Você está na página 1de 37

++

AS NORMAS
E A NORMALIZAÇÃO

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA –


UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

©abril 2018
1
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

Módulo 1 - Sistema Português da Qualidade


- Normalização
- Normas

Módulo 2 - Quem faz as Normas?


- Como se fazem as Normas?

Módulo 3 - Escrita de números e valores numéricos


- Regras de escrita : grandezas, unidades, símbolos e sinais
- Glossário de termos e definições no domínio da metrologia

2
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

Módulo 1

1 – Sistema Português da Qualidade

2 – Normalização

3 – Normas

3
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
1 – Sistema Português da Qualidade

EURAMET INSTITUTO CEN/CENELEC


PORTUGUÊS
DA QUALIDADE
BIPM ISO/IEC
NORMALIZAÇÃO
METROLOGIA
53 Organismos de Normalização
Científica (Fundamental)
Setorial
Industrial
175 Comissões Técnicas
Legal
3800peritos

ETSI
WELMEC QUALIFICAÇÃO
•Acreditação
Laboratórios
Organismos de Inspecção
Organismos de Certificação EA
•Certificação
OIML Organizações
Produtos
Pessoas IAF
ILAC IL
4
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
2 – Normalização

A Normalização é a atividade destinada a estabelecer, face a


problemas reais ou potenciais, disposições para a utilização comum e
repetida, tendo em vista a obtenção do grau ótimo de ordem, num
determinado contexto.

Consiste de um modo particular na formulação, edição e implementação de Normas.

NP EN 45020:2009
Normalização e atividades correlacionadas. Vocabulário geral (ISO/IEC Guia 2:2004)

Regulamento (EU) n.º 1025/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho de 25 de outubro de 2012

5
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Estrutura da Normalização em Portugal
Organismos Organismos
Europeus de Internacionais de
Normalização Normalização
Instituto Português da Qualidade
ONN
Organismo de Nacional de Normalização

Qualifica/Verifica Protocolos
53 ONS
Organismos de Normalização Setorial

Coordenação/gestão RPNP – 010/030

175 CT
3 900 Peritos/Vogais
Comissões Técnicas

6
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
3 – Normas

Definição São documentos técnicos que:


1. fornecem regras, orientações ou características para produtos
ou serviços;
2. são estabelecidos por consenso;
3. são aprovados por um organismo de normalização reconhecido;
4. baseiam-se em resultados comprovados, científicos, técnicos ou
experimentais;
5. são de aplicação voluntária.

Têm como objetivo atingir um grau ótimo de ordem num determinado contexto.
(exemplo: Terminais ATM versus Cartões Multibanco)

7
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Em que áreas se elaboram Normas?

8
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
O estatuto das Normas: diferença entre Normalização e Legislação

Pela sua natureza, uma norma é um documento de aplicação voluntária.

Pode tornar-se de cumprimento obrigatório se:

Referida em Referida num Normas de


diploma legal contrato facto

9
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

• Elemento vital da sociedade : base comum e


repetitiva que ajudam a regular o mundo

Importância das • Papel importante na economia: reforço


competitividade das empresas – crescimento
Normas económico
• Instrumento fundamental na consolidação do
Mercado Único

10
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Benefícios das normas e da normalização

 Garantem a segurança dos produtos,


equipamentos e sistemas

 Diminuem os erros

 Reduzem os custos

 Permitem que os fabricantes cumpram


com a legislação europeia e nacional

11
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Benefícios das normas e da normalização

 Asseguram a compatibilidade e interoperabilidade  Facilitam os atos contratuais

 Facilitam a entrada em novos mercados

12
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

Módulo 2

1 – Quem faz normas?

2 – Como se fazem as normas?

13
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
1 – Quem faz normas?

Cada ONN representa o País


As normas são elaboradas em
diferentes níveis:
Internacionais – ISO/IEC Instituto Português da Qualidade

Europeias – CEN/CENELEC

Nacionais – IPQ
Organismos Europeus de Normalização Organismos Internacionais de Normalização

14
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Categorias de Interesse
Princípios da Normalização Organismos da Administração Pública
Laboratórios
Associações Industriais ou Comerciais
Voluntariedade Peritos
Consumidores
Empresas
Outros Universidades
Consenso

Representatividade

Paridade

Simplificação

Transparência
Secretário Presidente

A Comissão Técnica

15
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
2 – Como se fazem as normas?

O Ciclo de Vida de uma Norma

Análise dos
Proposta e Fase de redação Inquérito comentários ao
Publicação final
aprovação e comentários público inquérito
público

A revisão de uma norma também faz parte do seu ciclo de vida.


Normalmente de 5 anos em 5 anos ou antes.
16
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

As normas são elaboradas por Comissões Técnicas, nos diferentes


Organismos de Normalização (ISO; CEN; IPQ);
As normas são elaboradas respeitando um processo e uma
metodologia própria;
As normas estão presentes em todas as atividades económicas e na
Sociedade…

17
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

Como ler a referência das Normas?

14001:2015
NP EN ISO 14001:2015
NP • Norma Portuguesa
EN • Norma Europeia
ISO • Norma Internacional
14001 • N.º da Norma
2015 • Ano da Edição

Sistemas de gestão ambiental -


Requisitos e linhas de orientação para a sua utilização
(ISO 14001:2015)
18
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

Onde encontrar informação relevante sobre Normas e Normalização?

Instituto Português da Qualidade


www.ipq.pt

19
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

Onde encontrar informação relevante sobre Normas e Normalização?

Comité Europeu de Normalização


www.cen.eu

Comité Europeu de Normalização Eletrotécnica


www.cenelec.eu

Instituto Europeu de Telecomunicações


www.etsi.org
20
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

Onde encontrar informação relevante sobre Normas e Normalização?

ISO- Organismo Internacional de Normalização


www.iso.org

IEC – Comissão Eletrotécnica Internacional


www.iec.ch

21
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

Línguas de produção das Normas


Todas as normas têm 3 versões oficiais: Inglês, Francês e Alemão

EN ISO 9001:2015


NP EN ISO ELOT EN ISO UNI EN ISO NEN EN ISO UNE EN ISO SS EN ISO
9001:2015 9001:2015 9001:2015 9001:2015 9001:2015 9001:2015
22
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Contribuição das universidades

A contribuição das Universidades para a Normalização é fundamental num triplo sentido:


– ensinar o que é e quais são os benefícios da Normalização;
– participar no desenvolvimento das normas, prestando um contributo à normalização com o
trabalho de investigação que produzem;
– desenvolver estudos académicos e trabalhos de investigação acerca da Normalização,
nomeadamente sobre o seu impacto económico e social.

23
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

Módulo 3

1 – Escrita de números e valores numéricos

2 – Regras de escrita : grandezas, unidades,


símbolos e sinais
3 – Glossário de termos e definições no domínio
da metrologia e outros termos a registar

24
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Módulo 3
Documentos base

www.bipm.org
25
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Escrita de números e valores numéricos
– Os números devem ser escritos em grupos de 3 algarismos a partir das unidades, quer para a parte
da esquerda, quer para a parte da direita. Os grupos de 3 algarismos devem ser separados por um
espaço em branco
EXEMPLOS: 23 456 2,345 2,345 6 2,345 67 NP 9:2006

Exceções:
- os anos;
- o número das normas;
- números binários e hexadecimais
– O arredondamento dos valores numéricos deve obedecer à NP 37:2009

– A nomenclatura dos grandes números deve estar de acordo NP 18:2006

– A escrita das datas e das horas deve estar de acordo com


ISO 8601:2004

– O separador decimal a utilizar é a vírgula

26
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Regras de escrita : grandezas, unidades, símbolos e sinais
Aspetos relacionados com as grandezas e unidades
Grandeza (VIM) – propriedade dum fenómeno dum corpo ou duma substância, que pode ser expressa
quantitativamente sob a forma de um número e duma referência.
- Os símbolos das grandezas são impressos em itálico. No caso dos símbolos das grandezas conterem índices,
esses índices são escritos em caracteres regulares :
Exemplo: Grandeza de base – tempo Grandeza derivada – massa superficial
símbolo – t símbolo - A

Unidade de base (VIM) – unidade de medida que é adotada por convenção para uma grandeza de base.
- Os símbolos das unidades e dos valores numéricos são impressos em caracteres romanos (direitos) e
escrevem-se em letra minúscula, mas se o nome deriva de um nome próprio, a primeira letra do símbolo é
maiúscula:
Exemplo: unidade de base – segundo unidade de base – ampere
símbolo – s símbolo - A

27
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Regras de escrita : grandezas, unidades, símbolos e sinais
Exemplos de grandezas, respetivas unidades e sua forma de escrita
– Os símbolos das unidades ficam invariáveis no plural
– O símbolo para a unidade não SI litro pode usar-se ou a letra minúscula l ou a letra maiúscula L. Neste
caso é permitido usar a letra maiúscula para evitar confusão entre l e 1.
– O mesmo se aplica ao submúltiplo, podendo utilizar-se ml ou mL.
– Deixa-se sempre um espaço em branco entre o valor numérico e o símbolo da unidade.
Exemplo: 5 L; 90 km/h; 37,2 °C
Ctrl+Shift+Space

Exceção : Os símbolos para grandezas angulares planas de unidades grau, minuto e segundo,
grandeza derivada ângulo plano, devem apresentar-se imediatamente a seguir ao valor numérico:
1° 30 10

28
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Regras de escrita : grandezas, unidades, símbolos e sinais
– Quando uma unidade derivada é formada pelo produto de duas ou mais unidades, o seu símbolo pode ser
indicado com os símbolos das unidades separadas por um ponto a meia altura ou por um espaço
Exemplo: 1 N·m ou 1 N m
- Quando uma unidade derivada é formada dividindo uma unidade por outra, o seu símbolo pode ser
indicado utilizando uma barra oblíqua, uma barra horizontal ou também expoentes negativos
𝐦
Exemplo: m/s ou ou m·s-1
𝐬

– Os símbolos dos prefixos são impressos em caracteres romanos (direitos), sem espaço entre o símbolo do
prefixo e o símbolo da unidade
Exemplo: fs (f (femto) = 10-15), km, g
Os sinais e símbolos matemáticos devem respeitar a ISO 80000-2. Em particular deve utilizar-se o sinal × e
não um ponto para indicar a multiplicação de valores numéricos.

29
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Regras de escrita : grandezas, unidades, símbolos e sinais

Unidades compostas de várias unidades, não se usam simultaneamente símbolos e nomes por extenso
2 m/s ; 2 m s-1 ou dois metros por segundo
2 metros por s ; 2 m por segundo

Não se deve associar informação e símbolos de unidades


o teor de água é de 20 ml/kg
20 ml H2O/kg ; 20 ml água/kg

30
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Regras de escrita : grandezas, unidades, símbolos e sinais
Outros exemplos
18 mm × 12 mm ou (18 × 12) mm
18 × 12 mm

27 °C ± 3 °C ou (27 ± 3) °C
27 ± 3 °C

63 % a 65 %
63 a 65 %

D < 2 mm
D<2 mm 31
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Glossário de termos e definições no domínio da metrologia
amplitude de medição - Valor absoluto da diferença entre os valores extremos dum intervalo nominal de
indicações.
EXEMPLO: Para um intervalo nominal de indicações de -10 V a +10 V, a amplitude de medição é 20 V.
calibração - Operação que estabelece, sob condições especificadas, num primeiro passo, uma relação entre os
valores e as incertezas de medição fornecidos por padrões e as indicações correspondentes com as incertezas
associadas; num segundo passo, utiliza esta informação para estabelecer uma relação visando a obtenção dum
resultado de medição a partir duma indicação.
erro de medição - Diferença entre o valor medido duma grandeza e um valor de referência.
erro máximo admissível - Valor extremo do erro de medição, com respeito a um valor de referência
conhecido, admitido por especificações ou regulamentos para uma dada medição, instrumento de medição ou
sistema de medição.
exatidão de medição - Grau de concordância entre um valor medido e um valor verdadeiro duma
mensuranda.
NOTA 1: A “exatidão de medição” não é uma grandeza e não lhe é atribuído um valor numérico.
Uma medição é dita mais exata quando fornece um erro de medição menor.

32 32
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Glossário de termos e definições no domínio da metrologia
incerteza de medição - Parâmetro não negativo que caracteriza a dispersão dos valores atribuídos a uma
mensuranda, com base nas informações utilizadas.
fidelidade ou precisão de medição ; precisão de medição - Grau de concordância entre indicações ou
valores medidos, obtidos por medições repetidas, no mesmo objeto ou em objetos similares, sob
condições especificadas.
NOTA: O termo “fidelidade ou precisão de medição” é algumas vezes utilizado, erroneamente,
para designar a exatidão de medição.
rastreabilidade metrológica - Propriedade dum resultado de medição pela qual tal resultado pode ser
relacionado a uma referência através duma cadeia ininterrupta e documentada de calibrações, cada uma
contribuindo para a incerteza de medição.
resolução - Menor variação da grandeza medida que causa uma variação percetível na indicação
correspondente.
validação - Verificação na qual os requisitos especificados são adequados para uma utilização prevista.
valor de referência duma grandeza - Valor duma grandeza utilizado como base para comparação com
valores de grandezas da mesma natureza.
33 33
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Glossário de termos e definições no domínio da metrologia

repetibilidade de medição - Fidelidade ou precisão de medição sob um conjunto de condições de


repetibilidade.
• condição de repetibilidade de medição - Condição de medição num conjunto de condições, as
quais incluem o mesmo procedimento de medição, os mesmos operadores, o mesmo sistema
de medição, as mesmas condições de operação e o mesmo local, assim como medições
repetidas no mesmo objeto ou em objetos similares durante um curto período de tempo.

reprodutibilidade de medição - Fidelidade ou precisão de medição conforme um conjunto de condições de


reprodutibilidade.
• condição de reprodutibilidade de medição - Condição de medição num conjunto de condições, as
quais incluem diferentes locais, diferentes operadores, diferentes sistemas de medição e medições
repetidas no mesmo objeto ou em objetos similares.
NOTA Na medida do possível, é conveniente que sejam especificadas as condições que mudaram e
aquelas que não.

34 34
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
Outros termos a registar (versão portuguesa de termos em inglês)
• Apparatus: aparelhos e utensílios

• Assessement and verification of constancy of performance (AVCP): Avaliação e verificação da regularidade do desempenho (AVRD)

• Declaration of performance (DoP): Declaração de desempenho (DdD)

• Content : teor de

• Density (  [kg m-3] ) : massa volúmica

• Factory production control (FPC): Controlo da produção em fábrica (CPF)

• Pass/ fail : aceitação / rejeição

• :
Plan-Do-Check-Act (PDCA) Planear-Executar-Verificar-Atuar

• Risk assessment: avaliação do risco

• Risk management: gestão do risco

• Scope: objetivo e campo de aplicação

• Test method : método de ensaio

35
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO
http://www1.ipq.pt/pt/normalizacao/docaptec/Paginas/Docaptec.aspx

36
AS NORMAS E A NORMALIZAÇÃO

Obrigada!

Para questões adicionais : dnor@ipq.pt

37

Você também pode gostar