Você está na página 1de 1

Educação e mudança social em Fernando de Azevedo

1- Para Fernando de Azevedo não poderia haver uma educação


pública e universal, se a mesma ficasse apenas na responsabilidade
do Estado. Para o autor só poderia acontecer uma evolução, se
houvesse uma participação de toda a sociedade, desde os dirigentes
escolares, como os pais e professores, e principalmente os alunos.
Seria a partir da cooperação de todos que seria possível modificar
socialmente os indivíduos, independente da classe social, isso
incluía principalmente a elite. Os interesses coletivos precisavam
esta acima dos interesses particulares, para assim formar um novo
Brasil.
2- A educação universalista e democrática deveria ser vista como um
processo social, ela teria que ser pública e igualitária para todos os
indivíduos, deveria enaltecer um bem comum, porem respeitando as
particularidades de cada individuo.
3- Para Azevedo, somente a educação poderia abrir caminho para uma
sociedade democrática. Seria a partir dela que o homem poderia se
aproximar de um novo tempo, deixando de lado o conservadorismo.
Ela deveria conter um caráter inovador e transformador da vida
humana.
4- A educação da mulher para Azevedo era algo inevitável em uma
sociedade urbano-industrial que estava se formando, porem a
educação deveria prepara-la para que ela soubesse conciliar seu
trabalho com seus afazeres domésticos, não esquecendo de suas
obrigações como mãe, esposa e guardiã do lar.
5- As políticas educacionais tinham por finalidade a defesa dos valores
universais humanos, a defesa de uma educação que conseguisse
inserir o individuo integralmente na sociedade, seja no mercado de
trabalho, nas relações sociais ou na politica.