Você está na página 1de 40

Dedicatória

Dedico este sexto exemplar primeiramente a Deus por ter


me concedido o dom de redigir essa grande história para
você leitor. Agradeço também o carinho do público com a
minha pessoa e minha família, ficamos gratos por cada
abraço e cada: Eu li seu livro. Fantástico seus livros. Que
livro inspirador e entre outros elogios que nos fazem
prosseguir. Quero aqui também externar os meus
agradecimentos especialmente para uma mulher que
passou pela terra e pela minha vida e me mostrou quem
realmente era. Quem foi ela? Ela irá se apresentar no
prefácio. Boa leitura.

Kelvin Sagliocca
Prefácio

Caso você esteja lendo esse prefácio saiba que nesse


exato momento não estou mais entre os vivos, estou
descansando no paraíso da eternidade, em uma calmaria
que somente o céu tem. Revelar a minha vida não será
nada fácil para quem ficou com a incumbência de publicar
esse livro, são segredos fortes, revelações sombrias, coisas
que um ser humano normal não faria, porém esse livro
também revela que milagres existem e que todos podemos
ter a segunda chance para mudar de vida, que nunca é
tarde renunciar tudo para viver uma vida de paz. Pois bem,
não me julgues quando saberes da minha vida, até porque
seria injusto pois não estou viva para me defender, apenas
compreenda o porque de tudo. Obrigada!

Cinthya Gabriela Drummond


Capítulo 1

Antes de mais nada, é necessário que eu me apresente a


você leitor que irá degustar dessa maravilhosa história,
onde ao mesmo tempo irá ter os conhecimentos como
também as formas do meu campo de trabalho na terra dos
viventes. Pois é... o meu conjunto de astros é muito
diferente do mundo de vocês, enquanto os terrenos
sorriem, simplesmente vivemos em um mundo sem
sorrisos, com a responsabilidade de trazer a tristeza para
vocês na terra, independente da forma de salvação do ser
terreno, quando um tiro é disparado eu estou ao lado da
vítima esperando o superior do céu liberar o meu trabalho,
quando um suicida consegue tirar a sua própria vida para
aliviar a sua dor, eu estou lá, eu sou como um agente de
transição entre duas vidas, eu sou um ser invisível aos
olhos humanos, porém sou um ser perceptível aos olhos
espirituais. Parabéns a você que já descobriu quem sou, já
a você que ainda não descobriu o meu nome, fique
tranquilo(a) eu vou me revelar agora, prazer meu nome é
Morte, não sou muito de escrever, eu só gosto de fazer o
meu trabalho diário, porém a vida de uma moça me
chamou atenção, ela brincou tantas vezes comigo que eu
fiquei curioso em saber sobre sua história, foi quando
parei, analisei, e descobrir muitas coisas sobre ela, então
foi quando resolvi escrever sobre a vida dessa moça,
chamada Cinthya Gabriela Drummond, conhecida como
Gaby.
Capítulo 2

Tudo começou dentro do ventre da dona Magda, mãe da


moça, foi uma gestação complicada pois sua mãe sofria de
problemas sérios de pressão alta e coração, me aproximei
duas vezes do seu ventre com o intuito de poder levar a
pequenina que estava dentro de si, porém o Supremo não
deixou com que eu tocasse na vida daquele ser que estava
se formando dentro de outro ser. Magda trouxe ao mundo
a criança, foi um milagre ela ter vindo ao mundo dos vivos,
a criança era linda, loirinha dos olhos claros, forte e bem
grande para ser uma bebê. A escolha do seu nome foi
inusitado, a criança que iria se chamar Antonieta de
repente foi chamada de Cinthya Gabriela, pois seu pai
chegando no cartório simplesmente trocou o nome da
pobre criança sem ao menos avisar a genitora, nesse dia
eu acompanhei a briga atentamente, pensando eu que iria
fazer o meu trabalho naquele momento, porém o que eu
vi foi um diálogo amigável entre o casal.
- Porque trocasses o nome da menina? – Disse Magda.
- Porque eu achei Antonieta muito feio, foi quando na hora
veio na mente Gabriela, daí coloquei o nome dela assim –
Disse Ferdinando.
- Realmente o nome Antonieta é meio esquisito.
- Achou ruim eu ter colocado Cinthya Gabriela?
- Não, até que é bonito, porém deveria ter me avisado,
você não teve a criança sozinho quem colocou ao mundo
foi eu, então necessito saber antes de você tomar alguma
decisão.
- Desculpe-me, eu deveria ter avisado mesmo.
Me surpreendi quando vi a conversa amigável, pois a mãe
da criança Gabriela era uma senhora muito explosiva,
pensava eu que ela iria esgana-lo ao ponto de mata-lo,
porém o que eu vi foi uma Magda transformada e
controlada.
Capítulo 3

Os tempos foram se passando, Gabriela foi crescendo e


conhecendo o mundo como realmente era, me deparei
com Gabriela na sua vida de ensino fundamental, ela tinha
por volta de 12 anos, foi quando ela brincou comigo pela
primeira vez, a mesma estava sentada sobre um muro no
qual tinha uma altura suficiente para a pré-adolescente
cair e ali ceifar a sua vida ao meio, ao lado dela estava uma
amiga no qual eu não sabia o seu nome e um rapaz por
volta dos seus 17 anos, bem vistoso, cabelos compridos
parecendo um nazireu das escrituras sagradas, o mesmo
estava muito preocupado com a pré-adolescente Gabriela.
- Vamos descer Gaby, está muito alto aqui, estou com
medo de cair e morrer – Disse o jovem.
- Deixe de ser medroso, vamos viver, a morte não está aqui
por perto, você quer brincar? – Disse Gabriela.
Não sabia ela que eu estava bem próximo acompanhando
tudo, foi quando em um deslize Gaby carinhosamente
chamada pelos amigos caiu, os amigos correm depressa
para socorre-la, me aproximei pensando eu que iria
conseguir concluir meu trabalho, foi quando eu a olhei e
percebi que a mocinha só tinha quebrado um braço,
parecia que ela estava me vendo, pois assim que caiu ela
abriu a boca dizendo:
- Quebrei o braço mas não perdi a vida, está vendo morte
que você não pode me levar agora, se contente em ser
satirizado.
Confesso que assim que ela proferiu essas palavras a
vontade era de desobedecer o Supremo e acabar com a
vida dela, ela me afrontou como nenhuma outra pessoa na
vida, geralmente as pessoas me temem, não tem a
vontade nem de me conhecer, quanto mais brincar
comigo, voltei para o meu mundo chateado e pensativo.
Capítulo 4

Chegando no meu mundo sombrio, fiquei a pensar e a


imaginar, como o ser humano pode ter a audácia de mim
desafiar? Será que ela tem mais poder do que a minha
pessoa? Foi quando a minha irmã se aproximou e
perguntou:
- Morte, o que aconteceu?
- Nada não minha irmã.
- Conta-me, o que houve?
- Sabe Mentira eu estava prestes a ceifar a vida de uma
jovem ao meio, porém o Supremo não deixou que eu
fizesse meu trabalho, e ainda por cima fui satirizado pela
pessoa, a vontade que me deu foi de desobedecer o
Supremo e mata-la.
- Meu irmão, você tem que aprender que não és maior que
o Supremo, ele manda tanto no nosso mundo, como no
mundo dele e no mundo dos vivos.
- Mas ...
- Não existe mas ... Morte, nem o nosso pai tem poder
sobre esse Supremo e você sabe muito bem disso, se o
Supremo não permitiu que você a leva-se é porque ele tem
algum plano na vida dessa pessoa, então se contente.
Após a conversa com a minha irmã, continuei a ficar
pensativo, mais pensativo do que já estava, e indaguei,
será que realmente o Supremo tem algum plano de vida
para ela? Será que ele o ama tanto assim ao ponto de não
deixar eu concluir o meu lindo trabalho? Enfim... foi
quando no outro dia, depois de uma dia anterior cheio de
indagações, resolvi visitar Gabriela Drummond.
Capítulo 5

Cheguei na casa de Gabriela Drummond por volta das


16h30 minutos, encontrei-a triste, cabisbaixa e chorando,
logo percebi que minha prima, a Tristeza tinha chegado
primeiro e estava no recinto, ao procurar pela minha
parente vi que ela estava no corredor a observar a
situação, foi quando me aproximei e perguntei:
- Prima, o que aconteceu com a Gabriela?
- O que estas fazendo aqui? Não tem nenhuma missão para
você aqui Morte.
- Tristeza, apenas estou estudando a vida dessa pobre
humana.
- Ah sim, virastes agora pesquisador ou psicólogo para
estudar a vida e a mente de um humano primo?
- Como você é sarcástica Tristeza, apenas estou curioso.
- Enfim, ela brigou com a mãe, desejou você, porém vim e
estou fazendo o meu papel.
- Ela me desejou?
- Sim.
- Como eu não fui solicitado?
- O Supremo não deixou que fosse realizado o pedido dela.
- Caramba, sempre o Supremo!
- Calai-vos Morte, não contestais com a decisão do
Supremo.
- Ok!
Fiquei a observar a pobre moça chorando e minha prima
fazendo o seu trabalho com excelência, quando de repente
chegou a Alegria e adentrou ao quarto sem ao menos falar
conosco, foi quando minha prima falou:
- Enfim, chegou a hora de irmos embora, a Alegria chegou,
eu não me sinto bem quando ela está presente.
- Porque?
- Me sinto fraca, sem forças suficiente para debater com
ela, assim como você não suporta a Vida, eu também não
suporto a Alegria.
- Verdade vamos embora.
Saímos da casa de Gabriela Drummond e fomos em
direção ao nosso mundo lindo e bem sombrio para os seres
vivos.
Capítulo 6

Chegando em casa, fui ter um diálogo com o meu irmão,


o Desânimo, foi quando cheguei até ele e perguntei:
- Meu irmão, porque o Supremo manda em nós?
- Porque tudo corresponde uma hierarquia.
- Nosso pai é maior do que ele.
- Você que pensa, mas enfim, não contesta nada, faça
somente o seu trabalho.
No momento percebi que meu irmão estava me
escondendo algo importante, foi quando resolvi acabar
com a conversa e disse simplesmente:
- Ok meu irmão, entendi.
- Só faça o seu trabalho, sem contestamento.
- Pode deixar meu irmão.
A resposta do meu irmão não me convenceu, porém como
todos diziam que não era para me contestar com o
Supremo, me senti desobediente e resolvi não questionar,
até deixei de estudar sobre a vida da pré-adolescente
Gabriela. Os tempos foram se passando, foi quando o
alerta soou em uma noite de sábado, especificamente as
00h34 minutos, tinha uma alma para mim aniquilar, fui
feliz até a terra dos viventes fazer meu rico trabalho, assim
que cheguei no Hospital Chomsky já estava presentes a
Tristeza e a Solidão, tomei um susto... de lado da pessoa
no qual fui incumbido de ceifar a vida estava Gabriela, uma
jovem diferente, agora com a faixa etária dos seus 16 para
17 anos, a mesma estava triste juntamente com sua mãe
Magda, e seu pai deitado no leito do hospital, me
aproximei da minha prima e perguntei:
- Tristeza, o que está acontecendo aqui? Fui acionado para
vim até este local, explique-me por favor.
- Morte, o pai dela está com leucemia, estágio final, se você
foi acionado é porque a hora dele chegou. Pensavas que
sabias, tu estudas a vida da filha dele.
- Deixei de estuda-la.
- Ah sim, faça seu trabalho que a Solidão já está esperando.
Fiquei a observar por 3 minutos aquela cena da vítima se
desfalecendo e se despedindo dos seus dois amores, foi
quando me aproximei e toquei em seu coração e apertei,
naquele momento Ferdinando deu seu último suspiro e
faleceu, quando olho vejo Gabriela chorando muito,
dizendo:
- Podes levar meu pai, mas a mim tu não me levas.
A convicção dela me chamou atenção, porém não pude
ficar mais tempo para continuar a observa-la, peguei a
alma do seu pai e levei comigo em direção ao outro
mundo, deixando a Tristeza e a Solidão fazendo o seu
trabalho. Chegando no outro mundo, a alma de
Ferdinando foi direcionada para o céu depois do juízo,
assim o anjo do Supremo o levou consigo até o céu.
Capítulo 7

Quando estava indo em direção ao meu lar, encontrei com


a minha prima e assim que me aproximei dela e perguntei:
- Como ela está?
- Ela tá com a Solidão nesse momento, a mesma está
arrasada, porém descobrir uma coisa que você vai querer
saber.
- O que Tristeza?
- Ela é do grupo do Supremo, é evangélica por isso que
você não consegue toca-la, ela tem uma proteção
exclusiva dele.
- Como sabes?
- Porque quando eu estava no quarto do hospital, entrou
o Consolador e quando ele entra você sabe que eu não
resisto, e sabes muito bem que o Consolador só aparece
quando a vida tem um plano com o Supremo.
- Verdade, obrigado por essas informações.
Encerrei minha conversa com a Tristeza, nos despedimos e
fomos para as nossas casas. Chegando em casa, vi meu
irmão deitado no quarto e minha irmã, a Mentira sentada
na sala, porém tive uma surpresa, meu pai estava no
recinto, ele é um viajante, sua função é desviar os
certinhos da rota do Supremo, assim que o vi falei:
- Que ... Que saudades pai.
- Oi meu filho, como estas?
- Pensativo, preciso conversar com todos da família.
Naquele momento reunir todos e desabafei:
- Estou muito pensativo e triste.
- Porque Morte? – Indagou o meu pai.
- Porque quero a vida de Gabriela Drummond, porém não
consigo ceifa-la, o Supremo não deixa.

Meu pai olhou nos meus olhos e falou:


- Meu filho, eu posso te ajudar, porém é necessário marcar
uma reunião com o Supremo para que ele possa deixar que
toquemos nela, assim como tocamos em Jó.
- O senhor faria isso pai pela Morte? – Indagou a minha
irmã.
Meu pai ficou pensativo por uns 6 minutos, até que falou:
- Irei conversar com o Supremo, vou desafia-lo. Agora se
ele autorizar, deixem comigo.
- Como se o senhor só vive viajando, precisas descansar, o
senhor não para em casa – Indagou meu irmão.
- Eu não tiro férias minha filha, eu não brinco no meu
serviço.
- Então tá certo pai.
- Então deixe comigo que ajudarei o seu irmão.
Capítulo 8

Depois daquela conversa fiquei confiante e feliz, até que


quando o dia raiou no nosso mundo, meu pai foi conversar
com o Supremo. Quando chegamos até o local marcado,
estava lá o Supremo, ele brilhava tanto que machucava a
minha escuridão, foi que dali simplesmente eu percebi o
motivo de sempre ser submisso a ele, fiquei a observar a
conversa dos dois representantes, cada um de seu mundo
se comunicando assim:
- O que queres? – Disse o Supremo.
- Quero a vida de Gabriela Drummond – Disse meu pai.
- Porque a vida de Gabriela?
- Porque ela se diz tão fiel a ti, tão pura, quero ver agora se
ela será fiel depois que perdeu o pai.

O Supremo parou, analisou o meu pai e falou:

- Pois bem, toque em tudo que ela tem, só não tire a vida
dela.
Confesso na hora fiquei muito chateado, pois o que eu
queria era tirar a sua vida, porém o Supremo como sempre
estragando meus planos. Meu pai aceitou o desafio e
ambos foram para as suas respectivas residências, quando
chegamos na nossa mansão preta e vermelha, nos
reunimos mais uma vez com o meu pai que proferiu as
seguintes palavras:
- Veja bem família, o homem lá do outro mundo permitiu
com que tocássemos na vida dessa jovem chamada
Gabriela, porém com a condição de não tirar a sua vida.
Todos ficaram tristes, porém meu pai se alegrou assim que
proferiu a noticia e todos ficaram sem entender o motivo
da alegria, até que indaguei dizendo:
- Porque essa alegria pai?
- Porque ele nos deixou toca-la.
- Porém ele não deixou com que ceifássemos a vida dela
pai.
- Verdade, só que ele falou que não tirássemos a vida física
dela, porém eu sei como mata-la sem ser fisicamente.
- Como então pai? – Indagou a Mentira.
- Comigo, vocês esqueceram quem eu sou? Eu sou aquela
que mato a alma do ser humano, que tiro o temor, a
pureza, quando eu chego faço estragos permanentes, eu
sou o Pecado, então se não podemos mata-la fisicamente,
mataremos ela espiritualmente. Fechado?
Todos concordaram, estava selado um pacto, pacto esse
que no outro dia começou a ser colocado em prática.
Capítulo 9

No outro dia levei meu pai e minha irmã até a casa da


jovem Gabriela Drummond, assim que cheguei a vi em sua
sala, meu pai parou de frente a ela e ficou a observa-la e
falou:
- Moça linda, já sei como toca-la.
- Como pai?
- Veja como eu trabalho.
Pela primeira vez estávamos acompanhando o nosso pai
em seu rico trabalho e vendo como era a sua atuação,
fiquei a observar, foi quando um jovem tocou a campainha
da casa de Gabriela, era Thiago, um amigo de faculdade
que tinha como hobby fumar maconha, assim que Gaby
abriu a porta falou:
- Oi Thi
- Oi Gaby, vamos ali? Sei que estas triste e precisa andar
um pouco.
- Ali aonde?
- Espairecer um pouco, viver a vida.
- Não quero ter o seu hobby como meu hobby.
De repente meu pai se aproximou da pobre moça e tocou
em sua cabeça, foi um simples toque e se afastou, foi
quando o rapaz falou:
- Então tá ok.
- Espera ... pensando bem, eu vou com você, vou
espairecer.
Fiquei pensativo com aquela cena e indaguei ao meu pai:
- Pai, porque ela se modificou assim que tocastes na
cabeça dela?
- Meu filho, simplesmente comecei a trabalhar na mente
dela, vamos acompanha-la.
Seguimos a moça e o rapaz que foram em direção a um
beco abandonado, nesse beco escuro, pois já era noite,
estava vários seres vivos se drogando, foi quando Thiago
tirou do bolso da sua calça dois cigarros de maconha e
falou:
- Queres Gaby?
- Não sei Thi.
- É só um tapinha Gaby, relaxe.
- Não, melhor ir para casa.
Meu pai se reaproximou da moça e tocou-a mais uma vez,
que automaticamente disse:
- Me dê esse cigarro Thi.
O jovem deu um cigarro de maconha que estava consigo
para aquela moça, que logo deu a sua primeira tragada,
enquanto ela se drogava meu pai soltava risos de alegria:
- Hahahaha, consegui, eu sempre consigo.
- Como assim pai? – Indagou a Mentira.
- Minha filha, o meu trabalho é levar o ser humano as
ruínas, ao descaso, ao fundo do poço, e simplesmente
consegui, agora vocês veram o que vai acontecer com ela
daqui para frente.
Capítulo 10

Ficamos a observar, a mesma se drogando pela primeira


vez, Gabriela fumou dois cigarros completos da erva
chamada maconha, saiu do beco mais alucinada do que
todos que estavam se matando naquele beco, chegando
em casa se deparou com sua mãe, aquela viúva vendo a
situação da filha gritou dizendo:
- GABRIELA O QUE FOI QUE VOCÊ FEZ DA SUA VIDA, MINHA
FILHA SEUS OLHOS ESTÃO TODOS VERMELHOS, EU NÃO
ACREDITO GABRIELA QUE VOCÊ USOU DROGAS... GABY
PORQUE VOCÊ FEZ ISSO?
- Porque... porque a minha vida acabou, do que adianta
está na igreja, se meu pai morreu? Se esse Deus que a
senhora serve é tão poderoso, porque ele não livrou o meu
pai da morte? Tantas pessoas ruins para morrerem, e
porque ele permitiu que meu pai morresse?
- Filha, não falas assim, eu sei que você está no momento
de dor, mas não blasfeme contra Deus...
- Deus? Que Deus? Deus ele não existe, se ele existisse não
deixaria meu pai morrer, isso é ilusão da senhora.
- Pelo amor de Deus filha não diz isso.
- Digo e repito, Deus não existe, e a partir de hoje eu não
sou mais evangélica, eu sou uma ateia e drogada, me
aceite agora do jeito que sou.
Gabriela foi até seu quarto e fechou a porta, de repente
minha prima chegou na residência de Gabriela
acompanhada do meu tio, assim que os vi me aproximei e
disse:
- Tio Suicídio?
- Oi Morte, meu sobrinho, tudo bom?
- Tudo e o senhor tá bem?
- Sim, só vim fazer meu trabalho, me acompanhe.

Enquanto minha prima Tristeza estava fazendo seu


trabalho com a mãe da Drummond, eu juntamente com
meu tio subimos as escadas até o quarto de Gabriela,
adentramos e a moça estava falando sozinha como fosse
uma louca, porém a mesma estava com alucinações devido
o uso de drogas que tinha ingerido, fiquei a observar
aquela cena atentamente, foi quando meu tio falou:
- Vejas como eu trabalho.
Ele chegou próximo da moça e falou:
- Gabriela, se mata vai, tua vida não tem mais solução, vai
querida, pega a corda e se enfoca, é o melhor para você,
seu pai já tá morto mesmo.
Gabriela se levantou da cama, pegou a corda, amarrou
sobre a madeira do teto, e fez uma forca, enquanto isso eu
e meu tio estávamos atentos e felizes pela atitude da
pobre drogada, foi quando um ser chamado Consolador
chegou mais uma vez, não resistimos e saímos do quarto e
da casa, e naquele momento a moça não tirou a sua vida.
Capítulo 11

Os tempos foram se passando e a vida de Gabriela


Drummond se deteriorando, para a nossa alegria aquela
moça linda de 78 quilos e uma cintura invejável, tinha se
transformado na moça mais feia de 35 quilos, pois as
drogas estava acabando com sua beleza e com sua vida,
fizemos com que ela começasse com uma simples erva, da
maconha ela se aprofundou na cocaína, até chegar ao
crack, confesso eu estava muito feliz, pois a moça que me
desafiou naquele dia estava se matando e ficando mais
próxima de mim, só que para mim era pouco, eu queria
mais, meu pai também pensava da mesma forma, até que
nos reunimos com a minha tia em uma tarde para
tentarmos piorar mais ainda a vida de Gabriela
Drummond, chegando na residência da minha tia
juntamente com meu pai e minha irmã, sentamos na sala
e meu pai falou:
- Tenho uma missão para você Prostituição.
- Qual seria? – Indagou minha tia.
- Queremos que você convença a moça chamada Gabriela
Drummond a se prostituir, queremos que ela perca a
virgindade.
- É o que eu sei fazer de melhor, induzir as pessoas se
prostituirem, quero que a Morte me acompanhe para que
ele veja como eu trabalho.
- Ok. Você vai hoje?
- Agora.
Partimos em direção a um lugar na terra chamado
Cracolandia do Sul, chegando lá encontramos Gaby
fumando crack e injetando drogas através das veias, ela
estava completamente fora de si, foi quando minha tia se
aproximou dela e falou:
- Transa vai, se guardar para que? Você está com um rapaz
bem do lado, faz sexo com ele em troca de mais drogas.
Gabriela virou para o rapaz que estava se drogando e disse:
- Vamos transar? Agora em troca quero mais crack.
- Com certeza.
E sem pensar duas vezes os dois drogados transaram
naquele local arrodeado de outros drogados, foi quando
minha tia mais uma vez chegou até Gaby durante o sexo e
falou:
- Um homem é pouco, chama mais um vai, melhor com
dois Gaby, você vai amar.
Perto estava um jovem drogado a observar tudo, foi
quando ela gritou dizendo:
- VEM VOCÊ TAMBÉM, QUERO COM VOCÊS DOIS, QUANTO
MAIS HOMENS MELHOR.
A cena era algo do meu mundo, coisa que para alguns
terrenos seria aberração, acompanhei com detalhes a
transa de Gabriela Drummond com os dois rapazes, depois
que o momento carnal terminou, saímos felizes para o
nosso mundo.
Capítulo 12

Chegando no nosso mundo o meu pai não estava satisfeito


com a situação da moça e gritou:
- AINDA TÁ POUCO, EU QUERO MAIS, EU QUERO ELA
ASSALTANDO E MATANDO PESSOAS, CADE A MORTE?
- Estou aqui pai.
- EU QUERO QUE VOCÊ INDUZA A GABY MATAR ALGUÉM,
E NÃO QUERO AMANHÃ EU QUERO AGORA.
- Tá certo, voltarei a terra.
Sair do palácio negro em direção a terra, chegando no
mesmo local que deixei-a transando com os dois drogados,
ela estava se beijando com um dos rapazes, foi quando me
aproximei e falei no ouvido dela:
- Gabriela, mata ele para mim, eu quero o sangue dele, tira
a vida dele, mata ele que sobrará mais drogas para você.
Cinthya Gabriela pegou a faca que estava próximo, e
começou a esfaquear o drogado que gritava dizendo:
- PORQUE? AÍ MEU DEUS NÃO ME MATE!
Ela respondeu:
- Porque estou com vontade!
Gabriela esfaqueou o rapaz até a morte, ela furou sua
barriga, olhos e costas e cortou a sua garganta para poupar
sofrimento, assim que ela furou seus olhos, apertei o
coração dele e peguei a sua alma, fiquei a observar
Gabriela esfaqueando o pobre moço chamado Kleber, que
era um jovem que tinha pouco tempo de vida, ele não
sabia mas ele tinha câncer, só antecipei a morte dele,
partir para o juízo final com a alma de Kleber e deixei Gaby
roubando as drogas do rapaz morto.
Chegando no juízo final, a alma de Kleber foi condenada
para ir morar juntamente com meu pai, a alma dele não
aceitou, ficou se esperneando, porém mesmo ele
querendo desobedecer levei-o a força para o meu mundo,
chegando no meu lindo mundo, meu pai me esperava de
braços abertos gritando:
- MUITO BEM MEU FILHO, AGORA SIM ELA TÁ DO JEITO
QUE EU QUERO, ALIÁS AINDA NÃO ESTÁ, PROSTITUIÇÃO
APAREÇA JÁ!
Escutando o chamado, pois o grito do meu pai é muito
potente, minha tia chegou até a sala negra e disse:
- Sim meu irmão, mande as ordens.
- Quero que ela transe de novo, eu quero que ela fique
grávida, porque quero que a criança tenha a mesma vida
dela.
- Pode deixar eu farei isso.
Minha tia se despediu e saiu em direção a sua casa.
Capítulo 13

Os tempos foram se passando, minha tia fez o seu trabalho


com muita perfeição, Gaby dormiu com um rapaz e depois
de 1 mês do ocorrido descobriu que estava grávida,
desesperada ao saber da notícia, Gaby foi até o rapaz que
morava próximo a Cracolandia do Sul e disse:
- Estou grávida de você.
- E eu com isso? Mate essa criança, pois eu não quero
saber, estávamos drogados, malucos, doidos, não vou
assumir criança nenhuma e sai daqui agora.
Gabriela não sabia mais o que fazer da vida, foi quando
naquela tarde chuvosa de sábado por volta das 15h45
minutos, Gabriela Drummond saiu em direção a pista
principal da Avenida Félix Dimitri para tirar a sua vida.
Quando chegamos no local, meu tio Suicídio já a esperava
no recinto, eu estava muito feliz porque a vida dela estava
arruinada e agora eu iria conseguir mata-la, assim que ela
chegou no local, meu tio se aproximou e falou:
- Se joga em cima de um carro, tu não serves mais para
nada, estas grávida sem um pai para criar e orientar, se
mata logo.
A mesma deu ouvidos a voz do meu tio, ela se aproximou
da pista, porém recuava, pois não tinha coragem para se
matar, confesso estava ficando agoniado com aquela
situação, vontade que estava era de empurra-la logo em
cima de um carro e ir para casa assistir o noticiário negro,
porém um anjo apareceu em cena me deixando ainda mais
irritado, um anjo chamado Will Draxler, logo que o vi
reconheci pois trabalhei também em sua vida juntamente
com o meu tio Suicídio, porém o Supremo com o
Consolador tinha nos vencido, quando me deparei com
Will simplesmente minha raiva triplicou, ele salvou a vida
da moça naquele momento que foi o mais próximo dela se
matar, porém não sabia eu que já era o Supremo
trabalhando na vida dela, mas uma vez os céus tinha nos
vencido.
Capítulo 14

Os tempos foram se passando, fomos totalmente brecados


de tocar na vida de Gabriela Drummond, o anjo chamado
Will Draxler não estava só, o Consolador estava com ele,
juntamente com o filho do Supremo, orientando-o como
ajudar aquela pobre moça. Lembro-me que desde que
esse maldito anjo entrou na vida de Gabriela Drummond
eu só a visitei uma vez juntamente com o meu tio Suicídio,
porém ela não conseguiu concluir o ato. Os tempos foram
correndo porém, o que me chamou atenção foi a sua
transformação, ela deu a luz a uma menina... sim, a
pequena Carol Drummond, se livrou de tudo e ainda por
cima voltou ao evangelho, eu perdi completamente a
batalha que enfrentei contra o Supremo, meu pai ficou
muito enfurecido quando viu que Gabriela Drummond
estava completamente mudada e proferiu as seguintes
palavras:
- DROGA, DE NOVO!!! TODA VEZ EU PERCO PARA O
SUPREMO, EU NÃO ACEITO ISSO.
O meu mundo ficou praticamente de luto, foi uma
mobilização enorme por uma vida que queríamos tanto, e
acabamos não conseguindo. Os tempos se passaram, cerca
de 2 anos e 3 meses para ser mais preciso, estava fazendo
meu trabalho diário quando o sinal dispara, era mais uma
alma para me recolher, assim que cheguei no local, eu não
encontrei a alma, porém eu vi uma moça de capacete,
cabeça para um lado e corpo para o outro, quando me
aproximo vejo que a moça era Gabriela Drummond,
confesso fiquei atordoado, sem entender ... de repente vi
Will Draxler correndo em direção até o corpo da sua
amada, ele estava desesperado totalmente sem sentido,
Gaby estava morta. Fiquei a procurar pela sua alma, porém
não a encontrei, retornei para o meu mundo e dei as boas
novas para o meu pai.
- Pai, Gabriela Drummond morreu.
- Sério?
- Sim Pai.
- Cadê a alma dela Morte?
- Quando cheguei no local, eu não encontrei a alma dela.
- Como assim? É a sua missão Morte.
- Eu não sei pai.
- Eu vou procurar saber, isso é muito estranho.
De repente uma luz forte adentrou na nossa mansão, era
o Supremo com 2 anjos, veio em direção até o meu pai e
falou:
- Pecado.
- O que queres? Pode me chamar de Lúcifer também.
- Não adiantas procurar saber onde está a alma de Gabriela
Drummond, pois sabes muito bem.
- Me autorizastes em toca-la.
- Só em toca-la e não mata-la, quem tem poder sobre teu
filho sou eu e não você, aliás você só tem poder sobre teus
anjos, mas até em ti sou eu que mando, ou esquecestes
que até a chave dessa mansão está nas minhas mãos?
Meu pai ficou calado, o Supremo se retirou juntamente
com os seus anjos, e fiquei a indagar:
- Como? Como ele tem poder sobre todos aqui? O senhor
é o pai e quem manda é ele?
- Meu filho, eu sou apenas um rebelde que quis tomar um
trono de quem tem poder – Disse Lúcifer
- Então não tens poder?
Meu pai ficou calado e saiu do recinto, mesmo assim fiquei
indignado e gritei:
- PARA ONDE FOI A ALMA DE GABRIELA DRUMMOND, EU
EXIGO EM SABER, EU SOU O AGENTE DE TRANSIÇÃO DAS
ALMAS, ESSE É O MEU TRABALHO, EU QUERO SABER ONDE
ESTÁ A ALMA DELA AGORA.
Capítulo 15

Descobrir depois de um certo tempo, quando fui buscar a


alma de uma criança que sofria de câncer aonde estava a
alma de Gabriela Drummond, quando cheguei no hospital
para fazer o meu serviço me deparei com uma cena
incomum, era Will Draxler agarrado com a criança que
tinha por nome de Emanuel, ambos chorando muito e Will
proferindo as seguintes palavras:
- Porque ela? Porque ela? Ela era tão nova.
- Não questione, foi o tempo dela partir – Disse a Criança.
- Iríamos casar, agora eu estou só.
- Ela está com Deus Will, o anjo da luz recolheu para o
Supremo, e agora é a minha vez de ir embora.
- Não, me diz seu nome.
- Meu nome é anjo.
Cheguei perto da criança e quando fui toca-lo, o anjo da luz
apareceu e o tocou e levou a sua alma consigo. Fiquei sem
entender porque aquilo, porque mais uma vez não fiz o
meu trabalho, deixei Will Draxler chorando e voltei para o
meu mundo, procurei a minha irmã para que ela esclarece-
se as minhas duvidas:
- Irmã porque o Supremo não me deixa buscar as almas?
- Como assim meu irmão?
Contei para ela as duas experiências que tive, ela olhou
para mim e falou:
- Quando as almas já tem destino certo, eles simplesmente
tem os seus anjos certos para buscar, por isso que você não
consegue fazer o seu lindo trabalho.
- Então quer dizer que Gabriela Drummond está no
paraíso?
- Sim, tu fracassastes na sua missão pessoal de ceifar a vida
da Gabriela Drummond.
- QUE DROGA!
Capítulo 16

Deixei minha irmã estudando a sua próxima vítima e sair


do recinto revoltado, foi quando o Supremo adentrou na
mansão onde eu residia e falou com a sua voz que pareceu
de trovão que estremeceu toda mansão:
- A Morte aqui e agora, estou mandando.
Meu pai gritou dizendo:
- O QUE QUERES COM O MEU FILHO?
- Calai-vos, tu não tens autoridade de gritar comigo, quem
manda em ti sou EU – Disse o Supremo.
Me aproximei do Supremo, a sua luz resplandecia tanto
que estava me machucando, eu não conseguia ver a sua
face, pois sua luz machucava os meus olhos, nos seus pés
era como fosse latão reluzentes, e nas suas mãos tinha
como fosse chamas de fogo, nas mãos dos 2 anjos que o
seguia tinha espadas, e eles tinham seis asas, eu me
apavorei e disse:
- Não, eu não quero está aqui perto de você, eu estou
passando mal.
- Como tu podes passar mal, se teu pai é o próprio
maligno? – Disse o Supremo.
- Eu não aguento... Eu não aguento... a sua luz me
machuca, me fere.
- Hahaha, onde eu chego nem teu pai, nem teus irmãos e
nem os adeptos de vocês me suportam.
- Quem és Tu?
- Eu sou a rosa de Saron, lírio dos vales, estrela da manhã,
raiz de Jessé, príncipe da paz, justo, forte, magnífico, fonte
inesgotável de amor, sou aquele que livro os terrenos de
você e que limpo os terrenos das investidas do teu pai, sou
aquele que pego o terreno que está cheio do teu irmão e
coloco Alegria, sou aquele que tiro a tua irmã de cena e
coloco a Verdade em jogo. Sabes o meu nome?
- Supremo, tu és o Supremo.
- Sou chamado assim também, mas meu nome oficial é
Deus.
- Então tu és o Deus de Jó?
- Sim, como também o Deus da Gabriela Drummond,
permitir com que vocês tocassem na vida dela, porém que
não a matassem, porém como sou onisciente sabia que
iriam mata-la espiritualmente, porém vocês esqueceram
de uma coisa.
- O que? – Indaguei a Deus.
- Que quando teu pai se apodera completamente de um
ser terreno, eu tenho uma pessoa que quando chega ele
coloca teu pai para fora e se apodera do ser terreno com a
minha paz.
- O Consolador.
- Também conhecido como Espírito Santo. Não adiantas
está questionando aonde está Gabriela Drummond ela
está comigo, o meu anjo a trouxe para perto de mim.
Capítulo 17

Deus foi embora com seus anjos e fiquei anestesiado com


tudo que eu soube pela sua boca, eu simplesmente percebi
que não tinha poder nenhum, que meu pai não tinha poder
nenhum, que ninguém no meu mundo tinha poder sobre
o Supremo. Daquele dia em diante voltei a fazer o meu
trabalho, porém aprendendo que o Supremo deve ser
respeitado, eu perdi a batalha para alguém mais forte do
que eu, Gabriela Drummond se foi, não quis nem me
atrever em tocar na filha que ela deixou na terra dos
viventes, como até hoje eu tenho medo de tocar nela, eu
só a vi uma vez quando o avô materno de Will Draxler
faleceu, o senhor chamado Amaro Brás dos Santos, um
homem que tinha a sua salvação garantida, ele foi para o
céu, aliás para o Paraíso, foi quando a vi no enterro, ela era
linda na época igual a mãe que um dia tanto tive a ambição
de matar. Sabe ... Gabriela Drummond foi uma lição de
vida espiritual para mim, lição essa que todos podem
mudar na terra, que todos que irão ler este livro escrito por
mim saiba que eu reconheço os poderes do Supremo na
terra, que só ele pode mudar a vida de um ser humano,
nós do mundo sombrio podemos trabalhar da forma que
for para acabar com a vida de um escolhido, mas no final
quem sempre vence é o Supremo, porque quem é
escolhido dele simplesmente no último momento de vida
ele consegue recolher para si. Enfim... essa foi a terrível e
surpreendente história de Gabriela Drummond, uma
mulher que assim como qualquer pessoa tinha os seus
defeitos, porém uma mulher que nos mostrou através da
sua história que todos podem ter uma segunda chance,
sabe ... Eu só sou a Morte e nada mais que isso, um agente
de transição de mundos...
- Piiií.
A campainha tocou, tenho mais uma vida para ceifar, até
mais...

Você também pode gostar