Você está na página 1de 77

UNIVERSIDADE PARANAENSE – UNIPAR

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

BRUNO MIRANDA SILVA

CENTRO CULTURAL MULTISSENSORIAL

CASCAVEL/PR

2015

1
BRUNO MIRANDA SILVA

CENTRO CULTURAL MULTISSENSORIAL

Projeto apresentado à disciplina de Trabalho


de Conclusão de Curso, como requisito
parcial para a obtenção de grau no curso de
Arquitetura e Urbanismo, da Universidade
Paranaense – UNIPAR - Unidade de
Cascavel, sob a orientação da professora
Karen Solek.

CASCAVEL/PR

2015

2
FOLHA DE APROVAÇÃO

BRUNO MIRANDA SILVA

ESCOLA DE BELAS ARTES PARA A CIDADE DE CASCAVEL-PR

Monografia apresentada à Universidade Paranaense – UNIPAR, com requisito parcial para


obtenção de grau no Curso de Arquitetura e Urbanismo.

Aprovado com conceito:_______________

Cascavel, 23 de novembro de 2015.

BANCA EXAMINADORA

————————————————
Prof.ª Orientadora Karen Solek

————————————————
Prof. Dr. Flávio H. da Rosa Uren

————————————————
Arquiteto João Turmina

3
Dedico este trabalho a todos aqueles que, de
alguma forma, me ajudaram e me apoiaram na
conclusão do mesmo. Em especial, dedico aos
meus pais e minha irmã por me apoiarem em
toda a minha vida. Dedico também aos meus
amigos que se sensibilizaram com meu tema e
me ajudaram a melhor alcançar meus
objetivos.

4
AGRADECIMENTOS

Agradeço primeiramente a Deus, por me ajudar a tornar as coisas possíveis e por me


dar paz e paciência nos momentos difíceis.
Agradeço aos meus pais Ana Regina e Carlos Alfredo, por me darem amor e suporte,
me ajudando em todos os momentos, contribuindo com seu senso crítico para a obtenção de
uma melhor monografia. Agradeço também a minha irmã Heloisa, com a qual tive meu
primeiro contato com o curso de arquitetura, e que neste ano vem me ajudando com muita
paciência, auxiliando na minha pesquisa e projeto.
Agradeço, em especial, à minha amiga Nicolly, que me acompanhou desde o primeiro
ano e com quem compartilhei, aprendi muito e pude contar sempre nesse período, inclusive,
por sua indicação para o meu primeiro emprego. Agradeço também aos meus colegas e
amigos Kassio e Cristiane, sem os quais não poderia ter formado um grupo de trabalhos e
amizade tão maravilhoso, um grupo em que sempre houve ajuda mutua e onde todos puderam
crescer e se destacar.
Agradeço à minha professora, e também empregadora, Arquiteta Regiane de Castro,
com a qual, durante os três últimos anos, aprendi muitas coisas que trouxeram resultados
especialmente positivos à minha qualidade como graduando de arquitetura, que refletirá
posteriormente na minha carreira profissional.
Agradeço aos meus avós, tios e primos, que apesar de estarem longe e de não nos
falarmos com frequência, me apoiam em minhas conquistas.
E finalmente, agradeço a todos os professores que me ensinaram ao longo do curso,
em especial à minha orientadora Karen Solek, por me dar suporte e orientação nessa fase
importante da conclusão de curso, me guiando para melhor alcançar meu objetivo.

5
“A emoção da ciência traduzida em técnica pelo homem é a mesma
comunicada pela obra de arte. Equilíbrio, estrutura, rigor, aquele mundo
outro que o homem não conhece, que a arte sugere, do qual o homem tem
nostalgia.”
Lina Bo Bardi

6
RESUMO

Esta pesquisa tem como objetivo servir como fundamentação teórica para a concepção de um
projeto arquitetônico de um Centro Cultural Multissensorial para a cidade de Cascavel – PR.
Primeiramente, a partir de pesquisas realizadas, foi possível conhecer a história do movimento
para a inclusão de pessoas com deficiências sensoriais nos espaços públicos através da
acessibilidade, assim como, a necessidade de espaços de lazer e cultura que atendam todos os
públicos na cidade. Através da pesquisa de análises sobre a percepção humana pelos cinco
sentidos e de obras correlatas, foi estabelecido um programa de necessidades que possa vir
suprir essa carência, trazendo um espaço inovador em relação a outros espaços culturais
alcançando os diferentes públicos, independente de sua condição físico-sensorial. A
preocupação ambiental da obra, com o meio no qual será inserida, é uma das diretrizes que
irão nortear o desenho arquitetônico, sendo este adequado às normas da Certificação LEED,
além de incorporar novas tecnologias de redução do impacto edificação/solo. A volumetria do
projeto segue a estilística dos segmentos da arquitetura pós-moderna Hi-tech e
Desconstrutivista, tendo como referencial o arquiteto Santiago Calatrava.

Palavras-chave: Centro Cultural Multissensorial, Inclusão, Acessibilidade, Hi-tech,


Desconstrutivismo.

7
ABSTRACT

This work aims to be a theoretical foundation for realization of an architectural design of an


Multisensory Cultural Center for the city of Cascavel – Pr. Initially, from researches
conducted, it was possible to know about the history of the movement for the inclusion of
people with sensory disabilities in public spaces through accessibility, as well as the needs of
spaces of leisure and culture that can serve to all audiences in the city. Through researches of
analysis on the human perception of the five senses and analysis of related works it was stated
a need’s program that can help on this lack, bringing an innovative space in relation to other
cultural venues and reaching different public independent of its physical and sensory
condition. Environmental concern of the project with the place in which will be inserted is
one of the directives that will guide the architectural design, which is suitable with the
standards of LEED Certification, while incorporating new technologies to reduce
building/ground impact. The volumetry of the project follows the stylistic segment of
postmodern architecture Hi-tech and Deconstructivist, referencing the architect Santiago
Calatrava.

Key-words: Multisensory Cultural Center; Inclusion; Accessibility; Hi-Tech;


Deconstructivist.

8
LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Amostra 01 - Heloisa, 23 anos. “Achei que fosse azul, não percebi uma aba mais
larga que a outra”, ..................................................................................................................... 22
Figura 2 - Amostra 02 - Ana Regina, 54 anos. “Cinza.” .......................................................... 22
Figura 3 - Amostra 03 - Carlos Alfredo, 54 anos. "Com o tato percebo a forma aproximada do
objeto, porém não tenho como saber a cor." ............................................................................ 22
Figura 4 - Centro Cultural Gilberto Mayer ............................................................................... 24
Figura 5 - Teatro Municipal de Cascavel ................................................................................. 24
Figura 6 – Interiores do Teatro de Cascavel ............................................................................. 25
Figura 7 - Problemas de Ergonomia – Pessoa com altura superior a 1,90m. ........................... 25
Figura 8 – Exemplo de funcionamento da áudio-descrição em cinemas e teatros. .................. 27
Figura 9 - Pavilhão da Alemanha na Expo 67 em Montreal. ................................................... 28
Figura 10 – Norman Foster - Torre Hearst ............................................................................... 29
Figura 11 - Desconstrução do Plano Horizontal....................................................................... 30
Figura 12- Desconstrução do Ponto de Vista ........................................................................... 31
Figura 13 - Quebra dos Eixos Ortogonais ................................................................................ 32
Figura 14 - Quebra dos Eixos Ortogonais ................................................................................ 32
Figura 15 - Casa da Cascata - Frank Lloyd Wright .................................................................. 34
Figura 16 - Casa da Cascata ..................................................................................................... 35
Figura 17 - Casa da Cascata Vista Interna ................................................................................ 35
Figura 18 - Mapa Cobertura Vegetal Nativa do Paraná ........................................................... 35
Figura 19 - Sistema de Tratamento dos Efluentes .................................................................... 39
Figura 20 - Sistema de Reuso de Águas Cinza. ........................................................................ 40
Figura 21 - Esquema Poço de Infiltração ................................................................................. 41
Figura 22 - Painel Fotovoltaico ................................................................................................ 43
Figura 23 - Jardim Aromático ................................................................................................. 44
Figura 24 - Acessibilidade em Jardim ...................................................................................... 45
Figura 25 - Ponte Estaiada ........................................................................................................ 46
Figura 26 - Planetário de Valencia ........................................................................................... 47
Figura 27 - Palácio das Artes da Rainha Sofia ......................................................................... 49
Figura 28 - Palácio das Artes da Rainha Sofia ......................................................................... 50
Figura 29 - Plantas Palácio das Artes ....................................................................................... 51
Figura 30 - Asas Fechadas ........................................................................................................ 52

9
Figura 31 - Asas Abertas .......................................................................................................... 52
Figura 32 - Interior Fechado ..................................................................................................... 53
Figura 33 - Interior Aberto ....................................................................................................... 53
Figura 34- Interior Auditório .................................................................................................... 54
Figura 35 - Auditório de Tenerife ............................................................................................ 55
Figura 36 - Guggenheim de Nova York ................................................................................... 56
Figura 37 - Rampas Guggenheim NY ...................................................................................... 57
Figura 38- Esquema Rampa em Espiral ................................................................................... 57
Figura 39 - Performance Arts Exterior ..................................................................................... 58
Figura 40 - Performance Arts Interior ...................................................................................... 58
Figura 41 - Interior do Auditório Principal .............................................................................. 59
Figura 42 - Jardim dos Cinco Sentidos Nova Delhi ................................................................. 60
Figura 43 - Fonte de Elefantes .................................................................................................. 61
Figura 44 - Esculturas em Aço ................................................................................................. 61
Figura 45 - Planta Baixa Proposta ............................................................................................ 62
Figura 46 – Perspectiva Projeto ................................................................................................ 63
Figura 47 - Movimentação de Terra ......................................................................................... 63
Figura 48 – Localização ........................................................................................................... 64
Figura 49 - Consulta Prévia ...................................................................................................... 65
Figura 50- Vista do Terreno - Esquina ..................................................................................... 66
Figura 51 - Situação Atual do Terreno ..................................................................................... 66
Figura 52- Situação Atual do Terreno ...................................................................................... 66
Figura 53- Vista para o Lago Municipal .................................................................................. 66
Figura 54 - Begônia cucullata .................................................................................................. 68

10
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................... 13
1.1 Delimitações do tema .................................................................................................... 14
2.0 PRESSUPOSTOS METODOLÓGICOS ........................................................................... 15
2.1 Problema ....................................................................................................................... 15
2.2 Hipótese ......................................................................................................................... 15
2.3 Justificativa ................................................................................................................... 15
2.4 Objetivos ........................................................................................................................ 16
2.4.1 Objetivos Gerais: ..................................................................................................... 16
2.4.2 Objetivos Específicos: ............................................................................................. 17
2.5 Metodologia ................................................................................................................... 17
CAPÍTULO I – FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ................................................................. 18
3.0 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ................................................................................... 18
3.1 Das Raízes da Segregação à Inclusão Social .............................................................. 18
3.2 Da Inclusão das Pessoas com Deficiência no Brasil. .................................................. 19
3.3 Arte e Cultura ............................................................................................................... 20
3.4 O Sistema Sensorial ...................................................................................................... 20
3.4.1 O Tato e a Percepção da Forma ............................................................................... 21
4.0 CASCAVEL - CULTURA E ACESSIBILIDADE. ....................................................... 23
4.1 Centro Cultural Gilberto Mayer ................................................................................. 23
4.2 Teatro Municipal de Cascavel ..................................................................................... 24
5.0 REFERÊNCIAS PROJETUAIS ..................................................................................... 26
5.1 Um Breve Histórico sobre Acessibilidade .................................................................. 26
5.2 Arquitetura Contemporânea ....................................................................................... 27
5.2.1 Arquitetura Hi-Tech ................................................................................................ 28
5.2.2 Arquitetura Desconstrutivista .................................................................................. 29
5.3 Arquitetura e ambiente – Uma arquitetura sustentável – Bio-arquitetura ............ 32
5.4 Aspectos ambientais da Cidade. .................................................................................. 35
5.5 Liderança em design ambiental e energético (LEED)............................................... 36
5.6 Dispositivos para um Projeto Sustentável e Ecologicamente Correto. .................... 37
5.6.1 Uso e reuso de água ................................................................................................. 37
5.6.2 Sistema de Tratamento da água cinza...................................................................... 38
5.6.3 Poços de Infiltração de Águas Pluviais ................................................................... 40

11
5.6.4 Eficiência Energética ............................................................................................... 42
5.7 Paisagismo em Jardins Sensoriais ............................................................................... 43
6.0 ARQUITETO DE REFERÊNCIA .................................................................................. 46
6.1 Arquitetura de Santiago Calatrava ............................................................................ 46
6.2 Análise Obras Correlatas ................................................................................................. 48
6.2.1 Palácio das Artes da Rainha Sofia – Santiago Calatrava............................................. 48
6.2.2 Museu de Arte de Milwaukee – Santiago Calatrava ................................................... 52
6.3.3 Auditório Adam Martim de Tenerife – Santiago Calatrava ........................................ 53
7.0 ANÁLISE OBRAS DE REFERÊNCIA ............................................................................. 55
7.1 Museu Guggenheim de Nova York – Frank Lloyd Wright ...................................... 55
7.2 Abu Dahbi Performing Arts Centre – Zaha Hadid ................................................... 57
7.3 Jardim dos Cinco Sentidos de Nova Delhi – Corporação de Desenvolvimento de
Transporte e Turismo de Nova Delhi. .............................................................................. 60
8.0 PAISAGISMO DE REFERÊNCIA ................................................................................ 61
8.1 Paisagista de Referência - Fernando Chacel .............................................................. 61
8.1.1 Parque de Educação Ambiental Professor Mello Barreto ....................................... 62
9.0 PROJETO ......................................................................................................................... 64
9.1 Localização: ................................................................................................................... 64
9.2 Partido Arquitetônico e Implantação: ........................................................................ 67
9.3 Proposta Volumétrica – Simbologia ........................................................................... 67
9.4 Funcionamento: ............................................................................................................ 68
9.5 Espaços e Pré-Dimensionamento: ............................................................................... 69
9.5.1 Tour principal: ......................................................................................................... 69
9.5.2 Setor Social:............................................................................................................. 70
9.5.3 Programa Auditório principal: ................................................................................. 71
9.5.4 Administrativo: ........................................................................................................ 71
9.5.5 Setor de Serviço: ...................................................................................................... 72
10. CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÃO ............................................................ 73
BIBLIOGRAFIA .................................................................................................................... 75
ANEXOS................................................................................................................................ 78

12
1. INTRODUÇÃO

A presente pesquisa aborda o embasamento teórico para a elaboração de um projeto


arquitetônico, abrangendo como tema um Centro Cultural Multissensorial. Justifica-se o
presente trabalho na necessidade de criação de espaços acessíveis que possam suprir a
demanda de acesso à cultura e lazer por deficientes sensoriais, juntamente com o público
geral, respeitando a diversidade no meio social e como fator determinante do enriquecimento
das trocas intelectuais, sociais e culturais que possam ocorrer entre os usuários na cidade de
Cascavel-PR.
Centro Cultural tem por definição ser um espaço onde pessoas se reúnem com o
objetivo de apreciar e disseminar cultura, esta palavra por sua vez é derivada do vocábulo
latino cultus, que diz respeito às faculdades intelectuais do homem e ao cultivo do espírito
humano.1
Os centros culturais têm como principal finalidade segundo Neves (2012), realizar
ações que integrem três campos comuns ao trabalho cultural, visando à estimulação da
produção de bens culturais, através de oficinas e cursos de educação estética, a circulação de
bens culturais, e a preservação de destes na manutenção da memória da comunidade onde esta
inserida.
A proposta desta pesquisa foi nortear a concepção de um projeto arquitetônico para
um Centro Cultural Multissensorial, buscando trazer uma estrutura com equipamentos
adaptados para atender todos os públicos e em especial os deficientes visuais e auditivos.
Visando também resgatar seu direito quanto ao acesso à cultura e lazer.
O marco teórico da pesquisa foi na preocupação com acessibilidade e sustentabilidade,
para descobrir a melhor maneira de atender a população com deficiência sensorial e, trazer à
mesma uma nova ideia sobre como construir com reduzido impacto ambiental.
Na resolução do problema da pesquisa, e visando o atendimento do objetivo geral e
específico, foi utilizado o encaminhamento metodológico de levantamento de dados em
órgãos públicos, entrevistas na secretaria de cultura e com o público alvo, e pesquisa em
bibliografia pertinente ao tema.

1
Disponível em: <http://conceito.de/centro-cultural> Acesso em: 25 de setembro de 2015.
13
1.1 Delimitações do tema

Pela busca de atender a demanda por espaços acessíveis para as práticas culturais. Um
Centro Cultural Multissensorial para a cidade de Cascavel – PR, o qual deverá ser um espaço
de utilização do público em geral, com proposta arquitetônica voltada para acessibilidade,
sustentabilidade e ecologia, proporcionando acesso a bens e atividades culturais, através da
estimulação perceptiva dos cinco sentidos, favorecendo a todos os usuários de maneira
igualitária.

14
2.0 PRESSUPOSTOS METODOLÓGICOS

2.1 Problema
Cascavel é uma cidade que aos 63 anos de idade, que cresce e se desenvolve num
ritmo acelerado, destacando a qualidade na geração de empregos e educação, mas que ainda
possui poucos investimentos no setor cultural, principalmente quando se trata em atender as
necessidades de lazer e cultura de seus habitantes com algum tipo de deficiência sensorial.
Com aproximadamente 11 mil habitantes com alguma deficiência visual e/ou auditiva,
a cidade não oferece espaços com atividades inclusivas para essas pessoas quanto à cultura e o
lazer, além dos espaços culturais existentes serem pouco atrativos para a população em geral.
Ao analisar a situação descrita acima, indaga-se: De que forma a arquitetura pode
contribuir ao acesso à cultura e ao lazer para pessoas com deficiência sensorial,
conjuntamente ao público geral, na cidade de Cascavel?

2.2 Hipótese

Espera-se, com a criação de um Centro Cultural Multissensorial, concebido através de


projeto arquitetônico, obter espaços que estimulem a prática e apreciação artística por
qualquer usuário independente de suas capacidades físico-sensoriais, buscando contrapor a
pouca disponibilidade de espaços destinados ao acesso e desenvolvimento cultural na cidade
de Cascavel.
Partindo-se da ideia de que um espaço, acessível por si, não necessariamente é
inclusivo, considera-se que, através da criação de espaços que influenciem a percepção
através do tato, possa-se alcançar a maioria do público com relação à apreciação de bens
artísticos de maneira mais igualitária, proporcionando mais um espaço de lazer e cultura para
Cascavel, tanto a seus moradores, como a eventuais visitantes.
Uma estrutura arquitetônica que contemple texturas no revestimento das paredes,
espaços com formas e elementos diferenciados, ambientação sonora, pode trazer aos usuários
diversas sensações diferentes, remetendo memórias, e trazendo a impressão de serem
transportados para outros lugares.

2.3 Justificativa

A arquitetura tem um papel importante na sociedade ao projetar espaços para os mais


diversos usos, e com tempo vem mostrando um papel social na busca pela melhoria na
qualidade de vida das pessoas, e no atendimento igualitário a todos. Em 1994 foi publicada no
15
Brasil a NB 833, hoje NBR 9050(2004), que fixa os padrões e critérios que visam a propiciar
às pessoas portadoras de deficiências condições adequadas e seguras de acessibilidade
autônoma a edificações, especificando espaço, mobiliário e equipamentos urbanos.
Com a evolução global quanto ao entendimento das necessidades especiais de pessoas
deficientes físicas e sensoriais e, devido ao incremento de ações voltadas ao atendimento
dessas necessidades, junto ao conceito de acessibilidade, faz-se necessário, também, a criação
de ambientes adaptados destinados a estimular e proporcionar o acesso de todas as pessoas,
independente de suas peculiaridades, aos diversos movimentos artísticos. De acordo com o
decreto nº 3.298 de 1999.

Art. 6o São diretrizes da Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de


Deficiência: [...] III - incluir a pessoa portadora de deficiência, respeitadas as suas
peculiaridades, em todas as iniciativas governamentais relacionadas à educação, à
saúde, ao trabalho, à edificação pública, à previdência social, à assistência social, ao
transporte, à habitação, à cultura, ao esporte e ao lazer;

A criação de espaços culturais na cidade se faz necessária devido ao fato de que todas as artes
desempenham um importante papel na educação do homem e no seu enriquecimento
intelectual, além de estarem diretamente ligadas à perpetuação e propagação da cultura de um
povo, segundo Helena (2010):

O ser humano é essencialmente cultural. Ele nasce, vive e morre imerso em uma
determinada cultura, com seus modos de vida, língua, rituais, instituições,
conhecimento e valores próprios. Por isso, ele vê o mundo a partir de sua própria
cultura. Dentro desse tecido cultural em que vivemos e nos desenvolvemos, podemos
fazer um recorte específico da cultura, igualmente importante para que nos tornemos
seres humanos completos: as artes. (HELENA, 2010, p.)

Assim, mostra-se na criação de um espaço cultural adaptado, a responsabilidade de um


projeto que visa atender a todos os públicos, pensar naqueles que possuem necessidades
especiais quanto aos meios de acesso, para melhor garantir a utilização de maneira
independente do espaço, e satisfazer melhor as expectativas de seus usuários.

2.4 Objetivos

2.4.1 Objetivos Gerais:


Conceber um projeto de um Centro cultural multissensorial para a cidade de
Cascavel-PR, para o público geral, enfatizando a adaptação de suas estruturas e equipamentos
às necessidades de pessoas com deficiências visuais e auditivas, criando um novo local de
16
lazer e acesso à cultura que apresente espaços sensoriais, além de salas para produção e
contemplação artística.

2.4.2 Objetivos Específicos:


 Ter conhecimento sobre locais e seu funcionamento no acesso à cultura e ao
lazer, e órgãos públicos prestadores de serviços para deficientes sensoriais.
 Proporcionar uma arquitetura inclusiva através de novas tecnologias de
acessibilidade na comunicação e acesso à informação.
 Criar espaços que estimulem a percepção através dos diversos sentidos.
 Levantar quantitativo de público alvo, e interesse do mesmo.

2.5 Metodologia
Para a elaboração de projeto de um Centro Cultural Multissensorial voltado para a
acessibilidade e inclusão de pessoas com deficiência sensorial, se faz necessário o
entendimento sobre o que é um espaço multissensorial, questões de percepção espacial, e de
que maneira trabalhar para melhor atender às expectativas do público.
Será necessária, também, a pesquisa sobre normas de acessibilidade, desenho
universal, estudos de percepção espacial, assim como obras de referência e correlatas de
Centros Culturais ou com propostas semelhantes.
A pesquisa acontecerá nos seguintes pontos:
 Através de levantamento de dados em órgãos públicos sobre a quantidade de entidades
que prestam serviços aos deficientes sensoriais.
 Entrevista na Secretaria da Cultura sobre os espaços culturais de uso público na
Cidade, e o estado atual de suas estruturas física.
 Entrevistas com pessoas do público alvo sobre questões de acessibilidade e interesse, a
fim de procurar atender, através de propostas de arquitetura mais eficazes, suas
expectativas quanto a um centro cultural.
 Através de pesquisa bibliográfica em livros, periódicos e artigos na internet, de
assuntos condizentes à proposta, para compreensão e elaboração de um programa de
necessidades que seja satisfatório.

17
CAPÍTULO I – FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

3.0 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

3.1 Das Raízes da Segregação à Inclusão Social

A história nos mostra que o descaso e a segregação das pessoas deficientes são algo
que acompanha a humanidade desde o princípio do seu desenvolvimento. Como mostra
Garcia (2011) em sua tese de doutorado, a maneira como os deficientes eram vistos variava de
sociedade para sociedade e nos diferentes períodos.
Há também grandes diferenças de tratamento em relação a quando uma pessoa nascia
com uma deformidade ou incapacidade e quando esta era adquirida durante sua vida, como
ocorria nos primórdios da civilização Grega e Romana. Em referência a isto, Garcia (2011)
relata:

Na Grécia Antiga, particularmente em Esparta, cidade-estado cuja marca principal era


o militarismo, as amputações traumáticas das mãos, braços e pernas ocorriam com
freqüência no campo de batalha. Dessa forma, identifica-se facilmente um grupo de
pessoas que adquiriu uma deficiência e permaneceu vivo. (GARCIA, 2008, s.p.)

Outro tipo de tratamento era destinado aos demais. Segundo Garcia (2011) o
encaminhamento dado às crianças nascidas com alguma deficiência era diferenciado. Devido
pertencer a uma sociedade militarista, estas crianças não conseguiriam cumprir com sua
função, então, condenadas à morte, eram destinadas aos chamados “depósitos”, um tipo de
abismo onde eram jogadas.
A falta de compreensão sobre cegueira e surdez, também causou a discriminação e
segregação dessas pessoas com deficiência por parte da sociedade, Motta (2008), faz um
breve relato sobre as raízes históricas do preconceito quanto aos deficientes visuais:

As pessoas cegas, segundo Lorimer (2000), foram sempre consideradas como


incapazes e dependentes maltratadas e negligenciadas, sendo que algumas civilizações
chegavam mesmo a eliminá-las. Somente há 200 anos é que a sociedade começou a
perceber que as pessoas cegas e com baixa visão poderiam ser educadas e viver
independentemente. [...] (LORIMER,2000 apud MOTTA,2008, s.p.)

Pode-se dizer que quase o mesmo acontecia com os deficientes auditivos, que devido a
sua limitação na comunicação eram incompreendidos. Silva (2009) diz que a condição da
pessoa surda era a mais miserável de todas, considerados pela sociedade como imbecis,
anormais e incompetentes, tendo seus direitos garantidos apenas se aprendessem a falar.
18
Conforme Garcia (2008), ao se pensar na sociedade num período mais atual como no
século XX, os países que participaram das Guerras Mundiais, olhavam seus soldados,
mutilados ou não, como heróis de guerra. Esse fato fez com que iniciasse uma atenção
especial em relação às pessoas com deficiência, aumentado o número de programas
destinados e reabilitação das mesmas, assim como a preocupação com acessibilidade.

3.2 Da Inclusão das Pessoas com Deficiência no Brasil.

O Brasil foi um dos primeiros países da América latina que já no século XIX, logo
após sua independência, começou a se preocupar com a educação e habilitação ao trabalho de
pessoas cegas e surdas.

O Estado brasileiro foi pioneiro na América Latina no atendimento às pessoas com


deficiência, ao criar, em 1854, o Imperial Instituto dos Meninos Cegos (atual Instituto
Benjamin Constant - IBC), e, em 1856, o Imperial Instituto dos Surdos-Mudos (hoje
Instituto Nacional de Educação de Surdos – INES). [...](Lanna Júnior, 2010, pág. 21).

Em 1979 foi a primeira vez que pessoas deficientes de diferentes estados se reuniram
para organizar uma luta em prol de seus direitos. Lanna Júnior (2010) relata que era uma luta
contra o caráter de caridade que marcaram as ações voltadas a estes até então, passando a ser
considerados como protagonistas de suas próprias vidas e poder falar de seus problemas sem
intermediários.

O interesse público em relação aos direitos das pessoas com deficiência foi
reconhecido na estrutura do Estado brasileiro com a criação da Coordenadoria
Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência (CORDE), em 1986, e
da Política Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, em 1989[...]
(Lanna Júnior, 2010, pág. 71).

A partir de então passou a ocorrer o desenvolvimento de normas de acessibilidade


baseados nos estudos sobre desenho universal, que regulamentaria os diversos projetos
arquitetônicos e urbanísticos para que atendessem um maior número de pessoas sem precisar
de adaptação.

19
3.3 Arte e Cultura

A palavra arte vem do latim “ars”, que por sua vez corresponde ao termo grego
“tékne”, que significa meios de se fazer ou produzir algo, também é a “capacidade humana de
sentir, pensar, interpretar e recriar o seu mundo com sensibilidade e criatividade” (Araújo,
s.d.).
Dentre as diversas funções da arte quanto a entreter, encantar, recriar e representar o
mundo pelo ponto de vista do artista, a arte segundo Araújo (s.d.), representa também uma
forma de perpetuação e propagação da cultura de um povo:

[...] A cultura de um povo é preservada através da sua arte, seja ela popular ou erudita,
pois possibilita estudar e compreender aquelas civilizações que não mais existem e
cria um sentido para as que ainda hoje fazem a sua história. Há no mundo, atualmente,
diversos povos que são conhecidos pelo resgate de seus objetos artísticos, como:
cerâmicas, esculturas, pinturas, entre outros. [...]
(ARAÚJO, s.d., s.p.)

A cultura de um povo pode ser compreendida com uma análise de seus bens
remanescentes, sejam eles arquitetônicos, artísticos, escriturais, entre outros. A arte vem
acompanhando o homem e sua evolução histórica, sendo um dos primeiros métodos de
expressão. Quanto à importância da arte na sociedade, Faria (2013) diz:

A arte é de grande importância para o desenvolvimento humano, porque além de ser


uma forma de expressão de um ponto de vista de uma civilização, é também um
grande difusor de valores e costumes para nossa sociedade. Através da arte, sabemos
a maneira de ver o mundo, os costumes, os valores sociais, a organização da
sociedade, a identidade humana de um determinado lugar e de uma época
determinada. [...](FARIA, 2013)

3.4 O Sistema Sensorial

A percepção e compreensão espacial estão diretamente ligadas aos receptores


sensoriais, que nos permitem distinguir formas, sons, cheiros sabores. Hall (1966) em seu
livro A Dimensão Oculta, classifica os receptores sensoriais humanos em duas classes, os
receptores à distância, sendo esses os olhos, os ouvidos e o nariz, e os receptores imediatos
como a pele e os músculos.
Ao comparar os receptores visuais e auditivos Hall (1966) conclui:

Os dois sistemas de recepção, visual e auditivo, diferem, portanto, consideravelmente


não só pela quantidade e a natureza da informação que podem tratar, mas também da
quantidade de espaços que podem controlar de maneira eficaz. [...] A informação
20
visual é em geral menos ambígua e mais bem centrada do que a auditiva. Uma
exceção maior é a fornecida pela atividade auditiva do cego, que aprende a selecionar
as altas frequências acústicas de modo a localizar os objetos que o rodeiam. (HALL,
1966, pág.60)

O sistema olfativo é capaz de trazer muitas experiências e contrapor a monotonia do


nosso dia a dia nas cidades, Hall (1966) relata que os cheiros possuem o dom de trazer
recordações mais profundas que as imagens e sons, para ele, o olfato é a base mais primitiva e
mais fundamental da comunicação do ser humano, o qual conseguia distinguir os indivíduos e
também identificar mudanças de humor.
O sistema gustativo está diretamente ligado ao sentido do olfato, pois na falta ou na
diminuição das informações obtidas pelo sistema olfativo nossa sensação de sabor também é
reduzida.
Quando se passa a pensar nos receptores imediatos como a pele, “A informação
recebida pelos receptores à distância (olhos, ouvidos e nariz) desempenha um papel tão
importante na nossa vida quotidiana que muito poucos de entre nós pensariam em considerar
a pele um órgão sensorial maior” (HALL, 1966, pág.64).
Na arquitetura contemporânea do mundo ocidental é notada a dominância pelo sentido
visual. O arquiteto finlandês Juhani Pallasmaa, segundo Martau (2007), faz uma crítica à
supressão dos demais sentidos na maneira como a arquitetura é concebida e pensada,
desaparecendo as qualidades sensoriais nas obras. Para o arquiteto a arquitetura precisa
transmitir sensações, emoções, evocar lembranças, inspirar sonhos e novas imaginações.

3.4.1 O Tato e a Percepção da Forma

É através da pele que obtemos diversos tipos de informações que nos ajudam na
compreensão das coisas, um bebê, por exemplo, tem seu primeiro contato com o mundo
pegando objetos e colocando-os na boca até conseguir subordinar o tato ao mundo visual, é
através da pele que percebemos diferentes texturas e formatos, explica Hall (1966).
O tato é um sentido basicamente universal para a compreensão da forma, segundo Hall
(1966) qualquer pessoa, tendo ou não deficiência visual, consegue através do tato distinguir
objetos diferentes através de sua forma, porém o tato não é capaz de identificar cores,
sombras, e outras características exclusivas do sentido visual.

21
Figura 1 - Amostra 01 - Heloisa, 23 anos. “Achei que fosse azul, não percebi uma aba mais larga que a outra”,
Fonte: Autor

Figura 2 - Amostra 02 - Ana Regina, 54 anos. “Cinza.”


Fonte: Autor

Figura 3 - Amostra 03 - Carlos Alfredo, 54 anos. "Com o tato percebo a forma aproximada do objeto, porém
não tenho como saber sua cor."

O estudo acima foi feito de maneira a tentar comprovar a percepção através do tato,
elucidando o fato de que as cores são uma característica percebida exclusivamente pelo
sentido visual.

22
CAPÍTULO II – A CIDADE DE CASCAVEL

4.0 CASCAVEL - CULTURA E ACESSIBILIDADE.

Cascavel é uma metrópole regional, formada pelo município sede e mais 22 cidades
(GAZETA DO POVO), com população aproximada de 310 mil habitantes (IBGE 2014), que
possui uma parcela relevante de sua população, com deficiência sensorial seja ela auditiva ou
visual. De acordo com dados do IBGE 2010, na cidade, área urbana e rural, residem
aproximadamente 11 mil pessoas com alguma dessas características, porém, nota-se que
poucos dos espaços públicos atendem de maneira satisfatória esse público, principalmente nas
áreas de acesso à cultura e ao lazer.
A cidade conta com entidades que trabalham com pessoas deficientes sensoriais e que
ajudam a defender e exigir seus direitos quanto aos programas do governo. São elas:
Associação Cascavelense de Amigos Surdos (ACAS), Associação Cascavelense de Pessoas
com Deficiência Visual (ACADEVI), Associação de Surdos de Cascavel (SURDOVEL),
Centro de Atendimento Especializado para Pessoas com Deficiência Visual (CAEDVS).
Essas entidades são importantes, pois ajudam fiscalizando as propostas arquitetônicas para
órgãos públicos e projetos do governo garantido que sejam atendidas de melhor forma as
expectativas quanto à acessibilidade por parte do povo de Cascavel.

4.1 Centro Cultural Gilberto Mayer

O Centro Cultural Gilberto Mayer está localizado na Rua Duque de Caxias, 379. Com
mais de 30 anos de funcionamento, foi fundado no ano de 1982, é onde funciona o auditório
“Cine Teatro Coliseu”, com 330 cadeiras, que servia como palco principal para os eventos
teatrais e artísticos da cidade até a finalização do novo teatro. Possui também as salas onde
acontecem exposições mensais, além de abrigar o “Museu Histórico Celso Formighiere
Sperança” e o “Museu de Imagem e Som – MIS”, que contam a história da cidade.
Apesar de oferecer diversos espaços para exposições, sua estrutura interna ainda não
se encontra em boas condições de utilização, mesmo com as reformas estéticas externas.

23
Figura 4 - Centro Cultural Gilberto Mayer
Fonte: http://artessemfronteiras.blogspot.com.br/2010/09/centro-cultural-gilberto-mayer.html.

4.2 Teatro Municipal de Cascavel

Inaugurado neste ano de 2015, está localizado na Rua Rio de Janeiro, esquina com a
Rua General Osório no centro, diretamente ao lado do Centro Cultural Gilberto Mayer. O
teatro tem a capacidade para 840 pessoas na sala principal, e mais auditórios auxiliares
totalizando 1.368 lugares, sendo considerado o segundo maior teatro do Paraná, menor apenas
que o teatro Guaíra em Curitiba.

Figura 5 - Teatro Municipal de Cascavel


Fonte: fotospublicas.com

24
O projeto é datado de 1991, e foi alterado para cumprir as normas vigentes atuais. Sua
estrutura, apesar de acomodar muitas pessoas, não cumpre seu papel quanto ao conforto de
seus usuários, sendo as fileiras de cadeiras muito próximas umas das outras, o que além de
causar desconforto para quem tem estatura maior que 1,90m de altura, não possibilita a
passagem dos espectadores na entrada ou saída se já houver algum outro sentado.

Figura 6 – Interiores do Teatro de Cascavel


Fonte: www.cascavel.pr.gov.br

Figura 7 - Problemas de Ergonomia – Pessoa com


altura superior a 1,90m.
Fonte: Autor

Demais ao problema citado, o edifício possui cinco pavimentos, com salas de apoios
que podem ser usadas como salas de aulas, além de bar, bilheteria, elevadores, administração
e, no ultimo andar, uma galeria de exposições.

25
CAPÍTULO III – ARQUITETURA

5.0 REFERÊNCIAS PROJETUAIS

5.1 Um Breve Histórico sobre Acessibilidade


As primeiras leis de acessibilidade no Brasil datam do fim da década de 80, oriundas
de grandes movimentos pelos direitos dos deficientes, sendo um marco na mudança da
qualidade de vida dessas pessoas nos edifícios e no acesso à cidade. Normas de
acessibilidade, como a NBR 9050, vieram mudando, com o tempo, alguns aspectos
arquitetônicos. Estas normas foram inspiradas no estudo do Desenho Universal para Design
do Arquiteto americano Ronald Mace de 1985.
Essa NBR estabelece parâmetros técnicos aplicáveis em construções novas ou
adaptações em obras existentes, embasados nas questões de percepção ambiental com ou sem
ajuda de aparelhos, a fim de garantir a utilização dos espaços arquitetônicos de maneira
autônoma à maioria de indivíduos, independente da idade, estrutura física, limitação de
mobilidade ou percepção de maneira segura2.
Apesar de ser obrigatório, nos edifícios, disponibilizar o acesso independente de todos
nos espaços de uso público, na questão de acesso aos meios de comunicação e entretenimento,
tanto no Brasil assim como na cidade de Cascavel, isto ainda ocorre de maneira um tanto
quanto falha e deficiente.
Numa entrevista feita com Josué, deficiente visual, administrador da Biblioteca Braile,
localizada no piso inferior da Biblioteca Municipal, ele menciona que a acessibilidade por si
não gera inclusão, pois quanto ao acesso à cultura, existe falta de incentivo das autoridades
para a criação de eventos diferenciados como o teatro surdo, ou também implantação de
sistema de áudio-descrição em cinemas e teatros para possibilitar o acesso à comunicação.
Dentre as novas tecnologias destinadas ao acesso de deficientes visuais e auditivos aos
meios de comunicação e aos bens culturais, como museus e galerias de artes, está:

 Áudio-descrição:
Áudio-descrição é uma tecnologia que foi criada com o propósito de melhorar o
acesso por deficientes visuais aos meios de comunicação como também ao diversos espaços

2
NBR 9050
26
arquitetônicos e atividades de lazer como cinema, teatros, mostras de museus, de arte entre
outros.
O recurso consiste na descrição clara e objetiva de todas as informações que
compreendemos visualmente e que não estão contidas nos diálogos, como, por exemplo,
expressões faciais e corporais que comuniquem algo, informações sobre o ambiente,
figurinos, efeitos especiais, mudanças de tempo e espaço, além da leitura de créditos, títulos e
qualquer informação escrita na tela3.

Figura 8 – Exemplo de funcionamento da áudio-descrição em cinemas e teatros.


Fonte : http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2014/01/10/noticia_saudeplena,147069/pelo-
direito-de-ter-acesso-a-arte-audiodescricao-traduz-bens-cultur.shtml

5.2 Arquitetura Contemporânea

A partir da década de 30, no período pós-guerra, os diversos estilos arquitetônicos


foram reduzidos a um único dominante: a Arquitetura Moderna, que poderia ser usado para
construir qualquer tipo de edifício para a sociedade. Ao relatar os problemas da arquitetura
moderna Brown (s.d.) cita que o estilo era inumano, chato e em alguns espaços meio que
brutal.
O movimento pós-moderno veio como resposta ao estilo arquitetônico vigente, que já
não era mais o suficiente para os designs da época. Tal movimento não se constituiu apenas
de um único estilo, são eles:
 Historicismo;
 Neo-modernismo;
 Pop Design;
 Hi-tech;

3
Disponivel em : http://audiodescricao.com.br/ad/o-que-e-audiodescricao/. Acessado em:
27
 Regionalismo;
 Desconstrutivimo;
 Ecletismo;

5.2.1 Arquitetura Hi-Tech

A arquitetura Hi-tech teve seu início junto com a Revolução Industrial, com
descobertas de novos materiais como o ferro para a construção civil, além de produtos que a
partir de então poderiam ser industrializados. Um dos primeiros exemplos dessa arquitetura,
segundo Cejka (1993) foi o famoso Palácio de Cristal de Joseph Paxton para a Exposição
Universal em Londres no ano 1951, a qual sua construção somente foi possível através da
padronização e pré-fabricação de suas partes.
Outro pioneiro segundo Cejka (1993) foi o arquiteto Frei Otto, que no Pavilhão
Alemão na exposição de Montreal de 1967 separou uma membrana têxtil pendurada nas
pontas e tensionada em cabos de aço, o que facilitou a execução da obra em vista do curto
prazo até o inicio do evento.

Figura 9 - Pavilhão da Alemanha na Expo 67 em Montreal.


Fonte: http://www.arqbacana.com.br/internal/arq!mix/read/14489/pritzker-2015-%E2%80%93-frei-otto.

Cejka (1993) cita as principais características sobre a arquitetura de alta tecnologia, o


estilo conhecido como Hi-Tech, que são:
 Armazéns: A utilização de estrutura aparente nas fachadas como cabos de tração e
varetas de pressão.
 Pele exterior: envidraçada com mecanismos de proteção contra a radiação solar direta,
assim como também as membranas.

28
 Técnica Doméstica: Tubulações, unidades sanitárias, escadas rolantes, elevadores e
elementos similares aparentes.
Já segundo Brown (s.d.), os arquitetos Hi-Tech afirmavam que o design poderia ser
reduzido puramente à solução de problemas técnicos de estruturas e serviços e que sua
volumetria viria com o modo como eram resolvidos esses problemas, uma versão extrema do
Movimento Moderno funcionalista. “O avanço do ambiente tecnológico providencia um
ambiente flexível e neutro no qual os usuários podem criar seus próprios estilos de vida”
(BROWN, s.d.).
Dentre as características da Arquitetura Hi-Tech citadas por Brown (s.d.) observa-se o
uso de materiais tecnológicos, estruturas e dutos aparentes, alto nível de detalhamento,
grandes fachadas de vidro e de chapas metálicas.
Dentre os arquitetos conhecidos nesse estilo estão: Norman Foster, Renzo Piano, Jean
Nouvel, assim como Santiago Calatrava.

Figura 10 – Norman Foster - Torre Hearst


Fonte: Roberto Segre - http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/09.108/54

5.2.2 Arquitetura Desconstrutivista

O conceito de Desconstrutivismo provém igual ao da pós-modernidade, da literatura e


da filosofia, significando de forma simplificada, da decomposição dos conceitos e
seus componentes. [...] A característica na arquitetura é a perfeição violada,
violatedperfection. (CEJKA, 1993)

A arquitetura Moderna vinha, desde seu começo, com seus padrões rígidos e soluções
simples para os problemas construtivos que eram resolvidos com puros e precisos espaços
29
cúbicos. Foi na década de 80 que o movimento desconstrutivista surgiu para expandir as
formas fechadas da Arquitetura Moderna.
O desconstrutivismo ficou conhecido como uma reação contraria a modernidade e seu
construtivismo. Colin (2009) em seu artigo “Para Entender o Desconstrutivismo”, faz um
breve relato do que é o estruturalismo e o que pregava na arquitetura:

De uma maneira ampla, podemos falar de estruturalismo toda vez que um objeto de
conhecimento é encarado como uma estrutura. Essa prática foi saudada como um
passo adiante da visão mecanicista do mundo, segundo a qual esse objeto era encarado
como uma máquina. [...] No âmbito da arquitetura, mais recentemente, lembramo-nos
da "máquina de morar" de Le Corbusier. O modelo da máquina foi o principal
orientador do pensamento moderno, e podemos dizer que a ele devemos muito do que
se conseguiu em termos de conhecimento científico. Apesar disso, esse modelo tem
suas limitações, e essas apareceram com muita clareza já no século 19. (COLIN,
2009)

A arquitetura desconstrutivista busca principalmente a quebra dos conceitos estruturantes da


arquitetura moderna que era considerada uma estagnação na questão de design. Dentre os
conceitos explicados pelos autores Colin (2009) e Brown (s.d.) desse novo estilo são possíveis
citar:

 Linhas dos planos horizontais e verticais:


A linha do horizonte e o plano do horizonte são elementos considerados pela visão
estruturalista possivelmente como os principais elementos na concepção do projeto
arquitetônico. Faz parte da nossa percepção e compreensão de mundo e da paisagem que nos
rodeia. Os arquitetos desconstrutivistas trabalham com linhas e planos inclinados em posições
de aparência instável de modo a brigar com as leis da natureza e apresentar instabilidade, ou
seja, destroem a dominância do ângulo reto e do cubo usando linhas diagonais.

Figura 11 - Desconstrução do Plano Horizontal


Fonte: www.revistaau.com.br
30
 A Quebra da Perspectiva e dos eixos ortogonais:

Uma das importantes criações do Renascimento, ponto de partida do mundo moderno,


é a perspectiva, instrumento gráfico utilizado pelos pintores para a representação
realista do mundo. Os arquitetos passaram a utilizá-la para dominar o espaço criado e
orientar sua apreensão pelo usuário. A partir de então, e até o momento heroico do
Movimento Moderno, a prospetiva renascentista passou a ser um recurso arquitetônico
para apreender o espaço a ser criado. (COLIN, 2009, sem página).

Utilizam da quebra do conceito das linhas ortogonais para a criação de pontos de


vistas descontruídos e tortos, gerando novas sensações e visual de aparência irregular.
Os eixos ortogonais apresentados por Descartes foram de grande influência para os
conceitos do racionalismo moderno. Da mesma forma foi um dos principais pontos atacados
da arquitetura moderna pelos arquitetos desconstrutivistas, que não aceitavam a representação
do mundo ideal pelos eixos ortogonais.

[...] Os eixos ortogonais são uma referência poderosa, e raramente uma planta de
edifício não ostenta esta ortogonalidade, muitas vezes explícita e intencional, mas na
maioria dos casos um conceito estruturante apenas implícito, talvez o mais forte dos
conceitos estruturantes do mundo moderno utilizado nos projetos arquitetônicos.
(COLIN, 2009, s. p.).

Figura 12- Desconstrução do Ponto de Vista


Fonte: www.revistaau.com.br

31
Figura 14 - Quebra dos Eixos Ortogonais
Figura 13 - Quebra dos Eixos Ortogonais Fonte: www.revistaau.com.br
Fonte: www.revistaau.com.br

 As formas geométricas puras:


Assim como a ideia cartesiana dos eixos ortogonais, as formas puras como as do
cilindro, cubo, prisma, paralelepípedo, esfera, entre outras figuras, foram estruturantes para o
pensamento dos projetos arquitetônicos até então. O pensamento desconstrutivista novamente,
assim como fez com os outros conceitos estruturalistas, buscou romper com a tradição formal,
desobedecer a essas “ordens”.

5.3 Arquitetura e ambiente – Uma arquitetura sustentável – Bio-arquitetura

Numa época em que tudo está evoluindo tão depressa, tecnologia, urbanização, o
mundo está seguindo num rumo onde o meio construído vem tomando frente ao meio natural
comprometendo a saúde do meio urbano e seus habitantes. Segundo Schenk (2012) “O mundo
atual, que tem como uma de suas pautas a questão da sustentabilidade, mostra conflitos
relacionados ao desenvolvimento social e econômico, crescimento populacional e seus
impactos no meio ambiente”.
A implantação de qualquer estrutura artificial, como um edifício, tende a causar
impactos negativos no ecossistema, sua presença pode causar erosão do solo, alterar a fluência
das águas superficiais, modificar a velocidade e direção do vento e alterar a forma com que o
calor do sol é refletido e absorvido, segundo Yeang (1995, pag.16).
Para diminuir esses impactos Yeang (1995) cita premissas cruciais para a implantação
de um edifício de maneira correta, dentre elas estão:

32
- Do conceito ecológico e do meio ambiente: Contemplar o entorno e incorporar o
conceito ecologista do meio ambiente, analisando todas as características do local antes da
implantação.
- Conservação de energia, materiais e ecossistema mediante projeto: Como a Terra é
um sistema de materiais finito, deve-se pensar dentro desse limite. O pensamento ecológico
impõe o uso racional do ecossistema e dos recursos naturais, utilização de energias renováveis
empregadas na construção, funcionamento e resíduos que vão para o descarte.
- Enfoque contextual de um ecossistema: A implantação de uma edificação produz
influências no ecossistema e no sistema biosférico, necessitando que o projetista faça uma
analise dos impactos e escolha terrenos com permissão dada pelos órgãos competentes.
- A Implantação do Projeto deve ser analisada individualmente: Da mesma maneira
que não existem duas espécies de animais iguais, os terrenos das implantações são
ecologicamente heterogêneos, tendo cada um suas próprias propriedades quanto a elementos
orgânicos e inorgânicos.
- O Ciclo de vida como conceito de projeto: As interações entre os ecossistemas são
processos dinâmicos e sofrem alterações ao longo do tempo, sendo ideal prevenir o impacto e
o rendimento do sistema projetado nos ecossistemas durante todo o ciclo da edificação.
-Toda construção provoca um deslocamento espacial do ecossistema e algumas
adições de energia e materiais novos ao local de implantação
- O “sistema total” o enfoque holístico: O projeto deve ser concebido no contexto
global do ecossistema, operando como um todo, e não com apenas em relação ao solo e
alguns de seus componentes.
- O problema da eliminação dos produtos de descarte: De modo geral, os ecossistemas
possuem a capacidade de assimilar certa quantidade de intervenção humana. Deve se procurar
diminuir a quantidade de resíduos provindos das atividades ocorridas na edificação.
- Estratégia de projeto baseada na sensibilidade e na previsão: O objetivo do projeto
ecológico não é manter a biosfera e os ecossistemas fora do alcance das atividades humanas,
mas relacionar as atividades humanas com os ecossistemas da maneira menos destrutiva
possível, de modo mais vantajoso e compatível com as limitações inerentes ao ecossistema.
Frank Lloyd Wright (1867-1959) foi um arquiteto exemplar na questão de respeito à
natureza, a arquitetura ecológica. Sua arquitetura possui um conceito organicista, sua obra se
relaciona muito bem com o meio em que esta inserida, geralmente em meio à natureza,
aproveitando os recursos naturais locais e suas potencialidades.

33
Personalidade explosiva, desmedidamente egocêntrico, entusiasta de uma
filosofia de vida fundada no culto a personalidade, Wright preferia a pradaria à cidade,
pela qual nutria uma relação conflituosa de amor e ódio. Evitava a cidade
contemporânea, pois a julgava a máquina destruidora do indivíduo, que, segundo o
arquiteto, seria resgatado somente se perseguisse uma relação nova com a natureza.
Por esse motivo seu principal terreno de confronto e enraizamento foi frequentemente
representado pelo interior americano vasto e sem limites. (GELMINI, 2011)

Wright utilizava os materiais que poderiam ser obtidos na região da implantação da


sua obra, e utilizava as potencialidades do local para trazer sensações aos usuários, como em
seu projeto “Casa da Cascata” onde sua proximidade com uma pequena queda d’agua
alimenta o ambiente com o som tranquilizante, além de proporcionar uma bela vista.

Figura 15 - Casa da Cascata - Frank Lloyd Wright


Fonte: http://www.volfarquitetura.com.br/wp-content/uploads/2013/08/VOLF-Water-House.jpg

Além de conceber um projeto que se preocupe com o meio ambiente, aliando natureza
e espaço construído, mostrando que é possível edificar junto com o preservar, sem gerar
grandes impactos ao meio ambiente, incentivando o pensamento da sustentabilidade nos
projetos arquitetônicos numa cidade que está em constante crescimento. Ao mesmo tempo,
procura-se aproveitar o máximo das vistas e potencialidades da região, insolação, vento, para
causar encantamento nos usuários, tornando o Centro Cultural possivelmente mais
interessante para um estabelecimento que tenha sucesso quanto ao seu uso contínuo.

34
Figura 16 - Casa da Cascata
Fonte: vitruivius.com
Figura 17 - Casa da Cascata Vista Interna
Fonte: casadacascataequipe.blogspot.com

5.4 Aspectos ambientais da Cidade.

Figura 18 - Mapa Cobertura Vegetal Nativa do Paraná


Fonte: ITCG (2012) Disponível em:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Vegeta%C3%A7%C3%A3o_do_Paran%C3%A1#/media/File:Brazil_South_Paran%
C3%A1_vegetation_map.png

Cascavel está localizada numa faixa do Paraná onde sua mata é especificamente a
Ombrófila Mista, a qual se caracteriza por mesclar elementos de duas floras de origens
distintas, a tropical Afro-brasileira e temperada Austro-brasileira. A Araucária, vulgo pinheiro
do Paraná, é umas das espécies predominantes na região, sendo a floresta das Araucárias
35
típica de regiões com altitudes próximas ou acima de 800m. A altitude média de Cascavel é
de 785m em relação ao nível do mar, suas coordenadas são: 24° 57' 21" S 53° 27' 18" O.
Nas regiões Oeste e Noroeste do Estado do Paraná o vento predomina na direção NE e
na região Nordeste a direção SE. Para o Estado do Paraná a direção predominante do vento é
NE com 23,9% de frequência (Obladenet al., 1983).4 Clima Subtropical Cfb. - Clima
temperado, com verão ameno. Chuvas uniformemente distribuídas, sem estação seca e a
temperatura média do mês mais quente não chega a 22ºC. Precipitação de 1.100 a 2.000 mm
anual. Geadas severas e frequentes, num período médio de ocorrência de dez a 25 dias
anualmente. Esse tipo de clima predomina no planalto do Rio Grande do Sul, Santa Catarina,
Paraná5.

5.5 Liderança em design ambiental e energético (LEED)

Com o avanço da modernidade, há um aumento da preocupação com relação à


sustentabilidade e eficiência. No ramo das construções temos a certificação LEED para
edifícios ecológicos, os “greenbuildings”, de alto desempenho. “O programa certifica que a
edificação é ambientalmente compatível, que proporciona um ambiente de trabalho saudável e
rentável.” (LEED, 2008, sem página) 6.
A certificação internacional é utilizada em 143 países incentivando a criação de
projetos com foco na sustentabilidade. Ao todo são sete dimensões de avaliação das
edificações segundo o GBC Brasil (2014). São eles:
- Espaços sustentáveis: Estratégias que minimizam o impacto da construção sobre o
meio ambiente inserido, como também a redução do uso de automóveis e das ilhas de calor
nos centros urbanos. (26 pontos)
- Eficiência no uso da Água: Uso racional da água, redução do uso de água potável,
tratamento e reuso dos recursos pluviais. (10 pontos)
- Energia e Atmosfera: Promove a eficiência energética nas edificações, como
simulações energéticas, medições, comissionamento de sistemas e utilização de equipamentos
e sistemas eficientes. (35 pontos)

4
Disponível em: http://www.iapar.br/arquivos/File/zip_pdf/IP67.pdf
5
Fonte: (http://www.cnpf.embrapa.br/pesquisa/efb/clima.htm).
6
Certificação Leed. Disponível em: http://gbcbrasil.org.br/sobre-certificado.php
36
- Materiais e recursos: Uso de materiais de baixo impacto ambiental, ou de rápida
renovação, redução na geração de resíduos, e incentivo à coleta consciente de materiais
recicláveis, reduzindo o montante de lixo destinado aos aterros sanitários (14 pontos).
- Qualidade Ambiental Interna: Promove a qualidade interna do ar, escolha de
materiais com baixa emissão de compostos orgânicos voláteis, como tintas e vernizes,
conforto térmico e priorização das vistas para o exterior e iluminação natural (15 pontos).
- Inovação em design e operação: Incentiva a busca de conhecimento sobre Green
Building, assim como a criação de medidas projetais não descritas nas categorias do LEED (6
pontos).
- Créditos de Prioridade Regional: Incentiva os créditos definidos como prioridade
regional para cada país, de acordo com as diferenças ambientais, sociais e econômicas
existentes em cada local (4 pontos).
Pretende-se, através do projeto, atender às exigências do programa para obter o
mínimo da certificação (40 a 59 pontos).

5.6 Dispositivos para um Projeto Sustentável e Ecologicamente Correto.

5.6.1 Uso e reuso de água

Na busca de adequar o projeto do Centro Cultural Multissensorial à Classificação


LEED e, obter uma edificação voltada para a sustentabilidade, é interessante a utilização de
recursos que diminuam o consumo e o desperdício de água no seu uso. De acordo com
Giacchini (2011), as ações de conservação de água nos sistemas de abastecimento objetivam
minimizar as perdas no sistema. Uma das formas de se alcançar tal objetivo é através do Eco-
Saneamento, que consiste na separação dos tipos de esgoto sanitário, tratamento (reciclagem)
e reutilização de parte desses efluentes.
As águas residuárias, segundo Giacchini (2011), para fins de uso não potável são
classificadas em:
 Águas Negras: trata-se das águas residuárias procedentes das bacias sanitárias, as
quais apresentam em seu conteúdo fezes, urina e papel higiênico;
 Águas Amarelas: refere-se às águas residuárias oriundas dos dispositivos de processos
separadores de urina e fezes, como os mictórios e as bacias sanitárias separadoras;

37
 Águas Cinza: são as águas servidas, oriundas de pontos de consumo como os
lavatórios, chuveiros, banheiras, pias de cozinha, máquinas de lavar roupas e tanques.
Sendo esta última, ainda, subdividida em outras duas classificações segundo
Fernandes (s. d.):
 Água Cinza Clara: tem origem em banheiras, chuveiros, lavatórios e máquinas de
lavar roupas.
 Água Cinza Escura: inclui ainda a água proveniente da pia da cozinha e máquina de
lavar pratos.
O produto resultante da reciclagem dessas águas e da água da chuva pode ser utilizado
para finalidades não nobres, como: descarga sanitária, descarga de mictórios, limpeza de
pátios e veículos e irrigação de jardins, desde que devidamente tratadas.
Quanto aos tipos de reuso, podem ocorrer tanto de maneira direta, que é quando o
efluente tratado é utilizado diretamente no mesmo local que recolhido, quanto indireto,
quando o efluente tratado é despejado em um curso natural de água e depois recolhido para
nova utilização. Este segundo é mais amplamente utilizado pelas concessionárias de
abastecimento de água como a SANEPAR.
De acordo com Giacchini (2011), nas áreas urbanas, o reuso está mais frequentemente
associado à reciclagem da água nas edificações, sejam elas residenciais ou industriais,
destacando-se a utilização da água cinza clara, cujo emprego se aplica para fins não potáveis.
Porém, mesmo para usos de águas não potáveis a qualidade sanitária precisa ser garantida por
meio de tratamento adequado.

5.6.2 Sistema de Tratamento da água cinza.

Para a separação dos tipos de esgotos a serem tratados, segundo Silva et al.(s.d.), é
necessário que os ramais sejam independentes entre si, um para a água negra e outro para
água cinza clara. Esse procedimento reduz os custos de todo o processo, pois separam de
maneira efetiva os efluentes com mais poluentes daqueles com menos carga poluidora.
As águas para reuso são então transportadas para um sistema de tratamento que
retiram os resíduos da água e a desinfetam para que não haja o risco de contaminação
biológica pelos usuários. O sistema precisa estar em constante avaliação para que se garanta o
padrão de qualidade necessário para essa água.

38
Segundo Silva et al. (s.d.), o sistema de tratamento se baseia em um filtro com
múltiplas camadas por onde passa o efluente a ser tratado. Dentre estas, encontram-se
camadas de lascas de madeira, pedregulho médio, areia grossa, areia fina, brita e pedregulho.
Após a filtragem dos resíduos sólidos é necessário ser feita a desinfecção microbiana através
da cloração ou de um filtro com aplicação de radiação ultravioleta. O sistema de tratamento é
dimensionado com base na quantidade e frequência de despejo dos efluentes.

Figura 19 - Sistema de Tratamento dos Efluentes


Fonte: Silva et al. apud Oliveira et al. (2007)

Após o tratamento, essa agua é levada até um reservatório apropriado para, então, ser
bombeada para um reservatório superior e possibilitar a distribuição desta para instalações
como em banheiros nas bacias sanitárias, e torneiras de limpeza externa e irrigação. É de
extrema importância que as tubulações hidráulicas sejam totalmente independentes umas das
outras para que não haja contaminação da água potável provinda da concessionária local7.

7
SILVA et al. Avaliação Da Reutilização De Águas Cinza Em Edificações, Construções Verdes E
Sustentáveis. Disponível em: <
http://www.conhecer.org.br/enciclop/2010c/avaliacao%20da%20reutilizacao.pdf>
39
Figura 20 - Sistema de Reuso de Águas Cinza.
Fonte: Silva et al. apud Oliveira et al. (2007)

5.6.3 Poços de Infiltração de Águas Pluviais

A implantação de grandes superfícies impermeabilizadas no solo de nossas cidades


dificulta a infiltração das águas pluviais nas áreas ocupadas. Com isso, ocorre o desiquilíbrio
do balanço hídrico natural da região, aumentando o volume do escoamento superficial,
causando enchentes, e prejudicando o reabastecimento do lençol freático, secando minas de
água e rios, segundo Reis et al. (2008).
Por meio da implementação de novas técnicas e conceitos ambientais é possível, de
acordo com Reis et al.(2008), repensar a gestão de drenagem urbana de maneira mais
eficiente e com sustentabilidade. Uma das soluções passíveis de utilização é a implantação de
sistemas de drenagem em formato de poços, visando restabelecer o balanço hídrico na área
ocupada por meio da introdução da infiltração da água pluvial.
O sistema convencional implantado nas cidades para drenar as águas da chuva são as
extensas galerias de águas pluviais que carregam esse excesso que não foi absorvido devido
às impermeabilizações, carregando dejetos para o leito dos rios e contaminando os mesmos,
além de causar enchentes, quando do entupimento das bocas de lobo e o transbordamento das
galerias. Á agua ao deslizar pelas ruas, acaba carregando resíduos de animais, lixo, bactérias,

40
urina de rato, contaminando o sistema fluvial com consequentes riscos à saúde do meio
ambiente e da população abastecida com essa água.

Aplicando-se soluções de drenagem que induzam a infiltração da água pluvial no


terreno, é possível reduzir o volume de descarga nas sarjetas e galerias pluviais,
restabelecer o balanço hídrico, criar pontos de recarga do lençol freático, minimizar a
ocorrência de enxurradas, melhorar a qualidade das águas e, consequentemente,
melhorar a qualidade de vida da população dos grandes conglomerados urbanos.
(REIS; OLIVEIRA; SALES, 2008)

O sistema de reservatório/drenagem consiste em poços escavados no solo, revestidos


por peças de concreto (tubos furados) e assentadas, envoltos numa manta geotêxtil fazendo a
interação concreto/solo, e no fundo uma camada de agregados graúdos para a retenção de
sujeiras e filtragem prévia. Com a saturação da capacidade de absorção do solo, o poço enche
e através de um tubo condutor, o excedente da água é destinado às galerias públicas de águas
pluviais, gerando segurança no sistema e impedindo que á agua chegue a inundar a edificação.

Figura 21 - Esquema Poço de Infiltração


Fonte: (REIS; OLIVEIRA; SALES, 2008).

No Estado de São Paulo, devido a inúmeras enchentes que param a capital do estado a
cada chuva, foi criada em 2002 a Lei 13.276 que obriga a criação de reservatórios de água
pluvial, para qualquer edificação onde a área de impermeabilização ultrapasse 500m² para

41
acumular essa água. Porém, ao contrario da ideia dos poços de infiltração, esses reservatórios
são impermeáveis, servindo apenas para reter parte da água por um determinado período de
tempo antes de jogá-la para a rede pública.

5.6.4 Eficiência Energética

Quando se fala em redução de utilização de recursos naturais, também entra em


questão a redução de perdas energéticas nas edificações. Eficiência Energética, segundo o
Ministério do Meio Ambiente8, consiste da relação entre a quantidade de energia empregada
em uma atividade e aquela disponibilizada para sua execução.
O Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel) incentiva a
racionalização do consumo de energia elétrica, combatendo o desperdício e reduzindo os
custos e os investimentos setoriais, aumentando a eficiência energética.
A adoção de medidas simples, logo no projeto arquitetônico, como o aproveitamento
da luz natural e dos ventos reduz a necessidade de mais lâmpadas ligadas durante o dia e a
utilização de maquinas de refrigeração como o ar condicionado. Também, a utilização de
geradores de energia que não agridam o meio ambiente como no caso dos painéis solares.
Na cidade de Cascavel a Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (Amop),
além de incentivar o uso de energias alternativas, passou a incorporar em seu edifício essa
tecnologia.

Não basta defender uma bandeira de luta. É preciso incorpora-la, de corpo e alma. Foi
com esse propósito que o prefeito de Assis Chateaubriand e presidente da Amop,
Marcel Henrique Micheletto, não mediram esforços para que a sustentabilidade
fizesse parte da rotina da maior e mais respeitada entidade municipalista paranaense.
Pois o que era um sonho se tornou realidade: na entidade está funcionando, desde o
inicio do ano, painéis com energia solar, e quase 70% das necessidades energéticas
passam a ser supridas por essa fonte sustentável 9.

8
Disponível em: www.mma.gov.br/clima/energia/eficiencia-energetica
9
REVISTA DA AMOP
42
Figura 22 - Painel Fotovoltaico
Fonte: www.neosolar.com.br

O funcionamento dos painéis solares acontece a partir da incidência de luz solar,


gerando energia elétrica sem gerar resíduos e com pouca manutenção, é formado por um
conjunto de células fotovoltaicas que, em exposição à luz do sol, que incide sobre os elétrons
que as compõe e se movimentam gerando uma corrente elétrica10.

5.7 Paisagismo em Jardins Sensoriais

O jardim sensorial tem como principal objetivo trazer sensações e reviver lembranças
nos usuários a partir de cheiros, texturas, sabores, cores, e também sons. O projeto contará em
seu interior com um jardim para a contemplação, completando as experiências sensoriais
junto com o conceito de natureza.

O jardim, desde a antiguidade, sempre foi um espaço de lazer e prazer mesclando um


paradigma de sonho e realidade. Através deste espaço, era possível viajar no tempo,
experimentar sensações diferentes, promover encontros e entrar em contato com a
natureza em sua mais exuberante expressão. (CHIMENTHI, 2013, sem página)

De acordo com Chimenthi (2008), a maioria dos jardins, tanto residenciais quanto
públicos não são adaptados para as pessoas com deficiência nem mesmo aos idosos, que já
perderam parte da sua capacidade motora e sensorial. Para amenizar esse problema os jardins

10
Disponível em: http://www.neosolar.com.br/aprenda/saiba-mais/painel-solar-fotovoltaico
43
devem ser projetados com sua entrada em nível paralelo para que não haja rebaixos nem
degraus em seu acesso.

Figura 23 - Jardim Aromático


Fonte: blogdamiquei.blogspot.com

Esse estilo de jardim tem grande influência da cultura oriental e tem como objetivo
alcançar os cinco sentidos humanos:
- Olfato: Através dos aromas das espécies de flores e folhagens.
- Visão: Através de cores exuberantes, formas, e tipos de composição.
- Audição: Com o movimento de águas.
- Tato: Textura das folhas, caminhos de pedras.
- Paladar: Arvores frutífera.
Chimenthi (2008), explica que as plantas possuem deferentes texturas de acordo com
sua espécie trazendo diferentes sensações, os repuxos de água criam um ambiente com uma
sonorização relaxante, é possível criar esse efeito com bombas de aquário e fontes
ornamentais. Ervas aromáticas e diferentes flores mexem com o sistema olfativo dos usuários,
as ervas aromáticas possuem efeitos terapêuticos, ativam as células sensíveis que cobrem as
passagens nasais, chegando direto para o cérebro. Desta forma tais ervas afetam as emoções.
E por fim, as cores da vegetação conseguem criar uma harmonia na conotação visual.

44
Figura 24 - Acessibilidade em Jardim
Fonte:www.jornalagora.com.br

Os jardins em espaços públicos devem ser projetados para que a maior parte das
pessoas possa ter acesso de maneira independente a todas as suas áreas.

45
CAPÍTULO IV – REFERÊNCIAS ARQUITETÔNICAS

6.0 ARQUITETO DE REFERÊNCIA

6.1 Arquitetura de Santiago Calatrava

As diretrizes volumétricas para o Centro Cultural Multissensorial tem como referência


projetual obras do arquiteto espanhol Santiago Calatrava, que construiu obras de grande valor
para a comunidade onde está inserida.
Arquiteto e engenheiro nascido na Espanha, sua dupla formação permitiu um novo
estudo sobre formas e métodos construtivos arquitetônicos. Sua arquitetura utiliza a mais
progressista tecnologia da atualidade, podendo sua arquitetura ser considerada exemplos do
movimento pós-moderno Hi-tech.
Em suas obras Calatrava mostra que um artefato funcional, como a arquitetura, não
precisa necessariamente ser opressiva e perturbadora, com volumes simples e brutos. Suas
construções são dotadas de uma linguagem poética e complexa, que segundo Lefraive (2011,
pág.9) “suas estruturas pretendem inspirar esperança e convidam a sonhar”.
Ainda segundo Lefraive (2011) Calatrava utiliza-se geralmente de estruturas metálicas
de forma a permitir a sua movimentação natural além dos diferentes esforços originados do
uso, como também a força do vento e a dilatação nos dias de calor, numa coerente “poética do
movimento”.
“Sua arquitetura mostra, às vezes, características zoomórficas parecidas com as das
tendências orgânicas, alguns elementos lembram ossos e formatos de animais”, relata Cejka
(1993).

Figura 25 - Ponte Estaiada


Fonte: homesthetics.net
46
Muitas de suas obras são variações do projeto para uma ponte estaiada, de onde utiliza
com frequência, de maneira ritmada, perfis metálicos e cabos de aço tensionados como
elemento estrutural e também estético. Nota-se a predominância do branco em suas obras o
que ressalta o desenho da forma complexa sem pesar no visual da paisagem.

Figura 26 - Planetário de Valencia


Fonte: teacher.buet.ac.bd

Boa parte de suas obras ora estão localizadas próximas a montante de águas naturais
como rios, lagos e mares, ora ele mesmo projeta espelhos d’água utilizando o reflexo gerado
pela proximidade com o elemento para completar a estética dos projetos.
Em relação ao emprego de materiais, em suas construções percebe-se o uso de
diversos revestimentos diferentes entre si numa mesma obra, podendo-se encontrar pedra,
concreto aparente, aço, chapa perfurada, vidro e madeira juntos.

Considerações:
A escolha desse arquiteto de referência deve-se, em base, de que seu trabalho é de
grande importância para as comunidades, geralmente se tornando marcos para a cidade de
suas implantações.
De suas características projetuais, se sobressai a utilização da cor branca nas fachadas
que, além de ressaltar o desenho da forma contribuí para o sentido do conceito do projeto do
Centro Cultural Multissensorial de que as cores são um privilégio apenas do sentido visual.

47
Outra característica de Calatrava a ser utilizada como referência para a volumetria é o
conceito de mimese11, muito frequente em suas obras.

6.2 Análise Obras Correlatas

A seguinte análise sobre obras correlatas e de referência para basear o posterior projeto
arquitetônico de um Centro Cultural Multissensorial, como correlatas foram escolhidas dentre
os diversos projetos com relação à espaços de arte e cultura do arquiteto de referência
Santiago Calatrava, já na parte das obras de referência serão dispostas obras de outros
arquitetos também relacionados ao tema.

6.2.1 Palácio das Artes da Rainha Sofia – Santiago Calatrava

O Palácio das Artes é uma obra do arquiteto espanhol Santiago Calatrava, e está
localizada na Cidade de Valência na Espanha. Faz parte do complexo cultural “Cidade das
Artes e Ciências de Valência”, que foi construído no antigo leito do rio Turia, que cortava a
cidade, no qual após seu desvio se tornou uma grande praça.
Localizado ao lado do prédio principal do complexo cultural, o prédio também
chamado de “Opera House” possui além de auditório, galerias para exposição de quadros
artísticos e elementos decorativos. O palácio é a ultima peça do complexo a ser projetada e
construída, tornando o Complexo Cultural o mais importante espaço artístico da cidade de
Valência na Espanha12.

11
Do gr. mímesis, “imitação” (imitatio, em latim), designa a ação ou faculdade de imitar; cópia, reprodução ou
representação da natureza, o que constitui, na filosofia aristotélica, o fundamento de toda a arte. (CEIA, sem
data)
12
Disponível em: http://www.calatrava.com/projects/palau-de-las-artes-valencia.html
48
Figura 27 - Palácio das Artes da Rainha Sofia
Fonte: au. pini.com.br

Desde sua inauguração chama atenção das pessoas pela sua monumentalidade, com
seus 75 metros de altura e 163 metros de comprimento. De acordo com Figuerola (2007), sua
forma é geralmente associada à forma dos barcos que ali existiam antes do deslocamento do
caminho do rio, ou, a uma pena, representada pela cobertura, repousando sobre a edificação.

Apesar disso, Calatrava afirma que concebeu o palácio como um "objeto escultural
autônomo", sem ligação com os temas anteriormente mencionados. "Todos os meus
projetos, incluindo o Palácio das Artes, começam com um desenho ou aquarela que
partem de um gesto. Pode ser o gesto de uma criatura viva ou de minha mão se
movendo pela página", revela, sem deixar claro o que, exatamente, o fez chegar a essa
forma. (FIGUEROLA, 2007, sem página)

A edificação conta com um auditório principal para 1.700 pessoas, com o terceiro
maior fosso de orquestra do mundo com 180m²; uma sala auxiliar para 400 pessoas para
pequenas apresentações musicais e conferencias; um anfiteatro para 1.500 pessoas e um teatro
de câmara para 400 expectadores.

49
Figura 28 - Palácio das Artes da Rainha Sofia
Fonte:www.skyscrapercity.com

Estes usos estarão conectados com os vestiários, salas de descanso e cafeteria. Em


seus espaços privados, o Palácio das Artes da Rainha Sofia dispõe de escritórios para
a administração geral, direção artística e direção técnica, amplas salas de ensaio de
orquestra, coros, dança e solistas, sala de imprensa, sala de encenação, camarins VIP,
camarins individuais para solistas, camarins de figurantes, coro, vestuários para
orquestra, oficinas, corte, carpintaria e lojas13.

O palácio conta com espaços que privilegiam vistas panorâmicas do complexo das artes onde
possui outros projetos. Escadas helicoidais por entre as cascas e o volume do auditório levam
os visitantes a diferentes níveis onde podem encontrar cafés, jardins e os terraços.

13
Disponível em: http://www.via-arquitectura.net/15/15-138.htm
50
Figura 29 - Plantas Palácio das Artes
Fonte: www.via-arquitectura.net/15/15-138

Os materiais utilizados na obra para as duas cascas e a cobertura em pena formam uma
estrutura metálica espacial com fechamento de laminas de aço na cor branca. A estrutura do
edifício se baseia, em quase sua totalidade, em concreto armado.

Considerações:

Essa obra é de grande importância para o entendimento da estrutura funcional de um


edifício cultural quanto à questão de administração e gerência, e também quanto às salas de
apoio do auditório ajudando na melhor resolução do programa de necessidades e do
fluxograma.
Serão adotados, como referência para o projeto do Centro Cultural Multissensorial, os
métodos construtivos utilizados como o emprego de estrutura mista de concreto armado e
estrutura metálica revestida em aço para as cascas, que ajudam para ideia estilística de
movimento e para a volumetria da fachada.

51
6.2.2 Museu de Arte de Milwaukee – Santiago Calatrava

O museu de arte foi uma obra que foi conjugada parcialmente a um prédio já existente,
um memorial de guerra projetado por Eero Saarinen de 1957. Este projeto consistia num
grande retângulo de concreto ligado a uma ponte e que, apesar de sua importância para a
cidade, a edificação tinha uma falta de identidade arquitetônica, a claridade natural.
Calatrava propôs a criação de um pavilhão independente contrastando com a
volumetria original utilizando de aço e concreto na cor branca, com sua forma lembrando um
navio. A estrutura do pavilhão possui uma espetacular característica, um brise-soleil em forma
de persiana metálica que abre como as asas de um grande pássaro trazendo iluminação natural
para o centro da galeria de exposições.
O novo prédio adicionou à construção original 13.200m², possui uma galeria de
exposições temporária de 1.500m², um centro educacional com capacidade para 300 pessoas,
um espaço de leitura, uma loja de presentes e um restaurante que atende 100 pessoas com a
melhor vista para o Lago Michigan.

Figura 30 - Asas Fechadas Figura 31 - Asas Abertas


Fonte: Fonte:
http://www.galinsky.com/buildings/milwaukeeart/ http://www.galinsky.com/buildings/milwaukeeart/

52
Figura 32 - Interior Fechado Figura 33 - Interior Aberto
Fonte: Fonte:
http://www.galinsky.com/buildings/milwaukeeart/ http://www.galinsky.com/buildings/milwaukeeart/

Considerações:
A obra foi escolhida como referência, devido também, à forma surpreendente que
foram projetados os brises. O arquiteto se utiliza de elementos mecânicos para fazer essa
movimentação com graça e leveza. Da mesma forma, pretende-se buscar no projeto
arquitetônico, utilizar tecnologia baseada nesse exemplo para buscar um meio de conforto
termolumínico para o Centro Cultural Multissensorial.

6.3.3 Auditório Adam Martim de Tenerife – Santiago Calatrava

O projeto do auditório, localizado na cidade de Santa Cruz, capital da Ilha Tenerife,


Espanha. O prédio, feito todo em concreto armado, tem como sua principal característica sua
cobertura e sua dramática curva.
De acordo com Calatrava, “a forma origina de um gesto livre marcado por uma
intenção expressiva, a qual transmite a natureza artística do interior transcendendo para o
exterior”.

53
Sua estrutura funcional conta com um auditório para 1.800 pessoas, e uma câmara
music hall para 400 pessoas. O acesso público ao auditório está localizado logo abaixo da
enorme curva esculpida em concreto. O setor de serviços e de administração são servidos por
ar condicionado, já nas partes sociais, o arquiteto optou pela utilização dos ventos naturais das
marinas para o conforto térmico do edifício e seus usuários, o ar flui através das áreas
envidraçadas e por entre as conchas de concreto.
A acústica foi pensada com painéis de madeira dispostos num formato meio que
cristalino e pintados na cor branca, que ajuda na dramaticidade do espaço interno. A reflexão
sonora foi testada com lasers para ajudar no dimensionamento da abóboda do auditório. Em
vez de possuir cortinas no palco, o auditório possui uma tela sanfonada de alumínio vertical
que, quando aberto, se ergue para dentro do auditório para agir como um refletor de som
sobre o fosso da orquestra14.

Figura 34- Interior Auditório


Fonte: www.calatrava.com

14
Disponível em: www.calatrava.com/projects/adan-martin-auditorio-de-tenerife-santa-cruz-de-
tenerife.html?image=1&image=7&view_mode=overview
54
Figura 35 - Auditório de Tenerife
Fonte: www.calatrava.com

Considerações:
Desta obra, como referência, será utilizado seu partido volumétrico de formas curvas,
e principalmente o modo com que conseguiu, de maneira inovadora, projetar uma “cortina”
metálica de dupla função, fechar o palco e amplificar a ressonância do som da orquestra.

7.0 ANÁLISE OBRAS DE REFERÊNCIA

7.1 Museu Guggenheim de Nova York – Frank Lloyd Wright

O museu de Nova York teve sua construção terminada no ano de 1959 e foi desenhado
pelo arquiteto renomado Frank Lloyd Wright que, infelizmente, morreu antes da conclusão de
sua ultima e maior obra de sua carreira. A obra está localizada no 1071 5th Ave, New York,
NY 10128, Estados Unidos, em frente ao famoso Central Park.
“O museu Guggenheim representa a apoteose dos conceitos de Wright relativo à
arquitetura orgânica”, afirma Pfeiffer (1997).

A natureza não somente providenciou ao museu uma pausa das distrações de Nova
York, mas também o inclinou a sua inspiração. O museu de Guggenheim é uma
personificação de Wright das tentativas de tornar a herança da plasticidade das formas
orgânica da arquitetura. [...]. (DRUTT, s.d.)

55
Figura 36 - Guggenheim de Nova York
Fonte: guggenheim.org

No inicio dos anos 40 Wright recebeu uma carta da conselheira de artes do


colecionador de artes o senhor Solomon R. Guggenheim para construir uma sede para sua
coleção na cidade de Nova York. Sua escolha pelo terreno ideal para a implantação de sua
obra foi demorada, segundo Drutt, Wright não fazia segredo sobre seu descontentamento
sobre a escolha da cidade, para ela a cidade estava muito construída, muito populosa e com
falta de mérito na arquitetura.
A ideia principal do projeto foi o formato de Zigurate invertido com uma rampa em
espiral descendente que representa a matriz do projeto final, a ideias de um ambiente contínuo
para a exposição das obras difere dos demais projetos de museus espalhados pelo mundo,
segundo Gelmini (2011).

[...] Seu zigurate invertido assim como um templo da Babilônia faz o design do
museu, o que leva os visitantes através de uma série de salas interconectadas
forçando-os a retrocedes seus próprios passos na saída. Ao contrario, Wright leva as
pessoas até o topo do edifício através de um elevador, e os guia para baixo pelo
espaço de lazer numa contínua e suave rampa helicoidal. As galerias são divididas
como as membranas de uma fruta cítrica, com seções interdependentes entre si. O
ambiente aberto no centro proporcionou aos visitantes a única possibilidade de ver
várias alas de trabalhos em diferentes níveis simultaneamente. O design em espiral
relembrou as conchas marinhas, com espaços contínuos se juntando livremente com
os outros. (DRUTT, s.d.)

56
Figura 37 - Rampas Guggenheim NY Figura 38- Esquema Rampa em Espiral
Fonte:www.redesignrevolution.com Fonte: guggenheim.org

Os métodos construtivos utilizados para a realização de tal obra foram em especial aço
e concreto. “O Guggenheim é um estrutura plástica em que o concreto se molda em formas
curvilíneas com o reforço do aço”, relata Pfeiffer.

Aqui, pela primeira vez, a arquitetura se faz plástica, com cada nível fluido sobre o
outro (como na escultura) no lugar da habitual sobreposição estratificada sobrepondo-
se a partir de um sistema construtivo de pilar e viga. O edifício inteiro, em concreto, é
como uma casca de ovo de grande simplicidade formal, mas que uma estrutura
reticulada. A carne suave do concreto se faz forte mediante a inserção de filamento de
aço, tanto separados como (reticulado/ intercruzado). (PFEIFFER, 2007, pág.142)

Considerações:

Dessa obra será utilizada como referência sua grande rampa em forma de espiral, o
ponto principal do museu, que consegue integrar os diferentes níveis de exposições
transmitindo aos usuários uma sensação de fluidez e de espaços mais amplos. O grande vão
gerado em conjunto com uma cúpula, distribui a iluminação provinda do exterior para o
interior da galeria de maneira, permitindo uma iluminação natural a todo o complexo sem que
estrague as obras expostas.
Da mesma forma que as rampas em espiral criam uma sensação de integração do
indivíduo com o ambiente arquitetônico, também possibilita o acesso igualitários de todos os
usuários, independente de suas limitações motoras, o acesso a todos os diferentes níveis e
espaços do projeto, no caso, do Centro Cultural Multissensorial.

7.2 Abu Dahbi Performing Arts Centre – Zaha Hadid

O centro de artes performáticas é uma das cinco principais instituições localizadas na


Ilha de Saadiyat, em Abu Dhabi. A edificação contém cinco teatros, sendo um music hall,

57
uma sala de concertos, uma casa de óperas, teatro dramático e um multiuso, gerando um total
de 6.300 lugares. Zaha Hadid descreve sobre o design:

Uma escultura que emerge de uma interseção linear do passeio dos pedestres por
dentro do distrito cultural, gradualmente se desenvolvendo em um organismo que
cresce brotando uma rede sucessiva de ramificações. Pelo fato de ventar no local, a
arquitetura aumenta a sua complexidade, construindo em altura e profundidade
proporcionando múltiplos níveis que abrigam os espaços performáticos, relembrando
frutas no vinho que seguem para o oeste em direção ao mar. 15

A linguagem formal da edificação é derivada de um a série de tipologias evidenciando


o sistema organizacional de crescimento do mundo natural.

Figura 39 - Performance Arts Exterior


Fonte: www.zaha-hadid.com

Figura 40 - Performance Arts Interior


Fonte: www.zaha-hadid.com

15
SITE ZAHA HADID. Abu Dhabi Performing Arts Centre. Disponível em:
< http://www.zaha-hadid.com/architecture/abu-dhabi-performing-arts-centre/>

58
A arquitetura se aproveita de materiais transparentes que permeiam a visão exterior do
mar para o interior dos ambientes, gerando uma sensação de amplitude e integrando a
natureza. Um dos seus ambientes performáticos esta voltado para o mar utilizando da
paisagem natural para a composição do cenário.

Figura 41 - Interior do Auditório Principal


Fonte: www.zaha-hadid.com

Zeballos (2012) ao analisar o projeto da Zaha Hadid, relata que um dos aspectos para a
alta iluminação foi sua utilização de grandes janelas nos halls, permitindo a entrada de luz e a
apreciação das vistas da cidade retomando o espírito dos antigos teatros gregos.
Levando em conta que em Abu Dhabi faz um calor perto dos 50 graus durante o dia,
seria necessário um ótimo sistema de refrigeração de ar para compensar os grandes panos de
vidro que trazem o calor para dentro, sendo assim a solução utilizada pela arquiteta segundo
Zeballos (2012) foi pela utilização de vidros especiais que refletem a maior parte do calor de
volta, não agravando o conforto térmico da obra.

Considerações:

O motivo principal para a escolha dessa obra da Zaha Hadid como referência foi da
valorização das vistas externas da edificação como complemento da ambientação dos espaços
externos, principalmente como cenário e fundo do auditório principal. Através da
incorporação dessa relação interior e exterior, o projeto do Centro Cultural Multissensorial,

59
buscará trazer o usuário a sensação de estar no meio da natureza, e também trazer uma visão
mais encantadora para os espectadores visuais no auditório principal.

7.3 Jardim dos Cinco Sentidos de Nova Delhi – Corporação de Desenvolvimento de Transporte e
Turismo de Nova Delhi.

Segundo o site do governo da Índia16, o jardim dos cincos sentidos não é somente um
parque, é um amplo espaço para apreciação de novas experiências. A proposta foi criar um
espaço que dialogasse a criação do homem com o meio natural convidando os usuários à
interação e exploração. No mesmo tempo que o projeto supre as necessidades do público
quanto a espaços de lazer, também estimula a percepção humana dos espaços.

Figura 42 - Jardim dos Cinco Sentidos Nova Delhi


Fonte: www.indianholliday.com

O projeto foi desenvolvido pela Corporação de Desenvolvimento de Transporte e


Turismo de Nova Delhi e foi inaugurado em fevereiro de 2003.
Visitantes são encorajados a tocar pedras e painéis, sentir a fragrância das flores e dos
campos para estimular o sistema olfativo, a paisagem agrada os olhos / visão, os sinos de
cerâmica e as quedas d’água criam um som tranquilizante para os ouvidos e o pátio de
alimentação disponibiliza uma variedade de pratos e cozinhas para agradar ao paladar.
Espalhados pelo parque, mas principalmente na entrada, é possível encontrar
esculturas de pássaros e flores feitas em aço inoxidável, que se movimentam com a incidência
dos ventos, reafirmando o propósito inicial do projeto que é de mesclar as criações do homem
com a paisagem natural.

16
Disponível em: http://www.vigyanprasar.gov.in/5senses/develop71a.htm
60
Figura 43 - Fonte de Elefantes
Fonte: khurki.net Figura 44 - Esculturas em Aço
Fonte: khurki.net

Considerações:

O projeto que foi desenvolvido em Nova Delhi contribuirá para um melhor


desenvolvimento do jardim sensorial interno do Centro Cultural, o qual busca trazer diversas
sensações ao público.
Dessa obra pretende-se utilizar, principalmente, o projeto das esculturas em aço de
forma com que as mesmas possam, com a movimentação gerada pelas forças do vento,
produzir sons, harmonizando e tranquilizando os ambientes internos, além de permitir a
ventilação cruzada melhorando o conforto térmico da edificação.

8.0 PAISAGISMO DE REFERÊNCIA

8.1 Paisagista de Referência - Fernando Chacel

Fernando Chacel é um dos principais profissionais do paisagismo brasileiro, e pertence


à geração posterior a Roberto Burle Marx, tendo sido influenciado pelo uso de espécies
nativas em seus projetos, que foi um marco revolucionário do paisagismo de Burle Marx. Foi
um dos pioneiros no paisagismo ecológico, em muitos de seus trabalhos procura restaurar
ecossistemas degradados, sendo o criador do termo ecogênese.
A escolha de Chacel como fonte de referência para o paisagismo do Centro Cultural
Multissensorial, leva em consideração sua preocupação com a recuperação de áreas
degradadas e manutenção da mata nativa da região de implantação dos projetos, incentivando
61
a conscientização da comunidade local sobre a importância desses espaços reconstituídos e
preservados, para a saúde da biodiversidade dos ecossistemas.

“Paisagismo e ecogênese, são o meu propósito. São a minha leitura do mundo


natural; minha busca e forma de atuar. Um arquiteto e paisagista trabalhando não com
a paisagem, mas sobre ela, suas transformações e sua reconstrução.” (CHACEL, 2001
pág. 19).

Veio trabalhando, em sua carreira, com a recuperação de áreas degradadas, como no


projeto do Parque de Educação Ambiental Mello Barreto, que foi recuperado após a remoção
do casario de baixo padrão econômico poder econômico e moradias de classe média¹.

8.1.1 Parque de Educação Ambiental Professor Mello Barreto

Chacel realizou um trabalho na Faixa Marginal de proteção da Lagoa da Tijuca, que


devido a invasões impróprias e inúmeros aterramentos com a finalidade de implantar
residências unifamiliares que destruiu quase a totalidade desse ecossistema protegido por lei.
Depois de realocados, os habitantes para outro local dentro do mesmo bairro, iniciou-
se o processo de recuperação da faixa marginal e proteção e criação do parque. Foi necessária
movimentação de terra para obter uma topografia que permitisse a regeneração daquele
ecossistema.

Figura 45 - Planta Baixa Proposta


Fonte: CHACEL, Fernando. Paisagismo e Ecogênese. Pag. 71.

62
Figura 46 – Perspectiva Projeto Figura 47 - Movimentação de Terra
Fonte: CHACEL, Fernando. Paisagismo e Fonte: CHACEL, Fernando. Paisagismo e
Ecogênese. Pág. 71. Ecogênese. Pág. 71.

A solução encontrada pelo arquiteto e paisagista foi reimplantar uma cobertura vegetal
destinando um uso àquela área que fosse condizente com o futuro da região. Foi considerada
no traçado do projeto a existência de espécies exóticas plantadas pelos próprios moradores.
O conjunto de plantas utilizadas assim como a sua associação uma com as outras
remetem em, até certo ponto, a fisionomia das restingas destruídas da região. Dentro do
parque foi reimplantado um arvoredo da Mata Atlântica, para que a comunidade pudesse
visitar e conhecer algumas das espécies nativas desse ecossistema, junto com os manguezais e
as restingas que fazem parte do sistema Vegetal Atlântico.

Considerações:

O projeto do Centro Cultural Multissensorial, junto com a proposta de acessibilidade e


inclusão, buscará intervir num espaço natural degradado com intuito de recuperação e
preservação, através da regeneração do ecossistema local reintegrando sua saúde, tal como o
arquiteto e paisagista Fernando Chacel trabalha em seus projetos.

63
CAPÍTULO V – PROPOSTA DE UM CENTRO CULTURAL MULTISSENSORIAL

9.0 PROJETO

Este trabalho é uma referencia para o projeto de um Centro Cultural Multissensorial


para a cidade de Cascavel. Tem como principal objetivo proporcionar espaços para aprimorar
o uso dos sentidos (audição, visão, tato, olfato e paladar) incentivando a absorção, a produção
e a disseminação de cultura para cascavelenses e visitantes. O objetivo é conceber uma série
de espaços que permitam o acesso direto a bens culturais por todos, inclusive para pessoas
com alguma incapacidade sensorial, através de tecnologias para acessibilidade e espaços
conceituais inovadores, reduzindo a barreira encontrada nos edifícios públicos quanto a sua
utilização satisfatória.

9.1 Localização:

Figura 48 – Localização
Fonte: Google Earth (2015)

64
O terreno escolhido para sua implantação se localiza a Avenida Rocha Pombo esquina
com a Rua Waldemar Casagrande que se liga à BR-277. Situa-se próximo à reserva ecológica
da cidade, onde se encontram o Parque Danilo Galafassi, o Zoológico Municipal, e também o
lago da municipal (Parque Ecológico Paulo Gorski) muito popular para caminhadas e passeios
familiares, e o kartódromo de Cascavel - Delci Damian. Localiza-se, também, nas
proximidades, a Instituição de Ensino Superior Anhanguera, que possui o curso de artes
visuais, o qual poderia usufruir do espaço do Centro Cultural para expor seus trabalhos
acadêmicos, divulgando a arte.
Estima-se que o espaço em questão terá, aproximadamente, 12.323m². O terreno
escolhido possuí uma inclinação considerável, sendo a do menor dos lados (56 metros) com
um desnível de 5,7 metros de uma ponta a outra, e do maior (151 metros) com desnível de
12,4 metros. O terreno encontra-se com sua flora nativa parcialmente degradada, restando
algumas árvores de pequeno porte e principalmente com predomínio de forração baixa e erva
daninha.
Segundo as leis de uso do solo da Prefeitura de Cascavel, conclui-se que o terreno está
apto a receber uma edificação de teor público dentro dos seguintes limitantes:

Figura 49 - Consulta Prévia


Fonte: geocascavel.cascavel.pr.gov.br

- Taxa de ocupação máxima de 50%.


- Taxa de Permeabilidade mínima de 40% - permitindo 10% para utilização de
calçadas.
- Coeficiente de aproveitamento máximo de 1 (um).
Devido às áreas adjacentes serem de fragilidade ambiental, permitindo o uso
controlado, e as reservas ambientais serem de grande importância para a saúde da cidade e
também do meio ambiente, o projeto busca não agredir a natureza utilizando do mínimo ou
nenhum deslocamento de terra e aterramento, de maneira a permitir a percolação 17 natural da

17
A percolação traduz o movimento subterrâneo da água através do solo, especialmente nos solos saturados ou
próximos da saturação. (Infopédia) http://www.infopedia.pt/$percolacao-e-perdas-de-agua
65
água no solo tanto quanto estava antes de edificado. Também busca reconstituir, através do
projeto paisagístico, a mata nativa do local na área restante da implantação do edifício.

Figura 50- Vista do Terreno - Esquina


Fonte: Autor (2015)

Figura 51 - Situação Atual do Terreno Figura 52- Situação Atual do Terreno


Fonte: Autor (2015) Fonte: Autor (2015)

Figura 53- Vista para o Lago Municipal


Fonte: Autor

66
9.2 Partido Arquitetônico e Implantação:

O partido arquitetônico de baseia na criação de um edifício que possua duas massas


interligadas por uma passarela, estas dispostas na direção norte a sul em relação ao terreno.
Uma delas, ao norte, será destinada às galerias sensoriais, o jardim interno e as salas de
exposições, e a segunda, ao sul, irá conter o anfiteatro principal e secundário, salas de aulas e
instalações de serviço.
De forma a aproveitar a potencialidade das vistas externas da edificação, painéis de
vidro permitem a integração interior e exterior além de trazer uma iluminação natural de
grande importância para a economia de energia elétrica. Um terraço de grama natural voltado
para o lado do lago propicia um espaço de contemplação da paisagem para os usuários.
A entrada principal para pedestres foi planejada direcionada para a esquina que dá para
o lago municipal. O estacionamento foi posicionado com sua entrada pela Rua Waldemar
Casagrande de forma que seu fluxo de entrada e saída, de veículos, não se misturasse com a
rua de maior movimento, Av. Rocha Pombo, proporcionando maior segurança e conforto ao
usuário. Da mesma forma, torna-se necessária a previsão de uma entrada secundária para
atender quem chega de carro fora do estacionamento.
Como o terreno em questão possuí um grande desnível, optou-se pela implantação do
setor de serviços para, recebimento de obras, equipamentos e insumos, com entrada pela Av.
Rocha Pombo, ao lado da entrada de serviços do Kartódromo, de forma a suprimir a
necessidade de elevadores e rampas para transportar os materiais até os níveis das galerias e
exposições. Seu uso esporádico não causaria muitos transtornos no tráfego local.

9.3 Proposta Volumétrica – Simbologia

Em vista de um projeto de um Centro Cultural Multissensorial pautado no pensamento


ecológico, é justo que simbolicamente busque-se um elemento que possa representar
simultaneamente essas duas propostas. Assim como o arquiteto de referência, a proposta
volumétrica busca inspiração na natureza como ponto de partida.
Uma flor cumpre muito bem esse papel, pois nela encontramos diversos estímulos
sensoriais como a delicadeza de sua forma, remetendo ao sentido visual, o suave aroma para o
olfato, a sedosa textura para o tato, além de invocar o sentido de natureza.

67
Para a composição formal foi escolhido uma das espécies de flor que pertence ao
ecossistema nativo da região de Cascavel, a Begônia cucullata.

Figura 54 - Begônia cucullata


Fonte:www.ufrgs.br

A partir da estilização de suas pétalas criam-se lajes e fechamentos curvos dispostos


de maneira harmônica sugerindo leveza e movimento, contracenando com a paisagem natural
do local.

9.4 Funcionamento:

 Dos espaços:
o Galerias: Uma série de galerias trazem elementos que trabalham a estimulação
de cada um dos sentidos de maneira (separada) nos usuários, permitindo o
aprimoramento dos mesmos em cada etapa, com o objetivo de que no fim do
trajeto possam desfrutar de um jardim sensorial com a plenitude de seus
sentidos.
o Oficinas: Tem como objetivo estimular a criatividade e a produção de bens
artísticos.
 Da inclusão e acessibilidade: Ferramentas tecnológicas possibilitam a utilização de
maneira independente por parte dos deficientes visuais a todas as instalações, assim

68
como a áudio-descrição e painéis digitais informativos. A ideia de rampas na sua
concepção permite a todos os usuários, assim como os de mobilidade reduzida, a
transitar pelos níveis da edificação livremente. Instrumentos tecnológicos ajudariam
na comunicação entre as pessoas.

9.5 Espaços e Dimensionamento:

9.5.1 Tour principal:


- Hall – Área de 30 m² túnel escuro, com sistema acústico para purificar os usuários do
barulho externo.

- Sala sensorial 01 Área de 237.12 m²


Sugestão de uso:
*Galeria dos momentos: um espaço audiovisual em forma de labirinto de painéis
eletrônicos que reproduzem cenas e sons (ex. imagem e som do mar), trazendo sensações e
evocando lembranças nos usuários.

- Sala sensorial 02 Área de 245.65 m²


Sugestão de uso:
*Galeria ver com as mãos: sendo um espaço destinado à observação de obras,
principalmente escultura e quadros em alto relevo, pela utilização do tato. Consiste em uma
sala, a princípio escura, com iluminação não incidente de forma direta sobre as obras, com
foco direcionado as áreas de circulação, permitindo a locomoção segura, mas sem possibilitar
a compreensão, pelo sentido visual, das obras. A luz também permite a comunicação através
de gestos e leitura labial para que deficientes auditivos possam dialogar entre si e com os
demais.

- Câmaras aromáticas: Área de 150 m², espaço onde estarão dispostas diversas câmaras com
diferentes aromas.

- Livraria/Cafeteria: Espaço para adquirir livros e objetos diversos além de apreciar uma
refeição leve desfrutando de um ambiente agradável, atentando ao sentido do paladar e olfato.
Contendo:
- Cozinha
69
- Despensa
- Atendimento

- Jardim Sensorial: Fim do tour sensorial. Área de 1023m², um jardim fechado por guarda
corpo de vidro delimitando os sentidos, por fora apenas à contemplação estética visual, por
dentro olhos vendados para apreciar a textura e sentir os aromas.

-Guarda Volumes: Área de 14,64 m². Para que os usuários possam guardar seus calçados e
pertences antes de entrar no jardim.

A paisagem externa completa a experiência, onde os usuários poderão utilizar o que


vivenciaram para desfrutar com todos os sentidos a natureza a sua volta.

9.5.2 Setor Social:


- Galeria de exposições permanentes: Área de 277 m², destinada à exposição de obras de artes
das próprias oficinas.

- Galeria de exposições temporárias: Área de 180 m².

- Biblioteca: Área de 152 m², contendo arquivos digitais e físicos de livros que podem ser
lidos pelos os usuários, entre outras funções.

- Oficinas de produção artística: quatro salas de 186m², para aprendizagem e confecção de


obras de teor artístico nas áreas da pintura, escultura, musica, e teatro (expressão corporal).

- Auditório multifuncional: 212 pessoas. Auditório para pequenas apresentações, com tela de
projeção, também, para cinema com mecanismos para a exploração de todos os sentidos
(vento, chuva, etc.), como referência, um cinema 4D, parecido com o que já foi referido como
Cinema 6D, por um curto período de tempo na cidade, conforme reportagem da Gazeta do
Povo (2011):

“Público sente cheiro e se molha com cinema 6D em Cascavel”. Cabine no


Cascavel JL Shopping exibe seis filmes com a nova tecnologia até o dia 30 de
outubro. Se você é fã de cinema em 3 dimensões, prepare-se, pois a
tecnologia 6D chega com a promessa de revolucionar a experiência de ver um filme.

70
Uma cabine no Cascavel JL Shopping, região oeste do Paraná, irá exibir seis curtas
com a nova técnica até o dia 30 de outubro.
Além de efeitos visuais e sistema de áudio 7.2, o público do 6D tem movimentos nos
assentos, sente cheiro, vento no rosto e toma um pequeno banho por conta dos efeitos
de água.
“Tudo para você se sentir como parte da trama.”.

- Sala de controle de som, Iluminação e efeitos: Área de 20m².

- Recepção: Área de 37,32 m²

- Bilheteria: Área de 6.88 m², venda de ingressos para apresentações de peças teatrais e
exposições.

- Estacionamento Social: 194 vagas.

9.5.3 Programa Auditório principal:

- Auditório Principal: 670 pessoas.

- Sala de Controle de Som e Iluminação: Área de 16,158m²

- Foyer: Área de 100m2, atendendo a parte inferior da plateia.

- 04 Camarins: Área de 34.04 m² cada, para preparação dos personagens.

- Espaço artistas: Área de 100m².

- Instalações sanitárias: Área de 35 m² cada, sendo um feminino e um masculino, para os


artistas.

9.5.4 Administrativo:

- Administração: Área de 27 m².

- Sala do curador: Área de 25 m².

71
- Sala de reuniões: Área de 55 m².

- Estacionamento Servil: 05 vagas.

9.5.5 Setor de Serviço:

- Sala para recepção de obras: 79 m²

- Acervo: 104 m²

- Sala de Reparos: 39.70 m²

- DML: 5.70 m², sendo um para cada andar

- Almoxarifado: 8.85 m²

- Vestiários: 13.50m² cada, masculino e feminino.

72
CAPÍTULO VI

10. CONSIDERAÇÕES FINAIS E CONCLUSÃO

Cascavel é uma cidade que vem se desenvolvendo num ritmo acelerado, com
qualidade nas áreas de geração de empregos e educação, mas que ainda possui poucos
investimentos no setor cultural, principalmente quando se trata em atender as necessidades de
lazer e cultura de seus habitantes com algum tipo de deficiência sensorial.
Justifica-se nisso, o pensar a possibilidade de criação de um espaço cultural que
trabalhe através dos cinco sentidos, possibilitando inserção também dessas pessoas ao meio
artístico/cultural, culminando, então, com a ideia de um Centro Cultural Multissensorial.
Na Introdução, apresentou-se um pouco sobre assunto proposto, a delimitação do
tema, problema e hipóteses iniciais da pesquisa. Usou-se como justificativa da proposta a
necessidade de espaços mais acessíveis e inclusivos, sendo que acessibilidade por si não gera
inclusão, mas sim, a criação de espaços e programas diferenciados. Apresentou-se, como
marco teórico, a acessibilidade e a sustentabilidade, que deram embasamento e sustentação à
pesquisa. Introduzidos os elementos que estruturaram a pesquisa, o desenvolvimento da
mesma dividiu-se em duas partes: resultados e discussão dos resultados. Resgatando-se o
problema da pesquisa, indagou-se: De que forma a arquitetura pode contribuir ao acesso à
cultura e lazer para pessoas com deficiência sensorial, conjuntamente ao público geral, na
cidade de Cascavel? Pressupôs-se, como hipóteses, que a criação de um espaço destinado à
cultura pode vir a contribuir com a disponibilidade de locais para apreciação artística na
cidade, e que a partir da criação de ambientes diferenciados quanto ao seu uso possa criar a
inclusão. Definiu-se como objetivo geral a criação de um Centro Cultural Multissensorial,
pensado na acessibilidade e inclusão. Para que tal objetivo fosse atingido, elegeu-se os
seguintes objetivos específicos: pesquisar quantitativo de público alvo deficiente sensorial e o
seu acesso nos locais já existentes, assim como a função dos diversos sentidos na percepção, e
novas tecnologias de acessibilidade.
No subtítulo Cascavel, Cultura e Acessibilidade, o trabalho abordou a apresentação de
dados sobre a condição atual do acesso à cultura na cidade e seu respectivo público alvo geral
contabilizando, também, os com alguma deficiência sensorial. Também foi relatada a
presença de entidades voltadas ao atendimento desse público que possui algum tipo de
deficiência, auxiliando na luta de seus direitos na sociedade. Foi através de entrevistas com

73
alguns deficientes sensoriais, que se comprovou a necessidade de espaços inclusivos, além de
acessíveis, no âmbito da cultura e do lazer. Dessa forma foram respondidos o primeiro e o
ultimo objetivos específicos. Quanto ao segundo objetivo específico, o mesmo foi atingido no
subtítulo Acessibilidade. No que diz respeito ao terceiro objetivo específico, considera-se que
o mesmo foi atingido pelo subtítulo O Sistema Sensorial, que explicou de que maneira os
sentidos influenciam na nossa percepção dos espaços e objetos.
Depois de verificados, analisados e considerados atingidos os objetivos específicos no
decorrer da pesquisa e tendo como aceito o fato de que estes foram desenvolvidos para
atender o objetivo geral, considera-se como atingido este objetivo, estando o tema proposto
apto para ser desenvolvido em outras áreas de sua atuação, como na realização do projeto
arquitetônico, e utilizado seu referencial teórico.
No decorrer do trabalho, ao se analisar o embasamento teórico obtido, percebeu-se que
a realização de um breve estudo sobre a origem da segregação de pessoas com deficiência
sensorial e a atual busca de sua eliminação (pelo menos atenuação), através da criação de leis
e mudanças no padrão arquitetônico de acessibilidade em edifícios de uso público, levou à
melhor compreensão sobre o assunto, possibilitando a escolha de melhores soluções para o
projeto.
Foi a partir de um pensamento ecológico que foi escolhido o terreno mais adequado
para a implantação. A escolha foi fundamental para destacar a importância da preservação dos
ecossistemas de nossas cidades, trazendo um novo pensamento sobre sustentabilidade nos
espaços construídos, evocando a preocupação com a redução dos impactos ambientais no
entorno imediato.
A proposta volumétrica serve ao seu propósito de demonstrar uma Cascavel em
direção ao futuro, com elementos de alta tecnologia e de forma inovadora para o padrão
arquitetônico da cidade, remetendo sua plasticidade orgânica inspiradas nas formas da
natureza relembrando o lado ecológico.

74
BIBLIOGRAFIA

Livros e Periódicos:

AMOP. Em Busca de Sustentabilidade, Amop Inova com Painéis Solares no Prédio. Amop, Associação dos
Municípios do Oeste do Paraná. Paraná, ano VII, nº 75, fevereiro de 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050 Acessibilidade a Edificações,


Mobiliário, Espaços e Equipamentos Urbanos. Rio de janeiro, 2004.

CEJKA, Jan. Tendências de la Arquitectura Contemporánea. México: Gustavo Gili, 1993.

CHACEL, Fernando Magalhães. Paisagismo e Ecogênese. Rio de Janeiro: Fraiha, 2001.

GELMINI, Gianluca. Frank Lloyd Wright – Coleção Folha Grandes Arquitetos. São Paulo: Folha de São
Paulo, 2011.
GIACCHINI, Margolaine. Uso e Reuso da Água. – Série de Cadernos Técnicos da Agenda Parlamentar.
Paraná, CREA – PR, 2011.

HALL, Edward T. A Dimensão Oculta. Lisboa: Relógio D’Água, 1986.

LANNA JÚNIOR, Mário Cléber Martins. História do Movimento Político das Pessoas com Deficiência no
Brasil. - Brasília: Secretaria de Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com
Deficiência, 2010. 443p.

LEFRAIVE, Liane. Santiago Calatrava – Coleção Folha Grandes Arquitetos. São Paulo: Folha de São Paulo,
2011.

MARTAU, Betina T. A arquitetura multisensorial de Juhani Pallasmaa. Arquitetura Revista. Rio Grande do
Sul, v. 3 p. 56-58, jul./dez. 2007.

PFEIFFER, Bruce Brooks. Frank Lloyd Wright. Barcelona: Gustavo Gili, 1998.

WINKINSON, Philip. Grandes Edificações. São Paulo: Publifolha, 2013.

YEANG, Ken. Proyectar com la Naturaleza. México: Gustavo Gili, 1999.

Leis e Decretos:

BRASIL. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei n o 7.853, de 24 de outubro de 1989,
dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de
proteção, e dá outras providências. Diário oficial da República Federativa do Brasil.

CASCAVEL. Lei de Uso do Solo nº 6.179/2013. Dispõe sobre o uso do solo no município de Cascavel. Portal
do município de Cascavel, Cascavel, 2013. Disponível em:
<http://www.cascavel.pr.gov.br/arquivos/25042013_anexo_iv_-_vagas_estacionamento.pdf>. Acesso em: 19 de
março de 2015.

SÃO PAULO. Lei nº 13.276. Torna obrigatória a execução de reservatório para as águas coletadas por
coberturas e pavimentos nos lotes, edificados ou não, que tenham área impermeabilizada superior a 500m².
Prefeitura do Município de são Paulo, São Paulo, 2002. Disponível em: <http:// www. prefeitura.
sp.gov.br/cidade/secretarias/habitacao/plantas_on_line/legislacao/index.php?p=7280> Acesso em: 05 de junho
de 2015.

Sites Internet:

ABNT. Catálogo ABNT. Disponível em: <http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=57960> Acesso


em: 03 de março de 2015.

75
ARAÚJO, Lindomar. O que é arte? Disponível em: <http://www.infoescola.com/artes/o-que-e-arte/>Acessado
em 15 de abril de 2015

AUDIODESCRIÇÃO. O que é Áudio-descrição. Disponível em: http://audiodescricao.com.br/ad/o-que-e-


audiodescricao/. Acesso em: 10 de maio de 2015

BLUM, C.T. Lista Preliminar de Espécies Vegetais da Floresta Ombrófila Mista no Paraná - versão 2008.
FLORAPARANÁ, Sociedade Chauá. Disponível em <www.chaua.org.br/fa>. Acesso em: 23 de maio de 2015.

BROWN, Alex. DECONSTRUTIVISM: A Simple Guide. Origins, Sources and Intentions. Disponível em:
<http://archinoid2.blogspot.com.br/2009/05/deconstructivism-guide.html>Acesso em: 22 de março de 2015.

CEIA, Carlos. Mimesis ou Mimese -E- Dicionário de Termos Literários. Disponível em:
http://edtl.com.pt/index. php?option=com_mtree&task=viewowner&user_id=196&Itemid=2>
Acesso em: 25 de maio de 2015.

CHIMENTHI, Beatriz. O Jardim Sensorial e Suas Principais Características. Disponível em:


<http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=16&Cod=130> Acesso em: 03 de maio de 2015.

COLIN, Sílvio. Para entender o desconstrutivismo. Estruturalismo, pós-estruturalismo e arquitetura.


Disponível em: http://au.pini.com.br/arquitetura-urbanismo/181/artigo131095-3.aspx Acesso em: 28 de abril de
2015.
FARIA, Maria Luzita de. A Importância das Artes no Desenvolvimento Humano. Disponível em:
<http://inspiracaoconsultoria.com.br/blog/a-importancia-das-artes-no-desenvolvimento-humano/> Acesso em:
09 de março de 2015.

FERNANDES, Marcus Neves. A Cor da sua Água. Disponível em:


<http://www.beachco.com.br/v2/sustentabilidade/a-cor-da-sua-agua.html> Acesso em: 30 de maio de 2015.

FIGUEROLA, Valentina N. Coliseu da Música. Disponível em: <http://au.pini.com.br/arquitetura-


urbanismo/154/palacio-das-artes-rainha-sofia-em-valencia-espanha-de-santiago-39483-1.aspx> Acesso em: 03
de maio de 2015.

GARCIA, Vinícius Gaspar. As Pessoas com Deficiência na História do Mundo. Disponível em:
<http://www.bengalalegal.com/pcd-mundial> Acesso em: 23 de maio de 2015.

GAZETA DO POVO. Público sente cheiro e se molha com cinema 6D em Cascavel. Disponível em:
<http://guia.gazetadopovo.com.br/mat/publico-sente-cheiro-e-se-molha-com-cinema-6d-em-cascavel/1173968/>
Acesso em: 29 de maio de 2015.

___________________ Comissão Aprova Projeto para Criar Região Metropolitana de Cascavel.


Disponível em: <http://g1.globo.com/pr/oeste-sudoeste/noticia/2014/12/comissao-aprova-projeto-para-criar-
regiao-metropolitana-de-cascavel.html> Acesso em 07 de março de 2015.

___________________Teatro de Cascavel Será Inaugurado duas Décadas Após Início das Obras.
Disponível em: < http://www.gazetadopovo.com.br/caderno-g/teatro-de-cascavel-sera-inaugurado-duas-decadas-
apos-inicio-das-obras-2hunt7jo5x6nh4pmrt1x23a37> Acesso em: 25 de junho de 2015.

HELENA, Maria. Democratização cultural: Um desafio a ser enfrentado. Disponível


em:<http://www.blogacesso.com.br/?p=63> Acesso em: 05 de março de 2015.

IBGE. Informações sobre as cidades. Brasil, 2014. Disponível em:


<http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=410480&search=parana|cascavel|infograficos:
-informacoes-completas>. Acesso em: 21 marçode2015.

LEAL, Alex Carneiro. Quebra Ventos Arbóreos – Aspectos Fundamentais de uma Tecnica Altamente
Promissora. Disponível em: <http://www.iapar.br/arquivos/File/zip_pdf/IP67.pdf> Acesso em: 29 de maio de
2015.

76
MIMISTERIO DO MEIO AMBIENTE. Eficiência Energética e Conservação de Energia. Disponível em: <
http://www.mma.gov.br/clima/energia/eficiencia-energetica> Acesso em: 04 de julho de 2015.

MOTTA, Livia Maria Villela de Mello. Deficiência Visual: Raízes Históricas e Linguagem do Preconceito.
Disponível em:<http://www.bengalalegal.com/deficiencia-visual> Acesso em: 20 de fevereiro de 2015.

NEOSOLAR. Painel Solar Fotovoltaico. Disponível em: <http://www.neosolar.com.br/aprenda/saiba-


mais/painel-solar-fotovoltaico> Acesso em: 04 de julho de 2015.

NEVES, Renata Ribeiro. Centro Cultural, A Cultura à Promoção da Arquitetura. Disponível em:
<http://www.especializandovoce.com/uploads/arquivos/55d81f6d4bcb86ffeb259195254b6ff5.pdf> Aceso em:
28 desetembro de 2015

REIS, Ricardo Prado Abreu; OLIVEIRA, Lúcia Helena de; SALES Maurício Martinez. Sistemas de drenagem
na fonte por poços de infiltração de águas pluviais. Disponível em: <
http://www.seer.ufrgs.br/index.php/ambienteconstruido/article/view/5361/3286> Acesso em: 31 de maio de
2015.

SECRETARIA DO GOVERNO. Entidades, Programas e Serviços. Disponível em:


<http:www.cascavel.pr.gov.br/secretarias/segov/subpágina.php?id=141> Acesso em: 22 de fevereiro de 2015.

SILVA, Silvana Araújo. Conhecendo um Pouco da História dos Surdos. Disponível em:
<http://www.uel.br/prograd/nucleo_acessibilidade/documentos/texto_libras.pdf>Acesso em: 24 de fevereiro de
2015.

SILVA, Wilson Marques; SOUZA, Lahuana Oliveira de; REGO, Lauro Henrique Alves; ANJOS, Tatiane
Cândido dos. Avaliação Da Reutilização De Águas Cinzas Em Edificações, Construções Verdes E
Sustentáveis. Disponível em: <http://www.conhecer.org.br/enciclop/2010c/avaliacao%20da%20reutilizacao.pdf
> Acesso em: 31 de maio de 2015.

SITE SANTIAGO CALATRAVA. Milwaukee ArtMuseum. Disponível em:


<http://www.calatrava.com/projects/milwaukee-art-museum.html> Acesso em: 26 de maio de 2015.

_____________________________Palau De Les Arts Reina Sofia (Opera House).


Disponível em:
< http://www.calatrava.com/projects/palau-de-las-artes-valencia.html> Acesso em: 04 de junho de 2015.

_____________________________ Adan Martin Auditório de Tenerife. Disponível em:


<http://www.calatrava.com/projects/adan-martin-auditorio-de-tenerife-santa-cruz-de-tenerife.html> Acesso em:
de junho de 2015.

SITE VIGYANPRASAR. The Garden of Five Senses. Disponível em:


<http://www.vigyanprasar.gov.in/5senses/develop71a.htm> Acesso em: 05 de junho de 2015.

SITE ZAHA HADID. Abu Dhabi Performing Arts Centre. Disponível em:
< http://www.zaha-hadid.com/architecture/abu-dhabi-performing-arts-centre/>
Acesso em: 05 de junho de 2015.

SITE GBC BRASIL. LEED. Disponível em: < http://gbcbrasil.org.br/sobre-certificado.php> Acesso em: 04 de
junho de 2015.

VIA ARQUITECTURA. Palácio de Las Artes Reina Sofía. Disponível em:


< http://www.via-arquitectura.net/15/15-138.htm > Acesso em: 04 de junho de 2015.

ZEBALLOS, Carlos. Zaha Hadid: Performing Arts Center. Disponível em:


<http://architecturalmoleskine.blogspot.com.br/2012/09/zaha-hadid-performing-arts-center-abu.html> Acesso
em: 05 de junho de 2015.

77