Você está na página 1de 3

Os Zelotes

Fonte: Doutrina Catolica

Transmissao : Augusto Cesar Ribeiro Vieira

Nos tempos do Novo Testamento, os Zelotes era uma seita judia que representava o
extremo do fanatismo nacional.

O nome vem do tempo em que os Macabeus desde o lº e 2º século a.C. até à queda da
fortaleza de Masada na primavera de 73 foram impelidos por um fanatismo nacional.

Considerando-se a si mesmos os enviados de Deus para libertarem a sua nação da


opressão exterior, sob o lema de "Não o governador mas a Lei", "Não o rei mas
Deus", tornaram-se cada vez mais violentos na resistência contra as forças ocupantes
de Roma e do seu povo que simpatizava com o Helenismo.

A sua crença no messianismo do Antigo Testamento estava inteiramente limitada à


recuperação da independência judaica ; eles acreditavam no culto só a Javé e estavam
convencidos de que a aceitação de um domínio governamental exterior e o pagamento
dos impostos a um governador de fora do país, era uma blasfémia contra Javé.

Seguindo o exemplo da resistência dos Macabeus contra os esforços do rei Selêucida,


Antíoco IV Epífanes, para obrigar que os Gregos e os Judeus fossem um só povo,
Judas, o galileu de Gamala, chefiou uma revolta considerável de protesto contra a
introdução do censo Romano na incorporação da Judeia no ano 6.

Teudas chefiou uma outra rebelião em 42.

Portanto, o movimento desta seita ou partido teve origem numa revolta contra o
recenseamento levado a efeito no tempo de Quirino para fins de pagamento de
impostos.

Esta seita era uma minoria e era olhada pelos outros judeus pelo menos com forte
antipatia.

As suas tácticas eram como o moderno terrorismo político; prendiam e matavam com
certa frequência, atacando simultaneamente estrangeiros e judeus de que eles
suspeitavam e a quem chamavam "os colaboradores".

Levaram a sua arte de assassinar até a um ponto de destreza que os Romanos lhes
chamavam os sicarii ("assassinos"), pela sua prática de esconder um punhal debaixo
das suas roupas para um uso disfarçado no meio das multidões.
O seu maior trabalho organizado antes de rebentar a guerra dos judeus foi uma
assalto de represália na Samaria contra os peregrinos, no reinado de Ventidius
Cumanus (48-52).

O seu fanatismo e as suas tácticas estão ilustradas na vida de S. Paulo, ameaçada de


assassínio por um grupo de homens :

- "Jurámos, sob pena de anátema, não comer nada enquanto não matarmos Paulo.
Agora, de acordo com o Sinédrio, ide solicitar ao tribuno que o mande comparecer
diante de vós, sob o pretexto de examinardes o seu caso mais profundamente. E nós
estamos prontos a suprimi-lo durante o trajecto ". (Act.23/14-15).

Um dos discípulos de Jesus, Simão, era chamado Zelote - "Zeloso", porque,


provavelmente teria antes pertencido à seita :

- Tiago, filho de Alfeu, e Simão, o Zeloso. (Lc.6/15).

Mas houve outros incidentes que mostram as actividades da seita ou partido dos
Zelotes.

Assim :

* S. Lucas faz referência a alguns galileus cujo sangue Pilatos havia misturado com o
dos sacrifícios que eles ofereciam. (cf.Lc.13/1 -2).

* Talvez Barrabás que foi solto em vez de Jesus, fosse um chefe dos Zelotes, porque
segundo o messianismo, um devia sofrer por todos, em ordem à libertação nacional.

* Igualmente um dos condenados na cruz, dizia : Não és tu o Cristo? Salva-Te a Ti


mesmo e a nós.

Ideia de libertação.

* Talvez Judas Iscariotes fosse um chefe Zelote, impaciente pela liberdade e a


independência nacional, pelo que entregou o Mestre, e que, frustrado, se suicidou.

* Eles foram responsáveis pela rebelião contra Roma no ano 66 e obrigaram os


moderados a aceitar a rebelião mesmo contra a sua vontade: e nos anos seguintes
controlaram obstinadamente Jerusalém pela supressão ou assassínio dos que se
opusessem às suas tácticas.

* Mantiveram grupos de resistência no país até à queda de Jerusalém, e o seu


movimento sobreviveu suficientemente até ao ponto de levantar nova rebelião em 132-
135, no governo de Adrião.
A conexão entre os Zelotes e a seita de Qumran foi procurada por alguns estudiosos,
mas nada ficou assente..

Recentemente F. W. Farmer examinou de novo o assunto dos Zelotes.

A fonte de informação principal para o assunto dos Zelotes é Flávio Josefo, que foi
extremamente contra eles, alcunhando-os de assassinos e salteadores.

F. W. Farmer sugere que Josefo ofuscou a sua reputação indevidamente e propõe que
os Zelotes eram os sucessores espirituais dos Macabeus, preservando as mesmas ideias
de independência e de religião, e empregando tácticas que, na hipótese de Josefo, dão
uma impressão prejudicial, mas não diferem substancialmente das tácticas dos
Macabeus, a não ser no seu falhanço.

John Nascimento

Voltar a pagina