Você está na página 1de 2

Jorge José Cossa Júnior

Licenciatura me Economia

Regime- Laboral

Síntese da palestra alusiva ao Décimo aniversário da ESCOG

A palestra teve lugar no Campus da Universidade Pedagógica- UP à 10 de Maio de 2018 e teve


como tema: Conjuntura económica em Moçambique para além das estatísticas e políticas
económicas.

A palestra visava trazer a tona os factores que afectaram negativamente a economia do país,
assim como falar do papel do Governo na criação de medidas para amortecer a crise.

De 2015-2016 o nosso pais deparou-se com choques que afectaram a economia do Pais, tais
como:

Subida de preços

Condições climáticas

Tensão Político-Militar

Dívidas ocultas ao estado

Desestabilização da Inflação

Todavia, o representante do FMI Ari Aisen elogiou os esforços do estado para colmatar essa
situação de instabilidade económica.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reconhece que as políticas macroeconómicas adoptadas


pelo Governo moçambicano produziram resultados positivos em 2017, com a moeda nacional, o
Metical, a apreciar-se em relação ao dólar norte-americano. O representante do FMI em
Moçambique, Ari Aisen, acredita que as contas externas do país melhoraram devido à queda das
importações e retomada das exportações, o que foi reforçado pelo aumento dos preços e da
produção do carvão, do alumínio e de outros produtos tradicionais de exportação de
Moçambique.

O mesmo referenciou que a inflação teve uma queda, depois de ter atingido o pico de 25 por
cento ao ano, caiu para abaixo de quatro por cento ao ano, o que protege o poder de compra das
famílias moçambicanas, disse o representante do FMI em Moçambique.
Estas medidas vieram responder aos choques que aconteceram em simultâneo num curto espaço
de tempo e no mesmo ano, isto em 2016, e que atingiram a economia moçambicana numa altura
em que as políticas macroeconómicas não estavam desenhadas para lidar com situação do
género. O quadro complexo gerou a desvalorização do Metical, aumento da inflação, da dívida
pública e desaceleração da actividade económica do país e, nos finais de 2016, Moçambique
estava com uma crise de balança de pagamentos.

Diante desta situação, segundo o orador, o Governo decidiu responder aos choques, ajustando
cenários de política macroeconómica a partir do último trimestre de 2016 com mais força e de
forma apropriada. Acrescentou ainda que a política fiscal também reagiu para colmatar o défice.
Enquanto isso, a Autoridade Tributária trabalhou para manter em alta a arrecadação de impostos,
já afectada pela desaceleração do crescimento económico.

No entanto, o crescimento económico não voltou aos níveis mais elevados que se observavam
em anos anteriores, uma vez que o crescimento do PIB caiu de 6.6 em 2015 para cerca de 3.7 por
cento em 2016 e 2017.

Entretanto, o Fundo Monetário Internacional (FMI) concorda com a opinião do Presidente da


República, Filipe Nyusi, sobre a partilha de responsabilidades com os credores internacionais,
relativamente às dívidas não declaradas.