Você está na página 1de 27

Visão Biopsicossocial do

Desenvolvimento Humano

Prof. Arthur Nolasco Gusmão Soares


• O que desenvolvimento Biopsicossocial?

• Esta área de conhecimento da psicologia estuda o desenvolvimento do ser


humano em todos os seus aspectos: físico-motor, intelectual, afetivo-
emocional e social – desde o nascimento até a idade adulta.

• O que é desenvolvimento Humano?


• O desenvolvimento humano refere-se ao desenvolvimento mental e ao
crescimento orgânico. O desenvolvimento mental é uma construção contínua.
Estas são as formas de organização da atividade mental que vão se
aperfeiçoando e se solidificando. Algumas dessas estruturas mentais
permanecem ao longo de toda a vida.
Desenvolvimento Psicossocial
Humano.
Resolução de Conflitos ?
Relações ligadas a Sexualidade e
suas escolhas.
O Mito do Amor Materno
O amor materno é Inato?

A mãe é concebida como alguém puro a quem são atribuídos apenas


sentimentos nobres de acolhimento, abrigo e continência no que diz
respeito a sua cria. A criança, é vista como um ser que se satisfaz total
e plenamente com uma relação fusional com ela satisfazendo-a do
mesmo modo. (Um exemplo do valor dado à tão sonhada relação, são
as expressões artísticas cristãs que retratam sempre a Madona
olhando o Menino Jesus com enlevo e este, por sua vez, retribuindo
com adoração).
• Em “Um amor conquistado – o mito do amor materno”, Elizabeth Badinter
nos mostra de maneira muito clara que o amor materno inato é um mito.
Não é “dado”, mas sim, como deixa antever o título da obra, “conquistado”.

Porém, acreditamos em nosso imaginário que tal amor seja algo natural.
Algo que nasce com as mulheres, verdadeiro apanágio feminino. Fala-se até
de “instinto materno”. E coitadas daquelas que não o têm! Sofrem um certo
preconceito, pois falta-lhes qualquer coisa de fundamental!

Essa convicção se dá basicamente por duas razões.


A primeira é devido à imposição feita pela cultura, responsável pelo
desenvolvimento do modelo de amor materno conhecido atualmente e com o
qual temos convivido desde o século XIX.
Contudo, o amor materno como o conhecemos atualmente, é
aquisição bem recente. Os estudos trazidos por Badinter nos
fazem ver que nem sempre foi assim. A mãe tinha mais uma
função biológica que afetiva, ficando as crianças ao cargo de
amas-de-leite que lhes garantiam a sobrevivência física, o
suporte emocional e humanização.
• Então como se constrói essa relação?

• Todo afeto para se dar precisa de proximidade física e emocional.


• Deve ser conquistado com e na convivência. É na intimidade das relações
construídas no cotidiano que germina, cresce e frutifica.

• E o amor materno não foge a essa regra. Não é decorrente, como se crê, da
ação de algum instinto. É afeição que, como qualquer outra, necessita de
reciprocidade desenvolvida em um relacionamento estreito e contínuo que
assegure confiança e familiaridade aos que dele se nutrem.
E se formos uma exceção?
Falas Frequentes !
Obrigado!