Você está na página 1de 8

Abordagem sobre o uso do MEF em análises de

estruturas de aço com ligações semirrígidas.


Cladilson Nardino, Marcos Arndt
Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Construção Civil
Universidade Federal do Paraná
Curitiba, Brasil
clanardino@gmail.com, arndt.marcos@gmail.com

Resumo - Este trabalho apresenta um estudo da concepção e partir dessa analogia direta da engenharia ver que nasceu o
avanço do método dos elementos finitos (MEF) na análise termo “elementos finitos” - MEF.
estrutural de estruturas metálicas com ligações semirrígidas, Segundo a refrência [3], foi trabalhando em um projeto de
tendo como objetivo apresentar os principais trabalhos, métodos aeronaves para o Boeing Companhia Aérea, em 1953, que
utilizados, tipos de análises abordadas e quais as ligações
Turner propôs um método de análise estrutural similar ao
semirrígidas que se destacam nos estudos ao buscar melhores
soluções e otimizações estruturais a partir do uso do MEF. MEF, em que consistia num plano de tensões com elementos
triangulares para solucionar um problema em um dos modelos
Palavras-chave- Método dos elementos finitos (MEF); ligações de aeronave. Porém, a referência [4] expõe que no caso
semirrígidas; análise estrutural; otimização estrutural. particular do MEF, é referido por vários autores que a
publicação mais antiga em que é utilizada a designação
I. INTRODUÇÃO “elemento finito” é o artigo [5], que data 1960 e tem como
autor Ray Clough. A partir de então, seu desenvolvimento foi
A referência [1] apresenta que a mente humana possui
exponencial, sendo aplicado em diversas áreas da Engenharia,
limitações tais quais fazem criarmos processos de subdivisão
Medicina, Odontologia e áreas afins.
de todos os sistemas e atividades que desenvolvemos. Assim,
Conceito fundamento do MEF varia conforme a descrição
cria-se componentes individuais ou “elementos”, cujos
de cada autor. Segundo [1], MEF é o procedimento geral de
comportamentos são facilmente compreendidos, e depois
discretização de problemas da mecânica do contínuo colocado
reconstrói-se o sistema ou atividade original de maneira a
por expressões definidas matematicamente. Para [6], o MEF
compreender o todo. Dependendo da complexidade da
permite a análise do comportamento de qualquer sistema
atividade que nossa mente irá desenvolver, o número de
físico regido por equações diferenciais ou integrais, como da
“elementos” da subdivisão é maior. Essa analogia é facilmente
mecânica dos sólidos deformáveis, da condução do calor e de
aplicada por matemáticos, engenheiros e por cientistas.
massa, e do eletromagnetismo, por exemplo. E [7] afirma que
Em muitas situações, um modelo pode ser solucionado
o método dos elementos finitos é uma técnica de análise
com um número finito de componentes bem definidos,
numérica para obter soluções aproximadas para uma ampla
chamado de problemas discretos. Em outras situações, é
variedade de problemas.
subdivisão é indefinida, sendo necessária a consideração de
O método dos elementos finitos teve suas origens no final
ficções matemáticas, equações diferenciais ou declarações
do século XVIII, quando Gauss propôs a utilização de funções
equivalentes que impliquem na utilização de um número
de aproximação para solução de problemas matemáticos
infinito de elementos, chamado de sistemas contínuos. Com o
Oliveira (2010) apud [8], e se desenvolveu com a contribuição
advento dos computadores digitais, os problemas discretos são
da engenharia e principalmente com o avanço das tecnologias
facilmente resolvidos, porém, para solucionar de forma exata
computacionais. A figura 01 apresenta a história do
os problemas contínuos é necessária manipulação matemática,
desenvolvimento do Método dos Elementos Finitos.
afirma a referência [1].
Visando superar os problemas de sistemas contínuos, II. APLICAÇÃO DO MEF NOS ESTUDOS DE ESTRUTURAS
engenheiros a partir da década de 1940 começaram a METÁLICAS CONSIDERANDO LIGAÇÕES SEMIRRÍGIDAS.
aproximar problemas de forma mais intuitiva, criando uma
O avanço do MEF está diretamente ligado com o avanço
analogia entre elementos discretos reais e porções finitas de
da tecnologia computacional, mas também com a engenharia,
um domínio contínuo. A referência [2] demonstrou que a
como demonstrado na introdução e na figura 01. Neste
substituição de propriedades dos “elementos” pode ser muito
trabalho, será feita uma abordagem histórica do avanço do
eficaz, isso porque o elemento se comporta de uma forma
método dos elementos finitos aplicados na análise estrutural
contínua mais simplificada. A referência [1] afirma que é a
década de 1970, e apresenta alguns exemplos como ANSYS,
ASKA e NASTRAN.
No início da década de 1980, [13] faz um trabalho
avaliando o efeito de ligações semirrígidas em colunas ao
aplicar forças. O sistema de retenção encontrado no trabalho
apresenta uma função não linear da deformação da ligação.
Foi proposta uma solução utilizando funções cúbicas, com a
vantagem de não resultar em rigidez negativa das ligações. O
comportamento da ligação é modelado utilizando o método de
elementos finitos com o incremento de Newton-Raphson e
incorporando recursos para compensar a falta de linearidade
inicial e os efeitos da tensões residuais.
Em 1983 [10] reúne todos os métodos e testes disponíveis
para analisar o comportamento de ligações viga-pilar de aço,
dando atenção as características momento rotação das
ligações, pois é onde apresenta a mais importante influência
sobre as respostas da ligação. A referência [8] ainda apresenta
o avanço computacional e o desenvolvimento de métodos
computacionais para a solução e análise estrutural.
A referência [14] em 1985 desenvolve um trabalho de
Fig 1. História da evolução do MEF. Adaptado pelo autor. análise do comportamento de quadros com juntas flexíveis
utilizando o método dos elementos finitos em conjunto com o
de estruturas metálicas considerando a semirrigidez das princípio dos trabalhos virtuais na formulação da relação
ligações. O objetivo deste trabalho é apresentar o avanço força-deslocamento. A figura 2 apresenta os modos de
simultâneo do MEF e da complexidade das análises estruturais vibração utilizados para descrever o elemento, assim como as
de ligações semirrígidas. funções de cada um dos modos. Para explicar o efeito de força
Conforme a referência [1], o desenvolvimento do MEF axial, utiliza dois modos de bolha ѱ3 e ѱ4. Onde ѱ3 representa
iniciou na década de 1940, assim como os primeiros estudos um modo de curvatura simétrico e o ѱ4 representa um modo
estruturais abordando estruturas metálicas com ligações de curvatura antissimétrico.
semirrígidas. Merece destaque o trabalho de [9], onde
abordaram a análise de pórticos com ligações semirrígidas
rebitadas ou soldadas entre vigas e colunas.
A referência [10] apresenta que o computador digital
eletrônico foi desenvolvido durante o inicio da década de 1950
e foi aplicado na análise estrutural somente no inicio dos anos
1960; apresenta ainda aplicações de métodos de matriz de
rigidez para análise de pórticos, assim como a incorporação de
métodos de análise com procedimentos sistemáticos em que
representavam melhor o comportamento das ligações. E em
1961 Lightfoot e Baker apud [10] elaboraram uma solução
computacional para análise de pórticos planos com ligações
elásticas, empregando em forma matricial as equações
clássicas do método dos deslocamentos.
Monforton e Wu (1963) apud [11] apresentaram um Fig 2. Modos de vibração e funções de forma.
resumo sobre a aplicação das técnicas de análise matricial de O trabalho de [3] apresenta dados sobre o avanço das
estruturas ao estudo de estruturas aporticadas com ligações publicações sobre elementos finitos, onde em 1961 havia 134
semirrígidas, e sugeriram a implementação em um programa publicações; em 1971 havia 844 publicações; em 1976, quase
para computador. E na década de 1970 Krishnamurthy et al. duas décadas depois da disseminação do termo elementos
(1979) apud [11] aplicaram o método dos elementos finitos finitos, havia mais de 7000 publicações e em 1986, com um
(MEF) na obtenção de curvas momento-rotação de ligações total de 20.000 publicações sobre o assunto. Esses dados se
com chapa de topo. referem a citações do MEF e não a MEF aplicado em análise
Na década de 1970, com a evolução dos computadores de estruturas metálicas.
digitais, surge a família de softwares para estruturas e que Em 1986, Goto e Chen apud [11] e mais tarde modificado
utiliza do MEF: S.A.P – Structural Analysis Program. O SAP por Kishi et al (1991) apud [15], desenvolvem o programa
surge em 1972 a partir da tese de doutorado do professor computacional “FLFRM” que analisava pórticos planos com
Edward L. Wilson da Universidade da California, Berkeley ligações rígidas e semirrígidas em teorias de primeira e
[12]. A referência [3] cita que os programas de computadores segunda ordem [11]. Segundo [11], o software se tornou
utilizando MEF emergiram no fim da década de 1960 e na
mundialmente utilizado e se tratava de um programa já rigidez e a resistência T-stub da ligação. O trabalho ainda
consagrado e razoavelmente difundido no meio cientifico. A apresenta a quantidade de elementos utilizados para modelar
referência [11] ainda apresenta que o programa utilizava o cada uma das peças da ligação. [18] apresenta que o modelo
elemento finito indicado na figura 3, constituído por um dimensional (3D) pode lidar com os efeitos de tantos
elemento de barra plano com mola de rotação nas parâmetros no comportamento e capacidade de transporte de
extremidades. carga da ligação, enquanto que o modelo bidimensional (2D)
de análise é, pela sua própria natureza, incapaz de representar
a variação na direção transversal.
Utilizando da linguagem de programação PASCAL como
pré processador, em 1997 [19] gera um código de
programação para analisar estruturas com ligações
semirrígidas. O sistema ATRIUM foi adotado como
plataforma para geração dos nós e barras do modelo, e é
composto por duas unidades: armazenadora de dados da
estrutura e a outra que efetua o cálculo propriamente dito. O
Fig 3. Elemento finito. trabalho conclui que é possível obter vantagens financeiras ao
considerar a semirrigidez da ligação.
Na década de 1990 os softwares com base no MEF Ainda em 1997, [20] desenvolve um elemento finito para
ganham avançados recursos gráficos que permitem análises fazer análise inelástica de estruturas de aço de segunda ordem
mais completas da tensões e deformações. Em 1994, [16] em que a plasticidade foi considerada nas seções transversais e
modela ligações com chapa de topo pelo método dos ao longo do comprimento das barras de pórticos planos de aço
elementos finitos, analisando a consideração da semirrigidez e de pequeno porte. O método de Rayleigh-Ritz e o princípio de
a relação do momento-rotação da ligação. A modelagem é energia potencial mínima são utilizada na obtenção das
feita através do software ANSYS, mas [16] afirma que a equações de equilíbrio para o elemento finito. Além disso, o
capacidade de prever uma curva momento rotação com uma elemento considera cargas transversais (concentradas e
precisão razoável é bastante limitada, representando assim, distribuídas) aplicadas entre os nós e, também diretamente nos
uma desvantagem na análise das ligações estruturais. A figura nós do elemento. O elemento utilizado no trabalho de [20] é
4 apresenta a seção, a malha e o carregamento utilizado no apresentado na figura 5.
trabalho de [16].

Fig 5. Elemento utilizado análise de estruturas de aço de segunda ordem.

Aprimorando e ampliando a análise do trabalho realizado


em 1997, em 1999 [21], apresenta um novo trabalho
Fig 4. Seção e malha do elemento finito. abordando pórticos de múltiplos andares e múltiplos vãos
utilizando um elemento finito na análise inelástica de segunda
No Brasil, em 1995 [17] é um dos pioneiros da utilização ordem parcial (PR) e completa (FR). O perfil utilizado nas
do MEF para análise de ligações semirrígidas. Em seu análises (a), o elemento utilizado (b) e a combinação do
trabalho elabora um programa de computador em que aplica a elemento finito com o modelo estrutural (c) são apresentados
teoria de dimensionamento de ligações entre vigas e colunas na figura 6.
de perfis soldados, fornecendo todas as informações Desenvolvendo um programa computacional,
necessárias para executar a ligação, assim como as constantes desenvolvido em teoria dos pequenos deslocamentos, a
de mola (de introdução, da coluna, e das forças atuantes nas referência [22], analisou o comportamento das ligações
mesas da viga) que permitem levar em conta sua rigidez e as semirrígidas a partir da matriz de rigidez do elemento de
principais solicitações e resistências de cálculo. estruturas planas. As análises consideram os efeitos da não
Em 1996, [18] aprimora ainda mais a análise de estruturas linearidade geométrica da estrutura e da não linearidade física
metálicas com o uso do MEF e desenvolvem simulações do material associados ao comportamento das conexões
numéricas de ligações com chapa de topo com elementos semirrígidas. [22] ainda apresenta que a análise utilizou da
finitos tridimensionais (3D) para estudar numericamente a teoria de segunda ordem e um processo para encontrar a
instabilidade global da estrutura, na qual a matriz de rigidez três graus de liberdade por nó, ou seja, análise de esforços de
global da estrutura torna-se singular. torção, flexão e cisalhamento.

Fig. 7. Elemento finito utilizado e deslocamentos por nó [24]

A referência [25] elabora um código computacional que


realiza uma análise avançada baseada no método da rótula
plástica refinada, sendo possível monitorar o comportamento
gradual e inelástico da estrutura de aço moldado. O conceito
do módulo tangente é utilizado e ele é determinado pelas
Fig 6. (a) Perfil utilizado nas análises, (b) O elemento utilizado, e (c) curvas de resistência à compressão, especificados pela antiga
Combinação do elemento finito com o modelo estrutural [21].
ABNT NBR 8800 (1986) [26]. As conexões finais viga-coluna
são modeladas como molas rotacionais (semirrígidas). A
A partir dos anos 2000 a engenharia moderna busca referência [25] expõem que a solução a partir do conceito de
aperfeiçoar as estruturas através do refinamento dos processos rótula plástica, baseada no MEF, seja considerada “exata”, não
de cálculo, surgindo programas computacionais capazes de é adequada para o uso diário nos projetos de engenharia
realizar análises em estruturas mais complexas. [22] destaca o porque necessita de um uso computacional intenso e seu custo
software SAP2000, um dos programas mais difundidos, é elevado.
baseado no MEF e que realiza análise elasto-linear de Detalhando o processo de construção de um programa
estruturas, além da verificação dos perfis utilizado no computacional de análise não linear de pórticos com ligações
dimensionamento estrutural, baseado no método das tensões semirrígidas, [27], apresenta vários exemplos numéricos e
admissíveis. com implementação computacional. A referência ainda
A referência [23] desenvolveu um código computacional detalha as etapas do processo iterativo do programa, os
que considera a análise não linear e a não linearidade comandos utilizados para a construção do mesmo (geometria
geométrica das ligações para calcular os efeitos da da estrutura, discretização dos elementos finitos,
flexibilidade e da excentricidade em pórticos planos com conectividade entre os elementos, propriedades dos materiais,
carregamento estático. A matriz de rigidez de ligações entre outras) e os parâmetros necessários para a caracterização
semirrígidas é desenvolvida a partir da energia potencial total do comportamento rigidez-rotação de cada ligação semirrígida
(energia potencial axial + energia potencial de flexão + da estrutura.
energia potencial da mola). Com o objetivo principal de simular o comportamento de
Em 2003 o método dos elementos finitos (MEF) já parafusos nas conexões de placa terminal viga-coluna
apresenta um nível de desenvolvimento que permite ser considerando carga monótona ou cíclica, [28] desenvolve um
utilizado por projetistas estruturais [4]. Devido à grande modelo de elementos finitos tridimensional. Como objetivo
complexidade associada ao desenvolvimento de modernos secundário programa fórmulas padronizadas para calcular os
programas de computador dispondo de uma interface gráfica parâmetros do modelo; e como objetivo terciário, visa
intuitiva, o utilizador programador quase desapareceu, dando demonstrar a influência que a propriedade da ligação tem
lugar ao mero utilizador de softwares já existentes. [4] ainda sobre a estrutura. Neste último objetivo, apresenta exemplos
complementa que neste cenário corremos o sério risco de a numéricos considerando a conexão como semirrígida.
segurança de uma estrutura ser justificada com base em Os estudos sobre ligações semirrígidas utilizando MEF
cálculos completamente inadequados, uma vez que o usuário tem sido assunto de vários trabalhos de pesquisas nas últimas
não compreende os fundamentos do MEF. décadas, abordando principalmente estudos com respostas
Utilizando da linguagem de programação FORTRAN, em estáticas dos modelos. Em 2006 [29] faz uso da modelagem
2003 [24] desenvolve uma ferramenta computacional para computacional no MEF, via ANSYS, para analisar a
análise não linear de grelhas mistas (sistema de pisos) e realiza influência das ligações metálicas na resposta dinâmica não
um estudo comparativo utilizando de ligações semirrígidas na linear de pórticos de aço. O modelo leva em consideração os
continuidade do piso misto. A figura 7 apresenta o elemento efeitos de flexão e compressão, bem como, efeitos de segunda
utilizado na construção do programa, onde, pode-se observar ordem correspondentes a não linearidade geométrica, além do
elemento finito possuir três graus de liberdade por nó Explorando as complexas análises que o MEF permite
(translações e rotação). realizar, em 2014 [34] utiliza da formulação Lagrangeana total
Em 2008 a referência [30] também realiza um estudo para desenvolver uma análise dinâmica não linear física e
considerando análise dinâmica não linear em ligações geométrica de estruturas, considerando elementos ligados
semirrígidas utilizando o software ANSYS. O modelo entre si por ligações semirrígidas (ambos elementos e
desenvolvido em elementos finitos inclui a não linearidade conexões têm comportamento multilinear elastoplástica com
geométrica na qual foi utilizada a formulação Lagrangeana endurecimento isotrópico) e incluindo uma análise de colapso
para sua formulação. progressivo (carga sísmica). O algoritmo desenvolvido por
Utilizando do programa TRUEGRID como pré- [34] tem base elastoplástica multilinear e sua descrição iniciou
processador, construindo assim a malha de elementos finitos, e pela formulação cinemática de Reissner, em seguida é feito o
os modelos numéricos desenvolvidos utilizando o software estabelecimento da energia potencial total, e depois disso, o
ANSYS, [31], utiliza do MEF para analisar as ligações mistas princípio da energia estacionária é empregado para escrever as
viga pilar com cantoneira de topo de assento (semirrígida), equações de equilíbrio dinâmico.
considerando a não linearidade do material e geométrica. O As análises considerando formulações não lineares estão
trabalho se destaca pela análise experimental dos modelos ganhando destaque na literatura, isso porque, segundo [35],
estudados e a comparação dos resultados obtidos de forma esse tipo de análise permite prever o comportamento de
numérica computacional. estruturas além do limite elástico, incluindo a perda de
Buscando obter resultados mais realistas, confiáveis e resistência e rigidez relacionada com o comportamento
econômicos, [32] utiliza do programa de elementos finitos inelástico dos materiais e a ocorrência de grandes
SEMIFEM, desenvolvido em linguagem FORTRAN, para a deslocamentos e rotações.
análise numérica de seu trabalho “Efeitos de Ligações A referência [36] utiliza do MEF para modelagem de
Semirrígidas na Resposta Estrutural”. O estudo consiste na ligações de aço com chapa de topo estendida e para aprimorar
consideração de ligações semirrígidas nas conexões coluna- a modelagem tridimensional de ligações viga mista-pilar
base e na ligações viga-pilar, e são avaliados a variações de considerando a semirrigidez e assim como [31], utilizou do
momento fletor, forças de cisalhamento, forças axiais, software TRUEGRID como pré-processador e o ANSYS para
deslocamentos e tensões. A referência ainda apresenta a a análise numérica.
construção da matriz de rigidez do elemento, assim como os A utilização do MEF como ferramenta para resolver
coeficientes necessários para fazer a consideração da rigidez problemas distintos, descritos por equações diferenciais
rotacional da ligação e diversas aplicações numéricas. parciais e com determinadas condições de contorno, exige o
A referência [33] utiliza da programação do MEFP – uso das três fases do MEF, como descrito por [37]. As fases
Método dos Elementos Finitos Posicional para análise não consistem em: pré-processamento em que inclui todas as
linear geométrica de estruturas considerando a semirrigidez atividades de modelagem do problema, definição da malha
utilizando código programado via MEF e acoplado no que discretiza o domínio em estudo, tamanho e forma dos
software AcadFrame baseado no MEFP. O trabalho de [33] se elementos, coordenadas do nós, condições de contorno, cargas
destaca por trazer os conceitos e a dedução da energia aplicadas, propriedades dos matérias, entre outras; o
potencial total, os polinômios de Lagrange (figura 8), as processamento é a fase que consiste na formulação e cálculo
funções de forma utilizadas, o mapeamento posicional do para solução do problema, validando o modelo criado no pré-
elemento, o processo de solução de Newton-Rapson e o processamento (as equações e formulações dependem do
“corpo de comandos” do programa principal acoplado no software adotado); e o pós-processamento, onde são
AcadFrame. apresentados os resultados obtidos por meio do cálculo das
equações definidas no modelo. O pós-processamento depende
diretamente do usuário para fazer interpretação e a definição
da forma que os resultados serão apresentados [37].
Os trabalhos abordando ligações semirrígidas e a utilização
do MEF, geralmente focam em estruturas convencionais
(pórticos ou estruturas planas) e analisam a ligação viga-
coluna. Em 2015, [38] realiza um estudo numérico e
experimental de cascas cilíndricas reticuladas com juntas
semirrígidas, avaliando o desempenho mecânica da estrutura
atrás do modelo de análise via MEF (software ANSYS). A
referência merece destaque devido a estrutura abordada no
estudo em que apresenta ligações do tipo juntas de bola
parafusadas. A figura 9 apresenta a estrutura utilizada na
análise experimental e a estrutura modelada no MEF.
Trabalhos mais recentes, como de [39] realiza análises de
Fig 8. Polinômios de Lagrange utilizados por [33]. edifícios 3D com ligações semirrígidas (modeladas a partir do
método das componentes do Eurucode 3 (2005) [40]) e
carregamentos acidentais, utilizando do software ABACUS
para modelagem e extração de resultados.

Fig. 10. Discretização da estrutura utilizando FPM [41].

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Este trabalho apresentou os avanços do MEF e sua
utilização para análise de estruturas metálicas considerando
ligações semirrígidas de maneira cronológica.
Fig. 9. Modelo experimental e o modelo computacional (via ANSYS) [38]. Desde o surgimento do termo MEF proposto por [5] em
1960, o método foi sendo aprimorado conforme o avanço dos
A referência [41] em seu trabalho faz uma análise
computadores digitais, que se tornaram ferramentas
dinâmica não linear do colapso de estruturas metálicas com
fundamentais para a utilização do MEF [3].
ligações semirrígidas, e para isso, [41] afirma que o MEF
Dois pontos principais merecem destaque a partir dos
convencional e outros métodos sem malha limitam o estudo da
trabalhos apresentados:
análise dinâmica não linear do colapso, e apresenta o método
das partículas finitas (FPM) para abordar o assunto. O FPM é a) O avanço da complexidade das análises utilizando
derivado da mecânica vetorial e é vantajoso para análise MEF, iniciando com análises lineares, então não lineares,
dinâmica não linear do colapso considerando a semirrigidez considerando a não linearidade geométrica e do material,
pelas seguintes razões: consegue trabalhar de forma natural a análises elastoplásticas, análises em 2D e 3D, análises com
não linearidade geométrica da estrutura; a resposta dinâmica carregamentos excêntricos, análises dinâmicas de estruturas,
não linear da estrutura pode ser obtida em qualquer iteração; e análises de colapso e análises de colapsos progressivos (carga
por ser possível adicionar ou eliminar elementos no domínio sísmica).
da análise. A figura 10 apresenta um exemplo de b) O avanço da complexidade das ligações metálicas
discretização da estrutura utilizando FPM. semirrígidas abordadas nos estudos, onde, inicialmente o
principal foco do estudo eram ligações viga-pilar em
estruturas planas, avançando para ligações viga-pilar em
estruturas 3D, ligações pilar-base, grelhas mistas (pisos) com
conexões semirrígidas, e até mesmo cascas cilíndricas com
ligações do tipo juntas de bola.
É possível afirmar a partir deste trabalho que a partir
do avanço da tecnologia computacional e com a criação e
aprimoramento de softwares de análise estrutural baseados no
MEF, pesquisadores tem deixado de programar softwares [14] Lui, E. M.; Chen, W. F. “Analysis and Behaviour of Flexibly-Jointed
Frames”. Engineering Structures. v. 8, p. 107-118. April 1986.
pessoais a partir da dedução de energia potencial total até
gerar seu próprio código computacional para analisar o [15] Chen, W.F.; Toma, S. “Advanced analysis of steel frames: theory,
problema em estudo. Isso se deve pelo fato de que os software and applications”. CRC Press. 1994.
softwares comerciais consolidados no mercado e no meio
[16] Bahaari, M.R.; Sherbourne, A.N. “Computer Modelling of an Extended
acadêmico geram boas análises e resultados esperados, além
End-plate Bolted Connection”. Computers & Structures, v. 52, n. 5, p. 879-
de gerar uma economia de tempo para elaboração dos estudos. 893. 1994.
O MEF também apresenta suas limitações de uso e
análises. Conforme [41] expõem, caso seja realizada uma [17] Queiroz, G. “Análise Experimental de Ligações Soldadas”. Belo
Horizonte, 258p. Tese (Doutorado). Escola de Engenharia, Universidade de
análise dinâmica não linear considerando colapso progressivo,
Minas Gerais. 1995.
o MEF não se torna a melhor ferramenta, e sim, a utilização de
outros métodos como FPM (método da partícula finita). [18] BahaariI, M. R.; Sherbourne, A.N. “3D Simulation of Bolted
Apenas disso, o MEF é uma ferramenta indispensável para Connections to Unstiffened Columns-II. Extended Endplate Connections”.
Journal of Constructional Steel Research. Vol. 40, no. 3, p. 189-224. 1996.
análise estrutural, seja a partir de métodos consolidados ou
com seu próprio código. [19] Monteiro, R. C. “Análise de Estruturas de Aço com Ligações
Semirrígidas”. Dissertação de Mestrado. Escola de Engenharia da UFMG, 193
AGRADECIMENTOS p. 1997.
Ao PPGECC – UFPR por oportunizar a realização deste [20] Foley, C. M.; Vinnakota, S. “Inelastic Analysis of Partially Restrained
trabalho, e em especial, ao professor e orientador Dr. Marcos Unbraced Steel Frames”. Engeneering Strucutures. v. 19, n. 11. p. 891-902.
Arndt pelo apoio e incentivo. 1997.

REFERÊNCIAS [21] Foley, C. M.; Vinnakota, S. “Inelastic Behavior of Multistory partially


Restrained Steel Frames”. Journal of Strucutural Engeneering. p. 854-861.
[1] Zienkiewicz, O. C.; Taylor, R. L.; Zhu, J. Z. “The Finite Element Method: 1999.
Its Basis and Fundamentals”. Sixth Edition. 2005.
[2] Turner, M. J.; Clough, R. W.; Martin, H. C.; Topp, L. J. “Stiffness and [22] Mello, W. L. “Análise de Pórticos Metálicos Planos com Conexões
Deflection Analysis of Complex Structures”. Journal of the Aeronautical Semirrígidas Considerando a Não Linearidade Física e Geométrica”.
Sciences. Vol. 23, Number 9, p. 805-823. September 1956. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Engenharia Civil da UNICAMP, 177
p. 1999.
[3] Cook, R. D.; Malkus, D. S.; Plesha, M. E. “Concepts and Applications of
Finite Element Analysis”. Third Edition. University of Wisconsin, Madison. [23] Sekulovic, M.; Salatic, R. “Nonlinear Analysis of Frames with Flexible
1989. Connections”. Computers and Structures, v. 79(11), p. 1097-1107. 2001,

[4] Azevedo, A. F. M. “Método dos Elementos Finitos”. 1ª Edição. Faculdade [24] Oliveira, T. J. L. “Análise de Estruturas de Aço com Ligações
de Engenharia da Universidade de Porto, Portugal. Abril 2003. Semirrígidas”. Dissertação de Mestrado. COPPE/UFRJ, 106 p. 2003.

[5] Clough, R. W. “The Finite Element in Plane Stress Analysis”, Proc. 2nd [25] Landesmann, A.; Batista, E. M. “Advanced Analysis of Steel Framed
ASCE Conf. on Electronic Computation, Pittsburgh, Pa. Buildings Using the Brazilian Standard and Eurocode-3”. Journal
Constructional Steel Research, v. 61, p. 1051-1074. 2005.
[6] Soriano, H L. “Elementos Finitos”. Ciência Moderna, 2009.
[26] ABNT NBR 8800: 1986. “Projeto e Execução de Estruturas de Aço de
[7] Hubner, K.; Thornton, E. “The finite elements method for engineers’. 2 ed. Edifícios. Método dos Estados-limites”. ABNT – Associação Brasileira de
Ney Work. John Wiley & Sons. 1982. Normas Técnicas. Rio de Janeiro. 1986.

[8] Lotti, R. S.; Machado, A. W.; Mazzieiro, E. T.; Júnior, J. L. [27] Pinheiro, L.; Silveira, R. A. M. “Computational Procedures for Nonlinear
“Aplicabilidade Científica do Método dos Elementos Finitos.”, v. 11, n. 2, p. Analysis of Frames with Semi-rigid Connections”. Latin American Journal of
35-43. Abril 2006. Solids and Structures, v. 2, p. 339-367. 2005.

[9] Johnston, B.G.; Mount, E.H. “Analysis of building frames with semi-rigid [28] Zhou, F. “Model-Based Simulation of Steel Frames with Endplate
connections”. Transactions, ASCE, vol. 107, p. 993-1019. 1942. Connections”. Ph. D Thesis, Department of Civil and Environmental
Engineering. University of Cincinnati, p. 133. 2005.
[10] Jones, S. W.; Kirby, P. A.; Nethercot, D. A. “The analysis of frames with
semi-rigid connections - A state of the art report”. Journal of constructional [29] Castro, R. A. “Modelagem Computacional de Ligações Semirrígidas e
Steel Research, v. 3, n. 2, p.2-13. 1983. sua Influência na Resposta Dinâmica Não Linear de Pórticos de Aço”.
Dissertação de Mestrado. Faculdade de Engenharia da UERJ, 117 p. 2006.
[11] Santos, L. B. “Influência da Rigidez das Ligações em Estruturas de Aço”.
Dissertação de Mestrado. Escola de Engenharia de São Carlos, USP. 198 p. [30] Silva, J. G. S.; Lima, L.R.O.; Vellasco, da P.C.G.; Andrade, de S.A.L.;
1998. Castro, de R.A. “Nonlinear Dynamic Analysis of Steel Portal Frames with
Semi-rigid Connections”. Engineering Structures, v. 30, p. 2566-2579. 2008.
[12] SAP2000. “História da Família de Softwares SAP”. Disponível em: <
http://www.multiplus.com/SAP/Historia_do_SAP.htm> Acesso em: 23 de [31] Bessa, W. O. “Análise Experimental e Numérica de Ligações Viga
agosto. 2016. Mista-Pilar com Cantoneiras de Alma e Assento – Pavimento Tipo e Ligações
Isoladas”. 234 p. Tese (Doutorado) – Escola de Engenharia de São Carlos,
[13] Jones, S. W.; Kirby, P. A.; Nethercot, D. A. “Effect of semi-rigid Universidade de São Paulo, São Carlos. 2009.
connections on steel column strength”. Journal of Constructional Steel
Research, v. 1, n. 1, p.38-46. 1980.
[32] Kartal, M. E., Basaga, H. B.; Bayraktar, A.; Muvafik, M. “Effects of [37] Melconian, M. V. “Modelagem numérica e computacional com
Semi-Rigid Connection on Structural Responses.” Electronic Journal of similitude e elementos finitos: equação preditiva geral para o cálculo da força
Structural Engineering. 2010. de retenção em freios de estampagem.” São Paulo, Blucher, 1ª edição. 2014.

[33] Reis, M. C. J. “Análise Não Linear Geométrica de Pórticos Planos [38] Ma, H.; Fan, F.; Wen, Peng.; Zhang, H.; Shen, S. “Experimental and
Considerando Ligações Semirrígidas Elastoplásticas.” Dissertação de Numerical Studies on a Single-layer Cylindrical Reticulated Shell with Semi-
Mestrado. Escola de Engenharia de São Carlos, USP. 118 p. 2012. rigid Joints.” Thin-Walled Structures, v. 86, p. 1-9. 2015.

[34] Coda, H. B.; Paccola, R. R. “A total-Lagrangian Position-based FEM [39] Jeyarajan, S.; Liew, J. Y. R. “Robustness Analysis of 3D Composite
Applied to Physical and Geometrical Nonlinear Dynamics of Plane Frames Buildings with Semi-rigid Joints and Floor Slab.” Structures, v. 6, p. 20-29.
Including Semi-rigid Connections and Progressive Collapse.” Finite Elements 2016.
in Analysis and Design, v. 91, p. 1-15. 2014.
[40] EUROPEAN COMMITTE FOR STANDARDIZATION. EUROCODE
[35] Deierlein, G. G.; Reinhorn, A. M.; Willford. M. R. “Nonlinear Structural 3. EN 1993-1-1, “Design of steel structures – Part 1-1: General rules and rules
Analysis for Seismic Design: A Guide for Practicing Engineers”. NEHRP – for buildings.” Bruxelas, 2005.
Seismic Design Technical Brief, n. 4. 2010.
[41] Yu, Y.; Zhu, X. “Nonlinear Dynamic Collapse Analysis of Semi-rigid
[36] Higaki, B. E. “Contribuição à análise estrutural de edifícios de aço com Steel Frames Based on the Finite Particle Method.” Engineering Structures, v.
ênfase nas ligações semi-rígidas”. 278p. Tese (Doutorado) – Escola de 118, p. 383-393. 2016.
Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos. 2014.