Você está na página 1de 85

Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA

Relatório de
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

309

Análise de
Mercados de
Terras

Zona Homogênea
Leste Fluminense

Rio de Janeiro - 2015 Página 1 de 85


Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

Relatório de Análise de Mercados de Terras


na Zona Homogênea Leste Fluminense

Aprovado em Câmara Técnica em ___ de ____________de 2016.

Aprovado pelo Comitê de Decisão Regional em ___ de __________de 2016.

Equipe Responsável pela pesquisa de campo:

Perito Federal Agrário Carlos Magno Magalhães da Silva

Equipe Responsável pela elaboração do Relatório:


Perito Federal Agrário Asélio Vieira Passos
Perito Federal Agrário Carlos Magno Magalhães da Silva
Perito Federal Agrário Luiz Felício Palermo

Rio de Janeiro
Dezembro-2015

Página 2 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

Sumário
1. INTRODUÇÃO ............................................................................................................................ 6
2. CARACTERÍSTICAS ZONA HOMOGÊNEA LESTE FLUMINENSE ............................... 6
2.1. Abrangência geográfica ......................................................................................................... 6
2.2. Histórico da ocupação ............................................................................................................ 7
2.2.1. Ciclos econômicos ........................................................................................................... 7
2.2.2. Relações Campo X Cidade ............................................................................................ 14
2.2.3. Qualidade de vida da população ................................................................................... 16
2.2.4. Políticas públicas ........................................................................................................... 18
2.2.5. Conflitos agrários .......................................................................................................... 22
2.3. Clima e recursos naturais ..................................................................................................... 22
2.3.1. Clima .............................................................................................................................. 22
2.3.2. Recursos Naturais ......................................................................................................... 25
2.3.2.1. Solos ........................................................................................................................ 25
2.3.2.2. Relevo...................................................................................................................... 26
2.3.2.3. Hidrologia ............................................................................................................... 27
2.3.2.4. Flora e Fauna ........................................................................................................ 30
2.3.2.5. Áreas de Lavras ...................................................................................................... 34
2.4. Áreas legalmente protegidas ................................................................................................. 38
2.5. Infraestrutura viária ............................................................................................................. 40
2.6. Principais atividades econômicas ......................................................................................... 44
2.6.1. Setor Agrícola ................................................................................................................ 48
2.6.2. Setor Pecuário ............................................................................................................... 51
2.6.3. Agroindústria Fluminense ............................................................................................ 53
2.6.4. Polos regionais............................................................................................................... 53
3. PREÇOS DE TERRAS SEGUNDO A INFORMA ECONOMICS/FNP .............................. 54
4. MERCADO DE TERRAS NA REGIÃO ................................................................................. 54
5. MÉTODOS.................................................................................................................................. 58
5.1. Pesquisas em campo ............................................................................................................. 58
5.2. Tipologias .............................................................................................................................. 58
5.3. Homogeneização dos Elementos Amostrais ........................................................................ 60
6. RESULTADOS ........................................................................................................................... 61
7. ANÁLISE DOS INDICADORES DO COMPORTAMENTO DE MERCADO .................. 63
8. CONCLUSÕES .......................................................................................................................... 64
9. LITERATURA CONSULTADA .............................................................................................. 66
ANEXO 1 - Memórias de cálculo..................................................................................................... 74

Página 3 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Índice de Figuras
Figura 1 - Mapa de situação da Zona Homogênea Leste Fluminense.................................................. 6
Figura 2 – Relação das indústrias sucroalcooleiras em atividade na Zona Homogênea Leste
Fluminense de 1970 a 2015................................................................................................................. 10
Figura 3 - Distribuição climática na região Leste Fluminense........................................................... 22
Figura 4 - Variação espacial da precipitação pluvial anual (mm) no estado do Rio de Janeiro......... 23
Figura 5 - Mapa temático com as classes de solos do Leste Fluminense........................................... 25
Figura 6 - Unidades geomorfológicas do Leste Fluminense............................................................. 26
Figura 7 - Regiões Hidrográficas do Leste Fluminense..................................................................... 28
Figura 8 - Mapa temático de Uso e Cobertura do Solo do estado do Rio de Janeiro (2010)............. 30
Figura 9 - Remanescentes florestais por município no estado do Rio de Janeiro (2009)................... 31
Figura 10 - Mapa temático de uso e cobertura do solo no Leste Fluminense.................................... 32
Figura 11 - Mapa geológico esquemático da Planície costeira do Rio Paraíba do Sul...................... 33
Figura 12 - Participação percentual de minerais não metálicos por Zona Homogênea estadual, em
2011..................................................................................................................................................... 34
Figura 13 - Percentual de participação dos municípios fluminenses nos royalties de petróleo e gás
natural.................................................................................................................................................. 36
Figura 14 - Evolução dos pagamentos de royalties totais (petróleo e gás natural) aos municípios da
ZHLF no período de 1999 a 2015 (em R$)......................................................................................... 37
Figura 15 - Caminhos carroçáveis e navegáveis do Leste Fluminense no século XVIII................... 40
Figura 16 - Mapa Multimodal do Leste Fluminense.......................................................................... 42
Figura 17 - Mapa de aptidão agrícola da região Leste Fluminense.................................................... 55
Figura 18 - Evolução do preço de terras (R$/ha) para o Leste Fluminense (set-out/2005 a set-
out/2015).............................................................................................................................................. 56
Figura 19 - Localização das amostras coletadas em campo no MRT-LF.......................................... 59

Índice de Tabelas
Tabela 1 – Municípios pertencentes à Zona Homogênea Leste Fluminense. ....................................... 6
Tabela 2 – Estimativas da proporção de escravos em Campos dos Goytacazes (1790-1836). ........... 13
Tabela 3 – Dados populacionais na região Leste Fluminense entre 1872 e 1920. .............................. 15
Tabela 4 – Dados populacionais na região Leste Fluminense entre 1940 e 2010. .............................. 15
Tabela 5 – Distribuição da população nos municípios da Zona Homogênea Leste Fluminense entre
1940 e 2015. ......................................................................................................................................... 16
Tabela 6 – IDHs dos municípios da região Leste Fluminense. ........................................................... 17
Tabela 7 – População residente na ZHLF e no Estado e o nível de urbanização em 2010. ................ 18
Tabela 8 – População em situação de extrema pobreza no estado do Rio de Janeiro em 2010, por
zonas homogêneas. ............................................................................................................................... 19
Tabela 9 – População em situação de extrema pobreza na Zona Homogênea Leste Fluminense em
2010. ..................................................................................................................................................... 19
Tabela 10 – Precipitação média mensal dos municípios da região Leste Fluminense. ....................... 24
Tabela 11 – Termoelétricas localizadas no Leste Fluminense. ........................................................... 30

Página 4 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Tabela 12 – Comunidades remanescentes de quilombolas na região Leste Fluminense, certificadas
pela Fundação Cultural Palmares (FCP). ............................................................................................. 39
Tabela 13 – Unidades de Conservação localizadas na Zona Homogênea Leste Fluminense. ............ 40
Tabela 14 – Valor adicionado bruto por atividade econômica, Produto Interno Bruto, Produto Interno
Bruto per capita, segundo as Zonas Homogêneas do estado do Rio de Janeiro em 2012. ................... 45
Tabela 15 – Valor adicionado bruto por atividade econômica, Produto Interno Bruto e participação
dos setores no PIB regional, segundo as Zonas Homogêneas do estado do Rio de Janeiro em 2012. 45
Tabela 16 – Valor adicionado bruto por atividade econômica, Produto Interno Bruto, Produto Interno
Bruto per capita, segundo os municípios do Leste Fluminense em 2012. ........................................... 46
Tabela 17 – Saldo de postos de trabalho no período de janeiro de 2010 a setembro de 2015 por setor
da economia na Zona Homogênea Leste Fluminense e no estado do Rio de Janeiro. ......................... 47
Tabela 18 – Estoque de empregos formais por setor da economia no Brasil, estado do Rio de Janeiro
e Zona Homogênea Leste Fluminense, entre 2013 e 2014, base mês de dezembro............................. 47
Tabela 19 – Produção agrícola no Leste Fluminense em 2014. .......................................................... 49
Tabela 20 – Lavouras temporárias e permanentes que apresentaram maior rentabilidade (R$/ha/ano)
para a Zona Homogênea Leste Fluminense. ........................................................................................ 50
Tabela 21 – Principais municípios produtores leiteiros no estado do Rio de Janeiro (1.000L). ......... 51
Tabela 22 – Produção leiteira no Leste Fluminense em 2014. ............................................................ 51
Tabela 23 – Número de elementos, porcentagem de elementos em relação ao total destes, média dos
valores (R$/ha) e média dos valores com elasticidade de 20% (R$/ha), por tipologia, para o MRT-LF.
.............................................................................................................................................................. 62
Tabela 24 – Planilha de Preços Referenciais de Terras (PPR) do Mercado Regional Leste
Fluminense. .......................................................................................................................................... 64

Página 5 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
RELATÓRIO DE ANÁLISE DE MERCADO DE TERRAS DA ZONA
HOMOGÊNEA LESTE FLUMINENSE

1. INTRODUÇÃO

Este documento atende à ORDEM DE SERVIÇO nº 15/2015/INCRA/SR(07)G, de 04 de


maio de 2015, publicada no Boletim de Serviço nº 20, de 18 de maio de 2015, conforme dispõe o
Regimento Interno do INCRA, anexo à Portaria no 20, de 08 de abril de 2009. Inicialmente,
apresenta-se um breve diagnóstico socioeconômico da Zona Homogênea Leste Fluminense do estado
do Rio de Janeiro, assim denominada conforme deliberação na Câmara Técnica da SR(07), em
reunião ordinária no dia 17/08/2015, enfatizando-se o mercado de terras, com base em dados
secundários, e a Planilha de Preços Referenciais de Terras (PPRT) para referida zona homogênea, a
qual oferece subsídios à tomada de decisão de engenheiros agrônomos e demais gestores da
instituição, em trabalhos diversos onde o valor da terra é relevante.
O INCRA adquire e difunde a pesquisa do mercado de terras veiculada pela Informa
Economics/FNP visando embasar a elaboração das Planilhas de Preços Referenciais de Terras. Neste
trabalho, apresentam-se os resultados publicados pela pesquisa, no período 2005-2015, em caráter
ilustrativo, que auxiliam na análise de consistência dos resultados apresentados, ainda que haja
diferença entre os métodos utilizados pela empresa supracitada e pelo INCRA.

2. CARACTERÍSTICAS DA ZONA HOMOGÊNEA LESTE FLUMINENSE

2.1. Abrangência geográfica

A Zona Homogênea (ZH) definida neste relatório como Leste Fluminense é, de acordo com a
Divisão Territorial Brasileira (DTB) do IBGE (2014), composta de duas microrregiões (Campos dos
Goytacazes e Macaé). Contudo, os municípios de Cardoso Moreira e São Fidélis, em função de suas
características mercadológicas quanto ao preço de terra, fazem parte da Zona Homogênea Nordeste
Fluminense. Sendo assim, a ZH Leste Fluminense é composta de sete municípios (Tabela 1).

Tabela 1 – Municípios pertencentes à Zona Homogênea Leste Fluminense.


Município Módulo Fiscal (ha) FMP (ha) Superfície Territorial (km2)
Campos dos Goytacazes 12 2 4.026,70
Carapebus 12 2 308,10
Conceição de Macabu 12 2 347,30
Macaé 12 2 1.216,80
Quissamã 12 2 712,90
São Francisco de Itabapoana 12 2 1.122,40
São João da Barra 12 2 455,00
Total --- --- 8.189,20
Fonte: SNCR/INCRA (2015). Nota: FMP – Fração Mínima de Parcelamento.

Página 6 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
A Zona Homogênea Leste Fluminense é a quarta região mais populosa do Estado, com
844.868 habitantes, o que corresponde a 5,13% do total no Rio de Janeiro (16.461.173 pessoas),
sendo que os municípios de Campos dos Goytacazes e Macaé apresentam população superior a
100.000 pessoas (IBGE, 2014).
Esta região encontra-se inserida no terço final da bacia hidrográfica do Rio Paraíba do Sul.
Possui área total de 8.189 km2, confrontando com o estado de Espírito Santo (ao norte), as Zonas
Homogêneas Nordeste Fluminense e Serrana (a oeste) e Oceano Atlântico (ao leste e sul).

Figura 1 - Mapa de situação da Zona Homogênea Leste Fluminense.

Fonte: CEPERJ (http://www.ceperj.rj.gov.br/ceep/info_territorios/divis_politico_administrativo.html).

2.2. Histórico da ocupação

2.2.1. Ciclos econômicos


O atual estado do Rio de Janeiro pertencia à capitania de São Tomé. Em 1538, Pero de Góis
(primeiro Capitão-mor da costa do Brasil), donatário da capitania, iniciou o plantio de mudas de
cana-de-açúcar no território de São João da Barra e construiu alguns engenhos movidos a água para
realizar o processamento. Porém, alguns anos mais tarde, ataques indígenas destruíram as

Página 7 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
manufaturas e arruinaram o processo de ocupação territorial iniciado, o que levou Pero de Góis a
abandonar as terras, e ainda seu filho, Gil de Góes, a renunciar posteriormente a seus direitos
hereditários sobre as mesmas (RODRIGUES, 1988).
Uma parte destas terras foram então cedidas aos chamados 7 capitães1, que passam a se
apropriar do espaço para atividade pecuária, áreas essas que hoje seriam referentes aos municípios de
Campos dos Goytacazes, São João da Barra e Macaé. Dois destes 7 capitães foram ainda
pressionados pelas autoridades da época a doarem boa parte de suas terras aos jesuítas e beneditinos,
que exerceram controle de parte do território por muito tempo (RODRIGUES, 1988).
A pecuária foi a primeira atividade econômica efetivamente territorializadora da região e
deste modo esteve dominante no ordenamento territorial até a segunda metade do século XVII.
Similarmente ao que ocorreu em outras regiões do Estado, na primeira metade do século XVII, a
ocupação da Zona Homogênea Leste Fluminense teve como objetivo, a princípio, de servir de
instalação de currais para criação de gado bovino com o fim de suprir com tração animal os senhores
de engenho nas demais regiões reconhecidamente canavieiras do então estado da Guanabara
(TRINDADE et al., 2013). A partir de então, passou a coexistir com a atividade canavieira, que
ressurgiu em Campos dos Goytacazes após as primeiras tentativas fracassadas de implementação por
Pero de Góis. (RODRIGUES, 1988).
A hegemonia da pecuária só foi superada pela cana no século XVIII, período no qual se deu
um processo intenso de dinamização deste setor, passando a se construir diversos engenhos de
açúcar. No final do século XVIII, Campos dos Goytacazes possuía cerca de 324 engenhos, enquanto
os engenhos de todo estado de São Paulo somavam 400, Pernambuco possuía 296 e Bahia 260,
caracterizando-se então, o início do que chamaremos de “Ciclo dominante da cana” na região
(RODRIGUES, 1988).
Segundo SILVA & CARVALHO (2004), Campos dos Goytacazes se destacou como centro
econômico da região em função de sua expressiva produção açucareira, da concentração dos fluxos
comerciais da região e de sua vasta extensão territorial. A transferência da Corte Real para o Brasil
(1808), com o súbito crescimento da população do Rio de Janeiro (SCHULTZ, 2007), também teve
acentuado impacto na atividade canavieira, até então quase artesanal. Ocorreu uma transformação
produtiva na região, passando a requerer um aumento significativo da produção dos engenhos, que
resultaria na sua mecanização e em uma nova divisão do trabalho. Apenas os engenhos com grande
quantidade de capital sobreviveram. Esse dinamismo da economia regional elevou seus centros

1
Miguel Ayres Maldonado, Gonçalo Correia de Sá, Antonio Pinto, João de Castilho, Manoel Corrêa, Duarte Corrêa e Miguel Riscado.
(SILVA e CARVALHO, 2004)

Página 8 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
urbanos à categoria de cidades. Campos dos Goytacazes recebeu este reconhecimento em 1835;
Macaé, em 1846 e São João da Barra, em 1850 (RODRIGUES, 1988).
Em 1888 ocorre a abolição da escravatura2, porém nessa época os engenhos já haviam
incorporado todas as inovações tecnológicas do setor ocorridas no mundo, e com a abolição, passou a
contar com os recursos financeiros necessários ao pagamento de mão de obra. Uma nova fase na
indústria açucareira brasileira surgiu com o aparecimento dos “Engenhos Centrais”, precursores das
atuais Usinas de Açúcar. Assim, inaugura-se em 12 de setembro de 1877, na então província do Rio
de Janeiro, o primeiro Engenho Central do Brasil, denominado Engenho Central de Quissamã. Nesse
novo tipo de empreendimento havia parceria entre indústria processadora e fornecimento de matéria
prima pelo agricultor. Havia amplas e modernas aparelhagens de tecnologia aperfeiçoadas para
melhor rendimento (AZEVEDO, 2002).
Como devido a uma série de fatores o açúcar brasileiro não conseguia participar do
mercado internacional, o governo brasileiro, a exemplo de outros países, adotou uma política de
proteção da agroindústria canavieira. Assim, motivado pela grande crise mundial de 1929, o governo
de Getúlio Vargas cria em 1933 o Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA)3, com o objetivo de
estabelecer regras de economia dirigida ao setor sucroalcooleiro. Essa fase se desenvolveu até março
de 1990, quando o governo do então presidente Fernando Collor de Melo resolveu extinguir o IAA,
transferindo algumas de suas atribuições a Secretaria e Desenvolvimento Regional (SDR), onde o
Estado permanece controlando apenas as diretrizes básicas do setor (AZEVEDO, 2002).
Com a grande queda do preço do açúcar no final de 1975 os produtores brasileiros foram
pegos de surpresa, que os expôs ao problema de uma capacidade de produção superdimensionada,
uma vez que o setor sucroalcooleiro planejou e executou ampliações visando comercializar grande
parte da produção de açúcar no mercado externo. Apesar desses problemas circunstanciais, um novo
fato exógeno beneficia novamente os produtores: ocorre a primeira grande alta dos preços do
petróleo, que serviu de justificativa para uma nova ajuda estatal tanto para as empresas que já
operavam no mercado como para as que adentraram no complexo naquele período (final dos anos 70,
início dos 80). Numa primeira fase, o financiamento do Proálcool4, permitiu a montagem e ampliação
das destilarias anexas às usinas, para a produção exclusivamente de álcool anidro e numa segunda
fase, a montagem de destilarias autônomas para a produção de álcool hidratado5. O Proálcool ganhou
apoio quase unânime com o segundo choque do petróleo em 1979, tendo sido montado um grande
número de destilarias em regiões que não tinham nenhuma tradição e qualificação. Com essas

2
Campos dos Goytacazes foi a última cidade brasileira a abolir a escravatura (MORETO, 2011)
3
Decreto n. 22.789, de 01 de junho de 1933
4
Excluíam a montagem de destilarias com o uso de máquinas e equipamentos importados para incentivar a produção interna de
máquinas e equipamentos
5
O álcool anidro é adicionado à gasolina e o hidratado é usado para mover motores do ciclo Otto

Página 9 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
medidas o Estado reforçou a característica estrutural, anteriormente apontada, ou seja, a de
concentração econômica, já que as destilarias eram praticamente autossuficientes no abastecimento
de cana (AZEVEDO, 2002).
Em menos de cinco anos, novos produtores e os tradicionais expandiram e constituíram
unidades com recurso público quase a fundo perdido, levando-se em conta que o processo
inflacionário brasileiro acelerou-se a partir do início dos anos oitenta.
O crescente endividamento das usinas, que optaram pelas grandes reformas a partir dos
anos 1971/72, devido à macro desvalorização do cruzeiro em relação ao dólar, sobre empréstimos
feitos por essas usinas para aquela reforma, pelos resultados operacionais em função do descompasso
entre a capacidade de moagem das usinas superdimensionadas e oferta de cana disponível, pela
queda dos preços do açúcar, pelo precário sistema administrativo a nível gerencial das usinas e suas
organizações e pela falta de apoio a etapa estratégica de reestruturação do setor na época, pela
imediata e ampla aplicação do processo de irrigação nas lavouras de cana. Esses fatos podem ser
apontados como as principais causas para explicar a situação financeira da maioria das usinas que no
final da década de 80 não mais se sustentava (AZEVEDO, 2002).
Alguns planos econômicos trouxeram algum alento para as usinas, mas era só iniciar o
processo de deterioração dos mesmos, para que se iniciasse o processo de fechamento das mais
deficitárias. Em 1987, a situação se torna insustentável. Ocorre o fechamento da COOPERFLU e as
usinas começam a ser executadas na justiça por conta de suas dívidas (LEWIN, 2005; TRF, 2015). O
PROALCOOL perdia o sentido numa conjuntura de preços baixos do petróleo e de inflação
fortemente ascendente, e, também, com as descobertas de petróleo no Leste Fluminense.
Chegam os anos 90, com 13 usinas funcionando em toda a região (Figura 2). Com o governo
de Fernando Collor ocorre a extinção do IAA, que já não tinha mais aporte financeiro e sem meios
outros de sustentação (Leis n.º 8.028 e 8.029/90: extingue o IAA com a reforma administrativa), e com
ele o Planalsucar e as pesquisas de novas variedades na região (PEIXOTO, 2005).
A desregulamentação do setor após a década de 90 introduziu um novo regime da relação
com o Estado, caracterizado por grau de intervenção deste no setor, bastante reduzido, ou mesmo
inexistente. O controle da produção e dos preços passou a depender do livre mercado, relegando as
empresas a controlar sua capacidade de sobrevivência e expansão. A competitividade entre as
empresas tornou-se bastante acirrada, passando a ocorrer basicamente sob a forma de concentração e
centralização de capitais em busca de novas estratégias de competição no setor (PEIXOTO, 2005).
Verifica-se pela Figura 2 que o encerramento das atividades das unidades industriais sucroalcooleiras
é mais acirrado a partir da década de 90, culminando com 4 unidades operando em 2015.

Página 10 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

Figura 2 – Relação das indústrias sucroalcooleiras em atividade na Zona Homogênea Leste Fluminense de 1970 a 2015

Página 11 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Este ciclo, ainda aberto, contribuiu e ainda contribui para a observação de uma estrutura
socioeconômica e de ocupação do espaço desequilibradas na região. A partir da década de 1970, a
indústria do petróleo passou a influenciar a economia de alguns municípios da região, especialmente
em Campos dos Goytacazes e Macaé. Com ela, iniciou-se um novo processo de criação de
oportunidades e demandas na região, envolvendo uma significativa injeção de royalties para os
municípios, fomentando a atração e a consolidação de instituições de ensino técnico e superior.
Obviamente, a indústria do petróleo também trouxe impactos estruturais e funcionais, sociais e
econômicos, muitos ainda por serem assimilados, e cujos produtos, ainda estão por serem
planificados e avaliados (CARVALHO & TOTTI, 2006).
Fruto do crescimento e desenvolvimento promovido pela indústria petrolífera na região
Leste Fluminense tem-se que, a partir do fim da década de 80, esta passa por um processo de
reordenamento territorial, que resulta na criação de três novos municípios: Quissamã6 e Carapebus7
(emancipados de Macaé) e São Francisco do Itabapoana8 (emancipado de São João da Barra).
Ao longo das últimas três décadas as receitas dos sete municípios pertencentes ao Leste
Fluminense tem se baseado na arrecadação dos royalties e no crescimento de empresas do setor off-
shore (SEBRAE, 2015a). Contudo, as perspectivas de crescimento dos municípios que possuem suas
receitas fundamentalmente apoiadas na arrecadação dos royalties são muito incertas se não forem
pensadas maneiras estratégicas de investimento de tais recursos. Isto ocorre porque, sendo muito
frágil a base de sustentação dos municípios que dependem de recursos dessa natureza, se as normas
de distribuição dos mesmos forem mudadas, estando ainda dependentes da arrecadação dos royalties,
terão dificuldades de se adaptar ao decréscimo de seus orçamentos. Prova disso é a redução nas
receitas destes municípios este ano, basicamente em função dos relatórios desfavoráveis da
Petrobrás, aliado à crise econômica que atinge atualmente o país (COSTA, 2015; G1, 2015b;
GROSSI, 2015; MARQUES, 2015; ROSSI, 2015).

2.2.2. Migrações e Socioeconomia

Segundo LÉRY (1961), no século XVI os goitacás9, no processo de colonização, por não
aceitarem ser escravizados e “não se renderem perante a crueldade do branco”, foram dizimados por
meio de lutas desiguais. Seu massacre ocorreu a partir do processo de colonização do norte do Rio de
Janeiro, o qual teve início em 26 de março de 1539, quando o fidalgo português Pero de Góes
recebeu a Capitania de São Tomé que compreendia, além do Leste Fluminense, parte do Espírito

6
Lei Estadual nº 1419 de 4 de janeiro de 1989
7
Lei Estadual n° 2.417, de 19 de julho de 1995
8
Lei Estadual n° 2.379, de 18 de janeiro de 1995
9
Grupo indígena que habitou a região costeira brasileira entre o Rio São Mateus, no atual estado do Espírito Santo e o Rio Paraíba do
Sul, no atual estado do Rio de Janeiro

Página 12 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Santo (HERVÉ, 1988). Por volta de 1630, mais precisamente 1633, após a divisão da região em
sesmarias, os portugueses ocuparam as áreas e começaram a explorá-las, enquanto os indígenas
sobreviventes foram aldeados pelos jesuítas (PEIXOTO, 2006).
Uma vez que não se podia contar com a mão de obra indígena para lavrar as áreas, os
portugueses lançaram mão do trabalho escravo de negros trazidos principalmente de Angola. Usando
trabalhadores escravos e dedicados ao cultivo da cana-de-açúcar e, a construção de centenas de
pequenos e médios engenhos, fez com que Campos dos Goytacazes se consolidasse como a principal
área agroexportadora da capitania. Essa posição de destaque assumida no cenário da atividade
açucareira pode ser percebida tanto pelo crescimento vertiginoso da quantidade de engenhos
edificados na região quanto pelo volume de açúcar branco exportado via cidade do Rio de Janeiro e
pela presença maciça de escravos. É, portanto, à luz dessa vigorosa expansão das atividades
açucareiras que devemos compreender a dinâmica do quadro demográfico apresentado em Campos
dos Goytacazes e em suas cercanias no período (SOARES, 2010).

Tabela 2 – Estimativas da proporção de escravos em Campos dos Goytacazes (1790-1836).

Anos Livres Escravos % de Escravos


1799 14.447 19.058 56,9
1816 14.560 17.357 54,3
1821 17.280 19.234 52,7
1836 21.123 30.595 59,2
Fonte: Adaptado de SOARES (2010)

A expansão das atividades açucareiras em Campos dos Goytacazes incrementou uma


demanda cada vez maior por braços, o que fez com que, nas três primeiras décadas do século XIX, os
produtores ali estabelecidos se transformassem nos maiores compradores de africanos vendidos na
Capitania/Província do Rio de Janeiro: adquiriram nada menos do que 48,3% de um total de 58.989
cativos (FRAGOSO & FERREIRA, 2001).
No ano de 1850 temos a Lei Eusébio de Queirós10, e onde se proibiu o tráfico negreiro
internacional, suscitando o problema da substituição do trabalho escravo por outras formas de trabalhos.
O que trouxe para os setores diretamente dependentes da mão de obra escrava, um sério problema a ser
resolvido e contribuiu, principalmente, para a intensificação do tráfico interno do elemento servil no
Brasil. Uma migração forçada de escravos avolumou-se desde então, embora as transações locais e
regionais de cativos sempre tivessem sido verificadas anteriormente (CONRAD, 1975).
A abolição da escravatura é proclamada e subitamente os engenhos fluminenses perdem
aquilo que produzira toda riqueza gerada na região: a força de trabalho negra não remunerada.

10
Lei n. 581, de 04 de setembro de 1850

Página 13 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Consequentemente perde também sua competitividade para o estado de São Paulo. A partir de 1890
há uma reversão cíclica do crescimento e um período de empobrecimento generalizado, com um
importante impacto territorial, considerando que esta população negra desocupada e expropriada do
direito à terra, pela Lei de Terras, vai realizar as primeiras sub-ocupações nas áreas periféricas
principalmente da cidade de Campos de Goytacazes (CRESPO, 2012).
Sem dúvida, a crise do açúcar desestruturou o mundo rural provocando migrações para a
cidade e com este fluxo se fragmenta também as expressões culturais negras que tinham como
âmbito o açúcar, o mundo rural e a família.
A crise da produção açucareira começa em 1930 e se aprofunda nas décadas subsequentes.
Em 1940, São Paulo supera a produção de açúcar do Rio de Janeiro, que perderia gradualmente sua
posição também para outras regiões (LIFSCHITZ, 2008). Em 1970 existiam aproximadamente no
Leste Fluminense 20 usinas e atualmente quatro estão em funcionamento (Figura 2).
A atividade canavieira em muito contribuiu para atenuar o êxodo rural na região, num
momento em que esse movimento era visto de maneira mais acelerada no Estado como um todo.
Podemos supor que uma das consequências desse fato foi a relativa lentidão na dinâmica
demográfica dessa mesorregião, citando como exemplos, além da tardia concentração da população
nas áreas urbanas, a diminuição da base e o alargamento do meio e do topo da pirâmide. No entanto,
a descoberta de petróleo, num momento de estagnação da atividade sucroalcooleira tem papel que
podemos supor ser de catalisador no processo de êxodo rural, quando oportunidades de trabalho no
meio rural são fechadas e novas oportunidades na área urbana são criadas (SILVA, 2006a).

2.2.3. Relações Campo X Cidade

A demarcação conceitual de cidade e campo abordada na maioria dos estudos segue o


padrão dos equipamentos e infraestruturas no espaço urbano, ou seja, tudo aquilo que não for urbano
é rural. Todavia, o entendimento da relação campo-cidade é essencial para a compreensão da
organização socioespacial, pois tanto o rural quanto o urbano não podem ser entendidos
separadamente, pautados na velha dicotomia de que o urbano é significado de moderno e o rural
significado de arcaico (ALENTEJANO, 2003).
Para a maioria dos municípios brasileiros, os dados populacionais com discriminação por
município e áreas rural e urbana só estão disponíveis a partir de 1940, em função da própria coleta e
sistematização dos mesmos, todavia, para a região Leste Fluminense, a partir de 1872, tem-se a
totalização da população por município (bem como população livre e escrava), a qual é apresentada
na Tabela 3.

Página 14 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Tabela 3 – Dados populacionais na região Leste Fluminense entre 1872 e 1920.

Número de habitantes na região entre 1872 a 1920

Ano
Municípios 1872 1900 1920
Livres Escravos Total Total Total
Campos dos Goytacazes 56.212 32.620 88.832 90.706 175.850
Macaé 15.830 9.319 25.149 42.015 60.280
São João da Barra 11.552 5.280 16.832 16.369 34.030
Total da Região 83.594 47.219 130.813 149.090 270.160
Fonte: IBGE: Evolução da Divisão Territorial do Brasil - 1872-2010.
Obs.: Até 1920, dos municípios pertencentes ao Leste Fluminense, apenas Campos dos Goytacazes, Macaé e São João da Barra eram
emancipados.

Verifica-se que para os municípios de Campos dos Goytacazes, Macaé e São João da Barra,
a razão entre a população de escravos e a população total era cerca de 30%, fato que demonstra o uso
dessa importante mão de obra na lavoura canavieira da região. Considerando o período de 48 anos
(1872 a 1920) houve crescimento populacional de cerca de 100%, basicamente em função da lavoura
canavieira e do início do processo industrial na região, caracterizado pela introdução de novas
técnicas no fabrico do açúcar, além da entrada vultosa de capitais para o aprimoramento dos
primitivos engenhos que se transformavam em engenhos centrais e em usinas (PARANHOS, 2000).
Estes fatores culminaram na formação de centros urbanos, principalmente desses três municípios.
Quando se analisa os dados populacionais discriminados em área rural e urbana, pode-se
verificar a influência do processo de industrialização na região, principalmente a partir da década de
70, em função do declínio da cultura da cana-de-açúcar e da exploração da bacia petrolífera. Os
dados da Tabela 4 mostram que em 1940, a população rural representava 72,6% do total regional,
enquanto que, em 2010, essa participação decaiu vertiginosamente para 11,1%. Em oposição, a
população urbana passou de 27,4% e para 88,9%, no mesmo período.

Tabela 4 – Dados populacionais na região Leste Fluminense entre 1940 e 2010.


Número de habitantes nas áreas rural e urbana, e total no período de 1940 a 2010
1940 1950 1960 1970 1980 1991 2000 2010
População
Hab. % Hab. % Hab. % Hab. % Hab. % Hab. % Hab. % Hab. %
Total 318.839 100 337.589 100 415.660 100 451.303 100 492.617 100 576.995 100 649.399 100 799.372 100
Rural 231.571 72,6 233.682 69,2 247.691 59,5 218.361 48,4 203.311 41,3 114.809 19,9 89.240 13,7 89.128 11,1
Urbana 87.268 27,4 103.907 30,8 167.969 40,6 232.942 51,6 289.306 58,7 462.186 80,1 560.159 86,3 710.244 88,9
Fonte: IBGE: Evolução da Divisão Territorial do Brasil - 1872-2010.

Consoante o que ocorreu com as demais regiões fluminenses, em maior ou menor grau, os
dados acima indicam um processo de desterritorialização da população rural para a região Leste ao
longo de sete décadas (com percentual de decréscimo médio anual de 1,33%), associado a uma

Página 15 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
urbanização significativa (com incremento anual de 2,99% no período) e crescimento populacional
médio próximo a 1,30% ao ano, calculados com base na taxa geométrica anual de crescimento11.
Comparativamente, a taxa anual de crescimento da população urbana do estado do Rio de Janeiro,
para o mesmo período, foi de 4,47% ao passo que a taxa anual de redução da população rural no
estado foi de 1,10% e a taxa de incremento médio anual da população total de 3,08%, portanto, três
vezes maior que a taxa da região Leste Fluminense.
Em 1940, em números absolutos, a população do Leste Fluminense era de 318.839
habitantes enquanto que a estimativa para 2015 chegou a 854.343 habitantes (Tabela 5), um
crescimento da ordem de 167,95% em 74 anos. A Região Leste Fluminense abriga o corresponde a
aproximadamente 5% do total da população do estado do Rio de Janeiro (IBGE, 2015).

Tabela 5 – Distribuição da população nos municípios da Zona Homogênea Leste Fluminense


entre 1940 e 2015.
Total do número de habitantes
Municípios
1940 1950 1960 1970 1980 1991 2000 2010 2015*
Campos dos
223.373 237.633 292.292 318.806 348.542 389.109 406.989 463.731 483.970
Goytacazes
Carapebus nd nd nd nd nd nd 8.666 13.359 15.008
Conceição de
nd nd 9.730 11.560 13.624 16.963 18.782 21.211 22.163
Macabu
Macaé 56.035 54.873 58.805 65.318 75.863 100.895 132.461 206.728 234.628
Quissamã nd nd nd nd nd 10.467 13.674 20.242 22.700
São Francisco de
nd nd nd nd nd nd 41.145 41.354 41.291
Itabapoana
São João da Barra 39.431 45.083 54.833 55.619 54.588 59.561 27.682 32.747 34.583
Total da Região 318.839 337.589 415.660 451.303 492.617 576.995 649.399 799.372 854.343
Total do Estado 1.559.371 2.297.194 6.709.891 8.994.802 11.291.631 12.807.706 14.391.282 15.989.929 16.592.085
Fonte: IBGE: Evolução da Divisão Territorial do Brasil - 1872-2010. Obs.: * IBGE – Estimativa Populacional, 2015; nd – não
disponível.

2.2.4. Qualidade de vida da população

Um último aspecto a ser considerado dentro de uma visão geral da região refere-se à qualidade
de vida da população. Para tanto se considera um indicador que busca medir a qualidade de vida da
população em escala municipal: o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M), que
contempla variáveis relacionadas à renda (IDH-R), educação (IDH-E) e longevidade (IDH-L). Este é
expresso através de um valor que varia entre 0 a 1 e, quanto mais próximo de 1, maior o
desenvolvimento humano de um município. O IDHM populariza o conceito de desenvolvimento
centrado nas pessoas, e não a visão de que desenvolvimento se limita a crescimento econômico. Este

11
Taxa geométrica anual de crescimento – Método de cálculo utilizado pelo IBGE para analisar variações geográficas e temporais
do crescimento populacional, realizar estimativas e projeções populacionais, para períodos curtos e Subsidiar processos de
planejamento, gestão e avaliação de políticas públicas específicas (dimensionamento da rede física, previsão de recursos, atualização
de metas). Calcula-se pela raiz enésima (onde n é o número de anos do período), subtraída de 1, do quociente entre a população final e
a população no começo do período considerado, multiplicando-se o resultado por 100.

Página 16 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
índice é divulgado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Na Tabela 6
é apresentado o IDH, referente ao ano de 2010, para os municípios da Região Leste Fluminense.
Em 2012, o PNUD Brasil, o IPEA (Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas) e a
Fundação João Pinheiro adaptaram a metodologia do IDH global para calcular o IDH Municipal
(IDHM) dos 5.565 municípios brasileiros a partir de dados do Censo Demográfico de 2010.

Tabela 6 – IDHs dos municípios da região Leste Fluminense.


Posição do Posição do
Município no Município no Município IDH-M IDH-R IDH-L IDH-E
ranking nacional ranking estadual
1427º 37º Campos dos Goytacazes 0,716 0,715 0,830 0,619
1514º 46º Carapebus 0,713 0,699 0,805 0,644
1546º 48º Conceição de Macabu 0,712 0,698 0,806 0,642
304º 7º Macaé 0,764 0,792 0,828 0,681
1776º 55º Quissamã 0,704 0,698 0,821 0,610
3312º 91º São Francisco de Itabapoana 0,639 0,618 0,791 0,533
2642º 77º São João da Barra 0,671 0,686 0,800 0,551
Fonte: Atlas Brasil 2013 - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O IDHM médio da região Leste Fluminense é de 0,703, ou seja, considerado de padrão alto
de desenvolvimento humano, sendo o quarto maior IDHM entre as zonas homogêneas do Estado.
Grande parte do crescimento do IDHM na região se deve às atividades petrolíferas que se concentram a
alguns anos na Região. Essas atividades têm possibilitado maiores investimentos em infraestrutura nos
municípios contemplados e, da mesma forma, os recursos têm sido utilizados para fornecer, aos
governos locais, subsídio para suprir a demanda excessiva por serviços públicos (PACHECO, 2005).
Contudo, o padrão de desenvolvimento regional adotado, pelo seu poder de concentração e
polarização, tende a produzir, localmente, um excedente relativo de população e de força de trabalho,
formado por migrantes e residentes antigos não incorporados ao mercado de trabalho e à cidade, bem
como um rápido e acentuado adensamento urbano sem a contrapartida da infraestrutura e dos
serviços na proporção demandada, o que resulta na desordem urbana, na expansão da favelização, da
pobreza e da miséria; do sub e do desemprego; da exclusão social; e, no limite, da violência e do
crime organizado (CRUZ, 2011).
Tal fenômeno reforçaria a segregação e fragmentação territoriais, agravando as periferias já
existentes e produzindo novas, no entorno dos municípios e microrregiões contempladas (CRUZ,

Página 17 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
2012), como é o caso do município de Macaé, que concentra as instalações físicas do complexo
regional de exploração e produção de petróleo e gás, da Bacia de Campos, no Leste Fluminense.

2.2.5. Políticas públicas

Segundo DA SILVA (2003), para a adoção de políticas públicas é condição sine qua non o
planejamento das ações governamentais, levando em consideração o espaço geográfico onde será
implementado determinado programa, assim como as populações-alvo e uma projeção do quanto
uma ação pode ser transformadora no ambiente onde a mesma for utilizada.
No que tange ao espaço geográfico, verifica-se que a Zona Homogênea Leste Fluminense
(ZHLF) é uma das regiões do Estado que apresenta o quarto maior índice de urbanização da
população, sendo que 88,9% de seus habitantes residem nas cidades. Esta região apresenta a quinta
maior proporção de habitantes na zona rural, ou seja, 89.128 habitantes (11,1% da população total da
região), além de ocupar o posto de região com a terceira maior proporção de habitantes na zona rural
em relação à população rural do Estado, aproximadamente 17%, juntamente com a Zona Homogênea
Vale do Paraíba (Tabela 7).

Tabela 7 – População residente na ZHLF e no Estado e o nível de urbanização em 2010.


População Residente Nível
Zonas Homogêneas de Análise Urbanização %
Total % Urbana % Rural % (*)
Estado 15.989.929 100,0 15.464.239 100,0 525.690 100,0 96,7
Nordeste Fluminense 367.636 2,3 300.771 1,9 66.865 12,7 81,8
Lagos 700.842 4,4 622.249 4,0 78.593 15,0 88,8
Leste Fluminense 799.372 4,9 710.244 4,5 89.128 17,0 88,9
Serrana 831.986 5,2 710.170 4,6 121.816 23,2 85,4
Vale do Paraíba 1.344.561 8,4 1.255.105 8,1 89.456 17,0 93,3
Metropolitana 11.945.532 74,7 11.865.700 76,7 79.832 15,2 99,3
Fonte: IBGE: Censo Demográfico, 2010. (*) % População Urbana / População Total.

Esses dados pura e simplesmente não refletem a situação em que essas populações vivem, ou
seja, poder aquisitivo, qualidade de vida, acesso à educação, à saúde, ao transporte entre outros.
Com relação aos índices de população em situação de extrema pobreza nas áreas rurais, o Leste
Fluminense apresentou o maior índice do estado do Rio de Janeiro em 2010 (23,1% do total estadual). Da
mesma forma, em relação à população rural na região, o índice de pobreza é o maior do Estado, alcançando
9,35%, ou seja, dos 89.128 habitantes rurais, 8.331 pessoas foram consideradas em situação de extrema
pobreza nas áreas rurais da Zona Homogênea Leste Fluminense (Tabela 8).

Página 18 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Tabela 8 – População em situação de extrema pobreza no estado do Rio de Janeiro em 2010,
por zonas homogêneas.
Zonas Homogêneas de Números Absolutos Participação Estadual (%) Índice de Extrema Pobreza (*)
Análise Total Urbana Rural Total Urbana Rural Total Urbana Rural
Estado do RJ 586.585 550.596 35.989 100,0 100,0 100,0 3,67 3,56 6,85
Vale do Paraíba 38.737 33.245 5.492 6,6 6,0 15,3 2,88 2,65 6,14
Serrana 26.322 19.345 6.977 4,5 3,5 19,4 3,16 2,72 5,73
Nordeste 13.691 8.590 5.101 2,3 1,6 14,2 3,72 2,86 7,63
Metropolitana 432.698 426.982 5.716 73,8 77,5 15,9 3,62 3,60 7,16
Lagos 30.575 26.203 4.372 5,2 4,8 12,1 4,36 4,21 5,56
Leste Fluminense 44.562 36.231 8.331 7,6 6,6 23,1 5,57 5,10 9,35
Fonte: IBGE – Censo Demográfico, 2010. (*) População em extrema pobreza / População Total.

De forma geral, o Leste Fluminense registra municípios com índices reduzidos de pobreza
da população rural, a exceção de São Francisco de Itabapoana (com 15,53% da população rural do
município) (Tabela 9), ou seja, com renda familiar abaixo de R$ 70 por pessoa. Nessa tabela verifica-
se que há um conjunto de municípios com situações de pobreza rural mediana em relação ao Estado,
como Campos dos Goytacazes (8,41%), Carapebus (7,17%), Conceição de Macabu (7,65%),
Quissamã (5,60%) e São João da Barra (6,42%). O município com situação de pobreza considerada
baixa na área rural é Macaé (2,94%).

Tabela 9 – População em situação de extrema pobreza na Zona Homogênea Leste Fluminense


em 2010.
Unidades Espaciais de Números Absolutos Participação Regional (%) Índice de Pobreza (*)
Análise Total Urbana Rural Total Urbana Rural Total Urbana Rural
Campos dos Goytacazes 27.877 24.089 3.788 62,55 66,48 45,46 6,01 5,75 8,41
Carapebus 706 504 202 1,58 1,39 2,42 5,28 4,78 7,17
Conceição de Macabu 886 666 220 1,98 1,83 2,64 4,17 3,63 7,65
Macaé 6.135 6.021 114 13,76 16,61 1,36 2,96 2,96 2,94
Quissamã 990 584 406 2,22 1,61 4,87 4,89 4,49 5,60
São Francisco de Itabapoana 6.116 2.968 3.148 13,72 8,19 37,78 14,78 14,07 15,53
São João da Barra 1.852 1.399 453 4,15 3,86 5,43 5,65 5,44 6,42
Leste Fluminense 44.562 36.231 8.331 100 100 100 5,57 5,10 9,34
Fonte: IBGE – Censo Demográfico, 2010.
(*) População em extrema pobreza / População Total (**) Participação regional no total estadual.

Segundo o RIONOR (2011), “outro indicador utilizado na compreensão da situação


econômica das populações foi a distribuição do Bolsa Família, programa do Governo Federal que
auxilia o grupo de população mais necessitado”.
No Leste Fluminense, em novembro de 2015, foram 48.797 famílias beneficiadas pelo
Bolsa Família, aproximadamente 5,80% do total de beneficiários no Estado do Rio de Janeiro e

Página 19 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
0,35% das famílias acolhidas com esse programa no país. Destas, 30.424 famílias residem em
Campos dos Goytacazes e 6.859 em Macaé, somando 76,41% do total da região. São Francisco do
Itabapoana apresenta 9,30% do somatório regional e, em ordem decrescente, segue-se São João da
Barra (6,38%), Quissamã (3,27%), Conceição de Macabu (2,96%) e Carapebus (1,68%) (CAIXA, 2015).
Há no estado do Rio de Janeiro, ainda, o Programa Renda Melhor, elaborado pela Secretaria
de Assistência Social e Direitos Humanos, o qual é parte integrante do Plano de Erradicação da
Pobreza Extrema no Rio de Janeiro e tem como objetivo assistir com benefício financeiro as famílias
que são integrantes pelo Programa Bolsa Família. Os benefícios podem variar de R$ 30 a R$ 300, de
acordo com a condição de vida de cada família (SEASDH, 2015). Complementariamente a este
programa existe o Programa Renda Melhor Jovem, no qual todo jovem, cuja família receba os
benefícios do Renda Melhor e esteja matriculado na rede estadual de Ensino Médio Regular, fará jus
ao valor de R$ 3.800,00 em depósitos em poupança ao final de três anos, caso conclua com êxito
todos os anos do ensino médio (SEASDH/SEEDUC, 2015).
Visando minimizar a desigualdade social nas áreas rurais, a Secretaria de Agricultura e
Pecuária do Estado do Rio de Janeiro (SEAPEC), órgão do Governo Estadual, mantém alguns
programas voltados às atividades agrícolas no Leste Fluminense (RIO RURAL, 2015), a saber:

1) Programas Estruturantes:
a) Rio Genética – visa promover o melhoramento genético dos rebanhos pecuários,
aumento da produção e produtividade, geração de trabalho e renda e melhoria da qualidade de vida
da população rural;
b) Estradas de Produção – recuperação e manutenção de estradas vicinais de regiões
produtoras, facilitando o escoamento da produção e trânsito da população rural;
c) Sanidade Rio – promove, mantém e recupera a saúde de animais e de vegetais
produzidos no Estado do Rio de Janeiro ou que transitam em território fluminense. O objetivo é
garantir a qualidade da produção e segurança alimentar da população;
d) Crédito Fundiário – financia a aquisição de áreas para atividades agrícolas aos
trabalhadores rurais, arrendatários, parceiros e meeiros que não dispõem de recursos para tal.

2) Programas Setoriais:
a) Frutificar – visa à correção das desigualdades regionais, o aumento da produção e
produtividade do cultivo de frutas no estado do Rio de Janeiro, permitindo o acesso a novas tecnologias
através de uma linha de crédito específica para financiamento de projetos de fruticultura irrigada;
b) Prosperar – tem por objetivo aumentar a oferta de emprego e renda na área rural por
meio da abertura de linha de financiamento a projetos que incrementem a produtividade no setor,

Página 20 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
legalização e adequação de empresas às normas vigentes. Busca a competitividade da produção
agropecuária através da inserção de novos processos tecnológicos, como a agroindústria, e a
adequação das unidades produtivas à legislação sanitária e fiscal aplicável;
c) Cultivar Orgânico – visa aumentar a produção orgânica estadual através do apoio aos
produtores rurais que já trabalham nesta atividade e do estímulo à conversão de práticas agrícolas
convencionais para a agricultura orgânica, por meio da concessão de crédito através da linha Moeda
Verde - Cultivar Orgânico e da capacitação de produtores e técnicos;
d) Rio Leite – visa ao aumento da produção e da qualidade do leite através do estímulo aos
produtores e contribuição para a ampliação do mercado. Ações de assistência técnica, introdução de
tecnologias e manejos adequados, incentivos tributários e estruturação da cadeia de comercialização
contribuem para o desenvolvimento do setor;
e) Rio Carne – busca estruturar a cadeia produtiva da carne no estado do Rio de Janeiro
para atrair empresários de alto nível tecnológico, preservando e capacitando os produtores já
estabelecidos. O objetivo é elevar a competitividade e atratividade fiscal para os empreendimentos e
garantir a qualidade da oferta ao consumidor;
Além dessas políticas por parte do Governo estadual, há ainda os Programas do Governo
Federal, como:
a) PRONAF (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) – destina-se a
estimular a geração de renda e melhorar o uso da mão de obra familiar, por meio do financiamento de
atividades e serviços rurais agropecuários e não agropecuários desenvolvidos em estabelecimento
rural ou em áreas comunitárias próximas.
b) Comitê Gestor de Bacias Hidrográficas – é um órgão colegiado da gestão de recursos
hídricos, com atribuições de caráter normativo, consultivo e deliberativo e integra o Sistema Estadual
de Gerenciamento de Recursos Hídricos.
Cabe destacar ainda que os municípios da Zona Homogênea Leste Fluminense são
integrantes também do Território da Cidadania Norte Fluminense, o qual é um programa do governo
federal, lançado em 2008, que visa promover o desenvolvimento econômico e universalizar
programas básicos de cidadania por meio de uma estratégia de desenvolvimento territorial
sustentável (TERRITORIOS DA CIDADANIA, 2015).
Contudo, segundo KRONEMBERGER (2012), os arranjos produtivos locais do petróleo
contribuem para segregar os municípios do Leste Fluminense, o que impacta no processo de
formação do Território da Cidadania nesta região e pode fragilizar a gestão social, devido à limitação
da diversidade de atores no processo decisório e a dificuldade na construção de consensos
necessários à dinâmica participativa.

Página 21 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
2.2.6. Conflitos agrários
Quanto à reforma agrária, o Leste Fluminense comporta a maioria dos projetos de
assentamento no estado do Rio de Janeiro. Do total de 71 assentamentos no Estado, em suas várias
modalidades incluindo-se os consolidados, o INCRA criou e/ou reconheceu 20 (28,17%)
assentamentos rurais na região: dez em Campos dos Goytacazes (com capacidade total de 1.180
famílias), três em Carapebus (com capacidade para 316 famílias), três em Conceição de Macabu
(capacidade de 289 famílias), quatro em Macaé (capacidade de 845 famílias) e um em São Francisco de
Itabapoana (203 famílias). Dessa forma, a região comporta 25,76% das famílias assentadas no estado.
A região Leste Fluminense abrange a maior quantidade de acampamentos do estado. Em todo
o estado do Rio de Janeiro existiam cadastrados, até junho de 2015, 21 acampamentos. Destes, 13
acampamentos se localizam em três municípios que compõem a região Leste (61,90%), onde ficam 565
famílias acampadas (cerca de 70% do total de famílias). Campos dos Goytacazes reponde pela maior
concentração de acampamentos (9 locais, abrangendo 446 famílias), seguido de São Francisco de
Itabapoana com 3 acampamentos e 45 famílias, e, por último, o município de Conceição de Macabu
com três acampamentos e 74 famílias acampadas.

2.3. Clima e recursos naturais

2.3.1. Clima

O estado do Rio de Janeiro permanece sob a influência do Anticiclone Subtropical do


Atlântico Sul (ASAS) na maior parte do tempo, mas a situação de estabilidade, ou seja, com
condições de céu claro ou com pouca nebulosidade, sobre o Estado é interrompida pela chegada de
sistemas meteorológicos, tais como: sistemas frontais, ciclones extratropicais, vórtices ciclônicos dos
altos níveis de origem subtropical, sistemas convectivos de mesoescala e outros sistemas que
promovem o aumento da nebulosidade, a ocorrência de precipitação e a intensificação dos ventos. Em
especial, durante os meses de novembro a março é comum o estabelecimento da Zona de
Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) que se caracteriza por uma banda de nebulosidade convectiva,
estendendo-se em geral desde a Amazônia, até o Oceano Atlântico, numa direção noroeste-sudeste
(KOUSKY, 1988). Este sistema é típico dos meses de verão, quando a convecção tropical mais
acentuada contribui para a geração e manutenção do fenômeno (KODAMA, 1992).
O clima da região Leste Fluminense se enquadra na categoria de tropical úmido (tipo Aw,
pela classificação de Köppen), sendo quente úmido nas áreas de baixada e tropical úmido nas áreas de
relevo mais acidentado, com verão chuvoso e inverno seco, temperatura média anual em torno de
24ºC, temperatura do mês mais frio superior a 18ºC, com temperatura mínima absoluta de 6,4ºC, e

Página 22 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
média das máximas em torno de 27ºC, além da normal de precipitação pluviométrica anual de 1.055
mm (RAMOS et al., 2009). Os índices pluviométricos médios sofrem uma desigualdade não só ao
longo dos meses do ano, como também em termos geográficos, pois há um aumento do gradiente de
chuvas em direção à vertente atlântica da Serra do Mar, ficando a planície litorânea mais seca devido à
ausência de barreiras orográficas que retenham os ventos úmidos vindos do Atlântico (Figuras 3 e 4).
Na Figura 3 é apresentada a classificação climática proposta por THORNTHWAITE
(1948), onde se tem a prepoderância das tipologias Mesotérmico Brando (temperaturas médias de 10-
15o C), Quente (temperaturas > 18o C), Subquente (15-18o C) e Zona Costeira.

Figura 3 - Distribuição climática na região Leste Fluminense.

Fonte: IBGE, 2015b.

Com relação à precipitação média anual, COSTA (2010) verificou que a região
compreendida pelo Leste Fluminense apresentou os menores índices do Estado, inferiores a 1.300

Página 23 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
mm/ano e, em algumas áreas da região, esses valores foram próximos a 1.000 mm (característica de
semi-árido) (Figura 4).

Figura 4 - Variação espacial da precipitação pluvial anual (mm) no estado do Rio de Janeiro.

Leste Fluminense

Fonte: Adaptado de COSTA, 2010.

O regime de chuvas é bem desigual ao longo do ano, com maior intensidade pluviométrica
entre os meses de outubro e março, tendo volumes médios acima de 110 mm entre dezembro e janeiro.
Entretanto, a partir de abril o volume das chuvas diminui até final de agosto, voltando a se elevar a partir
de setembro (Tabela 10).

Tabela 10 – Precipitação média mensal dos municípios da região Leste Fluminense.


Distribuição mensal da precipitação (mm)
Campos dos Conceição São F. do
Meses Carapebus Macaé Quissamã São João da Barra
Goytacazes de Macabu Itabapoana
Janeiro 134 137 158 131 133 118 122
Fevereiro 103 106 127 103 98 99 106
Março 108 106 115 102 106 97 99
Abril 95 95 83 97 99 80 82
Maio 56 67 61 74 65 57 59
Junho 34 41 37 42 42 40 44
Julho 30 39 31 46 36 27 28
Agosto 25 39 38 46 33 26 28
Setembro 54 61 60 66 58 57 58
Outubro 103 110 113 104 115 100 109
Novembro 150 146 154 140 146 146 148
Dezembro 181 169 193 175 150 156 132
Total 1.073 1.116 1.170 1.126 1.081 1.003 1.015
Fonte: Climate-data.org (2015) - http://pt.climate-data.org/

Página 24 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Os maiores acumulados mensais ocorrem em dezembro e janeiro, enquanto os menores são
observados entre junho e agosto. Os padrões espaciais são influenciados significativamente pelas
chuvas orográficas, associadas com chuvas convectivas (CORREIA et al., 2011). Não obstante a
região ser caracterizada por baixos índices pluviométricos, e sofrendo recentemente com sérias secas,
não têm sido raros os problemas com grandes inundações periódicas que se lhe acometem,
notadamente a partir da década de 2000, devido à associação com o fenômeno do tipo El Niño-
Oscilação Sul (conhecido pela sigla ENOS) que ocorre no Oceano Pacífico e tem influência direta
em várias partes do Globo, inclusive no sudeste da América do Sul.

2.3.2. Recursos Naturais

2.3.2.1. Solos
Baseando-se nos levantamentos de solos do estado do Rio de Janeiro, elaborado pela
EMBRAPA-CNPS em 2003, na escala de 1:250.000 e nível de intensidade exploratório de alta
densidade, tem-se que na região Leste Fluminense há predominância dos ARGISSOLOS VERMELHO-
AMARELOS Distróficos, que ocupam cerca de 13% da região, seguidos dos LATOSSOLOS
VERMELHO-AMARELOS Distróficos, os quais ocupam 12% e ESPOSSOLOS CARBICO
Hidromórfico, com 11%; sendo estas as únicas classes com valores na casa de dois dígitos (Figura 5).
Estes últimos solos comumente arenosos e muito mal drenados, associados ao acúmulo de ferro e ácidos
orgânicos nos horizontes inferiores, mais comuns à medida que se aproxima do litoral.
Se observa no Leste Fluminense a presença significativa de solos hidromórficos, que
somados ocupam cerca de 11,6% da região. Os solos enquadrados nessas características,
naturalmente apresentam restrições ao uso agrícola devido à deficiência de drenagem e/ou a
presença de sais, devendo manter-se preservados, principalmente junto às lagunas e os banhados
(DANTAS et al., 2005). Esses terrenos inundáveis estão separados da costa por um cordão
arenoso, estendendo-se em direção à localidade de Farol de São Tomé. Apresentam solos com
altos teores sais e enxofre (Gleissolos Salinos e/ou Tiomórficos).
Em geral, os solos da região são muito intemperizados, bem drenados, com baixos teores de
matéria orgânica, profundos, bastante degradados dado que ao longo do tempo foram intensamente
explorados com o cultivo mecanizado da cana-de-açúcar, e pobres em nutrientes. Todavia, mediante
correção do solo e outras práticas correlatas, são recomendadas à atividade agropecuária muita áreas
da baixada campista, principalmente aquelas situadas entre as colinas suaves da região e as áreas de
tabuleiros encaixados em vales em formato de “U”.

Página 25 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Figura 5 - Mapa temático com as classes de solos do Leste Fluminense.

Fonte: EMBRAPA-CNPS (2003).

2.3.2.2. Relevo

A geologia da região resume-se em “Formação das Rochas do Embasamento Cristalino”,


datada do período pré-cambriano, e “Formação da Bacia Sedimentar”, do Fanerozóico. Em sua
maioria, as rochas que ocorrem no embasamento cristalino constituem-se de gnaisses, migmatitos,
charnockitos e granitos. Nas bacias sedimentares da região, representadas mais notadamente pela
Bacia de Campos, constituem-se na mais importante área de exploração de petróleo no país, muito
favorecida pela variação do nível do mar o que originou os depósitos sedimentares dos períodos
Terciário e Quaternário (COSTA et al., 2008).
O Leste Fluminense enquadra-se no Domínio Geoambiental V (Depressão do Norte-Noroeste
Fluminense), segundo a classificação de DANTAS et al. (2005), caracterizado pela devastação da

Página 26 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Mata Atlântica encimada em áreas de baixos morrotes e baixadas litorâneas, associada ao clima mais
seco e de baixa pluviosidade média anual. Os domínios de planícies costeiras flúvio-marinhas e de
planícies fluviais perfazem cerca de 50% da área total da região (Figura 6).

Figura 6 - Unidades geomorfológicas do Leste Fluminense.

Fonte: EMBRAPA/SOLOS

2.3.2.3. Hidrologia

A região Leste Fluminense é marcada pela presença do trecho final do rio Paraíba do Sul,
que desemboca no Oceano Atlântico, tendo como principal afluente, na região, o rio Muriaé. Tanto
um quanto o outro rio tem sua origem em outras regiões ou unidades da federação. O rio Paraíba do
Sul, principal rio da região, constitui-se no rio com maior extensão do Estado, atravessando 26

Página 27 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
municípios, nasce na Serra da Bocaina (SP) a 1.800m de altitude, e deságua no Leste Fluminense, no
município de São João da Barra (INEA, 2013).
Mais ao norte da região Leste Fluminense tem-se o rio Itabapoana, que faz limite entre os
estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, perfazendo todo o norte do município de São Francisco
de Itabapoana, sendo também nascente em regiões distintas. Tanto o rio Paraíba do Sul quanto o
Itabapoana são rios de domínio federal.
Relevantes também são os rios Ururaí e seu afluente rio Preto, bem como os rios Prata e
Macabu. Além dos rios mencionados, a região ainda é entrecortada por diversos canais artificiais,
construídos à época dos extensos projetos de drenagem nos meados do século passado (os quais
inclusive secaram parcela significativa das lagoas naturais da região), e lagoas, sendo as mais
importantes a “Feia” e “de Cima”.
A região Leste Fluminense possui três grandes bacias hidrográficas a do Baixo Paraíba do
Sul, a do Itabapoana e a denominada Macaé e das Ostras (Figura 7). A primeira é a maior bacia do
estado do Rio de Janeiro, contemplando uma área de 57.000 km², o que corresponde apenas a pouco
menos de 0,7% da área do país e 6% da superfície da região Sudeste do Brasil. Da área total, 22.600
km² pertencem ao estado do Rio de Janeiro (39,6 %), 20.900 km² ao estado de Minas Gerais (36,7%)
e 13.500 km² ao estado de São Paulo (23,7%). Já a bacia do rio Itabapoana possui uma área de
drenagem de 3.800 km² (SEMADS, 2001).
Além dessas três grandes bacias, o Leste Fluminense possui outras que, apesar de menores
em termos de extensão territorial, têm grande importância para o regime hídrico da região.
Ao longo do tempo, devido às obras de saneamento e também por problemas de gestão
inadequada das bacias hidrográficas da região, as lagoas do Leste Fluminense foram secando e,
muitas estão a ponto de desaparecer, a exemplo do que se encontra registrado para o maior corpo
d’água da região a Lagoa Feia. Em 1902 essa lagoa apresentava uma área de espelho d’água de
aproximadamente 370 km². Já em 1929 tinha 335 km², e em 1993 apresentava apenas cerca de 170
km² (menos de 50% de sua original).
No tocante ao potencial energético, do total de 138.829.713,37 KW de capacidade de
geração de energia elétrica instalada no país, distribuídos irregularmente em cerca de 4.300
empreendimentos geradores, o estado do Rio de Janeiro participa com 6,43%. Do total de energia
elétrica gerada, as usinas hidrelétricas (UHE) respondem com cerca de 60% da potência instalada no
país, com 198 usinas, ao passo que as usinas termelétricas (UTE - a base de biomassa e combustíveis
fósseis) somam 2.821 empreendimentos os quais são responsáveis por 28,6% da produção de energia
no país (ANEEL, 2015). Dada a geomorfologia do Leste Fluminense não ser adequada à exploração
de fontes hidrológicas para geração de energia elétrica, salvo para alguns poucos empreendimentos

Página 28 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
ao nível de pequenas centrais hidrelétricas (PCH), planejados para ainda serem instalados nas
imediações, predomina na região a existência de cinco usinas termelétricas, em sua maioria para
atender a demanda de empresas particulares, e cuja potência instalada corresponde a 2,21% do total
de potência gerada com termelétricas no Brasil (Tabela 11).

Figura 7 - Regiões Hidrográficas do Leste Fluminense.

Fonte: UDOP, 2015.

A região Leste Fluminense se caracteriza por ser uma das regiões do estado com menores
índices pluviométricos (Figura 4). A atividade canavieira na região foi a principal atividade antrópica
morfodinâmica, particularmente associada a processos de natureza climática como os baixos índices
pluviométricos, elevada velocidade e magnitude dos ventos etc, o que aumenta a intensa taxa
evapotranspirométrica da região. As constantes e macivas aplicações de agroquímicos (fertilizantes e

Página 29 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
agrotóxicos) na cultura da cana, notadamente, ao longo de décadas de cultivos trouxeram impactos
significativos à qualidade das águas (superficiais e subterrâneas) e dos solos da região (SILVA,
2006b; RAMALHO et al., 1999).

Tabela 11 – Termoelétricas localizadas no Leste Fluminense.


Potência
Descrição Concessionária Município
Outorgada (kw)
UTE – HUB Campos dos Campos dos
184 100% para Claro S.A.
Goytacazes Goytacazes
UTE Mário Lago (antiga Macaé 100% para Petróleo Brasileiro S.A.
922.615 Macaé
Merchant) (Petrobrás)
Empresa Brasileira de Infra-Estrutura
UTE Aeroporto de Macaé 244 Macaé
Aeroportuária (INFRAERO)
UTE Plaza Macaé 1.200 Condomínio Plaza Macaé Macaé

UTE Atacadão SA Macaé 720 Atacadão S.A. Macaé


Fonte: ANEEL, 2015.

Semelhantemente ao que ocorreu com a maior parte do território fluminense, o crescimento


das cidades sem planejamento e acompanhamento de serviços públicos necessários, ocasionou
ocupações desordenadas e ocupação irregular do solo, o interfere diretamente no mau uso dos
recursos hídricos.

2.3.2.4. Flora e Fauna

O estado do Rio de Janeiro encontra-se totalmente inserido no bioma Mata Atlântica,


apresentando, no ano de 2010, o total de 24,85% de floresta e 5,58% de vegetação secundária em
estágio inicial, totalizando 1.332.427,6920 ha (Figura 8). Estima-se que no século XVI, o bioma Mata
Atlântica recobria aproximadamente 98% do território fluminense, incluindo-se aí a mata
propriamente dita bem como os manguezais, restingas e campos de altitude. A importância deste
bioma para a manutenção hídrica de uma região é evidente, tanto que sete das nove maiores bacias
hidrográficas do país estão inseridas no bioma Mata Atlântica, o qual encabeça a lista das 35 hotspots
mundiais (locais prioritários para a conservação da biodiversidade no mundo) pela Conservation
International (SLOAN et al., 2014).
O Leste Fluminense apresenta uma fisionomia bem particular, possuindo muitas marcas
deixadas pelas atividades econômicas nela desenvolvidas. Esta região se encontra 100% em área do
Bioma Mata Atlântica, englobando a floresta propriamente dita (floresta ombrófila e estacional) e
ecossistemas associados, como manguezais, restingas e campos de altitude (SOS MATA
ATLÂNTICA/INPE, 2015).

Página 30 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Figura 8 - Mapa temático de Uso e Cobertura do Solo do estado do Rio de Janeiro (2010).

24.200,0609 ha 0,55%
217.613,2350 ha 4,97%
80.394,5243 ha 1,84%
56.503,3760 ha 1,29%
37.943,3054 ha 0,87%
5.343,4479 ha 0,12%
62.690,5812 ha 1,43%
358,5850 ha 0,01%
19.186,3657 ha 0,44%
357,1548 ha 0,01%
2.328.514,0100 ha 53,19%
40.931,6248 ha 0,93%
3.670,2265 ha 0,08%
10.099,8534 ha 0,23%
2.639,4522 ha 0,06%
57.005,8898 ha 1,30%
129.067,6050 ha 2,95%
1.087.981,7900 ha 24,85%
2.444,4590 ha 5,58%

Ao longo de sua história o Leste Fluminense sofreu considerável perda de cobertura de


Mata Atlântica, sendo considerada a região do estado com a menor representação deste bioma,
chegando atualmente a pouco menos de 5% do original, nos quais os remanescentes originais
possuem em geral menos de 100 ha de área, muitos dos quais sem a necessária inter-conectividade
(Figura 9).
Sabe-se que a maior parte da madeira utilizada nos antigos engenhos de açúcar da região era
da Baixada Campista (Floresta Atlântica de Terras Baixas, localizada entre 5 e 50 m de altitude
(VELOSO et al., 1991)). Mas, com a devastação do que se dispunha da Mata Atlântica em Campos
dos Goytacazes, associando-se o fato da instalação de empreendimentos altamente impactantes na
região (como o Porto do Açu, setor Offshore etc), acelerou-se na região os problemas como o
assoreamento dos rios, que ficaram sem suas matas ciliares, intensificação da erosão de encostas,
diminuição do nível hídrico das lagoas, destruição de manguezais (notadamente os de São Francisco
do Itabapoana e os de Atafona, em São João da Barra) e restingas (particularmente as de Iquipari, em
São João da Barra e Jurubatiba, em Macaé) etc.

Página 31 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Figura 9 - Remanescentes florestais por município no estado do Rio de Janeiro (2009).

Fonte: GOMES et al. (2009).

Alguns fatores como as taxas de crescimento populacional e econômico são tidos como
balizadores no estudo de remanescentes de florestas, às vezes numa relação de inversibilidade entre
eles. Entretanto, com a intensa exploração canavieira na região e, posteriormente, mesmo com seu
relativo declínio ao longo das três últimas décadas, o que, na mesma proporção, cedeu lugar à
exploração pecuária e outras culturas agrícolas (fruticultura e olericultura), não se pode dizer que a
diminuição da população rural da região, com o abandono de áreas rurais, possibilitou que áreas
antes degradadas se regenerassem, com o aumento da vegetação secundária. Grande parte das
migrações da zona rural deu-se por pessoas que, muito embora fossem para as zonas urbanas (na
verdade núcleos urbanos próximos às zonas rurais), continuaram desenvolvendo suas atividades na
área rural. Associa-se a isso o fato de que os solos (drenagem e fertilidade) e relevo da região, além
do cultivo intensivo e não conservacionista da cana de açúcar, não facilitaram a regeneração dos
remanescentes de mata. Como consequência direta, esta região possui os menores percentuais de
remanescentes florestais da Mata Atlântica no Estado.
Não obstante, das 17 unidades da federação que têm representatividade do bioma Mata
Atlântica em seus territórios, o estado do Rio de Janeiro desponta, apresentando-se rumo ao
desmatamento zero, pois de 2013 a 2014 o desflorestamento neste bioma atingiu apenas 12 ha de

Página 32 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
área, sendo o menor do país (SOS Mata Atlântica, 2015). Especificamente, o Leste Fluminense dadas
as poucas áreas desse bioma, segundo a Conservation International do Brasil (MMA, 2002), há na
região a presença de remanescentes florestais nas terras baixas ao norte do município de São
Francisco de Itabapoana considerados de extrema importância biológica para a conservação da flora.
Dessa forma, segundo esse mesmo Instituto, o Leste Fluminense é marcado, em sua quase totalidade
territorial, por uma pressão antrópica alta sobre a Mata Atlântica e que merece atenção.
O quadro atual mostra uma cobertura vegetal bastante alterada pela ação antrópica e pelo
uso e ocupação inadequados do solo. Da conjugação destes fatores resulta a aceleração dos processos
erosivos que incluem as margens dos rios. Em função da atividade canavieira intensiva (a maior do
estado) as terras encontram-se deterioradas por anos de queimadas e compactação do solo. A
agricultura ocupa somente cerca de 22% da área física da região, enquanto as áreas de florestas
ocupam 9,61%, e 2,55% de vegetação secundária em estágio inicial (Figura 10).

Figura 10 - Mapa temático de uso e cobertura do solo no Leste Fluminense.

Fonte: INEA, 2015 (arquivo enviado por e-mail)

Página 33 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
2.3.2.5. Áreas de Lavras

O Leste Fluminense é constituído por rochas cristalinas do embasamento Pré-Cambriano,


sedimentos cenozóicos associados à Planície costeira do Rio Paraíba do Sul, representados pela
Formação Barreiras do Período Terciário e por depósitos colúvio-aluvionares, depósitos praiais eólicos,
marinhos e lagunares, além de depósitos flúvio-lagunares do Período Quaternário (Figura 11). A
Planície Costeira do Rio Paraíba do Sul (Baixada Campista) possui em sua formação principalmente
sedimentos marinhos transicionais, continentais fluviais e lagunares. Os principais litotipos presentes
na região são: areias quartzosas (marinhas ou lagunares), argilas, turfas, cascalhos, lamas, granitóides,
granitos (tipos ‘C’ e ‘S’), muscovita, biotita, gnaisses, quartzitos, xistos e mármores.

Figura 11 - Mapa geológico esquemático da Planície costeira do Rio Paraíba do Sul.

Fonte: MARTIN et al. (1993). Nota: (1) terraço marinho holocênico, (2) sedimentos lagunares, (3) sedimentos fluviais (delta
intralagunar), (4) terraço pleistocênico, (5) sedimentos continentais terciários (Formação Barreiras), (6) embasamento cristalino pré-
cambriano, (7) alinhamentos de cristais praiais holocênicas, (8) alinhamentos de cristas praiais pelistocênicas e (9) paleocanais fluviais.

Página 34 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Com relação a estes, tem-se na Figura 12 a participação percentual em relação ao total
estadual da extração dos seguintes minerais não metálicos: rocha britada (para fabricação de brita
para construção civil), areia para construção civil e saibro, por Zona Homogênea de Mercado de
Terras do Estado. Nota-se pelo gráfico que o Leste Fluminense ocupa a segunda posição no ranking
de região produtora de saibro e, a terceira posição tanto para brita quanto para areia. A produção de
rocha britada em 2011 no estado foi da ordem de 191.703.403 toneladas.

Figura 12 - Participação percentual de minerais não metálicos por Zona Homogênea estadual,
em 2011.
Brita Areia Saibro

80%

70%

60%

50%

40%

30%

20%

10%

0%
Nordeste Leste Fluminense Serrana Metropolitana Vale do Paraíba Lagos
Fluminense
Fonte: Adaptado de DRM (2012a).

A argila extraída na região é utilizada em praticamente sua totalidade para a produção de


cerâmica vermelha (artefatos como tijolos, telhas, blocos etc. utilizados em construção civil,
notadamente), sendo a Baixada Campista o maior pólo cerâmico do estado, segundo maior do país
(superado apenas para o pólo de Morro da Fumaça, em Santa Catarina), com produção mensal da
ordem de 80.000 milheiros de peças cerâmicas (cerca de 2.300.000 toneladas de argila), dos quais
80% são destinados para os municípios da Zona Homogênea Metropolitana do estado, sendo
responsável pelo emprego de mais de 3.000 trabalhadores diretamente, distribuídos em cerca de 110
empresas e abrangendo um parque produtivo de 620 km2 (DRM-RJ, 2012a). A indústria cerâmica na
Baixada Campista iniciou por volta de 1930, simultânea e gradativamente ao declínio da indústria
agro-açucareira da região. Destaca-se que, do total da argila extraída no território fluminense,
aproximadamente 70% é destinada à produção de cerâmica vermelha, 17% à construção civil, 10% à
fabricação de cimento e 3% para outros usos.
Em relação à exploração da água mineral, o estado do Rio de Janeiro participa com 6% da
produção nacional, ocupando o status de quarto maior estado produtor, superado por São Paulo,
Pernambuco e Minas Gerais. A produção de água mineral no estado, em 2011, pelo setor envasador

Página 35 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
foi da ordem de 481 milhões de litros, sendo o seu consumo anual no estado cerca de 600 milhões de
litros (DRM, 2012a). Os municípios de Campos dos Goytacazes e Macaé na Zona Homogênea Leste
Fluminense (ZHLF), possuíam juntos, até o ano de 2006, quatro empresas de envasamenteo de água
mineral, as quais ocupavam cerca de 100 trabalhadores diretamente (aproximadamente 10% do total
empregado no setor hidromineral do estado) e respondiam por 5% da produção do estado (em torno
de 26 milhões de litros de água mineral em 2011).
Ressalte-se no município de São Francisco do Itabapoana a localização de uma Unidade de
Buena da INB (Indústrias Nucleares do Brasil) onde procede à extração e beneficiamento das areias
que contém os minerais pesados monazita, zirconita, rutilo e ilmenita, notadamente este último,
ambos conhecidos por elementos de terras-raras. Muito embora ainda dotada de importância para a
economia regional, essa exploração encontra-se em franca diminuição ao longo das décadas devido
ao esgotamento das jazidas e por estas se localizarem em áreas de proteção ambiental.
Outro produto extraído da região é o petróleo. Do total produzido nacionalmente, o estado
do Rio de Janeiro participa com 67,4%, ao passo que, em relação à produção de gás natural, a
participação do estado é de 39,7% do total produzido no país (dados de junho 2015). Iniciando a
exploração do petróleo na década de 1970, a Bacia Campista responde por cerca de 90% do total de
petróleo e gás produzido no estado.
Entretanto, muito embora a exploração petrolífera seja marcante na região, em se tratando
de produção efetivamente, somente é considerado produtor o município de Macaé, pois é em seu
território que se dispõe toda a base logística de apoio à extração do petróleo e do gás natural. Fato
esse que, devido à sua elevada velocidade de crescimento e ocupação do território, portanto sem
nenhum planejamento, acarretou sérios problemas de crescimento urbano desordenado, grandes
impactos ambientais e sociais ao município de Macaé, com reflexos na região de entorno. Muitos dos
demais municípios da ZHLF encontram-se na categoria de petro-rentistas, ou seja, municípios que
apenas por estarem próximos à bacia produtora recebem parcelas significativas de royalties.
O recolhimento dos royalties sobre a produção de petróleo e gás natural constitui-se na
segunda maior fonte de receitas do estado do Rio de Janeiro, sendo superada apenas pela arrecadação
gerada pelo ICMS, e 87 dos 92 municípios do estado são beneficiados com o pagamento de parcela
desses royalties, cuja alíquota varia de 5 a 10% do valor da produção em virtude das características
de cada poço de produção. Da parcela referente a essa alíquota, é feita a distribuição, em percentuais
diferenciados (para royalties com alíquotas de até 5%), para os estados confrontantes com poços
(30%), municípios confrontantes com poços (30%), municípios com logística para atendimento à
produção (10%), Comando de Marinha (20%) e fundo especial (10%). Para os royalties com
alíquotas excedentes a 5% os percentuais anteriores diferem um pouco. Pela Figura 13 observa-se

Página 36 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
que os municípios da ZHLF detêm os maiores percentuais de participação na alíquota de arrecadação
dos royalties no estado do Rio de Janeiro.

Figura 13 - Percentual de participação dos municípios fluminenses nos royalties de petróleo e


gás natural.

Fonte: Adaptado de DRM-RJ (2012b).

Em agosto de 2015 a produção de petróleo no estado alcançou 1,68 milhão de barris12 por dia,
ao passo que a de gás natural foi de 41 milhões de metros cúbicos por dia. De janeiro a agosto de
2015 foram pagos aproximadamente ao estado R$ 1,538 bilhão de royalties totais (até 5% e
excedentes a 5%) referentes ao petróleo e gás natural produzido no estado do Rio de Janeiro. Nestes
mesmos dois primeiros quadrimestres de 2015 foram pagos a 87 municípios fluminenses cerca de R$
1,642 bilhão de royalties totais. Do montante total pago aos municípios, foram destinados
aproximadamente aos municípios de Campos dos Goytacazes – R$ 348 milhões, Macaé – R$ 273
milhões, São João da Barra – R$ 76 milhões, Quissamã – R$ 42 milhões, Carapebus – R$ 19
milhões, São Francisco de Itabapoana – R$ 5 milhões e Conceição de Macabu – R$ 4 milhões
(DRM-RJ, 2015; UCAM, 2015).
Na Figura 14 tem-se os pagamentos anuais de roylaties totais, referentes à exploração de
petróleo e gás natural, aos municípios componentes da Zona Homogênea Leste Fluminense durante
os anos de 1999 a setembro de 2015.

12
Barril (bbl) – unidade de medida de volume que equivale a 0,159 m3

Página 37 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Figura 14 - Evolução dos pagamentos de royalties totais (petróleo e gás natural) aos municípios
da ZHLF no período de 1999 a 2015 (em R$).
R$ 700.000.000,00

R$ 600.000.000,00

R$ 500.000.000,00

R$ 400.000.000,00

R$ 300.000.000,00

R$ 200.000.000,00

R$ 100.000.000,00

R$ 0,00
1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Campos dos Goytacazes Carapebus Conceição de Macabu Macaé


Quissamã São Francisco de Itabapoana São João da Barra

Fonte: Adaptado de UCAM (2015). Nota: No ano de 2015 o montante acumulado refere-se até o mês de setembro.

2.4. Áreas legalmente protegidas

No Brasil as áreas legalmente protegidas podem ser públicas, quando administradas e


manejadas diretamente por órgãos governamentais ou instituições credenciadas por estes, e privadas
ou particulares, quando geridas diretamente pelos proprietários da área, porém com fiscalização e
monitoramento dos órgãos públicos competentes.
Quanto à tipologia podem ser: Áreas de Preservação Permanente, Reservas Legais, Terras
Indígenas, Territórios Remanescentes de Comunidades de Quilombos, Unidades de Conservação,
Reserva da Biosfera, Sítios Ramsar, Sítios do Patrimônio Natural, dentre outras13.
Até outubro de 2015, só existiam no território fluminense três terras indígenas
regularizadas e outras quatro áreas em fase de estudo, as quais se localizam nos municípios de Angra
dos Reis e Parati. No Leste Fluminense não se verifica a ocorrência de terras indígenas em qualquer
fase ou modalidade (áreas regularizadas, homologadas, declaradas, delimitadas ou área em estudo)
(FUNAI, 2015).

13
Jardins botânicos, jardins zoológicos, hortos florestais, estações florestais experimentais, estações de pesquisa, florestas protetoras,
parques ecológicos, viveiros, herbários, estradas-parque, criadouros de fauna, reservas ecológicas, estâncias hidrominerais e bancos de
germoplasma e corredores ecológicos.

Página 38 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Em se tratando de áreas remanescentes de quilombolas, há sete áreas certificadas na
Fundação Cultural Palmares, na região Leste Fluminense. Contudo, ainda não há áreas reconhecidas
pelo INCRA. Atualmente, apenas a Comunidade de Machadinha possui processo aberto de
reconhecimento na Autarquia Federal.

Tabela 12 – Comunidades remanescentes de quilombolas na região Leste Fluminense,


certificadas pela Fundação Cultural Palmares (FCP).
Certidões expedidas às comunidades remanescentes de quilombos atualizada até a portaria nº- 84
(08/06/2015)
No do Processo na FCP Comunidade Município Portaria no DOU (FCP)
01420.002165/2005-51 Conceição do Imbé Campos dos Goytacazes 30/09/2005
01420.002155/2005-15 Aleluia Campos dos Goytacazes 30/09/2005
01420.002164/2005-14 Batatal Campos dos Goytacazes 30/09/2005
01420.002163/2005-61 Cambucá Campos dos Goytacazes 30/09/2005
01420.002410/2006-19 Machadinha Quissamã 13/12/2006
01420.006908/2010-29 Deserto Feliz São Francisco de Itabapoana 27/12/2010
01420.001799/2011-34 Barrinha São Francisco de Itabapoana 03/09/2012
Total 07 comunidades 03 municípios
Fonte: Fundação Cultural Palmares (2015).

As Unidades de Conservação (UC)14 integrantes do SNUC dividem-se em dois grupos: as


Unidades de Proteção Integral (UPI) e as Unidades de Uso Sustentável (UUS). O grupo das UPIs é
composto pela Estação Ecológica, Reserva Biológica, Parque Nacional, Monumento Natural e
Refúgio de Vida Silvestre. Já o grupo das UUSs é composto por Área de Proteção Ambiental, Área
de Relevante Interesse Ecológico, Floresta Nacional, Reserva Extrativista, Reserva de Fauna,
Reserva de Desenvolvimento Sustentável e Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN).
As UCs são um instrumento de proteção legal de áreas naturais no Brasil, sendo que na
região Leste Fluminense existem 92.084,14 ha sob área de unidades de conservação.
Aproximadamente 90% desta área se localizam nos municípios de Campos dos Goytacazes, Macaé e
Conceição de Macabu (Tabela 13). Verifica-se que na região há três áreas destinadas à RPPN,
totalizando aproximadamente 233 ha, o que é bastante interessante do ponto de vista de conservação,
pois essa unidade de uso sustentável parte da ação de um ente privado.
Ressalta-se que nem todas as áreas de florestas da região estão delimitadas dentro de
espaços territoriais especialmente protegidos classificados como unidades de conservação.

14
Esta denominação foi dada pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) (Lei nº 9.985, de 18 de julho
de 2000), o qual estabelece os objetivos, diretrizes e categoriza as UC.

Página 39 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Tabela 13 – Unidades de Conservação localizadas na Zona Homogênea Leste Fluminense.

Parcela de
Unidades de conservação situadas no Dependência
Municípios área Categoria de proteção no SNUC
município (2012) administrativa
protegida (ha)

Parque Estadual do Desengano1 21.443,00 Estadual Parque Estadual

Parque Estadual Lagoa do Açu2 8.251,00 Estadual Parque Estadual


Campos
dos APA do Lagamar 262,46 Municipal Área de Proteção Ambiental
Goytacazes
APA Lagoa de Cima 1.861,05 Municipal Área de Proteção Ambiental

Parque Municipal Taquaruçu 65,00 Municipal Parque Municipal

Águas Claras I3 2,09 Particular RPPN

APA Procura 20.000,00 Municipal Área de Proteção Ambiental

ARIE do São Henry 3,70 Municipal Área de Relevante Interesse Ecológico


Conceição
de Macabu
Estação Ecológica Municipal Monte Cristo 108,80 Municipal Estação Ecológica

Parque Natural Municipal das Piabas 242,00 Municipal Parque Municipal

Parque Natural Municipal Dr. Milne Ribeiro 2,04 Municipal Parque Municipal

Sítio Shangri-la 69,00 Particular RPPN

Fazenda Barra do Sana 162,40 Particular RPPN

Restinga de Jurubatiba4 14.860,00 Federal Parque Nacional

APA Municipal Arquipélago de Santana5 536,56 Municipal Área de Proteção Ambiental

Macaé APA Municipal do Morro de Santana Não delimitado Municipal Área de Proteção Ambiental

APA Municipal do Sana 14.760,00 Municipal Área de Proteção Ambiental

Parque Municipal Arquipélago de Santana 164,00 Municipal Parque Municipal


Parque Natural Municipal do Estuário do Rio
127,82 Municipal Parque Municipal
Macaé
Parque Natural Municipal Fazenda Atalaia 235,18 Municipal Parque Municipal

APA da Ribeira 3.038,57 Municipal Área de Proteção Ambiental


Quissamã
Parque Natural Municipal dos Terraços
2.609,47 Municipal Parque Municipal
Marinhos
São
Francisco
Guaxindiba 3.280,00 Estadual Estação Ecológica
de
Itabapoana
Fonte: CEPERJ, 2014; INEA, 2014; MESQUITA & VIEIRA, 2004. Nota: 1 Compreende os municípios de Campos dos Goytacazes,
São Fidélis e Santa Maria Madalena; 2 Compreende os municípios de Campos dos Goytacazes e São João da Barra; 3 Também abrange
o município de Trajano de Moraes; 4 Além de Macaé, abrange ainda os municípios de Carapebus e Quissamã; 5 Formado por três ilhas
que ficam a 8 km do litoral macaense.

2.5. Infraestrutura viária

O surgimento dos primeiros grandes caminhos no Leste Fluminense se confunde com a


colonização da região ser pautada na necessidade de expansão econômica do complexo

Página 40 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
agroindustrial da cana-de-açúcar, além de ser permeada pela histórica dificuldade de acesso dos
terrenos alagadiços que marcavam a região, sendo, portanto, caminhos hidroviários (notadamente
pelo rio Paraíba do Sul e seus canais), mais apropriados à sua geografia, e por onde eram
transportados lenha, mercadorias, passageiros, produtos e subprodutos da cana até o porto marítimo
em São João da Barra, daí para Macaé (porto marítimo de Imbetiba) e posteriormente para o Rio de
Janeiro (INEPAC, 2004).
Por terra, existiam alguns caminhos “carroçáveis” sendo o principal deles o que saía da Vila
Campos e seguia até São Tomé, indo daí pela estrada litorânea até o porto de Imbetiba em Macaé,
com destino final ao Rio de Janeiro, conforme atesta o mapa histórico montado por recortes de
arquivos antigos da Figura 15.

Figura 15 - Caminhos carroçáveis e navegáveis do Leste Fluminense no século XVIII.

Fonte: INEPAC (2004).

Entre o final do século XIX e início do XX a rede ferroviária, construída primariamente


para atender a demanda dos grandes senhores de engenho para o escoamento de produtos e pessoas
dos arredores da capital para esta, foi o principal agente de desenvolvimento da indústria açucareira
da região Leste Fluminense. Em abril de 1854, com a instalação da primeira ferrovia no Rio de
Janeiro (Estrada de Ferro Mauá), sendo também a primeira do Brasil, construída pelo Barão de
Mauá, que ligava o fundo da baía da Guanabara à Petrópolis, rapidamente foram sendo instalados
vários trechos ferroviários por todo o estado, dentre os quais a ferrovia Dom Pedro II (terceira

Página 41 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
ferrovia do país e a segunda da província do Rio de Janeiro), em 1958, sendo uma das principais do
país naquele período, por atender a capital do Império e as áreas produtoras de café da província; e a
Estrada de Ferro Cantagalo (terceira ferrovia a ser construída no Rio de Janeiro e quarta do Brasil),
inaugurada em 1860. Posteriormente, foi construído o prolongamento até Vila Nova (em 1866), e até
Nova Friburgo e Cantagalo, além da ligação com Niterói (Estação de Sant’Anna). A construção desta
estrada representou uma expansão das ferrovias para o interior da província, chegando
posteriormente às regiões Nordeste e Leste Fluminense. Em 1875 foi feita a ligação de Campos a
Macaé por ferrovia. Em 1888 foi fundida a estrada do trecho Rio Bonito à Macaé, e logo após, estava
traçado o trecho da Estrada de Ferro de Niterói à Campos, administrada pela companhia inglesa
Leopoldina Railways Ltd. (RODRIGUEZ, 2004; SILVA, 2011). Com este traçado eliminou-se o
escoamento da produção pelo canal hidroviário Campos-Macaé.
Com a construção, em 1940, da rodovia estadual RJ-106, que ligava o município do Rio de
Janeiro à Campos dos Goytacazes, a ferrovia Niterói-Campos foi perdendo importância até findar por
completo sua hegemonia, com as construções da ponte sobre o Rio Macaé (em 1944), da Rodovia
Federal BR-101 (iniciada em 1973) e da ponte Rio-Niterói (inaugurada em 1974). A partir daí estava
consolidada a conexão rodoviária do centro metropolitano com o Leste Fluminense. Atualmente o mapa
rodoviário do Leste Fluminense compõe-se por trechos ou totalidade das rodovias estaduais RJ106,
RJ158, RJ162, RJ168, RJ178, RJ180, RJ182, RJ190, RJ196, RJ204, RJ208, RJ216, RJ224, RJ228,
RJ230, RJ232, RJ238 e RJ240, além das rodovias federais BR101, BR356 e BR492 (Figura 16).
A Rodovia Governador Mário Covas (BR-101), em seus 4.772 km de extensão, que liga
norte ao sul do país, constitui-se na principal via que atravessa o Leste Fluminense, tanto que a
maioria das vias secundárias e terciárias faz ligação com essa via, tornando-a não só a principal
rodovia da região como também umas das mais importantes do país.
O Leste Fluminense ainda conta com dois importantes portos: Imbetiba (criado em 1979), no
município de Macaé, que é o maior porto para atividades petrolíferas no mundo, sendo operado pela
Petrobrás; e o porto do Açu (muitas vezes referido como Super-porto do Açu), no município de São João
da Barra, com área de 90 km2, ocupando cerca de 20% do território do município, administrado pelo EIG
Group, com atividades de escoamento/exportação de minério de ferro, siderúrgicos, carvão e escória.
Com relação ao transporte aéreo, há três aeroportos na região. Um no município de Campos
dos Goytacazes (Aeroporto Bartolomeu Lisandro), inaugurado em outubro de 1952, com
administração municipalizada desde 2013, e cuja capacidade de voo atende as operações Offshore
com a Petrobrás. O segundo aeroporto se localiza no município de Macaé, onde originalmente, em
1957, foi construído um campo de aviação próximo à praia, detendo apenas uma pista de pouso e
decolagem de terra que permitia somente o pouso de treinamento de aeronaves militares. Nos anos

Página 42 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
1960 houve a implantação de um Aeroclube. Com a exploração do Petróleo Offshore, em 1982, foi
construído um pátio de estacionamento de aeronaves e um terminal de passageiros, sendo a pista de
terra asfaltada definitivamente em 1984, permitindo assim um maior movimento de passageiros para
voos de helicópteros. Entre 1983 e 1987 a Petrobrás decidiu instalar em Macaé a sua base de apoio
para as atividades Offshore nas Plataformas Marítimas, fazendo com que, atualmente, o aeroporto
opere 24 horas diariamente, movimentando anualmente cerca de 60.000 pousos e decolagens e
recebendo 450.000 passageiros, sendo que 98% dessas cifras referem-se à atividade Offshore
(INFRAERO, 2015). O terceiro aeroporto constitui-se num importante heliporto usado pela Petrobrás
para atender o embarque e desembarque de passageiros às plataformas de petróleo.

Figura 16 - Mapa Multimodal de Transportes do Leste Fluminense.

Fonte: TRANSPORTES, 2015.

Página 43 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
2.6. Principais atividades econômicas
A ocupação do Leste Fluminense, na primeira metade do século XVII, se deu com um
objetivo específico, atribuindo para esse espaço uma função definida, a qual foi a de instalar currais
para suprir os senhores dos engenhos da Guanabara com gado bovino para transporte e moagem de
cana. Todavia, em meados do século XVIII, a implantação da cana-de-açúcar, viria a iniciar não
apenas uma atividade econômica, mas também um elemento que desempenharia papel fundamental
na organização socioeconômica na região (SILVA, 2005).
Durante o século XIX, alguns fatores contribuíram para o progresso da atividade canavieira,
foi necessário lançar mão de algumas estratégias para diminuir os custos de produção, e com a
modernização da produção foi inserido o engenho a vapor, que culminou na criação das usinas, no
final do século.
A economia do Leste Fluminense, baseada na atividade açucareira apresentava como
principal pólo o município de Campos dos Goytacazes, configurando os demais municípios como
periféricos, tanto em produção como em número de usinas, excetuando São João da Barra, que
contava com a pesca e o turismo. Simultaneamente com a trajetória da cana-de-açúcar, em 1974 o
futuro da região ganhava novas perspectivas com a descoberta de Petróleo na plataforma continental
da Bacia de Campos. Esse fato deve ser visto como marco, pois representa o início de uma
reestruturação sócio-espacial na Região (SILVA, 2005).
A inserção da indústria petrolífera no cenário regional representou uma nova dinâmica de
desenvolvimento, baseada na transição das principais atividades econômicas. Esse momento pode ser
caracterizado como de transição de ciclos econômicos, pois revela a estagnação/decadência da
indústria sucro-alcooleira e o aparecimento de uma nova atividade econômica, capaz de proporcionar
desenvolvimento da Região até então sem perspectivas econômicas consolidadas para médio e longo
prazo (CRUZ, 2004).
Sendo assim, as atividades sucroalcooleira e petrolífera são os principais fatores
responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento dos centros comerciais da região. Haja vista que
entre os cinco municípios com maior PIB do Estado se encontram dois pertencentes ao Leste
Fluminense: Campos dos Goytacazes (2o lugar) e Macaé (5o), representantes do polo petrolífero.
A análise mais detalhada da composição do PIB, em valores correntes, a preços básicos
para o ano de 2012, revela que, no estado do Rio de Janeiro, prevalece grande concentração na
formação do PIB na Zona Homogênea Metropolitana, e que a Zona Homogênea Leste Fluminense é
a segunda região mais rica do Estado. Seu PIB contribui com 14,31% do PIB estadual, com R$
131.128,08 de PIB per capita, superior ao estadual e ao das demais Zonas. O setor predominante no
PIB regional é o industrial, seguido pelo de serviços e, por último, o setor agropecuário (Tabela 14).

Página 44 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Tabela 14 – Valor adicionado bruto por atividade econômica, Produto Interno Bruto, Produto
Interno Bruto per capita, segundo as Zonas Homogêneas do estado do Rio de Janeiro em 2012.
Valor (R$)

Valor Adicionado Bruto


Zona PIB per
Homogênea Participação capita (R$)
no PIB em
PIB Agropecuária Indústria Serviços
relação ao
Estado (%)
Estado 504.149.373.000 100,00 1.859.725.000 138.131.093.000 289.131.945.000 66.765,42
Metropolitana 324.757.917.000 64,42 224.497.000 46.080.650.000 216.468.066.000 17.916,49

Leste Fluminense 72.160.217.000 14,31 422.542.000 50.150.956.000 18.350.556.000 131.128,08

Vale do Paraíba 48.832.676.000 9,68 338.422.000 13.517.196.000 28.372.861.000 57.711,60


Lagos 35.328.688.000 7,01 109.092.000 23.145.814.000 10.874.773.000 87.952,08
Serrana 18.394.610.000 3,65 541.630.000 4.663.602.000 11.501.603.000 46.139,42
Nordeste 4.675.265.000 0,93 223.542.000 572.875.000 3.564.086.000 77.467,83
Fonte: IBGE (2015c).

A Zona Homogênea Metropolitana possui a menor participação percentual do PIB


Agropecuário no PIB total (0,07%) e a Nordeste, maior participação (4,78%), evidenciando distinto
nível de importância desse setor em suas economias (Tabela 15). Em ordem decrescente, as demais
Zonas Homogêneas possuem as seguintes participações do PIB agropecuário no PIB total: Serrana
(2,94%), Vale do Paraíba (0,69%), Leste Fluminense (0,59%) e Lagos (0,31%). Esta mesma razão de
participação para o Estado é extremamente baixa (0,37%), o que caracteriza o Rio de Janeiro como um
estado eminentemente consumidor e importador de gêneros agropecuários.

Tabela 15 – Valor adicionado bruto por atividade econômica, Produto Interno Bruto e
participação dos setores no PIB regional, segundo as Zonas Homogêneas do estado do Rio de
Janeiro em 2012.
Valor Adicionado Bruto

Zona Homogênea Agropecuária Indústria Serviços


PIB (R$)
R$ % R$ % R$ %
Estado 504.149.373.000 1.859.725.000 0,37 138.131.093.000 27,40 289.131.945.000 57,35

Metropolitana 324.757.917.000 224.497.000 0,07 46.080.650.000 14,19 216.468.066.000 66,66

Leste Fluminense 72.160.217.000 422.542.000 0,59 50.150.956.000 69,50 18.350.556.000 25,43

Vale do Paraíba 48.832.676.000 338.422.000 0,69 13.517.196.000 27,68 28.372.861.000 58,10

Lagos 35.328.688.000 109.092.000 0,31 23.145.814.000 65,52 10.874.773.000 30,78

Serrana 18.394.610.000 541.630.000 2,94 4.663.602.000 25,35 11.501.603.000 62,53

Nordeste 4.675.265.000 223.542.000 4,78 572.875.000 12,25 3.564.086.000 76,23


Fonte: IBGE (2015c).

Página 45 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Comportamento similar dos setores econômicos pode ser observado nos municípios
pertencentes à Zona Homogênea Leste Fluminense e que, no que tange ao setor industrial, para
aqueles municípios que funcionam como base nas operações ligadas à exploração do petróleo e gás
natural como Campos dos Goytacazes, Macaé e São João da Barra, são os que apresentam maior PIB
do setor (Tabela 16). Macaé, particularmente, ainda conta com certo equilíbrio entre o setor de
serviços e o industrial, pois o primeiro acompanha as atividades deste último.

Tabela 16 – Valor adicionado bruto15 por atividade econômica, Produto Interno Bruto, Produto
Interno Bruto per capita, segundo os municípios do Leste Fluminense em 2012.
Valor (R$)

Valor Adicionado Bruto


PIB per
Zona Homogênea e
Participação no capita
Municípios
PIB em relação à (R$)
PIB1 Agropecuária Indústria Serviços
Zona Homogênea
(%)

Zona Leste Fluminense 72.160.217.000 100,00 422.542.000 50.150.956.000 18.350.556.000 131.128,08

Campos dos Goytacazes 45.129.215.000 62,54 144.009.000 35.899.588.000 8.097.844.000 95.552,01

Carapebus 908.814.000 1,25 6.750.000 505.745.000 346.395.000 64.804,21

Conceição de Macabu 231.537.000 0,32 6.982.000 21.450.000 192.491.000 10.712,84

Macaé 14.459.881.000 20,03 40.767.000 6.014.325.000 6.663.014.000 66.344,64

Quissamã 4.891.140.000 6,77 31.778.000 3.466.634.000 1.187.804.000 230.344,73

São F. de Itabapoana 947.696.000 1,31 125.359.000 65.108.000 659.704.000 22.898,94

São João da Barra 4.899.623.000 6,78 20.267.000 4.095.517.000 681.466.000 146.205,05


Fonte: IBGE (2015c). Nota: O valor do PIB total é resultado da soma dos itens componentes (PIB da agropecuária, indústria e
serviços) ao total de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes.

Com relação aos empregos com carteira assinada, verifica-se que, de janeiro de 2010 a
setembro de 2015, nos sete municípios da Zona Homogênea Leste Fluminense houve saldo positivo
(diferença entre a criação e o desligamento de postos de trabalho) de empregos formais da ordem de
46.153, sendo que, entretanto, somente de janeiro a setembro de 2015 houve uma significativa
redução em 7.898 carteiras de trabalho (Tabela 17).
Esta tendência de queda durante este período se verificou em praticamente todo o Estado
devido às crises vigentes no país, onde, somente no mês de setembro de 2015, foram registradas
95.602 baixas em carteiras de trabalho. Para o Leste Fluminense, o único setor da economia que teve
saldo positivo na quantidade de empregos formais neste mesmo período de 2015 foi o setor
agropecuário (com 1.775 carteiras assinadas), conforme mostra a Tabela 17.

15
Valor adicionado bruto – É a contribuição ao produto interno bruto pelas diversas atividades econômicas, obtida pela diferença
entre o valor bruto da produção e o consumo intermediário absorvido por essas atividades.

Página 46 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Tabela 17 – Saldo de postos de trabalho no período de janeiro de 2010 a setembro de 2015 por
setor da economia na Zona Homogênea Leste Fluminense e no estado do Rio de Janeiro.

Serv. Ind.
Extração Indústria de Constr. Adm.
Área ANO de Útil. Comércio Serviços Agropecuária TOTAL
Mineral Transformação Civil Pública
Pública

2010 336 1.499 -20 1.224 2.724 8.850 57 -1.291 13.379


2011 574 1.989 111 3.122 2.581 9.950 -33 205 18.499
2012 385 1.122 222 1.798 1.599 4.481 -44 38 9.601
Zona Leste Fluminense 2013 -387 -1.641 230 6.693 1.048 2.688 58 835 9.524
2014 -690 658 164 -700 1.611 1.862 83 60 3.048
2015 -321 -744 -407 -2.254 -1.701 -4.232 -14 1.775 -7.898
Total -103 2.883 300 9.883 7.862 23.599 107 1.622 46.153
2010 1.536 32.417 5.283 16.798 52.364 124.008 -5.507 -1.194 225.705
2011 2.817 17.882 2.093 37.995 39.811 107.135 599 422 208.754
2012 1.473 15.481 2.275 33.702 30.372 77.318 -3.522 28 157.127
Estado do RJ 2013 -381 11.632 -2.040 14.628 27.486 52.362 1.112 1.097 105.896
2014 -604 -2.098 261 -1.409 14.552 42.476 557 244 53.979
2015 -1.093 -27.761 -827 -18.533 -33.739 -34.412 372 1.802 -114.191
Total 3.748 47.553 7.045 83.181 130.846 368.887 -6.389 2.399 637.270
Fonte: MTE, 2015

Segundo a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), publicada pelo Ministério do


Trabalho e Emprego (MTE, 2015), o setor que envolve a agropecuária no Leste Fluminense teve
proeminente acréscimo no estoque de empregos formais, entre os anos de 2013 e 2014 (variação
relativa), quando comparado aos dados estaduais e nacionais (Tabela 18).

Tabela 18 – Estoque de empregos formais por setor da economia no Brasil, estado do Rio de
Janeiro e Zona Homogênea Leste Fluminense, entre 2013 e 2014, base mês de dezembro.
Brasil Estado do RJ Zona Leste Fluminense
IBGE Setor Variação Variação Variação
Ano Ano Ano Ano Ano Ano
Relativa Relativa Relativa
2014 2013 2014 2013 2014 2013
(%) (%) (%)
Extrativa mineral 257.606 261.383 -1,45 50.091 51.171 -2,11 29.368 30.758 -4,52
Indústria de
8.171.022 8.292.739 -1,47 474.275 469.784 0,96 26.719 24.621 8,52
transformação
Serviços industriais de
450.098 444.674 1,22 58.873 58.552 0,55 2.634 2.494 5,61
utilidade pública
Construção Civil 2.815.686 2.892.557 -2,66 301.354 300.096 0,42 28.722 29.106 -1,32
Comércio 9.728.107 9.511.094 2,28 891.489 878.036 1,53 46.620 45.553 2,34
Serviços 17.313.495 16.726.013 3,51 2.059.563 2.007.219 2,61 93.672 85.338 9,77
Administração Pública 9.355.833 9.340.409 0,17 780.804 798.180 -2,18 41.695 44.240 -5,75
Agropecuária, extração
1.479.663 1.479.564 0,01 24.931 23.752 4,96 4.006 3.532 13,42
vegetal, caça e pesca
Total 49.571.510 48.948.433 1,27 4.641.380 4.586.790 1,19 273.436 265.642 2,93
Fonte: MTE, 2015. Nota: Variação Relativa = [(Ano 2014 – 2013)/Ano 2013] * 100.

Página 47 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
O governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico Energia
Indústria e Serviços (SEDEIS), vem apoiando o desenvolvimento regional por meio de APLs16
(Arranjo Produtivos Locais), com o intuito de estimular o crescimento econômico e criar vantagens
competitivas para os pequenos negócios. Dos 34 APLs existentes no estado do Rio de Janeiro
atualmente, o Leste Fluminense abriga o APL da Cerâmica Vermelha (que abrange os municípios de
Campos dos Goytacazes e São João da Barra) e o APL de Madeira e Móveis do estado (do qual
participam os municípios de Campos dos Goytacazes, Petrópolis, Duque de Caxias e Saquarema,
sendo, entretanto, somente o primeiro pertencente à ZHLF). Além desses, existem outros
identificados, porém não instituídos, como o de petróleo e gás, reflorestamento econômico,
fruticultura e metal-mecânica (SEDEIS, 2015; MDIC, 2015; FEPESE, 2010).

2.6.1. Setor Agrícola


A primeira atividade agrícola a gerar riqueza na região foi o cultivo de cana-de-açúcar.
Concomitante ao declínio da atividade sucroalcooleira, principalmente a partir da década de 1980,
embora parcela importante com impacto no PIB agrícola do estado ainda permaneça em atividade
(Campos dos Goytacazes ainda continua no rol dos municípios tidos como maiores produtores de
cana-de-açúcar do país), vieram a pecuária, fruticultura, indústrias de cerâmica vermelha, e por fim a
indústria de petróleo e gás, com suas bases on e offshore.
Com a crise canavieira no final do século XX, as propriedades rurais foram diversificando
em culturas, contudo, algumas ainda permanecem com o cultivo da cana para atender às poucas
indústrias de processamento na região. Houve o aumento do rebanho bovino, em forma de pecuária
mista (corte e leite), além de incentivo à fruticultura, passando por uma adaptação de atividades.
Ao longo das últimas décadas, a região vem apresentando um esvaziamento populacional
contínuo na zona rural (Tabela 4), verificado principalmente pelas limitações no processo de
produção, pela má utilização de suas terras ao longo dos anos, a queda contínua dos índices de
produtividade da cana, pela pecuária extensiva, além ainda da implantação da indústria petrolífera,
com o consequente aumento das oportunidades nas zonas urbanas. Não obstante, e, paradoxalmente,
foi a região que teve maior aumento no estoque de empregos formais no estado nos últimos seis anos
(Tabelas 17 e 18).
Com relação às lavouras, levantamento realizado pelo IBGE em 2014 (Tabela 19) sobre a
produção agrícola no estado do Rio de Janeiro, mostra a participação da ZHLF em área colhida. Na

16
Os Arranjos Produtivos Locais (APLs) constituem empresas organizadas em uma lógica própria de cadeia produtiva e mercado,
articuladas para ações de cooperação, capacitação e desenvolvimento mútuo integrado, com apoio de instituições diversas conforme as
competências básicas necessárias a esse desenvolvimento. Microempresas e empresas de pequeno porte que participam de APLs têm
acesso facilitado a mão-de-obra, novas tecnologias, fornecedores e distribuidores

Página 48 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
modalidade de lavoura temporária (cana-de-açúcar, feijão, mandioca, milho e tomate) a participação da
região no Estado foi de 1,37%, enquanto na modalidade da lavoura permanente (banana, café, coco,
laranja, limão, maracujá e tangerina), a participação foi de 1,06%.
O IBGE trabalha com o conceito de Valor Bruto da Produção (VBP), o qual considera as
produções físicas estimadas no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) e os preços
médios recebidos pelos produtores rurais de janeiro a outubro de cada ano, segundo pesquisa da
Fundação Getúlio Vargas (BANCO CENTRAL, 2011).
Avaliando a produtividade de cada município, por meio dos indicadores de área plantada,
valor monetário da produção e renda gerada por hectare por ano, o município de São João da Barra
apresentou o melhor resultado na modalidade lavoura permanente com VBP estimado de R$
20.487,60/ha/ano, seguido de São Francisco de Itabapoana, com R$ 18.982,35/ha/ano (Tabela 19).

Tabela 19 – Produção agrícola no Leste Fluminense em 2014.


Lavoura Temporária Lavoura Permanente
Região/Zona/Município Área 1
Valor (R$ VBP 2
Área Valor (R$ VBP
(ha) 1.000,00) (R$/ha/ano) (ha) 1.000,00) (R$/ha/ano)

Estado do Rio de Janeiro 121.733 820.776 6.742,42 48.867 486.867 9.963,10


Zona Homogênea Leste Fluminense 91.277 343.793 3.766,48 4.107 40.644 9.896,27
Campos dos Goytacazes 54.099 87.878 1.624,39 332 3.401 10.243,98
Carapebus 286 1.302 4.552,44 133 1.254 9.428,57
Conceição de Macabu 365 3.386 9.276,71 178 1.350 7.584,27
Macaé 824 3.570 4.332,52 1.770 16.887 9.540,67
Quissamã 7.518 26.069 3.467,54 1.403 12.046 8.585,88
São F. de Itabapoana 26.820 196.870 7.340,41 170 3.227 18.982,35
São João da Barra 1.365 24.718 18.108,42 121 2.479 20.487,60
Fonte: IBGE, 2015d. Nota: 1 Área colhida; 2 VBP = Valor Bruto da Produção, considerando janeiro a outubro de 2014 (valor obtido pela
razão entre o valor da produção e a área).

Dentre as lavouras temporárias e permanentes destacam-se as culturas que apresentaram


maior rentabilidade, ou seja, maior VBP (R$/ha/ano), a saber: abacaxi, tomate, goiaba, maracajá,
abacate e tangerina (Tabela 20).
Destaca-se a baixa diversidade de lavouras na região, sobre o que, tentando mudar esse
quadro, o Governo estadual tem investido na diversificação da atividade agrícola no interior, por
meio da criação de programas específicos ou da celebração de convênios. Os programas
governamentais foram listados no item 2.2.5.

Página 49 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Tabela 20 – Lavouras temporárias e permanentes que apresentaram maior rentabilidade
(R$/ha/ano) para a Zona Homogênea Leste Fluminense.
Valor Bruto da Produção (R$/ha/ano)
Descrição Lavoura Temporária Lavoura Permanente
Abacaxi Tomate Goiaba Maracujá Abacate Tangerina
Campos dos Goytacazes 24.700,00 35.000,00 13.000,00 22.533,33 19.000,00 13.250,00
Carapebus
Conceição de Macabu
Macaé 19.666,67
Quissamã 24.300,00
São Francisco do Itabapoana 34.375,14 30.000,00 22.500,00
São João da Barra 54.000,00 30.000,00
Fonte: IBGE, 2015d VBP = Valor Bruto da Produção, considerando janeiro a outubro de 2014

O Governo Estadual, por meio do RIONOR (2011), realizou estudos e apontou a


viabilidade econômica da silvicultura no Leste Fluminense com base em sistemas de produção
sustentáveis com cadeias produtivas acessórias, tais como a do bambu.
Segundo o estudo a Região apresenta condições favoráveis ao desenvolvimento da cadeia
produtiva da floresta plantada, tanto para a prática silvicultural, nas extensas áreas disponíveis, como
para os segmentos de transformação da madeira em produtos com maior valor agregado. A cadeia
moveleira possui uma pequena aglomeração produtiva no município de Campos dos Goytacazes.
Em 2008, um convênio foi firmado com a empresa francesa Michelin, fabricante de pneus,
para produzir borracha natural por meio do Programa Rio Látex (MICHELIN, 2015). Ressalta-se que
em meados da década de 80 o município de Campos dos Goytacazes participou do Programa de
Incentivo à Produção de Borracha Natural (PROBOR). O referido programa não foi bem sucedido
devido à extinção da Superintendência da Hevea (SUDHEVEA), órgão responsável pela
coordenação de todas as ações envolvendo a seringueira no país, e ao desconhecimento do manejo e
da importância da cultura no Estado, o projeto foi paralisado e as atividades interrompidas
(OLIVEIRA et al., 2009).
Em 1999, por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN),
foi realizado um levantamento da situação dos seringais remanescentes e se constatou que todos
apresentavam bom desenvolvimento vegetativo, representado pelo perímetro de caule adequado à
entrada em produção (sangria).
Segundo SILVA NETO et al. (2013), é viável, economicamente, a exploração da
silvicultura no Leste Fluminense, possuindo grande potencial de absorção de mão-de-obra em várias
áreas, além de possibilitar a captação de recursos referentes aos créditos de carbono.

Página 50 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
2.6.2. Setor Pecuário

O Rio de Janeiro figura na 11ª posição entre os estados produtores de leite, com cerca de
seis milhões de litros ao ano, insuficientes para atender as necessidades do setor, o que implica na
importação de 70% da demanda do mercado. Apesar de ter registrado, nos últimos anos, grande
incremento na instalação de unidades processadoras, a produção não acompanhou, nem de longe,
esse crescimento (SNA, 2015). Apesar da Zona Homogênea Vale do Paraíba responder pela maior
produção leiteira do Estado, o Leste Fluminense apresenta dois municípios entre os dez maiores
produtores: São Francisco do Itabapoana e Campos dos Goytacazes, primeiro e quinto lugares nesta
classificação (Tabela 21). Em 2014, a produção leiteira na região correspondeu a 85.899.000 litros,
gerando R$ 81.741.000,00 (Tabela 22).

Tabela 21 – Principais municípios produtores leiteiros no estado do Rio de Janeiro (1.000L).

Principais municípios leiteiros do Estado Produção (1.000L)

São Francisco de Itabapoana 42.000


Valença 37.100
Itaperuna 33.652
Resende 32.000
Campos dos Goytacazes 27.000
Barra Mansa 25.557
Bom Jesus do Itabapoana 18.490
Rio Claro 14.054
Cambuci 13.893
Cantagalo 13.884
Fonte: IBGE, 2014

Tabela 22 – Produção leiteira no Leste Fluminense em 2014.

Quantidade de Leite Produzida Valor da Produção


Região/Zona/Município
(Litros) (R$)

Estado do RJ 540.056.000 527.470.000,00


Zona Homogênea Leste Fluminense 85.899.000 81.741.000,00
Campos dos Goytacazes 27.000.000 27.000.000,00
Carapebus 1.778.000 1.689.000,00
Conceição de Macabu 4.551.000 4.642.000,00
Macaé 3.782.000 3.404.000,00
Quissamã 3.606.000 4.183.000,00
São F. de Itabapoana 42.000.000 37.800.000,00
São João da Barra 3.182.000 3.023.000,00
Fonte: IBGE, Pecuária, 2014.

Página 51 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Segundo SOUSA (2010), um dos grandes entraves das pequenas unidades produtoras de
leite no Estado é a questão sanitária. Na maioria dos fatores analisados, as regiões avaliadas não
apresentaram os requisitos mínimos de qualidade determinados pela legislação vigente, aliado ainda,
à necessidade de capacitação das pessoas envolvidas com a atividade leiteira. Este aspecto é contrário
a um dos requerimentos atuais da sociedade, que é a disponibilidade de alimentos seguros, saudáveis
e nutritivos de todos os segmentos da rede de empresas, organizações, aparelhos reguladores do
Estado e instituições que constituem a cadeia produtiva do leite.
Todavia, inserida no atual contexto de mudanças pelo qual vem passando o setor leiteiro no
país, esta atividade no estado do Rio de Janeiro passa a sofrer uma série de transformações no que diz
respeito às novas condições de produção e comercialização impostas aos produtores, o que contribui
em grande parte na definição e conformação do papel desempenhado pelas cooperativas do Estado.
Com o objetivo de estimular a produção interna, o governo estadual criou o Rio Leite. O
programa consiste em promover a industrialização de leite através de incentivos fiscais. Por meio de
um decreto, o Estado zerou o ICMS para indústrias e cooperativas. Isso proporciona uma vantagem
competitiva, sendo que na maioria das demais unidades da Federação, a cadeia do leite é onerada em
12% por este tributo, ou seja, para uma indústria do estado do Rio de Janeiro processar leite de outro
Estado, ela paga 12% a mais por este produto (LIMA JR., 2015).
Esta medida associada à importância que o mercado estadual representa para o setor tem
estimulado muitas empresas a se estabelecerem no Rio de Janeiro. A indústria de leite e derivados
Marília, por exemplo, construiu uma nova fábrica em Itaperuna, no Nordeste Fluminense. A Caprilat,
de Friburgo, adquiriu a fábrica da Canaã Leite, em Macuco, na região Serrana, para beneficiar leite
bovino. A LBR opera em Barra Mansa com uma fábrica de leite UHT, adquirida da Nestlé, pela Bom
Gosto. Em Três Rios, a Nestlé também inaugurou recentemente uma unidade fabril. Em Itaperuna, a
Quatá adquiriu a fábrica e a marca Glória, que estava sendo operada pela LBR. E a Vigor, assumiu a
planta da BRF, que já estava em fase final de montagem, em Barra do Piraí. Nenhuma delas dispõe
de matéria-prima suficiente para abastecer as suas operações. Todas dependem de leite trazido de
outros estados, principalmente de Minas Gerais (LIMA JR., 2015).
No que tange às usinas de beneficiamento de laticínios, o Leste Fluminense apresenta três
unidades (MDA, 2015), sendo elas: Cooperativa de Laticínios de Conceição de Macabu Ltda,
Cooperativa dos Produtores de Leite de Campos Ltda e Cooperativa Agropecuária de Macaé Ltda.
Segundo FREITAS (2015), a produção leiteira do estado do Rio de Janeiro, depois de
décadas de estagnação, alcançou índices elevados em todas as regiões fluminenses. A meta proposta
pelo Governo do Estado é alcançar um bilhão de litros de leite por ano em 2015. De uma produção
de apenas 460 milhões de litros em 2006, o setor já deu um salto para quase 570 milhões em 2013.

Página 52 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
2.6.3. Agroindústria Fluminense
Os cerca de 1.200 estabelecimentos agroindustriais no estado empregam 32.909 pessoas e,
em 2013, movimentaram R$ 1,3 bilhão. O mercado ainda é dominado pelas microempresas: 946
(79,6%), com até 19 empregados; e pequenas: 186 (15,7%), de 20 a 99 empregados. As médias
somam 48 (4,0%), de 100 a 499 funcionários; e grandes empresas são apenas 8 (0,7%), acima de 500
empregados (FIRJAN, 2015).
Segundo William Figueiredo, especialista da Gerência de Economia e Estatística do
Sistema FIRJAN, a agroindústria fluminense cresceu 16% entre 2008 e 2013, com expansão de 9%
no mercado de trabalho, no mesmo período. Todavia, se por um lado houve expansão no número de
empregos e de estabelecimentos, por outro ainda é negativo o saldo comercial da agroindústria
fluminense. Em 2013 foram exportados US$ 43 milhões, mas importados oito vezes mais: US$ 346
milhões.
No Leste Fluminense, em 2013, eram 104 estabelecimentos que empregavam 1.532 pessoas
nas atividades da agroindústria, como fabricação de açúcar em bruto (9 estabelecimentos); laticínios
(9); sorvetes (8); massas alimentícias (8); abate de suínos, aves e outros (6); conservas de frutas (6);
preparação de leite (5); e torrefação e moagem de café (5) (FIRJAN, 2015).
Em 2014, foi inaugurada a agroindústria de açúcar mascavo, melado e rapadura instalada no
assentamento Ilha Grande, em Campos dos Goytacazes, que tem capacidade de processar até oito
toneladas de cana-de-açúcar por dia. Foram investidos aproximadamente R$ 600 mil na construção e
instalação da unidade, sendo que 80% dos recursos foram provenientes do Incra e os outros 20% da
Embrapa (INCRA, 2015).
Segundo COSTA et al. (2006), a produção de açúcar mascavo apresenta-se como
alternativa viável para pequenos produtores de cana do Leste Fluminense, sendo que o preço de
venda do produto é a variável com maior efeito sobre os resultados econômicos da atividade.

2.6.4. Polos regionais

A Zona Homogênea Leste Fluminense é constituída, basicamente, de cinco polos de


desenvolvimento regional: petróleo e gás (Macaé, Campos dos Goytacazes e São João da Barra),
metal-mecânico (Macaé), serviços (Macaé), indústria ceramista (Campos dos Goytacazes) e
agropecuária (Campos dos Goytaczes e São Francisco de Itabapoana).
Segundo a FIRJAN, por meio do documento "Decisão Rio 2014-216", do total previsto de
R$ 235,6 bilhões a serem investidos em diversos setores da economia do estado do Rio de Janeiro,
para o período, há previsão de cerca de 201,9 milhões de reais em investimentos somente em
construção naval (InterMoor, em São João da Barra; e estaleiro Cassinú, em Campos dos

Página 53 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Goytacazes), em indústria química (BR Distribuidora, em Macaé) e em máquinas e equipamentos
(Halliburton, em Macaé), além de grande parte dos R$ 143 bilhões a serem investidos em Petróleo e
Gás, se estabelecer na zona produtora da Bacia de Campos (FIRJAN, 2013).

3. PREÇOS DE TERRAS SEGUNDO A INFORMA ECONOMICS/FNP

O preço médio de terras no Brasil no bimestre setembro-outubro de 2015 ficou em R$


10.438,00/ha. Houve valorização média de 4,7 e 40% em relação aos 12 e 36 meses,
respectivamente, quando o hectare custava R$ 9.969,44 (no primeiro período) e R$ 7.455,71 (no
segundo) (FERRAZ & PERIN, 2015).
Quando se avaliam as valorizações por região do Brasil, de julho/agosto de 2014 a
setembro/outubro de 2015, verifica-se que a região Norte valorizou suas terras 8,9%, em média,
seguida da região Centro-Oeste com ganhos médios de 5,8%. Na sequência, a região Sul, com 5,7%
de valorização e as regiões Nordeste e Sudeste, com 4,7 e 2,8%, respectivamente, todas estas ficaram
aquém do índice de inflação e dos principais indicadores econômicos no período. Para o estado do
Rio de Janeiro a valorização média foi de 4%, considerando o mesmo período (FERRAZ & PERIN,
2015).
Com base nos dados da Informa Economics/FNP, especificamente, a tabela de preços de
terras para as zonas homogêneas denominadas de “Macaé” (iFNP 52) e “Campos dos Goytacazes”
(iFNP 54)17, as quais contemplam os municípios das regiões Lagos, Leste e Nordeste Fluminense,
verifica-se aumento na média dos preços de terras de cerca de 62% entre janeiro/fevereiro de 2011 a
setembro/outubro de 201518 (Figura 18).
Pelo trabalho de campo realizado, afirma-se que o fator regional que está influenciando o
aumento no preço da terra é a forte especulação exercida pelos detentores de grandes áreas na região,
em função da demanda por estas áreas pelos setores em expansão, principalmente o industrial, além
da própria expansão urbana.

4. MERCADO DE TERRAS NA REGIÃO

Durante o levantamento de campo, realizado pelo INCRA, foi observado movimento altista
nos preços de terras na Zona Homogênea Leste Fluminense. Os grandes investimentos privados para
esta região e, alguns previstos para região Metropolitana-Oeste, estão induzindo movimentos

17
Denominação dada pela consultoria em agronegócio Informa Economics/FNP
18
Início da ascensão mais acentuada no preço de terras no Leste Fluminense na última década.

Página 54 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
especulativos mais expressivos do que, propriamente, a compra e venda de terras, nesse mercado
regional.
O mercado de terras não se mostra muito dinâmico dada a baixa liquidez dos imóveis
ofertados, resultando em reduzido número de imóveis negociados nos últimos doze meses
(registrados em cartório), entretanto, o discurso dos agentes, sejam eles proprietários de terras ou
corretores, dão conta de alta esperada no preço de terras.
Os movimentos especulativos no preço de terras já foram bastante estudados no Brasil.
Embora não caiba detalhar nem reproduzir partes dos estudos mais importantes, por fugir aos
objetivos deste trabalho, as referências trazidas a este documento servem para balizar o critério
adotado, ao escolher o parâmetro de 20% na elasticidade oferta no preço de terra. Desse modo,
considera-se que ficou representada a intensidade do fator especulativo que está ocorrendo no Leste
Fluminense.
A exploração econômica de terras no Leste Fluminense, nas condições atuais, requer altos
investimentos em recuperação, conservação de solos, reflorestamento de nascentes, obras de
contenção de enchentes e tudo isso justificaria um mercado de terras com preços baixos, na
contramão do que vem ocorrendo.
SAYAD (1982) argumentou que o processo especulativo no mercado de terras dependia de
características especiais da economia brasileira e do mercado financeiro, prevendo que no futuro, o
mercado de terras devia apresentar crescimento de preços mais lento do que ocorrera no passado
recente. Segundo este autor, a terra também funciona como reserva de valor e os movimentos
especulativos são comuns no Brasil, levando a concluir que a terra assumiu, historicamente, papel
importante na economia brasileira. A título ilustrativo, na Figura 18, verifica-se o aumento de,
aproximadamente, 147% nos valores das áreas com pastagem formada em morro (Campos dos
Goytacazes) e de 196% nas áreas com áreas agrícolas de baixada com cana (Campos dos
Goytacazes), nos últimos 10 anos. Na média, o aumento no valor das terras no Leste Fluminense, no
mesmo período, foi de 185%, bem acima do IGP-DI19 acumulado nesse período, que foi de 83,4%.
Entre os motivos para ter este bem como reserva de mercado estariam a instabilidade do
mercado financeiro e a herança cultural, uma vez que, ter um imóvel rural seria a “garantia” de um
bem em crescente valorização. Além destes fatores, REYDON et al. (1992), verificou que a
especulação também está em função da retenção de terras agrícolas para uso urbano futuro.
A região Leste Fluminense apresenta 60,6% da sua área, ou seja, aproximadamente 500.000
hectares, com terras aptas para o desenvolvimento de atividades agrícolas mais intensivas de forma
regular e restrita nos níveis de manejo A, B e C, prevalecendo os dois últimos (Figura 17). Observa-

19
IGP-DI (Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna) - mede o comportamento de preços em geral da economia brasileira.

Página 55 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
se ainda que, cerca de 10,5% da área dessa região, apresentam terras aptas para pastagem, sendo que
em números aproximados, 1,74% para pastagem plantada e 8,71% para pastagem natural restrita.

Figura 17 - Mapa de aptidão agrícola da região Leste Fluminense.

Fonte: Diagnóstico Regional - SR07, 2014.

Página 56 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

Figura 18 - Evolução do preço de terras (R$/ha) para o Leste Fluminense (set-out/2005 a set-out/2015).
Fonte: Informa Economics/FNP.

Página 57 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
5. MÉTODOS

5.1. Pesquisas em campo

Para o estabelecimento de preços referenciais de terras para o Leste Fluminense procedeu-se


ao levantamento in loco junto aos agentes do mercado imobiliário, corretores, agrônomos da EMATER
e das Secretarias de Agricultura encontrados nos municípios, além dos meios de divulgação em massa,
de imóveis ofertados e negociados na região de estudo, com o objetivo de compor um universo
amostral com qualidade e número suficientes de elementos que fossem representativos da região, e que,
consequentemente, reflitam um resultado confiável. Dentro deste contexto, foram pesquisados imóveis
com área superior a 10 ha e que exerçam atividade rural.

5.2. Tipologias

A Superintendência Regional do INCRA no estado do Rio de Janeiro adotava a Nota


Agronômica (NA20) como indicador da qualidade dos elementos correlacionada aos preços, atributo
este que pode ser entendido como relevante em grande parte dos Mercados Regionais de Terras
(MRT), porém considerado insuficiente para ser adotado como método de caracterização dos tipos de
imóveis paradigmas de uma determinada região ou mercado.
Contudo, após a edição da NE/INCRA/DT/no 112, de 12 de setembro de 2014, que aprovou o
Módulo V do Manual de Obtenção de Terras, o qual estabelece procedimentos técnicos para
elaboração do Relatório de Análise de Mercados de Terras (RAMT), a SR07 passou a utilizar-se da
caracterização dos elementos amostrados quanto à tipologia de uso dos imóveis.
Entende-se “tipologia de uso de imóvel” como determinado tipo de destinação econômica
adotada em um dado segmento de imóveis do MRT, classificado conforme uma sequência de níveis
categóricos: 1) o uso do solo predominante nos imóveis; 2) características do sistema produtivo em que
o imóvel está inserido, ou condicionantes edafoclimáticas; e 3) localização.
Quanto às tipologias para a Zona Homogênea Leste Fluminense foram elencadas,
previamente, as seguintes (por nível categórico):

1o Nível Categórico:

- Agricultura: imóvel rural com produção vegetal oriunda de plantio de qualquer cultura
agrícola com fins comerciais;
- Pecuária: imóvel rural com produção animal com fins comerciais;
- Mata: imóvel rural com Mata Atlântica nativa e sem culturas implantadas; e

20
Nota Agronômica: índice composto dos fatores Capacidade de Uso das Terras, localização e acesso do imóvel.

Página 58 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
- Exploração mista: imóvel rural com produção vegetal oriunda de plantio de qualquer
cultura agrícola (agricultura) concomitante com produção animal (pecuária), com fins comerciais.

2o Nível Categórico:

- Agricultura diversificada: imóvel rural com produção de culturas perenes (basicamente


fruticultura) e/ou temporárias (principalmente mandioca e cana-de-açúcar), sem predominância de uma
espécie, com fins comerciais;
- Cultivo Florestal: imóvel rural com produção florestal (seringueira e/ou eucalipto), sem
predominância de uma espécie, com fins comerciais;
- Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte: imóvel rural com produção animal
predominante de bovinos em sistema de manejo extensivo, com lotação igual ou inferior a 1 unidade
animal por hectare, com fins comerciais;
- Pecuária bovina em pastagem de alto suporte: imóvel rural com produção animal
predominante de bovinos em sistema de manejo intensivo ou semi-intensivo, com lotação superior a 1
unidade animal por hectare, com fins comerciais; e
- Exploração mista (Pecuária + Agricultura): imóvel rural com produção vegetal oriunda
de plantio de qualquer cultura agrícola concomitante com produção animal, com fins comerciais.

3o Nível Categórico:

- Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (Campos dos Goytacazes): imóvel rural,
localizado no município de Campos dos Goytacazes, com produção animal predominante de bovinos em
sistema de manejo extensivo, com lotação igual ou inferior a 1 unidade animal por hectare, com fins
comerciais;
- Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (Carapebus): imóvel rural, localizado no
município de Carapebus, com produção animal predominante de bovinos em sistema de manejo
extensivo, com lotação igual ou inferior a 1 unidade animal por hectare, com fins comerciais;
- Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (Macaé): imóvel rural, localizado no
município de Macaé, com produção animal predominante de bovinos em sistema de manejo extensivo,
com lotação igual ou inferior a 1 unidade animal por hectare, com fins comerciais;
- Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (São Francisco do Itabapoana): imóvel
rural, localizado no município de São Francisco do Itabapoana, com produção animal predominante de
bovinos em sistema de manejo extensivo, com lotação igual ou inferior a 1 unidade animal por hectare,
com fins comerciais.

Página 59 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Figura 19 - Localização das amostras coletadas em campo no MRT-LF.

5.3. Homogeneização dos Elementos Amostrais

Os elementos amostrados foram classificados quanto à tipologia de uso, conforme


preconizado na NE no 112, de 12 de setembro de 2014, até o 3o nível categórico, sendo então
calculadas a média de preços de cada uma e a porcentagem relativa de cada tipologia em relação ao
número total de elementos amostrais, com a segregação entre negócios realizados (NR) e ofertas (OF).
A partir dos elementos amostrados calculou-se o valor médio ( ) e o campo de arbítrio para a amostra
geral, assim como o desvio padrão ( s ) e o coeficiente de variação (CV).
O valor médio geral do mercado regional de terras do Leste Fluminense (MRT-LF) e das
tipologias com mercado definido/consolidado em cada nível categórico foi calculado usando o saneamento
das amostras pelo desvio padrão. O saneamento foi realizado pelo método da média ( ± s). Os elementos

Página 60 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
com valores acima do limite superior ( + s) ou abaixo do limite inferior ( - s) foram expurgados da
composição amostral. Novos saneamentos foram realizados até que o coeficiente de variação fosse ≤ 30%.
CV% = (S / ).100

O campo de arbítrio tem a amplitude de 30% em torno da média geral do MRT-LF, assim
como para cada tipologia de mercado definido/consolidado, configurando assim, os limites superior e
inferior, os quais foram estabelecidos pelas seguintes equações:

Limite inferior = . 0,85 Limite superior = . 1,15

6. RESULTADOS

Para o MRT-LF foram obtidos 80 (oitenta) elementos amostrais para os saneamentos e


enquadramentos dentro das tipologias (Tabela 23). Nessa tabela são apresentados o número e o
percentual de elementos encontrados para cada tipologia, bem como a média dos valores por tipologia
e para o MRT-LF.
As tipologias que apresentaram o maior número de elementos amostrais foram: “Pecuária
bovina em pastagem de baixo suporte (Campos dos Goytacazes)”, com 26 amostras (32,5%); “Pecuária
bovina em pastagem de baixo suporte (Conceição de Macabu)”, com 9 amostras (11,3%); e “Pecuária
bovina em pastagem de baixo suporte (Macaé)”, com 8 amostras (10,0%), além de “Pecuária bovina
em pastagem de baixo suporte (Carapebus)”, com 6 amostras (7,5%). Essas quatro tipologias
correspondem a 61,3% dos elementos amostrados para o MRT-LF.
A pecuária bovina em pastagem de baixo suporte é a atividade rural que predomina na região
Leste Fluminense, desta forma, era de se esperar que a maior parte dos elementos ofertados e, ou
negociados fossem pertencentes a esta tipologia.
Em pesquisa in loco não obtivemos negócios realizados, o que indica baixa liquidez do
mercado regional de terras, o que corrobora as observações de FERRAZ & PERIN (2015) sobre a
“paralisação do mercado” frente ao impasse político e crise econômica. Não tivemos opiniões
fundamentadas dado à dificuldade dos formadores de opinião em preencher os itens componentes da
ficha de OPF, assim como, sua resignação em assinar tal ficha.

Página 61 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

Tabela 23 – Número de elementos, porcentagem de elementos em relação ao total destes, média


dos valores (R$/ha) e média dos valores com elasticidade de 20% (R$/ha), por tipologia, para o
MRT-ZHLF.

MRT DO LESTE FLUMINENSE


Valor Médio
No de % rel. ao Valor Médio
TIPOLOGIA c/elasticidade
elem. total (R$/ha)
(R$/ha)
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (Campos dos 26 32,5 17.342,08 13.873,66
Goytacazes)
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (Carapebus) 6 7,5 17.358,80 13.887,04
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (Conceição de 9 11,3 58.780,50 47.024,40
Macabu)
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (Macaé) 8 10,0 30.561,55 24.449,24
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (Quissamã) 3 3,8 34.020,27 27.216,22
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (São Francisco do 5 6,3 17.957,72 14.366,17
Itabapoana)
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (São João da Barra) 5 6,3 139.891,03 111.912,82
Pecuária bovina em pastagem de alto suporte (Campos dos 1 1,3 12.396,69 9.917,36
Goytacazes)
Produção de coco (São Francisco do Itabapoana) 1 1,3 23.415,98 18.732,78
Exploração Mista (Pecuária + Piscicultura) (Campos dos Goytacazes) 3 3,8 30.654,20 24.523,36
Exploração Mista (Pecuária + cana de açúcar) (Campos dos 3 3,8 20.230,80 16.184,64
Goytacazes)
Exploração Mista (Pecuária + coco) (Campos dos Goytacazes) 1 1,3 43.918,92 35.135,14
Exploração Mista (Pecuária + mata) (Macaé) 1 1,3 5.434,78 4.347,83
Exploração Mista (Pecuária + suinocultura + avicultura) (Campos dos 1 1,3 30.609,12 24.487,30
Goytacazes)
Exploração Mista (Pecuária + suinocultura + piscicultura + 1 1,3 9.722,22 7.777,78
fruticultura) (Macaé)
Exploração Mista (Eucalipto + mandioca) (São Francisco do 1 1,3 28.925,62 23.140,50
Itabapoana)
Exploração Mista (Fruticultura + Mata) (Macaé) 1 1,3 7.458,33 5.966,67
Mata (Macaé) 4 5,0 21.848,68 17.478,94
TOTAL DO MRT-ZHLF 80 100 30.584,85 24.467,88

Após esta análise preliminar verificou-se a existência de mercado definido21 para algumas
tipologias em diferentes níveis categóricos. Entre as duas tipologias que formaram mercado definido,
em primeiro nível categórico, a maior média foi “Exploração Mista”, com preço médio de R$

21
Mercado definido - quando apresentar pelo menos três elementos válidos (efetivamente utilizados após o saneamento) (n ≥ 3) para cada nível
categórico.

Página 62 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
16.633,52/ha; enquanto para “Pecuária”, foi de R$ 11.030,46/ha (Tabela 24). A tipologia “Mata”, após
saneamento das amostras, resultou em mercado não definido, uma vez que, sobraram apenas dois
elementos amostrais.
No segundo nível categórico, o mercado definido foi para “Pecuária bovina com pastagem de
baixo suporte” (valor médio de R$ 11.059,00/ha) e “Exploração mista (pecuária + cana-de-açúcar)”
(R$ 16.184,64/ha). Para as demais tipologias, neste nível categórico, não foi possível estabelecer um
mercado definido em função da insuficiência de elementos amostrais.
Já para o terceiro nível categórico, há cinco mercados definidos, um relacionado à tipologia
“Exploração Mista (pecuária + cana-de-açúcar em Campos dos Goytacazes)”, com média de R$
16.184,64/ha e; quatro relacionados à tipologia “Pecuária bovina com pastagem de baixo suporte”.
Contudo, para esta última tipologia, há diferença com relação à localização, a saber: para Campos dos
Goytacazes, o valor médio encontrado foi de R$ 9.397,81/ha; em Carapebus, R$ 9.846,27/ha; em
Macaé, R$ 13.881,21/ha; e em São Francisco do Itabapoana, R$ 14.366,17/ha.
Obteve-se 40 elementos amostrais após o terceiro saneamento, inicialmente constituído de 80
amostras, que representam a média do mercado regional de terras da região Leste Fluminense. As
respectivas memórias de cálculos das tipologias apresentadas na Tabela 24 estão dispostas no Anexo 1.
Na planilha de preços referenciais de terras que vinha sendo utilizada pela Superintendência
Regional do INCRA no estado do Rio de Janeiro, para os municípios que compõem a atual Zona
Homogênea do Leste Fluminense, o valor médio de terra nua (VTN), em 2013, era R$ 9.270,67/ha,
enquanto que o valor total do imóvel (VTI) era R$ 11.588,34/ha. Vale ressaltar que estes valores foram
obtidos utilizando-se somente imóveis com área superior a 15 módulos fiscais, ou seja, caracterizados
como grande propriedade. Além disso, utilizava-se o fator Nota Agronômica como homogeneizador
dos elementos amostrais22.

7. ANÁLISE DOS INDICADORES DO COMPORTAMENTO DE MERCADO

O enfraquecimento da atividade econômica e o aumento das incertezas sobre a economia nos


próximos anos restringe as possibilidades de valorização do mercado de terras. De Norte a Sul do país,
salvo raras exceções, os negócios envolvendo áreas rurais têm se tornado cada vez mais raros.
A análise comparativa quanto à liquidez do mercado não foi realizada em virtude da
indisponibilidade de informações quanto à velocidade de venda (VV), que é a média de meses para
realizar a venda dos imóveis transacionados. Além do mais, em entrevistas com corretores, não
verificamos negócios realizados na região no último ano envolvendo imóveis rurais com exploração

22
Processo no 54180.000731/2010-93

Página 63 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
agropecuária. Os mesmos nos informaram de negócios realizados envolvendo apenas imóveis com
explorações não-agrícolas, como sítios de lazer e,ou recreação.
Tabela 24 – Planilha de Preços Referenciais de Terras do Mercado Regional Leste Fluminense
(PPRT-LF).

PPR/SR07/RJ/No 03/2015/MRT do Leste Fluminense

TIPOLOGIAS No de Média
CV%
L.inf. L.sup.
elem. (R$/ha) (15%) (15%)

1º Nível Categórico
Pecuária 40 11.030,46 27,96 9.375,89 12.685,03
Exploração mista 5 16.633,52 25,20 14.138,49 19.128,55
2º Nível Categórico
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte 39 11.059,00 28,21 9.400,15 12.717,85
Exploração mista (pecuária + cana-de-açúcar) 3 16.184,64 3,69 13.756,94 18.612,34
3º Nível Categórico
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (Campos dos
18 9.397,81 19,23 7.988,14 10.807,48
Goytacazes)
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (Carapebus) 5 9.846,27 29,60 8.369,33 11.323,21
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (Macaé) 3 13.881,21 3,04 11.799,03 15.963,39
Pecuária bovina em pastagem de baixo suporte (São Francisco
5 14.366,17 21,58 12.211,24 16.521,10
do Itabapoana)
Exploração mista - pecuária + cana-de-açúcar (Campos dos
3 16.184,64 3,69 13.756,94 18.612,34
Goytacazes)
TODAS AS TIPOLOGIAS
MRT-ZHLF 40 12.282,98 24,54 10.440,53 14.125,43

8. CONCLUSÕES

A consolidação urbano-industrial no Leste Fluminense, aliada à especulação, faz com que o


valor da terra divirja do seu valor real de produção, ou seja, o valor atribuído a uma área em função
do retorno econômico que a mesma pode proporcionar se cultivada.
Essa característica, o aumento do preço da terra em função basicamente de especulação,
pode exercer influência sobre as ações do INCRA, no quesito obtenção de áreas para reforma agrária,
uma vez que a Autarquia deve primar pela melhor relação custo-benefício.
O aumento no preço da terra encarece o custo família, sendo que toda a base legal que
suporta a fixação da área destinada a cada família aponta para que sejam distribuídas maiores porções
a cada assentado, tendo em vista a pobreza dos solos.

Página 64 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Outra questão importante será como levar adiante propostas de aproveitamento
agropecuário para agricultores familiares nos assentamentos rurais do INCRA, em uma região
impactada fortemente por uma política predominantemente voltada ao crescimento do setor industrial
e de serviços.
Continuam escassas as pesquisas de viabilidade econômica de exploração agropecuária nas
áreas de assentamento rural do INCRA/RJ resultando na orientação de cautela. A superação deste
problema deve partir da própria Autarquia, que poderá deliberar pela realização desses estudos, tão
necessários.
A seleção de imóveis rurais nessa região deve se pautar em estudos rigorosos, tomando
como base o contexto regional apresentado e as possibilidades de intervenção visando à melhor
relação custo-benefício para a Autarquia.
A urbanização verificada, a expansão da logística para atender o setor petrolífero, o setor
Offshore em expansão, a previsão de continuidade de monoculturas com integração agroindustrial (a
exemplo da cana-de-açúcar) estão influenciando na alta do preço de terras, ainda que afastado o fator
especulação.
Pelo exposto, o novo contexto regional, associado ao alto custo por família assentada, deve
ser minuciosamente analisado antes da decisão de desapropriar imóveis no Leste Fluminense. Nessa
análise também devem estar contemplados os potenciais sistemas de produção agropecuária que
podem viabilizar os assentamentos rurais, gerando renda para as famílias e sua manutenção.

Rio de Janeiro, 14 de dezembro de 2015.

Asélio Vieira Passos Carlos Magno Magalhães da Silva Luiz Felício Palermo
Perito Federal Agrário Perito Federal Agrário Perito Federal Agrário
SIAPE no 1472712 SIAPE no 1551746 SIAPE no 1326889

Página 65 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

9. LITERATURA CONSULTADA

ALENTEJANO, P. R. As relações campo-cidade no Brasil do século XXI. Terra Livre, São Paulo,
v. 2, n. 21, p. 11-23, jul./dez. 2003.

ANEEL. Capacidade de geração do Brasil. Disponível em:


http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/capacidadebrasil/GeracaoTipoFase.asp?tipo=1&fase=3.
Acesso em: 17/03/2015.

AZEVEDO, H. J. Uma análise da cadeia produtiva da cana-de-açúcar na região Norte Fluminense.


Boletim Técnico, n.6. Campos dos Goytacazes: CEFET/NEED, 2002. 51p.

BANCO CENTRAL. Evolução regional do Valor Bruto da Produção agrícola. Boletim Regional do
Banco Central do Brasil, v. 5, n.1, p.1-100, 2011.

CAIXA. SIBEC – Sistema de Benefícios ao Cidadão.


https://www.beneficiossociais.caixa.gov.br/consulta/beneficio/04.01.00-00_00.asp. Acesso em:
30/11/2015.

CARVALHO, A. M.; TOTTI, M. E. F. Formação histórica e econômica do Norte Fluminense.


Rio de Janeiro: Garamond, 2006. 328p.

CEPERJ. Anuário estatístico do Estado do Rio de Janeiro – 2013. Disponível em:


http://www.ceperj.rj.gov.br/ceep/Anuario2013/ApresentacaoMeioAmbiente.html. Acesso em:
09/2014.

CONRAD, Robert E. Os últimos anos da escravidão no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização


Brasileira, 1975. p.355.

CORREIA, T. P. et al. Distribuição espacial da precipitação pluvial mensal no estado do Rio de


Janeiro. Anais... XVII Congresso Brasileiro de Agrometeorologia – 18 a 21 de Julho de 2011 –
SESC Centro de Turismo de Guarapari, Guarapari – ES.

COSTA, A. N.; POLIVANOV. H; ALVES, M. G. Mapeamento geológico-geotécnico preliminar,


utilizando geoprocessamento, no município de Campos dos Goytacazes, estado do Rio de
Janeiro. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, v. 31-1, 2008. p.50-64.

COSTA, C. D. Variabilidade intranual da precipitação pluvial mensal no estado do Rio de


Janeiro. Monografia apresentada ao Curso de Engenharia Florestal, UFRRJ, 2010. 42p.

COSTA, J. A. B. et al. Produção de açúcar mascavo em micro agroindústria: uma alternativa viável
para os pequenos produtores de cana da região Norte Fluminense. Anais... In: XLIV
CONGRESSO DA SOBER, Fortaleza, 23 a 27 de Julho de 2006. Sociedade Brasileira de
Economia e Sociologia Rural.

COSTA, J. Royalties: os impactos da queda na arrecadação em Campos, no RJ. Disponível em:


http://g1.globo.com/rj/norte-fluminense/noticia/2015/04/royalties-os-impactos-da-queda-na-
arrecadacao-em-campos-no-rj.html. Acesso em: 25/11/2015.

Página 66 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
CRESPO, M. P. Espaço e tempo no interior fluminense: uma análise dos ciclos econômicos e
seus processos de territorialização no Norte Fluminense e Região dos Lagos. Disponível em:
http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:hMDdwo6Ely4J:eng2012.agb.org.br/list
a-de-artigos%3Fdownload%3D1861:artigo-eng-2012-completo-matheus-
crespo%26start%3D1840+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 26/11/2015.

CRUZ, J. L. V. Problemas, Recursos e Potencialidades do Desenvolvimento do Norte Fluminense: o


papel da Petrobras. Anais... In: Petróleo, Royalties e Região. Campos dos Goytacazes/RJ, Ano I
nº 4- Junho de 2004.

CRUZ, J. L. V. Grandes investimentos e a reestruturação do espaço regional no Norte


Fluminense. II Conferencia de Desenvolvimento (CODE), Brasília, 2011. Disponível em:
http://www.ipea.gov.br/code2011/chamada2011/pdf/area7/area7-artigo18.pdf. Acesso em:
27/11/2015.

CRUZ, J. L. V. A retomada do crescimento brasileiro e a reestruturação do espaço regional no Norte


do Estado do Rio de Janeiro. Vértices, Campos dos Goytacazes/ RJ, v.14, n. Especial 1, p. 31-61,
2012.

DA SILVA, S. T. Políticas públicas e estratégias de sustentabilidade urbana. Economia dos recursos


naturais. Anais... In: MAY, P. H.; LUSTOSA, M. C.; SILVA, S. T. Políticas públicas e
estratégias de sustentabilidade urbana. Série Grandes Eventos – meio ambiente, 2003. Disponível
em:

DANTAS, M. E. et al. Diagnóstico geoambiental do estado do Rio de Janeiro. In: Oficina


internacional de ordenamento territorial mineiro, ciência y tecnologia para El desarollo
cooperacion ibero-americana, 1, 2005. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: [s.n.], 2005.1 CD-
ROM. Sessão 4. 35p. Disponível em:
http://www.cprm.gov.br/publique/media/artigo_geoambientalRJ.pdf. Acesso em: 02/12/2015.

DRM-RJ. Panorama mineral do Rio de Janeiro 2012: Situação e perspectivas. Rio de Janeiro:
Departamento de Recursos Minerais/RJ, 2012a. 259p.

DRM-RJ. Atlas da distribuição de royalties no estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Centro
de Informações da Produção de Petróleo e Gás Natural do Estado do Rio de Janeiro
(CIPEG)/Departamento de Recursos Minerais/RJ, Ano I, 1.ed., 108p, 2012b.

DRM-RJ. Boletim informativo: 2º quadrimestre de 2015. Rio de Janeiro: Centro de Informações


da Produção de Petróleo e Gás Natural do Estado do Rio de Janeiro (CIPEG)/Departamento de
Recursos Minerais/RJ, Ano 5, n. 14. 41p, 2015.

ERBAS, M. S. Reestruturação do setor agrícola: a luta pela hegemonia político-econômico no


município de Campos dos Goytacazes. In: GT - Do Monopólio da Modernização à
Diversidade do Progresso Social: as formas sociais de produção na agricultura brasileira.
2003. 42p.

FEPESE. Políticas estaduais para arranjos produtivos locais no Sul, Centro-Oeste e Sudeste do
Brasil. Rio de Janeiro: Convên ode cooperação Técnica
UFSC/UFPR/UNISINOS/UNICAMP/UFU/UFES/UCDB/UCG. 2010. 380p.

FERRAZ, J.V.; PERIN, M. Análise do mercado de terras. Informa Economics/FNP, n. 67, 2015.
77p.

Página 67 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
FIRJAN. Decisão Rio: investimentos 2014/2016. Rio de Janeiro: FIRJAN. 2013. 72p.

FIRJAN. Mercado de trabalho 2014 - Região Sul Fluminense. Disponível em:


http://www.firjan.org.br/data/pages/2C908CEC3F66FC29013F8190CE607218.htm. Acesso em:
03/2015.

FRANCISCO, Q. S. A agroindústria canavieira de Campos-RJ e os royalties do petróleo a partir


da percepção dos atores. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) – Universidade
Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Centro de Ciências do Homem, 2009. 114p.

FREITAS, G. Produção de leite do Rio de Janeiro dá um salto de produtividade. Disponível em:


http://www.rj.gov.br/web/imprensa/exibeconteudo?article-id=544162. Acesso em: 04/2015.

FRAGOSO, J. L. R.; FERREIRA, R. G. Tráfico interno de escravos e relações comerciais no


Centro-Sul, séculos XVIII e XIX. Brasília: IPEA/ LIPHIS, 2001. CD-ROM.

FUNAI. Terras indígenas: situação fundiária. Disponível em:


http://mapas2.funai.gov.br/portal_mapas/pdf/terra_indigena.pdf. Acesso em: 03/2015.

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES. Comunidades certificadas. Disponível em:


http://www.palmares.gov.br/?page_id=37551. Acesso em: 10/12/2015.

G1. Usina Sapucaia deve voltar a funcionar até 2014 em Campos, RJ: Grupo MPE anunciou
parceria com a Coagro. Junção pode tornar a empresa a maior usina do Brasil. Disponível em:
http://g1.globo.com/rj/norte-fluminense/noticia/2013/07/usina-sapucaia-deve-voltar-funcionar-
ate-2014-em-campos-rj.html. Acesso em: 25/11/2015a.

G1. Quissamã, RJ, perde R$ 33 milhões de royalties do petróleo em 8 meses. Disponível em:
http://g1.globo.com/rj/norte-fluminense/noticia/2015/09/quissama-rj-perde-r-33-milhoes-de-
royalties-do-petroleo-em-8-meses.html. Acesso em: 25/11/2015b.

GOMES, L. M. et al. Análise da cobertura florestal da Mata Atlântica por município no estado do
Rio de Janeiro. In: XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2009. Anais ... Natal,
Brasil: INPE, 2009. p.3849-3857.

GROSSI, S. Queda na arrecadação de royalties do petróleo gera crise em cidades produtoras.


Disponível em: http://www.jb.com.br/rio/noticias/2015/01/12/queda-na-arrecadacao-de-royalties-
do-petroleo-gera-crise-em-cidades-produtoras/. Acesso em: 25/11/2015.

HERVÉ, R. Campos na taba dos goytacazes. Niterói: Série municípios, 1988.

IBGE. Produto interno bruto dos municípios: 2012. Contas Nacionais n. 43. Rio de Janeiro:
IBGE. 2014. 110p.

IBGE. Estimativas de população para 1º de julho de 2015. Disponível em:


http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2014/estimativa_tcu.shtm. Acesso
em: 03/03/2015a.

IBGE. Mapa de climas do Brasil. Disponível em:


http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/default_prod.shtm. Acesso em: 12/03/2015b.

IBGE. Cidades – produto interno bruto dos municípios. Disponível em:


http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=330500&idtema=134&search=rio-

Página 68 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
de-janeiro|sao-joao-da-barra|produto-interno-bruto-dos-municipios-2012. Acesso em:
12/11/2015c.

IBGE. Produção agrícola municipal (PAM). Disponível em:


http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/pam/2014/default.shtm. Acesso em:
17/11/2015d.

INCRA. Assentados do Norte Fluminense recebem agroindústria para processamento da cana-


de-açúcar. Disponível em: http://portalantigo.incra.gov.br/index.php/noticias-sala-de-
imprensa/noticias/14541-assentados-do-norte-fluminense-recebem-agroindustria-para-
processamento-da-cana-de-acucar. Acesso em: 10/12/2015.

INEA. Plano estadual de recursos hídricos do estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro:
COPPETEC, 2013. 401p.

INEA. RPPN reconhecidas pelo Instituto Estadual do Ambiente - INEA. Rio de Janeiro:
DIBAP/COMBIO/SERPPN, 2014. 2p.

INEPAC. Projeto inventário de bens culturais imóveis: desenvolvimento territorial dos caminhos
singulares do estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: INEPAC/SEBRAE-RJ/UNESCO/SEC.
ESTADO DE CULTURA-RJ. 2004. 84p.

INFRAERO. Aeroporto de Macaé. Disponível em:


http://www.infraero.gov.br/index.php/aeroportos/rio-de-janeiro/aeroporto-de-macae.html. Acesso
em: 11/12/2015.

KODAMA, Y. Large-Scale Common Features of Subtropical Precipitation Zones (the Baiu Frontal
Zone, the SPCZ, and the SACZ) Part I: Characteristics of Subtropical Frontal Zones. Journal of
the Meteorological Society of Japan, v. 70, n. 4, p. 813-835, 1992.

KOUSKY, V.E. Pentad outgoing longwave radiation climatology for the South American sector.
Revista Brasileira de Meteorologia, v. 3, p. 217-231, 1988.

KRONEMBERGER, T. S.; VILLELA, L. E.; ZANI, F. B. APLs e Desenvolvimento Territorial: um


estudo sobre o programa Território da Cidadania Norte do Rio de Janeiro. Desenvolvimento em
Questão, v. 10, n. 21, p. 28-60, 2012.

LÉRY, J. Viagem à terra do Brasil. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Biblioteca do
Exército, 1961. 220p.

LEWIN, H. Uma nova abordagem da questão da terra no Brasil: o caso do MST em Campos dos
Goytacazes. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2005. 174p.

LIFSCHITZ, J. A. De açúcar e orixás: aonde foi a parar a cultura negra em Campos dos
Goytacazes? Fórum de Pesquisa 11 na 26ª. Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre
os dias 01 e 04 de junho de 2008, Porto Seguro, Bahia, Brasil. Disponível em:
http://www.abant.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_26_RBA/foruns_de_pesquisa/trabalhos/F
P%2011/Microsoft%20Word%20-%20Lifschitz%20_FP11_.pdf. Acesso em: 26/11/2015.

LIMA JR., A. C. S. Brasil leiteiro de Sul a Norte - Rio de Janeiro e Espírito Santo. Disponível
em: http://www.milkpoint.com.br/cadeia-do-leite/espaco-aberto/brasil-leiteiro-de-sul-a-norte-rio-
de-janeiro-e-espirito-santo-90260n.aspx. Acesso em: 04/2015.

Página 69 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
MARQUES, U. Queda no barril do petróleo prejudica municípios produtores. Disponível em:
http://www.jornalterceiravia.com.br/noticias/campos-dos-goytacazes/66156/queda-no-barril-do-
petroleo-prejudica-municipios-produtores. Acesso em: 25/11/2015.

MANTIN, L.; SUGUIO, K.; FLEXOR, J. M. As flutuações de nível do mar durante o quaternário
superior e a evolução geológica de "deltas" brasileiros. Bol. IG-USP, n. 15, p. 1-186, 1993.

MDA. Relação de estabelecimentos que processam leite e derivados no estado do Rio de


Janeiro. Disponível em: portal.mda.gov.br/o/893287. Acesso em: 04/2015.

MDIC. APLs do Brasil. Disponível em: http://portalapl.ibict.br/apls/index.html?uf=rj. Acesso em:


11/2015.

MESQUITA, C. A. B.; VIEIRA, M. C. W. RPPN – Reservas Particulares do Patrimônio Natural


da Mata Atlântica. São Paulo: Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica.
Caderno da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica: série conservação e áreas protegidas, n.28.
2004, 56p.

MICHELIN. Agricultura, Ambiente e Michelin vão plantar dois milhões de mudas de


seringueiras no estado. Disponível em: http://www.rj.gov.br/web/seapec/exibeconteudo?article-
id=499098. Acesso em: 10/12/2015

MMA. Biodiversidade brasileira: avaliação e identificação de áreas e ações prioritárias para


conservação, utilização sustentável e repartição dos benefícios da biodiversidade nos
biomas brasileiros. Brasília: MMA/SBF, 2002. 404p.

MORETO, M. A. A ‘maceguenta’ memória social na política cultural da ‘azamboada’ Campos


dos Goytacazes. Dissertação (Mestrado em Museologia e Patrimônio) − Universidade Federal do
Estado do Rio de Janeiro/ Museu de Astronomia e Ciências Afins/ Programa de Pós-graduação
em Museologia e Patrimônio, Rio de Janeiro, 2011. 113p.

MTE. Comportamento do emprego: CAGED – setembro de 2015.


Disponívelem<http://acesso.mte.gov.br/data/files/8A7C816A4FF110CB01508B9A2F312E06/SA
LDO_MUNICIPIO_AJUSTADO.xls>. Acesso em: 11/2015.

OLIVEIRA, A.B.; CRUZ, R.B.; CARMO, C.A.F.S. A seringueira no Estado do Rio de Janeiro:
histórico, situação e potencialidade da atividade. Informação Tecnológica – PESAGRO-RIO,
n.15, 2009. 5p.

PACHECO, C. A. G. O impacto dos royalties do petróleo no desenvolvimento econômico dos


municípios da região Norte Fluminense. Trabalho Técnico Científico foi preparado para
apresentação no 3° Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período
de 2 a 5 de outubro de 2005, em Salvador.

PARANHOS, P. São João da Barra, apogeu e crise do porto do açúcar do Norte Fluminense.
Teresópolis: Revista da Cidade Gráf. e Ed., 2000. 142p.

PEIXOTO, L. S. Reestruturação e Revitalização do Setor Sucroalcooleiro da Região Norte


Fluminense: proposta de desenvolvimento de um plano de negócios voltado para a produção e
distribuição de aguardente da cana-de-açúcar de alta qualidade e açúcar mascavo para o mercado
externo. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual do Norte Fluminense. Campos dos
Goytacazes, 2005.

Página 70 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
PEIXOTO, F. T. Gênese da rede urbana no Norte e Noroeste Fluminense. In: CARVALHO,
Ailton Mota de; TOTTI, Maria Eugênia Ferreira (Orgs). Formação histórica e econômica do
Norte Fluminense. Rio de Janeiro: Garamond, 2006, p. 69-97.

RAMALHO, J. F. G. P. et al. Acúmulo de metais pesados em solos cultivados com cana-de-açúcar


pelo uso contínuo de adubação fosfatada e água de irrigação. Revista Brasileira de Ciência do
Solo, seç. IX, n.23, p. 971-979, 1999.

RAMOS, et al. Normais climatológicas do Brasil 1961-1990. Brasília, DF: INMET, 2009. 465p.

REYDON. B.P.; GUEDES, S.N.R.; CORNÉLIO, F.N.M. Especulação com a conversão de terras
agrícolas em urbanas: estratégia de um grupo sucro-alcooleiro. Disponível em:
http://www.sober.org.br/palestra/2/1992.pdf. Acesso em: 31 de janeiro de 2012.

RIONOR. Plano básico para o desenvolvimento da silvicultura sustentável: definição das cadeias
produtivas. Belo Horizonte: Consórcio Rionor, v.3, 2011. 201p.

RIO RURAL. Política pública rural. Disponível em:


http://www.microbacias.rj.gov.br/politica_publica_rural.jsp. Acesso em: 04/2015.

RODRIGUEZ, H. S. A Formação das estradas de ferro no Rio de Janeiro: o resgate de sua


memória. Rio de Janeiro: Memória do Trem, 2004.

RODRIGUES, H.S. Na taba dos Goytacazes. Niterói: Imprensa Oficial, 1988. 340p. Disponível em:
http://bibliotecavirtual.camaracampos.rj.gov.br/index.php/component/flippingbook/book/144?pag
e=36. Acesso em: 24/11/2015.

ROSSI, F. Macaé: 9 mil demitidos e queda de arrecadação. Disponível em:


http://campos24horas.com.br/portal/geral/em-macae-9-mil-trabalhadores-demitidos-e-
arrecadacao-em-queda/#.VlYDZFhTsdU. Acesso em: 25/11/2015.

SAYAD, J. Especulação em terras rurais, efeitos sobre a produção agrícola e o novo ITR. Pesq.
Plan. Econ., v.12, n.1, p.87-108, 1982.

SCHULTZ, K. Perfeita civilização: a transferência da corte, a escravidão e o desejo de metropolizar


uma capital colonial: Rio de Janeiro, 1808-1821. Revista Tempo, n. 12, v. 24, PP. 5-27, 2007.

SEASDH/SEEDUC. Programa Renda Melhor Jovem. Disponível em:


http://www.rendamelhorjovem.rj.gov.br/index.php/rmjovem/. Acesso em: 11/03/2015.

SEBRAE. Painel regional: Norte Fluminense / Observatório Sebrae/RJ. Rio de Janeiro:


SEBRAE/RJ, 2015a. 32p.

SEBRAE. O açúcar no norte fluminense. Disponível em:


http://www.sebraerj.com.br/custom/pdf/cam/acucar/06_OAcucarNoNorteFluminense.pdf. Acesso
em: 06/11/2015.

SEDEIS. Arranjos Produtivos Locais apoiados pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico


do Estado do Rio de Janeiro – 2012. Disponível em:
http://www.rj.gov.br/web/sedeis/exibeConteudo?article-id=733302. Acesso em: 03/2015.

SEMADS. Enchentes no Estado do Rio de Janeiro: uma abordagem geral. V. 8, Rio de Janeiro:
SEMADS, 2001. 160p.

Página 71 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
SILVA, R. S; CARVALHO, A. M. Formação econômica da Região Norte Fluminense. In:
PESSANHA, Roberto Moraes; SILVA NETO, R. (Orgs.) Economia e Desenvolvimento no Norte
Fluminense. Campos dos Goytacazes, RJ: WTC Editora, 2004.

SILVA, L. C. Desenvolvimento e Segregação Socioespacial em Macaé-RJ. In: Petróleo, Royalties


e Região. Campos dos Goytacazes/RJ, Ano II nº 9 - Setembro de 2005. 21p.

SILVA, L. C. Reconfiguração do Norte Fluminense a partir dos anos 70: a chegada do petróleo e
suas conseqüências na dinâmica de crescimento regional. Revista Plurais, v. 1, n. 4, 2006a. 21p.

SILVA, I. L. A. Monitoração de pesticidas em ambientes de intensa atividade agrícola na região


do norte fluminense. Monografia (Licenciatura em Química), Universidade Estadual do Norte
Fluminense Darcy Ribeiro, 2006b.

SILVA, M. W. A implantação ferroviária no estado do Rio de Janeiro: 1854-1900. Revista


Geográfica de América Central, v. 2, p. 1-10, 2011.

SILVA NETO et al. Proposta social, econômica e ambiental de exploração da silvicultura nas regiões
Norte e Noroeste Fluminense. Sistemas & Gestão, v.8, p. 222-232, 2013.

SLOAN, S. et al. Remaining natural vegetation in the global biodiversity hotspots. Biological
Conservation, v. 177, n. 1, p. 12-24, 2014.

SNA. Rio de Janeiro figura na 11ª posição entre os Estados produtores de leite, mas produção
só atende 30% do consumo no estado. Disponível em: http://www.bolsadoleite.com.br/rio-de-
janeiro-figura-na-11a-posicao-entre-os-estados-produtores-de-leite-mas-producao-so-atende-30-
do-consumo-no-estado/. Acesso em: 04/2015.

SOARES, M. S. Presença africana e arranjos matrimoniais entre os escravos em Campos dos


Goitacazes (1790-1831). História: Questões & Debates, Curitiba, n. 52, p. 75-90, jan./jun. 2010.
Editora UFPR.

SOS MATA ATLÂNTICA & INPE. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica –
período 2013-2014. Relatório Técnico, SP: 2015. 60p. Disponível em:
<https://www.sosma.org.br/link/atlas_2013-2014_Mata_Atlantica_relatorio_tecnico_2015.pdf>,
Acesso em 10/2015.

TERRITÓRIOS DA CIDADANIA. Territórios da cidadania: Norte – RJ. Disponível em:


http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:H5RE33WcnokJ:www.territoriosdacida
dania.gov.br/dotlrn/clubs/territriosrurais/norterj+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em
30/11/2015.

THORNTHWAITE, C.W. An approach toward a rational classification of climate. Geographical


Review, n.38, p.55-94. 1948.

TRANSPORTES. Base de Dados Georreferenciados: PNLT 2010. Disponível em:


http://www.transportes.gov.br/conteudo/61-relatorios/2822-base-de-dados-georreferenciados-
pnlt-2010.html. Acesso em: 11/12/2015.

TRF. Cooperativa Fluminense dos Produtores de Açúcar e Álcool Ltda (COOPERFLU).


Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/topicos/52190119/cooperativa-fluminense-dos-
produtores-de-acucar-e-alcool-ltda-cooperflu. Acesso em: 25/11/2015.

Página 72 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
TRINDADE, L. S.; DIAS, R. S.; FREITAS, I. A. O homem, o brejo e a cana: uma análise dos
impactos da produção açucareira na estrutura social do Norte Fluminense. XVII Encontro Latino
Americano de Iniciação Científica, XIII Encontro Latino Americano de Pós- Graduação e III
Encontro de Iniciação à Docência – Universidade do Vale do Paraíba. São José dos Campos:
UNIVAP, 2013. Anais. 4p.

UCAM. Info Royalties. Disponível em: http://inforoyalties.ucam-campos.br/informativo.php.


Acesso em: 11/2015.

UDOP. Bacias Hidrográficas: Rio de Janeiro. Disponível em:


http://www.udop.com.br/index.php?item=bacias_hidrog. Acesso em: 17/03/2015.

VEIGA, C. F. M. et al. Diagnóstico da cadeia produtiva da cana-deaçúcar do Estado do Rio de


Janeiro: relatório de pesquisa. Rio de Janeiro: FAERJ: SEBRAE/RJ, 2006.

Página 73 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

ANEXO 1
MEMÓRIAS DE CÁLCULO

Página 74 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Amostra Geral - Leste Fluminense
o Valor com o o o
N do 1 2 3
Tipologia Município Área (ha) elasticidade
elem. Saneamento Saneamento Saneamento
(R$/ha)
1 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 14,5200 11.019,28 11.019,28 11.019,28 11.019,28
2 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 16,9400 28.807,56 28.807,56
3 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 21,2000 10.943,40 10.943,40 10.943,40 10.943,40
4 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 24,2000 24.793,39 24.793,39 24.793,39
5 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 33,9800 70.629,78
6 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 48,4000 11.570,25 11.570,25 11.570,25 11.570,25
7 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 94,3800 7.204,92 7.204,92 7.204,92
8 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 96,8000 12.396,69 12.396,69 12.396,69 12.396,69
9 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 96,8000 4.545,45 4.545,45
10 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 101,6400 7.870,92 7.870,92 7.870,92 7.870,92
11 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 114,2200 9.917,70 9.917,70 9.917,70 9.917,70
12 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 129,2300 24.762,05 24.762,05 24.762,05
13 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 183,9200 7.438,02 7.438,02 7.438,02
14 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 198,4400 9.917,36 9.917,36 9.917,36 9.917,36
15 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 212,9600 9.767,09 9.767,09 9.767,09 9.767,09
16 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 217,8000 4.958,68 4.958,68
17 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 251,6800 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
18 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 253,1300 12.562,08 12.562,08 12.562,08 12.562,08
19 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 256,5200 8.264,46 8.264,46 8.264,46 8.264,46
20 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 304,9200 7.346,19 7.346,19 7.346,19
21 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 338,8000 8.264,46 8.264,46 8.264,46 8.264,46
22 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 387,4900 9.917,37 9.917,37 9.917,37 9.917,37
23 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 513,0400 9.917,36 9.917,36 9.917,36 9.917,36
24 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 556,6000 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
25 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 624,3600 7.438,02 7.438,02 7.438,02
26 Pecuária de Baixo Suporte Campos dos Goytacazes 756,2500 7.404,96 7.404,96 7.404,96
27 Pecuária de Baixo Suporte Carapebus 38,7200 34.090,91 34.090,91
28 Pecuária de Baixo Suporte Carapebus 38,7200 12.396,69 12.396,69 12.396,69 12.396,69
29 Pecuária de Baixo Suporte Carapebus 67,7600 9.090,91 9.090,91 9.090,91 9.090,91
30 Pecuária de Baixo Suporte Carapebus 166,0000 7.710,84 7.710,84 7.710,84
31 Pecuária de Baixo Suporte Carapebus 251,6000 13.354,53 13.354,53 13.354,53 13.354,53
32 Pecuária de Baixo Suporte Carapebus 479,1600 6.678,35 6.678,35 6.678,35
33 Pecuária de Baixo Suporte Conceição de Macabu 16,9400 30.696,58 30.696,58
34 Pecuária de Baixo Suporte Conceição de Macabu 26,7200 50.898,20 50.898,20
35 Pecuária de Baixo Suporte Conceição de Macabu 36,3000 80.000,00
36 Pecuária de Baixo Suporte Conceição de Macabu 48,4000 19.834,71 19.834,71 19.834,71
37 Pecuária de Baixo Suporte Conceição de Macabu 50,8200 11.019,28 11.019,28 11.019,28 11.019,28
38 Pecuária de Baixo Suporte Conceição de Macabu 111,3200 8.623,79 8.623,79 8.623,79 8.623,79
39 Pecuária de Baixo Suporte Conceição de Macabu 116,1600 5.165,29 5.165,29
40 Pecuária de Baixo Suporte Conceição de Macabu 353,3200 16.981,77 16.981,77 16.981,77 16.981,77
41 Pecuária de Baixo Suporte Conceição de Macabu 900,2400 200.000,00
42 Pecuária de Baixo Suporte Macaé 17,0000 44.705,88 44.705,88
43 Pecuária de Baixo Suporte Macaé 33,0000 26.666,67 26.666,67 26.666,67
44 Pecuária de Baixo Suporte Macaé 38,7200 24.793,39 24.793,39 24.793,39
45 Pecuária de Baixo Suporte Macaé 58,0800 9.641,87 9.641,87 9.641,87 9.641,87
46 Pecuária de Baixo Suporte Macaé 232,3200 13.774,10 13.774,10 13.774,10 13.774,10
47 Pecuária de Baixo Suporte Macaé 249,2600 48.142,50 48.142,50
48 Pecuária de Baixo Suporte Macaé 256,5200 14.345,86 14.345,86 14.345,86 14.345,86
49 Pecuária de Baixo Suporte Macaé 532,4000 13.523,67 13.523,67 13.523,67 13.523,67
50 Pecuária de Baixo Suporte Quissamã 13,0000 61.538,46 61.538,46
51 Pecuária de Baixo Suporte Quissamã 72,6000 9.366,39 9.366,39 9.366,39 9.366,39
52 Pecuária de Baixo Suporte Quissamã 217,8000 10.743,80 10.743,80 10.743,80 10.743,80
53 Pecuária de Baixo Suporte São Francisco do Itabapoana 10,5700 9.839,17 9.839,17 9.839,17 9.839,17
54 Pecuária de Baixo Suporte São Francisco do Itabapoana 106,4800 12.396,69 12.396,69 12.396,69 12.396,69
55 Pecuária de Baixo Suporte São Francisco do Itabapoana 237,1600 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
56 Pecuária de Baixo Suporte São Francisco do Itabapoana 271,0400 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
57 Pecuária de Baixo Suporte São Francisco do Itabapoana 1.064,2700 16.537,16 16.537,16 16.537,16 16.537,16
58 Pecuária de Baixo Suporte São João da Barra 14,3900 36.136,21 36.136,21
59 Pecuária de Baixo Suporte São João da Barra 21,7800 24.793,39 24.793,39 24.793,39
60 Pecuária de Baixo Suporte São João da Barra 33,8800 240.000,00
61 Pecuária de Baixo Suporte São João da Barra 34,8500 175.989,90
62 Pecuária de Baixo Suporte São João da Barra 72,6000 82.644,63
63 Pecuária de Alto Suporte Campos dos Goytacazes 181,5000 9.917,36 9.917,36 9.917,36 9.917,36
64 Produção de coco São Francisco do Itabapoana 14,5200 18.732,78 18.732,78 18.732,78 18.732,78
1
65 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 14,5200 38.567,49 38.567,49
1
66 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 23,8000 23.529,41 23.529,41 23.529,41
1
67 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 102,5000 11.473,17 11.473,17 11.473,17 11.473,17
68 Exploração Mista2 Campos dos Goytacazes 77,4400 15.495,87 15.495,87 15.495,87 15.495,87
2
69 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 224,6700 16.529,13 16.529,13 16.529,13 16.529,13

Página 75 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
70 Exploração Mista2 Campos dos Goytacazes 508,2000 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
71 Exploração Mista3 Campos dos Goytacazes 14,8000 35.135,14 35.135,14
72 Exploração Mista4 Macaé 92,0000 4.347,83 4.347,83
73 Exploração Mista5 Campos dos Goytacazes 130,6800 24.487,30 24.487,30 24.487,30
74 Exploração Mista6 Macaé 72,0000 7.777,78 7.777,78 7.777,78
75 Exploração Mista7 São Francisco do Itabapoana 12,1000 23.140,50 23.140,50 23.140,50
76 Exploração Mista8 Macaé 120,0000 5.966,67 5.966,67 5.966,67
77 Mata Macaé 12,0000 10.000,00 10.000,00 10.000,00 10.000,00
78 Mata Macaé 24,2000 12.561,98 12.561,98 12.561,98 12.561,98
79 Mata Macaé 34,2500 21.255,47 21.255,47 21.255,47
80 Mata Macaé 45,9800 26.098,30 26.098,30 26.098,30

1
- Pecuária + piscicultura ESTATISTÍCAS AMOSTRA GERAL DO MRT
2
- Pecuária + cana-de-açúcar Média 26.218,00 16.867,24 13.673,99 12.282,98
3
- Pecuária + coco Desvio Padrão Amostral 39.424,93 11.667,72 5.859,43 3.014,79
4
- Pecuária + mata Coeficiente de Varição 150,37 69,17 42,85 24,54
5
- Pecuária + silvicultura + avicultura Média menos um Desvio Padrão -13.206,93 5.199,51 7.814,56 9.268,19
6
Média mais um Desvio Padrão
- Pecuária + suinocultura + piscicultura + fruticultura 65.642,92 28.534,96 19.533,42 15.297,76
7
- Eucalipto + mandioca Número de Elementos 80 74 60 40
8
- Fruticultura + mata Campo de Arbítrio Inferior 22.285,30 14.337,15 11.622,89 10.440,53
Campo de Arbítrio Superior 30.150,70 19.397,32 15.725,09 14.125,42

1º Nível Categórico
Tipologia Pecuária - Leste Fluminense
Valor com
No do 1o o 3o
Tipologia Município Área (ha) elasticidade 2 Saneamento
elem. Saneamento Saneamento
(R$/ha)
1 Pecuária Campos dos Goytacazes 14,5200 11.019,28 11.019,28 11.019,28 11.019,28
2 Pecuária Campos dos Goytacazes 16,9400 28.807,56 28.807,56 28.807,56
3 Pecuária Campos dos Goytacazes 21,2000 10.943,40 10.943,40 10.943,40 10.943,40
4 Pecuária Campos dos Goytacazes 24,2000 24.793,39 24.793,39 24.793,39
5 Pecuária Campos dos Goytacazes 33,9800 70.629,78 70.629,78
6 Pecuária Campos dos Goytacazes 48,4000 11.570,25 11.570,25 11.570,25 11.570,25
7 Pecuária Campos dos Goytacazes 94,3800 7.204,92 7.204,92 7.204,92 7.204,92
8 Pecuária Campos dos Goytacazes 96,8000 12.396,69 12.396,69 12.396,69 12.396,69
9 Pecuária Campos dos Goytacazes 96,8000 4.545,45 4.545,45 4.545,45
10 Pecuária Campos dos Goytacazes 101,6400 7.870,92 7.870,92 7.870,92 7.870,92
11 Pecuária Campos dos Goytacazes 114,2200 9.917,70 9.917,70 9.917,70 9.917,70
12 Pecuária Campos dos Goytacazes 129,2300 24.762,05 24.762,05 24.762,05
13 Pecuária Campos dos Goytacazes 183,9200 7.438,02 7.438,02 7.438,02 7.438,02
14 Pecuária Campos dos Goytacazes 198,4400 9.917,36 9.917,36 9.917,36 9.917,36
15 Pecuária Campos dos Goytacazes 212,9600 9.767,09 9.767,09 9.767,09 9.767,09
16 Pecuária Campos dos Goytacazes 217,8000 4.958,68 4.958,68 4.958,68
17 Pecuária Campos dos Goytacazes 251,6800 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
18 Pecuária Campos dos Goytacazes 253,1300 12.562,08 12.562,08 12.562,08 12.562,08
19 Pecuária Campos dos Goytacazes 256,5200 8.264,46 8.264,46 8.264,46 8.264,46
20 Pecuária Campos dos Goytacazes 304,9200 7.346,19 7.346,19 7.346,19 7.346,19
21 Pecuária Campos dos Goytacazes 338,8000 8.264,46 8.264,46 8.264,46 8.264,46
22 Pecuária Campos dos Goytacazes 387,4900 9.917,37 9.917,37 9.917,37 9.917,37
23 Pecuária Campos dos Goytacazes 513,0400 9.917,36 9.917,36 9.917,36 9.917,36
24 Pecuária Campos dos Goytacazes 556,6000 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
25 Pecuária Campos dos Goytacazes 624,3600 7.438,02 7.438,02 7.438,02 7.438,02
26 Pecuária Campos dos Goytacazes 756,2500 7.404,96 7.404,96 7.404,96 7.404,96
27 Pecuária Carapebus 38,7200 34.090,91 34.090,91
28 Pecuária Carapebus 38,7200 12.396,69 12.396,69 12.396,69 12.396,69
29 Pecuária Carapebus 67,7600 9.090,91 9.090,91 9.090,91 9.090,91
30 Pecuária Carapebus 166,0000 7.710,84 7.710,84 7.710,84 7.710,84

Página 76 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

31 Pecuária Carapebus 251,6000 13.354,53 13.354,53 13.354,53 13.354,53


32 Pecuária Carapebus 479,1600 6.678,35 6.678,35 6.678,35 6.678,35
33 Pecuária Conceição de Macabu 16,9400 30.696,58 30.696,58 30.696,58
34 Pecuária Conceição de Macabu 26,7200 50.898,20 50.898,20
35 Pecuária Conceição de Macabu 36,3000 80.000,00
36 Pecuária Conceição de Macabu 48,4000 19.834,71 19.834,71 19.834,71
37 Pecuária Conceição de Macabu 50,8200 11.019,28 11.019,28 11.019,28 11.019,28
38 Pecuária Conceição de Macabu 111,3200 8.623,79 8.623,79 8.623,79 8.623,79
39 Pecuária Conceição de Macabu 116,1600 5.165,29 5.165,29 5.165,29
40 Pecuária Conceição de Macabu 353,3200 16.981,77 16.981,77 16.981,77 16.981,77
41 Pecuária Conceição de Macabu 900,2400 200.000,00
42 Pecuária Macaé 17,0000 44.705,88 44.705,88
43 Pecuária Macaé 33,0000 26.666,67 26.666,67 26.666,67
44 Pecuária Macaé 38,7200 24.793,39 24.793,39 24.793,39
45 Pecuária Macaé 58,0800 9.641,87 9.641,87 9.641,87 9.641,87
46 Pecuária Macaé 232,3200 13.774,10 13.774,10 13.774,10 13.774,10
47 Pecuária Macaé 249,2600 48.142,50 48.142,50
48 Pecuária Macaé 256,5200 14.345,86 14.345,86 14.345,86 14.345,86
49 Pecuária Macaé 532,4000 13.523,67 13.523,67 13.523,67 13.523,67
50 Pecuária Quissamã 13,0000 61.538,46 61.538,46
51 Pecuária Quissamã 72,6000 9.366,39 9.366,39 9.366,39 9.366,39
52 Pecuária Quissamã 217,8000 10.743,80 10.743,80 10.743,80 10.743,80
53 Pecuária São Francisco do Itabapoana 10,5700 9.839,17 9.839,17 9.839,17 9.839,17
54 Pecuária São Francisco do Itabapoana 106,4800 12.396,69 12.396,69 12.396,69 12.396,69
55 Pecuária São Francisco do Itabapoana 237,1600 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
56 Pecuária São Francisco do Itabapoana 271,0400 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
57 Pecuária São Francisco do Itabapoana 1.064,2700 16.537,16 16.537,16 16.537,16 16.537,16
58 Pecuária São João da Barra 14,3900 36.136,21 36.136,21
59 Pecuária São João da Barra 21,7800 24.793,39 24.793,39 24.793,39
60 Pecuária São João da Barra 33,8800 240.000,00
61 Pecuária São João da Barra 34,8500 175.989,90
62 Pecuária São João da Barra 72,6000 82.644,63
63 Pecuária Campos dos Goytacazes 181,5000 9.917,36 9.917,36 9.917,36 9.917,36

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 1


Média 28.346,22 17.365,13 12.961,48 11.030,46
Desvio Padrão Amostral 43.989,70 14.082,77 6.443,22 3.084,32
Coeficiente de Varição 155,19 81,10 49,71 27,96
Média menos um Desvio Padrão -15.643,48 3.282,36 6.518,26 7.946,14
Média mais um Desvio Padrão 72.335,92 31.447,90 19.404,71 14.114,78
Número de Elementos 63 58 51 40
Campo de Arbítrio Inferior 24.094,29 14.760,36 11.017,26 9.375,89
Campo de Arbítrio Superior 32.598,16 19.969,90 14.905,71 12.685,03

Página 77 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Tipologia Exploração Mista - Leste Fluminense
Valor com
No do 1o
Tipologia Município Área (ha) elasticidade 2o Saneamento
elem. Saneamento
(R$/ha)
64 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 14,5200 38.567,49
65 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 23,8000 23.529,41 23.529,41
66 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 102,5000 11.473,17 11.473,17 11.473,17
67 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 77,4400 15.495,87 15.495,87 15.495,87
68 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 224,6700 16.529,13 16.529,13 16.529,13
69 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 508,2000 16.528,93 16.528,93 16.528,93
70 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 14,8000 35.135,14
71 Exploração Mista Macaé 92,0000 4.347,83
72 Exploração Mista Campos dos Goytacazes 130,6800 24.487,30 24.487,30
73 Exploração Mista Macaé 72,0000 7.777,78 7.777,78
74 Exploração Mista São Francisco do Itabapoana 12,1000 23.140,50 23.140,50 23.140,50
75 Exploração Mista Macaé 120,0000 5.966,67

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 1


Média 18.581,60 17.370,26 16.633,52
Desvio Padrão Amostral 10.873,38 6.019,05 4.191,84
Coeficiente de Varição 58,52 34,65 25,20
Média menos um Desvio Padrão 7.708,22 11.351,21 12.441,68
Média mais um Desvio Padrão 29.454,98 23.389,31 20.825,36
Número de Elementos 12 8 5
Campo de Arbítrio Inferior 15.794,36 14.764,72 14.138,49
Campo de Arbítrio Superior 21.368,84 19.975,80 19.128,55

Tipologia Mata - Leste Fluminense


Valor com
No do 1o
Tipologia Município Área (ha) elasticidade 2o Saneamento
elem. Saneamento
(R$/ha)
77 Mata Macaé 12,0000 10.000,00 10.000,00 10.000,00
78 Mata Macaé 24,2000 12.561,98 12.561,98 12.561,98
79 Mata Macaé 34,2500 21.255,47 21.255,47
80 Mata Macaé 45,9800 26.098,30

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 1


Média 17.478,94 14.605,82 Mercado não Definido
Desvio Padrão Amostral 7.498,15 5.899,52 1.811,60
Coeficiente de Varição 42,90 40,39 -
Média menos um Desvio Padrão 9.980,79 8.706,30 -
Média mais um Desvio Padrão 24.977,09 20.505,34 -
Número de Elementos 4 3 2
Campo de Arbítrio Inferior 14.857,10 12.414,95 -
Campo de Arbítrio Superior 20.100,78 16.796,69 -

Página 78 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

2º Nível Categórico
Tipologia Pecuária em Pastagem de Baixo Suporte - Leste Fluminense
o Valor com o o o
N do 1 2 3
Tipologia Município Área (ha) elasticidade
elem. Saneamento Saneamento Saneamento
(R$/ha)
1 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 14,5200 11.019,28 11.019,28 11.019,28 11.019,28
2 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 16,9400 28.807,56 28.807,56 28.807,56
3 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 21,2000 10.943,40 10.943,40 10.943,40 10.943,40
4 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 24,2000 24.793,39 24.793,39 24.793,39
5 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 33,9800 70.629,78 70.629,78
6 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 48,4000 11.570,25 11.570,25 11.570,25 11.570,25
7 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 94,3800 7.204,92 7.204,92 7.204,92 7.204,92
8 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 96,8000 12.396,69 12.396,69 12.396,69 12.396,69
9 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 96,8000 4.545,45 4.545,45 4.545,45
10 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 101,6400 7.870,92 7.870,92 7.870,92 7.870,92
11 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 114,2200 9.917,70 9.917,70 9.917,70 9.917,70
12 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 129,2300 24.762,05 24.762,05 24.762,05
13 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 183,9200 7.438,02 7.438,02 7.438,02 7.438,02
14 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 198,4400 9.917,36 9.917,36 9.917,36 9.917,36
15 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 212,9600 9.767,09 9.767,09 9.767,09 9.767,09
16 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 217,8000 4.958,68 4.958,68 4.958,68
17 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 251,6800 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
18 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 253,1300 12.562,08 12.562,08 12.562,08 12.562,08
19 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 256,5200 8.264,46 8.264,46 8.264,46 8.264,46
20 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 304,9200 7.346,19 7.346,19 7.346,19 7.346,19
21 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 338,8000 8.264,46 8.264,46 8.264,46 8.264,46
22 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 387,4900 9.917,37 9.917,37 9.917,37 9.917,37
23 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 513,0400 9.917,36 9.917,36 9.917,36 9.917,36
24 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 556,6000 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
25 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 624,3600 7.438,02 7.438,02 7.438,02 7.438,02
26 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 756,2500 7.404,96 7.404,96 7.404,96 7.404,96
27 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 38,7200 34.090,91 34.090,91
28 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 38,7200 12.396,69 12.396,69 12.396,69 12.396,69
29 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 67,7600 9.090,91 9.090,91 9.090,91 9.090,91
30 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 166,0000 7.710,84 7.710,84 7.710,84 7.710,84
31 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 251,6000 13.354,53 13.354,53 13.354,53 13.354,53
32 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 479,1600 6.678,35 6.678,35 6.678,35 6.678,35
33 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 16,9400 30.696,58 30.696,58 30.696,58
34 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 26,7200 50.898,20 50.898,20
35 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 36,3000 80.000,00
36 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 48,4000 19.834,71 19.834,71 19.834,71
37 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 50,8200 11.019,28 11.019,28 11.019,28 11.019,28
38 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 111,3200 8.623,79 8.623,79 8.623,79 8.623,79
39 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 116,1600 5.165,29 5.165,29 5.165,29
40 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 353,3200 16.981,77 16.981,77 16.981,77 16.981,77
41 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 900,2400 200.000,00
42 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 17,0000 44.705,88 44.705,88
43 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 33,0000 26.666,67 26.666,67 26.666,67
44 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 38,7200 24.793,39 24.793,39 24.793,39
45 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 58,0800 9.641,87 9.641,87 9.641,87 9.641,87
46 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 232,3200 13.774,10 13.774,10 13.774,10 13.774,10
47 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 249,2600 48.142,50 48.142,50
48 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 256,5200 14.345,86 14.345,86 14.345,86 14.345,86
49 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 532,4000 13.523,67 13.523,67 13.523,67 13.523,67
50 Pecuária em pastagem de baixo suporte Quissamã 13,0000 61.538,46 61.538,46
51 Pecuária em pastagem de baixo suporte Quissamã 72,6000 9.366,39 9.366,39 9.366,39 9.366,39
52 Pecuária em pastagem de baixo suporte Quissamã 217,8000 10.743,80 10.743,80 10.743,80 10.743,80
53 Pecuária em pastagem de baixo suporte São Francisco do Itabapoana 10,5700 9.839,17 9.839,17 9.839,17 9.839,17
54 Pecuária em pastagem de baixo suporte São Francisco do Itabapoana 106,4800 12.396,69 12.396,69 12.396,69 12.396,69
55 Pecuária em pastagem de baixo suporte São Francisco do Itabapoana 237,1600 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93

Página 79 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
56 Pecuária em pastagem de baixo suporte São Francisco do Itabapoana 271,0400 16.528,93 16.528,93 16.528,93 16.528,93
57 Pecuária em pastagem de baixo suporte São Francisco do Itabapoana 1.064,2700 16.537,16 16.537,16 16.537,16 16.537,16
58 Pecuária em pastagem de baixo suporte São João da Barra 14,3900 36.136,21 36.136,21
59 Pecuária em pastagem de baixo suporte São João da Barra 21,7800 24.793,39 24.793,39 24.793,39
60 Pecuária em pastagem de baixo suporte São João da Barra 33,8800 240.000,00
61 Pecuária em pastagem de baixo suporte São João da Barra 34,8500 175.989,90
62 Pecuária em pastagem de baixo suporte São João da Barra 72,6000 82.644,63

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 2


Média 28.643,46 17.495,79 13.022,37 11.059,00
Desvio Padrão Amostral 44.284,98 14.172,44 6.493,80 3.119,28
Coeficiente de Variação 154,61 81,00 49,87 28,21
Média menos um Desvio Padrão -15.641,51 3.323,35 6.528,56 7.939,72
Média mais um Desvio Padrão 72.928,44 31.668,23 19.516,17 14.178,29
Número de Elementos 62 57 50 39
Campo de Arbítrio Inferior 24.346,94 14.871,42 11.069,01 9.400,15
Campo de Arbítrio Superior 32.939,98 20.120,16 14.975,72 12.717,85

Tipologia Exploração Mista (pecuária + piscicultura) - Leste Fluminense


Valor com
No do 1o 2o
Tipologia Município Área (ha) elasticidade
elem. Saneamento Saneamento
(R$/ha)
65 Exploração Mista (pecuária + piscicultura) Campos dos Goytacazes 14,5200 38.567,49
66 Exploração Mista (pecuária + piscicultura) Campos dos Goytacazes 23,8000 23.529,41 23.529,41
67 Exploração Mista (pecuária + piscicultura) Campos dos Goytacazes 102,5000 11.473,17 11.473,17 11.473,17

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 2


Média 24.523,36 17.501,29 11.473,17
Desvio Padrão Amostral 13.574,48 8.525,05 #DIV/0!
Coeficiente de Variação 55,35 48,71 #DIV/0!
Média menos um Desvio Padrão 10.948,88 8.976,24 #DIV/0!
Média mais um Desvio Padrão 38.097,84 26.026,34 #DIV/0!
Número de Elementos 3 2 1
Campo de Arbítrio Inferior 20.844,85 14.876,10 9.752,20
Campo de Arbítrio Superior 28.201,86 20.126,48 13.194,15

Tipologia Exploração Mista (pecuária + cana-de-açúcar) - Leste


Fluminense
Valor com
No do
Tipologia Município Área (ha) elasticidade
elem.
(R$/ha)
68 Exploração Mista (pecuária + cana-de-açúcar) Campos dos Goytacazes 77,4400 15.495,87
69 Exploração Mista (pecuária + cana-de-açúcar) Campos dos Goytacazes 224,6700 16.529,13
70 Exploração Mista (pecuária + cana-de-açúcar) Campos dos Goytacazes 508,2000 16.528,93

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 2


Média 16.184,64
Desvio Padrão Amostral 596,50
Coeficiente de Variação 3,69
Média menos um Desvio Padrão 15.588,15
Média mais um Desvio Padrão 16.781,14
Número de Elementos 3
Campo de Arbítrio Inferior 13.756,95
Campo de Arbítrio Superior 18.612,34

Página 80 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

3º Nível Categórico
Tipologia Pecuária em Pastagem de Baixo Suporte em Campos dos Goytacazes - Leste
Fluminense
Valor com
No do 1o
Tipologia Município Área (ha) elasticidade 2o Saneamento
elem. Saneamento
(R$/ha)
1 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 14,5200 11.019,28 11.019,28 11.019,28
2 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 16,9400 28.807,56
3 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 21,2000 10.943,40 10.943,40 10.943,40
4 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 24,2000 24.793,39 24.793,39
5 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 33,9800 70.629,78
6 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 48,4000 11.570,25 11.570,25 11.570,25
7 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 94,3800 7.204,92 7.204,92 7.204,92
8 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 96,8000 12.396,69 12.396,69 12.396,69
9 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 96,8000 4.545,45 4.545,45
10 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 101,6400 7.870,92 7.870,92 7.870,92
11 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 114,2200 9.917,70 9.917,70 9.917,70
12 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 129,2300 24.762,05 24.762,05
13 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 183,9200 7.438,02 7.438,02 7.438,02
14 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 198,4400 9.917,36 9.917,36 9.917,36
15 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 212,9600 9.767,09 9.767,09 9.767,09
16 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 217,8000 4.958,68 4.958,68
17 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 251,6800 16.528,93 16.528,93
18 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 253,1300 12.562,08 12.562,08 12.562,08
19 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 256,5200 8.264,46 8.264,46 8.264,46
20 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 304,9200 7.346,19 7.346,19 7.346,19
21 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 338,8000 8.264,46 8.264,46 8.264,46
22 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 387,4900 9.917,37 9.917,37 9.917,37
23 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 513,0400 9.917,36 9.917,36 9.917,36
24 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 556,6000 16.528,93 16.528,93
25 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 624,3600 7.438,02 7.438,02 7.438,02
26 Pecuária em pastagem de baixo suporte Campos dos Goytacazes 756,2500 7.404,96 7.404,96 7.404,96

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 3


Média 13.873,66 10.886,58 9.397,81
Desvio Padrão Amostral 13.082,51 5.193,55 1.807,36
Coeficiente de Variação 94,30 47,71 19,23
Média menos um Desvio Padrão 791,16 5.693,03 7.590,45
Média mais um Desvio Padrão 26.956,17 16.080,13 11.205,16
Número de Elementos 26 24 18
Campo de Arbítrio Inferior 11.792,61 9.253,59 7.988,14
Campo de Arbítrio Superior 15.954,71 12.519,57 10.807,48

Página 81 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

Tipologia Pecuária em Pastagem de Baixo Suporte em Carapebus Leste


Fluminense
Valor com
No do 1o
Tipologia Município Área (ha) elasticidade
elem. Saneamento
(R$/ha)
27 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 38,7200 34.090,91
28 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 38,7200 12.396,69 12.396,69
29 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 67,7600 9.090,91 9.090,91
30 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 166,0000 7.710,84 7.710,84
31 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 251,6000 13.354,53 13.354,53
32 Pecuária em pastagem de baixo suporte Carapebus 479,1600 6.678,35 6.678,35

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 3


Média 13.887,04 9.846,27
Desvio Padrão Amostral 10.235,37 2.914,57
Coeficiente de Variação 73,70 29,60
Média menos um Desvio Padrão 3.651,67 6.931,70
Média mais um Desvio Padrão 24.122,41 12.760,84
Número de Elementos 6 5
Campo de Arbítrio Inferior 11.803,98 8.369,33
Campo de Arbítrio Superior 15.970,10 11.323,21

Tipologia Pecuária em Pastagem de Baixo Suporte em Conceição de Macabu - Leste Fluminense


Valor com
No do 1o 3o 4o
Tipologia Município Área (ha) elasticidade 2o Saneamento
elem. Saneamento Saneamento Saneamento
(R$/ha)
33 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 16,9400 30.696,58 30.696,58 30.696,58 30.696,58
34 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 26,7200 50.898,20 50.898,20 50.898,20
35 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 36,3000 80.000,00 80.000,00
36 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 48,4000 19.834,71 19.834,71 19.834,71 19.834,71
37 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 50,8200 11.019,28 11.019,28 11.019,28 11.019,28 11.019,28
38 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 111,3200 8.623,79 8.623,79 8.623,79 8.623,79
39 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 116,1600 5.165,29 5.165,29 5.165,29
40 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 353,3200 16.981,77 16.981,77 16.981,77 16.981,77 16.981,77
41 Pecuária em pastagem de baixo suporte Conceição de Macabu 900,2400 200.000,00

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 3


Média 47.024,40 27.902,45 20.459,95 17.431,23 14.000,53
Desvio Padrão Amostral 62.184,73 25.659,31 15.847,78 8.669,37 4.216,12
Coeficiente de Variação 132,24 91,96 77,46 49,73 30,11
Média menos um Desvio Padrão -15.160,33 2.243,14 4.612,17 8.761,85 9.784,41
Média mais um Desvio Padrão 109.209,14 53.561,77 36.307,72 26.100,60 18.216,64
Número de Elementos 9 8 7 5 2
Campo de Arbítrio Inferior 39.970,74 23.717,09 17.390,95 14.816,54 11.900,45
Campo de Arbítrio Superior 54.078,06 32.087,82 23.528,94 20.045,91 16.100,61

Página 82 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras
Tipologia Pecuária em Pastagem de Baixo Suporte em Macaé - Leste Fluminense
Valor com
No do 1o 2o 3o
Tipologia Município Área (ha) elasticidade
elem. Saneamento Saneamento Saneamento
(R$/ha)
42 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 17,0000 44.705,88
43 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 33,0000 26.666,67 26.666,67
44 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 38,7200 24.793,39 24.793,39 24.793,39
45 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 58,0800 9.641,87
46 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 232,3200 13.774,10 13.774,10 13.774,10 13.774,10
47 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 249,2600 48.142,50
48 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 256,5200 14.345,86 14.345,86 14.345,86 14.345,86
49 Pecuária em pastagem de baixo suporte Macaé 532,4000 13.523,67 13.523,67 13.523,67 13.523,67

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 3


Média 24.449,24 18.620,74 16.609,25 13.881,21
Desvio Padrão Amostral 14.790,93 6.530,37 5.466,93 421,43
Coeficiente de Variação 60,50 35,07 32,91 3,04
Média menos um Desvio Padrão 9.658,32 12.090,36 11.142,33 13.459,78
Média mais um Desvio Padrão 39.240,17 25.151,11 22.076,18 14.302,64
Número de Elementos 8 5 4 3
Campo de Arbítrio Inferior 20.781,86 15.827,63 14.117,87 11.799,03
Campo de Arbítrio Superior 28.116,63 21.413,85 19.100,64 15.963,39

Tipologia Pecuária em Pastagem de Baixo Suporte em Quissamã - Leste


Fluminense
Valor com
No do 1o
Tipologia Município Área (ha) elasticidade
elem. Saneamento
(R$/ha)
50 Pecuária em pastagem de baixo suporte Quissamã 13,0000 61.538,46
51 Pecuária em pastagem de baixo suporte Quissamã 72,6000 9.366,39 9.366,39
52 Pecuária em pastagem de baixo suporte Quissamã 217,8000 10.743,80 10.743,80

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 3


Média 27.216,22 10.055,10
Desvio Padrão Amostral 29.731,91 973,98
Coeficiente de Variação 109,24 9,69
Média menos um Desvio Padrão -2.515,69 9.081,12
Média mais um Desvio Padrão 56.948,13 11.029,07
Número de Elementos 3 2
Campo de Arbítrio Inferior 23.133,79 8.546,83
Campo de Arbítrio Superior 31.298,65 11.563,36

Página 83 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

Tipologia Pecuária em Pastagem de Baixo Suporte em São Francisco


do Itabapoana - Leste Fluminense
Valor com
No do
Tipologia Município Área (ha) elasticidade
elem.
(R$/ha)
53 Pecuária em pastagem de baixo suporte São Francisco do Itabapoana 10,5700 9.839,17
54 Pecuária em pastagem de baixo suporte São Francisco do Itabapoana 106,4800 12.396,69
55 Pecuária em pastagem de baixo suporte São Francisco do Itabapoana 237,1600 16.528,93
56 Pecuária em pastagem de baixo suporte São Francisco do Itabapoana 271,0400 16.528,93
57 Pecuária em pastagem de baixo suporte São Francisco do Itabapoana 1.064,2700 16.537,16

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 3


Média 14.366,17
Desvio Padrão Amostral 3.100,03
Coeficiente de Variação 21,58
Média menos um Desvio Padrão 11.266,14
Média mais um Desvio Padrão 17.466,21
Número de Elementos 5
Campo de Arbítrio Inferior 12.211,25
Campo de Arbítrio Superior 16.521,10

Tipologia Pecuária em Pastagem de Baixo Suporte em São João da Barra - Leste Fluminense
Valor com
No do 1o 2o 3o
Tipologia Município Área (ha) elasticidade
elem. Saneamento Saneamento Saneamento
(R$/ha)
58 Pecuária em pastagem de baixo suporte São João da Barra 14,3900 36.136,21 36.136,21 36.136,21 36.136,21
59 Pecuária em pastagem de baixo suporte São João da Barra 21,7800 24.793,39 24.793,39 24.793,39 24.793,39
60 Pecuária em pastagem de baixo suporte São João da Barra 33,8800 240.000,00
61 Pecuária em pastagem de baixo suporte São João da Barra 34,8500 175.989,90 175.989,90
62 Pecuária em pastagem de baixo suporte São João da Barra 72,6000 82.644,63 82.644,63 82.644,63

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 3


Média 111.912,82 79.891,03 47.858,07 30.464,80
Desvio Padrão Amostral 93.140,64 68.781,80 30.655,23 8.020,58
Coeficiente de Variação 83,23 86,09 64,05 26,33
Média menos um Desvio Padrão 18.772,18 11.109,23 17.202,84 22.444,21
Média mais um Desvio Padrão 205.053,46 148.672,83 78.513,30 38.485,38
Número de Elementos 5 4 3 2
Campo de Arbítrio Inferior 95.125,90 67.907,38 40.679,36 25.895,08
Campo de Arbítrio Superior 128.699,75 91.874,69 55.036,79 35.034,52

Página 84 de 85
Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – INCRA
Superintendência Regional no Estado do Rio de Janeiro - SR-07
Divisão de Obtenção de Terras

Tipologia Exploração Mista (pecuária + cana-de-açúcar) em Campos


dos Goytacazes - Leste Fluminense
Valor com
No do
Tipologia Município Área (ha) elasticidade
elem.
(R$/ha)
68 Exploração Mista (pecuária + cana-de-açúcar) Campos dos Goytacazes 77,4400 15.495,87
69 Exploração Mista (pecuária + cana-de-açúcar) Campos dos Goytacazes 224,6700 16.529,13
70 Exploração Mista (pecuária + cana-de-açúcar) Campos dos Goytacazes 508,2000 16.528,93

ESTATISTÍCAS Nível Categórico 2


Média 16.184,64
Desvio Padrão Amostral 596,50
Coeficiente de Variação 3,69
Média menos um Desvio Padrão 15.588,15
Média mais um Desvio Padrão 16.781,14
Número de Elementos 3
Campo de Arbítrio Inferior 13.756,95
Campo de Arbítrio Superior 18.612,34

Página 85 de 85