Você está na página 1de 10

G.V.

Plekhanov

Programa do grupo Social


Democrata de
Emancipação do Trabalho
Escrito em: 1884
Fonte:Georgi Plekhanov: Selected Philosopohical Works, Vol I.
Publicado por: Progress Publishers, 1974
Traduzido por: Breno Vellozo, Liga Social Democrata Vermelha
O grupo Emancipação do Trabalho define o objetivo de divulgar idéias socialistas na Rússia e
elaborar os elementos para organizar o partido socialista dos trabalhadores russos .

A essência de sua perspectiva pode ser expressa nas seguintes proposições: [1]

I. A emancipação econômica da classe trabalhadora só será alcançada pela transferência para a


propriedade coletiva pelos trabalhadores de todos os meios e produtos de produção e a
organização de todas as funções da vida social e econômica de acordo com os requisitos da
sociedade.

II. O desenvolvimento moderno da tecnologia em sociedades civilizadas não só fornece a


possibilidade material para tal organização, mas torna necessário e inevitável a solução das
contradições que impedem o desenvolvimento silencioso e todo o desenvolvimento dessas
sociedades.

III. Esta revolução econômica radical implicará mudanças mais fundamentais em toda a
constituição das relações sociais e internacionais.

Eliminando a luta de classes, destruindo as próprias aulas; tornando impossível e


desnecessária a luta econômica de indivíduos, abolindo a produção de commodities e a
competição ligada a ela; brevemente, pondo fim à luta pela existência entre indivíduos, classes
e sociedades inteiras, torna desnecessário todos os órgãos sociais que se desenvolveram como
as armas dessa luta durante os muitos séculos que tem vindo a prosseguir.

Sem cair em fantasias utópicas sobre a organização social e internacional do futuro, já


podemos prever a abolição do mais importante dos órgãos da luta crônica dentro da
sociedade, ou seja, o Estado, como uma organização política oposta à sociedade e
salvaguardando principalmente os interesses da sua seção de decisão. Exatamente da mesma
forma, podemos agora prever o caráter internacional da revolução econômica iminente. O
desenvolvimento contemporâneo da troca internacional de produtos exige a participação de
todas as sociedades civilizadas nesta revolução.

É por isso que os partidos socialistas de todos os países reconhecem o caráter internacional do
atual movimento da classe trabalhadora e proclamam o princípio da solidariedade
internacional dos produtores.

O grupo Emancipação do Trabalho também reconhece os grandes princípios da antiga


Associação Internacional de Trabalhadores e a identidade de interesses entre os trabalhadores
do mundo civilizado.
IV. Introduzindo a consciência onde agora reina a necessidade econômica cega, substituindo o
atual domínio do produto pelo produtor pelo produtor sobre o produto, a revolução socialista
simplifica todas as relações sociais e dá-lhes um propósito, ao mesmo tempo em que cada
cidadão possui A possibilidade real de participar diretamente na discussão e decisão de todos
os assuntos sociais.

Esta participação direta dos cidadãos na gestão de todas as questões sociais pressupõe a
abolição do sistema moderno de representação política e sua substituição pela legislação
popular direta.

Na sua luta atual, os socialistas devem ter em mente esta necessária reforma política e visar
sua realização por todos os meios em seu poder.

Isto é tanto mais necessário como a auto-educação política e a regra da classe trabalhadora
são uma condição preliminar necessária de sua emancipação econômica. Apenas um estado
completamente democrático pode realizar a revolução econômica que atende os interesses
dos produtores e exige sua participação inteligente na organização e regulação da produção.

Atualmente, a classe trabalhadora nos países avançados está se tornando cada vez mais clara
sobre a necessidade da revolução social e política referida e está se organizando em um
partido trabalhista especial, que é hostil a todas as partes dos exploradores.

Sendo cumpridos de acordo com os princípios da Associação Internacional dos Trabalhadores,


esta organização, no entanto, tem em vista principalmente a conquista dos trabalhadores da
dominação política dentro de cada um dos estados respectivos. "O proletariado de cada país
deve, é claro, antes de tudo resolver questões com sua própria burguesia".

Isso introduz um elemento de variedade nos programas de partidos socialistas nos diferentes
estados, obrigando cada um deles a se adequar às condições sociais em seu país.

Escusado será dizer que as tarefas práticas e conseqüentemente os programas dos socialistas
devem ser mais originais e complicadas em países onde a produção capitalista ainda não se
tornou dominante e onde as massas trabalhadoras são oprimidas sob um duplo jugo - o
aumento o capitalismo e o da economia patriarcal obsolescente.

Nesses países, os socialistas devem, ao mesmo tempo, organizar os trabalhadores para a luta
contra a burguesia e fazer guerra contra os sobreviventes das velhas relações sociais pré-
burguesas, que são prejudiciais ao desenvolvimento da classe trabalhadora e ao bem-estar de
Todo o povo.

Essa é precisamente a posição dos socialistas russos. A população trabalhadora da Rússia é


oprimida diretamente por todo o peso do enorme estado policial e despótico e, ao mesmo
tempo, sofre todas as misérias inerentes à época da acumulação capitalista e em lugares - em
nossos centros industriais - sofre a opressão de produção capitalista que ainda não é limitada
por qualquer intervenção decisiva do Estado ou pela resistência organizada dos próprios
trabalhadores. A Rússia atual está sofrendo - como Marx já disse sobre o continente da Europa
Ocidental - não só pelo desenvolvimento da produção capitalista, mas também pela
insuficiência desse desenvolvimento.

Uma das consequências mais nocivas deste atraso na produção foi e ainda é o
subdesenvolvimento da classe média, que, em nosso país, é incapaz de tomar a iniciativa na
luta contra o absolutismo.

É por isso que a intelectualidade socialista foi obrigada a dirigir o movimento de emancipação
atual, cuja tarefa imediata deve ser a criação de instituições políticas gratuitas em nosso país,
os socialistas do seu lado estão sob a obrigação de proporcionar à classe trabalhadora a
possibilidade para tomar uma parte ativa e frutífera na futura vida política da Rússia.

O primeiro meio para alcançar esse objetivo deve ser agitação para uma constituição
democrática que garanta:

1. O direito de votar e ser eleito para a Assembleia Legislativa, bem como para os órgãos
provinciais e comunitários de autogoverno para cada cidadão que não tenha sido condenado
por tribunal a privação de direitos políticos [2] para certas atividades vergonhosas
especificamente especificadas por lei.

2. Um pagamento de dinheiro fixado por lei para os representantes do povo, o que lhes
permitirá ser eleitos das classes mais pobres da população.

3. Inviolabilidade da pessoa e do lar dos cidadãos.

4. Liberdade ilimitada de consciência, discurso, imprensa, montagem e associação.

5. Liberdade de circulação e de emprego.


6. Completa a igualdade de todos os cidadãos, independentemente da religião e da origem
racial. [3]

7. A substituição do exército permanente pelo arsenal geral das pessoas.

8. Uma revisão de toda a nossa legislação civil e penal, a abolição da divisão de acordo com as
propriedades e de punições incompatíveis com a dignidade humana.

Mas este objetivo não será alcançado, a iniciativa política dos trabalhadores será impensável,
se a queda do absolutismo os achar completamente despreparados e desorganizados.

É por isso que a intelectualidade socialista tem a obrigação de organizar os trabalhadores e


prepará- los na medida do possível para a luta contra o atual sistema de governo, bem como
contra os futuros partidos burgueses.

A intelligentsia deve trabalhar imediatamente para organizar os trabalhadores em nossos


centros industriais, como os principais representantes de toda a população trabalhadora da
Rússia, em grupos secretos com vínculos entre eles e um programa social e político definido,
correspondente às necessidades atuais de toda a classe de produtores na Rússia e as tarefas
básicas do socialismo.

Entendendo que os detalhes de tal programa podem ser elaborados apenas no futuro e pela
própria classe trabalhadora quando é chamado a participar da vida política do país e está
unido em seu próprio partido, o grupo Emancipação do Trabalho presume que os principais
pontos da seção econômica do programa de trabalhadores devem ser as demandas:

1. De uma revisão radical das nossas relações agrárias, isto é, as condições para a redenção da
terra e sua alocação para as comunas camponesas. Do direito de renunciar a alocações e
deixar a comuna para os camponeses que acham isso conveniente para si, etc.

2. Da abolição do sistema atual de dívidas e da instituição de um sistema de tributação


progressiva.

3. Da regulamentação legislativa das relações entre trabalhadores (na cidade e país) e


empregadores, bem como a organização da inspeção apropriada com representação dos
trabalhadores.
4. De assistência estatal para associações de produção organizadas em todos os ramos
possíveis da agricultura, das indústrias de mineração e fabricação (por camponeses, mineiros,
trabalhadores de fábricas e plantações, artesãos, etc.).

O grupo Emancipação do Trabalho está convencido de que não só o sucesso, mas mesmo a
mera possibilidade de um movimento tão proposital da classe trabalhadora russa depende, em
grande medida, do trabalho acima mencionado feito pela intelligentsia entre a classe
trabalhadora.

Mas o grupo assume que a própria intelectualidade deve, como passo preliminar, adotar o
ponto de vista do socialismo científico moderno, aderindo às tradições de Narodnaya Volya, na
medida em que não se opõem aos seus princípios.

Diante disso, o Grupo da Emancipação do Trabalho define o objetivo de difundir o socialismo


moderno na Rússia e preparar a classe trabalhadora para um movimento social e político
consciente; Para este objetivo, dedica todas as suas energias, convidando a nossa juventude
revolucionária para ajudar e colaborar.

Perseguindo este objetivo por todos os meios em seu poder, o grupo Emancipação do
Trabalho, ao mesmo tempo, reconhece a necessidade de luta terrorista contra o governo
absoluto e difere do partido Narodnaya Volya apenas sobre a questão da chamada tomada de
poder pelo partido revolucionário e das tarefas da atividade imediata dos socialistas entre a
classe trabalhadora .

O grupo Emancipação do Trabalho não ignora, pelo menos, o campesinato, o que constitui
uma parcela enorme da população trabalhadora russa. Mas assume que o trabalho da
intelligentsia, especialmente sob as condições atuais da luta social e política, deve ter como
objetivo, em primeiro lugar, a parte mais desenvolvida dessa população, composta pelos
trabalhadores industriais. Tendo assegurado o poderoso apoio desta seção, a intelectualidade
socialista terá muito maior esperança de sucesso na extensão de sua ação para o campesinato,
especialmente se eles tiverem conquistado a liberdade de agitação e propaganda. Aliás, é
evidente que a distribuição das forças dos nossos socialistas terá de ser alterada se um
movimento revolucionário independente se tornar manifesto entre os camponeses e que,
mesmo hoje, as pessoas que estão em contato direto com o campesinato poderiam, pelo seu
trabalho entre eles, prestam um importante serviço ao movimento socialista na Rússia. O
grupo Emancipação do Trabalho, longe de rejeitar essas pessoas, exercerá todos os seus
esforços para concordar com eles nas proposições básicas do programa.

Genebra, 1884
Notas de rodapé

[1] Nós de modo algum consideramos o programa que submetemos ao julgamento dos
camaradas como algo terminado e completo, não sujeito a alterações parciais ou adições. Pelo
contrário, estamos prontos a introduzir nele qualquer tipo de correções desde que não
contradizem os conceitos básicos do socialismo científico e que correspondam às conclusões
práticas que se seguem a esses conceitos relativos ao trabalho dos socialistas na Rússia.

[2] Tais ações podem incluir, por exemplo, subornar nas eleições, repressão ultrajante dos
trabalhadores pelos empregadores, etc.

[3] Este ponto está logicamente incluído em 4, o que exige, entre outras coisas, a completa
liberdade de consciência; mas consideramos necessário colocar em relevo tendo em vista o
fato de que existem em nosso país setores inteiros da população, por exemplo, os judeus, que
nem sequer desfrutam dos miseráveis "direitos" disponibilizados para outros "moradores".