Você está na página 1de 25

No Fascínio do Campo de Pânico

De Clark Dalton

Tanto na Terra quanto nos outros mundos da humanidade,


registrava-se o final de junho de 3442. Na batalha contra o caos de
dimensões galácticas da imbecilização e contra o poder do Enxame,
Perry Rhodan com os seus poucos imunes já alcançou um notável
êxito e na própria Terra também foram notados progressos.

Lá, a maioria das pessoas obteve de volta quase toda a sua


inteligência anterior e se tornaram úteis. Isso vale principalmente
para os homens e mulheres da MARCO POLO.

Eles regressaram a bordo da nave capitânia e adquiriram, ao


entrar no Enxame, toda a sua inteligência de volta.

Com toda a tripulação e a capacidade de combate da MARCO


POLO e de suas naves auxiliares, Perry Rhodan dispõe de uma força
de combate notável, com a qual seria possível incomodar
sensivelmente os próximos planos dos governantes do Enxame.
Com a operação “Infecção”, os terranos da MARCO POLO
levaram pânico e confusão às fileiras inimigas. No entanto,
brevemente se revelará que os governantes do Enxame são capazes
de devolver com a mesma moeda – e os próprios “criadores do
pânico” cairão NO FASCÍNIO DO CAMPO DE PÂNICO...

Personagens Principais

Perry Rhodan – O administrador–geral teve uma ideia que Gucky já


tinha tido antes.
Atlan – Chefe de uma nova expedição da GEVARI.
Gucky – O rato–castor se tornou avoado.
Harno – O ser do espaço e do tempo será acordado.
Balton Wyt – O telecineta se revelou um cantor.
Takvorian - O mutante equino foi usado como isca.
Mentro Kosum – Piloto da GEVARI.

20 de junho do ano de 3442 no tempo normal da Terra!

O Enxame ainda estava lá e ameaçava a existência de toda a


Via Láctea. Com a MARCO POLO, Rhodan conseguiu penetrar na
minigaláxia, que se move de uma ilha de estrelas para outra há
milhares de anos. Se ele quisesse salvar a própria galáxia da iminente
queda, ele teria que interromper a reprodução dos conquistadores
amarelos ou persuadir o ainda desconhecido governante do Enxame –
se necessário com violência – a deixar essa reprodução ocorrer
dentro da minigaláxia. Dessa forma os povos de outros planetas da
galáxia não perderiam suas vidas.

Parecia que tinha sido achada a ferramenta contra o Enxame.

Os vírus reguladores causavam uma deformação das células


corporais dos conquistadores amarelos e, com isso, a esterilidade
desejada por Rhodan era alcançada.

O plasma celular doente do planeta Kokon dentro do Enxame


forneceu a base do soro que foi levado em mísseis na velocidade da
luz ao mundo dos conquistadores amarelos e despressurizado na sua
atmosfera. A última tentativa nesse sentido não pôde ser vista como
especialmente bem sucedida.

Tinha sido descoberta a ferramenta que parava a reprodução,


mas a forma final aplicada não obteve êxito...

Capítulo 1

Perry Rhodan olhou confuso para Atlan.


“Você realmente acha que nós ainda deveríamos tentar mais
uma vez? Nós já perdemos uma nave, não se esqueça. Nós podemos
nos considerar sortudos por não termos ainda sido descobertos.
Afinal, nós estamos no meio do Enxame, na boca do leão.”
“Você tem uma ideia melhor?” De fato, naquele momento,
Rhodan não tinha.

“Claro que não, mas você tem que reconhecer que nossa ação
causou muitas confusões. Nós ainda não sabemos quem governa e
dirige o Enxame, mas nossa presença e atividade, sozinhas foram
suficientes para acabar com a ordem dentro do Enxame. Certamente
isso está longe de ser um sucesso arrebatador, mas eu posso
classificar como um começo.”

“Sua confiança me deixa quase contente”, Atlan disse com um


traço de ironia. Seu rosto permaneceu sério. “Nós devemos deixar
esse negócio com o Enxame para trás muito em breve, senão o
Império Solar deixará de existir, Perry, e eu iria lhe aconselhar nesse
ponto: todo meio é legítimo!”

“Os vírus reguladores já são “todo meio”, Atlan. Nós paramos a


reprodução – com isso muito já foi conquistado.”

“Nós temos que acertar os governantes desconhecidos em um


ponto sensível. Os conquistadores amarelos revoltados certamente
lhes causam preocupação, mas não muita. Eu reconheço que nossas
naves pequenas e grandes causam bastante raiva, mas com elas não
se derrota nenhum inimigo como esses.”

“As naves ocupam-se inteiramente dos mapas estelares Atlan,


também não se esqueça disso! Nós só conhecemos alguns sóis
marcantes dentro do Enxame. Em caso de emergência, nós nem
mesmo poderíamos achar um determinado local exato, mas sim
teríamos que confiar em coordenadas vagas. Se nós quisermos
operar em grande escala dentro do Enxame, nós precisamos de um
mapa correto. E nós só o conseguiremos através de nossa ação
secundária.”

“Entendido. Cem naves, que aparecem totalmente inesperadas,


causam confusão e trazem, com isso, mais informações úteis. Mas
uma decisão...?” Ele balançou a cabeça. “O que eu gostaria de ter
com isso é uma decisão! Nada mais e nada menos que uma decisão!”

Rhodan concordou. “Eu também, Atlan, eu também.”

Eles sentaram-se na estação de controle da Marco Polo, a


gigante nave esférica de dois quilômetros e meio de diâmetro. No
planeta Kokon, eles estavam seguros de todas as localizações, pois o
plasma inteligente dos conquistadores amarelos deformados tinha
coberto a nave totalmente de forma que a menor radiação
energética, que poderia ter sido dirigida do espaço para a localização,
não seria detectada.

Há alguns dias atrás, cinqüenta cruzadores de cem metros e


cinqüenta corvetas com o diâmetro de sessenta metros haviam sido
liberados sob o comando de Joak Cascal e Edmond Pontonac e
avançaram no Enxame. Escondida, a Marco Polo ficou na retaguarda.

Tratava-se de uma ação, sobre a qual os dois homens já tinham


discutido. Justamente aquela aparente discussão revelava o ponto de
vista comum dos seus pensamentos. Os dois estavam tudo menos
satisfeitos com o êxito nessa ação.

“Mais alguma coisa virá além disso”, Atlan disse.

“O que mais?”

“Harno!”

Rhodan anuiu concordando, mas não disse mais nada sobre


isso.

Seu mutante mais capaz, o rato castor Gucky, tinha libertado


Harno do poder dos governantes desconhecidos do Enxame, mas
depois disso nada mais tinha acontecido. A esfera preta brilhante do
tempo e do espaço, de quase um metro de diâmetro, tinha diminuído
a uma esfera do tamanho de um punho, que não dava mais sinal de
vida. A coloração marrom escura parecia apática e morta. Ela parecia
ter perdido todas as suas maravilhosas habilidades. Todas as
tentativas para ressuscitar Harno até agora tinham fracassado. A
esfera jazia na cabine de Gucky. O rato–castor era o melhor amigo do
curioso ser vivo – se quisesse classificar Harno como um ser vivo no
sentido puro da palavra.

Finalmente, Rhodan disse:

“Eu não sei se Harno poderia nos ajudar nessa situação. Não se
esqueça que ele próprio caiu sob o poder do Enxame antes de Gucky
o salvar. O cristal hipnótico o manteve preso até que Gucky pudesse
salvá-lo. Depois disso deu-se esse estado estranho e preocupante que
não teve qualquer mudança até hoje.”

“Assim mesmo, isso quebra a minha cabeça. Por que um ser


como Harno ficou nesse estado? Nós não sabemos muito sobre ele.
Harno não é um ser vivo orgânico. Ele é constituído de energia, do
espaço e do tempo – uma mistura inimaginável para nós. Em
circunstâncias normais, sua superfície pode se transformar em uma
tela tridimensional, na qual todos os lugares do universo conhecido
são vistos – ao mesmo tempo, sem a perda de um único segundo.
Uma habilidade que nós nunca iremos compreender. Harno estava,
como ele mesmo afirmava, no final do tempo. Rhodan! O final do
tempo! Você pode imaginar algo como isso? O que é o final do
tempo? Harno descreveu isso com uma única frase, você ainda se
lembra? Ele disse que o tempo endurece e fica parado!”

“E ele completava que o tempo se retransforma no que ele


realmente é. Em energia e em espaço.”

“Ou em matéria.”

“Tudo é a mesma coisa, apenas em um estado diferente de


agregação.” Rhodan suspirou. “Um ser como esse poderia derrotar os
governantes desconhecidos do Enxame! Como nós poderíamos
considerar nossa ação um êxito?”
Atlan riu de leve.

“Agora você está pessimista, Perry! Esse não era o objetivo da


minha incerteza. Eu estou convencido que no final, nós iremos ter
êxito, apenas me parece que o caminho é certamente longo. Agora
nós iremos ver...”

Rhodan ficou pensativo. A menção de Harno parecia ter


estimulado sua imaginação.

“Eu deveria conversar com Gucky”, ele disse.

Atlan percebeu na hora o que o seu amigo queria dizer.

“Talvez você devesse”, ele concordou.

***

Nesse momento, eles ainda não suspeitavam que o seu plano


tivesse chegado tarde demais.
O rato–castor já tinha resolvido por seus próprios meios os
acontecimentos futuros.
Ao despertar do período de descanso programado que
substituía o dia e a noite, Gucky se preocupou primeiramente com
Harno, como de costume. A esfera do tamanho de uma bola de tênis
recostava-se imóvel em uma prateleira estofada no seu armário da
parede e sua superfície estava indescritivelmente dura. Era como se a
libertação do feitiço do cristal hipnótico tivesse anulado toda a sua
força de resistência e causado essa reação de catalepsia parecida
com a morte.

Ao observar a esfera marrom escura, Gucky percebeu que


todos eles deixaram passar uma grande chance ao simplesmente se
conformarem com a inatividade de Harno. O ser curioso tinha
passado muito tempo – esse termo era relativo - como prisioneiro no
Enxame. Um ano, mil anos, talvez um milhão de anos – quem iria
saber. O próprio Harno não sabia mais. Mas se alguém soubesse algo
sobre o Enxame, seria Harno. Cuidadosamente, Gucky pegou a
esfera do armário e voltou para a cama para se sentar. Pensativo, ele
observou na sua mão a coisa indescritível, que na realidade era um
dos maiores mistérios do universo. E ele era seu amigo.

“Harno, o que há com você? Por que você não responde quando
eu te pergunto? Você não pode estar morto! Ras disse que você
sofreu um choque parapsíquico – talvez isso seja verdade. Mas se for
isso, nós devemos poder eliminá-lo. Como, Harno? Como ele pode ser
eliminado? Você não pode pelo menos me dar uma dica? Você
poderia me dar um sinal que você está me entendendo?

A esfera não teve nenhum tipo de reação.

Mas o rato–castor não desistia fácil quando ele tomava uma


decisão. E Gucky tinha tomado a decisão de trazer Harno à vida e lhe
pedir ajuda. E ele tinha que fazer tudo sozinho sem ajuda externa. Há
mais de mil anos luz e até mesmo do limite do tempo, ele teve êxito
de entrar em contato com o Harno preso, mas, naquele tempo, além
da sua própria força para psíquica, ele tinha a sua disposição a forte
força parapsíquica de Ribald Corello. Dessa vez ele tinha que
conseguir tudo sozinho. Ele estava convencido que Harno estava vivo.
Devido somente à experiência chocante que ele teve, ele estava
encapsulado – provavelmente encapsulado temporariamente. A
esfera amarronzada não era nada mais que um material atemporal,
talvez não era nem mais o próprio Harno.

Nos dias anteriores, Gucky ficou um pouco tranqüilo. A Marco


Polo estabeleceu-se em Kokon enquanto suas naves auxiliares
operavam dentro do Enxame. Quando ninguém se interessava por ele
e ele podia passar a maior parte do tempo na sua cabine. Com isso,
ele tinha certeza que não seria importunado.

Ele foi para cama e se sentou. Apesar de Harno aparentemente


não poder entende-lo, ele disse:

“Eu vou agora deitar e relaxar, meu amigo. Eu quero tentar


separar minha consciência do meu corpo como eu já fiz uma vez.
Então, um contato entre eu e você deverá ser possível...”

Para ele, como mutante com múltiplas habilidades, era claro


que a consciência só pensa com sua completa consistência e
capacidade, se ela tiver se separado da matéria. Então ela
desenvolverá todos os seus mistérios e todas as suas habilidades
presas ao seu corpo. Sua capacidade mais que multiplicará.

Harno jazia pesado sobre seu peito quando ele se deitou e


fechou os olhos para poder se concentrar. Um bloco impedia que ele
fosse importunado pelo fluxo continuo de impulsos de pensamento
dos seres vivos que se encontravam a bordo da Marco Polo.

Com grande intensidade, ele começou o processo de


desvinculação da consciência. Ele sabia o quão difícil o era sob essas
circunstâncias. Para ele não havia qualquer tipo de ajuda. Ele estava
sozinho e só podia depender de si próprio.

“Harno! Você consegue fazer contato...? Tente, Harno, por favor


tente! Eu não consigo aguentar muito mais...”

A desvinculação não foi totalmente bem sucedida. Gucky


percebeu meio que inconsciente ao abrir os olhos.

Ele olhou com os seus próprios olhos! Essa foi a grande


diferença com a da outra vez, quando ele achava que flutuava no
quarto sem seu corpo e via a si próprio deitado na cama. Daquela
vez, ele praticamente existia de duas formas – uma como consciência
e uma como corpo.

A separação não foi dessa vez bem sucedida.

Mas o esforço mental não foi em vão.

Uma voz telepática na sua consciência foi como um sussurro


mental que tinha um sentido vago e infinitamente fraco. Mas ele a
entendeu.

“Gucky...! Você me achou...?”

O rato – castor dobrou seus esforços sem desperdiçar energia


com a tentativa de separar-se do próprio corpo. Ele apenas tentou
manter o contato com Harno.

“Você está comigo, Harno, bem perto de mim! Você está sobre
o meu peito – sua matéria. Onde está sua consciência?”

“Perdida – perdida no tempo e no espaço. Atirada pela


repentina perda de todas as algemas que eu tentava eternamente
quebrar. Eu não me achei mais novamente.”

“Sim, você vai achar!“ Gucky sabia agora que só dependeria


dele manter contato para ele ajudar a consciência de Harno. “Você
me entende? Clara e distintamente?“

“Um pouco fraco, mas claro o bastante. Talvez eu consiga te


achar no matagal. Não pare de pensar, meu amigo. Com as
coordenadas de destino determinadas agora devo ter sucesso...”
E Gucky pensou... Ele pensou fortemente no incompreensível
que ocorreu com Harno. O ser energético não podia possuir uma alma
no sentido humano.

Só porque ele consistia em energia, matéria, espaço e tempo


que ele pode se separar em coisas materiais e imateriais. Para trás,
ficou apenas a indefinível esfera marrom, que repousava sobre o
peito do rato–castor, pequena e inalterada.

“Harno, você ainda está aqui...”

A resposta veio nem mais forte nem mais fraca:

“Eu ainda estou aqui e eu vou nos achar.”

Não foi muito difícil para Gucky continuar a pensar


intensivamente por mais tempo.

Esse pensamente intensivo não pode ser comparado com o


fenômeno normal de pensamento. O homem “pensa”
continuadamente e sem parar. É exigida até mesmo uma enorme
força de vontade para não se pensar. Alguma coisa sempre está
passando pelo cérebro dos homens, mesmo que seja um pensamento
improdutivo que é criado, e imediatamente é esquecido.

Já o pensamento intensivo exige uma concentração


inimaginável em um objeto bem determinado de natureza material ou
espiritual. Ele exige desde o pensamento consciente até do mais
profundo do inconsciente. Portanto, ele exige toda a força de vontade
do indivíduo.

Somente um mutante como Gucky possui essa força de


vontade – e a habilidade.

Cada vez mais frequentes, chegavam notícias de Harno. Ele não


perdeu por nenhum segundo o contato com o rato–castor.

“O tempo... o tempo...! Quando eu estou...? Eu não consigo


determinar. Mas eu tenho a direção, as coordenadas... ”

Gucky começou a suar pelo tanto que ele estava se esforçando


no procedimento. Mas ele sentia o resultado chegando e isso lhe dava
nova força. Seu pensamento intenso era concentrado totalmente no
próprio Harno, não mais no geral como antes.

“... o Enxame – Harno, você se lembra? Ele te manteve preso no


cristal hipnótico, nós o libertamos. O choque... ”

“Eu estou quase há uns dois milhões de anos...”


Será que o nosso futuro ainda está tão distante, pensou Gucky
intensamente e sem querer – e, ao mesmo tempo, aliviado. Será que
haverá o fim do futuro?

“Há também tempo ainda além do nosso futuro”, veio claro e


explicito para ele.
“O fim do tempo está a uma distância incrível...”

O peso da esfera marrom sobre o peito de Gucky não se


modificava, mas seu volume, sim. O rato – castor percebeu isso ao
pousar seus olhos sobre ela. A esfera ficou maior.

“Harno, você está voltando... ”

“Gucky, o caminho através do tempo é longo e penoso. Ele é


mais difícil que o caminho através do espaço, que vocês já dominam.
É muito mais difícil e perigoso. Dessa vez, eu o peguei
involutariamente. As complicações são inimagináveis. ”

“Você vai conseguir? ”

“Sim, se você continuar a pensar. ”

E Gucky pensava, pensava, pensava, enquanto a esfera sobre


seu peito gradualmente crescia de tamanho assim como a cor
também mudava. O marrom se transformava devagar e
constantemente para um preto marcante e lustroso. Era um preto
absoluto, bem preto, e opaco, que se deixava ser comparada apenas
com a escuridão absoluta.
Harno se transformou em uma esfera com um metro de
diâmetro.

“Apenas mais alguns milhares de anos, Gucky, e nós teremos


conseguido!”

“Você se parece como sempre foi!” o rato–castor comemorava


e por milésimos de segundo diminuiu sua concentração.

Imediatamente chegou o pedido de Harno:

“Pense intensivamente, meu amigo! Você é a única pista que


eu tenho do seu tempo! Se eu a perder, talvez eu nunca mais a
encontre novamente!”

Gucky apavorou-se sem querer, então ele dobrou seu esforço.


Ele sentiu a aproximação de Harno mentalmente. A esfera, que agora
flutuava um pouco para cima e tirava o peso do seu peito, não se
modificou muito mais. Talvez ela se tornou um pouco maior, mas isso
não podia ser verificado exatamente. De qualquer maneira, a esfera
marrom e do tamanho de um punho não podia ser comparada com
essa mais.

“Quase... quase...!”

Gucky sabia que ele não podia confiar na noção de tempo de


Harno. O que seria apenas minutos ou horas no tempo normal do
Império Solar, significaria milhares de anos para Harno. Ou vice-
versa. Para o Império Solar, talvez a passagem de milhares de anos
seja um espaço de tempo impensável para um vivente e para Harno,
apenas segundos na eternidade.

Portanto “quase” podia significar tudo.

Os impulsos de pensamentos de Harno chegavam mais fortes e


concentrados. Eles se aproximavam.

“Eu estou voltando, cada vez mais – eu me achei!” o ser


energético comemorou. “O problema está resolvido e você nem
suspeita o quão longe eu estava..! Relaxe agora, Gucky, não há mais
nenhum perigo de eu me perder...”

Na esfera preta, que agora tinha quase um metro e meio de


diâmetro, brilhou primeiro um impulso de luz indistinto e embaçado,
mas ele significava a volta definitiva de Harno. Agora, Gucky sabia
que ele tinha conseguido. Apenas mais alguns minutos e Harno
estaria de volta para sempre.

Pelo menos pelo tempo que ele quisesse ficar.

Ninguém poderia saber quão longo isso seria, mas se ele


desaparecesse novamente, seria, dessa vez, voluntariamente. Gucky
sentia como suas forças voltavam. Ele não precisava mais concentrar-
se tanto em Harno. Involuntariamente, ele enfraqueceu o bloqueio,
que tinha retido os impulsos de pensamento do seu meio ambiente
até aquele momento, até ele alcançar a consciência. Ele entrou no
meio de uma conversa entre Rhodan e Atlan.
“Eis que vocês estão um pouco atrasados demais”, ele disse
sem a menor ironia. “No entanto, a agradável surpresa vai lhes
recompensar.”
Então ele voltou-se totalmente para o seu amigo que
regressara.

***

Rhodan se levantou e acenou para Atlan.

“Eu vou cuidar de Gucky. O preguiçoso, aliás, fica o tempo todo


na cama e se preocupa em como se defender. Ele vai engordar se nós
não o colocarmos um pouco em movimento e se ele só se movimenta
espiritualmente.”

“O cumprimente por mim”, Atlan recomendou, “para que toda a


fúria dele não seja direcionada só para você.”

Rhodan já queria responder algo quando a porta da central de


rádio se abriu. Um jovem oficial balançava um papel na mão e disse:

“Senhor, novamente uma emissão de rádio de forma


desconhecida. No entanto, dessa vez, nós pudemos rastrear
aproximadamente a fonte. Os impulsos parafísicos foram registrados
por aparelhos especiais. Eles têm a mesma base de saída.”

Rhodan foi ao encontro dele e pegou o papel. Ele o examinou


rapidamente antes de voltar para Atlan.

“Olhe para isso! Interessante, não é verdade? ”

Atlan leu as informações registradas. E então concordou.

“De fato são muito interessantes. Dois mil anos luz na direção
da cabeça do Enxame e à leste de Kokon. Talvez seja novamente um
planeta de Cristal. Na verdade, nós deveríamos nos interessar por
isso. ”

“Nesse instante, eu sou da opinião que Harno é mais


importante”, Rhodan considerou. “Em todo caso, nós vamos ir atrás
dessa emissão. Nós temos naves o bastante agora. Talvez nós
peguemos a Gevari. Ela está adequadamente equipada.” Ele pegou o
papel de volta de Atlan, se sentou e refletiu melhor. “Emissões,
emissões normais de rádio. E para-emissões de uma forma
desconhecida, que não são identificadas. Talvez os mutantes
consigam. ”

“Os governantes do Enxame ficarão inquietos”, Atlan presumiu


contente. “Talvez eles se traiam. Se nós os acharmos primeiro, nós
estaremos um passo na frente. ”

“Sim, se...! ” disse Rhodan. Ele riu ao perceber o rosto meio


preocupado do seu amigo. “Deixe disso: um dia nós iremos os
encontrar e conversaremos com eles!” Ele parou de rir. “Eu espero,
pelo menos, que eles deixem nós conversamos com eles.”
“Eu também espero isso, mas para ambos os lados”, Atlan
disse.

Novamente, Rhodan se levantou e, dessa vez, ele parecia estar


decidido a não ser mais uma vez dissuadido da sua intenção de falar
com Gucky. No entanto, assim que ele quis abrir a porta para o
corredor central, Balton Wyt, o telecineta, veio para a central de
comando. Ele viu Rhodan que estava pronto para deixar o recinto
através de outra porta.

“Senhor, olá, por favor, espere um instante...”

Rhodan suspirou alto, mas fechou a porta de novo.

“Hoje, parece que tudo está realmente conspirando contra a


minha decisão.” Ele ignorou o sorriso de Atlan. “Então, o que há,
Balton?”

Balton Wyt, o homem com um passado aventuroso, levantou a


mão se defendendo instintivamente como se ele quisesse se
desculpar.

“Desculpe – me, senhor, se o senhor tem algo importante para


fazer...”

“Isso depende do que o senhor me traz. Eu realmente gostaria


de encontrar Gucky para...”

“Eu estava com ele”, Balton Wyt o interrompeu. “Talvez nossos


propósitos são similares e...”

“Dessa vez, eu devo lhe interromper, Balton. O senhor estava


com Gucky?” ele foi até Wyt. “Bem, bem, o que há então com o
pequeno?”

“Algo muito grande, se é que eu possa dizer isso. Ele trouxe


Harno de volta da eternidade.”

Rhodan se sentou.

“Isso não pode ser verdade!” ele olhou para Atlan. “Afinal, pare
de sorrir agora! O que eu posso dizer, se o nosso ilt novamente se
adiantou a mim? O pequeno agiu por conta própria – mais uma vez?
Isso eu tenho que ver! ”

“Por isso, eu vim”, Balton Wyt disse, se fazendo mais uma vez
totalmente redundante. “Agora, o senhor só não diga que queria ir
até o Gucky e eu o impedi dessa sua intenção ao chegar na sala de
controles...!”
“Foi exatamente isso!” Rhodan confirmou e foi até a porta.

***

Harno flutuava inflado e colorido, o fundo continuava


totalmente preto, a alguns centímetros acima da mesa da cabine.
Gucky tinha se erguido há algum tempo. Orgulhoso da
conquista do seu objetivo, ele descansava no canto da cama, todas as
almofadas erguidas atrás de si, as pernas estendidas e os braços
cruzadas sobre o peito. Quando Rhodan entrou, ele já tinha parado
com esses pensamentos e adequadamente os processado.

“Tome um lugar, meu querido”, disse ele jovial e apontou para


uma poltrona vazia. “Como você pode ver, eu já executei o seu plano
aventuroso. Agora realmente não dá para saber quem se deve
agradecer.”

Rhodan olhou para Harno.

“Naturalmente a você, Gucky, quem mais seria. Eu tive apenas


uma ideia, mas você a concretizou.”

“Os deuses de todos os planetas querem recompensar sua


magnanimidade”, disse o rato–castor. “Também não tem diferença
quem teve a ideia primeiro, o importante é que nós trouxemos Harno
de volta. Esse é o nosso garoto prodígio!” Ele apontou para a esfera
flutuante. “Ele não é bonito?”

“Bonito como sempre foi”, respondeu Rhodan. “Então, o que ele


disse?”

Gucky balançou a cabeça indiferente.

“Ele ficou vagando na eternidade, o coitado. No final do tempo,


ele disse. Ele pôde dizer isso, se você me pergunta...“

“Está com contato? ”

Gucky voltou a ficar sério.

“Muito bem. Harno ainda está um pouco exausto e precisa


reunir forças, mas eu já posso conversar novamente com ele. Eu não
acredito que nesse momento há o perigo de ele sumir.”

“Há várias coisas que eu gostaria de lhe perguntar...”

“Eu sei, eu sei”, Gucky o interrompeu. “No entanto, eu receio


que o próprio Harno não tenha ideia de quem são os governantes do
Enxame. Se ele soubesse, ele não teria caído sob seu poder.
Entretanto, nesse meio tempo ele talvez tenha se tornado mais
inteligente.”

“Quando você pode falar com ele?“

“Nós já podemos tentar”, Gucky propôs. “Talvez,


excepcionalmente, ele fale com você diretamente. Permaneça
sentando aí totalmente quieto. Não se intrometa e só fale com ele se
eu der o sinal correspondente. Eu tenho que me concentrar – já que
tudo está diferente que antes. Mais difícil, mais complicado e, antes
de tudo, mais cansativo para mim.”

Rhodan anuiu concordando.

“Não se deixe demorar e faça Harno entender que é importante


para todos nós obter essas informações.”

Gucky olhou para Harno, que estava suspenso, sem se mover,


sob o teto. A imagem colorida na superfície da esfera, que ainda não
estava definida, começou a tomar forma.

Milhares de reflexos de luzes eram visíveis, mas elas moviam-se


confusas em um caos selvagem, sem se estabilizarem.

Rhodan ficou calado. Ele sabia que ele não podia importunar
Gucky agora para não diminuir sua concentração. Harno estava
disposto a dar informações e a responder a perguntas.

Gucky falava alto para Rhodan poder acompanhar.

“Harno, você me entende? Você quer nos dar uma informação?


Você quer nos mostrar uma imagem, mas ela não está clara, está
confusa. Nós vemos luzes, elas movimentam-se confusas, sem ordem
ou sistema. Mas elas estão aqui. As ordene, Harno, para nós
podermos as entender!“

O turbilhão de luzes diminui a velocidade. Gradualmente, na


tela esférica, se materializou um sol, era uma estrela amarela, de
tamanho normal sem sinais particulares. Um segundo astro revelou-
se, era um planeta gigante que circulava esse sol.

Todas as outras luzes, que agora vagavam devagar e


ordenadamente, não podiam ser designadas como planetas. Elas
eram cerca de seis mil asteroides de tamanhos diferentes. As formas
irregulares indicavam que, sem dúvida, se tratavam de destroços de
um planeta explodido, que circulava o sol por caminhos diferentes. Ao
contrário do cinto de asteroides do sistema solar, os cerca de seis mil
destroços rodeavam seu sol não na forma de um cinto, seus caminhos
corriam tão diferentemente que eles regularmente se chocavam com
a estrela amarelada. Eles a envolvem como uma casca, como uma
teia. Vários dos asteroides eram muito pequenos, com apenas alguns
metros de diâmetro. Outros, ao contrário, tinham o tamanho de um
planeta médio.

“Um sistema solar com apenas um planeta grande”, Gucky


disse admirado. “E milhares de planetoides... ”
“Você descobriu alguma informação? ” Rhodan o interrompeu
ansioso.

“Eu vou tentar... Harno. A imagem se tornou clara! Um sol, um


planeta, milhares de asteroides ou planetoides. Onde é esse sistema?
O que ele tem a ver com a gente? Você pode me dar informações –
distâncias, coordenadas, significados...?“
Rhodan, sem telepatia no sentido do mutante, sentiu a chegada
de impulsos de pensamentos, no entanto, sem poder os entender.
Ainda assim, ele sabia que Harno tinha respondido. Gucky o iria
entender.

E Gucky entendeu. Rhodan viu a expressão de seu rosto


ansioso. Ele mesmo, por enquanto, não tinha outra alternativa do que
memorizar o sistema solar, que, sem alterações, era reconhecido na
tela de Harno. Ele sabia que isso seria importante nos acontecimentos
futuros.

Finalmente, o rato–castor relaxou. Quase ao mesmo tempo, a


imagem no corpo da esfera de Harno apagou-se. A superfície se
tornou novamente muito preta e uniformemente opaca. O volume da
esfera permaneceu o mesmo, mas ela ascendeu um pouco mais alta
até ela tocar sua parte de cima no teto da cabine.

“Eu tenho as informações”, Gucky disse. “Esse sistema solar


está 2310 anos luz distante de nós, portanto ainda no interior do
Enxame, mas perto do fim da sua cabeça. A direção é a leste da
nossa posição.”

“Leste...?“ Rhodan se esforçou para permanecer quieto.


Naturalmente, tudo isso poderia ser uma coincidência, tanto a
indicação de distancia quanto a direção. Ainda assim “leste, na
direção da cabeça do Enxame? Mais alguma particularidade ou
indicação?”

“Nenhuma exata, Perry. As informações de Harno não foram


claras, foram confusas, eu apenas consegui entender claramente a
distancia de 2310 anos luz. Em relação ao sentido e finalidade do
sistema, ele não afirmou nada, apenas algumas vagas palavras. Tem
que haver alguém ou algo lá, que exerça uma decisiva influência
sobre o próprio Enxame – eu não pude ouvir mais. Mentira – eu pude
escutar algo mais: nós devemos ser cuidadosos! O planeta implica
para todos que se aproximam dele sem ser convidados, um perigo
enorme. Um perigo, que Harno não pode indicar melhor, pois ele
mesmo não parecia conhecer. Ele nos alertou, mas ao mesmo tempo
ele frisou que é indispensável para nós examinarmos esse sistema.”
Gucky observou Rhodan, o provocando. “E isso, nós iremos, sem
dúvida, fazer, não é verdade? ”
“Eu gostaria de saber se a fonte das emissões é idêntica com...”
disse Rhodan pensativo.

“Com o que?“ Gucky perguntou surpreso, mas então ele leu


rapidamente o pensamento de Rhodan e ficou sabendo, o que ele
queria dizer. “A fonte da emissão de radio e o impulso parafísico?
Hum, isso poderia estar correto... ”

Isso poderia realmente ser apenas uma coincidência? Há aí


talvez uma certa intenção do poder desconhecido, que manda no
Enxame? Alguém quer atrair os terranos para uma armadilha?

Mas, então, Harno faz parte dos planos deles e isso parece mais
do que improvável.

Ou não...?

Gucky sentiu a dúvida de Rhodan e viu seu plano cair por terra.
Aqui foi oferecida a ele, a oportunidade única de examinar a fundo
uma coisa interessante, talvez, até mesmo representar mais uma vez
o salvador do universo, disso vinham as incertezas de Rhodan. Elas
tinham que ser afastadas imediatamente.

“Naturalmente, isso é uma coincidência, Perry! Vocês captaram


as emissões enquanto eu ia buscar Harno de volta do tempo. Para os
desconhecidos, seria impossível pré-determinar os dois
acontecimentos e os manipular. Uma coincidência, Perry, pelo qual
nós deveríamos estar agradecidos, pois ele confirma nossas
suspeitas. A fonte das emissões secretas e a do planeta descrito por
Harno são idênticas.” Gucky olhou cheio de esperança para Rhodan.
“Com isso, sua decisão é com efeito...? ”

Rhodan não tinha esperado diferente. Também não havia


nenhum argumento sólido contrário. Ele concordou.

“Sim, nós não temos outra escolha. Nós temos que, pelo
menos, verificar o sistema. Nós vamos chamar o sistema de Alfa–
Interno e o planeta de GEPLA-IV.”

“GEPLA?“

“Sim, a abreviação de planeta perigoso (em alemão). Isso já foi


citado o bastante por Harno.”

“Verdade e, por isso, isso certamente seria uma incumbência


para mim, se eu não estiver errado.”

“Meu amigo, você está errado. Isso é uma incumbência para


Atlan!
“Atlan, esse arcônida ancestral?“ Gucky parecia revoltado e
decepcionado ao mesmo tempo. Então, ele concordou. “Bem, Atlan
tem sua experiência, eu admito, mas pelo menos, eu deveria o
acompanhar, para que nada aconteça a ele. Sem a minha proteção,
ele estará desamparado.”

Isso era, naturalmente, um enorme exagero, mas pertencia à


característica de Gucky projetar as fraquezas das pessoas de uma
forma exagerada no seu ambiente.

De certo modo, ele sempre tentava mostrar um espelho para os


terranos dos seus próprios egos, mas apenas a minoria entendia sua
intenção.

“Sim, certamente ele ficaria desamparado”, respondeu Rhodan,


que conhecia seu pequeno amigo melhor que qualquer um. “Você
acha que, sem seu acompanhamento, eu deixaria Atlan correr perigo?
Os outros mutantes iriam estar também com ele lá e vocês iriam
estar na GEVARI sob o comando de Mentro Kosum. Se você quiser,
você pode ainda dormir algumas horas. Nesse meio tempo, eu faço
todos os preparativos e iria deixar calculado o curso exato na divisão
de navegação. Vocês precisarão dele na GEVARI apenas para
programar.”

Isso era uma sugestão com a qual Gucky concordou


imediatamente sem hesitar. Apesar da sua autoconfiança, que ele
constantemente ostentava, ele ficava sempre muito contente, se
algum outro carregava a responsabilidade, como foi Atlan, nesse
caso.

“Olhem para Harno!” Gucky apontou para o teto. “Ele está


novamente pequeno! Harno, o que está acontecendo? Eu posso
ajudá-lo? ”

Ofegante, Rhodan observava como o ser energético se


transformava novamente, enquanto Gucky tentava entrar em contato
telepático. Enquanto isso, a esfera se tornava rapidamente menor e
descia até o fundo. Ao pousar suavemente na mesa, ela estava tão
pequena quanto uma bola de tênis. O preto brilhante perdeu para um
conhecido preto amarronzado.

“Apenas uma pequena mensagem, nada mais”, Gucky


comunicou. “Nós temos que ser cuidadosos. Com certeza, ele quis
dizer sobre a expedição planejada para o sistema de um planeta.
Harno disse que ele precisa se distanciar novamente, mas ele deixa
para trás sua matéria. Em caso de emergência, eu posso buscá-lo –
mas somente em caso de emergência!”
Gucky observou perplexo a pequena esfera. “Agora isso é tudo
o que restou de Harno! Para você saber, Perry, eu vou o colocar
novamente no meu armário.”

Rhodan observou como o rato–castor pegava cuidadosamente a


pequena esfera na mão e a levava para o armário da parede e lá a
colocava na prateleira almofadada. Ele concordou.

“Aí ele está bem depositado. Além disso, eu não acredito que
ele vá retornar durante a sua ausência ou sem sua mediação, mas se
ele voltar, então, ele arrebentaria seu armário. Isso, nós, então, já
sabemos.”

“Bem acalentador“, Gucky se confortou e olhou em direção da


cama. “Bom, então eu vou me deitar por algumas horas. Você me
acorda quando for a hora?”

“Pode contar com isso!” Rhodan prometeu ao deixar a cabine


do rato–castor para regressar à central de comando da MARCO POLO,
onde ele já estaria sendo esperado por Atlan.

***

“Então? ” O arcônida perguntou.

Rhodan deu o relatório.

A GEVARI era uma jato espacial ampliado, um disco com


cinqüenta metros de diâmetro e uma altura de vinte e cinco metros.
Seu armamento consistia de dois canhões conversores. Devido ao seu
tamanho pequeno saiu-se bem ao entrar no Enxame, pois sua
localização era extremamente difícil. Além disso, os muitos
equipamentos especiais de natureza técnica vieram para possibilitar
difíceis medições e as direções surpreendentes. Ao descobrir de que
se tratava, Mentro Kosum anuiu aprovando.

“Ótimo, já que pelo menos eu estou com falta de prática. Eu me


acostumei com as missões e os empreendimentos especiais. Essa
volta inútil com as naves auxiliares também não nos leva para
frente.”

“Bem observado”, Rhodan respondeu sarcasticamente. “Em


vista da GEVARI ter uma tripulação seleta! O senhor recebe as
coordenadas pré-programadas e irá emergir de volta perto do alvo no
espaço normal. A partir disso, o senhor atuará independente, em
consenso com Atlan, que assumirá a direção de comando. O início
será em cinco horas. O senhor estará pronto até lá? ”

“Senhor“, ele disse formalmente, “a GEVARI estará pronta para


partir dentro de três minutos!”
Rhodan riu de leve. “Bem, então o senhor ainda pode descansar
quatro horas e cinqüenta e sete minutos. Eu vou lhe enviar a lista dos
participantes da expedição. Mentro apresse-se para a pausa de
descanso programada. ”

“Eu não pretendo me deitar”, Kosum assegurou-se e se


distanciou. Atlan olhou para trás dele. “Se ele sentar atrás dos
controles da GEVARI, na verdade, não pode acontecer muito com a
gente.”

“Isso depende do que estiver os esperando lá”, respondeu


Rhodan ao refletir. “Merkosh também vai junto, depois Takvorian,
nosso experiente mutante cavalo e movador de energia. Balton Wyt e
Ras Tschubai irão ser totalmente imprescindíveis; telecinetas e
teleportadores irão ser sempre necessários e principalmente Ras
encontra sempre oportunidade de libertar Gucky de apertos, nos
quais seu excesso de zelo o deixa ter êxitos. Sandal Tolk com o seu
arco especial não deve faltar. Então Tahonka–No, o ossudo. Icho Tolot
– claro. E talvez vocês ainda levem Toronar Kasom junto, apesar de
ele ocupar um grande espaço.”

“Para tanto, Gucky necessita de pouco espaço”, Atlan o


tranqüilizou.

“Isso, você o diga!” Rhodan respondeu descontraido.

Com isso, a tripulação da GEVARI foi definida.

Onze pessoas, dentro dos mutantes mais habilidosos do Império


Solar.

Rhodan não podia ser privado de suas maiores esperanças e de


seus melhores amigos em uma missão, na qual nada poderia dar
errado. “Nós ainda devemos nos preocupar para que a GEVARI
permaneça intacta enquanto ela faz escala na Alfa–Interna”, Atlan
sugeriu. “Mentro Kosum reage rapidamente, mas nós não podemos
exigir demais dele.”
“E como? ” Rhodan perguntou interessado.

“Nossos cruzadores e corvetas... Eles têm a incumbência de


lançar mísseis com vírus nos planetas dados. Vários deles já irão
também ter feito isso e chamarão a devida atenção. Eles poderiam
unir as forças do inimigo, o distraindo. Nós devemos dar ao
comandante novas instruções. ”

“Hiper chamada condensada de rádio? ”

“Exatamente isso, Perry! Dê a eles a ordem para se retirarem


do planeta alvo e procurarem contatos inimigos, sem envolverem em
uma batalha. Eles devem se deixar perseguir, se possível para dentro
do Enxame. Dessa forma, a GEVARI terá seu caminho livre.”

“Bem pensado, Atlan. Nós não temos a menor ideia do que nos
espera nesse sistema, nós sabemos apenas que nós recebemos as
coordenadas e a direção de duas fontes distintas. De duas fontes que
não têm nada a ver uma com a outra. Eu não acredito em
coincidências, e essa também não é uma! De qualquer forma eu
concordo com você: a GEVARI tem que poder operar sem ser
incomodada, ela não pode ser importunada ou desviada da sua
missão. Enquanto isso, você faria a ligação de rádio com Cascal e
Pontonac?”

Atlan concordou e foi até a central de rádio, onde a ordem de


Rhodan era reunida e escrita em código e, em pouco tempo, emitida.

Demorava-se um milionésimo de segundo e, mesmo com um


goniômetro potente ficava impossível rastrear o emissor, nesse caso
a MARCO POLO. Mas então também se um inimigo captar a
hipermensagem, ele não poderia tirar nada dela. Um som quase
imperceptível – isso era tudo.

Cascal e Pontonac, pelo contrário, sabiam muito bem entender


algo do sinal de rádio, que os alcançará nos diferentes lugares do
Enxame. Eles preparavam uma nova mensagem condensada, que
pouco depois respondeu ao comandante da nave remanescente e
ordenou a retirada.

Um efeito colateral quase acidental dessa ação proposta por


Atlan era o espalhamento da frota do inimigo. Eles precisavam se
espalhar para não perder os terranos de vista.

Rhodan olhou para Atlan, quando este veio até ele.

“E agora, resolvido? ”

“As confirmações já chegaram, Perry. O caminho para a GEVARI


está livre.”

Rhodan concordou contente e olhou as horas.

“Ela começará em quatro horas. Eu lhe desejo muita sorte, meu


amigo. E nunca se esqueça de nosso princípio soberano: a vida é
mais importante que o sucesso! Se um perigo lhe ameaçar, volte!
Não ponha os mutantes em perigo apenas para obter uma informação
talvez insignificante. Seja cuidadoso e discreto. Nós estamos lidando
com um inimigo cujas intenções nós sabemos tão pouco quanto
sabemos deles. Uma retirada não significa sempre uma derrota.”
“Não se preocupe, Perry, eu serei até mesmo cuidadoso
demais. Minha vida significa muito para mim, além do fato que eu sou
responsável pelo bem estar de nossos mutantes. Mas nós já temos
Gucky para isso.”

“Assim mesmo! ” Rhodan parecia tudo menos sossegado. “Ele é


exatamente aquele que sempre assume o risco para alcançar o
objetivo que ele acredita ser importante. Vital! Para isso é muito mais
importante permanecer são e salvo.”

“Disso eu me preocuparei. E agora me desculpe. Eu quero


mudar de roupa e me ocupar com a GEVARI. Nós nos veremos no
lançamento.”

Ele ainda acenou um cumprimento para Rhodan ao deixar a


central de comando.

Rhodan olhou atrás dele e, então apertou o botão do


intercomunicador.

“Uma conexão com Mentro Kosum, piloto da GEVARI“, disse ele


para o robô mediador.

***

Sandal Tolk estava lá para enlouquecer a divisão da MARCO


POLO. Era notório que o jovem guerreiro usava apenas um arco e
flecha de força surpreendente para pôr o inimigo fora de combate.
Apenas a recuperação das flechas, que ele usava durante uma
missão, sempre lhe causava preocupação. As flechas normais não lhe
pareciam agora boas o suficiente.

“Escute, doutor Strenger, dessa vez eu não quero atirar com


um frágil pedaço de plástico de mira flexível. O senhor conheceu
meus desejos e eu já conto que eles serão satisfeitos. O que então o
senhor conseguiu até agora?”

“O material parece como plástico, mas ele é substancialmente


resistente”, respondeu o doutor Strenger, que foi apontado como
responsável pela produção. Evidentemente, uma nave tão gigante
quanto a MARCO POLO dispunha de uma divisão própria de produção.
Eventualmente tinha-se podido construir e erigir uma pequena nave
espacial sem ter que fazer uma escala em um planeta.

“O senhor pode confiar que as novas flechas corresponderão


totalmente à sua ideia.”

“Ótimo!“ Sandal percorreu com a vista as diferentes flechas,


que se diferenciavam apenas insignificantemente uma da outra, pelo
menos na aparência. “Aquela ali – o que há com ela?”
“Essa?“ Strenger pegou a flecha e a pesou nas mãos
examinando. Então, ele a pôs de volta na mesa. “Microatômico!”

“Microatômico? Como eu deveria entender isso?”

“Bem simples, meu amigo.” Dr.Streger tinha perdido sua


insegurança inicial. “Quando o senhor lançar essa flecha, você deve
se preocupar que haja uma alternativa excelente de abrigo entre o
senhor e o seu alvo ou melhor pule em um barranco profundo logo
após o lançamento. Na ponta da flecha se encontra uma microbomba
atômica, com a qual o senhor pode transformar metade de uma
cidade em ruínas e pó. Seja econômico com elas e só a use em
extrema necessidade.”

Sandal Tolk estava visivelmente impressionado com a


informação.

“A flecha parece tão simples! Uma bomba atomica! Não


acredito, esse técnico!“ Ele pôs a flecha de volta na mesa e pegou
outra na mão. “E essa aqui? O que ela pode fazer?”

Streger a observou e achou a marca.

“Uma cabeça de explosivo na ponta. Quando o senhor atirar ela


em um veículo, ele irá certamente se transformar em uma carcaça.”

“E essa aqui?”

“Composição incendiária química, que não se apaga. Nem


embaixo d´água! Perceba as marcações, com ela não tem confusão.”

“Isso o senhor já me explicou”, Sandal Tolk o interrompeu


indiferente. “Agora eu pelo menos sei o que elas significam. Muito
obrigado, doutor Strenger, eu fui injusto com o senhor. Desculpe-me,
por favor.”

“Não tem de quê. Boa sorte na missão. Ela começará em três


horas...?”

“Se nada acontecer nesse meio tempo”, o homem da Exota–


Alfa disse ao guardar suas flechas. “Até a próxima, doutor. E então eu
vou encomendar algumas flechas com efeito de hiperchoque. Pense,
nesse meio tempo, como ela poderia ser feita...”

***

Mentro Kosum se encostou novamente.

Ele ainda estava sentado em sua poltrona na central de


comando da GEVARI atrás dos controles. As conexões do capacete
SERT estavam disponíveis na sua frente, sobre a mesa. Agora a nave
poderia decolar a qualquer instante, isto é, dentro de poucos
segundos.

A missão desagradou o emocionauta.

Ele não estava de modo algum com medo, bem o contrário. Mas
o empreendimento lhe veio tão de repente, no meio de um período
relativamente sossegado de poucas expectativas.

Eles se encontravam no meio do Enxame, no meio de estrelas


estranhas e desconhecidas, em um planeta mais que estranho, que
era povoado por um plasma meio inteligente, que os enfrentou
amigavelmente.

Apesar disso... ou melhor, por causa disso!

“Isso tem que ser uma armadilha!” ele disse e estava contente
de ainda ter duas horas de tempo de espera. À exceção de Atlan,
Gucky e Balton Wyt, todos os outros participantes da missão já
estavam a bordo da jato espacial especial e ocupavam seus
alojamentos.

A maioria tinha resolvido descansar mais uma ou duas horas


antes da GEVARI decolar. “Eu simplesmente não acredito em uma
coincidência! Harno citou um posicionamento e, quase ao mesmo
tempo, Atlan e Rhodan descobriram através de um rastreamento de
rádio, exatamente o mesmo posicionamento. Isso ninguém vai
acreditar... tentar abrir uma conserva com um pequeno martelo...!”

“Você tem razão, toda a razão! ” disse uma voz atrás dele.

Ras Tschubai tinha chegado desapercebido na central de


comando e tinha escutado o monólogo de Kosum.

Ele fez um gesto se desculpando e se sentou.

“O senhor também tem dúvidas? ” Kosum se preocupou.

“E como, Kosum! Isso está mais que um pouco estranho! Por


outro lado, eu me pergunto se Harno já estava à força com alguém e
tentou nos enganar conscientemente. Eu realmente não consigo
imaginar. Gucky certamente teria percebido. Vamos ver a coisa
assim: as mensagens de rádio e as emissões são intencionais, ao
contrário das indicações de Harno e as direções da Alfa–Interna eram
somente uma das confirmações não intencionais do inimigo, que
agora, na verdade, revertem em favor dele, se isso tudo for uma
coincidência. Nós iremos ver isso.”
“Esperamos que não seja tarde demais”, Kosum disse com
fervor. “Alias – o senhor se sentaria um momento na minha poltrona?
Rhodan gostaria de conversar comigo antes da decolagem, mas eu
não gostaria de deixar a GEVARI sem supervisão.”

“Kosum, já dormi o bastante. Cumprimente Rhodan por mim. ”

Kosum deixou a pequena nave e se deixou levar pelo elevador


antigravitacional até o hangar da divisão de controle da MARCO
POLO...

A última hora antes da missão começar se iniciou...

PROJETO TRADUÇÕES

Quer saber o final desta história? Então não perca tempo, pois este livro já
foi traduzido e distribuído para os integrantes do projeto. Faça parte agora
mesmo do Projeto Traduções! Este projeto foi criado com o objetivo de
conseguirmos continuar lendo histórias inéditas de Perry Rhodan em nossa
língua. Para isso o valor da tradução é dividido pelos integrantes do projeto
e dessa forma o valor da cota para cada um é menor na medida em que
tivermos mais integrantes.

Para mais informações entre na página da comunidade Perry Rhodan Brasil


no Orkut (http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=66731) e acesse o
tópico Projeto Traduções para maiores informações sobre o projeto
(http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=66731&tid=5201628621546184028)

Se você não tiver acesso ao Orkut pode também solicitar a entrada direto
no grupo fechado de participantes que recebem mensagens sobre o projeto
diretamente em seu email, para isso acesse o link:
http://br.groups.yahoo.com/group/PRBR-ProjetoTraducoes e clique no
botão entrar neste grupo.

Dúvidas também podem se esclarecidas por email com algum dos


moderadores do projeto:

Beto Barreto betopaivabarreto@hotmail.com

Sergio Luis Pereira de Carvalho slpc.bhe@terra.com.br

Marcos Roberto Inácio Silva quimr@ig.com.br

Augustus César Silva augustuscesarsilva@msn.com

Delgado delgadojr@msn.com