Você está na página 1de 28

CAPÍTULO 2

DRENAGEM DE CONDENSADO
CUIDADOS PARA EVITAR A QUEDA DE EFICIÊNCIA prejudicada pela presença de ar e gases incondensáveis
NOS SISTEMAS TÉRMICOS nas tubulações e equipamentos, onde se encontra o
vapor.Ar e outros gases incondensáveis em sistemas de
O vapor deve ser seco, livre de ar e estar na correta vapor são os maiores causadores de queda na
pressão que atenda ao processo. Vapor úmido pode ser produtividade. Não é correto acreditar que todo o ar pode
gerado devido à sobrecarga da caldeira, ausência de ser removido pelos purgadores. Dependendo do formato
isolamento térmico dos equipamentos e tubulações, do equipamento, eliminadores de ar devem ser
drenagem incorreta, baixa pressão de trabalho ou instalados para prevenir a formação de bolsões de ar. O
tratamento químico incorreto da água da caldeira. purgador pode possuir excelente capacidade de
eliminação de ar, porém, pode somente descarregar o ar
Os separadores de umidade Spirax Sarco podem que chegar até ele. Se o ar estiver em bolsões na parte
remover as gotículas de água em suspensão no vapor, e superior de equipamentos ou finais de linha, um
a localização adequada dos pontos de drenagem e eliminador de ar adicional será necessário. Consulte a
purgadores permitirão a descarga do condensado das instalação apropriada para verificar o melhor método de
linhas de distribuição. eliminação do ar. O bom senso indicará a sua posição de
instalação. Os eliminadores de ar Spirax Sarco são
As linhas de vapor devem ser corretamente disponíveis em bronze e aço inox.
dimensionadas, para permitir vazões tanto em início de Alguns tipos de purgadores não são tão bons
processo, como para vazões normais dos processos eliminadores de ar como outros. Muitos deles
quando em regime. necessitam paralelamente um eliminador de ar. Onde é
necessário um eliminador de ar individual será
É muito importante selecionar o purgador correto e mais mencionado na seleção do purgador.
adequado para a aplicação, cujas características
forneçam uma ótima performance ao sistema. Todos os purgadores operam com contra-pressões. De
qualquer forma, a pressão na entrada do purgador tem
Tenha a certeza de que o purgador está corretamente que ser maior que a contra-pressão para que o
instalado, de acordo com as marcações no corpo ou condensado possa fluir. A contra-pressão reduz a
instruções de instalação. capacidade de vazão do purgador e dificulta a descarga
de ar, particularmente na partida do sistema. Outra razão
Quando possível instale o purgador abaixo da linha de pela qual a contra-pressão se eleva é o vapor
condensado, isto irá assegurar que a pressão de vapor reevaporado gerado em uma linha de retorno de
seja capaz de empurrar todo o condensado formado. condensado subdimensionada.
A linha de retorno de condensado deve ser corretamente
Sempre instale os purgadores mecânicos próximos do dimensionada prevendo-se a geração de vapor de
ponto de drenagem ou estes poderão travar devido à reevaporação.
presença de vapor preso. Caso não seja possível, utilize
um purgador de bóia com mecanismo eliminador de Vapor preso ocorre onde, a tubulação entre o ponto de
vapor preso (SLR). coleta do condensado e a entrada do purgador está
envolvida por vapor a alta temperatura (exemplo: tubo
Utilize sempre drenagens individuais dos equipamentos. pescador em cilindro secador). Pode também ocorrer
A drenagem coletiva resulta em queda de produtividade. quando o purgador estiver distante do ponto de
drenagem, sendo que a tubulação percorre uma área de
Sujeira, golpes de aríete e intempéries podem dificultar a alta temperatura ambiente. O vapor nesta tubulação
operação do purgador. É essencial instalar um filtro à demora a se condensar e impedirá com que o
montante do purgador para coletar toda a sujeira, a condensado chegue ao purgador. O equipamento se
menos que o purgador já possua filtro incorporado. apresentará alagado. Este fenômeno é parecido com o
Golpes de aríete devem ser evitados. travamento do purgador devido ao ar preso. O problema
pode ser solucionado com a utilização do elemento
A produtividade de uma fábrica pode ser seriamente eliminador de vapor preso (SLR).

36
Drenagem coletiva é um termo utilizado para descrever o reevaporado a velocidades mais altas.
uso de um único purgador para drenar dois ou mais
pontos de drenagem. A pressão do primeiro ponto de Purgadores Mecânicos
drenagem, que em algum momento estará maior,
impede que o fluxo de condensado do segundo ponto, a 1.3.1 Purgadores do tipo Bóia
menor pressão, escoe. O resultado será o alagamento e Vantagens: Trabalham muito bem, tanto em baixa como
ineficiência na troca térmica. O alagamento pode dar em alta temperatura. Os modelos com elemento
seqüência à corrosão e golpes de aríete. A drenagem termostático eliminador de ar (TH) possuem boa
coletiva deve ser evitada. capacidade de descarga de ar. Respondem
imediatamente a variações de pressão ou vazão, por isso
é a melhor escolha para drenagens de equipamentos
1.1 - Condensado com controle automático de temperatura. São a única
escolha onde houver a presença de vapor preso.
Quando o vapor cede seu "calor latente" para Desvantagens: Propenso a danos devido a severos
aquecimento de qualquer outro fluido que deve ser golpes de aríete.
aquecido, ele condensa e passa para fase líquida. O
condensado gerado contém somente "calor sensível", e
deve ser removido se a transferência de calor continuar.
Ar e outros gases incondensáveis arrastados junto com o
vapor formam uma barreira na transferência de calor
entre o vapor e a superfície de aquecimento. Sendo
assim, devem ser descarregados para fora do sistema.
Para esta operação ser feita utilizamos o “Purgador”.

1.2 - O que é um Purgador


Purgador tipo Bóia
“Purgador é um dispositivo mecânico, automático,
que elimina, das linhas de distribuição e de
equipamentos, o ar, gases incondensáveis e 1.3.2 Purgadores do tipo Balde Invertido
condensado de vapor, não permitindo a perda de Vantagens: Construção robusta para suportar condições
vapor vivo”. de golpes de aríete. Pode ser utilizado em vapor
superaquecido com uma válvula de retenção na entrada.
Desvantagens: São maus eliminadores de ar, e
1.3 - Tipos de Purgadores necessitam eliminadores de ar suplementares. Podem
perder o selo de condensado, e perder vapor em
São três os principais: mudanças bruscas de pressão. Uma válvula de retenção
na entrada impede que isto aconteça.
a) Purgadores mecânicos:
Sentem a diferença de densidade entre condensado e o
vapor (ou gases).

b) Purgadores termostáticos:
Sentem a diferença de temperatura entre o vapor e o
condensado resfriado ou ar purgadores mecânicos:

c) Purgadores termodinâmicos:
Sentem a diferença de pressões dinâmicas do Purgador tipo Balde Invertido
condensado a baixas velocidades e do vapor

37
1.3.3 Purgadores Termostáticos de Pressão
Balanceada
Vantagens: Sem necessidade de ajustes para diferentes
pressões. Compacto e leve. Descarrega facilmente o ar.
Elementos internos em aço inoxidável resistente a
corrosão. Simples de operar. Elementos resistentes a
golpes de aríete e a algum superaquecimento.
Desvantagens: O condensado é descarregado abaixo
da temperatura do vapor saturado, portanto, se houver a
necessidade de manter o equipamento livre, deve-se
prever um trecho de tubulação para resfriamento. Purgador Bimetálico
Mudanças bruscas na vazão interferem na operação do
purgador.
1.3.5 Purgadores Termostáticos de Expansão Líquida
Vantagens: Podem ser ajustados para descarregar em
qualquer temperatura entre 60ºC e 100ºC. Boa
c a p a c i d a d e d e d e s c a r g a d e a r. R e s i s t e a
superaquecimento, golpes de aríete, vibração e
flutuações na pressão de trabalho.
Desvantagens: Não descarrega o condensado assim
que este se forma. Não aplicável para condensado
corrosivo ou onde a vazão de condensado ou a pressão
de vapor variam rápida e drasticamente.

Purgador Termostático de
Pressão Balanceada

1.3.4 Purgadores Bimetálicos Purgador Termostático de Expansão Líquida


Vantagens: Robusto, totalmente em aço. Filtro
incorporado em aço inoxidável. Resiste a golpes de
aríete e condensado corrosivo. Boa capacidade de
eliminação de ar. Acompanha a curva de vapor saturado, 1.3.6 Purgadores Termodinâmicos
mas pode ser ajustado para outras temperaturas. Vantagens: Compacto, simples, leve, robusto, sem
O purgador faz uso do calor sensível e é facilmente necessidade de ajustes externos. Não afetado por
instalado. Em alguns casos pode ser utilizado com golpes de aríete, superaquecimento ou vibração, e
vantagens nas drenagens de linhas de vapor, onde o resistentes a condensado corrosivo. Trabalha em
condensado descarrega para linha de retorno alagada. qualquer posição, preferencialmente com o disco na
Desvantagens: Não aplicável onde o condensado deve horizontal. Somente uma parte móvel, o disco, funciona
ser descarregado à temperatura do vapor. Devido ao como válvula de retenção. Modelos disponíveis com
elemento bimetálico levar tempo para responder às disco eliminador de ar.
mudanças de temperatura, os purgadores bimetálicos Desvantagens: Modelos sem disco eliminador de ar
não reagem rapidamente às mudanças de vazão. O podem travar na presença de ar em partida de sistemas.
ajuste da temperatura de descarga é afetado pela contra- Podem não fechar se a contrapressão ou a pressão de
pressão. entrada estiver fora dos limites estabelecidos.
Isotampa acompanha todos os modelos, para
purgadores expostos ao tempo, chuvas, ventos, para

38
prevenir o aumento da freqüência de abertura e Tipo de Temperatura
Método de descarga
fechamento, e portanto, desgaste prematuro. Purgador de descarga

Intermitente em jato. Próxima a do vapor.


Termodinâmico Fechamento em estanque
entre descargas.

Intermitente em jatos p/ vazões Abaixo do vapor. A


Termostático e pressões médias e altas. temperatura de
de pressão Fechamento estanque entre descarga depende do
descargas. Tendência a elemento.
balanceada
modular com baixas vazões.

Descarga modulante Bem abaixo do vapor.


Expansão Entre 60 e 100 ºC
Líquida abaixo do vapor.

Descarga modulante A temperatura depende


Bimetálico do ajuste do elemento e
da contra-pressão.

Intermitente. Fechamento A temperatura do vapor.


Balde estanque entre descargas.
Purgador Termodinâmico Invertido Tendência a modular com
baixas vazões.

Descarga contínua de A temperatura do vapor.


Bóia condensado.

QUADRO DE PURGADORES SPIRAX SARCO


Deve-se notar que a temperatura de descarga é a
Tipo de
temperatura do condensado no orifício do purgador.
Diâmetros e Faixa de Temperatura
Materiais A jusante do purgador a temperatura do vapor saturado,
Purgador Conexões Pressão Vazão Máxima

3/8” à 1” Aço Inox 0,25 - 250 Kgf/cm2


equivale à pressão na saída do purgador. Por exemplo,
525 ºC
Termodinâmico
Rosca 2.400 Kg/h se não existe contra-pressão, a temperatura do
Flange
Solda condensado não será maior que 100ºC. Qualquer
1/2” e 3/4” Bronze 0 - 30 Kgf/cm2 285 ºC aumento na temperatura de descarga do condensado
Termostático
Rosca Aço Inox 2.000 Kg/h acima da temperatura da linha de retorno de
Pressão
Flange Aço
Balanceada Solda condensado, indicará um aumento na produção de
1/2” e 3/4” Aço 0 - 21 Kgf/cm2 350 ºC vapor reevaporado.
Rosca 500 Kg/h
Bimetálico
Flange
Solda
Expansão 1/2” Bronze 0 - 17 Kgf/cm2 232 ºC
Líquida Rosca 340 Kg/h
3 - Proteção dos purgadores
1/2” a 2” Ferro 0 - 190 Kgf/cm2 600 ºC
Balde Rosca Aço Inox 9.000 Kg/h
Invertido Flange Aço Purgadores possuem pequenos orifícios e partes móveis
Solda que podem ser bloqueadas ou emperrar com sujeira e
1/2” a 6” Ferro 0 - 32 Kgf/cm2 250 ºC restos de solda, que porventura cheguem ao corpo do
Bóia Rosca Aço 236.000 Kg/h
Flange purgador. Botas coletoras a montante do purgador não
são suficientes para retirar todas as partículas. A única
maneira de impedir que esta sujeira chegue ao purgador,
é a instalação de um filtro, do mesmo diâmetro da linha a
2 - Tipos de descarga de purgadores montante do purgador (veja fig.1). Para que realizem o
seu trabalho eficientemente, os filtros devem ser
Todos os purgadores são projetados para eliminar o regularmente limpos. Inclua isto no seu programa de
condensado sem perder vapor. De qualquer forma, o manutenção. Não o instale de forma inacessível.
condensado é eliminado de diferentes maneiras e
diferentes temperaturas, dependendo do método de
operação do purgador.

39
Aplicação Melhor Alternativa
escolha aceitável
SECADORES
Secador serpentinado IB FT-H, BP, SM
Secador radiador IB* BP, FT-H
Cilindro secador FT-C FT-H, IB*, FT-SLR*
Radiador Multi-estágio FT-H IB*, BP
Calandra de cilindros FT-C FT-H, IB*, FT-SLR*
HOSPITAIS
Autoclaves e esterilizadores FT-H FT-H
LAVANDERIAS
Prensa de roupas TD FT-SLR, IB
Passadores e calandras FT-C FT-H, IB*, TD*, BP, FT-SLR
Unidade recup. solvente FT-H IB, TD
Secadoras FT-H IB*, FT-C ou FT-SLR
PRENSAS
Prensas em paralelo TD FT-H, IB
Prensas em série TD* IB*
Prensas vulcaniz. (pneus) IB TD, FT-H
PROCESSOS
Fig. 1 Panelões fixos FT-H BP, FT-C (½” à 1”) ou FT-SLR
Panelões basculantes FT-C FT-SLR
Cozinhadores (cerveja) FT-H IB*, FT-C (½” à 1”) ou FT-SLR*

Seleção de Purgadores Digestores FT-H IB*


Evaporadores FT-H IB*, FT-C, FT-SLR
Tabela de purgadores - Como usá-la: Mesas quentes BP TD, FTH
A tabela abaixo lista várias aplicações de purgadores e Retortas FT-H IB*
Tanques IB* FT-H
possibilita a correta escolha do purgador. Os números de
Vulcanizadoras IB* FT-H, TD
figuras se referem aos esquemas dados nas páginas 27 EQUIPAMENTOS
à 58. Trocadores de calor FT-H IB*, FT-C ou FT-SLR*
Baterias de aquecimento FT-H IB*, FT-C ou FT-SLR*
Trocadores de placa FT-H IB*, FT-C ou FT-SLR*
Aquecedores por convecção FT-H BP, SM
Serpentinas múltiplas FT-H FT-H, IB*, TD*, BP
FT-H Bóia Termostático LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO
FT-SLR Bóia com eliminador de vapor preso Horizontais TD IB
FT-C Bóia termostático e eliminador de vapor preso Separadores TD IB, FT-H
Finais de linha TD* IB*
IB Balde Invertido
TANQUES E BOILERS
TD Termodinâmico Tanque com descarga
BP Pressão Balanceada superior FT (slr) IB
Tanque com descarga
SM Bimetálico
na base FT-H IB, BP
EL Expansão Líquida Tanque pequeno
(aquecimento rápido) FT-H IB, BP
* com eliminador de ar paralelo Tanque pequeno
+ com tubulação de resfriamento, comprimento mínimo de 1m. (aquecimento lento) EL

Aplicação Melhor Alternativa


escolha aceitável
COZINHAS
Panelões fixos FT-H BP, FT-C ou FT-SLR* 4 - Dimensionamento de Purgadores
Panelões basculantes FT-C FT-SLR, BP
Panelões com pedestal BP+ FTH, FT-C ou FT-SLR*
Fornos a vapor BP+ Após selecionar o tipo de purgador ideal para a sua
Mesas quentes BP+ FTH, FT-C ou FT-SLR*
aplicação, deve-se dimensioná-lo corretamente.
AQUECIMENTO DE ÓLEO
Tanques IB FTH A capacidade de descarga de um purgador depende do
Trocadores de calor FT-H IB* diâmetro do orifício, da temperatura do condensado e da
Linhas de traceamento TD SM, BP pressão diferencial através do orifício. Um dado purgador
Tubulações encamisadas TD FT-H, IB, BP
tem uma capacidade de descarga de água fria maior que
a de condensado, considerando-se a mesma pressão

40
diferencial. Isto ocorre devido ao efeito do vapor vazão de condensado 4 ou mais vezes maior do que a de
reevaporado. As curvas de vazão mostram a capacidade projeto.
de descarga de condensado quente que os purgadores
Spirax Sarco oferecem. De qualquer forma, deve-se
considerar um fator de segurança para a garantia do
4.3 - Pressão máxima de trabalho
sistema.

Em purgadores mecânicos, de bóia e balde invertido, a


pressão diferencial máxima é limitada para cada
4.1 - Vazões em início de processo diâmetro do orifício da sede. O corpo do purgador admite
pressões bastante altas, porém a máxima pressão de
trabalho para um purgador em particular, será limitada
As vazões de partida do sistema são geralmente maiores pelo diâmetro do orifício da sede. As curvas de vazão
que as verificadas com o sistema já aquecido. Para tanto, apresentadas nos gráficos de dimensionamento
no dimensionamento do purgador deve-se considerar mostram a capacidade de cada modelo até a sua
um fator de segurança 2 ou ainda maior. Existe a pressão diferencial máxima.
possibilidade de restrição do fluxo de vapor por válvulas,
e em alguns casos a pressão de vapor em início de
processo pode ser reduzida. Desta forma, existirá uma
queda de pressão diferencial no purgador, reduzindo a CURVAS DE CAPACIDADE
sua capacidade de descarregar. É sempre bom lembrar
Purgadores Termodinâmicos
que qualquer pressão existente na linha de retorno de
condensado reduzirá a pressão diferencial através do
Modelos: TD-50 / TD-52 / TDS-52 / TDE / TDV-52 / TDVE / TDSE / TD-LC /
purgador.
TDVA / TD-1464 / TDV-LC
Onde não existe uma válvula de controle de temperatura
instalada, é melhor dimensionar um purgador capaz de
dar uma vazão duas ou mais vezes maior que a vazão de
projeto.

4.2 - Controle de temperatura modulante

Um controle de temperatura modulante reduzirá a


passagem de uma válvula de controle quando a vazão de
produto diminuir. Quanto menor a vazão, menor a
pressão no equipamento, e menor a pressão diferencial
através do purgador. Uma pressão de vapor num
equipamento igual à contra-pressão (mesmo que
atmosférica) pode significar uma taxa de condensação
considerável, se a temperatura de controle for menor que
a temperatura de vapor correspondente à pressão de
trabalho.
Visto que o equipamento estará alagado, a força da
gravidade deve ser utilizada para fazer o condensado fluir
através do purgador. Uma coluna de 0,5 m de
condensado, do equipamento até o purgador, representa
uma pressão de aproximadamente 0,05 kgf/cm2. No
dimensionamento do purgador deve-se considerar uma

41
Purgadores Mecânicos tipo bóia
Modelo: FT14

42
Purgadores Mecânicos tipo bóia Purgadores Mecânicos tipo balde invertido

Modelo: FTD-V

BITOLA 0,14 0,35 0,71 1,05 1,4 2,1 3,5 4,2


SEDE ø
ø 2 5 10 15 20 30 50 60
A ½” 22.300 27.400 32.200 34.700 37.000 40.700 47.100 49.000
B ¾” 24.100 30.300 36.200 39.500 42.600 47.600 56.000 58.800
4”
C 1” 26.600 34.200 41.800 46.300 50.500 57.200 68.400 72.400

D 1½” 33.700 45.400 57.700 65.800 72.900 84.800 104.000 111.300

E 2” 43.600 61.200 79.900 93.100 104.400 123.300 153.700 165.900


6”
F 2½” 56.400 81.400 108.600 128.100 144.900 172.900 217.700 236.000

ΔQ Máxima 18.800 22.700 26.200 27.700 29.200 31.700 36.000 37.100

ΔQ Máxima Determina a faixa de trabalho dos purgadores


FTD-V 10 e 12. Portanto, um purgador FTD-V 12 (Ø
6”) operando com pressão diferencial de 0,71
Kgf/cm2, deverá operar com uma vazão mínima de
82.400 Kg/h (108.600 - 26.200). Caso contrário,
além do condensado, o purgador passará a
eliminar também vapor vivo.

43
5 - Verificação de falhas em prugadores

Mesmo que protegidos por filtro, qualquer tipo de


purgador pode falhar por inúmeras razões. Se falhar na
posição fechada, uma queda na produção será
imediatamente sentida, e a ação de correção, tomada.
Porém se o purgador falhar aberto ou parcialmente
aberto, a produção não será afetada, mas vapor vivo de
alto custo de geração será desperdiçado.
O sistema automático de verificação de perdas em
purgadores, Spiratec, irá assegurar que qualquer
vazamento de vapor seja rapidamente identificado e
corrigido.

Fig. 2

Fig. 3

Uma câmara sensora é instalada a montante de cada


purgador. Para verificar se os purgadores estão dando
passagem de vapor, um indicador portátil é plugado em
cada câmara, e um sinal imediato indica se existe o
vazamento (veja fig.2).
As câmaras sensoras podem, alternativamente, ser
ligadas a um monitor eletrônico que realiza uma
varredura contínua, a procura de vazamentos (veja fig.3).
Uma luz no monitor indica quais purgadores apresentam
vazamentos.
Uma alternativa ao sistema Spiratec é a instalação de
visares de fluxo a jusante de cada purgador (veja figA).
Alguns modelos estão disponíveis com válvulas de
retenção embutidas (veja fig.5). Visores de fluxo devem
ser instalados a pelo menos 1 metro após o purgador,
devido a ação da velocidade de descarga.

44
Consideramos que um
purgador esteja dando
passagem de vapor e do
próprio condensado. Parte
deste condensado pode ser
VRS
reevaporado, e este vapor
formado, obstruirá a saída do
Fig. 4 purgador. Muitas vezes o
mecanismo do purgador
Fig. 5
pode falhar parcialmente
aberto. Todos estes fatores
podem reduzir a perda de
vapor obtido na fig.14. Nem
VZ todo o vapor vivo que passa
através do purgador é desperdiçado. Parte deste vapor
se condensa na linha de retorno, aumentando em alguns
6 - Válvulas de retenção graus a temperatura do condensado.
Fora as perdas por irradiação nas tubulações, as perdas
Válvulas de retenção a jusante de purgadores, são de vapor vivo por escapes de tanques e vasos devem ser
essenciais em sistemas que possuem contra-pressão na consideradas.
linha de retorno. Isto pode ser devido a muitas razões Diferentes tipos de purgador falham de diferentes
incluindo, na maioria dos casos, linhas de retorno de maneiras, mas os fatores acima devem ser considerados
condensado com elevações. A válvula de retenção para todos. Embora a perda através do orifício de um
impedirá que o equipamento ou linha de vapor se alague purgador seja menor do que a perda por um orifício
com o condensado quando a pressão de vapor cair ou o equivalente na tubulação, o vapor desperdiçado será 20
vapor for cortado. a 50% da perda encontrada no gráfico, o que ainda
significa uma perda representativa. Por exemplo, um
purgador de bóia Spirax Sarco utilizado a 7 kgf/cm2 de
pressão tem um orifício de diâmetro 5,2 mm. Olhando a
7 - Manutenção em purgadores fig.14 acima, e considerando os comentários anteriores,
se o purgador falhar aberto ele poderá estar perdendo de
Um purgador pode falhar tanto fechado quanto aberto. O 12 à 30 kg/h de vapor vivo. O custo deste vapor irá
sistema Spiratec (veja pag.2) irá detectar vazamentos rapidamente justificar uma ação corretiva.
em purgadores. Purgadores que falham fechados Mesmo que um purgador Spirax Sarco eventualmente
ocasionarão queda na produtividade. Estarão frios ao falhe, não se desespere. Existem peças de reposição
toque. internas para todos os modelos e uma Assistência
Um programa regular de manutenção em purgadores Técnica que o atenderá prontamente.
reduzirá a probabilidade de falhas inesperadas, e
certamente um plano de manutenção preventiva deve Se o purgador falhar fechado, a primeira verificação deve
incluir purgadores e filtros. A freqüência de testes ser feita no filtro incorporado ao purgador ou a montante
obviamente depende do processo, mas um período do purgador (se existir). Se o filtro não estiver entupido, o
razoável pode ser a cada 6 meses. A importância da purgador deverá ser inspecionado. Primeiramente isole
freqüência de testes pode ser vista na fig.14. as conexões da linha de vapor e de condensado.
O gráfico mostra como a quantidade de vapor que passa Preferivelmente realize este trabalho com válvulas de
através de um orifício pode ser usada para estudar a esfera a montante e a jusante do purgador. Muitos
perda de vapor por um purgador que apresentou falha purgadores podem sofrer manutenção sem ser retirados
(aberto direto). da linha, mas sempre consulte a literatura fornecida pelo
fabricante antes de remover o purgador ou retirar a sua
tampa.

45
Além da limpeza, a manutenção de purgadores Spirax Os purgadores devem descarregar para uma linha de
Sarco possibilita a substituição de internos. Assegure-se condensado bem dimensionada, que por sua vez deve
que estas peças estejam à mão, sejam corretas e descarregar no desaerador ou em um tanque à pressão
originais. Sempre que for necessária a substituição, atmosférica na caldeira.
coloque novas juntas. Assegure-se de que todas as
partes estejam limpas. Nunca se esqueça de realizar a
limpeza dos filtros.
Purgadores termodinâmicos são um caso especial. A
sede faz parte do corpo e não pode ser substituída.
Todavia, em alguns casos a sede pode ser retrabalhada
para reproduzir a superfície lisa e retificada conforme
original de fábrica. Purgador Termodinâmico
A melhor alternativa é fazer uso do esquema a base de com filtro incorporado

troca, evitando e os purgadores ruins para a matriz e


recebendo purgadores recondicionados de fábrica.
Spira-tec
Fig. 17

7.1 - Purgadores Selados

A Spirax Sarco possui uma linha de purgadores


completamente selados, dos tipos mecânicos e pressão
balanceada, particularmente utilizados em indústrias de
biotecnologia, petroquímicas e alimentícias. Estes
purgadores eliminam o problema de vazamentos entre a
tampa e corpo do purgador, e são também uma solução
para indústrias que tem a preferência de substituição do
purgador em relação à manutenção.
Purgador IB

8 - ESQUEMAS TÍPICOS DE INSTALAÇÃO Spira-tec


DE PURGADORES Fig. 18

Os esquemas de instalação de purgadores mostrados


aqui mostram válvulas de bloqueio, filtros, válvulas de 8.1.1 - Separadores de Umidade
retenção e outros acessórios. O uso de acessórios
deve ser verificado caso a caso, considerando-se as
O separador de umidade irá retirar as gotículas de água
necessidades de manutenção dos produtos.
em suspensão, assim como o filme de condensado,
garantindo um vapor seco para geração de energia e
processo. As figuras 15 e 16 mostram formas alternativas
8.1 - Linhas de vapor de se drenar o separador. Sendo essencial a retirada do
condensado assim que este se forma, a melhor escolha
O vapor das linhas geral de distribuição possui gotículas é o purgador termodinâmico ou o de bóia termostático.
de água em suspensão, assim como uma película de Onde existe a possibilidade de ocorrência de golpes de
condensado e ar nas paredes do tubo. Todos os três aríete o purgador IB deve ser utilizado.
devem ser retirados para melhorar a produtividade da
fábrica.

46
Separador
de umidade da tubulação principal, e instale um separador de
umidade antes da entrada do equipamento. A figura 20
mostra um esquema onde o separador é drenado
por um purgador de bóia.
Válvula
esfera
Spira-tec
Purgadores TD, IB também
Fig. 15 podem ser usados.

Filtro Y
Purgador Termodinâmico
com filtro incorporado
Separador
de umidade Fig. 20

Válvula
esfera
Fig. 16 Spira-tec

8.2 - EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO


Filtro Y
8.2.1 - Trocadores de Calor
Purgador de Balde

O purgador para este serviço deve ser capaz de atender


8.1.2 - Linhas Horizontais
a grandes variações de vazão e eliminar grande
Nunca tente drenar uma linha horizontal de vapor através quantidade de ar. O purgador de bóia termostático é o
de uma tubulação de pequeno diâmetro conectada ideal e deve sempre ser utilizado, exceto onde existe a
diretamente à linha principal: nem todo condensado possibilidade de golpes de aríete. A figura 21 mostra o
descerá por ela. Use um "T" do mesmo diâmetro da purgador instalado próximo ao equipamento. Isto é muito
tubulação principal como mostrado nas figuras 17 e 18. importante.

Controlador
Válvula de controle
8.1.3 - Eliminação de Ar Sinal de controle pneumática com posicionador

ar comprimido ar comprimido
Elimine o ar nos finais de linha para um aquecimento quebra
inicial rápido e início de produção. A figura 19 mostra um vácuo

purgador e um eliminador de ar. Sensor

A descarga de um eliminador de ar não deve ser Trocador de calor

conectada em uma linha de retorno de condensado Válvula de


retenção
alagado. Isto pode provocar golpes de aríete, Filtro
entrada / saída de líquido
subresfriamento do condensado e corrosão.
Spira-tec
Fig. 21

Se, por razões de layout ou acesso para manutenção, o


purgador for instalado distante da saída do
equipamento, então o purgador de bóia termostático
combinado (com eliminador de ar e eliminador de vapor
Fig. 19
preso), deve ser usado. Alternativamente pode-se
instalar o purgador de bóia com SLR e um eliminador de
ar na linha de condensado. Quando a entrada de vapor
8.1.4 - Linhas Ramais para processos no trocador de calor é controlada manual ou
automaticamente, o efeito obtido é a redução da pressão
Uma melhor produção será obtida se o vapor alimentado no interior do trocador. Esta pressão pode ser insuficiente
for seco. Faça as tomadas dos ramais pela parte superior

47
para empurrar o condensado através do purgador. De 8.2.2 - Radiadores
fato, um vácuo será formado e o condensado alagará o
equipamento, ocasionando golpes de aríete, controle Para radiadores padrões, onde geralmente opera-se
inadequado da temperatura e corrosão dos tubos ou com pressões de vapor abaixo de 2,8 Kgf/cm², utilize
casco. Nestes casos é necessária a instalação de um purgadores bóia termostáticos, tipo FT, como mostrado
quebra-vácuo no equipamento ou na alimentação de na fig 23.
vapor após a válvula controladora. Verifique o purgador anualmente e tenha a certeza de que
o conjunto da sede esteja liso e limpo. É recomendável a
Onde existe altura suficiente, o condensado pode ser instalação de um filtro antes do purgador. Em algumas
drenado por gravidade através do purgador para um instalações, este tipo de radiador é utilizado em conjunto
coletor ou uma bomba de retorno. O dimensionamento com sistema de vácuo, neste caso deve ser instalada
do purgador, neste caso, é baseado na coluna de água uma válvula de retenção após o purgador.
disponível, como descrito na pág.12.
Nos casos onde a saída de condensado do trocador é
muito baixa para permitir que o condensado chegue ao
coletor é possível utilizar o arranjo mostrado na fig.22. A
bomba de condensada auto-operada é dedicada a
somente um trocador de calor. Quando a pressão de
vapor é suficientemente alta, o condensado escoa até o
purgador.

Válvula de controle de
temperatura piloto operada
Filtro

Vapor
Sensor
Trocador de calor

Quente Válvula de retenção

Frio

Eliminador
Vapor de
Retorno de ar
acionamento
de condensado
P2

Fig. 22 Filtro
Purgador Coletor
Termodinâmico

Bomba de
condensado

8.2.3 - Aquecedores por Convecção

Fig. 23
Embora estes equipamentos possuam uma baixa vazão
de vapor, não se pode permitir o seu alagamento parcial.
Projetos determinam um layout prático. A instalação de
purgador do tipo FT é ideal, como mostrado na Fig.25.
Filtro Y

Purgador FT

48
Serpentina de aquecimento

Purgador
FT

Fig. 27
Purgador
FT Spira-Tec Filtro Y
Fig. 25

8.2.4 - Trocadores de Placa


No caso de purgadores de balde invertido, a velocidade
A eficiência do trocador depende da alta temperatura na de aquecimento inicial será bastante melhorada com a
superfície da placa portanto, a remoção imediata do instalação de eliminadores de ar (fig.28).
condensado é fundamental. Os melhores resultados são
obtidos com a drenagem individual de cada trocador
com purgadores de bóia termostáticos, que eliminam
rapidamente o ar (Fig.26). O purgador de balde invertido 8.2.6 - Auqecedores de Ar - Radiadores
também pode ser usado, porém faz se necessário a
utilização de um eliminador de ar.
Radiadores produzem uma grande quantidade de
condensado para um pequeno espaço preenchido com
vapor. Qualquer acúmulo de condensado ou ar gera
temperatura irregular e pontos frios que podem danificar
Serpentina de aquecimento os radiadores. Utilize um purgador de bóia próximo ao
equipamento (fig.29). A utilização do purgador de balde
Fig. 26 invertido também é possível. Instale uma válvula de
retenção na entrada do purgador ou utilize com válvula
de retenção incorporada para que o purgador não perca
Purgador o selo de água, o que pode ser causado pela queda
FT
Spira-Tec Filtro Y rápida da pressão assim que o ventilador é ligado,
principalmente onde existem controles ON-OFF.

8.2.5 - Serpentinas Múltiplas e Finais de Linha Fig. 29

Serpentinas múltiplas de longo comprimento, sempre


apresentam problemas de aquecimento inicial lento e Purgador FT
Filtro Y
difícil controle de temperatura. É sempre melhor seguir o
esquema de instalação mostrada na fig.27. O uso de
Válvula globo
purgadores de bóia termostáticos (FT) com elementos Spira-Tec
em aço inox, ou purgadores de balde invertido eliminam
estes problemas.

49
Em baterias horizontais de radiadores, qualquer redução 8.3 - EQUIPAMENTOS DE COZINHAS INDUSTRIAIS
no diâmetro da tubulação de saída de condensado deve
ser feita com redução excêntrica. Isto evitará contra-fluxo 8.3.1 - Panelões
de condensado. O purgador deve ser instalado abaixo
da saída, como mostrado na fig.30. O condensado Geralmente não necessitam aquecimento rápido e a
escoará facilmente com uma pequena inclinação na pressão de vapor é baixa. De qualquer forma é
tubulação de saída do purgador. necessária a instalação de eliminador de ar na camisa de
vapor do panelão 37 e 39.

8.3.2 - Panelões com Pedestal


Fig. 30
A forma correta de se realizar a drenagem deste panelão
é com purgador de bóia com eliminador de ar FT-H
(fig.32) em alternativa pode-se utilizar o BP purgador de
pressão balanceada com filtro incorporado. Para
operação eficiente, o purgador BP deve ser instalado a 1
metro distante da saída do equipamento. A instalação de
um eliminador de ar na parte superior da camisa do lado
Em baterias de aquecimento com vários radiadores
oposto a entrada de vapor também se faz necessária.
verticais instalados em série, no sentido do fluxo de ar, a
troca térmica diminui progressivamente do primeiro para
o último radiador. Cada radiador deve ser drenado
individualmente com purgadores de bóia termostáticos
(fig.31). Se por alguma razão houver a possibilidade de Fig. 32
golpes de aríete, instale purgadores do tipo balde
invertido.
Spira-tec

Fig. 31 Filtro Purgador FT

8.3.3 - Panelões Basculantes

A fig.33 mostra um purgador de bóia termostático


drenando um panelão basculante.
Se alta pressão de vapor é usada, a instalação de um Um eliminador de ar (BP), tracejado no desenho,
tanque de reevaporação gerando vapor reevaporado aumentará a velocidade de aquecimento, por exemplo,
para utilização no primeiro radiador traz grandes 140 litros de sopa estarão prontos em aproximadamente
economias. em 20 minutos.
Em baterias de radiadores onde existe uma válvula de
controle modulando a entrada de vapor, manual ou Eliminador
de ar
automática, o condensado deve ser drenado por
Fig. 33
gravidade. A condição de vácuo pode ocorrer
dificultando o escoamento do condensado. Nestas
condições deve-se instalar um quebra-vácuo no radiador Purgador FT
Filtro Y
ou na tubulação de entrada, entre a válvula de controle e
o radiador. Muitas vezes será necessária a combinação
purgador/bomba. Spira-tec

50
Onde a velocidade de cozimento é um fator fundamental, 8.3.5 - Mesas Quentes
uma grande melhoria é obtida com a instalação de um
purgador de bóia com eliminador de vapor preso (SLR) e O esquema padrão de drenagem de mesas quentes é
eliminador termostático de ar (veja fig.33). mostrado na fig.35.

8.3.4 - Fornos a Vapor

A fig.34 mostra o esquema ideal de instalação e


drenagem de um forno a vapor. A linha de entrada de
vapor deve ser drenada antes da válvula de entrada por
um purgador termodinâmico. Cada compartimento do
forno deve ser drenado individualmente com purgadores
de pressão balanceada, assim como o ar deve ser
eliminado em cada compartimento com o mesmo tipo de
purgador.

8.4 - EQUIPAMENTOS HOSPITALARES

8.4.1 - Esterilizadores (autoclaves)

A drenagem e eliminação do ar em modernos


esterilizadores a vácuo são muito importante e
Fig. 34
geralmente o fabricante do equipamento deve fornecer
todos os acessórios de drenagem e eliminação do ar
necessário. O tipo mais comum de autoclave é mostrado
na fig.36.

Válvula de
Filtro
segurança
de vapor
Linha de tomada
Separador de pressão
de umidade
Vapor
Filtro Válvula controladora de
temperatura piloto operada

Purgador termostático
de pressão balanceada

Spira-tec
Eliminador
de ar

Purgador Filtro
de Bóia
Autoclave

Spira-tec

Purgador Filtro
de Bóia

Filtro
Purgador Spira-tec
de Bóia

51
A entrada de vapor se dá pela parte superior da autoclave A fig.38 mostra uma instalação em que o purgador não
para deslocar o ar. O vapor deve estar seco, e para tanto pode ser instalado em baixo do panelão. Neste caso
se deve instalar um separador de umidade e drena-lo existe a possibilidade de vapor preso, então o purgador
com um purgador de bóia termostático. Na câmara da de bóia deve possuir o elemento SLR eliminador de vapor
autoclave deve-se utilizar um purgador de pressão preso. Sendo a eliminação de ar de suma importância,
balanceada. Em autoclaves maiores o ideal é que se deve se instalar um eliminador de ar na saída, ou ainda,
utilize purgador de bóia termostático. O filtro é essencial utilizar um purgador de bóia combinado com eliminador
para impedir que materiais fibrosos ou cacos de vidro de ar, e eliminador de vapor preso.
cheguem à sede do purgador. É necessária a instalação
da válvula de retenção para operações a vácuo.
O aquecimento rápido será conseguido com a instalação
de um eliminador de ar na parte superior da camisa. A
drenagem da camisa deve ser realizada com purgador Eliminador de ar
de bóia termostático.

8.5 - EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Fig. 38 Filtro Purgador FT

8.5.1 - Panelões Fixos

Usado por muitas indústrias para aquecimento de


8.5.2 - Panelões Basculantes para Produção
diversos materiais que geralmente necessitam um
aquecimento imediato. Neste ponto diferem dos
Uma peculiaridade deste tipo de panelão é a ocorrência
panelões de cozinha. As pressões de vapor são
de vapor preso independente da distância entre o
geralmente mais altas e a drenagem do condensado e
purgador e o ponto de drenagem. A razão disto é que o
eliminações do ar eficientes são vitais. Os purgadores
condensado sai através de uma passagem no fundo do
devem descarregar o condensado e o ar rapidamente e
panelão e sobe até a união rotativa (fig.39). Esta
atender variações de vazão desde a partida até o
tubulação é preenchida com vapor que trava o purgador
aquecimento final. A eliminação do ar é muito importante,
e alaga o panelão. A providência a tomar é realizar a
sendo que o eliminador de ar deve ser instalado na parte
drenagem com purgador de bóia com eliminador de
superior da camisa de vapor do lado oposto à
vapor preso. Um eliminador de ar deve ser instalado na
alimentação de vapor.
parte superior da camisa.

Eliminador de ar

Eliminador de ar

Fig. 37
Filtro

Spira-tec
Purgador FT
c/ SLR
Filtro Purgador FT
Fig. 39

52
8.5.3 - Retortas 8.5.4 - Digestores

Geralmente faz-se necessária a instalação de O calor é fornecido por uma camisa de vapor que em
purgadores de bóia termostáticos para descarregarem a início de processo estará preenchida com ar. A entrada
grande quantidade de condensado à baixa pressão. de vapor varia sua posição, podendo estar na parte
Porém, o ar é o maior problema. Se a entrada de vapor se inferior, no meio ou na parte superior. Instale dois
dá pela parte inferior, instale o eliminador de ar na parte eliminadores de ar na parte superior da camisa. Realize a
superior (fig 40). Em alguns casos é preferível que a drenagem com purgadores de bóia termostáticos como
entrada de vapor se de pela parte superior sendo o mostrado na fig.42. O purgador de balde invertido é uma
eliminador de ar instalado na parte inferior (mostrado em boa alternativa, desde que seja instalado com eliminador
linhas tracejadas). de ar suplementar.

Eliminador de ar Eliminador de ar
Eliminador de ar Eliminador de ar
Válvula de esfera

Válvula de esfera

RETORTA

Filtro Purgador FT
Fig. 42

Filtro Purgador FT
Fig. 40 8.5.5 - Mesas Quentes

Estas são usadas em muitas indústrias e as condições


A fig 41 mostra um método alternativo de eliminação de
podem ser variáveis. Não se deve alimentar o vapor por
ar em grandes retortas, utilizando válvula de controle de
um extremo da mesa e drenar o condensado no outro
temperatura auto-operada como eliminador de ar. Onde
extremo; o condensado (ou ar) até chegar a qualquer
existe um ciclo de resfriamento, os purgadores e
uma das seções passará por todas elas sucessivamente
eliminadores de ar devem ser corretamente bloqueados
até chegar ao purgador. O resultado será um
e by-passados.
aquecimento lento e temperatura reduzida no final das
seções. O melhor método é realizar a alimentação de
vapor e a drenagem do condensado individualmente
para cada seção.

A fig.43 mostra a drenagem das seções com filtros e


purgadores de pressão balanceada BP e TD são uma
boa alternativa.

Fig. 41

53
tubos horizontais ou inclinados onde flui o vapor.
Fig. 43 Algumas vezes tubos verticais são utilizados, sendo que
o vapor passa por fora dos tubos. A vazão de
condensado é bastante alta em início de processo. O
purgador deve atender a grandes variações de vazão,
tanto em início de processo como em aquecimento
normal. Por outro lado todo o ar deve também ser
eliminado.
O purgador de bóia termostático é a melhor escolha e
preferivelmente deve ser instalado o mais próximo
possível do ponto de drenagem. Caso isto não seja
possível, instale o purgador de bóia com eliminador de
vapor preso e em paralelo um eliminador de ar. O
purgador de balde invertido é uma boa opção para
pressões altas ou presença de golpes de aríete. Um
8.5.6 - Vulcanizadoras eliminador de ar em paralelo é sempre recomendável.

O condensado da câmara pode se tornar ácido e corroer


a maioria dos purgadores. O purgador de bóia
termostático é a melhor escolha, ou talvez, o purgador de
balde invertido com eliminador de ar em paralelo. Todavia
a escolha de purgadores construídos em aço inoxidável
garantirá a longa vida útil do mesmo, levando-nos a
escolher o purgador termodinâmico com disco
eliminador de ar. A instalação de eliminadores de ar nas Fig. 45
camisas é vital.
Eliminador de ar

Eliminador de ar
Eliminador de ar

Válvula de esfera
Válvula de
Válvula de esfera retenção

Filtro Purgador FT

Fig. 44

A drenagem de evaporadores de múltiplo efeito pode ser


complicada pelo fato de um ou mais estágios operarem
sob vácuo, e instalações especiais devem ser feitas.
Filtro Filtro
O condensado também pode ser corrosivo.
Purgador IB Purgador IB

8.5.7 - Evaporadores, Calandras e Reboilers

Os evaporadores variam muito em utilização e projeto,


mas na essência incluem a forma de um trocador de calor
para aquecimento do licor. O trocador geralmente possui

54
8.5.8 - Cozinhadores de Cerveja A base da serpentina será bem drenada com a instalação
de um purgador de bóia termostático próximo a saída.
Estes são tipos especiais de evaporadores e requerem O cozinhador deve ser capaz de transferir o máximo calor
um tratamento especial. O vapor é geralmente fornecido possível mesmo com produção baixa para dar uma
pela parte inferior do cozinhador, e uma alta demanda no contínua turbulência ao cozinhador. Este fato gera a
equipamento pode ocasionar um pico de vazão na necessidade de um purgador de alta capacidade que
caldeira com possibilidade de arraste de água. A possa atender tanto a vazão de início de processo
instalação de um separador de umidade na linha de quanto a vazão normal. O purgador de bóia termostático
vapor próximo ao equipamento garantirá um vapor seco é ideal, e a eliminação do ar é extremamente importante.
e de boa qualidade ao cozinhador.

Fig. 46

Separador

Válvula de retenção Válvula de esfera

Purgador FT Filtro Purgador FT


Válvula de esfera
Válvula de retenção

Filtro Válvula
de esfera
Purgador FT Filtro

termostático ou ainda por purgadores de pressão


balanceada. Se o condensado é forçado até o purgador
8.6 - SECADORES INDUSTRIAIS somente pela pressão do vapor, existe a possibilidade de
ocorrência de golpes de aríete. Neste caso a melhor
8.6.1 - Secadores a Ar Quente escolha seria o purgador de balde invertido, como
mostrado na fig 47.
Muitas substâncias são secas com ar quente. Os
equipamentos assumem diversas formas, mas
basicamente necessitam de baterias de aquecimento
através das quais o ar é soprado. A drenagem do
condensado e a eliminação do ar seguem os padrões
normais já apresentados. Fig. 47
Filtro

Válvula de esfera
8.6.2 - Serpentinas de Secagem
Purgador IB
As serpentinas podem ser contínuas ou em forma de
grade, horizontais ou verticais. As contínuas devem ser
Golpes de aríete também ocorrem em serpentinas do
curtas e apresentar uma pequena inclinação no sentido
tipo grade, a menos que a grade seja inclinada para
do fluxo para facilitar o escoamento do condensado.
facilitar o escoamento do condensado. Quando o
Podem ser drenadas por um purgador de bóia
purgador de balde invertido é utilizado, faz-se necessária

55
a instalação de eliminadores de ar do tipo pressão
balanceada, para reduzir o tempo de aquecimento na
partida. Utilize sempre reduções excêntricas na saída da
serpentina (fig 48).

Filtro

Válvula de esfera Purgador BP


Fig. 48
Fig. 49
ERRADO CERTO

8.6.4 - Cilindors Secadores

Variam no tamanho, velocidade e métodos para retirada


8.6.3 - Secadores Multi-Estágios do condensado, dentre os quais a caneca e o cilindro
pescador. O último tipo é normalmente associado a
Geralmente os secadores multi-estágios são máquinas de alta rotação, e necessitam uma drenagem
equipamentos antigos utilizados em indústrias têxteis. especial. As canecas e tubos fixos devem ser drenados
Porém este tem sido substituídos por secadores a ar individualmente, assim como, faz-se necessária a
quente. instalação individual de eliminadores de ar (fig.50). Este
São longas serpentinas, que devido ao layout não sistema compreende purgador de bóia com eliminador
possuem inclinação para facilitar o escoamento do de vapor preso, filtro, visor de fluxo, e eliminador de ar.
condensado, e além disto, a grande quantidade de
curvas pode permitir alagamento e golpes de aríete.
Nestes casos a melhor escolha é o purgador de balde Eliminador de ar

invertido com eliminador de ar suplementar.


Equipamentos mais novos deste tipo possuem um
arranjo melhor dos tubos reduzindo a possibilidade de
Cilindro secador
golpes. Neste caso o purgador de bóia termostático é
ideal. Os purgadores devem ser instalados na parte Fig. 50
externa do equipamento, o mais próximo possível do final
da serpentina.
Quando a superfície de aquecimento consiste de
serpentinas horizontais alimentadas e drenadas por Válvula de esfera
coletores verticais, a parte inferior do coletor deve ser
drenada com purgador, enquanto que na parte superior Filtro Válvula de esfera
Válvula
Visor de fluxo de retenção
instala-se um eliminador de ar (fig.49).

Filtro Purgador FT

56
8.6.5 - Máquinas Multi-Cilindros

A fig.51 mostra a drenagem e eliminação de ar em uma


máquina têxtil. O coletor que distribui vapor aos cilindros
é drenado por purgador de bóia termostático ou
purgador termodinâmico TD. A drenagem dos cilindros é
feita com purgadores de bóia com eliminadores de vapor
preso (SLR). O tanque de goma no início da máquina é
geralmente aquecido com serpentina ou injeção direta
de vapor. Em ambos os casos a alimentação deve se dar
através de uma válvula de controle de temperatura. A
serpentina é drenada por purgador de bóia
termostáticos.

Fig. 52

Válvulas de esfera

Eliminador de ar

8.7 - EQUIPAMENTOS DE LAVANDERIA

8.7.1 - Passadeiras de Calandras

Visor
Purgador FT
de fluxo
Passadeiras variam na sua construção, mas em todos os
casos a drenagem do condensado e eliminação de ar
Fig. 51 adequado são vitais para a produção. Além disto, a
presença de bolsões de ar ou condensado no cilindro da
Retorno de condensado
máquina podem ser responsáveis por uma peça de
roupa mal-passada. Sempre execute a drenagem da
alimentação de vapor, preferencialmente com separador
8.6.6 - Secadores Multi-Cilindros de umidade.

As modernas máquinas secadoras verticais devem


possuir drenagens individuais com purgadores de bóia
combinados com elemento eliminador de ar e eliminador
de vapor preso. Se a alimentação de vapor for feita
através de um coletor vertical. a parte inferior deve ser
drenada com purgador de bóia termostático ou
termodinâmico, enquanto que na parte superior instala-
se um eliminador de ar.

Fig. 53

57
Melhores resultados são obtidos com purgadores de 8.8 - TANQUES E BOILER
bóia combinados com eliminador de ar e eliminador de
vapor preso (fig.53). A eliminação do ar na camisa é 8.8.1 - Boiler de Processo
fundamental. Se o cilindro for aquecido com vapor faz-se (drenagem pela parte superior)
necessária a instalação de purgadores de pressão
balanceada a uma certa distância do cilindro (1 m). Outra A fig.56 é muito importante. Uma serpentina submersa
opção pode ser o purgador de bóia com eliminador de em licor deve possuir uma inclinação no sentindo do fluxo
vapor preso. e ao final apresentar um sifão em forma de "U", se a saída
da mesma for vertical no sentido ascendente. A
tUbulação que liga a serpentina ao purgador deve ser de
pequeno diâmetro. Uma boa idéia é embutir uma
8.7.2 - Prensas Garnment tubulação de menor diâmetro dentro da parte vertical da
serpentina, até o fundo do sifão. O purgador pode ser do
Os purgadores de bóia, balde invertido ou
tipo bóia termostático ou balde invertida. No último caso
termodinâmico podem ser usados. É importante que
(IB), instale uma válvula de retenção na entrada para que
cada prensa possua o seu purgador individual.
o purgador não perca o selo d'água.

8.8.2 - Boiler de Processo


(drenagem pela parte inferior)

Se a serpentina apresenta a saída pelo lado do tanque, a


fig.57 mostra o esquema de instalação com purgador de
bóia termostático. O purgador de balde invertido também
pode ser utilizado. É importante usar redução excêntrica
(fig 48) ao final da serpentina horizontal. A redução
Fig. 54
concêntrica inevitavelmente ocasiona alagamento, além
de causar a ineficiência na troca térmica, e aumentar
8.7.3 - Secadoras consideravelmente o risco de golpes de aríete.

A bateria de aquecimento de ar deve ser drenada com


purgador de bóia termostático, mas o purgador de balde
invertido também pode ser usado. Com este último tipo é
necessária a instalação de eliminador de ar.
Fig. 57

8.7.4 - Máquinas de Lavagem a Seco

A bateria de aquecimento de ar e ainda a serpentina


devem ser individualmente drenadas por purgadores de
bóia termostáticos. Uma segunda opção pode ser o
purgador de balde invertido.
Fig. 56

58
8.8.3 - Tanques Pequenos para Aquecimento de Água
Purgador termodinâmico
c/ filtro incorporado

Se você desejar um aquecimento mais rápido, utilize um


purgador que descarregue o condensado a temperatura Fig. 60
do vapor, como o de bóia termostático ou de balde
invertido.

Purgador FT
Filtro

Retorno de
condensado Spira-tec

8.8.4 - injeção Direta de Vapor

De forma clara, simples e concisa a Spirax Sarco pode


lhe dar maiores informações sobre esta forma de
aquecimento muitas vezes mal aplicada que ocasiona
uma série de problemas que poderão ser evitados, como
erosão de equipamentos, barulho e desperdício de
vapor. Fig. 61

8.9 - PRENSAS

8.9.1 - Prensas Multi-Pratos (conexões paralelas)


Como alternativa os purgadores de balde invertido
podem ser utilizados. Tanto o termodinâmico como o
Para assegurar a correta drenagem dos pratos, a tomada
balde invertido são resistentes a golpes de aríete, o que
de vapor deve ser superior ao mesmo, assim como o
geralmente ocorre com estas prensas devido aos
purgador deve estar abaixo dele. Cada prato deve ser
"Loops" formados entre as conexões flexíveis de vapor e
drenado individualmente para se obter uma temperatura
condensado. Somente quando os flexíveis estão
precisa e homogênea e um produto de boa qualidade.
propriamente inclinados no sentido do fluxo é que deve
Quando a temperatura das placas não requer precisão, a
ser utilizado o purgador de bóia.
drenagem coletiva pode ser utilizada conforme fig.61. O
A instalação de um eliminador de ar paralelo ao purgador
coletor de distribuição de vapor é drenado por purgador
(fig.62) e/ou no coletar de condensado permitirá um
termodinâmico (TD) e devido ao tamanho reduzido deste
aquecimento inicial mais rápido.
purgador, ele também deve ser utilizado na drenagem
dos pratos. Os purgadores devem descarregar para um
coletor de maior diâmetro evitando-se a contra-pressão
ocasionada pelas descargas simultâneas de vários
8.9.2 - Prensas Multi-Pratos (conexões em série)
purgadores. (Se houver controle de temperatura é
preferível a utilização de purgadores de bóia ou balde
Este arranjo favorece e muito, a formação de bolsões de
invertido).
condensado devido as tubulações, e a baixo velocidade
do condensado. Neste caso a melhor opção é um
purgadores descarga intermitente (a fig.62 mostra o TD).

59
8.10 - ARMAZENAMENTO E BOMBEAMENTO

Óleo e outros fluídos são armazenados em tanques


aquecidos com serpentinas ou outros métodos. As
serpentinas podem ser complementadas com
trocadores que aquecem o produto até a temperatura
ideal de bombeamento. Aquecedores de linha elevam a
temperatura de óleo combustível para queima na
caldeira.

8.10.1 - Serpentinas de Tanques de Armazenamento

Fig. 62 Existem inúmeras formas de aquecimento destes


tipos de tanques, como serpentinas em seções (fig.64)
espalhadas no fundo do tanque, ou por baionetas.
O purgador de balde invertido também pode ser
utilizado. Em qualquer um dos casos é recomendável a
instalação de um eliminador de ar paralelo ao purgador.
A alimentação de vapor deve ser corretamente drenada, Fig. 64
para isso deve se prever a instalação de separador de
umidade.

8.9.3 - Prensas Vulcanizadoras

A temperatura constante é vital para evitar uma má


vulcanização. O condensado deve ser retirado assim que
se forma. A prensa deve estar livre de ar.
Em alguns casos, um largo tubo, selado nas duas pontas
é fixado pela lateral do tanque. O vapor é alimentado por
um tubo interno e o condensado removido na parte
externa do tubo.

Fig. 63

Fig. 65

Na prática, os purgadores de balde invertido parecem


oferecer os melhores resultados, seguidos de Porém, um dos métodos mais utilizados, é mostrado na
purgadores termodinâmicos e de bóia termostáticos fig.66, onde vários coletores distribuidores são
(fig.63). alimentados com vapor através de um anel principal.

60
8.10.4 - Linhas de Traceamento

As linhas de traço devem possuir uma inclinação no


sentido do fluxo de vapor, e não deve exceder a 18 metros
de comprimento para traços de diâmetro 3/8”, e não
devem exceder 45 metros para demais diâmetros. Cada
18 ou 45 metros deve ser drenado por um purgador
termodinâmico, bimetálico (SM) ou termostático de
pressão balanceada (BP). Veja fig.68. Linhas de
Fig. 66 traceamento individuais devem estar localizadas na
parte inferior da linha de produto, e onde for necessário
atravessar um par de flanges, deve se prever uma
pequena lira horizontal para manter a inclinação da linha
8.10.2 - Aquecedores a Óleo até o purgador.

O aquecedor de óleo é geralmente um trocador de calor


com casco e tubos que opera sob condições contínuas
de vazão. O controle automático de temperatura é
comum, e a fig.67 mostra uma válvula de ação direta com
sensor instalado na saída de óleo, modulando a
alimentação de vapor. A primeira escolha é usar um
purgador de bóia termostático.

8.10.3 - Aquecedores de Linha Fig. 68

Estes são trocadores de calor simples ou multi-estágios


e devem ser tratados de maneira similar aos 8.10.5 - Tubulações Encamisadas
aquecedores de óleo. Cada estágio deve ser drenado
individualmente com purgador de bóia termostático. Tubulações encamisadas são geralmente constituídas
com segmentos de até 6 metros e devem ser
individualmente drenadas com purgadores
termodinâmicos, de bóia ou balde invertida. De qualquer
forma, é bastante prático unir as camisas de até 3
segmentos juntos, desde que as camisas sejam
interligadas na parte superior e inferior (como na fig.70),
de forma que o vapor e o condensado escoem livre e
independentemente.

Fig. 70
Fig. 67

61
8.11 - DRENAGEM DE CONDENSADO EM
SISTEMAS À VÁCUO

8.11.1 - Drenagem Sob Vácuo

Remover o condensado de um equipamento operando


sob vácuo pode ser bastante problemático. Se um
simples purgador é utilizado, sua saída deve ser
conectada a uma fonte de maior vácuo que a entrada,
desta forma existirá pressão diferencial através do
purgador para que descarregue o condensado.
Na maioria dos casos uma bomba automática tipo
Pivotrol pode ser usada para drenar o condensado em
sistemas a vácuo (fig.71).

Linha de equilíbrio

Fig. 71
equipamento
sob vácuo Vapor de
acionamento

Reservatório

altura de
enchimento

bomba de
condensado

Freqüentemente a bomba Pivotrol e um contador de EXAUSTÃO


ENTRADA
batidas podem ser combinados a um purgador para
atender ambas as condições: vácuo e pressão
diferencial. Cada caso deve ser analisado e podemos
aconselhá-lo a melhor aplicação de cada caso em
particular.

CONTADOR
DE BATIDAS

FILTRO

RETORNO
DE CONDENSADO

62