Você está na página 1de 3

Plano de Aula: Direito Internacional Público

DIREITO INTERNACIONAL
Direito Internacional Público
ALUNA: TANIA REGINA TEIXEIRA VIEIRA SOARES – MATRÍCULA 201202247148

Número de Semana de Aula 2


Caso Concreto 1

Considere o texto abaixo feito a partir da compilação de obras de importantes


doutrinadores:

O eminente jurista Celso de Albuquerque Mello via no pensamento de Ignácio Ramonet a


melhor descrição da sociedade internacional após a queda do muro de Berlim. Segundo esta
descrição:

“Após 1989 já houve cerca de 60 conflitos armados com mais de 17 milhões de refugiados.
As 225 maiores fortunas do globo representam 1000 bilhões de euros, que é o equivalente
à renda anual de 45% dos mais pobres da população mundial (2,5 bilhões de pessoas). As
pessoas estão mais ricas que os Estados. As 15 pessoas mais ricas ultrapassam o PIB da
África Subsaárica. Em 1960 os 20% da população que vivia nos países mais ricos tinham
uma renda 30 vezes superior a dos 20% mais pobres. Em 1995 a renda é 80 vezes
superior.
Para atender às necessidades sanitárias e nutricionais fundamentais custaria 12 bilhões de
euros, isto é, o que os habitantes dos EUA e União Européia gastam por ano em perfume e
menos do que gastam em sorvete. Morrem anualmente 30 milhões de pessoas por fome.
Esta é uma arma política, uma arma de guerra e cria o "charité business". As fusões de
empresa têm permitido diminuir o número de empregos. Cada uma das 100 principais
empresas globais vende mais do que exporta cada um dos 120 países mais pobres. As 23
empresas mais importantes vendem mais que o Brasil. Elas controlam 70% do comércio
mundial.(Cf. MELLO, Celso D. de Albuquerque. Curso de Direito Internacional Público. Rio de
Janeiro: Renovar, 14 ed, vol I, 2002, p.57).”

O texto acima descreve as consequências danosas de uma inserção internacional assimétrica


feita a partir de relações verticalizadas com relação aos centros mundiais de poder,
representados pelos países desenvolvidos. É melancólica aquela imagem dos gastos com
perfumes e sorvetes no mundo desenvolvido em comparação com as necessidades básicas
de saúde, educação e alimentação no mundo periférico. Igualmente forte, o registro de que
as pessoas estão mais ricas do que os Estados nacionais. Tudo isso a refletir a complexa
sociedade internacional contemporânea.

A partir da leitura do texto, disserte acerca das características da sociedade internacional


que são idealmente apontadas pela melhor doutrina do direito internacional e que
encontram respaldo na Carta na ONU e em outros documentos internacionais.

RESPOSTA:

A globalização possibilitou a integração entre todos os países do globo, seus respectivos


povos e culturas, quebrou barreiras regionais, proporcionou a integração dos mercados
financeiros, formação de blocos econômicos, acúmulo de riquezas por partes de diversos
países, mas em contrapartida gerou distorções socioeconômicas muito graves.
A globalização tem levado o planeta à proximidade da catástrofe ambiental, convulsão social
sem precedentes, desestruturação das economias de muitos países, aumento da pobreza, da
fome, dos sem terra, da migração e do deslocamento social.

Assim, visando à criação de condições de estabilidade e bem-estar necessárias para a


convivência pacífica entre as nações, a Carta da ONU, em seu artigo 55, estabelece que as
Nações Unidas devem promover padrões de vida mais elevados, pleno emprego e condições
de progresso econômico e social.

A sociedade internacional caracteriza-se por ser:

a) universal: porque abrange todos os entes do globo terrestre;

b) paritária: uma vez que nela existe igualdade jurídica;

c) aberta: significa que todo ente, ao reunir determinados elementos, se torna seu membro
sem que haja necessidade dos membros já existentes se manifestarem sobre o seu
ingresso;

d) descentralizada: posto não existir organização institucional com o na sociedade interna


dos Estados. Assim, não existe poder legislativo da sociedade internacional;

e) O Direito que nela se manifesta é originário e não se fundamenta em nenhum outro


ordenamento jurídico.

Não se pode negar, no entanto, que o processo de globalização tende a reduzir o conceito
de soberania estatal pela desconstrução do Estado interventor (Welfare State) em prol do
fortalecimento das estruturas internacionais mediante a consolidação de organismos
multilaterais de cooperação internacional, o que evidentemente conduz à revalorização da
concepção de Estado Mínimo.

CASO CONCRETO 2

“...Precisamos nos assegurar de estarmos oferecendo às nossas forças militares e de


segurança os meios para realizarem suas missões, nos locais aos quais são enviadas. É
nesse aspecto que a França e o Reino Unido trabalham em parceria por intermédio de um
conjunto de sistemas, o que é útil não só para nossas forças, mas também para nossas
indústrias, nossas economias e nossas populações. Uma etapa importante será vencida hoje,
com a assinatura de um protocolo de acordo que lança nossa cooperação sobre nossos
futuros porta-aviões pelos próximos 12 meses. Mas existem também numerosos programas
importantes como, por exemplo, o sistema PAAMS (Principal Anti Air Missile System), o
míssil ar-ar Meteor e o avião de transporte A 400M..” (Artigo da ministra francesa da
defesa, Michèle Alliot-Marie, e do ministro britânico da defesa, John Reid, publicado no
jornal “Le figaro”(Paris, 6 de março de 2006).

Analise o texto e os aspectos que destaca, dissertando sobre as forças que atuam na
relação entre as pessoas de Direito Internacional e sua importância na modelagem da
sociedade internacional, em especial sobre os três sentidos de Fred Halliday para o termo
“sociedade internacional” - realismo, transnacionalismo e homogeneidade.

RESPOSTA: As forças que influenciam a SI são forças econômicas, culturais, religiosas e


políticas. Sendo que as forças econômicas e políticas são as mais importantes.
Forças culturais: Manifestam-se pela realização de acordos culturais entre os Estados, na
criação de organismos internacionais de fomento e desenvolvimento da cultura (UNESCO).

Forças econômicas: Definem o sistema internacional como primariamente constituído pela


atividade econômica e pela disseminação das relações sociais e econômicas capitalistas em
uma escala mundial. Segundo Celso Mello, elas seriam despertadas pelo materialismo
histórico de Marx e ainda que o seu enfrentamento exigiria uma grande cooperação
interestatal. (FMI, BIRD, OMC...).

Forças políticas: a luta pelo poder e pelo aumento do território estatal ocasionou fenômenos
característicos da sociedade internacional (ditadura e imperialismo).

Forças religiosas: catolicismo, protestantismo. Hoje, o Islamismo tem marcado presença na


nova forma de terrorismo, que vem, atualmente, dando novo contorno à SI.

Os três sentidos para o termo sociedade internacional, segundo Fred Halliday são:

1- Realismo - dentro do qual a sociedade Internacional refere-se à relação entre Estados,


baseada em normas compartilhadas e entendimentos. Em um mundo constituído por
potências soberanas e independentes, a guerra é o único meio pelo qual cada uma
delas pode, em última instância, defender seus interesses vitais.
2- Transnacionalismo - que se refere à emergência de laços não estatais de economia,
de política, de associação, de cultura e de ideologia que transcendem as fronteiras dos
Estados e constituem, em maior ou menor medida, uma sociedade que vai além
destas mesmas fronteiras.
3- Homogeneidade - que indica uma relação entre a estrutura interna das sociedades e
da sociedade internacional, investigando de que maneira, como resultado das
pressões internacionais, os Estados são compelidos a conformarem seus arranjos
internos aos demais. É um conceito que se refere tanto ao desenvolvimento interno
quanto às relações internacionais, já que o funcionamento interno dos Estados tanto
influencia como é influenciado pelos processos internacionais.