Você está na página 1de 13

718

718

<a href=Cirurgia Journal of Cranio-Maxilo-Facial 404040 (2012) 706 eee 718 Cirurgia Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia Journal of Cranio-Maxilo-Facial (2012) 706 (2012) 706 718 718 listas dede conteúdos disponíveis emem SciVe r s e S c i e n c e D i r e c t listas conteúdos disponíveis SciVe r s e S c i e n c e D i r e c t Jornal de Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial Jornal homepage: www. jcmfs.com tendências atuais eee perspectivas futuras dedede substitutos ósseos eee De titulares tendências atuais tendências atuais perspectivas futuras perspectivas futuras substitutos ósseos substitutos ósseos De titulares De titulares espaço para biomateriais inovador Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk uma Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk uma uma uma uma uma uma uma uma uma ,,,,,,,,,,,,,,,,, ***************** ,,,,,,,,,,,,,,,,, Jörg uma uma uma uma uma uma uma Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Handschel bbbbbbbbbbbbbbbbb ,,,,,,,,,,,,,,,,, lobo lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher Drescher ccccccccccccccccc ,,,,,,,,,,,,,,,,, Daniel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Rothamel ddddddddddddddddd ,,,,,,,,,,,,,,,,, Frank Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Kloss eeeeeeeeeeeeeeeee ,,,,,,,,,,,,,,,,, Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Blessmann fffffffffff ,,,,,,,,,,, Max Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Heiland fffffffffff ,,,,,,,,,,, Klaus-Dietrich Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff uma Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Wolff uma uma uma uma uma uma uma uma uma uma ,,,,,,,,,,, Ralf Smeets fffffffffff Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Departamento dede Cirurgia Oral ee Maxilofacial, Technische Universität München, Klinikum rechts der Isar, Ismaninger Str. 22, 81675 Munique, Alemanha uma Departamento uma Cirurgia Oral Maxilofacial, Technische Universität München, Klinikum rechts der Isar, Ismaninger Str. 22, 81675 Munique, Alemanha Departamento para Cranio- ee Cirurgia Maxilofacial, Heinrich-Heine-University Düsseldorf, Düsseldorf, Alemanha bb Departamento para Cranio- Cirurgia Maxilofacial, Heinrich-Heine-University Düsseldorf, Düsseldorf, Alemanha Departamento dede Ortopedia cc Departamento Ortopedia dodo Hospital Universitário RWTH, Aachen, Alemanha Hospital Universitário RWTH, Aachen, Alemanha Departamento dede Oral dd Departamento Oral ee Crânio-maxilo Crânio-maxilo ee Cirurgia Plástica Facial Cirurgia Plástica Facial dada Universidade Universidade dede Colônia, Colônia, Alemanha Colônia, Colônia, Alemanha Departamento dede Cranio-Maxilo-Facial ee Departamento Cranio-Maxilo-Facial ee Cirurgia Oral, Médico Cirurgia Oral, Médico dada Universidade Universidade dede Innsbruck, Áustria Innsbruck, Áustria Departamento dede Cirurgia Oral ee Maxilofacial, University Medical Center Hamburg-Eppendorf, Hamburgo, Alemanha ff Departamento Cirurgia Oral Maxilofacial, University Medical Center Hamburg-Eppendorf, Hamburgo, Alemanha articleinfo Historia do artigo: Paper recebeu 23 de junho de 2011 Accepted 03 de janeiro de 2012 Palavras-chave: terapia osso materiais de substituição do osso de regeneração do gene BMP abstrato Um enxerto ósseo autólogo ainda é o material ideal para a reparação de defeitos craniofaciais, mas a sua disponibilidade é limitada e a colheita pode ser associada com complicações. materiais de substituição óssea como uma alternativa têm uma longa história de sucesso. Com o aumento da avanços tecnológicos o espectro de materiais de enxerto ampliou a aloenxertos, xenoenxertos e materiais sintéticos, fornecendo o material específico fififi ccc vantagens. material específico material específico vantagens. UmUmUm grande número dedede substitutos vantagens. grande número grande número substitutos dedede osso-enxerto estão disponíveis, incluindo preparações substitutos osso-enxerto estão disponíveis, incluindo preparações dedede aloenxertos osso-enxerto estão disponíveis, incluindo preparações aloenxertos aloenxertos de osso, tais como a matriz óssea desmineralizada e os materiais à base de cálcio. Mais e mais materiais de substituição consistir em um ou mais componentes: uma matriz osteocondutor, que suporta o crescimento interno do novo osso; e proteínas osteoindutoras, que sustentam a mitogénese de células indiferenciadas; e células osteogénicas (osteoblastos ou precursores dos osteoblastos), as quais são capazes de formar osso no ambiente adequado. Todos os substitutos pode substituir o osso autógeno ou expandir uma quantidade existente de enxerto ósseo autólogo. Porque uma compreensão das propriedades de cada material permite conceitos de tratamento individuais esta revisão apresenta uma visão geral dos princípios de substituição óssea, os tipos de materiais de enxerto disponíveis, e considera as perspectivas futuras. substitutos de osso são submetidos a uma mudança a partir de um material de substituição simples de um biomaterial compósito criado individualmente com propriedades osteoindutoras para permitir ponte defeito melhorada. 2012 Associação Europeia dede Cirurgia Crânio-maxilo-facial. !! 2012 Associação Europeia Cirurgia Crânio-maxilo-facial. 1. Introdução O avanço no desenvolvimento actual dos materiais substitutos de osso (BSM) foi inicialmente conseguido por Barth e Ollier que levaram a cabo experiências em animais a fim de estudar diferentes materiais dedededede substituição diferentes materiais diferentes materiais diferentes materiais diferentes materiais substituição dedededede osso para ooooo fififififi tempo primeiro ((((( Barth, substituição substituição substituição osso para osso para osso para osso para tempo primeiro tempo primeiro tempo primeiro tempo primeiro Barth, Barth, Barth, Barth, 1895 1895 1895 1895 1895 ).).).).). Historicamente, Historicamente, ososososos Historicamente, Historicamente, Historicamente, enxertos de osso autógeno, aloenxertos, e uma variedade de biomateriais têm sido utilizados para a reparação de defeitos ósseos e o aumento de osso comprometida. O substituto ósseo-enxerto ideal é biocompatível, reabsorvível, osteocondutor, osteoindutor, estruturalmente semelhante ao osso, fácil de usar, e de baixo custo. Cerca de 2,2 milhões de procedimentos de enxertos ósseos são realizadas * Autor correspondente. Tel .:.:.:.:.: ººººº 4949494949 8989898989 4140 4051; fax: Autor correspondente. Tel Autor correspondente. Tel Autor correspondente. Tel Autor correspondente. Tel 4140 4140 4140 4140 4051; fax: 4051; fax: 4051; fax: 4051; fax: ººººº 4949494949 8989898989 4140 2934. 4140 4140 4140 4140 2934. 2934. 2934. 2934. Endereço dedededede e-mail: Kol k@mkg.med.tum.de ,,,,, Andreas.Ko lk @gmx.de (A. Kolk). Endereço Endereço Endereço Endereço e-mail: Kol k@mkg.med.tum.de e-mail: Kol k@mkg.med.tum.de e-mail: Kol k@mkg.med.tum.de e-mail: Kol k@mkg.med.tum.de Andreas.Ko lk @gmx.de (A. Kolk). Andreas.Ko lk @gmx.de (A. Kolk). Andreas.Ko lk @gmx.de (A. Kolk). Andreas.Ko lk @gmx.de (A. Kolk). a cada ano em todo o mundo para reparar defeitos ósseos em ortopedia, neurosurgeryandoral & maxilofaciais ayearlyestimatedcosts surgerywith dede USUS $$ 2,5 bilhões (( VanHeest maxilofaciais ayearlyestimatedcosts surgerywith 2,5 bilhões VanHeest ee Swiontkowski, Swiontkowski, 1999 1999 ).). Problemas relacionados com Problemas relacionados com aa disponibilidade disponibilidade dede material material dede enxerto, morbidade doador enxerto, morbidade doador local, imunogenicidade e integridade biomecânica têm limitado o seu sucesso. Um número crescente de materiais de enxerto ósseo completamente com diferentes origens são comercialmente disponíveis formany aplicações em todo o corpo humano. Eles são variáveis ​​na sua composição, o seu mecanismo de acção e, por conseguinte, as suas indicações. BSMare geralmente considerado como sendo uma alternativa altamente importante para enxerto ósseo em cirurgia dentária, e implantologia Periodontology. doador site morbidade é diminuída, garantindo simultaneamente um nível quase ilimitado de disposição material. Desta forma, uma grande variedade de defeitos ósseos podem ser reparados usando BSM. Devido aos acontecimentos atuais BSMs inovadores com nova química, 1010-5182 ///// $$$$$ eeeee ver 1010-5182 1010-5182 1010-5182 1010-5182 ver aaaaa matéria frente! 2012 Associação Europeia ver ver ver matéria frente! 2012 Associação Europeia dedededede Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi: matéria frente! 2012 Associação Europeia matéria frente! 2012 Associação Europeia matéria frente! 2012 Associação Europeia Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi: Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi: Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi: Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi: 10.1016 10.1016 10.1016 10.1016 10.1016 ///// j.jcms.2012.01.002 j.jcms.2012.01.002 j.jcms.2012.01.002 j.jcms.2012.01.002 j.jcms.2012.01.002 " id="pdf-obj-0-17" src="pdf-obj-0-17.jpg">

listas dede conteúdos disponíveis emem SciVerse ScienceDirect

listas

conteúdos disponíveis

Jornal de Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial

Jornal homepage: www. jcmfs.com

<a href=Cirurgia Journal of Cranio-Maxilo-Facial 404040 (2012) 706 eee 718 Cirurgia Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia Journal of Cranio-Maxilo-Facial (2012) 706 (2012) 706 718 718 listas dede conteúdos disponíveis emem SciVe r s e S c i e n c e D i r e c t listas conteúdos disponíveis SciVe r s e S c i e n c e D i r e c t Jornal de Cirurgia Crânio-Maxilo-Facial Jornal homepage: www. jcmfs.com tendências atuais eee perspectivas futuras dedede substitutos ósseos eee De titulares tendências atuais tendências atuais perspectivas futuras perspectivas futuras substitutos ósseos substitutos ósseos De titulares De titulares espaço para biomateriais inovador Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk uma Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk uma uma uma uma uma uma uma uma uma ,,,,,,,,,,,,,,,,, ***************** ,,,,,,,,,,,,,,,,, Jörg uma uma uma uma uma uma uma Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Jörg Handschel Handschel bbbbbbbbbbbbbbbbb ,,,,,,,,,,,,,,,,, lobo lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher lobo Drescher Drescher ccccccccccccccccc ,,,,,,,,,,,,,,,,, Daniel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Daniel Rothamel Rothamel ddddddddddddddddd ,,,,,,,,,,,,,,,,, Frank Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Frank Kloss Kloss eeeeeeeeeeeeeeeee ,,,,,,,,,,,,,,,,, Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Marco Blessmann Blessmann fffffffffff ,,,,,,,,,,, Max Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Max Heiland Heiland fffffffffff ,,,,,,,,,,, Klaus-Dietrich Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff uma Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Klaus-Dietrich Wolff Wolff uma uma uma uma uma uma uma uma uma uma ,,,,,,,,,,, Ralf Smeets fffffffffff Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Ralf Smeets Departamento dede Cirurgia Oral ee Maxilofacial, Technische Universität München, Klinikum rechts der Isar, Ismaninger Str. 22, 81675 Munique, Alemanha uma Departamento uma Cirurgia Oral Maxilofacial, Technische Universität München, Klinikum rechts der Isar, Ismaninger Str. 22, 81675 Munique, Alemanha Departamento para Cranio- ee Cirurgia Maxilofacial, Heinrich-Heine-University Düsseldorf, Düsseldorf, Alemanha bb Departamento para Cranio- Cirurgia Maxilofacial, Heinrich-Heine-University Düsseldorf, Düsseldorf, Alemanha Departamento dede Ortopedia cc Departamento Ortopedia dodo Hospital Universitário RWTH, Aachen, Alemanha Hospital Universitário RWTH, Aachen, Alemanha Departamento dede Oral dd Departamento Oral ee Crânio-maxilo Crânio-maxilo ee Cirurgia Plástica Facial Cirurgia Plástica Facial dada Universidade Universidade dede Colônia, Colônia, Alemanha Colônia, Colônia, Alemanha Departamento dede Cranio-Maxilo-Facial ee Departamento Cranio-Maxilo-Facial ee Cirurgia Oral, Médico Cirurgia Oral, Médico dada Universidade Universidade dede Innsbruck, Áustria Innsbruck, Áustria Departamento dede Cirurgia Oral ee Maxilofacial, University Medical Center Hamburg-Eppendorf, Hamburgo, Alemanha ff Departamento Cirurgia Oral Maxilofacial, University Medical Center Hamburg-Eppendorf, Hamburgo, Alemanha articleinfo Historia do artigo: Paper recebeu 23 de junho de 2011 Accepted 03 de janeiro de 2012 Palavras-chave: terapia osso materiais de substituição do osso de regeneração do gene BMP abstrato Um enxerto ósseo autólogo ainda é o material ideal para a reparação de defeitos craniofaciais, mas a sua disponibilidade é limitada e a colheita pode ser associada com complicações. materiais de substituição óssea como uma alternativa têm uma longa história de sucesso. Com o aumento da avanços tecnológicos o espectro de materiais de enxerto ampliou a aloenxertos, xenoenxertos e materiais sintéticos, fornecendo o material específico fififi ccc vantagens. material específico material específico vantagens. UmUmUm grande número dedede substitutos vantagens. grande número grande número substitutos dedede osso-enxerto estão disponíveis, incluindo preparações substitutos osso-enxerto estão disponíveis, incluindo preparações dedede aloenxertos osso-enxerto estão disponíveis, incluindo preparações aloenxertos aloenxertos de osso, tais como a matriz óssea desmineralizada e os materiais à base de cálcio. Mais e mais materiais de substituição consistir em um ou mais componentes: uma matriz osteocondutor, que suporta o crescimento interno do novo osso; e proteínas osteoindutoras, que sustentam a mitogénese de células indiferenciadas; e células osteogénicas (osteoblastos ou precursores dos osteoblastos), as quais são capazes de formar osso no ambiente adequado. Todos os substitutos pode substituir o osso autógeno ou expandir uma quantidade existente de enxerto ósseo autólogo. Porque uma compreensão das propriedades de cada material permite conceitos de tratamento individuais esta revisão apresenta uma visão geral dos princípios de substituição óssea, os tipos de materiais de enxerto disponíveis, e considera as perspectivas futuras. substitutos de osso são submetidos a uma mudança a partir de um material de substituição simples de um biomaterial compósito criado individualmente com propriedades osteoindutoras para permitir ponte defeito melhorada. 2012 Associação Europeia dede Cirurgia Crânio-maxilo-facial. !! 2012 Associação Europeia Cirurgia Crânio-maxilo-facial. 1. Introdução O avanço no desenvolvimento actual dos materiais substitutos de osso (BSM) foi inicialmente conseguido por Barth e Ollier que levaram a cabo experiências em animais a fim de estudar diferentes materiais dedededede substituição diferentes materiais diferentes materiais diferentes materiais diferentes materiais substituição dedededede osso para ooooo fififififi tempo primeiro ((((( Barth, substituição substituição substituição osso para osso para osso para osso para tempo primeiro tempo primeiro tempo primeiro tempo primeiro Barth, Barth, Barth, Barth, 1895 1895 1895 1895 1895 ).).).).). Historicamente, Historicamente, ososososos Historicamente, Historicamente, Historicamente, enxertos de osso autógeno, aloenxertos, e uma variedade de biomateriais têm sido utilizados para a reparação de defeitos ósseos e o aumento de osso comprometida. O substituto ósseo-enxerto ideal é biocompatível, reabsorvível, osteocondutor, osteoindutor, estruturalmente semelhante ao osso, fácil de usar, e de baixo custo. Cerca de 2,2 milhões de procedimentos de enxertos ósseos são realizadas * Autor correspondente. Tel .:.:.:.:.: ººººº 4949494949 8989898989 4140 4051; fax: Autor correspondente. Tel Autor correspondente. Tel Autor correspondente. Tel Autor correspondente. Tel 4140 4140 4140 4140 4051; fax: 4051; fax: 4051; fax: 4051; fax: ººººº 4949494949 8989898989 4140 2934. 4140 4140 4140 4140 2934. 2934. 2934. 2934. Endereço dedededede e-mail: Kol k@mkg.med.tum.de ,,,,, Andreas.Ko lk @gmx.de (A. Kolk). Endereço Endereço Endereço Endereço e-mail: Kol k@mkg.med.tum.de e-mail: Kol k@mkg.med.tum.de e-mail: Kol k@mkg.med.tum.de e-mail: Kol k@mkg.med.tum.de Andreas.Ko lk @gmx.de (A. Kolk). Andreas.Ko lk @gmx.de (A. Kolk). Andreas.Ko lk @gmx.de (A. Kolk). Andreas.Ko lk @gmx.de (A. Kolk). a cada ano em todo o mundo para reparar defeitos ósseos em ortopedia, neurosurgeryandoral & maxilofaciais ayearlyestimatedcosts surgerywith dede USUS $$ 2,5 bilhões (( VanHeest maxilofaciais ayearlyestimatedcosts surgerywith 2,5 bilhões VanHeest ee Swiontkowski, Swiontkowski, 1999 1999 ).). Problemas relacionados com Problemas relacionados com aa disponibilidade disponibilidade dede material material dede enxerto, morbidade doador enxerto, morbidade doador local, imunogenicidade e integridade biomecânica têm limitado o seu sucesso. Um número crescente de materiais de enxerto ósseo completamente com diferentes origens são comercialmente disponíveis formany aplicações em todo o corpo humano. Eles são variáveis ​​na sua composição, o seu mecanismo de acção e, por conseguinte, as suas indicações. BSMare geralmente considerado como sendo uma alternativa altamente importante para enxerto ósseo em cirurgia dentária, e implantologia Periodontology. doador site morbidade é diminuída, garantindo simultaneamente um nível quase ilimitado de disposição material. Desta forma, uma grande variedade de defeitos ósseos podem ser reparados usando BSM. Devido aos acontecimentos atuais BSMs inovadores com nova química, 1010-5182 ///// $$$$$ eeeee ver 1010-5182 1010-5182 1010-5182 1010-5182 ver aaaaa matéria frente! 2012 Associação Europeia ver ver ver matéria frente! 2012 Associação Europeia dedededede Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi: matéria frente! 2012 Associação Europeia matéria frente! 2012 Associação Europeia matéria frente! 2012 Associação Europeia Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi: Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi: Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi: Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi: 10.1016 10.1016 10.1016 10.1016 10.1016 ///// j.jcms.2012.01.002 j.jcms.2012.01.002 j.jcms.2012.01.002 j.jcms.2012.01.002 j.jcms.2012.01.002 " id="pdf-obj-0-65" src="pdf-obj-0-65.jpg">

tendências atuais eee perspectivas futuras dedede substitutos ósseos eee De titulares

tendências atuais

tendências atuais

perspectivas futuras

perspectivas futuras

substitutos ósseos

substitutos ósseos

De titulares

De titulares

espaço para biomateriais inovador

Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas Kolk uma Andreas Kolk Andreas Kolk Andreas
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk uma
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
Andreas Kolk
uma
uma
uma
uma
uma
uma
uma
uma
uma ,,,,,,,,,,,,,,,,, ***************** ,,,,,,,,,,,,,,,,, Jörg
uma
uma
uma
uma
uma
uma
uma
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Jörg Handschel
Handschel bbbbbbbbbbbbbbbbb ,,,,,,,,,,,,,,,,, lobo
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
lobo Drescher
Drescher ccccccccccccccccc ,,,,,,,,,,,,,,,,, Daniel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Daniel Rothamel
Rothamel ddddddddddddddddd ,,,,,,,,,,,,,,,,, Frank
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Frank Kloss
Kloss eeeeeeeeeeeeeeeee ,,,,,,,,,,,,,,,,,
Marco Blessmann
Marco Blessmann
Marco Blessmann
Marco
Marco Blessmann
Marco Blessmann
Marco Blessmann
Marco Blessmann
Marco Blessmann
Marco Blessmann
Marco Blessmann
Blessmann fffffffffff ,,,,,,,,,,, Max
Max Heiland
Max Heiland
Max Heiland
Max Heiland
Max Heiland
Max Heiland
Max Heiland
Max Heiland
Max Heiland
Max Heiland
Heiland fffffffffff ,,,,,,,,,,, Klaus-Dietrich
Klaus-Dietrich Wolff
Klaus-Dietrich Wolff
Klaus-Dietrich Wolff
Klaus-Dietrich Wolff
Klaus-Dietrich Wolff
Klaus-Dietrich Wolff uma
Klaus-Dietrich Wolff
Klaus-Dietrich Wolff
Klaus-Dietrich Wolff
Klaus-Dietrich Wolff
Wolff
uma
uma
uma
uma
uma
uma
uma
uma
uma
uma ,,,,,,,,,,, Ralf Smeets fffffffffff
Ralf Smeets
Ralf Smeets
Ralf Smeets
Ralf Smeets
Ralf Smeets
Ralf Smeets
Ralf Smeets
Ralf Smeets
Ralf Smeets
Ralf Smeets

Departamento dede Cirurgia Oral ee Maxilofacial, Technische Universität München, Klinikum rechts der Isar, Ismaninger Str. 22, 81675 Munique, Alemanha

uma Departamento

uma

Cirurgia Oral

Maxilofacial, Technische Universität München, Klinikum rechts der Isar, Ismaninger Str. 22, 81675 Munique, Alemanha

Departamento para Cranio- ee Cirurgia Maxilofacial, Heinrich-Heine-University Düsseldorf, Düsseldorf, Alemanha

bb Departamento para Cranio-

Cirurgia Maxilofacial, Heinrich-Heine-University Düsseldorf, Düsseldorf, Alemanha

Departamento dede Ortopedia

cc Departamento

Ortopedia dodo Hospital Universitário RWTH, Aachen, Alemanha

Hospital Universitário RWTH, Aachen, Alemanha

Departamento dede Oral

dd Departamento

Oral ee Crânio-maxilo

Crânio-maxilo ee Cirurgia Plástica Facial

Cirurgia Plástica Facial dada Universidade

Universidade dede Colônia, Colônia, Alemanha

Colônia, Colônia, Alemanha

Departamento dede Cranio-Maxilo-Facial

ee Departamento

Cranio-Maxilo-Facial ee Cirurgia Oral, Médico

Cirurgia Oral, Médico dada Universidade

Universidade dede Innsbruck, Áustria

Innsbruck, Áustria

Departamento dede Cirurgia Oral ee Maxilofacial, University Medical Center Hamburg-Eppendorf, Hamburgo, Alemanha

ff Departamento

Cirurgia Oral

Maxilofacial, University Medical Center Hamburg-Eppendorf, Hamburgo, Alemanha

articleinfo

Historia do artigo:

Paper recebeu 23 de junho de 2011 Accepted 03 de janeiro de 2012

Palavras-chave:

terapia osso materiais de substituição do osso de regeneração do gene BMP

abstrato

Um enxerto ósseo autólogo ainda é o material ideal para a reparação de defeitos craniofaciais, mas a sua disponibilidade é limitada e a colheita

pode ser associada com complicações. materiais de substituição óssea como uma alternativa têm uma longa história de sucesso. Com o

aumento da avanços tecnológicos o espectro de materiais de enxerto ampliou a aloenxertos, xenoenxertos e materiais sintéticos, fornecendo o

material específico fififi ccc vantagens.

material específico

material específico

vantagens. UmUmUm grande número dedede substitutos

vantagens.

grande número

grande número

substitutos dedede osso-enxerto estão disponíveis, incluindo preparações

substitutos

osso-enxerto estão disponíveis, incluindo preparações dedede aloenxertos

osso-enxerto estão disponíveis, incluindo preparações

aloenxertos

aloenxertos

de osso, tais como a matriz óssea desmineralizada e os materiais à base de cálcio. Mais e mais materiais de substituição consistir em um ou

mais componentes: uma matriz osteocondutor, que suporta o crescimento interno do novo osso; e proteínas osteoindutoras, que sustentam a

mitogénese de células indiferenciadas; e células osteogénicas (osteoblastos ou precursores dos osteoblastos), as quais são capazes de formar

osso no ambiente adequado. Todos os substitutos pode substituir o osso autógeno ou expandir uma quantidade existente de enxerto ósseo

autólogo.

Porque uma compreensão das propriedades de cada material permite conceitos de tratamento individuais esta revisão apresenta uma visão

geral dos princípios de substituição óssea, os tipos de materiais de enxerto disponíveis, e considera as perspectivas futuras. substitutos de

osso são submetidos a uma mudança a partir de um material de substituição simples de um biomaterial compósito criado individualmente com

propriedades osteoindutoras para permitir ponte defeito melhorada.

2012 Associação Europeia dede Cirurgia Crânio-maxilo-facial.

!! 2012 Associação Europeia

Cirurgia Crânio-maxilo-facial.

1. Introdução

O avanço no desenvolvimento actual dos materiais substitutos de osso (BSM) foi inicialmente

conseguido por Barth e Ollier que levaram a cabo experiências em animais a fim de estudar

diferentes materiais dedededede substituição

diferentes materiais

diferentes materiais

diferentes materiais

diferentes materiais

substituição dedededede osso para ooooo fififififi tempo primeiro ((((( Barth,

substituição

substituição

substituição

osso para

osso para

osso para

osso para

tempo primeiro

tempo primeiro

tempo primeiro

tempo primeiro

Barth,

Barth,

Barth,

Barth, 1895

1895

1895

1895

1895

).).).).). Historicamente,

Historicamente, ososososos

Historicamente,

Historicamente,

Historicamente,

enxertos de osso autógeno, aloenxertos, e uma variedade de biomateriais têm sido utilizados para a

reparação de defeitos ósseos e o aumento de osso comprometida. O substituto ósseo-enxerto ideal é

biocompatível, reabsorvível, osteocondutor, osteoindutor, estruturalmente semelhante ao osso, fácil

de usar, e de baixo custo. Cerca de 2,2 milhões de procedimentos de enxertos ósseos são realizadas

*

Autor correspondente. Tel .:.:.:.:.: ººººº 4949494949 8989898989 4140 4051; fax:

Autor correspondente. Tel

Autor correspondente. Tel

Autor correspondente. Tel

Autor correspondente. Tel

4140

4140

4140

4140

4051; fax:

4051; fax:

4051; fax:

4051; fax: ººººº 4949494949 8989898989 4140 2934.

4140

4140

4140

4140

2934.

2934.

2934.

2934.

Endereço dedededede e-mail: Kolk@mkg.med.tum.de ,,,,, Andreas.Kolk@gmx.de (A. Kolk).

Endereço

Endereço

Endereço

Endereço

e-mail: Kolk@mkg.med.tum.de

e-mail: Kolk@mkg.med.tum.de

e-mail: Kolk@mkg.med.tum.de

e-mail: Kolk@mkg.med.tum.de

a cada ano em todo o mundo para reparar defeitos ósseos em ortopedia, neurosurgeryandoral &

maxilofaciais ayearlyestimatedcosts surgerywith dede USUS $$ 2,5 bilhões (( VanHeest

maxilofaciais ayearlyestimatedcosts surgerywith

2,5 bilhões

VanHeest ee Swiontkowski,

Swiontkowski,

1999

1999

).). Problemas relacionados com

Problemas relacionados com aa disponibilidade

disponibilidade dede material

material dede enxerto, morbidade doador

enxerto, morbidade doador

local, imunogenicidade e integridade biomecânica têm limitado o seu sucesso. Um número crescente

de materiais de enxerto ósseo completamente com diferentes origens são comercialmente

disponíveis formany aplicações em todo o corpo humano. Eles são variáveis ​​na sua composição, o

seu mecanismo de acção e, por conseguinte, as suas indicações.

BSMare geralmente considerado como sendo uma alternativa altamente importante para

enxerto ósseo em cirurgia dentária, e implantologia Periodontology. doador site morbidade é

diminuída, garantindo simultaneamente um nível quase ilimitado de disposição material. Desta forma,

uma grande variedade de defeitos ósseos podem ser reparados usando BSM. Devido aos

acontecimentos atuais BSMs inovadores com nova química,

1010-5182 ///// $$$$$ eeeee ver

1010-5182

1010-5182

1010-5182

1010-5182

ver aaaaa matéria frente! 2012 Associação Europeia

ver

ver

ver

matéria frente! 2012 Associação Europeia dedededede Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi:

matéria frente! 2012 Associação Europeia

matéria frente! 2012 Associação Europeia

matéria frente! 2012 Associação Europeia

Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi:

Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi:

Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi:

Cirurgia Crânio-maxilo-facial. doi: 10.1016

10.1016

10.1016

10.1016

10.1016

///// j.jcms.2012.01.002

j.jcms.2012.01.002

j.jcms.2012.01.002

j.jcms.2012.01.002

j.jcms.2012.01.002

A.

A.

A.

Kolk et al. /// Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia 404040 (2012) 706 eee 718

Kolk et al.

Kolk et al.

Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia

Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia

(2012) 706

(2012) 706

718

718

707

propriedades biológicas e estruturais subsequentes vai abraçar uma série de requisitos de modo a

imitar as características do defeito ósseo. Crucial para o sucesso clínico de BSMs são as suas

interacções com as estruturas de tecido adjacentes e células devido a uma estrutura de interligação

macroporosa de> 100 células promover micron dedede diâmetro

macroporosa de> 100 células promover micron

macroporosa de> 100 células promover micron

diâmetro

diâmetro ememem fififi filtração,

filtração,

filtração, ooo crescimento

crescimento

crescimento dododo osso

osso eee aaa

osso

vascularização. No contexto de grandes aumentos ósseos, osso autógeno é ainda usado como o

material padrão de ouro preferido. No entanto, em determinados ambientes clínicos e indicações

apropriadas uma combinação de BSM com que vivem dos tecidos / células ou BSM isoladamente

podem ser adequados.

As funções correntes de BSM são como se segue

"" manutenção espaço para regeneração óssea

manutenção espaço para regeneração óssea

pré-ajuste dada forma anatómica desejada

"" pré-ajuste

forma anatómica desejada

suportando funções para oo periósteo

"" suportando funções para

periósteo ee associado

associado

membranas

aceleração dada remodelação óssea

"" aceleração

remodelação óssea

"" orientação estrutural osteocondutor para aa regeneração

orientação estrutural osteocondutor para

regeneração dede

tecido ósseo

substância veículo para antibióticos, factores dede crescimento

"" substância veículo para antibióticos, factores

crescimento ouou abordagens

abordagens

através dede terapia génica (( Rupprecht et al., 2007; Fischer et al, 2011.; Maus et al., 2008a;

através

terapia génica

Rupprecht et al., 2007; Fischer et al, 2011.; Maus et al., 2008a;

Smeets et ai, 2009b.; Kolk et al., 2011 ))

Smeets et ai, 2009b.; Kolk et al., 2011

andaimes para abordagens dedede engenharia

""" andaimes para abordagens

andaimes para abordagens

engenharia

engenharia dedede tecidos

tecidos ((( Handschel et al.,

tecidos

Handschel et al.,

Handschel et al.,

2009a; Naujoks et al., 2011 ))

2009a; Naujoks et al., 2011

A morbidade associada com osso autógeno colheita do enxerto e preocupações sobre

transmissão de vírus vivo de aloenxertos ter sido o impulso para a investigação de uma variedade de

materiais de enxerto ósseo. exigências atuais para uma BSM ideal são rigorosos, conforme listado

abaixo:

"" biocompatibilidade

biocompatibilidade

osteoindução ee osteopromotion

"" osteoindução

osteopromotion // osteocondução

osteocondução

"" porosidade

porosidade

"" estabilidade sob tensão

estabilidade sob tensão

resorbability // degradabilidade

"" resorbability

degradabilidade

"" plasticidade

plasticidade

"" esterilidade

esterilidade

"" integração estável ee aa longo prazo dede implantes

integração estável

longo prazo

implantes

Biocompatibilidade garante a ausência de toxicidade, carcinogenicidade teratogenity ou. A falta

dedede antigenicidade garante aaa prevenção

antigenicidade garante

antigenicidade garante

prevenção

prevenção dedede pro-in

pro-in

pro-in flflfl inflamatória

inflamatória eee reacções imunológicas. Todas essas

inflamatória

reacções imunológicas. Todas essas

reacções imunológicas. Todas essas

exigências servir dedede base para aaa tolerância eficaz aaa longo prazo ((( Horch et al., 2006 ),),), EEE esses critérios

exigências servir

exigências servir

base para

base para

tolerância eficaz

tolerância eficaz

longo prazo

longo prazo

Horch et al., 2006

Horch et al., 2006

esses critérios

esses critérios

são principalmente ful fififi encheram por materiais sintéticos disponíveis.

são principalmente ful

são principalmente ful

encheram por materiais sintéticos disponíveis.

encheram por materiais sintéticos disponíveis.

Além disso BSMs deve apoiar osteogénese condutora, estabilizar ooo produto coagulado, fififi ll-se

Além disso BSMs deve apoiar osteogénese condutora, estabilizar

Além disso BSMs deve apoiar osteogénese condutora, estabilizar

produto coagulado,

produto coagulado,

ll-se

ll-se

defeitos ósseos eee contribuir para aaa resistência mecânica. Desta forma BSMs servir como

defeitos ósseos

defeitos ósseos

contribuir para

contribuir para

resistência mecânica. Desta forma BSMs servir como

resistência mecânica. Desta forma BSMs servir como umumum arti

arti

arti fififi matriz

matriz

matriz

extracelular cial, a fim de apoiar e depois estabilizar a nova criação do osso. Este assim chamado

efeito osteocondutor significa que o acessório de novos osteoblastos e células osteoprogenitoras é

suportado pelo enxerto, proporcionando uma estrutura interligada para a migração de newcells e

formação dedede novos vasos ((( Kao

formação

formação

novos vasos

novos vasos

Kao

Kao eee Scott

Scott dedede 2007

Scott

2007

2007

).).). Além disso, umumum efeito estimulante sobre

Além disso,

Além disso,

efeito estimulante sobre

efeito estimulante sobre asasas células

células

células

Osteogênica chamados osteogenicidade ou osteopromotive representa a capacidade de um enxerto

para induzir células não estaminais e / ou osteoprogenitoras diferenciado para se diferenciarem em

osteoblastos, causando a formação de newbone em locais onde é inesperado. Estes processos são

ememem flflfl influenciadas por citocinas, tais como proteína morfogenética

influenciadas por citocinas, tais como proteína morfogenética dododo osso (BMP) que induzem aaa

influenciadas por citocinas, tais como proteína morfogenética

osso (BMP) que induzem

osso (BMP) que induzem

diferenciação de células-tronco mesenquimais, para resultar na formação de novo osso, que é

paralela interligação ósseo directo.

ser vascularizados com umumumum diâmetro adequado (>(>(>(> aprox.

ser vascularizados com

ser vascularizados com

ser vascularizados com

diâmetro adequado

diâmetro adequado

diâmetro adequado

aprox.

aprox.

aprox. 100

100

100

100

mmmm m)

m)

m)

m)

Cornell, 1999; Klawitter eeee

(((( Cornell,

Cornell,

Cornell,

1999; Klawitter

1999; Klawitter

1999; Klawitter

Weinstein dede 1974

Weinstein

1974 ).). Menores diâmetros dos poros são mais vantajosas

Menores diâmetros dos poros são mais vantajosas nana adesão

adesão ee incorporação

incorporação dede

tecidos mineralizados, célula-para-implante contactos ee nana absorção dos líquidos extracelulares (( Chesnutt

tecidos mineralizados, célula-para-implante contactos

absorção dos líquidos extracelulares

Chesnutt

et al., 2009; Hertz ee Bruce

et al., 2009; Hertz

Bruce dede 2007

2007 ).). UmUm co-mistura incompleta dodo material com recipientes

co-mistura incompleta

material com recipientes

adjacentes pode resultar em partículas que estão envoltas por tecido conjuntivo. thematerials

Condensationof pode causar uma redução ououou uma perda dedede suas porosidades ((( Maus et al., 2008b ).).).

Condensationof pode causar uma redução

Condensationof pode causar uma redução

uma perda

uma perda

suas porosidades

suas porosidades

Maus et al., 2008b

Maus et al., 2008b

Um processo que produz propriedades biomecânicas, tais como os que existem innormal osso é

altamente desejável ((( Kao

altamente desejável

altamente desejável

Kao

Kao eee Scott

Scott dedede 2007

Scott

2007

2007

).).). EmEmEm particular,

particular, aaa estabilidade

particular,

estabilidade

estabilidade dedede forma

forma ééé dedede importância

forma

importância

importância

essencial no que diz respeito a defeitos ósseos maiores. Reabsorção do material e substituição por

osso normal ééé ououou biologicamente baseado nonono ememem flflfl uência

osso normal

osso normal

biologicamente baseado

biologicamente baseado

uência

uência dedede células

células ououou por meio dedede processos

células

por meio

por meio

processos dedede

processos

dissolução físico-químicas ((( Misch

dissolução físico-químicas

dissolução físico-químicas

Misch

Misch eee Dietsh,

Dietsh,

Dietsh, 1993

1993

1993

),),), EEE deve ocorrer simultaneamente,

deve ocorrer simultaneamente, nonono caso ideal.

deve ocorrer simultaneamente,

caso ideal.

caso ideal.

Se não, a formação de tecido conjuntivo pode ocorrer resultando em estruturas inferiores

biomecânicas ((( Kao

biomecânicas

biomecânicas

Kao

Kao eee Scott

Scott dedede 2007

Scott

2007

2007

).).). OOO BSM deve ser fácil dedede usar, deve suportar esterilização eee

BSM deve ser fácil

BSM deve ser fácil

usar, deve suportar esterilização

usar, deve suportar esterilização

deve entrar ememem suf

deve entrar

deve entrar

suf fififi quantidades cientes. EmEmEm uma época dedede crises econômicas globais,

suf

quantidades cientes.

quantidades cientes.

uma época

uma época

crises econômicas globais,

crises econômicas globais, ososos custos são

custos são

custos são

uma questão importante em aplicações clínicas.

Até àà data, não BSM está disponível que éé igual

Até

data, não BSM está disponível que

igual aoao osso autógeno (( Horch et al., 2006; Smeets

osso autógeno

Horch et al., 2006; Smeets

et ai, 2009a.; Aebi et al., 1991

et ai, 2009a.; Aebi et al.,

et ai, 2009a.; Aebi et al.,

et ai, 2009a.; Aebi et al.,

1991

1991

1991

),),),), EEEE BSMs actuais servem principalmente como

BSMs actuais servem principalmente como fifififi lling

BSMs actuais servem principalmente como

BSMs actuais servem principalmente como

lling

lling

lling eeee construção

construção dededede

construção

construção

armação materiais, principalmente proporcionando osteocondutividade para o processo de

cicatrização dododo osso

cicatrização

cicatrização

osso ((( Horch et al., 2006; Spector,

osso

Horch et al., 2006; Spector, 1992; Buser et al., 1998

Horch et al., 2006; Spector,

1992; Buser et al.,

1992; Buser et al.,

1998

1998

).).). Além disso, cada produto

Além disso, cada produto

Além disso, cada produto

de aloenxerto e xenoenxerto de corrente carrega antígenos de histocompatibilidade diferentes das do

hospedeiro com um aumento do risco de potencial de enxerto versus a reacção do hospedeiro.

Idealmente, os processos de cura dos defeitos deve resultar em osso regenerado e vital, sem

corpos estranhos residuais.

2. Variedade de materiais de substituição óssea

Atualmente, os biomateriais mais importantes para o uso clínico de rotina na região da cabeça e

pescoço são divididos ememememem fififififi veveveveve subcategorias

pescoço são divididos

pescoço são divididos

pescoço são divididos

pescoço são divididos

subcategorias dedededede acordo com sua origem ((((( Laurencin et al., 2006 ).).).).).

subcategorias

subcategorias

subcategorias

acordo com sua origem

acordo com sua origem

acordo com sua origem

acordo com sua origem

Laurencin et al., 2006

Laurencin et al., 2006

Laurencin et al., 2006

Laurencin et al., 2006

1. BSMs de origem natural

Materiais subdividem-se em enxertos de osso colhido e substitutos de enxertos: autogen (a

partir dede mesmo indivíduo) (( Gerressen et al., 2009; Kirmeier et al., 2007; Nkenke et al., 2004;

partir

mesmo indivíduo)

Gerressen et al., 2009; Kirmeier et al., 2007; Nkenke et al., 2004;

Schlegel et al., 2003a; Springer et ai., 2004 )))) Allogen

Schlegel et al., 2003a; Springer et ai., 2004

Schlegel et al., 2003a; Springer et ai., 2004

Schlegel et al., 2003a; Springer et ai., 2004

Allogen

Allogen

Allogen (a(a(a(a partir mesma espécie)

partir mesma espécie) (((( Kubler et al.,

partir mesma espécie)

partir mesma espécie)

Kubler et al.,

Kubler et al.,

Kubler et al., 1994

1994

1994

1994

),),),),

Xenogen (a(a(a partir

Xenogen

Xenogen

partir dedede uma espécie diferente)

partir

uma espécie diferente) ((( Mardas et al.

uma espécie diferente)

Mardas et al. ))) EEE fitogênico (origem marinha) com coral,

Mardas et al.

fitogênico (origem marinha) com coral,

fitogênico (origem marinha) com coral,

chitosanic ououou estrutura esponjoso ((( Wanget al., 2010; Birk et al., 2006; Abramovitch-Gottlibet al., 2006 ).).).

chitosanic

chitosanic

estrutura esponjoso

estrutura esponjoso

Wanget al., 2010; Birk et al., 2006; Abramovitch-Gottlibet al., 2006

Wanget al., 2010; Birk et al., 2006; Abramovitch-Gottlibet al., 2006

2.

2.

sintético (aloplásticos) materiais (( Horch et al., 2006; Asti et al.,

sintético (aloplásticos) materiais

Horch et al., 2006; Asti et al.,

2008; McAllister ee Haghighat, 2007; Bucholz

2008; McAllister

Haghighat, 2007; Bucholz dede 2002

2002 ))

Estes incluem substitutos de enxertos de osso à base de cerâmica, tais como fosfato de cálcio,

sulfato dedede cálcio, biovidro eee ((( Tadic

sulfato

sulfato

cálcio, biovidro

cálcio, biovidro

Tadic eee Epple, 2004; Tadic et al., 2004 ),),), Bem como polímeros

Tadic

Epple, 2004; Tadic et al., 2004

Epple, 2004; Tadic et al., 2004

Bem como polímeros

Bem como polímeros

degradáveis ​​e não degradáveis, cada um isoladamente ou em combinação com outros materiais.

3.

3.

Os materiais compósitos (( Chesnutt et al., 2009; XuXu et al., 2009;

Os materiais compósitos

Chesnutt et al., 2009;

et al., 2009;

Boccaccini ee Blaker

Boccaccini

Blaker dede 2005

2005 ))

Interligando porosidade de uma BSM é um dos requisitos mais importantes para o crescimento

A combinação de materiais diferentes (por exemplo, fosfatos de cálcio e polímeros bioactivos),

por um lado combina as propriedades osteocondutoras de diferentes classes de BSM; por outro lado,

interno vascular contínua ((( Eggli et al.,

interno vascular contínua

interno vascular contínua

Eggli et al.,

Eggli et al., 1988; Hing et al., 2005

1988; Hing et al., 2005 ).).). Muitos poros estender

1988; Hing et al., 2005

Muitos poros estender

Muitos poros estender ààà superfície

superfície eee

superfície

pode

serve para melhorar a resistência mecânica.

708

A. Kolk et al. /// Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia 404040 (2012) 706 eee 718

A.

A.

Kolk et al.

Kolk et al.

Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia

Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia

(2012) 706

(2012) 706

718

718

  • 4. BSM combinada com os factores de crescimento factores de crescimento natural e recombinante usado sozinho ou em combinação com outros

materiais, tais como factor de crescimento transformante-beta (TGF-beta), factor de crescimento

derivado de plaquetas (PDGF),

factor dededede crescimento broblast (FGF),

fifififi factor

factor

factor

crescimento broblast (FGF), eeee proteína morfogenética dodododo osso (BMP) (((( Fischer et al., 2011 ).).).).

crescimento broblast (FGF),

crescimento broblast (FGF),

proteína morfogenética

proteína morfogenética

proteína morfogenética

osso (BMP)

osso (BMP)

osso (BMP)

Fischer et al., 2011

Fischer et al., 2011

Fischer et al., 2011

  • 5. BSM com células vivas Estes agem com células para gerar novo tecido sozinho ou são semeadas sobre uma estrutura de suporte que

serve como uma matriz, por exemplo, as células estaminais mesenquimais (MSCs).

3. BSMs de origem natural

Em princípio, os materiais biológicos, com a excepção de transplantes autólogos, têm,

geralmente, um mínimo risco de transmissão de doenças infecciosas e antigenicidade resultando em

enxerto versus a reacção do hospedeiro. Em todo o mundo, quer auto-enxerto ou tecido do enxerto é

tabela 1

capacidades osteogênicos diferentes dependendo dodo local

capacidades osteogênicos diferentes dependendo

local dede colheita dos auto

colheita dos auto ee aloenxertos. Características dede BSMs

aloenxertos. Características

BSMs

com origem natural Autotransplante esponjoso

 

Não

þþþ

þþþ

þþþ

Cortical

þþþ

THTH

THTH

THTH

Aloenxerto

esponjoso

congelado

Não

THTH

º

#

Liofilizado

Não

THTH

º

#

cortical

congelado

þþþ

º

#

#

Liofilizado

º

º

#

#

Xenogen

esponjoso

Não

THTH

#

// ºº

#

Cortical

THTH

º

#

#

Phytogen

esponjoso

Não

THTH

#

#

Cortical

THTH

º

#

#

utilizada em 90% de todos os procedimentos de substituição de osso. 3.1. transplantes autógenos transplantes autógenos
utilizada em 90% de todos os procedimentos de substituição de osso.
3.1. transplantes autógenos
transplantes autógenos são também chamados de transplantes do corpo. Eles representam
quase
quase ooooo osso ideal “““““ substituto
quase
quase
quase
osso ideal
osso ideal
osso ideal
osso ideal
substituto
substituto
substituto
substituto ””””” contendo células vivas,
contendo células vivas, umumumumum reabsorvível
contendo células vivas,
contendo células vivas,
contendo células vivas,
reabsorvível
reabsorvível
reabsorvível eeeee andaime osteconductive,
reabsorvível
andaime osteconductive,
andaime osteconductive,
andaime osteconductive,
andaime osteconductive,
bem como vários factores de crescimento humanos. osso autógeno vascularizado e avascular tem
uma maior capacidade osteogica do que qualquer outro material de substituição óssea, como
revascularização atrai diferenciação mesenquimal em linhas de células osteogénicas, condrogênicos
ou outros. transplantes de ossos autógenos exibem uma biocompatibilidade inerente e, portanto, são
incorporados mais facilmente sem
imunogênica
respostas (((((( Den Boer et al., 2003
respostas
respostas
respostas
respostas
respostas
Den Boer et al., 2003 ).).).).).). Por isso, eles ainda oooooo são
Den Boer et al., 2003
Den Boer et al., 2003
Den Boer et al., 2003
Den Boer et al., 2003
Por isso, eles ainda
Por isso, eles ainda
Por isso, eles ainda
Por isso, eles ainda
Por isso, eles ainda
são
são ““““““ Padrão-ouro
são
são
são
Padrão-ouro
Padrão-ouro
Padrão-ouro ”.”.”.”.”.”.
Padrão-ouro
Padrão-ouro
Figura 1. Morfologia
Figura 1. Morfologia eee microestrutura
Figura 1. Morfologia
microestrutura dedede maxgraft" grânulos (imagem SEM, ampliações fi-
microestrutura
maxgraft" grânulos (imagem SEM, ampliações fi-
maxgraft" grânulos (imagem SEM, ampliações fi-
3.2. material de alogênico
catião (magn.)
catião (magn.)
catião (magn.) XXX 100). Figos. 111 eee 11: todas asasas imagens (microscopia electrónica
100). Figos.
100). Figos.
11: todas
11: todas
imagens (microscopia electrónica dedede varrimento SEM (SEM) foram realizadas
imagens (microscopia electrónica
varrimento SEM (SEM) foram realizadas
varrimento SEM (SEM) foram realizadas

Em materiais alogénicos cirurgia geral (aloenxertos) são os substitutos de osso preferidas e ter

visto ooo uso crescente aoaoao longo

visto

visto

uso crescente

uso crescente

longo dadada última década ((( Bostrom

longo

última década

última década

Bostrom

Bostrom eee Seigerman

Seigerman

Seigerman dedede 2005

2005

2005

).).).

Os aloenxertos ultrapassar as limitações associadas com a aquisição de autoenxertos de

enxerto ósseo. Pode ser derivado a partir de fontes ósseas de cadáveres ou dadores vivos de

colhidas durante a artroplastia da anca, e tem tanto osteoindutora (eles libertam proteínas

morfogénicas do osso que actuam sobre as células ósseas) e propriedades osteocondutoras, mas

com um instrumento 1530 LEO em amostras sputtered-ouro.

ainda é possível. O mais agressivo o processamento de aloenxertos, os menos intensas respostas

imunológicas irá ocorrer, mas isto resulta em uma diminuição das propriedades osteoindutoras. Por

esta razão enxertos frescos são clinicamente não é mais usado. aloenxertos congelados induzir

respostas imunitárias mais fortes dododo que

respostas imunitárias mais fortes

respostas imunitárias mais fortes

que

que ososos aloenxertos liofilizados ((( Ehrler

aloenxertos liofilizados

aloenxertos liofilizados

Ehrler

Ehrler eee Vaccaro

Vaccaro dedede 2000

Vaccaro

2000

2000

).).).

materiais de substituição alogénicos estão disponíveis em muitas formas diferentes, que variam a

falta-lhes propriedades osteogénicas por causa dada ausência falta-lhes propriedades osteogénicas por causa ausência dede células viáveis
falta-lhes propriedades osteogénicas por causa dada ausência
falta-lhes propriedades osteogénicas por causa
ausência dede células viáveis ​​(​​( Habibovic
células viáveis
Habibovic ee dede Groot
Groot
partir de segmentos de osso completos através dos enxertos corticoesponjoso ou cortical, chips
dededede 2007
2007
2007
2007
).).).). AoAoAoAo lado
lado dededede limitações nas características essenciais dededede enxerto ósseo (((( tabela
lado
lado
limitações nas características essenciais
limitações nas características essenciais
limitações nas características essenciais
enxerto ósseo
enxerto ósseo
enxerto ósseo
tabela
tabela
tabela 1111 )))) Há uma
Há uma
Há uma
Há uma
esponjosos para a forma mais comum, de matriz óssea desmineralizada (DBM).
discussão controversa em curso sobre a associação de material alogénica com um risco de
transmissão dedede agentes infecciosos, tais como ooo humano immunode fififi vírus eficiência (HIV), hepatite
transmissão
transmissão
agentes infecciosos, tais como
agentes infecciosos, tais como
humano immunode
humano immunode
vírus eficiência (HIV), hepatite
vírus eficiência (HIV), hepatite

B e infecções virais C (VHB / VHC), malignidades,

desordens sistémicas (auto-imune

Um dos últimos tipos é oferecido como maxgraft"(botissdental GmbH, Berlim, Alemanha), um

material de substituição óssea alogénica. A extracção dos componentes imunológicos é realizada

com especi fifififififi edededededed protocolo padronizado dededededede remoção

com especi

com especi

com especi

com especi

com especi

protocolo padronizado

protocolo padronizado

protocolo padronizado

protocolo padronizado

protocolo padronizado

remoção

remoção

remoção

remoção

remoção (((((( Figura

Figura 111111 ).).).).).). AAAAAA origem

Figura

Figura

Figura

Figura

origem dodododododo maxgraft" grânulos são

origem

origem

origem

origem

maxgraft" grânulos são

maxgraft" grânulos são

maxgraft" grânulos são

maxgraft" grânulos são

maxgraft" grânulos são

cabeças femorais de dadores vivos (não ósseos cadáver a partir de outros fabricantes). Cada dador

doença), ououou toxinas doença), doença), toxinas ((( Conrad et al., toxinas Conrad et al., 1995; Tomford
doença), ououou toxinas
doença),
doença),
toxinas ((( Conrad et al.,
toxinas
Conrad et al., 1995; Tomford dedede 1995
Conrad et al.,
1995; Tomford
1995; Tomford
1995
1995
).).). AAA remoção
remoção dedede cabeças femorais
remoção
cabeças femorais
cabeças femorais
dá consentimento, é peneirado por um exame extensa e cada osso doador é testado para doenças
osteoartrite em toda a artroplastia da anca mostraram uma evidência 8% de doenças não
transmissíveis potenciais (como o HIV, HBV / HCV, sífilis). O osso dador é tratado num processo de
anteriormente conhecidas ((( Palmer et ai.,
anteriormente conhecidas
anteriormente conhecidas
Palmer et ai., 1999
Palmer et ai.,
1999
1999
).).). AAA eliminação deste grande preocupação dedede material
eliminação deste grande preocupação
eliminação deste grande preocupação
material
material
limpeza química de múltiplos passos, dos quais cada passo é validado por vírus e bactérias

alogénico requer tecido-processamento, esterilização e um processo de desactivação de proteínas

na matriz extracelular que contém factores de crescimento ósseo, proteínas e outras substâncias

bioactivas necessárias para osteoindução e, em última análise, a cicatrização óssea bem sucedida.

inactivação, e, finalmente, esterilizados-gama. maxgraft" produtos estão disponíveis na forma de

grânulos ou blocos. A estrutura natural do tecido mineralizado não é afectado pelo processo de

tecido suave ((( Figura

tecido suave

tecido suave

Figura 111 ).).). Outros fornecedores dedede aloenxertos são Zimmer Dental GmbH (Freiburg,

Figura

Outros fornecedores

Outros fornecedores

aloenxertos são Zimmer Dental GmbH (Freiburg,

aloenxertos são Zimmer Dental GmbH (Freiburg,

OOO objetivo

objetivo dadada preparação

objetivo

preparação ééé projetado para eliminar

preparação

projetado para eliminar

projetado para eliminar ooo anfitrião

anfitrião ''' sss actividade imunogénica e, por

anfitrião

actividade imunogénica e, por

actividade imunogénica e, por

conseguinte, nana grande maioria dos aloenxertos, sem células osteogénicas

conseguinte,

grande maioria dos aloenxertos, sem células osteogénicas (( Habibovic

Habibovic ee dede Groot

Groot dede

2007 2007

).). Embora

Embora oo risco

risco dede transmissão

transmissão dada doença

doença éé muito menor thanwith produtos sanguíneos,

muito menor thanwith produtos sanguíneos,

Alemanha) (Puros "/ Tutoplast") e do instituto alemão

““““ Deutsches Institut für Zell- und Gewebeersatz ”(”(”(”( DIZG). Estes

Deutsches Institut für Zell- und Gewebeersatz

Deutsches Institut für Zell- und Gewebeersatz

Deutsches Institut für Zell- und Gewebeersatz

DIZG). Estes

DIZG). Estes

DIZG). Estes

A. A.

A.

Kolk et al. /// Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia 404040 (2012) 706 eee 718

Kolk et al.

Kolk et al.

Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia

Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia

(2012) 706

(2012) 706

718 718

709

materiais diferem em termos do processo de fabrico e do tipo de tecido do doador (isto é, cadáver

óssea).

  • 3.3. a matriz óssea desmineralizada

DBM consiste dede colagénio semelhante aa esponja

DBM consiste

colagénio semelhante

esponja aa partir

partir dede humano, bovino (( Naujoks et al.,

humano, bovino

Naujoks et al.,

2011 2011

2011

2011

Ou dededede origem eqüina que sofreu decalci

)))) Ou

Ou

Ou

origem eqüina que sofreu decalci fifififi cação

origem eqüina que sofreu decalci

origem eqüina que sofreu decalci

cação

cação

cação eeee esterilização, por isso podem ser

esterilização, por isso podem ser

esterilização, por isso podem ser

esterilização, por isso podem ser

classificados fififi ededed material como alogénica

classificados

classificados

material como alogénica ououou xenogénica dependente dadada origem.

material como alogénica

xenogénica dependente

xenogénica dependente

origem.

origem. AAA estrutura

estrutura

estrutura

trabecular dodo tecido original permanece, portanto, mantendo

trabecular

tecido original permanece, portanto, mantendo aa sua estrutura biológica

sua estrutura biológica (( Vaccaro et al.,

Vaccaro et al.,

2002

2002 2002

).).). DBM

DBM temtemtem sido mostrado ter propriedades osteocondutoras

DBM

sido mostrado ter propriedades osteocondutoras eee osteoindutores

sido mostrado ter propriedades osteocondutoras

osteoindutores

osteoindutores ((( Katz et al., 2009;

Katz et al., 2009;

Katz et al., 2009;

McKee dede 2006

McKee

2006 ),), Mas não fornece estabilidade estrutural e, por conseguinte, sósó deve ser aplicado

Mas não fornece estabilidade estrutural e, por conseguinte,

deve ser aplicado

ememememem umumumumum ambiente estruturalmente estável.

ambiente estruturalmente estável. ÉÉÉÉÉ usado principalmente como

ambiente estruturalmente estável.

ambiente estruturalmente estável.

ambiente estruturalmente estável.

usado principalmente como

usado principalmente como

usado principalmente como

usado principalmente como umumumumum '''''''''' extensor enxerto ósseo

extensor enxerto ósseo

extensor enxerto ósseo

extensor enxerto ósseo

extensor enxerto ósseo ''.''.''.''.''. DBM

DBM

DBM

DBM

DBM

também revascularises rapidamente e actua como transportador adequado para medula óssea

autólogo. Ele não evoca qualquer reacção de corpo estranho locais apreciável quanto a estrutura da

A. A. A. Kolk et al. /// Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia 404040 (2012) 706 eee 718

superfície antigénico dododo osso

superfície antigénico

superfície antigénico

osso ééé destruído durante aaa desmineralização

osso

destruído durante

destruído durante

desmineralização

desmineralização ((( Tuli

Tuli

Tuli eee Singh,

Singh,

Singh, 1978

1978

1978

).).). Mais

Mais

Mais

factores de crescimento estão disponíveis após a remoção de minerais do osso, de modo que a

Figura 2. Morfologia ee aa microestrutura

Figura 2. Morfologia

microestrutura dede "grânulos BIOS (imagem SEM, magn.

"grânulos BIOS (imagem SEM, magn. XX 50).

50).

indutância dede osso DBM éé maior

indutância

osso DBM

maior dodo que

que aa associada com transplantes alogénicos mineralizadas

associada com transplantes alogénicos mineralizadas (( Khan

Khan

et al., 2005; Sandhu et al., 2001 ).). DBM

et al., 2005; Sandhu et al., 2001

DBM éé umum derivado

derivado dede osso aloenxerto. ÉÉ preparado por

osso aloenxerto.

preparado por

pulverização de osso alogénico a um tamanho consistente, seguido por extracção com ácido suave

fase dedede mineralização

dadada fase

fase

mineralização dododo osso

mineralização

osso

osso ((( Gamradt

Gamradt eee Lieberman

Gamradt

Lieberman

Lieberman dedede 2003

2003

2003

).).). Este processo, desenvolvido

Este processo, desenvolvido

Este processo, desenvolvido

principalmente por Urist et ai em 1965, resulta em um compósito de proteínas não-colagenosas,

factores dedede crescimento,

factores

factores

crescimento, eee colagénio

crescimento,

colagénio

colagénio ((( Urist

Urist

Urist eee Dawson,

Dawson,

Dawson, 1981

1981

1981

).).). UmUmUm produto comercialmente disponível

produto comercialmente disponível

produto comercialmente disponível

Grafton" (BioHorizons, Birmingham, EUA), que está disponível nana forma

éé Grafton" (BioHorizons, Birmingham, EUA), que está disponível

forma dede blocos

blocos dede vidraceiro,

vidraceiro,

como umumum gel

como

como

gel ououou umumum flflfl likematerial tira exível, uma pasta moldável com osso-chips eee uma pasta dedede

gel

likematerial tira exível, uma pasta moldável com osso-chips

likematerial tira exível, uma pasta moldável com osso-chips

uma pasta

uma pasta

osso injectel.

  • 3.4. material de xenogênico

A. A. A. Kolk et al. /// Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia 404040 (2012) 706 eee 718

Poroso de hidroxiapatite naturais (HA) pode ser obtido a partir de ossos ou de algas de origem

animal. Xenogénica HA é o material biológico preferido por causa da sua estabilidade relativa de

absorção (isto é, dependente do valor de porosidade, cristalinidade, estrutura cristalina, etc).

BioOss" (Geistlich AG, Wolhusen, Suíça) éééé umumumum dos BSMs usados ​​mais comuns

BioOss" (Geistlich AG, Wolhusen, Suíça)

BioOss" (Geistlich AG, Wolhusen, Suíça)

BioOss" (Geistlich AG, Wolhusen, Suíça)

dos BSMs usados ​​mais comuns

dos BSMs usados ​​mais comuns

dos BSMs usados ​​mais comuns emememem todo

todo

todo

todo oooo fifififi campos

campos

campos

campos

de cirurgia dentária, contendo o componente inorgânico de osso bovino. Além de fosfato

betatricalcium (((((( b- TCP) usado

betatricalcium

betatricalcium

betatricalcium

betatricalcium

betatricalcium

b-

b-

b-

b-

TCP) usado

TCP) usado

TCP) usado

TCP) usado

b- TCP) usado nononononono seio

seio flflflflflfl oor elevação, Bio-Oss"

seio

seio

seio

seio

oor elevação, Bio-Oss" éééééé oooooo único BSM que pode ser

oor elevação, Bio-Oss"

oor elevação, Bio-Oss"

oor elevação, Bio-Oss"

oor elevação, Bio-Oss"

único BSM que pode ser

único BSM que pode ser

único BSM que pode ser

único BSM que pode ser

único BSM que pode ser

considerado como evidenciado base ((( Handschel et al., 2009b ).).). Todo

considerado como evidenciado base

considerado como evidenciado base

Handschel et al., 2009b

Handschel et al., 2009b

Todo

Todo ooo material orgânico ééé removido

material orgânico

material orgânico

removido

removido

por um processo passo a passo de recozimento (até 300 $ C), seguido por um tratamento químico

(NaOH), resultando ememem umumum material

(NaOH), resultando

(NaOH), resultando

material

material dedede aparas

aparas dedede osso poroso HAHAHA ((( Figura

aparas

osso poroso

osso poroso

Figura

Figura 222 ).).). OOO tamanho das

tamanho das

tamanho das

partículas dodododo granulado mede 0,25

partículas

partículas

partículas

granulado mede 0,25 eeee 2222 mm. BioOss" consiste

granulado mede 0,25

granulado mede 0,25

mm. BioOss" consiste dededede uma combinação dededede material com

mm. BioOss" consiste

mm. BioOss" consiste

uma combinação

uma combinação

uma combinação

material com

material com

material com

uma certa proporção de mineral do osso bovino com boas propriedades mecânicas e uma estrutura

dedede poros semelhante aoaoao osso humano ((( AAA Fig.

poros semelhante

poros semelhante

osso humano

osso humano

Fig. 333 ).).). ÉÉÉ osteocondutor, estável aaa longo-termand

Fig.

osteocondutor, estável

osteocondutor, estável

longo-termand

longo-termand

desproteinizado. BioOss" está integrado nonono corpo

desproteinizado. BioOss" está integrado

desproteinizado. BioOss" está integrado

corpo

corpo ''' sss processo

processo dedede regeneração óssea natural.

processo

regeneração óssea natural.

regeneração óssea natural. OOO teor

teor

teor

carbonato nonononono HAHAHAHAHA natural

dedededede carbonato

carbonato

carbonato

carbonato

natural ééééé altamente variável. proporções

natural

natural

natural

altamente variável. proporções ememememem peso calculadas dedededede Ca

altamente variável. proporções

altamente variável. proporções

altamente variável. proporções

peso calculadas

peso calculadas

peso calculadas

peso calculadas

Ca

Ca

Ca

Ca 55555 ((((( POPOPOPOPO 4)

4)

4)

4)

4) 33333 OHOHOHOHOH

para CaCO 33333 dar valores entre

para CaCO

para CaCO

para CaCO

para CaCO

dar valores entre 66666 eeeee 3030303030 ((((( Tadic

dar valores entre

dar valores entre

dar valores entre

Tadic

Tadic

Tadic

Tadic eeeee Epple

Epple dedededede 2004

Epple

Epple

Epple

2004

2004

2004

2004

).).).).). AAAAA gama

gama ememememem amostras

gama

gama

gama

amostras

amostras

amostras

amostras dedededede ossos

ossos

ossos

ossos

ossos

naturais com rácios de 13-37 também é altamente variável, de modo que, mesmo depois de extensa

química e tratamento térmico moderado a semelhança com mineral ósseo ainda está presente e a

Fig. 3. Morfologia ee aa microestrutura

Fig. 3. Morfologia

microestrutura dodo osso humano (imagem SEM, magn.

osso humano (imagem SEM, magn. XX 50).

50).

OsteoGraf NNN (DENTSPLY Friadent, Mannheim, Alemanha) ((( Fernandes et ai., 2011 ))) EEE

OsteoGraf

OsteoGraf

(DENTSPLY Friadent, Mannheim, Alemanha)

(DENTSPLY Friadent, Mannheim, Alemanha)

Fernandes et ai., 2011

Fernandes et ai., 2011

Cerabone"(botiss GmbH dental, Berlim, Alemanha) são materiais de substituição de osso natural

com base em osso bovino. O processo de fabrico envolve procedimentos de alta temperatura, que

remove todos os componentes orgânicos e, portanto, impede possíveis reacções imunológicas. A

composição mineral puro é muito semelhante ao osso humano no que diz respeito às características

biológicas física, química e. Cerabone" é caracterizado pela sua resistência a longo termvolume e

estrutura dedede osso natural. Este produto ééé disponível como granulado

estrutura

estrutura

osso natural. Este produto

osso natural. Este produto

disponível como granulado

disponível como granulado eee bloco

bloco

bloco ((( Figos.

Figos. 444 eee 555 ).).). produtos

Figos.

produtos

produtos

xenogênicos adicionais incluem Nu-Oss "(Henry Schein Dental Deutschland GmbH, Langen,

Alemanha), Biotek" (Mectron Deutschland Vertriebs GmbH, Köln Dellbrück, Alemanha) ee Osteobiol" (Sistemas

Alemanha), Biotek" (Mectron Deutschland Vertriebs GmbH, Köln Dellbrück, Alemanha)

Osteobiol" (Sistemas

American Dental, Vaterstetten, Alemanha). Estes produtos diferem em relação à sua fonte de origem

(vaca, cavalo ou de ossos de porco) e os seus processos de fabrico (isto é, de conservação solvente

ou de sinterização). Pepgen P-15" (DENTSPLY Friadent, Mannheim, Alemanha) é um HA de bovino,

que é revestida com um péptido de ligação celular produzido sinteticamente células P-15.

Osteoblastos estromais são obrigados pelo péptido P-15. Apoiando a sua diferenciação e

proliferação, análogo ao mecanismo naturallyphysiological, apenas algumas sequências de P-15

(isto é, como parte da estrutura de colagénio) estão disponíveis no organismo. células estromais de

estrutura estrutura dededede osso natural permanece intacta (((( Tadic estrutura estrutura osso natural permanece intacta osso
estrutura
estrutura dededede osso natural permanece intacta (((( Tadic
estrutura
estrutura
osso natural permanece intacta
osso natural permanece intacta
osso natural permanece intacta
Tadic eeee Epple
Tadic
Tadic
Epple dededede 2004
Epple
Epple
2004
2004
2004
).).).). Clinicamente, BioOss" éééé
Clinicamente, BioOss"
Clinicamente, BioOss"
Clinicamente, BioOss"
osteoblastos pode ser activado, permitindo que vários pontos
osteoblastos pode ser activado, permitindo que vários pontos dedede ligação. Este ampli
osteoblastos pode ser activado, permitindo que vários pontos
ligação. Este ampli fififi ededed evento
ligação. Este ampli
evento
evento
utilizado para estabilizar o coágulo de sangue, promover a formação óssea, regenerar defeitos
cascata causas aumentada e acelerou a regeneração óssea com PepGen P-15. Assim, com PepGen
peri-implante
peri-implante
peri-implante eee funcionam
funcionam
funcionam ememem sinusaugmentations
sinusaugmentations ((( Handschel et al., 2009b ).).). OOO volume aumentada
sinusaugmentations
Handschel et al., 2009b
Handschel et al., 2009b
volume aumentada
volume aumentada
P-15
P-15 ### dododo corpo natural ''' potencial
P-15
corpo natural
corpo natural
potencial
potencial dedede regeneração
regeneração ééé usado
regeneração
usado nonono mimo
usado
mimo eee aaa regeneração óssea está, por
mimo
regeneração óssea está, por
regeneração óssea está, por
pode sobreviver
pode sobreviver aaa longo prazo através
pode sobreviver
longo prazo através
longo prazo através dadada proteção
proteção
proteção dedede absorção
absorção ((( Schlegel et al., 2003b ).).). Outra
absorção
Schlegel et al., 2003b
Schlegel et al., 2003b
Outra
Outra
conseguinte, optimizado. As partículas têm uma estrutura de poros de interligação e uma dimensão
característica é que ele resulta em tecidos duros permanentes.
ememememem forma
forma dedededede bola
forma
forma
forma
bola dedededede 250
bola
bola
bola
250
250
250
250
eeeee 420
420
420
420
420
mmmmm m.
m.
m.
m.
m.

710

A. Kolk et al. /// Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia 404040 (2012) 706 eee 718

A. A.

Kolk et al.

Kolk et al.

Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia

Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia

(2012) 706

(2012) 706

718 718

710 A. Kolk et al. /// Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia 404040 (2012) 706 eee 718 A.
Fig. 4. Morfologia eee microestrutura Fig. 4. Morfologia Fig. 4. Morfologia microestrutura dedede Algipore" (Imagem SEM,
Fig. 4. Morfologia eee microestrutura
Fig. 4. Morfologia
Fig. 4. Morfologia
microestrutura dedede Algipore" (Imagem SEM, magn. XXX 100).
microestrutura
Algipore" (Imagem SEM, magn.
Algipore" (Imagem SEM, magn.
100).
100).

Fig. 5. Morfologia eee microestrutura

Fig. 5. Morfologia

Fig. 5. Morfologia

microestrutura dedede Cerabone" (HA bovino) (imagem SEM, magn. XXX 50).

microestrutura

Cerabone" (HA bovino) (imagem SEM, magn.

Cerabone" (HA bovino) (imagem SEM, magn.

50).

50).

3.5. material de origem vegetal

A BSM fitogênico mais comum é Algipore"(DENTSPLY Friadent, Mannheim, Alemanha), que é

um fosfato de cálcio do osso-analógico que foi originalmente obtida a partir de andaimes cal de algas

marinhas ememem 1985

marinhas

marinhas

1985

1985

((( Ewers

Ewers dedede 2005

Ewers

2005

2005

).).). Posteriormente vários produtos alternativos com diferentes

Posteriormente vários produtos alternativos com diferentes

Posteriormente vários produtos alternativos com diferentes

propriedades físico-químicas vieram nonono mercado

propriedades físico-químicas vieram

propriedades físico-químicas vieram

mercado

mercado ((( Damien

Damien

Damien eee Revell

Revell

Revell dedede 2004

2004

2004

).).). Os materiais são

Os materiais são

Os materiais são

concebidas para a reconstrução e contorno de, pelo menos, um defeito ósseo óssea alveolar

triplewall. AAAAAAA selecção

triplewall.

triplewall.

triplewall.

triplewall.

triplewall.

triplewall.

diferentes diâmetros

diferentes diâmetros

diferentes diâmetros

diferentes diâmetros

diferentes diâmetros

diferentes diâmetros

selecção dedededededede diferentes diâmetros dedededededede poros

selecção

selecção

selecção

selecção

selecção

poros

poros

poros

poros

poros

poros ((((((( AAAAAAA Fig.

Fig. 4444444 ))))))) (Por exemplo, 0,3

Fig.

Fig.

Fig.

Fig.

Fig.

(Por exemplo, 0,3 eeeeeee 0,5 mm; 0,5

(Por exemplo, 0,3

(Por exemplo, 0,3

(Por exemplo, 0,3

(Por exemplo, 0,3

(Por exemplo, 0,3

0,5 mm; 0,5

0,5 mm; 0,5

0,5 mm; 0,5

0,5 mm; 0,5

0,5 mm; 0,5

0,5 mm; 0,5 eeeeeee 1,0

1,0

1,0

1,0

1,0

1,0

1,0

mmmmmm eee 1,0

1,0 eee 2,0 milímetros) está relacionada com

1,0

2,0 milímetros) está relacionada com ooo tamanho

2,0 milímetros) está relacionada com

tamanho dododo defeito ósseo. derivedmaterials coral

tamanho

defeito ósseo. derivedmaterials coral

defeito ósseo. derivedmaterials coral

têmtêmtêm boas propriedades elásticas muito semelhantes

boas propriedades elásticas muito semelhantes aoaoao osso humano ((( Nomura et al., 2005 ).).).

boas propriedades elásticas muito semelhantes

osso humano

osso humano

Nomura et al., 2005

Nomura et al., 2005

Dependendo dada atividade

Dependendo

atividade dede celulose,

celulose, aa integração

integração dede Algipore" deve ser concluída após

Algipore" deve ser concluída após 1515 meses.

meses.

  • 4.1. hidroxiapatita A substância óssea básico inorgânico contribui com cerca de dois terços das substâncias secas

tecidos ósseos. Ele ééééé representado pela CPCPCPCPCP (85

dedededede tecidos ósseos. Ele

tecidos ósseos. Ele

tecidos ósseos. Ele

tecidos ósseos. Ele

representado pela

representado pela

representado pela

representado pela

(85

(85

(85

(85 eeeee 90%), carbonato dedededede cálcio

90%), carbonato

90%), carbonato

90%), carbonato

90%), carbonato

cálcio

cálcio

cálcio

cálcio (8(8(8(8(8 eeeee 10%), fosfato dedededede

10%), fosfato

10%), fosfato

10%), fosfato

10%), fosfato

magnésio (1,5%) eee cálcio

magnésio (1,5%)

magnésio (1,5%)

cálcio flflfl uoride (0,5%). EmEmEm tecidos ósseos, existem minerais como cristais dedede

cálcio

uoride (0,5%).

uoride (0,5%).

tecidos ósseos, existem minerais como cristais

tecidos ósseos, existem minerais como cristais

apatite. Estas ligações CP construir cristais hexagonais, de acordo com o princípio de grades

espaciais. HA é muito abundante, e, existem esses cristais aciculares, tanto dentro como fora do

colagénio fififi fibrilas.

colagénio

colagénio

fibrilas.

fibrilas. AAA dureza

dureza eee aaa resistência

dureza

resistência dododo osso são definidas pelas ligações entre HAHAHA eee

resistência

osso são definidas pelas ligações entre

osso são definidas pelas ligações entre

colagénio fififi bres.

colagénio

colagénio

bres. HAHAHA ééé umumum sal

bres.

sal CPCPCP hidroxilado com umumum elevado grau dedede dureza,

sal

hidroxilado com

hidroxilado com

elevado grau

elevado grau

dureza,

dureza, ooo qual compreende ooo

qual compreende

qual compreende

principal componente de substância inorgânica nos ossos e dentes, onde é parcialmente substituído

por flflfl uorapatite. Ela sósósó ééé solúvel

por

por

uorapatite. Ela

uorapatite. Ela

solúvel ememem umumum ambiente fortemente ácido. Os osteoblastos formHA dedede iões

solúvel

ambiente fortemente ácido. Os osteoblastos formHA

ambiente fortemente ácido. Os osteoblastos formHA

iões

iões

fosfato e cálcio. Eles são construídos em ossos humanos que ocorrem naturalmente, que são

compostas de matrizes minerais aproximadamente 70%. cerâmica HA são quimicamente quase

idêntico aoaoao HAHAHA natural.

idêntico

idêntico

natural. UmUmUm rácio favorável componente

natural.

rácio favorável componente

rácio favorável componente dedede fosfato

fosfato

fosfato dedede cálcio cerâmica (Ca

cálcio cerâmica (Ca /// PPP ¼¼¼ 1,67)

cálcio cerâmica (Ca

1,67)

1,67)

leva a um mecanismo de interface de osteotropic, o que significa que HA é um material bioactivo que

define os iões de cálcio e fosfato livre no organismo. O resultado é uma micro-ancoragem

morfológica dedede implantes endósseos. Ele não ééé mais

morfológica

morfológica

implantes endósseos. Ele não

implantes endósseos. Ele não

mais

mais umumum dedede fififi nable cerâmico dedede ossos-composto

nable cerâmico

nable cerâmico

ossos-composto eee ééé

ossos-composto

chamada ““““ génese óssea composto

chamada

chamada

chamada

génese óssea composto ””””

génese óssea composto

génese óssea composto

Osborn eee Newesely

((( Osborn

Osborn

Newesely

Newesely dedede 1980

1980

1980

Geralmente, não importa sesese aaa cerâmica

).).). Geralmente, não importa

Geralmente, não importa

cerâmica

cerâmica HAHAHA são

são dedede origem natural ououou

são

origem natural

origem natural

sintética. partículas nanométricas de HA estão associadas com um nível menor de citotoxicidade in

vitro com bons anexos celulares ee oo crescimento

vitro com bons anexos celulares

crescimento dede células

células dede osteoblastos humanos (( Huang et al.,

osteoblastos humanos

Huang et al.,

2004 2004

).). De acordo com Koster et al. aa compatibilidade com oo tecido

De acordo com Koster et al.

compatibilidade com

tecido dede cerâmica

cerâmica dede fosfato

fosfato dede cálcio

cálcio

depende dadada composição mineralógica eee química

depende

depende

composição mineralógica

composição mineralógica

química

química dododo material

material ((( Koster et ai.,

material

Koster et ai.,

Koster et ai., 1976

1976

1976

).).). Além disso, háháhá uma

Além disso,

Além disso,

uma

uma

diferença entre a cerâmica e precipitados sinteredHA O último demonstrar nenhuma ou apenas uma

biodegradação muito lento ((( LuLuLu et al., 2002; Tadic et al., 2002; Fulmer et al., 2002

biodegradação muito lento

biodegradação muito lento

et al., 2002; Tadic et al., 2002; Fulmer et al., 2002

et al., 2002; Tadic et al., 2002; Fulmer et al., 2002 ).).). SeSeSe ooo tamanho dos

tamanho dos

tamanho dos

cristalitos de cerâmica HA é muito pequeno (como na óssea) e / ou se houver carbonato incorporado,

a biodegradação é fortemente aumentada devido a uma solubilidade mais elevada.

Cerâmica com CaO: PPPPP 22222 OOOOO 55555 racios variando entre 2: 11111 aaaaa 4:

Cerâmica com CaO:

Cerâmica com CaO:

Cerâmica com CaO:

Cerâmica com CaO:

racios variando entre 2:

racios variando entre 2:

racios variando entre 2:

racios variando entre 2:

4:

4:

4:

4: 11111 demonstraram ter aaaaa melhor

demonstraram ter

demonstraram ter

demonstraram ter

demonstraram ter

melhor

melhor

melhor

melhor

biocompatibilidade, enquanto que a razão óptima é de 3: 1. Isto representa

tri-cálcio-fosfato-cerâmica. Klein et al. também mostraram uma boa biocompatibilidade com todas

cálcio-phosphateceramics com umumum CaO: P-proporção dedede 10:

cálcio-phosphateceramics com

cálcio-phosphateceramics com

CaO: P-proporção

CaO: P-proporção

10:

10: 666 ououou 3:

3: 222 ((( Klein et al.,

3:

Klein et al.,

Klein et al., 1983

1983

1983

).).). No seu

No seu

No seu

estudo óssea normalmente estruturada, foi depositada directamente sobre o ceramicswithout uma

camada de tecido conjuntivo que separa, andwere posteriormente substituída por osso lamelar. um

ememem flflfl reacção inflamatória não ocorreu.

reacção inflamatória não ocorreu.

reacção inflamatória não ocorreu.

4.2.

Cerâmica

cerâmicas de fosfato de cálcio são substâncias sintéticas de andaime. Eles têm sido usados

​​desde osos anos 1970 emem odontologia

​​desde

anos 1970

odontologia ee desde

desde osos anos 1980 emem ortopedia

anos 1980

ortopedia (( Brandoff et al., 2008;

Brandoff et al., 2008;

McAndrew et al., 1988; Horch et al., 2006; Bohner dede 2000

McAndrew et al.,

1988; Horch et al., 2006; Bohner

2000 ).). Este material dede substituição óssea

Este material

substituição óssea

consiste ememem HAHAHA ououou alfa- cerâmica respectivo beta-TCP ((( a-,

consiste

consiste

alfa- cerâmica respectivo beta-TCP

alfa- cerâmica respectivo beta-TCP

a-, b-

a-, b-

b- TCP). Eles são semelhantes ememem

TCP). Eles são semelhantes

TCP). Eles são semelhantes

composição aoaoao apatita inorgânico ((( Vaccaro et al., 2002; Schnürer et al., 2003 ).).).

composição

composição

apatita inorgânico

apatita inorgânico

Vaccaro et al., 2002; Schnürer et al., 2003

Vaccaro et al., 2002; Schnürer et al., 2003

4. (aloplásticos) materiais sintéticos

"" cerâmica copos biológicos, TCP, HAHA ee ionômero

cerâmica copos biológicos, TCP,

ionômero dede vidro

vidro

cimentos

"" metais: titio

metais: titio

polímeros: polimetilmetacrilato, polilactidos // poliglicólidos

"" polímeros: polimetilmetacrilato, polilactidos

poliglicólidos

e copolímeros

"" cimentos: cimentos dede fosfato

cimentos: cimentos

fosfato dede cálcio (CP)

cálcio (CP)

uma- TCP

uma-

uma-

uma-

TCP eeee oooo correspondente b- TCP diferem uns dos outros

TCP

TCP

correspondente b- TCP diferem uns dos outros emememem propriedades biológicas.

correspondente

correspondente

b-

b-

TCP diferem uns dos outros

TCP diferem uns dos outros

propriedades biológicas.

propriedades biológicas.

propriedades biológicas.

Atualmente, ooo b-

Atualmente,

Atualmente,

b-

b- OOO TCP

TCP ééé preferido

TCP

preferido ememem cirurgia dentária.

preferido

cirurgia dentária.

cirurgia dentária.

Em geral, tanto TCP e HA tem boa biocompatibilidade, com propriedades osteocondutoras, sem

efeitos colaterais tóxicos ouou imunogénicas

efeitos colaterais tóxicos

imunogénicas (( Kao

Kao ee Scott, 2007; Vaccaro et al., 2002, Schnürer et al.,

Scott, 2007; Vaccaro et al., 2002, Schnürer et al.,

2003

2003

).). cerâmica sintéticos não possuem nenhum osteogénico ouou propriedades osteoindutoras, ee

cerâmica sintéticos não possuem nenhum osteogénico

propriedades osteoindutoras,

demonstrar o apoio estrutural imediata mínima. Quando ligado ao osso saudável, osteóide é

produzido directamente sobre as superfícies de cerâmica, na ausência de uma suave

A.

A.

A.

Kolk et al. /// Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia 404040 (2012) 706 eee 718

Kolk et al.

Kolk et al.

Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia

Journal of Cranio-Maxilo-Facial Cirurgia

(2012) 706

(2012) 706

718

718

711

interface para o tecido. Consequentemente, os mineraliza osteóide e o novo osso resultando sofre 353535353535353535 eeeeeeeee
interface para o tecido. Consequentemente, os mineraliza osteóide e o novo osso resultando sofre
353535353535353535 eeeeeeeee 50%
50%
50%
50%
50%
50%
50%
50%
50% eeeeeeeee umumumumumumumumum diâmetro
diâmetro
diâmetro
diâmetro
diâmetro
diâmetro dedededededededede poro
diâmetro
diâmetro
diâmetro
poro
poro dedededededededede 100
poro
poro
poro
poro
poro
poro
100
100
100
100
100
100
100
100
eeeeeeeee 300
300
300
300
300
300
300
300
300
mmmmmmmmm mmmmmmmmm ééééééééé vulgarmente utilizado ((((((((( Fleming et al., 2000 ).).).).).).).).). Além
vulgarmente utilizado
vulgarmente utilizado
vulgarmente utilizado
vulgarmente utilizado
vulgarmente utilizado
vulgarmente utilizado
vulgarmente utilizado
vulgarmente utilizado
Fleming et al., 2000
Fleming et al., 2000
Fleming et al., 2000
Fleming et al., 2000
Fleming et al., 2000
Fleming et al., 2000
Fleming et al., 2000
Fleming et al., 2000
Além
Além
Além
Além
Além
Além
Além
Além
remodelação. Ambos TCP-cerâmica e HA são altamente biocompatível. Elas diferem, no entanto, na
disso, ooo tamanho
disso,
disso,
tamanho
tamanho dedede poro parece afectar
poro parece afectar aaa biocompatibilidade
poro parece afectar
biocompatibilidade dedede cerâmica (por exemplo,
biocompatibilidade
cerâmica (por exemplo, b- TCP).
cerâmica (por exemplo,
b- TCP).
b-
TCP).

resposta biológica criada no local de acolhimento: TCP poroso é removido do local do implante de

osso cresce no andaime; HA ismore permanente. As camadas superficiais da TCP melhorar

bondingwith osso hospedeiro adjacente. Este estimula a reabsorção osteoclástica e formação de

porosidade maior e menor densidade do material cerâmico fornece uma área de superfície maior

para a vascularização e crescimento ósseo. Um tamanho de poro superior está correlacionada com

aumento dadada compatibilidade

umumum aumento

aumento

compatibilidade

compatibilidade ininin vitro

vitro ((( Naujoks et al., 2011 ).).). Além disso ososos tamanhos

vitro

Naujoks et al., 2011

Naujoks et al., 2011

Além disso

Além disso

tamanhos

tamanhos eee volumes

volumes dedede

volumes

osso novo osteoblástica dentro osso novo osteoblástica dentro osso novo osteoblástica dentro dododo implante reabsorvido (((
osso novo osteoblástica dentro
osso novo osteoblástica dentro
osso novo osteoblástica dentro dododo implante reabsorvido ((( Horch et al., 2006; Mittelmeier et al.,
implante reabsorvido
implante reabsorvido
Horch et al., 2006; Mittelmeier et al., 1998
Horch et al., 2006; Mittelmeier et al.,
1998
1998
).).).
poro mínimo pode completar espalhar do material cerâmico com a ocorrer um novo osso. Em
Embora HA cerâmicas sinterizadas são amplamente utilizado, a sua bioresorbability é tão baixa que
tamanhos de poros menores crescimento ósseo é possível apenas na superfície externa da cerâmica
oo HAHA permanece
permanece nono corpo durante umum longo período dede tempo após oo implante
corpo durante
longo período
tempo após
implante (( Kamitakahara et al.,
Kamitakahara et al.,
((( Schnürer et al., 2003 ).).). Dependendo
Schnürer et al., 2003
Schnürer et al., 2003
Dependendo dododo tamanho
Dependendo
tamanho
tamanho dadada superfície
superfície aaa que
superfície
que ooo ambiente biológico ééé exposto
que
ambiente biológico
ambiente biológico
exposto
exposto

2008

2008

).). HAHA foi estabelecida como uma excelente transportador dede factores

foi estabelecida como uma excelente transportador

factores dede crescimento

crescimento

poros maiores podem acelerar a absorção e a adesão celular, bem como a fixação do osteóide. Após

osteoindutores e as populações de células osteogénicas, que contribuem grandemente para a sua

incorporação destes últimos, cerâmica lentamente ganhar resistência mecânica semelhante à do

utilidade como veículos dedede administração bioactivos nonono futuro

utilidade como veículos

utilidade como veículos

administração bioactivos

administração bioactivos

futuro

futuro ((( Noshi et al., 2000 ).).). TCP mostram

Noshi et al., 2000

Noshi et al., 2000

TCP mostram

TCP mostram

osso esponjoso ((( Ransford et al.,

osso esponjoso

osso esponjoso

Ransford et al.,

Ransford et al., 1998

1998

1998

).).). UmUmUm dos materiais modernos sinteticamente ééé

dos materiais modernos sinteticamente

dos materiais modernos sinteticamente

melhores características de degradação durante a regeneração do osso quando comparado com HA

Maxresorb"(botiss dental GmbH, Berlim, Alemanha), que é um material de substituição óssea

(((( LuLuLuLu et al., 2002

et al., 2002 ).).).). EmEmEmEm defeitos

et al., 2002

et al., 2002

defeitos dededede tamanho crítico nonloaded

defeitos

defeitos

tamanho crítico nonloaded aaaa degradação também éééé muito lento (((( Handschel

tamanho crítico nonloaded

tamanho crítico nonloaded

degradação também

degradação também

degradação também

muito lento

muito lento

muito lento

Handschel

Handschel

Handschel

sintética 100%. A composição à base de síntese, que é composto por 60% lentamente absorção de

et al., 2002 ).). AA degradação dos materiais segue umum processo hidrolítico; osos restos

et al., 2002

degradação dos materiais segue

processo hidrolítico;

restos dede cerâmica

cerâmica

HAHAHA eee 40%

40% b- TCP resulta

40%

b- TCP resulta ememem duas fases dedede actividade mineral diferentes. Maxresorb "suporta

b-

TCP resulta

duas fases

duas fases

actividade mineral diferentes. Maxresorb "suporta

actividade mineral diferentes. Maxresorb "suporta

integrados intratrabeculares subjacentes a um processo de remodelação dinâmica e irá ser

completamente substituído por osso natural ((( Daculsi et al.,

completamente substituído por osso natural

completamente substituído por osso natural

Daculsi et al.,

Daculsi et al., 1990; Horch et al., 2006

1990; Horch et al., 2006 ).).). EmEmEm contraste

1990; Horch et al., 2006

contraste

contraste

com enxertos autógenos, cerâmicas de fosfato de cálcio do osso não mostram genes ou

propriedades indutivas ósseas ((( Schnürer et al., 2003; Vaccaro et al., 2002 ).).).

propriedades indutivas ósseas

propriedades indutivas ósseas

Schnürer et al., 2003; Vaccaro et al., 2002

Schnürer et al., 2003; Vaccaro et al., 2002

formação newbone substituindo o mesmo volume do defeito, o que resulta em osso recentemente

formado ee aa estabilidade mecânica. AA condutividade

formado

estabilidade mecânica.

condutividade dede osso Maxresorb" éé obtido através dede uma

osso Maxresorb"

obtido através

uma

montagem de matriz optimizada de poros interligados com até 80% de porosidade e tamanhos de

poro dededededede 200

poro

poro

poro

poro

poro

200

200

200

200

200

eeeeee 800

800

800

800

800

800

mmmmmm mmmmmm eeeeee está disponível emememememem granulados,

está disponível

está disponível

está disponível

está disponível

está disponível

granulados,

granulados,

granulados,

granulados,

granulados, ouououououou blocos

blocos emememememem forma cilíndrica. Ostim" (Heraeus

blocos

blocos

blocos

blocos

forma cilíndrica. Ostim" (Heraeus

forma cilíndrica. Ostim" (Heraeus

forma cilíndrica. Ostim" (Heraeus

forma cilíndrica. Ostim" (Heraeus

forma cilíndrica. Ostim" (Heraeus

Kulzer, Hanau, Alemanha) é um, nano-cristalino e totalmente sintético de fase pura de HA

incorporado ememem umumum HHH 222 OOO transportador.

incorporado

incorporado

transportador. AAA composição química eee aaa estrutura cristalina dododo seu

transportador.

composição química

composição química

estrutura cristalina

estrutura cristalina

seu

seu

Quando o fabrico de cerâmica sintéticos, substâncias em pó são utilizados com um processo de

sinterização aa alta pressão, submetidos

sinterização

alta pressão, submetidos aa temperaturas que variam 1000-1500 ($($ CC Schnürer et al.,

temperaturas que variam 1000-1500

Schnürer et al.,

2003; Vaccaro et al., 2002 ).). AA relação cálcio // fósforo biologicamente toleráveis ​​das cerâmicas

2003; Vaccaro et al., 2002

relação cálcio

fósforo biologicamente toleráveis ​​das cerâmicas

resultantes está entre 1,5 (TCP) eee 1,67 (HA) ((( Schnürer et al., 2003 ).).).

resultantes está entre 1,5 (TCP)

resultantes está entre 1,5 (TCP)

1,67 (HA)

1,67 (HA)

Schnürer et al., 2003

Schnürer et al., 2003

componente de fosfato de cálcio são idênticos aos dos ossos naturais. Em contraste com outros

materiais dedede que

materiais

materiais

que ééé não-sinterizado,

que

não-sinterizado, ooo que leva aaa uma grande especificidade

não-sinterizado,

que leva

que leva

uma grande especificidade

uma grande especificidade fififi ccc superfície. Devido aoaoao

superfície. Devido

superfície. Devido

pequeno tamanho de partícula é optimamente reabsorvível. Ostim é osteocondutor, então a nova

formação do osso é acelerado. Adapta-se o papel de um quadro de novos ossos. No curso do

processo de cura, Ostim é fagocitado, completamente invadido por osso e substituído por ósseo

autólogo.

Em contraste com a cerâmica a partir de materiais biológicos, a cerâmica sintéticos criados

através de sinterização mostram um sistema de interligao de poros pobre. Para criar uma superfície

áspera, umumum processo

áspera,

áspera,

processo dedede fabricação especial deve ser utilizado

processo

fabricação especial deve ser utilizado ((( Schnürer et al., 2003 ).).).

fabricação especial deve ser utilizado

Schnürer et al., 2003

Schnürer et al., 2003

Certos pequenas diferenças na estrutura química e composição cristalina das várias

tri-cálcio-fosfatos pode ter uma grande ememem flflfl influência sobre asasas suas propriedades físicas

tri-cálcio-fosfatos pode ter uma grande

tri-cálcio-fosfatos pode ter uma grande

influência sobre

influência sobre

suas propriedades físicas

suas propriedades físicas ininin vivo.

vivo.

vivo.

Cerâmica mostram maior resistência mecânica, devido a uma maior densidade e cristalização e,

portanto, eles são mais lentamente degradado ((( Vaccaro et al., 2002 ).).). resistência biomecânica eee aaa

portanto, eles são mais lentamente degradado

portanto, eles são mais lentamente degradado

Vaccaro et al., 2002

Vaccaro et al., 2002

resistência biomecânica

resistência biomecânica

densidade dededede raios-x são também

densidade

densidade

densidade

raios-x são também emememem flflflfl influenciadas pela gama

raios-x são também

raios-x são também

influenciadas pela gama

influenciadas pela gama

influenciadas pela gama dadadada porosidade

porosidade

porosidade

porosidade dadadada cerâmica

cerâmica

cerâmica

cerâmica (((( Kao

Kao eeee

Kao

Kao

Scott dede 2007

Scott

2007 ).).

porosidade dada cerâmica desempenha umum papel crucial nana integração óssea (( Kao

AA porosidade

cerâmica desempenha

papel crucial

integração óssea

Kao ee Scott,

Scott,

2007; Schnürer et al., 2003 ).).).). Os poros que variam emememem tamanho 150-500 mmmm mmmm são óptimas para

2007; Schnürer et al., 2003

2007; Schnürer et al., 2003

2007; Schnürer et al., 2003

Os poros que variam

Os poros que variam

Os poros que variam

tamanho 150-500

tamanho 150-500

tamanho 150-500

são óptimas para asasasas

são óptimas para

são óptimas para

actividades interfaciais dede engenharia,

actividades interfaciais

engenharia, aa penetração dos ossos

penetração dos ossos ee aa absorção

absorção dodo implante

implante (( Hertz

Hertz ee

Bruce dededede 2007

Bruce

Bruce

Bruce

2007

2007

2007

)))) (((( AAAA Fig.

Fig. 6666 ).).).). Fleming et al. relatam que TCP com uma porosidade

Fig.

Fig.

Fleming et al. relatam que TCP com uma porosidade dededede

Fleming et al. relatam que TCP com uma porosidade

Fleming et al. relatam que TCP com uma porosidade

Fig. 6. Morfologia ee aa microestrutura Fig. 6. Morfologia microestrutura dede HAHA (imagem SEM, magn. (imagem
Fig. 6. Morfologia ee aa microestrutura
Fig. 6. Morfologia
microestrutura dede HAHA (imagem SEM, magn.
(imagem SEM, magn. XX 50).
50).

4.3.

4.3.

4.3.

uma- TCP

uma-

uma-

TCP (Biobase ")")")

TCP (Biobase

(Biobase

-Fase pura

-Fase pura

-Fase

pura uma-

uma-

uma- TCP

TCP consiste ememem grânulos

TCP consiste

consiste

grânulos dedede substituição óssea bioabsorvíveis

grânulos

substituição óssea bioabsorvíveis

substituição óssea bioabsorvíveis eee porosos

porosos dedede

porosos

longa duração, que têmtêmtêm umumum tempo

longa duração, que

longa duração, que

tempo

tempo dedede absorção

absorção

absorção dedede até

até 242424 meses. Principalmente uma-

até

meses. Principalmente

meses. Principalmente

uma-

uma- OOO TCP

TCP ééé

TCP

espontaneamente solúvel nonono corpo, mas alguns

espontaneamente solúvel

espontaneamente solúvel

corpo, mas alguns uma- TCP converte espontaneamente ememem HA,

corpo, mas alguns

uma- TCP

uma-

TCP converte espontaneamente

converte espontaneamente

HA, dedede

HA,

modo que éé radiologicamente detectável nono local

modo que

radiologicamente detectável

local dede implantação por muitos anos (( Wiltfang et al.,

implantação por muitos anos

Wiltfang et al.,

2002 2002

Esta éé aa grande diferença para

).). Esta

grande diferença para aa fase-puro.

fase-puro.

4.4. 4.4.

4.4.

4.4.

4.4.

4.4.

b- b- b- b- b- TCP (Cerasorb M", Vitoss) [Ca 333333 (((((( POPOPOPOPOPO 4)

b- TCP (Cerasorb M", Vitoss) [Ca

TCP (Cerasorb M", Vitoss) [Ca

TCP (Cerasorb M", Vitoss) [Ca

TCP (Cerasorb M", Vitoss) [Ca

TCP (Cerasorb M", Vitoss) [Ca

4) 2]

4) 2]

4) 2]

4) 2]

4) 2]

2]

b- b- TCP

TCP (>(> 99%)

99%) éé absorbedwithin completamente umum fewmonths

absorbedwithin completamente

fewmonths nono local

local dede implantação

implantação

através da formação simultânea de novo osso (restitutio ad integ