Você está na página 1de 7

Apresentação

Urgências e Emergências – Aula I


• Urgências e Emergências são temas bastante discutidos
entre as equipes de enfermagem, e talvez, um dos assuntos
de maior interesse dos profissionais iniciantes de
enfermagem e dos estudantes dos cursos profissionalizantes
da área.
• Esta disciplina é destinada a todos os profissionais de
enfermagem – auxiliares técnicos e enfermeiros – que têm
interesse pelo tema, assim como aos estudantes do curso
profissionalizante da área de enfermagem.
• Além de abordar as urgências e emergências como um todo,
comenta sobre os materiais e equipamentos que devem ser
utilizados, facilitando assim o trabalho de toda a equipe.
Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

Conceitos básicos Conceitos básicos


• Para entender o assunto dos demais tópicos, é preciso • Vômito e diarreia, acompanhados ou não por estado
aprender alguns conceitos e diferenciá-los para que o febril abaixo de 39°C;
aprendizado torne-se mais fácil: • Sangramentos e ferimentos leves e moderados.
• Urgência: ocorrência imprevista de danos à saúde em • Emergência: constatação médica de condições de danos
que não ocorre o risco de vida, ou seja, o indivíduo à saúde, que implicam em risco de vida, exigindo
necessita de atendimento médico mediato. Consideramos tratamento médico imediato. Consideramos alta
prioridade moderada de atendimento. Exemplo: prioridade de atendimento. Exemplo:
• Dor torácica sem complicações respiratórias; • Parada cardiorrespiratória (PCR);
• Alguns tipos de queimaduras; • Dor torácica acompanhada de desconforto respiratório;
• Fraturas sem sinais de choques ou outras lesões mais • Politraumatismos em geral;
sérias; • Hemorragias de alta intensidade;
Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

1
Conceitos básicos Conceitos básicos
• Queimaduras extensas; • Sala de Emergência: local destinado e equipado dentro
• Perda do nível de consciência; do Pronto-Socorro para atendimento de Urgências e
• Intoxicações em geral; Emergências, independente de sua procedência;
• Ferimento por arma de fogo (FAF); • Recursos:
• Ferimentos por arma branca (FAB); • Humanos: são as equipes de enfermagem e médica que
atuam durante as urgências e emergências;
• Estados de choque de qualquer causa;
• Materiais: equipamentos e materiais que as salas de
• Estado febril acima de 40°C; emergências devem ter, necessários para estabilizar o
• Gestações em curso com complicações. quadro clínico do paciente;
• Pronto-Socorro: local destinado ao atendimento das • Serviços: todo o pessoal de apoio como laboratórios,
urgências e emergências constatadas. bancos de sangue e centros de diagnósticos por imagem.
Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

Conceitos básicos Conceitos básicos


• Existe outro tipo de atendimento, com grau de • É de extrema importância que o pessoal que trabalha em
prioridade mínimo, ou seja, sem risco nenhum de vida ao atendimento de Urgência e Emergência esteja bem
paciente, que é encaminhado aos locais de atendimento treinado e saiba priorizar o estado do paciente.
de Urgência e Emergência, ou seja, nos Prontos-Socorros, • Além dos profissionais bem preparados, é importante que
mas não se classificam por atendimento como tais: o Pronto-Socorro esteja localizado em uma estrutura
• Estado de dor crônico; hospitalar, o que facilita a resolução do quadro do
• Cefaleias e enxaquecas; paciente. Essa conceituação destaca a necessidade de
• Distensões e luxações; um atendimento imediato, de acordo com a intensidade.
Trata-se então do elo entre o hospital e a comunidade,
• Fraturas de pequeno porte; devendo portanto, estar situado ao nível da rua,
• Queimaduras de 1° grau permitindo sem menor dificuldade de tráfego, a entrada
• Infecções em geral. e saída dos veículos que transportam os pacientes.
Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

2
Política Nacional de Atenção
Conceitos básicos
as Urgências e Emergências
• A área de Urgência e Emergência compreende até o • Buscando sempre o acolhimento com classificação de
atendimento pré-hospitalar (APH), cujo atendimento é risco e resolutividade, a organização da Rede de
prestado nos locais onde a vítima se encontra e, hospitalar, Urgência e Emergência (RUE) tem a finalidade de
realizado nos prontos-socorros. Esse tipo de atendimento articular e integrar todos os equipamentos de saúde com
exige profissionais de saúde qualificados que possam o objetivo de ampliar e qualificar o acesso humanizado e
oferecer cuidados imediatos e seguros aos pacientes em integral aos usuários em situação de
estado grave e que apresentam risco de morte. urgência/emergência nos serviços de saúde, de forma
• O APH tem interfaces múltiplas, pois se relaciona com o ágil e oportuna.
paciente, seus familiares, com outras instituições da saúde,
• Dentro da atual Política Nacional de Atenção às
com instituições fora da saúde, em especial vinculadas à
Urgências temos:
segurança pública e controle de trânsito, e por decorrência,
com a sociedade como um todo.

Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

Política Nacional de Atenção Política Nacional de Atenção


as Urgências e Emergências as Urgências e Emergências
• Componente pré – hospitalar; • Componente Pós-Hospitalar;
• UBS (ESF) e outros: acolhimento, capacitação, • Modalidades de Atenção Domiciliar;
estruturação física e grade de referência; • Hospitais-Dia;
• UPA: estrutura intermediária; • Projetos de reabilitação integral com componente de
• Móvel: SAMU 192; reabilitação de base comunitária.
• Regulação médica;
• Atendimento Pré-Hospitalar;
• Transporte e transferência de pacientes graves;
• Componente hospitalar constituído das portas de
entradas hospitalares definidos no regulamento técnico;

Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

3
Política Nacional de Atenção Política Nacional de Atenção
as Urgências e Emergências as Urgências e Emergências
• São algumas Portarias que regulam a Rede de Urgência e • Portaria Nº 1.601, de 7 de julho de 2011 - Estabelece
Emergência: diretrizes para a implantação do componente Unidades
• Portaria N° 2.048, de 05 de novembro de 2002 – Aprova o de Pronto-Atendimento (UPA 24h) e o conjunto de
Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência serviços de urgência 24 horas da Rede de Atenção às
e Emergência. Urgências, em conformidade com a Política Nacional de
• Portaria Nº 1.600, de 07 de julho de 2011 - Reformula a Atenção às Urgências;
Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a • Portaria Nº 2.026, de 24 de agosto de 2011 - Aprova as
Rede de Atenção às Urgências no SUS. diretrizes para a implantação do Serviço de Atendimento
• Portaria Nº 2.029, de 24 de agosto de 2011 - Institui a Móvel de Urgência (SAMU 192) e sua Central de
atenção domiciliar no âmbito do SUS. Regulação Médica das Urgências, componente da Rede de
Atenção às Urgências;

Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

Política Nacional de Atenção Política Nacional de Atenção


as Urgências e Emergências as Urgências e Emergências
• Atualmente e, de acordo com a Portaria N° 354, de 10 de • Recursos Humanos: todo Serviço de Urgência e
março de 2014, publica a proposta de projeto de resolução Emergência deve dispor dos seguintes profissionais de
“Boas Práticas para Organização e Funcionamento de saúde:
Serviços de Urgência e Emergência”, ainda dispõe sobre • Um Responsável Técnico com formação médica,
alguns requisitos:
legalmente habilitado;
• Possuir estrutura organizacional documentada;
• O médico responsável técnico pode assumir a
• Preservar a identidade e a privacidade do paciente, responsabilidade por 1 (um) Serviço de Urgência e
assegurando um ambiente de respeito e dignidade; Emergência;
• Promover um ambiente acolhedor;
• No caso de ausência do responsável técnico, o serviço
• Oferecer orientação ao paciente e aos familiares em deve contar com um profissional legalmente habilitado
linguagem clara, sobre o estado de saúde e a assistência a para substituí-lo;
ser prestada, desde a admissão até a alta.
Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

4
Política Nacional de Atenção Política Nacional de Atenção
as Urgências e Emergências as Urgências e Emergências
• Todo Serviço de Urgência e Emergência deve dispor de • Equipe de enfermagem em quantidade suficiente para o
equipe médica em quantidade suficiente para o atendimento durante 24 horas em todas as atividades
atendimento durante 24 horas; correspondentes;
• O Serviço de Urgência e Emergência de maior • Todos os profissionais dos Serviços de Urgência e
complexidade deve contar com profissionais Emergência devem ser vacinados de acordo com a
especializados de acordo com o perfil de atenção, normativa nacional vigente;
capacitados para atendimento das urgências e • O Serviço de Urgência e Emergência deve promover
emergências; treinamento e educação permanente em conformidade
• Um enfermeiro exclusivo da unidade, responsável pela com as atividades desenvolvidas, a todos os profissionais
coordenação da assistência de enfermagem; envolvidos na atenção aos pacientes, mantendo
disponíveis os registros de sua realização e da
participação destes profissionais.
Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

Política Nacional de Atenção Política Nacional de Atenção


as Urgências e Emergências as Urgências e Emergências
• Infraestrutura física: o Serviço de Urgência e Emergência • Área externa coberta para entrada de ambulâncias; Sala de
deve dispor de infraestrutura física dimensionada de recepção e espera, com banheiros para usuários; Sala para
acordo a demanda, complexidade e perfil assistencial da arquivo de Prontuários ou Fichas de Atendimento do
unidade, garantindo a segurança e a continuidade da Paciente; Sala de classificação de risco; Área para
assistência ao paciente. higienização; Consultórios; Sala para assistente social; Sala
de procedimentos com área para sutura, recuperação,
• O Serviço de Urgência e Emergência deve garantir,
hidratação, e administração de medicamentos; Área para
conforme o perfil assistencial, o acesso independente
nebulização; Sala para reanimação e estabilização; Salas
para pediatria. para observação e isolamento; Posto de enfermagem;
• O Serviço de Urgência e Emergência deve possuir de Banheiro completo; Depósito para resíduos sólidos; Depósito
acordo com o perfil de atenção, os seguintes ambientes: para material de limpeza; Vestiários e banheiros para
profissionais; Farmácia; Almoxarifado.

Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

5
Política Nacional de Atenção Política Nacional de Atenção
as Urgências e Emergências as Urgências e Emergências
• Os Serviços de Urgência e Emergência que prestam • Sistema de energia elétrica de emergência para os
atendimento cirúrgico devem contar em sua área física equipamentos de suporte à vida e para os circuitos de
ou no estabelecimento onde estiver inserido, com: iluminação de urgência; Circuitos de iluminação
• Centro Cirúrgico; Áreas de apoio técnico e logístico. distintos, de forma a evitar interferências
• O Serviço de Urgência e Emergência que presta eletromagnéticas nos equipamentos e nas instalações;
atendimento traumatológico e ortopédico deve contar Sistema de abastecimento de gás medicinal, com ponto
em sua área física ou no estabelecimento onde está de oxigênio, e ar medicinal nas salas de nebulização, sala
inserido, com sala para redução de fraturas e colocação de observação e sala de reanimação e estabilização.
de gesso. • O Serviço de Urgência e Emergência deve possuir áreas
• O Serviço de Urgência e Emergência deve possuir em suas de circulação e portas dimensionadas para o acesso de
instalações: macas e cadeiras de rodas.

Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

Política Nacional de Atenção Política Nacional de Atenção


as Urgências e Emergências as Urgências e Emergências
• Materiais e equipamentos: o Serviço de Urgência e • Máscara para ventilador adulto e infantil; Ventilador
Emergência deve manter disponível na unidade: mecânico adulto e infantil; Foco cirúrgico portátil; Foco
• Estetoscópio adulto e infantil; Esfigmomanômetro adulto cirúrgico com bateria; Negatoscópio; Máscaras, sondas,
e infantil; Otoscópio adulto e infantil; Oftalmoscópio; drenos, cânulas, pinças e cateteres para diferentes usos;
Laringoscópio adulto e infantil; Material para
Espelho laríngeo; Ventilador manual e reservatório adulto
traqueostomia; Equipos de macro e microgotas; Material
e infantil; Desfibrilador; Marca-passo externo; Monitor
para pequena cirurgia; Colares de imobilização cervical
cardíaco; Oxímetro de pulso; Eletrocardiógrafo;
tamanhos P, M y G; Prancha longa para imobilização do
Equipamentos para aferição de glicemia capilar; paciente em caso de trauma; Prancha curta para massagem
Aspiradores; Bombas de infusão com bateria e equipo cardíaca; Equipamentos necessários para reanimação
universal; Cilindro de oxigênio portátil e rede canalizada cardiorrespiratória; Medicamentos para assistência em
de gases, definido de acordo com o porte da unidade; urgências e emergências; Poltrona removível destinada ao
Cama hospitalar com rodas e grades laterais; acompanhante.
Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

6
Política Nacional de Atenção Política Nacional de Atenção
as Urgências e Emergências as Urgências e Emergências
• O Serviço de Urgência e Emergência deve: • O Serviço de Urgência e Emergência deve ter disponível,
• Manter instruções escritas, de uso e manutenção, para o transporte de pacientes, materiais e medicamentos
referentes a equipamentos ou instrumentos, as quais de acordo com as necessidades de atendimento.
podem ser substituídas ou complementadas pelos • Todo paciente grave deve ser transportado com
manuais do fabricante; Assegurar o estado de integridade acompanhamento contínuo de um médico e de um
do equipamento; Registrar a realização das manutenções profissional de enfermagem, com habilidade comprovada
preventivas e corretivas. para atendimento de urgência e emergência, inclusive
cardiorrespiratória.
• Os medicamentos, materiais, equipamentos e
• O transporte do paciente deve ser realizado de acordo com
instrumentos utilizados, nacionais e importados,
o manual de normas, rotinas e procedimentos estabelecidos
regularizados de acordo com a normativa nacional
pela equipe do serviço de forma de garantir a continuidade
vigente.
da assistência.
Prof. Dr. Douglas David de Oliveira Prof. Dr. Douglas David de Oliveira

Política Nacional de Atenção


as Urgências e Emergências
• O Serviço de Urgência e Emergência deve manter
atualizadas e disponíveis, para todos os profissionais de
saúde, instruções escritas de biossegurança.

Prof. Dr. Douglas David de Oliveira