Você está na página 1de 2

Alucinógenos

Grupo de drogas que produzem intoxicação, às vezes chamada “viagem”.


Associadas a mudanças nas experiências sensoriais: Alucinações, e
ilusões visuais, consciência ampliada (estímulos internos e externos).
Podendo ser psicodélicas ou psicomiméticas.
Psicodélico: experiência subjetiva >> consciência sensorial aumentada
>>harmonia (universo ou sociedade);
Psicomimético: experiência mimetiza o estado de psicose
Exemplos: LSD, mescalina, psilocibina, MDMA (Ecstasy)

Intoxicação por alucinógenos


Ilusões visuais, “trilhas visuais”, macro e microscopia, labilidade
emocional e do humor, lentificação subjetiva do tempo, sensação de qu
as cores são ouvidas e os sons vistos, intesificação da percepção do
som, despersonalização e desrealização;
Outros efeitos podem incluir: prejuízo do julgamento, medo de perder o
controle, ansiedade, náusea, taquicardia, aumento da pressão
sanguínea e temperatura corporal.
“Bad trip”/ viagem ruim. Se intensificado: Estado confusional agudo
(delirium), abusador fica desorientado e agitando podendo desenvolver
ainda psicose franca com delírios e paranóia.

Duas classes de alucinógenos comuns


● 1ª classe >> Indolalquilaminas: se parecem com a serotonina.> LSD,
psilocibina e dimetiltriptamina/DMT
● 2ª classe >> fenilalquitaminas: parecem com a noradrenalina e a
dopamina estão também relacionadas a anfetamina e incluem a
mescalina e outras.
Drogas projetadas: MDMA > Estimulantes ou alucinógenos e
produzem estado subjetivo ecstasy (nome dado pelos abusadores ao
MDMA)
Efeitos: euforia, desorientação, confusão e aumento da sociabilidade,
da sensação de empatia e do insight pessoal.
Alucinógenos> ação comum como agonistas dos receptores de
serotonina. MDMA pode ser um poderoso liberador de serotonina.

O NDMA e várias drogas estruturadas relacionadas a ele podem até


destruir os terminais dos axônios de serotonina. Contudo a ação que
parece explicar o mecanismo da maioria dos alucinógenos é a
estimulação dos receptores 5HT2A.
Alucinógenos, podem produzir tolerância, produção de flashbacks,
Motivo dos flashbacks desconhecidos, sugere-se a possibilidade de
adaptação neuroquímica do do sistema serotoninérgico.
Bloqueadores de canal do receptor de NMDA >> Fenciclidina (PCP),
quetamina.
Fenciclidina (PCP)
Originalmente desenvolvida como anestésico, mostrou-se inaceltável
para este fim porque induz experiência psicomimética e alucinatória
característica. A quetamina (relacionada estruturalmente e com
mecanismo análogo) ainda é usada como anestésico, pois provoca
menos experiência psicomimética alucinatória.
Algumas pessoas abusam da droga para recreação (special k).
Sintomas: analgesia intensa, amnésia, delirium, efeitos estimulantes e
também depressivos, marcha cambaleante, fala enrolada e uma forma
particular de nistagmo (vertical).
● Intoxicaçao: catatonia, alucinações, delírios, paranóia, desorientação e
incapacidade de julgamento
● Superdosagem: temperatura muito alta, convulsões e colapso muscular.

Maconha e Endocanabinóides
Cannabis são fumadas para liberar substâncias psicoativas
(canabinóides), no caso o THC (delta-9-tetra-hidrocanabinol).
Interagem com receptores canabinóides próprios do cérebro para
desencadear a liberação de dopamina no sistema de prazer
mesolímbico.
● 2 receptores conhecidos: CB1 e CB2.
● Existe também o sistema canabinóide endógeno (maconha do
próprio cérebro); são sintetizados pelos neurônios e inativados pelos
sistemas de recaptação e enzimas tanto nos neurônios quanto na
glia (células auxiliares do sistema nervoso).
Ex: anandamida (endocanabinóide)

Anandamida compartilha a maioria das propriedades


faramacológicas do THC, a descoberta desse antagonista da
maconha abre uma porta para usá-la como agente terapêutico
potencial em vários tipos de abuso de droga.

A dependência de maconha ainda é controversa. Testes em ratos


apontam que é altamente provável que a dependência possa ocorrer
em humanos.