Você está na página 1de 24

Mecanismos de defesa imunológicos (inata e adquirida) e mecanismos de defesa de barreira

Existem dois sistemas:

1) as defesas inatas (inespecíficas), que protegem contra os micro-organismos em geral;

2) a imunidade adquirida (específica), que protege contra um micro-organismo em particular.

As defesas inatas é classificada em três principais:

(1) barreiras físicas, como a pele e as membranas mucosas intactas;

(2) células fagocitárias, como neutrófilos, macrófagos e células natural killer;

(3) proteínas, como o complemento,a lisozima e o interferon.

As defesas adquiridas são mediadas por anticorpos e linfócitos T.

Há dois principais tipos de defesas do hospedeiro contra as bactérias: a resposta piogênica e a


resposta granulomatosa. A defesa contra certas bactérias, como Staphylococcus aureus e
Streptococcus pyogenes, corresponde à resposta piogênica (produtora de pus), que consiste em
anticorpos, complemento e neutrófilos. Essas bactérias piogênicas são frequentemente
denominadas “patógenos extracelulares”, uma vez que não invadem as células. A defesa contra
outras bactérias, como Mycobacterium tuberculosis e Listeria monocytogenes, corresponde à
resposta granulomatosa, que consiste em macrófagos e células T CD4-positivas (auxiliares). Essas
bactérias frequentemente são denominadas “patógenos intracelulares”, uma vez que podem
invadir células e sobreviver no interior delas.

ESPECIFICIDADE DA RESPOSTA IMUNE

O processo pelo qual essas defesas do hospedeiro são originadas pode ser resumido por três
ações: o reconhecimento do organismo exógeno por células imunes específicas, a ativação
dessas células imunes de modo a produzirem uma resposta específica (p. ex., anticorpos) e a
resposta especificamente direcionada ao organismo a ser destruído.

1. Imunidade mediada por células

Uma bactéria penetra no corpo e é ingerida por um macrófago. A bactéria é destruída e alguns
fragmentos seus, denominados antígenos ou epitopos, surgem na superfície do macrófago
associados a proteínas do complexo principal de histocompatibilidade (MHC, do inglês, major
histocompatibility complex) de classe II. O complexo antígeno-proteína do MHC de classe II
interage com um receptor antígeno-específico na superfície de um linfócito T auxiliar. A ativação
e proliferação clonal desta célula T auxiliar antígeno- específica ocorre como resultado da
produção de interleucinas, das quais as mais importantes são interleucina-1 (produzida por
macrófagos) e interleucina-2 (produzida por linfócitos). Essas células T auxiliares ativadas,
auxiliadas por macrófagos ativados, medeiam um importante componente da imunidade celular,
isto é, uma reação de hipersensibilidade tardia especificamente contra a bactéria.
Os linfócitos T citotóxicos (citolíticos) são também efetores específicos da resposta imune celular,
particularmente contra células infectadas por vírus. Um vírus, por exemplo, influenzavírus, é
inalado e infecta uma célula do trato respiratório. As glicoproteínas do envelope viral surgem na
superfície da célula infectada associadas às proteínas do MHC de classe I. Uma célula T citotóxica
liga-se por meio de seu receptor antígeno-específico ao complexo antígeno viral-proteína do
MHC de classe I, sendo estimulada pela interleucina-2 produzida por células T auxiliares a
crescer, originando um clone de células. Essas células T citotóxicas matam especificamente
células infectadas por influenzavírus (e não células infectadas por outros vírus) por
reconhecerem os complexos antígeno viral-proteína do MHC de classe I na superfície celular e
liberarem perforinas que destroem a membrana da célula infectada.

2. Imunidade mediada por anticorpos

A síntese de anticorpos envolve tipicamente a cooperação de três células: macrófagos, células T


auxiliares e células B. Após o processamento por um macrófago, os fragmentos do antígeno
surgem na superfície do macrófago associados a proteínas do MHC de classe II. O complexo
antígeno-proteína do MHC de classe II liga-se a receptores específicos na superfície de uma
célula T auxiliar, que, então, produz interleucinas, como a interleucina-2 (fator de crescimento de
células T), interleucina-4 (fator de crescimento de células B) e interleucina-5 (fator de
diferenciação de células B). Esses fatores ativam células B capazes de produzir anticorpos
específicos contra aquele antígeno. A célula B ativada prolifera e diferencia-se, originando vários
plasmócitos, que secretam grandes quantidades de imunoglobulinas (anticorpos).

Certos antígenos, por exemplo, polissacarídeos bacterianos, podem ativar diretamente as células
B,
sem o auxílio de células T, sendo denominados antígenos independentes de células T. Nessa
resposta independente de células T, apenas IgM é produzida pelas células B, uma vez que são
necessárias as interleucinas 4 e 5 produzidas pela célula T auxiliar a fim de que a célula B realize
uma “mudança de classe” para produzir IgG, IgA e IgE.

A especificidade da resposta é conferida pelo receptor do antígeno (receptor de célula T [TCR, do


inglês, T-cell rereceptor]) na superfície da célula T CD4-positiva e da célula T CD8-positiva, assim
como pelo receptor de antígeno (IgM) na superfície da célula B. As interleucinas, ao contrário,
são
inespecíficas.

As células B podem desempenhar duas funções importantes durante o processo de indução: (1)
reconhecem antígenos por meio de sua IgM de superfície, que atua como receptor de antígeno e
(2) apresentam epitopos às células T auxiliares em associação às proteínas do MHC de classe II.
O receptor de antígeno IgM na célula B pode reconhecer proteínas exógenas, bem como
carboidratos, lipídeos, DNA, RNA e outros tipos de moléculas. As proteínas do MHC de classe II
da célula B, no entanto, podem apenas apresentar fragmentos de peptídeos às células T
auxiliares. Essa extraordinária capacidade de o receptor de antígeno IgM da célula B ligar-se a
um amplo espectro de moléculas resulta na ativação de células B para produzirem anticorpos
contra virtualmente qualquer molécula conhecida.

1. IMUNIDADE INATA
A imunidade inata é a resistência que existe antes da exposição ao micróbio (antígeno). É
inespecífica e inclui defesas do hospedeiro, como as barreiras contra agentes infecciosos (pele e
membranas mucosas), determinadas células (células natural killer), certas proteínas (a cascata
do complemento e interferons), além de envolver processos como a fagocitose e inflamação. A
imunidade inata não é aumentada após a exposição ao organismo, contrariamente à imunidade
adquirida. Além disso, os processos imunes inatos não possuem memória, enquanto a
imunidade adquirida é caracterizada por memória de longa duração.

O ramo inato tem duas funções principais: a morte de micróbios invasores e a ativação de
processos imunes adquiridos (adaptativos). Alguns componentes do ramo inato, como
neutrófilos, somente matam micróbios, enquanto outros, como macrófagos e células
dendríticas, realizam ambas as funções, isto é, matam micróbios e apresentam antígenos às
células T auxiliares, ativando os processos imunes adquiridos.

A imunidade inata não é suficiente para a sobrevivência humana.

Diversos componentes do ramo inato reconhecem o que é exógeno pela detecção de certos
carboidratos ou lipídeos da superfície de micro-organismos, os quais são diferentes daqueles de
células humanas. Componentes do ramo inato possuem receptores denominados receptores de
reconhecimento de padrão que reconhecem um padrão molecular presente na superfície de
diversos micróbios e – muito importante – ausentes em células humanas. Uma resposta humoral
(mediada por anticorpos) é produzida contra um tipo dentre várias bactérias, enquanto uma
resposta mediada por células ocorre em resposta a um tipo diferente, dentre as bactérias. O
processo que determina o tipo de resposta depende das citocinas produzidas pelos macrófagos,
e isto, por sua vez, depende de qual “receptor de reconhecimento de padrão” é ativado pelo
organismo.

Dois exemplos importantes desse reconhecimento de padrão são:

(1) A endotoxina é um lipopolissacarídeo (LPS) encontrado na superfície da maioria das bactérias


gram-negativas (mas não em células humanas). A porção contendo o lipídeo A do LPS é a causa
mais importante de choque séptico e morte em pacientes hospitalizados. Quando liberado da
superfície bacteriana, o LPS combina-se com a proteína de ligação ao LPS, um componente
normal do plasma. Essa proteína de ligação transfere o LPS a um receptor na superfície de
macrófagos, denominado CD14. O LPS estimula um receptor de reconhecimento de padrão,
denominado receptor 4 semelhante ao Toll (TLR4, do inglês, toll-like receptor 4), que transmite
um sinal, por meio de vários intermediários, ao núcleo da célula. Isso induz a produção de
citocinas, como IL-1, IL-6, IL-8 e fator de necrose tumoral (TNF), e induz a proteína
coestimulatória, B7, necessária à ativação células T auxiliares e produção de anticorpos. Um
receptor do tipo Toll distinto, TLR2, sinaliza a presença de bactérias gram-positivas e leveduras,
uma vez que estas possuem um padrão molecular distinto em sua superfície. Fármacos que
modificam a ação destes receptores do tipo Toll podem ser importantes na prevenção do choque
séptico mediado por endotoxina, uma das principais causas de óbito em pacientes
hospitalizados.

(2) Diversas bactérias e leveduras possuem em sua superfície um polissacarídeo denominado


manana, o qual não é encontrado em células humanas. (Manana é um polímero do açúcar
manose.) Um receptor de reconhecimento de padrão, denominado lectina de ligação à manana
(MBL, do inglês, mannan-binding lectin) (também referido como proteína de ligação à manose)
liga-se à manana na superfície dos micróbios, que então ativa o complemento, resultando na
morte do micróbio. A MBL também intensifica a fagocitose (atua como opsonina) por meio de
receptores aos quais se liga na superfície de fagócitos, como macrófagos. MBL é uma proteína
sérica normal, cuja concentração no plasma é significativamente aumentada durante a resposta
de fase aguda.

A resposta de fase aguda, que consiste em um aumento nas concentrações de diversas proteínas
plasmáticas, por exemplo, proteína C-reativa e proteína de ligação à manose, também é membro
da imunidade inata. Essas proteínas são sintetizadas pelo fígado e consistem em respostas
inespecíficas a micro-organismos e outras formas de lesões tissulares. O fígado sintetiza essas
proteínas em resposta a determinadas citocinas, isto é, IL-1, IL-6 e TNF, produzidas pelo
macrófago após exposição aos micro-organismos. Essas citocinas, IL-1, IL-6 e TNF, são
frequentemente denominadas citocinas pró-inflamatórias, indicando que intensificam a resposta
inflamatória.

Algumas proteínas de fase aguda ligam-se à superfície das bactérias e ativam o complemento,
podendo matar as bactérias. Por exemplo, a proteína C-reativa liga-se a um carboidrato da
parede celular de Streptococcus pneumoniae e, MBL liga-se à manana (manose) da superfície de
diversas bactérias.

Defensinas são outro componente importante da imunidade inata. As defensinas são peptídeos
de alta carga positiva que originam poros nas membranas das bactérias, provocando, assim, sua
morte. As defensinas estão localizadas principalmente nos tratos gastrintestinal e respiratório
inferior. Os neutrófilos e as células de Paneth das criptas intestinais contêm um tipo de defensina
(α-defensinas), enquanto o trato respiratório produz defensinas distintas, denominadas β-
defensinas.
As α-defensinas também apresentam atividade antiviral. Elas interferem com a ligação do vírus
da imunodeficiência humana (HIV) ao receptor CXCR4 e bloqueiam a entrada do vírus na célula.
A produção de α-defensinas pode explicar porque alguns indivíduos infectados por HIV são de
“não
progressão” de longo prazo. APOBEC3G (enzima apolipoproteína B de edição de RNA) é um
importante membro das defesas inatas contra a infecção retroviral, especialmente contra HIV.
APOBEC3G é uma enzima que provoca hipermutação no DNA retroviral pela desaminação de
citosinas, tanto no mRNA como no DNA retroviral, inativando, assim, essas moléculas e
reduzindo
a infectividade. O HIV defende-se contra essa defesa inata produzindo Vif (proteína de
infectividade viral), que se contrapõe a APOBEC3G, impedindo, desse modo, a ocorrência de
hipermutação.

1.1 PELE E MEMBRANAS MUCOSAS

A pele intacta é primeira linha de defesa contra vários organismos. Ela é uma barreira física e
apresenta atividade antibacteriana e antifúngica, devido os ácidos graxos secretados pelas
glândulas sebáceas cutâneas. O baixo pH da pele (entre pH 3 e 5) decorrente desses ácidos
graxos também exerce um efeito antimicrobiano.

OBS.: Existem alguns organismos que vivem sobre a pele ou dentro dela, mas são inofensíveis,
desde que não penetrem no corpo.

Quando micro-organismos rompem este revestimento e invadem o corpo, o ramo inato do


sistema imune (segunda linha de defesa) encontra-se então disponível para destruir os
invasores. Uma vez que os componentes do ramo inato são pré-formados e estão
completamente ativos, podem atuar imediatamente diante a entrada de micro-organismos. A
capacidade de o ramo inato matar os micro-organismos é inespecífica, pois, por exemplo, um
neutrófilo pode ingerir e destruir vários tipos distintos de bactérias.

A segunda defesa é membrana mucosa do trato respiratório, que é revestida por cílios e
recoberta por muco. Esse aparato mucociliar, o elevador ciliar, pode ser danificado pelo álcool,
pelo fumo e
por vírus; isso predispõe infecções bacterianas. Outros mecanismos de proteção do trato
respiratório
envolvem macrófagos alveolares, a lisozima das lágrimas e o muco, pelos do nariz, e o reflexo de
tosse que impede a aspiração para os pulmões.

A proteção inespecífica do trato gastrintestinal inclui as enzimas hidrolíticas da saliva, o ácido


estomacal, assim como várias enzimas degradativas e macrófagos do intestino delgado. A vagina
da mulher adulta encontra-se protegida pelo pH baixo gerado pelos lactobacilos, membros da
microbiota normal.

Existem uma proteção adicional no trato gastrintestinal e no trato respiratório inferior por meio
de defensinas, que são peptídeos com alta carga positiva que originam poros nas membranas
das bactérias, promovendo sua morte. Os neutrófilos e as células de Paneth presentes nas
criptas intestinais contêm um tipo de defensina (α-defensinas), enquanto o trato respiratório
produz defensinas distintas, denominadas β-defensinas.

Bactérias da microbiota normal da pele, nasofaringe, cólon e vagina ocupam esses nichos
ecológicos, impedindo a multiplicação de patógenos nesses sítios

1.2. RESPOSTA INFLAMATÓRIA E FAGOCITOSE

Presença de corpos estranhos (ex.: bactérias) dentro do organismo provoca uma resposta
inflamatória protetora.

Os achados clínicos são: vermelhidão, edema, calor e dor no sítio da infecção. Esses sinais são
decorrentes do maior fluxo sanguíneo, da maior permeabilidade capilar e do extravasamento de
fluídos e células para os espaços tissulares. A maior permeabilidade deve-se à mediadores
químicos, sendo que os mais importantes são a histamina, as prostaglandinas e os leucotrienos.
Componentes do complemento, C3a e C5a, também contribuem para o aumento da
permeabilidade vascular. A bradicinina é um mediador da dor.

Os neutrófilos e macrófagos (ambos fagócitos), são importantes na resposta inflamatória. Os


neutrófilos são predominantes em infecções piogênicas agudas, e os macrófagos são mais
prevalentes em infecções crônicas ou granulomatosas. Os macrófagos realizam duas funções:
são
fagocitários e produzem duas importantes citocinas “pró-inflamatórias”, o fator de necrose
tumoral (TNF, do inglês, tumor necrosis factor) e interleucina-1 (IL-1). Isso é importante pois
agentes anti-inflamatórios, como os corticosteroides, reduzirem a resistência à infecção.

Algumas proteínas, conhecidas como a “resposta da fase aguda”, são produzidas precocemente
na inflamação, principalmente pelo fígado. As mais conhecidas são a proteína C-reativa e a
proteína de ligação à manose, que se ligam à superfície das bactérias e intensificam a ativação
da via alternativa do complemento. A proteína C-reativa tem essa denominação devido a sua
capacidade de ligar-se a um carboidrato da parede celular de Streptococcus pneumoniae. A
proteína de ligação ao lipopolissacarídeo (endotoxina) é outra importante proteína da fase
aguda, produzida em resposta às bactérias gram-negativas. A interleucina-6 (IL-6) é o principal
indutor da resposta de fase aguda, bem como corresponde também uma citocina pró-
inflamatória. Os macrófagos são a principal fonte de IL-6, entretanto vários outros tipos celulares
também a produzem. Outra citocina importante produzida por células T auxiliares ativadas
corresponde ao interferon gama, que ativa macrófagos e
aumenta sua ação microbicida.

Os neutrófilos e os macrófagos são atraídos ao sítio de infecção por pequenos polipeptídeos


denominados quimiocinas (citocinas quimiotáticas). As quimiocinas são produzidas por células
tissulares da área infectada, por células endoteliais locais e por neutrófilos e macrófagos
residentes. A interleucina-8 é uma quimiocina que atrai principalmente os neutrófilos, enquanto
MCP-1, MIP e RANTES atraem macrófagos e monócitos.

As bactérias são englobadas (fagocitadas) por neutrófilos polimorfonucleares (PMNs, do inglês,


polymorphonuclear neutrophils) e macrófagos. Os PMNs representam aproximadamente 60%
dos
leucócitos presentes no sangue, e seu número aumenta significativamente durante a infecção
(leucocitose). Em determinadas infecções bacterianas, como a febre tifoide, observa-se uma
diminuição no número de leucócitos (leucopenia). O aumento nos PMNs é causado devido à
produção de fatores estimulatórios de granulócitos (G-CSF e GM-CSF) pelos macrófagos logo
após a infecção. Embora os PMNs e os macrófagos fagocitem as bactérias, os PMNs não
apresentam antígenos aos linfócitos T auxiliares, ao contrário dos macrófagos (e células
dendríticas). As células dendríticas são as células apresentadoras de antígeno mais importantes.
A capacidade fagocitária dessas células é intensificada pela presença de receptores da proteína
de ligação à manose.

A fagocitose pode ser dividida em três etapas: migração, ingestão e morte.

1- MIGRAÇÃO

A migração de PMNs ao sítio dos organismos deve-se às quimiocinas, como a interleucina-8, o


componente C5a do complemento e a calicreína, a qual – além de ser quimiotática – consiste na
enzima que catalisa a formação de bradicinina. A adesão de PMNs ao endotélio do sítio de
infecção é mediada inicialmente pela interação dos PMNs com proteínas selectinas do endotélio
e, em seguida, pela interação de proteínas integrinas, denominadas “proteínas LFA”, localizadas
na superfície do PMN, com proteínas ICAM na superfície da célula endotelial.

A quantidade de proteínas ICAM do endotélio é aumentada pelos mediadores inflamatórios,


como IL-1 e TNF, que são produzidos por macrófagos em resposta à presença das bactérias. O
aumento no nível de proteínas ICAM garante a adesão seletiva de PMNs ao sítio da infecção. A
permeabilidade aumentada dos capilares, devido à presença de histamina, quininas e
prostaglandinas, permite a migração dos PMNs através da parede capilar a fim de alcançarem as
bactérias. Essa migração é denominada diapedese e demanda alguns minutos para ocorrer.

2- INGESTÃO

As bactérias são ingeridas por meio da invaginação da membrana celular do PMN ao redor das
bactérias, formando um vacúolo (fagossomo). Esse engolfamento é potencializado pela ligação
de anticorpos IgG (opsoninas) à superfície das bactérias, processo denominado opsonização. O
componente C3b do complemento intensifica a opsonização. (As membranas celulares externas
dos PMNs e macrófagos possuem receptores para a porção Fc da IgG e para C3b.) Mesmo na
ausência de anticorpos, o componente C3b do complemento, que pode ser gerado pela via
“alternativa”, pode promover a opsonização. Isso é particularmente importante no caso de
organismos bacterianos e fúngicos cujos polissacarídeos ativam a via alternativa.

Por ocasião do engolfamento, uma nova via metabólica, conhecida como explosão respiratória, é
desencadeada; como resultado, há a produção de dois agentes microbicidas, o radical
superóxido e peróxido de hidrogênio. Ocorrem duas reações: Na primeira reação, o oxigênio
molecular é reduzido por um elétron, originando o radical superóxido, que exibe pequena ação
bactericida. Na etapa seguinte, a enzima superóxido dismutase catalisa a formação de peróxido
de hidrogênio a partir de dois radicais superóxido. O peróxido de hidrogênio é mais tóxico que o
superóxido, porém não é eficiente contra organismos produtores de catalase, como os
estafilococos.

O óxido nítrico (NO) é outro importante agente microbicida. Corresponde a um “intermediário


reativo do nitrogênio”, sintetizado por uma enzima induzível, denominada óxido nítrico
sintetase, em resposta a estimuladores como as endotoxinas. A superprodução de NO contribui
para a hipotensão observada no choque séptico, uma vez que provoca vasodilatação dos vasos
sanguíneos periféricos.
A explosão respiratória também resulta na produção de NO, nele há um radical livre que
participa na morte oxidativa de micróbios ingeridos por fagocitose pelos neutrófilos e
macrófagos. A óxido nítrico sintase, a enzima que produz NO, é induzida nessas células após a
fagocitose.

3- MORTE

A morte do organismo no interior do fagossomo é um processo em duas etapas, consistindo na


desgranulação seguida pela produção de íons hipoclorito, os quais são provavelmente os agentes
microbicidas mais importantes. Na desgranulação, os dois tipos de grânulos presentes no
citoplasma do neutrófilo fundem-se ao fagossomo, esvaziando seu conteúdo durante o
processo. Esses grânulos são lisossomos que contêm uma variedade de enzimas essenciais para
os processos de morte e degradação que ocorrem no interior do fagolisossomo.

(1) Os grânulos lisossomais maiores, que constituembcerca de 15% do total, contêm a


importante enzima mieloperoxidase,bassim como a lisozima e várias outras
enzimasbdegradativas. (A mieloperoxidase, que exibe coloração verde, contribui
significativamente para a cor do pus.)
(2) Os grânulos menores, que constituem os 85% restantes, contêm lactoferrina e enzimas
degradativas adicionais, como proteases, nucleases e lipases. Os grânulos lisossomais podem
extravasar para o espaço extracelular, bem como para o fagossomo. Externamente à célula, as
enzimas degradativas podem atacar estruturas muito grandes para serem fagocitadas, como
micélios fúngicos, e também bactérias extracelulares.

O real processo de morte dos micro-organismos ocorre por uma variedade de mecanismos, os
quais são classificados em duas categorias: dependentes e independentes de oxigênio. O
mecanismo dependente de oxigênio mais importante envolve a produção da molécula
bactericida, íon hipoclorito. A mieloperoxidase catalisa a reação entre o íon cloreto e o peróxido
de hidrogênio, o qual foi produzido pela explosão respiratória, originando o íon hipoclorito, na
presença de mieloperoxidase. O próprio hipoclorito danifica as paredes celulares, contudo pode
também reagir com o peróxido de hidrogênio, originando oxigênio singleto que danifica as
células ao reagir com as ligações duplas dos ácidos graxos dos lipídeos de membrana. OBS.: se
um organismo produz catalase, o peróxido de hidrogênio será ineficaz; e se um organismo
produz superóxido dismutase, o superóxido será ineficaz.

Os mecanismos independentes de oxigênio são importantes em condições anaeróbias. Esses


mecanismos envolvem a lactoferrina, a qual quela o ferro das bactérias; a lisozima, que degrada
o peptideoglicano da parede celular bacteriana; proteínas catiônicas, que danificam as
membranas celulares; e pH baixo.

Os macrófagos também migram, engolfam e matam as bactérias utilizando essencialmente os


mesmos processos que os PMNs, porém existem várias diferenças a serem consideradas.

(1) Os macrófagos não apresentam mieloperoxidase e, desse modo, são incapazes de produzir
íon hipoclorito; no entanto, produzem peróxido de hidrogênio e superóxido na explosão
respiratória.

(2) Determinados organismos, como os agentes da tuberculose, brucelose e toxoplasmose, são


preferencialmente ingeridos pelos macrófagos, ao invés de PMNs, e podem permanecer viáveis
e multiplicar-se no interior dessas células; os granulomas formados durante essas infecções
contêm
vários desses macrófagos.

(3) Os macrófagos secretam um ativador de plasminogênio, uma enzima que converte a pró-
enzima plasminogênio na enzima ativa plasmina, a qual dissolve coágulos de fibrina.

A infecção provoca um aumento na temperatura corporal atribuído ao pirogênio endógeno (IL-1)


liberado pelos macrófagos. A febre pode ser uma resposta protetora, uma vez que uma
variedade de bactérias e vírus crescem mais lentamente em temperaturas elevadas.

2. IMUNIDADE ADQUIRIDA

A imunidade adaptativa ocorre após exposição a um agente, é intensificada com a exposição


repetida e é específica. É mediada por anticorpos produzidos por linfócitos B e pelos dois tipos
de linfócitos T, isto é, células T auxiliares e células T citotóxicas. As células responsáveis pela
imunidade
adquirida exibem memória de longa duração contra um antígeno específico. A imunidade
adquirida pode ser ativa ou passiva.

Macrófagos e outras células apresentadoras de antígeno, como células dendríticas,


desempenham importante papel nos ramos inato e adquirido do sistema imune. Quando
apresentam antígenos a um linfócito T auxiliar, ativam o ramo adquirido, levando à produção de
anticorpos e de células como os linfócitos T citotóxicos. Observe que o ramo adquirido pode ser
ativado somente após o ramo inato ter reconhecido o micróbio.

Os dois componentes do ramo adquirido são a imunidade mediada por células e a imunidade
mediada por anticorpos (humoral). O ramo mediado por células consiste principalmente em
linfócitos T (p. ex., células T auxiliares e células T citotóxicas), enquanto o ramo mediado por
anticorpos consiste em anticorpos (imunoglobulinas) e linfócitos B (plasmócitos). As principais
funções dos anticorpos são (1) neutralizar toxinas e vírus e (2) opsonizar bactérias, facilitando
sua fagocitose. A opsonização é o processo pelo qual anticorpos do tipo imunoglobulina G (IgG)
e o componente C3b do complemento intensificam a fagocitose. A imunidade mediada por
células, ao contrário, inibe organismos como fungos, parasitas e determinadas bactérias
intracelulares, como Mycobacterium tuberculosis, também matando células infectadas por vírus
e células tumorais.

As respostas mediada por células e mediada por anticorpos são caracterizadas por três
propriedades importantes: (1) apresentam acentuada diversidade (podem responder a milhões
de antígenos diferentes); (2) apresentam memória duradoura (podem responder vários anos
após a exposição inicial, devido à produção de células T de memória e células B de memória); e
(3) exibem especificidade única (suas ações são voltadas especificamente contra os antígenos
que iniciaram a resposta).

A imunidade adquirida resulta da exposição ao organismo (imunidade ativa) ou do recebimento


de anticorpos pré-formados, produzidos em outro hospedeiro (imunidade passiva).

2.1. IMUNIDADE ATIVA

A imunidade ativa é a resistência induzida após o contato com antígenos exógenos, p. ex., micro-
organismos. Esse contato pode consistir em infecções clínicas ou subclínicas, imunização com
agentes infecciosos vivos ou mortos ou seus antígenos, ou exposição a produtos microbianos (p.
ex., toxinas e toxoides). Em todas essas circunstâncias, o hospedeiro produz ativamente uma
resposta imune, consistindo em anticorpos e linfócitos T auxiliares e citotóxicos ativados.

A principal vantagem da imunidade ativa é o fato de a resistência ser de longa duração. A


principal
desvantagem consiste em seu lento estabelecimento, especialmente a resposta primária.

Em síntese, a imunidade ativa adquirida é uma proteção baseada na exposição ao agente na


forma de doença aparente; infecção subclínica, isto é, uma infecção sem sintomas; ou uma
vacina. Essa proteção desenvolve-se mais lentamente, porém é de maior duração que a
imunidade passiva. A resposta primária usualmente demanda 7-10 dias para que os anticorpos
se tornem detectáveis. Uma importante vantagem da imunidade ativa está no fato de ocorrer
uma resposta anamnéstica (secundária); isto é, há uma rápida resposta (aproximadamente 3
dias) caracterizada por grandes
quantidades de anticorpos contra um antígeno ao qual o sistema imune foi previamente
exposto. A imunidade ativa é mediada tanto por anticorpos (imunoglobulinas) como por células
T:

(1) Os anticorpos protegem contra os organismos por uma variedade de mecanismos –


neutralização de toxinas, lise de bactérias na presença do complemento, opsonização das
bactérias para facilitar a fagocitose e interferência na adesão de bactérias e vírus às superfícies
celulares. Uma vez que os anticorpos, especialmente IgG, são detectáveis por dias a semanas
após a infecção, acredita-se que os anticorpos não desempenhem um papel principal no
combate à infecção primária no sítio inicial da infecção (geralmente a pele ou membrana
mucosa), protegendo, ao invés disso, contra a disseminação hematogênica do organismo para
sítios corporais distantes, e contra uma segunda infecção por aquele organismo no futuro.

(2) As células T medeiam uma variedade de reações, incluindo a destruição citotóxica de células
infectadas por vírus e de bactérias, ativação de macrófagos e hipersensibilidade tardia. As células
T também auxiliam as células B na produção de anticorpos contra vários antígenos, mas não
todos.

2.2 IMUNIDADE PASSIVA

A imunidade passiva é a resistência baseada em anticorpos pré-formados em outro hospedeiro.


A administração de anticorpos contra difteria, tétano, botulismo etc. torna imediatamente
disponíveis grandes quantidades de antitoxinas para neutralizarem as toxinas. Da mesma forma,
anticorpos pré-formados contra certos vírus (p. ex., vírus da raiva e da hepatite A e B) podem ser
injetados durante o período de incubação para limitar a multiplicação viral. Outras formas de
imunidade passiva são as IgGs transferidas da mãe para o feto durante a gestação e IgAs
transferidas da mãe ao recém-
-nascido durante a amamentação. A principal vantagem da imunização passiva é a
disponibilidade imediata de grandes quantidades de anticorpos; as desvantagens são a vida
curta desses anticorpos e as possíveis reações de hipersensibilidade caso sejam utilizadas
globulinas de outras espécies.

Em síntese, a imunidade passiva adquirida consiste em uma proteção temporária contra um


organismo, sendo adquirida pela administração de soro contendo anticorpos pré-formados
oriundos de outro indivíduo ou animal. A imunização passiva ocorre naturalmente na forma de
imunoglobulinas transferidas da mãe para a criança através da placenta (IgG) ou do leite
materno (IgA). Tem a importante vantagem de suas capacidades protetoras estarem presentes
de imediato, ao passo que a imunidade ativa ocorre dentro de poucos dias a poucas semanas,
dependendo de tratar-se de uma resposta primária ou secundária. Contudo, a imunidade passiva
apresenta a importante desvantagem da concentração
de anticorpos sofrer rápida redução à medida que as proteínas são degradadas, de modo que a
proteção persiste usualmente por apenas um mês ou dois.

A imunidade passiva-ativa envolve a administração tanto de anticorpos pré-formados


(imunoglobulinas), para propiciar proteção imediata, como de uma vacina para conferir proteção
de longo prazo. Essas preparações devem ser administradas em sítios corporais distintos, a fim
de impedir que os anticorpos neutralizem os imunógenos da vacina.

*A imunidade é inferior à ótima nos extremos da vida, isto é, em recém-nascidos e idosos. A


razão para essa resposta imune relativamente ineficaz em recém-nascidos é incerta, embora,
aparentemente, os recém-nascidos apresentem função de células T menos efetiva que os
adultos. Em recém- nascidos, os anticorpos são fornecidos principalmente pela transferência de
IgGs maternos através da placenta. Uma vez que os anticorpos maternos decaem com o tempo
(poucos permanecem aos 3 ou 6 meses de idade), o risco de infecções na criança é alto. O
colostro também contém anticorpos, especialmente IgAs secretórias, que podem proteger o
recém-nascido contra diversas infecções respiratórias e intestinais. A produção de IgG e IgA é
iniciada logo após o nascimento. A resposta a antígenos proteicos é geralmente satisfatória.
Crianças pequenas respondem fracamente a antígenos polissacarídicos, exceto quando
conjugados a uma proteína carreadora.

Em idosos, a imunidade geralmente declina. Há uma resposta de IgG reduzida contra certos
antígenos, menor quantidade de células T e redução da resposta de hipersensibilidade tardia.
Assim como nos muitos jovens, a frequência e gravidade das infecções são elevadas. A
frequência de doenças autoimunes é também elevada em idosos, possivelmente devido a uma
diminuição no número de células T regulatórias, permitindo que células T autorreativas
proliferem e causem doença.

Estrutura e metabolismo e genética das bactérias (gram negativa e positiva, aeróbico e


anaeróbico)

As bactérias são classificadas em três grupos básicos, de acordo com a forma: cocos, bacilos e
espiroquetas.

Os cocos são esféricos, os bacilos exibem forma de bastonete, e os espiroquetas são espiralados.
Algumas bactérias variam quanto à forma, sendo referidas como pleomórficas (com muitas
formas). A forma de uma bactéria é determinada por sua parede celular rígida.

Alguns cocos organizam-se em pares (diplococos), alguns em cadeias (estreptococos), e outros,


em agrupamentos semelhantes a um cacho de uvas (estafilococos). Esses arranjos são
determinados pela orientação e pelo grau de ligação das bactérias quando da divisão celular.

As bactérias variam em tamanho desde até cerca de 0,2 a 5 μm.

ESTRUTURA

Parede celular:

A parede celular é o componente mais externo, sendo comum a todas as bactérias (exceto
espécies de Mycoplasma, envoltas por uma membrana celular e não por uma parede celular).
Algumas bactérias exibem propriedades superficiais externas à parede celular, como uma
cápsula, flagelos e pili, que correspondem a componentes menos comuns.

A parede celular é uma estrutura em multicamadas situada externamente à membrana


citoplasmática. É composta por uma camada interna de peptideoglicano e uma membrana
externa que varia quanto à espessura e à composição química, dependendo do tipo de bactéria.
O peptideoglicano confere sustentação estrutural e mantém a forma característica da célula.

A. Paredes celulares de bactérias gram-positivas e gram-negativas

A coloração de Gram é o mais importante procedimento de coloração. As bactérias gram-


positivas coram-se em púrpura, enquanto as bactérias gram-negativas coram-se em rosa. Essa
diferença baseia-se na capacidade de bactérias gram-positivas reterem o complexo cristal
violeta-iodo na presença de um solvente de lipídeos, geralmente álcool-acetona. As bactérias
gram- -negativas, pelo fato de apresentarem uma membrana externa contendo lipídeos e
peptideoglicano delgado, perdem o corante púrpura quando tratadas com álcool-acetona.
Perdem a coloração e coram-se em rosa quando expostas a um corante vermelho, como
safranina.

A estrutura, composição química e espessura da parede celular diferem em bactérias gram-


positivas e gram-negativas.

(1) A camada de peptideoglicano é muito mais espessa em bactérias gram-positivas que em


gram-negativas. Algumas bactérias gram-positivas também apresentam fibras de ácido teicoico
que se projetam para fora do peptideoglicano, fato não observado em bactérias gram-negativas.

(2) Contrariamente, os organismos gram-negativos possuem uma camada externa complexa,


consistindo em polissacarídeos, lipoproteínas e fosfolipídeos. Situado entre a camada da
membrana externa e a membrana citoplasmática encontra-se o espaço periplasmático, que, em
algumas espécies, corresponde ao sítio de enzimas denominadas β-lactamases, as quais
degradam penicilinas e outros fármacos β-lactâmicos.

A parede celular exibe várias outras propriedades importantes: (1) Em organismos gram-
negativos,esta contém a endotoxina, um lipopolissacarídeo; (2) Seus polissacarídeos e proteínas
são antígenos úteis na identificação laboratorial; (3) Suas proteínas porinas desempenham
papel na regulação da passagem de moléculas pequenas e hidrofílicas ao interior da célula. As
porinas da membrana externa formam um trímero que atua, geralmente de modo inespecífico,
como um canal que permite a entrada de substâncias essenciais, como açúcares, aminoácidos e
metais, assim como vários fármacos antimicrobianos, como as penicilinas.

B. Paredes celulares de bactérias acidorresistentes

As micobactérias, por exemplo, Mycobacterium tuberculosis, apresentam uma parede celular


incomum, responsável pela impossibilidade das microbactérias de serem coradas pela coloração
de Gram. Essas bactérias são referidas como acidorresistentes, uma vez que resistem à
descoloração por álcool-ácido após serem coradas com carbol-fucsina. Essa propriedade está
relacionada à alta concentração de lipídeos, denominados ácidos micólicos, observada na
parede celular de micobactérias.

C. Peptideoglicano

O peptideoglicano é uma rede complexa e entrelaçada que envolve toda a célula, sendo
composto por uma única macromolécula ligada covalentemente. É observado apenas nas
paredes celulares bacterianas. Confere uma sustentação rígida à célula, é importante para a
manutenção da forma característica da célula e permite que a célula resista a meios de baixa
pressão osmótica, como a água.

Por estar presente em bactérias, mas não em células humanas, o peptideoglicano corresponde a
um alvo adequado para fármacos antibacterianos.

A enzima lisozima, presente na lágrima, no muco e na saliva de humanos, é capaz de clivar o


arcabouço de peptideoglicano, rompendo suas ligações glicosil, contribuindo, assim, para a
resistência do hospedeiro à infecção microbiana.

D. Lipopolissacarídeo

O lipopolissacarídeo (LPS) da membrana externa da parede celular de bactérias gram-negativas é


uma endotoxina. É responsável por várias características das doenças, como febre e choque
(especialmente hipotensão), causadas por esses organismos. É denominado endotoxina porque
consiste em uma porção integral da parede celular, contrariamente às exotoxinas, as quais são
livremente liberadas pelas bactérias. Os efeitos patogênicos das endotoxinas são similares,
independente do organismo do qual são derivadas. Tem três unidades: (1) Um fosfolipídeo
denominado lipídeo A, responsável pelos efeitos tóxicos; (2) Um polissacarídeo cerne de cinco
açúcares ligados ao lipídeo A por meio de cetodesoxioctulonato (CDO); (3) Um polissacarídeo
externo consistindo em até 25 unidades repetidas de três a cinco açúcares.

E. Ácido teicoico

Estas fibras de glicerol fosfato ou ribitol fosfato situam-se na camada externa da parede celular
gram-positiva e estendem- se a partir desta. Alguns polímeros de ácido teicoico contendo
glicerol penetram na camada de peptideoglicano, ligando-se covalentemente ao lipídeo da
membrana citoplasmática e, nesse caso, recebem a denominação ácido lipoteicoico; outros são
ancorados ao ácido murâmico do peptideoglicano.

A importância médica dos ácidos teicoicos reside em sua capacidade de induzir o choque séptico
quando causado por determinadas bactérias gram-positivas; isto é, os ácidos teicoicos ativam as
mesmas vias que a endotoxina (LPS) de bactérias gram-negativas. Os ácidos teicoicos também
medeiam a ligação de estafilococos às células mucosas.

Membrana citoplasmática:

Composta por uma bicamada fosfolipídica similar àquela de células eucarióticas quanto ao
aspecto microscópico. A membrana desempenha quatro funções importantes: (1) transporte
ativo de moléculas para o interior da célula, (2) geração de energia pela fosforilação oxidativa,
(3) síntese de precursores da parede celular e (4) secreção de enzimas e toxinas.

Mesossomo:

Invaginação da membrana citoplasmática é importante durante a divisão celular, quando atua


como a origem do septo transverso que divide a célula pela metade, e como sítio de ligação do
DNA que se tornará o material genético de cada célula-filha.

Citoplasma:

O citoplasma exibe duas áreas distintas quando observado ao microscópio eletrônico:


(1) Uma matriz amorfa que contém ribossomos, grânulos de nutrientes, metabólitos e
plasmídeos;
(2) Uma região nucleoide interna composta por DNA.

A. Ribossomos

Os ribossomos bacterianos são o sítio da síntese proteica, como nas células eucarióticas, porém
diferem dos ribossomos eucarióticos em relação ao tamanho e à composição química.

B. Grânulos

O citoplasma contém vários tipos diferentes de grânulos que atuam como áreas de
armazenamento de nutrientes e coram-se de modo característico com determinados corantes.

C. Nucleoide

O nucleoide corresponde à região do citoplasma onde o DNA está localizado. Uma vez que o
nucleoide não apresenta membrana nuclear, nucléolo, fuso mitótico, nem histonas, há pouca
semelhança com o núcleo eucariótico. Uma diferença importante entre o DNA bacteriano e o
DNA eucariótico é o fato de o DNA bacteriano não apresentar íntrons, ao contrário do DNA
eucariótico.

D. Plasmídeos
Os plasmídeos são moléculas de DNA de fita dupla, circulares e extracromossomais, capazes de
replicar-se independentemente do cromossomo bacteriano. Embora sejam geralmente
extracromossomais, os plasmídeos podem integrar-se ao cromossomo bacteriano. Os
plasmídeos estão presentes tanto em bactérias gram-positivas como gram-negativas, podendo
haver vários tipos diferentes de plasmídeos em uma célula:

(1) Plasmídeos transmissíveis podem ser transferidos de uma célula a outra por conjugação

(2) Plasmídeos não transmissíveis são pequenos, uma vez que não contêm os genes de
transferência;

Os plasmídeos carreiam os genes envolvidos nas seguintes funções e estruturas de importância


médica:

(1) Resistência a antibióticos, a qual é mediada por uma variedade de enzimas;


(2) Resistência a metais pesados, como mercúrio (o componente ativo de alguns antissépticos,
como Merthiolate e Mercúrio-cromo) e prata, sendo mediada por uma enzima redutase; (3)
Resistência à luz ultravioleta, mediada por enzimas de reparo de DNA; (4) Pili (fímbrias), que
medeiam a adesão das bactérias às células epiteliais; (5) Exotoxinas, incluindo diversas
enterotoxinas.

E. Transposons

Os transposons são segmentos de DNA que se deslocam prontamente de um sítio a outro, tanto
no interior, como entre os DNAs de bactérias, plasmídeos e bacteriófagos. Em virtude de sua
capacidade incomum de movimentar-se, estes são apelidados de genes saltadores. Esses
elementos podem codificar enzimas de resistência a fármacos, toxinas, ou uma variedade de
enzimas metabólicas, bem como podem causar mutações no gene onde estão inseridos, ou
alterar a expressão de genes próximos. Os transposons tipicamente apresentam quatro domínios
identificáveis. Em cada extremidade há uma sequência curta de DNA contendo repetições
invertidas, as quais estão envolvidas na integração do transposon ao DNA receptor. O segundo
domínio corresponde ao gene da transposase, a qual consiste na enzima que medeia os
processos
de excisão e integração. A terceira região consiste no gene do repressor, que regula a síntese
tanto da transposase como do produto gênico do quarto domínio, que, em muitos casos,
corresponde a uma resistência a antibióticos mediada por enzimas. Contrariamente aos
plasmídeos ou vírus bacterianos, os transposons são incapazes de replicar-se de forma
independente; eles se replicam como parte do DNA receptor. Mais de um transposon pode estar
localizado no DNA; por exemplo,
um plasmídeo pode conter vários transposons carreando genes de resistência a fármacos. As
sequências de inserção correspondem a um tipo de transposon que possuem menor número de
bases (800-1500 pares de bases), uma vez que estas não codificam suas próprias enzimas de
integração. Essas sequências podem causar mutações em seu sítio de integração e podem estar
presentes em múltiplas cópias nas extremidades de transposons maiores.

Estruturas especializadas externas à parede celular:

A. Cápsula
A cápsula é uma camada gelatinosa que reveste toda a bactéria. É composta por polissacarídeos,
(exceto no bacilo do antraz possui uma cápsula de ácido D-glutâmico polimerizado). Os açúcares
que compõem o polissacarídeo variam de uma espécie bacteriana a outra, e, frequentemente,
determinam o tipo sorológico de uma espécie.

A cápsula é importante por quatro razões: (1) É um determinante da virulência de diversas


bactérias,
uma vez que limita a capacidade de fagócitos engolfarem as bactérias. (2) A identificação
específica de um organismo pode ser realizada pelo uso de um antissoro contra o polissacarídeo
capsular. (3) Os polissacarídeos capsulares são utilizados como antígenos em determinadas
vacinas, uma vez que são capazes de elicitar anticorpos protetores.(4) A cápsula pode
desempenhar um papel na adesão
das bactérias aos tecidos humanos, a qual consiste em uma etapa inicial importante da infecção.

B. Flagelos

Os flagelos são apêndices longos, semelhantes a um chicote, que deslocam as bactérias em


direção aos nutrientes e outros fatores atrativos, processo denominado quimiotaxia. O longo
filamento que atua como um propulsor é composto por várias subunidades de uma única
proteína, a flagelina, organizadas em diversas cadeias entrelaçadas. A energia para a
movimentação, a força próton motiva, é fornecida pela adenosina trifosfato (ATP), derivada da
passagem de íons através da membrana.

C. Pili (fímbrias)

Os pili são filamentos semelhantes a pelos, que se estendem a partir da superfície celular. São
mais curtos e lineares que os flagelos, sendo compostos por subunidades de uma proteína, a
pilina, organizadas em fitas helicoidais. São encontrados principalmente em organismos gram-
negativos.

Dois papéis importantes: (1) Medeiam a ligação das bactérias a receptores específicos da
superfície de células humanas, etapa necessária à iniciação da infecção por alguns organismos.
(2) Um tipo especializado de pilus, o pilus sexual, estabelece a ligação entre as bactérias macho
(doadora) e fêmea (receptora) durante a conjugação.

D. Glicocálix (camada limosa)

O glicocálix consiste em um revestimento polissacarídico secretado por muitas bactérias. Ele


reveste as superfícies como um filme e possibilita a firme aderência das bactérias a estruturas
variadas, por exemplo, pele, válvulas cardíacas e cateteres.

Esporos:

A formação de esporos (esporulação) ocorre quando os nutrientes, como fontes de carbono e


nitrogênio, são depletados. O esporo é formado no interior da célula e contém DNA bacteriano,
uma pequena quantidade de citoplasma, membrana celular, peptideoglicano, pouquíssima água
e, o mais importante, um revestimento espesso semelhante à queratina, responsável pela
acentuada resistência do esporo ao calor, à desidratação, à radiação e a compostos químicos.
Essa resistência pode ser mediada pelo ácido dipicolínico, um quelante de íons cálcio,
encontrado apenas em esporos.

CRESCIMENTO AERÓBIO E ANAERÓBIO

Para a maioria dos organismos, um suprimento adequado de oxigênio intensifica o metabolismo


e o crescimento. O oxigênio atua como o aceptor de hidrogênio nas etapas finais da produção de
energia catalisada pelas flavoproteínas e pelos citocromos. Uma vez que a utilização de oxigênio
gera duas moléculas tóxicas, o peróxido de hidrogênio (H2O2) e o radical livre superóxido (O2),
as bactérias requerem duas enzimas para utilizar o oxigênio. A primeira corresponde à
superóxido dismutas e a segunda consiste na catalase, que catalisa a reação.

A resposta ao oxigênio é um critério importante para a classificação das bactérias e exibe grande
importância prática, uma vez que espécimes obtidos a partir de pacientes devem ser incubados
na atmosfera apropriada ao crescimento das bactérias.

(1) Algumas bactérias, como M. tuberculosis, são aeróbias obrigatórias; isto é, requerem
oxigênio para o crescimento, uma vez que seu sistema de geração de ATP depende do oxigênio
como aceptor de hidrogênio.

(2) Outras bactérias, tais como E. coli, são anaeróbias facultativas: utilizam o oxigênio para gerar
energia por meio da respiração, caso este se encontre presente; contudo, são capazes de utilizar
a via da fermentação para sintetizar ATP na ausência de oxigênio suficiente.

(3) O terceiro grupo de bactérias consiste nas anaeróbias obrigatórias, como Clostridium tetani,
incapazes de crescer na presença de oxigênio, uma vez que são desprovidas de superóxido
dismutase ou catalase, ou ambas. Anaeróbios obrigatórios variam em sua resposta à exposição
ao oxigênio; alguns podem sobreviver, mas são incapazes de crescer, enquanto outros são
rapidamente mortos.

Fermentação: O termo “fermentação” refere-se à clivagem de um açúcar (como glicose ou


maltose) a ácido pirúvico e, em seguida, geralmente a ácido láctico. A fermentação é também
denominada ciclo glicolítico (glico= açúcar, lítico = quebra), sendo esse o processo pelo qual as
bactérias facultativas geram ATP na ausência de oxigênio. Na presença de oxigênio, o piruvato
produzido pela fermentação
entra no ciclo de Krebs (ciclo de oxidação, ciclo do ácido tricarboxílico), sendo metabolizado em
dois produtos finais, CO2 e H2O. O ciclo de Krebs produz mais ATP que o ciclo glicolítico; assim,
as bactérias facultativas exibem crescimento mais rápido na presença de oxigênio. As bactérias
facultativas e anaeróbias realizam a fermentação, porém as aeróbias, que crescem somente na
presença de oxigênio, não a realizam. Organismos aeróbios, produzem metabólitos que entram
no ciclo de Krebs por processos distintos da fermentação, como a desaminação de aminoácidos.

GENÉTICA

As bactérias são haploides; em outras palavras, possuem um único cromossomo e, portanto,


uma
única cópia de cada gene.
Transferência de DNA entre células bacterianas:

A transferência de informação genética de uma célula a outra pode ocorrer por três métodos:
conjugação, transdução, e transformação.

(1) A conjugação corresponde ao acasalamento de duas células bacterianas, durante a qual o


DNA é transferido da célula doadora à receptora. Esse processo de acasalamento é controlado
por um plasmídeo F (fertilidade) (fator F), que carreia os genes das proteínas necessárias à
conjugação. Uma das proteínas mais importantes corresponde à pilina, a qual forma o pilus
sexual (tubo de conjugação). O acasalamento é iniciado quando o pilus da bactéria macho
doadora, que carreia o fator F (F+), liga-se a um receptor da superfície da bactéria fêmea
receptora, que não contém um fator F (F-). As células então estabelecem contato direto pela
“retração” do pilus. Após uma clivagem enzimática do DNA do fator F, uma fita é transferida
através da ponte de conjugação ao interior da célula receptora. O processo é completado pela
síntese da fita complementar, originando um plasmídeo de fita dupla com o fator F, tanto na
célula doadora como na receptora. A célula receptora torna-se uma célula F+ masculina, capaz
de transmitir o plasmídeo. Observe que, nessa circunstância, somente o fator F, e não o
cromossomo bacteriano, foi transferido.

(2) A transdução consiste na transferência de DNA celular por meio de um vírus bacteriano
(bacteriófago, fago) Existem dois tipos de transdução, generalizada e especializada. O tipo
generalizado ocorre quando o vírus carreia um segmento derivado de qualquer região do
cromossomo bacteriano. Isso ocorre porque o DNA celular é fragmentado após a infecção pelo
fago e porções do DNA celular de mesmo tamanho que o DNA viral são incorporadas à partícula
viral com uma frequência de cerca de uma a cada 1000 partículas virais. O tipo especializado
ocorre quando o DNA do vírus bacteriano, que foi integrado ao DNA celular, é excisado e carreia
uma porção do DNA celular adjacente. Uma vez que a maioria dos fagos lisogênicos
(temperados) integra-se em sítios específicos no DNA bacteriano, os genes celulares adjacentes
transduzidos geralmente são específicos daquele vírus.

(3) A transformação consiste na transferência do próprio DNA de uma célula a outra. Isso ocorre
por um dos dois métodos seguintes. Na natureza, bactérias em processo de morte podem liberar
seu DNA, o qual pode ser captado por células receptoras. Existem poucas evidências indicando
que esse processo natural desempenhe papel significativo na doença. Em laboratório, um
pesquisador pode extrair DNA de um tipo bacteriano e introduzi-lo em bactérias geneticamente
distintas. Quando um DNA purificado é injetado no núcleo de uma célula eucariótica, o processo
é denominado transfecção. A transfecção é frequentemente utilizada em procedimentos de
engenharia genética.

Recombinação:

Uma vez transferido o DNA da célula doadora para a receptora por um dos três processos
descritos anteriormente, este pode ser integrado ao cromossomo da célula hospedeira por
recombinação.

Existem dois tipos de recombinação:


(1) A recombinação homóloga, em que dois segmentos de DNA exibindo extensas regiões de
homologia pareiam-se e permutam porções pelos processos de clivagem e religação.

(2) A recombinação não homóloga, em que pouca, ou nenhuma, homologia é necessária.

Mecanismo de ação dos antibióticos

São substâncias químicas específicas, derivados de organismos vivos ou produzidos por eles,
bem como seus análogos estruturais obdos por síntese, capazes de inibir processos vitais de
outros organismos, mesmo em pequenas concentrações.

Existem quatro sítios principais na célula bacteriana que a diferem o suficiente da célula
humana, de modo que podem atuar como a base da ação de fármacos clinicamente efetivos:
parede celular, ribossomos, ácidos nucleicos e membrana celular.

Antibióticos de amplo espectro são ativos contra vários tipos de micro-organismos; por exemplo,
as tetraciclinas são ativas contra diversos bacilos gram-negativos, clamídias, micoplasmas e
riquétsias. Os antibióticos de pequeno espectro são ativos contra um ou poucos tipos; por
exemplo, a
vancomicina é utilizada principalmente contra certos cocos gram-positivos, isto é, estafilococos e
enterococos.

Um fármaco bactericida mata as bactérias, enquanto um fármaco bacteriostático inibe seu


crescimento, mas não causa sua morte. As características marcantes do comportamento dos
fármacos bacteriostáticos são: (1) as bactérias podem voltar a crescer quando o fármaco é
retirada, e (2) os mecanismos de defesa do hospedeiro, como a fagocitose, são necessários para
matar as bactérias.
INIBIÇÃO DA SÍNTESE DA PAREDE CELULAR

PENICILINAS

As penicilinas (e cefalosporinas) atuam inibindo as transpeptidases, enzimas que catalisam a


etapa final das ligações cruzadas durante a síntese de peptideoglicano Dois fatores adicionais
estão envolvidos na ação da penicilina.

(1) O primeiro é o fato da penicilina ligar-se a uma variedade de receptores da membrana celular
e parede celular bacterianas, denominados proteínas de ligação à penicilina (PBPs, do inglês,
penicillin-binding proteins). Algumas PBPs são transpeptidases; a função de outras é
desconhecida. As alterações nas PBPs são responsáveis, em parte, por um organismo tornar-se
resistente à penicilina.

(2) O segundo fator é o fato de enzimas autolíticas, denominadas mureína hidrolases (mureína é
um sinônimo de peptideoglicano), serem ativadas em células tratadas com penicilina,
degradando o peptideoglicano. Algumas bactérias, por exemplo, linhagens de S. aureus, são
tolerantes à ação da penicilina, por essas enzimas autolíticas não serem ativadas. Um organismo
tolerante é inibido, mas não morto, por um fármaco usualmente bactericida, como a penicilina.

A penicilina é bactericida, entretanto mata as células apenas quando as células se encontram em


fase de crescimento.

As penicilinas (e cefalosporinas) são denominados fármacos β-lactâmicos devido à importância


do anel β-lactâmico. Uma estrutura intacta do anel é essencial à atividade antibacteriana; a
clivagem do anel por penicilinases (β-lactamases) inativa o fármaco.

CEFALOSPORINAS

As cefalosporinas são fármacos β-lactâmicos que atuam da mesma maneira que as penicilinas;
isto é, são agentes bactericidas que inibem as ligações cruzadas do peptideoglicano. As
estruturas, no entanto, são diferentes: as cefalosporinas apresentam um anel de seis membros
adjacente ao anel β-lactâmico e são substituídas em duas regiões no núcleo de ácido 7-
aminocefalosporânico.

As cefalosporinas de primeira geração são ativas principalmente contra cocos gram-positivos.

CARBAPENS

Carbapenens são fármacos β-lactâmicos, estruturalmente distintos das penicilinas e


cefalosporinas. Apresenta excelente atividade bactericida contra diversas bactérias gram-
positivas, gram-negativas e anaeróbias.

MONOBACTÂMICOS

Os monobactâmicos são também fármacos β-lactâmicos, estruturalmente distintas das


penicilinas e cefalosporinas. Os monobactâmicos caracterizam-se por um anel β-lactâmico sem
estrutura adjacente em anel contendo enxofre; isto é, são monocíclicos. É resistente à maioria
das β-lactamases e extremamente útil em pacientes hipersensíveis à penicilina, pois não há
reação cruzada.

VANCOMICINA

A vancomicina é um glicopeptídeo que inibe a síntese da parede celular ao bloquear a


transpeptidação, porém por um mecanismo diferente daquele dos fármacos β-lactâmicos. A
vancomicina liga-se diretamente à porção D-alanil-D-alanina do pentapeptídeo, bloqueando a
ligação da transpeptidase, enquanto os fármacos β-lactâmicos ligam-se à própria transpeptidase.
A vancomicina também inibe uma segunda enzima, a transglicosilase bacteriana, que também
atua na
síntese de peptideoglicano, contudo a inibição desta parece ser menos importante que a inibição
da transpeptidase.

CICLOSERINA E BACITRACINA

A cicloserina é um análogo estrutural da D-alanina, que inibe a síntese do dipeptídeo D-alanil-D-


alanina da parede celular. A bacitracina é um antibiótico polipeptídico cíclico que impede a
desfosforilação do fosfolipídeo que transporta a subunidade do peptideoglicano através da
membrana celular. Isso bloqueia a regeneração do carreador lipídico e inibe a síntese da parede
celular.

INIBIÇÃO DA SÍNTESE PROTÉICA


Diversos fármacos inibem a síntese proteica de bactérias, sem interferir significativamente na
síntese proteica das células humanas. Essa seletividade é decorrente das diferenças entre as
proteínas ribossomais, RNAs e enzimas associadas bacterianas e humanas.

1. Fármacos que atuam sobre a subunidade 30S

AMINOGLICOSÍDEOS

Os aminoglicosídeos são fármacos bactericidas especialmente úteis contra vários bacilos gram-
negativos. Tanto a inibição do complexo de iniciação como a leitura incorreta do RNA
mensageiro (mRNA) ocorrem; o primeiro processo provavelmente é mais importante para a
atividade bactericida do fármaco. A leitura incorreta da trinca do códon do mRNA, de modo que
o aminoácido incorreto é inserido na proteína, também ocorre em bactérias tratadas com
estreptomicina. Como resultado da inibição da iniciação e de leitura incorreta, ocorrem danos à
membrana e morte bacteriana.

TETRACICLINAS

As tetraciclinas constituem uma família de antibióticos com atividade bacteriostática contra uma
variedade de bactérias gram-positivas e gram-negativas, micoplasmas, clamídias e riquétsias.
Inibem a síntese proteica ligando-se à subunidade ribossomal 30S e bloqueando a entrada do
aminoacil RNA de transferência (tRNA) no sítio aceptor do ribossomo.

2. Fármacos que atuam sobre a subunidade 50S

CLORANFENICOL

O cloranfenicol inibe a síntese proteica ligando-se à subunidade ribossomal 50S e bloqueando a


ação da peptidiltransferase, o que impede a síntese de novas ligações peptídicas. O fármaco
inibe seletivamente a síntese proteica bacteriana, uma vez que se liga ao sítio catalítico da
transferase na subunidade ribossomal 50S bacteriana, mas não da transferase da subunidade
ribossomal 60S humana. O cloranfenicol inibe a síntese proteica nas mitocôndrias das células
humanas em certo grau, uma vez que as mitocôndrias apresentam uma subunidade 50S
(acredita-se que as mitocôndrias evoluíram a partir de bactérias). Essa inibição pode ser
responsável pela toxicidade dose-dependente do cloranfenicol em relação à medula óssea
(discutida posteriormente).

ERITROMICINA

A eritromicina liga-se à subunidade 50S e bloqueia a síntese proteica ao impedir a liberação do


tRNA descarregado a partir do sítio doador após a formação da ligação peptídica. Apresenta uma
estrutura macrolídea composta por um grande anel de 13 carbonos, ao qual dois açúcares são
unidos por ligações glicosídicas.

CLINDAMICINA

A clindamicina liga-se à subunidade 50S e bloqueia a formação de ligações peptídicas por um


mecanismo indeterminado. Sua especificidade em relação às bactérias deve-se a sua
incapacidade de ligar-se à subunidade 60S dos ribossomos humanos.

LINEZOLIDE

Linezolide liga-se ao RNA 23S da subunidade ribossomal 50S e inibe a síntese proteica, apesar de
seu mecanismo exato ser desconhecido. Aparentemente, ele bloqueia alguma etapa precoce
(iniciação) da formação do ribossomo.

ESTREPTOGRAMINAS

As estreptograminas provocam liberação prematura da cadeia peptídica em crescimento a partir


da subunidade ribossomal 50S.

INIBIÇÃO DA SÍNTESE DO ÁCIDO NUCLÉICO

1. Inibição da síntese de precursores

SULFONAMIDAS

O mecanismo de ação das sulfonamidas consiste em bloquear a síntese de ácido tetraidrofólico,


o qual é requerido como um doador de metil na síntese dos precursores de ácido nucleico
adenina, guanina e timina. As sulfonamidas são análogos estruturais do ácido p-aminobenzoico
(PABA, do inglês, p-aminobenzoic acid). PABA condensa-se a um composto de pteridina,
originando ácido di-hidropteroico, um precursor do ácido tetraidrofólico. As sulfonamidas
competem com PABA pelo sítio ativo da enzima di-hidropteroato sintetase. Essa inibição
competitiva pode ser suplantada por um excesso de PABA.

TRIMETOPRIM

O trimetoprim também inibe a produção de ácido tetraidrofólico, porém por um mecanismo


diferente daquele das sulfonamidas, isto é, inibe a enzima di-hidrofolato redutase.

2. Inibição da síntese de DNA

QUINOLONAS

As quinolonas são fármacos bactericidas que bloqueiam a síntese de DNA bacteriano pela
inibição da DNA girase (topoisomerase).

FLUCITOSINA

A flucitosina (fluorocitosina, 5-FC) é um fármaco antifúngico que inibe a síntese de DNA.

3. Inibição da síntese de mRNA

O mecanismo de ação seletivo da rifampina é baseado no bloqueio da síntese de mRNA pela


RNA polimerase bacteriana, sem afetar a RNA polimerase das células humanas.
ALTERAÇÃO DA FUNÇÃO DA MEMBRANA CELULAR

1. Alteração das membranas celulares bacterianas

Polimiximas: A daptomicina é um lipopeptídeo cíclico que rompe as membranas celulares de


cocos gram-positivos.

2. Alterações de membranas celulares fúngicas

A anfotericina B: rompe a membrana celular de fungos devido a sua afinidade por ergosterol,
componente das membranas fúngicas, mas não das membranas de células bacterianas ou
humanas.

Os azóis são fármacos antifúngicos que atuam inibindo a síntese de ergosterol. Eles bloqueiam a
desmetilação citocromo P-450-dependente do lanosterol, o precursor do ergosterol.

Mecanismos adicionais:

A isoniazida inibe a síntese de ácido micólico, um ácido graxode cadeia longa encontrado na
parede celular de micobactérias.

O metronidazol é efetivo contra bactérias anaeróbias e certos protozoários porque atua como
depósito de elétrons, captando os elétrons necessários à sobrevivência dos organismos. Também
forma intermediários tóxicos que causam danos ao DNA.