Você está na página 1de 3

Filme K-Pax

1)Descreva a mudanças no processo de percepção do Dr.


Powell no decorrer do filme em relação ao seu paciente Prot
(Robert Porter).

* De imediato, no começo teve sua atenção totalmente despertada


para a figura de Prot. Havia algo nele que o deixava profundamente
intrigado.

* Depois ele tenta descobrir se Prot tem consciência de sua atual


condição mental.

* Dr. Powell se sente constrangido perante o conhecimento de Prot e,


também, ao ser corrigido por ele.

* O Dr. Powell começa o tratamento á base de hipnose, e é no


tratamento que o Dr. começa a entender melhor a vida de Prost.

* E por último, o Dr. Powell entende o porque de Robert Porter ter se


escondido em um mundo completamente diferente da realidade.

2)Descreva o meio físico e o meio comportamental de Prot


(Robert Porter) no que tange o mundo criado por ele próprio
(cidade de K-Pax). Conceitue figura e fundo e aponte o que é figura
e o que é fundo para Prot.

Meio físico: Prot diz ser o habitante de um planeta chamado K-pax,


que veio para a Terra numa viagem com velocidade superior a da luz e que
a luz no planeta dele era diferente da nossa em razão dos dois sóis.

Meio comportamental: Segundo Prot em K Pax (seu mundo-


fantasia) não há laços afetivos, nem familiares. E, prossegue dizendo que,
em K Pax também não há leis, “Olho por olho, dente por dente é uma
estupidez”, diz Prot ao Dr. Powell.

Conceito de figura e fundo: O processo de formação de figura-


fundo é dinâmico, o organismo seleciona e desenvolve formas próprias de
auto conservação. Qualquer fenômeno observado nunca é uma realidade
objetiva em si.

A figura depende do fundo sobre a qual aparece, e o fundo serve


como uma estrutura em que a figura está enquadrada, e, por conseguinte,
determina a figura.
Figura e fundo para Prot: A figura é ele próprio (habitante do
planeta K-pax), e o fundo é o planeta K-pax com suas características de não
ter leis e de os habitantes não terem laços afetivos, nem familiares.

3) O campo psicológico possui três princípios: proximidade,


semelhança e fechamento. Conceitue um dos princípios e aponte
uma cena do filme que possa exemplificá-lo.

Princípio do fechamento: Elementos são agrupados se eles


parecem se completar. Ou seja, nossa mente ver um objeto completo
mesmo quando não há um. Como na parte do filme que os pacientes do
instituto creem que Robert Porter realmente é K-paxiano, devido suas
características e seus depoimentos.

Elementos agrupados: Características e depoimentos de Robert


Porter.

Objeto que a mente ver: Habitante de K-pax.

Objeto real: Não é um habitante de K-pax.

4) No final do filme Prot (Robert Porter) fica catatônico e


continua não conseguindo vivenciar sua experiência desagradável,
apenas a toca de leve. Qual a situação que ele não conseguiu
vivenciar? ”O psicótico nem mesmo tenta lidar com as frustrações;
ele simplesmente nega as frustrações e se comporta como se elas
não existissem”. Perls (1969 p.173-5).

Quando sua esposa Sarah fora violentamente assassinada por um


andarilho que aparecera de repente em sua casa, juntamente com sua filha
Rebeca, após ter sido estuprada.

5) “Cada erro que você comete, você vai conviver de novo e


de novo, para sempre. Então meu conselho para você é resolver
tudo agora, porque agora é tudo que se tem”. Explique a frase que
aparece no fim do filme a partir da teoria da Gestalt.

A Teoria da GESTALT afirma que não se pode ter conhecimento do


todo através das partes, e sim das partes através do todo. Que os conjuntos
possuem leis próprias e estas regem seus elementos (e não o contrário,
como se pensava antes). E que só através da percepção da totalidade é que
o cérebro pode de fato perceber, decodificar e assimilar uma imagem ou um
conceito.
Dentro do enredo do filme: De acordo com essa teoria Robert
Porter aconselhou o Dr. Powell a cuidar primeiro do que era mais importante
em sua vida (a família) que no caso era o todo, e depois de tê-lo feito,
cuidar dos assuntos menos importantes (como o seu trabalho).

Análise da frase no nosso cotidiano de acordo com a teoria


Gestalt: A frase quis dizer que nós damos muito valor á coisas fúteis e não
muito importantes, que também ás vezes nos comportamos de maneira
diferente àquela que normalmente agiríamos (em momentos de raiva, por
exemplo), de momentos que deveríamos agir e nada fazemos e de
pensamentos e emoções que infelizmente ocultamos por diferentes
motivos. Isso tudo para nos alertar de como realmente deveríamos viver, o
que realmente é importante para nós, e que temos que agir enquanto ainda
é possível, para nossa própria felicidade.

Você também pode gostar