Você está na página 1de 18

IDSC

REGULAMENTO

IDSC/CBTD 1
INTRODUÇÃO
É uma entidade esportiva internacional que criou uma modalidade de tiro defensivo que simula cenários
da vida real na qual todos os praticantes, independentemente do país de origem, tem idênticos direitos
e obrigações.

IDSC/CBTD 2
REGRAS BÁSICAS
Para participar de uma competição de IDSC, o atirador deverá utilizar armas e equipamentos nas
mesmas condições que faria uso numa situação real e por isso, são proibidos armas e equipamentos
modificados ou exclusivos para competições.

1) As pistas de IDSC devem ser criadas de três maneiras:

 —Pistas de cenários conhecidos;

 —Pistas de cenários desconhecidos e;

 —Pistas de exercícios.

2) As competições oficiais de IDSC devem ter, no mínimo, 7 (sete) pistas de tiro nas disputas nacionais e
5 (cinco) nas estaduais. Não há limite mínimo ou máximo de disparos para que tal competição seja
oficializada.

3) Com o objetivo de tornar a modalidade desportiva mais próxima da realidade, os carregadores devem
estar municiados com a capacidade máxima de munições, conforme as especificações de fábrica, exceto
na divisão que utiliza armas longas, conforme especificado no item 84.

4) Não há categorias separadas para armas de alta capacidade e capacidade normal, pois numa situação
real os ameaçadores não sabem, não se importam ou não agem de maneira diferente por estes motivos.
Não são permitidos carregadores de alta capacidade, mesmo originais, que fiquem expostos fora da
arma.

5) O competidor em nenhuma divisão poderá:

 Utilizar a arma no modo automático;

 Utilizar supressores de som ou compensadores.

6) Diretor de Prova (Match Diretor-MD): O Diretor de Prova tem a última palavra sobre qualquer
questão interposta ou quanto à violação da segurança pelo atirador.

7) Chief Defensive Shooting Officer - CDSO: Tem como função auxiliar o Diretor de Prova para atuar
como seu assistente nas atividades da pista, segurança, resolvendo questões de arbitragem que se
apresentem ao DSO, ou para declarar falha de equipamentos ou desclassificações.

IDSC/CBTD 3
8) Defensive Shooting Officer - DSO: São responsáveis pela manutenção de um ambiente seguro na
pista, dando as instruções da pista de tiro, operando o “timer”, pontuando os alvos, observando
violações de procedimento e registrando o tempo, entre outras informações, nas folhas de pontuação
dos atiradores. Normalmente, pelo menos, haverá dois DSO designados para cada pista de tiro.

9) Um competidor desqualificado (DQ) não disparará novamente no mesmo dia, ainda que esteja
inscrito em outra divisão, a pontuação de pista feita anterior à desclassificação não será considerada e
os valores pagos pela inscrição na competição NÃO serão restituídos. Não será atribuída qualquer
pontuação na prova em que o atirador for desqualificado (DQ).

10) Ensaios individuais de uma pista de tiro não são permitidos.

11) Os competidores usarão todas as coberturas previstas que estejam disponíveis.

12) A posição física do competidor não poderá ser alterada antes do sinal de inicio.

13) Não existem categorias ou contagens de pontos distintos para armas de grande ou baixa capacidade
ou calibres diferentes.

14) Empates serão decididos pela maneira escolhida pelo diretor da competição que estiver conduzindo
a mesma. Tal escolha deverá sempre ser realizada por meio de disparos e não por medidas de sorteio.

15) Será de responsabilidade de cada atirador atestar sua pontuação com o responsável pelos
resultados (DSO) e se houver algum erro no resultado final do anotador é da responsabilidade do
atirador protestar contra os resultados finais no tempo máximo estipulado previamente pelo MD, que
nunca deverá ser inferior a 30 (trinta) minutos, após a publicação de tais resultados e o não registro,
tempestivamente, do referido protesto, anulará quaisquer reclamações posteriores.

16) O atirador deverá usar a mesma arma em todas as fases da competição, contudo, se a arma com
que ele começou, apresentar problema de manutenção durante a competição, ele poderá usar outra
arma da mesma divisão, e poderá retomar sua participação na competição no próximo “sinal de início”
programado naquela prova de tiro, mas a pista da ocorrência e as anteriores não poderão ser refeitas.

a) As pistas não completadas terão os alvos computados e os não alvejados marcados com os
respectivos “MISSES”.

b) O DSO poderá conceder um novo início naquela pista, desde de que a pane ocorra antes ou na
tentativa do primeiro disparo.

c) No caso em que o atirador afirma estar “pronto”, e inseriu um carregador vazio ou, por exemplo,
quando o carregador municiado cair da arma, do cinto ou da mão do atirador, antes do primeiro
disparo, ele deverá ser resgatado e o DSO comandará um novo início na pista;

d) Durante a realização dos disparos na pista, se o carregador municiado cair, ele deverá ser recolhido e
guardado antes do próximo disparo. Caso contrário, o atirador cometerá um erro de procedimento.

IDSC/CBTD 4
17) É obrigatório o uso de alvos oficiais nas competições que são aqueles produzidos por empresas ou
instituições autorizadas pela IDSC.

18) Se um atirador realizar mais disparos do que o estipulado para uma determinada pista de tiro que
possua o número de disparos limitados, o valor máximo para cada disparo excedente será subtraído da
sua pontuação, baseados nos valores máximos dos disparos nos alvos. Ele também incorrerá em uma
única penalidade de Erro de Procedimento - EP, independentemente do número de alvos e de disparos
extras realizados naquela pista.

19) Setenta por cento (70%) de todos os disparos a serem realizados em uma competição devem ser
feitos a dezoito (18) metros ou menos.

20) Alvos ocasionais até quarenta (40) metros podem ser incluídos.

21) Deslocamentos do atirador de mais de quinze (15) metros entre as posições de tiro e o
deslocamento total de vinte (20) metros em uma pista de tiro, não estão permitidos.

22) Pelo menos dez por cento (10%) de todos os disparos necessários em uma competição deverão ser
feitos em movimento.

23) Numa pista de cenário quando uma cobertura estiver disponível, ela DEVERÁ ser utilizada tanto para
realizar disparos, quanto para a recarga, salvo disposição em contrário, previamente estabelecida para
a pista de tiro. A recarga poderá ser iniciada em movimento desde que o competidor a comece quando
esteja em cobertura. Esta regra poderá ser aplicada numa pista de exercício.

24) Os alvos devem ser atingidos em prioridade tática, a não ser que seja especificada uma sequência
tática ou, ainda, especificada como de livre solução do competidor. Neste caso, não poderá exceder a
mais de 20% (vinte por cento) das pistas da competição.

25) Obrigatório o uso de vestimenta/equipamento de porte oculto para as pistas de tiro, exceto para:

a) Policiais, Militares, Guardas e Agentes de Segurança de empresas públicas ou privadas, quando


utilizarem o uniforme da corporação/empresa e as armas nas mesmas condições de trabalho;

b) Nas pistas de Exercício e nas de Cenários criadas para serem feitas sem o uso desses
equipamentos/vestimentas de porte oculto.

26) Nenhuma pista de tiro, do tipo “cenário”, poderá exceder o requisito máximo de (22) vinte e dois
disparos.

27) Depois que a competição tiver iniciada, todos os desenhos das pistas são definitivos. O desenho da
pista não poderá ser modificado, exceto se todos os competidores que tiverem completado a(s) pista(s),
anteriormente, atirarem novamente.

IDSC/CBTD 5
28) O primeiro disparo de cada pista deverá ter um tempo mínimo previsto para ser realizado. Caso o
competidor exceda esse tempo ele terá esse tempo acrescido ao seu tempo final. Não se computará,
neste caso, 1 (um) erro de procedimento.

29) Poderão ser utilizados alvos de outras modalidades de tiro; alvos com desenhos; alvos metálicos e
estes deverão estar no mínimo à distância de 8m do atirador.

30) Uso mínimo de 70% dos alvos de IDSC nas competições é obrigatório.

31) Não haverá qualquer tipo de marcações para indicar os locais de disparos, a não ser as linhas
demarcatórias de pontuação.

32) O MD poderá permitir que um competidor participe com uma arma ou equipamento que não se
adeque ao IDSC, desde que não comprometa a segurança. Neste caso, esse competidor não
pontuará para o Ranking, assim como acontecerá com os convidados.

33) Toda Pista deve simular uma possível situação da vida real ou medir a destreza que pode
razoavelmente ser utilizadas em um confronto de autodefesa na vida real. Se você não puder de
forma honesta dizer: “isso poderia acontecer”, tal situação provavelmente não será uma boa pista
de tiro IDSC.

REGRAS DE SEGURANÇA
34) Qualquer pessoa que observe um ato ou situação insegura deve reportá-los ao DSO. Caso ocorra um
risco a pessoa que o observar é responsável por comunicar imediatamente, um CESSAR FOGO uma vez
que é proibido colocar em perigo qualquer pessoa, incluindo o próprio atirador.

35) Área de Carga e Descarga: É uma área específica e s i n a l i z a d a q u e deve ser estabelecida para
que o competidor antes de entrar ou sair do campo de prova c o m s u a a r m a possa descarregá-la ou
carregá-la de forma segura e n enhum outro tipo de manuseio ou prática é permitido e, se e s t a
não houver sido identificada, o competidor deverá d i r i g i r - s e a o DSO ou a outra autoridade da
competição p a r a o b t e r instruções de onde descarregar/carregar sua arma.

36) Obrigatório uma Área de Segurança ou Segura, designada por sinalização, que é destinada somente
ao manuseio da arma, nela não se manuseará munição e o seu manuseio será considerado quebra de
segurança.

37) Qualquer violação das regras de segurança é motivo suficiente para que o competidor seja
Desqualificado (DQ), violações repetidas resultarão em desclassificação (DQ).

38) Ficam estabelecidas, entre outras, as seguintes Regras de Segurança:

 Proteção de ouvidos e de olhos é obrigatório nas pistas;

 No Campo de Prova FRIO, as armas devem estar descarregadas;

IDSC/CBTD 6
 Todos devem lidar como se todas as armas estivessem carregadas o tempo todo.

 Nenhum dispositivo de segurança da arma pode estar desativado.

 As armas somente poderão ser removidas do coldre nas situações a seguir:

a) Quando estiver na Área de Segurança, inclui-se a retirada da caixa;

b) Quando estiver executando a sua série de tiros sob a supervisão do Defensive Shooting
Officer - DSO;

c) Quando receber uma ordem verbal do Defensive Shooting Officer - DSO.

 Todas as armas devem estar descarregadas ao entrarem e saírem do campo de prova e entre as
pistas e isso inclui armas que estejam em maletas ou coldreadas, qualquer exceção será
apontada na programação da competição ou determinada pelo Diretor da Competição - MD.

 Todas as pistas de tiro serão iniciadas com a arma no coldre e segura, com as mãos sem tocar no
equipamento, segundo as orientações do DSO, desde que não sejam estipuladas outras posições
para a arma (ex.: sobre a mesa, escrivaninha, gavetas, etc).

 Não será permitido manusear uma arma carregada, exceto quando estiver realizando uma pista.

 Depois de terminar uma pista de tiro, antes de retirar-se e com o cano da arma voltado para o
para-balas o atirador deve sob o comando do DSO: Retirar o carregador, descarregar, mostrar
a câmara de cartuchos da arma vazia, acionar o gatilho e guardá-la no coldre.

 No caso de uma pistola não puder ser carregada ou descarregada devido à falha no seu
mecanismo, o atirador deverá notificar o DSO, a quem caberá tomar as medidas que julgar
necessária.

 As pistolas utilizadas nas competições serão de fácil manejo e seguras. O Diretor da Competição
(MD) determinará ao atirador a retirada de qualquer pistola considerada como insegura.

 Uma arma nunca deve ser apontada em uma direção que não seja segura e durante um curso de
tiro (pista), um competidor deve controlar a direção do cano o tempo todo, mantendo a arma
apontada diretamente para a área do alvo para não haver quebra de ângulo.

 Regra de Segurança do ângulo de 180 Graus (quebra de ângulos) tomando-se como vértice o
atirador de frente para o para-balas, dependendo do desenho da pista e das limitações do
campo de prova, o Diretor da Prova pode reduzir o ângulo, porém, tal informação deve ser
explicada p e l o D S O a cada competidor como parte das instruções do curso de tiro (briefing
da pista); a quebra de ângulo acarretará em desclassificação do atirador (DQ).

IDSC/CBTD 7
 Se um atirador deixar cair uma arma carregada durante uma sequência de tiro, o DSO
imediatamente gritará: “PARE” e será tarefa do DSO, recolher a arma caída e certificar-se que
ela está descarregada antes de entregá-la ao competidor que será desqualificado (DQ) de toda a
competição, assim como de qualquer outra atividade de tiro que executaria no dia.

 Deixar cair uma arma descarregada repetidas vezes, acarretará na inspeção do equipamento do
atirador, podendo resultar em penalizações adicionais ou na desqualificação da prova (DQ), a
critério do DSO.

 Controle do Dedo do Gatilho: O dedo deve estar fora do gatilho e do guarda-mato, a não ser que
se esteja engajando os alvos desejados. Isto inclui carregar, descarregar e se mover entre as
posições de disparo. Os competidores receberão um aviso. Violações repetidas resultarão em
desclassificação (DQ).

 Disparo prematuro (DQ): Arma no coldre, atingindo atrás da linha de tiro do atirador; no chão
na direção do “para-balas” ou do alvo a menos de dois metros da posição do atirador (local do
atirador na hora do disparo) ou sobre um para-balas.

 Reincidência na Conduta Antidesportiva (DQ): Uma conduta antidesportiva é contraditória ao


espírito da competição. Casos extremos de conduta antidesportiva ou reincidência da mesma
constituem motivos de desclassificação (DQ) da competição inteira, de acordo com as
determinações do Diretor de Prova.

 Durante a prova, sobrevoo de cano sobre membros, ou seja, passar com o braço ou outros
membros diante do cano da arma acarretará em DQ.

EQUIPAMENTOS
39) O coldre deverá ser fabricado e vendido para ser utilizado em serviço por Agentes de Segurança de
Empresas Públicas e Privadas ou para o trabalho à paisana. Um coldre de coxa tático é permitido, desde
que seja o previsto para o dia-a-dia de trabalho.

40) As pessoas não abrangidas acima usarão coldres produzidos para uso de defesa e de forma não
ostensiva (oculta).

41) Coldres especiais de competição usados no Tiro Prático (IPSC), não são permitidos, apenas coldres
normais de uso cotidiano.

42) Os cintos (que suportam os coldres), obrigatoriamente, terão de passar pelas passadeiras das calças.
Poderão ser admitidas calças curtas (bermudas) desde que possuam passadeiras para o cinto.

Uma empresa americana, a Blade Tech, fabrica coldres específicos para o IDPA que neste item tem
regra similar ao IDSC. (http://blade-tech.com/)

IDSC/CBTD 8
43) O coldre deve ter ao menos um mecanismo de retenção de trava ativo, o qual deverá ser
desengatado manualmente pela mão do saque. Os coldres de retenção apenas por fricção não são
permitidos, salvo se forem considerados seguros pelo MD.

44) O coldre deverá cobrir completamente o guarda mato.

45) Apenas coldres principais são permitidos. Nenhum coldre especial é permitido, tais como os
posicionados no peito nas costas em suportes de suspensório, etc.

46) Coldres NÃO Permitidos:

a) Cruzados.

IDSC/CBTD 9
b) Axilares.

c) Traseiros e pequenos.

d) Modelos “de competição”.

47) O Coldre e o Suporte do Carregador devem possuir um sistema de retenção ativo e capaz de manter
a arma e os carregadores quando o suporte for virado de cabeça para baixo.

48) Suporte de carregador (máximo 2): podem ser dois simples ou um duplo e deve estar no mesmo
cinto do coldre;

PONTUAÇÃO
49) O tempo que um competidor leva para responder a uma ameaça letal com sua arma é muito
importante, porém a precisão é mais importante ainda. A precisão é mais relevante do que a velocidade
com a qual o competidor corre pela pista de tiro.

50) A pontuação da IDSC é baseada no tempo. Isto é feito com o intuito de simplificar a pontuação para
computar os resultados da pista. Uma simples calculadora para fazer o somatório dos tempos no cartão
de pontuação é tudo o que se precisa.

51) A marca dos projéteis em que há quebra parcial da linha de pontuação é pontuada com o acréscimo
dos segundos de MAIOR valor.

52) A marca dos Projéteis em que há quebra parcial da borda do alvo fora das áreas de pontuação são
pontuados como “MISS”.

53) Para ser pontuada a marca do projétil deverá estar completamente dentro da área de pontuação.

a) São 3 (três) as zonas de pontuação de IDSC e elas estão demarcadas por linhas pontilhadas no
alvo a saber: disparos na mais central, a zona “0”, nenhum segundo será acrescentado ao
tempo final; a zona contigua à zona “0”, + 2 segundos serão acrescentados e na zona mais
afastada do centro, serão acrescentados + 5 segundos ao tempo final da pista;
IDSC/CBTD 10
b) Os disparos previstos que não atingirem o alvo serão considerados MISS, e para cada um deles
serão acrescentados 10 segundos ao tempo da pista.

54) ERRO DE PROCEDIMENTO - EP: Para cada EP recebido será acrescentado 4 segundos ao tempo final
da pista.

55) CONDUTA ANTIDESPORTIVA: Serão acrescentados ao tempo final 25 segundos.

56) EXCEDER ao TEMPO para o PRIMEIRO DISPARO: Será acrescentado o tempo do primeiro disparo.

57) EXCEDER O NÚMERO DE DISPAROS NA CONTAGEM LIMITADA: Será penalizado com 1 (um) EP, e os
melhores resultados serão desconsiderados dos alvos em número igual aos disparos excedidos.

58) IMPACTOS NO REFÉM: Resultará numa penalidade de 10 segundos para cada alvo refém impactado.
Se o competidor tiver mais de um impacto num mesmo alvo refém, SOMENTE uma única penalidade de
10 segundos será aplicada. Serão considerados os impactos no alvo coberto pelo refém ("soft cover").

COBERTURA
59) Mais de 50% da parte superior do tronco do atirador em pé deve estar na cobertura enquanto
atinge alvos ameaçadores ou em recarga, mesmo o atirador estando atrás de janelas, portas e muros.

60) Para uma cobertura baixa, pelo menos um joelho deve estar no chão e, para cobertura vertical,
100% das pernas e dos pés do atirador devem estar na cobertura.

61) DSO que observam um atirador que não estiver usando a cobertura adequadamente devem gritar o
comando “COBERTURA”. O atirador deve, imediatamente, corrigir o seu uso da cobertura.

62) Se o DSO não teve tempo ou oportunidade de gritar “COBERTURA”, antes do atirador disparar sem
usar a cobertura adequadamente, o atirador terá um erro de procedimento (EP).

DIVISÕES
63) As Divisões para a prática do IDC são as seguintes:

 Hard Pistol; (HP) Somente pistolas semi-automáticas calibre 9mm (9x19) ou calibre superior (.40
e 45 ACP);

 Soft Pistol; (SP) Pistolas semi-automáticas de calibres inferiores a 9 mm (9x19) (.380, 7.65 etc.)

 Mini Pistol;

 Hard Revolvers: (HR) Revólveres de calibre .38 ou superiores.

 Soft Revolver; (SR) Revólveres de calibres inferiores ao .38.

 Mini Revolvers;
IDSC/CBTD 11
 Carbines / Rifles;

 Shotgun;

 Air Pistol;

 Air Rifles;

ARMAMENTO – ARMAS CURTAS


64) Fabricada ou comercializada direcionada para agências de segurança pública, privada e uso de
defesa.

65) As armas não podem sofrer modificações que proporcionem vantagem frente às armas originais de
mesma marca e modelo. Deve manter o tamanho original, etc.

66) Pistolas de “ação dupla e simples” devem disparar o primeiro tiro de cada pista em ação dupla,
podendo estar destravada, ou em ação simples com a arma travada.

67) É proibido manter uma segunda arma curta CARREGADA ao longo da pista.

68) Peso mínimo do gatilho: Não há. Porém, não pode atentar contra segurança.

69) Não é permitido o uso de compensadores;

70) Funil: podem ser utilizados os pequenos que tem caráter de defesa (desde que caiba na caixa, itens
78 e 79)

71) Dispositivos não alterados manufaturados comercialmente para facilitar a recarga são permitidos se
desenhados para uso em serviço e se a arma atende aos requisitos de tamanho com o dispositivo
instalado. Este não pode aumentar a largura original na base do cabo além das medidas da caixa (itens
78 e 79).

72) Carregadores desenhados para competição, tais como ICE, EGW e outros não são permitidos,
mesmo se adaptados para atingir a largura máxima do cabo.

73) Empunhadura: Empunhaduras originais de fábrica ou de revenda do mesmo tamanho e desenho. É


permitido colocar uma empunhadura com material mais aderente. As empunhaduras podem ser
modificadas ou alteradas de acordo com o tamanho da mão do competidor. Apoio adicional para o
dedão ou empunhaduras mais pesadas não são permitidas.

74) Capacidade do Carregador: Nenhum carregador utilizado durante a prova poderá exceder à
especificação do fabricante da arma. A capacidade não pode ser aumentada pelo uso de pastilhas de
base alargadas que não sejam originais ou que não atendam as especificações de tamanho da caixa
(itens 78 e 79), ou pela troca de algum componente interno. O carregador pode ser usado para o
aumento da aderência (empunhadura) desde que a arma obedeça às restrições de tamanho listadas
IDSC/CBTD 12
acima com o carregador estendido instalado. Todos os carregadores devem estar carregados ao máximo
de sua capacidade, a não ser que haja instrução específica.

75) Miras: todas as que sejam abertas e que caibam na caixa (itens 78 e 79), incluindo miras
luminescentes e de fibra óptica.

ACESSÓRIOS DE ARMAS
76) Acessórios produzidos em escala que não sejam produzidos pelo fabricante da arma poderão ser
utilizados, desde que não violem os itens 65 a 75, e que sejam fabricados comercialmente em escala e
mantenham as condições de seguranças. Não é permitido o uso de equipamentos alterados ou
produzidos em pequena escala, em face da falta de comprovação de sua efetiva segurança.

USO DE PROLONGADORES
77) Poderão ser utilizados prolongadores com o fim de melhorar a empunhadura. Devem ser originais
de fábrica ou por empresa que comercializem tais produtos em larga escala. A arma com o carregador
deverá caber dentro da caixa (itens 78 e 79).

DIVISÃO HARD PISTOL


78) As armas devem encaixar na caixa com as seguintes medidas 9” x 6 1/4” x 2” (aproximadamente
22,86 x 15,24 x 5,08 cm).

a) Calibres iguais ou superiores a 9 mm (9x19) (inclui .40, .45 e 38 SUPER).

b) Armas não podem sofrer modificações significativas (vide item 65).

c) Comprimento máximo do cano: 5,5”. Exceção: Glock “C” e Springfield Ported XD.

d) Fator (munição): acima de 125.000.

DIVISÃO SOFT PISTOL


79) As armas devem encaixar na caixa com as seguintes medidas 9” x 6 1/4” x 2” (aproximadamente
22,86 x 15,24 x 5,08 cm).

a) Calibres inferiores a 9 mm (9x19) (.380, 7,65 e outros calibres).

b) Armas não podem sofrer modificações significativas (vide item 65).

c) Comprimento máximo do cano: 5,5”.

d)Fator (munição): acima de 90.000.

IDSC/CBTD 13
DIVISÃO MINI PISTOL
80) Quaisquer calibres.

a) Comprimento máximo do cano: 2,5” (6,35 cm).

b) Fator (munição): acima de 45.000.

DIVISÃO HARD REVOLVER


81) Calibres iguais ou superiores ao .38.

a) Armas não podem sofrer modificações significativas.

b) Comprimento máximo do cano: 6,0”.

c) Fator (munição): acima de 105.000.

DIVISÃO SOFT REVOLVER


82) Calibres inferiores ao .38.

a) Armas não podem sofrer modificações significativas.

b) Comprimento máximo do cano: 6,0”.

c) Fator (munição): acima de 45.000.

DIVISÃO MINI REVOLVER


83) Quaisquer calibres.

a) Armas não podem sofrer modificações significativas.

b) Comprimento total: 6,7” (17,02 cm).

c) Fator (munição): depende do calibre (vide itens anteriores).

DIVISÃO CARBINES/RIFLES
84) Calibre mínimo de .223/5.56mm.

a) O competidor poderá utilizar uma carabina com calibre de pistola nas provas.

b) Poderão ser utilizados calibres inferiores nos países em que a legislação não permita o uso dos
calibres acima. Entretanto, o uso desses armamentos será permitido nas competições locais.

c) Uso somente no modo de tiro semiautomático.


IDSC/CBTD 14
d) Comprimento máximo do cano: 24”.

e) Limitação de 30 (trinta) tiros nos carregadores.

f) Os locais de recargas deverão ser estipulados, previamente, para cada pista de tiro.

g) O Diretor de Prova poderá limitar o calibre máximo devido às restrições do campo, limitações do
alvo de aço, etc.

DIVISÃO SHOTGUN
85) Calibre mínimo: 12;

a) Comprimento máximo do cano: 24”.

b) Capacidade de cartuchos: O tubo de cartuchos deverá ser original de fábrica ou amplamente


comercializado por empresas de acessórios. Não deverá se estender além de ¾ de uma
polegada além do final do cano e não armazenar mais que 9 tiros.

c) Os cartuchos NÃO poderão ser “carregados” ou armazenados em suportes acoplados a arma.


Eles deverão ser carregados dentro do tubo carregador ou na câmara;

d) Miras: todas as que sejam abertas e que caibam na caixa, incluindo miras luminescentes e de
fibra óptica.

OUTRAS DIVISÕES
86) Air Pistol

87) Air Rifles

LEIS UNIVERSAIS DE SEGURANÇA


- Arma sempre deve ser considerada como carregada.
- Nunca aponte a arma para alguém ou algo que não deseje atingir.
- Sempre esteja seguro de seu alvo e do que está atrás dele.
- Mantenha seu dedo fora do gatilho até que o alvo esteja em sua mira (visada-pontaria).
- Todos que se encontrarem na área de tiro deverão utilizar proteção visuais (óculos de proteção)
resistentes a golpes e, ainda, proteção auditiva (protetor auricular);.

COMANDOS DO DSO
1) O atirador tem dúvidas no procedimento? (Do you Understand the Course of Fire?)
2) Carregue e Fique Pronto. (Load and make ready);
3) Atirador Pronto. (Shooter ready);
4) A Espera (Stand by);
IDSC/CBTD 15
5) Dedo (Finger);
6) Cano (Muzzle);
7) Pare (Stop);
8) Cobertura (Cover);
9) Descarregar e mostrar a arma vazia (Unload and Show Clear);
10) Fechar o ferrolho (Slide Down) ou fechar o tambor (Cylinder Closed);
11) Bater o Cão (Hammer down);
12) Coldre (Holster);
13) Pista Fria (Range is safe).

RESUMO TÉCNICO
88) Recarga de Emergência: quando o carregador inserido na arma está vazio, independentemente de
parar aberta, é a única forma permitida de descartá-lo.

89) ATENÇÃO: atirar a esmo ou excessivamente para esvaziar o carregador, e assim descartá-lo no chão,
com a intenção de ganhar vantagem, poderá ser considerado “atitude antidesportiva” e o atirador
penalizado (25 segundos).

90) Recarga com Retenção: Sempre que restar munição no carregador, ele não poderá ser descartado.
Deverá ser guardado em bolsos, não sendo permitido guardá-lo na boca ou outros improvisos. A
Recarga com Retenção ocorre quando retiramos (primeiro) o carregador ainda com munição da pistola,
o guardamos no cinto ou bolsos, apanhamos um novo no porta-carregador e o introduzimos na arma.

91) Recarga Tática: Sempre que restar munição no carregador, ele não poderá ser descartado. Deverá
ser guardado em bolsos ou no porta-carregador, não sendo permitido guardá-lo na boca ou outros
improvisos. A Recarga Tática ocorre sob fogo, onde, o processo deve manter a arma descarregada pelo
menor tempo possível, logo, PRIMEIRO, retire do porta-carregador um carregador cheio. Com a mesma
mão que segura o novo carregador, retire o usado e rapidamente introduza o novo antes de guardar o
usado no cinto ou bolsos.

92) Disparar caminhando: quando indicado os disparos tem de ocorrer em movimento, caminhando
para diante ou para trás. Parar durante a caminhada para disparar será penalizado com EP (Erro de
Procedimento) para cada disparo efetuado parado.

93) Cobertura: Uma das características do Tiro Defensivo é que primeiro o atirador procura se abrigar
corretamente diante de alvos ameaçadores e depois engaja os alvos. Mais de 50% da parte superior do
tronco do atirador quando em pé deve estar na cobertura enquanto atinge alvos ameaçadores ou em
recarga. O DSO ao notar a falta de cobertura, poderá advertir com a expressão “COBERTURA” e, se o
atirador corrigir a postura ANTES do disparo, nenhuma penalidade será imposta.

94) Primeiro disparo: Em todas as Pistas (desde que explicitamente informado do contrário) o primeiro
disparo se dará em no mínimo 3 segundos (de acordo com o briefing da Pista). O DSO verificará o tempo

IDSC/CBTD 16
do primeiro disparo que, se excedido, será integralmente acrescido ao tempo da prova. Se o primeiro
disparo ocorrer dentro do tempo estipulado, nada será anotado.

95) Dedo no gatilho: Sempre que se deslocar para alvos distantes, este deslocamento se dará com o
dedo fora do gatilho/guarda mato, a não ser que se esteja engajando os alvos desejados. O DSO fará
uma primeira advertência (DEDO) e, na reincidência, o atirador será penalizado com DQ.

96) Prioridade Tática: É a situação onde o atirador está coberto e engaja o alvo que primeiro se
apresenta. Já na situação em que o atirador não está coberto, adota-se o critério de prioridade levando-
se em conta o grau de letalidade de cada alvo. Caso o grau de letalidade seja equivalente entre os alvos
ameaçadores, priorizar os que estiverem com reféns e depois adotar o critério da distância, do mais
próximo para o mais distante.

97) Sequência Tática: É a situação onde os alvos ameaçadores estão aproximadamente na mesma
distância e portando armas de fogo. Sendo alvos de papel, temos de neutralizá-los com dois disparos,
mas, na Sequência Tática, primeiro realizamos um disparo em cada e, na sequência, voltamos
completando o segundo disparo, da seguinte forma: 1-1-2-1-1 para três alvos.

GLOSSÁRIO
ÁREA DE CARGA & DESCARGA – Área destinada àqueles que estejam com “armas quentes” a
descarregarem e vice-versa.

ÁREA DE SEGURANÇA – É a única área onde se podem manusear ARMAS (e jamais munições). É
normalmente a área aonde o visitante chega com sua maleta e a coloca no coldre (sem carregador) e
vice versa, na hora de se retirar.

COBERTURA – Uma diferença básica no Tiro Defensivo com relação a outras modalidades deste esporte
é a necessidade do competidor estar abrigado para engajar os alvos.

DEDO – Nos deslocamentos entre alvos distantes, o dedo obrigatoriamente deverá estar fora do gatilho
e do guarda-mato. Só estará com o dedo no gatilho ao se engajar alvos desejados.

DQ – Desqualificação. O atirador deverá se retirar não podendo mais participar da prova, mesmo que
inscrito com outra arma/Divisão.

DSO – Defensive Shooting Officer é o árbitro de cada competição.

EP – Erro de procedimento, uma penalidade que será aplicada, por exemplo, se o atirador não cumprir a
determinação de “Sequência Tática” e outras.

FATIAR - É a ação de, abrigado, procurar o primeiro alvo e engajá-lo. Na sequência, vai saindo da
cobertura e atingindo desta forma os demais alvos à medida que eles apareçam.

IDSC/CBTD 17
MD – Match Director é o Diretor de Prova, que resolverá os casos criados durante a competição, sob a
luz dos regulamentos.

PRIORIDADE TÁTICA – É a técnica de engajar os alvos do mais próximo para o mais distante.

RECARGA COM RETENÇÃO – É a recarga de pistolas onde o carregador ainda possui munição. Primeiro
retira-se o carregador da arma e o guarda no cinto ou em bolsos (jamais no chão). Depois apanha um
novo carregador no cinto e recarrega a arma.

RECARGA DE EMERGÊNCIA – A arma termina aberta, vazia e o carregador sem munição pode ser
descartado no chão.

RECARGA TÁTICA – O atirador deve ficar o menor tempo possível sem o carregador, logo, PRIMEIRO
retira o novo do cinto e com a mesma mão, retira o usado (ainda com munição), recolocando
rapidamente o novo e depois, guardando o usado no cinto ou bolsos.

REGRA DOS 180 GRAUS – Em havendo uma linha imaginária no atirador em relação à direção dos alvos,
voltar a arma para trás, ultrapassando essa linha, é falta grave e quebra da segurança, DQ.

SEQUÊNCIA TÁTICA - Quando engajamos alvos de papel inicialmente com um tiro em cada e, na volta,
completando o segundo disparo em cada um, da direita para esquerda ou vice e versa.

SOBREVOO DE MEMBROS – Quando numa situação onde, por exemplo, temos de abrir uma porta (que
não serve de proteção ou cobertura) com a uma das mãos e esta passa na frente do cano da arma que
está na outra. Esta ação aplica-se a qualquer outro membro do corpo. É caso para DQ.

IDSC/CBTD 18