Você está na página 1de 66

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESPECIALIZAÇÃO EM DESIGN INSTRUCIONAL

Renata Naxara Martinelli

Projeto de Design Instrucional do curso livre para Educação online à Distância:


“Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de Curta-metragem”

São Paulo

2016
Renata Naxara Martinelli

Projeto de Design Instrucional do curso livre para Educação online à Distância:


“Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de Curta-metragem”

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao


Centro Universitário Senac – Campus Santo
Amaro, como exigência parcial para obtenção do
título de Especialista em Design Instrucional.

Trabalho desenvolvido nas disciplinas Trabalho de


Conclusão de Curso I e II, mediadas pelos
professores Melissa Rocha Gabarrone e Marcelo
Correia dos Santos.

São Paulo

2016
Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca do Centro Universitário Senac

Martinelli, Renata Naxara

Projeto de Design Instrucional do curso livre para Educação online à


Distância: Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de Curta
metragem / Renata Naxara Martinelli - São Paulo (SP), 2016.
66 f.: il. color.

Mediador(a): Melissa Rocha Gabarrone, Marcelo Correia dos Santos

Trabalho de Conclusão de Curso (Pós-Graduação em Curso de Pós-


graduação Lato Sensu - Especialização em Design Instrucional) - Centro
Universitário Senac, São Paulo, 2016.

1. Design Instrucional, 2. EaD, 3. Educação Online, 4. Roteiro de


Ficção, 5. Audiovisual I. Gabarrone, Melissa Rocha (Mediad.) II. dos
Santos, Marcelo Correia (Mediad.) III. Título
Renata Naxara Martinelli

Projeto de Design Instrucional do curso livre para Educação online à Distância:


“Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de Curta-metragem”

Trabalho de conclusão de curso apresentado ao


Centro Universitário Senac – Campus Santo
Amaro, como exigência parcial para obtenção do
título de Especialista em Design Instrucional.

Trabalho desenvolvido nas disciplinas Trabalho de


Conclusão de Curso I e II, mediadas pelos
professores Melissa Rocha Gabarrone e Marcelo
Correia dos Santos.

Aprovado por:

________________________________
Aos meus sete avós, biológicos e de coração:
Sérgio Naxara, Norma Baldini Naxara, Abel de Souza Barros, Maria Francisca
Thereza Martucci de Barros, José Maria de Lima, Rosa Bertozo de Lima e Chiara
Centurione Martinelli que me ensinaram a acreditar no poder transformador e
encantador da educação.

In memoriam
AGRADECIMENTOS

Eu agradeço, em primeiro lugar, a Deus e aos “anjos” que ele, indefinidamente,


coloca na minha vida. A maioria deles está aqui, neste texto de agradecimento.

A minha mais profunda gratidão aos meus pais de coração – Telma Lúcia de
Barros Lima e Luiz Carlos de Lima – que, mesmo sem muitas vezes entender minhas
escolhas, me amam e me apoiam incondicionalmente nas minhas decisões.

À mamãe, Maria Angélica Naxara, por todo seu amor, incentivo e


encorajamento.

À minha mana, Natália de Barros Lima, por tudo o que ela representa para mim.
Love ya 4ever, sis’!

Ao meu parceiro de vida, Hugo Martinelli, por me amar e acreditar em mim, por
vezes, até mais do que eu mesma. Obrigada pelo seu apoio total e irrestrito na minha
vida. Sempre insieme!

À minha dinda querida, Mônica Maria de Souza Barros, por seu suporte, carinho
e compreensão – principalmente quando eu “reconfiguro” a sala de casa com meus
livros, textos e anotações intermináveis.

Às minhas melhores amigas – Talita Ribeiro da Silva e Thais Mariotti – que,


serenamente, me amam, me aceitam e respeitam minha maneira excêntrica de ser.

Aos meus queridos alunos que toparam “servir de cobaia” para que eu pudesse
colocar em prática meus conhecimentos e ensinamentos da pós – you rock!

À minha psicóloga Teresa Cristina Colombo Labate e à minha personal trainner


Letícia Moura Miranda que, além de serem pessoas incríveis, me ajudam a manter
mens sana in corpore sano.

A minha mais sincera gratidão à Profª Drª Gisela G.S. Castro pelas dicas e
informações tão valiosas, não só sobre textos e artigos acadêmicos, mas
imprescindíveis para a vida for good.

Os meus mais profundos agradecimentos à instituição Senac pela seriedade e


comprometimento que fazem parte da minha formação. Agradeço em especial a turma
do Senac MAI – meus queridos professores do “Educador Social” – Ana Paula Puglisi
Yoshihara, Tiago Fescina e Paulo Salvetti, além do “cara” que me passava as
melhores dicas sobre livros e conselhos de vida: Gilberto Bazarello Caires – o Giba
da biblioteca. Dentre essa turma maravilhosa, eu dedico um agradecimento especial
à Renata Barbosa e Elsie Lunardi por toda a atenção e disponibilidade – vocês foram
fundamentais e decisivas no meu momento de escolha de curso para Pós-graduação,
valendo-se de horas em empenho entre pesquisas e conversas comigo –
simplesmente demais!

O meu muito obrigada para os docentes/ tutores da Pós-graduação em Design


Instrucional do Senac, que me auxiliaram e contribuíram para o meu aprendizado
durante todo esse processo: José Erigleidson Da Silva, Lilian Faria Ferreira, Marcelo
Correia, Maykon Novais e Melissa Gabarrone. Dedico, aqui, meu agradecimento
especial para as queridas Cristiane Freire de Sá e a Profª Drª Adriana Clementino –
nossa coordenadora de curso – pela parceria e paixão, que igualmente
compartilhamos pela educação e pelo processo de ensino-aprendizagem – “tamo
junto”!
Aos meus queridos colegas de curso que provaram, na prática, que a
“Distância Transacional” pode ser quase inexistente em um curso online à distância.
Em ordem alfabética, eu agradeço profundamente aqueles que fizeram toda a
diferença no meu processo de aprendizado entre discussões no fórum, trocas no
whatsapp, videoconferências via Skype e Hangout, papos pelo telefone e encontros
presenciais. Meus mais sinceros agradecimentos para: Andrea Silva Araújo, Clélia
Danieli, Davi Raimondi, Elis Piera Rosa, Marilúcia Monteiro da Rosa, Roberta Fabiana
Viana Roveda e Sueli Alves dos Reis.
Expresso a minha especial gratidão à minha querida colega de curso – Renata
Mendes Ribeiro – que, com uma generosidade e parceria inigualáveis, me manteve
firme e forte em momentos difíceis, me auxiliando nas Produções Coletivas, quando,
por problemas pessoais, cogitei suspender o curso. Valeu xará, serei eternamente
grata a você!

Galera! Agora somos DIs – colegas de profissão, parceiros de projetos e,


juntos, compartilhamos a responsabilidade de promover uma educação mais
significativa, libertária e acessível a todos – uma baita “responsa” que, com
criatividade e empenho, conseguiremos driblar e tirar de letra!
“Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. ”

Cora Coralina
RESUMO

O elemento central deste Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é apresentar todo


o planejamento e desenvolvimento do Projeto de Design Instrucional do curso livre
para Educação online à Distância: “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato
de Curta-metragem” para a instituição-cliente solicitante, a Escola Integrativa, sediada
em São Paulo, em função de uma ampla demanda mercadológica detectada pela
mesma. Após a identificação do problema educacional apresentado, uma minuciosa
análise de contexto foi realizada a fim de projetar a melhor solução possível para a
situação proposta, não perdendo de vista a dinâmica que rege todas as etapas do
Projeto, que fora norteado pelo modelo ADDIE de produção de DI. Durante o
processo de Gestão de todo o Projeto estabeleceu-se uma metodologia estruturada
resultante de pesquisas teórico-empíricas, de natureza exploratória e descritiva, na
convergência entre as áreas de administração, ciências humanas e da informação,
comunicação, design, educação e tecnologia, tendo toda essa interdisciplinaridade
organizada e apoiada por meio das Tecnologias da Informação e Comunicação
(TICs). As decisões tomadas e expostas no conjunto de ações sistêmicas do Design
Instrucional do curso supra mencionado comprovaram a assertividade que os
objetivos educacionais e do Projeto, bem como os conteúdos, teorias e estratégias
didático-pedagógicas, produção dos discursos narrativos e de linguagem, além dos
elementos de composição gráfica e atividades avaliativas tiveram enquanto resultado
do problema educacional proposto, em coerência discursiva com as diretrizes e
valores adotados pela instituição-cliente solicitante, a Escola Integrativa. Almeja-se
que este Projeto consiga auxiliar outros Designers Instrucionais e profissionais de
áreas correlatas a descobrir soluções criativas na multidisciplinaridade inerente de
suas práticas de trabalho, de forma a contemplar os objetivos educacionais propostos
para que, então, alguns dos inúmeros desafios que permeiam o processo de ensino-
aprendizagem dos seus futuros Projetos possam ser superados mais habilmente.

Palavras-chave: 1. Design Instrucional. 2. EaD. 3. Educação Online. 4. Roteiro de


Ficção. 5. Audiovisual
ABSTRACT

The core of this Term Paper is to present all the process - from planning to
implementation - of the Instructional Design Project for the online distance course
called: "How to Write Fictional Screenplays in Audiovisual for the Short Film Format",
due to a wide market demand detected by the requesting institution, “Escola
Integrativa” (Integrative School), based in São Paulo. After identifying the educational
problem presented, a thorough context analysis was performed in order to design the
best possible solution for the proposed situation, not losing sight of the dynamics that
rule all stages of the Project, which was guided by the ADDIE model of production in
Instruction Design. It has been established, during the process of the entire Project
Management, a structured methodology deriving from theoretical and empirical
research, exploratory and descriptive, in the convergence among different fields of
knowledge such as: administration, social sciences and humanities, information
science, communication, design, education and technology, having all this
interdisciplinary work organized and supported through Information and
Communication Technologies (ICTs). The decisions that have been taken and
exposed in the set of the systemic actions of the Instructional Design course Project
mentioned above, proved the assertiveness of the educational and Project objectives,
as well as the content, theories, didactic and pedagogical strategies, production of
narrative discourse and speech, in addition to typesetting elements and evaluation
activities that had as a result of the proposed educational problem, a discursive
consistency with the guidelines and values adopted by the requesting institution client,
the Integrative School. It’s desirable that this Project can be able to help other
Instructional Designers professionals, and other related areas professionals as well, to
find out creative solutions inside the multidisciplinary approach inherent of their
working practices, in order to behold the proposed educational goals and to face some
of the numerous challenges that permeate the process of teaching and learning of their
future projects, so all of that can be overcome more skillfully.

Keywords: 1. Instructional Design. 2. Distance Learning Education. 3. Online


Education. 4. Fictional Screenplay. 5. Audiovisual
LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1 – Logotipo da Escola Integrativa .................................................................. 44


Figura 2 – Apresentação do Curso ........................................................................... 44
Figura 3 – Ícones/ botões utilizados no Curso, parte 1 ............................................. 45
Figura 4 – Ícones/ botões utilizados no Curso, parte 2 ............................................. 45
Figura 5 – Personagem-avatar Carol em suas variações de interação – parte 1 ..... 46
Figura 6 – Personagem-avatar Carol em suas variações de interação – parte 2 ..... 46
Figura 7 – Personagem-avatar Carol em suas variações de interação – parte 3 ..... 47
Figura 8 – Esboço de Layout ..................................................................................... 47
Figura 9 – Storyboard, tela 01 .................................................................................... 51
Figura 10 – Storyboard, tela 02 .................................................................................. 51
Figura 11 – Storyboard, tela 03 .................................................................................. 52
Figura 12 – Storyboard, tela 04 .................................................................................. 52
Figura 13 – Storyboard, tela 05 .................................................................................. 53
Figura 14 – Storyboard, tela 06 .................................................................................. 53
Figura 15 – Storyboard, tela 07 .................................................................................. 54
Figura 16 – Storyboard, tela 08 .................................................................................. 54
Figura 17 – Storyboard, tela 09 .................................................................................. 55
Figura 18 – Storyboard, tela 10 .................................................................................. 55
Figura 19 – Storyboard, tela 11 .................................................................................. 56
Figura 20 – Storyboard, tela 12 .................................................................................. 56
Figura 21 – Storyboard, tela 13 .................................................................................. 57
Figura 22 – Storyboard, tela 14 .................................................................................. 57
Figura 23 – Storyboard, tela 15 .................................................................................. 58
Figura 24 – Storyboard, tela 16 .................................................................................. 58
Figura 25 – Storyboard, tela 17 .................................................................................. 59
Figura 26 – Storyboard, tela 18 .................................................................................. 59
Figura 27 – Storyboard, tela 19 .................................................................................. 60
Figura 28 – Storyboard, tela 20 .................................................................................. 60
Figura 29 – Storyboard, tela 21 .................................................................................. 61
Figura 30 – Storyboard, tela 22 .................................................................................. 61
Figura 31 – Storyboard, tela 23 .................................................................................. 62
Figura 32 – Storyboard, tela 24 .................................................................................. 62
LISTA DE QUADROS

Quadro 1 – Custo do Projeto ..................................................................................... 21


Quadro 2 – Cronograma do Projeto previsto em semanas ........................................ 26
Quadro 3 – Visão Geral do Curso .............................................................................. 27
Quadro 4 – Mapa do Conteúdo .................................................................................. 40
Quadro 5 – Template de correção de atividade individual para entrega ................... 63
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ADDIE Acrônimo das fases de um dos modelos de produção de Design


Instrucional, em inglês: Analysis, Design, Development, Implementation
and Evaluation (Análise, Planejamento, Desenvolvimento, Implantação
e Avaliação)

AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem

CH Carga Horária

DI Design Instrucional ou Designer Instrucional (dependendo do contexto)

EaD Educação a Distância

FA Fase de Avaliação do Projeto

FD Fase de Desenvolvimento do Projeto

FE Fase de Execução do Projeto

PBL Problem Based Learning (Aprendizagem Baseada em Problemas)

TCC Trabalho de Conclusão de Curso

TICs Tecnologias da Comunicação e Informação


SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ......................................................................................................................... 15

1.1 Contexto em que o Projeto será realizado ................................................................. 16

1.1.1 Dados Gerais sobre a Instituição .......................................................................... 17

1.1.2 Tema do Curso ........................................................................................................... 18

1.1.3 Justificativa .................................................................................................................. 19

1.1.4 Objetivo Geral do Projeto ........................................................................................ 20

1.1.5 Objetivos Específicos do Projeto ........................................................................... 20

1.1.6 Público-alvo ................................................................................................................. 20

1.1.7 Custos ........................................................................................................................... 21

1.1.8 Equipe ........................................................................................................................... 23

1.2 Cronograma ........................................................................................................................ 26

1.3 Visão Geral do Curso ....................................................................................................... 26

2. DESENVOLVIMENTO: DESIGN DE CURSO ................................................................. 28

2.1 Modelo de Design Instrucional do Curso .................................................................... 29

2.2 Análise do Conteúdo ........................................................................................................ 39

2.3 Linguagem ........................................................................................................................... 42

2.4 Interface Gráfica ................................................................................................................. 43

2.5 Formas de Interação e Feedback ................................................................................. 48

3. DESIGN DO CURSO .............................................................................................................. 49

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS .................................................................................................. 64

5. REFERÊNCIAS ......................................................................................................................... 65
15

1. INTRODUÇÃO

O presente Projeto é parte integrante do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)


da Pós-graduação lato sensu – Especialista em Design Instrucional, do Centro
Universitário Senac. Ao longo deste Projeto será possível compreender o aspecto
interdisciplinar de atuação do profissional Designer Instrucional que vai desde o
processo de planejamento e desenvolvimento de projetos educacionais, como este,
até a avaliação e implementação resultante desta mesma ação.

O Projeto de Design Instrucional do curso livre para Educação online à Distância:


“Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de Curta-metragem”, que será
apresentado a seguir, tem uma carga horária de 45 (quarenta e cinco) horas e duração
prevista para um período de 2 (dois) meses e meio, ou o equivalente a 11 (onze)
semanas. No que se refere à sua estrutura, ele apresenta 4 (quatro) grandes capítulos
que abrangem:

 O contexto em que o Projeto será realizado, com informações gerais sobre


a instituição-solicitante; tema do curso e seu formato; justificativa do
oferecimento do curso; objetivos gerais do Projeto; dados sobre o público-
alvo pretendido; tabela de custos e equipe de profissionais que fará parte
do Projeto.
 O cronograma do Projeto com todas as suas fases de duração.
 Uma visão geral do curso com suas divisões e subdivisões em objetivos
educacionais; módulos, temas e bibliografia das aulas e carga horária.
 O modelo de Design Instrucional do curso, com embasamento nas teorias
e abordagens pedagógicas e com detalhamentos sobre o ambiente virtual
do curso (AVA); a seleção das mídias escolhidas e de cada uma das aulas
dentro dos módulos.
 A análise do conteúdo que descreve a organização dos mesmos, bem como
os materiais, exercícios, atividades e estratégias didáticas, além das
avaliações que estarão presentes durante todo o curso.
16

 A matriz de linguagem textual que será apresentada aos alunos em sua


forma, contexto e conteúdo.
 A interface gráfica que define a identidade visual do curso, com suas
estruturas de layout, padrões de funcionalidade e outros aspectos estéticos
e legais relacionados.
 As formas de interação e feedback que articulam as influências recíprocas
e respostas entre alunos, conteúdos, professores, tutores, atividades e
avaliações propostas.

 O documento de design da quarta aula intitulada “Como dirigir o seu roteiro”,


componente do oitavo módulo – “Formatação do Roteiro em Audiovisual” –
do curso livre: “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de curta-
metragem”, apresentado no formato de Storyboard.
 As considerações finais que refletem sobre o processo de aprendizagem e
experiências adquiridas durante toda a trajetória deste curso de Pós-
graduação.

1.1. Contexto em que o Projeto será realizado

Quando o tema da Educação a Distância é abordado, faz-se necessário


contextualizá-lo, no sentido de diferenciá-lo, de acordo com as abordagens e
características que são próprias desta modalidade de ensino. Ao se compreender o
problema educacional da instituição-cliente e projetar a melhor solução possível para
esta situação proposta, não perdendo de vista a dinâmica do contexto em que o curso
estará inserido, é possível estruturar um processo que definirá os rumos do Projeto
em curso. Para tanto, é necessário realizar uma investigação sobre as suas
necessidades ou sobre os problemas de aprendizagem apresentados; caracterizar o
público-alvo a quem se destina o curso; levantar as restrições técnicas,
administrativas e culturais, entre outros aspectos. Esta abordagem será apresentada
a seguir.
17

1.1.1 Dados Gerais sobre a Instituição

A instituição-cliente solicitante do Projeto de Design Instrucional do curso livre:


“Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de Curta-metragem” é a Escola
Integrativa, que está localizada na cidade de São Paulo e encontra-se em processo
de implementação. A Escola Integrativa oferece cursos livres nas seguintes áreas:
Comunicação Social, Audiovisual, Cinema Digital e Artes, nas modalidades
presenciais, semipresenciais e à distância e tem, na base dos seus valores
institucionais, a educação centrada no aluno, bem como no seu processo de
aprendizagem significativa.

A instituição-cliente pensa a educação de uma maneira diferenciada, inovadora,


ética, acessível e sustentável para os seus alunos. Ela contempla os diferentes estilos
de aprendizagem e as inteligências múltiplas ao entender que cada indivíduo aprende
e desenvolve os seus talentos, capacidades e habilidades mentais de maneira própria,
no seu tempo e por caminhos diferentes.

A visão humanista da Escola Integrativa se funde com a sua filosofia educacional,


que tem as suas bases no socioconstrutivismo de Vygotsky, e mescla diversas
abordagens teóricas de aprendizagem contemporânea voltadas tanto para o
desenvolvimento da autonomia pessoal do indivíduo quanto para a construção de
práticas colaborativas, tais como: Aprendizagem Significativa e Mapas Conceituais;
Aprendizado Experimental de Rogers; Pedagogia de Projetos; Comunidades de
Aprendizagem e de Prática; Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL).

O objetivo educacional da instituição-cliente é tornar-se referência em novas


práticas de ensino-aprendizagem que tem o aluno como produtor da construção de
seu próprio conhecimento em aspectos pluridimensionais que contemplam tanto os
valores e práticas individuais, quanto coletivas, ao estimular a capacidade de
expressão e o potencial criativo no desenvolvimento de novas habilidades e
conhecimentos.
A Escola Integrativa considera a Educação a Distância como uma excelente
alternativa para os alunos que se encontram afastados geograficamente, ou que não
possuem o fator “tempo” disponível para atender aos seus cursos presenciais ou
semipresenciais, mas não querem deixar de aproveitar as vantagens que as
18

Tecnologias da Comunicação e Informação (TICs) podem lhes proporcionar com o


oferecimento de cursos de qualidade, centrados no aluno e sem deixar de lado a
construção coletiva do conhecimento.
A instituição-cliente possui um formato enxuto, tanto em termos de funcionários,
quanto em questões de infraestrutura. De acordo com a demanda educacional, além
dos funcionários fixos e da infraestrutura básica, a Escola Integrativa conta também
com uma equipe de prestadores de serviço e colaboradores autônomos e tem parceria
com empresas especializadas em materiais e equipamentos voltados para as áreas
artísticas, do cinema digital e do audiovisual.
A instituição-cliente conta com os seguintes funcionários fixos: 1 (uma) secretária/
recepcionista; 1 (um) administrador de empresas; 1 (um) contador responsável pela
área financeira; 1 (um) designer instrucional sênior; 1 (um) coordenador pedagógico;
e com os seguintes recursos tecnológicos: 2 (dois) microfones direcionais; 2 (dois)
microfones de lapela; 1 (um) microfone boom; 2 (dois) amplificadores; 2 (duas)
televisões 48 (quarenta e oito) polegadas; 2 (dois) aparelhos de DVD; 2 (dois)
projetores; 2 (duas) câmeras em HD, 1 (uma) claquete; 3 (três) máquinas fotográficas
digitais; 2 (dois) desktops, 3 (três) laptops; 1 (um) aparelho de telefone fixo; 1 (uma)
multifuncional; 2 (dois) flipcharts; 3 (três) quadros brancos.

1.1.2 Tema do Curso

O curso livre “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de Curta-


metragem” tem carga horária de 45 horas e duração prevista para um período de 2
meses e meio, ou o equivalente a 11 semanas. O modelo de Design Instrucional do
curso é de caráter misto e conta com algumas situações de ensino-aprendizagem
mais estruturadas, com foco na aprendizagem autogerida, bem como com atividades
mais interativas e abertas de caráter colaborativo que serão adaptadas no decorrer
do curso, em função dos grupos de alunos. O curso será ofertado online na
modalidade de educação à distância e será estruturado em 9 módulos, com os
seguintes temas e cargas horárias:

Módulo 1 – Tipos de Roteiro em Audiovisual (6 horas)

Módulo 2 – Gêneros Cinematográficos (5 horas)


19

Módulo 3 – O Processo Criativo e o Desenvolvimento de Ideias (5 horas)

Módulo 4 – A História e a Estrutura do Roteiro (6 horas)

Módulo 5 – A Construção da Personagem e a “Jornada do Herói” (6 horas)

Módulo 6 – Estruturas Narrativas e Estruturas Dramáticas (5 horas)

Módulo 7 – Elementos da Linguagem Audiovisual (6 horas)

Módulo 8 – Formatação do Roteiro em Audiovisual (4 horas)

Módulo 9 – Copyrights, Registro e Publicação (2 horas)

1.1.3 Justificativa

As Tecnologias da Comunicação e Informação evoluíram de maneira exponencial


nos últimos anos e, a cada dia que passa, novas mídias, meios e suportes surgem em
função dessa demanda criada pelo mercado. Há algumas décadas, antes do
surgimento da Era Digital, fazer um filme em formato de curta metragem era para
poucos, pois além de demandar um planejamento extremamente minucioso em
termos de produção, o preço da película cinematográfica custava uma verdadeira
fortuna. Hoje, a realidade é outra e bem mais acessível. Já é possível gravar e, até
mesmo, editar um filme, com uma boa qualidade de som e imagem, com um simples
aparelho smartphone e, dependendo do projeto, com custo quase zero.

Entretanto, para que um filme de ficção, independentemente do seu formato ou da


sua duração, possa ser bem produzido e finalizado, ele precisa ter, antes de qualquer
coisa, um elemento crucial: um bom roteiro. O curso livre “Roteiro de Ficção em
Audiovisual para o formato de Curta-metragem” surge em função dessa necessidade
de mercado levantada pela instituição-cliente solicitante e se diferencia por aliar teoria
e prática; reflexão e ação; aprendizagem autogerida e atividades colaborativas. Tais
aspectos precisam ser alinhados e estruturados em um projeto de Design Instrucional
que contemple todos os quesitos necessários para que o processo de ensino-
aprendizagem ocorra da melhor maneira possível e cumpra com os objetivos
educacionais propostos do curso, além de atender à demanda mercadológica atual.
20

1.1.4 Objetivo Geral do Projeto

Capacitar o aluno para a criação e desenvolvimento de roteiros de ficção em


audiovisual para o formato de curta-metragem.

1.1.5 Objetivos Específicos do Projeto

Para que o objetivo geral seja alcançado, é necessário que o aluno consiga
alcançar os seguintes objetivos específicos:

 Definir o conceito de roteiro em audiovisual;


 Diferenciar os tipos de roteiros existentes nas produções em audiovisual;
 Identificar os principais gêneros cinematográficos;
 Conhecer diferentes técnicas estimuladoras do processo criativo;
 Desenvolver habilidades técnicas de criatividade;
 Compreender cada uma das etapas que compõem a história e a estrutura de
um roteiro em audiovisual;
 Refletir sobre o processo de construção de personagens;
 Identificar as etapas da “Jornada do Herói”;
 Reconhecer as diferenças entre Estruturas Narrativas e Estruturas Dramáticas;
 Analisar os principais elementos que compõem a linguagem audiovisual;
 Estruturar os elementos que compõem a formatação técnica do roteiro;
 Formatar um roteiro utilizando o software Celtx como ferramenta;
 Compreender aspectos legais e mercadológicos nas práticas de roteiro;

1.1.6 Público-alvo

O público-alvo do curso livre “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de


Curta-metragem” é composto, em um primeiro momento, por jovens e/ou adultos,
estudantes de Cinema, Audiovisual ou Comunicação Social, de qualquer lugar do
21

Brasil, com ou sem experiência nas práticas de roteiro, e que estejam interessados
em desenvolver habilidades relacionadas à escrita criativa e técnicas correlatas para
a criação de roteiros de ficção para o formato de curta-metragem.

Por ser um curso livre, qualquer pessoa que estiver pelo menos cursando o ensino
médio e possuir algum interesse pela escrita criativa, cinematografia ou audiovisual
poderá participar, desde que possua uma certa fluência digital, tenha acesso à internet
e saiba utiliza-la para pesquisar e navegar nos hyperlinks. Além disso, é importante
que o aluno seja capaz de interagir no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) do
curso e atenda também aos seguintes pré-requisitos tecnológicos em termos de
equipamentos, hardwares e softwares listados a seguir:

 Computador (desktop ou notebook) ou tablet ou smartphone com conexão


de internet em banda larga para acesso à internet;
 Mínimo de 512 Mb de memória Ram;
 Possuir endereço eletrônico (e-mail);
 Plug-in dos aplicativos “Flash Player”, “Windows Media Player”, “Acrobat
Reader” e instalação do software “Celtx”
 Placa de som (on-board ou off-board);
 Caixas de áudio ou fone de ouvido;
 Microfone (em caso de conferências de áudio).

O aluno poderá acessar o curso de qualquer lugar – residência, escola, trabalho,


bibliotecas, espaços públicos com wi-fi, lan houses etc. – e na hora que quiser. É
recomendado que o aluno tenha pelo menos uma hora diária de disponibilidade de
tempo para se dedicar aos estudos.

1.1.7 Custos

Quadro 1 - Custo do Projeto

PROJETO: CURSO LIVRE DE “ROTEIRO DE FICÇÃO EM AUDIOVISUAL


PARA O FORMATO DE CURTA-METRAGEM”
22

PREMISSAS ESTABELECIDAS PARA A DURAÇÃO DO PROJETO

Duração do Projeto em curso: 20 semanas / 5 meses

Fase de Desenvolvimento do Projeto (FD): semana 01 a 09

Fase de Execução do Projeto (FE): semana 09 a 19

Fase de Avaliação do Projeto (FA): semana 01 a 20 (duração de todo o Projeto em curso)

Número estimado de alunos matriculados por turma: 25

Quantidade de Turmas: 4

Itens/Etapas Custos Fixos Mensais Custos Variáveis/Turma

(valores em R$) (valores em R$)

A. Custos Gerais do Projeto


1. Edificações e espaços físicos 3.000,00
Gastos com aluguel, água, luz, estacionamento, etc.
para elaboração do projeto.
2. Ambientes Virtuais 400,00
Custo de hospedagem, manutenção e acesso
(servidor dedicado).
3. Softwares específicos para produção e 3.000,00 (valor único)
desenvolvimento do curso
Valores investidos em softwares
B. Análise Contextual do Projeto

1. Planejamento, Coleta e Análise dos dados 2.500,00 (valor único)


Levantamento de informações sobre o público-alvo;
divulgação; conteúdos; valores de cursos similares;
2. Relatório de Análise do Projeto 1.000,00 (valor único)
Sistematização dos dados e análise para a
viabilização ou não do projeto.
C. Design e desenvolvimento

1. Design Instrucional Jr. e Design 5.500,00


Instrucional Sênior
2. Produção 7.000,00
Equipe de webdesign, computação, revisão
ortográfica, ilustração, editoração etc.
3. Produção de Mídias 4.000,00 (valor único)
Vídeos, ilustrações, mapas conceituais, aulas
narradas etc.
4. Testes e Validações 1.500,00 (valor único)
Turma Piloto
D. Implementação
Valor total para primeiro oferecimento

1. Capacitação da Equipe 1.500,00 (valor único)


23

2. Tutoria (1 tutor para cada 25 alunos) 1.000,00

3. Monitoria (1 monitor para cada 50 alunos) 1.000,00

4. Apoio técnico/ laboratórios 1.000,00


(1 técnico para cada 50 alunos)
E. Avaliação
Valor total para primeiro oferecimento

1. Relatórios de Acompanhamento 150,00

2. Certificados 100,00

F. Outros

1. Material de consumo básico 2.000,00


Papelaria, água, café, materiais de limpeza etc.

CUSTO MENSAL 21.150,00

CUSTO TOTAL (FIXO + VARIÁVEL) 105.750,00 + 13.500 = 119.250,00

CUSTO MÉDIO/ALUNO 1.192,00

A Escola Integrativa pretende cobrar uma mensalidade de R$250,00 de cada aluno


inscrito no curso, sem a cobrança de taxa de matrícula. Os pagamentos poderão ser
efetuados presencialmente, na Sede da Escola Integrativa, por meio de boleto de
cobrança ou, ainda, eletronicamente por meio de cartões de crédito ou serviços como
o PayPal ® ou PagSeguro ® .

Como o curso oferecido tem a duração de cinco meses, cada aluno pagaria o valor
total de R$ 1.250,00, com Certificado de Conclusão de Curso enviado à residência
sem qualquer tipo de custo adicional. Se as quatro turmas previstas tiverem o número
de alunos estimado para a realização do curso, ele “se pagará” já na primeira oferta.

1.1.8 Equipe

Para desenvolver este curso será formada uma equipe multidisciplinar composta
pelos funcionários da Escola Integrativa, além de outros profissionais que serão
especialmente contratados para a realização deste Projeto, que contará com os
seguintes profissionais:
24

I. Equipe Técnica

- 1 Webdesigner especialista em aplicativos para smartphones e tablets – responsável


por projetar e desenhar o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), ou seja, o espaço
onde ocorrerá toda interação do usuário com o material instrucional, em 3 formatos
distintos (computador, smartphones e tablets), de acordo com a usabilidade de cada
suporte em questão.

- 1 Desenvolvedor Web especialista em aplicativos para smartphones e tablets –


profissional responsável por planejar, construir, testar e dar manutenção ao Ambiente
Virtual de Aprendizagem (AVA) nos 3 suportes distintos (PC, smartphones e tablets)
em que o curso será ofertado. O Webdesigner e o Desenvolvedor Web trabalharão
em conjunto na mesma célula afim de garantir a harmonia de todo o Projeto.

- 1 Técnico em áudio - Profissional responsável pela captação de áudio e equalização


sonora durante as gravações das aulas narradas.

- 1 Editor de audiovisual – Profissional responsável pela edição e pós-produção das


aulas narradas. Depois de finalizado, avaliado e validado pelo grupo, ele deverá
entregar o vídeo aos profissionais web para que os mesmos possam incorporá-lo ao
AVA do curso a ser realizado.

- 1 Desenhista/ Ilustrador – responsável por criar, desenhar e desenvolver os Mapas


Conceituais, juntamente com o D.I. Júnior e conteudista, bem como desenvolver
outras ilustrações que se façam necessárias no conteúdo dos materiais instrucionais.

II. Equipe Pedagógica:

- 1 Coordenador Pedagógico - profissional responsável pelo alinhamento pedagógico


do curso, de acordo com a filosofia educacional da Escola Integrativa. Ele trabalhará
de forma conjunta com o Designer Instrucional Sênior.

- 1 Designer Instrucional Sênior – profissional responsável pela Gestão do Projeto,


bem como pelo acompanhamento e decisão final de todas as etapas do processo,
seguindo o modelo ADDIE de produção de Design Instrucional: Análise,
Planejamento, Desenvolvimento, Implantação e Avaliação.
25

- 1 Designer Instrucional Júnior – profissional encarregado de auxiliar o Designer


Instrucional Sênior em todas as etapas do Projeto e que apresente as competências
essenciais do Designer Instrucional nos domínios de Fundamentos da Profissão,
Planejamento e Análise, Design e Desenvolvimento, Avaliação e Implementação e
Gestão.

- 2 Especialistas em Conteúdo – Profissionais responsáveis por produzir material


inédito para o curso. Esses dois especialistas em conteúdo contarão com a ajuda de
um Redator/ Revisor durante o processo de coleta, organização, redação dos
materiais instrucionais e também, posteriormente, serão responsáveis por avaliar os
trabalhos desenvolvidos pelos alunos do curso, bem como por oferecer um rápido
feedback a eles, em caso de dúvida, crítica ou sugestão com relação às avaliações
do curso.

- 1 Redator/ Revisor – Profissional responsável por auxiliar os especialistas em


conteúdo, bem como organizar, desenvolver, redigir e revisar todo o material
instrucional produzido no formato de texto que passará pela avaliação de toda a
equipe, seguindo orientações do Coordenador Pedagógico e do DI Sênior.

III. Equipe Administrativa:

- 1 Administrador de empresas – Profissional responsável por cuidar dos processos


administrativos referentes às questões burocráticas relacionadas ao curso.

- 1 Contador – Profissional responsável pela área financeira, bem como do controle


do fluxo de caixa.

- 1 Secretária/ recepcionista - Profissional responsável por atender os alunos e efetuar


as matrículas do curso.
26

1.2. Cronograma

Quadro 2 – Cronograma do Projeto previsto em semanas

Fases/ Períodos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

1. Planejamento do
Curso
2. Elaboração dos
Conteúdos

3. Elaboração dos
recursos didáticos
digitais
4. Revisão do Conteúdo

5. Validação do Material

6. Customização do AVA

7. Início do Curso

8. Acompanhamento do
Curso

9. Avaliação do Curso

Legenda: D – Fase de Desenvolvimento E– Fase de Execução A – Fase de Avaliação

1.3. Visão Geral do Curso

A seguir é apresentado um panorama geral do curso em Projeto, para que se


possa visualizar, de uma maneira mais abrangente, os temas/ módulos do curso, bem
como os seus respectivos objetivos traçados, carga horária (CH) e bibliografia
utilizada no desenvolvimento do mesmo.
27

Quadro 3 – Visão Geral do Curso

Título do curso: Curso livre de “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de Curta-metragem”

Temas/ Módulos Objetivos CH Bibliografia

. Definir o conceito
de roteiro em . FIELD, Syd. Manual do Roteiro. 13ª
Módulo 1: audiovisual Edição. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 2001.
Tipos de Roteiro em . Diferenciar os tipos 6h . MCKEE, Robert. Story – substância,
Audiovisual de roteiro existentes estrutura, estilo e os princípios da escrita
nas produções em de roteiro. Editora Arte e Letra, 2006.
audiovisual

. Identificar os . NOGUEIRA, Luis. Géneros


Módulo 2: principais gêneros Cinematográficos. Covilha: LabCom
Gêneros cinematográficos 5h
Books, 2010.
Cinematográficos

. Conhecer . AZNAR, Guy. Ideias – 100 técnicas de


diferentes técnicas criatividade. 1ª Edição. Editora Summus,
Módulo 3: estimuladoras do 2011.
O Processo Criativo processo criativo 5h . OECH, Roger. Um “Toc” na Cuca –
e o Desenvolvimento
de Ideias . Desenvolver técnicas para quem quer ter mais
habilidades técnicas criatividade na vida. Editora Cultura.
de criatividade

. Compreender cada . FIELD, Syd. Manual do Roteiro. 13ª


uma das etapas que Edição. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 2001.
Módulo 4:
compõem a história
A História e a 6h . MCKEE, Robert. Story – substância,
e a estrutura de um
Estrutura do Roteiro estrutura, estilo e os princípios da escrita
Roteiro em
de roteiro. Editora Arte e Letra, 2006.
Audiovisual

. Refletir sobre o . CAMPBELL, Joseph. O Herói de Mil


processo de Faces. 11ª Edição. Editora Pensamento,
Módulo 5: construção de 1995.
A Construção da personagens 6h . VOGLER, Christopher. A Jornada do
Personagem e a
“Jornada do Herói” . Identificar as etapas Escritor – estrutura mítica para escritores.
da “Jornada do Editora Aleph, 2015.
Herói”

. Reconhecer as . FIELD, Syd. Manual do Roteiro. 13ª


Módulo 6:
diferenças entre Edição. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 2001.
Estruturas Narrativas
Estruturas Narrativas 5h
e Estruturas
e Estruturas
Dramáticas
Dramáticas

. Analisar os . COMPARATO, Doc. Da Criação ao


Módulo 7:
principais elementos Roteiro. Ed. Summus, 2009.
Elementos
que compõem a 6h
da Linguagem . FIELD, Syd. Manual do Roteiro. 13ª
linguagem
Audiovisual Edição. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 2001.
audiovisual
28

. Estruturar os . MOSS, Hugo. Como Formatar o seu


elementos que Roteiro. Rio de Janeiro: Aeroplano Editora,
compõem a 2002.
Módulo 8: formatação técnica
Formatação . Software Celtx. Disponível para download
do roteiro 4h
do Roteiro em: < https://www.celtx.com/index.html>
em Audiovisual . Formatar um roteiro Acesso em Setembro de 2015.
utilizando o software
Celtx como
ferramenta

. Compreender . “Os Diferentes Tipos de


aspectos legais e Propriedades Intelectuais. ” Disponível
mercadológicos nas em: <
práticas de Roteiro http://dicasderoteiro.com/2010/06/01/os-
Módulo 9: diferentes-tipos-de-propriedades-
intelectuais/ > Acesso em Setembro de
Copyrights, Registro 2h
2015.
e Publicação
. “ Como formatar e vender o seu roteiro
para Hollywood.” Disponível em: <
http://dicasderoteiro.com/2010/02/01/como-
vender-o-seu-roteiro-para-hollywood/ >
Acesso em Outubro de 2015.

2. Desenvolvimento: Design de Curso

O Projeto de Design Instrucional do curso livre para Educação online à


Distância: “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de Curta-metragem” foi
elaborado por um especialista, um Designer Instrucional Sênior, que é um profissional
que estabelece o seu trabalho na inter-relação entre as áreas da educação,
comunicação, Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), produção criativa e
gestão e tem como principal objetivo a intenção de projetar soluções que favoreçam
o processo de ensino-aprendizagem.

O Design Instrucional tem as mais variadas definições que enfatizam: ou o


processo, ou o produto, ou a atividade desenvolvida dependendo do ponto de vista de
diferentes autores e pesquisadores desta área. Neste Projeto adotamos a definição
da autora Andrea Filatro (2008, p. 03), em que o Design Instrucional é assumido como:
29

A ação intencional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o


desenvolvimento e a utilização de métodos, técnicas, atividades, materiais,
eventos e produtos educacionais em situações didáticas específicas, a fim de
promover, a partir dos princípios de aprendizagem e instrução conhecidos, a
aprendizagem humana. Em outras palavras, definimos design instrucional
como o processo (conjunto de atividades) de identificar um problema (uma
necessidade) de aprendizagem e desenhar, implementar e avaliar uma solução
para esse problema. (FILATRO, 2008, p. 03)

Portanto, este profissional foi o responsável por identificar uma necessidade


educacional – no caso o desenvolvimento do curso livre para EaD: “Roteiro de Ficção
em Audiovisual para o formato de Curta-metragem” – através de um processo, ou
conjunto de atividades que tinham propósitos intencionais e bem definidos, em termos
de forma e funcionalidades, para, assim, realizar o planejamento, implementação e
avaliação de uma resposta para essa necessidade educacional proposta.

2.1. Modelo de Design Instrucional do Curso

O modelo de Design Instrucional do curso livre: “Roteiro de Ficção em


Audiovisual para o formato de Curta-metragem” é fundamentado em diversos critérios
que serão especificados no desenvolvimento desse Projeto. De acordo com
Clementino (2014, p. 2): “As decisões sobre os objetivos, conteúdos, estratégias
pedagógicas e avaliação são interligadas, interdependentes e derivadas das diretrizes
e valores adotados [...]”.
Por isso, após o levantamento da estrutura do curso e dos componentes
necessários à sua realização, será construído o modelo de Design Instrucional do
curso. A estrutura teórica que será definida, através das escolhas feitas para o curso
em questão, começa pela definição dos objetivos educacionais geral e específicos.
Ao final do curso, o aluno deverá ser capaz de criar e desenvolver roteiros de
ficção em audiovisual para o formato de curta-metragem, atingindo, dessa maneira, o
objetivo geral educacional proposto. Entretanto, para que tal objetivo seja alcançado,
30

os alunos precisam desenvolver algumas habilidades e competências por meio dos


objetivos educacionais específicos traçados:

 Definir o conceito de roteiro em audiovisual;


 Diferenciar os tipos de roteiro existentes nas produções em audiovisual;
 Identificar os principais gêneros cinematográficos;
 Conhecer diferentes técnicas estimuladoras do processo criativo;
 Desenvolver habilidades técnicas de criatividade;
 Compreender cada uma das etapas que compõem a história e a estrutura de
um roteiro em audiovisual;
 Refletir sobre o processo de construção de personagens;
 Identificar as etapas da “Jornada do Herói”;
 Reconhecer as diferenças entre Estruturas Narrativas e Estruturas Dramáticas;
 Analisar os principais elementos que compõem a linguagem audiovisual;
 Estruturar os elementos que compõem a formatação técnica do roteiro;
 Formatar um roteiro utilizando o software Celtx como ferramenta;
 Compreender aspectos legais e mercadológicos nas práticas de roteiro;

O modelo de Design Instrucional (D.I.) do Projeto em curso é misto por combinar


a aprendizagem autogerida em que se baseia, com atividades colaborativas e,
portanto, menos estruturadas e mais abertas. De acordo com Filatro (2013, p.6):

No modelo misto, a variação entre o estruturado e o mais aberto pode


acontecer em cada unidade de ensino ou em relação às unidades previstas,
sendo algumas mais estruturadas e outras mais abertas. Por exemplo, um
curso pode ter, em todas as unidades, atividades individuais, nas quais os
aprendizes estudam, realizam individualmente exercícios e avaliação on-line.
Depois da avaliação individual, podem realizar uma atividade em pequenos
grupos e participar de uma discussão de chat e fórum. Em outro caso, o DI de
um curso pode estar organizado com três unidades para estudo individual e
uma última unidade para o desenvolvimento de um projeto de forma
colaborativa em pequenos grupos. (FILATRO, 2013, p. 6)

A escolha por este modelo de D.I. deu-se em função do seu público-alvo ser
heterogêneo e, portanto, através da combinação entre recursos expositivos seguidos
de atividades de fixação de dado conteúdo – aprendizagem autogerida – combinadas
com atividades colaborativas que valorizam o diálogo e a interação no processo de
construção do conhecimento, diferentes formas de aprendizagem possam ser
contempladas, possibilitando, dessa maneira, atender melhor às diferentes
31

características e objetivos educacionais de cada aluno e permitindo uma flexibilidade


na aprendizagem. Justamente por este caráter, os materiais previstos no curso são
autoinstrucionais tendo seus conteúdos classificados, segundo a proposta de Barberá
e Rochera (2010), em: “[...] reprodutivo-classificativo; produtivo-informativo e
produtivo-participativo”.
Diante disso, as teorias de ensino-aprendizagem que nortearão o curso são de
base behaviorista – ou comportamentalista; socioconstrutivista; construcionista – com
atividades relacionadas à aprendizagem significativa e mapas conceituais, sendo que
o Behaviorismo está mais voltado ao material didático produzido, bem como os seus
conteúdos, mídias e instrumentos de avaliação previstos no curso; e o
Socioconstrutivismo, bem como o Construcionismo e a Aprendizagem Significativa,
além dos Mapas Conceituais, se referem às atividades relacionadas, mais
colaborativas, interativas e participativas, com referências de mídias externas – tais
como hyperlinks, vídeos, podcasts etc. e menos rígidas em sua forma e estrutura.
Para a abordagem Behaviorista ou Comportamentalista a aprendizagem deve ser
considerada por meio das mudanças observáveis no comportamento dos sujeitos
após terem participado de alguma situação de ensino. No caso do curso em questão,
a preocupação é em fazer com que o material didático produzido e validado resulte
em aprendizagens visíveis e que leve os alunos a reforçar as estratégias propostas
que privilegiem a repetição das experiências vivenciadas por eles.

Tanto o Socioconstrutivismo de Vygotsky, quanto o Construcionismo de Papert são


desdobramentos da teoria de aprendizagem Construtivista que, por sua vez, fora
inspirada nas ideias do suíço Jean Piaget. No Construtivismo, as formas como o
conhecimento deve ser apresentado para produzir conexões com as informações já
disponíveis aos aprendizes se dá através da construção ativa a partir dos
conhecimentos preexistentes; da adaptação intelectual que constitui-se em um
“equilíbrio progressivo entre um mecanismo assimilador e uma acomodação
complementar [...]” (PIAGET, 1982, p. 18); da viabilidade, ou seja, os aprendizes
precisam conhecer a utilidade e finalidade dessas aprendizagens para que possam
participar ativamente do processo e aprender; e da construção social dos integrantes
envolvidos no ambiente virtual de aprendizagem (AVA).

No Socioconstrutivismo, também conhecido como “o Sociointeracionismo de


Vygotsky”, o meio exerce influência sobre a construção das aprendizagens humanas
32

e o foco está na interação, ou seja, é na relação aluno-professor e aluno-aluno que se


produz conhecimento. Segundo Vygotsky, todo aprendizado é necessariamente
mediado e isso torna o papel do ensino e do professor mais ativo do que o previsto
por Piaget. Segundo o psicólogo bielo-russo:

O homem não nasce inteligente, mas também não é passivo sob a influência
do meio, isto é, ele responde aos estímulos externos agindo sobre eles para
construir e organizar o seu próprio conhecimento, de forma cada vez mais
elaborada. [...]. Assim, o sujeito do conhecimento está o tempo todo modelando
suas ações e operações conceituais com base nas suas experiências.
(Wikipédia).

Logo, o processo de ensino e aprendizagem na abordagem pedagógica


socioconstrutivista se dá observando o meio, entrando em contato com o que já foi
descoberto e organizando o conhecimento de maneira interativa e participativa, seja
com o professor/ tutor ou com os outros integrantes da turma do curso.

Já no Construcionismo, a construção do conhecimento é baseada na realização


de uma ação concreta que resulta em um produto palpável e contextualizado que seja
do interesse de quem o produz. Tal produto deve ter vínculo com a realidade da
pessoa ou com o local onde será produzido e utilizado e, como resultado do processo,
poderá ser exibido e visto, externalizado, discutido, examinado, admirado e analisado.
Papert acredita que esta é a principal característica do Construcionismo, por permitir
examinar mais de perto a ideia da construção mental ao reunir o trabalho intelectual
do aluno e sua externalização, por meio de diversos recursos disponíveis. Nesse
contexto, a tecnologia apoiada pelo uso de computadores tem um papel importante
em razão da sua grande flexibilidade para expressar os mais diversos tipos de
elaboração mental, seja um por meio de um texto, uma imagem, um mapa conceitual,
uma apresentação em slides etc.

A Aprendizagem Significativa de Ausubel parte dos princípios cognitivistas da


estrutura e da organização mental das aprendizagens e estabelece que os novos
conhecimentos que o aprendiz adquire se relacionam com o conhecimento prévio que
ele já possui. Segundo Marco Antônio Moreira (1999): "[...] a aprendizagem
significativa é um processo por meio do qual uma nova informação relaciona-se, de
maneira substantiva (não-literal) e não-arbitrária, a um aspecto relevante da estrutura
de conhecimento do indivíduo".
33

Com a contribuição do teórico americano Joseph Novak, a teoria da Aprendizagem


Significativa modificou o foco do ensino do modelo: estímulo→ resposta→ reforço
positivo para o modelo: aprendizagem significativa→ mudança conceitual→
construtivismo. Novak elaborou a noção de Mapas Conceituais que são ferramentas
gráficas que organizam as relações entre os conhecimentos e que são propostos
como uma estratégia potencialmente facilitadora de uma aprendizagem significativa.
Os Mapas Conceituais são diagramas que podem indicar relações entre conceitos ou
entre palavras que são usadas para evidenciar conceitos; ela pode representar
também a estrutura mental da pessoa, em relação a determinado conhecimento, ou a
representação do próprio conhecimento de acordo com o que é estabelecido por um
autor ou diversos autores.

O Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) do curso livre: “Roteiro de Ficção em


Audiovisual para o formato de Curta-metragem” é A Plataforma Edools 1. A escolha
foi feita em comum acordo entre a Escola Integrativa e o Designer Instrucional Sênior
responsável do curso por agregar a hospedagem, o gerenciamento e a
comercialização de cursos online em um AVA flexível e ajustável tanto às
necessidades da Instituição, quanto às do curso em si. As estruturas dos
componentes do AVA são independentes e personalizáveis, com interface adaptada
a smartphones e tablets, o que possibilita maior autonomia, independência e
versatilidade para que os alunos realizem seus estudos e atividades.

Além disso, a Plataforma possui tecnologia de streaming de vídeo profissional,


onde todos os vídeos enviados são processados em diversas resoluções, de modo
que a sua qualidade se adapta às mais variadas conexões; segurança e distribuição
escalável para armazenar o conteúdo do curso para que ele seja acessado
independentemente da localização dos alunos; função de slides sincronizados com
vídeos que simulam uma apresentação ao vivo e que poderão, eventualmente, ser
usados como alternativa às aulas narradas.

Os espaços dos Fóruns, que serão utilizados no decorrer de todo o curso, são
ideais para aprofundar a interação entre todos os integrantes do curso – professores,
tutores e alunos e tem como finalidade promover os debates sobre assuntos

1
http://www.edools.com/
34

relacionados às aulas, às atividades propostas, a troca de experiências entre os


alunos e entre estes e os tutores/ professores, além de se apresentarem também
como locais para atividades avaliativas.

Um último aspecto relacionado à escolha da Plataforma Edools diz respeito ao fato


dela emitir certificação automática de conclusão do curso, com parâmetros
personalizados, além de poder envolver questões relacionadas à: desempenho em
avaliações; percentual de aulas estudadas; número de exercícios realizados e outros
aspectos imprescindíveis para o curso em Projeto.

Diversas mídias serão utilizadas para que a comunicação e difusão da informação


ocorram de maneira a favorecer o processo de ensino-aprendizagem, apoiados pelos
objetivos educacionais propostos, a fim de “criar o máximo de possibilidades de
acesso às novas mídias, garantindo ao mesmo tempo a formação e atualização dos
alunos e a fluência no uso das mídias em situações de ensino” (KENSKI, 2005, p.116).
As mídias a serem utilizadas no curso são as que se seguem:

 Computador: suporte de acesso ao AVA;

 Internet: meio de comunicação pelo qual o aluno pode acessar o AVA do curso
e consiga participar dele a qualquer hora e em qualquer lugar.

 Correio eletrônico (e-mail): uma das ferramentas de comunicação utilizadas


entre alunos e alunos e entre alunos e professores/ tutores/ coordenador do
curso.

 Material textual no formato PDF: conteúdo das aulas que estará presente em
cada módulo de ensino. Ele será elaborado pelos especialistas em conteúdo
que serão contratados e poderá ser lido, baixado ou impresso pelo aluno, ou
seja, o aluno terá a possibilidade de estudar e consultar o material tanto na tela
do computador quanto em formato físico de papel, quando e onde quiser.

 Hyperlinks: canais de acesso com informações que se encontram fora do AVA


e que poderão ser acessados, a qualquer momento, pelos alunos do curso.

 Fóruns: locais dentro do AVA onde serão promovidos os debates sobre


assuntos relacionados às aulas, às atividades propostas, a troca de
35

experiências entre os alunos e entre estes e seus tutores/ professores, além de


se apresentarem também como locais para as atividades avaliativas.

 Aulas Narradas: recurso utilizado pelos professores/ tutores para transmitir as


principais informações sobre o conteúdo das aulas, bem como informações
relevantes referentes ao AVA do curso.

 Vídeos: recursos audiovisuais públicos, da internet, que complementarão as


informações das aulas.

 Podcast: arquivo de áudio digital referente a um programa de podcasting na


internet que servirá como material complementar do curso.

 Mapas Conceituais: diagramas desenvolvidos especialmente para o curso e


que indicam relações entre os conceitos estudados.

 Nuvem de palavras: recurso gráfico, usado principalmente na internet, para


descrever os termos mais frequentes de um determinado texto. Este recurso
será utilizado para uma das atividades colaborativas previstas no curso.

 Software Celtx: programa de computador multiplataforma livre, criado para


escrever roteiros audiovisuais.

Todos esses recursos apresentados estarão disponíveis no Ambiente Virtual de


Aprendizagem, organizados e distribuídos em 09 (nove) módulos sequenciais,
interdependentes que estão organizados em sequência lógica e linear. A primeira aula
do curso será para dar as ‘boas-vindas’ aos alunos, explicar os objetivos educacionais
do curso, as formas de interação, bem como apresentar as atividades avaliativas e
orientar os alunos sobre a utilização do AVA do curso.
Nesta ocasião será aplicado o pré-teste, ou Avaliação Diagnóstica, para
identificar os saberes prévios sobre os temas a serem abordados, bem como a sua
utilização no dia-a-dia. Os testes sobre os conhecimentos adquiridos nos módulos do
curso – Avaliação Somativa – serão disponibilizados no AVA do curso, no final do
último módulo e poderão ser refeitos por até 2 vezes.
Já a construção da atividade colaborativa se dará com a contribuição de cada
participante ativo no ambiente do Fórum e será parte da Avaliação Formativa –
avaliação esta que se realizará durante todo o tempo do curso. No último módulo do
curso será aplicado o pós-teste para averiguar se os objetivos educacionais do projeto
36

foram alcançados e também a auto avaliação de cada um dos alunos, que servirá
como parâmetro para medir a motivação, as dificuldades enfrentadas e o desempenho
pessoal e coletivo percebidos pelos próprios alunos no decorrer do curso.

Segue a divisão do curso, em aulas, através dos temas propostos nos módulos:

Módulo 1 – Tipos de Roteiro em Audiovisual

Aula 1: Boas-vindas aos alunos e Introdução ao Ambiente Virtual de Aprendizagem

Aula 2: Apresentação do Curso livre de “Roteiro de ficção em audiovisual para o


formato de curta-metragem”: O que é um roteiro e para que ele serve?

Aula 3: Roteiro de Produção Sonora: rádio, radionovela, podcasts e audiobooks

Aula 4: Roteiro de Produção Visual: histórias em quadrinho e storyboards

Aula 5: Roteiro de Produção Audiovisual: cinema, televisão e audiovisual

Aula 6: Roteiro de Produção Interativa Hipermidiática: games e metaversos

Módulo 2 – Gêneros Cinematográficos

Aula 1: Gêneros Cinematográficos – definições, critérios e funções

Aula 2: Gênero e Autor

Aula 3: Gêneros Clássicos

Aula 4: Cinema de Animação

Aula 5: Cinema Experimental

Módulo 3 – O Processo Criativo e o Desenvolvimento de Ideias

Aula 1: Pensamento Criativo e Bloqueios Mentais

Aula 2: O Processo Criativo – A Ideia

Aula 3: O Processo Criativo – A Estruturação da Ideia

Aula 4: O Processo Criativo – O Desenvolvimento da Ideia


37

Aula 5: A Escrita Criativa e o Brainstorming de Ideias

Módulo 4 – A História e a Estrutura do Roteiro

Aula 1: As Etapas de um Roteiro – 1) Ideia; 2) Storyline;

Aula 2: As Etapas de um Roteiro – 3) Sinopse 4) Argumento;

Aula 3: As Etapas de um Roteiro – 5) Estrutura/ Escaleta; 6) Primeiro Tratamento;

Aula 4: As Etapas de um Roteiro – 7) O Roteiro Final

Aula 5: A Estrutura de uma História

Aula 6: A Estrutura dos Atos

Módulo 5 – A Construção da Personagem e a “Jornada do Herói”

Aula 1: A Construção e a Desconstrução da Personagem

Aula 2: Ficha Básica de Personagem

Aula 3: Arquétipos para a Construção de Personagens - Principais Arquétipos


Masculinos

Aula 4: Arquétipos para a Construção de Personagens - Principais Arquétipos


Femininos

Aula 5: Criando Personagens Incomuns

Aula 6: A “Jornada do Herói”

Módulo 6 – Estruturas Narrativas e Estruturas Dramáticas

Aula 1: Estrutura Narrativa – Modo Narrativo (épico, lírico e dramático)

Aula 2: Estrutura Narrativa – Eixo Dramático (clímax, premissa, desmedida, peripécia,


reviravolta)

Aula 3: Paradigmas Narrativos - Propp


38

Aula 4: Estrutura, Tempo e Unidade Dramática

Aula 5: Premissa e Situação Dramática; Conflito e Ação Dramática

Módulo 7 – Elementos da Linguagem Audiovisual

Aula 1: Elementos da Linguagem Audiovisual – Enquadramento e Movimento

Aula 2: Elementos da Linguagem Audiovisual – Ponto de Vista, Posição e Pontuação

Aula 3: Elementos Essenciais da Imagem – Forma, Volume e Textura

Aula 4: Elementos Essenciais da Imagem – Padrão, Cor, Contraste

Aula 5: Elementos Essenciais da Imagem – Perspectiva, Nitidez, Proporção e


Equilíbrio

Aula 6: Elementos Essenciais da Imagem – Ponto de Interesse, Espaço e Fundos

Módulo 8 – Formatação do Roteiro em Audiovisual

Aula 1: Instalação do software Celtx e reconhecimento dos recursos disponíveis

Aula 2: Formatação Técnica Padrão, Capa, A Primeira e a Última Página do Roteiro

Aula 3: Os Três Elementos Básicos do Roteiro – Cabeçalhos, Ação/ Descrição e


Falas/ Diálogos

Aula 4: Como Dirigir o seu Roteiro

Módulo 9 – Copyrights, Registro e Publicação

Aula 1: Direitos Autorais, Copyrights e Legislação

Aula 2: Como e Onde Registrar o seu Roteiro

Aula 3: Como e Onde Publicar o seu Roteiro


39

2.2. Análise do Conteúdo

O conteúdo do curso livre em EaD online: “Roteiro de Ficção em Audiovisual


para o formato de Curta-metragem” está dividido em 9 (nove) módulos, com carga
horária total de 45 (quarenta e cinco) horas e duração prevista para um período de 2
(dois) meses e meio, ou o equivalente a 11 (onze) semanas.
Os professores especialistas em conteúdo contratados fornecerão ao Designer
Instrucional Sênior os conteúdos das aulas, assim que finalizados, para que sejam
feitas as devidas revisões e adequações necessárias para, posteriormente, serem
encaminhados para validação por toda a equipe de desenvolvimento, a fim de
possibilitar a correção de eventuais erros ou deficiências antes da implementação do
curso em Projeto. O mesmo processo se repetirá com o desenhista/ ilustrador
responsável pelos “Mapas Conceituais”.
Após esta fase, já com todos os materiais finais validados, os mesmos serão
encaminhados ao designer gráfico para desenvolver o projeto gráfico do curso – layout
e diagramação – das apostilas digitais, já com suas devidas ilustrações e “Mapas
Conceituais, além do template de slides das aulas narradas. Concomitantemente, o
programador e o webdesigner iniciarão a produção e a customização do AVA da
Plataforma Edools que abrigará o curso.
O quadro a seguir apresenta um esquema dos temas principais de cada
módulo, os subtemas que serão trabalhados, bem como os objetivos específicos,
materiais a serem disponibilizados, estratégias pedagógicas e formas de avaliação do
curso.
40

Quadro 4 - Mapa do Conteúdo

MAPA DO CONTEÚDO
MATERIAIS (TEXTOS,
ESTRATÉGIAS Avaliações (fixação, verificação,
TEMA PRINCIPAL SUBTEMAS OBJETIVOS ESPECÍFICOS VÍDEOS,
(ATIVIDADES) diagnóstica, etc.); pré e pós-testes.
ANIMAÇÕES ETC.)
. Definir o conceito de
Apresentação dos
roteiro em audiovisual
Material textual2; alunos e tutoria no fórum Avaliação Diagnóstica a ser realizada
Tipos de Roteiro . Diferenciar os tipos de Podcast3; temático; Apresentação no fórum temático – apresentação dos
em Audiovisual roteiro existentes nas Aula Narrada4; do curso e do AVA; alunos, expectativas com relação ao
produções em Mapas Conceituais; Introdução ao tema da curso e eventuais dúvidas
Roteiro de audiovisual aula 01
Ficção em
. Identificar os principais Quizz sobre Gêneros
Audiovisual Gêneros Material textual; Leitura de texto e
gêneros Cinematográficos
para o formato Cinematográficos Vídeo5 interpretação do vídeo
cinematográficos (Avaliação Somativa)
de curta-
metragem . Conhecer diferentes Exercício coletivo de
O Processo técnicas estimuladoras “Brainstorming” no
Material textual;
Criativo e o do processo criativo Fórum, para a prática de Avaliação Formativa a ser realizada
Vídeo;
Desenvolvimento associação livre de no fórum temático de acordo com a
. Desenvolver Nuvem de Palavras6;
de Ideias palavras, como recurso participação e interação dos alunos
habilidades técnicas de Hyperlinks7
pedagógico para a
criatividade
criação de histórias

2
Inserido no próprio AVA do curso e disponível também em versão PDF, para download e impressão.
3
Inserido no próprio AVA do curso, na forma de um ícone de player de áudio. Disponível também em versão MP3, para download.
4
Inserida no próprio AVA do curso e concebida por especialistas do tema abordado. Disponível também em versão MP4, para download.
5
Inserido no próprio AVA do curso, na forma de um ícone de player de vídeo. Por ser um recurso audiovisual público, da internet, haverá a opção de hyperlink externo ao
AVA do curso.
6
Inserido no próprio AVA do curso, na forma de um ícone de hyperlink externo ao AVA.
7
Inserido no próprio AVA do curso, na forma de um ícone de hyperlink externo ao AVA.
41

. Compreender cada
A História e a uma das etapas que Material textual; Leitura de texto e análise
Estrutura do compõem a história e a Mapas Conceituais; dos Mapas conceituais e Avaliação Formativa
Roteiro estrutura de um Roteiro Aula Narrada da Aula Narrada
em Audiovisual
. Refletir sobre o
A Construção da processo de construção Leitura de texto e Atividade individual a ser entregue:
Material textual;
Personagem e a de personagens interpretação do vídeo “Criar a biografia das personagens
Vídeo;
“Jornada do Herói” em correlação com a principais do seu roteiro de curta-
. Identificar as etapas da Aula Narrada
aula narrada metragem” – Avaliação Somativa
“Jornada do Herói”
Estruturas . Reconhecer as
Narrativas e diferenças entre Material textual; Leitura de texto e análise
Estruturas Estruturas Narrativas e Mapas Conceituais; dos Mapas conceituais e Avaliação Formativa
Dramáticas Estruturas Dramáticas Aula Narrada da Aula Narrada

. Analisar os principais Leitura de texto, Debate investigativo no Fórum: “Quais


Elementos da Material textual; interpretação do vídeo, dos elementos estudados da
elementos que
Linguagem Vídeo; análise da matéria linguagem audiovisual você considera
compõem a linguagem
Audiovisual Hyperlinks estudada e debate imprescindível para a escrita de um
audiovisual
investigativo no Fórum roteiro? ”
. Estruturar os
elementos que
Formatação do compõem a formatação Atividade individual a ser entregue:
Material textual e Instalação do Software
Roteiro em técnica do roteiro “Criar um roteiro de ficção inédito no
Instalação do Celtx e reconhecimentos
Audiovisual formato de curta-metragem” (duração
. Formatar um roteiro Software Celtx8 dos recursos disponíveis
igual ou superior à 15 minutos)
utilizando o software
Celtx como ferramenta
Copyrights, . Compreender aspectos Leitura de texto e análise Autoavaliação a ser entregue
Registro e legais e mercadológicos Material textual;
dos aspectos legais e Avaliação Somativa (teste de múltipla
Publicação nas práticas de Roteiro Aula Narrada
mercadológicos escolha, contendo 20 questões)

8
Inserido no próprio AVA do curso, na forma de um ícone de hyperlink externo ao AVA, que dá acesso e instruções de instalação do programa de computador
multiplataforma livre, desenvolvido para escrever roteiros audiovisuais.
42

2.3. Linguagem

O caráter heterogêneo do público-alvo do curso livre: “Roteiro de Ficção em


Audiovisual para o formato de Curta-metragem” faz com que a linguagem empregada
seja simples – mas não simplória – e de fácil compreensão para os alunos do curso.
Portanto, a linguagem coloquial será empregada, sem perder de vista o uso das
normas cultas da Língua Portuguesa, mas com a presença de texto informal que
busca maior fluidez na comunicação.

Pelo próprio tema do curso, o gênero textual que será empregado é de caráter
narrativo, com a presença de uma personagem-avatar – a Carol – que conduzirá o
aluno durante todas as aulas e fará também o papel de tutora nas atividades propostas
nos Fóruns. Ainda com relação à linguagem, as atividades propostas nos Fóruns terão
um caráter mais argumentativo, com o intuito de levar os alunos a pesquisar e
exporem os seus pontos de vista sobre os temas propostos. As três Matrizes da
Linguagem e Pensamento – visual, verbal e sonora – também estarão presentes no
decorrer do curso por contemplarem os diferentes estilos de aprendizagem dos alunos
que possam participar do curso.

A linguagem empregada durante todo o curso será dialógica. Ou seja, a


personagem-avatar Carol “conversará” e “explicará” aos alunos os assuntos
abordados nas aulas e, ao interagir com eles, aumentará a sensação de imersão do
aluno no curso e, uma vez que este diálogo esteja estabelecido, diminuirá a sensação
de distância transacional entre: alunos-alunos; alunos-tutores e alunos-conteúdo.
Sobre a “Distância Transacional”, que ocorre em ambientes virtuais de aprendizagem,
Moore (2012, p.2) esclarece:

A transação a que denominamos Educação a Distância ocorre entre


professores e alunos num ambiente que possui como característica especial a
separação entre alunos e professores. Esta separação conduz a padrões
especiais de comportamento de alunos e professores. A separação entre
alunos e professores afeta profundamente tanto o ensino quanto a
aprendizagem. Com a separação surge um espaço psicológico e
comunicacional a ser transposto, um espaço de potenciais mal-entendidos
entre intervenções do instrutor e as do aluno. Este espaço psicológico e
comunicacional é a distância transacional. (MOORE, 2012, p. 2).
43

2.4. Interface Gráfica

A identidade visual curso livre: “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o


formato de Curta-metragem” é composta de elementos e ícones que são
autoexplicativos, de uso intuitivo, com interface inteligente, e que também compõem
o universo do audiovisual, como, por exemplo, a máscara de negativo de cinema
utilizada no layout das telas. Além da interface gráfica, a questão da usabilidade
também fora contemplada e desempenha um papel fundamental para os alunos da
modalidade de ensino a distância. Este Projeto em curso leva em consideração a
consistência de padrões visuais, estruturais, conceituais e de navegabilidade e
apresenta uma conexão entre o sistema – o AVA do curso – e o mundo real onde os
alunos estão inseridos.

A escolha do Design Instrucional por cores fortes e vibrantes foi feita para
destacá-las do conteúdo das aulas e da identidade visual da Escola Integrativa, que é
a instituição-cliente contratante. As cores predominantes no logotipo da Escola
Integrativa são em tons de roxo, cinza, preto e lilás que estão em harmonia com o
vestuário da personagem-avatar Carol e contrastam com os ícones do curso que são
apresentados nas cores: verde, vermelha, laranja, azul, amarela e marrom. Os ícones,
bem como a máscara do layout do curso foram obtidos por meio de licenças jurídicas
gratuitas, portanto são livres de direitos autorais. Já algumas das imagens, vídeos e
podcasts que estarão presentes no curso terão suas licenças de uso pagas para o
uso comercial das aulas.

A equipe de web design e os ilustradores se encarregarão de dar um fino


acabamento nas imagens e vídeos, bem como em todo o resto do conteúdo do curso,
mantendo o mesmo alto padrão de qualidade e preservando a identidade visual da
Escola Integrativa e do curso em questão.

As fontes utilizadas no Design Instrucional do curso serão as seguintes:


Verdana, para o corpo do texto, e Courier New para a formatação dos roteiros e
elementos componentes do roteiro. Todo o corpo do texto terá como padrão a cor
preta e a caixa de texto base padrão é em verde oliva, tendo os elementos de
destaque do curso, como caixas de texto, e ícone “importante” na cor laranja.
44

A seguir são apresentados os principais elementos componentes da interface


gráfica do curso livre: “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de curta-
metragem”.

Figura 1 – Logotipo da Escola Integrativa

Fonte: Escola Integrativa

Figura 2 – Apresentação do Curso

Fonte: Da Autora
45

Figura 3 – Ícones/ botões utilizados no Curso, parte 1

Fonte: Da Autora, adaptado de http://www.iconfinder.net/ultimate

Figura 4 – Ícones/ botões utilizados no Curso, parte 2

Fonte da Autora, adaptado de http://www.iconfinder.net/ultimate


46

Figura 5 – Personagem-avatar Carol em suas variações de interação – parte 1

Fonte: Da Autora, adaptado de http://elearningart.com/

Figura 6 – Personagem-avatar Carol em suas variações de interação – parte 2

Fonte: Da Autora, adaptado de http://elearningart.com/


47

Figura 7 – Personagem-avatar Carol em suas variações de interação – parte 3

Fonte: Da Autora, adaptado de http://elearningart.com/

Figura 8 – Esboço de Layout

Fonte: Da Autora
48

2.5. Formas de Interação e Feedback

Todas as interações do curso ocorrerão de maneira assíncrona, seja através


dos Fóruns que se encontram no Ambiente Virtual de Aprendizagem do curso, isto é,
na Plataforma do Edools, ou por meio de correio eletrônico – e-mail. A interação entre
aluno-aluno nestes espaços visa uma maior aproximação entre os mesmos, tanto no
sentido de socialização e sentimento de pertencimento a um grupo, quanto nos
debates, discussões e atividades propostas. É esperado que os alunos tenham um
papel ativo e colaborativo durante todo o processo e, justamente por isso, fora
concebida a ideia de uma personagem-avatar para mediar e auxiliar nesse processo
– a Carol.
No que diz respeito às interações entre aluno-tutor e aluno-conteúdo, a
personagem-avatar Carol conduzirá todos os tipos de atividades propostas. Ela estará
presente na apresentação de todas as aulas – tanto por meio do meio dos materiais
textuais, quanto nas aulas-narradas e na apresentação dos “Mapas Conceituais”. A
figura dela também se fará presente nos Fóruns que forem propostos para o curso.
Todos os tutores “assumirão” como avatar a personagem Carol e, por meio dele,
esclarecerão dúvidas, conduzirão debates, discussões e atividades e darão feedback
rápido aos alunos com questões relacionadas a estas atividades.
A escolha por ter uma personagem-avatar para conduzir todo o curso foi feita
pensando em aproximar o aluno de uma “figura real” e, dessa maneira, evitar evasão
devido ao sentimento de isolamento no curso. Portanto, a figura da Carol é bastante
relevante no sentido de se manter um envolvimento, uma coesão grupal.
Com relação aos feedbacks, eles são considerados de suma importância no
processo de ensino-aprendizagem, em cada uma das suas atividades e em todas as
suas etapas. Segundo Tiffin e Rajasinghan (2007, p.81-82):

O feedback em uma situação interativa de um sistema de comunicação


se dá em duas vias. Os professores e alunos buscam aquele sinal ou
sorriso de que estão indo na direção certa e, da mesma maneira que
os professores apresentam um feedback final, com notas, os alunos de
maneira rotineira avaliam o desempenho do professor quando
completam determinado programa de estudos. (TIFFIN e
RAJASINGHAM, 2007, p.81-82)
49

Todos os feedbacks do curso serão dados por meio da figura da Carol, de


maneira individual e personalizada – seja através dos Fóruns ou por e-mail, com
exceção dos testes de múltipla escolha, que se encontram na segunda e na última
aula do curso, que serão automatizados, com respostas instantâneas e suas
respectivas justificativas.

3. Design do Curso

O curso livre: “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de curta-


metragem”, conforme já fora dito anteriormente, foi elaborado seguindo o modelo de
produção de Design Instrucional (DI) misto, ou seja, algumas aulas foram elaboradas
de uma maneira mais estruturada, para atender a aprendizagem autogerida e
respeitar o ritmo individual do aluno em alguns momentos mais específicos da
aprendizagem – modelo de DI fechado ou fixo – e outras aulas foram elaboradas de
modo haver uma maior interação entre aluno-aluno e aluno-tutor, tanto nas aulas,
quanto nas atividades e avaliações propostas: portanto são mais flexíveis, interativas,
colaborativas e imprevisíveis no seu processo e resultados – modelo de DI aberto.

O modelo de DI aberto é adaptável e pode ser reconfigurado dependendo da


experiência que estará sendo adquirida pelos alunos, bem como por meio do feedback
recebido durante o processo de aprendizagem. No que diz respeito à sua formatação,
ela é feita por meio de templates de roteiro compostos no formato de texto e atividades
que serão disponibilizados tanto para o conteudista – que trabalhará com camadas de
textos em cada uma das unidades dos módulos apresentados – quanto para a equipe
técnica de profissionais que irá trabalhar no Projeto em curso. A padronização dos
módulos depende das indicações que o Designer Instrucional dará também a esses
profissionais que necessitam de referências mais técnicas – como padrões de ícones,
caixas de texto, layout, contextualização para acessibilidade, acesso a mídias
externas (hyperlinks), além de outras questões relacionadas à produção do material
instrucional em si.
50

Já o modelo de DI fechado ou fixo é construído de modo a ser um recurso


autoexplicativo, ou seja, não necessita, obrigatoriamente, de um acompanhamento
por parte de um tutor ou professor para que aconteça o processo de aprendizagem.
Neste tipo de modelo que prima pela autoinstrução, todo o conteúdo a ser produzido,
distribuído e apresentado ao aluno deve ser extremamente bem selecionado e
estruturado de modo que a sua autonomia dentro do Ambiente Virtual de
Aprendizagem (AVA) seja contemplada. Com relação à sua formatação, normalmente,
ela é feita por meio do Storyboard, que em educação assume a conotação de “um
documento que contém descrições de interações e especifica a posição dos
elementos da tela (textos, gráficos, botões, janelas etc.), assim como a estrutura da
informação em material didático, ou o layout da cena, as ações desempenhadas, os
ângulos de câmera e os elementos de áudio em treinamento em vídeo” (PISKURICH,
2006, p.268) ou simplesmente “uma descrição tela a tela do que os estudantes irão
ver, ouvir e fazer quando o programa estiver no ar” (KRUSE, 2002, s/p).

Segue, a seguir, o documento de design da quarta aula do oitavo módulo do


curso livre: “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de curta-metragem”.
Esta aula é intitulada: “Como dirigir o seu roteiro” e faz parte do Módulo 8:
“Formatação do Roteiro em Audiovisual”. Ela é uma aula autoinstrucional e apresenta-
se no formato de Storyboard, enquanto que a atividade proposta ao final deste mesmo
módulo requer a avaliação de um professor, portanto será apresentada no formato de
template de roteiro de atividade, com instruções ao professor encarregado da
avaliação. Em cada uma das telas, além do conteúdo das aulas, há orientações
específicas para o desenvolvimento das mesmas por parte da equipe de produção do
curso.
51

Figura 9 – Storyboard, tela 01

Fonte: Da Autora

Figura 10 – Storyboard, tela 02

Fonte: Da Autora
52

Figura 11 – Storyboard, tela 03

Fonte: Da Autora

Figura 12 – Storyboard, tela 04

Fonte: Da Autora
53

Figura 13 – Storyboard, tela 05

Fonte: Da Autora

Figura 14 – Storyboard, tela 06

Fonte: Da Autora
54

Figura 15 – Storyboard, tela 07

Fonte: Da Autora

Figura 16 – Storyboard, tela 08

Fonte: Da Autora
55

Figura 17 – Storyboard, tela 09

Fonte: Da Autora

Figura 18 – Storyboard, tela 10

Fonte: Da Autora
56

Figura 19 – Storyboard, tela 11

Fonte: Da Autora

Figura 20 – Storyboard, tela 12

Fonte: Da Autora
57

Figura 21 – Storyboard, tela 13

Fonte: Da Autora

Figura 22 – Storyboard, tela 14

Fonte: Da Autora
58

Figura 23 – Storyboard, tela 15

Fonte: Da Autora

Figura 24 – Storyboard, tela 16

Fonte: Da Autora
59

Figura 25 – Storyboard, tela 17

Fonte: Da Autora

Figura 26 – Storyboard, tela 18

Fonte: Da Autora
60

Figura 27 – Storyboard, tela 19

Fonte: Da Autora

Figura 28 – Storyboard, tela 20

Fonte: Da Autora
61

Figura 29 – Storyboard, tela 21

Fonte: Da Autora

Figura 30 – Storyboard, tela 22

Fonte: Da Autora
62

Figura 31 – Storyboard, tela 23

Fonte: Da Autora

Figura 32 – Storyboard, tela 24

Fonte: Da Autora
63

Quadro 5- Template de correção de atividade individual para entrega


Curso “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de curta-metragem”

Atividade Individual Enunciado Você deverá criar um roteiro inédito


(para entrega) de ficção, de tema livre, no formato
de curta-metragem, com duração
igual ou superior a 15 minutos.
Módulo 8:
Lembre-se de seguir a formatação
Formatação do
padrão de roteiro aprendida, pois, se
Roteiro em
assim o fizer, saberá que cada página
Audiovisual
escrita equivale a 1 minuto de roteiro.
Você poderá usar o software Celtx
Aula 04: para te auxiliar ou formatar no
Como Dirigir o seu próprio Word. Você terá o prazo total
Roteiro de 2 semanas para concluir a
atividade, com 2 possibilidades de
envio para o professor que irá ler e
avaliar o seu roteiro. Portanto,
aproveite esta chance e tente enviar a
sua primeira versão o quanto antes e,
após as correções, você poderá
entregar a versão final – quem sabe já
pronta para ser filmada! Qualquer
dúvida acesse o ambiente do Fórum
de dúvidas deste Módulo ou envie um
e-mail para o seu tutor ou professor.
Boa sorte!

 Estruturar os elementos que compõem a


formatação técnica do roteiro;
Objetivos específicos
 Criar um roteiro inédito de ficção no
formato de curta-metragem.

DI Responsável Renata Naxara Martinelli


- Verificar coerência de - Verificar se o roteiro está na formatação adequada
Orientações texto e coesão (2 pontos)
de correção/ argumentativa
avaliação para (2 pontos) - Verificar se os verbos estão no tempo presente
(2 pontos)
o professor/
- Verificar se há
tutor responsável começo, meio e fim - Verificar se tudo o que está descrito poderia, de fato,
bem definidos na aparecer em cena – sem elementos a mais ou a menos
história (2 pontos) (2 pontos)

OBS: Verificar material do módulo 08, em caso de


dúvida
Fonte: Da Autora
64

4. Considerações Finais

A Educação online a Distância é uma realidade cada vez mais presente na vida
de milhões de pessoas que optam por ela. Seja por motivo de mobilidade, tempo,
financeiro, acessibilidade ou preferência mesmo, o fato é que a EaD aliada às
Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) rompe fronteiras e amplia conceitos
e inovações relacionadas ao processo de ensino-aprendizagem, favorecendo, desta
maneira, um atalho ao caminho do saber.

O Projeto de Design Instrucional do curso livre para Educação online à


Distância: “Roteiro de Ficção em Audiovisual para o formato de Curta-metragem”
reuniu, em um único documento, praticamente todo o conteúdo estudado ao longo
das 12 (doze) Disciplinas do curso de Pós-graduação lato sensu em Design
Instrucional, do Centro Universitário Senac.

O Ambiente Virtual de Aprendizagem do Senac – a Plataforma Blackboard ®,


a prática das aulas e das atividades individuais e coletivas, as interações dos Fóruns
com professores, tutores e colegas, as webconferências, as avaliações
autoinstrucionais e presenciais, além da rica bibliografia e muito estudo e pesquisa,
fora do AVA do curso, possibilitaram a vivência e experimentação fundamentais e
indissolúveis para a concretização deste Projeto em curso.

A experiência de um aluno de Educação online à Distância contribui


definitivamente para a sua formação enquanto profissional de Design Instrucional e o
auxilia no preparo para desafios cada vez maiores e mais dinâmicos onde a
criatividade, o comprometimento e o amor ao ensinar e aprender são fundamentais
para a prática deste profissional que deseja desenvolver toda a sua potencialidade
para criar um mundo com uma educação de melhor qualidade, mais acessível e
democrática para todos.
65

REFERÊNCIAS

AZNAR, Guy. Ideias: 100 técnicas de criatividade. 1ª Edição. Summus, 2011.

BRUNI, Roman. Roteiro de Roteiro. Rio de Janeiro: Instituto Uni-Midia, 1998.


CAMPBELL, Joseph. O Herói de Mil Faces. 11ª Edição. Pensamento, 1995.

Como formatar e vender o seu roteiro para Hollywood. Disponível em:


<http://dicasderoteiro.com/2010/02/01/como-vender-o-seu-roteiro-para-hollywood/>.
Acesso em: outubro, 2015.
COMPARATO, Doc. Da Criação ao Roteiro. Summus, 2009.
FIELD, Syd. Manual do Roteiro. 13ª Edição. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
FILATRO, Andrea. Design Instrucional Contextualizado: educação e tecnologia. 3ª
Edição. São Paulo: Senac São Paulo, 2003.

____________. Design Instrucional na Prática. 1ª Edição. São Paulo: PEARSON


Education do Brasil, 2008.

JONES, Brian. How to Use eLearning Characters in Intro Screens. Disponível em:
<http://elearningart.com/blog/characters-in-intro-screens/>. Acesso em: setembro,
2015.
KENSKI, Vani. Democratização das mídias e a gestão em educação a distância.
In: OLIVEIRA, M. A. M. (org.). Gestão educacional: novos olhares, novas
abordagens. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. p.100-116.
__________. Design Instrucional para Cursos On-line. 1ª Edição. São Paulo:
Senac São Paulo, 2015.

__________. Tecnologias e Ensino Presencial e a Distância. 9ª edição. Campinas,


SP: Papirus, 2012.
MATTAR, João. Design Educacional: educação a distância na prática. 1ª Edição.
São Paulo: Artesanato Educacional, 2014.

MCKEE, Robert. Story – substância, estrutura, estilo e os princípios da escrita de


roteiro. Editora Arte e Letra, 2006.
MOORE, Michael. Teoria da Distância Transacional. Revista Brasileira de
Aprendizagem Aberta e a Distância, São Paulo, agosto, 2002. Disponível em: <
http://www.abed.org.br/revistacientifica/revista_pdf_doc/2002_teoria_distancia_trans
acional_michael_moore.pdf>. Acesso em: março, 2015.
MOSS, Hugo. Como Formatar o seu Roteiro. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.

NOGUEIRA, Luis. Géneros Cinematográficos. Covilha: LabCom Books, 2010.


66

NUNES, Ivônio Barros. A história da EAD no mundo. In: LITTO, Fredric M.; FORMIGA,
Marcos (Orgs.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson
Education do Brasil, 2009.
OECH, Roger. Um “Toc” na Cuca: técnicas para quem quer ter mais criatividade na
vida. São Paulo: Cultura, 1995.
Os Diferentes Tipos de Propriedades Intelectuais. Disponível em:
<http://dicasderoteiro.com/2010/06/01/os-diferentes-tipos-de-propriedades-
intelectuais/>. Acesso em: setembro, 2015.
PASSARELLI, Brasilina. Interfaces Digitais na Educação: @lucin[ações]
Consentidas. São Paulo: Escola do Futuro da USP, 2007.
PIAGET, Jean. O Nascimento da inteligência na criança. Rio de Janeiro: Zahar,
1982.
Plataforma EaD Edools. Disponível em: <http://www.edools.com/>. Acesso em:
setembro, 2015.
Plataforma Iconfinder. Disponível em: <http://www.iconfinder.net/ultimate>. Acesso
em: maio, 2016.
RABIGER, Michael. Direção de Cinema: técnicas e estética. Rio de Janeiro: Elsevier,
2007.
Software Celtx. Disponível para download em: < https://www.celtx.com/index.html>.
Acesso em: Setembro, 2015.
Teorias da Aprendizagem. In: Wikipedia. Disponível em:
<https://pt.wikipedia.org/wiki/Teorias_da_aprendizagem>. Acesso em: setembro,
2015.
TIFFIN, J.; RAJASINGHAM, L. A universidade virtual e global. Porto Alegre:
Artmed, 2007.
TORI, Romero. Educação sem Distância: as tecnologias interativas na redução de
distâncias em ensino e aprendizagem. São Paulo: Senac São Paulo, 2010.
VOGLER, Christopher. A Jornada do Escritor: estrutura mítica para escritores.
Editora Aleph, 2015.