Você está na página 1de 4

O CAMINHO EM QUE

DEVE ANDAR
Pr. Henrique de Souza
Líder do Ministério da Família da ABS

Introdução:

Outro dia ouvir uma estória a respeito de uma mulher de baixo poder
aquisitivo que passeava com seu filhinho num bosque quando ouviu uma
voz que vinha de dentro de uma caverna:
- Aqui dentro há muito ouro, prata e outras pedras preciosas. Meio des-
confiada, olhou no interior da caverna e constatou que, de fato, ela estava
recheada de tesouros insondáveis.
– Posso mesmo pegar o que quiser ?
– Sim, mas, você poderá encher apenas uma sacola e terá apenas dois mi-
nutos para escolher o que quer levar. Depois deste tempo, saia correndo,
pois a caverna se fechará para sempre com tudo que ainda estiver aqui
dentro.
Premida pelo tempo e com tantas opções à sua frente, a mulher escolhia,
juntava, trocava, destrocava, ajeitava os objetos na sacola, trocava novamen-
te.
– Agora você tem apenas 10 segundos… 9, 8, 7…
Ela pegou mais umas pedras preciosas.
– 6, 5, 4…
Pegou mais uma bandeja de ouro e saiu correndo.
Já do lado de fora, ainda teve tempo de assistir a entrada da caverna se
transformando num imenso paredão de rocha. Olhou a sacola, avaliou o
que havia conseguido juntar e concluiu que agora era uma mulher rica e
iria poder dar ao seu filho uma vida melhor…
– Meu Deus… meu filho! Meu filho, meu Deus, meu filho…
Na correria, esqueceu seu filho dentro da caverna. Para sempre!
Esse conto ficcional oportuniza uma reflexão sobre a educação de filhos.
Há casos de pais, que priorizam tantas coisas neste mundo em detrimento
ao cuidado dos filhos que o Senhor os confiou.
Como pais, devemos saber que um dia Deus vai perguntar: “Onde está o
rebanho que te foi confiado, o teu lindo rebanho?” Jeremias 13:20. Ou em
outras palavras: Onde estão os filhos que eu te dei ? Cada um de nós terá
que responder, queiramos ou não. Permita Deus, que nossa resposta possa
ser a que está em Isaías 8.18, “Eis-me aqui, e os filhos que o Senhor me deu.”
Repetida em outras palavras em Hebreus 2:13: “Eis aqui eu, e os filhos que
Deus me deu.”
A Palavra de Deus nos orienta como sermos bem- sucedidos nesta jor-
nada de educação de filhos. Comecemos a nossa reflexão bíblica lendo
Provérbios 22:6.
Este texto sagrado, inspirado pelo Espírito Santo, indica o papel dos pais
no desenvolvimento saudável da criança. Dele podemos extrair lições para
a educação dos filhos, que veremos a seguir.
2- As crianças precisam ser conduzidas.

“As crianças a quem se permitem seguir seu próprio rumo não são feli-
zes” (Orientação da Criança, p. 213 e 2014). As crianças precisam necessaria-
mente serem conduzidas. Os pais são os representantes de Deus, e a obra
de preparar os filhos tanto para esta vida como para a vida eterna, pertence
aos pais. Porque o lar é a primeira escola, e os pais são os primeiros profes-
sores.
No Antigo Testamento Deus instruiu os pais de família, dizendo: “Estas
palavras que hoje te ordeno, estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus
filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao
deitar-se e ao levantar-se. Também as atarás como sinal na tua mão e serão
por frontal entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa, e
nas tuas portas” (Deuteronômio 6:6-9). Mais de mil e quinhentos anos mais
tarde, o apóstolo Paulo escreveu: “ Pais, não provoqueis vossos filhos à ira,
mas criai-os na disciplina e na admoestações do Senhor” (Efésios 6:4)
“Não deverão gerar filhos quem não quer dar-se ao trabalho de criá-los e
educá-los” – Platão

3 – Os pais precisam ensinar por meio de atos e atitudes exemplares.

Ensinar no contexto do Antigo Testamento envolve, especialmente no


livro de Provérbios, dá exemplo, ensinar através de atos e atitudes. Ellen G.
White declara que este versículo ordena os pais a dirigir, educar e desenvol-
ver”; para fazer isso, porém, “devem eles próprios compreender o caminho
em que a criança deve andar (CPPE, p. 108)
As crianças são espelhinhos perfeitos que refletem a mesma imagem
dos que as rodeiam. Nossa expressão facial, nossas maneiras, nossos hábi-
tos e atitudes, serão vistos nelas. Se os pais sorriem ao falar, é provável que
o filho sorria ao responder. Se a mãe se irrita, provavelmente a criança será
impertinente e irritadiça.
O que a criança vê, o que ela ouve, e o que experimenta, dia a dia, tor-
na-se parte dela. A rotina diária da família é a norma que a criança seguirá.
“um pai, ainda que pobre, tem sempre uma riqueza para deixar ao filho: o
exemplo” – Coelho Neto

4- Devemos ensinar para a criança o caminho de Deus como um estilo de


vida.

“Caminho” no livro de provérbios nos primeiros nove capítulos jornada


não é o trilho em si mais a jornada espiritual que fazemos. Na prática, hoje,
envolve ter comunhão com Deus, meditação, estudo da Bíblia e da Lição
da Escola Sabatina, oração, culto familiar diariamente, a prática do amor e
a participação nos cultos de adoração da igreja, bem como o envolvimento
nas ações missionárias da igreja. Os pais precisam ter esta experiência de
intimidade e fidelidade com Deus e ensinar isto para a criança, que por sua
vez, irá andar na vida por este caminho empreendendo esta jornada espi-
ritual.
Ensinamos quando vivenciamos o que falamos e conduzimos as crian-
ças pelas mão, por um caminho, uma jornada, um estilo de vida adequado.
Poderíamos lembrar de vários exemplos de crianças que foram edu-
cadas dentro dos padrões da orientação de Deus. Vamos citar apenas dois
exemplos:
a) Moisés - Tornou-se o líder do povo de Deus. Como historiador, poeta, filó-
sofo legislador e líder - excedeu todos o homens da antiguidade.
b) Samuel - Dedicado a Deus desde a concepção. Serviu a Deus nos dias
dos primeiros reis de Israel. Tornou-se um grande profeta do Senhor.
Hoje, nos Século 21, em meio aos seus grandes desafios, podemos pelo
poder de Deus ensinar este caminho de bencãos terrenas e eternas para
os nossos filhos.

5 – Conclusão e apelo

Um pai de família vivenciava uma rotina diária muito tensa e cansativa.


Ele morava em uma cidade e trabalhava em outra. Todos os dias se valia do
único meio de transporte possível para ele, o trem. Saia de casa pela manhã
bem cedinho, durante o dia inteiro desenvolvia um trabalho braçal que o
deixava fisicamente exausto, depois voltava pra cidade onde residia dentro
do último trem que fazia este percurso diariamente.
Certo dia ele estava seguindo a rotina diária, mas parecia que estava
mais cansado que os outros. Ele só pensava em concluir suas atividades
profissionais do dia e voltar para casa para descansar e rever a família.
Finalmente, chegou o horário de ir embora. Quando se aproximou da
estação, foi surpreendido, percebeu que o transporte que o levaria de volta
para casa, o ultimo trem do dia, por algum motivo chegou mais cedo e já
estava sinalizando para sair. Então, naturalmente, ele começou a correr ob-
jetivando entrar naquele trem. Pois perdê-lo, ocasionaria prejuízos. Enquan-
to corria para entrar no trem que já estava praticamente partindo, mas que
ele ainda poderia alcançar, chocou-se com uma criança, sentada na esta-
ção, que acabara de colocar a ultima peça de um grande quebra-cabeça, o
qual passou muito tempo tentando montar pela primeira vez.
Aquele pai de família, cansado, desejoso de voltar para casa, a poucos
metros para entrar no último trem do dia que o levaria para seu lar, agora
teria que decidir entre correr mais um pouco e pegar o trem que estava
indo embora, ou reparar o estrago que fez no quebra-cabeça daquela crian-
ça, que já esboçava em seu rosto um choro de tristeza...
Em frações de segundo ele precisava decidir... decidiu então deixar o trem
ir embora, levando a esperança de ver a família naquele final de dia.
Agachou-se e animou aquela criança a remontar aquele brinquedo. Ele
mesmo voltou a sentir-se criança novamente e desenvolveu uma amizade
prazerosa com aquele garoto. Foram encaixando peça por peça, até que
finalmente montaram a imagem por completa. O garoto sorria, pois agora
via o quebra-cabeça todo montado.
Imediatamente, depois de concluírem a montagem juntos. O garoto
olhou para aquele homem e perguntou:
- Posso te fazer uma pergunta ?
- Sim, respondeu o pai de família.
- Você é Jesus ? indagou o garoto.
- Não sou Jesus, você está vendo que não sou Jesus. Sou até cristão, mas
não sou Jesus ! Disse o homem.
- O menino disse: perguntei, porque nunca vi Jesus tão real na vida de
alguém como vejo na sua. Ninguém nunca me deu a atenção que o se-
nhor me concedeu bondosamente. A partir dai a amizade cresceu, aquele
homem ministrou estudos bíblicos para o garoto que se tornou um bom
cristão.
Nossa tarefa na criação de filhos chegará ao ápice do sucesso quando
eles verem o caráter de Jesus sendo reproduzido em nós. Com o caráter
de Cristo em nosso ser, estaremos mais convictos que somos responsáveis
para conduzir os nossos filhos por meio de atos e atitudes exemplares que
os inspirarão a experimentar o verdadeiro discipulado cristão com estilo de
vida preparatório para a maravilhosa eternidade que Deus almeja conceder
a nossa família.
Logo Jesus voltará a este mundo para reunir a família da terra com famí-
lia do céu. Cada filho da família terrestre deverá receber as boas vindas no
lar de glória. Permita Deus que todos nós, pais e filhos sejamos recebidos
por Jesus quando Ele vier. O meu grande desejo é que vocês pais possam
ser abençoados ao educar os seus filhos. E um dia Deus os recompense
com a herança do Senhor.
Você, pai ou mãe, deseja experimentar este plano de Deus em sua vida.
Se sentir-se a vontade, venha aqui a frente, no “Altar do Senhor”, neste mo-
mento, para juntos suplicarmos o poder do Espirito Santo.

Interesses relacionados