Você está na página 1de 34

45ª Reunião Anual de Pavimentação - RAPv

19º Encontro Nacional de Conservação Rodoviária - ENACOR


5ª Expo Pavimentação
1º Fórum Rodoviário, de Trânsito e de Mobilidade
Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários

ENGENHARIA DE CUSTOS

Instrutor: MSc. Eng.º Luiz Heleno Albuquerque Filho


Analista em Infraestrutura de Transportes
Coordenador-Geral de Custos de Infraestrutura/DIREX

02 Brasília, 20 de setembro de 2016.


ENGENHARIA DE CUSTOS
A Engenharia de Custos tem por objeto o estudo e a
proposição de normas e critérios para solução de
problemas como: estimativa de custos de projetos,
avaliação econômica, planejamento, gerência e
controle de empreendimentos.
É importante lembrar que a Engenharia de Custos
não é responsável somente pela previsão de custos,
mostrando-se também indispensável na fase de
execução do projeto. É exatamente nesta fase que
a Engenharia de Custos pode reafirmar e
desenvolver seus critérios, além de colher subsídios
cada vez mais apurados para utilização futura.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Consoante este entendimento, fundamentais para a
Engenharia de Custos são os princípios e as
ferramentas para o planejamento e controle de
projetos, bem como para a apuração dos seus
respectivos custos.
A Engenharia de Custos também desempenha
papel relevante para a montagem de bancos de
dados, com a utilização de composições analíticas
de custos, a partir dos resultados adquiridos nos
projetos executados e em apropriações e aferições
de campo, com o objetivo de fortalecer o trabalho
de estimativas de custo para futuros projetos.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Engenharia Consultiva e de Projetos
 Elaboração de planos diretores, estudos de
viabilidade, estudos organizacionais e outros
relacionados com obras e serviços;
 Elaboração de anteprojetos, projetos básicos e
executivos de obras;
 Fiscalização, supervisão, acompanhamento
técnico e gerenciamento de obras e serviços;
 Vistorias, avaliações, pareceres, laudos técnicos e
consultorias especializadas;
 Desenvolvimento de aplicativos de informática.
Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR
Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Engenharia de Construção Civil
 Construção, demolição, reforma ou restauração
de prédios ou edificações;
 Construção, restauração e conservação de
estradas de ferro e de rodagem;
 Construção e reparação de túneis, pontes,
viadutos, vias urbanas e obras de urbanismo;
 Construção de sistemas de abastecimento de
águas e saneamento;
 Execução de instalações hidráulicas e elétricas;
 Exploração e recuperação de recursos naturais.
Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR
Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custo e Despesa
Custo é todo dispêndio envolvido diretamente na
produção, ou seja, com todos os insumos da obra
(mão de obra, materiais e equipamentos), bem
como com toda a infraestrutura necessária para a
produção (canteiros de obras, administração local,
mobilização e desmobilização).
Despesa é todo dispêndio necessário para a
obtenção do produto, englobando os gastos com a
administração central, financeiros, lucro e com o
pagamento de tributos, todos incorporados ao BDI.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custo da Obra
O custo de uma obra é constituído pelo somatório
dos valores dos custos diretos (mão de obra,
equipamentos e materiais) empregados em sua
execução e dos custos indiretos incorridos.
Os custos de execução ou de produção são
parâmetros técnicos e podem ser normalmente
obtidos de forma racional por meio de sequência
lógica de operações e do conhecimento dos
serviços que compõem a execução da obra e suas
respectivas quantidades necessárias para a
produção de cada unidade de serviço.
Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR
Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custo da Obra
Os custos envolvidos em uma obra podem ser
classificados em:
 Custos Diretos;
 Custos Indiretos.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custos Diretos
Consiste no somatório dos custos dos insumos
(materiais, equipamentos e mão de obra) aplicados
em cada serviço necessário à execução da obra,
incluindo-se todas as despesas de infraestrutura.
A definição dos custos diretos de um serviço ou obra
exige o conhecimento das seguintes parcelas:
 Equipamentos;
 Mão de obra;
 Materiais (aquisição e transporte);
 Atividades auxiliares.
Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR
Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custos Diretos
 Custos da utilização de equipamentos;
 Custos da utilização de mão de obra;
 Custos dos materiais;
 Custos dos equipamentos incorporados à obra;
 Custos dos transportes;
 Custos dos serviços auxiliares.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Insumos
Os insumos compreendem o conjunto da mão de
obra, dos equipamentos e dos materiais necessários
à execução de um determinado serviço ou obra.
Os insumos e os seus respectivos consumos são
apresentados nas composições de custos unitários
de cada serviço, integrando o banco de dados de
um sistema de custos.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Mão de obra
A mão de obra consiste no conjunto de todos os
trabalhadores envolvidos na execução de um
determinado serviço ou obra.
O custo desse insumo é obtido por meio da
definição do salário referencial do trabalhador
acrescido dos encargos sociais, adicionais e
complementares inerentes a cada categoria
profissional, expresso de forma horária ou mensal.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Equipamentos
Os equipamentos consistem no conjunto de todas as
máquinas, instrumentos ou aparelhos necessários à
produção de determinado bem ou à execução de
determinado serviço.
O custo horário de um equipamento é definido por
meio de seus custos horários de propriedade, de
manutenção e de operação.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Materiais
Os materiais correspondem à matéria prima
empregada na confecção de determinado bem ou
na execução de determinado serviço.
Os materiais podem ser comercializados a granel,
individualizados por meio de embalagens ou
produzidos no local da obra, devendo atender às
especificações concernentes às propriedades de
toda ordem técnica e construtiva.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Serviços Terceirizados
Os custos de serviços terceirizados são aqueles
relacionados com serviços de especialização ou sob
tutela de patentes, caracterizados pela execução
completa do serviço e composto em uma única
unidade de medida de serviço, sem detalhamento
dos insumos, consumos e despesas envolvidos em
sua execução.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custos Indiretos
Os custos indiretos de uma obra representam o custo
de toda a infraestrutura necessária para a sua
execução e correspondem à soma dos custos
auxiliares de apoio, tais como instalação e
manutenção de canteiros, alojamentos, instalações
industriais, administração local, mobilização e
desmobilização de equipamentos e de pessoal.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custos Indiretos
Embora não possam ser caracterizados como custos
diretos, uma vez que não ocorrem especificamente
em função da execução de determinado serviço, as
atividades aqui denominados como custos indiretos
devem ter tratamento analítico e devem compor a
planilha como itens de serviços independentes e
com critério objetivo de medição, consoante
recorrentes recomendações dos órgãos de controle.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Benefícios e Despesas Indiretas
A taxa de Benefícios e Despesas Indiretas - BDI
consiste no elemento orçamentário que se adiciona
ao custo de uma obra ou serviço para a obtenção
de seu preço de venda.
A aplicação do BDI tem por objetivo suportar os
gastos que, embora não incorridos diretamente na
composição dos serviços, resultam em despesas
relevantes e mostram-se indispensáveis para correta
definição do preço total de um serviço ou obra.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Benefícios e Despesas Indiretas
A relação entre o preço de venda - PV e o custo
direto - CD define a taxa de bonificação e despesas
indiretas - BDI, em valor absoluto ou percentagem,
conforme fórmulas apresentadas abaixo:

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custos de Mobilização e Desmobilização
Os custos de mobilização são aqueles associados ao
transporte, desde sua origem até o local onde se
implantará o canteiro, dos recursos humanos não
disponíveis no local da obra, bem como todos os
equipamentos móveis e fixos indispensáveis às
operações que serão realizadas na obra.
Os custos de desmobilização são aqueles associados
ao indispensável transporte das instalações
provisórias, dos equipamentos e dos recursos
humanos ao local de origem definido, após a
conclusão da obra.
Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR
Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custos de Instalação e Manutenção de Canteiros
Os custos de instalação de canteiros são aqueles
associados à construção de todas as estruturas, tais
como: instalações administrativas (escritórios,
ambulatório, guaritas, estacionamento), instalações
industriais (usina de asfalto, central de britagem,
central de concreto), instalações de apoio (oficina,
almoxarifado, laboratórios), dos acampamentos
(alojamentos, refeitórios, vestiários), das frentes de
serviço (containers, banheiros químicos), de suas
respectivas fundações e redes complementares (de
água, de esgoto, de energia, de lógica).
Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR
Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custos de Instalação e Manutenção de Canteiros
Os custos referentes aos serviços preliminares, tais
como, limpeza, regularização e cercamento do
terreno, construção dos arruamentos internos,
execução de terraplenagem, preparação das áreas
de estocagem, constituem parcelas do item de
instalação de canteiros de obras.
Os custos de manutenção dos canteiros de obras
devem ser incluídos nas composições de custo da
administração local.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custos de Referência
Custos de referência são custos compostos de forma
genérica, definidos em função de estruturas
(composições de custos) pré-estabelecidas e
pesquisas regionais de preços de insumos.
Apresentam como principal característica não levar
em consideração nenhum aspecto peculiar de
qualquer obra em particular, atendo-se tão somente
às condições regionais.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Custos para Orçamento
Custos para orçamento são custos compostos para
orçar uma obra específica. E exatamente por este
motivo devem levar em consideração todas as
condições locais particulares que possam afetar o
valor da obra ou do empreendimento em questão.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Preço de Venda
Preço de venda é aquele estabelecido com base
nos custos, ao qual o executor acrescenta as
despesas indiretas e as margens beneficiárias que
pretende obter. Entende-se também que o preço de
venda é aquele que remunera a transferência de
domínio do bem.
No caso de orçamentos de obras, consiste no valor
total da obra acabada, caracterizado pelo custo
total dos serviços acrescido das respectivas parcelas
de Benefícios e Despesas Indiretas - BDI.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Preço de Venda
Em princípio, o preço de venda é estabelecido com
base nos custos de produção, aos quais o executor
acrescenta as margens beneficiárias que pretende
obter. Entretanto, como parâmetro comercial, o
preço também é função de quanto o contratante
encontra-se disposto a pagar e, no final, será fruto
de acordo negociado entre as partes.
O executor procura maximizar o seu lucro e o
contratante minimizar o valor a ser pago.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Composição de Custo Unitário
Consiste na definição da quantidade de materiais,
do número de horas de equipamentos e de
profissionais necessários à execução do serviço,
multiplicados respectivamente pelo custo dos
materiais, pelo aluguel ou custo horário dos
equipamentos e pelo salário-hora dos trabalhadores,
acrescidos dos respectivos encargos sociais.
Os custos unitários dos serviços acrescidos da
parcela de bonificação e despesas indiretas
resultam nos preços unitários dos serviços.

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Composição Horária
Procedimento que associa o consumo de insumos à
produção horária de uma determinada equipe.
Exemplo: Composições de preços unitários de
terraplenagem e pavimentação do Sicro 2.
Composição Unitária
Procedimento que define a quantidade de insumos
necessários à produção de uma determinada
unidade de serviço.
Exemplo: Composições de preços unitários de
drenagem e obras de arte correntes do Sicro 2.
Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR
Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Composição de Custo Unitária

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Composição de Custo Horária

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS

Preço de Venda (PV) = Custo Direto (CD) + BDI


Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR
Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS

Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR


Brasília, 20 de setembro de 2016.
ENGENHARIA DE CUSTOS
Planilha de Custos
Local de representação dos custos diretos de uma
obra, devendo conter:
 Quantitativos de todos os serviços e seus
respectivos custos obtidos por meio de
composições de custos unitários;
 Custos de instalação e manutenção do
canteiro de obras;
 Custos de administração local;
 Custos de mobilização e desmobilização de
equipamentos e estrutura física.
Curso de Custos e Orçamentos Rodoviários - 45ª RAPv / 19º ENACOR
Brasília, 20 de setembro de 2016.