Você está na página 1de 2

EEFM DEPUTADO FAUSTO ARRUDA

ENEM

1)(ENEM) Os regimes totalitários da primeira metade do século XX apoiaram-se


fortemente na mobilização da juventude em torno da defesa de ideias grandiosas para o
futuro da nação. Nesses projetos, os jovens deveriam entender que só havia uma pessoa
digna de ser amada e obedecida, que era o líder. Tais movimentos sociais juvenis
contribuíram para a implantação e a sustentação do nazismo na Alemanha, e do
fascismo, na Itália, Espanha e Portugal. A atuação desses movimentos juvenis
caracterizava-se:
a) pelo sectarismo e pela forma violenta e radical com que enfrentavam os opositores ao
regime.
b) pelas propostas de conscientização da população acerca dos seus direitos como
cidadãos.
c) pela promoção de um modo de vida saudável, que mostrava os jovens como exemplos
a seguir.
d) pelo diálogo, ao organizar debates que opunham jovens idealistas e velhas lideranças
conservadoras.
e) pelos métodos políticos populistas e pela organização de comícios multitudinários.
2)A ascensão de Hitler ao poder, no início dos anos trinta, ocorreu:
a) pelas mãos do Exército alemão, que quis desforrar-se das humilhações impostas pelo
Tratado de Versalhes;
b) através de uma ação golpista, cuja ponta de lança foram as forças paramilitares do
Partido Nazista;
c) em consequência de uma aliança entre os nazistas e os comunistas;
d) a partir de sua convocação pelo presidente Hindenburg para chefiar uma coalizão
governamental;
e) através de uma mobilização semelhante à que ocorreu na Itália, com a marcha de
Mussolini sobre Roma.
3)A Guerra Civil Espanhola (1936 – 1939), em que mais de 1 milhão de pessoas perdeu a
vida, terminou com a derrota dos republicanos e com a subida ao poder do general
Francisco Franco.
O Estado Espanhol, após a vitória de Franco, caracterizou-se como:
a) democrático com tendências capitalistas;
b) democrático com tendências socialistas;
c) populista de esquerda;
d) totalitário de direita;
e) totalitário de esquerda.
4)“O ano de 1930 foi um divisor de águas na história do país. A partir dessa data, houve
aceleração das mudanças sociais e políticas, a história começou a andar mais rápido. No
campo que aqui nos interessa, a mudança mais espetacular verificou-se no avanço dos
direitos sociais. […] Os direitos políticos tiveram evolução mais complexa. O país entrou
em fase de instabilidade, alternando-se ditaduras e regimes democráticos.”
CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2002.

Como o texto indica, o ano de 1930 representa uma profunda mudança na história do
Brasil. Foi também um ano de instabilidade política, com a não aceitação do resultado das
eleições e a realização da tomada do poder com a Revolução de 1930. É comumente
considerado como estopim dessa dita revolução:

a) a deposição de Getúlio Vargas do governo do Rio Grande do Sul.

b) o assassinato de João Pessoa em Recife, supostamente a mando de Washington Luís.

c) a ruptura de Washington Luís com a Política do Café com Leite.

d) o decreto que colocou na ilegalidade política o gaúcho Borges de Medeiros.

e) o assassinato de Júlio Prestes em Recife, supostamente a mando de Washington Luís.

5)O New Deal visa restabelecer o equilíbrio entre o custo de produção e o preço,
entre a cidade e o campo, entre os preços agrícolas e os preços industriais, reativar
o mercado interno – o único que é importante —pelo controle de preços e da
produção, pela revalorização dos salários e do poder aquisitivo das massas isto é,
dos lavradores e operários, e pela regulamentação das condições de emprego.
CROUZET. M. Os Estados perante a crise. In: História geral das civilizacбes São Paulo.
Difel, 1977 (adaptado).Tendo como referência os condicionantes históricos do
entreguerras, as medidas governamentais descritas objetivavam
a)flexibilizar as regras do mercado financeiro.
b)fortalecer o sistema de tributação regressiva.
c)introduzir os dispositivos de contenção Creditícia
d)racionalizar os custos da automação industrial mediante negociação sindical.
e)recompor os mecanismos de acumulação econômica por meio da intervenção estatal.