Você está na página 1de 11
A NECESSIDADE DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE REINTEGRAÇÃO SOCIAL NO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO: UMA ABORDAGEM

A NECESSIDADE DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE REINTEGRAÇÃO SOCIAL NO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO: UMA ABORDAGEM SISTÊMICA

THE NEED FOR PUBLIC POLICY OF SOCIAL REINTEGRATION IN BRAZILIAN PRISON SYSTEM: A SYSTEMIC APPROACH

Sessão temática: Sociologia / Políticas Públicas.

MARTINS, Fernando. Mestrando em Desenvolvimento Regional (Uni-FACEF). fernandomartins@netsite.com.br

CAVALCANTI-BANDOS, Melissa Franchini (Uni-FACEF). Doutora em Administração (FEA-USP). melissafcb@gmail.com

Resumo Esse artigo tem como objetivo descrever o sistema penitenciário brasileiro e a necessidade de políticas públicas de reintegração social a partir de uma abordagem sistêmica. Dessa forma, por meio de uma pesquisa descritiva baseada exclusivamente em dados secundários, propõe-se uma reflexão sobre o atual sistema penitenciário brasileiro, principalmente no tocante a reintegração do preso egresso, em contraste com a legislação e políticas públicas adequadas à complexidade desse sistema. No Brasil, o sistema penitenciário apresenta problemas como a necessidade de ampliação, tendo em vista o aumento da criminalidade e violência, também a superlotação dos presídios, submetendo o preso a condições subumanas de vida no cárcere, além de poucas políticas públicas visando a reintegração social e recuperação, de fato, do egresso para convivência pacífica na sociedade. Verifica-se que o Brasil é o terceiro país no mundo em população carcerária, na contra mão de países como Suécia, Holanda, Nova Zelândia e Coréia do Sul que possuem um assassinato para 100 mil pessoas (GOMES, 2014). É um país, que o preso ao entrar no sistema penitenciário tem dificuldade de reintegração social, gerando um ciclo vicioso, ampliando a criminalidade e violência encontrada no sistema.

Palavras-chave: Sistema Penitenciário Brasileiro, Políticas Públicas, Abordagem Sistêmica.

Abstract This article aims to describe the Brazilian penitentiary system and the need for public policies for social reintegration from a systemic approach. Thus, through a descriptive research based only on secondary data, we propose a reflection on the current Brazilian penitentiary system, especially concerning the reintegration of the prisoner who is freed, in contrast to legislation and public policies appropriate to the complexity of this system. In Brazil, the prison system has problems such as the need for expansion, given the increase in crime and violence also overcrowding of prisons, subjecting the prisoner to subhuman conditions of life in prison, plus a few public policies aimed at social reintegration and recovery, in fact, the prisoner who is freed for peaceful coexistence in society. It appears that Brazil is the third country in the world in prison population, in the other hand of countries like Sweden, the Netherlands, New Zealand and South Korea that have a murder to 100,000 people (GOMES,

and South Korea that have a murder to 100,000 people (GOMES, 11º Congresso Brasileiro de Sistemas:
and South Korea that have a murder to 100,000 people (GOMES, 11º Congresso Brasileiro de Sistemas:

11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento sistêmico e a interdisciplinaridade: debates e discussões. Anais. Franca, 29 e 30 de outubro de 2015.

2014). It is a country that arrested upon entering the prison system has difficulty in

2014). It is a country that arrested upon entering the prison system has difficulty in social reintegration, creating a vicious cycle, increasing crime and violence found in the system.

Keywords: Brazilian penitentiary system, Public Policy, Systems Approach.

.

1.

INTRODUÇÃO

O sistema penitenciário brasileiro vive uma grande crise tendo em vista sua

complexidade, crescimento e evolução da criminalidade. No Brasil, em junho de 2014, o Conselho Nacional de Justiça divulga dados sobre a evolução da população carcerária do

país, compreendendo em 563.526 presos, para 357.219 vagas, gerando um déficit de 206.307 vagas (MONTENEGRO, 2014). A solução parece simples, criação de novos

presídios. Contudo, o sistema já está sob o efeito de um ciclo vicioso instaurado, em que o preso ao entrar no sistema penitenciário amplia o crime, não se recupera, muito menos se reintegra na sociedade em uma convivência pacífica, assim a necessidade de mais políticas públicas de reintegração social do egresso e reforma do atual sistema são medidas

urgentes.

Assim, ao propor uma reflexão sobre o atual sistema penitenciário brasileiro, esse artigo tem como objetivo descrever o sistema penitenciário brasileiro e a necessidade de políticas públicas de reintegração social a partir de uma abordagem sistêmica, por meio de uma pesquisa descritiva baseada exclusivamente em dados secundários.

A abordagem sistêmica nesse contexto é fundamental, pois propõe um amplo olhar

para a complexidade do sistema penitenciário brasileiro, visando conceber o todo como maior do que o somatório das partes. Ao compreender o sistema penitenciário brasileiro sob um olhar sistêmico pretende-se identificar a luz da atual legislação vigente a compreensão do sistema, apontando seus problemas e possíveis soluções.

Com esse propósito, o artigo foi escrito a partir dessa introdução, na seqüência os procedimentos metodológicos usados, após, a reflexão proposta descrevendo o sistema penitenciário brasileiro, as políticas públicas e a abordagem sistêmica, no desfecho, as considerações finais e as referências.

2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Na busca de uma reflexão teórica a partir das políticas públicas voltadas ao sistema

penitenciário brasileiro sob o enfoque sistêmico, foi realizado um levantamento teórico sobre

o assunto através de uma pesquisa descritiva baseada em dados secundários, buscando interpretações mais amplas e consistentes dos problemas do sistema prisional brasileiro.

A reflexão teórica proposta nesse artigo foi elaborada a partir de uma pesquisa

descritiva bibliográfica e qualitativa. A pesquisa descritiva propõe-se descrever um fenômeno a partir de sua natureza e características, de maneira bibliográfica, isto é, explicando um problema por meio de dados publicados em artigos, teses, monografias, livros. (CERVO et al., 2007). A abordagem qualitativa é considerada, pois na proposta não se pretende quantificar, apenas compreender o fenômeno social.

A importância da abordagem sistêmica permitiu melhor compreensão do problema

do sistema penitenciário brasileiro, avaliando seus elementos e interdependências de forma conjunta e não de maneira individual e a parte do todo, permitindo uma avaliação de suas entradas (inputs), as interferências sofridas durante o período de encarceramento e as suas

sofridas durante o período de encarceramento e as suas 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento
sofridas durante o período de encarceramento e as suas 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento

11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento sistêmico e a interdisciplinaridade: debates e discussões. Anais. Franca, 29 e 30 de outubro de 2015.

saídas ( outputs ), bem como o feedback e as interferências ambientais. 3. SISTEMA PRISIONAL

saídas (outputs), bem como o feedback e as interferências ambientais.

3. SISTEMA PRISIONAL BRASILEIRO

O final do século XVIII e início do século XIX é o marco temporal para o inicio das prisões, após o fim das punições em praças públicas (FOUCAULT, 2013, p. 217). As prisões tinham a finalidade de privar de liberdade dos criminosos da época, tornando-os pessoas dóceis e úteis por meio do trabalho, marcando o início dos mecanismos disciplinares por meio do aprisionamento.

Foucault (2013, p. 255) destaca, nesse contexto, a importância da obediência aos sete princípios fundamentais para o bom andamento das prisões e cumprimento de suas funções de recuperação dos aprisionados:

1) Correção: visando a transformação do comportamento do preso;

2) Classificação: os presos devem ser separados e classificados conforme a gravidade do crime e idade;

3) Modulação das penas: as penas poderiam ir se agravando ou melhorando conforme o desempenho do preso no processo de transformação;

4) Trabalho como obrigação e direito: o trabalho deveria existir durante o processo de transformação e ressocialização do detento;

5) Educação penitenciária: a educação deverá ser preocupação do Estado, tendo em vista a sociedade e uma obrigação do detento;

6) Controle técnico da detenção: o regime penitenciário deve ser controlado por pessoal especializado com condições morais e técnicas de cuidar da formação do preso;

7) Instituições em anexas: deverão existir medidas de controle e de assistência até a recuperação definitiva do detento.

No Brasil, o sistema penitenciário brasileiro data de 1769 com a criação da Casa de Correção no Estado do Rio de Janeiro, mas somente em 1824 com a Constituição Federal passou a obedecer ao princípio classificação, separando os réus por tipo de crime, entre outros critérios. Logo em seguida, também, foram obrigados a se adaptar ao princípio do trabalho como obrigação e como direito, para que os detentos pudessem exercer uma atividade e colaborar na sua recuperação (SOUZA, 2015, online).

Apesar das premissas estabelecidas no sistema penitenciário brasileiro, o problema da superlotação na prática, não recupera o detento e multiplica a criminalidade (SOUZA, 2015, online). Nesse sentido, Foucault (2013) esclarece que

As prisões não diminuem a taxa de criminalidade: pode-se aumentá-las,

multiplicá-las ou transformá-las, a quantidade de crimes e de criminosos

prisão,

conseqüentemente, em vez de devolver à liberdade indivíduos corrigidos, espalha na população delinqüentes perigosos.

Atualmente, o sistema penitenciário brasileiro é uma utopia normativa frente à realidade (OLIMPIO; MARQUES, 2015). Isto porque, ao comparar o plano constitucional, isto é, a Constituição Federal de 1988, e legislações infraconstitucionais como o Código Penal e a Lei de Execuções Penais – LEP - no.7.210/84 e contrastar com a realidade, não se encontram princípios básicos do sistema como o respeito à integridade física e moral do

permanece estável, ou, ainda pior, aumenta [

]

a

e moral do permanece estável, ou, ainda pior, aumenta [ ] a 11º Congresso Brasileiro de
e moral do permanece estável, ou, ainda pior, aumenta [ ] a 11º Congresso Brasileiro de

11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento sistêmico e a interdisciplinaridade: debates e discussões. Anais. Franca, 29 e 30 de outubro de 2015.

preso (OLIMPIO; MARQUES, 2015). Assim, o sistema penal/penitenciário há muito tempo deixou de ser solução

preso (OLIMPIO; MARQUES, 2015).

Assim, o sistema penal/penitenciário há muito tempo deixou de ser solução

e passou a ser causa de violência que se alastra de forma contínua, com

domínio das facções criminosas nos presídios, proveniente da falta de controle do Estado, que pó si só não garante as prerrogativas e garantias do ser humano. Quadro que assim se manterá enquanto não houver ruptura com a atual forma de lidar com a questão penal/ penitenciária. (OLIMPIO; MARQUES, 2015, p.3).

Grecco (apud MARESCH, 2014), nesse contexto, é claro ao afirmar que no sistema penitenciário brasileiro os indivíduos que foram condenados ao cumprimento de uma pena privativa de liberdade são afetados em sua dignidade todos os dias, enfrentando problemas como a superlotação de presídios, espancamentos e falta de programas de reabilitação, entre outros fatores.

Olímpio e Marques (2015) apontam a importância do poder punitivo do Estado, fundamental para manutenção da harmonia social, contudo, alertam que não se trata de um poder absoluto e nem arbitrário. É competência sim, de o Estado aplicar a lei, mas compete a ele também garantir ao preso, direitos básicos de proteção.

A Constituição Federal em 1988 revolucionou no sentido de sedimentar as

bases para a formação de um Estado Democrático de Direito, estabelecendo nos seus mais variados artigos, uma rede de garantias (direitos) fundamentais, que tem como objetivo precípuo, a defesa do homem enquanto ser, digno de respeito e proteção. (OLIMPIO; MARQUES, 2014, p.2).

Entretanto, no atual contexto, o preso vive um processo de “animalização”, tendo em vista discriminação e os altos índices de violência. A sociedade encara a pena privativa de liberdade como uma vingança (OLIMPIO; MARQUES, 2015), condenando o individuo a condições subumanas no cárcere. Leal e Oliveira (apud CABRAL et al, 2014) esclarecem que o atual modelo penitenciário não fornece recursos adequados aos internos. A situação real é permeada por uma alimentação precária, o comércio de drogas, celas superlotadas, abusos sexuais e violência legitimada.

Atualmente, entende-se o sistema prisional como a última instância do macro sistema de segurança pública e de justiça, que se inicia com as

ações preventivas e ostensivas, passa pelo enfrentamento do delito e sua apuração, atuação do Ministério Público, responsável pela ação penal, e do Poder Judiciário, responsável por julgar e cominar a pena. Por fim, acontece

a execução da pena que pode ou não envolver a prisão. Contudo, muitos

ficam presos por tempo indefinido sem terem sido ao menos julgados, outros são maltratados nos cárceres e um grande número de indivíduos não recebe as assistências previstas em lei, dentre muitos outros problemas que incluem de forma preocupante, a morte de detentos dentro das prisões (CABRAL et al, 2014, p.11).

Nesse cenário, Souza (2015, online) afirma que não existe regeneração com o modelo utilizado no Brasil, e que, não se cumpre a Lei de Execução Penal, ou é cumprida parcialmente. Tal dispositivo normativo, a LEP, foi criado, instituindo em seu artigo 1º. que a “execução penal tem por objetivo efetivar as disposições da sentença ou decisão criminal e proporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e do internado” (BRASIL, 1984, o grifo é nosso) e no artigo 3º. que “ao condenado e ao internado serão assegurados todos os direitos não atingidos pela sentença ou pela lei” (art. 3º, BRASIL,

atingidos pela sentença ou pela lei” (art. 3º, BRASIL, 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento
atingidos pela sentença ou pela lei” (art. 3º, BRASIL, 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento

11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento sistêmico e a interdisciplinaridade: debates e discussões. Anais. Franca, 29 e 30 de outubro de 2015.

1984). Além disso, a LEP dispõe no artigo 10 sobre a importância de assistência ao

1984).

Além disso, a LEP dispõe no artigo 10 sobre a importância de assistência ao preso por parte do Estado – “a assistência ao preso e ao internado é dever do Estado, objetivando prevenir o crime e orientar o retorno à convivência em sociedade”. Essa proteção engloba assistência material, à saúde, jurídica, educacional, social e religiosa. Nesse contexto observa-se que:

) (

fundamentais a serem garantidos aos seus reeducandos, como se pode observar pela leitura de seus artigos. Inclusive, já em 1994 o Presidente do

Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP), considerando decisão unânime do CNPCP e atendendo recomendação do Comitê Permanente de Prevenção ao Crime e Justiça Penal das Nações Unidas, do qual o Brasil é membro, fixou as chamadas “Regras Mínimas

para o Tratamento do Preso no Brasil”, através da Resolução nº 14, de 11

de novembro de 1994 (

(MARESCH, 2014, p.3).

o legislador criou a partir de 1984 uma verdadeira carta de direitos

)

Apesar de todo esse aparato legal, na prática, reforçando a ideia de Olímpio e Marques (2015), já mencionada anteriormente, é uma utopia diante da realidade. Somado a esse fenômeno há agravantes como o fato do Brasil ter a terceira maior população carcerária do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos e a China respectivamente (GOMES, 2014).

Infelizmente, o sistema penitenciário brasileiro está na contra mão de países como a Holanda que fechou oito presídios em 2012 e da Suécia que fechou quatro em 2013. São países, desenvolvidos, que focam na redução da criminalidade (GOMES, 2013). Os governos da Suécia e Holanda estão trazendo benefícios a suas comunidades, economizando mão de obra com a redução de prisões e transformando-as em recursos financeiros, pois estão vendendo estes prédios para se tornarem hotéis e outros fins. Gomes (2013) continua apresentando a Noruega como um país com baixo índice de reincidência, enquanto no Brasil esse indicador é alto.

Gomes (2013) por sua vez, dá algumas respostas e aponta caminhos sobre esta tendência nova em alguns países, fazendo algumas comparações:

Uma boa pista que se poderia sugerir para entender essas abissais diferenças pode residir na cultura de cada país: patriarcal ou alteralista. Um ponto relevante consiste em examinar o quanto os países mais liberais já se distanciaram do arquétipo do Pai (patriarcal) para fazer preponderar o arquétipo da alteridade. No campo econômico, apesar de todas as crises mundiais e locais, as nações mais prósperas neste princípio do século XXI (países nórdicos, Suíça, Canadá, Japão etc.) são as mais cooperativas, as

]. O

progresso econômico sustentável depende dessa prática cooperativa. Nenhuma sociedade é rica plenamente se grande parcela da sua população está mergulhada na miséria e na pobreza.

Diante do exposto, verifica-se falta de interesse dos representantes em encontrar uma solução para este problema. Barros (2011, apud OLÍMPIO; MARQUES, 2015, p.7) é taxativa:

Falar de cidadania no sistema penitenciário significa nadar contra a maré que insiste no endurecimento no tratamento com os presidiários do país. Construir mais prisões pode melhorar o problema da superlotação, mas manter o modelo de administração inalterado não irá resolver a crise de

mais solidárias (ou seja, as que contam com menos desigualdades). [

(ou seja, as que contam com menos desigualdades). [ 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento
(ou seja, as que contam com menos desigualdades). [ 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento

11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento sistêmico e a interdisciplinaridade: debates e discussões. Anais. Franca, 29 e 30 de outubro de 2015.

gerenciamento das unidades. É preciso alterar nosso sistema de justiça criminal, enfrentar a questão carcerária

gerenciamento das unidades. É preciso alterar nosso sistema de justiça criminal, enfrentar a questão carcerária como um problema de vontade política.

Parece que, a partir da situação exposta, o Brasil está em um caminho sem volta. Entretanto, ao observar que outros países conseguiram avançar neste quesito, com uma ação conjunta entre governantes e população, deve-se exigir um posicionamento firme dos representantes frente a soluções.

O problema público hoje recebe atenção de ações e programas de organizações do

terceiro setor que muitas vezes em parceira com o Estado, visam reintegração social do detento. Nesse sentido, no tópico a seguir serão abordadas política públicas de reintegração social, pois o sistema penitenciário brasileiro não deve ser compreendido em um contexto isolado, mas integrado no mundo social.

4. POLÍTICAS PÚBLICAS DE REITEGRAÇÃO SOCIAL

O problema é público e pode ser solucionado por meio de políticas públicas efetivas. Trata-se de um problema, pois a situação é inadequada; e público, pois é relevante para a coletividade (SECCHI, 2010). O autor continua definindo problema público como a diferença entre a situação atual e ideal para a realidade pública.

Deve-se esclarecer que ao alicerçar a solução em políticas públicas não está se falando apenas nas políticas públicas de reintegração social que serão abordadas nesse momento, mas também em políticas públicas de educação, trabalho, saúde, entre outras. Essas políticas públicas afetarão a entrada desse sistema, diminuindo a criminalidade e a violência do ambiente.

Ao tratar de políticas públicas de reintegração social no sistema penitenciário brasileiro, está se falando em recuperar o detento no interior do sistema, visando alterar a saída do sistema, isto é, uma pessoa que não se submeta mais a uma situação de violência e criminalidade.

Este é um problema que tem interface com diversas disciplinas como sociologia, direito, psicologia, ciência política, portanto, o olhar interdisciplinar para a questão é requerido no sistema. E a política pública será examinada como um sistema, conforme Easton (apud SOUZA, 2007) considera, como uma relação entre a formulação, resultados e ambiente.

A política pública deverá ser conceituada como “uma diretriz elaborada para enfrentar um problema público” (SECCHI, 2010, p. 2). No conceito, o autor destaca dois elementos fundamentais: intencionalidade pública e resposta a um problema público, “ é o tratamento de um problema entendido como coletivamente relevante (SECCHI, 2010, p. 2)”.

Olímpio e Marques (2015, p. 7) explicam no contexto do sistema penitenciário que “políticas públicas atuantes no Brasil são em grande número proveniente de ações e programas de ONGs e da sociedade civil as quais ganham força com a parceria do Estado

)”. (

estatais (SECCHI, 2010). O problema tem sido abordado por atores não estatais interferindo

no sistema e buscando resultados.

O comentário dos autores se deve ao fato de no Brasil existir o Fundo Penitenciário

São, portanto, políticas públicas multicêntricas, isto é, elaboradas por atores não

Nacional (FUNPEN), criado pela Lei n. 79/94, com a finalidade de proporcionar recursos para financiar e apoiar atividades e programas de modernização e aprimoramento do

atividades e programas de modernização e aprimoramento d o 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento
atividades e programas de modernização e aprimoramento d o 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento

11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento sistêmico e a interdisciplinaridade: debates e discussões. Anais. Franca, 29 e 30 de outubro de 2015.

sistema penitenciário brasileiro. Os recursos poderiam ser destinados a construções, aquisições de materiais, além

sistema penitenciário brasileiro. Os recursos poderiam ser destinados a construções, aquisições de materiais, além de educação profissionalizante, entre outros fins. Olímpio e Marques (2015, p.7) são categóricos “constata é a falta de projetos por parte das unidades federativas pelas quais as verbas do FUNPEN são repassadas, demonstrada assim, uma verdadeira apatia política dos estados”.

Cabral et al (2014) esclarecem, também, que existe previsão de um atendimento ao egresso em todo país por meio do Plano Nacional de Segurança Pública, previsto pela Lei n.11.530/2007, propondo um apoio interdisciplinar, por profissionais de diversas áreas.

Diante desse cenário, cabe a sociedade civil, por meio de universidades, cooperativas e ONGs atuarem em política públicas de reintegração social no sistema penitenciário brasileiro, frente à LEP que não é integralmente cumprida, ao desinteresse pelo FUNPEN e o agravamento contínuo do problema público. Superlotação que gera violência e violência que gera superlotação, sistema cíclico que não para.

Cabral et. al. (2014, p.21) alertam que “o elevado índice de reincidência da população egressa aponta para a necessidade de políticas destinadas a fornecer amparo dessa parcela da população, buscando prevenir que essas pessoas retornem para o crime”. Os autores continuam trilhando o caminho da reintegração social alicerçado no tripé de trabalho, escolarização-profissionalização e saúde, por iniciativas dos poderes públicos estaduais e municipais e da sociedade civil, por meio de universidades, cooperativas e ONGs.

Olímpio e Marques (2015) apresentam a Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC), como entidade sem fins lucrativos, presente em mais de 150 localidades do país, com o objetivo de recuperação e reinserção dos ex-detentos na sociedade. O modelo de APAC surgiu em São José dos Campos (SP), em 1972, pautado nos elementos (OLÍMPIO, MARQUES, 2015, p.8):

1)

Participação da comunidade;

2)

Recuperando ajudando recuperando;

3)

Trabalho;

4)

Religião;

5)

Assistência Jurídica,

6)

Assistência à Saúde,

7)

Valorização Humana,

8)

A família

9)

O voluntário e o curso de formação

10)

Centro de Reintegração Social;

11)

Mérito do recuperando;

12)

Jornada da Libertação com Cristo.

Desta forma, deve-se incentivar políticas públicas de reintegração social que visem a recuperação do detento, gerando menos violência ao ambiente, mas também, faz parte desse contexto sistêmico, as políticas públicas de educação, saúde, profissionalização direcionadas a todos os brasileiros, reforçando presença de valores na sociedade (ambiente) restringindo a entrada de violência no sistema.

5. COMPREENDENDO O SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO POR MEIO DA ABORDAGEM SISTÊMICA

PENITENCIÁRIO BRASILEIRO POR MEIO DA ABORDAGEM SISTÊMICA 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento
PENITENCIÁRIO BRASILEIRO POR MEIO DA ABORDAGEM SISTÊMICA 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento

11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento sistêmico e a interdisciplinaridade: debates e discussões. Anais. Franca, 29 e 30 de outubro de 2015.

A abordagem sistêmica aqui proposta está pautada na compreensão do todo que envolve o sistema

A abordagem sistêmica aqui proposta está pautada na compreensão do todo que

envolve o sistema penitenciário brasileiro. Capra (2000) explica que o pensamento sistêmico

é contextual, não se foca nos componentes básicos, mas nos princípios da organização. Assim, propõe-se compreender o sistema penitenciário brasileiro a partir de suas entradas, processos e saídas.

Donaires (2006, p.19) esclarece que “os sistemas aplicam alguma transformação às suas entradas. Os estados internos do sistema interferem no processo de transformação enquanto eles mesmo sofrem mudanças.” Aqui propõe-se entender o papel das políticas públicas de reintegração social no sistema penitenciário brasileiro, interferindo no processo de transformação, concebendo uma saída “melhorada”, no contexto, sem violência, ou com menos violência.

A figura 1, a seguir, tem o objetivo de apresentar o sistema penitenciário brasileiro

atual.

de apresentar o sistema penitenciário brasileiro atual. Fonte: os autores Verifica-se que se trata de um

Fonte: os autores

Verifica-se que se trata de um sistema aberto, isto é, em constante troca com o ambiente, gerando mais violência e mais criminalidade, ampliando o problema público. O cerne da questão está na quantidade de problemas dentro do sistema penitenciário brasileiro como: alimentação precária, comércio de drogas, celas superlotadas, abusos sexuais, violência, facções criminosas, corrupção, falta de interesse do Estado, entre outros elementos que ampliam as saídas e não recuperam o detento. Atualmente, existem políticas públicas de reintegração social, que recuperam alguns detentos submetidos a elas, mas não proporcionam solução a todo problema público.

A figura 2, na sequencia, apresenta o sistema penitenciário brasileiro recuperado,

Isso acontecerá desde que se aplique a LEP adequadamente, que o Estado tenha interesse público em formular políticas públicas efetivas e não políticas de poder, como pontuaram Cabral et al (2014), dentro do sistema. Dentro do sistema haverá: alimentação adequada,

sistema. Dentro do sistema haverá: alimentação adequada, 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento
sistema. Dentro do sistema haverá: alimentação adequada, 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento

11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento sistêmico e a interdisciplinaridade: debates e discussões. Anais. Franca, 29 e 30 de outubro de 2015.

bloqueio do crime (drogas, violência sexual, facções criminosas, corrupção), celas com número de detentos adequados,

bloqueio do crime (drogas, violência sexual, facções criminosas, corrupção), celas com número de detentos adequados, que juntamente com políticas públicas de reintegração

social trarão resultados diferentes para o ambiente, ou seja, menos crimes, menos violência

e um cidadão recuperado. Dialogando com esse sistema estão políticas públicas de

Educação, Saúde e Profissionalização que de fato tragam resultados ao ambiente.

que de fato tragam resultados ao ambiente. Fonte: os autores Pontua-se nesse momento, que o Estado

Fonte: os autores

Pontua-se nesse momento, que o Estado está sendo negligente desde a garantia das condições básicas durante o aprisionamento, como também ao fornecer assistência material, de saúde, jurídica, educacional, social e religiosa, bem como a sua formação e preparação para o retorno a sociedade em uma condição de recuperado. A opção pelo aprisionamento está sendo uma atuação coercitiva, afastando o criminoso da sociedade, privando-o a liberdade, causando superlotação do sistema prisional.

A visão sistêmica mostra que é necessária à aplicação de políticas públicas

adequadas no desenvolvimento da sociedade, dando uma verdadeira formação educacional

e profissional, além de condições mínimas de saúde, permitindo que o cidadão faça escolhas por uma vida profissional e honesta, longe dos crimes e da violência.

Nesse contexto sistêmico, apresentado na figura 2, o sistema ideal, o Estado tem por obrigação recuperar esse indivíduo, acolhendo-o com dignidade, com atendimento básico em todos os âmbitos inclusive de formação profissional e a presença de políticas públicas efetivas de reintegração, dialogando com políticas de educação, saúde e profissionalização tem papel fundamental nesse sistema.

e profissionalização tem papel fundamental nesse sistema. 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento
e profissionalização tem papel fundamental nesse sistema. 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento

11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento sistêmico e a interdisciplinaridade: debates e discussões. Anais. Franca, 29 e 30 de outubro de 2015.

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS A aplicação da abordagem sistêmica no sistema penitenciário brasileiro evidenciou o

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS

A aplicação da abordagem sistêmica no sistema penitenciário brasileiro evidenciou o importante alicerce da solução do problema público em políticas públicas. O problema não poder ser analisado isoladamente, pois no cerne do sistema amplia-se a complexidade, alimentação precária, comércio de drogas, celas superlotadas, abusos sexuais, violência, facções criminosas, corrupção, falta de interesse do Estado, entre outros elementos que ampliam as saídas e não recuperam o detento.

Um Estado interessado e atuante, com políticas públicas de educação, saúde e profissionalização, além de uma Lei de Execução Penal integralmente aplicada e políticas públicas efetivas de reintegração social, que influenciam o ambiente e o sistema como um todo. Dessa forma, o cidadão estará em um contexto que fomenta valores integrais humanos, que propicia educação, saúde e formação profissional, que não estimula violência e criminalidade.

Na prática, o Brasil é o terceiro país no mundo em população carcerária, na contra mão de países como Suécia, Holanda, Nova Zelândia e Coréia do Sul que possuem um assassinato para 100 mil pessoas (GOMES, 2014). É um país, que o preso ao entrar no sistema penitenciário tem dificuldade de reintegração social, gerando um ciclo vicioso, ampliando a criminalidade e violência encontrada no sistema. Com isso, além de gerar a perda da dignidade, são pessoas excluídas da sociedade e punidas duplamente por entrarem em um sistema tão cruel, dando origem mais mortes, mais barbárie, mais sofrimento e mais pessoas na prisão.

7. REFERÊNCIAS

BRASIL. Lei de Execução Penal. DOU. Brasília, DF. Lei no. 7210 de 11 de junho de 1984.

CABRAL, R.; JOO,C.U.S; DA SILVA, A.V. Políticas Públicas de Reintegração Social no Sistema Penitenciário na Região Metropolitana do Estado de Goiás: a percepção do egresso. In: 8º. Encontro da ANDHEP: Políticas Públicas de Segurança Pública e Direitos Humanos. Abril/2014. Faculdade de Direito, USP, São Paulo, SP. Disponível em <

http://www.encontro2014.andhep.org.br/resources/anais/1/1397604716_ARQUIVO_RESUM

O_COMPLETO_ANDHEP_RUTH_CABRAL_GT12.pdf> Acesso em 12 set 2015.

CAPRA, Fritjof. La Trama de La Vida: uma nueva perspectiva de los sistemas vivos.Barcelona: Anagrama, 2000.

CERVO, A. L; BERVIAN, P. A; SILVA, R. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Pearson,

2007.

DONAIRES, Omar S. Teoria Geral de Sistemas II. In: MARTINELLI, Dante P.; VENTURA, Carla A. A. (Orgs). Visão Sistêmica e Administração. São Paulo: Saraiva, 2006.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. 41. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2013.

GOMES, Luiz Flávio. Brasil é o terceiro que mais prende no mundo. Jun/2014. Disponível em: <http://institutoavantebrasil.com.br/brasil-terceiro-que-mais-prende-no-mundo/>. Acesso em 8 de setembro 2015.

Acesso em 8 de setembro 2015. 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento
Acesso em 8 de setembro 2015. 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento

11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento sistêmico e a interdisciplinaridade: debates e discussões. Anais. Franca, 29 e 30 de outubro de 2015.

GOMES, Luiz Flávio. Suécia e Holanda fecham prisões. Brasil fecha escolas e abre prisões. Nov/2013.

GOMES, Luiz Flávio. Suécia e Holanda fecham prisões. Brasil fecha escolas e abre prisões.

Nov/2013. Disponível em: <http://professorlfg.jusbrasil.com.br/artigos/121932808/suecia-e- holanda-fecham-prisoes-brasil-fecha-escolas-e-abre-presidios>. Acesso em 22 de fevereiro

2015.

MARESCH, C. R. A Gestão Pública Do Sistema Penitenciário Brasileiro: mazelas e descasos frente aos direitos fundamentais. In: OAB – Santan Catarina. Jan/2014. Disponível em < http://www.oab-sc.org.br/artigos/gestao-publica-do-sistema-penitenciario-brasileiro- mazelas-e-descasos-frente-aos-direitos-fundamenta/1534> Acesso em 12 set 2015.

MONTENEGRO, Manuel. CNJ divulga dados sobre nova população carcerária brasileira. Agência CNJ de notícias. Brasília, 05 jun 2014. Disponível em: <

http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/61762-cnj-divulga-dados-sobre-nova-populacao-carceraria-

brasileira> . Acesso em 12 set 2015.

OLIMPIO, W. M. C;MARQUES,A. M. O Sistema Penitenciário Brasileiro: considerações sobre sua crise e políticas públicas. In: VII Jornada Internacional de Políticas Públicas. Agosto/ 2015. Disponível em < http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2015/pdfs/eixo7/o- sitema-penitenciario-brasileiro-consideracoes-sobre-sua-crise-e-politicas-publicas.pdf> Acesso em 12 set 2015.

SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas. Conceitos, Esquema de análise, Casos Práticos. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

SOUZA, Fátima. História do sistema prisional no Brasil. Disponível em:

<http://pessoas.hsw.uol.com.br/prisoes2.htm>. Acesso em 09 de setembro 2015.

SOUZA, Celina. Estado da Arte da Pesquisa em Políticas Públicas. In: HOCHMAN, Gilberto; ARRETCHE, Marta; MARQUES, Eduardo. Políticas Públicas no Brasil. Rio de Janeiro:

Fiocruz, 2007. Pp. 65-85.

no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007. Pp. 65-85. 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento
no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007. Pp. 65-85. 11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento

11º Congresso Brasileiro de Sistemas: O Pensamento sistêmico e a interdisciplinaridade: debates e discussões. Anais. Franca, 29 e 30 de outubro de 2015.