicação do princípio da insignificância
nos crimes contra o meio ambiente, reconhecendo-se a atipicidade
material do fato, é restrita aos casos onde e a conduta do agente
expressa pequena reprovabilidade e irrelevante periculosidade social.
Afinal, o bem jurídico tutelado é a proteção ao meio ambiente, direito de
natureza difusa assegurado pela Constituição Federal, que conferiu
especial relevo à questão ambiental. 4. Verifica-se que se insere na
concepção doutrinária e jurisprudencial de crime de bagatela a conduta
do Recorrente, surpreendido em atividade de pesca com apenas uma vara
de pescar retrátil e 240 (duzentos e quarenta) gramas de peixe. 5.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 28 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Recurso ordinário provido para, aplicando-se o princípio da insignificância,
determinar o trancamento da Ação Penal n.º 0056.12.012562-2.
(STJ - RHC: 39578 MG 2013/0241325-5, Relator: Ministra LAURITA VAZ,
Data de Julgamento: 05/11/2013, T5 - QUINTA TURMA, Data de
Publicação: DJe 19/11/2013)

RECURSO ORDINÁRIO EM HABEAS CORPUS. PENAL. CRIME DE PESCA


COM PETRECHO NÃO PERMITIDO. ART. 34, PARÁGRAFO ÚNICO, INCISO
II, DA LEI N.º 9.605/98. PEDIDO DE TRANCAMENTO DA AÇÃO PENAL.
INCIDÊNCIA DO PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. APLICABILIDADE.
ANÁLISE DO CASO CONCRETO. IRRELEVÂNCIA PENAL DA CONDUTA.
RECURSO PROVIDO. 1. A aplicação do princípio da insignificância nos
crimes contra o meio ambiente, reconhecendo-se a atipicidade material
do fato, é restrita aos casos onde e a conduta do agente expressa
pequena reprovabilidade e irrelevante periculosidade social. Afinal, o bem
jurídico tutelado é a proteção ao meio ambiente, direito de natureza
difusa assegurado pela Constituição Federal, que conferiu especial relevo
à questão ambiental. 2. Verifica-se que se insere na concepção
doutrinária e jurisprudencial de crime de bagatela a conduta do
Recorrente - sem antecedentes criminais, a quem não se atribuiu a pesca
profissional ou reiteração de conduta -, que não ocasionou expressiva
lesão ao bem jurídico tutelado, já que foi apreendido apenas petrecho
(rede), sem, contudo, nenhum espécime ter sido retirado do local, o que
afasta a incidência da norma penal. 3. Recurso ordinário provido para,
aplicando-se o princípio da insignificância, determinar o trancamento da
Ação Penal n.º 5003126-41.2012.404.7101 .
(STJ - RHC: 35122 RS 2013/0004163-4, Relator: Ministra LAURITA VAZ,
Data de Julgamento: 26/11/2013, T5 - QUINTA TURMA, Data de
Publicação: DJe 09/12/2013)

HABEAS CORPUS. CRIME AMBIENTAL. PESCA EM PERÍODO PROIBIDO.


APLICAÇÃODO PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. IMPOSSIBILIDADE.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 29 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
ESPECIALREPROVABILIDADE DA CONDUTA NO CASO CONCRETO.
HABEAS CORPUS DENEGADO. 1. A aplicabilidade do princípio da
insignificância nos crimes contra o meio ambiente, reconhecendo-se a
atipicidade material do fato, é restrita aos casos onde e a conduta do
agente expressa pequena reprovabilidade e irrelevante periculosidade
social. Afinal, o bem jurídico tutelado é a proteção ao meio ambiente,
direito de natureza difusa assegurado pela Constituição Federal, que
conferiu especial relevo à questão ambiental. 2. Não se insere na
concepção doutrinária e jurisprudencial de crime de bagatela a conduta
do Paciente, pescador profissional, que foi surpreendido pescando com
petrecho proibido em época onde a atividade é terminantemente vedada.
Há de se concluir, como decidiram as instâncias ordinárias, pela
ofensividade da conduta do réu, a quem se impõe maior respeito à
legislação ambiental, voltada para preservação da matéria prima de seu
ofício. 3. E, apesar de terem sido apreendidos apenas 05 kg (cinco quilos)
de peixe, nos termos da jurisprudência desta Corte Superior: "A
quantidade de pescado apreendido não desnatura o delito descrito no art.
34 da Lei 9.605/98, que pune a atividade durante o período em que a
pesca seja proibida, exatamente a hipótese dos autos, isto é, em época
de reprodução da espécie, e com utilização de petrechos não permitidos."
(HC 192696/SC, 5.ª Turma, Rel. Min. GILSON DIPP, DJe de04/04/2011.)
4. Ordem de habeas corpus denegada.
(STJ - HC: 192486 MS 2010/0225552-4, Relator: Ministra LAURITA VAZ,
Data de Julgamento: 18/09/2012, T5 - QUINTA TURMA, Data de
Publicação: DJe 26/09/2012)

AÇÃO PENAL. Crime ambiental. Pescador flagrado com doze camarões e


rede de pesca, em desacordo com a Portaria 84/02, do IBAMA. Art. 34,
parágrafo único, II, da Lei nº 9.605/98. Rei furtivae de valor
insignificante. Periculosidade não considerável do agente. Crime de
bagatela. Caracterização. Aplicação do princípio da insignificância.
Atipicidade reconhecida. Absolvição decretada. HC concedido para esse

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 30 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
fim. Voto vencido. Verificada a objetiva insignificância jurídica do ato tido
por delituoso, à luz das suas circunstâncias, deve o réu, em recurso ou
habeas corpus, ser absolvido por atipicidade do comportamento.
(STF - HC: 112563 DF , Relator: Min. RICARDO LEWANDOWSKI, Data de
Julgamento: 21/08/2012, Segunda Turma, Data de Publicação: DJe-241
DIVULG 07-12-2012 PUBLIC 10-12-2012)

Reparação do Dano Ambiental

O dano ambiental constitui atividade lesiva ao meio ambiente,


acarretando a depreciação dos recursos naturais que o compõem.
Segundo Edis Milaré, é a lesão aos recursos ambientais, com
consequente degradação - alteração adversa ou in pejus - do equilíbrio
ecológico e da qualidade de vida .
Os recursos ambientais são, nos termos do inc. V, do art. 3º, da Lei
nº 6.938/1981, a atmosfera, as águas interiores, superficiais e
subterrâneas, os estuários, o mar territorial, o solo, o subsolo, os
elementos da biosfera, a fauna e a flora.
O dano ambiental, como o de qualquer outra espécie, enseja a
responsabilidade do causador, ficando este obrigado a repará-lo.
As previsões legislativas precursoras, que servem de fundamento
para essa responsabilização na esfera ambiental, fundamentam-se na Lei
nº 6.938/1981 (que estabelece a Política Nacional do Meio Ambiente), por
dispor sobre a obrigação de o degradador responder pelos danos
causados.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 31 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
O § 3º do art. 225 da Constituição Federal dispõe que a
responsabilização, tanto da pessoa física como da jurídica, pelas condutas
e atividades consideradas nocivas ao meio ambiente poderá se dar nas
esferas administrativa, penal e civil, de forma independente e cumulativa.
A reparação do dano ambiental pode ocorrer por meio da
restauração natural e pela indenização pecuniária ou compensação
econômica.
A restauração natural consiste em uma obrigação de fazer,
enquanto que o pagamento da indenização constitui uma obrigação de
dar. A obrigação de não fazer existe, mas entende a doutrina que esta se
apresenta de forma contígua, pois sempre que se pretender impor a
cessação de uma atividade danosa é postulada conjuntamente a execução
de uma prestação positiva, até porque de nada adiantaria a reparação do
dano se o mesmo continuasse a ocorrer.
É perfeitamente possível condenar o responsável pelo dano
ecológico a cumprir cumulativamente a obrigação de dar e a de fazer,
porque os pedidos têm fundamento diverso, inexistindo bis in idem.
O art. 225 da Constituição e a Lei 6.938/81 consagram o princípio
da reparação in integrum, consistente nos deveres de restaurar e reparar
danos ambientais, de forma objetiva, sem a exigência de prova de culpa e
independentemente de eventuais sanções penal e administrativa cabíveis.
Finalmente, não se podem esquecer as ações judiciais úteis para a
obtenção em juízo da reparação do dano ambiental, tais como a ação civil
pública, a ação popular e o mandado de segurança coletivo.
A jurisprudência do STJ é unânime no sentido de que a lesão ao
meio ambiente deve ser reparada na sua integralidade.

PROCESSO CIVIL. DIREITO AMBIENTAL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA PARA


TUTELA DO MEIO AMBIENTE. OBRIGAÇÕES DE FAZER, DE NÃO FAZER E
DE PAGAR QUANTIA. POSSIBILIDADE DE CUMULAÇÃO DE PEDIDOS ART.
3º DA LEI 7.347/85. INTERPRETAÇÃO SISTEMÁTICA. ART. 225, § 3º, DA
CF/88, ARTS. 2º E 4º DA LEI 6.938/81, ART. 25, IV, DA LEI 8.625/93 E

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 32 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
ART. 83 DO CDC. PRINCÍPIOS DA PREVENÇÃO, DO POLUIDOR-PAGADOR
E DA REPARAÇÃO INTEGRAL.
1. O sistema jurídico de proteção ao meio ambiente, disciplinado em
normas constitucionais (CF, art. 225, 3º) e infraconstitucionais (Lei
6.938/81, arts. 2º e 4º), está fundado, entre outros, nos princípios da
prevenção, do poluidor-pagador e da reparação integral. Deles decorrem,
para os destinatários (Estado e comunidade), deveres e obrigações de
variada natureza, comportando prestações pessoais, positivas e negativas
(fazer e não fazer), bem como de pagar quantia (indenização dos danos
insuscetíveis de recomposição in natura), prestações essas que não se
excluem, mas, pelo contrário, se cumulam, se for o caso.
2. A ação civil pública é o instrumento processual destinado a propiciar a
tutela ao meio ambiente (CF, art. 129, III). Como todo instrumento,
submete-se ao princípio da adequação, a significar que deve ter aptidão
suficiente para operacionalizar, no plano jurisdicional, a devida e integral
proteção do direito material. Somente assim será instrumento adequado e
útil.
3. É por isso que, na interpretação do art. 3º da Lei 7.347/85 ("A ação
civil poderá ter por objeto a condenação em dinheiro ou o cumprimento
de obrigação de fazer ou não fazer"), a conjunção ou deve ser
considerada com o sentido de adição (permitindo, com a cumulação dos
pedidos, a tutela integral do meio ambiente) e não o de alternativa
excludente (o que tornaria a ação civil pública instrumento inadequado a
seus fins). É conclusão imposta, outrossim, por interpretação sistemática
do art. 21 da mesma lei, combinado com o art. 83 do Código de Defesa
do Consumidor ("Art. 83. Para a defesa dos direitos e interesses
protegidos por este código são admissíveis todas as espécies de ações
capazes de propiciar sua adequada e efetiva tutela.") e, ainda, pelo art.
25 da Lei 8.625/1993, segundo o qual incumbe ao Ministério Público IV -
promover o inquérito civil e a ação civil pública, na forma da lei: a) para a
proteção, prevenção e reparação dos danos causados ao meio ambiente
(...) .

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 33 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
4. Exigir, para cada espécie de prestação, uma ação civil pública
autônoma, além de atentar contra os princípios da instrumentalidade e da
economia processual, ensejaria a possibilidade de sentenças
contraditórias para demandas semelhantes, entre as mesmas partes, com
a mesma causa de pedir e com finalidade comum (medidas de tutela
ambiental), cuja única variante seriam os pedidos mediatos, consistentes
em prestações de natureza diversa. A proibição de cumular pedidos dessa
natureza não existe no procedimento comum, e não teria sentido negar à
ação civil pública, criada especialmente como alternativa para melhor
viabilizar a tutela dos direitos difusos, o que se permite, pela via
ordinária, para a tutela de todo e qualquer outro direito.
5. Recurso especial parcialmente conhecido e, nessa parte, desprovido.
(REsp 605323/MG, Rel. Ministro JOSÉ DELGADO, Rel. p/ Acórdão Ministro
TEORI ALBINO ZAVASCKI, PRIMEIRA TURMA, DJ 17/10/2005 p. 179).

Ausência de bis in idem

Na linha do estatuído no texto constitucional, o art. 4º da Lei


6.938/1981 dispõe que a Política Nacional do Meio Ambiente visará, entre
outras medidas: VII - à imposição, ao poluidor e ao predador, da
obrigação de recuperar e/ou indenizar os danos causados e, ao usuário,
da contribuição pela utilização de recursos ambientais com fins
econômicos.
Por sua vez, o art. 14, § 1º, da referida lei estabelece a
responsabilidade objetiva do poluidor da seguinte forma: Sem obstar a
aplicação das penalidades previstas neste artigo, é o poluidor obrigado,
independentemente da existência de culpa, a indenizar ou reparar os
danos causados ao meio ambiente e a terceiros , afetados por sua
atividade. O Ministério Público da União e dos Estados terá legitimidade
para propor ação de responsabilidade civil e criminal, por danos causados
ao meio ambiente.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 34 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Convém frisar que os deveres de indenização e recuperação
ambientais não são pena , mas providências ressarcitórias de natureza
civil que buscam, simultânea e complementarmente, a restauração do
status quo ante da biota afetada e a reversão à coletividade dos
benefícios econômicos auferidos com a utilização ilegal e individual de
bem que, nos termos do art. 225 da Constituição, é de uso comum do
povo .
A reparação ambiental deve ser feita da forma mais completa
possível, de modo que a condenação a recuperar a área lesionada não
exclui o dever de indenizar, sobretudo pelo dano que permanece entre a
sua ocorrência e o pleno restabelecimento do meio ambiente afetado (=
dano interino ou intermediário), bem como pelo dano moral coletivo e
pelo dano residual (= degradação ambiental que subsiste, não obstante
todos os esforços de restauração).
Com efeito, vimos acima, vigora em nosso sistema jurídico o
princípio da reparação integral do dano ambiental juntamente com o
princípio do poluidor-pagador, a estatuir a responsabilização por todos os
efeitos decorrentes da conduta lesiva, incluindo o prejuízo suportado pela
sociedade, até que haja completa e absoluta recuperação in natura do
bem lesado.
Se a recuperação é imediata e plena, não há, como regra, falar em
indenização. Contudo, hipóteses existem em que a recuperação é lenta e
leva muitos anos, quando não é parcialmente irreversível. Em tais
situações, poderá haver um remanescente de prejuízo coletivo (e até
individual), naquele primeiro caso até o completo retorno ao status quo
ante ecológico.
O princípio da reparação integral deve conduzir o meio ambiente e a
sociedade a uma situação na medida do possível equivalente à de que
seriam beneficiários se o dano não tivesse sido causado.
Nesse sentido, a reparação integral do dano ao meio ambiente deve
compreender não apenas o prejuízo causado ao bem ou recurso
ambiental atingido, como também, toda a extensão dos danos produzidos

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 35 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
em consequência do fato danoso, o que inclui os efeitos ecológicos e
ambientais da agressão inicial a um bem ambiental corpóreo que
estiverem no mesmo encadeamento causal, como, por exemplo, a
destruição de espécimes, habitats, e ecossistemas inter-relacionados com
o meio afetado; os denominados danos interinos, vale dizer, as perdas de
qualidade ambiental havidas no interregno entre a ocorrência do prejuízo
e a efetiva recomposição do meio degradado; os danos futuros que se
apresentarem como certos, os danos irreversíveis à qualidade ambiental e
os danos morais coletivos resultantes da agressão a determinado bem
ambiental.
Importante mais uma vez salientar que não há bis in idem, pois a
indenização não é para o dano especificamente já reparado, mas para os
seus efeitos, especialmente a privação temporária da fruição do
patrimônio comum a todos os indivíduos, até sua efetiva recomposição.
A partir da compreensão de que o dano ambiental tem uma
dimensão material a que se encontram associados danos
extrapatrimoniais, que abarcam os danos morais coletivos, a perda
pública decorrente da não fruição do bem ambiental, e a lesão ao valor de
existência da natureza degradada, importa definir diferentes formas de
reparação para cada classe de danos.

Formas de Reparação do Dano Ambiental

RESTAURAÇÃO NATURAL:
Recuperação in natura ou restauração ecológica;
Compensação Ecológica ou ambiental.

COMPENSAÇÃO ECONÔMICA ou INDENIZAÇÃO PECUNIÁRIA

Restauração Natural

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 36 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
A prioridade do sistema de reparação é a restauração natural, isto
é, busca-se o retorno ao status quo ante do meio ambiente.
A intenção do legislador é colocar em primeiro plano a recomposição
do dano ambiental; apenas quando esta for inviável haverá a indenização,
conforme o previsto no inciso VII do art. 4º da Lei nº. 6.938/1981, que
dispõe a obrigação do degradador de recuperar e/ou indenizar os danos
causados . Essa também deve ser a interpretação quanto ao disposto no
§1º12 do art. 14 da lei referida.

A Política Nacional do Meio Ambiente visará: à imposição, ao poluidor e


ao predador, da obrigação de recuperar e/ou indenizar os danos causados
e, ao usuário, da contribuição pela utilização de recursos ambientais com
fins econômicos. Art. 4º, VII da Lei 6.938/81.

Sem obstar a aplicação das penalidades previstas neste artigo, é o


poluidor obrigado, independentemente da existência de culpa, a indenizar
ou reparar os danos causados ao meio ambiente e a terceiros, afetados
por sua atividade. O Ministério Público da União e dos Estados terá
legitimidade para propor ação de responsabilidade civil e criminal, por
danos causados ao meio ambiente. Art. 14, § 1º da Lei 6.938/81.
Faz-se necessário estabelecer a distinção entre as duas formas
de restauração possíveis: a recuperação in natura ou restauração
ecológica, e a compensação ecológica ou ambiental.

Restauração:
Recuperação in natura ou restauração ecológica;
Compensação Ecológica ou ambiental.

Recuperação In Natura ou Restauração Ecológica

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 37 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Trata-se da atividade voltada justamente para reabilitação dos bens
naturais da área que foi originariamente degradada. É a recuperação in
situ (no local), forma ideal e completa de reparação.
A recuperação in natura, feita mediante a imposição de obrigações
de fazer, buscará a recuperação da capacidade funcional do ambiente
degradado, por meio da reconstituição de ecossistemas e habitats
comprometidos e que estavam em desequilíbrio ecológico devido à lesão.
Em grande parte dos casos será possível a aplicação da reparação
in natura e da compensação ecológica, devendo a primeira ser a opção
principal. Apenas quando for impossível tal recuperação é que se deve
optar por medidas compensatórias.
Uma vez imposto o dever da recuperação in natura do dano
ambiental, esta deve ser realizada de acordo com as normas técnicas
exigidas pelo órgão público competente (§ 2º do art. 225 da Constituição
Federal). Necessária se faz a apresentação de um plano de recuperação
da área degradada, a fim de viabilizar a medida e torná-la mais eficiente.

Compensação Ecológica ou Ambiental

A reparação do dano ambiental deverá ser realizada pela


compensação ecológica quando a recuperação in natura for impossível
(danos irreversíveis, não retorno ao status quo ante) ou desproporcional
(desigualdade entre custo e benefício).
A compensação ecológica tem por objetivo a reconstituição da
integridade e funcionalidade do meio ambiente, mas como um efeito
ecológico equivalente, através de recuperação de área distinta daquela
degradada.
Compensa-se o patrimônio ambiental com outro equivalente. Sendo
irreversível o dano ecológico na área lesada, o propósito é trocar a
recuperação in situ pela compensação ecológica de área similar,
contribuindo para a permanência da qualidade ambiental do todo, de

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 38 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
modo que o patrimônio natural permaneça quantitativa e
qualitativamente inalterado.
Seus fundamentos decorrem do caráter global e unitário (sistêmico)
do meio ambiente, pressupondo que o dano a uma parte incide sobre o
todo e, portanto, a recuperação de uma parcela importa na melhoria da
totalidade.
Da mesma forma que a recuperação in natura, a compensação
ecológica para ser posta em prática deve ser precedida de um projeto
técnico (caráter interdisciplinar), expedido pelo órgão público competente,
de acordo com as exigências legais (§ 2º, do art. 225 da Constituição
Federal).
Não sendo possível o restabelecimento das condições ecológicas
anteriores ao evento danoso através da recuperação in situ, e se não for
possível a aplicação da compensação ecológica, o ressarcimento deverá
ser feito através de indenização pecuniária.

Compensação Econômica ou Indenização pecuniária

Em caráter residual, a indenização pecuniária será a última hipótese


para reparação do dano ambiental.
Atribuir um valor econômico aos bens ambientais tem sido uma
dificuldade dos aplicadores do direito. Porém sua conversão monetária
para fins de indenização pecuniária não deve deixar de ser feita, para que
não subsista a impunidade.

Pessoal, essa parte teórica precisa estar muito bem assimilada.


Leiam, releiam, façam anotações. Vocês precisam memorizar o art. 3º da

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 39 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Lei 9.605/98 e o art. 225, §3º da CF/88. Além disso, é preciso diferenciar
penas aplicadas às Pessoas Físicas e às Pessoas Jurídicas, saibam quais
são as atenuantes e agravantes, além das excludentes de ilicitude. Leiam
várias vezes os capítulos I, II, III e IV da Lei 9.605/98.
Fiquem de olho nos aspectos doutrinários e também
jurisprudenciais. Há bastante jurisprudência sobre crimes ambientais.
Inclusive no segundo semestre de 2012, o STF aplicou o princípio da
insignificância ou bagatela em um caso de pesca. É bom ficar antenado,
pois as Bancas Examinadoras adoram jurisprudência.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 40 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05

Questões comentadas

1 - (Cespe/UnB - Juiz - TJ-PB - 2011)


As sanções penais aplicáveis às pessoas físicas pela prática de
crimes ambientais são as penas restritivas de direitos e multa,
mas não, as privativas de liberdade.

Errado.
As penas aplicadas as pessoas físicas são:
privativa de liberdade;
restritiva de direitos; e
multa.

2 - (Cespe/UnB - Juiz - TJ-PB - 2011)


Por se tratar de ente fictício, a pessoa jurídica não pode ser
sujeito ativo dos crimes ambientais.

Errado.
Pode sim! Questão mais batida sobre crimes ambientais.
Sobre a responsabilidade da pessoa jurídica há três correntes
doutrinárias. Entretanto, a teoria mais aceita e adotada pelas bancas de
concursos é a de que a pessoa jurídica pode cometer crime, inclusive esse
tem sido o entendimento do STJ.
De forma direta, para a prova objetiva de concurso, as pessoas
jurídicas têm capacidade de culpabilidade e de sanção penal. Obviamente,
não há para a pessoa jurídica pena privativa de liberdade, para essas
pessoas a Lei 9.605/98 prevê outras sanções (Artigos 21, 22, 23, e 24 da
Lei 9.605/98).

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 41 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Afirmem tranquilamente na prova que as pessoas jurídicas podem
responder por crimes ambientais, com fundamento no art. 3º da Lei
9.605/98 e no art. 225,§3º da CF/88.
As pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa,
civil e penalmente conforme o disposto nesta Lei, nos casos em que a
infração seja cometida por decisão de seu representante legal ou
contratual, ou de seu órgão colegiado, no interesse ou benefício da sua
entidade.(Art. 3º da Lei 9.605/98).
Além disso, a CF/88 prevê a possibilidade de responsabilização
da pessoa física e jurídica nas esferas administrativa, civil e penal,
conforme art. 225,§3º da CF/88. É uma tríplice responsabilização.

3 - (Cespe/UnB - Juiz - TJ-PB - 2011)


Incidem nas penas previstas em lei, na medida de sua
culpabilidade, as pessoas que, tendo conhecimento da conduta
criminosa de alguém contra o ambiente e podendo agir para evitá-
la, deixem de impedir sua prática.

Certo.
Art. 2º da Lei 9.605/98. Omissão penalmente relevante.
"Quem, de qualquer forma, concorre para a prática dos crimes previstos
nesta Lei, incide nas penas a estes cominadas, na medida da sua
culpabilidade, bem como o diretor, o administrador, o membro de
conselho e de órgão técnico, o auditor, o gerente, o preposto ou
mandatário de pessoa jurídica, que, sabendo da conduta criminosa de
outrem, deixar de impedir a sua prática, quando podia agir para evitá-la."

4 - (Funiversa - Auditor Fiscal de Atividades Urbanas - Controle


Ambiental - SEPLAG-DF - 2011)
Uma madeireira, por decisão unânime de sua diretoria, resolve
cortar árvores de área de preservação permanente e vender toda

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 42 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
a madeira cortada, com obtenção de vantagem patrimonial
incorporada ao patrimônio da empresa.
Acerca dessa situação hipotética e com base na proteção penal do
meio ambiente prevista na Lei n.º 9.605/1998, assinale a
alternativa correta em relação à responsabilização criminal.
(A) A madeireira não pode ser responsabilizada criminalmente.
(B) Os diretores da madeireira não podem ser responsabilizados
criminalmente.
(C) Só a madeireira pode ser responsabilizada criminalmente.
(D) Tanto a madeireira quanto seus diretores estão amparados
por lei, pois não há crime ambiental na situação em exame.
(E) A madeireira e os seus dirigentes poderão ser
responsabilizados criminalmente.

Gabarito: E.
Uma vez que a infração foi cometida por decisão da diretoria e,
além disso, a empresa obteve benefício com o crime, certamente a
madeireira e os seus dirigentes poderão ser responsabilizados, de acordo
com os artigos 2º e 3º da Lei de Crimes Ambientais.
A empresa e a diretoria responderiam por crime contra a flora,
conforme disposto no art. 38 da Lei 9.605/98.
"Art. 38. Destruir ou danificar floresta considerada de preservação
permanente, mesmo que em formação, ou utilizá-la com infringência das
normas de proteção:
Pena - detenção, de um a três anos, ou multa, ou ambas as penas
cumulativamente.
Parágrafo único. Se o crime for culposo, a pena será reduzida à
metade."

5 - (CESPE - Advogado - AGU - 2009)

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 43 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
As pessoas físicas e as jurídicas estão sujeitas às mesmas sanções
penais decorrentes da prática de crime ambiental, quais sejam:
penas privativas de liberdade, restritivas de direito e multas.

Errado.
As penas das pessoas físicas e das pessoas jurídicas não são iguais,
por isso o item está errado.
As penas aplicadas às pessoas físicas são:
privativa de liberdade;
restritiva de direitos; e
multa.

Já as penas aplicadas às pessoas jurídicas são:


prestação de serviços à comunidade;
restritiva de direitos; e
multa.
Para pessoa jurídica NÃO cabe pena privativa de liberdade!

6 - (CESPE - Advogado - IBRAM-DF - 2009)


A pessoa jurídica poderá ser responsabilizada penalmente pela
prática de crime ambiental, estando sujeita a pena de prestação
de serviços à comunidade.

Certo.
Art. 21. As penas aplicáveis isolada, cumulativa ou alternativamente
às pessoas jurídicas, de acordo com o disposto no art. 3º, são:
I - multa;
II - restritivas de direitos;
III - prestação de serviços à comunidade.

7 - (CESPE - Delegado de Polícia - PC-TO - 2008)

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 44 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Considere que um fazendeiro, nos limites de sua propriedade
rural, abata espécime da fauna silvestre brasileira sem
autorização do órgão competente, visando proteger seu rebanho
da ação predatória do animal. Nessa situação, o fato é atípico,
pois a legislação ambiental expressamente prevê essa excludente.
Errado.
É fato típico e depende de autorização da autoridade
competente.
Art. 37. Não é crime o abate de animal, quando realizado:
I - em estado de necessidade, para saciar a fome do agente ou de
sua família;
II - para proteger lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória
ou destruidora de animais, desde que legal e expressamente
autorizado pela autoridade competente;
III (VETADO)
IV - por ser nocivo o animal, desde que assim caracterizado pelo
órgão competente.

8 - (CESPE - OAB - Primeira Fase - Jun/2010)


Não constitui crime o abate de animal quando realizado, entre
outras hipóteses, em estado de necessidade, para saciar a fome
do agente ou de sua família.

Certo. Art. 37 da Lei de crimes ambientais.


Não é crime o abate de animal, quando realizado:
I - em estado de necessidade, para saciar a fome do agente
ou de sua família;
II - para proteger lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória
ou destruidora de animais, desde que legal e expressamente
autorizado pela autoridade competente;
III (VETADO)

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 45 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
IV - por ser nocivo o animal, desde que assim caracterizado pelo
órgão competente.

9 - (Cespe/UnB - Juiz - TJ-PB - 2011)


O ato de soltar balões somente se caracteriza como crime contra o
meio ambiente se, em consequência da conduta, houver incêndio
em floresta ou em outras formas de vegetação, em áreas urbanas
ou em qualquer tipo de assentamento humano.

Errado.
Fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam
provocar incêndios nas florestas e demais formas de vegetação, em
áreas urbanas ou qualquer tipo de assentamento humano. (Art. 42 da Lei
9.605/98).
Notem que o tipo penal não exige obrigatoriamente dano, mas sim
perigo concreto de incêndio. A ocorrência de efetivo incêndio é
indiferente, basta que o balão tenha potencialidade de provocar incêndio
para que o delito esteja configurado. É um crime ambiental de perigo, o
qual não exige o efetivo dano, basta a mera ameaça de dano para tipificar
o crime.

Apenas para ilustrar melhor, vejam que, segundo o artigo 52 da Lei


9.605/98, é crime penetrar em Unidades de Conservação conduzindo
substâncias ou instrumentos próprios para caça ou para exploração de
produtos ou subprodutos florestais, sem licença da autoridade
competente.

Observem que apenas penetrar em UC com as substâncias ou


instrumentos sem a licença já é crime. Aqui a Lei busca evitar o dano,
seria uma aplicação do princípio da prevenção.

10 - (Cespe/UnB - Juiz - TJ-PB - 2011)

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 46 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
A responsabilidade penal por crimes ambientais está
integralmente amparada no princípio da culpabilidade; desse
modo, os tipos penais previstos na lei que dispõe sobre os crimes
ambientais (Lei n.º 9.605/1998) só se consumam se os delitos
forem praticados dolosamente.

Errado.
Vários artigos da Lei de crimes ambientais contemplam a
modalidade culposa. Entre eles: art. 38; 40; 41; 49; 54; 56; 62; 67;
68; e 69-A.
Vejam um exemplo:
"Art. 41. Provocar incêndio em mata ou floresta:
Pena - reclusão, de dois a quatro anos, e multa.
Parágrafo único. Se o crime é culposo, a pena é de detenção de
seis meses a um ano, e multa."

11 - (Cesgranrio - Profissional Junior - Engenharia Ambiental -


Petrobras Distribuidora - 1/2011)

Nas Disposições Gerais da Lei no 9.605/1998, faz-se saber que:


(A) a responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui a das
pessoas físicas, autoras, coautoras ou participantes do mesmo
fato.
(B) a responsabilidade das pessoas jurídicas exclui a das pessoas
físicas, autoras, coautoras ou participantes do mesmo fato.
(C) nos casos em que a infração seja cometida por decisão de seu
representante contratual, as pessoas jurídicas serão
responsabilizadas administrativamente apenas.
(D) nos casos em que a infração seja cometida por decisão de seu
órgão colegiado, as pessoas jurídicas serão responsabilizadas
civilmente apenas.
(E) nos casos em que a infração seja cometida por decisão de seu
representante legal, as pessoas jurídicas serão responsabilizadas
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 47 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
civil e penalmente apenas.

Gabarito: A
A - CERTO. Art. 3º, § único da Lei 9.605/98
B - ERRADO. Exatamente o contrário do que afirma a letra A.
C - ERRADO. De acordo com Art. 3º da Lei 9.605/98, As pessoas
jurídicas serão responsabilizadas administrativa, civil e
penalmente, nos casos em que a infração seja cometida por decisão de
seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado,
no interesse ou benefício da sua entidade.
D - ERRADO. É uma tríplice responsabilização: administrativa, civil
e penal.
E - ERRADO. Novamente! Responsabilidade ADMINISTRATIVA,
CIVIL e PENAL.

12 - (Cesgranrio - Advogado - INEA - 2008)

A Lei no 9.605/98 dispõe sobre as sanções penais e


administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio
ambiente, inclusive aquelas cometidas por pessoas jurídicas. Sobre
a matéria, pode-se afirmar que:
I - o administrador de pessoa jurídica que, ciente da conduta
criminosa adotada pela empresa, deixar de impedir a sua prática,
quando podia agir para evitá-la, incorre nas penalidades cominadas
à referida conduta;
II - poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua
personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos
causados ao meio ambiente;
III - a pessoa jurídica constituída com o fim de ocultar a prática
de crime ambiental pode ter sua liquidação forçada decretada;
IV - a responsabilidade das pessoas jurídicas exclui a das pessoas
físicas, autoras da conduta lesiva ao meio ambiente.
Estão corretas as afirmações
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 48 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
(A) I e II, apenas.
(B) I, II e III, apenas.
(C) I, II e IV, apenas.
(D) II, III e IV, apenas.
(E) I, II, III e IV.

Gabarito: B
I - CERTO. O diretor, o administrador, o membro de conselho e de órgão
técnico, o auditor, o gerente, o preposto ou mandatário de pessoa jurídica
que sabem da existência de um crime e não agem para evitá-lo, quando
podiam, respondem por OMISSÃO PENALMENTE RELEVANTE. Art. 2º
da Lei 9.605/98.
II - CERTO. Literalidade do art. 4º da Lei 9.605/98.
III - CERTO. Conforme o art. 24 da Lei 9.605/98, a pessoa jurídica
constituída ou utilizada, preponderantemente, com o fim de
permitir, facilitar ou ocultar a prática de crime definido na Lei de
crimes ambientais terá decretada sua liquidação forçada, seu
patrimônio será considerado instrumento do crime e como tal
perdido em favor do Fundo Penitenciário Nacional.
IV - ERRADO. A responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui a das
pessoas físicas, autoras, co-autoras ou partícipes do mesmo fato, art. 3º,
§ único da Lei 9.605/98.

13 - (Cesgranrio - Advogado Júnior - Petrobras - março/2011)


Acerca da responsabilidade decorrente de crimes cometidos
contra o meio ambiente, considere os procedimentos abaixo.
I - Independente da pena aplicada e do crime cometido, as penas
privativas de liberdade poderão ser substituídas por penas
restritivas de direitos, caso fique demonstrado que a substituição
será suficiente para efeitos de reprovação e prevenção do crime.
II - Para imposição e gradação da penalidade, a autoridade
competente observará a gravidade do fato, tendo em vista os

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 49 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
motivos da infração e suas consequências para a saúde pública
e o meio ambiente.
III - Estão compreendidas, entre as penas restritivas de direito,
a prestação de serviços à comunidade e a interdição temporária
de direitos do infrator.
IV - Para imposição e gradação da penalidade, no caso de multa,
a autoridade competente observará a situação econômica do
infrator.

São procedimentos previstos nos termos da Lei no 9.605/98:


(A) I e III, apenas.
(B) I e IV, apenas.
(C) I, II e III, apenas.
(D) II, III e IV, apenas.
(E) I, II, III e IV.

Gabarito: D
I - ERRADO. Art. 7º, I e II da Lei 9.605/98.
Há dois requisitos para substituição das penas privativas de
liberdade por penas restritivas de direito:
1 - Tratar-se de crime CULPOSO ou for aplicada pena privativa de
liberdade inferior a 4 anos.
2 - a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade
do condenado, bem como os motivos e as circunstâncias do crime
indicarem que a substituição seja suficiente para efeitos de
reprovação e prevenção do crime.
O item está errado ao afirmar que essa substituição independe da
pena aplicada e do crime praticado. A questão desconsiderou o requisito
1.
II - CERTO. Art. 6º, I, II, III da Lei 9.605/98.

Para imposição e gradação da penalidade, a autoridade


competente observará (Art. 6º):

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 50 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
a gravidade do fato, tendo em vista os motivos da infração e
suas consequências para a saúde pública e para o meio ambiente;

os antecedentes do infrator quanto ao cumprimento da legislação


de interesse ambiental;

a situação econômica do infrator, no caso de multa.

III - CERTO.

Penas Restritivas de Direito aplicadas às Pessoas Físicas (Art.


8º)

prestação de serviços à comunidade;


interdição temporária de direitos;
suspensão parcial ou total de atividades;
prestação pecuniária (+ que 1 salário e no máximo 360
salários);
recolhimento domiciliar.

IV - CERTO. Conforme art. 6º, III da Lei 9.605/98. Veja tabela do item
II dessa questão.

14 - (Cesgranrio - Advogado Pleno - Petrobras - Transpetro - 2006)

Nos termos da Lei no 9.605/98, a autoridade competente para a


aplicação de penalidade por infração à legislação ambiental deverá
observar, para fins de imposição e gradação da penalidade, os
seguintes aspectos:
I - a situação econômica do infrator, no caso de multa;
II - a nacionalidade do infrator (nacional ou estrangeiro), na
hipótese de infração cometida por pessoa jurídica;
III - os antecedentes do infrator quanto ao cumprimento da
legislação de interesse ambiental;
IV - a gravidade do fato, tendo em vista os motivos da infração e
suas consequências para a saúde pública e para o meio ambiente.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 51 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Estão corretos os aspectos:
(A) I, II e III, apenas.
(B) I, II e IV, apenas.
(C) I, III e IV, apenas.
(D) II, III e IV, apenas.
(E) I, II, III e IV.

Gabarito: C
O item II está errado, pois a nacionalidade do infrator não é levada
em conta para aplicação da penalidade.

Para imposição e gradação da penalidade, a autoridade


competente observará (Art. 6º):

a gravidade do fato, tendo em vista os motivos da infração e


suas consequências para a saúde pública e para o meio ambiente;

os antecedentes do infrator quanto ao cumprimento da legislação


de interesse ambiental;

a situação econômica do infrator, no caso de multa.

15 - (Cesgranrio - Especialista em Regulação de Petróleo e


Derivados, Álcool Combustível e Gás Natural - Especialidade: Meio
Ambiente - ANP - 2008)
Sobre as circunstâncias que atenuam ou agravam as penas
derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente,

conforme disposto pela Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998


(Lei de Crimes Ambientais), uma pena pode ser
(A) atenuada, caso a poluição não atinja áreas de unidades de
conservação.
(B) atenuada, caso o acidente ocorra em domingo ou feriado.
(C) atenuada, caso a infração cometida pelo agente tenha sido
facilitada por funcionário público no exercício de suas funções.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 52 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
(D) agravada, caso a infração ocorra em épocas de seca ou
inundações.
(E) agravada, caso o agente infrator possua baixo grau de
instrução ou escolaridade.

Gabarito: D
A - ERRADO. Não atingir UC não é circunstância atenuante, entretanto
atingir áreas de UC ou área sujeitas, por ato do Poder Público, a regime
especial de uso é circunstância agravante. Art. 15, II, "e" da Lei
9.605/98.
B - ERRADO. Caso o acidente ocorra em domingos ou feriados será
circunstância agravante. Art. 15, II, "h" da Lei 9.605/98.
C - ERRADO. Nessa situação será agravada. Art. 15, II, "r" da Lei
9.605/98.
D - CERTO. Art. 15, II, "j" da Lei 9.605/98
E - ERRADO. Baixo grau de instrução ou escolaridade do agente é
circunstância atenuante. Art. 14, I, da Lei 9.605/98.

16 - (Cesgranrio - Analista Ambiental Júnior Biologia - Petrobras -


1/2011)
Entre os avanços trazidos pela Lei de Crimes Ambientais (Lei no
9.605, de 12 de fevereiro de 1998) está o fato de que se passou a
tipificar como crime os danos causados ao meio ambiente, com
penas previstas de prisão, ao passo que, anteriormente, esses
mesmos danos eram classificados como contravenções, passíveis
de sanção administrativa.
Disponível em:
<http://www.olaonline.com.br/joomla/index.php?option=com_c
ontent&task=view&id=3>. Acesso em: 27 jul. 2011. Adaptado.
De acordo com a Lei de Crimes Ambientais, uma circunstância que
agrava a pena, quando não constitui ou qualifica o crime, é a(o)
(A) comunicação prévia pelo agente do perigo iminente de

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 53 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
degradação ambiental
(B) reincidência nos crimes de natureza ambiental
(C) colaboração com os agentes encarregados da vigilância e do
controle ambiental
(D) baixo grau de instrução ou escolaridade do agente
(E) arrependimento do infrator

Gabarito: B
Questão exigia apenas bom senso. Não havia nem a necessidade de
conhecer a lei. A única opção que contém uma circunstância agravante é
a letra B, conforme art. 15, I da Lei 9.605/98. As demais opções
apresentam circunstâncias atenuantes.
Afinal, desde quando reincidência nos crimes de natureza ambiental
pode ser atenuante? Mesmo sem conhecer o dispositivo é possível
concluir que se trata de circunstância que agrava a pena.

17 - (Cesgranrio - Engenheiro de Meio Ambiente Jr.- Termoaçu -


2008)

A Lei de Crimes Ambientais (Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de


1998) é um instrumento importante para aplicação de penas
decorrentes de condutas e atividades consideradas lesivas ao meio
ambiente. De acordo com o disposto nesta Lei,
(A) as pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa,
civil e penalmente, nos casos em que a infração seja cometida por
decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão
colegiado, no interesse ou benefício da sua entidade, fato que não
exclui a responsabilidade das pessoas físicas, autoras, coautoras
ou partícipes do mesmo fato.
(B) qualquer pessoa, desde que maior de 21 (vinte e um) anos,
constatando infração ambiental, poderá dirigir representação às
autoridades competentes para lavrar auto de infração ambiental e
instaurar processo administrativo.
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 54 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
(C) são consideradas espécimes da fauna silvestre todos aqueles
pertencentes às espécies nativas, migratórias, aquáticas ou
terrestres, desde que tenham todo o seu ciclo de vida ocorrendo
dentro dos limites do território brasileiro, ou águas jurisdicionais
brasileiras.
(D) degradar floresta, plantada ou nativa, em terras de domínio
público ou devolutas, sem autorização do órgão competente, é
considerado crime mesmo que a conduta praticada seja para a
subsistência imediata pessoal do agente ou de sua família.
(E) causar dano direto ou indireto às Unidades de Conservação, tais
como Reservas Biológicas, Áreas de Proteção Ambiental e Áreas de
Relevante Interesse Ecológico, independentemente de sua
localização, é um exemplo de crime contra a fauna.

Gabarito: A
A - CERTO. Art. 3º caput, § único da Lei 9.605/98.
B - ERRADO. Art. 70, § 1º e 2º da Lei 9.605/98.
Qualquer pessoa, constatando infração ambiental, poderá
dirigir representação às autoridades competentes para efeito do
exercício do seu poder de polícia.
O poder de polícia é a atividade da Administração que impõe
limites ao exercício de direitos e liberdades. Em termos bem simples,
pode ser entendido como toda limitação individual à liberdade e à
propriedade em prol do interesse público. O âmbito de incidência é bem
amplo, indo desde aspectos clássicos da segurança de pessoas e bens, e
saúde, até a preservação da qualidade do meio ambiente.
O poder de polícia ambiental é o principal instrumento de
controle para garantir o direito fundamental ao meio ambiente
ecologicamente equilibrado previsto na CF/88. É o dever-poder exercido
pela administração pública operando restrições com o objetivo de zelar
pelo bem estar da sociedade.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 55 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
São autoridades competentes para lavrar auto de infração
ambiental e instaurar processo administrativo os funcionários de
órgãos ambientais integrantes do Sistema Nacional de Meio Ambiente -
SISNAMA, designados para as atividades de fiscalização, bem como os
agentes das Capitanias dos Portos, do Ministério da Marinha.
C - ERRADO. Art. 29,§ 3º da Lei 9.605/98.
"São espécimes da fauna silvestre todos aqueles pertencentes às
espécies nativas, migratórias e quaisquer outras, aquáticas ou
terrestres, que tenham todo ou parte de seu ciclo de vida ocorrendo
dentro dos limites do território brasileiro, ou águas jurisdicionais
brasileiras."
D - ERRADO. Art. 50-A, § 1º da Lei 9.605/98.
Não é crime a conduta praticada quando necessária à subsistência
imediata pessoal do agente ou de sua família.
E - ERRADO. Art. 40 da Lei 9.605/98. É crime contra a FLORA.

18 - (Cesgranrio - Engenheiro de Meio Ambiente - Petrobras -


março/2010)

Uma consulta à Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998,


conhecida como Lei de Crimes Ambientais, a qual dispõe sobre as
sanções penais e administrativas derivadas de condutas e
atividades lesivas ao meio ambiente, conduz à conclusão de que
a(s)
(A) responsabilidade das pessoas jurídicas em atos prejudiciais ao
meio ambiente exclui as pessoas físicas, autoras, coautoras ou
partícipes do mesmo fato.
(B) pena pode ser atenuada por circunstâncias como o fato de a
infração ter sido cometida em épocas de seca ou de inundações.
(C) infração de matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar
espécimes da fauna silvestre que estejam em processo de
extinção incorre em pena de detenção de um a cinco anos e de
multa, acompanhada de serviços comunitários, no caso do
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 56 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
espécime não estar em extinção.
(D) prestação de serviços à comunidade é uma pena prevista para
pessoas físicas, não podendo ser aplicada às pessoas jurídicas,
salvo em caso de execução de obras de recuperação de áreas
degradadas.
(E) penas restritivas de direitos são autônomas e substituem as
privativas de liberdade em casos como o de crime culposo ou
quando for aplicada a pena privativa de liberdade inferior a quatro
anos.

Gabarito: E
A - ERRADO. Parágrafo único do art. 3º da Lei 9.605/98. A
responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui a das pessoas físicas,
autoras, co-autoras ou partícipes do mesmo fato.
B - ERRADO. Essa é uma circunstância agravante. Art. 15, II, "j".
C - ERRADO.
"Art. 29. Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna
silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença
ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a
obtida:
Pena - detenção de seis meses a um ano, e multa.
§ 4º A pena é aumentada de metade, se o crime é praticado:
I - contra espécie rara ou considerada ameaçada de extinção,
ainda que somente no local da infração."
D - ERRADO. A prestação de serviços à comunidade poderá ser aplicada
à pessoa jurídica, e de acordo com o art. 23. consistirá em:
I - custeio de programas e de projetos ambientais;
II - execução de obras de recuperação de áreas degradadas;
III - manutenção de espaços públicos;
IV - contribuições a entidades ambientais ou culturais públicas.
E - CERTO. Art. 7º, I da Lei 9.605/98.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 57 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
19 - (Cesgranrio - Profissional do Meio Ambiente - Transpetro -
3/2011)
Caberão ao poder público e à coletividade, segundo dispõe o
art. 225 da Constituição Federal de 1988, a defesa e a
preservação ambiental para as presentes e futuras gerações.
Com o objetivo de regulamentar o referido art. 225, entrou em

vigor, nos seus aspectos penais, a Lei no 9.605/1998, conhecida


como a Lei de Crimes Ambientais, segundo a qual
(A) o baixo grau de instrução ou escolaridade do agente e o
arrependimento do infrator, manifestado pela espontânea
reparação do dano, são circunstâncias que atenuam a pena.
(B) o indivíduo que matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar
espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem
a devida permissão, licença ou autorização da autoridade
competente, sujeita-se à pena de reclusão de um a cinco anos.
(C) a responsabilidade das pessoas jurídicas, nos casos de infração,
exclui a das pessoas físicas, autoras, coautoras ou partícipes do
mesmo fato, no interesse ou benefício da sua entidade.
(D) a autoridade competente não observará a situação econômica
no caso de multa, para imposição e gradação da penalidade.
(E) as penas restritivas de direitos são autônomas e não
substituem as privativas de liberdade quando se tratar de crime
culposo.

Gabarito: A
A - CERTO. Art. 14, I e II da Lei 9.605/98.
B - ERRADO. A pena correta para esse crime é detenção de seis meses a
um ano, e multa (Art. 29.)
C - ERRADO. Não exclui!!! Art. 3º, § único.
"A responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui a das pessoas
físicas, autoras, co-autoras ou partícipes do mesmo fato."
D - ERRADO. Observará sim! Art. 6º, III.
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 58 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
APLICAÇÃO DA PENA (Art. 6º)

Para imposição e gradação da penalidade, a autoridade competente


observará:

a gravidade do fato, tendo em vista os motivos da infração e


suas consequências para a saúde pública e para o meio ambiente;

os antecedentes do infrator quanto ao cumprimento da legislação


de interesse ambiental;

a situação econômica do infrator, no caso de multa.

E - ERRADO. As penas restritivas podem substituir as privativas de


liberdade.

As penas restritivas de direitos são autônomas e substituem as


privativas de liberdade quando (Art. 7º):

I - tratar-se de crime culposo ou for aplicada a pena privativa de


liberdade inferior a 4 anos;

II - a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a


personalidade do condenado, bem como os motivos e as
circunstâncias do crime indicarem que a substituição seja
suficiente para efeitos de reprovação e prevenção do crime.

20 - (Cesgranrio - Técnico Ambiental Jr - Petrobras - junho/2008)


A Lei Federal 9.605/98 dispõe sobre as sanções penais e
administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio
ambiente e estabelece uma lista de crimes contra a fauna e a flora.
Um exemplo de crime contra a flora, de acordo com o que
determina essa lei, é
(A) fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam
provocar incêndios em florestas.
(B) promover construção em solo não edificável, ou no seu
entorno.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 59 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
(C) pescar mediante a utilização de explosivos.
(D) produzir, comercializar ou armazenar produto ou substância
tóxica em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou
regulamentos.
(E) executar pesquisa, lavra ou extração de recursos minerais
sem a competente autorização, permissão, concessão ou licença.

Gabarito: A
A - CERTO. Art. 42. É crime contra flora.
B - ERRADO. Esse item está incompleto, de qualquer forma não é crime
contra flora.
"Art. 64. Promover construção em solo não edificável, ou no seu entorno,
assim considerado em razão de seu valor paisagístico, ecológico, artístico,
turístico, histórico, cultural, religioso, arqueológico, etnográfico ou
monumental, sem autorização da autoridade competente ou em
desacordo com a concedida"
Trata-se de crime contra o Ordenamento Urbano e o Patrimônio Cultural.
C - ERRADO. Art. 35. Crime contra a fauna e com uma pena alta,
reclusão de um ano a cinco anos.
D - ERRADO. Art. 56. Crime descrito na Seção III - Da Poluição e outros
Crimes Ambientais.
E - ERRADO. Art. 55. Também tipo penal da Seção III - Da Poluição e
outros Crimes Ambientais. E aqui um detalhe além do exigido pela
questão, como os recursos minerais são bens da união, o crime disposto
no art.55 será julgado e processado pela Justiça Federal.

21 - (Cesgranrio - Analista de Pesquisa Energética Júnior


Área: Meio Ambiente / Emissão e Efluentes - EPE 2007)

Conforme dispõe a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998,


conhecida como Lei de Crimes Ambientais, as pessoas jurídicas
podem ser responsabilizadas administrativa, civil e penalmente
nos casos de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente.
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 60 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Considere as seguintes penas aplicáveis às pessoas jurídicas:
I suspensão parcial ou total de atividades;
II multa;
III prestação de serviços à comunidade;
IV interdição temporária de estabelecimento, obra ou
atividade;
V proibição de contratar com o Poder Público.
Constituem penas restritivas de direito da pessoa jurídica,
conforme disposto pela Lei de Crimes Ambientais, as de números:
(A) III e IV, somente.
(B) I, IV e V, somente.
(C) II, III e IV, somente.
(D) I, II, IV e V, somente.
(E) I, II, III, IV e V.

Gabarito: B
As penas aplicáveis às pessoas jurídicas são: PRESTAÇÃO DE
SERVIÇOS À COMUNIDADE; RESTRITIVAS DE DIREITOS; e MULTA,
conforme tabela abaixo:

PENAS aplicadas às PESSOAS JURÍDICAS (Art. 21)

Prestação de Serviços à Comunidade (Art. 23)


custeio de programas e de projetos ambientais;
execução de obras de recuperação de áreas degradadas;
manutenção de espaços públicos;
contribuições a entidades ambientais ou culturais públicas.

Restritivas de Direitos (Art. 22)


suspensão parcial ou total de atividades;
interdição temporária de estabelecimento, obra ou
atividade;
proibição de contratar com o Poder Público, bem como dele

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 61 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
obter subsídios, subvenções ou doações (Máx. 10 anos).

Multa

I - CERTO. Art. 22, I


II - ERRADO. Pode ser aplicada à pessoa jurídica, mas não é restritiva
de direitos. Art. 21, I
III - ERRADO. Pode ser aplicada à pessoa jurídica, mas não é restritiva
de direitos. Art. 21, II
IV - CERTO. Art. 22, II
V - CERTO. Art. 22, III

22 - (Cesgranrio - Analista Ambiental Júnior Biologia - Petrobras


março/2010)
Seu João tinha uma plantação de mandioca e resolveu expandir a
sua plantação, desmatando o terreno ao lado com o uso de fogo.
No entanto, o fogo acabou se espalhando e virando um incêndio
florestal. De acordo com a Lei nº 9.605 de 1998, a ação de Seu
João é considerada crime, cuja pena é agravada pelo fato de que
(A) seu João nasceu na Bolívia.
(B) a mandioca é uma espécie nativa do Brasil.
(C) a plantação de seu João é artesanal.
(D) o incêndio ocorreu na Amazônia Legal.
(E) o incêndio atingiu uma reserva biológica.

Gabarito: E
Atingir áreas de unidades de conservação é circunstância agravante.
Aqui o candidato além de conhecer as circunstâncias agravantes, precisa
saber que Reserva Biológica é uma categoria de unidade de conservação.
A questão pergunta qual das opções apresenta uma circunstância que
poderia agravar a pena.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 62 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
A única opção que apresenta essa circunstância é a letra E, que traz o
caso do incêndio atingir RESERVA BIOLÓGICA, uma das categorias de
UNIDADE DE CONSERVAÇÃO do Grupo de PROTEÇÃO INTEGRAL.

De acordo com a Lei de Crimes Ambientais:

Art. 15. São circunstâncias que agravam a pena, quando não constituem
ou qualificam o crime:
II - ter o agente cometido a infração:
e) atingindo áreas de unidades de conservação ou áreas sujeitas, por ato
do Poder Público, a regime especial de uso;

Apenas para clarear mais, explico que, de acordo com o Sistema Nacional
de Unidades de Conservação (SNUC), há 12 categorias de unidades de
conservação, divididas em 2 grupos.
Grupo das UC de Proteção Integral:
I - Estação Ecológica;
II - Reserva Biológica;
III - Parque Nacional;
IV - Monumento Natural;
V - Refúgio de Vida Silvestre.

Grupo das UC de Uso Sustentável:


I - Área de Proteção Ambiental (APA)
II - Área de Relevante Interesse Ecológico;
III - Floresta Nacional;
IV - Reserva Extrativista;
V - Reserva de Fauna;
VI Reserva de Desenvolvimento Sustentável; e
VII - Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN).

23 - (PUC-PR - Juiz - TJ-RO - 2011)

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 63 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
A Lei 9.605/98, conhecida como Lei de Crimes Ambientais,
representou grande avanço na proteção do meio ambiente
ecologicamente equilibrado. Consolidou conceitos e as tipificações
antes dispersas em outras normas, além de criar dispositivos e
sistematização específicos para os crimes contra o meio ambiente.
Com base no texto da referida lei,avalie as assertivas que seguem:
I) Nos crimes ambientais, são circunstâncias que atenuam a pena:
o baixo grau de instrução ou escolaridade do agente; o
arrependimento do infrator, manifestado pela espontânea
reparação do dano, ou limitação significativa da degradação
ambiental causada; entre outros.
II) Nos crimes ambientais as penas aplicáveis isolada, cumulativa
ou alternativamente às pessoas jurídicas, são: multa; restritivas
de direitos; e prestação de serviços à comunidade.
III) A pessoa jurídica constituída ou utilizada,
preponderantemente, com o fim de permitir, facilitar ou ocultar a
prática de crime definido na Lei 9.605/98 terá decretada sua
liquidação forçada, seu patrimônio será considerado instrumento
do crime e como tal perdido em favor do Fundo Penitenciário
Nacional.
IV) As pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa,
civil e penalmente conforme o disposto na Lei 9.605/98, nos casos
em que a infração seja cometida por decisão de seu representante
legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, no interesse ou
benefício da sua entidade.
Estão CORRETAS:
(A) Somente as assertivas I e IV.
(B) Somente as assertivas II e III e IV.
(C) Somente as assertivas I e III.
(D) Somente as assertivas I, II e IV.
(E) Todas as assertivas.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 64 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Gabarito: E
Essa é mais uma questão para revisar a matéria.
I - CERTO. Art. 14, I e II da Lei 9.605/98.
II - CERTO. Art. 21 da Lei 9.605/98. As penas aplicáveis isolada,
cumulativa ou alternativamente às pessoas jurídicas, de acordo com o
disposto no art. 3º, são: I - multa; II - restritivas de direitos; III -
prestação de serviços à comunidade.
III - CERTO. Art. 24 da Lei 9.605/98.
IV - CERTO. Art. 3º da Lei 9.605/98.

24 - (PUC-PR - Juiz - TJ-RO - 2011)


De acordo com a Lei 9.605/98, afirma-se:
I) Não é crime o abate de animal, quando realizado em estado de
necessidade, para saciar a fome do agente ou de sua família.
II) Não é crime o abate de animal, quando realizado para proteger
lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória ou destruidora
de animais, independentemente de autorização.
III) Não é crime o abate de animal, quando realizado por ser este
nocivo, desde que assim caracterizado pelo órgão competente.
IV) Constitui crime destruir, danificar, lesar ou maltratar, por
qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros
públicos ou em propriedade privada alheia.
V) Nos crimes contra a flora a pena é aumentada de um sexto a
um terço se o crime for cometido no período de queda das
sementes.
Estão CORRETAS:
(A) Somente as afirmativas I e II.
(B) Somente as afirmativas I, II, IV e V.
(C) Somente as afirmativas II, III e IV.
(D) Somente as afirmativas I, III, IV e V.
(E) Todas as afirmativas.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 65 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Gabarito: D

NÃO é crime o abate de animal, quando realizado:

I - em estado de necessidade, para saciar a fome do agente ou de


sua família;

II - para proteger lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória


ou destruidora de animais, desde que legal e expressamente
autorizado pela autoridade competente;

IV - por ser nocivo o animal, desde que assim caracterizado pelo


órgão competente.

I - CERTO. Art. 37, I


II - ERRADO. Depende de expressa autorização da autoridade
competente. Art. 37, II.
III - CERTO. Art. 37, IV
IV - CERTO. Art. 49. É isso mesmo! Se vocês pisarem em uma plantinha
do jardim botânico, por exemplo, ou danificarem o gramado do vizinho
estarão cometendo crime ambiental. E o mais absurdo de tudo é que esse
crime aceita a modalidade culposa.
Confiram:
"Art. 49. Destruir, danificar, lesar ou maltratar, por qualquer modo
ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em
propriedade privada alheia:
Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa, ou ambas as
penas cumulativamente.
Parágrafo único. No crime culposo, a pena é de um a seis meses, ou
multa."
V - CERTO. Art. 53
"Art. 53. Nos crimes previstos nesta Seção, a pena é aumentada de um
sexto a um terço se:
I - do fato resulta a diminuição de águas naturais, a erosão do solo ou a
modificação do regime climático;

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 66 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
II - o crime é cometido:
a) no período de queda das sementes;
b) no período de formação de vegetações;
c) contra espécies raras ou ameaçadas de extinção, ainda que a ameaça
ocorra somente no local da infração;
d) em época de seca ou inundação;
e) durante a noite, em domingo ou feriado."

25 - (Cespe/UnB - Juiz - TJ-SE - 2008)


As penas restritivas de direito especificamente aplicáveis aos
crimes ambientais, previstas na Lei n.º 9.605/1998, não incluem
(A) o recolhimento domiciliar.
(B) a prestação pecuniária à vítima ou à entidade pública ou
privada com fim social.
(C) a prestação de serviços à comunidade junto a parques
públicos.
(D) a suspensão total de atividade que não obedecer à prescrição
legal.
(E) a proibição de participar de licitação por prazo indeterminado.

Gabarito: E

Restritivas de Direito (Art. 8º)


prestação de serviços à comunidade;
interdição temporária de direitos;
suspensão parcial ou total de atividades;
prestação pecuniária (+ que 1 salário e no máximo 360
salários);
recolhimento domiciliar.

A prestação de serviços à comunidade consiste na atribuição ao


condenado de tarefas gratuitas junto a:
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 67 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Parques e jardins públicos e unidades de conservação,
No caso de dano da coisa particular, pública ou tombada, na
restauração desta, se possível. (Art. 9º)
As penas de interdição temporária de direito são a proibição
de o condenado contratar com o Poder Público, de receber
incentivos fiscais ou quaisquer outros benefícios, bem como de
participar de licitações, pelo prazo de:
5 anos, no caso de crimes dolosos,
3 anos, no de crimes culposos. (Art. 10)
A suspensão de atividades será aplicada quando estas não
estiverem obedecendo às prescrições legais. (Art. 11.)
A prestação pecuniária consiste no pagamento em dinheiro à
vítima ou à entidade pública ou privada com fim social, de
importância, fixada pelo juiz, não inferior a 1 salário mínimo nem
superior a 360 salários mínimos. O valor pago será deduzido do
montante de eventual reparação civil a que for condenado o infrator. (Art.
12.)
O recolhimento domiciliar baseia-se na autodisciplina e senso de
responsabilidade do condenado, que deverá, sem vigilância, trabalhar,
frequentar curso ou exercer atividade autorizada, permanecendo
recolhido nos dias e horários de folga em residência ou em qualquer local
destinado a sua moradia habitual, conforme estabelecido na sentença
condenatória. (Art. 13)
Esse recolhimento domiciliar é uma beleza, o criminoso pode
trabalhar, estudar e ficar em casa, sem vigilância. Ou seja, pode fazer
tudo que uma pessoa normal faz...mas a lei considera o recolhimento
uma pena...

26- (Cespe/UnB - Defensor Público - DPE-PI - 2009)


Com relação aos crimes contra o meio ambiente, a fauna e a flora,
assinale a opção correta.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 68 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
(A) A extração de areia em floresta de domínio público independe
de autorização, e, portanto, não é considerada crime quando for
destinada a manutenção de viveiro de avifauna nativa.
(B) Abater um animal para proteger lavoura é um ato que
independe de autorização.
(C) Se um indivíduo, em estado de necessidade, abate um animal
para saciar a sua fome, sua conduta não será considerada crime.
(D) O abate de animal, ainda que este seja considerado nocivo
pelo órgão competente, é considerado crime.
(E) Os crimes contra a fauna praticados durante a noite, aos
sábados e aos domingos aumentam as respectivas penas.

Gabarito: C
A - ERRADA. Artigo 44 da Lei 9.605/98.
"Extrair de florestas de domínio público ou consideradas de preservação
permanente, sem prévia autorização, pedra, areia, cal ou qualquer
espécie de minerais:
Pena: detenção, de 6 (seis) meses a 1 (um) ano, e multa."
B - ERRADA. Art. 37, II, da Lei 9.605/98.
Não é crime o abate de animal, quando realizado para proteger lavouras,
pomares e rebanhos da ação predatória ou destruidora de animais, desde
que legal e expressamente autorizado pela autoridade
competente.
C - CERTA. Art. 37, I, da Lei 9.605/98.
Não é crime o abate de animal, quando realizado em estado de
necessidade, para saciar a fome do agente ou de sua família.
D - ERRADA. Art. 37, IV, da Lei 9.605/98.
Não é crime o abate de animal, quando realizado por ser nocivo o animal,
desde que assim caracterizado pelo órgão competente.
E - ERRADA - Art. 15, II, h e i, da Lei 9.605/98.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 69 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
São circunstâncias que agravam a pena, quando não constituem ou
qualificam o crime: ter o agente cometido a infração; h) em domingos
ou feriados; i) à noite.

27 - (Cesgranrio - Advogado - BNDES - 2010)


Um Banco recebe pedido de financiamento da Empresa Mascas e
Mascotes Ltda., representada por seu sócio-gerente, o Sr.
Empédocles. Realizando diligências quanto à regularidade
cadastral do proponente, o Banco verifica a existência de
processos criminais por infração a normas penais que tratam da
proteção ao meio ambiente. As anotações indicam a persecução
penal à pessoa jurídica, bem como ao sócio-gerente. Indagado
sobre as anotações, o Sr. Empédocles informa que, segundo seu
advogado, a pessoa jurídica está infensa da responsabilidade
penal e, quanto à pessoa física, ainda não existe condenação,
estando os fatos em fase de apuração judicial. Alega que
ingressou na empresa em data posterior aos fatos narrados como
ilícitos.
A partir do caso exposto, conclui-se que
(A) no sistema pátrio não há responsabilização criminal de pessoa
jurídica.
(B) nos crimes ambientais sempre haverá concurso de agentes,
incluindo pessoa física sócia e pessoa jurídica.
(C) os crimes ambientais permitem a responsabilidade criminal da
pessoa jurídica.
(D) a responsabilidade da pessoa física por crimes ambientais é
objetiva.
(E) a pessoa física é a quem cabe somente responder pelos crimes
ambientais praticados.

Gabarito: C
Pessoal, muitas questões limitam-se a questionar se a pessoa

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 70 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
jurídica pode ou não responder criminalmente em matéria ambiental.
Embora, exista divergência na doutrina. Podem ir seguros para
prova e afirmem com total certeza que as pessoas jurídicas serão
responsabilizadas administrativa, civil e penalmente, com base no
artigo 225,§3º da CF/88, no art. 3º da Lei de Crimes Ambientais e em
diversos julgados dos Tribunais Superiores.
Vale lembrar que a responsabilidade penal é sempre subjetiva!

28 - (MPE-GO - Promotor de Justiça - 2009)


Assinale a alternativa incorreta, segundo a Lei n. 9.605/98 (Lei
dos Crimes Ambientais).
(A) Poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua
personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos
causados à qualidade do meio ambiente.
(B) Dentre outras, são circunstâncias que atenuam a pena
imposta pelo crime ambiental, o baixo grau de escolaridade do
agente e a colaboração com os agentes encarregados da vigilância
e do controle ambiental.
(C) Para a pessoa jurídica, a proibição de contratar com o Poder
Público e dele obter subsídios, subvenções ou doações não poderá
exceder o prazo de 10 (dez) anos.
(D) Nos delitos tipificados nessa lei, é admitida a suspensão
condicional da pena nos casos de condenação a pena privativa de
liberdade não superior a 2 (dois) anos.

Gabarito: D
A - CERTO. Art. 4º da Lei de Crimes Ambientais.
B - CERTO. Art. 14, I e IV da Lei de Crimes Ambientais.
C - CERTO. Art. 22, III, § 3º da Lei de Crimes Ambientais.
D - ERRADO. Não superior a 3 anos!!! Art. 16 da Lei de Crimes
Ambientais. Não confundam com a regra do Código Penal.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 71 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
29 - (CESPE - Advogado - AGU - 2009)
Elaborar, no licenciamento, estudo parcialmente falso é crime que
admite as modalidades culposa e dolosa.

Certo.
Esse crime aceita a modalidade dolosa e culposa.
Art. 69-A. Elaborar ou apresentar, no licenciamento, concessão florestal
ou qualquer outro procedimento administrativo, estudo, laudo ou relatório
ambiental total ou parcialmente falso ou enganoso, inclusive por omissão:
Pena - reclusão, de 3 (três) a 6 (seis) anos, e multa.
§ 1º Se o crime é culposo:
Pena - detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos.

30 - (FGV - Exame de Ordem - OAB - 2010.2)


Diante das disposições estabelecidas pela Lei n. 9.605/98 sobre
as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e
atividades lesivas ao meio ambiente, assinale a alternativa
correta.
(A) A desconsideração da pessoa jurídica somente será admitida
se a pena restritiva de direitos se revelar inócua para os fins a que
se destina.
Errada. Art. 4º da Lei 9.605/98. Poderá ser desconsiderada a pessoa
jurídica sempre que sua personalidade for obstáculo ao ressarcimento de
prejuízos causados à qualidade do meio ambiente.

(B) A pena restritiva de direitos da pessoa jurídica, no que tange a


proibição de contratar com o poder público, terá duração
equivalente ao tempo de permanência dos efeitos negativos da
conduta delituosa sobre o meio ambiente.
Errado. Para as Pessoas Jurídicas a pena de proibição de contratar com
o Poder Público ou receber subsídios, subvenções ou doações não poderá
exceder o prazo de 10 anos (Art. 22, III e §3º da Lei 9.605/98).

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 72 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05

(C) Constitui inovação da lei de crimes ambientais a excludente de


antijuridicidade relativamente ao comércio não autorizado de
animais da fauna silvestre voltado exclusivamente à subsistência
da entidade familiar.
Errado. Invenção da Banca...
NÃO é crime o abate de animal, quando realizado:
I - em estado de necessidade, para saciar a fome do agente ou de sua
família;
II - para proteger lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória
ou destruidora de animais, desde que legal e expressamente autorizado
pela autoridade competente;
IV - por ser nocivo o animal, desde que assim caracterizado pelo órgão
competente.

(D) Os tipos penais ambientais, em regra, descrevem crimes de


perigo abstrato, que se consumam com a própria criação do risco,
efetivo ou presumido, independentemente de qualquer resultado
danoso.
Correto. Pessoal, no direito ambiental devem ser aplicados os princípios
da prevenção e da precaução. Deve-se buscar evitar que o dano ocorra,
uma vez que a recuperação pode ser inviável, muito custosa ou até
mesmo irreparável. Assim, os crimes de perigo abstrato não aguardam o
efetivo dano ou lesão ocorrer para que se possa punir o infrator. Sendo o
perigo a mera probabilidade do dano. Dessa forma, o infrator pode ser
punido simplesmente por colocar em perigo o meio ambiente ou o recurso
ambiental, por exemplo.

Gabarito D.

31 - (FGV - V Exame de Ordem- OAB)

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 73 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
João adquiriu em maio de 2000 um imóvel em área rural, banhado
pelo Rio Formoso. Em 2010, foi citado para responder a uma ação
civil pública proposta pelo Município de Belas Veredas, que o
responsabiliza civilmente por ter cometido corte raso na mata
ciliar da propriedade. João alega que o desmatamento foi
cometido pelo antigo proprietário da fazenda, que já praticava o
plantio de milho no local. Em razão do exposto, é correto afirmar
que
(A) a responsabilidade por dano ambiental é objetiva, mas, como
não há nexo de causalidade entre a ação do novo proprietário e o
corte raso na área, verifica-se a excludente de responsabilidade, e
João não será obrigado a reparar o dano.
(B) a responsabilidade civil por dano ambiental difuso prescreve
em cinco anos por força da Lei 9.873/99. Logo, João não será
obrigado a reparar o dano.
(C) João será obrigado a recuperar a área, mas, como não poderá
mais utilizá-la para o plantio do milho, terá direito a indenização,
a ser paga pelo Poder Público, por força do princípio do protetor-
recebedor.
(D) a manutenção de área de mata ciliar é obrigação propter rem;
sendo obrigação de conservação, é automaticamente transferida
do alienante ao adquirente. Logo, João terá que reparar a área.

Gabarito D.
Pessoal, a única opção correta é a letra D. As demais opções são
descabidas. A responsabilidade civil por danos ambientais é objetiva,
e prescinde (não precisa) da comprovação do elemento subjetivo da
conduta do agente. Além disso, o Superior Tribunal de Justiça
entendeu que o dano ambiental oferece grande risco à coletividade,
titular do bem ambiental, sendo o direito ao meio ambiente
ecologicamente equilibrado um direito difuso inerente à vida e protegido
pelo manto da imprescribilidade.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 74 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Além disso, as obrigações previstas no Código Florestal têm
natureza real e são transmitidas ao sucessor, de qualquer
natureza, no caso de transferência de domínio ou posse do imóvel
rural (Obrigação propter rem), o que significa dizer que aderem ao
título e se transferem ao futuro proprietário, prescindindo-se de debate
sobre a boa ou má-fé do adquirente, pois não se está no âmbito da
responsabilidade subjetiva, baseada em culpa.
Nas palavras do Ministro Herman Benjamin, no REsp nº 650728/SC,
2ª Turma, "(...) para o fim de apuração do nexo de causalidade no dano
ambiental, equiparam-se quem faz, quem não faz quando deveria fazer,
quem deixa fazer, quem não se importa que façam, quem financia para
que façam, e quem se beneficia quando outros fazem (...)".

32 - (FGV - Exame de Ordem - 2012)


Luísa, residente e domiciliada na cidade de Recife, após visitar a
Austrália, traz consigo para a sua casa um filhote de coala, animal
típico daquele país e inexistente no Brasil.
Tendo em vista tal situação, assinale a afirmativa correta.
A) Ao trazer o animal, Luísa não cometeu qualquer ilícito
ambiental já que a propriedade de animais domésticos é livre no
Brasil.
B) Ao trazer o animal, Luísa, em princípio, não cometeu qualquer
ilícito ambiental, pois o crime contra o meio ambiente só se
configuraria caso Luísa abandonasse ou praticasse ações de
crueldade contra o animal por ela adotado.
C) Ao trazer o animal, Luísa cometeu crime ambiental, pois o
introduziu no Brasil sem prévio licenciamento ambiental, sendo a
Justiça estadual de Pernambuco competente para julgar a
eventual ação.
D) Ao trazer o animal, Luísa cometeu crime ambiental, pois o
introduziu no Brasil sem licença e sem parecer técnico oficial

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 75 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
favorável, sendo a Justiça Federal competente para julgar a
eventual ação.

Gabarito D
De acordo com o art. 31 da Lei 9.605/98, introduzir espécime
animal no País, sem parecer técnico oficial favorável e licença expedida
por autoridade competente é crime contra a fauna, com pena de detenção
de três meses a um ano, e multa.
Além disso, conforme vimos nesta aula, segundo entendimento do
STJ, compete à Justiça Federal julgar o crime de introdução ilegal de
espécie exótica no país.
Apenas para complementar, compete à Justiça Federal processar e
julgar delito envolvendo espécies ameaçadas de extinção, em termos
oficiais; conduta envolvendo ato de contrabando de animais silvestres,
peles e couros de anfíbios ou répteis para o exterior; introdução ilegal de
espécie exótica no País; pesca predatória no mar territorial; crime contra
a fauna perpetrado em parques nacionais, reservas ecológicas ou áreas
sujeitas ao domínio iminente da Nação; além da conduta que ultrapassa
os limites de um único Estado ou as fronteiras do País e liberação ilegal
de organismos geneticamente modificado.

33 - (Cespe/UnB - Agente da Polícia Federal - 2012)


Se o rebanho bovino de determinada propriedade rural estiver
sendo constantemente atacado por uma onça, o dono dessa
propriedade, para proteger o rebanho, poderá,
independentemente de autorização do poder público, abater o
referido animal silvestre.

Errado. Questão batida! O erro do item é afirmar que não precisa de


autorização. Nesse caso é necessário estar expressamente autorizado
pela autoridade competente.
Confiram o artigo 37 da Lei 9.605/98

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 76 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Não é crime o abate de animal, quando realizado:
=> em estado de necessidade, para saciar a fome do agente
ou de sua família;
=> para proteger lavouras, pomares e rebanhos da ação
predatória ou destruidora de animais, DESDE QUE legal e
expressamente autorizado pela autoridade competente;
=> por ser nocivo o animal, DESDE QUE assim caracterizado
pelo órgão competente.

34 - (Cesgranrio - Técnico Ambiental Júnior Petrobras


1/2012)
A Lei no 9.605, de 12/02/1998, dispõe sobre as sanções penais e
administrativas, derivadas de condutas e atividades lesivas ao
meio ambiente.
De acordo com essa Lei, uma das circunstâncias que atenuam a
pena é o fato de o agente ter cometido a infração
(A) em período de defeso à fauna
(B) em épocas de seca ou de inundações
(C) e possuir baixo grau de instrução ou escolaridade
(D) de forma reincidente nos crimes de natureza ambiental
(E) no interesse de pessoa jurídica, mantida, total ou
parcialmente, por verbas públicas.

Gabarito C. Muito simples! Ainda que o candidato não conhecesse a lei,


seria possível responder. A única atenuante apresentada pela questão é
ter baixo grau de instrução ou escolaridade. Todas as outras opções
trazem agravantes!

Segundo o art. 14 da Lei 9.605/98, são circunstâncias que


atenuam a pena:

I - baixo grau de instrução ou escolaridade do agente;

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 77 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05

II - arrependimento do infrator, manifestado pela


espontânea reparação do dano, ou limitação significativa da
degradação ambiental causada;

III - comunicação prévia pelo agente do perigo iminente de


degradação ambiental;

IV - colaboração com os agentes encarregados da vigilância


e do controle ambiental.

35 - (FGV Advogado INEA 2013)


A responsabilidade penal pelo cometimento de crimes ambientais
é objetiva.

ERRADO. A responsabilidade PENAL é subjetiva, depende de comprovação


de dolo ou culpa.

36 - (FGV Advogado INEA 2013)


A Lei ambiental previu, para as pessoas jurídicas, penas
autônomas de multas, de prestação de serviços à comunidade,
restritivas de direito, liquidação forçada e desconsideração da
pessoa jurídica.

CERTO.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 78 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05

Além disso, poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre


que sua personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos
causados à qualidade do meio ambiente.
A pessoa jurídica constituída ou utilizada, preponderantemente, com
o fim de permitir, facilitar ou ocultar a prática de crime definido na Lei de
crimes ambientais terá decretada sua liquidação forçada, seu
patrimônio será considerado instrumento do crime e como tal perdido em
favor do Fundo Penitenciário Nacional.

37 - (FGV Advogado INEA 2013)


A responsabilidade das pessoas jurídicas exclui a das pessoas
físicas, autoras coautoras ou partícipes do mesmo fato.

ERRADO. A responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui a das


pessoas físicas, autoras, co-autoras ou partícipes do mesmo fato.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 79 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Lista de questões comentadas na aula

1 - (Cespe/UnB - Juiz - TJ-PB - 2011)


As sanções penais aplicáveis às pessoas físicas pela prática de
crimes ambientais são as penas restritivas de direitos e multa,
mas não, as privativas de liberdade.

2 - (Cespe/UnB - Juiz - TJ-PB - 2011)


Por se tratar de ente fictício, a pessoa jurídica não pode ser
sujeito ativo dos crimes ambientais.

3 - (Cespe/UnB - Juiz - TJ-PB - 2011)


Incidem nas penas previstas em lei, na medida de sua
culpabilidade, as pessoas que, tendo conhecimento da conduta
criminosa de alguém contra o ambiente e podendo agir para evitá-
la, deixem de impedir sua prática.

4 - (Funiversa - Auditor Fiscal de Atividades Urbanas - Controle


Ambiental - SEPLAG-DF - 2011)
Uma madeireira, por decisão unânime de sua diretoria, resolve
cortar árvores de área de preservação permanente e vender toda
a madeira cortada, com obtenção de vantagem patrimonial
incorporada ao patrimônio da empresa.
Acerca dessa situação hipotética e com base na proteção penal do
meio ambiente prevista na Lei n.º 9.605/1998, assinale a
alternativa correta em relação à responsabilização criminal.
(A) A madeireira não pode ser responsabilizada criminalmente.
(B) Os diretores da madeireira não podem ser responsabilizados
criminalmente.
(C) Só a madeireira pode ser responsabilizada criminalmente.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 80 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
(D) Tanto a madeireira quanto seus diretores estão amparados
por lei, pois não há crime ambiental na situação em exame.
(E) A madeireira e os seus dirigentes poderão ser
responsabilizados criminalmente.

5 - (CESPE - Advogado - AGU - 2009)


As pessoas físicas e as jurídicas estão sujeitas às mesmas sanções
penais decorrentes da prática de crime ambiental, quais sejam:
penas privativas de liberdade, restritivas de direito e multas.

6 - (CESPE - Advogado - IBRAM-DF - 2009)


A pessoa jurídica poderá ser responsabilizada penalmente pela
prática de crime ambiental, estando sujeita a pena de prestação
de serviços à comunidade.

7 - (CESPE - Delegado de Polícia - PC-TO - 2008)


Considere que um fazendeiro, nos limites de sua propriedade
rural, abata espécime da fauna silvestre brasileira sem
autorização do órgão competente, visando proteger seu rebanho
da ação predatória do animal. Nessa situação, o fato é atípico,
pois a legislação ambiental expressamente prevê essa excludente.

8 - (CESPE - OAB - Primeira Fase - Jun/2010)


Não constitui crime o abate de animal quando realizado, entre
outras hipóteses, em estado de necessidade, para saciar a fome
do agente ou de sua família.

9 - (Cespe/UnB - Juiz - TJ-PB - 2011)


O ato de soltar balões somente se caracteriza como crime contra o
meio ambiente se, em consequência da conduta, houver incêndio
em floresta ou em outras formas de vegetação, em áreas urbanas
ou em qualquer tipo de assentamento humano.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 81 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05

10 - (Cespe/UnB - Juiz - TJ-PB - 2011)


A responsabilidade penal por crimes ambientais está
integralmente amparada no princípio da culpabilidade; desse
modo, os tipos penais previstos na lei que dispõe sobre os crimes
ambientais (Lei n.º 9.605/1998) só se consumam se os delitos
forem praticados dolosamente.

11 - (Cesgranrio - Profissional Junior - Engenharia Ambiental -


Petrobras Distribuidora - 1/2011)

Nas Disposições Gerais da Lei no 9.605/1998, faz-se saber que:


(A) a responsabilidade das pessoas jurídicas não exclui a das
pessoas físicas, autoras, coautoras ou participantes do mesmo
fato.
(B) a responsabilidade das pessoas jurídicas exclui a das pessoas
físicas, autoras, coautoras ou participantes do mesmo fato.
(C) nos casos em que a infração seja cometida por decisão de seu
representante contratual, as pessoas jurídicas serão
responsabilizadas administrativamente apenas.
(D) nos casos em que a infração seja cometida por decisão de seu
órgão colegiado, as pessoas jurídicas serão responsabilizadas
civilmente apenas.
(E) nos casos em que a infração seja cometida por decisão de seu
representante legal, as pessoas jurídicas serão responsabilizadas
civil e penalmente apenas.

12 - (Cesgranrio - Advogado - INEA - 2008)

A Lei no 9.605/98 dispõe sobre as sanções penais e


administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio
ambiente, inclusive aquelas cometidas por pessoas jurídicas. Sobre
a matéria, pode-se afirmar que:

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 82 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
I - o administrador de pessoa jurídica que, ciente da conduta
criminosa adotada pela empresa, deixar de impedir a sua prática,
quando podia agir para evitá-la, incorre nas penalidades cominadas
à referida conduta;
II - poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua
personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos
causados ao meio ambiente;
III - a pessoa jurídica constituída com o fim de ocultar a prática
de crime ambiental pode ter sua liquidação forçada decretada;
IV - a responsabilidade das pessoas jurídicas exclui a das pessoas
físicas, autoras da conduta lesiva ao meio ambiente.
Estão corretas as afirmações
(A) I e II, apenas.
(B) I, II e III, apenas.
(C) I, II e IV, apenas.
(D) II, III e IV, apenas.
(E) I, II, III e IV.

13 - (Cesgranrio - Advogado Júnior - Petrobras - março/2011)


Acerca da responsabilidade decorrente de crimes cometidos
contra o meio ambiente, considere os procedimentos abaixo.
I - Independente da pena aplicada e do crime cometido, as penas
privativas de liberdade poderão ser substituídas por penas
restritivas de direitos, caso fique demonstrado que a substituição
será suficiente para efeitos de reprovação e prevenção do crime.
II - Para imposição e gradação da penalidade, a autoridade
competente observará a gravidade do fato, tendo em vista os
motivos da infração e suas consequências para a saúde pública
e o meio ambiente.
III - Estão compreendidas, entre as penas restritivas de direito,
a prestação de serviços à comunidade e a interdição temporária
de direitos do infrator.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 83 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
IV - Para imposição e gradação da penalidade, no caso de multa,
a autoridade competente observará a situação econômica do
infrator.

São procedimentos previstos nos termos da Lei no 9.605/98:


(A) I e III, apenas.
(B) I e IV, apenas.
(C) I, II e III, apenas.
(D) II, III e IV, apenas.
(E) I, II, III e IV.

14 - (Cesgranrio - Advogado Pleno - Petrobras - Transpetro - 2006)

Nos termos da Lei no 9.605/98, a autoridade competente para a


aplicação de penalidade por infração à legislação ambiental deverá
observar, para fins de imposição e gradação da penalidade, os
seguintes aspectos:
I - a situação econômica do infrator, no caso de multa;
II - a nacionalidade do infrator (nacional ou estrangeiro), na
hipótese de infração cometida por pessoa jurídica;
III - os antecedentes do infrator quanto ao cumprimento da
legislação de interesse ambiental;
IV - a gravidade do fato, tendo em vista os motivos da infração e
suas consequências para a saúde pública e para o meio ambiente.
Estão corretos os aspectos:
(A) I, II e III, apenas.
(B) I, II e IV, apenas.
(C) I, III e IV, apenas.
(D) II, III e IV, apenas.
(E) I, II, III e IV.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 84 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
15 - (Cesgranrio - Especialista em Regulação de Petróleo e
Derivados, Álcool Combustível e Gás Natural - Especialidade: Meio
Ambiente - ANP - 2008)
Sobre as circunstâncias que atenuam ou agravam as penas
derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente,

conforme disposto pela Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998


(Lei de Crimes Ambientais), uma pena pode ser
(A) atenuada, caso a poluição não atinja áreas de unidades de
conservação.
(B) atenuada, caso o acidente ocorra em domingo ou feriado.
(C) atenuada, caso a infração cometida pelo agente tenha sido
facilitada por funcionário público no exercício de suas funções.
(D) agravada, caso a infração ocorra em épocas de seca ou
inundações.
(E) agravada, caso o agente infrator possua baixo grau de
instrução ou escolaridade.

16 - (Cesgranrio - Analista Ambiental Júnior Biologia - Petrobras -


1/2011)
Entre os avanços trazidos pela Lei de Crimes Ambientais (Lei no
9.605, de 12 de fevereiro de 1998) está o fato de que se passou a
tipificar como crime os danos causados ao meio ambiente, com
penas previstas de prisão, ao passo que, anteriormente, esses
mesmos danos eram classificados como contravenções, passíveis
de sanção administrativa.
Disponível em:
<http://www.olaonline.com.br/joomla/index.php?option=com_c
ontent&task=view&id=3>. Acesso em: 27 jul. 2011. Adaptado.
De acordo com a Lei de Crimes Ambientais, uma circunstância que
agrava a pena, quando não constitui ou qualifica o crime, é a(o)
(A) comunicação prévia pelo agente do perigo iminente de
degradação ambiental
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 85 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
(B) reincidência nos crimes de natureza ambiental
(C) colaboração com os agentes encarregados da vigilância e do
controle ambiental
(D) baixo grau de instrução ou escolaridade do agente
(E) arrependimento do infrator

17 - (Cesgranrio - Engenheiro de Meio Ambiente Jr.- Termoaçu -


2008)

A Lei de Crimes Ambientais (Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de


1998) é um instrumento importante para aplicação de penas
decorrentes de condutas e atividades consideradas lesivas ao meio
ambiente. De acordo com o disposto nesta Lei,
(A) as pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa,
civil e penalmente, nos casos em que a infração seja cometida por
decisão de seu representante legal ou contratual, ou de seu órgão
colegiado, no interesse ou benefício da sua entidade, fato que não
exclui a responsabilidade das pessoas físicas, autoras, coautoras
ou partícipes do mesmo fato.
(B) qualquer pessoa, desde que maior de 21 (vinte e um) anos,
constatando infração ambiental, poderá dirigir representação às
autoridades competentes para lavrar auto de infração ambiental e
instaurar processo administrativo.
(C) são consideradas espécimes da fauna silvestre todos aqueles
pertencentes às espécies nativas, migratórias, aquáticas ou
terrestres, desde que tenham todo o seu ciclo de vida ocorrendo
dentro dos limites do território brasileiro, ou águas jurisdicionais
brasileiras.
(D) degradar floresta, plantada ou nativa, em terras de domínio
público ou devolutas, sem autorização do órgão competente, é
considerado crime mesmo que a conduta praticada seja para a
subsistência imediata pessoal do agente ou de sua família.
(E) causar dano direto ou indireto às Unidades de Conservação, tais
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 86 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
como Reservas Biológicas, Áreas de Proteção Ambiental e Áreas de
Relevante Interesse Ecológico, independentemente de sua
localização, é um exemplo de crime contra a fauna.

18 - (Cesgranrio - Engenheiro de Meio Ambiente - Petrobras -


março/2010)

Uma consulta à Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998,


conhecida como Lei de Crimes Ambientais, a qual dispõe sobre as
sanções penais e administrativas derivadas de condutas e
atividades lesivas ao meio ambiente, conduz à conclusão de que
a(s)
(A) responsabilidade das pessoas jurídicas em atos prejudiciais ao
meio ambiente exclui as pessoas físicas, autoras, coautoras ou
partícipes do mesmo fato.
(B) pena pode ser atenuada por circunstâncias como o fato de a
infração ter sido cometida em épocas de seca ou de inundações.
(C) infração de matar, perseguir, caçar, apanhar ou utilizar
espécimes da fauna silvestre que estejam em processo de
extinção incorre em pena de detenção de um a cinco anos e de
multa, acompanhada de serviços comunitários, no caso do
espécime não estar em extinção.
(D) prestação de serviços à comunidade é uma pena prevista para
pessoas físicas, não podendo ser aplicada às pessoas jurídicas,
salvo em caso de execução de obras de recuperação de áreas
degradadas.
(E) penas restritivas de direitos são autônomas e substituem as
privativas de liberdade em casos como o de crime culposo ou
quando for aplicada a pena privativa de liberdade inferior a quatro
anos.

19 - (Cesgranrio - Profissional do Meio Ambiente - Transpetro -


3/2011)
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 87 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Caberão ao poder público e à coletividade, segundo dispõe o
art. 225 da Constituição Federal de 1988, a defesa e a
preservação ambiental para as presentes e futuras gerações.
Com o objetivo de regulamentar o referido art. 225, entrou em

vigor, nos seus aspectos penais, a Lei no 9.605/1998, conhecida


como a Lei de Crimes Ambientais, segundo a qual
(A) o baixo grau de instrução ou escolaridade do agente e o
arrependimento do infrator, manifestado pela espontânea
reparação do dano, são circunstâncias que atenuam a pena.
(B) o indivíduo que matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar
espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem
a devida permissão, licença ou autorização da autoridade
competente, sujeita-se à pena de reclusão de um a cinco anos.
(C) a responsabilidade das pessoas jurídicas, nos casos de infração,
exclui a das pessoas físicas, autoras, coautoras ou partícipes do
mesmo fato, no interesse ou benefício da sua entidade.
(D) a autoridade competente não observará a situação econômica
no caso de multa, para imposição e gradação da penalidade.
(E) as penas restritivas de direitos são autônomas e não
substituem as privativas de liberdade quando se tratar de crime
culposo.

20 - (Cesgranrio - Técnico Ambiental Jr - Petrobras - junho/2008)


A Lei Federal 9.605/98 dispõe sobre as sanções penais e
administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio
ambiente e estabelece uma lista de crimes contra a fauna e a flora.
Um exemplo de crime contra a flora, de acordo com o que
determina essa lei, é
(A) fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam
provocar incêndios em florestas.
(B) promover construção em solo não edificável, ou no seu
entorno.
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 88 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
(C) pescar mediante a utilização de explosivos.
(D) produzir, comercializar ou armazenar produto ou substância
tóxica em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou
regulamentos.
(E) executar pesquisa, lavra ou extração de recursos minerais
sem a competente autorização, permissão, concessão ou licença.

21 - (Cesgranrio - Analista de Pesquisa Energética Júnior


Área: Meio Ambiente / Emissão e Efluentes - EPE 2007)

Conforme dispõe a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998,


conhecida como Lei de Crimes Ambientais, as pessoas jurídicas
podem ser responsabilizadas administrativa, civil e penalmente
nos casos de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente.
Considere as seguintes penas aplicáveis às pessoas jurídicas:
I suspensão parcial ou total de atividades;
II multa;
III prestação de serviços à comunidade;
IV interdição temporária de estabelecimento, obra ou
atividade;
V proibição de contratar com o Poder Público.
Constituem penas restritivas de direito da pessoa jurídica,
conforme disposto pela Lei de Crimes Ambientais, as de números:
(A) III e IV, somente.
(B) I, IV e V, somente.
(C) II, III e IV, somente.
(D) I, II, IV e V, somente.
(E) I, II, III, IV e V.

22 - (Cesgranrio - Analista Ambiental Júnior Biologia - Petrobras


março/2010)
Seu João tinha uma plantação de mandioca e resolveu expandir a
sua plantação, desmatando o terreno ao lado com o uso de fogo.
Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 89 de
110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
No entanto, o fogo acabou se espalhando e virando um incêndio
florestal. De acordo com a Lei nº 9.605 de 1998, a ação de Seu
João é considerada crime, cuja pena é agravada pelo fato de que
(A) seu João nasceu na Bolívia.
(B) a mandioca é uma espécie nativa do Brasil.
(C) a plantação de seu João é artesanal.
(D) o incêndio ocorreu na Amazônia Legal.
(E) o incêndio atingiu uma reserva biológica.

23 - (PUC-PR - Juiz - TJ-RO - 2011)


A Lei 9.605/98, conhecida como Lei de Crimes Ambientais,
representou grande avanço na proteção do meio ambiente
ecologicamente equilibrado. Consolidou conceitos e as tipificações
antes dispersas em outras normas, além de criar dispositivos e
sistematização específicos para os crimes contra o meio ambiente.
Com base no texto da referida lei,avalie as assertivas que seguem:
I) Nos crimes ambientais, são circunstâncias que atenuam a pena:
o baixo grau de instrução ou escolaridade do agente; o
arrependimento do infrator, manifestado pela espontânea
reparação do dano, ou limitação significativa da degradação
ambiental causada; entre outros.
II) Nos crimes ambientais as penas aplicáveis isolada, cumulativa
ou alternativamente às pessoas jurídicas, são: multa; restritivas
de direitos; e prestação de serviços à comunidade.
III) A pessoa jurídica constituída ou utilizada,
preponderantemente, com o fim de permitir, facilitar ou ocultar a
prática de crime definido na Lei 9.605/98 terá decretada sua
liquidação forçada, seu patrimônio será considerado instrumento
do crime e como tal perdido em favor do Fundo Penitenciário
Nacional.
IV) As pessoas jurídicas serão responsabilizadas administrativa,
civil e penalmente conforme o disposto na Lei 9.605/98, nos casos

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 90 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
em que a infração seja cometida por decisão de seu representante
legal ou contratual, ou de seu órgão colegiado, no interesse ou
benefício da sua entidade.
Estão CORRETAS:
(A) Somente as assertivas I e IV.
(B) Somente as assertivas II e III e IV.
(C) Somente as assertivas I e III.
(D) Somente as assertivas I, II e IV.
(E) Todas as assertivas.

24 - (PUC-PR - Juiz - TJ-RO - 2011)


De acordo com a Lei 9.605/98, afirma-se:
I) Não é crime o abate de animal, quando realizado em estado de
necessidade, para saciar a fome do agente ou de sua família.
II) Não é crime o abate de animal, quando realizado para proteger
lavouras, pomares e rebanhos da ação predatória ou destruidora
de animais, independentemente de autorização.
III) Não é crime o abate de animal, quando realizado por ser este
nocivo, desde que assim caracterizado pelo órgão competente.
IV) Constitui crime destruir, danificar, lesar ou maltratar, por
qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros
públicos ou em propriedade privada alheia.
V) Nos crimes contra a flora a pena é aumentada de um sexto a
um terço se o crime for cometido no período de queda das
sementes.
Estão CORRETAS:
(A) Somente as afirmativas I e II.
(B) Somente as afirmativas I, II, IV e V.
(C) Somente as afirmativas II, III e IV.
(D) Somente as afirmativas I, III, IV e V.
(E) Todas as afirmativas.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 91 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
25 - (CESPE/UnB - Juiz - TJ-SE - 2008)
As penas restritivas de direito especificamente aplicáveis aos
crimes ambientais, previstas na Lei n.º 9.605/1998, não incluem
(A) o recolhimento domiciliar.
(B) a prestação pecuniária à vítima ou à entidade pública ou
privada com fim social.
(C) a prestação de serviços à comunidade junto a parques
públicos.
(D) a suspensão total de atividade que não obedecer à prescrição
legal.
(E) a proibição de participar de licitação por prazo indeterminado.

26- (CESPE/UnB - Defensor Público - DPE-PI - 2009)


Com relação aos crimes contra o meio ambiente, a fauna e a flora,
assinale a opção correta.
(A) A extração de areia em floresta de domínio público independe
de autorização, e, portanto, não é considerada crime quando for
destinada a manutenção de viveiro de avifauna nativa.
(B) Abater um animal para proteger lavoura é um ato que
independe de autorização.
(C) Se um indivíduo, em estado de necessidade, abate um animal
para saciar a sua fome, sua conduta não será considerada crime.
(D) O abate de animal, ainda que este seja considerado nocivo
pelo órgão competente, é considerado crime.
(E) Os crimes contra a fauna praticados durante a noite, aos
sábados e aos domingos aumentam as respectivas penas.

27 - (Cesgranrio - Advogado - BNDES - 2010)


Um Banco recebe pedido de financiamento da Empresa Mascas e
Mascotes Ltda., representada por seu sócio-gerente, o Sr.
Empédocles. Realizando diligências quanto à regularidade
cadastral do proponente, o Banco verifica a existência de

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 92 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
processos criminais por infração a normas penais que tratam da
proteção ao meio ambiente. As anotações indicam a persecução
penal à pessoa jurídica, bem como ao sócio-gerente. Indagado
sobre as anotações, o Sr. Empédocles informa que, segundo seu
advogado, a pessoa jurídica está infensa da responsabilidade
penal e, quanto à pessoa física, ainda não existe condenação,
estando os fatos em fase de apuração judicial. Alega que
ingressou na empresa em data posterior aos fatos narrados como
ilícitos.
A partir do caso exposto, conclui-se que
(A) no sistema pátrio não há responsabilização criminal de pessoa
jurídica.
(B) nos crimes ambientais sempre haverá concurso de agentes,
incluindo pessoa física sócia e pessoa jurídica.
(C) os crimes ambientais permitem a responsabilidade criminal da
pessoa jurídica.
(D) a responsabilidade da pessoa física por crimes ambientais é
objetiva.
(E) a pessoa física é a quem cabe somente responder pelos crimes
ambientais praticados.

28 - (MPE-GO - Promotor de Justiça - 2009)


Assinale a alternativa incorreta, segundo a Lei n. 9.605/98 (Lei
dos Crimes Ambientais).
(A) Poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua
personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos
causados à qualidade do meio ambiente.
(B) Dentre outras, são circunstâncias que atenuam a pena
imposta pelo crime ambiental, o baixo grau de escolaridade do
agente e a colaboração com os agentes encarregados da vigilância
e do controle ambiental.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 93 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
(C) Para a pessoa jurídica, a proibição de contratar com o Poder
Público e dele obter subsídios, subvenções ou doações não poderá
exceder o prazo de 10 (dez) anos.
(D) Nos delitos tipificados nessa lei, é admitida a suspensão
condicional da pena nos casos de condenação a pena privativa de
liberdade não superior a 2 (dois) anos.

29 - (CESPE - Advogado - AGU - 2009)


Elaborar, no licenciamento, estudo parcialmente falso é crime que
admite as modalidades culposa e dolosa.

30 - (FGV - Exame de Ordem - OAB - 2010.2)


Diante das disposições estabelecidas pela Lei n. 9.605/98 sobre
as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e
atividades lesivas ao meio ambiente, assinale a alternativa
correta.
(A) A desconsideração da pessoa jurídica somente será admitida
se a pena restritiva de direitos se revelar inócua para os fins a que
se destina.
(B) A pena restritiva de direitos da pessoa jurídica, no que tange a
proibição de contratar com o poder público, terá duração
equivalente ao tempo de permanência dos efeitos negativos da
conduta delituosa sobre o meio ambiente.
(C) Constitui inovação da lei de crimes ambientais a excludente de
antijuridicidade relativamente ao comércio não autorizado de
animais da fauna silvestre voltado exclusivamente à subsistência
da entidade familiar.
(D) Os tipos penais ambientais, em regra, descrevem crimes de
perigo abstrato, que se consumam com a própria criação do risco,
efetivo ou presumido, independentemente de qualquer resultado
danoso.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 94 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
31 - (FGV - V Exame de Ordem- OAB)
João adquiriu em maio de 2000 um imóvel em área rural, banhado
pelo Rio Formoso. Em 2010, foi citado para responder a uma ação
civil pública proposta pelo Município de Belas Veredas, que o
responsabiliza civilmente por ter cometido corte raso na mata
ciliar da propriedade. João alega que o desmatamento foi
cometido pelo antigo proprietário da fazenda, que já praticava o
plantio de milho no local. Em razão do exposto, é correto afirmar
que
(A) a responsabilidade por dano ambiental é objetiva, mas, como
não há nexo de causalidade entre a ação do novo proprietário e o
corte raso na área, verifica-se a excludente de responsabilidade, e
João não será obrigado a reparar o dano.
(B) a responsabilidade civil por dano ambiental difuso prescreve
em cinco anos por força da Lei 9.873/99. Logo, João não será
obrigado a reparar o dano.
(C) João será obrigado a recuperar a área, mas, como não poderá
mais utilizá-la para o plantio do milho, terá direito a indenização,
a ser paga pelo Poder Público, por força do princípio do protetor-
recebedor.
(D) a manutenção de área de mata ciliar é obrigação propter rem;
sendo obrigação de conservação, é automaticamente transferida
do alienante ao adquirente. Logo, João terá que reparar a área.

32 - (FGV - Exame de Ordem - 2012)


Luísa, residente e domiciliada na cidade de Recife, após visitar a
Austrália, traz consigo para a sua casa um filhote de coala, animal
típico daquele país e inexistente no Brasil.
Tendo em vista tal situação, assinale a afirmativa correta.
A) Ao trazer o animal, Luísa não cometeu qualquer ilícito
ambiental já que a propriedade de animais domésticos é livre no
Brasil.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 95 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
B) Ao trazer o animal, Luísa, em princípio, não cometeu qualquer
ilícito ambiental, pois o crime contra o meio ambiente só se
configuraria caso Luísa abandonasse ou praticasse ações de
crueldade contra o animal por ela adotado.
C) Ao trazer o animal, Luísa cometeu crime ambiental, pois o
introduziu no Brasil sem prévio licenciamento ambiental, sendo a
Justiça estadual de Pernambuco competente para julgar a
eventual ação.
D) Ao trazer o animal, Luísa cometeu crime ambiental, pois o
introduziu no Brasil sem licença e sem parecer técnico oficial
favorável, sendo a Justiça Federal competente para julgar a
eventual ação.

33 - (CESPE/UnB - Agente da Polícia Federal - 2012)


Se o rebanho bovino de determinada propriedade rural estiver
sendo constantemente atacado por uma onça, o dono dessa
propriedade, para proteger o rebanho, poderá,
independentemente de autorização do poder público, abater o
referido animal silvestre.

34 - (Cesgranrio - Técnico Ambiental Júnior Petrobras


1/2012)
A Lei no 9.605, de 12/02/1998, dispõe sobre as sanções penais e
administrativas, derivadas de condutas e atividades lesivas ao
meio ambiente.
De acordo com essa Lei, uma das circunstâncias que atenuam a
pena é o fato de o agente ter cometido a infração
(A) em período de defeso à fauna
(B) em épocas de seca ou de inundações
(C) e possuir baixo grau de instrução ou escolaridade
(D) de forma reincidente nos crimes de natureza ambiental

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 96 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
(E) no interesse de pessoa jurídica, mantida, total ou
parcialmente, por verbas públicas.

35 - (FGV Advogado INEA 2013)


A responsabilidade penal pelo cometimento de crimes ambientais
é objetiva.

36 - (FGV Advogado INEA 2013)


A Lei ambiental previu, para as pessoas jurídicas, penas
autônomas de multas, de prestação de serviços à comunidade,
restritivas de direito, liquidação forçada e desconsideração da
pessoa jurídica.

37 - (FGV Advogado INEA 2013)


A responsabilidade das pessoas jurídicas exclui a das pessoas
físicas, autoras coautoras ou partícipes do mesmo fato.

Gabarito das questões comentadas


1E 2E 3C 4E 5E 6C 7E 8C 9E 10E
11A 12B 13D 14C 15D 16B 17A 18E 19A 20A
21B 22E 23E 24D 25E 26C 27C 28D 29C 30D
31D 32D 33 E 34C 35E 36C 37E

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 97 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05

MEMOREX

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 98 de


110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05

Além disso, poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for obstáculo ao
ressarcimento de prejuízos causados à qualidade do meio ambiente.
A pessoa jurídica constituída ou utilizada, preponderantemente, com o fim de permitir, facilitar ou ocultar a
prática de crime definido na Lei de crimes ambientais terá decretada sua liquidação forçada, seu patrimônio será
considerado instrumento do crime e como tal perdido em favor do Fundo Penitenciário Nacional.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 99 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 100 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página 101 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE

Crimes contra a Fauna

Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna


silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida
permissão, licença ou autorização da autoridade competente,
ou em desacordo com a obtida.
Incorre nas mesmas penas:
I - quem impede a procriação da fauna, sem licença,
autorização ou em desacordo com a obtida;
II - quem modifica, danifica ou destrói ninho, abrigo ou
criadouro natural;
III - quem vende, expõe à venda, exporta ou adquire, guarda,
tem em cativeiro ou depósito, utiliza ou transporta ovos, larvas
ou espécimes da fauna silvestre, nativa ou em rota migratória,
bem como produtos e objetos dela oriundos, provenientes de
criadouros não autorizados ou sem a devida permissão, licença
ou autorização da autoridade competente.

*No caso de guarda doméstica de espécie silvestre não


considerada ameaçada de extinção, pode o juiz, considerando as
circunstâncias, deixar de aplicar a pena.
São espécimes da fauna silvestre todos aqueles
pertencentes às espécies nativas, migratórias e quaisquer outras,
aquáticas ou terrestres, que tenham todo ou parte de seu ciclo de
vida ocorrendo dentro dos limites do território brasileiro, ou águas
jurisdicionais brasileiras.

A pena é aumentada de metade, se o crime é praticado:


I - contra espécie rara ou considerada ameaçada de extinção,
ainda que somente no local da infração;

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página


102 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
II - em período proibido à caça;
III - durante a noite;
IV - com abuso de licença;
V - em unidade de conservação;
VI - com emprego de métodos ou instrumentos capazes de
provocar destruição em massa.

A pena é aumentada até o triplo, se o crime decorre do exercício


de caça profissional.

Exportar para o exterior peles e couros de anfíbios e répteis em


bruto, sem a autorização da autoridade ambiental
competente.
Introduzir espécime animal no País, sem parecer técnico oficial
favorável e licença expedida por autoridade competente.
Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais
silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos.

*Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou


cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos,
quando existirem recursos alternativos.

Provocar, pela emissão de efluentes ou carreamento de


materiais, o perecimento de espécimes da fauna aquática
existentes em rios, lagos, açudes, lagoas, baías ou águas
jurisdicionais brasileiras.

Incorre nas mesmas penas:


I - quem causa degradação em viveiros, açudes ou estações de
aquicultura de domínio público;

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página


103 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
II - quem explora campos naturais de invertebrados aquáticos e
algas, sem licença, permissão ou autorização da autoridade
competente;
III - quem fundeia embarcações ou lança detritos de qualquer
natureza sobre bancos de moluscos ou corais, devidamente
demarcados em carta náutica.

Pescar em período no qual a pesca seja proibida ou em lugares


interditados por órgão competente.
Incorre nas mesmas penas quem:
I - pesca espécies que devam ser preservadas ou espécimes
com tamanhos inferiores aos permitidos;
II - pesca quantidades superiores às permitidas, ou mediante a
utilização de aparelhos, petrechos, técnicas e métodos não
permitidos;
III - transporta, comercializa, beneficia ou industrializa
espécimes provenientes da coleta, apanha e pesca proibidas.

Pescar mediante a utilização de:


I - explosivos ou substâncias que, em contato com a água,
produzam efeito semelhante;
II - substâncias tóxicas, ou outro meio proibido pela autoridade
competente.

*Considera-se pesca todo ato tendente a retirar, extrair, coletar,


apanhar, apreender ou capturar espécimes dos grupos dos peixes,
crustáceos, moluscos e vegetais hidróbios, suscetíveis ou não de
aproveitamento econômico, ressalvadas as espécies ameaçadas de
extinção, constantes nas listas oficiais da fauna e da flora.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página


104 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Crimes contra a Flora

Destruir ou danificar floresta considerada de preservação


permanente, mesmo que em formação, ou utilizá-la com
infringência das normas de proteção. (Esse crime admite a
modalidade culposa)
Destruir ou danificar vegetação primária ou secundária, em
estágio avançado ou médio de regeneração, do Bioma
Mata Atlântica, ou utilizá-la com infringência das normas de
proteção. (Esse crime admite a modalidade culposa)
Cortar árvores em floresta considerada de preservação
permanente, sem permissão da autoridade competente:
Causar dano direto ou indireto às Unidades de Conservação
e às áreas de que trata o art. 27 do Decreto nº 99.274, de 6 de
junho de 1990, independentemente de sua localização. (Esse
crime admite a modalidade culposa)
Provocar incêndio em mata ou floresta. (Esse crime admite a
modalidade culposa)
Fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam
provocar incêndios nas florestas e demais formas de
vegetação, em áreas urbanas ou qualquer tipo de
assentamento humano.
Extrair de florestas de domínio público ou consideradas de
preservação permanente, sem prévia autorização, pedra, areia,
cal ou qualquer espécie de minerais.
Cortar ou transformar em carvão madeira de lei, assim
classificada por ato do Poder Público, para fins industriais,
energéticos ou para qualquer outra exploração, econômica ou
não, em desacordo com as determinações legais.
Receber ou adquirir, para fins comerciais ou industriais,
madeira, lenha, carvão e outros produtos de origem vegetal,
sem exigir a exibição de licença do vendedor, outorgada pela

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página


105 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
autoridade competente, e sem munir-se da via que deverá
acompanhar o produto até final beneficiamento.
Incorre nas mesmas penas quem vende, expõe à venda, tem em
depósito, transporta ou guarda madeira, lenha, carvão e outros
produtos de origem vegetal, sem licença válida para todo o tempo
da viagem ou do armazenamento, outorgada pela autoridade
competente.
Impedir ou dificultar a regeneração natural de florestas e
demais formas de vegetação.
Destruir, danificar, lesar ou maltratar, por qualquer modo ou
meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em
propriedade privada alheia. (Esse crime admite a modalidade
culposa)
Destruir ou danificar florestas nativas ou plantadas ou
vegetação fixadora de dunas, protetora de mangues, objeto de
especial preservação.
Desmatar, explorar economicamente ou degradar floresta,
plantada ou nativa, em terras de domínio público ou devolutas,
sem autorização do órgão competente.
*Não é crime a conduta praticada quando necessária à
subsistência imediata pessoal do agente ou de sua família.
Comercializar motosserra ou utilizá-la em florestas e nas
demais formas de vegetação, sem licença ou registro da
autoridade competente:
Penetrar em Unidades de Conservação conduzindo substâncias
ou instrumentos próprios para caça ou para exploração de
produtos ou subprodutos florestais, sem licença da autoridade
competente:
Nos crimes contra a flora, a pena é aumentada de um sexto a um
terço se:
I - do fato resulta a diminuição de águas naturais, a erosão do solo
ou a modificação do regime climático;

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página


106 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
II - o crime é cometido:
a) no período de queda das sementes;
b) no período de formação de vegetações;
c) contra espécies raras ou ameaçadas de extinção, ainda que a
ameaça ocorra somente no local da infração;
d) em época de seca ou inundação;
e) durante a noite, em domingo ou feriado.

Poluição e outros Crimes Ambientais

Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que


resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou
que provoquem a mortandade de animais ou a destruição
significativa da flora. (Esse crime admite a modalidade culposa)
Executar pesquisa, lavra ou extração de recursos minerais sem
a competente autorização, permissão, concessão ou licença, ou
em desacordo com a obtida.
Nas mesmas penas incorre quem deixa de recuperar a área
pesquisada ou explorada, nos termos da autorização, permissão,
licença, concessão ou determinação do órgão competente.
Produzir, processar, embalar, importar, exportar, comercializar,
fornecer, transportar, armazenar, guardar, ter em depósito ou
usar produto ou substância tóxica, perigosa ou nociva à saúde
humana ou ao meio ambiente, em desacordo com as exigências
estabelecidas em leis ou nos seus regulamentos.
Nas mesmas penas incorre quem:
I - abandona os produtos ou as substâncias referidos ou os
utiliza em desacordo com as normas ambientais ou de
segurança;
II - manipula, acondiciona, armazena, coleta, transporta,
reutiliza, recicla ou dá destinação final a resíduos perigosos de
forma diversa da estabelecida em lei ou regulamento.

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página


107 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Se o produto ou a substância for nuclear ou radioativa, a pena é
aumentada de um sexto a um terço.
Se o crime é culposo: Pena - detenção, de seis meses a um ano,
e multa.
Nos crimes dolosos previstos nesta Seção, as penas serão
aumentadas:
I - de um sexto a um terço, se resulta dano irreversível à flora
ou ao meio ambiente em geral;
II - de um terço até a metade, se resulta lesão corporal de
natureza grave em outrem;
III - até o dobro, se resultar a morte de outrem.
Construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar, em
qualquer parte do território nacional, estabelecimentos, obras
ou serviços potencialmente poluidores, sem licença ou
autorização dos órgãos ambientais competentes, ou
contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes:
Disseminar doença ou praga ou espécies que possam causar
dano à agricultura, à pecuária, à fauna, à flora ou aos
ecossistemas.

Crimes contra o Ordenamento Urbano e o Patrimônio Cultural

Destruir, inutilizar ou deteriorar. (Esse crime admite a


modalidade culposa)
I - bem especialmente protegido por lei, ato administrativo ou
decisão judicial;
II - arquivo, registro, museu, biblioteca, pinacoteca, instalação
científica ou similar protegido por lei, ato administrativo ou
decisão judicial.
Alterar o aspecto ou estrutura de edificação ou local
especialmente protegido por lei, ato administrativo ou decisão
judicial, em razão de seu valor paisagístico, ecológico, turístico,

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página


108 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
artístico, histórico, cultural, religioso, arqueológico, etnográfico
ou monumental, sem autorização da autoridade competente ou
em desacordo com a concedida:
Promover construção em solo não edificável, ou no seu entorno,
assim considerado em razão de seu valor paisagístico,
ecológico, artístico, turístico, histórico, cultural, religioso,
arqueológico, etnográfico ou monumental, sem autorização da
autoridade competente ou em desacordo com a concedida:
Pichar ou por outro meio conspurcar edificação ou monumento
urbano.

*Não constitui crime a prática de grafite realizada com o


objetivo de valorizar o patrimônio público ou privado mediante
manifestação artística, desde que consentida pelo proprietário e,
quando couber, pelo locatário ou arrendatário do bem privado e,
no caso de bem público, com a autorização do órgão competente e
a observância das posturas municipais e das normas editadas
pelos órgãos governamentais responsáveis pela preservação e
conservação do patrimônio histórico e artístico nacional.

Crimes contra a Administração Ambiental

Fazer o funcionário público afirmação falsa ou enganosa, omitir


a verdade, sonegar informações ou dados técnico-científicos em
procedimentos de autorização ou de licenciamento ambiental.
Conceder o funcionário público licença, autorização ou
permissão em desacordo com as normas ambientais, para as
atividades, obras ou serviços cuja realização depende de ato
autorizativo do Poder Público. (Esse crime admite a modalidade
culposa)

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página


109 de 110

()
Direito Ambiental
2 Delegado da Polícia Civil - DF
Prof. Rosenval Júnior Aula 05
Deixar, aquele que tiver o dever legal ou contratual de fazê-lo,
de cumprir obrigação de relevante interesse ambiental. (Esse
crime admite a modalidade culposa)
Obstar ou dificultar a ação fiscalizadora do Poder Público no
trato de questões ambientais.
Elaborar ou apresentar, no licenciamento, concessão florestal
ou qualquer outro procedimento administrativo, estudo, laudo
ou relatório ambiental total ou parcialmente falso ou enganoso,
inclusive por omissão. (Esse crime admite a modalidade
culposa)

ATENÇÃO!
A Lei de crimes ambientais e o Decreto sobre infrações
administrativas trazem a duração das penas e os valores de
multas. Reforço que não é produtivo ficar decorando a
duração das penas de reclusão/detenção e os valores das
multas, pois é muito raro cair em prova.
O que vocês precisam saber é a teoria geral e a
jurisprudência que já está destacada na aula.
Outro ponto cobrado é saber se uma conduta é crime ou
não. Somente isso! Por esse motivo, há essa lista de crimes
ambientais ao final da aula.
Vejam como o tema é cobrado nas questões comentadas
e foquem nos assuntos que abordamos!
Bons estudos!!!
www.facebook.com.br/rosenvaljr

Prof. Rosenval Júnior www.estrategiaconcursos.com.br Página


110 de 110

()