Você está na página 1de 7

MARIA MONTESSORI:

BIOGRAFIA E TEORIA PEDAGÓGICA

Ananda Jullya de Oliveira Borges


Andrea Cristina Rauh da Silva
Cláudia Regina Aristich Bandoch
Diego dos Santos Ouriques
Ivette Terezinha Vieira
Letícia Eduarda de Souza
Serli Ana Caldato Modena
Sonia Shroeder Severino

Viviane de Sousa da Rocha


Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI
Licenciatura em Pedagogia (Ped1496) –– Pedagogia da Educação Infantil
28/10/2017

RESUMO
Neste artigo destacamos a importância de Maria Montessori para a educação, como ela
desenvolveu o seu trabalho e quais os desafios encontrados durante todo o seu processo de ensino.
Para o desenvolvimento deste trabalho foi necessário um estudo bibliográfico sobre a história de
Montessori, quais foram seus métodos de aprendizagem no Brasil e na Itália, qual a importância
de Maria Montessori em todos os processos de ensino. Analisamos todas as informações que
pesquisamos e ponderamos aquelas que relataram a postura e a prática de Montessori, que
desenvolveu o seu método baseado na educação dos sentidos e com a premissa de que a criança
sempre deve ser estimulada a aprender com suas experiências.

Palavras-chave: História de Maria Montessori. Metodologia. Educação Infantil.

1 INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem como foco central mostrar um pouco mais sobre a biografia de
Maria Tecla Artemesia Montessori e sua teoria pedagógica. Ela foi uma médica, educadora e
pedagoga que renovou o ensino desenvolvendo um método que ficou conhecido pelo seu nome:
Método Montessori.
Maria Montessori também foi a figura chave para a nova educação, seu método é
fundamentalmente biológico e sua prática se inspira na natureza e seus fundamentos teóricos.
2

O sistema educacional criado a partir de seus estudos e experiências continua difundindo e


utilizado em muitos países do mundo. O objetivo desse trabalho é mostrar as teorias de evolução e
renovação da educação através do Método Montessoriano

2 BIOGRAFIA

Maria Montessori nasceu em 1870, no dia 31 de Agosto, na cidade de Chiaravalle, Província


de Ancona, Itália. Pertencia a uma família bastante religiosa e conservadora, defensora da ideia de
que a mulher deveria se dedicar ao amor de Deus e as coisas sagradas. Desde muito cedo ela já se
interessou pelas matérias científicas, principalmente matemática e biologia, embora seus pais
possuíssem o grande desejo de que ela seguisse a carreira de professora. Em 1875, sua família muda
para Roma onde ela passa toda sua infância.
Contrariando sua família e vencendo as resistências da época, em 1892 torna-se a primeira mulher
italiana a frequentar a Faculdade de Medicina. Em 1896 concluiu o curso superior na Universidade
de Roma, com tese na área de psiquiatria. Ao participar do Congresso Internacional dos Direitos da
Mulher, em Berlim, onde foi convidada a ser delegada, ela discursou sobre a igualdade de salário,
direitos e possibilidades de estudo, e tornou-se internacionalmente famosa. Retornando á Roma,
continuou a dedicar-se aos seus estudos e se interessou principalmente sobre as doenças do sistema
nervoso central.
Em 1898, é nomeada codiretora da Escola Ortofrênica de Roma, de crianças com
deficiências mentais, onde Montessori e seu colega Giuseppe Montesano têm um envolvimento
afetivo e que resulta no nascimento de Mário, seu único filho, em 1900.
Em 1901 Giuseppe se une á outra mulher, sem nunca ter oficializado sua ligação com
Montessori e assim ela deixa a Escola Ortofrênica.
Em 06 de Janeiro de 1907, é inaugurada a primeira "Casa dei Bambini" (Casa das Crianças),
modelo de todas as instituições montessorianas. Nesta casa, Montessori teve a oportunidade de
aplicar com crianças ditas normais os seus métodos. Ela utilizou o mesmo material que havia usado
com as crianças deficientes e deu continuidade, criando outros. As crianças aprenderam a ler e a
escrever rapidamente. Já em 1909, publica O Método da Pedagogia Científica, obra que torna seu
trabalho conhecido internacionalmente, conhecido como o Método Montessori. Neste mesmo ano
realiza seu primeiro curso de treinamento de professores.
Em 1912 Montessori mudou-se para os Estados Unidos da América para lecionar em Nova
Iorque e Los Angeles, em 1916 esteve em Barcelona e 1920 lecionou em Londres.
Em 1924 Montessori encontra-se com o ditador Benito Mussolini, que concorda em dar
suporte para as escolas montessorianas. Mas, em 1931, as escolas são fechadas pelo governo por se
recusarem a apoiar o regime fascista. Por essa questão, Maria Montessori deixa a Itália e se
estabelece na Espanha. Maria Montessori viaja muito divulgando e implantando o Sistema
3

Montessoriano. Após a guerra ela se estabeleceu na Holanda, onde criou a AMI - Association
Montessori Internacionale. Em 1948 e em 1949 foi indicada ao prêmio Nobel por seu trabalho em
educação para a paz e veio para os Estados Unidos para trabalhar na Unesco.
O Sistema Montessori estendeu-se por todo o mundo. Montessori morreu em 06 de Maio de
1952, na Holanda.
Conforme Röhrs, 2010, p. 13:
A permanência do interesse suscitado por seus trabalhos não é devido a um desejo reverente
de proteger e preservar o passado, mas resulta de um autêntico espírito de pesquisa. É assim
por dois motivos: em primeiro lugar, o atrativo que a personalidade de Maria Montessori
exerce, atrativo que sobrevive a ela na sua obra e confere a suas ideias um fascínio
particular; em seguida, o objetivo que atribuiu a seu trabalho, a saber, fornecer à educação
das crianças uma base científica sólida constantemente verificada pela experiência.

Maria Montessori é um dos teóricos mais importantes para a prática educacional, pois
conseguiu unir suas teorias com a prática delas. As características principais de sua atuação são o
respeito pelo desenvolvimento humano e a educação pelos sentidos.

2.1 MÉTODO MONTESSORI

Maria Montessori sugeria que devemos fazer atividades em que as crianças fossem
estimuladas a aprender com a experiência. Seu método parte do concreto para o abstrato, sendo que
as crianças desenvolvem seus conhecimentos com a observação e manipulação de objetos palpáveis
tornando o aprendizado enriquecedor. Em seu trabalho desenvolveu vários materiais didáticos que
ainda são utilizados atualmente.
Esse método tem como foco as experiências sensoriais proporcionadas por estímulos do
ambiente e objetos utilizados determinados conforme os objetivos planejados, desenvolver os
sentidos faz com que percebamos o ambiente externo e o interno.
Todas as atividades desenvolvidas faz com que a criança obtenha concentração e disciplina.
Alguns dos materiais apresentados são autodidáticos, as crianças aprendem com suas tentativas e
erros.
Centrada numa postura voltada para os sentidos das crianças, com estímulos externos,
determinados e orientados para cada objetivo a ser desenvolvido da seguinte forma:

1. Educação básica ou de peso: por meio de tabelinhas de diferentes qualidades, de 24, 18


e 12 gramas.
2. Educação estereognóstica: desenvolver a habilidade de reconhecer ou identificar a
forma e os contornos dos objetos através do tato.
4

3. Educação do olfato e do paladar: exercícios muitos simples, em que são apresentadas


várias substancias diferentes, que as crianças cheiram ou provam, com os olhos
vendados, para identifica-las.
4. Educação táctil e térmica: consiste em desenvolver as habilidades pelo tato, agilidade,
noções de higiene, sensibilidade ao calor, sentidos térmicos e táteis. Para isso, utilizam-
se materiais de diferentes superfícies, tecidos diferentes, tigelas cheias de água em
temperaturas diferentes.
5. Educação da vista: tem como objetivo conduzir a criança a observar e perceber
distâncias e cores , utilizando caixas com cartões, encaixes sólidos, objetos de diferentes
tamanhos e espessuras.
6. Educação do ouvido: realizada através de exercícios que servem para a aquisição da
linguagem, treinando a atenção e reconhecimento dos sons com apitos, caixinhas cheias
de material diferentes e campainhas. Com educação do ouvido, cria-se uma introdução
para a iniciação musical, gestual e de atitudes.
7. Lição do silêncio: as crianças são levadas a observar ruídos – desde o voar de uma
abelha até o barulho percebido num parque.
Tais exercícios têm como objetivo fazer com que a criança ganhe concentração e disciplina.
No método montessoriano existem princípios básicos para sua efetivação que são:
1. Liberdade: Com a ideia de que a vida é desenvolvimento e que para permitir este
desenvolvimento devemos propiciar à criança um ambiente onde ela se sinta à vontade,
por isso a liberdade é o primeiro princípio.
2. Atividade: É consequência da liberdade, pois a criança precisa de liberdade, mas de
forma organizada. Para que ela aprenda o sentido da organização é necessário um
ambiente ordeiro, a criança deve ter liberdade com responsabilidade, isto a levará a
autonomia por meio de trabalho colaborativo. Montessori acredita em coordenação de
movimentos e controle da ação e desde cedo as crianças estimuladas a exercícios
sistemáticos, com material apropriado.
3. Individualidade: ninguém é livre sem ter sua individualidade, a educação deve ser
orientada para a formação da individualidade. A pessoa que consegue fazer suas
atividades sozinha valoriza suas ações e se valoriza, sua autoestima é desenvolvida e este
construirá um futuro produtivo e independente.
De acordo com Vignon, 2015, p.37:

Assim, a escola deve estar adaptada e organizada para manter a criança em plena liberdade.
A criança criará por si própria a disciplina, despertada pelo interesse do trabalho escolar.
5

Indisciplina, na visão montessoriana, é vista como doença ou atividade desinteressada. A


criança disciplinada é aquela sadia e bem dirigida. Todavia, liberdade não significa um
abandono e sim permitir o desenvolvimento das manifestações espontâneas das crianças- as
atividades.

Montessori foi quem teve a resplandecente ideia de criar ambientes totalmente voltados
para as crianças, adaptando todos os mobiliários: pias, mesas, armários, cadeiras, entre outros, todos
criados com o objetivo de melhorar o senso de responsabilidade de cada um. Neste espaço as
crianças poderiam exercitar a liberdade e disciplina.

Mandei construir mesinhas de formas variadas, que não balançassem e tão leves que duas
crianças de quatro anos pudessem facilmente transportá-las; cadeirinhas de palha ou
madeira, igualmente bem leves e bonitas e que fossem uma reprodução em miniatura das
cadeiras de adulto, mas proporcionadas às crianças. Encomendei poltroninhas de madeira
com braços largos e poltroninhas de vime, mesinhas quadradas para uma só pessoa e mesas
com outros formatos e dimensões [...]. (MONTESSORI, 1995, p. 42-43)

Entre os materiais criados por Montessori destaca-se o Material Dourado, encontrado


atualmente em praticamente todas as escolas de Educação Infantil e séries iniciais do ensino
fundamental, o qual explica e trabalha as quatro operações fundamentais da matemática.

Quando a criança se encontra diante do material ela responde com um trabalho


concentrado, sério, que parece extrair o melhor de sua consciência. Parece realmente que
as crianças estão atingindo a maior conquista de que seus espíritos são capazes: o material
abre à inteligência vias que, nessa idade, seriam inacessíveis sem ele. (MONTESSORI,
1969, p. 197-198 apoud ROHRS, 2010, p.23)

2.2 MÉTODO MONTESSORI NO BRASIL

O Método Montessori chegou ao Brasil por meio do Dr. Miguel C. Dupin que divulgou as
ideias de Montessori em uma palestra na Bahia, obtendo da educadora permissão para publicar no
Brasil o livro “A pedagogia científica: a descoberta da criança, em 1924”.
Em 1930 a professora italiana Joana Scalvo, que residia em Curitiba, trocou correspondência
com Montessori e conseguiu com os órgãos responsáveis que fosse implantado escolas
montessorianas no Brasil, à título de experiência.
Em 1950 a professora Piper de Lacerda B. Almeida fundou na cidade do Rio de Janeiro a
Associação Montessori no Brasil. Porém, o método precisa de material especializado, formação dos
6

professores para sua aplicação, ambiente amplo e adequado para as atividades. Por isso, no Brasil
somente as escolas públicas privadas conseguiram implantar este método com êxito.
A professora Armanda A. Alberto organizou a Escola Regional de Meriti, que empregou
visivelmente os procedimentos deste método como por exemplo: o conhecimento de higiene e a
educação doméstica no ambiente escolar.
Segundo Armanda A. Alberto (apud Röhrs,p. 42, 2010) “[...] sem a iniciativa particular, o
Brasil não resolverá tão cedo o problema da educação de seu povo, simplesmente porque falta à
União e aos Estados os recursos financeiros suficientes”.
Na Itália este método conseguiu atingir a classe econômica mais desfavorecida, entretanto
no Brasil o efeito foi ao contrário atingindo a os que podiam pagar pelo ensino público privado. As
escolas montessorianas foram implantadas somente nas capitais e grandes cidades onde o nível
econômico são maiores.
O método montessoriano no Brasil teve seu ápice nas escolas brasileiras nos anos de 1960 e
1970. Em 1973 a Secretaria de Educação de Valinhos, S. P., implantou o Sistema Montessori em
suas escolas de ensino público gratuito, onde vigorou por duas décadas mesclando com outras
teorias pedagógicas como as de Piaget e Ferreiro.
Atualmente são muitas escolas brasileiras que aplicam o Método Montessori, todos os anos
o Instituto Maria Montessori e a Escola Experimental Irmã Catarina preparam, em São Paulo, novos
professores especializados neste método.
Sua grande contribuição continua sendo a sua teoria da educação sensorial e a autoformação
das crianças, além da praticidade de utilização do material dourado, universalmente adotado na
educação infantil. Esses elementos do método convivem sem conflitos em escolas com técnicas
pedagógicas das mais variadas correntes de pensamento, muitos dos procedimentos utilizados nas
escolas brasileiras tem a influência das teorias de Montessori.

3 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Para alcançar o almejado Montessori enfrentou grandes dificuldades, a resistência da família


e o preconceito contra a mulher. Mas nada a impediu de vencer os ocorridos e se tornar a primeira
mulher italiana a concluir a faculdade de medicina.
Médica psiquiatra começou a trabalhar com crianças que possuíam alguma dificuldade
intelectual usando materiais didáticos criados por ela para estimular as crianças e fazer com que
aprendam através da experiência vivenciada. Percebeu então que esses materiais poderiam ser
utilizados com todas as crianças para desenvolverem seus conhecimentos.
7

Através disso o mundo começou a conhecer o sistema Montessori de ensino, seus materiais
didáticos que as crianças manipulam, trabalhando a concentração e disciplina, aprendendo com as
tentativas de erros e acertos.
Esses materiais ainda são utilizados atualmente, proporcionando as crianças essa experiência
sensorial incrível, tornando o aprendizado enriquecedor. Uma metodologia maravilhosa que se
encontra na sala de aula desde a Educação Infantil ao Ensino fundamental.
Para a construção do conhecimento essa metodologia é extraordinária e encanta a todos que
a conhecem. Uma história de uma mulher que batalhou muito e fez a diferença na educação
inspirando educadores de todo mundo.

REFERÊNCIAS

VIGNON, Luana. Guia do Educador: Teorias Pedagógicas: Educação infantil. São Paulo:
Eureka, 2015.
RÖHRS, Hermann. Maria Montessori . Tradução: Danilo Di Manno de Almeida,
Maria Leila Alves. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010. (Coleção
Educadores)
FRASÃO, Dilva. Biografia Maria Montessori. Disponível em:
https://www.ebiografia.com/maria_montessori/. Acesso em: 18 out 2017.