Você está na página 1de 2

O meio Ambiente das Organizações

1. O MEIO AMBIENTE DAS ORGANIZAÇÕES

O homem vive rodeado de organizações, das quais serve-se para satisfazer as suas necessidades. As
organizações estabelecem uma relação com o meio ambiente, designadamente a envolvente contextual
e a envolvente transaccional.

a) Envolvente Contextual

Qualquer organização deve actuar consciente de que está inserida numa sociedade, afim de
desenvolver sua actividade de forma aceitável para esta mesma sociedade.

Assim, designa-se por envolvente contextual o conjunto de caracteristicas que definem o exterior, em
sentido lato, da organização e que influenciam a sua actuação na sociedade, ao mesmo tempo que lhe
concedem o essencial da sua razão de ser. Esta envolvente é o conjunto das características sociais,
culturais, políticas, tecnológicas, éticas e económicas que compõem o sistema social (sociedade) onde a
organização está localizada.

Contexto Económico - Determina as trocas de bens e serviços, dinheiro e informação na sociedade.

Principais variáveis: PIB, taxa de inflação, taxas de juros, taxa de câmbio, taxa de desemprego, balança
comercial, custos energéticos e taxa de poupança;

Contexto Sócio-cultural - Reflecte os valores, costumes e tradições da sociedade.

Principais variáveis: Estilos de vida, valores sociais, taxa de natalidade, estrutura etária, taxa de
analfabetismo, distribuição geográfica, nível educacional e composição étnica.

Contexto Político-legal - Condiciona a alocação de poder e providencia o enquadramento legal da


sociedade.

Principais variáveis: estabilidade política, política económica, enquadramento legal, legislação laboral,
restrições ao comércio, leis antimonopólio e lobbying.

Contexto Tecnológico - Traduz o progresso técnico da sociedade.


Principais variáveis: inovações tecnológicas, inovações de processo, protecção de patentes, incentivos
do governo e normas de qualidade.

b) Envolvente Transaccional

Da mesma forma que a organização precisa conhecer a sua envolvente contextual, também necessita de
angariar recursos – humanos, físicos, financeiros, e outros – para as suas actividades produtivas. Mesmo
porque esta organização só pode sobreviver se for capaz de interessar a terceiros – os seus clientes – no
resultado (produto ou serviços) – output – da sua actividade concreta.

Assim, designa-se por envolvente transaccional de uma organização o conjunto de entidades, indivíduos
ou organizações que entram em contacto directo com essa organização (clientes, concorrentes,
fornecedore, comunidades, etc), geralmente através de uma relação de troca – transacção – que pode
ser imediata troca directa entre a organização e uma dessas entidades, ou mediata, em que a troca
directa entre a organização e essas entidades é feita através de terceiros (mediada por outras
entidades).

Clientes - Consumidores actuais e potenciais dos bens e serviços oferecidos pela indústria; em conjunto,
constituem o mercado ou a procura. Os clientes devem ser agrupados em segmentos de mercado.

Concorrentes - Competidores actuais e potenciais dos bens e serviços oferecidos pela indústria; em
conjunto, constituem o mercado ou a procura. Devem ser estudadas as capacidades, objectivos,
estratégias e pressupostos dos concorrentes.

Fornecedores - Agentes económicos que prestam serviços ou vendem produtos à indústria.

Deve-se analisar todo o tipo de fornecedores de produtos e serviços requeridos pela indústria.

Comunidade - Organizações, indivíduos e factores que partilham recursos e têm interesses directa ou
indirectamente relacionados com o mercado e a indústria. A actividade da empresa tem de ser
enquadrada na comunidade onde opera.