Você está na página 1de 104

Figura 1

Teoria do calor
Introdução

Unidade 1 Calor, Temperatura e Pressão

Unidade 2 Matéria e Energia

Unidade 3 Refrigeração e Refrigerantes


OBJETIVOS DA LIÇÃO

Depois de estudar esta unidade, você deve ser capaz de:

• definir a temperatura.

• fazer conversões entre as escalas Fahrenheit e Celsius.

• descrever o movimento molecular no zero absoluto.

• definir a unidade térmica britânica.

• descrever o fluxo de calor entre substâncias de diferentes temperaturas.

• explicar a transferência de calor por condução, convecção Irradiação.

• discutir calor sensível, calor latente e calor específico.

• indicar a pressão atmosférica ao nível do mar e explicar por que varia em diferentes
elevações.

• descrever dois tipos de barómetros.

• Explicar psi-g e psi-a conforme se aplicam às medições de pressão.

1.1 CALOR, TEMPERATURA E PRESSÃO


O termo calor pode ser aplicado a eventos em nossas vidas e para o nosso conforto, comida,
clima e muitas outras coisas.

O frio é definido simplesmente como a ausência de calor. Dizemos:

"Está quente lá fora" ou "O café está quente; Gelado é frio.

"Na indústria de HVAC / R devemos verdadeiramente entender o que é o calor e como a


energia térmica de uma substância para outra, bem como entre as moléculas de uma única
substância. Usamos as palavras quente e frio como termos relativos. Quando precisamos ser
mais específicos, consulte a temperatura. Se você for perguntado como é quente fora, sua
resposta será provavelmente ao longo das linhas de "It's 85 degrees lado de fora."

Em nossa indústria, as leituras precisas de temperatura são muito importante, porque são
baseado nestas leituras de temperatura que tomamos decisões sobre o funcionamento do
sistema.

Portanto, é importante usar termômetros de alta qualidade para fazer essas leituras, Figura
1.1.

Outro termo que deve ser entendido é a pressão.

Usamos o termo pressão atmosférica quando nos referimos ao condições.

Também nos referimos à pressão quando falamos, ar nos pneus de bicicletas e carros.
Informações sobre as pressões no interior dos sistemas de ar condicionado e de refrigeração
É muito importante para o técnico HVAC / R.

Sistema operando pressões, junto com várias leituras de temperatura, fornece informações
valiosas ao técnico que é usado para avaliar corretamente e solucionar problemas de
aquecimento e equipamentos de resfriamento.

As pressões do sistema são obtidas um coletor de medidores de refrigeração, Figura 1.2.

Os termos calor, pressão e temperatura serão parte de quase todas as conversas relativas à
indústria HVAC / R, por isso é muito importante compreendê-los.

As seções que fornecer mais informações sobre esses conceitos e como eles se relacionam
entre si.

1.2 TEMPERATURA
A temperatura pode ser considerada como uma descrição do nível de calor e também pode ser
referido como intensidade de calor.

Nível de calor, intensidade de calor não deve ser confundida com a quantidade de calor ou de
calor.

Quando uma substância recebe mais calor, seu movimento molecular, e consequentemente
sua temperatura, aumenta.

A maioria das pessoas sabe que o ponto de congelamento da água é 32 graus Fahrenheit (32 °
F) e que o ponto de ebulição é 212 graus Fahrenheit (212 ° F), Figura 1.3.

Esses pontos são normalmente indicados num termómetro, que é instrumento que mede a
temperatura.

Devemos esclarecer as afirmações de que a água ferve a 212 ° F e congela a 32 ° F. Estas


temperaturas são precisas.

Condições atmosféricas padrão.

Condições padrão ocorrem ao nível do mar com o barómetro a 29,92 polegadas de Hg (14,696
psia); Este tópico é abordado em detalhes mais adiante nesta seção na discussão da pressão.

É importante compreender o conceito de condições-padrão porque estas são as condições que


serão aplicadas à prática real mais adiante neste livro.

Teoria do calor afirma que a menor temperatura atingível é -460 ° F.

Esta é a temperatura a que todos os de movimento molecular e a temperatura na qual não há


calor presente.

Esta é uma temperatura teórica porque o movimento molecular nunca foi totalmente parado.

A interrupção completa do movimento molecular é expressa como zero absoluto, calculado


para ser - 460 ° F.

Os cientistas realmente chegaram muito perto de chegar a este ponto, em um laboratório por
queda da temperatura para dentro de um milionésimo de um grau de zero absoluto.
A escala de temperatura Fahrenheit é parte do sistema de medição utilizado pelos Estados
Unidos. Esta medição de sistema é também conhecido como o sistema I-P, ou polegada-libra.

A escala de temperatura Celsius é utilizada no sistema de Unidades (SI) ou sistema métrico


usado pela maioria de outros países.

Alguns Fahrenheit e Celsius, importantes temperaturas equivalentes são fornecidas na Figura


1.4.

Veja a tabela de Conversão de Temperatura no apêndice deste texto para mais conversões de
temperatura.

Veja como usar o gráfico conversão de temperatura.

Para converter uma temperatura ambiente de 78 ° F em graus Celsius, mova para baixo a
coluna denominada "Temperatura a ser convertido "até encontrar 78.

Olhe para a direita sob a coluna marcada "° C", e você encontrará 25,6 ° C.

Converter 36 ° C para graus Fahrenheit, olhe para baixo na coluna "Temperatura a ser
convertida" até encontrar 36. Olhe para esquerda e você encontrará 96,8 ° F. As fórmulas
também podem ser usadas para fazer conversões.

Se temos uma temperatura Celsius que queremos converter Para uma temperatura
Fahrenheit, podemos usar o seguinte Fórmula:

° F= (1,8 ° C)+ 32 °

Por exemplo, se tivéssemos uma temperatura Celsius de 20°C, pode determinar a


temperatura equivalente Fahrenheit usando o valor Celsius na fórmula para obter:

° F= (1,8 X ° C)+ 32 °

° F = (1,8 X 20°C)+ 32 °

° F = 36 °+ 32 °

° F= 68 °

Então, 20°C = 68 ° F

Se temos uma temperatura Fahrenheit que queremos converter para uma temperatura
Celsius, podemos usar a seguinte fórmula:

° C = (° F - 32 °)/ 1,8

Por exemplo, se tivéssemos uma temperatura Fahrenheit de 50 ° F, podemos determinar a


temperatura Celsius equivalente usando o valor Fahrenheit na fórmula para obter:

° C = (° F - 32 °)/ 1,8

° C = (50°F - 32 °)/ 1,8

° C = 18 °/ 1,8

° C = 10 °

Assim, 50°F = 10 ° C
Até este ponto, a temperatura foi expressa em termos comuns.

É igualmente importante na HVAC / R e Indústria, se referir à temperatura em engenharia em


termos científicos. As classificações de desempenho dos equipamentos são estabelecidas
usando temperaturas absolutas.

Avaliações de desempenho permitem uma fácil comparação entre os equipamentos


produzidos por diferentes fabricantes. O Fahrenheit absoluto é chamada a escala de Rankine
(nomeada para seu inventor, W. J. Rankine), e a escala absoluta Celsius é conhecida como a
escala de Kelvin (nomeada para o cientista Lord Kelvin).

As escalas de temperatura absoluta começam onde o movimento molecular começa; E usa “ 0”


como ponto de partida.

Por exemplo, 0 na escala absoluta Fahrenheit é chamado zero absoluto ou 0 ° Rankine (0 ° R).
Similarmente, 0 no absoluto Celsius escala é chamado zero absoluto ou 0 Kelvin (0 ° K),

Figura 1.5.

As escalas Fahrenheit / Celsius e Rankine / Kelvin são usados indistintamente para descrever o

Equipamento e os fundamentos desta indústria.

1.3 INTRODUÇÃO AO CALOR


As leis da termodinâmica podem nos ajudar a entender que o calor é tudo. A primeira lei da
termodinâmica, a energia não pode ser criada nem destruída, mas pode ser convertida de
uma forma para outra. Isso significa que a maioria o calor que o mundo experimenta não está
sendo continuamente criado mas está sendo convertido de outras formas de energia, como

Fósseis (gás e petróleo). Este calor também pode ser quando é transferido de uma substância
para outra.
A temperatura descreve o nível de calor com referência a zero absoluto, ou a temperatura na
qual não há calor presente numa substância. O termo usado para descrever a quantidade

Calor ou calor é conhecida como Unidade (Btu), que indica a quantidade de calor contida em

uma substância. A taxa de transferência de calor pode ser determinada

Considerando o tempo que leva para transferir uma certa quantia de energia térmica.
Equipamento de ar condicionado e aquecimento é classificado em Btu/h, onde o "h"
representa "hora". Um ar condicionado em sistema que é avaliado em 24.000 Btu / h tem o

Capacidade de remover 24.000 Btu de energia térmica da estrutura a cada hora.

O Btu é definido como a quantidade de calor necessária para elevar a temperatura de 1 libra
(lb) de água 1 ° F.

Exemplo, quando 1 lb de água (cerca de 1 litro) é aquecida de

68 ° F a 69 ° F, 1 Btu de energia térmica é absorvida na água, Figura 1.6.

Quando existe uma diferença de temperatura entre duas substâncias, ocorrerá transferência
de calor. Nas próximas três seções desta unidade discutiremos os três tipos de transferência
de calor, nomeadamente: condução, convecção e radiação.

A diferença de temperatura é a força motriz por trás da transferência de calor, quanto maior a
diferença de temperatura, maior a taxa de transferência de calor.

O calor flui naturalmente de um aquecedor a uma substância mais fria.

Moléculas que se movem rapidamente na substância mais quente, liberam alguma energia
para moléculas mais lentas na substância mais fria.

A substância mais quente aquece porque as moléculas diminuíram.

A substância mais fria torna-se mais quente porque as moléculas estão se movendo mais
rápido. Então, da próxima vez que você derramar água quente em um copo cheio de gelo,
lembre-se que o gelo não esta fazendo a água esfriar, mas a água quente que esta fazendo o
gelo esquentar!

O exemplo a seguir ilustra a diferença na quantidade de calor em comparação com o nível de


calor.

Um tanque de água contendo 10 lb (um pouco mais de 1 galão [gal]) é aquecida até um nível
de temperatura de 200 ° F.

Um segundo tanque de Água pesando 100.000 lb (pouco mais de 12.000 gal) é também
aquecido a 200 ° F.

O tanque de 10 lb vai esfriar para um quarto da temperatura muito mais rápida do que o
tanque de 100.000, mesmo que a temperatura da água em ambos os tanques seja o mesmo,
há muito mais calor contido no maior tanque, Figura 1.7.

Uma comparação usando água pode ser útil entre o nível de intensidade de calor e a
quantidade de calor.
Um poço de 200 pés de profundidade não tem água como um grande lago com uma
profundidade de 25 pés. A profundidade de água (em pés) diz-nos o nível de água, mas de
forma alguma expressa a quantidade (galões) de água.

Em termos práticos, cada equipamento de aquecimento de acordo com a quantidade de calor


que produzirá em um dado período de tempo. Se o equipamento não tivesse essa
classificação, seria difícil para um comprador escolher inteligentemente o aparelho correto.

A classificação de um forno a gás ou a óleo de uma casa é permanentemente impresso em


uma placa de identificação.

Forno seria classificado em Btu por hora, que é uma taxa cuja energia térmica é transferida
para a estrutura. Por enquanto, é suficiente dizer que se for necessário um forno de 75.000
Btu / h para aquecer uma casa no dia mais frio, deve-se escolher um forno avaliado em 75.000
Btu / h. Se for escolhido um forno menor, a casa vai começar a ficar frio e a qualquer momento
a perda de calor exceda a produção do forno em Btu / h.

Para descrever a ausência de calor, o termo frio é frequentemente usado como um termo
comparativo para descrever temperaturas de níveis mais baixos. Porque todo o calor é um
valor positivo em relação a nenhum calor, o frio não é um valor verdadeiro; É realmente uma
expressão de comparação.

Quando uma pessoa diz que está frio lá fora, o termo é usado para expressar uma relação com
o normal, temperatura esperada para a época do ano ou para o interior.

O frio não tem valor numérico e é usado por maioria das pessoas como base de comparação
apenas. Frio às vezes referido como um "nível de ausência de calor".

1.4 CONDUÇÃO
A transferência de calor por condução pode ser explicada viajando de uma molécula para
outra. Como uma molécula se move mais rápido, fazem com que as moléculas próximas o
mesmo.

Por exemplo, se uma extremidade de uma haste de cobre é colocada em uma chama, em um
curto espaço de tempo a outra extremidade ficará muito quente.

O calor percorre a haste da molécula até a molécula, Figura 1.8.

A transferência de calor por condução é utilizada em muitas aplicações. Por exemplo, o calor é
transferido condução a partir do queimador eléctrico quente no forno a panela ou pote
descansando sobre ele.

O calor não conduz à mesma taxa em todos os materiais.

O cobre, por exemplo, conduz o calor a uma taxa diferente do que o ferro. O vidro é um
condutor muito pobre de calor.

Tocando um poste de cerca de madeira ou outro pedaço de madeira em um frio da manhã não
dá a mesma sensação de tocar em um carro, para-choque ou outra peça de aço. O aço se sente
muito mais frio.

Na verdade, o aço não é mais frio; Apenas conduz o calor de à mão mais rápida, Figura 1.9.
As diferentes taxas a que vários materiais conduzem calor têm uma similaridade interessante
com a condução de eletricidade. Como regra, substâncias que são maus condutores de calor
também são maus condutores de eletricidade.

Por exemplo, o cobre é um dos melhores condutor de eletricidade e calor, e o vidro é um dos
condutores mais pobres de ambos. O vidro é realmente usado como isolador para corrente
elétrica.

1.5 CONVECÇÃO
A transferência de calor por convecção é utilizada para localização através de correntes
instaladas em um fluido médio.

Os fluidos mais comuns no aquecimento do ar-condicionado são ar e água.

Muitos edifícios têm uma central de aquecimento, que aquece água e bombeia-o em todo o
edifício para os espaços a serem aquecidos.

Observe a similaridade das palavras convecção e transporte ("Transportar de um lugar para


outro"). Convecção, pode ser classificadas como forçadas ou naturais.

Um forno a gás é um exemplo de convecção forçada.

O ar ambiente é aspirado para o retorno do forno por um ventilador. Em seguida, passa sobre
o permutador de calor do forno, que troca calor para o ar de uma chama de gás. O ar é então
forçado para dentro do duto e distribuído aos vários quartos na estrutura.

A Figura 1.10 mostra esse processo em que 70 ° F de ar ambiente está entrando no forno; e
130 ° F de ar esta deixando; e o ventilador está criando a diferença de pressão para forçar o ar
para as várias salas. O ventilador fornece a convecção forçada.

Outro exemplo de transferência de calor por convecção ocorre quando o ar aquecido sobe
naturalmente. Isso é referido como convecção natural. Quando o ar é aquecido, ele se
expande, e o ar mais quente se torna menos denso ou mais leve do que o ar não aquecido.
Este princípio é aplicado por muitas indústrias de ar-condicionado. Seções de aquecedores de
pranchas são um exemplo. Quando o ar perto do piso é aquecido, ele se expande e sobe. Este
ar aquecido é substituído por ar ao redor do aquecedor, que configura uma convecção
natural.

Corrente na sala, Figura 1.11.

1.6 RADIAÇÃO
A transferência de calor por radiação pode ser melhor explicada, tendo o sol como um
exemplo da fonte de calor.

O sol é aproximadamente 93 milhões de milhas da superfície terrestre, mas podemos sentir


sua intensidade. O calor transferido pela radiação viaja através do espaço sem aquecimento e
é absorvido pelo primeiro objeto sólido que encontra. A radiação é o único tipo de
transferência de calor que pode percorrer um vácuo como o espaço, porque não é dependente
de matéria de transferência de calor. Convecção e condução requerem alguma forma de
matéria, como ar ou água, para ser o meio de transmissão. A Terra não experimenta o calor
total do sol, porque o calor transferido pela radiação diminui pelo inverso do quadrado da
distância percorrida. Em termos práticos, isto significa que cada vez que a distância é dobrada,
a intensidade de calor diminui por um fator de 4.

Se você segurar sua mão perto de uma lâmpada, por exemplo, você sente a intensidade do
calor, mas se você mover sua mão duas vezes a distância, você sente apenas um quarto da
intensidade de calor, Figura 1.12.

Mantenha em mente que, por causa da regra do inverso-quadrado-da-distância, o calor


radiante não transfere a temperatura real ou valor da quantidade de calor. Se assim fosse, a
Terra seria tão quente quanto o sol.

Aquecedores elétricos que brilham em vermelho são exemplos práticos de calor radiante.

O aquecedor elétrico vermelho-quente irradia calor para o quarto. Não aquece o ar, mas
aquece os objetos sólidos, que os raios de calor encontram. Qualquer aquecedor que brilha
tem o mesmo efeito.

1.7 CALOR SENSÍVEL


O nível de calor ou a intensidade do calor, pode facilmente mudar a temperatura de uma
substância (lembre-se do exemplo de mudar 1 lb de água de 68 ° F a 69 ° F). Isso faz a alteração
no nível de calor poder ser medida com um termómetro.

Quando uma mudança de temperatura pode ser registrada, vamos saber que o nível de calor
ou a intensidade de calor mudou; isso é chamado de calor sensível.

1.8 CALOR LATENTE


Outro tipo de calor é chamado calor latente ou oculto.

O calor é adicionado neste processo, mas não ocorre aumento de temperatura.


Por exemplo, O calor adicionado à água enquanto ele está fervendo em um recipiente.

Uma vez que a água é levada ao ponto de ebulição, mais calor só faz com que ferva mais
rápido; Não aumenta a temperatura, Figura 1.13.

Há três outros termos que são importantes para entender quando se refere a transferências
de calor latente:

Calor latente de vaporização, calor latente de condensação e calor latente de fusão.

O calor latente de vaporização é a quantidade de calor, em Btu / lb, necessária para alterar
uma substância em um vapor. Por exemplo, o calor latente de vaporização para água em
condições atmosféricas é de 970,3 Btu / lb. Para facilidade do cálculo, nós arredondamos
frequentemente este valor a 970 Btu / libra.

Isto significa que se tivermos 1 lb de água a 212 ° F que queremos mudar para 1 lb de vapor a
212 ° F, teríamos de adicionar 970 Btu de energia térmica para a água.

O calor latente de condensação é a quantidade de energia térmica, em Btu / lb, necessário


para alterar um vapor em um líquido.

Isto é, de fato, o oposto do calor latente de vaporização.

Por exemplo, o calor latente de condensação para condições atmosféricas é de 970,3 Btu / lb.
Se tivéssemos 1 lb de vapor a 212 ° F que queríamos mudar para 1 lb de água a 212 ° F,
teríamos de remover 970 Btu de energia térmica do vapor.

O calor latente de fusão é a quantidade de energia térmica necessária para alterar o estado de
uma substância de um sólido para um líquido ou de um líquido para um sólido. O calor latente
de fusão para água é 144 Btu / lb. Se tivéssemos 1 lb de gelo a 32 ° F sob condições
atmosféricas, teríamos que adicionar 144 Btu de calor para o gelo, a fim de derrete-lo. Se, por
outro lado, não, tivemos 1 lb de água a 32 ° F sob condições atmosféricas, teríamos que
remover 144 Btu de energia térmica da água para congelá-lo.

O exemplo a seguir descreve o calor sensível e calor latente de 1 lb de água em condições


atmosféricas normais pressão de 0 ° F, através da faixa de temperatura acima do ponto de
ebulição. No gráfico da Figura 1.14, observe que a temperatura é traçada na margem
esquerda, e o calor o conteúdo é plotado ao longo da parte inferior do gráfico.

O calor escala de conteúdo na parte inferior do diagrama indica quantidade de calor


adicionada durante os processos que estão sendo descritos, não o conteúdo de calor real da
substância.

Nós podemos ver isso a medida que o calor é adicionado, a temperatura aumentará exceto

Latente ou oculto.

As seguintes afirmações devem ajudá-lo a entender o gráfico:

1. A água está na forma de gelo no ponto 1 onde o exemplo começa.

Ponto 1 não é zero absoluto. É 0 ° F e é usado como ponto de partida. Uma vez que nenhum
calor foi adicionado ao ponto 1, podemos ver que a escala de calor a esse ponto é zero.

2. O calor adicionado do ponto 1 ao ponto 2 é calor sensível.


Este é um aumento registado na temperatura. Uma vez que levou 16 Btu de energia térmica
para aumentar a temperatura do gelo de 0 ° F a 32 ° F, podemos concluir que é preciso apenas
0,5 Btu de energia térmica para elevar a temperatura de 1 lb de gelo 1 ° F.

3. Quando o ponto 2 é atingido, o gelo está na sua temperatura mais elevada de 32 ° F. Isto
significa que, se mais calor é adicionado, será calor latente e começará a derreter o gelo, mas

Não aumentar a sua temperatura. Adicionando 144 Btu de calor vai mudar o 1 lb de gelo para
1 lb de água. Removendo qualquer calor esfriará o gelo abaixo de 32 ° F.

4. Quando o ponto 3 for atingido, a substância é agora 100% água. A adição de mais calor
provoca um aumento da temperatura.

(Este é calor sensível.) Remoção de qualquer calor no ponto 3 resulta em mudança da água,
que muda de volta ao gelo. Este é descrito como remoção de calor latente porque não há
mudança de temperatura.

5. O calor adicionado do ponto 3 ao ponto 4 é calor sensível; quando o ponto 4 for atingido,
180 Btu de calor terão sido adicionado do ponto 3. A água foi aquecida a partir do 32 ° F a 212
° F, o que é um aumento de 180 ° F. Referindo-se a definição do Btu, você verá que ele leva 1
Btu de energia térmica para aumentar a temperatura de 1 lb de água 1 ° F. Assim, uma
elevação de temperatura de 180 ° F exigirá 180 Btu de energia térmica.

6. O ponto 4 representa o ponto de líquido saturado a 100%.

A água é saturada com calor até o ponto em que a adição de mais calor fará com que a água
ferva e começara a mudar para um vapor (vapor). Se houver calor removido da água neste
ponto, ele simplesmente ira arrefecer até uma temperatura menor que 212 ° F.

Adicionando 970 Btu, faz 1 lb de líquido ferver para o ponto 5 e tornar-se um vapor.

7. O ponto 5 representa o ponto de vapor saturado a 100%.

A água está agora no estado de vapor. O calor removido seria calor latente e mudaria alguma
parte do vapor, transformando para um líquido. Isso é chamado de condensação do vapor.
Qualquer calor adicionado no ponto 5 é calor sensível; Ele aumenta a temperatura do vapor
acima do ponto de ebulição, que é chamado superaquecimento.

Qualquer vapor de água com uma temperatura ponto de ebulição de 212°F é vapor
superaquecido. O conceito “Superheat” (Superaquecimento) será importante em estudos
futuros.

Note que no estado de vapor leva apenas 0,5 Btu para aquecer o vapor de água (vapor) 1 ° F, o
mesmo que quando a água estava no estado de gelo (sólido).

PRECAUÇÃO DE SEGURANÇA: Ao examinar estes princípios práticos, tenha cuidado porque a


água e o vapor estão bem acima temperatura do corpo, e você pode ser seriamente
queimado.
1.9 CALOR ESPECÍFICO
Agora percebemos que diferentes substâncias respondem de forma diferente ao aquecer.
Quando 1 Btu de energia térmica é adicionado a 1 lb de água, ela muda a temperatura 1 ° F.
Isso vale apenas para água; Outras substâncias aquecidas têm valores diferentes. Para por
exemplo, observamos que a adição de 0,5 Btu de energia térmica a gelo ou vapor (vapor de
água) causou um aumento de 1 ° F por libra enquanto nesses estados. Gelo e vapor aquecido,
ou aumentado suas temperaturas, ao dobro da taxa de água. Adicionando 1 Btu causaria um
aumento de 2 ° F. Esta diferença no aumento do calor é conhecida como calor específico.
O calor específico é a quantidade de calor necessária para temperatura de 1 lb de uma
substância 1 ° F.

Toda substância tem um calor específico diferente. Note-se que o calor específico da água

É de 1 Btu / lb / ° F. Veja a Figura 1.15

Para o calor específico de algumas outras substâncias.

1.10 EQUIPAMENTO DE AQUECIMENTO


O calor específico é significativo porque é a quantidade de calor necessária para alterar as
temperaturas de diferentes substâncias e tamanho.

Lembre-se do exemplo da casa e do forno citado anteriormente nesta unidade.

O exemplo a seguir mostra como seria aplicado na prática. Uma empresa fabricante teve
necessidade de comprar um equipamento de aquecimento para aquecer aço antes dele poder
ser usinado. O aço pode ser armazenado no exterior 0 ° F e precisa de pré-aquecimento antes
da usinagem. O metal precisa da temperatura para a usinagem de 70 ° F. Quanto calor deve
ser adicionado ao aço, se a quantidade que entra na fábrica tem uma taxa fixa de 1000 lb / h?

O aço entra na fábrica a uma taxa fixa de 1000 lb / h, e o calor deve ser adicionado a uma taxa
constante para ficar à frente da produção. A Figura 1.15 dá um calor específico de 0,116 Btu /
lb / ° F para o aço. Isto significa que 0.116 Btu de a energia térmica deve ser adicionada a 1 lb
de aço para aumentar sua temperatura 1 ° F.

Q = Peso X Calor específico X Diferença de temperatura


Onde Q X Quantidade de calor necessária.

Substituindo na fórmula, obtemos:

Q = 1000 lb / h X 0,116 Btu / lb / ° F X 70 ° F

Q = 8120 Btu / h necessários para aquecer o aço para usinagem.

O exemplo anterior tem alguns valores conhecidos e um valor desconhecido a ser encontrado.
As informações conhecidas são usadas para encontrar o valor desconhecido com a ajuda da
fórmula.

A fórmula pode ser usada ao adicionar calor ou remover calor e é frequentemente usado em
cálculos de carga de calor para dimensionar tanto aquecimento e arrefecimento.

1.11 PRESSÃO
A pressão é definida como força por unidade de área. Isso é normalmente expressa em libras
por polegada quadrada (psi). Dito de forma simples, quando um peso de 1 lb repousa numa
área de 1 polegada quadrada (1 polegada2), a pressão exercida para baixo é de 1 psi.
Similarmente, quando um peso de 100 lb repousa em uma área de 1 polegada, 100 psi de
pressão é exercida, Figura 1.16. Se o peso de 100 lb descansou em uma superfície que era 100
in2(polegada quadrada), a pressão exercida seria de 1 psi.

Quando você nada sob a superfície da água, você sente uma pressão que empurra para dentro
em seu corpo. Esta pressão é o resultado do peso da água e é muito real. Você sentiria uma
sensação diferente ao voar em um avião sem uma cabine pressurizada. Seu corpo seria
submetido a menos pressão em vez de mais, mas você ainda ia se sentir desconfortável.

É fácil entender por que o desconforto na água, o peso da água empurra para dentro.

No avião, a situação é apenas o inverso. Há menos pressão no alto, no ar do que no chão.

A pressão é maior dentro de seu corpo e está empurrando para fora.

A água pesa 62,4 libras por pé cúbico (lb / ft3). Um cúbico pé (7,48 gal) exerce uma pressão
descendente de 62,4 lb / ft2 quando em forma de cubo real, Figura 1.17.

Quanto pesa então descansar em 1 in2(polegada quadrada)? A resposta é simplesmente


calculada.

A parte inferior do cubo tem uma área de 144 in2 (12 polegadas X 12 polegadas)
compartilhando o peso. Cada polegada quadrada tem uma pressão total de 0,433 lb (62,4/
144) repousando sobre ele. Assim, a pressão na parte inferior do cubo é 0,433 psi, Figura 1.18.

Um volume de 1 ft3 é equivalente a 1728 in3 (12 polegadas X 12 polegadas x 12 polegadas =


1728 in3), de modo que as dimensões do recipiente podem ser mudadas desde que o volume
permaneçam o mesmo. Se o mesmo 1 ft3(pés cúbicos) de água tivesse a forma mostrada na
Figura 1.19 (24 polegadas x 24 polegadas X 3 polegadas = 1728), a pressão no fundo seria
diferente.

A área e o fundo seria 576 polegadas2, uma vez que a base é de 24 polegadas por 24
polegadas (24 polegadas ± 24 polegadas ± 576 polegadas2). A pressão resultante seria então
de apenas 0,108 psi (62,4/576).
Como a base fica maior, a pressão exercida na direção descendente fica mais baixa. Você já viu
alguém andando pela neve que veste snowshoes? A finalidade dos snowshoes é para
aumentar o tamanho da base para diminuir a pressão de empurrar para baixa. Isso reduz a
chance de afundar na neve.

1.12 PRESSÃO ATMOSFÉRICA


A sensação de estar debaixo d'água e sentindo a pressão da água é familiar para muitas
pessoas. A atmosfera da Terra é como um oceano de ar que tem peso e exerce pressão.

A superfície da Terra pode ser considerada o fundo deste oceano de ar. Locais diferentes estão
em diferentes profundidades. Por exemplo, há locais no nível do mar como Miami, Flórida, ou
locais montanhosos, como Denver, Colorado. As pressões atmosféricas nesses dois locais são
diferentes. Por agora, vamos supor que vivemos no fundo deste oceano de ar. A atmosfera
que vivemos tem o peso apenas como a água faz, mas não tanto. Na realidade a atmosfera
terrestre exerce um peso ou pressão de 14,696 psi ao nível do mar. Isso é conhecido como
uma condição padrão.

A pressão atmosférica pode ser medida com um instrumento chamado um barómetro, que é
um tubo de vidro, cerca de 36 polegadas.

Longo que está fechado em uma extremidade e enchido com mercúrio. Isto é então inserido
de lado aberto para baixo em uma poça de mercúrio é erguido. O mercúrio tentará derramar
a poça, mas não vai conseguir. Isso ocorre porque o a atmosfera está empurrando para baixo
na poça, e um vácuo é formado na parte superior do tubo. Ao nível do mar, o mercúrio no
tubo cairá para 29,92 polegadas quando a atmosfera circundante a temperatura é de 70 ° F,
Figura 1.20.

Este é um padrão que é usado para comparação em trabalho de engenharia cientifica.

Se o barómetro for mais


elevado, tal como num
montanha, a coluna de
mercúrio começará a cair. Vai
cair cerca de 1 em cada 1.000
pés de altitude. Quando o
barómetro estiver em
condições normais e as gotas
de mercúrio, previsor falará
sobre um sistema de baixa
pressão; isso significa o tempo
vai mudar. Ouvindo
atentamente o relatório do
tempo, tornarão estes termos
mais significativos.
Se o barómetro é colocado dentro de
um frasco fechado, e a atmosfera é
evacuada, a coluna de mercúrio cai
para o nível da poça na parte inferior,
Figura 1.21.

Quando a atmosfera é permitida


voltar para dentro do frasco, o
mercúrio aumenta novamente,
porque existe um vácuo acima da
coluna de mercúrio no tubo.

O mercúrio na coluna tem peso e


contrabalanceia a pressão atmosférica
em 14,696 psi em condições padrão.

Uma pressão de 14,696 psi, é igual ao


peso de uma coluna de mercúrio (Hg)
29,92 polegadas de altura.

A expressão "Polegadas de mercúrio" torna-se assim uma expressão de pressão e pode ser
convertido em libras por polegada quadrada. O fator de conversão é 1 psi =2036 Hg
(29,92/14,696);

2.036hg é frequentemente arredondado para 2 (30 polegadas Hg/15 psi).

Outro tipo de barómetro, é o barómetro aneroide.

Este é um instrumento mais prático para o transporte.

A pressão atmosférica tem de ser medida em muitos locais, outros instrumentos, à exceção
do barómetro de mercúrio, desenvolvido para uso em campo, Figura 1.22.
1.13 MEDIDORES DE PRESSÃO
A medição de pressões num sistema
fechado requer o método tubo de Bourdon,

Figura 1.23.

Tubo é ligado a uma agulha e pode medir as


pressões acima e abaixo da pressão
atmosférica. Uma ferramenta comum usada
na indústria de refrigeração para fazer
leituras no campo ou uma combinação de
um medidor de baixa pressão (chamado
medidor de baixo-lado) e um medidor de
alta pressão (chamado medidor),

Figura 1.24.

O indicador à esquerda lê as pressões acima


e abaixo da pressão atmosférica, e é
chamado indicador composto.

O indicador à direita irá ler até 500


psi e é chamado de alta pressão
(high-side) gauge. (Medidor de lado
alta)

PRECAUÇÃO DE SEGURANÇA:
Trabalhando com temperaturas
acima ou abaixo da temperatura
corporal pode causar danos à pele.

A proteção adequada, como luvas e


óculos de segurança, deve ser usada.
Pressões acima, ou abaixo da pressão
atmosférica pode causar lesões
corporais. Um vácuo pode causar
uma bolha de sangue sobre a pele.
Pressão acima da atmosférica pode
perfurar a pele.
Dano ao soprar o ar levanta objetos pequenos como cargas.

Estes medidores marcam 0 psi quando abertos para a atmosfera.

Se não, então eles devem ser calibrados para 0 psi. o calibres são projetados para ler psig
(libras por polegada quadrada pressão de calibração).

A pressão atmosférica é utilizada


como ou ponto de referência. Se
você quiser saber qual é a pressão
absoluta, você deve adicionar a
pressão atmosférica a leitura do
medidor. Por exemplo, para
converter uma leitura 50 psig para
pressão absoluta, você deve
adicionar a pressão de 14,696 psi
para a leitura do indicador. Vamos
arredondar 14.696 a 15 para este
exemplo. Então 50 psig + 15= 65
psia

(Libras por polegada quadrada


absoluta), Figura 1.25.

SUMMARY

• Os termómetros medem a temperatura. As quatro escalas de temperaturas são:

Fahrenheit, Celsius, Fahrenheit absoluto (Rankine), e Celsius absoluto (Kelvin).

• Moléculas em matéria estão em constante movimento. Quanto mais alto a temperatura,


mais rápido eles se movem.

• A unidade térmica britânica (Btu) descreve a quantidade de calor numa substância. Um Btu é
a quantidade de calor necessário para elevar a temperatura de 1 lb de água 1 ° F.

• A transferência de calor por condução é a transferência de calor de molécula para molécula.


Como moléculas numa substância movem-se mais rapidamente e com mais energia.

• A transferência de calor por convecção é o movimento real de calor em um fluido (estado de


vapor ou estado líquido) de um lugar para outro.

• O calor radiante é uma forma de energia que não depende da matéria de transferência. Os
objetos sólidos absorvem a energia, se aquecem e transferem o calor para o ar.

• O calor sensível provoca um aumento da temperatura de uma substância.

• O calor latente (ou oculto) é o calor adicionado a uma substância que causa uma mudança de
estado e não se registra num termómetro.

Por exemplo, o calor adicionado ao derreter, mas não aumenta a temperatura.


• O calor específico é a quantidade de calor (medida em Btu) necessária para elevar a
temperatura de 1 lb de uma substância em 1 ° F. As substâncias têm aquecimento específico.

• Pressão é a força aplicada a uma unidade específica de área. A atmosfera em torno da Terra
tem peso e, portanto, exerce pressão.

• Os barômetros medem as pressões atmosféricas em mercúrio. Dois dos barômetros


utilizados são o mercúrio e o aneroide.

• Foram desenvolvidos medidores para medir as pressões Sistemas fechados. Dois indicadores
comuns utilizados no ar condicionado, aquecimento e refrigeração, são o medidor composto e
o medidor de alta pressão.

O composto mede as pressões acima e abaixo da pressão atmosférica.

PERGUNTAS DE REVISÃO

1. A temperatura é definida como

A. quão quente é.

B. o nível de calor.

C. como frio é.

D. porque é quente.

2. Indique as condições padrão para que a água ferva a 212 ° F.

3. Liste quatro tipos de escalas de temperatura.

4. Em condições normais, a água congela a _____ ° C.

5. O movimento molecular para a _____ ° F.

6. Uma unidade térmica britânica aumentará a temperatura

_____ lb de água _____ ° F.

7. Em que direção flui o calor?

A. De uma substância fria a uma substância fria

B. Para cima

C. Para baixo

D. De uma substância quente a uma substância fria

8. Descreva a transferência de calor por condução.

9. Um aumento do calor sensível provoca

A. uma leitura mais alta do termômetro.

B. uma leitura mais baixa do termômetro.


C. nenhuma alteração da leitura do termômetro.

D. gelo para derreter.

10. O calor latente causa

A. uma leitura mais alta do termômetro.

B. temperatura a subir.

C. uma mudança de estado.

D. temperatura a cair.

11. Descreva como o calor é transferido por convecção.

12. Descreva como o calor é transferido pela radiação.

13. O calor específico é a quantidade de calor necessária para

Temperatura de 1 lb de _____ 1 ° F.

14. Pressão atmosférica ao nível do mar em condições normais

É _____ polegadas de mercúrio (Hg) ou _____ libras

Por polegada quadrada absoluta (psia).

15. Descreva a diferença entre um mercúrio e um aneroide

barômetro.

16. A pressão dentro de um manómetro de tubo Bourdon

Causar o tubo de Bourdon para endireitar ou para enrolar?

17. Para mudar de psig para psia, você deve adicionar _____

A psig.

18. Converta 80 ° F em Celsius.

19. Converter 22 ° C para Fahrenheit.


Matéria e Energia

OBJETIVOS
Depois de estudar esta unidade, você deve ser capaz de:

• definir matéria.

• listar os três estados nos quais a matéria é comumente encontrada.

• definir densidade.

• discutir a lei de Boyle.

• estado Charles 'lei.

• discutir a lei de Dalton como se relaciona com a pressão de diferentes Gases.

• definir a gravidade específica e o volume específico.

• indicar duas formas de energia importantes para o ar-condicionado (Aquecimento e


refrigeração) e indústria de refrigeração.

• descrever o trabalho e indicar a fórmula utilizada para determinar Quantidade de


trabalho em uma determinada tarefa.

• definir a potência.

• converter potência em watts.

• converter watts em unidades térmicas britânicas.

2.1 MATÉRIA
A matéria é comumente explicada como uma substância que ocupa espaço e tem
massa.

O peso de uma substância, é os efeitos combinados da massa da substância e da força


da gravidade puxando para baixo sobre ele. A matéria é formada por átomos.

Os átomos são frequentemente descritos como a menor quantidade de uma


substância, e podem se combinar para formar moléculas. Os átomos de uma
substância química, podem combinar quimicamente com as de uma nova substância.
Estas novas substâncias são como compostos. As moléculas formadas não podem ser
quebradas sem alterar a natureza química do produto.

O composto. A matéria existe em três estados: sólidos, líquidos, e gases.


O teor de calor, bem como a pressão exercida sobre a matéria, é que determinam seu
estado. Por exemplo, a água é formada de moléculas contendo átomos de hidrogênio
e oxigênio.

Dois átomos de hidrogênio e um átomo de oxigênio estão em cada molécula de água.


A expressão química de uma molécula de água é H2O.

A água no estado sólido é conhecida como gelo. Ele exerce todas as sua força para
baixo - tem peso. As moléculas de água são altamente atraídas uma para a outra,
Figura 2.1.

Quando a água é aquecida acima do ponto de congelamento, começa a mudar para


um estado líquido. A atividade
molecular é mais elevada, e as
moléculas de água têm menos atração
uma para com a outra.

A água no estado líquido exerce uma


pressão para fora e para baixo. Porque a
pressão da água é proporcional à sua
profundidade, a água procura uma
superfície plana onde sua pressão seja
igual a da atmosfera acima dela, Figura
2.2.

Água aquecida acima do estado líquido,


212 ° F em condições normais,
transformando em vapor. No estado de
vapor, as moléculas têm menos atração uma
pela outra, e são ditos viajar ao acaso.

O vapor exerce pressão mais ou menos em


todas as direções, Figura 2.3.

As moléculas de gás viajam ao acaso. Quando


um recipiente com pequena quantidade de
pressão do gás é aberta, as moléculas de gás
vão repelir umas as outras fazendo voar para fora.
Figura 2.1 Os sólidos exercem toda a sua pressão para baixo. As moléculas De água
sólida têm uma grande atração, mantendo-se juntas.

Figura 2.2 A água no recipiente exerce pressão para fora e para baixo. A pressão
externa é o que faz com que a água busque seu próprio nível. As moléculas de água
ainda têm uma pequena quantidade de aderência umas das outras. A pressão é
proporcional à profundidade.

Figura 2.3 As moléculas de gás viajam ao acaso. Quando um recipiente com


pequena quantidade de pressão do gás é aberta, as moléculas de gás vão repelir
umas as outras fazendo voar para fora.

O estudo da matéria leva ao estudo de outros termos que ajudam a entender como
diferentes substâncias se comparam uma com a outra.

2.2 MASSA E PESO


A massa é a propriedade da matéria que responde atração gravitacional. O peso é a
força que importa (sólido, líquido, ou gás) se aplica a uma superfície de suporte
quando descansar. O peso não é uma propriedade da matéria, mas depende da
atração gravitacional. Quanto mais forte for a força da gravidade, mais um objeto vai
pesar.

A terra tem mais força de atração gravitacional do que a lua. Isso é por que os objetos
pesam mais na terra do que na lua. Todo sólido a matéria tem massa. Diz-se que um
líquido, tal como água, tem massa.

O ar na atmosfera tem peso e massa. Quando a atmosfera é evacuada para fora de um


frasco, a massa é removida e um vácuo é criado.

2.3 DENSIDADE
A densidade de uma substância descreve sua relação massa-volume.

A massa contida num determinado volume é a densidade dessa substância. No sistema


britânico de unidades, o volume é medido em pés cúbicos.
Às vezes é vantajoso para comparar diferentes substâncias de acordo com a unidade
de volume. A água, por exemplo, tem uma densidade de 62,4 lb / ft3.

A madeira flutua na água porque a densidade (peso volume) de madeira é menor do


que a densidade da água. Em outras palavras, pesa menos por pé cúbico.

Ferro, por outro lado, afunda porque é mais densa do que a água. A Figura 2.4

Lista de algumas densidades típicas. Usando a Figura 2.4 com um guia, você pode ver
por que o gelo flutua na água.

2.4 GRAVIDADE ESPECÍFICA


A gravidade específica é um número
sem unidades, porque é a
densidade de uma substância
dividida pela densidade da água. A
água é simplesmente utilizada como
comparação padrão.

A densidade de água é 62,4 lb / ft3.


Assim, a gravidade específica da
água é 62,4 lb / ft3 dividido por 62,4
lb / ft3 = 1. Observe que as unidades cancelam devido à divisão.

A densidade de latão vermelho é 548 lb / ft3. Sua especificidade a gravidade é então


de 548 lb / ft3 dividido por 62,4 lb / ft3 = 8,78. Figura 2.4 lista algumas densidades
específicas de substâncias.

Observe que uma substância com uma gravidade específica superior a 1 em água
afundará, e uma substância com uma gravidade específica inferior a 1 irá flutuar.

2.5 VOLUME ESPECÍFICO


Volume específico indica o volume que cada quilo de um gás ocupa.

A medição requer que haja apenas 1 lb de gás. As unidades são ft3 / lb, que difere das
unidades para o volume total, que são simplesmente ft3.

Uma libra de ar limpo e seco tem um volume total de 13,33 pés em condições
atmosféricas padrão. Seu volume específico então será 13,33 ft3 / lb.

À medida que o ar é aquecido, torna-se mais, seu volume específico aumenta. À


medida que o ar é arrefecido, o seu volume específico diminui. O hidrogênio tem um
volume específico de 179 ft3 / lb nas mesmas condições.

Porque mais pés cúbicos de hidrogênio existente por libra, tem um volume específico
mais alto, é mais leve do que o ar. Embora ambos sejam gases, o hidrogênio tem
tendência a subir quando misturado com ar. O gás natural é explosivo quando
misturado com ar, mas é mais leve que o ar e tem uma tendência a subir como o
hidrogênio. O gás propano é outro gás de aquecimento utilizado com frequência; Tem
de ser tratada de forma diferente que gás natural porque é mais pesado que o ar. O
propano tem uma tendência para cair e recolher em lugares baixos e coloca um
potencial perigo de ignição.

O volume específico e a densidade são considerados inversos um do outro. Isto


significa que a densidade especifica do volume = 1 dividido por densidade e que
densidade = 1 dividido por volume específico.

Se alguém sabe o volume específico de uma substância, a sua densidade pode ser
calculada e vice versa. Por exemplo, o volume específico do ar é 13,33 ft3 / lb. Sua
densidade seria então de 1 / 13,33 ft3 / Lb = 0,075 lb / ft3. Observe que mesmo as
unidades são inversas um para o outro.

Substâncias com elevados volumes específicos deve ter baixas densidades. Além disso,
substâncias com altas densidades têm baixos volumes específicos. Dado que a
densidade e os volumes são inversos uns dos outros, multiplicando a densidade de
uma substância pelo seu volume específico produzirá sempre uma produto de 1.

O volume específico de ar é um fator na determinação do ventilador, ou a potência do


ventilador necessária ao ar condicionado. Como exemplo, um baixo volume específico
de ar um motor de soprador com maior potência, e um alto volume de ar requer um
motor de soprador com potência inferior.

Os volumes específicos de vários gases são informação valiosa que permite ao


engenheiro escolher o tamanho do compressor ou da bomba de vapor para executar
um trabalho.

Os volumes específicos para vapores variam de acordo com a pressão do vapor. Um


exemplo é o refrigerante R-22, que é um refrigerante comum encontrado em ar-
condicionado. A 3 psig, cerca de 2,5 ft3 de gás deve ser bombeado para mover 1 lb de
gás. No projeto padrão condição de 70 psig, apenas 0,48 ft3 de gás precisa ser
bombeado para mover 1 lb do mesmo gás. Uma repartição completa de volume
específico pode ser encontrada nas propriedades de condições saturadas e
superaquecidas para líquidos e / ou vapor em manuais de engenharia para qualquer
refrigerante.

2.6 LEIS DO GÁS


É necessário ter um conhecimento prático dos gases e como eles respondem às
mudanças de pressão e temperatura.

Muitos anos atrás, vários cientistas fizeram muitas descobertas significativas sobre
essas propriedades. Uma explicação simples das leis do gás que desenvolveram,
podem ajudá-lo a entender as reação dos gases e a pressão / temperatura / volume
relações em várias partes de um sistema de refrigeração.
Sempre que usar a pressão ou a temperatura numa equação como as leis do gás, é
preciso usar as escalas de pressão absolutas (Psia) e temperatura (Rankine ou Kelvin),
ou as soluções será sem sentido para essas equações. Escalas absolutas usam zero
como seu ponto de partida, porque zero é onde o movimento realmente começa.

Lei de Boyle
No início dos anos 1600, Robert Boyle, cidadão da Irlanda, desenvolveu o que veio a
ser conhecido como lei de Boyle. Ele descobriu que quando a pressão é aplicada a um
volume de ar que está contido, o volume de ar torna-se menor e a pressão maior. A lei
de Boyle, estabelece que o volume de um gás vária inversamente com a pressão
absoluta, desde que a temperatura permanece constante. Por exemplo, se um cilindro

com um pistão na parte inferior, e fechado na parte superior cheio de ar, e o pistão se
moveu até a metade do cilindro, a pressão do ar dobraria, Figura 2.5.

Aquela parte da lei, relativa à temperatura permanecendo constante, mantém a lei de


Boyle de ser usado em situações práticas.

Isso ocorre porque quando um gás é comprimido algum calor é transferido para o gás
a partir da compressão mecânica, e quando o gás é expandido calor é desistido.
Contudo, esta lei, quando combinado com outro, torna-se prático de usar.

A fórmula para a lei de Boyle é a seguinte:

P1 X V1 = P2 X V2

Onde P1 = pressão absoluta original

V1 = volume original

P2 = nova pressão

V2 = novo volume

Por exemplo, se a pressão original fosse de 40 psia e o

Volume original era de 30 in3, qual seria o novo


volume se a pressão fosse aumentada para 50 psia?
Estamos determinando o novo volume. A fórmula teria
que ser rearranjada para que pudéssemos encontrar o
novo volume.
Lei de Charles
No século XIX, um cientista francês chamado Jacques Charles fez descobertas sobre o
efeito da temperatura nos gases. A lei de Charles afirma que, sob uma pressão
constante, o volume de um gás varia diretamente em relação à temperatura absoluta,

E a um volume constante, a pressão de um gás varia diretamente com a temperatura


absoluta. Declarado em quando um gás é aquecido e se está livre para se expandir,

Fazer, e o volume variará diretamente em relação ao valor absoluto temperatura; Se


um gás estiver confinado em um recipiente que não expandido e aquecido, a pressão
variará diretamente com a temperatura absoluta.

Esta lei também pode ser declarada com fórmulas. Duas fórmulas

São necessários porque uma parte da lei pressão e temperatura e a outra parte ao
volume e temperatura.

Esta fórmula diz respeito ao volume e temperatura:

Se 2000 ft3 de ar for passado através de um forno a gás, e aquecida a partir de 75 ° F


temperatura ambiente para 130 ° F, qual o volume de ar que sai da unidade de
aquecimento? Consulte a Figura 2.6.

Unknown = desconhecido, ignorado


Devemos reorganizar matematicamente a fórmula, para que a desconhecida esteja
sozinha em um lado da equação.

Este resultado mostra o ar expandido quando aquecido.

A seguinte fórmula diz respeito à pressão e temperatura:

Se um grande tanque de gás natural com 500.000ft³ armazenado a 70 ° F na


primavera, e a temperatura no verão foi para 95 ° F, qual seria a pressão se a original
era de 25 psig na primavera?

Novamente, devemos reorganizar matematicamente a fórmula, para que a


desconhecida esteja sozinha em um lado da equação.
Lei Geral do Gás Perfeito
Uma lei geral do gás, muitas vezes chamada de lei geral do perfeito gás, é uma
combinação de leis de Boyle e de Charles.

Essa Lei de combinação é mais prática porque inclui temperatura, pressão e volume.

A fórmula para esta lei pode ser declarada da seguinte forma:

Por exemplo, 20 ft3 de gás esta sendo armazenado em uma temperatura de 100 ° F e
uma pressão de 50 psig. Este recipiente está conectado por uma tubulação para uma
que contenha 30 ft3, para um volume total de 50 ft3, e o gás é permitido para igualar
entre os dois containers. A temperatura do gás é reduzida para 80 ° F.

Qual é a pressão nos recipientes combinados?


A fórmula é rearranjada matematicamente para desconhecido P2.

Lei de Dalton
John Dalton, um professor de matemática inglês, fez a descoberta no início dos anos
1800 que a atmosfera é feita de vários gases diferentes. Ele descobriu que cada gás
criando sua pressão e que a pressão total era a soma dessas pressões individuais. A lei
de Dalton estabelece que o total da pressão
de uma mistura confinada de gases, é a
soma das pressão de cada um dos gases na
mistura. Por exemplo, quando azoto e
oxigénio são colocados num recipiente
fechado, a pressão sobre o recipiente será a
pressão total de o azoto como se estivesse
no recipiente, por si mesmo adicionado
para a pressão de oxigênio no recipiente
por si só, Figura 2.7.

Figura 2.7 Lei de Dalton de pressões


parciais. A pressão total é a soma da
pressão individual de cada gás.

2.7 ENERGIA
Usar a energia corretamente para operar o equipamento é um grande objetivo da
indústria HVAC / R. Energia sob a forma de eletricidade impulsiona os motores.

A energia térmica, através dos combustíveis fósseis, gás, petróleo e carvão, aquece
casas e indústrias. O que é isso, e como ela é usada?

A única energia nova que obtemos é do sol que aquece a terra. A maior parte da
energia que usamos é convertida em calor utilizável de algo já aqui (por exemplo,
combustíveis fósseis). Esta conversão do combustível para o calor pode ser direta ou
indireta. Um exemplo de conversão direta é um forno a gás, que converte o gás ao
calor utilizável pela combustão. O gás é queimado numa câmara de combustão, e o
calor da combustão é transferido ao ar circulado pela condução através das paredes de
aço finas do permutador de calor do forno. O ar aquecido é então distribuído em todo
o espaço aquecido, Figura 2.8.

Um exemplo de conversão indireta é um


poder de combustível fóssil. O gás pode ser
usado na usina para produzir vapor que
transforma um gerador de turbina a vapor
para produzir eletricidade.

A eletricidade é então distribuída pelo poder


local.

Figura 2.8 Um forno de alta eficiência com


queimadores em cima do calor permutador.
Cortesia Bryant Sistemas de aquecimento e
resfriamento.

Ao calor utilizável pela combustão. O gás é


queimado numa combustão câmara, e o calor
da combustão é transferido ao ar circulado
pela condução através das paredes de aço
finas do permutador de calor do forno. O ar
aquecido é então distribuídos por todo o
espaço aquecido, Figura 2.8.

Um exemplo de conversão indireta é um


poder de combustível fóssil.

O gás pode ser usado na usina para produzir o

Vapor, que transforma um gerador de turbina


vapor para produzir eletricidade.

A eletricidade é então distribuída pelo poder


local.

E consumidos localmente como calor elétrico,


Figura 2.9.

Figura 2.9 Uma corrente de ar elétrica.

Figura 2.10 Os depósitos de gás e petróleo se


assentam em depressões.
2.8 CONSERVAÇÃO DE ENERGIA
As seções anteriores levam à lei de conservação de energia. Esta lei afirma que a
energia não é criada nem destruída, mas pode ser convertido de uma forma para
outra.

Ele pode assim dizer-se que toda a energia pode ser contabilizada.

A maior parte da energia que usamos é resultado do apoio do sol, do crescimento de


plantas por milhares de anos. Combustíveis fósseis provenientes de vegetais e de
matéria dos animais deteriorados cobertos por terra e rocha durante mudanças na
superfície da terra. Esta matéria decadente está em vários estados, como gás, petróleo
ou carvão, dependendo das condições em que foi submetido no passado, Figura 2.10.

A energia armazenada em combustíveis fósseis é chamada porque uma reação química


é necessária para liberar a energia.

Figura 2.11 (A) Se duas substâncias de


temperaturas diferentes forem movidas
perto um do outro, o calor da
substância com a temperatura mais alta
irá fluir para aquele com a temperatura
mais baixa. (B) Energia térmica está
ainda disponível a estas baixas
temperaturas e irá transferir do mais
quente à substância mais fria.

2.9 ENERGIA CONTIDA NO CALOR


A temperatura é uma medida do grau
de calor, ou da intensidade de calor,
mas não necessariamente a quantidade
de calor. O calor é uma forma de
energia por causa do movimento das
moléculas. Sendo mais específico, o calor é a energia térmica. Se duas substâncias de
temperaturas são movidas próximas uma da outra, a energia térmica da substância
com a temperatura mais elevada, fluirá para aquela com a temperatura mais baixa,
Figura 2.11 (A). Porque o movimento molecular não para até 2460 ° F, a energia ainda
está disponível numa substância mesmo a temperaturas muito baixas. Em Figura 2.11
(B) uma substância a 2200 ° F é colocada ao lado de uma substância a 2350 ° F. Como
discutimos anteriormente, o calor viaja do quente ao frio, assim o calor viaja do mais
quente 2200 ° F substância a substância mais fria de 2350 ° F.

A maior parte da energia térmica usada em casas, é fornecidas a partir de combustíveis


fósseis, mas algumas energia. Conforme mostrado na Figura 2.9, o fluxo de elétrons
em alta resistência no fio, faz com que o fio fique quente, assim o aquecimento do ar.
Uma corrente de ar em movimento é então passada sobre o fio aquecido, permitindo
que o calor seja transferido para o ar por condução e movido para o espaço aquecido
por convecção forçada (O ventilador).

2.10 ENERGIA NO MAGNETISMO


O magnetismo é outro método de converter o fluxo de elétrons a energia utilizável.

O fluxo de elétrons é usado para campos magnéticos que, por sua vez, são usados para
movimentar motores.

Os principais motores-ventiladores, bombas, compressores de ar, água, e refrigerante.

Na Figura 2.12, um motor elétrico move bomba de água para aumentar a pressão da água de
20 a 60 psig.

Isso requer energia. A energia neste exemplo é adquirida da companhia de energia.

Os exemplos precedentes servem apenas como introdução

Os conceitos de energia química,


energia térmica e energia
elétrica. Cada assunto será
abordado em detalhes
posteriormente.

Por hora, é importante perceber


que qualquer sistema que
forneça aquecimento ou
resfriamento usa energia.

2.11 COMPRA DE ENERGIA


A energia deve ser transferida de um proprietário para outro e contabilizadas.

Esta energia é adquirida como um combustível fóssil ou como energia elétrica.

A energia comprada como combustível fóssil é adquiridos pela unidade. O gás natural é um
exemplo. através de um medidor que mede quantas pés passaram durante algum período de
tempo, como um mês.

O óleo combustível é normalmente vendido pelo galão, o carvão pela tonelada.

A energia elétrica é vendida pelo quilowatt-hora ou kWh.

A quantidade de calor que cada uma destas unidades contém é conhecida.

Quantidade conhecida de calor. O gás natural, por exemplo, tem um teor de calor de cerca de
1000 Btu / ft3; o calor
Conteúdo de óleo combustível o teor é de cerca de 139.000 Btu / galão. É difícil para
determinar o teor de calor do carvão, uma vez que existem diversos tipos de carvão
disponíveis.

2.12 ENERGIA UTILIZADA COMO TRABALHO


A energia comprada de serviços elétricos é conhecida como poder. O poder é a taxa de
trabalho. O trabalho pode ser é explicado como uma força que move um objeto na direção da

força; Ele é expresso em unidades chamadas pé-libras, ou ft-lb. É expressa por esta fórmula:

Trabalho = Força X Distância

A força é expressa em libras e a distância é expressa em pés. Por exemplo, quando um homem
de 150 quilos sobe um vôo de escalas 100 pés de altura (cerca da altura de um edifício de 10
andares), ele executa o trabalho. Mas quanto? A quantidade de trabalho em

Este exemplo é equivalente à quantidade de trabalho necessário para levantar esse homem da
mesma altura. Podemos calcular o trabalho utilizando a fórmula anterior.

Observe que nenhum limite de tempo foi adicionado. Este exemplo pode ser realizado por um
homem saudável em poucos minutos.

Mas se a tarefa deveria ser realizada por uma máquina como uma elevador, mais informações
são necessárias. Queremos tomar segundos, minutos ou horas para fazer o trabalho? Quanto
mais rápido o trabalho é realizado, mais poder é necessário.

2.13 POTÊNCIA
O poder é a taxa de trabalho. Uma expressão de poder é Cavalo-vapor (hp). Há muitos anos,
foi determinado que um cavalo médio poderia levantar o equivalente a 33.000 libras a uma
altura de 1 pé em 1 min, que é o mesmo que 33.000 ft-lb / min, ou 1 cv. Isso descreve uma
taxa de trabalho porque o fator tempo foi adicionado. Tenha em mente que o levantamento

330 lb a uma altura de 100 ft em 1 min ou elevação de 660 lb a uma altura de 50 pés em 1
minuto exigirá a mesma quantidade de poder. Como ponto de referência, o motor do
ventilador no forno pode ser avaliado em 1/2 hp. Veja a Figura 2.13 para ilustração do cavalo
que levanta 1 hp.

Quando a potência é comparada com o homem escalando as escadas, o homem teria que
subir os 100 pés em menos de 30 segundos para igualar 1 hp. Isso faz com que a tarefa pareça
mais duro. Um motor de 1/2-hp poderia levantar o homem 100 pés em 1 min se apenas o
homem foi levantado. A razão é que 15.000 pés-lb de trabalho é necessário. (Lembre-se que
33.000 pés-lb de trabalho em 1 min é igual a 1 cv).
Nosso objetivo ao discutir esses tópicos é ajudá-lo a entender como usar o poder de forma
eficaz e entender como as empresas de
energia determinam seus métodos de
cobrança

Para poder.

Figura 2.13 Quando um cavalo pode elevar


660 lb a uma altura de 50 ft em 1 min, fez
o equivalente a 33.000 ft-lb de trabalho em
1 min, ou 1 hp.

2.14 ENERGIA ELÉTRICA -


A água a unidade de medida para energia elétrica é a Watt (W). Esta é a unidade utilizada pela
empresa de energia.

Quando convertido em energia elétrica, 1 hp = 746 W; isso é, quando 746 W de energia


elétrica são usados corretamente, o equivalente de 1 hp de trabalho foi realizado.

A energia dos combustíveis fósseis pode ser comparada com a energia elétrica, e uma forma
de energia pode ser convertida para a outra.

No entanto, deve haver alguma base para a conversão a comparação. Os exemplos que
usamos para ilustrar isso não leva em conta as eficiências para os vários combustíveis.

Este tópico será abordado na secção relativa aos pedidos de combustível. Seguem-se alguns
exemplos de conversões.

1. Conversão do calor elétrico nominal em quilowatts (kW) calor equivalente a gás ou óleo,
classificado em Btu. Suponha que nós queremos saber a capacidade em Btu para um 20-kW
elétrico aquecedor (um quilowatt é de 1000 watts).

1 kW = 3413 Btu

20 kW X 3413 Btu / kW = 68.260 Btu de energia térmica

2. Conversão de Btu em kW. Suponha que um forno de gás ou óleo tem uma capacidade de
saída de 100.000 Btu / h. Desde

3413 Btu = 1 kW, temos 100,000 Btu/3413 Btu/kW = 29.3 kW

3. Em outras palavras, um sistema de aquecimento elétrico de 29,3 kW

Substituição do forno de 100.000 Btu / h.

Entre em contato com a empresa de serviços públicos local para combustíveis diferentes.
PRECAUÇÃO DE SEGURANÇA:

Qualquer dispositivo que consome como um motor elétrico ou forno a gás, é potencialmente
perigoso.

Estes dispositivos só devem ser manuseados ou ajustados por pessoas capacitadas.

RESUMO
• A matéria ocupa espaço, tem massa e pode estar na forma de um sólido, um líquido ou um
gás.

• O peso de uma substância em repouso na Terra é proporcional a sua massa.

• No sistema britânico de unidades, a densidade é o peso de uma substância por pé cúbico.

• Gravidade específica é a propriedade usada para comparar a densidade de várias


substâncias.

• Volume específico é a quantidade de espaço de uma libra de um vapor ou um gás vai ocupar.

• A lei de Boyle afirma que o volume de um gás varia inversamente com a pressão absoluta,
desde que a temperatura permaneça constante.

• A lei de Charles afirma que a uma pressão constante, o volume de um gás varia directamente
em relação à temperatura absoluta, e a um volume constante a pressão de um gás varia
diretamente com a temperatura absoluta.

• A lei de Dalton estabelece que a pressão total de um mistura de gases é a soma das pressões
de cada um dos gases na mistura.

• Energia elétrica e energia térmica são duas formas de energia usado na indústria HVAC / R.

• Os combustíveis fósseis são adquiridos pela unidade. O gás natural é medido pelo pé cúbico;
O óleo é comprado pelo galão; e o carvão é comprado pela tonelada. A electricidade é a
empresa de energia elétrica pelo quilowatt-hora (kWh).

• Trabalho é a quantidade de força necessária para mover um objeto:

Trabalho = Força X Distância.

• Um cavalo-vapor é o equivalente a força para levantar 33.000 lb para uma altura de 1 ft em


1 min, ou alguma combinação totalizando o mesmo.

• Watts são uma medida de energia elétrica. Um cavalo-vapor igual a 746 W.

3,413 Btu = 1 W; 1 kW (1000 W) = 3413 Btu.

PERGUNTAS DE REVISÃO
1. A matéria é uma substância que ocupa espaço e tem:

A. calor

B. textura.
C. temperatura.

D. massa.

2. Quais são os três estados em que a matéria é comumente encontrado

3. _________ é o termo utilizado para a água quando está na estado sólido.

4. Em que direção um sólido exerce força?

5. Em que direção um líquido exerce força?

6. O vapor exerce pressão em que direção?

A. Fora

B. Para cima

C. Para baixo

D. Todos os itens acima

7. Defina a densidade.

8. Definir a gravidade específica.

9. Descreva o volume específico.

10. Por que um objeto pesa menos sobre a lua do que sobre a terra?

11. A densidade do tungstênio é 1210 lb / ft3. O que seria seu volume específico?

12. O volume específico de latão vermelho é 0.001865 ft3 / lb. qual seria sua densidade?

13. O alumínio tem uma densidade de 171 lb / ft3. O que seria sua gravidade específica?

14. Quatro quilos de um gás ocupam 10 ft3. Qual seria o seu volume total, densidade e
gravidade específica?

15. Por que razão é que a informação relativa ao volume gases importantes para o designer de
ar-condicionado, aquecimento e refrigeração?

16. Cuja lei estabelece que o volume de um gás varia inversamente com a pressão absoluta,
desde que a temperatura permaneça constante?

A. Charles '

B. Boyle's

C. Newton's

D. Dalton's

17. A uma pressão constante, como um volume de gás varia

Em relação à temperatura absoluta?

18. Descrever a lei de Dalton em relação a uma mistura confinada


De gases.

19. Quais são os dois tipos de energia mais freqüentemente usados

Ou considerados nesta indústria?

20. Como foram formados os combustíveis fósseis?

21. _________ é a taxa de tempo de trabalho.

22. Indique a fórmula para determinar a quantidade de trabalho realizada em uma


determinada tarefa.

23. Se um compressor de ar condicionado com peso de 300 lb a ser levantada 4 pés para ser
montado em uma base, quantas ft-lb trabalho deve ser realizado?

24. Descreva a potência e liste as três quantidades necessárias para determinar a potência.

25. Quantos watts de energia elétrica são iguais a 1 hp?

26. Quantos Btu de calor podem ser produzidos por 4 kWh de eletricidade?

27. Quantas Btu / h seria produzido em um 12-kW elétrico aquecedor?

28. Que unidade de energia a empresa de energia cobra consumidor?

29. Se um volume de ar de 30 ft3 a 10 psig for comprimido para

25 ft3 a uma temperatura constante, qual seria a nova pressão em psig?

30. Se 3000 ft3 de ar estiver atravessando uma serpentina do evaporador e for refrigerado de
75 ° F a 55 ° F, qual seria o volume de ar, em ft3, saindo da bobina do evaporador?

31. Um gás é comprimido dentro do cilindro do compressor. quando o pistão está no seu
ponto morto inferior, o gás é inicialmente a 10 psig, 65 ° F, e 10,5 in3. Após a compressão e
quando o pistão está no ponto morto superior, o gás é 180 ° F e ocupa 1,5 in3. Qual seria o
novo pressão do gás em psig?
Refrigeração e Refrigerantes
OBJETIVOS
Depois de estudar esta unidade, você deve ser capaz de

• discutir as aplicações de alta, média e baixa temperatura refrigeração.

• descrever o termo tonelada de refrigeração.

• descrever o ciclo básico de refrigeração.

• explicar a relação entre a pressão e o ponto de ebulição ponto de água ou outros


líquidos.

• Descrever a função do evaporador ou da bobina de resfriamento.

• explicar a finalidade do compressor.

• listar os compressores normalmente utilizados em ambientes residenciais e edifícios


comerciais.

• discutir a função da bobina de condensação.

• indique a finalidade do dispositivo de medição.

• rigerante para um sistema.

• listar as cores designadas para cilindros de refrigerante para tipos de refrigerantes.

• discutir diferentes refrigerantes e suas aplicações.

• descrever como os refrigerantes podem ser armazenados ou sistemas de


refrigeração estão sendo atendidos.

• traçar um ciclo de refrigeração para refrigerantes (R-22, R-12, R-134a, E R-502) num
diagrama de pressão / entalpia.

• traçar um ciclo de refrigeração num diagrama de pressão / entalpia para refrigerante


misturas R-404A e R-410A.
• trace um ciclo de refrigeração em um diagrama de pressão / entalpia para uma
mistura de refrigerante

LISTA DE VERIFICAÇÃO DE SEGURANÇA


As áreas em que há potencial de fugas de refrigerante devem ter ventilação adequada.

✔ Precauções adicionais devem ser tomadas para garantir que nenhum vazamento de
refrigerante perto de uma chama aberta.

✔ Os refrigerantes são armazenados em recipientes pressurizados e devem ser

manuseados com cuidado.

Óculos com proteções laterais e luvas devem ser utilizados na verificação das pressões
e na transferência de refrigerantes do recipiente para um sistema, ou do sistema para
um sistema de recipiente aprovado.

3.1 INTRODUÇÃO À REFRIGERAÇÃO


Esta unidade é uma introdução à refrigeração e refrigerantes.

O termo refrigeração é usado aqui para incluir o processo de resfriamento para


preservar alimentos e arrefecimento de conforto (ar condicionado).

A preservação dos alimentos é um dos usos mais utilizado na refrigeração. A taxa de


deterioração dos alimentos fica com retardo, o que retarda o crescimento de bactérias
que faz com que o alimento possa estragar. Abaixo do ponto congelado, que para a
maioria dos alimentos é considerado como 0 ° F, as bactérias deixam de crescer. A
faixa de temperatura dos alimentos entre 35 ° F e 45 ° F é conhecido na indústria como
média temperatura; Abaixo de 0 ° F é considerado baixa temperatura.

Esses intervalos são usados para descrever muitos tipos de refrigeração, equipamentos
e aplicações.

Sistemas de refrigeração que operam para produzir temperaturas mais quentes são
como sistemas de refrigeração de alta temperatura. Conforto e sistemas de
arrefecimento, vulgarmente designados por sistemas, são usados, por exemplo, para
resfriamento comerciais e são classificados como de alta temperatura de sistemas de
refrigeração.

Por muitos anos os produtos lácteos e outros produtos perecíveis foram armazenados
na sala mais fria da casa, no porão, o poço, ou uma mola. No Sul, temperaturas tão
baixas quanto 55 ° F poderia ser mantida no verão com o subsolo água, o que
estenderia o tempo que alguns alimentos poderiam ser mantido. No Norte, e até certo
ponto no Sul, o gelo foi colocado em "caixas de gelo" em cozinhas. O gelo derreteu
quando ele absorveu o calor do alimento na caixa, esfriando o alimento,
Figura 3.1.

No início dos anos 1900, o gelo era


fabricado por refrigerados e vendidos a
pessoas com caixas de gelo, mas apenas
os ricos poderiam pagar. Também no
início dos anos 1900, algumas empresas
fabricavam um refrigerador doméstico.

Como todos os novos itens, demorou um


pouco para se tornar popular. Agora,

A maioria das casas tem um frigorífico


com um compartimento de
congelamento.

Refrigeradores modernos tornaram-se


obras de arte, e alguns modelos incluem
inclusive bebidas automáticas e
dispensadores de gelo, telas de televisão
embutidas e conexões para a(internet)
Rede mundial de computadores.

Comida congelada estava apenas começando a se popularizar o tempo em que a


Segunda Guerra Mundial começou. Porque a maioria das pessoas não tinha um freezer
neste momento, centralizando congelados armários de alimentos, foram estabelecidos
para que uma família poderia ter seu próprio armário.

Alimentos que são congelados frescos é atraente porque permanece fresco por um
longo período de tempo. Alimentos refrigerados e congelados são tão comuns agora
que a maioria das pessoas tomá-los para concedido.

Figura 3.1 Caixas de gelo foram feitas de


madeira em primeiro lugar, em seguida, metal.
As caixas foram isolados com cortiça. Se uma
unidade de refrigeração fosse colocada onde o
gelo estava localizado, isso constituiria um
frigorífico.

Figura 3.2 O ar mais frio sai do refrigerador


porque é mais pesado do que o ar mais quente
localizado fora. O ar mais frio é substituído pelo

Ar mais quente na parte superior. Isto é referido


como fuga de calor.

3.2 REFRIGERAÇÃO
Refrigeração é o processo de remoção de calor
de um lugar onde não é desejado e transferir
esse calor para um lugar onde faz pouca ou
nenhuma diferença.

Na casa média, a temperatura ambiente do verão ao


inverno é normalmente entre 70 ° F e 90 ° F. A
temperatura dentro do refrigerador seção de
alimentos frescos deve ser cerca de 35 ° F. Calor flui
naturalmente de um nível quente para um nível frio.
Portanto, o calor na sala está tentando fluir para a
geladeira; ele faz isso através das paredes isoladas, a
porta quando está aberta, e alimentos quentes
colocados no frigorífico, Figura 3.2.

Figura 3.3 e Figura 3.4. Por esta razão, para


aumentar a eficiência da unidade, é sempre melhor
permitir que os alimentos esfriem a temperatura
ambiente antes de colocá-lo no frigorífico.

3.3 CLASSIFICAÇÃO DA REFRIGERAÇÃO EQUIPAMENTO

O equipamento de refrigeração deve ter um sistema de


classificação de capacidade para que os equipamentos
fabricados por diferentes fabricantes e modelos
diferentes possam ser comparados. O método de
classificação da capacidade do equipamento de
refrigeração dias de usar o gelo como a fonte para
remover o calor. Leva em consideração 144 Btu de
energia térmica para derreter 1 lb de gelo a 32 ° F. Esse
mesmo fator também é utilizada na capacidade de refrigeração do equipamento.

O termo para esta capacidade é a tonelada. Uma tonelada de refrigeração é a


quantidade de calor necessária para derreter 1 tonelada de gelo em um período de 24
horas. Anteriormente, vimos que leva 144 Btu de calor para derreter 1 lb de gelo.
Tomaria então 2000 vezes que muito calor para derreter uma tonelada de gelo (2000
lb = 1 tonelada):

144 Btu/lb x 2000 lb = 288,000 Btu


Figura 3.4 Alimentos quentes que são colocados
no refrigerador adicionam calor ao refrigerador
e também é considerado fuga de calor. Este
calor adicional tem que ser removido ou a
temperatura dentro do frigorífico aumentará.

Figura 3.5 O gelo requer 144 Btu / lb para


derreter. Derreter 1 tonelada de gelo requer

288 000 Btu (2000 lb X 144 Btu / lb = 288 000


Btu).

Figura 3.6 O calor que escapa na geladeira de


qualquer fonte deve ser removido pelo
mecanismo de bombeamento de calor do
frigorífico. O calor tem de ser bombeada do frio,
35 ° F interior do frigorífico para o mais quente,
70 ° F ar na sala em que o frigorífico está
localizado.

3.4 O PROCESSO DE REFRIGERAÇÃO


Os componentes do frigorífico têm de bombear
o calor acima da escala de temperatura da
refrigeração de 35 ° F ou 0 ° F compartimentos
para a sala de 70 ° F, Figura 3.6. Vazamento de
calor dentro da geladeira eleva a temperatura do ar para dentro, mas normalmente a
temperatura do alimento não é apreciável quantidade. Se fez, a comida estragaria.
Quando a temperatura dentro do frigorífico ascende a um nível predeterminado,
O sistema de refrigeração liga e bombeia o calor para fora.

O processo de bombeamento de calor para fora do frigorífico poderia ser comparado


ao bombeamento de água de um vale para o topo de uma colina. É preciso tanta
energia para bombear água até o monte como ele faz para carregá-lo. Uma bomba de
água com motor realiza o trabalho. Se, por exemplo, um motor a gasolina estivesse
dirigindo a bomba, a gasolina seria queimada e convertido em energia de trabalho. Um
motor elétrico usa energia como energia de trabalho, Figura 3.7. Refrigeração é o
processo de moover o calor de uma
área de temperatura mais baixa para

Uma área ou meio de maior


temperatura. Isso leva energia que deve
ser comprado.

O exemplo a seguir usa um ar


condicionado de janela residencial
sistema para explicar os fundamentos
da refrigeração.

Ar condicionado residencial, quer seja


uma unidade de janela ou sistema
central, é considerado refrigeração a
alta temperatura e é usado para o
arrefecimento de conforto.

Os conceitos de refrigeração utilizados


no ar residencial condicionador são
os mesmos que no refrigerador
doméstico.

O ar condicionado bombeia o calor


do interior do casa do lado de fora
da casa, assim como o refrigerador
doméstico bombeia o calor da
cozinha. Além disso, assim como o
calor escapa para os
compartimentos no refrigerador,
vazamentos de calor na casa e deve
ser removido. O calor é transferido
para fora pelo ar recirculando. O ar
ambiente a aproximadamente 75 ° F
a unidade de ar-condicionado e o ar
a aproximadamente 55 ° F sai.

Este é o mesmo ar com parte do


calor Removido, Figura 3.8.
(tradução HOT AIR)

AR QUENTE É REJEITADO À FORA. A COBERTURA EXTERIOR RECEBE MAIS DE

SEU CALOR DA BOBINA INTERIOR ATRAVÉS DO REFRIGERANTE.

(Tradução HEAT IS)

O CALOR É TRANSFERIDO A PARTIR DOS 75 ° F SALA DE AR A 40 ° F COIL.

ROOM AIR PASSING SOBRE COIL DROPS

DE 75 ° F A 55 ° F.

A Figura 3.8 e as seguintes afirmações ilustram este conceito e também são diretrizes
para alguns dos dados usado em todo o campo de ar-condicionado.

1. A temperatura de projeto exterior é 95 ° F.

2. A temperatura interna do projeto é 75 ° F.

3. A temperatura da bobina de resfriamento de projeto é 40 ° F. Esta bobina transfere


o calor da sala para o sistema de refrigeração.

Note que com uma temperatura ambiente de 75 ° F e temperatura da bobina de


resfriamento de 40 ° F, o calor do ar ambiente para o refrigerante na bobina.

4. A transferência de calor faz com que o ar saia da bobina e entrando no ventilador


cerca de 55 ° F. O ar sai do ventilador também a 55 ° F.

5. A temperatura da bobina externa é 125 ° F. As transferências de bobinas de calor do


sistema para o ar exterior. Nota que quando a temperatura do ar exterior é de 95 ° F e
da bobina a temperatura é de 125 ° F, o calor será transferido do sistema para o ar
exterior.

O exame cuidadoso da Figura 3.8 mostra que o calor da casa é transferida para o
sistema de refrigeração através da bobina interna e transferido para o ar exterior
através do sistema de ar condicionado. O ar frio na casa é do sistema de refrigeração
através da bobina externa.

O sistema de ar condicionado está realmente bombeando o calor para fora da casa.

A capacidade do sistema deve ser o de bombeio do calor para fora da casa mais
rapidamente do que está vazando de volta de modo que os ocupantes não ficarão
desconfortáveis.

3.5 RELAÇÃO DE TEMPERATURA E PRESSÃO


Para entender o processo de refrigeração, devemos voltar Figura 1.15 (gráfico de calor
/ temperatura), onde a água foi mudada para vapor. A água ferve a 212 ° F a 29,92 pol
Hg pressão. Isto sugere que a água tem outros pontos de ebulição.
A próxima declaração é uma das mais
importantes neste texto.

Você pode memorizá-lo. O ponto de


ebulição da água pode ser alterado e
controlado, controlando o vapor pressão
acima da água. Compreender este conceito
é água, como meio de transferência de
calor.

Os próximos parágrafos são importantes


para a compreensão refrigeração.

A relação temperatura / pressão


correlaciona o vapor pressão e do ponto de
ebulição da água e é a base para controlar
as temperaturas de um sistema. Assim, se
pudermos controlar as pressões numa
instalação de refrigeração ou sistema,
seremos capazes de controlar as
temperaturas que o sistema irá manter.

A água pura ferve a 212 ° F ao nível do mar


quando a pressão barométrica pressão é no
valor padrão de 29,92 polegadas de Hg. Isso
exerce uma pressão atmosférica de 14,696
psia (0 psig) na superfície da água. Este
ponto de referência é a última linha da
tabela na Figura 3.9.

Ver também a Figura 3.10, mostrando o


recipiente de água fervendo no nível do mar
em condições atmosféricas de pressão.
Quando esta mesma panela de água é
aquecida em um topo de montanha, o ponto
de ebulição muda, Figura 3.11,

porque a atmosfera mais fina provoca uma


redução da pressão (Cerca de 1 polegada Hg /
1000 pés). Em Denver, Colorado, por
exemplo, que é cerca de 5000 pés acima do
nível do mar, a pressão atmosférica é de
aproximadamente 25 polegadas de
Hg. A água ferve a 203.4 ° F a essa
pressão. Isso faz com que cozinhar
alimentos como batatas e feijões
secos mais difíceis porque eles agora
precisam de mais hora para
cozinhar. Mas colocando o alimento
em um recipiente fechado que pode
ser pressurizada, como uma panela
de pressão, e permitir a pressão
subir até cerca de 15 psi acima da
atmosfera (Ou 30 psia), o ponto de
ebulição pode ser elevado a 250 ° F,

Figura 3.12.

Estudar a tabela de temperatura /


pressão da água revela Que sempre que
a pressão é aumentada, o ponto de
ebulição aumenta, e que sempre que a
pressão é reduzida, o ponto de ebulição
é reduzido. Se a água foi fervida a uma
temperatura suficientemente baixa
para absorver o calor de uma sala, têm
conforto de refrigeração (ar-
condicionado).

Suponha que coloquemos um


termômetro em uma panela de água
pura em temperatura ambiente (70 ° F),
coloque a panela dentro de um sino
jarro com um barómetro, e inicia a
bomba de vácuo. Quando a pressão no
frasco atingir a pressão que
corresponde o ponto de ebulição da
água a 70 ° F, a água começará a ferver
e vaporizar. Este ponto é 0,739 pol Hg
(0,363 psia).

(Figura 3.13 ilustra o recipiente no sino,


os dados podem ser encontrada na
tabela da Figura 3.9.)

Figura 3.9 O ponto de ebulição da água.


A temperatura a que água irá ferver a
uma pressão especificada pode ser
encontrada na temperatura / Pressão de água.
Observe, na Figura 3.9, que as temperaturas estão listadas na coluna da esquerda e as
pressões são encontradas no corpo da carta, daí o nome temperatura / pressão,
gráfico (ou tabela). Às vezes, no entanto, a informação é apresentada de forma
diferente. Em alguns gráficos, as pressões são localizado na coluna da esquerda e as
temperaturas são encontradas no corpo do gráfico. Esses gráficos ou tabelas são
referidos como gráficos de pressão / temperatura. Apesar a informação é a mesma, a
forma como ela é apresentada é diferente. Certifique-se de que sabe qual tipo de
gráfico você está usando - ou cálculos imprecisos podem resultar conclusões erradas.

Se fôssemos baixar a pressão no sino para corresponder a uma temperatura de 40 ° F,


esta nova pressão de 0,248 pol. De Hg (0,122 psia) fará com que a água ferva a 40 ° F.
A água não é quente, embora esteja fervendo. O termômetro na panela indica isso. Se
abrimos o Jarro para a atmosfera, encontraríamos a água para ser frio.

Além disso, a pressão no frasco aumentaria e o processo de ebulição iria parar.

Agora vamos fazer circular esta água fervendo a 40 ° F através de uma serpentina de
arrefecimento. Se o ar ambiente fosse passado sobre ele, iria absorver o calor do ar
ambiente. Porque este ar está desprendendo calor para a bobina, o ar deixando a
bobina é frio. Figura 3.14

Ilustra a bobina de arrefecimento.

Quando a água é usada dessa maneira, é chamada de refrigerante.

Um refrigerante é uma substância que pode ser facilmente mudado para vapor,
fervendo-o e depois mudando-o para um líquido por condensação isto. O refrigerante
deve ser capaz de fazer esta mudança repetidamente sem alterar as suas
características. A água não é normalmente utilizada como refrigerante em aplicações,

Razões que serão discutidas mais tarde. Nós o usamos neste exemplo porque a
maioria das pessoas está familiarizada com suas características.

Para explorar como funciona um sistema de refrigeração irá utilizar refrigerante-22 (R-
22) nos seguintes exemplos, porque é comumente usado em ar-condicionado
residencial.

Veja a Figura 3.15 para a relação temperatura / pressão para vários refrigerantes,
incluindo R-22. Este gráfico é como aquela para a água, mas usa a temperatura e a
pressão em diferentes níveis. Tome um momento para se familiarizar com o gráfico;
Observe que a temperatura está na coluna da esquerda, expressa em ° F, e a pressão é
para a direita, expressa em psig.

Encontre 40 ° F na coluna da esquerda, leia à direita e observe que a leitura do


indicador é 68,5 psig para R-22. O que isto significa em termos utilizáveis? Significa que
quando o líquido R-22 está uma pressão de vapor de 68,5 psig, ferve a uma
temperatura de 40 ° F. Quando o ar é passado sobre a bobina, ele vai esfriar apenas
como no exemplo com água.
A pressão e a temperatura de um refrigerante corresponderão quando o líquido e o
vapor estão presentes sob duas condições:

1. Quando a mudança de estado (fervura ou condensação) ocorrendo, e

2. Quando o refrigerante está em equilíbrio (isto é, não se adiciona ou remove).

Em ambas as condições 1 e 2, diz-se que o refrigerante saturado. Quando um


refrigerante é saturado, líquido e vapor pode existir simultaneamente. Quando eles
fazem, tanto o líquido e o vapor terá a mesma temperatura de saturação.

NOTA: A mesma temperatura para o líquido e vapor não é verdadeiro de alguns dos
refrigerantes misturados mais recentes que temperatura deslizar. O deslize de
temperatura será coberto na Unidade 9.

A temperatura de saturação depende da pressão da mistura de líquido / vapor,


denominada pressão de saturação.

Maior a pressão, maior a temperatura de saturação da mistura de líquido e vapor.


Quanto menor for a pressão, diminui a temperatura de saturação.

Suponha que um cilindro de R-22 é posto dentro de uma sala até atingir a temperatura
ambiente de 75 ° F. Então estará em equilíbrio porque nenhuma força externa está
agindo ele. O cilindro e seu líquido parcial, conteúdo de vapor parcial será agora à
temperatura ambiente de 75 ° F. A temperatura e o gráfico de pressão indica uma
pressão de 132 psig, Figura 3.15. O gráfico de temperatura / pressão também é como
um gráfico de saturação porque contém temperaturas de saturação para diferentes
pressões de saturação.

Suponha que o mesmo cilindro do R-22 seja movido para um Walk-in cooler e permitiu
atingir a temperatura ambiente De 35 ° F e atingir o equilíbrio. O cilindro terá uma
nova pressão de 61,5 psig porque enquanto está esfriando A 35 ° F, o vapor dentro do
cilindro está reagindo ao resfriamento efeito por condensação parcial; portanto, a
pressão gotas.

Se movimentarmos o cilindro (agora a 35 ° F) de volta para o mais quente (75 ° F) e


deixe aquecer, o líquido Dentro do mesmo reage ao efeito de aquecimento, fervendo
ligeiramente e Criando vapor. Assim, a pressão aumenta 132 psig, o que corresponde a
75 ° F.

Se movermos o cilindro (agora a 75 ° F) para uma 100 ° F, o líquido responde


novamente à mudança de temperatura Levemente fervendo e criando mais vapor. À
medida que o líquido ferve e faz vapor, a pressão aumenta constantemente (de acordo
com o gráfico de temperatura / pressão) até corresponder a temperatura do líquido.
Isto continua até que o conteúdo do cilindro atingir a pressão, 196 psig,
correspondente a 100 ° F, Figura 3.16, Figura 3.17 e Figura 3.18.
Figura 3.16 O cilindro do R-22 é deixado em
uma sala de 75 ° F até que ele e seu
Temperatura ambiente. O cilindro contém
um líquido parcial, Mistura de vapor parcial.
Quando ambos atingem a temperatura
ambiente, estão em equilíbrio e não
ocorrerão mais alterações de temperatura.
Nesse momento, a pressão do cilindro, 132
psig, irá corresponder ao ambiente, ou ao
redor, Temperatura de 75 ° F. O líquido e o
vapor refrigerante passarão a ser saturado a
75 ° F.

Figura 3.17 O cilindro do R-22 é movido para


um refrigerador de 35 ° F E esquerda até que
o cilindro e seu conteúdo estejam na mesma
temperatura Como o refrigerador. À medida
que o refrigerante no cilindro esfriara, alguns
dos vapores se condensará em um líquido,
reduzindo a pressão de vapor no cilindro.
Uma vez que o líquido parcial, mistura de
vapor parcial chega ao refrigerador
Temperatura de 35 ° F, eles estão em
equilíbrio e nenhuma alteração ocorrerá na
temperatura. Neste momento, a pressão do
cilindro, 61,5 psig, corresponderá Para a
temperatura mais fria de 35 ° F. O
refrigerante líquido e de vapor São agora
saturados a 35 ° F.

Figura 3.18 O cilindro do R-22 é movido para


uma sala de 100 ° F e é permitido Para atingir o
ponto de equilíbrio de 100 ° F e 196 psig. O
aumento da pressão É devido ao fato de que, à
temperatura mais alta, parte do líquido
Refrigerante vaporiza. Isso faz com que a
pressão de vapor aumente. O Líquido e vapor
ainda estão saturados, mas agora estão em
uma maior saturação temperatura.
O vapor que foi gerado por causa do aumento de Temperatura é referido como
pressão de vapor. Pressão de vapor é a pressão exercida sobre um líquido saturado.
Qualquer hora saturada vapor e líquido estão juntos, a pressão de vapor é gerada.

A pressão de vapor age igualmente em todas as direções, a ação é o que o medidor de


pressão lê em uma ou mais sistema de ar condicionado. À medida que a temperatura
do líquido / vapor aumenta, a pressão de vapor aumenta. Como a temperatura da
mistura líquido / vapor diminui, o vapor a pressão diminui.

Estudo adicional do gráfico de temperatura / pressão mostra que quando a pressão é


reduzida para a pressão atmosférica, R-22 ferve a cerca de 241 ° F. Não execute o
seguinte exercícios - permitindo que o refrigerante escape intencionalmente a
atmosfera, é contra a lei! Mencionamos esses exemplos aqui apenas para fins
ilustrativos.

Se a válvula no cilindro do R-22 foi aberta lentamente e o vapor é deixado escapar para
a atmosfera, a perda de pressão de vapor faria com que o líquido do cilindro viesse a
ferver e cair a temperatura. Sempre que qualquer fermento líquido, o calor é
absorvido no processo, o que haja efeito de resfriamento. O calor neste caso veio do
líquido R-22 no cilindro. Logo a pressão no cilindro pressão atmosférica e o cilindro
geada sobre e tornar-se 241 ° F. (Estamos assumindo que o válvula de vapor na parte
superior do cilindro R-22 é grande o suficiente para permitir que o vapor R-22 escape
livremente. Deste modo, o vapor deixará o cilindro à mesma velocidade que o líquido
R-22 está a ferver no cilindro.)

Agora, digamos que pegamos uma extremidade de uma mangueira calibre, e ligada à
entrada de líquido de um refrigerante (R-22) no cilindro e dirigimos a outra
extremidade para um copo. Se o líquido, a válvula foi aberta muito lentamente, o
refrigerante líquido fluxo do cilindro, segue através da mangueira de medição, para o
copo. O líquido refrigerante acumular-se-ia no copo e você pode notar o líquido em
ebulição. Se um termômetro é colocado no copo de refrigerante fervente, ele terá

Leitura de 241 ° F, Figura 3.19. Você pode


verificar os números, procurando a
temperatura de saturação para R-22

Figura 3.19 Quando a mangueira de


calibração é conectada à válvula no líquido
Linha de um cilindro R-22 e líquido é
permitido a gotejar fora dele e Dentro do
copo, o líquido irá recolher no copo. O
líquido R-22 continuará A ferver a uma
temperatura de 241 ° F até que todo o
líquido tenha vaporizado
A 0 psig no gráfico de temperatura / pressão. Novamente, não realizar as experiências
anteriores.

Uma demonstração bruta e eficaz foi utilizada no passado para mostrar como o ar
pode ser resfriado. Não execute esta experiência porque ventilar o refrigerante
intencionalmente a atmosfera é ilegal.

Um pedaço longo de tubulação de cobre é preso ao líquido toque no cilindro do


refrigerante, e o refrigerante líquido é permitido para gotejar no tubo enquanto o ar
passa sobre ele.

Tem uma temperatura de 241 ° F, correspondente à pressão atmosférica pressão,


porque o refrigerante está escapando de a extremidade do tubo à pressão
atmosférica. Se o tubo fosse enrolado e colocado em uma corrente de ar, que iria
arrefecer o ar, Figura 3.20.

Figura 3.20 Quando o tubo é ligado à


válvula no líquido Linha de um
cilindro R-22 e líquido é permitido
gotejar na tubulação, O líquido ferve
a uma temperatura de 241 ° F à
pressão atmosférica.

Não execute esta experiência, pois é


ilegal ventilar ou Liberar
refrigerantes para a atmosfera.

3.6 COMPONENTES DA REFRIGERAÇÃO


Ao adicionar alguns componentes a um sistema de refrigeração, problemas de
temperatura / pressão podem ser eliminados. Os quatro principais componentes que
compõem a refrigeração mecânica são os seguintes:

1. O evaporador

2. O compressor

3. O condensador

4. O dispositivo de medição de refrigerante


3.7 O EVAPORADOR
O evaporador absorve calor no sistema. Quando o refrigerante é fervida a uma
temperatura inferior à da substância a ser arrefecida, absorve o calor da substância.

A temperatura de ebulição de 40 ° F foi escolhida para exemplos de ar condicionado


porque é a temperatura normalmente utilizado para sistemas de ar condicionado.

A razão é que a temperatura ambiente ideal é perto de 75 ° F, que ceda prontamente o


calor a uma bobina de 40 ° F. A temperatura de 40 ° F está também bem acima do
ponto de congelação da bobina. Vejo Figura 3.21 para as relações bobina - ar.

Figura 3.21 O evaporador é operado a


40 ° F para poder absorver Calor do ar
de 75 ° F.

O evaporador pode ser pensado como uma "esponja de calor".

Como uma esponja seca da cozinha absorve o líquido de um derramamento porque o

O conteúdo de água da esponja é baixo, o evaporador é capaz de absorver o calor


porque a temperatura da bobina é menor que sendo a temperatura do meio
arrefecida. Continuando nossa analogia, a esponja deixará de absorver líquido se

Completamente embebido. É por isso que temos de apertar a esponja para remover a
água absorvida. Olhando para trás em nosso evaporador, se continuarmos a adicionar
calor à bobina, a sua temperatura e a quantidade de calor que pode absorver cairá.
Então o calor que é absorvido no evaporador deve ser removido mais tarde, para
permitir que o sistema continue a operar.

Vejamos o que acontece quando o refrigerante R-22 passa através da serpentina do


evaporador. O refrigerante entra na bobina do fundo como uma mistura de cerca de
75% de líquido e 25% de vapor. Estas percentagens podem mudar porque são
dependentes do sistema e da aplicação (um tópico para discussão posterior).

Os evaporadores são geralmente alimentados a partir do fundo para ajudar a


assegure-se de que nenhum líquido saia no topo sem primeiro ferver e virar vapor. Se
fossem alimentados a partir do topo, o líquido poderia rapidamente cair pelo seu
próprio peso até ao fundo antes de fervido e virado vapor. Isso protege o compressor
de qualquer líquido refrigerante. Além disso, o vapor é menos denso que o líquido e à
medida que o líquido refrigerante ferve, o vapor tem a tendência a subir. Como o
refrigerante entra na bobina pelo fundo e folhas de cima, a direção do fluxo
refrigerante é de baixo para cima, na mesma direção como a direção do vapor em
ascensão.

Se o refrigerante entrar no evaporador a partir do topo e contrario ao através do


fundo, a direção de fluxo seria oposta à da subida do vapor, o que faria com que o
refrigerante desacelerasse.

A mistura está caindo e fervendo à medida que

Os tubos, com o líquido sendo


transformado em vapor, o tempo
todo a bobina porque o calor está
sendo adicionado à bobina a partir
do Ar, Figura 3.22

Figura 3.22 O evaporador absorve


calor no sistema de refrigeração
por ebulição do refrigerante a uma
temperatura inferior à
temperatura Do ar ambiente
passando sobre ele. O ar ambiente
de 75 ° F deixa prontamente o
calor para o evaporador de 40 ° F por condução.

Sobre a metade da bobina, a mistura Torna-se mais vapor do que líquido. A finalidade
do evaporador é Ferver todo o líquido em um vapor imediatamente antes da
extremidade da bobina. Isso ocorre aproximadamente em 90% do liquido através da
bobina, deixando vapor puro. No ponto em que o a última gota de líquido vaporiza,
temos o que é chamado de vapor saturado. Este é o ponto em que o vapor começa a
condensar-se se o calor fosse removido, superaquecido, se algum calor fosse
adicionado a ele. Quando um vapor é superaquecido, já não corresponde a uma
temperatura / pressão. Porque nenhum líquido permanece para ferver fora vapor, não
é possível gerar mais pressão de vapor calor é adicionado. O vapor vai agora assumir o
calor sensível quando aquecido, e sua temperatura vai subir, mas a pressão
permanecerá inalterada. O superaquecimento é considerado seguro para o
compressor porque garante que nenhum líquido saia do evaporador e entra no
compressor. Quando há superaquecimento, não há líquido.

Em resumo, as três principais funções do evaporado devem ser:

1. Absorver o calor do meio a ser arrefecido.

2. Permitir que o calor ferva fora do refrigerante líquido a um vapor em seu feixe de
tubulação.

3. Permitir que o calor sobreaqueça o vapor de refrigerante na tubulação.


Os evaporadores têm muitas configurações de projeto.

Agora apenas lembre-se que eles absorvem o calor no sistema da substância a


refrigerar. A substância pode ser sólidos, líquidos ou gasosos e o evaporador deve ser
para ajustar a condição. Veja a Figura 3.23 para um evaporador típico.

Figura 3.23 Um evaporador de


refrigeração típico.

Cortesia Ferris State University. Foto de


John Tomczyk

Uma vez absorvido no sistema, o calor está agora contido No refrigerante e é aspirado
para dentro do compressor através A linha de sucção. A linha de sucção liga
simplesmente o evaporador Para o compressor e fornece um caminho para o
refrigerante Vapor para viajar, Figura 3.24.

Figura 3.24 A linha de sucção conecta


a saída do evaporador a

A entrada do compressor.

A linha de sucção tipicamente Passa


através de espaços não refrigerados,
e os A temperatura do ar é muito
maior do que a temperatura da linha
de refrigerante. O calor do ar
circundante pode, portanto, ser
prontamente absorvido no sistema
de refrigeração, fazendo com que o
sistema funcione muito mais do que
o necessário. Por esta razão, a linha
de sucção é isolada, Figura 3.25.

Figura 3.25 As linhas de aspiração devem


ser bem isoladas para

Eficiência e capacidade e para evitar a


transpiração.

Um Aspiração ajuda o sistema a funcionar


de forma eficiente Possível e o
isolamento evita que a linha de sucção
Atingindo a temperatura do ponto de
orvalho e sudorese.

3.8 O COMPRESSOR
O compressor é o coração do sistema de
refrigeração.

Bombas de calor através do sistema sob a forma de calor carregado refrigerante.

Um compressor pode ser considerado uma bomba de vapor.

Reduz a pressão no lado de baixa pressão do sistema, que inclui o evaporador, e


aumenta a pressão no lado de alta pressão do sistema.

Esta diferença de pressão é o que faz com que o refrigerante flua. Todos os
compressores em sistemas de refrigeração executam esta função, comprimindo o
vapor de refrigerante, que pode ser realizado de vários modos com diferentes tipos de
compressores.

Os compressores mais comuns utilizados em ar condicionado e refrigeração comerciais


ligeiros são alternativo, o giratório, e o scroll.

O compressor alternativo usa um pistão em um cilindro para comprimir o refrigerante,


Figura 3.26.

Figura 3.26 O virabrequim converte o


movimento circular e rotativo do

Motor para o movimento alternativo,


ou para trás e para trás, do pistão.

Válvulas, geralmente
Válvulas de reed ou flapper, asseguram que o refrigerante

A direção correta, Figura 3.27. Este tipo de compressor, conhecido como compressor
de deslocamento positivo, aumenta a pressão do
refrigerante diminuindo fisicamente o volume do
recipiente que contém o refrigerante.

Figura 3.27 Válvulas de flapper e componentes


do compressor.

No caso do compressor alternativo, o volume


diminui à medida que o pistão se move para
cima no cilindro. Quando o cilindro está cheio de
vapor, ele deve ser esvaziado como o
compressor viradas, ou danos ocorrerão.

Por muitos anos, foi o compressor mais


comumente usado para sistemas de 100 hp.
Compressores mais novos e mais eficientes estão
sendo agora usado.

O compressor rotativo é também um cmpressor


de deslocamento positivo, mas são geralmente
muito pequenas em comparação com
compressores de mesma capacidade.

Eles são tipicamente usado para aplicações na gama de


pequenos equipamentos, tais como condicionadores de
ar de janela, refrigeradores domésticos, e alguns
sistemas residenciais do condicionamento de ar.

Compressores rotativos são extremamente eficientes e


têm poucas peças, Figura 3.28.

Figura 3.28 Um compressor rotativo com movimento


em uma direção e sem costas

Eles usam um pistão de tambor rotativo que

Espreme o vapor refrigerante para fora da entrada de descarga.

O compressor scroll é um dos compressores mais recentes para ser desenvolvido e


tem um mecanismo de trabalho totalmente diferente.

Tem uma parte estacionária que se parece com uma mola helicoidal,
E uma parte móvel que combina e engrena com

Parte, Figura 3.29.

Figura 3.29 Uma ilustração da operação de um


compressor scroll mecanismo.

A parte móvel orbita dentro da parte


estacionária e espreme o vapor da baixa pressão

Lateral do lado de alta pressão do sistema entre

As partes móveis e estacionárias. Várias fases de


compressão estão ocorrendo no pergaminho ao
mesmo tempo, tornando um compressor de
funcionamento muito suave com poucas partes
móveis.

O rolo é selado na parte inferior e superior pela


fricção e na ponta com uma vedação de ponta.
Estas superfícies vedantes evita que o refrigerante do lado de alta pressão empurre

Volta para o lado de baixa pressão enquanto o compressor correndo. O compressor


scroll é de um deslocamento positivo compressor até que se acumule demasiada
pressão diferencial; Então os pergaminhos são capazes de se separar, permitindo alta
pressão refrigerante para soprar para trás através do compressor, impedindo a
sobrecarga. A capacidade de mover o pergaminho faz o mecanismo mais indulgente se
um pouco refrigerante líquido entra na entrada do compressor, porque o dano do
compressor é menos provável de ocorrer.

Avanços recentes na fabricação com novas técnicas, assistida por computador,


aumentaram a popularidade do compressor scroll em ar-condicionado e alta, média e
baixa temperatura em aplicações de refrigeração. A capacidade do compressor scroll
pode ser controlado pelo tamanho e
pela parede altura dos rolos orbitais e
estacionários (espirais).

Grandes sistemas comerciais utilizam


outros tipos de compressores porque
eles devem mover muito mais vapor de
refrigerante através do sistema. O
compressor centrífugo é utilizado em
grandes sistemas de ar condicionado. É
muito parecido com um grande
ventilador e não é deslocamento
positivo, Figura 3.30. A centrífuga
O IMPULSOR TURNING IMPARTS CENTRIFUGAL FORÇA NO FRIGORÍFICO, FORÇANDO O
REFRIGERANTE PARA FORA DO IMPULSOR.

O COMPRESSOR HOUSE TRAPS A

REFRIGERANTE E FORÇAS PARA SAIR NA LINHA DE DESCARGA. O REFRIGERANTE EM


MOVIMENTO

A EXTERIOR CRIA UMA BAIXA PRESSÃO NA CENTRO DO IMPEDIDOR, ONDE A ENTRADA


ESTÁ CONECTADO.

Figura 3.30 Uma ilustração do funcionamento de um compressor centrífugo


mecanismo.

Compressor é referido como um compressor de deslocamento cinético.

Estes compressores aumentam a energia cinética vapor refrigerante com um


ventilador de alta velocidade e depois esta energia a uma pressão mais alta. esta
tecnologia também é usado em motores a jato.

O compressor de parafuso é outro deslocamento positivo e é utilizado em sistemas de


ar condicionado e refrigeração, aplicações. Este compressor é composto por dois
Aninhando "parafusos", Figura 3.31.

UM ESTÁGIO DE COMPRESSÃO COMO MOVIMENTOS FRIGORÍFICOS ATRAVÉS DE


COMPRESSOR DE PARAFUSO

Figura 3.31 Uma ilustração do mecanismo de trabalho interno de um compressor de


parafuso.

Um espaço entre os parafusos menor e menor à medida que o refrigerante se move de


um fim ao outro. O refrigerante de vapor entra no compressor no ponto onde o
espaçamento do parafuso é o mais largo. Como o refrigerante flui entre estes
parafusos rotativos, o volume é reduzido e a pressão do vapor aumenta.

O compressor de parafuso é popular para uso em baixa temperatura aplicações de


refrigeração.

A coisa importante a lembrar é que um compressor executa a mesma função não


importa o tipo que é. Por agora, pode ser pensado como um componente que
aumenta a pressão no sistema e move o refrigerante de vapor do lado de baixa
pressão para o lado de alta pressão no condensador.

3.9 O CONDENSADOR
O condensador rejeita tanto os sensíveis (mensuráveis) e latentes (Escondido) do
sistema de refrigeração. Este calor pode vêm do que o evaporador absorveu, qualquer
calor compressão ou fricção mecânica gerada na compressão acidente vascular
cerebral, calor de enrolamento do motor e qualquer calor absorvido por
sobreaquecimento do refrigerante na linha de sucção antes de entra no compressor.

O condensador recebe o gás quente depois que ele compressor através do tubo curto,
chamado de linha de gás quente, entre o
compressor e o condensador, Figura 3.32.

Figura 3.32 A linha de descarga conecta a


saída do compressor ao

A entrada do condensador.

Esso Linha é também referida como a linha de


descarga. O gás quente é forçado no topo da
bobina do condensador pelo compressor.

O gás de descarga do compressor em uma alta


pressão, alta temperatura, vapor
superaquecido. A temperatura do gás quente
do compressor pode estar na temperatura de
200 ° F

V varia de acordo com as temperaturas


circundantes e a aplicação do sistema.

O refrigerante na saída do
compressor não segue uma
temperatura / pressão. Isso
ocorre porque o
refrigerante está 100%
vapor e superaquecido. A
leitura da pressão lateral
alta de 278 psig na Figura
3.33

Figura 3.33 Líquido sub-


arrefecido na saída do
condensador.
LÍQUIDO 100% SATURADO.

SUBCOLAMENTO LÍQUIDO COMEÇA

QUANDO MAIS SENSÍVEL

O CALOR ESTÁ PERDIDO.

corresponde aos 125 ° F Temperatura de saturação do condensador, que é a


temperatura Em que o refrigerante começará a condensar a partir de um Vapor em
um líquido. A pressão de vapor de 278 psig no indicador de lado alta está realmente
vindo do condensador.

Esta pressão de vapor é muitas vezes referida como pressão de cabeça, alta pressão
lateral, pressão de descarga ou pressão de condensação na indústria de HVAC / R. A
temperatura de gás de 200 ° F que sai do compressor é superaquecido por 75 ° F

(200 ° F 2 125 ° F) e, novamente, não pode ter uma relação temperatura / pressão.
Portanto, o vapor quente deve resfriar, ou desuperheat, 75 ° antes que possa começar
a condensar.

O gás que sai do compressor, fluindo através da linha de descarga, e entrar no


condensador é tão quente em comparação com o ar circundante que uma troca de
calor entre o gás quente e o ar circundante começam a ocorrer imediatamente.

O ar que passa sobre o condensador é de 95 ° F, comparado com o gás próximo de 200


° F que entra no condensador. Como o gás passa pelo condensador, começa a perder
calor para o ar circundante, o que provoca uma queda na temperatura. O gás mantém
o arrefecimento, ou desuperheating, até atingir a temperatura de condensação de 125
° F, quando a mudança de estado começa a ocorrer. A mudança de estado começa
lentamente, com pequenas quantidades de vapor líquido e fica mais rápido à medida
que a mistura vapor-líquido atravessa o condensador. Esta mudança de vapor para
líquido ocorre à temperatura e pressão de saturação de condensação de 125 ° F e 278
psig, respectivamente. Este é um calor latente processo, o que significa que mesmo
que o calor em Btu está sendo rejeitado do refrigerante, a temperatura permanece
constante a 125 ° F. NOTA: Este processo de temperatura constante ocorrendo
durante a mudança de estado não ocorre para alguns dos refrigerantes mais novos,
misturados que têm uma temperatura que deslizam.

Quando o refrigerante de condensação atravessa cerca de 90% do condensador, o


refrigerante no tubo torna-se líquido saturado puro. Se mais calor é removido a partir
do líquido saturado a 100%, passará por um calor sensível, processo de rejeição
porque não há mais vapor deixado para condensar. Isso faz com que o líquido caia
abaixo da temperatura de saturação de 125 ° F. Líquido refrigerador do que a
temperatura de saturação de condensação é chamada sub resfriamento líquido, Figura
3.33
Três coisas importantes podem acontecer com o refrigerante no condensador:

1. O gás quente do compressor é desuperaquecido de a temperatura de descarga


quente para a temperatura de condensação.

Lembre-se, a temperatura de condensação determina a pressão da cabeça. Esta é a


transferência de calor sensível.

2. O refrigerante é condensado de um vapor para um líquido.

Esta é a transferência de calor latente.

3. A temperatura do refrigerante líquido pode então ser reduzida abaixo da


temperatura de condensação, ou sub-arrefecida. O refrigerante geralmente pode ser
sub-resfriada a entre 10 ° F 20 ° F abaixo da temperatura de condensação, mas é
dependente do sistema, Figura 3.33. Esta é uma transferência de calor sensível.

Muitos tipos de dispositivos de condensação estão


disponíveis. O condensador é o componente que rejeita
o calor do sistema de refrigeração e é projetado
especificamente para sólido, líquido ou gás. Muitas
vezes, o condensador e o compressor são incorporados
numa única peça de equipamento chamado uma
unidade de condensação. A Figura 3.34 mostra alguns

Unidades de condensação.

Figura 3.34 (A) Unidade de condensação típica


refrigerada a ar encontrada em um

Central de ar condicionado. (B) Uma condensação


hermética arrefecida a ar

Unidade de um sistema de refrigeração.

Incorporar ambos os componentes em um único

Unidade facilita a instalação do sistema. A sucção

Baixa pressão, baixa temperatura, sobreaquecido

Vapor para a unidade de condensação, e a linha de


líquido sub-resfriado de alta pressão e alta temperatura
Unidade de condensação para o dispositivo de
medição.

3.10 O REFRIGERANTE
DISPOSITIVO DE MEDIÇÃO

O líquido sub-resfriado quente está agora movendo-se para baixo o líquido


na direcção do dispositivo de medição. A temperatura do líquido é cerca de 110 ° F e
ainda pode dar algum calor para o ambiente antes de atingir o dispositivo de medição.
Essa linha pode ser encaminhada sob uma casa ou através de uma parede ela pode
facilmente chegar a uma nova temperatura de cerca de 105 ° F. Qualquer calor
fornecido aos arredores é útil porque veio de dentro do sistema e ajudará a melhorar a
capacidade do sistema em eficiência. Ele também traz a temperatura do líquido sub-
resfriado mais próximo da temperatura de saturação do evaporador, que também
aumenta a capacidade do sistema.

Um tipo de dispositivo de medição é um simples tamanho fixo (fixedbore).

Tipo conhecido como um orifício, que é uma pequena restrição de um tamanho fixo na
linha de líquido, Figura 3.35.

Figura 3.35 Um dispositivo de medição de furo


fixo (orifício) em um sistema R-22.

Figura 3.36 Uma pessoa apertando a


extremidade de uma mangueira de jardim.

Este aparelho Retém o fluxo total de


refrigerante e é um dos Pontos de divisão entre
a alta pressão e a baixa pressão Lados do
sistema. Somente o líquido puro deve entrar
isto.

O tubo que conduz ao orifício pode ser do


tamanho de um lápis, e o orifício perfurado de
precisão no orifício pode ser o tamanho de uma
agulha de costura muito fina. Como você pode
ver na Figura, o fluxo de líquido é muito restrito
aqui. Em um R-22 sistema, o refrigerante líquido
que entra no orifício está Pressão de 278 psig; O
refrigerante que sai do orifício é Uma mistura de
cerca de 75% de líquido e 25% de vapor a uma
nova pressão de 70 psig e uma nova
temperatura de 41 ° F, Figura 3.35.

Geralmente surgem duas questões sobre esse fato:

1. Por que aproximadamente 25% do líquido mudou para um gás?

2. Como é que a mistura de líquido puro a 100% Cerca de 105 ° F a 41 ° F em um


espaço tão curto?

Essas perguntas podem ser respondidas usando a analogia de uma mangueira de


jardim sob pressão - a água fora se sente mais frio, Figura 3.36. A água na verdade é
mais fria porque parte dela se evapora e se transforma em névoa. Evaporação Remove
o calor do resto da água e esfria no lado de baixa.

Quando o refrigerante sub-resfriado de alta pressão Através do orifício, faz a mesma


coisa que a água em uma mangueira: Sua pressão muda (278 psig para 70 psig) e

Alguns do refrigerante passam para um vapor (chamado de gás flash).

Neste ponto, o refrigerante é uma mistura saturada de líquido E vapor a 70 psig. Uma
vez que o refrigerante está saturado, Segue a relação temperatura / pressão para este

Refrigerante portanto, a temperatura do refrigerante de 41 ° F na Saída do dispositivo


de medição.

Além disso, a evaporação Refrigerante refrigera ainda mais o refrigerante líquido que
permanece á medida que o refrigerante flui através do dispositivo de medição. Isso
causa queda rápida de pressão no dispositivo de medição reduz a Ponto de ebulição ou
temperatura de saturação do líquido que sai do dispositivo de medição. Gás
instantâneo à saída do dispositivo de medição é considerado uma perda para a
capacidade do sistema, porque líquido está agora disponível para ferver a vapor no
evaporador quando arrefecer o espaço refrigerado. Devido a isso, o flash gás deve ser
mantido a um mínimo.

Vários tipos de dispositivos de medição para muitas aplicações estão disponíveis; Eles
serão cobertos em detalhes em unidades posteriores.

Veja a Figura 3.37 para alguns exemplos dos vários tipos de dispositivos de medição.

Figura 3.37 Dispositivos de medição. (A) Tubo


capilar. (B) Expansão automática

válvula. (C) Válvula de expansão termostática.

3.11 CORRESPONDÊNCIA DA REFRIGERAÇÃO

SISTEMAS E COMPONENTES
Descrevemos os componentes básicos do processo
mecânico, Sistema de refrigeração por compressão de
vapor de função. Estes componentes devem ser
adequadamente Cada aplicação específica. Por exemplo,
uma temperatura baixa Compressão não pode ser usado
em aplicações de alta temperatura.
Devido às características de bombeamento do compressor. Alguns equipamentos
podem ser misturados e combinados com êxito usando os dados do fabricante, mas
apenas alguém com considerável conhecimento e experiência deve fazê-lo.

Segue-se uma descrição de um sistema combinado corretamente em condições de


projeto. Mais tarde vamos ver explicação de mau funcionamento e condições adversas
de operação.

Um sistema de ar condicionado doméstico típico com temperatura de projeto de 75 ° F


dentro da temperatura tem uma umidade (conteúdo de umidade da sala Ar) de 50%.

O ar na casa esta acima do calor ao refrigerante

A bobina interna também é responsável pela parte da umidade do ar para manter a


umidade em um nível aceitável. Isso é conhecido como desumidificação.

A remoção de umidade requer energia considerável. Aproximadamente a mesma


quantidade (970 Btu) de remoção de calor latente é necessário para condensar uma
libra de vapor de água do ar para condensar uma libra de vapor. Todos os sistemas de
ar condicionado deve ter um método para lidar com essa umidade depois de ter
transformado em um líquido. Algumas unidades gotejam, algumas drenam o líquido
em drenagem de esgoto, alguns usam um anel retentor no condensador ventilador, e
alguns usam o líquido na bobina externa para a capacidade do sistema evaporando-a
no condensador. Lembrar que parte do sistema está dentro da casa e parte do sistema
está fora da casa.

Os números seguinte descrito correspondem aos números circundados na Figura 3.38.

1. Uma mistura de 75% de líquido e 25% de vapor sai da medição do dispositivo e


entra no evaporador.

2. A mistura é R-22 saturado a uma pressão de 69 psig, que corresponde a um ponto


de ebulição de 40 ° F. É importante lembrar que a pressão é de 69 psig porque o
refrigerante evaporado está a ferver a 40 ° F.

3. A mistura cai através do tubo no evaporador com o líquido, a evaporar a partir dos
75 ° F de calor e a carga de umidade do ar interior à medida que avança.

4. Quando a mistura está a meio caminho da bobina, o refrigerante é composto por


cerca de 50% de líquido e 50% vapor e ainda está na mesma temperatura e pressão

Porque uma mudança de estado está ocorrendo. Lembrar que esta é uma
transferência de calor latente.

5. O refrigerante é agora 100% vapor. Em outras palavras, atingiu o ponto de saturação


de 100% do vapor.

Lembre-se do exemplo usando o lençol freático saturado; Em vários pontos a água


estava saturada de calor. Que é, se qualquer calor é removido nesse ponto, parte do
vapor muda de volta para um líquido; Se for adicionado qualquer calor, a temperatura
Do vapor sobe. Este aumento da temperatura vapor torna-o um vapor superaquecido.
(Superaquecimento é sensato Calor). No ponto 5, o vapor saturado ainda está a 40 ° F
e ainda capaz de absorver mais calor do ar de sala de 75 ° F.

6. O vapor puro que existe agora é normalmente sobreaquecido cerca de 10 ° F acima


da temperatura de saturação. Examinar a linha na Figura 3.38 neste ponto para ver
que a temperatura é de cerca de 50 ° F. OBSERVAÇÃO: Para chegar ao correto
superaquecimento, execute as seguintes etapas:

A. Observe a leitura da pressão de sucção ou da pressão de evaporação a partir do


nível de sucção, ou baixo, calibre: 69 psig.

B. Converta a leitura da pressão de sucção em sucção ou evaporação usando o gráfico


temperatura / pressão para R-22: 40 ° F.

C. Utilize um termómetro adequado para registar a Temperatura da linha de sucção na


saída do Evaporador: 50 ° F.

D. Subtraia a temperatura de sucção saturada da temperatura real da linha de sucção:


50 ° F - 40 ° F = 10 ° F

superaquecimento. •

Figura 3.38 Um sistema típico de ar-condicionado R-22 mostrando temperaturas e


fluxo de ar. O vermelho indica refrigerante quente / quente; Azul indica frio / frio
refrigerante.

Diz-se que o vapor é carregado de calor porque contém o calor removido do ar


ambiente. O calor foi absorvido no refrigerante de vaporização que aqueceu para
vapor que percorreu o evaporador. O vapor superaqueça mais 10 ° F e agora é de 60 °
F à medida que viaja abaixo da linha de sucção para o compressor.

O superaquecimento que é recolhido apenas no evaporador é referido como


superaquecimento do evaporador; O superaquecimento total que é colhido no
evaporador e a linha de sucção é referida como superaquecimento do sistema. Para
calcular o superaquecimento do sistema, medimos a temperatura da linha de sucção
(do item C, acima) perto da entrada do compressor em vez de na entrada saída do
evaporador. Neste exemplo, o superaquecimento do evaporador é de 10 ° F (50 ° F - 40
° F) e o superaquecimento do sistema é 20 ° F (60 ° F - 40 ° F). O superaquecimento do
sistema é referido como superaquecimento do compressor.

7. O vapor é aspirado para dentro do compressor pelo seu bombeamento, o que cria
uma sucção de baixa pressão.

Quando o vapor deixou o evaporador, sua temperatura era de cerca de 50 ° F com 10 °


F de superaquecimento acima do ponto de ebulição saturado temperatura de 40 ° F.
Como o vapor se move ao longo em direção ao compressor, ele está contido na linha,
que normalmente é de cobre e deve ser isolada evitando de extrair calor do meio
ambiente para o sistema, e para impedi-lo de suar.

No entanto, ainda pega um pouco de calor. Como a linha é de sucção de vapor,


qualquer calor que ela pega levanta rapidamente a temperatura.

Lembre-se que não é preciso muito calor sensível para elevar a temperatura de um
vapor. Dependendo do comprimento da linha e a qualidade do isolamento, a
temperatura da linha de sucção pode ser de 60 ° F na entrada do compressor.

8. O gás superaquecido deixa o compressor para linha de gás quente no lado de alta
pressão do sistema.

Esta linha é normalmente muito curta porque o condensador é geralmente próximo do


compressor. Em um dia quente a linha de gás quente pode estar perto de 200 ° F com
uma pressão de 278 psig. Como a temperatura saturada a 278 psig é 125 ° F, a linha de
gás quente tem cerca de 75 ° F (200 ° F - 125 ° F) de sobreaquecimento que deve ser

removida antes que a condensação possa ocorrer. Porque a linha está tão quente e um
vapor está presente, a linha vai perder calor facilmente para o ambiente. O ar
circundante a temperatura é de 95 ° F.

9. O superaquecimento foi removido e o refrigerante foi arrefecido até a temperatura


de condensação de 125 ° F.

O ponto 9 é o ponto no sistema em que o dispositivo de desaquecimento, o vapor


acaba de arrefecer para uma temperatura de 125 ° F;

Isto é referido como um ponto de vapor saturado a 100%. E se qualquer calor é


removido ou rejeitado, o líquido começará a formato. À medida que mais calor é
rejeitado, o restante do vapor continuará a condensar-se em líquido saturado, a
temperatura de condensação de 125 ° F. Agora observe que a temperatura da bobina
corresponde ao valor do lado alto, pressão de 278 psig e 125 ° F. A leitura de alta
pressão de 278 psig é devido à condensação do refrigerante em 125 ° F. De fato, 278
psig é a pressão de vapor que o vapor está exercendo sobre o líquido enquanto ele
está condensando.

Lembre-se, é a pressão de vapor que o indicador lê.

10. As condições de condensação são determinadas pela eficiência do condensador.


Neste exemplo, usamos um condensador padrão, que tem uma temperatura de
condensação 30 ° F maior que o ar ambiente utilizado para absorver o calor do
condensador. Neste exemplo, 95 ° F fora do ar é absorvendo o calor, então 95 ° F + 30 °
F = 125 ° F temperatura de condensação. Alguns condensadores condensam a 25 ° F

acima da temperatura ambiente circundante; Estes são highefficiency condensadores e


o lado de alta pressão do sistema estará operando a uma pressão menor. Condensação

temperaturas e pressões também dependem da carga térmica dada ao condensador


para rejeitar. Quanto maior o calor, maior será a temperatura de condensação e a
pressão correspondente. Pode-se também que à medida que a temperatura exterior
aumenta, a pressão de no lado alto do sistema também irá subir. Por exemplo,

Se a temperatura ambiente externa (ambiente) aumenta para 105 ° F, a temperatura


de saturação do condensador nosso sistema de amostra aumentaria para cerca de 135
° F.

11. O refrigerante é agora 100% líquido à temperatura saturada de 125 ° F. À medida


que o líquido continua ao longo da bobina, o ar continua a arrefecer o líquido para
abaixo do nível real da temperatura de condensação. O líquido pode ir tanto quanto

20 ° F abaixo da temperatura de condensação de 125 ° F antes de atingir o dispositivo


de medição. Qualquer líquido a uma temperatura abaixo da temperatura de
condensação de 125 ° F é chamado líquido sub-arrefecido. Neste exemplo, o líquido é
arrefecido até 105 ° F antes de atingir o dispositivo de medição. O líquido agora tem 20
° F (125 ° F - 105 ° F) de sub-resfriamento.

12. O refrigerante líquido atinge o dispositivo de medição através de um tubo,


geralmente cobre, do condensador. Esso líquido é muitas vezes instalado no campo e
não isolado. Desde jeito a temperatura da linha de líquido é mais quente do que a
temperatura do ar circundante, mantendo o líquido a linha não isolada permite que
algum calor adicional seja rejeitado pelo refrigerante para o ar circundante, o que
ajuda a aumentar a eficiência operacional do sistema.

Uma vez que a linha de líquido pode ser longa, e a distância entre o condensador e o
dispositivo de medição, a quantidade de calor adicional a ser rejeitada pode ser
significativo. O calor entregue aqui é deixar o sistema, e isso é bom. O refrigerante que
entra no dispositivo pode ser até 20 ° F mais fria do que a condensação da
temperatura de 125 ° F, de modo que a linha de líquido no dispositivo de medição
pode ser 105 ° F.

13. O refrigerante que entra no dispositivo de medição é 100% líquido sub-arrefecido.


No curto espaço de tempo do orifício do dispositivo (um orifício do tamanho de um
Agulha de costura), o líquido sub-arrefecido é mistura de cerca de 75% de líquido
saturado e 25% de vapor. A proporção de líquido para vapor no dispositivo de
medição, depende tanto do sistema quanto a aplicação. O vapor de 25%, conhecido
como gás utilizado para arrefecer os restantes 75% do líquido para 40 ° F, a
temperatura de ebulição do evaporador.

O resfriamento realizado pelo flash gás é uma perda ele esfria a temperatura do
líquido até os 40 ° F da temperatura de evaporação. O arrefecimento é desperdiçado
porque não é realizado no evaporador para reduzir a temperatura do ar interior e
remover umidade. A única maneira de minimizar o flash gás é obter a temperatura do
líquido sub-arrefecido que entra no dispositivo de medição mais próximo da
temperatura de evaporação.

O refrigerante já completou um ciclo e esta pronto para dar a volta novamente. Deve
ser evidente que um refrigerante faz a mesma coisa uma e outra vez, mudando de um

líquido para um vapor no evaporador e de volta para um líquido no condensador.

O dispositivo de expansão mede o fluxo para o evaporador e o compressor bombeia o


refrigerante para fora do evaporador.

A seguinte lista resume ciclo:

1. O evaporador absorve calor no sistema.

2. O condensador rejeita o calor do sistema.

3. O compressor bombeia o vapor carregado de calor.

4. O dispositivo de expansão mede o fluxo de refrigerante.

3.12 REFRIGERANTES
Anteriormente, utilizamos água e R-22 como exemplos de refrigerantes. Embora
muitos produtos tenham as características de um refrigerante, vamos cobrir apenas
alguns aqui. A unidade 9, "Química e Gerenciamento de Refrigerantes e Óleos -
Recuperação, Reciclagem, Recuperação e informações mais detalhadas.

Os quatro refrigerantes seguintes não podem mais ser fabricados ou ter datas de
eliminação no futuro próximo:

R-12-Usado principalmente em temperatura média e alta aplicações de refrigeração.


Fabricação e importação proibido a partir de 1 de janeiro de 1996.

R-22-Usado principalmente em residencial, comercial e aplicações industriais de ar


condicionado e em refrigeração comercial e industrial. R-22 é sujeitos a eliminação
progressiva em novos equipamentos em 2010, e a produção total será eliminada em
2020.

R-500-usado principalmente em aplicações mais antigas de ar-condicionado e alguns


refrigeração comercial. Fabricação e importação proibida a partir de 01 de janeiro,
1996.
R-502-Usado principalmente em refrigeração de baixa temperatura aplicações.
Fabricação e importação proibido a partir de 1º de janeiro de 1996. É uma mistura
refrigerante que não tem deslizamento de temperatura e comporta-se como um
composto puro.

A seguir estão alguns dos mais recentes, mais populares, de longo prazo refrigerantes
de reposição:

R-134a-Propriedades muito semelhantes ao R-12. Usado principalmente em aplicações


de refrigeração de média e alta temperatura, refrigeradores e freezers, e ar
condicionado automotivo. É um substituto para R-12, mas não um direto porque é
necessário reequipamento. O ésterbased lubrificantes utilizados com o R-134a não são
compatíveis com os óleos tipicamente usados em sistemas R-12.

R-404A-A substituto para R-502 em baixa e média temperatura aplicações de


refrigeração. Tem um pouco mais de pressão de trabalho do que R-502. Uma
substância quase azeotrópica mistura de refrigerante com um pequeno deslizamento
de temperatura.

R-407A-A mistura refrigerante retrofit para R-22 em expansão direta.

Residencial e comercial ar-condicionamento e média e baixa temperatura e


refrigeração comercial.

R-407C- Propriedades similares ao R-22. Está substituindo R-22 em ar condicionado


residencial e comercial. Pode ser usado como um refrigerante retrofit para R-22, mas
tem um grande deslizamento de temperatura e potencial fraccionamento.

Um refrigerante quase azeotrópico mistura, R-407C, com R-134a, opera com


ésterbased lubrificantes que não sejam compatíveis com óleos tipicamente usados em
sistemas R-22. R-407C é uma grande opção quando a unidade de condensação de um
sistema deve ser substituídos, uma vez que a maior parte do contido no compressor.

R-410A-Uma mistura refrigerante quase azeotrópica que substitui R-22 em ar


condicionado em aplicações residencial e comercial. Tem pressões operacionais muito
maiores do que o R-22 e preocupações especiais de segurança. R-410A tem um deslize
de temperatura muito pequeno e não é recomendado como um refrigerante retrofit.

PRECAUÇÃO DE SEGURANÇA: Nunca adicione o R-410A a um sistema fabricado para


uso com R-22. Os componentes do sistema R-22 não são tipicamente fabricados para
aceitar as maiores pressões operacionais que estão presentes nos sistemas R-410A.
Por exemplo, as conchas dos compressores R-410A são fabricados com aço mais
espesso do que são os reservatórios dos compressores R-22.

R-438A-A mistura refrigerante quase azeotrópica para uso como um refrigerante


retrofit para R-22 com alteração mínima no sistema.

R-438A é uma mistura de cinco diferentes refrigerantes.

Ele pode ser usado para reequipar a expansão direta do R-22.


Aplicações de ar condicionado (alta temperatura) e aplicações de refrigeração de
média e baixa temperatura.

Tem uma pequena porcentagem de hidrocarbonetos para ajudar no retorno do óleo.


Isso o torna compatível com óleos minerais. R-438A não é inflamável e tem uma
classificação do grupo de segurança ASHRAE A1. Seu ozônio potencial de depleção
(ODP) é zero. O evaporador e o deslize de temperatura do condensador está
tipicamente no intervalo de 6-7 ° F temperatura.

Não é recomendado para evaporadores ou sistemas com compressores centrífugos.

R-422B-A mistura de refrigerante retrofit azeotrópico para R-22 em ar-condicionado.

R-422C-A mistura de refrigerante retrofit azeotrópico para R-22 em aplicações


comerciais de refrigeração.

R-422D-A mistura de refrigerante com refrigerante próximo-azeotrópico para R-22 em


aplicações comerciais de refrigeração.

R-427A-Uma mistura de refrigerante com refrigerante próximo-azeotrópico para R-22


em ar-condicionado e refrigeração comercial, mas preferida para refrigeração
comercial aplicações.

R-507-A substituto para R-502 em baixa e média temperatura

Aplicações de refrigeração. Tem um pouco maiores pressões e capacidade do que o R-


404A. É uma mistura de refrigerante azeotrópico.

R-507A-Uma mistura azeotrópica de R-125 e R-143ª substituindo R-502 e R-22 em


equipamentos novos e reformas de equipamento. Tem uma eficiência R-404A e
também uma maior eficiência do que a baixa temperatura R-22. O lubrificante de éster
de poliol deve ser usado com R-507A. É um jogo muito próximo ao R-502 e uma boa
opção a longo prazo.

Como veremos mais adiante nesta unidade, a escolha do refrigerante esta tornando-
se mais importante por causa das questões ambientais. Por muitos anos, pensava-se
que os refrigerantes comuns eram perfeitamente seguro de usar. Novas descobertas
mostraram que alguns dos refrigerantes comuns R-12, R-500, R-502 e R-22- pode estar
causando danos à camada de ozônio na estratosfera, 7 a 30 milhas acima da superfície
da terra. Os refrigerantes também estão sendo culpados pelos efeitos do aquecimento
global que ocorrem na troposfera, a 7 milhas acima da terra.

3.13 REFRIGERANTES DEVEM SER SEGUROS


Para proteger as pessoas contra doenças ou lesões, mesmo morte, se o refrigerante
escapar do seu sistema. Um refrigerante deve ser seguro. Por exemplo, usando amônia
para o ar-condicionado em um local público poderia ser um desastre mesmo que, de
muitos pontos de vista, a amônia seja um refrigerante. Os refrigerantes modernos não
são tóxicos, e os equipamentos é projetado para usar uma quantidade mínima de
refrigerante para realizar seu trabalho. Um frigorífico ou um ar condicionado janela,
por exemplo, normalmente usa menos de 2 lb de refrigerante, mas durante anos
quase 1 lb de refrigerante foi usado como o propulsor em uma lata de aerosol de 16
onças de spray de cabelo.

PRECAUÇÃO DE SEGURANÇA: Porque os refrigerantes são mais ar, ventilação


adequada é importante. Por exemplo, se um vazamento em um grande recipiente de
refrigerante ocorrer em um porão, oxigênio poderia ser deslocado pelo refrigerante e
uma pessoa poderia ser sufocada. Evite a chama aberta quando um refrigerante
estiver presente.

Quando o equipamento de refrigeração ou cilindros estiverem localizados em uma sala

com uma chama de gás aberta, tal como uma luz piloto num aquecedor de água a gás

Ou forno, o equipamento deve ser mantido livre de vazamento. Se o refrigerante


escapa e chega à chama, a chama às vezes queima azul ou azul-esverdeado, o que
significa que está emitindo um gás corrosivo que irá deteriorar qualquer aço na
vizinhança, queimar olhos e nariz, e dificultar severamente a respiração de qualquer
pessoa no quarto. Os refrigerantes não irão queimar.

3.14 REFRIGERANTES DEVE SER DETECTAVEL


Um bom refrigerante deve ser facilmente detectável. Para detectar alguns vazamentos
grandes, a primeira coisa a fazer é ouvir o silvo de escape do refrigerante, Figura 3.39
(A). Em alguns casos, vazamentos podem ser tão pequenos que não podem ser
ouvidos pela orelha. No entanto, muitos vazamentos podem ser encontrados por
ouvir.

Há um dispositivo ultra-sônico de detecção de vazamentos no mercado que

Detecta vazamentos por som, Figura 3.39 (B). Este detector de fugas permite ao
técnico ouvir o som do fluido em movimento através do circuito de tubulação em
direção ao local do vazamento. O tom do som emitido muda à medida que o sensor
chega mais perto do vazamento.

As bolhas de sabão são um detector de vazamento prático e simples.

Muitos técnicos de serviço utilizam produtos que irão soprar grandes bolhas elásticas
no ponto de vazamento, figuras 3.39 (C) e (D). Esses produtos são valiosas quando o
técnico sabe que área esta o vazamento. Solução de bolha de sabão pode ser aplicada
com uma escova para a tubulação para ver exatamente onde o vazamento é. Quando

Refrigerante estão abaixo da temperatura de congelamento, uma quantidade de anti-


congelante pode ser adicionada à solução de bolha.

Às vezes, um equipamento pode ser submerso em água para prestar atenção para
bolhas, que é eficaz quando aplicável.

O detector de vazamento de haleto, Figura 3.39 (E), é usado para detectar fugas de
acetileno ou gás propano. Funciona com base no princípio de que quando o
refrigerante é exposto a um chama na presença de incandescência de cobre, a chama
Mudar a cor, Figura 3.39 (F). O detector de fugas de haleto deve ser utilizado em áreas
bem ventiladas, porque o resultado ou chama verde indica que o gás tóxico está sendo
produzido.

Embora as quantidades produzidas possam ser muito pequenas, o gás

É um irritante-corrosivo, bem tóxico.

O detector eletrônico de vazamento na Figura 3.39 (G) é suficientemente pequeno


para ser facilmente transportado, uma sonda flexível. As especificações de carga de
refrigerante alguns equipamentos de ar condicionado residencial precisão. Os
detectores eletrônicos de vazamento são detectando taxas de vazamento até um
quarto de onça por ano.

Outro sistema de detecção usa uma lâmpada de ultravioleta de alta intensidade,


Figura 3.39 (H). Um aditivo induzido no sistema de refrigerante irá mostrar como um
brilho verde-amarelo brilhante sob a lâmpada ultravioleta na fonte da fuga. Depois de
reparar o vazamento e limpar a área limpa com um propósito geral

Mais limpa, a área pode ser re-inspecionada - os restos do sistema. Se se suspeitar de


um novo vazamento numa data posterior, ainda mostrará como uma cor verde-
amarela sob o ultravioleta leve. Este sistema detectará fugas tão pequenas quanto um
quarto de uma onça por ano.

Figura 3.39 Métodos comuns


usados para a detecção de
vazamento. (A) Ouvir

Para fugas audíveis. (B) Detector


de vazamento ultra-sônico. (C)
Solução de bolha de sabão.

(D) Solução de bolha de sabão que


provoca a formação de bolhas
quando existe uma fuga.

(E) Tocha de haleto. (F) A chama


no detector de vazamento de
haleto fica verde quando

Um vazamento está presente. (G)


Detector eletrônico de vazamento.
(H) Detecção de vazamento
ultravioleta equipamento.
3.15 O PONTO DE EBULIÇÃO
DO REFRIGERANTE

O ponto de ebulição de um refrigerante deve ser baixo na atmosfera pressão de modo


que possam ser obtidas temperaturas baixas sem entrar em um vácuo. Por exemplo, o
R-502 pode ser fervido até 250 ° F antes que a pressão de ebulição vá no vácuo,
enquanto R-12 pode ser fervido apenas como baixo como 221 ° F antes de entrar em
um vácuo. A água teria para ser fervido a 29,67 polegadas Hg vácuo apenas para ferver
a 40 ° F.

NOTA: Ao usar o medidor composto abaixo da pressão atmosférica pressão, a escala lê


em sentido inverso das polegadas de mercúrio absoluto escala. O indicador começa à
pressão atmosférica e conta até um vácuo perfeito, chamado polegadas de vácuo de
mercúrio.

Quando possível, os engenheiros de projeto evitam usar refrigerantes que fervem


abaixo de 0 psig. Esta é uma razão pela qual R-502 foi uma boa escolha para um
sistema de baixa temperatura. Quando um sistema opera em um vácuo e ocorre um
vazamento, a atmosfera é puxada dentro do sistema em vez de o refrigerante escapar
do sistema.

3.16 CARACTERÍSTICAS DO BOMBEAMENTO


As características de bombeamento têm a ver com a quantidade de vapor refrigerante
é bombeado por quantidade de trabalho realizado.

A água foi desclassificada como um refrigerante parcialmente por este motivo. Uma
libra de água a 40 ° F

tem um volume de vapor de 2445 ft3 em comparação com cerca de 0,6 ft3

Para R-22. Como veremos mais adiante, a capacidade do sistema é relacionadas ao


número de libras de refrigerante que circulam através do sistema por unidade de
tempo. Isto é expresso em unidades chamadas libras por minuto, ou lb / min. Uma vez
que o volume de vapor de 40 ° F de água é tão alto, o compressor teria para mover
2445 ft3 de vapor para mover uma única libra. Assim, o compressor teria que ser
muito grande para um sistema de água.

Refrigerantes modernos satisfazem todas essas exigências melhor do que qualquer um


dos tipos mais antigos. A Figura 3.40 apresenta a relação temperatura / pressão para
os refrigerantes que discutimos.

3.17 REFRIGERANTES POPULARES


E IMPORTANTE CARACTERÍSTICAS

O American National Standards Institute (ANSI) e a Sociedade Americana de


Aquecimento, Refrigeração e Ar-Engenheiros de Condicionamento (ASHRAE) são
responsáveis nomeando refrigerantes e identificando suas características.
A Figura 3.41 na página 60 é uma lista organizada de alguns os refrigerantes mais
populares e suas características.

Para obter informações mais detalhadas sobre refrigerantes, Unidade 9, "Química e


Gestão de Refrigerantes e Óleos - Recuperação, Reciclagem, Recuperação e
Retrofitting. " Como mencionado anteriormente, questões ambientais como o
esgotamento do ozônio e o aquecimento global forçaram a eliminação da produção
para muitos refrigerantes. Contudo, estes refrigerantes podem ser utilizados se
recuperados ou reciclados, ou se estiverem em algum sistema de ar condicionado. As
questões ambientais e as datas de eliminação tornaram muitos refrigerantes com
Impostos pesados e, portanto, alternativas (ambientalmente Friendly) refrigerantes
entraram no mercado. É agora ilegal para ventilar intencionalmente qualquer
refrigerante para a atmosfera. Rígido multas de até $ 32.500 e / ou prisão pode seguir.
Porque disso, os programas obrigatórios de certificação de técnicos educaram o
pessoal HVAC / R em questões ambientais, refrigerantes alternativos, e questões
legislativas.

3.18 CILINDRO REFRIGERANTE


CÓDIGOS DAS CORES

Cada tipo de refrigerante está contido num cilindro ou tambor que tem uma cor
designada. A seguir estão as cores para alguns dos refrigerantes mais utilizados:

R-407B Creme R-114 Azul escuro

R-407C Chocolate R-500 Amarelo

R-410A Rosa R-502 Lilás (roxo claro)

R-11 Laranja R-717 Prata

R-12 Branco R-409A bronze

R-22 Verde R-123 Cinzento claro

R-113 roxa R-401A Coral vermelho

R-134a Azul claro R-401B Mostarda amarelo

R-401C Aqua R-404A Laranja

R-402A Castanho claro R-406A Cinzento claro verde

R-402B Verde-castanho R-407A Verde brilhante


Alguns fabricantes de equipamentos codificam seus compressores em cores para
indicar o tipo de refrigerante utilizado no sistema.

A Figura 3.42 mostra recipientes de refrigerante para refrigerantes.

3.19 RECUPERAÇÃO, RECICLAGEM, OU RECLAMAR


DE REFRIGERANTES

É obrigatório para os técnicos recuperar, e às vezes reciclar refrigerantes durante as


operações de instalação e manutenção para ajudar a reduzir as emissões de
clorofluorocarbonetos (CFC), hidroclorofluorocarbonos (HCFC) e os
hidrofluorocarbonetos (HFC) par a atmosfera. Exemplos de equipamentos de
recuperação são Figura 3.43. Muitos sistemas maiores podem ser equipados com
tanques de descarga em que o refrigerante pode ser bombeado e armazenado
enquanto o sistema é mantido. No entanto, em sistemas de menor capacidade muitas
vezes não é viável fornecer esses componentes.

Recuperação de unidades ou outros dispositivos de armazenamento podem ser


necessários. Mais recuperação de unidades de reciclagem e / ou unidades de
reciclagem que foram desenvolvidas até tecnologia e capacidades, de modo que as
instruções dos fabricantes devem ser seguidas com cuidado ao usar este equipamento.
A Unidade 9 inclui uma descrição pormenorizada da recuperação, reciclagem e
valorização de refrigerantes.

3.20 PLOTANDO O REFRIGERANTE


CICLO

Uma imagem gráfica do ciclo do refrigerante pode ser em um diagrama de pressão /


entalpia.

A pressão é do lado esquerdo do diagrama e entalpia no fundo do diagrama, Figura


3.44. Entalpia descreve quanto calor uma substância contém em relação a um ponto
de referência aceita. Muitas vezes, as pessoas se referem à entalpia como calor total,
mas isso não é absolutamente preciso porque se refere a o conteúdo de calor acima
do ponto de referência selecionado. Referir-se Figura 1.15, o gráfico de calor /
temperatura para a água. Usa-se 0 ° F como ponto de partida do calor para a água,
sabendo que você pode realmente remover mais calor da água (gelo) e abaixar a
temperatura abaixo de 0 ° F. Descrevemos o processo como a quantidade de calor
adicionado a partir de 0 ° F. Este calor é chamada entalpia. O diagrama de pressão /
entalpia é o diagrama, disponível para todos os refrigerantes, e às vezes gráficos como
p-e (pressão / entalpia) ou p-h (pressão / calor). Uma vez que diferentes refrigerantes
têm características diferentes, propriedades e relações temperatura / pressão, ou a

Pressão / entalpia para cada refrigerante é diferente. O Gráfico de pressão / entalpia é


usado para traçar a refrigeração completa em ciclo contínuo.
O ponto de referência selecionado para medir o conteúdo de calor em um refrigerante
é 240 ° F. O gráfico pressão / entalpia na Figura 3.45, mostra que a entalpia, ou
conteúdo de calor, em Btu / lb (ao longo da parte inferior do gráfico) tem um valor de
0 Btu / lb quando o refrigerante é um líquido saturado a 240 ° F. O conteúdo de calor
para leituras de temperatura abaixo de 240 ° F saturados são indicados como sendo
negativos. À medida que nos movemos da esquerda para a direita no gráfico, o teor de
calor por libra do refrigerante aumenta. À medida que nos movemos da direita para a
esquerda, o conteúdo de calor por quilo de refrigerante diminui.

À medida que você inspeciona o gráfico de pressão / entalpia na Figura 3.44, você vai
notar que há uma curva em forma de ferradura em direção ao centro do gráfico. Essa
curva é chamada de saturação e contém as mesmas informações que estão contidas

No gráfico de temperatura / pressão, discutido anteriormente. A única diferença é que


as pressões no gráfico pressão / entalpia são expressas em pressões absolutas, psia,
em vez de pressões estimada, psig.

Sempre que um gráfico cair sobre ou sob esta curva, o refrigerante está saturado e
terá uma temperatura correspondente em relação de pressão. Existem duas curvas de
saturação.

Figura 3.44 O gráfico de pressão / entalpia relaciona a pressão e as temperaturas de


operação do sistema com o teor de calor do refrigerante em Btu / lb.
O da esquerda é a curva do líquido
saturado. Se o calor adicionado, o
refrigerante começará a mudar de
estado para um vapor; se o calor é
removido, o líquido será sub-
resfriado.

O lado direito é a curva de vapor


saturado. Se for adicionado calor, o
vapor superaquecerá; Se o calor for
removido, o vapor começa a mudar
de estado para um líquido. Observe
que a saturação as curvas de líquido
e vapor tocam na parte superior.
Isso é chamado de temperatura
crítica ou pressão crítica. Acima
deste ponto, o refrigerante não se
condensará. E será um vapor,
independentemente a quantidade
de pressão aplicada.

A área entre o líquido saturado e o


vapor saturado dentro da curva em
forma de ferradura, é onde a
mudança de estado ocorre. Sempre que uma trama estiver curvas de saturação, o
refrigerante está no líquido parcial, vapor. As linhas inclinadas e quase verticais são
linhas de líquido saturado e de vapor saturado, são linhas de qualidade constante e
descrevem a relação vapor / líquido misturados entre os pontos de saturação. Existem
nove, essas linhas sob a curva de saturação, cada uma das quais representa 10%. A
linha de líquido saturado no lado esquerdo a curva representa 0% de vapor e 100% de
líquido, enquanto que a linha de vapor saturado no lado direito da curva de saturação
representa 100% de vapor e 0% de líquido. As nove constantes linhas de qualidade que
estão localizadas sob a curva de rotulados, da esquerda para a direita, 10 a 90. Esses
números são percentagem de qualidade. Percentual de qualidade significa
percentagem de vapor. Isto significa que se um ponto cair na linha de qualidade
constante de 20%, seria 20% de vapor e 80% de líquido. Se o gráfico estiver mais
próximo da curva líquido saturado, há mais líquido que vapor. Se a trama estiver mais
próxima para a curva de vapor saturado, há mais vapor do que líquido.

Por exemplo, vamos encontrar um ponto no gráfico a 40 ° F (na curva de líquido


saturado) e 30 Btu / lb (ao longo do fundo), Figura 3.46. Este ponto está dentro da
forma em forma de ferradura e o refrigerante é 90% líquido e 10% vapor.

A Figura 3.47 resume na forma esquelética as regiões importantes, pontos e linhas do


diagrama pressão / entalpia.
Por razões práticas, usaremos apenas alguns desses esqueletos como formas de
ilustrar as funções do sistema de ciclo.

Um ciclo de refrigeração é plotado na Figura 3.48 na página 66.

O sistema a traçar é um sistema de ar condicionado que utiliza R-22. O sistema está


operando a uma temperatura de condensação de 130 ° F (Pressão de descarga de
296,8 psig ou 311,5 psia) e a uma temperatura de evaporação de 40 ° F (68,5 psig ou
83,2 psia Pressão de sucção). O ciclo plotado não tem sub-resfriamento, e 10 ° F de
superaquecimento é absorvido à medida que o refrigerante deixa o evaporador com
mais 10 ° F de superaquecimento absorvido pelo refrigerante na linha de sucção ao
retornar ao compressor.

O compressor é refrigerado a ar, e o gás de sucção entra na válvula de sucção


adjacente aos cilindros. Suponha que a linha de gás é muito curta e seu calor de
rejeição é insignificante.

As cinco etapas a seguir resumem o processo básico de (Consulte a Figura 3.48):

1. O refrigerante R-22 entra no dispositivo de expansão como saturado a 311,5 psia


(296 psig) e 130 ° F, ponto A. O teor de calor é de 49 Btu / lb entrando na válvula de
expansão e 49 Btu / lb deixando a válvula de expansão.

A Figura 3.48 mostra o dispositivo de medição representado por uma linha vertical.
Assim, pode concluir-se que mesmo embora a temperatura e a pressão do refrigerante

Cair durante o fluxo através do dispositivo de medição, o conteúdo do refrigerante


permanece o mesmo. É importante que o teor de calor (Btu / lb) não seja confundido
com temperatura. Note-se que a temperatura do líquido refrigerante antes da válvula
esta a 130 ° F, e a temperatura deixando a válvula é 40 ° F. A queda de temperatura
pode ser observada que temos 100% de entrada na válvula, cerca de 70% de líquido e
cerca de 30% do líquido mudou para um vapor (Gás instantâneo). Durante o processo
de evaporação, o calor é absorvido do líquido remanescente, diminuindo a sua
temperatura a 40 ° F. Lembre-se, o flash gás não contribui para o efeito líquido de
refrigeração. A refrigeração líquida efeito (NRE) é expresso em Btu / lb e é a
quantidade de calor que cada quilo de refrigerante absorve a partir do espaço
refrigerado para produzir resfriamento útil.

2. O gás instantâneo ocorre porque o refrigerante evaporador do dispositivo de


medição (130 ° F) deve ser arrefecido até à temperatura de evaporação (40 ° F) antes o
líquido remanescente poder evaporar no evaporador e produzir refrigeração útil como
parte da refrigeração líquida

efeito. O calor necessário para o líquido veio do próprio líquido e não a partir do
espaço condicionado.

Nenhuma entalpia é adquirida ou perdida neste processo, o que explica por que a
linha de expansão do ponto A ao ponto B aconteceu com uma entalpia constante. Este
processo de expansão, é chamado expansão adiabática, porque aconteceu em uma
entalpia constante. Os processos adiabáticos, por definição, resultam em mudanças de
temperatura e pressão sem alteração no teor de calor.

3. A refrigeração utilizável começa no ponto B, onde o refrigerante tem um teor de


calor de 49 Btu / lb. À medida que o calor é adicionado ao refrigerante no evaporador,
o refrigerante gradualmente muda de estado para um vapor. Observe que enquanto
nos movemos para a direita a partir do ponto B numa linha horizontal, a pressão
permanece inalterada, mas o teor de calor aumenta.

A fonte deste aumento na entalpia é o calor no ar que é arrefecido pelo evaporador.

Todo o líquido mudou para um vapor quando a curva de vapor saturado, em uma
pequena quantidade é adicionado ao refrigerante sob a forma de superaquecimento
(10 ° F).

Quando o refrigerante sai do evaporador no ponto C, ele contém cerca de 110 Btu / lb.
Esta é uma rede de refrigeração efeito de 61 Btu / lb (110 Btu / lb - 49 Btu / lb = 61 Btu
/ lb) do refrigerante circulado. O efeito líquido de refrigeração, NRE, é o mesmo que a
refrigeração utilizável, o calor extraído do espaço condicionado. Cerca de 10 mais Btu /
lb são absorvidos na linha de sucção antes de ter atingindo a entrada do compressor
no ponto D. Isto não é utilizável na efrigeração porque o calor não provém do espaço
condicionado, mas é o calor que deve ser bombeado pelo compressor e rejeitado pelo
condensador.

4. O refrigerante entra no compressor no ponto D e deixa o compressor no ponto E.


Não foi adicionado calor no compressor, exceto o calor de compressão, porque o
compressor é refrigerado a ar. Parte do calor de compressão conduzirá à cabeça do
compressor e será rejeitado para o ambiente. O refrigerante entra no cilindro do
compressor da linha de sucção. (A um compressor hermético com um motor
arrefecido por não enredo apenas como este. Não temos como saber quanto calor é
adicionado pelo motor, então não saberemos qual é a temperatura do gás de sucção
que entra, o cilindro do compressor seria para um refrigerado por sucção motor. Os
fabricantes obtêm seus próprios números usando termômetros internos durante o
teste.) Observe que a linha que representa o compressor está inclinada para cima e
para a direita. Isto indica que tanto o teor de calor, e pressão do refrigerante, está
aumentando.

5. A linha que representa o compressor é desenhada em paralelo para outro conjunto


de linhas no gráfico que são como linhas de entropia constante, Figura 3.47. Entropia,
no nosso caso, representa o processo de compressão e relação entre as características
do sistema de calor conteúdo, pressão absoluta e temperatura absoluta.

Estas linhas de entropia constante indicam que durante o processo de compressão, as


mudanças na pressão e temperatura são previsíveis. As unidades de entropia
constante são Btu / lb / ° R, onde ° R é uma temperatura absoluta (como mencionados
na Unidade 1 "Calor, Temperatura e Pressão").

6. O refrigerante sai do compressor no ponto E e contém cerca de 127 Btu / libra. No


ponto E, o refrigerante está agora na saída do compressor e viajando na linha de
descarga em direção ao condensador. Este condensador deve rejeitar 78 Btu / lb (127
Btu / lb - 49 Btu / lb = 78 Btu / lb), chamado de calor de rejeição. Lembre-se que o
condensador deve rejeitar todo o calor que é absorvido no evaporador e linha de
sucção, bem como o calor gerado e concentrado no compressor durante a compressão

Portanto, o calor de rejeição também é como o calor total de rejeição, THOR, porque o
condensador deve rejeitar todo o calor introduzido no sistema.

7. No ponto E também podemos determinar a temperatura da saída do compressor.


Podemos fazer isso olhando na posição do ponto em relação às linhas de temperatura
constante, que são os inclinados para baixo, linhas curvas no lado direito da curva de
saturação, Figura 3.49. A temperatura da descarga do gás é de cerca de 190 ° F (ver as
linhas de temperatura constante para temperatura de gás superaquecido). Quando o
gás quente deixa o compressor, contém o valor máximo de calor que deve ser
rejeitado pelo condensador.

8. O refrigerante entra no condensador no ponto E como um gás altamente


superaquecido. A temperatura de condensação do refrigerante é 130 ° F e o gás
quente que sai do compressor é 190 ° F, portanto, ele contém 60 ° F (190 ° F - 130 ° F =
60 ° F) de sobreaquecimento. O condensador irá primeiro reduzir o superaquecimento

Até à temperatura de condensação, que cai na linha de vapor saturado. (Este processo
é, mais uma vez, desuperaquecido). Em seguida, o condensador condensara o
refrigerante a um líquido a 130 ° F para reentrar no dispositivo de expansão no ponto
A, a linha do líquido saturado, para outra viagem ao redor do ciclo.

O ciclo do refrigerante no exemplo anterior pode ser melhorado removendo algum


calor do líquido condensado por sub-resfriamento. Isso pode ser visto na Figura 3.50,
uma escala no diagrama. As mesmas condições são utilizadas nesta figura como em
Figura 3.48, exceto que o líquido é sub-resfriado a 20 ° F (de 130 ° F temperatura de
condensação até 110 ° F líquido). O sistema então tem um efeito líquido de
refrigeração de 68 Btu / lb em vez de 61 Btu / lb.

Este é um aumento na capacidade de cerca de 11%. Observe que o líquido que sai da
válvula de expansão é apenas cerca de 23% de vapor em vez dos 30% de vapor no
primeiro exemplo. Observe também que o teor de calor na saída do dispositivo de
medição é de 42 Btu / lb, então a NRE de 68 Btu / lb foi determinada subtraindo o
conteúdo de calor de 42 Btu / lb na entrada do evaporador a partir do teor de calor de
110 Btu / lb na saída do evaporador (110 Btu / lb - 42 Btu / lb = 68 Btu / lb).

Este é um ganho de capacidade. Menos capacidade é perdida para flash gás, porque a
temperatura do líquido sub-resfriado a 110 ° F é agora um um pouco mais perto da
temperatura do evaporador de 40 ° F.

Outras condições podem ser traçadas na relação pressão / diagrama de entalpia.

Por exemplo, suponha que a pressão da cabeça é levantada devido a um condensador


sujo, Figura 3.51. Usando o primeiro exemplo, Figura 3.48, e aumentando a
temperatura de condensação a 140 ° F (337,2 psig ou 351,9 psia), vemos a
percentagem de líquido que sai da válvula de expansão para 64% (36% gás flash) com
um teor de calor de 53 Btu / lb.
Usando o mesmo teor de calor deixando o evaporador, 110 Btu / lb, temos um efeito
líquido de refrigeração de 57 Btu / lb.

Esta é uma redução líquida no efeito de refrigeração de cerca de 7% no exemplo


original, que continha 49 Btu / lb no Mesmo ponto. Isso mostra a importância de
manter os condensadores limpos.

A Figura 3.52 mostra como o superaquecimento aumentado no primeiro sistema na


Figura 3.48. A linha de sucção não foi isolada e absorve calor. O gás de sucção sai do
evaporador a 50 ° F e sobe a 75 ° F antes de entrar no compressor. Observe a alta
temperatura de descarga (cerca de 200 ° F). Isto está se aproximando da temperatura
que causará aquecimento no óleo e formar ácidos no sistema. A maioria dos
compressores não devem exceder 225 ° F. O compressor deve bombear mais
refrigerante para realizar a mesma refrigeração efeito, e o condensador deve rejeitar
mais calor.

R-12 tem sido o refrigerante mais popular para

Aplicações de média temperatura por muitos anos. De Meio Ambiente

Problemas causaram aos fabricantes a exploração de

Diferentes refrigerantes para substituir R-12, nomeadamente, R-134a,

R-22, e as misturas de refrigerantes mais recentes. R-134a tem um

Zero potencial de depleção de ozônio, mas tem compatibilidade com óleo

Problemas e não podem ser facilmente adaptados às

R-12 sistemas. R-134a também sofre em capacidade quando usado

Em aplicações de baixa temperatura. (Problemas ambientais serão abordados na


Unidade 9 "Química de Refrigerantes e Óleos recuperação, Reciclagem, Recuperação e
Retrofitting.")
Figura 3.48 Um ciclo de refrigeração traçado em
um gráfico de pressão / entalpia.

Figura 3.49 A temperatura de descarga do


compressor pode ser encontrada

Localizando o ponto E e sua relação com as


linhas de temperatura constante. o

A temperatura de descarga do compressor


mostrada aqui é 190 ° F.
Figura 3.50 A adição de sub-resfriamento aumenta o efeito líquido de refrigeração do
sistema.

Figura 3.51 Um aumento na pressão da cabeça do sistema resultará em uma redução


da capacidade do sistema.

Figura 3.52 Um aumento no superaquecimento resulta em um aumento na


temperatura de descarga do compressor.
A seguinte seqüência mostra como R-12 executa em uma típica aplicação de média
temperatura. Usaremos uma temperatura no evaporador de 20 ° F e uma temperatura
de condensação de 115 ° F. Esta
menor temperatura de
condensação é comum para
aplicações de média e baixa
temperatura.

Siga a descrição na ilustração da


Figura 3.53.

Figura 3.53 Um sistema de


refrigeração de temperatura média
mostrando temperaturas de
funcionamento e pressões.

Pressão / entalpia aparece na


Figura 3.54.

Figura 3.54 Um sistema de


refrigeração de média
temperatura R-12.

1. O líquido entra na válvula


de expansão no ponto A a
100 ° F.

Observe que o líquido é sub-


resfriado 15 ° F a 100 ° F,
Figura 3.54.

2. Líquido parcial e vapor


parcial saem da vávula de
expansão no ponto B (16% de
vapor e 84% de líquido). O
calor conteúdo por libra é de
31 Btu / lb.

3. O refrigerante de vapor
deixa o evaporador no ponto C com 10 ° de sobreaquecimento e um teor de calor de
82 Btu / lb. Note que o efeito líquido de refrigeração é de 51 Btu / lb (82 - 31 = 51).

4. O refrigerante entra no compressor no ponto D em uma temperatura de 50 ° F. O


refrigerante tem um total de 30 °F de superaquecimento, incluindo o que foi recolhido
no evaporador e a linha de sucção. O teor de calor na entrada do compressor é 84 Btu
/ lb. Isso significa que, na linha de sucção, cada quilo de picos de refrigerante acima de
2 Btu / lb (84 Btu / lb - 82 Btu / lb) que devem ser posteriormente rejeitado pelo
condensador.

5. O refrigerante é comprimido ao longo da linha entre pontos D e E, onde deixa o


compressor a uma temperatura de 160 ° F. Observe a temperatura de descarga mais
baixa de 160 ° F, que é devido ao funcionamento em uma cabeça inferior
(Condensação), causando o calor de compressão para ser abaixado. Isto é conseguido
com condensador.

6. O refrigerante é então desuperaquecido do ponto E para o linha de vapor saturado.


Uma vez que o refrigerante é descarregado do compressor a uma temperatura de 160
° F e começam a
condensar a uma
temperatura de 115 °
F, o refrigerante deve
ser desuperaquecido a
45 ° F (160 ° F - 115 °
F).

7. O refrigerante é
gradualmente
condensado a partir
da linha de vapor
saturado para a linha
de líquido saturado

115 ° F. Observe que


enquanto seguimos a linha do ponto E (A saída do compressor) até ao ponto A (a
entrada do dispositivo de medição), estamos nos movendo da direita para a esquerda.
A mudança nessa direção reflete o fato de que o teor de calor do refrigerante está
diminuindo. Isto é consistente com a operação do condensador, que é o componente
do sistema que é responsável por rejeitar o calor do sistema.

8. O líquido é agora sub-arrefecido a partir da linha do líquido saturado para o ponto A.


O processo então se repete.

Segue-se um exemplo do mesmo sistema utilizando R-22, para aplicações de média


temperatura. Siga a descrição na Figura 3.55 e compará-lo com o exemplo anterior.

Figura 3.55 Um sistema de refrigeração de média temperatura R-22.

1. O refrigerante entra na válvula de expansão no ponto A 100 ° F, sub-arrefecido a 15


° F da temperatura de condensação de 115 ° F, tal como no exemplo para R-12.

2. O refrigerante deixa a válvula de expansão no ponto A com 28% de vapor e 72% de


líquido com um teor de calor de 38 Btu / lb. Ele então viaja através do evaporador.
3. O refrigerante deixa o evaporador no ponto C na linha de vapor com 10 ° de
sobreaquecimento, um teor de calor de 108 Btu / lb, e um efeito líquido de
refrigeração de 70 Btu / lb.

4. O vapor de refrigerante entra no compressor no ponto D 57 ° F, contendo 37 ° de


superaquecimento. O teor de calor em A entrada do compressor, ponto D, é de 113
Btu / lb.

5. O vapor refrigerante é comprimido na linha de D para E e deixa o compressor no


ponto E a uma temperatura de cerca de 180 ° F. Este é 20 ° F maior do que a
temperatura para condições semelhantes para R-12 e é uma das principais diferenças
nos refrigerantes: R-22, tem uma temperatura de descarga muito maior do que R-12.

À medida que a temperatura de condensação de aplicação maior, a temperatura sobe.


Em algum momento, o técnico deve decidir usar um refrigerante diferente ou alterar a
aplicação.

6. O teor de calor na saída do compressor, ponto E, é de 136 Btu / lb. Uma vez que o
refrigerante entra no compressor com um teor de calor de 113 Btu / lb, a quantidade
de calor adicionada ao refrigerante durante o processo de compressão é de 23 Btu / lb
(136 Btu / lb - 113 Btu / lb). Isto é referido como o calor de compressão (HOC) para o
compressor.

7. Foram adicionados 5 Btu / lb adicionais ao refrigerante em A linha de sucção (113


Btu / lb - 108 Btu / lb). Este adicional de Calor é referido como superaquecimento da
linha de sucção e tem um efeito negativo no desempenho e na eficiência do sistema.

Quanto menor o superaquecimento da linha de sucção, melhor a eficiência do


sistema.

R-134a, um refrigerante de substituição para R-12, Na tabela pressão / entalpia como


se segue. Use a Figura 3.56 Para seguir este exemplo.

Figura 3.56 Um
diagrama de
pressão/entalpi
a R-134a.
1. O refrigerante entra na válvula de expansão no ponto A 105 ° F, sub-arrefecido 10 °
a partir de 115 ° F.

2. O refrigerante deixa a válvula de expansão no ponto B com um teor de calor de 47


Btu / lb. A qualidade é de 33% de vapor com 67% de líquido. Ele então viaja através do
evaporador.

3. O refrigerante de vapor deixa o evaporador no ponto C com um teor de calor de 109


Btu / lb e uma refrigeração líquida efeito de 62 Btu / lb (109 - 47 = 62).

4. O refrigerante entra no compressor no ponto D com um superaquecimento de 40 ° e


um teor de calor de 114 Btu / lb. O vapor é comprimido ao longo da linha de D para E.
Nota: A temperatura de descarga mais baixa de 160 ° F.

5. O refrigerante sai do compressor no ponto E com um calor de 130 Btu / lb. O HOC
para este sistema é 16 Btu / lb.

6. O refrigerante é então desuperaquecido a 45 ° F do ponto E para a linha de vapor


saturado.

7. O refrigerante é gradualmente condensado a partir do saturada para a linha de


líquido saturado a 115 ° F. este é o calor latente da condensação sendo rejeitado.
8. O líquido saturado é agora sub-resfriado da linha de líquido saturado até ao ponto A.
Ele é sub-resfriado 10 ° (115 ° F - 105 ° F) até que ele entra no dispositivo de medição
em 105 ° F. O processo então se repete.

Outra comparação de refrigerantes pode ser feita usando baixa temperatura como
aplicação. Aqui vamos ver muito maiores temperaturas de descarga e ver por que
algumas decisões sobre vários refrigerantes são feitos. Usaremos um método de
temperatura de 115 ° F e uma temperatura do evaporador de 220 ° F e comparar R-12
a R-502, depois a R-22.

A Figura 3.57 mostra uma refrigeração R-12 de baixa temperatura em um gráfico de


pressão / entalpia. Siga o exemplo abaixo.

1. O refrigerante entra na válvula de expansão no ponto A em 105 ° F, sub-arrefecido


10 ° a partir de 115 ° F.

2. O refrigerante deixa a válvula de expansão no ponto B a 220 ° F para ser fervida até
um vapor no evaporador.

NOTA: A pressão para R-12 a ferver a 220 ° F é 0,6 psig, muito perto da pressão
atmosférica. Se o ponto de ebulição estiver na parte inferior, o lado baixo do sistema
estaria no vácuo.

Esta é uma das desvantagens de R-12 e R-134a como refrigerantes para aplicações de
baixa temperatura. Para este sistema manter uma temperatura ambiente de cerca de
0 ° F, a bobina A temperatura pode ser de apenas 20 ° F abaixo da temperatura do ar
de retorno (Temperatura de 0 ° F ou temperatura do ar de retorno 220 ° F temperatura

Diferença = 220 ° F temperatura da bobina), Figura 3.58.

Figura 3.58 O refrigerante está fervendo a 220 ° F. A temperatura do ar ambiente é 0 °


F.
Se o Termóstato deve ser girado para baixo, a pressão baixa lado do sistema seria no
vácuo. •

NOTA: A percentagem de mistura de líquido para vapor é diferente para aplicações de


baixa temperatura que para temperaturas médias.

Neste exemplo, temos 39% de vapor e 61% líquido que sai da válvula de expansão. A
diferença é que gás extra-flash é necessário para baixar o líquido a temperatura mais
baixa de 220 ° F. •

O teor de calor do refrigerante na entrada do evaporador é de 32 Btu / lb.

3. No ponto C, o refrigerante deixa o evaporador no vapor a uma temperatura de -10 °


F, com 10 ° de sobreaquecimento e um teor de calor de 76 Btu / lb. A NRE para este
evaporador é de 44 Btu / lb.

4. O refrigerante de vapor entra no compressor no ponto D com 30 ° de


sobreaquecimento a uma temperatura de 10 ° F e é comprimido ao longo da linha até
ao ponto E. O teor de calor no ponto D é de 78 Btu / lb.

5. Observe que a temperatura de descarga é de apenas 170 ° F, uma temperatura de


descarga muito fria. O refrigerante deixa o compressor no ponto E com um teor de
calor de 98 Btu / lb. O refrigerante é então desuperaquecido a 55 ° F desde o ponto E
até à linha de vapor saturado. É deixado como um exercício para confirmar que o HOC
para este sistema é 20 Btu / lb.

6. O refrigerante é gradualmente condensado a partir da linha de saturado para a linha


de líquido saturado a 115 ° F.

Este é o calor latente da condensação sendo rejeitado.

7. O líquido saturado é agora sub-resfriado da linha de líquido saturado até ao ponto A.


Ele é sub-resfriado 10 ° (115 ° F - 105 ° F) até que ele entra no dispositivo de medição A
105 ° F. O processo então
se repete.

O R-502 foi usado em


muitas aplicações de baixa
temperatura para evitar
que o sistema funcione no
vácuo No lado de baixa
pressão. Siga as mesmas
condições usando R-502
na Figura 3.59.
1. O refrigerante entra na válvula de expansão a 105 ° F, sub-resfriado de 115 ° F e 48%
de vapor, 52% de líquido. O calor é de 38 Btu / lb.

2. O vapor restante é evaporado e 10 ° de superaquecimento é adicionado pelo tempo


que o vapor chega ao ponto C. O calor conteúdo sobe para 78 Btu / lb, e o NRE é de 40
Btu / lb.

3. O vapor entra no compressor no ponto D e é comprimido para o ponto E, onde o


vapor sai do compressor a 160 ° F.

4. O refrigerante é então desuperaquecido, condensado e sub-arrefecida dos pontos E


a A.

5. Observe que a pressão de sucção é de 15,3 psig (30 psia) R-502 enquanto ferve a
220 ° F. O R-502 não entrará em vácuo até a temperatura ser 250 ° F. Por causa disso

R-502 é muito bom para aplicações de baixa temperatura. Isto tem também uma
temperatura de gás de descarga muito aceitável.

Como um exercício, verifique o seguinte:

• O teor de calor na entrada do compressor é de 80 Btu / lb.

• O teor de calor na saída do compressor é de 98 Btu / lb.

• O calor de compressão, HOC, é de 18 Btu / lb.

R-22 está sendo usado para muitas aplicações de baixa temperatura

Porque R-502 foi eliminado devido ao CFC / emissão de ozônio. R-22 tem o problema
da alta descarga temperatura do gás. A Figura 3.60 mostra um gráfico da aplicação de
baixa temperatura acima usando R-22. Use a seguinte sequência:
1. O refrigerante entra na válvula de expansão no ponto A a 105 ° F, sub-arrefecida a
partir de 115 ° F, tal como no precedente problema. Na entrada do evaporador, o
refrigerante tem um teor de calor de 40 Btu / lb. O refrigerante deixa o evaporador no
ponto C com um teor de calor de 104 Btu / lb. A temperatura na saída do evaporador é
210 ° F, então o evaporador está operando com 10 ° de sobreaquecimento. O NRE para
este evaporador é de 64 Btu / lb (104 Btu / lb 2 40 Btu / lb).

2. O refrigerante é evaporado até um vapor a 220 ° F e entra no compressor no ponto


D a uma temperatura de 20 ° F. Observe que R-22 ferve a 10,1 psig a 220 ° F. Isto é em
uma pressão positiva. Os evaporadores que utilizam R-22 podem ser operado até 241 °
F antes da pressão de sucção vai para o vácuo. O teor de calor na entrada do
compressor é de 110 Btu / lb.

3. O vapor é comprimido ao longo da linha D até E, onde deixa o compressor no ponto


E a uma temperatura de 240 ° F. Lembre-se, R-12 teve uma temperatura de descarga
de 170 ° F sob as mesmas condições e R-502 tinha uma temperatura de descarga de
160 ° F. R-22 é muito mais quente.

Uma temperatura de descarga de 240 ° F pode ser mas está perto de ser muito alto.
Qualquer aumento na descarga de temperatura ambiente devido a um condensador
sujo, pode trazer problemas ao sistema. O teor de calor na saída do compressor é de
138 Btu / lb eo HOC é de 28 Btu / lb.

4. O vapor deixa o compressor no ponto E, onde

É desuperaquecido, condensado e sub-resfriado para o ponto A.

Como mencionado anteriormente nesta unidade, o R-22 foi eliminado gradualmente


em novos equipamentos em 2010, e a produção total será em 2020. Um refrigerante
de substituição a longo prazo para R-22 em equipamento novo é R-410A. A Figura 3.61
Mostra um sistema de ar condicionado representado numa escala de pressão /
entalpia incorporando o R-410A como refrigerante. O sistema é um sistema de ar
condicionado de alta eficiência que opera com uma temperatura de evaporação de 45
° F (130 psig) e uma temperatura de 115 ° F (390 psig) de temperatura de
condensação. Observe as pressões mais altas associado ao R-410A em comparação
com um sistema R-22.

Para obter informações mais detalhadas sobre refrigerantes, unidade 9, "Química e


Gestão de Refrigerantes e Óleos - Recuperação, Reciclagem, Recuperação e
Retrofitting. " siga os passos abaixo.

1. O refrigerante entra na válvula de expansão no ponto A a 105 ° F, sub-arrefecida a


10 ° F a partir da condensação de 115 ° F temperatura.

2. O refrigerante deixa a válvula de expansão no ponto B 45 ° F (27% de vapor e 73%


de líquido) para ser totalmente evaporado no evaporador. Como o R-410A possui um
pequena temperatura (0,3 ° F), a temperatura desliza pode ser ignorada na maioria das
aplicações de ar-condicionado envolvendo relações pressão / temperatura.

3. No ponto C, o refrigerante deixa o evaporador 100% de vapor com 10 ° F de


superaquecimento do evaporador e uma temperatura de 55 ° F. A diferença de
entalpia entre ponto B eo ponto C é o efeito líquido de refrigeração.

4. O vapor superaquecido entra agora no compressor ponto D com 30 ° F de


sobreaquecimento total ea uma temperatura de 75 ° F. O vapor superaquecido é agora
comprimido a 180 ° F ao longo da linha até ao ponto E.

5. O vapor superaquecido deixa o compressor em ponto E. O refrigerante está agora


desaquecido ponto E até à linha de vapor saturado.

6. O refrigerante agora saturado é gradualmente condensado desde a linha de vapor


saturado até à linha de líquido saturado a 115 ° F. Isto é referido como rejeição do
calor latente de condensação.

7. O líquido saturado é agora sub-resfriado 10 ° F (115 ° F -105 ° F) da linha de líquido


saturado até ao ponto A, onde ele entra no dispositivo de medição a 105 ° F. O
processo então repete-se.

Como mencionado anteriormente, o R-502 foi usado em aplicações de refrigeração de


média e baixa temperatura.

Sua manufatura foi proibida em 1996. R-502 é um azeotropic mistura de refrigerante


sem deslizamento de temperatura e comporta-se como um composto puro. R-404A é
o seu longo prazo refrigerante de substituição e tem um pressão do que R-502. A
Figura 3.62
mostra uma temperatura baixa sistema de refrigeração plotado em um gráfico de
pressão / entalpia incorporando R-404A como refrigerante. O sistema é um

Congelador operando com uma temperatura de evaporação de 220 ° F (16,7 psig) e


uma condensação de 115 ° F (290 psig) temperatura.

Siga a seqüência abaixo.

1. O refrigerante entra na válvula de expansão no ponto A a 105 ° F, sub-arrefecida a


10 ° F a partir da condensação de 115 ° F temperatura.

2. O refrigerante deixa a válvula de expansão no ponto B a 220 ° F (55% de vapor e 45%


de líquido) para ser totalmente evaporado no evaporador. No ponto C, o refrigerante
deixa o evaporador como 100% de vapor com 10 ° F de superaquecimento do
evaporador e a uma temperatura de 210 ° F. a diferença de entalpia entre o ponto B e
o ponto C é o efeito líquido de refrigeração.

3. O vapor sobreaquecido entra no compressor no ponto D com 30 ° F de


sobreaquecimento total e a uma temperatura de 10 ° F. O vapor sobreaquecido é
agora comprimido 170 ° F ao longo da linha até ao ponto E.

4. O vapor superaquecido deixa o compressor em ponto E. O refrigerante está agora


desaquecido ponto E até à linha de vapor saturado.

5. O refrigerante agora saturado é gradualmente condensado desde a linha de vapor


saturado até à linha de líquido saturado a 115 ° F. Isto é referido como rejeição do
calor latente de condensação.
6. O líquido saturado é sub-resfriado 10 ° F (115 ° F - 105 ° F) da linha de líquido
saturado até ao ponto A, onde o dispositivo de medição a 105 ° F. O processo repete.

Os diagramas de pressão / entalpia são úteis para várias condições em torno do


sistema de ciclo de refrigerante. Eles são parcialmente construídos a partir de
propriedades mostradas no refrigerante...

Tabelas. A Figura 3.63

é uma página de uma tabela típica para R-22.


A coluna 1 é a temperatura correspondente à pressão para a temperatura de
saturação.

Coluna 5 listas

O volume específico para o refrigerante de vapor saturado em pés por libra. Por
exemplo, a 60 ° F, o compressor deve bomba 0,4727 ft3 de refrigerante para circular 1
lb de refrigerante no sistema. O volume específico, juntamente com a refrigeração
líquida ajuda o engenheiro a determinar a capacidade de bombeamento. O exemplo
na Figura 3.48 usando R-22 teve um efeito líquido de refrigeração de 61 Btu / lb de
refrigeração circulado.

Se houver um sistema necessário para fazer circular absorver 36.000 Btu / h (3


toneladas de refrigeração), seria necessário para circular 590,2 lb de refrigerante por
hora (36.000 Btu / h dividido por 61 Btu / lb = 590,2 lb / h). Se o refrigerante entrar no

Compressor a 60 ° F, o compressor deve mover-se para 275 ft3 de refrigerante por


hora (590,2 lb / h X 0,46523 ft3 / lb = 275 ft3 / h). (Há um pequeno erro neste cálculo
porque o 0,46523 ft3 / h é para refrigerante saturado e o vapor é superaquecido
entrando no compressor. As mesas de superaquecimento são disponível, mas só
complicará este cálculo e o erro é bastante pequeno.) Muitos compressores são
classificados em pés cúbicos por minuto, então este compressor precisaria bombear
4,58 ft3 / min (275 ft3 / h / 60 min / h = 4,58 ft3 / min).

A parte da densidade da tabela diz ao engenheiro a quantidade específica de


refrigerante líquido Pesar à temperatura nominal. Por exemplo, 1 ft3 de R-22 pesa
76,773 lb quando a temperatura do líquido é 60 ° F. Isso é importante para determinar
o peso do refrigerante em componentes, tais como evaporadores, condensadores e
receptores.

A porção de entalpia da tabela (calor total) calor do líquido e do vapor e a quantidade


de calor latente necessário para ferver 1 lb de líquido para um vapor. Para exemplo, a
60 ° F, o refrigerante líquido saturado 27.172 Btu / lb comparado com 0 Btu / lb a 240 °
F. isto exigiria 82,54 Btu / lb para ferver 1 lb de 60 ° F saturado líquido para um vapor.
O vapor saturado conteria então 109,712 Btu / lb de calor total (27,172 + 82,54 =
109,712).

A coluna de entropia não tem valor prático, exceto no gráfico de pressão / entalpia,
onde é usado para plotar o compressor descarga.

Esses gráficos e tabelas não são normalmente usados no campo para resolução de
problemas, mas destinam-se na concepção de equipamentos. Eles, no entanto,
ajudam o técnico compreender os refrigerantes e o ciclo do refrigerante.

Diferentes refrigerantes têm temperatura / pressão diferentes relacionamentos e


entalpia. Todos estes devem ser considerado pelo engenheiro ao escolher o
refrigerante correto para uma aplicação específica. Um estudo completo de cada
refrigerante e como ele se compara a todos os outros refrigerantes é Útil, mas você
não precisa entender para executar com êxito no campo. Um estudo completo e a
comparação está além do escopo deste livro.
3.21 PLOTANDO O REFRIGERANTE CICLO PARA MISTURAS COM
TEMPERATURA ATENÇÃO GLIDE (MISTURAS ZEOTRÓPICAS)
O deslizamento de temperatura ocorre quando a mistura de refrigerantes muitas
temperaturas à medida que se evapora ou se condensa pressão. O diagrama pressão /
entalpia para refrigerantes com o deslize da temperatura difere daquele para
refrigerantes que não têm deslizamento de temperatura. A Figura 3.64

ilustra

Um diagrama esquelético de pressão / entalpia para uma mistura de refrigerante


Com deslizamento de temperatura. Observe que as linhas de constante temperatura
(isotermas) não são horizontais, mas estão para baixo, à medida que viajam de líquido
saturado para vapor. Como você seguir as linhas de pressão constante (isobares)

Em frente do líquido saturado para o vapor saturado, mais de uma isoterma será
intersectada. Assim, para uma pressão (evaporação ou condensação), haverá gama de
temperaturas associadas - uma temperatura deslizar. Para exemplo, na Figura 3.64,
para uma pressão constante de 130 psia, o deslizamento de temperatura é 10 ° F (70 °
F - 60 ° F). A isobar de 130 psia intercepta as isobares de 60 ° F e 70 ° F, uma vez que
viaja de um líquido saturado a um vapor saturado.

A Figura 3.65 ilustra uma pressão / entalpia real diagrama para refrigerante R-407C,
um refrigerante zeotrópico com propriedades muito semelhantes às do R-22 em
equipamentos de ar condicionado. É uma mistura de R-32, R-125, e R-134a com um
deslizamento de temperatura bastante grande (10 ° F) nas gamas de aplicações de ar
condicionado. Observe a isotérmicas inclinadas para baixo da esquerda para a direita,

Deslizamento de temperatura.

Os termos misturas quase-azeotrópicas e misturas zeotrópicas são usados


indistintamente no setor HVAC / R porque ambos denotam deslizamento de
temperatura e fracionamento.

No entanto, os zeotrópicos têm uma misturas quase azeotrópicas. Consulte a Unidade


9 para obter informações mais aprofundadas sobre refrigerantes, misturas de
deslizamento e fracionamento.

Métodos de carregamento para refrigerante as misturas serão cobertas na Unidade


10, "Cobrança do Sistema".

PRECAUÇÃO DE SEGURANÇA: Todos os refrigerantes que foram discutidos este texto


são armazenados em recipientes pressurizados a ser manuseados com cuidado.
Consulte o seu instrutor ou supervisor o uso e manuseio desses refrigerantes. Óculos e
luvas devem ser usados durante a transferência dos refrigerantesdos recipiente para o
sistema.

SUMÁRIO

• O crescimento bacteriano que provoca a deterioração dos alimentos diminui


temperaturas.

• Refrigeração de produtos a temperaturas acima de 45 ° F e abaixo da temperatura


ambiente é considerado de alta temperatura refrigeração.

• Refrigeração de produtos a temperaturas entre 35 ° F e 45 ° F é considerado


refrigeração de média temperatura.

• Refrigeração de produtos a temperaturas de 0 ° F a 210 ° F é considerado


refrigeração de baixa temperatura.
• Refrigeração é o processo de remoção de calor de um lugar onde não é desejado e
transferindo-o para um local onde faz pouca ou nenhuma diferença.

• Uma tonelada de refrigeração é a quantidade de calor necessária para derreter 1


tonelada de gelo num período de 24 horas. Leva 288.000 Btu para derreter 1 tonelada
de gelo num período de 24 horas, ou 12.000 Btu em 1 h, ou 200 Btu em 1 min.

• A relação entre a pressão de vapor e o ponto de ebulição temperatura do ponto é


chamada relação de temperatura / pressão.

• Um compressor pode ser considerado uma bomba de vapor. Diminui a pressão no


evaporador para a temperatura desejada e aumenta a pressão no condensador até um
nível onde o vapor pode ser condensado para um líquido.

• O refrigerante líquido se move do condensador para o dispositivo medidor, onde


entra novamente no evaporador.

• Os refrigerantes têm uma composição química definida e normalmente designado


com um "R" e um número para campo de identificação.

• Um refrigerante deve ser seguro, detectável, ambientalmente ter um baixo ponto de


ebulição, e têm bom bombeamento características.

• Os cilindros refrigerantes são codificados por cores para indicar o refrigerante que
contêm.

• Os refrigerantes devem ser recuperados ou armazenados enquanto o sistema está


sendo mantido em serviço e, em seguida, reciclado, se apropriado, ou enviado para
um fabricante para ser recuperado.

• Os diagramas de pressão / entalpia podem ser usados para ciclos.

PERGUNTAS DE REVISÃO

1. Nomeie três razões pelas quais o gelo derrete em uma geladeira:

_________, _________, _________.

2. Quais são as faixas de temperatura aproximadas para refrigeração de baixa, média e


alta temperatura aplicações?

3. Uma tonelada de refrigeração é

A. 1200 Btu.

B. 12.000 Btu / h.

C. 120.000 Btu.

D. 120 000 Btu / h.

4. Descreva brevemente o ciclo básico de refrigeração.

5. Qual é a relação entre a pressão e o ponto de ebulição ponto de líquidos?


6. Qual é a função do evaporador em refrigeração ou sistema de ar condicionado?

7. O que o compressor faz na refrigeração sistema?

8. Defina um vapor superaquecido.

9. A pressão de evaporação é de 76 psig para R-22 e a temperatura de saída do


evaporador é 58 ° F. O que é o evaporador superaquecimento para este sistema?

A. 13 ° F

B. 74 ° F

C. 18 ° F

D. 17 ° F

10. Se a pressão de evaporação fosse de 76 psig para R-22 e a temperatura de entrada


do compressor foi de 65 ° F, o que seria o superaquecimento total que entra no
compressor?

A 11 ° F

B. 21 ° F

C. 10 ° F

D. 20 ° F

11. Definir o termo líquido sub-resfriado.

12. A pressão de condensação é de 260 psig e o condensador a temperatura de saída é


de 108 ° F para R-22. Por quantos graus é o líquido sub-arrefecido no condensador?

A. 12 ° F

B. 42 ° F

C. 7 ° F

D. 14 ° F

13. A pressão de condensação é de 260 psig ea medição temperatura de entrada do


dispositivo é 100 ° F para R-22. O que é

Sub-resfriamento total neste sistema?

A. 15 ° F

B. 20 ° F

C. 25 ° F

D. 30 ° F
14. O que significa um líquido saturado e vapor?

15. O que se entende por dessuperaquecimento de um vapor?

16. O que acontece com o refrigerante no condensador?

17. O que acontece com o calor do refrigerante no condensador?

18. O dispositivo de medição

A. acciona o compressor.

B. controla o sub-resfriamento.

C. armazena refrigerante.

D. mede refrigerante.

19. O que é expansão adiabática?

20. Descreva o gás instantâneo e diga como ele afeta o sistema capacidade.

21. Qualidade significa _______ quando se refere a um refrigerante.

22. Descreva a diferença entre um compressor alternativo e um compressor rotativo.

23. Liste os códigos de cor do cilindro para R-12, R-22, R-502,

R-134a, R-11, R-401A, R-402B, R-410A, R-404A e

R-407C.

24. Defina a entalpia.

25. Definir um refrigerante composto puro e dar dois exemplos.

26. Definir o efeito líquido de refrigeração, tal como se aplica ao ciclo.

27. Defina o calor de compressão e explique como é computado.

28. Defina gás instantâneo e explique como se aplica à rede refrigeração do ciclo de
refrigeração.

29. Defina o deslize da temperatura como pertence a um refrigerante mistura.

30. Definir uma mistura de refrigerante zeotrópico e dar um exemplo.

31. Definir uma mistura de refrigerante quase azeotrópico, e dar dois exemplos.