Você está na página 1de 15

ÁLGEBRA (MESTRADO)

1a LISTA DE EXERCÍCIOS

1. Em cada ı́tem verifique se a estrutura algébrica é um grupo.


a) (P(A), △), onde P(A) é o conjunto das partes de A e △ é a diferença simétrica.
b) (P(A), ∪).
c) (IR, ·), onde “ · ” é o produto usual.
∗ ∗
d) (IR+ , ·), onde IR+ = {x ∈ IR | x > 0} e “ · ” é o produto usual.
e) (C, ·), onde C = {z ∈ C | |z| = 1} e “ · ” é o produto usual.
x+y
f) (I, ∗), onde I é o intervalo (−c, c) e x ∗ y = .
1 + (xy/c2 )
g) ({a, b}, ∗), onde a ∗ a = a ∗ b = a, b ∗ a = b ∗ b = b.

2. Seja G um grupo. Mostre que:


a) G possui um único elemento neutro.
b) Se a ∈ G, então a possui um único inverso em G.
c) Se a, x, y ∈ G e ax = ay (ou xa = ya), então x = y (Lei do cancelamento).
d) Se a, b ∈ G, então existem únicos x1 , x2 ∈ G tais que ax1 = b e x2 a = b.

3. Sejam G um grupo e a, b ∈ G. Mostre que:


a) an+m = an am para quaisquer m, n ∈ Z.
b) (an )m = anm para quaisquer m, n ∈ Z.
c) Se ab = ba, então (ab)n = an bn para todo n ∈ Z. (Dica: mostre primeiro para n ≥ 0,
por indução, e depois para n < 0.)

4. Sejam A um conjunto não vazio e “ ∗ ” uma operação associativa em A tal que:


i) Existe e ∈ A tal que x ∗ e = x para todo x ∈ A.
ii) Para cada x ∈ A, existe x′ ∈ A tal que x ∗ x′ = e.
Mostre que (A, ∗) é um grupo.

5. Considere o conjunto D∞ = Z × {1, −1} e a operação “ ∗ ” em D∞ definida por

(a, n) ∗ (b, m) = (a + nb, nm).

1
a) Mostre que (D∞ , ∗) é um grupo. Este grupo é chamado de diedral infinito.
b) Mostre que H = {(a, 1) | a ∈ Z} é um subgrupo de D∞ .
c) Mostre que o(a, −1) = 2, para todo a ∈ Z.
d) (D∞ , ∗) é abeliano? Justifique sua resposta.

6. Sejam G um grupo e a ∈ G.
a) Mostre que o(a) é infinita se, e somente se, a aplicação fa : Z −→ G, definida por
fa (n) = an , é injetora.
b) Supondo que o(a) é finita e que n ∈ Z, mostre que: an = e se, e somente se , o(a)
divide n.

7. Sejam G1 e G2 grupos. Considere o produto cartesiano G1 × G2 e a operação em G1 × G2


definida por
(x1 , x2 )(y1 , y2 ) = (x1 y1 , x2 y2 ) .

a) Mostre que G1 × G2 , munido desta operação, é um grupo (que é chamado de produto


direto de G1 e G2 ). Identifique o seu elemento neutro.
b) Mostre que G1 × G2 é abeliano se, e somente se, G1 e G2 são abelianos.
c) Mostre que G1 ×G2 é finito se, e somente se, G1 e G2 são finitos. Neste caso, |G1 ×G2 | =
|G1 ||G2 |.

8. Sejam G um grupo e S um subconjunto não vazio de G. Mostre que:


a) S é um subgrupo de G se, e somente se, SS −1 ⊆ S.
b) Se S é finito e é fechado em relação à operação de G, então S é um subgrupo de G.

9. Mostre que todo grupo de ordem menor que 6 é abeliano. Mostre que o grupo S3 não é
abeliano e calcule as ordens de todos os seus elementos.

10. Seja G um grupo e considere o subconjunto T (G) = {g ∈ G | o(g) é finita} de G.


a) Mostre que se g ∈ G, então o(g) = o(g −1 ) e conclua que T (G) é fechado a inversos.
b) Mostre que se G é abeliano, então T (G) é um subgrupo de G.

11. Mostre que:


a) o(f ) = o(g) = 2 e f ◦ g tem ordem infinita, onde f , g ∈ SZ são definidas por:
{ {
n + 1 , se n é par n − 1 , se n é par
f (n) = e g(n) = .
n − 1 , se n é ı́mpar n + 1 , se n é ı́mpar

2
b) o(A) = 4, o(B) = 3 e o(AB) = ∞ no grupo GL2 (IR), onde
( ) ( )
0 −1 0 1
A= e B= .
1 0 −1 −1

12. Considere o grupo GLn (IR). Mostre que:


a) Se A ∈ GLn (IR) tem ordem finita, então det A = ±1. A recı́proca desta afirmação é
válida? Justifique.
b) SLn (IR) = {X ∈ GLn (IR) | det X = 1} é um subgrupo de GLn (IR) (SLn (IR) é
chamado de grupo especial linear).
c) On (IR) = {X ∈ GL(IR) | X t X = In } é um subgrupo de GLn (IR) (On (IR) é chamado
de grupo ortogonal).
d) Mostre que se A ∈ Mn (IR), então GA = {X ∈ GL
( n (IR) | X )
t
AX = A} é um subgrupo
0 Im
de GLn (IR) (sendo n par, digamos n = 2m e A = , o grupo GA é chamado
−Im 0
de grupo simplético e denotado por Spn (IR)).

13. Definimos uma involução num grupo como sendo um elemento de ordem 2. Sendo G um
grupo, mostre que:
a) Se G é um grupo no qual todo elemento diferente do neutro é uma involução, então G
é abeliano.
b) Se G é finito, então |G| é par se, e somente se, G possui alguma involução.

14. Sejam G1 e G2 grupos não triviais (denote por e1 e e2 os seus elementos neutros).
a) Sejam a ∈ G1 e b ∈ G2 . Mostre que (a, b) é de ordem finita em G1 × G2 se, e somente
se, a e b são de ordem finita.
b) Mostre que se a e b são de ordem finita, então o(a, b) = mmc(o(a), o(b)). Conclua que
se G1 e G2 são grupos cı́clicos finitos e de ordens relativamente primas, então o produto
direto G1 × G2 é um grupo cı́clico.
c) Mostre que se o produto direto G1 × G2 é cı́clico, então G1 e G2 devem ser cı́clicos.
d) Mostre que se o produto direto G1 × G2 é cı́clico, então G1 e G2 devem ser finitos e
de ordens relativamente primas. (Dica: suponha G1 × G2 = ⟨(a, b)⟩ e G1 infinito. Então,
o(a) = ∞. Se y ∈ G2 − {e2 }, tem-se (e1 , y) ̸∈ ⟨(a, b)⟩, contradição! Use o ı́tem (b) para
mostrar que se (a, b) ∈ G1 × G2 , então o(a, b) ≤ mmc(|G1 |, |G2 |).)
e) Conclua que se G é um grupo não trivial, então o produto direto G × G não pode ser
cı́clico.

3
15. Sejam n um número inteiro, G um grupo e x ∈ G.
o(x)
a) Mostre que se o(x) é finita e n é um divisor positivo de o(x), então o(xn ) =
.
n
o(x)
b) Suponha o(x) finita. Se n ̸= 0 e d = mdc(o(x), n), mostre que o(xn ) = . (Dica:
d
observe que d divide n e que existe k ∈ Z tal que kn ≡ d (mod o(x)). Conclua que
⟨xn ⟩ = ⟨xd ⟩.)
c) Se o(x) é finita, então: ⟨xn ⟩ = ⟨x⟩ ⇐⇒ mdc(o(x), n) = 1.
d) Se o(x) = ∞, então: ⟨xn ⟩ = ⟨x⟩ ⇐⇒ n = ±1.

16. Mostre que se G é um grupo com apenas uma quantidade finita de subgrupos, então G
é finito (fica: mostre primeiro que G é de torção). Conclua que se G possui apenas 2
subgrupos, então G é finito de ordem prima.

17. Sejam G um grupo e H e K subgrupos de G. Defina

f : H × K −→ HK
.
(h, k) 7−→ f (h, k) = hk

a) Mostre que f é sobrejetora.


b) Sejam h ∈ H e k ∈ K. Se x = hk, mostre que f −1 (x) = {(ha, a−1 k) | a ∈ H ∩ K}.
c) Conclua que se H ∩ K é finito, então f −1 (x) também é finito e tem o mesmo número
de elementos de H ∩ K, para todo x ∈ HK.
|H||K|
d) Supondo que H e K são finitos, mostre que |HK| = .
|H ∩ K|
18. Em cada ı́tem, descreva todas as classes laterais à esquerda de H em G, isto é, encontre
um transversal à esquerda de H em G.
a) G = (IR, +) e H = Z.
b) G é o grupo multiplicativo C∗ = C − {0} e H = {z ∈ C | |z| = 1}.
c) G = Sn e H = {σ ∈ Sn | σ(1) = 1}.

19. Sejam G um grupo, H e K subgrupos de G, X e Y subconjuntos não vazios de G e a, b,


x, y ∈ G. Mostre que:
a) (ab)x = ax bx .
b) (an )x = (ax )n para todo n ∈ Z.
c) axy = (ax )y e H xy = (H x )y .
−1 −1
d) ax = b ⇐⇒ a = bx e H x = K ⇐⇒ H = K x .

4
e) Se H ⊆ K, então H x ⊆ K x .
f) ⟨X⟩y = ⟨xy | x ∈ X⟩.
g) X ⊆ CG (Y ) ⇐⇒ Y ⊆ CG (X).
h) Se X ⊆ Y , então CG (Y ) ⊆ CG (X).
i) Mostre que CG (⟨X⟩) = CG (X). Conclua que se G = ⟨X⟩, então Z(G) = CG (X).
j) Se H é abeliano e h ∈ H, então H ⊆ CG (H) ⊆ CG (h).
k) ⟨x⟩ ≤ Z(CG (x)).
l) H E NG (H) e H ∩ CG (H) = Z(H).
m) CG (ax ) = (CG (a))x e CG (H x ) = (CG (H))x .
n) NG (H x ) = (NG (H))x .
o) CG (H) E NG (H).
p) Se H E G e |H| = 2, então H ⊆ Z(G).

20. Suponha um grupo G tal que G = ⟨x, y⟩, com o(x) = o(y) = 2. Sejam a = xy e H = ⟨a⟩.
a) Mostre que G = H ∪ xH = H ∪ yH.
b) Conclua que G é finito se, e somente se, o(a) é finita.

21. Considere o subgrupo A = {k2n | k, n ∈ Z} do grupo aditivo dos racionais. Tomando o


conjunto G = A × Z e a operação “ ∗ ” em G definida por

(x, n) ∗ (y, m) = (x + 2n y, n + m)

temos que G, munido desta operação, é um grupo.


a) Mostre que A não é finitamente gerado.
b) Mostre que G é um grupo finitamente e que possui subgrupo que não é finitamante
gerado.

22. Mostre que todo grupo finitamente gerado é enumerável.

23. Para cada permutação f ∈ SN , considere a sequência S(f ) = (an )n∈N definida por an = 0
se f (n) = n, e an = 1 se f (n) ̸= n.
a) Mostre que o conjunto {S(f ) | f ∈ SN } é não enumerável. (Dica: as únicas sequências
de 0’s e 1’s que não pertencem a este conjunto são aquelas com um único termo igual a
1.)
b) Conclua que SN é não enumerável e que SA é não enumerável, e protanto não é
finitamente gerado, para todo conjunto infinito A.

5
24. Para cada m ∈ N, considere o subgrupo Cm = {z ∈ C∗ | z m = 1} do grupo multiplicativo
dos complexos C∗ . Fixado p ∈ N primo, tomemos

Cp∞ = Cpn .
n∈N

a) Mostre que Cp∞ é um subgrupo de C∗ (chamado de p-grupo de Prüfer) e que não é


finitamente gerado.
b) Mostre que se H é um subgrupo próprio de Cp∞ , então H = {1} ou H = Cpn , para
algum n ∈ N.

25. Dizemos que um grupo G é localmente cı́clico se todo subgrupo finitamente gerado de G
é cı́clico. Mostre que:
a) Todo grupo localmente cı́clico é abeliano.
b) O grupo (Q, +) não é cı́clico.
c) Para quaisquer n ∈ N e p1
q1
∈ Q vale
, . . . , pqnn
⟨ ⟩ ⟨ ⟩
p1 pn 1
,..., ⊆ .
q1 qn q1 . . . q n

d) O grupo (Q, +) é localmente cı́clico.

26. Sejam G um grupo finito e n um inteiro não nulo tal que mdc(|G|, n) = 1. Mostre que a
aplicação
φ : G −→ G
x 7−→ φ(x) = xn
é sobrejetiva e conclua que é bijetiva. (Dica: existem k, m ∈ Z tais que m|G| + kn = 1.)

27. Sejam G um grupo e H um subgrupo de G, com |G : H| = 2. Mostre que:


a) g 2 ∈ H para todo g ∈ G.
b) H é normal em G.

28. Sejam G um grupo e H e N subgrupos de G. Mostre que:


a) Se H ⊆ NG (N ), então HN é subgrupo de G. Particularmente, se N E G, então HN
é subgrupo de G.
b) Se H e N são normais em G, então HN e H ∩ N são subgrupos normais de G.
c) Se H e N são normais em G e H ∩ N = {e}, então hn = nh para quaisquer h ∈ H e
n ∈ N.
d) Se N E G, então H ∩ N E H. Dê um exemplo mostrando que H ∩ N pode não ser
normal em G.

6
29. Sejam G um grupo finito e N E G tal que mdc(|G : N |, |N |) = 1. Mostre que se H é um
subgrupo de G tal que |H| divide |N |, então H ⊆ N . (Dica: trabalhe com HN ).

30. Sejam G um grupo e N E G. Mostre que:


a) Se g 2 ∈ N para todo g ∈ G, então G/N é abeliano.
e) G/N é abeliano se, e somente se, x−1 y −1 xy ∈ N para quaisquer x, y ∈ G.

31. Sejam G um grupo, N um subgrupo normal de G e g ∈ G. Mostre que:


a) Se G é abeliano, então G/N também é. Vale a recı́proca? Justifique.
b) Se G é cı́clico, então G/N também é. Vale a recı́proca? Justifique.
c) Se G é finitamente gerado, então G/N também é. Vale a recı́proca? Justifique.
d) Se o(g) é finita, então gN tém ordem finita em G/N e o(gN ) divide o(g).
e) Se o quociente G/Z(G) é cı́clico, então G é abeliano.

32. Sejam G e G1 grupos e φ : G −→ G1 um homomorfismo. Mostre que:


a) Se g ∈ G é um elemento de ordem finita, então φ(g) também tem ordem finita e o(φ(g))
divide o(g).
b) Se H é subgrupo de G, então φ(H) é subgrupo de G1 .
c) Se K é subgrupo de G1 , então φ−1 (K) é subgrupo de G1 . Ademais, se K é um subgrupo
normal de G1 , então φ−1 (K) é um subgrupo normal de G.
d) Se S é um subconjunto gerador de G, então φ(S) é um subconjunto gerador de Im φ.
e) Se G é finito, então Im φ é finita e |Im φ| divide |G|.
f) Se G e G1 são finitos, então |Im φ| divide mdc(|G|, |G1 |). Conclua que se G e G1 são
finitos de ordens relativamente primas, então φ(g) = 1, para todo g ∈ G, onde 1 é o
elemento neutro de G1 .

33. Sejam G e G1 grupos e φ, ψ : G −→ G1 homomorfismos. Se X ⊆ G é tal que G = ⟨X⟩ e


φ(x) = ψ(x) para todo x ∈ X, mostre que φ = ψ.

34. Seja M um espaço métrico. Definimos uma isometria de M como sendo uma aplicação
bijetora f : M −→ M que preserva distância, ou seja, d(f (x), f (y)) = d(x, y) para
quaisquer x, y ∈ M .
a) Mostre que o conjunto Isom(M ) de todas as isometrias de M é um subgrupo do grupo
SM (grupo simétrico sobre M ).
b) Considere o espaço métrico IR, cuja métrica é a usual. Descreva os elementos de
Isom(IR).

7
c) Mostre que G = {f ∈ Isom(IR) | f (Z) = Z} é um subgrupo de Isom(IR). Descreva os
elementos de G e mostre que ele é isomorfo ao grupo D∞ do exercı́cio 5.

35. Sejam G um grupo e a, b ∈ G tais ab = ba e o(a) = o(b) = p, com p primo.


a) Mostre que se a ̸∈ ⟨b⟩, então ⟨a, b⟩ é não cı́clico, tem ordem p2 e é isomorfo a Zp × Zp .
b) Conclua que se G é finito com ordem não divisı́vel por p2 , então a é potência de b e b
é potência de a.
c) Conclua também que se G é um grupo não cı́clico de ordem 4, então G é isomorfo a
Z2 × Z2 .

36. Considere os grupos (IR, +) e (C∗ , ·), e o subgrupo C = {z ∈ C | |z| = 1} de C∗ .


a) Mostre que a aplicação

f : IR −→ C
x 7−→ f (x) = Cos(2πx) + iSen(2πx)
é um homomorfismo sobrejetivo de grupos.
b) Use esta aplicação para mostrar que o quociente IR/Z é isomorfo a C.

37. Seja F um corpo.


a) Mostre que {( ) }

a b
G= a, b ∈ F, a ̸= 0
0 1
é um subgrupo de GL2 (F ).
b) Mostre que o conjunto N de todas as matrizes de G com a = 1 é um subgrupo normal
de G isomorfo ao grupo aditivo de F .
c) Mostre que o conjunto H de todas as matrizes de G com b = 0 é um subgrupo do G
isomorfo ao grupo multiplicativo de F .
d) Mostre que G/N ≃ H.
e) Mostre que se F tem exatamente 3 elementos, então G é isomorfo ao grupo S3 .
f) Defina no conjunto G1 = F ∗ × F (F ∗ = F − {0}) a operação “ ∗ ” da seguinte forma

(a1 , b1 ) ∗ (a2 , b2 ) = (a1 a2 , a1 b2 + b1 ) .

Mostre que G1 , munido desta operação, é um grupo isomorfo a G.


g) Para a, b ∈ F , com a ̸= 0, considere a aplicação

fa,b : F −→ F
.
x 7−→ fa,b (x) = ax + b

8
Mostre que fa,b é bijetora e que G2 = {fa,b | a, b ∈ F, a ̸= 0} é um subgrupo de SF
isomorfo a G.

38. Sejam G e G1 grupos, H, K E G e H1 E G1 . Mostre que:


a) Se G = HK e N = H ∩ K, então G/N ≃ H/N × K/N .
G × G1 G G1
b) H × H1 E G × G1 e ≃ × .
H × H1 H H1
39. Seja n um inteiro positivo e considere os elementos
( ) ( )
−1 0 Cos 2π
n
Sen 2π
n
X= e Rn = .
0 1 −Sen 2π
n
Cos 2π
n

de GL2 (IR) (observe que Rn é uma matriz de rotação). Considere também o grupo
multiplicativo C4 = {z ∈ C | z 4 = 1}.
a) Mostre que o subgrupo Dn = ⟨X, Rn ⟩ de GL2 (IR) é igual a ⟨X⟩⟨Rn ⟩ e conclua que
|Dn | = 2n. Dn é chamado de grupo diedral n. (Dica: observe que X −1 Rn X = Rn−1 .)
b) Mostre que
{( ) } {( ) }
a 0 ∪ 0 −b
Q8 = a ∈ C4 b ∈ C4
0 a−1 b−1 0

é um subgrupo de GL2 (C) e liste todos os seus elementos. Mostre também que Q8 é um
grupo não abeliano de ordem 8 que não é isomorfo a D4 .

40. Sejam G um grupo abeliano finito.


a) Mostre que se n é um inteiro não nulo tal que mdc(n, |G|) = 1, então a aplicação

φn : G −→ G
x 7−→ φn (x) = xn

é um automorfismo do grupo G.
b) Mostre que o conjunto K = {φn | n ∈ Z∗ , mdc(n, |G|) = 1} é um subgrupo de Aut G
e que K ⊆ Z(Aut G).
c) Mostre que se G é cı́clico, então Aut G = K. (Dica: Se G = ⟨x⟩ e f ∈ Aut G, estude
as possibilidades para f (x).)
d) Conclua que se G é cı́clico, então |Aut G| = ϕ(|G|), onde ϕ é a função de Euler.

41. Seja G um grupo. Para cada g ∈ G, defina

Ig : G −→ G
.
x 7−→ Ig (x) = gxg −1

9
a) Mostre que Ig é um automorfismo de G, chamado de automorfismo interno de G
determinado por g.
b) Mostre que Inn G = {Ig | g ∈ G} é um subgrupo normal de Aut G.
c) Mostre que a aplicação φ : G −→ Aut G, definida por φ(g) = Ig , é um homomorfismo
de grupos, culo núcleo é Z(G). Conclua que G/Z(G) ≃ Inn G.

42. Sejam G um grupo e H um subgrupo de G. Para cada g ∈ NG (H), considere o automor-


fismo de H
ψg : H −→ H
.
x 7−→ ψg (x) = gxg −1
Usando a aplicação
ψ : NG (H) −→ Aut H
g 7−→ ψg
mostre que o quociente NG (H)/CG (H) é isomorfo a um subgrupo de Aut H. Conclua
que se H é finito, então |NG (H) : CG (H)| também é finito.

43. Seja G um grupo e N um subgrupo de G.


a) Dado g ∈ NG (N ), mostre que a aplicação φg : N −→ N , definida por φg (x) = gxg −1 ,
é um automorfismo de N .
b) Suponha Aut N finito e N E G. Sendo n = |Aut N |, mostre que g n ∈ CG (N ) para
todo g ∈ G.
c) Supondo G finito, mostre que se N E G e mdc(|G|, |Aut N |) = 1, então N ⊆ Z(G).
(Dica: use o exercı́cio 26.)

44. Sejam A um conjunto e B um subconjunto não vazio de A.


a) Mostre que St(B) = {f ∈ SA | f (x) = x, ∀ x ∈ B} é um subgrupo de SA .
b) Suponha B ̸= A. Para f ∈ SA−B , defina
{
f : A −→ A x , se x ∈ B
, onde f (x) = .
x 7−→ f (x) f (x) , se x ∈ A − B

Mostre que f ∈ St(B).


b) Mostre que a aplicação φ : SA−B −→ St(B), definida por φ(f ) = f , é um isomorfismo
de grupos e conclua que se A − B é finito, então |St(B)| = (|A| − |B|)! .
c) Seja G um grupo finito. Mostre Aut G é um subgrupo de St(e) = {f ∈ SG | f (e) = e}
e conclua que |Aut G| divide (|G| − 1)! .

45. Se A é um conjunto com mais de 2 elementos, mostre que Z(SA ) = {Id}.

10
46. Usando o Teorema da Representação, mostre que:
a) Se G é um grupo simples infinito, então G não possui subgrupo próprio de ı́ndice finito.
b) O grupo A6 não possui subgrupo de ordem 120 nem subgrupo de ordem 72.
c) Se G é um grupo não abeliano de ordem 6, então G ≃ S3 . (Dica: G não possui
subgrupo normal de ordem 2.)

47. Encontre γ ∈ S15 satisfazendo γ −1 αγ = β, onde:


a) α = (1 2 3)(11 8 13 7 6)(9 5 4 10) e
β = (1 5 11 12)(15 8 7)(14 10 4 3 6).
b) α = (1 3)(2 5)(7 6)(8 15 9) e
β = (1 3 2)(5 7)(6 8)(15 9).

48. Considere o grupo A4 .


a) Verifique que H = ⟨(1 2)(3 4), (1 3)(2 4)⟩ possui 4 elementos e é normal em A4 .
b) Supondo que existe K ≤ A4 , com |K| = 6, mostre que o único subgrupo de ordem 3
de K é normal em A4 .
c) Conclua que A4 não pode possuir subgrupo de ordem 6.
d) Mostre que A4 é o único subgrupo de S4 de ı́ndice 2.
e) Mostre que se G é um grupo de ordem 12 que não possui subgrupo de ordem 6, então
G ≃ A4 .

49. Seja n ∈ N, com n ≥ 5. Considere o grupo Sn e suponha H E Sn . Mostre que:


a) |H| não pode ser igual a 2.
b) H = {Id}, H = An ou H = Sn .
c) Mostre que An é o único subgrupo de Sn de ı́ndice 2.

50. Sejam G um grupo e X um conjunto não vazio. Considere

ρ : G × X −→ X
(g, x) 7−→ ρ(g, x) = g · x

uma ação de G em X.
a) Se x0 ∈ X, então St(x0 ) = {g ∈ G | g · x0 = x0 } (estabilizador de x0 ) é um subgrupo
de G.
b) K = {g ∈ G | g · x = x, ∀ x ∈ X} é um subgrupo normal de G.

11
c) Se x0 , x1 ∈ X são tais que existe g ∈ G tal que g · x0 = x1 , então St(x0 ) = St(x1 )g .
d) Se St(x0 ) E G, então h · x = x para quaisquer h ∈ St(x0 ) e x ∈ Ox0 (ρ-órbita de x0 ).
(Dica: g −1 hg ∈ St(x0 ) para todo g ∈ G.)
e) Mostre que se ρ é transitiva, então os estabilizadores são dois a dois conjugados e

K = g∈G St(x)g , para todo x ∈ X.

51. Sejam G um grupo e X um conjunto não vazio.


a) Sendo
ρ : G × X −→ X
(g, x) 7−→ ρ(g, x) = g · x
uma ação de G em X, mostre que a aplicação

φ : G −→ SX
,
g 7−→ φ(g) = φg

onde φg : X −→ X é definida por φg (x) = g · x, é bem definida (ou seja, φg é bijetora) e


é um homomorfismo de grupos.
b) Considerando agora um homomorfismo de grupos

ψ : G −→ SX
,
g 7−→ ψ(g) = ψg

mostre que a aplicação


η : G × X −→ X
(g, x) 7−→ g · x = ψg (x)
é uma ação de G em X.

52. Seja G um grupo finito.


a) Mostre que se G possui apenas 2 classes de conjugação, então |G| = 2.
b) Mostre que se G possui apenas 3 classes de conjugação, então |G| = 3 ou |G| = 6.
c) Dê exemplo de 2 grupos finitos com 3 classes de conjugação, sendo um abeliano e um
não abeliano.

53. Sejam G um grupo e N um subgrupo normal de ı́ndice finito de G. Mostre que se p é um


divisor primo de |G : N |, então G possui algum subgrupo de ı́ndice k tal que |G : N | = kp.

54. Sejam G um grupo finito e p um divisor primo de |G|. Considere sp o número de subgrupos
de ordem p e ep o número de elementos de ordem p de |G|.
a) Mostre que ep = sp (p − 1).

12
b) Sendo X = {x ∈ G | o(x) = p} e H um Sp -subgrupo de G, considere a ação ρ de H
em X definida por h · x = hxh−1 (para h ∈ H e x ∈ X). Mostre que

F ixρ (H) = Z(H) ∩ X = {x ∈ Z(H) | xp = e} − {e}.

c) |F ixρ (H)| ≡ −1 (mod p). (Dica: {x ∈ Z(H) | xp = e} é subgrupo de H.)


d) Mostre que ep ≡ −1 (mod p) e conclua que sp ≡ 1 (mod p).

55. Seja G um grupo de ordem 2n .3, n > 0. Mostre que G possui um subgrupo normal de
ordem 2n ou 2n−1 . (Sugestão: use o Teorema da Representação).

56. Mostre que o grupo A5 possui 6 subgrupos de ordem 5 e 10 subgrupos de ordem 3.

57. Seja G um grupo de ordem p2 q, onde p e q são primos, p não divide q − 1 e q > p + 1.
Mostre que G é abeliano.

58. Mostre que:


a) Se G é um grupo de ordem 595, então G possui um único subgrupo de ordem 119, um
único subgrupo de ordem 7 e um único subgrupo de ordem 17.
b) Se G é um grupo de ordem 4576, então G possui um único subgrupo de ordem 11, um
único subgrupo de ordem 143 e um único subgrupo de ordem 13. (Dica: para a segunda
afirmação trabalhe com o quociente G/N , onde |N | = 11.)

59. Mostre se G é um grupo finito de ordem 3875, então G não pode ser simples.

60. Sejam G um grupo finito e p um divisor primo de |G|. Mostre que:


a) Se H é um p-subgrupo normal de G, então H está contido em todo Sp -subgrupo de G.
b) Se P é um Sp -subgrupo de G e K = NG (P ), então NG (K) = K. (Dica: P E K e P é
um Sp -subgrupo de K).

61. Considere G um grupo de ordem 255. Mostre que:


a) G possui um único subgrupo de ordem 17 e um único subgrupo H de ordem 85.
b) G possui um único subgrupo de ordem 5 (Sugestão: mostre que o único subgrupo de
ordem 5 de H é normal em G).
c) se P é um subgrupo de ordem 3 de G, então P ≤ CG (H) e daı́ G é isomorfo a P × H.
Conclua que G é cı́clico.

62. Mostre que se G é um grupo de ordem 455, então G é cı́clico (Dica: se H é um subgrupo
de G de ordem 5, então existem subgrupos K1 e K2 de G, ambos contendo H, tais que
|K1 | = 35 e |K2 | = 65. Observe que K1 e K2 são abelianos).

13
63. Mostre que:
a) Se N é um subgrupo de S6 de ordem 120, então N * A6 e |N ∩ A6 | = 60.
b) Não existe grupo simples de ordem 120. (Dica: supondo G simples de ordem 120,
mostre que G possui subgrupo de ordem 20. Use o Teorema da Representação e o ı́tem
(a).)

64. Sendo G um grupo simples de ordem 60, mostre que G é isomorfo ao grupo A5 . Para
isso, supondo por contradição que não é, mostre que:
a) G não pode possuir subgrupo de ordem 12.
b) Não podem existem em G subgrupos H1 ̸= H2 , ambos de ordem 4, tais que
H1 ∩ H2 ̸= {e}. (Dica: H1 H2 ⊆ CG (H1 ∩ H2 ), donde |CG (H1 ∩ H2 )| é maior ou igual a 8
e múltiplo de 4.)
c) G não pode possuir 15 subgrupos de ordem 4. (Dica: contagem de elementos.)
d) O número de subgrupos de ordem 4 de G é 5 (o que contradiz o ı́tem (a)).

65. Mostre que todo grupo finito de ordem n, com n não primo e 1 < n < 60, é não simples.

66. Considere os grupos G = Z5 × Z e G1 = Z × Q. Determine T (G) e T (G1 ).

67. Suponha G abeliano finitamente gerado e N um subgrupo de G. Supondo que existe


n ∈ N tal que g n ∈ N para todo g ∈ G, mostre que |G : N | é finito.

68. Seja G um grupo abeliano finitamente gerado e suponha N um subgrupo de G de ı́ndice


infinito. Mostre que existe g ∈ G tal que o(g) = ∞ e N ∩ ⟨g⟩ = {e}.

69. Considere o grupo G = Z9 × Z27 .


a) Determine o máximo das ordens dos elementos de G.
b) Mostre que G possui exatamente 8 elementos de ordem 3 e cite todos eles.

70. Em cada ı́tem, mostre que todo grupo de ordem n é abeliano e classifique todos.
a) n = 45 b) n = 7225.

71. Seja p um inteiro primo positivo. Determine, a menos de isomorfismo, todos os grupos
abelianos de ordem:
a) p4 b) p5 c) p7

72. Cite, a menos de isomorfismo, todos os grupos abelianos de ordem 13720 e determine os
fatores invariantes de cada um deles. Qual(is) desses grupos possui(em) pelo menos um
elemento de ordem 196?

14
73. Quantos grupos abelianos existem, a menos de isomorfismo, de ordem p6 , com p primo,
tais que max{o(x) | x ∈ G} = p2 ?

74. Sejam G um grupo abeliano finito e k = max{o(x) | x ∈ G}. Mostre que φn = φm se, e
somente se, m ≡ n (mod k).

75. Seja G um p-grupo abeliano finito não trivial. Considere Gp = {x ∈ G | xp = 1}. Mostre
que G é cı́clico se, e somente se, |Gp | = p.

76. Suponha G um grupo finito e N um subgrupo de G tal que G′ ⊆ N . Se |G : N | = pn m,


onde p é primo e mdc(p, m) = 1, mostre que existe um único subgrupo de G de ordem
pn |N | contendo N .

77. Mostre que se p, q ∈ N são primos e G é um grupo finito de ordem pn q m , com n, m


menores que 3, então G é solúvel.

78. Mostre que todo grupo de ordem 90 é solúvel.

79. Seja G um grupo. Fixado a ∈ G, considere a aplicação

fa : G −→ G
.
x 7−→ fa (x) = [x, a]

Mostre que fa é um homomorfismo para todo a ∈ G se, e somente se, G′ ⊆ Z(G). Conclua
que se fa é um homomorfismo para todo a ∈ G, então G é um grupo solúvel.

80. Mostre que se G é um grupo solúvel finito, então G possui subgrupo normal de ı́ndice
primo. Dê exemplo de algum grupo finito que não possui subgrupo de ı́ndice primo.

15