Você está na página 1de 285

NÃO TENTE CONQUISTAR UMA ADOLESCENTE

(a 500 km de distância)

Ele, era um quarentão simpático, sem posses nem trabalho estável, separado do
primeiro casamento, com o encargo de dois filhos, e vivia num bar, com uma amiga,
amante, quase sócia.

Ela, era uma adolescente de 15 anos, cheia de sonhos, inteligente, mas ingênua,
controlada pela mãe, de família simples e morava em outro estado, a 500 km de
distância.

Só que: Ele... procurava por Ela...

Essa revista, a Carinho Romance


nº 42, edição de Novembro de
1981, numa coincidência fatal,
apresentou, um ao outro e deu o
tom da conversa, desde as
manchetes. Seria destino?

Foi assim que tudo


começou. Um homem decep-
cionado com seu relacionamento
anterior, (apesar dos muitos anos
positivos), buscava uma nova
vida. Buscava recomeçar, para
corrigir, o que não deu certo da
primeira vez.
“-Eu tinha 39 anos quando
coloquei esse anúncio e ainda
morava com a ex, e a revista saiu sete meses depois, quando eu já estava sozinho.
Nessa época, vivia financeiramente aos trancos e barrancos, acabado de sair de uma
empresa de engenharia onde trabalhava como projetista verificador, e a minha vida
conjugal estava um inferno. Não há, lamentavelmente, outra qualificação melhor.
Eu havia deixado a minha família por razões de não suportar mais continuar
com a minha ex-mulher e estava já com 40 anos feitos, morando numa loja grande,

1
um antigo cinema, e ali havia desenvolvido um negócio, tipo bar, com 4 mesas de
jogos de sinuca no salão, um balcão nos fundos uma geladeira residencial que levei
da minha casa para poder conservar bebidas geladas, e dormia num quartinho aberto
nos fundos, numa cama duplex improvisada com um andaime tubular de obras. Uma
situação muito ruim para quem pretende começar um relacionamento com uma garota
“bem mais jovem”, certamente, mas eu sou o homem do improviso, que não sabe o
dia de amanhã. E o amanhã, poderia ser diferente. Viver solitário nunca foi o meu
forte, e eu estava me sentindo muito mal, vivendo daquele jeito. Daí eu arrisquei
tudo.
Foi uma época em que eu não amava ninguém nem ninguém me amava. Um
horrível vazio estava instalado no meu coração. Eu sentia essa solidão.

A Nádima, exercitando-se em sua nova máquina de datilografia, foi solicitada


por uma amiga para ajudar a responder alguns anúncios da revista e, só por
brincadeira, respondeu também a um, que lhe chamou a atenção. O meu.

Quando começaram a chegar as primeiras cartas na Caixa Postal, até me


surpreendi pela quantidade, e fiquei simplesmente eufórico. Na primeira vez que fui à
cidade para conferir, havia mais de 40 cartas, de mulheres que responderam ao meu
anúncio. Nem todas eram garotas “bem mais novas”, principalmente porque isso
ficou meio indefinido, visto que eu também não coloquei a minha idade. Um
“experiente e responsável” poderia ter entre 30 a 60 anos!... E naturalmente, elas
perguntavam por esse detalhe que eu omiti de propósito, para poder especular.
Em princípio eu achava que as de 25/30 anos estariam suficientemente
enquadradas entre essas “bem mais novas” e fui dando corda, e as coisas foram
acontecendo, mas aos poucos, as idades das garotas que buscavam esse homem
experiente foram baixando, 20, 18, 16, 15, 14, 13 anos, e as minhas pretensões
subindo. Quanto mais novas, mais estariam se enquadrando no que eu poderia
desejar. Recomeçar é começar do princípio, com alguém que vai começar também.

Foram 3 meses recebendo cartas, antes da primeira correspondência da Nádima


chegar, a uma média de 20 cartas por semana, de tal forma que eu já havia me
correspondido com quase 300 garotas de todo o país, inclusive do exterior. Dessas
correspondências, resultou alguns encontros, em princípio, com as correspondentes
aqui mesmo do Rio de Janeiro, com todas essas idades e, desses encontros, algo mais
foi acontecendo na minha vida, de tal maneira que solitário eu já não era mais...
Depois, saí para encontrar garotas mais longe, buscando a minha musa
renovadora. Em São Paulo, Minas Gerais e quase fui parar em Sta. Catarina. 15 anos,
13 anos, 19 anos, 18 anos, e ainda havia aquelas que queriam ou aceitaram vir me
conhecer aqui mesmo, e as que me queriam para um encontro casual.

Foi quando no meio da correspondência chegou a primeira carta da Nádima,


logicamente, datilografada (ela estava treinando, lembra?)
Transcrevo na íntegra:

São Paulo, 3 de fevereiro de 1982.


2
Oi Tony,
Tudo bem.

Tony, espero não estar muito atrasada ao lhe


escrever, mais acho que não é muito tarde para começar
uma nova amizade.
Sinceramente me chamou a atenção o que você escreveu
na revista. Foi algo diferente, talvez tenha sido por
isso que resolvi escrever para você. Seu estilo de se
expressar é muito bacana.
Tenho 15 anos (na verdade 14), sou morena clara, olhos e
cabelos castanhos claros, modéstia parte sou bonita e não
sou só eu que acho isto.
A coisa que mais gosto é ter amigos, porque acho que
cada um pensa diferente e conhecendo os pensamentos dos
outros podemos expressar melhor as nossas idéias. Espero
que concorde comigo.
Você diz ser um homem experiente, quero saber a sua
idade e mais alguns dados sobre você. Se possível quero
sua foto, depois lhe mando a minha.
Sabe, eu adoro poesias e tudo que é romântico. Sou do
signo de aquário, levo muito a sério a astrologia, tanto
que gostaria de saber seu signo.
Eu gosto de esportes, todo tipo de música eu curto,
amo a natureza. O amor é fundamental para a humanidade
por isso eu acho que todo mundo deve amar alguém e o
único método para isso é amar a si de verdade.
Eu não quero que você me ache um pouco careta, mas eu
gosto tanto de viver que eu às vezes eu sinto que exagero
um pouco.
Olha, não deixe de me escrever e quando fizer isso
fala o que você achou do meu jeito de pensar isso é muito
importante pra mim.
Espero que nossa amizade seja pra valer, apesar de
não nos conhecermos pessoalmente.
Termino por aqui e espero que você não dê mancada e
me escreva.

Um beijo de sua colega.

Nádima B. Cavalcante.

3
Eram muitas as
correspondências que eu
recebia, e os assuntos
geralmente na primeira carta,
eram similares. Não daria
tempo para responder todas e
dizer quase a mesma coisa,
por isso eu criei uma carta
padrão, tirava cópias xerox e
enviava. Infelizmente essa
Foto tirada quando a Nádima nasceu carta eu não tenho mais, nem
a Nádima parece que guardou, mas falava de mim, do que eu
pretendia, explicava o que queria, que essa pessoa viesse morar
comigo aqui no Rio, enviava algumas fotos minhas em xerox preto e
branco (cópias dessa ao lado) e solicitava como fator imprescindível
para uma nova resposta, o envio de uma fotografia.
Assim foi que, dias depois, recebi uma nova resposta dela,
dessa vez escrita a mão:
1980

São Paulo, 25 de fevereiro de 82.

Querido Tony.

Ao lhe escrever, o meu objetivo era encontrar um verdadeiro amigo


e acho que o encontrei.
Tony, eu amo a vida, adoro me divertir, qualquer experiência nova é
válida, mesmo sendo ruim.
Eu gosto de falar sobre sexo como uma coisa natural, abertamente.
E creio que, em relação a isso, você pensa como eu.
Não tive muitos namorados embora fosse apenas “passa-tempo”.
Pra mim o casamento não é tão importante, o meu sonho é ter ao
meu lado a pessoa que amo.
Você me fez a proposta de ir morar com você, bem, para isso quero
conhecê-lo melhor e quero que você me conheça melhor também.
Pelas suas qualidades morais e físicas, você é um homem e tanto.
Espero que não demore para escrever e mandar mais dados sobre
você.

Um beijo, de sua amiga


4
Nádima
(A foto não precisa devolver)

Essa foto veio junto da carta. Foi


tirada especialmente com a finalidade de
me enviar. Grande, nítida, para não deixar
dúvidas. A Nádima sempre foi assim: não
tem meios termos. Ou é ou não é.
Eu quase caí duro ao ver essa foto.
Essa estava extrapolando as minhas
pretensões. Será que eu conseguiria tudo
isso para mim? Eu teria cacife para
bancar um relacionamento no nível que a
beleza dessa garota merecia? Era muita
responsabilidade!... 15 anos? Ela era uma
gracinha, mimosa, com um lindo sorriso,
olhos expressivos. Trazia tanta vida no
semblante, que me contagiou a primeira
vista! Era isso que eu precisava. Vida!...
Alegria!... Jovialidade!...
E ela disse que me achava um
homem e tanto! E nem se importava com
casamento! E aí? Como é que fica?!

Rio de Janeiro, 3 de março de 1982

Nádima Querida

Estou com um pé meio atrás com você.


Você tem uma concepção de vida muito adulta e realista para a
sua idade, que ainda era para estar sonhando com príncipes
encantados e Papai Noel.
Se você realmente pensa o que escreve, só me enche de fascínio e
não vou te fazer mais elogios quanto a isso, porque me considero
suspeito. Mas é o que ensinaria a uma filha.

5
A sua frase: “pra mim o casamento não é tão importante, o meu
sonho é ter ao meu lado a pessoa que amo” é de uma profundidade
incrível, e acho mesmo que nem você mesma, avalia o quanto.
Sua outra frase: “qualquer experiência nova é válida, mesmo
sendo ruim” diz mais ainda. Demonstra muita coragem e segurança,
fatores imprescindíveis para se enfrentar o mundo de hoje.
O restante também muito precioso, revela você como uma garota
excepcional.
Fisicamente, você tem todas as qualidades de uma garota bonita,
como você mesma reconhece (independente da sua altura que não
conheço, mas deve estar na média) e eu não preciso acrescentar mais do
que: Com todas essas qualidades que eu já conheço, independente das
que ainda não conheço, mas imagino, você já tem o suficiente para o
meu gosto e exigência, tanto e tantas, que eu a convido para ser minha
mulher.
----E isso já é oficial -----

Entretanto, (o pé atrás) eu já sou gato escaldado e já conheço


bem o ditado que diz: “Toda donzela tem um pai que é uma fera”, a
teoria na prática é outra, não acredito que as suas teorias, vontades e
concepções possam prevalecer sobre às da sua família, porque você não
foi bem clara nesse ponto. Eu compreendo perfeitamente, que ter
vontade é uma coisa e eu já te admiro muito por isso, mas daí, até
realizar, a distância é muito grande.
Não estou querendo te desanimar, aliás, sequer conheço a sua
vida, falo apenas em termos de padrão, mesmo já sabendo que você
não está bitolada nele.
Eu tenho limitações. Devo admitir isso, procurando enquadrar-me
no contexto do possível, sem sonhar em demasia, sem dar asas à
6
imaginação fantasiosa que nós temos.
Nádima querida, só escrever-lhe essa carta, propondo que você seja
minha doce e eterna namorada, já é um sonho e já faz parte de uma
fantasia, pois, do contrário, nem teria respondido sua carta. Não me
passou nem por um momento despercebido, que você é menor de idade,
portanto, irresponsável pelos seus atos (Pelo que escreve e pelo que
diz) Sequer não devo falar com você sobre sexo, porque, por lei,
estarei cometendo um crime.
Não fosse a expressão do seu rosto, de quem sabe o que quer, não
fosse sua resposta com mais de 10 anos avançada, eu não ousaria
olhar o seu retrato e desejá-la com carinho. Sequer apreciaria o seu
colo bonito e os seus olhos expressivos, cheios de amor.
Não sei que esperanças posso ter, mas vou aguardar sua próxima
carta para saber, na certeza de que, sendo minha amiga e eu seu
amigo, não irá criar ilusões para nós dois.
De minha parte, tudo está aos seus pés, inclusive eu me dou a
você, para que você faça uso de mim como bem quiser.
Só te peço que não maltrate o meu coração desnecessariamente.
Estou sendo humilde no meu pedido, porque você pode perder os seus
próximos 10 anos que não te farão falta, e eu não quero perder 10
minutos da minha vida.
Falar de sexo com você será estranho, porque direi coisas que você
não conseguirá entender (por mais ilustrada que seja) e eu conheço um
mundo de coisas, de tudo que você já ouviu e ainda não ouviu falar.
Por coincidência, sou um dos homens mais experientes desse planeta e
até você, como mulher, eu conheço melhor do que você mesma.
Não sei como você “passou o tempo” com esses poucos namorados
que você teve.
Não me interessaria saber se fosse para julgar ou avaliar você
7
como gente, mas apenas perguntarei, atendendo a uma solicitação sua,
para saber até aonde você conhece do assunto.
Entretanto, gostaria de propor um pacto com você – Que não
modifica ou interfere em tudo o que te disse e propus desde a primeira
folha dessa carta – que seria; total e absoluta franqueza e sinceridade
nas perguntas e respostas. Liberdade nos termos e expressões usadas,
sem que isso seja considerado como inconveniente e por último, total e
absoluto sigilo e discrição do que for contado, dito e explicado.
Se você concordar e achar bem assim, basta responder as
perguntas que fiz no fim da carta, que tem a finalidade de quebrar
logo o gelo e ampliar a intimidade que existe entre nós.
Entretanto, quero que você saiba que o meu objetivo é você, com
sinceridade, seriedade e amor. Isso nada terá a ver com suas
experiências, seus relatos ou suas dúvidas e vou deixar bem claro:
Tanto faz você ter vindo de um convento, como da sarjeta, o que me
interessa, o que me diz respeito e tem significado para mim é o que você
é pra mim. Como você me trata, como você me considera, como você me
respeita e ama. (desculpe os exageros da comparação).
Ainda não conheço você (isso não me faz diferença) vou começar
a conhecer agora.
Seu passado, como o meu, será meramente ilustrativo. Poxa,
acho que não deixei dúvidas, certo?
Você disse que o seu objetivo ao escrever, era encontrar um
verdadeiro amigo.
Quero sê-lo. Também amo a vida e quero viver, livre de
preconceitos, divertindo com saúde, alegria e bem estar. Procurando a
vida nas pequenas coisas. Curtir o sol, o mar, as montanhas, os
animais.
Gosto da mulher como símbolo da natureza, gosto do amor e do
8
sexo descontraído, com arte, com fogo, com alegria e prazer.
Conviver com uma boa fêmea é algo que dá vida à própria vida.
Uma boa fêmea não precisa nascer sabendo. Ela usa o instinto, a
sabedoria, e eu ensino tudo, desmancho preconceitos e liberto a paixão.
A proposta está feita e reforçada. Você só aceita se quiser, se
puder e quando quiser. Se você achar que pode, que deve, que quer
tentar essa experiência, eu te dou a minha palavra de que ela, se for
ruim, não será desastrosa e há esperança de que seja maravilhosa,
duradoura, realizadora, imensa e longamente feliz.
O que você resolver, não demore. Eu estou procurando essa amiga-
companheira-amor de “vela acesa” e não tardarei a encontrá-la. Pode
ser você. Só depende de você, ou da que for mais rápida, mais
perspicaz, mais esperta, mais corajosa.
Eu tenho defeitos e qualidades. Porém muito mais qualidades do
que defeitos. Sei quem sou, e o que eu sou. Conheço o meu valor. É
preciso transmiti-lo, expor-me para que você me avalie.
Quando eu encontrar uma, as outras “morrerão”, deixarão de
existir. Minha dedicação será exclusiva e liberal.
Profissionalmente sou empresário. Comerciante quando a
empresa é pequena e projetista de engenharia por formação.
Minha classe sócio-econômica é a média, com variações.
Estive em crise há uns 5 anos, quando separei-me da minha ex-
mulher. Fiz quase questão de afundar, para que tudo afundasse junto.
Estava demais para mim. Vivi 1 ano doente, com stress, estafa de
tudo. Vivi 2 anos de férias me recuperando. Voltei à vida, cheio de
força e sabedoria. Meditei, experimentei e concluí que seria bom
recomeçar.
Muito mais seguro, muito mais experiente, sabendo o que quero.
Não estou buscando orgias nem passa-tempos. Busco um amor.
9
Não acredito que amor platônico traga felicidade, mas sim o
amor-amizade, consciente, conseguido através de esforço e perseverança,
lealdade e sinceridade. Por isso, não é preciso estar perdidamente
apaixonado por você, para amá-la e fazê-la feliz. O amor vem
rapidinho, a partir de quando eu der o sinal verde para o meu coração.
Você é uma mulher cheia de qualidades. Me satisfaz em cheio.
Não tem o que errar. Quero-a para mim e quero dar-me para você.
Fim de papo.
Com muito carinho e ansiedade espero sua resposta. Acho que te
falei muito de mim. Qualquer dúvida ou curiosidade é só perguntar.
Por obrigação, eu deveria hoje te enviar uma foto minha. Não a
tenho. Emprestei e não me devolveram. Providenciarei mais cópias.
Estou te enviando essa, mais por questão de consideração. Ela é do
meu álbum, antiga e muito valiosa para mim. Devolva quando
receber a outra, por favor. Ou venha junto com ela para junto de mim.

Se você quiser ilustrar-se e trocar idéias, aí vão as perguntas:


1 – Quando você se despertou sexualmente?
2 – Você já teve relações sexuais completas?
3 – Já te sugaram os lindos seios?
4 – Você se masturba ou já tentou?
5 – Tem idéia do que é orgasmo?
6 – Viu algum filme pornográfico?
7 – O que mais (na sua concepção) aprecia sexualmente num
homem?

Acho que chega, para começar. Das suas respostas farei


comentários e acrescentarei conhecimentos.
Um doce e molhado beijo.
10
Tony

Ia esquecendo:

Meu nome: Alfredo Bernacchi Alves (Tony)


Endereço: Pça. Alberto Monteiro Filho 3 A
Jacaré – RJ
Cep 20970 – Tel 261-4999

Escreva pare esse endereço que eu recebo mais rápido.


Não ligue interurbano a cobrar porque o telefone é utilizado por
outras pessoas e dá muita confusão na hora de pagar a conta. Se
quiser, ligue e mande a conta, ou escreva que é mais barato.

Outro beijo
Tony
Apesar da foto ser antiga
não mudei muito.
Essa foi a foto que mandei
para ela. Certamente uma das mais
bonitas que eu já tirei.
Reparem que eu entrei de
cabeça nesse relacionamento.
Acreditei muito, apesar da pouca
idade da Nádima e, apesar de tudo
não passar apenas de uma fantasia
de adolescente, sem a menor
possibilidade de se tornar algo
mais sério, eu acreditei. Joguei
todas as minhas cartas e fui
sincero. Evidente que não disse
também que passava por uma
situação financeira muito ruim,
porque eu mesmo acreditava que não seria sempre assim e as coisas poderiam mudar
completamente em algum tempo. Eu daria esse tempo a ela e teria esse tempo pra
11
mim. Mas foi acreditando que eu investi na Nádima.

Acontece que a Nádima não mais respondeu. Passou todo o mês e eu não obtive
resposta. Imaginei que ela tivesse desistido. Era de se esperar. Era a primeira
hipótese. Quando ela percebeu a seriedade do que estava acontecendo, deve ter
vacilado um pouco.
Então eu enviei outra carta solicitando que me devolvesse a foto e devolvi a
dela também. Tudo bem, a foto era do meu álbum. Se não houvesse nada entre nós,
era até de se esperar, mas que então devolvesse a foto. Foi o que eu pedi.

Acontece também, que a Nádima havia respondido, de fato, mas a carta dela se
extraviou, quando enviou para o novo endereço que eu forneci, e ela não
compreendeu a cobrança pela foto, julgando-me indelicado e pensando que eu é que
houvesse desistido da correspondência.
Eu nunca fiquei sabendo o que ela escreveu, porque ela, aborrecida, rasgou a
minha carta e a dela quando voltou ao remetente. E ficou nisso aí. Mas a foto ela não
devolveu e eu continuei cobrando e até ameacei ir lá buscá-la. Até que, dela,
chegaram duas cartas pequenas, uma anunciando um noivado por lá e outra me
devolvendo finalmente a foto.
Como cartas levam algum tempo para serem entregues, acontece
freqüentemente, mensagens entrelaçadas. Quando você já está de bem e escreve todo
amável, chega uma anterior te xingando, essas coisas assim...

São Paulo, 16 - 3 - 82

Tony

O que houve com você, é o que eu gostaria de saber.


Nunca pensei que você fosse capaz de agir como agiu. Eu já esperava isso,
mas nunca pensei que fosse desse modo.
Desculpe-me dizer isso, mas você foi muito covarde. Não explicou o
que houve, apenas escreveu coisas que embora tenham sido poucas, me
deixaram muito magoada. Eu imaginava que você seria outro, diferente do
que é.
Se você tiver a capacidade de me explicar o que aconteceu será bom,
mas se não puder, tudo bem. Não houve nada entre nós mesmo.
É melhor terminar por aqui, pois você não imagina o que sinto.
Desculpe-me se decepcionei você.
Nádima

12
(Sua foto está entregue)

Foi nesse meio tempo que chegou outra carta minha cobrando a tal foto e até
ameaçando ir lá buscá-la. Ela assim respondeu:

São Paulo, 26 de abril de 1982.

Tony,

Eu lhe asseguro que já mandei sua foto, assim que você me pediu.
Se não chegou até você, sinto muito, foi um erro do correio.
A carta onde estava sua foto, eu creio que mandei pelo endereço que
você me deu e não para a caixa postal, acho que esse endereço está errado,
procure saber.
Vindo aqui, você só perderá tempo, sua foto não está comigo. E
porque que eu iria querer ficar com ela?
E por favor, não me escreva mais e nem tente me procurar, eu
mudei de residência.
Perdoe-me se você for capaz, mas a culpa não é minha.
E antes que eu esqueça, estou noiva e você está convidado para meu
casamento dia 16 de outubro.
Passe bem.
Nádima.

Rio, 4 de maio de 82

Recolhi hoje duas cartas suas, 16 e 26 de abril, junto com a


fotografia.
O que houve, eu é que deveria perguntar! (?)
Enviei uma carta muito carinhosa para você e fiquei sentado
aguardando resposta a “simplesmente” 2 meses.(?)
Portanto, sua última carta antes dessas, está datada de 25 de
fevereiro e veio junto com a sua foto – que eu já devolvi.
13
Se você não tivesse se interessado em escrever, tudo bem. Cada um
sabe de si e define a sua vida como bem entender. Portanto, isso não
me causaria estranheza (É comum das pessoas se esconderem, ao invés
de serem sinceras).
O que me aborreceu foi, além do seu silêncio, o fato de você não
me haver devolvido a foto que para você é apenas um pedaço de papel,
mas como eu disse, foi retirada do meu álbum.
O seu noivado anunciado explica enfim, tudo o que aconteceu, e
você poderia ter agido de outra forma.
Lamento pelo incidente.

Felicidades.
Tony

São Paulo, 12/5/82


Tony,
Eu sei que deveria ter agido de outro modo, mas a culpa não foi
minha.
Vou tentar explicar: eu respondi todas suas cartas, mas sem saber de
nada, você me mandou uma pequena carta pedindo sua foto e sem
explicação nenhuma. Logo depois que eu enviei sua foto, recebi de volta a
carta que eu havia lhe mandado, Portanto, você não a recebeu e pensou
que eu não havia escrito.
Se eu, realmente, não estivesse mais interessada em lhe escrever, eu
simplesmente lhe mandaria sua foto de volta e explicaria tudo.
Eu deveria ter explicado tudo isso antes, mas é que nesse ponto, eu
muito fraca, quando percebo que alguém não se interessa mais por mim,
eu caio fora e foi isso que eu pensei de você.
Perdoa-me se eu fiz tudo errado, mas no fundo, no fundo eu gosto de
você.
Já que eu não fiz isso antes, vou fazer agora. Eu tenho que aprender a
lutar pelas coisas que quero. Se você topa esquecer tudo o que aconteceu
14
será ótimo.

Mil beijos.
Nádima

É claro que essa situação embaraçava a Nádima. Afinal ela tinha 15 anos, na
verdade, acabara de fazer em fevereiro. Enquanto eu a encurralava, ela tinha todo o
tempo do mundo. É difícil para uma garota tomar certas decisões, por mais afoita e
confiante que ela seja. Quinze anos, é uma menina que nada sabe e o que ela
precisaria é ter confiança para se colocar nas mãos de um adulto, com a certeza de
que irá protegê-la e não magoá-la. Isso é difícil de conseguir. Depois, ainda tem que
convencer toda a família do que ela acreditava...

São Paulo, 31 de maio de 82

Querido Tony,

Não ligue se demorei um pouco para lhe escrever. Não foi falta de
vontade.
Sabe Tony, eu gostaria muito de me encontrar com você um dia, mas
tenho medo de você, me vendo pessoalmente, não gostar mais de mim.
Nas cartas eu dou a você o que eu sou por dentro e se você me ver
pessoalmente? Eu acho que nem vou conseguir falar direito, se um dia me
ver frente a frente a você.
Tony, não sei se é só porque você me escreve coisas que mexem
comigo ou por outro motivo qualquer, mas cada dia que passa, cada
momento que me lembro de você, cada vez que leio e releio suas cartas,
percebo que eu preciso de você. Sei que você pode me ajudar, pois estou
passando por uma fase muito difícil de minha vida e só você pode me dar
uma palavra amiga.
Claro que devemos quebrar esse gelo que ainda há em nós e você faz
as perguntas e eu as respondo porque nesse assunto você é o chefe.
Bom, eu vou responder as perguntas que você me fez da outra vez. Lá
vai:
1-Não sei exatamente quando me despertei sexualmente.
2-Nunca tive relações sexuais completas nem incompletas, ou seja,
15
nunca tive relação sexual.
3-Nunca ninguém, além de mim, sugou meus seios.
4-Sim, eu já me masturbei.
5-Eu tenho idéia do que seja orgasmo.
6-Já vi vários filmes pornográficos.
7-O que mais aprecio num homem, acho que ele todo, desde que
tenha um belo corpo e seja carinhoso e sincero nas suas atitudes.

Não sei se respondi direito as suas perguntas, mas gostaria, como


você prometeu, que você comente sobre as respostas e acrescente
conhecimentos.
As minhas únicas perguntas, afinal tenho o direito de saber, é sua
idade, que você ainda não disse, e se você teve filhos no seu casamento.
Você compreende, não? Eu apenas gostaria de saber...
Gostei da sua foto. Sobre a minha eu vou ousar lhe mandar e se você
ousar me devolver de novo, nunca mais lhe escreverei.
Antes que eu esqueça, você pode me mandar carta para o meu antigo
endereço. É que lá mora minha avó e eu estou mais lá do que aqui, e
também quando chega sua carta passa pela mão de muita gente até
chegar à minha e tenho medo que eles abram minha correspondência, isso
se você não se importar.
Escreva-me o mais rápido que quiser. Espero ansiosa sua carta.
Não ligue para as brincadeiras que faço. É que quando eu lhe escrevo
fico até meio boba.
Afinal, eu sou boba mesmo.
E a foto que lhe mando é a melhor que tenho, por isso não ligue por
ser a mesma que lhe mandei antes.

Outro beijo longo e gostoso.

Nádima boba.

Rio 9 de junho de 1982

16
Querida Nádima

Desde o início da nossa correspondência, você me inspirou um


carinho muito especial. Aos poucos a personalidade amável e sensível
que você tem, vem confirmando as características que eu admirava em
você, além de outras que como sempre, surgem a cada momento.
Entre mim e você há uma diferença de relações. A minha é
tranqüila e despreocupada, embora amorosa, mas até mesmo sem receio
de qualquer envolvimento mais profundo, porque até isso o meu
coração solicita de mim.
A sua (bastante natural) ainda é insegura, cheia de dúvidas e
medos do desconhecido, porque você está iniciando a pisar num terreno
que você não conhece bem.
Embora você tenha uma base de “cuca” muito sólida e uma
personalidade admirável de pessoa que costuma lutar para conseguir o
que quer, evoluída e moderna, sem ser vulgar, acho que a solução seria
você me dar o braço, confiar em mim e deixar que eu te guie pelo novo
caminho, até que você o conheça melhor.
Eu terei sempre o máximo prazer em conduzi-la e me orgulharei
se conseguir que você caminhe lhe evitando tropeços e arranhões de
qualquer espécie.
Em princípio esse caminho é difícil para você, porque não é o
habitual onde todo mundo pisa e já está liso e plano.É mais como se
fosse um caminho novo, um atalho, mas com uma diferença muito
grande.
Os caminhos comuns vão a lugares incertos e muitos se perdem em
labirintos que, às vezes sem saída, faz com que você retorne sempre ao
local de partida. Os destinos dos demais também já são desgastados e
explorados, perdendo ater o sabor e a emoção que poderiam
17
compensar uma caminhada tão longa e incerta.
O atalho, você consegue até mesmo ver o seu objetivo e não há
medo de se perder. No local, a paisagem é linda e selvagem. Existem
ainda flores que ninguém tocou, água limpa e fresca, uma vista que
poucos viram e a emoção da aventura. Mas o caminho é difícil para
você sozinha, pois é acidentado e perigoso.
Será preciso um bom guia. Alguém experiente que trilhará com
você, apoiando e conduzindo evitando-lhe os perigos, mas deixando
para você a emoção da aventura e a escolha do caminho.
Eu sugiro que você vá pelo atalho e por garantia me leve junto
para zelar por você.

Quero que você conte comigo como nunca contou com ninguém, e
permita que eu a ajude e oriente os seus passos mais incertos. Quero que
você discuta comigo abertamente os seus problemas, mesmo os mais
íntimos, mesmo os que têm relação comigo ou conosco.
Antes de tudo quero ser seu amigo. Alguém que você pode confiar.
Os demais fatores que poderão envolver e definir o nosso
relacionamento ficarão para o acaso e deixaremos que evoluam
livremente, ok?

Quanto a mim, você não precisa ter medo. Considero você uma
menina, doce e inexperiente com a qual travarei uma amizade
transbordante de carinho e compreensão.
Frente a frente comigo, eu só exigirei que você diga “Oi” e isso
não será tão difícil.
Mesmo a menina mais tímida do mundo não me causaria
18
estranheza ou decepção, pois tenho um dom especial de lidar com
pessoas de qualquer gênio ou característica.
Quanto a gostar de você ou não, acho que isso não será motivo de
preocupação. Primeiro porque nós desenvolveremos, inicialmente, uma
boa amizade, onde as aparências são, de certa forma, secundárias.
Já é importante que eu gosto de você, pelo que você é, e já
demonstrou isso através das suas cartas. Isso para mim é muito
importante.
De que me adiantaria uma garota exclusivamente bonita
externamente, e sem conteúdo por dentro, sem personalidade, sem
amizade, sinceridade etc, etc.
Com toda a certeza, seria um relacionamento frustrado.
Você tem muitas qualidades que me agradam em cheio e ainda
por cima tem uma aparência suave, meiga, simpática e bonita. Será
difícil não me agradar e me envolver.
Eu sei que também não sou ninguém excepcional de aparência,
mas não me considero feio, suficiente para ser desprezado por qualquer
garota, que me conheça internamente.
Com relação à nossa idade, realmente há uma diferença que para
muitos, é grande. Para mim, entretanto está ótima e conheço casais
com diferenças maiores que estão numa boa. O meu pai é um exemplo
bem próximo. Considero ainda que sou paquerado por garotas de 12,
13 e 14 anos. Embora eu não entenda bem porque, elas me trocam por
rapazes bem mais novos, eu aceito e incentivo, admitindo mesmo, a
possibilidade de algo mais sólido.
Você me faz uma pergunta quanto a minha idade. Na mesma
forma que você foi sincera nas suas respostas, eu deveria ser nas
minhas e serei. Apenas peço um tempinho, para que te envie umas fotos
bem atualizadas, e que você, por elas, tenha uma idéia de como sou
19
realmente. Por eu ser um homem de excelente saúde e muito
conservado, não estou dentro dos padrões normais de aparência-idade, e
não gostaria que os números influenciassem em qualquer opinião sua,
tá? Se você insistir, entretanto, eu te direi logo. Se não, te direi breve.

Pelas suas respostas, pude situar em que nível sexual você se encontra
e dá para ter uma idéia bem real do que você sabe ou não, do que você
sente ou não.
Achei interessante o fato de você mesma haver sugado os seus
próprios seios. Principalmente porque a maioria sempre tentou, mas
poucas conseguiram porque não os conseguem alcançar com a boca.
Também houve época que eu mesmo tentei alcançar o meu pênis
com a boca e não consegui, mas sei de pessoas que conseguiram.
Acredito que deve ser bastante gostoso você mesma proporcionar
esse prazer a você.
Bem, se considerarmos que o primeiro passo entre dois namorados
é o beijo, o segundo um bom saro por fora das roupas e o terceiro, o
chupar do peitinho da namorada, pude imaginar que você,
praticamente não tem qualquer experiência sexual (considerando que o
próprio beijo já é uma manifestação sexual).
É bom saber que você tem um mundo por descobrir e explorar na
área maravilhosa que é a sexual. Seria um prazer indescritível se eu
pudesse ser seu cicerone nessa excursão.
Vamos deixar o tempo passar e estudar isso com calma. Você está
longe de mim e isso é uma pena.
Não tenho o que comentar das suas respostas, porque elas não
traziam qualquer dúvida, nem você manifestou interesse em esclarecer
qualquer ponto.
20
Devo apenas admitir que, embora você se masturbe, é possível que
você não tenha ainda atingido o orgasmo, pois se não, você não teria
dúvidas a respeito.
Também é bom saber que é comum a moça não atingir o orgasmo
assim, com essa facilidade.
Lembro-me que quando eu também, com meus 15 anos comecei a
me masturbar, incentivado por colegas, não conseguia nada e até
mesmo passei a achar aquilo enjoado e sem propósitos.
Já ensinei muitas garotas a procurarem o seu prazer, mas muito
poucas conseguiram qualquer resultado prático, que não fosse, no
máximo, ficar com a vulva toda molhada e os bicos dos seios eretos.
Se você tiver qualquer dúvida ou curiosidade, pergunte.

Gostaria de pedir que você não comente nossas correspondências


com pessoas que tenham acesso aos seus pais, porque eles sabendo disso,
proibirão você de me escrever, e muito mais ainda de me ver um dia.
(Isso já aconteceu com várias moças com as quais tive contato). De
preferência, esconda-as muito bem escondidas ou jogue fora, porque a
curiosidade dos outros é um fato...
Tive dois filhos do meu casamento. São dois lindos garotos e
estão com 7 e 8 anos e vivem com a mãe. Eu saio com eles de vez em
quando e não há nada de especial, a não ser que são muito inteligentes
e meus amigos.
Também não escreva para a minha caixa postal, porque agora,
muito raramente vou recolher cartas lá.
Utilize o endereço que vai no envelope.
Obrigado pela foto. Foi muito bom poder revê-la. Não ousarei
devolvê-la nunca mais. Guardarei o mais próximo do meu coração,
21
possível.
Você para mim é muito preciosa e eu ficarei sinceramente abalado
se qualquer coisa acontecer e nossa correspondência for interrompida de
novo, por qualquer razão.
Se você fica boba quando me escreve, eu fico bobo quando leio o
que você me escreveu. Assim sendo, já que somos dois bobos, pelo menos
somos felizes, não é?
Sabe, Nádima. Já gosto muito de você. Estou feliz com você e
faço votos sinceros que nossa amizade frutifique a ponto de sermos
imprescindíveis, um ao outro.
Breve eu vou conhecer esse rostinho simpático que me sorri na
fotografia e isso só será motivo de alegria para mim. Mas não fique
preocupada, porque será apenas um encontro de amigos que deverá ser
motivo de alegria para nós.
Vamos conversar sobre as bobagens da vida e falar sobre o tempo,
se vai chover ou não.
Não se preocupe porque eu não serei agressivo, para não te deixar
encabulada nem sem jeito.
E não fique também preocupada pela sua aparência, porque
afinal, não deve ser muito diferente da fotografia, e pela foto já me
agradou mais do que o necessário.
Aceite o meu carinho, meus pensamentos que estarão dedicados a
você nesses dias, e escreva-me quando puder.
Quando você se sentir muito à vontade comigo, com liberdade e
intimidade suficiente, você me convidará a conhecê-la pessoalmente.
Isso pode ser quando você quiser. Daqui a 1 mês, 1 ano ou 5
anos. O importante é que esse encontro seja apenas alegre e festivo, sem
motivos para qualquer preocupação.
O meu beijo gostoso a você também.
22
C/ todo carinho.

Tony

Te espero ansioso.

São Paulo, 15 de junho de 82

Tony querido.

Eu fico muito feliz ao saber que você me considera tão importante


para você e a amizade que há entre nós é tão bonita, que é por essas e
outras razões que eu jamais poderia magoar você. Eu nunca pude ter um
relacionamento assim com alguém. Por isso, você já é importante pra
mim.
Tudo bem se você não quer dizer a sua idade, é normal as pessoas não
gostarem de dizer. Mas quero que fique bem claro que não tem
importância pra mim. É apenas uma curiosidade.
Embora eu sinta vontade de conhecer você pessoalmente, eu acho que
ainda não é o momento certo.
Tony, eu ainda não consigo acreditar que um homem como você,
pode se interessar tanto por uma moça como eu. Principalmente porque
você conhece ou já conheceu muitas moças bonitas , inteligentes e que já te
ofereceram muito. Como você mesmo disse que já manteve contato com
várias garotas, não duvido nada se você já não esteve escondido num
armário de alguma mulher casada. Porque você sabe muito sobre muita
coisa.
Não é que eu desconfie de você, o problema é que sempre me sinto
um pouco triste de achar que não poderei dar um pouco de felicidade a
você, mas juro que vou fazer o possível para que eu possa te fazer feliz.
No caminho que eu tiver que seguir, só você é o mais indicado para
ser meu guia, pois você já me mostrou esta caminhada de uma maneira
23
muito bonita e isso ajuda.
Aliás, não sei se por destino ou por acaso, você já entrou no meu
caminho.
Gostei do jeito natural com que você falou sobre sexo, mas eu não quis
dizer que já suguei meus seios, eu apenas toquei neles com as mãos, mas
confesso que já tentei.
Tony, acontece tudo, na realidade, exatamente igual como conta nos
livros e revistas pornográficas? Porque eu acho aquelas coisas um pouco
pesadas demais. Para as pessoas que já conhecem o assunto, devem ser
coisas bem naturais, mas ainda tenho dúvidas e acho que eu nunca faria as
coisas a esse ponto.

Mando-lhe mil beijos e Sá não mando mais porque a carta pode ficar
muito pesada.

Sua Nádima
Já são quase meia noite e eu já estou quase dormindo sobre a carta.

Rio 19/06/82

Querida Nádima

Para você ter uma idéia, existem pessoas que não se interessam
por selos (por exemplo) e por isso também não sabem avaliar se um é
mais importante ou mais raro do que outro. Para quem olha ao acaso,
mais valiosos, são aqueles mais coloridos e maiores. Mas o entendido
pode trocar uma dúzia desses, por aquele que ele mais quer.
O joalheiro (outro exemplo) sabe distinguir um diamante de um
caco de vidro colorido. No entanto, quem não entende do assunto,
poderá até se iludir com o tamanho e a aparência externa do cristal.

24
Quanto mais experiente é o homem, mais exigente ele é. Da
mesma forma, sabe distinguir logo ao primeiro contato, entre o
diamante e o vidro, entre o selo vulgar e colorido, do selo raro e
valioso, e entre a mulher e a Mulher.
Acho que com esses exemplos, posso justificar porque um homem
como eu, pode se interessar por uma garota como você. É claro que
nem você mesma pode avaliar o seu valor, mas que eu, percebi
rapidamente.
Não quero dizer que também já não conheci outras “raridades”,
mas muitas vezes o que pode parecer uma garota interessante para você
, pode não significar nada para mim.
Não vou te dizer quais são essas qualidades nem quais são os
defeitos porque você acabará se confundindo. Basta você ser você
mesma, do jeito que você é. Acima de tudo, autêntica, consciente de que
é uma mulher que assumirá o seu papel no mundo, como mulher que é.
Só para dar um pequeno exemplo, de nada vale uma mulher
bonita que seja nervosa, autoritária, fria, preconceituosa ou que queira
viver economicamente fora da realidade etc, etc. Só irá trazer
problemas e um relacionamento frustrante e desagradável.
Conheço uma grande quantidade de garotas na faixa de 20 a 25
anos, bastante problemáticas, que eu procuro ajudar. Mas sinceramente
é um desafio. Geralmente são virgens* de cuca fundida pela família e
pela sociedade, de situação sexual bastante irregular.
(*Possuem o hímen intacto ou apenas pensam assim)
Umas, viciadas em masturbação, outras em sexo anal, outras
totalmente frígidas, complexadas, enfim, cheia de problemas, porque
rejeitam um relacionamento normal, por causa do bendito hímen.
Observe que eu não estou condenando absolutamente, esses tipos de
manifestação sexual, que me referi, que são formidáveis, mas apenas
25
que elas, tendo um homem disponível e o seu órgão sexual perfeito, não
o usam, por medo da família etc., mas apenas fazem todo o resto (o
complemento) e vivem dele, tornando-se mulheres incompletas,
frustrando a própria natureza e naturalmente se enchendo de
problemas de cuca, não é?
Entretanto (isso é só um comentário) nunca me escondi dentro de
um armário de qualquer mulher casada, porque nunca me envolvi com
qualquer mulher casada. Pra quê? Têm tantas solteiras, separadas,
viúvas etc!?
Também apenas uma vez, tentei me relacionar com uma
prostituta, mas não deu certo. O meu ego não a aceitou. Afinal ela só
queria o dinheiro e eu acabei dando só o dinheiro e fui embora.
Para mim, qualquer expressão de amor ou sexo (com ou sem
amor) deve ser a dois.
Quando eu era jovem, uma vez (não, várias vezes) eu masturbei
uma cadela com o dedo e tentei penetrar uma cabra (?!) Confesso
que foi muito mais excitante e divertido do que com a prostituta, porque
os animais gostaram e participaram.
Também já tive muitas vezes relações com “bichas” e da mesma
forma foi muito mais positiva do que uma mulher de pernas abertas,
inerte sobre uma cama, que apenas deseja que você acabe o mais rápido
possível com aquilo.
Entretanto, mulheres casadas eu sempre evitei. Acho que por
problemas de consciência e porque não gosto de arranjar confusão.
Me faz lembrar o meu irmão que tomou a mulher do vizinho e até
hoje vive com ela, com filho (que tiveram) e tudo. Mas que deu muita
confusão, ah!... isso deu!
Entretanto também, não costumo poupar os pais possessivos e
ciumentos das donzelas. Com esses eu faço guerra se necessário (mas
26
só quando necessário)

A sua tristeza e a sua preocupação acabarão um dia, quando você ver


a minha felicidade, estampada no meu rosto, ao ter você nos meus
braços. E você não precisará de muito esforço para conseguir isso.

Bem, você me escreveu assim: “Nunca alguém, além de mim,


sugaram os meus seios”. Aí, eu entendi como você escreveu. Até mesmo
achei interessante, porque é difícil de se conseguir (É uma pena,
aliás). Você nem queira saber que sensação gostosa que dá. Pelo
menos as garotas se amarram demais e fazem questão de demonstrar
isso.
Eu gosto muito de fazer carinho nos seios da mulher e só a visão
deles me são extremamente excitantes (Eu não sei bem porque). De
qualquer forma, acho que deve ser por ser uma região delicada, frágil
e macia que de certa forma representa a mulher. No lugar dos
músculos do homem, tem a mulher aquela carne macia e a pelo muito
fino e delicado. O ato de sugar (a vontade de sugar) já deve ser um
instinto (aliás de ambas as partes) adquirido na amamentação.

A respeito das cenas e estórias que você tem lido e visto nos filmes
e nas revistas pornográficas, foi até muito bom você haver comentado,
porque eu acho um grande absurdo as coisas serem apresentadas assim,
dessa forma, às meninas e aos meninos também. Embora sejam
proibidas para menores, mesmo as moças de 18 anos se chocariam,
27
como eu me choco, ao ver um filme pornográfico, por exemplo, embora
deva admitir que tudo que ali é demonstrado é a mais pura verdade,
com as diferenças que eu explico:
As diferenças você poderá observar nos exemplos que eu vou te dar
a seguir:
Ora, você come carne, não é? Portanto você é um animal
carnívoro.
Um lobo também come carne, a mesma carne que você come
(quem diz um lobo, diz uma onça ou qualquer outro animal desse
gênero).
Então eu pego uma menina de 10 – 12 anos, que nunca tenha
comido carne na vida. Que inclusive esteja alimentada e satisfeita com
os legumes que a tem alimentado até então. Essa menina tem uma
grande estima pelos animais, e possui até um coelho ou um cachorro de
estimação.
Então eu pego um filme de um lobo estraçalhando um coelho e
em seguida comendo-o, e mostro à menina dizendo:
-Vê, você também é um animal carnívoro e é assim que você tem
que fazer.
Aí está a diferença.
A menina come a carne e o lobo também.
Ela me pergunta:
- É verdade tudo o que eu vi aquele lobo fazendo? E eu deverei
fazer também?
Por isso a resposta é sim e não.
É a mais pura verdade que todos nós comemos a carne, mas não
do jeito que te foi apresentado nas revistas pornográficas (O animal
comendo).
Então a menina de 10 anos me pergunta:

28
- Mas, Tony, você mata o animal para comê-lo?
- Mato!
- E você o corta em pedaços?
- Certo!
- E o mastiga e engole?
- Sim, é verdade. Embora para mim seja a coisa mais natural
do mundo.
É claro que a menina não vai entender, como você também não
vai entender, certo?
Como você vê, tudo é uma coisa que depende de uma preparação
gradativa e quase que inconsciente.
Um dia, você estará com fome e eu te darei um suculento bife para
comer e você o devorará com apetite, achando ótimo, mesmo sem saber
o que é. Então eu te direi que aquilo que você gostou e que saciou sua
fome, era carne.
Com o tempo e o costume, você chegará até mesmo a matar para
comer e achará isso tão natural, como o é na realidade.
Por enquanto, o importante é você não se preocupar muito com
isso. Não se entusiasmar em ver filmes pornográficos ou ler revistas a
respeito, pois apresentam uma realidade deturpada.
Um livro básico de ensinamentos, sem o âmbito pornográfico, seria
bom que você lesse.
As revistas tipo Carinho Romance são boas para ir ilustrando e
informando. Mesmo que você não entenda tudo que ali está escrito.
O ideal, será você (como já disse) se deixar conduzir por alguém
experiente e em que você deposita toda a confiança.
Alguém que saiba te entender sobre esse aspecto, que seja
carinhoso e paciente, a ponto de despertar essa fome natural (fome de
sexo) e te dar o alimento desejado, preparado adequadamente.
29
Alguém que não queira te devorar como um lobo selvagem e
faminto, embora no final será o que irá acontecer. Mas a essa altura
você já estará implorando para ser devorada.
Acho que respondi sua pergunta e tirei suas dúvidas básicas.
É claro também, que existem excentricidades. Coisas ou atos que
são praticados por uma minoria como o sado-masoquismo, por
exemplo, e existem aberrações incontáveis e inimagináveis que eu nem
vou exemplificar para que você não caia dura para trás.
No mais, você pode acreditar, que tudo é muito bonito e
sensacional. Não existe melhor forma de dedicar amor a alguém,
demonstrar a esse alguém que se gosta dele, do que oferecer o seu
próprio corpo, total e incondicionalmente. Dar e receber esse prazer
incomparável e indescritível que é o sexual.
As conseqüências são tão maravilhosas e sublimes, que um outro
ser, chega a nascer
desse ato espontâneo e
natural. É ou não é
uma coisa divina?!

Olhe, amor, estou


te enviando a foto que
te prometi. Essa vai
com dedicatória porque
é exclusivamente sua.
Espero que você goste.
Quando eu tiver
uma de rosto, boa, vou
te enviar também.
Rosto, você sabe, tem dias que a gente está bem, outros não. Sempre
30
que eu tenho muitas preocupações fico mais abatido e a foto não sai
boa. Pela foto, você calcula a idade e depois você confirma (não
repare, mas também tenho minhas vaidades)

Agradeço os mil beijos e retribuo com um milhão.


Gosto de você, e muito.

c/ carinho,
Tony

São Paulo, 28 de junho de 82

Sr. Tony

Tudo bem, eu já entendi tudo que você quis dizer. Eu apenas não
acreditava que pudesse fazer alguém feliz. Talvez porque ainda fosse
criança, mas eu juro, Tony, que ainda serei uma grande mulher.
Sabe, me agrada muito saber que você é um homem bastante
experiente, porque me faz sentir mais livre pra falar o que quero, sabendo
que você vai me entender e me ajudar.
Eu não ligo pra idade e sim pra cabeça, a personalidade da pessoa. O
cara pode ter 15 anos, mas se por dentro for um homem de verdade e
não um garoto, é o que importa. Pelo menos o homem com quem eu me
casar e tiver relações de todos os tipos terá que ser adulto e bem
experiente.
Tony, eu gostaria de saber como é a sua vida. Isto é, seu
relacionamento com amigos, parentes, no trabalho e em casa.
A minha vida é boa, às vezes um probleminha, um desânimo, mas dá
pra viver. Tenho muitos amigos com quem saio às vezes pra me divertir,
tenho muitos pretendentes também, mas eles não fazem muito o meu
tipo.
Tony, se a gente fosse encontrar um dia, eu teria que ir aí, ou você
31
viria aqui? Bom, porque você deve ser um homem ocupado pra dar uma
viagem assim, e eu só poderia ir ao Rio com minha mãe. Infelizmente ela
não me deixaria ir a qualquer lugar mais distante de casa sem ela.
Eu já vou entrar em férias e pretendo me divertir muito, mesmo que
eu não viaje para a casa de meus parentes.
Olha, querido, para que você se lembre um pouco mais de mim,
quando você ouvir a música do Marco Sabino “Reluz”, lembre-se que eu
gosto muito dela, curto demais esta música. E você também.
Você é um grande amigo.
Nádima

TONY
Á
D
I
M
A

Rio, 30 de junho de 1982

Querida Srta. Nádima.


Você é uma menina muito carinhosa e meiga.
Acho mesmo que seria encantador poder olhar para você viva,
escutar a sua voz e sentir no olhar a confirmação do que disse acima.
A única coisa que eu quero, é olhar e conversar com você. Poder
falar com essa garota maravilhosa que eu já conheço interiormente.
Mais ou menos bonita, não fará diferença ao prazer de conhecer e
conversar com você. Portanto, não precisa se preocupar nem fazer um
bicho de 7 cabeças por causa disso.
O mais lógico, para nós podermos bater esse papo, será eu ir até
32
você.
Realmente isso teria que ser planejado, para que eu possa ir sem
acarretar para mim e para o meu trabalho, nem para você também,
mas eu irei quando você quiser.
Você poderia, por exemplo, ir pensando onde eu a encontrarei e
como fazer para chegar a esse lugar.
De preferência, um domingo seria melhor, ou uma segunda feira.
Desse encontro nós levaremos recordações mais sólidas e positivas,
para pensarmos em algo mais.
Sabe, Nádima, sempre é bom nós sermos sinceros e também
realistas.
Você é uma pessoa formidável, mas de acesso muito difícil para
mim. Muitas pessoas, talvez todas as que eu participasse da minha
intenção de me corresponder com você, ir ao seu encontro e alimentar
esperanças de um relacionamento futuro com você, diriam logo de cara
que eu estou perdendo o meu tempo com uma adolescente sonhadora,
que não sabe o que quer.
Eu mesmo, de vez em quando, faço uma reavaliação de tudo, e
penso o quanto será difícil atingir nossos objetivos, mas sempre chego à
conclusão de que vale a pena tentar, principalmente porque a
recompensa é muito valiosa.
Além de tudo, eu acredito na adolescente e conheço a sua força de
decisão. Também conheço a minha força de lutar contra tudo para
conseguir os meus objetivos.
Acredito em você e na sua sincera e real intenção de tentar buscar
o que você quer e acha bom para você.
Minha única dúvida é você conseguir transpor tantas enormes
barreiras, usando apenas sua força interior e tendo a mim como
estímulo.
33
Será que valho a pena?
Será que você será capaz?
Essas são perguntas que faço a mim mesmo.
As principais barreiras que você terá que transpor são, a seguir,
mais ou menos na ordem de dificuldades, as seguintes:
1-º) Você é menor e depende de autorização responsável para
tudo. Para você tomar certas decisões, com toda a certeza, terá que
contrariar os seus responsáveis.
2-º) Eu, por ser um homem feito, adulto, experiente e responsável
pelos meus atos, serei considerado um cruel corruptor de menores, um
verdadeiro bicho-papão que só pensa em seduzir a jovenzinha e se
aproveitar dela.
Se eu ainda fosse solteiro, poderia “raptá-la” e como punição
seria obrigado a reparar o meu “erro”, casando-me com você. Mas na
situação atual, embora oficialmente separado, ainda não sou
divorciado (legalmente desimpedido) e simplesmente seria punido com
alguns anos de cadeia.
(Se ainda assim eu pudesse ficar com você, valeria a pena, mas
será que você iria me visitar lá na “gaiola”?) Estou rindo pela
brincadeira.
3-º) Tenho idade bem diferente da sua. E pode ser que sofra
algumas críticas pelos seus familiares, que apenas admitem que uma
garota, namore igualmente um garoto e não um homem. Nisso eu
tenho algumas dúvidas, pois inclusive namorei uma garota de 15 anos
aí de S. Paulo e não houve qualquer restrição da família. Apenas
queriam que eu casasse. Como eu estou impedido, o namoro acabou
esfriando. Apesar de tudo, eu não conto com a boa vontade da família.
4-º) Eu não estou me formando em adulto. Já sou formado e
tenho mais necessidades e carências de uma companheira, do que um
34
rapaz de 18 anos. Portanto, não vou conseguir esperar vários anos
para poder conseguir uma determinada garota, pois com certeza, eu
antes disso, me envolverei com alguma outra. E se eu estiver
comprometido com alguém (comprometido por amizade, consideração
etc) ficará muito difícil de romper depois.
5-º) A distância Rio-S.P. será sempre mais um empecilho que
nos manterá distantes de fato, impedindo um maior convívio, uma
maior amizade.

Tenho a impressão de que a vendo, meu coração vai disparar e a


minha ansiedade ficará incontrolável (aliás, é uma forte impressão,
para não dizer uma certeza).
Então eu me pergunto: Será bom? Será mau?
Quero que você entenda o meu ponto de vista. Você já tem 95%
de possibilidades de ser uma garota que me agradará em cheio. Os 5%
restantes, eu comprovarei logo que encontrá-la.
Daí, eu não preciso ficar apaixonado platonicamente, para ter
certeza de que você me fará feliz e realizado.
Por minha parte, eu também confio muito em mim, e na
capacidade que tenho de fazer qualquer garota feliz.
Portanto, já posso precipitar a seguinte conclusão:
Tudo que depender de mim para tê-la, eu farei, dos empecilhos
que enumerei anteriormente, nenhum depende de mim. (Até mesmo
correndo o risco de “ver o sol quadrado”, se necessário)
E por mim, você já estaria aqui comigo hoje.
Portanto, tudo depende de você. De você querer e poder.
Para você, tudo isso, (esse mundo de coisas novas) pode parecer
difícil e complicado. É um terreno onde você nunca pisou (um
35
relacionamento total entre duas pessoas) mas para mim é tudo muito
simples, lógico e emocionante. Natural também.
Não existe problemas sem solução, nem dúvidas sem respostas.
Você só precisará confiar em mim. Como se nós tivéssemos que
atravessar por sobre um abismo, equilibrando numa corda, para chegar
ao paraíso (?) Você só precisará fechar os olhos e vir no meu colo. Eu
como equilibrista habituado a tais façanhas, acharei muito fácil
conduzi-la até o outro lado, coisa que para você pode parecer
impossível. E nem precisa contestar, porque eu já examinei a corda e
as amarras. Já estou, inclusive acostumado a escorregar o pé e me
reequilibrar. Tenho para emergências alguns cabos que me farão
transpor o obstáculo de outras formas e com outros recursos. Cair no
abismo é simplesmente impossível.

Minha vida foi e é mais ou menos assim:


Tive uma infância ótima e uma juventude muito boa.
Namorei algumas garotas e fiz mulher uma garota de 14 anos,
com quem me casei quando ela ainda tinha 15 anos apenas. Para
variar, a bronca foi geral, mas mesmo assim fomos felizes realmente,
por muitos e muitos anos.
Quando me casei trabalhava com um táxi que era meu e estudava
ainda.
Tivemos dois filhos, hoje com 7 e 8 anos e eu depois de trabalhar
como desenhista e projetista, passei a formar empresas com outros sócios
e a maior foi uma de engenharia (Eu sou apenas técnico).
Minha ex-mulher sofreu um abalo psicológico muito grande com a
perda de uma menina que ela tanto queria e faleceu com 72 horas de
36
vida. Havia nascido gêmea com o 2-º menino.
Dali para adiante, minha vida transformou-se radicalmente e
embora muito a contragosto, tive que sair de casa para evitar um mal
maior.
Cheguei a ficar doente (stress) e perdi tudo que tinha, para não
perder a família (que acabei perdendo).
Hoje existe um processo para que eu possa visitar os meus garotos,
visto que a mãe boicota de todo jeito (não tenho explicações do motivo
a não ser falta de sanidade mental).
Bola pra frente, vou reconstituindo minha vida, convicto de que
voltarei a ser feliz num próximo relacionamento, porque ,
sinceramente, eu mereço.
Guardo boas recordações do meu temo de casado e lamentei muito,
a inevitável separação.
Tenho pai e mãe. Ambos maravilhosos, amigos de verdade,
embora viva suas vidas e não interfiram na minha (Meu pai gosta de
dar uma “mãozinha” de vez em quando).
Tenho 3 irmãs e 1 irmão mais novo, engenheiro, todos com seus
compromissos e famílias. Todos moram aqui no Rio, inclusive primos,
tios etc, com os quais convivia mais amiúde, na juventude. Hoje, a
maioria tem suas famílias e vivem para elas.
Com a minha separação, fiquei me sentindo muito só e deslocado.
Meus filhos, aos quais me dedicava com muito amor, ficaram em
situação difícil (entre dois fogos) porque apesar de me amarem muito,
ficam impedidos de estar comigo o tempo necessário, e sem considerar
ainda a pressão que a família da minha ex-mulher faz contra mim,
sobre eles, com grande irresponsabilidade e inconseqüência.
Apesar de tudo, eu confio em mim, na semente que plantei e que
já enraizou neles e confio na breve solução da justiça que irá
37
regulamentar nosso relacionamento, em termos de tempo.
O relacionamento com a ex, ainda é muito conturbado, cheio de
sarcasmo e ironia da parte dela, que faz uma permanente guerra
comigo, por causa de dinheiro.
Eu tenho apelado pela paz, solicitando a boa vontade dela com
relação às crianças e cumprindo estritamente o que estou sendo
obrigado a cumprir, conforme o determinado pela justiça (que foi 3
vezes menos o que eu lhe dava anteriormente ao processo) o que ela
não se conforma. Mas enquanto ela boicotar o meu encontro com os
meus filhos, que nada têm a ver com isso, e são os principais
prejudicados, eu não cedo um milímetro também, por que já fiz isso
demais.
Apesar disso, a minha vida particular e íntima, não é afetada por
qualquer motivo, porque ela é muito orgulhosa para fazer certos papéis
que a gente vê por aí, e assim, não me perturba nem me procura para
nada.
Embora com a situação financeira meio abalada, tenho
conseguido suficientes relacionamentos com garotas que fazem o meu
círculo de amizades, mas tenho evitado qualquer compromisso mais
sério, justamente para me conservar em disponibilidade para a garota
certa que procuro com persistência.
Algumas opções já surgiram, mas nenhuma veio 100% de
encontro aos meus anseios. Acho que sou exigente, mas afinal eu tenho
a intenção de dedicar a minha vida a essa pessoa. Ela terá que ser
especial e me absorver totalmente.
A minha exigência não é nenhuma excentricidade, e de certa
forma, fácil de ser preenchida. Você até agora, preencheu todos os
quesitos que me satisfazem. Nova, bonita, inteligente,
despreconceituosa, autêntica, sincera, meiga, educada, carinhosa etc,
38
etc. Só falta você ser decidida. Pegar o ônibus e vir viver comigo. (só
isso) (?!)
Eu dou muito valor à garota que luta pelo que quer. (Depois de,
naturalmente, ter certeza do que quer).

Quando eu coloquei o tal anúncio na revista, eu já havia perdido


a minha empresa de construções e recuperado a saúde. Estava
empregado como projetista da Ishiskawagima e desenvolvia projetos de
plataformas submarinas de prospecção de petróleo, na parte estrutural.
E estava razoavelmente bem.
O anúncio foi publicado 7 meses depois, em novembro de 81.
Nessa época, infelizmente, já havia encerrado o contrato com a
Petrobrás (terminou o trabalho) e como não houve renovação de
outros contratos, fui dispensado da empresa.
Como emprego está difícil, eu peguei o dinheiro que recebi e resolvi
montar um negócio qualquer para tentar evoluir a partir dele. (Afinal
eu sou um empresário e crio opções de trabalho para mim mesmo).
Fosse um bar por exemplo, ou uma Kombi para transporte, ou uma
colônia de férias para crianças ou um ginásio esportivo, ou uma
representação para confecções, ou vender amendoim na feira. Qualquer
coisa que não me deixasse parado, vendo a banda passar.
Acabei montando uma loja de diversões (sinuca, totó, flipper etc)
e anexei um bar nos fundos, onde sirvo bebidas e até refeições.
É um negócio de momento e estou conseguindo ir adiante , com
sacrifício, principalmente porque estou somente com uma pequena
porta aberta, enquanto não consegui licenciar a loja. Não posso fazer
propaganda nem concorrência ao comércio local, por medo de uma
denúncia, o que me causaria o fechamento até a regularização.
39
Meu pai já se prontificou a ajudar a fazer alguns investimentos
para mudar o ramo para confecções e o meu irmão quer fazer
sociedade comigo, se eu mudar o ramo para agência de automóveis.
Realmente nenhum de nós está preocupado com o futuro porque
ele está mais do que garantido.
Estamos apenas aguardando a solução de um pagamento judicial
que devemos receber da Ford do Brasil, por prejuízos causados a uma
empresa que nós tínhamos, os três. A importância é tão vultuosa, que
ninguém mais vai querer falar em trabalho.
Até lá, que deve ser esse ano ainda, a gente vai se virando como
pode. O negocio é sobreviver.
No momento moro numa dependência que existe nos fundos da
loja. A loja é muito grande e já foi um cinema outrora, e apesar de ter
que entrar e sair pela porta da loja (sobe e desce de aço) eu tenho
razoável conforto onde moro. Água quente, fogão, geladeira, TV a
cores, cama de casal, rede etc.
Tenho uma amiguinha aqui, no momento, me fazendo
companhia. Uma boa companhia, mas sabidamente sem compromisso
algum. Acho que ficaria desesperado se não tivesse ninguém. (por
causa da solidão, não é?)
Vivo normalmente (sem empregados) e faço o meu trabalho, as
compras, a comida e as limpezas mais pesadas. Ela me ajuda como
pode. Na louça e na roupa. Pretende voltar para casa dela qualquer
dia desses ou arranjar um emprego e uma moradia por aqui pelo Rio.
Tem 19 anos.
Tenho mais duas namoradas (amigas) que vejo alternadamente a
cada 15 dias. Ambas são solteiras e dependentes dos pais que pensam
que temos apenas um relacionamento superficial e julgam que as filhas
são moças a espera de um casamento.
40
Sinceramente, apesar de enfeitar a colorir minha vida, não é o
tipo de relacionamento que estou querendo. Mas sim me dedicar
totalmente, de corpo e alma a uma só pessoa, que seja tudo para mim.
Apesar disso, sinto ainda alguma tristeza e muitas saudades dos
meus dois garotos. Eles são extremamente inteligentes e vivos.
Carinhosos como é raro numa criança, principalmente o mais velho
que é loirinho.
O outro é moreninho, mais meigo e encabulado.
Para eu voltar a ser feliz, faltam basicamente 3 coisas:
1 – Regularizar as visitas aos meus dois filhos e reatar minha
amizade com eles.
2 – Encontrar uma garota como você e viver com ela uma grande
amizade cheia de amor e carinho.
3 – Dar mais uns dois passos nos negócios, de forma tal que me
desaperte (regularize) financeiramente.

Para quem acha que com 15 anos é muito cedo para se amarrar,
eu retruco, adiantando que nada irá mudar na sua vida (a não ser eu
que serei acrescentado).
Você continuará estudando até se formar e terá um trabalho que
apenas possa te garantir o futuro numa fatalidade qualquer.
Sua liberdade será total, para ir e fazer o que você quiser. É
claro que eu estarei sempre te aconselhando e protegendo. Tendo você
confiança em mim, (isto é, ganhando eu, a sua confiança) será muito
fácil de você aceitar minha orientação.
Filhos, só depois de você ter garantido a sua auto-sobrevivência e
curtido a sua juventude.
41
Acredito que lá pelos seus 30 anos seria bom ou antes um pouco.
Também será bom que estivéssemos bastante solidificados em nosso
relacionamento, para arriscar a multiplicação, não é? Enfim, isso se
resolve mesmo é a dois.
Acho que dessa forma, com essa teoria, não haverá qualquer
problema de uma união compromissada mais cedo.
Perdoe o exemplo, mas a minha ex-mulher que se uniu a mim
com 14 anos, aproveitou muito a juventude e não existe alguma coisa
que ela não tenha feito, um passeio que não tenha ido, um tipo de
diversão que não tenha participado alguma vez. Eu sou um cara
muito divertido, alegre e gosto de passear, viver, curtir as emoções,
curtir a natureza e todas as coisas bonitas que a vida oferece. Tenho
minha saúde intacta e muita disposição. Muitas vezes viro criança e
faço de tudo que um garoto faz.
Gosto dos momentos de ternura e carinho. Do amor, do sexo, que
para mim é divertido, alegre, descontraído e emocionante.
Não há coisa que eu diga: - Ah... isso eu não gosto!... Salvo
aquilo que é prejudicial à saúde ou à moral. Tóxicos, por exemplo.
Vícios eu não tenho nenhum. Nem fumar.
Sou sempre muito simpático e muito agradável como companhia.
Não sou dos extremos, mas participo sempre.
Sou sério e preocupado apenas quando trato de negócios que
envolvem responsabilidades.
Por que você não vem logo me buscar e me leva pra você? Vale a
pena!...

Diga-me umas coisas:


42
Sua mãe (e seu pai) não sabe das nossas correspondências, não
é? E quando souber, simplesmente vai proibir você de me escrever, como
muitas fizeram.
Como você vai (ou pensa) resolver isso?
Como você pensa estreitar nosso relacionamento, caso te interesse?
Existe futuro para nós?
Você tem alguma idéia luminosa ou mirabolante para resolver
esses problemas?
Só por curiosidade, sua altura deve estar entre aproximadamente
1,55 m a 1,65 m podendo ser uma pouco mais ou menos. Qual é a sua
altura?

Aqui me despeço:
Cheio de carinho por você, aguardando o momento alegre de
poder bater aquele papo com você.
Te quero, te anseio e te espero.

Mil beijos.

Tony

Anexo mais uma foto. Espero que você goste.


Tchau.
É isso aí... Eu fiz o possível e fui extremamente honesto. Contei minha vida
toda.
Aquele “você é um grande amigo” da última carta já havia me incomodado um
pouco. Eu leio nas entrelinhas, e sabia que a minha chance com a Nádima não
passava de 5%. Mesmo assim, não convinha arriscar? Afinal o que eu teria a perder?
Gastar a caneta, o tempo e a emoção.

43
Quando eu conto a
verdade, não fantasio a coisa e
jogo tudo, eu sei o efeito que
pode fazer. Pior seria se eu
continuasse com aquele papo
meloso de querida pra cá e
querida pra lá e depois fosse
tudo pro espaço. Pelo menos fui
realista. Se der deu, se não
der... A gente começa tudo de
novo.
Essa carta não foi nada
romântica. Não havia muito que
romantizar. Precisava era dar
um novo passo. O encontro,
cara a cara, olhos nos olhos, e
enquanto houvesse essa conversa de “cerca Lourenço” ninguém ia chegar a lugar
nenhum. Nem ela nem eu.
Assim, não foi muita surpresa quando não mais recebi resposta. Era de se
esperar. Estava no contexto. Os dias se passaram e nada. Nossa correspondência já
havia durado 5 meses!... Até que durou muito...
Aí por curiosidade e afinal, conferindo o que poderia estar acontecendo eu,
quase um mês depois, cobrei dela uma resposta. Fosse a que fosse viesse do jeito que
viesse, não seria surpresa. Ou não muita...

Rio 22 de julho de 82

Querida Nádima
Já há algum tempo, enviei a você uma carta, contendo fotografias
e mais de 20 páginas contando a respeito da minha vida, conforme
você solicitou.
Como você não respondeu até agora, fiquei preocupado em saber
se você não recebeu a carta ou o que mais sucedeu.
Será que você está de férias, viajando, ou não gostou de conhecer
a minha vida, ou será que a foto estava tão feia assim?
De qualquer forma fico torcendo para que eu não tenha que
escrever tudo aquilo de novo, puxa!...
Fico aguardando uma notícia sua, com todo carinho e dedicação.
44
Um beijo.
Tony

São Paulo, 26 de julho de 82

Tony,
Você é uma pessoa maravilhosa que adorei conhecer. Na nossa
correspondência aprendi muito com você .
Mas as coisas mudam, não permanecem sempre no mesmo
lugar. Agora sinto que chegou a hora de dar um novo rumo à
minha vida.
Queria que você me perdoasse, mas antes de tudo me
compreendesse. Existe um motivo muito forte que me levou a
tomar essa decisão.
Eu nunca consigo ser fria com alguém, Tony, por mais que eu
queira, não consigo machucar ninguém que não mereça, como você
não merece.
Talvez, no fundo, eu estivesse brincando com os seus
sentimentos, porque às vezes eu faço ou falo coisas sem pensar nas
conseqüências, sem ao menos perceber que sou capaz de tais coisas.
Eu serei sincera: desta vez eu descubro cada dia mais, que
gosto de alguém. Alguém que por acaso conheci e por acaso
comecei a namorar. E isso pode ser um começo de uma verdadeira
paixão.
Ambos descobrimos, cada vez mais, um no outro, coisas que
gostamos, que exigimos um do outro.
Eu quero acompanhá-lo para onde quer que ele vá, quero ser
como ele é. Por isso, não me sentiria bem, depois de tudo isso,
continuar meu relacionamento com você. Nem por amizade, aliás,
jamais seria amizade e é bom por um ponto final aqui.
De minha parte, estou torcendo para que você encontre logo
alguém que o mereça e o faça bastante feliz.
Eu mando suas fotos e espero que mande a minha.
Desculpe-me decepcioná-lo mas como já disse as coisas

45
mudam e eu procurei a melhor forma de lhe explicar isso.

Desculpe-me qualquer coisa.

Nádima

Sei que você vai superar tudo rapidamente.

Está aí... Mesmo achando que não, a gente sempre se surpreende com as
pessoas. Com a vida e com as pessoas. É claro que eu poderia esperar que alguma
coisa pudesse acontecer e o nosso relacionamento não fosse adiante. Havia pelo
menos, 100 hipóteses diferentes para isso, mas o que aconteceu, sinceramente, me
traumatizou para o resto da vida.
Uma garota a quem eu dedicava um carinho especial, destacada entre as
demais, que há 20 dias atrás especulava se eu deveria ir lá ou ela vir aqui, de repente,
não mais que de repente, descobre que “cada dia mais” gostava de alguém, que já
estava próximo de uma verdadeira paixão, que deseja acompanhá-lo onde ele quer
que ele vá!... Então, enquanto forjava planos comigo, namorava outro!... E nada me
falou. Não comentou, não insinuou, não admitiu essa possibilidade, nada!...
Pois é... De repente, descobriu uma verdadeira paixão. De repente...
E eu recebi, de repente, essa notícia... Uma menina que eu fazia muitos planos
de futuro, preparava uma grande jornada juntos... É duro!... É dose!...
“Sei que você vai superar tudo rapidamente” – diz ela. Não tanto, embora isso
deva acontecer, mas o susto, o “de repente”, já num grau tão adiantado de
relacionamento com outro, me chocou... Me traumatizou e isso foi um fato real, não
apenas uma metáfora. Eu fiquei para sempre, esperando que outro “de repente”
acontecesse na vida dela comigo.

Ah... Essas meninas de 15 anos... Adolescentes, que não sabem o que querem,
não são honestas! Realmente, dessa vez, banquei o bobo.
Mas a vida é longa, as pedras rolam e nunca se sabe o dia de amanhã. Quem
gosta, sempre guarda esperanças. E foi assim que eu procurei as palavras certas para
respondê-la. Não quis cobrar nada... Estaria fechando uma porta para o futuro... Acho
que todo mundo tem o direito de errar, principalmente uma jovem de 15 anos...
Afinal, eu, com apenas uma caneta, a 500 km de distância, não tinha mesmo
condições de competir com um concorrente ao vivo, e lá, ao lado dela...
Eu havia perdido a batalha, mas não a guerra.

Rio 29 de julho de 82

46
Prezada Nádima

Está tudo certo entre nós.


Compreendi perfeitamente suas reações e não guardo qualquer
ressentimento por isso.
Está também perdoada, porque, apesar de muito inteligente e
evoluída, você é uma menina em formação de personalidade e como
tal, não tem ainda convicção absoluta do que quer e do rumo a tomar
na vida. Isso é muito natural e normal, e você não se deve embaraçar
por causa disso.
Fico muito satisfeito por sua sinceridade, e sei o quanto é difícil ser
sincera e magoar uma pessoa de quem gostamos com amizade.
Mas você fez bem em ser sincera e isso me confortou, pois não
esperava qualquer procedimento diferente de você.
Apesar de tudo, foi um prazer conhecer e conversar com você
através das cartas e a estima que eu já lhe tinha, não se abalou pelo
que ocorreu.
Desejo-lhe toda a felicidade do mundo e faço votos de que você
siga sempre assim. Consiga o seu tão almejado companheiro e que ele
lhe proporcione toda a felicidade que você merece.
Gostaria de, como amigo que sou, lhe pedir uns favores, que são:
1-º) Se existir mais algum motivo para que você tenha se
despedido, além do que você já alegou, eu gostaria de que você, num
esforço ainda maior me dissesse, para que assim, eu pudesse me avaliar
melhor e me posicionar adequadamente no mundo em que vivo. Em
outras palavras, se você tivesse alguma crítica construtiva a me fazer
eu agradeceria. Eu preciso dela, para me dimensionar nesse mundo de
solteiro que passo a pertencer novamente (do qual desacostumei).
2-º) Que você pudesse me enviar de volta aquela carta onde eu te
47
falei de toda a minha vida (essa de muitas páginas) porque eu
gostaria de criticá-la.

Anexo sua foto e me despeço com todo carinho. Adeus.

Tony

E assim, lá se foi a Nádima (não anexei a foto). Foi chato, mas bola pra
frente!...
A minha vida continuou muito dinâmica. As cartas de primeira vez,
continuavam chegando, cada vez de mais longe. Eu vivia com uma moça que veio de
Goiás, para se transferir aqui para o Rio. Ela me pediu se poderia apoiá-la e, enquanto
isso, a gente ficava juntos. Eu topei e ela foi ficando... ficando... Sexualmente muito
ativa, me ajudava muito e era uma excelente companhia, mas eu continuava
procurando alguém para ser a nova mulher da minha vida. Alguém especial. Alguém
que valesse muito a pena investir, numa união, quem sabe, para toda a vida. E
enquanto isso, não deixava também de me divertir, porque a “oferta” era muita e eu
estava livre e desimpedido.

Três meses se passaram. Qual não foi a minha surpresa, quando recebi uma
carta da Nádima.
O que será que ela está querendo? Três meses, achei um tempo curto para uma
desilusão amorosa, com um cara, nas condições que ela havia anunciado. Seria a tal
carta que eu pedi de volta? Seriam as críticas que eu pedi que fizesse?

São Paulo, 24 – 10 – 82

Tony,
Tudo bem? Sou eu de novo!
Eu estou escrevendo porque senti necessidade de procurar você.
Eu precisava escrever, não sei porque motivo.
Você sabe que interrompi nossa correspondência por alguém a
quem eu gostava demais. Agora, Tony, eu percebi que não valeu a
pena. Essa pessoa brincou com meus sentimentos e não foi capaz de
me fazer feliz. A verdade é que ele não mereceu tudo que eu sentia
por ele.
48
Mas a verdade mesmo é que ninguém me considerou como
você me considera e é por isso que eu consigo me abrir só com você.
Você sabe que é o único e verdadeiro amigo que já tive e juro que
aconteça o que acontecer eu nunca vou te esquecer.
Um dia desses, eu reli aquela carta que você conta tudo sobre
a sua vida, e parece que agora eu a entendi melhor, Eu pensei
muito depois de reler a carta. Reli todas as outras, pensei se seria
bom te escrever, quis até não escrever, mas...
Pensei bastante e resolvi escrever, só para reforçar nossa
amizade e te lembrar que você pode escrever pra mim quando
quiser, pois eu espero que você goste de mim, tanto quanto eu
gosto de você.
Só queria que você soubesse que foi difícil pra mim, ter posto
um ponto final na nossa correspondência, daquele modo, pois te
considero muito.
De todos que conheci, você é o que tem uma qualidade que
sempre desejei num homem: a experiência.
Bom, eu posso ser inexperiente, mas no meu peito, bate um
coração de mulher.

Beijos, Nádima.

Rio 30 de outubro de 1982

Querida Nádima
Acabei de ler a sua carta, que me surpreendeu, e confesso que
ainda estou meio abalado.
Ela me trouxe lembranças recentes da sua última carta e do seu
silêncio posterior (mais do que a própria carta) que me deixaram
muito sentido.
Posso ter muita experiência, mas dento do meu peito, também
bate um coração. Um coração amigo e que se apega às pessoas de que
gosta.
49
Que se interrompa uma correspondência, uma amizade e até
mesmo um amor, por quaisquer motivos lógicos, é doloroso mas
aceitável.
Difícil é aceitar o sentimento de desprezo que a sua interrupção
me trouxe. Uma amizade tão profunda, tão cheia de entendimento e
compreensões, e ...de repente; “ tchau, foi muito prazer conhecê-lo” .
Doeu, podes crer.
Eu não vou fazer mais preleções, nem choramingos, mas só peço
uma coisa: Da próxima vez, use na despedida, a mesma consideração
e amizade que você demonstra ter, quando tudo está bem, ou eu me
sentirei apenas usado.
Nota: Percebi que você tentou, mas não se saiu bem.
No mais, eu nada mudei, mas apenas manterei o meu coração
seguro pelas rédeas da precaução, porque, pelo visto, ainda não
conheço você direito.
Lamento que não tenha dado certo, com o alguém que você
gostava. Só posso te dizer que a vida é assim mesmo. Nunca estamos
satisfeitos com o que temos e sempre queremos e valorizamos aquilo que
não temos ou não podemos conseguir.
Isso faz parte da vida e aos poucos nós vamos encontrando o
equilíbrio dentro de nós mesmos. Com eu, passei a gostar de quem
gosta de mim e valorizar a pessoa que me dá valor. Entretanto o
equilíbrio total, só no dia final. Aquele que interromperá para sempre
as nossas ambições e nos fará chorar pelo que não vivemos e pelas
oportunidades que perdemos por escolher demais.
Na minha filosofia de vida atual, eu deixei de semear qualquer
planta em especial, porque às vezes a tal planta não se desenvolve
naquela terra eu que muitas outras nasceram e foram arrancadas para
que não consumissem o alimento daquela.
50
Agora, preparo a terra e lanço várias sementes. Aquele tipo de
flor que brotar e desenvolver bem, fica; as demais então, arranco.
Você sabe que tem em mim um amigo sincero e leal, além e acima
de qualquer outro sentimento. Por isso, pretendo deixar você livre para
escolher e achar o que é melhor pra você. Em qualquer ocasião, o que
você resolver, e isso for bom para você, será bom para mim.
Você sabe que é uma garota ainda. Na mente e no corpo. Será
mulher um dia, e uma linda e fogosa mulher. Espero sempre que tudo
corra bem com você. Que não haja percalços intransponíveis com o
homem que você escolher.
Você tem tudo o que um verdadeiro homem pode desejar. Se
alguém não te quiser, é porque não é um homem de verdade.
Eu estou aqui, no mesmo lugar e não tenho a pretensão de exigir
nada de você. O que você quiser me dar, eu quero.
Estou disponível e não sei por quanto tempo ainda. Por enquanto
, não tenho compromissos e nem satisfações a dar ainda. Meu coração
está livre. Ao seu dispor para o que você quiser.
Não alimentarei qualquer esperança. Qualquer ilusão. Você sabe
minha opinião a seu respeito. O que você significa e poderá significar
para mim. Não sou dono do destino nem da natureza. Apenas lanço a
semente. Deus é quem sabe
Eu sou muito objetivo e tenho os pés no chão. Sei o que valho e
sei o que quero. Só não posso obrigar ninguém a me querer.
Entretanto, se no seu peito bate um coração de mulher, e se essa
mulher quiser ser minha, pode dizer. Pode se identificar e se fazer
conhecer. Pode mostrar o seu valor.
Sei o quanto é difícil para você tomar qualquer decisão na vida,
no plano real. Mas se você, a qualquer momento quiser dar esse passo
adiante, comigo, eu serei o homem mais feliz do mundo e estarei pronto
51
a fazer de você uma mulher de verdade, que me acompanhará e
receberá de mim tudo ou quase tudo que uma mulher pode esperar de
um homem.
Ainda hoje, guardo seu retrato com carinho (pena que só tenha
esse e não tenha visto outros para te conhecer melhor) e conforme for,
posso passar a olhá-lo com a mesma esperança que já olhei um dia.
Esperança cobiçada de ter o original para mim.
Com carinho também me despeço e faço votos que você conte
comigo nos momentos bons e maus. Te desejo muita paz e te quero
com muito amor.

Mil beijos
Tony
Qualquer outra garota, nas condições da Nádima, principalmente pela distância,
eu já teria dispensado, como dispensei várias, mas eu tinha uma ambição, um
propósito, uma meta, um objetivo, que a Nádima preenchia direitinho. Por isso, fiquei
frio, e ainda deixei rolar a relação, mas confesso que depois dessa, o que esfriou
mesmo foram as minhas ilusões. Eu já havia me equivocado uma vez, mesmo
sabendo de que se tratava de uma quase criança. E ninguém muda assim tão de
repente. Então o mais provável é que fosse tudo resultar sempre no mesmo, até quem
sabe, se um dia.... ela crescesse, se tornasse “gente” amadurecida, sabendo como é a
vida e pudesse vislumbrar a oportunidade que estaria perdendo.
Como eu era muito mais velho que ela, tinha que ser também muito mais
tolerante, compreender a mente dela, e não avaliá-la segundo a minha. Por isso
mesmo, também perdi a fé, mas deixei rolar.

São Paulo, 8 – 11 – 82

Meu querido.

Ainda bem que você me entende e eu só posso dizer que queria


que você estivesse aqui bem perto de casa, pra que eu pudesse te
procurar e chorar no seu ombro.
Você é incrível e se algum dia eu fiz ou fizer algo errado não

52
ligue muito não, mas pode ter certeza que por mim, você nunca
será usado.
Eu, apenas não sei o que quero ainda e só tenho certeza, de
que não estou preparada para assumir com você, uma vida a dois.
Eu preciso ainda ter capacidade de me tornar adulta. Preciso ainda
ser forte, ter um ideal, começar alguma coisa e ir até o fim. Eu
ainda preciso de tempo, de calma e de paciência.
Sei que você não quer perder tempo, mas acho que pra ser
meu amigo, você não precisa se preocupar com o tempo que vai
passar.
Eu não sei o que você pensa de tudo isso, mas você é muito
importante pra mim.
Se você pudesse ler os meus pensamentos seria mais fácil pra
mim.
Por que a gente não finge que você é um poderoso Deus grego,
daqueles antigos e eu uma princesa linda e meiga? Agora, só falta
enfrentar todos os dragões.
Desculpe-me pelas bobagens. Já são quase meia noite e eu já
estou quase dormindo e sonhando com dragões.
Já não sei se ponho no fim da carta mil beijos ou boa noite.
Tomara que você leia esta carta de noite.

Tchau, e durma bem.

Nádima
Tony

Rio 12 de novembro de 1982

Oi, fofinha querida.

Existem muitas coisas importantes que atraem duas pessoas, que


53
fascinam, que integram, que alimentam e desenvolvem aquele
sentimento de carinho que sentem uma pela outra.
O bom entendimento, o entrosamento e a compreensão, que um
dedica ao outro, é sem dúvida,a maior prova de amor que pode existir.
Se eu dedico a você tudo isso, é porque é saído diretamente do meu
coração. E se o meu coração se abre dessa forma, e se desmancha em
carinhos e compreensões é porque eu gosto de você.
E eu sou exigente. Meu coração é impertinente e teimoso. Insiste
em uma garota com as qualidades que você tem, não se importando se
eu (o resto do corpo, a mente) tenho condições de conseguir.
É óbvio que o meu coração te quer, e eu fico aqui me virando em
carinhos, compreensões,cartas sinceras e amigas, tentando conquistar
você para ele. (No final, é claro, saio ganhando também).
Se você quiser chorar no meu ombro, seria muito bem aceita
também. Aliás, o ombro é seu , assim como eu todo.
Eu entendo que você é ainda uma garota nova, e tem razões
quanto a sua indecisão.
Considere entretanto, que muitas garotas na sua idade e até mais
novas, já tem vida conjugal, regulares e irregulares, e até filhos.
Nem por isso, no entanto, você está na fase de quem precisa de ter
pressa.
Mesmo eu, apesar da minha objetividade e da certeza de saber o
que quero, preciso ter pressa de nada.
Não gosto é de perder tempo (ninguém gosta), mas também já
aprendi a não ser precipitado.
Diz o ditado: “Afobado come cru”.
E como você diz: pare ser seu amigo eu não preciso ter pressa,
porque já o sou, desde os primeiros contatos que tive com você. A cada
dia que passa, nada estou perdendo, mas ganhando. Ganhando a sua
54
amizade.
Você, inicialmente, quis dar a impressão de ser forte, decidida e
independente. Eu te dei o meu apoio psicológico e a força necessária
para você ser você mesma. Não acreditei, entretanto, nessa sua
independência, porque conheço a vida e as pessoas, mas dei liberdade
para você ser você mesma e se abrir comigo.
Agora, você já admite (embora não tenha dito) que é uma
princesa linda e meiga (e frágil) cercada de dragões por todos os
lados. Grita por socorro e espera pelo Deus Grego.
Eu, o “deus grego”, gostaria, mas não posso fazer tudo o que
quero.
Existem leis e as pessoas, que embora “dragões” te protegem com
todas as labaredas que dispõem.
E o pior de tudo: Quando eu, após ultrapassar todas as barreiras
, tocasse sua mão e dissesse: Vamos! Você exitaria, por não achar
justo, deixar os dragões feridos, entregues à própria sorte.
E para conciliar os interesses, dragões, deuses e princesinhas, nas
vamos ter que esperar, não é?
Se pelo menos a princesinha, não tivesse medo do deus grego, estes
poderiam se encontrar para um papo descomprometido, não é?
Está um pouco difícil para ler seus pensamentos, de todas essa
distância. Mas você sabe, que conversar comigo e dizer o que você tem
em mente, não é tão difícil assim.
Por que não tenta?
Eu não quero um compromisso com você. Apenas estreitar
relações. Aumentar o conhecimento, conhecer mais profundamente.
Não me importo com suas instabilidades e indecisões. Também
não estou forçando nada. Apenas incentivo, estimulo e encorajo.
Quando você me conhecer melhor, se sentirá mais segura em mim.
55
Mais íntima, mais descontraída, mais liberada e mais confiante.
Suas decisões e indecisões serão sempre respeitadas.
Eu quero você. Mas para isso, é fundamental que você me queira,
sem o que eu já não quero mais.
Gostaria que você me enviasse (por empréstimo) algumas fotos
suas. Servirá para avaliar o quanto você me agrada, mais ou menos.
Beijos com sabores diversos e cheios de carinho.

Tony
Nádima

Resposta que era bom, nada...


Enviei então, um cartão de Natal, só no intuito de confirmar o seu desinteresse,
e não problemas com o correio.

São Paulo, 22/12/82

Tony,
Me desculpe não ter escrito antes, mas é que estou tendo que
fazer tanta coisa, as últimas provas me deixaram um pouco
preocupada e além disso, assim que entraram as férias tive que ir a
Campinas na casa dos meus tios e eu me esqueci de você
completamente, ou melhor, esqueci que estava lhe devendo uma
carta.
Como já havia dito eu preferia que você estivesse aqui perto.
Ter que se corresponder por carta dá muito trabalho.
Obrigada por ter mandado o cartão e pelos votos de natal.
Eu desejo que 83 seja um ano feliz pra você.
Bom. Tenho novidades pra você. Eu consegui fazer o 1-º grau,

56
passei no vestibulinho e consegui uma vaga num dos melhores
colégios daqui, para fazer o 1-º colegial. Estou feliz.
Ano que vem eu me mudo, mas não há problema, você terá o
endereço, tá.
Não se esqueça: Te gosto muito, tá.
Beijos de sua amiga.
Nádima

Estava na cara que ela estava saindo do jogo. Perdendo o interesse e


descartando, quase que completamente, a hipótese de vir pra cá e firmar alguma coisa
comigo. Essa conversa de “sua amiga” já é manjada e diz tudo.
A Nádima era solteira, bonitinha e namoradeira. Com certeza estava vendo ou
experimentando novas sensações por lá e deu algumas desculpas que nada
significaram pra mim. Eu entendi, perfeitamente, é que já não havia qualquer razão
para continuarmos a nos escrever.
Ainda assim eu escrevi uma carta que, acho, se extraviou, porque não existe
mais. Diz ela que não recebeu. Se pouco me lembro foi alguma coisa rotineira e
inexpressiva, para não deixar sem resposta, pois já não tínhamos muito o que
conversar, nem eu estava mesmo a fim de escrever mais nada. E ela não mais
escreveu também. Acabou.

Os meses foram se passando. A minha vida continuou do mesmo jeito. Parei de


pensar na Nádima e, possivelmente, ela em mim. Tinha outras namoradas, e
continuava a buscar alguém. Estava a ponto de ir a Sta. Catarina conhecer uma
garota, mas andava meio incrédulo com essas meninas novas e também desanimado
com a minha situação.
A garota que morava comigo, agora com 20 anos, preenchia bem o meu tempo
e as minhas carências. Estava havendo um envolvimento maior e mais forte entre nós.
Ela já fazia parte da família, conhecia bem os meus filhos, parentes, e eu a levava
para todo lugar. Lembro que até chegamos a conversar alguma coisa sobre filhos, ou
imaginando que se ela engravidasse, como iria ser.

Um ano após – (eu disse 1 ano após) – recebi uma carta da Nádima.
O que será que ela queria dessa vez?

São Paulo, 09 de dezembro de 83

Querido Tony,
Há quase um ano que não nos correspondemos. Mas desta vez,
foi você que ficou me devendo uma carta, pois assim que recebi seu
57
cartão de natal, mandei outro e ficou por isso mesmo.
Espero que esteja tudo bem com você e que nossa amizade não
tenha mudado.
Tenho saudades de você, pode não parecer, depois de tanto
tempo, mas há muito venho pensando em te escrever mas , não sei
porque, sempre desisti.
Quero notícias suas, mesmo que tudo tenha mudado, eu
gostaria de uma resposta.
Já estou me adiantando te enviando um cartão de natal.
Tony, você não imagina como um amigo como você faz falta.
Já pensei em te escrever a meses, mas não foi possível.
É um desperdício ter você tão longe.
Um dia desses reli todas as suas cartas.
Espero receber mais uma para guardar com carinho, como
guardo as antigas.
Há tanta coisa pra lhe dizer, mas só depois de saber se você
ainda está livre. O que te aconteceu. Se já tem uma companheira
definitiva ou outras novidades.
Estou praticamente só (como sempre).
Eu aprendi tanto, Tony. Talvez eu esteja finalmente ficando
adulta.
Na verdade quero notícias suas e do Rio. Aqui, conheci vários
cariocas e sempre que converso com eles eu me lembro de você. Até
pergunto onde eles moravam, pra saber se moravam perto de você.
Tony, escreva-me e desde já espero que tenha um Natal cheio
de paz e amor.
Com todo carinho que guardo por você

Um beijo enorme.

Nádima.

(Obs: Meu novo endereço está no envelope).

O que a Nádima queria com esse negócio de saber se eu estava livre? Quem lê,
até parece que ela estava interessada em alguma coisa. Depois de tanto tempo?!...

58
Enrolar mais um pouco? O que mudou? Ainda assim, gostei que ela tivesse escrito.
Quem sabe? A esperança é a última que morre. O que teria feito ela mudar de idéia?
Eu respondi, mas fui bem enfático que nada mais tínhamos a acrescentar ao que
já havíamos tanto falado.

Rio 16/12/83

Querida Nádima

Surpresa sempre agradável saber que você existe.


Um fio de esperança me impediu de jogar suas cartas fora e
devolver o seu retrato em definitivo.
Há uma enorme falta de tempo para escrever atualmente (são 3
horas da manhã). A amizade é muito boa e vale a pena, quando é
recíproca e não fui eu quem interrompeu nossa correspondência.
De minha parte nada mudou. Estou de braços abertos para
recebê-la. Como sempre, só depende de você e aí é que está o problema.
Cadê a coragem, não é?
Enquanto você, que tem tudo, vacila e se tranca dentro do seu
mundo distante, outras que não preenchem os requisitos que eu exijo, se
aproveitam do espaço que seria seu. Elas vivem, você continua parada
no tempo e no espaço.
Você lamenta que eu esteja longe, mas evita que eu chegue perto.
É um problema seu e não meu. Eu vivo a vida, como ela se apresenta
a mim, porque um tempo perdido não se recupera mais.
Não passo fome, só porque não tem o meu prato preferido.
No fundo você sabe, que não tem coragem para decidir nada.
Apenas teoria e sonhos.
Eu vivo a vida, com os pés no chão e dentro da realidade.
Diga o que quiser pois ainda estou livre. Não tenho a tal

59
companheira definitiva. No momento, estou concentrado no meu
progresso profissional e não estou me preocupando com isso.
A você, já disse tudo que tinha para dizer e tenho muito pouco a
acrescentar.
Não adianta eu me entusiasmar por uma fotografia 6 x 9 que
não pretende adquirir vida, para trocar comigo a verdadeira amizade.
Aquela que a gente se entrega de corpo e alma.
Pegue o ônibus e venha se você tiver capacidade para isso, ou
então desista.
Segue mais essa carta para a sua coleção.

Um beijo com carinho.


Tony
-- A palavra é sua--

São Paulo, 26-dez-83.

Tony, querido,

Surgiu finalmente uma ponta de esperança e alegria nos meus


dias.
Recebi tua carta e fiquei imensamente feliz. Só não entendi
porque você me mandou um cartão de natal e só depois a carta.
Tony, eu aprendi muito, cresci por dentro, mas toda essa
experiência que adquiri, aumentou minha insegurança para com a
vida.
Tenho consciência de que a vida existe e é dura, aliás, sempre
tive consciência disso, mas agora, tive a prova final.
Tony, porque tive que viver momentos tão difíceis, quando
deveriam ser vividos por alguém forte? Porque me desespero ao
pensar na minha vida, no meu futuro?
Por que não sou otimista como antes era? Tony, cadê você?!

60
Estou passando por um momento difícil. Foi pensando em ter
alguém ao meu lado que criei coragem pra lhe escrever.
Eu gostaria imensamente de pegar o próximo ônibus e ir pra
você.
Mas tenho medo de não ser pra você tudo aquilo que você
quer. Será que estou preparada pra isso?
Penso tanto em você Tony...
Eu quero ir para o Rio, ficar ao teu lado, arranjar um
emprego, ajudar você no que eu puder, mas quero também
continuar a estudar.
Você está disposto a tudo isso?
Eu estou disposta a lhe fazer feliz, a partir do momento em
que você também quiser me fazer feliz. E se
acaso não der certo, eu não terei coragem de
voltar para São Paulo, para a minha casa.
(Eu confio em você)
Tony, eu quero que você me mande fotos
suas, atuais. Quero sentir você mais perto de
mim.

Toda sua
Nádima.
Anexo: 1 foto.

Poxa!... Essa veio pancada!!!...


Pela primeira vez eu senti a Nádima real. Percebi muita força na sua decisão.
Tinha quase certeza de que dessa vez ela estava falando com convicção. Falando
sério!... Vontade real de vir para mim. Depois de um ano de silêncio? O que mudou
na cabeça dessa garota? Fala tanto que aprendeu muito, que cresceu por dentro, que
viveu momentos difíceis... que, ao mesmo tempo, teve experiências que lhe
aumentaram a insegurança... que a vida é dura... E desespera-se ao pensar no seu
futuro?!... Afinal o que aconteceu com essa garota, que tinha tudo para ser feliz?!...
Eu lhe dei tanta força, ensinei tanta coisa, ofereci a minha amizade. Ela só precisava
dizer: -Sim, venha até aqui e vamos nos conhecer. - Só!... Só dizer: -Vem cá que eu
quero te ver de perto!... - Sem nenhum compromisso, sem nenhuma encrenca!...
Agora diz que é toda minha!... Excitante!... Depois de um ano de silêncio, até
Deus duvida!...

61
Pra mim, ela fez alguma merda por lá e eu tinha cara de tábua de salvação.

Acontece que eu comecei a pensar seriamente, no que já não queria pensar


seriamente: Que a Nádima poderia ser minha de verdade! Eu senti essa força. Já
imaginou? Recomeçar a minha vida com uma gatinha tão linda, inexperiente, e como
eu propus tantas vezes, iria conduzi-la pelos atalhos da vida, com toda a segurança,
em direção a felicidade?!... Seria assim?

Rio de Janeiro 31 de dezembro de 1983

Querida Nádima.
Antes de tudo, Feliz Ano Novo.

Se é que devo confessar meus profundos segredos, eu lhe direi que


sua carta me causou um impacto tão grande de alegria, que perturbou
até os meus afazeres no trabalho e no transcorrer de todo o dia.
Tudo isso, por duas coisas mais significativas:
1-ª) A nova foto que você me mandou preencheu totalmente a
minha expectativa. Encaixou-se bem com a personalidade que você
demonstrava ter. Eu poderia defini-la apenas com uma palavra:
Doçura.
Poderia ainda acrescentar meiguice e carinho e outras coisas
maravilhosas que eu admiro numa menina.
2-ª) Eu vislumbrei a hipótese de você estar realmente comigo
algum dia. (Claro, se dependesse de mim, você já estaria aqui há
muito tempo)
Minha primeira reação por tudo isso seria uma reação do coração,
que disparado de alegria te diria: -Vem depressa, vem correndo, vem
agora!... Não há qualquer dúvida, não há qualquer talvez. Meu
coração te quer como algo que precisa para continuar batendo, como a
chave do segredo que lhe abriria a porta da felicidade. Meu coração
62
não pensa, não pensa em você nem pensa nele mesmo, se por causa
disso, depois, ele venha até a parar totalmente.
Por isso eu pedi ao meu cérebro que te escrevesse essa carta, e não
o coração.
O cérebro já não é egoísta nem inconseqüente . O cérebro é muito
mais seu amigo. Ele faz cálculos matemáticos, estatísticas, estimativas
de presente, passado e futuro. Ele funciona dentro da lógica, zela por
mim e pelo coração. Zela acima de tudo, por você. Ele te quer muito
bem e te quer feliz, tanto hoje como amanhã.
Portanto, vamos colocar as coisas em ordem e juntos examinar os
planos, verificar o caminho mais curto e seguro para a felicidade, que é
o nosso objetivo.
Eu quero intensamente que você ponha a sua vida nas minhas
mãos. E sei da grande responsabilidade que irei assumir. Ainda assim,
não há hesitação. Segundo minha própria idéia de vida, não quero ser
apenas uma bóia para quem está se afogando, mas quero primeiro te
ensinar a nadar, para que você me acompanhe no meu trajeto por
livre e espontânea vontade. Quero que você tenha sempre uma opção.
Não te aceitaria em momento algum por outra condição qualquer que
não fosse a de ser querido por você.
Daí, que você estude, se forme, trabalhe e seja independente, é
alvo prioritário do meu amor por você. Eu posso e quero te dar todo o
apoio que for necessário nesse sentido.
Segundo, não sei quais tipos de problemas que você possa ter por
aí, mas seria muito bom que o nosso relacionamento não viesse trazer
conseqüências sérias entre a amizade (que você tenha) com sua
família, seus pai etc., por exemplo.
A mulher deve acompanhar o homem e, geralmente deixa a sua
família para construir a sua própria família. Sempre foi assim. Mas
63
de preferência sair numa boa, sem romper amizades, sem fechar as
portas atrás de si.
Grandes e muito importantes amigos são para nós, os nossos pais.
Eu quero que você esteja bem com eles, embora fazendo a sua vontade.
Eles devem também respeitar a sua vontade, porque você na é uma
propriedade.
Entretanto, de qualquer forma, jamais você carecerá do meu
apoio, porque minha amizade sempre foi fiel. Não há a hipótese de
você, uma vez saído , ter que retornar à sua casa, como quem saiu
para uma aventura qualquer.
Eu quero constituir uma família com você. Quero estar junto com
você, e assim viver e trilhar a vida.

02/01/84
Resumindo, quero que você venha em paz, com intuitos
construtivos, com alegria e esperanças. A vida é longa, tem sua beleza
e seus contratempos. Não devemos começá-la com atropelos nem
dramas.
Se você, no entanto, se sentir incapaz de sozinha superar esses
obstáculos e, para sair de casa, ser obrigada a uma decisão brusca e
repentina e fugitiva, não tem importância. Venha primeiro para o meu
lado. Depois, fato consumado, eu mesmo ajudarei você a resolver esses
problemas e a colocar as coisas de novo nos seus lugares.

Gostaria também que você me contasse sobre sua vida, em termos


de padrão social e econômico. Eu preferiria que você não fosse de uma
classe sócio-econômica mais elevada do que a minha, pois você poderia
se ressentir da mudança para pior. É claro que , teoricamente, a sua

64
vida estará partindo do zero, e construir alguma coisa ao lado de
quem a gente ama é muito compensador e realizador, mas eu ficaria
muito preocupado e pressionado a correr, até chegar ao nível em que
você deixou.
Eu já tive fortes oscilações na minha.
Iniciei como sócio de uma pequena firma com um tio meu.
Comprei um táxi, tive oficina mecânica, fui pintor de quadros, depois
desenhista, depois projetista, arquiteto, negociei com motocicletas, tive
uma firma de engenharia e construções, iniciei uma imobiliária. Fiquei
doente, com estafa (stress) perdi tudo, fiquei 8 meses com auxílio
doença do INPS. Tirei 2 anos de férias, fiz biscates, consertei
barcos, consertei fogões e utensílios domésticos, fui pescador, recuperei a
saúde plantando e criando pequenos animais. Voltei ao Rio,
empreguei-me como gerente de uma empresa, depois como mestre de
instalações em uma firma, novamente como projetista, desta vez em
outra especialidade.
Trabalhei e trabalhei muito, em todo esse tempo mantive a minha
família com responsabilidade. Às vezes com muita folga, às vezes com
muito esforço.
Separei-me da minha ex-mulher. Ela estava insatisfeita. Achava
que a vida era simples e fácil e resolveu “se criar” sozinha. Eu a
culpava pelos meus fracassos e a acusava de dilapidar nossas
economias com gastos e compromissos sempre acima das minhas
possibilidades reais. Hoje ela está desempregada e eu a ajudo de uma
forma muito significativa. Dela, mais do que de mim, depende o
sustento dos meus filhos que moram com ela. Eu adoro os meus filhos
(8 e 10 anos) e eles me amam com um carinho todo especial.
Após perder o meu último emprego, com a crise de trabalho que já
existia, montei um pequeno negócio que se assemelhava a um bar,
65
embora tivesse outras atividades como jogos eletrônicos de sinuca etc e
era registrado como comércio de doces e salgados. Hoje já é um
restaurante servindo 40/60 pratos por dia, além dos serviços de bar.
Estou anunciando para vender, pois quero mudar de ramo. A
fase de emergência já passou e estarei em busca de um negócio mais
promissor.
Tenho trabalhado muito e progredido com dificuldade, devido aos
meus encargos e compromissos de família que pesam no meu orçamento.
Com uma garota que me incentive, ajude e apóie, ao meu lado,
eu seguirei adiante e farei progressos. Com uma garota fútil,
inconseqüente e gastadeira eu não sairei do lugar ou até mesmo
afundarei de novo. Sozinho é difícil viver.
Você terá que ter uma boa dose de paciência e compreensão, pois a
minha vida está muito ligada à minha família. Meus filhos são ótimos,
inteligentes, educadíssimos e não interpõem qualquer objeção às
minhas amizades. Mas me exigem como pai, amigo e companheiro
deles. Costumamos sair eu, eles e as minhas garotas (quando as
tenho) em perfeita harmonia e eles já foram educados para entender
isso.
Apesar de separados maritalmente, tenho amizade pela minha
ex-esposa, e ela por mim, de tal forma que procuramos viver em paz,
cuidando dos nossos interesses comuns, com poucos atritos e nenhuma
interferência na vida íntima e particular do outro.
Apenas há, além do vínculo de amizade, os filhos que são
interesses comuns e alguma dependência econômica dela para mim.
Estou tentando ajudá-la para que ela consiga essa independência o
mais breve possível.
Você precisará entender e compreender isso, porque eu sou
responsável e não posso me esquivar desse compromisso.
66
Mandei revelar algumas fotos que tirei dia 1-º para você me
conhecer hoje. Vou retardar essa carta, para poder enviá-la já com as
fotos. Espero que você goste. De qualquer forma, se não for do seu
agrado é só dizer, sem maiores constrangimentos. Eu também sou
exigente e já disse isso para mais de 400 garotas. Quero uma garota
que me agrade também no visual. Nem sempre são aquelas
obrigatoriamente as mais bonitas, mas devem ser aquela que preencha
nossos anseios, nossos sonhos subconscientes.
Vou aguardar de você uma carta longa, comentando tudo isso e
havendo esse entendimento, eu só vou ficar cheio de ansiedade para
saber quando você se propõe a vir.
Quero ainda te fazer uma ressalva, para que você se sinta à
vontade e consiga vencer sua inibição (sei que estou tratando com uma
garota de muita fibra, mas que nem por isso deixa de ser uma menina,
com suas fraquezas e seus temores).
Quando você vier, ficará comigo como uma grande amiga apenas,
e eu te darei bastante tempo para que você se adapte e me conheça
melhor e aos poucos, adquirindo confiança em mim e em si própria. Eu
zelarei pela sua integridade física e moral.
Eu quero apenas ver você feliz e ao natural. Deixarei partir de
você , grande parte das iniciativas que nos tornarão mais íntimos e que
o amor surjam e desponte com naturalidade, num clima de carinho e
muita afeição.
Se você tremer a princípio, será natural e eu não estranharei isso,
mas procurarei ajudar.
Tenho um gênio ótimo. Sou meigo, carinhoso e suave. Qualquer
pessoa se sente bem ao meu lado, e não vai ser diferente com você.
67
Quero ser seu pai, seu irmão, seu amigo e seu filho.
Me diga quando você poderia vir.
Vou precisar “arrumar a casa”, é claro.
Estou cheio de ansiedade.

Você diz que tem medo de não ser para mim, aquilo que eu
espero.
Acho isso um medo infundado. Já conheço você em termos de
personalidade e por fotografia. Achei muito satisfatório.
Você tem beleza física e pureza de alma. Você tem jovialidade, a
juventude que me contagia, e precisa entender que entre uma mulher
extremamente linda, mas um tanto agressiva e “besta”. Eu prefiro mil
vezes você que é muito bonita, mas suave e meiga. Eu diria mesmo
que, ando buscando uma garota exatamente como você. Delicada e
feminina.
Vai dar certo. Tem que dar certo. Temos 99,9% de chances de
dar certo.Você não sabe, que a convivência, quando é harmoniosa, faz
coisas incríveis. Poderia te dizer que um homem poderia até mesmo se
apaixonar por um animal, se tiver convivência harmoniosa com este.
(Exemplifico com o caso dos gays que se apaixonam porque convivem
juntos em harmonia).
Eu não tenho dúvidas que surgirá entre nós uma paixão muito
forte, que se solidificará com o tempo, pois viveremos um para o outro.
Que maravilha será.
Eu tenho excelente saúde e juventude apesar de haver uma
considerável diferença de idade entre nós. Na certa nós iremos escutar
muita gente perguntando: É sua filha? É seu pai? Ah!... Eu vou até
curtir isso. Vou responder: É minha filha sim, mas já está

68
comprometida, há, há, há! (está rindo não é?)

Bom, você está um pouco preocupada com a hipótese de não dar


certo, não é?
Então vamos analisar o fato. Enfrentar essa possibilidade de
0,01%.
Poxa, temos muita amizade, não é?
Será que se não der certo, precisaremos também ficar inimigos?!
Claro que não.
Se der certo por um lado, dará certo por outro.
Eu prometo que, em hipótese alguma desampararei você. Eu
prometo garantir a você, sobrevivência honesta, como a uma grande
amiga, uma irmã, que confiou em mim, livre de humilhações e maus
tratos.
Eu prometo encaminhar você e apoiar na sua independência, como
um grande amigo, dar oportunidade de você tranqüilamente, planejar
sua vida e executá-la, sem nada te cobrar em troca, a não ser a sua
amizade recíproca.
Arranjo imediatamente um trabalho para você se defender, oriento
e encaminho você nas suas pretensões. Afinal, a vida é sua, e você,
mais cedo ou mais tarde, terá que assumi-la de qualquer forma.
Se você não puder ter em mim um amante, terá um irmão da
melhor qualidade. Isso eu prometo.
Se você vier hoje, terá que vir com muito espírito de improviso e de
olhos fechados para tudo que estará em volta, e todos os probleminhas
que terão que ser solucionados (principalmente me refiro a algumas
amizades que me envolvem, e as acomodações) Mas você
imediatamente ficará colada comigo e estando comigo, estará protegida

69
desses contratempos.
Se você me disser quando vem, eu poderei providenciar essa
“arrumação da casa” sem ferir suscetibilidades.

De qualquer forma, a sua vida ao meu lado não será tão dura
nem feita de momentos difíceis, porque eu, com toda a minha
experiência, estarei ao seu lado lhe dando a segurança necessária à sua
felicidade.

Enviei primeiro o cartão de natal, porque a carta demoraria


ainda para ser escrita.

Beijos e saudades
Te quero muito.
Tony.

(Escrito na borda vertical)


Venha passar um fim de semana comigo. Ou venha de vez.

70
Enviei também algumas fotos dos meninos, mas eu não sei quais foram.

São Paulo, 10.01.84

Querido Tony,

Gostei de todas as fotos que você mandou. Seus filhos são


lindos e pelo sorriso que fazem questão de mostrar em todas as
fotos demonstram ser crianças muito inteligentes e amigas.
Será que vão gostar de mim? Será que a gente vai se curtir
bastante? Quero conhecê-los, mas isso, só se eles tiverem cientes do
que eu sou para você e do que você é para mim.
O sorriso deles é como se já me conhecessem e me chamassem
pra junto de vocês - mas pode ser só impressão.
Eu gosto muito de você, as fotos que você me mandou vou
entrega-las pessoalmente. Vou passar um fim de semana com você,
para que ambos descubram o que realmente querem. É só você dar
um tempinho, pois a grana não dá, mas você poderá ir pensando
onde a gente se encontrará, como eu faço pra ir aí.
É claro que quero ser feliz, mas quero fazer com que todos
sejam felizes também.
Não se preocupe com a sua condição financeira ou sei lá o que
você quis dizer.
Quero que você me ajude e me compreenda.
Quero falar de todos os meus problemas olhando
nos seus olhos, tocando em você.
Preciso tanto ser feliz. Preciso tanto fazer
alguém feliz.
Portanto, não vou te levar problemas e
impedir suas responsabilidades na sua família ou
no seu trabalho.
Eu aceito tudo, mas quero que você me dê
forças para aceitar e vencer os obstáculos.
Eu gosto de você e há tanta coisa para conversar um com o
outro. Deixemos isso para a hora certa.
71
Escreva-me o mais rápido possível.

Um beijo enorme.
Sua Nádima
(A carta não é longa como você pediu, mas será longo o nosso
bate papo)

___N. ___

Rio de Janeiro 14 de janeiro de 1984

Querida e muito querida __-_N. ___

Estou feliz muito feliz.


A cada dia gosto mais de você. Ao mesmo tempo, me preocupo.
Quero que tudo dê certo para nós, por isso me preocupo.
Achei ótima a idéia de você vir passar um fim de semana comigo,
mas, realmente, não tenho prática de receber princesas.
Daí, não sei o que faço.
Para você vir em definitivo, me daria um tempinho, que eu sei,
para abrir o caminho para você. “Arrumar a casa”, como falei.
Preciso de um tempo para encerrar uns casos que tenho por aqui e
principalmente com uma amiguinha que está dormindo aqui comigo.
Você sabe que eu estou levando vida se solteiro, mas não de beato.
A gente se envolve, ou é envolvido, quer queira ou não. E eu queria
liquidar todos os assuntos por aqui, antes de receber você.
Estou vendendo a loja. A moça que está aqui comigo, trabalha
comigo e cuida de mim e das minhas coisas. Entretanto , ela está
plenamente consciente da nossa posição, pois assim foi combinado no
início. “ Ela viria para o Rio para aventurar uma vida nova, e me

72
pediu que ajudasse nessa mudança, embora com um relacionamento na
base da curtição, sem nenhum envolvimento emocional ou compromisso
de nada”.
Vou pedi-la que se apresse, mas sem feri-la ou magoá-la. É uma
boa amiga e me ajudou muito. Devo ser reconhecido por isso.
Se você pegasse um ônibus e saltasse aqui hoje, eu colocaria você
do meu lado imediatamente e me “virava” nas soluções que fossem
necessárias. Se você me desse um tempinho (até eu vender a loja, por
exemplo) eu mesmo resolveria isso com tato, e dando uma parte do
produto da venda a ela que me ajudou desinteressadamente.
Se você vem me fazer uma visita rápida e a curto prazo, então
não seria coerente que eu trouxesse você pra cá. Digo, para dormir,
porque eu teria que desalojá-la para outro lado (de certa forma
constrangedor).
Minha mãe tem um apartamentinho bem pequeno, mas o coração
dela é muito grande e poderíamos ficar lá uma noite. Aos sábados e
domingos ela costuma sair para igreja, essas coisas, e nos cederia o
apto. que aliás é num bom lugar.
Outra opção seria um hotel para o pernoite, mas seria uma opção
mais dispendiosa.
Existe o apto do meu irmão, muito bonzinho e a minha cunhada
é uma amiga do peito, muito agradável e simples (não está fora de
cogitação).
Existe a casa do meu pai, mas distante do Rio, uns 100 Km
num lugarzinho de interior. Nos fins de semana ele vem para o Rio e
deixa a casa vazia. Talvez você esteja cansada e se ressinta de outra
viagem.
Existe a casa de campo da minha irmã, mas mais longe ainda.
Em todo caso, se eu puder, pedir à minha amiguinha para dar
73
uma volta e dormir na casa de uma amiga qualquer, poderia acolhe-la
aqui mesmo.
A opção mais cômoda é a casa da minha mãe. Você se sentirá em
casa.
Para você vir e voltar no mesmo dia, fica cansativo e muito curto
para nós.
Dê sua opinião, para eu preparar aqui.
A respeito da passagem, não se preocupe. Vou mandar o dinheiro
para ida e volta. Espero que você permita. Afinal é interesse meu, e
você já fará o sacrifício da viagem. Mande dizer quanto é. Se você tem
identidade. Mandarei pelo Reembolso Postal.

Aqui o clima está quente. Dá vontade de andar sem roupa.


Traga roupas leves. Traga um biquíni. Mesmo que seja velho, seria
gostoso irmos à praia ou à cachoeira nos refrescarmos.
Traga roupas simples, para me deixar mais à vontade. Te quero.
Venha logo para junto de mim, por favor.
Pode vir confiante. Sei o que digo. Eu ficarei feliz com você e a
farei feliz, tenho certeza.
Sei que vou gostar de você. Pelas fotografias, sinto isso, com
muita convicção.
Por favor, não corte os cabelos logo agora, tá? Você é muito
bonita com os cabelos conforme estão nas fotos. Se você gostar de mim
e isso não será difícil, vamos nos encaixar perfeitamente.
Depois, detalhes são detalhes. Se você não souber fazer um café
pra mim, eu faço pra você.
Você trabalhando e eu também, poderemos ter empregadas para
fazer o mais pesado.

74
Eu aqui no restaurante tenho 2 a 3 empregadas. São todas
mulheres. Mas como venderei o negócio, não sei ainda o que farei com
o dinheiro. Se você tiver uma idéia e quiser criar alguma coisa,
poderemos tentar. De qualquer forma o ideal será você ter um
trabalho diferente do meu. Mas não vá se preocupar com isso. Tudo
será planejado e executado com calma. Eu e você decidimos.
Aqui no Rio é fácil de chegar. Você dirá mais ou menos a hora
que vai sair. Venha pela Viação Cometa. & horas depois você estará
aqui na rodoviária e eu estarei lá te esperando.
Mandarei os detalhes e um mapa da cidade na próxima carta.
Responda rápido esclarecendo os detalhes que te pedi.
Mando o $ em seguida. Não se preocupe. Não deve ser muito
caro.
Não venha bonita demais, para que eu não desmaie de emoção.
Vai correr tudo bem. Saiba que eu também estarei nervoso e
ansioso a sua espera. Portanto, desculparemos um ao outro qualquer
falha. Combinado? Com carinho mútuo ajudaremos a superar essa
expectativa do primeiro encontro. Te quero muito.
São 3:27 da manhã. Sonharei com você.
Mil beijos apertados.

Também seu.
Tony.

São Paulo, 18-01-84

Tony maluco,

75
Sinto muito, mas não vou aceitar a sua proposta de comprar
as passagens. Eu mesma comprarei.
Quando ao lugar onde vou ficar, você conhece melhor,
decidirá. Tudo que você sugerir, tá bom.
Tony, o fim de semana que vou passar com você, não significa
que vou ficar aí em definitivo. É apenas para que eu e você
tenhamos certeza do que queremos, portanto, não queria que você
mudasse tanto sua vida por mim. E sobre a moça que está com
você? E se ela não tiver para onde ir? Ela sabe sobre mim? Os seus
familiares sabem também? Ou ainda é segredo?
Bom, eu confio em você, você sabe disso.
Eu quero sair daqui numa boa, mas a minha mãe não aceita
que eu vá sozinha para o Rio e eu não queria contrariá-la.
Ela sugeriu que você viesse aqui, mas eu falei que seria mais
difícil e eu quero conhecer o Rio de Janeiro.
E você não sabe receber princesas? E você acha que eu sei ser
recebida por um Deus Grego?...
Fique calmo. O nervosismo será de ambas as partes.
Bem, querido, eu não irei bonita demais. Só vou usar meu
vestido preto, que eu costumo usar em festas de gala, à noite,
claro. O sapatinho de cristal que eu ganhei da Cinderela, luvas de
couro, meias de seda e aquele chapéu de boiadeiro do meu avô. Só
isso.
Obrigada pelos mil beijos apertados e só não vou lhe mandar
um milhão porque tenho medo que a carta fique muito pesada.
Eu não sei se lhe disse, mas você é um gato por fotografia.
Imagino pessoalmente.

Beijos da sua
Nádima.

Rio 21 – 01 – 84

Querida garota.
76
Não seja mal-criada. Aceite as passagens.
Se eu fosse aí, por acaso, você as pagaria? Não, não é mesmo?!
Então faça de conta que eu estou indo, porque mesmo considerando
que você venha ao Rio, “somente para passear”, eu estou convidando e
só lamento que minha carruagem celeste esteja com um pneu furado,
pois mandaria buscá-la com uma escolta e uma guarda de honra.
(afinal, você merece)
Você não pode fazer o favorzinho de aceitar? Seja compreensiva
não é?
Eu já estou mandando. E nesse caso, eu vou mandar só a de
vinda. A de volta fica para depois. Além do mais, quero que você
venha logo, ou vai querer me matar de ansiedade?! Ainda resta o
perigo de você ficar se escondendo atrás dessas passagens ao invés de
confessar sua “timidez”.
Importante é que, estando você aqui, estará ao meu lado e eu não
largarei você um minuto sozinha, seja qual for o lugar. (também não
precisa levar para os extremos dos pensamentos maliciosos, não é?)
Eu já sei que você só vem me visitar. Já entendi isso e não se
preocupe, pois como você, sou bastante inteligente para saber distinguir
os procedimentos. Achei a idéia sensata e estou de pleno acordo e
considero-me despido de qualquer espécie de compromisso. Deixarei
você com a sensação de total liberdade de pensamento e procedimento,
de tal forma que você voltará como um passarinho, voando feliz com o
passeio. Esquecerá até a razão pela qual veio(a principal).
Entretanto, a minha vida, mudo-a do jeito que acho melhor. Sei
o que faço.
Quanto à garota que está comigo, apenas coloquei você a par, por
uma questão de honestidade e lealdade. Não vou inventar motivos que
não existem, para justificar procedimentos que você não entenderá.
77
Tenho o hábito da verdade e você precisará se acostumar com isso,
para me entender melhor.
Longe de mim pensar em deixar uma moça que está comigo, ir
para a rua sem ter para aonde ir(?!)
Quando digo “apressar a saída dela”, refiro-me a uma mudança
de hábitos, a mais gradativa possível (embora rápida). Arranjar ou
ajudar a arranjar um emprego independente para ela, uma moradia,
incentivá-la a novas amizades etc. Já existe alguma facilidade nisso,
pois tudo já estava assim estabelecido e ela já está ciente dessa minha
pressa. Já mostrei as necessidades dessa providência, explicando com
uma hipotética garota como você, mas não disse sobre você
explicitamente, porque ela sairia no dia seguinte, antes de estar
devidamente preparada. Afinal, é uma boa amiga e eu quero o melhor
para ela. Infelizmente, esse melhor não é ao meu lado e por isso
mesmo, devo mostrá-la o caminho certo.
Com a sua vinda a passeio, eu poderia até mesmo justificar como
um flerte ou uma possibilidade ainda em estudos, mas sem deixar
transparecer que ela estaria sendo obstáculo para qualquer coisa, pois
do contrário, como já disse, ela sairia na hora, mesmo sem ter para
onde ir.
Dos meus familiares, apenas o meu irmão tem conhecimento de
você e da importância que você tem para mim.Aliás, já contei ao meu
filho mais velho também e inclusive mostrei suas fotografias. Pelo jeito
dele, senti que gostou de você. Achou-a bonita e a beleza significa
muita coisa para uma criança.
Aos demais, nada espantariam porque pensariam tratar-se de um
caso qualquer.
Apenas entenderão quando eu assim o demonstrar. Não sou
acostumado a participar minha vida particular à sociedade que me
78
envolve. E do que eu fizer, a eles nada mais espanta, mas sou
respeitado e faço respeitada a pessoa que me acompanha. Da mesma
forma, nunca desrespeitei a eles nem às suas casas.

Diga à sua mãe que durante a viagem, você terá que correr o
risco, mas que ao botar os pés na rodoviária eu estarei com você, e
estando você comigo, estará mais segura do que se estivesse com ela
própria.
E que ela não se preocupe tanto, afinal, não segurar você na saia
dela eternamente. E que você já está bem grandinha e na hora de
começar a conhecer a vida.
Diga-a que eu a admiro pela educação que deu a você.
Voluntariamente ou não, sua formação é fora de série e alguma coisa
disso você deve a ela, é claro.
Que bom que você não está zangada com ela, pois que , dessa
forma, tenho certeza que ganharei mais uma amiga. E que apesar da
distância, tudo farei para que vocês permaneçam próximas. Breve irei
visitá-la, mas que no momento não quero cair nos laços dela.
A mulher segue o homem e não o homem segue a mulher. Não
complique. Acho S.Paulo. muito frio.

Achei a roupa que você descreveu, adequada para a viagem. Só


não concordo com o chapéu. Prefiro chapéu de palha. Quando você
chegar, eu estarei vestido de fantasma e poderemos ir direto para um
baile de carnaval.

Tenho ficado muito ansioso, aguardando suas cartas e se você

79
tiver um pouquinho de compaixão de mim, não demore a escrever.
Acho que o cupido me flechou dessa vez. Também, pudera! Você é
mais uma misture de Cinderela com mulher-maravilha. E por favor,
pare com isso de “Deus grego” . Quer me reduzir ao tamanho de uma
pulga?
Quanto ao gato, eu agradeço (miau) mas acho melhor ver
pessoalmente.
Fotografias, a gente sempre pode escolher as melhores, não é?
De gato eu tenho os pulos, que vou te ensinar direitinho quando
chegar a hora certa. Até lá, minha filha..., acho melhor esconder as
unhas e até o rabo. Sua mãe está de olho e pode querer me jogar água
fria.
Gatos e lebres à parte, estou enviando algum dinheiro pelo correio
(vale Postal) no transcorrer dessa semana. Como você não disse
quanto, vou mandando, até você achar que já pode inteirar e fazer
logo a tal da viagem – Poxa!, daí até aqui é um pulinho apenas.
Segue um mapa do R.J. e uma lista de endereços e telefones de
parentes e amigos que tenho aqui para o caso de qualquer
eventualidade, mas estarei te esperando na Rodoviária que é próxima
daqui e dormirei lá, nos bancos, mas não te deixarei chegar sozinha.
Basta você passar um telegrama dizendo: - Vou a tal hora mais
ou menos dia tal empresa tal.
Eu estarei lá. Caixa de calmantes no bolso, dois na barriga.
Óculos escuros para disfarçar, chicletes para manter a boca úmida e
cheirosa, lenço para enxugar o suor das mãos, e sei lá mais o quê.
Não se esqueça: Traga o biquíni. E não se preocupe se você não
estiver bronzeada. Eu darei os devidos descontos, mas é claro que
quero levar você à praia e a cachoeira mais próxima. (Pode dizer à
sua mãe que eu vou tomar conta de você com todo zelo e
80
responsabilidade e que ela nem pense em acidentes)
Por aqui, no mais, está tudo bem.
Não demore – beijos.
Seremos felizes
Tony
Estou ansioso por encontrá-la.

Seguiu à carta uma lista de nomes e endereços com telefones da minha mãe e
dos meus irmãos, um mapa do Rio de Janeiro, e essa nota:

Qualquer problema ou dúvida, aqui no Rio,


pode pegar um táxi e dar o endereço daqui.
Chegar sem qualquer problema e me procurar pelo
nome (ou apelido)

São Paulo, 25-01-84

Querido Alfredo.

Também não precisava ficar assim, né?


Eu sei que você está ansioso, mas te garanto que não está mais
do que eu.
Você não precisava mandar as passagens, mas se depender do
meu dinheiro, ainda ia demorar um pouco para poder ir.
Tá legal, você muda sua vida como achar melhor. Quem sou eu
para dar uma opinião a esse respeito.
Você é adulto o bastante para saber o que quer, porém... no
fundo você é um menino, que eu gosto muito e que nem sabe a
importância que tem pra mim.
Pensei tanto em você hoje. Cada dia penso mais.
Eu preciso muito de você, querido. Queria estar ao seu lado
agora, saber o que você está fazendo neste exato momento.

81
Eu quase não falei da minha vida nas cartas que escrevi para
você. Também nunca me importei com isso, nunca tive muito o que
dizer. É que eu sou assim, às vezes não consigo expressar o que
penso e o que sinto. Mas estou me esforçando bastante pra mudar
isso. E sei que você poderá me dar um grande apoio.
É você que eu quero, Tony. Preciso tanto conhecer você.
Tony, eu quero sair daqui numa boa, mesmo sendo para um
fim de semana.
Mas a única maneira que consegui fazer com que a minha mãe
deixasse ir sem ter que brigar com ela, foi com uma condição que
ela propôs: Que eu levasse uma amiga, para não ter que viajar
sozinha. Ela tem um monte de grilos na cabeça. O que você acha?
Se eu tiver que levar alguém, levarei uma amiga muito legal,
fiel e de muita confiança.
Bom, você pediu para eu dar um tempo até você “arrumar a
casa”. Digamos que eu vá no 1º fim de semana de fevereiro (quem
sabe dá sorte: É o mês do meu aniversário). Eu sairei daqui na
sexta à noite (dia 3), para chegar aí no sábado de manhã. De
preferência pela Viação Cometa, como você sugeriu. O que você
acha?
Escreva-me logo que não temos tempo a perder. Até lá, eu te
escrevo dando certeza.
Bom, já que você não gosta de “Deus Grego”, você passa a ser
agora “D. Quixote de La Mancha” (Pode não parecer, mas vocês
têm algo em comum)

Sua, eternamente sua.


Nádima

No verso:

(Tony: Quando penso que um dia serei tocada por você, sinto
um arrepio percorrer meu corpo todo.
As suas cartas já me causam um êxtase)

__ N __

82
Rio de Janeiro 27/01/84

Fico feliz porque tudo se desenrola a contento, num clima de


compreensão e amizade. Se nós sabemos ceder de parte a parte e com
isso, solucionamos nossas questões, é prova de que estamos no caminho
certo.
Estou bastante entusiasmado com tudo que acontece entre nós e
um 6-º sentido me diz que a felicidade está batendo à nossa porta e, a
essa altura, já será difícil impedir o inevitável: Eu e você.
Você me surpreende, não tanto pelo seu modo de agir, mas
proporcionalmente entre a sua idade e o seu modo de agir. Eu estou
muito feliz.
São essas coincidências loucas que geraram a história da formiga
e o elefante. (não querendo discriminar quem seja a formiga ou o
elefante) Mas, no meio de tantas descoincidências naturais da vida,
nós estamos nos completando a cada passo.
Você precisa de mim, da minha experiência, da minha segurança;
eu preciso de você, da sua juventude, do seu carinho, da sua meiguice.
Realmente você acertou, e nem sei como você descobriu ou deduziu
isso. No fundo sou um menino. Sensível e carente, precisando
imensamente de você. Mas não espalhe, porque é apenas segredo meu e
seu.

Quanto a você vir acompanhada de uma amiga ou não, e se isso


acabou sendo uma forma de você solucionar o problema junto à sua
83
mãe, está tudo bem.
Se a sua mãe, assim, fica mais tranqüila, vamos concordar, não
é?
Procuraremos fazer disso, um motivo agradável. Somente para
que eu não tenha que dividir minha atenção com você e ela, e para que
ela também se sinta à vontade, sem estar constrangida, eu
providenciarei uma companhia para ela.
Entendo perfeitamente as aflições da sua mãe. É natural que ela
fique apreensiva e nós temos que considerar isso.
Da mesma forma, uma vez, ela permitiu que você atravessasse a
rua sozinha. Fez a parte dela, quando te preveniu contra os perigos
do trânsito e entregou a Deus. Ficou de coração apertado, mas não
teve outro jeito. Afinal, fosse quando fosse, um dia isso teria que
acontecer, porque é o destino de todos nós.
Agora também ela vai ficar com o coração apertado, mas sabe
que não tem jeito. Mais cedo ou mais tarde, tudo vai acontecendo na
ordem natural das coisas não é?
Espero que sua amiga goste de praia e aprecie a natureza, porque
estou pensando em algo assim. Ela estará muito bem acompanhada,
podes crer. Mande detalhes dela.
A data que você marcou está boa.
O horário também está bom.
Da rodoviária de S.P. até a rodoviária do R.J. são 6 horas de
viagem. De Diadema, de casa, até na rodoviária de S.P. eu não sei
quantas horas são, mas imagino, no máximo uns 45 minutos. Na
rodoviária você pode perder mais uns trinta minutos. Portanto, um
total de 7:15 h.
Digamos que você saia de casa às 22:30 h de 6-ª feira, chegará
aqui às 6:00 h de sábado. Vem cochilando pelo caminho e vai chegar
84
morta de sono e cansaço. Eu sugeria que, antes de você sair de casa,
tomasse um antidistônico qualquer (Diempax por exemplo). É
fraquinho e ajuda a relaxar na viagem.
Pode ser até que você durma um pouco na viagem e chegue aqui
mais inteira.
Eu estarei a partir de 5 horas da manhã de sábado, na
rodoviária, te esperando pela “Viação Cometa”.
Quando você chegar, quero um abraço apertado. Bem apertado,
para quebrar o gelo e acalmar as emoções.

Deixa “Deus Grego” mesmo. Dos males o menor. Imaginação


fértil, só nessa sua cabecinha mesmo. Que tal Peter Pan e você fada
Sininho? Ou Lobo-mau e Chapeuzinho Vermelho?

Já enviei 10 mil pelo correio hoje à tarde. Vá juntando aí com o


seu e vê se dá para vir. A volta a gente vê depois. Nem sei quanto
custa a passagem, com tudo subindo do jeito que está. Pra semana,
posso mandar mais 10 e deve chegar aí, ainda em tempo.
Com a vinda da sua amiga, naturalmente encarece mais um
pouco e eu não sei se ela poderá colaborar em alguma coisa. Mas não
se preocupe. Se o dinheiro ainda não der, transferimos para 15 dias
após.(mas prefiro assim)

(Quanto aos arrepios, não se preocupe. Você terá muitos deles. Te


85
prometo)

Com um carinho especial,


Um beijo molhado.
Tony

Não estou querendo pensar muito no que está para acontecer na


minha vida. Ela já está nas suas mãos a essa altura.
Espero que você cuide bem de mim.

Tony

Bem, aí vão as fotos que


prometi.
Valeu a pena esperar, não é?

Aniversário do meu filho mais


velho (10 anos) de blusinha branca
listrada e gola e mangas vermelhas (o
mais alto). Eu estou de camisa
branca com listras horizontais
amarelas: novembro de 83.

As outras foram as que eu tirei agora, janeiro de 84, portanto


atualizadíssimas.
Selecionei as melhores, podes crer.

86
Se você gostar de algumas, não fique com elas. Devolva e diga
quais são, que enviarei com dedicatória.

Eu gostei de você e te quero realmente.


Se você gostar de mim e quiser o
original das fotos, apresse-se e dê logo uma
definição nisso, porque eu já estou muito
ansioso.

Seguem algumas fotos dos meus filhos para você conhecê-los.

Vê se não embroma e vem logo de uma vez.


Beijos – Tony

Nota: O cara que está na foto com os meus dois garotos, vestidos
com a camisa do Vasco é o meu irmão.

Pelo amor de Deus,


devolva as fotos em carta
registrada, ok?

O que aconteceu com a Nádima? Não confirmou a vinda nem deu qualquer
explicação.
Quase um mês depois... (um mês, não se esqueça!... É muito tempo!)

87
São Paulo, 22.02.84

Tony querido,

Estou muito triste, pois já estava tão confiante que iria


conhecer você pessoalmente, agora, mas não será possível agora.
Teremos que dar um tempo. Mas garanto que não vai demorar.
Breve estaremos juntos.
A amiga que pretendo levar é uma pessoa muito legal. É muito
inteligente e adulta. De aparência, tem um corpo bem feito e um
rosto cearense. Mas ela se dará bem com todo mundo.
Não sei como será a companhia que você arranjará para ela,
mas desde que seja um cara adulto e que tenha um bom papo,
tudo bem, e nisso eu confio em você.
Tony, não se preocupe, tudo vai se sair bem. O vale postal só
pode ser retirado por alguém maior. Eu havia esquecido de dizer
isso, mas agora e tarde demais. Estou mandando de volta o que
você me mandou.
Não precisa se preocupar com isso, mas talvez você tenha uma
solução.
Por falar em solução, gostei do Peter Pan. Só queria que você
me ensinasse a voar, embora sendo a fada Sininho, há muito o que
aprender.
Obrigada pelos cartões. Eu mostrei às minhas irmãs e elas
disseram que eu tenho que conhecer essas praias. Elas são muito
bem humoradas.
O seu beijo molhado eu devolvo, pois não o quero por carta. Só
tem gosto de papel.. Mas pretendo experimentá-lo ao vivo.

Nenhum beijo desta vez.


Só muita ansiedade e bastante carinho.
Gosto muito de você...
Sua:
Nádima

Este é para você,


é uma cópia do meu, tá?
88
Rio 04/02/84

Oi, coração.
Sorte sua estar “apenas um pouco triste” pelo desencontro, porque
eu fiquei apenas muito triste, decepcionado, aborrecido, frustrado e
outros etc mais, porque a minha vontade foi grande e o meu esforço foi
grande para que tudo desse certo.
Realmente passei todo o fim de semana pensando em você,
vivendo você, sentindo a sua ausência a cada minuto.
Por isso a minha tristeza foi grande.
Isso em parte é conseqüência de uma característica que você tem,
que eu já notei. Não entendi, mas espero um dia entender. Você não
fala realmente de você. Não se comunica objetivamente, fornecendo
detalhes da sua vida, que são importantes para que eu possa conhecê-la
bem, e assim ajudá-la e ajudar a resolver os nossos problemas.
Me lembro, por exemplo, que perguntei se você tinha carteira de
identidade, mas você não me respondeu.
Pelos meus cálculos, você já deveria ter 17 ou 18 anos. Ora, com
17 apenas, eu já sabia que você não poderia receber o vale postal e
nem sequer viajar sem autorização de um responsável.
Você diz que quer conversar tudo comigo, pessoalmente; está bem,
é válido e realmente vamos ter que conversar muito para que eu possa
conhecer suas particularidades, mas certas informações, sobre “certos
problemas” , são imprescindíveis para que eu possa ajudar, conhecer e
resolver.
Para que você não se preocupe, vou logo esclarecendo que não há
89
nada que modifique a minha decisão de estar com você, a não ser você
mesma.
Mostre-me os dragões que eu os derrubo. Mas passe para o meu
lado, para que eu possa defendê-la. Se você estiver além, (após) os
dragões, fica mais difícil, porque eu não posso me comunicar com você e
acabo fazendo algo desnecessário ou que possa contrariá-la.
Soluções existem para tudo. Eu tenho muitas delas, mas sem
saber qual é o problema, ficarei divagando, tateando, tentando na
sorte, na coincidência a solução que poderá não ser correta.
Você falou que fará aniversário ainda este mês. Isso é uma
solução. Vai completar 18 aninhos não é verdade? Portanto, com
maior idade será dona do seu nariz. Se você cometer um crime, vai
para a cadeia e ninguém vai por você. Entretanto, como você está de
documentos? Quais os que você já tem? Aonde estão? Use-os para
retirar a importância do Vale postal.
Você vai precisar deles também para viajar. Ao menos um
qualquer. Se você só tem a certidão de nascimento, vá depressa tirar
uma carteira profissional (de trabalho) que é o mais rápido que existe.
Leve duas fotos 3 x 4 .

Sua mãe, poderia retirar o vale postal por você (se ela quiser, é
claro).

Eu poderei enviar outra importância em nome de uma amiga sua,


que seja maior.

Se o problema for só esse, está resolvido.

90
Se for outro qualquer, eu preciso ficar sabendo para poder me
posicionar diante dele. Estou contando com uma boa dose de
insegurança e incerteza sua, de tal forma que chego a pensar que você
até achou um alívio, essa tal impossibilidade.
Se assim for, eu te recomendo coragem.
Como você mesmo já chegou a essa conclusão, lute pelo que você
quer. Não deixe a incerteza dominar suas atitudes, porque o
comodismo de “deixar ficar como está” , não leva a nada, a não ser
um atraso de vida irrecuperável.
Se você quiser vir com sua amiga, não tem problema. A
companhia que vou arranjar para ela é de um rapaz com trinta e
poucos anos, homem agradável educado, engenheiro, alto, forte, claro,
simpático e que saberá tratar bem dela, seja ela o tipo ideal ou não
para ele. Ele agrada a 99% das mulheres. Não há o que errar.

Estou reenviando o vale postal, para ver se você dá um jeito por


aí. Se não, só daqui a uns 3 meses eu poderei retirar o dinheiro dos
Correios. Vê se dá um jeito, tá?
Se você, por acaso, me mentiu em alguma coisa e ainda vai fazer
17 anos ao invés de 18, já pode ficar sabendo que não gostei e vou lhe
dar umas boas palmadas quando a encontrar.
Olhe, fada Sininho. Se você segurar na minha mão, eu te ensino
a voar, pode ter certeza. E isso você pode me cobrar. Voar bem alto,
voar nas nuvens.
Mas eu não posso fazer isso por telepatia. Ainda não aprendi.

Meu anjo. Resumo tudo numa coisa:

91
Diga o que você quer, que eu resolvo.
De mim, você já sabe. Quero você e já estou esperando há
bastante tempo, por sinal. Espero, porque vale à pena. Tudo em você
até hoje, me agradou em cheio. O que mais posso desejar se não
conhecer você pessoalmente para desencantar?
Quero logo superar essa fase de expectativa, essa fase de
confirmação, de conhecimento pessoal, para começarmos outro passo
mais significativo. Haja paciência!...
Meu consolo é que, enquanto você não resolve, eu vou vivendo por
aqui, mas isso é problemático e perigoso.
Problemático porque todo relacionamento comigo tem uma
tendência a se solidificar, e eu fico fugindo disso, porque não tenho a
pessoa que eu quero.
Isso magoa os outros e causa uma vida de ansiedades que não
sabe se vai ou se fica. Embora eu seja muito honesto e exponha logo o
meu ponto de vista e os meus motivos, os corações aos poucos vão se
identificando enquanto o cérebro fica retendo as rédeas.
Perigoso, porque isso pode complicar um dia e uma gravidez, por
exemplo, ou outra razão forte qualquer, pode encerrar a minha
carreira de “Dom Juan”.
Aí, não teria mais chances de encontrar minha pessoinha certa e
viveria, dessa vez para sempre, frustrado e incompleto.
Espero que você tome suas providências.
Mil beijos de esperança.

Tony

PS. Responda minhas perguntas.


Você quer ser minha mulher ou não quer?

92
O caminho é longo até lá. Apresse-se por favor, ou viveremos de
sonhos apenas.
Quer que eu vá aí, raptá-la?
Por favor Cinderela, não me deixe com o sapatinho de cristal na
mão!

São Paulo, 08/02/84

Oi paixão.
Que eu me lembre, quando começamos a nos corresponder, eu
tinha 15 anos. Foi há 2 anos atrás (em 82), né? Eu faço
aniversário dia 11 de fevereiro, portanto, daqui a 2 dias e 17:00
eu terei (sinto muito...) 17 aninhos...
Senhor Alfredo! Fique sabendo o senhor que não suporto mais
esperar para te ver, para estar com você, para sentir você. Não me
sinto nada aliviada, é totalmente ao contrário.
O melhor é você enviar o vale postal em nome da minha
amiga que irá comigo.
Se você quer o nome dela: Maria do Socorro Monte Araújo. Se
for possível, dessa vez pelo correio de Rudge Ramos em São
Bernardo do Campo, que fica bem mais fácil.
Eu tenho a carteira profissional e a identidade, mas não
adianta nada.
Na verdade eu não queria estar dependendo de você para
viajar, mas a ansiedade me faz aceitar qualquer coisa. Tá
entendendo?
Tudo culpa sua.
Você nem imagina como esperei sua carta hoje. Me fez tão
bem ao recebê-la. Culpa sua...
Respostas às suas perguntas:
Se eu quero ser sua mulher?
Isso responderei frente a frente.

Quero sim, que você venha me raptar. Seria o maio mais


93
rápido, menos complicado e é claro... mais emocionante!...

Cinderela? E se o sapatinho não servir?...


E se esse príncipe insistente me condenar por amor a me fazer
amor em madrugadas de estrelas, onde todas elas brilharão por
esta hora de amor?
Se você surgisse de uma estrela e me procurasse em noites
frias, eu estaria a sua espera de braços abertos para te acolher em
meu colo quente, que espera por você...

Infantil não?

Mas é tudo por você

Um beijo sabor de madrugada.

___N ___

Por que a gente não foge pra outro planeta?

Rio 13 de fevereiro 1984

Querida Estrela da Madrugada.

Sua cartinha amorosa, como sempre, me fez feliz. Gosto de você


porque você é como é, do jeito que é, sem tirar nem por.
Suas fotos também trazem um novo recado, uma nova nuance ,
um novo aspecto, que aos poucos vai compondo um todo. E a cada
passo, mais nos envolve e nos enlaça.

94
Eu sei que você tem muitas surpresas para mim e, malandra e
sabiamente, guarda para a hora certa, para lançar ao acaso, sem
regras nem ditados, que não sejam os do instinto do amor.
Eu aguardo você, donzela meiga e criança. Eu aguardo todo o
seu calor e brilho. Absorverei com muito carinho, o que tiver para
explodir. Adoro a força do seu instinto, quero que você se dê totalmente
e eu evitarei que você se machuque sem precisar frustrar suas emoções.
Não tenho regras para você, como não tem regras o amor. Quero
que apenas, você se realize e realize suas fantasias. Chegando em
mim, você chegará na terra do nada é proibido (que não chega a ser a
Ilha da Fantasia) mas em termos de relacionamento, quero você, em
toda a sua totalidade.

Estive esse fim de semana numa praia linda, na qual pretendo


levá-la e lá passar com você uma noite, curtindo o silêncio da
madrugada e a frescura da brisa do anoitecer. Apreciar com você, suas
irmãs estrelas, a te desejar felicidades. Nada
como a própria natureza para fazer cenário ao
amor, não é?
Lembrei-me muito de você nesses momentos
e estive com você em espírito.

Quer dizer que eu errei nas contas não é


mesmo?. No dia 3 de fevereiro , quando você me
escreveu pela primeira vez, disse que tinha 15
anos, não é? Mas acontece que tinha apenas 14. Portanto, quando eu
te mandei o vale, havia uma chance (embora pequena) de você já estar

95
com 18. Era a de que, com 15, você estivesse próximo aos 16, mas você
estava mesmo era com 14, próximo dos 15. Foi uma mentirinha
pequena, mas de qualquer maneira, vai levar as necessárias
palmadas.
Vamos fazer o seguinte:
1-º) Estou preocupado porque já estão próximas as aulas e você
não gostaria de perder o ano, não é?
Por aqui, já até mesmo estão encerrando as matrículas nos
colégios estaduais. Se você resolver (por acaso) ainda esse ano, juntar
seu coração ao meu, teremos que tentar uma transferência (se você já
estiver matriculada por aí em algum colégio estadual). Ou então, para
não perder o ano, um colégio particular.
Diga-me como está essa situação por aí, e se você já pensou no
assunto, e se tem alguma idéia de como resolver. (Por mim, você vem
de qualquer maneira, e aqui a gente se vira).
2-º) Sendo você menor, vai precisar talvez de uma autorização da
sua mãe para viajar. É preciso que você se informe disso na rodoviária
(tente por telefone) para não furar em cima da hora.
Hoje em dia, com 17 anos, eles não andam criando problemas,
mas é bom verificar. De qualquer forma, quando chegar a hora de
você vir em definitivo, se for preciso, eu vou aí para te raptar de
qualquer maneira e comigo, você vem nem que seja a pé. Mas é bom
pensar no assunto. Seja forte e decida com segurança, esperteza e
sabedoria.
3-º) Envie-me de volta toda a documentação que está com você,
referente aos vales postais que te mandei 10 + 10 mil; tentarei daqui
transferi-los para o nome da sua amiga. Estou apertado para
“descolar” outros 20, antes de ter certeza de que não poderei aproveitar
esses mesmos. (principalmente essa via amarela que te mandei por
96
engano, pois com ela é que eu poderei retirar o dinheiro de volta).
Providencie isso rápido, meu amor, para que logo posamos estar
juntos e “amaciar” um pouco essa ansiedade.

Um apertão.
Tony.

A Nádima havia completado 17 anos. Depois de 2 anos de correspondência e 1


ano após ela afirmar que aceitaria de fato, vir morar comigo no Rio de Janeiro.
Já me chamava de meu amor e possivelmente já estava envolvida
emocionalmente, como eu já estava, há muito tempo.
A Nádima era parte de um plano muito sério de refazer a minha vida e havia
escolhido com muito zelo a menina certa para isso. Ela era muito importante, mas
muito importante mesmo!...
Mas sabe o que é um castelo de cartas, pacientemente montado durante todo
esse tempo, desabar? Imagine num campeonato de dominós, você levar dois anos
montando a sua estratégia, e já bem próximo da apresentação, alguém derruba quase
tudo. Como você se sentiria?
E se você mandasse importar um lindo Cadillac dos Estados Unidos, e
esperasse 2 longos anos pela sua fabricação artesanal e quando chegasse, finalmente,
você visse que havia recebido era um carro usado, furado e amassado?
Pois foi assim que eu me senti quando recebi a próxima carta da Nádima. Aliás,
não foi só isso. Foi muito pior do que isso!... Eu, sendo sincero ao extremo e ela me
ocultando o principal. Algo muito importante na vida de qualquer garota, ela sabia
disso, mas que, naturalmente, preferiria “contar pessoalmente”:

São Paulo, 15 de fevereiro de 84.

Tony, meu amor.

Gostei muito do carinho dado “Estrela da Madrugada”. Foi


algo lindo que me fez bem.
As fotos que mandei não são tão boas como deviam. Eu não as
ia mandar.
Não quero espantar você.
Quanto a minha idade, já imaginava que você pensaria como
pensou. É que, quando lhe mandei a primeira carta, estava

97
próximo ao meu aniversário e eu já dizia que tinha 15 anos. Mas tá
tudo bem assim.
Eu queria receber cartas suas todos os dias.
Sabe. Tony, para eu sair de casa vai ser um sufoco. Mas não
tem problema, vou tentar numa boa. Em último caso, você vem
me raptar.
Eu penso em você, Tony. E penso muito.
Fiquei triste por ter recebido uma carta tão curta. Tenho
tanta ansiedade de ler, que às vezes leio tão rápido que nem
entendo. Tenho que ler novamente.
Quanto ao meu estudo, eu não estou estudando. Não houve
condições este ano. E eu não estava tão disposta. Mas sempre há
oportunidade.
Tony, eu quero fazer umas perguntas. Quero que você me
responda com sinceridade, tá?
1-º) Se você tivesse que vir aqui me buscar, você viria , mesmo
que me pegar na rodoviária e viajar em seguida?
2-º) Tony, você desconfia que eu seja ou não virgem, e faz
alguma diferença para você?
3-º) Esta pergunta não faz diferença pra mim, mas só para te
deixar embaraçado. Qual a tua idade?...

É, Peter Pan, tome uma atitude pra valer.


Bom, termino desejando que esteja tudo bem com você e
muitas felicidades.

Beijos intermináveis.

Nádima.

Sua carta foi linda e me fez sentir vontade de viver, mas


numa dessas, você acaba me matando.
E... Se quiser me matar, mate logo, a tarde, às 3:00. Que à
noite eu tenho um compromisso e não posso faltar...

__N __
98
É isso aí... Bem disfarçadinha entre duas perguntas sem importância. Uma confissão.
Que decepção!... Fui apunhalado pelas costas, passado pra trás, e ainda seria usado
para corrigir seus desenganos. Eu bem que desconfiava, pelas suas próprias palavras,
insistentes, mas só agora tive a confirmação. Eu era só um “amigo”, como ela mesma
fez questão de frisar. Fazer o quê?!... Perdi. Tenho que entender que perdi.
Mas fiz papel de idiota, tratando-a como uma donzela, como uma criança
inocente, sendo cuidadoso até com o que escrevia e, a sem-vergonha, já tinha feito de
tudo, por lá. Tente imaginar o quê?
Ah!... Nádima... Pelo menos poderia ter sido sincera comigo...
Tudo aquilo que eu ensinei, que ajudei a compreender sobre sexo, toda a
proposta que eu fiz para que confiasse em mim, que me desse a mão e me deixasse
conduzi-la pelos caminhos desconhecidos do amor, foram postos de lado, ou melhor,
usados com outro. E ficou quietinha, me envolvendo, me enrolando, fazendo passar o
meu tempo, e eu pensando só nela, como a garota da minha vida, criança, inocente,
ingênua, doce princesinha, fada Sininho... Cheio de cuidados, como se tratasse de
uma menina inocente, uma moça que nunca tivesse conhecido outro homem com a
profundidade que um envolvimento sexual sugere?!... (Palavrão de indignação!) Já
imaginou na minha cabeça, passar todas as coisas que ela fez por lá? Como me senti
mal com isso... A minha eleita, a gatinha dos meus sonhos, já tinha rolado nas mãos
de outro qualquer. E ficou quieta...

Ela poderia me ter dito:


-Olhe, antes que você pense diferente de mim, eu não sou mais virgem. Já sou
mulher, tá?!...
Pronto. Quebraria as minhas ilusões machistas de pureza, planos de mulher
ideal, intocada, mas não teria destruído a sua imagem de mulher. Mas omitir isso,
sabendo da gravidade que representa, foi indigno. Se tivesse me contado, seria outra
conversa, mas apimentada, mas sensual, ou simplesmente, deixava ela pra lá, pois eu
não estava procurando aventura, e isso já estava com cheiro de aventura. Não queria
uma garota só para transar, principalmente a uma distância dessas! E agora a Nádima
era o quê? Significava o quê? Uma garota livre, que a gente curte numa boa, e só!
Como tantas eu dispensei por estarem longe demais. Não faria um investimento
desses só para me divertir. Eu estava procurado uma esposa. Aí, sim, valia a pena
investir!...
Eu, cultivando essa menina, no meio de 500 correspondentes, cultuando essa
menina desde os 14 anos, para poder tê-la inocente nos meus braços e ser totalmente
minha desde a primeira vez, desde a sua primeira experiência, que com certeza seria
maravilhosa. Para isso, eu era experiente e sabia como fazê-la feliz.
E agora? Como é que fica?
Ela não se deu bem, não é? Pelo jeito, não! E eu agora, é que vou ter que ajeitar as
coisas... O amigo!... Ufa!... Cacete!... Que raiva! Me senti enganado, me senti
ultrajado, violentado, sacaneado!
Aquele valor todo que a Nádima tinha, desabou!... Ainda por cima, escondeu
isso de mim, quase até o fim! Quem sabe, só me dissesse na cama, na hora H!
Cadê a jóia preciosa? O diamante que eu saberia distinguir de um caco de
99
vidro? Errei! De fato não passava de um caco de vidro. Nada de diamantes! No
máximo, uma peça de cristal raro, mas que caiu e se despedaçou. Perdeu o valor.

Juntei os cacos para ver o que sobrava. Os cacos dela e os meus cacos, porque
eu fiquei em pedaços também.
Juntei tudo. Parei para pensar. Tentei compreender os fatos. As razões. Eu sei o que é
o sexo. Eu sei o que são os homens que gostam de seduzir meninas. Eu sei o que são
garotas bobas de 16 anos. Seduziram a minha futura esposa, menor, e isso é crime. Eu
estava longe para salvá-la.

“Art. 217 (Cód. Penal) - Seduzir mulher virgem, menor de 18 (dezoito) anos e maior
de 14 (catorze), e ter com ela conjunção carnal, aproveitando-se de sua inexperiência
ou justificável confiança:
Pena - reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos.”

Naturalmente foi naquele período de silêncio de um ano em que ela não mais
escreveu. Não acreditava que ela continuasse transando por lá e me escrevendo. Qual
seria a da Nádima? Quem é a Nádima afinal? Não a conheço ainda. Não é quem eu
pensava que fosse. Ninguém é tão inocente que não soubesse o que estava fazendo,
apesar de tudo, apesar da lei, e ela não era. Mas ao mesmo tempo não podia culpá-la
porque foi vítima também. Ela também não sabia o que estava fazendo. Sabia ou
pensava que sabia, mas não sabia. Boba!
Tinha o direito? Tinha, é claro! Então eu apenas perdi. Cheguei a conclusão de
que perdi, cheguei atrasado... Apenas isso, nada mais... Vou pegar a sobra da sua
inocência aviltada.
Eu, a essa altura, já gostava tanto dela, que mesmo os 20% que sobraram seriam
suficientes para me fazer feliz. Eu estava muito envolvido em conquistá-la. Se não
fosse por inteira, os pedaços que restassem, pois ela era muito importante pra mim.
Mesmo os cacos. Por isso, consegui engolir em seco a minha frustração e friamente
continuei com o meu objetivo, mas deu muita revolta, uma raiva incomensurável por
ter ocorrido esse acidente. Sim um lamentável acidente que eu não pude evitar. Não
fui suficientemente rápido. Imperdoável!...
E não queria magoá-la sem necessidade. No fundo ela estava inocente do que
tinha feito com ela e comigo, e não entenderia se eu dissesse. Além de que, há um
ano atrás, eu era sinônimo de nada pra ela. Ela fez o que a natureza manda fazer, mas
escondeu de mim, quando voltou a me escrever... Isso foi o mais difícil de engolir,
além da frustração de um trabalho perdido. Fiz a comida, preparei o prato, botei a
mesa e outro foi mais rápido. Sentou e comeu.

Nota da Nádima: O Alfredo nunca teve nenhuma participação, nunca pensei


em nada do que ele havia escrito sobre sexo. Me apaixonei por um homem que eu
julgava ter as melhores das intenções e no entanto, era casado e me enganou.

Ela primeiro faz, depois te participa como se nada importasse. Foi só um


pequeno detalhe... “Faz diferença pra você?” Que naaaada!!!!...
Essa é uma história que poderia ter sido linda, mas agora, com uma nódoa no
100
meio, virou um drama e não pode ser mostrada pra mais ninguém sem me causar
humilhação. Eu não sou homem de escolher uma mulher para viver, que já tenha
pertencido a outro. Eu nunca precisei disso. Há tantas garotas por aí. Isso é
machismo? Pois eu sou macho, mesmo que ninguém compreenda, e não aturo isso.
Se você não entender, pague um carro novo e receba um usado pra ver... Mas agora,
já era! Depois de todo esse investimento, desse tempo perdido, dessa expectativa... Já
não era uma escolha. Eu estava muito envolvido. Não ia voltar atrás só por causa de
um capricho de machista ou porque a minha namorada foi vitimada.

Nota da Nádima: Esse drama todo que o Alfredo faz é meio ridículo e
exagerado.

Será que isso é tão sem importância assim para essas garotas? Elas dão grátis!...
Sem a menor cerimônia, sem nada cobrar?... Nada disso! É a ilusão da paixão, que
gera esses conflitos. A inexperiência, a imaturidade, bem explorada por esses maus-
caracteres. Tenho ódio dessa raça! Se ela tivesse sido sincera comigo, eu a teria
advertido sobre isso. Mas como ajudar uma pessoa introspectiva, que omite fatos
importantes e nem sobre a vida quer falar?
E eu paguei o preço. Fiquei com o que sobrou. É assim que eu penso. Fazer o
quê? É isso o que eu acho. Azar de quem não concorda. Não posso dizer diferente. É
a vida... A difícil vida... Sou eu...

Eu respondi a carta dela. Depois de esfriar os ânimos. Com calma. Com jeito,
ainda chamei de princesa, mas mudei o tom da conversa e não pude deixar de expor o
meu protesto. Afinal, ela perguntou se fazia alguma diferença pra mim ou não:

Rio 18/02/84

Adorada Princesa.
Como vai esse corpinho macio?
E essa cabecinha, que a essa altura, deve estar em total
desordem?
Vamos com calma não é?! O mundo ainda está começando para
você, e afinal, não deve ter começado tão mal assim...
Se eu ou você tivéssemos aquela varinha mágica das fadas,
estaria tudo resolvido. Como não temos, vamos raciocinar. Com
calma, controlando a ansiedade, no que for possível, para que logo
possamos estar juntos, sem um monte de confusões à nossa volta.
101
Sei que quando estivermos juntos, será como um ímã e ninguém
mais vai nos descolar. Mas, quanto menos gente tentar, melhor, não é?
Você achou minha carta pequena. Mas é assim mesmo. A gente
escreve, escreve, mas quando vai ler, vê que quase não disse nada.
Entretanto, comparando, suas cartas são apenas bilhetes para
mim. Mas eu os leio muitas vezes e procuro adivinhar até mesmo o que
você pensou e não escreveu, e até quando pensou uma coisa e escreveu
outra.
Pego os seus bilhetes, desmonto todos, letra por letra e examino
por dentro, como um pesquisador, para saber o que você realmente me
mandou dizer. Aí, eles ficam mais longos e do tamanho de uma carta.

As fotos não me espantaram. Não se preocupe. Quando a gente


começa a gostar, vai cada vez mais gostando por dentro e
desvalorizando o por fora (em parte, não é?)
Você por fora já é bonita o suficiente para as minhas exigências.
Por dentro, agora que você está ficando realmente bela. Quando você
ameaça me contar suas particularidades e seus segredos, vai
depositando em mim, uma confiança maior. Isso me traz orgulho,
significa que sou digno da sua confiança e da sua amizade. Obrigado.
Sempre o que mais fere num relacionamento, não são os fatos em
si, mas a traição da confiança, que significa a ausência da amizade.
Errar ou acertar não vem ao caso. Todo mundo erra ou acerta.
Basta estar vivo. Mas ter um amigo para confidenciar esses erros ou
acertos, ajudam a evoluir a mente. Quando essa atitude é recíproca,
então, aproxima muito, as pessoas.
Você, estrela, está brilhando mais para mim hoje, do que ontem.

102
Respondendo suas perguntas: (sinceramente)
1-ª) Com relação a trazer você para cá, eu tomo qualquer
providência que se faça necessário. Certa ou errada, sempre estará
certa, porque o que eu busco em você está certíssimo para mim.
Tudo depende apenas: De tempo, de dinheiro e de ter onde alojar
você, com um mínimo de conforto possível.
Isso é claro, a partir do momento que você e eu dissermos o sim
“definitivo”.
Esse sim, pode acontecer em um segundo apenas. Basta eu
colocar os olhos em você e você em mim, ao vivo. Esse “sim” poderia
acontecer na rodoviária. Quando eu chegar, pegar na sua mão e trazê-
la de volta para mim. A partir desse momento, você será minha
mulher e eu serei seu senhor absoluto. Me acompanhará para sempre,
nos altos e baixos, na vitória e na derrota, na saúde e na doença. Eu
zelarei por você como a uma filha amada e te possuirei como mulher,
como fêmea.
Deixe eu retirar esse dinheiro dos correios. Estou pensando
enquanto isso. Acho que vou aí raptá-la.
Você me espera na rodoviária. Eu chego apenas para buscá-la.
Saímos e passeamos um pouco para conversar. Traçamos os planos,
pegamos o ônibus e você vem comigo.
Depois você escreve uma carta delicada à sua mãe. Fato
consumado. Ela entenderá.
Você poderá, inclusive, inventar uma história mais dramática, na
qual eu conste como herói, não como vilão, está certo? (você me
entendeu, não é?)

2-ª) Perguntinha sem graça essa, não é?

103
Até o momento eu não havia desconfiado de nada, porque não
estava preocupado em desconfiar nada. Mas já que você tocou no
assunto, vamos lá.
Por partes:
Minha primeira resposta poderia ser:
- “Não desconfiei de nada, não cheguei a pensar no assunto (o que
seria uma mentirinha) e pra mim não faz diferença.”
Duas coisas entretanto aconteceram:
Quando te escrevi pela primeira vez e te fiz algumas perguntas,
você, com seus 14 anos, me disse que “nunca tinha tido relações sexuais
de espécie alguma” e que a única pessoa que havia tocado nos seus
seios tinha sido você mesma.
Portanto, deduzi, é claro, que você era virgem e sempre tratei-a
como tal. Até mesmo assuntos sexuais eu parei de mencionar, porque
você não entenderia. Deixei para que tudo acontecesse, na ordem
natural das coisas, quando chegasse a hora certa.
Então você interrompeu suas cartas, pois havia encontrado um
grande amor.
Fiquei na minha. O que fazer? Você aí em S.P. eu aqui...
Muito tempo depois, você voltou a me escrever: O grande amor
havia se desfeito em desolação...
Ora, um grande amor, sempre deixa marcas. Entre duas pessoas
sadias, e na sua idade, o mais comum é que aconteçam intimidades,
carícias íntimas e até mesmo, relações sexuais, de alguma forma.
Ficou a dúvida, de quanto você havia feito de “progressos”, desde
a sua primeira carta, para esta outra época, mas não fez diferença
para mim, porque eu estava muito mais feliz porque você havia
“voltado”.
Eu li nas entrelinhas das suas cartas que algo havia acontecido: -
104
“há tanta coisa para lhe dizer” – “Eu aprendi tanto, Tony” –
“Talvez eu esteja finalmente ficando adulta” – “Tenho consciência de
que a vida existe” – “Mas agora tive a prova final” – “Estou
passando por um momento difícil” etc, etc. etc... são palavras suas,
entre outras muitas, que traduziram para mim muita coisa e dentre
essas coisas, seus problemas e envolvimentos na área sexual (que você
não quis mencionar).
Não me importei com isso, não me dizia respeito. Não foi comigo e
a vida é sua e você faz ou fez o que bem entendeu com ela.
Eu não sou virgem e nem por isso me considero melhor nem pior
do que ninguém. Para ser seu amigo, você não me exigiu qualquer
virgindade. Portanto, eu não tenho nem direito nem razões para exigir
virgindade de ninguém. (a virgindade a que me refiro é ao primeiro
aprendizado sexual, as primeiras emoções, aos primeiros sentimentos
que sempre marcam o primeiro amor, e não a tal membrana que
recobre a entrada da vagina).
Entretanto – se eu pudesse colocar um entretanto – eu diria que,
realmente eu preferiria muito mais, que você tivesse tido essa sua
primeira experiência comigo. Eu te avisei isso. Eu te preveni e te disse
que te ensinaria o caminho certo. Te disse que, pela minha mão, você
estaria segura etc, etc.
Você preferiu outro caminho. Nada pude fazer.
Lamento, não o fato de você ter a sua membrana (o hímen)
rompido ou não. Pra isso estou pouco ligando. Lamento sim, não ter
sido o seu primeiro amor.
O primeiro que acariciou o seu corpo, o primeiro que te fez sentir
as primeiras sensações do prazer sexual.
Lamento, porque você não me deu oportunidade de te conduzir
num sublime momento de ternura e de te arrancar suspiros de amor com
105
maestria. Você bebeu uma água morna e matou a sede, mas não sentiu
o verdadeiro sabor do vinho de uvas frescas.
Se eu suspeito sobre sua virgindade?!
Nunca me ocorreu pensar, porque a verdadeira virgindade, o do
coração, você perdeu e sabe quando.
Como para tudo há compensação na vida, também para esse tipo
de coisa há uma compensação.
Para mim, há o amor e o Amor.
O primeiro não tem estrutura, não tem base. É calcado numa
emoção às vezes forte, mas passageiras, as “paixonites agudas” que
podem terminar tão rápido quanto começaram.
O segundo Amor é racional, calcado em bases fortes, estruturado
por amizade firme, sinceridade, compreensão, humanitarismo,
entendimento. E isso tudo não aparece de repente, mas vai se
calcificando aos poucos, até se transformar numa rocha inquebrável
como o diamante. Esse é o amor que eu planto. Esse é o amor que eu
colho. E esse, ninguém colheu de você antes, e nem dele também você
provou.
Desse amor você é virgem ainda.
Com esse amor no peito, você consegue ver a beleza de uma
pequenina flor e remover uma montanha.
Para mim, com hímen ou sem hímen você é virgem. Essa é a
minha resposta.
Só te peço uma coisa: Não me esconda nada, porque eu me
sentirei enganado. Se você me esconde coisas, não confia em mim.
Desvaloriza a minha amizade. Não poderá me cobrar depois. “Quem
engana será enganado”.
3-ª) Essa terceira pergunta não chega a me deixar embaraçado.
Na verdade nada há de misterioso ou estranho nisso. Ora, tenho idade
106
para ser seu pai, mas não para ser seu avô! E daí?! Não tenho
qualquer espécie de complexo, nem me considero velho, nem para você
nem para ninguém. Pelo contrário, sou garotão, de uma energia
infinita, saudável como apenas 30% da população de jovens do Rio
de Janeiro o é.
Procuro uma garota jovem, por livre e espontânea vontade,
porque é com elas que me identifico melhor.
Eu quero uma garota bem mais nova e portanto eu quero ser bem
mais velho para ela.
Talvez, mesmo você, não me acompanhe, não sustente o meu
ritmo de vida, nem na área esportiva, nem na área sexual, nem mais
alegre, nem mais feliz, nem mais entusiasmada pela vida do que eu.
Mais velhas do que você, para mim, são velhas. Não se
identificam comigo.
Eu sou puro como uma criança, mas tenho a malícia de um lobo,
a força de um tigre, a astúcia do Peter pan e o poder de um Deus
Grego.
Os números não interessam é claro.
Você não tem as minhas fotografias mais recentes? Tenho cara de
60 anos?! Então não se preocupe, você não terá surpresas.
No entanto eu te prometo. No dia em que você me encontrar, eu
colocarei minha carteira de identidade nas suas mãos.
Onde já se viu uma “princesa linda e meiga” ficar perguntando a
idade dos “deuses gregos”? Deuses são imortais, minha querida...
Ponha-se no seu lugar, ou eu deixo um desses dragões por aí, comer
você todinha. (lugar de princesa não é tão mal assim, não é?).
Bem, perguntas respondidas, vamos aos fatos:
Sua mãe não concorda que você viaje, nem só, nem
acompanhada, não é?
107
Vou ter que tomar uma atitude.
Já solicitei a devolução da importância pelo correio. Hoje é
sábado. Chegará na semana que entra, 3-ª ou 4-ª feira.
Fim da semana que vem, eu deverei estar com meus dois garotos.
Na outra, eu estarei aí. Portanto, daqui a 15 dias.
Detesto São Paulo, portanto chegarei no domingo de manhã
para voltar domingo à noite.
Passarei o dia com você. Na rua, nas praças ou qualquer lugar.
Se eu puder, alugo um quarto num hotel e levo você. Depende do
dinheiro disponível. Jogo fora os planos de passar uma linda noite,
numa praia deserta sob o luar quente do verão carioca, para me
entocar com você num buraco qualquer de um quarto de hotel em
S.P. , mas de qualquer forma, quero estar com você. Dê um jeito.
Arranje um tempo, fuja de casa, qualquer coisa, mas me espere. Sabe
aonde? No guarda volumes da rodoviária.
Eu chegarei às 6 horas, mas esperarei você até às 10 horas.
Essa semana ainda, eu vou a rodoviária aqui no Rio, perguntar
se você pode viajar com 17 anos sem autorização paterna. Te avisarei
quando tiver certeza. Assim sendo, se você quiser, pode planejar vir
comigo, se você achar conveniente, depois de me conhecer. Se não for
possível vir de ônibus, viremos de caminhão. De carona.
Se você quiser dar um tempo, tudo bem. Apenas passaremos o
domingo juntos, conversando e nos conhecendo melhor.
Não fique esquentando a cabeça com isso. Tudo vai ocorrer
somente de acordo com a sua majestosa vontade, princesa.
Só para minha orientação, responda as minhas perguntas:
1 – Sua mãe sabe do meu endereço? ou nome?
2 – Ela leu suas cartas ou algumas delas?
3 – Ela viu minhas fotos?
108
4 – Seu pai é vivo? Mora aonde?
5 – Sua família é de São Paulo?
6 – É composta de mãe pai, avô e quem mais?
7 – Sua amiga sabe o meu endereço?
8 – Qual a profissão da sua mãe?
9 – Sua casa é própria? Ou paga aluguel? Quanto?
10 – Qual a profissão de seu pai (se ele for vivo)?

Não responda apenas sim ou não, porque eu não saberei mais a


ordem das perguntas que te fiz. Explique as respostas.

Se você estiver a fim de viajar comigo, sem despertar suspeitas em


cima da hora, vá separando algumas roupas que você considera
essenciais, assim como utensílios básicos (sapatos, escovas etc) e guarde
em local separado e seguro, para no dia da viagem, propriamente dito,
você poder sair de “mãos abanando” e não causar suspeitas. Arrume
em bolsas que podem ser mesmo de mercado.
Não precisa trazer tudo. Logo entraremos em contato com sua
mãe para despreocupá-la e mais tarde você pegará o resto que faltar.

Chegando aqui, dê a zebra que der, você fica comigo, certo? Que
tudo o mais se “lasque” e nós vamos organizando a nossa vida. Jeito
pra tudo se dá.

Beijos nesse corpinho gostoso.

109
(Você ainda vai me pagar por ter deixado outro cara chupar esses
peitinhos antes de mim. Sua safada!)

Te adoro
Tony.

Confie em mim. Sei o que faço.

(Sem resposta)

Rio, 24 /02/84

Querida Fada.

Estou na cidade. No ônibus.


Vou tentar colocar essa carta ainda hoje no correio.
Acabei de confirmar o sintoma de conjuntivite nos meus olhos.
Talvez amanhã eu nem escrever direito possa.
Deve durar 3 a 4 dias. É muito chato e doloroso. O meu pai está
com ela já no 3-º dia e passou para mim.
Eu vou tentar não passar para mais ninguém.
Vamos deixar a minha ida até aí, em suspenso. Se eu ficar bom
ainda em tempo, escrevo um telegrama para você confirmando. Se
não, nós transferiremos para outra semana mais próxima possível. Não
vou chegar aí de olho inchado, não é?
Envio junto uns cartões postais. São um pouco da minha cidade.
110
São um pouco da minha vida e um pouco de mim mesmo, pois conheço
cada pedacinho dela e sempre vivi curtindo-a.
Se os olhos me permitirem eu continuarei escrevendo a você,
normalmente. Se doerem muito, vou ficar em repouso para melhorar
logo.
Envio um cartão com uma frase. É uma filosofia minha, que
passo a você com muito carinho. Exercite-ª

Um beijo gostoso para uma linda fada.

Tony

(Sem resposta.)

Rio 26/02/84

Como vai fada Sininho?

Pensei muito em você e no seu aniversário, que no meio daquela


confusão toda, eu até esqueci de lhe dar parabéns e desejar felicidades.
Afinal, não é todo dia que se completa uma idade tão bonita como 17
anos de vida e saúde.
Te quero tudo de bom, o melhor do mundo e o que depender de
mim, farei para que você seja sempre uma menina alegre e feliz.
Hoje já é domingo +- 17 horas e eu estou com uma compressa de
água boricada no olho esquerdo e te escrevendo(e olhando) com o
direito, que já está praticamente bom.
Cheguei a me assustar com essa tal de conjuntivite, pois magoou
111
muito o meu pai, que já está com 5 dias para o 6-º com os olhos
irritados.
Tudo indica, entretanto, que ficarei bom ainda primeiro do que ele
e esse distúrbio não afetará os nossos planos.
Fiquei muito apreensivo e preocupado, porque não queria que
mais nada retardasse esse nosso encontro (Só faltava essa). Mas, tudo
indica que até a semana que vem, eu não terei mais qualquer vestígio
dessa espécie de gripe.
No momento, parece que chorei duas noites e dois dias seguidos,
tal o estado em que se encontram os meus olhos.
Durante a noite, é o pior momento e dá a impressão de que você
está com um monte de areia dentro dos olhos, ou um caco de gilete.
Não pode nem fechar, nem abrir, nem piscar e nem pensar em revirar
os olhos, tal a dor e o incômodo.
Só lavar e colocar gelo para aliviar.
Estou lhe escrevendo essa cartinha só para te despreocupar, está
bem, meu anjo?
Não recebi ainda o retorno do dinheiro dos correios, mas de
qualquer forma, se isso não ocorrer nessa semana, eu providenciarei
outro. Não há de ser por falta de dinheiro que eu deixarei de estar com
você.
Quero aproveitar para esclarecer a você o seguinte: Não sou do
tipo do cara que fica forçando as pessoas a fazer aquilo que não estão
exatamente com vontade. Quero você bem descontraída e desobrigada
de qualquer coisa, em qualquer hora.
Você pode planejar, pensar e premeditar suas atitudes e reações,
mas é somente em cima da hora que você vai agir. Segundo a sua
vontade e conforme os seus instintos.
Eu estou na expectativa de, ao conhecê-la, apenas confirmar tudo
112
o que já penso e sinto de você e por você. Espero ainda ter a grata
surpresa de me deliciar com você ao vivo, pois imagine, se já gosto de
você por fotografia e cartas.
Vice e versa, da mesma forma raciocino que você ainda deve
gostar mais de mim quando puder me ver, me ouvir e me sentir, pois
dificilmente te causarei uma reação negativa (digo isso por experiência
própria, modéstia à parte)
Quero que nossa aventura seja alegre, feliz e descontraída. Que
seja no fundo, um alegre e divertido começo de um amor profundo que
nascerá dentro do nosso peito, mas que, antes disso, seja uma aventura
alegre, feliz e descontraída.
Vamos rir e brincar, porque o mundo é todo nosso.
Nada faremos que prejudique a ninguém, nem muito menos a nós
mesmos, é claro.
Não estamos assinando nenhum compromisso, formalizando
nenhum contrato de obrigatoriedade, ou assinando qualquer
promissória de dívida.
Estamos apenas marcando um encontro, como qualquer namoro
sugere. Se não nos encontrarmos, não podemos nunca saber se daria
certo ou não. E já levamos para esse encontro uma grande bagagem
de possibilidades e acertos, por conclusões que nós mesmos já tiramos.
Nenhum encontro é perfeito, como nem tudo é perfeito. Porque
ninguém é perfeito. Eu já sei disso e você também.
De minha parte, reafirmo o meu imenso entusiasmo, toda a fé que
coloco nesse encontro. Primeiro, de que ele será bom para nós,
isoladamente.
Afinal, vou conhecer pessoalmente, essa garota maravilhosa que
me escreve.
Segundo, porque acredito em você. Sinto que você tem tudo, ou
113
quase tudo o que procuro numa garota. A cabeça, a fibra, a força e
mais 100 qualidades, que ficaria até monótono estar enumerando
agora. Até mesmo qualidades que nem você mesma sabe que tem, eu
procuro e encontro em você. Tudo, tudo se encaixa maravilhosamente
bem. Muita coisa vai ainda surgir com o tempo, com o entrosamento,
com a convivência.
Por isso eu digo: Será muito difícil qualquer surpresa (a não ser
agradável) de você para mim.
Meus únicos receios e preocupações, são materiais e passageiros, e
refere-se às acomodações que eu tenho neste exato momento, para
acolher você. Mas, sinceramente, se você puder fazer um
sacrificiozinho, não me peça para esperar. Pegue junto comigo e
vamos remover esse obstáculo.
A única coisa que pode me fazer mudar de idéia é você mesma. E
aí, eu não posso fazer nada, porque não depende de mim, e como já
disse: “Não vou forçar a barra”. Acima de tudo, quero ser querido
também ou de nada adiantariam todas as suas qualidades. Não é?
Pra você também não é assim?

O maior problema, visto pelo seu lado, acho que ainda é a sua
mãe, não é?
Isso é compreensível. Mas eu vejo esse tipo de problema com olhos
de adulto. Adulto já vivido, com outra filosofia de vida. E isso, visto
com os meus olhos, nada tem de importante. No fundo, a sua mãe
apenas quer ver você bem. Tranqüila, feliz e segura. Logo que ela
souber que você assim está, pronto. Tudo sanado. Tudo legal.
Felicidades para todos.
Portanto, não se preocupe. Deixe essa parte comigo. Logo, logo,

114
eu ponho isso numa boa.

Minha doce fada.


Quero você com muito carinho.
Quero dar de mim, para você, muita vida que tenho comigo.
Quero repartir com você, um mundo de entusiasmo e de amor, que
tenho pela vida.
Quero fazer-me feliz, fazendo você feliz.
Despeço-me com meiguice e carinho.
Meus olhinhos já estão cansados por hoje.

Um beijo no peitinho.
Tony

São Paulo, 28/02/84

Querido P.P.

Você me faz suspirar a cada momento que leio o que você


escreve. O cartão que você me mandou me deixou e me deixa feliz
sempre que releio.
Preciso te conhecer, Tony! Não sei o que faço até agora, que
ainda não vi esse homem maravilhoso que é você. Nem saberia
expressar o seu significado pra mim.
Sabe, querido, eu pensei bastante e cheguei à conclusão de que
seria melhor eu ir até aí, em vez de você vir aqui. Será melhor, pois
ficaremos mais a vontade. Inclusive a minha amiga está querendo
muito essa viagem para o Rio e ela já me cobrou.
Dá um tempo, amor. Assim que houver condições eu irei.
Gostaria de lhe mandar uns cartões postais, mas prefiro levar
pessoalmente, junto com as fotos, as quais namoro muito.
115
Espero que você melhore da conjuntivite, pois talvez nem possa
ler essa carta direito.
Você nem imagina o bem que me faz as suas cartas.
Eu te gosto muito Peter Pan...
Adorei seus cartões O Rio de Janeiro é realmente, maravilhoso.
Quero ir a todos os lugares que você promete me levar. Na estrada
onde você passa mil vezes, na praia onde você já esteve e tudo o
mais.
O cartão que traz uma frase linda, onde você oferece à
princesa Nádima me comoveu muito. Vá devagar, Tony! Senão,
nem sei... Guardarei com todo o carinho que há dentro de mim.
Você é maravilhoso Peter Pan. Não terei decepções.

Obrigada pelo “beijinho no peitinho”.


(assim que li isso, o olhei)

Com todo carinho do mundo, um beijo sabor da sua fruta do


pecado. (não foi bem isso que eu quis dizer).

Sua fada. Sinin... opa!... desculpa! Nádima.

T/
Obrigada por você existir
..N

Houve uma correspondência aqui, extraviada, na qual parece que eu marcava a


data de 04 de março, que era carnaval, para ir a São Paulo.
Chegando próximo à data eu enviei um telegrama pedindo confirmação, mas
ela não confirmou.
Ela não quer que eu vá lá. E ao mesmo tempo, enrola, mas não vem aqui. Eu
cansei. Achei que isso era uma ilusão, que ela deveria ter os seus motivos, que não
estava sendo sincera e que no fundo, imaginava apenas viver da poesia, enquanto eu
precisava de uma mulher de carne e osso.
Escrevi umas cartas, bem aborrecido, mas, uma carta dela pra mim chegou
antes e não cheguei a enviar essas outras, então.
Segue a carta que por muito pouco eu não cheguei a enviar na data, mas só
depois enviei em apenso à posterior. Essa carta poderia ter dado um rumo diferente à
nossa vida, se fosse postada. Aqui eu a mostro primeiro:

116
Rio 13 de março de 1984

Querida e doce “Sininho”.

Que pena que o nosso barco esteja perdido, sem rumo e ao sabor
das ondas.
Que pena que o nosso amor, tão cantado em versos, mais pareça
agora, uma folha seca caída ao chão, soprada pelo vento de outono.
Você crescendo... e me esquecendo...
Até mesmo o “Capitão Gancho” venceu.
Sinto muito que o nosso (o meu) sonho esteja chegando ao fim.
Sinto muito por mim, sinto muito por você.
Tudo o que construímos. Embora muito pouco, teve a beleza das
rosas e a emoção das ondas do mar, quebrando nas pedras.
Agora cai num abismo negro, num vácuo fundo. Apenas cai sem
que ninguém se mexa para segurar essa queda.
Estou muito triste. Muito mesmo...
Até as músicas que antes soavam para mim como sinos de
felicidade e esperança, agora soam muito longe como marchas de
saudades e de tristezas.
Sinto muito que você não teve forças para voar. Eu te dei tudo o
que tinha.
Perdi as esperanças de novo. Você não ajudou. Não posso te
forçar. Não posso te condenar.
Não vou continuar, porque seria só lamentação.
Te peço que devolva as fotos dos meus garotos e o mapa que tem
utilidade para mim.
As minhas, tirei pra você. Se não quiser...
As suas, como você quiser.
117
Olhe Sininho, é uma pena, mas a gente tem que enfrentar a
realidade. Nosso caso foi como bilhete de loteria que já correu e não foi
sorteado.
Eu não guardo mágoas de você. Espero que você não guarde de
mim.
A vida é longa e o mundo dá muitas voltas. Quem sabe se nossos
destinos se cruzam de novo... Noutra época. Noutras circunstâncias,
noutro lugar...
Vou vivendo por aqui. Te desejo felicidades por aí.
Se eu mudar de endereço, procurarei manter minha CP. 357.

Muitos beijos no corpinho que eu não cheguei a ver.


Muitos beijos na boquinha que não quis falar comigo.
Muitos beijos nos olhinhos que não quiseram me ver.
Muitos beijos na “fruta do pecado” que eu não cheguei a sentir o
sabor (Que pena...)
E os últimos beijos, nos peitinhos, que devem ser macios e suaves,
mas que eu nem sequer pude tocar.

Até um dia.
Tony

Não esqueça as fotos, tá, doçura?

Entretanto, essa carta abaixo, chegou horas antes, com data bem anterior à que
eu tinha escrito dia 13. Já fazia tempo. Por causa do Carnaval, os correios devem ter
atrasado as entregas.

São Paulo, 07 de março de 84


118
Querido menino grande.

Minha grande paixão. Que faço eu para estar com você, sem
tantos problemas?
Que faço eu para voar e pousar nos seus braços, no seu
carinho, no seu peito forte, com cheiro de homem, de Deus.
Você é o deus ou o Deus, mas é o que eu tirei do meu mundo.
Você já faz parte do meu mundo.
Eu penso em você, amor. Penso quando vou dormir. Ao me
deitar, quando tudo está escuro, antes de pegar no sono, faço
questão de imaginar você. E imagino. Imagino você me tocando,
imagino fazendo amor com você, sendo amada por um homem
que me faz feliz em tudo o que diz e escreve. E sussurra de amor ao
meu ouvido enquanto me acaricia. Me beija... Diz palavras de amor
enquanto me penetra devagarinho e vai fundo. Num quarto escuro
onde só se ouvem lindas palavras de amor. É tudo isso que eu
penso. Só isso. Talvez não seja só isso. Há mais, muito mais.
Eu estou com suas fotos aqui. “Ah! Meu Deus, quando é que eu
vou conhecer esse homem?! ”
Vai ser um sonho, já é um sonho...
Cada dia que passa, percebo que tudo isso que há entre nós,
está se tornando cada vez mais, uma coisa linda, um
relacionamento tão cheio de amor, de amizade e de carinho.
Peter Pan, já falei de você pra tanta gente. Todo mundo acha
um barato.
Sabe, Peter Pan, o carnaval acabou ontem. Pra dizer a
verdade, nem vi passar. Eu esperei uma carta hoje e nem isso.
Brigada pelos parabéns. Pois nem sei se agradeci na outra
carta. 17 anos. É isso aí, e você Peter Pan, tem o dobro? O triplo?
A metade? Isso nunca significou muito pra mim. Talvez, se você
tivesse menos que eu, faria diferença sim. A verdade é que eu mais
gosto em você é isso. Saber que você é bem mais velho que eu.
Você fez a minha cabeça, e o que você faz, é bem feito.
Te quero muito.
Nádima.
(Mais conhecida como Sininho)
119
Que já tem dono.

Às vezes me acho tão infantil...


Mas não liga não, tá?

Rio 15 de março de 1984

Querida doce fada.

É difícil dizer apenas em algumas folhas tudo o que voa, povoa e


revoa em nossos (meus) pensamentos por você e com você.
A falta de um tempo, de um local ou hora especial e própria para
te escrever, ainda agrava essa possibilidade de, por pra fora tudo o que
eu tenho pra você.
Mesmo assim depois daquele nosso encontro frustrado, essa é a 5-ª
carta que te escrevo. Três eu rasguei e a 4-ª já estava envelopada para
te enviar, quando recebi a sua, antes disso.
Foi bom que a sua chegou primeiro, porque quebrou o meu ânimo
de reclamar com você. Não só quebrou o meu ânimo beligerante, como
quebrou a mim mesmo.
Eu só a estou anexando para que você entenda o meu estado de
ânimo na ocasião. Só para que você entenda o estado em que ficou
tudo, quando frustrou o nosso encontro naquele domingo de carnaval
(?).
Explique-me, por favor, porque eu não consigo entender, nem
adivinhar, nem ao menos conseguir explicar a mim mesmo, que você,
com toda essa ansiedade e essa vontade de me conhecer, de estar comigo
e outras mil vontades que poderiam surgir na hora (de acordo como
120
que você escreve pra mim) pudesse evitar que eu te conhecesse. Apenas
conhecesse. Apenas te olhasse e fosse olhado por você.
Meu Deus, fada Sininho, eu já estava praticamente aí. Só
faltava a sua confirmação. Um telegrama, uma cartinha dizendo “-
Ok, estou te esperando”.
Explique doçura. Explique, porque eu preciso dessa explicação.
Quero a verdade, seja ela qual for. Quero que a Nádima diga porque
não quis me receber pra dizer ao menos – “Oi Tony”.
Eu fiquei e ainda estou magoado. Sentido, tanto como se tivesse
ido até aí e não encontrado você. Foi, sinceramente, um carnaval triste
para mim.
Te digo sinceramente e do fundo do meu coração que é teu: Perdi
todas as esperanças de um dia poder conhecê-la (pessoalmente, é claro)
Por conclusão é claro, se você nem ao menos pôde, ou quis, ou
teve coragem de me receber aí, que dirá você vir até aqui (?!) Não é
um raciocínio lógico?

Bem, mas você me mandou essa carta, muito bonita, expondo


seus sentimentos mais puros e sinceros (?) E ainda me cobrando uma
possível carta, como se nada de mais tivesse acontecido (?!) Sei lá...
Uma vez, já houve um mal entendido entre nós. Culpa do
correio, e eu não quero que haja outro, porque a você eu só quero
dedicar amor e carinho, mesmo que seja numa despedida. (pode ler a
minha carta anexa grampeada).
Gosto muito de escrever para você, gosto mais ainda de receber
suas cartas, principalmente quando elas trazem mensagens mais

121
profundas e quentes, que vêm de dentro de você, mas acima de tudo, eu
preciso de você viva e ao vivo. Ser humano, e mulher quente, macia e
fogosa. Quero escutar sua voz, sentir o seu perfume, ver o seu modo de
sorrir e rir junto com você.
Enquanto isso não se der e eu não puder segurá-la com as mãos e
senti-la viva nos meus braços, não quero nem pensar muito em você (o
que é difícil).
E você ainda fica mexendo comigo. Me provocando aí de longe,
me excitando e aumentando a minha ansiedade à toa, porque você não
está aqui comigo, e eu não posso dar vazão aos sentimentos que você
me provoca.
Por favor, Sininho, eu sou um barril de pólvora. Não risque
fósforos perto de mim. Depois você não vai estar aqui para apagar o
incêndio, não é?!...
Depois de ler essa sua carta, eu tive até que colocar uma sunga
mais apertada, para não dar vexame. É que ficou um volume aqui na
frente que ninguém ia entender porque.
Do jeito que você falou, eu cheguei até a sentir. Fiquei excitado
na hora, e estou agora. O coração batendo mais forte, minha
respiração alterada e arrepios correndo pelo corpo, e esse nervo duro,
que não é pequeno, aqui, forçando a calça, querendo sair a todo
custo...
Ora, Nádima, você só não esta aqui, sendo acariciada e
docemente penetrada em todas as suas profundidades, porque não quer.
Por que?!... Só você sabe a razão. Eu já estava chegando aí, e você
não quis me receber. Mas escreve cartas, agora, me inflamando ainda
mais, me excitando, mexendo com o meu sexo...
Tudo isso, para depois... eu ter que fazer amor com outra....
(?!) Pensando em você...
122
Não faça isso, Sininho. É melhor me deixar quieto, ao menos.
Ou então dar um jeito de me encontrar.
O que houve, querida?... Explique bem direitinho por favor. Pra
eu saber, tá?...

F.S. x P.P.

Meu anjo, quero você do jeito que você é.


Se você às vezes é “infantil” é porque eu quero você infantil.
Adoro a criança e sua naturalidade, sua pureza, seu amor espontâneo
e colorido.
Não mude em nada, por favor. Não cresça, não envelheça. Fique
criança como eu sou. Assim é bem melhor.
Quero que você me tenha até pelo avesso liberando todas as suas
fantasias de criança como fêmea, de mulher.
Quero logo acariciar esse teu corpinho criança, apertar o que você
tiver de macio e sentir você toda, bem no fundo...
Por favor, não demore ou me desespero.
Tony
Por favor, envie suas próximas
cartas para a minha caixa postal – 356
Cep 20001. Não quero que elas sejam
violadas por aqui. Beijos.

São Paulo, 19/03/84

Querido príncipe voador,

Me perdoa amor. O que fiz, não fiz para magoar você. Me


perdoa, por ter deixado você pensar em mim com tristeza.
123
Eu também pensei em você durante o carnaval, imaginei tudo
que poderíamos ter feito.

Sabe Tony, eu quero você. Só não deixei que você viajasse até
aqui, porque fiquei preocupada sobre onde você ficaria.
Eu gostaria de levá-lo para os lugares bonitos que conheço,
mas seria tão cansativo para você.
Você estar comigo, não importa como, quando, porque e onde.
Só sei que estaremos juntos um dia.
Não se preocupe com as fotos dos seus brotinhos, Eu vou levá-
las pessoalmente, e esta promessa eu vou cumprir.
Eu também escrevi algumas cartas que não mandei. Sabe qual
foi o problema?
Eu pensei que você é que estava me devendo uma carta (depois
do telegrama que recebi antes do carnaval) eu não levei em conta o
telegrama.
Eu não fiz de propósito, Tony. Eu quero você. Quero seu corpo
de herói, quero sua força, sua experiência, sua segurança, de um
homem que sabe o que quer. Quero seu jeito poeta, suas atitudes de
carinho.
Afinal de contas, você sabe o que quer e sabe o que fazer e
como fazer para conseguir. Eu tenho certeza disso.
Eu confio em você, Tony. Bom ou ruim, você sabe o que está
fazendo.
Eu quero ter você frente a frente. Quero sim!... Quero muito.
Mas eu queria ir até você.
A coisa que ilumina a minha vida, meu dia a dia é o momento
em que recebo em minhas mãos às suas lindas cartas.
Tudo que escrevi na carta anterior foram os sentimentos que
há dentro de mim, que me fez escrever. Foi tudo que senti e sinto.
Sabe, Peter, para uma adolescente de 17 anos, que é tão
sonhadora, você é o que mais faz palpitar meu coração. E mesmo
que eu fosse adulta, você faria o mesmo efeito.
Será que, realmente, este colecionador de pedras preciosas
sabe distinguir qual pedra é realmente preciosa?
Sim, Tony, eu concordo que você venha, afinal é o que eu
quero. Quando você quiser, eu estarei à sua espera. Perto da minha
124
casa tem um hotel. Espero que você esteja em condições
financeiras, embora não seja muito caro, pois é simples.
Não demore para me escrever, P.
A sua fada adormece e sonha contigo, esperando a cada
anoitecer, que você surja voando no céu.
Não é um conto de fadas de criança.
É um conto de fadas onde há o amor o desejo e até mesmo o
“pecado”. Onde todos se vêem como homem e mulher.
Sei que tudo isso pode não parecer a realidade, mas no fundo
é a minha realidade, é de onde eu vivo, eu me alimento com meus
sonhos (com você).
Quero tudo de você: sua sabedoria, sua ansiedade, seu fogo...
... como te quero...
Bom, meu querido, “é isso aí”.
Um beijo gostoso em tudo isso que você tem e que você
gostaria que eu beijasse.

Sua fada: Tony


Nádima.
Te adoro.

Quero que você me explique


porque tenho que escrever
para sua caixa postal.

Um dia eu levo uma tocha para explodir este “barril”.

A Nádima, como se pode perceber, enrolava um pouco. Poderia haver vários


motivos, mas ela não era confiável. Existe, entre o sonho, a fantasia e a realidade, um
abismo real. Eu joguei um verde, quando falei de “gaviões” mas realmente eu estava
em desvantagem. Ela poderia estar namorando por lá. Dá pra sentir que ela é
impetuosa, sexualmente viável, e um namoro qualquer a mais, de repente, poderia ser
fatal. Um cara que surgisse e fizesse a cabeça dela mais um pouco, e a presença física
desse pressuposto, poderia ser fatal. Uma gravidez poderia ser fatal. Eu estava em
desvantagem, já estava perdendo o jogo. O que ela teria feito no carnaval? Carnaval é
uma festa onde os sentimentos se ativam mais do que o comum, e a Nádima dava a
125
impressão de ter duas caras. Uma, a sentimental, aquela dependência psicológica de
um bom e fiel amigo e outra, impetuosa, ansiosa pela sua vontade desesperada de dar
um passo adiante, fossem quais fossem as conseqüências. E ela não estava sendo
sincera. Nunca foi 100% sincera. Acho que ninguém é. Eu achava isso. Esse era o
perigo. E quando ela silenciava ou ficava meio apática, me apavorava!
Ela estava disponível, ela estava desejosa, ela estava com a libido ativada por
mim mesmo, pela fantasia que tinha comigo e, de repente, tudo poderia acontecer,
não exatamente comigo. Ela teve algumas desilusões, mas numa dessas, poderia ser
diferente, quem não sabe disso? Essa minha preocupação e pressa no encontro se
justificava e, a sua notável esquiva era uma incógnita. Quem era a Nádima? Uma
menina tímida, com receio de se encontrar com a sua própria fantasia, ou uma mulher
na aventura, buscando, ainda com força, uma realidade mais próxima? Mantendo-me
em banho-maria, preso por um fio, enquanto fazia uma nova tentativa por
lá mesmo?
Sempre que as cartas dela demoravam, eu ficava preocupado. A próxima
poderia chegar dizendo: - Querido Tony... você sabe... as coisas mudam... eu sinto
muito... sei que você vai superar rapidamente...

Dois já haviam levado parte do que era meu. Um, levou a sua primeira paixão.
Outro, levou a sua primeira emoção sexual. O próximo poderia levar o que sobrou.
A minha presença física e real, com certeza daria um novo impulso no nosso
relacionamento, que passaria do plano virtual para o real. Eu tinha que me apressar,
forçar mais um pouco, pelo menos para empatar esse jogo.

Nota da Nádima:
Passei todos os carnavais da minha adolescência em casa, sem dinheiro e sem
ter para onde ir.
Eu não tinha duas caras, tinha sim, uma personalidade extremamente complexa
e insegura. Por incrível que pareça, o problema era mais simples do que se podia
imaginar: não sabia como e onde recebê-lo...

Rio 22/03/84
Querida flor das madrugadas.

Recebi ontem sua carta (recolhi ontem)


Fiquei feliz como sempre, mas, como sempre, frustrado, porque
ainda não conheço essa preciosidade que me escreve e que se diz minha
. Já imaginou a gente ter uma coisa que não conhece, ainda mais em
se tratando de uma mulher preciosa, uma fêmea linda e faceira? Uma
126
barra!...
Ontem mesmo te enviei meus maiores anseios numa pequena carta.
Hoje eu explico, fofinha (aliás, já expliquei):
Se sua carta vem para aqui, outras pessoas podem receber e por
curiosidade, desviá-la.
Também ficam sabendo que eu a recebi e como não tenho um
lugar inviolável para guardá-las, podem da mesma forma ser alvo da
curiosidade dos outros.
Suas cartas são muito valiosas para mim e eu gosto de tê-las
confidencialmente. Principalmente agora, que têm vindo com um teor
“mais quente” e confidencial.
Já, se são enviadas para a C.P. somente eu as recolho (embora
demore mais, pois tenho que ir à cidade para isso) e guardo logo bem
guardadinhas.
______ _______

A respeito dos seus cuidados comigo, em relação ao local onde


você me receberia ou me levaria, saiba que você se enganou
redondamente.
Primeiro que o propósito maior, o motivo maior da minha ida até
aí (no carnaval) era ver você, ao vivo, e ser visto por você.
Conversar, rir, brincar, etc. Outras “coisas” mais íntimas, por
exemplo, poderiam e poderão acontecer, mas isso já é secundário. Aí
sim, dependeria de outros fatores e um deles seria um local apropriado.
Digo que é secundário, porque não faço questão de ter você “por
uma noite apenas”.
Isso depende também do nosso estado de ânimo, do momento
psicológico criado entre nós dois, para que o nosso amor flua (possa
fluir) como em nosso conto de fadas: Com alegria, descontração e

127
acima de tudo, vontade. Força explosiva incontrolável de
acontecer.(isso, eu creio que não vai faltar).
Mas eu não tenho (não quero) compromisso com o que poderá
acontecer. Quero mesmo é conhecê-la. Fixá-la como ser vivo dentro de
mim.
É claro que eu já pensei, vivo pensando no momento sublime de
“penetrá-la devagarinho, até o fim”, para que eu e você possamos ser
uma só pessoa, a partir daí. Eu me dar todo para você e você se dar
toda para mim.
(Só de pensar, o “P.P” aqui, fica logo pensando que já chegou
a hora e...)
Aliás, essa é a melhor forma que eu tenho para expressar o meu
amor e o meu carinho por alguém. Mas penso muito mesmo é em tê-la
e não perdê-la depois. Ou prefiro não tê-la.
Outra coisa é que eu não estou pretendendo ir até a S. P. para
fazer turismo.
Não preciso de lugares bonitos para conhecê-la. Até mesmo no
deserto, você seria a única água refrescante que me interessa.
Sim, como eu mesmo citei, “nada como a natureza para
emoldurar um grande amor”. Quem diz isso, refere-se também a um
lugar bonito para encontrá-la, porque você combina com um lugar
bonito, mas não é preciso um lugar bonito para que você resplandeça.
Como eu disse, pode ser mesmo um quartinho fuleiro de hotel.
Pode ser uma pracinha sem graça, pode ser debaixo de uma marquise
ou de um viaduto, ou qualquer outro lugar. Para conhecer você pode
ser até dentro de uma cabine telefônica (melhor ainda, porque assim
fica mais apertado e você mais perto de mim).
Outra coisa: Sou um cara simples. Aprecio as coisas simples. Sei
ver um mundo numa pequena flor.
128
Só quero e só me preocupo com uma coisa: Preste bem atenção:
Eu só quero que você se sinta bem comigo, seja onde for.
Portanto, você perdeu uma grande chance de me conhecer, porque
ficou preocupada comigo.
Reprisando suas palavras: “Se você está comigo, não importa
como, quando, porque, e onde”. (Só espero que esse quando não
demore tanto, porque eu não vou agüentar)

Bem, na última carta, você disse que queria vir até mim. Mais
adiante, você disse que concordaria que eu vá até você.
Eu prefiro o que for mais rápido.
Portanto eu proponho ir até aí para conhecer você. (isso não é um
teste, mas uma necessidade. Eu preciso ser alguém mais real para você.
Tenho medo de perdê-la, mesmo antes de conhecê-la. Tem muitos
gaviões aí perto de você e eu estou concorrendo em desigualdade).
Depois você vem, de preferência em definitivo (mas você é quem
resolve)
Vou separar de novo uns trocados, porque “aqueles” eu gastei no
carnaval, tentando aliviar o meu coração com a sua ausência.

P.P.

Tenho certeza que depois que você me conhecer, os seus sonhos


ficarão muito mais reais. Você não acha que isso será bom?
Não fique com medo porque eu não mordo nem machuco.

Te quero, pô!

129
Vou aí e pronto. Vou te agarrar com as duas mãos e te sufocar
num abraço muito apertado, para que você não possa escapar para
lado nenhum, e te possuir.
Tony

Não sei se cresço ou esqueço (16/04/84)

Amo e como todo amor, cometo desvarios.


Não me importo se outros comentam,
a mim é importante.
Faço o que sinto, não vejo os erros.
Dizem alguns: precisa crescer.
Dizem outros: precisa esquecer.
Se eu cresço de que me adianta,
Será que o amor diminuiu?
Ser criança quando se ama é bonito.
É sincero nada se exige.
É muito mais espontâneo,
não me obriga a calar, por não agradar este ou aquele.
Esquecer não é fácil, quando o amor é verdadeiro,
Pois somente o que é falso perece
Quero crescer sim, mas que o sentimento
que sinto dentro de mim, possa ser bem maior do que eu.
Quero esquecer sim, mas esquecer tudo aquilo
que significa ficar sem você.
Não sei se cresço ou se esqueço, esta dúvida
gostariam que eu tivesse, mas saiba só você:
Se esquecer ou crescer significar perdê-lo,
ficarei eternamente pequena.

130
São Paulo, 16.04.84

Querido amor,

Eu sei que a vida tem tudo isso.


Às vezes me recuso a acreditar e aceitar tudo isso. Talvez eu
seja criança demais para entender.
Já me decepcionei com o mundo, a respeito de tudo que ele
oferece. Talvez por causa dessa fase difícil e complicada. Mas
procuro não me preocupar, pois como você mesmo já disse, é
passageira e eu não devo me embaraçar. E o que você me diz, tem
sempre sentido. Entretanto, é o meu presente, é o que estou
vivendo.
Não, Tony, não é a falta de ânimo pra ir para o Rio morar
com você, mas sim, é a impossibilidade de abandonar tudo isso
aqui.
Eu trabalho, Tony. Vou indo muito bem como auxiliar de
escritório de uma empresa de malhas.
Como abandonar meus amigos, as pessoas a quem faço feliz
(Tony, é incrível fazer as pessoas felizes!). Mas eu penso em você e
quero fazer você também feliz.
Você terá que abandonar a moça que está com você, e aí?
Como é que vai ser?
Ela ainda vai te procurar.
Você me expôs este problema de uma maneira tão intensa, que
eu levei a sério mesmo.
Já passei por momentos difíceis também, Tony. Desde a
infância, muita coisa tem sido problema. Naquele tempo havia a
inocência, portanto tudo era mais fácil de aceitar, pois não
entendia muito e a dor se tornava mais amena.
Eu presenciei diversas vezes, brigas de meus pais. O meu pai é
um alcoólatra, é um sujeito que nem toma conhecimento de nós.
Nunca tomou. Mas o que mais revolta e o torna com uma imagem
de covarde para mim, é quando ele acha que minha mãe é culpada
de tudo, quando na realidade, ela não foi menos que uma heroína,
131
pois foi a que nos deu tudo que temos. Foi a que lutou por nós, a
que nos amou, a que sofreu. Ela sim, é uma mulher de fibra, forte e
amiga.
Com tudo isso, eu amadureci mais rápido em termos de
responsabilidade, com o exemplo que minha mãe nos dá. Não só de
responsabilidade como também de caráter, de luta, de coragem, de
força de vontade e otimismo, pois é tudo que ela é.
Quanto ao meu pai, nunca nos deu um apoio, tanto financeiro
(raramente nos ajuda) como psicológico, em todas as partes.
O meu pai não mora conosco, graças a Deus. Aliás, pai,
praticamente eu na tenho.
Tenho tanto que aprender ainda, quero tanto aprender... Eu
preciso de você, Tony (como?!...). Queria tanto te pedir ajuda pra
decidir. Não me deixe sentir sozinha, amor.
Seria melhor fugir de tudo? Fingir que não existe o Tony, a
Nádima (Sininho, herói, Peter Pan...)
Não. A vida tem uma doce aventura: O sofrimento, a vida traz
consigo um estranho prazer: a luta, que afinal de contas está em
todos os caminhos, em todos os atalhos.
Pra que a fuga, se ela realmente não tem sentido, não tem
“sabor”.
Ah! Vida. Ah! Tony...
Sonhando ou não sonhando, você existe, e eu garanto a mim
mesma que haverá o nosso momento. Você ainda vai me possuir,
fazer amor no calor de uma cama, na penumbra de um quarto,
onde esse momento será só nosso, os suspiros e os gemidos serão só
nossos, onde a dor que eu sentir será provocada só por você.
O seu rosto acariciando meus seios, minhas mãos afagando
seus cabelos. Sentir que este herói existe e quer me amar.
Nem que seja uma vez só na vida, mas acontecerá.
É tudo que quero, apesar de tudo...

Te adoro, mas vou terminar esta querida carta que amanhã ou


depois estará nas queridas mãos do querido herói.

Beijos e saudades.
Sua
132
Nádima
S.

(Vê se não demora tanto pra escrever, né?


As suas fotos ainda estão comigo e as dos dois brotinhos
também. É o que eu mais namoro ultimamente.
Tony, me diz qual música você gosta, que cantores você
aprecia, para ficar sabendo mais de você.)

(Preciso de você, não esqueça) N.

Rio 02/04/84

Querida garota

Recolho sua cartinha somente hoje, 2-ª f.


Gosto muito de você. Fico ansioso e na hora de escrever até perco
as palavras, pois são tantas coisas bonitas que povoam o meu
pensamento, e todas elas eu quero transmitir ao mesmo tempo. Acho
que seria bem mais fácil eu colocar-me dentro de você, pois assim, eu
não diria nada e transmitiria tudo.
Não tem importância. Pelo jeito, isso acontecerá mais cedo ou
mais tarde. Resta apenas ter paciência e controlar minhas emoções.
Ultimamente, quando escrevo para você, fico excitado
(sexualmente) por sua culpa mesmo, porque você parou de me mandar
recados de menina e a me transmitir emoções de mulher.
Ora, uma mulher é uma mulher, seja ela experiente ou
principiante, e eu te vejo como fêmea, sedenta, disponível e receptiva,
133
querendo me absorver.
Eu sei que vai ser uma barra, agüentar até lá, porque o que tem o
meu coração de paciente, tem o meu sexo de impaciente.
Eu vou aí também, agora, para matar esse desejo que você está
me provocando.

04/04
Realmente, está havendo uma certa dificuldade de se consumar
essa posse que eu tenho sobre você, mas, com certeza isso acabará
acontecendo, não é?
Por outro lado, aquilo que é mais difícil, é mais gostoso, não é?

Bem, você me chama de herói, deus etc; tudo bem. Eu aceito em


homenagem àquela fantasia que nós todos temos necessidade de viver.
Sei que você vai também me conhecer como homem, meu lado
humano, meus defeitos e qualidades. Meus sentimentos, minha força e
minhas fraquezas. Acho que você vai gostar.
Sou uma criança grande, sofrida e carente, em busca da
felicidade. Tenho cicatrizes no corpo e na alma. Tenho marcas da
vida e, ainda hoje, estou vivo. Do alto da montanha, sobrevivo. Com
a brisa refrescando o meu rosto, aprecio os campos de batalha e aponto
em cada local, cada “inimigo” que venci.
Sou orgulhoso de tudo o que fiz e, por onde passei, deixei meu
nome.
Fiz amigos, ajudei muita gente, briguei sempre com honra e com
lealdade.
Não tenho inimigos.
Hoje, sou como um grande soldado, capitão romano, respeitado
por sua espada. Não sou um imperador, pois não tenho o poder do

134
ouro, nem decido sobre a vida dos outros, mas apenas sei defender a
minha e a dos meus queridos.
Identifico-me com o tigre, que permanece deitado à sombra de
uma árvore. Embora não esteja agredindo ninguém, todos preferem
passar ao largo.
Na minha simplicidade, sou grande e autêntico. Tenho alma que
sofre, tenho corpo que dói.
Não sou imbatível e já perdi batalhas. Vivo descontraído,
buscando a paz e a beleza.
Ao cair da noite, procuro sempre um colo macio para repousar o
meu dia. Nos seios da mulher estão o meu alento, o consolo, o meu
repouso, a minha paz.
Continuo lutando, pois a vida é um constante desafio. Sou herói,
porque estou no meio de tudo isso e continuo em pé, vivo, em vida, com
o coração batendo. Batendo com alegria, com amor, com orgulho,
com esperança. Coração sonhador, ingênuo, criança. Coração sem
revolta, sem maldade, sem complexos, sem vingança. Coração puro e
livre. Livre para amar e ser amado. Coração de homem, do homem
que te quer.
Com homem, preciso de uma mulher. Mas não vou exigir de você
o que não está ao seu alcance.
Não quero o que você não tem. Quero apenas o que você souber me
dar, o que puder me dar, o que quiser me dar.
Só a sua presença ao meu lado, com seu carinho espontâneo,
natural e autêntico, já servirá como inspiração para que eu continue, ou
até melhor , para que eu comece ou recomece, com você ao meu lado.
Tudo será um começo e como todo o começo, nós iremos
procurando o caminho, tateando, acertando aqui, errando ali; um
ajudando o outro a se encontrar e nos buscando e encontrando pouco a
135
pouco.
Não espere maravilhas no começo, porque todo ele é difícil, mas
sempre será satisfatório. Isso já será um bom começo.
Tenho um mundo para você, mas não adiantará querer dá-lo todo
ao mesmo tempo. Aos poucos sim, e sempre. Como num aprendizado,
tem que ser tudo passo a passo, com carinho por carinho, sorriso por
sorriso.
O prazer de viver e viver a dois, vem vindo e vai se enraizando e,
de tal forma, que acabam , os dois, vivendo num só.
Assim como minhas cartas hoje fazem falta para você (e vice-
versa) nós faremos falta um ao outro, a cada hora de separação ou
ausência.

05/04
Você me perguntou a respeito das cartas que recebi, se foi a única
que me escreveu.
Não, você não foi a única. Você foi a 326-ª (tricentésima,
vigésima sexta) e depois de você, ainda recebi mais de 150 cartas de
todo o Brasil. Para que você tenha uma idéia, até hoje ainda chegam
cartas primárias (pessoas que me escrevem pela primeira vez). Estou
anexando umas duas dessas cartas que recebi por esses dias e já nem
tenho mais curiosidade de ler. Estão fechadas.
Abra você mesma. Depois rasgue e jogue fora.
É desaforo depois de 2 anos de passado o anúncio, alguém
escrever uma carta resposta. Você não acha?
Sua primeira carta está aqui comigo. Veio com data de
03/02/82 e datilografada. Iniciou-se assim: “Oi Tony. Espero não
estar muito atrasada etc, etc...”

136
Eu gostei dela e só respondi porque gostei.
Muitas estórias se sucederam através dessas cartas que me
escreveram. Dezenas de casos interessantes, muitas amizades, alguns
flertes, algumas mulheres, mas somente uma até hoje, no meio de todas
as 500 , me tocou com significação. Você. – (não ria, pois é sério).

06/04
Já imagino que a essa altura, você deve estar até chateada
comigo, porque hoje já é 6-ª feira e eu ainda nem sequer acabei de
escrever essa carta. Mas também você pode perceber que o meu tempo é
curto e eu vou escrevendo aos poucos.
(Pena que quando você lê, não leva mais de 2 minutos).

Convidei você para vir morar comigo logo na primeira carta?! É


bem possível, mas não foi bem isso.
Disse, que o meu objetivo era que você viesse morar comigo. Ou
seja: a garota que desse certo comigo, teria que vir viver comigo. Eu
queria e quero isso. Então, se não houvesse essa possibilidade, seria
melhor , até mesmo, encerrar a correspondência ou nem sequer
alimentar esperanças.
Com tantas cartas, eu tinha que fazer uma rápida seleção e fui
logo “jogando o verde”. Pelas respostas eu já ia selecionando.
Você me respondeu que “para isso, teríamos que nos conhecer
melhor”, coisa que eu estou tentando até hoje.
(E por incrível que pareça, ainda não desisti).
Mas se você fosse louca e tivesse vindo, eu teria recebido você com
todo amor do mundo e você já estaria há 2 anos colada comigo,
vivendo numa boa.
Como..., você não veio... até hoje, e havia uma garota que,
137
embora não sendo a minha eleita (e isso ficou bem claro) foi
suficientemente louca para vir, lá do alto de Goiás (quase no
Amazonas) até aqui, gastando 72 horas de viagem, mas veio, está
aqui até hoje.
Eu prometi a ela que lhe daria todo o apoio para se radicar aqui
no Rio. Amizade, trabalho, moradia e estudo (só isso).
Amizade: ela tem.
Trabalho: por enquanto tem me ajudado aqui na loja, mas já
está a caminho de um banco.(já passou em todos os testes e está só
aguardando ser chamada).
Moradia: tem, pois mora comigo, até que isso seja possível, mas
brevemente, com a independência financeira (trabalho próprio) ela já
terá condições de arranjar seu próprio lugar, sua própria vida.
Estudo: já está fazendo o 2-º ano de Administração de Empresas
aqui no Rio.
Como você vê, eu cumpro o que prometi (não preciso cumprir o
que não prometi).
Você não se lembra, mas no meu anúncio dizia: “Homem
experiente e responsável, procura... etc”.
O chato, quer dizer, embaraçoso, é que ela se apegou demais a
mim e está visivelmente apaixonada.
Eu trato com todo carinho, humanidade e reconhecimento por
toda a dedicação que ela tem por mim, mas tenho muita vida ainda
pela frente e pretendo viver com a pessoa certa.
São coisas da vida...
Se não for você, continuarei procurando.
Espero que você não me deixe eternamente no mundo dos sonhos e
fantasias.

138
07/04
Lendo aqui nesse parágrafo da sua carta, a respeito de provocar
ou não etc, etc... é o seguinte:
Espero não ter inibido a sua forma de se expressar, a sua
liberdade de se comunicar comigo, com toda a intimidade a que você
tem direito.
Afinal, brevemente você estará me devorando por inteiro e eu sou
seu, assim como você é minha.
Mas, é que, eu preferiria que você me dissesse tudo isso que você
sente, com o seu corpo recebendo o meu... (será que sairia tudo?)
Caramba! Você pode por pra fora tudo o que você quiser, usando
as palavras ou os palavrões que você achar melhor.
Para mim, tudo tem um significado incrível, fabuloso, lindo...
Adoro você, cada pensamento seu, cada expressão sua.
Antes de tudo, quero te dar a liberdade de fazer e dizer, comigo e
para mim, tudo o que você quiser. O que vier na cabeça e na hora, sem
regras, sem restrições, sem barreiras.
-Vou chegar aos extremos. Não repare:
Se você cismar de xxxxx xxxxx xxxxx xxxxx xxxxx eu
procurarei fazer o possível para atender você. (achei melhor censurar).

Nota: Essa censura fez parte da carta.

09/04
Então vamos fazer o seguinte: Você escreve que der vontade, que
eu apenas vou curtir muito. Eu prefiro acompanhar você em termos,
porque tenho receio de chocá-la, o que não pode acontecer de você para
mim.

139
Tenho imensa vontade de ir ata aí, mas muitas são as razões que
me impedem de executar essa pretensão hoje, se fosse possível:
1 -º Preciso de tempo.
2-º Preciso de dinheiro + - 40 mil.
3-º Minha vida está organizada e cheia de condições (uma
amarrada à outra, que está amarrada à outra, que por sua vez está
ligada à outra que depende de outra).
Como uma corrente cheia de elos. Se eu cortar um elo a corrente
arrebenta, e se despenca o que está preso a ela.
Sendo sincero e explicando melhor:
A garota que está aqui comigo, sabe de você e sabe que você mora
em S. Paulo.
No carnaval, quando nós estávamos para nos encontrar, havia
uma boa chance de que isso fosse definitivo.
Eu iria encontrar você e, portanto, fui condicionado a dispensá-la.
Preparei-a psicologicamente e expus o problema.
Ela sentiu bastante, mas entendeu e tratou de iniciar outras
amizades, até mesmo para aliviar o impacto da iminente separação.
Acontece que essas providências trariam uma série de outras
conseqüências em cadeia.
Por exemplo, passaríamos a dormir separados, etc, etc.
focaríamos constrangidos etc.
Acontece também, que o meu encontro com você furou. Quer dizer:
Você furou. E o dela não furou.
Eu escondi o fracasso do meu encontro com você, até o último
minuto, na esperança de uma notícia, uma solução, uma justificativa.
Bem, para encurtar a conversa, eu ia quebrando a cara. Então,
resolvi negociar.
Reconsiderei a minha estória e pedi a ela que dispensasse o amigo
140
dela (ficou chato pra cacete pra mim, mas foi o que eu fiz).
Agora, se eu viajar até aí, vou ficar sem mulher aqui.
Sexualmente falando, isso não seria problema. Mas vou perder
uma amizade, vou perder o meu braço direito aqui nos meus negócios,
vou perder a companhia que zela por mim e pelas minhas coisas e o
momento, momento difícil, de crises e problemas, a gente criar mais um
problema, voluntariamente, é masoquismo. Trocar a minha paz, por
uma situação constrangedora entre duas pessoas que habitam o mesmo
teto, é inconseqüência (porque eu vou voltar sem você).
Se você quisesse vir, ou pudesse vir, realmente, para mim, eu teria
a situação amenizada. Mas você não virá agora que eu sei. Quando
virá, eu não sei. Se virá, eu também não sei.
No entanto, uma coisa é certa: Quando eu voltar daí, estarei com
a minha corrente arrebentada por aqui.
Sem mulher, vou ter que arranjar outra. Outra mulher, outra
situação provisória, outra estória, outra garota apaixonada, outra
garota sofrendo etc. porque eu sou homem e preciso de uma mulher.
Não sei viver sem uma mulher, não quero viver sem uma mulher ao
meu lado.
Você não sabe o que é viver sozinho. Deitar à noite numa cama
vazia e fria. Não ter com quem conversar, com quem desabafar, com
quem dividir alegrias, emoções, trabalho e tristezas.
Acordar no silêncio da manhã sem um corpo macio e quente ao
seu lado. Levantar sem falar com ninguém, ter que fazer o meu
próprio café e tomá-lo sozinho, numa casa (numa loja) grande e
deserta, sem crianças correndo e fazendo barulho, sem uma palavra de
carinho, sem um olhar de carinho pra você. (!...) Ter que sair por aí,
num fim de semana sozinho, ou rodeado de pessoas quaisquer, fúteis ou
sem graça, sem um assunto comum para dialogar, que não seja as
141
manchetes enjoadas do dia a dia.
E quando a carência apertar e a depressão surgir, você ter que
procurar uma garota qualquer, para um relacionamento qualquer, ou
ter que voltar para casa, depois de um filme erótico da pior espécie e
me masturbar solitário, tentando montar no pensamento e na fantasia,
a imagem de uma mulher, justamente aquela, aquela mulher que está
faltando – como sempre, faltando...
Ah! Não, minha amiguinha. Não é fácil. Prefiro partir logo
para a tal mulher.
Ora, por que você não está aqui? Por que você não existe logo de
uma vez?!
Já imaginou a minha alegria, a minha realização, se você
(imagem da mulher que eu procuro) preenche esse espaço vago na
minha vida, e eu não precise mais estar ajeitando as coisas, fazendo
outras pessoas sofrerem por me darem um carinho, um amor desigual,
não correspondido, como deveria ser?
É... eu vou aí, já que você não virá aqui mesmo, mas estou
tomando coragem, aguardando uma oportunidade adequada,
esperando não sei o que, porque o que eu vou perder com essa viagem
tem um preço muito alto. O que eu vou ganhar... Só Deus sabe.

Minha querida, eu preciso encerrar essa carta porque se não, você


vai acabar me xingando de “vilão”.
Um beijo nessa boquinha macia e um roçar de lábios nos
biquinhos dos seus seios, que eu daria um milhão para acariciar com o
meu rosto.

Tony
142
P.P.

(depois continuo escrevendo)

S.P.10.04.84 (As cartas chegam defasadas em suas datas)

Herói,
Estou esperando carta sua.
O que aconteceu?

Um beijo carinhoso,
Sua
_ Nádima _

(Eu não esqueci de você. Se aconteceu alguma coisa avise-me.


Eu irei ao Rio quando você quiser)

Rio 16/04/84

Querida Sininho

Recebi hoje sua mini-cartinha, reclamando (com toda razão) da


demora da minha correspondência.
Eu já sei que a essa altura você já recebeu a minha carta, (aliás,
bem grande) e entendeu o motivo.
Só que você podia ter logo aproveitado e mandado notícias.
Eu também sinto a demora. Fico angustiado aguardando a
143
resposta e a minha maior decepção é quando me desloco até a cidade e
não tem uma carta sua no meu cofrinho.
Hoje tinha essa, pequenina, mas assim mesmo, é melhor que
nada.
Sempre é bom a gente dar uma checada (conferir) porque pode
também ocorrer um extravio de correspondência e se ninguém falar
nada, fica um esperando pelo outro.
Estou com saudades de você, mesmo sem conhecê-la.

Engordei um pouco esses meses e já estou todo preocupado com a


minha postura.
Engordar foi bom porque eu estava abaixo do meu peso normal.
Para 1,72 m o peso ideal era 70 – 75 e eu estava com 65 – 67.
Agora, já passei dos 70, mas 2 quilos foram para a barriga) !?
Por enquanto, não é uma barriga, é um amortecedor sexual,
há!...
Por falar nisso, qual é a sua altura? Vou marcar na parede e
ficar conversando com a sua altura, para já ir acostumando.
Estou com tanta vontade de ir aí...
Realmente duas coisas faltam. Tempo e dinheiro.
Vou começar a separar uma grana, só para essa finalidade.
Assim, quando aparecer a oportunidade, já não terei o problema do
dinheiro.
O difícil é guardar sem mexer. E pegar de uma vez só, pode
atrapalhar minhas contas aqui.
Por que é que você foi morar tão longe de mim?
Com certeza eu vou pegar o inverno por aí. Hurra!... Detesto o
frio!
Espero que, como consolo, você passe a maior parte do tempo

144
comigo, debaixo dos cobertores. Pelada é claro!...
Uma sensação muito gostosa pensar ter você coladinha comigo.
Seu corpo nu e quentinho encostado no meu corpo (nu também, porque
eu não sou de muita roupa).
Hum... Aqui, pelas suas fotos, parece que você tem uma pele
macia.
Ah! Meu Deus... Não posso mais retardar essa emoção.
Quero que você me prometa uma coisa:
Quando eu chegar aí, vamos direto para um hotel. Quero conhecer
você já dentro de um quarto.
Não me interessa mais nada que exista do lado de fora.
Não objetivo o ato sexual em si, mas, principalmente, a
intimidade,...(está me faltando a palavra...) a... assim... ficarmos
só nos dois, sozinhos... a privacidade!... é isso. Privacidade.
Não estou interessado em conhecer S. Paulo. Não quero ver
nada aí. Nem parques, nem praças, nem viadutos nem bares (no hotel
tem serviço de bar e restaurante).
Como numa lua de mel – Quero estar sozinho com você, sem que
ninguém nos interrompa.
Pelo amor de Deus, não me cause a ingratidão de aparecer com
uma amiguinha qualquer nessa hora.
Chegue batendo queixo de nervosa, tremendo as pernas, de mãos
geladas e expressão cadavérica de nervosa (se for o caso) mas venha
sozinha.
Não se preocupe. Dê apenas um jeito de chegar perto de mim.
Quando eu olhar nos seus olhos e disser: - oi...- Pronto. Você estará
tão a vontade comigo, como se já me conhecesse há anos.

17/04
145
Nunca foi diferente com ninguém, não será com você.
No meu semblante, você encontrará uma paz tão grande, uma
tranqüilidade tão amiga, que sua única vontade será se pendurar no
meu pescoço e se refugiar do mundo.
Tenho um instinto e uma característica de protetor. Você se sentirá
confiante e protegida. Não precisa pensar diferente.
Amanhã. 4-ª feira, devo enviar esta para você e ver se lá na CP,
se já chegou a resposta da minha carta anterior.
Desse jeito, você recebe mais cartas e escreve mais vezes.
Como é que vai a sua vida por aí?
Você continua se guardando para mim, ou está paquerando direto
por aí?
Eu não vou demorar, prometo.
Vê se segura a peteca um pouco mais, que eu já estou chegando.
Não vá desgastar a sua linda imagem, porque você já tem um
“compromisso” comigo. Você é minha, lembre-se.
Olhe, gatinha, dê um tempo aí nesses gaviões, porque vou trazer
você para mim. Está cada vez mais perto e se você ainda não está
aqui, é apenas por culpa sua. (quer dizer: não quis ou não pôde).

Beijos e uma cheirada nesses cabelos que eu espero encontrar


longos, o mais possível.
Outras cheiradas também, nos demais lugares, não esquecendo
nenhum.

Tony

DIRETAS JÁ!
VOCÊ DIRETO PARA MIM!

146
São Paulo 23/04/ 84

Querido Herói,

Acreditaria se eu dissesse que sinto medo de perdê-lo, se nem


ao menos o tenho ainda?
Por que me manda cartas das suas amigas? Você disse para eu
responder para uma delas, mas não responderei. Não tenho nada
com isso.
Te gosto muito P.P. O carinho que sinto em suas cartas é
inexplicável. Todo amor que tenho e preciso dar, e você não pode
receber devido à distância , que é como uma tortura. Precisava
tanto de você, P.P, junto de mim, pra sempre. Queria tanto te
dizer meus segredos, minhas angústias, meus medos, meus sonhos,
meus “fantasmas”. Sofro tanto, todos sofrem, mas para mim, meu
sofrimento é diferente, é mais forte, é mais dolorido.
Meu coração é estrela pequenina que se perde num mar de
angústia.
Preciso tanto, meu herói, acalmar esta emoção que vem de um
desejo, desejo louco de amor, de dar amor, de ter amor.
Queria sentir nos seus olhos que a vida tem significado, o
significado de ter a presença do Tony. Queria ter a sua segurança,
ser protegida por você, confiar em você tudo o que eu sou.
Valeria a pena, Tony? Eu daria anos por instantes de
felicidade. Felicidade... o que é?...
Amar e ser correspondida... ou corresponder a quem nos ama...
Isso existe? Tony, por favor, convença-me de que há amor no sexo,
de que corpos podem se amar, se amando.
Tocar você... pele quente, cheiro de homem. Por que isso não
acontece? Herói...
Deixe que você seja meu herói. Meu sonho será mais bonito
quando se realizar.
147
Eu te asseguro que a noite irá parar para o nosso momento,
eu asseguro...
Tony, é assim que eu faço o meu mundo. Certo ou errado é o
mundo que eu crio, que eu alimento com suas palavras. Você me
compreende e quer me ajudar. Eu deixo, Tony.
Bom, você é muito engraçadinho. Que gaviões? São todos uns
frangotes. Jamais entenderiam o que eu não deixo que entendam.
Você, vindo no frio, tudo ficará mais gostoso na cama. Só o
nosso calor, incendiará o mundo.
Sobre a minha altura (estranho nunca ter dito isso pra você)
não sou muito alta. Tenho 1,55 m. Você faz objeção?
Bem, apesar dos pesares, eu ainda preciso de você.
Sabe, eu estou terminando de ler um livro de Jorge Amado
“Capitães da Areia”, você deve conhecer. É lindo. A gente
realmente se prende à estória. É apaixonante.
Tony, queria te falar tanto, falar, não escrever, mas mesmo
assim, lembre-se que eu não me esqueço de você.
(A linha não deu, mas... um beijo enorme.
Obrigada pelo cheiro. Nádima :)

Estava realmente difícil ir até S. Paulo. Quanto mais o tempo passava, parecia
pior. Havia mais uma dessas crises econômicas no Brasil que se agravava numa
tremenda recessão. A cada dia, mais caía o movimento da loja e mais aumentavam as
despesas com aluguel e taxas. Dava a impressão que a Nádima iria escoar pelos meus
dedos. Um “investimento” desses, requer capital. Não seria só passagem, mas
despesas lá, depois a sua vinda, as acomodações, novas passagens, muitos problemas.
Se a coisa piorasse mais ainda, como poderia recebê-la aqui? Nem ela iria querer
ficar!...

Rio 24 de abril de 1984

Querida Nádima

Não abandonarei você, meu anjo.


Preciso apenas completar você e sentir você me completando
148
definitivamente, como ser humano que você é, com todo o valor que
você tem para mim.
Às vezes, ansiedade, essa terrível ansiedade, nos corrói e nos
desespera, porque sentimos falta um do outro.
Essa falta é, acima de tudo, psicológica, mental e humana. Mas
é muito forte.
Apesar de toda essa distância, eu sinto que a minha “cara-
metade” está aí em você, e vice-versa.
Vamos ser otimistas. Às vezes o momento não ajuda. Porém, um
momento na vida, é um momento apenas.
Quantos e quantos momentos existiram na minha vida, que eu
simplesmente, bastava querer e já estava aí.
Já até morei em S. Paulo. Já visitei a passeio S.P. E Santos,
a título de nada!
Já visitei algumas garotas aí mesmo, perto de você (provenientes
dessas mesmas cartas).
É apenas o momento que não está ajudando. O momento apenas,
que não está surgindo. O momento, a fase, não está sendo propícia,
quando mais eu precisava que estivesse.. Vamos ter calma...
Nós (o Brasil) estamos numa grande crise. Crise de trabalho, de
empregos, de dinheiro.
Eu, como muitos, fui apanhado pela crise. Estou envolvido nela e
sentindo os seus efeitos.
Peguei, com unhas e dentes a primeira tábua que encontrei
boiando, para não afunda, como muitos e muitos outros.. Não é a hora
certa para sorrir nem cantar, mas a hora de olhar em volta e tentar
salvar alguém.
Existem pessoas que estão agarradas a essa mesma tábua, que eu
mesmo recolhi no mar dessa vida difícil. Ainda não chegamos a lugar
149
nenhum. Não é hora, portanto, de empurrar ninguém de volta para o
mar, para arranjar um lugar para você , que está também agarrada à
sua tábua, bem próxima de mim, mas está segura.
Não devo também largar essas pessoas entregues a própria sorte e
nadar até a sua tábua, para ficar perto de você.
Elas dependem de mim para remar, comandar, para chegar a
algum lugar qualquer.
Mas tudo é uma questão de momento. Não vamos ficar à deriva
agarrados a uma tábua eternamente. E assim que pusermos os pés em
terra firme eu terei cumprido a minha missão e correrei para você. Em
outras palavras: Algumas pessoas serão prejudicadas se eu relaxar nos
meus compromissos com o trabalho que desenvolvo: Pai, filhos,
empregados etc)
Você também está sendo olhada por mim e em qualquer
emergência, eu estarei ao seu lado. Não vou te abandonar.
Espere. Tenha paciência você, que eu terei também. Eu vou dar
uma chegadinha aí (Chegar a minha tábua para mais perto da sua).
Não pense com tristeza ou pessimismo, porque o fato de você
intensificar o seu relacionamento comigo, não irá afastar você das
pessoas que lhe são caras.
Quando você tiver uma base aqui, eu terei também uma no seio da
sua família,e aí estaremos constantemente lá e cá. O trabalho também
não é motivo de preocupações. (digo o seu trabalho)
Lamento pelo seu pai. Não posso opinar, porque o assunto é
muito delicado. Só uma coisa é certa: Perdoe, porque o mundo é
muito difícil e quantos de nós somos derrotados por ele, por muitas e
muitas razões. Inexplicáveis motivos, justificativas sem fim.
Fraquezas incontornáveis, derrotas acumuladas.
Quantos de nós vamos à loucura, ao desespero, ao crime, à fuga,
150
à derrota na bebida e no tóxico. Não é mole!...

26/04
De qualquer forma, faz parte da vida, as famílias se
multiplicarem e se subdividirem. Se você hoje, não “abandona” os seus
amigos e as pessoas a quem faz feliz, amanhã elas te abandonarão.
Dá no mesmo. Por ex:
Irmãos vivem e são criados juntos (juntos mesmo). Amanhã
constituem suas famílias e cada um vai pro seu lado. Já não vivem
juntos. E os filhos deles (primos) já não vivem juntos e mais cedo ou
mais tarde, constituem suas famílias e se separam mais ainda. Sempre
há uma tentativa (válida) de vez por outra, de “juntar” a família
numa confraternização mais importante. Mas é só naquele instante e
pronto. Cada um pro seu lado.
Teoricamente, sou quase vizinho da minha mãe e dos meus
irmãos. Mas apenas vejo-os uma ou duas vezes por mês. Até os meus
filhos, só vejo a cada 15 dias. É a vida...
Se você vier para o meu lado, não vai ficar mais longe dos seus
amigos do que se estivesse aí – Não tanto assim. (E eu não te deixarei
só).
A moça que está comigo, é um caso delicado, pelo lado humano
da coisa. Mas estando ela no caminho dela, não virá me procurar para
intervir no meu destino e na minha vida. Não faz sentido.
Afinal, eu também preciso me sentir feliz, me fazendo feliz e não
só vivendo para fazer os outros felizes. Altruísmo sim, masoquismo
não.

Decidir, fingir, fugir, aprender. Tenha calma. Você não está

151
sozinha. Eu também não vou resolver nada sozinho, sem estar em
sintonia com você. De comum acordo com você. (Espero a recíproca).
Por enquanto, o que existe e está decidido por nós, é que nos
encontraremos para ampliar o nosso relacionamento. Para extravasar
o carinho e a ansiedade que temos um pelo outro, da melhor forma
possível.
Será um doce momento, possivelmente inesquecível.
Difícil será depois...
Mas a felicidade aumentará e a distância não.
Eu estarei mais presente dentro de você, te dando minha força.
Muita força mesmo.

Tony

S.P. 02/05/84

Querido Tony,

De você é que vem toda a força, toda a segurança, todo o


amor, todo o carinho que preciso.
Está difícil sim, Tony. Ter que enfrentar tudo, aceitar tudo,
encarar a vida, seguir praticamente só. Há pessoas que querem me
ajudar e às vezes até insistem, mas eu não posso, não consigo.
Eu preciso de alguém para me entregar, não só de corpo,
como também de alma, de espírito, de sentimento.
Embora seja um tanto difícil falar de mim, eu gostaria de
libertar tudo que há aqui dentro, sem medo, sem angústia.
Talvez ainda haja tempo de salvar esse sentimento que está se
afogando nas lágrimas de dor, que existe em meu peito, dor que
nasceu de uma necessidade de ter alguém, de se entregar.
Conhecer um outro sentimento humano (que venha de outro peito)
152
que queira receber, dar e dividir comigo todos os momentos da
vida, bons e ruins,
Seria demais eu falar que não sou feliz. Talvez ninguém seja
(para si próprio). Mas apesar de não ser feliz, eu queria acreditar
que a felicidade existe e é isso que está difícil.
Eu ainda sonho, Tony. Eu crio “fantasmas” e até “monstros”
que me machucam muito. Não são monstros de contos de fadas, de
estórias de deuses, heróis e princesas. São monstros da realidade da
vida, dificuldades que eu não posso encarar só.
Sem preconceitos, Tony, sem medo, sair correndo, abandonar
tudo e cair nos seus braços, faz parte de mim. Mas algo me prende
aqui. Talvez seja a realidade.
Tony, ir para o Rio morar com um homem. Na realidade
tenho dúvidas. Tudo isso não é um sonho e sim a realidade.
Sei que você compreende, não preciso pedir.
Eu preciso de um pouco mais de segurança.
Tony, mas eu vou lhe dizer uma coisa: Se você for realmente o
que escreve, se você for de verdade o “homem” que existe nestas
palavras que escreve, as mais lindas e significativas cartas que já
recebi até hoje em minha vida... eu já amo você...
Eu não escreveria isso sem ter consciência do que sinto,
portanto, pode acreditar.
No fundo, tenho medo que esse sentimento tão forte chegue a
ser destruído pela própria vida.
Chamar você de herói, faz parte do que sinto por você. Não
são sonhos de adolescente ou brincadeiras de criança.
Ser princesa ou fada não é tão importante quanto saber que
posso ser mulher, amante. A fêmea que você tanto diz querer. Eu
quero ser sua, eu quero! Eu preciso, eu tenho que ser.
Tony, eu terei paciência. Esperarei por você com calma (...)
Tudo vai dar certo.
Não se preocupe comigo. Eu confio em você.

Um beijo doce.
Nádima

153
Dava vontade de dizer à Nádima, que tudo o que ela está passando, foi
simplesmente porque não me ouviu. Eu tinha, desde o início, feito promessas e
propostas a ela. Propostas sérias de felicidade, passo a passo. Ensinado, conduzindo,
dando a mão, a segurança necessária para percorrer a vida. Ela não ligou. Saiu por aí,
de qualquer maneira, quebrando a cara. Agora se queixa, se lamenta e se sente
frustrada, ainda achando que é assim mesmo. Sim, a felicidade existe, só que não é do
jeito que ela buscou, entregando-se ao primeiro que apareceu, que não se
comprometeu, que nada propôs, que nem conheceu direito. A mim, no entanto, agora,
já levou mais de dois anos, não resolveu, e ainda tem dúvidas. É triste...
Mas não posso dizer-lhe tais coisas. Seria maltratar demais. Machucar quem já
está machucada. Tripudiar no seu sofrimento. Então, o jeito seria, agora, ela ter
paciência, para resolver os seus problemas existenciais, comigo. Enquanto há
tempo...
E eu, apenas, preciso consolá-la e dar força, para que ela tome essa decisão na
vida. Vir pra cá. É a solução.
Se ela perder essa chance... Sei não...

Rio, 26/04/84
Como vai, gatinha Sininho?
Você não vai me perder não. Nem pensar!...
Aliás, não mandei carta de amiga nenhuma para você. Mandei
sim, de garotas que querem ser minhas amigas, mas eu nem sequer
conheço. São cartas primárias (primeira correspondência enviada, de
um anúncio de mais de 2 anos atrás)
Só mandei por curiosidade. Para você acreditar que, por incrível
que pareça, até hoje ainda chegam essas cartas. Foram muitas mesmo.
Perdi a conta.
Se você não quiser responder... Eu é que não vou, pois já estou
“comprometido”.
É só por brincadeira... Jogue fora. Eu sinto muito, mas não dá
para responder. Pela 500-ª vez, começar tudo de novo, não dá!

Já estou “preparando as malas” para chegar até você. Dia 13


ou 27 de maio .
154
Vamos ter muito que conversar.
O esquema deverá ser o mesmo: Viajo à noite, chego aí de
manhã, passo o dia com você e retorno ao Rio.

Por aqui, não está nada bom. O aluguel da loja aumentou


muito, a receita, com o inverno, caiu muito, meu pai instalou-se
provisoriamente aqui na loja e trouxe tanto “bagulho”, pertences dele,
que não tendo onde arrumar, ficou no salão do restaurante. Eu,... tive
que fechar o restaurante “para obras” .(ficou só a parte da frente).
O salário mínimo dobra a partir de primeiro de maio, a pensão
dos meus garotos vai aumentar também, tanto quanto o salário dos
empregados.
Eu estou apavorado com as perspectivas e fundindo a cuca para
achar uma solução que aparentemente está na mudança de local. Ou a
venda do negócio ou a entrada de um sócio, sei lá, mas seja o que for,
não pode demorar.
A menina que está comigo está aguardando ser chamada para
trabalhar num banco, mas está demorando. Pedi-lhe então que inicie a
procurar um emprego qualquer.
Nessa “virada da maré” é que eu pretendo mudar tudo logo de
uma vez.
Preciso dar uma sacudida geral, porque se deixar, a gente acaba
se acomodando e a vida passa e passa sem graça.

Amar ou ser amada... Eis a questão.


Vou te falar só um pouco de amor.
Amar, não ser correspondida e insistir nesse amor, é doença.
Amor platônico, unilateral é distúrbio mental. Descontrole da

155
mente. Semelhante àqueles ataques que dão as fãs dos artistas
famosos.
O amor real e gostoso é aquele que parte de uma simpatia mútua,
desenvolve-se através da amizade e se enraíza que você nem percebe ou
quando percebe já está feliz, amando, gostando, sentindo a falta ,
cada vez mais, cada dia, cada hora, cada minuto, da pessoa amada
(vice-versa)
E isso existe!...
Importante num relacionamento feliz são duas coisas, entre
outras:
Primeira: O bom entendimento, o bom entrosamento entre as
partes, a sinceridade, a dedicação e a compreensão dos defeitos e
imperfeições um do outro. Isso só é conseguido através da amizade
mútua e sincera.
Segunda: A capacidade que você tenha de aceitar e amar aquilo
que você tem, e deixar de lado aquilo que os outros têm e que não
pertence a você.
É aquele ditado que diz: “Não tenho tudo que amo, mas amo
tudo o que tenho”.
E o que deve ser evitado: “A galinha da vizinha é sempre melhor
do que a minha” ; “ Você não pode ver a beleza do seu jardim se ficar
trepada no muro olhando as flores do vizinho”. (essa é minha)
A felicidade existe, e está aí para quem souber vivê-la.

Tony

Há!... Quer dizer que você é do time das baixinhas, é?!....


(Antes de falar desse assunto, deixe responder outra coisa que
você perguntou).
156
Se há amor no sexo?
Amor e sexo estão interligados, sendo que o amor é a forma de
sentir carinho no plano espiritual e o sexo, a forma de exprimir esse
carinho no plano físico.
Uma coisa se interliga à outra e se complementa com a outra

amor
sexo

Plano exclusivamente Sexo sem amor


espiritual

O amor sem a complementação sexual ainda é entendido porque é


o início da expressão.
Você começa sentindo carinho, esse carinho vai aumentando e
chega o momento que fica faltando algo mais, para expressar a maior
intensidade desse carinho. Então vem o abraço, o beijo etc (que já são
demonstrações de carinho através do sexo) passa da expressão mental,
espiritual, para a forma física aumentando a sua intensidade.
O sexo sem estar acompanhado de uma mínima dose de carinho,
(amor) é um despropósito. Só mesmo na área profissional da pior
espécie.
As próprias prostitutas procuram formar um ambiente envolvente e
carinhoso para não chocar os seus clientes e não agredir a elas
próprias.
Acontece que o homem (ser) não é uma máquina e se adapta às
diversas situações da vida. Ele pode fazer carinho e sentir carinho por
um animal, por uma imagem, por uma lembrança e até por si mesmo.
Então, daí vem as diversas alternativas de manifestação sexual.
Então se há amor no sexo? Lógico.
O sexo por definição é a forma mais intensa de expressar o amor=
157
carinho.
Se isso é deturpado, o problema é de quem o faz.
Nós estamos nos fazendo carinho através de cartas, mas isso já é
insuficiente para exprimir o aumento desse carinho.
A partir do primeiro aperto de mão, já houve uma manifestação
sexual, que se multiplicará cada vez mais, e quanto mais houver
necessidade de expressar esse carinho.
Você não perde por esperar...

Ah!... 1,55 m, está ótimo!


Puxa, eu estou vibrando que você não seja muito grande.
Naquela foto do violão, até me deu a impressão de que você fosse
bem mais alta.
Entre 1,50 e 1,65 m acho bom para mim, se bem que em
qualquer caso, ainda mais alta, ou mais baixa, depende muito do
estilo da forma física. Um corpinho bem feito, independe da altura.
Você parece fisicamente bem delicada, bem menina, muito ao meu
gosto. Só que essa “alturinha”, vai dar a impressão de uma menina
que ainda está crescendo e, portanto, ainda bem mais nova do que você
já é.
E aí, eu te pergunto: Você vai agüentar os meus 72 Kg ?
Já tive mulheres grandes e pequenas. As maiores são melhores
para serem exibidas em público. Aparentam mais, aparecem mais, são
mais cobiçadas, talvez. As menores são melhores para nós, para a
nossa (minha) conveniência. São mais leves, mais fáceis de pegar,
brincar e conduzir. São mais graciosas na cama (beleza
concentrada). Têm aspecto mais frágil, são mais delicadas e por isso
158
mesmo conseguem subtrair de mim, maior expressão de carinho.
Vai ser uma curtição para mim.
Não vá esperando por isso, que eu vá tratar você como bibelô,
porque tudo tem hora. Vou maltratar você bastante. Principalmente
na cama.
Ah!... Mas essa tal dor que você se referiu, eu não entendi bem.
Que dor é essa?! Nunca ninguém sentiu dor comigo, com exceção de
uma mulher que já tinha 27 anos e ainda era virgem. Mas houve um
vacilo da minha parte, por um fator novo que eu ainda não conhecia.
Fora isso, se houve alguma dorzinha, eu diria mais um incômodo, vez
por outra, foi coisa passageira, proveniente de alguma adaptação.
Por exemplo: Sexo anal dói um pouquinho, mas só no início e é
coisa superável, que se contorna com maior dose de carinho e excitação.
Entretanto, se você quiser sentir dor, não faça cerimônia. Será
dor de amor.

02/05
Música:
Olhe, gosto muito de música, mas não aprecio barulho.
A música, pra mim, é boa, quando se tem vontade de aumentar o
rádio e ruim, quando você tem vontade de desligar.
Todas são boas, até mesmo o Balão Mágico e essa agora do
“Chocolate”, algumas do Ritchie (não sei o nome certo) mas o estilo
que geralmente mais curto, ainda ao as do Júlio Iglesias e Roberto
Carlos, e músicas suaves e românticas, principalmente orquestradas.
Toco um pouquinho de violão e às vezes canto nas serestas que
faço por aqui.
Algumas raras vezes já fui convidado para cantar fora.
Meu grande defeito é esquecer as letras das músicas. Daí, não
159
tenho confiança e caio fora. De ouvido, sou muito afinado e capaz de
dizer quando você erra um acorde no violão ou qualquer outro
instrumento.

Espero estar por aí, brincando com você aí, lá pro dia 27.
Só vou pra dar um beijinho em você e volto, está bem?
Não precisa ficar preocupada. Espere-me no guarda-volumes da
rodoviária que você falou na carta anterior . Confirme pra mim.
Dê um tempinho para eu me recompor da viagem. Lá pelas 8
horas está bom. Afinal , você vai me pegar com cara de sono e todo
amassado do ônibus. É covardia.
Um beijo gostoso, pois vou encerrar por aqui, senão, não paro
mais de escrever e você não recebe minhas cartas.

Tony

Com carinho, para a mulher


mais difícil de S.P.

APÊNDICE

Lendo por acaso, os comentários dados


aos filmes pornográficos (coisa que confunde
muito com o sexo), faço você reparar nessas
opiniões, que são de pessoas adultas,
instruídas e de certa forma experientes no
assunto.
Do sexo, uma coisa tão maravilhosa,

160
os autores desses filmes conseguem fazer o que o comentarista chama de
nojento:
“- Em algumas cenas chega a dar asco.”
É preciso a gente saber fazer distinção entre uma coisa e outra.
Se uma menina que não entende de sexo vai ver um filme desses,
por exemplo, vai sentir o quê?! Se ela for fazer sexo com um cara
desses, do tipo que idealizou o filme, só pode dar o quê?!
Sinto muito, mas sexo-amor não tem nada a ver com isso aí, que
chega a dar asco.

Beijos.
Tony

São Paulo, 7 de maio de 84

Querido Tony,

Tudo bem, será como você quiser.


Eu estarei lá te esperando. Tudo vai dar certo.
A gente tem que combinar direitinho para que tudo saia certo.
Dia 27 está ótimo. Espero que você venha para a rodoviária do
Tietê, pois é a única que eu sei ir.
Quero ficar num lugar onde você e eu possamos ficar a
vontade, íntimos, livres para conversar.
Se você tiver idéia de onde podemos ficar, tudo bem, se não, a
gente dá um jeito.
Não tem problema, Tudo dará certo.
Estou radiante. Não vejo a hora. Ver você chegar, olhar você,
abraçar. Será que vou conseguir falar? Na hora a gente vê.
A gente vai ter muito o que falar, mas já vou te dizendo uma
coisa. Eu não vou toda empetecada não. Eu sou bem simples e é
161
assim que quero que você me veja. Não pense que sou uma princesa
no modo de me vestir.
O mais importante é que já somos um para o outro o que
somos por dentro. Nós mesmos.
Estou ansiosa
Escreva confirmando tudo.
Um beijo carinhoso
Sua Sininho Nádima.

(Será gostoso ser maltratada por você) Grandalhão.

As datas das cartas se entrelaçaram. Por exemplo, a carta acima será respondida
lá mais adiante, e abaixo vai a resposta de uma carta anterior. Precisei mesmo notar a
data da carta a qual estava respondendo, justamente por causa disso.

Rio 7 de maio de 84

Querida Nádima
Doçura do coração.

Essa cartinha do dia 2 está tão emotiva que,


sinceramente, me tocou muito profundamente.
Pior é que eu entendo tudo isso que você sente,
essa angústia, da falta de um alguém que a
complete, que preencha esse espaço vazio, que se desenvolve no seu
peito.
Compreendo as suas fraquezas e indecisões e do rodamoinho de
providências que o mundo, a vida, exige de você e que você ainda não
tem forças suficientes para enfrentar.
Acho que a transição da infância irresponsável para a
maturidade, encontrou você em má hora. Talvez você precisasse de
uma vida mais normal, mais amparada, mais estruturada, para poder

162
ir aos poucos, assimilando essas responsabilidades de adulta. Que você
pudesse voltar atrás, sempre que algum empreendimento novo não desse
certo.
Daí, você não tendo essa estrutura, com medo do erro ser fatal e
te fazer sofrer, e piorar mais ainda essa situação que você consegue
ainda contornar.
Não vivendo, você não se faz feliz. Não sendo você mesma, você
não se sente feliz.
Seu coração reclama por alguém. Justamente nessa hora difícil,
ainda surge mais esse problema. Essa carência natural da idade.
Carência que tem que ser preenchida por alguém. E esse alguém não
se encontra apenas num estalar de dedos. Esse alguém se torna um
problema, que se soma aos que você já tem.
Eu conheço todos eles. Convivi com muitos deles, como filho,
como irmão, como marido, como pai e como amigo. Vivi também o
problema de muitos outros e compreendo os seus.
Entretanto, você deve ter uma esperança, porque tudo indica que
eu tenho a solução para tudo isso. De certa forma, sou levado a crer
que a sua solução está em mim. Passa como num relâmpago na
minha frente, as milhares de soluções que eu tenho e daria para cada
problema seu.
Eu já as tenho quase como num manual de soluções já decorado.
Para cada probleminha seu , eu tenho centenas de soluções
garantidas. Só precisa você confiar e me dar a mão. Sua mão na
minha, seus problemas são meus.
Compreendo a gravidade deles para você, mas vejo a
insignificância deles para mim, diante da minha experiência.
Eu vejo você aflita, agarrada numa tábua boiando num mar
agitado em noite de neblina. Vejo o seu sacrifício em se manter à tona,
163
com frio, sem forças para nadar. Nem sair do lugar.
Eu estou próximo, mas na escuridão, apenas o som da minha voz
se faz ouvir. Eu te grito – Nade para minha direção!... Venha para
cá!... Você sente medo e não acredita. Tem dúvidas. Está aflita e
indecisa.
Mas eu sei porque estou chamando. Estou dentro de um barco
seguro, seco e quentinho. Tenho comida e água. Não participo do seu
medo. Vivo a sua aflição, mas não estou com aflito.
Outras vozes chamam você, em todas as direções. Cabe a você a
escolha.
Com essa viagem que farei até aí, eu estarei me atirando no mar e
nadando até você, para te ajudar a tomar um caminho. Vou te dizer
o que tenho e as opções que você terá. A escolhe será sempre sua.
“Você precisa de um pouco mais de segurança” (segundo suas
próprias palavras). Eu estou indo até aí, para te dar essa esperança
_ beijos _

“Ir para o Rio morar com um homem, na realidade tenho


dúvidas”
A expressão é sua. Colocada assim desse jeito, até assusta, não é?
(e até me incomodou)
É a mesma coisa do que eu dizer: “trazer uma mulher estranha
para morar dentro da minha casa”. Também assusta.
Primeiro: Se você é uma mulher, mais cedo ou mais tarde, vai
morar com um homem. Ou vai morar sozinha ou vai morar com outra
mulher, o que ainda será pior.
Portanto, nada vejo de errado nisso.
Segundo: Que se esse homem é um homem de que você gosta e que
gosta de você, é bem diferente do que um homem qualquer.

164
Se esse homem é um amigo, em que você confia e conhece bem,
também é bem diferente de um homem estranho qualquer

Afinal das contas, eu quero apenas uma garota bonita, dócil,


meiga, amiga, jovem sincera, de boa índole, com fibra suficiente para
viver e construir junto comigo, uma vida feliz. Ter sorrisos, ter amor,
ser mulher, ter palavras doces e de incentivo.
Um cantinho, um violão e a paz de uma canção. O amor, o
sorriso e a flor.
Será tão difícil você me acompanhar nessa “terrível” missão?

14/05
Bem... Eu tinha escrito mais uma folha e resolvi nem mandar.
Estava com uma argumentação muito forte e poderia incomodar você.
Acho que fiquei meio mordido com essa frase sua. (vir ao Rio
para morar com um homem).
Eu sou um cara tão bacana, que não me permito ser comparado a
um homem qualquer. Isso não existe.
Eu sou um homem seu e tudo o que for meu será seu. Minha casa
já não será minha, mas nossa.
Eu sou todo carinho e amor. E não sou agressivo nem
inconseqüente. Sou seu.
Nádima
Tony

Amanhã, essa carta vai de qualquer modo.


Viagem confirmada. Rodoviária do Tietê.

165
8 horas da manhã. Muita emoção. Muito carinho, muitos
momentos de ternura e aconchego. Muito significativo.

Tudo vai começar de novo, a partir dessa data. Mais forte, mais
bonito, mais vibrante, mais emocionante, mais humano.
Para mim, tem uma importância muito grande.

Muitos beijos de carinho


P.P

NOTA: NESSE PERÍODO QUE ANTECEDE A


MINHA IDA,
ESCREVA PARA O MEU ENDEREÇO. BEIJOS.
AB.

São Paulo 17/05/84

Querido Tony

Doçura do meu coração


Nem consigo acreditar que haverá o momento de te ver. Dia
27 está próximo, falta ainda uma semana.
Desculpe ter me expressado daquela maneira, a respeito de
“ir morar com um homem”. Realmente esta frase não tem nada a
ver conosco.
Tony, uma coisa te digo: A partir do momento que eu sair de
casa, é para não voltar mais. Eu espero ter de você toda a
segurança, todo conforto, toda a sinceridade e amor que preciso.
Porque se eu tiver que “quebrar a cara”, eu vou quebrar mesmo.
Eu estarei na rodoviária, claro. Tudo como você combinou: Na
mesma bat-hora, no mesmo bat-local, com a mesma bat-emoção.
Que posso eu dizer do que sinto. Um super-homem que entra
166
na estória, que vem de uma canção bonita. Libertada do peito de
um poeta, que esconde sua dor num poema triste. Eu queria poder
viver meus sonhos, estaria mais perto de você, pois só assim eu te
sinto perto de mim.
Temos tanto o que falar. Eu não quero mais continuar
morando aqui, Tony. Ninguém respeita o que sinto, nem os meus
amigos. Eu estou cansada de passar por tudo o que eu passo.
Não, Tony, não seria diferente. Não seria por sair de casa, se
for ruim, não será diferente.
Eu quero mais liberdade de pensamento, respeito como ser
humano, como uma moça que sou.
Liberdade de sentir o que sinto. Desculpe-me amor, tenho
tanto o que falar com você.
Você poderia chegar no sábado à tarde. Dormiríamos juntos.
Gosto muito de você.
Queria que você trouxesse as minhas cartas. Eu estarei com as
suas, para que a gente leia juntos.
Bom, eu não vou escrever muito, para não te acostumar mal.
Queria te perguntar o que devo fazer de mim. O que você
faria?
Um beijo enorme e cheio de carinho.
Quem tem quer muito,
Nádima

Há uma palavra muito bonita, que gosto muito. Se fôssemos


uma canção, seria nosso título: Êxtase.

_Um beijo _
N

Rio, 17 maio 1984


Querida Fada
É grande a minha ansiedade, mas dessa vez, não tem jeito. Eu
vou baixar por aí e conhecer você.
167
Eu sei que vou chegar aí e ambos estaremos muito nervosos e
agitados. É que o momento ficou grande. Cada vez mais ele se torna
importante e se agiganta diante de nós.
É preciso você ser fria e lógica. Caminhar como um robô, que
seja, porque eu te garanto que toda essa tensão sumirá no momento
seguinte ao nosso encontro e dará lugar a coisas muito agradáveis.
Eu sei que isso é uma bobagem, mas sei que isso acontece
realmente.
Momentos muito agradáveis logo virão em seguida, parece que
compensando e premiando toda essa espera, toda essa expectativa.
Nossa angústia sumirá e dará lugar a beleza que temos em nosso
peito.
Temos tanto carinho para dar e tanto precisamos receber, que
instintivamente nos entenderemos através dele.
Eu me guardo, me guardo muito. Minhas palavras mais bonitas,
ainda estão trancadas dentro do peito. Será a hora de dizer.
Só tenho carinho guardado para você. Alegria, paz e amor.

22/05
Envio (por empréstimo) uma fotografia recente. Não tenho o
negativo e é uma recordação.
Nela aparecem minha irmã e duas sobrinhas. A de colo é
afilhada. Espero que você goste.
Retardei essa carta, porque aguardava a chegada de uma foto
maior, muito boa, que tirei, mas não me deram a cópia em tempo.
Domingo estarei aí. 8 horas, na rodoviária do Tietê (que não
conheço qual seja). Se tiver que fazer uma baldeação qualquer e me
atrasar um pouquinho, não tem importância. Você pode me esperar.
Não vou confirmar mais. Estarei aí no domingo, com sol ou dilúvio.
168
Beijos carinhosos.

Tony

Rodoviária do Tietê – São Paulo. - 27 de maio de 1984.

Dois anos e três meses depois da nossa primeira correspondência, e assim,


finamente, houve o nosso encontro tão esperado.
Eu circulava perto do local de encontro, já alguns minutos. Senti que alguém
me seguia e olhei para trás. Era ela... A um metro de mim, me olhando como um
bichinho assustado. Eu sorri e disse : - Oi...
Conversamos brevemente, e buscamos o nosso local aconchegante.
Uma coisa maravilhosa, fabulosa, sem palavras para descrever o dia que
passamos juntos no quarto de um hotel, ainda que não tenha sido algo comum nem
dentro de um padrão imaginado. A Nádima tinha lá os seus problemas, os seus
segredos e os seus medos. Não se abriu muito, verbalmente, nem teve tanto tempo
assim para conversar.
Está registrado para sempre na nossa memória, cada minuto, cada palavra, cada
expressão. Que loucura essa nossa... Um homem de 42 anos e uma garota de 17 anos
que viveram o sonho tão almejado.
Uma luta de glória, uma conquista, uma vitória para nós, esse encontro. A
vitória do amor, da fé no amor, do objetivo tanto almejado e finalmente alcançado.
Eu e a Nádima logo nos entendemos. Ela era meiga como eu imaginava. Voz
terna e suave. Sorriso manso, gestos cautelosos, perfume de Patchouli, sensual...
Queria que eu, primeiro, descansasse da viagem. E não teve jeito. Tive que
fingir que dormi para agradá-la ou despreocupá-la. Eu nada entendia enquanto o
tempo passava. Afinal estava ali para conversar e não descansar, mas ela insistiu
muito. Seria zelo, seria um tempo que ela precisava...
De resto, tudo correu numa boa, numa paz, num entendimento que parecia que
já nos conhecíamos há muito tempo. Ficamos mais à vontade, a coisa foi rolando... e
rolando... Ela era desinibida, além da minha expectativa, mas não vulgar, e de
personalidade forte. Examinamos o corpo um do outro, admiramos tudo, conhecemos
tudo, como era, como não era, o que estava certo, o que era a tal dor e por que.
Fizemos tudo o que dissemos e imaginamos que poderíamos fazer e até o que não
imaginamos. Aconteceu.
Primeiro encontro é como primeiro round de Box. Mais para estudos. E assim
foi. Claro, que não deu para conversarmos nem 1/10 do que pretendíamos. O dia
passou rápido demais.
Eu resolvi adotar aquela criança para me fazer feliz. Resolvi assumir todos os
problemas dela, lutar e vencer por ela e junto com ela, todos os dragões da sua
169
juventude. Finalmente, agora sim, nos conhecemos na totalidade.
Para um primeiro encontro superou as expectativas.
Dormimos juntos, fizemos um lanche, e com ela sentada no meu colo, lá para o
final da tarde, aqueles olhos meio esverdeados me olhando eu deixei bem claro:
-Se depender de mim, está tudo aprovado... Vamos em frente.
Ela fez um ar de positivo e disse:
- Está bem...

E depois disso? Viagem de volta. Ficou tudo bem? O que estará realmente um
pensando do outro? E a distância? E a mãe? E a garota que estava comigo? E as
economias?
Aconteceu logo de cara uma coisa chata.
A garota que morava comigo escreveu uma carta para ela, dizendo que eu já
tinha dona, que ela desistisse, porque eu só queria mais uma aventura, que ela era a
mulher verdadeira, porque chegou primeiro etc, etc.
A Nádima ficou pensando o que, disso?

Infelizmente foi extraviada uma carta da Nádima para mim. Eu li, mas sumiu.
Não pude reproduzir aqui.
Ficou confuso, no meio disso tudo. A insegurança dela, o que é muito natural
depois de um primeiro encontro, as minhas dúvidas a respeito do que ela havia
achado de mim etc.
Então, a primeira carta dela após o nosso encontro, chegou. Meio devagar,
meio que sondando a minha reação, mas com uma mensagem positiva.
Eu estava justamente respondendo nos dias 4, 5 e 6 de junho, quando chegou
uma outra, datada dois dias antes (2/6), terminando tudo. (?!)
Sim ela havia recebido a tal carta da mulher que vivia comigo. Juntou a raiva, o
ciúme e a insegurança, deu uma merda geral. Chegou a enviar as minhas fotografias
de volta. Vamos ler (as que eu tenho).

São Paulo 28 de maio de 84

Querido Herói

Realmente muito mudou depois de ontem. Mais forte, mais


bonito, mais real. Já sinto saudades de você, do primeiro momento
que o senti aqui.
Foi muito bom o que aconteceu.
Mas para a próxima vez teremos que esperar a minha
maioridade. Mas, mesmo assim, foi inesquecível.
Tony, desta ou melhor, da próxima vez, sou eu que irei ao Rio.
Como nós combinamos. Quando estiver tudo certo, as coisas aqui, e
170
você numa boa, eu irei.
Espero que tenha gostado de tudo. Nosso papo já foi mais
aberto. Tive vontade de dizer tudo a você.
Bom, eu sabia que ia doer, mas sabia também, que você
saberia fazer as coisas. Não tive medo. Não tenho medo agora.
Sempre confiei em você, amor, sem dúvidas, sem medo e um certo
pressentimento de que tudo iria acontecer bem como aconteceu.
Você, realmente, é um herói.
Estou feliz.
Espero que esteja tudo bem com você, da falta de dinheiro e
dos outros probleminhas.
Comigo está tudo bem. “Vênus” está me protegendo.
Tony, não esqueça de mandar a fotografia que você prometeu.
Eu a espero.
Um abraço bem apertado e um beijo gostoso,

Sua
Nádima

(obs. Você sabe sugar muito bem, os seios de uma mulher.


Claro que dá pra se ver que não passa de um profissional nota 10.)

04/06/84
Oi doçura...
Já não era sem tempo, receber sua carta.
Passei uma semana cheio de ansiedade, aguardando sua
correspondência, que só chegou ontem.
Queria dizer também a você, o quanto adorei o nosso encontro, o
tamanho da minha felicidade, da alegria que me proporcionou conhecê-
la (finalmente) de corpo inteiro, de carne e osso.
Em tudo por tudo, você é uma graça. Uma menina graciosa e
uma doce mulher.
171
Existe muita coisa para dizer de você. Coisas curiosas.Coisas
questionáveis. Perguntas sem resposta. Tudo abrangendo o seu jeito
peculiar e extravagante de ser.
Realmente você tem uma personalidade diferente, não muito
tradicional, difícil de ser enquadrada num padrão qualquer.
Isso eu não sei se é bom ou se é ruim.
Precisaria conhecer você melhor.
Quando a gente parte de uma fotografia e algumas cartas, tem-se
um esboço, um rascunho da pessoa que nos corresponde. A arte-final,
muito mais bela, geralmente ou invariavelmente, pode ser no entanto
muito diferente do rascunho.
Antigamente eu achava você uma linda menina . E era.
Você mudou se eu perceber e mais tarde entendi que você havia
crescido.
Conhecendo você pessoalmente, embolou tudo. Você me
confundia. Ora menina demais (isso uma qualidade) ora crescida
demais, me surpreendendo.
Encontrei você um pouco mal tratada, assim como uma planta
selvagem no meio da mata, um tanto pisada pela vida, mas pude ver
quanta beleza encerra as suas folhagens, quanta força e resistência no
seu caule e que lindas cores brotam de suas flores.
Encontrei você, pedra preciosa em estado natural, presa nos
cascalhos de granito, mas pude logo observar o seu valor.
Você, entretanto, me trouxe também, muitas incógnitas, e muitas
interrogações (?????)
Será preciso conhecer você melhor, conviver com você melhor, para
poder definir você.
Quase nada combina entre si. Uma espécie de pintura abstrata.
Uma linda flor, com um sol poente, uma estrela brilhante, um luar
172
prateado, num trepidar de fogo.
Belezas misturadas, indefinidas)veis).
Eu gostei de tudo que vi, senti e ouvi, mesmo sem entender bem.

Respondendo sua carta

Foi muito bonito o nosso encontro. Diria , coroado de êxito.


Momentos inesquecíveis desde o nosso primeiro olhar.
Gostaria que você se abrisse mais comigo. Acho que você ainda
faz muito segredo de você mesma, para mim. Se isso for verdade, não
encontro justificativas, pois acho que já provei ser, além de um homem
evoluído, seu amigo sincero.
É preciso que haja muita sinceridade entre nós, para que
possamos nos sentir e entender melhor.
Você sempre me falou, por cartas, que queria me dizer
pessoalmente um monte de coisas.
Escreveu-me agora, que teve vontade de dizer tudo a mim. Mas no
nosso encontro houve pouco diálogo para quem tinha “tanta coisa”
para dizer.
Você chegou a me botar para dormir (safada!) e perdeu ótimas
oportunidades de conversar comigo.
Talvez por isso eu não tenha entendido você muito bem. Se você
tiver segredos para mim, eu não poderei interpretá-la corretamente,
Isso pode causar maus entendidos e dificultar nosso entrosamento.
Por que essa condição de esperar você ter maior idade para uma
“próxima vez”?
Fiquei triste com isso, porque ninguém pode predizer o futuro e
vamos supor que houvesse uma nova oportunidade antes disso. Teria
que desperdiçá-la?

173
Espero que você tenha começado a sentir a diferença entre a
“água morna” e o “vinho de uvas frescas”. (começado apenas)

06/06
Ah! Bem, não vamos exagerar, porque eu sei que não estou com
essa bola toda, mas o que importa é que eu gosto de você.
Isso eu não escondo porque não me interessa esconder. Se eu
gosto, gosto mesmo. Tenho muita capacidade de esquecer quando é
preciso. Portanto, se eu gosto, digo que gosto. Se a garota me esnobar
ou não estivera fim, tudo bem, eu parto pra outra sem esquentar a
cabeça. Nem por isso eu vou deixar de gostar.Fico muito feliz de amar
alguém. Guardo uma boa recordação quando esse amor vai embora.
Curto a saudade, escuto músicas românticas, choro, tomo drinks,
durmo, acordo e parto pra outra. No dia seguinte, o sol carioca está
brilhando de novo e quente.
Não há porque sentir tristezas.
Vênus está ao seu lado. O sol do meu.

As fotografias... (parei aqui)


!!!!

Rio, 06/06/84

Querida Nádima

Acabei de receber uma correspondência sua (extraviada), trazida


pelo meu irmão, que a recolheu na C.P. (junto com as fotografias).
Estou chateado demais. Não pelo fato em si, mas pela sua reação
174
precipitada, dando por encerrada a nossa amizade.
Estou chocado. Sempre fui honesto com você em todos os meus
procedimentos. Nada escondi, nada modifiquei de tal forma que você
não deveria se surpreender com o fato da moça que está comigo, estar
tentando defender o lado dela, com a atitude que tomou. Você sabe de
tudo o que há, tim-tim- por tim-tim, detalhes, motivos, causas, tudo,
tudo. Como estavam se desenrolando os fatos, os nossos planos, as
razões pelas quais ainda não terminei o meu relacionamento com ela,
tudo!...
Estou pensando seriamente, que você aproveitou o pretexto e que
já não era sua vontade continuar, por qualquer razão que seja.
Posso ainda admitir que você tomou essa atitude
precipitadamente, e por isso, vou aguardar maior lucidez da sua parte,
retificando ou não essa decisão.
Se dissesse que essa moça que está aqui, estivesse fazendo alguma
diferença para você, ainda vá lá!... Se por causa dela você estivesse
impedida de vir para mim ou eu ir até você, seria até mais
compreensível.
Mas que diferença vai fazer pra você o fato de eu estar sozinho ou
acompanhado?
Você quer vir para cá agora? Já?
Pois é só resolver!...
Se você não vem, eu estaria sendo masoquista, em me condenar à
solidão, vivendo sozinho. Já te disse isso.
Achei injusta essa decisão, principalmente porque eu não merecia
receber, pela minha sinceridade, uma penalidade tão grande.
Gosto de você, estou apenas começando, mas já senti o quanto
ainda gostaria, pois você tem o que eu procuro e busco com carinho e
persistência.
175
Compreendo também que você deve ter--se aborrecido com o fato,
mas se você gosta alguma coisa de mim, não agiu legal.
Pelo jeito, agora, vou ficar sozinho mesmo, porque você não vem
e a menina aqui,”vai”.
É uma pena tanta precipitação. Ela já estava com o trabalho
arranjado, faltando dias para começar, Procurando lugar para
morar e eu estava apenas aguardando essas coisas se estabilizarem
para dar uma definição a respeito.
A atitude dela, só precipitou tudo e a única prejudicada foi ela
mesma que agora vai ter que solucionar isso mais rápido, porque eu já
disse a ela tudo o que tinha que dizer.
Será que o nosso romance era tão frágil, que uma simples carta (a
extraviada) liquidou com tudo?
Bom, não foi isso que eu entendi, nem o que ouvi de você. Enfim,
você é quem sabe.
Também não precisa (se não quiser) levar tudo na “ponta da
faca”. Se você achar melhor, podemos ainda nos conhecer mais e
melhor, sem nenhuma idéia de compromisso. Às vezes isso até
atrapalha.
Você vem aqui quando quiser e eu irei aí se você quiser.
Uma coisa é certa: Se eu ficar sozinho, não será por muito tempo,
mas evitarei me envolver de novo, nas mesmas condições em que estive
com essa garota aqui.
Suas fotos eu não devolverei ainda.
As minhas não chegaram da revelação.
Beijos cheios de carinho.

Saudades de você toda, da cabeça aos pés. (Adorei tudo o que


você me deu e queria mais.)

176
Tony

A Nádima ficou em silêncio. Não escreveu mais. Ela disse que escreveu, mas
eu nada recebi. Há a hipótese da correspondência ter sido desviada pela garota que
morava comigo, coisa que eu sempre temi. Possivelmente, se ela não tivesse
interrompido sua correspondência comigo, durante mais de um ano e mais de uma
vez, eu não estaria morando com ninguém. Mas ela sumiu. Quando voltou o lugar
físico estava ocupado. Não o coração que já era dela desde o início.
Então eu, ainda sobre as argumentações da sua carta de 02/06, que também
sumiu depois que a li, aceitei o término da nossa amizade.

Oi Nádima (Em + - 13/06/84)

Eu, sinceramente, preferiria ter tido uma explicação qualquer.


Alguma coisa mais do que: “Não tenho cabeça para isso”.
Preferiria, porque daria também uma satisfação ao meu ego, ao
invés de ficar horas e dias conjeturando coisas. Imaginando coisas,
tentando descobrir onde é que eu errei, ou o que saiu errado, ou o que
já estava errado antes. Se era alguma coisa que poderia ser consertada
para a “próxima”, ou alguma coisa que não tem jeito mesmo e não
adianta ficar esquentando a cabeça.
Não é o fato de tudo terminar que me magoa ou incomoda, mas o
jeito como terminou. No silêncio, no desprezo, no abandono, na
desconsideração total, de tudo o que foi dito e falado (e escrito).
É difícil para mim, imaginar você diferente do que sempre
imaginei. Pensar coisas de você, que eu não queria pensar, concluir
coisas que eu preferia não concluir.
Acho que você deve estar enganada a respeito dos seus
semelhantes, achando que o desprezo é mais suave do que um redondo
(Não!) . E fico pensando o que foi que eu fiz de tão mau para
177
merecer esse presente tão singelo.
De qualquer forma, já deu para entender que tudo isso foi apenas
para dizer que você não quer nada comigo. Que tudo isso, foi apenas
um substituto das simples palavras: “sinto que não vai dar certo entre
nós e portanto, prefiro não continuar” ou qualquer frase semelhante.
Então, eu assim estou entendendo e já que você não quis ter sequer
o trabalho de escrever, eu tive muito mais para entender assim. Mas
entendi agora.
Então vamos negociar o “fim” direitinho.
Mande-me o tal mapa do Rio de Janeiro de volta, porque eu
tenho o guia que o acompanha, completo, mas que agora está sem o
mapa. Será uma pena jogá-lo fora e ter que comprar outro à toa.
Se você quiser também as suas cartas de volta, mande-me as
minhas. Se você não mandar as minhas é porque não quer as suas e,
assim sendo, eu as queimarei, pois tem confidências íntimas de uma ex-
amiga.
Não precisa se dar o trabalho de escrever uma linha sequer, pois
eu entenderei perfeitamente.
Pode enviar diretamente para cá, pois já não tem ninguém mais
bisbilhotando minhas coisas.
Depois disso então, enviarei suas fotos de volta.
Você disse na sua última carta:
“Eu não posso mais continuar escrevendo”
Eu não entendi porque, Foi uma pena.
Você disse também:
“Gosto de você e não há mágoas”
Já eu, não posso dizer o mesmo, porque para mim, existem
mágoas. E existem lamentáveis mágoas que poderiam ser evitadas com
algumas poucas linhas .
178
Você entretanto, é dona da sua vontade, e não é obrigada a ver
as coisas do mesmo jeito que eu vejo.
O diálogo, para mim, é capaz de construir um mundo e o silêncio,
capaz de destruir com muito mais poder ainda.

Aguardo o mapa

Tony

Pior do que ter


ficado sem ninguém,
é ter ficado sem você

São Paulo 17/06/84

Tony

Não devolverei seu mapa! Não devolverei suas cartas!


Se você, mais uma vez, não recebeu uma carta minha por
culpa do correio e acha que, novamente, estou querendo terminar
tudo e estou usando o silêncio como desprezo, mais uma vez você
me julgou mal e é você, desta vez, que está se precipitando.
Tudo bem, você teve razões para sentir e escrever o que
escreveu. Eu não fui legal.

179
Mas é que pensei tanta coisa naquele momento, amor.
Tony, sejamos sinceros, você não gostou de mim, certo? E
agora para não dizer isso e me magoar, você está tentando achar
uma maneira de fazer com que eu termine com nossa amizade.
Eu posso até acreditar que você armou tudo isso e fez com que
esta moça me escrevesse. (Se eu estiver enganada, me perdoe).
Mas se você não quiser mais, seja sincero. Afinal, é isso que
você quer de mim, não é?
Mas caso eu receba de volta a carta que te mandei, eu a
enviarei de volta.
Sabe, amor, você é uma pessoa maravilhosa, tudo que você é,
tudo que vem de você é muito bom e importante. Eu senti a
diferença entre a água morna e o vinho de uvas frescas. Você disse
tanta coisa, me deu muita segurança e confiança em você.
Queria te ver e ouvir você dizer: “Não vai doer mais, é só o
começo. Depois é muito gostoso.”
Tudo bem, Tony, talvez eu não mereça você, não mereço
ninguém. Não sou nada.
Mas eu te peço que, se você não quer mais, não complique as
coisas só pra não me magoar. Eu me sentiria enganada, o que é
pior.
Eu já estou magoada, ferida por atitudes de pessoas que me
entendem errado. A culpa maior pode ser minha. Eu procuro
mudar, mas não quero ser enganada, pois dói muito.
Este mundo é um lixo, todo mundo é lixo e eu sou menos
ainda. Sou um nada em busca de nada.
Por que, Tony? Haverá alguém ainda nesse mundo que me
aceite como sou?
Tony, há uma coisa que eu deveria ter dito desde o começo: Se
você não quisesse mais ser meu amigo e nem me escrever, bastava
não me escrever mais, nem responder minhas cartas. É o que você
pode fazer agora. Por um fim, sem rodeios, sem mentiras, sem
enganos, sem dor...
Ao invés de ficar escrevendo tudo isso, é simplesmente parar.
Eu não insisto.
Gosto de você e por mim, ainda iríamos nos conhecer muito.
Eu ia enviar duas fotos. Talvez você não as queira.
180
Você é maravilhoso Tony. Quero você, meu bem.
Me perdoa a atitude que tomei e me perdoa se eu estiver
errada a respeito de toda essa situação, a respeito de você, amor.
Mas procure ser meu amigo mais uma vez. Eu estou muito
confusa, Tony. Não estou numa boa. Estou só...
P
E
Tony
E
R FIM (?)

P
N A D I M A
S I N I N H O

Nádima

(Espero que você receba essa carta)

11/06/84 (bilhete)

Tony,
Se você achar que pode mandar
as fotos suas que eu devolvi,
se achar que mereço, eu ficaria feliz...
Um beijo
Nádima

Rio 18 de junho de 84
181
Querida Nádima
Semana passada tive um pesadelo incrível! Parecia tão real.
Como sofri!... Graças a Deus uma carta sua me acordou e me tirou
daquela tortura imensa, que parecia não ter fim. Já passou, não
precisa mais se preocupar. Foi apenas um pesadelo e eu acordei.
Pior é que acordei sentindo uma imensa falta de você. E a falta é
bem real.
Você não sabe o quanto eu preciso de você. O quanto me faria
feliz e realizaria meus sonhos.
Só mesmo uma garota travessa como você, para se ligar num
cara doido como eu. Doido para encontrar uma garota travessa como
você.
As frases se embolam no meu pensamento e querem sair todas ao
mesmo tempo. Quero logo estar com você e começar minha vida junto
com você.
Quero logo pegar você pelo braço e sair por esse mundo afora,
esbanjando felicidade. Quero logo viver, ver você sorrir. Correr com
você pelas areias da praia. Quero você brincando comigo do que você
mais gostar: dançar, pular, correr. Quero mostrar ao mundo que
encontrei você. Estou feliz de novo e ansioso. Feliz e ansioso. Feliz e
ansioso. Feliz porque tenho você e ansioso porque ainda não tenho
você. (?)
Estou pronto para adotar você , já. Aliás, isso é uma idéia
formidável. Só vou precisar de um tempinho para me adaptar.
Afinal, eu não sei como é ter uma filha já com 18 anos. Quando ela
fizer dengo, beicinho ou charminho...(?) Se for malcriada ou cheia de
vontades (!) Se não estudar direito e ficar tirando notas baixas nas
provas...(?) Que tipo de punição ou que tipo de premiação eu poderei
182
dar?
Gostaria que você fosse uma filha bem carinhosa e eu prometo ser
um pai bem carinhoso, moderno e liberal. Legal?

O nosso primeiro encontro foi muito bom, principalmente


considerando que foi um primeiro encontro. Quantos primeiros encontros
não são tão bons e depois chegam a ficar ótimos. Que direi dos
próximos, se o primeiro já foi ótimo?
Sob todos os aspectos, é muito, muito difícil, existir um primeiro
encontro tão gostoso quanto foi o nosso. Eu posso ter contribuído com a
minha parte, mas você foi sem dúvida, maravilhosa, fora de
série,adulta, racional, inteligente, moderna, criança, terna, criativa,
comunicativa, desinibida e outras tantas coisas que agradam e são
necessárias quando se quer transmitir alguma coisa boa, num
relacionamento tão importante.
Pode você não saber, mas o começo é muito importante. E ele foi
muito bom para nós.
Faltou alguma coisa, é claro, mas o que faltou já pertence ao
futuro. Quem pode, num dia, como o nosso, se tornar totalmente à
vontade e natural? Impossível, não é?
Eu vou continuar minha parte por aqui.
Abrir caminho. Abrir espaço para você chegar. Até pensei que isso
seria mais fácil do que está sendo na realidade. Mas de jeito nenhum,
eu estou parado nem acomodado. Estou com quase tudo calculado e
esquematizado, segundo o tempo que você me deu.
183
Faltou vender a loja mais rápido. Isso realmente me tem
atrapalhado. Eu quero sair daqui. Mudar de negócio. Morar mais
tradicionalmente.
Não estou me queixando. Aqui vai tudo bem. Há dois anos atrás
ou mais um pouco, quando eu perdi o meu emprego, a situação estava
bem pior. Emprego agora é que nem loteria. E eu não tinha nada.
Sobrevivia com dificuldade. Tem os garotos e outras
responsabilidades. Já me equilibrei. Criei um patrimônio. Criei um
emprego para mim mesmo.
Hoje não estou numa ótima, mas em transição para chegar lá.
Consegui, num momento ruim, época de crises e retrocessos, um
“emprego” com estabilidade. Daqui, ninguém me manda embora.
Pago meus encargos e ainda fico. Faço progressos, ainda que a
custa de trabalho e muito esforço. Mas faço meus passeios, vou ao
cinema, à praia. Tenho minha liberdade assegurada e o meu lazer.
Tenho os meus filhos. Tenho despesas com eles. Curto-os. Não está tão
ruim assim.
Tem gente fechando, falindo, desempregados de montão, na pior.
Tem gente se virando de todo jeito. Eu vou indo devagar, mas vou
indo.
Vendendo aqui, quero dar mais um passo significativo. Um
outro negócio. Menos sacrificado, mais rendoso. Um pouco de sorte...
Quem sabe, você ao meu lado, me dando inspiração, me ajudando, a
gente chega lá! Observe que eu estou correndo contra o tempo. Se você
estiver comigo, o tempo chegou. Eu não preciso mais correr. É só
deixar a própria vida deslizar suavemente. Numa boa... Tem muito
chão pela frente, não adianta correr.

Nádima & Tony

184
Tenho saudades de você. Do amor que você fez comigo. Foi tão
gostoso. Nenhum detalhe me saiu da lembrança. Eu me sinto muito
feliz porque você se deu ao máximo pra mim. Confiou em mim e eu
pude ser legal com você. Aquela dorzinha(*) vai passar logo. É só
uma questão de tempo e carinho. Eu terei todo o tempo pra você e todo
o carinho também.

(*) Nota: A “dorzinha” a que nos referíamos era motivada por um hímen muito
resistente (nada complacente) que a Nádima tinha, que, mais tarde, dependeu da
intervenção de uma ginecologista para removê-lo.

Vou conduzir você numa


boa e realizar você
completamente. Um mundo
maravilhoso e suave vai se abrir
para você. Todos os medos vão
sumir e as dores vão se evaporar.
Será só alegria. Descontração,
amor e carinho. Momentos de
loucura que daremos um ao
outro. Quero deixar você fora de
órbita. Muito feliz, muito
mesmo...
Quanto a mim, não se
preocupe. Estando você feliz eu também estarei. Não tenho outros
objetivos. Quero uma garota para fazê-la feliz, e aos meus filhos, ser
um bom pai para eles e ajudá-los na vida, para que sejam felizes
também, como eu tenho sido. Ensina-los, motiva-los e transmitir a eles
tudo o que sei e aprendi sozinho. Bom e mau. Recomendando o bom e
185
explicando o mau.
Você será meu incesto... A filha que eu não tive, na mulher que
eu vou amar..
Vai ficar bonito, não vai? Você topa?

Depois você me dará novos filhos (depois de criada) e a gente


começa tudo de novo. Ah!... que legal, não é?!...
Quero escutar músicas lindas ao seu lado. Um deitado no peito do
outro. Ora eu, ora você. Quero chorar de felicidade, se você permitir.
Acho que só depende de você.

As fotos que te mandei, são muito recentes. Estão com a mesma


camisa que eu fui aí, e coloquei-a de propósito, quando fui te ver.
Espero que você recorde.
São do batizado da minha sobrinha e afilhada Anne, filha da
minha irmã Alcione. Essa outra mais loira é minha irmã Ana Maria
que foi madrinha e aparece na foto maior junto comigo.
Das fotos que eu lhe havia mandado, estou reenviando algumas
apenas (não fique zangada) É porque talvez, ainda este mês eu te
mande outras mais recentes ainda.

Guarde o raio do mapa aí com você. Ele sempre serve de


argumento para impedir que você me esqueça assim tão facilmente.
186
Quando você vier ao Rio, traga-o e me entregue em mãos. Você
estando aqui comigo, não vai precisar de mapa nenhum.
Escreva alguma coisa para mim, mas não demore tanto, poxa!
Será que você não entende a minha ansiedade?
Suas cartas para mim, são como água. Além de uma semana,
morro de sede.
E por favor, seja mais estável. Não desenvolva nessa cabecinha,
pensamentos esdrúxulos, verdadeiros cataclismos do impossível.
Eu já disse que você vai precisar se acostumar com a minha
sinceridade. Não tenho o hábito de usar subterfúgios, nem entrelinhas
para dizer as coisas. Não uso o velho jargão feminino: não = sim e
sim= não. Pra mim, sim é sim e não é não. O que eu disser você
escreve e põe na parede. É o que é.
Se eu tivesse qualquer dúvida quanto ao nosso relacionamento e
que dependesse de mim, ou eu ficaria calado ou diria que tinha
dúvidas.
Eu saí daí e disse a você uma coisa. Por que haveria de mudar
180º depois de algumas horas de viagem?!
E, por que eu sendo o que sou e como sou e sempre demonstrei ser,
mudaria de atitude, como lagarto que muda de cor?
Já disse a você, desde o anúncio que coloquei. Sou um Homem.
Não sou um moleque. Honro as calças que visto e a palavra que
empenho.
Se eu disser: “dou a vida” na hora “H” e dou mesmo! Ou então
não digo antes.
Por favor, entenda e bote na cabecinha... Gosto muito de você e
cada vez mais.
QUERO VOCÊ PARA MIM! Quero dar-me a você.
Se houver qualquer mudança ela terá uma boa justificativa. Será
187
lógica e inteligível. Ou então partirá de você (espero que não) Ora!
Deixe-me gostar de você em paz!

No dia dos namorados eu escrevi uma carta para você. Depois


rasguei. Estava muito magoado.
Por isso, receba o meu beijo à
“posteriori”.

FELIZ 12/06/84!

Quero encontrar com você (de novo!)

Mas que droga de vida!...

Dá um jeito aí, vai!...

Preciso encontrar
você de novo!

Faça uma
mágica. Voe!
UM
BEIJÃO!

Tony
188
(NÃO VÁ SE MACHUCAR POR AÍ...
TENHO CIÚMES DE VOCÊ, PÔ!)

Rio 19 de junho de 1984

Querida Sininho

Ainda bem que tem os correios, não é?


Se não, a gente ia botar a culpa em quem?
Já imaginou eu ficar aqui 10 dias aguardando uma carta sua
que não chegava nunca? Para mim são 10 meses. É insuportável.
Você não está sozinha, nem nunca esteve. Você está comigo, já
esqueceu?
E ainda me chama de precipitado...(!)
Vamos acabar de vez com essa dúvida, essa incerteza.

EU GOSTO MUITO DE VOCÊ!

Já escrevi isso 1000 vezes, Já disse de viva voz. Já demonstrei isso


em atos e atitudes. Nunca disse nada em contrário. Por que você ainda
duvida? (É preciso rachar a sua cabeça e enfiar lá dentro?).
Você chega até a pensar e imaginar que eu fiz planos
mirabolantes, que eu sequer teria tanta imaginação em conceber, e no
entanto, não acredita nem admite o mais simples, o mais óbvio:
EU GOSTO MUITO DE VOCÊ. E por
que não?
Por acaso você não é uma garota bonita, cheia de vida, de
alegria, simpática, agradável, com um sorriso lindo, com uns olhinhos
189
que são duas preciosidades indescritíveis, com um corpinho todo
maneiro, bem feito, proporcional,macio, com uns peitinhos de botar
água na boca de qualquer neném, com uma bundinha de matar a
gente de tesão, com uma bocetinha que mais parece de criança de tão
linda (coisa até rara!) Poxa! Precisa mais?
E a cabeça? E a inteligência? E a vontade de ser mulher? E a
meiguice e o carinho? (Ah!... Até que carinhosa, você não é lá essas
coisas. Deixou a desejar)
Também não gostei que você tosquiou os cabelos, mesmo eu tendo
pedido especialmente, para não cortar. Não fosse por isso, eu já teria
dito lá em cima: “cabelos lindos”. Mas os cabelos lindos ficaram só na
fotografia. Eu sabia que você ia fazer isso. Por isso pedi para não
cortar, mas...
Já recebi todas as suas cartas. Não se preocupe, nem ponha a
culpa nos correios, para os 10 dias que você levou sem me escrever, logo
após me ter devolvido as fotos.
Agora, de você, eu só quero beijos e abraços. E vamos parar com
esse negócio de se desvalorizar. Eu gosto de você do jeito que você é (ou
dá a impressão de ser).
Desconfio que você anda me escondendo alguma coisa. Não
tenho idéia ainda do que seja. Ou melhor, tenho, mas não vou
arriscar, porque posso estar errado.
Se for o que eu estou pensando, não tem lá essas importâncias.
Pra mim, vale muito mais o que você é pra mim. Hoje e agora. Águas
passadas não movem moinho.
Entretanto, o melhor que você faz é abrir o jogo e contar logo o
que te aflige. Esconder coisas do seu melhor amigo, não vai te ajudar
em nada.
Mentir e ficar escondendo coisas, além de ficar machucando a sua
190
consciência, verdadeiramente magoa o seu amigo e desvaloriza você.
Às vezes, o que pode parecer errado e grave para você, pode não
ser importante para mim. Depois, eu, para ser realmente seu amigo,
devo participar dos seus erros e acertos, e você dos meus. Ou então, não
seremos realmente amigos e não vai adiantar nada.
Sua frase; “Eu já estou magoada, ferida por atitudes de pessoas que
me entendem, errado”.

Outra: “talvez eu não mereça você, não mereça ninguém. Não sou
nada”.
Por que, Nádima, meu amor? Que segredo, que mistério envolve
o seu ser e perturba tanto a sua cabeça? O que há de errado? Só pode
ser uma bobagem, ou qualquer coisa que na verdade, atue mais
psicologicamente do que realmente.
Vou arriscar algumas perguntas e você me diz a verdade.
Quero saber. Tenho o direito de saber, não é?!

1 – Tem alguma coisa a ver com tóxico? Maconha, cocaína?


2 – Um outro tipo de vício qualquer?
3 – Tem alguma coisa a ver com sexo?
4 – Por acaso algum complexo? De que?
5 – Por acaso refere-se à sua forma liberal de ser? Fantasias
sexuais absurdas?
6 – Você se acha deficiente de alguma função orgânica? Você é
doida? Estéril?
7 – Você tem alguma doença dessas, tipo problemática? Diabete,
epilepsia etc?
8 – Algum problema relativo à insegurança, ciúme
descontrolado? Matou alguém?

191
9 – Alguma tendência lesbiana ou qualquer bobeira assim?
10 – Você se acha pervertida, perdida, prostituta? Você já deu
por dinheiro?
11 – Você é muito insultada no seu dia a dia, em casa, por
algum parente importante?
12 – Você por acaso, mesmo quando moça, participava de muitas
farras, programas sexuais do tipo “amor colorido”? (eu não ponho a
mão no fogo)
13 – Você me pregou alguma mentira?
14 – Já tirou fotografias para revistas pornográficas?

(Desculpe essa folha suja. Ela estava por baixo da pilha.


Aproveite e jogue-a fora.
Também não consigo imaginar nada mais “grave”.

Será que ela era apaixonada por alguém de lá? Seria possível isso, a essa altura?

Bom, aí está. Como você vê, eu tive que desencravar todas as


hipóteses possíveis e improváveis, pelas quais você poderá estar se
sentindo diminuída, não achando que deva ser merecida por mim ou
qualquer outro. De todas, a que eu acho mais grave é a 13-ª. Mas
mesmo que você tivesse resposta afirmativa, para todas as perguntinhas
que te fiz, inclusive a 13-ª , não faria diferença para mim. Gosto de
você assim mesmo, como é. Do jeito que você, com todos esses defeitos
aí. Com todos de uma só vez e ao mesmo tempo. Tem mais algum?
Então conte logo. Também não quero ser enganado.
Então, já que está tudo esclarecido, vamos mudar de assunto.
Se você tem alguma fotografia nova, já devia ter mandado. Se
for daquele tipo pelada, pode mandar também.

192
Assim que puder juntar uma grana para a passagem, vou aí de
novo. Nem que seja só para ver você de perto e matar as saudades.
Pensa que saudades não doem? Nesse dia, eu deixo você me levar até
o Jardim Zoológico.

Como vai a situação em casa? Muita bronca?


Gostou das fotos que te mandei?
Vai dar para você dar uma fugida aqui antes dos 18 ?

Mil beijos. Te adoro. Tenho muitas surpresas para você ainda -


Guardadas – com todo o meu carinho.
Todo

Tony

Uma cheirada na “Sininho”.

Rio
22/06/84

Oi, amorzinho.

Estou por aqui, aguardando, impaciente, suas cartas chegarem.


Como demoram!...
O melhor que eu faço é pegar a caneta e escrever. Assim, melhora.
Parece que estou conversando com você. Diminui a ansiedade.
193
Estava pensando e lembrando de como uma carta sua foi parar
em mãos alheias.
Foi que eu, ao respondê-la, coloquei-a aberta sobre a mesa do
caixa. Terminei de escrever para você, envelopei a carta e saí do caixa
à noite, deixando sua carta aberta sobre a mesa. Aí, já viu, né? Só
não lê, quem na quer. Desculpe a distração. Suas cartas são sempre
muito bem guardadas e eu só tinha receio que fossem interceptadas,
antes de chegarem às minhas mãos. Agora, já não tem mais problema.

Será que vou receber as suas novas fotografias? Realmente você


está me devendo umas mais recentes, porque de todas as que você me
mandou, a única que se parece realmente com você é aquela de 15 anos
(preto e branca) a primeira que você me mandou.
Espero que você tenha gostado das que te mandei.
Tenho outras que mandei revelar e que já devem estar prontas,
mas ainda não apanhei por falta de grana. São mais de vinte mil $
Nossa!
Devo ter fotos bonitas pois as tirei no Pão de açúcar e no Cristo
Redentor.
Estava com os meus garotos e nesse dia subimos o morro do Cristo
a pé. Uma parte foi pelos trilhos do trenzinho que vai até lá em cima .
Talvez pra semana, mande algumas pra você

Estive pensando também que é uma pena que você tenha parado
de estudar. Assim que for possível e se depender de mim, você voltará
logo aos estudos.
Pode até ser que, no primeiro período que você estiver comigo
aqui, isso não seja possível, porque as datas não vão coincidir com o

194
início das aulas.
Talvez se, quando estiver próximo à época e se puder haver um
entendimento com sua mãe, sei lá... Você poderia vir antes.
Não sei o que você tem na cabeça, nem o que você pensa a
respeito. Você também nunca falou seriamente no assunto comigo.
Me dá a impressão de que estou falando sozinho, mas se depender
de mim eu preferiria levar um papo com a sua mãe, antes de você vir
em definitivo para cá.
Se você achar isso muito difícil, eu falarei com ela sozinho
mesmo.
Uma questão de humanidade, porque ela ficaria muito sentida se
você simplesmente desse tchau. E não concordaria se você pedisse a ela
para concordar.
Então, o papo tinha que ser mais na base da satisfação “- Olha,
vamos fazer isso assim e assim, por causa disso e disso, esperamos
contar com a sua compreensão, etc, etc e fim”
Ela vai pular, mas. Quando sentir que não depende mais da
vontade dela, vai acabar cedendo e compreendendo.
Eu quero a amizade dela e dos seus demais parentes. Queria
deixar uma porta aberta atrás de nós, para podermos visitá-la com
alegria e amizade. E ela a nós.
Mas, em último caso, faço como você achar melhor.
Eu sei que se você tentar fazer isso antes de completar 18 anos ela
não vai concordar e vai fazer muita pressão em cima de você, para você
desistir. Essa pressão vai ser insuportável e eu não vou poder ajudar
em nada, porque ela é quem decide por você. Enquanto você for
menor. Quer dizer: você vai continuar aí e ela falando e dando bronca
em cima de bronca e arrasando a sua paciência.
Se você fugir comigo, ela dá queixa na polícia e eu entro pelo
195
cano. Vou ver o sol quadrado!
A única vantagem seria aproveitar o início do ano letivo de 1985
para você se matricular numa escola daqui.
Você faz aniversário em fevereiro, não é? Poxa! Não consigo
achar o dia certo. Você podia me dizer, por favor?

Bom, sua mãe deve saber alguma coisa a nosso respeito. Se você,
por acaso, já sondou e sentiu se há alguma possibilidade dela te soltar
um mês antes ou dois, seria ótimo.
Pô. Você já imaginou eu ter que esperar até fevereiro do ano que
vem?! Somente uma fada, uma princesa me faria esperar tanto!
Ah, meu amor, tenha paciência, mas assim que eu resolver o meu
problema de acomodações por aqui, eu vou cair em cima de você e da
sua mãe para apressar as coisas.
Não vai dar para esperar tanto tempo! Vou precisar de você por
aqui, além de tudo.
Você já conversou com ela a respeito de você vir para cá, ou
preferiu não falar no assunto? Você tem dúvidas de vir? Dúvidas por
mim, ou por você?
Se for por mim, pode esquecer.
Minha vida já está girando em torno de Nádima, a fada
encantada.

Tive ontem uma longa conversa com a minha mãe a seu respeito.
Ela é uma pessoa muito lúcida e coerente.
Contei sobre tudo e esperei ouvir a opinião dela. O comentário
dela foi muito positivo, e achou o meu procedimento correto.
Me preveniu, entretanto, de que, sendo você uma garota ainda
bem nova, estaria sujeita a instabilidades emocionais e uma certa

196
volubilidade (não sabe ainda o que quer).
Eu concordei, mas disse que estaria preparado para enfrentar
qualquer situação e que além do mais, eu me garanto!
Fez as contas comigo e chegou a conclusão também que a
diferença de idades em nada prejudicaria. Citou o meu pai, que tem
uma namorada com uma diferença ainda bem maior e ele está muito
enxuto com seus 64 anos. Joga tênis, pratica esportes, tem um físico
jóia e nem sequer perdeu os cabelos.
Batemos um longo papo. Ela quer conhecer você.

Beijos, minha querida. Tesão!

Tony

SP. 24/06/84

Minha grande paixão.

Recebi duas cartas suas e fiquei muito feliz. Porém, não é o


bastante para saciar todo o meu desejo de estar perto de você.
Eu pretendo ir aí, ao invés de você vir de novo aqui, e isso será
breve, mas se você preferir dar uma volta por aqui antes, tudo
bem.
Você me fez várias perguntas a respeito dos meus problemas.
Sabe, amor, não se trata de tudo aquilo que você perguntou. Não
se trata de vícios, doenças, mentais ou físicas, muito menos alguma
tendência lesbiana, nunca dei por dinheiro, também nunca
participei de farras com amigos onde havia sexo e desrespeito
(pode por sua mão no fogo), nunca menti pra você, Tony, pelo
menos alguma mentira grave. Não matei ninguém e nem estou
grávida.
Entretanto, em algumas perguntas, você tocou no assunto. São
197
problemas íntimos, coisas que jamais tive coragem de admitir a
mim mesma. São complexos. Um certo sentimento de
inferioridade, que me prende muito, impede que eu seja forte,
decidida. Um grande medo de sair de onde estou, como se fosse
uma redoma onde eu tento subir para me libertar, mas sempre
estou lá dentro. Algum trauma, talvez, um medo de mudar. Fico
sempre deprimida quando tudo isso toma conta de mim. Mas
sempre vem aquela certeza de que preciso mudar, passar por
experiências novas para poder me libertar.
Quero muito você, Tony. Sei que você me ajudaria muito, me
tornaria uma verdadeira mulher. Eu tenho pressa, Tony.
Preciso de você e vou morar com você, assim que você estiver
preparado para me adotar.
Mas será que você vai querer uma pessoa insegura, tímida,
cheia de medos, com problemas de depressão?
Eu fico pensando... E se eu não me encaixar bem com o pessoal
daí?
Você garante que será bom? Será bom pra você, Ton?
Aqui há pessoas que não respeitam as minhas idéias, os meus
amigos, minhas necessidades de ser alguém, de ter direito de falar.
Procuro disfarçar, sendo amiga ou às vezes magoando alguém.
Tudo isso impede que eu seja feliz, seja eu mesma. Eu quero
você e não vejo a hora de você voltar aqui.
Você é muito gostoso, tem um corpo que eu gosto de amar, é
forte, é homem. Cheiro de homem, cheiro de amor.
Penso em você em cima de mim, me apertando, pondo
devagarinho dentro de mim, sentindo você dentro do meu corpo...
devagar... que delícia!...
Ah! Tony, eu me guardo pra você! Quero teu corpo junto ao
meu de madrugada. Você promete?
Quero beber com você, sair com você, correr, brincar na praia
ao entardecer.
Você é um herói, sim, um homem que acalma minha alma e
arrefece o meu desejo. E mexe com a minha adolescência.
Como eu poderia deixar você? Você é minha esperança de
levantar e alcançar o meu lugar.
Onde está o meu lugar? Junto de você...
198
Se você soubesse como sofro.
Você terá que vir aqui me buscar, pois eu não posso viajar
sozinha por ser menor e minha mãe não daria permissão. Ela já
desconfia da possibilidade de eu ir embora com você. Ela me
perturba muito.
Mudando de assunto. Que papo é esse de que não tem mais
ninguém aí bisbilhotando suas coisas? Por acaso a moça foi
embora? Tão já? Pra onde ela foi, Tony? Pra dizer a verdade, isso é
bom, pois eu também sinto ciúmes de você.
Lembra que você me disse que iria arranjar um apartamento
pra gente? Será bom. Será um cantinho só nosso.
Tony, cê vai ficar comigo? Não vejo a hora. Tenho que pagar
umas dívidas aqui e não vou fazer outras para que na hora que
você disser; pode vir!, eu possa ir numa boa.
Primeiro eu vou passear num fim de semana aí, e minha mãe
vai saber, e depois, aos poucos eu a convenço.
Ton, eu não sei ainda a data do seu aniversário. Quero que
você me mande pra eu por na minha agenda.
Se você quiser vir aqui, vem logo! Não fica só dizendo! Mas
breve eu irei aí.
Jamais tirarei você da cabeça facilmente.

POR QUE VOCÊ


FAZ ISSO COMIGO??
VEM LOGO!
TONY

(Estou tentando melhorar a letra. Eu chego lá)

(Não tenho fotos novas. Dá um tempo)

BEIJÃO!

199
Rio 26 de junho de 1984
Oi, minha querida menina.
Como vão esses lindos olhinhos?
Que bom que as coisas que lhe perturbam, não são tão graves
assim. Já me parecem bem mais fáceis de enfrentar, corrigir e superar.
Sua carta demorou (como sempre) mas quando veio, trouxe muito
de você. Só faltou o perfume, de novo. Veio muito bonita, muito cheia
de sentimentos e emoção. Gosto quando você me fala de você, daquilo
que você sente, bom ou ruim.
Eu consigo captar perfeitamente. Entendo com toda a
profundidade. Entender a seriedade e a gravidade que você expõe
neles e ponho-me quase no seu lugar.
Eu poderia ajudar você a derrubar todos esses fantasmas, daqui
de longe mesmo. Mas levaria tempo e daria trabalho.
Eu o faria com todo o prazer e dedicação, se no entanto, a
solução definitiva não estivesse tão próxima, tão ao seu alcance.
Quando você estiver ao meu lado, eu te darei toda essa força de
que você precisa. Melhor dizendo, eu te mostrarei toda a força que você
tem e, pode crer, você é uma super-mulher, com uma bomba atômica de
energia positiva no bolso. Você só não sabe ainda “acender o pavio” –
usá-la.
Eu sei e, tenho certeza disso, que terei muito trabalho em contê-la,
para que não exploda em cima de mim.
É incrível de se acreditar, e difícil de aceitar, para quem já
conhece você, o pouco que eu já conheço, embora profundamente, que
você sinta tanto essa fraqueza da indecisão. Esse medo do mundo.

200
Só existe uma explicação, que você mesma já sentiu. Existe uma
força maior do que a sua, que contém você dentro dessa tal redoma. A
sua mãe. (me perdoa).
Você me explicou direitinho e perfeitamente, o que está
acontecendo, e eu já entendi.
Por favor, pode parar de querer crescer, subir e se esforçar. Você
já tem um potencial imenso de energia para fazer qualquer coisa nesse
mundo.
O que seria da sua mãe se ela não te “cortasse as asas”? Se ela
te deixasse crescer, se ela te desse crédito e ouvidos. Ela seria
simplesmente, uma subalterna sua. E ela teme perder esse controle
sobre você, antes de você mesma poder se controlar. Está me
entendendo?
Vamos supor que um país desses por aí, bem beligerante, por
exemplo o Irã, estivesse próximo de fabricar sua própria bomba
atômica. Ninguém dormiria mais sossegado!
Então os EUA. procuram impedir por todas as formas que isso
aconteça, boicotando esse país economicamente, psicologicamente,
provocando desgastes internos, com revoluções políticas e sociais, com
guerrilhas e até guerras, para que assim, ocupado, atarefado, sem
condições, o Irã não possa se dedicar a terminar a sua bomba.
No entanto, indiscutivelmente, o Irã é um país inteligente,
poderoso e capaz!
Sua mãe é os EUA. E você o Irã. Os EUA subestimam a
capacidade do Irã de saber fazer uso e controlar suas energias, suas
capacidades e descobertas.E não deixa de ter razão, porque se o Irã
fabricar a sua bomba atômica, a primeira coisa que irá fazer é jogar
uma na cabeça do Iraque, com o qual está em guerra, provocando
assim, até mesmo uma guerra mundial. (Pelo menos assim pensam os
201
EUA.)
Você, ao se libertar do jugo, controle, da sua mãe, terá também
que ser responsável pelas suas atitudes e procedimentos.

Um filho trabalha e com seus 17 anos já quer comprar uma


motocicleta. O pai, responsável por ele diz: Não!
Ao completar 18 anos, o filho, sem mais ter que dar obediência ao
pai, nem depender dele para fazer a compra, adquire a tal moto, sai
com ela, e na primeira esquina é acidentado e morre.
Bom era isso que o pai queria evitar. Disse não, porque gostava
do filho e não queria que nada de mal lhe acontecesse.
Ele retardou isso o mais tempo possível. O filho morreu, mas ele
está com a consciência em paz, embora sofra.
Evidente que nem sempre é assim.
Tanto o Irã poderá não jogar a bomba quanto o filho se dar
muito bem com a tal motocicleta. Mas o medo e a responsabilidade que
a sua mãe tem por você, faz com que ela dificulte ao máximo a sua
emancipação, sob todas as formas, como ser humano capaz, e te prende
nessa redoma. Ainda mais, considerando que o seu pai, por qualquer
errinho dela, está pronto para cair em cima, cheio de condenações.

Com mil beijos de amor...

Você, estando ao meu lado, eu te soltarei e te liberarei


gradativamente, ensinando, preparando e educando, a cada passo.
Você vai ter que ser paciente. Não espere vir para cá e explodir toda
essa energia de uma só vez na minha cabeça, ok?
Eu prometo que nem de longe pretendo subjugar você. Pelo
contrário. Quero te liberar, te dar liberdade, direito de ser forte e usar a

202
sua força, de ser decidida e decidir, Direito de se emancipar e crescer.
Mas você vai ter que confiar em mim muito e totalmente. Como meus
filhos confiam em mim, como uma filha confiaria no pai, em
circunstâncias normais.
E vou te controlar e te liberar aos poucos. O mais rápido possível.
Vou colocar você na moto, mostrar o caminho, explicar os
perigos, fazer as devidas recomendações e te soltar finalmente, torcendo
para que você não se machuque, e estar sempre por perto para te
ajudar, sempre que for possível.
Esse é o procedimento correto. É o que eu uso com os meus filhos.
E eles vão bem.

Então, não há razões para complexos nem medos. Você agora já


sabe das coisas. Dê um tempo. Você é muito grande.
Você só andou fazendo bobagem, porque foi apressadinha e
poderia haver conseqüências piores, coisas que sua mãe está tentando
evitar.

Quanto a se encaixar cm o pessoal daqui, é muito simples: Será


que eles vão se encaixar com você? Você estando encaixada e
encaixotada comigo, o que mais importa?! Problema de quem não se
encaixar com você, não é?
Eu vou gostar de ter ao meu lado uma garotinha insegura,
tímida, cheia de medos e com problemas de depressão, porque assim me
sentirei mais útil, ajudando e protegendo você. Assim eu terei a quem
dedicar todo o meu potencial de carinho.
Quando você perder todas essas características já não me prenderá

203
tanto. Não precisará mais de mim. (?!)
Eu garanto que será bom para mim se você “estabelecer a sua
casa junto da minha”. Será bom para mim e para você.

Te
quero
Tony
Beijão

São Paulo 26/06/84

Oi amorzão,
Fico feliz ao receber suas cartas “ansiosas”. Queria te dizer
tanta coisa, mas sempre me fogem as palavras.
Sua carta me tranqüilizou muito, pois você parece que
adivinha, que sente o que eu estou sentindo. Criei tanta coisa ruim
na cabeça a respeito da minha ida definitiva.
Já falei a respeito com a minha mãe e ela é inflexível. Não
aceita que eu saia de casa. Ela não tem nada contra a gente, mas
tem medo que eu saia para uma vida diferente e acabe sofrendo,
você sabe disso.
Seria bom se você falasse com ela. Você conseguiria conquistá-
la. Ela é legal. A minha mãe é uma pessoa educada, compreensiva e
simples. Não é muito liberal, mas pode haver qualquer papo com
ela. Se você puder vir falar com ela, tenho certeza que dará tudo
certo. Eu vou fazendo a minha parte aqui.
Eu pensei que, na verdade, teria que ir a força, magoar as
pessoas que irão ficar aqui e acabar machucando a mim mesma
também. Mas a sua carta, que veio como uma ajuda, me aliviou e
me acalmou bastante.
Você é um herói!

204
Eu quero tudo isso de você. Seu amor, sua proteção, seu jeito
de saber as coisas, de ver o mundo e que vê o meu mundo de uma

Sabe o que eu penso, quando penso em


você? No seu jeito de falar.Na sua voz. É tão
bonito esse “arrastado”.
Você é lindo. É um ser humano
maravilhoso, um homem de verdade. Espero
que você me compreenda sempre, como sei
que vai acontecer. A primeira chance que eu
tiver, eu me mando com você, pra você. Quero
te ver logo. Em breve mudaremos para outra
casa, onde levarei você para conhecer a
turma, pois será breve.
Quero vencer tudo e todos , com você. Quero aprender a
vencer com você.
Eu queria escrever mais, Tony, mas não tenho paciência. Eu
quero você aqui. Também, nem sei escrever.
Espero que esteja tudo bem com você.
Juízo aí, viu, garotão!
Na.

Depois mando as fotos

Continuação (27/06)
Coisa linda...
Mandei logo o início da carta, para ficar prendendo aqui comigo.
Meu aniversário é no dia 30 de agosto.

Você recebeu 3 fotos que eu mandei?

Gostosa é você. Aliás, você tem alguma coisa que me mata de


205
desejo. Acho que é o jeitinho espontâneo de ser, gracioso de agir. Não
sei explicar direito. Não encontro palavras em português para explicar
porque gosto tanto de você. A sua inexperiência é muito compensada
pelo seu esforço, pela sua vontade de se dar. Pra mim é tudo lindo e
com certeza você vai me matar de prazer de fazer amor com você.
Te juro que eu vi tanta beleza em você, que eu me senti
gratificado, como quem alcançou o topo da colina – o fim da busca.
Para descrever a fêmea que existe em você, não existem palavras.
É algo inédito, que o nosso adjetivo ainda não aprendeu a qualificar.
É isso aí mesmo. Inédito. Você é única. Nunca vi nada parecido.
Como se eu encontrasse uma pedra preciosa que não existe no mundo,
nem nos catálogos. Uma cor que nunca ninguém viu. Você é inédita.
Só uma fada, poderia fazer tamanha mágica.
Eu tinha certeza de que você era alguém muito preciosa, mas você
me surpreendeu, superou minhas mais otimistas expectativas.
Nosso encontro foi bom demais (para um primeiro encontro), Não
comparando com outros encontros, mas comparando com os nossos
próximos encontros.
“Um cara ia cavar um poço de 20 metros para conseguir água.
Acontece que com 3 metros ele já encontrou em abundância, uma água
pura e cristalina. Saborosa e gostosa. Que dirá quando chegar a 10
metros, e a 20 ?!”

Prometo que, se depender de mim, muitas serão as madrugadas


que estaremos juntos e faremos amor em todas elas. E eu dormirei
abraçadinho com você, envolvendo e protegendo o seu corpo com o meu.
Quero dormir depois de cansado, dentro de você...
Quero você também em cima de mim, brincando como uma
gatinha, me cavalgando loucamente. Quero te apreciar e matar tua

206
sede...

Entendi que sua mãe daria permissão que você viesse comigo
passar um fim de semana, se eu fosse aí buscá-la?
Bem, porque eu já expliquei na outra carta, que você não pode
viajar sem a permissão dela. Não adiantaria ir buscá-la. Seria um
rapto de menor. E se ela der queixa na polícia, eu posso até ir preso.
O máximo que se poderia alegar é que você fugiu, mas de
qualquer maneira, eu estaria enquadrado, se encontrassem você
comigo.
Ela poderia permitir, quem sabe, ou o risco seria grande.
Nós poderemos chantagear. Eu vou buscá-la e ela dará permissão.
Em troca você não fugirá com destino ignorado e brigada com ela.
E a tal amiga? Será que com ela, sua mãe permitiria?
Por que não abre o jogo logo com ela? Eu posso ir aí e falar
com ela. Eu tenho muito mais força para convence-la. “Um
passeiozinho só e depois você volta etc”
Bem, o negócio da moça aqui é o seguinte: Ela está trabalhando
de dia e estudando à noite. Já não fica aqui comigo, como ficava
antes. Já existe uma separação de objetivos entre nós e ela já está
bastante consciente disso. Está procurando um apto. para alugar junto
com outras duas amigas. Não deve demorar muito.
Nós estamos em crise. Muito me dói, mas não há outro jeito.
Tenho também que ser paciente, para não jogá-la na vida nem na rua.
Ela não merece isso, espero que você entenda. Para mim está sendo
muito difícil. Um período torturante.
Tenho feito a coisa de forma mais suave possível, dando fôlego
para que ela crie ou renove energias para prosseguir sozinha.
Eu não tenho culpa. Nunca prometi nada e pelo contrário, fui

207
muito claro em definir a vinda dela aqui, como periódica, somente
para adaptação na cidade. Aliás, a proposta foi dela mesma. A
sugestão partiu dela mesma. Se ela se iludiu depois, não foi sem as
devidas advertências, que eu cansei de fazer.
Mas é uma boa amiga. Só me deu carinho e dedicação. Me
ajudou no trabalho e hoje faz jus a uma parte disso aqui (que ela
recusa, mas eu darei assim que vender).
Não existe a possibilidade de maltratá-la. Acho mesmo que nunca
passei por uma prova tão dura. Se fosse um cachorro já seria difícil.
Você não tem participação nisso, mas por outro lado, foi até bom
acontecer mais rápido. Ela também apressou as coisas quando começou
a interferir na minha vida sentimental e particular.
Agrava o fato dela estar sozinha aqui no Rio. Ela precisa ser
forte e eu preciso dar forças a ela. Ela tem fibra e vai vencer.
Acredito que no mais tardar em 30 dias eu estarei totalmente
disponível para recebê-la aqui.
Estamos arrumando nossas coisas, separando nossas roupas,
nossos papéis e fotografias etc.
Enquanto isso, vamos arrumando o nosso lado também. Temos
muito pela frente. Nada se consegue sem luta, sem esforço e sem
persistência.

Você diz: “Primeiro eu vou passar um fim de semana aí e minha


mãe vai saber e depois eu a convenço”
Pode me explicar melhor como você pretende fazer isso, e como?
Se antes ou depois dos 18 anos?
Se for depois, não precisa explicar. Se for antes eu gostaria de
saber sobre essa possibilidade.

208
A letra está melhor, realmente. Você só precisa decidir se faz ela
em pé ou inclinada. Porque, ora você escreve assim (que é bonitinho) e ora
você escreve assim (que também é bonitinho). Acontece que às
vezes você escreve assim e não dá para entender.
(você tem que se decidir !) Veja:

28/06
Esta noite sonhei com você. No sonho, a personagem parecia com
você. Não era bem seu rosto, mas era você mesma. Não me lembro
mais dos detalhes, mas foi um sonho bom, onde você estava bonita e
simpática, alegre e bem perto de mim. Tinha a sua graça e a sua
leveza. Aliás, essa é uma característica sua e da fada Sininho. Graça
e leveza. Quero você sempre assim. Não precisa se preocupar em ficar
dando passos de bailarina quando me encontrar. Essa característica já
é naturalmente sua. Basta ser você mesma (como você gosta)

29/06
Bem esclarecido: “Leveza” a que me refiro, não é no modo de
andar, mas no modo de ser: brandura, meiguice, mansidão, carinho ,
suavidade, docilidade, simpatia, pureza, alegria etc.

Vou fazer aquele engraçadinho virar pó

209
Até amanhã
”Light girl”
Um beijo gostoso
(Você está me devendo um)

Tony



São Paulo, 01/07/84

Está muito frio aqui. Dizem que é somente uma frente fria,
mas o inverno já está na hora de chegar e junto com ele está
chegando a depressão, a tristeza de se sentir só, a solidão de
dormir sozinha...
Tony, eu não tenho idade pra sentir tanta falta de alguém
assim, ou tenho?
É um sentimento bem maior que os outros, uma necessidade.
É como se faltasse alguma coisa em mim, algo grande que deixa
um espaço grande no meu peito.
Hoje chorei muito, não sei porque, mas chorei. Estava na
minha cama e ia começar a escrever para você, mas chorei tanto
que acabei adormecendo. Agora estou com os olhos inchados. Pensei
em você, quis por a culpa em você, por não estar aqui me vendo
chorar. Desejei tanto estar ao seu lado.
Quero ir embora daqui. Sei que sair de casa não é uma
aventura bonita e emocionante. Pode ser muito duro, difícil, como
também poderá ser bom e válido. Nunca o fiz, pois achei que não
estava preparada para enfrentar o mundo, sabendo que estava
longe de casa. O problema é comigo.
Poxa! Tudo tem um fim. Por que o meu fim não pode ser logo?
Eu sofro muito e não consigo me adaptar a nada. A culpa é
minha, o problema é comigo, eu sei. E é por isso mesmo que preciso

210
de ajuda.
Queria ver as coisas de outra forma. A vida, se realmente é
válida.
Eu não sei, Ton, mas você terá que tomar uma atitude por
mim.
Um beijo (que eu estou devendo)

(Sonhei com você esta noite.


Você xxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxxxx
xxxxxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxxxxxxx (censurado)

Eu estava escrevendo a carta a seguir e, no meio do caminho, eu recebi esta


acima que a Nádima enviou. Então passei a responder sobre o assunto que ela
destacava.
Essa situação que vivíamos estava me preocupando, e muito. Havia vários
aspectos importantes que precisavam ser cuidados.
O mais importante seria atender aos anseios e carências que a Nádima
desenvolvia.
Pode parecer coisa de adolescente, mas esse “sofrimento” é real. A pessoa sente
de fato esses distúrbios que ela reclamava. Não dar atenção a isso é uma insensatez.
Podem ocorrer conseqüências, que depois não adianta reclamar. E o que eu mais
temia é deixar longe e exposta, uma pessoa que eu muito desejava, com esse nível de
carência. Se eu demoro a resolver, de repente, outro resolve e aí, já era!...
Outra preocupação era que ela precipitasse as coisas, botando o pé na estrada.
Nem eu nem ela queríamos essa solução, mas o agravamento dessas tensões do amor
pode levar qualquer um à loucura, no mínimo a atos impensados sem medir
conseqüências.
Então, tinha que tomar uma atitude, como ela mesma sugeriu. Apressar essas
negociações, porque não ia dar para esperar mais de meio ano para resolver isso. E
quem disse que depois iria resolver?
Eu já vinha preocupado, mas essa carta acima me perturbou muito.

Rio 03 de julho de 1984


211
Mil beijos de saudades logo de chegada.
Estou pensando muito em como acomodar nossas coisas, do
melhor modo possível.
Baseio-me nas seguintes conclusões:
1 – Gostaria que você já estivesse aqui agora.
2 – Temos os seguintes entraves:
A garota que ainda mora aqui.
Seus 17 anos (que a impede de viajar).
Sua mãe que não concorda.
Minha situação financeira ainda indefinida.
3 – Todos esses entraves têm solução e estão sendo ou serão
solucionados, cada um no seu tempo. Não adianta correr para apressar
e resolver um, mal resolvido, se os outros ficaram pendentes, não é?
Como têm uns que levam mais tempo e dão mais trabalho para
serem resolvidos, é razão então que a gente vá logo cuidando deles.
A garota aqui, está em andamento. Tudo caminhando.
Sua idade, em último caso, só nos resta esperar. Uma pena muito
grande, porque eu queria você agora. Cada minuto é uma grande
perda.
Minha situação financeira, que não é bem financeira, mas envolve
transações financeiras, está se desenvolvendo muito lentamente. Tenho
estado ocupadíssimo, inventando e me mexendo, para ver se acho uma
brecha para escapar dessa rotina.

(acabei de receber a sua carta de inverno)

Estou inaugurando mais um serviço aqui na loja. O de


churrascaria. Você bem que poderia me ajudar.
212
Se não vendo, ou enquanto não vendo, vou melhorando e
desenvolvendo. Pelo menos, esse é o único caminho que eu vejo.
A sua mãe, é um obstáculo, embora não seja um problema
insolúvel.
Estou justamente pensando nela, bolando aqui, de que jeito seria
mais conveniente e prático , resolver o assunto com ela.
Estou pensando em lhe escrever uma carta, dando-lhe ciência do
problema, visto pelo nosso lado. Das conseqüências e das razões dela
se colocar contra nós, ou por simplesmente não facilitar os
acontecimentos. (Como é o nome dela?)
Talvez uma carta de preparação do espírito dela para que ela
possa refletir bem, antes de tomar uma posição impensada qualquer.

Recebi sua cartinha “de inverno”, como chamei.


Sei que você não gosta de escrever, aliás, nem de falar, mas
preciso delas também.
Não sou frio calculista. Sofro emoções e essa sua carta me deixou
angustiado.
Também não tenho passado bons momentos. Estou praticamente
sem mulher, e eu sou muito sensível e carente. Também me sinto só e
até já senti uma certa depressão, assim que começou esse inverno.
De qualquer forma, quero que você nunca esqueça: Se você
quiser vir de qualquer maneira, para o que der e vier, eu já disse que
seguro você aqui. Do jeito que for possível. Inclusive já houve época,
no carnaval, que eu ia buscá-la, está lembrada? Fosse para o que
fosse..

213
Uma coisa é certa. Eu estarei com você e você não estará sozinha
enfrentando um mundo estranho. VOCÊ É MINHA
MULHER e companheira, e será mais ainda, a partir do
momento que estiver ao meu lado.
Deve ser duro para uma menina, sair de casa em busca de uma
aventura sem pé nem cabeça, mas a situação aqui é bem diferente. Eu
tenho um lugar seguro, casa e comida abundante, trabalho, família e,
portanto, alguma solidez.
O nosso problema envolve mais uma situação política-social. É
não querer magoar ninguém aqui nem aí, nem A nem B. É não
querer magoar a nós mesmos.
Entretanto se a balança pesar mais pro lado da ação, estou
preparadíssimo para enfrentar qualquer situação, para ter você junto
de mim.
Quero o melhor para você. O que te faça mais feliz e menos
infeliz. Eu aconselho, planejo e dou sugestões. Você é quem decide,
você é quem sabe aonde a dor é maior. O que você resolver, eu topo.
Aliás, eu preveni a você, que depois de nos encontrarmos, seria
ainda mais difícil suportar a falta um do outro, porque ela seria uma
saudade viva e forte.
É muito chato dormir sozinha e é claro que você já tem idade
para sentir essa falta de alguém. Aliás, essa idade é significativa para
esse sentimento. Solidão é um fato, não é uma hipótese.
Só posso sugerir que você tenha calma. Eu estou com você nessa
angústia.
É muito ruim também dormir ao lado de uma garota que eu
recusei como “a mulher escolhida” e no entanto, ainda precisar dela
para suprir minhas carências afetivas e sexuais.
Uma garota que não vibra, mas só chora ao ser tocada. E que
214
agora, por exemplo, às 2 horas da manhã, está dormindo na minha
cama, que tem peito, bunda etc, enquanto eu estou aqui escrevendo
para você.
É claro que eu não toco mais nela, não é?
Fique calma. Você não tem problemas. Você sente como uma
mulher normal, a falta do seu homem que está distante.
E eu não só estou tomando uma atitude por você, mas tomando
várias atitudes ao mesmo tempo.
Xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
(censurado).

Te quero,
Tony

Bilhete datilografado:

SP. 05/07/84
Estou com saudades de você. Que tal você vir aqui
me ver de novo?
Te quero muito...
Sua
Na

Rio 9/07/84

Querida fada dos dias encantados de S.P.

215
Aguardo notícias suas com ansiedade, A quase 6 meses que você
não me escreve. Tente melhorar isso. Te adoro.
Estou com uma carta pronta para a sua mãe.
Vou enviá-la a você, aberta, para que você a leia antes e tome
ciência do que estou escrevendo a ela.
Se você estiver de acordo, feche o envelope e entregue-a. Se não
estiver de acordo, devolva-a ou guarde com você.
Aguardo o nome dela para endereçar a carta.

Estou com muitas saudades de você. A minha amiguinha aqui


está se mudando essa semana.
Sempre carece de providências e causam despesas extras essas
mudanças. É contrato, depósitos de aluguel, transporte, reparos,
compra de utensílios imprescindíveis etc.
Por enquanto, estou custeando, porque ela não recebeu sequer o 1
-º salário ainda.
Mas você já pode ir fazendo os seus planos de conhecer o Rio.
Pretendo dar uma geral por aqui, para ficar tudo ajeitado e você
não reparar muito. Já comprei umas tintas, mas ainda faltam outras
coisas.
Estou achando que depois de ler a minha carta, sua mãe vai
acabar concordando.
Só que terei que ir aí buscá-la e levá-la de volta. Aí, já viu... De
qualquer forma, estou otimista.
Ela vai querer me conhecer primeiro. Eu não terei outro jeito,
senão, concordar.
Se você conseguir o milagre de vir sozinha, será mais rápido. Mas
não tem importância. Sei que daremos um jeito. Não vejo a hora de
estar olhando você nos olhos de novo. E te abraçar com carinho, sentir

216
aquele perfume gostoso que vem de você. Sempre lembro como foi bom
abraçar você por trás, envolver o seu peito com minhas mãos e sentir
serenamente sua pele macia, seu corpinho quente, todo encostado no
meu...
Ah... xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxxxx (censurado) foi tão
excitante, que fico perturbado sempre que penso. Quero repetir mil
vezes.
Muito bom que você gostou, porque “vai cair a sopa no mel”.
Você foi feita por encomenda pra mim.
A única coisa que está errada é essa distância que ainda nos
impede de viver embolados por todo o dia.
Queria te pedir um favor. Não corte mais os ”meus” cabelos. Eu
acho lindo, cabelos grandes, na altura dos biquinhos dos seios. Por
pior e mal tratados que sejam, é preferível do que cortados. E os seus
(meus) são tão macios e sedosos, que é até uma ofensa, dizer que
cortou porque estavam feios.

Vamos andar logo com isso. Estou cheio de pressa. Quero você
aqui, logo!
Um montão de beijos.
Tony

São Paulo, 07/07/84

Querido amor,

Você nem imagina o prazer que me deu a sua carta,


principalmente no final, onde você escreveu coisas que me
excitaram. Juro que queria estar aí ouvindo e não lendo, todas
estas palavras.
217
Está tão difícil, mas eu não sei o que estou fazendo aqui,
procurando não sei o quê. Cada vez, esta falta de você fica maior.
Suas cartas me consolam um pouco, torna a angústia mais amena,
angústia de saber que você está distante e tendo outra dormindo
na sua cama. Não se preocupe, eu entendo. É que eu gostaria que
fosse eu. Também não acredito que você não a toque. Afinal, você é
um homem e respeito essa necessidade por causa disso.
Estou me guardando para você. Só você. Não tenho ninguém,
não encontro ninguém e nem procuro, porque sei que o homem que
quero existe sim e está a 6 horas de distância de mim.
A mais ou menos 2 anos atrás eu estava num salão de danças
em Guaianazes, dançando com um cara que nem lembro quem era.
Eu pensava em você, que você seria sim, o único a me tocar. Eu me
guardaria para ser sua, para saciar toda a sede que já sentia desde
criança. E eu descobri você numa brincadeira de correspondência,
pois realmente era uma brincadeira.
Senti medo de saber que poderia morar com você. Senti raiva
de ver que eu era muito criança para tomar uma atitude em
relação a um homem que eu sabia que iria conhecer um dia, mas
sabia também, que não seria logo, seria quando eu estivesse mais
preparada, como realmente aconteceu.
Eu tenho tanta coisa ainda e tenho tanta pressa, sinto estar
perdendo tempo.
Me sinto bem, quando está acontecendo alguma coisa, boa ou
ruim, mas é sempre válida.
Nas fotos que você me mandou, tem uma onde aparecem
várias pessoas e tem uma moreninha te abraçando por trás. Quem
é Ton? Quem são as pessoas que estão nessa foto?
O nome da minha mãe é Eurides. Eu ia mandar umas fotos
dela, mas só tem fotos de onde ela trabalha. Ela é segurança de
uma fábrica. Vou te mandar também fotos de minhas irmãs, a
Neuma , que é a caçula, e a Neide. Eu sou a mais velha das três,
mas a Neuma está mais alta e é bem bonita. Assim que eu tiver
fotos, eu mando. Nós nos damos bem. A Neide é mais compreensiva
e mais calma, porém ambas são legais, embora a gente brinque e
brigue muito. Elas sabem de você e apóiam. Aliás, todos sabem,
mas não conhecem tudo. Porém alguns criticam por acharem que
218
não conheço você para levar tão a sério. Outras acham um barato
e te acham um gatão nas fotos.
Mas de qualquer maneira, quando falo de você é sempre com
muito orgulho e muito amor.
Te quero muito e vou procurar não fazer as coisas errado. Vou
ter calma, mas queria que fosse eu a dormir na sua cama. Te
ajudar no seu trabalho, te apoiar nas suas decisões e participar de
todos os seus momentos, bons e ruins.
Te amar, correr pela praia (só se for de madrugada) com você
e ouvir a sua voz me acalmando e ajudando a entender o que eu
não entender a princípio..
Quero sonhar com você, aliás tenho sonhado muito com você.
VOCÊ.
Se eu estivesse agora com você faria você feliz? Vou me
esforçar, mas quero que você tenha paciência comigo.
Venha aqui,Tony, assim que você puder. Nós iremos mudar em
setembro. Será melhor, pois mudaremos para mais longe daqui.
Receberemos você mais à vontade.
Venceremos tudo o que mais precisar ser vencido. Ao seu lado,
estarei preparada.
Juizo, hem, garotão!
Tenho que aprender a chamar você de Alfredo. Prefiro
Tony,mas me conformo.
Vem logo! Quero te abraçar...
Quero ir até aí te ver!
Sr. Alfredo, cuide-se.

219
Não vou mandar um
milhão de beijos, porque a
carta poderá ficar muito
pesada, pois os meus beijos
são de toneladas. (brincadeira)
Beijão!

Rio, 10 de julho de 1984

Ah... garotinha!... Quase me mata asfixiado. Sua carta não


chega e eu vou definhando, morrendo que nem planta sem água, e
começo a fazer contas de chegar e cálculos estatísticos para me consolar
e tentar adivinhar que, sua carta chegaria hoje!
Pelos meus cálculos você me escreve em média um vez por
semana. Na maioria das vezes, na 2-ª feira. Ultimamente no domingo.
Algumas vezes na 6-ª, nunca aos sábados, de tal forma que, se não
escreveu na 6-ª eu poderei aguardar a carta chegando na 3-ª, porque
você me escreve no domingo ou na 2-ª. Só que, dessa vez, você escreveu
no sábado e colocaria no correio na 2-ª, portanto eu receberia na 3-ª.
De tal forma que:

Sab+ dom= (2-ª x 8 + dom x 4)2 x 6-ª x 7 =5


3-ª
=4-ª - 1 x 3/2 + (2-ª)2 x2 = 3-ª!!! Pode?

220
Se não chega na 3-ª então... acabo ficando maluco. Desse jeito
não dá. Vou aí.
Assim, já não estou trabalhando direito, nem pensando direito.
Sento, levanto, pego papel, caneta, guardo o papel, perco a caneta,
suo de nervoso, procuro envelopes, vou ao correio comprar selos acho a
caneta perco o papel. Começo a escrever na pior hora possível, paro 20
vezes por página, fico irritado, molha o papel, cai a caneta, o freguês
reclama a demora, eu estou concentrado pensando... Outro pergunta se
é carta, eu digo que é relatório, ele vem bisbilhotar, eu guardo o papel,
sento noutro lugar. Já não acho a caneta. Quando acho, está
falhando. O bico amassou, vou procurar outra caneta, a empregada
me chama, o papel voa da mesa...
Finalmente o carteiro chega. Traz carta sua. Eu largo a
caipirinha do freguês pela metade. Ele reclama, eu mando a
empregada terminar. Digo que preciso ir ao banheiro, mas levo a
carta para dentro. Driblo todo mundo, volto com a carta no bolso,
começo a ler. Quem olha pensa que é a primeira vez, m,as já é a
terceira! Começo a rir sozinho. Respiro fundo. Penso em você. Tudo
bem... Você está bem, está tudo bem...
Finalmente começo a escrever sua carta, às vezes levando o dia
todo. Às vezes entrando pelas madrugadas. Às vezes me levanto de
madrugada para terminá-las.
É... realmente dá um trabalhão escrever uma longa carta. Às
vezes tão longa que quando releio para conferir, não consigo fazê-lo de
uma vez só, sem ser interrompido.
Eu já estou acostumado. Você não. Seu sacrifício deve ser maior.
Obrigado.
Pode estar certa que vale a pena. Eu a recebo com tanta
ansiedade, tanto carinho, tanta alegria, tanta euforia, que se não
221
chega em tempo, posso ter um colapso.
Quero saber logo as notícias, quero saber logo de você.
Abro sua carta e está escrito “Querido amor”.
Que bom!... Respiro fundo e alivio minhas tensões.
Agora me dá licença, que eu vou ler de novo para te responder:

Vou aí logo. Vou aí breve. Quero aproveitar para falar com a


sua mãe. Estou anexando a carta dela nesta aqui. Leia primeiro. Se
você não tiver objeções, feche o envelope e entregue a ela.
Logo em seguida eu vou aí de novo.
Dê-me logo as dicas. Vamos “bolar” alguma coisa.Pense
direitinho. Vou passar o dia aí, com você. Quem sabe, a noite...

Mulher, não tem só sexto sentido, como tem sétimo e oitavo.


A moreninha que está me abraçando na foto é a Carmelita.
Minha amiguinha há 2 anos.
A loira que está ao meu lado é a irmã do meio. A outra, de azul,
é a irmã caçula e o neném é dela. O rapaz moreno é cunhado. Os
outros são tios, mãe e cunhada. O garoto é sobrinho.

É, o pessoal não leva a sério esse negócio de correspondência, mas


a cada dia, o sistema se fixa mais, como veículo prático de se conhecer
pessoas.
Tenha calma. Logo você estará dormindo junto comigo. Mas não
fique muito eufórica – eu ronco de noite – Só um pouquinho.
222
Quero você atuante junto de mim. Ao contrário de “muita gente”
eu tenho muita fé em você. Acredito em você em qualquer área. Quero
você ao meu lado também nos momentos maus, porque você me ajudará
muito neles. Quando voltarmos aos momentos bons, a vitória será
nossa.
Correr pela praia, precisa ser de madrugada? Então vamos
correr pelados!
Na se preocupe. Você vai me fazer feliz. Eu sinto isso muito
profundamente. Mas quero que você seja também. A minha felicidade
sempre estará dependente da sua. Terei muita paciência com você, não
precisa se preocupar.

Chame como você quiser. Desde que seja com carinho. Alfredo,
Ton, Tony,PP, tanto faz.

Não creio que vá agüentar até setembro para ir aí. Vou logo.
Espero que você não esteja nem de longe, preocupada que eu vá
reparar qualquer coisa., ah?... Já disse a você que sou um cara
simples, sem frescuras de qualquer espécie. Dou o maior valor às
pessoas pelo que elas são, nunca pelos artefatos materiais que as
envolvem.
Já aprendi que essas coisas vêm e vão. O que fica, são os valores
humanos, certo? Eu, ainda por cima, não estou em condições de
reparar nada, mas sim de ser reparado.
Quanto mais simples vocês forem, melhor eu me sentirei entre
vocês. Transmita isso bem transmitido a todos aí..

Vou te buscar.

223
Tony

Carta anexa enviada para a mãe da Nádima:

Rio de Janeiro 11 de julho de 1984

Prezada Eurides

Meu nome é Alfredo, e conheci a Nádima através de uma


despretensiosa correspondência há mais de 2 anos atrás, quando ela
ainda tinha 15 anos.
Eu procurava, já nessa época, uma garota, uma pessoa em
especial, com certas características que me agradassem, para tentar um
relacionamento amoroso responsável e sólido.
Tudo nela me encantou, como não poderia deixar de ser, e
principalmente o fato de ser correspondido com grande intensidade.
Reparamos através das cartas, quantas coisas tínhamos em
comum, quantas coisas tínhamos um, que completava o outro e, através
de fotografias e confidências, fomos nos aproximando, e cada vez mais,
enraizando esse sentimento simples, bonito e autêntico que nos une.
Em princípio, eu sou bem mais velho do que ela, fato que ela
aprecia, assim como ela é uma criança para mim,detalhe importante,
que muito me satisfaz.
Soube que o pai dela é ausente, assim como eu não tenho uma
filha (tenho dois filhos, 9 e 10 anos, da minha 1-ª mulher).
De certa forma, até nisso nos completamos, porque além de tudo,
eu adoraria cuidar dela com o mesmo carinho que dedicaria a uma
filha, e ela teria em mim, um homem que lhe daria o apoio e a
segurança que lhe deveria dar um pai.
224
Já estive em S.P. para conhecê-la pessoalmente e tirar qualquer
espécie de dúvida que ainda existisse.
A conclusão é que, nos gostamos imensamente, nos completamos e
pretendemos, além de que precisamos nos unir, com a máxima urgência
possível.
Ela tem 17 anos e portanto, está ainda sob sua tutela. Acima de
tudo, é sua amiga e lhe tem grande consideração. Não queria, como eu
da mesma forma, desagradá-la, aborrecê-la, decepcioná-la nem
entristecê-la.
Queremos a sua amizade, queremos o seu apoio, queremos você do
nosso lado.
Diante de si, em relação à Nádima, eu não sou ninguém, mas
obedecendo a ordem natural das coisas e conforme a própria natureza
do ser humano, sua filha precisa ter alguém. Ela vê em mim esse
alguém, que a completa. Ela terá esse alguém, seja eu ou qualquer
outro, mas não subestime a capacidade de amar da sua filha.
(capacidade de evoluir).
Então, se você a quer feliz, eu também quero.
Se nós estivermos aliados nisso, estaremos garantindo que suas
chances serão bem maiores.
Se você quer a sua proteção, eu quero protegê-la. Se nós
estivermos do mesmo lado, ela terá dupla proteção.
Se você quer a sua segurança, eu, além de querer “segurá-la”,
quero assegurar que ela estará segura comigo. Se nós estivermos
juntos, ela estará muito mais segura.
E no entanto, por falta de bom senso, excesso de zelo ou medo de
errar, você puxá-la para aí, enquanto eu puxo-a para cá, ela ficará
dividida e tudo o mais do interesse dela estará prejudicado.
Principalmente ela própria.
225
O destino nos uniu, o amor nos enraizou, como uma planta se une
ao solo.
Separar-nos agora, seria como arrancar uma planta do solo.
Eu pretendo trazê-la para o Rio, para viver comigo. Não sou
rico, mas me sustento. Quero dar-lhe o estudo que faltou, a chance de
ser alguém independente e auto-suficiente.
Ela quer vir, acima de tudo. Está por demais ansiosa e está
sendo difícil controlá-la.
Se eu e você estivermos em harmonia e você for capaz de entender
e compreender as necessidades dela, permitirá que ela tenha livre acesso
a mim, mantendo suas portas abertas atrás dela. Assim, ela poderá vir
e voltar, você poderá vir e voltar, eu poderei ir e voltar e nós nos
seremos amigos e unidos com um só objetivo, que é a felicidade de
todos.
Gostaria que você autorizasse a Nádima a viajar até aqui, para
que ela aliviasse um pouco suas tensões, se sentisse mais livre e segura.
Ela comigo estará bem, isso eu posso garantir.
Pretendo visitá-la se assim você permitir, para conversarmos sobre
o assunto, mas quero que você perceba, antes de tudo, a urgência do
fato: A Nádima vir, para voltar e com o seu consentimento expresso.
Ou ela acabará vindo, para não voltar, contrariando a todos, inclusive
a mim, mas virá. Ela está muito tensa e deprimida. Precisa urgente
do seu apoio. Apoio na sua liberdade, para ela não ter que arrebentar
os elos da amizade que sempre teve com você.
Ela precisa dessa liberdade consentida, urgentemente.
Não tente mascará-la eternamente como criança. Ela já não está
aceitando isso e já não é mais criança, pelo contrário, uma linda
mulher. Mas forçá-la a ser criança, não lhe dando o devido crédito que
ela faz jus, como um ser humano (adulto) e inteligente, boicotando-lhe
226
o direito de pensar, agir e dirigir a sua própria vida, acabará por
mutilá-la mentalmente.
Ela já é adulta, raciocina melhor que muito adulto. É mais
inteligente e mais capaz do que muitos outros adultos, com o dobro da
sua idade. Mas tem muita insegurança. Medo de errar, como todos nós
erramos, por causa dos terríveis fantasmas que puseram diante dela.
Como se dissesse a uma criança: -“ não entre nesse quarto, pois aí
tem um dragão terrível.”
Aquele dragão,acaba se transformando, a partir do medo, da
incerteza, da preocupação nele, em um dragão de verdade.
A Nádima precisa ser liberada para fazer o que ela quiser. Certo
ou errado, ela precisa se manifestar livremente. Agir. Cuidar de si
mesma. Deve ter respeitadas as suas vontades, seus anseios, seus
desejos.
Precisa entender que houve exageros, nos dragões que pintaram
para ela – o mundo cá fora – e que ela é capaz de lutar e vencer.

Imagino que a sua responsabilidade seja dobrada, por causa do


seu ex-marido. Fatalmente ele irá lhe cobrar com juros, cada erro, na
educação e na guarda dela. Isso, no entanto, é um problema de vocês
e que não deve ser repassado a ela.
Para que não lhe aconteça nada, você criou uma redoma de
proteção em torno dela. Mas com isso, não lhe ensinou a enfrentar o
mundo. Eu gostaria de começar isso. O quanto antes.
Dê um jeitinho. Libere-a por favor , com todo o seu apoio. Aos
poucos que seja.
Aproveite para fazer isso agora, porque depois dos 18 anos, ela
já não precisará da sua concordância para nada. Já não haverá mais
227
como consertar os erros cometidos. Já não haverá mais a oportunidade
de lhe conceder, dar, essa liberdade, como uma benção, uma
demonstração de amizade, confiança e compreensão, porque ela terá
conquistado essa liberdade pela força da lei.
Dê-lhe esse presente. Confie nela. Confie em mim.
Será duro e irreparável, amanhã, escutar da própria filha: -
“Minha mãe nunca confiou em mim; Minha mãe sempre me julgou
incapaz, estúpida e irresponsável.”
Fique do nosso lado e seja nossa amiga, minha amiga. Essa é a
melhor oportunidade.
Depois dos 18 anos, ninguém acreditará que você estará lhe
dando essa liberdade, de pensamento e de ação, porque ela a terá por
si só.
Eu gostaria de trazer a Nádima para passear aqui no RJ.
Para um fim de semana, ou mais. Ela precisa olhar tudo por aqui,
analisar e ver o que está bom ou não. Isso, o quanto antes.
Ela precisa do seu consentimento para isso. Ela gostaria de ter o
seu consentimento para isso. Ela prefere fazer as coisas de comum
acordo com você. Como amiga, como aliada, como confidente.
Eu imagino os sacrifícios que você fez para criar e educar suas
crianças. Eu acredito no heroísmo que você teve. Mas o encargo era (é)
muito grande e você supriu por um lado, mas não conseguiu tudo.
Faltou mais tempo, mais diálogo, menos medo.
Sua filha está se distanciando há muito tempo de você. Não por
ingratidão, mas por diferenças de conceitos. Por intransigência sua,
por radicalismo e por medo dela não ser feliz. Quanto mais você a
aprisiona nessa redoma de proteção, mais ela se distancia, por
necessidade de ser alguém.
Eu era um estranho, mas confidente dela, quando essa confidente,
228
deveria ser você. Isso prova a distância que você tem dela.
Tente consertar isso. Seja mais ”colega” dela e menos “dona”.
Dê-lhe a liberdade que ela precisa agora e você terá sua filha
para sempre.
Seja uma mãe legal e ganhe mais um amigo.
Lembre-se que os tempos mudaram e com isso, os costumes e muita
coisa mais. Até a mim, que me julgo atualizado, às vezes surpreende.
Breve irei visitá-la (se for convidado)
Espero que sejamos bons amigos. Temos quase a mesma idade.

Saudações.
Alfredo
As cartas se inter-cruzaram nas datas. Ou seja, por exemplo, a carta que está a
seguir, chegou logo após eu ter enviada a que está acima e foi escrita antes dela, mas
chegou depois. Enquanto eu vou responder a de baixo, a Nádima vai receber a de
cima. Por isso estão arrumadas em ordem de leitura, não de data. Ainda assim, os
assuntos ficam cruzados. Eu já escrevi na anterior, dando uma solução para o
problema X, enquanto chega uma dela me cobrando a solução do mesmo problema
X.
Estava difícil segurar a ansiedade da Nádima. Não seria nada bom que ela
precipitando as coisas, fizesse algo, depois, difícil de consertar. Ela já pensava até em
sair de casa para qualquer lugar. Isso só agravaria o problema e acabaria sobrando pra
mim. Iriam me culpar, certamente.
Eu enviava as cartas para acalmá-la, cada vez mais rápido. Eu escrevia o dia
todo e todo dia. As cartas eram o que a seguravam quieta, mas a ansiedade
continuava num crescente cada vez pior. É coisa da natureza, o que se pode fazer? A
mulher foi feita para ter um homem e viver com ele, vice-versa. Quando isso não
acontece, a carência domina e desespera.

São Paulo, 09/07/84

Querido Tony

Eu já não sei mais o que fazer aqui. Preciso ver você, preciso
que você venha. Tony, por favor, venha assim que puder.

229
Não posso mais ficar em casa. Quero sair daqui. Sinto muito
pela minha mãe. Ela é muito nervosa e vai fazer uma guerra para
impedir. Vai dizer que eu estou errada, que eu não presto, que
penso que a vida é uma brincadeira.
Só eu sei o que estou passando. Sei que será duro, será difícil a
vida só. Mas acredito que se for diferente daqui, não será pior. Não
posso mais conviver aqui. Há tanta coisa errada e eu não aceito.
Primeiro é a casa pobre, pequena, sem conforto e eu sei que
temos condições para algo melhor.
Não estou exigindo muito, Tony, mas quero um pouco mais de
conforto, um lugar melhor.
Quando eu for com você, não quero exigir de você, luxo, mas
espero que você me dê algo melhor do que aqui, pois do contrário
eu não serei feliz, como não sou agora.
E não é só isso que me afasta de todos aqui. É tudo mais. A
falta de união, a falta de amizade etc.
Não dá mais! Já está provado e comprovado. O difícil será
fazer a minha mãe entender e aceitar isso tudo. Ela quer nos
prender a ela. Só que não percebeu que já me perdeu há muito
tempo.
Sempre tentei ajudá-la e, muitas vezes, por me entender
errado me machucou profundamente. Isso fez com que eu não
desse tanto valor a mim, e a ela também. A falta de compreensão,
principalmente vindo dela, foi acabando com o amor que eu sentia.
Não quero culpá-la de nada. Afinal, ela nos criou praticamente só,
fez tudo por nós. Mas acontece que preciso ser um pouco mais
independente.
Tenho que ficar trabalhando aqui até outubro, pois tenho umas
contas a pagar e não posso abandonar isso tudo agora. Depois
poderei ir embora com você numa boa.
Durante esse meio tempo eu pretendo ir para uma casa que
fica na mesma rua que trabalho, onde alugam vagas para moças.
Pretendo ir lá ver como é, e quanto é.
Mas se eu sair de casa agora, as coisas vão ficar difíceis, pois
será difícil eu e você conquistarmos a confiança da minha mãe e
fazer com que ela me deixe viajar numa boa e sem ressentimentos,
pois até aí, ela já não vai querer me ver na sua frente.
230
Preciso de você, agora. Quando você virá?
Estou confusa, não sei o que fazer, não quero ficar aqui, tenho
medo de sair e brigar com todos e com ela.
Quero você perto de mim.
Você promete que não será pior?
O que você achar melhor, eu farei.
Queria ir aí, mas não tenho dinheiro agora.

Você não imagina o quanto


é difícil estar sem você, depois
de eu ter te conhecido.

Um beijo quente
E cheio de carinho.

Nádima.

(Diz para eu ter paciência, Tony.


Acalma o meu coração, me faz sentir
que você está comigo)

Te quero.

Rio, 12 de julho de 1984

Meu amorzinho do coração...


Criança da minha vida...
Doçura deliciosa...
231
Te quero muito... Tenha calma...
Você tem que se descontrair um pouco e o mesmo tempo ser forte e
enfrentar os problemas (sua mãe) de frente.
Nada mais, ou demais vai acontecer. Eu estou com você e te
dando essa força.
Vamos tentar usar o bom senso e ser racionais, mas não vamos ser
covardes.
Você já tem condições de exigir, e exigir muita coisa!

VOCÊ NÃO É PROPRIEDADE DA SUA MÃE!

Você trabalha e se sustenta quase que totalmente. Você tem


direito de fazer da sua vida o que quiser e bem entender.
Você não deve satisfações dos seus particulares a ela.
Se ela quiser ficar com você em casa, tem que ser nas suas
condições. Se ela não aceitar, então que te solte, que te largue para
você cuidar da sua vida. (Eu pego).
Eu, INFELIZMENTE, não posso fazer nada por
lei. Nem essa carta poderia estar te escrevendo. Estou passivo de ser
processado por corrupção de menor, indução de menor ao abandono de
lar, sedução de menor etc, ect, e um monte de artigos e um monte de
outras merdas semelhantes, entre as quais me dariam simplesmente uns
3 anos de cadeia. E eu não estou brincando.
É melhor até, você pegar essas cartas todas, colocar num
envelopão e me enviar pelo correio, antes que dê alguma merda
irreparável por aí.
Prefiro muito mais te esperar 6 meses, do que você me esperar 3
anos.

232
Eu não posso fazer nada, e você pode muito pouco.
Se você sair de casa e vier para cá, eu por lei, devo entregá-la ao
juizado de menores. Se ficar com você, estarei incluso nos crimes
previstos acima e, fatalmente irei em “cana”. Sua mãe não vai dar
moleza.
Você não poderá ir a lugar nenhum com 17 anos. Nem alugar
vaga, nem quarto.
Você só poderá fugir, e fugir sem destino.
Tenha calma e não precipite as coisas agora, para se arrepender
depois.
Lembre-se; Você tem 17 anos apenas. Uma vida inteira pela
frente. Seis meses para a sua liberdade total.
Pense num prisioneiro, a quem só restam 6 meses de pena para
cumprir, tentar uma fuga e até matar um guarda por causa disso. É
estupidez.
Se não resolvermos nada até o dia do seu aniversário (mais uma
vez, qual é?) eu estarei na sua porta te esperando para viajar comigo
nesse dia.
No entanto, antes disso, vamos tentar alguma coisa para
amenizar.
Não vamos ficar parados, apenas lamentando a vida passar.
Cada minuto para mim,é importante. Quero você agora, desde a sua
adolescência, já que não pôde ser antes ainda.
De preferência, debaixo de sorrisos gerais.
Só uma história:
Minha primeira mulher fugiu da casa dela para o meu apto,,
quando tinha 15 anos.
A primeira vez, eu a convenci a voltar. Na segunda, não teve
233
jeito. E nós já estávamos noivos e ela já era mulher para mim,
enquanto mantínhamos encontros furtivos. Não havia motivos fortes
para ela fazer isso.
Eu pedi-lhe que esperasse até ao menos completar 16 anos,
quando poderíamos nos casar, mesmo sem o consentimento dos pais
dela. O consentimento seria dado por um juiz. Mas não adiantou.
Quinze dias antes do nosso casamento, já marcado na pretoria, eu fui
obrigado a me casar, por um processo judicial, que teve inclusive exame
de corpos de delitos do Instituto Médico Legal. Ou então, eu pegaria
3 anos de cadeia.
Resultado: Ficou “constando” por muito tempo que eu casei
forçado, obrigado pelo pai da “donzela estuprada”.
Já imaginou o ódio que isso me deu?
Toda a beleza e espontaneidade do meu casamento foram
substituídas por um processo judicial. Tem graça?
Quero viver com você numa boa. Me dedicar a você numa boa.
Não quero ser “obrigado” a me casar de novo na polícia.
Errar é humano. Insistir no erro é burrice. Quero dar tudo a você.
Não quero ser obrigado a nada.

Eu já escrevi à sua mãe. Você leu.


Tenha coragem. Entregue a carta a ela. Ela vai querer saber
“quem foi”. Vai querer saber se fui eu. Você simplesmente não diga.
É um direito seu – LEGAL . Só interessa a você.
Eu vou aí e acalmo tudo. Vou logo. Só falta ela ler a carta,
dar um tempo para ela explodir e raciocinar de novo.
Você agüenta firme. Acredite em mim. Pense em mim, use a
minha força. Eu estarei com você.
234
13/07
Tenho más novidades. Isso aconteceu ontem.
A minha “amiguinha” aqui, desistiu de procurar outro lugar
para ela. Disse que “pretende ficar aqui mesmo, até que eu venda a
loja”. Disse que “tem direitos adquiridos e que não vai dar de mão
beijada o lugar dela para outra”.
Bem, eu nem sequer pensei profundamente no assunto. Deixei
para fazer isso agora, enquanto escrevo.
Em 1-º, não foi esse o nosso trato, e sim que ela iria seguir a vida
dela sem mim.
2-º , que também não estava em nossos planos, ela ter influído
tanto na minha vida, digo, profissionalmente.
3-º, eu não vou negar os direitos dela, como de fato adquiridos.
Eu não preciso de papel escrito para reconhecer isso.

Entretanto, fiquei embaraçado, sem saber exatamente como agir.


Não quero ser injusto, não quero maltratar ninguém, não quero ser
covarde com uma pessoa mais fraca, não quero ser ingrato com uma
pessoa amiga, mas quero seguir o meu caminho e viver a minha vida,
do jeito que eu achar melhor para mim.
Por outro lado, estive pensando que aqui, realmente não seria um
lugar legal para trazer você. Se bem que seria o lugar de emergência.
O mais rápido, o menos problemático.
É um lugar que eu já tenho e não é tão mau assim, mas não
como você quer.
Bem, deixando essa opção de lado e supondo que ela queira
realmente ficar aqui, eu terei que arranjar outro lugar para mim,
melhor dizendo, para nós.

235
Estive pensando que, depois que você estivesse aqui comigo, e
trabalhando, fosse onde fosse, ou mesmo comigo, poderíamos alugar
um aptozinho para nós.
Cheguei a te falar isso.
Para eu alugar sozinho, ficaria pesado, pois já tenho os encargos
da loja. Então penso que alugarei um quarto independente e razoável,
até que você venha e se instale nele comigo.
Provisoriamente, dormiremos nele e viveremos do jeito que for
possível.
As seguintes coisas poderão se seguir:

A) Você, ao arranjar um emprego por aqui, já poderia ajudar a


pagar um aluguel melhor. Num lugar melhor.

B) Eu, ao vender a loja, resolverei todos esses problemas e você


trabalhará comigo em um próximo negócio qualquer. (É apenas uma
opção, como ficar em casa e terminar os estudos também é.)

C) A tal idéia da churrascaria vai indo bem e pode ser também


que, enquanto e não vender isso aqui, possa aumentar bastante os
nossos rendimentos, suficiente para até mesmo, resolver o problema
parcialmente, alugando um apartamento melhorzinho para nós.
Me preocupa apenas o momento presente e o fato de você precisar
vir com uma certa urgência.
Minhas providências definitivas ficarão mais na dependência das
suas necessidades e desejos. Não seria lógico eu alugar uma coisa
qualquer, para um fim de semana apenas. Isso a gente dá outro jeito.

15/07
236
Vamos ter que “começar do princípio”.
Entenda bem. Eu não sou um duro. Mas montar um apto da
cabeça aos pés e ainda pagando aluguel, não é uma façanha
corriqueira.
Eu, atualmente tenho procurado, quando possível, fazer
investimentos para a própria loja, que precisa de muita coisa.
Estando junto com você, pra mim está tudo bem. A gente arranja
um lugar limpinho que já dá para começar. Depois é ir colocando as
peças no lugar.
O mundo dá muitas voltas e nós vamos nelas.
Eu sou um cara que gosto da vida. Gosto de passear e me
divertir. Gosto de viver com descontração. Seja do jeito que for,
dificilmente você não se dará bem ao meu lado.
Entregue a minha carta à sua mãe. Deixe o “circo pegar fogo”.
Pra todos os efeitos, você não sabe o que está escrito.
Tome coragem e vença essa barreira.
Logo depois eu vou aí. Vejo você e depois vou falar com ela. Não
vou fazer uma visita social. Vou falar com ela para pressioná-la a
ceder ao bom senso. Tirar as máscaras, ver a vida de frente.
Você tem a minha garantia de que não vai ficar pior. Tente
negociar uma vinda sua até aqui para ver as coisas.
Um fim de semana já estaria bom.
Em último caso, minha querida, eu “forço a barra” de todo jeito,
doa a quem doer, mas fico com você do jeito que tiver que ficar, mas
fico.
Vou parar por aqui, para continuar em outra carta. Quero que
essa chegue às suas mãos no máximo 3-ª feira.

Te adoro (mesmo!)
237
A. Bernacchi
vulgo Alfredo

Obrigado pelos selos.


Os garotos adoraram!

Existe referência sobre uma carta de Nádima para Tony, nesta data, que não foi
encontrada.

Rio 17 de julho 84

Querida garota

São 9:30 h (da manhã mesmo) e eu estou aguardando sua carta


hoje.
Sempre muito preocupado com você.
Sei que não vou conseguir escrever muito hoje, por causa dos
afazeres, mas de qualquer forma vou iniciando.
Estou com os meus dois filhos aqui, até 5 -ª feira. (hoje é terça).
Eles estão de férias.
Estão me dando um trabalhão, pois a fase é muito difícil. Acho
que a mãe deles andou relaxando um pouco no rigor do controle sobre
eles.
Estão grandes e arteiros, e o pior: eu chamo a atenção deles, mas
o efeito é só momentâneo.
Estão chegando a uma idade em que devem, ter respeitadas suas

238
opiniões e vontades. Já não posso dar uns “tabefes” neles, porque se
ofenderiam muito e, colocá-los de castigo, em pé com a cara pra
parede, por exemplo,torna-se muito humilhante e não corresponde em
gravidade, às faltas que eles cometem.
O difícil é fazê-los parar, sossegar, ficarem quietos um pouco. Não
é uma falta, algo passivo de punição. É apenas arte e mais arte. São
incríveis e não sossegam de jeito nenhum. Eles precisam de espaço,
atenção especial, lugares amplos para correrem e pularem e gritarem
etc. Puxa! Não é mole!

Fique “fria” que eu vou aí. Tenha calma.


E não venha com essa de que já faz 6 meses que eu fui aí. Não
completaram nem 2 meses ainda. Embora possam parecer 2 anos...
Eu vou, mas quero aproveitar para falar logo com a sua mãe.
Se você não teve ainda coragem de entregar aquela carta a ela, ela
vai fazer muito charminho para soltar você nos meus braços.
Cheguei a levar um susto com aquela sua frase: “estou
esperando...”
Logo depois lamentei que não fosse verdade. Também não
poderia, não é minha filha!... Pensas que sou doido? Se “pintar”
filho por aí, podes crer, deve ser de algum sócio meu... Ah!...
Olhe, sua danada, você disse que está se guardando para mim,
não é? E eu estou acreditando em você. Guardando todinha ou só
metade? Apesar de saber por “fonte limpa” que você andou me
contando umas mentirinhas “pouco significativas”, não é?!...
Pois fique sabendo que eu não “engoli” todas não, viu? Vou aí te
dar umas palmadas, mas antes vou colocá-la num banquinho para
dar altura. Hum!...
Sabe que você é um amor? Linda, muito linda. Peça rara, coisa

239
fofa. Quero te pegar deitada num abraço e te envolver toda, bem
apertadinha. Colocar o meu peso todo sobre você, para você se sentir
bem protegida, bem amada. Você não sabe o quanto eu quero fazer
isso, fechar os olhos e deixar o tempo passar. De preferência ao som de
uma boa música.
Mas quando eu for aí, de qualquer modo vou te abraçar e beijar
muito. “Se vira” pra arranjar um lugar bem escuro por aí. Isso é
coisa que ninguém vai impedir de acontecer.

Quer um conselho? (vou cobrar, hem!) Acabe logo com esses


segredinhos por aí, e abra o jogo de uma vez com sua mãe. Se ela
entender, entendeu. Se não entender, você agüenta firme. De qualquer
forma você vai acabar nos meus braços.
Por bem ou por mal.
A letra está melhor sim, quem disse que não? É só pegar uma
das suas primeiras cartas e comparar com as últimas.

Eu não tenho medo de nada e, você ao meu lado, não deverá ter
também.
Imagino o quanto deve ser difícil pra você fazer essa
independência psicológica da sua mãe. É uma questão de educação.
Você foi educada para ser dependente psicológica dela, Você tem que
se rebelar contra isso.
Você é um ser humano completo, inteligente e perfeito, do sexo
feminino. Não precisa ser dependente psicológica de ninguém. Só se
você fosse uma doente mental e dependesse de analista para cada passo
da sua vida.
Que você tenha amor e consideração pela sua mãe, está bem.
Medo, não! Não mesmo! Você não precisa ter medo de ninguém!

240
Você ganhou em mim um amigo, matreiro, experiente, inteligente
e forte. Eu estou com você. Você é minha mulher. Vai, a partir de
muito breve viver comigo toda a sua vida, ter filhos comigo constituir
uma família ao meu lado. Eu sou seu protetor.
Se ainda tenho limitações são por causa da sua idade, mas dentro
de seis meses, NINGUÉM, NADA, me separa mais de
você. E se você está comigo, terá a força de um leão, a astúcia de um
tigre, a rapidez de uma águia e o veneno de uma cobra. Faltou a
esperteza de uma raposa! Ah!...
Quem se atreverá a ofendê-la? Quem?!

Ih... O carteiro está demorando... São quase 11 horas!

Capítulo especial:
Reparei que você está muito preocupada com relação ao conforto
mínimo para sua sobrevivência.
Reclamou da sua casa que é “pobre e pequena”, e me pede algo
melhor, “pois do contrário não será feliz”.
Bem, em partes:

Primeiro; eu não sei bem o que você chama de pobre, pequena e


sem conforto. Teria que ir aí para avaliar melhor.
Segundo; a vida, o destino, ou sei lá mais o que, não fez de você
uma menina rica de nascença. Rica de dinheiro. Não vamos levar em
conta outras riquezas que você possui.
Riqueza ou, digamos, uma vida financeira estável, é algo que
todos nós almejamos. Assim como beleza, saúde, inteligência etc. Tudo
nos satisfaz e nos faz felizes.
Entretanto o Brasil tem 150 milhões de habitantes:

241
100 milhões estão na maior pobreza com a grande maioria em
miséria absoluta, Morrendo de fome mesmo!
30 milhões vivem remediadamente. A maioria nas grandes
cidades, com um padrão de incessante luta e trabalho. São operários,
bancários, motoristas, auxiliares, soldados etc
20 milhões vivem num nível de conforto e socialmente muito
desejável. Concentram-se em sua maioria nas principais capitais do
país como Rio, S.P. , BH etc. São, geralmente, profissionais
formados e em atividade. Médicos,engenheiros, empresários, diretores,
políticos, advogados, economistas etc.(inclui-se as famílias deles nesses
milhões). Uns poucos podemos considerar privilegiados. Geralmente
grandes proprietários de indústrias e terras, que possuem fortunas e
bens herdados desde a época da colonização portuguesa.
É difícil para o cidadão mudar de uma faixa dessas para outra.
Mesmo roubando é difícil.
Os meus ascendentes eram italianos e espanhóis que devem ter
vindo cá para o Brasil em condições humildes, melhorando de geração
em geração. Meus pais já conseguiram ter algum estudo e alguns dos
meus irmãos já conseguiram se formar. Os meus filhos já devem
conseguir também e os filhos deles, com certeza.
Mas tanto eu, como você, como ninguém, tem culpa dos nossos
antepassados terem sido duros. E por isso, nós, eu , você etc vivemos no
sacrifício do trabalho, tentando progredir e melhorar as coisas para os
nossos descendentes, nossos filhos.
Eu fui o filho mais velho do meu pai. Peguei ainda a época de
muitos sacrifícios dele. Quando já era rapaz, tive que deixar os estudos
para ajudá-lo. Ajudar a sustentar os meus outros 4 irmãos. Vivi no
sacrifício, me esforçando, mas sou inteligente. Consegui muito
progresso na vida.
242
Com apenas o ginásio, cheguei a ter uma empresa de engenharia
e construção minha. Só minha.
Morava num bonito apartamento de cobertura com uma varanda
que era só um jardim.
Só as plantas, quando vendi, renderam o que equivaleria a 5
vezes o valor do aluguel do apartamento (+ - um milhão e meio hoje)
Tinha tudo da melhor qualidade, dois filhos bonitos e saudáveis.
3 carros.
No entanto, quando me casei, era motorista de táxi com carro
próprio e até ganhava bem, mas o meu ex-sogro que era militar,
proibiu a filha de me namorar.
Fui obrigado a vender o carro zero km, entregar o apto e até
devolver alguns moveis que já tinha comprado quando recém casado
ainda. Fui morar num quarto e depois noutro quarto melhor etc.
Vendi o carro para ajudar o meu pai a pagar dívidas num banco,
de um negócio que, se desse certo me beneficiaria também. Mas não
deu.
Arranjei um emprego ganhando 5 x menos.

Nem por isso fui infeliz, nem por isso a minha ex-mulher se sentiu
infeliz ao meu lado (embora detestasse o meu pai).
Com o tempo, cheguei aonde cheguei, numa boa.
A própria mulher que ajudou a construir, destruiu tudo e quase
me destruiu. Sabe por quê? Começou a forçar muito a elevação do
nosso nível social, cada vez gastando mais, cada vez querendo melhor,
cada vez forçando mais compromissos, forçando, forçando e eu, sem
fazer lastro, sem comprar um imóvel, só me arrebentando de trabalhar,
de pensar e de assumir compromissos, cada vez mais difíceis e
arriscados.

243
Resultado: Fiquei doente, com stress, estafa. Fechei a firma e
fiquei dois anos em recuperação. Mas ela não mudou nada e com o
nosso retrocesso a coisa piorou.
Assim que pude, me livrei dela. Saí praticamente com a roupa do
corpo.
Graças a Deus!

18/07
Eu hoje, estou me soerguendo. Comecei do zero de novo, meu
bem. Tem 3 anos apenas. Ainda ajudando a criar 2 filhos. Minha
cabeça é a mesma, minha capacidade é a mesma, mas não posso fazer
milagres, ainda mais numa época de crises mundiais e na pior crise que
o Brasil já enfrentou.
Numa época de desempregos, onde todas as empresas estão
retrocedendo, falindo, fechando.
Eu já adquiri uma propriedade, um fundo de comércio que já vale
uns 10 milhões e ainda sobrevivi.
Comecei do zero. Tente fazer isso (!?)
Eu já posso assumir com você o compromisso de uma vida a dois.
Posso apoiá-la e ajudá-la também. Você pode começar comigo
também, me ajudando e me apoiando, mas, o importante é que
estaremos começando juntos e juntos.
Na quero prometer nada, porque eu não sei o dia de amanhã. E
também não gostaria de ser pressionado de novo.
Você tem dois braços, duas pernas e uma cabeça inteligente. Pode
determinar o seu próprio futuro e lutar para conseguir tudo o que você
quiser e puder.
A vida é sua, faça dela o que quiser. Eu posso ajudar. Vou
ajudar e quero ajudar. Mas não vou, por exemplo, acompanhar você

244
numa insensatez qualquer. Em um novo suicídio.
Não creio que você tenha algo a perder comigo. Ninguém nunca
perdeu.

Essa menina que está aqui comigo, por exemplo, a quem nada
prometi e nada devo, veio do interior de Goiás, sem qualquer
perspectiva de futuro.
Perdida na terra dela, trabalhando num balcão de lojinha do
interior.
Dois anos passados, é uma moça educada, que já não cospe no
chão, já fala bem melhor o português, é bancária, com futuro
profissional assegurado, trabalhando de 2-ª a 6-ª, seis horas por dia,
estudando o 2-º ano de Administração de Empresas. Aprendeu tudo
sobre sexo e vida. Tirou mil grilos da cabeça.
Estava arrasada e perdida na sociedade dela, porque era mulher,
solteira e mal amada.
Hoje é orgulhosa, cabeça erguida, senhora de si. Já está até
querendo me dar decisões!?...

Sua carta não chegou hoje...


Sempre penso que alguma coisa aconteceu.
Pedi para você tomar uma decisão importante. Mas considerando
sempre que você vai ficar comigo! Se houver ainda alguma dúvida,
qualquer que seja, é melhor você não tomar decisão alguma.
Passou um fim de semana e você não me escreveu... Por que?

Um beijo com saudades...

Alfredo
245
Sem resposta

Rio 24 de julho de 1984

Querida (sempre muito) Nádima “Sininho”.


Nem vou falar muito do quanto estou entristecido com o seu
silêncio, porque é supérfluo... Você, quando deixa de me escrever, me
deixa arrasado.
Pior de tudo, é que eu nunca sei o porquê, de você fazer isso. Eu
ainda posso raciocinar dentro de hipóteses, com algumas validades,
mas sei que se tratando de você, pode ser impossível acertar a razão.
Vou falar apenas das coisas positivas que estou providenciando,
para ver se consigo superar o problema.
Eu sei que você está cansada da pressão psicológica de todos esses
caminhos fechados, e o mais lógico é que você tenha extravasado pelo
caminho mais fácil possível.
Imagino que qualquer que seja a sua atitude, deixará sempre
marcas e cicatrizes para o futuro. É a automutilação. Raiva de si
mesma, que por sua vez, não traz nenhum proveito.

1-º) Se o problema está na carta que enviei à sua mãe, não


precisa entregá-la. Devolva-a e tudo bem. Ou guarde-a ou rasgue-ª
2-º) Se minha ida até aí de novo, estava na dependência dessa
carta, não está mais.
Dia 5 de agosto eu estarei chegando por aí, para o que você
quiser. Só depende de você dar um ok.

246
3-º) Já estou procurando um apto. para me mudar o quanto
antes. O mais próximo possível da praia que gosto muito.
Levarei daqui tudo que for possível e necessário para começar
nele. O que eu não tiver ainda, compraremos aos poucos. Você me
ajudará se quiser e puder, no que for possível. Não é uma obrigação.
4-º) A Carmelita já está de saída também. Quando ela viu que
não ia adiantar nada ficar pressionando, resolveu sair também.
Eu tive um “pega” (discussão) séria aqui com ela e expliquei que
eu poderia até compreender a atitude dela, mas que você não iria ver
com os mesmos bons olhos e que isso só serviria para incompatibilizar
todo mundo, não trazendo vantagem para ninguém, muito menos para
ela.
As dependências que eu tenho disponíveis aqui na loja, ficarão
para os empregados ou para os meus filhos fazerem a “baguncinha”
deles. (em 20 dias no máximo).
5-º) A churrascaria que eu montei aqui, vai indo bem e tem
melhorado o meu lucro. Ainda assim estou intensificando os anúncios
para vender logo essa loja e começar vida nova em outro lugar, em
outro negócio qualquer. Queria que você já estivesse comigo no
próximo.
6-º) Se você não me escrever até dia 5, eu vou aí na sua casa
fazer o maior escândalo, gritar na frente do seu portão que você é
minha e vou no seu trabalho agarrar você a força, pelos cabelos e
raptá-la de qualquer maneira.
7-º) Falar em raptá-la, se você quiser eu vou aí e trago você de
qualquer modo.
Com polícia, sem polícia, não importa. Se eu for preso, por você,
será por uma grande causa.
Escondo-me com você num lugar que ninguém vai achar e
247
viveremos foragidos até você completar seus 18 anos.
8-º) Se você não quiser vir, eu prometo a você que irei aí em
S.P. todo mês, no 1-º domingo de cada mês, sem falta, pra você não
ficar muito tempo longe de mim.

Escreva-me por favor, que eu mando


novas notícias logo a seguir.
Por favor, escreva-me.
Não quero perdê-la.
Custei tanto para encontrá-la...
Beijos
Alfredo
P.P.
Vulgo Tony

Estou aguardando uma carta sua urgente. P.F.

Até dia 5/8

Preocupante... Muito trabalhoso... Já se passaram 15 dias e eu não tive mais


notícias da Nádima, enquanto eu escrevia para ela todo dia. Justamente para ela não
ficar sem notícias. Justamente para ela não fazer mais nenhuma bobagem.
Nervosa, ansiosa, carente do jeito que ela estava, até mesmo revoltada com a
vida, com a família, com a mãe, comigo, ela poderia estar buscando qualquer coisa
que movimentasse a sua vida.
Mas se tem uma coisa em que a Nádima faz bem é arranjar namorados. Eu
hem! Todo o meu investimento em risco. Já imaginou? Claro que eu ficava
preocupado que ela, de repente, pra se livrar da depressão, arranjasse outro por lá.
Mas a Nádima também não colaborava. E a carta enviada à sua mãe? Eu havia
condicionado a minha ida à entrega dessa carta. Ela entregou ou não? Não respondeu.
Não comentou. E eu fiquei sem saber. Ela tinha medo da mãe. Do disse-me-disse dos

248
parentes. Aí, ficava assim, encolhida, na redoma. Preferia o silêncio, a discrição, a
enfrentar os problemas de frente. E assim também não ajudava.
Por isso eu tinha que me apressar.
Até que uma carta dela chegou:

Nota da Nádima: Entreguei a carta para minha mãe e ela leu. Embora não
comentasse nada comigo, creio que influenciou na sua decisão.

São Paulo, 22/07/84

Querido Ton, Desculpe-me tudo que escrevi na carta anterior.


(a tal que sumiu) Realmente eu tenho muita coisa na cabeça. Muita
coisa boa e muita coisa ruim.
Não quero magoar você, nem desanimá-lo, mas é que não
suporto mais essa espera, essa expectativa. Ter que ficar só, pois
estou só e sinto isso muito dolorosamente. (Não disse?)
Queria escrever todos os dias para que você recebesse minhas
cartas todos os dias. Porém eu não deixo de responder uma só
carta sua. Imagino que a mesma ansiedade que eu sinto, você sente.
Está tudo tão diferente, tudo mudando entre nós.
Está tão difícil aqui, Ton. Você não vem. Tenho mais um
motivo pra sofrer, pra desejar que o tempo passe o mais rápido
possível.
Amanhã, tenho que trabalhar. Hoje é domingo, de noite. Esta
angústia e tão ruim. Desejaria ficar a noite inteira acordada, para
que demorasse a chegar amanhã. Porém a semana passa rápido e
eu procuro pensar nisso para amenizar esta tristeza.
Está frio hoje. Penso tanto em você. Daqui a pouco vou deitar
pra dormir. Sei que vou pensar em você. Pensar no que já
aconteceu e no que poderá ainda acontecer.
Penso geralmente em seu corpo, em sua voz... Momentos
íntimos, segredos. Tudo que eu gostaria de falar no seu ouvido
baixinho... Tudo de você sobre mim. Seu abraço forte me
protegendo, me dando segurança. Seu calor.
E as suas promessas? Suas palavras bonitas, sua sinceridade.
Não, eu não posso magoar a mim mesma. Já está tudo tão ruim...
Quando tudo isso vai passar? Essa demora de acontecer me
desespera.

249
Sinto vontade de chorar (como sempre). É só respirar fundo e
tentar desviar os pensamentos, se afastar, não é? Por mais que eu
me afaste, eu nunca estou longe.
Eu insisto que você tome uma atitude. Entretanto, se você
achar que não vale a pena tanto esforço de sua parte, tudo bem,
não precisa insistir. Talvez eu nem mereça, não é?
Poxa, eu preferia não existir.
Amanhã eu escrevo mais.
Um beijo carinhoso

Eu não gosto muito dessa história de “Querido Ton...”, “não quero te


magoar...”, “você não merece...” , “ não posso magoar a mim mesma...” , “está tudo
diferente entre nós...”
Só falta daqui a pouco começar a me chamar de “amigo.” Fico deveras
apavorado.
De qualquer modo é compreensível em virtude do sofrimento dela com a
solidão. Bem... É uma solidão diferente. Uma solidão que não dá nem tempo para
escrever uma carta, salvo num final de domingo, depois de 15 dias, mas, enfim, até
que se prove o contrário, a gente vai acreditando... Pode ser apenas uma “mentirinha
sem maiores conseqüências”...

Peter São Paulo 26/07/84

Querido (e muito) amor. [Ah!... agora sim!...]

Eu não entendo ainda o porque das minhas cartas demorarem


tanto p/chegar até você. Eu escrevo sempre.
Você nem imagina como estou feliz e ansiosa, depois que recebi
a notícia que você virá.
Venha, estarei te esperando na rodoviária. Dia 5 de agosto,
logo de manhãzinha, estarei lá. Pelas 8 horas a 7 da manhã.
Caso dê tempo de chegar essa carta e você mandar outra
dizendo o horário e confirmando tudo, será bom. Se não, eu estarei

250
lá mesmo assim, no horário que já falei.
Não vejo a hora de abraçar você de novo! Uma semana só!
Tudo isso?!
Você virá para a minha casa e conhecerá minhas irmãs e
minha mãe.
Lembre-se de que a casa é pobre, muito simples. Todos nós
somos simples.
Você me deixou muito feliz. Desculpe-me tudo o que escrevi
nas cartas anteriores. Eu gosto de você pra valer.
É que as pessoas ficam pondo tanta coisa na minha cabeça.
Não sei decidir o que é certo ou errado, por mim própria.
Quero muito você! Quero!
Delícia. Você é uma delícia!
Estou radiante, você vem. Poxa!
Espero que essa carta chegue logo.
Ton, eu preciso de você aqui. Você precisa tirar todos esses
grilos da minha cabeça.
Você faz com que minha vida seja diferente. E é isso que eu
quero.
Não importa quantos obstáculos terei pelo meu caminho, eu os
vencerei. Pois eu me libertarei de tudo isso que me prende, que me
dói aqui dentro. E para isso, eu preciso viver. Pra vencer esses
medos e dificuldades eu preciso encontrá-las.
Fico tensa quando tenho algum problema e não posso resolve-
lo. Prefiro que aconteça logo e preciso de alguém forte pra me
segurar. Não há ninguém forte por aqui. Você é a pessoa certa, a
que eu preciso e quero.
A gente se completa, não é?
Agora vou terminar, porque preciso dormir. Amanhã eu ponho
no correio esta carta. Tem que chegar logo até você.
Bom, você vem mesmo. Estarei lá.
Um beijo imensamente gostoso
para o homem mais lindo,
mais forte, mais charmoso,
mais elegante,
mais gostoso...
e mais encantador
251
que é o meu P.

Sua Nádima

- prefiro te chamar de Tony -

30/07/84

Doçura...

Dia 5/7 entre 7 e 8 horas estarei aí na rodoviária para te beijar.


Espere-me naquele banquinho, que nós nos sentamos logo quando
nos encontramos da outra vez. Ali mesmo, perto do guarda-volumes.
Estou muito ansioso para te abraçar com carinho de novo. Não
tenho nem dormido direito.E fico excitado também, quando penso em
você. E como!
Não vou planejar nada por enquanto. Quando chegar,
resolveremos. O importante é ver você e conversar com você. Sentir
você.
Obrigado pelas cartas perfumadas. Você é linda. Te quero.
Vou tomar conta de você e da sua vida.
Vou te prender para sempre.

Beijos.

Tony Alfredo P.P.

E assim, eu cheguei lá, e encontrei a Nádima pela segunda vez. (05/07)


Passamos o dia todo na casa dela, junto com a família, e conversamos muito.
252
Foi bom também porque nos conhecemos eu e a mãe dela, que ficou mais confiante.
Esse dia foi ainda mais significativo e importante, que o encontro anterior.
Talvez, por estarmos mais descontraídos, e ela mais à vontade em casa, muito feliz, e
eu pude perceber como ela era mimosa. Leve, suave, de gestos delicados, atenciosa e
carinhosa. Nossa!... Estava me conquistando, me tratando como a um rei amado.
Fiquei impressionado. O amor fluiu a partir daí. Não há palavras para descrever
aquela emoção nova. Uma princesinha me tratando como um rei. Ela era realmente
linda, meiga, suave, com um sorriso tímido e tão juntinha de mim, grudadinha,
coladinha, apaixonada, feliz, que me encantou. Era tudo o que eu precisava na vida.
Eu não podia perder essa garota por nada desse mundo!

Dia seguinte:

São Paulo, 06/08/84

Querido Tony

Estou com tanta saudade de você. Parece que faz tanto tempo.
Espero que você tenha gostado do passeio. Agora, você pode
avaliar o que eu sinto e o porque deste sentimento todo.
Como você já disse, eu estou decidida. Não importa o que vão
dizer.
Tenho um certo medo ainda, embora sinta que você já está
mais perto de mim. Minha mãe ainda vacila um pouco. Mas
acredito que com calma ela se sentirá mais segura.
São 7 horas (da manhã). Espero que você tenha feito uma
ótima viagem. Pensou em mim? Ou conseguiu dormir bem?
Você estava tão gostoso... Senti vontade de sentir você.
Estou esperando suas notícias. Espero que tudo esteja bem,
pois não consigo ficar calma sem saber o que se passa, sem saber o
que fazer.
Minha mãe já permitiu que eu vá. Não quero nem pensar...
Te quero muito, Tony. Preciso de você agora, você homem,
você ser humano, você herói.
Vou terminar por aqui, porque já está na hora de ir.
Aproveito para confirmar minha ida a 15 dias a partir de
hoje.

253
Esses 15 dias
vão demorar
como 15 anos
Um beijo gostoso

Tony

Rio 06/08/84

Querida princesa,.
A cada minuto torna-se mais difícil ficar sem você. A cada
minuto, eu disse.
A ansiedade aperta muito o coração, e é de felicidade a minha
emoção.
Gostei muito do nosso encontro de ontem. Pude conhecer você
ainda melhor. Mas, confesso, tenho medo de explodir ou implodir,
desabar para dentro de mim mesmo.
Porque, se hoje eu te quero muito, é muito mais do que ontem e
muito menos que amanhã. Não consigo ver o limite do querer você.
Não sei onde fica o fim de gostar de você, e isso me amedronta, me
assusta. Tenho muito medo. Não gosto de estar fora de controle, do
meu próprio controle, e estou perdendo o controle sobre mim mesmo.
Já estou precisando de você, como quem precisa de ar para
respirar. Você longe, fico sufocado.
Explique isso para a Eurides. Eu morrerei se você demorar.
Peça a ela que entenda, pois haverá uma catástrofe dentro de mim se
eu não juntar o seu corpo no meu, os seus lábios nos meus, se eu não
puder, com urgência, sentir o perfume da sua boca, se não puder
escutar a sua voz. E eu estou falando sério. Se ela não ajudar em
254
cima da risca, fazendo todo o esforço que for necessário para liberar
você, vai haver um desastre ecológico. Espero que ela e você entendam
isso.
É muito forte, violenta mesmo a emoção que se instalou dentro do
meu coração.
Te adoro garota.Espero não te sufocar.

Por aqui está tudo se arranjando. Já tive mais uma conversa com
a Carmelita e ela está sendo sensata. Garantiu-me que ela mesma
sairá até o prazo previsto.
Não pude te enviar essa corta hoje mesmo. Não deu. Precisei
descansar um pouquinho à tarde e o tempo passou depressa.
E você está c a l m a ? (...)
Sabe, minha querida, eu preciso e posso fazer muita coisa por
aqui, para ao menos melhorar o local da nossa sobrevivência. Mas é o
tempo que não dá. É muita coisa em cima de mim. Muitos afazeres,
muitas responsabilidades, todas elas envolvendo despesas, e fica difícil
executar tudo ao mesmo tempo.
Eu pretendo, pretendia ou pretenderia dar uma geral no cômodo
onde durmo.Uma pintura, uma arrumação. Mas precisa também
ampliar a churrasqueira no seu tamanho, mudar o tanque de lavar
roupas de lugar, fechar uns buracos de ventilação no cômodo, abrir
uma janela, azulejar a cozinha, arrumar o quarto, porque tenho
muitas coisas, principalmente livros e papéis, sem lugar definido para
arrumar. Precisa de armários. Você me perdoe, mas é que a minha
loja é enorme e eu sempre dei mais importância à parte que os fregueses
freqüentam, do que àquela que uso para mim. Espero que você tenha

255
“espírito esportivo” para ficar comigo e segurar essa barra.
Uma coisa ao menos eu te garanto: É tudo limpinho e asseado.
Não existem bichos, baratas, essas coisas. Se você não imaginar tudo o
que tenho, e o lugar onde vivo, como alguma coisa habitual e
definitiva, está tudo bem.
Eu prefiro que você venha e diga para mim o que é mais
importante e significativo mudar. Você põe em ordem e eu faço as
modificações que você achar necessárias. Vou dar um jeito naquilo que
for óbvio, mas é o tal negócio; entre ampliar a churrasqueira e pintar
as paredes do meu quarto, eu amplio a churrasqueira, porque é dela
que eu tiro meu sustento e o dinheiro para pintar o quarto.

Ah! Nádima querida, como eu gosto de você... Como eu preciso


de você...
Prepare tudo, não esqueça do que te disse: Nada mudou. Te
quero. E muito. Você é minha mulher. Amanhã te escrevo mais.
Beijos.

Tony

Rio 8/8/84

Querida doçura.
Como eu gosto de você...
Só mesmo gostando muito de alguém, para encarar a “barra”
que eu estou segurando por aqui.
Mas tudo bem. Você não me sai do pensamento um só instante. É

256
a mesma ansiedade que você está sentindo, eu estou sofrendo..
Aqui vai tudo “bem”. O melhor possível.
Está tudo sendo encaixotado, estou dando uma geral no quarto,
limpando tudo e pretendo dar uma pinturinha, pelo menos, nele.
Gostaria que você estivesse por aqui, para ajudar a arrumá-lo mais ao
seu gosto.
A garota aqui, está bem mais conformada e reagindo aos poucos.
Fiquei até com medo que ela tivesse um troço, ou fizesse qualquer
bobagem. Mas já está tudo sob controle.
Estou anexando uma cópia xerox da página de uma carta dela
para mim.
Essa carta, ela me propôs vir e estabeleceu as condições em que
queria que eu a recebesse. Leia e confirme.
Como você vê, eu não tenho culpa se depois, o negócio tomou
outro caminho e ela acabou se apaixonando por mim, indevidamente,
pois sabia que não estava sendo correspondida a altura.
Estou agilizando tudo por aqui, para recebê-la no dia combinado.
Tudo vai indo bem.
Acho que não teremos problemas.

Saudoso, te quero com carinho e ternura.


Tony

São Paulo 12/08/84


-papai-
(feliz dia)

Oi, papai...

257
Falta tanto tempo ainda. Uma semana inteira pela frente.
Estou cheia de ansiedade. Preciso tanto ir.
Acho bom você arranjar uma máquina fotográfica, para
tirarmos fotografias juntos.
Tomarei o ônibus no dia 17 (sexta-feira) às 20:30h ou
21:00h. Esteja lá no sábado.
Não vejo a hora de terminar tudo isso e definitivamente por as
coisas no lugar.
Tanta coisa tem acontecido, tanta coisa mudou. (Não sei se
estou triste ou feliz). Depois eu te conto. (Epa!)
Não entendi o porque de você mandar aquela carta (a cópia) e
as fotografias de sua esposa. Não importa pra mim. Agora tudo já
passou. Só vão acontecer coisas novas. Ou não?
É bom saber que você gosta de mim. Eu também gosto de
você.
Vou entregar as fotos pessoalmente. Aguarde!
Amanhã eu escrevo mais, tá?

RJ
Um beijo gostoso
Na.

SP

(Escreva p/ minha casa.


É melhor)

Nas vésperas de realizar um desejo tão intenso, quase um sonho, depois de tanta
aflição e ansiedade para sair de S.P. e se embolar com o Tony no Rio de Janeiro, ela
me diz: “Tanta coisa tem acontecido, tanta coisa mudou. (Não sei se estou triste ou
feliz).”
Não sabe se está triste ou feliz!... Olhem, essa garota é difícil! Ela é confusa.
Complicada, introspectiva, misteriosa. Esconde o que dessa vez?
O que a Nádima quer afinal? O que não tem? Ou o que não pode?! Alimentar
sonhos de adolescente? Viver de ilusões? O tal por quem ela é apaixonada?
Ela fez uma escolha. Racional. Mas estaria triste por quê?
Dá pra entender a cabeça de uma adolescente de 17 anos?

258
Rio 9/8/84

Querida Fada dos Bosques Encantados de São Paulo...

Você, entre os passarinhos e as flores dos bosques encantados aqui


do Rio se confundiria. E os perfumes das flores silvestres dos recantos
encachoeirados, misturados ao seu perfume natural se perderiam. E o
hálito gostoso dos seus beijos apaixonados, fará inveja à rosa mais
perfumada, porque só você tem cheiro de mulher.
E a pele fina do seu colo macio de princesa, fariam as sedas mais
puras ruborizar encabuladas, porque não teriam o calor que vem do
seu peito feminino e não existe visão mais preciosa, mesmo em todas as
paisagens e nem entre os tesouros mais preciosos de todos os reis, do que
o interior dos seus olhos.
Nem a luz do sol e o cintilar das estrelas, nem os reflexos do luar
nas águas mansas de um lago azul, ou toda a beleza que ilumina
milhares de fogos de artifício, brilham mais do que um sorriso seu.
Te quero, como nunca nada quis de tão cobiçado para mim e
nenhum dos meus ideais até hoje, nem os meus sonhos de grandeza e de
felicidade foram tão importantes, comparados com a obsessão de ter
você.
Nasci de novo quanto te senti pela primeira vez, e agora pela
primeira vez sinto medo de morrer. Queria poder ser eterno.
Com carinho guardo você na lembrança e só a sua presença
poderá ser mais viva e forte.
Te espero com ansiedade, carinho e amor.
Tony

259
Querida Sininho

Só para relembrar o combinado:

Você sairá do seu trabalho + - às 18:00h e irá para a rodoviária


onde encontrará a sua mãe.
Vocês passarão no Juizado de menores para apanhar a
autorização e comprarão a passagem para o Rio.
Acredito que isso não será feito (conseguido) antes das 20:00 h,
sendo mais provável às 21:00 h.
Portanto, somando 6 horas de viagem a partir das 20:00 h, eu
estarei te esperando a partir das 2:00 h da madrugada de sábado, na
rodoviária, sentado nos bancos que ficam próximos ao guarda-volumes
e o toalete feminino, à esquerda de quem desembarca.
Tudo é muito fácil, porque esse setor é pequeno e você não terá
dúvidas ao desembarcar.
Venha pela Itapemirim no tribus. A cada ônibus que chegar, eu
irei conferir e, o mais provável é que te ajude a descer as escadas do
ônibus.
A qualquer dúvida, não saia da rodoviária, em hipótese alguma,
sozinha.
Use os telefones para se comunicar com a minha família em
qualquer caso de desencontro (emergência), mas fique na rodoviária
que é seguro.
Os telefones são:
Alexandre ( irmão) – 261 –0169
Alcione (irmã) e Dario (pai) – 2 70-3831

260
Amarilis (irmã) – 285-6520
Ana Maria (irmã) – 205 –6056

Rio 12 de agosto 84

Minha doce e querida Nádima.

Aproxima-se a cada minuto, a hora em que você estará comigo de


novo. Ansiedade não falta e, como já te disse uma vez, não estou
acostumado a receber princesas.
Escrevi duas cartas para você, mas acabei não tendo tempo de
enviar no sábado. Por isso, estão indo junto com essa, que estou
escrevendo às 22:00 h de hoje, domingo.
Estou (e estamos) tomando todas as providências necessárias e
possíveis, para que a sua vinda aqui seja coroada de êxito; alegre,
tranqüila e proveitosa.
Tudo estou fazendo para que você se sinta bem, e para que não
haja constrangimentos para ninguém.
Entretanto, há um motivo para que eu esteja escrevendo essa carta
para você.
Eu poderia deixar de fazê-lo, mas prefiro colocar você sempre a
par das ocorrências, para que você não pense que eu disse uma coisa e
fiz outra.
Eu estou pintando o quarto e dando uma limpeza geral. Minhas
coisas todas estão, no momento, embaladas em caixas de papelão e as
261
roupas e pertences da garota aqui, separadas e também embaladas,
com exceção do mínimo indispensável para o uso diário.
Como eu lhe havia dito, depois de uma conversa muito séria que
eu tive com ela, concluindo inclusive que seria o melhor, ela dispôs-se a
mudar.
Quando eu cheguei de S.P. na 2 -ª feira passada, voltei a falar
com ela e disse que já estava tudo acertado para a sua vinda aqui,
num fim de semana, mais ou menos 15 dias após.
Embora protestando pelo tempo exíguo que tinha para
providenciar a sua mudança, ela dispôs-se a, nesse prazo, deixar a loja
para não criar problemas para ninguém.
Existem duas colegas dela, com as quais já havia uma
combinação anterior de morarem juntas, e ela contatou essas colegas
novamente, confirmando essa sua disposição.
Como as tais colegas já estavam com um apto. praticamente
alugado, ela entrou na jogada e tudo se resolveu bem mais rápido do
que se esperava. Tanto que, numa carta anterior a essas que te enviei,
confirmei para você, que tudo se arranjaria por aqui, dentro dos
prazos previstos.
Uma dessas colegas, entretanto, tinha um namorado desses bem
irresponsáveis e patetas, que morava com uma mulher (não sei o que
ele era dela) mas que estava para largar essa mulher, por essa tal
colega da Carmelita. Namoro de 2 meses apenas e já estava falando
em casar com a tal colega que , por sua vez é outra pateta. Já está
pra lá dos 35 e só vive se “casando”.
Pagaram as taxas (só eu dei 80 mil para ajudar) pegaram as
chaves e até pintaram parte do apartamento para mudar, tudo
correndo bem.
Acontece que, por esses azares da vida, segundo o que me foi dito,
262
o tal cara agrediu a mulher e se mandou de casa e a tal bobalhona
convidou (chamou) o homem para morar com elas, no mesmo
apartamento, onde já estava combinado que iriam morar as três. Uma
atitude estúpida e desconsiderada.
Ora, chegou ainda agora aqui, a Carmelita, me contando tudo
isso, quase que tendo um “troço” , e eu sei que não é armação dela.
Como podem um casal e mais duas mulheres morarem num
apartamento de quarto e sala? Vai virar uma bagunça generalizada.
E a privacidade de cada um? Não há condição mesmo. Mas apesar de
tudo, pressionados pela situação, a Carmelita estava ainda inclinada
a aceitar essas condições ridículas, mesmo que provisoriamente, mas
você já imaginou o transtorno que isso traria?. Mudança pra cá,
mudança pra lá, 80 mil pra cá, depois mais não sei quanto pra lá e só
aborrecimentos.

Espero que você entenda, minha garotinha, mas eu fiquei com


pena da moça, pois ela já está por demais arrasada e vai acabar se
desesperando por não ter um lugar onde finalmente possa arriar suas
coisas e dizer: “esse é o meu canto”.
Então eu acabei de lhe dizer que, por nossa causa, ela não
precisaria se sujeitar a esse tipo de ridículo e que ela deveria tentar
outra solução. Falei por mim e por você. Porque mesmo que não
houvesse uma solução até o final dessa semana, nós daríamos a ela
mais algum tempo, evitando constrangimentos, pois que, por enquanto,
você viria ainda, apenas para um fim de semana.
Se nesse fim de semana que você vier, ela ainda estiver ocupando
o quarto, nós seríamos discretos e não criaríamos constrangimentos
para ela.

263
Espero, minha garota, que eu tenha tomado uma atitude correta e
que apesar disso, se assim acontecer, e atrapalhar um pouco os nossos
planos, não venha estragar o nosso tão esperado fim de semana,
porque eu não agüentaria transferi-lo de data. Nem pensar.
Espero também que olhando pelo lado humano da questão, você
esteja de acordo com o que fiz (disse).
E espero, finalmente, para isso eu escrevi tudo detalhadamente,
que você não ponha “grilos na cuca” nem procure interpretações
diferentes das que eu escrevi.
A Carmelita não quer sair para você vir, nem por um fim de
semana e depois ela ter que voltar, para depois sair de novo.
E eu não quero, acredito que nós não queremos, que ela vá se
expor a um bordel daqueles, onde terá que conviver com um homem
estranho dentro de casa, sem a mínima liberdade, sem a mínima
privacidade.
Enfim, ela está ainda resolvendo e a 3-ª colega ainda não sabe do
problema pois foi passar fora o fim de semana.
Amanhã, voltarão a conversar sobre o problema, enquanto eu
sugeri outras opções a ela, para ver se consegue ajeitar.
Para você e mim, está tudo bem. Se eu não puder mais me
comunicar com você, quero te dizer que te espero muito ansioso, quer
chova ou faça sol, de um jeito ou de outro, daremos sempre uma
solução racional e o importante é que você venha sem falta, porque, até
isso, será uma forma de ajudar a apressar as soluções por aqui.

264
Beijos, fofinha. Beijos carinhosos nessa boquinha de néctar de
flores.
Abraços apertados e sufocantes.
Carinhos de todo jeito.
Estou te esperando na rodoviária.
Não me dê o “bolo” porque se não, eu ficarei naquele banco lá,
sentado até morrer, pois não saberei voltar sozinho para casa. (Está
rindo, não é? Pois é verdade!)
Não se zangue muito com esses transtornos, nem esquente a
cabeça.
O que tem que ser seu, será e você já é minha, não se esqueça
disso.

Te adoro.
Te quero muito.
Serei muito feliz com você

Tony

Rio 14 /08/84

Oi docinho...

Aqui sou eu de novo. Você ainda se lembra de mim?


Acabei de ler a sua cartinha do dia do papai. Gostei muito
mesmo.Valeu
Se você não entendeu alguma coisa, sobre cartas ou fotos, deixa

265
pra lá. Não há mesmo qualquer motivo especial para ser entendido.
Acontece que eu gosto de participar a você e com você, todas as coisas
que acontecem comigo e percorrem o meu íntimo. Uma questão de
comunicação, apenas. Desculpe se causou qualquer outra impressão.
Por aqui, tudo mil maravilhas, agora. Como nós gostaríamos
que fosse. A garota já resolveu o seu problema, do jeito que ela achou
melhor e já está se mudando em definitivo.
O quartinho ficou “jóia”, todo pintadinho e limpinho. Precisa
ainda dar uns retoques por fora, por causa da churrasqueira que eu
instalei recentemente, e está levando muita fumaça lá para dentro.
Quero ver se troco também algumas cortininhas que dividem a entrada
e no banheiro, e ajeito uns fios velhos.
Todos por aqui, e 60% da minha família, já estão informados da
sua chegada, e prontos para recebê-la com boas vindas.
Estou preparando tudo por aqui, com todo o carinho que um
homem poderia dedicar a uma mulher. Se não sair melhor, é porque
não foi possível mesmo. Se você conseguir, ao menos, sentir esse
carinho, nas pequenas coisas que eu fiz, eu me sentirei feliz.
Te quero e te espero, te adoro e te desejo. Minha querida.

Hoje, repassando essas cartas pra o computador, encontrei anotado e rabiscado,


no rodapé desta minha carta, o nome, o telefone e o ramal do ex-grande amor dela em

266
S.P. Aquele por quem ela deixou de me escrever há dois anos atrás:
( 914-2333 Gil 161 )

Na minha carta! Recém enviada! Faltando 3 dias para ela chegar aqui ao Rio!
Seria essa a razão de sua tristeza em deixar SP? Não foi coincidência esse
telefone em cima da hora. Nunca me explicou isso.
Não era à toa que eu vivia cismado, com as entrelinhas do que ela escrevia.
Pensa que é mole, é?!... Se bobear, dança!...
Olhem... Não quero passar por tudo isso de novo. Nunca mais!...

Rio 14/08/84

Querida doçura

Que mais posso fazer do que escrever para encurtar o tempo?!...


Assim, pelo menos, me sinto mais perto de você.
Acabei de despachar uma carta para você, com notícias positivas.
Agora, entretanto, lendo sua carta de novo, fiquei um pouco
apreensivo.
Você me disse: “Tanta coisa mudou. Não sei se estou triste ou
feliz”
Poxa!... Como me preocupam essas coisas.
Não posso imaginar você triste, principalmente se for por minha
causa, por uma bobeira qualquer minha. Mas você sabe, o diálogo por
cartas é bem mais difícil. Às vezes colocamos uma frase ou uma
palavra mal empregada, que gera interpretações diferentes do que
queremos realmente transmitir, e até consertar, já passou muito tempo e
às vezes cai até no esquecimento.
Por isso, peço sempre a você paciência e tolerância com coisas que
escrevo, porque escrevo rápido e direto.
267
Vale mais a média, as intenções, o conhecimento, que já existe,
felizmente.
Se você se entristecer comigo, vou ficar um lixo de depressão. Eu
só te quero fazer feliz e sensata. Quer dizer: não fico somente
fantasiando tudo, e criando um mundo irreal de doces ilusões.
Procuro trazer a realidade da vida, sempre junto de nós. Hora
boa, hora má, nós iremos sempre juntos, e com tudo isso, te garanto:
Felizes.
Hoje não dará mais para te escrever.

Beijos carinhosos.
Boa viagem.

Estarei na rodoviária (guarda volumes) às 2:00 da manhã.

Tony

Rio 14/08/84

Oi amor.
Poxa! Eu pensei até que hoje já fosse 5-ªfeira! Ainda é terça.
Já tenho a máquina para fotografar você. Quer com roupa ou
sem roupa?
Bem... Porque com roupa vai ser mais difícil. Imagine, tem
ainda que colocar a roupa... vai dar um trabalhão.
Só falta comprar o filme.
Será magnífico tirar fotografias junto com você. Já imaginou que

268
lindo?!...
Eu e você, impressos no mesmo pedaço de papel, abraçados,
sorrindo... felizes...
Sinceramente, eu já tive muitos momentos felizes na minha vida,
como todos têm, mas pode ter a minha palavra: Quando eu estou com
você, é demais. Estou começando até a me preocupar. Será que devo
fazer um “check-up” num médico para ver se eu não tenho problemas
no coração?
Caramba! Encontrar você a cada dia se torna mais incrível. A
ansiedade agora é tanta, que vai ser um problema.
Minha alegria é tão grande que não consigo me controlar.
Já fiquei até pensando (sério mesmo): Vamos ter problemas na
hora de você voltar...
É melhor até você prevenir à sua mãe:
“ – Mãe, olha, se por acaso eu não voltar na hora prevista, você,
por favor, não precisa ficar receosa nem preocupada, por algo que me
tenha acontecido. Porque o mais provável é que eu não tenha
conseguido me “desligar” do Tony em tempo hábil. Você não se
preocupe porque eu volto, mas é preciso fazer uma preparação
psicológica regressiva, para poder me afastar dele”.
(E isso pode até levar dias)

Estou com sua mini-carta do dia do papai aqui na mesa. Leio e


releio, leio de novo e volto a ler. Às vezes toda, às vezes apenas trechos
ou frases.
Agora, por exemplo é que eu entendi o que... (engano de novo é
que eu troquei uma letra aqui)
Às vezes não entendo bem, o que você quer dizer e fico em cima

269
daquela frase, tentando interpretá-la.
Essa sua carta toda, aliás, foi muito estranha. Você deve evitar
fazer mistério quando escreve para mim. Ainda mais eu sabendo que
você tem uma imaginação super fértil, para pensar o que não deve...
Eu fico todo preocupado por você. Como já disse, fico tentando
adivinhar o que poderá estar acontecendo aí, nessa cabecinha.
Por favor, pensamento positivo!
Já disse e repito quantas vezes for necessário: Eu adoro você. Eu
te quero tanto, com amor mesmo, que estou até preocupado e meio
receoso com isso. Mas você reage como se a cada minuto, eu mudasse de
idéia. Como se isso fosse possível.
Espera aí, garota minha!... Eu não estou brincando nem sou
criança que não sabe o que diz, nem o que sente.
Nada (a não ser você) pode modificar isso que está acontecendo
comigo.
É claro que estamos longe, que nós temos problemas lá e cá, mas
de minha parte, não existe a menor possibilidade de uma reversão desse
sentimento profundo e forte que dedico a você. Nem a menor chance de
algo mudar, para trás, ou arrefecer.
Eu só penso no nosso futuro, cada vez mais futuro, a cada vez
com mais detalhes, como se isso já fosse uma coisa certa, um destino
definido e estabelecido.
Eu e você estaremos juntos, mas muito juntos, não sei por quanto
tempo, mas arriscando um palpite, para sempre.
Eu encontrei em você a mulher ideal, e até nos mais profundos
detalhes, você preencheu todos os meus gostos. Como digo, você foi
escolhida “a dedo”.
Portanto, chova canivetes, não há o que pensar diferente disso.
Vou analisar a sua carta para você:
270
“Não vejo a hora de terminar tudo isso e definitivamente por
as coisas no lugar”

Por aqui, está tudo terminado e no lugar, só faltando você.


Por mim, só depende de você vir a hora que quiser e puder
(depende da sua mãe também) porque eu já estou pronto para receber
você.
Falta você verificar as instalações aqui, se estão dentro do mínimo
satisfatório. Se você achar que dá, é só fazer as malas.
Como eu lhe havia antes pedido um tempo para “arrumar a
casa”, já está tudo feito. Liquidei todos os meus assuntos, com todas as
garotas que por aqui existiam, e um caso esporádico ou outro, a gente
vai cuidando na hora.
O caso da garota que mora aqui, já está encerrado e resolvido
também. Ela se muda 5-ª feira para o apto. das tais colegas, com
homem e tudo. Ela mesma preferiu assim, até conseguir coisa melhor.

“Tanta coisa tem acontecido, tanta coisa mudou. Não sei se


estou triste ou feliz. Depois te conto.”

Você quer me matar do coração?


Tanta coisa mudou o quê? O que tem acontecido?
Fico pensando que você está esfriando, está com dúvidas, não sabe
se vem ou não vem, se gosta de mim ou não!...
Eu fico apreensivo e você ainda me diz: “ Depois eu conto”.

Claro que ela nada contou, porque nada contava. Mas, 20 anos depois, ao

271
manusear essas cartas, reparei o nome e o telefone do “grande amor” da sua vida,
escrito e rabiscado no rodapé da minha carta. A carta que eu avisava estar esperando-
a na rodoviária, ansioso pela sua chegada aqui no Rio. Foi nessa carta que ela estava
anotando o telefone dele.
Então compreendi o que se passava e o que ela quis dizer com a frase acima...
“Tanta coisa tem acontecido, tanta coisa mudou. Não sei se estou triste ou feliz”
Juro que se eu soubesse a razão dessa sua dúvida, simplesmente diria:
-Pode ficar aí mesmo! Merda!!!... – Juro!

Eu não entendo nada e fico aqui aflito, cheio de pensamentos


conflitantes, tentando adivinhar o que se passa com você. Isso é
maldade. Não fale assim. Diga logo do que se trata, qual o assunto,
sobre o que você está se referindo, afinal.

“ Não entendi o porque de você mandar aquela carta (a


cópia) e as fotografias de sua esposa. Não importa pra mim.
Agora tudo já passou, só vão acontecer coisas novas. Ou não?”

Bem, a carta (cópia) que eu mandei, foi só para você


compreender que eu nunca estabeleci qualquer compromisso com aquela
garota, salvo os que eu cumpri. (ajudá-la a se estabelecer aqui no
Rio). Para que você não se sentisse insegura, tentando estabelecer
comparações entre o seu caso e o dela. Foi essa a intenção.
A você, estou propondo ser minha mulher (amor) mãe dos meus
filhos etc.
Entendeu?!
As fotografias, já nem sei porque mandei. Estavam juntas com as
outras, achei que não haveria mal em mandá-las. Afinal, sempre
haveria a curiosidade de você conhecê-la, e eu não tenho nada que
esconder ou omitir. Isso é um fato passado. Pertence ao passado, à
272
minha história. Mostrei-a apenas como a mãe dos meus dois filhos.
Mostrei-a com orgulho, pois foi uma boa companheira, uma mulher
bonita.
Hoje ainda existe. É uma boa amiga. Você fatalmente, entrando
na minha vida, ouvirá falar dela, assim como ela já sabe de você e do
quanto eu gosto de você e já me desejou felicidades sinceras ao seu lado.
A vida é assim. A gente tem que olhá-la de frente, encarar os
fatos como eles são.
Assim como te mostrei os meus filhos, te mostrei minha ex-casa, o
meu ex-carro, te mostrei minha ex-mulher.
Sou franco, aberto, sem maldade, sem segredos, sem medos. Sou
o que sou.
Venha para o meu lado e você entenderá o meu modo de viver.
Não tenho nada a esconder da minha vida.
Te quero e te adoro. Todo mundo por aqui já sabe disso.
Todos já sabem da diferença que há entre você e as minhas
“garotas” (ex-garotas) de farra, de programas, ou lá como você
quiser chamar. Até entre os meus fregueses, os mais íntimos e amigos,
você já é conhecida e aguardada com amizade.
Realmente, (veja sua frase) não importa para você. Não deve
importar mesmo, mais do que eu já expliquei, tanto quanto não
importa para mim também.
“Tudo já passou” é claro, “só vão acontecer coisas novas”,
novíssimas. Eu e você. E muita vida pela frente.
Te aguardo. A cada minuto, mais ansioso.

Com carinho,
Tony

273
18/08/84
A Nádima chegou ao Rio de Janeiro pela primeira vez e passou 2 dias aqui
comigo. (foto abaixo)
Ela assustou-se um pouco com as dependências da loja. Acho que já queria
voltar logo, mas eu a acalmei e levei-a para passear no Rio de Janeiro, entender que
nem eu, nem o Rio, significávamos aquela loja velha.
Eu tinha plena consciência de que esse era o meu ponto fraco. Longe de ser o
que qualquer menina gostaria de encontrar ao deixar a sua família.
Levei-a à praça Sãens Pena, onde comprei a gargantilha que ela usa na foto
abaixo, que tiramos na Praia de Flamengo, e à noite fui muito carinhoso com ela. Ela
estava precisando, é claro!...
No dia seguinte estava mais calma, comeu uma boa refeição, com uns bifes
grelhados e ovos no café. Estava muito feliz e revelando toda a sua beleza. Aquele
sorriso era demais. Compensava todo o sofrimento e a humilhação que eu passei para
conquistá-la.
Passou o susto e ela já ia ficando esquecida por aqui, mas a mãe dela telefonou
e pediu o seu retorno urgente. Problema com os parentes, o pai que perguntava por
ela.
Foi o tumultuado início de uma longa vida feliz.
Ela não tardaria a voltar de vez.

274
Praia do Flamengo R.J - 1984

Praia do Flamengo – RJ - Nádima aos 17 anos.

275
Rio, 20 / agosto / 1984

São 20:00 h – 2-ª feira


Não há palavras adequadas para iniciar essa carta para você.
Querida é fraco.
Doce, não completa.
Adorada, não diz tudo.
Amor, é pouco.
Em certos momentos o silêncio fala
melhor, porque não atrapalha a comunicação
da alma...

Não tem mais ninguém na loja.


Só você e eu. Volte logo...

POR FAVOR...

São Paulo, 22/08/84

Meu grande amor,

276
Não consigo parar de pensar em você. Tento fazer um monte
de coisas para não ficar contando os dias e as horas.
Quero ficar com você e já está decidido. (putzz!... Finalmente,
decidiu) Quero amar você, ajudar, cuidar de você com todo amor
que tenho.
Você promete que vai me querer sempre?
Não, não prometa, quero que isso seja natural e espontâneo.
Da mesma forma que vai ser o meu amor por você.
Se você soubesse como está aflito meu coração, mais do que o
seu talvez.
Tenho um desejo incrível de sentir você dentro de mim, como
naquela noite, onde acordamos de madrugada, como todos os
momentos, desde o 1º.
Se você soubesse como te quero, o seu coração ficaria mais
calmo, pois compreenderia que meu amor por você é capaz de
superar os problemas que eu não conseguiria superar, se não
existisse você.
Pena os momentos que não fui forte, que deixei você em
dúvida quanto aos meus sentimentos, que fiz você sofrer.
Quem sofre agora sou eu. Tenho medo de perder você, de
deixar passar por mim esta felicidade e não vê-la, de não ser forte
o bastante para segurá-la.
Quero amar tudo o que você ama, aprender tudo o que você
sabe, ensinar tudo o que você não sabe.
Cada vez mais, você faz parte de mim, está mais presente em
meu ser. Tudo o que é importante para você, é importante para
mim.
Não faço comparações com a minha situação e a situação de
outra pessoa que viveu com você. Se você disse que não havia nada,
é porque não houve. Eu confio em você. Principalmente quando
você diz que me quer como sua mulher, mãe dos seus filhos e
companheira nos momentos difíceis.
Como é bonito amar você... Sentir você.
O seu corpo no meu corpo, vibra tão intensamente, que
parecemos dois animais no cio.
277
Você tem uma cabeça ótima, que influi muito na minha. Um
papo legal entre a gente, mesmo que seja curto, modifica muito
meu jeito de pensar.
Todos devem ter dito que sou jovem demais pra você. Que não
sei o que quero e que você não deve acreditar em mim.
Você acredita? Você confia no que posso ser? No que sou?
Basta você me amar...
Ainda falta tanto tempo para que a gente “se junte”. Quase
um mês.
Eu só quero que você dê um tempo pra mim, pra que eu faça
você muito feliz, muito mesmo.
A minha alma está florescendo.
Tanto tempo eu procurei, e já encontrei agora.
Sinto que te quero muito.

Minha alma:

A Nádima arrumou as coisas dela por lá e resolveu pedir demissão no emprego


para vir em definitivo.
Cedeu um Aviso Prévio de 30 dias à empresa. Depois foi lá no Dpto. Pessoal e
disse que só poderia dar um Aviso de 15 dias. Quando passou uma semana ela disse:
Sinto muito, mais eu vou embora hoje!
Era muita ansiedade para agüentar. A alma dela já estava aqui.
Marcamos a data e eu fui esperá-la na rodoviária do RJ.
Tudo era só felicidade!...

278
“Há uma palavra muito bonita, que gosto muito.
Se fôssemos uma canção, seria nosso título:
Êxtase.”

ÊXTASE
(Guilherme Arantes)

Eu nem sonhava te amar desse jeito


Hoje nasceu novo sol no meu peito
Quero acordar te sentindo ao meu lado
Viver o êxtase de ser amado...

Espero que a música que eu canto agora


Possa expressar o meu súbito amor...
Com sua ajuda tranqüila e serena ...
Vou aprendendo que amar vale a pena
Que esse diálogo é muito importante...

Espero que a música que eu canto agora


Possa expressar o meu súbito amor...

Eu nem sonhava te amar desse jeito...


Eu nem sonhava te amar desse jeito...
Eu nem sonhava te amar desse jeito...

Comprei a fita e o disco e dei de presente a ela quando chegou de S.P.


................

E a vida corria, como planejei. Como esperávamos. E parecia tudo bem, apesar de

que, a minha vida sexual, precisou de muita adaptação e criatividade, porque ela

foi mal iniciada. Mas, garota nova é assim mesmo. Depois melhorou muito e

chegou ao ápice da sexualidade.

Essa carta e entreguei-lhe em mãos.

279
Rio 31 – 01 – 85
Minha querida e doce mulher.
Hoje faz praticamente 5 meses que vivemos juntinhos um ao
outro. Olhamos para trás e parece que já faz muito tempo, porque
nesse período, vivemos intensamente, fizemos muita coisa juntos.
Mudamos muitas coisas em nossas vidas individuais e progredimos
muito em nossa vida a dois.
Superamos muitos problemas, pois começamos com muitos
problemas. Isso já demonstrou a nossa capacidade de lutar pelos
nossos objetivos.
Hoje, já conseguimos respirar aliviados, livres de tantas coisas que
nos incomodavam.
Já começamos a sentir a força do amor que desabrocha dentro do
nosso peito.
Já temos certeza de muita coisa, certeza de que somos muito
importantes e imprescindíveis um ao outro. Que não podemos mais
voltar atrás, a viver longe um do outro, eu sem você, você sem mim.
Já nos preocupa agora, não conquistar um ao outro, mas sim, não
perder a conquista que foi feita.
Eu sinto que atingi o meu objetivo. O meu primeiro objetivo, que
era encontrar o caminho que leva à felicidade. E já sou feliz a partir
daí. Faço você feliz e sou feliz com você.
Lembro.me sempre com muito carinho, daquele nosso primeiro
encontro lá na Rodoviária do Tietê. O jeito meigo e assustado com
que você me olhava e o sorriso nervoso que você me deu.
De lá pra cá, quanta coisa mudou, e se naqueles momentos, dos
nossos primeiros encontros, tudo já era tão bom, tão romântico, tão
gostoso, tão legal, que direi agora, que já sinto você, quase como uma
280
parte de mim mesmo.
Hoje eu estou apaixonado por esses mesmos olhos que me fitaram
curiosos há 6 meses atrás. Apaixonado pelos mesmos olhos que me
apaixonaram numa fotografia que vi há 3 anos atrás. De uma
menina linda de 14 aninhos apenas, com um sorriso meigo e puro de
criança.
Hoje eu tenho tudo isso que sempre me encantou, que sempre
desejei.
Uma mulher nova, bonita e carinhosa.
Não... não só isso. Muito mais: Uma mulher que me ama, que me
quer, que sabe ser mulher, amiga e companheira.
Uma mulher que transmite alegria, que desperta paixão, que sabe
ser fêmea, que adora o sexo e ama a vida.
Não me canso de olhar no seu rosto e achá-la linda.
Deslumbrantemente linda. Uma beleza que contagia, que penetra
profundamente na minha alma.
Que eu gosto de você, é claro. Eu gosto e gosto muito. Eu sou
feliz, porque tenho a pessoa que gosto.
Não me canso de olhar o seu corpo, bonito, delicado, insinuante,
provocante.
Não me canso de desejá-la com carinho, com ardor.
Esses teus seios então... são os seios mais apetitosos que eu já
toquei, senti e beijei.
Neles é que eu faço o meu refúgio. É no seu colo que eu gosto de
repousar a minha cabeça, depois de um dia intenso de trabalho.
Não posso desejar nada mais perfeito, porque não existe. Ainda
não inventaram nem irão jamais conseguir.
Sabe, Nádima, eu adoro você. Você toda. E só peço a Deus que
prolongue o mais possível a minha vida, para que eu possa desfrutá-la
281
junto de você.
Cinco meses se passaram, desde que você veio definitivamente para
os meus braços. Quarenta anos ainda virão. É muita felicidade.
Acho que devo merecer, porque afinal eu sempre me considerei um
bom homem, e nunca tive a necessária compensação por tudo o que fiz
de bom na vida pelos outros.
Você, finalmente, é a conquista da minha vitória, o prêmio
máximo que eu recebi em forma de mulher.
Ninguém jamais foi melhor do que eu. Ninguém jamais será mais
feliz do que eu.

Do seu grande amor,


Com carinho

Alfredo

E assim, foi...
A Nádima veio e é feliz. Eu a recebi e sou feliz. Mas para eu ser feliz, precisei
esquecer muita coisa que passou. Não ver as marcas do virtual. Apegar-se à
praticidade, sem analisar por que, e olhar pra frente. Entender, que a minha
felicidade, arrancada da pedra, com sacrifício, já me faz muito feliz. Nada é perfeito,
nem se pode ter tudo o que deseja.
Apesar do muito carinho que recebo, acho que faltou o essencial. Nunca tive o
prazer de ter o amor da adolescente, nem a paixão da ex-adolescente. Isso sempre fez
muita falta. Não veio junto. Por isso, nunca o senti. Talvez tenha ficado para trás, em
outras épocas. A mim, nunca me disse: - Eu te amo... - Nem com emoção, nem sem
emoção. Ela diz que sim. Eu não lembro. Isso faz falta na vida dum homem. Depois
de quase 20 anos, ela me disse:
-Acho que estou começando a me apaixonar por você... – Quem sabe? He, he,
he... Estou esperando isso acontecer há muito tempo!
Sim, vinte anos já se passaram. Já nos separamos, em épocas difíceis
financeiras. Já voltamos. Quase a perdi. Hoje, estabilizamos nossas emoções. Venceu
o bom senso e a razão. Dependemos totalmente um do outro. De todas as formas.
Vivemos grudados como se recém casados. Muito estranho... Indecifrável...

282
A Nádima hoje é funcionária do Tribunal de Justiça, formada em Direito e
aprovada na OAB. Um dia, poderá ser uma juíza. Somos casados e temos dois filhos,
uma já adolescente.
Sua vida é realizada em todos os sentidos. Como ser humano, como
profissional, como mãe, como esposa, como mulher. Se ficou algo de fora, só ela
sabe, mas eu cumpri as minhas promessas e me realizei também através dela. Mas...
Ufa!...
Era uma garota reservada e tornou-se uma mulher assim. Isso me dá um pouco
de insegurança. Não consigo invadir o seu íntimo para saber quem ela é. Com reações
controladas, emocionalmente indefinida, nunca sei o que ela está pensando ou
sentindo. Uma mulher que nunca chora...
Além de bonita, jovial, é cheia de qualidades (muitas mesmo) e insubstituível
como companheira, e não é difícil viver com ela. Não é à-toa que estamos
emplacando 25 anos juntos.
- Eu estou aqui, não estou? – ela diz.
- Está?... (???)

Rio de Janeiro, Setembro de 2003 (Rev. em 2009)


Alfredo Bernacchi

Nota: Esse livro, antes de ser “fechado” foi entregue à Nádima para ler, opinar,
explicar, defender-se e censurar, com toda a liberdade, de tal forma, que tudo o que
está escrito tem a sua perfeita concordância ou contestação explícita dela.

Nota da Nádima:
É surpresa para mim saber que nossa vida está emocionalmente incompleta. Da
minha parte, estou muito feliz, plenamente realizada e com as minhas emoções
intactas. O grande problema do Alfredo e do qual ele jamais se livrará é o profundo
desejo de que eu seja intensamente apaixonada, que o ame cegamente, que concorde
totalmente com ele em exatamente tudo. Ele gostaria também que eu não tivesse um
passado, que tivesse nascido da sua costela. Enfim, que eu não fosse uma pessoa e
sim uma máquina feita sob medida para Alfredo Bernacchi. Infelizmente ele não
conseguirá isso de nenhuma mulher, mesmo que uma extraterrestre. E se parece com
o Bentinho de “Dom Casmurro” (Machado de Assis), que fazia insinuações a respeito
de sua mulher, Capitu, deixando o leitor em meio a dúvidas.
Ele foi o único homem que me inspirou a poesia, para quem eu escrevi lindos e
apaixonados poemas. Coisas assim, ele esquece...
Lamento não conseguir fazê-lo inteiramente feliz, agindo com espontaneidade
(eu não sei fingir melosidade, não gosto de muito sentimentalismo). Sou mesmo, algo
introspectiva e reservada na minha privacidade, e é com razoável esforço que aceito a
publicação desse livro.
283
Da minha parte, sou muitíssimo feliz com meu marido insatisfeito. Ele e nossos
filhos me realizam como família, não preciso e não busco nada mais. Somente quero
usufruir toda essa riqueza que conquistei até agora.

Repararam?... não disse que ama nem que amou... He, he, he...

É claro que eu morro de ciúmes! Mas tenho razão, não é?


Alf.

FIM

Alfredo Bernacchi

284
Leia outras obras do autor: (E-books)
DISTRIBUIÇÃO GRATUITA
VENDA PROIBIDA

Venha viver comigo – Autobiografia. 1200 pgs. 500 fotos.


Seria uma excelente história de aventuras, se não fosse verdade! Todas as emoções possíveis, nesse
fantástico depoimento pessoal.

Confissões on-line – Relacionamentos. 400 pgs.


Centenas de depoimentos sobre os problemas cotidianos do casal. Meus conselhos sem preconceitos
e hipocrisia, buscando soluções.

Recuperando casamentos - Relacionamentos. 300 pgs.


Se você ainda não está comprometida(o) leia esse livro. Se ainda não separou, leia este livro. –
Antes...

O mundo e o submundo do prazer - Sexo. 400 pgs. 80 fotos.


Jamais alguém pode imaginar o que contém este livro. Vale a felicidade! Vale uma vida! Vale um
milhão de dólares. Não seja bobo de não ler.

Em se plantando tudo dá – Fruticultura. 250 pgs. 40 ilustrações.


Descomplicando, para só tirar prazer da fruticultura doméstica.

Sinto muito, mas Jesus Cristo não existiu – Religião – ateísmo. 300 pgs. Análise crítica sobre
textos de religiosos e outros deixando muito claro que Jesus Cristo é apenas mais um mito.

A Bíblia do Ateu – Religião – ateísmo. 326 pgs. Esse livro, acima de tudo, é um encorajamento aos
ateus para assumirem a sua posição filosófica no mundo. Dá dicas de debates, orienta os temas,
mostra o pensamento religioso e muitas outras novidades sobre o assunto.

Não tente Conquistar uma Adolescente (Há 500 km de distância). Seleção biográfica do Autor,
que através de 300 cartas conseguiu essa proesa. 284 pgs.

Deus perguntou ao Ateu – Baseado numa entrevista feita no Orkut. Perguntas matreiras,
provocadoras e respostas inteligentes e perspicazes. 322 pgs.

Os melhores debates – Ateus X Religiosos – Retirado e selecionado de intensos debates ocorridos


em fóruns da Internet. Para refletir e aprender. 309 pgs.

Para bom entendedor, meio Alcorão basta – Deixa claro o que é o islamismo, suas causas e
efeitos indesejáveis como o terrorismo. 358 pgs.

Deus??? Jesus??? A maior MENTIRA!!! - Um livro para liquidar a questão, escrito de maneira
aberta e sem sofismas. Mata a pau esses líderes de araque. 167 pgs.

285