Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL – CAMPUS CARAÚBAS


DISCIPLINA: MECÂNICA DOS SOLOS II
PROFESSORA: ALINE RIBEIRO DA SILVA

Lista de Exercícios: Unidade II


Lista 1(Resistência ao cisalhamento das areias e solos argilosos)

1) Um teste triaxial do tipo drenado (CD) foi realizado em uma areia. Na ruptura
obteve−se a seguinte relação: σ’1/σ’3 = 4,0. Se A tensão confinante utilizada no
ensaio foi de 100 kPa, pede−se o ângulo de atrito efetivo do solo e um esboço da sua
envoltória de resistência, em conjunto com o círculo de Mohr na ruptura. (Resp. ϕ =
36,87°).

2) O índice de vazios crítico de uma areia é de 0,70, para uma tensão confinante de 200
kPa. Esboce o comportamento típico desta areia em amostras com um índice de
vazios de 0,70, quando ensaiadas a tensões confinantes de 50 kPa, 200 kPa e 500
kPa.

3) Uma areia é adensada em um teste triaxial a um valor de tensão confinante de 420


kPa e então é cisalhada mantendo−se as válvulas de drenagem abertas, a uma
velocidade de cisalhamento compatível. Na ruptura obtém−se = 1046
kPa. Determine o ângulo de atrito da areia. (Resp. ϕ = 33,68°).

4) Uma amostra de argila foi submetida a um ensaio CU com uma tensão de


confinamento de 200 kPa, na qual a amostra encontra-se normalmente adensada. A
tensão desviatória de ruptura da amostra foi de 600 kPa. Se a pressão neutra na
ruptura da amostra foi de 30 kPa, calcule o seu ângulo de atrito interno (em termo de
tensões efetivas) (Resp. ϕ = 39,66°).

5) Num ensaio adensado rápido (CU) romperam−se dois corpos de prova com tensões
confiantes de 200 e 400 kPa. As tensões no instante da ruptura foram:

CP (kPa) (kPa) u(KPa)


1 200 350 140
2 400 700 280

Pede-se as tensões do plano de ruptura para o corpo de prova 2.

6) Uma areia é adensada em um teste triaxial a um valor de tensão confinante de 420


kPa e então é cisalhada mantendo−se as válvulas de drenagem abertas, a uma
velocidade de cisalhamento compatível. Na ruptura obtém−se = 1046
kPa. Com que tensão de cisalhamento deve ocorrer a ruptura em um ensaio de
cisalhamento direto nessa areia, com a mesma compacidade, e com uma tensão
normal aplicada de 670 kPa. (Resp. ϕ = 33,68° e = 446,56 kPa.

7) Os resultados mostrados na Tabela abaixo foram obtidos para ruptura máxima em


uma série de ensaios triaxiais adensados - não - drenados, com medida da
poropressão, em corpos de prova de uma argila saturada. Determine os valores dos
parâmetros de resistência da tensão total e da tensão efetiva . (Esboce os resultados
na envoltória e nos círculos de Mohr correspondentes). (Resp. ϕ = 21,75° e ϕ’ =
33,20°).

Pressão Confinante Diferença das Tensões Pressão Neutra


Total (kN/m²) Principais Totais (kN/m²) (kN/m²)
150 192 80
300 341 154
450 504 222

8) Um ensaio triaxial realizado sobre uma amostra de areia pura acusou o seguinte
resultado na ruptura: = 100kPa e = 400kPa. Pede-se,

a) A envoltória de resistência do solo; Resp.


b) As coordenadas do pólo; Resp. P(100, 0);
c) A direção do plano de ruptura; Resp. 63° com o plano principal maior

9) Uma amostra indeformada de areia fina a argilosa foi utilizada para a realização de
ensaios triaxiais rápidos, cujos resultados estão mostrados abaixo.

CP (kPa) (kPa)
1 50 200
2 150 400
3 300 700

Calcular para o CP2:

a) As tensões atuantes em um plano formando 30° com o plano principal maior.


(Resp σ = 450 kPa e τ= 170 kPa);

b) Direção dos planos onde ocorre a tensão cisalhante de 100 kPa. (Resp. 15° e
75° com o plano principal maior);

c) Direção do plano de ruptura.


10) A equação da envoltória de ruptura da tensão efetiva para um solo argiloso
normalmente adensado é τ’= σ’ tg 30º. Um ensaio triaxial drenado foi realizado
com o mesmo solo, sob pressão confinante de 69 KPa. Calcule a tensão desviadora
na ruptura